UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CENTRO TECNOLÓGICO MBA GERENCIAMENTO DE PROJETOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CENTRO TECNOLÓGICO MBA GERENCIAMENTO DE PROJETOS"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CENTRO TECNOLÓGICO MBA GERENCIAMENTO DE PROJETOS ARNALDO DANTAS BASÍLIO GLÓRIA MARIA RODRIGUES MARISA BASTOS SOFIA VICECONTE CRUZ ESTUDO DE CASO: UM PROJETO DE MELHORIA NA DOCUMENTAÇÃO DA INFORMAÇÃO DO SETOR ENSUR DO IBAM Niterói 2007

2 ARNALDO DANTAS BASÍLIO GLÓRIA MARIA RODRIGUES MARISA BASTOS SOFIA VICECONTE CRUZ ESTUDO DE CASO: UM PROJETO DE MELHORIA NA DOCUMENTAÇÃO DA INFORMAÇÃO DO SETOR ENSUR DO IBAM Monografia apresentada ao Curso de Pós-Graduação MBA em Gerenciamento de Projetos da Universidade Federal Fluminense, como requisito parcial para obtenção do título de Especialista em Gerenciamento de Projetos. Orientadora: Mara Telles Salles, D.Sc. Co-orientador: José Rodrigues Farias Filho, D.Sc. Niterói 2007

3 RESUMO O que motivou a preparação do presente Estudo de Caso foi a dificuldade manifestada pelo setor de capacitação técnica, chamado Escola Nacional de Serviços Urbanos, de uma organização não governamental, o Instituto Brasileiro de Administração Municipal, no acesso às informações dos projetos desenvolvidos sob sua responsabilidade. O objetivo principal desse trabalho é entender e melhorar a forma de documentar os projetos do setor e através de modelos padronizados de formulários, otimizar a localização das informações dos projetos, a fim de propiciar consultas rápidas e fáceis, tanto para a equipe diretamente envolvida, quanto para os profissionais dos demais setores da organização. Para entender melhor o por que da dificuldade desses profissionais no acesso às informações dos seus projetos, foram realizadas entrevistas e um questionário foi respondido por coordenadores e técnicos da organização. Pela importância significativa da participação dos atores neste processo investigativo, a metodologia utilizada foi a fenomenológica que, por meio da pesquisa de campo, procurou compreender melhor as dificuldades encontradas pelos profissionais mais diretamente envolvidos. Associando o estudo teórico levantado com o resultado da pesquisa realizada, foram propostos formulários que facilitarão o registro e a consulta das principais informações dos projetos em andamento e também dos finalizados. Estas informações estarão disponibilizadas na rede da empresa, para que os gestores do setor possam consultar e atualizar as informações dos projetos sob sua responsabilidade. Os gestores e técnicos dos outros setores da organização poderão apenas consultar os projetos de capacitação, em andamento ou mesmo os já finalizados. Outra proposta do presente trabalho sugere uma reorganização no processo de arquivamento da

4 documentação produzida por cada projeto que, após o seu encerramento, será descartado da rede e gravado em mídia CD-ROM, para os profissionais que desejarem conhecer mais detalhes sobre os projetos. Uma vez implementadas as propostas descritas neste Estudo, as consultas aos projetos desenvolvidos e mesmo aqueles em execução, serão realizadas de forma mais rápida, independente e eficaz. Palavras-chaves: documentação, informações, consultas, projetos.

5 ABSTRACT What motivated the present Case Study was the difficulty showed by the technical education sector called Escola Nacional de Serviços Urbanos, from the Instituto Brasileiro de Administração Municipal, a non-government organization, to access the informations of the projects developed by her responsibility. The main objective of this work is to understand and improve the way to document projects of this sector and through patterned models of documments optimize the location of these projects informations, in order to obtain quick and easy consultations, not only by the employees directly involved but also by other teams of the company. To understand better why the employees have difficulties accessing the projects informations, interviews and a questionnaire were replied to coordinators and technicals of the company. Because of the importance of these actors participation at this investigative process, the methodology used was the phenomenological that using a field s research tried to understand the difficulties faced by the employees directly involved. Associating the theoretical study and the research s results, documents were proposed to facilitate the register and the consult of the main informations of the projects being executed and also the ended ones. These informations can be showed at the network of the company, by the coordinators of the educational sector to consult and update the projects informations of their responsibility. The employees of the other sectors of the company can only consult those projects being executed or the ones already ended. Other proposal of this work suggests a different organization for the process of recording the documentation produzed by each project already finished. Recording its data and information in a CD-ROM and deleting the registers from the network, the employees can consult

6 more details about the projects. Once implemented the proposals described in this Study, the consults of the projects will be realized in a quick, independent and efficacious way. Keywords: documentation, informations, consults, projects.

7 LISTA DE ILUSTRAÇÕES Gráfico 01 - Acesso às informações...50 Gráfico 02 - Dificuldades de acesso às informações...50 Gráfico 03 - Localização das informações...51 Gráfico 04 - Elaboração de documentos...52 Gráfico 05 - Forma de arquivamento...52 Gráfico 06 - Local do arquivamento...53 Gráfico 07 - A importância do registro...54

8 LISTA DE SIGLAS CJ DES DUMA ENSUR IBAM O&G PMBOK SAC SAF Consultoria Jurídica Superintendência de Desenvolvimento Econômico e Social Superintendência de Desenvolvimento Urbano e Meio Ambiente Escola Nacional de Serviços Urbanos Instituto Brasileiro de Administração Municipal Superintendência de Organização e Gestão Guia do Conjunto de Conhecimentos em Gerenciamento de Projetos Serviço de Atendimento ao Consumidor Superintendência Administrativa e Financeira

9 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO CONTEXTUALIZAÇÃO DO TEMA COMUNICAÇÃO O PROBLEMA OBJETIVOS DO TRABALHO Geral Específicos QUESTÕES A SEREM RESPONDIDAS JUSTIFICATIVA DELIMITAÇÃO DO ESTUDO ESTRUTURA DO TRABALHO REFERENCIAL TEÓRICO HISTÓRICO DA COMUNICAÇÃO COMUNICAÇÃO NAS ORGANIZAÇÕES COMUNICAÇÃO EM PROJETOS METODOLOGIA ESCOLHA DO MÉTODO CLASSIFICAÇÃO DA PESQUISA EXECUÇÃO DA PESQUISA Universo pesquisado Coleta de dados Tratamento dos dados LIMITAÇÃO DO MÉTODO APRESENTAÇÃO DO CASO...38

10 4.1. A EMPRESA O SETOR ENSUR ANÁLISE DOS RESULTADOS RESULTADOS DA PESQUISA RESULTADOS DAS ENTREVISTAS ANÁLISE PROPOSTA CONSIDERAÇÕES FINAIS CONCLUSÕES SUGESTÕES PARA TRABALHOS FUTUROS...70 REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA...72 APÊNDICE...74 ANEXO...91

11 11 1. INTRODUÇÃO No cenário atual vivencia-se a chamada Era do Conhecimento, onde as pessoas são o maior ativo das organizações. Conhecimento é entendimento, é expertise, é a informação valiosa da mente combinada com experiência, contexto, interpretação e reflexão. Mas é importante que esse conhecimento seja compartilhado dentro da organização, reunindo profissionais para uma troca rica de vivências e experiências, na busca de um aprimoramento contínuo. E é aí que a comunicação se apresenta como um fator essencial nesse processo. É importante lembrar que o sucesso da comunicação não está fundamentado nas máquinas e, sim, nas pessoas. Por isso o fluxo das informações, como um aspecto relevante da Comunicação, se caracteriza como tema central do presente trabalho, cuja proposta é permitir que as informações produzidas pelas organizações que trabalham com projetos, possam ser amplamente divulgadas dentro da empresa, por meio de consultas on line, utilizando o próprio ambiente de rede da organização. O estudo do tema fluxo de informações na Comunicação juntamente com a pesquisa e análise realizadas junto à organização escolhida para o caso, indicaram as ações que viabilizarão os objetivos deste trabalho, relacionados à melhoria dos processos de consulta e arquivamento dos projetos desenvolvidos por esta organização a fim de facilitar a localização das informações existentes. A proposta sugerida envolve, basicamente, três pontos: a criação de formulários padrão, uma nova distribuição dos diretórios para as consultas e um processo de arquivamento otimizado para a documentação produzida por cada projeto.

