A PSICANÁLISE E A MULHER: FEMININO PLURAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A PSICANÁLISE E A MULHER: FEMININO PLURAL"

Transcrição

1 Universidade Federal do Rio de Janeiro Centro de Fdosofia e Ciencias Htnnll!lliS Instituto de Psicologia A PSICANÁLISE E A MULHER: FEMININO PLURAL Dlssertaçlo de Meslrado como pllrte dos requisitos ne<essários à obtenção de grau de Mestre em Teoria Psicanalitica Orientadoras: Anna Carolina Lo Bianco Tftnia Coelho dos Santos Rio de Janeiro, RJ- BRASJL MARÇO DE 1993

2 DISSERTAÇÃO SUBMETIDA AO CORPO DOCENTE DO INSTITUTO DE PSICOLOGIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO, CENTRO DE FILOSOFIA E cffincias HUMANAS, COMO PARTE DOS REQUISITOS NECESSÁRIOS À OBTENÇÃO DO GRAU DE MESTRE EM TEORIA PSICANALÍTICA APROVADA POR: Pro f. (a) Anna Carolina Lo Bianco (presidente do baoca) Prof.(o)T~ Coelho dos Sootos Rio de Janeiro, RJ BRASIL MARÇO DE 1993

3 i i ALMEIDA. Madise Mlriam de Matos Pllicanálise e a.mulber: Feminino Plmal Rio de Janeiro, U.F.RJ. C-o de FDosofla e Ciencias Hummas. lijsliluto de Psicologia Tese: Mestre em Teoria Psic...Utica 1. Psicanálise e Mulher 2. Sexualidsde Feminilla 3. Son181idade Fcminin.o Psicanálise 4. Psicanálise: SCJUIIIidade da Mulher L Uoiversidade Fedenl do Rio de Janeiro CFCHIIP n. Titulo

4 íii

5 IV _As pa/avi"'2s :A& NN. 5tl!hfido q.a~~jo ~"'!!ajgb Je..,,. CllnOr" qwe 0$ ~ tltf!yiiiio.ir:uf. (Dolto,F. in Tcmps Modcmos, Dez1!961)

6 v AGRADECIMENTOS: A midha!jbulosa llmllia, pelo apoio, suporte, carinho, cuithdo e amor, que tio especialmente soubemn me dedicar. Sem eles eu oao poderia ter chegado até aqui. A meu pai, que seu pleno silêncio continue, para sempre, a encher a miuba vida e a me ensinbr a amar.. palavras. A meu marido Ricardo, pelo pad!ncia, admiraçao e imenso amor. Nossa convivência carinhosa foi moldura e esteio p81'8 a relllizllçlo de IIUiis esse soubo. A minhas dwis, especiai<, orietttsdorss: Tllnia e Anna, pelo cuidado, pela seriedade, pelo amor à triiosjnissao do saber, pelo carinbosa sutileza e compet!ncia das correções, pela abertura ao debate e ao confronto das idéias; enfim por terem me ensinado o verdadeiro e profimdo caminho rumo à cmreira acadlmica, à pesquisa e à vida. - A todos os meus queridos amigos, que colaboraram sempre suprindo-me do afeto e da dedicaçllo, necessários e fundamentais, nesse meu caminho. Agradeço especialmente a Marcelo Gerardin Poirot Laod, meu companheiro das inquietantes interrogaçijes, dos debates nonunos intenninávcis, do senso sguçado de propriedade e competência, da sensilbilidade eurcebada por puro e limpo amor às idéias e à consuuçllo do debate sobre elas. A todos os meus colegas da tmma do Mestrado, que me acolheram e me fizeram sentir menos es1111ngeira, especiabnente Maria Regina Prata e Luis Felipe Nogueira de Faria. A todos meus professores, pelo amor ao t:aber e à SWl tnmsmisslo, indnsive aqueles de meu curso de graduaçao em Psicologia da U-dade Federal de Minas Gerais (Moria Cecllia d! ClliVIllbo e Jeffi:rson Machedo Pinlo, especiabnente). Agradeço, com especial atençlo, a Joel Birmlm. meu professor-1111ista, na 'arte de escutar" e reabnente compreender, por sua dedicaçlo e corinho. Agradeço também a Sllnia, seeretória do memdo. pelo corinho, atençlo e cuidado. - A uma pessoa muito eqtecisl. s. primeira que me acreditou, que depositou em mim as esperanças mais verdes e felizes de mn futuro profissional venturoso. A Mmtine Maillet-Lambert. que mesmo em sua francesa 8111êncla, r.m fimdo às minhas expectativas de futuro. meu amado espelho feminino.. A todos os meus ahmos. por seu anônimo suporte e apoio. A todos muito obrigada.

7 SINOPSE O objetivo desta disscrtaçllo é discutir, den!ro da teoria psicanal!tica. a quostlo da mulher. Neste camioho retomamos o debate a propósito da sexualidade feminina. à procu111 de caractcrlsticas quo possam constituir lldlll ordem de positividade para estes domloios. Vamos colocar em debate, os pontos espcdficos de Freud e Lacan. a respeito da presente temática. bem como trilharemos os camiohos de outros importantes analistss quo reftetiram sobre a mulher den!ro do rcfcrc:ncial teórico-clínico da psicanálise. Vamos relevar o desejo da m!e por lldlll filha (wn beba do sexo feminino) como ponto de partida para \811 cspedlico erotismo na mulher. bem como de um começo, através de mna forma de amor/dor particulares, quo demarcaria posilivmncntc o dcscmolar da mualidade feminina SYNOPSIS The main purpose oftlús disscitbiion is to discuss, in lhe psycbolllllytic lheo<y, lhe Woman's quostioo. Focusiog ou tlús topic we wid retbiok lhe dcbotc about lhe fcmalc scmality, in sesrcb of spedfic chara<tetisfics tbat may contribute for an ordcr of positiviam in tlús domain We are olso going to debate lhe spedftc poinlll in lhe wod<s o f Frcud md Lacm about t1ús subject as web as refer to olher imporllllll ana1ysts tbat have Biso made substlmlial considcratioos about lhe Woman quellion in a psycbolllllytic lheoretical-dinical poinl ofviow. We wid empbasizo lhe motbcts desire for a fcmalc cbild as lhe S1alfing point ofa spcdfic eroticism andas lhe bcgirming ofwbal wc call, po<ltivoly, a partirular fcmalc sejuality md world.

8 vil ' INDICE INTRODUÇÃO: A Questio da Mulher, o Imaginário Social e Psicanálise 1 CAPÍTULO I - 'WEIBUC!l", "WEEllUC!IKEIT' e "WEEBUCHE SEXUA!lTÃ T': uma necessária distinçllo conceitual preliminm' 14 CAPíTULO 2 - O TEMA DA MULilER EM FREUD: FREUD: Sucessllo cronológica NO RASTREAMENTO CRÍTICO: Repensando Freud 47 CAPíTULo 3 - O TEMA DA MDLHER EM LACAN: LACAN: Sucessão Cronológica NO RASTREAMENTO CR!TICO: revendo Lacan 90 CAPíTULo 4 - O MONISMO F ÁUCO: Síntese e Critica !. Distinções a propósito do conceito de casttaçlo Considerando a proposta de uma fase fãlica para homens e mulheres e discutindo o conceito de Falo na teoria Considerações e crlticas de outroslllllores e especulllçlles sobre a sexualidade feminina MoDismo e Narcisismo: Como é compticado viver a casttaçao como diferença 146

9 viii CAPITULO l - O" AMOR DOS COMEÇOS": O desejo matemo. a 'positividade' feminina como mticuladores do fimcionamento psiquico feminino 5.1. O I(Ull chamamos de "positividade" do nrulher O desejo matemo como ponto de pm1ido para a diferença 5.3. A ligaçfto pró-edipiana como fimdomental à organizaç!o do nrulher 5.4. A diferença sc:xuale o inconsciente: a feminilidade como "palavra primiüva" 5.5. A import!ncia do laço narcisico entre mie e filha CAPÍTULO 6 Uma inkl)lolaç!o teórico-clínica: no rastro dos marcas de nm fimcionarnento positivo e pré-genital feminino 195 CONCLUSÃO 212 NOTAS E REFEJl!:NCJAS 229 BlliUOGRAFIA 236

10 1 INTRODUÇÃO "Esemserum Dr.John:Jon ou um aoe~ ouwm Carly~ ou. um Voltafre.a gente pode sentir, embora tk fonna muito diferente d2sse11 gra.ntks homens, a M/uJ'e%a d2!1u labtnnto e o poder tbmta.fizt.!ujtimk crlaliva allanumte tk$t!nvolvida na.r ~res. (.. J Basta que entremos em ~r c8modo tk tpjo}.qtmr nm para que a totaltdad6 dessa extremamenll! complexa força da femintlidmk nos sala? aos olhos. E como poden'a ser ~ oulro modo? Ao l'lfujheres tlm ~mu:uuu:tdo dentro d2 casa por todo!l e!l!le!l milhlfes de anos, de modo t:fu1! a estas allurcu as próprias pa~ds!s esmo impregnadas por rua força criadora, a qual, dtt fato, sobl't!txlrrt!gou de tal maneira a capczcidade dos ttjolos e da. arg<jitta$sa que dsve precisar atrelai'-se a ca.n2la!l e piru:ets e ~óeto!l e polltica. Mas es!le p~r crlalivo difere em grande parte do po<kr criativo dos hormns. Ê preciso que se conclua tju1! seria mil vez.es lastrmável t1tj11 fo!jse i~dido ou desperdiçado. pols fot conquistado duranu! sacuj.os da maj.s dnútica disciplina, e nlro há nada qtm p0$sa IM tomar o lugar. Seria mil vezes lastimâyel qtut aj mulheres escrevessem CO/ftO os hcj~um. ou vivessem como 01 honums, ousepareoe11sem com os honums,pois se dois so=os sé!o bem inst4/ci11n/bs, Cl»'J3üiJu ando-se a vastid/lo e a vanedtzdlz do mundo, como nos arranjarlt:zmos apenas com wn? Nl!o tkverla a eduatçt'jo revelar e fortakoor as difenmça:~. e nrfo ajj!limilartt:/tuh!ll? Pois temoo uma semelhança excet~!lfvtl do jeito qtu1 as coisajj!ll!o, e!le algum explorador voltasse e trouu!lse notiq. as de oulrrn sexo!j l!!!ptando alrrzv~s dos galhoo de outrw drvore!l em outro:. ctua. nadapre!ltarla major serviço ó hwnanidadl!; e terlamos, de quebra, o inumso pro:ur de ver o Professor X sair apresst:ldaml!nll! em bwlca de seus tnstromentos de meehda.para provar-se wpen or" 0J.loolf, V., 19'2.9) 1.

