Codificação de áudio para transmissão de voz em tempo real

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Codificação de áudio para transmissão de voz em tempo real"

Transcrição

1 Luis Eduardo Pereira Bueno Codificação de áudio para transmissão de voz em tempo real Trabalho elaborado como parte da avaliação da disciplina Processamento Digital de Sinais, ministrada pelo prof. Marcelo Rosa, do curso de Engenharia Elétrica, Setor de Tecnologia, da Universidade Federal do Paraná. CURITIBA 2008

2 Sumário Introdução...3 Codecs...3 G G G G G Compressão de áudio...4 Pulse Code Modulation - PCM...4 Filtragem...4 Amostragem...4 Voz digitalizada...5 Quantização...5 Companding...5 A-law and u-law Companding...5 A-law Compander...5 u-law Compander...6 DPCM - Differential Pulse Code Modulation...6 ADPCM - Adaptive DPCM...6 LD-CELP...7 CS-ACELP...7 Conclusão...8 Referências...9

3 Introdução H.323 é uma recomendação da União Internacional de Telecomunicações (ITU organismo que define padrões para comunicações multimídia para redes locais de computadores). Estas redes incluem TCP/IP e IPX sobre Ethernet, Fast Ethernet e Token Ring. O padrão H.323 provê uma base tecnológica para comunicações de dados, áudio e vídeo, para redes baseadas no protocolo IP. O H.323 permite também que produtos de multimídia e aplicações de fabricantes diferentes possam interoperar de forma eficiente e que os usuários possam se comunicar sem preocupação com velocidade da rede. O H.323 estabelece padrões para compressão e descompressão de dados de áudio e vídeo, assegurando que equipamentos de fabricantes diferentes tenham uma área de apoio comum. Para que os terminais H.323, como telefones IP, por exemplo, possam estabelecer comunicação em tempo real com boa qualidade, a fala deve ser codificada. Para fazer esta codificação, são usados diferentes tipos de codecs, tanto de áudio como de vídeo. Este trabalho irá explicar o funcionamento de alguns tipos de codecs de áudio usados pelo protocolo H.323. Codecs Para que dados multimídia sejam enviados, são usadas técnicas de processamento digital de sinais para codificá-los. O H.323 aceita codificações/decodificações de algorítimos de áudio especificados pelo ITU como G.711, G.722, G.723.1, G.728 e G.729. O objetivo dos codecs de áudio ao codificar a fala é o de comprimir os dados para que possam ser transmitidos em tempo real utilizando uma pequena largura de banda. G.711 O codec de áudio G.711 é um dos padrões utilizados pelo H.323. O G.711 utiliza PCM para representar amostras de freqüências de voz, amostrada a 8kHz. Existem dois algoritmos de compressão neste padrão, o μ-law, usado nos Estados Unidos e Japão, e o A-law, usado em outros países fora dos EUA. Ambos são logarítmicos, mas o A-law é mais simples para ser processado. Estes algoritmos codificam amostras PCM de 13bits e 14bits para amostras logarítmicas de 8bits. Deste modo, o codificador G.711 irá criar uma transmissão de 64kbps para um sinal amostrado a 8kHz. G.729 G.729 é um algoritmo que comprime voz em pacotes de 10ms de duração. Tem uma baixa largura de banda, de de 8kbps, usando conjugate-structure algebraic-code-excited linear-prediction (CS-ACELP). G.723 Este codec é baseado em ADPCM (adapdative differential pulse code) com 24 e 40kbps.

4 G.726 G.726 é um codec ADPCM com transmissão de 16, 24, 32 e 40kbps. O G.726 possui uma qualidade praticamente idêntica a do G.711, porém com a metade do consumo de banda. É usado em troncos internacionais de telefonia. Também é o codec padrão usado em telefones sem fio. G.728 Este codec usa LD-CELP (low-delay code excited linear prediction) e opera a 16kbps. O codec possui delay de apenas 5 amostras (0.625ms). Compressão de áudio Existem vários métodos de compressão de áudio. Nos codecs suportados pelo H.323, tem-se u-law, A-law, ADPCM, CELP, e outros. Neste trabalho, será dada ênfase nos codecs PCM. Pulse Code Modulation - PCM PCM é um método de codificação definido no ITU-T G.711. Filtragem O primeiro passo para converter o singal de analógico para digital é filtrar as componentes de altas freqüências. A maior parte da energia da fala está entre 200Hz e 300Hz e 2700Hz e 2800Hz. Então, assume-se uma largura de banda de 3000Hz para fala. Uma banda de 4000Hz, porém, é implementada nos equipamentos para evitar aliasing. Amostragem O segundo passo para converter um sinal analógico de voz para digital é amostrar a entrada filtrada a uma freqüência de amostragem constante. Isso é feito através de um processo chamado modulação por amplitude de pulso (PAM). O sinal analógico original é usado para modular a amplitude um trem de pulsos com uma freqüência constante. O trem de pulsos move-se a uma freqüência constante, chamada freqüência de amostragem. Para determinar a freqüência de amostragem, usa-se o Teorema de Nyquist. Este teorema diz que a freqüencia de amostragem deve ser o dobro da maior freqüência do sinal amostrado. Se este teorema for obedecido, o sinal poderá ser reconstruído através de um filtro passa-baixas. Fs 2 x BW freqüência de amostragem Figura 1 - Amostragem

5 Voz digitalizada Depois de filtrar e amostrar, deve-se digitalizar as amostras. O processo de digitalização é chamado PCM. Uma técnica chamada quantização é usada para digitalizar as amostras. Quantização Quando as amostras chegam na fase de quantização, elas são associadas a um intervalo de quantização. Cada intervalo de quantização é associado a um valor na forma de um número binário. Os intervalos são igualmente espaçados, assim tem-se a quantização uniforme. O tamanho padrão do número binário é 8bits. Para um sinal amostrado a 8kHz, a taxa de transmissão é de 64kbps. Quando uma amostra não é associada ao seu intervalo de quantização correto, é gerado ruído de quantização. Este ruído de quantização é equivalente ao ruído que interfere na relação sinal ruído (SNR) do sinal de voz. Um modo de reduzir o ruído de quantização é aumentar o número de intervalos de quantização, mas para isso deve-se aumentar o tamanho do valor de 8bits para mais bits. SNR é o fator que mais afeta a qualidade de voz na quantização uniforme. Para melhorar a qualidade de voz, a quantização uniforme é substituída pelo processo de quantização não-uniforme, chamado companding. Figura 2 - Quantização Companding Companding refere-se ao processo de primeiro comprimir o sinal analógico na fonte e depois expandir o sinal novamente ao original quando ele chegar ao destino. Esta palavra em da junção de compressing e expanding. Neste processo, o sinal analógico é comprimido em segmentos logarítmicos. Cada segmento é quantizado e codificado usando quantização uniforme. Os padrões do ITU-T para companding são chamados A- law e u-law. A-law and u-law Companding A-law e u-law são algoritmos de compressão definidos pelo Consultative Committee for International Telephony And Telegraphy (CCITT) G.711 que comprime PCM linear de 16bits em 8bits logarítmico. A-law Compander Limitando a amostra linear para 12 bits de magnitude, a compressão A-low é definida pela equação abaixo, na qual A é o parâmetro de compressão (A=87.7 na Europa) e x é número a ser comprimido.

