Blindar ou não blindar?

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Blindar ou não blindar?"

Transcrição

1 ATERRAMENTO Blindar ou não blindar? 56 RTI MAR 2008 Paulo Marin, da Paulo Marin Consultoria Existem diversas técnicas para minimizar os efeitos da interferência eletromagnética sobre a transmissão de sinais em cabos de cobre, como a blindagem e o aterramento relacionados a sistemas de cabeamento estruturado, tratados no artigo. Impedimentos devidos a interferência em altas e baixas freqüências sobre a transmissão de sinais por meio de cabos balanceados também são abordados, bem como loops de terra em sistemas de cabeamento, métodos de aterramento eficientes e diretrizes de como aterrar a blindagem de cabos. Aredução dos efeitos da EMI - interferência eletromagnética (Electromagnetic Interference) em sistemas de cabeamento de cobre pode ser obtida pela aplicação de uma ou mais das técnicas descritas a seguir: blindagem; balanceamento; aterramento; e filtragem. A técnica de balanceamento (que se obtém quando os condutores são trançados em pares) pode ser também usada para melhorar a resposta do cabo do ponto de vista de EMI. Assim, para suprimir (ou reduzir) os efeitos da interferência eletromagnética sobre a transmissão de dados e voz, os cabos de pares são trançados e/ou envolvidos em uma blindagem. A combinação de ambas as técnicas, balanceamento e blindagem, oferece uma solução mais eficiente. Blindagem A blindagem eletromagnética é empregada para reduzir ou prevenir o acoplamento de sinais indesejados em um dado sistema, permitindo que ele opere de forma adequada em seu ambiente. A blindagem pode ser usada também para minimizar o nível de emissão de um sistema em seu ambiente de operação. Essa técnica é eficiente em vários graus dentro de Fig. 1 Para altas freqüências o efeito do trançado diminui

2 57 RTI MAR 2008 Fig. 2a Perda por absorção (conceito) uma ampla faixa do espectro eletromagnético, desde freqüências muito baixas até microondas. No entanto, vale enfatizar que há duas considerações importantes a respeito de seu uso. Em baixas freqüências, os pares trançados absorvem a maior parte dos efeitos de interferência eletromagnética (figura 1). Em freqüências altas, a blindagem do cabo absorve as ondas eletromagnéticas. Perdas por absorção A perda por absorção é um parâmetro importante relacionado à blindagem e pode ser entendido, de maneira simplista, como a capacidade de uma blindagem em absorver a onda incidente. Como conseqüência, a intensidade de campo que passará de um meio a outro em relação a uma barreira física (blindagem), posicionada entre esses dois meios, diminuirá. A figura 2a mostra que parte da onda incidente sobre a blindagem será refletida de volta ao meio 1; parte dessa onda penetrará a blindagem, passando ao meio 2 de forma atenuada e uma outra parte da onda incidente será contida, e refletirá no interior da blindagem até ser totalmente absorvida. O material e a forma da blindagem definirão quanto da onda incidente será refletida e absorvida, bem como quanto penetrará a blindagem passando ao meio 2. Assim, a perda por absorção é definida como a relação entre a espessura da blindagem (t) e seu efeito pelicular (δ), que representa a profundidade de penetração da onda contida no interior da blindagem. Matematicamente, a perda por absorção pode ser escrita da seguinte forma: A loss = 8,686 ( t δ ( (db) Quanto maior a perda por absorção (em db), melhor a resposta da blindagem. Em outras palavras, quanto maior o valor da perda por absorção (em db), menor será a intensidade de campo da onda que atravessará a blindagem e penetrará o meio 2 (esse é o objetivo da blindagem). Quando uma onda eletromagnética passa através de um meio físico, sua amplitude diminui exponencialmente. Esse efeito pode ser representado por um parâmetro Fig. 2b A perda por absorção aumenta com a espessura da blindagem Fig. 3 Perda por absorção em função da espessura da blindagem. Este gráfico pode ser usado para campos elétricos, campos magnéticos e ondas planas

3 ATERRAMENTO 58 RTI conhecido como perda por absorção. Isso ocorre porque as correntes induzidas no meio causam perdas ôhmicas e aquecimento do material. A figura 2b apresenta a perda por absorção para diferentes espessuras de blindagens, assim como para diferentes materiais empregados na blindagem de um cabo. Quanto maior a espessura da blindagem, maior será a perda por absorção para uma dada freqüência (por exemplo, 130 db em 100 khz para uma blindagem de cobre de espessura 0,125 polegadas, ou 20 db em 100 khz para uma blindagem de cobre de 0,020 polegadas de espessura). Em termos práticos, se um dado nível de perda por absorção for requerido, por exemplo 10 db em 50 khz, uma blindagem de cobre de espessura 0,020 polegadas será necessária (figura 2a). Como os cabos balanceados oferecem uma boa proteção contra interferência eletromagnética para ruídos em baixas freqüências, a blindagem não é normalmente projetada para operar nessa faixa. Cabos com um balanceamento eficiente são menos suscetíveis à EMI entre 30 e 40 MHz. Normalmente, a espessura da blindagem de cabos do tipo F/UTP (Foiled Unshielded Twisted Pair) é determinada de modo a oferecer uma perda por absorção apropriada a partir de freqüências em torno de 1,5 MHz. A perda por absorção é proporcional à espessura da blindagem e inversamente proporcional ao skin depth (profundidade de penetração de campo elétrico na blindagem causada por seu efeito pelicular) do material empregado na blindagem do cabo (figura 3). A perda por reflexão é também um parâmetro importante associado à eficiência da blindagem (figura 4). Ela é conseqüência das diferenças de impedâncias características da blindagem e do meio no qual a onda se propaga e esse parâmetro diminui com a freqüência. A perda por reflexão é uma relação entre a impedância da onda que penetra a blindagem e a impedância da blindagem. Portanto, esse parâmetro varia com a impedância da onda incidente, uma vez que a impedância da blindagem é constante. Um campo de alta impedância (elétrico) apresenta uma perda por reflexão mais alta que ondas planas. Da mesma forma, um campo de baixa impedância (magnético) apresenta uma perda por reflexão mais baixa que ondas planas. Assim, o tipo de campo, bem como seu ângulo de incidência, determina a resposta da blindagem quanto ao parâmetro perda por reflexão. As curvas apresentadas na figura 4 são para fontes pontuais gerando apenas campo elétrico ou magnético. Porém, na prática, as fontes são uma combinação de geradores de campos elétricos e magnéticos. A figura 4 mostra que a perda por reflexão de um campo elétrico diminui com a freqüência até a separação entre a fonte e a blindagem atingir um valor igual a λ/2π. A partir daí, a perda por reflexão é a mesma que para ondas planas. A perda por reflexão para um campo magnético aumenta com a freqüência até a separação entre a fonte e a blindagem atingir um valor igual a λ/2π. Então, a perda começa a diminuir na mesma taxa que para uma onda plana. Aterramento Vários parâmetros determinam a eficiência de um sistema de aterramento. Alguns são mais importantes que outros, dependendo da natureza do problema com o qual temos de lidar, assim como com as características de EMI do ambiente, considerações de segurança, estrutura de aterramento, etc. O instalador pode definir um sistema de aterramento apropriado levando em consideração esses fatores, assim como necessidades específicas dos usuários e condições do ambiente.

