UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO A VEZ DO MESTRE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO A VEZ DO MESTRE"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO A VEZ DO MESTRE ASSÉDIO MORAL NO TRABALHO Por: Rosangela Ferreira Lima Bianchini Orientador Prof.ª Ana Paula Alves Ribeiro Rio de Janeiro 2009

2 UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO A VEZ DO MESTRE 2 ASSÉDIO MORAL NO TRABALHO Apresentação de monografia à AVM - Universidade Candido Mendes como requisito parcial para obtenção do grau de especialista em Gestão de Recursos Humanos Por: Rosangela Ferreira Lima Bianchini

3 3 AGRADECIMENTOS... aos parentes e amigos, minha orientadora, professores, etc...

4 4 DEDICATÓRIA... dedico em especial ao meu esposo e família pelo apoio, amor e amizade ao longo de minha trajetória de vida.

5 RESUMO 5 A pesquisa objetiva contribuir para ampliar a visibilidade jurídica e social do fenômeno chamado Assédio Moral no Trabalho. O assédio moral é um mal que existe desde os primórdios das relações humanas, tornando-se nos últimos anos forte preocupação social em razão de ser a causa de impactos extremamente negativos á saúde a ao bem estar da vítima devido aos desgastes que provoca. Nas relações trabalhistas é considerado um fenômeno novo sob o ponto de vista de sua visibilidade. A discussão acerca do tema no universo do trabalho está em pleno desenvolvimento como demonstrado pelas publicações de médicos, psicólogos, administradores, sindicatos e juristas a nível mundial, demonstrando a preocupação de diversas áreas do conhecimento no sentido de encontrar um meio de se acabar com este mal ou de se agir preventivamente, por ser fator determinante do alto índice de desemprego, que gera problemas graves nas relações do trabalho, degradando o ambiente e sua convivência pacífica, deixando o local num clima pesado e tenso, causando não só prejuízos as vítimas como também a empresa na sua produção e nos seus lucros. No ordenamento jurídico atual já existem leis e projetos de leis específicos para o assédio moral na Administração Pública, porém ainda não foi regulamentada para a iniciativa privada. Como indenização dos danos causados pelo assédio moral, a vítima deve buscar os mesmos artigos e princípios que amparam o dano moral. É importante salientar que se fazem necessários criar dentro das organizações um código de ética e conduta, acabando com a discriminação de qualquer espécie, criar ouvidorias, comitês ou caixas postais para que as vítimas possam fazer as suas denúncias. Tendo programas de qualidade de vida e responsabilidade social corporativa seria um passo para buscarmos uma sociedade mais justa. Palavras-chaves: Assédio Moral no Trabalho. Ética. Responsabilidade Social. Desemprego.Indenização.

6 6 METODOLOGIA Após análise do problema proposto para o Assédio Moral no Trabalho, a minha orientadora me ajudou a perfilar uma linha de pesquisa sobre em como se iniciou a historia do assédio moral, os diferentes tipos de assédio, os métodos utilizados, tipo de agressores, tipo de vítima para que eu pudesse entender e formar uma conclusão referente ao meu objetivo final. Para o desenvolvimento do trabalho a minha orientadora me emprestou um livro sobre assédio moral, que através dele fui tomando conhecimento de outros escritores e comecei a pesquisar na internet sites de bibliotecas para que eu pudesse começar a minha pesquisa bibliográfica. Quanto à questão da ética, responsabilidade social e leis, utilizei sites da internet e um manual de conduta e ética da última empresa na qual trabalhei. Adorei fazer esta pesquisa, pois não tinha o conhecimento o quão é organizado a Biblioteca Nacional na Avenida Rio Branco e a paciência e ajuda dos funcionários e como existem pessoas engajadas na luta pela criação de leis sobre o Assédio Moral no Brasil.

7 SUMÁRIO 7 INTRODUÇÃO 08 CAPÍTULO I - Histórico do Assédio Moral 10 CAPÍTULO II - Tipos de Assedio Moral 19 Métodos Os sujeitos Espectadores Vítimas Repercussões CAPÍTULO III Responsabilidade Social 33 Assédio Moral x Relações no Trabalho Jurisprudência-Leis e Projetos de Leis CONCLUSÃO 52 BIBLIOGRAFIA CONSULTADA 54 BIBLIOGRAFIA CITADA 55 ÍNDICE 57 FOLHA DE AVALIAÇÃO 58

8 8 INTRODUÇÃO Por que a escolha do tema/título sobre Assédio Moral no trabalho?por ser um tema polêmico e porque poucas empresas têm código de ética e política sobre assédio. Diante desse quadro faz-se necessário compreender como o assédio moral se manifesta, que é percebido pela gerência e pelos funcionários e tratada dentro das organizações, uma vez que é um fenômeno presente na realidade organizacional, mas que freqüentemente é banalizado, e até ignorado; algumas vezes por indiferença, outras por covardia e, até mesmo por desconhecimento. Segundo Hirogoyen é um fenômeno destruidor do ambiente de trabalho, não só diminuindo a produtividade, como também favorecendo o absenteísmo, devido aos desgastes psicológicos que provoca. Neste trabalho de pesquisa foram identificadas as diferenças entre o estresse e o assédio moral para que possamos dirimir as dúvidas. O estresse profissional é pontual, ele existe e são restritas apenas as condições de trabalho, em que a pessoa precisa de certo tempo para verificar se é ou não um tratamento dado exclusivamente a ela, as conseqüências sobre a saúde são mínimas, nada que um sono reparador não resolva; já no assédio moral a pessoa é exposta a situações humilhantes e constrangedoras. Situações repetitivas e prolongadas até a sua desestabilização, cujo objetivo é forçar a demissão. Foi identificado também neste trabalho de quando se começou na historia a se falar sobre o assédio moral, mostrando a sua trajetória a nível familiar, privado e escolar; encerrando no trabalho para que possamos entender o porquê das atitudes hostis nas relações entre as pessoas e as organizações. Faz-se importante também mostrar os diferentes tipos de assédio moral, as atitude hostis, enumerando a lista de atitudes hostis, quais são os

9 9 sujeitos do assédio moral, apresentando os tipos de agressores, os espectadores, os tipos ideais de vítimas e as repercussões do assédio sofrido tanto a nível físico quanto afetivo, cognitivo e social, como forma de ajudar as pessoas de não se deixarem ser vitimizadas e conseqüentemente perder a sua auto-estima e o emprego. De uma forma específica a legislação trabalhista nada contempla a respeito do assédio moral nas relações individuais e coletivas trabalhistas, mas por uma interpretação sistemática, pode-se extrair da ordem jurídico-trabalhista uma série de dispositivos legais, objetivando a adequação da solução legal para o assédio moral ou dano moral. Cabendo ao empregado a recorrer, tendo os meios de provas que justifiquem a solicitar indenizações ou o próprio reingresso à empresa. Enumeramos no trabalho os artigos da CLT, jurisprudência e as leis que foram aprovadas sobre o tema, numa tentativa de mostrar a vítima como provar o assédio sofrido, quando já perdeu o emprego. Em linhas gerais se todas as organizações tivessem o comprometimento com a responsabilidade social, que tivesse um programa de qualidade de vida, que fosse preocupada com os valores éticos, a transparência e a moral do indivíduo, tendo a responsabilidade com as leis e o meio ambiente. E que tivesse um RH moderno e estratégico, preocupados em treinar os seus funcionários, identificando pessoas com políticas incorretas em relação à Visão e a Missão estabelecida, com certeza seria evitado os processos trabalhistas. Enumeramos nesta pesquisa um apanhado sobre a Responsabilidade Social Corporativa e o trabalho desenvolvido pelo Grupo Ethos em parceria como SEBRAE. A pesquisa foi delimitada a nível bibliográfico e a internet sobre o tema proposto.

10 CAPÍTULO I QUANDO COMEÇOU A SE FALAR EM ASSÉDIO MORAL O CONCEITO 10 Como a violência reaparece a cada época sob novas formas é necessário retornar permanentemente a luta contra ela (Stephen Zweig Conscience contre Violence). Podemos dizer que assédio moral é a agressão feita por uma ou mais pessoas a uma determinada pessoa, e por ser repetitiva, coloca em riscos o bem estar físico e psicológico da pessoa agredida. Esta situação pode ser um conjunto de gestos, humilhações, palavras e ou atitudes que causam vergonha ao assediado. Em relação ao assédio moral no trabalho, a escritora francesa Marie- France Hirigoyen, em seu livro Assédio Moral A Violência Perversa do Cotidiano é definido conforme abaixo: em um local de trabalho temos que entender toda e qualquer conduta abusiva manifestando-se, sobretudo por comportamentos, palavras, atos, gestos, escritos que possam trazer dano à personalidade, à dignidade ou à integridade física ou psíquica de uma pessoa, por em perigo o seu emprego ou degradar o ambiente de trabalho (2000, p.65). Importante esclarecer as diferenças entre assédio e estresse, pois o assédio deve ser claramente distinguido do estresse profissional, pois o estresse é antes de tudo um estado biológico e que as situações sociais o geram. E segundo definição de Hans Selye, criador do conceito, o estresse é constituído ao mesmo tempo pelo agente estressante e pela reação do organismo submetido à ação do agente estressante. A primeira fase do estresse é quando o individuo se sente isolado, mas este isolamento é moderado e a agressão é restrita apenas as condições de trabalho, como exemplo: a pessoa esta sobrecarregada, incumbida de tarefas

