Estudo de Viabilidade Econômica da Utilização de Fonte Alternativa para Atender Demanda de Comportamento Intermitente

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Estudo de Viabilidade Econômica da Utilização de Fonte Alternativa para Atender Demanda de Comportamento Intermitente"

Transcrição

1 Estudo de Viabilidade Econômica da Utilização de Fonte Alternativa para Atender Demanda de Comportamento Intermitente Adriano M. dos Santos; Euler B. dos Santos; Paulo C. M. Machado; Antônio C. B. Alves; Antônio M. de Oliveira; Tássio R. Fagundes Resumo Neste artigo é apresentado um estudo e metodologia para análise de viabilidade econômica da aplicação de fonte alternativa de energia para suprir uma demanda de comportamento intermitente. Um estudo de caso é exposto, cujo objeto é o Centro de Cultura e Eventos Professor Ricardo Freua Bufáiçal da Universidade Federal de Goiás, considerando o número de eventos anuais. Palavras-chave-- Demanda intermitente, enquadramento tarifário, grupo motor gerador, viabilidade econômica. E I. INTRODUÇÃO STE trabalho apresenta um estudo para verificar a viabilidade de emprego de fonte alternativa de suprimento de energia para instalações onde a demanda na situação de funcionamento pleno é intermitente. Neste sentido um estudo de caso é realizado, tendo como objeto o Centro de Cultura e Eventos Professor Ricardo Freua Bufáiçal situado no Campus II da Universidade Federal de Goiás, doravante denominado de Centro de Eventos. O estudo em questão tem por objetivo a análise da viabilidade econômica da aplicação de um grupo motor gerador (GMG) a diesel como fonte alternativa para suprimento da referida carga. A metodologia utilizada compreendeu: realização de medições com utilização de equipamento de última geração; estudo para utilização de grupo motor gerador considerando aspectos econômicos; elaboração de um programa computacional na plataforma MATLAB capaz de realizar varias simulações necessárias às análises. Neste contexto, diferentes situações são colocadas e destacadas aquelas que viabilizam a aplicação do GMG de maneira racional. II. OBJETO DO ESTUDO DE CASO, AQUISIÇÃO E PROCESSAMENTO DE DADOS Nos contratos de fornecimento de energia elétrica entre empresa distribuidora e consumidor não é estabelecido escalonamento (diferentes valores) para a demanda contratada. Estas restrições estabelecem dificuldades para o consumidor Euler B. dos Santos, Paulo C. M. Machado, Antônio C. Baleeiro Alves e Antônio M. de Oliveira são docentes da Escola de Engenharia Elétrica e de Computação da UFG ( e Adriano M. dos Santos e Tássio R. Fagundes são Engenheiros Eletricistas ( e que em alguns dias do mês (datas aleatórias) e em determinados horários necessitam de demanda muito maior que aquela do cotidiano. Para melhor ilustração deste fato foi selecionado uma unidade consumidora com estas características. A. Objeto do Estudo de Caso O Centro de Eventos foi inaugurado em 12 de dezembro de 28, tem por objetivo ser um espaço multiuso para a UFG, o qual é utilizado em solenidades de colação de grau, eventos científicos e culturais, feiras, congressos e apresentações artísticas. Este espaço é constituído de uma área construída de aproximadamente oito mil e setecentos metros quadrados. A edificação possui dois pavimentos, onde o térreo é um salão com capacidade para quatro mil pessoas sentadas, e o segundo pavimento possui quatro salas com capacidade para cem pessoas cada uma, além de algumas salas reservadas à coordenação de congressos. O Centro de Eventos é alimentado pela rede primária da concessionária CELG D, através de uma subestação (SE) abrigada cujo transformador rebaixador tem: conexão tipo - Yg, potência de 1 kva, tensão primária 13,8kV e tensões secundárias 38/22V. B. Aquisição e Processamento de Dados Como forma de mapear as variações de comportamento da demanda utilizada pelo Centro de Eventos, foram observados dois eventos distintos, uma colação de grau (evento 1) e um show musical (evento 2). A aquisição de dados foi efetuada com a utilização de um analisador de energia trifásico, o FLUKE 435, e acessórios necessários. Sua instalação e programação foram realizadas observando recomendações do fabricante constante em [1]. A instalação do analisador de energia foi efetuada no circuito alimentador do quadro geral de distribuição, com o propósito de possibilitar o registro dos dados sobre o comportamento das grandezas elétricas de toda a instalação local. O processamento dos dados registrados foi realizado utilizando uma rotina computacional elaborada no ambiente de programação MATLAB possuindo facilidades que permitem plotar gráficos de várias grandezas elétricas. Assim sendo a seguir são mostradas as potências totais trifásicas observadas durante as medições, apresentadas nas Figs. 1 e 2.

2 Potência Ativa [kw] Fase A Fase B Fase C Energia Ativa [MWh] :14 14:34 17:54 21:14 :34 3:54 7:14 9:4 Horário da Amostragem [h:min] Fig. 1. Potências totais trifásicas observadas durante o evento 1. Potência Ativa [kw] :18 14:38 17:58 21:18 :38 3:58 7:18 1:23 Horário da Amostragem [h:min] Fase A Fase B Fase C 11:18 14:38 17:58 21:18 :38 3:58 7:18 1:23 Horário da amostragem [h:min] Fig. 4. Energia ativa total observada durante o evento 2. Analisando-se os dados obtidos e as Figs. 3 e 4, consta-se que o total de energia consumida acumulada durante os dois eventos não são idênticas em valores, porem a diferença é inferior a 2% tomando como base o evento 1(maior consumo), sendo que parte considerável deste consumo ocorre durante o horário de ponta. C. Perfil de Utilização do Centro de Eventos A freqüência de utilização do espaço considerado é de fundamental importância nos procedimentos de viabilidade econômica da implantação de uma fonte alternativa de suprimento de energia, portanto, deve ser considerado. No período de novembro de 21 a outubro de 211, a utilização do Centro de Eventos está representada na Fig. 5. Fig. 2. Potências totais trifásicas observadas durante o evento 2. A solicitação máxima de potência ativa observada durante os dois eventos foi de aproximadamente 34 kw. Os consumos de energia ativa registrados durante estes eventos são apresentados nas Figs. 3 e Energia Ativa [MWh] :14 14:34 17:54 21:14 :34 3:54 7:14 9:4 Horário da amostragem [h:min] Fig. 3. Energia ativa total observada durante o evento 1. Fig. 5. Frequência de utilização do Centro de Eventos. Para facilitar a análise da ocorrência dos eventos no aspecto tempo de solicitação de alta demanda foi feita uma classificação em três grupos, ou seja: as colações de grau, os shows e os congressos, estes contemplando seus respectivos similares. Os shows e as colações de grau tiveram aproximadamente sete horas de duração, e para os congressos admitiu-se onze horas diarias.

3 De posse dos dados de duração por tipo de evento e a quantidade de eventos discriminada, é possível estimar o total de horas de utilização do Centro de Eventos em 46 horas por ano. D. Características da Carga A demanda é um dado importante para compreender o perfil de utilização do espaço. Através das informações contidas nas faturas de energia elétrica, referente ao período de outubro de 21 a setembro de 211, foi possível plotar a relação entre a demanda requerida no mês e a demanda contratada junto à concessionária, conforme mostra o gráfico da Fig. 6. existentes e dada a importância econômica da escolha correta destas, elaborou-se um programa na plataforma MATLAB, o qual denominou-se de EnquadraMaEs, em referência ao Laboratório de Máquinas Especiais da EEEC-UFG. IV. PROGRAMA COMPUTACIONAL DESENVOLVIDO A inicialização do programa elaborado é realizada através de uma interface gráfica, na qual é possível uma amigável interação entre usuário e programa. O programa é capaz de estimar o valor financeiro da fatura de energia elétrica acumulado em um ano para os diferentes subgrupos do grupo A de consumidores, discriminando as diferenças nos valores resultantes das três modalidades tarifárias e indicando a opção mais econômica para o consumidor. Assim sendo é possível utilizá-lo tanto para enquadramento quanto para reenquadramento tarifário. Como função adicional, o programa é capaz de exibir, em gráficos de barras, os dados fornecidos pelo usuário, com o objetivo de facilitar uma análise preliminar do consumo de energia elétrica da unidade em estudo. O fluxograma do EnquadraMaEs está apresentado na Fig. 7, o qual permite entender melhor a lógica utilizada na confecção deste programa. Fig. 6. Exposição de demandas registrada e contratada. Início Entrada de dados Cálculos Observando-se o gráfico da Fig.6 nota-se que no mês de junho de 211 não há ocorrência de eventos, sendo possível notar a significante diferença entre a demanda registrada (22 kw) e a contratada (45 kw). Isto mostra claramente que valores altos de demanda só são considerados quando da ocorrência de eventos. No entanto, pelo gráfico da Fig. 5 ocorreram dois eventos no mês de junho (23/6 e 25/6) sem ter sido considerado na fatura de energia. Isto se justifica pelo fato dos dois eventos terem ocorrido fora do período de leitura para faturamento daquele mês (19/5 a 2/6) tendo sido, portanto, considerado no período seguinte (2/6 a 19/7). III. TARIFAÇÃO A Resolução Normativa Nº 414 de 9 de setembro de 21 da ANEEL [2] regulamenta procedimentos da distribuição de energia elétrica de responsabilidade das concessionárias brasileiras, sendo um importante aspecto a modalidade tarifária que o consumidor possa se enquadrar. Os consumidores podem ser classificados em dois grupos distintos, os quais possuem subgrupos, de acordo com o nível de tensão de fornecimento da concessionária em seu ponto de entrega. Para cada grupo e subgrupo existe tarifação distinta própria de cada concessionária, influenciada pela modalidade tarifária em que se enquadra o consumidor. Para o grupo B a modalidade tarifária é única denominada de tarifação Convencional. Para o grupo A existem as modalidades tarifárias Horossazonal Verde e Horossazonal Azul além da Convencional, cada qual com particularidades específicas. Devido às diversas opções de modalidade tarifárias Exibir gráficos Fig. 7. Fluxograma do programa EnquadraMaEs. V. GRUPO MOTOR GERADOR O GMG adquirido para ser instalado no Centro de Eventos da UFG é modelo C5D6 carenado, com 5,15 m de comprimento, 1,5 m de largura e 2,415 m de altura, e pesa cerca de 525 kg, com potência de 625kVA e tensão de fornecimento 38/22V [3]. O quadro de consumo de litros de diesel por hora trabalhada esta exposto na Tabela I, onde: standby se refere a potência máxima que um gerador é capaz de fornecer, para carga variáveis, durante o período de interrupção de energia da concessionária, por um período de 2 h por ano, conforme ISO8528 [3]; prime se refere a potência disponível para um número ilimitado de horas anuais sob condições de carga variável, de acordo com ISO [3]. TABELA I CONSUMO DE COMBUSTÍVEL DO GMG Standby Prime Potência nominal 625 kva 5 kw 569 kva 455 kw Carga aplicada Full 3/4 1/2 1/4 Full 3/4 1/2 1/4 Consumo (litros / hora) S Gerar gráficos? N Resultado Fim