4

5 ATERRAMENTO 60 RTI MAR 2008 Tab. I Uso de cabo blindado com aterramento em uma única extremidade do enlace ou canal Prós Contras Cenário 1.a Não há loop de terra em baixas freqüências. Nenhuma proteção ou proteção limitada contra interferência eletromagnética, O uso de patch cord UTP corta o enlace principalmente em altas freqüências, devido a campos elétricos. em circuitos diferentes independentes. Essa prática é adequada para ambientes livres de interferências eletromagnéticas importantes. Cenário 1.b Não há loop de terra em baixas freqüências. Nenhuma proteção ou proteção limitada contra interferência eletromagnética, O uso de patch cord blindado no espaço de telecomunicações principalmente em altas freqüências, na área de trabalho devido a campos elétricos. oferece alguma proteção contra interferência eletromagnética Sujeito à formação de loops de terra em altas freqüências. para o equipamento ativo instalado nesse espaço. Uma solução única de aterramento é algo difícil de projetar, uma vez que há duas fontes diferentes que devemos considerar quando estamos trabalhando com cabeamento blindado e o aterramento da blindagem: problemas causados por campos elétricos e problemas devidos a campos magnéticos. A freqüência de ruído também deve ser levada em conta. Os campos elétricos (V/m) são gerados em sistemas de cabos em razão do acoplamento capacitivo e induzem uma tensão de ruído no canal interferido. Os campos magnéticos (A/m) são gerados em sistemas de cabos por causa do acoplamento indutivo (indutância mútua) e levam uma corrente de ruído no canal interferido. Os efeitos que os campos elétrios e magnéticos causam em sistemas de Tab. II Uso de patch cords blindados em ambas as extremidades no cenário 2 Prós Contras Blindagem total do enlace ou canal, o que oferece total Não há proteção contra loops de terra. proteção contra interferências eletromagnéticas Danos aos equipamentos ativos possivelmente significativos quando a diferença de potencial através de todo o enlace ou canal. de terra entre ambos os extremos ultrapassar 1 V (rms). Nota: A resistência elétrica do aterramento deve ser a mais baixa possível em ambos os extremos do enlace ou canal para minimizar os loops de terra, principalmente em baixas freqüências.

6 61 RTI MAR 2008 cabeamento e suas relações com o sistema de aterramento precisam ser discutidos exaustivamente. Portanto, há dois modos de acoplamento eletromagnético em um cabo o acoplamento por campo elétrico (a onda incidente tem orientação em paralelo ao condutor, com relação ao seu eixo longitudinal) e o acoplamento por campo magnético (a onda incidente tem orientação normal ao loop formado pelo cabo e o plano de terra). Normalmente uma boa recomendação quanto ao aterramento de segmentos de cabo de cobre para uma resposta satisfatória em termos de interferência por campos elétricos é o aterramento da blindagem de ambos os extremos do enlace ou canal. Para o campo magnético, o aterramento da blindagem em uma única extremidade do enlace ou canal é mais apropriado para evitar a formação de Fig. 4 Perda de reflexão em uma blindagem de cobre em função da freqüência, distância da fonte e tipo de onda loops de terra (ground loops) entre a blindagem do cabo e o plano de terra. Os loops de terra podem ser uma importante fonte de interferência em

7 ATERRAMENTO 62 RTI MAR 2008 Fig. 5 Loops de terra pela blindagem do cabo. Notas: blindagem aterrada na sala de telecomunicações e na área de trabalho há um caminho para o loop de terra devido ao chassis do equipamento cabos de cobre blindados em sistemas de cabeamento estruturado e podem representar impedimentos importantes quanto à transmissão de sinais nesses cabos quando dois ou mais pontos de conexão a terra são separados por grandes distâncias e conectados ao sistema de aterramento da rede elétrica do edifício (figura 5). Nesses casos, é necessário considerar algum tipo de separação entre os aterramentos de diferentes sistemas ou uma isolação elétrica contra a geração de loops de terra. Em baixas freqüências, de níveis de CC até 1 MHz, a blindagem do cabo pode ser aterrada em uma única extremidade do enlace e oferecer uma boa resposta quanto aos efeitos da interferência eletromagnética. Em freqüências mais altas, recomenda-se aterrar a blindagem do cabo em ambas as extremidades do enlace ou canal. Nesses casos, é muito importante que as diferenças de potencial de terra em ambos os pontos de conexão ao aterramento sejam as mínimas possíveis. Há várias normas para aterramento e equalização de aterramento, como por exemplo a NBR5410 (que também trata deste assunto), a norte-americana ANSI-J-STD-607-A, a ISO/IEC e a ISO/IEC 60364, entre outras. A diferença em tensão, entre ambos os extremos de um enlace ou canal deve ser, no máximo, de 1 V (rms) para que os efeitos dos loops de terra sejam minimizados. É também importante considerar que em altas freqüências há uma capacitância arbitrária (ou parasita, nesse caso) de acoplamento que tende a completar o loop quando a blindagem está aterrada em um único extremo do enlace ou canal (figura 6). Como aterrar? A escolha do melhor método ou prática de aterramento não é uma tarefa das mais simples, visto que há diferentes comportamentos dos sistemas de cabeamento quanto à interferência eletromagnética, dependendo do tipo de acoplamento predominante e da freqüência de operação, assim como da freqüência de ruído. As diretrizes a seguir podem ser usadas como referência na avaliação de um problema real quanto ao método ou prática de aterramento mais adequado. Para cada caso são apresentados os prós e os contras, bem como alguma nota adicional que se faça necessária. Cenário 1 O uso de cabo blindado com aterramento em uma única extremidade do enlace ou canal (no espaço de telecomunicações) pode ser feito de duas formas: Cenário 1.a Uso de patch panel, tomadas blindadas e patch cords UTP (figura 7a). Cenário 1.b Uso de patch panel, tomadas e patch cords blindados no espaço de telecomunicações e patch cord UTP na área de trabalho (figura 7b). Em ambas as aplicações existem pontos positivos e negativos que devem ser levados em consideração (tabela I). Fig. 6 Loop de terra causado pela capacitância em altas freqüências

8

9 ATERRAMENTO 64 RTI MAR 2008 Cenário 2 É previsto o aterramento da blindagem em ambas as extremidades do enlace ou canal (espaço de telecomunicações e área de trabalho), além do uso de patch cords blindados em ambas as extremidades (figura 8). Entretanto, também devem ser analisados os pontos positivos e negativos dessa aplicação (tabela II). Conclusões Fig. 7a Cenário 1.a Uso de patch panel, tomadas blindadas e patch cords UTP no processo de aterramento Fig. 7b Cenário 1.b Uso de patch panel, tomadas e patch cords blindados no espaço de telecomunicações e patch cord UTP na área de trabalho no processo de aterramento A terminação adequada da blindagem, assim como a escolha do método ou prática de aterramento que mais bem se aplica a uma dada situação, pode assegurar um melhor desempenho do sistema de cabeamento blindado para a transmissão de sinais na presença de interferência eletromagnética e também quanto à conformidade com requisitos de compatibilidade eletromagnética. Um sistema de cabeamento estruturado composto por cabos e componentes (hardware de conexão) com bom nível de balanceamento (por exemplo, boa resposta quanto à perda de conversão longitudinal, perda de transferência de conversão longitudinal, desequilíbrio resistivo,