11 11 sem as ferramentas apropriadas, a pessoa precisa de certo tempo para julgar se é ou não um tratamento exclusivo dado a ela. As conseqüências sobre a sua saúde são mínimas por se tratar de sobrecarga ou má organização, pois mesmo que o seu corpo reaja fortemente, ela não terá consciência do que lhe sucedeu. Esta fase pode até se prolongar desde que a agressão não seja tão intensa e se a pessoa consegue cumprir as suas tarefas satisfatoriamente, tudo volta ao normal, e o simples descanso de um sono reparador já é suficiente. abaixo: Esta é a diferença entre estresse assédio moral conforme citação O que é assedio moral: É a exposição de trabalhadores e trabalhadoras a situações humilhantes e constrangedoras, repetitivas e prolongadas durante a jornada de trabalho e no exercício de suas funções, sendo mais comuns em relações hierárquicas autoritárias e assimétricas, em que predominam condutas negativas, relações desumanas e aéticas de longa duração, de um ou mais chefes dirigida a um ou mais subordinado(s), desestabilizando a relação da vítima com o ambiente de trabalho e a organização, degradando deliberadamente as condições de trabalho, cujo objetivo fundamental é forçar a demissão. Atinge a dignidade e a identidade (DA SILVA, O, G, 2006, p.20). 1.1 Cronologia: Quando começou o Assédio Moral? Dizem que a discussão sobre o Assédio Moral é nova, mas o fenômeno é velho desde que começou o trabalho. O Assédio Moral não é um problema dos tempos modernos, a humanidade convive com ele desde a vida familiar e social, mas começou a tomar vulto a partir de estudos científicos e pesquisas com diferentes visões, e em particular do Mobbing. E só nas últimas décadas do século XX que o Assédio Moral foi identificado como fenômeno destruidor do ambiente de trabalho - definido também como a pior forma de estresse social - e sem dúvida alguma o nosso

12 12 contexto econômico vem propiciando práticas abusivas em relação às leis do mercado, gerando uma competitividade exagerada, uma disciplina interna dentro das organizações intolerante que visa tão somente o lucro e a produtividade com o mínimo de dispêndio, o que ocasiona o enfraquecimento das relações humanas dentro das empresas, com adoções de procedimentos moralmente reprováveis, violação da intimidade do trabalhador, visando a destruição da vítima e por conseqüência o afastamento do mundo do trabalho. Fala-se mesmo que muitas organizações experimentam um clima de psicoterrror tantas vezes acobertado pela necessidade de mantença do emprego, pelo receio da censura da sociedade ou simplesmente pelo medo de engrossar a massa dos excluídos (Guedes, N, Márcia 2004, p.24) Vida Familiar e Privada No livro o Terror Psicológico no Trabalho de Márcia Novaes Guedes, ela descreve que na vida conjugal, o mobbing ou assédio moral quando praticado por um dos parceiros é freqüentemente dissimulado e havido como uma simples relação de dominação e a psicanálise têm ajudado as vítimas a se defenderem, levando-as a se considerarem cúmplices e culpadas pela situação humilhante. Quando as vítimas não agüentam mais, levando-as aos processos de separação entre casais; o comportamento do agressor se torna insustentável, pois ele não aceita a separação não por ter afeto e respeito pela pessoa e sim por não ter mais domínio sobre a sua presa ou conquista, tornando-se invasivo, perseguidor, abusado e ameaçador. Na família os próprios filhos não são poupados da violência psicológica, por muitas vezes por rejeitar a criança e não ter coragem de matála de fato, o sujeito perverso vai atormentando a criança com castigos exagerados, humilhações e toda sorte de depreciação moral até destruí-la psicologicamente. Na revista ERA-Revista de Administração de Empresas (Abril/Junho- 2001), escrito por Maria Ester de Freitas - FGV-SP informa que a violência na

13 13 vida privada é perversa quando exercida contra o cônjuge é freqüentemente, negada ou banalizada, reduzida a uma simples relação de dominação. A simplificação psicanalítica consiste em fazer do outro um cúmplice ou mesmo responsável pela troca perversa, negando a dimensão de dominação ou ascendência que paralisa a vítima e a impede de defender-se. Trata-se de mantê-la na dependência, frustrá-la permanentemente e impedí-la de pensar no processo a fim de tomar consciência dele; para tornar-se crível, é preciso desqualificar o outro e empurrá-lo a um comportamento repreensível. Em situações de divórcios e separações litigiosas o assédio manifestase no fato de ex-amantes ou cônjuges não deixarem em paz a sua presa, invadindo-a com a sua presença, esperando-a na saída do trabalho, telefonado-lhe dia e noite,com palavras ameaçadoras diretas ou indiretas. Às vezes os próprios filhos não são poupados e tornam-se vítimas de maus tratos psicológicos que podem assumir vários aspectos: violência verbal, comportamento sádico e desqualificativo, rejeição afetiva, exigências excessivas e desproporcionais em relação à idade, ordens e cobranças educativas contraditórias ou impossíveis (pesquisado pela internet em 21/05/2009) O Mobbing Nos anos 80, Heinz Leymamm, psicólogo de origem alemã radicado na Suécia, introduziu o conceito de Mobbing para descrever as formas severas de assédio dentro das organizações. Este termo foi utilizado pela primeira vez pelo etnólogo Konrad Lorenz referente ao comportamento agressivo estudado em um grupo de animais que queriam expulsar um intruso e foi reproduzido nos anos 60 por um médico sueco Peter Paul Heinemam que descreveu o comportamento hostil de determinadas crianças com relação a outras dentro das escolas. Em 1972 ele

14 14 publicou o primeiro livro sobre mobbing que tratava da violência de grupos de crianças. Mobbing vem do verbo inglês to mob, traduzido como: maltratar, atacar, perseguir e sitiar. Evidencia que a origem do termo se trata de um fenômeno de um grupo e que seus métodos não são muito evidentes. Para Leymamm, o mobbing consiste em manobras hostis freqüentes e repetidas no local de trabalho, visando sistematicamente à mesma pessoa. Segundo ele o mobbing provém de um conflito que se degenera. É uma forma grave de estresse psicossocial. Este conceito se difundiu nos anos 90 entre os pesquisadores nos países escandinavos e em seguida nos países com língua alemã. Em 1990 calculou que 3,5% dos assalariados suecos foram vítimas de assédio. A mesma época estimou de 15% dos suicídios foram creditados ao mobbing.... 3,5% de uma população ativa economicamente de 4,4 milhões de pessoas por um período de superior de 15 meses foi assediada... (Guedes, N, Márcia 2004, p.26). Em 1993 Heinz Leymamm publicou a partir de suas pesquisas a sua obra - Mobbing a perseguição no trabalho, continuou a fazer pesquisas que culminou com um decreto científico sobre a vitimização no trabalho em Mesmo sendo previsto que as vítimas deveriam receber ajuda e cuidados, foi forçoso constatar que o sistema médico não estava aparelhado. Assim Leymamm criou uma clínica especializada na qual estabeleceu um programa específico de reabilitação das vítimas e mais tarde foi obrigado a fechá-la pelas autoridades suecas. No livro Mal Estar no Trabalho- Redefinindo o Assédio Moral de Marie- France Hirygoyen ela descreve que na Inglaterra falou-se recentemente de mobbing após uma lista de nomes terem sido publicadas em um jornal que

15 15 grupos de mães enfurecidas assediaram pessoas suspeitas de ser pedófilas ou cúmplices dos pedófilos. Elas atacaram seus domicílios escrevendo insultos nos muros de suas casas, atiraram pedras para expulsa-los do bairro. Foi preciso que uma pessoa se matasse e que outras estigmatizadas injustamente apresentassem queixas para que a polícia acabasse com as manifestações hostis O Bullying Este conceito é muito conhecido na Inglaterra que significa em tratar com desumanidade, com grosseria. Na tradução para o português, bullying = a pessoa grosseira e tirânica que ataca os mais fracos. Este termo só foi introduzido na Psicologia do Trabalho em 1984 por Lazarus que considerou dentre outros elementos do estresse, o estresse social. O termo bullying é considerado mais amplo que o mobbing, pois vai desde chacotas e isolamento até condutas abusivas de conotação sexual ou agressões físicas, referindo mais a ofensas ou violências individuais que organizacional. Nas páginas 79 e 80 do livro de Hirygoyen, em um estudo comparativo entre o mobbing e o bullying, Dieter Zapf diz que o segundo é originário majoritariamente de superiores hierárquicos e o mobbing, a um fenômeno de grupos. O termo no inicio não dizia respeito ao mundo do trabalho, falam-se apenas para descrever as humilhações, os vexames ou as ameaças que certas crianças ou grupos de crianças infringiam as outras. Depois o termo se estendeu as agressões observadas no exército, nas atividades esportivas, na vida familiar e em particular com relação à pessoa de idade e depois no mundo trabalho. (Hirygoyen, 2002, p.79).

