Lumine Database Mapping for PHP. Treinamento Básico

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Lumine Database Mapping for PHP. Treinamento Básico"

Transcrição

1 Lumine Database Mapping fr PHP Treinament Básic Cnhecend as características básicas de um ds framewrks de mapeament de banc de dads relacinais mais fáceis de ser utilizad. Hug Ferreira da Silva 13/12/2010

2 Sumári Etapa Características d Lumine... 4 Vantagens d Lumine... 4 Etapa Mdelagem de um banc de dads de exempl... 5 Instalaçã d Lumine... 5 Engenharia Reversa... 7 Dads Principais... 7 Persnalizaçã... 8 Integraçã... 9 Tabelas... 9 Lg de geraçã... 9 Imprtar cnfiguraçã... 9 Análise d arquiv de cnfiguraçã Análise d mapeament das tabelas Inicializand a cnfiguraçã Inicializand um bjet Etapa Métds de cnsulta get find Select selectas jin where grup rder having limit Métds de persistência save insert addmultiinsertitem multiinsert Métds de manipulaçã de dads fetch tarray... 16

3 alltarray txml alltxml tobject alltobject tjsn alltjsn addfrmatter setfieldoptin Utilizand Jins Utilizand Unin Etapa Validações cm XML Validações cm PHP Criand validações persnalizadas em PHP Classe de utilidades Lumine_Util EventListeners Mnitrand cnsultas (Lumine_Lg) Capturand errs... 17

4 Etapa 1 Características d Lumine Lumine nasceu n an de 2005, devid a uma necessidade que havia na épca de trabalhar cm as infrmações btidas d banc de dads em frma de prgramaçã rientada a bjets. Existiam utras biblitecas, prém cm cnfigurações cmplexas u que nã fereciam s recurss desejads para desenvlviment. Em sua primeira versã, Lumine utilizava arquivs em XML para fazer mapeament das tabelas, cm fazia entã Hibernate para Java. Cm passar d temp, fi ntad que trabalhand-se cm um númer muit grande de tabelas/clunas, parse d arquiv XML deixava prcess lent. Entã nasceu Lumine 1.5, nde mapeament passu a ser através de uma cnfiguraçã dentr da própria classe. Diferentemente de utras biblitecas e framewrks para mapeament de banc de dads, Lumine trabalha cm cnceit de ActiveRecrd, nde própri bjet que realizu a cnsulta armazena s resultads encntrads, mas também lhe permite exprtar s dads de utras maneiras e frmats, dand a desenvlvedr a liberdade de trabalhar cm s dads btids d jeit que mais lhe agrada/cnvém. Para criaçã de Lumine fram seguids alguns cnceits: Ser um framewrk de fácil utilizaçã; Write less, d mre (escreva mens e faça mais); Tentar abstrair a máxim a linguagem SQL d desenvlvedr; Trabalhar cm as tabelas cm se fssem bjets (POO); Oferecer métds e ferramentas que acelerem desenvlviment e garantam a integridade; Atender a públic nacinal. Vantagens d Lumine Códig abert e LGPL; Baixa curva de aprendizagem; Cnfiguraçã e inicializaçã fácil; Permite trabalh cm rientaçã a bjets; Códig bem dcumentad e cm cmentáris em prtuguês; Ferramenta de engenharia reversa; Pssui métds para que usuári nã se precupe cm tip de dads infrmad, Lumine cnverterá para tip crret; Permite exprtar de maneira simples resultad para váris frmats (JSON, Array, XML e Objets DTO Data Transfer Objects); Permite a instalaçã e utilizaçã de plug-ins para as classes geradas; Permite a instalaçã e utilizaçã de add-ns para a engenharia reversa; Facilmente prtável para um SGBDR que nã está n pacte padrã de Lumine; Fácil integraçã cm utras ferramentas de desenvlviment (Ajax, Flex, Flash); Trabalha cm dispar de events, que dá ainda mais flexibilidade a desenvlvedr; Fácil e flexível implementaçã de validaçã de dads;

5 Etapa 2 Mdelagem de um banc de dads de exempl Para cmeçarms estud de Lumine, vams criar um banc de dads de exempl. Nele, irems trabalhar cm s três tips de relacinament suprtads pr Lumine (umpara-muits, muits-para-um e muits-para-muits). Criarems um sistema de gerenciament de permissões de usuáris, seguind a seguinte lógica: Um usuári pssui: códig, nme, e status; Um grup pssui: códig e nme; Uma funçã pssui: códig, nme e rdem de execuçã; Um usuári pertence a um grup; Um grup pssui uma u mais funções; Uma funçã pde estar em um u mais grups; Cm esta lógica, tems seguinte mapeament: Para este exempl, irems utilizar banc de dads PstgreSQL. As DDL s geradas estã n arquiv anex create.sql. O nme d banc de dads que irems utilizar para este exempl será lumine_basic e estará rdand n servidr lcal (lcalhst). Instalaçã d Lumine A instalaçã de Lumine é simples. Basta baixar pacte dispnível n site e descmpactar n diretóri da aplicaçã Web que está send criada. Vcê pde também baixar a versã mais recente dispnível n repsitóri SVN d prjet, que tem acess public: https://lumine.svn.surcefrge.net/svnrt/lumine/lumine-1.5 Para este exempl, vams utilizar utilizar a versã d SVN; basta fazer checkut d prjet utilizand a ferramenta de sua preferência.

6 Após baixar, vams criar diretóri para nsss arquivs de exempl. Tds s nsss arquivs estarã na pasta: C:\www\treinaments\basic. Descmpacte Lumine dentr da pasta acima. O caminh deverá ficar cm semelhante a abaix: A pasta arquivs cntém s dads auxiliares a este treinament. Este diretóri deve estar acessível através de um navegadr. O servidr web, bem cm módul PHP deverã estar devidamente instalads. Neste treinament, diretóri raiz ds dcuments web d servidr HTTP é c:\www. A URL para acess, neste cas, será A tela que segue deverá ser semelhante a abaix:

7 Engenharia Reversa Lumine vem cm uma ferramenta que lhe permite gerar tdas as classes de mapeament, bem cm s arquivs de cnfiguraçã a partir de uma interface amigável e de fácil cmpreensã. Ela também permite que utrs arquivs, cm de integraçã cm utrs framewrks, pssam ser gerads também de frma fácil e rápida. Além dist, esta interface também lhe permite que sejam criadas ferramentas persnalizadas e as mesmas pssam ser plugadas na interface de engenharia reversa, dand flexibilidade a desenvlvedr de gerar s códigs que lhe frem cnvenientes em uma única tela. Para acessar a ferramenta de engenharia reversa em nss exempl, acesse a URL: Através desta interface, vcê pderá infrmar tds dads necessáris para que seus arquivs pssam ser gerads, lhe pupand td trabalh de mapeament manual. Lumine também é capaz de traduzir s relacinaments desde que eles estejam devidamente criads nas tabelas de seu banc de dads. Dads Principais Mdel de cnfiguraçã: Lumine permite que vcê crie mdels de cnfiguraçã. Estes mdels sã pções pré-definidas para acelerar prcess de engenharia reversa. Estes mdels estã dispníveis n arquiv: C:\www\treinaments\basic\lumine\lib\Templates\Cnfiguratins.php. Dialet: define qual driver de banc de dads será utilizad. Em nss cas, esclherems PstgreSQL. Nme d banc de dads: infrme qual será banc de dads que será utilizad para que as infrmações sejam extraídas e geradas as classes. Usuári d banc de dads: nme de usuári para cnexã cm banc de dads. Senha d banc de dads: senha de acess para cnexã cm banc de dads. Prta d banc de dads: prta de acess para cnexã cm banc de dads. Para PstgreSQL, padrã é a prta Hst d banc de dads: nme d servidr nde está instalad SGBDR e também cnfigurad banc de dads.

