AS PERFORMANCES DO PERIGOSO E A DANÇA CONTEMPORANEA BRASILEIRA BREVES APONTAMENTOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AS PERFORMANCES DO PERIGOSO E A DANÇA CONTEMPORANEA BRASILEIRA BREVES APONTAMENTOS"

Transcrição

1 Ano 1 Nº 4 Mai 2013 ISSN AS PERFORMANCES DO PERIGOSO E A DANÇA CONTEMPORANEA BRASILEIRA BREVES APONTAMENTOS por André Masseno Inicio aqui com uma antiquada (porém necessária) mea culpa pelo título tão pretensioso deste ensaio [1], como se eu pudesse resumir, em poucos parágrafos, duas questões tão complexas e peculiares, a saber: 1) a relação entre performance e sexualidade, que resultou em uma pesquisa empreendida por mim durante três anos no âmbito acadêmico e há uma década através de minhas produções artísticas; e 2) a imprecisão inerente ao termo dança contemporânea brasileira. Evidente que me vejo situado em um desafio extremamente audacioso, quase uma impostura em relação ao tempo dedicado a estas questões nas minhas práticas artística e acadêmica, pois estarei aqui às voltas com a exposição daquelas de modo condensado e, ainda assim, tentando ser compreensível. Porém confesso que é um desafio instigante e mobilizador. Entretanto, espero que o subtítulo deste ensaio como breves apontamentos possa ser levado em consideração para que as problematizações que se seguirão não sejam tomadas como definitivas. Na realidade, são passagens de uma investigação ainda em fluxo e que não considero finalizada, mas esta, através da escrita, será por mim temporariamente coagulada. Ao fazer estes coágulos de pensamento, eu acabo por contrair um débito que, na realidade, considero inerente a toda pesquisa: o de compartilhar com os meus possíveis leitores, os múltiplos trajetos de minhas leituras. Sendo assim, sinto-me impelido a colocar em discussão o que chamo de a performance do perigoso, que foi o fruto, ácido e ao mesmo tempo saboroso, de uma pesquisa na área de Mestrado em Literatura Brasileira na Universidade do Estado do Rio de Janeiro [2]. I Em uma série de entrevistas concedidas à pesquisadora Lisette Lagnado em 1995, o jovem artista visual José Leonilson deu a seguinte declaração: eu tenho uma coisa dentro de

2 mim que me torna perigoso. No mesmo período, o cantor de rock Cazuza, célebre pela sua irreverência e declarações provocativas, afirmou durante um show que o seu amor havia se tornado perigoso, mas que não o impediria de morrer amando. Deste modo, o adjetivo perigoso ganhava uma nuança peculiar através destes dois artistas brasileiros que, ao utilizá-lo em suas falas públicas, deixavam subentendido que portavam algo considerado ameaçador circulando em suas correntes sanguíneas; um vírus, então letal e invisível, que veio a ser cunhado como HIV. Nos dois últimos decênios do século anterior, quando houve o surgimento e a enunciação da epidemia do HIV/AIDS, artistas soropositivos como o cantor Cazuza e o artista visual Leonilson tornavam visível a tensão, naquele momento, entre a condição do sujeito portador da síndrome e a curiosidade pública. Cazuza, por exemplo, recorreu ao campo midiático para problematizar a maneira como o espaço público lidava e convivia com a imagem da epidemia e a de seus portadores, ao estampar o seu rosto na edição da revista Veja de abril de 1989, embora sob o preconceituoso título de Cazuza: uma vítima da AIDS agoniza em praça pública. Já Leonilson escolheu encenar, em seus bordados, pinturas e desenhos, uma intimidade perigosa e deslocada pelo gesto de não revelar tudo sobre si, ou seja, toda a periculosidade buscada pelo observador. Embora de modos diversos, ambos transformaram o gesto confessional (expressão enquanto sinônimo de manifestação de uma interioridade trazida à superfície) em performance corporal e discursiva, produzindo poses diante do olhar e do desejo alheios. Neste período inicial de pavor e paranoia em relação ao HIV/AIDS, quando os sujeitos infectados eram fortemente estigmatizados, posso dizer que Cazuza e Leonilson pertenceram à leva de tantos outros artistas que produziram o que chamo de a performance do perigoso, colocando em jogo a tensão entre a enunciação e a não-enunciação da soropositividade nas esferas pública, artística e/ou privada. Quando enunciada, seja em declarações públicas ou em práticas artísticas, a síndrome podia se apresentar de duas maneiras: a primeira, pela sua enunciação explícita embora isso não significasse que o artista estivesse dizendo a mais pura verdade sobre a sua experiência de conviver com a doença; a segunda, sob o disfarce da abordagem deslizante sobre o vírus, tal qual empreendida por Leonilson na obra intitulada O perigoso (1992), constituída por uma pequena mancha escurecida sobre uma folha branca de papel. Esta mancha no papel, na realidade, é uma gota de sangue ressecada do artista. Aqui, a síndrome é entrevista pela apropriação de Leonilson da imagem do sangue e seus emblemas: o sangue perigoso, o sangue como arma letal, o sangue como dispêndio, o sangue como uma memória pulsante.

3 Neste contexto, a performance do perigoso configura-se como a encenação de uma pose corporal situada entre o confronto e a resposta, astuciosa e oblíqua, à estigmatização de corpos soropositivos/aidéticos. Até o presente momento, pretendi demarcar o ponto de partida histórico-cultural que fundamentou a minha argumentação de uma performance do perigoso, que tem como herança o debate crítico-literário a respeito das produções artística e midiática sobre o HIV/AIDS no final do século anterior. Porém, não considero a performance de perigoso uma noção estritamente datada, somente relacionada aos contextos artístico-culturais dos decênios de 1980 e 1990, mas sim como um operador de leitura, não pragmático e flexível, que pode abranger produções artísticas de décadas subsequentes e que lidam com questões de gênero e de sexualidade. Sendo assim, permito-me apropriar desta noção para empreender uma leitura breve e nada exaustiva de duas produções da dança contemporânea brasileira que colocam em xeque o desejo da esfera social de normatização e catalogação de comportamentos sexuais considerados dissidentes. Produções que são perigosas por evidenciarem que as estruturas binárias homem/mulher, masculino/feminino, homossexual/heterossexual, são precárias e insuficientes para dar conta dos corpos e dos desejos na contemporaneidade. No entanto, como rapidamente apontei no início deste ensaio, friso que dança contemporânea brasileira é um termo plural por abraçar modos diferentes de se pensar e fazer dança; termo do qual se desprendem três questões que considero relevantes e abrangentes, que são: 1) o que é a dança; 2) o que é o contemporâneo; e 3) o que é (identificar algo como) brasileiro. São questões inconclusas por se esquivarem de qualquer resposta definitiva e categórica, já que existem várias danças contemporâneas, várias frentes de leitura do que é e quando uma obra e um tempo podem ser chamados de contemporâneos; várias maneiras de problematizar, ler e identificar registros imagético-culturais que possam nos levar a enunciar uma dança como brasileira. Embora o tempo aqui seja exíguo para desenvolver estas perguntas com maior acuidade, eu as suscito pela minha necessidade em fazer um recorte preciso, ainda que provisório, na dita dança contemporânea brasileira, no intuito de ressaltar a noção de uma performance do perigoso no cerne daquela. Logo, concentro a minha leitura do perigoso sobre duas produções de dança da atualidade, de caráter solo e autoral, concebidas e performadas por artistas do sexo masculino, que executam estratégias artísticas que embaralham as relações entre sexualidade e gênero, ao colocarem em cena um corpo em crise com o ideal de masculinidade. Mas antes de nos direcionarmos aos trabalhos que aqui pretendo discutir, qual é a noção de masculinidade a qual me refiro? O que a caracteriza e o que a faz ser posta em