4 VI. ANÁLISE DA VIABILIDADE ECONÔMICA A verificação da viabilidade econômica baseou-se no método de comparação de alternativa de investimento denominado de Valor Presente Líquido (VPL) [4], considerando os dados expostos a seguir. Neste estudo o horizonte de projeto foi estipulado em quinze anos, com taxas e valores monetários calculados anualmente. Este tempo é suficiente para alcançar as metas necessárias. Os custos de material, serviços e equipamentos, bem como combustível referem-se à cotação realizada em Goiânia-GO na data de 1 de novembro de 211. Para a construção do fluxo de caixa, foram considerados os custos relacionados ao GMG, tanto da sua aquisição quanto da utilização e manutenção, seguidos das diferentes situações possíveis de compra de energia elétrica em função das opções tarifárias e também as respectivas estimativas de redução de custos. Com dados sobre necessidade e periodicidade de manutenção necessárias no GMG [5] e com informações de custos foi construída a Tabela II. Periodicidade da revisão Custo estimado TABELA II RELAÇÃO DE CUSTOS DAS REVISÕES PREVENTIVAS 25 horas ou seis meses 15 horas 6 horas R$ 2., R$ 4.58, R$ 13.76, Para efeito de distribuição temporal das revisões, foi considerada a utilização anual do GMG em 5 horas. Para o custo do diesel, considera-se o valor de R$ 2, por litro. O total de horas de alta solicitação de demanda do Centro de Eventos é de 46 horas/ano, conforme exposto anteriormente, e o consumo de óleo diesel por hora do GMG, considerando este funcionando em Prime em um carregamento de três quartos de sua potência, é de 91 l/hora, de acordo com a Tabela I. De posse destes dados é possível estimar o gasto anual com diesel como sendo R$ 83.72,. Em relação ao custo de aquisição do gerador, inclusive acessórios necessários ao funcionamento, foi verificado um valor de R$ 257.,. Para finalizar a composição dos custos distribuídos ao longo do período estipulado, é necessário observar o custo de oportunidade. Como taxa para este custo será considerado o rendimento da poupança do ano de 28 (7,9%), por ser o maior encontrado nos últimos cinco anos. Esta taxa incidirá cumulativamente sobre o valor de aquisição do GMG, durante o horizonte de projeto, resultando numa parcela de acréscimo variável nos custos a cada ano, ou seja, assumindo o valor de R$2.33, no 1º ano até R$ ,45 no 15º ano. Utilizando os dados apresentados, foi construído o fluxo de caixa dos custos esperados da operação do GMG, exposto na Fig. 8. Para a estimativa da redução de custo, será considerado o valor pago nas faturas de energia sem a instalação do GMG no acumulado de um ano, comparando-se este valor a situações em que o GMG está instalado, implicando na diminuição do valor pago nas faturas de energia, sendo o resultado desta diferença a redução esperada. Os valores pagos nas faturas de energia elétrica serão estimados utilizando-se o programa desenvolvido e apresentado na Seção IV. Fig. 8. Fluxo de caixa dos custos do GMG. A cerca dos encargos recorrentes em uma fatura de energia elétrica: O ICMS possui um valor fixo em 29% para Goiás atualmente, sendo então o valor adotado neste trabalho. Já o COFINS e PIS possuem valores flutuantes. Assim sendo, neste trabalho foi adotada uma média para eles, observando-se a variação dentro do período de um ano. Através de faturas de energias do Centro de Eventos pagas à concessionária local (CELG D), correspondentes ao período de outubro de 21 e setembro de211, o valor do COFINS pode ser estimado em 4,5612% e o valor do PIS em,993%. Inserindo-se os dados das faturas de energias compreendidos no período de outubro de 21 a setembro de 211 no programa desenvolvido e utilizando os valores dos encargos definidos acima, obtém-se um custo anual da fatura de energia elétrica de R$ ,66. Observa-se que neste período o Centro de Eventos esta enquadrado na modalidade tarifária Horossazonal Verde. Os efeitos do GMG sobre a fatura de energia foram definidos utilizando-se como base as medições realizadas. Nas Figs. 1 e 2 pode-se observar o maior valor de potência solicitada fora do intervalo de tempo de operação do GMG. Esta solicitação é de aproximadamente 4 kw, resultando numa possibilidade de reenquadramento tarifário para 5 kw de demanda contratada. No horário de ponta sem o acontecimento de eventos verifica-se o funcionamento de determinadas cargas como, por exemplo: letreiro, iluminação de fachada e marquise, correspondendo a uma solicitação de potência de aproximadamente 5,5 kw. Será considerado para os efeitos de cálculos desta análise um consumo de 363 kwh mensal no horário de ponta. Ainda considerando a situação sem a ocorrência de eventos, a solicitação de maior demanda (2 kw) no horário fora de ponta corresponde a 22 horas ao mês, resultando em um consumo de 4.4 kwh mensal. A solicitação de menor demanda (5,5 kwh) no horário fora de ponta corresponde a 354 horas ao mês, resultando em um consumo de kwh mensal.

5 Segue diferentes situações contratuais para considerar as alternativas disponíveis utilizando o GMG. A. Utilização do GMG Sem Revisão Tarifária Contratual Para esta situação, aqui denominada de situação 1, serão considerados apenas os efeitos referentes à redução do consumo proveniente do uso do GMG, o contrato de fornecimento de energia permanecerá em 45 kw de demanda, optante da modalidade tarifária Horossazonal Verde, situação atual do contrato do Centro de Eventos. Encontrou-se um novo valor anual da fatura de energia elétrica de R$86.227,28, com redução anual de custos de R$ ,38. B. Utilização do GMG Com Novo Contrato de 5 kw de Demanda Nesta situação, aqui denominada de situação 2, há a adoção de um novo contrato de fornecimento de energia, com demanda contratada em 5 kw e modalidade tarifária Horossazonal Verde (melhor opção definida pelo programa desenvolvido). Obteve-se uma redução anual de custos de R$ ,67. C. Utilização do GMG Sem Alteração de Contrato no Primeiro Ano A situação aqui apresentada será denominada situação 3. Depois de firmado um contrato de fornecimento de energia, o consumidor deve esperar um período de tempo correspondente a ciclos de faturamento antes de alterar sua modalidade tarifária [2]. Em vista disto, esta situação foi idealizada para o pior caso desta condição, onde todo o primeiro ano de utilização do GMG estará limitado ao uso do contrato de 45 kw de demanda, firmando um novo contrato de 5 kw apenas no início do segundo ano. No primeiro ano a redução esperada será a mesma definida na situação 1, ou seja, R$ ,38, e para os demais anos a redução definida na situação 2, ou seja, R$ ,67. D. Utilização do GMG Com Novo Contrato para 5 kw de Demanda e Previsão de Ultrapassagem na Demanda Para esta situação, aqui denominada situação 4, foi considerada uma condição em que o GMG não operasse em determinado evento, ocasionando uma solicitação adicional de demanda da concessionária, por possuir um contrato de 5 kw de demanda, resultaria em ultrapassagem de demanda na fatura de energia. Foi considerada a ocorrência da falta do GMG em apenas um mês do ano, pois com as manutenções periódicas realizadas corretamente, este seria um possível cenário durante o ano. Neste mês será considerada uma solicitação de demanda de 35 kw, por ser o máximo valor observado nas medições realizadas. Conforme já mencionado o tempo de duração dos eventos é considerado em 7 horas, envolvendo o horário de ponta e certo intervalo fora do horário de ponta. Assim sendo estima-se o consumo de 1.5 kwh em cada intervalo de tempo aqui mencionado. Encontrou-se um novo valor anual da fatura de energia elétrica de R$34.234,14, com redução anual de custos de R$ 18.64,52. E. Análise das Situações Apresentadas Nesta seção será considerada a inflação através da taxa do IGP-M, com base no ano de 21 (11,322%) [6], por ser a maior dos últimos cinco anos. Para a taxa de juros, será utilizado o valor de,5% ao mês, por ser a taxa usual da poupança, desconsiderando a taxa referencial [7], portanto a taxa de juros será de 6,17% ao ano. Assim sendo obtêm-se uma taxa de 18,19% ao ano. Com esta taxa definida e juntamente com os fluxos de caixa de cada situação apresentada anteriormente, foi elaborado o gráfico exibido na Fig. 9, onde esta relacionado o VPL para cada situação observada. Ainda em relação à Fig. 9 nota-se que nem mesmo para a situação de melhor previsão de redução de custos foi possível a viabilização da aquisição do GMG, considerando apenas reduções de custos diretamente ligadas à energia elétrica. VPL [R$] x 15 Situação1 Situação2 Situação3 Situação Ano referente Fig. 9. VPL para cada situação observada. F. Considerando Utilização do Espaço As receitas consideradas neste trabalho são aquelas que a instituição deixaria de desembolsar com locação de espaço similar, bem como aquelas que a instituição poderia obter através de locação. Para estimar a receita, foram consultados valores de locação para espaços de proporções semelhantes aos encontrados no Centro de Cultura e Eventos da UFG. Esta consulta indicou um valor estimado em R$ 1., na data de 1 de dezembro de 211 na cidade de Goiânia-GO. É oportuno salientar que despesas decorrentes de serviços, materiais e outros, necessários a organização dos eventos não estão inclusos no valor da locação mencionado. Com variação do número de eventos, o consumo de diesel do GMG irá variar proporcionalmente. Para efeito de cálculo, os eventos serão considerados como shows, podendo estimar um uso de sete horas do gerador por evento, conforme informação exposta anteriormente. Utilizando a quantidade de horas mencionada por evento, o consumo de diesel pelo GMG e o valor para o diesel exibido anteriormente encontra-se uma despesa de R$ 1.274,. Pelo exposto entrará na composição do fluxo de caixa um

