UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIRURGIA TRANSLACIONAL MARCELO DE OLIVEIRA E SILVA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIRURGIA TRANSLACIONAL MARCELO DE OLIVEIRA E SILVA"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIRURGIA TRANSLACIONAL MARCELO DE OLIVEIRA E SILVA MEDULA ÓSSEA ASSOCIADA AO ENXERTO ÓSSEO XENÓGENO NA REGENERAÇÃO ÓSSEA GUIADA EM CALVÁRIA DE COELHOS São Paulo 2014

2 Silva, Marcelo Oliveira e Medula Óssea Associada ao Enxerto Xenógeno na Regeneração Óssea Guiada em Calvária de Coelhos / Marcelo de Oliveira e Silva. São Paulo, f. Tese (Mestrado) Universidade Federal de São Paulo. Programa de Pós-Graduação em Cirurgia Translacional. São Paulo, Orientadora: Profª Dra. Lydia Masako Ferreira Título em Inglês: Bone Marrow Associated with Bone Xenograft in Bone Guided Regeneration in Rabbits Calvária 1. Medula óssea. 2. Coelhos. 3. Enxerto Ósseo

3 MARCELO DE OLIVEIRA E SILVA MEDULA ÓSSEA ASSOCIADA AO ENXERTO ÓSSEO XENÓGENO NA REGENERAÇÃO ÓSSEA GUIADA EM CALVÁRIA DE COELHOS Dissertação apresentada à Universidade Federal de São Paulo para obtenção do Título de Mestre em Ciências Coordenador: Prof. Dr. Miguel Sabino Neto Orientadora: Profª.Dra. Lydia Masako Ferreira Co-orientadores: Prof. André Antonio Pelegrine e Prof. Antonio Carlos Aloise São Paulo 2014

4 Nome: SILVA, Marcelo Oliveira e Título: Medula Óssea Associada ao Enxerto Xenógeno na Regeneração Óssea Guiada em Calvária de Coelhos Dissertação apresentada à Universidade Federal de São Paulo para obtenção do Título de Mestre em Ciências Aprovado em: Banca Examinadora Prof. Dr. Instituição Julgamento Assinatura Prof. Dr. Instituição Julgamento Assinatura Prof. Dr. Instituição Julgamento Assinatura

5 DEDICATÓRIA Aos meus pais, por terem me transmitido seus valores éticos e morais. Ao meu pai e amigo, João Henrique de Oliveira e Silva, exemplo de cidadão e médico, meu inspirador na escolha pela medicina. Ao meu irmão e mestre, Julio de Oliveira e Silva, pela minha formação como cirurgião. Ao Professor Ivo Pitanguy, pelos ensinamentos na cirurgia plástica. À Professora e amiga, Lydia Masako Ferreira, pelo incentivo ao ingresso na vida acadêmica, apresentando sua importância e seus valores. Aos meus familiares e amigos que me apoiaram e, de forma generosa, entenderam os meus momentos de ausência. À minha amiga Izabel Offrede, por estar ao meu lado participando da minha caminhada profissional.

6 AGRADECIMENTOS À Professora Dra. Lydia Masako Ferreira, Professora Titular do Departamento de Cirurgia Plástica e Orientadora do Programa de Pós-Graduação em Cirurgia Translacional (UNIFESP-EPM) e Orientadora desta tese, pelos ensinamentos e dedicação à minha formação como pesquisador. Ao Professor André Antonio Pelegrine, Co-orientador, que esteve sempre presente contribuindo com seus ensinamentos para esta tese e que, com muita gentileza, preparou-me para a vida acadêmica. Ao Professor Antonio Carlos Aloise, Co-orientador do Programa de Pós-Graduação em Cirurgia Translacional da Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP) que, de forma amiga e absolutamente desprendida, sempre dedicou seu tempo e energia para a realização deste projeto. A todos os colegas do programa de pós-graduação em Cirurgia Translacional e do grupo de pesquisa do Laboratório de Cultura de Células da disciplina de Cirurgia Plástica da UNIFESP, pela amizade durante todos estes anos. Às Secretárias, Sandra da Silva, Marta Rejane e Silvana Aparecida de Assis, da disciplina de Cirurgia Plástica (UNIFESP-EPM), pela assistência e atenção prestadas desde o meu ingresso no programa de pós-graduação.

7 "A educação é a arma mais poderosa que temos para mudar o mundo." Nelson Mandela

8 RESUMO Introdução: A reconstrução óssea de áreas consideradas críticas pode ser realizada com o uso de biomateriais substitutos do tecido ósseo como, por exemplo, os materiais xenógenos, porém sabe-se que uma das limitações destes materiais é a sua incapacidade de ser osteogênico. De outra forma, frequentemente nestes procedimentos são utilizadas membranas ou barreiras teciduais, caracterizando uma regeneração óssea guiada, com o intuito de se obter resultados com maior previsibilidade. Objetivo: Avaliar a associação do aspirado de medula óssea a um enxerto ósseo xenógeno na técnica de regeneração óssea guiada em calvária de coelhos. Métodos: Dez coelhos foram distribuídos aleatoriamente em dois grupos com cinco animais cada. Vinte defeitos ósseos críticos bilaterais, com diâmetro de 12 milímetros, foram criados nos ossos parietais. Foram preenchidos com xenoenxerto ósseo, associado ou não à medula óssea, e sempre um dos defeitos em cada animal realizado de forma aleatória, recoberto por uma membrana de colágeno, formando assim os seguintes grupos: grupo controle com membrana (GC CM), grupo controle sem membrana (GC SM), grupo experimental com membrana (GE CM) e grupo experimental sem membrana (GE SM). Os coelhos foram eutanasiados oito semanas após a cirurgia e, em seguida, as suas calvárias foram removidas e analisadas por tomografia computadorizada. Na sequência, os ossos parietais foram removidos e as áreas de enxertia foram selecionadas e analisadas histologicamente por histomorfometria. Resultados: A tomografia mostrou uma menor área de defeito ósseo remanescente (p<0,05) no grupo experimental coberto com membrana de colágeno (56,46 ± 9,05 mm 2 ), quando comparado com o grupo controle, com e sem membrana (68,01 ± 2,86 mm 2 e 72,64 ± 5,59 mm 2, respectivamente). A histomorfometria não mostrou diferença entre os grupos (p> 0,05) em relação à área de tecido mineralizado não vital. Para a área de tecido mineralizado vital, o grupo experimental coberto com membrana obteve uma área maior (21,16 ± 3,76% ), quando comparado com o grupo controle, com e sem membrana (12,78 ± 5,9% e 6,31 ± 1,29%, respectivamente) (p <0,05 ). Para a área de tecido não mineralizado, o grupo experimental coberto com membrana obteve uma área menor (20,29 ± 4,17%), quando comparado com o grupo controle, com e sem membrana ( 67,95 ± 7,03% e 81,41 ± 3,25%, respectivamente) (p <0,05). Conclusão: A associação do aspirado de medula óssea a um enxerto xenógeno na regeneração óssea guiada em calvária de coelhos, aumentou significativamente a quantidade de tecido mineralizado vital, bem como diminuiu significativamente a quantidade de tecido não mineralizado. Palavras-chave: Medula óssea. Regeneração óssea. Transplante de células. Células estromais.

9 ABSTRACT Objective: The aim of this study was to evaluate the bone healing after the usage of a scaffold enriched with bone marrow. Methods: Ten rabbits were randomly divided into 2 groups of 5 animals. Bilateral 12 mm diameter defects were created in the parietal bones. In control group Bio-Oss were inserted in both defects and, in experimental group, xenograft enriched with autologous bone marrow were inserted in both defects. In these two groups, one of the calvarial defects was randomly covered with collagen membrane. The rabbits were sacrified 8 weeks after surgery, their heads were removed and analysed by CT. Then, their parietal bones were harvested and analysed by histomorphometrics. Results: The CT showed a lower remaining defect area (p<0.05) in the experimental group covered with collagen membrane ( mm2) when compared with control group, with and without xenograft ( mm2 and mm2, respectively). The histomorphometrics showed no difference between groups (p>0.05) regarding the non-vital mineralized tissue area. For vital mineralized tissue area, the experimental group covered with membrane obtained a higher percentage area ( %) when compared with control group, with and without membrane ( % and %, respectively) (p<0.05). For non-mineralized tissue area, the experimental group covered with membrane obtained a lower percentage area ( %) when compared with control group, with and without membrane ( % and %, respectively) (p<0.05). Conclusion: The combination of aspirate a xenogeneic bone graft for guided bone regeneration in rabbit calvaria, bone marrow significantly increased the amount of living mineralized tissue, as well as significantly reduced the amount of non-mineralized tissue. Key Words: Bone marrow. Bone regeneration. Cell transplantation. Stromal cells

10 LISTA DE FIGURAS Figura 1. Apresentação comercial do enxerto ósseo particulado Figura 2. Apresentação comercial da membrana de colágeno Figura 3. Introdução da agulha na parte superior da tíbia Figura 4. Seringa plástica heparinizada conectada a agulha para aspiração da medula óssea...27 Figura 5. Incisão para exposição dos ossos parietais Figura 6. Conferência da extensão da incisão Figura 7. Descolamento da pele e do periósteo para exposição dos ossos parietais...30 Figura 8. Posicionamento da broca trefina para realização da craniectomia Figura 9. (a) craniotomia (b) craniectomia Figura 10. Preenchimento dos defeitos ósseos. Um lado com enxerto xenógeno e o outro com enxerto xenógeno e cobertura da membrana de colágeno...31 Figura 11. Posicionamento da caixa de acrílico no aparelho de tomografia...32 Figura 12. Marcação dos parâmetros no software Xoran (USA) para determinação da área remanescentes dos defeitos ósseos após aquisição das imagens pelo tomógrafo...33 Figura 13. Fragmento ósseo do osso parietal removido da calvária após o exame Tomográfico...34 Figura 14. Aspecto da fotomicrografia de uma lâmina histológica sendo avaliada pelo software Infinity Analyse...35