4 contato estreito e direto com o corpo biologicamente masculino? Podemos dizer que existe uma masculinidade única ou várias constituições da mesma? Em linhas gerais, proponho pensarmos a masculinidade como prática normativa que, para se inscrever nos corpos biologicamente masculinos, precisa ser continuamente reiterada, como podemos averiguar, por exemplo, nos atos iniciáticos ocidentais que marcam a passagem do menino para homem. Para constituir-se como tal, a masculinidade faz-se enquanto um dispositivo regulatório, no intuito de distanciar tudo aquilo que possa colocá-la em risco, que possa invalidar o seu projeto de inscrever no corpo, como dado natural, a equação sexo masculino = gênero masculino. Logo, a masculinidade é uma produção de controle que, para garantir a eficiência de sua operação normativa, faz o sujeito nascido biologicamente no sexo masculino incorporar e enunciar uma recusa a tudo aquilo que é visto como informe e abjeto, isto é, aos comportamentos, corpos e sexualidades considerados desviantes. Nisto, dá-se o afastamento de registros como o da sensibilidade, da delicadeza e da interioridade, já que estes se encontram culturalmente relacionados à feminidade; busca-se uma diferenciação absoluta entre os sujeitos masculinos e femininos, assim como entre os corpos do sexo masculino e os do sexo feminino; alicerça-se uma repulsa à homossexualidade e a outras manifestações abertamente sexuais, amorosas e/ou afetivas que possam existir entre indivíduos do mesmo sexo. A masculinidade a qual me refiro se revela enquanto uma ficção cultural e heteronormativa, que se mantém pela sua repetição constante, dissimulada e compulsória, moldando e tornando socialmente aceitável uma imagem masculina de força, hegemonia e poder, em detrimento de outras identidades de gênero, tais como as multiplicidades do feminino e as dos sujeitos transgêneros e até mesmo as do masculino. Se recuarmos rapidamente na história da dança ocidental sendo mais preciso, na história da dança como espetáculo, enxergaremos instantes nos quais a estratégia reiterativa da masculinidade ora foi estabilizada, ora foi fissurada pelos corpos que a constituíam. Tomemos como exemplo a estrutura disciplinar poderosa da técnica do balé clássico tal como aplicada no século XIX, que, além de promover o conhecimento e o método de uma prática de dança, também circunscrevia os corpos em uma grade comportamental que afirmava condições pré-estabelecidas das identidades de gênero entre os componentes de um corpo de baile. Neste período, a figura masculina não podia ser emocional e cenicamente expressiva, enquanto, paradoxalmente, o coreógrafo e o produtor eram homens e figuras centrais no poder, ditando a organização coreográfica e a maquinaria do espetáculo. O foco de atenção direcionava-se à bailarina, que então tinha o seu corpo controlado pelo olhar masculino ao lhe depositar imagens de graciosidade; olhar que a idealizava sobre uma condição etérea, e que

5 desumanizava cenicamente o seu corpo através de imagens de sílfides, cisnes e fadas, retirando-lhe a devida carnalidade. No período do balé romântico, o bailarino era considerado inapto para representar o status de homem que então vigorava, isto é, o de um sujeito burguês, branco, racional e não dominado pelas emoções. Por enquanto, o que importava era a crítica à inoperância do corpo do bailarino para representar cenicamente as figurações sociais do homem na esfera pública. A paranoia a respeito da falibilidade da concomitância entre gênero masculino e heterossexualidade ainda não estava em jogo nos palcos e bastidores do balé. A sexualidade do bailarino torna-se-á um problema, silencioso e silenciado, a partir do início do século XX, quando é tornada pública a relação amorosa entre o bailarino e coreógrafo Nijinski e o fundador do Ballets Russes Serge Diaghilev. A (homos)sexualidade, transformada em estigma, assombrará o corpo do bailarino, independentemente de sua orientação sexual: se demonstrar uma graciosidade de movimentos, será chamado de efeminado (uma palavra que enuncia indiretamente o sujeito como homossexual); se, por outro lado, exibir uma virilidade exagerada, suspeitar-se-á logo que esteja escondendo publicamente a sua homossexualidade ao compensá-la com o excesso de esforço muscular. Já na última metade do século XX, as representações de gênero nas formas culturais, inclusive na dança, passaram a ser levadas em consideração por alguns pesquisadores e artistas, não só por refletirem diretamente as mudanças sociais das definições de feminidade e masculinidade, mas também por se encontrarem intensamente envolvidos com os processos nos quais o gênero é construído [3]. Nas manifestações artísticas norte-americana e europeia, podemos mencionar nomes emblemáticos como os de Bill T. Jones e Stephen Petronio, além de outros tantos. Nos trópicos brasileiros, encontramos o lendário grupo carioca Dzi Croquettes nos meados de 1970 composto por homens que criavam um jogo de afetação e travestimento através de uma apropriação bem abrasileirada do registro do jazz dance americano. E justamente aqui, após este rápido panorama sobre as questões de gênero e sexualidade, que proponho avançar algumas décadas da história da dança brasileira, para nos concentrarmos, finalmente, nos dois trabalhos que pretendo problematizar a noção de performance do perigoso, que são os solos Ai ai ai (1995), de Marcelo Evelin, e Não alimente os animais (2010), de Ricardo Marinelli. II A primeira imagem com a qual o espectador se depara no espetáculo Ai ai ai, de Marcelo Evelin, é a de um palco vestido por uma rotunda e chão brancos, ou seja, um terreno no qual tudo e nada podem acontecer, onde tudo e nada podem ser inscritos e demarcados

6 com a presença de um corpo. Então surge Evelin, vestido de peruca loura, cílios postiços e calção prateado, calçando luvas e sapatos de salto alto pretos e empunhando um leque de plumas brancas. Ele adentra o espaço calmamente enquanto olha tranquilo para a plateia e se abana com o leque. Fica por um tempo nas ações de andar, olhar e se abanar, enquanto as caixas de som reproduzem o ruído de um farfalhar repetitivo que, mais tarde, revela-se como o chacoalhar de pompons prateados típicos das team leaders americanas, que Marcelo traz consigo acoplados a parte de trás do calção prateado, parecendo aumentar o tamanho de suas nádegas. Marcelo Evelin está montado, está toda feita, como se diz no jargão das drag queens e das travestis, respectivamente. Contudo, a presença corporal de Marcelo não é expansiva; ele não parece reforçar o que já está presentificado: um corpo masculino apropriando-se de elementos culturalmente considerados do feminino tal como utilizados pelas drag queens. O corpo masculino de Evelin, montado como uma quase drag/quase mulher, não tem o registro da paródia sobre a figura feminina (que muitas vezes algumas pesquisadoras feministas alegam entrever no modo como as drag queens se utilizam dos trajes femininos) e tampouco o tom de uma brincadeira debochada e estereotipada (que é visível, por exemplo, na maneira como alguns homens no Carnaval brasileiro se vestem e reproduzem a imagem da mulher através de gestos afetados, porém sempre realçando uma certa brutalidade na sua execução, como se estes homens se esquivassem de se identificar de fato, ou de fazer o olhar do outro os identificarem, com os gestos e jeitos de vestir ditos femininos que canhestra e publicamente reproduzem). O corpo de Marcelo vestido com uma indumentária que remete ao feminino também não é irônico na realidade, a vestimenta lhe cai belamente, e não sem propósito, já que o corpo travestido em Ai ai ai aponta a falibilidade do projeto normativo da masculinidade sobre o corpo do homem. Além disso, Ai ai ai descondiciona o olhar do público ao propor um travestimento dissociado das ideias de espetacularização e entretenimento. Um corpo travestido, porém sem glamour, coloca-se vulnerável diante dos olhos da plateia, mostrando-se como uma pin-up decadente, uma diva antiga, ou dizendo de outro modo, como o sonho envelhecido de uma identidade de gênero demarcada e precisa, que, entretanto, não condiz com a pluralidade de nossos desejos afetivos e sexuais e tampouco com o modo como enxergamos e experienciamos o nosso corpo na atualidade. Ele e ela revelam-se como discursos, como pura montagem, como um gesto enunciativo que, para se instaurar nos corpos, precisa de uma repetição que o reitere continuamente. Contudo, o corpo de Evelin em Ai ai ai revela que, se o discurso de uma identidade de gênero binominal necessita da repetição para a sua inscrição

7 nos corpos, é porque aquele, na realidade, não é de todo estável. Se a repetição é necessária, é porque os corpos relutam, recusam a ser disciplinados como evidencia a corrida de Marcelo Evelin de salto alto ao som de um chorinho brasileiro. O bailarino esforça-se para se equilibrar no salto durante a corrida, apesar de o seu corpo falhar e a respiração ficar extremamente ofegante. O corpo de Evelin desmonta-se e, portanto, frustra a afirmação de uma identidade de gênero única. Mesmo quando se desfaz do aparato de vestimenta feminino e se veste como um homem isto é, paletó, camisa, calça e sapato, o corpo de Evelin não se impõe de modo viril e autocontrolado como socialmente se espera do sujeito do sexo masculino: a sua mão balança de modo incansável e frenético, como se estivesse independente de seu corpo; sorri afetuosamente enquanto rebola o quadril ao girar um bambolê. A repetição dá-se em diferença, desautoriza e desautomatiza a plateia de qualquer leitura peremptória acerca da sexualidade e identidade de gênero daquele corpo em cena. Composta por imagens corporais delicadas e extremamente afetivas, Ai ai ai é uma obra de dança na qual enxergo uma performance do perigoso, que se dá na destituição do masculino de qualquer ação agressiva e confrontadora, resistindo, portanto, à reprodução da lei heteronormativa. É a performance do corpo masculino em estado de delicadeza e vulnerabilidade, de um corpo que também geme (vide a interjeição ai ai ai do título), que afirma que homem também chora e que, se quiser, pode ser menina, mulher, diva e, até mesmo, ser menino. Um corpo masculino que procura se desidentificar da heteronormatividade ao promover a ideia de uma masculinidade que se mostra como travestimento, ou que, também, pode sair de cena ao brincar de ser invisível como acontece no momento em que Evelin se cobre de um manto branco e desaparece por alguns segundos sobre o chão, também branco, do palco. Já o trabalho Não alimente os animais (2010), de Ricardo Marinelli, opta por um diálogo direto com a esfera pública ao revelar a existência de outras corporeidades que, muitas vezes, não são levadas em consideração no debate social. Interessado pelas questões da transexualidade e dos transgêneros, o artista desenvolve uma ação performática nos espaços urbanos onde os corpos das transexuais, ou melhor, das transmulheres, são renegados à vida noturna e à marginalidade. Categorizados e circunscritos espacialmente como animais não-domesticados, estes sujeitos, estigmatizados como abjetos e bestializados, acabam por ficar restritos às ruelas e aos becos da cidade, sendo a sua presença somente aceita e tolerada para a afirmação do discurso compulsoriamente heteronormativo que, ironicamente, depende daquilo que é dado como exceção para, com isso, afirmar-se enquanto norma.