11 2 Se estivéssomos para oscrcvor mna ficçlio sobro o mundo das mulheros, outras palavras, talvez, nilo nos fossem tio preciosas c csm: no dcmsrcar dessa "faculdade crialiva" tipicamente feminina. que a autora aqui insiotc om apontar. Em cada cômodo, oro cada qwoto, de qualquer casa, a inttrioridade feminina se expõe como força E o que é mesmo isso? De que se trata? Nlo escrevemos mn tc1to de ficção. a proposta de caminho é outra; escrevemos a dissertação para mn Mestrado. Mas o tema 6 este: a mulher. N1o simplesmente a mulher, mas a mulher cnqumrto posslvcl de ser capturada por mna rede/armadilha de intctprctaçlo e entendimento, cujas molhas tecem uma tc:oria sobre o bmnano a teoria psicanalttica. A pstcanüse e a mulher. Esta é a nossa questl!o; juatarnonte aquilo que no Íllllliga, nos motiva e nos faz pensar. "Complexa força. da feminilidade". "poder criativo". "força criadora", ao palavras parecem beirar o alcance (oempre lanj!encialmente) de algo secreto, obscuro, mao eternamente fascinante. Aqui o cotidiano, o oenoo commn da literatura e da ficçllo, coincidem com a teoria. Também para a poiconálioe, a mulher e oo domlnioa que lhe dizem respeito, ollo considerados misteriosos. obscuros, iruwessfveis. É Freud quem nos diz: "Através da histón"a. as pessoa:j ti!m quebrado a azbeça com o enigma da naturezadafeminilidade"()'reud,s.,l933,p. 140). A proposta nesto tnlbalho ó de invc.ugaçlo, no campo da psicanüse, dos don:dnios que podem circunscrever à mulher um estatuto de singularidade, de po-do.. Procuramos nlio estmlc;m: diante deste estatuto de enigma. Por rua via,llguns entraves se fizeram presentes quando se disadia este tema da mulher, na teoria. Muitos autores procw1iilllll outros temas de debate, que pndmem propiciar maiore avanços, maio resposrtu. A opçlio da pstcanálije foi manter a questllo da mulher dcnjro do estatuto de um eoig~d~~; com certeza uma salda maio bonita, poótiea ató, tentando nllo cincusncrovl1 la. cxclnsivamcntc, dentro dos moldes das teorizações sobro a sexualidade masculina. Contudo e ao m smo tempo, sta opçlo pode ter selado um certo de.uoo para a referida questllo, que insiste e resisto aos novos avanços. DistinçGcs neste campo se fazem neccsdrias. propomo-nos debruçar sobre c:las c tmtar

12 3 alcançar, por meio especialmente da invcstigaçlo detida c dctolhada das abordagens de Freud c de Lacm a propósito da questão, uma oub"a forma de aprojimaçlo e comprecoslo para este bofdlulo comphcado que é a vida feminina Feminino? Feminilidade? Sexualidade feminina? Conceitos idênticos? Semelhantes? Difcrcntcs? Para procurar lançar mais luz sobre a questão da mulher no discurso da psicanálise, é que empreendemos este nosso percurso. Além de Freud c Lacan. passaremos m:ccssmimncntc pelos cbdiinhos teóricos llilbodos por outros autoros, que tmnbém, com muita pertinencia, se referiram à presente temátiçu. Temos como objetivo procurar resgatar. no desenvolvimento teórico e clínico da psicanálise, IDDa real poduvldade para a mulher c a sua sexualidade. Neste nosso cbdiinho uma p<rgud(a age todo o tempo como pano de fimdo das nossas intenções c considerações: O que faz da mulher, IDD8 mulher? Ou ainda: O que podemos distinguir, partindo das contribuiçõos da psicanálise, como sendo cxclusivarncntc da ordem das nrulhercs, no que diz respeito à sua organização anbjctiva e à 1111 sexualidade? É a estes questionamentos que nos lançamos c csru duas questões circunscrevem e dctimitmn a nossa problemática. Vale apontar para o coriter pretensioso de nossa aprolimaçlo do tema, procuraremos, contudo n1o ullrapasm o espaço da seriedade, da lidotidadc c da cocr&lcia. Procuramos, a todo tempo, nlo cair DIDD8 supcrlicialidade de abordagens que poisa comprometer os avanços que on pretendemos. A literatura feminista tem sido C(118llC un&úme, em all!car a psicanálise por IDD8 abordagem saista e misógina da questão da mulher. Para nós este combate encoub"a-se ultrapassado. Várias autoras

13 4 criticaram ferozmente a proposta freudiana clássica do modismo scmal fãlico, contudo, com alguma frequência. vemos escapar a estas postulações, wna ordem de sistcmatizaçllo, de poder de teorizaçllo, mais conmtos a respoito do que podoóarnos englobar ou mest<:ntm (além de Wiicarnente desw:titulm) dentro do discldlo da psicanálise. O nosso interesse ó o de clarificar, esclarecer e objetivar, na medida do posslvel essa questllo da mulher dentro da discursividadc analitica. Nesta teoria, por vários motivos, o que observamos, foi a mulher e seus domfnios ser relegada. ora ao desconhecimento e inatingibilidade do "continente negro" de Frcud. ora ao enaltecimento e ao mistério da "mulher nllo existe.. de Lacan. Entre sua igoorincialdesconbecimmto e SWI. CDltaçilo/"gozo a-mais", a mulher vtm sendo falada mas e infelizmente, com bastante frcquência. associada à ordem duma impossibilidade teórico-thnica. Consideramos importmlle romper com esta maneira de pensar as questões da mulher para conseguinnos dela um outro encaminhamento. que: Em 1976, introdu2indo uma obra impo1tante para a presente discussllo, Mitchell ' vem nos dizer "1he greater part of the feminist movement lias idenbfied Freud as the enemy. H 13 held that psychoanalysis ciaims women are trifen-or and that they a:m achieve true feminity only as wives and moihers. Psychoanalysis is seen as ajwbficationfor the saiatu3-quo, burgeois and pa!riarchaj, and Freud in his own peraon eumplijie::1 these qual.ities. I woul:l asree tha1 popularized Frew.iüuUsm must answer to this description: but lhe ar,gument of this book is thal a rejecbon ofpsychoanalyai:~ and (d Freud's worh i:~ fatal. for feminism. However it I'1UlJ' hav 6 been used, p~choanalysi:~ i:~ nol a recommendationfor a patriarchal socü!ty, but an analy3is of one. li we are ínterested in wrderstandi.ng and chauenging tire opres:~ion of women, we cannot qfford to neglect il" (Mitchell, 1979, p. XV). Nós tmnbém vamos. de wna certa maneira. criticar a proposta exclusivista sobre o mooismo fálico. mas nllo pretendemos ver os nossos esforços se reduzimo à exclusividade deste debate (ou combate). Nooca pensamos Frcud como "inimigo". pelo contririo. para nós ele swjprc foi o mais

14 5 impo- aliado. Pretendemos, dentro do próprio discurso dn psic!lllálise, encontrnr argumentos e consist!ncias que possam, de wna maneira muito especifica. se referir a um estatuto para a mujher que oio apenas aquele de um papel om negativo ou em pura oposiçlo. Sabemos que a questl!o da mulher se constitui em verdndciro ccroc de polemicss dcolro dn psicanálise. Quostl!o-chavo, que vem quase sempre orticulada à análise tanto de bomons quanto de mulheres. Em 1956, Lacan. no Sroünário "As Psicoses" vem nos dizer, que.. a mulher se interroga sobre que é ser uma mulher, da mesma forma que o sujeito macho se interroga sohrt que é ser mulher"j. No ootaoto, o que vamos obs<rn!l" no desenvolver da teoria, ~ esta questl!o ser enfocada quase no absolulismo teórico do modismo ülico. A oxdusividnde desta abordagem arrlsca um comprometimento da questl!o a uma ordem de esclarecimcnlos, onde as principais rofersncias acabam por demarcar um campo (o das mulheres) como aquele de limite ou mesmo do umbigo dcnlro dn teoria e da clfnica. Nlo DOi colocamos nesta posiçlo, procununos ir almn dela, protcndcmos intcnogó-ja. invostigó-la. Vamos iniciar nosso percurso por uma distinção conceitual que é, ao nosso ver, ememamentc impo-. Trata-se da difcroociaçlo colrc: "wetblich" ou feminino, "Weiblichhlt" ou feminilidade e "weiblich Sexumlt/Jl" ou saualidade feminina. Dedicamos o primeiro capitulo a esta diseusslo. Esta mliloza teórica vai ser de grande wlor na compreenslo mais precisa das difmntcs formas de abordagem. empreendidas dcnlro do discurso da psicanálise, a rospcito da mulher. Cremos ser esta delimit>çlo necessària e fimdamentol para o eotcudimcnlo de nossa questl!o. Ela vem apontar para tras pontos distintos de,.fcrsncia. que como veremos, vllo circudllcrover para a mulher uma forma nruito especifica de abordar seu erotismo, o fimcionamento de sua soxnalidndc e as difcrontcs formas femininas de obtcnçlo de PfliZI'I". Pensamos, que a partir desta distinçlo, nruitos enganos, desvios c impropricdadca possam ser corrigidos e esclarecidos. cremos ser o pressuposto bàsico orientodor deste nosso percurso e aquilo que guia o prosseguimento da pesquisa a respeito de nossa problemática. a proposta de uma berança transmitida na