10 65 RTI MAR 2008 Fig. 8 Cenário 2: uso de patch cords blindados em ambas as extremidades no processo de aterramento entre outros parâmetros de balanceamento) apresentará um bom comportamento e desempenho para a transmissão de sinais em presença de alguma interferência eletromagnética. Assim, sistemas de cabeamento de níveis e classes de desempenho superiores (Categoria 6 Aumentada/ Classe E A, Categoria 7/Classe F, etc.) poderão ser usados em conjunto com outras técnicas de redução e eliminação dos efeitos da interferência eletromagnética em sistemas de cabeamento em diversos ambientes e para diferentes aplicações. A combinação de ambos, bom grau de balanceamento e presença de blindagem, normalmente oferecerá uma solução confiável e eficiente. As técnicas apresentadas e discutidas neste artigo são fortemente recomendadas como diretrizes para o projeto e instalação de sistemas de cabeamento metálico para aplicações 10GBase-T (a 10 Gbit/s, 10 GbE), data centers, ambientes industriais, hospitais, aplicações militares, entre outras. A combinação de bom grau de balanceamento, blindagem e técnicas adequadas de aterramento oferecerá uma solução ótima para alien crosstalk, que é um impedimento significativo para transmissões a 10 Gbit/s em cabos de cobre.

GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO CENTRO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL EZEQUIEL F. LIMA ATERRAMENTO E BLINDAGEM

GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO CENTRO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL EZEQUIEL F. LIMA ATERRAMENTO E BLINDAGEM GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO CENTRO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL EZEQUIEL F. LIMA ATERRAMENTO E BLINDAGEM Os sistemas de cabeamento estruturado foram desenvolvidos

Leia mais

Categoria 6 Aumentada: Standards Update. Dr. Paulo S. Marin, Eng. Cabling Specialist Engineer paulo_marin@paulomarinconsultoria.eng.

Categoria 6 Aumentada: Standards Update. Dr. Paulo S. Marin, Eng. Cabling Specialist Engineer paulo_marin@paulomarinconsultoria.eng. Categoria 6 Aumentada: Standards Update Dr. Paulo S. Marin, Eng. Cabling Specialist Engineer paulo_marin@paulomarinconsultoria.eng.br 1 Resumo A nova norma, em desenvolvimento, ANSI/TIA/EIA-568-B.2-10

Leia mais

Cabeamento Blindado MÁRCIO MATOSO DE CASTRO

Cabeamento Blindado MÁRCIO MATOSO DE CASTRO Cabeamento Blindado MÁRCIO MATOSO DE CASTRO AGENDA CONCEITOS CARACTERÍSTICAS DE UMA REDE BLINDADA CABOS BLINDADOS FURUKAWA PARÂMETROS ELÉTRICOS ESPECIAIS NOVA GERAÇÃO DE CABOS CONCEITOS A EMI é um problema

Leia mais

ABNT NBR 14.565 Cabeamento Estruturado Cabeamento Estruturado para Edifícios Comerciais e Data Centers Parte 2/2

ABNT NBR 14.565 Cabeamento Estruturado Cabeamento Estruturado para Edifícios Comerciais e Data Centers Parte 2/2 ABNT NBR 14.565 Cabeamento Estruturado Cabeamento Estruturado para Edifícios Comerciais e Data Centers Parte 2/2 ALUNO: REDES DE COMP. TURMA: RDN2 DATA: 12/11/2013 Av. Vitória, 950 Forte São João 29017-950

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - Cabos Metálicos de Cobre (Norma ANSI/TIA-568-C.2) www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito Meio de Transmissão Meio de transmissão é o caminho físico (enlace)

Leia mais

Interferências Eletromagnéticas em Data Centers

Interferências Eletromagnéticas em Data Centers Interferências Eletromagnéticas em Data Centers Dr. Paulo S. Marin, Engº. www.paulomarin.com 1 Objetivo avaliar o nível de emissões dentro do data center a interferência eletromagnética ambiente proveniente

Leia mais

2 Conceitos de transmissão de dados

2 Conceitos de transmissão de dados 2 Conceitos de transmissão de dados 2 Conceitos de transmissão de dados 1/26 2.2 Meios físicos de transmissão de dados 2/26 Tipos de meios de transmissão Pares de fios Pares entrançados Cabo coaxial Fibras

Leia mais

CONVERSORES DE FREQÜÊNCIA Instruções para Instalação de Conversores de Freqüência

CONVERSORES DE FREQÜÊNCIA Instruções para Instalação de Conversores de Freqüência CONVERSORES DE FREQÜÊNCIA Instruções para Instalação de Conversores de Freqüência Edição 08.2007 A&D CS Suporte Técnico Drives HotLine Índice 1. Introdução 2. Condições Ambientais de Operação 2.1 Poluição

Leia mais

Camada Física Camada Física Camada Física Função: A camada Física OSI fornece os requisitos para transportar pelo meio físico de rede os bits que formam o quadro da camada de Enlace de Dados. O objetivo

Leia mais

Atualização de normas e desenvolvimentos em cabeamento estruturado. Prof. Dr. Paulo Sérgio Marin, Engº. Engenheiro Eletricista

Atualização de normas e desenvolvimentos em cabeamento estruturado. Prof. Dr. Paulo Sérgio Marin, Engº. Engenheiro Eletricista Atualização de normas e desenvolvimentos em cabeamento estruturado Prof. Dr. Paulo Sérgio Marin, Engº. Engenheiro Eletricista O que você vai aprender? Retrospectiva histórica dos desenvolvimentos em cabeamento

Leia mais

Prevenção de Problemas de Indução Magnética em Cabos de Comunicação

Prevenção de Problemas de Indução Magnética em Cabos de Comunicação Prevenção de Problemas de Indução Magnética em Cabos de Comunicação INTRODUÇÃO Jeff Roberts and Mark Weber Corrente de magnitude surpreendentemente elevadas podem circular nos cabos de comunicação metálicos

Leia mais

Linha de transmissão

Linha de transmissão Linha de transmissão Um troço elementar de uma linha de transmissão (par simétrico ou cabo coaxial) com comprimento dz pode ser modelado por um circuito: I(z) Ldz Rdz I(z+dz) Parâmetros primários: R [Ω

Leia mais

Planejamento de Redes e Cabeamento Estruturado

Planejamento de Redes e Cabeamento Estruturado Planejamento de Redes e Cabeamento Estruturado Projeto e Instalação Prof. Deivson de Freitas Introdução Nenhuma área de tecnologia cresceu tanto como a de redes locais (LANs) A velocidade passou de alguns

Leia mais

Cabeamento Estruturado O Cabeamento

Cabeamento Estruturado O Cabeamento Cabeamento Estruturado O Cabeamento Prof. Msc. Otávio Massashi omine@catolica-es.edu.br Tópicos Introdução às Redes O Cabeamento Categorias (par trançado) Blindagem Introdução às Redes As redes de computadores