8 Partindo deste contexto, Ricardo Marinelli interfere nestes locais sob a luz do dia e sob a pele de Ana Princesa dos Cabelos Mágicos que é o nome de um corpo-manifesto definido pelo próprio artista como travesqueen, isto é, uma figura corporal imageticamente ambígua, portando a transformação física das travestis e a atitude irreverente das drags. Por aproximadamente quarenta minutos, com uma maquiagem impecável, calçando meia calça arrastão, de peça íntima feminina e de salto alto, Ricardo-travestido-de-Princesa rasteja literalmente pelas calçadas onde as transexuais profissionais do sexo mercantilizam os seus corpos. Durante o seu arrastar, Princesa carrega em seu tornozelo uma corrente atrelada a uma placa verde com os dizeres Por favor não alimente os animais. A performance do perigoso em Ricardo Marinelli situa-se em fazer com que o espaço público se depare, de forma crua, com o preconceito moral e sexual que sofre o corpo da transmulher ou de qualquer sujeito que não se identifica com as normas vigentes de definição de gênero e de sexo. Todavia, ressalto que Não alimente os animais esquiva-se de cair na armadilha do discurso da vitimização, pois a travesqueen de Ricardo Marinelli apropria-se das enunciações heteronormativas e fóbicas que recaem sobre os corpos transexuais para, consequentemente, subvertê-las ao se apresentar na cena social diurna, sem o registro do pudor ou moralista. O rastejar de certo modo contorcido da Princesa pode ser encarado como uma atitude ambígua e provocadoramente posada, levando o transeunte a ver o seu arrastar no asfalto não somente como um corpo porta-voz da morte real e simbólica de certas corporeidades e sexualidades nas calçadas citadinas, mas também como o gesto de um corpo que, perigosamente, se contorce em um espasmo de prazer em plena luz do dia, dando aos passantes o espetáculo de um gozo em câmera lenta. A travesqueen de Ricardo Marinelli parece ralentar o instante do prazer como uma maneira de afrontar o olhar do outro sobre seu corpo gozoso. Com sua maquiagem, vestimenta e atitude, Ana Princesa dos Cabelos Mágicos apodera-se do palco urbano, tentando resistir à cultura de gueto (in)diretamente imposta sobre os corpos que não se encaixam no ideal heteronormativo de controle das práticas sexuais, afetivas e corporais. Deste modo, ao deslocar, artisticamente, os corpos transexuais e transgêneros dos guetos noturnos aos quais são renegados para apresentá-los em pleno convívio com os outros integrantes do espaço público, Não alimente os animais produz uma performance do perigoso que rechaça as alcunhas de corpos indóceis, anormais e criminosos que são impostas a tais sujeitos. Portanto, a performance de Marinelli é perigosa por desafiar o discurso homofóbico e heterossexista, que busca, a todo custo, penalizar as sexualidades e corpos dissidentes com a invisibilidade social.

9 III Caminhando para o desfecho de minha fala, concluo que, a partir do trabalho destes dois artistas da dança, podemos encontrar duas nuanças da performance do perigoso, e que são complementares entre si: uma, entrevista na obra de Marcelo Evelin, que é a de um jogo delicado e afetuoso com o corpo, bordando imagens e embaralhamentos de gênero na tessitura do tempo; a outra, que pode ser apreendida da ação performativa de Ricardo Marinelli, que é a de um confronto, irreverente e corajoso, com as resistências da esfera social a aceitar configurações corporais que não coadunam com a ideia do sexo e da sexualidade enquanto condições irreversíveis e imutáveis. Portanto, através de suas performances perigosas, os corpos de Marcelo Evelin e Ricardo Marinelli desafiam a ideia de uma masculinidade rígida e pragmática ao propor artisticamente outros imaginários, outras possibilidades de relação entre corpo e gênero. Além disso, evidenciam a instabilidade de qualquer prática performativa de gênero, seja a masculina ou feminina, quando seus respectivos trabalhos borram os limites que possam existir entre ele e ela ou, também, entre qualquer relação binominal contida nos discursos e práticas do sexo e da sexualidade. Notas [1] O presente ensaio é a versão escrita, com algumas modificações, da fala homônima enunciada durante a palestra/discussão Gênero e corporeidade: uma discussão ambígua, pertencente à programação do Festival Brasil Move Berlim e ocorrida no teatro Hebbel am Ufer 3 (HAU3), em Berlim, no dia 14 de abril de [2] Cf. VIANA, [3] Cf. BURT, 1995, p. 12. Bibliografia BURT, Ramsay. The male dancer: bodies, spectacle, sexualities. Londres: Routledge, BUTLER, Judith. Corpos que pesam: sobre os limites discursivos do sexo. In: LOURO, Guacira Lopes. O corpo educado: pedagogias da sexualidade. p NOLASCO, Sócrates. De Tarzan a Homer Simpson: banalização e violência masculina em sociedades contemporâneas ocidentais. Rio de Janeiro: Rocco, WEEKS, Jeffrey. Cultura, economia política e construção social da sexualidade. In: LOURO, Guacira Lopes. O corpo educado: pedagogias da sexualidade. p

10 VIANA, André Luiz Masseno [André Masseno]. Ele está presente: a obra de Silviano Santiago e as performances do artista perigoso. Dissertação (Mestrado em Literatura Brasileira). Rio de Janeiro: Universidade do Estado do Rio de Janeiro, erevista Performatus e o autor

II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013

II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013 II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013 TEMÁTICA: EDUCAÇÃO, QUESTÃO DE GÊNERO E DIVERSIDADE EDUCAÇÃO

Leia mais

GÊNERO E EDUCAÇÃO: DISCUTINDO A DOCILIZAÇÃO DOS CORPOS INFANTIS

GÊNERO E EDUCAÇÃO: DISCUTINDO A DOCILIZAÇÃO DOS CORPOS INFANTIS GÊNERO E EDUCAÇÃO: DISCUTINDO A DOCILIZAÇÃO DOS CORPOS INFANTIS TAINARA GUIMARÃES ARAÚJO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ (UESC) Resumo A construção das identidades de gênero constitui todo um processo

Leia mais

DOS ESTUDOS DE GÊNERO ÀS TEORIAS QUEER: DESDOBRAMENTOS DO FEMINISMO E DO MOVIMENTO LGBT NA PSICOLOGIA SOCIAL

DOS ESTUDOS DE GÊNERO ÀS TEORIAS QUEER: DESDOBRAMENTOS DO FEMINISMO E DO MOVIMENTO LGBT NA PSICOLOGIA SOCIAL DOS ESTUDOS DE GÊNERO ÀS TEORIAS QUEER: DESDOBRAMENTOS DO FEMINISMO E DO MOVIMENTO LGBT NA PSICOLOGIA SOCIAL Profª Drª Juliana Perucchi Universidade Federal de Juiz de Fora Desde os primeiros estudos que

Leia mais

SIGNIFICADOS DE GÊNERO NO COTIDIANO ESCOLAR DE UMA ESCOLA PÚBLICA MUNICIPAL DE SÃO PAULO

SIGNIFICADOS DE GÊNERO NO COTIDIANO ESCOLAR DE UMA ESCOLA PÚBLICA MUNICIPAL DE SÃO PAULO SIGNIFICADOS DE GÊNERO NO COTIDIANO ESCOLAR DE UMA ESCOLA PÚBLICA MUNICIPAL DE SÃO PAULO TELLES, Edna de Oliveira - USP GE: Gênero, Sexualidade e Educação / n.23 Agência Financiadora: Não contou com financiamento.

Leia mais

Corpos em cena na formação crítica docente. Rosane Rocha Pessoa Universidade Federal de Goiás

Corpos em cena na formação crítica docente. Rosane Rocha Pessoa Universidade Federal de Goiás Corpos em cena na formação crítica docente Rosane Rocha Pessoa Universidade Federal de Goiás 1 Nosso trabalho na perspectiva crítica Objetivo: problematizar questões sociais e relações desiguais de poder

Leia mais

PRÁTICA DISCURSIVA, PRÁTICA SOCIAL O NÃO DITO EM CARTAZES DE CAMPANHA CONTRA AIDS. 1. Palavras- Chaves: AIDS Análise do Discurso- Heteronormatividade

PRÁTICA DISCURSIVA, PRÁTICA SOCIAL O NÃO DITO EM CARTAZES DE CAMPANHA CONTRA AIDS. 1. Palavras- Chaves: AIDS Análise do Discurso- Heteronormatividade PRÁTICA DISCURSIVA, PRÁTICA SOCIAL O NÃO DITO EM CARTAZES DE CAMPANHA CONTRA AIDS. 1 Camila do Nascimento Carmo 2 Resumo O aparecimento da AIDS provocou um clima de grande pânico coletivo na sociedade.

