Daniella Oliveira Bonomi A VIABILIDADE DO HOME CARE COMO FERRAMENTA NA PROMOÇÃO DA SAÚDE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Daniella Oliveira Bonomi A VIABILIDADE DO HOME CARE COMO FERRAMENTA NA PROMOÇÃO DA SAÚDE"

Transcrição

1 Daniella Oliveira Bonomi A VIABILIDADE DO HOME CARE COMO FERRAMENTA NA PROMOÇÃO DA SAÚDE Belo Horizonte Universidade Gama Filho Fundação UNIMED 2006

2 DANIELLA OLIVEIRA BONOMI A VIABILIDADE DO HOME CARE COMO FERRAMENTA NA PROMOÇÃO DA SAÚDE Trabalho apresentado ao Curso de Pós- Graduação lato sensu em Auditoria em Saúde da Universidade Gama Filho em parceria com a Fundação Unimed, Coordenador: Prof. Dr. Fernando Castanheira. Belo Horizonte Universidade Gama Filho Fundação UNIMED 2006

3 AGRADECIMENTOS Agradeço a todos que, de alguma maneira, contribuem para tornar a minha vida uma busca incessante de realizações.

4 RESUMO O home care é uma das ferramentas usadas para a promoção da saúde e abrange todos os serviços de saúde prestados aos pacientes em sua residência. Essa modalidade de atendimento tem crescido muito e vem se tornando mais importante nos últimos tempos. O objetivo deste trabalho foi o de demonstrar as vantagens e desvantagens proporcionadas pela utilização do home care. A metodologia utilizada foi uma revisão da literatura baseada em pesquisa bibliográfica, que levou a perceber a importância e os benefícios da promoção de saúde via home care para a comunidade, para o estado e também para as instituições de saúde privada. Palavras-chave: home care, promoção de saúde, vantagens, desvantagens, hospitais.

5 ABSTRACT Home Care is one of the tools for health promotion and encloses all health services for home patients. This attendance modality has grown a lot in recent years, turning out very important day after day. The objective of this work is to demonstrate the advantages and disadvantages of the use of the domiciliary attendance, home care. The used methodology was literary revision based on bibliographical research, that lead us to perceive the importance and the benefits of health promotion through home care for the community, the state and also for the institutions of private health. Key Words: home care, health promotion, advantages, disadvantages, hospitals

6 LISTA DE ILUSTRAÇÕES 1. Gráfico - População idosa no mundo ( ) 18

7 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO Justificativa Objetivos Objetivo geral Objetivos específicos METODOLOGIA A PROMOÇÃO DA SAÚDE AS TENDÊNCIAS DO SETOR DE SAÚDE O ATENDIMENTO DOMICILIAR COMO FERRAMENTA NA PROMOÇÃO DA SAÚDE Visita e atendimento domiciliar Internação domiciliar CONCLUSÕES REFERÊNCIAS 50

8 7 1 INTRODUÇÃO Promover a saúde é necessário. Não se trata de uma ação individual, mas de um conjunto delas, exercidas contínua e globalmente sobre um indivíduo ou uma determinada população, com os objetivos de diminuir a morbimortalidade, propiciar os melhores níveis de crescimento e desenvolvimento físico, intelectual e emocional, conduzindo essa população a uma vida mais longa, saudável e produtiva. Essa é a responsabilidade dos agentes participantes desse processo. Dentre esse conjunto de ações existentes para a promoção da saúde, este trabalho aborda o home care, que compreende assistência médica abrangente a todos os serviços médicos e de enfermagem prestados aos pacientes em sua residência. Essa modalidade de atendimento tem crescido muito nos últimos tempos, tornando-se mais importante a cada dia. Os motivos que dão ao home care o destaque que ele tem recebido são diversos: o envelhecimento da população que está cada vez atingindo mais altos índices de longevidade e, assim, demandando mais assistência médica; a necessidade de humanização do atendimento ao paciente; os resultados que esse tipo de tratamento tem demonstrado, com uma melhora muito mais rápida do paciente que é tratado em casa, em meio a sua família; os custos mais baixos demandados pelo home care em relação à

9 8 internação hospitalar; a disponibilização de leitos nos hospitais; e que este tratamento possibilita a existência cada vez maior de casos de infecção hospitalar, dentre outros. Apesar do aumento na demanda pelo tratamento hospitalar residencial, a maioria das empresas de saúde no Brasil, assim como muitas pessoas, ainda opta por atitudes conservadoras de assistência médica exclusivamente ambulatorial ou hospitalar, porque desconhecem a possibilidade de cura com uma internação domiciliar, parâmetros, redução dos custos e todos os benefícios que essa modalidade de assistência à saúde pode trazer.