6 valor de R$ 8.726, como receita anual, de acordo com o número de eventos realizados. Para simular situações distintas de utilização do espaço, foram consideradas quantidades diferentes de eventos realizados anualmente. Neste sentido observa-se que a viabilidade se manifesta a partir da situação que considera seis eventos anuais. Com a realização de oito eventos anuais a constatação da viabilidade é mais interessante por provocar uma redução significativa no tempo de retorno do investimento. Para efeito ilustrativo serão apresentadas as situações nas quais são consideradas realização de quatro e oito eventos anuais, conforme ilustram as Figs. 1 e 11 respectivamente. VPL [R$] x 15 Situação1 Situação2 Situação3 Situação4 economicamente viável. Observa-se que na situação para oito eventos anuais, valor de fácil alcance como pode ser observado pelo perfil de utilização do Centro de Eventos exibido na Fig. 5, os valores de VPL e do tempo de retorno de investimento mostraram ser perfeitamente favoráveis. Além dos aspectos financeiros envolvendo a aplicação do GMG discutidos neste trabalho vale salientar a possibilidade de funcionamento como um sistema de emergência, garantindo deste modo a continuidade de suprimento de energia elétrica. Assim sendo alguns cuidados com o GMG, como manutenções preventivas, testes antes dos eventos, e outras medidas, devem ser estabelecidos. O estudo desenvolvido mostra uma interessante metodologia para a análise de viabilidade econômica do uso de fonte alternativa para suprimento de energia elétrica, em um consumidor cuja demanda tem comportamento intermitente. É importante destacar que para este tipo de aplicação de fonte alternativa, não é possível trabalhar somente com uma redução do consumo, prática usual utilizada no horário de ponta, sendo necessário o estudo dos impactos da expectativa da demanda, para efetivação de reenquadramento tarifário Ano referente Fig. 1. VPL com realização de quatro eventos. VPL [R$] x 1 4 Situação1 Situação2 Situação3 Situação Ano referente Fig. 11. VPL com realização de oito eventos. Para este cenário, as situações 2, 3 e 4 mostraram-se economicamente viáveis com tempo de retorno de investimento respectivos de 5 anos e 11 meses, 8 anos e 11 meses, e 7 anos e 9 meses, com a situação 1 permanecendo inviável economicamente. VII. CONCLUSÕES Da análise que considera receitas provenientes de utilização do espaço, conclui-se que a aplicação do GMG torna-se VIII. REFERÊNCIAS [1] FLUKE. Fluke 434/435 Three Phase Power Quality Analyzer: Users Manual. Abr. de 26. Rev. 3, dez. de 28. [2] AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA. Resolução Normativa Nº de setembro de 21. [3] CUMMINS POWER GENERATION. Grupos Geradores Acionados por Motor Diesel: C5D6. Jun. de 29. Disponível em: < Acesso em: 1 nov. de 211. [4] CAMARGO, Ivan. Noções Básicas de Engenharia Econômica: Aplicações ao Setor Elétrico. Brasília, DF, [5] CUMMINS POWER GENERATION. Manual de Operação de Manutenção: Motores QSX15 para Aplicação Industrial e Geração de Energia. 22 mai. de 26. [6] FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS. Índice Geral de Preços: IGP-M. Dez. de 211. Disponível em: <http://portalibre.fgv.br>. Acesso em: 3 fev. de 212. [7] BANCO CENTRAL DO BRASIL. Poupança. Disponível em: <http://www.bcb.gov.br/pre/portalcidadao/indecon/poupanca.asp?idpai= portalbcb>. Acesso em: 3 fev. de 212. IX. BIOGRAFIAS Adriano Machado dos Santos. Graduado em Engenharia Elétrica pela UFG no ano de 211. Euler Bueno dos Santos. Engenheiro Eletricista (1977) e Bacharel em Física (1979), ambos pela UFG. Mestre (1993) e Doutor (2) em Engenharia Elétrica pela UFU. É professor associado da UFG. Paulo César Miranda Machado. Engenheiro Eletricista (1979) e Bacharel em Física (1979), ambos pela UFG. Especialista (1987) em Engenharia Elétrica pela UFU e Mestre (1996) em Física pela UFG. Doutor (211) em Engenharia Elétrica pela University Of Leeds. É professor titular da UFG. Antônio Cesar Baleeiro Alves. Engenheiro Eletricista graduado pela UFG em Mestre em Engenharia Elétrica pela UFU em 1991 e Doutor pela UNICAMP em É professor associado da UFG. Antonio Melo de Oliveira. Possui graduação em Engenharia Elétrica pela UFPE (198), mestrado em Engenharia Elétrica pela UNICAMP (1985) e doutorado em Engenharia Elétrica pela USP (1993). É professor titular da UFG. Tássio Ramos Fagundes. Graduado em Engenharia Elétrica pela UFG no ano de 211.

ANÁLISE TARIFÁRIA E OTIMIZAÇÃO DO FATOR DE POTÊNCIA: ESTUDO DE CASO EM INDÚSTRIA DE EMBALAGENS PLÁSTICAS

ANÁLISE TARIFÁRIA E OTIMIZAÇÃO DO FATOR DE POTÊNCIA: ESTUDO DE CASO EM INDÚSTRIA DE EMBALAGENS PLÁSTICAS ANÁLISE TARIFÁRIA E OTIMIZAÇÃO DO FATOR DE POTÊNCIA: ESTUDO DE CASO EM INDÚSTRIA DE EMBALAGENS PLÁSTICAS Rafael Nishimura, Saulo Gomes Moreira, Wellington Rocha Araújo, Amâncio R. da Silva Júnior, Gervásio

Leia mais

EFICIENTIZAÇÃO ENERGÉTICA: UMA MANEIRA DE REDUZIR OS CUSTOS COM ENERGIA ELÉTRICA

EFICIENTIZAÇÃO ENERGÉTICA: UMA MANEIRA DE REDUZIR OS CUSTOS COM ENERGIA ELÉTRICA EFICIENTIZAÇÃO ENERGÉTICA: UMA MANEIRA DE REDUZIR OS CUSTOS COM ENERGIA ELÉTRICA Vanderlei Rodrigues Schneider 1 Wanderlei José Ghilardi 2 Alexandre Pozzatti Guarienti 3 RESUMO Atualmente, com a grande

Leia mais

MANUAL SOBRE CONTRATOS DE ENERGIA ELÉTRICA E ESTRUTURA TARIFÁRIA 2012

MANUAL SOBRE CONTRATOS DE ENERGIA ELÉTRICA E ESTRUTURA TARIFÁRIA 2012 MANUAL SOBRE CONTRATOS DE ENERGIA ELÉTRICA E ESTRUTURA TARIFÁRIA 2012 Unidade Responsável: DCAL/SCRLP Data de elaboração: 17/10/2012 As orientações constantes neste manual foram retiradas das Notas Técnicas

Leia mais

Eólica Faísa V Geração e Comercialização de Energia Elétrica S.A.

