TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO"

Transcrição

1 PADRÕES PARA MODELAGEM DE PROCESSOS NO TCU BRASÍLIA 2009

2 2 Sumári 1. MODELAGEM DE PROCESSOS 3 2. ARIS 3 3. DIAGRAMAS Cnceits Organgrama Diagrama de Cadeia de Valr Agregad eepc Diagrama de alcaçã de funções (FAD) Cnteúd ds diagramas 9 4. TIPOS DE OBJETO Funções Events Cnectres Lógics Relacinament Unidade rganizacinal Carg Armazenadr de infrmações Tip de pessa Sistema de aplicaçã ESTRUTURA DE ARMAZENAMENTO DE INFORMAÇÕES Cnceits Cnteúd 14 ANEXO I RESPONSABILIDADES 17 ANEXO II ORIENTAÇÕES GERAIS DE MODELAGEM BOAS PRÁTICAS 18 D:\Usuaris\silvald\Cnfigurações lcais\temprary Internet Files\Cntent.Outlk\NF4WSDLP\Padrões para mdelagem de prcesss - v28.dc

3 3 1. MODELAGEM DE PROCESSOS A Mdelagem de Prcesss permite a identificaçã, de frma estruturada, das principais fntes de vantagem cmpetitiva da rganizaçã pr mei d exame d cnjunt de atividades que cmpõem sua cadeia de valres; apóia as rganizações na avaliaçã, timizaçã e/u refrmulaçã de seu mdel de peraçã, de frma a pririzar prcesss, atividades, prduts e/u serviçs que auxiliam a cncretizaçã de suas estratégias de negóci; frnece uma base de cnheciment que apóia a estruturaçã e desenvlviment, de frma integrada, de diferentes iniciativas tais cm: 2. ARIS Prjets de timizaçã/estruturaçã d mdel de peraçã de uma unidade de negóci u da rganizaçã; Prjet para revisã da estrutura rganizacinal e redistribuiçã de respnsabilidades entre uma u várias unidades rganizacinais; Prjets para desenvlviment de sistemas de infrmaçã, inclusive rientads a bjet, que melhr atendam às necessidades d negóci; Prjets de cmpreensã das necessidades de infrmaçã para apiar a cnstruçã de ambiente de Data Warehusing; Prjets para desenvlviment de sistemas de infrmaçã mais aderentes a Fluxs de Trabalh (Wrkflw); Prjets para a cnceituaçã e implementaçã de um Balanced Screcard (BSC); Prjets para cncepçã e implementaçã de mdels de cmpetências que direcinem a capacitaçã e educaçã de pessas, entre utrs. ARIS é a sigla para ARchitecture f Integrated Infrmatin Systems e fi desenvlvida pel Prf. Scheer na Alemanha entre 1992 até 1994, send um framewrk de mdelagem que enfatiza s aspects de engenharia de sftware e rganizacinais da empresa (VERNADAT, 1996; ARIS, 1995). N ARIS sã definids quatr visões e três níveis de mdelagem. As visões d ARIS sã: (1) Visã Funcinal: a qual permite cnstruir mdels que definem de maneira hierárquica tdas as funções da empresa cmeçand das mais macr e decmpnd-as até nível de detalhe que permite especificar funções de prgramaçã dentr de aplicativs de sftware; (2) Visã ds Dads: é utilizada para definir s mdels de dads partind das definições das infrmações mais cmplexas (relatóris u cnjunt de infrmações) passand pel mdel de dads e seus relacinaments, a definiçã de esquemas e definind a própria base de dads; (3) Visã Organizacinal: permite especificar e detalhar a estrutura rganizacinal da empresa desde a definiçã das divisões e unidades de negócis, a estrutura de cargs e seus cupantes, até a estrutura física cm s equipaments, cm ênfase especial à estrutura de infrmática na medida em que há métds específics para a mdelagem da rede de cmputadres da empresa; (4) Visã de Cntrle: é a visã que permite relacinar as três visões anterires. Nesta visã há métds de mdelagem específics para definir a relaçã entre funções e dads; funções e rganizaçã; rganizaçã e dads e, principalmente, capazes de integrar as três funções utilizand-se principalmente d cnceit de event. O ARIS nã é meramente uma ferramenta de desenh, ele é na verdade uma sluçã de mdelagem que se baseia na criaçã e reutilizaçã de bjets que pssuem simblgia, semântica e características próprias. Esta característica trna pssível cruzament de diversas infrmações, pr exempl: quais atividades sã executadas pr uma unidade rganizacinal específica, quais atividades estã sb respnsabilidade de um determinad tip de pessa (papel); quais atividades sã suprtadas pr determinads sistemas; quais atividades utilizam/geram quais dcuments; entre utras. D:\Usuaris\silvald\Cnfigurações lcais\temprary Internet Files\Cntent.Outlk\NF4WSDLP\Padrões para mdelagem de prcesss - v28.dc

4 4 3. DIAGRAMAS 3.1 Cnceits Organgrama Organgramas descrevem as unidades rganizacinais, pr mei de retânguls, e a hierarquia, pr mei de linhas. A imprtância de cnhecer rgangrama da empresa se reflete tant na mdelagem prpriamente dita, pis ele frnece a descriçã da empresa que será cnvertida em bjets d mdel, quant n prcess de mdelagem, pis a partir d rgangrama tems cnheciment de rganizaçã e respnsabilidades. Organgrama TCU Clegiads Plenári 1ª Câmara 2ª Câmara Cmissã de Regiment Cmissã de Jurisprudência Autridades Ministrs (9) Auditres (4) Presidência Vice-Presidência (Crregedr) Gabinetes Gabinetes Gabinete Gabinete Ministéri Públic Gabinetes Figura 1 - Organgrama D:\Usuaris\silvald\Cnfigurações lcais\temprary Internet Files\Cntent.Outlk\NF4WSDLP\Padrões para mdelagem de prcesss - v28.dc

5 Diagrama de Cadeia de Valr Agregad O mdel VAC (Value-Added Chain Diagram) tem cm prpósit identificar aquelas funções dentr da rganizaçã que sã envlvidas diretamente ns valres estratégics da instituiçã. Estas funções pdem ser inter-relacinadas pela criaçã de uma seqüência de funções. O mdel VAC nã permite expressar uma super u sub-rdenaçã de funções, send pssível visualizá-las apenas de frma hierárquica. Administraçã de Infra-Estrutura Administraçã de Banc de Dads Administraçã de Estações de Trabalh Administraçã de Rede Administraçã de Servidres Administraçã de Serviçs Figura 2 - Diagrama de Cadeia de Valr Agregad (VAC) D:\Usuaris\silvald\Cnfigurações lcais\temprary Internet Files\Cntent.Outlk\NF4WSDLP\Padrões para mdelagem de prcesss - v28.dc

6 eepc EPC é a sigla em inglês para Event Driven Prcess Chain (Cadeia de Prcesss Dirigida pr Events). Esse métd é usad para mdelagem de prcess e tem grande aceitaçã n mund. Nesse métd, um prcess é mdelad segund flux de events e funções. As principais primitivas, descritas na figura abaix, sã: funções, events, cnectres lógics e relacinaments (caminhs). eepc é a sigla em inglês para Extended Event Driven Prcess Chain (Cadeia de Prcesss Dirigida pr Events Extendida). Esses elements adicinais funcinam basicamente cm cmentáris a prcess que estás send dcumentad. Assim, depis de descrit prcess pel métd nã estendid, clcams sbre eles nvs elements dcumentand infrmações, tais cm: quem realiza prcess, que infrmaçã utiliza, que prduts gera u cnsme, etc... Figura 3 - eepc D:\Usuaris\silvald\Cnfigurações lcais\temprary Internet Files\Cntent.Outlk\NF4WSDLP\Padrões para mdelagem de prcesss - v28.dc

7 7 eepc (linha) Variaçã d mdel eepc nde as linhas delimitam as atividades que sã executadas pr uma unidade rganizacinal. Na primeira cluna devem ser clcadas as unidades rganizacinais u papéis, e na segunda cluna flux crrespndente a cada respnsabilidade. Pde-se substituir nme de cada linha na cluna cinza à esquerda clicand duas vezes sbre ela e escrevend text desejad n atribut nme. Outra sugestã é clcar a separaçã entre as linhas cm pntilhads, bastand para iss clicar cm btã direit na primeira cluna cinza, entrar em prpriedades, desmarcar checkbx Valres Padrã e selecinar tip de linha pntilhad. Figura 4 eepc linha D:\Usuaris\silvald\Cnfigurações lcais\temprary Internet Files\Cntent.Outlk\NF4WSDLP\Padrões para mdelagem de prcesss - v28.dc

