FUNDAMENTALS DRILLS. por Kevin Eastman

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FUNDAMENTALS DRILLS. por Kevin Eastman"

Transcrição

1 por Kevin Eastman FUNDAMENTALS DRILLS Kevin Eastman é um dos melhores professores dos fundamentos do basquetebol nos E.U.A. Antigo treinador das universidades de Washington State e North Carolina - Wilmington, e olheiro da NBA. Actualmente é director da NIKE Skills Academy. No Verão passado trabalhou com LeBron James (Cleveland Cavaliers) e Carmelo Anthony (Denver Nuggets). É autor de 5 vídeos de fundamentos de basquetebol, produzidos pela Championship Productions. Existem muitos treinadores que despendem muito tempo em exercícios mas não sabem como fazer cada exercício, o mais competitivo possível. Fazer exercícios competitivos será o que diferenciará os seus exercícios diferentes dos outros. Quanto mais competitivos os exercícios são, maior intensidade terão os vossos jogadores, e os exercícios serão da realidade do jogo. Existem três formas de competição: 1. Competindo consigo próprio. 2. Competindo com o relógio. 3. Competindo com um adversário. COMPETINDO CONSIGO PRÓPRIO Desafias-te a ti mesmo todos os dias para fazer mais um lançamento, ou mais uma repetição, ou saltar um centímetro mais alto. A tua única concentração é em bater hoje, o que fizeste no dia anterior. COMPETINDO COM O RELÓGIO Já sabes quantas repetições consegues fazer num determinado período de tempo. O teu objectivo é tentar aumentar o número de repetições nesse mesmo período de tempo. COMPETINDO COM UM ADVERSÁRIO Simplificando, és tu contra outra pessoa: quem faz melhor; quem faz mais; quem salta mais alto; quem faz mais repetições É essencial que os atletas compitam todos os dias, se querem tornar-se em bons jogadores de basquetebol. Têm de se desafiar a eles próprios durante todos os exercícios.

2 Exercícios de basquetebol são básicos. Sessões de treinos são básicas. As aptidões são básicas. A verdadeira batalha para o jogador está presente nas horas que dispêndio para trabalhar. O jogador tem de arranjar soluções para ultrapassar tudo isto. Cansaço, frustração e suor ajudam a construir a, tão importante, disciplina. Se ele sente a paixão genuína pelo jogo, terá sucesso. Perceba-se que o basquetebol é um jogo de transições constantes, correndo sempre para cima e para baixo, atacando e defendendo, e de um lado para o outro do campo. É extremamente raro quando um jogador se apresenta parado, sem movimento dentro de campo, e quando acontece, é num intervalo de tempo muito pequeno. O mesmo se deve passar na maneira de treinar. Os jogadores têm de estar em constante movimento: YOU CAN T JUST STAND AROUND! Para se conseguir ser um bom jogador, tens de ter vontade de treinar o melhor possível, com máxima entrega. Quanto melhor treinares, melhor jogador te tornarás. Bons jogadores de basquetebol não podem ter uma atitude em que treinam porque é necessário treinar. Têm de querer treinar e melhorar. Os melhores jogadores estão sempre a tentar melhorar as suas capacidades. O que realmente separa um bom jogador de um jogador que simplesmente joga, é o tempo de qualidade em que o jogador consegue por em prática. Um bom jogador, treina sempre com a intensidade e velocidade em que se desenrola o jogo, em todos os exercícios. EXERCÍCIOS DE LANÇAMENTO POSTURA DO LANÇAMENTO O jogador lança 3 vezes de cada uma das 7 posições do campo. Tem de se concentrar em manter a postura de lançamento correcta antes, durante e depois do lançamento (diagr. 1). Tem de seguir a bola após cada lançamento. diagr. 1 POSTURA DO LANÇAMENTO DE GANCHO O jogador faz dois lançamentos de gancho, com técnica perfeita, com a mão direita, seguidos de dois lançamentos de gancho com a mão esquerda, de cada uma das quatro posições (diagr. 2). diagr. 2 CORTAR, RECEBER, PARAR E LANÇAR O jogador corta para o cesto com velocidade de jogo, e depois para a linha de lance livre. Recebe a bola, dribla em direcção ao cesto, para e lança. Cinco lançamentos de cada lado do campo (diagr. 3). diagr. 3

3 O mesmo movimento, mas, assim que o jogador recebe a bola, penetra com força para o cesto, acabando com lançamento na passada ou afundanço se possível. Cinco lançamentos de cada lado do campo (diagr. 4). diagr. 4 CORTE PARA POSTE BAIXO Da posição de poste baixo contrária, o jogador faz um corte para a posição de poste baixo do lado da bola. Cinco lançamentos de cada lado com diferentes tipos de lançamentos de perto do cesto (diagr. 5). diagr. 5 APÓS LANÇAMENTOS DE CORTES Estes exercícios são construídos para cortes, recepções e lançamentos de posições, previamente designadas, de acordo com as jogadas mais influentes da equipa em questão. O ângulo e precisão dos cortes são tão importantes como os lançamentos em si. Cada exercício pode ser para lançamentos de 2 ou 3 pontos dos dois lados do campo (diagr. 6). Estes são os tipos de cortes: Motion cut (diagr. 7); Flare cut, afastando--se do bloqueio (diagr. 8); Flex cut (diagr. 9); Post baseline cut e depois para a zona de lance livre (diagr. 10). diagr. 6 diagr. 7 diagr. 8 diagr. 9 diagr. 10