10 9 1.1 Justificativa Os altos custos gerados pelo desenvolvimento de técnicas e uso de materiais de custos elevados fazem com que o setor de saúde passe por graves problemas financeiros. Existem dificuldades relacionadas ao atendimento da população, grandes filas para atendimento básico de saúde, indisponibilidade de leitos para a população que depende do sistema publico de saúde. No entanto, muitas empresas privadas têm sua existência ameaçada por não conseguirem custear todo esse aparato tecnológico que vem sendo incorporado à medicina moderna. Alem disso, a vida privada e a vida pública compreendem vários significados na sociedade moderna, suscitando a dificuldade de aceitar o diferente, de compreender o outro e o novo, de respeitar a singularidade de cada ser humano. Essas são marcas de uma sociedade massificada, em que todos deveriam ter resguardada a igualdade, sabendo respeitar as particularidades de cada indivíduo. São essas e outras marcas que levaram a autora à escolha do tema A VIABILIDADE DO HOME CARE COMO FERRAMENTA NA PROMOÇÃO DE SAÚDE, pois, apesar de comprovados os inúmeros benefícios proporcionados pelo tratamento domiciliar, grande parte das empresas de saúde no Brasil, assim como a maioria das pessoas e das famílias de pacientes, ainda opta por atitudes conservadoras de assistência médica exclusivamente ambulatorial ou hospitalar. Esse fato se dá ora porque desconhecem a possibilidade e a agilidade da cura

11 10 com uma internação domiciliar, ora porque ignoram seus parâmetros, a redução dos custos e seus enormes benefícios. Assim, a escolha desse tema justifica-se pela sua contribuição para avaliação e divulgação dos benefícios dessa prática não só para a sociedade como para as próprias empresas de saúde.

12 Objetivos Objetivo geral O objetivo deste trabalho é demonstrar as vantagens e desvantagens proporcionadas pela utilização do atendimento domiciliar home care para a sociedade e para instituições de saúde no País Objetivos específicos 1 Identificar as vantagens e desvantagens da utilização do tratamento domiciliar analisando a viabilidade de sua prática para nossa sociedade. 2 Ressaltar os benefícios que a utilização dessa ferramenta pode contribuir para a diminuição da demanda de internações em nossa sociedade. 3 Analisar os motivos que levam a não utilização do tratamento domiciliar pelas instituições de saúde e pela sociedade em geral.

13 12 2. METODOLOGIA Este trabalho, de acordo com Vergara (2003), caracteriza-se por uma revisão da literatura (pesquisa bibliográfica) que aborda questões pertinentes à promoção da saúde, situando o papel do home care nesse tipo de programa. Para tanto, foram utilizados, na coleta de material abordando a literatura em questão, artigos científicos publicados e artigos veiculados em internet. A análise das informações bem como a conclusão desta revisão entrelaça as questões pertinentes aos benefícios e desvantagens do home care na promoção de saúde para pacientes e instituições de saúde.

14 13 3. A PROMOÇÃO DA SAÚDE A globalização é um fato real e irreversível. Trata-se de uma integração mundial dos mais diversos setores econômicos e financeiros, que se tornou possível pelo grande avanço tecnológico que a informatização e as facilidades de comunicação instantânea propiciaram. Outros fatores que também contribuíram para a consolidação da tendência globalizante foram mudanças geopolíticas, como a queda do muro de Berlim, a emergência de novos países, o aumento da demanda e da expectativa dos consumidores de bens de serviços, bem como o surgimento de regulamentações exigidas pelo mercado internacional. Embora a globalização unifique o mundo, uma grande parte da população permanece excluída. Nesse contexto, de acordo com Hirschfeld e Oguisso (2002), em uma análise de dados publicados pela Organização Mundial da Saúde (OMS), observa-se um enorme desequilíbrio nos gastos globais com assistência à saúde, notadamente entre os países mais industrializados e os em desenvolvimento. Enquanto nos primeiros o gasto com saúde representa 89% do total, nos países menos industrializados despende-se apenas 11% em saúde. Entretanto, apenas 16% da população concentram-se nos países industrializados e 84% nos países em desenvolvimento. O peso das doenças nos países industrializados representa apenas 7%, ao passo que, nos países em desenvolvimento, esse peso representa 93%. Portanto, gasta-se muito mais com muito menos pessoas nos países

