AS PERFORMANCES DO PERIGOSO E A DANÇA CONTEMPORANEA BRASILEIRA BREVES APONTAMENTOS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AS PERFORMANCES DO PERIGOSO E A DANÇA CONTEMPORANEA BRASILEIRA BREVES APONTAMENTOS"

Transcrição

1 Ano 1 Nº 4 Mai 2013 ISSN AS PERFORMANCES DO PERIGOSO E A DANÇA CONTEMPORANEA BRASILEIRA BREVES APONTAMENTOS por André Masseno Inicio aqui com uma antiquada (porém necessária) mea culpa pelo título tão pretensioso deste ensaio [1], como se eu pudesse resumir, em poucos parágrafos, duas questões tão complexas e peculiares, a saber: 1) a relação entre performance e sexualidade, que resultou em uma pesquisa empreendida por mim durante três anos no âmbito acadêmico e há uma década através de minhas produções artísticas; e 2) a imprecisão inerente ao termo dança contemporânea brasileira. Evidente que me vejo situado em um desafio extremamente audacioso, quase uma impostura em relação ao tempo dedicado a estas questões nas minhas práticas artística e acadêmica, pois estarei aqui às voltas com a exposição daquelas de modo condensado e, ainda assim, tentando ser compreensível. Porém confesso que é um desafio instigante e mobilizador. Entretanto, espero que o subtítulo deste ensaio como breves apontamentos possa ser levado em consideração para que as problematizações que se seguirão não sejam tomadas como definitivas. Na realidade, são passagens de uma investigação ainda em fluxo e que não considero finalizada, mas esta, através da escrita, será por mim temporariamente coagulada. Ao fazer estes coágulos de pensamento, eu acabo por contrair um débito que, na realidade, considero inerente a toda pesquisa: o de compartilhar com os meus possíveis leitores, os múltiplos trajetos de minhas leituras. Sendo assim, sinto-me impelido a colocar em discussão o que chamo de a performance do perigoso, que foi o fruto, ácido e ao mesmo tempo saboroso, de uma pesquisa na área de Mestrado em Literatura Brasileira na Universidade do Estado do Rio de Janeiro [2]. I Em uma série de entrevistas concedidas à pesquisadora Lisette Lagnado em 1995, o jovem artista visual José Leonilson deu a seguinte declaração: eu tenho uma coisa dentro de

2 mim que me torna perigoso. No mesmo período, o cantor de rock Cazuza, célebre pela sua irreverência e declarações provocativas, afirmou durante um show que o seu amor havia se tornado perigoso, mas que não o impediria de morrer amando. Deste modo, o adjetivo perigoso ganhava uma nuança peculiar através destes dois artistas brasileiros que, ao utilizá-lo em suas falas públicas, deixavam subentendido que portavam algo considerado ameaçador circulando em suas correntes sanguíneas; um vírus, então letal e invisível, que veio a ser cunhado como HIV. Nos dois últimos decênios do século anterior, quando houve o surgimento e a enunciação da epidemia do HIV/AIDS, artistas soropositivos como o cantor Cazuza e o artista visual Leonilson tornavam visível a tensão, naquele momento, entre a condição do sujeito portador da síndrome e a curiosidade pública. Cazuza, por exemplo, recorreu ao campo midiático para problematizar a maneira como o espaço público lidava e convivia com a imagem da epidemia e a de seus portadores, ao estampar o seu rosto na edição da revista Veja de abril de 1989, embora sob o preconceituoso título de Cazuza: uma vítima da AIDS agoniza em praça pública. Já Leonilson escolheu encenar, em seus bordados, pinturas e desenhos, uma intimidade perigosa e deslocada pelo gesto de não revelar tudo sobre si, ou seja, toda a periculosidade buscada pelo observador. Embora de modos diversos, ambos transformaram o gesto confessional (expressão enquanto sinônimo de manifestação de uma interioridade trazida à superfície) em performance corporal e discursiva, produzindo poses diante do olhar e do desejo alheios. Neste período inicial de pavor e paranoia em relação ao HIV/AIDS, quando os sujeitos infectados eram fortemente estigmatizados, posso dizer que Cazuza e Leonilson pertenceram à leva de tantos outros artistas que produziram o que chamo de a performance do perigoso, colocando em jogo a tensão entre a enunciação e a não-enunciação da soropositividade nas esferas pública, artística e/ou privada. Quando enunciada, seja em declarações públicas ou em práticas artísticas, a síndrome podia se apresentar de duas maneiras: a primeira, pela sua enunciação explícita embora isso não significasse que o artista estivesse dizendo a mais pura verdade sobre a sua experiência de conviver com a doença; a segunda, sob o disfarce da abordagem deslizante sobre o vírus, tal qual empreendida por Leonilson na obra intitulada O perigoso (1992), constituída por uma pequena mancha escurecida sobre uma folha branca de papel. Esta mancha no papel, na realidade, é uma gota de sangue ressecada do artista. Aqui, a síndrome é entrevista pela apropriação de Leonilson da imagem do sangue e seus emblemas: o sangue perigoso, o sangue como arma letal, o sangue como dispêndio, o sangue como uma memória pulsante.

3 Neste contexto, a performance do perigoso configura-se como a encenação de uma pose corporal situada entre o confronto e a resposta, astuciosa e oblíqua, à estigmatização de corpos soropositivos/aidéticos. Até o presente momento, pretendi demarcar o ponto de partida histórico-cultural que fundamentou a minha argumentação de uma performance do perigoso, que tem como herança o debate crítico-literário a respeito das produções artística e midiática sobre o HIV/AIDS no final do século anterior. Porém, não considero a performance de perigoso uma noção estritamente datada, somente relacionada aos contextos artístico-culturais dos decênios de 1980 e 1990, mas sim como um operador de leitura, não pragmático e flexível, que pode abranger produções artísticas de décadas subsequentes e que lidam com questões de gênero e de sexualidade. Sendo assim, permito-me apropriar desta noção para empreender uma leitura breve e nada exaustiva de duas produções da dança contemporânea brasileira que colocam em xeque o desejo da esfera social de normatização e catalogação de comportamentos sexuais considerados dissidentes. Produções que são perigosas por evidenciarem que as estruturas binárias homem/mulher, masculino/feminino, homossexual/heterossexual, são precárias e insuficientes para dar conta dos corpos e dos desejos na contemporaneidade. No entanto, como rapidamente apontei no início deste ensaio, friso que dança contemporânea brasileira é um termo plural por abraçar modos diferentes de se pensar e fazer dança; termo do qual se desprendem três questões que considero relevantes e abrangentes, que são: 1) o que é a dança; 2) o que é o contemporâneo; e 3) o que é (identificar algo como) brasileiro. São questões inconclusas por se esquivarem de qualquer resposta definitiva e categórica, já que existem várias danças contemporâneas, várias frentes de leitura do que é e quando uma obra e um tempo podem ser chamados de contemporâneos; várias maneiras de problematizar, ler e identificar registros imagético-culturais que possam nos levar a enunciar uma dança como brasileira. Embora o tempo aqui seja exíguo para desenvolver estas perguntas com maior acuidade, eu as suscito pela minha necessidade em fazer um recorte preciso, ainda que provisório, na dita dança contemporânea brasileira, no intuito de ressaltar a noção de uma performance do perigoso no cerne daquela. Logo, concentro a minha leitura do perigoso sobre duas produções de dança da atualidade, de caráter solo e autoral, concebidas e performadas por artistas do sexo masculino, que executam estratégias artísticas que embaralham as relações entre sexualidade e gênero, ao colocarem em cena um corpo em crise com o ideal de masculinidade. Mas antes de nos direcionarmos aos trabalhos que aqui pretendo discutir, qual é a noção de masculinidade a qual me refiro? O que a caracteriza e o que a faz ser posta em

