Visualização de um vídeo = movimento sequencial de um conjunto de imagens (fotogramas ou frames)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Visualização de um vídeo = movimento sequencial de um conjunto de imagens (fotogramas ou frames)"

Transcrição

1 6.2. Compressão 6.3. Software Visualização de um vídeo = movimento sequencial de um conjunto de imagens (fotogramas ou frames) FRAME RATE = nº de frames por segundo (fps) Os valores mais utilizados pelas indústrias de produção e edição de imagens em movimento são: 25 ou 30 fps = Televisão 24 fps = Filmes 15 fps ou menos = Vídeo web ASPECT RATIO = razão entre a largura e a altura das imagens mostradas. 4: 3 da maior parte dos televisores e monitores Ex: vídeos com resolução 640x480 ou 32x240 pixeis 16:9 em filmes, DVD e Televisão Alta-definição Ex: 720x480 pixeis de resolução natural das imagens de vídeo Compressão 6.3. Software AQUISIÇÃO = imagens de vídeo capturadas directamente de câmara de vídeo digital ou analógica (conversão A/D9 SÍNTESE = animar um conjunto de imagens e obter uma sequência de imagens de vídeo digital. EDIÇÃO = vídeo pode ser modificado ou transformado noutros formatos. REPRODUÇÃO = visualização do vídeo 1

2 Os standards resultam da divulgação e utilização massivas. Existem vários formatos standard que, de acordo com o funcionamento, podem ser analógicos ou digitais. Analógicos standards de sinal usado pelas televisões PAL Phan Alternation Line Utilizada na Europa Ocidental e alguns países da Ásia. Define sinais de vídeo com: 25 fps; 625 linhas de varrimento horizontal; aspect ratio 4:3; entrelaçamento de 2:1; informação do brilho, cor e sincronização é codificada num único sinal. NTSC National Television Systems Committee Utilizada nos EUA, América Central e Japão. Define sinais de vídeo com: 30 fps; 525 linhas de varrimento; aspect ratio 4:3; entrelaçamento de 2:1; informação do brilho, cor e sincronização é codificada num único sinal, mas a forma de codificação de cor é diferente do PAL. SECAM Sequential Couleur Avec Memoire Desenvolvido em França e utilizado na Europa Ocidental, Rússia, Médio Oriente, Caraíbas. Define sinais de vídeo com: 25 fps; 625 linhas de varrimento; aspect ratio 4:3; entrelaçamento de 2:1; Codifica um único sinal: informação do brilho. Utiliza método diferente do utilizado pelo formato PAL para codificação de cor, baseando-se na transmissão de diferentes cores em linhas alternadas. 2

3 Digitais formatos utilizados na digitalização e na reprodução de sinais de vídeo + amostragem + quantização + codificação. vídeo digital = construído com base na sequência de tramas que são imagens digitais + + informação adicional de natureza temporal (duração da apresentação de cada trama) manipulado e apresentado em computadores em formatos:.mpeg Motion Picture Expert Group ou. DIV codec de vídeo difundido fortemente na distribuição de filmes via rede. AVI Audio Vídeo Interleaved ( microsoft) armazenar sons e filmes no formato RIFF (Resource Interchange File Format) pode utilizar diferentes métodos de compressão ou codecs.avi MOV Apple Computer, Inc..mov Permite criar, editar, publicar e visualizar ficheiros de multimédia Suporta vídeo, animação, gráficos 3D e RVirtual. FLA Flash Movie Authoring Files Macromedia.swf Incluem imagens vectoriais para utilizar em animações, timelines para controlar a reprodução destas animações e áudio. Inclusão de conteúdos de vídeo bitmapped e ActionScripts (Javascript) para permitir interactividade. 3

4 De duas formas: 1. Na criação do vídeo, ao ser seleccionado um formato de vídeo comprimido. 2. Através da conversão de vídeo num formato não comprimido para um formato comprimido. CODECS Ficheiros codificados com um CODEC específico requerem o mesmo codec para a descodificação. CODECs usados na Produção de Vídeo: MPEG-1, MPEG-2, MPEG-4, DIV, Ogg (Theora) e Sorenson. MPEG-1 standard de compressão de média qualidade e média taxa de transmissão no intervalo de 50:1 até 100:1, dependendo do tipo de sequência de imagem e da qualidade pretendida..mpg.mpeg - taxa de codificação dos dados efectua-se a 1,5Mbps ( taxa de transferência razoável para leitor de CD-ROM 2) MPEG-2 - standard de compressão desenvolvido como extensão do MPEG-1.mpg.mpeg - direccionado para formato broadcast (Radiodifusão) com altas taxas de dados = televisão digital de média e alta definição - suporta vasto conjunto de taxas de transmissão - permite som surround multicanal codificado com PCM, Dolby Digital e MPEG áudio. - permite reduzir entre 100 e 200 vezes espaço de gravação de vídeo, com perdas de qualidade imperceptíveis. 4

5 MPEG-4 - permite criação de vídeo interactivo em CD-ROM, DVD e Televisão Digital.mp4 - modelo de standard (primeiro a permitir codificação audiovisual) baseado na composição dos objectos audiovisuais (diferente do MPEG-1 e MPEG-2) - Não visa especificamente uma classe de aplicações DIV Digital Vídeo Express (recente) - está para o vídeo digital como o formato MP3 está para a música digital..divx - codec DIV é baseado no standard de compressão MPEG-4 (reduz MPEG-2 vídeo para 10% do tamanho original) Ogg Theora - open-source para Linux.ogg - Projecto para competir com formato de vídeo MPEG-4, RealVídeo e Windows Media Vídeo Sorenson Sorenson Vídeo Codec 3 ou SVQ3 Apple Computers - Aplicação em ficheiros de vídeo para Internet pelo pequeno tamanho e alta qualidade na compressão 5