15 6 relaçlio de mna mlie e sua filha. herança esta responsável por demarcar com toda a sua peculimidade umalinhagom (filha. mf!e, avó, etc, infinitamente) absolutamente diferencial com relação a wn filho do sexo mastulino. Como ponto bãsieo, tanto da obra de Frcud quanto da de Lacan, encontramos a sexualidade da mulher atrelada a wna foiidll snblimatória de satisfação c contentamento, exclusiva sobre wn bcb! do sexo mastulino (como substituto privilegiado do objeto fático idealizado), e wna abordagom da relação mf!e.filha na exclusividade de seu caráter conllitivo, negativo, rancoroso ou vingativo. Contudo, pretendemos propor wna outra forma para a compreensão dos domínios da mulher, forma esta que parte de wn a priori nesta relação bastante diverso. Procuraremos enfatizar na rclaç!lo pré-genital da filha com sua milc, ou seja. na sexualidade pré-genital c: proto-c:dipiana de: todo começo feminino. wn ponto crucial e fundamental de difercnciaçlio nos erotismos de homens c mulheres, bem como fator de wna precoce difercnciaç:io sexual Vamos procurar apontar como singularidade/positividade da sexualidade feminina. um "começo difc:rencial. através da rc:laçllo com a mãe, que marcará o erotismo da mulher, precisamente, por mn domínio não fático de satisfaçlio h"bidinal. Aulagnier (1975) nos aponta, com bastante pcrtin!ncia. que: "É o düu;u.roo da e para a sombra que permite d miie 1"gnorar o componente ~ inerente ao seu amor pela criança; é esle discun;o, portanto, que vela para que ntlo relorrw o que deve ficar reprimido. Dal. o atribulo.f'wu:jonal acresoenttuio a tudo o qujl no e~ etnif"wll,_,..,. &.-lldflll'q/lle_,.ffnlil &-r...,_.... a m1k acakn.tapo~ assim elafaz a criança dormir e porque o sono é bom; ela lava porque~ higil!nico ou porque ajsim o prescreve; ela alimenta segundo um modelo tnsb'tul.do de boa sau.de, e aasjm por dümle. Felizmente isto n8o impede a presença tk falhas: o acan ciar poder:~er "a-mais", o sexo pode ser tocado com prazer, o beijo pode se perder na boca. Entretanlo, tudo o que, no 4/u.u _..,I'Mt\ folijj a: ~= 4tJ IJJ/IItl, 411 tiimm'i,.4/elllfll 4,,., (Aulagnier, 1973, p.112./113, negritos nossos).

16 7 Aquilo que participa "de W1'1 prazer cuja causa deve ser ignorada" e que pcieiste mffida em permanecer à "sombra". é. no nosso entender. o diferencial responsável por provocar mn efeito de subj<livaçio dislinto em homens c mulheres. E é também aquilo que pode fazer o fimcionamc:nto sexual na mulher vir a poosuir seu caráter de Ci(lccificidade; aquilo que 8fjlli designarcruos de positividade feminina. Gostarlamos de, desde já. deixar demarcada a nossa posiç!o: é caatam<dtc aquilo que na psicaoüse ocupa mo lugar misterioso (ou rocalcado) de "aquém" ou mesmo "olém" do falo, 0 I"OipOD>:'M:l pela produção de IDIIa subjetividade diferencial nas mulheres. Este domlnio "nio-fálico" é produtor, nas esferas do psiquismo c do erotismo da mulbor, de uma pulsionalidade prccisamc:ntc ollofálica. de mo erotismo da pulsao que não passa pelo sexo genitol. mas é da ordem de uma crogcinizaçllo c cuidado do COijJO intciraroc:ntc pré-genitais (cuidar, lavar, cozinhar, limpar, tecer, bordar, amunar, entre outtos). Partiremos, nós também. de uma critica do mouismo fálico; n!o p1!i11 desconsidcnj-lo como IDO piv6 arú<ulador simbólico da sexualidade bidoana Gá que é apenas quando o prcsiiupomos que podemos pciillar em seu "mais além"), mas para deslocá-lo de IDOa posição pcrlgosi!idcoie cxcjusivis1a. que por b-l<mpo, obstruiu uma lcilun! e crdcndimeolo mais amplos do funcionamento da sexualidade na mulheres. bem como dos efeitos e coru;cqueocias no comportamento neurótico da mulbcr. que cssg tipo de funcionamento acarreta. A partir do mouismo fálico, o que percebemos foi a cxclus!o ou a negação de quaisquer oub"os domioios cxplicalivos e, priocipahnc:ntc, a negaçllo das diferença~ Buscamos. também. a partir de IDO primeiro momcuto onde revemos e rcssituamos a mulher dcutto do discurso da psicanálise, rcccuttar a questlo da difcrcnciaçio stllllll c sua rclaçllo com o inco!lllcientc. Para alcmçarmoo tal objetivo VlllliOS empreender moa leitura. dos textos de Frcnd c de Lacan. que seria recoitciile c a partir de moa aproximaç!o cronológica. Procuraremos situar, a todo o tempo, as difcrcuças de cada texto, os acréscimos. culim. a cvolaçllo viva do pcdllamcnto destes autores oobrc o terna proposto. Delcuzc4 (1968), a propósito da diferença. vom nos digcr que:

17 8 "0 pensamento 'estabeleoe' a diferença, mas a diferença e o monstro. N/Jo deve causar espanto o Jato de que a dtferença pareça maldita, qu2 ela seja a falia ou o pecado, afigura do Mal destinada à expiaç/jo. O único pecado é 0 de fazer com que o fondo suba e dissolva a forma" (Deleuze, 1968, p. 65), Monstros, espanto, maldição, falta, pecado, Mal... Engraçada semelhança essa qu<, por hora, constrdamos a respeito da diferença. Tal qual a diferença, como nos é aqui apresentada pelo olhllr de Deleuze. encontramos o imaginário humano a construir as suas intenninávc:is histórias sobre as muojercs. Elas sd.o. sempre. as portadoras de misterioso poder. deusas, bruxas, sedutoras, feiticeiras. corteslls. santas, prostitutas, hereges, virgens, etc. A lista poderia ser imensa. Silo inúmeros os modelos e representações das mulheres e do feminino no irnaginãrio social da humanidade. Quase sempre, se procurannos olhar com olhos de quem quer, de fato ver. há mn fio condutor perpassando cada wna destas conslruçlles: trata-se do sen caráter de esclusllo e/ou marginalizaçllo, em relação aos dominios da lei organizadora fálica. Acabamos por evidenciar uma situaçlo para as mufueres que muitos autores supõem univmal e llansist4ica: sua condição de inferioridade e subordinaçllo aos dominios ffilicos masculinos. bem como a sua estreita articulaçllo com os domlnios do doméstico. do privado e da. oaturezbs. Muitos pensadores mais amais (inclusive Deleuze) vllo remeter essa "nilo-ordem", proposta e evidenciada na esfera do feminino c da feminilidade, à subjetividade pós-moderna. Vamos tentar entender qual t esse dominio da mulher, da feminilidade c do feminino: que ordens s!o estas, estilo articuladas a quais desejos e silo responsãveis pela produção de quais diferenças? Procuramos resgatar a diferença nllo apenas como o "monstro mas como descojjiinuidade na linearidade masculina de pensar, como diversidade. A nossa tentativa. ao nos descartarmos de uma abordagem exclusivista sobre a proposta teó-rica do mooismo fálico, é a de resgatar um caminho de comprcensfto para a mulher c sua sesualidade, que esteja livre da SID"dez de certos preconceitos e envicsamcntos. Um caminho onde a diferença sesnal possa, afinal. vir a ser vivida sem diferença c bierar,;uizaçlo de direitos e de poderes. DevcreUXÓ (1982), em sua obra "MW/Jer e Mito "vem esclarecer ainda mais -este ponto:

18 9 "É necessário apenas deixar claro que a comtalaçtlo da uij'lidade das diferenças nllo r'mplic:z a idéia de que a desigualdade dos dj'reitos (..J seja uma fonte de criabvidt:uk culturai. Paradax:almente a tentativa de acomodar-se aos membros de um grupo quaiquer através de uma hierarquizaçtlo _ uma desigualdade -de :;ew respedivos dü' itos repousa em.,.. R"flltfJ I/Jâlâ t14 4/tvnllltlllt. Nélo u: pode resolver f» probu!rnas t7u2 essa diversidade (nece~jcjria e ruil) levanta por meio de um Wu"co "padrtlo de base'- o do homem adulto, forte e ~rdotado. Foi esta interpretaçtio da diversidade que oa2sionou a conoepçtio da mulher como um 'homem defeituoso' (castrado), da criança como um homenzinho, um anijo e assim por diante" (Devereux. 1982, p, 1 O, negritos do próprio autor). Pretendemos nlo ser mais IDD a reforçar a "negaçlío dtj diversidade", que:, no nosso caso, está intimamente artieulada às consideraçües sobre a diferença proposta pelo m:o na mulher. Sob o prisma da signilkaçllo e da primazia fálicas, o dis<ui>o da psicanálise veio se organizar num sistema infi ri- coerente e a seu modo fechado, que delimita lugares e possibilidades extremamente complicados para as nudberes. Com alguma frequfucia (e teremos a oportuni<lade de verificá-lo posteriormente). a partir da posiçllo de mo modismo. condiçgcs. aspectos. cmctcrlsôcas c situações que portenceriam à condiçlo humana em gcf1l1 ficam destinados ao lado propriamente feminino da m.jétka scju91. Podemos supor que este fenômeno (designar como pecutiaridade da nudber aspectos mais genris do Citctuo "cardápio" btddano de referendas e deixá-la sem ou com quase nenbtdda defilliçfto senllo aquc:la de IDD papel em negativo e enigmático) se deve à necessidade de mluslo desta outra ordem, que: na trilhagem deste vetor do falo permanece, de fato, ignorada ou rocalcada ProCW1IfCIDos -bém situar os motivos que estariam supojtalldo este estado de coisas e passaremos pelos tiilbos do llt!seyo matemo, ressilusndo-o a partir de uma rclaçlo parficulannente intensa, p~ucirosa e dolorosa, - filha e mie, como aquele vetor primário poro a orimtaçllo da oomalldade de toda - Cremos que os questionarncrdos que: dirigimos à teoria psicanalftica reduudarlo em possibilidades de respostas que, por sua vez. vlo ter extrema ressonllncia dentro mesmo de seu escopo

