O CASO SUZANE VON RICHTHOFEN: UMA ANÁLISE ANTROPOLÓGICA DO DISCURSO DA DEFESA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O CASO SUZANE VON RICHTHOFEN: UMA ANÁLISE ANTROPOLÓGICA DO DISCURSO DA DEFESA"

Transcrição

1 O CASO SUZANE VON RICHTHOFEN: UMA ANÁLISE ANTROPOLÓGICA DO DISCURSO DA DEFESA INTRODUÇÃO Serivaldo C. Araujo Este trabalho tem o objetivo de relacionar o conteúdo estudado na disciplina de Antropologia Jurídica com um caso jurídico de relevante expressão nacional, o caso de Suzane Von Richthofen, condenada juntamente com Daniel Cravinhos de Paula e Silva e Cristian Cravinhos de Paula e Silva pelo homicídio do casal Manfred Albert Richthofen e Marisia Von Richthofen, pais de Suzane, ocorrido em A análise foi feita tomando como fonte de pesquisa uma peça judicial do caso Richthofen, as "Alegações em favor de Suzane Louise Von Richthofen, da advogada Claudia M. S. Bernasconi", trecho do processo nº da 1ª Vara do Júri de São Paulo. Não é objetivo do texto verificar o caso em si, mas destacar os aspectos culturais e sociais presentes no discurso da advogada na defesa de Suzane Von Richthofen. A utilização de processo judicial como referência para pesquisa antropológica Uma grande fonte de dados para pesquisa de assuntos que abordam a antropologia e o direito são os processos judiciais, nos quais constam informações escritas capazes de mostrar como atuam as pessoas em seus discursos. De acordo com Oliveira e Silva (2005, p. 244), "diferentes processos judiciais podem servir a diferentes tipos de pesquisa, sendo possível extrair deles análises variadas sobre grupos sociais diversos". Analisar o conteúdo de um processo do ponto de vista de um antropólogo ou de um advogado, é bastante diferente, pois os objetos de estudo acabam sendo diferenciados, pois este observa a lei, aquele o homem e os aspectos culturais. Segundo Miraglia (2005) "se, para o advogado, a lei interessa na medida em que separa o certo do errado, o lícito do ilícito, para o antropólogo a lei ou a legislação representam apenas o aspecto formal do controle social, mais uma manifestação desse conjunto de valores que poderíamos chamar de cultura". O processo analisado nos permite identificar os discursos da advogada, com relação ao comportamento de sua cliente, a princípios jurídicos, à doutrina e à jurisprudência citadas e ao pensamento da sociedade em geral. Para Oliveira e Silva (2005): Pela análise das narrativas dos processos judiciais, pode-se buscar aquilo que é transmitido com a ocorrência de determinados comportamentos e com o discurso sobre esses comportamentos, ou seja, pode-se apreender a lógica que informa tais comportamentos e discursos empreendidos pelos grupos sociais estudados. (OLIVEIRA e SILVA, 2005, p. 258)

2 AS ALEGAÇÕES: DISCURSOS PRECONCEITUOSOS A advogada de Suzane, em suas alegações de defesa busca afastar as qualificadoras de "motivo torpe" e "meio cruel", com o objetivo de que a pena imposta a sua cliente não seja aumentada. São nessas alegações que podemos perceber os aspectos culturais e sociais que envolvem o caso em análise. A advogada em sua exposição busca mostrar as qualidades de Suzane e de Daniel, considerando-a "a filha bem educada do casal de classe média que frequentava uma das melhores faculdades de direito do país, com sua vida confortável na boa casa de um bairro considerado nobre, mas cujo namoro com o rapaz sem estudos e futuro preocupava os pais zelosos". E ainda sobre Daniel, "rapaz de vida leve, que largou os estudos e se dedicava apenas ao namoro e ao hobby aeromodelismo". Observamos nessas descrições um relacionamento que envolve duas pessoas de classes sociais diferentes, que lamentavelmente, sempre causou na sociedade, um preconceito, como se isso fosse uma situação inadmissível. Podemos observar uma descrição discriminatória em relação ao rapaz, Daniel, devido ao fato de ter largado os estudos, não ter uma ocupação, ser rapaz de "vida leve" e sem futuro, conforme declara a promotoria. Descrição adversa à de Suzane, filha bem educada, estudante de Direito, moradora de uma casa confortável em bairro nobre. Essas descrições levam a pensarmos que os crimes estariam relacionados somente às pessoas de classe inferior, sem estudos e desocupadas, e que pessoas como Suzane estariam imunes à marginalização e fossem incapazes de cometer um crime. Esta é uma situação que não se pode generalizar, a pretexto de se criar um preconceito. AMOR PROIBIDO Outro fator cultural e antropológico presente no processo, passível de análise, é o relacionamento amoroso de jovens que é proibido pelos pais. Relacionamento que acaba acontecendo de fato com o casal Suzane e Daniel, sem o consentimento da família de Suzane. Um relacionamento proibido por uma família se torna um fator de risco, pois envolvem interesses conflituosos, causam insatisfações, decepções, hostilidades, agressões, mentiras, desconfianças e até mesmo crime, como no caso em questão. Pessoas, especialmente jovens, buscam a liberdade de amar, de escolher seus parceiros e seus relacionamentos e vêem nos pais que os proíbem, um inimigo que atrapalha, que incomoda e os desrespeita. De acordo com a promotoria, a desaprovação do namoro pelos pais de Suzane teria sido a razão determinante para o crime. Vemos nesse crime um paradoxo, elimina-