6 F x = [ A x ] 1 ln A sgn x 1 ln Ax 1 ln A x 0 1 A 1 A x 1 u-law Compander Limitando a amostra linear para 12 bits de magnitude, o u-law é definido pela equação abaixo, na qual u o parâmetro de compressão (m=255 no EUA e Japão) e x é o número a ser comprimido. F x = sgn x ln 1 x ln 1 0 x 1 DPCM - Differential Pulse Code Modulation Durante o processo PCM, as diferenças entre as amostras de entrada são mínimas. DPCM foi projeto para calcular essa diferença e transmiti-la ao invés da amostra inteira. Deste modo, o número de bits necessário diminui. Usando DPCM, a largura de banda necessária cai para 48kbps. Figura 3 - DPCM A primeira parte do DPCM funciona exatamente como PCM. Na fase do PAM, a amostra de entrada é armazenada no predictor. O predictor envia esse sinal para o diferenciador. O diferenciador compara o sinal anterior com o sinal atual e envia a diferença para a fase de quantização do PCM. Depois de quantizar e codificar, a diferença é transmitida. N receptor, ocorre o caminho inverso. Primeiramente o sinal de diferenças é desquantizado. A diferença é somada com o sinal armazenado no predictor e o resultado é passado por um filtro passa-baixas que reconstrói o sinal. Figura 4 a) codificador DPCM, b) decodificador DPCM O DPCM reduz a taxa de bits para transmissão de voz, porém causa outros problemas relacionados com qualidade de voz. DPCM faz quantização usando quantização uniforme, o que gera uma SNR baixa para amostras pequenas. Como a maioria dos sinais gerados é pequeno, a qualidade da voz tende a cair. ADPCM - Adaptive DPCM Adaptive DPCM (ADPCM) é um método de codificação definido na especificação ITU-T G.726.

7 ADPCM adapta os níveis de quantização da diferença gerada no DPCM. Se o sinal de diferenças for baixo, ADPCM aumenta o tamanho dos níveis de quantização. Se o sinal de diferença for alto, ADPCM diminui o tamanho dos níveis de quantização. Ou seja, o ADPCM adapta o nível de quantização para o tamanho do sinal de diferença de entrada. Isto gera um SNR uniforme. Figura 5 codificação ADPDM O ADPCM reduz a taxa de bits para 32kpbs, metade da taxa do A-law e u-law. Abaixo, pode-se ver o diagrama de blocos do codificador e decodificador DPCM. Figura 6 Codificador e decodicador ADPCM LD-CELP Uma das desvantagens dos codificadores que funcionam por tramas, em relação aos que codificam o sinal amostra-a-amostra, é o aumento do atraso devido à necessidade da leitura de uma trama completa antes da estimação dos parâmetros correspondentes. Embora o atraso não seja um problema em aplicações de armazenamento, é um atributo importante em aplicações de transmissão bidireccional em tempo real. Em 1988 o ITU-T propôs normalizar um codificador com um débito binário de 16 kbit/s, com qualidade equivalente ao da norma G.726 a 32 kbit/s, ao mesmo tempo que deveria ter um atraso máximo 2ms. Em 1992 foi aprovada a recomendação G.728, um codificador CELP que gozava destas características, denominado por LD-CELP (Low delay CELP). CS-ACELP O ITU-T iniciou em 1990 os trabalhos que conduziriam em 1995 à recomendação G.729, um codificador com um débito binário de 8 kbit/s e uma qualidade equivalente à da recomendação G.726 a 32 kbit/s, ao mesmo tempo que deveria ter pequeno atraso e baixa complexidade. O primeiro objectivo deste codificador era a sua utilização em telefones públicos via rádio.

8 Conclusão Uma parte muito importante das telecomunicações é a comunicação por fala. No caso das redes de pacotes, é comum acontecer perda ou atraso de informações. Os codecs de áudio ajudam a diminuir esse problemas diminuindo a quantidade de banda necessárias para transmissão. O primeiro codec analisado precisa de 64kb/s para transmitir voz em tempo real. Já o último visto, o CS-ACELP, precisa de apenas 8kb/s. Observou-se também que com o aumento de eficiência do codec, aumenta a complexidade do codificador e do decodificador. Porém, com a evolução dos processadores, torna-se possível a implementação de técnicas de processamento digital de sinais para analisar o sinal de áudio discretizado e realizar a compressão. Depois de analisar o funcionamento dos codecs, ficou claro que o processamento digital de sinais tem presença constante na comunicação multimídia, tornando-a possível mesmo para pequenas larguras de banda.

9 Referências [1] Packet-based multimedia communications systems, ITU-T Recommendation H [2] Especificação ITU H.323, Cássio D. B. Pinheiro. <http://penta2.ufrgs.br/h323/indice.htm>. Acesso em 15/11/2008. [3] Protocolos. <http://www.gta.ufrj.br/grad/07_1/voip/protocolos.htm> Acesso em 15/11/2008. [4] Processamento digital de fala, Carlos Eduardo de Meneses Ribeiro. <http://www.deetc.isel.ipl.pt/comunicacoesep/disciplinas/pdf/sebenta/pdf_prg.html>. Acesso em 15/11/2008. [5] Audio compression, Dave Marshall. <http://www.cs.cf.ac.uk/dave/multimedia/node268.html#section >. Acesso em 15/11/2008. [6] μ-law algorithm. <http://en.wikipedia.org/wiki/%ce%9c-law_algorithm>. Acesso em 15/11/2008. [7] A-law algorithm. <http://en.wikipedia.org/wiki/a-law_algorithm>. Acesso em 15/11/2008. [8] Waveform coding techniques. <http://www.cisco.com/en/us/tech/tk1077/technologies_tech_note09186a b3.sht ml>. Acesso em 15/11/2008.