19 !O metapsicológico, bem como em ma oxperi!ncia fimdamcntal: a chnica psicanolitica. o csp!uj!o 6 dcstll disseriação vai procurn dcmonstrnr estll novo possibilidade. Ao detlaganoos nossas incursões de leitura dos tatos de Fr<Ud que se referem mais especificamente às mulheres, algo como orna marca nos chamou. nitidamente, a atenção: wna ceria tendcociosidade de wn olhar masculino para construir refer!ncias sobre os domlnios da mulher. Antes deste ser wn defeito, ele relletc a marca da inevitável imersão, do pensador FreU<l, em seu lernpo e em ma história pessoal: como todos, Freud foi também. uma tcstemunba de sua época. Roith 7 (1987) inicia seu livro "O Enigma de Freud" referiudo-se explicitamente a este aspecto. Vejamos como ela vem resumir este ponto: "At teon"as t:k Freud sobre as rmdherea m03traram-se altamente conlr0'11er3as de:sde os primeiros tempos da p3icanálise. Com ma insisuncia na irw~.fa do pdnis como força motivadora cerúral do desenvolvimento e do caráter da mulher. ele definiuafemiru"jidade inteiramente em rel.açélo à masculinidade. Comeqaentemente, ele via a sexua/.idatk feminina em termos de wna defict/jncia, n([o lhe ain"buindo a3sim qualquer valor intrlmeco. Frew:i acreditava que, em rendtado dessa deficu1ncia. as mulheres tendiam a ter uma de:waniagem intelectual. e eram moralmente deficientes, invejoom e vd:!r. Eram também mais passivas e masoqujsla3 que os homens, tinham impulsos sexuais maj'sfracos e menos aulo-estima. Ao mesmo tempo, erifaiimva o poder paterno di!ntro do complexo de &hpo de uma mcmeira qui! acabava por n2gligendar em grande medida a iriflulna a do pap2l da t1'lé1 no de3envolvimento do be~ e da cn ançapequena". (Roith, 1981, p.ll) Passaremos em revista cada um destes pontos apontados por Roith c mais alguns outros. para entendcnnos bem, qual a posiçlo freudiana di- da questilo propo!illl pelas mulheres. Dcstllcamos que a intençlo ollo é, ceriamente, de busca da verdade de Freud. A nmltiplicidadc de aproximações de cada

20 11 proposta fita agravada pelo fato de que o olhar dirigido sobre cada mna, não é um olhar desinteressado neutro, mas mn olhar marcado pela busca de tnmsfonnaçio. O que nossos leitores poderio acompanhar a seguir é, pois, uma revisão teórica. c:m sucessão cronológica, da abordagem na obn! de Freod (capitulo 2) c Lacan (capitulo 3), da questllo da nrulhcr. Começamos em Freud, pelos ptúnciros estudos sobre a histeria para culminarmos com as postulações 8 respeito da fcrninilídade c a sua rocusa em 'Análise Termindvel e Interminável' de Logo após, passamos às nossas considerações criticas de nove pontos. reconhecidos nesse percurso de Frcud. que apontam para alguma especificidade, singularidade neste campo discmsivo sobre a mulher. O segundo capitulo é todo ele dedicado a essa discussão. Logo em seguida. no capitulo 3, teromos uma revisão tarnbtm recorrente e cronológica, do percurso da questão da mulher na obra de Lacan. Fm seguida, empreendermos nos mesmos moldes, wn rastreamento de cinco pontos criticos; pontos estes, também, demarcados como da singularidade pm a mulher. Freud começa as suas postulações sobre a mud:ier referindo-se, quase exclusivamente, aos seus dotulnios como algo adjetivo, sem uma substancialidade ou mesmo uma concretude como a que ele dará ao final de sua obra com a conceituaçllo da 'feminilidade' (Welbllclrkelt). E Lacan parece prosseguir nesse assinalarnonto final de Frcud; as colocações lacanianas do 'impossível absoluto', do 'não-todo' submetimonto à lei fllica. do gozo soplcrnontar ou mesmo a negação do quantificador univoraal. quando de sua postulaçllo das fórmulas da scxuação, apontam para uma certa continuidade exploratória do conceito de "feminilidade" em Freud. No capitulo 4 faremos wna discussão c rcvislio a propósito do monismo fãlico. Neste capitulo vamos demarcar dois aspectos que organizaram o debate sobre este ponto controverso da teoria:

21 12 1 ) considerações sobre o complexo de castraçilo e ; zo) considerações sobre a proposta dt uma fase fática para o desenvolvimento hõidinal. No capitulo S desenvolvemos, com mais hberdade, nossa hipótese de trabalho a respeito do fimcionamento saual feminino: o desejo matemo pela filha como fimdante de wn erotismo no feliiíllillo e de wna identidade saual feminina precoce, 'herdada' na feminilidade da mlie. Neste mesmo capitulo emprc;cndcmos mn qucstionamcuto a respeito da difer-enciaçllo sexual e o amor dos começos na vida de homens mas e, principalmente, das mulheres. Freud e Lacan. como nos referimos acima. apenas conseguiram relevar na relaçd.o da menina com a mie o sen caráter de concorrência, decepção, ambivalência, vingança, rivll!idade e retllliaçro. Talvez, além dos aspectos que já destacamos de prejudicial ênfase sobre Ulllll proposta monist., o caráter assustador, nitidamente bomossaual do prazer, ao qual remetemos a primária serualização feliiíllilla (esta ouiill!àceta da relaçllo com a mlle) tenha sido negligenciada Além disto. esta!àceta vai cumprir tdil8 específica funçllo dentro do desejo matemo. Há ai. mun inicio bem precoce (e anslísaremos mais detalhad8dici1io todos estes aspectos) mn pilizcf, com o corpo idêntico de mlie e filha, e um contentamento muito especial, por parte da mlie, jã que atnlvés desse contato o que podemos ver também resgatado P""' ela é o scn próprio COIJlO como um bebê, bem como IDII oull:o desejo fimdamental: ter mn filho de sua mlie como IDII desejo deslocado de retomo c fusro com esta figura. Antes de llmr!izlflmos traremos a nossa discussro pm o campo da chnica psicsnalitica (capitulo 6). Attavés de wna iaterpolaçlo teórú:o-cllnica vamos jnstilicar nossas considelllções e aponta! o potencial cxpticativo e de entendimento de nossa hipótese para o IJliÍVcrSo da neurose e do sotiimento psíquico nas mulheres.

Feminilidade e Violência

Feminilidade e Violência Feminilidade e Violência Emilse Terezinha Naves O tema sobre a violência e a feminilidade apresenta-se, nas mais diversas áreas do conhecimento, como um tema de grande interesse, quando encontramos uma

Leia mais

Feminilidade e Angústia 1

Feminilidade e Angústia 1 Feminilidade e Angústia 1 Claudinéia da Cruz Bento 2 Freud, desde o início de seus trabalhos, declarou sua dificuldade em abordar o tema da feminilidade. Após um longo percurso de todo o desenvolvimento

Leia mais

Opção Lacaniana online nova série Ano 3 Número 8 julho 2012 ISSN 2177-2673. Há um(a) só. Analícea Calmon

Opção Lacaniana online nova série Ano 3 Número 8 julho 2012 ISSN 2177-2673. Há um(a) só. Analícea Calmon Opção Lacaniana online nova série Ano 3 Número 8 julho 2012 ISSN 2177-2673 Analícea Calmon Seguindo os passos da construção teórico-clínica de Freud e de Lacan, vamos nos deparar com alguns momentos de

Leia mais

UMA CRIANÇA E EX-PANCADA: RELAÇÃO DO MASOQUISMO INFANTIL AO SADISMO ADULTO

UMA CRIANÇA E EX-PANCADA: RELAÇÃO DO MASOQUISMO INFANTIL AO SADISMO ADULTO UMA CRIANÇA E EX-PANCADA: RELAÇÃO DO MASOQUISMO INFANTIL AO SADISMO ADULTO 2015 Marcell Felipe Alves dos Santos Psicólogo Clínico - Graduado pela Centro Universitário Newton Paiva (MG). Pós-graduando em

Leia mais

ISSO NÃO ME FALA MAIS NADA! (SOBRE A POSIÇÃO DO ANALISTA NA DIREÇÃO DA CURA) 1

ISSO NÃO ME FALA MAIS NADA! (SOBRE A POSIÇÃO DO ANALISTA NA DIREÇÃO DA CURA) 1 ISSO NÃO ME FALA MAIS NADA! (SOBRE A POSIÇÃO DO ANALISTA NA DIREÇÃO DA CURA) 1 Arlete Mourão 2 Essa frase do título corresponde à expressão utilizada por um ex-analisando na época do final de sua análise.

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO MASCULINA E SUAS ARTICULAÇÕES COM O RECALCAMENTO. o processo de constituição do psiquismo. A discussão será feita à luz das idéias

IDENTIFICAÇÃO MASCULINA E SUAS ARTICULAÇÕES COM O RECALCAMENTO. o processo de constituição do psiquismo. A discussão será feita à luz das idéias IDENTIFICAÇÃO MASCULINA E SUAS ARTICULAÇÕES COM O RECALCAMENTO Cristiana de Amorim Mazzini 1 O presente trabalho discorrerá sobre a identificação masculina ocorrida durante o processo de constituição do

Leia mais

FANTASIAS SEXUAIS INFANTIS, AS CRIANÇAS FALAM. A intenção deste trabalho foi escutar crianças pequenas a respeito da

FANTASIAS SEXUAIS INFANTIS, AS CRIANÇAS FALAM. A intenção deste trabalho foi escutar crianças pequenas a respeito da FANTASIAS SEXUAIS INFANTIS, AS CRIANÇAS FALAM Maria Elisa França Rocha A intenção deste trabalho foi escutar crianças pequenas a respeito da sexualidade, bem como conhecer suas fantasias e as teorias que

Leia mais

O SUPEREU NA DEMANDA DE AMOR INSACIÁVEL DAS MULHERES

O SUPEREU NA DEMANDA DE AMOR INSACIÁVEL DAS MULHERES O SUPEREU NA DEMANDA DE AMOR INSACIÁVEL DAS MULHERES Daniela de Oliveira Martins Mendes Daibert Mestranda do Programa de Pós-Graduação em Psicanálise da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ);

