TV Digital. Cristiano Akamine

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TV Digital. Cristiano Akamine"

Transcrição

1 TV Digital O objetivo deste tutorial é fornecer ao leitor os subsídios básicos necessários para entender o princípio de funcionamento dos três sistemas de TV digital existentes no mundo: sistema americano, conhecido pela sigla ATSC (Advanced Television System Committee), sistema europeu conhecido pela sigla DVB-T (Digital Video Broadcast Terrestrial) e sistema japonês, conhecido pela sigla ISDB-T (Integrated Services Digital Broadcasting Terrestrial). Cristiano Akamine Eng. Eletrônico (Mackenzie ). Mestrando em Telecomunicações pela UNICAMP. Membro Estudante da SMPTE Society of Motion Pictures Television Engineers. Pesquisador do Laboratório de Rádio e TV Digital da Escola de Engenharia da Universidade Presbiteriana Mackenzie. Francisco Sukys Eng. Eletrônico (ITA ). Prof. titular de Eletrônica Aplicada e Sistemas de TV da Escola de Engenharia da Universidade Presbiteriana Mackenzie. Pesquisador do Laboratório de Rádio e TV Digital da Escola de Engenharia da Universidade Presbiteriana Mackenzie. Categoria: TV e Rádio Nível: Introdutório Enfoque: Técnico Duração: 20 minutos Publicado em: 23/06/2003 1

2 TV Digital: A digitalização dos sinais de TV analógica TV P&B Assim como no cinema, as primeiras transmissões de TV foram feitas em preto e branco. No padrão americano (padrão M), também adotado no Brasil, a relação de aspecto da imagem (largura / altura) é 4:3, usam-se 525 linhas por quadro e são transmitidos 30 quadros por segundo. Cada quadro é constituído por linhas intercaladas de dois campos consecutivos, ou seja: existem 60 campos por segundo. A TV P&B só foi possível graças à curva de luminosidade relativa do olho humano, apresentada na figura 1. A câmera de TV P&B enxerga a imagem conforme essa curva e cria um sinal eletrônico conhecido como sinal de luminância (Y) com faixa de freqüências de 4,2 MHz. No cinescópio P&B, o sinal Y reproduz as sensações de "escuro" e "claro". No padrão M, o canal de RF empregado para transmitir o sinal Y possui banda de 6 MHz. TV a Cores Analógica Figura 1 A televisão a cores só foi possível porque o olho humano possui sensores (cones) predominantes para três cores primárias: vermelho (R). verde (G) e azul (B) (figura 2). As demais cores são conseqüência de excitações proporcionais das três cores primárias. Assim sendo, tem-se: (R+G)=(amarelo), (G+B)=(cian), (R+B)=(magenta) e (R+G+B)=(branco). A câmera a cores tricromática cria três sinais: R, G e B, cada um com faixa de freqüências de 4,2 MHz e o cinescópio a cores (figura 3) possui três canhões que são excitados pelos respectivos sinais R, G e B. Figura 2 2

3 Figura 3 Compatibilidade entre TV a cores analógica e TV P&B A necessidade de compatibilidade entre a TV a cores analógica e a TV P&B leva ao seguinte problema: Os receptores P&B devem interpretar o sinal da estação a cores; Os receptores a cores devem interpretar o sinal da estação P&B. Para resolver esse problema, a estação de TV a cores fabrica o sinal Y, o que é possível pela multiplicação dos sinais R, G e B pelos seus "pesos" correspondentes na curva de luminosidade relativa da figura 1: Y=0,30R+0,59G+0,11B. Como o receptor a cores precisa funcionar com R, G e B, enviam-se dois sinais: U=k1(B-Y) e V=k2(R-Y), que são transmitidos de "modo invisível" sobre o sinal Y. Como a acuidade visual do olho humano para as cores é inferior à correspondente ao sinal Y, a faixa de freqüências dos sinais "diferença de cor" U e V pode ser reduzida para 1,3 MHz. No receptor a cores obtém-se os sinais (R-Y) e (B-Y) e, por combinação linear com o sinal Y, os sinais R, G e B são recuperados (figura 4). Digitalização de Sinais de TV Analógica Figura 4 Emprega-se a unidade fundamental (UF)=3,375 MHz. Para os sinais Y, R, G e B, que possuem freqüências até 4,2 MHz, a freqüência de amostragem é: 4x(UF)=13,5 MHz. Para os sinais "diferença de cor" U ou (B-Y) e V ou (R-Y), que possuem freqüências até 1,3 MHz, a freqüência de amostragem é: 1x(UF)=3,375 MHz ou 2x(UF)=6,75 MHz. 3

4 Existem vários modos, indicados pelo "número de fundamentais": 4 : 4 : 4 - Corresponde a R, G, B. 4 : 2 : 2 - Corresponde a Y, (R-Y), (B-Y) 4 : 1 : 1 - Corresponde a Y, (R-Y), (B-Y) 4 : 2 : 0 - Uma linha é 4 : 2 : 2 e a outra é 4 : 0 : 0 Em televisão usa-se sistema de 8 bits ou 10 bits. Por exemplo, para o modo 4 : 2 : 2 de 8 bits a "taxa total de bits" seria: (13,5x8+6,75x8+6,75x8) = 216 Mbit/s. 4

5 TV Digital: HDTV e SDTV HDTV - "High Definition TV" ou Televisão de Alta Definição A TV analógica tradicional, com relação de aspecto 4:3, possui uma resolução equivalente à do antigo cinema de 16 mm (aproximadamente elementos de imagem por quadro). A TV digital permite a transmissão de imagens com maior número de detalhes, maior largura do quadro (relação de aspecto de 16:9) e com som envolvente de até 6 canais (Dolby AC3). Esse novo conceito é conhecido pelo nome de HDTV (figura 5). Nos Estados Unidos existem dois sistemas de HDTV: Sistema com 1125 linhas/quadro, 30 quadros/segundo e varredura intercalada de 60 campos/segundo. Sistema com 750 linhas/quadro, 60 quadros/segundo e varredura progressiva (sem intercalamento). Nos dois sistemas de HDTV, o sinal de vídeo analógico contém freqüências de até 20 MHz, o que torna impossível a sua transmissão através dos canais tradicionais de TV, com banda de 6 MHz. Figura 5 O tratamento do sinal de HDTV é feito diretamente em "elementos de imagem" ou "pixel" (picture element). Para HDTV, a norma SMPTE 240M padronizou o sinal de luminância Y=0,212R+0,701G+0.087B e os sinais "diferença de cor" PB=0,548(B-Y) e PR=0,635(R-Y). Na digitalização é utilizado sistema de 8 bits ou 10 bits, sendo que a cada "pixel" de Y corresponde um estado de bits. Para os sinais PB e PR a amostragem pode ser menor. Assim sendo, tem-se: a) Sistema com 1125 linhas/quadro, com varredura intercalada e 30 quadros/s: Este sistema possui 1080 linhas ativas, ou seja, possui 1080 "pixel" na vertical. Logo: (número de "pixel" na horizontal) = 1080x(16/9) = Tem-se: (1080x1920) pixel/quadro = 2,07Mpixel/quadro, ou: (2,7Mpixel/quadro)x(30quadro/s) = 62,1Mpixel/s. Então, para o modo 4 : 2 : 2 de 10 bits conclui-se que: Taxa de bits = [62,1x10+(62,1/2)x10+(62,1/2)x10] Mbit/s = 1,24 Gbit/s. b) Sistema com 750 linhas/quadro, com varredura progressiva e 60 quadros/s: 5

