Nova Iorque De Topos a Utopos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Nova Iorque De Topos a Utopos"

Transcrição

1 3 Centro de Estudos de Comunicação e Cultura Nova Iorque De Topos a Utopos coordenação M. Laura Bettencourt Pires Vitor Amaral de Oliveira Universidade Católica Editora

2 5 Índice Palavras Prévias 7 Comissão Redactorial Introdução 9 Maria Laura Bettencourt Pires I História Nova Iorque De Pequeno Entreposto a Grande Centro Urbano 15 Raúl Filipe A Aldeia Global e a Supremacia Anglo-Saxónica 31 Álvaro Martins II Cinema A Representação do Empire State Building em Love Affairs e Sleepless in Seattle 43 João Chaves III Música Camille Saint-Saëns in New York Looking Back a Hundred Years On 57 David Cranmer A Música Latina, a Salsa e Nova Iorque 65 Klemens Detering Dom Sébastien, Roi de Portugal de Scribe/Donizetti no Carnegie Hall 85 Vitor Amaral de Oliveira IV Comunicação Social A Nova Iorque de The New Yorker 103 Alice Donat Trindade Jacob Riis, How the Other Half Lives: a Fotografia ao Serviço da Homilia 111 Alice Donat Trindade

3 6 Índice V Feminismo Nova Iorque e a Luta pelos Direitos das Mulheres 121 Maria Laura Bettencourt Pires VI Literatura Whitmanian Cityscaping: Escapes to or from the City? 133 Lara Duarte Nova Iorque de 1930 Uma Visão Europeia 145 Vitor Amaral de Oliveira Nova Iorque Lugar de Exílio 157 Klemens Detering Ulisses em Nova Iorque Heróis Nova-Iorquinos em Walt Whitman 171 Lara Duarte VII Estudos Culturais Os Intelectuais de Nova Iorque 193 Maria Laura Bettencourt Pires Harlem Renaissance Da Utopia à Realidade 205 Natalina Silva Domingues Central Park A Arte na Natureza numa Selva de Betão 219 Raúl Filipe Em Nome da Liberdade Facetas de uma Inextricável Dialéctica 239 Ana Paula Machado Considerações Finais 253 M. Laura Bettencourt Pires

4 7 Palavras Prévias Esta obra contém os textos das comunicações apresentadas em dois Colóquios organizados pela Linha de Investigação "Nova Iorque De Topos a Utopos" e apresentados na Universidade Católica Portuguesa, respectivamente, em 21 de Junho de 2006 e em 14 de Dezembro de A Linha era coordenada por Maria Laura Bettencourt Pires e estava integrada no Centro de Estudos de Cultura, Línguas e Literatura que, posteriormente, veio a ser o actual Centro de Estudos de Comunicação e Cultura (CECC). A Comissão Redactorial, constituída pela Coordenadora e por Vitor Amaral de Oliveira, após algum debate sobre a estrutura organizativa do volume, a fim de lhe dar unidade e realçar o trabalho realizado pelos investigadores, decidiu ordenar as comunicações tematicamente não mantendo, por isso, a ordem da sua apresentação em cada encontro. Os temas tratados vão da história ao espaço de fixação das populações, às manifestações artísticas, como literatura, música, arte, à comunicação social, cinema, feminismo e às lutas culturais e políticas. Devido ao facto de muitos investigadores terem apresentado comunicações nos dois colóquios sobre o mesmo tema, em alguns casos, os seus nomes surgem duas vezes sob a rubrica desse tópico. Os textos das comunicações foram agora revistos, sendo de lamentar que alguns deles não possam ser acompanhados pelas belíssimas imagens que os ilustraram nas apresentações orais. O tema genérico do volume é, obviamente Nova Iorque, tendo a cidade tal como merece sido tratada, tanto nas investigações feitas ao longo dos anos de duração da Linha de Investigação como nos Colóquios, como um local de representação e um espaço urbano de sociabilidade que proporciona o potencial de uma vida pública aberta construída com base nos valores da diversidade, urbanidade e experiência cultural. Foram feitas referências à multidão urbana, tal como foi descrita por Baudelaire e Walter Benjamin, e ao espaço público urbano, esperando-se que a leitura destes textos tão variados dêem aos leitores a sensação de vaguearem livremente pela ruas de Nova Iorque imersos no conjunto dos seus habitantes e na vida excitante inerente à mistura de culturas. Com efeito, poucas cidades como Nova Iorque têm tantos espaços públicos que favorecem a vida cosmopolita e proporcionam a possibilidade de se desenvolverem formas de sociabilidade baseada na tolerância. É inegável, contudo, que a cidade, apesar da sua grande dinâmica, segundo alguns, é ainda um mosaico de monoculturas e as suas torres altas (que se podem considerar a sua assinatura imediatamente identificável) são verdadeiras cidadelas de

5 8 Palavras Prévias negócio, havendo nela, ainda, vários enclaves de identidade mista e grupos de excluídos, como, por exemplo, os sem-abrigo. É também verdade que "The big Apple" pode ser designada como uma "cidade informacional" que é um elemento chave para a globalização, como nos diz Castells, ou como uma cidade global com uma hiperconcentração de infra-estruturas. Porém, quando se estuda a cidade, como fizemos ao longo das nossas investigações, não podemos deixar de mencionar o eclectismo, a diversidade de vozes, ou, em resumo, o valor do lugar. Tal como nos diz Richard Sennett (1999) em palavras que se aplicam bem a Nova Iorque sobretudo depois do 11 de Setembro o sentido do lugar aumenta com as mudanças na economia. A ideia de pertença a um lugar concreto intensifica-se à medida que as instituições económicas fazem diminuir a experiência de pertencer a um local de trabalho. É evidente, e contagioso para quem lá vive algum tempo, o empenhamento dos nova-iorquinos em estarem ligados à sua bela cidade, que vêem cada vez mais como um refúgio contra o mundo hostil e que lhes oferece algum alívio dos fardos da sua vida pessoal, encontrando também conforto na identidade partilhada. Um dos clichés usados em relação à vida citadina e em especial a Nova Iorque, com a sua confusão, loucura e permanente surpresa, que aliás a tornam tão estimulante é a impessoalidade. Porém, quem assim a critica parece esquecer que essa característica, tal como já nos disse Aragon em relação às cidades do século XIX, serve de antídoto à perda da identidade pessoal e que a vida na cidade nos dá a possibilidade de desenvolvermos o que já foi designado como força do ego desenvolvida justamente pela distância. Para tal, contribui a cultura citadina, a sua urbanidade, diversidade e a espessa textura da sua experiência assim como o facto de ser um sistema aberto, um local onde lealdades, empenhamentos mútuos e até o exercício da soberania se podem desenvolver. Nova Iorque pode caracterizar-se pelo vigor e imaginação da sua intensa dinâmica cultural assim como pelo pluralismo étnico, pelas complexidades híbridas, pelo ambiente construído pela energia de diferentes vozes que procuram criar uma cidade onde há interacção e diálogo, tolerância e optimismo. Todos os investigadores da Linha de Acção "Nova Iorque: De Topos a Utopos" procuraram, através dos seus estudos cujos resultados apresentaram nos dois Colóquios e agora são incluídos neste volume representá-la nos seus mais variados aspectos como um espaço urbano sofisticado e estimulante, como um "mundo de sonho e fantasmagoria" de que nos falou Walter Benjamin. M. Laura Bettencourt Pires Vitor Amaral de Oliveira