8 Diagrama de alcaçã de funções (FAD) O mdel FAD (Functin Allcatin Diagram), em cmplementaçã a cntrle de events apresentad n mdel EPC, representa a transfrmaçã ds dads de entrada em dads saída, identifica s respnsáveis pela execuçã da atividade (papéis/unidade rganizacinal), bem cm s sistemas e instruments utilizads na execuçã das atividades. Exempl de FAD: Figura 5 - FAD D:\Usuaris\silvald\Cnfigurações lcais\temprary Internet Files\Cntent.Outlk\NF4WSDLP\Padrões para mdelagem de prcesss - v28.dc

9 9 3.2 Cnteúd ds diagramas Nme Atributs Objets Símbl Diagrama de Cadeia de Funçã Valr Agregad (VAC) Prdut/serviç Cadeia de Prcesss Dirigida pr Events Estendid (eepc) Cadeia de Prcesss Dirigida pr Events Estendid cm linhas (eepc-linha) Diagrama de alcaçã de funções (FAD) Organgrama Nme Descriçã/Definiçã Data e hra da criaçã Última alteraçã Últim usuári Pessa respnsável Nme Descriçã/Definiçã Data e hra da criaçã Última alteraçã Últim usuári Pessa respnsável Nme Descriçã/Definiçã Data e hra da criaçã Última alteraçã Últim usuári Pessa respnsável Nme Descriçã/Definiçã Data e hra da criaçã Última alteraçã Últim usuári Pessa respnsável Nme Descriçã/Definiçã Data e hra da criaçã Última alteraçã Últim usuári Pessa respnsável Funçã Event Operadr lógic Funçã Event Carg Operadr lógic Sistema de aplicaçã Unidade rganizacinal Tip de pessa Armazenadr de infrmações Funçã Carg Sistema de aplicaçã Unidade rganizacinal Tip de pessa Armazenadr de infrmações Unidade Organizacinal Tip de pessa Cadeia de Valr agregad Prdut/Serviç Event Funçã Interface d Prcess Operadr E Operadr OU exclusiv Operadr OU Event Funçã Interface d Prcess Operadr E Operadr OU exclusiv Operadr OU Unidade Organizacinal Unidade Organizacinal Carg Operadr Lógic Tip de pessa Dcument Telefne Sistema de aplicaçã Funçã Unidade Organizacinal Unidade Organizacinal Carg Tip de pessa Dcument Telefne Sistema de aplicaçã Unidade Organizacinal Tip de pessa D:\Usuaris\silvald\Cnfigurações lcais\temprary Internet Files\Cntent.Outlk\NF4WSDLP\Padrões para mdelagem de prcesss - v28.dc

10 10 4. TIPOS DE OBJETO 4.1 Funções Representam atividades, tarefas u passs d prcess que precisam ser executadas. Funções pdem ser iniciadas u habilitadas pr events; pdem gerar events; cnsmem recurss, exigem gerenciament, temp, e atençã; pdem representar atividades tangíveis, decisões (mentais) e prcessament de infrmações. Nme Atributs Símbls cm exempl de preenchiment Funçã Nme Descriçã/Definiçã Data e hra da criaçã Última alteraçã Últim usuári 4.2 Events Representam situações u estads d sistema, antes u depis da execuçã de uma funçã. Um event pde ser uma pré-cndiçã u uma pós-cndiçã para uma funçã. Um event nã cnsme temp nem recurss pr si só. Nme Atributs Símbls cm exempl de preenchiment Event Nme Data e hra da criaçã Última alteraçã Últim usuári 4.3 Cnectres Lógics Permitem a unificaçã e separaçã de fluxs segund s cnceits de E, OU u OU-exclusiv. Nme Atributs Símbls cm exempl de preenchiment Operadr lógic Nme Data e hra da criaçã Última alteraçã Últim usuári Operadr E Operadr OU Operadr OU EXCLUSIVO 4.4 Relacinament Representa tip de dependência entre bjets. N cas d eepc indica relaçã de precedência entre as atividades e caminhs pssíveis. O relacinament entre s bjets está cndicinad às regras definidas n filtr TCU Padrã. Nme Atributs Símbls cm exempl de preenchiment Relacinament Tip Identificadr Nme D:\Usuaris\silvald\Cnfigurações lcais\temprary Internet Files\Cntent.Outlk\NF4WSDLP\Padrões para mdelagem de prcesss - v28.dc

11 Unidade rganizacinal Representam as diversas unidades existentes em um dad órgã. Para fins de mdelagem também pde ser utilizad para representar diversas unidades que pssuem a mesma natureza (Ex.: Diretria, Gabinete d Secretári, Gabinete d Ministr...) Nme Atributs Símbls cm exempl de preenchiment Unidade rganizacinal Nme Data e hra da criaçã Última alteraçã Últim usuári Interna Externa 4.6 Carg Identifica s cargs ficialmente existentes n órgã (Ex.: TCE, ACE,...) Nme Atributs Símbls cm exempl de preenchiment Carg Nme Data e hra da criaçã Última alteraçã Últim usuári 4.7 Armazenadr de infrmações Representa um cnjunt de dads que pde ser utilizad cm entrada e/u saída de uma atividade. Pdem estar assciads a um dcument físic, a um dcument mdel (template), a um site, entre utrs. Nme Atributs Símbls cm exempl de preenchiment Armazenadr de infrmações Nme Descriçã/Definiçã Data e hra da criaçã Última alteraçã Últim usuári Víncul Tip de pessa É utilizad para representar s papéis desempenhads pr uma u mais pessas em um prcess de trabalh. Representa um cnjunt de direits e respnsabilidades. Permite assciar s agentes executres às atividades. (Ex.: prgramadr, administradr de dads, fiscalizadr de bras, requerente, denunciante,...) Nme Atributs Símbls cm exempl de preenchiment Tip de pessa Nme Descriçã/Definiçã Data e hra da criaçã Última alteraçã Últim usuári D:\Usuaris\silvald\Cnfigurações lcais\temprary Internet Files\Cntent.Outlk\NF4WSDLP\Padrões para mdelagem de prcesss - v28.dc

12 Sistema de aplicaçã Representam s sistemas utilizads durante a execuçã de uma atividade. Nme Atributs Símbls cm exempl de preenchiment Sistema de aplicaçã Nme Descriçã/Definiçã Data e hra da criaçã Última alteraçã Últim usuári D:\Usuaris\silvald\Cnfigurações lcais\temprary Internet Files\Cntent.Outlk\NF4WSDLP\Padrões para mdelagem de prcesss - v28.dc

