CONTRIBUIÇÕES DA COPEL DISTRIBUIÇÃO S/A AP 001/2007

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CONTRIBUIÇÕES DA COPEL DISTRIBUIÇÃO S/A AP 001/2007"

Transcrição

1 Diretoria de Distribuição - DDI Superintendência de Mercado e Regulação SMR Assuntos Regulatórios da Distribuição - DARE CONTRIBUIÇÕES DA COPEL DISTRIBUIÇÃO S/A AP 001/2007 RESERVA DE CAPACIDADE Março/2007

2 A Copel Distribuição entende que a atual versão da minuta de resolução para a AP001/2007, está inserindo uma mudança no conceito de reserva de capacidade e que a adoção de aperfeiçoamentos e adequações na Res 371/99 atenderia ao citado na Nota Técnica n 0075/2006- SRD/ANEEL, com algumas pequenas alterações. No entanto para a minuta de resolução seguintes contribuições: Art. 4o A contratação de reserva de capacidade pelo agente autoprodutor ou produtor independente de energia que atenda as condições estabelecidas no art. 1o desta Resolução deve ser anual, em base coincidente com o período de geração de energia, seja este pleno ou sazonal, devendo o respectivo contrato dispor, entre outros aspectos, sobre o montante de uso requerido, em MW, e o período de utilização. Art. 5o As obras no sistema elétrico necessárias à contratação de reserva de capacidade serão de total responsabilidade do agente interessado. Parágrafo único. As obras a que se refere o caput não serão necessárias caso o montante de uso destinado à reserva de capacidade seja inferior a outro montante de uso já contratado no mesmo ponto de conexão pelo Art. 4o A contratação de reserva de capacidade pelo agente autoprodutor ou produtor independente de energia que atenda as condições estabelecidas no art. 1o desta Resolução deve ser anual, em base coincidente com o período de geração de energia, seja este pleno ou sazonal, devendo o respectivo contrato dispor, entre outros aspectos, sobre o montante de uso requerido, limitado em um máximo de 30 MW, e o período de utilização. Art. 5o As obras no sistema elétrico necessárias à contratação de reserva de capacidade serão de total responsabilidade do agente interessado. Parágrafo único. As obras a que se refere o caput não serão necessárias caso o montante de uso destinado à reserva de capacidade seja inferior a outro montante de uso já contratado no mesmo ponto de conexão pelo interessado, na condição de exportador de energia ou de da AP-001/2007 seguem as Está ocorrendo uma mudança no conceito de Reserva de capacidade, tal qual adotado atualmente, pois esta deve ser voltada para o segmento de gerações e autoproduções de pequeno porte, do contrário a Distribuidora ficará sujeita a manter em disponibilidade de suas instalações e de transformação e mesmo contratação de MUST junto ao ONS para uso em condições que viriam onerar os demais consumidores do sistema da distribuidora. Não é conveniente que a contratação de reserva de capacidade venha a ter prioridade em relação a um contrato de potência firme, pois ocorrem casos onde a contratação de reserva de capacidade impossibilita novos atendimentos sem a ampliação da rede. Por outro lado uma vez que o contratante de reserva de capacidade tenha efetuado

3 interessado, na condição de exportador de energia ou de consumidor. consumidor. desembolso para a contratação, entende-se que este não mais aceitará que esta capacidade seja reduzida em função do crescimento de demanda nesta mesma barra, podendo ser até razão para ações legais do contratante para manter seu direito, independente do tempo em foram efetuadas estas obras. Art. 6o O valor a ser cobrado nos contratos de reserva de capacidade pelo uso dos sistemas elétricos será calculado pró-rata/dia, a partir do encargo de uso mensal estabelecido no inciso II do art. 14 da Resolução Normativa no 281, de 1o de outubro de Parágrafo único. Ocorrendo ultrapassagem do montante de uso contratado será imputável à parcela excedente uma tarifa de ultrapassagem com base no art. 15 da Resolução no 281, de 1o de outubro de Art. 6o O valor a ser cobrado nos contratos de reserva de capacidade pelo uso dos sistemas elétricos será calculado pró-rata/dia, conforme metodologia de cálculo XXXX (similar a da RES 371/99), a partir do encargo de uso mensal estabelecido no inciso II do art. 14 da Resolução Normativa no 281, de 1o de outubro de Acrescido do Montante de Uso dos sistema de Transmissão contratado junto ao ONS. Parágrafo único. Ocorrendo ultrapassagem do montante de uso contratado será imputável à parcela excedente uma tarifa de ultrapassagem com base no art. 15 da Resolução no 281, de 1o de outubro de Caso se opte por liberar a tarifa de forma como exposto, estes contratos de reserva de capacidade, dependendo do porte da geradora, obrigam a distribuidora a manter como reserva equipamentos importantes do sistema, que não serão remunerados e ficarão a mercê de uso esporádico, ou mesmo antecipação de investimentos para atendimento destes contratos de reserva de capacidade ou novos consumidores. Outro ponto importantíssimo é que a contratação de MUST junto ao ONS ocorre anualmente e este valor deve ser pago usando ou não a demanda máxima contratada, caso este valor não seja remunerado pelo contratante de reserva de capacidade o prejuízo será num primeiro momento da distribuidora e depois

4 repassado ao mercado cativo. Portanto o entendimento é de se praticar a cobrança prórata/dia não é aplicável neste caso, pois este não é o custo do sistema. Ocorrendo a disponibilização do sistema da distribuidora, o do período de uso ou mesmo a freqüência deixam de ser importantes, mas devese disciplinar seu uso para que este só ocorra para a finalidade a que se destina Por outro lado é importante que se verifique se existe sistema para atender ou não um possível contrato de reserva de capacidade, o mesmo ocorrendo com a contratação de uso junto ao ONS que independe do período de utilização, mas sim do valor de uso contratado anualmente. A ANEEL deve definir uma tarifa para o uso de Reserva de capacidade, remunerando o O&M e os custos com o MUST do ONS, etc. Quanto ao citado na Nota Técnica n 0075/2006- SRD/ANEEL 15. A reserva de Quanto ao citado na Nota Técnica n 0075/2006- SRD/ANEEL 15. A reserva de capacidade deve se Nosso entendimento é de o texto em negrito caracteriza um procedimento de contratação de uso de sistema pela geradora,