12 12 Convidamos o leitor a iniciar uma leitura atenta nas páginas que se seguem, para conhecer o estudo que foi realizado e que visa solucionar o problema de acesso aos dados e informações dos projetos, não só pelo setor responsável pela execução do trabalho, mas pelos demais colegas da organização CONTEXTUALIZAÇÃO DO TEMA COMUNICAÇÃO As relações entre seres humanos são extremamente complexas e o sucesso desta interação está diretamente vinculado ao fator comunicação. Quanto maior o grau de deficiência nas comunicações, tanto maior será o grau de incompreensão a ser enfrentado e, como conseqüência, maior a dificuldade em levar avante os desafios. A comunicação truncada pode gerar muitos transtornos no campo profissional, bem como acarretar enormes prejuízos. De acordo com Jorge Pedro Sousa (2006) a raiz etimológica da palavra comunicação é a palavra latina communicatione, que, por sua vez, deriva da palavra commune, ou seja, comum. Communicatione significa, em latim, participar, pôr em comum ou ação comum. Portanto, comunicar é, etimologicamente, relacionar seres e, tornar alguma coisa comum entre esses seres, seja essa coisa uma informação, uma experiência, uma sensação ou uma emoção. Como cada ser percebe o mundo através de seus canais sensoriais, ele internaliza uma representação mental, com base no que consegue filtrar, ele

13 13 continuamente omite, distorce e generaliza os dados que recebe, criando suas próprias realidades. Existe um antigo e sábio adágio popular que diz que Vemos ou ouvimos aquilo que nos convêm. Portanto não é nada fácil transferir uma informação de uma mente a outra. Hoje, mais que nunca, nota-se que a maioria dos problemas que ocorrem nas empresas se origina de falhas de comunicação vertical e/ou horizontal. Se os colegas de trabalho se entendessem melhor, seriam bem maiores as probabilidades de sucesso e crescimento das instituições, já que uma comunicação eficiente diminui o re-trabalho e, conseqüentemente, aumenta a produtividade. Quando se observa a comunicação nas organizações percebe-se que este é um processo tão complexo que é possível controlar-se apenas em parte. É impossível para um dirigente ter o controle total das fontes de dados, bem como das distorções, omissões e generalizações introduzidas nas mensagens que passam através deste processo. Entretanto, é possível diminuir tais desvios através de uma comunicação mais adequada às pessoas e ao ambiente de trabalho. Tendo a comunicação um papel tão importante nas organizações, o entendimento e aplicação de alguns elementos são essenciais e ao se planejar uma comunicação é necessário levar em consideração três categorias de materiais informativos, a saber: dado, informação e conhecimento. Os dados representam conjuntos de fatos discretos e objetivos sobre eventos, podendo ser entendidos numa organização como registros estruturados de transações (DAVENPORT; PRUSAK, 1998). A informação é o dado que faz a diferença, ou, segundo Drucker (2003), dados com atributos de relevância e propósito. A informação é entendida como

14 14 mensagem, normalmente sob a forma de documentos ou mensagens visuais e/ou audíveis. A informação é contextual. Já o conhecimento está associado à capacidade de agir do indivíduo; é intuitivo e ligado à experiências e valores do usuário. Relaciona-se com padrões de reconhecimento, analogias e regras implícitas. A construção do conhecimento requer informação. Segundo Davenport (2004) dados são "observações sobre o estado do mundo" e conhecimento é como a informação mais valiosa e, conseqüentemente, mais difícil de gerenciar. É valiosa precisamente porque alguém deu à informação um contexto, um significado, uma interpretação; alguém refletiu sobre o conhecimento, acrescentou a ele sua própria sabedoria, considerou suas implicações mais amplas, afirmando que a importância do envolvimento humano aumenta à medida que evoluímos por esse processo dados-informaçãoconhecimento. O filósofo francês Pierre Levy (1999), um dos principais estudiosos sobre a chamada Era da Informação, também apresenta alguns conceitos interessantes sobre os termos. O autor destaca que a informação e o conhecimento são as principais fontes de produção de riqueza, explicando que o saber antes se prendia ao fundamento e hoje se mostra como figura móvel. Levy diz que, hoje, o conhecimento está nas mãos das pessoas que aprendem, transmitem e produzem conhecimentos de maneira cooperativa em sua atividade cotidiana. E constata que quando a informação é transmitida de uma pessoa para outra, esta não a está perdendo; e que quando esta informação é utilizada, ela não é destruída.

15 15 Informação e conhecimento são, essencialmente, criações humanas, e será impossível administrá-los sem considerar que as pessoas desempenham, nesse cenário, um papel fundamental O PROBLEMA O Estudo de Caso do presente trabalho tem como objeto de estudo um departamento responsável pela capacitação técnica de uma organização não governamental que, por lidar com diferentes tipos de projetos educacionais (cursos presenciais, cursos na modalidade a distância, seminários, oficinas de trabalho etc) e não dispor de um modelo padrão de arquivamento para as informações dos seus projetos, acaba acarretando uma dificuldade natural à equipe diretamente envolvida, na consulta aos dados e informações desses projetos. A falta de uma padronização existente no setor permite que os Coordenadores de área não só escolham quais os dados que consideram importantes registrar num projeto, mas também adotem, cada um, modelos de registros diferentes, gerando uma variedade de formatos de documentos nos projetos gerados pelo setor, além de diferentes formas de arquivamento, o que acaba tornando as consultas à esses projetos uma tarefa demorada e difícil. Essa decorrente dificuldade em localizar dados e informações acaba sendo vivenciada também pelos demais departamentos da empresa, quando os técnicos desejam consultar informações de projetos em andamento ou mesmo os já finalizados.

16 OBJETIVOS DO TRABALHO Geral Entender e melhorar a forma de documentar projetos realizados pela Escola Nacional de Serviços Urbanos ENSUR, o setor responsável pela capacitação técnica do Instituto Brasileiro de Administração Municipal IBAM, uma organização não governamental, que permita otimizar o arquivamento dos dados e informações desses projetos e, também, disponibilizar aos profissionais do setor e aos demais da organização, consultas mais fáceis e rápidas Específicos Apoiado no fluxo de informações existente na ENSUR e no perfil cultural da organização, sugerir modelos padronizados para registro e guarda das principais informações dos novos projetos e adotar um formato de arquivamento que seja econômico, compacto e de consulta independente. Um Plano de Melhorias com a descrição de novos procedimentos que auxiliem tanto a guarda quanto a consulta aos dados dos projetos da ENSUR, comporá a solução sugerida para a resolução do problema levantado no presente trabalho.

17 QUESTÕES A SEREM RESPONDIDAS Na tentativa de melhor compreender as razões que deram origem ao problema detalhado no item 1.2, e de atingir os objetivos propostos neste trabalho, seguem algumas questões consideradas essenciais de serem respondidas: 1. Os problemas de acesso e consulta aos dados e informações dos projetos da ENSUR são percebidos pela equipe da Escola? 2. A equipe da ENSUR consulta com rapidez e facilidade as informações que procura sobre os projetos que desenvolve? 3. Qual a forma de arquivamento preferida pela equipe da ENSUR: a digital (arquivos gravados em rede), ou manual (documentos impressos e guardados em pastas)? 4. Qual a opinião dos profissionais dos demais departamentos do IBAM, sobre o acesso e consultas às informações dos projetos desenvolvidos nos seus respectivos setores? 1.5 JUSTIFICATIVA Como uma das áreas de conhecimento referidas pelo Guia do Conjunto de Conhecimentos em Gerenciamento de Projetos - PMBOK para o Gerenciamento de

18 18 Projetos, a Comunicação possui uma característica, ao mesmo tempo, essencial e crítica: a documentação de projetos. São tarefas naturais da área de comunicação em projetos, arquivar os dados coletados e gerados, e documentar as informações necessárias para consultas futuras. Nos dias atuais as organizações tendem, cada vez mais, a se diferenciar pelo que sabem e pela forma como conseguem usar esse conhecimento. Segundo Fialho (2006), o conhecimento, quando é alocado em sistemas ou processos, tem um valor agregado muito mais elevado do que quando ainda está na cabeça das pessoas. Facilitar o acesso ao conhecimento utilizável da organização é uma das importantes tarefas da chamada Gestão do Conhecimento. Mas, apesar da incontestável importância reconhecida por organizações como o IBAM, da geração e guarda de seus registros, as dificuldades de acesso à eles continuam evidentes, quer nas consultas aos documentos, quer nos relatos das lições aprendidas. Por isso a proposta de estudo do presente trabalho DELIMITAÇÃO DO ESTUDO O presente Estudo de Caso tem por objetivo analisar a ENSUR, e, através do conhecimento de seus aspectos processuais e de geração de documentos, sugerir melhorias não apenas no formato desses documentos, visando uma padronização, mas também na forma de arquivamento, para consultas futuras.