16 O Harassment Este termo foi introduzido nos EUA em 1990 por um artigo publicado numa revista americana Violence and Victms - por Heinz Leymamm, mas o fenômeno vinha sendo estudado desde 1976 pelo psiquiatra americano Carrol Brodsky The Harassed Worker. Para ele assédio consiste em ataques repetitivos e voluntários de uma pessoa a outra para atormentá-la, miná-la e provocá-la, assinalando os efeitos nocivos a saúde, acrescentando ser a ponta de um Iceberg, conforme (Hirigoyen, 2005, p.81) Os Whistleblowers É considerado aquele que aperta a campainha de um alarme ou que desfaz um estopim, se tornando alvos de represálias, e tomando para si a decisão de alertar a opinião pública sobre atos de corrupção; denunciar violações da lei que rege os serviços públicos onde trabalha ou as ações de empresas ou instituições que apresentam um perigo importante e específico relacionado à saúde ou a seguranças públicas. A pessoa que denuncia acaba sofrendo represálias da parte do próprio sistema que encoraja, tratando de uma forma específica de assédio moral destinado a silenciar quem não obedeceu às regras do jogo. Na Inglaterra este fenômeno é antigo e remonta da Idade Média. Nos EUA existem leis a muito tempo, sendo modificada inúmeras vezes até 1986, quando o congresso votou e criou uma poderosa força anti fraude.

17 O Ijime 17 No Japão o assédio moral é um fenômeno muito antigo, da mesma forma que os outros descritos acima ele foi utilizado para descrever as ofensas e humilhações infringidas ás crianças nos colégios e também nas empresas nipônicas, tinha o objetivo de formar jovens recém contratados e reprimir elementos perturbadores no grupo. Os japoneses não apreciam o individualismo e o Ijime tem como objetivo inserir o individuo no grupo e os tornar adaptados. O sistema educativo japonês tinha como objetivo ter os melhores elementos e com este elemento direcioná-los para as melhores carreiras, desenvolvendo nos estudantes a rivalidade que iria além do ambiente escolar. Considerado pelos professores como um rito de iniciação necessário a estruturação psíquica dos adolescentes, sendo vítimas de maus tratos por parte dos colegas mais antigos, que os próprios antigos já haviam sofrido as ofensas. Nos anos 90 foi considerado como uma chaga social, pois algumas crianças cometeram suicídio ou abandonaram a escola. Em 1995 o Ministério da Educação informou que tiveram 82 mil casos de recusa de ir à escola e as ausências por doença. Em 1980 os estudantes se revoltaram contra os professores. Atual mente depois de vir a público pelos os meios de comunicação a administração do sistema ficou mais atenta. Como o Ijime foi considerado como um instrumento de controle social, as indústrias nipônicas estavam se desenvolvendo rapidamente e tinha necessidade de jovens trabalhadores adaptados, sem individualismo ou personalidades marcantes, e eles não toleravam críticas. Os meios industriais e financeiros da época exigiram do Governo em nome da prosperidade do país uma reorganização do sistema educativo, visando acompanhar o crescimento econômico.

18 18 O Ijime foi considerado como o assédio moral no trabalho mais cruel, o qual não se encontrou equivalência dentre os outros termos no Japão. Nos anos 90 com a recessão exigindo cada vez mais homens prontos para o trabalho, exigindo que eles tivessem idéias, tiveram que mudar os métodos administrativos, pois a regra agora seria o emprego não é para toda a vida inteira e tiveram que adaptar os modelos por mérito e desempenho, surgindo assim às agressões, os maus tratos, as humilhações Considerações Gerais Conforme a autora francesa Marie-France Hirigoyen, o termo mobbing relaciona-se mais com as perseguições coletivas ou a violência ligada á organização, incluindo desvios que podem acabar com a violência física. O termo bullying é mais amplo que o termo mobbing, pois vai de chacotas, isolamento até condutas abusivas com conotações sexuais ou agressões físicas, referindo a ofensas individuais do que a violência organizacional. Já o assédio moral diz respeito a agressões mais sutis e, portanto mais difíceis de provar qualquer que seja a procedência, mesmo que sejam próximas da violência física e a discriminação. A violência já é levada em conta na legislação francesa. Na Alemanha ou nos países nórdicos a vigilância sobre as condições de trabalho é a mais antiga e, portanto a tomada de consciência da violência é mais precoce. Nesses países a taxa de sindicalização é elevada e a abordagem dos problemas é coletiva. Raymond- Pierre Bondin da Fundação Dublin, chama de os países maduros.

19 19 CAPÍTULO II TIPOS DE ASSÉDIO MORAL, MÉTODOS, OS SUJEITOS, ESPECTADORES, VÍTIMAS E REPERCUSSÕES 2.1 Os Diferentes Tipos de Assédio Moral. A escritora francesa Marie-France Hirigoyen, em seu livro Mal Estar no Trabalho - Redefinindo o Assédio Moral (2002, p.111 a 116), elaborou um questionário que foi enviado por correio, dos 350 enviados, obtiveram 193 respostas aproveitáveis sobre vítimas que sofreram assédio moral e após os resultados de um levantamento ficou evidenciado que com relação a 186 pessoas que responderam a questões sobre os diferentes tipos de assédio: 58% dos casos vêm de hierarquia, em 29% dos casos, vem de diversas pessoas, incluindo chefia e colegas, em 12% dos casos, vêm de colegas e por ultimo 1% dos casos, vem de um subordinado. Para Márcia Novaes Guedes em seu livro o Terror Psicológico (2004, p.35) na classificação o assédio moral na empresa agrega dois elementos essenciais a sua manifestação: o abuso de poder e a manipulação perversa. Se por um lado o abuso de poder pode ser facilmente desmascarado, a manipulação insidiosa causa de maior devastação. O fenômeno se instala quase que imperceptivelmente, pois a vítima encara o fato como uma simples brincadeira, mas é na repetição dos vexames e humilhações que a violência vai se mostrando demolidora e se ninguém intervier energicamente, evolui numa escalada destrutiva.

20 Estratégico O Assédio Vertical Descendente ou Mobbing Vertical A experiência mostra que o assédio moral vindo de um superior hierárquico tem conseqüências muito mais graves sobre a saúde do que o assédio horizontal, pois a vítima se sente ainda mais isolada e tem mais dificuldade para achar a solução do problema. Alguns autores distinguem diversos subgrupos no assédio perverso, praticado com o objetivo puramente gratuito de eliminação do outro ou valorização do próprio poder conforme abaixo: o O assédio estratégico que se destina a forçar o empregado a pedir as contas e assim contornar os procedimentos legais de dispensa. o O assédio institucional que é um instrumento de gestão do conjunto do pessoal. O tipo mais freqüente de terrorismo psicológico é aquele denominado vertical. Verifica-se o assédio moral do tipo vertical quando a violência psicológica é perpetrada por um superior hierárquico. Neste caso a ação necessariamente não precisa ser deflagrada e realizada pelo superior, mas pode esta contar com a cumplicidade dos colegas de trabalho (...). De um modo geral, o grupo tende a se alinhar com o perverso, creditando à vítima a responsabilidade pelos maus tratos (...). Na terminologia anglo-saxônica o assédio moral de tipo vertical é denominado de bossing. (Guedes: 2004 p.36). colegas) O Assédio Horizontal ou Mobbing Horizontal (que vem dos Este tipo de assédio é freqüente quando dos empregados disputam a obtenção de um mesmo cargo ou promoção. Neste tipo a ação discriminatória é desencadeada pelos próprios colegas de idêntico grau na escala hierárquica.

21 21 Os fatores responsáveis por esse tipo de perversão moral são a competição, a preferência pessoal do chefe porventura gozada pela vítima, a inveja, o racismo, a xenofobia e motivos políticos. Conforme Márcia N. Guedes (2004, p.36/37), nessa espécie a vítima pode ser golpeada de modo tanto individual como coletivo O Assédio Misto Para Hirigoyen (2002, p.114) mesmo que se trate de uma historia muito particular é raro um assédio horizontal duradouro não ser vivido depois de algum tempo como assédio vertical descendente em virtude da omissão da chefia ou do superior hierárquico e ou se torna cúmplice. Quando uma pessoa se acha em posição de bode expiatório por causa de uma superior hierárquico ou de colegas, a designação se estende rapidamente a todo o grupo de trabalho. A pessoa passa a ser considerada responsável por tudo que de errado. Bem depressa ninguém mais a suporta e mesmo que alguns não sigam a opinião do grupo, não ousam anunciar. Depois de certo tempo a pessoa designada acaba indo mal e seu comportamento se modifica. A vítima torna efetivamente difícil a sua convivência, o que explica ser rejeitada por todo mundo O Assédio Ascendente O assédio moral de um superior por um ou vários subordinados, não é levado em consideração e, no entanto pode ser do mesmo modo destrutivo. As vítimas neste caso não sabem para onde se dirigir e como se defender. Tanto os Sindicatos, quanto a Justiça não leva a sério este tipo de queixa. Podem se distinguir diversas formas de assédio moral ascendente: o Falsa alegação de assédio sexual. O objetivo é atentar contra a reputação de uma pessoa e desqualificá-la definitivamente. Para