11 LISTA DE TABELAS Tabela 1. Valores das médias das áreas de defeito ósseo remanescente expressa em mm² verificada no exame tomográfico das calvárias dos coelhos. Teste de ANOVA one way com correção de Tukey onde os valores considerados significantes de p (<0,05) foram assinalados por (*)...36 Tabela 2. Valores das médias expressas em porcentagem de área de tecido mineralizado vital (TMV) nos GC SM: grupo controle sem membrana; GC CM: grupo controle com membrana; GE SM: grupo experimental sem membrana; GE CM: grupo experimental com membrana Teste de ANOVA one way com correção de Tukey onde os valores considerados significantes de p (<0,05) foram assinalados por (*)...36 Tabela 3. Valores das medias expressas em porcentagem de área de tecido não mineralizado (TNM) nos GC SM: grupo controle sem membrana; GC CM: grupo controle com membrana GE SM: grupo experimental sem membrana; GE CM: grupo experimental com Membrana Teste de ANOVA one way com correção de Tukey onde os valores considerados significantes de p (<0,05) foram assinalados por (*)...37 Tabela 4. Valores das médias expressas em porcentagem de tecido mineralizado não vital (TMNV) nos GC SM: grupo controle sem membrana; GC CM: grupo controle com membrana; GE SM: grupo experimental sem membrana; GE CM: grupo experimental com Membrana Teste de ANOVA one way com correção de Tukey onde os valores considerados significantes de p (<0,05) foram assinalados por (*)...37 Tabela 5. Valores das médias expressas em porcentagem do GC SM: grupo controle sem membrana; GC CM: grupo controle com membrana GE SM: grupo experimental sem membrana; GE CM: grupo experimental com membrana; TMNV: tecido mineralizado não vital; TMV: tecido mineralizado vital; TMN tecido não mineralizado Teste ANOVA one way com correção pelo teste de Tukey (*)...38

12 LISTA DE ABREVIATURAS E SÍMBOLOS ad libitum CTMVT EDTA g h IM Kg Mg Microg ml mm TMNV TMV TNM à vontade contato tecido mineralizado vital titânio ácido etilenodiamino tetra-acético força centrífuga altura intra muscular kilograma miligrama micrograma mililitros milímetros tecido mineralizado não vital tecido mineralizado vital tecido não mineralizado

13 SUMÁRIO RESUMO ABSTRACT LISTA DE FIGURAS LISTA DE TABELAS LISTA DE ABREVIATURAS E SÍMBOLOS 1. INTRODUÇÃO OBJETIVO LITERATURA MÉTODOS DESENHO DE ESTUDO AMOSTRA MATERIAIS DELINEAMENTO EXPERIMENTAL ETAPAS EXPERIMENTAIS Coleta do Aspirado de Medula Óssea Protocolo Cirúrgico SERVIÇOS AUXILIARES Análise Tomográfica Análise Histológica Análise Histomorfométrica Análise Estatística RESULTADOS DISCUSSÃO CONCLUSÃO REFERÊNCIAS FONTES CONSULTADAS NORMAS ADOTADAS...51 APÊNDICES...52

14

15 12 1. INTRODUÇÃO Os defeitos ósseos decorrentes de fatores extrínsecos ou intrínsecos, como trauma e tumores são comuns e, ainda hoje, o seu tratamento representa um desafio. Estes tratamentos podem ser instituídos por diferentes métodos, sendo a enxertia óssea autóloga o mais utilizado, devido a seu potencial osteogênico, osteoindutor e osteocondutor (URIST, 1965; PROLO & RODRIGO, 1985; JENSEN et al., 2011). O procedimento para a remoção do enxerto autólogo repercute na necessidade de uma intervenção com duas ou mais regiões cirúrgicas, elevando o trauma cirúrgico, o custo e a morbidade pós operatória (PELEGRINE et al., 2010). Com isso, substitutos homólogos, sintéticos e xenógenos vêm sendo estudados e disponibilizados para reposição óssea (SZABÓ et al., 2005; ROTHAMEL et al., 2009; PELEG et al., 2010). Apesar da aceitação desta técnica, devido a simplificação da sua utilização, estes biomateriais ainda apresentam limitações mecânicas e biológicas, principalmente quanto às suas propriedades osteogênicas e baixo potencial osteoindutor. A reconstrução óssea minimamente traumática está vinculada ao uso de biomateriais substitutos ósseos e visa à abertura de um horizonte cirúrgico. Porém, frequentemente, faz-se necessária a associação de membranas ou barreiras teciduais. As membranas, reabsorvíveis ou não, oferecem uma barreira mecânica com o intuito de impedir a migração de células dos tecidos moles ao redor da região enxertada, favorecendo a qualidade do osso neoformado (PARRISH et al., 2009). A utilização de um enxerto ósseo associado ao uso de uma membrana caracteriza a técnica de regeneração óssea guiada (ROG). Juntamente à técnica de regeneração tecidual, os estudos envolvendo as células tronco mesenquimais adultas demonstram um grande potencial de diferenciação osteogênica, condrogênica e adipogênica (HASEGAWA et al., 2006; PIERI et al., 2009; PELEGRINE et al., 2010; COSTA et al., 2011). Atualmente, estão sendo desenvolvidas metodologias embasadas na utilização conjunta da terapia com biomateriais xenógenos e células tronco mesenquimais adultas (PELEGRINE et al.,2014). Estas terapias podem passar: (1) por procedimentos simples, como a associação de medula óssea in natura; (2) por procedimentos de mediana complexidade, como a concentração da fração de células mononucleares da medula óssea; ou (3) por procedimentos de isolamento e cultura celular (PELEGRINE et al., 2014). O cultivo das células tronco mesenquimais adultas possibilita o uso de um maior número de células osteoprogenitoras específicas, porém demanda maior tempo de

16 13 processamento envolvendo a coleta, cultivo e reimplantação, o que gera maior custo, além da dificuldade operacional, aumentando, assim, o risco de contaminação. A metodologia para a concentração das células tronco mesenquimais adultas da medula óssea, apesar de elevar a quantidade de células tronco e fatores de crescimento envolvidos, também necessita de um protocolo de execução relativamente complexo (YAMAMOTO et al., 2002; YAMADA et al., 2008; SAKAI et al., 2008; SAUERBIER et al., 2009; KIM et al., 2009; STOCKMAN et al., 2011). A utilização do aspirado de medula óssea, apesar de resultar em um número menor de células tronco mesenquimais adultas quando comparada às técnicas de concentração e cultura celular, vem sendo utilizada conjuntamente a procedimentos de enxertia óssea devido à facilidade de execução técnica, rapidez trans-operatória, rápida recuperação do paciente e esta associada a uma menor morbidade. Devido ao carreamento dos arcabouços mecânicos com um conjunto heterogêneo de células, uma neoformação óssea é obtida quando comparada à utilização apenas do coágulo sanguíneo (PLENK et al., 1972; PELEGRINE et al., 2010). As células derivadas dos tecidos enxertados e da região receptora, para desempenharem a função de produzir tecido ósseo, necessitam de uma propriedade específica dos biomateriais ósseos, que é a sua estrutura física responsável pelo suporte das células. A forma de como estes biomateriais desempenham a função de arcabouço também é uma das características que os diferencia. Desta forma, os enxertos xenógenos estão sendo cada vez mais considerados para a terapia celular do tecido ósseo, pois podem fornecer esta sustentação mecânica, tanto quanto na apresentação particulada, quanto na apresentação em blocos (PIATTELLI et al., 1999; TRAINI et al., 2007). Assim, este estudo propõe a avaliação do uso do aspirado de medula óssea, associada a enxertos xenógenos e membranas de colágeno em defeitos ósseos na calvária de coelhos.

17 14 2. OBJETIVO Avaliar a associação da medula óssea ao enxerto xenógeno na regeneração óssea guiada em calvária de coelhos.

18 15 3. LITERATURA GUPTA et al. (1982) investigaram o papel de implantes ósseos xenógenos descalcificados, desengordurados e impregnados com medula fresca autóloga para regenerar grandes defeitos ósseos corticais. Os enxertos ósseos corticais foram obtidos a partir de cirurgias ortopédicas nas diáfises de seres humanos e de porcos-da-índia e preparados com acetona, ácido clorídrico e etanol. Os enxertos foram utilizados para regenerar defeitos de três centímetros na diáfise da ulna de coelhos. A medula óssea fresca foi adicionada aos xenoenxertos e avaliações periódicas foram feitas clínica, radiográfica e histologicamente e por marcação por tetraciclina. Uma neoformação óssea abundante foi observada em 85,7% dos xenoenxertos humanos e em 83,3% dos xenoenxertos de cobaia. Os autores concluíram que o potencial osteo-indutor da medula autóloga foi responsável pela regeneração dos defeitos auxiliados pelo melhor meio tecidual fornecido pela remoção da gordura dos xenoimplantes descalcificados. PALEY et al. (1986) testaram em rádio de coelhos a efetividade da injeção percutânea de medula óssea fresca no reparo de fraturas ósseas e no volume e resistência à fratura da área de regeneração óssea. Os autores aplicaram em defeitos ósseos bilaterais, em um mesmo coelho, medula óssea ou solução salina de forma randomizada. Após o período de duas semanas, foi observado um aumento do calo ósseo onde foi injetado a medula óssea em comparação à solução salina. Os exames radiográficos e histológicos confirmaram a melhor regeneração óssea nas regiões enxertadas com medula óssea. Desta maneira, os autores concluíram que o uso da técnica de enxertia de medula óssea, via injeção percutânea, foi considerada um método minimamente invasivo com resultados satisfatórios. CONNOLY et al. (1989) compararam a utilização da medula óssea in natura com o uso da fração estromal da medula, obtida por centrifugação na regeneração óssea em coelhos. A implantação da medula in natura e a fração estromal foi realizada em regiões ortotópicas e ectópicas de coelhos e, após um período de cinco semanas, os autores observaram um aumento na deposição de cálcio, com um crescimento da regeneração óssea nas regiões onde foi enxertado o concentrado de medula óssea em relação às regiões onde foi implantadosomente o aspirado de medula óssea (medula in natura). WOLLF et al. (1994) avaliaram histomorfometricamente o crescimento ósseo, cartilaginoso e do tecido conjuntivo fibroso em fêmures de ratos. Para isso os autores realizaram defeitos ósseos que foram enxertados com substitutos ósseos de cerâmica composta por hidroxiapatita e fosfato tricálcio ou com fibrometal em titânio, os quais foram