Eólica Faísa V Geração e Comercialização de Energia Elétrica S.A. Balanço patrimonial em 31 de dezembro Ativo 2012 2011 Passivo e patrimônio líquido 2012 2011 (Não auditado) (Não auditado) Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa (Nota 4) 415 7 Fornecedores

Leia mais

SUPERINTENDÊNCIA DE REGULAÇÃO DOS SERVIÇOS DE DISTRIBUIÇÃO. Nota Técnica nº 112/2007-SRD/ANEEL. Brasília, 12 de Dezembro de 2007

SUPERINTENDÊNCIA DE REGULAÇÃO DOS SERVIÇOS DE DISTRIBUIÇÃO. Nota Técnica nº 112/2007-SRD/ANEEL. Brasília, 12 de Dezembro de 2007 SUPERINTENDÊNCIA DE REGULAÇÃO DOS SERVIÇOS DE DISTRIBUIÇÃO Nota Técnica nº 112/2007-SRD/ANEEL Brasília, 12 de Dezembro de 2007 METODOLOGIA DE TRATAMENTO REGULATÓRIO DE PERDAS TÉCNICAS............................................

Leia mais

Março 2007 DT 001_REV 01

Março 2007 DT 001_REV 01 Março 2007 DT 001_REV 01 SUMÁRIO 1 OBJETIVO... 2 CONCEITO BÁSICO SOBRE TARIFA DE ENERGIA ELÉTRICA... 2.1 Classes e subclasses de consumo... 2.2 Componentes das Tarifas de Energia Elétrica... 3 ESTRUTURA

Leia mais

Capítulo IX. Forno a lenha ou elétrico: o impacto nas despesas em uma empresa de panificação Por Andrea Teresa Barbosa e Oswaldo Odakura*

Capítulo IX. Forno a lenha ou elétrico: o impacto nas despesas em uma empresa de panificação Por Andrea Teresa Barbosa e Oswaldo Odakura* 62 Capítulo IX Forno a lenha ou elétrico: o impacto nas despesas em uma empresa de panificação Por Andrea Teresa Barbosa e Oswaldo Odakura* O desperdício de energia das micro e pequenas empresas chega

Leia mais

TECNOLOGIA COM BAIXO CUSTO, APLICADA A REDUÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NO SAAE SÃO CARLOS

TECNOLOGIA COM BAIXO CUSTO, APLICADA A REDUÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NO SAAE SÃO CARLOS TÍTULO DO TRABALHO: TECNOLOGIA COM BAIXO CUSTO, APLICADA A REDUÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NO SAAE SÃO CARLOS TEMA VIII: EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NOME DOS AUTORES: João Carlos Lopes Valter Luis Dulci Prof. Dr.

Leia mais

ANEXO III PROPOSTA ECONÔMICO FINANCEIRA DA SABESP PARA A REGIÃO METROPOLITANA DA BAIXADA SANTISTA - RMBS MUNICÍPIO DE SANTOS

ANEXO III PROPOSTA ECONÔMICO FINANCEIRA DA SABESP PARA A REGIÃO METROPOLITANA DA BAIXADA SANTISTA - RMBS MUNICÍPIO DE SANTOS ANEXO III PROPOSTA ECONÔMICO FINANCEIRA DA SABESP PARA A REGIÃO METROPOLITANA DA BAIXADA SANTISTA - RMBS MUNICÍPIO DE SANTOS 1 Sumário 1. Equilíbrio econômico-financeiro metropolitano...3 2. Proposta econômico-financeira

Leia mais

CARTILHA. Previdência. Complementar NOVA TRIBUTAÇÃO. www.sulamericaonline.com.br

CARTILHA. Previdência. Complementar NOVA TRIBUTAÇÃO. www.sulamericaonline.com.br CARTILHA Previdência Complementar NOVA TRIBUTAÇÃO www.sulamericaonline.com.br Índice 1. Os Planos de Previdência Complementar e o Novo Regime Tributário 4 2. Tratamento Tributário Básico 5 3. Características

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO - IX GRUPO DE ESTUDO DE OPERAÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GOP

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO - IX GRUPO DE ESTUDO DE OPERAÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GOP XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 22 a 25 Novembro de 2009 Recife - PE GRUPO - IX GRUPO DE ESTUDO DE OPERAÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GOP SISTEMA INTEGRADO

Leia mais

Estudo de viabilidade econômica para projetos eólicos com base no novo contexto do setor elétrico

Estudo de viabilidade econômica para projetos eólicos com base no novo contexto do setor elétrico Ricado Marques Dutra 1 * Maurício Tiomno Tolmasquim 1 Resumo Com base nas resoluções ANEEL n 233/199 e ANEEL 245/1999, este trabalho procura mostrar os resultados de uma análise econômica de projetos eólicos

Leia mais

INCORPORAÇÃO DE SISTEMAS DE CO-GERAÇÃO AOS SISTEMAS ELÉTRICOS DE POTÊNCIA: UM ROTEIRO PARA AVALIAÇÃO DA VIABILIDADE TÉCNICO-ECONÔMICA

INCORPORAÇÃO DE SISTEMAS DE CO-GERAÇÃO AOS SISTEMAS ELÉTRICOS DE POTÊNCIA: UM ROTEIRO PARA AVALIAÇÃO DA VIABILIDADE TÉCNICO-ECONÔMICA INCORPORAÇÃO DE SISTEMAS DE CO-GERAÇÃO AOS SISTEMAS ELÉTRICOS DE POTÊNCIA: UM ROTEIRO PARA AVALIAÇÃO DA VIABILIDADE TÉCNICO-ECONÔMICA Artigo referente à dissertação apresentada à Escola Politécnica da

Leia mais

Considerações sobre redimensionamento de motores elétricos de indução

Considerações sobre redimensionamento de motores elétricos de indução Considerações sobre redimensionamento de motores elétricos de indução Artigo publicado na revista Lumiere Electric edição nº 166 Aplicações de investimentos dentro das empresas sempre são questionadas

Leia mais

Procedimentos de Distribuição de Energia Elétrica no Sistema Elétrico Nacional PRODIST

Procedimentos de Distribuição de Energia Elétrica no Sistema Elétrico Nacional PRODIST Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL Procedimentos de Distribuição de Energia Elétrica no Sistema Elétrico Nacional PRODIST Módulo 7 Cálculo de Perdas na Distribuição Revisão 0 1 2 3 Motivo da Revisão

Leia mais

Análise de risco em incorporações imobiliárias: construção de cenários e simulação de Monte Carlo

Análise de risco em incorporações imobiliárias: construção de cenários e simulação de Monte Carlo Análise de risco em incorporações imobiliárias: construção de cenários e simulação de Monte Carlo Pedro Beck Di Bernardi (UFSC) pedrodibernardi@hotmail.com Norberto Hochheim (UFSC) hochheim@ecv.ufsc.br

Leia mais

ESTUDO DA VIABILIDADE ECONÔMICA PARA IMPLANTAÇÃO DE GERADOR DE ENERGIA ESTUDO DE CASO SETREM (SOCIEDADE EDUCACIONAL TRÊS DE MAIO) 1

ESTUDO DA VIABILIDADE ECONÔMICA PARA IMPLANTAÇÃO DE GERADOR DE ENERGIA ESTUDO DE CASO SETREM (SOCIEDADE EDUCACIONAL TRÊS DE MAIO) 1 ESTUDO DA VIABILIDADE ECONÔMICA PARA IMPLANTAÇÃO DE GERADOR DE ENERGIA ESTUDO DE CASO SETREM (SOCIEDADE EDUCACIONAL TRÊS DE MAIO) 1 João Nilson Da Rosa 2, Eduardo Lowe 3, Robson Vieira 4, Cláudio Roberto

Leia mais

5 Plano Financeiro. Investimento total. investimentos fixos; capital de giro; investimentos pré-operacionais. 5.1 Estimativa dos investimentos fixos

5 Plano Financeiro. Investimento total. investimentos fixos; capital de giro; investimentos pré-operacionais. 5.1 Estimativa dos investimentos fixos 5 Plano Financeiro Investimento total Nessa etapa, você irá determinar o total de recursos a ser investido para que a empresa comece a funcionar. O investimento total é formado pelos: investimentos fixos;

Leia mais

SUBSTITUIÇÃO DE UNIDADE DEFEITUOSA DE BANCO DE TRANSFORMADORES UTILIZANDO EQUIPAMENTO DE MANOBRA

SUBSTITUIÇÃO DE UNIDADE DEFEITUOSA DE BANCO DE TRANSFORMADORES UTILIZANDO EQUIPAMENTO DE MANOBRA SUBSTITUIÇÃO DE UNIDADE DEFEITUOSA DE BANCO DE TRANSFORMADORES UTILIZANDO EQUIPAMENTO DE MANOBRA Pedro Augusto Pinto Vallone Engenheiro Master III de Subestações Departamento de Engenharia Diretoria de

Leia mais

EXCEDENTE REATIVO (EFEITOS NAS REDES E INSTALAÇÕES)

EXCEDENTE REATIVO (EFEITOS NAS REDES E INSTALAÇÕES) EXCEDENTE REATIVO (EFEITOS NAS REDES E INSTALAÇÕES) Baixos valores de fator de potência são decorrentes de quantidades elevadas de energia reativa. Essa condição resulta em aumento na corrente total que

Leia mais

COMPARAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA EM PONTOS DETERMINADOS DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO CAMBORIÚ

COMPARAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA EM PONTOS DETERMINADOS DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO CAMBORIÚ COMPARAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA EM PONTOS DETERMINADOS DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO CAMBORIÚ Pietra Quelissa ROBE, Estudante de Controle Ambiental do IFC- Campus Camboriú Yasmin Nunes DA SILVA, Estudante