Leia mais

O HOMEM DE VERDADE 1 : Olhando pelas lentes pelas quais vêem as mulheres

O HOMEM DE VERDADE 1 : Olhando pelas lentes pelas quais vêem as mulheres Introdução O HOMEM DE VERDADE 1 : Olhando pelas lentes pelas quais vêem as mulheres Sonia de Alcantara IFRJ/UGB sonia.alcantara@ifrj.edu.br Letícia Mendes Pereira, Lohanna Giovanna Gonçalves da Silva,

Leia mais

ORIENTAÇÃO SEXUAL NOS PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS

ORIENTAÇÃO SEXUAL NOS PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS DISJUNÇÕES DA SEXUALIDADE NOS PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS E NOS PROJETOS ESCOLARES DE EDUCAÇÃO SEXUAL Denise da Silva Braga UERJ Agência Financiadora: CNPQ Os discursos atuais sobre a sexualidade

Leia mais

Proibição da discriminação em face das identidades de gênero e sexuais: reflexões acerca do ambiente escolar brasileiro

Proibição da discriminação em face das identidades de gênero e sexuais: reflexões acerca do ambiente escolar brasileiro Proibição da discriminação em face das identidades de gênero e sexuais: reflexões acerca do ambiente escolar brasileiro Andreza do Socorro Pantoja de Oliveira Smith Universidade Federal do Pará, Universidade

Leia mais

ARGUMENTAÇÃO, TEXTUALIDADE E DESIGNAÇÃO NA SEMÂNTICA DO ACONTECIMENTO: OS SENTIDOS NOS DIFERENTES MODOS DE ESCRAVIDÃO

ARGUMENTAÇÃO, TEXTUALIDADE E DESIGNAÇÃO NA SEMÂNTICA DO ACONTECIMENTO: OS SENTIDOS NOS DIFERENTES MODOS DE ESCRAVIDÃO ARGUMENTAÇÃO, TEXTUALIDADE E DESIGNAÇÃO NA SEMÂNTICA DO ACONTECIMENTO: OS SENTIDOS NOS DIFERENTES MODOS DE ESCRAVIDÃO Soeli Maria Schreiber da SILVA (UFSCar) xoila@terra.com.br Na pesquisa atual desenvolvida

Leia mais

TEMAS TRANSVERSAIS DOS PCNs: o que ensinar sobre gênero e sexualidade?

TEMAS TRANSVERSAIS DOS PCNs: o que ensinar sobre gênero e sexualidade? Maria de Fátima da Cunha. UEL/Londrina. Docente TEMAS TRANSVERSAIS DOS PCNs: o que ensinar sobre gênero e sexualidade? Para Tomaz Tadeu da Silva, as narrativas dos currículos podem, explícita ou implicitamente,

Leia mais

SEMINÁRIO SOCIEDADE, ESCOLA E VIOLÊNCIA 06 de junho de 2009. Violência e Sexualidade: Gênero e Homofobia na Escola Alexandre Bortolini

SEMINÁRIO SOCIEDADE, ESCOLA E VIOLÊNCIA 06 de junho de 2009. Violência e Sexualidade: Gênero e Homofobia na Escola Alexandre Bortolini SEMINÁRIO SOCIEDADE, ESCOLA E VIOLÊNCIA 06 de junho de 2009 Violência e Sexualidade: Gênero e Homofobia na Escola Alexandre Bortolini Coordenador do Projeto Diversidade Sexual na Escola Universidade Federal

Leia mais

TEMA: SAMBA DE GAFIEIRA

TEMA: SAMBA DE GAFIEIRA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DESANTA CATARINA IFSC-CAMPUS JOINVILLE CURSO DE ASSISTENTE EM PRODUÇÃO CULTURAL-PRONATEC TURMA 1 2013 PLANO COREOGRÁFICO TEMA: SAMBA DE GAFIEIRA CARLOS

Leia mais

PRECONCEITO E INVISIBILIDADE: UMA ANÁLISE SOBRE QUESTÕES ACERCA DAS HOMOSSEXUALIDADES

PRECONCEITO E INVISIBILIDADE: UMA ANÁLISE SOBRE QUESTÕES ACERCA DAS HOMOSSEXUALIDADES PRECONCEITO E INVISIBILIDADE: UMA ANÁLISE SOBRE QUESTÕES ACERCA DAS HOMOSSEXUALIDADES PRADO, Marco Aurélio Máximo & MACHADO, Frederico Viana. Preconceito contra homossexualidades: a hierarquia da invisibilidade.

Leia mais

CENA 11 CIA DE DANÇA

CENA 11 CIA DE DANÇA CENA 11 CIA DE DANÇA [Companhia de Dança - Florianópolis SC Brasil] Imagens do espetáculo Violência (2002). Disponíveis em: http://crisprim.blogspot.com/2008_07_01_archive.html Desde 1990 o grupo Cena

Leia mais

A PERFORMATIVIDADE DE GÊNERO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: PROBLEMÁTICAS E PROPOSIÇÕES NA CONSTITUIÇÃO DE LIVROS DIDÁTICOS

A PERFORMATIVIDADE DE GÊNERO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: PROBLEMÁTICAS E PROPOSIÇÕES NA CONSTITUIÇÃO DE LIVROS DIDÁTICOS A PERFORMATIVIDADE DE GÊNERO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: PROBLEMÁTICAS E PROPOSIÇÕES NA CONSTITUIÇÃO DE LIVROS DIDÁTICOS OLIVEIRA, Márcio de (UEM) MAIO, Eliane Rose (UEM) INTRODUÇÃO A proposta central desse

Leia mais

ESPACIALIDADES GAYS EM BARES E BOATES DA NOITE CURITIBANA

ESPACIALIDADES GAYS EM BARES E BOATES DA NOITE CURITIBANA ESPACIALIDADES GAYS EM BARES E BOATES DA NOITE CURITIBANA Mayã Polo de Campos 1 Joseli Maria Silva 2 Marcio José Ornat 3 O presente trabalho tem por objetivo compreender a relação entre espacialidades

Leia mais

É PROIBIDO MIAR: ANÁLISE DA OBRA DE PEDRO BANDEIRA NA PERSPECTIVA HOMOSSEXUAL

É PROIBIDO MIAR: ANÁLISE DA OBRA DE PEDRO BANDEIRA NA PERSPECTIVA HOMOSSEXUAL É PROIBIDO MIAR: ANÁLISE DA OBRA DE PEDRO BANDEIRA NA PERSPECTIVA HOMOSSEXUAL Sara Regina de Oliveira Lima (PIBID - UESPI) saralima.r@hotmail.com Sislanne Felsan Cunha (MONITORIA UFPI) sisfelsan@hotmail.com

Leia mais

Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem (PNAISH)

Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem (PNAISH) Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem (PNAISH) 15/07/2011 METALÚRGICO, 26 ANOS Não costumo fazer exame porque sinto meu corpo bom, ótimo. Nunca senti uma dor. Senti uma dor uma vez na

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ DISCIPLINA:TEORIA E ENSINO DA DANÇA PROF.ESP.SAMANDA NOBRE Elementos Estruturantes da dança RITMO MOVIMENTO Ritmo Ritmo vem do grego Rhytmos e designa aquilo que flui,

Leia mais

O DESPIR-SE DE TALES FREY EM BUSCA DE UM OBJETO DE ENSAIO

O DESPIR-SE DE TALES FREY EM BUSCA DE UM OBJETO DE ENSAIO Ano 1 Nº 2 Jan 2013 ISSN 2316-8102 O DESPIR-SE DE TALES FREY EM BUSCA DE UM OBJETO DE ENSAIO por Nathália Mello Tales Frey, Vende-se: Aceita-se Cartão de Débito. Performance realizada na cidade do Porto,

Leia mais

Questões de gênero. Masculino e Feminino

Questões de gênero. Masculino e Feminino 36 Questões de gênero Masculino e Feminino Pepeu Gomes Composição: Baby Consuelo, Didi Gomes e Pepeu Gomes Ôu! Ôu! Ser um homem feminino Não fere o meu lado masculino Se Deus é menina e menino Sou Masculino

Leia mais

Menino brinca de boneca? Livro e guia do professor Autor: Marcos Ribeiro

Menino brinca de boneca? Livro e guia do professor Autor: Marcos Ribeiro Menino brinca de boneca? Livro e guia do professor Autor: Marcos Ribeiro Trabalha a questão do masculino feminino de forma muito didática. Trata, basicamente, dos estereótipos sexuais e preconceitos existentes

Leia mais

FORMAÇÃO IDEOLÓGICA: O CONCEITO BASILAR E O AVANÇO DA TEORIA

FORMAÇÃO IDEOLÓGICA: O CONCEITO BASILAR E O AVANÇO DA TEORIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL IV SEAD - SEMINÁRIO DE ESTUDOS EM ANÁLISE DO DISCURSO 1969-2009: Memória e história na/da Análise do Discurso Porto Alegre, de 10 a 13 de novembro de 2009 FORMAÇÃO

Leia mais

Palavras-Chave: masculinidades, corporeidades, usina hidrelétrica, construção civil.