19 16 associados ou não a um aspirado de medula óssea, proveniente dos fêmures dos animais e associado ao colágeno bovino. Os autores verificaram uma quantidade significativamente maior de tecido mineralizado vital nas regiões onde a medula óssea foi associada ao substituto ósseo. MUSCHULER et al. (1997) em seu estudo realizaram a aspirração de quantidades diferentes de medula óssea em trinta e dois pacientes, sendo dezenove homens e treze mulheres. O objetivo foi avaliar o número de unidades formadoras de colónias (UFC-F) positivas para fosfatase alcalina por meio de um teste colorimétrico para fosfatase alcalina. Observou-se que a coleta de quatro mililitros de medula em comparação à de somente um mililitro gerou uma diminuição pela metade das unidades formadoras de colônias positivas para fosfatase alcalina. Desta maneira, os autores confirmaram que aumentar o volume do aspirado acresce proporcionalmente a quantidade de matéria indesejada, concluindo, portanto, que o volume aspirado não deveria exceder dois mililitros. TAKAHASHI et al. (1999) avaliaram a quantidade óssea de alvéolos enxertados com osso autógeno particulado esponjoso, associados à medula óssea para a instalação de implantes em pacientes com fissuras alveolares. Foram avaliadas a altura óssea e a largura óssea interdental ao nível da crista alveolar, utilizando tomografia computadorizada e radiografia periapical. A altura da crista alveolar interdental, segundo os autores, pareceu ser o fator crítico para a cirurgia de implante. Uma grande proporção dos alvéolos enxertados (metade) necessitou de outro enxerto ósseo no prazo de 24 meses. Estes dados sugerem que os alvéolos enxertados com osso esponjoso e particulado, associados à medula óssea, são adequados para a colocação de implantes, mas a perda de largura e altura da crista alveolar óssea também deveria ser considerada. MUSCHULER et al. (2001) constataram que a medula óssea coletada por aspiração contém células progenitoras de tecido conjuntivo, que podem ser induzidas para expressar um fenótipo de osso in vitro. O número de células progenitoras osteoblásticas pode ser estimado por contagem das unidades formadoras de colônias que expressam fosfatase alcalina (UFC- FALs). Este estudo foi realizado para testar a hipótese de que o envelhecimento humano está associado a uma mudança significativa no número de progenitores ou prevalência de células osteoblásticas na medula óssea. Quatro aspirados de medula óssea de 2 ml foram colhidos bilateralmente da crista ilíaca anterior de 57 pacientes, sendo 31 homens (15 a 83 anos) e 26 mulheres (13 a 79 anos). Uma média de 64 milhões de células nucleadas foram coletadas por aspirado. A prevalência média de UFC-FALs foi de 55 por milhão de células nucleadas. Estes dados revelaram uma diminuição significativa, relacionada à idade no número de células

20 17 nucleadas coletadas por aspirado para homens e mulheres (p = 0,002). O número de UFC- FALs avaliado por aspirado também diminuiu significativamente de acordo com a idade para as mulheres (P = 0,02), mas não para os homens (P = 0,3). Estes resultados são relevantes para a coleta de células progenitoras da medula óssea na utilização em enxertos ósseos e, igualmente para outras aplicações em engenharia tecidual, podendo também ser relevante para a patofisiologia da perda óssea relacionada com a idade e osteoporose pós-menopáusica. MUSCHULER & MIDURA (2002) afirmam que a engenharia de tecidos pode ser definida como qualquer esforço para criar ou induzir a formação de um certo tipo de tecido em uma localização específica por meio da seleção e manipulação de células, matrizes e estímulos biológicos. Os conceitos biológicos e os princípios bioquímicos e biofísicos que estão na base destes esforços tornaram-se um campo em rápida evolução na pesquisa biomédica. Na opinião dos autores, a engenharia tecidual nunca pode desviar muito dos princípios biológicos fundamentais, e uma delas é que as células fazem todo o trabalho. Não há novas formas de tecido, exceto através da atividade de células vivas. Declaram no texto que a eficácia de todos os instrumentos clínicos correntes depende inteiramente das células no local enxertado, particularmente o pequeno subconjunto de células estaminais e células progenitoras capazes de gerar um novo tecido. Os paradigmas funcionais da biologia das células estaminais foram revistos, incluindo autorrenovação, a mitose assimétrica e simétrica, e restrição de linhagem. Foram discutidas várias fontes potenciais de células-tronco autógenas de tecidos conjuntivos. Finalmente, um modelo matemático simples é apresentado como uma ferramenta para compreender as demandas funcionais colocadas em células-tronco e progenitoras no local do enxerto, fornecendo uma estrutura conceitual para o desenho racional de enxertos compostos de matriz celular. LUCARELLI et al. (2004) relatam que o osso é um tecido que tem a capacidade de se regenerar quando fraturado. Ocasionalmente, um defeito crítico pode ser formado quando a parte do osso foi perdida ou excisada e, neste caso, o osso não consegue se curar e exige uma reconstrução para evitar um defeito de não-união. Osso esponjoso autógeno é o atual tratamento padrão-ouro em perda óssea. Porque a quantidade de osso esponjoso autógeno que pode ser coletada é limitada, a crescente necessidade de reconstrução óssea está emparelhada pelo crescimento do interesse na disciplina de engenharia de tecidos. Os autores comentam que vários investigadores têm focado a sua atenção sobre um subconjunto de células estaminais / progenitoras hematopoiéticas autólogas não contidas no estroma da medula óssea adulta, referidas como células estaminais de estroma (CEE), como as células apropriadas para serem transplantadas. Em protocolos pré-clínicos e clínicos de defeitos críticos, em que são

21 18 empregadas CEE, duas abordagens foram usadas: na primeira CEE são derivadas da medula óssea e introduzidas diretamente no local da lesão; na segunda CEE são derivadas de várias regiões e expandidas ex vivo antes de serem implantadas. Os autores comentam que ambas as abordagens são igualmente corretas e, em princípio, terão de demonstrar com provas definitivas a sua eficácia, e capacidade de regenerar em um problema clínico crítico, como a não-união óssea. SMILER & SOLTAN (2006) descrevem uma técnica para a obtenção de células estaminais adultas a partir de aspirado de medula óssea. Relatos de casos mostraram como este procedimento pode substituir o padrão ouro para enxertos ósseos com a obtenção de células-tronco. Os autores denominaram de padrão platina o uso do aspirado de medula óssea e o transplante de células-tronco adultas dentro de uma matriz reabsorvível para enxertos ósseos. Existem várias vantagens de se usar o aspirado de medula óssea. A técnica é simples, um segundo local da cirurgia não é necessária e a morbilidade pós-operatória. Com o objetivo de aumentar a quantidade de osso disponível em implantes dentários, CERRUTTI FILHO et al. (2007) recomendam que os implantes devem ser colocados associados ao plasma rico em plaquetas (PRP) e células mononucleares (CMN) a partir do aspirado de medula óssea e arcabouço ósseo andaime (AO). O estudo foi realizado em 32 pacientes com idades entre 45 e 75 anos. A obtenção das CMN e a adesão ao AO foram confirmados através de histologia, cultura de células, e microscopia eletrônica de varredura. Os resultados clínicos, analisados por tomografia computadorizada, mostraram que os arcabouços foram bem integrados e adaptados ao osso cortical. Os autores concluíram que o processo de regeneração observados nos pacientes foi devido à presença de células estaminais mesenquimais na fração de CMN nos enxertos ósseos. NAIR et al. (2007) realizaram um estudo comparativo de enxertia óssea em calvária de coelhos onde puderam avaliar a eficácia diagnóstica da tomografia computadorizada convencional e compará-la com a tomografia computadorizada de abertura sintonizada. Após três períodos de tempo, variando entre 2, 4 e 8 semanas, os autores analisaram histomorfometricamente os locais de enxertia para posterior comparação aos métodos tomográficos. Os resultados apresentaram uma correlação positiva entre os dois métodos tomográficos, apresentando grande precisão na detecção da cicatrização óssea. Em relação à análise histomorfométrica, concluíram que o aumento da área de tecido mineralizado vital e não vital coincide com as imagens de maior densidade óptica, indicando a presença de tecidos mineralizados. No entanto, não se poderia distinguir entre ambos nos casos onde na tomografia a indicação era de uma área não ossificada, a histomorfometria indicava maior

