ASSÉDIO MORAL: Uma Realidade no Local de Trabalho

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ASSÉDIO MORAL: Uma Realidade no Local de Trabalho"

Transcrição

1 ASSÉDIO MORAL: Uma Realidade no Local de Trabalho Conferência sobre Assédio Moral: Uma Realidade no Local de Trabalho? Ana Paula Viseu UGT 7 de Março de

2 TIPOLOGIA DO ASSÉDIO Assédio sexual Assédio moral ou psicológico ou mobbing 2

3 Assédio Sexual Conceito Conduta de carácter sexual, recorrente, indesejável, não bem-vindo, não solicitado. Objectivo Intimidar, coagir, humilhar o(a) trabalhador(a) Meio- Físico, Verbal, não verbal, outros 3

4 Assédio Moral «Terror psicológico no trabalho, com comunicação hostil, exercida por uma ou várias pessoas, quase sempre sobre uma pessoa, que se sente encurralada, numa posição débil e na defensiva» Psicólogo sueco H. Leymann «Maus tratos infligidos de maneira reiterada e deliberada a uma pessoa (vítima) por uma pessoa(agressor) que deseja controlá-la» 4

5 «Comportamento irracional repetido dirigido a um trabalhador ou a um grupo, que constituiumriscoparaasaúdeesegurançano local de trabalho» «Mau uso da autoridade ou abuso dessa mesma autoridade, cuja vítima pode ter dificuldade em defender-se» 5

6 «Qualquer comportamento abusivo (gesto, palavra, comportamento, atitude, ) que atente, pela sua sistematização, contra a dignidade ou a integridade psíquica ou física de uma pessoa, pondo em perigo o seu emprego ou degradando o clima de trabalho» - Psiquiatra francesa Marie-France Hirigoyen 6

7 Métodos usados -pode ser exercido por muito tempo - Reputação sujeito(a) a comentários injuriosos atingindo por vezes a família, ridicularizado(a), servindo de chacota publicamente, é excluído(a) das relações sociais de trabalho (por ex: ida ao café, de conversas com colegas) Violência pode haver confronto físico, provocando acidentes ou até assédio sexual. 7

8 Trabalho é lhe dado trabalho em excesso, monótono, repetitivo; trabalho acima ou a baixo das suas qualificações(especialmente se o alvo é a saída do emprego); é desclassificado(a) profissionalmente. Comunicação a informação não chega ao trabalhador(a), não lhe é dirigida a palavra, é ostracizado(a), ameaçado(a), é criticado(a) peloseutrabalhoàfrentedetodos,asuavida privada é comentada, falam com o trabalhador(a) aos gritos, etc. 8

9 Efeitos: imediatos e visíveis O(A) assediado(a) não sabe como enfrentar a situação de assédio Absentismo Baixa auto estima Mudanças bruscas de humor Dificuldade no controlo das reacções emocionais Grande ansiedade Medo acentuado e contínuo Stress 9

10 Efeitos: a longo prazo Problemas psicológicos Baixas prolongadas Afastamento psico-social Sentimento de ameaça Sentimento de fracasso, impotência e frustração Apatia Quadro depressivo grave com tendências paranóicas e suicidas 10

11 Perfil do(a) assediado(a) Mulher Homem Grupo desprotegido Chefias intermédias 11

12 Perfil do(a) assediador(a) Empresa Individual 12

13 Empresa Não existe cultura da empresa Deficiências na organização do trabalho Estruturas autoritárias: deficiência na definição dos papéis e funções de cada um. Limitação ou inexistência de participação dos trabalhadores Baixa comunicação dentro da empresa Ambiente de trabalho muito competitivo 13

14 Individual Chefe contra subordinado: pressão para alcançar objectivos, para obrigar a pedir a transferência, para demissão, etc. Sempre superior hierárquico Mais anos na empresa (entre colegas) Mais idade (pressupõe promoção) 14

15 Consequências do Assédio Custos directos e indirectos Para o(a) trabalhador(a) assediado(a) Para a empresa Para a sociedade 15

16 Para o(a) Trabalhador(a) Físicas aparecimento de diversas patologias psicossomáticas: insónias, desmemoriado(a), dores generalizadas, alterações hormonais. Sociais mais susceptíveis e hipersensíveis à critica, isolamento, agressividade para com os mais próximos, amargura, pouco contacto social. Laborais desmotivado(a), sem vontade de trabalhar, insatisfeito(a), encara o local de trabalho associado ao sofrimento. 16

17 Para a empresa Contribuição para a deterioração do clima laboral Mau ambiente de trabalho Dificuldade na organização do trabalho Problemas com clientes Quebra na produtividade Relações laborais difíceis 17

18 Para a sociedade Impacto negativo no desenvolvimento económico Perda de força de trabalho Custos com a assistência médica Custos nos subsídios Aumento de pensões por invalidez 18

19 Motivações para assédio Competição entre colegas Tentativa de despedimento por parte do empregador Silenciamento caso dos delegados sindicais 19

20 Factores que contribuem para o aparecimento do assédio Emprego precário trabalhadores precários, com contrato a prazo, sem qualquer protecção sindical principais vítimas. Ritmo de trabalho trabalhadores sujeitos a ritmos de trabalho alucinantes para cumprirem prazos estipulados e conseguirem alcançarem objectivos aumenta a tensão Aumento do trabalho feminino as mulheres sofrem mais assédio do que os homens 20

21 Reestruturações das empresas Pressão dos clientes Responsabilidade exagerada dos trabalhadores Excessiva carga horária 21

22 Medidas Preventivas Empresa Melhoria das condições de trabalho Melhoria das condições de atendimento/assistência ao público Formação Informação aos trabalhadores Gestão de carreiras Gestão de conflitos 22

23 Medidas Preventivas Individual Educação/formação Denunciar os casos Não sofrer sozinho(a) Ter orgulho de si mesmo(a) e preservar a auto-estima 23

24 Inquérito Europeu sobre Condições de Trabalho trabalhadores de 15 Estados Membros (2000) 2% (3 milhões) foram objecto de assédio sexual 9% (13 milhões) alvo de acções de intimidação assédio moral 7% foram objecto de discriminação em função da idade, sexo, grupo étnico, deficiência Conclusão: 18% (27 milhões) foram vitímas de violência assédio e discriminação 24

25 15% na Finlândia Diferenças entre países 14% na Suécia e Reino Unido 12% na Holanda 11% Bélgica 5% em Espanha 4% em Portugal e Itália Conclusão: Diferente atitude face a estas questões e ao facto de não ser objecto de debate público 25