22 22 este gênero de acusação raramente existem provas, exigem igualmente poucas justificativas possíveis o Reações coletivas de um grupo, a cumplicidade de todo um grupo para se livrar de um superior hierárquico que lhe foi imposto e que não foi aceito. Isto acontece com freqüência na fusão ou compra de um grupo empresarial por outro. Como a distribuição dos cargos é efetuada por critérios políticos ou estratégicos, os funcionários não são consultados e por instinto o grupo se une para se livrar do intruso. Este tipo de boicote poderia ser evitado se a direção da empresa tivesse se preocupado em ouvir os subordinados e a administração fosse efetuada de uma maneira racional e não apenas estratégica. 2.2 Os Métodos de Assédio As Atitudes Hostis. Para a escritora francesa Marie-France Hirigoyen, em seu livro Mal Estar no Trabalho - Redefinindo o Assédio Moral (2002, p.107 a 109) um bom número de estudos a respeito de atitudes hostis foi realizado por autores de diferentes culturas e foi agrupado em quatro categorias, começando da mais difícil de se destacar até a mais evidente que é a deterioração proposital das condições de trabalho (contestações sistemáticas de todas as decisões tomadas pela pessoa visada, críticas exageradas ou injustas ao seu trabalho, atribuição sistemática de tarefas superiores as suas competências, instruções impossíveis de serem cumpridas, que a colocam em dificuldades...). Neste caso age-se de maneira a colocar a pessoa visada a parecer incompetente; pode-se com isso dirigir-lhe toda a espécie de criticas e encontrar pretextos para mandá-la embora. Em geral essas atitudes são as primeiras visíveis quando o assédio vem de cima para baixo.

23 Lista de Atitudes Hostis 1. Deterioração proposital das condições de trabalho: a. Retirar da vítima a autonomia b. Não lhe transmitir mais as informações úteis para a realização de tarefas. c. Contestar sistematicamente todas as suas decisões d. Criticar seu trabalho de forma injusta ou exagerada. e. Privá-la do acesso aos instrumentos de trabalho: telefone, fax, computador. f. Retirar o trabalho que normalmente lhe compete. g. Dar-lhe permanentemente novas tarefas. h. Atribuir-lhe proposital e sistematicamente tarefas inferiores as suas competências. i. Atribuir-lhe proposital e sistematicamente tarefas superiores as suas competências. j. Pressioná-la para que não faça valer os seus direitos: férias, horários, prêmios. k. Agir de modo a impedir que obtenha promoção. l. Atribuir a vítima contra a vontade dela, trabalhos perigosos. m. Atribuir á vítima tarefas incompatíveis com a sua saúde. n. Causar danos em seu local trabalho. o. Dar-lhe deliberadamente instruções impossíveis de executar. p. Não levar em conta recomendações de ordem médica indicadas pelo médico do trabalho. q. Induzir a vítima ao erro. r. Não deixar que faça o treinamento oferecido pelo DRH da Cia em detrimento do estagiário.

ASSÉDIO MORAL: Por: Claudia Regina Martins Psicóloga Organizacional CRP 08/13638

ASSÉDIO MORAL: Por: Claudia Regina Martins Psicóloga Organizacional CRP 08/13638 ASSÉDIO MORAL: Por: Claudia Regina Martins Psicóloga Organizacional CRP 08/13638 DEFINIÇÕES Moral: É o conjunto de regras adquiridas através da cultura, da educação, da tradição e do cotidiano, e que orientam

Leia mais

A Organização Mundial da Saúde (OMS) define a violência como o uso deliberado da força física, ou o poder, como ameaça à própria pessoa, um terceiro,

A Organização Mundial da Saúde (OMS) define a violência como o uso deliberado da força física, ou o poder, como ameaça à própria pessoa, um terceiro, Ana Dantas A Organização Mundial da Saúde (OMS) define a violência como o uso deliberado da força física, ou o poder, como ameaça à própria pessoa, um terceiro, um grupo ou uma comunidade, que cause ou

Leia mais

2º ENCONTRO DE TÉCNICOS E AUXILIARES DE ENFERMAGEM DO COREN-BA. 26/09/2014 SUERDA F. DE SOUZA COAST/CESAT/DIVAST

2º ENCONTRO DE TÉCNICOS E AUXILIARES DE ENFERMAGEM DO COREN-BA. 26/09/2014 SUERDA F. DE SOUZA COAST/CESAT/DIVAST ASSÉDIO MORAL NO TRABALHO: DESAFIO PARA A SAÚDE DO TRABALHADOR 2º ENCONTRO DE TÉCNICOS E AUXILIARES DE ENFERMAGEM DO COREN-BA. 26/09/2014 SUERDA F. DE SOUZA COAST/CESAT/DIVAST ASSÉDIO (VIOLÊNCIA) MORAL

Leia mais

APOSTILA DE FILOSOFIA E ÉTICA NAS ORGANIZAÇÕES

APOSTILA DE FILOSOFIA E ÉTICA NAS ORGANIZAÇÕES APOSTILA DE FILOSOFIA E ÉTICA NAS ORGANIZAÇÕES 2º. Bimestre Capítulos: I Ética: noções e conceitos básicos II Processo de Decisão Ética III - Responsabilidade Social Apostila elaborada pela Profa. Ana

Leia mais

COORDIGUALDADE Coordenadoria Nacional de Promoção de Igualdade de Oportunidade e Eliminação da Discriminação no Trabalho

COORDIGUALDADE Coordenadoria Nacional de Promoção de Igualdade de Oportunidade e Eliminação da Discriminação no Trabalho MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO COORDIGUALDADE Coordenadoria Nacional de Promoção de Igualdade de Oportunidade e Eliminação da Discriminação no Trabalho Procuradoria Regional do Trabalho da 1ª Região Av.

Leia mais

Bullying não é brincadeira!

Bullying não é brincadeira! Bullying não é brincadeira! Nunca se discutiu tanto, nos meios de comunicação, nas escolas e universidades, a violência física e verbal que ocorre nas escolas. O bullying, popular inclusive entre os alunos,

Leia mais

Assédio Moral e Sexual no Trabalho

Assédio Moral e Sexual no Trabalho A MISSÃO DA SCHIMITD Zelar pela proteção e bem estar de nossos clientes, oferecendo sempre soluções inovadoras para atender suas necessidades, visando aliar soluções qualidadeà preçoscompetitivos. de Assédio

Leia mais

Assédio Moral e Violência no Trabalho SINDSEP CAROLINA GRANDO, PSICÓLOGA - CRP 06/114283

Assédio Moral e Violência no Trabalho SINDSEP CAROLINA GRANDO, PSICÓLOGA - CRP 06/114283 Assédio Moral e Violência no Trabalho SINDSEP CAROLINA GRANDO, PSICÓLOGA - CRP 06/114283 O que você sempre quis saber sobre saúde mental relacionada ao trabalho e nunca teve a quem perguntar? Dividam-se

Leia mais

RISCOS ÀSEGURANÇA E SAÚDE DOS TRABALHADORES BANCÁRIOS

RISCOS ÀSEGURANÇA E SAÚDE DOS TRABALHADORES BANCÁRIOS RISCOS ÀSEGURANÇA E SAÚDE DOS TRABALHADORES BANCÁRIOS A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO BANCÁRIO Em consequência das mudanças sociais, econômicas e, sobretudo, tecnológicas, a organização do trabalho bancário

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA RESPONSABILIDADE DA EMPRESA

CÓDIGO DE ÉTICA RESPONSABILIDADE DA EMPRESA A Alvarez & Muniz Engenheiros Associados Ltda. vêm através deste Código de Ética valorizar a conduta correta de seus colaboradores e tentar reprimir ações ilícitas e comportamentos danosos que possam dificultar

Leia mais

ASSÉDIO MORAL: REVISÃO BIBLIOGRÁFICA SOBRE OS MÉTODOS

ASSÉDIO MORAL: REVISÃO BIBLIOGRÁFICA SOBRE OS MÉTODOS ASSÉDIO MORAL: REVISÃO BIBLIOGRÁFICA SOBRE OS MÉTODOS Carolina Gigliotti Cunha Barbosa 1 (1) RESUMO: O presente trabalho relata métodos de assédio moral existentes atualmente no ambiente de trabalho. A

Leia mais

Ficha técnica. COEDUCAR Cooperativa dos Trabalhadores de Educação Recanto do Fazer de Nova Iguaçu

Ficha técnica. COEDUCAR Cooperativa dos Trabalhadores de Educação Recanto do Fazer de Nova Iguaçu Ficha técnica COEDUCAR Cooperativa dos Trabalhadores de Educação Recanto do Fazer de Nova Iguaçu ORIENTAÇÃO PEDAGÓGICA: Luiz Câmara Maria de Fátima B. Barbosa REALIZAÇÃO E ORGANIZAÇÃO: Professores: Maria

Leia mais

TÍTULO: ASSÉDIO MORAL NO TRABALHO E A POSTURA ÉTICA DO ADMINISTRADOR COLABORADOR(ES): ANTÔNIO CARLOS MARQUES, LUCIANE MARIA ALVARES SATURNINO