13 13 5. ESTRUTURA DE ARMAZENAMENTO DE INFORMAÇÕES 5.1 Cnceits Base Lcal Base de dads instalada na máquina d usuári. Em sua instalaçã básica nã pssui filtr TCU Padrã e nem template standard cnfigurad para TCU. Para esta base nã é gerad backup, lg, deve ser utilizada unicamente para fins de estud individual e testes lcais. Diagramas gerads nesta base nã devem ser exprtads para a base de prduçã. Servidr srv-servicedesk Servidr instalad n iníci de É lcal ficial nde tds s nvs diagramas e bjets sã criads. Pssui cntrle de acess, templates e filtrs cntrlads pela área respnsável, além de regras e padrões estabelecids para criaçã e utilizaçã das bases de dads. Servidr bdads4 Servidr nde s dads prduzids ns servidres srv-desenvl2 e srv-servicedesk sã armazenads fisicamente. Cnfiguraçã d servidr srv-servicedesk As cnfigurações de filtrs, templates e bjets sã mantids de frma centralizada neste lcal. As cnfigurações sã cmpartilhadas cm tdas as bases de dads criadas dentr deste servidr. Para alterar qualquer cnfiguraçã é necessári ter a senha de cnfiguradr d servidr. Atualmente a Setec é a unidade respnsável pela manutençã das cnfigurações. Bases de dads d servidr srv-servicedesk Para pder criar nvas bases, realizar backups e restre é necessári ter a senha de administradr d servidr. Atualmente a Setec é a unidade respnsável pela administraçã das bases de dads d servidr. Atençã: cntrle de acess n ARIS é feit pr base de dads e nã pr servidr, send assim, criar uma nva base significa estabelecer um nv cntrle de acess. O cadastr u mdificaçã de permissã de acess de usuáris à base de dads requer a utilizaçã de senha específica. TCU Crrente Base de dads criada n servidr srv-servicedesk. É a base de dads padrã para a criaçã e manutençã ds diagramas e bjets utilizads na mdelagem ds prcesss interns d TCU. Fi estruturada em três grups principais: (1) cmpartilhad - cntém s mdels cadeia de valr e rgangrama d TCU, além ds bjets que pdem ser cmpartilhads entre s diverss diagramas d Tribunal (Ex.: unidades rganizacinais, sistemas, dcuments, papéis e cargs); (2) prcesss integrads pr tema - cntém s prcesss que sã cmpartilhads pr diversas unidades d Tribunal e que fram devidamente discutids e padrnizads; (3) prcesss pr unidade rganizacinal - cntém s prcesss executads pr uma determinada unidade rganizacinal e que pde, u nã, ser utilizad pr utras unidades. TCU Históric <an> a final de cada an será gerada uma cópia da base TCU Crrente que receberá nme Históric <an>. Esta base nã pderá ser mdificada, lg, tdas as permissões de acess que envlverem alteraçã u exclusã serã retiradas, permanecend dispnível apenas a permissã pública de leitura. Estas bases servirã cm fnte de análise histórica da evluçã ds prcesss. TCU Externs Base criada para mapear prcesss externs a TCU cm, pr exempl, s prcesss de órgãs que estã send auditads. Serã definidas regras e padrões de mdelagem específics para esta base. D:\Usuaris\silvald\Cnfigurações lcais\temprary Internet Files\Cntent.Outlk\NF4WSDLP\Padrões para mdelagem de prcesss - v28.dc

14 Cnteúd Estrutura Organizaçã Orientaçã Servidres Base de dads A criaçã e a manutençã de Bases de Dads sã de respnsabilidade da Setec. Grups Grup Cmpartilhad A atualizaçã d cnteúd d grup cmpartilhad é, priritariamente, de respnsabilidade da Seplan. D:\Usuaris\silvald\Cnfigurações lcais\temprary Internet Files\Cntent.Outlk\NF4WSDLP\Padrões para mdelagem de prcesss - v28.dc

15 15 Grup Temátic O tratament temátic será utilizand quand huver interesse de padrnizar prcesss que sã utilizads pr mais de uma unidade. Grup Unidade Prcesss que sã utilizads priritariamente pr uma unidade, mas que nã sejam padrã para td tribunal, serã armazenads neste grup. Árvre de Prcesss D:\Usuaris\silvald\Cnfigurações lcais\temprary Internet Files\Cntent.Outlk\NF4WSDLP\Padrões para mdelagem de prcesss - v28.dc

16 16 Prcesss Estrutura interna de um grup de Prcess Criar uma pasta para cada prcess. O nme da pasta deve ser mesm nme d diagrama d tip eepc. Na pasta d prcess deverá haver apenas bjets d tip: events, funções e peradres lógics. Dentr da pasta de cada prcess deverá ser criada uma subpasta cm nme FAD. Na subpasta FAD deverã ser armazenads tds s diagramas deste tip assciads a eepc. Os bjets utilizads n FAD nã deverã ser mantids dentr desta pasta e sim ns grups cmpartilhad/bjets (se frem cmuns a mais de uma unidade) u ns grups Prcesss rganizads pr unidade/bjets (se frem de us exclusiv pr uma unidade rganizacinal). D:\Usuaris\silvald\Cnfigurações lcais\temprary Internet Files\Cntent.Outlk\NF4WSDLP\Padrões para mdelagem de prcesss - v28.dc

17 17 ANEXO I RESPONSABILIDADES Perfil Respnsável Atribuições Administradr d Servidr Setec Criar bases de dads Realizar backup e restre de base de dads Realizar imprtaçã e exprtaçã de dads (XML) Cnfiguradr d Servidr Setec Criar/Mdificar Templates Criar/Mdificar Filtrs Administradr da Base de Dads Setec Criar nvs grups na base de dads (Pastas) Agrupar/Eliminar bjets redundantes Realizar a rerganizaçã da base Criar grups de usuáris Atribuir permissões de acess as grups Cadastrar nvs usuáris Assciar usuáris a grups Administradr de bjets cmpartilhads Seplan Manter rgangrama da instituiçã Manter cadeia de valr da instituiçã. Criar/Mdificar: unidades rganizacinais, cargs, dcuments cmuns, papéis cmuns Administradr de sistemas Setec Criar/Mdificar: sistemas de infrmaçã Administradr da unidade Mdeladres da unidade Administradr d tema Administradr de prcesss crprativs Mdeladres d tema sb rientaçã da Seplan Seplan Atualizar a árvre de prcesss da unidade sb sua gestã; Criaçã de nvs grups de prcesss dentr da pasta mdels/prcess. Representaçã de prcesss utilizand s diagrama eepc e FAD. Criaçã de bjets cmpartilhads pela unidade (dcuments de entrada/saída e papéis desempenhads pels servidres da unidade) Infrmar Seplan quand prcesss frem cncluíds para que a mesma pssa analisá-ls e autrizar sua publicaçã. Atualizar a árvre de prcesss d tema sb sua gestã; Criaçã de nvs grups de prcesss dentr da pasta mdels/prcess. Representaçã de prcesss utilizand s diagrama eepc e FAD. Criaçã de bjets cmpartilhads dentr d tema (dcuments de entrada/saída e papéis desempenhads pels servidres da unidade) Infrmar Seplan quand prcesss frem cncluíds para que a mesma pssa analisá-ls e autrizar sua publicaçã. Analisar s prcesss Gerar/Atualizar, via Web Publisher, site cntend s mdels e bjets que estiverem aprvads. Testar site e encaminhá-l para ambiente de prduçã. Cnsultr Seplan Orientar nvs usuáris d ARIS acerca d funcinament da ferramenta, de metdlgia de mdelagem, padrões, filtrs e templates de mdelagem. Publicadr? Dispnibilizar site em ambiente prdutiv qual, em um primeir mment, será acessível apenas para s prfissinais que trabalham n TCU. D:\Usuaris\silvald\Cnfigurações lcais\temprary Internet Files\Cntent.Outlk\NF4WSDLP\Padrões para mdelagem de prcesss - v28.dc

18 18 ANEXO II ORIENTAÇÕES GERAIS DE MODELAGEM BOAS PRÁTICAS 1. Geral Utilizar filtr TCU padrã Utilizar template Standard (que fi custmizad para TCU) Cnfigurar ambiente de trabalh para exibir grade (tamanh 5) Alinhar as linhas utilizand s cmands alinhar cnectres e alinhar grade. 2. eepc 3. FAD Para cada prcess deverá ser criad um grup (diretóri) n ARIS que deverá cnter um únic diagrama eepc e um subgrup (subdiretóri) cm nme FAD. O nme d grup (diretóri) terá que ser mesm d eepc, ambs deverã ser escrits n infinitiv (Ex.: Prpr pagament de fatura...). Pde-se utilizar eepc u eepc Linha. Um eepc deve cnter apenas: events, funções, peradres lógics e relacinaments. As funções deverã ser escritas n infinitiv (Ex.: executar, verificar, acrescentar...). Os events deverã ser escrits n particípi (Ex.: executad, analisad, prcessad...). Os relacinaments e peradres nã precisam ser renmeads. Um eepc terá que ser iniciad e encerrad cm events. Um peradr lógic deve ser precedid u seguid de events. A interface cm subprcesss terá que ser, necessariamente, precedida e seguida de events. Os mesms events que precedem e sucedem uma interface entre subprcesss deverá estar presente dentr d subprcess a qual ela está assciada. N desenh d flux eepc linha, as exceções deverã ser representadas em cima e caminh feliz embaix. N desenh d flux eepc vertical, as exceções deverã ser representadas à direita, e caminh feliz à esquerda. O detalhament de uma atividade (funçã) será feit mediante a criaçã e assciaçã da mesma cm um diagrama d tip FAD. Regras de ur de EPCs: Funções e events têm apenas uma entrada e uma saída; Operadres lógics cntêm váris fluxs de entrada e um de saída, u um únic flux de entrada e váris de saída; Existe um event inicial e um event final; Events nã tmam decisões, lg, só pssuem uma saída. Para cada atividade (funçã) deverá existir apenas um FAD; Os FADs deverã ser gravads n grup (diretóri) FAD d prcess a que se refere; Um FAD deve cnter uma única funçã a qual serã vinculads dcuments de entrada e saída, unidades rganizacinais, tip de pessas (papéis), sistemas; Os dcuments de entrada devem estar psicinads à esquerda da atividade; Os dcuments de saída devem estar psicinads à direita da atividade; As unidades rganizacinais devem estar psicinadas acima da atividade; Os sistemas devem estar psicinads acima da atividade; Os papéis devem estar psicinads abaix da atividade; Os relacinaments devem ser ligads à face da atividade em um únic pnt. D:\Usuaris\silvald\Cnfigurações lcais\temprary Internet Files\Cntent.Outlk\NF4WSDLP\Padrões para mdelagem de prcesss - v28.dc