4 EXERCICIOS DE CORTE EM ZIGZAG O jogador começa o exercício a 9, 10 metros do cesto, no centro do campo. Um colega de equipa ou treinador, passam a bola para baixo do cesto. O jogador corre até ao ponto 1, agarra a bola e lança, depois corre até ao ponto de partida, segue para o ponto 2, agarra a bola e lança. Funciona desta mesma maneira para todas as 5 posições. O exercício pode ser feito de modo a agarrar a bola e lance de imediato, ou agarrar a bola, 1 drible e lançamento (diagr. 11). diagr. 11 EXERCÍCIOS DE CONES Quatro cones são postos no campo (diagr.12). Um colega de equipa ou o treinador faz os passes. O jogador pode começar de qualquer uma das posições. Corre para o cone, recebe a bola e lança. Depois corre até o outro cone, recebe a bola e lança de novo. Assim sucessivamente. Depois de cada lançamento, tem de se dirigir para o cone mais afastado do cone de onde lançou (diagr. 12). diagr. 12 EXERCÍCIOS COM CADEIRAS - CORTE NAS CADEIRAS Duas cadeiras são colocadas nas quinas do garrafão. O jogador começa no meio do campo, finta que vai para um lado, e vai para o lado contrário, passa pela cadeira, agarra a bola, e lança. Repete este movimento para o outro lado, regressando anteriormente ao meio do campo. Dois colegas estão debaixo do cesto para ressaltar as bolas e coloca-las nas cadeiras. A duração do exercício pode ser previamente estabelecido, quer por tempo, quer pelo número de lançamentos efectuados, ou mesmo lançamentos marcados. O jogador pode receber a bola e lançar de imediato ou receber, driblar e lançar, ou ainda fintar o lançamento, driblar e lançar (diagr. 13). diagr. 13 CORTE INVERTIDO NAS CADEIRAS O exercício é igual ao anterior, mas uma vez o jogador ter passado pela cadeira, reverte o sentido passa de novo pela cadeira, agarra a bola e lança. Tem de fazer este movimento, somente após ter passado pela cadeira (diagr. 14). diagr. 14

5 PENETRAÇÃO NO MEIO DAS CADEIRAS O treinador tem a bola e o jogador permanece de costas voltadas para o cesto. O treinador passa para o jogador, e assim que a bola está no ar em direcção ao jogador, grita: direita ou esquerda. O jogador roda segundo a direcção dita pelo treinador, quando recebe a bola, sobre o pé direito ou esquerdo, dribla duas vezes, rapidamente entre as duas cadeiras e lança em suspensão (diagr. 15). diagr. 15 QUATRO CADEIRAS Quatro cadeiras são postas nos quatro cantos do garrafão, cada uma com bola. Dois colegas ou treinadores, recolocam as bolas nas cadeiras. O jogador começa no lado direito (neste caso), corta paralelamente à linha de fundo, e depois sobe, contorna a cadeira 1, agarra a bola e lança. Depois, volta para a cadeira 2, agarra a bola e lança. A seguir faz o mesmo para a cadeira 3, cortando pela linha de fundo. Finalmente, dirige-se para a cadeira 4 e lança (diagr. 16). diagr. 16 Tradução: Nuno Monteiro

ESCOLA SECUNDÁRIA DE ANADIA

ESCOLA SECUNDÁRIA DE ANADIA ESCOLA SECUNDÁRIA DE ANADIA Bateria de Exercícios Voleibol NÚCLEO DE ESTÁGIO DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2000.2001 VOLEIBOL BATERIA DE EXERCÍCIOS Este documento pretende acima de tudo fornecer ao professor uma

Leia mais

Curso de Treinadores de Futsal 1º Nível Dezembro/08 Janeiro/09. Capacidades Motoras Caderno de Exercícios. Bruno Torres

Curso de Treinadores de Futsal 1º Nível Dezembro/08 Janeiro/09. Capacidades Motoras Caderno de Exercícios. Bruno Torres Curso de Treinadores de Futsal 1º Nível Dezembro/08 Janeiro/09 Capacidades Motoras Caderno de Exercícios Bruno Torres 1 Modelo de Activação Funcional 2 Operacionalização: Activação Funcional. Grupos de

Leia mais

Os juízes de linha devem apresentar-se, junto da mesa do marcador, no mínimo 45 minutos antes do início do jogo.

Os juízes de linha devem apresentar-se, junto da mesa do marcador, no mínimo 45 minutos antes do início do jogo. INTRODUÇÃO As Regras de Jogo regulamentam as funções dos juízes de linha, a sua localização (27.1) e as suas responsabilidades (27.2). Além disso, a Regra 28.2 indica os gestos oficiais com as bandeirolas

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA ANDEBOL

EDUCAÇÃO FÍSICA ANDEBOL EDUCAÇÃO FÍSICA ANDEBOL O Andebol é um jogo desportivo colectivo praticado por duas equipas (cada equipa tem: 7 jogadores em campo e 5 suplentes), cujo objectivo é introduzir a bola na baliza da equipa

Leia mais

Estruturação dos Conteúdos Unidade Didáctica de Basquetebol. Aula Objectivo Específico Conteúdos Estratégias

Estruturação dos Conteúdos Unidade Didáctica de Basquetebol. Aula Objectivo Específico Conteúdos Estratégias Estruturação dos Conteúdos Unidade Didáctica de Basquetebol Aula Objectivo Específico Conteúdos Estratégias 1 Posição Básica Ofensiva; Passe (Peito e Picado) /recepção; Drible de Avaliar a prestação motora

Leia mais

Unidade didática de Futebol Objetivos gerais do Futebol

Unidade didática de Futebol Objetivos gerais do Futebol 102 Recursos do Professor Unidade didática de Futebol Objetivos gerais do Futebol Cooperar com os companheiros para o alcance do objetivo do Futebol, desempenhando com oportunidade e correção as ações

Leia mais

Escola Superior de Desporto de Rio Maior. Treino com Jovens - Jogos Lúdicos

Escola Superior de Desporto de Rio Maior. Treino com Jovens - Jogos Lúdicos Escola Superior de Desporto de Rio Maior Treino com Jovens - Jogos Lúdicos Docentes: António Graça Paulo Paixão Miguel Discentes: Turma 1 e 2 da UC de Teoria e Metodologia do Treino Rio Maior, 2009_10

Leia mais

ENSINAR E APRENDER A JOGAR MINIBASQUETE. Carlos Bio. Adaptação Luís Laureano

ENSINAR E APRENDER A JOGAR MINIBASQUETE. Carlos Bio. Adaptação Luís Laureano ENSINAR E APRENDER A JOGAR MINIBASQUETE Carlos Bio Adaptação Luís Laureano 2 METODOLOGIA DE ENSINO Para ensinarmos o Minibasquete vamos seguir uma Metodologia, que nos parece indicada para o trabalho com

Leia mais

Projecto Nestum Rugby Rugby nas Escolas

Projecto Nestum Rugby Rugby nas Escolas Projecto Nestum Rugby Rugby nas Escolas Introdução A Federação Portuguesa de Rugby (FPR) acordou com o Gabinete do Desporto Escolar o lançamento do Projecto Nestum, Rugby nas Escolas. A NESTUM apoia este

Leia mais

1 Regras dos Esportes de Verao da Special Olympics Basketball BASQUETEBOL

1 Regras dos Esportes de Verao da Special Olympics Basketball BASQUETEBOL 1 BASQUETEBOL As Regras Oficiais da Special Olympics devem governar todas as competições de Basquete da Special Olympics. Como um programa de esportes internacional, a Special Olympics criou estas regras