8 Class path (diretóri raiz da aplicaçã): esta é uma das mais imprtantes cnfigurações. Ela indica nde estarã s arquivs gerads pel Lumine. É a partir dela que framewrk prcurará tds s arquivs relacinads as mapeaments gerads para seu banc de dads. Pacte das classes: indica qual será pacte de classes. Esta deve ser infrmad n estil de pactes d Java (br.cm.dmini.entidades). Um diretóri que reflete este pacte deverá existir dentr d diretóri definid em class path (br/cm/dmini/entidades) u a pçã de gerar s diretóris deverá estar habilitada (verems na próxima seçã). Tip de geraçã ds arquivs: Lumine permite que s arquivs pssam ser geradr diretamente ns diretóris definids u ainda serem enviads para um arquiv ZIP dentr d diretóri definid em class-path. Recuperar tabelas: efetua a cnexã cm banc de dads e lista as tabelas para iniciar prcess de engenharia reversa. Persnalizaçã Remver prefix das tabelas: em alguns cass, pdems ter banc de dads nde tdas as tabelas têm um prefix. Cas nã queira que suas classes utilizem este prefix, basta infrmar prefix utilizad neste camp e ele será remvid ds nmes das classes geradas. Remver... caracteres d inici das tabelas: cas nã seja um prefix, mas um númer determinad de caracteres de cada tabela, vcê pde remve-ls ds nmes das classes utilizand esta pçã. Remver... caracteres d fim das tabelas: semelhante a anterir, mas remve d final das tabelas. Frmatar nme da classe: vcê ainda pde aplicar um frmatadr a nme da classe, pdend acrescentar prefix, sufix u ambs. Schema (experimental): utilizad para identificar schema que está send usad para as tabelas. Frmat para identificar tabelas M-N: pr padrã, Lumine utiliza frmat tabela1_tabela2 para encntrar um relacinament M-N. Cas queira mudar, basta alterar nesta cnfiguraçã: String para cnverter em plural relac. M-N e 1-N: permite adicinar uma string para cnverter em plural s camps destes tips de relacinament, desde que a pçã Dicinári de plural? nã esteja selecinada. Usar cntrles usand: cria cntrles para que seja feit scafflding (frmuláris prnts para inserçã de dads) das tabelas. Utilizar sufix na criaçã ds arquivs: acrescenta ns nmes físics ds arquivs um sufix, pr exempl: Pessa.class.php, Carr.inc.php. Gerar getters/setters: cria s métds de recuperar e alterar as prpriedades da entidade. Gerar entidades para tabelas M-N: pr padrã, Lumine nã gera as classes para as tabelas de relacinament M-N. Cas queira criá-las, basta marcar esta pçã. Manter nmes das clunas nas chaves estrangeiras?: Lumine permite que vcê cnverta uma cluna para nme da entidade relacinada. Supnd que na tabela de usuári tenha uma cluna chamada cdgrup. Vcê pde manter este nme u permitir que a engenharia reversa renmeie este camp para grup (nme da utra entidade).

9 Usar CamelCase?: esta pçã fará cm que s nmes ds camps utilizem a ntaçã CamelCase, nde um underscre seguid de uma letra minúscula será substituída para letra maiúscula (cd_usuari ficará cm cdusuari). Dicinári de plural?: Lumine tentará autmaticamente transfrmar s nmes de relacinaments M-N e 1-N em plurais utilizads na língua prtuguesa. Em nss exempl, a entidade Grup terá um relacinament chamad usuáris e utr chamad funces, devid a relacinament cm a tabela de usuáris (1 grup para M usuáris) e a relacinament cm a tabela de funçã (M grups para N funções). Deseja criar s diretóris?: permite que Lumine tente criar tda estrutura de diretóri necessária para gerar s arquivs. D cntrári, tdas as pastas deverã ser criadas previamente. Integraçã Criar DTO s: permite a usuári criar s arquivs DTO s (Data Transfer Object) para integraçã cm utras tecnlgias (cm AMF). Aut-Cast para DTO quand usar tobject/alltobjec: fará cm que métd alltobject utilize a classe DTO relacinada n mment de gerar s dads. Frmat d nme d DTO: altera frmat de cm s nmes ds DTO s serã gerads. Nme d pacte para DTO s: pçã semelhante a pacte das classes na aba Dads Principais, cm exceçã que esta cnfiguraçã é smente para s arquivs DTO s gerads. Criar mdels?: quand estams trabalhand n cntext de MVC, esta pçã irá gerar as classes que cmpõe a camada de Mdels de sua aplicaçã. Pasta para as mdels: diretóri nde s arquivs das classes mdels irã ser gerads. Frmat de nme para mdels: permite que seja alterad frmat d nme final d arquiv. Pr padrã, é utilizad nme da entidade seguid de Mdel, pr exempl: UsuariMdel, GrupMdel, FuncaMdel. Criar aquiv de cntext para MVC: gerará arquiv que, geralmente, framewrks MVC utilizam para inicializar biblitecas (a exempl d CdeIgniter). Esta pçã irá gerar um utr arquiv que abrange tda a inicializaçã d framewrk. Pasta para gravaçã d arquiv de cntext: diretóri nde será gerad arquiv de cntext para inicializaçã das cnfigurações de Lumine dentr da sua aplicaçã MVC. Tabelas Exibe tdas as tabelas encntradas n banc de dads, cnfrme cnfigurações definidas na aba Dads Principais. Após a listagem, permite que vcê inicie prcess de engenharia reversa e geraçã ds arquivs. Lg de geraçã Lcal nde vcê pde acmpanhar pass a pass prcess de criaçã ds arquivs. Imprtar cnfiguraçã Permite que vcê imprte um arquiv de cnfiguraçã de Lumine previamente criad. Assim, cas vcê precise refazer a engenharia reversa, basta carregar

10 arquiv de cnfiguraçã gerad anterirmente e tdas as pções serã preenchidas n frmulári. Análise d arquiv de cnfiguraçã O arquiv de cnfiguraçã é divid em duas seções principais: prpriedades e pções. Praticamente tdas as prpriedades e pções estã presentes na engenharia reversa, discutid n tópic anterir. Fazem parte das prpriedades as seguintes cnfigurações. dialect: SGBD utilizad database: Nme d banc de dads user: Nme de usuári para cnexã passwrd: Senha para cnexã prt : Prta d servidr para cnexã hst: Hst para cnexã class_path: Caminh base de nde estarã s arquivs de Lumine package: Pacte de nde estarã as classes geradas/utilizadas Fazem parte das pções as seguintes cnfigurações: remve_prefix: indica prefix a ser remvid das tabelas para gerar as classes remve_cunt_chars_start: indica númer de caracteres para remver d inici d nme da tabela para gerar nme das classes remve_cunt_chars_end: indica númer de caracteres para remver d final d nme da tabela para gerar nme das classes frmat_classname: frmat para criar s nmes das classes schema_name (experimental): nme d esquema nde estã as tabelas many_t_many_style: estil para aut-identificar tabelas M-N plural: String para adicinar a relacinaments 1-M e M-N create_cntrls: indica tip de cntrles básics que serã criads para scafflding. class_sufix: Sufix para s nmes ds arquivs gerads keep_freign_clumn_name: Indica que é para manter s nmes das clunas nas chaves estrangeiras camel_case: Indica que é para utilizar CamelCase ns nmes ds arquivs, prpriedades e relacinaments usar_dicinari: Indica que é para utilizar dicinári de plural para gerar nmes em plural ns cass de relacinaments 1-M e M-N create_paths: Indica que é para criar s diretóris dt_frmat: Frmat para s nmes ds arquivs DTO dt_package: Pacte para s arquivs DTO create_mdels: Indica que é para criar as mdels mdel_path: Pasta nde ficarã gravads s arquivs gerads para as mdels mdel_frmat: Frmat para nme das classes e arquivs de mdels mdel_cntext: Indica se é para criar u nã arquiv de cntext para mdels mdel_cntext_path: Pasta nde ficará gravad arquiv de cntext para mdels generateaccessrs: Ondica que é para criar s getters/setters create_entities_many_t_many: Indica se é para criar u nã as classes para tabelas de relacinament M-N

