ÍNDICE - 02/07/2007 Folha de S.Paulo... 2 XColuna...2 Folha de S.Paulo... 3 Cotidiano...3 Folha de S.Paulo... 5 Cotidiano...5

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ÍNDICE - 02/07/2007 Folha de S.Paulo... 2 XColuna...2 Folha de S.Paulo... 3 Cotidiano...3 Folha de S.Paulo... 5 Cotidiano...5"

Transcrição

1 ÍNDICE - Folha de S.Paulo...2 XColuna...2 Folha de S.Paulo...3 Cotidiano...3 Superbactéria reduz eficácia de antibióticos...3 Folha de S.Paulo...5 Cotidiano...5 Hospitais tentam reduzir uso de antibiótico...5 Valor Econômico...7 Empresas...7 Blue Chip...7 Gazeta Mercantil...8 Opinião...8 Regulamentação com falhas...8 Revista Veja...9 Cartas...9 Cartas...9 Revista IstoÉ...10 Medicina & Bem-estar...10 Solução de emergência...10 IstoÉ Dinheiro...12 Entrevista...12 Os laboratórios Enganam o consumidor"...12 Gazeta Mercantil...16 Indústria...16 O que esperar do PAC da saúde?...16 Revista Veja...18 Geral...18 Sem estardalhaço...18 Folha de Londrina (PR)...19 Geral...19 Pacientes buscam a cura de doenças no veneno das abelhas...19 Folha de Londrina (PR)...21 Geral...21 Bioquímico sugere forma industrializada...21

2 Folha de S.Paulo XColuna PT x PT. Vem aí uma briga e tanto no PT. O senador Tião Viana (AC) apresentou projeto de lei desobrigando o SUS a fornecer medicamentos de alta complexidade caso não haja determinação da Anvisa. Imediatamente, Flávio Arns (PR) mobilizou uma rede de ONGs contra a proposta do colega. Elas devem lotar a audiência pública marcada sobre o tema nesta semana.

3 Folha de S.Paulo Cotidiano Superbactéria reduz eficácia de antibióticos Estudo inédito da Anvisa aponta que medicamentos estão perdendo o efeito devido ao uso excessivo nas UTIs do país Remédio para tratar infecções urinárias não funcionou em 70% dos casos analisados; agência realizará monitoramento CLÁUDIA COLLUCCI DA REPORTAGEM LOCAL Alguns dos antibióticos mais usados nas UTIs brasileiras estão perdendo o efeito em razão da resistência bacteriana. É o que aponta um estudo inédito da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) que avaliou o perfil de sensibilidade desses medicamentos. A gentamicina, um dos remédios mais usados para combater problemas gastrointestinais não fez efeito em 59% dos casos analisados. No tratamento da pneumonia, a situação foi parecida: a oxacilina não funcionou em 62% dos casos. A resistência bacteriana também ficou clara em casos de infecção urinária: em 70% deles, a ceftriaxona, um dos remédios mais indicados, foi ineficaz. Para os médicos, a resistência é resultado do uso excessivo de antibióticos, que faz com que as bactérias criem barreiras contra eles. Esses microorganismos têm a habilidade de mudar a membrana celular para impedir a entrada do antibiótico ou alterar a sua própria composição química para que o antibiótico não as mate. "Bactérias resistentes prolongam a internação em 50% do tempo e aumentam os custos em 70%", diz Renato Grinbaum, chefe da Comissão de Controle de Infecção Hospitalar do Hospital do Servidor Público Estadual. "Medicamentos que há dez anos só tinham resistência em 1% dos casos hoje não funcionam em 60%." O estudo da Anvisa, feito entre julho de 2006 e fevereiro deste ano em 64 hospitais -na grande maioria públicos-, é o primeiro trabalho de uma rede em implantação e que pretende monitorar, continuamente, a resistência microbiana. No futuro, segundo a Anvisa, a idéia é que esses dados orientem os médicos sobre o uso mais adequado dos antibióticos nas mais diversas situações. "Boa parte dos médicos trabalha empiricamente e sofre influência muito grande da indústria farmacêutica. Eles têm uma tendência para querer prescrever o antibiótico mais caro, o lançamento mais recente, que, nem sempre, é o mais eficaz", afirma o diretor da Anvisa, Cláudio Maierovitch. Por exemplo, no estudo, observou-se uma baixa freqüência do uso da ampicilina -só 47%- no tratamento do Staphylococcus aureus, responsável pelas infecções hospitalares. Mas ela teve uma eficácia de 94% nos casos analisados. "É um dos antibióticos mais antigos que a gente conhece, extremamente útil e um dos mais baratos. Os médicos, muitas vezes, partem do princípio de que a bactéria que vão tratar é resistente à ampicilina, então eles nem a usam", afirma. A agência também vai monitorar o consumo de cada antibiótico no Brasil. "Queremos acompanhar, ao mesmo tempo, os perfis de resistência e de consumo para ver se existe coerência entre as duas coisas." Para ele, essa coerência não existe. Além da interferência da indústria farmacêutica, ele cita a dificuldade de apoio laboratorial confiável, que dê a identificação correta da bactéria envolvida na infecção.

4 Uso empírico Segundo o infectologista Alexandre Rodrigues Marra, dos hospitais Albert Einstein e São Paulo (ligado à Unifesp), é comum o médico administrar um antibiótico de amplo espectro (capaz de tratar a maioria das bactérias), enquanto esperam o resultado dos exames que vão mostrar exatamente o tipo de bactéria envolvida na infecção. "Se não der antibiótico ao paciente com infecção, ele morre. Se a gente acerta com o antibiótico [de amplo espectro], as chances de óbito são menores." "Às vezes, o médico, com medo, acaba deixando os dois", explica Marra. "O uso empírico dos antibióticos nas UTIs, na tentativa de diminuir a mortalidade, tem um preço. As bactérias ficaram resistentes." Remédio inócuo Após contrair escarlatina e salmonela e com a imunidade fragilizada por antibióticos que não eram suficientes para curá-la, Beatriz, 2, filha de Renato e Andréia de Camargo, pegou pneumonia. A inflamação dos pulmões se espalhou pelo resto do corpo, e ela ficou 28 dias na UTI. "Demorou para ela melhorar de verdade", diz a mãe. Hoje, mesmo saudável, Beatriz ainda é assistida por médicos. Para o infectologista Alfio Rossi Junior, do Instituto de Pediatria do Hospital das Clínicas (SP), que atende Beatriz, a resistência das bactérias é causada, em grande parte, por culpa dos "médicos que receitam muitos antibióticos". Colaborou DANIEL BERGAMASCO, da Reportagem Local

5 Folha de S.Paulo Cotidiano Hospitais tentam reduzir uso de antibiótico Alguns também usam drogas antigas; no Hospital das Clínicas, médicos precisam justificar a indicação do medicamento Instituto Central do HC registra até 200 infecções hospitalares causadas por microorganismos resistentes por mês DA REPORTAGEM LOCAL Controle rigoroso do uso de antibióticos, utilização de drogas antigas e diminuição do tempo de administração dos medicamentos. Essas são algumas das estratégias que os hospitais estão adotando no combate à resistência bacteriana. Por exemplo, no Instituto da Criança do Hospital das Clínicas de São Paulo, ao receitar um antibiótico, o médico precisa preencher um formulário e justificar a indicação. Segundo a pediatra Lucília Santana Faria, o paciente só recebe o medicamento se uma comissão especializada aprovar. A junta médica também determina a dose e o tempo do tratamento. Faria, que ainda coordena a UTI pediátrica do Hospital Sírio-Libanês, diz que o mesmo rigor é aplicado no uso profilático de antibióticos [quando se dá remédio antes e depois da cirurgia para prevenir infecções]. "Como temos [no Sírio] muito paciente cirúrgico, usamos o antibiótico na profilaxia, mas ele é suspenso no tempo correto para evitar a resistência." No Instituto Central do Hospital das Clínicas, por onde passam cerca de 35 mil pacientes por mês, de cem a 200 deles sofrem de infecção causada por agentes de grande resistência. "Tomamos muito cuidado com higiene e no manuseio de objetos, como tubos e catéteres, para diminuir esse número", diz Ana Sarah, do controle de infecção hospitalar do HC. Uma outra medida é a redução do tempo de administração de antibióticos, que foi amplamente discutida durante o seminário internacional promovido pelo hospital Albert Einstein no mês passado. Segundo o infectologista Alexandre Rodrigues Marra, do Einstein, há estudos franceses que mostram que o uso de antibióticos contra pneumonia nas UTIs por oito dias tem o mesmo resultado se o remédio for administrado durante 14 dias. "É claro que precisa avaliar caso a caso. Têm infecções em que você precisa dar mais tempo, como a endocardite [na válvula do coração]. Mas uma pneumonia associada à ventilação mecânica pode ser tratada em menos de 14 dias." Outra estratégia, já utilizada por alguns hospitais, é voltar a utilizar antibióticos antigos, como a polimixinas, da década de O remédio caiu em desuso em razão dos efeitos colaterais e, ao longo dos anos, foi sendo substituído por outros. Mas as bactérias foram ficando tão resistentes que algumas delas, como a Pseudomonas aeruginosa (responsável por infecções oportunistas), estão sendo combatidas com polimixina, afirma Marra. Uma terapia que promete bons frutos para o futuro são medicamentos que atingem os alvos que causam a resistência bacteriana. Mas as pesquisas estão em fase de estudos.

6 No HC, há um grupo que analisa o DNA de bactérias para averiguar se o mesmo tipo está contaminando vários pacientes -ou seja, se existe um surto no hospital. (CLÁUDIA COLLUCCI E DANIEL BERGAMASCO)

7 Valor Econômico Empresas Blue Chip Angela Klinke Delivery de remédio geladinho O trabalho de conclusão de MBA do economista André Kina não ficou só no papel. Gerada nos bancos acadêmicos, a 4 Bio distribui apenas medicamentos especiais -- aqueles que são frutos de pesquisas biotecnológicas e desenvolvidos para doenças raras, como hemofilia, esclerose múltipla, além de problemas de reprodução humana, entre outros. Ao identificar este nicho há quatro anos, Kina investiu em infraestrutura, logística e atendimento. Os produtos são armazenados em geladeiras especiais, transportados em embalagem com termômetros em prazos menores do que 24 horas para clínicas e consumidores finais. Para não correr risco de ficar sem energia, Kina instalou um megagerador na empresa. Hoje, seus parceiros são os laboratórios Schering, Serono, Abbot, entre outros. Em breve, ele começa a vender a inovadora vacina de HPV, do laboratório Merck Sharp & Dohme. Kina espera faturar esse ano R$ 8 milhões, um crescimento de 100% em relação ao ano passado. A maior parte das vendas é de produtos para reprodução humana. "Percebi uma oportunidade de negócios. Meu objetivo é ser líder nesse segmento, ampliar a participação em outros estados", diz Kina, ex-executivo da Procter & Gamble. Delivery I O mercado de medicamentos especiais está acelerado. Em 1990 eram somente 10, hoje são 200 em comercialização e 800 em pesquisa. Movimentou US$ 55 bilhões em 2005 no mundo todo. No Brasil, representa US$ 1 bilhão ou 10% do mercado total de medicamentos. Delivery II Toda vez que ia visitar um médico para apresentar sua empresa, Kina acabava dando dicas de gestão para os doutores. Transformou os aconselhamentos informais em um curso on-line para gestão de clínicas médicas, hospedado no site da 4 Bio. Ação de relacionamento.