22 19 área de tecido não mineralizado. SAKAI et al. (2008) em seu estudo relataram que o transplante de medula óssea pode levar à reparação osteogênica de condições ósseas intratáveis. Para alcançar resultados clínicos ótimos, seria necessário um enxerto ósseo como muitas células com potencial osteogênico. Os autores relatam que, no entanto, as abordagens que envolvem equipamentos especiais e reagentes para a extração e purificação de células têm alto custo e os procedimentos envolvidos são complexos e se tornam um obstáculo para a aceitação generalizada do enxerto de medula óssea na regeneração osteogênica. Para padronizar os enxertos de medula óssea nos procedimentos de regeneração, um sistema de baixo custo simples, seguro e limpo seria necessário. Os autores descreveram um método fácil de se usar, utilizando uma técnica de centrifugação da medula óssea em uma bolsa de sangue convencional. VADALÁ et al. (2008) indicam que os resultados da fusão da coluna multinível póstero em clínicas difíceis, como em um paciente osteoporótico multi-doente idoso, permanecem imprevisíveis. As células osteoprogenitoras em diminuição de medula óssea, com o envelhecimento, perdem seu potencial osteogênico. Células de medula óssea autólogas (BMCs), a partir de crista ilíaca aspirada, podem ser concentradas na sala de operações e de fibrina rica em plaquetas (PRF), obtidas a partir de uma amostra de sangue periférico como fonte de células osteoprogenitoras autólogas e factores de crescimento, respectivamente. Apresentamos o caso de uma paciente osteoporótica de 88 anos multidoente, afectada por estenose cervical. Submetidas a C3 - C7 a descompressão posterior, instrumentação e fusão póstero-lateral, usando uma intra-operatória "engenharia de tecidos", com um composto de enxerto ósseo córtico aumentado com CMO, autólogos concentrados a partir de aspirado crista ilíaca, enriquecidos com PRF de sangue periférico. Raios-X, dinâmicas laterais, e tomografia computadorizada mostraram sinais de consolidação em três meses de acompanhamento, com sólida C3 - fusão C7 aos 6 meses de seguimento. Este artigo descreve um método simples e eficaz para melhorar potencialmente a taxa de fusão em pacientes com osteoporose usando enxerto ósseo córtico aumentada com concentrado autólogo CMO da crista ilíaca, enriquecido com PRF de sangue periférico, rapidamente obtido antes do procedimento cirúrgico. KIM et al. (2009) analisaram, em coelhos, a eficácia da utilização da dupla camada de membrana colágena (Bio-Gide ) sobre enxertia óssea autógena da crista ilíaca na formação de blocos córtico medulares. Após 2, 4 e 6 meses, os autores realizaram exames histológicos e histomorfométricos, relatando a presença da membrana após 6 meses, quando utilizada a

O uso do substituto ósseo xenogênico em bloco OrthoGen em procedimento de enxertia intraoral. Avaliação clínica e histológica.

O uso do substituto ósseo xenogênico em bloco OrthoGen em procedimento de enxertia intraoral. Avaliação clínica e histológica. O uso do substituto ósseo xenogênico em bloco OrthoGen em procedimento de enxertia intraoral. Avaliação clínica e histológica. Fábio Gonçalves 1 Resumo O objetivo deste estudo é apresentar um caso clínico

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DA PROTEÍNA MORFOGENÉTICA RECOMBINANTE SINTÉTICA TIPO 2 PARA RECOSNTRUÇÃO DE MAXILA ATRÓFICA. DESCRIÇÃO DA TÉCNICA E RELATO DE UM CASO

A UTILIZAÇÃO DA PROTEÍNA MORFOGENÉTICA RECOMBINANTE SINTÉTICA TIPO 2 PARA RECOSNTRUÇÃO DE MAXILA ATRÓFICA. DESCRIÇÃO DA TÉCNICA E RELATO DE UM CASO A UTILIZAÇÃO DA PROTEÍNA MORFOGENÉTICA RECOMBINANTE SINTÉTICA TIPO 2 PARA RECOSNTRUÇÃO DE MAXILA ATRÓFICA. DESCRIÇÃO DA TÉCNICA E RELATO DE UM CASO AUTORES: André Zétola Rafaela Larson Introdução A procura

Leia mais

III. 4 - Tecido Ósseo

III. 4 - Tecido Ósseo Capítulo 2: Parte 4 1 III. 4 - Tecido Ósseo É um tecido conjuntivo resistente em virtude da impregnação da sua substância fundamental pelos sais de cálcio, principalmente o fosfato e o carbonato de cálcio.

Leia mais

ETAPA 2 Figura 11 Efeito da lesão bilateral pré-teste de estriado dorsal no condicionamento clássico de medo ao som. (A) (B)

ETAPA 2 Figura 11 Efeito da lesão bilateral pré-teste de estriado dorsal no condicionamento clássico de medo ao som. (A) (B) ETAPA 2 Figura 11 Efeito da lesão bilateral pré-teste de estriado dorsal no condicionamento clássico de medo ao som. ED = estriado dorsal. (A) Tempo de congelamento por minuto (média + erro padrão) dos

Leia mais

Dr. Athanase Christos Dontos

Dr. Athanase Christos Dontos 3. MATERIAL e MÉTODO Este trabalho foi realizado em três etapas. Na primeira, etapa experimental, realizamos implantes no dorso de camundongos com posterior análise histológica visando verificar o grau

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO-CIENTÍFICO FINAL (Observação: as informações prestadas neste relatório poderão, no todo ou em parte, ser publicadas pela FAPESC.

RELATÓRIO TÉCNICO-CIENTÍFICO FINAL (Observação: as informações prestadas neste relatório poderão, no todo ou em parte, ser publicadas pela FAPESC. RELATÓRIO TÉCNICO-CIENTÍFICO FINAL (Observação: as informações prestadas neste relatório poderão, no todo ou em parte, ser publicadas pela FAPESC.) Chamada Pública Universal 03/2006 1.1. N do Contrato:

Leia mais

INTRODUÇÃO À RADIOLOGIA MUSCULO-ESQUELÉTICA

INTRODUÇÃO À RADIOLOGIA MUSCULO-ESQUELÉTICA INTRODUÇÃO À RADIOLOGIA MUSCULO-ESQUELÉTICA Prof. Rodrigo Aguiar O sistema músculo-esquelético é formado por ossos, articulações, músculos, tendões, nervos periféricos e partes moles adjacentes. Em grande

Leia mais

Manipulação de Tecido Mole ao Redor de Implantes na Zona Estética

Manipulação de Tecido Mole ao Redor de Implantes na Zona Estética Manipulação de Tecido Mole ao Redor de Implantes na Zona Estética Figura 9 1A Diagrama de secção transversal mostrando um implante no local do incisivo. A forma côncava do rebordo vestibular é evidenciada.

Leia mais

Aluna: Lucy Shiratori. Dissertação apresentada à Faculdade de. obtenção do título de Mestre, pelo Programa de Pós-

Aluna: Lucy Shiratori. Dissertação apresentada à Faculdade de. obtenção do título de Mestre, pelo Programa de Pós- FOUSP Avaliação da precisão da tomografia computadorizada por feixe cônico (cone beam) como método de medição do volume ósseo vestibular em implantes dentários Dissertação apresentada à Faculdade de Odontologia

Leia mais

Utilização do rh-bmp2 na Implantodontia

Utilização do rh-bmp2 na Implantodontia Utilização do rh-bmp2 na Implantodontia Dra. Patricia Fretes Coord. do curso de atualização em Implantodontia IOA PY Profa. adjunta do curso de especialização em Implantodontia IOA PY Especialista em Implantes

Leia mais

ANÁLISE HISTOMORFOMÉTRICA EM ALVÉOLOS DE COELHOS PREENCHIDOS COM DIFERENTES TIPOS DE BIOMATERIAIS DE ENXERTO

ANÁLISE HISTOMORFOMÉTRICA EM ALVÉOLOS DE COELHOS PREENCHIDOS COM DIFERENTES TIPOS DE BIOMATERIAIS DE ENXERTO ANÁLISE HISTOMORFOMÉTRICA EM ALVÉOLOS DE COELHOS PREENCHIDOS COM DIFERENTES TIPOS DE BIOMATERIAIS DE ENXERTO Amanda Roberta Barbosa Juliasse Da Silva ¹ Márcio Baltazar Conz ² Diferentes biomateriais têm

Leia mais

Instruções de Uso TCP DENTAL HP

Instruções de Uso TCP DENTAL HP Visando a praticidade e facilidade ao acesso às instruções de uso, a Ortech Medical está disponibilizando os documentos para download no site: www.ortechmedical.com.br. IMPORTANTE: Para baixar as instruções

Leia mais

Colaboradores Acadêmicos Selene Círio Leite Diego Lunelli Marcelle Círio Leite

Colaboradores Acadêmicos Selene Círio Leite Diego Lunelli Marcelle Círio Leite 3267-4303 Orientações para Colheita e Remessa de Material para Exames Laboratoriais VOLUME 1 Histopatologia Citologia Necropsia www.petimagem.com PET IMAGEM - Diagnósticos Veterinários foi criado em abril

Leia mais

EDITAL DO VI ENCONTRO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA E IV JORNADA INTEGRADA DE ODONTOLOGIA E MEDICINA (JIOME) DA UNINCOR, CAMPUS BELO HORIZONTE

EDITAL DO VI ENCONTRO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA E IV JORNADA INTEGRADA DE ODONTOLOGIA E MEDICINA (JIOME) DA UNINCOR, CAMPUS BELO HORIZONTE UNIVERSIDADE VALE DO RIO VERDE PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO, PESQUISA E EXTENSÃO EDITAL DO VI ENCONTRO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA E IV JORNADA INTEGRADA DE ODONTOLOGIA E MEDICINA (JIOME) DA UNINCOR, CAMPUS

Leia mais

Os seus dentes, naturalmente. sãos. PRGF -Endoret BENEFÍCIOS DO PLASMA RICO EM FATORES DE CRESCIMENTO bioseguro 100 % autólogo patenteado

Os seus dentes, naturalmente. sãos. PRGF -Endoret BENEFÍCIOS DO PLASMA RICO EM FATORES DE CRESCIMENTO bioseguro 100 % autólogo patenteado Os seus dentes, naturalmente sãos PRGF -Endoret BENEFÍCIOS DO PLASMA RICO EM FATORES DE CRESCIMENTO bioseguro 100 % autólogo patenteado PRGF -Endoret O QUE É O PLASMA RICO EM FACTORES DE CRESCIMENTO? INVESTIGAÇÃO

Leia mais

ANATOMIA HUMANA I. Sistema Esquelético. Prof. Me. Fabio Milioni

ANATOMIA HUMANA I. Sistema Esquelético. Prof. Me. Fabio Milioni ANATOMIA HUMANA I Sistema Esquelético Prof. Me. Fabio Milioni FUNÇÕES Sustentação Proteção Auxílio ao movimento Armazenamento de minerais Formação de células sanguíneas 1 CLASSIFICAÇÃO DOS OSSOS Longos

Leia mais

INTRODUÇÃO À PATOLOGIA Profª. Thais de A. Almeida

INTRODUÇÃO À PATOLOGIA Profª. Thais de A. Almeida INTRODUÇÃO À PATOLOGIA Profª. Thais de A. Almeida DEFINIÇÃO: Pathos: doença Logos: estudo Estudo das alterações estruturais, bioquímicas e funcionais nas células, tecidos e órgãos visando explicar os mecanismos

Leia mais

Tomografia Computorizada Dental

Tomografia Computorizada Dental + Universidade do Minho M. I. Engenharia Biomédica Beatriz Gonçalves Sob orientação de: J. Higino Correia Tomografia Computorizada Dental 2011/2012 + Casos Clínicos n Dentes privados do processo de erupção

Leia mais

ANÁLISE HISTOMORFOMÉTRICA DAS ESTRUTURAS DA REGIÃO DA EPÍFISE DISTAL DA TÍBIA DE RATOS PÓS-IMOBILIZAÇÃO.