26 Assédio sexual sector hoteleiro e de restauração (6%); Violência física praticada por clientes sector da administração pública (6%) e sector do comércio (5%) Assédio moral Administração pública (14%); hotelaria e restauração (13%); no sector de vendas (13%) estando as mulheres (10%) mais expostas do que os homens (8%) 26

27 O que queremos Mais legislação Mais prevenção Mais informação Mais intervenção Mais denúncia Tipificação do assédio moral como um risco de trabalho A implementação do Acordo Quadro da CES 27

28 O que fazer Formaçãopara trabalhadores, empregadores, sindicalistas, negociadores, inspectores conhecer, prevenir, implementar Campanhas de informação para empregadores, trabalhadores, inspectores de trabalho, pessoal médico, advogados detectar, diagnosticar, tratar, defender Estudose Estatísticas conhecimento da dimensão do problema e procura de soluções Campanhas junto dos media 28

29 Sindicatos devem ter capacidade para denunciar situações e ajudar o(a) trabalhador(a) a resolver o seu problema Colocar na mesa da negociação colectiva este problema, com cláusulas de prevenção e de procedimentos, como forma de proteger o(a) trabalhador(a) e também o empregador Exigir o reforço da ACT em meios, para que a fiscalização funcione 29

30 Entidades a que pode e deve Sindicato recorrer ACT -Autoridade para as Condições de Trabalho CITE Comissão para a Igualdade no trabalho e no Emprego CIG Comissão para a Igualdade e Cidadania de Género SOS Mulheres APAV 30

31 Obrigada pela vossa atenção! 31

2º ENCONTRO DE TÉCNICOS E AUXILIARES DE ENFERMAGEM DO COREN-BA. 26/09/2014 SUERDA F. DE SOUZA COAST/CESAT/DIVAST

2º ENCONTRO DE TÉCNICOS E AUXILIARES DE ENFERMAGEM DO COREN-BA. 26/09/2014 SUERDA F. DE SOUZA COAST/CESAT/DIVAST ASSÉDIO MORAL NO TRABALHO: DESAFIO PARA A SAÚDE DO TRABALHADOR 2º ENCONTRO DE TÉCNICOS E AUXILIARES DE ENFERMAGEM DO COREN-BA. 26/09/2014 SUERDA F. DE SOUZA COAST/CESAT/DIVAST ASSÉDIO (VIOLÊNCIA) MORAL

Leia mais

O ASSÉDIO SEXUAL E MORAL NO LOCAL DE TRABALHO

O ASSÉDIO SEXUAL E MORAL NO LOCAL DE TRABALHO O ASSÉDIO SEXUAL E MORAL NO LOCAL DE TRABALHO SEMINÁRIO INTERNACIONAL ISCSP - INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS SOCIAIS E POLÍTICAS UNIVERSIDADE DE LISBOA 1 LISBOA, 03 DE JUNHO DE 2015 Gostaria de começar

Leia mais

ASSÉDIO MORAL NO TRABALHO

ASSÉDIO MORAL NO TRABALHO ASSÉDIO MORAL NO TRABALHO Conceito: É toda e qualquer conduta abusiva (gesto, palavra, escritos, comportamento, atitude, etc.) que, intencional e freqüentemente, fira a dignidade e a integridade física

Leia mais

COORDIGUALDADE Coordenadoria Nacional de Promoção de Igualdade de Oportunidade e Eliminação da Discriminação no Trabalho

COORDIGUALDADE Coordenadoria Nacional de Promoção de Igualdade de Oportunidade e Eliminação da Discriminação no Trabalho MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO COORDIGUALDADE Coordenadoria Nacional de Promoção de Igualdade de Oportunidade e Eliminação da Discriminação no Trabalho Procuradoria Regional do Trabalho da 1ª Região Av.

Leia mais

Brasília, outubro de 2011

Brasília, outubro de 2011 Brasília, outubro o de 2011 1 Sumário Apresentação... 3 O que é assédio moral... 4 Como identificar o assédio moral... 4 Quem é o agressor?... 4 Danos ao agredido... 5 Exemplos de assédio moral... 5 Como

Leia mais

O Assédio Moral nas Organizações de Trabalho

O Assédio Moral nas Organizações de Trabalho O Assédio Moral nas Organizações de Trabalho Aline Peixoto Monteiro Psicóloga Organizacional Recrutamento, Seleção e Acompanhamento Desenvolvimento Humano Origem do Assédio Moral Década de 80: primeiros

Leia mais

ASSÉDIO MORAL NO AMBIENTE DE TRABALHO

ASSÉDIO MORAL NO AMBIENTE DE TRABALHO ASSÉDIO MORAL NO AMBIENTE DE TRABALHO 1 CONCEITO Dano Moral Assédio Moral 2 Assédio Moral no Trabalho Conduta sem conotação sexual, ligada ao abuso de poder e caracterizada por práticas de humilhação e

Leia mais

Cássio Taniguch Secretário de Desenvolvimento Urbano e Meio Ambiente

Cássio Taniguch Secretário de Desenvolvimento Urbano e Meio Ambiente Cartilha Assédio Moral, Sexual e Discriminação José Roberto Arruda Governador Paulo Octávio Vice-Governador Cássio Taniguch Secretário de Desenvolvimento Urbano e Meio Ambiente Antônio Gomes Presidente

Leia mais

Assédio moral como patologia da solidão e do silêncio

Assédio moral como patologia da solidão e do silêncio Assédio moral como patologia da solidão e do silêncio Seminário Internacional de Ouvidorias-Ombudsman Brasil-Canadá Fortaleza julho 2009 João Batista Ferreira - Banco do Brasil INTERPESSOAL GRUPAL ORGANIZACIONAL

Leia mais

Audição Parlamentar 20/02/2014

Audição Parlamentar 20/02/2014 COMISSÃO DE ASSUNTOS CONSTITUCIONAIS, DIREITOS, nome da Comissão da Mulheres da UGT o convite da Em 1 Lugar gostaria de agradecer em nome da UGT e em 20/02/2014 1 sobre o desemprego afetarem mais as mulheres

Leia mais

Pedro R ibeiro Ribeiro e S ilva Silva MAPFRE Seguros

Pedro R ibeiro Ribeiro e S ilva Silva MAPFRE Seguros Pedro Ribeiro e Silva MAPFRE Seguros A avaliação de riscos psicossociais no trabalho na ótica das seguradoras A avaliação dos riscos psicossociais pelas seguradoras pode ser efectuada em duas perspectivas:

Leia mais

Edição A. Código de Conduta

Edição A. Código de Conduta Edição A Código de Conduta -- A 2011.09.26 1 de 5 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO... 2 2 PRINCÍPIOS E NORMAS GERAIS... 2 a) Trabalho Infantil... 2 b) Trabalho forçado... 2 c) Segurança e bem-estar no local de trabalho...