6 9 Introdução MARIA LAURA BETTENCOURT PIRES CECC/Faculdade de Ciências Humanas UCP Ao organizar os dois encontros em que foram apresentadas as comunicações que agora publicamos, o nosso objectivo era tornar públicos os resultados das investigações feitas no âmbito do projecto "Nova Iorque De Topos a Utopos" do Centro de Estudos de Cultura, Línguas e Literaturas. Ao longo dos nossos trabalhos identificámos alguns dos temas chave que fazem parte da parte da história de Nova Iorque e, nos colóquios, fizemos em conjunto uma viagem pela cidade tendo vários guias que, entre outros assuntos, falaram do desenvolvimento da cidade fundada pelos Holandeses apenas como um entreposto comercial, a que chamaram New Amsterdam, fomos também à New York dos Ingleses, uma colónia que foi oferecida como uma prenda de aniversário ao Duque de York pelo seu irmão, o rei Charles; e que, pouco depois, se tornou num local estrategicamente essencial na Revolução Americana; e por fim passeámos pela cidade de Nova Iorque: a primeira capital da nação e o local destinado a definir a vida urbana na América e até alguns dos ideais americanos, como a igualdade de direitos. Neste percurso, fomos levados pela mão dos nossos guias a apreciar como, quando já estabelecida como o mais importante porto da América, New York City cresceu até se tornar na maior metrópole industrial da nação à medida que uma onda de imigração alemã e irlandesa transformava a cidade num dos mais complexos ambientes urbanos do mundo, facto que provocou inúmeros novos problemas sociais. Foram também feitas referências aos artistas da cidade e aos que contribuíram para a sua inovação, como o poeta Walt Whitman e Frederick Law Olmsted e Calvert Vaux (os arquitectos paisagistas de Central Park). Através das apresentações, esperámos conseguir transmitir um pouco do brilho e do encantamento de Nova Iorque e ver como a cidade que nunca dorme expandiu dramaticamente os seus limites, anexando Brooklyn, Queens, Bronx e Staten Island, transformando-se na Greater New York. Nas referências à área da arquitectura, falámos, obviamente, do nascimento dos arranha-céus, que surgiram na sequência das extraordinárias ondas de imigração. A este propósito, basta pensarmos que, numa só geração,

7 10 Introdução chegaram a Nova Iorque cerca de 10 milhões de imigrantes. Neste âmbito, são de mencionar o boom económico do pós-guerra, o surgimento da cultura do consumismo e o nascimento das indústrias de comunicação, que alimentam a convergência de uma incrível colecção de energias humanas e culturais patentes na construção do Empire State Building e atingindo assim os níveis mais altos de excitação e sofisticação urbana, e, acompanhando as palavras de outro guia, vimos como este edifício foi representado no cinema. Durante a viagem, estiveram, evidentemente, presentes no nosso espírito as criações artísticas de F. Scott Fitzgerald, como The Great Gatsby, de George Gershwin, como a "Rhapsody in Blue," e o jazz de Duke Ellington e Louis Armstrong e, neste campo, ouvimos falar de Nova Iorque como fonte de inspiração para músicos europeus do século XIX e da actual voga da música latina. No nosso percurso, vimos também como a cidade foi descrita por um visitante francês e como Harlem emergiu como a capital da experiência intelectual e artística dos Africano-Americanos. E, a propósito da forma como revistas, como The New Yorker, se instalaram em Manhattan, tivemos um guia para nos falar de jornalismo. Ao contrário do que tinha pensado, na minha função de guia não fiz referências aos acontecimentos dramáticos do 11 de Setembro, a que se seguiu uma grande depressão económica que mergulhou a cidade e a nação em imensa tristeza e durante a qual Nova Iorque se viu confrontada com problemas urbanos de proporções sem precedentes e demonstrou a sua capacidade de se recompor miraculosamente, explorando todas as suas forças sociais e económicas. Em vez do passeio inicialmente planeado pelo World Trade Center, a fim de homenagear um dos nossos investigadores convidados, o Prof. René Garay da Universidade de Nova Iorque, que faleceu recentemente e que, além de ser um apaixonado pela sua cidade, era um especialista na área dos estudos sobre as mulheres, conduzi a assistência até à Nova Iorque oitocentista e aí vimos como se processou a luta das Americanas pelos seus direitos. Para terminar a nossa viagem, tivemos a oportunidade de ouvir Blues e ver excertos de filmes sobre a cidade e os guias que nos acompanharam nessas digressões foram seis dos meus alunos de cultura americana, a quem agradeço terem aceitado o meu convite. Espero que os leitores deste volume apreciem a nossa excursão por Nova Iorque em que procurámos ir "De Topos a Utopos". O tema do nosso segundo encontro, que encerrou a actividade da Linha de Investigação "Nova Iorque De Topos a Utopos", continuou obviamente

8 11 a ser "New York, that most fascinating, difficult, and exciting metropolis". Investigámos, e no 1.º Encontro falámos já muito, sobre o que foi designado como "o mito de Nova Iorque" mas todos reconhecemos que muito ficou por dizer e que, a seguir a este, poderíamos ainda ter vários outros encontros sobre o mesmo tópico. Na verdade, "a cidade da Arte e da Literatura" sobre que incidiu a nossa investigação desde 2006, ao longo do tempo, tal como sucedeu com o nosso grupo de investigadores, tem cativado a imaginação dos maiores escritores, como, por exemplo, os nova-iorquinos Walt Whitman e Henry James. Pode considerar-se mesmo que, desde que o seu porto foi descoberto, em 1524, são múltiplas as descrições entusiasmadas de quem a visitou ou nela viveu. Inúmeros artistas têm tentado captar todo o seu brilho e também as suas sombras, como Charles Dickens ao relatar o movimento e a azáfama de Broadway ou Edith Wharton, em The Age of Innocence e, utilizando o meio da fotogravura, o fotógrafo Alfred Stieglitz. Ao fazer a história cultural de Nova Iorque, poderíamos também referir que serviu de campo de batalha, entre 1833 e 1857, entre Edgar Allan Poe e Melville, devido a rivalidades entre os respectivos editores. Mais tarde, no período de alegria e optimismo que se seguiu ao fim da I Guerra, a cidade brilhou numa nova era de criatividade na cultura americana em que se destacou a influência do grupo que, ao longo de uma década, almoçava diariamente no conhecido Algonquin Hotel, facto que, aliás, fez com que ficasse conhecido como Algonquin Round Table. Considerando a área da literatura e da arte, poderíamos citar uma lista que vai desde os boémios de Greenwich Village, ao grupo de intelectuais e artistas africano-americanos, que, em Harlem, iniciou o movimento denominado Harlem Renaissance e produziu obras notáveis no campo da pintura, da música e da literatura, e incluía nomes como Zora Neale Hurston, e referir a Beat Generation e Paul Auster e a comunidade multicultural que, nos nossos dias, se reúne no Nuyorican Poets Cafe, na 3 rd Street, para promover poesia, música, vídeo, artes visuais e teatro. Na nossa Linha de investigação, vimos a cidade através de um caleidoscópio literário que nos levou desde Emerson, que viveu em Staten Island quando era Juiz em Richmond County, até Scott Fitzgerald que, além de também ter vivido e trabalhado em New York City, fez da cidade o pano de fundo da sua mais famosa obra, The Great Gatsby. Procurámos também cada um através do seu projecto individual debruçar-nos sobre as diversas relações culturais, étnicas e sociais que contribuem para que viver em Nova Iorque seja uma experiência inolvidável.