19 19 O Estudo se restringe à ENSUR e não aos outros setores existentes no IBAM, apesar do processo de coleta de dados aplicado neste trabalho, ter incluído funcionários de outros setores do Instituto. Devido à complexidade do tema arquivamento e ao reduzido prazo para a preparação deste trabalho, não será objeto deste estudo um aprofundamento sobre o assunto. Entendemos, entretanto, que o tema é relevante e deve despertar o interesse não somente da ENSUR, mas de todo o IBAM, visto que o Instituto possui um raro e considerável acervo bibliográfico. 1.7 ESTRUTURA DO TRABALHO Considerando os objetivos do presente Estudo de Caso, o tópico seguinte, Referencial Teórico, apresenta alguns conceitos e citações relativos ao tema Comunicação, mais precisamente às suas etapas. No capítulo 3 é abordada a Metodologia Científica adotada neste trabalho, que descreve a direção tomada pelo grupo, na realização dos processos de investigação e análise que foram desenvolvidos. No capítulo 4, são dadas informações sobre a Escola Nacional de Serviços Urbanos ENSUR, setor do Instituto Brasileiro de Administração Municipal IBAM, e como os processos de geração e arquivamento dos documentos são realizados atualmente na Escola. No capítulo 5, Análise dos Resultados, com base no estudo e análise dos dados coletados e da situação vigente da ENSUR, é apresentada uma análise consolidada sobre os resultados da pesquisa realizada. No capítulo 6 que finaliza este Estudo de Caso, são propostas sugestões de novos procedimentos (Plano de Melhorias), visando o aprimoramento contínuo dos

20 20 processos da ENSUR. Nas palavras finais são apresentadas as conclusões do trabalho e sugeridas novas temáticas de pesquisa, relacionadas à questão da Comunicação em projetos.

21 21 2. REFERENCIAL TEÓRICO 2.1. HISTÓRICO DA COMUNICAÇÃO A comunicação eficaz ocorre quando a mensagem é enviada, recebida e entendida conforme pretendida pelo emissor. Trata-se de um processo de duas partes, que requer boa vontade, motivação e disciplina, tanto do emissor quanto do receptor. De acordo com Kotler (1998) o modelo tradicional de desenvolvimento de uma comunicação envolve nove elementos fundamentais, a saber: Emissor quem emite a mensagem para a outra parte; Codificação o processo de transformar o pensamento em forma simbólica; Mensagem o conjunto de símbolos que o emissor transmite; Mídia os canais de Comunicação através dos quais a mensagem passa do emissor ao receptor; Decodificação o processo pelo qual o receptor confere significado aos símbolos transmitidos pelo emissor; Receptor a parte que recebe a mensagem emitida; Resposta as reações do receptor após Ter sido exposto à mensagem; Feed back a parte da resposta do receptor que retorna ao emissor e, Ruído distorção ou estática não planejada durante o processo de Comunicação, que resulta em uma mensagem chegando ao receptor diferentemente da forma como foi enviada pelo emissor.

22 22 Quando um desses elementos não é respeitado, a exceção do ruído, o processo de Comunicação enfrenta problemas difíceis de serem diagnosticados, que podem trazer sérios danos aos objetivos e resultados inicialmente esperados. Desde o inicio dos tempos, o homem procura se comunicar com seus semelhantes. O primeiro passo foi criar uma linguagem falada, mas demorou um tempo até ele descobrir como deixar seus registros. Aos poucos foi desenvolvido o alfabeto, que variava de língua para língua. Depois de um alfabeto e uma linguagem foi necessário, acima de tudo, um suporte físico para estes. Segundo resultados de pesquisas realizadas na internet, como em é possível destacar alguns marcos na evolução da comunicação: - Em aproximadamente 105 D.C. o papel foi feito utilizando o bambu. Contudo, o papel barato e ao alcance de todos só foi conseguido por volta de 1840 com a introdução do processo de criação da pasta de papel a partir da resina das árvores. - Em 1438, Gutemberg, inventou a prensa, multiplicando o poder da comunicação; - Em 1837, Samuel Morse, inventou o telégrafo, que podia enviar mensagens instantâneas; - O rádio em si não teve um inventor único, sendo este uma contribuição de vários cientistas, sendo que em 1896 foram feitas transmissões a uma distância de aproximada de 1,6 km; - Em 1895 os irmãos Lumiére criam o cinematógrafo que possibilitava a gravação de imagens em movimento, através da gravação sucessiva de várias imagens consecutivas;

23 23 - A emissão televisiva começou em 1936, na Inglaterra, e não se consegue atribuir um inventor por Ter tido contribuição de várias origens, mas certamente foi impulsionada pela invenção do cinematógrafo e, - Em 1969 nos EUA nascia a Internet, que pertencia ao Departamento. de Defesa dos EUA e interligava laboratórios de pesquisa. Sendo que na sociedade contemporânea existem várias alternativas na forma como o homem se relaciona e se comunica com seu meio. Na literatura relacionada à gestão da informação observa-se um consenso: a disponibilidade de informações precisas, confiáveis e na medida certa não constitui, por si só, fator de aumento de competitividade do negócio. Assim, para que haja efetividade no uso das informações, a empresa deve ser capaz de alavancar o conhecimento disponível dentro da organização de forma explícita ou implicitamente junto às pessoas ou grupos. Nesta linha, a visão tradicional a respeito da gestão da informação nas organizações fundada na captação de dados e na geração de informações deve ser ampliada no sentido da incorporação de dois novos elementos ao processo, a saber, conhecimento e inteligência. A inteligência é a capacidade de reconhecer (perceber) um problema, necessidade ou oportunidade, a partir de sinais explícitos (informações) e do conhecimento do gestor, que precede a escolha de uma alternativa entre possíveis hipóteses de ação, conforme informações contidas em no artigo sobre Conhecimento e Inteligência Empresarial.

24 COMUNICAÇÃO NAS ORGANIZAÇÕES Um ponto que não pode ser simplesmente ignorado nas empresas está ligado à comunicação através de ações e não apenas através das palavras, o que compreende, do vestuário do mais simples dos funcionários, passando pela arquitetura dos prédios, pelo layout dos ambientes, pela expressão dos atendentes, pelos memorandos, material publicitário, jornal, mural, correspondências a clientes, gravações em secretária eletrônica, embalagens, serviço de atendimento ao consumidor (SAC) dentre outros. Esses dados e informações devem ser organizados de forma pertinente e coerentemente ligados à estratégia da empresa, pois, antes de qualquer funcionário dirigir a palavra ao cliente, uma imagem dessa organização já está sendo constituída na consciência desse cliente. A identificação do receptor ou público alvo é um dos passos fundamentais para uma Comunicação eficiente. Para saber a melhor forma de se comunicar, é preciso traçar o perfil desse público e, de acordo com a definição de Kotler (1998) existem sete tipos de público, considerando-se público como qualquer grupo de pessoas com interesse na empresa, seja este positivo ou negativo. - Públicos financeiros: influenciam a capacidade da empresa de obter fundos. São os Bancos, empresas de investimentos e acionistas; - Públicos de mídia: divulgam novidades, notícias e opiniões editoriais. Incluem jornais, revistas, estações de rádio e televisão; - Públicos governamentais: a administração deve sempre considerar as ações do governo em suas diversas esferas;

25 25 - Grupos de interesse: as ações de uma empresa podem ser questionadas por organizações de consumidores, grupos ambientalistas, representantes de minorias e outros; - Públicos locais: toda empresa tem públicos locais como vizinhos e organizações comunitárias; - Público geral: a empresa deve preocupar-se com a atitude do público geral relacionada aos seus produtos e atividades. A imagem que este público externo tem da empresa afeta as suas compras e, - Públicos internos: os públicos internos da empresa incluem seus empregados, de voluntários à diretores. Quando os empregados se sentem bem na sua empresa, essa atitude positiva influencia diretamente os públicos externos. Certamente o público interno é um dos que têm maior crédito ao falar a respeito da organização. Por isso é muito importante que ele esteja sempre bem informado, sendo o primeiro, a saber, sobre as notícias da empresa. É fato que a principal fonte de informação das Empresas está nos documentos, sejam estes arquivos digitais, fotográficos, filmes, gravações de áudio, documentos em papel, correspondências recebidas em diferentes meios (correio, fax, ), sendo que os documentos representam em essência, a capacidade de qualquer empresa de se comunicar e interagir com outras entidades. Sabemos que fornecendo acesso rápido à informação, minimizando a perda de tempo procurando ou recriando informações, permitindo que grupos de trabalho distribuídos pela organização encontrem a informação certa e relevante na hora exata e no local mais adequado, as empresas podem tomar decisões de forma mais eficiente e eficaz tornando-se mais competitivas. O conhecimento é diferencial, e inovação é prioridade.

