TRANSMISSÃO DE TV 1 TRANSMISSÃO COM POLARIDADE NEGATIVA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TRANSMISSÃO DE TV 1 TRANSMISSÃO COM POLARIDADE NEGATIVA"

Transcrição

1 STV 18 ABR TRANSMISSÃO DE TV método de se transmitir o sinal de imagem modulado em amplitude a amplitude de uma portadora de RF varia de acordo com uma tensão moduladora a modulação é o sinal de banda-base sinal composto de vídeo a transmissão de TV assemelha-se a um sistema de rádio, mas contém tanto imagem como som o sinal associado de áudio é transmitido por modulação em freqüência (FM), através de uma portadora separada, no mesmo canal de transmissão do sinal de vídeo 1 Transmissão com polaridade negativa 2 Transmissão por banda lateral vestigial 3 Canais da transmissão de TV 4 O canal padrão de TV 5 O sinal FM de som 6 Padrões de transmissão de TV 7 Transmissão por linha de visão 8 Televisão via satélite 1 TRANSMISSÃO COM POLARIDADE NEGATIVA o pico de branco, no sinal de vídeo, produz as menores amplitudes do sinal AM de imagem o sinal modulador é aplicado na polaridade em que reduz a amplitude da portadora de RF nos picos de branco do sinal de vídeo o topo do sincronismo produz a máxima amplitude da portadora, que corresponde ao nível de 100% amplitudes relativas ao sinal de imagem modulado em amplitude da figura: topo do sincronismo = 100% nível de apagamento = 75% nível de preto = 67,5% máximo de branco = 10-15%, ou 12,5% os pulsos de sincronismo ocupam os 25% superiores da amplitude da portadora a informação relativa à imagem situa-se entre 67,5% do preto e a média de 12,5% para o pico de branco embora a modulação de croma não seja mostrada aqui, ela é multiplexada na portadora de RF juntamente com os valores de luminância, na mesma faixa da informação de branco e preto o sinal da portadora não cai abaixo de 10% porque surgem distorções sempre que a amplitude é nula além disso, o sinal sub-portador de som, no receptor, não poderia ser gerado sem o sinal da portadora de imagem todas essas amplitudes relativas são as mesmas para a parte superior e inferior da envoltória de modulação os semiciclos positivos e negativos da portadora de RF são iguais, o que produz uma

2 STV 18 ABR envoltória simétrica de variações de amplitude fato que explica por que o sinal modulado deve ser retificado a fim de se recuperar o sinal de banda-base na envoltória de modulação VANTAGENS DA TRANSMISSÃO NEGATIVA Uma das vantagens da transmissão negativa é a de que os pulsos de ruído presentes no sinal de RF transmitido tendem a aumentar a amplitude da portadora em direção ao preto, e não ao branco isso faz com que os ruídos da imagem se tornem menos visíveis o transmissor emprega menos energia na transmissão negativa as imagens típicas têm predominância de branco a amplitude da portadora é baixa durante a maior parte do tempo de transmissão a mais importante vantagem prática está no fato de se ter o topo de sincronismo como referência para a intensidade da portadora, independentemente da informação de imagem um detector de pico a diodos pode fornecer facilmente uma tensão DC proporcional ao nível da portadora de RF essa tensão DC é usada como polarização no sistema de controle automático de ganho (CAG) do receptor O IRE E AS AMPLITUDES DA PORTADORA no sinal composto de vídeo utilizado como sinal de banda-base para modulação, normalmente as amplitudes relativas são indicadas pela escala do IRE, Instftute of Radio Engineers o sinal composto de vídeo varia de -40 unidades IRE, no topo do sincronismo, passando por zero, no nível de apagamento, até unidades IRE para o pico de branco as amplitudes correspondentes na figura são o nível de 100% da portadora para o topo do sincronismo, 75% para o nível de apagamento e 12,5% para o pico de branco em resumo: as 40 unidades IRE do sincronismo correspondem aos 25% superiores da amplitude da portadora, as 10 unidades IRE do preto correspondem a 7,5% da mesma e o nível IRE de 100 torna-se os 12,5% da amplitude da portadora para, o pico de branco na realidade, mais 20 unidades IRE, até 120, correspondem aos 12,5% da portadora que não são utilizados na modulação essa porcentagem da portadora é calculada como 20/160 unidades IRE, ou seja, 0,125, ou 12,5% 2 TRANSMISSÃO POR BANDA LATERAL VESTIGIAL o sinal AM de imagem não é transmitido como um sinal comum com duas bandas laterais uma parte da banda inferior é eliminada por filtragem, antes da transmissão, permanecendo apenas um vestígio das bandas laterais o objetivo é a redução da faixa de freqüência necessária para a modulação de vídeo no sinal de imagem empregam-se canais de 6 MHz para a transmissão de TV, no lugar dos 8 MHz ou mais que seriam precisos com banda lateral dupla com modulação de 4 MHz MODULAÇÃO EM AMPLITUDE.

3 STV 18 ABR a figura ilustra como um sinal de AM é produzido, a fim de que se possa analisar as bandas laterais esse método é o da modulação em alto nível no circuito de saída do amplificador final de RF foram utilizados números baixos para as freqüências, a fim de se simplificar os cálculos a portadora de RF é considerada como 100 khz, sendo modulada por um sinal de Hz uma freqüência de áudio para a modulação da banda-base o valor de V+ para o amplificador de RF foi fixado em uma tensão DC de 600V o valor de pico da tensão moduladora senoidal também é de 600 V, a fim de se obter uma modulação de 100% a tensão de áudio sobre o secundário do transformador de modulação T2 encontra-se em série com o V+ do amplificador de RF a tensão de alimentação efetiva desse amplificador varia com o sinal de áudio a amplitude da saída de RF varia da mesma maneira os valores máximos e mínimos para um ciclo da-modulação de áudio estão relacionados na tabela tensão de áudio tensão V + tensão no amplificador de RF amplitude do modulado de RF Nível da portadora Nível duplo da portadora Nível da portadora Zero Nível da portadora as amplitudes variáveis da portadora de RF proporcionam uma envoltória que corresponde ao sinal modulador de áudio os picos positivos e negativos da portadora são idênticos, acima e abaixo do eixo central possuem exatamente as mesmas variações em amplitude a envoltória é simétrica porque qualquer sinal de áudio inclui muitos ciclos da portadora de RF resultado da modulação, neste caso, é um sinal de AM usando uma portadora de RF de 100 khz, cuja amplitude varia com a freqüência de Hz (ou 5 khz) tanto a envoltória superior como a inferior correspondem ao sinal modulador 3 CANAIS DE TRANSMISSÃO DE TV a cada estação é designado um canal de 6 MHz para a transmissão do sinal AM de imagem e do sinal FM de som para a imagem utiliza-se a transmissão por banda lateral vestigial, a fim de se reduzir a largura de faixa os sinais de áudio e vídeo são transportados em portadoras separadas, distanciadas de 4,5 MHz a subportadora de croma de 3,58 MHz, responsável pela cor, é multiplexada na portadora de imagem CANAIS para o processo de modulação, a portadora de imagem deve ter uma freqüência muito superior à maior freqüência moduladora de vídeo (4 MHz) os canais de TV ficam situados nas faixas de VHF e UHF a faixa de VHF vai de 30 a 300 MHz e a de UHF de 300 a MHz todas as freqüências correspondentes aos canais de VHF e UHF estão relacionadas na tabela esses canais são normalmente divididos em três grupos, indicados pelas linhas horizontais na tabela devido à grande separação entre as freqüências

4 STV 18 ABR CANAIS DA BANDA INFERIOR DE VHF. essa faixa inclui os canais 2, 3, 4, 5 e 6, entre MHz CANAIS DA BANDA SUPERIOR DE VHF aqui estão incluídos os canais 7, 8, 9, 10, 11, 12 e 13, abrangendo de MHz, na faixa de VHF grande salto existente entre a freqüência de 88 MHz, no extremo do canal 6, e a de 174 MHz, na parte inferior do canal 7 as freqüências situadas entre 88 e 174 MHz foram reservadas para outros serviços a faixa entre MHz para as estações comerciais de FM CANAIS DE UHF esta faixa inclui os canais 14 a 83, com freqüências variando de MHz