Palavras-Chave: masculinidades, corporeidades, usina hidrelétrica, construção civil. Tipo da Atividade: Grupo de Trabalho Temático Área: Gênero, sexualidade, raça e idade Título: CORPOS MASCULINOS CONSTRUÍDOS NA/ PELA CONSTRUÇÃO DE UMA HIDRELÉTRICA Priscila Pavan Detoni - UFRGS. Henrique

Leia mais

VIOLÊNCIA E BULLYING HOMO/TRANSFÓBICA NAS ESCOLAS E NAS AULAS DE EFE: ENTENDENDO PARA PODER MINIMIZAR ESSAS PRÁTICAS.

VIOLÊNCIA E BULLYING HOMO/TRANSFÓBICA NAS ESCOLAS E NAS AULAS DE EFE: ENTENDENDO PARA PODER MINIMIZAR ESSAS PRÁTICAS. VIOLÊNCIA E BULLYING HOMO/TRANSFÓBICA NAS ESCOLAS E NAS AULAS DE EFE: ENTENDENDO PARA PODER MINIMIZAR ESSAS PRÁTICAS. Prof. Me. Leonardo Morjan Britto Peçanha Licenciado e Bacharel em Educação Física (UNISUAM);

Leia mais

Mas e quando um/a aluno/a tem dois pais gays ou duas mães lésbicas? Como a escola lida com as novas constituições de familiares?

Mas e quando um/a aluno/a tem dois pais gays ou duas mães lésbicas? Como a escola lida com as novas constituições de familiares? 1 ENTRE SUBVERSÕES E CONVENÇÕES: RESISTÊNCIA ÀS NORMAS DA SEXUALIDADE EM DUAS ESCOLAS DE SALVADOR Introdução Deivide Souza e Carla Freitas 1 Este artigo analisa como duas escolas de Salvador enfrentam

Leia mais

Anais do VII Seminário Fazendo Gênero 28, 29 e 30 de 2006

Anais do VII Seminário Fazendo Gênero 28, 29 e 30 de 2006 Gênero e Sexualidade nas Práticas Escolares ST 07 Priscila Gomes Dornelles i PPGEdu/UFRGS Educação Física escolar - aulas separadas entre meninos e meninas - relações de gênero Distintos destinos : problematizando

Leia mais

PROGRAMA DE SAÚDE SEXUAL GOVERNAMENTAL: CONTRIBUIÇÕES, DIFICULDADES E LIMITAÇÕES

PROGRAMA DE SAÚDE SEXUAL GOVERNAMENTAL: CONTRIBUIÇÕES, DIFICULDADES E LIMITAÇÕES PROGRAMA DE SAÚDE SEXUAL GOVERNAMENTAL: CONTRIBUIÇÕES, DIFICULDADES E LIMITAÇÕES MARTYRES, Thais Raffaela dos Faculdade de Ensino Superior Dom Bosco Acadêmica do Curso de Farmácia Membro do Grupo de Bolsista

Leia mais

HOMOSSEXUALIDADE E AMBIENTE ESCOLAR: A TEORIA QUEER COMO PROPOSTA PARA FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA DE PROFESSORES

HOMOSSEXUALIDADE E AMBIENTE ESCOLAR: A TEORIA QUEER COMO PROPOSTA PARA FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA DE PROFESSORES HOMOSSEXUALIDADE E AMBIENTE ESCOLAR: A TEORIA QUEER COMO PROPOSTA PARA FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA DE PROFESSORES Vinícius Lopes Torres 1 Resumo: A homossexualidade é um tema que ganha cada vez mais

Leia mais

A DESTRUIÇÃO DO CORPO E A EMERGÊNCIA DO SUJEITO: A SUBJETIVAÇÃO EM JUDITH BUTLER

A DESTRUIÇÃO DO CORPO E A EMERGÊNCIA DO SUJEITO: A SUBJETIVAÇÃO EM JUDITH BUTLER Estados Gerais da Psicanálise: Segundo Encontro Mundial, Rio de Janeiro 2003 A DESTRUIÇÃO DO CORPO E A EMERGÊNCIA DO SUJEITO: A SUBJETIVAÇÃO EM JUDITH BUTLER Henrique Caetano Nardi 1 Raquel da Silva Silveira

Leia mais

AMOR É ASSUNTO DE MULHER : RELAÇÃO DE GÊNERO E EMOÇÕES EM LETRAS DE RAP

AMOR É ASSUNTO DE MULHER : RELAÇÃO DE GÊNERO E EMOÇÕES EM LETRAS DE RAP AMOR É ASSUNTO DE MULHER : RELAÇÃO DE GÊNERO E EMOÇÕES EM LETRAS DE RAP Sandra Mara Pereira dos Santos soul_mara@yahoo.com.br PPGCSo-UNESP Doutoranda Analiso que na questão de gênero no rap nacional existe

Leia mais

14/11/2012 03h37 Cazuza volta aos palcos em 2013 em 'versão holograma'

14/11/2012 03h37 Cazuza volta aos palcos em 2013 em 'versão holograma' 14/11/2012 03h37 Cazuza volta aos palcos em 2013 em 'versão holograma' LUCAS NOBILE COLABORAÇÃO PARA A FOLHA MATHEUS MAGENTA DE SÃO PAULO Cazuza morreu em 1990, aos 32 anos. Em 4 de abril 2013, quando

Leia mais

GÊNERO, DIVERSIDADE SEXUAL E AS LÉSBICAS. Alessandra Acedo

GÊNERO, DIVERSIDADE SEXUAL E AS LÉSBICAS. Alessandra Acedo Texto parcial da palestra apresentada durante o 7º Seminário Internacional de Bibliotecas Públicas e Comunitárias em novembro de 2014, publicado com autorização da autora. GÊNERO, DIVERSIDADE SEXUAL E

Leia mais

29 DE JANEIRO DIA NACIONAL DA VISIBILIDADE DE TRAVESTIS E TRANSEXUAIS. Jaqueline Gomes de Jesus* 1

29 DE JANEIRO DIA NACIONAL DA VISIBILIDADE DE TRAVESTIS E TRANSEXUAIS. Jaqueline Gomes de Jesus* 1 29 DE JANEIRO DIA NACIONAL DA VISIBILIDADE DE TRAVESTIS E TRANSEXUAIS Jaqueline Gomes de Jesus* 1 Uma história única cria estereótipos, e o problema com os estereótipos não é que eles sejam mentirosos,

Leia mais

AÇÕES DE COMBATE A HOMOFOBIA NAS ESCOLAS DO PÓLO DO CEFAPRO (CENTRO DE FORMAÇÃO E ATUALIZAÇÃO DE PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO) DE TANGARÁ DA SERRA-MT

AÇÕES DE COMBATE A HOMOFOBIA NAS ESCOLAS DO PÓLO DO CEFAPRO (CENTRO DE FORMAÇÃO E ATUALIZAÇÃO DE PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO) DE TANGARÁ DA SERRA-MT AÇÕES DE COMBATE A HOMOFOBIA NAS ESCOLAS DO PÓLO DO CEFAPRO (CENTRO DE FORMAÇÃO E ATUALIZAÇÃO DE PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO) DE TANGARÁ DA SERRA-MT RELATO DE EXPERIÊNCIA Introdução Marcos Serafim Duarte

Leia mais

Área temática: As práticas docentes na diversidade. UFPR, Educação Física, PIBID/CAPES/UFPR, renan.macedo@live.com 5

Área temática: As práticas docentes na diversidade. UFPR, Educação Física, PIBID/CAPES/UFPR, renan.macedo@live.com 5 DIFERENÇA NO CONTEXTO ESCOLAR: EXPERIÊNCIA NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA Camila Andretta de Melo 1 * Gilson Litka 2 Alison Lopes Dias 3 Renan Macedo de Meira 4 Cahuane Correa 5 Rogerio Goulart da Silva

Leia mais

MONSTRUOSIDADE E RESISTÊNCIA NA PERFORMANCE DE RICARDO MARINELLI

MONSTRUOSIDADE E RESISTÊNCIA NA PERFORMANCE DE RICARDO MARINELLI Inhumas, ano 2, n. 12, out. 2014 ISSN 2316-8102 MONSTRUOSIDADE E RESISTÊNCIA NA PERFORMANCE DE RICARDO MARINELLI Caio Riscado Curitiba, 24 de maio de 2014, sede do Água Viva Concentrado Artístico, segunda

Leia mais

BILLY ELLIOT: ANALISANDO AS QUESTÕES DE GÊNERO. Jeferson Valadão Freire Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ)

BILLY ELLIOT: ANALISANDO AS QUESTÕES DE GÊNERO. Jeferson Valadão Freire Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ) BILLY ELLIOT: ANALISANDO AS QUESTÕES DE GÊNERO Julio Cezar Pereira Araujo Universidade Federal Fluminense (UFF) Bolsista PIBID/CAPES Jeferson Valadão Freire Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ)

Leia mais

A (DES)CONSTRUÇÃO DA MATERNIDADE PINTO, Maria das Graças C. da S. M. G. Uniplac/Unifra profgra@terra.com.br GT:Gênero, Sexualidade e Educação / n.