Leia mais

Energy Team Brasil Ltda -

Energy Team Brasil Ltda - ENERGIA SOLAR logo da sua empresa Energy Team Brasil Ltda - Rua José Jorge Pereira 202, Condomínio Empresarial Módulos, Galpão 14, Buraquinho - Cep: 42.700-000 - Lauro de Freitas/BA Tel. +55 (71) 3369

Leia mais

XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica

XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2008-06 a 10 de outubro Olinda - Pernambuco - Brasil Implementação de Sistemas de Aquecimento Solar nos Chuveiros e Piscina da AACD Centro

Leia mais

PROPOSTA DE AUTOGERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NO HORÁRIO DE PONTA

PROPOSTA DE AUTOGERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NO HORÁRIO DE PONTA PROPOSTA DE AUTOGERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NO HORÁRIO DE PONTA ERIC LENON PETRILLI 1 ; LEANDRO LOPES DE SOUSA 2 ; VALDIR SIMEÃO LEITE 3 ; JOSÉ ANTONIO DE CAMPOS BADIN 4 1 Graduando do Curso de Tecnologia

Leia mais

Decomposição da Inflação de 2011

Decomposição da Inflação de 2011 Decomposição da de Seguindo procedimento adotado em anos anteriores, este boxe apresenta estimativas, com base nos modelos de projeção utilizados pelo Banco Central, para a contribuição de diversos fatores

Leia mais

As avaliações sobre a evolução e o comportamento dos valores das

As avaliações sobre a evolução e o comportamento dos valores das Comentários dos resultados As avaliações sobre a evolução e o comportamento dos valores das despesas das famílias e da distribuição dessas despesas, segundo os diversos itens adquiridos ou pagos, possibilitam

Leia mais

06 a 10 de Outubro de 2008 Olinda - PE

06 a 10 de Outubro de 2008 Olinda - PE 06 a 10 de Outubro de 2008 Olinda - PE Nome do Trabalho Técnico Previsão do mercado faturado mensal a partir da carga diária de uma distribuidora de energia elétrica Laucides Damasceno Almeida Márcio Berbert

Leia mais

COMPORTAMENTO DOS GERADORES DE INDUÇÃO DUPLAMENTE ALIMENTADOS EM TURBINAS EÓLICAS DE PEQUENO PORTE

COMPORTAMENTO DOS GERADORES DE INDUÇÃO DUPLAMENTE ALIMENTADOS EM TURBINAS EÓLICAS DE PEQUENO PORTE UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS CURITIBA DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ELETROTÉCNICA CURSO DE ENGENHARIA INDUSTRIAL ELÉTRICA ÊNFASE ELETROTÉCNICA DIOGO MARTINS ROSA LUIZ ANDRÉ MOTTA DE MORAES

Leia mais

Como projetar premissas viáveis, possíveis e prováveis para elaboração do orçamento - ParteI

Como projetar premissas viáveis, possíveis e prováveis para elaboração do orçamento - ParteI Como projetar premissas viáveis, possíveis e prováveis para elaboração do orçamento - ParteI Como estruturar o orçamento? Como definir o cenário econômico? Como definir as metas orçamentárias? Como projetar

Leia mais

Curitiba, 25 de agosto de 2010. SUBSÍDIOS À CAMPANHA SALARIAL COPEL 2010 DATA BASE OUTUBRO 2010

Curitiba, 25 de agosto de 2010. SUBSÍDIOS À CAMPANHA SALARIAL COPEL 2010 DATA BASE OUTUBRO 2010 Curitiba, 25 de agosto de 2010. SUBSÍDIOS À CAMPANHA SALARIAL COPEL 2010 DATA BASE OUTUBRO 2010 1) Conjuntura Econômica Em função dos impactos da crise econômica financeira mundial, inciada no setor imobiliário

Leia mais

ATIVO PERMANENTE. Sendo assim, o Ativo Permanente está dividido em três grupos a saber:

ATIVO PERMANENTE. Sendo assim, o Ativo Permanente está dividido em três grupos a saber: 1. Conceito ATIVO PERMANENTE No Ativo as contas devem estar dispostas em ordem decrescente de grau de liquidez dos elementos nela registrados, nos seguintes grupos: ~ Ativo Circulante; ~ Ativo Realizável

Leia mais

GESTÃO DAS PERDAS EM ALIMENTADORES DA COPEL

GESTÃO DAS PERDAS EM ALIMENTADORES DA COPEL COMISSÃO DE INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA REGIONAL COMITÊ NACIONAL BRASILEIRO V CIERTEC - SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE GESTÃO DE PERDAS, EFICIENTIZAÇÃO ENERGÉTICA E PROTEÇÃO DA RECEITA NO SETOR ELÉTRICO Área

Leia mais

Ponto de Equilíbrio Contábil

Ponto de Equilíbrio Contábil CONTABILIDADE DE CUSTOS Prof. Viviane da Costa Freitag 3. ANÁLISE CUSTO X VOLUME X LUCRO A análise da relação Custo x Volume x Lucro, busca apresentar o comportamento dos custos e do lucro em função do

Leia mais

APLICAÇÕES DE TARIFAS SAZONAIS E HORO-SAZONAIS NO PARANÁ

APLICAÇÕES DE TARIFAS SAZONAIS E HORO-SAZONAIS NO PARANÁ APLICAÇÕES DE TARIFAS SAZONAIS E HORO-SAZONAIS NO PARANÁ Ary Haro dos Anjos Júnior (1) Engenheiro Civil, Professor da Universidade Federal do Paraná, ex Coordenador de Projetos da SANEPAR, Consultor da

Leia mais

MEMORIAIS, ESPECIFICAÇÕES E PLANILHA ORÇAMENTÁRIA PARA O PREÇO TOTAL DE ELABORAÇÃO DE PROJETO EXECUTIVO

MEMORIAIS, ESPECIFICAÇÕES E PLANILHA ORÇAMENTÁRIA PARA O PREÇO TOTAL DE ELABORAÇÃO DE PROJETO EXECUTIVO MEMORIAIS, ESPECIFICAÇÕES E PLANILHA ORÇAMENTÁRIA PARA O PREÇO TOTAL DE ELABORAÇÃO DE PROJETO EXECUTIVO Í N D I C E APRESENTAÇÃO JUSTIFICATIVA OBJETIVOS METAS ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PLANILHA ORÇAMENTÁRIA

Leia mais

EIXO 4 PLANEJAMENTO E GESTÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA

EIXO 4 PLANEJAMENTO E GESTÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA EIXO 4 PLANEJAMENTO E GESTÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA Disciplina: D 4.11 Elaboração e Programação Orçamentária e Financeira (40h) (Aula 4: Programação Orçamentária e Financeira) Professor: Bruno César

Leia mais

CIDEL Argentina 2014 Congreso Internacional de Distribución Eléctrica

CIDEL Argentina 2014 Congreso Internacional de Distribución Eléctrica CIDEL Argentina 2014 Congreso Internacional de Distribución Eléctrica MODELO PARA PROJEÇÃO DE CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA RESIDENCIAL CONSIDERANDO MINI E MICROGERAÇÃO A. H. Lautenschleger 1 G. Bordin 1

Leia mais

ENGENHEIRO ELETRICISTA

ENGENHEIRO ELETRICISTA ENGENHEIRO ELETRICISTA QUESTÃO 01 O projeto de uma S.E. consumidora prevê dois transformadores, operando em paralelo, com as seguintes características: 500kVA, 13800//220/127V, Z = 5% sob 13.8KV; I n =

Leia mais

ANÁLISE DE VIABILIDADE TÉCNICA PARA AUMENTO DE CARGA OU LIGAÇÃO NOVA DE UNIDADE CONSUMIDORA. 2 Dados da Unidade Consumidora de Energia Elétrica

ANÁLISE DE VIABILIDADE TÉCNICA PARA AUMENTO DE CARGA OU LIGAÇÃO NOVA DE UNIDADE CONSUMIDORA. 2 Dados da Unidade Consumidora de Energia Elétrica ANÁLISE DE VIABILIDADE TÉCNICA PARA AUMENTO DE CARGA OU LIGAÇÃO NOVA DE UNIDADE CONSUMIDORA 1- Objetivo O presente tem a finalidade de apresentar os dados necessários para a análise de viabilidade técnica

Leia mais

Análise do comportamento do consumo de água e energia elétrica do Edifício Ouro Negro

Análise do comportamento do consumo de água e energia elétrica do Edifício Ouro Negro Análise do comportamento do consumo de água e energia elétrica do Edifício Ouro Negro dezembro-08 1) População fixa Como parte da análise que será apresentada, considera-se importante também o acompanhamento

Leia mais

Apostila de. Finanças e Turismo. 2º semestre de 2013 Glauber Eduardo de Oliveira Santos

Apostila de. Finanças e Turismo. 2º semestre de 2013 Glauber Eduardo de Oliveira Santos Apostila de Finanças e Turismo 2º semestre de 2013 Glauber Eduardo de Oliveira Santos SUMÁRIO 1 Introdução às Finanças... 4 1.1 Avaliação de investimentos... 4 1.2 Empréstimos e juros... 5 1.3 Alternativas

Leia mais

Uma iniciativa da Coelce com o objetivo de prover ferramentas simples de análise aos gestores de conta de energia de alta tensão.