5 STV 18 ABR os canais 2 e 4 como adjacentes quando o receptor está sintonizado no canal 3 CANAL ADJACENTE INFERIOR no caso do exemplo da figura para os canais 2, 3 e 4, o canal 2 é considerado o canal adjacente inferior, estando o receptor sintonizado no canal 3 se o receptor estiver sintonizado no canal 4, o canal 3 passará a ser o canal adjacente inferior CANAL ADJACENTE SUPERIOR com o receptor ainda sintonizado no canal 3, o canal 4 é o adjacente superior o canal 5, porém, não é considerado adjacente quando o canal 4 está sintonizado no receptor 4 O CANAL PADRÃO DE TV a figura ilustra como os sinais de vídeo e áudio ficam alojados no canal de 6 MHz a freqüência da portadora de vídeo não está situada no centro do canal, devido à transmissão por banda lateral vestigial observam-se os seguintes espaçamentos para as freqüências das portadoras: 1. a portadora de vídeo P está 1,25 MHz acima do extremo inferior do canal 2. a portadora de áudio S encontra-se 4,5 MHz acima da portadora de vídeo, ou 0,25 abaixo do extremo superior do canal 3. a subportadora de cor C está 3,58 MHz acima da portadora de vídeo, sob a forma de modulação de vídeo na banda lateral superior as freqüências específicas para o canal 3 podem ser vistas na figura

6 STV 18 ABR as freqüências específicas para o canal 3 podem ser vistas na figura EXEMPLOS DE FREQÜÊNCIAS RF DOS CANAIS considerando-se o canal 3 que cobre a faixa entre MHz a portadora de vídeo é dada por: P = ,25 = 61,25 MHz a portadora de áudio: S = 61,25 + 4,5 = 65,75 MHz a subportadora de cor: C = 61,25 + 3,38 = 64,83 MHz as bandas laterais do sinal FM de som não foram representadas esse sinal requer uma faixa de apenas 50 khz, com um desvio de freqüência de ±25kHz, com 100% de modulação BANDAS LATERAIS VESTIGIAIS DO SINAL DE IMAGEM na transmissão por banda lateral vestigial todas as freqüências laterais superiores até 65,25 MHz são transmitidas com uma modulação de 4 MHz os valores são de 61,25 + 4,0 = 65,25 MHz as maiores freqüências laterais podem interferir no sinal de som somente uma parte da banda lateral inferior, até 60,5 MHz, aproximadamente, é transmitida essa menor freqüência lateral destina-se à moduiação de vídeo de 0,75MHz as freqüências laterais inferiores a 60,5 MHz ficam no extremo inferior do canal ou fora quando a tensão moduladora de vídeo tem uma freqüência de 0,75 MHz, tanto a freqüência superior como a inferior são transmitidas a freqüência inferior, nesse caso, é de 61,25-0,75 = 60,5 MHz a freqüência superior equivale a 61,25 + 0,75 = 62 MHz tanto uma como a outra estão incluídas no canal para esse caso específico, a portadora AM de vídeo é um sinal com banda lateral dupla normal, o

7 STV 18 ABR mesmo sendo válido para qualquer sinal modulador de vídeo com uma freqüência inferior a 0,75 MHz para as freqüências moduladoras maiores que 0,75 MHz, porém, somente as freqüências laterais superiores são transmitidas com a amplitude normal considerando-se, a título de exemplo, a modulação de 2 MHz a freqüência lateral superior será, então, de 61,25 + 2,0 = 63,25 MHz. que está incluída no canal a freqüência lateral inferior, que é de 61,25-2,0 = 59,25 MHz, ficou fora do canal nesse caso, apenas a freqüência lateral superior é transmitida, como na transmissão por banda lateral única (SSB) todas as freqüências laterais inferiores situadas abaixo do canal são submetidas a um filtro de banda lateral vestigial localizado no transmissor o resultado é a transmissão por banda lateral vestigial para o sinal AM de vídeo a transmissão por banda lateral dupla é usada para as freqüências moduladoras de 0,75 MHz ou menos ao passo que entre 0,75-4 MHz utiliza-se a transmissão por banda lateral única a subportadora de croma (3,58 MHz) situa-se em 64,83 MHz, como se fosse uma freqüência lateral superior da portadora modulada de vídeo, no canal 3 em um receptor sintonizado no canal 3, os circuitos de RF devem deixar passar a freqüência de 64,83 MHz, a fim de se obter o sinal de cor VANTAGENS DA TRANSMISSÃO POR BANDA LATERAL VESTIGIAL Com a portadora de vídeo situada a 1,25 MHz do extremo do canal, as freqüências moduladoras de vídeo de até 4 MHz podem ser transmitidas no canal de 6 MHz um limite de 2,5 MHz teria sido necessário para a freqüência de vídeo, caso houvesse sido adotada a transmissão por banda lateral dupla na portadora de imagem, situada no centro do canal poderia parecer mais lógico posicionar a portadora de imagem no extremo inferior do canal, empregando-se totalmente a transmissão por banda lateral única (SSB), mas esse método não seria nada prático as freqüências inferiores indesejáveis são eliminadas por um filtro, que não exibe características ideais de corte resultando em uma distorção de fase para as freqüências laterais mais próximas à portadora, o que tende a provocar deformações na imagem convém lembrar que as freqüências mais baixas de vídeo carregam as informações mais importantes de luminância das áreas maiores da imagem o compromisso introduzido pela transmissão por banda lateral vestigial é quase perfeito as freqüências laterais inferiores são removidas somente quando já estão suficientemente distantes da portadora de vídeo, a ponto de se evitar a distorção de fase a própria portadora de vídeo e as freqüências laterais próximas a ela não são atenuadas COMPENSANDO A TRANSMISSÃO POR BANDA LATERAL VESTIGIAL o sinal de vídeo contém distorção em termos das amplitudes relativas, para diferentes freqüências moduladoras um sinal transmitido com apenas uma das bandas laterais representa apenas 50% de modulação, se comparado com a banda lateral dupla esse método representa uma ênfase de baixa fneqüência no sinal modulador de vídeo por outro lado, esse reforço é corrigido pela igual deênfase das baixas.freqüências de vídeo, por intermédio do amplificador de FI do receptor de TV mais especificamente, a freqüência de FI da portadora de vídeo, em 45,75 MHz, exibe 50% de ganho relativo no extremo da curva de resposta de FI a saída de RF do transmissor e o ganho em FI do receptor se complementam mutuamente com precisão 5 O SINAL FM DE SOM a modulação em freqüência é adotada para o sinal associado de áudio, a fim de se tirar proveito das vantagens de menor ruído e interferência o sinal FM de som em televisão é essencialmente o mesmo da transmissão de rádiodifusão FM com exceção de que a máxima variação de freqüência é de ±25 khz, em vez de ±75 khz uma portadora separada, 4,5 MHz acima da portadora de vídeo, é utilizada para o sinal associado de áudio, ficando ambos no canal padrão de TV de 6 MHz a faixa de freqüências moduladoras de áudio abrange de 50 a Hz, como na radiodifusão em FM VARIAÇÕES DE FREQÜÊNCIA EM UM SINAL DE FM a idéia básica da modulação em freqüência está ilustrada na figura

8 STV 18 ABR embora o oscilador de RFesteja sintonizado em 100 khz, sua freqüência é alterada pela variação da capacitância C V diodo varicap o nível de variação da freqüência do oscilador vai depender da variação da própria C V já que sua tensão reversa é afetada pela tensão moduladora de 60 Hz o ritmo das variações de freqüência na saída de RF, neste caso, é de 60 Hz a saída de FM é um sinal de RF variando em freqüência em torno de 100 khz, ao mesmo ritmo da modulação de 60 Hz no exemplo foram utilizados números menores para simplificar a explanação normalmente, os sinais de FM são obtidos nas faixas de VHF e UHF a variação de freqüência do oscilador de RF pode ser de qualquer nível e não tem relação com a taxa de repetição das excursões de freqüência para a mesma taxa de repetição de 60 Hz, a freqüência do oscilador pode ser variada em ±10kHz, ±20kHz ou qualquer outro valor, de acordo com o nível de tensão aplicado ao varicap ou diodo capacitivo por outro lado, um determinado valor de excursão de freqüência, tal como ±10 khz, pode ser produzido a uma taxa mais rápida ou mais lenta que 60 Hz, pela simples alteração da freqüência da tensão moduladora aplicada ao varicap a figura a seguir ilustra a saída de FM do oscilador representado na figura anterior a amplitude é sempre a mesma, mas a freqüência varia continuamente a máxima variação de freqüência da portadora de 100 khz, neste exemplo, é de ±10 khz, correspondendo à tensão de pico do sinal modulador de 60 Hz valores entre zero e a tensão de pico exibem variações de freqüência inferiores a ±10 khz a taxa de repetição é de 60 Hz