5 capacidade deve se destinar, exclusivamente, à unidade produtora que atenda a unidade consumidora situada em um mesmo complexo de atividades, desde que a conexão entre ambas não utilize propriedades de terceiros ou vias públicas e a unidade produtora mantenha ponto de conexão devidamente caracterizado com o sistema elétrico acessado 19. Paralelamente, o uso de reserva de capacidade deve ter sempre a contrapartida contratual e financeira, não devendo proporcionar ociosidade no sistema elétrico que seja financiada pelos demais acessantes da respectiva área de concessão, sendo que o encargo será devido (prórata/dia) sempre que ocorrer efetivamente o uso. destinar, exclusivamente, à unidade produtora que atenda a unidade consumidora situada em um mesmo complexo de atividades, desde que a conexão entre ambas não utilize propriedades de terceiros ou vias públicas e a unidade produtora mantenha ponto de conexão devidamente caracterizado com o sistema elétrico acessado, de forma que a qualquer momento possa exportar toda a energia que produz. 19. Paralelamente, o uso de reserva de capacidade deve ter sempre a contra-partida contratual e financeira, não devendo proporcionar ociosidade no sistema elétrico que seja financiada pelos demais acessantes da respectiva área de concessão, sendo que o encargo será devido conforme tarifa a ser definida pela ANEEL, conforme fórmula XXXX(pró-rata/dia) ocorrer efetivamente o uso. Acrescido do Montante de Uso dos sistema de Transmissão contratado junto ao ONS. onde cabe o pagamento de CUSD ou CUST a quem for de direito, e portanto não caberia dentro do conceito de reserva de capacidade. O enunciado inicial do item 19 é exatamente o que se espera de uma contratação de reserva de capacidade que em suma deve vir a auxiliar os pequenos empreendimentos de geração quando de manutenção ou parada por problemas, mas para isto deve dar uma compensação para o sistema por esta disponibilidade e não ficar demandando uma capacidade fictícia, apenas pagando quando usa, esta disponibilidade tem que ter custo constante, para não onerar os demais consumidores. A cobrança deve ter como base forma XXXX análoga a hoje verificada na res 371/99

6

Contratação do Uso da Rede pelo Setor Sucroenergético. II Seminário de Bioeletricidade ÚNICA e Ceise Br

Contratação do Uso da Rede pelo Setor Sucroenergético. II Seminário de Bioeletricidade ÚNICA e Ceise Br Contratação do Uso da Rede pelo Setor Sucroenergético II Seminário de Bioeletricidade ÚNICA e Ceise Br Agenda Resolução 414 Demanda ou MUSD contratados, mínimos Ultrapassagem Redução de Demanda, Sazonalidade

Leia mais

MODELO CONTRATO DE USO DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO. Arquivo: CUST Modelo 25mai10.doc

MODELO CONTRATO DE USO DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO. Arquivo: CUST Modelo 25mai10.doc MODELO CONTRATO DE USO DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO Arquivo: Motivo: Adequação à Resolução 399/10 - Contratação do Uso do Sistema de Transmissão Modelo aplicado a: Distribuidores conectados à Rede Básica;

Leia mais

REDUÇÃO DAS BARREIRAS PARA A INSTALAÇÃO DE GERAÇÃO DISTRIBUÍDA DE PEQUENO PORTE A PARTIR DE FONTES RENOVÁVEIS Contribuição Consulta Pública

REDUÇÃO DAS BARREIRAS PARA A INSTALAÇÃO DE GERAÇÃO DISTRIBUÍDA DE PEQUENO PORTE A PARTIR DE FONTES RENOVÁVEIS Contribuição Consulta Pública REDUÇÃO DAS BARREIRAS PARA A INSTALAÇÃO DE GERAÇÃO DISTRIBUÍDA DE PEQUENO PORTE A PARTIR DE FONTES RENOVÁVEIS Contribuição Consulta Pública nº015/2010 09 de Novembro de 2010 ÍNDICE I RESPOSTA AOS QUESTIONAMENTOS

Leia mais

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 005 /2014

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 005 /2014 MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 005 /2014 NOME DA INSTITUIÇÃO: PROGRAMA DE EDUCAÇÃO CONTINUA - PECE CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ENERGIAS RENOVÁVEIS, GERAÇÃO DISTRIBUÍDA

Leia mais

Modelo de Projeto de Lei (Origem Poder Executivo) Dispõe sobre as diretrizes para a elaboração da lei orçamentária de 2011.

Modelo de Projeto de Lei (Origem Poder Executivo) Dispõe sobre as diretrizes para a elaboração da lei orçamentária de 2011. Modelo de Projeto de Lei (Origem Poder Executivo) Dispõe sobre as diretrizes para a elaboração da lei orçamentária de 2011. CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1 o São estabelecidas, em cumprimento

Leia mais

LEI Nº 4.247 DE 16 DE DEZEMBRO DE 2003

LEI Nº 4.247 DE 16 DE DEZEMBRO DE 2003 LEI Nº 4.247 DE 16 DE DEZEMBRO DE 2003 DISPÕE SOBRE A COBRANÇA PELA UTILIZAÇÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS DE DOMÍNIO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS A GOVERNADORA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO,

Leia mais

!+,(-. / %01213"&$$(

!+,(-. / %01213&$$( !"#$%&$'"$(%)"*(%!+,(-. / %01213"&$$( Com base nas informações apresentadas na Nota Técnica em referência, apresentamos algumas contribuições que julgamos oportunas para auxiliar nas diversas questões

Leia mais

Anexos 4. 0 Substituição Tributária

Anexos 4. 0 Substituição Tributária Anexos 4. 0 Substituição Tributária Anexos 4.8 Substituição Tributária nas Operações Interestaduais com Energia Elétrica não destinada à Comercialização ou à Industrialização Anexo 4.8 DA SUBSTITUIÇÃO

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO DO GRUPO NEOENERGIA À CONSULTA PÚBLICA ANEEL Nº 015/2010 - GERAÇÃO DISTRIBUIDA

CONTRIBUIÇÃO DO GRUPO NEOENERGIA À CONSULTA PÚBLICA ANEEL Nº 015/2010 - GERAÇÃO DISTRIBUIDA CONTRIBUIÇÃO DO GRUPO NEOENERGIA À CONSULTA PÚBLICA ANEEL Nº 015/2010 - GERAÇÃO DISTRIBUIDA A) Caracterização dos empreendimentos A1. Qual seria a melhor forma de caracterização de uma pequena central

Leia mais

CP 013/14 Sistemas Subterrâneos. Questões para as distribuidoras

CP 013/14 Sistemas Subterrâneos. Questões para as distribuidoras CP 013/14 Sistemas Subterrâneos Questões para as distribuidoras 1) Observa-se a necessidade de planejamento/operacionalização de atividades entre diversos agentes (distribuidoras, concessionárias de outros

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 068/2011 COPEL DISTRIBUIÇÃO S/A

CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 068/2011 COPEL DISTRIBUIÇÃO S/A CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 068/2011 COPEL DISTRIBUIÇÃO S/A AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 068/2011: Contribuições de 30/11/2011 a 30/12/2011 EMENTA:

Leia mais

ANEXO 05 - Minutas de Ato Autorizativo para PCH

ANEXO 05 - Minutas de Ato Autorizativo para PCH ANEXO 05 - Minutas de Ato Autorizativo para PCH A) Para Autoprodução PORTARIA Nº, DE DE DE 2005 Autoriza a empresa... a estabelecer-se como Autoprodutor de Energia Elétrica, mediante a implantação e exploração

Leia mais

CONTRATO DE USO DO SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO QUE ENTRE SI FAZEM LIGHT - SERVIÇOS DE ELETRICIDADE S.A. E XXXXXXXXXX

CONTRATO DE USO DO SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO QUE ENTRE SI FAZEM LIGHT - SERVIÇOS DE ELETRICIDADE S.A. E XXXXXXXXXX CONTRATO DE USO DO SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO QUE ENTRE SI FAZEM LIGHT - SERVIÇOS DE ELETRICIDADE S.A. E XXXXXXXXXX Pelo presente instrumento particular de USO DO SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO de energia elétrica,

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CONSELHO UNIVERSITÁRIO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CONSELHO UNIVERSITÁRIO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 12/2011/CONSU Estabelece normas para o relacionamento entre a Universidade Federal de

Leia mais

Aspectos Jurídicos 1

Aspectos Jurídicos 1 Aspectos Jurídicos 1 Planejamento do conteúdo: 1. Direito de energia no Brasil Estrutura e funcionamento do Estado brasileiro Marcos regulatórios (CR, as Políticas, as Leis, as Agências) 2. A contratação

Leia mais

Cria mecanismos de fomento à atividade audiovisual, e dá outras providências

Cria mecanismos de fomento à atividade audiovisual, e dá outras providências LEI Nº 8.685, de 20 de Julho de 1993 ("Lei do Audiovisual") -------------------------------------------------------------------------------- Cria mecanismos de fomento à atividade audiovisual, e dá outras

Leia mais

Mercado de Energia Elétrica

Mercado de Energia Elétrica Centro Universitário Fundação Santo André MBA Gestão de Energia Mercado de Energia Elétrica Prof. Eduardo Matsudo AULA 04 Santo André, 23 de maio de 2011 Elasticidade-renda: Fonte: EPE, 2008. FSA MBA Gestão

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO DO GRUPO CMS (CPEE, CSPE, CJE E CLFM) PARA A AUDIÊNCIA PÚBLICA ANEEL No 019/2005

CONTRIBUIÇÃO DO GRUPO CMS (CPEE, CSPE, CJE E CLFM) PARA A AUDIÊNCIA PÚBLICA ANEEL No 019/2005 CONTRIBUIÇÃO DO GRUPO CMS (CPEE, CSPE, CJE E CLFM) PARA A AUDIÊNCIA PÚBLICA ANEEL No 019/2005 Abaixo apresentamos nossas contribuições para a Audiência Pública ANEEL N 019/2005, de 30/08/2005. Destacamos

Leia mais

Versão: 3 Início de Vigência: 01.10.2008 Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº 3.042, de 14 de agosto de 2008

Versão: 3 Início de Vigência: 01.10.2008 Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº 3.042, de 14 de agosto de 2008 Procedimento de Comercialização Versão: 3 Início de Vigência: Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº 3.042, de 14 de agosto de 2008 ÍNDICE 1. APROVAÇÃO... 3 2. HISTÓRICO DE REVISÕES... 3 3. PROCESSO

Leia mais

PROCEDIMENTOS PARA APURAÇÃO DOS DADOS NECESSÁRIOS A CONTABILIZAÇÃO E FATURAMENTO DA ENERGIA EXPORTADA PARA A ARGENTINA E O URUGUAI.

PROCEDIMENTOS PARA APURAÇÃO DOS DADOS NECESSÁRIOS A CONTABILIZAÇÃO E FATURAMENTO DA ENERGIA EXPORTADA PARA A ARGENTINA E O URUGUAI. PROCEDIMENTOS PARA APURAÇÃO DOS DADOS NECESSÁRIOS A CONTABILIZAÇÃO E FATURAMENTO DA ENERGIA EXPORTADA PARA A ARGENTINA E O URUGUAI. 1 Sumário Conteúdo 1. INTRODUÇÃO... 3 2. OBJETIVO... 4 3. PREMISSAS OPERACIONAIS...

Leia mais

ANEEL AUDIÊNCIA PÚBLICA N O 42 / 2005

ANEEL AUDIÊNCIA PÚBLICA N O 42 / 2005 ANEEL AUDIÊNCIA PÚBLICA N O 42 / 2005 Fixação de Encargos da Concessionária ou Permissionária e cálculo da Participação Financeira do Consumidor nas obras. Assunto: ORÇAMENTO 16/Fevereiro/2006 CONTRIBUIÇÕES

Leia mais

LEI Nº 9.038, DE 14 DE JANEIRO DE 2005. O Povo do Município de Belo Horizonte, por seus representantes, decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

LEI Nº 9.038, DE 14 DE JANEIRO DE 2005. O Povo do Município de Belo Horizonte, por seus representantes, decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 9.038, DE 14 DE JANEIRO DE 2005 Dispõe sobre o Programa Municipal de Parcerias Público- Privadas. O Povo do Município de Belo Horizonte, por seus representantes, decreta e eu sanciono a seguinte

Leia mais

Causas, consequências e busca de soluções para os atrasos em projetos de novos empreendimentos de geração

Causas, consequências e busca de soluções para os atrasos em projetos de novos empreendimentos de geração Texto de Discussão do Setor Elétrico: TDSE 33 Causas, consequências e busca de soluções para os atrasos em projetos de novos empreendimentos de geração Nivalde J. de Castro Roberto Brandão Rio de Janeiro

Leia mais

Normativo 7 Parte Específica AÇÕES DE REÚSO DE EFLUENTES TRATADOS

Normativo 7 Parte Específica AÇÕES DE REÚSO DE EFLUENTES TRATADOS SECRETARIA DE ESTADO DE SANEAMENTO E ENERGIA REÁGUA PROGRAMA ESTADUAL DE APOIO À RECUPERAÇÃO DAS ÁGUAS Normativo 7 Parte Específica COMPONENTE INCREMENTO DA DISPONIBILIDADE DE ÁGUA SUBCOMPONENTE REÚSO

Leia mais

2. IOF na determinação do custo do bem importado.

2. IOF na determinação do custo do bem importado. PARECER DE ORIENTAÇÃO CVM Nº 7, DE 5 DE MARÇO DE 1981. EMENTA: O IOF integra o custo de aquisição juntamente com o valor resultante da conversão da moeda estrangeira correspondente ao preço de aquisição

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 GCR.26 22 a 25 Novembro de 2009 Recife - PE GRUPO - IV GRUPO DE ESTUDO DE COMERCIALIZAÇÃO - GCR VANTAGEM COMPETITIVA