11 generate_files: Indica se é para gerar s arquivs diretamente generate_zip: Indica se é para criar um arquiv ZIP cntend as classes geradas charset: Charset de cnexã cm banc de dads Análise d mapeament das tabelas Para análise d mapeament, vams utilizar cm exempl a classe gerada para a tabela grup. Para facilitar, s cmentáris fram remvids: Vams ns atentar primeiramente as atributs criads. Lumine trabalha sempre cm s atributs da classe cm a visibilidade public. Ist visa facilitar e acelerar desenvlviment. Também sã gerads dis atributs cm visibilidade prtected: $_tablename e $_package. Estes dis atributs indicam nme da tabela e a cnexã que Lumine irá utilizar, respectivamente. É através d pacte que Lumine identifica a qual cnexã esta classe pertence. O métd initialize é chamad internamente n cnstrutr da classe pai, Lumine_Base. Ele é respnsável pr inicializar mapeament da classe. O métd _addfield adicina um atribut que representa um camp na tabela d banc de dads. Seus arguments sã: $name: nme d membr na classe; $clumn: nme da cluna na tabela d banc de dads; $type: tip de dads que esta cluna armazena; $length: cmpriment d camp na tabela d banc de dads; $ptins: array multimensinal cntend cnfigurações extras para membr. Algumas pções sã: primary: indica que é uma chave primária; ntnull: indica que camp nã pde ser nul;

12 autincrement: indica que camp é aut-incrementável (u serial n cas d PstgreSQL). Em tds s bancs que tiverem camps de autnumeraçã, deverá ser indicad cm autincrement => true. label: Rótul para ser utilizad ns frmuláris gerads pela engenharia reversa. Assim vcê pde persnalizar frmulári; displayfield: Cas camp seja um relacinament cm utra tabela, vcê pderá indicar nme d camp da utra tabela que cnterá valr a ser exibid na cmb de valres; freign: Indica que este camp que cntém valr de uma utra tabela (chave-estrangeira); nupdate: Açã que banc tma em quand valr da chave estrangeira fr atualizad; ndelete: Açã que banc tma em quand valr da chave estrangeira fr remvid; linkon: Nme d membr da entidade estrangeira a qual camp está vinculad; class: Nme da classe de relacinament cm este camp; frmat: Frmat de saída d camp (s mesms suprtads pela funçã sprintf (em cas de strings e númers) e strftime (em cas de datas e temp). lazy: permite carregar valres de chaves estrangeiras assim que registr da entidade que está send manipulada fr carregad. frmatter: Permite definir uma funçã para ser executada quand valr d camp fr requerid. Além d mapeament ds membrs, Lumine permite também mapear relacinaments 1- N e M-N. Em nss exempl, tems estes dis tips de relacinaments: usuaris e funces. O métd utilizad para mapear estes tips de relacinaments é _addfreignrelatin. Ele pssui s seguintes parâmetrs: $name: Nme d relacinament; $type: Tip d relacinament; $class: Nme da classe que será relacinada; $linkon: Nme d camp da entidade que será referenciada; $table: Nme da tabela de relacinaments M-N; $clumn: Nme da cluna da tabela M-N que referencia a chave primária da classe atual; $lazy: Carrega s valres ds relacinaments assim que carregad valr atual da classe chamadra; Lumine também gera um métd estátic para tdas as classes, nmead de staticget. Este métd permite carregar de frma prática e rápida um registr d banc de dads. Verems sua funcinalidade n tópic métds de cnsulta. Pr últim é criad destrutr da classe. Lumine permite que vcê faça a engenharia reversa quantas vezes desejar, sem perder s dads que vcê havia feit manualmente em sua classe. Para iss, basta clcar tds s seus métds persnalizads abaix d cmentári:

13 Inicializand a cnfiguraçã Inicializar a cnfiguraçã de Lumine é bem simples. Vcê precisa smente: Incluir framewrk Lumine; Incluir arquiv de cnfiguraçã gerad pel prcess de engenharia reversa. Abaix um exempl de inicializaçã (crie um arquiv chamad índex.php e clque na mesma pasta que arquiv lumine-cnf.php gerad): Agra basta carregar as classes geradas e usar de maneira fácil e descmplicada. Inicializand um bjet Após inicializar a cnfiguraçã, é necessári imprtar as classes para pder utilizá-las. A imprtaçã é um prcess simples. Abaix um exempl de utilizaçã: Etapa 3 Métds de cnsulta Lumine têm váris métds para que vcê pssa realizar suas cnsultas de frma fácil e eficiente. Abaix estã listads estes métds:

14 get Recupera um registr basead n valr da chave primária u em uma cmbinaçã de chave/valr. Exempls: Ambs exempls irã gerar a seguinte cnsulta: Assim que s valres sã recuperads d banc de dads eles ficam dispníveis para serem usads a partir d própri bjet, pr exempl: find Semelhante a métd get, prém ele smente efetua a pesquisa baseand-se ns valres das prpriedades, cndições, jin s etc. Pr padrã, este métd nã vai para primeir registr assim que recuperad resultset, cm métd get. Cas queira, passe TRUE cm primeir argument. Exempls: Ambas chamadas gerarã a seguinte cnsulta: Select Permite determinar quais camps serã recuperads na cnsulta que está send realizada. A primeira chamada a este métd reinicia tdas as cnfigurações anterires. Exempl: Gerará a seguinte cnsulta

15 selectas Permite a vcê selecinar tds s camps da entidade, frmatand s camps. Pr exempl: Resultará na seguinte cnsulta: jin where grup rder having limit Métds de persistência save insert addmultiinsertitem multiinsert Métds de manipulaçã de dads fetch

16 tarray alltarray txml alltxml tobject alltobject tjsn alltjsn addfrmatter setfieldoptin Utilizand Jins Utilizand Unin Etapa 4 Validações cm XML Validações cm PHP Criand validações persnalizadas em PHP Classe de utilidades Lumine_Util

17 EventListeners Mnitrand cnsultas (Lumine_Lg) Capturand errs

2º Passo Criar a conexão via ODBC (Object DataBase Conection)

2º Passo Criar a conexão via ODBC (Object DataBase Conection) Prjet de Sexta-feira: Prfessra Lucélia 1º Pass Criar banc de dads u selecinar banc de dads. Ntas: Camps nas tabelas nã pdem cnter caracteres acentuads, especiais e exclusivs de línguas latinas. Nã há necessidade

Leia mais

Processo TCar Balanço Móbile

Processo TCar Balanço Móbile Prcess TCar Balanç Móbile Tecinc Infrmática Ltda. Av. Brasil, 5256 3º Andar Centr Cascavel PR 1 Sumári Intrduçã... 3 Funcinalidade... 3 1 Exprtaçã Arquiv Cletr de Dads (Sistema TCar)... 4 1.1 Funcinalidade...

Leia mais

Linguagem de. Aula 07. Profa Cristiane Koehler cristiane.koehler@canoas.ifrs.edu.br

Linguagem de. Aula 07. Profa Cristiane Koehler cristiane.koehler@canoas.ifrs.edu.br Linguagem de Prgramaçã IV -PHP Aula 07 Prfa Cristiane Kehler cristiane.kehler@canas.ifrs.edu.br Banc de Dads Manipulaçã de Banc de Dads HTML básic códigs cm páginas estáticas HTML + PHP códigs cm páginas

Leia mais

GUIA RÁPIDO DE CONFIGURAÇÃO PARA WINDOWS

GUIA RÁPIDO DE CONFIGURAÇÃO PARA WINDOWS GUIA RÁPIDO DE CONFIGURAÇÃO PARA WINDOWS CONTEÚDO 1. Intrduçã... 3 2. Requisits de Sftware e Hardware:... 3 3. Usuári e Grups:... 3 3.1. Cnfigurand cm Micrsft AD:... 3 3.2. Cnfigurand s Grups e Usuáris:...

Leia mais

Aplicação Hibernate1 no NetBeans

Aplicação Hibernate1 no NetBeans Aplicaçã Hibernate1 n NetBeans Hibernate é um framewrk que frnece ferramentas para efetuar mapeament bjet/relacinal para Java. Mapeament bjet/relacinal é prcess de cnversã bidirecinal entre bjets e tabelas

Leia mais

Novo Sistema Almoxarifado

Novo Sistema Almoxarifado Nv Sistema Almxarifad Instruções Iniciais 1. Ícnes padrões Existem ícnes espalhads pr td sistema, cada um ferece uma açã. Dentre eles sã dis s mais imprtantes: Realiza uma pesquisa para preencher s camps

Leia mais

Administração de Redes Servidores de Aplicação

Administração de Redes Servidores de Aplicação 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAMPUS SÃO JOSÉ SANTA CATARINA Administraçã de Redes Servidres de Aplicaçã

Leia mais

Agenda. A interface de Agendamento é encontrada no Modulo Salão de Vendas Agendamento Controle de Agendamento, e será apresentada conforme figura 01.

