INTERNAÇÃO COMPULSÓRIA DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES. Jefferson Aparecido Dias *

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INTERNAÇÃO COMPULSÓRIA DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES. Jefferson Aparecido Dias *"

Transcrição

1 INTERNAÇÃO COMPULSÓRIA DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES Jefferson Aparecido Dias * Introdução Um dos temas mais polêmicos da atualidade no Brasil é a possibilidade de internação compulsória de crianças e adolescentes no Brasil, tanto para o tratamento do transtorno mental, quanto em razão do uso de drogas, em especial o crack. Lamentavelmente esta discussão tem sido alimentada pela incapacidade do Estado e até mesmo da sociedade em tratar de forma adequada crianças e adolescentes com transtornos mentais, ou usuários de drogas que praticam atos que, de alguma forma, incomodam o que se convencionou chamar de paz social. Assim, crianças e adolescentes usuários de drogas, em especial o crack, previamente interditados ou não, estão sendo internados compulsoriamente em estabelecimentos que não possuem a mínima capacidade de oferecer atendimento médico adequado, sem a observância das formalidades previstas na lei. Realmente, existe uma grande incompatibilidade entre o que está previsto na lei e a prática adotada pela sociedade e pelo Poder Judiciário, uma vez que as possibilidades de internação compulsória têm sido desvirtuadas e, ao contrário de buscarem garantir atendimento médico e proteger as crianças e adolescentes, estão sendo adotadas como forma de puni-los. No presente texto, serão apresentados detalhes dos preceitos legais que permitem a internação compulsória e, ainda, a interpretação equivocada que tem sido realizada de tais preceitos. A internação compulsória no Código Civil Segundo o Código Civil, estão sujeitos a serem interditados, dentre outros, aqueles que, por enfermidade ou deficiência mental, não tiverem o necessário discernimento para os atos da vida civil; os deficientes mentais, os ébrios habituais e os viciados em tóxicos; e os excepcionais sem completo desenvolvimento mental (art. 1767). No presente caso, o que nos interessa é a situação das crianças e adolescentes que sejam viciados em tóxicos e, ainda, a dos adolescentes em conflito com a lei, ou seja, aqueles que praticaram alguma conduta classificada como crime e, em seguida, foram diagnosticados como deficientes mentais. Importante destacar que, nos dois casos, o Código Civil permite a interdição das crianças e adolescentes e, também, admite que eles sejam recolhidos em estabelecimentos adequados, quando não se adaptarem ao convívio doméstico (art ). Aqui surgem duas dúvidas. A primeira delas é saber qual a motivação para a interdição e o consequente recolhimento e, a segunda, definir o que seriam os estabelecimentos adequados. * Jefferson Aparecido Dias é Doutor em Direitos Humanos e Desenvolvimento pela Universidad Pablo de Olavide, em Seviha, na Espanha e Procurador Regional dos Direitos do Cidadão do Ministério Público Federal no Estado de São Paulo.

2 Para a primeira pergunta, pela análise sistemática da legislação, chega-se à conclusão que tanto a interdição quanto o recolhimento em estabelecimento adequado tem como objetivo proteger a criança e o adolescente e, mais que isso, garantir-lhe um tratamento adequado que lhe permita superar os problemas de saúde que possui. Assim, incabível imaginar que tais medidas possam ser adotadas para punir a criança ou adolescente ou mesmo evitar que eles pratiquem atos que, de alguma forma, possa desagradar a sociedade. Claro que essa posição não é pacífica, existindo autores e autoridades que defendem que o adolescente somente poderá ser recolhido compulsoriamente se praticar algum ato infracional, ou seja, alguma conduta definida como crime, ocasião em que lhe poderá ser aplicada a medida socioeducativa de internação, nos termos do estabelecido no Estatuto da Criança e do Adolescente, mas, infelizmente, não é essa a posição que tem prevalecido. Já em relação ao conceito de estabelecimento adequado a situação é ainda mais difícil, pois, lamentavelmente, o Poder Público brasileiro não conseguiu chegar a uma conclusão, pois enquanto alguns setores defendem a ampliação de uma rede de atendimento psicossocial baseada em equipamentos nos quais a internação seja excepcional, outros setores defendem as Comunidades Terapêuticas que se fundamentam na internação e, muitas vezes, sequer possuem equipe médica apta a fornecer tratamento adequado, isso sem contar os casos em que os adolescentes são internados em estabelecimentos prisionais. Nos dois casos mais famosos envolvendo adolescentes que praticaram crimes graves (homicídios) e, em seguida, foram diagnosticados como doentes mentais, optou-se por soluções completamente dissociadas da lei. No primeiro caso ocorrido no Estado de São Paulo, o adolescente foi interditado e recolhido a uma unidade batizada de Unidade Experimental da Saúde, que, na realidade, é um presídio, no qual inexistem profissionais de saúde. No outro caso, ocorrido no Estado de Mato Grosso do Sul, o adolescente, também acusado da prática de homicídio, foi previamente interditado e recolhido no setor de saúde de um presídio estadual. O curioso, nos dois casos, é que os adolescentes foram punidos pela prática dos homicídios e depois de cumprida a sanção aplicada (medidas sócios educativas de internação), foram interditados a pedido do Promotor de Justiça e recolhidos de forma permanente nas mencionadas unidades, para um suposto tratamento médico que inexiste. Nestes casos, como se vê, o Código Civil tem sido desvirtuado e aplicado não para permitir o tratamento dos adolescentes, mas sim para sancioná-los. A internação compulsória de pessoas com transtornos mentais Além da interdição e da internação prevista no Código Civil, a legislação brasileira também prevê, na Lei nº /2001 (que dispõe sobre a proteção e os direitos das pessoas portadoras de transtornos mentais e redireciona o modelo assistencial em saúde mental) a possibilidade de outras três espécies de internação: 1) a internação voluntária, solicitada pela própria pessoa, 2) a internação involuntária, que é solicitada por terceiro, sem a anuência do paciente; e 3) a internação compulsória, assim classificada a que é determinada pelo Juiz (art. 6º) Antes de analisar cada uma das espécies de internação, importante esclarecer que, apesar da lei exigir um laudo médico apenas nos casos de internação voluntária e involuntária, é evidente que