Leia mais

Rua Joaquim André, 895 Paulista 3434-0461-3434-7137 Piracicaba SP EDITAL DE CHAMADA PÚBLICA 02/2012

Rua Joaquim André, 895 Paulista 3434-0461-3434-7137 Piracicaba SP EDITAL DE CHAMADA PÚBLICA 02/2012 CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE PIRACICABA Rua Joaquim André, 895 Paulista 3434-0461-3434-7137 Piracicaba SP EDITAL DE CHAMADA PÚBLICA 02/2012 SELEÇÃO PÚBLICA DE PROJETOS

Leia mais

RESOLUÇÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO N. 1/2009

RESOLUÇÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO N. 1/2009 RESOLUÇÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO N. 1/2009 Estabelece normas para captação e gestão de recursos financeiros por meio de convênios e contratos. O CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO, no uso de suas atribuições

Leia mais

Procedimentos de Distribuição de Energia Elétrica no Sistema Elétrico Nacional PRODIST. Módulo 4 Procedimentos Operativos do Sistema de Distribuição

Procedimentos de Distribuição de Energia Elétrica no Sistema Elétrico Nacional PRODIST. Módulo 4 Procedimentos Operativos do Sistema de Distribuição Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL Procedimentos de Distribuição de Energia Elétrica no Sistema Elétrico Nacional PRODIST Módulo 4 Procedimentos Operativos do Sistema de Distribuição Revisão 0

Leia mais

Regime de Cotas de Garantia Física. Versão 2013.3.0

Regime de Cotas de Garantia Física. Versão 2013.3.0 Regime de Cotas de Garantia Física ÍNDICE REGIME DE COTAS DE GARANTIA FÍSICA 4 1. Introdução 4 1.1. Lista de Termos 5 1.2. Conceitos Básicos 6 2. Detalhamento das Etapas da Determinação da Receita de Venda

Leia mais

... S U P E R I N T E N D Ê N C I A D E G E S T Ã O T A R I F Á R I A

... S U P E R I N T E N D Ê N C I A D E G E S T Ã O T A R I F Á R I A S U P E R I N T E N D Ê N C I A D E G E S T Ã O T A R I F Á R I A Nota Técnica nº 162/2015-SGT/ANEEL Brasília, 19 de junho de 2015 E S T A B E L E C I M E N T O D A S T A R I F A S D E U S O D O S I S

Leia mais

CIRCULAR CAIXA N 0 290, DE 18 DE JULHO DE 2003

CIRCULAR CAIXA N 0 290, DE 18 DE JULHO DE 2003 Ministério da Fazenda Caixa Econômica Federal CIRCULAR CAIXA N 0 290, DE 18 DE JULHO DE 2003 Define procedimentos para operacionalização da linha de crédito destinada à aquisição de Certificados de Recebíveis

Leia mais

Marcos Bragatto Superintendente de Regulação e Comercialização de Eletricidade ap049_2011@aneel.gov.br

Marcos Bragatto Superintendente de Regulação e Comercialização de Eletricidade ap049_2011@aneel.gov.br Ao Senhor Nélson José Hübner Moreira Diretor Geral da Agência Nacional de Energia Elétrica São Paulo, 7 de outubro de 2011 Carta Coex 219/2011 C/C: Marcos Bragatto Superintendente de Regulação e Comercialização

Leia mais

Perguntas freqüentes FAQ

Perguntas freqüentes FAQ Perguntas freqüentes FAQ CHAMADA PÚBLICA MCT/FINEP/FSA PRODAV 01/2008 PRODUÇÃO PARA TELEVISÃO 1) Como faço para enviar meu projeto? O primeiro passo para inscrever um projeto em qualquer uma das seleções

Leia mais

DECRETO Nº 1.565, DE 26 DE MARÇO DE 2009

DECRETO Nº 1.565, DE 26 DE MARÇO DE 2009 DECRETO Nº 1.565, DE 26 DE MARÇO DE 2009 Publicado no DOE(Pa) de 27.03.09. Alterado pelos Decretos 1.677/09, 323/12. Regulamenta a Lei nº 5.674, de 21 de outubro de 1991, que dispõe sobre o Fundo de Desenvolvimento

Leia mais

DECRETO N 974, DE 8 DE NOVEMBRO DE 1993

DECRETO N 974, DE 8 DE NOVEMBRO DE 1993 DECRETO N 974, DE 8 DE NOVEMBRO DE 1993 Regulamenta a Lei n 8.685, de 20 de julho de 1993, que cria mecanismos de fomento à atividade audiovisual, e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no

Leia mais

MODELO CONTRATO DE USO FLEXÍVEL DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO. Arquivo: Minuta CUST F Modelo 22nov13-ComMarcasRevisão.docx

MODELO CONTRATO DE USO FLEXÍVEL DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO. Arquivo: Minuta CUST F Modelo 22nov13-ComMarcasRevisão.docx MODELO CONTRATO DE USO FLEXÍVEL DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO Arquivo: Minuta -ComMarcasRevisão.docx Motivo: Atendimento à Resolução 399/10- Contratação do Uso do Sistema de Transmissão Modelo aplicado a:

Leia mais

ATOS DO PODER EXECUTIVO

ATOS DO PODER EXECUTIVO ATOS DO PODER EXECUTIVO Decreto nº 7.499, de 16 de junho de 2011 Regulamenta dispositivos da Lei no 11.977, de 7 de julho de 2009, que dispõe sobre o Programa Minha Casa, Minha Vida, e dá outras providências.

Leia mais

Análise dos Riscos de uma Distribuidora Associados à Compra. e Venda de Energia no Novo Modelo do Setor Elétrico

Análise dos Riscos de uma Distribuidora Associados à Compra. e Venda de Energia no Novo Modelo do Setor Elétrico Marco Aurélio Lenzi Castro 1 Fernando Monteiro de Figueiredo 2 Ivan Marques de Toledo Camargo 3 Palavras chave: Análise de Risco, Novo Modelo e Simulação de Monte Carlo. Resumo Com a publicação das Leis

Leia mais

Portaria Conjunta n o 01, de 28 de novembro de 2006.