Leia mais

CABLING CABOS CONECTORES PATCH PANEL 19 ACESSÓRIOS

CABLING CABOS CONECTORES PATCH PANEL 19 ACESSÓRIOS CABLING CABOS 04 CONECTORES 05 PATCH PANEL 19 06 ACESSÓRIOS 07 02 CABLING CABLAGENS DE COBRE O EIA/TIA 568, de 1991, foi o primeiro padrão americano para os sistemas de cableamento estruturado. Em 1995,

Leia mais

Interfaces: blindagem, ligação à terra e linhas de transmissão. Revisões. Interfaces: blindagem, ligação à terra e linhas de transmissão

Interfaces: blindagem, ligação à terra e linhas de transmissão. Revisões. Interfaces: blindagem, ligação à terra e linhas de transmissão Ruído exterior Acoplamento indutivo Acoplamento capacitivo Múltiplas ligações à terra Pares entrançados Blindagem Linhas Reflexões na linha Terminação na carga Terminação na fonte Revisões Método de interligações

Leia mais

APRENDIZAGEM INDUSTRIAL. UNIDADE 10 Testes e certificação

APRENDIZAGEM INDUSTRIAL. UNIDADE 10 Testes e certificação APRENDIZAGEM INDUSTRIAL UNIDADE 10 Testes e certificação Configuração de teste de campo para cabos de par trançado de 100 ohms Teste de Canal: Inclui os 90m do cabeamento horizontal, o patch cord do equipamento

Leia mais

TRANSMISSÃO DE TV 1 TRANSMISSÃO COM POLARIDADE NEGATIVA

TRANSMISSÃO DE TV 1 TRANSMISSÃO COM POLARIDADE NEGATIVA STV 18 ABR 2008 1 TRANSMISSÃO DE TV método de se transmitir o sinal de imagem modulado em amplitude a amplitude de uma portadora de RF varia de acordo com uma tensão moduladora a modulação é o sinal de

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES - I UNI-ANHANGUERA. CURSO DE ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PROF. MARCIO BALIAN

REDES DE COMPUTADORES - I UNI-ANHANGUERA. CURSO DE ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PROF. MARCIO BALIAN 1 REDES DE COMPUTADORES - I UNI-ANHANGUERA. CURSO DE ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PROF. MARCIO BALIAN 2 INTERFACE E CABEAMENTO DE REDES - Parte física da rede - Cabeamento - Placas de rede (interfaces)

Leia mais

Redes de Computadores. Camada Física. Análise de Fourier. Análise teórica de transmissão de. Antonio Alfredo Ferreira Loureiro. loureiro@dcc.ufmg.

Redes de Computadores. Camada Física. Análise de Fourier. Análise teórica de transmissão de. Antonio Alfredo Ferreira Loureiro. loureiro@dcc.ufmg. Redes de Computadores (DCC023) Antonio Alfredo Ferreira Loureiro loureiro@dcc.ufmg.br Departamento de Ciência da Computação Universidade Federal de Minas Gerais Análise teórica de transmissão de dados

Leia mais

DH 406A SISTEMA DE TREINAMENTO EM MICROONDAS. Descrição de componentes

DH 406A SISTEMA DE TREINAMENTO EM MICROONDAS. Descrição de componentes DH 406A SISTEMA DE TREINAMENTO EM MICROONDAS Descrição de componentes 2 1 INTRODUÇÃO O sistema de treinamento em microondas DH-0406A foi desenvolvido para permitir explorar experimentalmente alguns conceitos

Leia mais

Fundamentos de Medidas Elétricas em Alta Freqüência

Fundamentos de Medidas Elétricas em Alta Freqüência Centro de Pesquisas de Energia Elétrica Fundamentos de Medidas Elétricas em Alta Freqüência Apresentador: André Tomaz de Carvalho Área: DLE Medidas Elétricas em Alta Frequência Quando o comprimento de

Leia mais

Camada Física. Camada Física

Camada Física. Camada Física Camada Física Camada Física lida com a transmissão pura de bits definição do meio físico, níveis de tensão, duraçãodeumbit,taxade transmissão,comprimento máximo, construção dos conectores 1 Camada Física

Leia mais

INSTITUTO DE FÍSICA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO. Grupo:... (nomes completos) Prof(a).:... Diurno ( ) Noturno ( ) Experiência 8 LINHA DE TRANSMISSÃO

INSTITUTO DE FÍSICA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO. Grupo:... (nomes completos) Prof(a).:... Diurno ( ) Noturno ( ) Experiência 8 LINHA DE TRANSMISSÃO INSTITUTO DE FÍSICA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Laboratório de Eletromagnetismo (4300373) Grupo:......... (nomes completos) Prof(a).:... Diurno ( ) Noturno ( ) Data : / / Experiência 8 LINHA DE TRANSMISSÃO

Leia mais

PRINCÍPIOS DA CORRENTE ALTERNADA PARTE 1. Adrielle C. Santana

PRINCÍPIOS DA CORRENTE ALTERNADA PARTE 1. Adrielle C. Santana PRINCÍPIOS DA CORRENTE ALTERNADA PARTE 1 Adrielle C. Santana Vantagem da Corrente Alternada O uso da corrente contínua tem suas vantagens, como por exemplo, a facilidade de controle de velocidade de motores

Leia mais

Módulo 4 Testes de Cabos

Módulo 4 Testes de Cabos CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes Módulo 4 Testes de Cabos Fundamentos para o Teste de Cabos em Frequência Ondas Uma onda é energia que se propaga de um lugar para outro. Pode ser definida como um distúrbio

Leia mais

Prática em Redes de Computadores. Meios de Transmissão. Prof. M.Sc. Eduardo Luzeiro Feitosa efeitosa@dcc.ufam.edu.br

Prática em Redes de Computadores. Meios de Transmissão. Prof. M.Sc. Eduardo Luzeiro Feitosa efeitosa@dcc.ufam.edu.br Prática em Redes de Computadores Meios de Transmissão Prof. M.Sc. Eduardo Luzeiro Feitosa efeitosa@dcc.ufam.edu.br Sumário Introdução Meios de Transmissão Cabo coaxial Cabo Par Trançado Fibra Óptica Interferências

Leia mais

APRENDIZAGEM INDUSTRIAL. UNIDADE 7 Blindagem e Aterramento do Cabeamento Estruturado

APRENDIZAGEM INDUSTRIAL. UNIDADE 7 Blindagem e Aterramento do Cabeamento Estruturado APRENDIZAGEM INDUSTRIAL UNIDADE 7 Blindagem e Aterramento do Cabeamento Estruturado Porque blindar ou aterrar? Quando um cabo é submetido a um campo eletromagnético, correntes e tensões são induzidas em

Leia mais

MORAES TEIXEIRA RELATÓRIO TECNICO MEIOS DE TRANSMISÃO CABO DE PAR TRANÇADO (SEM BLINDAGEM)

MORAES TEIXEIRA RELATÓRIO TECNICO MEIOS DE TRANSMISÃO CABO DE PAR TRANÇADO (SEM BLINDAGEM) Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial E.E.P. Senac Pelotas Centro Histórico Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego Curso Técnico em Informática ÂNDREA MORAES TEIXEIRA RELATÓRIO TECNICO