Codificadores de voz do MPEG-4. Eriko Porto eriko_porto@uol.com.br

Codificadores de voz do MPEG-4. Eriko Porto eriko_porto@uol.com.br Codificadores de voz do MPEG-4 Eriko Porto eriko_porto@uol.com.br Roteiro Introdução Waveform Codecs Source Codecs Hybrid Codecs Áudio no MPEG-4 Comparação entre alguns codecs Codificadores de Voz Introdução

Leia mais

Amostragem e PCM. Edmar José do Nascimento (Princípios de Comunicações) http://www.univasf.edu.br/ edmar.nascimento

Amostragem e PCM. Edmar José do Nascimento (Princípios de Comunicações) http://www.univasf.edu.br/ edmar.nascimento Amostragem e PCM Edmar José do Nascimento (Princípios de Comunicações) http://www.univasf.edu.br/ edmar.nascimento Universidade Federal do Vale do São Francisco Roteiro 1 Amostragem 2 Introdução O processo

Leia mais

Comunicação de Dados. Aula 4 Conversão de Sinais Analógicos em digitais e tipos de transmissão

Comunicação de Dados. Aula 4 Conversão de Sinais Analógicos em digitais e tipos de transmissão Comunicação de Dados Aula 4 Conversão de Sinais Analógicos em digitais e tipos de transmissão Sumário Amostragem Pulse Amplitude Modulation Pulse Code Modulation Taxa de amostragem Modos de Transmissão

Leia mais

COMPRESSÃO DE DADOS MULTIMÍDIA

COMPRESSÃO DE DADOS MULTIMÍDIA COMPRESSÃO DE DADOS MULTIMÍDIA Por que Compressão? Apesar da expansão das capacidade de comunicação e computação, a demanda das novas aplicações multimídia cresce rapidamente Custo de transmissão e armazenagem

Leia mais

Introdução ao VoIP Codecs

Introdução ao VoIP Codecs Introdução ao VoIP Codecs Carlos Gustavo A. da Rocha Introdução ao VoIP Relembrando Telefonia analógica usa frequências captadas como voz humana na faixa de 0 a 4000Khz Para digitalizar a voz é necessário

Leia mais

Modulação por Pulsos

Modulação por Pulsos Modulação por Pulsos Propriedades Amostragem de sinais Modulação por amplitude de pulso (PAM) Modulação por pulso codificado (PCM) Modulação por largura de pulso (PWM) Modulação por posição de pulso (PPM)

Leia mais

Tecnologia para Integração de Serviços. Introdução

Tecnologia para Integração de Serviços. Introdução Introdução Carlos Gustavo A. da Rocha Introdução Historicamente sistemas de comunicação foram desenvolvidos para dar suporte a um tipo específico de informação, por exemplo: Sistema telefônico: Tráfego

Leia mais

Amostragem e Conversão A/D

Amostragem e Conversão A/D Amostragem e Conversão A/D Edmar José do Nascimento (Princípios de Comunicações) http://www.univasf.edu.br/ edmar.nascimento Universidade Federal do Vale do São Francisco Roteiro 1 Amostragem 2 Introdução

Leia mais

Camada Física. Camada Física

Camada Física. Camada Física Camada Física Camada Física lida com a transmissão pura de bits definição do meio físico, níveis de tensão, duraçãodeumbit,taxade transmissão,comprimento máximo, construção dos conectores 1 Camada Física

Leia mais

Prof. Daniel Hasse. Multimídia e Hipermídia

Prof. Daniel Hasse. Multimídia e Hipermídia Prof. Daniel Hasse Multimídia e Hipermídia AULA 02 Agenda: Algoritmos de Codificação/Decodificação; Codec de Áudio. Atividade complementar. Algoritmos de Codificação/Decodificação - Comunicação tempo real,

Leia mais

Características do sinal de voz

Características do sinal de voz Características do sinal de voz Análise na freuência: a voz apresenta um conteúdo espectral ue vai de 0 Hz a 0 khz; os sons vozeados ou nasais (e.g. vogais e algumas consoantes j, l, m) apresentam um espectro

Leia mais

Figura 3.1 Diagrama de blocos do codificador de voz do ITU-T G.723.1

Figura 3.1 Diagrama de blocos do codificador de voz do ITU-T G.723.1 3 Codificadores de Voz em Telefonia IP e Móvel Celular Para o desenvolvimento de sistemas de reconhecimento de voz distribuídos voltados a rede IP e rede móvel celular é necessário conhecer os codificadores

Leia mais

Recomendação H.261 para serviços audiovisuais a taxas de transmissão p*64 kbit/s

Recomendação H.261 para serviços audiovisuais a taxas de transmissão p*64 kbit/s 1. Introdução A compressão digital de imagem tem vindo a ganhar uma importância crescente, em especial nos sistemas de transmissão, uma vez que a capacidade dos canais é normalmente limitada e muito inferior

Leia mais

Codificadores de Voz em Baixas Taxas de Transmissão

Codificadores de Voz em Baixas Taxas de Transmissão Codificadores de Voz em Baixas Taxas de Transmissão Eider L. Oliveira Universidade Católica de Goiás Departamento de Engenharia Engenharia Elétrica - UCG E-mail:eider@ucg.br Resumo Este artigo descreve

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Prof. Esp. Fabiano Taguchi http://fabianotaguchi.wordpress.com fabianotaguchi@gmail.com RESUMO 1 COMUTAÇÃO DE CIRCUITOS Reservados fim-a-fim; Recursos são dedicados; Estabelecimento

Leia mais

PAULO HENRIQUE BEZERRA DE CARVALHO CODIFICAÇÃO DE SINAIS DE VOZ HUMANA POR DECOMPOSIÇÃO EM COMPONENTES MODULANTES

PAULO HENRIQUE BEZERRA DE CARVALHO CODIFICAÇÃO DE SINAIS DE VOZ HUMANA POR DECOMPOSIÇÃO EM COMPONENTES MODULANTES UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE ELETRICIDADE PAULO HENRIQUE BEZERRA DE CARVALHO CODIFICAÇÃO DE SINAIS DE VOZ HUMANA POR

Leia mais

2 Serviços em Telecomunicações

2 Serviços em Telecomunicações 1 Introdução Capítulo Serviços em Telecomunicações 3 Serviços em Telecomunicações 1 Tipos de serviços e suas exigências O objectivo de uma rede de telecomunicações é fornecer serviços tais como voz, vídeo,

Leia mais

3 PROCESSOS DE COMPRESSÃO

3 PROCESSOS DE COMPRESSÃO Revista Mackenzie de Engenharia e Computação, Ano 5, n. 5, p. 13-96 Neste ponto existem duas possibilidades. Se o receptor for do tipo Digital o sinal de TV digitalizado oriundo do decompressor MPEG2 vai

Leia mais

DO ANALÓGICO AO DIGITAL: CONCEITOS E

DO ANALÓGICO AO DIGITAL: CONCEITOS E DO ANALÓGICO AO DIGITAL: CONCEITOS E TÉCNICAS BÁSICASB Fernando Pereira Instituto Superior TécnicoT Digitalização Processo onde se expressa informação analógica de forma digital. A informação analógica

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Curso de Tecnologia em Redes de Computadores Disciplina: Redes I Fundamentos - 1º Período Professor: José Maurício S. Pinheiro AULA 2: Transmissão de Dados 1.