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO CONSELHO E AO PARLAMENTO EUROPEU

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO CONSELHO E AO PARLAMENTO EUROPEU COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 8.11.2007 COM(2007) 686 final COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO CONSELHO E AO PARLAMENTO EUROPEU que transmite o acordo-quadro europeu sobre assédio e violência no

Leia mais

7º Ano 8º Ano 9º Ano. Ficha de avaliação

7º Ano 8º Ano 9º Ano. Ficha de avaliação 1. As principais diferenças entre as raparigas na infância e a adolescência são: Aumento das mamas, alargamento da anca e crescimento de pelos púbicos Aparecimento da menstruação, crescimento de pelos

Leia mais

Assédio Moral no local de trabalho

Assédio Moral no local de trabalho DEBATE Combate ao Assédio no Trabalho 11.12.2013 Olinda Lousã Assédio Moral: olhar, ver prevenir, intervir Assédio Moral no local de trabalho Introdução Este apontamento é o resultado de uma revisão breve

Leia mais

Rua Quatro Jacós, 26. CEP: 90.150-010 Porto Alegre - RS Fone: (051) 3224-2452 Fax: (051) 3224-3730 www.sindjus.com.br

Rua Quatro Jacós, 26. CEP: 90.150-010 Porto Alegre - RS Fone: (051) 3224-2452 Fax: (051) 3224-3730 www.sindjus.com.br Rua Quatro Jacós, 26. CEP: 90.150-010 Porto Alegre - RS Fone: (051) 3224-2452 Fax: (051) 3224-3730 www.sindjus.com.br Fontes consultadas: HIRIGOYEN, Marie-France. Mal-estar no trabalho: redefinindo o assédio

Leia mais

Guia de prevenção de conflitos laborais Responsabilidade Civil da Empresa e dos seus Órgãos Diretivos

Guia de prevenção de conflitos laborais Responsabilidade Civil da Empresa e dos seus Órgãos Diretivos Guia de prevenção de conflitos laborais Responsabilidade Civil da Empresa e dos seus Órgãos Diretivos Índice 04 Identificar uma situação de assédio 05 Tipos de assédio 06 Sinais de alerta 08 Intervenção.

Leia mais

Assédio Moral: O Estresse das Vítimas e das Testemunhas. Angelo Soares

Assédio Moral: O Estresse das Vítimas e das Testemunhas. Angelo Soares Assédio Moral: O Estresse das Vítimas e das Testemunhas Angelo Soares Os comportamentos associados ao assédio moral sempre estiveram presentes nos mundos do trabalho. O que é novo, entretanto, é a sua

Leia mais

DEFINIÇÃO DE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA

DEFINIÇÃO DE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA DEFINIÇÃO DE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA Qualquer acto, omissão ou conduta que serve para infligir dor física, sexual ou mental, directa ou indirectamente, por meio de enganos, ameaças, coacção ou qualquer outro

Leia mais

Álcool e Drogas em Meio Laboral Clausulado Negociação Coletiva

Álcool e Drogas em Meio Laboral Clausulado Negociação Coletiva Álcool e Drogas em Meio Laboral Clausulado Negociação Coletiva Departamento de Segurança e Saúde no Trabalho Índice I Nota Introdutória. 3 II Metodologia..5 III Enquadramento da Problemática do Álcool

Leia mais

OS IMPACTOS DO BULLYING CORPORATIVO À SAÚDE E À PRODUTIVIDADE DOS FUNCIONÁRIOS

OS IMPACTOS DO BULLYING CORPORATIVO À SAÚDE E À PRODUTIVIDADE DOS FUNCIONÁRIOS OS IMPACTOS DO BULLYING CORPORATIVO À SAÚDE E À PRODUTIVIDADE DOS FUNCIONÁRIOS É possível matar alguém só com palavras? A humilhação, gesto, palavras ofensivas no ambiente de trabalho ou qualquer outro

Leia mais

ASSÉDIO MORAL NO AMBIENTE DE TRABALHO

ASSÉDIO MORAL NO AMBIENTE DE TRABALHO ASSÉDIO MORAL NO AMBIENTE DE TRABALHO FERRAZ, Neila Borges 1 RESUMO O presente trabalho apresenta uma abordagem sobre o Assédio moral no ambiente de trabalho, tendo como a principal finalidade analisar

Leia mais

Assédio Moral e Violência no Trabalho SINDSEP CAROLINA GRANDO, PSICÓLOGA - CRP 06/114283

Assédio Moral e Violência no Trabalho SINDSEP CAROLINA GRANDO, PSICÓLOGA - CRP 06/114283 Assédio Moral e Violência no Trabalho SINDSEP CAROLINA GRANDO, PSICÓLOGA - CRP 06/114283 O que você sempre quis saber sobre saúde mental relacionada ao trabalho e nunca teve a quem perguntar? Dividam-se

Leia mais

SOBRE O DOSSIÊ EDUCAÇÃO:

SOBRE O DOSSIÊ EDUCAÇÃO: SOBRE O DOSSIÊ EDUCAÇÃO: Distribuição realizada na Assembleia Unificada do SEPE-RJ, dia 15 de maio de 2014, no Clube Municipal, na Tijuca (RJ). O que é o DOSSIÊ EDUCAÇÃO? É um documento que trata da estrutura

Leia mais

25/03/2009. Violência Dirigida aos Enfermeiros no Local de Trabalho

25/03/2009. Violência Dirigida aos Enfermeiros no Local de Trabalho 25/03/2009 Violência Dirigida aos Enfermeiros no Local de Trabalho Violência Dirigida aos Enfermeiros no Local de Trabalho: O Caso de um Hospital Sandrina Nunes Violência no Sector da Saúde Ilustração

Leia mais

a) Ao fim de três meses de trabalho na empresa, o Senhor V começou por se insinuar, com conversas baixas, conversas que a queixosa sempre rebateu;

a) Ao fim de três meses de trabalho na empresa, o Senhor V começou por se insinuar, com conversas baixas, conversas que a queixosa sempre rebateu; PARECER N.º 4/CITE/94 Assunto: Assédio sexual no local de trabalho Empregada de escritório de empresa de Construção Civil I - Objecto 1. A trabalhadora..., empregada de escritório de uma empresa de construção