Leia mais

Capítulo 3 Circuitos Elétricos

Capítulo 3 Circuitos Elétricos Capítulo 3 Circuitos Elétricos 3.1 Circuito em Série O Circuito Série é aquele constituído por mais de uma carga, ligadas umas as outras, isto é, cada carga é ligada na extremidade de outra carga, diretamente

Leia mais

Sinais Elétricos Digital Analógico

Sinais Elétricos Digital Analógico Sinais Elétricos Digital Analógico Fatores que influenciam na distorção do sinal no meio de transmissão Ruído O ruído é caracterizado pela interferência de meios externos á rede, ou seja, podem ser oriundos

Leia mais

AMPLIFICADOR HD 1600 HD 2200 HD 2800 MANUAL DE INSTRUÇÕES INTRODUCÃO INSTRUÇÕES DE INSTALAÇÃO - 1 - 1 CANAL - CLASSE D - 2 Ohms

AMPLIFICADOR HD 1600 HD 2200 HD 2800 MANUAL DE INSTRUÇÕES INTRODUCÃO INSTRUÇÕES DE INSTALAÇÃO - 1 - 1 CANAL - CLASSE D - 2 Ohms INTRODUCÃO AMPLIFICADOR MANUAL DE INSTRUÇÕES HD 1600 HD 2200 HD 2800 Nós da HURRICANE agradecemos pela escolha dos nossos produtos. Nossos amplificadores são projetados para oferecer a mais alta performance.

Leia mais

Meios Físicos de Transmissão

Meios Físicos de Transmissão Meios Físicos de Transmissão O meios de transmissão diferem com relação à banda passante, potencial para conexão ponto a ponto ou multiponto, limitação geográfica devido à atenuação característica do meio,

Leia mais

Faculdade de Tecnologia e Ciências

Faculdade de Tecnologia e Ciências Faculdade de Tecnologia e Ciências Curso: Engenharia de Telecomunicações Disciplina: Eletrônica de Radiofreqüência Carga Horária: 80 horas Professor: Clovis Almeida Faculdade de Tecnologia e Ciências Regras

Leia mais

Disciplina: Cabeamento de Redes Profª Érica Barcelos

Disciplina: Cabeamento de Redes Profª Érica Barcelos Disciplina: Cabeamento de Redes Profª Érica Barcelos CAPÍTULO 4 4. CABEAMENTO ESTRUTURADO- PARTE II Cada nível do subsistema estudado no capítulo anterior foi regulamentado por normas que visam padronizar

Leia mais

Cabo de par trançado O cabeamento por par trançado (Twisted pair) é um tipo de cabo que possui pares de fios entrelaçados um ao redor do outro para

Cabo de par trançado O cabeamento por par trançado (Twisted pair) é um tipo de cabo que possui pares de fios entrelaçados um ao redor do outro para Cabo de par trançado O cabeamento por par trançado (Twisted pair) é um tipo de cabo que possui pares de fios entrelaçados um ao redor do outro para cancelar as interferências eletromagnéticas (EMI). Foi

Leia mais

Medidas elétricas em altas frequências

Medidas elétricas em altas frequências Medidas elétricas em altas frequências A grande maioria das medidas elétricas envolve o uso de cabos de ligação entre o ponto de medição e o instrumento de medida. Quando o comprimento de onda do sinal

Leia mais

9º ENTEC Encontro de Tecnologia: 23 a 28 de novembro de 2015

9º ENTEC Encontro de Tecnologia: 23 a 28 de novembro de 2015 ANÁLISE DE DISTORÇÕES HARMÔNICAS Michelle Borges de Oliveira¹; Márcio Aparecido Arruda² ¹Universidade de Uberaba, Uberaba Minas Gerais ²Universidade de Uberaba, Uberaba Minas Gerais oliveiraborges.michelle@gmail.com;

Leia mais

Mídias Físicas Utilizadas Cabo Coaxial e Par Trançado. Prof. Alexandre Beletti Ferreira

Mídias Físicas Utilizadas Cabo Coaxial e Par Trançado. Prof. Alexandre Beletti Ferreira Mídias Físicas Utilizadas Cabo Coaxial e Par Trançado Prof. Alexandre Beletti Ferreira Cabo Coaxial COMPOSTO POR: Fio de cobre rígido que forma o núcleo Envolto por um material isolante, O isolante, por

Leia mais

Infraestrutura de Redes Locais. Edmilson Carneiro Moreira

Infraestrutura de Redes Locais. Edmilson Carneiro Moreira Infraestrutura de Redes Locais Edmilson Carneiro Moreira Sumário Introdução Histórico Cabeamento Estruturado Conceitos Categorias e Classes de desempenho ANSI/TIA-568-C Referências [1] Paulo Sérgio Cabeamento

Leia mais

Normalização Conceitos & Atualização

Normalização Conceitos & Atualização Normalização Conceitos & Atualização Prof. Dr. Paulo Sérgio Marin, Engº. Engenheiro Eletricista marin@paulomarin.com São Paulo 17/10/2013 Minhas Credenciais Prof. Dr. Paulo Marin, Engº. Estudos de pós-doutorado

Leia mais

CABO GIGALAN AUGMENTED CAT. 6A F/UTP 23AWGX4P

CABO GIGALAN AUGMENTED CAT. 6A F/UTP 23AWGX4P CABO GIGALAN AUGMENTED CAT. 6A F/UTP 23AWGX4P Tipo do Produto Cabos LAN Família do Produto Construção GigaLan Augmented RoHS Compliant Categoria 6A F/UTP (blindado) PVC - CM, CMR Características Gerais

Leia mais

Módulo 4 EA Termopar - 10 Bits

Módulo 4 EA Termopar - 10 Bits Módulo 4 EA Termopar - 1 Bits 119 Cód. Doc.: 61-41.3 Revisão: L 1. Descrição do Produto O módulo 119 é integrante das séries 6, 1 e 2 de controladores programáveis. Destina-se a leitura de temperaturas

Leia mais

Legrand Cabling System LCS 2 cat. 6A

Legrand Cabling System LCS 2 cat. 6A Legrand Cabling System LCS 2 cat. 6A patch panel, blocos de conectores, patch cords e tomadas RJ45 335 73 335 76 Conector cat. 6a FTP blindado 517 82 327 78 6602 09 6602 13 765 99 Patch panels de montagem

Leia mais

Automação Industrial Parte 5

Automação Industrial Parte 5 Automação Industrial Parte 5 Prof. Ms. Getúlio Teruo Tateoki http://www.getulio.eng.br/meusalunos/autind.html Sensores capacitivos -Sensores de proximidade capacitivos estão disponíveis em formas e tamanhos

Leia mais

Manual de Instruções. Crossover 4 Vias HD-X4W. Especificações Técnicas (Crossover 4 Vias) Nível máximo de entrada

Manual de Instruções. Crossover 4 Vias HD-X4W. Especificações Técnicas (Crossover 4 Vias) Nível máximo de entrada Especificações Técnicas (Crossover 4 Vias) Nível máximo de entrada 9V RMS Tweeter CH Crossover /octave 2K, 4K, 6K, 8K Mid CH Crossover /octave Low: 0, 0, 0Hz em Flat High:,, 1,Hz Mid Bass Crossover /octave