6 6.3. Software Software de edição = editar e alterar Software para reprodução de vídeo = ter software de reprodução ligado à placa de vídeo e esta ao monitor, televisor, etc Software conversão de formatos = converter e guardar em formatos diferentes Software gravação em suporte óptico = guardar em suporte óptico com formato de vídeo Software de vídeo = acompanha placa de vídeo; shareware, freeware na Net ou pago. Software Edição Conversão Reprodução Gravação em suporte óptico Formatos e localização Windows movie maker Windows.asp.avi.mp3.wmv Video studio Windows media player Adobe premiere x 6

Escola Secundária da Trofa Aplicações Informáticas A 11º Ano Curso Tecnológico de Informática T E S T E T I P O

Escola Secundária da Trofa Aplicações Informáticas A 11º Ano Curso Tecnológico de Informática T E S T E T I P O Grupo I (Utilização de Sistemas Multimédia) 1. Indique os atributos elementares das imagens 2. Complete as seguintes afirmações de forma a torná-las verdadeiras: a. A resolução de uma imagem digital é

Leia mais

Aspectos básicos do vídeo

Aspectos básicos do vídeo Vídeo Aspectos básicos do vídeo Codec: quer dizer compressor e descompressor. É um algoritmo que controla a forma como os ficheiros de vídeo são comprimidos durante a codificação e descomprimidos durante

Leia mais

Mídias Contínuas. Mídias Contínuas

Mídias Contínuas. Mídias Contínuas Mídias Contínuas Processamento da Informação Digital Mídias Contínuas Mídias Contínuas (dinâmicas ou dependentes do tempo) Digitalização de Sinais Áudio Vídeo 1 Digitalização de Sinais Codificadores de

Leia mais

Características do vídeo. Aquisição, síntese, edição e reprodução de vídeo. Características do vídeo analógico. Características do vídeo analógico

Características do vídeo. Aquisição, síntese, edição e reprodução de vídeo. Características do vídeo analógico. Características do vídeo analógico Características do vídeo Aquisição, síntese, edição e reprodução de vídeo Vídeo media dinâmico Vídeo corresponde a um movimento sequencial de um conjunto de imagens, chamados fotogramas ou frames. Frame

Leia mais

Multimédia. 3.4. Video. Nuno Miguel Gil Fonseca nuno.fonseca@estgoh.ipc.pt

Multimédia. 3.4. Video. Nuno Miguel Gil Fonseca nuno.fonseca@estgoh.ipc.pt Multimédia 3.4. Video Nuno Miguel Gil Fonseca nuno.fonseca@estgoh.ipc.pt O que é? Consiste de um conjunto de imagens que quando visualizadas sequencialmente dão a sensação de movimento à semelhança do

Leia mais

Medias Dinâmicos. Vídeo Digital

Medias Dinâmicos. Vídeo Digital Medias Dinâmicos Vídeo Digital Vídeo Digital O vídeo digital em vez de ter uma representação electrónica analógica (nº infinito de estados) usa uma representação finita de estados (dois: zero e um). O

Leia mais

Prova Escrita de Aplicações Informáticas B

Prova Escrita de Aplicações Informáticas B EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Aplicações Informáticas B 12.º Ano de Escolaridade Prova 703/1.ª Fase 10 Páginas Duração da Prova: 120 minutos.

Leia mais

Escola Secundária com 3º Ciclo de Manuel da Fonseca

Escola Secundária com 3º Ciclo de Manuel da Fonseca Escola Secundária com 3º Ciclo de Manuel da Fonseca Exame a Nível de Escola Ao abrigo do Decreto-Lei n.º 357/2007, de 29 de Outubro Prova Escrita Aplicações Informáticas B 11º Ano Curso Científico-Humanistícos

Leia mais

DESCOMPLICANDO OS FORMATOS. para tornar nosso dia a dia mais simples!

DESCOMPLICANDO OS FORMATOS. para tornar nosso dia a dia mais simples! DESCOMPLICANDO OS FORMATOS para tornar nosso dia a dia mais simples! Nosso objetivo é ter um filme lindo no ar. Nosso objetivo é ter um filme lindo no ar. Pra isso, ter atenção aos detalhes é fundamental.

Leia mais

Disciplina: Aplicações Informáticas B Ano Letivo: 2011/2012

Disciplina: Aplicações Informáticas B Ano Letivo: 2011/2012 Disciplina: Aplicações Informáticas B Ano Letivo: 2011/2012 Professora: Angélica Vieira Realizado por: Miguel Sandim nº21 e Susana Ribeiro nº24 12ºF Índice Introdução... 3 Resumo... 4 Conceito Multimédia...

Leia mais

TUTORIAL DE CAPTURA DE VÍDEO PARA O COMPUTADOR

TUTORIAL DE CAPTURA DE VÍDEO PARA O COMPUTADOR http://www.centralmp3.com.br Distribuição Exclusiva TUTORIAL DE CAPTURA DE VÍDEO PARA O COMPUTADOR Copyright - Tiago Duarte Sierra e-mail: sierratds@bol.com.br - ICQ: 36718250 Pág. 1 Para capturar um vídeo

Leia mais

Ano letivo 2014/2015. Planificação Anual. Disciplina: APLICAÇÕES INFORMÁTICAS B - Ano: 12º

Ano letivo 2014/2015. Planificação Anual. Disciplina: APLICAÇÕES INFORMÁTICAS B - Ano: 12º Código 401470 Escola Secundária com 3º Ciclo do Ensino Básico Dr. Joaquim de Carvalho DIRECÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DO CENTRO Ano letivo 2014/2015 Planificação Anual Disciplina: APLICAÇÕES INFORMÁTICAS

Leia mais

Codec. Finalização de audiovisual. Bit Rate (Taxa de Bits) formatos de exportação. Pro res. ProRes 16/05/13. Sigla de COmpressor/DEcompressor.