Agenda. A interface de Agendamento é encontrada no Modulo Salão de Vendas Agendamento Controle de Agendamento, e será apresentada conforme figura 01. Agenda Intrduçã Diariamente cada um ds trabalhadres de uma empresa executam diversas atividades, muitas vezes estas atividades tem praz para serem executadas e devem ser planejadas juntamente cm utras

Leia mais

API de Integração E-Zoop Documentação de uso

API de Integração E-Zoop Documentação de uso API de Integraçã E-Zp Dcumentaçã de us Data de Atualizaçã: 10/06/2015 Índice 1. Intrduçã... 1 2. Características... 2 Cadastr de características... 2 Exclusã de características... 4 Listagem de características...

Leia mais

1 Criando uma conta no EndNote

1 Criando uma conta no EndNote O EndNte Basic (anterirmente cnhecid pr EndNte Web), é um sftware gerenciadr de referências desenvlvid pela Editra Thmsn Reuters. Permite rganizar referências bibligráficas para citaçã em artigs, mngrafias,

Leia mais

Aula 11 Bibliotecas de função

Aula 11 Bibliotecas de função Universidade Federal d Espírit Sant Centr Tecnlógic Departament de Infrmática Prgramaçã Básica de Cmputadres Prf. Vítr E. Silva Suza Aula 11 Biblitecas de funçã 1. Intrduçã À medida que um prgrama cresce

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA Manual de Us (Para Detentres de Bens) Infrmações adicinais n Prtal da Crdenaçã de Patrimôni: www.cpa.unir.br 2013 Cnteúd O que papel Detentr de Bem pde fazer?... 2 Objetiv...

Leia mais

Documentação de Versão Projeto Saúde e Segurança do Trabalho

Documentação de Versão Projeto Saúde e Segurança do Trabalho Prjet Saúde e Segurança d Trabalh DATA: tt/3/yy Pág 1 de 8 ÍNDICE ALTERAÇÕES IMPLEMENTADAS NA VERSÃO 2.2 DO SST... 2 ITENS DE MENU CRIADOS PARA A VERSÃO 2.2... 2 SEGURANÇA... 2 SAÚDE... 2 SAÚDE/AUDIOMETRIA...

Leia mais

Manual de Instalação

Manual de Instalação Manual de Instalaçã Prdut: n-hst Versã d prdut: 4.1 Autr: Aline Della Justina Versã d dcument: 1 Versã d template: Data: 30/07/01 Dcument destinad a: Parceirs NDDigital, técnics de suprte, analistas de

Leia mais

EIKON DOCUMENTS - ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

EIKON DOCUMENTS - ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA EIKON DOCUMENTS - ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA VERSÃO Eikn Dcuments 2007 Service Pack 5 (2.9.5) Fevereir de 2010 DATA DE REFERÊNCIA DESCRIÇÃO Sftware para implantaçã de sistemas em GED / ECM (Gerenciament Eletrônic

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO

MANUAL DE INSTALAÇÃO ÍNDICE QUE VALORES [MASTERSAF DFE] TRAZEM PARA VOCÊ? 1. VISÃO GERAL E REQUISITOS PARA INSTALAÇÃO... 2 1.1. AMBIENTE... 2 1.2. BANCO DE DADOS... 4 2. BAIXANDO OS INSTALADORES DO DFE MASTERSAF... 5 3. INICIANDO

Leia mais

Versões Todos os módulos devem ser atualizados para as versões a partir de 03 de outubro de 2013.

Versões Todos os módulos devem ser atualizados para as versões a partir de 03 de outubro de 2013. Serviç de Acess as Móduls d Sistema HK (SAR e SCF) Desenvlvems uma nva ferramenta cm bjetiv de direcinar acess ds usuáris apenas as Móduls que devem ser de direit, levand em cnsideraçã departament de cada

Leia mais

WEBSITE LOJAS JOMÓVEIS

WEBSITE LOJAS JOMÓVEIS WEBSITE LOJAS JOMÓVEIS Manual d Usuári Elabrad pela W3 Autmaçã e Sistemas Infrmaçã de Prpriedade d Grup Jmóveis Este dcument, cm tdas as infrmações nele cntidas, é cnfidencial e de prpriedade d Grup Jmóveis,

Leia mais

Manual do Novo Pátio. Revenda. Versão 2.0

Manual do Novo Pátio. Revenda. Versão 2.0 Manual d Nv Páti Revenda Versã 2.0 1 Cnteúd INTRODUÇÃO... 3 1.LOGIN... 4 2.ANUNCIANTE... 4 2.1 Listar Usuáris... 4 2.2 Criar Usuári... 5 2.2.1 Permissões:... 6 3.SERVIÇOS... 7 3.1 Serviçs... 7 3.2 Feirã...

Leia mais

Banco de Dados. DIEGO BARCELOS RODRIGUES dbarcelos@ifes.edu.br 2015 (2015/1) 1. Ifes - Campus Cachoeiro de Itapemirim

Banco de Dados. DIEGO BARCELOS RODRIGUES dbarcelos@ifes.edu.br 2015 (2015/1) 1. Ifes - Campus Cachoeiro de Itapemirim Ifes - Campus Cacheir de Itapemirim Banc de Dads DIEGO BARCELOS RODRIGUES dbarcels@ifes.edu.br 2015 (2015/1) 1 Agenda Breve revisã ds Cnceits Básics SQL (Linguagem de Cnsulta Estruturada) Subdivisões da

Leia mais

MTur Sistema Artistas do Turismo. Manual do Usuário

MTur Sistema Artistas do Turismo. Manual do Usuário MTur Sistema Artistas d Turism Manual d Usuári Índice 1. INTRODUÇÃO... 3 2. DESCRIÇÃO DO SISTEMA... 3 3. ACESSAR O SISTEMA... 4 4. UTILIZANDO O SISTEMA... 9 4.1. CADASTRAR REPRESENTANTE... 9 4.2. CADASTRAR

Leia mais

Orientações para a Escrituração Contábil Digital (Sped Contábil) Versão 14.01 Soluções SPDATA

Orientações para a Escrituração Contábil Digital (Sped Contábil) Versão 14.01 Soluções SPDATA 2015 Orientações para a Escrituraçã Cntábil Digital (Sped Cntábil) Versã 14.01 Sluções SPDATA Equipe SAT Análise Desenvlviment e Qualidade de Sftware 07/04/2015 Sumári Objetiv... 3 Cnsiderações gerais...

Leia mais

Processo de envio de e-mail de marketing

Processo de envio de e-mail de marketing Prcess de envi de e-mail de marketing Intrduçã Visand um melhr gerenciament ns prcesss de marketing das empresas, fi desenvlvid uma nva funcinalidade para sistema TCar, que tem pr finalidade realizar envis

Leia mais

Boletim Técnico. CAGED Portaria 1129/2014 MTE. Procedimento para Implementação. Procedimento para Utilização

Boletim Técnico. CAGED Portaria 1129/2014 MTE. Procedimento para Implementação. Procedimento para Utilização Bletim Técnic CAGED Prtaria 1129/2014 MTE Prdut : TOTVS 11 Flha de Pagament (MFP) Chamad : TPRQRW Data da criaçã : 26/08/2014 Data da revisã : 12/11/2014 País : Brasil Bancs de Dads : Prgress, Oracle e

Leia mais

Sistema OnixNet / TrucksNet Contagem de Estoque pelas oficinas

Sistema OnixNet / TrucksNet Contagem de Estoque pelas oficinas Versã: 3.0.0.48 Empresa: TrucksCntrl Slicitante: Diretria Respnsável: Fernand Marques Frma de Slicitaçã: e-mail/reuniã Analista de Negóci: Fábi Matesc Desenvlvedr: Fabian Suza Data: 24/09/2012 Sistema