Leia mais

Controle de Interferência na Instalação e na Operação de Sistemas Eletrônicos

Controle de Interferência na Instalação e na Operação de Sistemas Eletrônicos Controle de Interferência na Instalação e na Operação de Sistemas Eletrônicos Roberto Menna Barreto QEMC Engenharia, Qualidade e Compatibilidade Eletromagnética Ltda. www.qemc.com.br Resumo A área da Compatibilidade

Leia mais

Instrumentação e Técnicas de Medidas. Ruído, Interferência

Instrumentação e Técnicas de Medidas. Ruído, Interferência Instrumentação e Técnicas de Medidas Ruído, Interferência Controle de Versões 2013 Versão 1 Instrumentação e Técnicas de Medidas (ITM) Com base nas notas de aula de COB783 e Op Amp Applications Handbook,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DO PONTAL FÍSICA EXPERIMENTAL III INDUTORES E CIRCUITOS RL COM ONDA QUADRADA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DO PONTAL FÍSICA EXPERIMENTAL III INDUTORES E CIRCUITOS RL COM ONDA QUADRADA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DO PONTAL FÍSICA EXPERIMENTAL III INDUTORES E CIRCUITOS RL COM ONDA QUADRADA 1. OBJETIVO O objetivo desta aula é estudar o comportamento

Leia mais

Certificação de redes ópticas de 10GbE

Certificação de redes ópticas de 10GbE CABEAMENTO ESTRUTURADO Certificação de redes ópticas de 10GbE 70 RTI DEZ 2008 JDSU (Brasil) As redes ópticas baseadas em 10GbE exigem um bom processo de certificação. O artigo a seguir detalha os principais

Leia mais

Cabeamento Estruturado. Norma 568

Cabeamento Estruturado. Norma 568 Cabeamento Estruturado Norma 568 1 Resumo Evolução da Norma; Onde e como utilizar a norma; Conhecer como a norma ANSI/EIA/TIA 568B está dividida em subsistemas; D e s c r e v e r a s c a r a c t e r í

Leia mais

Como Testar Conforme a TIA/EIA-568-B.2-10

Como Testar Conforme a TIA/EIA-568-B.2-10 Como Testar Conforme a TIA/EIA-568-B.2-10 O que todo instalador precisa saber sobre a nova norma para Categoria 6 Aumentada de cabeamento. A Associação da Indústria das Telecomunicações aprovou uma nova

Leia mais

Experimento 2 Gerador de funções e osciloscópio

Experimento 2 Gerador de funções e osciloscópio Experimento 2 Gerador de funções e osciloscópio 1. OBJETIVO O objetivo desta aula é introduzir e preparar o estudante para o uso de dois instrumentos muito importantes no curso: o gerador de funções e

Leia mais

CAB Cabeamento Estruturado e Redes Telefônicas

CAB Cabeamento Estruturado e Redes Telefônicas MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAMPUS SÃO JOSÉ SANTA CATARINA CAB Cabeamento Estruturado e Redes Telefônicas

Leia mais

Nome : Empresa : Cargo : Endereço : Telefone : FAX: E-mail : Site :

Nome : Empresa : Cargo : Endereço : Telefone : FAX: E-mail : Site : Nome : Empresa : Cargo : Endereço : Cidade: CEP: Telefone : FAX: E-mail : Site : Assinatura Local e Data IMPORTANTE: Preencher os dados completos e em letra legível pois, em caso de aprovação, as informações

Leia mais

Capítulo 4 - Testes de Cabos. Associação dos Instrutores NetAcademy - agosto de 2007 - Página

Capítulo 4 - Testes de Cabos. Associação dos Instrutores NetAcademy - agosto de 2007 - Página Capítulo 4 - Testes de Cabos 1 Fundamentos - Ondas As ondas são importantes no estudo das redes, pois são elas que transmitem as informações, utilizando meios de cobre, fibra óptica ou o ar. As ondas são

Leia mais

TESTES E CERTIFICAÇÃO

TESTES E CERTIFICAÇÃO PROFESSOR NORBERTO - CABEAMENTO ESTRUTURADO TESTES E CERTIFICAÇÃO Para garantir a qualidade das instalações e a performance desejada é necessário que tenha-se certeza que a obra foi realizada dentro das

Leia mais

6 Ações Mecânicas Principais sobre Edificações de uma Usina Nuclear

6 Ações Mecânicas Principais sobre Edificações de uma Usina Nuclear 6 Ações Mecânicas Principais sobre Edificações de uma Usina Nuclear 6.1 Forças sobre estruturas civis sensíveis Na avaliação da força sobre a estrutura é utilizada a relação força/velocidade descrita pela

Leia mais

FICHA TÉCNICA PATCH PANEL 24 PORTAS C5e RoHS

FICHA TÉCNICA PATCH PANEL 24 PORTAS C5e RoHS FICHA TÉCNICA PATCH PANEL 24 PORTAS C5e RoHS 1- Aplicação: Este produto aplica-se a sistemas de cabeamento estruturado, para tráfego de voz, dados e imagens, do tipo 10BASE-T, 100BASE-Tx, 155M ATM, 4/16MB

Leia mais

Fundamentos de Rede e Cabeamento Estruturado. A camada Física

Fundamentos de Rede e Cabeamento Estruturado. A camada Física Fundamentos de Rede e Cabeamento Estruturado A camada Física Largura de banda Compartilhada ou shared bandwidth Comutada ou switched bandwidth Banda base e banda larga Banda base existe a possibilidade

Leia mais

Oito dicas para melhorar a coleta de sinais do osciloscópio

Oito dicas para melhorar a coleta de sinais do osciloscópio Oito dicas para melhorar a coleta de sinais do osciloscópio Nota de aplicação 1603 8 dicas para melhorar a coleta de sinais do osciloscópio A coleta do sinal é um passo crítico para fazer medições de qualidade

Leia mais

Baluns Como eles trabalham Como eles são feitos

Baluns Como eles trabalham Como eles são feitos Baluns Como eles trabalham Como eles são feitos O que é um balun? O Balun é um tipo especial de transformador que faz duas funções: Transformador de impedância Transformador de linha balanceada para linha

Leia mais

CORRENTE CONTÍNUA E CORRENTE ALTERNADA

CORRENTE CONTÍNUA E CORRENTE ALTERNADA CORRENTE CONTÍNUA E CORRENTE ALTERNADA Existem dois tipos de corrente elétrica: Corrente Contínua (CC) e Corrente Alternada (CA). A corrente contínua tem a característica de ser constante no tempo, com

Leia mais

CATEGORIA 8 NOVA SOLUÇÃO PARA REDES ETHERNET 40Gbps. Renato Flávio Cruz Gerente Técnico - Cabos

CATEGORIA 8 NOVA SOLUÇÃO PARA REDES ETHERNET 40Gbps. Renato Flávio Cruz Gerente Técnico - Cabos CATEGORIA 8 NOVA SOLUÇÃO PARA REDES ETHERNET 40Gbps Renato Flávio Cruz Gerente Técnico - Cabos Agenda Redes atuais para 40 Gbit/s Ethernet Next Generation Cabling: 40GBASE-T Category 8 - Cabos e Conectores

Leia mais

Redes de Computadores I - Meios de Transmissão. por Helcio Wagner da Silva

Redes de Computadores I - Meios de Transmissão. por Helcio Wagner da Silva Redes de Computadores I - Meios de Transmissão por Helcio Wagner da Silva Classificação Meios guiados: Par trançado. Cabo coaxial. Fibra óptica. Meios Não-guiados: Transmissão por rádio. Microondas. Infravermelho.