Codec. Finalização de audiovisual. Bit Rate (Taxa de Bits) formatos de exportação. Pro res. ProRes 16/05/13. Sigla de COmpressor/DEcompressor. Codec Finalização de audiovisual Sigla de COmpressor/DEcompressor. Conjunto de instruções que permite comprimir um sinal de vídeo ou áudio, para armazenamento, e descomprimir, para reprodução. Bit Rate

Leia mais

pequeno, muito pequeno manual de publicação de vídeo usando o adobe premiéré 6.0

pequeno, muito pequeno manual de publicação de vídeo usando o adobe premiéré 6.0 pequeno, muito pequeno manual de publicação de vídeo usando o adobe premiéré 6.0 (((i))) belo horizonte bh@midiaindependente.org www.midiaindependente.org copyleft Usando a opção save for web fig. 1 Neste

Leia mais

Introdução à Multimédia conceitos

Introdução à Multimédia conceitos 1. Introdução à Multimédia conceitos Popularidade mercado potencial aparece nos anos 90 Avanços Tecnológicos que motivaram o aparecimento/ desenvolvimento da MULTIMÉDIA Indústrias envolvidas - Sistemas

Leia mais

Internet e novas mídias

Internet e novas mídias Internet e novas mídias Maio/2013 - aula 1 1 Igor Macaúbas http://about.me/macaubas igor@macaubas.com 2 3 50 milhões de visitantes únicos 4 200 Gbps de conectividade, dois datacenters próprios 5 Acervo

Leia mais

Notebook 10 Software para aprendizagem colaborativa

Notebook 10 Software para aprendizagem colaborativa Notebook 10 Software para aprendizagem colaborativa Crie momentos extraordinários na sala de aula O software premiado Notebook está a criar o padrão mundial para criar, ensinar e gerir aulas interactivas

Leia mais

Definição: As extensões de arquivos são combinação de letras terminais que apresenta o formato original. Na plataforma Windows por exemplo, todo tipo

Definição: As extensões de arquivos são combinação de letras terminais que apresenta o formato original. Na plataforma Windows por exemplo, todo tipo Extensão de Arquivo Definição: As extensões de arquivos são combinação de letras terminais que apresenta o formato original. Na plataforma Windows por exemplo, todo tipo de arquivo salvo tem sua extensão.doc,.ppt,.xls...

Leia mais

Subunidade 6: publicação

Subunidade 6: publicação Disciplina de Aplicações Informáticas B Subunidade 6: publicação Professor: Miguel Candeias Aluno: Francisco Cubal, nº11 12ºA Ano lectivo 2010/2011 1. Divulgação de vídeos e som via rede 1.1. A Internet

Leia mais

Entenda os formatos mais populares de vídeo

Entenda os formatos mais populares de vídeo Entenda os formatos mais populares de vídeo Com o grande crescimento da internet banda larga no país muitos internautas estão cada vez mais tendo contato com arquivos de vídeo, tanto na visualização online

Leia mais

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO 11.º/12.º Anos de Escolaridade (Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março) PROVA 703/8 Págs. Duração da prova: 120 minutos 2007 2.ª FASE PROVA PRÁTICA DE APLICAÇÕES INFORMÁTICAS

Leia mais

7. DIVULGAÇÃO DE VÍDEOS E SOM VIA REDE MÉTODO STREAMING

7. DIVULGAÇÃO DE VÍDEOS E SOM VIA REDE MÉTODO STREAMING 7. DIVULGAÇÃO DE VÍDEOS E SOM VIA REDE Internet meio por excelência para a divulgação de todo o tipo de informação. Na época da 2ª guerra mundial, os cientistas necessitavam de divulgar, trocar informações

Leia mais

dicas para fazer vídeos

dicas para fazer vídeos dicas para fazer vídeos idealista oferece a possibilidade de integrar vídeos num anúncio, utilizando as últimas tecnologias de streaming-vídeo, de um modo rápido e simples além do vídeo profissional, com

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES CURSO Científico - Humanístico de Ciências e Tecnologias ATIVIDADES ESTRATÉGIAS

ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES CURSO Científico - Humanístico de Ciências e Tecnologias ATIVIDADES ESTRATÉGIAS SECUNDÁRIO ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES CURSO Científico - Humanístico de Ciências e Tecnologias DISCIPLINA: Aplicações Informáticas B Turma: 12ºA;12ºB;12ºC ANO 2011 /2012 COMPETÊNCIAS

Leia mais

Introdução à multimídia na Web

Introdução à multimídia na Web Aplicações Multimídia Aplicações Multimídia para Web Introdução à multimídia na Web Co-autoria com Profº. Diogo Duarte Aplicações Multimídia para Web Multimídia Multimídia é tudo que você ouve ou vê. Textos,

Leia mais

Utilização do Sistema Multimédia. 2. Formatos de ficheiros 2.1. Compressão 2.2. Formatos mais comuns 2.3 Captura de imagens. 2. Formatos de ficheiros

Utilização do Sistema Multimédia. 2. Formatos de ficheiros 2.1. Compressão 2.2. Formatos mais comuns 2.3 Captura de imagens. 2. Formatos de ficheiros Utilização do Sistema Multimédia 2.1. Compressão 2.2. Formatos mais comuns 2.3 Captura de imagens 2.1. Compressão Formatos com e sem compressão Técnicas de compressão (reduzem tamanho) de 2 tipos: Compressão

Leia mais

1. Introdução ao Multimédia

1. Introdução ao Multimédia Sistemas e Conteúdos Multimédia 1. Introdução ao Multimédia Nuno Miguel Gil Fonseca nuno.fonseca@estgoh.ipc.pt O que é? Multi vem do latim multus e significa numeroso ou múltiplo. Media é o plural da palavra

Leia mais

GUIA DE FORMATOS DE TELA E RESOLUÇÕES DE VÍDEO DIGITAL

GUIA DE FORMATOS DE TELA E RESOLUÇÕES DE VÍDEO DIGITAL Universidade Federal de Minas Gerais Escola de Belas Artes Departamento de Fotografia, Teatro e Cinema GUIA DE FORMATOS DE TELA E RESOLUÇÕES DE VÍDEO DIGITAL Primeira Edição por Daniel Poeira Documento

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA/3 DE BARCELINHOS (403787)