3 se pessoas (os pais) para obter uma vida com liberdade, no entanto, a condenação por isso é a falta dela, atrás das grades de uma prisão. VIOLÊNCIA FAMILIAR Outro fator cultural é a violência familiar, suscitada no caso, pois segundo Suzane, o pai já havia a agredido. Este fato também é analisado com preconceito. A advogada alega que a violência familiar existente na casa de Suzane era algo destoante para os padrões éticos daquela família. Seria inadmissível agressões físicas num seio familiar onde a jovem fora criada com carinho e respeito, no bairro nobre de mansões de alto padrão. Defende que, em contrapartida, a utilização da violência numa família residente em favela da periferia, área violenta, marcada pela pobreza, seria algo aceitável. Essas afirmações revelam o lado preconceituoso em que se generaliza a violência doméstica, como fator desenvolvido somente em favelas, lugares pobres, em famílias em que as necessidades materiais e afetivas propiciam um quadro de insatisfação e violência, como se não fosse admitido haver violência no seio de uma família abastada. Engano ao se pensar de forma preconceituosa como esta, tendo em vista que a violência doméstica pode atingir qualquer família, independente da classe social. Conforme afirma Schritzmeyer (2007) "parece correto afirmar que as sessões de júri permitem a seus participantes ler e reler quanto e quando é legítimo qualquer ser humano matar outro, e não apenas os casos em que seres humanos econômica, política e socialmente fragilizados se envolvem em homicídios". Assim desenvolve-se uma cultura de que as mazelas sociais são as principais responsáveis pela violência, pelos crimes e assassinatos. AS CONSEQUÊNCIAS DE UM RELACIONAMENTO HUMANO Neste caso podemos perceber o que um relacionamento humano pode causar, às quais consequências pode levar e a situação de submissão à vontade alheia que pode levar uma pessoa a cometer um crime. Suzane e Daniel viveram um relacionamento em que a liberdade de amar esteve sempre em jogo, os dois eram proibidos de se encontrar, de manterem um relacionamento amoroso, principalmente pelo fato de serem de classes sociais diferentes. Isso os levou a criar uma vontade de eliminar aqueles que os proibiam, os pais de Suzane. Conforme depoimento de Suzane, Daniel foi a convencendo de que matar os pais dela era a única forma de conseguirem a liberdade e conviverem juntos. Segundo ela "ele foi plantando semente em mim, me seduzindo de uma forma e mostrando e

4 falando, cada dia, devagarzinho, que eu tinha duas opções, como se a vida tivesse uma bifurcação: ou eu escolhia ficar com meus pais e sem ele ou com ele e sem meus pais, não dava alternativa; me prometeu um mundo encantado, ele era meu príncipe encantado; mostrava como era feliz a vida como nos dias com liberdade total". Observar esse depoimento nos leva a crer que Daniel foi subjugando Suzane a cometer o crime. Em consequência, a paixão e o medo de perder o namorado tenha lhe dado coragem de aceitar a ideia macabra e impensada de cometê-lo. É interessante a capacidade que um amor proibido pode fazer numa pessoa, afinal, a jovem era bem instruída, cursava uma faculdade de Direito, e assim, melhor do que ninguém, saberia as consequências que seus atos poderiam lhe causar. CONCLUSÃO O processo judicial de Suzane Von Richthofen, foi um caso que teve muita repercussão nacional, chocou a opinião pública e suscita várias análises, sejam antropológicas, sociais e culturais. O discurso empreendido na peça analisada desperta estudos variados, pois pudemos observar depoimentos, alegações, argumentações, jurisprudências e doutrinas. A análise antropológica se voltou para o discurso defendido pela advogada de Suzane, no qual verificamos as qualidades atribuídas aos participantes do crime, como se comportava o casal condenado pelo homicídio e os argumentos que a advogada trouxe à tona na defesa de sua cliente. Ao longo da explanação pudemos analisar o quanto é carregado de preconceitos sociais e culturais, os discursos proferidos no processo, no qual estão em jogo relações humanas, sentimentos de amor e ódio, comportamentos, aspectos culturais, classes sociais, educação, assuntos que, sem dúvida, fazem parte da convivência humana, e são objetos de estudo da Antropologia. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS BERNASCONI, Claudia M. S. Alegações em favor de Suzane Louise Von Richthofen. São Paulo, 05 mar Processo nº da 1ª Vara do Júri de São Paulo. MIRAGLIA, Paula. Aprendendo a lição: uma etnografia das Varas Especiais da Infância e da Juventude. Novos estudos. - CEBRAP [online]. 2005, n.72, pp Disponível em. Acesso em 24 jun

5 OLIVEIRA, Fabiana Luci de e SILVA, Virgínia Ferreira da. Processos judiciais como fonte de dados: poder e interpretação. In Sociologias, Porto Alegre, ano 7, nº 13, jan/jun 2005, p SCHRITZMEYER, Ana Lúcia Pastore. Etnografia dissonante dos tribunais do júri. In Tempo social, revista de sociologia da USP, v. 19, n. 2, novembro Disponível em:

4 o ano Ensino Fundamental Data: / / Atividades de Língua Portuguesa Nome:

4 o ano Ensino Fundamental Data: / / Atividades de Língua Portuguesa Nome: 4 o ano Ensino Fundamental Data: / / Atividades de Língua Portuguesa Nome: Olá, amiguinho! Já estamos todos encantados com a sua presença aqui no 4 o ano. Vamos, agora, ler uma história e aprender um pouco

Leia mais

coleção Conversas #11 - agosto 2014 - n a h u e s Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça.

coleção Conversas #11 - agosto 2014 - n a h u e s Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. coleção Conversas #11 - agosto 2014 - Não quero s o a negra a m e pr s s eu e n ta min Respostas r pais. So perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. h u a n ra a m cis o t r a a?

Leia mais

Redação do Site Inovação Tecnológica - 28/08/2009. Humanos aprimorados versus humanos comuns

Redação do Site Inovação Tecnológica - 28/08/2009. Humanos aprimorados versus humanos comuns VOCÊ ESTÁ PREPARADO PARA CONVIVER COM OS HUMANOS APRIMORADOS? http://www.inovacaotecnologica.com.br/noticias/noticia.php?artigo=voce-esta-preparado-conviver-humanosaprimorados&id=010850090828 Redação do

Leia mais

Julia Annas. Platão. www.lpm.com.br L&PM POCKET

Julia Annas. Platão. www.lpm.com.br L&PM POCKET Julia Annas Platão Tradução de Marcio de Paula S. Hack www.lpm.com.br L&PM POCKET 3 Su m á r i o Ca p í t u l o 1: Discutindo com Platão...7 Ca p í t u l o 2: O nome de Platão e outras questões...18 Ca

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 16. PALAVRAS À JUVENTUDE PORTO ALEGRE,

Leia mais

coleção Conversas #15 - NOVEMBRO 2014 - eg o. m r e é r q Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça.

coleção Conversas #15 - NOVEMBRO 2014 - eg o. m r e é r q Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. o coleção Conversas #15 - NOVEMBRO 2014 - Sou d advoga Será a que e é nã p o r consigo e q u e sou n m pr eg r eg o a?. Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. A Coleção

Leia mais

coleção Conversas #9 - junho 2014 - m i o o Respostas que podem estar passando para algumas perguntas pela sua cabeça.

coleção Conversas #9 - junho 2014 - m i o o Respostas que podem estar passando para algumas perguntas pela sua cabeça. sou Eu Por do que coleção Conversas #9 - junho 2014 - Candomblé. tã estou sen d o o discri m i na da? Respostas para algumas perguntas que podem estar passando pela sua cabeça. A Coleção CONVERSAS da Editora

Leia mais

A Bíblia nessa passagem a história de um homem que queria deixar de ser cego.