3 ele também deverá ser exigido no caso de internação compulsória, sendo que deverá caber ao médico, e não ao juiz, verificar a possibilidade de tratamento ambulatorial ou a necessidade de internação. No caso de internação voluntária a polêmica é reduzida, uma vez que ela é solicitada pelo próprio paciente, que reconhece a necessidade de se submeter a tratamento. Já no caso de internação involuntária, a principal dúvida diz respeito quanto a necessidade, ou não, de existir uma subordinação do paciente em relação ao terceiro que solicita a sua internação. Assim, no caso de crianças e adolescentes, a internação poderia ser solicitada por seus pais ou representantes legais, mas não por outras pessoas que não tenham relação legal com eles, como um médico ou outro profissional de saúde. A situação ganha importância no caso de adultos que, caso se exija a referida subordinação, precisariam ser interditados previamente, para somente depois seu representante legal devidamente nomeado pelo Poder Judiciário pudesse solicitar a sua internação. Na prática, porém, essa relação de subordinação não tem sido exigida, razão pela qual qualquer pessoa pode solicitar a internação de outra, desde que demonstre qualquer forma de interesse. A título de exemplo, tem-se admitido que um médico solicite a internação de sua paciente, como também que o marido solicite a internação da mulher, que também pode solicitar a internação do marido. Também tem-se admitido que os filhos solicitem a internação dos pais, bem como que qualquer pessoa com vínculo de parentesco o faça. No caso da internação compulsória, ou seja, aquela determinada pelo Poder Judiciário, tem sido bastante comum que tal medida seja aplicada como forma de sancionar crianças e adolescente que adotem posturas consideradas inadequadas pela sociedade, em razão do uso de drogas, como também estão sendo internados os adolescentes que, depois de cumprirem o limite máximo de internação por força de medidas socioeducativas aplicadas pela prática de crimes graves, são considerados incapazes de voltar a viver em sociedade. Como se vê, mais uma vez, a internação, seja ela involuntária ou compulsória, tem sido aplicada como forma de sanção e não para garantir a prestação de tratamento adequado para crianças e adolescentes. A atuação da Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão Num primeiro momento, a divisão de atribuições prevista na legislação brasileira poderia levar à equivocada conclusão de que apenas o Ministério Público dos Estados teriam possibilidade de atuar no tema. A complexidade do tema e todas as suas nuances, porém, acabaram por exigir uma atuação do Ministério Público Federal, em especial da Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão (PFDC), de forma integrada com os membros do Ministério Público dos Estados. Nesse aspecto, a PFDC indicou representante para atuar na Comissão Permanente da Infância e da Juventude, órgão que congrega representantes dos Ministérios Públicos dos Estados, com o objetivo de garantir uma atuação integrada entre tais instituições. Além disso, também foi realizada a indicação de membro para atuar junto ao Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente (CONANDA), órgão que é composto, de forma paritária, por representantes do Poder Público e da sociedade civil.

4 Essa integração da PFDC com os Ministérios Públicos Estaduais e, em especial, com os representantes da sociedade civil, já permitiram algumas conquistas, como a reprovação, no âmbito do CONANDA, das propostas que visam a alteração da Constituição e da lei para promover a redução da maioridade penal e, também, a rejeição da ampliação do prazo de internação no caso da prática de atos infracionais por adolescentes, ou seja, condutas consideradas como crime. Além disso, dessa integração, também resultou a propositura pelo Ministério Público Federal, em conjunto com a Conectas Direitos Humanos, a Associação Nacional dos Centros de Defesa da Criança e do Adolescente (Anced), o Instituto de Defesa dos Direitos de Defesa (IDDD) e o Conselho Regional de Psicologia da 6ª Região, de medida judicial visando o fechamento da Unidade Experimental de Saúde, existente em São Paulo e acima mencionada, com base em recomendação constante de relatório do Subcomitê de Prevenção da Tortura, vinculado à ONU Organização das Nações Unidas (íntegra do relatório disponível em: nidas/orgaos-monitoramento/subcomite-tortura/recomendacoes_spt.pdf). Neste ponto, também de grande importância tem sido o compromisso do Ministério Público Federal, por meio da PFDC, perante os órgãos internacionais de proteção dos direitos humanos, o que tem permitido o monitoramento das recomendações recebidas pelo Brasil. Conclusões A legislação brasileira é bastante generosa na garantia de tratamento adequado às crianças e adolescentes com transtornos mentais e, também, àqueles que sejam usuários de drogas. Nesse tratamento, a internação é tida como medida excepcional, que somente é passível de ser aplicada nos casos em que o tratamento ambulatorial se mostrar inadequado ou insuficiente para garantir a vida e a saúde das crianças e adolescentes. Essas medidas estão previstas não apenas no Código Civil, como também na Lei nº /2001, que trata especificamente do tratamento das pessoas com transtornos mentais. Na prática, porém, a lei não tem sido devidamente cumprida e a adoção da internação compulsória como medida punitiva e até mesmo de segregação tem se intensificado, apesar de não terem sido criadas as unidades médicas necessárias para o oferecimento de tratamento adequado. Assim, além de serem punidas por meio de internações compulsórias, as crianças e adolescente têm sido recolhidas em unidades com características prisionais, na qual, muitas vezes, sequer existe a garantia de tratamento médico. O risco é que essa adoção indiscriminada da internação compulsória crie depósitos de crianças e adolescentes, não com o objetivo de garantir tratamento adequado, mas apenas para retirá-las do convívio social, pois a sociedade não os deseja ter próximos. O pior cenário é que volte a ocorrer no país novas tragédias como a que se convencionou chamar de Holocausto brasileiro, caso ocorrido no Estado de Minas Gerais, no hospício de Barbacena, conhecido como Colônia, onde, entre os anos de 1930 e 1980, morreram mais de 60 mil pessoas supostamente com transtorno mental. Dentre tais pessoas, porém, existiam muitas que não eram doentes e apenas foram internadas por terem praticado atos considerados inadequados para a época.

5 Assim, grande é a responsabilidade do Ministério Público que, mais que solicitar a interdição e a internação compulsória de crianças e adolescentes, como lhe permite a lei, deve lutar para que ela seja adotada como medida excepcional e, quando adotada, seja realizada de forma a garantir o tratamento adequado ao paciente. Nesse sentido, muitos ainda são os desafios, mas a atuação integrada do Ministério Público Federal, por meio da PFDC, em conjunto com os Ministérios Públicos dos Estados e com representantes da sociedade civil, tem permitido a adoção de medidas visando garantir os direitos humanos das crianças e adolescentes, inclusive para as futuras gerações.

SAÚDE MENTAL E UMA RELEITURA DA TEORIA DAS INCAPACIDADES NO DIREITO PRIVADO

SAÚDE MENTAL E UMA RELEITURA DA TEORIA DAS INCAPACIDADES NO DIREITO PRIVADO A CAPACIDADE DOS INCAPAZES: SAÚDE MENTAL E UMA RELEITURA DA TEORIA DAS INCAPACIDADES NO DIREITO PRIVADO Maria de Fátima Freire de Sá PUC Minas www.cebid.com.br Evolução histórica Brasil-Império (1841)

Leia mais

I SEMINÁRIO NACIONAL SOBRE DEFICIÊNCIA E FUNCIONALIDADE TRANSITANDO DO MODELO MÉDICO PARA O BIOPSICOSSOCIAL

I SEMINÁRIO NACIONAL SOBRE DEFICIÊNCIA E FUNCIONALIDADE TRANSITANDO DO MODELO MÉDICO PARA O BIOPSICOSSOCIAL I SEMINÁRIO NACIONAL SOBRE DEFICIÊNCIA E FUNCIONALIDADE TRANSITANDO DO MODELO MÉDICO PARA O BIOPSICOSSOCIAL Capacidade Legal e Acesso a Justiça Quem são os incapazes? Quais os apoios que o estado precisa

Leia mais

MÓDULO II Introdução ao Estatuto da Criança e do Adolescente AULA 04

MÓDULO II Introdução ao Estatuto da Criança e do Adolescente AULA 04 MÓDULO II Introdução ao Estatuto da Criança e do Adolescente AULA 04 Por Leonardo Rodrigues Rezende 1 1. Apresentação O Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) completa 24 anos este ano, mas sua história