9 12 Introdução Falámos da famosa "tall architecture" mas, além dos arranha-céus, referimos as construções culturais, como os museus Guggenheim e MoMA, recordando que, de todas as cidades americanas, Nova Iorque é a que tem mais arquitectura de qualidade e muitos dos seus edifícios são considerados como únicos na história da arquitectura mundial, como os de Frank Lloyd Wright (Guggenheim Museum) e Mies van der Rohe (Seagram Building). Nesta área, uma das nossas investigações incidiu também sobre a construção, destruição e reconstrução do World Trade Center. Em relação aos nossos dias, referimos os conflitos e as contradições que emergem da globalização e da migração transnacional, e o papel da comunicação social e dos jornalistas, e a este propósito, recuando no tempo, lembrámos Manhattan Transfer, da autoria do Luso-descendente John Dos Passos, que é considerada a sua "New York novel", escrita em 1925, e que descreve a cidade em toda a sua inquietação e dureza assim como na sua diversidade social, étnica e cultural e que refere a admiração, fascínio e por vezes desapontamento dos visitantes que tentam harmonizar as suas experiências reais com a imagem de New York que construíram antes de lá chegarem. Dado o tema do nosso estudo e a relação entre a cidade e o teatro, era inevitável referirmo-nos à sua actividade teatral, que data do século XVIII e inclui os espectáculos na New York City Opera, na Broadway, off-broadway e off-off broadway. Verificámos então que alguns de nós tinham assistido em Central Park às famosas representações de "Shakespeare in the Park" que consideravam inesquecíveis, lembrando-nos que muitos actores conhecidos, como Morgan Freeman, Meryl Streep e Denzel Washington ali tinham actuado. Considerando a importância de New York City no mundo musical, outro dos tópicos tratados, tanto no 1.º como no 2.º Encontro, foi a música. Com efeito, dada a cultura da cidade que é habitada por representantes de todos os países do mundo, nela encontramos, além de jazz, rock e blues, salsa e hip hop, assim como a conhecida "Irish American music" e o klezmer dos judeus. Todos os investigadores, ao longo dos dois Colóquios, através das suas comunicações, comprovaram amplamente a veracidade da afirmação de Tom Wolfe, que passo a citar "One belongs to New York instantly, one belongs to it as much in five minutes as in five years".

A região onde actualmente se localiza a cidade de Nova Iorque era habitada anteriormente por nativos americanos, principalmente pelo povo nativo

A região onde actualmente se localiza a cidade de Nova Iorque era habitada anteriormente por nativos americanos, principalmente pelo povo nativo Nova Iorque. Grande porto natural na costa atlântica do Nordeste dos Estados Unidos. Composta por cinco distritos: Bronx, Brooklyn, Manhattan, Queens e Staten Island. Populaçãoem mais de 8,3 milhões de

Leia mais

NOVA YORK E TURCOS & CAICOS SETEMBRO 2011

NOVA YORK E TURCOS & CAICOS SETEMBRO 2011 NOVA YORK E TURCOS & CAICOS SETEMBRO 2011 Viagem especialmente elaborada para a lua de mel da Mariana e do Hugo 1/8 . itinerário 05 de Setembro 2011 Lisboa / Madrid / Nova York Comparência no aeroporto

Leia mais

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES Introdução ao tema A importância da mitologia grega para a civilização ocidental é tão grande que, mesmo depois de séculos, ela continua presente no nosso imaginário. Muitas

Leia mais

CONSTRUÇÃO DO EU LÍRICO E O RETRATO NA POETICA CECÍLIA MEIRELES

CONSTRUÇÃO DO EU LÍRICO E O RETRATO NA POETICA CECÍLIA MEIRELES CONSTRUÇÃO DO EU LÍRICO E O RETRATO NA POETICA CECÍLIA MEIRELES Silvia Eula Muñoz¹ RESUMO Neste artigo pretendo compartilhar os diversos estudos e pesquisas que realizei com orientação do Prof. Me. Erion

Leia mais

MAHATMA GANDHI. Cronologia

MAHATMA GANDHI. Cronologia Cronologia 1869 Data de nascimento de Gandhi 1888 1891 Estudou direito em Londres 1893 1914 Período em que viveu na África do Sul 1920 Lutou pelo boicote aos produtos ingleses 1930 Campanhas de desobediência

Leia mais

Anna Catharinna 1 Ao contrário da palavra romântico, o termo realista vai nos lembrar alguém de espírito prático, voltado para a realidade, bem distante da fantasia da vida. Anna Catharinna 2 A arte parece

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca VISITA A ANGOLA Jantar no Futungo

Leia mais

Ampliando o olhar sobre a Arte

Ampliando o olhar sobre a Arte Ampliando o olhar sobre a Arte A Arte reflete a história da humanidade. Desde as primeiras expressões artísticas (Arte rupestre) até os dias de hoje, podemos compreender o desenvolvimento do homem em cada

Leia mais

NOS@EUROPE. O Desafio da Recuperação Económica e Financeira. Prova de Texto.

NOS@EUROPE. O Desafio da Recuperação Económica e Financeira. Prova de Texto. <Os Inovadores> <Escola Profissional Atlântico> NOS@EUROPE O Desafio da Recuperação Económica e Financeira Prova de Texto Dezembro de 2011 1 A

Leia mais

Este vai ser um ano óptimo para fazer negócio 30 de Janeiro de 2009, por FILIPE PACHECO

Este vai ser um ano óptimo para fazer negócio 30 de Janeiro de 2009, por FILIPE PACHECO 25 de Maio de 2009 PUBLICIDADE Este vai ser um ano óptimo para fazer negócio 30 de Janeiro de 2009, por FILIPE PACHECO Miguel Blanc, CEO do grupo FinagenceAFinagence, que detém a L Agence, Addvoices, Scriptmakers

Leia mais

1. Descrição da Cidade

1. Descrição da Cidade 1. Descrição da Cidade 2. Top Atrações da Cidade 2.1 - Atração Wicked 2.2 - Atração Erie Canal Cruises 2.3 - Atração Cave of the Winds 2.4 - Atração Little Brazil 2.5 - Atração Little Italy 2.6 - Atração

Leia mais

O legado de AGOSTINHO DA SILVA 15 anos após a sua morte i

O legado de AGOSTINHO DA SILVA 15 anos após a sua morte i O legado de AGOSTINHO DA SILVA 15 anos após a sua morte i LUÍS CARLOS SANTOS luis.santos@ese.ips.pt Escola Superior de Educação do Instituto Politécnico de Setúbal 1- Agostinho da Silva, um adepto da Educação

Leia mais

Rekreum Bilbao, Vizcaya, Espanha, www.rekreum.com

Rekreum Bilbao, Vizcaya, Espanha, www.rekreum.com Licenciada em Psicologia e com uma vasta experiência em formação e investigação na área do desenvolvimento de capacidades infantis, Adriana Támez é hoje gestora da. Professora da Universidad Autonoma del

Leia mais

Programação Geral. Música Regional Brasileira. A música do Brasil - Seg/Dom 6h.