26 COMUNICAÇÃO EM PROJETOS Durante todo o ciclo de vida de um projeto se produz ou recebe, uma grande quantidade de informações. A administração destas informações é fundamental para o sucesso dos projetos. O Gerenciamento de Comunicação de um projeto deve indicar, de maneira clara, a forma como uma informação será gerada e distribuída; deve prever um Plano de comunicações que determine as necessidades de comunicação das partes envolvidas; deve descrever a forma como será feito o tráfego de informações; deve indicar a forma de acompanhamento de desempenho e avaliação do projeto; e, por fim, buscar satisfazer os requisitos das partes interessadas. Um planejamento de comunicações deve determinar as informações e comunicações necessárias às partes envolvidas no projeto, bem como tornar disponível, de forma regular as seguintes informações necessárias: quem precisa de qual informação, quando elas serão necessárias e como devem ser fornecidas. Mas, muitas vezes, este planejamento está estreitamente ligado aos fatores ambientais da empresa e à sua estrutura organizacional. Para a distribuição das informações, garantindo que a pessoa certa receba a informação certa na hora certa, devem ser determinados os sistemas de coleta e recuperação (sistemas manuais de arquivamento, banco de dados eletrônico, software de gerenciamento de projetos e outros). A distribuição pode ocorrer através de reuniões, ferramentas de conferência, entre outros. A realimentação e a redistribuição de informações vão possibilitar a identificação de sucessos e

27 27 fracassos do projeto incluindo aí a recomendação de melhores práticas, e todo o registro do projeto. A coleta de informação sobre o trabalho já executado, tendo como referência a linha de base do projeto, serve para analisar o modo como os recursos estão sendo utilizados para alcançar o objetivo do projeto. Através de coleta e compilação de informações de áreas diversas é possível produzir relatórios de desempenho do projeto. O bom entendimento dos requisitos e expectativas das partes interessadas garantem a clareza dos objetivos, metas e nível de comunicação que devem ser atingidos durante o projeto. Todas as questões levantadas pelas partes interessadas durante o projeto devem ser gerenciadas de forma que permitam a correção/ mudança do escopo do projeto a contento para todas as partes.

28 28 3. METODOLOGIA Metodologia é o conjunto de métodos e técnicas utilizados para a realização de uma pesquisa. O propósito do uso de uma metodologia no presente Estudo de Caso tem duas razões principais: descrever os procedimentos e as ações que, efetivamente, foram desenvolvidas durante a realização deste trabalho, e assegurar a confiabilidade da estrutura adotada no estudo proposto. Devido à vasta bibliografia existente, optou-se pelos autores Sylvia Vergara (2000), Amado Luiz Cervo (1996), Eva Lakatos e Marina Marconi (1986), de renomada experiência no tema metodologia científica ESCOLHA DO MÉTODO Inicialmente, faz-se necessário definir o que é método. Segundo Sylvia Vergara (2000), método é um caminho, uma forma, uma lógica de pensamento. Na visão de Amado Luiz Cervo (1996), em sentido amplo, método é a ordem que se deve impor aos diferentes processos necessários para atingir um fim. Já na opinião das autoras Eva Lakatos e Marina Marconi (1986), método é o conjunto das atividades sistemáticas e racionais que, com maior segurança e economia, permite alcançar o objetivo conhecimentos válidos e verdadeiros traçando o caminho a ser seguido, detectando erros e auxiliando as decisões do cientista.

MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE MONOGRAFIAS E PROJETOS EXPERIMENTAIS

MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE MONOGRAFIAS E PROJETOS EXPERIMENTAIS CURSO DE JORNALISMO MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE MONOGRAFIAS E PROJETOS EXPERIMENTAIS 1 1 ÁREAS TEMÁTICAS Respeitada a disponibilidade de carga horária dos professores orientadores e a escolha dos alunos,

Leia mais

TECNOLOGIA E SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA POSTO DOURADÃO LTDA RESUMO

TECNOLOGIA E SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA POSTO DOURADÃO LTDA RESUMO TECNOLOGIA E SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA POSTO DOURADÃO LTDA Hewerton Luis P. Santiago 1 Matheus Rabelo Costa 2 RESUMO Com o constante avanço tecnológico que vem ocorrendo nessa

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO DA CEMIG COM A COMUNIDADE Substitui a NO-02.15 de 23/06/2009

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO DA CEMIG COM A COMUNIDADE Substitui a NO-02.15 de 23/06/2009 03/08/2010 Pág.01 POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO DA CEMIG COM A COMUNIDADE Substitui a NO-02.15 de 23/06/2009 1. INTRODUÇÃO 1.1 A Política de Comunicação da CEMIG com a Comunidade explicita as diretrizes que

Leia mais

Pós-graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI

Pós-graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Pós-graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Planejamento do Gerenciamento das Comunicações (10) e das Partes Interessadas (13) PLANEJAMENTO 2 PLANEJAMENTO Sem 1 Sem 2 Sem 3 Sem 4 Sem 5 ABRIL

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial Sistema de Gestão Estratégica Brasília - 2010 SUMÁRIO I. APRESENTAÇÃO 3 II. OBJETIVOS DO SGE 4 III. MARCO DO SGE 4 IV. ATORES

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR CENECISTA DE FARROUPILHA Mantido pela Campanha Nacional de Escolas da Comunidade

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR CENECISTA DE FARROUPILHA Mantido pela Campanha Nacional de Escolas da Comunidade MANUAL DE ESTÁGIO Curso de PEDAGOGIA S U M Á R I O 1. Apresentação... 03 2. Proposta de Estágio... 03 3. Aspectos legais... 04 4. Objetivo Geral... 04 5. Campo de Estágio... 05 6. Modalidades de Estágio...

Leia mais

O PAPEL DO GESTOR COMO MULTIPLICADOR

O PAPEL DO GESTOR COMO MULTIPLICADOR Programa de Capacitação PAPEL D GESTR CM MULTIPLICADR Brasília 12 de maio de 2011 Graciela Hopstein ghopstein@yahoo.com.br Qual o conceito de multiplicador? Quais são as idéias associadas a esse conceito?

Leia mais

INFORMAÇÃO EM RELAÇÕES PÚBLICAS a pesquisa empírica em Portais Corporativos

INFORMAÇÃO EM RELAÇÕES PÚBLICAS a pesquisa empírica em Portais Corporativos INFORMAÇÃO EM RELAÇÕES PÚBLICAS a pesquisa empírica em Portais Corporativos Cláudia Peixoto de Moura Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul PUCRS E-mail: cpmoura@pucrs.br Resumo do Trabalho:

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico O Coordenador Pedagógico é o profissional que, na Escola, possui o importante papel de desenvolver e articular ações pedagógicas que viabilizem

Leia mais

Apresentação da FAMA

Apresentação da FAMA Pós-Graduação Lato Sensu CURSO DE ESPECIIALIIZAÇÃO 444 horras/aulla 1 Apresentação da FAMA A FAMA nasceu como conseqüência do espírito inovador e criador que há mais de 5 anos aflorou numa família de empreendedores

Leia mais

Coleção ajuda no sucesso profissional

Coleção ajuda no sucesso profissional COLEÇÃO Unic Josafá Vilarouca Renata Tomasetti (11) 5051-6639 josafa@unicbuilding.com.br renata@unicbuilding.com.br Coleção ajuda no sucesso profissional Série lançada pela Publifolha possui 36 títulos,

Leia mais

Internet Ampliando o contato com a comunidade escolar

Internet Ampliando o contato com a comunidade escolar Internet Ampliando o contato com a comunidade escolar Introdução Silvio Henrique FISCARELLI 1 I Adriana da Silva TURQUETTI 2 Saur (1995), no Primeiro Congresso Nacional de Informática Pública realizado

Leia mais

Mídias sociais como apoio aos negócios B2C

Mídias sociais como apoio aos negócios B2C Mídias sociais como apoio aos negócios B2C A tecnologia e a informação caminham paralelas à globalização. No mercado atual é simples interagir, aproximar pessoas, expandir e aperfeiçoar os negócios dentro

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

FACULDADE ANHANGUERA DE INDAIATUBA Rua Claudio Dal Canton, 89 - Cidade Nova II - Indaiatuba -SP - CEP 13334-390 (19) 3885-6700 www.portalpos.com.