8 Gazeta Mercantil Opinião Regulamentação com falhas O Código de Defesa do Consumidor diz que é direito do cidadão ter acesso a todas informações sobre o produto que está comprando, assim como os testes exigidos. Hoje são comercializadas no Brasil várias categorias de medicamentos, separadas de acordo com o tipo de registro obtido perante Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Dentre as espécies mais comuns estão o "de referência", os genéricos e os similares. O medicamento de referência é inovador na sua classe terapêutica, cujo fabricante conduz os testes clínicos exigidos para verificar a segurança. O genérico é aquele com princípio ativo idêntico ao primeiro, mas que por disposição legal, não pode ostentar qualquer marca comercial, razão pela qual é vendido pelo nome do princípio ativo. Para seu registro no Brasil, é exigida por lei a apresentação de testes que comprovem a bioequivalência e a biodisponibilidade em relação ao de referência. Estes exames comprovam que o genérico tem propriedades idênticas às dele - ou quase. Assim, a garantia pode ser conferida de forma indireta, a partir de sua equivalência ao medicamento de referência, que já comprovou às autoridades os requisitos de segurança. Por fim, há o similar, em que sempre residiu o risco sanitário brasileiro na área farmacêutica. Ao contrário do que já ocorria em relação aos genéricos, dos similares somente passaram a ser exigidos os testes por ocasião da renovação do registro, a partir de Recentemente veículos de comunicação destacaram que membros da Anvisa reconheciam não serem capazes de garantir o efeito destes medicamentos. Embora a área sanitária tenha suprido essa falha na legislação, a ação prática não é imediata. Por exemplo, empresas que solicitarem à Anvisa o registro de medicamento similar após a entrada em vigor da norma deverão apresentar os testes de bioequivalência e biodisponibilidade. Porém, os já registrados sob a proteção da legislação anterior, deverão adaptar-se às novas regras, anexando os testes, somente por ocasião da renovação a cada cinco anos. Durante anos o consumidor submeteu-se a um injustificado risco sanitário, em que bastava para colocação no mercado a mera afirmativa quanto às propriedades da droga colocada no mercado, desprovida de qualquer comprovação científica. Essa situação foi revista pelo legislador. Porém, em razão da sua aplicação nos casos antigos, a insegurança sanitária em torno dos similares deverá persistir por algum tempo. Tal problema poderia ser atenuado caso os consumidores fossem informados sobre os remédios que já tiveram seus registros renovados. Além do direito à saúde, constitucionalmente previsto, é também direito do cliente, por aplicação do Código de Defesa do Consumidor, o acesso a todas as informações importantes sobre o produto que está comprando, de forma clara e precisa. (Colaborou: Erismar Bastos, consultor em Direito Sanitário).

9 Revista Veja Cartas Cartas Agnes Nishimura Como médica e portadora de forma familiar de esclerose lateral amiotrófica, foco de estudo da pesquisadora Agnes Nishimura (Auto-retrato, 27 de junho), ressalto a importância de sua descoberta para nossos familiares e para a medicina, abrindo novos horizontes para essa doença, até agora, sem cura. Lembro que a pesquisa foi conduzida por essa jovem brilhante cientista brasileira, que, infelizmente, teve de deixar o Brasil para continuar pesquisando porque em nosso país as dificuldades burocráticas e orçamentárias dificultam as pesquisas científicas. E acredito que estudos com células-tronco embrionárias impulsionarão terapias novas, que salvarão a vida de muitos já nascidos. Infelizmente, no momento, há enfermos perdendo a vida devido ao atraso nessas pesquisas, motivado, talvez, pelo mesmo dilema: o que vem antes, a galinha ou o ovo? Espero que Deus inspire com sabedoria a mente de nossos governantes, pela liberação dos estudos com células-tronco embrionárias. Boa sorte, Agnes, e obrigada. Silvia Beatriz Costa Valle Brasília, DF

10 Revista IstoÉ Medicina & Bem-estar Solução de emergência Uso da pílula do dia seguinte, remédio tomado contra o risco de gravidez, aumentou 80% entre as jovens brasileiras e pode se tornar uma aliada polêmica MÔNICA TARANTINO A pílula do dia seguinte chegou há oito anos às farmácias brasileiras - e em 2004 começou a ser distribuída na rede pública. Trata-se de uma cartela de dois comprimidos com hormônios que têm a missão de dificultar a fecundação e, conseqüentemente, a gravidez. Bem antes disso, ginecologistas já receitavam combinações de anticoncepcionais com efeito idêntico às clientes inseguras com as conseqüências de uma relação sexual sem proteção ou marcada por incidentes como o estouro da camisinha. Ou seja, um recurso de emergência para situações de risco. E haja emergência! A mais recente pesquisa sobre a sexualidade e a saúde das nossas meninas mostrou um aumento de 80% no uso do remédio em três anos. O estudo foi feito com 178 garotas com menos de 20 anos, atendidas nos serviços de referência para adolescentes paulistas. "Das 120 que já tinham vida sexual, 35,8% usaram a pílula de emergência pelo menos uma vez. Em 2004, esse número era menor: 20% recorreram ao método", diz a ginecologista Albertina Duarte Takiuti, responsável pelo estudo e coordenadora do Programa Estadual de Saúde do Adolescente de São Paulo. O crescimento do uso da pílula revela que as garotas estão preocupadas em evitar a gravidez indesejada, mas, ao mesmo tempo, não estão tomando as devidas precauções para que isso não aconteça. Resumindo: não se valem de anticoncepcionais e, mais grave, não exigem que o parceiro use camisinha, expondose assim às doenças sexualmente transmissíveis. Em 60,5% dos casos avaliados pelo trabalho, as jovens que tomaram a pílula do dia seguinte fizeram sexo sem preservativo e não estavam usando nenhum outro método anticoncepcional. As demais usaram preservativos que teriam se rompido, segundo elas, durante a relação sexual. A pesquisa também mostrou que a maioria das jovens conhece o método de última hora, mas isso não quer dizer que saibam como usá-lo. "Elas ignoram que pode falhar em 10% a 15% dos casos e o vêem como uma espécie de pílula mágica", diz Albertina. A estudante paulista Carla, 16 anos, descobriu isso na prática. "Esqueci da camisinha e meu namorado comprou a pílula do dia seguinte. Tomei certo, mas mesmo assim fiquei grávida", conta a garota, enquanto embala no colo a filha Mercedes, de sete meses. Agora ela usa um dispositivo intra-uterino para evitar nova gravidez. "Aproveitamos esse momento para uma ação educativa sobre a importância da proteção com anticoncepcionais e com a camisinha, por causa das doenças sexualmente transmissíveis", diz Albertina Outro comportamento desaconselhável é o uso constante da pílula. Cerca de 46% das garotas avaliadas tomaram mais de uma vez. "Isso diminui a eficácia, mas elas desconhecem", explica a ginecologista Mônica Moreira, de São Paulo. A estudante de fisioterapia Júlia Salvatti, 21 anos, acredita que uma das explicações para o consumo repetido, até mais de uma vez por mês, é que algumas jovens tomam a pílula como se fosse mais um anticoncepcional. "Não é. Deveria haver mais campanhas para esclarecer como funciona de fato e sobre a prevenção da gravidez", afirma. Júlia tomou uma única vez, aos 19 anos, durante a fase em que interrompeu o uso regular de

11 comprimidos anticoncepcionais por recomendação médica. "Deu certo, mas até minha menstruação chegar, dez dias depois do remédio, fiquei muito ansiosa. Não quero passar por isso de novo", diz. A pesquisa de Albertina identificou mais áreas delicadas. "Cerca de 21% dos parceiros das meninas que usaram comprimidos do dia seguinte não participaram da decisão. Outros 7% não aprovaram a escolha. Isso mostra que o peso está caindo sobre os ombros das garotas, até mais do que em anos anteriores. Elas estão mais sozinhas", conclui. A questão ganha relevância considerando que a atividade sexual começa cada vez mais cedo, por volta dos 15 anos, e em geral depois de um mês de relacionamento com o segundo parceiro. A grande procura pelo remédio mostra a real necessidade de ampliar o acesso a ele. Mais um passo nesse rumo será o início, em julho, da distribuição gratuita desse contraceptivo nos postos Dose Certa, em estações de ônibus, trens, metrô e hospitais. Também se discute os prós e contras de eliminar a necessidade de receita para que a mulher receba o remédio na rede pública dentro do prazo mais adequado, sem esperar pelas consultas. Resta ajustar o foco para que o acesso venha junto com a consciência de que a pílula deve ser usada como uma solução rápida para deslizes, e não no lugar da prevenção - sobretudo a camisinha, segura para evitar gravidez e doenças.