6 Este sistema possui 720 linhas ativas. Para o modo 4 : 2 : 2 de 10 bits conclui-se que: Taxa de bits = 1,1 Gbit/s. SDTV - "Standard Definition TV" ou Televisão com Definição Normal Em TV digital também existe a possibilidade de transmissão de SDTV: é um sistema com 525 linhas/quadro, com varredura intercalada, 30 quadros/s e com relação de aspecto de 16:9. O sistema SDTV possui 483 linhas ativas por quadro. Assim sendo, considerando "pixel" quadrado, pode-se concluir que: (Número de "pixel" na vertical) = 483. (Número de "pixel" na horizontal) = 483x(16/9) = 858. Então, tem-se: (483x858) pixel/quadro = 414,4 kpixel/quadro, ou: (414,4 kpixel/quadro)x(30 quadro/s) = 12,4 Mpixel/s. Então, para o modo 4 : 2 : 2 de 10 bits conclui-se que: Taxa de bits = [12,4x10+(12,4/2)x10+(12,4/2)x10] Mbit/s = 248 Mbit/s. Note-se que a taxa de bits correspondente a um programa de HDTV permite a transmissão de quatro programas de SDTV. 6

7 TV Digital: Compressão O objetivo de comprimir um sinal digital de vídeo é representá-lo com uma redução de bits, preservando a qualidade e a inteligibilidade necessárias à sua aplicação. A compressão no vídeo facilita sua transmissão (redução da largura de banda) ou armazenamento. Na TV Digital é utilizado o padrão MPEG-2 (Moving Pictures Experts Group) para reduzir a taxa de bits de 1 Gbps para aproximadamente 20 Mbps. O MPEG-2 utiliza algoritmos que exploram a percepção visual humana e as informações estritamente necessárias da imagem sem prejudicar a qualidade do vídeo. Na figura 6 é ilustrado um modelo simplificado de um encoder MPEG-2. Figura 6 O Down Sample permite realizar a redução da taxa de amostragem para 4:2:2 ou 4:2:0. O sinal de vídeo que entra no encoder MPEG-2 HDTV é digital com taxa aproximada de 1 Gbps. O Conversor de Bloco tem como função principal subdividir o vídeo em blocos de 8 x 8 pixels. A Transformada Discreta de Cosseno DCT (Discrete Cosine Transform) tem como objetivo processar os blocos de 8 x 8 pixels. A DCT é uma poderosa ferramenta matemática semelhante à Transformada de Fourier. A DCT transforma a amplitude espacial dos pixels em coeficientes de freqüência espacial. A figura 7 ilustra a codificação da DCT em um bloco de 8 x 8 pixels. Em sua codificação são gerados coeficientes com altas freqüências de valores pequenos que podem ser desprezados e aproximados a zero. Como pode-se observar a quantidade de coeficientes de freqüência espacial é menor e portanto há necessidade de menor taxa de bits para a transmissão. 7

8 Figura 7 A Codificação Entrópica tem como objetivo extrair toda informação redundante da imagem reduzindo ainda mais a taxa de bits. Usam-se diversos códigos tais como: Run Length, Huffman, Zig-Zag, etc. A Predição de Quadros é uma compressão temporal e determina três tipos de quadros, como pode ser visto na figura 8: I, Intra codec pictures: Intraquadros. São codificados sem nenhuma dependência com os outros quadros e formam uma imagem completa sendo referência para os quadros P e B. O uso de quadros do tipo I facilita a inicialização da imagem quando ocorre a mudança de canal no receptor. P, Predective codec picture: Preditivos. Possuem apenas as diferenças que ocorreram em relação ao quadro anterior. B, Bidirectionally predicted pictures: Bidirecionais. Além da diferença em relação ao quadro anterior também informam a diferença em relação ao quadro posterior. Figura 8 O Buffer tem como função controlar a taxa de bits de saída e armazenar quadros para a predição. Os bits são organizados por pacotes de 187 bytes de informação útil e 1 byte de sincronismo ( packet ). A figura 9 ilustra um packet do encoder MPEG-2. Figura 9 Na saída do encoder MPEG-2 a compressão de um vídeo HDTV ou de múltiplos programas de SDTV resulta em taxas de aproximadamente 20 Mbps. 8

9 TV Digital: Sistema ATSC O sistema ATSC de TV Digital foi implantado nos Estados Unidos em 1998 e visa, predominantemente, a transmissão de HDTV. O método de modulação empregado no sistema ATSC é conhecido pela sigla 8VSB (Eight-Vestigial Side Band). A taxa de bits na entrada do modulador 8VSB é fixa (19,39 MBit/s). Modulador 8VSB A figura 10 mostra o diagrama de blocos simplificado do modulador 8VSB. Figura 10 O "Reed Solomon Encoder" é um FEC ("forward error corrector" = corretor posterior de erro). Ele acrescenta 20 bytes no "packet" de MPEG-2, com o objetivo de corrigir erros no sinal que irá chegar no receptor. O "Reed Solomon" não corrige erros concentrados, tais como o ruído impulsivo. O "Interleaver" embaralha os bits de tal modo que, se no percurso do sinal, entre o transmissor e o receptor, houver uma interferência concentrada, no receptor, ao se fazer o desembaralhamento, os erros ficam distribuidos. O "Trellis Encoder" é um FEC convolucional. A cada 2 bits ele acrescenta 1 bit com a finalidade de corrigir possíveis erros no receptor. Assim, tem-se: "code rate" = taxa de código = (CR)C = 2/3. O "8 VSB Modulator" modula uma portadora localizada a 310 khz do início da banda de 6 MHz, em AM-VSB / SC (amplitude modulada, com banda vestigial e portadora suprimida). Na modulação 8VSB, existem 8 níveis bem definidos: 4 positivos e 4 negativos. Esses níveis são tais que, cada conjunto de 3 bits consecutivos do sinal irá corresponder a um nível. Consequentemente, a taxa de bits fica dividida por 3 e assim, a freqüência do sinal modulador resultante torna-se compatível com a banda de 6 MHz, visto que a modulação é em VSB. A figura 11 mostra o aspecto do espectro do sinal ATSC, para um canal com banda de 6 MHZ (canal 14 de UHF). A função do "piloto" (7%) é enviar uma pequena porção de sinal da portadora, para sincronizar o oscilador do receptor, que irá permitir a recuperação do sinal enviado pelo processo de "portadora suprimida". Figura 11 9