Leia mais

O AUTISMO NA PSICANÁLISE E A QUESTÃO DA ESTRUTURA Germano Quintanilha Costa 1

O AUTISMO NA PSICANÁLISE E A QUESTÃO DA ESTRUTURA Germano Quintanilha Costa 1 O AUTISMO NA PSICANÁLISE E A QUESTÃO DA ESTRUTURA Germano Quintanilha Costa 1 I Introdução O objetivo deste trabalho é pensar a questão do autismo pelo viés da noção de estrutura, tal como compreendida

Leia mais

A prova da devastação Daniela Goulart Pestana

A prova da devastação Daniela Goulart Pestana A prova da devastação Daniela Goulart Pestana A comunicação que segue procura pensar algumas especificidades constitucionais do feminino a partir do aforismo lacaniano: Não há relação sexual. Para dizer

Leia mais

O FALO E A MORTE NA DINÂMICA DA NEUROSE OBSESSIVA

O FALO E A MORTE NA DINÂMICA DA NEUROSE OBSESSIVA O FALO E A MORTE NA DINÂMICA DA NEUROSE OBSESSIVA Doris Rinaldi 1 A neurose obsessiva apresenta uma complexidade e uma riqueza de aspectos que levou, de um lado, Freud a dizer que tratava-se do tema mais

Leia mais

Laboratório de Ensino PULSÕES E SEUS DESTINOS (1915)

Laboratório de Ensino PULSÕES E SEUS DESTINOS (1915) Laboratório de Ensino PULSÕES E SEUS DESTINOS (1915) Flávia Lana Garcia de Oliveira (Doutoranda em Teoria Psicanalítica pela UFRJ Bolsa CAPES no Brasil e Bolsa doutorado sanduíche FAPERJ Université Paris-Diderot

Leia mais

A FUNÇÃO DO PAGAMENTO EM ANÁLISE: LIMITES E POSSIBILIDADES NA INSTITUIÇÃO

A FUNÇÃO DO PAGAMENTO EM ANÁLISE: LIMITES E POSSIBILIDADES NA INSTITUIÇÃO A FUNÇÃO DO PAGAMENTO EM ANÁLISE: LIMITES E POSSIBILIDADES NA INSTITUIÇÃO Fernanda de Souza Borges feborges.psi@gmail.com Prof. Ms. Clovis Eduardo Zanetti Na praça Clóvis Minha carteira foi batida, Tinha

Leia mais

Os impasses na vida amorosa e as novas configurações da tendência masculina à depreciação

Os impasses na vida amorosa e as novas configurações da tendência masculina à depreciação Os impasses na vida amorosa e as novas configurações da tendência masculina à depreciação Maria José Gontijo Salum Em suas Contribuições à Psicologia do Amor, Freud destacou alguns elementos que permitem

Leia mais

TORNAR-SE HOMEM Eliane Mendlowicz Freud, ao desenvolver o complexo de Édipo e suas determinações nas identificações sexuais, definiu a sexualidade humana como dependente das vicissitudes edípicas, ou seja,

Leia mais

MOURA, Marisa Decat de (ORG). Psicanálise e hospital 3 Tempo e morte: da urgência ao ato analítico. Revinter: Rio de Janeiro, 2003.

MOURA, Marisa Decat de (ORG). Psicanálise e hospital 3 Tempo e morte: da urgência ao ato analítico. Revinter: Rio de Janeiro, 2003. MOURA, Marisa Decat de (ORG). Psicanálise e hospital 3 Tempo e morte: da urgência ao ato analítico. Revinter: Rio de Janeiro, 2003. Prefácio Interessante pensar em um tempo de começo. Início do tempo de

Leia mais

A ética do tratamento psicanalítico: diagnóstico diferencial.

A ética do tratamento psicanalítico: diagnóstico diferencial. A ética do tratamento psicanalítico: diagnóstico diferencial. Claudia Wunsch. Psicóloga. Pós-graduada em Psicanálise Clínica (Freud/Lacan) Unipar - Cascavel- PR. Docente do curso de Psicologia da Faculdade

Leia mais

A descoberta freudiana da fantasia fundamental* Palavras-chave: fantasia, clínica, neurose, realidade psíquica

A descoberta freudiana da fantasia fundamental* Palavras-chave: fantasia, clínica, neurose, realidade psíquica A descoberta freudiana da fantasia fundamental* Palavras-chave: fantasia, clínica, neurose, realidade psíquica Laureci Nunes A fantasia fundamental, aspecto central da vida psíquica, orienta a clínica

Leia mais

FUNÇÃO MATERNA. Luiza Bradley Araújo 1

FUNÇÃO MATERNA. Luiza Bradley Araújo 1 FUNÇÃO MATERNA Luiza Bradley Araújo 1 Entendemos por função materna a passagem ou a mediação da Lei que a mãe opera. Nós falamos de uma função e não da pessoa da mãe, função de limite entre o somático

Leia mais

A Outra: o delírio da histérica

A Outra: o delírio da histérica Opção Lacaniana online nova série Ano 2 Número 6 novembro 2011 ISSN 2177-2673 1 Ana Martha Maia e Maria Fátima Pinheiro Desde Freud, podemos dizer que a fantasia e o delírio são construções ficcionais

Leia mais

SOBRE A SEXUALIDADE ( MASCULINA) 1. A sedução abre o jogo da promessa de prazeres desconhecidos,

SOBRE A SEXUALIDADE ( MASCULINA) 1. A sedução abre o jogo da promessa de prazeres desconhecidos, SOBRE A SEXUALIDADE ( MASCULINA) 1 Alejandro Luis Viviani A sedução abre o jogo da promessa de prazeres desconhecidos, supondo veladamente uma resposta sobre a origem da sexualidade. Jogo em espelho onde,

Leia mais

DIÁLOGOS A pluralidade e as singularidades em nossa transmissão

DIÁLOGOS A pluralidade e as singularidades em nossa transmissão DIÁLOGOS A pluralidade e as singularidades em nossa transmissão Diálogos da última edição deste Boletim trouxe os bastidores e um pouco da história dos nossos eventos. Desta feita, apontamos nossa mira

Leia mais

DO DESENVOLVIMENTO DA TEORIA PULSIONAL FREUDIANA PARA UMA REFLEXÃO SOBRE A RELAÇÃO ENTRE AMOR E ÓDIO. Ligia Maria Durski

DO DESENVOLVIMENTO DA TEORIA PULSIONAL FREUDIANA PARA UMA REFLEXÃO SOBRE A RELAÇÃO ENTRE AMOR E ÓDIO. Ligia Maria Durski DO DESENVOLVIMENTO DA TEORIA PULSIONAL FREUDIANA PARA UMA REFLEXÃO SOBRE A RELAÇÃO ENTRE AMOR E ÓDIO. Ligia Maria Durski Iniciemos este texto fazendo uma breve retomada de alguns momentos importantes da

Leia mais

Quais as condições necessárias para uma análise com autista? 1

Quais as condições necessárias para uma análise com autista? 1 Quais as condições necessárias para uma análise com autista? 1 Maria Auxiliadora Bragança de Oliveira Este trabalho começa com uma modificação em seu título. Em lugar de perguntar Quais as condições necessárias

Leia mais

REICH E A ECONOMIA SEXUAL

REICH E A ECONOMIA SEXUAL 1 REICH E A ECONOMIA SEXUAL José Henrique Volpi Freud havia postulado que o sintoma neurótico é resultado da repressão de um trauma sexual ocorrido na infância. Mas não conseguia explicar o porque tal

Leia mais

SELF, SOCIEDADE & SEXUALIDADE

SELF, SOCIEDADE & SEXUALIDADE SELF, SOCIEDADE & SEXUALIDADE Leila Sharon Nasajon * A sexualidade representa uma questão crucial no desenvolvimento e na preservação da identidade pessoal e social. Para que relações interpessoais satisfatórias

Leia mais

FREUD: IMPASSE E INVENÇÃO

FREUD: IMPASSE E INVENÇÃO FREUD: IMPASSE E INVENÇÃO Denise de Fátima Pinto Guedes Roberto Calazans Freud ousou dar importância àquilo que lhe acontecia, às antinomias da sua infância, às suas perturbações neuróticas, aos seus sonhos.

Leia mais

O exterior da inclusão e a inclusão do exterior

O exterior da inclusão e a inclusão do exterior O exterior da inclusão e a inclusão do exterior www.voxinstituto.com.br O tema do V Simpósio Derdic- "Mecanismos de exclusão, estratégias de inclusão" permitiu que a problemática da inclusão social do

Leia mais

CORPO, IMAGEM, ORIFÍCIO: PONTUAÇÕES SOBRE O CORPO EM PSICANÁLISE. O valor do corpo como imagem, como suporte imaginário e consistência, por

CORPO, IMAGEM, ORIFÍCIO: PONTUAÇÕES SOBRE O CORPO EM PSICANÁLISE. O valor do corpo como imagem, como suporte imaginário e consistência, por CORPO, IMAGEM, ORIFÍCIO: PONTUAÇÕES SOBRE O CORPO EM PSICANÁLISE Regina Cibele Serra dos Santos Jacinto Ana Maria Medeiros da Costa Podemos afirmar que o interesse de Lacan pela questão do corpo esteve

Leia mais

Ô MÃE, ME EXPLICA, ME ENSINA, ME DIZ O QUE É FEMININA? nossos tempos não foge à regra. As mulheres, afetadas pela condição de não-todas,

Ô MÃE, ME EXPLICA, ME ENSINA, ME DIZ O QUE É FEMININA? nossos tempos não foge à regra. As mulheres, afetadas pela condição de não-todas, Ô MÃE, ME EXPLICA, ME ENSINA, ME DIZ O QUE É FEMININA? Fernanda Samico Küpper É notória a contribuição que as mulheres sempre deram à engrenagem da psicanálise enquanto campo teórico. Desde Anna O., passando

Leia mais

Novos fundamentos para a psicanálise: Teoria da feminilidade generalizada

Novos fundamentos para a psicanálise: Teoria da feminilidade generalizada Novos fundamentos para a psicanálise: Teoria da feminilidade generalizada 2001 Novos fundamentos para a psicanálise: Teoria da feminilidade generalizada Márcio Peter de Souza Leite Conteúdo Argumento...