15 14 industrializados. Assim, percebe-se que as sociedades em que as pessoas tiverem senso de otimismo em relação ao futuro, coesão social e eqüidade terão como resultado melhor saúde. Nesse aspecto, Wilkinson (1998) afirma que hoje não há mais dúvidas sobre as evidências de determinantes sociais que afetam a saúde. A prova disso é que o escritório regional da Organização Mundial da Saúde para a Europa tem promovido estudos sobre políticas e ações necessárias para orientar os países da região, de modo a prevenir antes que os males cresçam, pois reconhece que essas evidências são discutidas apenas entre pesquisadores e seria preciso aumentar a conscientização das pessoas e estimular e promover as ações. A Organização Mundial de Saúde na Europa está trabalhando para promoção da saúde e, conscientizando a população da necessidade de que tal iniciativa parta de cada indivíduo na busca de sua própria qualidade de vida. A promoção de saúde é a busca da melhoria da qualidade de vida do ser humano, com objetivo de permitir a ele uma vida mais feliz, saudável e longeva. A saúde pode ser entendida conforme a percepção de Capra, apud Silva e Aguillar (2002, p. 124), em que se trata da [...] experiência e bem-estar resultante de um equilíbrio dinâmico, envolvendo os aspectos físicos e psicológicos do organismo,

16 15 assim como suas interações com o meio ambiente natural e social. Percebe-se, em diversas outras obras da literatura, a abordagem da enfermagem orientada para a promoção de saúde e assistência integral, não apenas no sentido de prevenção e cura, mas de melhoria da qualidade de vida. Dessa forma, o primeiro passo para a promoção da saúde seria conscientizar ou educar a população, seja essa cliente de instituições de saúde públicas ou particulares, considerando que a essência da clínica geral é envolver conhecimentos de biologia, psicologia e ciência social, aliados à experiência, sabedoria, compaixão e desvelo pelo paciente como ser humano.

17 16 4. AS TENDENCIAS DO SETOR SAÚDE Quando se estuda a qualidade de vida, vê-se que se trata de hábitos, costumes, local em que se vive, práticas, conceitos e condição sócio-econômica. Todos esses são fatores que interferem na qualidade de vida do indivíduo, podendo ou não levar a um estilo de vida doentio ou saudável. É impossível ser feliz estando doente. As doenças se manifestam das mais variadas formas e nos mais variados locais. Podem estar no corpo físico ou na saúde mental. Os efeitos da globalização no contexto mundial têm proporcionado diversas modificações, positivas e negativas, nas mais diversas áreas de nossas vidas. Assim, também na área da saúde, é necessário que se observem as mudanças ocorridas nos últimos tempos, bem como as tendências para um planejamento futuro. Olhando à volta pode-se perceber claramente que o perfil da saúde da população está mudando. As estatísticas para um futuro hoje presentes segundo Hense e Pfeiffer (1993), confirmadas pelo Centro de Documentação do Ministério da Saúde (1998), apontam que o número de doenças crônico-degenerativas, tanto em adultos quanto em crianças, tem aumentado.