10 TV Digital: Sistemas DVB-T e ISDB-T Os sistemas DVB-T e ISDB-T são sistemas multiportadoras. A taxa de bits do sinal na entrada do modulador pode ser variável (até 20 Mbit/s), dependendo da qualidade da imagem ou da robustez que se deseja na transmissão. Os dois sistemas utilizam modulação COFDM (Coded Ortogonal Frequency Division Multiplex). O sistema DVB-T foi implantado na Europa em 1998 e visa, principalmente, a transmissão de vários canais de SDTV no lugar de um canal analógico. O sistema ISDB-T está em fase de implantação no Japão. Sistema DVB-T A figura 12 mostra o diagrama de blocos simplificado do sistema DVB-T. Figura 12 O "Outer Coder" executa uma função idêntica à do "Reed Solomon" do sistema ATSC. A única diferença é que, no sistema DVB-T são acrescentados apenas 16 bytes no "packet", que ficará com 204 bytes na saída. No "Outer Interleaver" os bits são embaralhados da mesma maneira que no "Interleaver" do sistema ATSC. O "Inner Coder" é semelhante ao "Tellis Encoder" do sistema ATSC. A diferença é que, no sistema ATSC o valor de (CR)C é fixo em 2/3 e, no sistema DVB-T ele pode ser programado para diversos valores (1/2; 2/3; 3/4; 5/6 ou 7/8). O sistema DVB-T possui dois métodos de mutiportadoras: 2K e 8K. No "OFDM Modulator" são criadas 1705 portadoras ortogonais simultâneas para o modo 2K ou 6734 portadoras ortogonais simultâneas para o modo 8K. Isto é obtido por DSP ("Digital Signal Processing" = processamento digital de sinal), pelo uso de uma IFFT ("Inverse Fast Fourier Transform" = transformada rápida inversa de Fourier) e por um conversor D/A (digital / analógico). No padrão M (banda de 6MHz), a separação entre as portadoras é fx=3348,1 Hz para o modo 2K, e fx=837,025 Hz para o modo 8K. O sistema DVB-T pode ser programado para modulação QPSK ( Quaternary Phase Shift Keying = 2 feixes digitais), 16QAM ( 16 Quadrature Amplitude Modulation = 4 feixes digitais) ou 64QAM ( 64 Quadrature Amplitude Modulation = 6 feixes digitais). No Inner Interleaver o sinal é transformado em 2, 4 ou 6 feixes digitais (conforme o tipo de modulação escolhido) e, através do Mapper, esses feixes são destinados, consecutivamente, às 1705 portadoras do modo 2K ou às 6734 portadoras do modo 8K. Na saída do OFDM Modulator surgem blocos estáticos de portadoras simultâneas moduladas em QPSK, 16QAM ou 64QAM. O tempo útil de cada bloco, também conhecido pelo nome de símbolo será Tu=1/fx. Assim sendo, tem-se: Tu=298,67ms para o modo 2K, e Tu=1,1947ms para o modo 8K. Após cada símbolo, é deixado um intervalo de tempo sem nenhuma informação, conhecido como intervalo de guarda (Delta t=ktu). Para o sistema DVB-T o fator k pode ser programado para 1/4, 1/8, 1/16 ou 1/32. A introdução do intervalo de guarda dá ao sistema DVB-T uma proteção natural contra interferências por multicaminhos ou fantasmas. Suponha-se. como exemplo (figura 13), uma transmissão no modo 8K com 10

11 k=1/32 e que, além do sinal principal, esteja chegando ao receptor um sinal retardado de 20 us. Como Delta t=ktu=(1/32).1,1947ms=37,3ms, conclui-se que o sinal retardado não irá invadir o símbolo seguinte. Sistema ISDB-T Figura 13 O sistema ISDB-T foi uma evolução do sistema DVB-T, ao qual foram acrescentadas as seguintes implementações: Foi acrescentado um Interleaver temporal para melhorar o desempenho na presença de interferências concentradas, tais como o ruído impulsivo; A banda de RF de 6MHz foi subdividida em 13 segmentos independentes, com a possibilidade de serem enviadas 3 programações diferentes ao mesmo tempo, por exemplo: uma em QPSK, outra em 16QAM e outra em 64QAM; Foi acrescentado o modo 4K; Foi acrescentado o método de modulação DQPSK Differential Quaternary Phase Shift Keying. 11

12 TV Digital: Considerações Finais Em 1998 foi celebrado um convênio entre a ABERT (Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão), a SET (Sociedade de Engenharia de Televisão) e a Universidade Presbiteriana Mackenzie com o objetivo de comparar o desempenho dos três sistemas de TV Digital: ATSC, DVB-T ISDB-T. O convênio teve o patrocínio financeiro da empresa NEC do Brasil, através de incentivos fiscais concedidos pelo Ministério da Ciência e Tecnologia. Para a execução dos testes, a Universidade Presbiteriana Mackenzie montou um laboratório (figura 14) dotado de instrumentos de última geração tais como: transmissor de TV digital, emulador de ruído térmico, emulador de interferências por multicaminhos, emulador de ruído impulsivo, medidores de taxa de erro de bits, etc. Figura 14 Ao mesmo tempo, enquanto eram realizados os testes de laboratório, também foram feitos testes práticos em campo. Foi utilizado um transmissor digital no canal 35 da faixa de UHF, com antena instalada na torre da TV Cultura, localizada na Avenida Dr. Arnaldo, em São Paulo. A Universidade Presbiteriana Mackenzie equipou uma viatura com instrumentos de medição (figura 15), tendo sido realizados testes de recepção em aproximadamente 150 localidades da grande São Paulo. 12

13 Figura 15 Os testes se estenderam entre novembro de 1998 e maio de O relatório final foi entregue à ANATEL, como subsídio técnico para uma futura decisão sobre o sistema de TV Digital a ser adotado no Brasil. Maiores detalhes sobre os testes realizados e seus respectivos resultados podem ser encontrados no site: Procurar no item Atividades, e TV Digital. 13

14 TV Digital: Teste o Seu Entendimento 1. Assinale a alternativa correta: O receptor P&B sabe reconhecer os sinais R, G e B. Os sinais de diferença de cor (R-Y) e (B-Y) somente são reconhecidos pelo receptor a cores. O sinal Y é utilizado apenas em TV Analógica. A TV Digital é compatível com a TV analógica. 2. Assinale a alternativa correta: Os três sistemas de TV Digital (ATSC, DVB-T e ISDB-T) utilizam o mesmo método de compressão MPEG-2. Na Europa a TV Digital transmite apenas HDTV. O sistema americano de TV Digital (ATSC) possui proteção natural contra interferência por "multicaminhos" (fantasmas). Nos sistemas DVB-T e ISDB-T criou-se um "intervalo de guarda" para impedir a interferência entre canais adjacentes. 3. O que é "Reed Solomon"? É um método de compressão baseado em DCT (Transformada Discreta de Cosseno). É um embaralhador cuja principal finalidade é espalhar interferência causada por ruído impulsivo. É um corretor de erros (FEC) convolucional. No sistema ATSC é 2/3 e nos sistema DVB-T e ISDB-T o seu valor pode ser programado conforme a necessidade (1/2, 2/3, 3/4, 5/6 ou 7/8). Nenhuma das anteriores. 14

SISTEMAS DE TRANSMISSÃO PARA TV DIGITAL

SISTEMAS DE TRANSMISSÃO PARA TV DIGITAL 9 SISTEMAS DE TRANSMISSÃO PARA TV DIGITAL PTC2547 PRINCÍPIOS DE TELEVISÃO DIGITAL Guido Stolfi EPUSP 11 / 2015 1. Introdução A transmissão de TV digital deve contemplar uma série de alternativas, correspondentes

Leia mais

Modulação COFDM Uma proposta atrativa para os padrões de TV Digital

Modulação COFDM Uma proposta atrativa para os padrões de TV Digital Modulação COFDM Uma proposta atrativa para os padrões de TV Digital ANA LUIZA RODRIGUES REGINA MISSIAS GOMES Instituto de Ensino Superior de Brasília - IESB analurr@hotmail.com.br regina_missias@pop.com.br

Leia mais

PARTE I SISTEMA DE TV DIGITAL

PARTE I SISTEMA DE TV DIGITAL PARTE I SISTEMA DE TV DIGITAL Sistema de TV Digital 1 INTRODUÇÃO 1.1 Histórico Em julho de 1941, a Comissão Federal de Comunicações Norte-Americana, Federal Communications Commission (FCC), autorizou o

Leia mais

TV DIGITAL APLICADA NA EDUCAÇÃO. Email: fujio.yamada@mackenzie.br

TV DIGITAL APLICADA NA EDUCAÇÃO. Email: fujio.yamada@mackenzie.br II SIMPOSIO INTERNACIONAL SOBRE NOVAS COMPETENCIAS EM TECNOLOGIA DIGITAL INTERATIVAS NA EDUCAÇÃO LABORATÓRIO DE TV DIGITAL DR. PROF. FUJIO YAMADA UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Email: fujio.yamada@mackenzie.br