ESCOLA SECUNDÁRIA/3 DE BARCELINHOS (403787) ESCOLA SECUNDÁRIA/3 DE BARCELINHOS (403787) CURSO PROFISSIONAL DE ANIMADOR SOCIOCULTURAL DISCIPLINA TIC ANO LECTIVO 2010/2011 GUIA DE APRENDIZAGEM MÓDULO N.º 3 ADOBE FLASH FORMADOR: NUNO CUNHA Data: 14

Leia mais

1. Introdução ao Multimédia

1. Introdução ao Multimédia Multimédia 1. Introdução ao Multimédia Nuno Miguel Gil Fonseca nuno.fonseca@estgoh.ipc.pt O que é? Multi vem do latim multus e significa numeroso ou múltiplo. Media é o plural da palavra latina medium

Leia mais

Formação Movie Maker. FORMAÇÃO PERMANENTE PARA PROFESSORES DO LEI Dias 18 e 19 de setembro de 2014

Formação Movie Maker. FORMAÇÃO PERMANENTE PARA PROFESSORES DO LEI Dias 18 e 19 de setembro de 2014 Formação Movie Maker FORMAÇÃO PERMANENTE PARA PROFESSORES DO LEI Dias 18 e 19 de setembro de 2014 Sobre mim Antônio José Instrutor de Informática Desenvolvedor web Técnico em Informática Contatos: http://www.conceitomaster.com.br

Leia mais

Imagem digital. Unidade 3

Imagem digital. Unidade 3 Imagem digital Unidade 3 Objectivos Reconhecer o potencial comunicativo/ expressivo das imagens; Reconhecer as potencialidades narrativas de uma imagem; A criação de sentido nas associações de imagens

Leia mais

Criação de Filmes em Windows Movie Maker Nível B3

Criação de Filmes em Windows Movie Maker Nível B3 Ficha de Trabalho nº 1 Objectivos: Ambiente de trabalho Criar um novo projecto Inserir um Vídeo, uma Fotografia, uma Música Inserir um Título, uma Legenda ou uma Ficha Técnica Inserir uma Animação ou Efeito

Leia mais

Informática. Prof. Macêdo Firmino. Macêdo Firmino (IFRN) Informática Setembro de 2011 1 / 16

Informática. Prof. Macêdo Firmino. Macêdo Firmino (IFRN) Informática Setembro de 2011 1 / 16 Informática Prof. Macêdo Firmino Representação da Informação Macêdo Firmino (IFRN) Informática Setembro de 2011 1 / 16 Introdução Estamos acostumados a pensar nos computadores como mecanismos complexos,

Leia mais

Convertendo para MPEG-2

Convertendo para MPEG-2 Convertendo para MPEG-2 Até o momento o CinemaCraft para o Premiere é o mais compatível, embora seguindo os requerimentos abaixo, podem ser utilizados outros plugins e ou editores. Nós recomendamos o CinemaCraft.

Leia mais

PADRÕES E TIPOS DE DADOS DE MÍDIA. VIDEO. Conferencia 5. MSc. Yoenis Pantoja Zaldívar

PADRÕES E TIPOS DE DADOS DE MÍDIA. VIDEO. Conferencia 5. MSc. Yoenis Pantoja Zaldívar PADRÕES E TIPOS DE DADOS DE MÍDIA. VIDEO Conferencia 5 MSc. Yoenis Pantoja Zaldívar RESUMO 1. Conceitos fundamentais 2. Tipos de video 3. Clasificação dos videos 4. Historia do video 5. Video Digital 6.

Leia mais

Documentação Eletrônica

Documentação Eletrônica Documentação Eletrônica Universidade Federal Fluminense Ciência da Computação Disciplina: Informática I Prof.: Otton Teixera da Silveira Filho Alunos: Bernardo Baptista do Couto César Motohiro Ujihara

Leia mais

Animação. Animação. Criação de imagens em movimento a partir de frames individuais

Animação. Animação. Criação de imagens em movimento a partir de frames individuais Criação de imagens em movimento a partir de frames individuais Em sentido literal: Dar vida P.ex. Produzir uma sequência de desenhos em papel nos quais a posição de personagens muda ligeiramente em cada

Leia mais

PRINCIPAIS ATALHOS. Função Windows Mac. Selecionar tudo Ctrl+A Command+A. Duplicar Ctrl+D Command+D. Desfazer Ctrl+Z Command+Z

PRINCIPAIS ATALHOS. Função Windows Mac. Selecionar tudo Ctrl+A Command+A. Duplicar Ctrl+D Command+D. Desfazer Ctrl+Z Command+Z PRINCIPAIS ATALHOS Esses são só alguns dos atalhos de teclado usados rotineiramente no fluxo de trabalho. Se você quiser visualizar todos os atalhos de teclado pode ir em Edit>Keyboard Shortcuts ou acessar

Leia mais

Cookbook para Instalação e Configuração do Windows Media Encoder

Cookbook para Instalação e Configuração do Windows Media Encoder Cookbook para Instalação e Configuração do Windows Media Encoder Nuno Gonçalves WG-Multimédia 16 de Julho de 2004 Sumário 1 CONTROLO DE VERSÕES... 2 2 INTRODUÇÃO... 3 3 CONCEITOS BASE... 4 3.1 ARQUITECTURA...

Leia mais

Guia do utilizador Ulead Systems, Inc. Janeiro de 2005. DVD MovieFactory

Guia do utilizador Ulead Systems, Inc. Janeiro de 2005. DVD MovieFactory Guia do utilizador Ulead Systems, Inc. Janeiro de 2005 DVD MovieFactory Ulead DVD MovieFactory versão 4 2000-2005 Ulead Systems, Inc. Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta publicação pode ser

Leia mais

Início Rápido. Nero ShowTime. Ahead Software AG

Início Rápido. Nero ShowTime. Ahead Software AG Início Rápido Nero ShowTime Ahead Software AG Informações sobre copyright e marcas comerciais O manual do utilizador Nero ShowTime e a totalidade do respectivo conteúdo estão protegidos por copyright e

Leia mais

Manual Mencoder Básico. Introdução:

Manual Mencoder Básico. Introdução: Manual Mencoder Básico Introdução: Mencoder é um programa integrado ao Mplayer, com a função de conversão e captura de vídeo, possui uma grande compatibilidade de formatos de áudio e vídeo como: Xvid,

Leia mais

DIGITALIZAÇÃO E EDIÇÃO DE VÍDEOS DIDÁTICOS DA DISCIPLINA F809 RELATORIO FINAL 25 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS

DIGITALIZAÇÃO E EDIÇÃO DE VÍDEOS DIDÁTICOS DA DISCIPLINA F809 RELATORIO FINAL 25 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS 25-1 25 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS Projeto de Instrumentação para o Ensino F809 RELATORIO FINAL DIGITALIZAÇÃO E EDIÇÃO DE VÍDEOS DIDÁTICOS DA DISCIPLINA F809 Aluno: Gustavo M. S. Valente Orientador:

Leia mais

Multimídia. Hardware/Software para Multimídia (Parte I) Sistemas Multimídia. Tópico. Hardware e Software para Multimídia

Multimídia. Hardware/Software para Multimídia (Parte I) Sistemas Multimídia. Tópico. Hardware e Software para Multimídia Multimídia Hardware/Software para Multimídia (Parte I) Sistemas Multimídia Tópico Hardware e Hardware para Multimídia Com a popularização dos sistemas multimídia foi criado o padrão MPC (PC Multimídia)

Leia mais

Video Analógico. Pedro Alípio Telemédia

Video Analógico. Pedro Alípio Telemédia Video Analógico Pedro Alípio Telemédia 1 Medias Dinâmicos Medias Dinâmicos Também designados por Temporais ou Contínuos As dependências temporais entre os elementos que constituem a informação fazem parte

Leia mais

Nos itens de resposta fechada curta, é atribuída a classificação total à resposta correcta. É classificada com zero pontos qualquer outra situação.

Nos itens de resposta fechada curta, é atribuída a classificação total à resposta correcta. É classificada com zero pontos qualquer outra situação. 1. CRITÉRIOS GERAIS DE CLASSIFICAÇÃO Quando o examinando responder ao mesmo item mais do que uma vez, deve ter eliminado, inequivocamente, a(s) resposta(s) que considerou incorrecta(s). No caso de tal

Leia mais

Sistemas Multimédia. Ano lectivo 2006-2007. Aula 9 Representações de dados para gráficos e imagens

Sistemas Multimédia. Ano lectivo 2006-2007. Aula 9 Representações de dados para gráficos e imagens Sistemas Multimédia Ano lectivo 2006-2007 Aula 9 Representações de dados para gráficos e imagens Sumário Gráficos e imagens bitmap Tipos de dados para gráficos e imagens Imagens de 1-bit Imagens de gray-level

Leia mais

Informações aos Candidatos

Informações aos Candidatos Departamento de Mídias Digitais - DEMID Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes Universidade Federal da Paraíba Informações aos Candidatos I. Programa do Concurso ÁREA VIDEO DIGITAL: 1. Oficina de Produção

Leia mais

Motic Images Plus Versão 2.0 ML Guia de Consulta Rápida. Português

Motic Images Plus Versão 2.0 ML Guia de Consulta Rápida. Português Motic Images Plus Versão 2.0 ML Guia de Consulta Rápida Português Índice Instalação do Software... 1 Instalação do Controlador e Actualização do Controlador... 4 Motic Images Plus 2.0 ML...11 Calibração

Leia mais

Formatos de Áudio e Vídeo Digital Introdução ao Vídeo

Formatos de Áudio e Vídeo Digital Introdução ao Vídeo Redes Multimídia 2016.2 Formatos de Áudio e Introdução ao Vídeo Curso Superior de Tecnologia em Sistemas para Internet Turma: TEC.SIS.4T Redes Multimídia Conteúdo Programático :: 1 a Unidade 1. Aplicações

Leia mais

Miguel Nascimento Nº 2010426 TIM LTM 12 Janeiro 2011

Miguel Nascimento Nº 2010426 TIM LTM 12 Janeiro 2011 Miguel Nascimento Nº 2010426 TIM LTM 12 Janeiro 2011 Introdução Existem actualmente diversos formatos para reprodução de som multi-canal, mas neste trabalho serão abordados os seguintes: Estéreo LCRS 5.1

Leia mais

Disciplina de Aplicações Informáticas B. Subunidade 2: Texto. Professor: Miguel Candeias Aluno: Francisco Cubal, nº11 12ºA

Disciplina de Aplicações Informáticas B. Subunidade 2: Texto. Professor: Miguel Candeias Aluno: Francisco Cubal, nº11 12ºA Disciplina de Aplicações Informáticas B Subunidade 2: Texto Professor: Miguel Candeias Aluno: Francisco Cubal, nº11 12ºA Ano lectivo 2010/2011 1. Formatação de Texto 1.1. Conjunto de Caracteres ASCII Unicode

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA FONTES PEREIRA DE MELO Aplicações Informáticas B. 2006/2007 Grupo II

ESCOLA SECUNDÁRIA FONTES PEREIRA DE MELO Aplicações Informáticas B. 2006/2007 Grupo II ESCOLA SECUNDÁRIA FONTES PEREIRA DE MELO Aplicações Informáticas B 2006/2007 Grupo II 1. Defina o conceito de multimédia. 2. No quadro1, estabeleça a ligação entre os tipos de media e a sua classificação,

Leia mais

Resolução de avarias de MPEG

Resolução de avarias de MPEG Resolução de avarias de MPEG Esta secção é para utilizadores de cardiologia que visualizam MPEGs. Consulte os seguintes tópicos para o ajudarem a resolver problemas detectados ao visualizar MPEGs. Componentes

Leia mais

Sistemas e Conteúdos Multimédia. 4.4. Áudio. Nuno Miguel Gil Fonseca nuno.fonseca@estgoh.ipc.pt

Sistemas e Conteúdos Multimédia. 4.4. Áudio. Nuno Miguel Gil Fonseca nuno.fonseca@estgoh.ipc.pt Sistemas e Conteúdos Multimédia 4.4. Áudio Nuno Miguel Gil Fonseca nuno.fonseca@estgoh.ipc.pt O som é um fenómeno físico causado pela vibração da matéria (p. ex. a pele de um tambor) A vibração provoca