FACULDADE ANHANGUERA DE INDAIATUBA Rua Claudio Dal Canton, 89 - Cidade Nova II - Indaiatuba -SP - CEP 13334-390 (19) 3885-6700 www.portalpos.com. A pós-graduação é fundamental para manter-se bem colocado no mercado de trabalho e para aperfeiçoar competências profissionais. Além de enriquecer o currículo, este tipo de especialização ajuda a melhorar

Leia mais

Como adquirir os materiais didáticos do Moderna.Compartilha

Como adquirir os materiais didáticos do Moderna.Compartilha Como adquirir os materiais didáticos do Moderna.Compartilha MODERNA.COMPARTILHA: INTEGRAR TECNOLOGIA E CONTEÚDOS A FAVOR DO APRENDIZADO. Os alunos deste século estão conectados com novas ideias, novas

Leia mais

Redes sociais no Terceiro Setor

Redes sociais no Terceiro Setor Redes sociais no Terceiro Setor Prof. Reginaldo Braga Lucas 2º semestre de 2010 Constituição de redes organizacionais Transformações organizacionais Desenvolvimento das organizações articuladas em redes

Leia mais

Unidade II COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL. Profa. Ma. Andrea Morás

Unidade II COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL. Profa. Ma. Andrea Morás Unidade II COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL Profa. Ma. Andrea Morás Comunicação empresarial Envolve todas as ferramentas de comunicação. Atividade multidisciplinar. Envolve conflitos, emoções, potencialidades e

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA Nº XXXX CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA. Contrato por Produto - Nacional

TERMO DE REFERÊNCIA Nº XXXX CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA. Contrato por Produto - Nacional Número e Título do Projeto: TERMO DE REFERÊNCIA Nº XXXX CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA Contrato por Produto - Nacional BRA/09/004 Fortalecimento das Capacidades da CAIXA para seu processo de

Leia mais

Formulário de Avaliação de Desempenho

Formulário de Avaliação de Desempenho Formulário de Avaliação de Desempenho Objetivos da Avaliação de Desempenho: A avaliação de desempenho será um processo anual e sistemático que, enquanto processo de aferição individual do mérito do funcionário

Leia mais

DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA

DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA INTRODUÇÃO O Estágio Curricular foi criado pela Lei 6.494, de 7 de dezembro de 1977 e regulamentado pelo Decreto 87.497, de 18 de agosto

Leia mais

POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA

POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA 1 1. APRESENTAÇÃO Esta política estabelece os princípios e práticas de Governança Cooperativa adotadas pelas cooperativas do Sistema Cecred, abordando os aspectos de

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO TERMO DE REFERÊNCIA PARA AVALIAÇÃO EXTERNA DO PROJETO EDUCANDO COM A HORTA ESCOLAR 1. Breve Histórico do Projeto de Cooperação Técnica

Leia mais

identificação e detalhamento dos indicadores definidos para mensurar os resultados do projeto.

identificação e detalhamento dos indicadores definidos para mensurar os resultados do projeto. APRESENTAÇÃO O presente documento se refere ao Plano do Projeto de Implantação das Estratégias de Ensino - a ser executado por Instituição de Ensino Superior - IES que se inscreva para fazer parte do Projeto

Leia mais

A Construção de Categorias e Indicadores para Avaliação Institucional de Cursos, Projetos e Atividades de Extensão Universitária

A Construção de Categorias e Indicadores para Avaliação Institucional de Cursos, Projetos e Atividades de Extensão Universitária Anais do 2º Congresso Brasileiro de Extensão Universitária Belo Horizonte 12 a 15 de setembro de 2004 A Construção de Categorias e Indicadores para Avaliação Institucional de Cursos, Projetos e Atividades

Leia mais

Aimportância do levantamento de informações e pesquisa na publicidade

Aimportância do levantamento de informações e pesquisa na publicidade Aimportância do levantamento de informações e pesquisa na publicidade UNIBAN Unidade Marte Disciplina: Planejamento de Campanha Prof. Me. Francisco Leite Aulas: 07.04.11 Agenda: A importância do levantamento

Leia mais

RELATÓRIO DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DO CLIENTE EXTERNO EMBRAPA MEIO AMBIENTE ANO BASE - 2011. Sistema de Gestão da Qualidade

RELATÓRIO DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DO CLIENTE EXTERNO EMBRAPA MEIO AMBIENTE ANO BASE - 2011. Sistema de Gestão da Qualidade RELATÓRIO DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DO CLIENTE EXTERNO EMBRAPA MEIO AMBIENTE ANO BASE - 2011 Sistema de Gestão da Qualidade SUMÁRIO 1. - Introdução.... 3 2. - Metodologia.... 3 2.1 - Amostragem e coleta

Leia mais

A APLICAÇÃO FOI DRASTICAMENTE REDUZIDA

A APLICAÇÃO FOI DRASTICAMENTE REDUZIDA Bernardo Leite AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO HÁ TEMPOS... Objetivos principais: Aumento de salário Demissão CONCLUSÃO: A APLICAÇÃO FOI DRASTICAMENTE REDUZIDA A AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO É um processo natural e

Leia mais

Plano de Trabalho 2013/2015

Plano de Trabalho 2013/2015 SECRETARIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO REGIONAL UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FUNDAP SEADE CEPAM CONVÊNIO SPDR USP FUNDAP SEADE CEPAM ANEXO I Plano de Trabalho 2013/2015 OUTUBRO DE 2013 I. JUSTIFICATIVAS

Leia mais

Aula Nº 10 Planejamento da Comunicação

Aula Nº 10 Planejamento da Comunicação Aula Nº 10 Planejamento da Comunicação Objetivos da Aula: Os objetivos desta aula visam analisar as necessidades de informação para se manter os stakeholders internos e externos bem como a equipe de projetos

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS Cultura Brasileira 1º PERÍODO O fenômeno cultural. Cultura(s) no Brasil. Cultura regional e

Leia mais

COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL INTERNA UM ESTUDO DE CASO RESUMO

COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL INTERNA UM ESTUDO DE CASO RESUMO COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL INTERNA UM ESTUDO DE CASO Fábio William da Silva Granado 1 Marluci Silva Botelho 2 William Rodrigues da Silva 3 Prof Ms. Edson Leite Lopes Gimenez 4 RESUMO Realizou-se uma análise

Leia mais

EDITAL 02/2008 - PROJETO 914BRA1109 SELECIONA

EDITAL 02/2008 - PROJETO 914BRA1109 SELECIONA Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura EDITAL 02/2008 - PROJETO 914BRA1109 SELECIONA Consultor por Produto para Projeto da Organização das Nações Unidas para a Educação, a

Leia mais

GUIA DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES. Departamento de Ciências Exatas e Gerenciais

GUIA DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES. Departamento de Ciências Exatas e Gerenciais DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS E GERENCIAIS 2012 GUIA DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES Departamento de Ciências Exatas e Gerenciais CURSOS ADMINISTRAÇÃO CIÊNCIAS ATUARIAIS CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO CIÊNCIAS

Leia mais

Plano de Comunicação para o Hospital Infantil Varela Santiago¹

Plano de Comunicação para o Hospital Infantil Varela Santiago¹ Plano de Comunicação para o Hospital Infantil Varela Santiago¹ José Alves de SOUZA² Maria Stella Galvão SANTOS³ Universidade Potiguar (UnP ), Natal, RN RESUMO Este Plano de Comunicação refere-se a um estudo

Leia mais

Universidade do Estado de Minas Gerais Instituto Superior de Ensino e Pesquisa de Ituiutaba Sistemas de Informação Segurança e Auditoria de Sistemas

Universidade do Estado de Minas Gerais Instituto Superior de Ensino e Pesquisa de Ituiutaba Sistemas de Informação Segurança e Auditoria de Sistemas 1. Conceitos e Organização da Auditoria Universidade do Estado de Minas Gerais 1.1 Conceitos Auditoria é uma atividade que engloba o exame de operações, processos, sistemas e responsabilidades gerenciais

Leia mais

TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DA APLICAÇÃO DA GESTÃO DE PROCESSOS EM UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR

TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DA APLICAÇÃO DA GESTÃO DE PROCESSOS EM UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DA APLICAÇÃO DA GESTÃO DE PROCESSOS EM UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: CIÊNCIAS DA INFORMAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE

Leia mais

Projeto Pedagógico do Curso

Projeto Pedagógico do Curso Projeto Pedagógico do Curso Fundamentação Diretrizes curriculares do MEC Diretrizes curriculares da SBC Carta de Princípios da UNICAP Projeto Pedagógico Institucional da UNICAP Diretrizes Curriculares

Leia mais

ATORES HUMANOS NA EAD: UMA PESQUISA A PARTIR DAS METODOLOGIAS E EXPERIÊNCIAS EXITOSAS NA REDE E-TEC BRASIL

ATORES HUMANOS NA EAD: UMA PESQUISA A PARTIR DAS METODOLOGIAS E EXPERIÊNCIAS EXITOSAS NA REDE E-TEC BRASIL 1 ATORES HUMANOS NA EAD: UMA PESQUISA A PARTIR DAS METODOLOGIAS E EXPERIÊNCIAS EXITOSAS NA REDE E-TEC BRASIL Florianópolis - SC - abril/2015 Júlio César da Costa Ribas IFSC julio@ifsc.edu.br Andreza Regina

Leia mais

Gestão escolar: revendo conceitos

Gestão escolar: revendo conceitos Gestão escolar: revendo conceitos Myrtes Alonso É um equívoco pensar que o desempenho da escola se expressa apenas nos resultados da aprendizagem obtidos nas disciplinas e que é fruto exclusivo do trabalho

Leia mais

ESTUDO DO PROCESSO DE INOVAÇÃO UTILIZADO PELA ÁREA INDUSTRIAL METALÚRGICA DE BENTO GONÇALVES EM SEU PROCESSO, GERENCIAMENTO E LOGÍSTICA

ESTUDO DO PROCESSO DE INOVAÇÃO UTILIZADO PELA ÁREA INDUSTRIAL METALÚRGICA DE BENTO GONÇALVES EM SEU PROCESSO, GERENCIAMENTO E LOGÍSTICA ESTUDO DO PROCESSO DE INOVAÇÃO UTILIZADO PELA ÁREA INDUSTRIAL METALÚRGICA DE BENTO GONÇALVES EM SEU PROCESSO, GERENCIAMENTO E LOGÍSTICA W.L.MOURA 1 ; L.FILIPETTO 2 ; C.SOAVE 3 RESUMO O assunto sobre inovação

Leia mais

PREVIEW DAS PRINCIPAIS SEÇÕES DA NBR ISO 19011

PREVIEW DAS PRINCIPAIS SEÇÕES DA NBR ISO 19011 CENTRO DA QUALIDADE, SEGURANÇA E PRODUTIVIDADE PARA O BRASIL E AMÉRICA LATINA PREVIEW DAS PRINCIPAIS SEÇÕES DA NBR ISO 19011 Diretrizes para auditorias de sistemas de gestão da qualidade e/ou ambiental

Leia mais

Combinando a norma ISO 10006 e o guia PMBOK para garantir sucesso em projetos

Combinando a norma ISO 10006 e o guia PMBOK para garantir sucesso em projetos Combinando a norma ISO 10006 e o guia PMBOK para garantir sucesso em projetos Combining the ISO 10006 and PMBOK to ensure successful projects 1 Por Michael Stanleigh Tradução e adaptação para fins didáticos

Leia mais

Corporativo. Transformar dados em informações claras e objetivas que. Star Soft. www.starsoft.com.br

Corporativo. Transformar dados em informações claras e objetivas que. Star Soft. www.starsoft.com.br Corporativo Transformar dados em informações claras e objetivas que possibilitem às empresas tomarem decisões em direção ao sucesso. Com essa filosofia a Star Soft Indústria de Software e Soluções vem

Leia mais

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS METODOLOGIA DE AUDITORIA PARA AVALIAÇÃO DE CONTROLES E CUMPRIMENTO DE PROCESSOS DE TI NARDON, NASI AUDITORES E CONSULTORES CobiT

Leia mais

REGULAMENTO PARA ELABORAÇÃO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO CURSO DE GRADUAÇÃO EM TURISMO

REGULAMENTO PARA ELABORAÇÃO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO CURSO DE GRADUAÇÃO EM TURISMO REGULAMENTO PARA ELABORAÇÃO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO NITERÓI 2013 UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE REGULAMENTO PARA ELABORAÇÃO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) O Colegiado do curso de

Leia mais

OUVIDORIA GERAL RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2006

OUVIDORIA GERAL RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2006 OUVIDORIA GERAL RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2006 Apresentação Nossa história Objetivos, Atribuições e Compromisso Nosso Método de Trabalho Manifestações dos Usuários 1. Quantidade 2. Tipos 3. Percentual

Leia mais

RECRUTAMENTO, SELEÇÃO, AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO E SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO: ATUAÇÃO ESTRATÉGICA DOS RECURSOS HUMANOS

RECRUTAMENTO, SELEÇÃO, AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO E SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO: ATUAÇÃO ESTRATÉGICA DOS RECURSOS HUMANOS Centro de Educação Superior Barnabita CESB 1 RECRUTAMENTO, SELEÇÃO, AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO E SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO: ATUAÇÃO ESTRATÉGICA DOS RECURSOS HUMANOS Clara de Oliveira Durães 1 Profª. Pollyanna

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Resolução n 69/ 2011 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Graduação em, Bacharelado, do Centro

Leia mais

Sistemas de Informação James A. O Brien Editora Saraiva Capítulo 5

Sistemas de Informação James A. O Brien Editora Saraiva Capítulo 5 Para entender bancos de dados, é útil ter em mente que os elementos de dados que os compõem são divididos em níveis hierárquicos. Esses elementos de dados lógicos constituem os conceitos de dados básicos

Leia mais

DESCRITIVO DE CURSO. MBA em Liderança e Gestão de Pessoas

DESCRITIVO DE CURSO. MBA em Liderança e Gestão de Pessoas DESCRITIVO DE CURSO MBA em Liderança e Gestão de Pessoas 1. Posglobal Após a profunda transformação trazida pela globalização estamos agora em uma nova fase. As crises econômica, social e ambiental que

Leia mais

CONTABILIDADE SOCIAL: O BALANÇO SOCIAL EVIDENCIANDO A RESPONSABILIDADE SOCIAL NAS ORGANIZAÇÕES.

CONTABILIDADE SOCIAL: O BALANÇO SOCIAL EVIDENCIANDO A RESPONSABILIDADE SOCIAL NAS ORGANIZAÇÕES. Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 417 CONTABILIDADE SOCIAL: O BALANÇO SOCIAL EVIDENCIANDO A RESPONSABILIDADE SOCIAL NAS ORGANIZAÇÕES. Alice da Silva

Leia mais

GESTÃO DAS POLÍTICAS DE RECURSOS HUMANOS NOS GOVERNOS ESTADUAIS BRASILEIROS

GESTÃO DAS POLÍTICAS DE RECURSOS HUMANOS NOS GOVERNOS ESTADUAIS BRASILEIROS Inter-American Development Bank Banco Interamericano de Desarrollo Banco Interamericano de desenvolvimento Banque interámericaine de développment BR-P1051 Departamento de Países do Cone Sul (CSC) Rascunho

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO DE UMA DIRETORIA DE PROJETOS

CONTRIBUIÇÃO DE UMA DIRETORIA DE PROJETOS www.tecnologiadeprojetos.com.br Diretoria de Acompanhamento e Avaliação de Projetos da Secretaria de Estado da Educação de Minas Gerais DAPE/SEE-MG RELATÓRIO DE PESQUISA 1 : CONTRIBUIÇÃO DE UMA DIRETORIA

Leia mais

AOS CANDIDATOS À PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA DO BRASIL PROPOSTAS DE POLÍTICAS PARA A ÁREA DAS COMUNICAÇÕES

AOS CANDIDATOS À PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA DO BRASIL PROPOSTAS DE POLÍTICAS PARA A ÁREA DAS COMUNICAÇÕES AOS CANDIDATOS À PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA DO BRASIL PROPOSTAS DE POLÍTICAS PARA A ÁREA DAS COMUNICAÇÕES 1 Apresentação 1. As comunicações, contemporaneamente, exercem crescentes determinações sobre a cultura,

Leia mais

CAPTAÇÃO DE RECURSOS ATRAVÉS DE PROJETOS SOCIAIS. Luis Stephanou Fundação Luterana de Diaconia fld@fld.com.br

CAPTAÇÃO DE RECURSOS ATRAVÉS DE PROJETOS SOCIAIS. Luis Stephanou Fundação Luterana de Diaconia fld@fld.com.br CAPTAÇÃO DE RECURSOS ATRAVÉS DE PROJETOS SOCIAIS Luis Stephanou Fundação Luterana de Diaconia fld@fld.com.br Apresentação preparada para: I Congresso de Captação de Recursos e Sustentabilidade. Promovido

Leia mais

ANEXO II PERFIL DO CARGO FUNÇÃO

ANEXO II PERFIL DO CARGO FUNÇÃO ANEXO II PERFIL DO CARGO FUNÇÃO Página 1 de 165 PERFIL DE COMPETÊNCIAS E DESEMPENHO CARGO ANALISTA / FUNÇÃO ADVOGADO MISSÃO DO CARGO: Contribuir para o desenvolvimento institucional, por meio de ações

Leia mais

Construindo a interação entre universidade e empresas: O que os atores pensam sobre isso?