Leia mais

Televisão Digital Fundamentos e Padrões

Televisão Digital Fundamentos e Padrões Televisão Digital Fundamentos e Padrões Sandro Adriano Fasolo 1 e Luciano Leonel Mendes 2 Resumo O objetivo deste artigo é descrever as técnicas de modulação para a transmissão de televisão digital que

Leia mais

3 PROCESSOS DE COMPRESSÃO

3 PROCESSOS DE COMPRESSÃO Revista Mackenzie de Engenharia e Computação, Ano 5, n. 5, p. 13-96 Neste ponto existem duas possibilidades. Se o receptor for do tipo Digital o sinal de TV digitalizado oriundo do decompressor MPEG2 vai

Leia mais

Me Engº Leonardo Ortolan. Me Engº Thiago L. S. Santos

Me Engº Leonardo Ortolan. Me Engº Thiago L. S. Santos TV Digital Me Engº Leonardo Ortolan Me Engº Thiago L. S. Santos Sumário Introdução Desenvolvimento TV Digital: O que é? Padrões de TV Digital TV Digital Brasileira Participação da PUCRS no SBTVD Conclusão

Leia mais

4 Descrição do Sistema e Campanha de Medição

4 Descrição do Sistema e Campanha de Medição 4 Descrição do Sistema e Campanha de Medição Neste capítulo são descritos o sistema de transmissão, recepção e aquisição de dados utilizados no experimento. São descritas, ainda, a metodologia utilizada

Leia mais

TRANSMISSÃO DE TV 1 TRANSMISSÃO COM POLARIDADE NEGATIVA

TRANSMISSÃO DE TV 1 TRANSMISSÃO COM POLARIDADE NEGATIVA STV 18 ABR 2008 1 TRANSMISSÃO DE TV método de se transmitir o sinal de imagem modulado em amplitude a amplitude de uma portadora de RF varia de acordo com uma tensão moduladora a modulação é o sinal de

Leia mais

Bacharelanda em Engenharia de Telecomunicações pelo Instituto de Estudos Superiores da Amazônia 1

Bacharelanda em Engenharia de Telecomunicações pelo Instituto de Estudos Superiores da Amazônia 1 TV Digital: Uma Visão Geral da Escolha de um Padrão As telecomunicações tiveram um grande crescimento na área referente à Televisão, através de avanços tecnológicos relacionados ao tratamento de sinais

Leia mais

4 PADRÕES DE TV DIGITAL

4 PADRÕES DE TV DIGITAL MPEG 2 Áudio Camada 3: o mapeamento tempo-freqüência usa banco de filtros polifásicos para a divisão nas 32 bandas principais, seguida de uma filtragem usando Modified Discret Coseno Transformer (MDCT)

Leia mais

MODELAMENTO DE UM SISTEMA DE MODULAÇÃO COFDM

MODELAMENTO DE UM SISTEMA DE MODULAÇÃO COFDM MODELAMENTO DE UM SISTEMA DE MODULAÇÃO COFDM Alexander Bento Melo UFU - FEELT Felipe Augusto M. Corrêa UFU FEELT Willian Douglas C. Nunes UFU - FEELT Alexandre Mateus Coutinho UFU FEELT Resumo O objetivo

Leia mais

FUNDAMENTOS DE TV DIGITAL. Objetivos do Sistema Digital. Digital. Comparação. (NTSC x ATSC) Transmissão simultânea de várias programações

FUNDAMENTOS DE TV DIGITAL. Objetivos do Sistema Digital. Digital. Comparação. (NTSC x ATSC) Transmissão simultânea de várias programações PR UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ FUNDAMENTOS DE TV DIGITAL Prof. Alexandre A. P. Pohl Programa de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica e Informática Industrial - CPGEI 1 Objetivos do Sistema

Leia mais

ANEXO 2. Fundamentos e Padrões de TV Digital Distribuição de Vídeo em Redes IP

ANEXO 2. Fundamentos e Padrões de TV Digital Distribuição de Vídeo em Redes IP ANEXO 2 PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE SISTEMAS DE TV DIGITAL E IPTV A2.1. ORGANIZAÇÃO E MÓDULOS O curso de Pós-graduação em Engenharia de Sistemas de TV Digital tem 368 horas de atividades presenciais

Leia mais

Camada Física. Camada Física

Camada Física. Camada Física Camada Física Camada Física lida com a transmissão pura de bits definição do meio físico, níveis de tensão, duraçãodeumbit,taxade transmissão,comprimento máximo, construção dos conectores 1 Camada Física

Leia mais

4 CARACTERÍSTICA DE DESEMPENHO DE RECEPÇÃO

4 CARACTERÍSTICA DE DESEMPENHO DE RECEPÇÃO 4 CARACTERÍSTICA DE DESEMPENHO DE RECEPÇÃO Este bloco de ensaios visa a avaliar as características dos sistemas de TV Digital ATSC, DVB-T e ISDB-T para recepção dos sinais. 4.1 Limiar da relação portadora

Leia mais

Codificação/Compressão de Vídeo. Tópico: Vídeo (Codificação + Compressão)

Codificação/Compressão de Vídeo. Tópico: Vídeo (Codificação + Compressão) Tópico: Vídeo (Codificação + Compressão) Um vídeo pode ser considerado como uma seqüência de imagens estáticas (quadros). Cada um desses quadros pode ser codificado usando as mesmas técnicas empregadas

Leia mais

6 Cálculo de cobertura de sistemas de TV Digital

6 Cálculo de cobertura de sistemas de TV Digital 6 Cálculo de cobertura de sistemas de TV Digital Neste capítulo, os modelos desenvolvidos serão utilizados para a avaliação da cobertura de sistemas de TV digital na cidade de São Paulo. Partindo dos limiares

Leia mais

2- Conceitos Básicos de Telecomunicações

2- Conceitos Básicos de Telecomunicações Introdução às Telecomunicações 2- Conceitos Básicos de Telecomunicações Elementos de um Sistemas de Telecomunicações Capítulo 2 - Conceitos Básicos de Telecomunicações 2 1 A Fonte Equipamento que origina

Leia mais

Apostila Básica sobre transmissão de TV Digital Padrão Brasileiro

Apostila Básica sobre transmissão de TV Digital Padrão Brasileiro 1 Apostila Básica sobre transmissão de TV Digital Padrão Brasileiro Capitulo 1: Para começarmos a falar sobre TV Digital devemos conhecer os tipos de modulação digital que existem e entender, ao menos,

Leia mais

Como em AM e FM, a portadora é um sinal senoidal com frequência relativamente alta;

Como em AM e FM, a portadora é um sinal senoidal com frequência relativamente alta; Modulação Digital Modulação Digital Como em AM e FM, a portadora é um sinal senoidal com frequência relativamente alta; O sinal modulante é um sinal digital; A informação (bits) é transmitida em forma

Leia mais

Universidade Federal Fluminense Mestrado em Engenharia de Telecomunicações

Universidade Federal Fluminense Mestrado em Engenharia de Telecomunicações Universidade Federal Fluminense Mestrado em Engenharia de Telecomunicações Fundamentos de Sistemas Multimídia Padrões de Rádio Digital Agosto/2006 Jailton Neves Padrões de Rádio Digital Agenda - IBOC In

Leia mais

SBTVD Uma ViSão SoBre a TV DigiTal no BraSil LuCIANO LeONeL MeNdes

SBTVD Uma ViSão SoBre a TV DigiTal no BraSil LuCIANO LeONeL MeNdes ARTIGO SBTVD Uma ViSão SoBre a TV DigiTal no BraSil LuCIANO LeONeL MeNdes 48 Resumo Hoje, a televisão brasileira está passando por uma revolução. A mudança do sistema analógico de televisão para o sistema