Leia mais

O DESEJO DE MORRER. A ideia do suicídio é uma grande consolação: ajuda a suportar muitas noites más. Suicídio

O DESEJO DE MORRER. A ideia do suicídio é uma grande consolação: ajuda a suportar muitas noites más. Suicídio O DESEJO DE MORRER A ideia do suicídio é uma grande consolação: ajuda a suportar muitas noites más Suicídio Os comportamentos suicidários constituem um flagelo da nossa sociedade contemporânea. Contudo,

Leia mais

GUIA INFORMATIVO PREVENÇÃO E COMBATE DE SITUAÇÕES DE ASSÉDIO NO LOCAL DE TRABALHO: UM INSTRUMENTO DE APOIO À AUTORREGULAÇÃO

GUIA INFORMATIVO PREVENÇÃO E COMBATE DE SITUAÇÕES DE ASSÉDIO NO LOCAL DE TRABALHO: UM INSTRUMENTO DE APOIO À AUTORREGULAÇÃO GUIA INFORMATIVO PREVENÇÃO E COMBATE DE SITUAÇÕES DE ASSÉDIO NO LOCAL DE TRABALHO: UM INSTRUMENTO DE APOIO À AUTORREGULAÇÃO Assédio no trabalho: conhecer, prevenir, combater FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia informativo

Leia mais

DEPRESSÃO. Tristeza vs Depressão «Será que estou deprimido?» «Depressão?! O que é?»

DEPRESSÃO. Tristeza vs Depressão «Será que estou deprimido?» «Depressão?! O que é?» DEPRESSÃO Tristeza vs Depressão «Será que estou deprimido?» Em determinados momentos da nossa vida é normal experienciar sentimentos de «grande tristeza». Para a maioria das pessoas, tais sentimentos surgem

Leia mais

ASSÉDIO MORAL: Por: Claudia Regina Martins Psicóloga Organizacional CRP 08/13638

ASSÉDIO MORAL: Por: Claudia Regina Martins Psicóloga Organizacional CRP 08/13638 ASSÉDIO MORAL: Por: Claudia Regina Martins Psicóloga Organizacional CRP 08/13638 DEFINIÇÕES Moral: É o conjunto de regras adquiridas através da cultura, da educação, da tradição e do cotidiano, e que orientam

Leia mais

BULLYING PROFISSIONAL E O CONSTRANGIMENTO ILEGAL HIERÁRQUICO NO DIREITO ADMINISTRATIVO MILITAR

BULLYING PROFISSIONAL E O CONSTRANGIMENTO ILEGAL HIERÁRQUICO NO DIREITO ADMINISTRATIVO MILITAR BULLYING PROFISSIONAL E O CONSTRANGIMENTO ILEGAL HIERÁRQUICO NO DIREITO ADMINISTRATIVO MILITAR Eder Machado Silva * Resumo: O presente artigo tem por objetivo abrir uma discussão sobre essa visão de violência

Leia mais

A Organização Mundial da Saúde (OMS) define a violência como o uso deliberado da força física, ou o poder, como ameaça à própria pessoa, um terceiro,

A Organização Mundial da Saúde (OMS) define a violência como o uso deliberado da força física, ou o poder, como ameaça à própria pessoa, um terceiro, Ana Dantas A Organização Mundial da Saúde (OMS) define a violência como o uso deliberado da força física, ou o poder, como ameaça à própria pessoa, um terceiro, um grupo ou uma comunidade, que cause ou

Leia mais

PARECER N.º 37/CITE/2007

PARECER N.º 37/CITE/2007 PARECER N.º 37/CITE/2007 Assunto: Parecer prévio nos termos do n.º 1 do artigo 51.º do Código do Trabalho e da alínea b) do n.º 1 do artigo 98.º da Lei n.º 35/2004, de 29 de Julho Processo n.º 151 DL-C/2007

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL ENTRE O GRUPO PORTUGAL TELECOM, A UNI (UNION NETWORK INTERNATIONAL), SINTTAV, STPT E SINDETELCO

CÓDIGO DE CONDUTA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL ENTRE O GRUPO PORTUGAL TELECOM, A UNI (UNION NETWORK INTERNATIONAL), SINTTAV, STPT E SINDETELCO CÓDIGO DE CONDUTA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL ENTRE O GRUPO PORTUGAL TELECOM, A UNI (UNION NETWORK INTERNATIONAL), SINTTAV, STPT E SINDETELCO PREÂMBULO O presente Acordo concretiza os objectivos das conversações

Leia mais

Uma questão de justiça

Uma questão de justiça IGUALDADE SALARIAL PARA EMPREGADOS Uma questão de justiça COMISSÃO PARA A IGUALDADE SALARIAL O que é a Lei sobre a Igualdade Salarial? A Lei sobre a Igualdade Salarial (Pay Equity Act) (Lei) exige que

Leia mais

financeiras que actuam em diferentes áreas de negócio, bem como por empresas instrumentais para o funcionamento e apoio à actividade do Grupo.

financeiras que actuam em diferentes áreas de negócio, bem como por empresas instrumentais para o funcionamento e apoio à actividade do Grupo. Código de Conduta Preâmbulo O Crédito Agrícola Mútuo é uma das instituições mais antigas da sociedade portuguesa, com génese nos Celeiros Comuns e nas Misericórdias. Ao longo da sua história, o Crédito

Leia mais

ExpressARTE Recursos Didácticos para Aprender a Ser Mais. Igualdade de Género

ExpressARTE Recursos Didácticos para Aprender a Ser Mais. Igualdade de Género ExpressARTE Recursos Didácticos para Aprender a Ser Mais Igualdade de Género ExpressARTE Recursos Didácticos para Aprender a Ser Mais Legislação O que é um homem e o que é uma mulher? Homem, s.m. (do lat.