A Bíblia nessa passagem a história de um homem que queria deixar de ser cego. Mensagem: O HOMEM QUE ABRIU OS OLHOS PARA DEUS Pastor: José Júnior Dia: 22/09/2012 sábado AMAZON JOVENS Texto-base: Lucas 18:35-43 A Bíblia nessa passagem a história de um homem que queria deixar de ser

Leia mais

Para gostar de pensar

Para gostar de pensar Rosângela Trajano Para gostar de pensar Volume III - 3º ano Para gostar de pensar (Filosofia para crianças) Volume III 3º ano Para gostar de pensar Filosofia para crianças Volume III 3º ano Projeto editorial

Leia mais

LEITURA EM TELA NO PONTO BALE/CTI

LEITURA EM TELA NO PONTO BALE/CTI LEITURA EM TELA NO PONTO BALE/CTI Renata Paiva de Freitas/UERN renata18.love@hotmail.com Claudia Magna Pessoa da Silva/UERN lookpessoa@gmail.com Maria Lúcia Pessoa Sampaio/UERN malupsampaio@hotmail.com

Leia mais

O USO DA PERSUASÃO COMO FERRAMENTA MOTIVADORA À LEITURA

O USO DA PERSUASÃO COMO FERRAMENTA MOTIVADORA À LEITURA 1 O USO DA PERSUASÃO COMO FERRAMENTA MOTIVADORA À LEITURA Elisson Souza de São José i (UNIT) INTRODUÇÃO Grande parte da juventude brasileira infelizmente não tem prazer e nem o hábito de ler, o que faz

Leia mais

RELENDO A HISTÓRIA AO LER HISTÓRIAS

RELENDO A HISTÓRIA AO LER HISTÓRIAS RELENDO A HISTÓRIA AO LER HISTÓRIAS BRASÍLIA ECHARDT VIEIRA (CENTRO DE ATIVIDADES COMUNITÁRIAS DE SÃO JOÃO DE MERITI - CAC). Resumo Na Baixada Fluminense, uma professora que não está atuando no magistério,

Leia mais

DIAS 94. de Claudio Simões (1990 / 94)

DIAS 94. de Claudio Simões (1990 / 94) DIAS 94 de Claudio Simões (1990 / 94) 2 PERSONAGENS São cinco personagens identificadas apenas por números. Não têm gênero definido, podendo ser feitas por atores ou atrizes. As frases em que falam de

Leia mais

Perdão. Fase 7 - Pintura

Perdão. Fase 7 - Pintura SERM7.QXD 3/15/2006 11:18 PM Page 1 Fase 7 - Pintura Sexta 19/05 Perdão Porque, se vocês perdoarem as pessoas que ofenderem vocês, o Pai de vocês, que está no Céu também perdoará vocês. Mas, se não perdoarem

Leia mais

LIMITES NA ADOLESCÊNCIA. Como impor limites a um adolescente, se o meio influencia justamente o contrário?

LIMITES NA ADOLESCÊNCIA. Como impor limites a um adolescente, se o meio influencia justamente o contrário? LIMITES NA ADOLESCÊNCIA Como impor limites a um adolescente, se o meio influencia justamente o contrário? Limitar é ensinar a tolerar frustrações. É prevenir para que, no futuro, uma dificuldade qualquer

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br BuscaLegis.ccj.ufsc.Br Dois pais e uma mãe: É possível registrar? Rafael D'Ávila Barros Pereira * No dia 09/04/08, no capítulo da novela "Duas Caras", da Rede Globo, foi apresentada uma situação, se não

Leia mais

AS MANIFESTAÇÕES DE VIOLÊNCIA E A CONSTRUÇÃO DE VALORES HUMANOS NO PROJETO ESPORTE NA COMUNIDADE, NA LOCALIDADE DE MONDUBIM.

AS MANIFESTAÇÕES DE VIOLÊNCIA E A CONSTRUÇÃO DE VALORES HUMANOS NO PROJETO ESPORTE NA COMUNIDADE, NA LOCALIDADE DE MONDUBIM. AS MANIFESTAÇÕES DE VIOLÊNCIA E A CONSTRUÇÃO DE VALORES HUMANOS NO PROJETO ESPORTE NA COMUNIDADE, NA LOCALIDADE DE MONDUBIM. ALISON NASCIMENTO FARIAS. 1 LÚCIA REJANE DE ARAÚJO BARONTINI. 2 UNIVERSIDADE

Leia mais

MÓDULO 5 O SENSO COMUM

MÓDULO 5 O SENSO COMUM MÓDULO 5 O SENSO COMUM Uma das principais metas de alguém que quer escrever boas redações é fugir do senso comum. Basicamente, o senso comum é um julgamento feito com base em ideias simples, ingênuas e,

Leia mais

Conhece os teus Direitos. A caminho da tua Casa de Acolhimento. Guia de Acolhimento para Jovens dos 12 aos 18 anos

Conhece os teus Direitos. A caminho da tua Casa de Acolhimento. Guia de Acolhimento para Jovens dos 12 aos 18 anos Conhece os teus Direitos A caminho da tua Casa de Acolhimento Guia de Acolhimento para Jovens dos 12 aos 18 anos Dados Pessoais Nome: Apelido: Morada: Localidade: Código Postal - Telefone: Telemóvel: E

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE CAMPINAS CENTRO DE LINGUAGEM E COMUNICAÇÃO

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE CAMPINAS CENTRO DE LINGUAGEM E COMUNICAÇÃO PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE CAMPINAS CENTRO DE LINGUAGEM E COMUNICAÇÃO PRISCILLA DAIANNE GEREMIAS VIDAS REPAGINADAS CAMPINAS 2012 PRISCILLA DAIANNE GEREMIAS VIDAS REPAGINADAS Campinas, Conceito

Leia mais

Latusa digital ano 2 Nº 16 julho de 2005

Latusa digital ano 2 Nº 16 julho de 2005 Latusa digital ano 2 Nº 16 julho de 2005 Uma intervenção Carlos Augusto Nicéas * Escolhi trazer para a nossa Conversação 1, alguns fragmentos do tratamento de um jovem de dezenove anos atualmente, dependente

Leia mais

Desnaturalização e estranhamento: experiência do PIBID em Sociologia. Anabelly Brederodes Cássio Tavares

Desnaturalização e estranhamento: experiência do PIBID em Sociologia. Anabelly Brederodes Cássio Tavares Desnaturalização e estranhamento: experiência do PIBID em Sociologia Anabelly Brederodes Cássio Tavares Resumo O trabalho tem como objetivo refletir sobre a prática de ensino e aprendizagem, como um processo