9 STV 18 ABR a informação do sinal modulador é transportada pelas variações de freqüência da portadora de RF FREQÜÊNCIA CENTRAL a freqüência da portadora de RF sem modulação, quando a tensão moduladora é nula, é conhecida como freqüência central nas figuras anteriores a freqüência central é de 100 khz é também chamada de freqüência de repouso DESVIO DE FREQÜÊNCIA as variações em relação à freqüência central são denominadas desvios de freqüência para o exemplo da figura anterior o desvio de freqüência é de 10 khz, indo de 100 khz para 110 ou 90 khz o desvio de freqüência é geralmente considerado no valor máximo, mais exatamente no pico da tensão moduladora de áudio EXCURSÕES DE FREQÜÊNCIA sempre que há níveis iguais de variação acima e abaixo da freqüência central, a excursão total de freqüência equivale ao dobro da freqüência de desvio as variações opostas em freqüência correspondem às polaridades opostas da modulação para o exemplo do desvio de 10 khz, a excursão de freqüência é de ±10 khz, ou 20 khz no total PORCENTAGEM DE MODULAÇÃO a razão entre a excursão real de freqüência e o nível normatizado para uma modulação de 100%, representado em porcentagem, recebe o nome de porcentagem de modulação nas transmissões de rádio FM, o valor de ±75kHz corresponde à modulação de 100% no caso do sinal FM de som em TV, a modulação total equivale a ±25kHz a excursão menos ampla tem o objetivo de preservar espaço nos canais de televisão como exemplo para o sinal de som da TV, vamos supor que a excursão de freqüência seja de ±15 khz nesse caso, a porcentagem de modulação é de 15 khz 15 khz 25 khz = 3 = 0,6 ou 60% 5 a mesma excursão de freqüência de ±15 khz equivaleria a uma porcentagem de modulação de 20% em rádio FM, já que 15 / 75 = 1/5, ou 20% a porcentagem de modulação varia com a intensidade da tensão de áudio com sinais baixos, essa tensão é pequena e há pouca excursão de freqüência e uma reduzida porcentagem de modulação como a tensão de áudio é maior com sinais mais altos, provoca uma excursão mais ampla de freqüência e uma porcentagem de modulação mais elevada o mais forte sinal de áudio deve corresponder a uma excursão de freqüência definida como 100% de modulação ÍNDICE DE MODULAÇÃO este valor é calculado com base no desvio de freqüência da portadora de RF dividido pela freqüência moduladora de áudio: M = f f a supondo-se, a título de exemplo, que um desvio de 10 khz seja provocado por uma freqüência de áudio de Hz nesse caso, M = 1 o índice de modulação indica quantos pares de bandas laterais estão presentes no sinal de FM ao contrário de AM, a modulação em freqüência é capaz de produzir múltiplos pares de freqüências laterais para valores de M maiores que 1 quando M 1, porém, o sinal de FM exibe somente um par de bandas laterais, como em um sinal de AM PRÉ-ÊNFASE E DEÊNFASE a pré-ênfase é o reforço recebido pelas freqüências de áudio mais elevadas no transmissor, durante a modulação o objetivo desse processo é elevar a relação sinal-ruído nos agudos, mais especificamente entre e Hz normalmente, esses valores são harmônicas das freqüências fundamentais mais fortes a deênfase significa a atenuação dessas mesmas freqüências, devolvendo-ihes o nível que

10 STV 18 ABR exibiam antes da modulação o circuito responsável pela deênfase está situado na saída do detector de FM, no receptor utiliza-se nessa função um filtro RC passa-baixas, cuja constante de tempo é de 75s fim de compensar a pré-ênfase com precisão embora pareça não haver vantagem alguma na igualdade entre pré-ênfase e deênfase, na prática ocorre uma grande melhoria na relação sinal-ruído o motivo é que o processo de modulação e demodulação FM que sofre acréscimo de ruídos indesejáveis ao sinal quando transmitido modulado, apresenta sinal demodulado com potência de ruído que aumenta em freqüências mais elevadas no caso de AM esta potência de ruído seria plana quando o sinal e o ruído são atenuados ao mesmo tempo pela deênfase, o sinal volta ao normal, ao passo que o ruído é reduzido a níveis abaixo do normal por este motivo que a pré-ênfase e a deênfase são usadas em FM mas não em AM SOM ESTEREOFÔNICO em rádio FM comercial, praticamente todas as estações transmitem em estéreo o método utilizado codifica o áudio em dois sinais: esquerdo + direito, ou E + D esquerdo - direito, ou E - D E e D são também designadas por L e R, de "left" e "right" o sinal E + D corresponde ao áudio original, para garantir a compatibilidade com os receptores monofônicos o sinal E - D é o sinal adicional necessário para se obter o áudio melhorado, com o efeito estéreo na transmissão, o sinal E + D modula a portadora principal, enquanto o sinal E - D modula uma subportadora de 38 khz, que é suprimida para reduzir a interferência um tom piloto de 19 khz é transmitido para que o receptor tenha condições de regenerar a subportadora de 38 khz dessa forma, os circuitos processadores do sinal estéreo são capazes de decodificar a informação e proporcionar os sinais esquerdo e direito originais SOM ESTÉREO PARA TV no Brasil foi adotado em 1986 o sistema BTSC, que deriva seu nome do Comitê que recomendou ao FCC, nos Estados Unidos Broadcast Television Systems Committee a escolha foi feita após diversas comparações e estudos, sendo a forma final do sistema baseada em uma proposta da Zenith, complementada por um sistema de redução de ruído proposto pela empresa DBX o espectro de freqüências da banda-base está indicado na figura o canal principal é a soma dos sinais de áudio esquerdo e direito, modulando em FM a portadora de som compatível com os receptores de som monofônicos de TV. um segundo canal é constituído pela modulação em amplitude (AM) de uma subportadora de freqüência 2f H (duas vezes a freqüência de varredura horizontal de khz), pela diferença L - R

11 STV 18 ABR ou E - D dos sinais de áudio um sinal piloto de freqüência f H é transmitido além disso, um programa de áudio pode ser transmitido em separado (separate audio channel- SAP), através da modulação em FM de uma subportadora em 5f H o desvio máximo da subportadora no SAP é de apenas 15 khz esse canal pode ser usado, por exemplo, para a transmissão de uma segunda língua um canal "profissional" para transmissão de dados é ainda previsto, com modulação em freqüência de uma subportadora de 6,5f H a proposta BTSC incluiu também um sistema de redução de ruído através da compressão-expansão de freqüências, para permitir a recepção adequada em estéreo e do canal separado nas regiões de recepção de sinal fraco o sistema consiste em um codificador no transmissor, onde, além de uma compressão geral dos níveis de sinal, há também uma pré-ênfase "variável" em função da freqüência na faixa acima de 4 khz estes efeitos são introduzidos em sentido contrário em um decodificador no receptor 6 PADRÕES DE TRANSMISSÃO DE TV os padrões são especificados pelo órgão de normalização de cada país nas normas devem estar incluídos os requisitos de amplitude dos sinais, de potência de saída e de tolerância para as freqüências das portadoras a forma de onda da figura apresentada a seguir mostra os valores de amplitude existentes no sinal AM de televisão, conforme padronizado no Brasil o objetivo é enfatizar a diferença entre as características de amplitude de um sinal padrão na figura anterior a forma de onda do sinal AM de imagem apresenta transmissão negativa, ou polaridade negativa de modulação esse método reduz o efeito dos pulsos de ruído na imagem o topo do sincronismo gera o máximo sinal da portadora com modulação de 100% os 25% superiores são destinados ao sincronismo, com o nível de apagamento situado em 75% o nível de preto se encontra 6,25% abaixo do apagamento o pico de branco produz a menor amplitude da portadora: 12,5% ± 2,5%