18 17 O aumento significativo das condições crônicas de saúde tem feito com que um número maior de famílias passe pela experiência de ter uma criança ou um adulto doente crônico em sua casa. O controle cada vez maior de epidemias por meio do avanço das pesquisas em saúde, de vacinas, saneamento básico e educação, é outra preocupação da saúde no Brasil e no mundo. Todavia, um outro fenômeno, tem marcado a tendência da área de saúde com muita ênfase: o aumento da longevidade do ser humano. Segundo a Organização Pan-Americana de Saúde, citada por Gomes e Loures (2004), o envelhecimento é reconhecido como uma das mais importantes modificações na estrutura da população mundial. Esta é uma realidade em todos os países do mundo. Todavia, entre os dotados de menos recursos econômicos e sociais, como o Brasil, a questão ocasiona maiores problemas, devendo ser considerada primordial na política, na saúde e na educação. O Brasil está deixando de ser um país de jovens, tendo-se, entre os fatores responsáveis, o declínio da natalidade, que, entre 1960 e 1980 diminuiu em 33% e os avanços da tecnologia médica nos últimos 50 anos, que trouxe a cura para uma gama de patologias consideradas fatais antigamente. Além disso, a promoção de saúde via prevenção das doenças e a maior informação sobre as mesmas devem empurrar a expectativa mundial de vida humana para perto dos cem anos em

19 18 menos de duas décadas, como mostra o gráfico 1. Gráfico 1 - População idosa no mundo ( ) Países Desenvolvidos Países em Desenvolvimento Fonte: Jornal Brasileiro de Medicina JBM, 2004, p.78. Assim, a atenção ao idoso é um tema que se tornou objeto de preocupação dos países e da Organização Mundial de Saúde, despertando o interesse das sociedades e da comunidade mundial para as várias questões relacionadas ao fenômeno do envelhecimento que decorre, em parte, da diminuição das taxas de fecundidade e, também, do aumento na esperança de vida das populações. O Brasil, em especial, de acordo com Duarte (1996), atrai as atenções de estudiosos do processo de envelhecimento e das questões sociais, econômicas, políticas e científicas suscitadas pelo fenômeno do envelhecimento em grande escala. Ainda de acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística apud

20 19 Duarte (1996), recentes estudos realizados por demógrafos e epidemiólogos brasileiros projetam para o ano de 2025 a possibilidade de existirem 33 milhões 882 mil pessoas acima de 60 anos, ou seja, dentro de 19 anos, o País estará ocupando o 6º lugar no mundo em termos de população idosa. A faixa etária que mais deve aumentar é a de 70 anos ou mais de idade, o que certamente trará exigências que produzirão impacto no orçamento das políticas públicas para a assistência à saúde da população em geral. Segundo a Organização Mundial de Saúde (1995), em países desenvolvidos, pessoas acima de 60 anos estão ativas e são capazes de realizar o autocuidado e encontram-se menos de 5% incapacitadas por atrofia cerebral irreversível. Nesses países, a maioria das pessoas inválidas é tratada em casa registrando-se menos de 5% dos maiores de 60 anos do mundo desenvolvido que estão entregues aos cuidados das instituições. (DUARTE, 1991). Para Oren, apud Duarte (1991), todas as pessoas têm o direito e a responsabilidade de cuidarem de si mesmas para a manutenção de sua saúde e bem-estar. Assim, para Luce et al. (1991), essas pessoas quando impossibilitadas, seus familiares têm responsabilidade de prover esses cuidados tanto em crianças quanto em idosos, contribuindo para a manutenção de sua segurança emocional, auto-estima e auto-imagem. É um processo que objetiva preservar o gerenciamento de sua própria saúde com autonomia e independência.

21 20 O autocuidado como suporte educativo e promotor da saúde já existe como proposta de assistência desde o surgimento da enfermagem moderna. Ganhou, contudo, ganhou maior ênfase a partir da Teoria de Oren, cuja premissa básica é de que o homem tem habilidades inatas para cuidar de si mesmo, e se pode beneficiar com o cuidado da equipe de saúde quando apresenta limitações decorrentes da falta de saúde. O autocuidado representa uma forma de despaternalizar a assistência, tornando-a participativa. (LUCE et al., 1991). A desospitalização é uma tendência mundial da organização dos serviços de saúde e possibilita aliviar a carência de leitos hospitalares e melhorar a qualidade de atendimento por meio da desconcentração dos locais de atendimento.