Leia mais

ações de cidadania Atendimento direto ECE-SP recebe a comunidade com equipe qualificada e atividades orientadas Revista Linha Direta

ações de cidadania Atendimento direto ECE-SP recebe a comunidade com equipe qualificada e atividades orientadas Revista Linha Direta ações de cidadania Atendimento direto ECE-SP recebe a comunidade com equipe qualificada e atividades orientadas Valéria Araújo Quando crianças, adolescentes, jovens e familiares do distrito da Brasilândia

Leia mais

FILOSOFIA CLÁSSICA: SÓCRATES E PLATÃO (3ª SÉRIE)

FILOSOFIA CLÁSSICA: SÓCRATES E PLATÃO (3ª SÉRIE) FILOSOFIA CLÁSSICA: SÓCRATES E PLATÃO (3ª SÉRIE) SÓCRATES (469-399 a.c.) CONTRA OS SOFISTAS Sofistas não são filósofos: não têm amor pela sabedoria e nem respeito pela verdade. Ensinavam a defender o que

Leia mais

Pesquisa x Pesquisa. do Setor Editorial Brasileiro revelou uma venda de quatro bilhões de reais em livros, com

Pesquisa x Pesquisa. do Setor Editorial Brasileiro revelou uma venda de quatro bilhões de reais em livros, com A Bíblia Sagrada já vendeu, aproximadamente, 3,9 bilhões de cópias. O livro Ágape, do Padre Marcelo Rossi, já vendeu 8 milhões de exemplares. O livro erótico, Cinquenta Tons de Cinza, chegou ao número

Leia mais

XIX Encontro Regional de História da ANPUH São Paulo

XIX Encontro Regional de História da ANPUH São Paulo XIX Encontro Regional de História da ANPUH São Paulo Autor: Profa Dra Sandra Leila de Paula Título do Trabalho: Análise Sociológica de Desenhos Infantis: uma nova perspectiva de análise para grupos de

Leia mais

Carta Influência do Clima no Cotidiano Juvenil. Prezados representantes brasileiros da Conferencia Juvenil de Copenhague,

Carta Influência do Clima no Cotidiano Juvenil. Prezados representantes brasileiros da Conferencia Juvenil de Copenhague, Rio de Janeiro 03 de dezembro de 2009 Carta Influência do Clima no Cotidiano Juvenil Prezados representantes brasileiros da Conferencia Juvenil de Copenhague, Tendo em vista a confecção coletiva de uma

Leia mais

coleção Conversas #10 - junho 2014 - Respostas que podem estar sendo feitas para algumas perguntas Garoto de Programa por um.

coleção Conversas #10 - junho 2014 - Respostas que podem estar sendo feitas para algumas perguntas Garoto de Programa por um. coleção Conversas #10 - junho 2014 - Eu sou Estou garoto num de programa. caminho errado? Respostas para algumas perguntas que podem estar sendo feitas Garoto de Programa por um. A Coleção CONVERSAS da

Leia mais

Pesquisa Data Popular e Instituto Patrícia Galvão

Pesquisa Data Popular e Instituto Patrícia Galvão Caderno Campanha Compromisso e Atitude PERCEPÇÃO DA SOCIEDADE SOBRE VIOLÊNCIA E ASSASSINATOS DE MULHERES Realização Data Popular / Instituto Patrícia Galvão Apoio - Secretaria de Políticas para as Mulheres

Leia mais

coleção Conversas #18 - janeiro 2015 - m m Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça.

coleção Conversas #18 - janeiro 2015 - m m Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. coleção Conversas #18 - janeiro 2015 - ul ç u m verdade m an o que é todo ter r or i s ta? É Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. A Coleção CONVERSAS da Editora AfroReggae

Leia mais

Minha Casa Minha Vida PROJETO DE TRABALHO SOCIAL-PTS RELATÓRIO DAS AÇÕES DO PTS NO PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA AGOSTO-2015

Minha Casa Minha Vida PROJETO DE TRABALHO SOCIAL-PTS RELATÓRIO DAS AÇÕES DO PTS NO PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA AGOSTO-2015 Minha Casa Minha Vida PROJETO DE TRABALHO SOCIAL-PTS RELATÓRIO DAS AÇÕES DO PTS NO PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA AGOSTO-2015 SENHOR DO BONFIM - BAHIA 2015 1 ATIVIDADES: DESCRIÇÃO A correta utilização

Leia mais

CUIDADO COM O CUIDADO: O CASO DA FILA DO TOQUE E A IMPLICAÇÃO DO ATO DE CUIDAR. Emerson Elias Merhy médico sanitarista (formado em 1976)

CUIDADO COM O CUIDADO: O CASO DA FILA DO TOQUE E A IMPLICAÇÃO DO ATO DE CUIDAR. Emerson Elias Merhy médico sanitarista (formado em 1976) CUIDADO COM O CUIDADO: O CASO DA FILA DO TOQUE E A IMPLICAÇÃO DO ATO DE CUIDAR Emerson Elias Merhy médico sanitarista (formado em 1976) Lá pelos anos 1971, vivi uma experiência que sempre me incomodou.

Leia mais

Estimulando expectativas de futuro em adolescentes através de jogos dramáticos

Estimulando expectativas de futuro em adolescentes através de jogos dramáticos Estimulando expectativas de futuro em adolescentes através de jogos dramáticos CHARLIZE NAIANA GRIEBLER EVANDIR BUENO BARASUOL Sociedade Educacional Três de Maio Três de Maio, Rio Grande do Sul, Brasil

Leia mais

AS QUESTÕES OBRIGATORIAMENTE DEVEM SER ENTREGUES EM UMA FOLHA À PARTE COM ESTA EM ANEXO. O PORCO-ESPINHO

AS QUESTÕES OBRIGATORIAMENTE DEVEM SER ENTREGUES EM UMA FOLHA À PARTE COM ESTA EM ANEXO. O PORCO-ESPINHO ENSINO FUNDAMENTAL Conteúdos do 6º Ano 3º/4º Bimestre 2014 Trabalho de Dependência Nome: N. o : Turma: Professor(a): Monique Data: / /2014 Unidade: Cascadura Mananciais Méier Taquara Redação Resultado

Leia mais

5 ADOLESCÊNCIA. 5.1. Passagem da Infância Para a Adolescência

5 ADOLESCÊNCIA. 5.1. Passagem da Infância Para a Adolescência 43 5 ADOLESCÊNCIA O termo adolescência, tão utilizado pelas classes médias e altas, não costumam fazer parte do vocabulário das mulheres entrevistadas. Seu emprego ocorre mais entre aquelas que por trabalhar

Leia mais

DANIEL EM BABILÔNIA Lição 69. 1. Objetivos: Ensinar que devemos cuidar de nossos corpos e recusar coisas que podem prejudicar nossos corpos