EIKON DOCUMENTS - ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

EIKON DOCUMENTS - ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA EIKON DOCUMENTS - ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA VERSÃO Eikn Dcuments 2007 Service Pack 5 (2.9.5) Fevereir de 2010 DATA DE REFERÊNCIA DESCRIÇÃO Sftware para implantaçã de sistemas em GED / ECM (Gerenciament Eletrônic

Leia mais

Projeto de Arquitetura Objetivos. Tópicos abordados. Arquitetura de software. Vantagens da arquitetura explícita

Projeto de Arquitetura Objetivos. Tópicos abordados. Arquitetura de software. Vantagens da arquitetura explícita Prjet de Arquitetura Objetivs Apresentar prjet de arquitetura e discutir sua imprtância Explicar as decisões de prjet de arquitetura que têm de ser feitas Apresentar três estils cmplementares de arquitetura

Leia mais

Agenda. A interface de Agendamento é encontrada no Modulo Salão de Vendas Agendamento Controle de Agendamento, e será apresentada conforme figura 01.

Agenda. A interface de Agendamento é encontrada no Modulo Salão de Vendas Agendamento Controle de Agendamento, e será apresentada conforme figura 01. Agenda Intrduçã Diariamente cada um ds trabalhadres de uma empresa executam diversas atividades, muitas vezes estas atividades tem praz para serem executadas e devem ser planejadas juntamente cm utras

Leia mais

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR 1. Históric da Jrnada AGIR Ns ambientes crprativs atuais, a adçã de um mdel de gestã integrada é uma decisã estratégica n api às tmadas

Leia mais

INTRODUÇÃO A LOGICA DE PROGRAMAÇÃO

INTRODUÇÃO A LOGICA DE PROGRAMAÇÃO INTRODUÇÃO A LOGICA DE PROGRAMAÇÃO A Lógica de Prgramaçã é necessária à tdas as pessas que ingressam u pretendem ingressar na área de Tecnlgia da Infrmaçã, send cm prgramadr, analista de sistemas u suprte.

Leia mais

Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas

Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas Guia d Prcess de Sftware d MAPA Metdlgia de Desenvlviment de Sistemas Versã 1.0 Dcument cnfidencial e prprietári Versã d mdel: 1.1 Históric das Revisões Data Versã Descriçã Autr 24/03/2008 1.0 Iníci da

Leia mais

Sistema de Gestão de BPM

Sistema de Gestão de BPM 1/13 ESTA FOLHA ÍNDICE INDICA EM QUE REVISÃO ESTÁ CADA FOLHA NA EMISSÃO CITADA R. 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 R. 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 FL. FL. 01 X 26 02 X 27 03 X 28 04 X 29 05 X 30 06 X

Leia mais

Academia FI Finanças

Academia FI Finanças Academia FI Finanças A Academia é melhr caminh para especializaçã dentr de um tema n ERP da SAP. Para quem busca uma frmaçã cm certificaçã em finanças, mais indicad é participar da próxima Academia de

Leia mais

Novo Sistema Almoxarifado

Novo Sistema Almoxarifado Nv Sistema Almxarifad Instruções Iniciais 1. Ícnes padrões Existem ícnes espalhads pr td sistema, cada um ferece uma açã. Dentre eles sã dis s mais imprtantes: Realiza uma pesquisa para preencher s camps

Leia mais

Processo TCar Balanço Móbile

Processo TCar Balanço Móbile Prcess TCar Balanç Móbile Tecinc Infrmática Ltda. Av. Brasil, 5256 3º Andar Centr Cascavel PR 1 Sumári Intrduçã... 3 Funcinalidade... 3 1 Exprtaçã Arquiv Cletr de Dads (Sistema TCar)... 4 1.1 Funcinalidade...

Leia mais

Workflow. José Palazzo Moreira de Oliveira. Mirella Moura Moro

Workflow. José Palazzo Moreira de Oliveira. Mirella Moura Moro Pdems definir Wrkflw cm: Wrkflw Jsé Palazz Mreira de Oliveira Mirella Mura Mr "Qualquer tarefa executada em série u em paralel pr dis u mais membrs de um grup de trabalh (wrkgrup) visand um bjetiv cmum".

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO EVENTOS

MANUAL DO USUÁRIO EVENTOS SISTEMA DE INFORMAÇÃO E GESTÃO INTEGRADA POLICIAL Elabrad: Equipe SAG Revisad: Data: 17-09-2008 Data: Aprvad: Data: A autenticaçã d dcument cnsta n arquiv primári da Qualidade Referencia: Help_Online_Events.dc

Leia mais

Modelagem, qualificação e distribuição em um padrão para geoinformações

Modelagem, qualificação e distribuição em um padrão para geoinformações Mdelagem, qualificaçã e distribuiçã em um padrã para geinfrmações Julia Peixt 14h, 14 de junh de 2010. Mtivaçã Acerv de dads desde 1994 em diferentes áreas de pesquisa; Muitas pessas fazend muits trabalhs

Leia mais

Cursos Profissionais de Nível Secundário (Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março)

Cursos Profissionais de Nível Secundário (Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março) REFERENCIAL DE FORMAÇÃO Curss Prfissinais de Nível Secundári (Decret-Lei n.º 74/2004, de 26 de Març) Família Prfissinal: 07 - Infrmática 1. QUALIFICAÇÕES / SAÍDAS PROFISSIONAIS As qualificações de nível

Leia mais

GUIA RÁPIDO DE CONFIGURAÇÃO PARA WINDOWS

GUIA RÁPIDO DE CONFIGURAÇÃO PARA WINDOWS GUIA RÁPIDO DE CONFIGURAÇÃO PARA WINDOWS CONTEÚDO 1. Intrduçã... 3 2. Requisits de Sftware e Hardware:... 3 3. Usuári e Grups:... 3 3.1. Cnfigurand cm Micrsft AD:... 3 3.2. Cnfigurand s Grups e Usuáris:...

Leia mais

Manual do Novo Pátio. Revenda. Versão 2.0

Manual do Novo Pátio. Revenda. Versão 2.0 Manual d Nv Páti Revenda Versã 2.0 1 Cnteúd INTRODUÇÃO... 3 1.LOGIN... 4 2.ANUNCIANTE... 4 2.1 Listar Usuáris... 4 2.2 Criar Usuári... 5 2.2.1 Permissões:... 6 3.SERVIÇOS... 7 3.1 Serviçs... 7 3.2 Feirã...