Leia mais

IV Congresso Internacional de Psicopatologia Fundamental X Congresso Brasileiro de Psicopatologia Fundamental -2010. Trabalho para Mesa-redonda

IV Congresso Internacional de Psicopatologia Fundamental X Congresso Brasileiro de Psicopatologia Fundamental -2010. Trabalho para Mesa-redonda IV Congresso Internacional de Psicopatologia Fundamental X Congresso Brasileiro de Psicopatologia Fundamental -2010 Trabalho para Mesa-redonda TÍTULO: Amor e ódio na neurose obsessiva: a questão do domínio

Leia mais

DOS ESTUDOS DE GÊNERO ÀS TEORIAS QUEER: DESDOBRAMENTOS DO FEMINISMO E DO MOVIMENTO LGBT NA PSICOLOGIA SOCIAL

DOS ESTUDOS DE GÊNERO ÀS TEORIAS QUEER: DESDOBRAMENTOS DO FEMINISMO E DO MOVIMENTO LGBT NA PSICOLOGIA SOCIAL DOS ESTUDOS DE GÊNERO ÀS TEORIAS QUEER: DESDOBRAMENTOS DO FEMINISMO E DO MOVIMENTO LGBT NA PSICOLOGIA SOCIAL Profª Drª Juliana Perucchi Universidade Federal de Juiz de Fora Desde os primeiros estudos que

Leia mais

ESTUDO SOBRE VIVÊNCIA DO LUTO EM ADOLESCENTES E SUA MANIFESTAÇÃO EM DECORRÊNCIA DO TÉRMINO DE UM RELACIONAMENTO AMOROSO

ESTUDO SOBRE VIVÊNCIA DO LUTO EM ADOLESCENTES E SUA MANIFESTAÇÃO EM DECORRÊNCIA DO TÉRMINO DE UM RELACIONAMENTO AMOROSO ESTUDO SOBRE VIVÊNCIA DO LUTO EM ADOLESCENTES E SUA MANIFESTAÇÃO EM DECORRÊNCIA DO TÉRMINO DE UM RELACIONAMENTO AMOROSO Autoras: Tânia Regina Goia; Maria Luísa Louro de Castro Valente Instituição: Universidade

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DO AMOR MATERNO NA RELAÇÃO MÃE-BEBÊ: REFLEXÕES A PARTIR DA PSICANÁLISE.

A CONSTRUÇÃO DO AMOR MATERNO NA RELAÇÃO MÃE-BEBÊ: REFLEXÕES A PARTIR DA PSICANÁLISE. A CONSTRUÇÃO DO AMOR MATERNO NA RELAÇÃO MÃE-BEBÊ: REFLEXÕES A PARTIR DA PSICANÁLISE. Cléa Maria Ballão Lopes 1 Nos últimos tempos venho trabalhando com gestantes e puérperas, diretamente via atendimento

Leia mais

Os nós e o amor. Silvia Emilia Espósito* Palavras - chave: nós, real, amor, três registros

Os nós e o amor. Silvia Emilia Espósito* Palavras - chave: nós, real, amor, três registros Os nós e o amor Silvia Emilia Espósito* Palavras - chave: nós, real, amor, três registros Aprendemos com Freud que o amor é sempre narcísico, ou seja, não importa de que escolha de objeto se trate, ele

Leia mais

Transferência. Transferência (Conferências Introdutórias à Psicanálise, 1916/17, Teoria Geral das Neuroses) -------

Transferência. Transferência (Conferências Introdutórias à Psicanálise, 1916/17, Teoria Geral das Neuroses) ------- Transferência Transferência (Conferências Introdutórias à Psicanálise, 1916/17, Teoria Geral das Neuroses) ------- Erros na tradução da Imago: 1 Página 505: 5a. linha (de baixo para cima: não consenso,

Leia mais

A TRANSFERÊNCIA NA SALA DE AULA

A TRANSFERÊNCIA NA SALA DE AULA A TRANSFERÊNCIA NA SALA DE AULA BUCK, Marina Bertone Discente do Curso de Psicologia da Faculdade de Ciências da Saúde FASU/ACEG GARÇA/SP BRASIL e-mail: marina.bertone@hotmail.com SANTOS, José Wellington

Leia mais

de pacientes adultos, desde o início as questões relativas à infância nortearam as suas

de pacientes adultos, desde o início as questões relativas à infância nortearam as suas 9 1. PSICANÁLISE DE CRIANÇAS 1.1 Freud: uma criança é abordada Embora a pesquisa original de Freud tenha se desenvolvido a partir da análise de pacientes adultos, desde o início as questões relativas à

Leia mais

Resenha Resenha Psicologia em Revista, Belo Horizonte, v. 8, n. 11, p. 133-135, jun. 2002 131

Resenha Resenha Psicologia em Revista, Belo Horizonte, v. 8, n. 11, p. 133-135, jun. 2002 131 Resenha 131 132 LÉVY, André. Ciências clínicas e organizações sociais. Belo Horizonte: Autêntica, 2001. 224p. Lançado por ocasião do VIII Colóquio Internacional de Psicossociologia e Sociologia Clínica,

Leia mais

A BOCA CALA, O CORPO FALA: VIOLÊNCIA SEXUAL, SEGREDO E PSICANÁLISE.

A BOCA CALA, O CORPO FALA: VIOLÊNCIA SEXUAL, SEGREDO E PSICANÁLISE. A BOCA CALA, O CORPO FALA: VIOLÊNCIA SEXUAL, SEGREDO E PSICANÁLISE. Desde os primeiros passos de Freud em suas investigações sobre o obscuro a respeito do funcionamento da mente humana, a palavra era considerada

Leia mais

Introdução. instituição. 1 Dados publicados no livro Lugar de Palavra (2003) e registro posterior no banco de dados da

Introdução. instituição. 1 Dados publicados no livro Lugar de Palavra (2003) e registro posterior no banco de dados da Introdução O interesse em abordar a complexidade da questão do pai para o sujeito surgiu em minha experiência no Núcleo de Atenção à Violência (NAV), instituição que oferece atendimento psicanalítico a

Leia mais

Márcio Peter de Souza Leite 4 de abril de 1997 PUC

Márcio Peter de Souza Leite 4 de abril de 1997 PUC O Pai em Freud 1997 O Pai em Freud Márcio Peter de Souza Leite 4 de abril de 1997 PUC Conteudo: Pais freudianos... 3 O pai de Dora... 3 O pai de Schreber.... 4 O pai castrador, que é o terceiro em Freud,

Leia mais

A Função do Nome Próprio no Campo do Sujeito

A Função do Nome Próprio no Campo do Sujeito A Função do Nome Próprio no Campo do Sujeito Autor: Felipe Nunes de Lima Bacharel em Psicologia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro. Integrante do Núcleo de Pesquisa: Psicanálise, Discurso e Laço

Leia mais

A CRIANÇA, O ADULTO E O INFANTIL NA PSICANÁLISE. Desde a inauguração da psicanálise, através dos estudos de seu criador Sigmund

A CRIANÇA, O ADULTO E O INFANTIL NA PSICANÁLISE. Desde a inauguração da psicanálise, através dos estudos de seu criador Sigmund A CRIANÇA, O ADULTO E O INFANTIL NA PSICANÁLISE Germano Quintanilha Costa Desde a inauguração da psicanálise, através dos estudos de seu criador Sigmund Freud, a infância se difundiu e se impôs à cultura

Leia mais

A criança, a lei e o fora da lei

A criança, a lei e o fora da lei 1 A criança, a lei e o fora da lei Cristina Drummond Palavras-chave: criança, mãe, lei, fora da lei, gozo. A questão que nos toca na contemporaneidade é a do sujeito às voltas com suas dificuldades para

Leia mais

A tópica lacaniana - simbólico, imaginário, real - e sua relação. com a função paterna

A tópica lacaniana - simbólico, imaginário, real - e sua relação. com a função paterna www.franklingoldgrub.com Édipo 3 x 4 - franklin goldgrub 7º Capítulo - (texto parcial) A tópica lacaniana - simbólico, imaginário, real - e sua relação com a função paterna (Salvo menção expressa em contrário,

Leia mais

Violência Simbólica: possíveis lugares subjetivos para uma criança diante da escolha materna

Violência Simbólica: possíveis lugares subjetivos para uma criança diante da escolha materna Violência Simbólica: possíveis lugares subjetivos para uma criança diante da escolha materna Henrique Figueiredo Carneiro Liliany Loureiro Pontes INTRODUÇÃO Esse trabalho apresenta algumas considerações,

Leia mais

O DESEJO DE SABER: GÊNESE E TRAJETÓRIA.

O DESEJO DE SABER: GÊNESE E TRAJETÓRIA. O DESEJO DE SABER: GÊNESE E TRAJETÓRIA. Mariza P. Porto 1 É preciso ler isto, não com os olhos, não com a memória, mas com a imaginação. (M. de Assis) A psicanálise nos ensina que a pulsão de saber transcende

Leia mais

"Crise ou tentativa de cura? - desafios para uma clínica do sujeito numa enfermaria psiquiátrica". 1

Crise ou tentativa de cura? - desafios para uma clínica do sujeito numa enfermaria psiquiátrica. 1 V Congresso de Psicopatologia Fundamental "Crise ou tentativa de cura? - desafios para uma clínica do sujeito numa enfermaria psiquiátrica". 1 Autora: Lorenna Figueiredo de Souza. Resumo: O trabalho apresenta

Leia mais

NÃO HÁ RAPPORT, RAZÃO, RELAÇÃO SEXUAL

NÃO HÁ RAPPORT, RAZÃO, RELAÇÃO SEXUAL NÃO HÁ RAPPORT, RAZÃO, RELAÇÃO SEXUAL Ana Lúcia Bastos Falcão 1 Desde o início, em seus seminários, Lacan foi bordejando alguns conceitos que deram contorno à afirmação - Não há rapport, razão, relação

Leia mais

das duas estruturas mencionadas verdadeiras irmãs de sangue. Quando Freud (1905/1970) introduz o aforismo que a neurose é o negativo da

das duas estruturas mencionadas verdadeiras irmãs de sangue. Quando Freud (1905/1970) introduz o aforismo que a neurose é o negativo da O GOZO E SEUS DESDOBRAMENTOS NA CLÍNICA DA HISTERIA E DA PERVERSÃO Marco Aurélio de Carvalho Silva Vivian Ligeiro Partindo da relação de parentesco entre a histeria e a perversão, resolvemos abordar a

Leia mais

Ser mãe hoje. Cristina Drummond. Palavras-chave: família, mãe, criança.