TÍTULO: ASSÉDIO MORAL NO TRABALHO E A POSTURA ÉTICA DO ADMINISTRADOR COLABORADOR(ES): ANTÔNIO CARLOS MARQUES, LUCIANE MARIA ALVARES SATURNINO TÍTULO: ASSÉDIO MORAL NO TRABALHO E A POSTURA ÉTICA DO ADMINISTRADOR CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE CENECISTA DE SETE LAGOAS AUTOR(ES):

Leia mais

BULLYING É COISA SÉRIA! Margarete Barreto Floriano Pesaro

BULLYING É COISA SÉRIA! Margarete Barreto Floriano Pesaro BULLYING É COISA SÉRIA! Margarete Barreto Floriano Pesaro O QUE É BULLYING Bullying é um termo da língua inglesa (bully = valentão ) que se refere a todas as formas de atitudes agressivas, verbais ou físicas,

Leia mais

Índice. Missão, Visão, Valores e Princípios Objetivo Aplicabilidade Organização Interna Relacionamento Externo

Índice. Missão, Visão, Valores e Princípios Objetivo Aplicabilidade Organização Interna Relacionamento Externo Código de Conduta Índice Missão, Visão, Valores e Princípios Objetivo Aplicabilidade Organização Interna Relacionamento Externo 3 4 5 6 9 Missão, Visão, Valores e Princípios Missão Visão Princípios Valores

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA PI.001.00000000 A - 04 de Junho de 2014

CÓDIGO DE ÉTICA PI.001.00000000 A - 04 de Junho de 2014 CÓDIGO DE ÉTICA PI.001.00000000 A - 04 de Junho de 2014 PALAVRA DA DIRETORIA Apresentamos, com muito prazer, o do Grupo Galvão, que foi elaborado de maneira participativa com representantes dos colaboradores

Leia mais

Este Código de Conduta Ética foi impresso em papel couché, com tiragem de 1500 exemplares, em português.

Este Código de Conduta Ética foi impresso em papel couché, com tiragem de 1500 exemplares, em português. Este Código de Conduta Ética foi impresso em papel couché, com tiragem de 1500 exemplares, em português. Esta publicação é distribuída para os colaboradores da Recuperadora Sales Gama Ltda e seu público

Leia mais

A violência moral no trabalho não é um fenômeno novo. Atualmente vem aumentando, em virtude de:

A violência moral no trabalho não é um fenômeno novo. Atualmente vem aumentando, em virtude de: A violência moral no trabalho não é um fenômeno novo. Atualmente vem aumentando, em virtude de: Novas relações de trabalho/precarização Pressões por produtividade Desumanização do ambiente de trabalho

Leia mais

Código de Ética. Âmbito de aplicação

Código de Ética. Âmbito de aplicação Código de Ética Âmbito de aplicação O Código de Ética agora publicado busca orientar as ações da Energias do Brasil S.A. e de suas Controladas ( Energias do Brasil ) cujo âmbito de aplicação considera

Leia mais

A missão da Itapoços é transformar, através da prestação de serviços de qualidade, água em prosperidade e desenvolvimento sustentável, contribuindo

A missão da Itapoços é transformar, através da prestação de serviços de qualidade, água em prosperidade e desenvolvimento sustentável, contribuindo ITAPOÇOS POÇOS ARTESIANOS DE ITABIRA NASCIMENTO LTDA Introdução A missão da Itapoços é transformar, através da prestação de serviços de qualidade, água em prosperidade e desenvolvimento sustentável, contribuindo

Leia mais

Assédio Moral: O Estresse das Vítimas e das Testemunhas. Angelo Soares

Assédio Moral: O Estresse das Vítimas e das Testemunhas. Angelo Soares Assédio Moral: O Estresse das Vítimas e das Testemunhas Angelo Soares Os comportamentos associados ao assédio moral sempre estiveram presentes nos mundos do trabalho. O que é novo, entretanto, é a sua

Leia mais

Código de ética e Conduta

Código de ética e Conduta DEPARTAMENTO DE RECURSOS HUMANOS GlobalPET Reciclagem S.A Agosto /2014 Código de ética e Conduta Sumário 1. Introdução 2. Objetivos 3. Código de Conduta 4. Código de Ética 5. Valores éticos 6. Princípios

Leia mais

PESQUISA DE ASSÉDIO MORAL NO JUDICIÁRIO FEDERAL DE SP RELATÓRIO GERAL

PESQUISA DE ASSÉDIO MORAL NO JUDICIÁRIO FEDERAL DE SP RELATÓRIO GERAL PESQUISA DE ASSÉDIO MORAL NO JUDICIÁRIO FEDERAL DE SP RELATÓRIO GERAL PESQUISA SOBRE ASSÉDIO MORAL ENTRE OS TRABALHADORES DO JUDICIÁRIO FEDERAL DO ESTADO DE SÃO PAULO SINTRAJUD/SP 2007 Responsável Genilda

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA Por estar inserida em uma sociedade, a Interact Solutions preza por padrões de conduta ética em suas atividades, quando se relaciona com clientes, fornecedores, canais de distribuição,

Leia mais

Unidade IV. Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas. Prof a. Daniela Menezes

Unidade IV. Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas. Prof a. Daniela Menezes Unidade IV Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas Prof a. Daniela Menezes Tipos de Mercado Os mercados podem ser divididos em mercado de consumo e mercado organizacional. Mercado de consumo: o consumidor

Leia mais

Campanha Anti-bullying. JMJ na luta de uma escola respeitosa e humanizada

Campanha Anti-bullying. JMJ na luta de uma escola respeitosa e humanizada Campanha Anti-bullying JMJ na luta de uma escola respeitosa e humanizada Se o mal é contagioso o bem também é. Deixemos-no contagiar pelo bem. Papa Francisco Caro jovem, família e educadores, Este material

Leia mais

Tudo o que você precisa saber para ter filhos éticos, inteligentes, felizes e de sucesso

Tudo o que você precisa saber para ter filhos éticos, inteligentes, felizes e de sucesso Tudo o que você precisa saber para ter filhos éticos, inteligentes, felizes e de sucesso SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 15 2. COMUNICAÇÃO E DIÁLOGO ENTRE PAIS E FILHOS 23 2.1 O problema da comunicação entre pais

Leia mais

MENSAGEM DO PRESIDENTE

MENSAGEM DO PRESIDENTE Ética para viver Ética para viver MENSAGEM DO PRESIDENTE Caro colaborador, A Bandeirante possui missão, visão e valores definidos. Eles estão discriminados em um documento amplamente difundido dentro e

Leia mais

OBJETIVO DO CÓDIGO DE CONDUTA: Trabalho com ÉTICA HONESTIDADE HUMILDADE TRANSPARÊNCIA RESPONSABILIDADE EMPREENDEDORISMO

OBJETIVO DO CÓDIGO DE CONDUTA: Trabalho com ÉTICA HONESTIDADE HUMILDADE TRANSPARÊNCIA RESPONSABILIDADE EMPREENDEDORISMO OBJETIVO DO CÓDIGO DE CONDUTA: O CÓDIGO DE CONDUTA do GRUPO BAHAMAS, composto pelo Supermercado Bahamas e Bahamas Card (BTR), foi elaborado com o objetivo de orientar o trabalho de forma que as nossas

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL

RESPONSABILIDADE SOCIAL RESPONSABILIDADE SOCIAL Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares TODO COMPORTAMENTO TEM SUAS RAZÕES. A ÉTICA É SIMPLESMENTE A RAZÃO MAIOR DAVID HUME DEFINIÇÕES

Leia mais

O Assédio Moral nas Organizações de Trabalho

O Assédio Moral nas Organizações de Trabalho O Assédio Moral nas Organizações de Trabalho Aline Peixoto Monteiro Psicóloga Organizacional Recrutamento, Seleção e Acompanhamento Desenvolvimento Humano Origem do Assédio Moral Década de 80: primeiros

Leia mais

Código. de Conduta do Fornecedor

Código. de Conduta do Fornecedor Código de Conduta do Fornecedor 03/2014 Índice 1. Considerações... 03 2. Decisões... 04 3. Diretrizes... 05 3.1. Quanto à Integridade nos Negócios... 05 3.2. Quanto aos Direitos Humanos Universais... 06

Leia mais

OS IMPACTOS DO BULLYING CORPORATIVO À SAÚDE E À PRODUTIVIDADE DOS FUNCIONÁRIOS

OS IMPACTOS DO BULLYING CORPORATIVO À SAÚDE E À PRODUTIVIDADE DOS FUNCIONÁRIOS OS IMPACTOS DO BULLYING CORPORATIVO À SAÚDE E À PRODUTIVIDADE DOS FUNCIONÁRIOS É possível matar alguém só com palavras? A humilhação, gesto, palavras ofensivas no ambiente de trabalho ou qualquer outro

Leia mais

Visão, Missão e Valores do Grupo Bravante

Visão, Missão e Valores do Grupo Bravante CÓDIGO DE ÉTICA O Grupo Bravante apresenta a todos os seus colaboradores o seu Código de Ética. O objetivo deste é definir com clareza os princípios e valores éticos que norteiam todos os procedimentos

Leia mais

Engenharia e Consultoria CÓDIGO DE ÉTICA

Engenharia e Consultoria CÓDIGO DE ÉTICA CÓDIGO DE ÉTICA SUMÁRIO APRESENTAÇÃO COLABORADORES Princípios éticos funcionais Emprego e Ambiente de trabalho Conflito de interesses Segredos e informações comerciais SEGURANÇA, SAÚDE E MEIO AMBIENTE

Leia mais

CAROS SERVIDORES (AS),

CAROS SERVIDORES (AS), CAROS SERVIDORES (AS), A diretoria do Sindicato dos Servidores Municipais de Jaboatão dos Guararapes (SINSMUJG), no intuito de informar e combater o crime de assédio moral, prática que vem ocorrendo com

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA G UPO

CÓDIGO DE ÉTICA G UPO CÓDIGO DE ÉTICA G UPO 1 Sumário APRESENTAÇÃO... 2 1. APLICABILIDADE... 3 ESCLARECIMENTOS... 3 O COMITÊ DE ÉTICA... 3 ATRIBUIÇÕES DO COMITÊ... 3,4 2. ASSUNTOS INTERNOS... 4 OUVIDORIA... 4 PRECONCEITO...