Leia mais

Os novos usos da tecnologia da informação nas empresas Sistemas de Informação

Os novos usos da tecnologia da informação nas empresas Sistemas de Informação Os nvs uss da tecnlgia da infrmaçã nas empresas Sistemas de Infrmaçã Prf. Marcel da Silveira Siedler siedler@gmail.cm SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC PELOTAS Planejament

Leia mais

2º Passo Criar a conexão via ODBC (Object DataBase Conection)

2º Passo Criar a conexão via ODBC (Object DataBase Conection) Prjet de Sexta-feira: Prfessra Lucélia 1º Pass Criar banc de dads u selecinar banc de dads. Ntas: Camps nas tabelas nã pdem cnter caracteres acentuads, especiais e exclusivs de línguas latinas. Nã há necessidade

Leia mais

Vensis PCP. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br

Vensis PCP. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br Vensis PCP Vensis PCP O PCP é módul de planejament e cntrle de prduçã da Vensis. Utilizad n segment industrial, módul PCP funcina de frma ttalmente integrada a Vensis ERP e permite às indústrias elabrar

Leia mais

Glossário das Metas Prioritárias 2010 Versão 1.2.14 Agosto/2010

Glossário das Metas Prioritárias 2010 Versão 1.2.14 Agosto/2010 Meta Priritária 5 Implantar métd de gerenciament de rtinas (gestã de prcesss de trabalh) em pel mens 50% das unidades judiciárias de 1º grau. Esclareciment da Meta Nã estã sujeits a esta meta s tribunais

Leia mais

Gestão do Escopo 1. Planejamento da Gestão do Escopo: 2. Definição do Escopo: 3. Elaboração da EDT(EAP): 4. Verificação do Escopo:

Gestão do Escopo 1. Planejamento da Gestão do Escopo: 2. Definição do Escopo: 3. Elaboração da EDT(EAP): 4. Verificação do Escopo: Gestã d Escp 1. Planejament da Gestã d Escp: i. Autrizaçã d prjet ii. Definiçã d escp (preliminar) iii. Ativs em cnheciments rganizacinais iv. Fatres ambientais e rganizacinais v. Plan d prjet i. Plan

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS Versã 0.0 25/10/2010 Sumári 1 Objetivs... 3 2 Cnceits... 3 3 Referências... 3 4 Princípis... 3 5 Diretrizes d Prcess... 4 6 Respnsabilidades... 5 7

Leia mais

Manual de Instalação e Configuração

Manual de Instalação e Configuração Manual de Instalaçã e Cnfiguraçã Prdut:n-ReleaserEmbedded fr Lexmark Versã 1.2.1 Versã d Dc.:1.0 Autr: Lucas Machad Santini Data: 14/04/2011 Dcument destinad a: Clientes e Revendas Alterad pr: Release

Leia mais

CURSO PREPARATÓRIO PARA CERTIFICAÇÃO

CURSO PREPARATÓRIO PARA CERTIFICAÇÃO Cnteúd prgramátic CURSO PREPARATÓRIO PARA CERTIFICAÇÃO Este é cnteúd prgramátic d curs preparatóri n nv prgrama CDO-0001 para a certificaçã CmpTIA CDIA+. CONCEITUAL ECM Apresentaçã ds cnceits envlvids

Leia mais

Versões Todos os módulos devem ser atualizados para as versões a partir de 03 de outubro de 2013.

Versões Todos os módulos devem ser atualizados para as versões a partir de 03 de outubro de 2013. Serviç de Acess as Móduls d Sistema HK (SAR e SCF) Desenvlvems uma nva ferramenta cm bjetiv de direcinar acess ds usuáris apenas as Móduls que devem ser de direit, levand em cnsideraçã departament de cada

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA Manual de Us (Para Detentres de Bens) Infrmações adicinais n Prtal da Crdenaçã de Patrimôni: www.cpa.unir.br 2013 Cnteúd O que papel Detentr de Bem pde fazer?... 2 Objetiv...

Leia mais

SGCT - Sistema de Gerenciamento de Conferências Tecnológicas

SGCT - Sistema de Gerenciamento de Conferências Tecnológicas SGCT - Sistema de Gerenciament de Cnferências Tecnlógicas Versã 1.0 09 de Setembr de 2009 Institut de Cmputaçã - UNICAMP Grup 02 Andre Petris Esteve - 070168 Henrique Baggi - 071139 Rafael Ghussn Can -

Leia mais

Desenho centrado em utilização

Desenho centrado em utilização Desenh centrad em utilizaçã Engenharia de Usabilidade Prf.: Clarind Isaías Pereira da Silva e Pádua Departament de Ciência da Cmputaçã - UFMG Desenh centrad em utilizaçã Referências Cnstantine, L.L., &

Leia mais

ARQUITETURA E INSTALAÇÃO PROTHEUS 11

ARQUITETURA E INSTALAÇÃO PROTHEUS 11 ARQUITETURA E INSTALAÇÃO PROTHEUS 11 OBJETIVO Infraestrutura e tecnlgia d Prtheus sã a base de uma sluçã de gestã empresarial rbusta, que atende a tdas as necessidades de desenvlviment, persnalizaçã, parametrizaçã

Leia mais

GESTÃO DE PROJETOS. Uma visão geral Baseado nas diretrizes do PMI

GESTÃO DE PROJETOS. Uma visão geral Baseado nas diretrizes do PMI GESTÃO DE PROJETOS Uma visã geral Bead n diretrizes d PMI 1 Intrduçã Objetiv da Apresentaçã O bjetiv é frnecer uma visã geral ds prcesss de Gestã de Prjets aplicads à Gestã de Empreendiments. O que é Prjet?

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO ANTECEDENTES CRIMINAIS

MANUAL DO USUÁRIO ANTECEDENTES CRIMINAIS SISTEMA DE INFORMAÇÃO E GESTÃO INTEGRADA POLICIAL Elabrad: Equipe SAG Revisad: Aprvad: Data: 11/09/2008 Data: 10/10/2008 Data: A autenticaçã d dcument cnsta n arquiv primári da Qualidade Referencia: Help_Online_Antecedentes_Criminais.dc

Leia mais

3 Formulação da Metodologia 3.1. Considerações Iniciais

3 Formulação da Metodologia 3.1. Considerações Iniciais 53 3 Frmulaçã da Metdlgia 3.1. Cnsiderações Iniciais O presente capítul tem cm finalidade prpr e descrever um mdel de referencia para gerenciament de prjets de sftware que pssa ser mensurável e repetível,

Leia mais

Manual de Instalação

Manual de Instalação Manual de Instalaçã Prdut: n-hst Versã d prdut: 4.1 Autr: Aline Della Justina Versã d dcument: 1 Versã d template: Data: 30/07/01 Dcument destinad a: Parceirs NDDigital, técnics de suprte, analistas de

Leia mais

Plano de aulas 2010 1ª série 1ª aula 2ª etapa

Plano de aulas 2010 1ª série 1ª aula 2ª etapa Plan de aulas 2010 1ª série 1ª aula 2ª etapa Escla Clégi Eng Juarez Wanderley Prfessr Fernand Nishimura de Aragã Disciplina Infrmática Objetivs Cnstruçã de um website pessal para publicaçã de atividades

Leia mais

1 Institucional. 1.1 Sobre a Vensis. 1.2 Missão, Políticas e Valores. 1.2.1 Missão. 1.2.2 Política da Qualidade

1 Institucional. 1.1 Sobre a Vensis. 1.2 Missão, Políticas e Valores. 1.2.1 Missão. 1.2.2 Política da Qualidade Institucinal 1 Institucinal 1.1 Sbre a Vensis A Vensis é uma empresa especializada n desenvlviment de sluções integradas para gestã de empresas. Atuand n mercad de tecnlgia da infrmaçã desde 1998, a empresa

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL Intrduçã O presente Regulament cnstitui um dcument intern d curs de Ciências Cntábeis e tem pr bjetiv reger as atividades relativas a Estági de Iniciaçã

Leia mais

Código: Data: Revisão: Página: SUMÁRIO

Código: Data: Revisão: Página: SUMÁRIO UC_REQ-MK_ACF-001 27/01/2015 00 1 / 12 SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 2 Objetiv... 2 Públic Alv... 2 Escp... 2 Referências... 2 DESCRIÇÃO GERAL DO PRODUTO... 2 Características d Usuári... 2 Limites, Supsições e

Leia mais

Aula 11 Bibliotecas de função

Aula 11 Bibliotecas de função Universidade Federal d Espírit Sant Centr Tecnlógic Departament de Infrmática Prgramaçã Básica de Cmputadres Prf. Vítr E. Silva Suza Aula 11 Biblitecas de funçã 1. Intrduçã À medida que um prgrama cresce

Leia mais

Processos de Apoio do Grupo Consultivo 5.5 Suporte Informático Direito de Acesso à Rede

Processos de Apoio do Grupo Consultivo 5.5 Suporte Informático Direito de Acesso à Rede Prcesss de Api d Grup Cnsultiv 5.5 Suprte Infrmátic Direit de Acess à Rede Suprte Infrmátic - Dcuments 5.5 Âmbit e Objectiv Frmuláris aplicáveis Obrigatóris Obrigatóris, se aplicável Frmulári de Mapa de

Leia mais

Ontologias: da Teoria à Prática

Ontologias: da Teoria à Prática Ontlgias: da Teria à Prática I Escla de Ontlgias UFAL-USP Endhe Elias e Olav Hlanda Núcle de Excelência em Tecnlgias Sciais - NEES Universidade Federal de Alagas UFAL Rteir Mtivaçã Ontlgias Engenharia