Uma iniciativa da Coelce com o objetivo de prover ferramentas simples de análise aos gestores de conta de energia de alta tensão. Curso Gestor de Conta Prof. Tomaz Nunes Departamento Engenharia Elétrica - UFC Gerência de Grandes Clientes 1 conta Objetivo Uma iniciativa da Coelce com o objetivo de prover ferramentas simples de análise

Leia mais

Empresa de Transmissão do Alto Uruguai S.A. Demonstrativo das mutações do ativo imobilizado em 31 de dezembro de 2011

Empresa de Transmissão do Alto Uruguai S.A. Demonstrativo das mutações do ativo imobilizado em 31 de dezembro de 2011 Demonstrativo das mutações do ativo imobilizado em 31 de dezembro de 2011 Demonstrativo das mutações do ativo imobilizado Exercício findo em 31 de dezembro de 2011 Conteúdo Relatório dos auditores independentes

Leia mais

Estudo Submetido ao Décimo Quinto Encontro Regional Ibero-americano do CIGRÉ Foz do Iguaçu-PR, Brasil 19 a 23 de maio de 2013

Estudo Submetido ao Décimo Quinto Encontro Regional Ibero-americano do CIGRÉ Foz do Iguaçu-PR, Brasil 19 a 23 de maio de 2013 EFEITO DO DESBALANÇO DE CARGA NAS PERDAS TÉCNICAS DE TRANSFORMADORES DE DISTRIBUIÇÃO R. Salustiano* I. P. de Faria* G. P. Lopes* S. S. Pinto* M. L. B. Martinez* *LAT-EFEI / UNIFEI RESUMO Pequenas diferenças

Leia mais

1- METODOLOGIA DE ORÇAMENTO DE OBRAS. NOVO CONCEITO PARA O BDI

1- METODOLOGIA DE ORÇAMENTO DE OBRAS. NOVO CONCEITO PARA O BDI 1- METODOLOGIA DE ORÇAMENTO DE OBRAS. NOVO CONCEITO PARA O BDI 1.1- INTRODUÇÃO Para a elaboração de orçamentos consistentes de serviços de engenharia, entende-se que algumas premissas devam prevalecer.

Leia mais

Instituto de Engenharia 2º Seminário de Trólebus ELEKTRO BUS

Instituto de Engenharia 2º Seminário de Trólebus ELEKTRO BUS Instituto de Engenharia 2º Seminário de Trólebus ELEKTRO BUS Participantes do Projeto Elektro Distribuidora de energia elétrica que atende 228 municípios e 2,3 milhões de unidades consumidoras. Responsável

Leia mais

Receita Imobiliária 1.327.875,69 PEUGEOT - ALUGUEL MENSAL PEUGEOT - MULTA PROPORCIONAL PETROBRAS 667.428,17. Receita Financeira 19.

Receita Imobiliária 1.327.875,69 PEUGEOT - ALUGUEL MENSAL PEUGEOT - MULTA PROPORCIONAL PETROBRAS 667.428,17. Receita Financeira 19. TRX Edifícios Corporativos XTED11 - FII Lâmina mensal Dezembro 2015 DADOS DO FUNDO DISTRIBUIÇÃO DE RENDIMENTO DATA DE INÍCIO Novembro/2012 PRAZO Indeterminado VALOR DE MERCADO R$ 58.606.650,00 VALOR PATRIMONIAL

Leia mais

Potencial de Geração de Energia Utilizando Biomassa de Resíduos no Estado do Pará

Potencial de Geração de Energia Utilizando Biomassa de Resíduos no Estado do Pará 1 Potencial de Geração de Energia Utilizando Biomassa de Resíduos no Estado do Pará G. Pinheiro, CELPA e G. Rendeiro, UFPA Resumo - Este trabalho apresenta dados referentes ao potencial de geração de energia

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS PARTE 2

LISTA DE EXERCÍCIOS PARTE 2 UNIFEI - UNIERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ LISTA DE EXERCÍCIOS PARTE 2 MEDIDOR DE POTÊNCIA ATIA 1.1. Dispõe-se de um wattímetro para 1500W e 300. A escala tem 150 divisões. Pede-se: a) Corrente nominal do

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DA COPEL DISTRIBUIÇÃO S/A AP 001/2007

CONTRIBUIÇÕES DA COPEL DISTRIBUIÇÃO S/A AP 001/2007 Diretoria de Distribuição - DDI Superintendência de Mercado e Regulação SMR Assuntos Regulatórios da Distribuição - DARE CONTRIBUIÇÕES DA COPEL DISTRIBUIÇÃO S/A AP 001/2007 RESERVA DE CAPACIDADE Março/2007

Leia mais

PREMISSAS DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NO DIMENSIONAMENTO ELÉTRICO DE UM MOTOR GERADOR A DIESEL

PREMISSAS DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NO DIMENSIONAMENTO ELÉTRICO DE UM MOTOR GERADOR A DIESEL Universidade Federal de Santa Maria UFSM Educação a Distância da UFSM EAD Universidade Aberta do Brasil UAB Curso de Pós-Graduação em Eficiência Energética Aplicada aos Processos Produtivos Polo: Camargo

Leia mais

Simulador de Custos de Contratação de Energia para Grandes Consumidores

Simulador de Custos de Contratação de Energia para Grandes Consumidores Simulador de Custos de Contratação de Energia para Grandes Consumidores Aluno: Bruna dos Guaranys Martins Orientador: Delberis Araújo Lima Projeto: 1011 Introdução No Brasil, existem diferentes tipos de

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO DA CEMIG DISTRIBUIÇÃO S.A À AUDIÊNCIA PÚBLICA 025/2011

CONTRIBUIÇÃO DA CEMIG DISTRIBUIÇÃO S.A À AUDIÊNCIA PÚBLICA 025/2011 CONTRIBUIÇÃO DA CEMIG DISTRIBUIÇÃO S.A À AUDIÊNCIA PÚBLICA 025/2011 NOTA TÉCNICA Nº 014/2011 SRD/ANEEL METODOLOGIA E CRITÉRIOS GERAIS PARA CÁLCULO DAS PERDAS TÉCNICAS NO SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO... TERCEIRO

Leia mais

MODELO DE MENSURAÇÃO DE RESULTADO PARA TRANSPORTE DE COMBUSTÍVEIS

MODELO DE MENSURAÇÃO DE RESULTADO PARA TRANSPORTE DE COMBUSTÍVEIS MODELO DE MENSURAÇÃO DE RESULTADO PARA TRANSPORTE DE COMBUSTÍVEIS Luciano Marcio Scherer Resumo: O presente trabalho demonstra a importância do controle de custos em uma atividade de apoio aos postos de

Leia mais

ESTUDO DO CASO TORNEXATA IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA DE CUSTEIO INTEGRAL POR ABSORÇÃO

ESTUDO DO CASO TORNEXATA IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA DE CUSTEIO INTEGRAL POR ABSORÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS - UNICAMP INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS - IFCH DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO ECONÔMICO - DEPE CENTRO TÉCNICO ECONÔMICO DE ASSESSORIA EMPRESARIAL

Leia mais

17 a 20 de agosto de 2010, Rio de Janeiro. Autoprodução de Energia no Horário de Ponta - Implantação de Grupos Geradores Luciano Cavalcante

17 a 20 de agosto de 2010, Rio de Janeiro. Autoprodução de Energia no Horário de Ponta - Implantação de Grupos Geradores Luciano Cavalcante 17 a 20 de agosto de 2010, Rio de Janeiro Autoprodução de Energia no Horário de Ponta - Implantação de Grupos Geradores Luciano Cavalcante Introdução Águas de Niterói hoje possui um consumo de energia

Leia mais

6. EXECUÇÃO DO PROJETO ELÉTRICO EM MÉDIA TENSÃO 6.1 DIMENSIONAMENTO DO TRANSFORMADOR

6. EXECUÇÃO DO PROJETO ELÉTRICO EM MÉDIA TENSÃO 6.1 DIMENSIONAMENTO DO TRANSFORMADOR 6. EXECUÇÃO DO PROJETO ELÉTRICO EM MÉDIA TENSÃO 6.1 DIMENSIONAMENTO DO TRANSFORMADOR Basicamente o transformador da subestação é dimensionado pela demanda da empresa no qual será instalado, porém este

Leia mais

Versão: 3 Início de Vigência: 01.10.2008 Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº 3.042, de 14 de agosto de 2008

Versão: 3 Início de Vigência: 01.10.2008 Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº 3.042, de 14 de agosto de 2008 Procedimento de Comercialização Versão: 3 Início de Vigência: Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº 3.042, de 14 de agosto de 2008 ÍNDICE 1. APROVAÇÃO... 3 2. HISTÓRICO DE REVISÕES... 3 3. PROCESSO

Leia mais

Sistema de Informação Geográfica para Planejamento de Eletrificação Rural em Grande Escala

Sistema de Informação Geográfica para Planejamento de Eletrificação Rural em Grande Escala 1/6 Título Sistema de Informação Geográfica para Planejamento de Eletrificação Rural em Nº de Registro (Resumen) 8 Empresa o Entidad CEMIG DISTRIBUIÇÃO S/A CEMIG-D Autores del Trabajo Nombre País e-mail