4 contato estreito e direto com o corpo biologicamente masculino? Podemos dizer que existe uma masculinidade única ou várias constituições da mesma? Em linhas gerais, proponho pensarmos a masculinidade como prática normativa que, para se inscrever nos corpos biologicamente masculinos, precisa ser continuamente reiterada, como podemos averiguar, por exemplo, nos atos iniciáticos ocidentais que marcam a passagem do menino para homem. Para constituir-se como tal, a masculinidade faz-se enquanto um dispositivo regulatório, no intuito de distanciar tudo aquilo que possa colocá-la em risco, que possa invalidar o seu projeto de inscrever no corpo, como dado natural, a equação sexo masculino = gênero masculino. Logo, a masculinidade é uma produção de controle que, para garantir a eficiência de sua operação normativa, faz o sujeito nascido biologicamente no sexo masculino incorporar e enunciar uma recusa a tudo aquilo que é visto como informe e abjeto, isto é, aos comportamentos, corpos e sexualidades considerados desviantes. Nisto, dá-se o afastamento de registros como o da sensibilidade, da delicadeza e da interioridade, já que estes se encontram culturalmente relacionados à feminidade; busca-se uma diferenciação absoluta entre os sujeitos masculinos e femininos, assim como entre os corpos do sexo masculino e os do sexo feminino; alicerça-se uma repulsa à homossexualidade e a outras manifestações abertamente sexuais, amorosas e/ou afetivas que possam existir entre indivíduos do mesmo sexo. A masculinidade a qual me refiro se revela enquanto uma ficção cultural e heteronormativa, que se mantém pela sua repetição constante, dissimulada e compulsória, moldando e tornando socialmente aceitável uma imagem masculina de força, hegemonia e poder, em detrimento de outras identidades de gênero, tais como as multiplicidades do feminino e as dos sujeitos transgêneros e até mesmo as do masculino. Se recuarmos rapidamente na história da dança ocidental sendo mais preciso, na história da dança como espetáculo, enxergaremos instantes nos quais a estratégia reiterativa da masculinidade ora foi estabilizada, ora foi fissurada pelos corpos que a constituíam. Tomemos como exemplo a estrutura disciplinar poderosa da técnica do balé clássico tal como aplicada no século XIX, que, além de promover o conhecimento e o método de uma prática de dança, também circunscrevia os corpos em uma grade comportamental que afirmava condições pré-estabelecidas das identidades de gênero entre os componentes de um corpo de baile. Neste período, a figura masculina não podia ser emocional e cenicamente expressiva, enquanto, paradoxalmente, o coreógrafo e o produtor eram homens e figuras centrais no poder, ditando a organização coreográfica e a maquinaria do espetáculo. O foco de atenção direcionava-se à bailarina, que então tinha o seu corpo controlado pelo olhar masculino ao lhe depositar imagens de graciosidade; olhar que a idealizava sobre uma condição etérea, e que

5 desumanizava cenicamente o seu corpo através de imagens de sílfides, cisnes e fadas, retirando-lhe a devida carnalidade. No período do balé romântico, o bailarino era considerado inapto para representar o status de homem que então vigorava, isto é, o de um sujeito burguês, branco, racional e não dominado pelas emoções. Por enquanto, o que importava era a crítica à inoperância do corpo do bailarino para representar cenicamente as figurações sociais do homem na esfera pública. A paranoia a respeito da falibilidade da concomitância entre gênero masculino e heterossexualidade ainda não estava em jogo nos palcos e bastidores do balé. A sexualidade do bailarino torna-se-á um problema, silencioso e silenciado, a partir do início do século XX, quando é tornada pública a relação amorosa entre o bailarino e coreógrafo Nijinski e o fundador do Ballets Russes Serge Diaghilev. A (homos)sexualidade, transformada em estigma, assombrará o corpo do bailarino, independentemente de sua orientação sexual: se demonstrar uma graciosidade de movimentos, será chamado de efeminado (uma palavra que enuncia indiretamente o sujeito como homossexual); se, por outro lado, exibir uma virilidade exagerada, suspeitar-se-á logo que esteja escondendo publicamente a sua homossexualidade ao compensá-la com o excesso de esforço muscular. Já na última metade do século XX, as representações de gênero nas formas culturais, inclusive na dança, passaram a ser levadas em consideração por alguns pesquisadores e artistas, não só por refletirem diretamente as mudanças sociais das definições de feminidade e masculinidade, mas também por se encontrarem intensamente envolvidos com os processos nos quais o gênero é construído [3]. Nas manifestações artísticas norte-americana e europeia, podemos mencionar nomes emblemáticos como os de Bill T. Jones e Stephen Petronio, além de outros tantos. Nos trópicos brasileiros, encontramos o lendário grupo carioca Dzi Croquettes nos meados de 1970 composto por homens que criavam um jogo de afetação e travestimento através de uma apropriação bem abrasileirada do registro do jazz dance americano. E justamente aqui, após este rápido panorama sobre as questões de gênero e sexualidade, que proponho avançar algumas décadas da história da dança brasileira, para nos concentrarmos, finalmente, nos dois trabalhos que pretendo problematizar a noção de performance do perigoso, que são os solos Ai ai ai (1995), de Marcelo Evelin, e Não alimente os animais (2010), de Ricardo Marinelli. II A primeira imagem com a qual o espectador se depara no espetáculo Ai ai ai, de Marcelo Evelin, é a de um palco vestido por uma rotunda e chão brancos, ou seja, um terreno no qual tudo e nada podem acontecer, onde tudo e nada podem ser inscritos e demarcados

6 com a presença de um corpo. Então surge Evelin, vestido de peruca loura, cílios postiços e calção prateado, calçando luvas e sapatos de salto alto pretos e empunhando um leque de plumas brancas. Ele adentra o espaço calmamente enquanto olha tranquilo para a plateia e se abana com o leque. Fica por um tempo nas ações de andar, olhar e se abanar, enquanto as caixas de som reproduzem o ruído de um farfalhar repetitivo que, mais tarde, revela-se como o chacoalhar de pompons prateados típicos das team leaders americanas, que Marcelo traz consigo acoplados a parte de trás do calção prateado, parecendo aumentar o tamanho de suas nádegas. Marcelo Evelin está montado, está toda feita, como se diz no jargão das drag queens e das travestis, respectivamente. Contudo, a presença corporal de Marcelo não é expansiva; ele não parece reforçar o que já está presentificado: um corpo masculino apropriando-se de elementos culturalmente considerados do feminino tal como utilizados pelas drag queens. O corpo masculino de Evelin, montado como uma quase drag/quase mulher, não tem o registro da paródia sobre a figura feminina (que muitas vezes algumas pesquisadoras feministas alegam entrever no modo como as drag queens se utilizam dos trajes femininos) e tampouco o tom de uma brincadeira debochada e estereotipada (que é visível, por exemplo, na maneira como alguns homens no Carnaval brasileiro se vestem e reproduzem a imagem da mulher através de gestos afetados, porém sempre realçando uma certa brutalidade na sua execução, como se estes homens se esquivassem de se identificar de fato, ou de fazer o olhar do outro os identificarem, com os gestos e jeitos de vestir ditos femininos que canhestra e publicamente reproduzem). O corpo de Marcelo vestido com uma indumentária que remete ao feminino também não é irônico na realidade, a vestimenta lhe cai belamente, e não sem propósito, já que o corpo travestido em Ai ai ai aponta a falibilidade do projeto normativo da masculinidade sobre o corpo do homem. Além disso, Ai ai ai descondiciona o olhar do público ao propor um travestimento dissociado das ideias de espetacularização e entretenimento. Um corpo travestido, porém sem glamour, coloca-se vulnerável diante dos olhos da plateia, mostrando-se como uma pin-up decadente, uma diva antiga, ou dizendo de outro modo, como o sonho envelhecido de uma identidade de gênero demarcada e precisa, que, entretanto, não condiz com a pluralidade de nossos desejos afetivos e sexuais e tampouco com o modo como enxergamos e experienciamos o nosso corpo na atualidade. Ele e ela revelam-se como discursos, como pura montagem, como um gesto enunciativo que, para se instaurar nos corpos, precisa de uma repetição que o reitere continuamente. Contudo, o corpo de Evelin em Ai ai ai revela que, se o discurso de uma identidade de gênero binominal necessita da repetição para a sua inscrição