Leia mais

Channel. Colaboradores. Tutorial. Atualizado com a versão 3.9

Channel. Colaboradores. Tutorial. Atualizado com a versão 3.9 Channel Clabradres Tutrial Atualizad cm a versã 3.9 Cpyright 2009 pr JExperts Tecnlgia Ltda. tds direits reservads. É pribida a reprduçã deste manual sem autrizaçã prévia e pr escrit da JExperts Tecnlgia

Leia mais

é a introdução de algo novo, que atua como um vetor para o desenvolvimento humano e melhoria da qualidade de vida

é a introdução de algo novo, que atua como um vetor para o desenvolvimento humano e melhoria da qualidade de vida O que é invaçã? Para a atividade humana: é a intrduçã de alg nv, que atua cm um vetr para desenvlviment human e melhria da qualidade de vida Para as empresas: invar significa intrduzir alg nv u mdificar

Leia mais

Integração com coletores de ponto, catracas, dispositivos de abertura de portas, fechaduras eletromagnéticas,

Integração com coletores de ponto, catracas, dispositivos de abertura de portas, fechaduras eletromagnéticas, Vsft ids Acess Web Cntrle de acess e pnt A Vsft desenvlveu uma sluçã baseada em sftware e hardware para cntrle de acess e u pnt que pde ser utilizada pr empresas de qualquer prte. Cm us da tecnlgia bimétrica

Leia mais

Projetos, Programas e Portfólios

Projetos, Programas e Portfólios Prjets, Prgramas e Prtfólis pr Juliana Klb em julianaklb.cm Prjet Segund PMBOK (2008): um prjet é um esfrç temprári empreendid para criar um nv prdut, serviç u resultad exclusiv. Esta definiçã, apesar

Leia mais

MASTERCOMP ESCOLA DE INFORMÁTICA

MASTERCOMP ESCOLA DE INFORMÁTICA www.mastercmp.net 1 www.mastercmp.net www.mastercmp.net INFORMAÇO ES ADICIONAIS DO CURSO DE PROMODEL E MS PROJECT Prgramaçã: Carga hrária: 32 Hras Lcal: Sã Sebastiã d Paraís MG Prgramas usads n curs: MS

Leia mais

Documentação de Versão Projeto Saúde e Segurança do Trabalho

Documentação de Versão Projeto Saúde e Segurança do Trabalho Prjet Saúde e Segurança d Trabalh DATA: tt/3/yy Pág 1 de 8 ÍNDICE ALTERAÇÕES IMPLEMENTADAS NA VERSÃO 2.2 DO SST... 2 ITENS DE MENU CRIADOS PARA A VERSÃO 2.2... 2 SEGURANÇA... 2 SAÚDE... 2 SAÚDE/AUDIOMETRIA...

Leia mais

WEB MANAGER. Conhecendo o Web Manager!

WEB MANAGER. Conhecendo o Web Manager! WEB MANAGER Cnhecend Web Manager! O Web Manager é uma pdersa ferramenta para gestã de Sites, prtais, intranets, extranets e htsites. Cm ela é pssível gerenciar ttalmente seus ambientes web. Integrad ttalmente

Leia mais

COORDENADORIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Suporte técnico

COORDENADORIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Suporte técnico COORDENADORIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Suprte técnic O serviç de suprte técnic tem pr bjetiv frnecer atendiment as usuáris de prduts e serviçs de infrmática da Defensria Pública. Este serviç é prvid

Leia mais

WEBSITE LOJAS JOMÓVEIS

WEBSITE LOJAS JOMÓVEIS WEBSITE LOJAS JOMÓVEIS Manual d Usuári Elabrad pela W3 Autmaçã e Sistemas Infrmaçã de Prpriedade d Grup Jmóveis Este dcument, cm tdas as infrmações nele cntidas, é cnfidencial e de prpriedade d Grup Jmóveis,

Leia mais

MTur Sistema Artistas do Turismo. Manual do Usuário

MTur Sistema Artistas do Turismo. Manual do Usuário MTur Sistema Artistas d Turism Manual d Usuári Índice 1. INTRODUÇÃO... 3 2. DESCRIÇÃO DO SISTEMA... 3 3. ACESSAR O SISTEMA... 4 4. UTILIZANDO O SISTEMA... 9 4.1. CADASTRAR REPRESENTANTE... 9 4.2. CADASTRAR

Leia mais

Gerenciamento do Escopo

Gerenciamento do Escopo Pós-graduaçã Gestã Empresarial Módul GPE Gestã de Prjets Empresariais Prf. MSc Jsé Alexandre Mren prf.mren@ul.cm.br agst_setembr/2009 1 Gerenciament d Escp 3 Declaraçã d escp Estrutura Analítica d Prjet

Leia mais

GUIA DE RELACIONAMENTO MT-COR: 001 Revisão: 000

GUIA DE RELACIONAMENTO MT-COR: 001 Revisão: 000 GUIA DE RELACIONAMENTO MT-COR: 001 Revisã: 000 A Mercur S.A., empresa estabelecida desde 1924, se precupa em cnduzir as suas relações de acrd cm padrões étics e cmerciais, através d cumpriment da legislaçã

Leia mais

PLATAFORMA EMPRESAS PELO CLIMA

PLATAFORMA EMPRESAS PELO CLIMA PLATAFORMA EMPRESAS PELO CLIMA CAMINHO PARA ELABORAÇÃO DE AGENDAS EMPRESARIAIS EM ADAPTAÇÃO ÀS MUDANÇAS DO CLIMA Prpsta de Framewrk Resultad d diálg crrid em 26 de junh de 2013, n Fórum Latin-American

Leia mais

HARDWARE e SOFTWARE. O Computador é composto por duas partes: uma parte física (hardware) e outra parte lógica (software).

HARDWARE e SOFTWARE. O Computador é composto por duas partes: uma parte física (hardware) e outra parte lógica (software). HARDWARE e SOFTWARE O Cmputadr é cmpst pr duas partes: uma parte física (hardware) e utra parte lógica (sftware). Vcê sabe qual é a diferença entre "Hardware" e "Sftware"? Hardware: é nme dad a cnjunt

Leia mais

Proposta. Projeto: VENSSO. Data 25/05/2005. Andrade Lima Damires Fernandes Andrade Lima Damires Fernandes. Responsável. Autor (s)

Proposta. Projeto: VENSSO. Data 25/05/2005. Andrade Lima Damires Fernandes Andrade Lima Damires Fernandes. Responsável. Autor (s) Prpsta Prjet: Data 25/05/2005 Respnsável Autr (s) Dc ID Andrade Lima Damires Fernandes Andrade Lima Damires Fernandes Lcalizaçã Versã d Template

Leia mais

Software Para Controle de Acesso e Ponto

Software Para Controle de Acesso e Ponto Sftware Para Cntrle de Acess e Pnt Características e Funcinalidades Versã 2.0 Inipass é marca registrada da Prjedata Infrmática Ltda. Tds s direits reservads à Prjedata Infrmática Ltda. Características

Leia mais

Anexo V. Software de Registro Eletrônico em Saúde. Implantação em 2 (duas) Unidades de Saúde

Anexo V. Software de Registro Eletrônico em Saúde. Implantação em 2 (duas) Unidades de Saúde Anex V Sftware de Registr Eletrônic em Saúde Implantaçã em 2 (duas) Unidades de Saúde Índice 1 INTRODUÇÃO... 3 2 ESTRATÉGIAS E PROCEDIMENTOS DE IMPLANTAÇÃO... 3 4 INFRAESTRUTURA NAS UNIDADES DE SAÚDE -

Leia mais

Controle de Atendimento de Cobrança

Controle de Atendimento de Cobrança Cntrle de Atendiment de Cbrança Intrduçã Visand criar um gerenciament n prcess d cntrle de atendiment de cbrança d sistema TCar, fi aprimrad pela Tecinc Infrmática prcess de atendiment, incluind s títuls

Leia mais

PROJETO 22ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 22 e 23 DE OUTUBRO DE 2014 CURSO: GESTÃO EMPRESARIAL

PROJETO 22ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 22 e 23 DE OUTUBRO DE 2014 CURSO: GESTÃO EMPRESARIAL PROJETO 22ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 22 e 23 DE OUTUBRO DE 2014 CURSO: GESTÃO EMPRESARIAL Objetivs: Gestã Empresarial Desenvlver cmpetências para atuar n gerenciament de prjets, prestand cnsultria

Leia mais

Orientações para a Escrituração Contábil Digital (Sped Contábil) Versão 14.01 Soluções SPDATA

Orientações para a Escrituração Contábil Digital (Sped Contábil) Versão 14.01 Soluções SPDATA 2015 Orientações para a Escrituraçã Cntábil Digital (Sped Cntábil) Versã 14.01 Sluções SPDATA Equipe SAT Análise Desenvlviment e Qualidade de Sftware 07/04/2015 Sumári Objetiv... 3 Cnsiderações gerais...