Portaria Conjunta n o 01, de 28 de novembro de 2006. MINISTÉRIO DA FAZENDA Portaria Conjunta n o 01, de 28 de novembro de 2006. Define as condições específicas ao leilão de recursos do Programa de Subsídio à Habitação de Interesse Social PSH, modalidade

Leia mais

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À CONSULTA PÚBLICA Nº 004/2014

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À CONSULTA PÚBLICA Nº 004/2014 MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À CONSULTA PÚBLICA Nº 004/2014 NOME DA INSTITUIÇÃO: ABRAGE AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL ATO REGULATÓRIO: aprimoramento do novo procedimento para

Leia mais

ASPECTOS ECONÔMICOS DA GESTÃO DA ILUMINAÇÃO PÚBLICA NOS MUNICÍPIOS: investimentos e custos de operação e manutenção

ASPECTOS ECONÔMICOS DA GESTÃO DA ILUMINAÇÃO PÚBLICA NOS MUNICÍPIOS: investimentos e custos de operação e manutenção ASPECTOS ECONÔMICOS DA GESTÃO DA ILUMINAÇÃO PÚBLICA NOS MUNICÍPIOS: investimentos e custos de operação e manutenção São Paulo - SP 16/04/2013 SECRETARIA DE ENERGIA Secretário: José Aníbal Secretário Adjunto:

Leia mais

4 º Congresso de Consumidores CELESC. Copel Distribuição S.A.

4 º Congresso de Consumidores CELESC. Copel Distribuição S.A. 4 º Congresso de Consumidores CELESC Copel Distribuição S.A. Novembro 2014 Agenda 1. Contextualização Estrutura da Copel Sistema Elétrico Composição Tarifária 2. Entenda a atual crise no setor elétrico

Leia mais

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº10/2016

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº10/2016 MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº10/2016 NOME DA INSTITUIÇÃO: FCA Fiat Chrysler Brasil Ltda. AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL ATO REGULATÓRIO: Audiência pública

Leia mais

RESOLUÇÃO N 3. 347. Art. 2º (Revogado) (Revogado pela Resolução nº 3.706, de 27/3/2009.)

RESOLUÇÃO N 3. 347. Art. 2º (Revogado) (Revogado pela Resolução nº 3.706, de 27/3/2009.) RESOLUÇÃO N 3. 347 Dispõe sobre o direcionamento dos recursos captados em depósitos de poupança pelas entidades integrantes do Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo (SBPE). O BANCO CENTRAL DO BRASIL,

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 122/2014, DE 04 DE DEZEMBRO DE 2014

PROJETO DE LEI Nº 122/2014, DE 04 DE DEZEMBRO DE 2014 PROJETO DE LEI Nº 122/2014, DE 04 DE DEZEMBRO DE 2014 AUTORIZA O MUNICÍPIO A CONTRATAR OPERAÇÃO DE CRÉDITO JUNTO À CAIXA ECONÔMICA FEDERAL - CAIXA, NA QUALIDADE DE AGENTE FINANCEIRO, PARA REALIZAÇÃO DE

Leia mais

06/03/2012. Legislação Tributária. Dn. Paulo Cesar Chagas Rodrigues paulo.rodrigues@ifsp.edu.br Doutorando em Engenharia Mecânica

06/03/2012. Legislação Tributária. Dn. Paulo Cesar Chagas Rodrigues paulo.rodrigues@ifsp.edu.br Doutorando em Engenharia Mecânica Dn. Paulo Cesar Chagas Rodrigues paulo.rodrigues@ifsp.edu.br Doutorando em Engenharia Mecânica 1 Código Tributário Nacional Lei nº 5. 172, de 25 de Outubro de 1966 Denominado CÓDIGO TRIBUTÁRIO NACIONAL

Leia mais

Objetivo da Audiência

Objetivo da Audiência Audiência Pública n o. 033/2005 Contribuição da CPFL Energia Objetivo da Audiência Obter subsídios e informações adicionais para o aprimoramento de ato regulamentar a ser expedido pela ANEEL, que estabelece

Leia mais

Dispõe sobre a Política Estadual de Agricultura Irrigada e dá outras providências.

Dispõe sobre a Política Estadual de Agricultura Irrigada e dá outras providências. Lei nº 18995 DE 03/09/2015 Norma Estadual - Goiás Publicado no DOE em 08 set 2015 Dispõe sobre a Política Estadual de Agricultura Irrigada e dá outras providências. A Assembleia Legislativa do Estado de

Leia mais

PARCERIAS PÚBLICO- PRIVADAS III Fórum Brasileiro sobre a Reforma do Estado Carlos Ari Sundfeld SITUANDO O TEMA DA PPP escassez de recursos orçamentários para projetos de alto custo déficit de projetos

Leia mais

CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA

CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA FECAP Pós-Graduação Prof. Arnóbio Neto Araujo Durães Disciplina : Contabilidade Tributária Evolução dos Tributos No Brasil 1530 Fernão de Noronha: 1º contribuinte 1824 1º Sistema

Leia mais

CHECKLIST CONVÊNIOS E CONTRATOS DE REPASSE RECURSOS FEDERAIS

CHECKLIST CONVÊNIOS E CONTRATOS DE REPASSE RECURSOS FEDERAIS CHECKLIST CONVÊNIOS E CONTRATOS DE REPASSE RECURSOS FEDERAIS VERIFICAÇÕES PRELIMINARES Art. 3, caput e 1 ; 1. O objeto do convênio ou contrato de repasse guarda relação com a atividade do convenente? 2.

Leia mais

Cálculo do Desconto Aplicado à TUSD/TUST

Cálculo do Desconto Aplicado à TUSD/TUST Regras de Comercialização Cálculo do Desconto Aplicado à TUSD/TUST 1 versão Versão 1.0 - Minuta 1.0 Índice Cálculo de Descontos TUSD/TUST 3 1 Introdução 3 1.1 Lista de Termos 5 1.2 Conceitos Básicos 6

Leia mais

ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 008/2008 NOME DA INSTITUIÇÃO: COMPANHIA PAULISTA DE TRENS METROPOLITANOS - CPTM

ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 008/2008 NOME DA INSTITUIÇÃO: COMPANHIA PAULISTA DE TRENS METROPOLITANOS - CPTM ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 008/2008 NOME DA INSTITUIÇÃO: COMPANHIA PAULISTA DE TRENS METROPOLITANOS - CPTM AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL ATO REGULATÓRIO: AVISO

Leia mais

LEILÕES DE ENERGIA NOVA A-5 e A-3/2007 DÚVIDAS FREQÜENTES

LEILÕES DE ENERGIA NOVA A-5 e A-3/2007 DÚVIDAS FREQÜENTES LEILÕES DE ENERGIA NOVA A-5 e A-3/2007 DÚVIDAS FREQÜENTES GERAÇÃO: 1) Uma usina à biomassa de bagaço de cana que já tenha vendido nos leilões de energia nova anteriores e que pretenda modificar seu projeto

Leia mais

Estudo de viabilidade econômica para projetos eólicos com base no novo contexto do setor elétrico

Estudo de viabilidade econômica para projetos eólicos com base no novo contexto do setor elétrico Ricado Marques Dutra 1 * Maurício Tiomno Tolmasquim 1 Resumo Com base nas resoluções ANEEL n 233/199 e ANEEL 245/1999, este trabalho procura mostrar os resultados de uma análise econômica de projetos eólicos

Leia mais

Audiência PúblicaP ANEEL n o 053/2007. Consumidor Residencial Baixa Renda. Fevereiro/2008

Audiência PúblicaP ANEEL n o 053/2007. Consumidor Residencial Baixa Renda. Fevereiro/2008 Audiência PúblicaP ANEEL n o 053/2007 Consumidor Residencial Baixa Renda Fevereiro/2008 Artigo 45 Art. 45. No caso de unidades consumidoras classificadas como Residencial Baixa Renda, o faturamento deverá

Leia mais

Eólica Faísa V Geração e Comercialização de Energia Elétrica S.A.