DANIEL EM BABILÔNIA Lição 69. 1. Objetivos: Ensinar que devemos cuidar de nossos corpos e recusar coisas que podem prejudicar nossos corpos DANIEL EM BABILÔNIA Lição 69 1 1. Objetivos: Ensinar que devemos cuidar de nossos corpos e recusar coisas que podem prejudicar nossos corpos 2. Lição Bíblica: Daniel 1-2 (Base bíblica para a história e

Leia mais

SEXUALIDADE E DEFICIÊNCIA INTELECTUAL: O DIREITO À EDUCAÇÃO SEXUAL

SEXUALIDADE E DEFICIÊNCIA INTELECTUAL: O DIREITO À EDUCAÇÃO SEXUAL SEXUALIDADE E DEFICIÊNCIA INTELECTUAL: O DIREITO À EDUCAÇÃO SEXUAL Tito Marcos Domingues dos Santos Escola Municipal Rivadávia Corrêa Resumo: Pesquisas mostram que a educação sexual tem sido negada aos

Leia mais

Ao longo deste 2 semestre, a turma dos 1 anos vivenciaram novas experiências e aprendizados que contemplaram suas primeiras conquistas do semestre

Ao longo deste 2 semestre, a turma dos 1 anos vivenciaram novas experiências e aprendizados que contemplaram suas primeiras conquistas do semestre Ao longo deste 2 semestre, a turma dos 1 anos vivenciaram novas experiências e aprendizados que contemplaram suas primeiras conquistas do semestre anterior, dentro de contextos que buscavam enfatizar o

Leia mais

Superando Seus Limites

Superando Seus Limites Superando Seus Limites Como Explorar seu Potencial para ter mais Resultados Minicurso Parte VI A fonte do sucesso ou fracasso: Valores e Crenças (continuação) Página 2 de 16 PARTE 5.2 Crenças e regras!

Leia mais

Os encontros de Jesus. sede de Deus

Os encontros de Jesus. sede de Deus Os encontros de Jesus 1 Jo 4 sede de Deus 5 Ele chegou a uma cidade da Samaria, chamada Sicar, que ficava perto das terras que Jacó tinha dado ao seu filho José. 6 Ali ficava o poço de Jacó. Era mais ou

Leia mais

CONCURSO DE EXPRESSÃO ESCRITA GERAÇÃO MÓVEL E DESAFIOS. O Real e o Virtual

CONCURSO DE EXPRESSÃO ESCRITA GERAÇÃO MÓVEL E DESAFIOS. O Real e o Virtual CONCURSO DE EXPRESSÃO ESCRITA GERAÇÃO MÓVEL E DESAFIOS 2012 O Real e o Virtual Olá! O meu nome é Real Virtual. A minha família e os meus amigos conhecem-me por Real, já para a malta dos chats e dos jogos,

Leia mais

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão.

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão. REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO Código Entrevista: 2 Data: 18/10/2010 Hora: 16h00 Duração: 23:43 Local: Casa de Santa Isabel DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS Idade

Leia mais

coleção Conversas #14 - outubro 2014 - e r r Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça.

coleção Conversas #14 - outubro 2014 - e r r Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. não Eu Não r que o f existe coleção Conversas #14 - outubro 2014 - a z fu e r tu r uma fa o para c ul m d im ad? e. Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. A Coleção

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores VIVENCIANDO A PRÁTICA ESCOLAR DE MATEMÁTICA NA EJA Larissa De Jesus Cabral, Ana Paula Perovano

Leia mais

Caracterização Cronológica

Caracterização Cronológica Caracterização Cronológica Filosofia Medieval Século V ao XV Ano 0 (zero) Nascimento do Cristo Plotino (204-270) Neoplatônicos Patrística: Os grandes padres da igreja Santo Agostinho ( 354-430) Escolástica:

Leia mais

CADERNO DE EXERCÍCIOS 3F

CADERNO DE EXERCÍCIOS 3F CADERNO DE EXERCÍCIOS 3F Ensino Médio Ciências Humanas Questão Conteúdo Habilidade da Matriz da EJA/FB 1 Movimentos Sociais e Lei Maria da Penha H33 2 Arte, Cultura Global e Identidade Cultural H58, H59

Leia mais

Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele

Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele O Plantador e as Sementes Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele sabia plantar de tudo: plantava árvores frutíferas, plantava flores, plantava legumes... ele plantava

Leia mais

VOCÊ PERDOA FACILMENTE?

VOCÊ PERDOA FACILMENTE? VOCÊ PERDOA FACILMENTE? Você perdoa facilmente? Ama intensamente? Briga com facilidade? Tem muitos amigos? Confia em muitas pessoas? Sabe dizer quando está certa ou errada? Prefere morrer por quem ama,

Leia mais

juditealvespinheiro@gmail.com Doutoranda em Estudos Interdisciplinares de Género Universidade de Salamanca

juditealvespinheiro@gmail.com Doutoranda em Estudos Interdisciplinares de Género Universidade de Salamanca juditealvespinheiro@gmail.com Doutoranda em Estudos Interdisciplinares de Género Universidade de Salamanca Linguagem, Arte e Mudança Social na Violência de Género Minando as Desigualdades, Construindo

Leia mais

EDUCAÇÃO ESPECIAL E INCLUSÃO Eugênia Augusta Gonzaga Fávero

EDUCAÇÃO ESPECIAL E INCLUSÃO Eugênia Augusta Gonzaga Fávero EDUCAÇÃO ESPECIAL E INCLUSÃO Eugênia Augusta Gonzaga Fávero (A autora deste artigo é procuradora da República. Como mãe de duas crianças que freqüentam a educação infantil, e como profissional na área

Leia mais

EDUCAÇÃO PARA O EMPREENDEDORISMO: UMA PROPOSTA METODOLÓGICA PARA EDUCAÇÃO BÁSICA.