Ser mãe hoje. Cristina Drummond. Palavras-chave: família, mãe, criança. Ser mãe hoje Cristina Drummond Palavras-chave: família, mãe, criança. Hoje em dia, a diversidade das configurações familiares é um fato de nossa sociedade. Em nosso cotidiano temos figuras cada vez mais

Leia mais

Freud, S. Inibições, sintomas e ansiedade (1925). Em: Obras completas. Rio de Janeiro: Imago, 1969. 2

Freud, S. Inibições, sintomas e ansiedade (1925). Em: Obras completas. Rio de Janeiro: Imago, 1969. 2 DAR CORPO AO SINTOMA NO LAÇO SOCIAL Maria do Rosário do Rêgo Barros * O sintoma implica necessariamente um corpo, pois ele é sempre uma forma de gozar, forma substitutiva, como Freud bem indicou em Inibição,

Leia mais

Os princípios da prática analítica com crianças

Os princípios da prática analítica com crianças Os princípios da prática analítica com crianças Cristina Drummond Palavras-chave: indicação, tratamento, criança, princípios. As indicações de um tratamento para crianças Gostaria de partir de uma interrogação

Leia mais

Apresentação. Acompanho os acontecimentos relativos à sexualidade

Apresentação. Acompanho os acontecimentos relativos à sexualidade A Apresentação Acompanho os acontecimentos relativos à sexualidade desde 1966, ano da minha graduação na faculdade de Medicina. É difícil imaginar outro período de tempo assim curto no qual tenham ocorrido

Leia mais

O REAL DA LÍNGUA O REAL DA HISTÓRIA considerações a partir do texto La Lengua de Nunca Acabar. Pêcheux e Gadet (1987)

O REAL DA LÍNGUA O REAL DA HISTÓRIA considerações a partir do texto La Lengua de Nunca Acabar. Pêcheux e Gadet (1987) O REAL DA LÍNGUA O REAL DA HISTÓRIA considerações a partir do texto La Lengua de Nunca Acabar. Pêcheux e Gadet (1987) Blanca de Souza Viera MORALES (UFRGS) Para Pêcheux e Gadet a lingüística não pode reduzir-se

Leia mais

Psicanálise. Boa Tarde! Psicanálise 26/09/2015. Pontifícia Universidade Católica de Goiás Psicologia Jurídica Prof.ª Ms.

Psicanálise. Boa Tarde! Psicanálise 26/09/2015. Pontifícia Universidade Católica de Goiás Psicologia Jurídica Prof.ª Ms. Boa Tarde! 1 Psicanálise Pontifícia Universidade Católica de Goiás Psicologia Jurídica Prof.ª Ms. Otília Loth Psicanálise Fundada por Sigmund Freud, é uma teoria que estabelece uma complexa estrutura mental

Leia mais

Do sonho do corpo ideal ao masoquismo feminino

Do sonho do corpo ideal ao masoquismo feminino Do sonho do corpo ideal ao masoquismo feminino Lia Novaes Serra Introdução Sabemos que o ensejo por realizar uma operação plástica, que acomete, sobretudo, às mulheres, aparece como uma urgência do feminino

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 39

PROVA ESPECÍFICA Cargo 39 11 PROVA ESPECÍFICA Cargo 39 QUESTÃO 26 Alguns dos desafios às novas formas de acolher e tratar os doentes mentais, a partir das reformas psiquiátricas, são, EXCETO: a) O risco de se tratar dos sintomas,

Leia mais

Contardo Calligaris. Introdução a uma Clínica Diferencial das Psicoses. z Zagodoni. 2 a edição. Editora

Contardo Calligaris. Introdução a uma Clínica Diferencial das Psicoses. z Zagodoni. 2 a edição. Editora Contardo Calligaris Introdução a uma Clínica Diferencial das Psicoses 2 a edição z Zagodoni Editora Copyright 2013 by Contardo Calligaris Todos os direitos desta edição reservados à Zagodoni Editora Ltda.

Leia mais

Aproximação do tema da Transferência na obra de Freud e sua pertinência para o estudo das psicoses

Aproximação do tema da Transferência na obra de Freud e sua pertinência para o estudo das psicoses Aproximação do tema da Transferência na obra de Freud e sua pertinência para o estudo das psicoses Palavras-chave: Transferência; Neurose de Transferência; Tratamento da Psicose; Psicanálise com crianças.

Leia mais

A palavra que humaniza o desejo

A palavra que humaniza o desejo 1 A palavra que humaniza o desejo Cristina Drummond Palavras-chave: pai, desejo, criança, Gide. Proponho tomarmos o caso Amâncio como um paradigma da função do romance familiar para a amarração de um sujeito.

Leia mais

Titulo do Trabalho: Fundamentação da metodologia de pesquisa teórica em

Titulo do Trabalho: Fundamentação da metodologia de pesquisa teórica em Titulo do Trabalho: Fundamentação da metodologia de pesquisa teórica em psicanálise Autor: Érico Campos RESUMO Este trabalho discute questões gerais envolvidas na leitura de textos e discursos nas ciências

Leia mais

As vicissitudes da repetição

As vicissitudes da repetição As vicissitudes da repetição As vicissitudes da repetição Breno Ferreira Pena Resumo O objetivo deste trabalho é explorar o conceito de repetição em psicanálise. Para tanto, o autor faz uma investigação

Leia mais

Palavras chave: Desamparo, mãe, feminilidade, infância, objeto a.

Palavras chave: Desamparo, mãe, feminilidade, infância, objeto a. A FILHA ENTRE A MÃE E A MULHER Cláudia Regina de Oliveira Mestranda em Pesquisa e Clínica em Psicanálise da UERJ Leila Guimarães Lobo de Mendonça Mestranda em Pesquisa e Clínica em Psicanálise da UERJ

Leia mais

QUANDO AMAR É DAR AQUILO QUE SE TEM...

QUANDO AMAR É DAR AQUILO QUE SE TEM... QUANDO AMAR É DAR AQUILO QUE SE TEM... Adelson Bruno dos Reis Santos adelsonbruno@uol.com.br Mestrando em Psicologia - IP/UFRJ; Bolsista CAPES; Membro do CLINP-UFRJ/CNPq (Grupo de Pesquisa Clínica Psicanalítica);

Leia mais

Latusa Digital ano 3 Nº 24 setembro de 2006

Latusa Digital ano 3 Nº 24 setembro de 2006 Latusa Digital ano 3 Nº 24 setembro de 2006 Filho, não vês que estou queimando! Ondina Maria Rodrigues Machado * Fui a Salvador para o XV Encontro Brasileiro do Campo Freudiano, mas não só para isso. Fui

Leia mais

Durante toda sua vida, Anna Freud ocupou-se com a psicanálise, dando especial

Durante toda sua vida, Anna Freud ocupou-se com a psicanálise, dando especial 30 1. 3. Anna Freud: o analista como educador Durante toda sua vida, Anna Freud ocupou-se com a psicanálise, dando especial ênfase ao desenvolvimento teórico e terapêutico da psicanálise de crianças. Sua

Leia mais

Representações sociais da diferença: sexualidade e deficiência mental

Representações sociais da diferença: sexualidade e deficiência mental Representações sociais da diferença: sexualidade e deficiência mental ANA TERESA A. VENANCIO * GIAMI, Alain. O anjo e a fera: sexualidade, deficiência mental e instituição. São Paulo: Casa do Psicólogo,

Leia mais

A dissecção da personalidade psíquica

A dissecção da personalidade psíquica A dissecção da personalidade psíquica Comentários sobre A dissecção da personalidade psíquica (Conferência número XXXI das Novas Conferências Introdutórias à Psicanálise, volume XXII das Obras Completas

Leia mais

MECANISMOS DE DEFESA

MECANISMOS DE DEFESA 1 MECANISMOS DE DEFESA José Henrique Volpi O Ego protege a personalidade contra a ameaça ruim. Para isso, utilizase dos chamados mecanismos de defesa. Todos estes mecanismos podem ser encontrados em indivíduos

Leia mais

Trabalhando a convivência a partir da transversalidade

Trabalhando a convivência a partir da transversalidade PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade Trabalhando a convivência a partir da transversalidade Cristina Satiê de Oliveira Pátaro 1 Ricardo Fernandes Pátaro 2 Já há alguns

Leia mais

O corpo para a psicanálise: notas sobre inibição e psicossomática. 1

O corpo para a psicanálise: notas sobre inibição e psicossomática. 1 O corpo para a psicanálise: notas sobre inibição e psicossomática. 1 Miriam A. Nogueira Lima 2 1ª - O corpo para a psicanálise é o corpo afetado pela linguagem. Corpo das trocas, das negociações. Corpo

Leia mais

CORPOLINGUAGEM E MOVIMENTO: UMA PROPOSTA DE TRABALHO CORPORAL PARA CRIANÇAS À LUZ DA PSICANÁLISE

CORPOLINGUAGEM E MOVIMENTO: UMA PROPOSTA DE TRABALHO CORPORAL PARA CRIANÇAS À LUZ DA PSICANÁLISE CORPOLINGUAGEM E MOVIMENTO: UMA PROPOSTA DE TRABALHO CORPORAL PARA CRIANÇAS À LUZ DA PSICANÁLISE Nathalia Leite Gatto Nota-se que as disciplinas ligadas ao movimento na educação infantil, tanto curriculares

Leia mais

A FAMÍLIA, SEGUNDO A ANÁLISE PSICO-ORGÂNICA

A FAMÍLIA, SEGUNDO A ANÁLISE PSICO-ORGÂNICA A FAMÍLIA, SEGUNDO A ANÁLISE PSICO-ORGÂNICA Delfina Pimenta Professora de Graduação e de Pós-Graduação em Psicomotricidade, Psicóloga, Psicomotricista e Psicoterapeuta Corporal formada pela EFAPO/CEBRAFAPO

Leia mais

Desdobramentos: A mulher para além da mãe

Desdobramentos: A mulher para além da mãe Desdobramentos: A mulher para além da mãe Uma mulher que ama como mulher só pode se tornar mais profundamente mulher. Nietzsche Daniela Goulart Pestana Afirmar verdadeiramente eu sou homem ou eu sou mulher,

Leia mais

Unidade II TEORIAS PSICOLÓGICAS. Profa. Dra. Mônica Cintrão França Ribeiro

Unidade II TEORIAS PSICOLÓGICAS. Profa. Dra. Mônica Cintrão França Ribeiro Unidade II TEORIAS PSICOLÓGICAS DO DESENVOLVIMENTO Profa. Dra. Mônica Cintrão França Ribeiro Ementa Estudo do desenvolvimento do ciclo vital humano a partir de diferentes teorias psicológicas. Compreender

Leia mais

GRUPO DE ESTUDOS: TRANSFERÊNCIA:- HISTÓRIAS DE (DES)AMOR SUELI SOUZA DOS SANTOS. 3º Encontro - 31 de agosto 2015. No começo era o amor (Cap.