Construindo a interação entre universidade e empresas: O que os atores pensam sobre isso? i n o v a ç ã o 8 Construindo a interação entre universidade e empresas: O que os atores pensam sobre isso? Carla Conti de Freitas Yara Fonseca de Oliveira e Silva Julia Paranhos Lia Hasenclever Renata

Leia mais

Regulamento Atividades Complementares. Faculdade da Cidade de Santa Luzia - FACSAL

Regulamento Atividades Complementares. Faculdade da Cidade de Santa Luzia - FACSAL Regulamento Atividades Complementares Faculdade da Cidade de Santa Luzia - 2014 Regulamento das Atividades Complementares CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES Artigo 1º - As Atividades

Leia mais

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex...

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... (/artigos /carreira/comopermanecercalmosob-pressao /89522/) Carreira Como permanecer calmo sob pressão (/artigos/carreira/como-permanecer-calmosob-pressao/89522/)

Leia mais

Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada

Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada Revisão 02 Manual MN-01.00.00 Requisito Norma ISO 14.001 / OHSAS 18001 / ISO 9001 4.4.4 Página 1 de 14 Índice 1. Objetivo e Abrangência 2. Documentos Referenciados

Leia mais

RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012/01

RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012/01 COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO Curso de Bacharelado em Odontologia RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012/01 CATEGORIAS & DIMENSÕES AVALIADAS: Discentes: Desempenho Docente e Projeto Pedagógico

Leia mais

PROPOSTA PEDAGOGICA CENETEC Educação Profissional. Índice Sistemático. Capitulo I Da apresentação...02. Capitulo II

PROPOSTA PEDAGOGICA CENETEC Educação Profissional. Índice Sistemático. Capitulo I Da apresentação...02. Capitulo II Índice Sistemático Capitulo I Da apresentação...02 Capitulo II Dos objetivos da proposta pedagógica...02 Capitulo III Dos fundamentos da proposta pedagógica...02 Capitulo IV Da sinopse histórica...03 Capitulo

Leia mais

Palavras-Chave: Aquisições; Planejamento de Aquisições; Controle de Aquisições; Projeto; Lead time; Processo; Meta.

Palavras-Chave: Aquisições; Planejamento de Aquisições; Controle de Aquisições; Projeto; Lead time; Processo; Meta. 1 A INFLUÊNCIA DO PLANEJAMENTO E CONTROLE DA AQUISIÇÃO NO PRAZO FINAL DO PROJETO Euza Neves Ribeiro Cunha RESUMO Um dos grandes desafios na gerência de projetos é planejar e administrar as restrições de

Leia mais

Utilize o roteiro abaixo como mapa para elaboração do projeto. Organizado o conjunto, amplie as partes que requerem detalhamento.

Utilize o roteiro abaixo como mapa para elaboração do projeto. Organizado o conjunto, amplie as partes que requerem detalhamento. Utilize o roteiro abaixo como mapa para elaboração do projeto. Organizado o conjunto, amplie as partes que requerem detalhamento. ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO DE PESQUISA Título provisório (uma expressão

Leia mais

FACULDADE SETE LAGOAS - FACSETE COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO / CPA RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DA CPA NO ANO DE 2013

FACULDADE SETE LAGOAS - FACSETE COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO / CPA RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DA CPA NO ANO DE 2013 FACULDADE SETE LAGOAS - FACSETE COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO / CPA RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DA CPA NO ANO DE 2013 Sete Lagoas Março de 2014 Sumário 1. DADOS DA INSTITUIÇÃO... 4 1.1. Composição da Comissão

Leia mais

Modulo 4. Principais instrumentos de coleta de dados. Entrevista Questionário Formulário Observação Triangulação

Modulo 4. Principais instrumentos de coleta de dados. Entrevista Questionário Formulário Observação Triangulação Metodologia de Estudo e de Pesquisa em Administração Modulo 4 Principais instrumentos de coleta de dados. Entrevista Questionário Formulário Observação Triangulação UAB - UNEMAT Prof. Dr. Marcos Luís Procópio

Leia mais

3 METODOLOGIA DA PESQUISA

3 METODOLOGIA DA PESQUISA 43 3 METODOLOGIA DA PESQUISA Medeiros (2005) esclarece que a pesquisa científica tem por objetivo maior contribuir para o desenvolvimento humano. Para isso, conta com métodos adequados que devem ser planejados

Leia mais

METODOLOGIA HSM Centrada nos participantes com professores com experiência executiva, materiais especialmente desenvolvidos e infraestrutura tecnológica privilegiada. O conteúdo exclusivo dos especialistas

Leia mais

Auditoria de Sistemas. UNIPAC Ipatinga Segurança e Auditoria de Sistemas Prof. Thiago Lopes Lima

Auditoria de Sistemas. UNIPAC Ipatinga Segurança e Auditoria de Sistemas Prof. Thiago Lopes Lima Auditoria de Sistemas UNIPAC Ipatinga Segurança e Auditoria de Sistemas Prof. Thiago Lopes Lima Auditoria É uma atividade que engloba o exame das operações, processos, sistemas e responsabilidades gerenciais

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PORTFÓLIO DE PROGRAMAS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA: UMA PERSPECTIVA PARA A IMPLANTAÇÃO DO ESCRITÓRIO DE PROJETOS

GERENCIAMENTO DE PORTFÓLIO DE PROGRAMAS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA: UMA PERSPECTIVA PARA A IMPLANTAÇÃO DO ESCRITÓRIO DE PROJETOS GERENCIAMENTO DE PORTFÓLIO DE PROGRAMAS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA: UMA PERSPECTIVA PARA A IMPLANTAÇÃO DO ESCRITÓRIO DE PROJETOS Luis Fernando Vitorino 1, Moacir José dos Santos 2, Monica Franchi Carniello

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE COMUNICAÇÃO, TURISMO E ARTES Coordenação de Jornalismo

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE COMUNICAÇÃO, TURISMO E ARTES Coordenação de Jornalismo UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE COMUNICAÇÃO, TURISMO E ARTES Coordenação de Jornalismo REGIMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM JORNALISMO Capítulo I Da concepção de estágio O Estágio visa oportunizar

Leia mais

Infraestrutura de informações geoespaciais e georreferenciadas

Infraestrutura de informações geoespaciais e georreferenciadas Infraestrutura de informações geoespaciais e georreferenciadas 1. Apresentação do Problema Epitácio José Paes Brunet É cada vez mais expressiva, hoje, nas cidades brasileiras, uma nova cultura que passa

Leia mais

1 - Apresentação... 3. 2 - Objetivos... 6. 3 - Público Alvo... 7. 4 - Metas e Resultados Esperados... 7

1 - Apresentação... 3. 2 - Objetivos... 6. 3 - Público Alvo... 7. 4 - Metas e Resultados Esperados... 7 1 Presidente Paulo Marchiori Buss Vice Presidente de Desenvolvimento Institucional e Gestão do Trabalho Paulo Ernani Gadelha Vieira Diretora de Recursos Humanos Leila de Mello Yañez Nogueira Departamento

Leia mais

IMAGEM E REPUTAÇÃO NAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO: A PESQUISA E RESULTADOS NO IMAGE E MARKET SHARE

IMAGEM E REPUTAÇÃO NAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO: A PESQUISA E RESULTADOS NO IMAGE E MARKET SHARE IMAGEM E REPUTAÇÃO NAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO: A PESQUISA E RESULTADOS NO IMAGE E MARKET SHARE GEduc 2012 - Novos Rumos para a Gestão Educacional Pág 1 Temas Pressupostos teórico-metodológicos As necessidades