Programação Geral. Música Regional Brasileira. A música do Brasil - Seg/Dom 6h. Programação Geral Música Regional Brasileira A música do Brasil - Seg/Dom 6h. Programa destinado a divulgar a música típica das regiões do Brasil. Toca os grandes mestres da música nordestina e mostra

Leia mais

PLANO DE ATIVIDADES 2015/2016. Associação Sénior de Odivelas

PLANO DE ATIVIDADES 2015/2016. Associação Sénior de Odivelas PLANO DE ATIVIDADES 2015/2016 Associação Sénior de Odivelas A Universidade Sénior de Odivelas é um projecto inovador que tem por base a promoção da qualidade de vida dos seniores de Odivelas, fomentando

Leia mais

Não é o outro que nos

Não é o outro que nos 16º Plano de aula 1-Citação as semana: Não é o outro que nos decepciona, nós que nos decepcionamos por esperar alguma coisa do outro. 2-Meditação da semana: Floresta 3-História da semana: O piquenique

Leia mais

ultimate design and technology.

ultimate design and technology. ultimate design and technology. -- Do it or do not. There is no try. yoda, 1980 4 DIGITAL IMPULSE DIGITAL IMPULSE 5 estas são as nossas raízes. -- Quando dizemos que somos de um sítio, o verbo não poderia

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS 1. EMENTA Produções literárias em poesia e prosa da literatura norte-americana (Estadunidense a partir do período colonial) e de outros países falantes da língua inglesa até o século XX. Relações de intertextualidade

Leia mais

Cresça. Ganhe CONCENTRE-SE NO CRESCIMENTO PROGRAMA EUROPEU DE INCENTIVO AO CRESCIMENTO 2012/13

Cresça. Ganhe CONCENTRE-SE NO CRESCIMENTO PROGRAMA EUROPEU DE INCENTIVO AO CRESCIMENTO 2012/13 Cresça e Ganhe CONCENTRE-SE NO CRESCIMENTO PROGRAMA EUROPEU DE INCENTIVO AO CRESCIMENTO 2012/13 Ano Comercial 2012/2013: o ano do crescimento! Concentre-se no Crescimento é o SEU objectivo para o novo

Leia mais

A PRODUÇÃO AUTOBIOGRÁFICA EM ARTES VISUAIS: UMA REFLEXÃO SOBRE VIDA E ARTE DO AUTOR

A PRODUÇÃO AUTOBIOGRÁFICA EM ARTES VISUAIS: UMA REFLEXÃO SOBRE VIDA E ARTE DO AUTOR 7º Seminário de Pesquisa em Artes da Faculdade de Artes do Paraná Anais Eletrônicos A PRODUÇÃO AUTOBIOGRÁFICA EM ARTES VISUAIS: UMA REFLEXÃO SOBRE VIDA E ARTE DO AUTOR Letícia Tadra do Carmo 105 Universidade

Leia mais

PHELIPE AGNELLI. Baterista Percussionista Compositor. Músico Brasileiro!

PHELIPE AGNELLI. Baterista Percussionista Compositor. Músico Brasileiro! PHELIPE AGNELLI Baterista Percussionista Compositor Músico Brasileiro 1 ENTREVISTA "Inspirando e sendo inspirado" Phelipe Agnelli é músico e compositor, nascido a 50 minutos de São Paulo, na cidade de

Leia mais

O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 0 O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL Renato da Guia Oliveira 2 FICHA CATALOGRÁFICA OLIVEIRA. Renato da Guia. O Papel da Contação

Leia mais

um filme de MARCELO MACHADO GILBERTO GIL RITA LEE CAETANO VELOSO TOM ZÉ

um filme de MARCELO MACHADO GILBERTO GIL RITA LEE CAETANO VELOSO TOM ZÉ um filme de MARCELO MACHADO GILBERTO GIL RITA LEE CAETANO VELOSO TOM ZÉ Um filme de MARCELO MACHADO Festival Doclisboa - Seleccão Oficial Uma viagem de sons e imagens pela história de um dos mais icónicos

Leia mais

IX Colóquio Os Direitos Humanos na Ordem do Dia: Jovens e Desenvolvimento - Desafio Global. Grupo Parlamentar Português sobre População e

IX Colóquio Os Direitos Humanos na Ordem do Dia: Jovens e Desenvolvimento - Desafio Global. Grupo Parlamentar Português sobre População e IX Colóquio Os Direitos Humanos na Ordem do Dia: Jovens e Desenvolvimento - Desafio Global Grupo Parlamentar Português sobre População e Cumprimentos: Desenvolvimento Assembleia da República 18 de Novembro

Leia mais

Escolas em Grande Plano

Escolas em Grande Plano Escolas em Grande Plano Integração do Vídeo na Educação e na Escola Trabalho realizado por: Elisa Castro e Fátima Chavarria Mestrado em Educação Tecnologia Educativa Tecnologia do Vídeo Docente: Doutor

Leia mais

O MODERNISMO - ARQUITECTURA

O MODERNISMO - ARQUITECTURA O MODERNISMO - ARQUITECTURA ARTE VS TÉCNICA TRADIÇÃO VS MODERNIDADE ACADEMISMO VS FUNCIONALISMO FORMA VS FUNÇÃO BELO VS ÚTIL PAPEL DO ARQUITECTO NA SOCIEDADE O MODERNISMO - ARQUITECTURA ESCOLAS DE BELAS-ARTES

Leia mais

BEM-VINDO AO ESPAÇO DO PROFESSOR

BEM-VINDO AO ESPAÇO DO PROFESSOR BEM-VINDO AO ESPAÇO DO PROFESSOR APRESENTAÇÃO Nosso objetivo é inaugurar um espaço virtual para o encontro, o diálogo e a troca de experiências. Em seis encontros, vamos discutir sobre arte, o ensino da

Leia mais

Fauvismo. Cubismo. Arte Conceptual, a Street Art e muitas outras.

Fauvismo. Cubismo. Arte Conceptual, a Street Art e muitas outras. A arte nasceu na Pré-História, quando o Homem primitivo decidiu fazer uns desenhos com sangue de animais, nas cavernas onde vivia, sendo denominada por Arte Rupestre. Por fim, chegamos á arte da actualidade,

Leia mais

mais memoráveis com um filme Click to edit Master title style Torne as suas aulas Click to edit Master text styles Click to edit Master text styles

mais memoráveis com um filme Click to edit Master title style Torne as suas aulas Click to edit Master text styles Click to edit Master text styles Torne as suas aulas mais memoráveis com um filme Não é segredo que as crianças crescem a ver filmes, a apreciar programas televisivos e a aprender através deles. Os locais, sons e acção de um filme, dão

Leia mais

Senhor Ministro da Defesa Nacional, Professor Azeredo Lopes, Senhora Vice-Presidente da Assembleia da República, Dra.

Senhor Ministro da Defesa Nacional, Professor Azeredo Lopes, Senhora Vice-Presidente da Assembleia da República, Dra. Senhor Representante de Sua Excelência o Presidente da República, General Rocha Viera, Senhor Ministro da Defesa Nacional, Professor Azeredo Lopes, Senhora Vice-Presidente da Assembleia da República, Dra.

Leia mais

Sistema de Ensino CNEC

Sistema de Ensino CNEC 1 SUMÁRIO VOLUME 1 "O homem é um pedaço do Universo cheio de vida." Ralph Waldo Emerson Capítulo 1 O Tempo não para 5 Capítulo 2 Você percebendo-se como sujeito histórico 20 Capítulo 3 O Universo que nos

Leia mais

ÁREA A DESENVOLVER. Formação Comercial Gratuita para Desempregados

ÁREA A DESENVOLVER. Formação Comercial Gratuita para Desempregados ÁREA A DESENVOLVER Formação Comercial Gratuita para Desempregados Índice 8. Sobre nós 7. Como pode apoiar-nos 6. Datas de realização e inscrição 5. Conteúdos Programáticos 4. Objectivos 3. O Workshop de

Leia mais

LIVRO IRATI, SONHO DE CRIANÇA Claudia Maria Petchak Zanlorenzi Kátia Osinski Ferreira Universidade Estadual de Ponta Grossa - UEPG RESUMO

LIVRO IRATI, SONHO DE CRIANÇA Claudia Maria Petchak Zanlorenzi Kátia Osinski Ferreira Universidade Estadual de Ponta Grossa - UEPG RESUMO LIVRO IRATI, SONHO DE CRIANÇA Claudia Maria Petchak Zanlorenzi Kátia Osinski Ferreira Universidade Estadual de Ponta Grossa - UEPG RESUMO Este trabalho aborda a conclusão de uma pesquisa que tinha por

Leia mais

NO CAMINHO PARA CASA ÂNGELA SALDANHA doutoramento em educação artística FBAUP

NO CAMINHO PARA CASA ÂNGELA SALDANHA doutoramento em educação artística FBAUP NO CAMINHO PARA CASA ÂNGELA SALDANHA doutoramento em educação artística FBAUP texto em construção comunidade1 s. f. 1. Qualidade daquilo que é comum. 2. Agremiação. 3. Comuna. 4. Sociedade. 5. Identidade.