12 STV 18 ABR para fins de comparação, na figura a seguir estão representadas as freqüências de um canal padrão de 6 MHz o objetivo é enfatizar a diferença entre as características de freqüência de um canal padrão o sinal AM de imagem é designado como emissão do tipo A5C, que significa modulação em amplitude com pleno sinal da portadora e bandas laterais vestigiais o sinal FM de som é designado como emissão do tipo F5, que significa modulação em freqüência com uma excursão máxima de ±25kHz no rádio FM, cuja transmissão permite uma excursão máxima de ±75 khz, a emissão é caracterizada como F3 o gráfico de freqüências da figura mostra a transmissão por banda lateral vestigial método empregado para permitir a modulação de vídeo de 4 MHz no canal de 6 MHz a faixa lateral superior (FLS) estende-se até 4 MHz acima da freqüência da portadora em seguida, as freqüências mais elevadas caem praticamente a zero, a fim de se evitar interferências com o sinal do som a faixa lateral inferior (FLI) estende-se de forma plana até 0,75 MHz abaixo da freqüência da portadora, para depois cair praticamente a zero, evitando assim interferência com o canal adjacente inferior POTÊNCIA DO TRANSMISSOR o transmissor de vídeo que produz o sinal de AM, geralmente exibe uma potência de pico de 0,5, 5, 20 ou 50 kw entretanto, a potência efetivamente irradiada (PEI ou ERP) é muito maior, pelo fato de incluir o ganho da antena um transmissor com saída de 4,5 kw, num exemplo que inclui 0,5 kw de perdas no cabo, pode ter sua potência multiplicada por 10, resultando em uma ERP de 45kW em geral, a potência é especificada em unidades dbk, que significa decibéis sobre 1 kw o transmissor de som que produz o sinal FM de som pode apresentar uma potência de saída de 0,5 a 1,5 vez a do sinal de imagem normalmente o áudio é transmitido à metade da potência do sinal de vídeo, com o objetivo de minimizar interferências em geral não há problemas na recepção do sinal de som quando a recepção de imagem é aceitável TOLERÂNCIAS DE FREQÜÊNCIA a tolerância para a freqüência da portadora de imagem é de ±1.000 Hz a freqüência da portadora de som deve ficar 4,5MHz ±1.000Hz acima da portadora de imagem a freqüência da subportadora de croma é de 3,575611MHz ± 10 Hz no sistema PAL-M isto representa uma tolerância de menos de 0,001 % FREQÜÊNCIA DESLOCADA DA PORTADORA as freqüências exatas da portadora para diferentes estações no mesmo canal podem ser deslocadas em + 10 khz ou -10 khz com o objetivo de se reduzir o efeito da interferência entre estações que utilizam o mesmo canal. Esse deslocamento de 10 khz foi escolhido por ser aproximadamente dois terços da freqüência de varredura horizontal ( Hz)

MODULAÇÃO AM E DEMODULADOR DE ENVELOPE

MODULAÇÃO AM E DEMODULADOR DE ENVELOPE 204/ MODULAÇÃO AM E DEMODULADOR DE ENVELOPE 204/ Objetivos de Estudo: Desenvolvimento de um modulador AM e um demodulador, utilizando MatLab. Visualização dos efeitos de modulação e demodulação no domínio

Leia mais

RECEPTOR AM DSB. Transmissor. Circuito Receptor AM DSB - Profº Vitorino 1

RECEPTOR AM DSB. Transmissor. Circuito Receptor AM DSB - Profº Vitorino 1 RECEPTOR AM DSB Transmissor Circuito Receptor AM DSB - Profº Vitorino 1 O receptor super-heteródino O circuito demodulador que vimos anteriormente é apenas parte de um circuito mais sofisticado capaz de

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE OS RECEPTORES DE CONVERSÃO DIRETA

CONSIDERAÇÕES SOBRE OS RECEPTORES DE CONVERSÃO DIRETA CONSIDERAÇÕES SOBRE OS RECEPTORES DE CONVERSÃO DIRETA Muito se tem falado sobre os receptores de conversão direta, mas muita coisa ainda é desconhecida da maioria dos radioamadores sobre tais receptores.

Leia mais

EXPERÊNCIA 4 - MODULAÇÃO EM FREQUÊNCIA

EXPERÊNCIA 4 - MODULAÇÃO EM FREQUÊNCIA EXPERÊNCIA 4 - MODULAÇÃO EM FREQUÊNCIA Modulação em freqüência ocorre quando uma informação em banda básica modula a freqüência ou alta freqüência de uma portadora com sua amplitude permanecendo constante.

Leia mais

Experimento 2 Gerador de funções e osciloscópio

Experimento 2 Gerador de funções e osciloscópio Experimento 2 Gerador de funções e osciloscópio 1. OBJETIVO O objetivo desta aula é introduzir e preparar o estudante para o uso de dois instrumentos muito importantes no curso: o gerador de funções e

Leia mais

Lista de Exercícios A1

Lista de Exercícios A1 1 a QUESTÃO: A figura abaixo mostra simplificadamente um sistema de televisão inter-oceânico utilizando um satélite banda C como repetidor. O satélite tem órbita geoestacionária e está aproximadamente

Leia mais

NORMA PARA CERTIFICAÇÃO E HOMOLOGAÇÃO DE TRANSMISSORES E TRANSCEPTORES MONOCANAIS ANALÓGICOS AM

NORMA PARA CERTIFICAÇÃO E HOMOLOGAÇÃO DE TRANSMISSORES E TRANSCEPTORES MONOCANAIS ANALÓGICOS AM ANEXO À RESOLUÇÃO N o 370, DE 13 DE MAIO DE 2004. NORMA PARA CERTIFICAÇÃO E HOMOLOGAÇÃO DE TRANSMISSORES E TRANSCEPTORES MONOCANAIS ANALÓGICOS AM 1. Objetivo Esta norma estabelece os requisitos técnicos

Leia mais

2- Conceitos Básicos de Telecomunicações

2- Conceitos Básicos de Telecomunicações Introdução às Telecomunicações 2- Conceitos Básicos de Telecomunicações Elementos de um Sistemas de Telecomunicações Capítulo 2 - Conceitos Básicos de Telecomunicações 2 1 A Fonte Equipamento que origina

Leia mais

MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY Introdução ao Laboratório Eletrônico: 6.071 Laboratório 2: Componentes Passivos. 3º Trimestre de 2002

MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY Introdução ao Laboratório Eletrônico: 6.071 Laboratório 2: Componentes Passivos. 3º Trimestre de 2002 MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY Introdução ao Laboratório Eletrônico: 6.071 Laboratório 2: Componentes Passivos 1 Exercícios Pré-Laboratório Semana 1 1.1 Filtro RC 3º Trimestre de 2002 Figura 1:

Leia mais

Fundamentos de Telecomunicações

Fundamentos de Telecomunicações Fundamentos de Telecomunicações Translação de Frequências A utilização eficaz de um canal de transmissão pode requerer por vezes a utilização de uma banda de frequências diferente da frequência original

Leia mais

PY2GEA - Grêmio de Radiamadores da Rodada Encontro de Amigos

PY2GEA - Grêmio de Radiamadores da Rodada Encontro de Amigos 1 de 6 8/8/2007 18:40 PY2GEA - Grêmio de Radiamadores da Rodada Encontro de Amigos APOSTILA DO EXAME SOBRE RADIOAELETRICIDADE 80 A 120 QUESTÕES DE ESCOLHA SIMPLES Assinale X entre os parênteses que indicar

Leia mais

Figura - Radio em 1920.

Figura - Radio em 1920. Curiosidade: Muitos dos primeiros receptores AM com alimentação AC (para as válvulas) funcionavam com o chassi ligado ao neutro da rede (como terra), freqüentemente, ao se inverter a posição da tomada,

Leia mais

Analisador de Espectros

Analisador de Espectros Analisador de Espectros O analisador de espectros é um instrumento utilizado para a análise de sinais alternados no domínio da freqüência. Possui certa semelhança com um osciloscópio, uma vez que o resultado

Leia mais

Circuitos do Receptor Super-Heteródino de AM: Parte 1

Circuitos do Receptor Super-Heteródino de AM: Parte 1 Circuitos do Receptor Super-Heteródino de AM: Parte 1 Receptor regenerativo Radiodifusão em AM: ondas médias Faixa entre 535 khz e 1650 khz Largura de banda de áudio: W = 5 khz Largura de banda de AM:

Leia mais

DIGITADO E FORMATADO POR WANDER RODRIGUES

DIGITADO E FORMATADO POR WANDER RODRIGUES SISTEMAS PLL 1 Sistemas PLL Os sistemas de laço fechado por fase já existem há um bom tempo, mas são ainda pouco conhecidos pelos próprios profissionais e estudantes de eletrônica. Daí a idéia de fazer

Leia mais

Escola Náutica Infante D. Henrique Departamento de Radiotecnica

Escola Náutica Infante D. Henrique Departamento de Radiotecnica Escola Náutica Infante D. Henrique Departamento de Radiotecnica Fundamentos de Telecomunicacoes 2ª Ficha de Exercicios Em todos os exercícios em que seja pedida a representação gráfica de sinais (seja

Leia mais

Camada Física. Camada Física

Camada Física. Camada Física Camada Física Camada Física lida com a transmissão pura de bits definição do meio físico, níveis de tensão, duraçãodeumbit,taxade transmissão,comprimento máximo, construção dos conectores 1 Camada Física

Leia mais

57)Assinale a alternativa que não representa o nome de um oscilador: A ( ) A cristal B ( ) De relaxação C ( ) Zener D ( ) Colpetts E ( ) Hartley