EDUCAÇÃO PARA O EMPREENDEDORISMO: UMA PROPOSTA METODOLÓGICA PARA EDUCAÇÃO BÁSICA. EDUCAÇÃO PARA O EMPREENDEDORISMO: UMA PROPOSTA METODOLÓGICA PARA EDUCAÇÃO BÁSICA. Deranor Gomes de Oliveira. Colegiado de Administração Universidade Federal do Vale do São Francisco - UNIVASF deranor@hotmail.com

Leia mais

SEU NOME SERÁ CHAMADO DE "EMANUEL"

SEU NOME SERÁ CHAMADO DE EMANUEL Portanto o mesmo Senhor vos dará um sinal: Eis que a virgem conceberá, e dará à luz um filho, e chamará o seu nome Emanuel. Isaías 7.14 Eis que a virgem conceberá, e dará à luz um filho, E chamá-lo-ão

Leia mais

Centro Educacional Souza Amorim Jardim Escola Gente Sabida Sistema de Ensino PH Vila da Penha. Ensino Fundamental

Centro Educacional Souza Amorim Jardim Escola Gente Sabida Sistema de Ensino PH Vila da Penha. Ensino Fundamental Centro Educacional Souza Amorim Jardim Escola Gente Sabida Sistema de Ensino PH Vila da Penha Ensino Fundamental Turma: PROJETO INTERPRETA AÇÂO (INTERPRETAÇÃO) Nome do (a) Aluno (a): Professor (a): DISCIPLINA:

Leia mais

Juniores aluno 7. Querido aluno,

Juniores aluno 7. Querido aluno, Querido aluno, Por acaso você já se perguntou algumas destas questões: Por que lemos a Bíblia? Suas histórias são mesmo verdadeiras? Quem criou o mundo? E o homem? Quem é o Espírito Santo? Por que precisamos

Leia mais

00.035.096/0001-23 242 - - - SP

00.035.096/0001-23 242 - - - SP PAGINA 1 O CARÁTER CRISTÃO 7. O CRISTÃO DEVE TER UMA FÉ OPERANTE (Hebreus 11.1-3) Um leitor menos avisado, ao ler o texto pode chegar à conclusão de que a fé cria coisas pelas quais esperamos. A fé não

Leia mais

Copyright 2012 Edmar Santos

Copyright 2012 Edmar Santos Copyright 2012 Edmar Santos DIREITOS RESERVADOS É proibida a reprodução total ou parcial da obra, de qualquer forma ou por qualquer meio sem a autorização prévia e por escrito do autor. A violação dos

Leia mais

A Ética no discurso da Comunicação Pública

A Ética no discurso da Comunicação Pública A Ética no discurso da Comunicação Pública Carla Cristiane Leite Ribeiro 1 Resumo Este artigo trata do conceito de comunicação pública, que atualmente esta em construção, das áreas em que a Comunicação

Leia mais

PROBLEMATIZAÇÃO DA E. M. MARIA ARAÚJO DE FREITAS - GOIÂNIA TEMA GERADOR

PROBLEMATIZAÇÃO DA E. M. MARIA ARAÚJO DE FREITAS - GOIÂNIA TEMA GERADOR PROBLEMATIZAÇÃO DA E M MARIA ARAÚJO DE FREITAS - GOIÂNIA TEMA GERADOR FALAS SIGNIFICATIVAS A violência cresce muito São as drogas e estruturas familiares, porque os pais tem que sair para o trabalho e

Leia mais

2015 O ANO DE COLHER JANEIRO - 1 COLHER ONDE PLANTEI

2015 O ANO DE COLHER JANEIRO - 1 COLHER ONDE PLANTEI JANEIRO - 1 COLHER ONDE PLANTEI Texto: Sal. 126:6 Durante o ano de 2014 falamos sobre a importância de semear, preparando para a colheita que viria neste novo ano de 2015. Muitos criaram grandes expectativas,

Leia mais

Relatório do estágio de prática de ensino em ciências sociais

Relatório do estágio de prática de ensino em ciências sociais UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL UFRGS INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS UMANAS IFCH FACULDADE DE EDUCAÇÃO FACED Relatório do estágio de prática de ensino em ciências sociais Curso: Ciências Sociais

Leia mais

DESMISTIFICANDO JARGÕES, PIADAS, PROVÉRBIOS E DITOS POPULARES SOBRE AS PESSOAS NEGRAS

DESMISTIFICANDO JARGÕES, PIADAS, PROVÉRBIOS E DITOS POPULARES SOBRE AS PESSOAS NEGRAS DESMISTIFICANDO JARGÕES, PIADAS, PROVÉRBIOS E DITOS POPULARES SOBRE AS PESSOAS NEGRAS AMARAL, Amilton da Silva. EMUG/NHN. amiltonnh@hotmail.com Este relato é decorrente do Curso de Relações Raciais e Educação

Leia mais

Dados internacionais de catalogação Biblioteca Curt Nimuendajú

Dados internacionais de catalogação Biblioteca Curt Nimuendajú Catalogação: Cleide de Albuquerque Moreira Bibliotecária/CRB 1100 Revisão: Lucimar Luisa Ferreira / Marinez Santina Nazzari Revisão Final: Elias Januário Consultor: Luís Donisete Benzi Grupioni Projeto

Leia mais

OAB 2ª FASE PENAL PROF. SIDNEY FILHO

OAB 2ª FASE PENAL PROF. SIDNEY FILHO OAB 2ª FASE PENAL PROF. SIDNEY FILHO MEMORIAIS (OAB/SP 133 - ADAPTADO) Pedro foi acusado de roubo qualificado por denúncia do Promotor de Justiça da comarca, o dia 1 de julho de 2006. Dela constou que

Leia mais

Encontro a propósito do inquérito do Sínodo dos Bispos sobre a família

Encontro a propósito do inquérito do Sínodo dos Bispos sobre a família METANOIA em Lisboa Encontro a propósito do inquérito do Sínodo dos Bispos sobre a família Algumas notas a partir da reflexão havida no dia 13 de dezembro de 2013 na qual participaram 43 pessoas Contexto

Leia mais

Obs.: José recebeu em sonho a visita de um anjo que lhe disse que seu filho deveria se chamar Jesus.

Obs.: José recebeu em sonho a visita de um anjo que lhe disse que seu filho deveria se chamar Jesus. Anexo 2 Primeiro momento: contar a vida de Jesus até os 12 anos de idade. Utilizamos os tópicos abaixo. As palavras em negrito, perguntamos se eles sabiam o que significava. Tópicos: 1 - Maria e José moravam

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA: MUDANÇAS NA PRÁTICA PEDAGÓGICA NA VIVÊNCIA DE UM PROGRAMA.