Leia mais

Previna-se Denuncie. Sinttel-DF. Assédio. é crime. Sindicato dos Trabalhadores em Telecomunicações do Distrito Federal

Previna-se Denuncie. Sinttel-DF. Assédio. é crime. Sindicato dos Trabalhadores em Telecomunicações do Distrito Federal Previna-se Denuncie Sinttel-DF Assédio Moral é crime Sindicato dos Trabalhadores em Telecomunicações do Distrito Federal 2 Sua dignidade é o seu maior patrimonio O Sinttel-DF está muito preocupado com

Leia mais

Anexo I. Normas e boas práticas aplicáveis em matéria de igualdade de oportunidades - DIREITOS E DEVERES DOS TRABALHADORES E DAS TRABALHADORAS

Anexo I. Normas e boas práticas aplicáveis em matéria de igualdade de oportunidades - DIREITOS E DEVERES DOS TRABALHADORES E DAS TRABALHADORAS Anexo I Normas e boas práticas aplicáveis em matéria de igualdade de oportunidades - DIREITOS E DEVERES DOS TRABALHADORES E DAS TRABALHADORAS - DIREITOS E DEVERES DAS ENTIDADES EMPREGADORAS - OBRIGAÇÕES

Leia mais

ENCONTRO Juventude e Igualdade entre Mulheres e Homens

ENCONTRO Juventude e Igualdade entre Mulheres e Homens ENCONTRO Juventude e Igualdade entre Mulheres e Homens RESOLUÇÃO LUTAR CONTRA AS DISCRIMINAÇÕES CONSTRUIR A IGUALDADE Marinha Grande 15 de Maio de 2015 RESOLUÇÃO Lutar contra as discriminações Construir

Leia mais

Bullying - A Agressividade Entre Pares. A Agressividade Entre Pares

Bullying - A Agressividade Entre Pares. A Agressividade Entre Pares Bullying - A Agressividade Entre Pares A Agressividade Entre Pares Conceito de Bullying Dan Olweus (1991), definiu o conceito de Bullying afirmando que um aluno está a ser provocado/vitimado quando ele

Leia mais

POLÍTICA DE PREVENÇÃO E COMBATE AO ASSÉDIO MORAL E SEXUAL NO AMBIENTE DE TRABALHO

POLÍTICA DE PREVENÇÃO E COMBATE AO ASSÉDIO MORAL E SEXUAL NO AMBIENTE DE TRABALHO POLÍTICA DE PREVENÇÃO E COMBATE AO ASSÉDIO MORAL E SEXUAL NO AMBIENTE DE TRABALHO Versão 1.0 RES nº 101/2014, 09/12/2014 Sumário 1. Objetivo... 3 2. Aplicação... 3 3. Conceitos... 3 4. Referências... 4

Leia mais

Campanha europeia de avaliação de riscos psicossociais

Campanha europeia de avaliação de riscos psicossociais Campanha europeia de avaliação de riscos psicossociais Nome: Cristina Gonçalves Rodrigues Instituição/Entidade : Autoridade para as Condições do Trabalho Abordagem Psicossocial A abordagem psicossocial

Leia mais

Tratado de Lisboa 13 Dezembro 2007. Conteúdo e desafios

Tratado de Lisboa 13 Dezembro 2007. Conteúdo e desafios Tratado de Lisboa 13 Dezembro 2007 Conteúdo e desafios Os Tratados Tratado de Paris (CECA) 18 de Abril de 1951 Tratados de Roma (CEE e CEEA) 25 de Março de 1957 Acto Único Europeu 17 de Fevereiro 1986

Leia mais

Código de Ética da Parpública. Ética - Princípios e valores fundamentais. Âmbito de aplicação

Código de Ética da Parpública. Ética - Princípios e valores fundamentais. Âmbito de aplicação Código de Ética da Parpública Âmbito de aplicação Aplica-se a todos os colaboradores da Parpública sem prejuízo de outras disposições legais ou regulamentares aplicáveis ou a que por inerência do exercício

Leia mais

Discurso do IGT na conferência da EDP

Discurso do IGT na conferência da EDP Discurso do IGT na conferência da EDP 1. A Segurança e Saúde no Trabalho é, hoje, uma matéria fundamental no desenvolvimento duma política de prevenção de riscos profissionais, favorecendo o aumento da

Leia mais

NORMAS INTERNACIONAIS DO TRABALHO Convenção (n.º 102) relativa à segurança social (norma mínima), 1952

NORMAS INTERNACIONAIS DO TRABALHO Convenção (n.º 102) relativa à segurança social (norma mínima), 1952 NORMAS INTERNACIONAIS DO TRABALHO Convenção (n.º 102) relativa à segurança social (norma mínima), 1952 Bureau Internacional do Trabalho 1 Ratificação Como são utilizadas as Normas Internacionais do Trabalho?

Leia mais

Dia Mundial da Saúde Mental - 10 de Outubro

Dia Mundial da Saúde Mental - 10 de Outubro Não Há Saúde Sem Saúde Mental Dia Mundial da Saúde Mental - 10 de Outubro 1 a 17 de Outubro de 2010 Exposição promovida pelo Departamento de Psiquiatria e Saúde Mental O QUE É A SAÚDE MENTAL? É sentir-nos

Leia mais

Se você for trabalhar em:

Se você for trabalhar em: Se você for trabalhar em: CONSTRUÇÃO Metal MadeIra METAL, CONSTRUCCIÓN Y AFINES DE UGT deverá saber... SEMPRE DEVE TER EM CONTA: CONTRATO DE TRABALHO: exija sempre uma cópia assinada e comprove as condições.

Leia mais

Módulo 1: Formação para a consciencialização do fenómeno de bullying Manual do Formador

Módulo 1: Formação para a consciencialização do fenómeno de bullying Manual do Formador Módulo 1: Formação para a consciencialização do fenómeno de bullying Manual do Formador I. Información general Objetivo Geral do Módulo 1 A formação para a consciencialização do fenómeno de bullying serve

Leia mais

A violência moral no trabalho não é um fenômeno novo. Atualmente vem aumentando, em virtude de:

A violência moral no trabalho não é um fenômeno novo. Atualmente vem aumentando, em virtude de: A violência moral no trabalho não é um fenômeno novo. Atualmente vem aumentando, em virtude de: Novas relações de trabalho/precarização Pressões por produtividade Desumanização do ambiente de trabalho

Leia mais

PROJETO APE E PROGRAMA ESCOLA DA FAMILIA

PROJETO APE E PROGRAMA ESCOLA DA FAMILIA PROJETO APE E PROGRAMA ESCOLA DA FAMILIA O enfrentamento do BULLYING, além de ser uma medida disciplinar, também é um gesto cidadão tremendamente educativo, pois prepara os alunos para a aceitação, o respeito

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DO TRABALHO, EMPREGO E SEGURANÇA SOCIAL

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DO TRABALHO, EMPREGO E SEGURANÇA SOCIAL REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DO TRABALHO, EMPREGO E SEGURANÇA SOCIAL Discurso de Sua Excelência, Dra Vitória Dias Diogo, Ministra do Trabalho, Emprego e Segurança Social, no 1 Conselho Consultivo