Leia mais

Modelo de Referência OSI. Modelo de Referência OSI. Modelo de Referência OSI. Nível Físico (1)

Modelo de Referência OSI. Modelo de Referência OSI. Modelo de Referência OSI. Nível Físico (1) Modelo de Referência OSI OSI (Open Systems Interconnection) Criado pela ISO (International Standards Organization) É um modelo abstrato que relaciona funções e serviços de comunicações em sete camadas.

Leia mais

Rádio Troncalizado Terrestrial Trunked Radio (TETRA): Fatores Relevantes na Integração entre Redes

Rádio Troncalizado Terrestrial Trunked Radio (TETRA): Fatores Relevantes na Integração entre Redes Rádio Troncalizado Terrestrial Trunked Radio (TETRA): Fatores Relevantes na Integração entre Redes Este tutorial apresenta o padrão de rádio troncalizado TETRA (Terrestrial Trunked Radio), desenvolvido

Leia mais

Processamento Digital de Sinais

Processamento Digital de Sinais Processamento Digital de Sinais Capítulo 1 Prof. Rodrigo Varejão Andreão 2010/2 Cap. 1 Introdução PDS: área de rápido desenvolvimento nos últimos 40 anos, resultado do avanço das tecnologias de computação

Leia mais

CDI 20705 Comunicação Digital

CDI 20705 Comunicação Digital CDI Comunicação Digital DeModulação em Banda Base Digital Communications Fundamentals and Applications Bernard Sklar ª edição Prentice Hall Marcio Doniak www.sj.ifsc.edu.br/~mdoniak mdoniak@ifsc.edu.br

Leia mais

2- Conceitos Básicos de Telecomunicações

2- Conceitos Básicos de Telecomunicações Introdução às Telecomunicações 2- Conceitos Básicos de Telecomunicações Elementos de um Sistemas de Telecomunicações Capítulo 2 - Conceitos Básicos de Telecomunicações 2 1 A Fonte Equipamento que origina

Leia mais

16.36: Engenharia de Sistemas de Comunicação. Aula1: Introdução

16.36: Engenharia de Sistemas de Comunicação. Aula1: Introdução 16.36: Engenharia de Sistemas de Comunicação Aula1: Introdução Slide 1 Questões administrativas Instrutores: Horário do Curso: Terças e Quintas-feiras Texto: "Communications Systems Engineering", Proakis

Leia mais

Comunicações e Rádios Digitais

Comunicações e Rádios Digitais UERJ - Circuitos de Comunicação Prof. Gil Pinheiro Comunicações e Rádios Digitais Gil Pinheiro UERJ-FEN-DETEL Conteúdo Comunicação Digital x Transmissão Digital Os SDR (Software Defined Radios) Arquiteturas

Leia mais

Frederico da Silva Pinagé

Frederico da Silva Pinagé CODIFICAÇÃO DE VOZ USANDO RECORRÊNCIA DE PADRÕES MULTIESCALAS Frederico da Silva Pinagé Tese de Doutorado apresentada ao Programa de Pós-graduação em Engenharia Elétrica, COPPE, da Universidade Federal

Leia mais

Mídias Contínuas. Mídias Contínuas

Mídias Contínuas. Mídias Contínuas Mídias Contínuas Processamento da Informação Digital Mídias Contínuas Mídias Contínuas (dinâmicas ou dependentes do tempo) Digitalização de Sinais Áudio Vídeo 1 Digitalização de Sinais Codificadores de

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Introdução Inst tituto de Info ormátic ca - UF FRGS Redes de Computadores Transmissão de Informações nálise de Sinaisi ula 03 Transmissão é o deslocamento de ondas eletromagnéticas em um meio físico (canal

Leia mais

O PAPEL DOS CONVERSORES SIGMA-DELTA NO FRONT END DOS SISTEMAS DE COMUNICAÇÃO DIGITAL

O PAPEL DOS CONVERSORES SIGMA-DELTA NO FRONT END DOS SISTEMAS DE COMUNICAÇÃO DIGITAL O PAPEL DOS CONVERSORES SIGMA-DELTA NO FRONT END DOS SISTEMAS DE COMUNICAÇÃO DIGITAL EDUARDO AUGUSTO DIAS FONSECA LUIZ ALBERTO PORTILHO DE LIMA Engenharia de Telecomunicações Instituto de Educação Superior

Leia mais

Sistemas e Conteúdos Multimédia. 4.4. Áudio. Nuno Miguel Gil Fonseca nuno.fonseca@estgoh.ipc.pt

Sistemas e Conteúdos Multimédia. 4.4. Áudio. Nuno Miguel Gil Fonseca nuno.fonseca@estgoh.ipc.pt Sistemas e Conteúdos Multimédia 4.4. Áudio Nuno Miguel Gil Fonseca nuno.fonseca@estgoh.ipc.pt O som é um fenómeno físico causado pela vibração da matéria (p. ex. a pele de um tambor) A vibração provoca

Leia mais

1 Moldando Pulso para reduzir a largura de banda

1 Moldando Pulso para reduzir a largura de banda 1 Moldando Pulso para reduzir a largura de banda Pulsos quadrados não são práticos. São difíceis de serem gerados e requerem grande largura de banda. Além disso, em razão da largura de banda limitada do

Leia mais

Contribuição acadêmica

Contribuição acadêmica Contribuição acadêmica Origem deste trabalho em cadeiras do curso de mestrado na COPPE/UFRJ; Continuidade da contribuição acadêmica através do laboratório RAVEL: desenvolvimento de sw para apoio; intercâmbio

Leia mais

Aquisição de Dados. Aquisição de Dados. Centro de Pesquisas de Energia Elétrica. Apresentador: André Tomaz de Carvalho Área: DLE