Leia mais

APÊNDICE B. Critérios para Avaliação do Sistema de Rádio Digital FM IBOC

APÊNDICE B. Critérios para Avaliação do Sistema de Rádio Digital FM IBOC APÊNDICE B Critérios para Avaliação do Sistema de Rádio Digital FM IBOC Junho de 2007 Sumário Lista de Figuras...ii Lista de Tabelas... iii 1 INTRODUÇÃO...1 2 CARACTERÍSTICAS DO SISTEMA FM IBOC HÍBRIDO...1

Leia mais

MPEG-2 TSP protegido pelo código RS

MPEG-2 TSP protegido pelo código RS STV 29 OUT 2008 1 RE-MUX MPEG-2: como o padrão ISDB-T suporta 3 programações simultâneas, é necessário multiplexar estas programações antes de inseri-las no Outer Coder além de agrupar as 3 programações,

Leia mais

Figura 1: Modelo de referência em blocos de um transmissor de TV Digital qualquer

Figura 1: Modelo de referência em blocos de um transmissor de TV Digital qualquer 2 TV Digital O estudo para a transmissão terrestre digital do sinal de TV Digital, conhecida por DTTB (Digital Television Terrestrial Broadcasting) já vem sendo feito há mais de dez anos, com o surgimento

Leia mais

Sistema DVB para Transmissão de Televisão Digital

Sistema DVB para Transmissão de Televisão Digital Sistema DVB para Transmissão de Televisão Digital Pedro A. Amado Assunção Instituto de Telecomunicações Pinhal de Marrocos, 3030-290 Coimbra, Portugal Instituto Politécnico de Leiria/ESTG amado@co.it.pt

Leia mais

TELEVISÃO DIGITAL TERRESTRE. José Lucas, N.º70685

TELEVISÃO DIGITAL TERRESTRE. José Lucas, N.º70685 TELEVISÃO DIGITAL TERRESTRE José Lucas, N.º70685 Instituto Superior Técnico - Taguspark Av. Professor Cavaco Silva, 2780-990 Porto Salvo, Portugal E-mail: jose.lucas@ist.utl.pt RESUMO Neste artigo aborda-se

Leia mais

Segurança em redes sem fio Freqüências

Segurança em redes sem fio Freqüências Segurança em redes sem fio Freqüências Carlos Lamb Fausto Levandoski Juliano Johann Berlitz Vagner Dias Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS) 16/08/2011 AGENDA INTRODUÇÃO ESPECTRO ELETROMAGNÉTICO

Leia mais

Sistemas de Televisão Avançada. O Sinal de RF em sistemas ATV. Sistemas Radiantes para DTV

Sistemas de Televisão Avançada. O Sinal de RF em sistemas ATV. Sistemas Radiantes para DTV Sistemas Radiantes para DTV Sistemas de Televisão Avançada Revolucionária concepção para a geração, produção, transmissão e recepção de conteúdo multimídia com qualidade vídeo película 35mm e áudio surround

Leia mais

1 Moldando Pulso para reduzir a largura de banda

1 Moldando Pulso para reduzir a largura de banda 1 Moldando Pulso para reduzir a largura de banda Pulsos quadrados não são práticos. São difíceis de serem gerados e requerem grande largura de banda. Além disso, em razão da largura de banda limitada do

Leia mais

1 Modulação digital para comunicações móveis

1 Modulação digital para comunicações móveis 1 Modulação digital para comunicações móveis Tabela 1: Algumas modulações empregadas em telefonia celular Sistema Forma de Largura da Critério de Razão celular modulação portadora qualidade sinal-ruído

Leia mais

Amostragem e PCM. Edmar José do Nascimento (Princípios de Comunicações) http://www.univasf.edu.br/ edmar.nascimento

Amostragem e PCM. Edmar José do Nascimento (Princípios de Comunicações) http://www.univasf.edu.br/ edmar.nascimento Amostragem e PCM Edmar José do Nascimento (Princípios de Comunicações) http://www.univasf.edu.br/ edmar.nascimento Universidade Federal do Vale do São Francisco Roteiro 1 Amostragem 2 Introdução O processo

Leia mais

Teoria das Comunicações Prof. André Noll Barreto. Prova 3 2015/1 (02/07/2015)

Teoria das Comunicações Prof. André Noll Barreto. Prova 3 2015/1 (02/07/2015) Teoria das Comunicações Prova 3 2015/1 (02/07/2015) Aluno: Matrícula: Instruções A prova consiste de três questões discursivas A prova pode ser feita a lápis ou caneta Não é permitida consulta a notas

Leia mais

Distribuição do sinal ISDB-T BTS por diferentes meios usando ferramenta de compressão e adaptação

Distribuição do sinal ISDB-T BTS por diferentes meios usando ferramenta de compressão e adaptação Distribuição do sinal ISDB-T por diferentes meios usando ferramenta de compressão e adaptação Broadcast & Cable SET 2011 24/8/2011 Prof. Dr. Cristiano Akamine Escola de Engenharia Mackenzie Universidade

Leia mais

Códigos concatenados. Entrelaçamento. entrelaçadores de blocos. entrelaçadores convolucionais. Exemplos de códigos concatenados e entrelaçados

Códigos concatenados. Entrelaçamento. entrelaçadores de blocos. entrelaçadores convolucionais. Exemplos de códigos concatenados e entrelaçados 2.6. Códigos concatenados e entrelaçados Códigos concatenados Entrelaçamento entrelaçadores de blocos entrelaçadores convolucionais Exemplos de códigos concatenados e entrelaçados Entrelaçamento A maior

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE ENGENHARIA ELÉTRICA. Eduardo Santos Bueno

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE ENGENHARIA ELÉTRICA. Eduardo Santos Bueno UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA Eduardo Santos Bueno ANÁLISE COMPARATIVA DO COMPORTAMENTO DE RECEPÇÃO DO SISTEMA ISDB-T B NAS BANDAS VHF E UHF São

Leia mais

MEDIÇÃO DE TAXA DE ERRO DE BIT Alba Angélica Ratis

MEDIÇÃO DE TAXA DE ERRO DE BIT Alba Angélica Ratis Universidade Federal do Rio Grande do Norte Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina: Instrumentação Eletrônica Professor: Luciano Cavalcanti MEDIÇÃO DE TAXA DE ERRO DE BIT Alba Angélica Ratis Este

Leia mais

Comunicações Digitais Manual do Aluno Capítulo 7 Workboard PCM e Análise de Link

Comunicações Digitais Manual do Aluno Capítulo 7 Workboard PCM e Análise de Link Comunicações Digitais Manual do Aluno Capítulo 7 Workboard PCM e Análise de Link Laboratório de Telecomunicações - Aula Prática 4 Sub-turma: 3 Nomes dos alunos: Tarefa 17 Ruído em um Link Digital Objetivo:

Leia mais

DO ANALÓGICO AO DIGITAL: CONCEITOS E

DO ANALÓGICO AO DIGITAL: CONCEITOS E DO ANALÓGICO AO DIGITAL: CONCEITOS E TÉCNICAS BÁSICASB Fernando Pereira Instituto Superior TécnicoT Digitalização Processo onde se expressa informação analógica de forma digital. A informação analógica

Leia mais

Comunicação de Dados. Aula 5 Transmissão Analógica

Comunicação de Dados. Aula 5 Transmissão Analógica Comunicação de Dados Aula 5 Transmissão Analógica Sumário Modulação de sinais digitais Tipos de Modulação Taxa de transmissão x Taxa de modulação Modulação por amplitude Modulação por freqüência Modulação