Leia mais

PRÉ-REQUISITOS PARA O CURSO:

PRÉ-REQUISITOS PARA O CURSO: PRÉ-REQUISITOS PARA O CURSO: Para que você possa acompanhar as lições deste curso é necessário que você já tenha preenchido os seguintes pré-requisitos: Conhecimento básico em informática. Algumas palavras

Leia mais

O novo Software 9.5 do SMART BOARD TM

O novo Software 9.5 do SMART BOARD TM O software 9.5 do SMART Board é uma ferramenta poderosa, intuitiva e fácil de utilizar, quer em sistemas operativos Windows, quer em MAC. Se já trabalhou com versões anteriores do SMART Board, verá que

Leia mais

Conceito Qosmio: A arte do entretenimento inteligente

Conceito Qosmio: A arte do entretenimento inteligente Conceito Qosmio: A arte do entretenimento inteligente Se pudesse inventar uma máquina de sonho, o que é que gostaria que ela fizesse? Quando a Toshiba implementou grupos de pesquisa para dar resposta a

Leia mais

Construção Páginas de Internet

Construção Páginas de Internet Construção Páginas de Internet Introdução ao Microsoft FrontPage Objectivos da sessão: No final da sessão os formandos deverão ser capazes de: 1 Conceito de Multimédia Em Informática, reporta-se a Sistemas

Leia mais

Microsoft PowerPoint para apresentações. Formador: Carlos Maia

Microsoft PowerPoint para apresentações. Formador: Carlos Maia Microsoft PowerPoint para apresentações Formador: Carlos Maia 1 Tópicos Trabalhar com Slides Alterar a definição do slide Criar títulos nos slides Adicionar um novo slide Eliminar um slide Ordenação de

Leia mais

Manual de conteúdos da Aula Técnicas de Implantação

Manual de conteúdos da Aula Técnicas de Implantação Departamento de Inovação, Ciência e Tecnologia Licenciatura em Informática Ramo Educacional Ano Lectivo 2006/2007 Manual de conteúdos da Aula Técnicas de Implantação GRUPO 2 N.º Aluno Licenciatura Nome

Leia mais

Câmara de vídeo digital. Manual do utilizador

Câmara de vídeo digital. Manual do utilizador Câmara de vídeo digital Manual do utilizador Pt 2 Índice Introdução ao produto Funcionamento da câmara de vídeo digital... 3 Utilizar o painel... 4 Alimentação... 5 Modos... 6 Botão para mudar de modo...

Leia mais

Henrique Santos Dpt.. Sistemas de Informação Universidade do Minho. Agenda

Henrique Santos Dpt.. Sistemas de Informação Universidade do Minho. Agenda Streaming Multimédia Henrique Santos Dpt.. Sistemas de Informação Universidade do Minho Agenda Da Imagem à Integração Streaming multimédia Fases de desenvolvimento Criação/Selecção de conteúdos Edição

Leia mais

Prof. Marcelo Correia

Prof. Marcelo Correia APOSTILA ADOBE PREMIERE 2.0 UNIVERSIDADE SANTA CECÍLIA GRADUAÇÃO EM PRODUÇÃO MULTIMÍDIA EDIÇÃO E MONTAGEM DE VÍDEO V 1 PROFESSOR MARCELO CORREIA Settings Criação de Novo Projeto Padrão de Vídeo V Digital

Leia mais

VIDEO DIGITAL. 1. Processo de captura de vídeo. Sumário. 0. Introdução

VIDEO DIGITAL. 1. Processo de captura de vídeo. Sumário. 0. Introdução VIDEO DIGITAL João Paulo de Sá Valbom ESTG, Av. Sá Carneiro, nº50, 6300-559 Guarda, Portugal Sumário Desde do nascimento do homem que houve necessidade em comunicar. Estimulado por expressar as suas ideias,

Leia mais

Streaming Video With HTML5

Streaming Video With HTML5 Streaming Video With HTML5 Homework 1 Índice Introdução... 3 Video Containers... 3 MPEG4... 3 Ogg... 3 Flash Video... 3 WebM... 3 Video Codecs... 4 H.264... 4 Theora... 4 VP8... 4 Audio Codecs... 5 MP3...

Leia mais

Desenho e Apresentação de Imagens por Computador

Desenho e Apresentação de Imagens por Computador Desenho e Apresentação de Imagens por Computador Conteúdo s: Aspetos genéricos sobre o trabalho com imagens computacionais. Imagens computacionais e programas que criam ou manipulam esse tipo de imagens.

Leia mais

O vídeo. O vídeo. Sistemas analógicos de vídeo. O vídeo. 2001 Wilson de Pádua Paula Filho

O vídeo. O vídeo. Sistemas analógicos de vídeo. O vídeo. 2001 Wilson de Pádua Paula Filho O vídeo O vídeo Interfaces de vídeo Sistemas de televisão: as características do sinal de vídeo são determinadas pelos padrões de televisão principais padrões existentes: televisão em preto-e-branco televisão

Leia mais

Ferramentas Web, Web 2.0 e Software Livre em EVT

Ferramentas Web, Web 2.0 e Software Livre em EVT E s t u d o s o b r e a i n t e g r a ç ã o d e f e r r a m e n t a s d i g i t a i s n o c u r r í c u l o d a d i s c i p l i n a d e E d u c a ç ã o V i s u a l e T e c n o l ó g i c a MonkeyJam M a

Leia mais

Sistemas Multimédia. Ano lectivo 2006-2007

Sistemas Multimédia. Ano lectivo 2006-2007 Sistemas Multimédia Ano lectivo 2006-2007 Aula 5 Authoring de Multimédia e Ferramentas Sumário Authoring de Multimédia Noção de Authoring de Multimédia Espectro de interactividade Ferramentas de Authoring