7 nos corpos, é porque aquele, na realidade, não é de todo estável. Se a repetição é necessária, é porque os corpos relutam, recusam a ser disciplinados como evidencia a corrida de Marcelo Evelin de salto alto ao som de um chorinho brasileiro. O bailarino esforça-se para se equilibrar no salto durante a corrida, apesar de o seu corpo falhar e a respiração ficar extremamente ofegante. O corpo de Evelin desmonta-se e, portanto, frustra a afirmação de uma identidade de gênero única. Mesmo quando se desfaz do aparato de vestimenta feminino e se veste como um homem isto é, paletó, camisa, calça e sapato, o corpo de Evelin não se impõe de modo viril e autocontrolado como socialmente se espera do sujeito do sexo masculino: a sua mão balança de modo incansável e frenético, como se estivesse independente de seu corpo; sorri afetuosamente enquanto rebola o quadril ao girar um bambolê. A repetição dá-se em diferença, desautoriza e desautomatiza a plateia de qualquer leitura peremptória acerca da sexualidade e identidade de gênero daquele corpo em cena. Composta por imagens corporais delicadas e extremamente afetivas, Ai ai ai é uma obra de dança na qual enxergo uma performance do perigoso, que se dá na destituição do masculino de qualquer ação agressiva e confrontadora, resistindo, portanto, à reprodução da lei heteronormativa. É a performance do corpo masculino em estado de delicadeza e vulnerabilidade, de um corpo que também geme (vide a interjeição ai ai ai do título), que afirma que homem também chora e que, se quiser, pode ser menina, mulher, diva e, até mesmo, ser menino. Um corpo masculino que procura se desidentificar da heteronormatividade ao promover a ideia de uma masculinidade que se mostra como travestimento, ou que, também, pode sair de cena ao brincar de ser invisível como acontece no momento em que Evelin se cobre de um manto branco e desaparece por alguns segundos sobre o chão, também branco, do palco. Já o trabalho Não alimente os animais (2010), de Ricardo Marinelli, opta por um diálogo direto com a esfera pública ao revelar a existência de outras corporeidades que, muitas vezes, não são levadas em consideração no debate social. Interessado pelas questões da transexualidade e dos transgêneros, o artista desenvolve uma ação performática nos espaços urbanos onde os corpos das transexuais, ou melhor, das transmulheres, são renegados à vida noturna e à marginalidade. Categorizados e circunscritos espacialmente como animais não-domesticados, estes sujeitos, estigmatizados como abjetos e bestializados, acabam por ficar restritos às ruelas e aos becos da cidade, sendo a sua presença somente aceita e tolerada para a afirmação do discurso compulsoriamente heteronormativo que, ironicamente, depende daquilo que é dado como exceção para, com isso, afirmar-se enquanto norma.

8 Partindo deste contexto, Ricardo Marinelli interfere nestes locais sob a luz do dia e sob a pele de Ana Princesa dos Cabelos Mágicos que é o nome de um corpo-manifesto definido pelo próprio artista como travesqueen, isto é, uma figura corporal imageticamente ambígua, portando a transformação física das travestis e a atitude irreverente das drags. Por aproximadamente quarenta minutos, com uma maquiagem impecável, calçando meia calça arrastão, de peça íntima feminina e de salto alto, Ricardo-travestido-de-Princesa rasteja literalmente pelas calçadas onde as transexuais profissionais do sexo mercantilizam os seus corpos. Durante o seu arrastar, Princesa carrega em seu tornozelo uma corrente atrelada a uma placa verde com os dizeres Por favor não alimente os animais. A performance do perigoso em Ricardo Marinelli situa-se em fazer com que o espaço público se depare, de forma crua, com o preconceito moral e sexual que sofre o corpo da transmulher ou de qualquer sujeito que não se identifica com as normas vigentes de definição de gênero e de sexo. Todavia, ressalto que Não alimente os animais esquiva-se de cair na armadilha do discurso da vitimização, pois a travesqueen de Ricardo Marinelli apropria-se das enunciações heteronormativas e fóbicas que recaem sobre os corpos transexuais para, consequentemente, subvertê-las ao se apresentar na cena social diurna, sem o registro do pudor ou moralista. O rastejar de certo modo contorcido da Princesa pode ser encarado como uma atitude ambígua e provocadoramente posada, levando o transeunte a ver o seu arrastar no asfalto não somente como um corpo porta-voz da morte real e simbólica de certas corporeidades e sexualidades nas calçadas citadinas, mas também como o gesto de um corpo que, perigosamente, se contorce em um espasmo de prazer em plena luz do dia, dando aos passantes o espetáculo de um gozo em câmera lenta. A travesqueen de Ricardo Marinelli parece ralentar o instante do prazer como uma maneira de afrontar o olhar do outro sobre seu corpo gozoso. Com sua maquiagem, vestimenta e atitude, Ana Princesa dos Cabelos Mágicos apodera-se do palco urbano, tentando resistir à cultura de gueto (in)diretamente imposta sobre os corpos que não se encaixam no ideal heteronormativo de controle das práticas sexuais, afetivas e corporais. Deste modo, ao deslocar, artisticamente, os corpos transexuais e transgêneros dos guetos noturnos aos quais são renegados para apresentá-los em pleno convívio com os outros integrantes do espaço público, Não alimente os animais produz uma performance do perigoso que rechaça as alcunhas de corpos indóceis, anormais e criminosos que são impostas a tais sujeitos. Portanto, a performance de Marinelli é perigosa por desafiar o discurso homofóbico e heterossexista, que busca, a todo custo, penalizar as sexualidades e corpos dissidentes com a invisibilidade social.

9 III Caminhando para o desfecho de minha fala, concluo que, a partir do trabalho destes dois artistas da dança, podemos encontrar duas nuanças da performance do perigoso, e que são complementares entre si: uma, entrevista na obra de Marcelo Evelin, que é a de um jogo delicado e afetuoso com o corpo, bordando imagens e embaralhamentos de gênero na tessitura do tempo; a outra, que pode ser apreendida da ação performativa de Ricardo Marinelli, que é a de um confronto, irreverente e corajoso, com as resistências da esfera social a aceitar configurações corporais que não coadunam com a ideia do sexo e da sexualidade enquanto condições irreversíveis e imutáveis. Portanto, através de suas performances perigosas, os corpos de Marcelo Evelin e Ricardo Marinelli desafiam a ideia de uma masculinidade rígida e pragmática ao propor artisticamente outros imaginários, outras possibilidades de relação entre corpo e gênero. Além disso, evidenciam a instabilidade de qualquer prática performativa de gênero, seja a masculina ou feminina, quando seus respectivos trabalhos borram os limites que possam existir entre ele e ela ou, também, entre qualquer relação binominal contida nos discursos e práticas do sexo e da sexualidade. Notas [1] O presente ensaio é a versão escrita, com algumas modificações, da fala homônima enunciada durante a palestra/discussão Gênero e corporeidade: uma discussão ambígua, pertencente à programação do Festival Brasil Move Berlim e ocorrida no teatro Hebbel am Ufer 3 (HAU3), em Berlim, no dia 14 de abril de [2] Cf. VIANA, [3] Cf. BURT, 1995, p. 12. Bibliografia BURT, Ramsay. The male dancer: bodies, spectacle, sexualities. Londres: Routledge, BUTLER, Judith. Corpos que pesam: sobre os limites discursivos do sexo. In: LOURO, Guacira Lopes. O corpo educado: pedagogias da sexualidade. p NOLASCO, Sócrates. De Tarzan a Homer Simpson: banalização e violência masculina em sociedades contemporâneas ocidentais. Rio de Janeiro: Rocco, WEEKS, Jeffrey. Cultura, economia política e construção social da sexualidade. In: LOURO, Guacira Lopes. O corpo educado: pedagogias da sexualidade. p

10 VIANA, André Luiz Masseno [André Masseno]. Ele está presente: a obra de Silviano Santiago e as performances do artista perigoso. Dissertação (Mestrado em Literatura Brasileira). Rio de Janeiro: Universidade do Estado do Rio de Janeiro, erevista Performatus e o autor

O HOMEM DE VERDADE 1 : Olhando pelas lentes pelas quais vêem as mulheres

O HOMEM DE VERDADE 1 : Olhando pelas lentes pelas quais vêem as mulheres Introdução O HOMEM DE VERDADE 1 : Olhando pelas lentes pelas quais vêem as mulheres Sonia de Alcantara IFRJ/UGB sonia.alcantara@ifrj.edu.br Letícia Mendes Pereira, Lohanna Giovanna Gonçalves da Silva,

Leia mais

Corpos em cena na formação crítica docente. Rosane Rocha Pessoa Universidade Federal de Goiás

Corpos em cena na formação crítica docente. Rosane Rocha Pessoa Universidade Federal de Goiás Corpos em cena na formação crítica docente Rosane Rocha Pessoa Universidade Federal de Goiás 1 Nosso trabalho na perspectiva crítica Objetivo: problematizar questões sociais e relações desiguais de poder

Leia mais

Gtp+ PROGRAMAS E PROJETOS Grupo de Trabalhos em Prevenção Posithivo (GTP+) Fundação em 2000, Recife-PE O Grupo de Trabalhos em Prevenção Posithivo é a única ONG da Região Nordeste do Brasil coordenada

Leia mais

DOS ESTUDOS DE GÊNERO ÀS TEORIAS QUEER: DESDOBRAMENTOS DO FEMINISMO E DO MOVIMENTO LGBT NA PSICOLOGIA SOCIAL

DOS ESTUDOS DE GÊNERO ÀS TEORIAS QUEER: DESDOBRAMENTOS DO FEMINISMO E DO MOVIMENTO LGBT NA PSICOLOGIA SOCIAL DOS ESTUDOS DE GÊNERO ÀS TEORIAS QUEER: DESDOBRAMENTOS DO FEMINISMO E DO MOVIMENTO LGBT NA PSICOLOGIA SOCIAL Profª Drª Juliana Perucchi Universidade Federal de Juiz de Fora Desde os primeiros estudos que

Leia mais

Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem (PNAISH)

Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem (PNAISH) Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem (PNAISH) 15/07/2011 METALÚRGICO, 26 ANOS Não costumo fazer exame porque sinto meu corpo bom, ótimo. Nunca senti uma dor. Senti uma dor uma vez na

Leia mais

Histórico do livro Menino brinca de boneca?