Leia mais

EXMO. SR. DR. PROCURADOR REGIONAL DA REPÚBLICA DA 1ª REGIÃO. Assunto: Leitos Psiquiátricos nos Hospitais Públicos Federais

EXMO. SR. DR. PROCURADOR REGIONAL DA REPÚBLICA DA 1ª REGIÃO. Assunto: Leitos Psiquiátricos nos Hospitais Públicos Federais EXMO. SR. DR. PROCURADOR REGIONAL DA REPÚBLICA DA 1ª REGIÃO. Assunto: Leitos Psiquiátricos nos Hospitais Públicos Federais ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PSIQUIATRIA (ABP), associação civil sem fins lucrativos

Leia mais

CONSULTA Nº 3.188/2011

CONSULTA Nº 3.188/2011 1 CONSULTA Nº 3.188/2011 Assunto: Sobre internações compulsórias. Relator: Conselheiro Mauro Gomes Aranha de Lima. Ementa: Não se pretende esgotar todos os procedimentos previstos em lei para a internação

Leia mais

O uso de substâncias psicoativas (SPA) lícitas. nenhum controle sobre publicidade, preço e

O uso de substâncias psicoativas (SPA) lícitas. nenhum controle sobre publicidade, preço e CRACK DIMENSÃO 2 A política do MS é tímida e equivocada. Os CAPS AD são poucos e ineficientes. Os serviços comunitários, geralmente religiosos, são muitos, são precários, carecem de base científica e beneficiam

Leia mais

Destituição/perda do poder familiar frustrada: restabelecimento jurídico do vínculo deôntico da filiação biológica 1

Destituição/perda do poder familiar frustrada: restabelecimento jurídico do vínculo deôntico da filiação biológica 1 Destituição/perda do poder familiar frustrada: restabelecimento jurídico do vínculo deôntico da filiação biológica 1 Sumário I- Introdução II- III- Introdução Fundamentação da tese Conclusão Epaminondas

Leia mais

Promulga o Protocolo Facultativo à Convenção sobre os Direitos da Criança relativo ao envolvimento de crianças em conflitos armados.

Promulga o Protocolo Facultativo à Convenção sobre os Direitos da Criança relativo ao envolvimento de crianças em conflitos armados. DECRETO Nº 5.006, DE 8 DE MARÇO DE 2004. Promulga o Protocolo Facultativo à Convenção sobre os Direitos da Criança relativo ao envolvimento de crianças em conflitos armados. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA,

Leia mais

Internação Compulsória para Dependentes Químicos. Quais Vantagens e Desvantagens? Hewdy Lobo Ribeiro

Internação Compulsória para Dependentes Químicos. Quais Vantagens e Desvantagens? Hewdy Lobo Ribeiro Internação Compulsória para Dependentes Químicos. Quais Vantagens e Desvantagens? Hewdy Lobo Ribeiro Coordenador Pós Saúde Mental UNIP Psiquiatra Forense ABP ProMulher IPq HCFMUSP Dependência Química Uso

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº DE 2015 (Do Sr. Delegado Éder Mauro) O CONGRESSO NACIONAL decreta:

PROJETO DE LEI Nº DE 2015 (Do Sr. Delegado Éder Mauro) O CONGRESSO NACIONAL decreta: PROJETO DE LEI Nº DE 2015 (Do Sr. Delegado Éder Mauro) Institui o Programa Nacional de Recuperação de Dependentes Químicos. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art.1 Fica instituído o Programa Nacional de Recuperação

Leia mais

SENADO FEDERAL COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS REUNIÃO DE AUDIÊNCIA PÚBLICA PLS 111/2010. Médico psiquiatra

SENADO FEDERAL COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS REUNIÃO DE AUDIÊNCIA PÚBLICA PLS 111/2010. Médico psiquiatra SENADO FEDERAL COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS REUNIÃO DE AUDIÊNCIA PÚBLICA PLS 111/2010 Salomão Rodrigues Filho Salomão Rodrigues Filho Médico psiquiatra DIMENSÃO do PROBLEMA A política do MS para a assistência

Leia mais

ESTATUTO DA CRIANÇA E ADOLECENTE PROF. GUILHERME MADEIRA DATA 30.07.2009 AULA 01 e 02

ESTATUTO DA CRIANÇA E ADOLECENTE PROF. GUILHERME MADEIRA DATA 30.07.2009 AULA 01 e 02 TEMAS TRATADOS EM SALA ECA ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE PARTE CIVIL 1) Objeto art. 2º do ECA: a) Criança = 12 anos incompletos. b) Adolescente = 12 e 18 anos. Atenção: Pode o ECA ser aplicado à

Leia mais

INTERDIÇÃO E CURATELA: UMA REFLEXÃO A PARTIR DO CENTRO DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL DE ANGRA DOS REIS RJ BRASIL

INTERDIÇÃO E CURATELA: UMA REFLEXÃO A PARTIR DO CENTRO DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL DE ANGRA DOS REIS RJ BRASIL INTERDIÇÃO E CURATELA: UMA REFLEXÃO A PARTIR DO CENTRO DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL DE ANGRA DOS REIS RJ BRASIL INSTITUCIÓN: Prefeitura Municipal de Angra dos Reis Estado do Rio de Janeiro Brasil ÁREA TEÓRICO/PRÁCTICO:

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA-UFSM FUNDAÇÃO DE APOIO À TECNOLOGIA E CIÊNCIA EDITAL DE PROCESSO SELETIVO PÚBLICO N 2014/3050029-01

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA-UFSM FUNDAÇÃO DE APOIO À TECNOLOGIA E CIÊNCIA EDITAL DE PROCESSO SELETIVO PÚBLICO N 2014/3050029-01 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA-UFSM FUNDAÇÃO DE APOIO À TECNOLOGIA E CIÊNCIA EDITAL DE PROCESSO SELETIVO PÚBLICO N 2014/3050029-01 INSCRIÇÕES PARA SELEÇÃO DE AUXILIAR ADMINISTRATIVO E SUPORTE TÉCNICO

Leia mais

Quais as Indicações de Interdição em Pacientes com Transtornos Mentais?