Aquisição de Dados. Aquisição de Dados. Centro de Pesquisas de Energia Elétrica. Apresentador: André Tomaz de Carvalho Área: DLE Centro de Pesquisas de Energia Elétrica Aquisição de Dados Apresentador: André Tomaz de Carvalho Área: DLE Aquisição de Dados 1 Aquisição de Dados Analógicos Elementos: Sensores Sinais Circuitos condicionadores

Leia mais

Sistemas Multimédia. Ano lectivo 2006-2007. Aula 11 Conceitos básicos de Audio Digital. MIDI: Musical Instrument Digital Interface

Sistemas Multimédia. Ano lectivo 2006-2007. Aula 11 Conceitos básicos de Audio Digital. MIDI: Musical Instrument Digital Interface Sistemas Multimédia Ano lectivo 2006-2007 Aula 11 Conceitos básicos de Audio Digital Sumário Aúdio digital Digitalização de som O que é o som? Digitalização Teorema de Nyquist MIDI: Musical Instrument

Leia mais

Formatação e Modulação em Banda Básica

Formatação e Modulação em Banda Básica Formatação e Modulação em Banda Básica Edmar José do Nascimento (Tópicos Avançados em Engenharia Elétrica I) http://www.univasf.edu.br/ edmar.nascimento Universidade Federal do Vale do São Francisco Colegiado

Leia mais

1 Problemas de transmissão

1 Problemas de transmissão 1 Problemas de transmissão O sinal recebido pelo receptor pode diferir do sinal transmitido. No caso analógico há degradação da qualidade do sinal. No caso digital ocorrem erros de bit. Essas diferenças

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Prof. Marcelo Gonçalves Rubinstein Programa de Pós-Graduação em Engenharia Eletrônica Faculdade de Engenharia Universidade do Estado do Rio de Janeiro Ementa Introdução a Redes de

Leia mais

Comunicação de Dados. Aula 5 Transmissão Analógica

Comunicação de Dados. Aula 5 Transmissão Analógica Comunicação de Dados Aula 5 Transmissão Analógica Sumário Modulação de sinais digitais Tipos de Modulação Taxa de transmissão x Taxa de modulação Modulação por amplitude Modulação por freqüência Modulação

Leia mais

Tratamento do sinal Prof. Ricardo J. Pinheiro

Tratamento do sinal Prof. Ricardo J. Pinheiro Fundamentos de Redes de Computadores Tratamento do sinal Prof. Ricardo J. Pinheiro Resumo Modulação e demodulação Técnicas de modulação Analógica AM, FM e PM. Digital ASK, FSK e PSK. Multiplexação e demultiplexação

Leia mais

Amostrador PAM A/D PCM D/A PAM Filtro. Figura 1 Digrama de Blocos PCM

Amostrador PAM A/D PCM D/A PAM Filtro. Figura 1 Digrama de Blocos PCM UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA SISTEMAS DE TELECOMUNICAÇÕES I AULA PRÁTICA MODULAÇÃO POR AMPLITUDE DE PULSOS 1. Introdução Como o sinal

Leia mais

Codificador G729a orientado à avaliação da qualidade perceptual do sinal de voz

Codificador G729a orientado à avaliação da qualidade perceptual do sinal de voz Codificador G729a orientado à avaliação da qualidade perceptual do sinal de voz Flávio Luis Wisnevski e Rubem Dutra Ribeiro Fagundes Resumo Esta pesquisa tem como objetivo principal desenvolver um modelo

Leia mais

Transmissão e comunicação de dados. Renato Machado

Transmissão e comunicação de dados. Renato Machado Renato Machado UFSM - Universidade Federal de Santa Maria DELC - Departamento de Eletrônica e Computação renatomachado@ieee.org renatomachado@ufsm.br 03 de Maio de 2012 Sumário 1 2 Modulação offset QPSK

Leia mais

ANÁLISE DE DESEMPENHO DOS CODECS SUPORTADOS PELO ASTERISK COM E SEM CRIPTOGRAFIA

ANÁLISE DE DESEMPENHO DOS CODECS SUPORTADOS PELO ASTERISK COM E SEM CRIPTOGRAFIA ANÁLISE DE DESEMPENHO DOS CODECS SUPORTADOS PELO ASTERISK COM E SEM CRIPTOGRAFIA Ricardo c. C. Ferrari 1 Rafael M. Jesus 1 Elerson Gaetti-Jardim Jr. 3 Ailton A. Shinoda 1 Christiane M. Schweitzer 2 1 Departamento

Leia mais

H.323: Visual telephone systems and equipment for local area networks which provide a nonguaranteed

H.323: Visual telephone systems and equipment for local area networks which provide a nonguaranteed UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ H.323: Visual telephone systems and equipment for local area networks which provide a nonguaranteed quality of service Resumo para a disciplina de Processamento Digital de

Leia mais

Telefonia: A Convergência de Voz em Dados

Telefonia: A Convergência de Voz em Dados Telefonia: A Convergência de Voz em Dados Este tutorial apresenta os conceitos da telefonia digital, especialmente o que se refere à conversão da voz em pacotes de dados, requisito básico para que se possa

Leia mais

Guia Técnico Inatel Guia das Cidades Digitais

Guia Técnico Inatel Guia das Cidades Digitais Guia Técnico Inatel Guia das Cidades Digitais Módulo 3: VoIP INATEL Competence Center treinamento@inatel.br Tel: (35) 3471-9330 As telecomunicações vêm passando por uma grande revolução, resultante do

Leia mais

Conversores D/A e A/D

Conversores D/A e A/D Conversores D/A e A/D Introdução Um sinal analógico varia continuamente no tempo. Som Temperatura Pressão Um sinal digital varia discretamente no tempo. Processamento de sinais digitais Tecnologia amplamente

Leia mais

Comunicado Técnico 20

Comunicado Técnico 20 Comunicado Técnico 20 ISSN 2177-854X Novembro. 2012 Uberaba - MG Redes PLC Uma nova alternativa para a transmissão de dados Instruções Técnicas Responsável: Thiago Lara dos Reis Graduado no curso de Sistemas

Leia mais

QOS SOBRE REDES DE PACOTES UTILIZANDO H.323

QOS SOBRE REDES DE PACOTES UTILIZANDO H.323 QOS SOBRE REDES DE PACOTES UTILIZANDO H.323 Aluno: Ricardo dos Santos Alves de Souza Professor: Otto Carlos Muniz Bandeira Duarte Abril de 2004 DEL 1 ÍNDICE Resumo... 3 1 Introdução... 4 1.1 Redes de Pacotes...