Leia mais

Sistema de Transmissão no Padrão Brasileiro de TV Digital

Sistema de Transmissão no Padrão Brasileiro de TV Digital Sistema de Transmissão no Padrão Brasileiro de TV Digital Helio Coelho Junior 1 1 Departamento de Engenharia de Telecomunicações Universidade Federal Fluminense Niterói RJ Brasil helio@compuland.net.br

Leia mais

TV Dig ital - S ocial

TV Dig ital - S ocial Edson Luiz Castilhos Gerente Célula Software Livre - RS Marco Antonio Munhoz da Silva Gestor Projeto TV Digital Social 1 AGENDA O que é TV Digital? Histórico TV Analógica x TV Digital Sistema de TV Digital

Leia mais

Modulação por Pulsos

Modulação por Pulsos Modulação por Pulsos Propriedades Amostragem de sinais Modulação por amplitude de pulso (PAM) Modulação por pulso codificado (PCM) Modulação por largura de pulso (PWM) Modulação por posição de pulso (PPM)

Leia mais

2 Meios de transmissão utilizados em redes de telecomunicações 2.1. Introdução

2 Meios de transmissão utilizados em redes de telecomunicações 2.1. Introdução 2 Meios de transmissão utilizados em redes de telecomunicações 2.1. Introdução Atualmente, as estruturas das redes de comunicação são classificadas conforme a escala: rede de acesso, rede metropolitana

Leia mais

Capítulo III Descrição geral dos testes de campo

Capítulo III Descrição geral dos testes de campo Capítulo III Descrição geral dos testes de campo A) Teste de Campo de Cobertura para Comparação de Desempenho dos Sistemas ATSC, DVB-T e ISDB-T A1. Objetivo Este teste tem como objetivo comparar o desempenho

Leia mais

Fundamentos de Redes de Computadores

Fundamentos de Redes de Computadores Fundamentos de Redes de Computadores Princípios de Comunicação de Dados Prof. Alexandre Dezem Bertozzi Divinópolis, fevereiro de 2003 1 Por que redes? É praticamente impossível não pensar em redes quando

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Uma rede de computadores é um sistema de comunicação de dados constituído através da interligação de computadores e outros dispositivos, com a finalidade de trocar informação e partilhar

Leia mais

Miguel Nascimento Nº 2010426 TIM LTM 12 Janeiro 2011

Miguel Nascimento Nº 2010426 TIM LTM 12 Janeiro 2011 Miguel Nascimento Nº 2010426 TIM LTM 12 Janeiro 2011 Introdução Existem actualmente diversos formatos para reprodução de som multi-canal, mas neste trabalho serão abordados os seguintes: Estéreo LCRS 5.1

Leia mais

Multiplexação FDM. Amplamente utilizada de forma conjunta às modulações AM, FM, QAM, PSK Usada na comunicação de sinais analógicos e digitais

Multiplexação FDM. Amplamente utilizada de forma conjunta às modulações AM, FM, QAM, PSK Usada na comunicação de sinais analógicos e digitais Multiplexação FDM Multiplexação por Divisão de Frequência A multiplexação não é em si uma técnica de modulação de sinais, mas é frequentemente utilizada de forma complementar Possibilita o envio simultâneo

Leia mais

ISDB-T BRASIL Versão: 1.1.1

ISDB-T BRASIL Versão: 1.1.1 DIGIAIR PRO ISDB-T MANUAL DO USUÁRIO ISDB-T BRASIL Versão: 1.1.1 Conteúdo: DIGIAIR PRO ISDB-T Descrição. 3 1 INTRODUÇÃO 4 1.1 LIGAR E DESLIGAR (ON/OFF) 4 1.2 FONTE DE ALIMENTAÇÃO E BATERIA 4 1.3 COMO USAR

Leia mais

Comunicação de Dados. Aula 4 Conversão de Sinais Analógicos em digitais e tipos de transmissão

Comunicação de Dados. Aula 4 Conversão de Sinais Analógicos em digitais e tipos de transmissão Comunicação de Dados Aula 4 Conversão de Sinais Analógicos em digitais e tipos de transmissão Sumário Amostragem Pulse Amplitude Modulation Pulse Code Modulation Taxa de amostragem Modos de Transmissão

Leia mais

UMA CONTRIBUIÇÃO AO ENSINO DE ENGENHARIA SOBRE O SISTEMA BRASILEIRO DE TV DIGITAL

UMA CONTRIBUIÇÃO AO ENSINO DE ENGENHARIA SOBRE O SISTEMA BRASILEIRO DE TV DIGITAL UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM TELEINFORMÁTICA E REDES DE COMPUTADORES RODRIGO TSUNEYOSHI KAIDO UMA CONTRIBUIÇÃO AO ENSINO DE ENGENHARIA

Leia mais

Padrões ITU-T H.261 e H.263

Padrões ITU-T H.261 e H.263 Padrões ITU-T H.261 e H.263 Acadêmicos: Orlando L. Pelosi Jr. Rodrigo Matheus da Costa Vinicius Mariano de Lima Professor: Prof. Adair Santa Catarina Vídeo Digital Vídeos são compostos por frames que contém

Leia mais

1 Transmissão digital em banda base

1 Transmissão digital em banda base 1 Transmissão digital em banda base A transmissão digital oferece algumas vantagens no que diz respeito ao tratamento do sinal, bem como oferecimento de serviços: Sinal pode ser verificado para avaliar

Leia mais

H.264: UMA BREVE DISCUSSÃO ACERCA DA CODIFICAÇÃO DE VÍDEO

H.264: UMA BREVE DISCUSSÃO ACERCA DA CODIFICAÇÃO DE VÍDEO H.264: UMA BREVE DISCUSSÃO ACERCA DA CODIFICAÇÃO DE VÍDEO Eduardo Viana Rezende eduardo.viana@superig.com.br Centro Universitário de Belo Horizonte Av. Prof. Mário Werneck, 1685 - Estoril CEP: 30455-610

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DA TELEVISÃO DIGITAL NO BRASIL

IMPLANTAÇÃO DA TELEVISÃO DIGITAL NO BRASIL IMPLANTAÇÃO DA TELEVISÃO DIGITAL NO BRASIL Walkyria M. Leitão Tavares Consultora Legislativa da Área XIV Comunicação Social, Telecomunicações, Sistema Postal, Ciência e Tecnologia ESTUDO SETEMBRO/2001

Leia mais

5 VIATURA DE MEDIDAS, PLANEJAMENTO E OS TESTES DE CAMPO

5 VIATURA DE MEDIDAS, PLANEJAMENTO E OS TESTES DE CAMPO 5 VIATURA DE MEDIDAS, PLANEJAMENTO E OS TESTES DE CAMPO A viatura de medidas é equipada para o levantamento com mastro retrátil de até 10 m de altura, um conjunto de instrumentos de medida e de armazenamento

Leia mais

Multimédia, Qualidade de Serviço (QoS): O que são?

Multimédia, Qualidade de Serviço (QoS): O que são? Multimédia, Qualidade de Serviço (QoS): O que são? Aplicações Multimédia: áudio e vídeo pela rede ( meios contínuos ) QoS a rede oferece às aplicações o nível de desempenho necessário para funcionarem.