Leia mais

Guia prático para professores

Guia prático para professores Guia prático para professores Não, Não e NÃO! Comportamentos de Oposição e de Desafio em sala de aula Sugestões práticas da: Nem todas as crianças são iguais, já ouvimos dizer muitas vezes.. Desde cedo,

Leia mais

Sindicato Nacional dos Docentes das Instituições de Ensino Superior - ANDES-SN

Sindicato Nacional dos Docentes das Instituições de Ensino Superior - ANDES-SN cartilha_assédio.pmd 1 1 Expediente: Produzido pela Assessoria de Comunicação do ANDES-SN SCS, Qd. 2, Bl. C, 5º andar - CEP 70.302-914 - Brasília-DF Tel. 61 3322 7561 www.andes.org.br Diretor de Divulgação

Leia mais

Rh News. RH News. Gestão de RH. Relações Trabalhistas. Prof. Ms. Mauricio Libreti de Almeida

Rh News. RH News. Gestão de RH. Relações Trabalhistas. Prof. Ms. Mauricio Libreti de Almeida Gestão de RH Prof. Ms. Mauricio Libreti de Almeida Relações Trabalhistas Rh News RH News Quais são as causas mais comuns de reclamações trabalhistas nas empresas? Reclamações trabalhistas mais comuns Horas

Leia mais

Stalking e Convenção de Istambul. Rita Braga da Cruz Porto Dezembro de 2014

Stalking e Convenção de Istambul. Rita Braga da Cruz Porto Dezembro de 2014 Stalking e Convenção de Istambul Padrão de comportamentos de assédio persistente, que se traduz em formas diversas de comunicação, contacto, vigilância e monitorização de uma pessoaalvo Consiste na vitimação

Leia mais

convicções religiosas...

convicções religiosas... apresenta Cartilha O termo DISCRIMINAR significa separar; diferenciar; estabelecer diferença; distinguir; não se misturar; formar grupo à parte por alguma característica étnica, cultural, religiosa etc;

Leia mais

Políticas Organizacionais

Políticas Organizacionais Políticas Organizacionais Manual de Políticas da CERCI Elaborado por/data Departamento de Gestão da Qualidade/Março 2013 Aprovado por/data Direção/18.03.2013 Revisto por/data Índice 1. Política e Objetivos

Leia mais

DEPARTAMENTO DA IGUALDADE E COMBATE

DEPARTAMENTO DA IGUALDADE E COMBATE DEPARTAMENTO DA IGUALDADE E COMBATE ÀS DISCRIMINAÇÕES Plano de Trabalho 2006/2007 PELA DIVERSIDADE! CONTRA AS DISCRIMINAÇÕES NOS LOCAIS DE TRABALHO Fevereiro de 2006 2 ÍNDICE TEMA Nº. PÁG. Introdução 3

Leia mais

Os Recursos Humanos na Distribuição

Os Recursos Humanos na Distribuição Os Recursos Humanos na Distribuição Tudo assenta nas pessoas. Também o sangue vital da Distribuição assenta nas pessoas, empregados ou consumidores, na medida em que uns vendem os produtos e os outros

Leia mais

Psicologia A Psicologia no Programa Idade com Qualidade" A psicologia na disfunção sexual

Psicologia A Psicologia no Programa Idade com Qualidade A psicologia na disfunção sexual Psicologia A Psicologia no Programa Idade com Qualidade" A Psicologia faz parte integrante de todas as áreas exploradas, mas também pode funcionar de forma independente das restantes especialidades, ou

Leia mais

"PENSANDO NA PRÁTICA: IDENTIFICANDO OS SINAIS DE VIOLÊNCIA, AS CONSEQUÊNCIAS E OS MARCOS LEGAIS QUE RESPALDAM AS INTERVENÇÕES E GARANTEM DIREITOS"

PENSANDO NA PRÁTICA: IDENTIFICANDO OS SINAIS DE VIOLÊNCIA, AS CONSEQUÊNCIAS E OS MARCOS LEGAIS QUE RESPALDAM AS INTERVENÇÕES E GARANTEM DIREITOS "PENSANDO NA PRÁTICA: IDENTIFICANDO OS SINAIS DE VIOLÊNCIA, AS CONSEQUÊNCIAS E OS MARCOS LEGAIS QUE RESPALDAM AS INTERVENÇÕES E GARANTEM DIREITOS" SINAIS DE VIOLÊNCIA FÍSICA deve-se suspeitar dos casos

Leia mais

PARECER N.º 202/CITE/2011

PARECER N.º 202/CITE/2011 PARECER N.º 202/CITE/2011 Assunto: Assédio moral e sexual Processo n.º 39 QX/2010 I OBJECTO 1.1. Em 19 de Janeiro de 2010, a CITE recebeu de uma queixa na qual relata ser vítima de assédio sexual e moral

Leia mais

Como eliminar a discriminação salarial baseada no género em Moçambique? Guia Prático para a Convenção nº 100 da Organização Internacional do Trabalho

Como eliminar a discriminação salarial baseada no género em Moçambique? Guia Prático para a Convenção nº 100 da Organização Internacional do Trabalho Como eliminar a discriminação salarial baseada no género em Moçambique? Guia Prático para a Convenção nº 100 da Organização Internacional do Trabalho Como eliminar a discriminação salarial baseada no

Leia mais

Código de Ética e de Conduta do Metropolitano de Lisboa, E.P.E. Código de Ética e de Conduta do Metropolitano de Lisboa, E.P.E.

Código de Ética e de Conduta do Metropolitano de Lisboa, E.P.E. Código de Ética e de Conduta do Metropolitano de Lisboa, E.P.E. Código de Ética e de Conduta do Metropolitano de Lisboa, E.P.E. ÍNDICE INTRODUÇÃO 1. Empresa e Serviço Público Empresa Missão Visão Função Social e Responsabilidades Sociais 2. Princípios e Valores Estruturantes

Leia mais

Equilíbrio de Género nos Conselhos de Administração: as Empresas do PSI 20

Equilíbrio de Género nos Conselhos de Administração: as Empresas do PSI 20 1 Equilíbrio de Género nos Conselhos de Administração: as Empresas do PSI 20 Relatório 2014 ACEGIS Associação para a Cidadania, Empreendedorismo, Género e Inovação Social 8 de março de 2014 Dia Internacional

Leia mais

Cooperativismo de Especialidades Médicas MÚCIO PEREIRA DINIZ PRESIDENTE DA FEBRACAN PRESIDENTE DA COOPANEST-MG