Leia mais

Casamento de Impedância

Casamento de Impedância Disciplina: Ondas e ropaação Universidade do Estado de Santa Catarina Centro de Ciências Tecnolóicas CCT Departamento de Enenharia Elétrica aboratório de Eletromanetismo E-3 Casamento de Impedância O casamento

Leia mais

Meios de transmissão. Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Bragança Março de 2006

Meios de transmissão. Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Bragança Março de 2006 Redes de Computadores Meios de transmissão Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Bragança Março de 2006 Meios de transmissão Redes de Computadores 1 Meios de transmissão Asseguram

Leia mais

EXPERÊNCIA 4 - MODULAÇÃO EM FREQUÊNCIA

EXPERÊNCIA 4 - MODULAÇÃO EM FREQUÊNCIA EXPERÊNCIA 4 - MODULAÇÃO EM FREQUÊNCIA Modulação em freqüência ocorre quando uma informação em banda básica modula a freqüência ou alta freqüência de uma portadora com sua amplitude permanecendo constante.

Leia mais

CABO GIGALAN AUGMENTED 23AWG x 4 P CAT. 6 F/UTP

CABO GIGALAN AUGMENTED 23AWG x 4 P CAT. 6 F/UTP CABO GIGALAN AUGMENTED 23AWG x 4 P CAT. 6 F/UTP Tipo do Produto Cabos LAN Família do Produto Construção GigaLan Augmented RoHS Compliant Categoria 6A F/UTP (blindado) PVC - CM, CMR Características Gerais

Leia mais

MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA, DO COMÉRCIO E DO TURISMO

MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA, DO COMÉRCIO E DO TURISMO MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA, DO COMÉRCIO E DO TURISMO INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO Portaria n.º 115, de 29 de junho de 1998 O Presidente do Instituto Nacional

Leia mais

Interferência entre sinais de diferentes naturezas em sistemas de cabeamento estruturado

Interferência entre sinais de diferentes naturezas em sistemas de cabeamento estruturado Interferência entre sinais de diferentes naturezas em sistemas de cabeamento estruturado Paulo Sérgio Marin, Dr., Engº. paulo_marin@paulomarinconsultoria.eng.br Resumo- Este trabalho tem como objetivo

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Cabeamento Gustavo Reis gustavo.reis@ifsudestemg.edu.br Os cabos são usados como meio de comunicação há mais de 150 anos. A primeira implantação em larga escala de comunicações via

Leia mais

Camada Física. Bruno Silvério Costa

Camada Física. Bruno Silvério Costa Camada Física Bruno Silvério Costa Sinais Limitados por Largura de Banda (a) Um sinal digital e suas principais frequências de harmônicas. (b) (c) Sucessivas aproximações do sinal original. Sinais Limitados

Leia mais

OSCILOSCÓPIO DIGITAL Tektronix TDS220 Guia Resumido

OSCILOSCÓPIO DIGITAL Tektronix TDS220 Guia Resumido Prof. Hamilton Klimach Janeiro de 2002 OSCILOSCÓPIO DIGITAL Tektronix TDS220 Guia Resumido Introdução Esse osciloscópio, como qualquer outro, tem por função apresentar a representação visual da tensão

Leia mais

PROPRIETÁRIO DA OBRA

PROPRIETÁRIO DA OBRA PROPRIETÁRIO DA OBRA RELATÓRIO TÉCNICO DE CERTIFICAÇÃO DOS PONTOS DE TELECOMUNICAÇÕES PROPRIEDADE CERTIFICADA MÊS/ANO RELATÓRIO TÉCNICO DE CERTIFICAÇÃO DOS PONTOS DE TELECOMUNICAÇÕES PROPRIEDADE CERTIFICADA

Leia mais

PY2GEA - Grêmio de Radiamadores da Rodada Encontro de Amigos

PY2GEA - Grêmio de Radiamadores da Rodada Encontro de Amigos 1 de 6 8/8/2007 18:40 PY2GEA - Grêmio de Radiamadores da Rodada Encontro de Amigos APOSTILA DO EXAME SOBRE RADIOAELETRICIDADE 80 A 120 QUESTÕES DE ESCOLHA SIMPLES Assinale X entre os parênteses que indicar

Leia mais

Prof. Tiago Semprebom. 13 de Abril de 2010

Prof. Tiago Semprebom. 13 de Abril de 2010 Testes de Certificação Prof. Tiago Semprebom Instituto Federal de Santa Catarina, Campus São José tisemp@ifsc.edu.br 13 de Abril de 2010 Prof. Tiago (IFET/SC) Cabeamento Estruturado 13 de Abril de 2010

Leia mais

1 Problemas de transmissão

1 Problemas de transmissão 1 Problemas de transmissão O sinal recebido pelo receptor pode diferir do sinal transmitido. No caso analógico há degradação da qualidade do sinal. No caso digital ocorrem erros de bit. Essas diferenças

Leia mais

TESTE DO SISTEMA OBJETIVO DA SEÇÃO

TESTE DO SISTEMA OBJETIVO DA SEÇÃO OBJETIVO DA SEÇÃO I. Lembrar-se dos requisitos de equipamentos de testes para cabos de pares trançados balanceados e fibras ópticas e seu uso adequado. II. Lembrar-se dos requisitos de testes de enlace

Leia mais

São necessários três componentes, simultaneamente, para existir a EMI:

São necessários três componentes, simultaneamente, para existir a EMI: AInterferência Eletromagnética nas Redes de Computadores Prof. José Maurício dos Santos Pinheiro Centro Universitário de Volta Redonda - UniFOA 28 de maio de 2007 EMI Electromagnetic Interference O ambiente

Leia mais

Balanceado X Não-Balanceado

Balanceado X Não-Balanceado Page 1 of 5 Balanceado X Não-Balanceado Informação técnica para usuários de produtos de áudio profissional da Yamaha Conexões não-balanceadas empregam dois condutores: um no potencial do aterramento e

Leia mais

SOCIEDADE EDUCACIONAL DE SANTA CATARINA SOCIESC BACHARELADO EM ENGENHARIA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO. PROJETO DE PESQUISA E EXTENSÃO Art.