Leia mais

Diagrama das dimensões de uma quadra oficial Diagrama das dimensões de uma tabela oficial Equipe - Existem duas equipes que são compostas por 5

Diagrama das dimensões de uma quadra oficial Diagrama das dimensões de uma tabela oficial Equipe - Existem duas equipes que são compostas por 5 Basquetebol O basquetebol é um desporto colectivo inventado em 1891 pelo professor de Educação Física canadense James Naismith, na Associação Cristã de Moços de Springfield (Massachusetts), EUA. É jogado

Leia mais

Colégio Adventista de Rio Preto Educação Física BASQUETEBOL. Basquetebol 8º ano. basquetebol

Colégio Adventista de Rio Preto Educação Física BASQUETEBOL. Basquetebol 8º ano. basquetebol Colégio Adventista de Rio Preto Educação Física BASQUETEBOL Basquetebol 8º ano Basquetebol Origem e Evolução: Estados Unidos - 1891 Prof. James Naismith Universidade Springfield - USA Ginástica - inverno

Leia mais

2 CLASSIFICAÇÃO / PONTUAÇÃO

2 CLASSIFICAÇÃO / PONTUAÇÃO 1 CONSTITUIÇÃO DAS EQUIPAS E CONFIGURAÇÃO DOS JOGOS O número de praticantes desportivos por equipa que podem ser inscritos no boletim de jogo é os seguintes: 2º Ciclo: 4 jogadores (Jogos 2x2); 3º Ciclo

Leia mais

Profª. Esp. Maria Helena Carvalho

Profª. Esp. Maria Helena Carvalho Profª. Esp. Maria Helena Carvalho HISTÓRIA DO VOLEIBOL Criação nos EUA; Dia 09 de fevereiro de 1895; Pelo diretor de Educação Física da ACM William George Morgan; Era conhecido como mintonette. Obs.: Nessa

Leia mais

COLÉGIO TERESIANO BRAGA Ano Letivo 2011-2012 Educação Física 1º Período 7º Ano 1. ATLETISMO

COLÉGIO TERESIANO BRAGA Ano Letivo 2011-2012 Educação Física 1º Período 7º Ano 1. ATLETISMO COLÉGIO TERESIANO BRAGA Ano Letivo 2011-2012 Educação Física 1º Período 7º Ano 1. ATLETISMO Corridas Especialidades Velocidade Meio-Fundo Fundo Barreiras Estafetas Provas 60m, 100m, 200m, 400m 800m, 1500m,

Leia mais

Formação de Árbitros FUTSAL

Formação de Árbitros FUTSAL Formação de Árbitros FUTSAL O árbitro é o indivíduo responsável por fazer cumprir as regras, o regulamento e o espírito do jogo ao qual estão submetidos e intervir sempre que necessário, no caso quando

Leia mais

CURSO DE APERFEIÇOAMENTO, ACTUALIZAÇÃO E AVALIAÇÃO ÁRBITROS ASSISTENTES DE 2.ª CATEGORIA Futebol de 11 TESTE ESCRITO PERGUNTAS

CURSO DE APERFEIÇOAMENTO, ACTUALIZAÇÃO E AVALIAÇÃO ÁRBITROS ASSISTENTES DE 2.ª CATEGORIA Futebol de 11 TESTE ESCRITO PERGUNTAS FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE FUTEBOL CONSELHO DE ARBITRAGEM CURSO DE APERFEIÇOAMENTO, ACTUALIZAÇÃO E AVALIAÇÃO ÁRBITROS ASSISTENTES DE 2.ª CATEGORIA Futebol de 11 Fátima, 6 de Agosto de 2006 ÉPOCA 2006/2007

Leia mais

Este documento vai ser divulgado na escola-sede do Agrupamento e na página eletrónica: www.aepjm.pt/joomla.

Este documento vai ser divulgado na escola-sede do Agrupamento e na página eletrónica: www.aepjm.pt/joomla. Agrupamento de Escolas Pedro Jacques de Magalhães INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA EDUCAÇÃO FÍSICA Prova 28 2015 2.º Ciclo do Ensino Básico O presente documento divulga a informação relativa

Leia mais

O essencial sobre Autor: Francisco Cubal

O essencial sobre Autor: Francisco Cubal O essencial sobre Autor: Francisco Cubal 1 Qual a história do Voleibol? Em 1895 o professor de Educação Física G. Morgan, nos Estados Unidos, criou uma modalidade desportiva que, devido ao seu toque no

Leia mais

JOGOS UNIVERSITÁRIOS CAMILIANOS - JUCAM 2013

JOGOS UNIVERSITÁRIOS CAMILIANOS - JUCAM 2013 REGULAMENTO PARA O VOLEIBOL EQUIPES Uma equipe é formada por 10 jogadores. E somente 6 jogadores podem participar do jogo tendo como obrigatoriedade 3 homens e 3 mulheres em quadra para condições de jogo.

Leia mais

LITUÂNIA Candle (Vela)

LITUÂNIA Candle (Vela) LITUÂNIA Candle (Vela) Materiais: - 1 Bola Jogadores o maior número possível Regras - Escolhem-se duas pessoas que ficarão nas pontas e o resto vai para o meio do campo. Os jogadores que estão nas pontas

Leia mais

Informação - Prova de Equivalência à Frequência

Informação - Prova de Equivalência à Frequência Informação - Prova de Equivalência à Frequência Prova de Equivalência à Frequência de EDUCAÇÃO FÍSICA Código: 28 Ano de escolaridade: 6º ano (Decreto Lei n.º 139/2012, de 5 de julho e Despacho Normativo

Leia mais

INFORMAÇÃO - PROVA EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º CICLO DO ENSINO BÁSICO - 2015

INFORMAÇÃO - PROVA EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º CICLO DO ENSINO BÁSICO - 2015 INFORMAÇÃO - PROVA EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º CICLO DO ENSINO BÁSICO - 2015 O presente documento visa divulgar as características da prova final do 2º ciclo do ensino básico da disciplina

Leia mais

REGULAMENTO DE MINIVOLEIBOL

REGULAMENTO DE MINIVOLEIBOL REGULAMENTO DE MINIVOLEIBOL ÍNDICE CAPITULO I - O JOGO DE MINIVOLEIBOL - REGRA 1 - Concepção do Jogo - REGRA 2 - A quem se dirige - REGRA 3 - Finalidade do Jogo CAPITULO II - INSTALAÇÕES E MATERIAL - REGRA