Quais as Indicações de Interdição em Pacientes com Transtornos Mentais? Quais as Indicações de Interdição em Pacientes com Transtornos Mentais? Prof. Dr. Hewdy Lobo Ribeiro Psiquiatra do Pró- Mulher Ipq-FMUSP Diretor da Vida Mental Serviços Médicos CREMESP: 114681 agosto/2015

Leia mais

ALMEIDA GUILHERME Advogados Associados

ALMEIDA GUILHERME Advogados Associados Necessidade de readequar o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) ao cotidiano Por Cristiane Aparecida de Oliveira Associada Criminalista de Almeida Guilherme Advogados Associados Considerações Iniciais

Leia mais

PRIVAÇÃO DE LIBERDADE

PRIVAÇÃO DE LIBERDADE Cidadania Boletim temático da Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão - BRASIL DIREITOS DA CRIANÇA E ADOLESCENTE PRIVAÇÃO DE LIBERDADE Ação defende extinção de unidade que mantém jovens presos sem

Leia mais

Benefício Assistencial de Prestação Continuada (BPC)

Benefício Assistencial de Prestação Continuada (BPC) Benefício Assistencial de Prestação Continuada (BPC) Seguridade Social Em princípio, é necessário fazermos uma pequena introdução sobre Seguridade Social, para que possamos entender, com mais clareza,

Leia mais

Faz os seguintes questionamentos:

Faz os seguintes questionamentos: PARECER CFM nº 9/16 INTERESSADO: 1ª Vara da Fazenda da Comarca de Joinville/SC ASSUNTO: Dúvidas quanto à necessidade de especialidade médica para realização de exame pericial e determinação de capacidade

Leia mais

Guia de Procedimentos

Guia de Procedimentos Guia de Procedimentos Interdição e Inabilitação Versão Leitura Fácil e Pictogramas Índice 1. Introdução O que se pretende com este Guia 2. Linhas de Orientação De que é que trata o Guia de Procedimentos

Leia mais

www.apostilaeletronica.com.br

www.apostilaeletronica.com.br DIREITO CIVIL I. Lei de Introdução às Normas de Direito Brasileiro... 002 II. Pessoas Naturais e Pessoas Jurídicas... 013 III. Domicílio e Bens... 025 IV. Dos Fatos Jurídicos... 030 V. Prescrição e Decadência...

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE MATO GROSSO

CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE MATO GROSSO 1 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36 37 PARECER CRM-MT Nº 34/2011 INTERESSADO: Unimed Cuiabá CONSELHEIRO CONSULTOR: Dr. Alberto Carvalho

Leia mais

Teresina, 08 de junho de 2015.

Teresina, 08 de junho de 2015. Faculdade Estácio CEUT Coordenação do Curso de Bacharelado em Direito Disciplina: História do Direito Professor: Eduardo Albuquerque Rodrigues Diniz Turma: 1 B Alunas: Alice Brito, Larissa Nunes, Maria

Leia mais

Ministério Público do Estado de Mato Grosso Promotoria de Justiça de Água Boa

Ministério Público do Estado de Mato Grosso Promotoria de Justiça de Água Boa Ministério Público do Estado de Mato Grosso Promotoria de Justiça de Água Boa EXCELENTÍSSIMO (A) SENHOR (A) DOUTOR (A) JUIZ (A) DE DIREITO DA VARA CÍVEL DA COMARCA DE ÁGUA BOA - MT O MINISTÉRIO PÚBLICO

Leia mais

Folha de informação rubricada sob nº. do processo nº. (a) P. CoBi nº.: 010/2004 Termo de Responsabilidade Internação Involuntária.

Folha de informação rubricada sob nº. do processo nº. (a) P. CoBi nº.: 010/2004 Termo de Responsabilidade Internação Involuntária. P. CoBi nº.: 010/2004 Título: Termo de Responsabilidade Internação Involuntária. Solicitante: Subcomissão de Análise de Informações sobre Paciente SAIP - IPq Ementa: Internação Involuntária em Psiquiatria.

Leia mais

Violência gera debate sobre a redução da maioridade penal Projetos da PUCPR proporcionam aos adolescentes novas oportunidades de vida

Violência gera debate sobre a redução da maioridade penal Projetos da PUCPR proporcionam aos adolescentes novas oportunidades de vida Violência gera debate sobre a redução da maioridade penal Projetos da PUCPR proporcionam aos adolescentes novas oportunidades de vida Um adolescente entre 16 e 18 anos de idade, que assalta e mata alguém,

Leia mais

Seminário Nacional Aplicação de Medidas Socioeducativas a Adolescentes Infratores

Seminário Nacional Aplicação de Medidas Socioeducativas a Adolescentes Infratores Seminário Nacional Aplicação de Medidas Socioeducativas a Adolescentes Infratores Comissão Especial PL 7197/02 Câmara dos Deputados Comissão de Constituição e Justiça e Cidadania. Brasília, 04/11/13 A

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica Psicologia Jurídica. Psicologia Jurídica, Forense, Judiciária e Criminal

Pontifícia Universidade Católica Psicologia Jurídica. Psicologia Jurídica, Forense, Judiciária e Criminal Pontifícia Universidade Católica Psicologia Jurídica Psicologia Jurídica, Forense, Judiciária e Criminal A Psicologia Jurídica corresponde a toda aplicação do saber psicológico às questões relacionadas

Leia mais

DO PL ANO MUNICIPAL DE ATENDIMENTO SOCIOEDUC ATIVO SUGESTÃO DE ATUAÇÃO DAS ETAPAS PARA ELABORAÇÃO DO PLANO

DO PL ANO MUNICIPAL DE ATENDIMENTO SOCIOEDUC ATIVO SUGESTÃO DE ATUAÇÃO DAS ETAPAS PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DO PL ANO MUNICIPAL DE ATENDIMENTO SOCIOEDUC ATIVO SUGESTÃO DE ATUAÇÃO DAS ETAPAS PARA ELABORAÇÃO DO PLANO 1. Criação de Comissão Intersetorial para elaboração do Plano Municipal de Atendimento Socioeducativo:

Leia mais

Quem somos: Movimento CONTRA a Redução da Maioridade Penal

Quem somos: Movimento CONTRA a Redução da Maioridade Penal Quem somos: Movimento CONTRA a Redução da Maioridade Penal Tema de luta histórica de entidades governamentais e não governamentais campanhas, grupos, redes, pastorais, conselhos ligadas, sobretudo aos

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 233/14 - CIB / RS. A Comissão Intergestores Bipartite/RS no uso de suas atribuições legais, e considerando:

RESOLUÇÃO Nº 233/14 - CIB / RS. A Comissão Intergestores Bipartite/RS no uso de suas atribuições legais, e considerando: RESOLUÇÃO Nº 233/14 - CIB / RS A Comissão Intergestores Bipartite/RS no uso de suas atribuições legais, e considerando: a Lei Federal nº 8.080, de 19 de setembro de 1990, que regulamenta o Sistema Único

Leia mais

Distribuição da população infanto-juvenil abrigada no Município SÃO GONÇALO Total de abrigos, de crianças e adolescentes e dos aptos à adoção

Distribuição da população infanto-juvenil abrigada no Município SÃO GONÇALO Total de abrigos, de crianças e adolescentes e dos aptos à adoção Distribuição da população infanto-juvenil abrigada no Município SÃO GONÇALO Total de abrigos, de crianças e adolescentes e dos aptos à adoção nº de abrigos nº de c/a % de c/a no Estado aptos à adoção %

Leia mais

A ESSÊNCIA DA CAPACIDADE PARA O DIREITO

A ESSÊNCIA DA CAPACIDADE PARA O DIREITO A ESSÊNCIA DA CAPACIDADE PARA O DIREITO Elton de Souza Moreira Jeanderson Resende de Souza Wesley Ferreira dos Reis SOUZA, G.N. de et al. A essência da capacidade para o direito. Jornal eletrônico da Faculdade

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 6.858, DE 2010 (Do Sr. Marcelo Itagiba)