A (DES)CONSTRUÇÃO DA MATERNIDADE PINTO, Maria das Graças C. da S. M. G. Uniplac/Unifra profgra@terra.com.br GT:Gênero, Sexualidade e Educação / n. A (DES)CONSTRUÇÃO DA MATERNIDADE PINTO, Maria das Graças C. da S. M. G. Uniplac/Unifra profgra@terra.com.br GT:Gênero, Sexualidade e Educação / n. 23 Introdução A maternidade tem se constituído cada vez

Leia mais

apaixonados um pelo outro. Fábio é homossexual e tem em torno de 45 anos. Madalena também tem mais ou menos a mesma idade, e é heterossexual.

apaixonados um pelo outro. Fábio é homossexual e tem em torno de 45 anos. Madalena também tem mais ou menos a mesma idade, e é heterossexual. Apresentação Este projeto é simples e pretende levar para o público algo de elevado conteúdo artístico. O orçamento da pré-produção e da produção é pequeno, já que a peça será encenada por dois atores

Leia mais

O saber cotidiano: a casa e a rua como lugares do conhecimento

O saber cotidiano: a casa e a rua como lugares do conhecimento O saber cotidiano: a casa e a rua como lugares do conhecimento O que mobiliza esta aula é a vida cotidiana, o significado da casa e da vida doméstica, da rua e do espaço público como conformadores de nosso

Leia mais

Ana Paula Vitelli, Ph.D. Reunião do Comitê de RH, Britcham 08 de Outubro, 2013 São Paulo SP

Ana Paula Vitelli, Ph.D. Reunião do Comitê de RH, Britcham 08 de Outubro, 2013 São Paulo SP Ana Paula Vitelli, Ph.D. Reunião do Comitê de RH, Britcham 08 de Outubro, 2013 São Paulo SP Introdução Do que estamos falando? Um grupo específico de mulheres Uma visão Pesquisa de Doutorado na FGV EAESP

Leia mais

ENTRE OS INSTRUMENTISTAS E AS CANTORAS: O LUGAR DO FEMININO E DO MASCULINO NO SAMBA, NO CHORO E NO FADO

ENTRE OS INSTRUMENTISTAS E AS CANTORAS: O LUGAR DO FEMININO E DO MASCULINO NO SAMBA, NO CHORO E NO FADO ENTRE OS INSTRUMENTISTAS E AS CANTORAS: O LUGAR DO FEMININO E DO MASCULINO NO SAMBA, NO CHORO E NO FADO Marina Bay Frydberg 1 Nestes últimos dez anos, jovens músicos estão redescobrindo gêneros músicas

Leia mais

CINE TEXTOS A OUTRA MARGEM

CINE TEXTOS A OUTRA MARGEM 1 CINE TEXTOS ```````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````` Informação reunida e trabalhada para apoio à exibição

Leia mais

Atividades Acadêmico-Científico- -Culturais: Diversidade Cultural. Contextualização. Gênero. Teleaula 2. Letras. Diversidade de Gênero

Atividades Acadêmico-Científico- -Culturais: Diversidade Cultural. Contextualização. Gênero. Teleaula 2. Letras. Diversidade de Gênero Atividades Acadêmico-Científico- -Culturais: Diversidade Cultural Teleaula 2 Diversidade de Gênero Profa. Dra. Marcilene Garcia de Souza tutorialetras@grupouninter.com.br Letras Contextualização Por que

Leia mais

Um pouco mais sobre desenvolvimento social e os Transtornos do Espectro Autista

Um pouco mais sobre desenvolvimento social e os Transtornos do Espectro Autista Um pouco mais sobre desenvolvimento social e os Transtornos do Espectro Autista www.infanciaeadole scencia.com.br O desenvolvimento social ocorre ao longo de todas as etapas do ciclo vital. Entretanto,

Leia mais

com.posições.políticas 2011. 12 20 de Novembro. Rio de Janeiro. Festival Panorama Um Corpo que Causa

com.posições.políticas 2011. 12 20 de Novembro. Rio de Janeiro. Festival Panorama Um Corpo que Causa Um Corpo que Causa Com.posições.políticas.EncontroIbero Americano.16e17denovembro2011 ArmazémdaUtopia.RiodeJaneiro.FestivalPanorama20anos. Dois dias de palestras, conversas coreopolíticas e performances

Leia mais

o desenho do corpo o corpo que desenha [ 1 ]

o desenho do corpo o corpo que desenha [ 1 ] Nádia da Cruz Senna Artista plástica, pesquisadora e professora adjunta da Universidade Federal de Pelotas, atuando junto as disciplinas de Desenho, Design e História em Quadrinhos. alecrins@uol.com.br

Leia mais

OFICINA: SEXUALIDADE

OFICINA: SEXUALIDADE OFICINA: SEXUALIDADE Daniele Costa Tatiane Fontoura Garcez APRESENTAÇÃO A oficina tem como tema a Sexualidade, será realizado no Instituto Estadual de Educação Bernardino Ângelo, no dia 25/08/2014, segunda-feira,

Leia mais

Feminização traz desafios para prevenção da infecção

Feminização traz desafios para prevenção da infecção Feminização traz desafios para prevenção da infecção Por Carolina Cantarino e Paula Soyama A epidemia de Aids no Brasil, em seu início, na década de 1980, se caracterizava por afetar mais os homens. Acreditava-se

Leia mais

Bruna Teixeira Castellan 1 Suellen da Silva Rizza 2 Sandro Prado Santos 3 RESUMO

Bruna Teixeira Castellan 1 Suellen da Silva Rizza 2 Sandro Prado Santos 3 RESUMO ENTRE FILMES, CONVERSAS E TEXTOS: REFLEXÕES SOBRE CORPO, GÊNERO E SEXUALIDADE A PARTIR DE ENCONTROS DE UM GRUPO DE LICENCIANDOS/AS E PROFESSORES/AS DA EDUCAÇÃO BÁSICA Bruna Teixeira Castellan 1 Suellen

Leia mais

Revelação Diagnóstica do HIV A arte de comunicar más notícias Tânia Regina C. de Souza, Karina Wolffenbuttel, Márcia T. F.

Revelação Diagnóstica do HIV A arte de comunicar más notícias Tânia Regina C. de Souza, Karina Wolffenbuttel, Márcia T. F. Revelação Diagnóstica do HIV A arte de comunicar más notícias Tânia Regina C. de Souza, Karina Wolffenbuttel, Márcia T. F. dos Santos A aids é ainda uma doença ameaçadora. Apesar de todos os avanços no

Leia mais

2. OBJETIVO E CONCEPÇÃO DA PROVA

2. OBJETIVO E CONCEPÇÃO DA PROVA Aptidão Dança 1. INTRODUÇÃO O Curso de Graduação em Dança da Unicamp tem como objetivo formar o intérprete e criador em Dança, profissional capaz de contribuir como agente transformador da realidade, responsável

Leia mais

Entre 1940 a 1960, uma coleção de romances intitulada Biblioteca

Entre 1940 a 1960, uma coleção de romances intitulada Biblioteca I M A G E M N O B R A S I L COM A PALAVRA, AS IMAGENS! representações do feminino nas capas dos romances da Biblioteca das Moças (1940-1960) Maria Teresa Santos Cunha Entre 1940 a 1960, uma coleção de

Leia mais

MEU CORPO, MINHAS REGRAS : CORPO, LINGUAGEM E GÊNERO NO MOVIMENTO MARCHA DAS VADIAS.

MEU CORPO, MINHAS REGRAS : CORPO, LINGUAGEM E GÊNERO NO MOVIMENTO MARCHA DAS VADIAS. MEU CORPO, MINHAS REGRAS : CORPO, LINGUAGEM E GÊNERO NO MOVIMENTO MARCHA DAS VADIAS. Raquel Medeiros 1 - INTRODUÇÃO - Ser livre é ser vadia? As Slutwalks surgiram em 2011, em Toronto, Canadá, na Escola

Leia mais

CONSTRUÇÃO DE IMAGEM PESSOAL NO AMBIENTE DE TRABALHO. Amanda Medeiros Cecília Aragão

CONSTRUÇÃO DE IMAGEM PESSOAL NO AMBIENTE DE TRABALHO. Amanda Medeiros Cecília Aragão CONSTRUÇÃO DE IMAGEM PESSOAL NO AMBIENTE DE TRABALHO Amanda Medeiros Cecília Aragão Mais importante do que a roupa é a vida que se vive dentro da roupa. A gente é mais bonita quando está feliz. Quem se

Leia mais

OS PADRÕES NORMATIVOS DE GÊNERO E SEXUALIDADE: UMA ANÁLISE A PARTIR DO FILME A BELA E A FERA

OS PADRÕES NORMATIVOS DE GÊNERO E SEXUALIDADE: UMA ANÁLISE A PARTIR DO FILME A BELA E A FERA OS PADRÕES NORMATIVOS DE GÊNERO E SEXUALIDADE: UMA ANÁLISE A PARTIR DO FILME A BELA E A FERA Geane Apolinário Oliveira UEPB Geane-cg@hotmail.com Introdução O presente artigo tem por objetivo enfatizar