Histórico do livro Menino brinca de boneca? Histórico do livro Menino brinca de boneca? Menino brinca de boneca? foi lançado em 1990, com grande aceitação de público e crítica, e vem sendo referência de trabalho para profissionais, universidades,

Leia mais

PRECONCEITO E INVISIBILIDADE: UMA ANÁLISE SOBRE QUESTÕES ACERCA DAS HOMOSSEXUALIDADES

PRECONCEITO E INVISIBILIDADE: UMA ANÁLISE SOBRE QUESTÕES ACERCA DAS HOMOSSEXUALIDADES PRECONCEITO E INVISIBILIDADE: UMA ANÁLISE SOBRE QUESTÕES ACERCA DAS HOMOSSEXUALIDADES PRADO, Marco Aurélio Máximo & MACHADO, Frederico Viana. Preconceito contra homossexualidades: a hierarquia da invisibilidade.

Leia mais

GÊNERO E EDUCAÇÃO: DISCUTINDO A DOCILIZAÇÃO DOS CORPOS INFANTIS

GÊNERO E EDUCAÇÃO: DISCUTINDO A DOCILIZAÇÃO DOS CORPOS INFANTIS GÊNERO E EDUCAÇÃO: DISCUTINDO A DOCILIZAÇÃO DOS CORPOS INFANTIS TAINARA GUIMARÃES ARAÚJO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ (UESC) Resumo A construção das identidades de gênero constitui todo um processo

Leia mais

O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável

O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável Sustentabilidade Socioambiental Resistência à pobreza Desenvolvimento Saúde/Segurança alimentar Saneamento básico Educação Habitação Lazer Trabalho/

Leia mais

CENA 11 CIA DE DANÇA

CENA 11 CIA DE DANÇA CENA 11 CIA DE DANÇA [Companhia de Dança - Florianópolis SC Brasil] Imagens do espetáculo Violência (2002). Disponíveis em: http://crisprim.blogspot.com/2008_07_01_archive.html Desde 1990 o grupo Cena

Leia mais

Questões de gênero. Masculino e Feminino

Questões de gênero. Masculino e Feminino 36 Questões de gênero Masculino e Feminino Pepeu Gomes Composição: Baby Consuelo, Didi Gomes e Pepeu Gomes Ôu! Ôu! Ser um homem feminino Não fere o meu lado masculino Se Deus é menina e menino Sou Masculino

Leia mais

Ensino/aprendizagem circense: projeto transversal de política social

Ensino/aprendizagem circense: projeto transversal de política social ENSINO/APRENDIZAGEM CIRCENSE: PROJETO TRANSVERSAL DE POLÍTICA SOCIAL Erminia Silva Centro de Formação Profissional em Artes Circenses CEFAC Teatralidade circense, circo como educação permanente, história

Leia mais

II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013

II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013 II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013 TEMÁTICA: EDUCAÇÃO, QUESTÃO DE GÊNERO E DIVERSIDADE EDUCAÇÃO

Leia mais

O discurso de mídia em relação a mulher 1

O discurso de mídia em relação a mulher 1 O discurso de mídia em relação a mulher 1 GLÁUCIA PEREIRA DE SOUZA UNIVERSIDADE CATOLICA DE BRASILIA O objetivo desta comunicação é fazer uma primeira discussão sobre o discurso da mídia em relação à mulher,

Leia mais

A constituição do sujeito em Michel Foucault: práticas de sujeição e práticas de subjetivação

A constituição do sujeito em Michel Foucault: práticas de sujeição e práticas de subjetivação A constituição do sujeito em Michel Foucault: práticas de sujeição e práticas de subjetivação Marcela Alves de Araújo França CASTANHEIRA Adriano CORREIA Programa de Pós-Graduação da Faculdade de Filosofia

Leia mais

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Brincar é fonte de lazer, mas é, simultaneamente, fonte de conhecimento; é esta dupla natureza que nos leva a considerar o brincar

Leia mais

Alguns exemplos de problemas resolvidos

Alguns exemplos de problemas resolvidos Alguns exemplos de problemas resolvidos Partilhamos contigo alguns problemas e respetivas resoluções que selecionámos, para ilustrar todo este desafiante processo de resolução de problemas. Vais reparar

Leia mais

VIOLÊNCIA E BULLYING HOMO/TRANSFÓBICA NAS ESCOLAS E NAS AULAS DE EFE: ENTENDENDO PARA PODER MINIMIZAR ESSAS PRÁTICAS.

VIOLÊNCIA E BULLYING HOMO/TRANSFÓBICA NAS ESCOLAS E NAS AULAS DE EFE: ENTENDENDO PARA PODER MINIMIZAR ESSAS PRÁTICAS. VIOLÊNCIA E BULLYING HOMO/TRANSFÓBICA NAS ESCOLAS E NAS AULAS DE EFE: ENTENDENDO PARA PODER MINIMIZAR ESSAS PRÁTICAS. Prof. Me. Leonardo Morjan Britto Peçanha Licenciado e Bacharel em Educação Física (UNISUAM);

Leia mais

CONSTRUÇÃO DO EU LÍRICO E O RETRATO NA POETICA CECÍLIA MEIRELES

CONSTRUÇÃO DO EU LÍRICO E O RETRATO NA POETICA CECÍLIA MEIRELES CONSTRUÇÃO DO EU LÍRICO E O RETRATO NA POETICA CECÍLIA MEIRELES Silvia Eula Muñoz¹ RESUMO Neste artigo pretendo compartilhar os diversos estudos e pesquisas que realizei com orientação do Prof. Me. Erion

Leia mais

BARREIRAS ENCONTRADAS/ENFRENTADAS POR HOMOSSEXUAIS NO ESPORTE

BARREIRAS ENCONTRADAS/ENFRENTADAS POR HOMOSSEXUAIS NO ESPORTE BARREIRAS ENCONTRADAS/ENFRENTADAS POR HOMOSSEXUAIS NO ESPORTE Jarlson Carneiro Amorim da Silva(1); Iraquitan De Oliveira Caminha (Orientador)(2); Tatiane Dos Santos Silva(3); Jéssica Leite Serrano(4) (1)Mestrando

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ DISCIPLINA:TEORIA E ENSINO DA DANÇA PROF.ESP.SAMANDA NOBRE Elementos Estruturantes da dança RITMO MOVIMENTO Ritmo Ritmo vem do grego Rhytmos e designa aquilo que flui,

Leia mais

TUDO BEM SER DIFERENTE?!? A PRÁTICA CURRICULAR COMO ESPELHO DA CULTURA.

TUDO BEM SER DIFERENTE?!? A PRÁTICA CURRICULAR COMO ESPELHO DA CULTURA. Culturas e Conhecimentos Disciplinares Débora Barreiros TUDO BEM SER DIFERENTE?!? A PRÁTICA CURRICULAR COMO ESPELHO DA CULTURA. Numa sociedade em que o discurso sobre o respeito à diferença ganha cada

Leia mais

CORPOREIDADE, BELEZA E DIVERSIDADE. Profª Drª Kiusam Regina de Oliveira São Paulo, 27 de outubro de 2014.

CORPOREIDADE, BELEZA E DIVERSIDADE. Profª Drª Kiusam Regina de Oliveira São Paulo, 27 de outubro de 2014. CORPOREIDADE, BELEZA E DIVERSIDADE Profª Drª Kiusam Regina de Oliveira São Paulo, 27 de outubro de 2014. DEDICATÓRIA Para todas as crianças negras e de classes populares que são vítimas das atrocidades

Leia mais

SIGNIFICADOS DE GÊNERO NO COTIDIANO ESCOLAR DE UMA ESCOLA PÚBLICA MUNICIPAL DE SÃO PAULO

SIGNIFICADOS DE GÊNERO NO COTIDIANO ESCOLAR DE UMA ESCOLA PÚBLICA MUNICIPAL DE SÃO PAULO SIGNIFICADOS DE GÊNERO NO COTIDIANO ESCOLAR DE UMA ESCOLA PÚBLICA MUNICIPAL DE SÃO PAULO TELLES, Edna de Oliveira - USP GE: Gênero, Sexualidade e Educação / n.23 Agência Financiadora: Não contou com financiamento.