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA PARA CREDENCIAMENTO NO SISTEMA EMBRAPII

CHAMADA PÚBLICA PARA CREDENCIAMENTO NO SISTEMA EMBRAPII CHAMADA PÚBLICA PARA CREDENCIAMENTO NO SISTEMA EMBRAPII A Associação Brasileira de Pesquisa e Inovação Industrial EMBRAPII torna público o processo de seleção para habilitar Polos EMBRAPII IF (PEIF). Os

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br A relevância do orçamento detalhado no cumprimento do prazo de execução de contratos de obras públicas Bruno Lima Caldeira de Andrada* Orlando Celso Longo** Resumo: O presente artigo

Leia mais

Desenvolvimento de Software para Avaliação Técnica-Econômica das Alternativas de Investimento propostas em Projetos de Diagnóstico Energético

Desenvolvimento de Software para Avaliação Técnica-Econômica das Alternativas de Investimento propostas em Projetos de Diagnóstico Energético Desenvolvimento de Software para Avaliação Técnica-Econômica das Alternativas de Investimento propostas em Projetos de Diagnóstico Energético C. Penna, A. P. C. Paraguassu, C. M. Matos ENERSUL; I. S. Escobar

Leia mais

PROJETO SABER CONTÁBIL EXAME DE SUFICIÊNCIA DICAS PARA RESOLUÇÕES DAS QUESTÕES CONTABILIDADE DE CUSTOS E GERENCIAL

PROJETO SABER CONTÁBIL EXAME DE SUFICIÊNCIA DICAS PARA RESOLUÇÕES DAS QUESTÕES CONTABILIDADE DE CUSTOS E GERENCIAL PROJETO SABER CONTÁBIL EXAME DE SUFICIÊNCIA DICAS PARA RESOLUÇÕES DAS QUESTÕES CONTABILIDADE DE CUSTOS E GERENCIAL Braulino José dos Santos TERMINOLOGIAS Terminologia em custos Gasto Investimento Custo

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DO SERVIÇO 0800 PROGRESSIVO CLÁUSULA PRIMEIRA DOCUMENTO INTEGRANTE DO CONTRATO

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DO SERVIÇO 0800 PROGRESSIVO CLÁUSULA PRIMEIRA DOCUMENTO INTEGRANTE DO CONTRATO CONTRATO DE PRESTAÇÃO DO SERVIÇO 0800 PROGRESSIVO Pelo presente instrumento, de um lado a TELEFÔNICA BRASIL S.A., inscrita no CNPJ/MF sob o nº. 02.558.157/0001-62, com sede na Av. Engenheiro Luiz Carlos

Leia mais

PLANEJAMENTO DE IMPLANTAÇÃO PARA UM SISTEMA DIGITAL DE AQUISIÇÃO E CONTROLE PARA APLICAÇÃO EM TRATAMENTO DE ÁGUA

PLANEJAMENTO DE IMPLANTAÇÃO PARA UM SISTEMA DIGITAL DE AQUISIÇÃO E CONTROLE PARA APLICAÇÃO EM TRATAMENTO DE ÁGUA PLANEJAMENTO DE IMPLANTAÇÃO PARA UM SISTEMA DIGITAL DE AQUISIÇÃO E CONTROLE PARA APLICAÇÃO EM TRATAMENTO DE ÁGUA Selma Capanema de Barros (1) Engenheira Eletricista PUC-MG e especialista em Análise de

Leia mais

MINISTÉRIO DE EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA DIREÇÃO-GERAL - CAMPUS JOÃO PESSOA EDITAL N 08/2015

MINISTÉRIO DE EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA DIREÇÃO-GERAL - CAMPUS JOÃO PESSOA EDITAL N 08/2015 MINISTÉRIO DE EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA DIREÇÃO-GERAL - CAMPUS JOÃO PESSOA EDITAL N 08/2015 PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DO IFPB CAMPUS JOÃO PESSOA PROGRAMA

Leia mais

AP 025/2011 Contribuição AES BRASIL 1

AP 025/2011 Contribuição AES BRASIL 1 AUDIÊNCIA PÚBLICA ANEEL Nº025/2011 Contribuição da AES Brasil à Audiência Pública nº025/2011 da ANEEL, que visa obter subsídios para aprimoramento da metodologia e do procedimento de cálculo de perdas

Leia mais

Energia Elétrica: Previsão da Carga dos Sistemas Interligados 2 a Revisão Quadrimestral de 2004

Energia Elétrica: Previsão da Carga dos Sistemas Interligados 2 a Revisão Quadrimestral de 2004 Energia Elétrica: Previsão da Carga dos Sistemas Interligados 2 a Revisão Quadrimestral de 2004 Período 2004/2008 INFORME TÉCNICO PREPARADO POR: Departamento de Estudos Energéticos e Mercado, da Eletrobrás

Leia mais

ANEXO VI PROPOSTA COMERCIAL

ANEXO VI PROPOSTA COMERCIAL ANEXO VI PROPOSTA COMERCIAL Índice 1 - Tarifa Básica de Remuneração 2 - Cálculo da Contrapartida 3 - Demanda Anual 4 - Prazo de Pagamento 5 - Apresentação da Proposta Comercial 6 Modelo de Declaração da

Leia mais

O Sistema Elétrico 1.1 INTRODUÇÃO 1.2 PRODUÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

O Sistema Elétrico 1.1 INTRODUÇÃO 1.2 PRODUÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA 1 O Sistema Elétrico 1.1 INTRODUÇÃO A indústria de energia elétrica tem as seguintes atividades clássicas: produção, transmissão, distribuição e comercialização, sendo que esta última engloba a medição

Leia mais

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Dispõe sobre o quórum de aprovação de convênio que conceda remissão dos créditos tributários constituídos em decorrência de benefícios, incentivos fiscais ou financeiros instituídos

Leia mais

Impactos e Adaptações do Mercado para. Alexandre Nunes Zucarato Gerente de Inteligência de Mercado Câmara de Comercialização de Energia Elétrica

Impactos e Adaptações do Mercado para. Alexandre Nunes Zucarato Gerente de Inteligência de Mercado Câmara de Comercialização de Energia Elétrica Impactos e Adaptações do Mercado para Implantação da Portaria MME 455/2012 Alexandre Nunes Zucarato Gerente de Inteligência de Mercado Câmara de Comercialização de Energia Elétrica Agenda Objetivos gerais

Leia mais

DETERMINAÇÃO DO PREÇO NA EMPRESA

DETERMINAÇÃO DO PREÇO NA EMPRESA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS - UNICAMP INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS - IFCH DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO ECONÔMICO - DEPE CENTRO TÉCNICO ECONÔMICO DE ASSESSORIA EMPRESARIAL

Leia mais

Atualização do Valor do Patamar Único de Custo de Déficit - 2015

Atualização do Valor do Patamar Único de Custo de Déficit - 2015 Atualização do Valor do Patamar Único de Custo de Déficit - 2015 Ministério de Minas e Energia GOVERNO FEDERAL MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA MME/SPE Ministério de Minas e Energia Ministro Eduardo Braga

Leia mais

BOMBEAMENTO DE ÁGUA COM ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA

BOMBEAMENTO DE ÁGUA COM ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA BOMBEAMENTO DE ÁGUA COM ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA Eng. Carlos Alberto Alvarenga Solenerg Engenharia e Comércio Ltda. Rua dos Inconfidentes, 1075/ 502 Funcionários - CEP: 30.140-120 - Belo Horizonte -

Leia mais

2º Seminário Internacional CANA & ENERGIA GERAÇÃO COORDENADA GANHOS PARA OS PARTICIPANTES

2º Seminário Internacional CANA & ENERGIA GERAÇÃO COORDENADA GANHOS PARA OS PARTICIPANTES 2º Seminário Internacional CANA & ENERGIA GERAÇÃO COORDENADA GANHOS PARA OS PARTICIPANTES Fabio Ramos, Ph.D. Diretor da RHE Consultoria e Participações Ltda. 29/08/2002 Considerações Iniciais Potência

Leia mais

4 Fator de carga e fator de demanda: conceituação

4 Fator de carga e fator de demanda: conceituação 4 Fator de carga e fator de demanda: conceituação 4.1. Fator de carga (FC) Segundo a resolução a normativa nº 414 de 9 de setembro de 2010 da ANEEL, o fator de carga é definido como sendo a razão entre

Leia mais

4 - GESTÃO FINANCEIRA

4 - GESTÃO FINANCEIRA 4 - GESTÃO FINANCEIRA Nos termos do art. 103 da Lei Federal nº 4.320/64, o Balanço Financeiro demonstra a movimentação das receitas e despesas financeiras, evidenciando também operações não propriamente

Leia mais

COMPARAÇÃO ECONÔMICA ENTRE O TRANSPORTE DE GÁS E LINHA DE TRANSMISSÃO

COMPARAÇÃO ECONÔMICA ENTRE O TRANSPORTE DE GÁS E LINHA DE TRANSMISSÃO GPT/7 17 à de outubro de 1999 Foz do Iguaçu Paraná - Brasil GRUPO II PRODUÇÃO TÉRMICA E FONTES NÃO CONVENCIONAIS (GPT) COMPARAÇÃO ECONÔMICA ENTRE O TRANSPORTE DE GÁS E LINHA DE TRANSMISSÃO Eliane Aparecida

Leia mais

Unidade: Decisão de Investimento de Longo Prazo. Unidade I:

Unidade: Decisão de Investimento de Longo Prazo. Unidade I: Unidade: Decisão de Investimento de Longo Prazo Unidade I: 0 Unidade: Decisão de Investimento de Longo Prazo 1. Introdução à Disciplina Aspectos Gerais 1. 1. Orçamento de Capital As empresas efetuam investimentos

Leia mais

IMPACTOS DAS DISTORÇÕES DO ICMS NOS ESTADOS E DISTRITO FEDERAL

IMPACTOS DAS DISTORÇÕES DO ICMS NOS ESTADOS E DISTRITO FEDERAL IMPACTOS DAS DISTORÇÕES DO ICMS NOS ESTADOS E DISTRITO FEDERAL Brasília, Novembro/ 2013 Unidade de Políticas Públicas NOTA TÉCNICA IMPACTOS DAS DISTORÇOES DO ICMS NOS ESTADOS E DISTRITO FEDERAL Este estudo

Leia mais

OTIMIZAÇÃO DE VIGAS CONSIDERANDO ESTADOS LIMITES ÚLTIMOS, DE UTILIZAÇÃO E DISPOSIÇÕES CONSTRUTIVAS

OTIMIZAÇÃO DE VIGAS CONSIDERANDO ESTADOS LIMITES ÚLTIMOS, DE UTILIZAÇÃO E DISPOSIÇÕES CONSTRUTIVAS OTIMIZAÇÃO DE VIGAS CONSIDERANDO ESTADOS LIMITES ÚLTIMOS, DE UTILIZAÇÃO E DISPOSIÇÕES CONSTRUTIVAS Eng. Civil Leonardo Roncetti da Silva, TECHCON Engenharia e Consultoria Ltda. Resumo Estuda-se a otimização

Leia mais

1 Introdução aos procedimentos do Programa de Eficiência Energética da ANEEL - ProPEE Apresentação dos princípios norteadores às propostas de

1 Introdução aos procedimentos do Programa de Eficiência Energética da ANEEL - ProPEE Apresentação dos princípios norteadores às propostas de 1 Introdução aos procedimentos do Programa de Eficiência Energética da ANEEL - ProPEE Apresentação dos princípios norteadores às propostas de projetos de eficiência energética 2 Motivações Os contratos

Leia mais

Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios - Visão Celular CRT

Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios - Visão Celular CRT Demonstrações Financeiras Relatório Anual 04 Visão Prev Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios Visão Celular CRT Período: 04 e 03 dezembro R$ Mil Descrição 04 03 Variação (%). Ativos.85.769

Leia mais

Conseguimos te ajudar?

Conseguimos te ajudar? Controlar suas finanças deve ser um hábito. Não com o objetivo de restringir seus sonhos de consumo, mas sim de convidá-lo a planejar melhor a realização da cada um deles, gastando o seu dinheiro de maneira

Leia mais

O Índice de Aproveitamento de Subestações e o Planejamento da Expansão: um Estudo de Caso

O Índice de Aproveitamento de Subestações e o Planejamento da Expansão: um Estudo de Caso 21 a 25 de Agosto de 2006 Belo Horizonte - MG O Índice de Aproveitamento de Subestações e o Planejamento da Expansão: um Estudo de Caso Engº Caius V. S. Malagoli Engº Adriano A. E. Merguizo Engº Luiz C.

Leia mais

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À CONSULTA PÚBLICA Nº 004/2014

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À CONSULTA PÚBLICA Nº 004/2014 MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À CONSULTA PÚBLICA Nº 004/2014 NOME DA INSTITUIÇÃO: ABRAGE AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL ATO REGULATÓRIO: aprimoramento do novo procedimento para

Leia mais

Estimação do Fluxo de Caixa Livre para a Empresa

Estimação do Fluxo de Caixa Livre para a Empresa Estimação do Fluxo de Caixa Livre para a! Principais passos! O efeito da depreciação! Outros fatores que geram obrigações ou direitos para a empresa Francisco Cavalcante (francisco@fcavalcante.com.br)

Leia mais

Cap. 14 Medição de Demanda

Cap. 14 Medição de Demanda Universidade Federal de Itajubá UNIFEI Cap. 14 Medição de Demanda Prof. Dr. Fernando Nunes Belchior fnbelchior@hotmail.com fnbelchior@unifei.edu.br CONDIÇÕES GERAIS DE FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA

Leia mais

ESCLARECIMENTO VIII. Em resposta ao questionamento formulado por empresa interessada em participar da licitação em referência, informamos o que segue:

ESCLARECIMENTO VIII. Em resposta ao questionamento formulado por empresa interessada em participar da licitação em referência, informamos o que segue: MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA EXECUTIVA SUBSECRETARIA DE ASSUNTOS ADMINISTRATIVOS COMISSÃO ESPECIAL DE LICITAÇÃO CONCORRÊNCIA N 1/2011 ESCLARECIMENTO VIII Brasília, 20 de abril de 2011. AOS INTERESSADOS

Leia mais

AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS. Reforçar a Competitividade das Empresas

AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS. Reforçar a Competitividade das Empresas AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS PROGRAMA OPERACIONAL DA 2014-2020 (MADEIRA 14-20) EIXO PRIORITÁRIO 3 Reforçar a Competitividade das Empresas PRIORIDADE DE INVESTIMENTO (PI) 3.b Desenvolvimento

Leia mais

Resultados do teste com o ônibus elétrico na cidade do Rio de Janeiro.

Resultados do teste com o ônibus elétrico na cidade do Rio de Janeiro. Resultados do teste com o ônibus elétrico na cidade do Rio de Janeiro. Guilherme Wilson 1 ; Sérgio Peixoto dos Santos 2 ; Taisa Calvette 3 ; Richele Cabral 4 ; Christiane Chafim 5 ; Giselle Ribeiro 6 ;

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO DE ESTUDO DE PRODUÇÃO TÉRMICA E FONTES NÃO CONVENCIONAIS GPT

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO DE ESTUDO DE PRODUÇÃO TÉRMICA E FONTES NÃO CONVENCIONAIS GPT XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 22 a 25 Novembro de 2009 Recife - PE GRUPO - II GRUPO DE ESTUDO DE PRODUÇÃO TÉRMICA E FONTES NÃO CONVENCIONAIS GPT

Leia mais

Contratação do Uso da Rede pelo Setor Sucroenergético. II Seminário de Bioeletricidade ÚNICA e Ceise Br

Contratação do Uso da Rede pelo Setor Sucroenergético. II Seminário de Bioeletricidade ÚNICA e Ceise Br Contratação do Uso da Rede pelo Setor Sucroenergético II Seminário de Bioeletricidade ÚNICA e Ceise Br Agenda Resolução 414 Demanda ou MUSD contratados, mínimos Ultrapassagem Redução de Demanda, Sazonalidade

Leia mais

6. Estrutura de Custos Logísticos

6. Estrutura de Custos Logísticos 6. Estrutura de Custos Logísticos Os custos logísticos na atividade de distribuição de combustíveis líquidos no Brasil podem ser classificados como: custo de aquisição dos combustíveis suprimentos custo

Leia mais

CUSTO DIRETO 1 - INTRODUÇÃO

CUSTO DIRETO 1 - INTRODUÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS UNICAMP INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS IFCH DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO ECONÔMICO DEPE CENTRO TÉCNICO ECONÔMICO DE ASSESSORIA EMPRESARIAL CTAE CUSTO

Leia mais

C O N T R A T O CT20050054

C O N T R A T O CT20050054 C O N T R A T O CT20050054 DE FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA HORO-SAZONAL QUE, ENTRE SI, FAZEM A COMPANHIA ENERGÉTICA DE BRASÍLIA - CEB E SENADO FEDERAL, NA FORMA E SOB AS CONDIÇÕES ABAIXO: A COMPANHIA

Leia mais

METODOLOGIA PARA DECISÕES DE INVESTIMENTOS E DIMENSIONAMENTO DOS FLUXOS DE CAIXA

METODOLOGIA PARA DECISÕES DE INVESTIMENTOS E DIMENSIONAMENTO DOS FLUXOS DE CAIXA METODOLOGIA PARA DECISÕES DE INVESTIMENTOS E DIMENSIONAMENTO DOS FLUXOS DE CAIXA Flávia Fernanda Gaspari SILVA 1 Camila Pires Cremasco GABRIEL 2 Luís Roberto Almeida GABRIEL FILHO 3 RESUMO: A base da tomada

Leia mais

SIND PME 4.0 SIMULAÇÃO INDUSTRIAL DE PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS

SIND PME 4.0 SIMULAÇÃO INDUSTRIAL DE PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SIND PME 4.0 SIMULAÇÃO INDUSTRIAL DE PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS MANUAL DA EMPRESA TODOS OS DIREITOS SÃO RESERVADOS À BERNARD SISTEMAS LTDA. BERNARD SISTEMAS LTDA. Florianópolis, Julho de 2007. Todos os

Leia mais

Redução de despesas com a otimização do contrato de demanda de energia elétrica da UTFPR câmpus Medianeira

Redução de despesas com a otimização do contrato de demanda de energia elétrica da UTFPR câmpus Medianeira Redução de despesas com a otimização do contrato de demanda de energia elétrica da UTFPR câmpus Medianeira Filipe Marangoni (UTFPR) filipemarangoni@utfpr.edu.br Taise Vanessa Becker (UTFPR) taise.becker@gmail.com

Leia mais