PROJETO DE LEI N.º 6.858, DE 2010 (Do Sr. Marcelo Itagiba) CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI N.º 6.858, DE 2010 (Do Sr. Marcelo Itagiba) Altera a Lei nº 7.210, de 11 de julho de 1984, Lei de Execução Penal, para criar comissão técnica independente da administração

Leia mais

18/05/2010 (Orientação) Contabilidade - Participação de Menores na Sociedade Limitada

18/05/2010 (Orientação) Contabilidade - Participação de Menores na Sociedade Limitada 18/05/2010 (Orientação) Contabilidade - Participação de Menores na Sociedade Limitada Texto elaborado em 30.04.2010 Sumário 1. Introdução 2. Capacidade de ser sócio 3. Impedimentos 4. Impedimentos para

Leia mais

PROJETO DE LEI N o, DE 2012

PROJETO DE LEI N o, DE 2012 PROJETO DE LEI N o, DE 2012 (Do Sr. Alfredo Kaefer) Autoriza o Poder Público a realizar a internação compulsória, para tratamento médico especializado, de crianças, adolescentes e adultos apreendidos em

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO Núcleo de Apoio Profissional de Serviço Social e Psicologia Corregedoria Geral da Justiça

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO Núcleo de Apoio Profissional de Serviço Social e Psicologia Corregedoria Geral da Justiça EXMO. SR. DR. JUIZ DE DIREITO AUXILIAR DA CORREGEDORIA GERAL DA JUSTIÇA. Interessado: Assistentes Sociais e Psicólogos da [...] Circunscrição do Estado de São Paulo [...] Assunto: Atendimento às vítimas,

Leia mais

LEI Nº 2.376, DE 22 DE NOVEMBRO DE 2007. Faço saber que a Câmara Municipal aprovou e eu, Prefeito Municipal, sanciono a seguinte lei:

LEI Nº 2.376, DE 22 DE NOVEMBRO DE 2007. Faço saber que a Câmara Municipal aprovou e eu, Prefeito Municipal, sanciono a seguinte lei: LEI Nº 2.376, DE 22 DE NOVEMBRO DE 2007. CERTIDÃO Cerfico e dou fé que esta Lei foi publicada no placard do Município no dia- / / Institui o Projeto Família de Apoio e dá outras providências. JANE APARECIDA

Leia mais

AVALIADOR PARA CURSO

AVALIADOR PARA CURSO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA-UFSM FUNDAÇÃO DE APOIO À TECNOLOGIA E CIÊNCIA EDITAL DE PROCESSO SELETIVO PÚBLICO N 2015/3050033-02 INSCRIÇÕES PARA SELEÇÃO DE AVALIADOR PARA CURSO A FUNDAÇÃO DE APOIO

Leia mais

01 Direito da Criança e do Adolescente

01 Direito da Criança e do Adolescente 01 Direito da Criança e do Adolescente Constitui-se em um direito dos pais ou responsáveis, assegurado pelo Estatuto da Criança e do Adolescente, a) adentrar no prédio escolar até as salas de aula em qualquer

Leia mais

ANEXO I. Roteiro para Inspeção Bimestral das Unidades de Internação. (artigos 94, 95 e 124, do Estatuto da Criança e do Adolescente)

ANEXO I. Roteiro para Inspeção Bimestral das Unidades de Internação. (artigos 94, 95 e 124, do Estatuto da Criança e do Adolescente) SIGLAS: ANEXO I Roteiro para Inspeção Bimestral das Unidades de Internação (artigos 94, 95 e 124, do Estatuto da Criança e do Adolescente) ECA: Estatuto da Criança e do Adolescente; Informações Iniciais

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO PROCURADORIA-GERAL Processo PGT/CCR/REP/Nº 18369/2013

MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO PROCURADORIA-GERAL Processo PGT/CCR/REP/Nº 18369/2013 Câmara de Coordenação e Revisão Origem: PRT 11ª Região. Interessados: 1. Secretaria de Direitos Humanos 2. Negão e Outros Assunto: Exploração do Trabalho da Criança e do Adolescente. 07.01.02 Procurador

Leia mais

O que são Direitos Humanos?

O que são Direitos Humanos? O que são Direitos Humanos? Técnico comercial 4 (1º ano) Direitos Humanos são os direitos e liberdades básicas de todos os seres humanos. O principal objetivo dos Direitos Humanos é tratar cada indivíduo

Leia mais

ESTATUTO DO IDOSO - PONTOS FUNDAMENTAIS Ednalva Maria Guimarães Farias de David Consultora Legislativa da Área XXI Previdência e Direito Previdenciário ESTUDO OUTUBRO/2003 Câmara dos Deputados Praça dos

Leia mais

APRESENTAÇÃO. Alexandre Mesquita Presidente da AOJUS-DF

APRESENTAÇÃO. Alexandre Mesquita Presidente da AOJUS-DF APRESENTAÇÃO A Associação dos Oficiais de Justiça do Distrito Federal AOJUS/DF, entidade que congrega os oficiais do TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO DISTRITO FEDERAL E DOS TERRITÓRIOS, tem a honra de apresentar

Leia mais

PARECER COREN-SP 063/2013 CT PRCI n 102.713 Ticket 302.326

PARECER COREN-SP 063/2013 CT PRCI n 102.713 Ticket 302.326 PARECER COREN-SP 063/2013 CT PRCI n 102.713 Ticket 302.326 Ementa: Uso de contenção mecânica pela equipe de enfermagem, ante a recusa do paciente em receber tratamento. 1. Do fato Enfermeiro informa o

Leia mais

OS FILHOS E O DIVÓRCIO

OS FILHOS E O DIVÓRCIO OS FILHOS E O DIVÓRCIO Luís Otávio Sigaud Furquim Formado em Direito pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo; Especialista em Administração; Pós-graduado em Gestão de Serviços Jurídicos, ambas

Leia mais

PROJETO DE LEI N, DE 2014. (Do Senhor NELSON MARQUEZELLI)

PROJETO DE LEI N, DE 2014. (Do Senhor NELSON MARQUEZELLI) PROJETO DE LEI N, DE 2014. (Do Senhor NELSON MARQUEZELLI) Altera a Lei N 8069, de 13 de julho de 1990, que instituiu o Estatuto da Criança e do Adolescente quanto a punibilidade do menor infrator. O Congresso

Leia mais

Marco legal. da política indigenista brasileira

Marco legal. da política indigenista brasileira Marco legal da política indigenista brasileira A política indigenista no país tem como base a Constituição Federal de 1988, o Estatuto do Índio (Lei nº 6.001/1973) e instrumentos jurídicos internacionais,

Leia mais

Carta de Princípios dos Adolescentes e Jovens da Amazônia Legal

Carta de Princípios dos Adolescentes e Jovens da Amazônia Legal Carta de Princípios dos Adolescentes e Jovens da Amazônia Legal A infância, adolescência e juventude são fases fundamentais no desenvolvimento humano e na formação futura dos cidadãos. No plano social,

Leia mais

Disciplina Corpo Humano e Saúde: Uma Visão Integrada - Módulo 3

Disciplina Corpo Humano e Saúde: Uma Visão Integrada - Módulo 3 3. A transversalidade da saúde Você já ouviu falar em Parâmetros Curriculares Nacionais? Já ouviu? Que bom! Não lembra? Não se preocupe, pois iremos, resumidamente, explicar o que são esses documentos.