12 IstoÉ Dinheiro Entrevista Os laboratórios Enganam o consumidor" A jornalista americana, especializada em indústria farmacêutica, diz que as empresas lançam remédios inúteis, mantêm relação promíscua com médicos e cobram preços exorbitantes por seus produtos Marcia Angell, 68 anos, comprou uma briga feia. Crítica ferrenha dos grandes conglomerados farmacêuticos, a jornalista norte-americana decidiu escrever um livro para "lavar a roupa suja" e contar o que acontece dentro dos laboratórios. Angell coloca o dedo na ferida: diz que os consumidores estão sendo passados para trás e que as empresas fabricam remédios para doenças imaginárias. A obra "A verdade sobre os laboratórios farmacêuticos - como somos enganados e o que podemos fazer a respeito" (Ed. Record, 322 págs., R$ 45) acaba de chegar ao País. Ex-editora-chefe do jornal "The New England Journal of Medicine", a mais conceituada publicação da área no mundo, e membro da Harvard Medical School, Angell foi apontada pela revista "Time" como uma das 25 pessoas mais influentes da América em A disparada do lucro do setor nos anos 80 e 90 chamou sua atenção. Diz que passou noites e noites em claro, teve medo de represálias, mas foi em frente na busca por informações. "Os consumidores podem não saber dos detalhes da política comercial dos laboratórios, mas eles entendem que os preços estão subindo aos céus e que essas empresas têm lucros exorbitantes, sustentados por vendas suspeitas", afirma ela, nessa entrevista exclusiva à DINHEIRO. DINHEIRO - Em seu livro, a sra. afirma que, nas últimas duas décadas, a indústria farmacêutica tem se distanciado de sua proposta original, que é descobrir e produzir novos medicamentos úteis à humanidade. Nós estamos sendo enganados? MARCIA ANGELL - Sim, estamos sendo enganados. Não há a menor dúvida disso. Os laboratórios farmacêuticos querem que acreditemos que eles têm de cobrar altos preços pelos medicamentos por conta dos investimentos com pesquisa e desenvolvimento de novas fórmulas. Mas isso não é verdade. Na prática, eles gastam mais de duas vezes em marketing do que gastam em pesquisa e desenvolvimento e têm embolsado, em termos de lucro, mais dinheiro do que o valor gasto nessas duas áreas. Então, é correto afirmar que os altos preços cobrados por eles cobrem os imensos gastos em marketing e mantêm os lucros absurdos. A verdade está na nossa cara. Qualquer um pode ir aos websites das companhias e ver o relatório anual para descobrir o quanto eles têm dito que gastam em pesquisa e desenvolvimento e o quanto gastam em marketing e administração. DINHEIRO - Quais são os valores? ANGELL - A indústria fala que desembolsa cerca de US$ 802 milhões para criar um novo medicamento (segundo levantamento do setor de 2002), mas análises de especialistas independentes informam que o valor é apenas uma pequena fração disso (algo entre US$ 71 milhões e US$ 150 milhões, segundo levantamento da Healthy Research Group). Somente uma parte mínima do que é lançado pode ser realmente classificada como novos medicamentos. DINHEIRO - No Brasil, os preços começaram a cair de forma mais acelerada recentemente, com a expansão do mercado de produtos genéricos. Por que os medicamentos são tão caros ainda? ANGELL - O que as empresas dizem é que o alto risco do negócio exige investimentos elevados sem garantia de sucesso no desenvolvimento de

13 medicamentos. No entanto, ano a ano as companhias do setor registram os lucros mais elevados entre todas as indústrias da economia. Em 2004, a lista das nove maiores empresas do setor nos EUA, montada pela revista "Fortune 500", mostrava que a margem de lucro média do segmento atingia os maiores patamares entre todos os setores da economia norte-americana. Essa taxa foi de 16% das vendas em 2004, comparada com a média de 5,2% de todas as empresas verificadas pela pesquisa. São os consumidores que pagam por esse enorme lucro. DINHEIRO - É possível saber se os valores gastos pelos consumidores têm crescido? ANGELL - Os americanos gastam quase duas vezes mais, em média, pelos mesmos medicamentos adquiridos por canadenses e europeus. Nessas duas regiões, os países possuem formatos de regulação de preço, com intervenção governamental, que os EUA não têm. Eu não posso dizer que a situação dos países emergentes, como o Brasil, é semelhante à que ocorre nos Estados Unidos, com valores exorbitantes cobrados pelas mercadorias, mas eu suspeito que as companhias farmacêuticas colocam o preço que querem em seus produtos e isso também acontece no Brasil. "O Lipitor, da Pfizer, receitado contra colesterol, é um remédio de imitação" DINHEIRO - A sra. já disse algumas vezes em entrevistas que as empresas do setor "vendem" doenças que não existem... ANGELL - As companhias freqüentemente vendem doenças que podem ser tratadas pelos remédios que estão lançando, em vez do contrário. Elas apresentam medicamentos para tratar, por exemplo, o que as empresas chamam de "desordem de ansiedade social", que nada mais é que a timidez. Há casos em que os laboratórios ampliam a definição dos fatores de risco de uma doença. Todo mundo sabe que comer muitos produtos gordurosos pode ser perigoso, eleva o colesterol e, em alguns casos, requer tratamento com drogas. A questão aí é que os "especialistas", com ligações financeiras com a indústria, ficam baixando o nível considerado normal e todo mundo pode entrar no nível de risco, entende? Então, nesse cenário, muita gente toma remédio para baixar o colesterol sem necessidade. DINHEIRO - Em seu livro, a sra. afirma que a indústria farmacêutica tem enchido o mercado com produtos que a sra. chama de "medicamentos de imitação". Como isso pode acontecer? Não há fiscalização dos órgãos reguladores? ANGELL - As companhias do setor têm despejado os medicamentos de imitação no mercado porque eles querem aumentar os ganhos imediatos, fazendo lucro certo e rápido por meio da fabricação das ditas "novas" versões, que foram, na realidade, criadas a partir de velhos medicamentos. Muitos remédios de imitação têm boas perspectivas de êxito, o que acaba levando esse mercado a um crescimento enorme, impulsionado facilmente pela ação publicitária. Existe hoje toda uma família de produtos de imitação. Por exemplo, existem seis remédios muito similares para o controle do colesterol. Um deles, o Lipitor, da Pfizer, está entre os produtos "top" do mercado, mas ele é realmente um produto de imitação. Eu acho que o consumidor está cansado dessa situação, de pagar preços exorbitantes por mercadorias por conta de gastos astronômicos das empresas em suas marcas e também na área administrativa. O FDA (U.S. Food and Drug Administration, órgão de controle desse mercado nos EUA) informa que próximo a 80% do que foi lançado pelas empresas nos últimos sete anos não eram mercadorias muito melhores ou diferentes do que aquelas que já estavam sendo vendidas pelo mercado. Mas eles não podem fazer nada. A ação do órgão se restringe a liberar medicamentos que tenham efeito sobre a doença identificada. E o produto irá agir, já que ele é uma cópia de outros medicamentos que já atuam sobre a doença. Então não há muito o que fazer nesse sentido.

14 DINHEIRO - O que seria necessário para mudar esse cenário? Elevar a fiscalização em cima dos grupos, ou implantar mudanças mais drásticas por meio do poder público? ANGELL - Eu propus em meu livro um programa de reformas vitais para o setor. Talvez a mais importante seja a criação de uma norma que determine que as companhias comparem com maior rigor o desenvolvimento de "novas" drogas que são uma cópia daquelas já fabricadas pelas empresas. No sistema atual, essa comparação, que é necessária para que haja a liberação do FDA, acontece com produtos de baixa qualidade, com "pílulas de açúcar". Então, nessa história, compara-se um novo lançamento com alguma coisa que é melhor que nada. Isso torna possível que as companhias continuem colocando no mercado produtos copiados, em vez de investirem realmente em mercadorias de que a população precisa urgentemente. Essa população conta com o aparecimento de avanços científicos importantes, que os laboratórios podem e devem coordenar. DINHEIRO - Há conivência com os médicos? ANGELL - Para se ter uma idéia, há questões éticas nisso também. Os laboratórios dão presentes e privilégios para os médicos. Eles provavelmente gastam bilhões de dólares ao ano cortejando os doutores. Isso é evidentemente um absurdo. Contamina o sistema porque deixa o médico desconfortável, menos propenso a realizar críticas e a ser imparcial em relação a alguma marca, por exemplo. DINHEIRO - Até que ponto isso é ruim para os pacientes? ANGELL - Isso é muito ruim para os pacientes. As companhias do segmento gastam milhões de dólares em campanhas publicitárias, mas aplicam bilhões para seduzir os médicos. Pode parecer loucura, mas não é. O jogo de sedução começa na universidade, onde são distribuídas amostras grátis para os futuros médicos, são pagos almoços e distribuídos brindes. Os futuros médicos aprendem absurdos. Podem chegar a acreditar que os melhores medicamentos são os mais novos, recém-lançados. "Eu gosto dos genéricos. Eles não vendem a falsa idéia de que são inovadores" DINHEIRO - A sra. comenta que as companhias do setor estariam criando ensaios clínicos para fazer com que seus produtos pareçam melhores do que são. Como isso é possível? ANGELL - No passado, as empresas do setor pagavam por ensaios clínicos para testar medicamentos, mas isso acabou. Agora, elas estão envolvidos diretamente na elaboração desses estudos que determinam a eficiência do medicamento. São elas mesmas que não só elaboram o estudo como analisam e interpretam os resultados. Isso dá aos laboratórios uma imensa capacidade de controlar todo o sistema e, obviamente, eles podem maquiar o medicamento, mostrando no estudo que o produto é melhor do que realmente é. Mais que isso: enquanto eles enaltecem o lado positivo, escondem o lado negativo, como efeitos colaterais. Por conta disso, eu acredito muito que a literatura médica, na descrição dos seus produtos, não é nada confiável. DINHEIRO - A sra. é favorável à expansão do mercado de medicamentos genéricos? ANGELL - Eu sou muito favorável à expansão do mercado de genéricos no Brasil e no mundo. Eles são idênticos às mercadorias que possuem marcas de expressão, mas têm uma diferença em relação aos produtos de "imitação". Os genéricos não estão sendo criados e vendidos com a idéia de que são mercadorias novas. Eles não compram essa mensagem errada de que são lançamentos - e, portanto, não é preciso pagar caro por eles. DINHEIRO - A sra. é uma crítica ferrenha do mercado de medicina alternativa. Por quê?

15 ANGELL - Eu acredito que os produtos lançados pela medicina alternativa deveriam ser amplamente testados para que se pudesse verificar a eficácia deles. Eu não sou contra os medicamentos em si. Quero deixar isso claro. Eu sou contra essa postura que o segmento tem de que não é necessário testar os remédios que as empresas tentam vender.