Leia mais

Os Arquivos e seus Formatos

Os Arquivos e seus Formatos Os Arquivos e seus Formatos Em computadores pessoais, todos os dados estão codificados (existem) dentro de arquivos. O arquivo é um conjunto de registros agrupados segundo uma regra organizacional que

Leia mais

MANUAL DO WEBCAM STATION EVOLUTION

MANUAL DO WEBCAM STATION EVOLUTION MANUAL DO WEBCAM STATION EVOLUTION ÍNDICE Clique em qualquer título deste índice para avançar até à secção correspondente Hercules Webcam 1. INTRODUÇÃO... 3 2. AJUSTAR O MICROFONE E A IMAGEM... 4 3. VISUALIZAÇÃO

Leia mais

Prof. Daniel Hasse. Multimídia e Hipermídia

Prof. Daniel Hasse. Multimídia e Hipermídia Prof. Daniel Hasse Multimídia e Hipermídia AULA 02 Agenda: Algoritmos de Codificação/Decodificação; Codec de Áudio. Atividade complementar. Algoritmos de Codificação/Decodificação - Comunicação tempo real,

Leia mais

Pesquisa Internacional sobre Documentos Arquivísticos Autênticos Permanentes em Sistemas. CS03 REGISTROS AUDIOVISUAIS: Programas de TV

Pesquisa Internacional sobre Documentos Arquivísticos Autênticos Permanentes em Sistemas. CS03 REGISTROS AUDIOVISUAIS: Programas de TV Pesquisa Internacional sobre Documentos Arquivísticos Autênticos Permanentes em Sistemas CS03 REGISTROS AUDIOVISUAIS: Programas de TV Rádio e Televisão da Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP) Maria

Leia mais

Sistemas e Conteúdos Multimédia Video. Nuno Miguel Gil Fonseca

Sistemas e Conteúdos Multimédia Video. Nuno Miguel Gil Fonseca Sistemas e Conteúdos Multimédia 4.3. Video Nuno Miguel Gil Fonseca nuno.fonseca@estgoh.ipc.pt O que é? Consiste de uma sequência de imagens que quando visualizadas sequencialmente dão a sensação de movimento

Leia mais

FUNDAMENTOS DE TV DIGITAL. Objetivos do Sistema Digital. Digital. Comparação. (NTSC x ATSC) Transmissão simultânea de várias programações

FUNDAMENTOS DE TV DIGITAL. Objetivos do Sistema Digital. Digital. Comparação. (NTSC x ATSC) Transmissão simultânea de várias programações PR UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ FUNDAMENTOS DE TV DIGITAL Prof. Alexandre A. P. Pohl Programa de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica e Informática Industrial - CPGEI 1 Objetivos do Sistema

Leia mais

2ºCiclo (5º e 6º Anos de escolaridade) 3ºCiclo (7º e 8º Anos de escolaridade)

2ºCiclo (5º e 6º Anos de escolaridade) 3ºCiclo (7º e 8º Anos de escolaridade) Escola Básica e Secundária de Velas Linhas de Exploração do Quadro de da Disciplina de Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC) Oferta de Escola 2ºCiclo (5º e 6º Anos de escolaridade) 3ºCiclo (7º

Leia mais

Ferramentas Web, Web 2.0 e Software Livre em EVT

Ferramentas Web, Web 2.0 e Software Livre em EVT E s t u d o s o b r e a i n t e g r a ç ã o d e f e r r a m e n t a s d i g i t a i s n o c u r r í c u l o da d i s c i p l i n a d e E d u c a ç ã o V i s u a l e T e c n o l ó g i c a AnimatorDV M a

Leia mais

1. I n t r o d u ç ã o

1. I n t r o d u ç ã o Curso Ed iição de v íídeo d iig iita ll com o V iideostud iio Partte 1 1. I n t r o d u ç ã o F. T. Ferreira ftferreira@sapo.pt O VideoStudio 1 segue um paradigma passo-a-passo, de forma a ser fácil realizar

Leia mais

Introdução à Informática

Introdução à Informática Introdução à Informática Noções Básicas de Informática Componentes de hardware Monitor : permite visualizar informação na forma de imagem ou vídeo; todo o trabalho desenvolvido com o computador pode ser

Leia mais

Colocar em prática. Tópicos para aprender. Colocar em prática. Utilizar as aplicações da Microsoft Windows num quadro interactivo SMART Board

Colocar em prática. Tópicos para aprender. Colocar em prática. Utilizar as aplicações da Microsoft Windows num quadro interactivo SMART Board Utilizar as aplicações da Microsoft Windows num quadro interactivo SMART Board Quando se encontra a trabalhar em contexto grupal, a utilização do quadro interactivo SMART Board poderá ajudá-lo a poupar

Leia mais

Super Banner (728X90) In-Banner

Super Banner (728X90) In-Banner Como funciona? No caso de peças com vídeo: É necessário um frame antes do vídeo com logo do anunciante; O vídeo pode começar automático, porém nesse caso começará sem som; Se for player do youtube, o início

Leia mais

Introdução ao CoolEdit c : programa de edição de som digital

Introdução ao CoolEdit c : programa de edição de som digital Introdução ao CoolEdit c : programa de edição de som digital J. M. B. Lopes dos Santos 19 de Julho de 2005 Departamento de Física, Faculdade de Ciências, Universidade do Porto, R. Campo Alegre, 687, 4169-007

Leia mais

Imagens - Formatos. GIF (Graphics Interchange Format) JPEG (ou JPG) (Joint Pictures Experts Graphis)

Imagens - Formatos. GIF (Graphics Interchange Format) JPEG (ou JPG) (Joint Pictures Experts Graphis) Imagens - Formatos GIF (Graphics Interchange Format) - Muito popular na web. - Permite ter um máximo de 256 cores. - Indicado para cartoons, logos, imagens com áreas transparentes e animações. JPEG (ou

Leia mais

Manual do Utilizador. Nero Recode. www.nero.com

Manual do Utilizador. Nero Recode. www.nero.com Manual do Utilizador Nero Recode www.nero.com Informações sobre copyright e marcas comerciais O Manual do Utilizador do Nero Recode 2 e o software Nero Recode 2 estão protegidos por direitos de autor e