22 21 5. O ATENDIMENTO DOMICILIAR COMO FERRAMENTA NA PROMOÇÃO DA SAÚDE Home Care ou atendimento domiciliar é um modo inovador de assistência médica, abrangente a todos os serviços médicos e de enfermagem prestados aos seus pacientes em sua residência; modalidade que cresce e se torna cada dia mais importante em razão do envelhecimento da população e da necessidade de humanização do atendimento. De acordo com Queiroz e Egry (1983), a assistência domiciliar de enfermagem tem mostrado a sua eficácia em termos de desenvolvimento global da família no tocante à saúde, apesar de sua pequena utilização e valorização pelas unidades de saúde. O conceito de home care é bem abrangente assim como são os serviços médicos e de enfermagem prestados aos pacientes em sua residência. Em geral, significa atendimento ambulatorial ou internação domiciliar (24 horas) por equipe de saúde especializada. Fabrício et al. (2004) definem o atendimento domiciliar como um conjunto de procedimentos hospitalares possíveis de serem realizados na casa do paciente, abrangendo ações de saúde desenvolvidas por equipe multiprofissional, baseadas

23 22 em diagnóstico da realidade em que o paciente está inserido, visando à promoção, a manutenção e a reabilitação da saúde. Não há muitos registros formais sobre a história da assistência domiciliar no Brasil. O que mais se encontra são depoimentos de pessoas que viveram ou estão vivendo o desenvolvimento dessa modalidade. As primeiras atividades domiciliares desenvolvidas no Brasil aconteceram no século XX, de acordo com Fabrício et al. (2004), mais precisamente, em 1919, com a criação do serviço de enfermeiras visitadoras no Rio de Janeiro. Em 1949, foi criado o Serviço de Assistência Médica Domiciliar e de Urgência (SAMDU), em que os médicos de plantão saíam em ambulâncias para o atendimento. Nessa época, a demanda era feita via telefone diretamente aos postos de urgência. A partir da década de 90, várias outras implantações de serviços de assistência domiciliar surgiram, sendo implantados em empresas, prefeituras, hospitais públicos e privados, cooperativas médicas, seguradoras de saúde, medicina de grupo entre outros. Em uma pesquisa realizada no México por Martínez, Mávil e Perez (1996), onde pacientes diabéticos foram submetidos ao tratamento por meio de assistência domiciliar, foi constatada a eficácia do tratamento domiciliar em diabéticos com lesões de pele tanto para a taxa de morbidade quanto para os custos do tratamento. Foi reduzido também o número de hospitalizações e amputações.

24 23 Esse mesmo estudo, aplicado em um grupo de pacientes no trato de úlceras, demonstrou uma porcentagem menor de resultados. Todavia, ainda assim, os pacientes apresentaram lesões mais limitadas. O movimento de home care surgiu nos Estados Unidos, em 1947, na era do pósguerra, quando várias enfermeiras se reuniram e passaram a atender pacientes em casa. Somente na década de 1960 é que esse movimento tomou mais vulto, e a idéia da desospitalização precoce começou a ser levada a sério. Os hospitais viviam cheios, os leitos não eram suficientes, as filas para internação hospitalar começaram a surgir de todos os lados, a população aumentando cada vez, muitos doentes de guerras, os idosos estavam ficando mais longevos precisando cada vez mais de cuidados médicos e de enfermagem e novos hospitais precisavam ser construídos. Naquela época, surgiram as Nursing Home até hoje existentes. Seu atendimento é realizado principalmente por enfermeiras e direcionado para o idoso crônico terminal. Entretanto, a demanda para atender outros tipos de pacientes, com diversas patologias, também era grande. Para evitar que idosos em recuperação ocupassem leitos hospitalares, foram criadas instituições que se propunham a tratar do paciente em casa e, ao contrário do que os profissionais imaginavam, em vez de queda, houve um salto de