Leia mais

ALIENAÇÃO PARENTAL COM FALSA ACUSAÇÃO DE ABUSO SEXUAL

ALIENAÇÃO PARENTAL COM FALSA ACUSAÇÃO DE ABUSO SEXUAL ALIENAÇÃO PARENTAL COM FALSA ACUSAÇÃO DE ABUSO SEXUAL CHAVES, LINDÉIA RESUMO O presente trabalho traz maior enfoque a analise da lei nº 12.318/10 que trata do Instituto da Alienação Parental através da

Leia mais

Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul

Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul 5 de fevereiro de 2013 2ª Câmara Cível Agravo de Instrumento - Nº - Paranaíba Relator Exmo. Sr. Des. Marcos José de Brito Rodrigues Agravante : N. R. D. Advogada : Rilker Dutra de Oliveira Agravado : Estado

Leia mais

Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 121, DE 25 DE JANEIRO DE 2012

Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 121, DE 25 DE JANEIRO DE 2012 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 121, DE 25 DE JANEIRO DE 2012 Institui a Unidade de Acolhimento para pessoas

Leia mais

cartilha direitos humanos layout:layout 1 2008-09-05 13:42 Página 1 CAPA

cartilha direitos humanos layout:layout 1 2008-09-05 13:42 Página 1 CAPA cartilha direitos humanos layout:layout 1 2008-09-05 13:42 Página 1 CAPA cartilha direitos humanos layout:layout 1 2008-09-05 13:42 Página 2 TODOS SÃO IGUAIS PERANTE A LEI* *Artigo 5º da Constituição Brasileira

Leia mais

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 228, DE 2010

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 228, DE 2010 SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 228, DE 2010 Altera a Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996 (Lei de Diretrizes e Bases da educação nacional), para incluir entre as incumbências dos estabelecimentos

Leia mais

RESOLUÇÃO CRCMG Nº 357, DE 18 DE JULHO DE 2014.

RESOLUÇÃO CRCMG Nº 357, DE 18 DE JULHO DE 2014. RESOLUÇÃO CRCMG Nº 357, DE 18 DE JULHO DE 2014. Alterada pela Resolução CRCMG nº 363/2014. Altera o Regulamento Geral das Delegacias Seccionais do CRCMG. O CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DE MINAS GERAIS,

Leia mais

Poder Judiciário Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro Quinta Câmara Criminal

Poder Judiciário Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro Quinta Câmara Criminal Poder Judiciário Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro Relator: Desembargador Paulo de Oliveira Lanzellotti Baldez Paciente: JOÃO FLÁVIO TEIXEIRA LEMOS DE MORAES Impetrantes: Rodrigo Roca (adv)

Leia mais

DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DE ALAGOAS

DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DE ALAGOAS NOTA TÉCNICA CONTRA A REDUÇÃO DA MAIORIDADE PENAL A Defensoria Pública do Estado de Alagoas, por meio do Núcleo Especializado da Infância e da Juventude, em virtude de sua função institucional de exercer

Leia mais

DIREITOS DO TRABALHADOR COM DEFICIENCIA. PALAVRAS-CHAVES: Deficiência, Trabalho, Proteção Legal.

DIREITOS DO TRABALHADOR COM DEFICIENCIA. PALAVRAS-CHAVES: Deficiência, Trabalho, Proteção Legal. DIREITOS DO TRABALHADOR COM DEFICIENCIA Acimarney Correia Silva Freitas¹, Cecília Grabriela Bittencourt², Érika Rocha Chagas 3, Maria do Rosário da Silva Ramos 4 ¹Orientador deste Artigo e Professor de

Leia mais

DICAS MENSAIS SOCIOLOGIA

DICAS MENSAIS SOCIOLOGIA SOCIOLOGIA 1ª SÉRIE SOCIOLOGIA A sociologia de Durkheim 1 - O que é fato social? Durkheim é apontado como um dos primeiros grandes teóricos. Preocupação central: definir com precisão o objeto, o método

Leia mais

Regimento Interno CAPÍTULO PRIMEIRO DAS FINALIDADES

Regimento Interno CAPÍTULO PRIMEIRO DAS FINALIDADES Regimento Interno CAPÍTULO PRIMEIRO DAS FINALIDADES ARTIGO 1º As atividades socioeducativas desenvolvidas pela Associação Projeto Cuidado- APJ,reger-se-ão pelas normas baixadas nesse Regimento e pelas

Leia mais

Projeto de Lei nº. / 2011. (do Sr. Ricardo Tripoli)

Projeto de Lei nº. / 2011. (do Sr. Ricardo Tripoli) Projeto de Lei nº. / 2011 (do Sr. Ricardo Tripoli) Criminaliza condutas praticadas contra cães e gatos, e dá outras providências. O Congresso Nacional decreta: Dos Crimes contra Cães e Gatos Art. 1º. Esta

Leia mais

CARTA ABERTA À PRESIDENTA DILMA ROUSSEFF E ÀS AUTORIDADES POLÍTICAS E JUDICIÁRIAS BRASILEIRAS SOBRE A REDUÇÃO DA MAIORIDADE PENAL

CARTA ABERTA À PRESIDENTA DILMA ROUSSEFF E ÀS AUTORIDADES POLÍTICAS E JUDICIÁRIAS BRASILEIRAS SOBRE A REDUÇÃO DA MAIORIDADE PENAL Boaventura de Sousa Santos Coimbra, 20 de Julho de 12015 CARTA ABERTA À PRESIDENTA DILMA ROUSSEFF E ÀS AUTORIDADES POLÍTICAS E JUDICIÁRIAS BRASILEIRAS SOBRE A REDUÇÃO DA MAIORIDADE PENAL DAS VIOLÊNCIAS

Leia mais

Prefeitura Municipal de Ponta Porã

Prefeitura Municipal de Ponta Porã Lei Complementar nº 38, de 28 de Novembro de 2006. Acresce o cargo efetivo de Farmacêutico à Lei Complementar nº 028, de 04 de janeiro de 2006, que dispõe sobre o Plano de Cargos e Remuneração dos Servidores

Leia mais

VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS: UM ESTUDO DE CASOS RELATADOS EM CONSELHOS TUTELARES DA INFÂNCIA E DA ADOLESCÊNCIA.

VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS: UM ESTUDO DE CASOS RELATADOS EM CONSELHOS TUTELARES DA INFÂNCIA E DA ADOLESCÊNCIA. VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS: UM ESTUDO DE CASOS RELATADOS EM CONSELHOS TUTELARES DA INFÂNCIA E DA ADOLESCÊNCIA. Paulo de Tarso Oliveira - Uni-FACEF Introdução O trabalho discute alguns dados obtidos em um

Leia mais

Ofício Circular n 001/ CDCA/RO Porto Velho, 13 de outubro de 2014.