ANÁLISE HISTOMORFOMÉTRICA DAS ESTRUTURAS DA REGIÃO DA EPÍFISE DISTAL DA TÍBIA DE RATOS PÓS-IMOBILIZAÇÃO. NÁLISE HISTOMORFOMÉTRIC DS ESTRUTURS D REGIÃO D EPÍFISE DISTL D TÍI DE RTOS PÓS-IMOILIZÇÃO. Jéssica parecida Xavier (PIIC/CNPq-UEM), Evanilde uzzo Romano (Orientadora), e-mail: ebromano@uem.br. Universidade

Leia mais

Governador Geraldo Alckmin entrega o maior laboratório destinado a pesquisas sobre o câncer da América Latina

Governador Geraldo Alckmin entrega o maior laboratório destinado a pesquisas sobre o câncer da América Latina MATEC ENGENHARIA ENTREGA O MAIOR LABORATORIO PARA PESQUISA DE CÂNCER DA AMÉRICA LATINA Qui, 14/04/11-11h00 SP ganha maior laboratório para pesquisa de câncer da América Latina Instituto do Câncer também

Leia mais

Biomateriais. Catálogo. Biomateriais. Excelência e Evolução

Biomateriais. Catálogo. Biomateriais. Excelência e Evolução Biomateriais Excelência e Evolução Catálogo Biomateriais Empresa Linha de Produtos Inovação com qualidade A Bionnovation é uma empresa brasileira especializada na fabricação de biomateriais, que oferece

Leia mais

Câncer de Pulmão. Prof. Dr. Luis Carlos Losso Medicina Torácica Cremesp 18.186

Câncer de Pulmão. Prof. Dr. Luis Carlos Losso Medicina Torácica Cremesp 18.186 Câncer de Pulmão Todos os tipos de câncer podem se desenvolver em nossas células, as unidades básicas da vida. E para entender o câncer, precisamos saber como as células normais tornam-se cancerosas. O

Leia mais

GE Healthcare. Equipamento avançado de radiografia digital com o detector FlashPad

GE Healthcare. Equipamento avançado de radiografia digital com o detector FlashPad GE Healthcare Equipamento avançado de radiografia digital com o detector FlashPad O Discovery* XR656 oferece produtividade e fluxo de trabalho graças ao FlashPad*, um detector sem fio 1 totalmente digital

Leia mais

ORDEM DE SERVIÇO Nº. 011-2009/DIASS

ORDEM DE SERVIÇO Nº. 011-2009/DIASS ORDEM DE SERVIÇO Nº. 011-2009/DIASS Inclui novos materiais nas áreas de ortopedia e neurocirurgia. O Diretor de Assistência do Instituto de Assistência dos Servidores Públicos do Estado de Goiás - IPASGO

Leia mais

www.periodonto.net www.periodonto.net Carga ou Função Imediata sobre Implantes www.periodonto.net www.periodonto.net O início Tratamento Implante

www.periodonto.net www.periodonto.net Carga ou Função Imediata sobre Implantes www.periodonto.net www.periodonto.net O início Tratamento Implante Carga ou Função Imediata sobre Implantes Perda do elemento dental Coágulo O início Degradação ação da cortical alveolar periodontal Regeneração óssea Tratamento Prótese fixa convencional => sem estímulo

Leia mais

PRP PLASMA RICO EM PLAQUETAS

PRP PLASMA RICO EM PLAQUETAS Por Dr.Marcelo Bonanza PRP PLASMA RICO EM PLAQUETAS O que é a aplicação de Plasma Rico em Plaquetas? As Plaquetas são formadas a partir do Megacariócito que tem origem na medula óssea. Cada Plaqueta guarda

Leia mais

Qual o estado atual das reabilitações de maxilas atróficas com osseointegração?

Qual o estado atual das reabilitações de maxilas atróficas com osseointegração? Qual o estado atual das reabilitações de maxilas atróficas com osseointegração? Hugo Nary Filho responde O tratamento do edentulismo maxilar, com a utilização de implantes osseointegráveis, vem experimentando

Leia mais

APRESENTAÇÃO CYTOTHERA CORD E CYTOTHERA PLUS

APRESENTAÇÃO CYTOTHERA CORD E CYTOTHERA PLUS APRESENTAÇÃO CYTOTHERA CORD E CYTOTHERA PLUS Garantir o futuro da saúde do seu filho com Patrícia SEGURANÇA Cruz e INOVAÇÃO TECNOLÓGICA Apresentação de um serviço único na Europa na área da Biotecnologia

Leia mais

Processo de Consolidação das Fraturas Consolidação Óssea

Processo de Consolidação das Fraturas Consolidação Óssea André Montillo UVA Processo de Consolidação das Fraturas Consolidação Óssea O Tecido ósseo é o único que no final de sua cicatrização originará tecido ósseo verdadeiro e não fibrose como os demais tecidos

Leia mais

ANÁLISE DO CAMPO TÉRMICO EM ÚBERE BOVINO EX VIVO APÓS APLICAÇÃO DE ULTRASSOM TERAPÊUTICO

ANÁLISE DO CAMPO TÉRMICO EM ÚBERE BOVINO EX VIVO APÓS APLICAÇÃO DE ULTRASSOM TERAPÊUTICO ANÁLISE DO CAMPO TÉRMICO EM ÚBERE BOVINO EX VIVO APÓS APLICAÇÃO DE ULTRASSOM TERAPÊUTICO 1 ANALISIS OF THERMAL BEAM OF EX VIVO BOVINE UDDER AFTER THERAPEUTIC ULTRASOUND APLICATION ANDRESSA DE CASTRO SOUZA

Leia mais

Bases Biomecânicas do Treinamento Osteogênico. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior

Bases Biomecânicas do Treinamento Osteogênico. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior Bases Biomecânicas do Treinamento Osteogênico Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior Questão Qual é a melhor atividade física para o aumento da densidade óssea em todo o corpo? Natação? Corrida? Tênis?

Leia mais

Bioestatística. Organização Pesquisa Médica. Variabilidade. Porque existe variabilidades nos fenômenos naturais? Fontes de variação:

Bioestatística. Organização Pesquisa Médica. Variabilidade. Porque existe variabilidades nos fenômenos naturais? Fontes de variação: Bioestatística Lupércio F. Bessegato & Marcel T. Vieira UFJF Departamento de Estatística 2010 Organização Pesquisa Médica Variabilidade Porque existe variabilidades nos fenômenos naturais? Fontes de variação:

Leia mais

TERMO DE CONSENTIMENTO PARA MIELOGRAMA e/ou BIÓPSIA DE MEDULA ÓSSEA., declara(m), para todos os fins legais, que:

TERMO DE CONSENTIMENTO PARA MIELOGRAMA e/ou BIÓPSIA DE MEDULA ÓSSEA., declara(m), para todos os fins legais, que: TERMO DE CONSENTIMENTO PARA MIELOGRAMA e/ou BIÓPSIA DE MEDULA ÓSSEA O (a) paciente, declara(m), para todos os fins legais, que:, ou seu responsável 1) Fui informado(a) pelo médico que as avaliações e os

Leia mais

COMPROMETIMENTO COM OS ANIMAIS, RESPEITO POR QUEM OS AMA.

COMPROMETIMENTO COM OS ANIMAIS, RESPEITO POR QUEM OS AMA. COMPROMETIMENTO COM OS ANIMAIS, RESPEITO POR QUEM OS AMA. CITOLOGIA CLÍNICA O exame citológico é uma das grandes ferramentas para auxiliar o médico veterinário no diagnóstico, prognóstico e na tomada de

Leia mais

VITALIDADE E VOLUME ÓSSEO AO REDOR DOS IMPLANTES DENTÁRIOS. Straumann BoneCeramic

VITALIDADE E VOLUME ÓSSEO AO REDOR DOS IMPLANTES DENTÁRIOS. Straumann BoneCeramic VITALIDADE E VOLUME ÓSSEO AO REDOR DOS IMPLANTES DENTÁRIOS Straumann BoneCeramic A VITALIDADE QUE VOCÊ QUER AO REDOR DOS SEUS IMPLANTES RESTAURAÇÃO E PRESERVAÇÃO DO VOLUME ÓSSEO PARA UM ÓTIMO RESULTADO

Leia mais

DOSSIER. Biomateriais. Recriar a Biologia. Texto: ANA ALBERNAZ. 28 www.saudeoral.pt

DOSSIER. Biomateriais. Recriar a Biologia. Texto: ANA ALBERNAZ. 28 www.saudeoral.pt Biomateriais Recriar a Biologia Texto: ANA ALBERNAZ 28 Mesmo em época de crise económica em que o investimento em Investigação e desenvolvimento abrandou, continuam a surgir novos diária e cujo valor é

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE - CSS DEPARTAMENTO DE ODONTOLOGIA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE - CSS DEPARTAMENTO DE ODONTOLOGIA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE - CSS DEPARTAMENTO DE ODONTOLOGIA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO CAMILA ATAIDE REBOUÇAS XENOENXERTO VERSUS ENXERTO AUTÓGENO EM CIRURGIA

Leia mais

FÍSICA DAS RADIAÇÕES. Prof. Emerson Siraqui

FÍSICA DAS RADIAÇÕES. Prof. Emerson Siraqui FÍSICA DAS RADIAÇÕES Prof. Emerson Siraqui CONCEITO Método que permite estudar o corpo em cortes ou fatias axiais ou trasversais, sendo a imagem obtida atraves dos Raios-X com o auxílio do computador (recontrução).