Leia mais

REGULAMENTO DE MINIVOLEIBOL

REGULAMENTO DE MINIVOLEIBOL REGULAMENTO DE MINIVOLEIBOL ÍNDICE CAPITULO I - O JOGO DE MINIVOLEIBOL - REGRA 1 - Concepção do Jogo - REGRA 2 - A quem se dirige - REGRA 3 - Finalidade do Jogo CAPITULO II - INSTALAÇÕES E MATERIAL - REGRA

Leia mais

17/02/2016. Mestrando Dagnou Pessoa de Moura - Dog. A partida é supervisionada por três árbitros

17/02/2016. Mestrando Dagnou Pessoa de Moura - Dog. A partida é supervisionada por três árbitros Mestrando Dagnou Pessoa de Moura - Dog Formado em Educação Física Unisalesiano Lins Especialista em Fisiologia do Exercício UFSCar Especialista em Biomecânica, Avaliação Física e Prescrição de Exercícios

Leia mais

Componentes: - 50 Cartas Hanabi - 5 Cartas de Regra - 8 Cartas de Dica - 3 Cartas de Penalidade - 5 Cartas Multi-coloridas (para a expansão)

Componentes: - 50 Cartas Hanabi - 5 Cartas de Regra - 8 Cartas de Dica - 3 Cartas de Penalidade - 5 Cartas Multi-coloridas (para a expansão) Um jogo de Antoine Bauza Ilustrações de Albertine Ralenti De a jogadores 8 anos ou mais Componentes: - 0 Cartas Hanabi - Cartas de Regra - 8 Cartas de Dica - Cartas de Penalidade - Cartas Multi-coloridas

Leia mais

Federação Paranaense de Canoagem FEPACAN

Federação Paranaense de Canoagem FEPACAN Federação Paranaense de Canoagem FEPACAN Meninos do Lago Núcleo Caiaque Pólo Projeto: Núcleo do Morumbi Prof. Valdecir Fernandes da Cruz CREF. 005870/PR Plano de Aula mês: 09/ 2009 1º Semana: 01 à 04 Manhã:

Leia mais

Dist. da linha saída à 1ª barreira

Dist. da linha saída à 1ª barreira TÉCNICA DAS CORRIDAS COM BARREIRAS Antes de mais nada podemos dizer que as corridas com barreiras são provas de velocidade rasa porque, muito embora o barreiristas se depare com uma série de barreiras

Leia mais

Nome: Turma : N.º. Grupo 1 (24 %) Basquetebol (Cada questão 3%)

Nome: Turma : N.º. Grupo 1 (24 %) Basquetebol (Cada questão 3%) Teste Escrito 1 Educação Física 3º CEB 1.º Período 2011/2012 Nome: Turma : N.º O Professor Encarregado de Educação Avaliação Lê atentamente as afirmações e as opções de resposta. De seguida, assinala na

Leia mais

Disciplina: Educação Física Unidade didáctica: Andebol Turma: 7º B Aula Número: 43-44 COMPONENTES CRÍTICAS

Disciplina: Educação Física Unidade didáctica: Andebol Turma: 7º B Aula Número: 43-44 COMPONENTES CRÍTICAS Plano de Aula Professora estagiária: Disciplina: Educação Física Unidade didáctica: Andebol Turma: 7º B Aula Número: 43-44 Data: 19/01/10 Horário: 11h50-13h20 Duração: 90 min. Local: Pavilhão Número de

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS GONÇALO SAMPAIO ESCOLA E.B. 2, 3 PROFESSOR GONÇALO SAMPAIO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS GONÇALO SAMPAIO ESCOLA E.B. 2, 3 PROFESSOR GONÇALO SAMPAIO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS GONÇALO SAMPAIO ESCOLA E.B. 2, 3 PROFESSOR GONÇALO SAMPAIO DEPARTAMENTO DE EXPRESSÕES (EDUCAÇÃO FÍSICA) 9º ANO PLANIFICAÇÃO ANUAL 2014/2015 1º PERÍODO 1. CONTEÚDOS DE APRENDIZAGEM

Leia mais

Princípios da defesa 5x3

Princípios da defesa 5x3 Princípios da defesa 5x3 Não importa qual defesa praticamos, mas, o como a tornamos eficaz No 5x5, são até três atacantes realmente envolvidos em uma jogada, portanto, se todos estiverem sempre comprometidos

Leia mais

Exposição Matemática Viva (piso 0)

Exposição Matemática Viva (piso 0) Exposição Matemática Viva (piso 0) Departamento Educativo PNE A Matemática está bem viva e presente em quase todas as actividades do nosso dia-a-dia, ainda que muitas vezes disso não nos dêmos conta. E

Leia mais

OBJETIVO VISÃO GERAL SUAS ANOTAÇÕES

OBJETIVO VISÃO GERAL SUAS ANOTAÇÕES OBJETIVO Assegurar a satisfação do cliente no pós-venda, desenvolvendo um relacionamento duradouro entre o vendedor e o cliente, além de conseguir indicações através de um sistema de follow-up (acompanhamento).

Leia mais

A classificação do exame corresponde à média aritmética simples, arredondada às unidades, das classificações das duas provas (escrita e prática).

A classificação do exame corresponde à média aritmética simples, arredondada às unidades, das classificações das duas provas (escrita e prática). INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Nº 2/2015 EDUCAÇÃO FÍSICA Abril de 2015 Prova 28 2015 2.º Ciclo do Ensino Básico (Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho) O presente documento divulga as

Leia mais

Circuito de Atletismo em Pavilhão Games and Fun

Circuito de Atletismo em Pavilhão Games and Fun 2014 Circuito de Atletismo em Pavilhão Games and Fun Departamento Técnico Associação de Atletismo do Porto Introdução O Circuito de Torneios de Atletismo em Pavilhão tem como propósito o combate dos modelos

Leia mais

Percurso de 1 hora e meia, nem muito forte, nem muito suave, mas tens de suar e manter o ritmo cardíaco no regime aeróbico (de 70 a 80%).