Leia mais

MTUR Sistema FISCON. Manual do Usuário

MTUR Sistema FISCON. Manual do Usuário MTUR Sistema FISCON Manual d Usuári Índice 1. INTRODUÇÃO... 3 2. DESCRIÇÃO DO SISTEMA... 3 3. ACESSAR O SISTEMA... 4 4. UTILIZANDO O SISTEMA... 5 4.1. CADASTRAR CONVENENTE... 5 4.2. INSERIR FOTOGRAFIAS/IMAGENS

Leia mais

Manual. Autorizador da UNIMED

Manual. Autorizador da UNIMED Manual Prtal Autrizadr da UNIMED Pass a Pass para um jeit simples de trabalhar cm Nv Prtal Unimed 1. Períd de Atualizaçã Prezads Cperads e Rede Credenciada, A Unimed Sul Capixaba irá atualizar seu sistema

Leia mais

CRC-MG Central de Registro Civil de Minas Gerais Certidão Online - Serventia. Manual do usuário

CRC-MG Central de Registro Civil de Minas Gerais Certidão Online - Serventia. Manual do usuário CRC-MG Central de Registr Civil de Minas Gerais Certidã Online - Serventia Manual d usuári Prefáci Data: 30/01/2015 Versã dcument: 1.0 1. COMO ACESSAR O MÓDULO DA CERTIDÃO ONLINE... 04 2. OPÇÕES DE PEDIDOS

Leia mais

INTRODUÇÃO A LOGICA DE PROGRAMAÇÃO

INTRODUÇÃO A LOGICA DE PROGRAMAÇÃO INTRODUÇÃO A LOGICA DE PROGRAMAÇÃO A Lógica de Prgramaçã é necessária à tdas as pessas que ingressam u pretendem ingressar na área de Tecnlgia da Infrmaçã, send cm prgramadr, analista de sistemas u suprte.

Leia mais

DOCUMENTAÇÃO DA VERSÃO

DOCUMENTAÇÃO DA VERSÃO DOCUMENTAÇÃO DA VERSÃO V2.04 S4 Página 1 de 14 INDICE ALTERAÇÕES IMPLEMENTADAS NA VERSÃO 2.04 DO SST...3 ITENS DE MENU CRIADOS PARA A VERSÃO 2.04...3 PRESTADOR...3 Relatóri de Metas...3 CLIENTE...4 Tela

Leia mais

Controle de Atendimento de Cobrança

Controle de Atendimento de Cobrança Cntrle de Atendiment de Cbrança Intrduçã Visand criar um gerenciament n prcess d cntrle de atendiment de cbrança d sistema TCar, fi aprimrad pela Tecinc Infrmática prcess de atendiment, incluind s títuls

Leia mais

CRONOGRAMA DELPHI para turmas Aproximadamente 84 horas - aulas de 2 horas

CRONOGRAMA DELPHI para turmas Aproximadamente 84 horas - aulas de 2 horas CRONOGRAMA DELPHI para turmas Aprximadamente 84 hras - aulas de 2 hras Primeira Parte Lógica de Prgramaçã 5 aulas 10 hras AULA 1 OBJETIVO 1. Cnceits básics: Algritm, Tips de Variáveis, Tips e Expressões

Leia mais

FKcorreiosg2_cp1 - Complemento Transportadoras

FKcorreiosg2_cp1 - Complemento Transportadoras FKcrreisg2_cp1 - Cmplement Transprtadras Instalaçã d módul Faça dwnlad d arquiv FKcrreisg2_cp1.zip, salvand- em uma pasta em seu cmputadr. Entre na área administrativa de sua lja: Entre n menu Móduls/Móduls.

Leia mais

Event Viewer - Criando um Custom View

Event Viewer - Criando um Custom View Event Viewer - Criand um Custm View Qui, 06 de Nvembr de 2008 18:21 Escrit pr Daniel Dnda Cnhecend Event Viewer Muit imprtante na manutençã e mnitrament de servidres Event Viewer é uma ferramenta que gera

Leia mais

COMO CONFIGURAR SUA(S) CONTA(S) NO MICROSOFT OFFICE OUTLOOK

COMO CONFIGURAR SUA(S) CONTA(S) NO MICROSOFT OFFICE OUTLOOK COMO CONFIGURAR SUA(S) CONTA(S) NO MICROSOFT OFFICE OUTLOOK Use as instruções de acrd cm a versã d seu Outlk (2010, 2007 u 2003) Para saber a versã de seu Outlk, clique n menu Ajuda > Sbre Micrsft Office

Leia mais

WEB MANAGER. Conhecendo o Web Manager!

WEB MANAGER. Conhecendo o Web Manager! WEB MANAGER Cnhecend Web Manager! O Web Manager é uma pdersa ferramenta para gestã de Sites, prtais, intranets, extranets e htsites. Cm ela é pssível gerenciar ttalmente seus ambientes web. Integrad ttalmente

Leia mais

Integração Ayty CRM e Altitude

Integração Ayty CRM e Altitude Dcumentaçã Elabrada pr: Ayty CRM Data / Lcal: 30/10/2011 Prjet: Ayty CRM cm Discadr Altitude Versã: 1.0 Dcument: Integraçã AytyCRM e Discadr Altitude Integraçã Ayty CRM e Altitude Sumári: Principais Fluxs:...

Leia mais

Manual de Configuração

Manual de Configuração Manual de Cnfiguraçã Pnt de Venda (PDV) Versã: 1.1 Índice 1 EASYASSIST PONTO DE VENDA (PDV)... 3 1.1 INSTALANDO O TERMINAL EASYASSIST PONTO DE VENDA (PDV)... 3 1.2 CAPTURANDO O NÚMERO DE SÉRIE E O GT DO

Leia mais

Código: Data: Revisão: Página: SUMÁRIO

Código: Data: Revisão: Página: SUMÁRIO UC_REQ-MK_ACF-001 27/01/2015 00 1 / 12 SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 2 Objetiv... 2 Públic Alv... 2 Escp... 2 Referências... 2 DESCRIÇÃO GERAL DO PRODUTO... 2 Características d Usuári... 2 Limites, Supsições e

Leia mais

Documentação de Versão Projeto Saúde e Segurança do Trabalho

Documentação de Versão Projeto Saúde e Segurança do Trabalho Dcumentaçã de Versã Prjet Saúde e Segurança d Trabalh DATA: tt/3/yy Pág 1 de 6 ÍNDICE ALTERAÇÕES IMPLEMENTADAS NA VERSÃO 2.1 DO SST... 2 ITENS DE MENU CRIADOS PARA A VERSÃO 2.1... 2 PRESTADOR... 2 CLIENTE...

Leia mais

Integração com coletores de ponto, catracas, dispositivos de abertura de portas, fechaduras eletromagnéticas,

Integração com coletores de ponto, catracas, dispositivos de abertura de portas, fechaduras eletromagnéticas, Vsft ids Acess Web Cntrle de acess e pnt A Vsft desenvlveu uma sluçã baseada em sftware e hardware para cntrle de acess e u pnt que pde ser utilizada pr empresas de qualquer prte. Cm us da tecnlgia bimétrica

Leia mais

Requisitos técnicos de alto nível da URS para registros e registradores

Requisitos técnicos de alto nível da URS para registros e registradores Requisits técnics de alt nível da URS para registrs e registradres 17 de utubr de 2013 Os seguintes requisits técnics devem ser seguids pels peradres de registr e registradres para manter a cnfrmidade

Leia mais

Manual de Instalação e Configuração

Manual de Instalação e Configuração Manual de Instalaçã e Cnfiguraçã Prdut:n-ReleaserEmbedded fr Lexmark Versã 1.2.1 Versã d Dc.:1.0 Autr: Lucas Machad Santini Data: 14/04/2011 Dcument destinad a: Clientes e Revendas Alterad pr: Release

Leia mais

Manual de configuração. Exemplo de instalação e configuração do banco de dados Postgree e ODBC para reconhecimento de imagens no SARA.