Leia mais

Mídias Contínuas. Mídias Contínuas

Mídias Contínuas. Mídias Contínuas Mídias Contínuas Processamento da Informação Digital Mídias Contínuas Mídias Contínuas (dinâmicas ou dependentes do tempo) Digitalização de Sinais Áudio Vídeo 1 Digitalização de Sinais Codificadores de

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Considerando o enlace de comunicação entre um estúdio de televisão e a estação transmissora, julgue os itens a seguir. 51 Se o referido enlace for half-duplex, então ele permitirá comunicação bidirecional

Leia mais

Aula V Medição de Variáveis Mecânicas

Aula V Medição de Variáveis Mecânicas Aula V Medição de Variáveis Mecânicas Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Disciplina: Instrumentação e Automação Industrial I(ENGF99) Professor: Eduardo Simas(eduardo.simas@ufba.br) Sensores

Leia mais

Obtenha medidas de potência de um sinal de fluxo abaixo DOCSIS usando um analisador de espectro

Obtenha medidas de potência de um sinal de fluxo abaixo DOCSIS usando um analisador de espectro Obtenha medidas de potência de um sinal de fluxo abaixo DOCSIS usando um analisador de espectro Índice Introdução Pré-requisitos Requisitos Componentes Utilizados Negação Convenções Compreendendo o monte

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Curso de Tecnologia em Redes de Computadores Disciplina: Redes I Fundamentos - 1º Período Professor: José Maurício S. Pinheiro AULA 2: Transmissão de Dados 1.

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Introdução Inst tituto de Info ormátic ca - UF FRGS Redes de Computadores Transmissão de Informações nálise de Sinaisi ula 03 Transmissão é o deslocamento de ondas eletromagnéticas em um meio físico (canal

Leia mais

ANEXO À RESOLUÇÃO N o 492, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2008

ANEXO À RESOLUÇÃO N o 492, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2008 ANEXO À RESOLUÇÃO N o 492, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2008 NORMA PARA CERTIFICAÇÃO E HOMOLOGAÇÃO DE TRANSMISSORES E TRANSCEPTORES DIGITAIS PARA O SERVIÇO FIXO EM APLICAÇÕES PONTO- MULTIPONTO NAS FAIXAS DE FREQUÊNCIAS

Leia mais

SISTEMA DE TREINAMENTO EM COMUNICAÇÃO DIGITAL Modelo: ED-2970

SISTEMA DE TREINAMENTO EM COMUNICAÇÃO DIGITAL Modelo: ED-2970 SISTEMA DE TREINAMENTO EM COMUNICAÇÃO DIGITAL Modelo: DESCRIÇÃO O sistema de treinamento em comunicação digital apresenta fácil aprendizado em princípios e aplicações da moderna tecnologia de comunicação

Leia mais

Prof.: GIANOTO EE012 - FEI

Prof.: GIANOTO EE012 - FEI TELEFONIA CELULAR Tecnologia celular digital - sistema TDMA TDMA= Time Division Multiple Acess Multiplexação digital As informações de vários usuários são transmitidas em um canal comum em um determinado

Leia mais

PROPOSTA PRELIMINAR DE PROJETO Estudo de viabilidade técnica e levantamento de requisitos para um canal de comunicação ( DOWNLINK ) para o SARVANT

PROPOSTA PRELIMINAR DE PROJETO Estudo de viabilidade técnica e levantamento de requisitos para um canal de comunicação ( DOWNLINK ) para o SARVANT PROPOSTA PRELIMINAR DE PROJETO Estudo de viabilidade técnica e levantamento de requisitos para um canal de comunicação ( DOWNLINK ) para o SARVANT INSTITUTO TECNOLÓGICO DE AERONÁUTICA CONTEÚDO Introdução...

Leia mais

PARTE II PROCEDIMENTO DE MEDIDAS

PARTE II PROCEDIMENTO DE MEDIDAS PARTE II PROCEDIMENTO DE MEDIDAS Procedimento de Medidas 1 INTRODUÇÃO Na primeira parte deste compêndio foi apresentado o aspecto conceitual do sistema de televisão com enfoque maior na TV Digital expondo

Leia mais

O vídeo. O vídeo. Sistemas analógicos de vídeo. O vídeo. 2001 Wilson de Pádua Paula Filho

O vídeo. O vídeo. Sistemas analógicos de vídeo. O vídeo. 2001 Wilson de Pádua Paula Filho O vídeo O vídeo Interfaces de vídeo Sistemas de televisão: as características do sinal de vídeo são determinadas pelos padrões de televisão principais padrões existentes: televisão em preto-e-branco televisão

Leia mais

REDE DE DISTRIBUIÇÃO DE CONTEÚDO ATRAVÉS DO SISTEMA WIRELESS

REDE DE DISTRIBUIÇÃO DE CONTEÚDO ATRAVÉS DO SISTEMA WIRELESS REDE DE DISTRIBUIÇÃO DE CONTEÚDO ATRAVÉS DO SISTEMA WIRELESS Fujio Yamada Email: fyamada@mackenzie.com.br Francisco Sukys - Email fsukys@mackenzie.com.br Gunnar Bedicks Email gbedicks@ieee.org Luis T.

Leia mais

Tecnologia Mundial em Transporte e Distribuição de sinais de TV. www.linear.com.br

Tecnologia Mundial em Transporte e Distribuição de sinais de TV. www.linear.com.br Tecnologia Mundial em Transporte e Distribuição de sinais de TV Santa Rita do Sapucaí -MG Ilhéus - BA Ilhéus - BA Pça Linear,100 37540-000 - Santa Rita do Sapucaí-MG Brasil - (5535) 3473-3473 (5535) 3473-3474

Leia mais

Conectores de Vídeo Radiofreqüência (RF)

Conectores de Vídeo Radiofreqüência (RF) 15 Conectores de Vídeo Existem vários tipos de conexões de vídeo que você pode encontrar no PC e em aparelhos eletrônicos como TVs, aparelhos de DVD e videoprojetores. Apesar de a finalidade geral desses

Leia mais

Codec. Finalização de audiovisual. Bit Rate (Taxa de Bits) formatos de exportação. Pro res. ProRes 16/05/13. Sigla de COmpressor/DEcompressor.

Codec. Finalização de audiovisual. Bit Rate (Taxa de Bits) formatos de exportação. Pro res. ProRes 16/05/13. Sigla de COmpressor/DEcompressor. Codec Finalização de audiovisual Sigla de COmpressor/DEcompressor. Conjunto de instruções que permite comprimir um sinal de vídeo ou áudio, para armazenamento, e descomprimir, para reprodução. Bit Rate

Leia mais

Comunicações e Rádios Digitais

Comunicações e Rádios Digitais UERJ - Circuitos de Comunicação Prof. Gil Pinheiro Comunicações e Rádios Digitais Gil Pinheiro UERJ-FEN-DETEL Conteúdo Comunicação Digital x Transmissão Digital Os SDR (Software Defined Radios) Arquiteturas

Leia mais

Ensino à distancia com Tv Digital Interativa

Ensino à distancia com Tv Digital Interativa Ensino à distancia com Tv Digital Interativa Fujio Yamada Gunnar Bedicks Jr Resumo: A tecnologia trouxe inovações para a educação em geral e para Educação à Distância em especial. A televisão digital pode

Leia mais

Transmissão de TV Digital

Transmissão de TV Digital Transmissão de TV Digital Transmissão de TV Digital Modulações Digitais Padrão ISDB Modulador Estrutura Sistema TV Cultura Modulações Digitais Modulações Digitais Uma portadora modulada de forma digital

Leia mais

Redes de computadores N Laboratório 01. Luiza Eitelvein 181375

Redes de computadores N Laboratório 01. Luiza Eitelvein 181375 Redes de computadores N Laboratório 01 Luiza Eitelvein 181375 Exercícios 1) a) Teorema de Shannon : MCs = B log₂(1+s/n) 40 db = 10 log(s/n) 4 = log(s/n) S/N = 10⁴ MCs = 3100 log₂(1+10000) = 3100 ( (log

Leia mais

Transmissão Digital e Analógica

Transmissão Digital e Analógica Transmissão Digital e Analógica Romildo Martins Bezerra CEFET/BA Redes de Computadores I Introdução... 2 Transmissão Digital... 2 Codificação de Linha... 2 Codificação de Blocos... 4 Transmissão Digital