Percurso de 1 hora e meia, nem muito forte, nem muito suave, mas tens de suar e manter o ritmo cardíaco no regime aeróbico (de 70 a 80%). PLANO DE TREINO Para competir é necessário algo mais do que pedalar, é necessário um plano de treino específico para XC. Este plano inclui treino de força no ginásio e horas a pedalar em estrada e montanha,

Leia mais

INFORMAÇÃO - EXAME DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA 2.º CICLO DO ENSINO BÁSICO

INFORMAÇÃO - EXAME DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA 2.º CICLO DO ENSINO BÁSICO INFORMAÇÃO - EXAME DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA 2.º CICLO DO ENSINO BÁSICO DISCIPLINA: EDUCAÇÃO FÍSICA CÓDIGO DA PROVA: 28 ANO LETIVO: 2014/15 MODALIDADE: PROVA PRÁTICA 1. Introdução O presente documento

Leia mais

OS SEIS ERROS MENTAIS QUE MAIS ATRAPALHAM SEU JOGO

OS SEIS ERROS MENTAIS QUE MAIS ATRAPALHAM SEU JOGO OS SEIS ERROS MENTAIS QUE MAIS ATRAPALHAM SEU JOGO Tênis é em grande parte um jogo mental. Um bom tenista deve ser mentalmente forte para conseguir lidar com as adversidades e manter um jogo consistente.

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MARTIM DE FREITAS Grupo Disciplinar de Educação Física. CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO - 2º Ciclo

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MARTIM DE FREITAS Grupo Disciplinar de Educação Física. CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO - 2º Ciclo AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MARTIM DE FREITAS Grupo Disciplinar de Educação Física CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO - 2º Ciclo Avaliação dos alunos (Critérios uniformizados a nível do Conselho Pedagógico e do Grupo

Leia mais

TEMA : O Basquetebol

TEMA : O Basquetebol TRABALHO PARA A DISCIPLINA DE EDUCAÇÃO FÍSICA TEMA : O Basquetebol Trabalho realizado por: David Carreira Ribeiro Pág.1 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO BREVE ENQUADRAMENTO HISTÓRICO....... 1 2 CARACTERISTICAS GERAIS

Leia mais

Configurando um Sensor

Configurando um Sensor Configurando um Sensor Vamos supor que temos um bloco NXT com um sensor de luz ligado na porta 3. Como dizemos isto ao Enchanting? 1. Clicar no botão Sensores. 2. Clicar no Botão Configurar Sensores. Aparece

Leia mais

postura e respiração Use este pequeno guia para encontrar a sua postura e respiração. Esse é o primeiro pilar da meditação perfeita.

postura e respiração Use este pequeno guia para encontrar a sua postura e respiração. Esse é o primeiro pilar da meditação perfeita. serenamente A fim de obter o máximo de benefícios a partir da prática da meditação, precisamos entender um pouco sobre postura e técnicas de respiração corretas. Se você não está respirando direito e sua

Leia mais

AS REGRAS DO VOLEIBOL

AS REGRAS DO VOLEIBOL AS REGRAS DO VOLEIBOL NÚMERO DE JOGADORES Cada equipa é composta, no máximo, por 12 jogadores inscritos no boletim de jogo. Apenas 6 jogadores ocupam o terreno de jogo ( 6 efectivos e 6 suplentes ). O

Leia mais

PLANIFICAÇÃO MODULAR ANUAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2014/2015 CURSO DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO - OPERADOR DE INFORMÁTICA

PLANIFICAÇÃO MODULAR ANUAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2014/2015 CURSO DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO - OPERADOR DE INFORMÁTICA PLANIFICAÇÃO MODULAR ANUAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2014/2015 CURSO DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO - OPERADOR DE INFORMÁTICA MÓDULO A1 JOGOS DESPORTIVOS COLETIVOS a) Coopera com os companheiros, quer nos exercícios

Leia mais

Conselhos Úteis Para a Realização das Provas Físicas

Conselhos Úteis Para a Realização das Provas Físicas Conselhos Úteis Para a Realização das Provas Físicas A escolha destas provas teve, por finalidade, garantir que os alunos e futuros oficiais respondam satisfatoriamente a uma profissão que também é exigente

Leia mais

JOGOS DESPORTIVOS COLETIVOS

JOGOS DESPORTIVOS COLETIVOS AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MARTIM DE FREITAS ESCOLA BÁSICA 2/3 MARTIM DE FREITAS Ano letivo 2015/2016 EDUCAÇÃO FÍSICA 3º CICLO NÍVEIS INTRODUTÓRIO (I), ELEMENTAR (E) e AVANÇADO (A) JOGOS DESPORTIVOS COLETIVOS

Leia mais

Ano Letivo 2011/2012

Ano Letivo 2011/2012 Ano Letivo 2011/2012 Informação/ Exame de Equivalência à Frequência Disciplina de Educação Física 2ºciclo 1. Objeto de Avaliação A prova tem por referência o Programa de Educação Física. A prova desta

Leia mais

Efeitos das Regras na Arbitragem e na Performance dos Árbitros no Voleibol Moderno Parte 3

Efeitos das Regras na Arbitragem e na Performance dos Árbitros no Voleibol Moderno Parte 3 Efeitos das Regras na Arbitragem e na Performance dos Árbitros no Voleibol Moderno Parte 3 Sandy Steel, CLJ/FIVB Quais são os critérios rios que procuramos e o que podemos fazer para lál chegar? Conhece

Leia mais

A TÉCNICA E A AVALIAÇÃO

A TÉCNICA E A AVALIAÇÃO A TÉCNICA E A AVALIAÇÃO Os jogos dos Campeonatos Regionais e mesmo alguns das primeiras fases dos Campeonatos Nacionais das divisões abertas, são dirigidos por um só árbitro: o 1º sem a colaboração do

Leia mais

Actividades familiares

Actividades familiares Actividades familiares PASSóteste Este jogo pode ser jogado por 2 a 4 jogadores, tendo como personagens passíveis de serem escolhidas os quatro amigos protagonistas da colecção de livros infantis ilustrados

Leia mais

Métodos de treino da resistência

Métodos de treino da resistência Métodos de treino da resistência Índice 1. Introdução... 2 2. Noções básicas sobre exercício e sistemas energéticos... 2 2.1. Capacidade e potência dos sistemas energéticos... 3 3. Métodos de Treino da

Leia mais

O Treino ANTF. Acção de Actualização para Treinadores de Jovens

O Treino ANTF. Acção de Actualização para Treinadores de Jovens O Treino Preparar Conduzir Avaliar ANTF Acção de Actualização para Treinadores de Jovens Vítor Urbano O Treino O treino é o acto pedagógico de base do treinador, é o meio da sua intervenção. Através do

Leia mais

como a DT200 da Yamaha.