Leia mais

Gtp+ PROGRAMAS E PROJETOS Grupo de Trabalhos em Prevenção Posithivo (GTP+) Fundação em 2000, Recife-PE O Grupo de Trabalhos em Prevenção Posithivo é a única ONG da Região Nordeste do Brasil coordenada

Leia mais

PROJETO DE LEI N O, DE 2016

PROJETO DE LEI N O, DE 2016 PROJETO DE LEI N O, DE 2016 (Da Sra. Deputada Federal LAURA CARNEIRO) Acresce dispositivo à Lei n o 6.015, de 31 de dezembro de 1973, para dispor sobre substituição de prenome e alteração de sexo no registro

Leia mais

O USO DA IMAGEM NAS AULAS DE HISTÓRIA: AS PINTURAS DO SÉCULO XIX

O USO DA IMAGEM NAS AULAS DE HISTÓRIA: AS PINTURAS DO SÉCULO XIX O USO DA IMAGEM NAS AULAS DE HISTÓRIA: AS PINTURAS DO SÉCULO XIX Ricardo Barros Aluno do curso de Pós graduação (mestrado) da Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo Sendo as coisas que pensamos

Leia mais

TUDO BEM SER DIFERENTE?!? A PRÁTICA CURRICULAR COMO ESPELHO DA CULTURA.

TUDO BEM SER DIFERENTE?!? A PRÁTICA CURRICULAR COMO ESPELHO DA CULTURA. Culturas e Conhecimentos Disciplinares Débora Barreiros TUDO BEM SER DIFERENTE?!? A PRÁTICA CURRICULAR COMO ESPELHO DA CULTURA. Numa sociedade em que o discurso sobre o respeito à diferença ganha cada

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE A CASTIDADE MASCULINA PARTE 3

CONSIDERAÇÕES SOBRE A CASTIDADE MASCULINA PARTE 3 CONSIDERAÇÕES SOBRE A CASTIDADE MASCULINA PARTE 3 Sofia Z. Na parte anterior vimos algumas das razões do declínio do tesão entre os casais que têm uma relação estável. Nesta parte vamos fazer algumas considerações

Leia mais

coleção Conversas #2 Respostas que podem estar passando para algumas perguntas pela sua cabeça.

coleção Conversas #2 Respostas que podem estar passando para algumas perguntas pela sua cabeça. coleção Conversas #2 Positivo, o que e u faç o Deu Respostas para algumas perguntas que podem estar passando pela sua cabeça. A coleção CONVERSAS da Editora AfroReggae nasceu com o desejo de facilitar

Leia mais

VIOLÊNCIA GRÁFICA: AS ARMAS DE MARCELA TIBONI

VIOLÊNCIA GRÁFICA: AS ARMAS DE MARCELA TIBONI Inhumas, ano 2, n. 12, out 2014 ISSN 2316-8102 VIOLÊNCIA GRÁFICA: AS ARMAS DE MARCELA TIBONI Renan Marcondes Texto escrito a partir da entrevista realizada no dia 5 de agosto de 2014 na CENTRAL Galeria

Leia mais

Histórias de vida de mulheres HIV + ativistas: mudanças e permanências

Histórias de vida de mulheres HIV + ativistas: mudanças e permanências Anais do I Simpósio sobre Estudos de Gênero e Políticas Públicas, ISSN 2177-8248 Universidade Estadual de Londrina, 24 e 25 de junho de 2010 GT 2. Gênero e movimentos sociais Coord. Renata Gonçalves Histórias

Leia mais

PANORAMA CONCEITUAL: e DIVERSIDADE SEXUAL. Prof. Roney Polato de Castro

PANORAMA CONCEITUAL: e DIVERSIDADE SEXUAL. Prof. Roney Polato de Castro PANORAMA CONCEITUAL: SEXUALIDADE e DIVERSIDADE SEXUAL Prof. Roney Polato de Castro 1. Sexualidade é natural? A sexualidade tem sido interpretada como um aspecto natural do ser humano, como uma essência,

Leia mais

A importância dos projectos artísticos no desenvolvimento pessoal e social

A importância dos projectos artísticos no desenvolvimento pessoal e social Congresso de Psicologia Infantil Gente Pequena, Grandes Causas Promovido pela Associação Lumière Cinema S. Jorge, Lisboa A importância dos projectos artísticos no desenvolvimento pessoal e social Mais

Leia mais

NOÇÕES DE CORPO E MOVIMENTO E SUAS IMPLICAÇÕES NO TRABALHO DO ESPETÁCULO CIDADE EM PLANO.

NOÇÕES DE CORPO E MOVIMENTO E SUAS IMPLICAÇÕES NO TRABALHO DO ESPETÁCULO CIDADE EM PLANO. NOÇÕES DE CORPO E MOVIMENTO E SUAS IMPLICAÇÕES NO TRABALHO DO ESPETÁCULO CIDADE EM PLANO. Luciana Lara 1 RESUMO: Este estudo pretende refletir sobre algumas implicações das noções de corpo e movimento

Leia mais

Diversidade Sexual: uma visão arejada e crítica da. Lula Ramires Serra Negra, SP Junho de 2010

Diversidade Sexual: uma visão arejada e crítica da. Lula Ramires Serra Negra, SP Junho de 2010 Diversidade Sexual: uma visão arejada e crítica da homofobia nas escolas Lula Ramires Serra Negra, SP Junho de 2010 Lula Ramires Formado em Filosofia pela USP Mestre em Educação pela F.E. USP Tradutor

Leia mais

TRAJETÓRIAS DE MULHERES SOROPOSITIVAS NO ATIVISMO POLÍTICO DE HIV- AIDS NO ESTADO DO PARANÁ

TRAJETÓRIAS DE MULHERES SOROPOSITIVAS NO ATIVISMO POLÍTICO DE HIV- AIDS NO ESTADO DO PARANÁ TRAJETÓRIAS DE MULHERES SOROPOSITIVAS NO ATIVISMO POLÍTICO DE HIV- AIDS NO ESTADO DO PARANÁ Carolina Branco de Castro Ferreira 1 - PPG-UEL A Aids se apresenta como uma epidemia dinâmica, complexa e multifatorial,

Leia mais

O Valor Ideológico na Propaganda de Cerveja 1

O Valor Ideológico na Propaganda de Cerveja 1 O Valor Ideológico na Propaganda de Cerveja 1 Nathália Sene GARIERI/ Licenciada em História Aline Rafaela Portílio LEMES Aline Aparecida SILVA Samuel Douglas Farias COSTA RESUMO A propaganda ocupa um largo

Leia mais

LITERATURA E AUTORIA FEMININA: REFLEXÕES SOBRE O CÂNONE LITERÁRIO E MARTHA MEDEIROS

LITERATURA E AUTORIA FEMININA: REFLEXÕES SOBRE O CÂNONE LITERÁRIO E MARTHA MEDEIROS LITERATURA E AUTORIA FEMININA: REFLEXÕES SOBRE O CÂNONE LITERÁRIO E MARTHA MEDEIROS Mestranda Kézia Dantas Félix 1, UEPB 1 Resumo: Neste artigo estudo o debate estabelecido em torno do cânone literário,

Leia mais

Corpos em Debate: possibilidades e diálogos com a diversidade étnico racial na escola.

Corpos em Debate: possibilidades e diálogos com a diversidade étnico racial na escola. Corpos em Debate: possibilidades e diálogos com a diversidade étnico racial na escola. Juliana Alves Sorrilha Monteiro 1 - UFRJ Isabele Ferreira Santos 2 - UFRJ Drª. Simone Freitas Chaves 3 UFRJ Eixo temático:

Leia mais

Saiando Calcado na pesquisa de campo sobre figuras femininas relevantes dentro de suas comunidades e em cujo cotidiano estão presentes danças

Saiando Calcado na pesquisa de campo sobre figuras femininas relevantes dentro de suas comunidades e em cujo cotidiano estão presentes danças Saiando Calcado na pesquisa de campo sobre figuras femininas relevantes dentro de suas comunidades e em cujo cotidiano estão presentes danças tradicionais nas quais a saia tem forte papel expressivo, o

Leia mais

Glossário do Programa Pró-equidade

Glossário do Programa Pró-equidade Glossário do Programa Pró-equidade Assédio Moral no Trabalho É a vivência de situações humilhantes e constrangedoras no ambiente de trabalho, caracterizadas por serem repetitivas e prolongadas ao longo

Leia mais

1 O CONTEXTO DO CURSO

1 O CONTEXTO DO CURSO REFLEXÕES ACERCA DAS QUESTÕES DE GÊNERO NO CURSO PEDAGOGIA: LICENCIATURA PARA EDUCAÇÃO INFANTIL MODALIDADE A DISTÂNCIA Lívia Monique de Castro Faria Bolsista de Apoio Técnico a Pesquisa /FAPEMIG. Universidade

Leia mais

elementos para refletirmos a respeito da liberdade do corpo da prostituta na prática da

elementos para refletirmos a respeito da liberdade do corpo da prostituta na prática da PROSTITUIÇÃO E A LIBERDADE DO CORPO 1 Primeiramente quero agradecer o convite e falar que estou encantada de falar deste tema para uma platéia tão especial. Bom, na minha comunicação pretendo levantar

Leia mais

1. Livros para a infância como fontes de pesquisas

1. Livros para a infância como fontes de pesquisas LIVROS PARA A INFÂNCIA NAS TEMÁTICAS DE GÊNERO, SEXUALIDADES, DIFERENÇAS/DIVERSIDADES: POSSIBILIDADES PARA FORMAÇÃO DOCENTE E PRÁTICAS PEDAGÓGICAS Constantina Xavier Filha 1 Os livros para a infância nas

Leia mais

Csordas, T. (1994) (editor) Embodiment and Experience. The existential ground of culture and self. Cambridge, Cambridge University Press.