Leia mais

Vensis Manutenção. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br

Vensis Manutenção. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br Vensis Manutençã Vensis Manutençã É módul que permite gerenciament da manutençã de máquinas e equipaments. Prgramaçã de manutenções preventivas u registr de manutenções crretivas pdem ser feits de frma

Leia mais

Vensis Associação Vensis ERP Entidades, Sindicatos e Federações.

Vensis Associação Vensis ERP Entidades, Sindicatos e Federações. Vensis Assciaçã Vensis ERP Entidades, Sindicats e Federações. Vensis Assciaçã O Vensis Assciaçã é um sistema desenvlvid para entidades cm sindicats, assciações, federações, fundações e utras de natureza

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS CST em Análise e Desenvlviment de Sistemas 3ª série Fundaments de Sistemas Operacinais A atividade prática supervisinada (ATPS) é um métd de ensinaprendizagem desenvlvid

Leia mais

1 Criando uma conta no EndNote

1 Criando uma conta no EndNote O EndNte Basic (anterirmente cnhecid pr EndNte Web), é um sftware gerenciadr de referências desenvlvid pela Editra Thmsn Reuters. Permite rganizar referências bibligráficas para citaçã em artigs, mngrafias,

Leia mais

5. PLANEJAMENTO E ORGANIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO:

5. PLANEJAMENTO E ORGANIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO: 5. PLANEJAMENTO E ORGANIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO: 5.1 INTRODUÇÃO A rganizaçã da manutençã era cnceituada, até há puc temp, cm planejament e administraçã ds recurss para a adequaçã à carga de trabalh esperada.

Leia mais

CRC-MG Central de Registro Civil de Minas Gerais Certidão Online - Serventia. Manual do usuário

CRC-MG Central de Registro Civil de Minas Gerais Certidão Online - Serventia. Manual do usuário CRC-MG Central de Registr Civil de Minas Gerais Certidã Online - Serventia Manual d usuári Prefáci Data: 30/01/2015 Versã dcument: 1.0 1. COMO ACESSAR O MÓDULO DA CERTIDÃO ONLINE... 04 2. OPÇÕES DE PEDIDOS

Leia mais

DOCUMENTAÇÃO DA VERSÃO

DOCUMENTAÇÃO DA VERSÃO DOCUMENTAÇÃO DA VERSÃO V2.04 S4 Página 1 de 14 INDICE ALTERAÇÕES IMPLEMENTADAS NA VERSÃO 2.04 DO SST...3 ITENS DE MENU CRIADOS PARA A VERSÃO 2.04...3 PRESTADOR...3 Relatóri de Metas...3 CLIENTE...4 Tela

Leia mais

Processo de envio de e-mail de marketing

Processo de envio de e-mail de marketing Prcess de envi de e-mail de marketing Intrduçã Visand um melhr gerenciament ns prcesss de marketing das empresas, fi desenvlvid uma nva funcinalidade para sistema TCar, que tem pr finalidade realizar envis

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE RESOLUÇÃO N 379, DE 19 DE OUTUBRO DE 2006 Cria e regulamenta sistema de dads e infrmações sbre a gestã flrestal n âmbit d Sistema Nacinal

Leia mais

Manual. Autorizador da UNIMED

Manual. Autorizador da UNIMED Manual Prtal Autrizadr da UNIMED Pass a Pass para um jeit simples de trabalhar cm Nv Prtal Unimed 1. Períd de Atualizaçã Prezads Cperads e Rede Credenciada, A Unimed Sul Capixaba irá atualizar seu sistema

Leia mais

Fundamentos de Informática 1ºSemestre

Fundamentos de Informática 1ºSemestre Fundaments de Infrmática 1ºSemestre Aula 4 Prf. Nataniel Vieira nataniel.vieira@gmail.cm SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC PELOTAS Descrevend Sistemas de um Cmputadr

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO

MANUAL DE INSTALAÇÃO ÍNDICE QUE VALORES [MASTERSAF DFE] TRAZEM PARA VOCÊ? 1. VISÃO GERAL E REQUISITOS PARA INSTALAÇÃO... 2 1.1. AMBIENTE... 2 1.2. BANCO DE DADOS... 4 2. BAIXANDO OS INSTALADORES DO DFE MASTERSAF... 5 3. INICIANDO

Leia mais

CONSIDERAÇÕES DA CAPGEMINI

CONSIDERAÇÕES DA CAPGEMINI CONSIDERAÇÕES DA CAPGEMINI 6.1 Requisits de Capacidade e Experiência d Prestadr A ANEEL deveria exigir um puc mais quant a estes requisits, de frma a garantir uma melhr qualificaçã da empresa a ser cntratada.

Leia mais

CRONOGRAMA DELPHI para turmas Aproximadamente 84 horas - aulas de 2 horas

CRONOGRAMA DELPHI para turmas Aproximadamente 84 horas - aulas de 2 horas CRONOGRAMA DELPHI para turmas Aprximadamente 84 hras - aulas de 2 hras Primeira Parte Lógica de Prgramaçã 5 aulas 10 hras AULA 1 OBJETIVO 1. Cnceits básics: Algritm, Tips de Variáveis, Tips e Expressões

Leia mais

METAS DE COMPREENSÃO:

METAS DE COMPREENSÃO: 1. TÓPICO GERADOR: Vivend n sécul XXI e pensand n futur. 2. METAS DE COMPREENSÃO: Essa atividade deverá ter cm meta que s aluns cmpreendam: cm se cnstrói saber científic; cm as áreas d saber estã inter-relacinadas

Leia mais

Inscrição do Candidato ao Processo de Credenciamento

Inscrição do Candidato ao Processo de Credenciamento Inscriçã d Candidat a Prcess de Credenciament O link de inscriçã permitirá que candidat registre suas infrmações para participar d Prcess de Credenciament, cnfrme Edital. Após tmar ciência de td cnteúd

Leia mais

3. TIPOS DE MANUTENÇÃO:

3. TIPOS DE MANUTENÇÃO: 3. TIPOS DE MANUTENÇÃO: 3.1 MANUTENÇÃO CORRETIVA A manutençã crretiva é a frma mais óbvia e mais primária de manutençã; pde sintetizar-se pel cicl "quebra-repara", u seja, repar ds equipaments após a avaria.

Leia mais

Prefeitura Municipal de Belo Horizonte Vox Mercado Pesquisa e Projetos Ltda. Dados da organização

Prefeitura Municipal de Belo Horizonte Vox Mercado Pesquisa e Projetos Ltda. Dados da organização Data de elabraçã da ficha: Jun 2007 Prefeitura Municipal de Bel Hriznte Vx Mercad Pesquisa e Prjets Ltda. Dads da rganizaçã Nme: Prefeitura Municipal de Bel Hriznte Endereç: Av. Afns Pena, 1212 - Cep.

Leia mais

Regulamento para realização do Trabalho de Conclusão de Curso

Regulamento para realização do Trabalho de Conclusão de Curso Universidade Federal d Ceará Campus de Sbral Curs de Engenharia da Cmputaçã Regulament para realizaçã d Trabalh de Cnclusã de Curs Intrduçã Este dcument estabelece as regras básicas para funcinament das

Leia mais

Integração Ayty CRM e Altitude

Integração Ayty CRM e Altitude Dcumentaçã Elabrada pr: Ayty CRM Data / Lcal: 30/10/2011 Prjet: Ayty CRM cm Discadr Altitude Versã: 1.0 Dcument: Integraçã AytyCRM e Discadr Altitude Integraçã Ayty CRM e Altitude Sumári: Principais Fluxs:...