como a DT200 da Yamaha. Para os iniciantes, é melhor optar por uma moto de menor potência, como a 125cc, porque elas são mais leves e dão mais chances. As 250cc são mais violentas e qualquer erro pode causar um tombo. Para o

Leia mais

TORNEIO DE SUECA. Benfeita 2013 REGULAMENTO

TORNEIO DE SUECA. Benfeita 2013 REGULAMENTO TORNEIO DE SUECA Benfeita 2013 REGULAMENTO 1. OS SORTEIOS a) - O torneio é disputado em eliminatórias sucessivas, precedidas de sorteio, aos quais é absolutamente necessária a presença de todas as equipas

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA 2º CICLO I E A

EDUCAÇÃO FÍSICA 2º CICLO I E A AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MARTIM DE FREITAS ESCOLA BÁSICA 2/3 MARTIM DE FREITAS Ano letivo 2015/2016 EDUCAÇÃO FÍSICA 2º CICLO NÍVEIS INTRODUTÓRIO (I), ELEMENTAR (E) e AVANÇADO (A) 1. Se tem a bola, passar

Leia mais

Exercícios para a activação geral e o retorno à calma

Exercícios para a activação geral e o retorno à calma Exercícios para a activação geral e o retorno à calma Mobilização da articulação do ombro 1 Objectivos: Aumentar a amplitude dos ombros e parte superior das costas. Mobiliza os deltóides, rotadores da

Leia mais

Um jogo de preencher casas

Um jogo de preencher casas Um jogo de preencher casas 12 de Janeiro de 2015 Resumo Objetivos principais da aula de hoje: resolver um jogo com a ajuda de problemas de divisibilidade. Descrevemos nestas notas um jogo que estudamos

Leia mais

Voleibol. Professor:Pedro Engler Neto

Voleibol. Professor:Pedro Engler Neto Voleibol Professor:Pedro Engler Neto Histórico O voleibol foi criado por William G. Morgam em 09 de fevereiro de 1895. Na Associação Cristã de Moços,HoYolke Massachussets, Eua. E a intenção de Morgan era

Leia mais

PROVAS INTERNAS. Provas Internas - Período: 04 de maio de 2013. Pontuação Geral das Provas Internas: PROVA TIPO 1º 2º

PROVAS INTERNAS. Provas Internas - Período: 04 de maio de 2013. Pontuação Geral das Provas Internas: PROVA TIPO 1º 2º 1ª Etapa PROVAS INTERNAS Provas Internas - Período: 04 de maio de 2013 Pontuação Geral das Provas Internas: PROVA TIPO 1º 2º 1. Desfile de Abertura Prévia 3000 2800 2. Grito de Guerra na Gincana Prévia

Leia mais

Conhece os teus Direitos. A caminho da tua Casa de Acolhimento. Guia de Acolhimento para Jovens dos 12 aos 18 anos

Conhece os teus Direitos. A caminho da tua Casa de Acolhimento. Guia de Acolhimento para Jovens dos 12 aos 18 anos Conhece os teus Direitos A caminho da tua Casa de Acolhimento Guia de Acolhimento para Jovens dos 12 aos 18 anos Dados Pessoais Nome: Apelido: Morada: Localidade: Código Postal - Telefone: Telemóvel: E

Leia mais

Turma 10º ano C/D. Período: 2º Nº de alunos: 27 Local: A1 Data: 01/02/2010 Hora: 11:40 Duração: 90. 14 Bolas de rítmica

Turma 10º ano C/D. Período: 2º Nº de alunos: 27 Local: A1 Data: 01/02/2010 Hora: 11:40 Duração: 90. 14 Bolas de rítmica Escola Secundária Frei Heitor Pinto da Covilhã PLANO DE AULA Turma 10º ano C/D Aula nº: 34 Unidade Didáctica Atletismo lançamento do peso Período: 2º Nº de alunos: 27 Local: A1 Data: 01/02/2010 Hora: 11:40

Leia mais

Tudo tem um tempo. Uma hora para nascer e uma hora para morrer.

Tudo tem um tempo. Uma hora para nascer e uma hora para morrer. CAPITULO 3 Ele não é o Homem que eu pensei que era. Ele é como é. Não se julga um Homem pela sua aparência.. Tudo tem um tempo. Uma hora para nascer e uma hora para morrer. Eu costumava saber como encontrar

Leia mais

A PLIOMETRIA por Sebastião Mota

A PLIOMETRIA por Sebastião Mota por Sebastião Mota O termo pliometria refere-se a exercícios específicos que envolvam o Ciclo Alongamento- Encurtamento (CAE), isto é, um rápido alongamento da musculatura seguido de uma rápida acção concêntrica.

Leia mais

O momento do gol. Parece muito fácil marcar um gol de pênalti, mas na verdade o espaço que a bola tem para entrar é pequeno. Observe na Figura 1:

O momento do gol. Parece muito fácil marcar um gol de pênalti, mas na verdade o espaço que a bola tem para entrar é pequeno. Observe na Figura 1: O momento do gol A UU L AL A Falta 1 minuto para terminar o jogo. Final de campeonato! O jogador entra na área adversária driblando, e fica de frente para o gol. A torcida entra em delírio gritando Chuta!

Leia mais

1.1. Viagens com GPS. Princípios básicos de funcionamento de um GPS de modo a obter a posição de um ponto na Terra.

1.1. Viagens com GPS. Princípios básicos de funcionamento de um GPS de modo a obter a posição de um ponto na Terra. 1.1. Viagens com GPS Princípios básicos de funcionamento de um GPS de modo a obter a posição de um ponto na Terra. O que é o GPS? Como funciona o GPS? Qual é a precisão do GPS? O sistema de satélites do

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE GINÁSTICA AERÓBICA CÓDIGO BASE (ADAPTADO) 2015/2016. Versão 19 de janeiro. 2016. Programa Nacional Código Base (Adaptado)

PROGRAMA NACIONAL DE GINÁSTICA AERÓBICA CÓDIGO BASE (ADAPTADO) 2015/2016. Versão 19 de janeiro. 2016. Programa Nacional Código Base (Adaptado) PROGRAMA NACIONAL DE GINÁSTICA AERÓBICA CÓDIGO BASE (ADAPTADO) 2015/2016 Versão 19 de janeiro. 2016 Índice Introdução... 3 I - Estrutura Técnica do Programa... 3 a) Tempo e música... 4 b) Categorias e

Leia mais

Afonso levantou-se de um salto, correu para a casa de banho, abriu a tampa da sanita e vomitou mais uma vez. Posso ajudar? perguntou a Maria,