Leia mais

Redes de Computadores. Redes de Computadores ADSL / XDSL. Protocolos de Redes. Aula 9 ADSL FACULDADE PITÁGORAS DE TECNOLOGIA

Redes de Computadores. Redes de Computadores ADSL / XDSL. Protocolos de Redes. Aula 9 ADSL FACULDADE PITÁGORAS DE TECNOLOGIA Redes de Computadores Protocolos de Redes Redes de Computadores Aula 9 / XDSL Introdução A tecnologia (Asymmetric Digital Subscriber Line - Linha Digital Assimétrica de Assinante) opera com transmissões

Leia mais

FERRAMENTA PARA COMUNICAÇÃO VOIP USANDO O PADRÃO H.323 EM REDES COM SERVIDORES NAT

FERRAMENTA PARA COMUNICAÇÃO VOIP USANDO O PADRÃO H.323 EM REDES COM SERVIDORES NAT UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO TECNOLÓGICO DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA E ESTATÍSTICA CURSO DE GRADUAÇÃO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO FERRAMENTA PARA COMUNICAÇÃO VOIP USANDO O PADRÃO H.323 EM

Leia mais

Conceitos Básicos de Áudio Digital

Conceitos Básicos de Áudio Digital Aula 07 Conceitos Básicos de Áudio Digital Diogo Pinheiro Fernandes Pedrosa Universidade Federal do Rio Grande do Norte Departamento de Ciências Exatas e Naturais Ciência da Computação Som Conceitos Iniciais

Leia mais

MEDIÇÃO DE TAXA DE ERRO DE BIT Alba Angélica Ratis

MEDIÇÃO DE TAXA DE ERRO DE BIT Alba Angélica Ratis Universidade Federal do Rio Grande do Norte Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina: Instrumentação Eletrônica Professor: Luciano Cavalcanti MEDIÇÃO DE TAXA DE ERRO DE BIT Alba Angélica Ratis Este

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ ENGENHARIA ELÉTRICA. Codificação de fala PCM & ADPCM

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ ENGENHARIA ELÉTRICA. Codificação de fala PCM & ADPCM UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ ENGENHARIA ELÉTRICA Codificação de fala PCM & ADPCM Curitiba, novembro de 2006 Felipe Gabriel de Mello Elias GRR20041450 Técnicas de Codificação de Voz (PCM e ADPCM) Introdução

Leia mais

Protocolos Sinalização

Protocolos Sinalização Tecnologia em Redes de Computadores Fundamentos de VoIP Professor: André Sobral e-mail: alsobral@gmail.com São protocolos utilizados para estabelecer chamadas e conferências através de redes via IP; Os

Leia mais

Prof. Dr. Valter Roesler: roesler@inf.ufrgs.br. Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Prof. Dr. Valter Roesler: roesler@inf.ufrgs.br. Universidade Federal do Rio Grande do Sul Prof. Dr. Valter Roesler: roesler@inf.ufrgs.br Universidade Federal do Rio Grande do Sul Latência Tempo entre o início de um evento e o momento que ele se torna perceptível no destino Ex: filmar um relógio

Leia mais

11.3) Circuitos conversores D/A

11.3) Circuitos conversores D/A 11.3) Circuitos conversores D/A Conversor com rede R2R: Se o R MSB for de 1KΩem um conversor de 12 bits, o R LSB seria 2 12 1KΩ=4096KΩ. Não é possível garantir precisão nesta faixa. Nas redes R/2R usamos

Leia mais

Teoria das Comunicações Prof. André Noll Barreto. Prova 3 2015/1 (02/07/2015)

Teoria das Comunicações Prof. André Noll Barreto. Prova 3 2015/1 (02/07/2015) Teoria das Comunicações Prova 3 2015/1 (02/07/2015) Aluno: Matrícula: Instruções A prova consiste de três questões discursivas A prova pode ser feita a lápis ou caneta Não é permitida consulta a notas

Leia mais

Oficina de Multimédia B. ESEQ 12º i 2009/2010

Oficina de Multimédia B. ESEQ 12º i 2009/2010 Oficina de Multimédia B ESEQ 12º i 2009/2010 Conceitos gerais Multimédia Hipertexto Hipermédia Texto Tipografia Vídeo Áudio Animação Interface Interacção Multimédia: É uma tecnologia digital de comunicação,

Leia mais

1.1 Transmissão multimídia em redes

1.1 Transmissão multimídia em redes 1.1 Transmissão multimídia em redes Pode-se dividir a parte de transmissão multimídia em redes de computadores como mostra a figura 1, ou seja, a parte de conferência (que requer interatividade) e a parte

Leia mais

Padrões ITU-T H.261 e H.263

Padrões ITU-T H.261 e H.263 Padrões ITU-T H.261 e H.263 Acadêmicos: Orlando L. Pelosi Jr. Rodrigo Matheus da Costa Vinicius Mariano de Lima Professor: Prof. Adair Santa Catarina Vídeo Digital Vídeos são compostos por frames que contém

Leia mais

Sistemas de Controle Digital

Sistemas de Controle Digital ADL 24 Cap 13 Sistemas de Controle Digital Vantagens dos Computadores Digitais O uso de computadores digitais na malha leva às seguintes vantagens sobre os sistemas analógicos: (1) custo, (2) flexibilidade

Leia mais

V3PN Voice, Video and Integrated Data IP. Palestra V3PN

V3PN Voice, Video and Integrated Data IP. Palestra V3PN V3PN Voice, Video and Integrated Data IP V3PN Voice, Video and Integrated Data Palestrante André Gustavo Lomônaco Diretor de Tecnologia da IPPLUS Tecnologia Mestre em Engenharia Elétrica Certificado Cisco

Leia mais

Avaliação de técnicas de codificação de voz para VoIP

Avaliação de técnicas de codificação de voz para VoIP Avaliação de técnicas de codificação de voz para VoIP Márcio A. de Souza 1, Anderson D. Schicorski 1, Kleber Z. A. Ferreira 1, Luciano J. Senger 1, Omar A. C. Cortes 2 1 Departamento de Informática Universidade

Leia mais

ni.com Série de conceitos básicos de medições com sensores

ni.com Série de conceitos básicos de medições com sensores Série de conceitos básicos de medições com sensores Medições de som e vibração Renan Azevedo Engenheiro de Produto, DAQ & Teste NI Henrique Sanches Marketing Técnico, LabVIEW NI Pontos principais Fundamentos

Leia mais

Redes de Computadores. Comunicação de Dados e Representação de Sinais Analógicos e Digitais Aula 02 Profa. Priscila Solís Barreto

Redes de Computadores. Comunicação de Dados e Representação de Sinais Analógicos e Digitais Aula 02 Profa. Priscila Solís Barreto Redes de Computadores Comunicação de Dados e Representação de Sinais Analógicos e Digitais Aula 02 Profa. Priscila Solís Barreto Bits, números e informação Bit: numero com valor 0 ou 1 n bits: representação

Leia mais

Introdução à Transmissão Digital. Funções básicas de processamento de sinal num sistema de comunicações digitais.