57)Assinale a alternativa que não representa o nome de um oscilador: A ( ) A cristal B ( ) De relaxação C ( ) Zener D ( ) Colpetts E ( ) Hartley LIGA DE AMADORES BRASILEIROS DE RADIO EMISSÃO LABRE/RN SEDE: CAIC de Lagoa Nova Vila das Federações Cx. Postal 251, Natal/RN, 59010-970) Home Page http://www.ps7aa.kit.net Tel. 3086 2140 (Ed PS7DX) e-mail:

Leia mais

1 Modulação digital para comunicações móveis

1 Modulação digital para comunicações móveis 1 Modulação digital para comunicações móveis Tabela 1: Algumas modulações empregadas em telefonia celular Sistema Forma de Largura da Critério de Razão celular modulação portadora qualidade sinal-ruído

Leia mais

1 Transmissão digital em banda base

1 Transmissão digital em banda base 1 Transmissão digital em banda base A transmissão digital oferece algumas vantagens no que diz respeito ao tratamento do sinal, bem como oferecimento de serviços: Sinal pode ser verificado para avaliar

Leia mais

Tecnologia de faixa para falha

Tecnologia de faixa para falha Tecnologia de faixa para falha Por Tom Bell e John Nankivell Índice 1. Introdução 1 2. Equipamento de teste / processo de teste de PIM existente 2 3. Nova análise de RTF / limitações técnicas 3 4. Fluxograma

Leia mais

Comunicação de Dados. Aula 5 Transmissão Analógica

Comunicação de Dados. Aula 5 Transmissão Analógica Comunicação de Dados Aula 5 Transmissão Analógica Sumário Modulação de sinais digitais Tipos de Modulação Taxa de transmissão x Taxa de modulação Modulação por amplitude Modulação por freqüência Modulação

Leia mais

6 Cálculo de cobertura de sistemas de TV Digital

6 Cálculo de cobertura de sistemas de TV Digital 6 Cálculo de cobertura de sistemas de TV Digital Neste capítulo, os modelos desenvolvidos serão utilizados para a avaliação da cobertura de sistemas de TV digital na cidade de São Paulo. Partindo dos limiares

Leia mais

Amostragem e PCM. Edmar José do Nascimento (Princípios de Comunicações) http://www.univasf.edu.br/ edmar.nascimento

Amostragem e PCM. Edmar José do Nascimento (Princípios de Comunicações) http://www.univasf.edu.br/ edmar.nascimento Amostragem e PCM Edmar José do Nascimento (Princípios de Comunicações) http://www.univasf.edu.br/ edmar.nascimento Universidade Federal do Vale do São Francisco Roteiro 1 Amostragem 2 Introdução O processo

Leia mais

EE531 - Turma S. Diodos. Laboratório de Eletrônica Básica I - Segundo Semestre de 2010

EE531 - Turma S. Diodos. Laboratório de Eletrônica Básica I - Segundo Semestre de 2010 EE531 - Turma S Diodos Laboratório de Eletrônica Básica I - Segundo Semestre de 2010 Professor: José Cândido Silveira Santos Filho Daniel Lins Mattos RA: 059915 Raquel Mayumi Kawamoto RA: 086003 Tiago

Leia mais

Como em AM e FM, a portadora é um sinal senoidal com frequência relativamente alta;

Como em AM e FM, a portadora é um sinal senoidal com frequência relativamente alta; Modulação Digital Modulação Digital Como em AM e FM, a portadora é um sinal senoidal com frequência relativamente alta; O sinal modulante é um sinal digital; A informação (bits) é transmitida em forma

Leia mais

5 Setup de Medidas. 5.1. Introdução

5 Setup de Medidas. 5.1. Introdução 5 Setup de Medidas 5.1. Introdução Para realização desse trabalho foi montada uma configuração de setup de medidas em UHF, mais precisamente no canal 42, freqüência central de 641 MHz em acordo com o Plano

Leia mais

(Versão revista e atualizada do tutorial original publicado em 15/03/2004)

(Versão revista e atualizada do tutorial original publicado em 15/03/2004) Sistemas de Distribuição de CATV e Antenas Coletivas O objetivo deste tutorial é conhecer os componentes utilizados em sistemas de distribuição de CATV (TV à cabo) e antenas coletivas, usadas para a recepção

Leia mais

3 Metodologia de calibração proposta

3 Metodologia de calibração proposta Metodologia de calibração proposta 49 3 Metodologia de calibração proposta A metodologia tradicional de calibração direta, novamente ilustrada na Figura 22, apresenta uma série de dificuldades e limitações,

Leia mais

DIAGRAMA DE BLOCOS DE UMA FONTE DE TENSÃO

DIAGRAMA DE BLOCOS DE UMA FONTE DE TENSÃO DIAGRAMA DE BLOCOS DE UMA FONTE DE TENSÃO Essa deficiência presente nos retificadores é resolvida pelo emprego de um filtro Essa deficiência presente nos retificadores é resolvida pelo emprego de um filtro

Leia mais

4. Tarefa 16 Introdução ao Ruído. Objetivo: Método: Capacitações: Módulo Necessário: Análise de PCM e de links 53-170

4. Tarefa 16 Introdução ao Ruído. Objetivo: Método: Capacitações: Módulo Necessário: Análise de PCM e de links 53-170 4. Tarefa 16 Introdução ao Ruído Objetivo: Método: Ao final desta Tarefa você: Estará familiarizado com o conceito de ruído. Será capaz de descrever o efeito do Ruído em um sistema de comunicações digitais.

Leia mais

Filtros de sinais. Conhecendo os filtros de sinais.

Filtros de sinais. Conhecendo os filtros de sinais. Filtros de sinais Nas aulas anteriores estudamos alguns conceitos importantes sobre a produção e propagação das ondas eletromagnéticas, além de analisarmos a constituição de um sistema básico de comunicações.

Leia mais

SISTEMA DE MONITORAMENTO ESTÉREO PERSONALIZADO PSM 300

SISTEMA DE MONITORAMENTO ESTÉREO PERSONALIZADO PSM 300 Sistemas de monitoramento pessoal PSM 300 SISTEMA DE MONITORAMENTO ESTÉREO PERSONALIZADO PSM 300 O sistema de monitoramento estéreo personalizado PSM 300 oferece áudio digital definido de 24 bits e liberdade

Leia mais

Regulamento Técnico. para. Emissoras de. Radiodifusão Sonora. Freqüência Modulada

Regulamento Técnico. para. Emissoras de. Radiodifusão Sonora. Freqüência Modulada Regulamento Técnico para Emissoras de Radiodifusão Sonora em Freqüência Modulada (RESOLUÇÃO Nº 67, DE 12 DE NOVEMBRO DE 1998, D.O.U. 13/11/98) RESOLUÇÃO Nº 67, DE 12 DE NOVEMBRO DE 1998 Publicado no D.O.U.

Leia mais

Sistemas de Distribuição de CATV e Antenas Coletivas

Sistemas de Distribuição de CATV e Antenas Coletivas Sistemas de Distribuição de CATV e Antenas Coletivas O objetivo deste tutorial é conhecer os componentes utilizados em sistemas de distribuição de CATV (TV à cabo) e antenas coletivas, usadas para a recepção

Leia mais

Circuitos de Comunicação Introdução

Circuitos de Comunicação Introdução Circuitos de Comunicação Introdução Gil Pinheiro UERJ-FEN-DETEL Circuitos de Comunicação Objetivo: Estudar os blocos funcionais eletrônicos e de processamento digital de sinais que são utilizados nas comunicações

Leia mais

MEDIÇÃO DE TAXA DE ERRO DE BIT Alba Angélica Ratis

MEDIÇÃO DE TAXA DE ERRO DE BIT Alba Angélica Ratis Universidade Federal do Rio Grande do Norte Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina: Instrumentação Eletrônica Professor: Luciano Cavalcanti MEDIÇÃO DE TAXA DE ERRO DE BIT Alba Angélica Ratis Este

Leia mais

Antenas, Cabos e Rádio-Enlace

Antenas, Cabos e Rádio-Enlace Alan Menk Santos alanmenk@hotmail.com www.sistemasul.com.br/menk Camada Física: Redes Sem Fio Antenas, Cabos e Rádio-Enlace Rádio Transmissor (Tx) Linha de Transmissão (LT) Antena Transmissora Meio de

Leia mais

LABORATÓRIO DE ENSINO E PESQUISA MODULADOR SÍNCRONO EXPERIÊNCIA 1

LABORATÓRIO DE ENSINO E PESQUISA MODULADOR SÍNCRONO EXPERIÊNCIA 1 MODULDOR SÍNCRONO EXPERIÊNCI. LIST DE MTERIL - Osciloscópio - Gerador de sinal M - Resistores de 0KΩ - Resistor de KΩ - Resistor de K - Diodo de sinal N448 - Capacitor de,nf - Indutor de 80uH. ROTEIRO