Afonso levantou-se de um salto, correu para a casa de banho, abriu a tampa da sanita e vomitou mais uma vez. Posso ajudar? perguntou a Maria, O Afonso levantou-se de um salto, correu para a casa de banho, abriu a tampa da sanita e vomitou mais uma vez. Posso ajudar? perguntou a Maria, preocupada, pois nunca tinha visto o primo assim tão mal

Leia mais

Modalidade Alternativa: Badminton

Modalidade Alternativa: Badminton Escola Básica e Secundária Rodrigues de Freitas Modalidade Alternativa: Badminton Ações técnico-táticas Regulamento Professora: Andreia Veiga Canedo Professora Estagiária: Joana Filipa Pinto Correia Ano

Leia mais

VOLLEYBALL Voleibol. Escola Dr. Costa Matos 2013/14. Ana Fernandes 8ºD

VOLLEYBALL Voleibol. Escola Dr. Costa Matos 2013/14. Ana Fernandes 8ºD VOLLEYBALL Voleibol Escola Dr. Costa Matos 2013/14 Ana Fernandes 8ºD REFERÊNCIAS HISTÓRICAS Origem REFERÊNCIAS HISTÓRICAS Origem Criado por William Morgan (Professor EF do Springfield College of the YMCA

Leia mais

Lentos, atrasados e desequilibrados

Lentos, atrasados e desequilibrados Deslocamentos Lentos, atrasados e desequilibrados Descoordenação espaço-tempo pela falta de referências e pelas dificuldades naturais da areia, vento ou sol Maior dificuldade em deslocamentos para trás

Leia mais

VII JOGOS DOS APOSENTADOS FENACEF 2016

VII JOGOS DOS APOSENTADOS FENACEF 2016 REGULAMENTO TÉCNICO CANASTRA Art. 1º. O torneio de Canastra do VII JOGOS FENACEF, será realizado de acordo com as regras estabelecidas pela FENACEF no Regulamento Geral do VII JOGOS FENACEF, combinado

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS GONÇALO SAMPAIO ESCOLA E.B. 2, 3 PROFESSOR GONÇALO SAMPAIO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS GONÇALO SAMPAIO ESCOLA E.B. 2, 3 PROFESSOR GONÇALO SAMPAIO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS GONÇALO SAMPAIO ESCOLA E.B. 2, 3 PROFESSOR GONÇALO SAMPAIO DEPARTAMENTO DE EXPRESSÕES (EDUCAÇÃO FÍSICA) 5º ANO PLANIFICAÇÃO ANUAL 2014/2015 5.º Ano 1. CONTEÚDOS DE APRENDIZAGEM Atletismo

Leia mais

E-book Grátis Como vender mais?

E-book Grátis Como vender mais? E-book Grátis Como vender mais? Emissão: 27/01/2015 Responsável: Luiz Carlos Becker Filho Cargo: Diretor Executivo E-book Grátis Como vender mais? Esse conteúdo pode realmente lhe ajudar: Premissas: Olá,

Leia mais

Direção de Serviços do Desporto Escolar. Regulamento Específico Futsal

Direção de Serviços do Desporto Escolar. Regulamento Específico Futsal Direção de Serviços do Desporto Escolar Regulamento Específico Futsal Ano Lectivo 2012-2013 LEI I A SUPERFÍCIE DE JOGO ARTº 1º Os jogos de Futsal serão realizados preferencialmente nos recintos de Andebol

Leia mais

Gabinete de Aconselhamento Vocacional e Psicológico FCT/UNL

Gabinete de Aconselhamento Vocacional e Psicológico FCT/UNL Sugestões Para o Teu Estudo Não há regras rígidas para um estudo efectivo e bem sucedido, pelo que cada pessoa deve desenvolver a sua própria abordagem ao mesmo. Contudo, no geral, o acto de estudar envolve

Leia mais

Manual de Treinadores de Minibásquete António San Payo Araújo

Manual de Treinadores de Minibásquete António San Payo Araújo Compilação de documentos produzidos por FPB, ENB e CNMB para aplicação nos escalões de Minibásquete CMB ABSM Nuno Branco [Out.2008] Manual de Treinadores de Minibásquete António San Payo Araújo Índice

Leia mais

A história do basquetebol

A história do basquetebol O Basquetebol A história do basquetebol Porque foi criado? Em Dezembro de 1891, o professor de educação física de Springfield College em Massachusetts, Estados Unidos, James Naismith, recebeu uma tarefa

Leia mais

7 Ações para afastar a crise Utilizando o marketing para melhorar suas vendas.

7 Ações para afastar a crise Utilizando o marketing para melhorar suas vendas. Criamos uma pequena lista de ações ligados ao marketing na internet que nem chega a ser um diferencial. Será o mínimo para que você com seu negócio consiga se manter no mercado e continuar a gerar lucros.

Leia mais

1 JOGOS ESCOLARES DE INTEGRAÇÃO DA EMDAR 9 a 14 de julho de 2012 PROGRAMAÇÃO

1 JOGOS ESCOLARES DE INTEGRAÇÃO DA EMDAR 9 a 14 de julho de 2012 PROGRAMAÇÃO 1 Ministério da Educação Universidade Federal de Viçosa Campus Florestal Educação Física (Licenciatura) Prefeitura Municipal de Florestal Secretaria Municipal de Educação Escola Municipal Derci Alves Ribeiro

Leia mais

Matemática. Prova a de Aferição de. 1.º Ciclo do Ensino Básico. A preencher pelo aluno (não escrevas o teu nome): idade sexo: F M.