16 Gazeta Mercantil Indústria O que esperar do PAC da saúde? 2 de Julho de O PAC da saúde está prestes a ser anunciado sem que se saiba muito sobre ele. Citado reiteradamente pelo ministro José Gomes Temporão desde a posse, sabe-se apenas que pretende alavancar o complexo industrial da saúde no País, por meio de uma estratégia que fortaleça a produção local de medicamentos, insumos e equipamentos e incentive a pesquisa e o desenvolvimento tecnológico, tendo em vista a melhoria do atendimento e das ações do sistema de saúde. Esse objetivo seria alcançado mediante um plano articulado entre diversas áreas e órgãos do governo, como o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e os ministérios do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC) e da Ciência e Tecnologia (MCT). Ao longo de quase quatro meses, o ministro repetiu que a ênfase do PAC da saúde é usar os financiamentos do BNDES, tirar proveito do poder de compra do Estado e promover a pesquisa e a produção de medicamentos por empresas nacionais. Em nenhum momento a proposta foi debatida em detalhes com representantes do setor produtivo. Essa circunstância gera naturalmente uma série de dúvidas. Como o governo vai tornar a indústria local competitiva? Sem a revisão do modelo de regulação econômica (e do controle de preços), que distorce o planejamento estratégico e compromete a rentabilidade das empresas, tal objetivo dificilmente será alcançado. Como o governo espera promover P&D na área farmacêutica? Pelo menos três condições precisam ser satisfeitas: estabelecer canais duradouros entre as instituições acadêmicas e as empresas; acabar com a escassez de recursos e a desarticulação das diversas instâncias públicas que lidam com a inovação; e oferecer financiamentos em condições adequadas para as médias e pequenas empresas. A baixa demanda pelas verbas do Profarma Inovação P, D & I ilustra o desafio. Como o governo pretende atrair para o País "etapas nobres do processo de desenvolvimento de medicamentos" e incentivar a transferência de tecnologias? Diante do lento sistema de registro de novas substâncias e das incertezas jurídicas provocadas pelas ameaças à propriedade intelectual, é compreensível que, como observou o ministro da Saúde, a indústria farmacêutica multinacional se sinta desestimulada e questione o real interesse do governo em firmar acordos de transferência de tecnologia. Como o governo pensa em incentivar a instalação de uma "base produtiva forte para atender à inclusão social e atenuar as desigualdades"? Essa meta certamente não será alcançada com a manutenção da carga tributária de 35,07% incidente sobre o preço final dos medicamentos, nem pela imposição de medidas compulsórias, como a obrigatoriedade da venda fracionada de medicamentos. Como o governo quer tirar vantagem do poder de compra do Estado? O Coeficiente de Adequação de Preços (CAP) nas compras de medicamentos feitas pelo poder público em nada contribui para isso. Outro obstáculo é a Lei 8.666, que estabelece uma concorrência iníqua entre os qualificados laboratórios instalados no País e fornecedores internacionais cuja única vantagem comparativa é o preço. Será possível estabelecer um pólo farmacêutico competitivo e importante com ações focadas exclusivamente nos laboratórios de capital nacional? É um ponto

17 controverso no próprio governo. Há dias, MDIC e BNDES anunciaram um novo aspecto da política industrial que prevê o apoio a subsidiárias brasileiras de multinacionais fabricantes de produtos inovadores de alto valor agregado. As questões aqui apresentadas demonstram a complexidade da questão, a necessidade de amplo debate e de uma articulação bem conduzida, tanto do lado do governo quanto da iniciativa privada, que leve ao crescimento auto-sustentado do complexo produtivo da saúde, com foco no bem-estar da sociedade brasileira. A indústria farmacêutica quer participar dessa discussão. Disposição que manifesta sistematicamente desde 2002 e que reafirmou na última campanha presidencial, quando a Febrafarma elaborou um documento com sugestões ao futuro governo.

18 Revista Veja Geral Sem estardalhaço Depois de alardear o licenciamento compulsório de um remédio antiaids, o governo negocia com o fabricante a compra da versão líquida do medicamento, indicada para crianças O Ministério da Saúde anunciou, na semana passada, a chegada ao Brasil do primeiro lote do genérico do anti-retroviral efavirenz, fabricado na Índia. O efavirenz é um dos principais medicamentos do coquetel antiaids distribuído gratuitamente a doentes. A importação do genérico é fruto do licenciamento compulsório (quebra de patente, na prática) do remédio desenvolvido pelo laboratório americano Merck Sharp&Dohme. A medida foi objeto de grande estardalhaço. Sem nenhum barulho, no dia 18 de maio, duas semanas depois da quebra de patente, o governo teve de recorrer à Merck para reabastecer seus estoques de efavirenz líquido, usado no tratamento pediátrico da aids. Num fax da Subsecretaria de Assuntos Administrativos, o Ministério da Saúde solicitou a compra de frascos do remédio em xarope. Essa quantidade é suficiente para atender, por um ano, pacientes de até 12 anos portadores do vírus HIV. No Brasil, o número de crianças infectadas cai continuamente desde 2003 (veja o quadro abaixo). Cerca de 70% delas foram contaminadas durante o parto. Nenhuma companhia farmacêutica produz o antiretroviral em xarope - a não ser a Merck. O primeiro lote, com frascos, será entregue ao governo nos próximos trinta dias. O restante, em setembro, novembro e janeiro. Quando o estoque terminar, o contrato deverá ser renovado. Daqui a alguns dias, o Ministério da Saúde assinará um contrato com o laboratório americano Abbott, fabricante do anti-retroviral Kaletra. O acordo prevê um desconto de 30% na compra do medicamento, o que representa uma economia de 10 milhões de dólares por ano. Resta a pergunta: por que não se celebrou um contrato semelhante com a Merck? Segundo o presidente da divisão latino-americana do laboratório, Tadeu Alves, também foi oferecido ao governo um desconto de 30% na venda do efavirenz. Além disso, a Merck sugeriu transferir a tecnologia de fabricação do remédio ao Brasil dois anos antes do fim da patente. O benefício financeiro, aliado ao industrial, seria maior do que o obtido com o licenciamento compulsório. Mas é o tipo de coisa que não rende manchetes.

19 Folha de Londrina (PR) Geral Pacientes buscam a cura de doenças no veneno das abelhas Uso da apitoxina não tem registro junto ao Ministério da Saúde Aplicação nas costas, na altura da cintura e das axilas: estimular a produção de cortisona pelas glândulas supra-renais João Cândido possui esclerose múltipla: ''Meu tratamento é exclusivamente veneno de abelha, vitaminas e exercícios'' Roseli Arins teve diagnóstico de artrose há três anos: ''Melhor alternativa para minha saúde e qualidade de vida'' Andando com dificuldades e ajuda de uma bengala, o funcionário público aposentado João Cândido Lara Neto, de 59 anos, se dirige ao estabelecimento onde, a cada 15 dias, recebe cerca de dez ferroadas de abelha. Portador de esclerose múltipla desde os 34 anos, optou por se tratar com o veneno de abelha, ou a apitoxina, há sete anos. ''Meu tratamento é exclusivamente o veneno de abelha, vitaminas e exercícios'', disse ele, enquanto levava as ferroadas no joelho, nas mãos e na cabeça. ''O efeito é instântaneo, já sinto a reação no meu organismo e na locomoção'', relatou João, que, em seguida, levantou sozinho da cadeira e saiu andando sem a bengala. O aposentado confessa que a iniciativa do tratamento foi própria. ''A maioria médica é contra a apitoxina, nem o meu neurologista, nem a minha nutróloga recomendaram que eu fizesse o tratamento'', explica. O aposentado conta que, no começo da doença, fazia aplicações de veneno de cobra trazido dos Estados Unidos, cujo efeito era similar ao da abelha. ''Desde que comecei a levar as ferroadas, nunca mais tive crises. Antes, quando eu tinha crises precisava tomar cortisona, mas agora o veneno da abelha provoca a produção natural da cortisona no organismo. É muito melhor'', compara João Cândido. Para ele, não há possibilidades de ficar sem as picadas da abelha. ''Sinto falta. Imagine que graças ao veneno da abelha eu pude dançar com minha filha no baile de formatura dela. A minha vida mudou'', conta João Cândido. O estabelecimento, em Curitiba, onde João recebe as ferroadas não é revelado, nesta reportagem, para não aumentar a demanda de pessoas e também porque o tratamento com apitoxina não é registrado junto ao Ministério da Saúde. No local, é feita aplicação da apitoxina gratuitamente para as pessoas, cujo serviço é divulgado de boca-em-boca. A aplicação nas costas, na altura da cintura e das axilas, estimula a produção de cortisona pelas glândulas supra-renais e nos locais de dor previne a atrofia muscular. As ferroadas, no entanto, são feitas apenas em pessoas imunes ao veneno da abelha, aquelas que são alérgicas ou hipersensíveis não podem se submeter ao tratamento - nos casos mais graves pode levar até a morte. As aplicações são cuidadosamente registradas numa ficha, com dia, total de ferroadas e local, informações exigidas pelos médicos, até porque é preciso apresentar um protocolo médico para fazer o tratamento. Na ficha também é informado os problemas de saúde: esclerose múltipla, reumatismo, artrite, hérnia de disco, dores na coluna, escoliose e fibromialgia.

20 ''Não se trata de algo de fundo de quintal, a apitoxina é um conhecimento universal. Basta fazer uma pesquisa, ler publicações. Agora a classe médica apoiar ou não é questão de abertura de cada profissional. Sou plenamente convencida que é a melhor alternativa para minha saúde e qualidade de vida'', defende a socióloga aposentada Roseli Arins, 53 anos, que recebe as ferroadas, toda semana, há mais de dois anos e tem aprovação de um médico para o tratamento. De lá para cá, exames comprovam que a doença não teve evolução. A socióloga teve o diagnóstico de artrose (desgaste das articulações), há três anos, e decidiu não fazer o tratamento convencional devido aos efeitos colaterais. ''Não cheguei a ter dor, nem restrição dos movimentos, mas optei pela prevenção com a apitoxina, que é natural e não vai me causar transtornos ao tratar uma doença que não tem cura'', justifica Roseli, que diz ser ''perfeitamente suportável'' a ferroada. ''Meu alergologista ficou perplexo quando soube que eu fazia o tratamento há tanto tempo. Pediu, então, um exame de rastro para abelha. O resultado foi dentro da normalidade. Ele não fez nenhum comentário'', conta ela. Flora Guedes De Curitiba

ÍNDICE - 12/06/2005 O Estado de S.Paulo... 2 O Estado de S.Paulo... 2 Vida&...2 Revista IstoÉ...4 MEDICINA & BEM-ESTAR/Epidemia...

ÍNDICE - 12/06/2005 O Estado de S.Paulo... 2 O Estado de S.Paulo... 2 Vida&...2 Revista IstoÉ...4 MEDICINA & BEM-ESTAR/Epidemia... ÍNDICE - 12/06/2005 O Estado de S.Paulo...2 O Estado de S.Paulo...2 Vida&...2 Rede de bancos poderá facilitar transplantes...2 Revista IstoÉ...4 MEDICINA & BEM-ESTAR/Epidemia...4 Nem tão exemplar...4 O

Leia mais

Mentiras por Omissão: O Relatório Completo

Mentiras por Omissão: O Relatório Completo CurasdoCancer.com apresenta Mentiras por Omissão: O Relatório Completo Obrigado por fazer o download do Relatório Completo em PDF. No nosso slideshow tivemos que condensar e compressar a informação para

Leia mais

JORNAL A TARDE ONLINE DATA: 24/09/2009. SEÇÃO: BRASIL ASSUNTO: SAÚDE Obesidade na infância pode adiantar doença em 20 anos

JORNAL A TARDE ONLINE DATA: 24/09/2009. SEÇÃO: BRASIL ASSUNTO: SAÚDE Obesidade na infância pode adiantar doença em 20 anos JORNAL A TARDE ONLINE DATA: 24/09/2009 SAÚDE Obesidade na infância pode adiantar doença em 20 anos Agência Estado A obesidade na infância e na adolescência pode adiantar em até 20 anos os problemas cardiovasculares,

Leia mais

ÍNDICE - 02/09/2004 O Globo... 2 Cartas...2 Folha de S.Paulo... 3 Folha de S.Paulo... 3 São Paulo/ SAÚDE...3

ÍNDICE - 02/09/2004 O Globo... 2 Cartas...2 Folha de S.Paulo... 3 Folha de S.Paulo... 3 São Paulo/ SAÚDE...3 ÍNDICE - O Globo...2 Cartas...2 Cartas dos leitores...2 Excesso de farmácias...2 Folha de S.Paulo...3 Folha de S.Paulo...3 São Paulo/ SAÚDE...3 Anvisa retira cinco inseticidas da relação de produtos que

Leia mais

Para FICAR numa boa...