Leia mais

Pedagogia, Departamento de Educação, Faculdade de Ciências e Tecnologia- UNESP. E-mail: rafaela_reginato@hotmail.com

Pedagogia, Departamento de Educação, Faculdade de Ciências e Tecnologia- UNESP. E-mail: rafaela_reginato@hotmail.com 803 AS CONTRIBUIÇÕES DO LÚDICO PARA O DESENVOLVIMENTO EMOCIONAL INFANTIL NO CONTEXTO ESCOLAR Rafaela Reginato Hosokawa, Andréia Cristiane Silva Wiezzel Pedagogia, Departamento de Educação, Faculdade de

Leia mais

Por uma pedagogia da juventude

Por uma pedagogia da juventude Por uma pedagogia da juventude Juarez Dayrell * Uma reflexão sobre a questão do projeto de vida no âmbito da juventude e o papel da escola nesse processo, exige primeiramente o esclarecimento do que se

Leia mais

Transcrição de Entrevista nº 5

Transcrição de Entrevista nº 5 Transcrição de Entrevista nº 5 E Entrevistador E5 Entrevistado 5 Sexo Feminino Idade 31 anos Área de Formação Engenharia Electrotécnica e Telecomunicações E - Acredita que a educação de uma criança é diferente

Leia mais

SEMANA 3 A CONTRIBUIÇAO DOS ESTUDOS DE GÊNERO

SEMANA 3 A CONTRIBUIÇAO DOS ESTUDOS DE GÊNERO SEMANA 3 A CONTRIBUIÇAO DOS ESTUDOS DE GÊNERO Autor (unidade 1 e 2): Prof. Dr. Emerson Izidoro dos Santos Colaboração: Paula Teixeira Araujo, Bernardo Gonzalez Cepeda Alvarez, Lívia Sousa Anjos Objetivos:

Leia mais

TEMA: SAMBA DE GAFIEIRA

TEMA: SAMBA DE GAFIEIRA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DESANTA CATARINA IFSC-CAMPUS JOINVILLE CURSO DE ASSISTENTE EM PRODUÇÃO CULTURAL-PRONATEC TURMA 1 2013 PLANO COREOGRÁFICO TEMA: SAMBA DE GAFIEIRA CARLOS

Leia mais

Socializações de Gênero e Repercussões na Escola

Socializações de Gênero e Repercussões na Escola Socializações de Gênero e Repercussões na Escola Quando a violência quebra o tabu pneves@usp.br 14/11/2015 Conceito de Gênero Gênero = Estudo de mulheres Construído em oposição ao conceito de sexo Fugir

Leia mais

A ZONA DE CONFORTO DOS ADVOGADOS: PORQUE OS ESCRITÓRIOS ABANDONAM O SUCESSO.

A ZONA DE CONFORTO DOS ADVOGADOS: PORQUE OS ESCRITÓRIOS ABANDONAM O SUCESSO. A ZONA DE CONFORTO DOS ADVOGADOS: PORQUE OS ESCRITÓRIOS ABANDONAM O SUCESSO. Caro Advogado, Gostaria de começar este artigo com a pergunta mais misteriosa do mundo jurídico: por que alguns escritórios

Leia mais

Nem tudo o que parece, é! Estereótipos de género, os meios de comunicação social, as e os jovens

Nem tudo o que parece, é! Estereótipos de género, os meios de comunicação social, as e os jovens Nem tudo o que parece, é! Estereótipos de género, os meios de comunicação social, as e os jovens Senhora Presidente da CIG, Caras parceiras e parceiro de mesa, Caras senhoras e caros senhores, É com grande

Leia mais

Panorama Critico #03 - Out/Nov 2009

Panorama Critico #03 - Out/Nov 2009 Lia no infinitivo Vitor Butkus A análise de um objeto artístico pode se valer de procedimentos drásticos, mesmo cruéis. Um bom começo, para amenizar a situação, é a descrição da obra. Por aí, se elabora

Leia mais

RECUPERAÇÃO DE IMAGEM

RECUPERAÇÃO DE IMAGEM RECUPERAÇÃO DE IMAGEM Quero que saibam que os dias que se seguiram não foram fáceis para mim. Porém, quando tornei a sair consciente, expus ao professor tudo o que estava acontecendo comigo, e como eu

Leia mais

HISTÓRIAS DA EDUCAÇÃO DA TEMÁTICA SIDA/AIDS NAS ESCOLAS PÚBLICAS DE PARNAÍBA/PI

HISTÓRIAS DA EDUCAÇÃO DA TEMÁTICA SIDA/AIDS NAS ESCOLAS PÚBLICAS DE PARNAÍBA/PI 1 HISTÓRIAS DA EDUCAÇÃO DA TEMÁTICA SIDA/AIDS NAS ESCOLAS PÚBLICAS DE PARNAÍBA/PI Roberto Kennedy Gomes Franco, Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira - UNILAB, e-mail: robertokennedy@unilab.edu.br

Leia mais

NOÇÕES DE CORPO E MOVIMENTO E SUAS IMPLICAÇÕES NO TRABALHO DO ESPETÁCULO CIDADE EM PLANO.

NOÇÕES DE CORPO E MOVIMENTO E SUAS IMPLICAÇÕES NO TRABALHO DO ESPETÁCULO CIDADE EM PLANO. NOÇÕES DE CORPO E MOVIMENTO E SUAS IMPLICAÇÕES NO TRABALHO DO ESPETÁCULO CIDADE EM PLANO. Luciana Lara 1 RESUMO: Este estudo pretende refletir sobre algumas implicações das noções de corpo e movimento

Leia mais

com.posições.políticas 2011. 12 20 de Novembro. Rio de Janeiro. Festival Panorama Um Corpo que Causa

com.posições.políticas 2011. 12 20 de Novembro. Rio de Janeiro. Festival Panorama Um Corpo que Causa Um Corpo que Causa Com.posições.políticas.EncontroIbero Americano.16e17denovembro2011 ArmazémdaUtopia.RiodeJaneiro.FestivalPanorama20anos. Dois dias de palestras, conversas coreopolíticas e performances

Leia mais

HOMOAFETIVIDADE FEMININA NO BRASIL: REFLEXÕES INTERDISCIPLINARES ENTRE O DIREITO E A LITERATURA

HOMOAFETIVIDADE FEMININA NO BRASIL: REFLEXÕES INTERDISCIPLINARES ENTRE O DIREITO E A LITERATURA HOMOAFETIVIDADE FEMININA NO BRASIL: REFLEXÕES INTERDISCIPLINARES ENTRE O DIREITO E A LITERATURA Juliana Fabbron Marin Marin 1 Ana Maria Dietrich 2 Resumo: As transformações no cenário social que ocorreram

Leia mais

ESCUTANDO DISCURSIVAMENTE A ESCRITA DE SUJEITOS ADOLESCENTES SOBRE QUESTÕES DE CORPO: UMA PROPOSTA PEDAGÓGICA

ESCUTANDO DISCURSIVAMENTE A ESCRITA DE SUJEITOS ADOLESCENTES SOBRE QUESTÕES DE CORPO: UMA PROPOSTA PEDAGÓGICA ESCUTANDO DISCURSIVAMENTE A ESCRITA DE SUJEITOS ADOLESCENTES SOBRE QUESTÕES DE CORPO: UMA PROPOSTA PEDAGÓGICA Rubens Prawucki (Centro Universitário - Católica de SC) 1- Iniciando as reflexões: O objetivo

Leia mais

Prefácio... 9. A mulher do pai... 14. A mulher do pai faz parte da família?... 17. A mulher do pai é parente?... 29. Visita ou da casa?...

Prefácio... 9. A mulher do pai... 14. A mulher do pai faz parte da família?... 17. A mulher do pai é parente?... 29. Visita ou da casa?... Sumário Prefácio... 9 A mulher do pai... 14 A mulher do pai faz parte da família?... 17 A mulher do pai é parente?... 29 Visita ou da casa?... 37 A mulher do pai é madrasta?... 43 Relação civilizada?...