Leia mais

11 Segredos para a Construção de Riqueza Capítulo II

11 Segredos para a Construção de Riqueza Capítulo II Capítulo II Mark Ford 11 Segredos para a Construção de Riqueza Capítulo Dois Como uma nota de $10 me deixou mais rico do que todos os meus amigos Das centenas de estratégias de construção de riqueza que

Leia mais

Teorias de Media e Comunicação

Teorias de Media e Comunicação Teorias de Media e Comunicação (4) Teóricos Contemporâneos Rita Espanha Mestrado em Comunicação, Cultura e Tecnologias de Informação 1º Semestre 2012/2013 terça-feira, 20 de Novembro de 2012 Página 2 Jürgen

Leia mais

2.ª CONFERÊNCIA MOBILIDADE URBANA

2.ª CONFERÊNCIA MOBILIDADE URBANA 2.ª CONFERÊNCIA MOBILIDADE URBANA Gestão Inteligente e Competitividade 15 de Setembro 2011 Museu da Carris Conheça as estratégias nacionais e internacionais para uma gestão eficiente da mobilidade urbana

Leia mais

TRÓIA DESIGN HOTEL PENÍNSULA DE TRÓIA

TRÓIA DESIGN HOTEL PENÍNSULA DE TRÓIA TRÓIA DESIGN HOTEL PENÍNSULA DE TRÓIA Imagine um lugar onde a terra vai ao encontro da água, uma península que rasga o azul do oceano e o verde do rio. Praias de areia branca e dunas selvagens com trilhos

Leia mais

A criança e as mídias

A criança e as mídias 34 A criança e as mídias - João, vá dormir, já está ficando tarde!!! - Pera aí, mãe, só mais um pouquinho! - Tá na hora de criança dormir! - Mas o desenho já tá acabando... só mais um pouquinho... - Tá

Leia mais

Parecer da Associação de Professores de Expressão e Comunicação Visual sobre a proposta de Revisão da Estrutura Curricular

Parecer da Associação de Professores de Expressão e Comunicação Visual sobre a proposta de Revisão da Estrutura Curricular Parecer da Associação de Professores de Expressão e Comunicação Visual sobre a proposta de Revisão da Estrutura Curricular Introdução A APECV, utilizando vários processos de consulta aos seus associados

Leia mais

PALÍNDROMO Nº 7 /2012 Programa de Pós Graduação em Artes Visuais CEART/UDESC

PALÍNDROMO Nº 7 /2012 Programa de Pós Graduação em Artes Visuais CEART/UDESC ENTREVISTA MUSEO DE ARTE LATINOAMERICANO DE BUENOS AIRES MALBA FUNDACIÓN CONSTANTINI Entrevista realizada com a educadora Florencia González de Langarica que coordenou o educativo do Malba até 2012, concedida

Leia mais

O exílio e a criação literária e artística

O exílio e a criação literária e artística Universidade do Minho Instituto de Letras e Ciências Humanas Curso Breve 4ª edição O exílio e a criação literária e artística De 1 de Janeiro a de Março de 2010 1. Contexto Desde a sua primeira edição

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DA CAPARICA Curso de Educação e Formação de Adultos NS

ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DA CAPARICA Curso de Educação e Formação de Adultos NS 1 de 6 - mobilidade humana e OBJECTIVO: Identifica sistemas de administração territorial e respectivos funcionamentos integrados. O Turismo Guião de Exploração Indicadores sobre o turismo em Portugal 27

Leia mais

FEMINISMOS PLURAIS E FEMINISMOS EM ÁFRICA

FEMINISMOS PLURAIS E FEMINISMOS EM ÁFRICA FEMINISMOS PLURAIS E FEMINISMOS EM ÁFRICA FEMINISMO Filosofia de vida da qual deriva uma atitude crítica frente aos factos e perante a sociedade Tomada de consciência Resposta que conduz à mudança, a partir

Leia mais

INTERVENÇÃO DO SENHOR SECRETÁRIO DE ESTADO DO TURISMO NO SEMINÁRIO DA APAVT: QUAL O VALOR DA SUA AGÊNCIA DE VIAGENS?

INTERVENÇÃO DO SENHOR SECRETÁRIO DE ESTADO DO TURISMO NO SEMINÁRIO DA APAVT: QUAL O VALOR DA SUA AGÊNCIA DE VIAGENS? INTERVENÇÃO DO SENHOR SECRETÁRIO DE ESTADO DO TURISMO NO SEMINÁRIO DA APAVT: QUAL O VALOR DA SUA AGÊNCIA DE VIAGENS? HOTEL TIVOLI LISBOA, 18 de Maio de 2005 1 Exmos Senhores ( ) Antes de mais nada gostaria

Leia mais

FORMULÁRIO DAS AÇÕES DE EXTENSÃO

FORMULÁRIO DAS AÇÕES DE EXTENSÃO FORMULÁRIO DAS AÇÕES DE EXTENSÃO 1. IDENTIFICAÇÃO DA ORIGEM 1.1. TÍTULO DO PROJETO: Image New York - Design, Arte e Fotografia 1.2. CURSO: Tecnologia em Design Gráfico / Design de Moda 1.3. IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

EUA DESTINATION MANAGEMENT COMPANY. Companhia de Planejamento de Eventos. Grupos, Viagens Corporativas e de Incentivos

EUA DESTINATION MANAGEMENT COMPANY. Companhia de Planejamento de Eventos. Grupos, Viagens Corporativas e de Incentivos DESTINATION MANAGEMENT COMPANY EUA Companhia de Planejamento de Eventos Grupos, Viagens Corporativas e de Incentivos Conferências, Seminários e Convenções Os Estados Unidos... The American Dream! PORQUE

Leia mais

MINHA HISTÓRIA NO NOVOTEL

MINHA HISTÓRIA NO NOVOTEL MINHA HISTÓRIA NO NOVOTEL Lembro-me que haviam me convocado para uma entrevista de trabalho no NOVOTEL. Lembro-me de estar ansioso e ter passado a noite anterior preparando a minha entrevista. Como iria

Leia mais

Videobrasil ff dossier 019>> Cao Guimarães

Videobrasil ff dossier 019>> Cao Guimarães Videobrasil ff dossier 019>> Cao Guimarães Entrevista Concedida a Teté Martinho Publicada (em versão revisada e editada) no site da Associação Cultural Videobrasil http://www.sescsp.org.br/sesc/videobrasil/site/dossier019/sobre_artistas.asp

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO Fundação Instituída nos termos da Lei nº 5.152, de 21/10/1966 São Luís - Maranhão. A realização de um sonho

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO Fundação Instituída nos termos da Lei nº 5.152, de 21/10/1966 São Luís - Maranhão. A realização de um sonho 1 de 5 A realização de um sonho Natalino Salgado Filho É do poeta Paulo Leminski a frase: Haja hoje para tanto ontem. Ela se encaixa com perfeição na realização de um sonho embalado por tantos anos e agora

Leia mais

MODERNISMO. História da Arte Profº Geder 1ª Série Ensino Médio (2012)

MODERNISMO. História da Arte Profº Geder 1ª Série Ensino Médio (2012) MODERNISMO História da Arte Profº Geder 1ª Série Ensino Médio (2012) O século XX inicia-se no Brasil com muitos fatos que vão moldando a nova fisionomia do país. - progresso técnico - novas fábricas surgidas

Leia mais

Os pequenos nadas. Uma criação de Anton Coimbra e Nuno Pinto. Produçao de Último Comboio.