Leia mais

Exportar vídeo no Adobe Premiere com o Codec H.264/AAC

Exportar vídeo no Adobe Premiere com o Codec H.264/AAC Exportar vídeo no Adobe Premiere com o Codec H.264/AAC Este tutorial tem como objetivo explicar ao nosso cliente de Streaming de Vídeo Ondemand ou AutoVJ, como exportar através do Adobe Premiere seu vídeo

Leia mais

Entretenimento Full HD realmente panorâmico de 18,4" com processador ultra rápido e unidade Blu-ray Disc

Entretenimento Full HD realmente panorâmico de 18,4 com processador ultra rápido e unidade Blu-ray Disc VGN-AW31ZJ/B Experiência fantástica no ecrã Entretenimento Full HD realmente panorâmico de 18,4" com processador ultra rápido e unidade Blu-ray Disc Website oficial VAIO Europe http://www.vaio.eu/ Website

Leia mais

Movie Maker. Fazer download de vídeos no You Tube. Para publicar no You Tube. O Windows Movie Maker 2 torna fácil para qualquer pessoa

Movie Maker. Fazer download de vídeos no You Tube. Para publicar no You Tube. O Windows Movie Maker 2 torna fácil para qualquer pessoa Colégio Imperatriz Leopoldina Formação de Professores 2010 Movie Maker Fazer download de vídeos no You Tube O Movie Maker permite a edição de vídeos que estejam publicados no You Tube. É preciso fazer

Leia mais

Sobre o Livro... XV. FCA Editora de Informática

Sobre o Livro... XV. FCA Editora de Informática Índice Sobre o Livro... XV Capítulo 1 Configurar o Excel... 1 1.1 Iniciar o Excel... 1 1.2 Ambiente de trabalho... 3 1.3 Personalização do ambiente de trabalho... 6 1.3.1 Opções da interface do utilizador...

Leia mais

Manual do Nero Burn/Burn Settings Plug-in para MCE

Manual do Nero Burn/Burn Settings Plug-in para MCE Manual do Nero Burn/Burn Settings Plug-in para MCE Nero AG Informações sobre direitos de autor e marcas O manual e todos os seus conteúdos estão protegidos pelos direitos de autores e são propriedade da

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO DVR-USB ST-104

MANUAL DE INSTALAÇÃO DVR-USB ST-104 MANUAL DE INSTALAÇÃO DVR-USB ST-104 Obrigado por escolher o DVR USB ST-104 DIMY S. Por favor, certifique-se que a operação do produto esta de acordo com este manual para garantir a estabilidade do sistema

Leia mais

Mundo multicanal CINEMAEMCASA. Nem sempre é fácil olhar para SHERWOOD R-963RT PIONEER NS-DV990. INDÚSTRIA Formatos sonoros. 7.1 para todos Pág.

Mundo multicanal CINEMAEMCASA. Nem sempre é fácil olhar para SHERWOOD R-963RT PIONEER NS-DV990. INDÚSTRIA Formatos sonoros. 7.1 para todos Pág. SHERWOOD R-963RT 7.1 para todos Pág. 44 PIONEER NS-DV990 Só falta gravar Pág. 46 CINEMAEMCASA INDÚSTRIA Formatos sonoros Mundo multicanal Dois canais, cinco-ponto-um, DTS, Dolby Digital... Tem a certeza

Leia mais

Ferramentas Web, Web 2.0 e Software Livre em EVT

Ferramentas Web, Web 2.0 e Software Livre em EVT E s t u d o s o b r e a i n t e g r a ç ã o d e f e r r a m e n t a s d i g i t a i s n o c u r r í c u l o d a d i s c i p l i n a d e E d u c a ç ã o V i s u a l e T e c n o l ó g i c a AutoCAD WS M

Leia mais

HD total, lente grande angular Carl Zeiss, sensor CMOS Exmor R, iauto, imagens fixas de 8,9 MP e zoom alargado de 32x

HD total, lente grande angular Carl Zeiss, sensor CMOS Exmor R, iauto, imagens fixas de 8,9 MP e zoom alargado de 32x Capture mais das suas memórias HD total, lente grande angular Carl Zeiss, sensor CMOS Exmor R, iauto, imagens fixas de 8,9 MP e zoom alargado de 32x Coloque mais pormenores no fotograma com uma lente grande

Leia mais

Projetor multimídia. Guia do PC Free

Projetor multimídia. Guia do PC Free Projetor multimídia Guia do PC Free Conteúdo 2 Resumo do PC Free O que permite o PC Free....................................... 4 Exemplos do PC Free....................................................

Leia mais

Capítulo 32. Digitalização de vídeo

Capítulo 32. Digitalização de vídeo Capítulo 32 Digitalização de vídeo Digitalização de vídeo Em um futuro próximo não encontraremos mais a separação entre computadores e aparelhos de TV da forma como os vemos hoje. Aparelhos híbridos irão

Leia mais

Características da Câmara de Look 312P. Instalar a Câmara de Look 312P

Características da Câmara de Look 312P. Instalar a Câmara de Look 312P Características da Câmara de Look 312P 1 2 3 Objectiva Focagem manual através do ajuste da objectiva Bolsa Pode colocar o cabo na bolsa. Corpo dobrável Pode ajustar a Look 312P em diferentes posições.

Leia mais

Como Utilizar o VirtualDub 1.7.1

Como Utilizar o VirtualDub 1.7.1 Como Utilizar o VirtualDub 1.7.1 adsense2 1. Instalação Depois de fazer o dowenload do VirtualDub a instalação é fácil. Todos os arquivos do programa vêm num pacote ZIP. Basta criar um diretório e extrair

Leia mais

Conversores D/A e A/D

Conversores D/A e A/D Conversores D/A e A/D Introdução Um sinal analógico varia continuamente no tempo. Som Temperatura Pressão Um sinal digital varia discretamente no tempo. Processamento de sinais digitais Tecnologia amplamente

Leia mais