Para FICAR numa boa... visite: www.redece.org NAMORAR Para FICAR numa boa... TRANSAR e sem sustos... livreto regina_indesign.indd 1 Acontece cada coisa... A Camisinha vazou??!! E agora?!! 2 Engravidar sem querer pode ser um

Leia mais

Câncer: mais 500 mil casos

Câncer: mais 500 mil casos Página 1 de 5 Quarta, 18 de Maio de 2011 ENTREVISTA Câncer: mais 500 mil casos O oncologista afirma que o Brasil não tem estrutura física e médica para tratar outro meio milhão de pessoas com câncer em

Leia mais

Os caminhos e descaminhos de uma epidemia global

Os caminhos e descaminhos de uma epidemia global Os caminhos e descaminhos de uma epidemia global Por Rodrigo Cunha 5 de junho de 1981. O Relatório Semanal de Morbidez e Mortalidade do Centro para Controle e Prevenção de Doenças (CDC) dos Estados Unidos

Leia mais

A importância do tratamento contra a aids

A importância do tratamento contra a aids dicas POSITHIVAS A importância do tratamento contra a aids Por que tomar os medicamentos (o coquetel) contra o HIV? A aids é uma doença que ainda não tem cura, mas tem tratamento. Tomando os remédios corretamente,

Leia mais

CLIPPING SINFARMIG RETORNO DE MÍDIA PESQUISA GENÉRICOS

CLIPPING SINFARMIG RETORNO DE MÍDIA PESQUISA GENÉRICOS CLIPPING SINFARMIG RETORNO DE MÍDIA PESQUISA GENÉRICOS Fonte: Jornal Estado de Minas - Caderno Opinião Fonte: Agência Brasil Fonte: Jornal Hoje em Dia - Carderno Economia Fonte: Jornal O Tempo VERSÕES

Leia mais

USO RACIONAL DE ANTIMICROBIANOS NA PRODUÇÃO ANIMAL Renata Magalhães Casadei :

USO RACIONAL DE ANTIMICROBIANOS NA PRODUÇÃO ANIMAL Renata Magalhães Casadei : USO RACIONAL DE ANTIMICROBIANOS NA PRODUÇÃO ANIMAL Renata Magalhães Casadei : Nos últimos anos, a ocorrência de bactérias resistentes aos principais compostos antibióticos tem aumentado, havendo inclusive

Leia mais

PANORAMA DA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA

PANORAMA DA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS LABORATÓRIO DE TECNOLOGIA DOS MEDICAMENTOS PANORAMA DA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA Prof. Pedro Rolim PANORAMA

Leia mais

ÍNDICE - 06/08/2004 O Estado de S.Paulo... 2 Geral...2 Folha de S.Paulo... 3 Opinião...3 O Dia (RJ)... 4 Ciência & Saúde...4

ÍNDICE - 06/08/2004 O Estado de S.Paulo... 2 Geral...2 Folha de S.Paulo... 3 Opinião...3 O Dia (RJ)... 4 Ciência & Saúde...4 ÍNDICE - O Estado de S.Paulo...2 Geral...2 EUA vão investigar remédio regulador do colesterol...2 Folha de S.Paulo...3 Opinião...3 PAINEL DO LEITOR...3 Genéricos...3 O Dia (RJ)...4 Ciência & Saúde...4

Leia mais

Inovação pode poupar. dinneiro

Inovação pode poupar. dinneiro Textos ANA SOFIA SANTOS Fotos PAULO VAZ HENRIQUES novação disruptiva é "aquela que permite tornar bens e serviços complexos e caros em bens e serviços simples e baratos". Marta Temido, presidente da presidente

Leia mais

PREVINA O CÂNCER DO COLO DO ÚTERO

PREVINA O CÂNCER DO COLO DO ÚTERO SENADO FEDERAL PREVINA O CÂNCER DO COLO DO ÚTERO SENADOR CLÉSIO ANDRADE 2 Previna o câncer do colo do útero apresentação O câncer do colo do útero continua matando muitas mulheres. Especialmente no Brasil,

Leia mais

Otofoxin cloridrato de ciprofloxacino SOLUÇÃO OTOLÓGICA

Otofoxin cloridrato de ciprofloxacino SOLUÇÃO OTOLÓGICA Otofoxin cloridrato de ciprofloxacino SOLUÇÃO OTOLÓGICA USO ADULTO USO OTOLÓGICO Forma farmacêutica e apresentação Solução otológica: frasco contendo 10 ml com conta-gotas. Composição Cada (1 ml) contém

Leia mais

MS divulga retrato do comportamento sexual do brasileiro

MS divulga retrato do comportamento sexual do brasileiro MS divulga retrato do comportamento sexual do brasileiro Notícias - 18/06/2009, às 13h08 Foram realizadas 8 mil entrevistas com homens e mulheres entre 15 e 64 anos. A análise das informações auxiliará

Leia mais

Folha de Londrina (PR) 02/02/2006 Saúde Vigilância Sanitária Vigilância Sanitária Anvisa Saúde Saúde Anvisa Anvisa Saúde Anvisa Saúde

Folha de Londrina (PR) 02/02/2006 Saúde Vigilância Sanitária Vigilância Sanitária Anvisa Saúde Saúde Anvisa Anvisa Saúde Anvisa Saúde Folha de Londrina (PR) Geral Saúde investiga mortes de bebês no Paraná Sete crianças teriam morrido em circunstâncias parecidas em hospitais de Curitiba e Apucarana Curitiba- A Vigilância Sanitária Estadual,

Leia mais

Primeira droga em cápsula foi lançada agora no país e outras estão em teste.

Primeira droga em cápsula foi lançada agora no país e outras estão em teste. ESCLEROSE MÚLTIPLA GANHA NOVAS OPÇÕES DE TRATAMENTO. (extraído de http://www.orkut.com.br/main#commmsgs?cmm=17111880&tid=5682929915348274548, em 09/05/2012) Primeira droga em cápsula foi lançada agora

Leia mais

JORNAL A TARDE DATA: 17/07/2009

JORNAL A TARDE DATA: 17/07/2009 JORNAL A TARDE DATA: 17/07/2009 Gripe: governo negocia compra de vacina, diz secretário O secretário de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos do Ministério da Saúde, Reinaldo Guimarães, afirmou que

Leia mais

Medicamento O que é? Para que serve?

Medicamento O que é? Para que serve? Medicamento O que é? Para que serve? Os Medicamentos são produtos farmacêuticos, tecnicamente obtidos ou elaborados, com finalidade profilática, curativa, paliativa ou para fins de diagnóstico (Lei nº

Leia mais

A experiência dos usuários - um depoimento 1

A experiência dos usuários - um depoimento 1 1 A experiência dos usuários - um depoimento 1 Mário César Scheffer Jornalista Apresentação In: Carneiro, F. (Org.). A Moralidade dos Atos Cientificos questões emergentes dos Comitês de Ética em Pesquisa,

Leia mais

CONHECENDO MELHOR A FARMÁCIA E SEUS PRODUTOS

CONHECENDO MELHOR A FARMÁCIA E SEUS PRODUTOS CONHECENDO MELHOR A FARMÁCIA E SEUS PRODUTOS No Brasil, a venda de medicamentos é feita em estabelecimentos devidamente registrados em órgãos específicos que visam a monitorar a venda correta desses produtos,

Leia mais

MAIORES EMPRESAS AS CAMPEÃS DE 25 SETORES OS DESTAQUES DE CADA REGIÃO ESPECIAL ANÁLISE DOS BALANÇOS AS 250 MAIORES HOLDINGS OS 100 MAIORES BANCOS

MAIORES EMPRESAS AS CAMPEÃS DE 25 SETORES OS DESTAQUES DE CADA REGIÃO ESPECIAL ANÁLISE DOS BALANÇOS AS 250 MAIORES HOLDINGS OS 100 MAIORES BANCOS www.valoronline.com.br Agosto 2011 Ano 11 Número 11 R$ 20,00 VALOR ECONÔMICO AS 250 MAIORES HOLDINGS OS 100 MAIORES BANCOS edição 2011 MAIORES EMPRESAS AS CAMPEÃS DE 25 SETORES OS DESTAQUES DE CADA REGIÃO

Leia mais

MEDICAMENTOS GENÉRICOS

MEDICAMENTOS GENÉRICOS MEDICAMENTO GENÉRICO Uma importante conquista para a saúde pública no Brasil 15 anos 15 anos , 15 ANOS DE BENEFÍCIOS PARA A SOCIEDADE BRASILEIRA. Ao completar 15 anos de existência no país, os medicamentos

Leia mais

ÍNDICE - 10/05/2005 O Estado de S.Paulo... 2 Vida&...2 hemoderivados Tribuna da Imprensa (RJ)... 4 Ciência / Ambiente...4

ÍNDICE - 10/05/2005 O Estado de S.Paulo... 2 Vida&...2 hemoderivados Tribuna da Imprensa (RJ)... 4 Ciência / Ambiente...4 ÍNDICE - O Estado de S.Paulo...2 Vida&...2 UFRJ tem receita para País economizar com hemoderivados...2 Tribuna da Imprensa (RJ)...4 Ciência / Ambiente...4 Brasil pode produzir e economizar com hemoderivados...4

Leia mais

QUERO SABER... FIZ O TESTE E DEU ( POSITIVO ) Como é que uma pessoa se pode proteger do VIH/sida?

QUERO SABER... FIZ O TESTE E DEU ( POSITIVO ) Como é que uma pessoa se pode proteger do VIH/sida? Como é que uma pessoa se pode proteger do VIH/sida? Para NÃO APANHAR nas relações intimas e sexuais: 1. Não fazer sexo enquanto não se sentir preparado para usar o preservativo (pode experimentar primeiro

Leia mais

DÚVIDAS MAIS FREQUENTES NO BALCÃO DA FARMÁCIA

DÚVIDAS MAIS FREQUENTES NO BALCÃO DA FARMÁCIA DÚVIDAS MAIS FREQUENTES NO BALCÃO DA FARMÁCIA Neste módulo vamos tratar de situações que envolvem dúvidas quanto à melhor maneira de agir e as práticas permitidas ou não pela legislação, mas que, comumente,

Leia mais

Bleez Agência Digital... 3. Quem sou eu... 4. Introdução... 5. Quanto o ecommerce cresceu no Brasil... 7. Quem está comprando no ecommerce...