Os pequenos nadas. Uma criação de Anton Coimbra e Nuno Pinto. Produçao de Último Comboio. Os pequenos nadas Uma criação de Anton Coimbra e Nuno Pinto. Produçao de Último Comboio. "Teatro artesanal (...) Tudo em vista: a máquina de cinema minúscula, que eles resgataram do desmantelamento, os

Leia mais

PSIQUIATRIA MODO DE USAR SAÚDE MENTAL CENTRO HOSPITALAR DE SÃO JOÃO

PSIQUIATRIA MODO DE USAR SAÚDE MENTAL CENTRO HOSPITALAR DE SÃO JOÃO 1963 2013 S E R V I Ç O PSIQUIATRIA CENTRO HOSPITALAR DE SÃO JOÃO SAÚDE MENTAL MODO DE USAR 2 COLABORAÇÕES Álvaro de CARVALHO, Director do Programa Nacional de Saúde Mental D. Manuel CLEMENTE, Bispo do

Leia mais

Esterofoto Geoengenharia SA. Álvaro Pombo. Administrtador. (www.estereofoto.pt)

Esterofoto Geoengenharia SA. Álvaro Pombo. Administrtador. (www.estereofoto.pt) Esterofoto Geoengenharia SA Álvaro Pombo Administrtador (www.estereofoto.pt) Q. Conte-nos um pouco da historia da empresa, que já tem mais de 30 anos. R. A Esterofoto é uma empresa de raiz, a base da empresa

Leia mais

(PI): 01 - O 01 (A1):

(PI): 01 - O 01 (A1): Tema do Projeto: Composição Musical em Banda Pop/Rock em contexto extracurricular Que aprendizagens e motivações são desenvolvidas no projeto de composição de canções a partir de sequências harmónicas

Leia mais

O CHÃO DA PALAVRA: CINEMA E LITERATURA NO BRASIL: A CULTURA CINEMATOGRÁFICA E LITERÁRIA BRASILEIRAS SOB O OLHAR DE JOSÉ CARLOS AVELLAR

O CHÃO DA PALAVRA: CINEMA E LITERATURA NO BRASIL: A CULTURA CINEMATOGRÁFICA E LITERÁRIA BRASILEIRAS SOB O OLHAR DE JOSÉ CARLOS AVELLAR O CHÃO DA PALAVRA: CINEMA E LITERATURA NO BRASIL: A CULTURA CINEMATOGRÁFICA E LITERÁRIA BRASILEIRAS SOB O OLHAR DE JOSÉ CARLOS AVELLAR Matheus Oliveira Knychala Biasi* Universidade Federal de Uberlândia

Leia mais

no. 49 O NU FEMININO COMO IDEAL DE BELEZA

no. 49 O NU FEMININO COMO IDEAL DE BELEZA O NU FEMININO COMO IDEAL DE BELEZA por rose klabin Escrevo-te toda inteira e sinto um sabor em ser e o sabor-ati é abstrato como o instante. É também com o corpo todo que pinto os meus quadros e na tela

Leia mais

1 - JUSTIFICAÇÃO DO PROJECTO

1 - JUSTIFICAÇÃO DO PROJECTO 1 - JUSTIFICAÇÃO DO PROJECTO A actual transformação do mundo confere a cada um de nós professores, o dever de preparar os nossos alunos, proporcionando-lhes as qualificações básicas necessárias a indivíduos

Leia mais

Missões para os índios americanos

Missões para os índios americanos Missões para os índios americanos Em busca do Nobre Selvagem A história de missões ameríndias é intrigante: Iniciada pela igreja Católica; Despertou o interesse dos protestantes. Depois de muito zelo e

Leia mais

6. Considerações finais

6. Considerações finais 84 6. Considerações finais Nesta dissertação, encontram-se registros de mudanças sociais que influenciaram as vidas de homens e mulheres a partir da chegada das novas tecnologias. Partiu-se da Revolução

Leia mais

Conferência Internacional

Conferência Internacional Lisboa, 18, 19 e 20 NOV. 2010 combaterpobreza@iscsp.utl.pt ORGANIZAÇÃO APRESENTAÇÃO CONSELHO CIENTÍFICO COMISSÃO ORGANIZADORA ENQUADRAMENTO LOCAL ANTEVISÃO DO PROGRAMA CONVITE À APRESENTAÇÃO DE COMUNICAÇÕES

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio

Ensino Técnico Integrado ao Médio Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Ensino Médio Etec Etec: Mairiporã Código: 271 Município: Mairiporã Eixo Tecnológico: GESTÃO E NEGÓCIOS Habilitação Profissional: TÉCNICO EM CONTABILIDADE

Leia mais

Senhor Embaixador dos Estados Unidos da América, Exmo. Senhor Presidente do Conselho de Administração da Oeiras International School,

Senhor Embaixador dos Estados Unidos da América, Exmo. Senhor Presidente do Conselho de Administração da Oeiras International School, Senhor Embaixador dos Estados Unidos da América, Excelência, Exmo. Senhor Presidente do Conselho de Administração da Oeiras International School, Exma. Senhora Directora da Oeiras International School,

Leia mais

Coordenadoras: Enalva de Santana Santos e Márcia Soares Ramos Alves

Coordenadoras: Enalva de Santana Santos e Márcia Soares Ramos Alves TEMA : BRINCANDO E APRENDENDO NA ESCOLA Coordenadoras: Enalva de Santana Santos e Márcia Soares Ramos Alves Autora: Prof a Cássia de Fátima da S. Souza PÚBLICO ALVO Alunos de 04 anos TEMA: BRINCANDO E

Leia mais

Comentário ao Documentário Portugal Um Retrato Social

Comentário ao Documentário Portugal Um Retrato Social Módulo: Cidadania e Profissionalidade Formadora: Vitória Rita Comentário ao Documentário Portugal Um Retrato Social IMSI 16 Introdução Antes de dar início a minha reflexão, ou seja dar a minha opinião

Leia mais

História e Atividades de Aprendizagem do Ciclo 4

História e Atividades de Aprendizagem do Ciclo 4 História e Atividades de Aprendizagem do Ciclo 4 História e Atividades de Aprendizagem para o Ciclo 4 de pilotagens, a iniciar em fevereiro de 2013. Instruções Histórias de Aprendizagem do Ciclo 4 Contar

Leia mais

Estratégia Empresarial. Capítulo 4 Missão e Objectivos. João Pedro Couto

Estratégia Empresarial. Capítulo 4 Missão e Objectivos. João Pedro Couto Estratégia Empresarial Capítulo 4 Missão e Objectivos João Pedro Couto ESTRATÉGIA EMPRESARIAL Pensamento Estratégico Análise do Meio Envolvente Análise da Empresa Análise Estratégica Missão, Objectivos

Leia mais

Centro de Atendimento

Centro de Atendimento Espaço situado no Bairro Alto onde se proporciona às mulheres um ambiente acolhedor de aceitação plena e onde podem falar de si próprias, dos seus problemas, dos seus sonhos... Espaço de Diálogo. Faz:

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA MÚSICA NAS AULAS DE LÍNGUA PORTUGUESA DA TURMA DE 9º ANO DA ESCOLA RAIMUNDO PEREIRA DO NASCIMENTO