Eólica Faísa V Geração e Comercialização de Energia Elétrica S.A. Balanço patrimonial em 31 de dezembro Ativo 2012 2011 Passivo e patrimônio líquido 2012 2011 (Não auditado) (Não auditado) Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa (Nota 4) 415 7 Fornecedores

Leia mais

7.3.1 Receitas a Serem Reconhecidas Proporcionalmente a Certo Período Contábil Decorrido

7.3.1 Receitas a Serem Reconhecidas Proporcionalmente a Certo Período Contábil Decorrido Os PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DE CONTABILIDADE - O CUSTO, A MOEDA,... 10, 7.3.1 Receitas a Serem Reconhecidas Proporcionalmente a Certo Período Contábil Decorrido DOIS PERÍODOS CONTÁBEIS Alguns serviços,

Leia mais

PROJETO DE LEI DAS PARCERIAS PÚBLICO-PRIVADAS

PROJETO DE LEI DAS PARCERIAS PÚBLICO-PRIVADAS PROJETO DE LEI DAS PARCERIAS PÚBLICO-PRIVADAS 9 PROJETO DE LEI Institui normas gerais para licitação e contratação de parceria público-privada, no âmbito da administração pública. O CONGRESSO NACIONAL

Leia mais

Ministério de Minas e Energia Consultoria Jurídica

Ministério de Minas e Energia Consultoria Jurídica Ministério de Minas e Energia Consultoria Jurídica PORTARIA N o 563, DE 17 DE OUTUBRO DE 2014. O MINISTRO DE ESTADO DE MINAS E ENERGIA, no uso das atribuições que lhe confere o art. 87, parágrafo único,

Leia mais

ANEXO IV MINUTA DE CCVEE CHAMADA PÚBLICA GERAÇÃO DISTRIBUÍDA

ANEXO IV MINUTA DE CCVEE CHAMADA PÚBLICA GERAÇÃO DISTRIBUÍDA ANEXO IV MINUTA DE CCVEE CHAMADA PÚBLICA GERAÇÃO DISTRIBUÍDA CONTRATO DE COMPRA E VENDA DE ENERGIA ELÉTRICA NO AMBIENTE REGULADO CONTRATO DE GERAÇÃO DISTRIBUÍDA CONTRATO DE COMPRA E VENDA DE ENERGIA ELÉTRICA

Leia mais

Mercado de Energia Elétrica

Mercado de Energia Elétrica Centro Universitário Fundação Santo André MBA Gestão de Energia Mercado de Energia Elétrica Prof. Eduardo Matsudo AULA 07 Santo André, 13 de junho de 2011 Gestor de Energia - Mercado Objetivos ótica da

Leia mais

LEI Nº 9.548, DE 22 DE ABRIL DE 2015. A CÂMARA MUNICIPAL DE GOIÂNIA, Estado de Goiás, aprova e eu, PREFEITO MUNICIPAL, sanciono a seguinte Lei:

LEI Nº 9.548, DE 22 DE ABRIL DE 2015. A CÂMARA MUNICIPAL DE GOIÂNIA, Estado de Goiás, aprova e eu, PREFEITO MUNICIPAL, sanciono a seguinte Lei: 1 Gabinete do Prefeito LEI Nº 9.548, DE 22 DE ABRIL DE 2015 Institui o Programa Municipal de Parcerias Público-Privadas, cria a Comissão Gestora de Parcerias Público-Privadas de Goiânia e dá outras providências.

Leia mais

ORDEM DE SERVIÇO Nº 08/2014

ORDEM DE SERVIÇO Nº 08/2014 ORDEM DE SERVIÇO Nº 08/2014 O PRESIDENTE DA CÂMARA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE, no exercício de suas atribuições legais, de conformidade com o art. 57, inciso XVIII, da Lei Orgânica do Município de Porto

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 3220 - ANTAQ, DE 8 DE JANEIRO DE 2014.

RESOLUÇÃO Nº 3220 - ANTAQ, DE 8 DE JANEIRO DE 2014. RESOLUÇÃO Nº 3220 - ANTAQ, DE 8 DE JANEIRO DE 2014. APROVA A NORMA QUE ESTABELECE PROCEDIMENTOS PARA A ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE ARRENDAMENTOS E RECOMPOSIÇÃO DO EQUILÍBRIO ECONÔMICO- FINANCEIRO DOS CONTRATOS

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL. RESOLUÇÃO No 281, DE 01 DE OUTUBRO DE 1999. (*)

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL. RESOLUÇÃO No 281, DE 01 DE OUTUBRO DE 1999. (*) AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO No 281, DE 01 DE OUTUBRO DE 1999. (*) (*) Vide alterações e inclusões no final do texto Estabelece as condições gerais de contratação do acesso, compreendendo

Leia mais

PORTARIA MINISTERIAL Nº 3.347 de 30 setembro de 1986

PORTARIA MINISTERIAL Nº 3.347 de 30 setembro de 1986 PORTARIA MINISTERIAL Nº 3.347 de 30 setembro de 1986 (Alterada pela Portaria n 446 de 19 de agosto de 2004 - ver abaixo) PORTARIA MINISTERIAL Nº 3.347 de 30 setembro de 1986 Aprova modelos de contrato

Leia mais

NORMA BRASILEIRA DE CONTABILIDADE TÉCNICA DO SETOR PÚBLICO NBCT (IPSAS)

NORMA BRASILEIRA DE CONTABILIDADE TÉCNICA DO SETOR PÚBLICO NBCT (IPSAS) NORMA BRASILEIRA DE CONTABILIDADE TÉCNICA DO SETOR PÚBLICO NBCT (IPSAS) Temas para Discussão 1) DISPOSIÇÕES GERAIS 2) DEFINIÇÕES GERAIS 3) CARACTERÍSTICAS E ATRIBUTOS DA INFORMAÇÃO DE CUSTOS 4) EVIDENCIAÇÃO

Leia mais

LEI Nº 1047/2012. O Prefeito do Município de Pinhalão, Estado do Paraná. Faço saber que a Câmara Municipal decreta, e eu, sanciono a seguinte Lei:

LEI Nº 1047/2012. O Prefeito do Município de Pinhalão, Estado do Paraná. Faço saber que a Câmara Municipal decreta, e eu, sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1047/2012 O Prefeito do Município de Pinhalão,. SÚMULA: Dispõe sobre as Diretrizes Orçamentárias para o exercício de 2013 e dá outras providências. Faço saber que a Câmara Municipal decreta, e eu,

Leia mais

INVESTCO S.A. PROPOSTA DA ADMINISTRAÇÃO

INVESTCO S.A. PROPOSTA DA ADMINISTRAÇÃO INVESTCO S.A. PROPOSTA DA ADMINISTRAÇÃO Aos Srs. Acionistas Investco S.A. Anexo I - Comentários dos Diretores da Companhia Contas dos Administradores referentes ao exercício social encerrado em 31.12.2012.