Introdução à Transmissão Digital. Funções básicas de processamento de sinal num sistema de comunicações digitais. Introdução à Transmissão Digital Funções básicas de processamento de sinal num sistema de comunicações digitais. lntrodução à transmissão digital Diferença entre Comunicações Digitais e Analógicas Comunicações

Leia mais

Tecnologia de faixa para falha

Tecnologia de faixa para falha Tecnologia de faixa para falha Por Tom Bell e John Nankivell Índice 1. Introdução 1 2. Equipamento de teste / processo de teste de PIM existente 2 3. Nova análise de RTF / limitações técnicas 3 4. Fluxograma

Leia mais

Sinal analógico x sinal digital. Sinal analógico. Exemplos de variações nas grandezas básicas. Grandezas básicas em sinais periódicos

Sinal analógico x sinal digital. Sinal analógico. Exemplos de variações nas grandezas básicas. Grandezas básicas em sinais periódicos Plano Redes de Computadores Transmissão de Informações nálise de Sinais ula 04 Introdução Dados, sinais e transmissão Sinal analógico x sinal digital Sinais analógicos Grandezas básicas Domínio tempo x

Leia mais

APÊNDICE B. Critérios para Avaliação do Sistema de Rádio Digital FM IBOC

APÊNDICE B. Critérios para Avaliação do Sistema de Rádio Digital FM IBOC APÊNDICE B Critérios para Avaliação do Sistema de Rádio Digital FM IBOC Junho de 2007 Sumário Lista de Figuras...ii Lista de Tabelas... iii 1 INTRODUÇÃO...1 2 CARACTERÍSTICAS DO SISTEMA FM IBOC HÍBRIDO...1

Leia mais

Protótipo de uma Ferramenta de Geração de Efeitos Sonoros para Instrumentos Musicais. Prof. Dalton Solano dos Reis Orientador

Protótipo de uma Ferramenta de Geração de Efeitos Sonoros para Instrumentos Musicais. Prof. Dalton Solano dos Reis Orientador Protótipo de uma Ferramenta de Geração de Efeitos Sonoros para Instrumentos Musicais Tarcísio Luís Tamanini Prof. Dalton Solano dos Reis Orientador Roteiro Introdução Sinais de Áudio Representação Digital

Leia mais

F n u d n a d ment n os o Vo V I o P Introdução

F n u d n a d ment n os o Vo V I o P Introdução Tecnologia em Redes de Computadores Fundamentos de VoIP Professor: André Sobral e-mail: alsobral@gmail.com Introdução VoIP (Voice over Internet Protocol) A tecnologia VoIP vem sendo largamente utilizada

Leia mais

1 Modulação digital para comunicações móveis

1 Modulação digital para comunicações móveis 1 Modulação digital para comunicações móveis Tabela 1: Algumas modulações empregadas em telefonia celular Sistema Forma de Largura da Critério de Razão celular modulação portadora qualidade sinal-ruído

Leia mais

Sistemas de Comunicação Digital

Sistemas de Comunicação Digital INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA LICENCIATURA EM ENGENHARIA DE ELETRÓNICA E TELECOMUNICAÇÕES E DE COMPUTADORES GRUPO DISCIPLINAR DE TELECOMUNICAÇÕES Sistemas de Comunicação Digital CARLOS EDUARDO

Leia mais

Módulo 6 Compressão de Imagem e Som

Módulo 6 Compressão de Imagem e Som Módulo 6 Compressão de Imagem e Som Sistema Multimédia Ana Tomé José Vieira Departamento de Electrónica, Telecomunicações e Informática Universidade de Aveiro 1 Sumário Codificação sem Perdas (continuação)

Leia mais

ANÁLISE DO TRÁFEGO DE VOZ EM REDES MPLS

ANÁLISE DO TRÁFEGO DE VOZ EM REDES MPLS UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE TECNOLOGIAS E GEOCIÊNCIAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA ANÁLISE DO TRÁFEGO DE VOZ EM REDES MPLS Elaborado por: Marcos Antonio Alves Gondim

Leia mais

SOM. Judith Kelner jk@cin.ufpe.br. Samuel Macedo samuel@gprt.ufpe.br

SOM. Judith Kelner jk@cin.ufpe.br. Samuel Macedo samuel@gprt.ufpe.br SOM Judith Kelner jk@cin.ufpe.br Samuel Macedo samuel@gprt.ufpe.br Grupo de Pesquisa em Realidade Virtual Multimídia Universidade Federal de Pernambuco, Centro de Informática 2011-1º.semestre Roteiro!

Leia mais

2 Conceitos de transmissão de dados

2 Conceitos de transmissão de dados 2 Conceitos de transmissão de dados 2 Conceitos de transmissão de dados 1/51 2.3 Codificação dos dados 2.3 Codificação dos dados 2/51 2.3.1 Fonte de dados digital transmissão de dados digital Códigos de

Leia mais

Sistemas de Telecomunicações I

Sistemas de Telecomunicações I Introdução aos Sistemas de Telecomunicações José Cabral Departamento de Electrónica Industrial Introdução aos Sistemas de Telecomunicações 1-16 Introdução aos Sistemas de Telecomunicações Tópicos: Redes

Leia mais

Redes de Computadores 1ª Colecção Exercícios diversos 2 de Novembro de 2006 Arquitecturas de comunicação, controlo de acesso ao meio

Redes de Computadores 1ª Colecção Exercícios diversos 2 de Novembro de 2006 Arquitecturas de comunicação, controlo de acesso ao meio I Introdução e modelos de Referência (OSI e TCPIP) ) Considere um sistema de comunicação, cuja arquitectura é baseada num modelo hierárquico e constituído por 4 camadas numeradas de a 4 (da inferior para

Leia mais

ORIENTADOR(ES): KENNY VINENTE DOS SANTOS, LUIZ EDUARDO SALES E SILVA, WALDIR SABINO DA SILVA JUNIOR, WHEIDIMA CARNEIRO DE MELO

ORIENTADOR(ES): KENNY VINENTE DOS SANTOS, LUIZ EDUARDO SALES E SILVA, WALDIR SABINO DA SILVA JUNIOR, WHEIDIMA CARNEIRO DE MELO TÍTULO: FILTROS DIGITAIS APLICADOS PARA SEPARAÇÃO DE SINAIS DE ÁUDIO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS AUTOR(ES): PAULA