Leia mais

Identidade Organizacional. Prezado,

Identidade Organizacional. Prezado, Prezado, Apresentamos a todos os colaboradores, o Código de Conduta da Bolt Transportes, que foi minuciosamente elaborado de acordo com os valores que acreditamos ser essenciais para o um bom relacionamento

Leia mais

POLÍTICA CORPORATIVA Código PC.00.001. PRESIDÊNCIA Revisão 00

POLÍTICA CORPORATIVA Código PC.00.001. PRESIDÊNCIA Revisão 00 Páginas 1/8 1. OBJETIVO O Código de Ética é um conjunto de diretrizes e regras de atuação, que define como os empregados e contratados da AQCES devem agir em diferentes situações no que diz respeito à

Leia mais

MANUAL PARA PAIS E RESPONSÁVEIS SOBRE COMO LIDAR COM O "BULLYING/IJIME"

MANUAL PARA PAIS E RESPONSÁVEIS SOBRE COMO LIDAR COM O BULLYING/IJIME MANUAL PARA PAIS E RESPONSÁVEIS SOBRE COMO LIDAR COM O "BULLYING/IJIME" Consulado Geral do Brasil em Tóquio 2014 1. DEFINIÇÃO DE "IJIME" A expressão japonesa "ijime" significa maltrato. Já a expressão

Leia mais

DIRECIONADORES DA AÇÃO EMPRESARIAL

DIRECIONADORES DA AÇÃO EMPRESARIAL DIRECIONADORES DA AÇÃO EMPRESARIAL Na ASBRASIL, já foram estabelecidas as direções básicas da ação empresarial, conforme estabelecido em nosso plano de negócios que deseja se consolidar em uma cultura

Leia mais

É o mesmo que violência moral. Quando um chefe, gerente, encarregado ou mesmo colega de trabalho submete o (a) trabalhador (a) a vexames,

É o mesmo que violência moral. Quando um chefe, gerente, encarregado ou mesmo colega de trabalho submete o (a) trabalhador (a) a vexames, A razão da proposta Em 2003, diante da ausência de legislação sobre o assédio moral, e de uma vivência sindical, observando relações de trabalho deterioradas que impediam o crescimento profissional de

Leia mais

Mobilização de Equipes para Alta Performance

Mobilização de Equipes para Alta Performance Mobilização de Equipes para Alta Performance Mobilização de Pessoas liderar é influenciar pessoas para que desenvolvam motivação para fazer o que "deve" ser feito com vontade e com o máximo de seu potencial

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA DO FORNECEDOR SODEXO APRIL 2014

CÓDIGO DE CONDUTA DO FORNECEDOR SODEXO APRIL 2014 CÓDIGO DE CONDUTA DO FORNECEDOR SODEXO APRIL 2014 Índice INTRODUÇÃO INTEGRIDADE NOS NEGÓCIOS DIREITOS HUMANOS E DIREITOS FUNDAMENTAIS NO TRABALHO Eliminação de todas as formas de trabalho forçado ou compulsório

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA ÉTICA

CÓDIGO DE CONDUTA ÉTICA CÓDIGO DE CONDUTA ÉTICA 1 Objetivo O Código de Conduta Ética da CSP tem como objetivo refletir os princípios e valores organizacionais que devem balizar e orientar as atitudes e os comportamentos de todos

Leia mais

ASSÉDIO MORAL: Uma Realidade no Local de Trabalho

ASSÉDIO MORAL: Uma Realidade no Local de Trabalho ASSÉDIO MORAL: Uma Realidade no Local de Trabalho Conferência sobre Assédio Moral: Uma Realidade no Local de Trabalho? Ana Paula Viseu UGT 7 de Março de 2009 1 TIPOLOGIA DO ASSÉDIO Assédio sexual Assédio

Leia mais

QUESTIONÁRIO: VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS NOME: CLASSIFIQUE EM VERDADEIRO (V) OU FALSO (F) AS SENTENÇAS ABAIXO:

QUESTIONÁRIO: VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS NOME: CLASSIFIQUE EM VERDADEIRO (V) OU FALSO (F) AS SENTENÇAS ABAIXO: QUESTIONÁRIO: VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS NOME: 1. Um tapinha no bumbum não é considerado violência devido ao baixo grau de agressão. 2. A prática sexual com indivíduos menores de 14 anos, com o consentimento

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA E DE CONDUTA

CÓDIGO DE ÉTICA E DE CONDUTA CÓDIGO DE ÉTICA E DE CONDUTA CÓDIGO DE ÉTICA E DE CONDUTA Para a QUAY, o Código de Ética e Conduta evidencia o propósito da empresa de buscar o constante aperfeiçoamento de seus valores, respeitando a

Leia mais

Rua Quatro Jacós, 26. CEP: 90.150-010 Porto Alegre - RS Fone: (051) 3224-2452 Fax: (051) 3224-3730 www.sindjus.com.br

Rua Quatro Jacós, 26. CEP: 90.150-010 Porto Alegre - RS Fone: (051) 3224-2452 Fax: (051) 3224-3730 www.sindjus.com.br Rua Quatro Jacós, 26. CEP: 90.150-010 Porto Alegre - RS Fone: (051) 3224-2452 Fax: (051) 3224-3730 www.sindjus.com.br Fontes consultadas: HIRIGOYEN, Marie-France. Mal-estar no trabalho: redefinindo o assédio

Leia mais

LEI Nº 2.619, DE 19 DE MARÇO DE 2010.

LEI Nº 2.619, DE 19 DE MARÇO DE 2010. LEI Nº 2.619, DE 19 DE MARÇO DE 2010. CERTIDÃO Certifico e dou fé que esta Lei foi publicada no placard do Município no dia- / / Dispõe sobre o programa de combate ao bullyng nas escolas públicas e privadas

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA DA COMPAÑÍA ESPAÑOLA DE PETRÓLEOS, S.A.U. (CEPSA) E DO SEU GRUPO DE EMPRESAS

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA DA COMPAÑÍA ESPAÑOLA DE PETRÓLEOS, S.A.U. (CEPSA) E DO SEU GRUPO DE EMPRESAS CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA DA COMPAÑÍA ESPAÑOLA DE PETRÓLEOS, S.A.U. (CEPSA) E DO SEU GRUPO DE EMPRESAS ÍNDICE CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA DA COMPAÑÍA ESPAÑOLA DE PETRÓLEOS, S.A.U. (CEPSA) E DO SEU GRUPO

Leia mais

C Ó D I G O D E C O N D U T A

C Ó D I G O D E C O N D U T A CÓDIGO DE CONDUTA 2014 INTRODUÇÃO Este código de consulta e ética visa apresentar de forma clara os padrões éticos da Cenário Projetos Audiovisuais e as condutas que devem orientar os relacionamentos e

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 7.457, DE 2010

PROJETO DE LEI N.º 7.457, DE 2010 CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI N.º 7.457, DE 2010 (Da Sra. Sueli Vidigal) Dispõe sobre o desenvolvimento de política "antibullying" por instituições de ensino e de educação infantil, públicas ou privadas,

Leia mais

EQUIPOMAN. Sistema de Gestão Integrada. Código de Ética

EQUIPOMAN. Sistema de Gestão Integrada. Código de Ética Sistema de Gestão Integrada Código de Ética CE-01/2012 Rev: 01 Data: 11/12/2012 1 Mensagem da Diretoria Prezados (as) Colaboradores (as), É com imensa satisfação que apresentamos o Código de Ética da EQUIPOMAN

Leia mais

Os Princípios Éticos e o Código de Conduta compõem o Código de Ética do IRB-Brasil Re.