Leia mais

Jornalismo Multiplataforma. Tecnologias Redes e Convergência. eduardo.barrere@ice.ufjf.br

Jornalismo Multiplataforma. Tecnologias Redes e Convergência. eduardo.barrere@ice.ufjf.br Jornalismo Multiplataforma Tecnologias Redes e Convergência eduardo.barrere@ice.ufjf.br Panorama Em 2011, a TV atingiu 96,9% (http://www.teleco.com.br/nrtv.asp) TV Digital Uma novidade???? TV Digital Resolve

Leia mais

RICARDO GONÇALVES TRENTIN TÉCNICAS DE PROCESSAMENTO MIMO-OFDM APLICADAS À RADIODIFUSÃO DE TELEVISÃO DIGITAL TERRESTRE

RICARDO GONÇALVES TRENTIN TÉCNICAS DE PROCESSAMENTO MIMO-OFDM APLICADAS À RADIODIFUSÃO DE TELEVISÃO DIGITAL TERRESTRE RICARDO GONÇALVES TRENTIN TÉCNICAS DE PROCESSAMENTO MIMO-OFDM APLICADAS À RADIODIFUSÃO DE TELEVISÃO DIGITAL TERRESTRE FLORIANÓPOLIS 2006 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO

Leia mais

ATSC - O melhor padrão para a TV DIGITAL do Brasil

ATSC - O melhor padrão para a TV DIGITAL do Brasil ATSC - O melhor padrão para a TV DIGITAL do Brasil Câmara dos Deputados Seminário Internacional TV Digital obstáculos e desafios para uma nova comunicação Sávio Pinheiro Brasília-DF 16 de Maio de 2006

Leia mais

TV ESCOLA DIGITAL INTERATIVA

TV ESCOLA DIGITAL INTERATIVA Trabalho - Cadastro nº 313 / Tema nº 09 Autores TV ESCOLA DIGITAL INTERATIVA Prof. Dr. Fujio Yamada -Email: fyamada@mackenzie.com.br Prof. Mestre Gunnar Bedicks Júnior- Email: gbedicks@ieee.org Prof. Dr.

Leia mais

Transmissão e comunicação de dados. Renato Machado

Transmissão e comunicação de dados. Renato Machado Renato Machado UFSM - Universidade Federal de Santa Maria DELC - Departamento de Eletrônica e Computação renatomachado@ieee.org renatomachado@ufsm.br 03 de Maio de 2012 Sumário 1 2 Modulação offset QPSK

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Parte II: Camada Física Dezembro, 2012 Professor: Reinaldo Gomes reinaldo@computacao.ufcg.edu.br Meios de Transmissão 1 Meios de Transmissão Terminologia A transmissão de dados d

Leia mais

Técnicas de Codificação de Sinal Trabalho de Simulação

Técnicas de Codificação de Sinal Trabalho de Simulação Técnicas Codificação Sinal Trabalho Simulação Marcelo Samsoniuk 1 - Introdução O objetivo ste trabalho simulação é analisar o sempenho um sistema comunicação digital que utiliza codificação fonte e codificação

Leia mais

CDI 20705 Comunicação Digital

CDI 20705 Comunicação Digital CDI Comunicação Digital DeModulação em Banda Base Digital Communications Fundamentals and Applications Bernard Sklar ª edição Prentice Hall Marcio Doniak www.sj.ifsc.edu.br/~mdoniak mdoniak@ifsc.edu.br

Leia mais

PADRÃO DE RESPOSTA APLICAÇÃO: 14/9/2014

PADRÃO DE RESPOSTA APLICAÇÃO: 14/9/2014 DISSERTAÇÃO Espera-se que o candidato redija texto dissertativo acerca da evolução das redes de comunicação e da infraestrutura destinada para a provisão de novos serviços, abordando, necessariamente,

Leia mais

26. O sistema brasileiro de televisão digital adota os seguintes parâmetros para HDTV:

26. O sistema brasileiro de televisão digital adota os seguintes parâmetros para HDTV: IFPB Concurso Público/Professor de Ensino Básico, Técnico e Tecnológico (Edital 24/2009) CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CÓDIGO 06 UCs de Comunicações Móveis e/ou de Processamento de Sinais de Áudio e Vídeo

Leia mais

Codificação de áudio para transmissão de voz em tempo real

Codificação de áudio para transmissão de voz em tempo real Luis Eduardo Pereira Bueno Codificação de áudio para transmissão de voz em tempo real Trabalho elaborado como parte da avaliação da disciplina Processamento Digital de Sinais, ministrada pelo prof. Marcelo

Leia mais

Sistema de Transmissão no Padrão Brasileiro de TV Digital

Sistema de Transmissão no Padrão Brasileiro de TV Digital Sistema de Transmissão no Padrão Brasileiro de TV Digital Departamento de Engenharia de Telecomunicações Universidade Federal Fluminense Helio Coelho Junior helio@compuland.net.br Dezembro 2008 Introdução

Leia mais

B. Piropo. Arquitetura, Organização e Hardware de Computadores - Prof. B. Piropo

B. Piropo. Arquitetura, Organização e Hardware de Computadores - Prof. B. Piropo B. Piropo Computadores usam internamente o sistema binário. O sistema binário adota apenas dois algarismos com os quais pode representar qualquer número. Portanto: Computadores só podem trabalhar com números.

Leia mais

III.2. CABLE MODEMS CARACTERÍSTICAS BÁSICAS UNIDADE III SISTEMAS HÍBRIDOS

III.2. CABLE MODEMS CARACTERÍSTICAS BÁSICAS UNIDADE III SISTEMAS HÍBRIDOS 1 III.2. CABLE MODEMS III.2.1. DEFINIÇÃO Cable modems são dispositivos que permitem o acesso em alta velocidade à Internet, através de um cabo de distribuição de sinais de TV, num sistema de TV a cabo.

Leia mais

As outorgas de TV Digital no Brasil

As outorgas de TV Digital no Brasil As outorgas de TV Digital no Brasil Eng.Jayme Marques de Carvalho Neto Secretaria de Serviços de Comunicação Eletrônica Jayme.carvalho@mc.gov.br Santiago- Chile Setembro de 2010 A Secretaria de Serviços

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - TV Digital Via IP (IPTV) www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito IPTV - TV Digital Via IP A IPTV (Internet Protocol TeleVision) é um novo método de transmissão

Leia mais

NORMA PARA CERTIFICAÇÃO E HOMOLOGAÇÃO DE TRANSMISSORES E TRANSCEPTORES MONOCANAIS ANALÓGICOS AM

NORMA PARA CERTIFICAÇÃO E HOMOLOGAÇÃO DE TRANSMISSORES E TRANSCEPTORES MONOCANAIS ANALÓGICOS AM ANEXO À RESOLUÇÃO N o 370, DE 13 DE MAIO DE 2004. NORMA PARA CERTIFICAÇÃO E HOMOLOGAÇÃO DE TRANSMISSORES E TRANSCEPTORES MONOCANAIS ANALÓGICOS AM 1. Objetivo Esta norma estabelece os requisitos técnicos

Leia mais

Introdução. O que é Comunicar?

Introdução. O que é Comunicar? O que é Comunicar? Transmissão de mensagens contendo informação Como definir informação? Existe uma teoria formal que define informação com base no grau de imprevisibilidade das mensagens; uma mensagem

Leia mais

5 Setup de Medidas. 5.1. Introdução

5 Setup de Medidas. 5.1. Introdução 5 Setup de Medidas 5.1. Introdução Para realização desse trabalho foi montada uma configuração de setup de medidas em UHF, mais precisamente no canal 42, freqüência central de 641 MHz em acordo com o Plano

Leia mais