GRUPO DE ESTUDOS: TRANSFERÊNCIA:- HISTÓRIAS DE (DES)AMOR SUELI SOUZA DOS SANTOS. 3º Encontro - 31 de agosto 2015. No começo era o amor (Cap. GRUPO DE ESTUDOS: TRANSFERÊNCIA:- HISTÓRIAS DE (DES)AMOR SUELI SOUZA DOS SANTOS 3º Encontro - 31 de agosto 2015 No começo era o amor (Cap.I) No primeiro capítulo do Livro 8, Lacan (1960-1961) inicia com

Leia mais

MIGUEL, L. F.; BIROLLI, F. Feminismo e política: uma introdução. São Paulo: Boitempo, 2014

MIGUEL, L. F.; BIROLLI, F. Feminismo e política: uma introdução. São Paulo: Boitempo, 2014 MIGUEL, L. F.; BIROLLI, F. Feminismo e política: uma introdução. São Paulo: Boitempo, 2014 Karen Capelesso 4 O livro Feminismo e política: uma introdução, de Luis Felipe Miguel e Flávia Biroli, se vincula

Leia mais

A PSICANÁLISE E OS MODERNOS MOVIMENTOS DE AFIRMAÇÃO HOMOSSEXUAL 1

A PSICANÁLISE E OS MODERNOS MOVIMENTOS DE AFIRMAÇÃO HOMOSSEXUAL 1 A PSICANÁLISE E OS MODERNOS MOVIMENTOS DE AFIRMAÇÃO HOMOSSEXUAL 1 Este artigo trata da difícil relação entre a teoria psicanalítica, que tradicionalmente considerava os comportamentos eróticos entre pessoas

Leia mais

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido 1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido No estudo da Comunicação, a publicidade deve figurar como um dos campos de maior interesse para pesquisadores e críticos das Ciências Sociais e Humanas.

Leia mais

Devastação: um nome para dor de amor Gabriella Dupim e Vera Lopes Besset

Devastação: um nome para dor de amor Gabriella Dupim e Vera Lopes Besset Opção Lacaniana online nova série Ano 2 Número 6 novembro 2011 ISSN 2177-2673 Gabriella Dupim e Vera Lopes Besset No início da experiência analítica, foi o amor, diz Lacan 1 parafraseando a fórmula no

Leia mais

1 A feminilidade e a inveja do pênis em Freud

1 A feminilidade e a inveja do pênis em Freud 1 A feminilidade e a inveja do pênis em Freud (...) De acordo com sua natureza peculiar, a psicanálise não tenta descrever o que é a mulher - seria esta uma tarefa difícil de cumprir -, mas se empenha

Leia mais

Canguilhem e as ciências da vida

Canguilhem e as ciências da vida Canguilhem e as ciências da vida 679 CANGUILHEM, G. Estudos de História e de Filosofia das Ciências: concernentes aos vivos e à vida Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2012 1 Lizandro Lui 1 Instituto

Leia mais

Angústia e sexualidade masculina

Angústia e sexualidade masculina Angústia e sexualidade masculina Palavras-chave: angústia, falo, órgão real, virilidade Sérgio Laia * Em psicanálise, a associação entre angústia e sexualidade masculina é geralmente abordada a partir

Leia mais

CONTEMPORANEIDADE. Palavras-chave: pai, interdição do incesto, Lei, complexo de Édipo, contemporaneidade, psicanálise.

CONTEMPORANEIDADE. Palavras-chave: pai, interdição do incesto, Lei, complexo de Édipo, contemporaneidade, psicanálise. A FUNÇÃO DO PAI NA INTERDIÇÃO E NA LEI: UMA REFLEXÃO SOBRE IDENTIFICAÇÃO E VIOLÊNCIA NA CONTEMPORANEIDADE. Jamille Mascarenhas Lima Psicóloga, Universidade Federal da Bahia. Especialista em psicomotricidade,

Leia mais

JOSIANE KAPP KOPEZINSKI ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A FEMINILIDADE E O DESEJO DA MULHER IJUÍ, JANEIRO, 2014.

JOSIANE KAPP KOPEZINSKI ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A FEMINILIDADE E O DESEJO DA MULHER IJUÍ, JANEIRO, 2014. 0 JOSIANE KAPP KOPEZINSKI ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A FEMINILIDADE E O DESEJO DA MULHER IJUÍ, JANEIRO, 2014. 1 UNIJUÍ UNIVERSIDADE REGIONAL DO NOROESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL DEPARTAMENTO DE

Leia mais

Os ritos de iniciação: Identidades femininas e masculinas e estruturas de poder

Os ritos de iniciação: Identidades femininas e masculinas e estruturas de poder Os ritos de iniciação: Identidades femininas e masculinas e estruturas de poder Por Conceição Osório Este texto foi apresentado num encontro que teve lugar em Maputo, em 2015, com parceiros da CAFOD (agência

Leia mais

Judith Sonja Garbers Psicóloga Jörg Garbers Ms. De Teologia

Judith Sonja Garbers Psicóloga Jörg Garbers Ms. De Teologia A Discussão sobre Homofobia Como se posicionar Judith Sonja Garbers Psicóloga Jörg Garbers Ms. De Teologia Introdução Os homossexuais...?! A polarização Simplesmente tudo é lícito e Deus ama tudo. Tudo

Leia mais

MOURA, Marisa Decat de (ORG). Psicanálise e hospital: a criança e sua dor. Revinter: Rio de Janeiro, 1999.

MOURA, Marisa Decat de (ORG). Psicanálise e hospital: a criança e sua dor. Revinter: Rio de Janeiro, 1999. MOURA, Marisa Decat de (ORG). Psicanálise e hospital: a criança e sua dor. Revinter: Rio de Janeiro, 1999. Prefácio Só as crianças têm segredos, Dos quais mais tarde já nem lembram! A dor talvez é um deles.

Leia mais

O Impossível da maternidade em um caso de devolução da criança a ser adotada: interface entre a infertilidade e a feminilidade.

O Impossível da maternidade em um caso de devolução da criança a ser adotada: interface entre a infertilidade e a feminilidade. O Impossível da maternidade em um caso de devolução da criança a ser adotada: interface entre a infertilidade e a feminilidade Maria Luiza de Assis Moura Ghirardi 1 Resumo A partir da escuta clínica de

Leia mais

Impasses na clínica psicanalítica: a invenção da subjetividade

Impasses na clínica psicanalítica: a invenção da subjetividade Estados Gerais da Psicanálise: Segundo Encontro Mundial, Rio de Janeiro 2003 Impasses na clínica psicanalítica: a invenção da subjetividade Teresa Pinheiro Regina Herzog Resumo: A presente reflexão se

Leia mais

Um olhar psicanalítico sobre o Transtorno de Stress Pós-Traumático

Um olhar psicanalítico sobre o Transtorno de Stress Pós-Traumático Um olhar psicanalítico sobre o Transtorno de Stress Pós-Traumático Fernando Del Guerra Prota O presente trabalho surgiu das questões trabalhadas em cartel sobre pulsão e psicossomática. Não se trata de

Leia mais

A estrutura de linguagem: Era uma vez, um não

A estrutura de linguagem: Era uma vez, um não DESMENTIDO Jairo Gerbase A estrutura de linguagem: Era uma vez, um não Os axiomas Poderíamos nomear [S( Α )] de primeiro não. Em primeiro lugar, no sentido de era uma vez, no sentido mítico, histórico,

Leia mais

Comentários sobre. dissolução do complexo de Édipo. (Volume XIX das Obras Completas ano de publicação: 1924)

Comentários sobre. dissolução do complexo de Édipo. (Volume XIX das Obras Completas ano de publicação: 1924) A dissolução do complexo de Édipo Comentários sobre A dissolução do complexo de Édipo (Volume XIX das Obras Completas ano de publicação: 1924) Em extensão sempre crescente, o complexo de Édipo revela sua

Leia mais

Transformações na intimidade no século XXI

Transformações na intimidade no século XXI Transformações na intimidade no século XXI Sissi Vigil Castiel* A clínica de anos atrás era freqüentada principalmente por mulheres que vinham por desventuras amorosas, por não entenderem o que os homens

Leia mais

Há ou não um ato sexual? 1

Há ou não um ato sexual? 1 Opção Lacaniana online nova série Ano 5 Número 13 março 2014 ISSN 2177-2673 Há ou não um ato sexual? 1 Patrícia Badari Um, dois, três..., uma série de homens, uma série de encontros sexuais é o que ouvimos

Leia mais

TEMAS TRANSVERSAIS DOS PCNs: o que ensinar sobre gênero e sexualidade?

TEMAS TRANSVERSAIS DOS PCNs: o que ensinar sobre gênero e sexualidade? Maria de Fátima da Cunha. UEL/Londrina. Docente TEMAS TRANSVERSAIS DOS PCNs: o que ensinar sobre gênero e sexualidade? Para Tomaz Tadeu da Silva, as narrativas dos currículos podem, explícita ou implicitamente,

Leia mais

Douglas Daniel de Amorim A PSICANÁLISE E O SOCIAL

Douglas Daniel de Amorim A PSICANÁLISE E O SOCIAL Douglas Daniel de Amorim A PSICANÁLISE E O SOCIAL Belo Horizonte 1999 INTRODUÇÃO A Psicologia Comunitária tem sido um dos campos onde a Psicologia tem tido um expressivo crescimento. Trabalhar em comunidades

Leia mais