Leia mais

Roteiro de Áudio. SOM: abertura (Vinheta de abertura do programa Hora do Debate )

Roteiro de Áudio. SOM: abertura (Vinheta de abertura do programa Hora do Debate ) 1 Roteiro de Áudio Episódio 1 A língua, a ciência e a produção de efeitos de verdade Programa Hora de Debate. Campanhas de prevenção contra DST: Linguagem em alerta SOM: abertura (Vinheta de abertura do

Leia mais

UM POSSÍVEL DIÁLOGO ENTRE FUTEBOL E GÊNERO NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA: O ESTÁGIO NUMA ESCOLA MUNICIPAL DE GOIÂNIA

UM POSSÍVEL DIÁLOGO ENTRE FUTEBOL E GÊNERO NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA: O ESTÁGIO NUMA ESCOLA MUNICIPAL DE GOIÂNIA UM POSSÍVEL DIÁLOGO ENTRE FUTEBOL E GÊNERO NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA: O ESTÁGIO NUMA ESCOLA MUNICIPAL DE GOIÂNIA Tiago Onofre da Silva 1 Rafael Santos Nunes 2 RESUMO: O presente artigo aborda o processo

Leia mais

Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público. Alexia Melo. Clebin Quirino. Michel Brasil. Gracielle Fonseca. Rafaela Lima.

Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público. Alexia Melo. Clebin Quirino. Michel Brasil. Gracielle Fonseca. Rafaela Lima. Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público Alexia Melo Clebin Quirino Michel Brasil Gracielle Fonseca Rafaela Lima Satiro Saone O projeto Rede Jovem de Cidadania é uma iniciativa da Associação

Leia mais

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido 1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido No estudo da Comunicação, a publicidade deve figurar como um dos campos de maior interesse para pesquisadores e críticos das Ciências Sociais e Humanas.

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 Notas importantes: O Banco de dados (BD) do Sistema de Informação Nacional de Agravos de Notificação (SINAN) vem sofrendo nos últimos

Leia mais

** O texto aqui reproduzido é de propriedade do MUD - Museu da Dança e não pode ser copiado ou reproduzido sem a autorização prévia.

** O texto aqui reproduzido é de propriedade do MUD - Museu da Dança e não pode ser copiado ou reproduzido sem a autorização prévia. * Este texto corresponde à visão da autora Marcia Dib e todas as informações aqui contidas são de inteira responsabilidade da autora. ** O texto aqui reproduzido é de propriedade do MUD - Museu da Dança

Leia mais

Universidade Estadual Paulista Júlio Mesquita Filho Psicologia Integral Disciplina: Antropologia II. Sexualidade, Desvio e Norma Permissões e Limites

Universidade Estadual Paulista Júlio Mesquita Filho Psicologia Integral Disciplina: Antropologia II. Sexualidade, Desvio e Norma Permissões e Limites Universidade Estadual Paulista Júlio Mesquita Filho Psicologia Integral Disciplina: Antropologia II Sexualidade, Desvio e Norma Permissões e Limites Mariana Cervi Marques Fernandes RA 922901 Resumo Dos

Leia mais

AMOR É ASSUNTO DE MULHER : RELAÇÃO DE GÊNERO E EMOÇÕES EM LETRAS DE RAP

AMOR É ASSUNTO DE MULHER : RELAÇÃO DE GÊNERO E EMOÇÕES EM LETRAS DE RAP AMOR É ASSUNTO DE MULHER : RELAÇÃO DE GÊNERO E EMOÇÕES EM LETRAS DE RAP Sandra Mara Pereira dos Santos soul_mara@yahoo.com.br PPGCSo-UNESP Doutoranda Analiso que na questão de gênero no rap nacional existe

Leia mais

AÇÕES DE COMBATE A HOMOFOBIA NAS ESCOLAS DO PÓLO DO CEFAPRO (CENTRO DE FORMAÇÃO E ATUALIZAÇÃO DE PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO) DE TANGARÁ DA SERRA-MT

AÇÕES DE COMBATE A HOMOFOBIA NAS ESCOLAS DO PÓLO DO CEFAPRO (CENTRO DE FORMAÇÃO E ATUALIZAÇÃO DE PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO) DE TANGARÁ DA SERRA-MT AÇÕES DE COMBATE A HOMOFOBIA NAS ESCOLAS DO PÓLO DO CEFAPRO (CENTRO DE FORMAÇÃO E ATUALIZAÇÃO DE PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO) DE TANGARÁ DA SERRA-MT RELATO DE EXPERIÊNCIA Introdução Marcos Serafim Duarte

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 Notas importantes: O Banco de dados (BD) do Sistema de Informação Nacional de Agravos de Notificação (SINAN) vem sofrendo nos últimos

Leia mais

Como os artistas passam a encarar a preservação de sua obra, no contexto do museu ou fora dele?

Como os artistas passam a encarar a preservação de sua obra, no contexto do museu ou fora dele? A RESPEITO DAS OBRAS QUE NÃO CABEM NO MUSEU DEPOIMENTO DE LUCAS BAMBOZZI A REGINA SILVEIRA, POR OCASIÃO DE SUA PARTICIPAÇÃO NO SEMINÁRIO TRANSMUSEU - PENSANDO A RESERVA TÉCNICA DE UM MUSEU DE ARTE CONTEMPORÂNEA

Leia mais

Santos, Milton, "Ser negro no Brasil hoje", Antroposmoderno, [s.l.], 12 de febrero de 2003.

Santos, Milton, Ser negro no Brasil hoje, Antroposmoderno, [s.l.], 12 de febrero de 2003. Santos, Milton, "Ser negro no Brasil hoje", Antroposmoderno, [s.l.], 12 de febrero de 2003. Consultado en: http://antroposmoderno.com/antro-articulo.php?id_articulo=527 Fecha de consulta: 05/06/2013. Ética

Leia mais

2. REDUZINDO A VULNERABILIDADE AO HIV

2. REDUZINDO A VULNERABILIDADE AO HIV 2. REDUZINDO A VULNERABILIDADE AO HIV 2.1 A Avaliação de risco e possibilidades de mudança de comportamento A vulnerabilidade ao HIV depende do estilo de vida, género e das condições socioeconómicas. Isso

Leia mais

Exercícios para estabelecer o contato com a nossa criança interior

Exercícios para estabelecer o contato com a nossa criança interior Exercícios para estabelecer o contato com a nossa criança interior C omo este é o mês das crianças, decidi propor para aqueles que estão em busca de autoconhecimento, alguns exercícios que ajudam a entrar

Leia mais

Estudo de Caso. Cliente: Rafael Marques. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses

Estudo de Caso. Cliente: Rafael Marques. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses Estudo de Caso Cliente: Rafael Marques Duração do processo: 12 meses Coach: Rodrigo Santiago Minha idéia inicial de coaching era a de uma pessoa que me ajudaria a me organizar e me trazer idéias novas,

Leia mais

Que Narciso é esse? (Henrique Figueiredo Carneiro henrique@unifor.br) Edição do Autor, 2007, 14 p. (DVD-book)

Que Narciso é esse? (Henrique Figueiredo Carneiro henrique@unifor.br) Edição do Autor, 2007, 14 p. (DVD-book) 251 Que Narciso é esse? (Henrique Figueiredo Carneiro henrique@unifor.br) Edição do Autor, 2007, 14 p. (DVD-book) Autor da resenha Thiago Costa Matos Carneiro da Cunha Psicanalista. Graduado em Psicologia

Leia mais

difusão de idéias EDUCAÇÃO INFANTIL SEGMENTO QUE DEVE SER VALORIZADO

difusão de idéias EDUCAÇÃO INFANTIL SEGMENTO QUE DEVE SER VALORIZADO Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias outubro/2007 página 1 EDUCAÇÃO INFANTIL SEGMENTO QUE DEVE SER VALORIZADO Moysés Kuhlmann :A educação da criança pequena também deve ser pensada na perspectiva de

Leia mais

Revelação Diagnóstica do HIV A arte de comunicar más notícias Tânia Regina C. de Souza, Karina Wolffenbuttel, Márcia T. F.