Leia mais

2o O estatuto e o regulamento do FGCN deverão ser examinados previamente pelo CPFGCN antes de sua aprovação na assembléia de cotistas.

2o O estatuto e o regulamento do FGCN deverão ser examinados previamente pelo CPFGCN antes de sua aprovação na assembléia de cotistas. MEDIDA PROVISÓRIA - 462, DE 14 DE MAIO DE 2009 Dispõe sobre a prestação de apoio financeiro pela União aos entes federados que recebem recursos do Fundo de Participação dos Municípios - FPM, no exercício

Leia mais

Soluções Energéticas

Soluções Energéticas Soluções Energéticas A EMPRESA DE ENERGIA QUE O BRASIL CONFIA Utilizar a energia de forma eficiente é um desafio mundial. E onde tem desafio, tem Petrobras, realizando grandes investimentos em tecnologia

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO NORMATIVA N o, DE DE DE 2011 Dispõe sobre a constituição de garantias pelas concessionárias, permissionárias e autorizadas de geração, transmissão e

Leia mais

LEI N 2.298/2002, DE 7 DE NOVEMBRO DE 2002.

LEI N 2.298/2002, DE 7 DE NOVEMBRO DE 2002. LEI N 2.298/2002, DE 7 DE NOVEMBRO DE 2002. Dispõe sobre a política de incentivo ao desenvolvimento econômico e social do Município de Encantado, cria o Programa de Desenvolvimento Econômico e Social e

Leia mais

pdc_me_05_versao2 Página 1 de 21 Versão: 2 Início de Vigência: 23.02.2010 Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº 391, de 22 de fevereiro de 2010

pdc_me_05_versao2 Página 1 de 21 Versão: 2 Início de Vigência: 23.02.2010 Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº 391, de 22 de fevereiro de 2010 pdc_me_05_versao2 Página 1 de 21 Procedimento de Comercialização Versão: 2 Início de Vigência: Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº 391, de 22 de fevereiro de 2010 CÓDIGO ÍNDICE 1. APROVAÇÃO...

Leia mais

3º Workshop Smart Grid Energia 2013

3º Workshop Smart Grid Energia 2013 3º Workshop Smart Grid Energia 2013 Sistema de Medição para Faturamento no Âmbito do Mercado de Energia Elétrica Câmara de Comercialização de Energia Elétrica - CCEE Campinas, 08 de novembro de 2013 Objetivo

Leia mais

C O N T R A T O CT20050054

C O N T R A T O CT20050054 C O N T R A T O CT20050054 DE FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA HORO-SAZONAL QUE, ENTRE SI, FAZEM A COMPANHIA ENERGÉTICA DE BRASÍLIA - CEB E SENADO FEDERAL, NA FORMA E SOB AS CONDIÇÕES ABAIXO: A COMPANHIA

Leia mais

A G Ê N C I A N A C I O N A L D E E N E R G I A E L É T R I C A. Módulo 6.8: Bandeiras Tarifárias. S u b m ó d u l o 6. 8

A G Ê N C I A N A C I O N A L D E E N E R G I A E L É T R I C A. Módulo 6.8: Bandeiras Tarifárias. S u b m ó d u l o 6. 8 A G Ê N C I A N A C I O N A L D E E N E R G I A E L É T R I C A Módulo 6.8: Bandeiras Tarifárias S u b m ó d u l o 6. 8 B A N D E I R A S T A R I F Á R I A S Revisão Motivo da revisão Instrumento de aprovação

Leia mais

RESPONSÁVEL: SUPERINTENDÊNCIA DE REGULAÇÃO DOS SERVIÇOS DE TRANSMISSÃO SRT

RESPONSÁVEL: SUPERINTENDÊNCIA DE REGULAÇÃO DOS SERVIÇOS DE TRANSMISSÃO SRT PROCESSO: 48500.003851/2013-22 INTERESSADA: Companhia Hidro Elétrica do São Francisco Chesf RELATOR: Diretor André Pepitone da Nóbrega RESPONSÁVEL: SUPERINTENDÊNCIA DE REGULAÇÃO DOS SERVIÇOS DE TRANSMISSÃO

Leia mais

Contribuições da ANEEL ao Processo de Renovação das Concessões

Contribuições da ANEEL ao Processo de Renovação das Concessões Contribuições da ANEEL ao Processo de Renovação das Concessões NELSON JOSÉ HÜBNER MOREIRA DIRETOR GERAL 9 de novembro de 2012 Brasília DF Renovação das Concessões Indenização dos Ativos de Transmissão

Leia mais

DECISÃO TÉCNICA DT-128/2007 R-00 ENCARGOS FINANCEIROS EM OBRAS DE RESPONSABILIDADE DA COELCE E DO CONSUMIDOR

DECISÃO TÉCNICA DT-128/2007 R-00 ENCARGOS FINANCEIROS EM OBRAS DE RESPONSABILIDADE DA COELCE E DO CONSUMIDOR /27 R- DOCUMENTO NORMATIVO I MAI/27 APRESENTAÇÃO A presente Decisão Técnica R-, estabelece critérios para cálculo da participação financeira do consumidor e encargos financeiros da COELCE, em obras executadas

Leia mais

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GEC 8 14 a 17 Outubro de 27 Rio de Janeiro - RJ GRUPO VI GRUPO DE ESTUDO DE COMERCIALIZAÇÃO, ECONOMIA E REGULAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

Leia mais

ESTADO DO ACRE LEI N. 1.358 DE 29 DE DEZEMBRO DE 2000.