FORMAÇÃO CONTINUADA: MUDANÇAS NA PRÁTICA PEDAGÓGICA NA VIVÊNCIA DE UM PROGRAMA. FORMAÇÃO CONTINUADA: MUDANÇAS NA PRÁTICA PEDAGÓGICA NA VIVÊNCIA DE UM PROGRAMA. Rosângela de Fátima Cavalcante França* Universidade Federal de Mato Grosso do Sul RESUMO Este texto apresenta de forma resumida

Leia mais

Educação Ambiental: uma modesta opinião Luiz Eduardo Corrêa Lima

Educação Ambiental: uma modesta opinião Luiz Eduardo Corrêa Lima Educação Ambiental: uma modesta opinião Luiz Eduardo Corrêa Lima Professor Titular de Biologia /FATEA/Lorena/SP Monitor de Educação Profissional/SENAC/Guaratinguetá/SP leclima@hotmail.com. RESUMO 48 Nos

Leia mais

Transcriça o da Entrevista

Transcriça o da Entrevista Transcriça o da Entrevista Entrevistadora: Valéria de Assumpção Silva Entrevistada: Ex praticante Clarice Local: Núcleo de Arte Grécia Data: 08.10.2013 Horário: 14h Duração da entrevista: 1h COR PRETA

Leia mais

Há cabo-verdianos a participar na vida política portuguesa - Nuno Sarmento Morais, ex-ministro da Presidência de Portugal

Há cabo-verdianos a participar na vida política portuguesa - Nuno Sarmento Morais, ex-ministro da Presidência de Portugal Há cabo-verdianos a participar na vida política portuguesa - Nuno Sarmento Morais, ex-ministro da Presidência de Portugal À margem do Fórum promovido pela Associação Mais Portugal Cabo Verde, que o trouxe

Leia mais

LIÇÃO 8 Necessidades Sociais Satisfeitas

LIÇÃO 8 Necessidades Sociais Satisfeitas LIÇÃO 8 Necessidades Sociais Satisfeitas E perdoa-nos as nossas dívidas, assim como nós perdoamos aos nossos devedores (Mateus 6:12). Esta é uma lição importante. Fixamos as condições para o nosso próprio

Leia mais

BAILANDO NA TERCEIRA IDADE: RELATO DE EXPERIÊNCIA SOBRE A DANÇA EM UMA ASSOCIAÇÃO DE IDOSOS DE GOIÂNIA/GO

BAILANDO NA TERCEIRA IDADE: RELATO DE EXPERIÊNCIA SOBRE A DANÇA EM UMA ASSOCIAÇÃO DE IDOSOS DE GOIÂNIA/GO BAILANDO NA TERCEIRA IDADE: RELATO DE EXPERIÊNCIA SOBRE A DANÇA EM UMA ASSOCIAÇÃO DE IDOSOS DE GOIÂNIA/GO Palavras-chave: Idoso, práticas corporais, dança, saúde. INTRODUÇÃO Este relato foi fruto de uma

Leia mais

COMANDO DA AERONÁUTICA ESCOLA DE ESPECIALISTAS DE AERONÁUTICA SUBDIVISÃO DE ADMISSÃO E DE SELEÇÃO

COMANDO DA AERONÁUTICA ESCOLA DE ESPECIALISTAS DE AERONÁUTICA SUBDIVISÃO DE ADMISSÃO E DE SELEÇÃO Questão : 01 03 03 Questão : 01 03 03 A questão 01 do código 10 (01 do código 20-BCT) que corresponde à questão 03 do código 30 (03 do código 40-BCT) e a questão 03 do código 50 (03 do código 60-BCT) teve

Leia mais

O TRABALHO DOCENTE NUM PROGRAMA DE ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: CONTRADIÇÕES E PERSPECTIVAS

O TRABALHO DOCENTE NUM PROGRAMA DE ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: CONTRADIÇÕES E PERSPECTIVAS O TRABALHO DOCENTE NUM PROGRAMA DE ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: CONTRADIÇÕES E PERSPECTIVAS Daiana Rodrigues dos Santos Prado¹; Francine de Paulo Martins² Estudante do Curso de Pedagogia; e-mail:

Leia mais

Você quer ser um Discípulo de Jesus?

Você quer ser um Discípulo de Jesus? Você quer ser um Discípulo de Jesus? A História do povo de Israel é a mesma história da humanidade hoje Ezequel 37:1-4 Eu senti a presença poderosa do Senhor, e o seu Espírito me levou e me pôs no meio

Leia mais

Estudo de Caso. Cliente: Rafael Marques. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses

Estudo de Caso. Cliente: Rafael Marques. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses Estudo de Caso Cliente: Rafael Marques Duração do processo: 12 meses Coach: Rodrigo Santiago Minha idéia inicial de coaching era a de uma pessoa que me ajudaria a me organizar e me trazer idéias novas,

Leia mais

Assunto: Paternidade - Pensão alimentícia é devida a partir da citação no processo, independente da maioridade civil Fonte: STJ Data: 06/01/2016

Assunto: Paternidade - Pensão alimentícia é devida a partir da citação no processo, independente da maioridade civil Fonte: STJ Data: 06/01/2016 Clipping da Infância e Juventude do TJPE 06/01/2016 Paternidade - Pensão alimentícia é devida a partir da citação no processo, independente da maioridade civil CCJ vai analisar projeto que obriga contratação

Leia mais

SALVAÇÃO não basta conhecer o endereço Atos 4:12

SALVAÇÃO não basta conhecer o endereço Atos 4:12 SALVAÇÃO não basta conhecer o endereço Atos 4:12 A SALVAÇÃO É A PRÓPRIA PESSOA DE JESUS CRISTO! VOCÊ SABE QUAL É O ENDEREÇO DE JESUS! MAS ISSO É SUFICIENTE? Conhecer o endereço de Jesus, não lhe garantirá

Leia mais

Manifeste Seus Sonhos

Manifeste Seus Sonhos Manifeste Seus Sonhos Índice Introdução... 2 Isso Funciona?... 3 A Força do Pensamento Positivo... 4 A Lei da Atração... 7 Elimine a Negatividade... 11 Afirmações... 13 Manifeste Seus Sonhos Pág. 1 Introdução

Leia mais

TÍTULO: JOGOS DE MATEMÁTICA: EXPERIÊNCIAS NO PROJETO PIBID CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA SUBÁREA: MATEMÁTICA

TÍTULO: JOGOS DE MATEMÁTICA: EXPERIÊNCIAS NO PROJETO PIBID CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA SUBÁREA: MATEMÁTICA Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: JOGOS DE MATEMÁTICA: EXPERIÊNCIAS NO PROJETO PIBID CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS EXATAS

Leia mais

05/12/2006. Discurso do Presidente da República

05/12/2006. Discurso do Presidente da República , Luiz Inácio Lula da Silva, no encerramento da 20ª Reunião Ordinária do Pleno Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social Palácio do Planalto, 05 de dezembro de 2006 Eu acho que não cabe discurso aqui,

Leia mais

A Guarda Compartilhada

A Guarda Compartilhada A Guarda Compartilhada Maria Carolina Santos Massafera Aluna do curso de pós-graduação em Direito Civil e Processo Civil na Fundação Aprender Varginha, em convênio com o Centro Universitário Newton Paiva.

Leia mais

Escola Básica e Secundária Pedro Ferreiro, Ferreira do Zêzere. Que mais-valias pode trazer um projeto desta natureza à escola?