Bleez Agência Digital... 3. Quem sou eu... 4. Introdução... 5. Quanto o ecommerce cresceu no Brasil... 7. Quem está comprando no ecommerce... Sumário Bleez Agência Digital... 3 Quem sou eu... 4 Introdução... 5 Quanto o ecommerce cresceu no Brasil... 7 Quem está comprando no ecommerce... 10 Por que os brasileiros estão comprando mais... 12 O

Leia mais

SIMPÓSIO BD RISCO BIOLÓGICO AO PACIENTE E AO ANESTESIOLOGISTA

SIMPÓSIO BD RISCO BIOLÓGICO AO PACIENTE E AO ANESTESIOLOGISTA 1 SIMPÓSIO BD RISCO BIOLÓGICO AO PACIENTE E AO ANESTESIOLOGISTA Perguntas da platéia aos palestrantes: Dr. Pedro Paulo Tanaka Dr. Rogério Luiz da Rocha Videira Dra. Cristiane Rapparini Pergunta da platéia

Leia mais

ÍNDICE - 29/11/2004 Folha de S.Paulo...2 Folha de S.Paulo...2 Dinheiro/ LENTIDÃO...2 Folha de S.Paulo...4 São Paulo/ OUTRO LADO...

ÍNDICE - 29/11/2004 Folha de S.Paulo...2 Folha de S.Paulo...2 Dinheiro/ LENTIDÃO...2 Folha de S.Paulo...4 São Paulo/ OUTRO LADO... ÍNDICE - Folha de S.Paulo...2 Folha de S.Paulo...2 Dinheiro/ LENTIDÃO...2 Propriedade intelectual enfrenta gargalo...2 Folha de S.Paulo...4 São Paulo/ OUTRO LADO...4 Barato é "falso", diz representante

Leia mais

para Operações Segura e Higiênica Industry Fact Sheet Setembro de 2012

para Operações Segura e Higiênica Industry Fact Sheet Setembro de 2012 Soluções Inteligentes para Operações na Produção de Alimentos, Segura e Higiênica Industry Fact Sheet Setembro de 2012 Soluções Inteligentes para Operações na Produção de Alimentos, Segura e Higiênica

Leia mais

Pandemia no ar: a cobertura da gripe AH1N1 no Jornal Nacional

Pandemia no ar: a cobertura da gripe AH1N1 no Jornal Nacional Pandemia no ar: a cobertura da gripe AH1N1 no Jornal Nacional Flavia Natércia da Silva Medeiros & Luisa Massarani Núcleo de Estudos da Divulgação Científica, Museu da Vida/Casa de Oswaldo Cruz/Fundação

Leia mais

Valor Econômico 23/02/2007 Empresas Vacina contra câncer de próstata é aposta da gaúcha FK

Valor Econômico 23/02/2007 Empresas Vacina contra câncer de próstata é aposta da gaúcha FK Valor Econômico Empresas Vacina contra câncer de próstata é aposta da gaúcha FK Sérgio Bueno Criada pelo médico gaúcho Fernando Kreutz, de 39 anos, uma vacina terapêutica contra o câncer da próstata pode

Leia mais

Avaliando a revista. Saber Viver Com a palavra, os profissionais de saúde Rio de Janeiro e São Paulo

Avaliando a revista. Saber Viver Com a palavra, os profissionais de saúde Rio de Janeiro e São Paulo Avaliando a revista Saber Viver Com a palavra, os profissionais de saúde Rio de Janeiro e São Paulo QUATRO ANOS DE SABER VIVER Vários motivos para celebrar Criada em 1999, a revista Saber Viver tem como

Leia mais

RESUMO SEMANAL DO SETOR Farmoquímico e Farmacêutico EDIÇÃO 30/14

RESUMO SEMANAL DO SETOR Farmoquímico e Farmacêutico EDIÇÃO 30/14 Caso não deseje receber este periódico, basta responder o presente e-mail colocando no Assunto "SUSPENDER ENVIO". RESUMO SEMANAL DO SETOR Farmoquímico e Farmacêutico EDIÇÃO 30/14 1 LEGISLAÇÃO 1.1 Aresto

Leia mais

Ninguém gosta do custo de frete. Os clientes

Ninguém gosta do custo de frete. Os clientes I E-BOOK Ninguém gosta do custo de frete. Os clientes não gostam. As lojas virtuais não gostam. O mercado não gosta. Mas apesar do crescimento dos custos de manuseio, envio e transporte de produtos, a

Leia mais

de frente Na linha Automação e expansão ABAD ENTREVISTA

de frente Na linha Automação e expansão ABAD ENTREVISTA Na linha Como a automação contribuiu para o desenvolvimento das empresas de distribuição e atacadistas? A automação foi fundamental para o crescimento e fortalecimento do setor. Sem o uso intensivo da

Leia mais

Folha de Londrina (PR) 07/02/2007 Geral Vacina contra HPV chega a Curitiba

Folha de Londrina (PR) 07/02/2007 Geral Vacina contra HPV chega a Curitiba Folha de Londrina (PR) Geral Vacina contra HPV chega a Curitiba Curitiba- Um importante avanço da ciência já está disponível em laboratórios de Curitiba. Trata-se de uma vacina contra o HPV (Human Papilomavirus)

Leia mais

Pesquisas brasileiras sobre câncer e doenças cardíacas e cerebrais colocam o País na vanguarda da medicina mundial

Pesquisas brasileiras sobre câncer e doenças cardíacas e cerebrais colocam o País na vanguarda da medicina mundial ISTOÉ - Independente Imprimir Especial BRASIL POTÊNCIA Edição: 2095 30.Dez.09-15:00 Atualizado em 06.Fev.13-12:48 Na Dianteira Do Conhecimento Pesquisas brasileiras sobre câncer e doenças cardíacas e cerebrais

Leia mais

POLÍTICA BRASILEIRA DE AIDS PRINCIPAIS RESULTADOS E AVANÇOS 1994 2002

POLÍTICA BRASILEIRA DE AIDS PRINCIPAIS RESULTADOS E AVANÇOS 1994 2002 POLÍTICA BRASILEIRA DE AIDS PRINCIPAIS RESULTADOS E AVANÇOS 1994 2002 PREVENÇÃO ASSISTÊNCIA E TRATAMENTO DIREITOS HUMANOS COOPERAÇÃO INTERNACIONAL DESAFIOS PREVENÇÃO Mais de 30 campanhas de massa para

Leia mais

SENADO FEDERAL CONSULTORIA LEGISLATIVA ESTUDO Nº 376, DE 2003

SENADO FEDERAL CONSULTORIA LEGISLATIVA ESTUDO Nº 376, DE 2003 SENADO FEDERAL CONSULTORIA LEGISLATIVA ESTUDO Nº 376, DE 2003 Referente à STC nº 200305985, da Senadora LÚCIA VÂNIA, solicitando subsídios para a audiência pública a ser realizada no âmbito da Subcomissão

Leia mais

Seleção de Temas. Questionário - Proficiência Clínica. Área: Imunologia Rodada: Julho/2008. Prezado Participante,

Seleção de Temas. Questionário - Proficiência Clínica. Área: Imunologia Rodada: Julho/2008. Prezado Participante, Seleção de Temas Prezado Participante, Gostaríamos de contar com a sua contribuição para a elaboração dos próximos materiais educativos. Cada questionário desenvolve um assunto (temas) específico dentro

Leia mais

Sexo Seguro, Teste de HIV, Sifilis, DST e PEP Informações nesta lingua (Portugues) para homens que fazem Sexo com homens.

Sexo Seguro, Teste de HIV, Sifilis, DST e PEP Informações nesta lingua (Portugues) para homens que fazem Sexo com homens. X8@ www.gay health network.ie Sexo Seguro, Teste de HIV, Sifilis, DST e PEP Informações nesta lingua (Portugues) para homens que fazem Sexo com homens PEP e Você Informações para Gay e homem bissexual

Leia mais

Diretrizes para os Estudos de Caso

Diretrizes para os Estudos de Caso Diretrizes para os Estudos de Caso Observação: Esta seção apresenta 5 estudos de caso de questões de saúde reprodutiva com o intuito de estimular discussões sobre o material apresentado no currículo. Além

Leia mais

Química e Medicamentos Automedicação e os riscos à saúde

Química e Medicamentos Automedicação e os riscos à saúde Química e Medicamentos Automedicação e os riscos à saúde A falta de consciência da população no uso de diversos medicamentos sem a prescrição médica e os riscos da automedicação à saúde foram os principais

Leia mais

3 - Introdução. gestão hospitalar? 8 - Indicadores clínicos. 11 - Indicadores operacionais. 14 - Indicadores financeiros.

3 - Introdução. gestão hospitalar? 8 - Indicadores clínicos. 11 - Indicadores operacionais. 14 - Indicadores financeiros. 3 - Introdução 4 - Quais são as métricas para alcançar uma boa ÍNDICE As Métricas Fundamentais da Gestão Hospitalar gestão hospitalar? 8 - Indicadores clínicos 11 - Indicadores operacionais 14 - Indicadores

Leia mais

CONTROLE DA INFECÇÃO HOSPITALAR É DEFICIENTE EM MAIS DE 90% DOS HOSPITAIS DE SÃO PAULO

CONTROLE DA INFECÇÃO HOSPITALAR É DEFICIENTE EM MAIS DE 90% DOS HOSPITAIS DE SÃO PAULO CONTROLE DA INFECÇÃO HOSPITALAR É DEFICIENTE EM MAIS DE 90% DOS HOSPITAIS DE SÃO PAULO 13/04/2009 Levantamento inédito sobre a situação do controle da infecção hospitalar realizado pelo Conselho Regional

Leia mais

As empresas farmacêuticas não se importam com a DH, certo?