Leia mais

VIDEOCONFERENCING AND INTERNET

VIDEOCONFERENCING AND INTERNET VIDEOCONFERÊCIA E INTERNET Jonas Barros Maiara Matsuoka Wilson Carlos e-mail: maiara_sayuri@hotmail.com Redes Remotas de Computadores Prof. Tito Barbosa Redes Convergentes Prof. Esp. Marcelo Guido de Oliveira

Leia mais

TRANSMISSÃO DE TV 1 TRANSMISSÃO COM POLARIDADE NEGATIVA

TRANSMISSÃO DE TV 1 TRANSMISSÃO COM POLARIDADE NEGATIVA STV 18 ABR 2008 1 TRANSMISSÃO DE TV método de se transmitir o sinal de imagem modulado em amplitude a amplitude de uma portadora de RF varia de acordo com uma tensão moduladora a modulação é o sinal de

Leia mais

Utilização da Banda Passante do Meio. Multiplexação Redes. Utilização da Banda Passante do Meio. Bacharelado em Informática

Utilização da Banda Passante do Meio. Multiplexação Redes. Utilização da Banda Passante do Meio. Bacharelado em Informática Bacharelado em Informática Disciplina: de Computadores Multiplexação, Modulação e Codificação Prof. Sérgio Colcher colcher@inf.puc-rio.br Utilização da Banda Passante do Meio 0 40 400 Desperdício Configuração

Leia mais

RECURSOS DA TELEFONIA VOIP APLICADAS NAS INSTALAÇÕES DO CRSPE/INPE - MCT

RECURSOS DA TELEFONIA VOIP APLICADAS NAS INSTALAÇÕES DO CRSPE/INPE - MCT MINISTERIO DA CIENCIA E TECNOLOGIA INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS CENTRO REGIONAL SUL DE PESQUISAS ESPACIAIS INPE/CRSPE UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA UFSM RECURSOS DA TELEFONIA VOIP APLICADAS

Leia mais

WEBRADIO Oficina de webradio

WEBRADIO Oficina de webradio Oficina de webradio 08 e 09 de junho de 2010 Semana de Comunicação - UNEB Conceição do Coité BA COMO FAZER? Existem duas formas mais conhecidas pra fazer isso, a transmissão síncrona e a assíncrona. PRECISAMOS...

Leia mais

Visualização de um vídeo = movimento sequencial de um conjunto de imagens (fotogramas ou frames)

Visualização de um vídeo = movimento sequencial de um conjunto de imagens (fotogramas ou frames) 6.2. Compressão 6.3. Software Visualização de um vídeo = movimento sequencial de um conjunto de imagens (fotogramas ou frames) FRAME RATE = nº de frames por segundo (fps) Os valores mais utilizados pelas

Leia mais

Algoritmo para determinação da taxa de transmissão em uma rede IP

Algoritmo para determinação da taxa de transmissão em uma rede IP Demóstenes Zegarra Rodríguez Algoritmo para determinação da taxa de transmissão em uma rede IP Dissertação apresentada à Escola Politécnica da Universidade de São Paulo para obtenção do Título de Mestre

Leia mais

3 Qualidade de serviço na Internet

3 Qualidade de serviço na Internet 3 Qualidade de serviço na Internet 25 3 Qualidade de serviço na Internet Além do aumento do tráfego gerado nos ambientes corporativos e na Internet, está havendo uma mudança nas características das aplicações

Leia mais

Telefonia. Sistemas Analógicos e Digitais

Telefonia. Sistemas Analógicos e Digitais Telefonia Sistemas Analógicos e Digitais História da telefônia Os sistemas telefônicos analógicos tem sua origem em 1861 quando foi concebido por um inventor alemão Johann Phillip Reis filho de portugueses

Leia mais

REDE DE COMPUTADORES TECNOLOGIA ETHERNET

REDE DE COMPUTADORES TECNOLOGIA ETHERNET SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL REDE DE COMPUTADORES TECNOLOGIA ETHERNET Prof. Airton Ribeiro de Sousa E-mail: airton.ribeiros@gmail.com ARQUITETURA ISDN (Integrated Services Digital Network)

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA ELETRÔNICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA ELETRÔNICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA ELETRÔNICA SÉRIE DE EXERCÍCIO #A4 (1A) FONTE CHAVEADA PAINEL SOLAR Uma aplicação possível

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS DE TELECOMUNICAÇÕES

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS DE TELECOMUNICAÇÕES PR UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Ministério da Educação Diretoria do Campus Curitiba Gerência de Ensino e Pesquisa Departamento Acadêmico de Eletrônica CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS

Leia mais

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CÂMPUS CURITIBA CURSO DE ENGENHARIA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CÂMPUS CURITIBA CURSO DE ENGENHARIA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CÂMPUS CURITIBA CURSO DE ENGENHARIA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO ALEXANDRE PINTO DE LARA CARLA EDUARDA ORLANDO DE MORAES DESENVOLVIMENTO DE EQUIPAMENTO DE CAPTURA

Leia mais

X??? Digital Subscriber Line

X??? Digital Subscriber Line Tecnologias XDSL X??? Digital Subscriber Line AGENDA GERAL Tecnologias de Transmissão A Rede Rede Pública Comutada Loop local Central PROVEDOR REDE CORPORATIVA usuário Central Central usuário Par trançado

Leia mais

Centro Universitário Fundação Santo André. Disciplina Redes de Computadores. Módulo 05

Centro Universitário Fundação Santo André. Disciplina Redes de Computadores. Módulo 05 Centro Universitário Fundação Santo André Disciplina Redes de Computadores Módulo 05 2006 V1.0 Conteúdo Telecomunicação e Canais de Comunicação Multiplexação Tipos de Circuitos de Dados DTE e DCE Circuit

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO DE JANEIRO Guilherme Machado Goehringer Algoritmo Rápido de Estimação Adaptativo ao Movimento Aplicado ao Codificador Padrão H.264/AVC DISSERTAÇÃO DE MESTRADO Dissertação

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DA CAPARICA Curso de Educação e Formação de Adultos NS Trabalho Individual Área / UFCD

ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DA CAPARICA Curso de Educação e Formação de Adultos NS Trabalho Individual Área / UFCD 1 de 7 Na minha opinião o telemovél na sociedade tem uma boa vantagem porque com tem uma grande mobilidade (pode-se levar para todo o lado), através dele podemos entrar em contacto com amigos ou familiares

Leia mais