Revelação Diagnóstica do HIV A arte de comunicar más notícias Tânia Regina C. de Souza, Karina Wolffenbuttel, Márcia T. F. Revelação Diagnóstica do HIV A arte de comunicar más notícias Tânia Regina C. de Souza, Karina Wolffenbuttel, Márcia T. F. dos Santos A aids é ainda uma doença ameaçadora. Apesar de todos os avanços no

Leia mais

SEMINÁRIO SOCIEDADE, ESCOLA E VIOLÊNCIA 06 de junho de 2009. Violência e Sexualidade: Gênero e Homofobia na Escola Alexandre Bortolini

SEMINÁRIO SOCIEDADE, ESCOLA E VIOLÊNCIA 06 de junho de 2009. Violência e Sexualidade: Gênero e Homofobia na Escola Alexandre Bortolini SEMINÁRIO SOCIEDADE, ESCOLA E VIOLÊNCIA 06 de junho de 2009 Violência e Sexualidade: Gênero e Homofobia na Escola Alexandre Bortolini Coordenador do Projeto Diversidade Sexual na Escola Universidade Federal

Leia mais

Cursos superiores e cursos livres de dança: relações e influências - um estudo de caso no estado de São Paulo

Cursos superiores e cursos livres de dança: relações e influências - um estudo de caso no estado de São Paulo Cursos superiores e cursos livres de dança: relações e influências - um estudo de caso no estado de São Paulo Márcia Strazzacappa Laborarte/Unicamp Artista da dança, professora e pesquisadora Resumo: O

Leia mais

Trabalhando a convivência a partir da transversalidade

Trabalhando a convivência a partir da transversalidade PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade Trabalhando a convivência a partir da transversalidade Cristina Satiê de Oliveira Pátaro 1 Ricardo Fernandes Pátaro 2 Já há alguns

Leia mais

A invasão do funk: embates entre racismo e conhecimento na sala de aula

A invasão do funk: embates entre racismo e conhecimento na sala de aula CURSO EDUCAÇÃO, RELAÇÕES RACIAIS E DIREITOS HUMANOS VANESSA COUTO SILVA A invasão do funk: embates entre racismo e conhecimento na sala de aula SÃO PAULO 2012 Introdução Este trabalho buscará uma problematização

Leia mais

no. 49 O NU FEMININO COMO IDEAL DE BELEZA

no. 49 O NU FEMININO COMO IDEAL DE BELEZA O NU FEMININO COMO IDEAL DE BELEZA por rose klabin Escrevo-te toda inteira e sinto um sabor em ser e o sabor-ati é abstrato como o instante. É também com o corpo todo que pinto os meus quadros e na tela

Leia mais

ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS: que lugar é este?

ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS: que lugar é este? Universidade do Sul de Santa Catarina UNISUL maria.schlickmann@unisul.br Palavras iniciais... As reflexões que apresento neste texto são um recorte de estudo que venho realizando na minha tese de doutorado.

Leia mais

IV EDIPE Encontro Estadual de Didática e Prática de Ensino 2011 A IMPORTÂNCIA DAS ARTES NA FORMAÇÃO DAS CRIANÇAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL

IV EDIPE Encontro Estadual de Didática e Prática de Ensino 2011 A IMPORTÂNCIA DAS ARTES NA FORMAÇÃO DAS CRIANÇAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL A IMPORTÂNCIA DAS ARTES NA FORMAÇÃO DAS CRIANÇAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Marília Darc Cardoso Cabral e Silva 1 Tatiane Pereira da Silva 2 RESUMO Sendo a arte uma forma do ser humano expressar seus sentimentos,

Leia mais

O ENVELHECIMENTO SOB A ÓTICA MASCULINA

O ENVELHECIMENTO SOB A ÓTICA MASCULINA O ENVELHECIMENTO SOB A ÓTICA MASCULINA Por: DANIELA NASCIMENTO AUGUSTO (Técnica em Gerontologia e Terapeuta Ocupacional) DIEGO MIGUEL (Artista Plástico, Técnico em Gerontologia e Coordenador do NCI Jova

Leia mais

Desdobramentos: A mulher para além da mãe

Desdobramentos: A mulher para além da mãe Desdobramentos: A mulher para além da mãe Uma mulher que ama como mulher só pode se tornar mais profundamente mulher. Nietzsche Daniela Goulart Pestana Afirmar verdadeiramente eu sou homem ou eu sou mulher,

Leia mais

OS DESAFIOS DA INCLUSÃO ESCOLAR: O método avaliativo do aluno com deficiência intelectual

OS DESAFIOS DA INCLUSÃO ESCOLAR: O método avaliativo do aluno com deficiência intelectual OS DESAFIOS DA INCLUSÃO ESCOLAR: O método avaliativo do aluno com deficiência intelectual Tuane Telles Rodrigues 1 Letícia Ramires Corrêa 2 Resumo: Durante nossa vida acadêmica estamos em constante aperfeiçoamento,

Leia mais

Um pouco mais sobre desenvolvimento social e os Transtornos do Espectro Autista

Um pouco mais sobre desenvolvimento social e os Transtornos do Espectro Autista Um pouco mais sobre desenvolvimento social e os Transtornos do Espectro Autista www.infanciaeadole scencia.com.br O desenvolvimento social ocorre ao longo de todas as etapas do ciclo vital. Entretanto,

Leia mais

É PROIBIDO MIAR: ANÁLISE DA OBRA DE PEDRO BANDEIRA NA PERSPECTIVA HOMOSSEXUAL

É PROIBIDO MIAR: ANÁLISE DA OBRA DE PEDRO BANDEIRA NA PERSPECTIVA HOMOSSEXUAL É PROIBIDO MIAR: ANÁLISE DA OBRA DE PEDRO BANDEIRA NA PERSPECTIVA HOMOSSEXUAL Sara Regina de Oliveira Lima (PIBID - UESPI) saralima.r@hotmail.com Sislanne Felsan Cunha (MONITORIA UFPI) sisfelsan@hotmail.com

Leia mais

O uso do desenho e da gravura sobre fotografia como práxis poética da memória

O uso do desenho e da gravura sobre fotografia como práxis poética da memória O uso do desenho e da gravura sobre fotografia como práxis poética da memória Vinicius Borges FIGUEIREDO; José César Teatini CLÍMACO Programa de pós-graduação em Arte e Cultura Visual FAV/UFG viniciusfigueiredo.arte@gmail.com

Leia mais

Figura 56. Tema Folclore. Figura 58 Personagens ou Imagens do Folclore Brasileiro: Cuca

Figura 56. Tema Folclore. Figura 58 Personagens ou Imagens do Folclore Brasileiro: Cuca O tema do folclore pintado pelos alunos passou por uma seleção de imagens escolhidas por eles mesmos, desenhadas anteriormente em classe para depois tais desenhos serem apresentados para a votação. As

Leia mais

Existe espaço para os covers mostrarem seus trabalhos? As pessoas dão oportunidades?

Existe espaço para os covers mostrarem seus trabalhos? As pessoas dão oportunidades? A Estação Pilh@ também traz uma entrevista com Rodrigo Teaser, cover do Michael Jackson reconhecido pela Sony Music. A seguir, você encontra os ingredientes da longa história marcada por grandes shows,

Leia mais

1 O CONTEXTO DO CURSO

1 O CONTEXTO DO CURSO REFLEXÕES ACERCA DAS QUESTÕES DE GÊNERO NO CURSO PEDAGOGIA: LICENCIATURA PARA EDUCAÇÃO INFANTIL MODALIDADE A DISTÂNCIA Lívia Monique de Castro Faria Bolsista de Apoio Técnico a Pesquisa /FAPEMIG. Universidade

Leia mais

2º passo: trabalho com a exploração dos Sentidos. Tato Visão Olfato Gustação Audição. 3º passo: trabalho com uma ou mais Linguagens

2º passo: trabalho com a exploração dos Sentidos. Tato Visão Olfato Gustação Audição. 3º passo: trabalho com uma ou mais Linguagens Para que aconteça então a sequência didática os demais passos podem ser encaixados nos horários diários da escola sem nenhuma outra imposição. temos apenas que lembrar que a Sequência aqui apresentada

Leia mais

Palavras-chave: Implantação da Lei 10.639/03, Racismo, Educação.