Matemática. Prova a de Aferição de. 1.º Ciclo do Ensino Básico. A preencher pelo aluno (não escrevas o teu nome): idade sexo: F M. A preencher pelo aluno (não escrevas o teu nome): idade sexo: F M A preencher pelo GAVE: n.º convencional da escola 2003 Prova a de Aferição de Matemática 1.º Ciclo do Ensino Básico A B C D E F Observações

Leia mais

JOGOS QUE CONSTAM DO KIT DE REFORÇO ESCOLAR

JOGOS QUE CONSTAM DO KIT DE REFORÇO ESCOLAR JOGOS QUE CONSTAM DO KIT DE REFORÇO ESCOLAR DOMINÓ É um jogo onde se combinam a palavra e a figura. Cada jogador recebe 7 peças e segura-as de forma que o adversário não veja. O primeiro jogador coloca

Leia mais

INTRODUÇÃO E OBJETIVO DO JOGO

INTRODUÇÃO E OBJETIVO DO JOGO Instruções O K2 é a segunda maior montanha do mundo (depois do Monte Evereste) com uma altura de 8.611 metros acima do nível do mar. Também é considerada uma das mais difíceis. O K2 nunca foi conquistado

Leia mais

1.ºs JOGOS MINA DE ÁGUA 2014. Regulamento. Artigo 1º Equipas

1.ºs JOGOS MINA DE ÁGUA 2014. Regulamento. Artigo 1º Equipas 1.ºs JOGOS MINA DE ÁGUA 2014 Regulamento Artigo 1º Equipas 1. As equipas são constituídas no total por seis elementos, sendo três elementos do sexo masculino e os restantes três do sexo feminino; 2. A

Leia mais

A Maquina de Vendas Online É Fraude, Reclame AQUI

A Maquina de Vendas Online É Fraude, Reclame AQUI A Maquina de Vendas Online É Fraude, Reclame AQUI Muitas pessoas me perguntam se a maquina de vendas online é fraude do Tiago bastos funciona de verdade ou se não é apenas mais uma fraude dessas que encontramos

Leia mais

PLANIFICAÇÃO EDUCAÇÃO FÍSICA. Secundário Andebol

PLANIFICAÇÃO EDUCAÇÃO FÍSICA. Secundário Andebol Secundário Andebol Conhecer o objectivo e campo do jogo; Conhecer as seguintes regras do jogo: duração do jogo, constituição das equipas, golo, lançamento de saída, guarda-redes, área de baliza, violação

Leia mais

Descrição. Como Preparar o Jogo ELFENLAND

Descrição. Como Preparar o Jogo ELFENLAND ELFENLAND Índice Descrição e Conteúdo... 2 Como Preparar o Jogo... 4 Tabuleiro... 5 Cartas de Viagem... 5 Como Jogar... 6 1. Distribua as Cartas de Viagem... 6 2. Compre uma Ficha de Transporte da Pilha

Leia mais

Periodização do Treino

Periodização do Treino Periodização do Treino Seniores masculinos AAC OAF FUTSAL Número: 3 Unidade de Treino Objectivos: Organização do processo defensivo, transição ataque defesa, potência aeróbia especifica Data: 27/08/2005

Leia mais

Aprender... Verónica & Ricardo 29 Outubro 2011. Brincando

Aprender... Verónica & Ricardo 29 Outubro 2011. Brincando Aprender... Verónica & Ricardo 29 Outubro 2011 Brincando A Cigana - Caravaggio Vamos colorir??? Reparaste qual o tema do nosso casamento? Estavas desatento? Pois é, hoje falámos de pintura. Que tal fazermos

Leia mais

1. A corrida de vetores numa folha de papel.

1. A corrida de vetores numa folha de papel. 1. A corrida de vetores numa folha de papel. desenhando a pista. o movimento dos carros. o início da corrida. as regras do jogo. 2. A corrida no computador. o número de jogadores. o teclado numérico. escolhendo

Leia mais

Psicologia Educacional I. Violência nas escolas

Psicologia Educacional I. Violência nas escolas Psicologia Educacional I Violência nas escolas Objectivos Analisar algumas das causas que levam à violência nas escolas. Analisar a forma como esta se manifesta, nomeadamente nas relações professor/aluno,

Leia mais

MAFALDA DI MARTINO CALDAS LOPES SERAFIM

MAFALDA DI MARTINO CALDAS LOPES SERAFIM MAFALDA DI MARTINO CALDAS LOPES SERAFIM Nasceu a 21.12.2000 em Lisboa numa família com fortes tradições desportivas e tem dois irmãos, a Vera com 7 e o Diogo com 4. Começou a ir às aulas de adaptação ao

Leia mais

Papo com a Especialista

Papo com a Especialista Papo com a Especialista Silvie Cristina (Facebook) - Que expectativas posso ter com relação à inclusão da minha filha portadora da Síndrome de Down na Educação Infantil em escola pública? Quando colocamos

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS EÇA DE QUEIRÓS

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS EÇA DE QUEIRÓS AGRUPAMENTO DE ESCOLAS EÇA DE QUEIRÓS Informação - Prova de Equivalência à Frequência Educação Física Código 311 (Ensino Secundário) Prova Prática Ano letivo 2012/2013 1. INTRODUÇÃO O presente documento

Leia mais

A) A C) I E) U B) E. segundos? D) O. E) Fizeram. Canguru Matemático. Todos os direitos reservados.

A) A C) I E) U B) E. segundos? D) O. E) Fizeram. Canguru Matemático. Todos os direitos reservados. Canguru Matemático sem fronteiras 2008 Destinatários: alunos dos 10º e 11º anos de Escolaridade Duração: 1h30min Não podes usar calculadora. Há apenas uma resposta correcta em cada questão. Inicialmente

Leia mais

TREINAMENTO 1. Aquecimento: Alongamento: Rodrigo Gonçalves (Comissão Paulista de Cheerleading) (CREF. 028011-G/SP)

TREINAMENTO 1. Aquecimento: Alongamento: Rodrigo Gonçalves (Comissão Paulista de Cheerleading) (CREF. 028011-G/SP) TREINAMENTO 1 Rodrigo Gonçalves (Comissão Paulista de Cheerleading) (CREF. 028011-G/SP) Rotina de alongamento e condicionamento (Treino 1): O alongamento e o aquecimento são importantíssimos em qualquer

Leia mais

UMC Cotas em desenho técnico (Módulo 2) Componentes gráficos de uma cota: Linha de cota Linha de chamada Setas de cota

UMC Cotas em desenho técnico (Módulo 2) Componentes gráficos de uma cota: Linha de cota Linha de chamada Setas de cota 1 UMC Engenharia Mecânica Expressão Gráfica 2 Prof.: Jorge Luis Bazan. Desenho Básico Cotas em desenho técnico (Módulo 2) Em desenho técnico damos o nome de cota ao conjunto de elementos gráficos introduzidos

Leia mais

CÓDIGO DE PONTUAÇÃO DE MINI-TRAMPOLIM

CÓDIGO DE PONTUAÇÃO DE MINI-TRAMPOLIM CÓDIGO DE PONTUAÇÃO * * * * MINI-TRAMPOLIM 2001/2004 1 MINI-TRAMPOLIM A. REGRAS GERAIS 1. COMPETIÇÃO INDIVIDUAL 1.1. Uma competição de Mini-Trampolim consiste em três saltos (3 elementos técnicos). 1.1.1.

Leia mais