Manual de configuração. Exemplo de instalação e configuração do banco de dados Postgree e ODBC para reconhecimento de imagens no SARA. Manual de cnfiguraçã Exempl de instalaçã e cnfiguraçã d banc de dads Pstgree e ODBC para recnheciment de imagens n SARA. Manual de cnfiguraçã Exempl de instalaçã e cnfiguraçã d banc de dads Pstgree e ODBC

Leia mais

Copyright 1999-2006 GrupoPIE Portugal, S.A. Manual Utilizador

Copyright 1999-2006 GrupoPIE Portugal, S.A. Manual Utilizador Reprts Relatóris à sua Medida Reprts Cpyright 1999-2006 GrupPIE Prtugal, S.A. Reprts 1. WinREST Reprts...5 1.1. Licença...6 1.2. Linguagem...7 1.3. Lgin...7 1.4. Página Web...8 2. Empresas...9 2.1. Cm

Leia mais

Guia Sphinx: Instalação, Reposição e Renovação

Guia Sphinx: Instalação, Reposição e Renovação Guia Sphinx: Instalaçã, Repsiçã e Renvaçã V 5.1.0.8 Instalaçã Antes de instalar Sphinx Se vcê pssuir uma versã anterir d Sphinx (versões 1.x, 2.x, 3.x, 4.x, 5.0, 5.1.0.X) u entã a versã de Demnstraçã d

Leia mais

IBOConsole Instalação e Configuração. Ferramenta para gerenciamento do banco de dados.

IBOConsole Instalação e Configuração. Ferramenta para gerenciamento do banco de dados. IBOCnsle Instalaçã e Cnfiguraçã Ferramenta para gerenciament d banc de dads. 2 IBOCnsle ÍNDICE INSTALAÇÃO IBOCONSOLE... 3 CONFIGURAÇÃO IBOCONSOLE... 6 Menu Cnsle... 6 Menu View... 8 Menu Server... 8 Menu

Leia mais

SGCT - Sistema de Gerenciamento de Conferências Tecnológicas

SGCT - Sistema de Gerenciamento de Conferências Tecnológicas SGCT - Sistema de Gerenciament de Cnferências Tecnlógicas Versã 1.0 09 de Setembr de 2009 Institut de Cmputaçã - UNICAMP Grup 02 Andre Petris Esteve - 070168 Henrique Baggi - 071139 Rafael Ghussn Can -

Leia mais

Sistema Hospitalar - Módulo Diagnóstico

Sistema Hospitalar - Módulo Diagnóstico Sistema Hspitalar - Módul Diagnóstic Manual d usuári Versã 2.3 [Este template faz parte integrante d Prcess de Desenvlviment de Sistemas da DTI (PDS-DTI) e deve ser usad em cnjunt cm as recmendações d

Leia mais

Integração com coletores de ponto, catracas, dispositivos de abertura de portas, fechaduras eletromagnéticas,

Integração com coletores de ponto, catracas, dispositivos de abertura de portas, fechaduras eletromagnéticas, Vsft ids Pnt Web Cntrle de acess e pnt A Vsft desenvlveu uma sluçã baseada em sftware e hardware para cntrle de acess e u pnt que pde ser utilizada pr empresas de qualquer prte. Cm us da tecnlgia bimétrica

Leia mais

Dissídio Retroativo. Cálculos INSS, FGTS e geração da SEFIP

Dissídio Retroativo. Cálculos INSS, FGTS e geração da SEFIP Dissídi Retrativ Cálculs INSS, FGTS e geraçã da SEFIP A rtina de Cálcul de Dissídi Retrativ fi reestruturada para atender a legislaçã da Previdência Scial. A rtina de Aument Salarial (GPER200) deve ser

Leia mais

Plano de aulas 2010 1ª série 1ª aula 2ª etapa

Plano de aulas 2010 1ª série 1ª aula 2ª etapa Plan de aulas 2010 1ª série 1ª aula 2ª etapa Escla Clégi Eng Juarez Wanderley Prfessr Fernand Nishimura de Aragã Disciplina Infrmática Objetivs Cnstruçã de um website pessal para publicaçã de atividades

Leia mais

Modelagem, qualificação e distribuição em um padrão para geoinformações

Modelagem, qualificação e distribuição em um padrão para geoinformações Mdelagem, qualificaçã e distribuiçã em um padrã para geinfrmações Julia Peixt 14h, 14 de junh de 2010. Mtivaçã Acerv de dads desde 1994 em diferentes áreas de pesquisa; Muitas pessas fazend muits trabalhs

Leia mais

Tribunal de Contas do Estado de Minas Gerais Diretoria de Tecnologia da Informação

Tribunal de Contas do Estado de Minas Gerais Diretoria de Tecnologia da Informação 1.1.1.1 Cas de us Descmpactar e Cnverter arquivs d módul de Instruments de Planejament 1.1.1.1.1 Precndições 1. O cas de us de envi deve ter sid cncluíd cm sucess 1.1.1.1.2 Flux principal 1. O SICOM descmpacta

Leia mais

IBOConsole Recuperação do Banco de Dados. Ferramenta de manutenção para recuperação de banco de dados.

IBOConsole Recuperação do Banco de Dados. Ferramenta de manutenção para recuperação de banco de dados. IBOCnsle Recuperaçã d Banc de Dads Ferramenta de manutençã para recuperaçã de banc de dads. 2 IBOCnsle ÍNDICE MAINTENANCE... 3 VALIDATION... 4 BACKUP/RESTORE... 6 BACKUP... 7 RESTORE... 10 3 IBOCnsle MAINTENANCE

Leia mais

Inscrição do Candidato ao Processo de Credenciamento

Inscrição do Candidato ao Processo de Credenciamento Inscriçã d Candidat a Prcess de Credenciament O link de inscriçã permitirá que candidat registre suas infrmações para participar d Prcess de Credenciament, cnfrme Edital. Após tmar ciência de td cnteúd

Leia mais

SMART CONTROLE DO ESTOQUE DE GONDOLA

SMART CONTROLE DO ESTOQUE DE GONDOLA SMART CONTROLE DO ESTOQUE DE GONDOLA O prcess de cntrle de estque de gôndla fi desenvlvid cm uma prcess de auxili a cliente que deseja cntrlar a quantidade de cada item deve estar dispnível para venda

Leia mais

ALTERAÇÕES NO SISTEMA ORION

ALTERAÇÕES NO SISTEMA ORION ALTERAÇÕES NO SISTEMA ORION Orin Versã 7.74 TABELAS Clientes Na tela de Cadastr de Clientes, fi inserid btã e um camp que apresenta códig que cliente recebeu após cálcul da Curva ABC. Esse btã executa

Leia mais

Disciplina: Programação III Conteúdo: Programação Orientada a Objetos Linguagem JAVA Página: 184

Disciplina: Programação III Conteúdo: Programação Orientada a Objetos Linguagem JAVA Página: 184 Cnteúd: Prgramaçã Orientada a Objets Linguagem JAVA Página: 184 3.12 COMPONENTES GUI E O TRATAMENTO DE EVENTOS Origem: Capítul 11 Cmpnentes GUI: Parte 1. Livr: Java Cm Prgramar, Deitel & Deitel, 6ª. Ediçã;

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO ANTECEDENTES CRIMINAIS

MANUAL DO USUÁRIO ANTECEDENTES CRIMINAIS SISTEMA DE INFORMAÇÃO E GESTÃO INTEGRADA POLICIAL Elabrad: Equipe SAG Revisad: Aprvad: Data: 11/09/2008 Data: 10/10/2008 Data: A autenticaçã d dcument cnsta n arquiv primári da Qualidade Referencia: Help_Online_Antecedentes_Criminais.dc

Leia mais

ARQUITETURA E INSTALAÇÃO PROTHEUS 11

ARQUITETURA E INSTALAÇÃO PROTHEUS 11 ARQUITETURA E INSTALAÇÃO PROTHEUS 11 OBJETIVO Infraestrutura e tecnlgia d Prtheus sã a base de uma sluçã de gestã empresarial rbusta, que atende a tdas as necessidades de desenvlviment, persnalizaçã, parametrizaçã