Palavras-chave: Implantação da Lei 10.639/03, Racismo, Educação. A PRESENÇA DO NEGRO NA ESCOLA ESTRATÉGIAS DE LUTA CONTRA O RACISMO ATRAVÉS DA APLICAÇÃO DA LEI 10.639/03 NAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE CRATO-CE Dayze Carla Vidal da Silva (Universidade Regional do Cariri)

Leia mais

ANÁLISE DOS ERROS NA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS DE EQUAÇÕES DO 1º GRAU DOS ALUNOS DA 6ª SÉRIE

ANÁLISE DOS ERROS NA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS DE EQUAÇÕES DO 1º GRAU DOS ALUNOS DA 6ª SÉRIE ANÁLISE DOS ERROS NA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS DE EQUAÇÕES DO 1º GRAU DOS ALUNOS DA 6ª SÉRIE Adriane Trindade Lopes Universidade do Estado do Pará adriane_lopes18@yahoo.com.br Gleida Tayanna Conde de Sousa

Leia mais

Comunicação JOGOS TEATRAIS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO MATERNAL E EDUCAÇÃO INFANTIL

Comunicação JOGOS TEATRAIS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO MATERNAL E EDUCAÇÃO INFANTIL Comunicação JOGOS TEATRAIS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO MATERNAL E EDUCAÇÃO INFANTIL ROSA, Maria Célia Fernandes 1 Palavras-chave: Conscientização-Sensibilização-Transferência RESUMO A psicóloga Vanda

Leia mais

AS INTERFACES ENTRE A PSICOLOGIA E A DIVERSIDADE SEXUAL: UM DESAFIO ATUAL 1

AS INTERFACES ENTRE A PSICOLOGIA E A DIVERSIDADE SEXUAL: UM DESAFIO ATUAL 1 AS INTERFACES ENTRE A PSICOLOGIA E A DIVERSIDADE SEXUAL: UM DESAFIO ATUAL 1 CHRISTO, Aline Estivalet de 2 ; MOTTA, Roberta Fin 3 1 Trabalho de Pesquisa referente ao Projeto de Trabalho Final de Graduação

Leia mais

Áudio. GUIA DO PROFESSOR Síndrome de Down - Parte I

Áudio. GUIA DO PROFESSOR Síndrome de Down - Parte I Síndrome de Down - Parte I Conteúdos: Tempo: Síndrome de Down 5 minutos Objetivos: Auxiliar o aluno na compreensão do que é síndrome de Down Descrição: Produções Relacionadas: Neste programa de Biologia

Leia mais

PROGRAMA DE SAÚDE SEXUAL GOVERNAMENTAL: CONTRIBUIÇÕES, DIFICULDADES E LIMITAÇÕES

PROGRAMA DE SAÚDE SEXUAL GOVERNAMENTAL: CONTRIBUIÇÕES, DIFICULDADES E LIMITAÇÕES PROGRAMA DE SAÚDE SEXUAL GOVERNAMENTAL: CONTRIBUIÇÕES, DIFICULDADES E LIMITAÇÕES MARTYRES, Thais Raffaela dos Faculdade de Ensino Superior Dom Bosco Acadêmica do Curso de Farmácia Membro do Grupo de Bolsista

Leia mais

A IDENTIDADE DE GÉNERO NO JARDIM DE INFÂNCIA QUE CONSTRUÇÃO SOCIAL?

A IDENTIDADE DE GÉNERO NO JARDIM DE INFÂNCIA QUE CONSTRUÇÃO SOCIAL? A IDENTIDADE DE GÉNERO NO JARDIM DE INFÂNCIA QUE CONSTRUÇÃO SOCIAL? Cândida Penteado CBES Marinhais Alice Mendonça Universidade da Madeira Objectivo do estudo: determinar se os estereótipos de género se

Leia mais

Desnaturalização e estranhamento: experiência do PIBID em Sociologia. Anabelly Brederodes Cássio Tavares

Desnaturalização e estranhamento: experiência do PIBID em Sociologia. Anabelly Brederodes Cássio Tavares Desnaturalização e estranhamento: experiência do PIBID em Sociologia Anabelly Brederodes Cássio Tavares Resumo O trabalho tem como objetivo refletir sobre a prática de ensino e aprendizagem, como um processo

Leia mais

John Locke (1632-1704) Colégio Anglo de Sete Lagoas - Professor: Ronaldo - (31) 2106-1750

John Locke (1632-1704) Colégio Anglo de Sete Lagoas - Professor: Ronaldo - (31) 2106-1750 John Locke (1632-1704) Biografia Estudou na Westminster School; Na Universidade de Oxford obteve o diploma de médico; Entre 1675 e 1679 esteve na França onde estudou Descartes (1596-1650); Na Holanda escreveu

Leia mais

ANTROPOLOGIA FILOSÓFICA DE EDITH STEIN. Prof. Helder Salvador

ANTROPOLOGIA FILOSÓFICA DE EDITH STEIN. Prof. Helder Salvador ANTROPOLOGIA FILOSÓFICA DE EDITH STEIN Prof. Helder Salvador 3 - A ANTROPOLOGIA COMO FUNDAMENTO DA PEDAGOGIA. Para Edith Stein existe uma profunda relação entre os termos metafísica, antropologia e pedagogia

Leia mais

Rita FigueiRas * O seu mais recente livro, publicado em 2004, intitula-se Taking Journa- lism Seriously

Rita FigueiRas * O seu mais recente livro, publicado em 2004, intitula-se Taking Journa- lism Seriously Comunicação & Cultura, n.º 4, 2007, pp. 177-183 Entrevista a Barbie Zelizer Rita Figueiras * Barbie Zelizer é uma das mais notáveis investigadoras da actualidade na área do jornalismo e cultura. É professora

Leia mais

Fim da Sensibilidade na Glande

Fim da Sensibilidade na Glande Autor: Davi Ribeiro Fim da Sensibilidade na Glande Muitos homens alegam sofrer com a forte sensibilidade na glande. E isso, de certa forma, atrapalha muito na hora do sexo, principalmente na hora de ter

Leia mais

REDE PRÓ-MENINO. ECTI - Escola no Combate ao Trabalho Infantil ATIVIDADE MÓDULO 2 (COLAGEM) EM INTEGRAÇÃO COM O MÓDULO 1- B (ENTREVISTA)

REDE PRÓ-MENINO. ECTI - Escola no Combate ao Trabalho Infantil ATIVIDADE MÓDULO 2 (COLAGEM) EM INTEGRAÇÃO COM O MÓDULO 1- B (ENTREVISTA) REDE PRÓ-MENINO ECTI - Escola no Combate ao Trabalho Infantil CURSISTA: JACKELYNE RIBEIRO CINTRA MORAIS CPF: 014275241-06 ATIVIDADE MÓDULO 2 (COLAGEM) EM INTEGRAÇÃO COM O MÓDULO 1- B (ENTREVISTA) Características

Leia mais

Sumário. Introdução... 7

Sumário. Introdução... 7 3 Sumário Introdução... 7 1. Somos especialistas em linguagem corporal... 9 Como os homens se comunicam, 10Comunicação linguística, 10Comunicação não linguística, 10O ato de comunicação, 11Importante:

Leia mais

PRÁTICA DISCURSIVA, PRÁTICA SOCIAL O NÃO DITO EM CARTAZES DE CAMPANHA CONTRA AIDS. 1. Palavras- Chaves: AIDS Análise do Discurso- Heteronormatividade

PRÁTICA DISCURSIVA, PRÁTICA SOCIAL O NÃO DITO EM CARTAZES DE CAMPANHA CONTRA AIDS. 1. Palavras- Chaves: AIDS Análise do Discurso- Heteronormatividade PRÁTICA DISCURSIVA, PRÁTICA SOCIAL O NÃO DITO EM CARTAZES DE CAMPANHA CONTRA AIDS. 1 Camila do Nascimento Carmo 2 Resumo O aparecimento da AIDS provocou um clima de grande pânico coletivo na sociedade.

Leia mais

A PSICANÁLISE E OS MODERNOS MOVIMENTOS DE AFIRMAÇÃO HOMOSSEXUAL 1

A PSICANÁLISE E OS MODERNOS MOVIMENTOS DE AFIRMAÇÃO HOMOSSEXUAL 1 A PSICANÁLISE E OS MODERNOS MOVIMENTOS DE AFIRMAÇÃO HOMOSSEXUAL 1 Este artigo trata da difícil relação entre a teoria psicanalítica, que tradicionalmente considerava os comportamentos eróticos entre pessoas

Leia mais

O Valor Ideológico na Propaganda de Cerveja 1

O Valor Ideológico na Propaganda de Cerveja 1 O Valor Ideológico na Propaganda de Cerveja 1 Nathália Sene GARIERI/ Licenciada em História Aline Rafaela Portílio LEMES Aline Aparecida SILVA Samuel Douglas Farias COSTA RESUMO A propaganda ocupa um largo

Leia mais

Atividades Acadêmico-Científico- -Culturais: Diversidade Cultural. Contextualização. Gênero. Teleaula 2. Letras. Diversidade de Gênero

Atividades Acadêmico-Científico- -Culturais: Diversidade Cultural. Contextualização. Gênero. Teleaula 2. Letras. Diversidade de Gênero Atividades Acadêmico-Científico- -Culturais: Diversidade Cultural Teleaula 2 Diversidade de Gênero Profa. Dra. Marcilene Garcia de Souza tutorialetras@grupouninter.com.br Letras Contextualização Por que

Leia mais