A IMPORTÂNCIA DA MÚSICA NAS AULAS DE LÍNGUA PORTUGUESA DA TURMA DE 9º ANO DA ESCOLA RAIMUNDO PEREIRA DO NASCIMENTO A IMPORTÂNCIA DA MÚSICA NAS AULAS DE LÍNGUA PORTUGUESA DA TURMA DE 9º ANO DA ESCOLA RAIMUNDO PEREIRA DO NASCIMENTO 0 1 A IMPORTÂNCIA DA MÚSICA NAS AULAS DE LÍNGUA PORTUGUESA DA TURMA DE 9º ANO DA ESCOLA

Leia mais

FUNDAMENTOS DE UMA EDUCAÇÃO CIENTÍFICA

FUNDAMENTOS DE UMA EDUCAÇÃO CIENTÍFICA O sistema educativo deve garantir a coordenação, a consistência e a coerência do ensino para o desenvolvimento da educação científica Critérios de qualidade O conhecimento dos alunos e das suas aptidões

Leia mais

Reggio Emília Cooperação e Colaboração

Reggio Emília Cooperação e Colaboração Reggio Emília Cooperação e Colaboração Trabalho realizado por: Alexandra Marques nº4423 Ana Sofia Ferreira nº4268 Ana Rita Laginha nª4270 Dina Malveiro nº3834 Prof. Docente: José Espírito Santo Princípios

Leia mais

O PERCURSO ACADÉMICO NA FBAUL E AS PERSPECTIVAS FUTURAS

O PERCURSO ACADÉMICO NA FBAUL E AS PERSPECTIVAS FUTURAS O PERCURSO ACADÉMICO NA FBAUL E AS PERSPECTIVAS FUTURAS QUE OPORTUNIDADES PÓS-LICENCIATURA ESPERAM? EXPECTATIVAS QUE INQUIETAÇÕES TÊM OS ALUNOS DE DC? MADALENA : M QUAL É A TUA PERSPECTIVA DO MERCADO

Leia mais

O Local e o Global em Luanda Beira Bahia 1

O Local e o Global em Luanda Beira Bahia 1 Glauce Souza Santos 2 O Local e o Global em Luanda Beira Bahia 1 Resumo Esta resenha objetiva analisar a relação local/global e a construção da identidade nacional na obra Luanda Beira Bahia do escritor

Leia mais

TRILHEIROS QUE BUSCAM ENSINAGEM NA MODA. Rogério Justino FLORI fotoflori@gmail.com Faculdade de Artes Visuais - Universidade Federal de Goiás

TRILHEIROS QUE BUSCAM ENSINAGEM NA MODA. Rogério Justino FLORI fotoflori@gmail.com Faculdade de Artes Visuais - Universidade Federal de Goiás TRILHEIROS QUE BUSCAM ENSINAGEM NA MODA Rogério Justino FLORI fotoflori@gmail.com Faculdade de Artes Visuais - Universidade Federal de Goiás Irene TOURINHO irenetourinho@yahoo.es Faculdade de Artes Visuais

Leia mais

KIT CICLO PEDAGÓGICO ESTUDO DO MEIO. Propostas para planeamento, exploração e avaliação de visitas a museus e centros de ciência.

KIT CICLO PEDAGÓGICO ESTUDO DO MEIO. Propostas para planeamento, exploração e avaliação de visitas a museus e centros de ciência. KIT_PEDA_EST_MEIO_5:FERIAS_5_6 09/12/28 15:07 Page 1 1. o CICLO KIT PEDAGÓGICO Pedro Reis ESTUDO DO MEIO 5 Propostas para planeamento, exploração e avaliação de visitas a museus e centros de ciência ISBN

Leia mais

ARTE E CULTURA AFRO-BRASILEIRA

ARTE E CULTURA AFRO-BRASILEIRA ARTE E CULTURA AFRO-BRASILEIRA Cultura afro-brasileira é o resultado do desenvolvimento da cultura africana no Brasil, incluindo as influências recebidas das culturas portuguesa e indígena que se manifestam

Leia mais

ARTES: A TRANSIÇÃO DO SÉCULO XVIII PARA O SÉCULO XIX

ARTES: A TRANSIÇÃO DO SÉCULO XVIII PARA O SÉCULO XIX ARTES: A TRANSIÇÃO DO SÉCULO XVIII PARA O SÉCULO XIX Neoclassicismo ou Academicismo: * Últimas décadas do século XVIII e primeiras do XIX; * Retoma os princípios da arte da Antiguidade grecoromana; * A

Leia mais

Tyll, o mestre das artes

Tyll, o mestre das artes Nome: Ensino: F undamental 5 o ano urma: T ata: D 10/8/09 Língua Por ortuguesa Tyll, o mestre das artes Tyll era um herói malandro que viajava pela antiga Alemanha inventando golpes para ganhar dinheiro

Leia mais

Apresentação por Leonardo Melo melo.leonardo@ieee.org Universidade Federal de Juiz de Fora PET Elétrica IEEE Institute Of Electrical and Electronics

Apresentação por Leonardo Melo melo.leonardo@ieee.org Universidade Federal de Juiz de Fora PET Elétrica IEEE Institute Of Electrical and Electronics Apresentação por Leonardo Melo melo.leonardo@ieee.org Universidade Federal de Juiz de Fora PET Elétrica IEEE Institute Of Electrical and Electronics Engineers Prefácio O Engenheiro 2020 Como será ou deveria

Leia mais

f r a n c i s c o d e Viver com atenção c a m i n h o Herança espiritual da Congregação das Irmãs Franciscanas de Oirschot

f r a n c i s c o d e Viver com atenção c a m i n h o Herança espiritual da Congregação das Irmãs Franciscanas de Oirschot Viver com atenção O c a m i n h o d e f r a n c i s c o Herança espiritual da Congregação das Irmãs Franciscanas de Oirschot 2 Viver com atenção Conteúdo 1 O caminho de Francisco 9 2 O estabelecimento

Leia mais

Como citar este artigo Número completo Mais artigos Home da revista no Redalyc

Como citar este artigo Número completo Mais artigos Home da revista no Redalyc Diálogos - Revista do Departamento de História e do Programa de Pós-Graduação em História ISSN: 1415-9945 rev-dialogos@uem.br Universidade Estadual de Maringá Brasil Amarante Oliveira, Wellington Em busca

Leia mais

ENSINO PRÉ-ESCOLAR. Visitas orientadas À descoberta do MCCB

ENSINO PRÉ-ESCOLAR. Visitas orientadas À descoberta do MCCB Serviço educativo 2014 2015 ENSINO PRÉ-ESCOLAR Visitas orientadas À descoberta do MCCB 1h00 2.50 * Conhecem a história da Batalha? Com esta visita, percorreremos os caminhos da história desta terra e destas

Leia mais

OLHAR GLOBAL. Inspirado no mito da Fênix, Olivier Valsecchi cria imagens com cinzas. A poeira do. renascimento. Fotografe Melhor n o 207

OLHAR GLOBAL. Inspirado no mito da Fênix, Olivier Valsecchi cria imagens com cinzas. A poeira do. renascimento. Fotografe Melhor n o 207 OLHAR GLOBAL Inspirado no mito da Fênix, Olivier Valsecchi cria imagens com cinzas A poeira do renascimento 36 Fotografe Melhor n o 207 Olivier convida pessoas que encontra na rua ou na internet para posarem

Leia mais

OBJECTIVOS DO PROJECTO

OBJECTIVOS DO PROJECTO INTRODUÇÃO Este projecto destina-se às crianças dos três aos seis anos de idade. A Lei Quadro da Educação Pré-escolar estabelece como princípio geral que a educação pré-escolar é a primeira etapa da educação

Leia mais

Palavras do autor. Escrever para jovens é uma grande alegria e, por que não dizer, uma gostosa aventura.