Leia mais

Processador de Texto Funcionalidades Avançadas

Processador de Texto Funcionalidades Avançadas Prcessadr de Text Funcinalidades Avançadas ÍNDICE INTRODUÇÃO...4 MODELOS...4 Criar Mdels...5 MODELO NORMAL...6 Alterar mdel Nrmal.dtm...7 IMPRESSÃO EM SÉRIE MAILINGS...7 Cartas e mensagens de crrei electrónic...8

Leia mais

Versão 14.0 Junho 2015 www.psr-inc.com Contato: sddp@psr-inc.com. Representação mais detalhada da operação em cada estágio: 21 blocos

Versão 14.0 Junho 2015 www.psr-inc.com Contato: sddp@psr-inc.com. Representação mais detalhada da operação em cada estágio: 21 blocos Versã 14.0 Junh 2015 www.psr-inc.cm Cntat: sddp@psr-inc.cm SDDP VERSÃO 14.0 Nvidades Representaçã mais detalhada da peraçã em cada estági: 21 blcs Tradicinalmente, a peraçã de cada estági (semana u mês)

Leia mais

Notas de Aplicação. Utilização do conversor RS232/RS485 (PMC712) com controladores HI. HI Tecnologia. Documento de acesso público

Notas de Aplicação. Utilização do conversor RS232/RS485 (PMC712) com controladores HI. HI Tecnologia. Documento de acesso público Ntas de Aplicaçã Utilizaçã d cnversr RS232/RS485 (PMC712) cm cntrladres HI HI Tecnlgia Dcument de acess públic ENA.00034 Versã 1.00 setembr-2010 HI Tecnlgia Utilizaçã d cnversr RS232/RS485 (PMC712) cm

Leia mais

PDF Livre com o Ghostscript

PDF Livre com o Ghostscript PDF Livre cm Ghstscript Um tutrial para criaçã de um geradr de arquivs PDF em Windws, basead em ferramentas gratuitas. Márci d'ávila, 05 de mai de 2004. Revisã 8, 20 de setembr de 2007. Categria: Text

Leia mais

Modelo de Negócios. TRABALHO REALIZADO POR: Antonio Gome- 2007009 // Jorge Teixeira - 2008463

Modelo de Negócios. TRABALHO REALIZADO POR: Antonio Gome- 2007009 // Jorge Teixeira - 2008463 Mdel de Negócis Trabalh n âmbit da disciplina de Mdelaçã de dads. Criaçã de uma platafrma utilizand as tecnlgias SQL PHP e Javascript.. TRABALHO REALIZADO POR: Antni Gme- 2007009 // Jrge Teixeira - 2008463

Leia mais

Roteiro de Implantação Estoque

Roteiro de Implantação Estoque Rteir de Implantaçã Estque Revisã: 23/07/2004 Abrangência Versã 7.10 Cadastrs Básics Dicas: Explique a necessidade d preenchiment ds brigatóris (camps na cr azul). Verifique se cliente necessita que mais

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO FINANCEIRO

MANUAL DO USUÁRIO FINANCEIRO SIGIO Sistema Integrad de Gestã de Imprensa Oficial MANUAL DO USUÁRIO FINANCEIRO S I G I O M A N U A L D O U S U Á R I O P á g i n a 2 Cnteúd 1 Intrduçã... 3 2 Acess restrit a sistema... 4 2.1 Tips de

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS

MANUAL DE PROCEDIMENTOS MANUAL DE PROCEDIMENTOS Etapa 3 Cadastr d Prcess Seletiv O Presidente da CRM cadastra s dads d prcess n sistema. O prcess seletiv é a espinha drsal d sistema, vist que pr mei dele regem-se tdas as demais

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO

TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO PADRÕES PARA MODELAGEM DE PROCESSOS NO TCU BRASÍLIA 2009 2 Sumári 1. MODELAGEM DE PROCESSOS 3 2. ARIS 3 3. DIAGRAMAS 4 3.1 Cnceits 4 3.1.1 Organgrama 4 3.1.2 - Diagrama de Cadeia de Valr Agregad 5 3.1.3

Leia mais

Autocalibração com erros relacionados ao Sistema, Auto CQ e Troca de Reagente

Autocalibração com erros relacionados ao Sistema, Auto CQ e Troca de Reagente As Clientes ds Sistemas de Química ADVIA. Referente: Ntificaçã Urgente de Segurança em Camp CHSW 13 03 10816443 Rev. A Data Nvembr / 2013 E-mail assunts.regulatris.br@siemens.cm Internet www.siemens.cm

Leia mais

BANKSYNC ALGORITMO PARA GERAÇÃO DO CÓDIGO DE BARRAS (DLL)

BANKSYNC ALGORITMO PARA GERAÇÃO DO CÓDIGO DE BARRAS (DLL) OBJETIVO O algritm para geraçã d códig de barras (dll) utilizad n SAP Business One (SBO) deve ser instalad e cnfigurad adequadamente para pssibilitar a visualizaçã e impressã de blets lcalmente, assim

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO EVENTOS

MANUAL DO USUÁRIO EVENTOS SISTEMA DE INFORMAÇÃO E GESTÃO INTEGRADA POLICIAL Elabrad: Equipe SAG Revisad: Data: 17-09-2008 Data: Aprvad: Data: A autenticaçã d dcument cnsta n arquiv primári da Qualidade Referencia: Help_Online_Events.dc

Leia mais

Regulamento para realização do Trabalho de Conclusão de Curso

Regulamento para realização do Trabalho de Conclusão de Curso Universidade Federal d Ceará Campus de Sbral Curs de Engenharia da Cmputaçã Regulament para realizaçã d Trabalh de Cnclusã de Curs Intrduçã Este dcument estabelece as regras básicas para funcinament das

Leia mais

AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM MOODLE - VERSÃO 2.2 MANUAL DO PROFESSOR

AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM MOODLE - VERSÃO 2.2 MANUAL DO PROFESSOR Pntifícia Universidade Católica d Ri Grande d Sul AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM MOODLE - VERSÃO 2.2 MANUAL DO PROFESSOR Organizaçã Equipe da CEAD MAIO DE 2012 Prt Alegre - RS - Brasil Fne: (51) 3320-3651

Leia mais

MTUR Sistema FISCON. Manual do Usuário

MTUR Sistema FISCON. Manual do Usuário MTUR Sistema FISCON Manual d Usuári Índice 1. INTRODUÇÃO... 3 2. DESCRIÇÃO DO SISTEMA... 3 3. ACESSAR O SISTEMA... 4 4. UTILIZANDO O SISTEMA... 5 4.1. CADASTRAR CONVENENTE... 5 4.2. INSERIR FOTOS DOS CONVÊNIOS...

Leia mais

Microsoft Live Meeting 2007 Como Gravar uma Reunião

Microsoft Live Meeting 2007 Como Gravar uma Reunião M A N U A L D O A D M I N I S T R A D O R Micrsft Live Meeting 2007 Cm Gravar uma Reuniã O Micrsft Office Live Meeting ferece um recurs de gravaçã que lhe permite capturar td pressinament de teclas, slides

Leia mais

Shavlik Protect. Guia de Atualização

Shavlik Protect. Guia de Atualização Shavlik Prtect Guia de Atualizaçã Cpyright e Marcas cmerciais Cpyright Cpyright 2009 2015 LANDESK Sftware, Inc. Tds s direits reservads. Este prdut está prtegid pr cpyright e leis de prpriedade intelectual

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA REGISTO DE. Técnicos de Instalação e Manutenção de Edifícios e Sistemas. (TIMs)

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA REGISTO DE. Técnicos de Instalação e Manutenção de Edifícios e Sistemas. (TIMs) MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA REGISTO DE Técnics de Instalaçã e Manutençã de Edifícis e Sistemas (TIMs) NO SISTEMA INFORMÁTICO DO SISTEMA NACIONAL DE CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA NOS EDIFÍCIOS (SCE) 17/07/2014

Leia mais

Anexo 03 Recomendação nº 3: estatuto padrão, estatuto fundamental e contrato social

Anexo 03 Recomendação nº 3: estatuto padrão, estatuto fundamental e contrato social Anex 03 Recmendaçã nº 3: estatut padrã, estatut fundamental e cntrat scial 1. Resum 01 Atualmente, Estatut da Crpraçã da Internet para a atribuiçã de nmes e númers (ICANN) tem um mecanism únic para alterações.