Leia mais

Instruções de Uso IMPLANTE DENTÁRIO SIGNO VINCES

Instruções de Uso IMPLANTE DENTÁRIO SIGNO VINCES Instruções de Uso IMPLANTE DENTÁRIO SIGNO VINCES Este dispositivo médico implantável requer procedimentos específicos e altamente especializados. Somente deverá ser realizado por cirurgiões dentistas com

Leia mais

Lesão do Ligamento Cruzado Posterior (LCP)

Lesão do Ligamento Cruzado Posterior (LCP) Lesão do Ligamento Cruzado Posterior (LCP) INTRODUÇÃO O ligamento cruzado posterior (LCP) é um dos ligamentos menos lesados do joelho. A compreensão dessa lesão e o desenvolvimento de novos tratamentos

Leia mais

Palavras-chave: Microtomografia; Imagem; Morfometria; Ossos.

Palavras-chave: Microtomografia; Imagem; Morfometria; Ossos. MORFOLOGIA DA ESTRUTURA INTERNA DE OSSOS: MICROTOMOGRAFIA POR RAIOS X G. Carvalho J.R.C. Pessôa F. V. Vidal J.T. Assis Resumo A Microtomografia Computadorizada (CT) é uma técnica de ensaio não destrutivo,

Leia mais

Buco Maxilo Facial. Maxilo Facial GII 1.5 / 2.0 / 2.4

Buco Maxilo Facial. Maxilo Facial GII 1.5 / 2.0 / 2.4 Buco Maxilo Facial Maxilo Facial GII 1.5 / 2.0 / 2.4 Maxilo Facial GII 1.5 / 2.0 / 2.4 Sistema de Buco Maxilo Facial Os princípios biomecânicos da osteossíntese com placas aplicável a mandíbula culminou

Leia mais

Bem vindo a Geistlich Pharma AG. Apresentação de empresa

Bem vindo a Geistlich Pharma AG. Apresentação de empresa Bem vindo a Geistlich Pharma AG Apresentação de empresa A família Geistlich sucesso feito em casa Empresa familiar com mais de 150 anos de tradição Sucesso duradouro, obtido com o nosso trabalho. Com liberdade

Leia mais

ANÁLISE HISTOLÓGICA DE FERIDAS CUTÂNEAS EM RATOS E ATIVIDADE ANTI-INFLAMATÓRIA EM CAMUNDONGOS TRATADOS COM ÓLEO DE COPAÍBA

ANÁLISE HISTOLÓGICA DE FERIDAS CUTÂNEAS EM RATOS E ATIVIDADE ANTI-INFLAMATÓRIA EM CAMUNDONGOS TRATADOS COM ÓLEO DE COPAÍBA ANÁLISE HISTOLÓGICA DE FERIDAS CUTÂNEAS EM RATOS E ATIVIDADE ANTI-INFLAMATÓRIA EM CAMUNDONGOS TRATADOS COM ÓLEO DE COPAÍBA Ana Carolina Guidi 1 ; Gislaine Cardoso de Souza 2 ; Valéria do Amaral 3 RESUMO:

Leia mais

Medbone da Ideia à Prática

Medbone da Ideia à Prática Medbone da Ideia à Prática V xåecdd Cascais 27 e 28 de outubro 1ª Conferência Ibérica de Empreendedorismo 28 de Outubro 2011 Especialistas em Reparação e Regeneração Óssea Toda a informação contida neste

Leia mais

Página ORIGEM PULMONAR E EXTRAPULMONAR 01 de 05. Anexo 1. Figura 1: Características do frasco rígido com tampa rosca para a coleta de escarro

Página ORIGEM PULMONAR E EXTRAPULMONAR 01 de 05. Anexo 1. Figura 1: Características do frasco rígido com tampa rosca para a coleta de escarro 01 de 05 Anexo 1 Figura 1: Características do frasco rígido com tampa rosca para a coleta de escarro Figura 2: Exemplo de caixa com tampa de material não poroso, rígido, resistente à descontaminação, identificada

Leia mais

ENVIO DE AMOSTRAS. Envio de amostras de sangue e medula óssea

ENVIO DE AMOSTRAS. Envio de amostras de sangue e medula óssea ENVIO DE AMOSTRAS Os requerimentos específicos para cada exame são fornecidos na lista alfabética da Tabela de Diretório de Exames Online. Para cada exame, são descritos o tipo de amostra, volumes mínimos,

Leia mais

Ortopedia e Traumatologia

Ortopedia e Traumatologia Ortopedia e Traumatologia Fixação Interna Orthofix A Orthofix é uma companhia reconhecida mundialmente no desenvolvimento de soluções para fixação externa e interna na área de Traumatologia e Ortopedia.

Leia mais

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO O (A) paciente, ou seu responsável, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização

Leia mais

substância intercelular sólida, dura e resistente.

substância intercelular sólida, dura e resistente. Tecido ósseo É um dos tecidos que formam o esqueleto de nosso corpo, tendo como função principal a sustentação. Além disso: serve de suporte para partes moles; protege órgão vitais; aloja e protege a medula

Leia mais

Check-list Procedimentos de Segurança

Check-list Procedimentos de Segurança Check-list Procedimentos de Segurança 1. Cultura de Segurança 1.1 1.2 Existe um elemento definido como responsável pelas questões da segurança do doente Promove o trabalho em equipa multidisciplinar na

Leia mais

Prova Experimental Física, Química, Biologia

Prova Experimental Física, Química, Biologia Prova Experimental Física, Química, Biologia Complete os espaços: Nomes dos estudantes: Número do Grupo: País: BRAZIL Assinaturas: A proposta deste experimento é extrair DNA de trigo germinado e, posteriormente,

Leia mais

Data: 21/06/2013. NTRR 99/2013 Solicitante: Anacleto Falci 2º Juiz de Direito Auxiliar Comarca de Governador Valadares/MG. Numeração: 0191254-50.

Data: 21/06/2013. NTRR 99/2013 Solicitante: Anacleto Falci 2º Juiz de Direito Auxiliar Comarca de Governador Valadares/MG. Numeração: 0191254-50. NTRR 99/2013 Solicitante: Anacleto Falci 2º Juiz de Direito Auxiliar Comarca de Governador Valadares/MG. Numeração: 0191254-50.2013 Data: 21/06/2013 Medicamento X Material Procedimento Cobertura TEMA:

Leia mais

PROCESSOS PROLIFERATIVOS NÃO NEOPLÁSICOS

PROCESSOS PROLIFERATIVOS NÃO NEOPLÁSICOS DISCIPLINA DE PATOLOGIA ORAL E MAXILOFACIAL Graduação em Odontologia - 5º Período PROCESSOS PROLIFERATIVOS NÃO NEOPLÁSICOS http://lucinei.wikispaces.com Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira 2012 GRANULOMA

Leia mais

ANEXO I FORMULÁRIO UNIFICADO PARA SOLICITAÇÃO DE AUTORIZAÇÃO PARA USO DE ANIMAIS EM ENSINO E/OU PESQUISA

ANEXO I FORMULÁRIO UNIFICADO PARA SOLICITAÇÃO DE AUTORIZAÇÃO PARA USO DE ANIMAIS EM ENSINO E/OU PESQUISA ANEXO I FORMULÁRIO UNIFICADO PARA SOLICITAÇÃO DE AUTORIZAÇÃO PARA USO DE ANIMAIS EM ENSINO E/OU PESQUISA PROTOCOLO PARA USO DE ANIMAIS USO EXCLUSIVO DA COMISSÃO PROTOCOLO N o RECEBIDO EM: / / No campo

Leia mais

Tomografia Computadorizada

Tomografia Computadorizada Tomografia Computadorizada Características: não sobreposição de estruturas melhor contraste ( menos radiação espalhada) usa detectores que permitem visibilizar pequenas diferenças em contraste de tecido

Leia mais

células Vários tipos de

células Vários tipos de Células tronco Bioquímicas Maria Alice Vieira Willrich Adriana Helena Sedrez Patricia Bernardi Curso de Gestantes Unimed Brusque, 03 de setembro de 2007. O que são células tronco? Tipos de Células-Tronco

Leia mais

Osteologia. Estudo da estrutura dos ossos oste = osso; logia = estudo de

Osteologia. Estudo da estrutura dos ossos oste = osso; logia = estudo de Osteologia Estudo da estrutura dos ossos oste = osso; logia = estudo de Ossos Ossos são orgãos esbranquiçados, muito duros, que unindo-se aos outros por meio de junturas ou articulações, constituem o esqueleto.