Cooperativismo de Especialidades Médicas MÚCIO PEREIRA DINIZ PRESIDENTE DA FEBRACAN PRESIDENTE DA COOPANEST-MG Cooperativismo de Especialidades Médicas MÚCIO PEREIRA DINIZ PRESIDENTE DA FEBRACAN PRESIDENTE DA COOPANEST-MG FEBRACAN Federação Brasileira das Cooperativas de Anestesiologistas HISTÓRICO COOPANEST-GO

Leia mais

Assinalar o Mês da Prevenção dos Maus Tratos na Infância; Dar a conhecer a Declaração Universal dos Direitos Humanos;

Assinalar o Mês da Prevenção dos Maus Tratos na Infância; Dar a conhecer a Declaração Universal dos Direitos Humanos; Oleiros, abril 2014 Objetivos: Assinalar o Mês da Prevenção dos Maus Tratos na Infância; Dar a conhecer a Declaração Universal dos Direitos Humanos; Divulgar a Declaração/ Convenção dos Direitos da Criança;

Leia mais

Código de Conduta Empresarial da Nestlé. 2008, Nestec Ltd. Conceito e Design: Nestec Ltd., Identidade Corporativa e Design, Vevey (Suiza)

Código de Conduta Empresarial da Nestlé. 2008, Nestec Ltd. Conceito e Design: Nestec Ltd., Identidade Corporativa e Design, Vevey (Suiza) Código de Conduta Empresarial da Nestlé 2008, Nestec Ltd. Conceito e Design: Nestec Ltd., Identidade Corporativa e Design, Vevey (Suiza) Introdução Desde a sua fundação, as práticas comerciais da Nestlé

Leia mais

Anexo 2 - Avaliação de necessidades de formação em H.S.T.

Anexo 2 - Avaliação de necessidades de formação em H.S.T. Anexo 2 - Avaliação de necessidades de formação em H.S.T. 54 3Inquérito às necessidades de formação profissional em higiene e segurança do trabalho 59 Inquérito às necessidades de formação profissional

Leia mais

Transição para a parentalidade após um diagnóstico de anomalia congénita no bebé: Resultados do estudo

Transição para a parentalidade após um diagnóstico de anomalia congénita no bebé: Resultados do estudo 2013 Transição para a parentalidade após um diagnóstico de anomalia congénita no bebé: Resultados do estudo Ana Fonseca, Bárbara Nazaré e Maria Cristina Canavarro Pontos de interesse especiais: Porque

Leia mais

PARECER N.º 175/CITE/2009

PARECER N.º 175/CITE/2009 PARECER N.º 175/CITE/2009 Assunto: Parecer prévio nos termos do n.º 1 e da alínea b) do n.º 3 do artigo 63.º do Código do Trabalho, aprovado pela Lei n.º 7/2009, de 12 de Fevereiro Despedimento colectivo

Leia mais

PARECER N.º 1/CITE/2003

PARECER N.º 1/CITE/2003 PARECER N.º 1/CITE/2003 Assunto: Direito ao gozo da licença por maternidade, no caso de nascimento de nado-morto e morte de nado-vivo Processo n.º 56/2002 I - OBJECTO 1.1. Em 22 de Novembro de 2002, a

Leia mais

POSIÇÃO DA UGT Audição sobre o Futuro da Europa

POSIÇÃO DA UGT Audição sobre o Futuro da Europa POSIÇÃO DA UGT Audição sobre o Futuro da Europa A UGT saúda o debate em curso na Comissão dos Assuntos Europeus sobre o Futuro da Europa e, particularmente, sobre o futuro do Tratado Constitucional. O

Leia mais

O Assédio Moral, o nexo causal para doença do trabalho e o artigo 483 da Consolidação das Leis do Trabalho

O Assédio Moral, o nexo causal para doença do trabalho e o artigo 483 da Consolidação das Leis do Trabalho O Assédio Moral, o nexo causal para doença do trabalho e o artigo 483 da Consolidação das Leis do Trabalho Marco Antônio César Villatore 1 O Assédio Moral no Ambiente de Trabalho é um fenômeno antigo,

Leia mais

Gestão de Instalações Desportivas

Gestão de Instalações Desportivas Gestão de Instalações Desportivas Ambiente, Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho Módulo 10 sessão 1 Ambiente, Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho Objetivos de Aprendizagem 1. Participar ativamente

Leia mais

T R A N S M E L O REGULAMENTO INTERNO PREVENÇÃO E CONTROLO DO ALCOOLISMO

T R A N S M E L O REGULAMENTO INTERNO PREVENÇÃO E CONTROLO DO ALCOOLISMO T R A N S M E L O REGULAMENTO INTERNO PREVENÇÃO E CONTROLO DO ALCOOLISMO Março de 2006 T R A N S M E L O Regulamento de Prevenção e Controlo do Alcoolismo 2 Regulamento Interno para a Prevenção e Controlo

Leia mais

Fundada em 1986. Gestão Comportamental. Educação para a saúde Gestão de crise

Fundada em 1986. Gestão Comportamental. Educação para a saúde Gestão de crise MISSÃO Educar para a prevenção e condução de crises, visando a saúde emocional individual, da família e da organização. Gestão Comportamental Fundada em 1986 PAP - Programa de Apoio Pessoal Atuações em

Leia mais

CENTRO SOCIAL SANTA CRUZ DO DOURO MANUAL DE GESTÃO DE CONFLITOS

CENTRO SOCIAL SANTA CRUZ DO DOURO MANUAL DE GESTÃO DE CONFLITOS CENTRO SOCIAL SANTA CRUZ DO DOURO Você deve ser a mudança que deseja ver no mundo. (Mahatma Gandhi) GESTÃO DE CONFLITOS Gestão de Conflitos é a arte de identificar, lidar e minimizar/resolver situações

Leia mais

ESTRESSE OCUPACIONAL SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO

ESTRESSE OCUPACIONAL SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO ESTRESSE SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO Página 1 de 9 1. OBJETIVO... 3 2. ESCOPO... 3 3. DEFINIÇÕES... 4 4. ESTRESSE OCUPACIONAL: CARACTERIZAÇÃO... 4 4.1. Conceitos fundamentais... 4 4.2. Conseqüências

Leia mais

ignorado, como, muito mais grave ainda, considerado procedimento Desde o dito português de que entre marido e mulher não metas a

ignorado, como, muito mais grave ainda, considerado procedimento Desde o dito português de que entre marido e mulher não metas a S. R. PROCURADORIA-GERAL DA REPÚBLICA Gabinete do Procurador-Geral da República O problema da violência doméstica em Portugal foi durante anos não só ignorado, como, muito mais grave ainda, considerado