Palavras do autor. Escrever para jovens é uma grande alegria e, por que não dizer, uma gostosa aventura. Palavras do autor Escrever para jovens é uma grande alegria e, por que não dizer, uma gostosa aventura. Durante três anos, tornei-me um leitor voraz de histórias juvenis da literatura nacional, mergulhei

Leia mais

CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Claudia Maria da Cruz Consultora Educacional FEVEREIRO/2015 CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL A ênfase na operacionalização escrita dos documentos curriculares municipais é

Leia mais

introdução Olá, eu chamo-me Paulo Rebelo e sou apostador profissional.

introdução Olá, eu chamo-me Paulo Rebelo e sou apostador profissional. introdução Olá, eu chamo-me Paulo Rebelo e sou apostador profissional. O ensino é uma das minhas paixões, pois é muito gratificante poder transmitir aos meus alunos a experiência que adquiri ao longo de

Leia mais

O que pode a União Europeia fazer pelas pessoas? O Fundo Social Europeu é uma resposta a esta questão

O que pode a União Europeia fazer pelas pessoas? O Fundo Social Europeu é uma resposta a esta questão 1 2 O que pode a União Europeia fazer pelas pessoas? O Fundo Social Europeu é uma resposta a esta questão 3 A origem do Fundo Social Europeu O Fundo Social Europeu foi criado em 1957 pelo Tratado de Roma,

Leia mais

Empreender para Crescer

Empreender para Crescer Empreender para Crescer R. Miguel Coelho Chief EntusiastPersonalBrands Caros Pais e Encarregados de Educação, este ano lectivo, por iniciativa da Assoc. Pais do Colégio, vai iniciar-se em Novembro uma

Leia mais

SINOPSE CURTA SINOPSE

SINOPSE CURTA SINOPSE SINOPSE CURTA No início dos anos 1940, os irmãos Orlando, Cláudio e Leonardo Villas-Boas desistem do conforto da vida na cidade e alistam-se na expedição Roncador Xingu para descobrir e explorar as terras

Leia mais

Lista de exercícios Sociologia- 1 ano- 1 trimestre

Lista de exercícios Sociologia- 1 ano- 1 trimestre Lista de exercícios Sociologia- 1 ano- 1 trimestre 01-O homo sapiens moderno espécie que pertencemos se constitui por meio do grupo, ou seja, sociedade. Qual das características abaixo é essencial para

Leia mais

ÍNDICE APRESENTAÇÃO 02 HISTÓRIA 02 OBJECTIVOS 02 CURSOS 04 CONSULTORIA 06 I&D 07 DOCENTES 08 FUNDEC & IST 09 ASSOCIADOS 10 PARCERIAS 12 NÚMEROS 13

ÍNDICE APRESENTAÇÃO 02 HISTÓRIA 02 OBJECTIVOS 02 CURSOS 04 CONSULTORIA 06 I&D 07 DOCENTES 08 FUNDEC & IST 09 ASSOCIADOS 10 PARCERIAS 12 NÚMEROS 13 ÍNDICE APRESENTAÇÃO 02 HISTÓRIA 02 OBJECTIVOS 02 CURSOS 04 CONSULTORIA 06 I&D 07 DOCENTES 08 FUNDEC & IST 09 ASSOCIADOS 10 PARCERIAS 12 NÚMEROS 13 QUEM SOMOS FUNDEC APRESENTAÇÃO HISTÓRIA OBJECTIVOS A

Leia mais

Aux.Magazine Bilbao, Vizcaya, Espanha, www.auxmagazine.com

Aux.Magazine Bilbao, Vizcaya, Espanha, www.auxmagazine.com Leire Layana, Silvia Andrés, Juanma Galván e Germán Castañeda criaram a AUXLIARTE em 2004. Com diferentes formações académicas, Leire, Silvia, Andrés e Juanma conheceram-se no Mestrado de Jornalismo, após

Leia mais

ÍNDICE. Prefácio 9» 12 17» 42 19 28 29 32 33 35 37 39 43» 108 44 46 48 52 57 59 61 63 67 70 73 77 81 85 86 88 90 93 95

ÍNDICE. Prefácio 9» 12 17» 42 19 28 29 32 33 35 37 39 43» 108 44 46 48 52 57 59 61 63 67 70 73 77 81 85 86 88 90 93 95 ÍNDICE 9» 12 17» 42 19 28 29 32 33 35 37 39 40 43» 108 44 46 48 52 57 59 61 63 67 70 73 77 81 85 86 88 90 93 95 Prefácio 1. Enquadramento Imagens da China As Raízes do Passado A China e o Ocidente Vários

Leia mais

Grandes Exploradores

Grandes Exploradores Obras de referência para toda Grandes Exploradores A ousadia, a determinação e o espírito de aventura das figuras que marcam a descoberta e a exploração do Planeta. Do fundo do mar aos polos, do coração

Leia mais

Nome: nº. Recuperação Final de História Profª Patrícia

Nome: nº. Recuperação Final de História Profª Patrícia 1 Conteúdos selecionados: Nome: nº Recuperação Final de História Profª Patrícia Lista de atividades 8º ano Apostila 1: O Absolutismo; Revoluções Inglesas e colonização da América do Norte Apostila 2: Revolução

Leia mais

UMA PUBLICAÇÃO DA ASSOCIAÇÃO MARIA HELEN DREXEL ANO 13 NÚMERO 3 SETEMBRO DE 2014

UMA PUBLICAÇÃO DA ASSOCIAÇÃO MARIA HELEN DREXEL ANO 13 NÚMERO 3 SETEMBRO DE 2014 UMA PUBLICAÇÃO DA ASSOCIAÇÃO MARIA HELEN DREXEL ANO 13 NÚMERO 3 SETEMBRO DE 2014 Dar de si antes de pensar em si inspirada neste princípio, lema principal dos rotarianos resolvi, há doze anos atrás, trabalhar

Leia mais

CONFERÊNCIA INTERNACIONAL CONVENÇÃO SOBRE OS DIREITOS DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA: UM DESAFIO PARA A IGUALDADE E AUTONOMIA

CONFERÊNCIA INTERNACIONAL CONVENÇÃO SOBRE OS DIREITOS DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA: UM DESAFIO PARA A IGUALDADE E AUTONOMIA CONFERÊNCIA INTERNACIONAL CONVENÇÃO SOBRE OS DIREITOS DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA UM DESAFIO PARA A IGUALDADE E AUTONOMIA CENTRO CULTURAL DE BELÉM 3 DE DEZEMBRO DE 2009 MARIA GUIDA DE FREITAS FARIA 1 AGRADEÇO

Leia mais

Porquê ler ao meu bebé? Projecto O meu brinquedo é um livro

Porquê ler ao meu bebé? Projecto O meu brinquedo é um livro Porquê ler ao meu bebé? Projecto O meu brinquedo é um livro Porquê ler ao meu bebé? Projecto O meu brinquedo é um livro O meu brinquedo é um livro é um projecto de promoção da leitura proposto pela Associação

Leia mais

Licenciado em Educação Física e Desporto pela Faculdade de Motricidade Humana, Filipe Palma está desde sempre ligado ao Desporto Aventura.

Licenciado em Educação Física e Desporto pela Faculdade de Motricidade Humana, Filipe Palma está desde sempre ligado ao Desporto Aventura. FILIPE PALMA Licenciado em Educação Física e Desporto pela Faculdade de Motricidade Humana, Filipe Palma está desde sempre ligado ao Desporto Aventura. Começou a praticar Windsurf com 12 anos e faz competição

Leia mais