As empresas farmacêuticas não se importam com a DH, certo? Notícias científicas sobre a Doença de Huntington. Em linguagem simples. Escrito por cientistas. Para toda a comunidade Huntington. Entrevista: Graeme Bilbe, chefe global de Neurociências na Novartis O

Leia mais

Homeopatia. Copyrights - Movimento Nacional de Valorização e Divulgação da Homeopatia mnvdh@terra.com.br 2

Homeopatia. Copyrights - Movimento Nacional de Valorização e Divulgação da Homeopatia mnvdh@terra.com.br 2 Homeopatia A Homeopatia é um sistema terapêutico baseado no princípio dos semelhantes (princípio parecido com o das vacinas) que cuida e trata de vários tipos de organismos (homem, animais e plantas) usando

Leia mais

"É possível levar energia renovável para todos"

É possível levar energia renovável para todos "É possível levar energia renovável para todos" Por Daniela Chiaretti De Nairóbi, Quênia Connie Hedegaard: "Acho que quando temos uma crise global como a que estamos vivendo, é uma oportunidade excelente

Leia mais

Entrevista Inovação em dose dupla

Entrevista Inovação em dose dupla Entrevista Inovação em dose dupla Por Juçara Pivaro Foto: L. R.Delphim Uma importante aquisição no setor de empresas fornecedoras de ingredientes ocorreu em 2012, unindo duas grandes forças desse mercado,

Leia mais

Truvada: o medicamento que pode revolucionar a história da AIDS e está causando processos contra o SUS

Truvada: o medicamento que pode revolucionar a história da AIDS e está causando processos contra o SUS Truvada: o medicamento que pode revolucionar a história da AIDS e está causando processos contra o SUS Você já deve ter ouvido falar que mulheres grávidas portadoras do HIV, ao fazerem o tratamento antirretroviral

Leia mais

CAMINHO DAS PEDRAS Renata Neves

CAMINHO DAS PEDRAS Renata Neves CAMINHO DAS PEDRAS Renata Neves Estado de Minas Março de 2001 O método criado pelo professor Fernando Dolabela ensina empreendedorismo a 40 mil alunos por ano. Fernando Dolabela da aula de como abrir um

Leia mais

Objectivos Pedagógicos

Objectivos Pedagógicos Programa de Ciências da Natureza 6º Ano Tema: Ambiente de Vida Capítulo II- Agressões do meio e integridade do organismo 1) A Higiene No Capítulo 3, Tratamento das Infecções, fala-se sobre a utilização

Leia mais

(REPRESENTANTE DA CONECTAS DIREITOS HUMANOS) Excelentíssimo Senhor Ministro Presidente; ilustríssimos

(REPRESENTANTE DA CONECTAS DIREITOS HUMANOS) Excelentíssimo Senhor Ministro Presidente; ilustríssimos A SRA. HELOÍSA MACHADO DE ALMEIDA (REPRESENTANTE DA CONECTAS DIREITOS HUMANOS) Excelentíssimo Senhor Ministro Presidente; ilustríssimos representantes dos Estados, senhoras e senhores. Em primeiro lugar,

Leia mais

ÍNDICE - 15/06/2005 Jornal do Brasil... 2 Brasília...2 Folha de S.Paulo... 4 Ciência/ MEDICINA...4 Zero Hora (RS)... 6 Coluna...6

ÍNDICE - 15/06/2005 Jornal do Brasil... 2 Brasília...2 Folha de S.Paulo... 4 Ciência/ MEDICINA...4 Zero Hora (RS)... 6 Coluna...6 ÍNDICE - 15/06/2005 Jornal do Brasil...2 Brasília...2 Campanha tenta evitar surto de hantavirose...2 Folha de S.Paulo...4 Ciência/ MEDICINA...4 Pesquisadora dá uma palestra hoje em Salvador...4 Zero Hora

Leia mais

Aviso Legal...6. Sobre o autor... 7. Prefácio... 8. 1. Empreendimento Online Por Que Criar Um?... 11. 2. Importação Seus Mistérios...

Aviso Legal...6. Sobre o autor... 7. Prefácio... 8. 1. Empreendimento Online Por Que Criar Um?... 11. 2. Importação Seus Mistérios... Conteúdo Aviso Legal...6 Sobre o autor... 7 Prefácio... 8 1. Empreendimento Online Por Que Criar Um?... 11 2. Importação Seus Mistérios... 14 2.1 Importar é Legal?... 15 2.2 Por Que Importar?... 15 2.3

Leia mais

ÍNDICE - 07/07/2007 Jornal de Brasília... 2 Saúde...2 Jornal de Brasília... 3 Saúde...3 genérico Revista Veja...4 Geral...4

ÍNDICE - 07/07/2007 Jornal de Brasília... 2 Saúde...2 Jornal de Brasília... 3 Saúde...3 genérico Revista Veja...4 Geral...4 ÍNDICE - Jornal de Brasília...2 Saúde...2 Roche vai cadastrar quem tomou remédio...2 Jornal de Brasília...3 Saúde...3 Chega ao Brasil 1º lote de Efavirenz genérico...3 Revista Veja...4 Geral...4 Cacau

Leia mais

Patentes na Indústria Farmacêutica

Patentes na Indústria Farmacêutica Patentes na Indústria Farmacêutica 1. PATENTES 2. O MERCADO FARMACÊUTICO 3. COMPETIVIDADE DO SETOR 4. A IMPORTÂNCIA DAS PATENTES NO MERCADO FARMACÊUTICO PATENTES PATENTES Definiçã ção o ( LEI 9.279 DE

Leia mais

SEXUALIDADE E PREVENÇÃO ÀS DST E HIV/AIDS NA TERCEIRA IDADE

SEXUALIDADE E PREVENÇÃO ÀS DST E HIV/AIDS NA TERCEIRA IDADE SEXUALIDADE E PREVENÇÃO ÀS DST E HIV/AIDS NA TERCEIRA IDADE MARIA BEATRIZ DREYER PACHECO Membro do MOVIMENTO NACIONAL DAS CIDADÃS POSITHIVAS Membro do MOVIMENTO LATINO-AMERICANO E CARIBENHO DE MULHERES

Leia mais

PERÍODO AMOSTRA ABRANGÊNCIA MARGEM DE ERRO METODOLOGIA. População adulta: 148,9 milhões

PERÍODO AMOSTRA ABRANGÊNCIA MARGEM DE ERRO METODOLOGIA. População adulta: 148,9 milhões OBJETIVOS CONSULTAR A OPINIÃO DOS BRASILEIROS SOBRE A SAÚDE NO PAÍS, INVESTIGANDO A SATISFAÇÃO COM SERVIÇOS PÚBLICO E PRIVADO, ASSIM COMO HÁBITOS DE SAÚDE PESSOAL E DE CONSUMO DE MEDICAMENTOS METODOLOGIA

Leia mais

MANDAMENTOS DO USO CORRETO DOS MEDICAMENTOS

MANDAMENTOS DO USO CORRETO DOS MEDICAMENTOS ELIEZER J. BARREIRO NATALIA MEDEIROS DE LIMA MANDAMENTOS DO USO CORRETO DOS MEDICAMENTOS ISBN 978-85-910137-1-5 INCT INOFAR/ Portal dos Fármacos 2009 DOS MEDICAMENTOS INCT INOFAR/ Portal dos Fármacos 2009

Leia mais

São Paulo, 26 de abril de 2009. Senhores Juízes do Superior Tribunal Federal

São Paulo, 26 de abril de 2009. Senhores Juízes do Superior Tribunal Federal São Paulo, 26 de abril de 2009 Senhores Juízes do Superior Tribunal Federal Escrevo a V. Exas. para exprimir minha opinião de leigo no tema da audiência pública. Fui beneficiado pelo acesso à terapia tríplice

Leia mais

Informação para o paciente

Informação para o paciente Informação para o paciente Introdução Viramune é um medicamento para tratar as infecções de VIH (HIV). Este folheto é apenas uma informação básica sobre o Viramune. Esta publicação oferece-lhe informações

Leia mais

www.saude.gov.br (Portal da saúde) Farmácia Popular do Brasil

www.saude.gov.br (Portal da saúde) Farmácia Popular do Brasil www.saude.gov.br (Portal da saúde) Farmácia Popular do Brasil O Governo Federal criou o Programa Farmácia Popular do Brasil para ampliar o acesso aos medicamentos para as doenças mais comuns entre os cidadãos.

Leia mais

SESI AMIGA. Assuntos. Gravidez Menstruação Higiene Doenças Sexualidade

SESI AMIGA. Assuntos. Gravidez Menstruação Higiene Doenças Sexualidade SEXO? Eu prefiro contar para minhas colegas do que para minha mãe ou meu pai. Eu sinto medo de conversar com eles, porque eles não gostam de conversar, não consigo, eles não conversam comigo.. SESI AMIGA

Leia mais

ebook Introdutor Exclusivo

ebook Introdutor Exclusivo ebook Introdutor Exclusivo ebook Digital criado por HM ADVICES - Todos os direitos reservados. Opa, tudo bem? Se você está visualizando este ebook, indica que você foi um dos 100 primeiros a se inscrever

Leia mais

ESPECIAL 2014. SAÚDE da Mulher

ESPECIAL 2014. SAÚDE da Mulher ESPECIAL 2014 SAÚDE da Mulher ESPECIAL 2014 SAÚDE da MULHER APRESENTAÇÃO A mulher redefiniu seu papel na sociedade e tem hoje grandes desafios e variadas demandas que terminam por impactar no seu estilo

Leia mais

Perigo: as brotoejas podem coçar, causando incômodo ao bebê e, por serem uma irritação, tornam-se foco de infecções.

Perigo: as brotoejas podem coçar, causando incômodo ao bebê e, por serem uma irritação, tornam-se foco de infecções. Trate os problemas de pele mais comuns em bebês Pais devem ficam atentos a descamações, manchas e brotoejas Se existe uma característica comum a todos os bebês saudáveis, só pode ser a pele macia e sedosa,

Leia mais

Para melhorar a saúde no Brasil com RFID

Para melhorar a saúde no Brasil com RFID Para melhorar a saúde no Brasil com RFID João Ricardo Tinoco de Campos Diretor de Enfermagem IDR Instituto Data Rio para Administração Pública RFID usado a favor da Biossegurança e da CCIH: Comissão de

Leia mais

SUMÁRIO 1. Métodos Contraceptivos... 3 Infecções sexualmente transmissíveis... 9

SUMÁRIO 1. Métodos Contraceptivos... 3 Infecções sexualmente transmissíveis... 9 Cordel Da Prevenção Cordel confeccionado pelos estudantes do 8º ano B, à disciplina de Ciências e à Jornada Esportiva Cultural Cientifica do Colégio de Aplicação-JECCA, sob a orientação dos Professores

Leia mais

Doenças Sexualmente Transmissíveis (pág. 273)

Doenças Sexualmente Transmissíveis (pág. 273) Doenças Sexualmente Transmissíveis (pág. 273) -DST (no passado conhecidas como doenças venéreas ou doenças de rua ); - São doenças transmitidas por meio de ato sexual ou contato com sangue do doente; -

Leia mais

O que são DSTs? Gonorréia e/ou Uretrites não Gonocócicas, Tricomoníase, Candidíase.