Escola Básica e Secundária Pedro Ferreiro, Ferreira do Zêzere. Que mais-valias pode trazer um projeto desta natureza à escola? Escola Básica e Secundária Pedro Ferreiro, Ferreira do Zêzere Maria Isabel Saúde Ferreira da Silva, Diretora Que mais-valias pode trazer um projeto desta natureza à escola? Um projeto desta natureza, ou

Leia mais

MEMÓRIAS DE PESQUISA: A HISTÓRIA DE VIDA CONTADA POR MULHERES VIGIADAS E PUNIDAS

MEMÓRIAS DE PESQUISA: A HISTÓRIA DE VIDA CONTADA POR MULHERES VIGIADAS E PUNIDAS MEMÓRIAS DE PESQUISA: A HISTÓRIA DE VIDA CONTADA POR MULHERES VIGIADAS E PUNIDAS 1 Introdução O presente estudo se insere no contexto do sistema penitenciário feminino e, empiricamente, tem como tema as

Leia mais

Unidade I Tecnologia: Corpo, movimento e linguagem na era da informação.

Unidade I Tecnologia: Corpo, movimento e linguagem na era da informação. Unidade I Tecnologia: Corpo, movimento e linguagem na era da informação. 1.1 Conteúdos: Apresentação do Plano Didático Pedagógico; Classificação das orações coordenadas sindéticas e inferência. 1.1 Habilidade:

Leia mais

Atividades sugeridas e elaboradas pela autora

Atividades sugeridas e elaboradas pela autora Maria Helena Pires Martins Atividades sugeridas e elaboradas pela autora Caro(a) Professor(a) EU E OS OUTROS As regras da convivência Caro(a) Professor(a) Solicite à Editora Moderna o Guia dos professores

Leia mais

DESAFIOS CRIATIVOS E FASCINANTES Aula de Filosofia: busca de valores humanos

DESAFIOS CRIATIVOS E FASCINANTES Aula de Filosofia: busca de valores humanos DESAFIOS CRIATIVOS E FASCINANTES Aula de Filosofia: busca de valores humanos Glorinha Aguiar glorinhaaguiar@uol.com.br Eu queria testar a metodologia criativa com alunos que eu não conhecesse. Teria de

Leia mais

Documento do MEJ Internacional. O coração do Movimento Eucarístico Juvenil

Documento do MEJ Internacional. O coração do Movimento Eucarístico Juvenil Documento do MEJ Internacional Para que a minha alegria esteja em vós Por ocasião dos 100 anos do MEJ O coração do Movimento Eucarístico Juvenil A O coração do MEJ é a amizade com Jesus (Evangelho) B O

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA FAMÍLIA NA ESCOLHA DA PROFISSÃO Professor Romulo Bolivar. www.proenem.com.br

A INFLUÊNCIA DA FAMÍLIA NA ESCOLHA DA PROFISSÃO Professor Romulo Bolivar. www.proenem.com.br A INFLUÊNCIA DA FAMÍLIA NA ESCOLHA DA PROFISSÃO Professor Romulo Bolivar www.proenem.com.br INSTRUÇÃO A partir da leitura dos textos motivadores seguintes e com base nos conhecimentos construídos ao longo

Leia mais

Atividade: Reflexão sobre Bullying e Uso consciente da internet

Atividade: Reflexão sobre Bullying e Uso consciente da internet Educação Infantil - Ensino Fundamental - Ensino Médio Atividade: Reflexão sobre Bullying e Uso consciente da internet Público: Sextos anos Data: 25/5/2012 Após a realização do Provão, nossos alunos do

Leia mais

I Jornada sobre Prevenção De Comportamento De Risco Nas Escolas Paulistanas

I Jornada sobre Prevenção De Comportamento De Risco Nas Escolas Paulistanas I Jornada sobre Prevenção De Comportamento De Risco Nas Escolas Paulistanas Colégio I.L.Peretz Setembro/2011 Qual o lugar da Família nesta reflexão? Profa. Dra. Elizabeth Polity Penso que vivemos um momento

Leia mais

1676 TÓPICO C Este ensaio filosófico tem como tema central a legitimidade moral da eutanásia. Face a este problema, destacam-se dois autores dos quais conseguimos extrair dois pontos de vista relacionados

Leia mais

Revista Sul-americana de Filosofia e Educação RESAFE A FILOSOFIA E A NOVIDADE DO PENSAMENTO

Revista Sul-americana de Filosofia e Educação RESAFE A FILOSOFIA E A NOVIDADE DO PENSAMENTO 83 Relato de experiência A FILOSOFIA E A NOVIDADE DO PENSAMENTO Vânia Mesquita 1 Resumo: O presente relato busca introduzir a discussão sobre o filosofar em sala de aula como uma importante possibilidade

Leia mais

Modelos entrevistas com intelectuais das Ciências Humanas e Filósofos

Modelos entrevistas com intelectuais das Ciências Humanas e Filósofos Modelos entrevistas com intelectuais das Ciências Humanas e Filósofos ENTREVISTA PETER SINGER. - SELEÇÃO DE TRECHOS Fonte: Portal da Revista Época. Disponível em http://revistaepoca.globo.com/revista/epoca/0,,edg74453-5856-421,00.html

Leia mais

coleção Conversas #22 - maio 2015 - Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça.

coleção Conversas #22 - maio 2015 - Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. coleção Conversas #22 - maio 2015 - assistente social. agora? Sou E Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. A Coleção CONVERSAS da Editora AfroReggae nasceu com o desejo

Leia mais

Somos chamados a servir, não a sermos servidos, segundo a disposição do próprio Jesus, que serviu em nosso lugar, de livre e espontanea vontade.

Somos chamados a servir, não a sermos servidos, segundo a disposição do próprio Jesus, que serviu em nosso lugar, de livre e espontanea vontade. Somos chamados a servir, não a sermos servidos, segundo a disposição do próprio Jesus, que serviu em nosso lugar, de livre e espontanea vontade. Evangelho de Mateus, capítulo 20, versículo 28: "Assim como

Leia mais

CASOS COM TRANSTORNOS DE PERSONALIDADE E PROCESSO COM HOMÍCIDIOS DOLOSOS

CASOS COM TRANSTORNOS DE PERSONALIDADE E PROCESSO COM HOMÍCIDIOS DOLOSOS ANDRESSA FRANCIELLI ROCHA CASOS COM TRANSTORNOS DE PERSONALIDADE E PROCESSO COM HOMÍCIDIOS DOLOSOS IVAIPORÃ PR 2012 INTRODUÇÃO Como se há de verificar, por meio desse trabalho será apresentado modelos

Leia mais