Leia mais

Classificação dos Núcleos

Classificação dos Núcleos OBJETIVO Núcleos Permitir que o dente obtenha características biomecânicas suficientes para ser retentor de uma prótese parcial fixa. Classificação dos Núcleos Núcleos de Preenchimento Núcleos Fundidos

Leia mais

ASPECTOS DE IMAGEM DAS ALTERAÇÕES DA RAIZ DENTAL

ASPECTOS DE IMAGEM DAS ALTERAÇÕES DA RAIZ DENTAL ASPECTOS DE IMAGEM DAS ALTERAÇÕES DA RAIZ DENTAL Vamos descrever a seguir as principais imagens das alterações da raiz dental. As ocorrências, em sua maioria, são provenientes de causas patológicas. FORMA

Leia mais

32. Um sistema termodinâmico realiza um ciclo conforme representado na figura abaixo:

32. Um sistema termodinâmico realiza um ciclo conforme representado na figura abaixo: 0 GABARITO O DIA o PROCESSO SELETIVO/005 FÍSICA QUESTÕES DE 3 A 45 3. Uma fonte de luz monocromática está imersa em um meio líquido de índice de refração igual a,0. Os raios de luz atingem a superfície

Leia mais

É uma fratura comum que ocorre em pessoas de todas as idades. Anatomia. Clavícula

É uma fratura comum que ocorre em pessoas de todas as idades. Anatomia. Clavícula Fratura da Clavícula Dr. Marcello Castiglia Especialista em Cirurgia do Ombro e Cotovelo É uma fratura comum que ocorre em pessoas de todas as idades. Anatomia O osso da clavícula é localizado entre o

Leia mais

MEGA IMERSÃO EM RECONSTRUÇÃO TECIDUAL ESTÉTICA PERI-IMPLANTAR SÃO PAULO

MEGA IMERSÃO EM RECONSTRUÇÃO TECIDUAL ESTÉTICA PERI-IMPLANTAR SÃO PAULO MEGA IMERSÃO EM RECONSTRUÇÃO TECIDUAL ESTÉTICA PERI-IMPLANTAR SÃO PAULO Data: 19 a 23 de agosto de 2013. PROFESSORES Prof. Dr. Júlio César Joly Especialista em Periodontia CFO Mestre e Doutor em Clínica

Leia mais

Comitê de Ética no Uso de Animais (CEUA) Protocolo de Pesquisa. Comitê de Ética no Uso de Animais (CEUA) Protocolo de Pesquisa

Comitê de Ética no Uso de Animais (CEUA) Protocolo de Pesquisa. Comitê de Ética no Uso de Animais (CEUA) Protocolo de Pesquisa Comitê de Ética no Uso de Animais (CEUA) Protocolo de Pesquisa Protocolo nº: (uso da CEUA) Data de Entrega / / (uso da CEUA) Título do Projeto Pesquisador-chefe Departamento Unidade Acadêmica - - - - -

Leia mais

SELEÇÃO DE REPRODUTORES PARA A UTILIZAÇÃO DA PRODUÇÃO IN VITRO DE EMBRIÕES VITRIFICADOS

SELEÇÃO DE REPRODUTORES PARA A UTILIZAÇÃO DA PRODUÇÃO IN VITRO DE EMBRIÕES VITRIFICADOS SELEÇÃO DE REPRODUTORES PARA A UTILIZAÇÃO DA PRODUÇÃO IN VITRO DE EMBRIÕES VITRIFICADOS Orivaldo Rodrigues de Oliveira 1 ; Francisca Elda Ferreira Dias 2 ; Andréa Azevedo Pires de Castro 3. 1 Aluno do

Leia mais

3. FORMAÇÃO DA IMAGEM

3. FORMAÇÃO DA IMAGEM 3. FORMAÇÃO DA IMAGEM 3.1 INTRODUÇÃO O sistema de geração da imagem de RM emprega muitos fatores técnicos que devem ser considerados, compreendidos e algumas vezes modificados no painel de controle durante

Leia mais

Dimensão Segurança do Doente. Check-list Procedimentos de Segurança

Dimensão Segurança do Doente. Check-list Procedimentos de Segurança 1. 1.1 1.2 Cultura de Segurança Existe um elemento(s) definido(s) com responsabilidade atribuída para a segurança do doente Promove o trabalho em equipa multidisciplinar na implementação de processos relativos

Leia mais

Prótese de silicone tem prazo de validade; veja respostas sobre implante

Prótese de silicone tem prazo de validade; veja respostas sobre implante Página 1 de 6 22/10/2009-11h42 Prótese de silicone tem prazo de validade; veja respostas sobre implante GABRIELA CUPANI da Folha de S.Paulo Nenhuma prótese de mama dura para sempre. Embora os especialistas

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CAMPUS DE SOBRAL CURSO DE ODONTOLOGIA PATOLOGIA GERAL E ORAL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CAMPUS DE SOBRAL CURSO DE ODONTOLOGIA PATOLOGIA GERAL E ORAL SUB- PATOLOGIA GERAL E ORAL Estomatologia Métodos de Diagnóstico I e II Processos Patológicos PROGRAMA SUGERIDO (PROVA ESCRITA / DIDÁTICA / PRÁTICA) - TEMAS 1. Cistos dos maxilares. 2. Neoplasias benignas

Leia mais

UNIDADE DE PESQUISA CLÍNICA Centro de Medicina Reprodutiva Dr Carlos Isaia Filho Ltda.

UNIDADE DE PESQUISA CLÍNICA Centro de Medicina Reprodutiva Dr Carlos Isaia Filho Ltda. UNIDADE DE PESQUISA CLÍNICA Centro de Medicina Reprodutiva Dr Carlos Isaia Filho Ltda. Avaliação do risco de viés de ensaios clínicos randomizados pela ferramentada colaboração Cochrane Alan P. V. de Carvalho,

Leia mais

ESTUDO DO MOVIMENTO OSTEOLOGIA

ESTUDO DO MOVIMENTO OSTEOLOGIA EB 23S DE CAMINHA CURSO PROFISSIONAL TÉCNICO GESTÃO DESPORTIVA ESTUDO DO MOVIMENTO HISTOLOGIA 2011/12 PROFESSOR PEDRO CÂMARA FUNÇÕES FUNÇÕES DOS S MECÂNICA SUPORTE DUREZA ARQUITECTURA INTERNA MOVIMENTO

Leia mais

II CONGRESSO INTERNACIONAL DE SAUDE DA UEM VI SEMINÁRIO CIENTÍFICO DO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE

II CONGRESSO INTERNACIONAL DE SAUDE DA UEM VI SEMINÁRIO CIENTÍFICO DO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE II CONGRESSO INTERNACIONAL DE SAUDE DA UEM VI SEMINÁRIO CIENTÍFICO DO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE TÍTULO: AVALIAÇÃO DA CELULARIDADE DE FERIDAS CUTÂNEAS TRATADAS COM AÇÚCAR ( SACAROSE ) E COMPOSTOS COM

Leia mais

3. Procedimento e Montagem Experimental

3. Procedimento e Montagem Experimental 3. Procedimento e Montagem Experimental O presente trabalho é uma continuação da pesquisa iniciada por Leiroz [14]. A seção de testes usada para nosso estudo de deposição de parafina sob condições de escoamento

Leia mais

Níveis de organização do corpo humano - TECIDOS. HISTOLOGIA = estudo dos tecidos

Níveis de organização do corpo humano - TECIDOS. HISTOLOGIA = estudo dos tecidos Níveis de organização do corpo humano - TECIDOS HISTOLOGIA = estudo dos tecidos TECIDOS Grupos de células especializadas, semelhantes ou diferentes entre si, e que desempenham funções específicas. Num

Leia mais

MICROSCÓPIO ESPECULAR VOROCELL. Duvidas freqüentes a respeito do microscópio Vorocell, mitos e verdades.

MICROSCÓPIO ESPECULAR VOROCELL. Duvidas freqüentes a respeito do microscópio Vorocell, mitos e verdades. MICROSCÓPIO ESPECULAR VOROCELL Duvidas freqüentes a respeito do microscópio Vorocell, mitos e verdades. Porque o Microscópio Especular da Eyetec chama-se Vorocell? Vorocell é uma homenagem ao pesquisador

Leia mais

Utilização da crista ilíaca nas reconstruções ósseas da cavidade oral. Relato de caso

Utilização da crista ilíaca nas reconstruções ósseas da cavidade oral. Relato de caso Artigo Inédito 1 41 2 42 3 4 Utilização da crista ilíaca nas reconstruções ósseas da cavidade oral. Relato de caso 43 44 7 47 8 9 Claudio Ferreira NóIA*de OlIveIRA**NóIA*** Rafael Ortega lopes****mazzonetto*****

Leia mais

TRANSPLANTE DE CÉLULAS TRONCO HEMATOPOÉTICAS AVALIAÇÃO NUTRICIONAL POR MEIO DE ANÁLISE DE BIOIMPEDÂNCIA ELÉTRICA. Kátia Baluz

TRANSPLANTE DE CÉLULAS TRONCO HEMATOPOÉTICAS AVALIAÇÃO NUTRICIONAL POR MEIO DE ANÁLISE DE BIOIMPEDÂNCIA ELÉTRICA. Kátia Baluz TRANSPLANTE DE CÉLULAS TRONCO HEMATOPOÉTICAS AVALIAÇÃO NUTRICIONAL POR MEIO DE ANÁLISE DE BIOIMPEDÂNCIA ELÉTRICA Kátia Baluz Transplantes realizados no CEMO/INCA Fonte: Ministério da Saúde - INCA. TRANSPLANTE

Leia mais

Doença de Paget. Definição:

Doença de Paget. Definição: Definição: É uma doença sistêmica de origem desconhecida que determina alteração no Processo de Remodelação Óssea. Apresenta um forte componente genético. Se caracteriza por um aumento focal no remodelamento

Leia mais

Vias de administração

Vias de administração Vias de administração Parenteral Intravenosa: I.V. Intraperitoneal: I.P. Intramuscular: I.M. Subcutânea: SC Intradérmica: ID Infiltração Local Aplicação tópica Considerações Antes de tudo: Observação Treinamento

Leia mais

EXERCÄCIOS DE HISTOLOGIA. 1- (PUC-2006) Associe o tipo de tecido animal Å sua correlaçéo:

EXERCÄCIOS DE HISTOLOGIA. 1- (PUC-2006) Associe o tipo de tecido animal Å sua correlaçéo: EXERCÄCIOS DE HISTOLOGIA 1- (PUC-2006) Associe o tipo de tecido animal Å sua correlaçéo: 1) Tecido Ñsseo compacto 2) Tecido Ñsseo esponjoso 3) Cartilagem hialina 4) Cartilagem elöstica 5) Cartilagem fibrosa

Leia mais

DESEMPENHO DE MUDAS CHRYSOPOGON ZIZANIOIDES (VETIVER) EM SUBSTRATO DE ESTÉRIL E DE REJEITO DA MINERAÇÃO DE MINÉRIO DE FERRO

DESEMPENHO DE MUDAS CHRYSOPOGON ZIZANIOIDES (VETIVER) EM SUBSTRATO DE ESTÉRIL E DE REJEITO DA MINERAÇÃO DE MINÉRIO DE FERRO Belo Horizonte/MG 24 a 27/11/2014 DESEMPENHO DE MUDAS CHRYSOPOGON ZIZANIOIDES (VETIVER) EM SUBSTRATO DE ESTÉRIL E DE REJEITO DA MINERAÇÃO DE MINÉRIO DE FERRO Igor Fernandes de Abreu (*), Giovane César

Leia mais

Reabilitação de Espaços Reduzidos no Sentido Mésio-Distal com Implantes de Pequeno Diametro Caso clínico

Reabilitação de Espaços Reduzidos no Sentido Mésio-Distal com Implantes de Pequeno Diametro Caso clínico Artigo Técnico Implantologia Reabilitação de Espaços Reduzidos no Sentido Mésio-Distal com Implantes de Pequeno Diametro Caso clínico José Ferreira Médico dentista Prática clínica em Implantologia Aluno

Leia mais

Aumento horizontal de rebordo maxilar anterior com enxerto de osso de origem bovina

Aumento horizontal de rebordo maxilar anterior com enxerto de osso de origem bovina 36 Aumento horizontal de rebordo maxilar anterior com enxerto de osso de origem bovina Horizontal augmentation of anterior maxillary alveolar ridge using bovine bone graft Célia Maria Braga 1 Juliana de

Leia mais

DIAGNÓSTICO COLETA DE DADOS RACIOCÍNIO E DEDICAÇÃO

DIAGNÓSTICO COLETA DE DADOS RACIOCÍNIO E DEDICAÇÃO EXAME CLÍNICO DA DOENÇA PERIODONTAL DIAGNÓSTICO PERIODONTAL CONSISTE O DIAGNÓSTICO NA ANÁLISE DO PERIODONTAL HISTÓRICO DO CASO, NA AVALIAÇÃO DOS SINAIS CLÍNICOS E SINTOMAS, COMO TAMBÉM DOS RESULTADOS DE

Leia mais

TERMO DE CONSENTIMENTO PARA MIELOGRAMA e/ou BIÓPSIADE MEDULA ÓSSEA

TERMO DE CONSENTIMENTO PARA MIELOGRAMA e/ou BIÓPSIADE MEDULA ÓSSEA TERMO DE CONSENTIMENTO PARA MIELOGRAMA e/ou BIÓPSIADE MEDULA ÓSSEA O (a) paciente, ou seuresponsável, declara(m),para todos os fins legais, que: 1) Fui informado(a) pelo médico que as avaliaçõese os exames

Leia mais

CAPÍTULO 2 CÂNCER DE MAMA: AVALIAÇÃO INICIAL E ACOMPANHAMENTO. Ana Flavia Damasceno Luiz Gonzaga Porto. Introdução

CAPÍTULO 2 CÂNCER DE MAMA: AVALIAÇÃO INICIAL E ACOMPANHAMENTO. Ana Flavia Damasceno Luiz Gonzaga Porto. Introdução CAPÍTULO 2 CÂNCER DE MAMA: AVALIAÇÃO INICIAL E ACOMPANHAMENTO Ana Flavia Damasceno Luiz Gonzaga Porto Introdução É realizada a avaliação de um grupo de pacientes com relação a sua doença. E através dele

Leia mais

...E QUANDO NADA RESOLVE?????

...E QUANDO NADA RESOLVE????? ...E QUANDO NADA RESOLVE????? Talvez vc seja um daqueles pacientes já tratados para dor na coluna e que nada parece... ter surtido efeito. Se vc já tomou vários anti-inflamatórios, analgésicos, já fez

Leia mais

Gaudencio Barbosa R4 CCP HUWC Serviço de Cirurgia de Cabeça e Pescoço 02-2012

Gaudencio Barbosa R4 CCP HUWC Serviço de Cirurgia de Cabeça e Pescoço 02-2012 Gaudencio Barbosa R4 CCP HUWC Serviço de Cirurgia de Cabeça e Pescoço 02-2012 Abordagens combinadas envolvendo parotidectomia e ressecção do osso temporal as vezes são necessárias como parte de ressecções

Leia mais

Curso de Capacitação em Biossegurança de OGMs Células-tronco Legislação de Biossegurança

Curso de Capacitação em Biossegurança de OGMs Células-tronco Legislação de Biossegurança Curso de Capacitação em Biossegurança de OGMs Células-tronco Legislação de Biossegurança Florianópolis, Agosto 2004 Células-tronco O que são células-tronco e o que podemos fazer com elas? Qual a relação

Leia mais

A coluna vertebral é formada por vários ossos empilhados, uns sobre os outros, denominados vértebras (figura 1).

A coluna vertebral é formada por vários ossos empilhados, uns sobre os outros, denominados vértebras (figura 1). Disc-FX Disc Fix O procedimento Disc-FX é utilizado para o tratamento da hérnia de disco lombar de forma minimamente invasiva. Mas para que você possa entender como funciona este procedimento e para que

Leia mais

Para utilizar na preparação e isolamento de linfócitos purificados directamente a partir de sangue total FOLHETO INFORMATIVO

Para utilizar na preparação e isolamento de linfócitos purificados directamente a partir de sangue total FOLHETO INFORMATIVO Para utilizar na preparação e isolamento de linfócitos purificados directamente a partir de sangue total FOLHETO INFORMATIVO Para Utilizar no Diagnóstico In Vitro PI-TT.610-PT-V5 Informação sobre o produto

Leia mais

Aplicação da Terapia Fotodinâmica e Laserterapia em Implantodontia

Aplicação da Terapia Fotodinâmica e Laserterapia em Implantodontia Aplicação da Terapia Fotodinâmica e Laserterapia em Implantodontia Juliana Marotti 1, Pedro Tortamano Neto 2, Dieter Weingart 3 1 Doutoranda do Departamento de Prótese da Faculdade de Odontologia da USP,

Leia mais

EFEITOS DA APLICAÇÃO DE MEDULA ÓSSEA AUTÓLOGA NA INTEGRAÇÃO DE ENXERTOS ÓSSEOS HOMÓLOGOS EM OSSO MAXILAR: AVALIAÇÃO TOMOGRÁFICA E HISTOMORFOMÉTRICA

EFEITOS DA APLICAÇÃO DE MEDULA ÓSSEA AUTÓLOGA NA INTEGRAÇÃO DE ENXERTOS ÓSSEOS HOMÓLOGOS EM OSSO MAXILAR: AVALIAÇÃO TOMOGRÁFICA E HISTOMORFOMÉTRICA CARLOS EDUARDO SORGI DA COSTA EFEITOS DA APLICAÇÃO DE MEDULA ÓSSEA AUTÓLOGA NA INTEGRAÇÃO DE ENXERTOS ÓSSEOS HOMÓLOGOS EM OSSO MAXILAR: AVALIAÇÃO TOMOGRÁFICA E HISTOMORFOMÉTRICA Tese apresentada à Universidade

Leia mais

Aos bioquímicos, técnicos de laboratório e estagiários do setor de imunologia.

Aos bioquímicos, técnicos de laboratório e estagiários do setor de imunologia. POP-I 67 Página 1 de 5 1. Sinonímia Teste rápido Anti-½ - OraQuick ADVANCE 2. Aplicabilidade Aos bioquímicos, técnicos de laboratório e estagiários do setor de imunologia. 3. Aplicação clínica O ensaio

Leia mais

Portuguese FAQs PRÓLOGO PROGRAMA CLÍNICO

Portuguese FAQs PRÓLOGO PROGRAMA CLÍNICO Portuguese FAQs PROGRAMA CLÍNICO PRÓLOGO Clementia Pharmaceuticals está iniciando o programa clínico de fase 2 para palovarotene em pacientes com fibrodisplasia ossificante progressiva (FOP). O Estudo

Leia mais

* Substituir o animal vertebrado por um invertebrado ou outra forma de vida inferior, culturas de tecidos/células a simulações em computadores;

* Substituir o animal vertebrado por um invertebrado ou outra forma de vida inferior, culturas de tecidos/células a simulações em computadores; PESQUISAS COM ANIMAIS VERTEBRADOS As regras a seguir foram desenvolvidas baseadas em regulamentações internacionais para ajudar aos alunos pesquisadores a proteger o bem-estar de ambos, o animal pesquisado

Leia mais

Término Previsto: ---/---/-----

Término Previsto: ---/---/----- UNIVERSIDADE CAMILO CASTELO BRANCO CEUA COMISSÃO DE ÉTICA NO USO DE ANIMAIS PROTOCOLO N o. (Para uso exclusivo da CEUA) 1. FORMULÁRIO DE ENCAMINHAMENTO PARA PESQUISA ENVOLVENDO ANIMAIS Curso: Campus: Título

Leia mais

Maria da Conceição Muniz Ribeiro

Maria da Conceição Muniz Ribeiro Maria da Conceição Muniz Ribeiro Os miomas são a principal causa de histerectomia em nosso meio, sendo responsável por um terço do total de indicações de histerectomia. Aproximadamente 30 a 50% de todas

Leia mais