Ofício Circular n 001/ CDCA/RO Porto Velho, 13 de outubro de 2014. Ofício Circular n 001/ CDCA/RO Porto Velho, 13 de outubro de 2014. Ao Dr Héverton Alves de Aguiar Procurador-Geral de Justiça Nesta Assunto: Projeto Fazendo a Diferença Senhor Procurador, Com os cumprimentos,

Leia mais

ARTIGO 14 da Lei nº 6368/76: CRIME HEDIONDO!

ARTIGO 14 da Lei nº 6368/76: CRIME HEDIONDO! ARTIGO 14 da Lei nº 6368/76: CRIME HEDIONDO! ELIANE ALFRADIQUE O artigo 14 da Lei nº 6.368/76 tem causado certa dificuldade em sua aplicação prática. O enunciado do artigo em questão, tipifica a associação

Leia mais

Ata de Reunião da UTE/2014 realizada durante a XIX Cúpula da Rede Mercocidades

Ata de Reunião da UTE/2014 realizada durante a XIX Cúpula da Rede Mercocidades Ata de Reunião da UTE/2014 realizada durante a XIX Cúpula da Rede Mercocidades No dia 03 de dezembro estiveram reunidas, na cidade de Rosário (Argentina), todas as Unidades temáticas e Grupos de Trabalho

Leia mais

Princípios da educação inclusiva. Profa Me Luciana Andrade Rodrigues

Princípios da educação inclusiva. Profa Me Luciana Andrade Rodrigues Princípios da educação inclusiva Profa Me Luciana Andrade Rodrigues Objetivos - Pensar na imagem que nós temos do outro ; - Conversar sobre Estigma e preconceito; - Discutir sobre as estratégias a serem

Leia mais

Só em circunstâncias muito excepcionais pode o advogado ser autorizado a revelar factos sujeitos a sigilo profissional.

Só em circunstâncias muito excepcionais pode o advogado ser autorizado a revelar factos sujeitos a sigilo profissional. - Dispensa de sigilo profissional n.º 88/SP/2010-P Através de comunicação escrita, registada com o n.º ( ), recebida a 15.04.2010 pela Secretaria do Conselho Distrital do Porto da Ordem dos Advogados,

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PROCURADORIA-GERAL DO ESTADO PARECER Nº 13.446

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PROCURADORIA-GERAL DO ESTADO PARECER Nº 13.446 PARECER Nº 13.446 ESTATUTO DA MAGISTRATURA ESTADUAL, COMPLEMENTAÇÃO DE PENSÃO A FILHO INVÁLIDO. 1. A preexistência da doença incapacitante determina a dependência previdenciária de filho varão. 2. Desaparece

Leia mais

CONSELHO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL DE PIRACICABA/SP MOÇÃO Nº 31, DE 25 DE MAIO DE 2011

CONSELHO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL DE PIRACICABA/SP MOÇÃO Nº 31, DE 25 DE MAIO DE 2011 CONSELHO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL DE PIRACICABA/SP MOÇÃO Nº 31, DE 25 DE MAIO DE 2011 O PLENÁRIO DO CONSELHO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL DE PIRACICABA/SP, em sua 60ª Reunião Ordinária, realizada no dia 25 de Maio

Leia mais

DECRETO Nº 1.973, DE 1º DE AGOSTO DE 1996. (Publicado no D.O.U. de 02.08.1996)

DECRETO Nº 1.973, DE 1º DE AGOSTO DE 1996. (Publicado no D.O.U. de 02.08.1996) DECRETO Nº 1.973, DE 1º DE AGOSTO DE 1996. (Publicado no D.O.U. de 02.08.1996) Promulga a Convenção Interamericana para Prevenir, Punir e Erradicar a Violência contra a Mulher, concluída em Belém do Pará,

Leia mais

CAPÍTULO I Disposições gerais

CAPÍTULO I Disposições gerais ESTATUTOS DO CONSELHO DAS FINANÇAS PÚBLICAS Aprovados pela Lei n.º 54/2011, de 19 de outubro, com as alterações introduzidas pelo artigo 187.º da Lei n.º 82-B/2014, de 31 de dezembro (Grafia adaptada em

Leia mais

Inspeção Bimestral das Unidades de Semiliberdade / Período: 6º bimestre (Novembro) / 2014

Inspeção Bimestral das Unidades de Semiliberdade / Período: 6º bimestre (Novembro) / 2014 CNMP - Conselho Nacional do Ministério Público Sistema de Resoluções Inspeção Bimestral das Unidades de Semiliberdade / Período: 6º bimestre (Novembro) / 2014 Dados da Entidade Nome: CENTRO EDUCACIONAL

Leia mais

ANEXO PSIQUIÁTRICO LOURIVAL BURGOS MUCCINI SUS SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE Janeiro de 2008. COORDENAÇÃO SISTEMATIZADA DO ANEXO PSIQUIÁTRICO DO HGPV

ANEXO PSIQUIÁTRICO LOURIVAL BURGOS MUCCINI SUS SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE Janeiro de 2008. COORDENAÇÃO SISTEMATIZADA DO ANEXO PSIQUIÁTRICO DO HGPV ANEXO PSIQUIÁTRICO LOURIVAL BURGOS MUCCINI SUS SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE Janeiro de 2008. COORDENAÇÃO SISTEMATIZADA DO ANEXO PSIQUIÁTRICO DO HGPV Protocolo geral Dispõe sobre as condições para a promoção,

Leia mais

AS GARANTIAS CONSTITUCIONAIS EM RELAÇÃO AO PRINCÍPIO DA INOCÊNCIA PRESUMIDA

AS GARANTIAS CONSTITUCIONAIS EM RELAÇÃO AO PRINCÍPIO DA INOCÊNCIA PRESUMIDA AS GARANTIAS CONSTITUCIONAIS EM RELAÇÃO AO PRINCÍPIO DA INOCÊNCIA PRESUMIDA * Luis Fernando da Silva Arbêlaez Júnior ** Professora Vânia Maria Bemfica Guimarães Pinto Coelho Resumo A Constituição Federal

Leia mais

BANCO DE BOAS PRÁTICAS DE GESTÃO

BANCO DE BOAS PRÁTICAS DE GESTÃO BANCO DE BOAS PRÁTICAS DE GESTÃO Prática ADOLESCENTES INFRATORES: APOIO PARA REINSERÇÃO À COMUNIDADE. Área de Atuação: Políticas Sociais e Cidadãos Responsáveis: José Alexandre dos Santos e Franciely Priscila

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br A figura do delinquente / transtornos da personalidade Vania Carmen de Vasconcelos Gonçalves* 1. INTRODUÇÃO Atualmente é comum nos depararmos diariamente com casos e relatos de violência,

Leia mais

Mostra de Projetos 2011 "AGENTES DA ALEGRIA"

Mostra de Projetos 2011 AGENTES DA ALEGRIA Mostra de Projetos 2011 "AGENTES DA ALEGRIA" Mostra Local de: Guarapuava Categoria do projeto: Projetos em implantação, com resultados parciais. Fundação Proteger Cidade: Guarapuava Contato: (42) 3623-6417

Leia mais

Excelentíssima presidenta da república Sra. Dilma Rousseff:

Excelentíssima presidenta da república Sra. Dilma Rousseff: De: Mario Avelino [mailto:marioavelino@domesticalegal.org.br] Enviada em: quarta-feira, 27 de maio de 2015 11:53 Para: 'gabineteagenda@presidencia.gov.br' Assunto: Pedido de audiência pública com a presidenta

Leia mais

EXMA. SRA. DRA. JUÍZA DE DIREITO DA VARA DA INFÂNCIA E JUVENTUDE DA COMARCA DE CASTRO - PR

EXMA. SRA. DRA. JUÍZA DE DIREITO DA VARA DA INFÂNCIA E JUVENTUDE DA COMARCA DE CASTRO - PR 2ª PROMOTORIA DE JUSTIÇA DA COMARCA DE CASTRO EXMA. SRA. DRA. JUÍZA DE DIREITO DA VARA DA INFÂNCIA E JUVENTUDE DA COMARCA DE CASTRO - PR O MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PARANÁ, por seu Promotor Substituto

Leia mais

Tribunal de Justiça de Minas Gerais

Tribunal de Justiça de Minas Gerais Número do 1.0701.11.038426-3/001 Númeração 0384263- Relator: Relator do Acordão: Data do Julgamento: Data da Publicação: Des.(a) Versiani Penna Des.(a) Versiani Penna 14/11/2013 25/11/2013 EMENTA: APELAÇÃO

Leia mais

POLÍTICAS DE DROGAS E DIREITOS HUMANOS

POLÍTICAS DE DROGAS E DIREITOS HUMANOS POLÍTICAS DE DROGAS E DIREITOS HUMANOS Para a construção de um memorandum dos juízes dos países e territórios de língua oficial portuguesa (UIJLP) no âmbito da 1ª Conferência Internacional sobre Políticas

Leia mais

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 269, DE 2010. O CONGRESSO NACIONAL decreta:

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 269, DE 2010. O CONGRESSO NACIONAL decreta: SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 269, DE 2010 Altera o art. 93 da Lei nº 8.213, de 24 de julho de 1991, para facultar às empresas substituir a contratação de empregados pelo patrocínio de atletas

Leia mais

DIREITO CIVIL ALIMENTOS

DIREITO CIVIL ALIMENTOS DIREITO CIVIL ALIMENTOS Atualizado em 27/10/2015 Direito Civil Aula Professor André Barros 1 União Estável: 1. Conceito: Art. 1.723, CC: É reconhecida como entidade familiar a união estável entre o homem

Leia mais

RELAÇÃO DAS IMPUGNAÇÕES DO EDITAL Nº 1 DPDF/2013 DEFERIDAS

RELAÇÃO DAS IMPUGNAÇÕES DO EDITAL Nº 1 DPDF/2013 DEFERIDAS DEFENSORIA PÚBLICA DO DISTRITO FEDERAL CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS E FORMAÇÃO DE CADASTRO DE RESERVA NO CARGO DE DEFENSOR PÚBLICO DE SEGUNDA CATEGORIA RELAÇÃO DAS IMPUGNAÇÕES DO EDITAL Nº

Leia mais

PERÍCIA AMBIENTAL CONCEITOS

PERÍCIA AMBIENTAL CONCEITOS PERÍCIA AMBIENTAL CONCEITOS PERÍCIA Exame realizado por técnico, ou pessoa de comprovada aptidão e idoneidade profissional, para verificar e esclarecer um fato, ou estado ou a estimação da coisa que é

Leia mais

16/04/2014. Ética e medicina do trabalho: Ética e medicina do trabalho:

16/04/2014. Ética e medicina do trabalho: Ética e medicina do trabalho: Ética e medicina do trabalho: Ética e medicina do trabalho: Dispositivos legais que disciplinam a atuação dos profissionais e médicos do trabalho em conformidade com os princípios éticos. 1) OIT - Serviços

Leia mais

www.apostilaeletronica.com.br

www.apostilaeletronica.com.br DIREITO PENAL PARTE GERAL I. Princípios Penais Constitucionais... 003 II. Aplicação da Lei Penal... 005 III. Teoria Geral do Crime... 020 IV. Concurso de Crime... 027 V. Teoria do Tipo... 034 VI. Ilicitude...

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PARANÁ RÚBIA ANDRESSA SCHMIDT O ATO INFRACIONAL E O CUMPRIMENTO DA MEDIDA SOCIOEDUCATIVA

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PARANÁ RÚBIA ANDRESSA SCHMIDT O ATO INFRACIONAL E O CUMPRIMENTO DA MEDIDA SOCIOEDUCATIVA MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PARANÁ RÚBIA ANDRESSA SCHMIDT O ATO INFRACIONAL E O CUMPRIMENTO DA MEDIDA SOCIOEDUCATIVA União da Vitória 2013 RÚBIA ANDRESSA SCHMIDT O ATO INFRACIONAL E O CUMPRIMENTO DA

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA PROVIMENTO N. 11/2016-CM

ESTADO DE MATO GROSSO PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA PROVIMENTO N. 11/2016-CM PROVIMENTO N. 11/2016-CM Institui o Grupo de Monitoramento e Fiscalização do Sistema Carcerário GMF de que trata a Resolução n. 96, de 27-10-2009 e a Resolução n. 214, de 15-12-2015, ambas do Conselho

Leia mais

SIM SENHOR, NÃO SENHOR: desvelando o significado dos processos educativos para a realidade dos adolescentes em conflito com a lei

SIM SENHOR, NÃO SENHOR: desvelando o significado dos processos educativos para a realidade dos adolescentes em conflito com a lei SIM SENHOR, NÃO SENHOR: desvelando o significado dos processos educativos para a realidade dos adolescentes em conflito com a lei Ivana Marques dos Santos Silva Universidade Federal Rural de Pernambuco

Leia mais

Regularização Fundiária de Assentamentos Informais em Áreas Urbanas. Disciplina: Regularização Fundiária em Juízo e Registro Público.

Regularização Fundiária de Assentamentos Informais em Áreas Urbanas. Disciplina: Regularização Fundiária em Juízo e Registro Público. Módulo III Regularização Fundiária de Assentamentos Informais em Áreas Urbanas Disciplina: Regularização Fundiária em Juízo e Registro Público Unidade 04 Professor(a): Venicio Salles Aula argumento IV

Leia mais

NOTA TÉCNICA REDE DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL (RAPS) 19/04/2012 Pag. 1 de 5

NOTA TÉCNICA REDE DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL (RAPS) 19/04/2012 Pag. 1 de 5 NOTA TÉCNICA REDE DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL (RAPS) 19/04/2012 Pag. 1 de 5 A Secretaria da Saúde do Estado do Ceará, através do Núcleo de Atenção à Saúde Mental//Coordenadoria de Políticas e Atenção à Saúde

Leia mais

Política de Divulgação de Atos ou Fatos Relevantes da Quality Software S.A. ( Política de Divulgação )

Política de Divulgação de Atos ou Fatos Relevantes da Quality Software S.A. ( Política de Divulgação ) Política de Divulgação de Atos ou Fatos Relevantes da Quality Software S.A. ( Política de Divulgação ) Versão: 1.0, 08/03/2013 Fatos Relevantes v 1.docx 1. INTRODUÇÃO E OBJETIVO... 3 2. PESSOAS SUJEITAS

Leia mais