Csordas, T. (1994) (editor) Embodiment and Experience. The existential ground of culture and self. Cambridge, Cambridge University Press. IMAGENS E IN-CORPORAÇÕES. UMA REFLEXÃO SOBRE O TEATRO EXPERIMENTAL. Selma Baptista Universidade Federal do Paraná UFPR Teatro experimental, performance, ekphrasis. Resumo: este texto reflete sobre a relação

Leia mais

Ensino/aprendizagem circense: projeto transversal de política social

Ensino/aprendizagem circense: projeto transversal de política social ENSINO/APRENDIZAGEM CIRCENSE: PROJETO TRANSVERSAL DE POLÍTICA SOCIAL Erminia Silva Centro de Formação Profissional em Artes Circenses CEFAC Teatralidade circense, circo como educação permanente, história

Leia mais

Panorama Critico #03 - Out/Nov 2009

Panorama Critico #03 - Out/Nov 2009 Lia no infinitivo Vitor Butkus A análise de um objeto artístico pode se valer de procedimentos drásticos, mesmo cruéis. Um bom começo, para amenizar a situação, é a descrição da obra. Por aí, se elabora

Leia mais

COMPORTAMENTO DE PARTICIPANTES DE UM PROJETO FRENTE AOS PORTADORES DE HIV/AIDS

COMPORTAMENTO DE PARTICIPANTES DE UM PROJETO FRENTE AOS PORTADORES DE HIV/AIDS 110. ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( x ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA COMPORTAMENTO DE PARTICIPANTES

Leia mais

A PRESENÇA MASCULINA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: REFLEXÕES INTRODUTÓRIAS

A PRESENÇA MASCULINA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: REFLEXÕES INTRODUTÓRIAS A PRESENÇA MASCULINA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: REFLEXÕES INTRODUTÓRIAS Nilson Sousa Cirqueira 1 - UESB José Valdir Jesus de Santana 2 - UESB Grupo de Trabalho - Educação da Infância Agência Financiadora: Não

Leia mais

Fazendo Gênero 9 Diásporas, Diversidades, Deslocamentos 23 a 26 de agosto de 2010

Fazendo Gênero 9 Diásporas, Diversidades, Deslocamentos 23 a 26 de agosto de 2010 A PRÁTICA PEDAGÓGICA EM RELAÇÃO AO BULLYING HOMOFÓBICO NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR: O DISCURSO DOS DOCENTES DO PRIMEIRO SEGMENTO DO ENSINO FUNDAMENTAL Morjana Britto Peçanha 1 Fabiano Pries Devide

Leia mais

A CENA SE FEZ OVO E HABITOU ENTRE NÓS

A CENA SE FEZ OVO E HABITOU ENTRE NÓS A CENA SE FEZ OVO E HABITOU ENTRE NÓS Ismael Scheffler Universidade Tecnológica Federal do Paraná UTFPR Processo de criação, dramaturgia, pesquisa sonora e corporal. Introdução Em março de 2006, estreou

Leia mais

DIETA DO SEXO - DISCURSOS SOBRE FEMININO/MASCULINO EM UMA PROPAGANDA DE PRESERVATIVOS: MEMÓRIA DISCURSIVA, INTERPRETAÇÃO E DESLIZAMENTO DE SENTIDOS

DIETA DO SEXO - DISCURSOS SOBRE FEMININO/MASCULINO EM UMA PROPAGANDA DE PRESERVATIVOS: MEMÓRIA DISCURSIVA, INTERPRETAÇÃO E DESLIZAMENTO DE SENTIDOS DIETA DO SEXO - DISCURSOS SOBRE FEMININO/MASCULINO EM UMA PROPAGANDA DE PRESERVATIVOS: MEMÓRIA DISCURSIVA, INTERPRETAÇÃO E DESLIZAMENTO DE SENTIDOS Verônica Rodrigues Times 1 Texto e Discurso: delimitando

Leia mais

Discurso dos professores e professoras de educação física sobre o relacionamento de meninos e meninas

Discurso dos professores e professoras de educação física sobre o relacionamento de meninos e meninas Gênero e Sexualidade nas Práticas escolares ST. 07 Flavia Fernandes de Oliveira UGF Cátia Pereira Duarte UFJF Palavras-chave: Educação Física Gênero Discurso dos professores e professoras de educação física

Leia mais

Considerações finais

Considerações finais Considerações finais Nesta tese, analisei os discursos e as práticas que materializam a condição social das crianças, das professoras e da Educação Infantil no município de Belo Horizonte. Propus conhecer

Leia mais

Arquivo pessoal. Amanda Teixeira

Arquivo pessoal. Amanda Teixeira Arquivo pessoal Amanda Teixeira MULHER E MÍDIA por Débora Junqueira Fora das capas de revistas Adolescentes negras não se reconhecem nas publicações femininas Quem tem os lábios grossos e quer disfarçá-los

Leia mais

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido 1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido No estudo da Comunicação, a publicidade deve figurar como um dos campos de maior interesse para pesquisadores e críticos das Ciências Sociais e Humanas.

Leia mais

O JOGO TEATRAL NA CONTRUÇÃO DO QUEM ROBSON TADEU CATALINHA UNIVERSIDADE DE SOROCABA Palavras-chave: JOGO TEATRAL PROCESSO DE CRIAÇÃO

O JOGO TEATRAL NA CONTRUÇÃO DO QUEM ROBSON TADEU CATALINHA UNIVERSIDADE DE SOROCABA Palavras-chave: JOGO TEATRAL PROCESSO DE CRIAÇÃO O JOGO TEATRAL NA CONTRUÇÃO DO QUEM ROBSON TADEU CATALINHA UNIVERSIDADE DE SOROCABA Palavras-chave: JOGO TEATRAL PROCESSO DE CRIAÇÃO As três montagens dirigidas por Ingrid Koudela na Universidade de Sorocaba,

Leia mais

Sexualidade e Poder segundo Foucault

Sexualidade e Poder segundo Foucault Sexualidade e Poder segundo Foucault SUPERSABER Fenômeno cultural, social FREUD: Desconhecimento do sujeito sobre seu desejo ou de sua sexualidade FOCAULT: Problema da produção de teorias sobre sexualidade

Leia mais

O discurso de mídia em relação a mulher 1

O discurso de mídia em relação a mulher 1 O discurso de mídia em relação a mulher 1 GLÁUCIA PEREIRA DE SOUZA UNIVERSIDADE CATOLICA DE BRASILIA O objetivo desta comunicação é fazer uma primeira discussão sobre o discurso da mídia em relação à mulher,

Leia mais

Es c o l h e r p e n s a r

Es c o l h e r p e n s a r Es c o l h e r p e n s a r As fotografias de Daniel Costa (1973-2000) apresentadas aqui constituem parte de um conjunto que ele próprio concebeu como alternância de duas séries a de fotografias de nuvens

Leia mais

Projeto Verão Sem AIDS Valorizando a Vida

Projeto Verão Sem AIDS Valorizando a Vida 1 Projeto Verão Sem AIDS Valorizando a Vida O PROJETO VERÃO SEM AIDS VALORIZANDO A VIDA foi idealizado por João Donizeti Scaboli, Diretor do da FEQUIMFAR. Iniciamos de forma pioneira em 1994, quando o

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: performatividade, corpo, animal, subjetivação, descolonização

PALAVRAS-CHAVE: performatividade, corpo, animal, subjetivação, descolonização ABRIR O CORPO AO ANIMAL, AO MINERAL, ÀS PLANTAS, AO COSMOS Angela A. Donini 1 RESUMO As questões que me mobilizam estão relacionadas ao pensar acerca dos processos de produção, recepção e circulação de

Leia mais

Pierre Bourdieu e a dominação masculina

Pierre Bourdieu e a dominação masculina Pierre Bourdieu e a dominação masculina Autora: Marcella Uceda Betti 2º semestre / 2011 Este trabalho objetiva problematizar a obra A Dominação Masculina, do sociólogo francês Pierre Bourdieu, por meio

Leia mais

Instauração: um conceito na filosofia de Goodman

Instauração: um conceito na filosofia de Goodman 92 Instauração: um conceito na filosofia de Goodman Noéli Ramme O artigo apresenta o conceito de instauração, noção fundamental na filosofia da arte de Nelson Goodman e com o qual se pretende tratar do

Leia mais