Os Princípios Éticos e o Código de Conduta compõem o Código de Ética do IRB-Brasil Re. 1. Código de Ética 1.1. Introdução Os Princípios Éticos e o Código de Conduta compõem o Código de Ética do IRB-Brasil Re. O IRB-Brasil Re valoriza a reflexão ética como forma de aprimorar comportamentos

Leia mais

VIOLÊNCIA NO TRABALHO EM AMERICA LATINA UMA FORMA DE DISCRIMINAÇÃO NO EMPREGO RISCO PARA A SAÚDE DOS TRABALHADHORES

VIOLÊNCIA NO TRABALHO EM AMERICA LATINA UMA FORMA DE DISCRIMINAÇÃO NO EMPREGO RISCO PARA A SAÚDE DOS TRABALHADHORES VIOLÊNCIA NO TRABALHO EM AMERICA LATINA UMA FORMA DE DISCRIMINAÇÃO NO EMPREGO RISCO PARA A SAÚDE DOS TRABALHADHORES FORMA DE DISCRIMINAÇÃO E VIOLAÇÃO DOS DIREITOS HUMANOS A violência é global e sistêmica.

Leia mais

Discriminação na Web

Discriminação na Web Discriminação na Web Computadores e Sociedade Grupo: No USP: André Carrasco Rodrigues 5971243 Gabriel de Barros Paranhos da Costa 6513570 Marcelo Marques Morelli 6426889 Rafael Regis do Prado 6427132 Introdução:

Leia mais

PROJETO APE E PROGRAMA ESCOLA DA FAMILIA

PROJETO APE E PROGRAMA ESCOLA DA FAMILIA PROJETO APE E PROGRAMA ESCOLA DA FAMILIA O enfrentamento do BULLYING, além de ser uma medida disciplinar, também é um gesto cidadão tremendamente educativo, pois prepara os alunos para a aceitação, o respeito

Leia mais

Relatório Pacto Global. Princípio 1: As empresas devem dar apoio e respeitar a proteção aos direitos humanos proclamados internacionalmente;

Relatório Pacto Global. Princípio 1: As empresas devem dar apoio e respeitar a proteção aos direitos humanos proclamados internacionalmente; Relatório Pacto Global Princípios de Direitos Humanos Princípio 1: As empresas devem dar apoio e respeitar a proteção aos direitos humanos proclamados internacionalmente; Um dos valores que sustentam a

Leia mais

Ter um/a namorado/a pode ser um acontecimento verdadeiramente excitante, mas também um pouco assustador.

Ter um/a namorado/a pode ser um acontecimento verdadeiramente excitante, mas também um pouco assustador. Violência no namoro Ter um/a namorado/a pode ser um acontecimento verdadeiramente excitante, mas também um pouco assustador. Poderão surgir algumas DÚVIDAS e PREOCUPAÇÕES: Será que ele/ela gosta mesmo

Leia mais

Código de Conduta. www.observeseguranca.com.br

Código de Conduta. www.observeseguranca.com.br Código de Conduta www.observeseguranca.com.br Carta de Apresentacao A OBSERVE nasceu com o desafio de preparar profissionais com plena atenção no seu trabalho, com correta compreensão da realidade e com

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA 1ª Edição Fevereiro 2013

CÓDIGO DE ÉTICA 1ª Edição Fevereiro 2013 CÓDIGO DE ÉTICA 1ª Edição Fevereiro 2013 Se surgirem dúvidas sobre a prática dos princípios éticos ou desvios de condutas, não hesite em contatar o seu superior ou o Comitê de Ética. SUMÁRIO O CÓDIGO DE

Leia mais

POL 004 Rev. A POP, Código de Conduta

POL 004 Rev. A POP, Código de Conduta Página 1 de 7 A LDR é uma empresa de equipamentos médicos comprometida com o desenvolvimento, marketing, distribuição e venda de implantes vertebrais para implantação em seres humanos no tratamento de

Leia mais

O PAPEL DOS SINDICATOS NAS RELAÇÕES DE TRABALHO E A SUA ATUAÇÃO CONTRA O ASSÉDIO MORAL

O PAPEL DOS SINDICATOS NAS RELAÇÕES DE TRABALHO E A SUA ATUAÇÃO CONTRA O ASSÉDIO MORAL O PAPEL DOS SINDICATOS NAS RELAÇÕES DE TRABALHO E A SUA ATUAÇÃO CONTRA O ASSÉDIO MORAL Camile Silva Nóbrega 1 RESUMO O papel dos sindicatos na atuação contra o assédio moral nas relações de trabalho, criando

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA. Os princípios éticos que orientam nossa atuação também fundamentam nossa imagem de empresa sólida e confiável.

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA. Os princípios éticos que orientam nossa atuação também fundamentam nossa imagem de empresa sólida e confiável. CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA 1. Introdução Os princípios éticos que orientam nossa atuação também fundamentam nossa imagem de empresa sólida e confiável. Este Código de Ética e Conduta da UTC Participações

Leia mais

Carpathian Gold Inc.

Carpathian Gold Inc. Carpathian Gold Inc. CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA EM NEGÓCIOS I. PROPÓSITO DESTE CÓDIGO Este Código de Conduta e Ética em Negócios ("Código") da Carpathian Gold Inc. ("Carpathian") é um acréscimo ao Código

Leia mais

PRISMA EDIFICAÇÕES E ENGENHARIA

PRISMA EDIFICAÇÕES E ENGENHARIA PRISMA EDIFICAÇÕES E ENGENHARIA 2 Código de Conduta Prisma Edificações e Engenharia I - O que é o Código de Conduta da Prisma Edificações e Engenharia? O Código de Conduta da Prisma é um instrumento criado

Leia mais

Previna-se Denuncie. Sinttel-DF. Assédio. é crime. Sindicato dos Trabalhadores em Telecomunicações do Distrito Federal

Previna-se Denuncie. Sinttel-DF. Assédio. é crime. Sindicato dos Trabalhadores em Telecomunicações do Distrito Federal Previna-se Denuncie Sinttel-DF Assédio Moral é crime Sindicato dos Trabalhadores em Telecomunicações do Distrito Federal 2 Sua dignidade é o seu maior patrimonio O Sinttel-DF está muito preocupado com

Leia mais

Fenômeno Bullying: a prevenção começa pelo conhecimento. Cleo Fante. Educadora

Fenômeno Bullying: a prevenção começa pelo conhecimento. Cleo Fante. Educadora Fenômeno Bullying: a prevenção começa pelo conhecimento Cleo Fante Educadora 1 A Escola Escola é... o lugar onde se faz amigos não se trata só de prédios, salas, quadros, programas, horários, conceitos...

Leia mais

[CÓDIGO DE ÉTICA] Interinvest

[CÓDIGO DE ÉTICA] Interinvest [CÓDIGO DE ÉTICA] Este documento determina as práticas, padrões éticos e regras a serem seguidos pelos colaboradores, fornecedores e a todos aqueles que, direta ou indiretamente, se relacionem com a Interinvest.

Leia mais

SERVIDORES PÚBLICOS. Regina Heloisa M O Maciel Rosemary Cavalcante Gonçalves. CNPq: Projeto 477876/2006 4

SERVIDORES PÚBLICOS. Regina Heloisa M O Maciel Rosemary Cavalcante Gonçalves. CNPq: Projeto 477876/2006 4 SERVIDORES PÚBLICOS Regina Heloisa M O Maciel Rosemary Cavalcante Gonçalves CNPq: Projeto 477876/2006 4 Assédio Moral Uma situação em que um ou vários indivíduos, persistentemente, durante um certo período

Leia mais

Valores Pessoas; Trabalho em Equipe; Conduta Ética; Orientação ao Cliente; Orientação a Resultados; Inovação; e Comunidade e Meio Ambiente.

Valores Pessoas; Trabalho em Equipe; Conduta Ética; Orientação ao Cliente; Orientação a Resultados; Inovação; e Comunidade e Meio Ambiente. CÓDIGO DE ÉTICA EMPRESARIAL 1 INTRODUÇÃO O Código de Ética Empresarial da COELCE, apresenta os princípios direcionadores das políticas adotadas pela empresa e que norteiam as ações e relações com suas

Leia mais

A violência doméstica é um problema universal que atinge milhares de pessoas, em grande número de vezes de forma silenciosa e dissimuladamente.

A violência doméstica é um problema universal que atinge milhares de pessoas, em grande número de vezes de forma silenciosa e dissimuladamente. A violência doméstica é um problema universal que atinge milhares de pessoas, em grande número de vezes de forma silenciosa e dissimuladamente. Trata-se de um problema que acontece em ambos os sexos e

Leia mais

Écom muito prazer que divulgo nosso Código de Ética e Conduta.