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Introdução Inst tituto de Info ormátic ca - UF FRGS Redes de Computadores Transmissão de Informações nálise de Sinaisi ula 03 Transmissão é o deslocamento de ondas eletromagnéticas em um meio físico (canal

Leia mais

Um especialista em manutenção preditiva

Um especialista em manutenção preditiva Análise de vibrações A UU L AL A Um especialista em manutenção preditiva foi chamado para monitorar uma máquina em uma empresa. Ele colocou sensores em pontos estratégicos da máquina e coletou, em um registrador,

Leia mais

Multiplexação. Multiplexação. Multiplexação - FDM. Multiplexação - FDM. Multiplexação - FDM. Sistema FDM

Multiplexação. Multiplexação. Multiplexação - FDM. Multiplexação - FDM. Multiplexação - FDM. Sistema FDM Multiplexação É a técnica que permite a transmissão de mais de um sinal em um mesmo meio físico. A capacidade de transmissão do meio físico é dividida em fatias (canais), com a finalidade de transportar

Leia mais

CDI 20705 Comunicação Digital

CDI 20705 Comunicação Digital CDI Comunicação Digital DeModulação em Banda Base Digital Communications Fundamentals and Applications Bernard Sklar ª edição Prentice Hall Marcio Doniak www.sj.ifsc.edu.br/~mdoniak mdoniak@ifsc.edu.br

Leia mais

SISTEMA DE TREINAMENTO EM COMUNICAÇÃO ELETRÔNICA Modelo: ED-2950

SISTEMA DE TREINAMENTO EM COMUNICAÇÃO ELETRÔNICA Modelo: ED-2950 SISTEMA DE TREINAMENTO EM COMUNICAÇÃO ELETRÔNICA Modelo: DESCRIÇÃO O sistema de treinamento em comunicação apresenta experimentos planejados para desenvolver comunicações eletrônicas fundamentais. O é

Leia mais

1 Problemas de transmissão

1 Problemas de transmissão 1 Problemas de transmissão O sinal recebido pelo receptor pode diferir do sinal transmitido. No caso analógico há degradação da qualidade do sinal. No caso digital ocorrem erros de bit. Essas diferenças

Leia mais

4 Descrição do Sistema e Campanha de Medição

4 Descrição do Sistema e Campanha de Medição 4 Descrição do Sistema e Campanha de Medição Neste capítulo são descritos o sistema de transmissão, recepção e aquisição de dados utilizados no experimento. São descritas, ainda, a metodologia utilizada

Leia mais

3 Técnicas de conversão de comprimento de onda utilizando amplificador óptico semicondutor

3 Técnicas de conversão de comprimento de onda utilizando amplificador óptico semicondutor 3 Técnicas de conversão de comprimento de onda utilizando amplificador óptico semicondutor Neste capítulo, serão analisados os métodos de conversão de comprimento de onda, e como os sinais originais e

Leia mais

Sistemas de Televisão Avançada. O Sinal de RF em sistemas ATV. Sistemas Radiantes para DTV

Sistemas de Televisão Avançada. O Sinal de RF em sistemas ATV. Sistemas Radiantes para DTV Sistemas Radiantes para DTV Sistemas de Televisão Avançada Revolucionária concepção para a geração, produção, transmissão e recepção de conteúdo multimídia com qualidade vídeo película 35mm e áudio surround

Leia mais

Identificação por Dispositivos de Radiofrequência - RFID -

Identificação por Dispositivos de Radiofrequência - RFID - Identificação por Dispositivos de Radiofrequência - RFID - Os dispositivos de identificação por meio de rádio frequência têm atingido já desde alguns anos um estado de difusão aplicacional e comercial

Leia mais

e R 2 , salta no ar, atingindo sua altura máxima no ponto médio entre A e B, antes de alcançar a rampa R 2

e R 2 , salta no ar, atingindo sua altura máxima no ponto médio entre A e B, antes de alcançar a rampa R 2 FÍSICA 1 Uma pista de skate, para esporte radical, é montada a partir de duas rampas R 1 e R 2, separadas entre A e B por uma distância D, com as alturas e ângulos indicados na figura. A pista foi projetada

Leia mais

Aula V Medição de Variáveis Mecânicas

Aula V Medição de Variáveis Mecânicas Aula V Medição de Variáveis Mecânicas Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Disciplina: Instrumentação e Automação Industrial I(ENGF99) Professor: Eduardo Simas(eduardo.simas@ufba.br) Sensores

Leia mais

Introdução. O que é Comunicar?

Introdução. O que é Comunicar? O que é Comunicar? Transmissão de mensagens contendo informação Como definir informação? Existe uma teoria formal que define informação com base no grau de imprevisibilidade das mensagens; uma mensagem

Leia mais

Universidade Federal Fluminense Mestrado em Engenharia de Telecomunicações

Universidade Federal Fluminense Mestrado em Engenharia de Telecomunicações Universidade Federal Fluminense Mestrado em Engenharia de Telecomunicações Fundamentos de Sistemas Multimídia Padrões de Rádio Digital Agosto/2006 Jailton Neves Padrões de Rádio Digital Agenda - IBOC In

Leia mais

Blindar ou não blindar?

Blindar ou não blindar? ATERRAMENTO Blindar ou não blindar? 56 RTI MAR 2008 Paulo Marin, da Paulo Marin Consultoria Existem diversas técnicas para minimizar os efeitos da interferência eletromagnética sobre a transmissão de sinais

Leia mais

Instrumentação para Espectroscopia Óptica. CQ122 Química Analítica Instrumental II 2º sem. 2014 Prof. Claudio Antonio Tonegutti

Instrumentação para Espectroscopia Óptica. CQ122 Química Analítica Instrumental II 2º sem. 2014 Prof. Claudio Antonio Tonegutti Instrumentação para Espectroscopia Óptica CQ122 Química Analítica Instrumental II 2º sem. 2014 Prof. Claudio Antonio Tonegutti INTRODUÇÃO Os componentes básicos dos instrumentos analíticos para a espectroscopia

Leia mais

FET (FIELD EFFECT TRANSISTOR)

FET (FIELD EFFECT TRANSISTOR) FET (FIELD EFFECT TRANSISTOR) OBJETIVOS: a) entender o funcionamento de um transistor unipolar; b) analisar e entender as curvas características de um transistor unipolar; c) analisar o funcionamento de

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PETRÓPOLIS CENTRO DE ENGENHARIA E COMPUTAÇÃO

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PETRÓPOLIS CENTRO DE ENGENHARIA E COMPUTAÇÃO UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PETRÓPOLIS CENTRO DE ENGENHARIA E COMPUTAÇÃO Amanda 5ª Atividade: Codificador e codificação de linha e seu uso em transmissão digital Petrópolis, RJ 2012 Codificador: Um codoficador

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO PARA A PRESTAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RADIODIFUSÃO DE SONS E IMAGENS E DE RETRANSMISSÃO DE TELEVISÃO

REGULAMENTO TÉCNICO PARA A PRESTAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RADIODIFUSÃO DE SONS E IMAGENS E DE RETRANSMISSÃO DE TELEVISÃO ANEXO À CONSULTA PÚBLICA N 179, DE 27 DE SETEMBRO DE 1999 REGULAMENTO TÉCNICO PARA A PRESTAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RADIODIFUSÃO DE SONS E IMAGENS E DE RETRANSMISSÃO DE TELEVISÃO 1. OBJETIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Parte II: Camada Física Dezembro, 2012 Professor: Reinaldo Gomes reinaldo@computacao.ufcg.edu.br Meios de Transmissão 1 Meios de Transmissão Terminologia A transmissão de dados d

Leia mais

Bibliografia. Forouzan, Behrouz A. Comunicação de Dados e Redes de Computadores. 4. ed. McGraw-Hill, 2008.