Leia mais

CRITÉRIOS DE CREDENCIAMENTO DA SOLUÇÃO TECNOLÓGICA. Área de Operações Indiretas - AOI

CRITÉRIOS DE CREDENCIAMENTO DA SOLUÇÃO TECNOLÓGICA. Área de Operações Indiretas - AOI CRITÉRIOS DE CREDENCIAMENTO DA SOLUÇÃO TECNOLÓGICA Área de Operações Indiretas - AOI CARTA AO FORNECEDOR Classificação: Documento público Caro fornecedor, Este documento elenca os CRITÉRIOS exigidos para

Leia mais

GERÊNCIA DA PROMOÇÃO NA BIBLIOTECA CENTRAL DA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA

GERÊNCIA DA PROMOÇÃO NA BIBLIOTECA CENTRAL DA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA GERÊNCIA DA PROMOÇÃO NA BIBLIOTECA CENTRAL DA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA Sueli Angelica do Amaral, CRB 1-1044 * Tatiara Paranhos Guimarães ** Maira Murrieta Costa *** RESUMO: A promoção em unidades de informação

Leia mais

Gestão Por Competências nas IFES

Gestão Por Competências nas IFES Goiânia 22 de Novembro de 2012 Gestão Por Competências nas IFES Anielson Barbosa da Silva anielson@uol.com.br A G E N D A 1 Desafios da Gestão de Pessoas nas IFES. 2 3 Bases Legais da Gestão de Pessoas

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC FLORIANÓPOLIS

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC FLORIANÓPOLIS FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC FLORIANÓPOLIS PORTARIA DE CREDENCIAMENTO DA FACULDADE Portaria Nº 3.544 de 13 de dezembro de 2002, publicada no DOU em 16 de dezembro de 2002. Diretor da Faculdade: José Carlos

Leia mais

REFLEXÃO. (Warren Bennis)

REFLEXÃO. (Warren Bennis) RÉSUMÉ Consultora nas áreas de Desenvolvimento Organizacional e Gestão de Pessoas; Docente de Pós- Graduação; Coaching Experiência de mais de 31 anos na iniciativa privada e pública; Doutorado em Administração;

Leia mais

Especialização em Comunicação Organizacional e Reputação Corporativa - NOVO

Especialização em Comunicação Organizacional e Reputação Corporativa - NOVO Especialização em Comunicação Organizacional e Reputação Corporativa - NOVO Apresentação Previsão de Início Julho/2013 Inscrições em Breve - Turma 01 - Campus Stiep O curso de Comunicação Organizacional

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 2014

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 2014 1 FACULDADE DE ESTUDOS SOCIAIS DO ESPÍRITO SANTO PIO XII CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS CURSO DE ADMINISTRAÇÃO EM COMÉRCIO EXTERIOR I INTRODUÇÃO REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 2014 O currículo

Leia mais

Gestão de tecnologias na escola

Gestão de tecnologias na escola Gestão de tecnologias na escola Maria Elizabeth Bianconcini de Almeida 1 As tecnologias de informação e comunicação foram inicialmente introduzidas na educação para informatizar as atividades administrativas,

Leia mais

Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais

Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira INEP Diretoria de Avaliação da Educação

Leia mais

Módulo: Empreendedorismo Gestão de Projetos. Agenda da Teleaula. Vídeo. Logística 28/8/2012

Módulo: Empreendedorismo Gestão de Projetos. Agenda da Teleaula. Vídeo. Logística 28/8/2012 Logística Profª. Paula Emiko Kuwamoto Módulo: Empreendedorismo Gestão de Projetos Agenda da Teleaula Reforçar a importância dos projetos no cenário atual. Apresentar os principais conceitos envolvendo

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Contratação de consultoria pessoa física para serviços de preparação

Leia mais

PLANO DE AÇÃO - 2014

PLANO DE AÇÃO - 2014 PREFEITURA MUNICIPAL DE QUIXADÁ SECRETARIA MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO PEDAGÓGICO PLANO DE AÇÃO - 2014 MISSÃO Assessorar as Regionais Educacionais, fortalecendo o processo

Leia mais

Etapas para a elaboração de um Pré- Projeto de Pesquisa

Etapas para a elaboração de um Pré- Projeto de Pesquisa Etapas para a elaboração de um Pré- Projeto de Pesquisa Estrutura de um projeto de pesquisa: 1. TEMA E TÍTULO DO PROJETO 2. DELIMITAÇÃO DO PROBLEMA 3. INTRODUÇÃO 4. RELEVÂNCIA E JUSTIFICATIVA 5. OBJETIVOS

Leia mais

DESCRITIVO DE CURSO. MBA em Gestão de Marketing e Vendas

DESCRITIVO DE CURSO. MBA em Gestão de Marketing e Vendas DESCRITIVO DE CURSO MBA em Gestão de Marketing e Vendas 1. Posglobal Após a profunda transformação trazida pela globalização estamos agora em uma nova fase. As crises econômica, social e ambiental que

Leia mais

Crescendo e Inovando com um Parceiro Confiável de Suporte

Crescendo e Inovando com um Parceiro Confiável de Suporte IBM Global Technology Services Manutenção e suporte técnico Crescendo e Inovando com um Parceiro Confiável de Suporte Uma abordagem inovadora em suporte técnico 2 Crescendo e Inovando com um Parceiro Confiável

Leia mais

Áreas de utilização do GED e o que levar em consideração no Projeto de Implantação de GED em uma empresa Simone de Abreu

Áreas de utilização do GED e o que levar em consideração no Projeto de Implantação de GED em uma empresa Simone de Abreu Áreas de utilização do GED e o que levar em consideração no Projeto de Implantação de GED em uma empresa Simone de Abreu Cerca de dois milhões de pessoas estão trabalhando em aproximadamente 300 mil projetos

Leia mais

DESCRITIVO DE CURSO. MBA em Gestão de Projetos

DESCRITIVO DE CURSO. MBA em Gestão de Projetos DESCRITIVO DE CURSO MBA em Gestão de Projetos 1. Posglobal Após a profunda transformação trazida pela globalização estamos agora em uma nova fase. As crises econômica, social e ambiental que apontam a

Leia mais

DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES:

DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES: DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES: A Teoria das Organizações em seu contexto histórico. Conceitos fundamentais. Abordagens contemporâneas da teoria e temas emergentes. Balanço crítico. Fornecer aos mestrandos

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MÍDIAS NA EDUCAÇÃO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MÍDIAS NA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MÍDIAS NA EDUCAÇÃO FERNANDA SERRER ORIENTADOR(A): PROFESSOR(A) STOP MOTION RECURSO MIDIÁTICO NO PROCESSO DE ENSINO E DE APRENDIZAGEM

Leia mais

1 Introdu ç ão. 1.1. A questão de pesquisa

1 Introdu ç ão. 1.1. A questão de pesquisa 1 Introdu ç ão 1.1. A questão de pesquisa A temática estratégia é muito debatida no meio acadêmico e também possui destacado espaço nas discussões no meio empresarial. Organizações buscam continuamente

Leia mais

A gestão pública a serviço de todos os brasileiros

A gestão pública a serviço de todos os brasileiros Programa da Qualidade no Serviço Público GUIA Avaliação Continuada da Gestão Pública 25 pontos A gestão pública a serviço de todos os brasileiros Programa da Qualidade no Serviço Público PQSP: Avaliação

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing PROJETO PEDAGÓGICO Curso de Graduação Tecnológica em Marketing Porto alegre, 2011 1 1. Objetivos do Curso O projeto do curso, através de sua estrutura curricular, está organizado em módulos, com certificações

Leia mais

Capital Intelectual. O Grande Desafio das Organizações. José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago. Novatec

Capital Intelectual. O Grande Desafio das Organizações. José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago. Novatec Capital Intelectual O Grande Desafio das Organizações José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago Novatec 1 Tudo começa com o conhecimento A gestão do conhecimento é um assunto multidisciplinar

Leia mais

2.2.5. Questionário a ser Respondido Pelos Estudantes em EaD.

2.2.5. Questionário a ser Respondido Pelos Estudantes em EaD. 2.2.5. Questionário a ser Respondido Pelos Estudantes em EaD. Este questionário é um instrumento de coleta de informações para a realização da auto avaliação da UFG que tem como objetivo conhecer a opinião

Leia mais

MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL

MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL Alessandro Siqueira Tetznerl (1) : Engº. Civil - Pontifícia Universidade Católica de Campinas com pós-graduação em Gestão de Negócios

Leia mais