Leia mais

Porque razão a banca e o governo querem transferir os Fundos de Pensões para a Segurança Social Pág 1

Porque razão a banca e o governo querem transferir os Fundos de Pensões para a Segurança Social Pág 1 Porque razão a banca e o governo querem transferir os Fundos de Pensões para a Segurança Social Pág 1 PORQUE RAZÃO A BANCA PRETENDE TRANSFERIR OS FUNDOS DE PENSÕES PARA A SEGURANÇA SOCIAL E OS RISCOS PARA

Leia mais

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO MANUAL DO AVALIADOR Avaliar é fazer análise e ter a oportunidade de rever, aperfeiçoar, fazer de forma diferente, sempre em busca de eficácia e resultados. Gartner & Sánchez As

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS 01. Tratando se das atribuições de um Vigia de um órgão público municipal, é correto afirmar que: A) A realização de rondas diurnas e noturnas tem como objetivo evitar roubos,

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA DA SOMMA INVESTIMENTOS

CÓDIGO DE ÉTICA DA SOMMA INVESTIMENTOS 1. O CÓDIGO Este Código de Ética (Código) determina as práticas e padrões éticos a serem seguidos por todos os colaboradores da SOMMA INVESTIMENTOS. 2. APLICABILIDADE Esta política é aplicável: 2.1. A

Leia mais

A seguir enumeramos algumas caracteristicas do TBH:

A seguir enumeramos algumas caracteristicas do TBH: OQUEÉOTRANSTORNOBIPOLARDO HUMOR(TBH)? O transtorno bipolar do humor (também conhecido como psicose ou doença maníaco-depressiva) é uma doença psiquiátrica caracterizada por oscilações ou mudanças de humor

Leia mais

FASCÍCULO IV OS PRINCIPAIS CONCEITOS PARA A COMPREENSÃO DA IGUALDADE DE GÉNERO

FASCÍCULO IV OS PRINCIPAIS CONCEITOS PARA A COMPREENSÃO DA IGUALDADE DE GÉNERO OS PRINCIPAIS CONCEITOS PARA A COMPREENSÃO DA IGUALDADE DE GÉNERO Com a colaboração de: No âmbito dos estudos de género e das políticas de igualdade têm vindo a ser definidos inúmeros conceitos com vista

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA e CONDUTA PROFISSONAL da

CÓDIGO DE ÉTICA e CONDUTA PROFISSONAL da CÓDIGO DE ÉTICA e CONDUTA PROFISSONAL da INDICE Página 1 Objectivos do Código de Ética..3 2 Missão e valores.3 3 Âmbito de aplicação 3 4 Publicação e actualizações..3 5 - Normas de conduta 3 5.1 - Lealdade

Leia mais

Qualidade de vida. Pesquisa realizada. Gestão de RH. Qualidade de vida no trabalho. Prof. Rafael Marcus Chiuzi

Qualidade de vida. Pesquisa realizada. Gestão de RH. Qualidade de vida no trabalho. Prof. Rafael Marcus Chiuzi Gestão de RH Prof. Rafael Marcus Chiuzi Qualidade de vida no trabalho Qualidade de vida O que é? Por que se tornou tão importante? Quais são seus impactos nas organizações? Pesquisa realizada Qualidade

Leia mais

Formação Profissional dos Assistentes Técnicos no Centro Hospitalar do Porto, e.p.e. Oferta/Procura e Feed-back

Formação Profissional dos Assistentes Técnicos no Centro Hospitalar do Porto, e.p.e. Oferta/Procura e Feed-back Formação Profissional dos Assistentes Técnicos no Centro Hospitalar do Porto, e.p.e. Oferta/Procura e Feed-back CONTEXTO: Falta de Competências Específicas no acesso à carreira Os níveis de escolaridade

Leia mais

PARECER N.º 170/CITE/2013

PARECER N.º 170/CITE/2013 PARECER N.º 170/CITE/2013 Assunto: Parecer prévio ao despedimento de trabalhadora lactante, nos termos previstos no n.º 3 do artigo 346.º e na alínea b) do n.º 3 do artigo 63.º do Código do Trabalho, aprovado

Leia mais

CONFERÊNCIA ESTADO, ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E PREVENÇÃO DA CORRUPÇÃO SESSÃO DE ABERTURA

CONFERÊNCIA ESTADO, ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E PREVENÇÃO DA CORRUPÇÃO SESSÃO DE ABERTURA CONFERÊNCIA ESTADO, ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E PREVENÇÃO DA CORRUPÇÃO SESSÃO DE ABERTURA DISCURSO PROFERIDO PELO PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE CONTAS E DO CONSELHO DE PREVENÇÃO DE CORRUPÇÃO, DR. GUILHERME D OLIVEIRA

Leia mais

PARECER N.º 26/CITE/2006

PARECER N.º 26/CITE/2006 PARECER N.º 26/CITE/2006 Assunto: Parecer prévio ao despedimento de trabalhadora grávida, nos termos do n.º 1 do artigo 51.º do Código do Trabalho, conjugado com a alínea b) do n.º 1 do artigo 98.º da

Leia mais

Suicídio nos pacientes com Transtorno de Personalidade Borderline.

Suicídio nos pacientes com Transtorno de Personalidade Borderline. Suicídio nos pacientes com Transtorno de Personalidade Borderline. Instituto José Frota Messiano Ladislau Nogueira de Sousa Médico Psiquiatra - Formação no Hospital das Clínicas ( HUWC Fortaleza ) Maio

Leia mais

Código de Ética e Conduta

Código de Ética e Conduta Código de Ética e Conduta Índice Apresentação... 3 Principais Objectivos do Código... 3 Finalidade do Código de Ética... 4 Âmbito de Aplicação... 4 Serviço Público... 4 Missão... 5 Visão... 5 Responsabilidade

Leia mais

Manual de orientação para boas práticas em Igualdade de génro nas empresas e organziações

Manual de orientação para boas práticas em Igualdade de génro nas empresas e organziações Manual de orientação para boas práticas em Igualdade de génro nas empresas e organziações Uma abordagem estratégica para a RSE revela-se cada vez mais fundamental para a competitividade das empresas. Esta

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA DA GEBALIS

CÓDIGO DE ÉTICA DA GEBALIS CÓDIGO DE ÉTICA DA GEBALIS DEZEMBRO DE 2008 PREÂMBULO O presente Código visa clarificar as normas de conduta que devem orientar os comportamentos e as atitudes de todos os Colaboradores da GEBALIS, independentemente

Leia mais