Bibliografia. Forouzan, Behrouz A. Comunicação de Dados e Redes de Computadores. 4. ed. McGraw-Hill, 2008. Redes Sem Fio Você vai aprender: Contextualização das redes sem fio; Fundamentos de transmissão de sinais digitais; Fundamentos de radio comunicação; Arquiteturas em redes sem fio; Redes WLAN padrão IEEE

Leia mais

TRANSFORMADORES. P = enrolamento do primário S = enrolamento do secundário

TRANSFORMADORES. P = enrolamento do primário S = enrolamento do secundário TRANSFORMADORES Podemos definir o transformador como sendo um dispositivo que transfere energia de um circuito para outro, sem alterar a frequência e sem a necessidade de uma conexão física. Quando existe

Leia mais

ESCOLA DE COMUNICAÇÕES AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA

ESCOLA DE COMUNICAÇÕES AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA ESCOLA DE COMUNICAÇÕES AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA ESCOLA DE COMUNICAÇÕES OBJETIVOS Descrever a função de cada bloco do diagrama-bloco do RECEPTOR-TRANSMISSOR EB 11-RY 20/ERC; Descrever os procedimentos de medição

Leia mais

APÊNDICE B. Critérios para Avaliação do Sistema de Rádio Digital FM IBOC

APÊNDICE B. Critérios para Avaliação do Sistema de Rádio Digital FM IBOC APÊNDICE B Critérios para Avaliação do Sistema de Rádio Digital FM IBOC Junho de 2007 Sumário Lista de Figuras...ii Lista de Tabelas... iii 1 INTRODUÇÃO...1 2 CARACTERÍSTICAS DO SISTEMA FM IBOC HÍBRIDO...1

Leia mais

Medidas elétricas em altas frequências

Medidas elétricas em altas frequências Medidas elétricas em altas frequências A grande maioria das medidas elétricas envolve o uso de cabos de ligação entre o ponto de medição e o instrumento de medida. Quando o comprimento de onda do sinal

Leia mais

CORRENTE CONTÍNUA E CORRENTE ALTERNADA

CORRENTE CONTÍNUA E CORRENTE ALTERNADA CORRENTE CONTÍNUA E CORRENTE ALTERNADA Existem dois tipos de corrente elétrica: Corrente Contínua (CC) e Corrente Alternada (CA). A corrente contínua tem a característica de ser constante no tempo, com

Leia mais

Circuitos com Diodos. Eletrônica I Alexandre Almeida Eletrônica dos Semicondutores.

Circuitos com Diodos. Eletrônica I Alexandre Almeida Eletrônica dos Semicondutores. Circuitos com Diodos Eletrônica I Alexandre Almeida Eletrônica dos Semicondutores. O TRANSFORMADOR DE ENTRADA As companhias de energia elétrica no Brasil fornecem.umatensão senoidal monofásica de 127V

Leia mais

TESTES DE INTERFERÊNCIA DO SINAL LTE NA RECEPÇÃO DE TV DIGITAL NA FAIXA DE UHF

TESTES DE INTERFERÊNCIA DO SINAL LTE NA RECEPÇÃO DE TV DIGITAL NA FAIXA DE UHF TESTES DE INTERFERÊNCIA DO SINAL NA RECEPÇÃO DE TV DIGITAL NA FAIXA DE UHF As preocupações com a interferência da na TV digital operando em faixas adjacentes vêm crescendo nos últimos anos, com o desenvolvimento

Leia mais

PRINCÍPIOS DA CORRENTE ALTERNADA PARTE 1. Adrielle C. Santana

PRINCÍPIOS DA CORRENTE ALTERNADA PARTE 1. Adrielle C. Santana PRINCÍPIOS DA CORRENTE ALTERNADA PARTE 1 Adrielle C. Santana Vantagem da Corrente Alternada O uso da corrente contínua tem suas vantagens, como por exemplo, a facilidade de controle de velocidade de motores

Leia mais

1 Problemas de transmissão

1 Problemas de transmissão 1 Problemas de transmissão O sinal recebido pelo receptor pode diferir do sinal transmitido. No caso analógico há degradação da qualidade do sinal. No caso digital ocorrem erros de bit. Essas diferenças

Leia mais

DH 406A SISTEMA DE TREINAMENTO EM MICROONDAS. Descrição de componentes

DH 406A SISTEMA DE TREINAMENTO EM MICROONDAS. Descrição de componentes DH 406A SISTEMA DE TREINAMENTO EM MICROONDAS Descrição de componentes 2 1 INTRODUÇÃO O sistema de treinamento em microondas DH-0406A foi desenvolvido para permitir explorar experimentalmente alguns conceitos

Leia mais

Manual de Operação do Century BR2014 Slim. O Conteúdo deste manual pode ser alterado sem aviso prévio.

Manual de Operação do Century BR2014 Slim. O Conteúdo deste manual pode ser alterado sem aviso prévio. Manual de Operação do Century BR2014 Slim O Conteúdo deste manual pode ser alterado sem aviso prévio. Parabéns pela aquisição da mais moderna tecnologia em receptores analógicos de sinais de TV via satélite.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DO PONTAL FÍSICA EXPERIMENTAL III INDUTORES E CIRCUITOS RL COM ONDA QUADRADA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DO PONTAL FÍSICA EXPERIMENTAL III INDUTORES E CIRCUITOS RL COM ONDA QUADRADA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DO PONTAL FÍSICA EXPERIMENTAL III INDUTORES E CIRCUITOS RL COM ONDA QUADRADA 1. OBJETIVO O objetivo desta aula é estudar o comportamento

Leia mais

LABORATÓRIO DE ELETROTÉCNICA GERAL I EXPERIÊNCIA - ENERGIA, POTÊNCIA E FATOR DE POTÊNCIA

LABORATÓRIO DE ELETROTÉCNICA GERAL I EXPERIÊNCIA - ENERGIA, POTÊNCIA E FATOR DE POTÊNCIA LABORATÓRIO DE ELETROTÉCNICA GERAL I EXPERIÊNCIA - ENERGIA, POTÊNCIA E FATOR DE POTÊNCIA RELATÓRIO - NOTA... Grupo:............ Professor:...Data:... Objetivo:............ 1 - Considerações gerais A parte

Leia mais

Sinais Elétricos Digital Analógico

Sinais Elétricos Digital Analógico Sinais Elétricos Digital Analógico Fatores que influenciam na distorção do sinal no meio de transmissão Ruído O ruído é caracterizado pela interferência de meios externos á rede, ou seja, podem ser oriundos

Leia mais

CONVOLUÇÃO. O que é a Convolução? o Significado. o Conceito Físico. o Definição Matemática. o Será benéfico ou prejudicial o efeito de. convolução?

CONVOLUÇÃO. O que é a Convolução? o Significado. o Conceito Físico. o Definição Matemática. o Será benéfico ou prejudicial o efeito de. convolução? CONVOLUÇÃO O que é a Convolução? o Significado o Conceito Físico o Definição Matemática o Será benéfico ou prejudicial o efeito de convolução? O que é a Desconvolução? Propriedades Matemáticas Visualização

Leia mais

Conceitos e definições para correção do fator de potência através de carga capacitiva

Conceitos e definições para correção do fator de potência através de carga capacitiva Conceitos e definições para correção do fator de potência através de carga capacitiva anobra de capacitores Na ligação de capacitores a uma rede ocorre um processo transitório severo até que seja atingido

Leia mais

Tensão à entrada do osciloscópio. nº divisões no ecrã 30 V... 3 V... 1,5 div 10 V... 1 V... 0,5 div 0 V... 0 V... 0 div 30 V... 1 V...

Tensão à entrada do osciloscópio. nº divisões no ecrã 30 V... 3 V... 1,5 div 10 V... 1 V... 0,5 div 0 V... 0 V... 0 div 30 V... 1 V... 1 Considere o sinal periódico indicado na fig. 1: +30-10 -30 0 1 2 3 4 5 6 7 Fig. 1. a) Esboce a imagem que observaria num osciloscópio com ecrã de 10 10 divisões, utilizando uma ponta de prova atenuadora

Leia mais

Underwater Comunicação Rádio

Underwater Comunicação Rádio Underwater Comunicação Rádio por VK5BR Butler Lloyd (Originalmente publicado em Rádio Amador, Abril de 1987) Até onde podemos comunicar submerso no mar ou em um lago. Quão grande é a atenuação do sinal

Leia mais

8 Otimização do Desempenho do EDFA num Sistema Óptico de Armazenamento de Pacotes por Linha de Atraso

8 Otimização do Desempenho do EDFA num Sistema Óptico de Armazenamento de Pacotes por Linha de Atraso 122 8 Otimização do Desempenho do EDFA num Sistema Óptico de Armazenamento de Pacotes por Linha de Atraso Nas redes WDM, os pacotes são encaminhados entre os diferentes nós da rede até o seu destino desde

Leia mais

NASCE A ERA DA COMUNICAÇÃO ELÉCTROMAGNÉTICA

NASCE A ERA DA COMUNICAÇÃO ELÉCTROMAGNÉTICA 1844 Demonstração pública bem sucedida do TELÉGRAFO, inventado por SAMUEL MORSE. Transmitida a mensagem What hath God wrought entreo Capitólio em Washington e Baltimore NASCE A ERA DA COMUNICAÇÃO ELÉCTROMAGNÉTICA

Leia mais

O material a seguir é parte de uma das aulas da apostila de MÓDULO 5 que por sua vez, faz parte do CURSO DE TELECOMUNICAÇÕES (MÓDULO 5 ao 7).