Leia mais

Principais Informações

Principais Informações Principais Infrmações Quem é Benefix Sistemas? Frmada pr ex-executivs e equipe de tecnlgia da Xerx d Brasil, que desenvlvem e suprtam sluções e estratégias invadras para setr públic, especializada dcuments

Leia mais

Instruções para as apresentações científicas

Instruções para as apresentações científicas Instruções para as apresentações científicas As apresentações pderã ser realizadas na frma de PÔSTER u ORAL, dentr das especialidades dntlógicas: Ciências Básicas, Estmatlgia/Radilgia/Patlgia, Cirurgia,

Leia mais

Manual de Operação WEB SisAmil - Gestão

Manual de Operação WEB SisAmil - Gestão Manual de Operaçã WEB SisAmil - Gestã Credenciads Médics 1 Índice 1. Acess Gestã SisAmil...01 2. Autrizaçã a. Inclusã de Pedid...01 b. Alteraçã de Pedid...10 c. Cancelament de Pedid...11 d. Anexs d Pedid...12

Leia mais

Vensis PCP. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br

Vensis PCP. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br Vensis PCP Vensis PCP O PCP é módul de planejament e cntrle de prduçã da Vensis. Utilizad n segment industrial, módul PCP funcina de frma ttalmente integrada a Vensis ERP e permite às indústrias elabrar

Leia mais

Guia de Instalação SIAM. Módulo GPRS/GSM Instalação e Manual do Usuário

Guia de Instalação SIAM. Módulo GPRS/GSM Instalação e Manual do Usuário Guia de Instalaçã SIAM Módul GPRS/GSM Instalaçã e Manual d Usuári Dcument Gerad pr: Amir Bavar Criad em: 02/06/2006 Última mdificaçã: 28/09/2008 SIAM Módul GPRS/GSM Intrduçã: O módul GPRS/GSM é uma pçã

Leia mais

com jcompany Extensions Capítulo Expandindo o Poder do jcompany Developer Suite - Entendendo as melhores práticas de customização

com jcompany Extensions Capítulo Expandindo o Poder do jcompany Developer Suite - Entendendo as melhores práticas de customização A6Extensões Arquiteturais cm jcmpany Extensins Capítul 23 Expandind Pder d jcmpany Develper Suite - Entendend as melhres práticas de custmizaçã Exercitams em váris capítuls as pssibilidades de extensã

Leia mais

Ontologias: da Teoria à Prática

Ontologias: da Teoria à Prática Ontlgias: da Teria à Prática I Escla de Ontlgias UFAL-USP Endhe Elias e Olav Hlanda Núcle de Excelência em Tecnlgias Sciais - NEES Universidade Federal de Alagas UFAL Rteir Mtivaçã Ontlgias Engenharia

Leia mais

Channel. Colaboradores. Tutorial. Atualizado com a versão 3.9

Channel. Colaboradores. Tutorial. Atualizado com a versão 3.9 Channel Clabradres Tutrial Atualizad cm a versã 3.9 Cpyright 2009 pr JExperts Tecnlgia Ltda. tds direits reservads. É pribida a reprduçã deste manual sem autrizaçã prévia e pr escrit da JExperts Tecnlgia

Leia mais

Vensis Manutenção. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br

Vensis Manutenção. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br Vensis Manutençã Vensis Manutençã É módul que permite gerenciament da manutençã de máquinas e equipaments. Prgramaçã de manutenções preventivas u registr de manutenções crretivas pdem ser feits de frma

Leia mais

Soluções Benefix para Varejo (NFC-e)

Soluções Benefix para Varejo (NFC-e) BENEFIX SISTEMAS E GESTÃO DE NEGÓCIOS LTDA Rua da Cnceiçã, 95, Niterói / RJ Telefne: +55 21 2621-5063 Telefne: +55 41 3353-3839 E-mail: cntat@e-benefix.cm.br Sluções Benefix para Varej (NFC-e) Sluções

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS

MANUAL DE PROCEDIMENTOS MANUAL DE PROCEDIMENTOS INDICE Descriçã básica...3 A. Quem pde acessar módul?... 3 Relações Ministeriais, Prcess...4 B. Etapas e Agentes... 4 C. Duraçã d prcess... 4 Atividades Permitidas as Usuáris d

Leia mais

HOW TO. Gerando certificado digital, autoassinado,

HOW TO. Gerando certificado digital, autoassinado, Intrduçã HOW TO Página: 1 de 9 Este FAQ visa demnstrar cm efetuar a geraçã de um certificad digital n frmat PKCS#12, bem cm a imprtaçã d certificad X509 ns navegadres. O que é um certificad digital? Certificad

Leia mais

FRWTC-200 INTRODUÇÃO JAVA SE

FRWTC-200 INTRODUÇÃO JAVA SE FRWTC-200 INTRODUÇÃO JAVA SE SOBRE A FRAMEWORK A Framewrk (www.frwtc.cm) atua diretamente cm prfissinais d segment de tecnlgia em busca de capacitaçã, atualizaçã e certificaçã, curss IN-COMPANY persnalizads

Leia mais

Operação Metalose orientações básicas à população

Operação Metalose orientações básicas à população Operaçã Metalse rientações básicas à ppulaçã 1. Quem é respnsável pel reclhiment de prduts adulterads? As empresas fabricantes e distribuidras. O Sistema Nacinal de Vigilância Sanitária (Anvisa e Vigilâncias

Leia mais

Workflow. José Palazzo Moreira de Oliveira. Mirella Moura Moro

Workflow. José Palazzo Moreira de Oliveira. Mirella Moura Moro Pdems definir Wrkflw cm: Wrkflw Jsé Palazz Mreira de Oliveira Mirella Mura Mr "Qualquer tarefa executada em série u em paralel pr dis u mais membrs de um grup de trabalh (wrkgrup) visand um bjetiv cmum".

Leia mais

CAPÍTULO III Principais aplicativos comerciais para: edição de textos e planilhas.

CAPÍTULO III Principais aplicativos comerciais para: edição de textos e planilhas. Apstila Sóln Cnheciments Básics de Infrmática CAPÍTULO III Principais aplicativs cmerciais para: ediçã de texts e planilhas. Micrsft Office (Wrd 2003 - Excel 2003) BROffice 2.0 (Calc, Writer) Aplicativs

Leia mais

Projeto e Implementação de um Software para auxilio no Ensino de Linguagens Regulares

Projeto e Implementação de um Software para auxilio no Ensino de Linguagens Regulares Prjet e Implementaçã de um Sftware para auxili n Ensin de Linguagens Regulares Jsé Rbsn de Assis 1, Marln Oliveira da Silva 1. Faculdade de Ciências Exatas e Cmunicaçã (FACEC) Universidade Presidente Antôni

Leia mais

Versão 1.1.1.3. Descrição do produto, 2009. www.graycell.pt

Versão 1.1.1.3. Descrição do produto, 2009. www.graycell.pt Versã 1.1.1.3 Descriçã d prdut, 2009 www.graycell.pt 1 ENQUADRAMENTO A platafrma ask-it! é uma aplicaçã web-based que permite criar inquérits dinâmics e efectuar a sua dispnibilizaçã n-line. A facilidade

Leia mais

Implementando o Padrão "Manter Agregação Mestre/Detalhe"

Implementando o Padrão Manter Agregação Mestre/Detalhe 8 Capítul Implementand Padrã "Manter Agregaçã Mestre/Detalhe" 6 Implementand UC002 Manter Funcinári! - Analisand a especificaçã A terceira especificaçã de Cas de Us que irems implementar está definida

Leia mais

Projeto de Arquitetura Objetivos. Tópicos abordados. Arquitetura de software. Vantagens da arquitetura explícita

Projeto de Arquitetura Objetivos. Tópicos abordados. Arquitetura de software. Vantagens da arquitetura explícita Prjet de Arquitetura Objetivs Apresentar prjet de arquitetura e discutir sua imprtância Explicar as decisões de prjet de arquitetura que têm de ser feitas Apresentar três estils cmplementares de arquitetura

Leia mais