SOCIEDADE EDUCACIONAL DE SANTA CATARINA SOCIESC BACHARELADO EM ENGENHARIA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO. PROJETO DE PESQUISA E EXTENSÃO Art. SOCIEDADE EDUCACIONAL DE SANTA CATARINA SOCIESC BACHARELADO EM ENGENHARIA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO PROJETO DE PESQUISA E EXTENSÃO Art. 170 INTERFERÊNCIA EM INSTALAÇÕES DE REDE JOINVILLE NOVEMBRO / 2010

Leia mais

UFSM-CTISM. Comunicação de Dados Meios de Transmissão Aula-03

UFSM-CTISM. Comunicação de Dados Meios de Transmissão Aula-03 UFSM-CTISM Comunicação de Dados Meios de Transmissão Aula-03 Professor: Andrei Piccinini Legg Santa Maria, 2012 Par trançado Cabo coaxial Fibra óptica Meios Não-guiados Transmissão por rádio Microondas

Leia mais

Valores Normalizados dos Parâmetros de Cabeamento Estruturado Metálico na Certificação de Redes

Valores Normalizados dos Parâmetros de Cabeamento Estruturado Metálico na Certificação de Redes Valores Normalizados dos Parâmetros de Cabeamento Estruturado Metálico na Certificação de Redes Auder Nardi Bonora (1), Edson Josias Cruz Gimenez (2), Eduardo Garcia Pina (2), Luis Fernando Chaves da Silva

Leia mais

AULAS 03-04 UNIDADE 1 DINÂMICA DE MÁQUINAS ELÉTRICAS (DME) Prof. Ademir Nied ademir.nied@udesc.br

AULAS 03-04 UNIDADE 1 DINÂMICA DE MÁQUINAS ELÉTRICAS (DME) Prof. Ademir Nied ademir.nied@udesc.br Universidade do Estado de Santa Catarina Departamento de Engenharia Elétrica Curso de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica AULAS 03-04 UNIDADE 1 DINÂMICA DE MÁQUINAS ELÉTRICAS (DME) Prof. Ademir Nied ademir.nied@udesc.br

Leia mais

Resposta em Frequência de Amplificadores. Aula 10 Prof. Nobuo Oki

Resposta em Frequência de Amplificadores. Aula 10 Prof. Nobuo Oki Resposta em Frequência de Amplificadores Aula 10 Prof. Nobuo Oki Considerações Gerais (1) Polo Simples Efeito Miller Multiplicador do capacitor usando efeito Miller Considerações Gerais (2) Aplicabilidade

Leia mais

Redes de Computadores. Trabalho de Laboratório Nº1

Redes de Computadores. Trabalho de Laboratório Nº1 Redes de Computadores Curso de Eng. Informática Curso de Eng. Electrotécnica e Computadores Trabalho de Laboratório Nº1 Cablagem estruturada 1 Introdução Vivemos em plena segunda revolução industrial.

Leia mais

4 Transformadores de impedância em linha de transmissão planar

4 Transformadores de impedância em linha de transmissão planar 4 Transformadores de impedância em linha de transmissão planar 4.1 Introdução A utilização de estruturas de adaptação de impedância capazes de acoplar os sinais elétricos, de modo eficiente, aos dispositivos

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Prof. Macêdo Firmino Meios de Transmissão Macêdo Firmino (IFRN) Redes de Computadores Abril de 2012 1 / 34 Pilha TCP/IP A B M 1 Aplicação Aplicação M 1 Cab M T 1 Transporte Transporte

Leia mais

Instrutor: Eng. Eduardo Freitas. Contato:

Instrutor: Eng. Eduardo Freitas. Contato: Integrador ARTIERE Este documento solução é de propriedade da ARTIERE e fica expressamente proibida a reprodução e/ou divulgação, sem a permissão por escrito da Artiere Comercial Ltda. Todos os direitos

Leia mais

09/08/2015 DISCIPLINA: TECNOLOGIA DE REDES DE COMPUTADORES. Tecnologia em Jogos Digitais. Mídias (meios) de transmissão

09/08/2015 DISCIPLINA: TECNOLOGIA DE REDES DE COMPUTADORES. Tecnologia em Jogos Digitais. Mídias (meios) de transmissão Tecnologia em Jogos Digitais Mídias (meios) de transmissão DISCIPLINA: TECNOLOGIA DE REDES DE COMPUTADORES Mídias físicas: composta pelo cabeamento e outros elementos componentes utilizados na montagem

Leia mais

A Marcação CE de produtos e a Compatibilidade Electromagnética

A Marcação CE de produtos e a Compatibilidade Electromagnética A Marcação CE de produtos e a Compatibilidade Electromagnética Esaú Cardoso Paulo Cabral Porto, Outubro 2013 Plano da Sessão Apresentação Enquadramento Legal e Normativo O que é a Compatibilidade Electromagnética

Leia mais

Par simétrico de fios (ou linha bifilar)

Par simétrico de fios (ou linha bifilar) Par simétrico de fios (ou linha bifilar) Par simétrico de fios: linha de transmissão constituída por dois condutores isolados condutor: cobre; isolador: polietileno. Ldx Rdx I Parâmetros primários: Gdx

Leia mais

3 Configurações para realização do transformador de impedância em linha de transmissão planar 3.1.Introdução

3 Configurações para realização do transformador de impedância em linha de transmissão planar 3.1.Introdução 3 Configurações para realização do transformador de impedância em linha de 3.1.Introdução Neste capítulo serão apresentadas diversas configurações que possibil itam a realização do transformador de impedância

Leia mais

Manual do Leitor ATG-Basic

Manual do Leitor ATG-Basic Manual do Leitor ATG-Basic O leitor ATG-Basic foi desenvolvido para uso em controle de acesso veicular. Esse leitor é para ser usado conectado à uma controladora através das interfaces Wiegand, Abatrack,

Leia mais

Capítulo 2: Introdução às Redes de Computadores Camada Física. Redes para Automação Industrial Luiz Affonso Henderson Guedes

Capítulo 2: Introdução às Redes de Computadores Camada Física. Redes para Automação Industrial Luiz Affonso Henderson Guedes Capítulo 2: Introdução às Redes de Computadores Camada Física Redes para Automação Industrial Luiz Affonso Henderson Guedes Camada Física Trata da geração de sinais físicos e sua propagação através do

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SISTEMA DE CABEAMENTO ESTRUTURADO 1. PATCH CORDS / LINE CORDS / CORDÕES (CATEGORIA 5)

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SISTEMA DE CABEAMENTO ESTRUTURADO 1. PATCH CORDS / LINE CORDS / CORDÕES (CATEGORIA 5) ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SISTEMA DE CABEAMENTO ESTRUTURADO 1. PATCH CORDS / LINE CORDS / CORDÕES (CATEGORIA 5) Os patch cords, line cords ou cordões têm como função a interligação entre o equipamento do usuário

Leia mais

TEKA ELECTRONICS 81 UTP

TEKA ELECTRONICS 81 UTP 81 UTP CABO U/UTP CAT 5e Cabo com performances até os 100MHz (ANSI/TIA/EIA-568-C2), frequentemente utilizado para redes de voz e dados (100Mbit/s e Gigabit Ethernet). Pares em CCA sólido: 0,51mm (24AWG)

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Curso Tecnológico de Redes de Computadores Disciplina: Infraestrutura de Redes de Computadores - 1º período Professor: José Maurício S. Pinheiro AULA 02 Cabeamento

Leia mais

3 Técnicas de conversão de comprimento de onda utilizando amplificador óptico semicondutor

3 Técnicas de conversão de comprimento de onda utilizando amplificador óptico semicondutor 3 Técnicas de conversão de comprimento de onda utilizando amplificador óptico semicondutor Neste capítulo, serão analisados os métodos de conversão de comprimento de onda, e como os sinais originais e

Leia mais