O material a seguir é parte de uma das aulas da apostila de MÓDULO 5 que por sua vez, faz parte do CURSO DE TELECOMUNICAÇÕES (MÓDULO 5 ao 7). ATENÇÃO: O material a seguir é parte de uma das aulas da apostila de MÓDULO 5 que por sua vez, faz parte do CURSO DE TELECOMUNICAÇÕES (MÓDULO 5 ao 7). A partir da amostra da aula, terá uma idéia de onde

Leia mais

Radar CW com receptor IF. Receptor superheterodino de banda lateral

Radar CW com receptor IF. Receptor superheterodino de banda lateral Radar CW com receptor IF Receptor superheterodino de banda lateral 51 Largura de banda do receptor Espectro de frequência duma oscilação de onda contínua (a) de duração infinita (b) de duração finita (b)

Leia mais

Antena omni vs. antena direcional

Antena omni vs. antena direcional Antena omni vs. antena direcional Índice Introdução Pré-requisitos Requisitos Componentes Utilizados Convenções Definições básicas e conceitos da antena Efeitos internos Prós e contras da antena Omni Prós

Leia mais

Antena Escrito por André

Antena Escrito por André Antena Escrito por André Antenas A antena é um dispositivo passivo que emite ou recebe energia eletromagnéticas irradiada. Em comunicações radioelétricas é um dispositivo fundamental. Alcance de uma Antena

Leia mais

Tipos de malha de Controle

Tipos de malha de Controle Tipos de malha de Controle SUMÁRIO 1 - TIPOS DE MALHA DE CONTROLE...60 1.1. CONTROLE CASCATA...60 1.1.1. Regras para Selecionar a Variável Secundária...62 1.1.2. Seleção das Ações do Controle Cascata e

Leia mais

Seleção de comprimento de onda com espectrômetro de rede

Seleção de comprimento de onda com espectrômetro de rede Seleção de comprimento de onda com espectrômetro de rede Fig. 1: Arranjo do experimento P2510502 O que você vai necessitar: Fotocélula sem caixa 06779.00 1 Rede de difração, 600 linhas/mm 08546.00 1 Filtro

Leia mais

Transmissão das Ondas Eletromagnéticas. Prof. Luiz Claudio

Transmissão das Ondas Eletromagnéticas. Prof. Luiz Claudio Transmissão das Ondas Eletromagnéticas Prof. Luiz Claudio Transmissão/Recebimento das ondas As antenas são dispositivos destinados a transmitir ou receber ondas de rádio. Quando ligadas a um transmissor

Leia mais

ASSOCIAÇÃO EDUCACIONAL DOM BOSCO CAPÍTULO 1 DIODOS RETIFICADORES

ASSOCIAÇÃO EDUCACIONAL DOM BOSCO CAPÍTULO 1 DIODOS RETIFICADORES INTRODUÇÃO CPÍTULO DIODOS RETIFICDORES O diodo é um dispositivo semi-condutor muito simples e é utilizado nas mais variadas aplicações. O uso mais freqüente do diodo é como retificador, convertendo uma

Leia mais

Como funciona o MOSFET (ART977)

Como funciona o MOSFET (ART977) Como funciona o MOSFET (ART977) Os transistores de efeito de campo não são componentes novos. Na verdade, em teoria foram criados antes mesmo dos transistores comuns bipolares. No entanto, com a possibilidade

Leia mais

Segurança em redes sem fio Freqüências

Segurança em redes sem fio Freqüências Segurança em redes sem fio Freqüências Carlos Lamb Fausto Levandoski Juliano Johann Berlitz Vagner Dias Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS) 16/08/2011 AGENDA INTRODUÇÃO ESPECTRO ELETROMAGNÉTICO

Leia mais

Amostrador PAM A/D PCM D/A PAM Filtro. Figura 1 Digrama de Blocos PCM

Amostrador PAM A/D PCM D/A PAM Filtro. Figura 1 Digrama de Blocos PCM UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA SISTEMAS DE TELECOMUNICAÇÕES I AULA PRÁTICA MODULAÇÃO POR AMPLITUDE DE PULSOS 1. Introdução Como o sinal

Leia mais

Concurso Público para Cargos Técnico-Administrativos em Educação UNIFEI 13/06/2010

Concurso Público para Cargos Técnico-Administrativos em Educação UNIFEI 13/06/2010 Questão 21 Conhecimentos Específicos - Técnico em Eletrônica Calcule a tensão Vo no circuito ilustrado na figura ao lado. A. 1 V. B. 10 V. C. 5 V. D. 15 V. Questão 22 Conhecimentos Específicos - Técnico

Leia mais

O AMPLIFICADOR LOCK-IN

O AMPLIFICADOR LOCK-IN O AMPLIFICADOR LOCK-IN AUTORES: RAFAEL ASTUTO AROUCHE NUNES MARCELO PORTES DE ALBUQUERQUE MÁRCIO PORTES DE ALBUQUERQUE OUTUBRO 2007-1 - SUMÁRIO RESUMO... 3 INTRODUÇÃO... 4 PARTE I: O QUE É UM AMPLIFICADOR

Leia mais

Laboratório 7 Circuito RC *

Laboratório 7 Circuito RC * Laboratório 7 Circuito RC * Objetivo Observar o comportamento de um capacitor associado em série com um resistor e determinar a constante de tempo do circuito. Material utilizado Gerador de função Osciloscópio

Leia mais

LABORATÓRIO DE CONTROLE I APLICAÇÃO DE COMPENSADORES DE FASE DE 1ª ORDEM E DE 2ª ORDEM

LABORATÓRIO DE CONTROLE I APLICAÇÃO DE COMPENSADORES DE FASE DE 1ª ORDEM E DE 2ª ORDEM UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO COLEGIADO DE ENGENHARIA ELÉTRICA LABORATÓRIO DE CONTROLE I Experimento 5: APLICAÇÃO DE COMPENSADORES DE FASE DE 1ª ORDEM E DE 2ª ORDEM COLEGIADO DE ENGENHARIA

Leia mais

3. FORMAÇÃO DA IMAGEM

3. FORMAÇÃO DA IMAGEM 3. FORMAÇÃO DA IMAGEM 3.1 INTRODUÇÃO O sistema de geração da imagem de RM emprega muitos fatores técnicos que devem ser considerados, compreendidos e algumas vezes modificados no painel de controle durante

Leia mais

LINHAS DE TRANSMISSÃO E TV A CABO 1 FREQÜÊNCIAS DO SISTEMA A CABO

LINHAS DE TRANSMISSÃO E TV A CABO 1 FREQÜÊNCIAS DO SISTEMA A CABO 1 LINHAS DE TRANSMISSÃO E TV A CABO 1 FREQÜÊNCIAS DO SISTEMA A CABO CANAIS ADJACENTES no sistema a cabo, a interferência entre canais adjacentes é minimizada pelo balanceamento dos sinais em um nível comum

Leia mais

PARA SUA SEGURANÇA 1- DISPLAY. - Indica aparelho em "espera" ( Stand - By) DISPLAY NORMAL- Indica o número do canal, frequência, etc.

PARA SUA SEGURANÇA 1- DISPLAY. - Indica aparelho em espera ( Stand - By) DISPLAY NORMAL- Indica o número do canal, frequência, etc. 1 Parabéns pela aquisição da mais moderna tecnologia em receptores de sinais de TV via satélite. Estamos certos de que o receptor Century USR 1900 lhe proporcionará a melhor imagem e também bons momentos

Leia mais

Imprimir. Influência das Harmônicas na Alimentação de Dispositivos Eletrônicos: Efeitos, e como eliminá-los

Imprimir. Influência das Harmônicas na Alimentação de Dispositivos Eletrônicos: Efeitos, e como eliminá-los 1/ 9 Imprimir PROJETOS / Energia 20/08/2012 10:20:00 Influência das Harmônicas na Alimentação de Dispositivos Eletrônicos: Efeitos, e como eliminá-los Na primeira parte deste artigo vimos que a energia

Leia mais

SISTEMA DE TREINAMENTO MULTIFUNCIONAL MODELO: ED-2110. www.minipa.com.br USB CARACTERÍSTICAS ED-2110

SISTEMA DE TREINAMENTO MULTIFUNCIONAL MODELO: ED-2110. www.minipa.com.br USB CARACTERÍSTICAS ED-2110 SISTEMA DE TREINAMENTO MULTIFUNCIONAL MODELO: PROPOSTA TÉCNICA CARACTERÍSTICAS Display de LCD TFT Touch. Realiza experimentos sem necessidade de um sistema de medição a parte. Possibilidade de programação

Leia mais