Écom muito prazer que divulgo nosso Código de Ética e Conduta. Código de Ética e Conduta Carta do Presidente Écom muito prazer que divulgo nosso Código de Ética e Conduta. Procuramos refletir todos os princípios éticos e padrões de conduta emanados pela nossa fundadora

Leia mais

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE Sérgio Dal-Ri Moreira Pontifícia Universidade Católica do Paraná Palavras-chave: Educação Física, Educação, Escola,

Leia mais

Código de. Ética e Conduta. de Fornecedores

Código de. Ética e Conduta. de Fornecedores Código de Ética e Conduta de Fornecedores Fev/2012 Caro Fornecedor, Palavra do Presidente Este Código de Ética e Conduta de Fornecedores busca orientá-lo sobre as diretrizes da relação entre a Cielo e

Leia mais

Mordidas e agressões na escola

Mordidas e agressões na escola Mordidas e agressões na escola É muito comum que nas escolas de educação infantil, mais especificamente nas turmas de maternal, de crianças com aproximadamente dois anos de idade; aconteçam as mordidas

Leia mais

Código de Conduta Fornecedor Código de Conduta do Fornecedor Brasil Kirin

Código de Conduta Fornecedor Código de Conduta do Fornecedor Brasil Kirin Código de Conduta Fornecedor Código de Conduta do Fornecedor Brasil Kirin 1 Código de Conduta do Fornecedor Brasil Kirin Introdução O objetivo deste Código de Conduta é orientar os nossos fornecedores

Leia mais

Brasília, outubro de 2011

Brasília, outubro de 2011 Brasília, outubro o de 2011 1 Sumário Apresentação... 3 O que é assédio moral... 4 Como identificar o assédio moral... 4 Quem é o agressor?... 4 Danos ao agredido... 5 Exemplos de assédio moral... 5 Como

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA DA GSIME TECNOLOGIA E INFORMÁTICA LTDA Nome Fantasia: GTI Solution

CÓDIGO DE ÉTICA DA GSIME TECNOLOGIA E INFORMÁTICA LTDA Nome Fantasia: GTI Solution CÓDIGO DE ÉTICA DA GSIME TECNOLOGIA E INFORMÁTICA LTDA Nome Fantasia: GTI Solution GTI Solution Código de Ética: GSIME TECNOLOGIA E INFORMÁTICA LTDA 1. INTRODUÇÃO A GSIME TECNOLOGIA E INFORMÁTICA LTDA

Leia mais

Aprendendo Conceitos sobre Gênero e Sexo. Você Sabia

Aprendendo Conceitos sobre Gênero e Sexo. Você Sabia Aprendendo Conceitos sobre Gênero e Sexo Você Sabia Que o sexo de uma pessoa é dado pela natureza e por isso nascemos macho ou fêmea? Que o gênero é construído pelas regras da sociedade para definir, a

Leia mais

ÉTICA E RESPONSABILIDADE SOCIAL

ÉTICA E RESPONSABILIDADE SOCIAL ÉTICA E RESPONSABILIDADE SOCIAL Camila Cristina S. Honório 1 Maristela Perpétua Ferreira 1 Rosecleia Perpétua Gomes dos Santos 1 RESUMO O presente artigo tem por finalidade mostrar a importância de ser

Leia mais

FALANDO ABERTAMENTE SOBRE SUICÍDIO

FALANDO ABERTAMENTE SOBRE SUICÍDIO FALANDO ABERTAMENTE SOBRE SUICÍDIO MOMENTO DE DERRUBAR TABUS As razões podem ser bem diferentes, porém muito mais gente do que se imagina já teve uma intenção em comum. Segundo estudo realizado pela Unicamp,

Leia mais

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL CORPORATIVA

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL CORPORATIVA POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL CORPORATIVA 23 de julho de 2015 ÍNDICE Pág. Introdução... 3 Objetivos... 3 Princípios gerais de atuação... 4 Princípios específicos de atuação... 7 Mecanismos de desenvolvimento,

Leia mais

DISCRIMINAÇÃO E PRECONCEITO:

DISCRIMINAÇÃO E PRECONCEITO: DISCRIMINAÇÃO E PRECONCEITO: Uma contribuição para o debate Eliete Godoy 2011 "Devemos lutar pela igualdade sempre que a diferença nos inferioriza, mas devemos lutar pela diferença sempre que a igualdade

Leia mais

29 DE JANEIRO DIA NACIONAL DA VISIBILIDADE DE TRAVESTIS E TRANSEXUAIS. Jaqueline Gomes de Jesus* 1

29 DE JANEIRO DIA NACIONAL DA VISIBILIDADE DE TRAVESTIS E TRANSEXUAIS. Jaqueline Gomes de Jesus* 1 29 DE JANEIRO DIA NACIONAL DA VISIBILIDADE DE TRAVESTIS E TRANSEXUAIS Jaqueline Gomes de Jesus* 1 Uma história única cria estereótipos, e o problema com os estereótipos não é que eles sejam mentirosos,

Leia mais

25/03/2009. Violência Dirigida aos Enfermeiros no Local de Trabalho

25/03/2009. Violência Dirigida aos Enfermeiros no Local de Trabalho 25/03/2009 Violência Dirigida aos Enfermeiros no Local de Trabalho Violência Dirigida aos Enfermeiros no Local de Trabalho: O Caso de um Hospital Sandrina Nunes Violência no Sector da Saúde Ilustração

Leia mais

Preconceito é um juízo preconcebido, manifestado geralmente na forma de uma atitude discriminatória contra pessoas, lugares ou tradições diferentes

Preconceito é um juízo preconcebido, manifestado geralmente na forma de uma atitude discriminatória contra pessoas, lugares ou tradições diferentes Preconceito é um juízo preconcebido, manifestado geralmente na forma de uma atitude discriminatória contra pessoas, lugares ou tradições diferentes daqueles que consideramos nossos. Costuma indicar desconhecimento

Leia mais

TÍTULO: A INTERVENÇÃO DO PROFESSOR FRENTE AO BULLYING EM SALA DE AULA ORIENTADOR(ES): JOÃO ANGELO SEGANTIN, JOSLAINE APARECIDA REGIOLI DE ANGELIS

TÍTULO: A INTERVENÇÃO DO PROFESSOR FRENTE AO BULLYING EM SALA DE AULA ORIENTADOR(ES): JOÃO ANGELO SEGANTIN, JOSLAINE APARECIDA REGIOLI DE ANGELIS TÍTULO: A INTERVENÇÃO DO PROFESSOR FRENTE AO BULLYING EM SALA DE AULA CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE AURIFLAMA AUTOR(ES): LÚCIO FLÁVIO

Leia mais

Normas de Ética e Conduta Empresarial para Terceiros

Normas de Ética e Conduta Empresarial para Terceiros Todas as actividades empresariais na Bristol-Myers Squibb (BMS) apoiam-se no alicerce do nosso compromisso com a integridade e a conformidade com todas as leis, regulamentos, directivas e códigos industriais

Leia mais

MENSAGEM DO PRESIDENTE

MENSAGEM DO PRESIDENTE CÓDIGO DE CONDUTA 1 MENSAGEM DO PRESIDENTE Caro funcionário, Você recebe agora o novo Código de Conduta da Brasil Kirin. Esse documento, que é alinhado à nossa Visão, à Missão e aos nossos Valores, traduz

Leia mais

Introdução: Código de Conduta Corporativa

Introdução: Código de Conduta Corporativa Transporte Excelsior Ltda Código de Conduta Corporativa Introdução: A Transporte Excelsior através desse Código Corporativo de Conduta busca alinhar e apoiar o cumprimento de nossa Missão, Visão e Valores,

Leia mais

Indice. Bullying O acaso... 11

Indice. Bullying O acaso... 11 Indice Bullying O acaso... 11 Brincadeira de mau gosto. Chega! A história... 21 O dia seguinte... 47 A paixão... 53 O reencontro... 61 O bullying... 69 9 Agosto/2010 O acaso Terça-feira. O sol fazia um

Leia mais

Aliança do Brasil. É assim que a gente faz. Código de Conduta Ética

Aliança do Brasil. É assim que a gente faz. Código de Conduta Ética Aliança do Brasil. É assim que a gente faz. Código de Conduta Ética SUMÁRIO CONCEITO OBJETIVO ABRANGÊNCIA PRINCÍPIOS DE RELACIONAMENTOS CONFLITOS DE INTERESSE CONFIDENCIALIDADE DAS INFORMAÇÕES PRESERVAÇÃO

Leia mais

A seguir enumeramos algumas caracteristicas do TBH:

A seguir enumeramos algumas caracteristicas do TBH: OQUEÉOTRANSTORNOBIPOLARDO HUMOR(TBH)? O transtorno bipolar do humor (também conhecido como psicose ou doença maníaco-depressiva) é uma doença psiquiátrica caracterizada por oscilações ou mudanças de humor

Leia mais

Apoio. Patrocínio Institucional

Apoio. Patrocínio Institucional Patrocínio Institucional Apoio O Grupo AfroReggae é uma organização que luta pela transformação social e, através da cultura e da arte, desperta potencialidades artísticas que elevam a autoestima de jovens

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA DA SARAIVA

CÓDIGO DE CONDUTA DA SARAIVA CÓDIGO DE CONDUTA DA SARAIVA 2010 Pág.: 2 de 9 A maioria das empresas exige dos seus fornecedores um excelente produto/serviço, a preço competitivo. Além disso, para nós da Saraiva, é muito importante

Leia mais

POLÍTICA EMRPESARIAL DA INT.4

POLÍTICA EMRPESARIAL DA INT.4 POLÍTICA EMRPESARIAL DA INT.4 INTRODUÇÃO Desde que foi fundada em 2001, a ética, a transparência nos processos, a honestidade a imparcialidade e o respeito às pessoas são itens adotados pela interação

Leia mais