ESTADO DO ACRE LEI N. 1.358 DE 29 DE DEZEMBRO DE 2000. LEI N. 1.358 DE 29 DE DEZEMBRO DE 2000.. Publicado no D.O.E n 7.942 de 09 de janeiro de 2001.. Alterada pela Lei nº 2.956, de 9 de abril de 2015 Institui o Programa de Incentivo Tributário para Empresas,

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico Coordenação-Geral de Energia

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico Coordenação-Geral de Energia - MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico Coordenação-Geral de Energia Parecer Analítico sobre Regras Regulatórias nº 33/COGEN/SEAE/MF Brasília, 14 de outubro de 2011. Assunto: Audiência

Leia mais

Exportação de Energia..republi

Exportação de Energia..republi Exportação de Energia.republi Exportação de Energia Argentina e Uruguai GCTL Coordenação de Contabilização Atualizado em Junho/2013 1 Exportação de Energia INTRODUÇÃO A República da Argentina, por meio

Leia mais

PPP Aspectos Contábeis. Coordenação Geral de Normas de Contabilidade Aplicadas à Federação STN/CCONF

PPP Aspectos Contábeis. Coordenação Geral de Normas de Contabilidade Aplicadas à Federação STN/CCONF PPP Aspectos Contábeis Coordenação Geral de Normas de Contabilidade Aplicadas à Federação STN/CCONF I. Características das PPP no Brasil Parceria Público Privada Características no Brasil Compartilhamento

Leia mais

Comercialização de Energia Elétrica: Gerador de Fonte Alternativa X Consumidor ou Conjunto de Consumidores com Carga > 500 kw.

Comercialização de Energia Elétrica: Gerador de Fonte Alternativa X Consumidor ou Conjunto de Consumidores com Carga > 500 kw. Comercialização de Energia Elétrica: Gerador de Fonte Alternativa X Consumidor ou Conjunto de Consumidores com Carga > 500 kw. AP 033 - Sugestões Proposta da AP 033: Possibilidade de retorno do Consumidor

Leia mais

pdc_me_05 Página 1 de 28 Versão: 1 Início de Vigência: 11.03.2008 Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº 934, de 07 de março de 2008.

pdc_me_05 Página 1 de 28 Versão: 1 Início de Vigência: 11.03.2008 Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº 934, de 07 de março de 2008. pdc_me_05 Página 1 de 28 Procedimento de Comercialização Versão: 1 Início de Vigência: Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº 934, de 07 de março de 2008. CÂMARA DE COMERCIALIZAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

Leia mais

Mecanismo de Realocação de Energia. Versão 2013.1.0

Mecanismo de Realocação de Energia. Versão 2013.1.0 Mecanismo de Realocação de Energia ÍNDICE MECANISMO DE REALOCAÇÃO DE ENERGIA 4 1. Introdução 4 1.1. Lista de Termos 6 1.2. Conceitos Básicos 7 2. Detalhamento das Etapas do Mecanismo de Realocação de Energia

Leia mais

DECRETO Nº 19.156, DE 1º DE OUTUBRO DE 2015.

DECRETO Nº 19.156, DE 1º DE OUTUBRO DE 2015. DECRETO Nº 19.156, DE 1º DE OUTUBRO DE 2015. Regulamenta a utilização dos depósitos judiciais e institui o Fundo de Reserva dos Depósitos Judiciais no âmbito do Município de Porto Alegre, conforme dispõe

Leia mais

NOME DA INSTITUIÇÃO: Greenpeace Brasil

NOME DA INSTITUIÇÃO: Greenpeace Brasil MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 0026/2015 NOME DA INSTITUIÇÃO: Greenpeace Brasil AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL ATO REGULATÓRIO: Resolução Normativa nº 482,

Leia mais

REGULAMENTO DA CÂMARA DE REGISTRO, COMPENSAÇÃO E LIQUIDAÇÃO DE OPERAÇÕES DE CÂMBIO DA BM&FBOVESPA. Março 2014. Página 1

REGULAMENTO DA CÂMARA DE REGISTRO, COMPENSAÇÃO E LIQUIDAÇÃO DE OPERAÇÕES DE CÂMBIO DA BM&FBOVESPA. Março 2014. Página 1 REGULAMENTO DA CÂMARA DE REGISTRO, COMPENSAÇÃO E LIQUIDAÇÃO DE OPERAÇÕES DE CÂMBIO DA BM&FBOVESPA Março 2014 Página 1 ÍNDICE CAPÍTULO I DAS DEFINIÇÕES... 3 CAPÍTULO II DAS ATIVIDADES DA CÂMARA... 6 CAPÍTULO

Leia mais

I data do acolhimento das propostas: 13/04/2005;

I data do acolhimento das propostas: 13/04/2005; MINISTÉRIO DA FAZENDA Portaria Conjunta n o 01, de 28 de março de 2005. Define as condições específicas ao leilão de recursos do Programa de Subsídio à Habitação de Interesse Social PSH, mantido pela Lei

Leia mais

Seminário Internacional: Fontes Renováveis de Energia

Seminário Internacional: Fontes Renováveis de Energia Seminário Internacional: Fontes Renováveis de Energia Uso das Redes Inteligentes para viabilizar a Geração Distribuída Brasília, 14 de Setembro de 2011 Cyro Vicente Boccuzzi Presidente do Fórum Latino

Leia mais

LEI Nº. 1463, DE 19 DE OUTUBRO DE 2007

LEI Nº. 1463, DE 19 DE OUTUBRO DE 2007 LEI Nº. 1463, DE 19 DE OUTUBRO DE 2007 Autoria: Poder Legislativo Institui e regulamenta o uso do Vale-Transporte no Município de Lucas do Rio Verde - MT. O Prefeito do Município de Lucas do Rio Verde,

Leia mais

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº 39/2015

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº 39/2015 PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº 39/2015 Regulamenta a utilização dos depósitos judiciais de origem tributária ou não tributária e institui o Fundo de Reserva dos Depósitos Judiciais no âmbito do Município

Leia mais

NOVAS MODALIDADES DE CONTRATAÇÃO DE GÁS NATURAL

NOVAS MODALIDADES DE CONTRATAÇÃO DE GÁS NATURAL NOVAS MODALIDADES DE CONTRATAÇÃO DE GÁS NATURAL NOVAS MODALIDADES DE CONTRATAÇÃO DE GÁS NATURAL Publicação da Área de Negócios de Gás & Energia da Petrobras ÍNDICE Capítulo 01 Panorama da indústria gasífera

Leia mais

Programa de Eficiência Energética regulado pela ANEEL e Regras Para Apresentação de Projetos

Programa de Eficiência Energética regulado pela ANEEL e Regras Para Apresentação de Projetos Programa de Eficiência Energética regulado pela ANEEL e Regras Para Apresentação de Projetos Carlos Eduardo Firmeza Especialista em Regulação Encontro Nacional dos Conselhos de Consumidores de Energia

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br A relevância do orçamento detalhado no cumprimento do prazo de execução de contratos de obras públicas Bruno Lima Caldeira de Andrada* Orlando Celso Longo** Resumo: O presente artigo

Leia mais