O que são DSTs? Gonorréia e/ou Uretrites não Gonocócicas, Tricomoníase, Candidíase. O que são DSTs? DSTs significa, doenças sexualmente transmissíveis, que são passadas nas relações sexuais com pessoas que estejam com essas doenças. São DSTs, a gonorréia, a sífilis, a clamídia, o herpes

Leia mais

CAPYLA HAIR (finasterida)

CAPYLA HAIR (finasterida) CAPYLA HAIR (finasterida) EMS SIGMA PHARMA LTDA Comprimido Revestido 1 mg IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Capyla-hair finasterida APRESENTAÇÕES Comprimidos revestidos de 1 mg de finasterida acondicionados

Leia mais

A ENTRADA DA RECKITT BENCKISER NO MERCADO DE OTC NO BRASIL

A ENTRADA DA RECKITT BENCKISER NO MERCADO DE OTC NO BRASIL A ENTRADA DA RECKITT BENCKISER NO MERCADO DE OTC NO BRASIL www.espm.br/centraldecases A ENTRADA DA RECKITT BENCKISER NO MERCADO DE OTC NO BRASIL Preparado pelos Professores Antonio Carlos Bonassa e Paulo

Leia mais

Hermann Blumenau - Complexo Educacional Curso Técnico em Saúde Bucal FARMACOLOGIA. Professor Bruno Aleixo Venturi

Hermann Blumenau - Complexo Educacional Curso Técnico em Saúde Bucal FARMACOLOGIA. Professor Bruno Aleixo Venturi Hermann Blumenau - Complexo Educacional Curso Técnico em Saúde Bucal FARMACOLOGIA Professor Bruno Aleixo Venturi Farmacologia fármacon: drogas lógos: estudo É a ciência que estuda como os medicamentos

Leia mais

Amostra grátis de remédios: ANVISA regula a produção e dispensação

Amostra grátis de remédios: ANVISA regula a produção e dispensação Amostra grátis de remédios: ANVISA regula a produção e dispensação Profª Dra Roseli Calil / DEC Enfº Adilton D. Leite / SADP A ANVISA, através da RDC (RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA da Agência Nacional

Leia mais

A hepatite aguda causa menos danos ao fígado que a hepatite crônica.

A hepatite aguda causa menos danos ao fígado que a hepatite crônica. Hepatites Virais O FÍGADO E SUAS FUNÇÕES. O fígado é o maior órgão do corpo humano, está localizado no lado superior direito do abdômen, protegido pelas costelas (gradio costal). É responsável por aproximadamente

Leia mais

ÍNDICE - 06/06/2005 Folha de S.Paulo... 2 Editorial...2 Folha de Londrina (PR)... 3 Geral...3 Diário da Manhã (GO)... 4 Economia...

ÍNDICE - 06/06/2005 Folha de S.Paulo... 2 Editorial...2 Folha de Londrina (PR)... 3 Geral...3 Diário da Manhã (GO)... 4 Economia... ÍNDICE - Folha de S.Paulo...2 Editorial...2 REMÉDIOS SEGUROS...2 Folha de Londrina (PR)...3 Geral...3 PÍLULAS...3 Remédios fracionados...3 Navegue pelos efeitos colaterais...3 Diário da Manhã (GO)...4

Leia mais

Tipos de Anticoncepcionais

Tipos de Anticoncepcionais Tipos de Anticoncepcionais Dr. Orlando de Castro Neto Métodos anticoncepcionais ou métodos contraceptivos são maneiras, medicamentos e dispositivos usados para evitar a gravidez. Muitas vezes o método

Leia mais

MODELO DE FORMATO DE BULA

MODELO DE FORMATO DE BULA APRESENTAÇÕES OMCILON-A M (triancinolona acetonida + sulfato de neomicina + gramicidina + nistatina) pomada é apresentado em embalagens contendo 1 tubo com 30 g. USO TÓPICO USO ADULTO E PEDIÁTRICO COMPOSIÇÃO

Leia mais

Pesquisa Clínica. Orientações aos pacientes

Pesquisa Clínica. Orientações aos pacientes Pesquisa Clínica Orientações aos pacientes 2009 Ministério da Saúde. É permitida a reprodução total ou parcial desta obra, desde que citada a fonte. Tiragem: 1000 exemplares Criação, Informação e Distribuição

Leia mais

CCIH/SCIH: a Enfermagem à frente da prevenção de infecções hospitalares

CCIH/SCIH: a Enfermagem à frente da prevenção de infecções hospitalares freeimages.com CCIH/SCIH: a Enfermagem à frente da prevenção de infecções hospitalares A adesão dos profissionais de saúde e o envolvimento de pacientes e familiares nas medidas de prevenção reduzem o

Leia mais

Os acessos do usuário a este site e sua utilização estão sujeitos à concordância dos termos e condições abaixo.

Os acessos do usuário a este site e sua utilização estão sujeitos à concordância dos termos e condições abaixo. Termos de uso Os acessos do usuário a este site e sua utilização estão sujeitos à concordância dos termos e condições abaixo. Dos objetivos Este site foi desenvolvido pela Saiteria (http://www.saiteria.com.br/)

Leia mais

coleção Conversas #2 Respostas que podem estar passando para algumas perguntas pela sua cabeça.

coleção Conversas #2 Respostas que podem estar passando para algumas perguntas pela sua cabeça. coleção Conversas #2 Positivo, o que e u faç o Deu Respostas para algumas perguntas que podem estar passando pela sua cabeça. A coleção CONVERSAS da Editora AfroReggae nasceu com o desejo de facilitar

Leia mais

Diagnosticando os problemas da sua empresa

Diagnosticando os problemas da sua empresa Diagnosticando os problemas da sua empresa O artigo que você vai começar a ler agora é a continuação da matéria de capa da edição de agosto de 2014 da revista VendaMais. O acesso é restrito a assinantes

Leia mais

manual básico de mídia

manual básico de mídia manual básico de mídia Manual Básico de Mídia 1 2 Manual Básico de Mídia 2015 Índice_ 01. Amostra...4 02. Público-alvo...6 03. Audiência de TV...8 04. GRP...12 05. Alcance e frequência...14 06. Custo por

Leia mais

Vamos falar sobre câncer?

Vamos falar sobre câncer? Vamos falar sobre câncer? O SIEMACO sempre está ao lado dos trabalhadores, seja na luta por melhores condições de trabalho, lazer e educação ou na manutenção da saúde, visando a promoção e ascensão social.

Leia mais

ÍNDICE - 19/08/2004 Correio Braziliense...2 Brasil...2 O Globo...3 Economia...3 Gazeta Mercantil...4 Gazeta Mercantil...4 Nacional...

ÍNDICE - 19/08/2004 Correio Braziliense...2 Brasil...2 O Globo...3 Economia...3 Gazeta Mercantil...4 Gazeta Mercantil...4 Nacional... ÍNDICE - Correio Braziliense...2 Brasil...2 Notas...2 saúde...2 Remédio sem propaganda...2 O Globo...3 Economia...3 Farmácias não vão poder anunciar remédios...3 Glaxo abre mão de patente na China...3

Leia mais

Public Disclosure Authorized Public Disclosure Authorized Public Disclosure Authorized Public Disclosure Authorized

Public Disclosure Authorized Public Disclosure Authorized Public Disclosure Authorized Public Disclosure Authorized Public Disclosure Authorized Public Disclosure Authorized Public Disclosure Authorized Public Disclosure Authorized Inovação tecnológica na reforma do setor público: o sistema eletrônico de aquisições

Leia mais

CUIDE DOS SEUS DENTES

CUIDE DOS SEUS DENTES SENADO FEDERAL CUIDE DOS SEUS DENTES SENADOR CLÉSIO ANDRADE 2 Cuide dos seus dentes apresentação Pesquisas científicas comprovam que dentes estragados provocam outras doenças que aparentemente não têm

Leia mais

O dentista que virou dono de restaurante chinês 1

O dentista que virou dono de restaurante chinês 1 O dentista que virou dono de restaurante chinês 1 O cirurgião dentista Robinson Shiba, proprietário da rede China In Box, em 1992 deixava de exercer sua profissão como dentista para inaugurar a primeira

Leia mais

Gino Dermazine. Creme Vaginal. Sulfadiazina de Prata 1%

Gino Dermazine. Creme Vaginal. Sulfadiazina de Prata 1% Gino Dermazine Creme Vaginal Sulfadiazina de Prata 1% GINO DERMAZINE (sulfadiazina de prata 1%) APRESENTAÇÕES: Creme Vaginal contendo sulfadiazina de prata 1% em bisnaga com 30 g e 6 aplicadores vaginais

Leia mais

ROI COMO SABER DEFINITIVAMENTE O RESULTADO DAS AÇÕES DE MARKETING DO SEU E- COMMERCE. Por: Alexandre Maldonado

ROI COMO SABER DEFINITIVAMENTE O RESULTADO DAS AÇÕES DE MARKETING DO SEU E- COMMERCE. Por: Alexandre Maldonado ROI COMO SABER DEFINITIVAMENTE O RESULTADO DAS AÇÕES DE MARKETING DO SEU E- COMMERCE Por: Alexandre Maldonado Autor do site Marketing para E- commerce www.marketingparaecommerce.com.br TERMOS DE RESPONSABILIDADE

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº... /LEGISLATIVO 2011

PROJETO DE LEI Nº... /LEGISLATIVO 2011 PROJETO DE LEI Nº... /LEGISLATIVO 2011 Dispõe sobre a afixação nas Academias de Ginástica, Centros Esportivos e Estabelecimentos Comerciais de Nutrição Esportiva e produtos correlatos à atividade física,

Leia mais

MÉTODOS CONTRACEPTIVOS

MÉTODOS CONTRACEPTIVOS MÉTODOS CONTRACEPTIVOS MÉTODOS CONTRACEPTIVOS 1. MÉTODOS COMPORTAMENTAIS Os métodos contraceptivos são utilizados por pessoas que têm vida sexual ativa e querem evitar uma gravidez. Além disso, alguns

Leia mais

PROMOÇÃO DE VENDAS. O problema da Dona Cida resume-se em aumentar as vendas de sua loja e ao mesmo tempo, acabar com alguns estoques indesejáveis.

PROMOÇÃO DE VENDAS. O problema da Dona Cida resume-se em aumentar as vendas de sua loja e ao mesmo tempo, acabar com alguns estoques indesejáveis. 1 PROMOÇÃO DE VENDAS Constituída há pouco mais de dois anos, a loja de confecções da Dona Cida já possuía uma boa clientela, porém ela acreditava que ainda poderia crescer bastante. Assim, tinha na prateleira

Leia mais

FEBRE AMARELA: Informações Úteis

FEBRE AMARELA: Informações Úteis FEBRE AMARELA: Informações Úteis Quando aparecem os sintomas? Os sintomas da febre amarela, em geral, aparecem entre o terceiro e o sexto dia após a picada do mosquito. Quais os sintomas? Os sintomas são:

Leia mais

COMO A GIR NA CRI $E 1

COMO A GIR NA CRI $E 1 1 COMO AGIR NA CRI$E COMO AGIR NA CRISE A turbulência econômica mundial provocada pela crise bancária nos Estados Unidos e Europa atingirá todos os países do mundo, com diferentes níveis de intensidade.

Leia mais