Leia mais

ALTERAÇÕES NO SISTEMA ORION

ALTERAÇÕES NO SISTEMA ORION ALTERAÇÕES NO SISTEMA ORION Orin Versã 7.74 TABELAS Clientes Na tela de Cadastr de Clientes, fi inserid btã e um camp que apresenta códig que cliente recebeu após cálcul da Curva ABC. Esse btã executa

Leia mais

Dissídio Retroativo. Cálculos INSS, FGTS e geração da SEFIP

Dissídio Retroativo. Cálculos INSS, FGTS e geração da SEFIP Dissídi Retrativ Cálculs INSS, FGTS e geraçã da SEFIP A rtina de Cálcul de Dissídi Retrativ fi reestruturada para atender a legislaçã da Previdência Scial. A rtina de Aument Salarial (GPER200) deve ser

Leia mais

Administração de Redes Servidores de Aplicação

Administração de Redes Servidores de Aplicação 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAMPUS SÃO JOSÉ SANTA CATARINA Administraçã de Redes Servidres de Aplicaçã

Leia mais

Lumine Database Mapping for PHP. Treinamento Básico

Lumine Database Mapping for PHP. Treinamento Básico Lumine Database Mapping fr PHP Treinament Básic Cnhecend as características básicas de um ds framewrks de mapeament de banc de dads relacinais mais fáceis de ser utilizad. Hug Ferreira da Silva 13/12/2010

Leia mais

Guia Sphinx: Instalação, Reposição e Renovação

Guia Sphinx: Instalação, Reposição e Renovação Guia Sphinx: Instalaçã, Repsiçã e Renvaçã V 5.1.0.8 Instalaçã Antes de instalar Sphinx Se vcê pssuir uma versã anterir d Sphinx (versões 1.x, 2.x, 3.x, 4.x, 5.0, 5.1.0.X) u entã a versã de Demnstraçã d

Leia mais

Universidade Luterana do Brasil Faculdade de Informática. Disciplina de Engenharia de Software Professor Luís Fernando Garcia www.garcia.pro.

Universidade Luterana do Brasil Faculdade de Informática. Disciplina de Engenharia de Software Professor Luís Fernando Garcia www.garcia.pro. Universidade Luterana d Brasil Faculdade de Infrmática Disciplina de Engenharia de Sftware Prfessr Luís Fernand Garcia www.garcia.pr.br EVOLUÇÃO EM ENGENHARIA DE SOFTWARE 10 Sistemas Legads O investiment

Leia mais

PORTARIA N. 8.605 de 05 de novembro de 2013.

PORTARIA N. 8.605 de 05 de novembro de 2013. PORTARIA N. 8.605 de 05 de nvembr de 2013. Altera a Plítica de Segurança da Infrmaçã n âmbit d Tribunal Reginal d Trabalh da 4ª Regiã. A PRESIDENTE DO, n us de suas atribuições legais e regimentais, CONSIDERANDO

Leia mais

Nome do programa, pesquisa ou produto: Projeto Censo GIFE 2005/2006

Nome do programa, pesquisa ou produto: Projeto Censo GIFE 2005/2006 1 GIFE Grup de Instituts, Fundações e Empresas Dads da rganizaçã Data de elabraçã da ficha: Fev 2008 Nme: GIFE Grup de Instituts, Fundações e Empresas Endereç: Av. Brigadeir Faria Lima, 2.413 1º andar

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO - DIVULGAÇÃO DE PESSOAS E OBJETOS

MANUAL DO USUÁRIO - DIVULGAÇÃO DE PESSOAS E OBJETOS SISTEMA DE INFORMAÇÃO E GESTÃO INTEGRADA POLICIAL Elabrad: Equipe SAG Revisad: Aprvad: Referencia: Help_Online_Divulgaçã_Pessas_Objets.d c Versã: 01.00 Data: 27/08/2008 Data: 10/10/2008 Data: A autenticaçã

Leia mais

INTEGRAÇÃO Gestão de Frete Embarcador x Datasul 11.5.3

INTEGRAÇÃO Gestão de Frete Embarcador x Datasul 11.5.3 Prdut: GFE - Prtheus Plan d Prjet INTEGRAÇÃO Gestã de Frete Embarcadr x Datasul 11.5.3 PLANO DO PROJETO 24/01/2013 Respnsável pel dcument: Jã Victr Fidelix TOTVS - 1 Prdut: GFE - Prtheus Plan d Prjet ÍNDICE

Leia mais

Copyright 1999-2006 GrupoPIE Portugal, S.A. Manual Utilizador

Copyright 1999-2006 GrupoPIE Portugal, S.A. Manual Utilizador Reprts Relatóris à sua Medida Reprts Cpyright 1999-2006 GrupPIE Prtugal, S.A. Reprts 1. WinREST Reprts...5 1.1. Licença...6 1.2. Linguagem...7 1.3. Lgin...7 1.4. Página Web...8 2. Empresas...9 2.1. Cm

Leia mais

Versão 14.0 Junho 2015 www.psr-inc.com Contato: sddp@psr-inc.com. Representação mais detalhada da operação em cada estágio: 21 blocos

Versão 14.0 Junho 2015 www.psr-inc.com Contato: sddp@psr-inc.com. Representação mais detalhada da operação em cada estágio: 21 blocos Versã 14.0 Junh 2015 www.psr-inc.cm Cntat: sddp@psr-inc.cm SDDP VERSÃO 14.0 Nvidades Representaçã mais detalhada da peraçã em cada estági: 21 blcs Tradicinalmente, a peraçã de cada estági (semana u mês)

Leia mais

Faculdade de Tecnologia SENAI Florianópolis e Faculdade de Tecnologia SENAI Jaraguá do Sul EDITAL DE PROCESSO SELETIVO

Faculdade de Tecnologia SENAI Florianópolis e Faculdade de Tecnologia SENAI Jaraguá do Sul EDITAL DE PROCESSO SELETIVO Faculdade de Tecnlgia SENAI Flrianóplis e Faculdade de Tecnlgia SENAI Jaraguá d Sul EDITAL DE PROCESSO SELETIVO Pós-Graduaçã Lat Sensu em Gestã da Segurança da Infrmaçã em Redes de Cmputadres A Faculdade

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO FINANCEIRO

MANUAL DO USUÁRIO FINANCEIRO SIGIO Sistema Integrad de Gestã de Imprensa Oficial MANUAL DO USUÁRIO FINANCEIRO S I G I O M A N U A L D O U S U Á R I O P á g i n a 2 Cnteúd 1 Intrduçã... 3 2 Acess restrit a sistema... 4 2.1 Tips de

Leia mais

Roteiro de Implantação Estoque

Roteiro de Implantação Estoque Rteir de Implantaçã Estque Revisã: 23/07/2004 Abrangência Versã 7.10 Cadastrs Básics Dicas: Explique a necessidade d preenchiment ds brigatóris (camps na cr azul). Verifique se cliente necessita que mais

Leia mais

Proposta. Treinamento Lean Thinking Mentalidade Enxuta. Apresentação Executiva

Proposta. Treinamento Lean Thinking Mentalidade Enxuta. Apresentação Executiva Treinament Lean Thinking Mentalidade Enxuta www.masterhuse.cm.br Prpsta Cm Treinament Lean Thinking Mentalidade Enxuta Apresentaçã Executiva Treinament Lean Thinking Mentalidade Enxuta Cpyright 2011-2012

Leia mais

PRÊMIO AUTOMAÇÃO - CATEGORIA DE JORNALISMO

PRÊMIO AUTOMAÇÃO - CATEGORIA DE JORNALISMO PRÊMIO AUTOMAÇÃO - CATEGORIA DE JORNALISMO REGULAMENTO 1. DOS OBJETIVOS DO PRÊMIO O PRÊMIO NA CATEGORIA DE JORNALISMO tem cm bjetiv premiar matérias veiculadas na imprensa nacinal relativas a temas ligads

Leia mais

Definições Relacionadas à Política de Segurança da Informação

Definições Relacionadas à Política de Segurança da Informação Definições Relacinadas à Plítica de Segurança da Infrmaçã Área respnsável Versã Data de emissã Data de revisã Data de vigência Infrmática Crprativa - Segurança 1.2 20/08/2009 30/10/2013 01/02/2014 Objetiv

Leia mais

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000 ISO 9001:2008 alterações à versã de 2000 Já passaram quase it ans desde que a versã da ISO 9001 d an 2000 fi publicada, que cnduziu à necessidade de uma grande mudança para muitas rganizações, incluind

Leia mais