25 24 eficiência com esse tipo de tratamento, promovendo-se uma recuperação precoce do paciente. (SANTOS, 2005). Começava a surgir embrionariamente uma solução economicamente viável e criativa para um atendimento alternativo à saúde. No princípio, o sucesso não foi tão grande, pois os familiares não podiam arcar com os custos dessa internação hospitalar e que o tornava elitizado demais. À medida, porém, que as seguradoras e os planos de saúde descobriram este nicho de diminuição de despesas passaram a estudar as planilhas de custos e a remunerar quase todos os procedimentos de home care. (MARTINI, 1993). Na estrutura de atendimento ao doente, o Hospital Samaritano, no início do século, contratava as enfermeiras inglesas com experiência e prática domiciliares para cuidar das autoridades da época em suas casas, pois a alta burguesia tinha grande resistência ao atendimento hospitalar. Apesar do crescimento do atendimento hospitalar que objetivava proporcionar a melhoria e a cura, a concentração e manutenção de tecnologia e atendimento especializado num só lugar aumentaram o custo da internação hospitalar. Assim, tornou-se necessário repensar o sistema de saúde brasileiro. De acordo com a Revista Brasileira de Medicina (2000), o gerenciamento inadequado num hospital causa falha no aprovisionamento de determinado medicamento. Provoca, ao mesmo tempo, um aumento no custo da assistência ao

26 25 alargar o tempo de permanência do paciente e exigir uma compra emergencial de medicamentos, conseqüentemente, uma deterioração da qualidade ao prejudicar ou adiar o tratamento do paciente e fazê-lo permanecer desnecessariamente no hospital sujeito a infecções hospitalares. Um equipamento sem manutenção adequada também atrasa ou impede o tratamento de determinados pacientes, com reflexos simultâneos sobre o custo do tratamento e a qualidade da assistência. Uma alta taxa de infecção hospitalar resulta, ao mesmo tempo, em altos custos e em má qualidade da assistência hospitalar. Finalmente, a utilização excessiva ou desnecessária de alta tecnologia certamente acarreta custos desnecessários, mas também, com freqüência, resulta em queda na qualidade da assistência prestada. Dessa forma, em muitos casos, são os mesmos fatores os responsáveis pelos altos custos e pela baixa qualidade dos serviços de saúde. Eles são, em parte conseqüência de um gerenciamento ineficiente ou inadequado dos serviços de saúde e de uma despreocupação, muito comum entre profissionais de saúde, com o custo dos serviços e sua eficiência. Era comum até pouco tempo atrás ouviremse afirmações como saúde não tem preço. Como a prestação de serviços de saúde obviamente exige a utilização de recursos, em quantidade vultosa como se

27 26 vê, essa postura tem levado, muitas vezes, a um custo desnecessariamente alto da assistência médica. (REVISTA BRASILEIRA DE MEDICINA, 2000). Uma política esclarecida e planejada de identificação das ineficiências e desperdícios no processo de produção permitirá ao mesmo tempo reduzir ou eliminar os custos desnecessários e melhorar a qualidade da assistência médica. O controle de custos e a busca da qualidade não devem, portanto, ser considerados como mutuamente exclusivos ou mesmo objetivos concorrentes, mas, sim, duas facetas do mesmo processo, cada vez mais necessário, de gerenciamento da assistência médica, que busca encontrar maneiras mais eficientes e racionais de melhorar e manter a saúde da população. O atendimento domiciliar vem se dando, progressivamente, por meio do programa Saúde da Família, mas ainda é preciso corrigir distorções do sistema hospitalar, agilizando, por exemplo, a liberação do paciente. O aumento da atividade de home care está em crescimento, não devido à longevidade da população, mas pela necessidade de desospitalizar a atenção à saúde dessa população. O cuidado domiciliar, por meio da visita domiciliar, é o principal instrumento para a prevenção da mortalidade infantil, da mortalidade perinatal, para a prevenção das doenças crônico-degenerativas e no acompanhamento das pessoas que já manifestaram tais problemas de saúde.

28 27 De conformidade com Joint Commission (1997) referente ao home care a saúde não está no hospital, ela deve estar no lar das pessoas, seja em casas modestas ou em mansões, em cortiços ou debaixo de viadutos. Outro ponto fundamental da atividade é a importância da observação dos princípios éticos e legais e o cumprimento da legislação de modo que se possa garantir o cuidado prestado com qualidade e, principalmente, com segurança. Quanto às perspectivas, Hirschfeld (2001) alertou que o Brasil vai precisar cada vez mais de instrumentos para atender seus idosos fora das instituições hospitalares, já que não dispõe de leitos, nem recursos financeiros suficientes. Segundo a mesma autora, existe uma tendência global de aumento da idade da população nos próximos 20 anos e que, somente no Brasil, essa taxa de crescimento deverá ser de 200%, e a principal preocupação hoje está nas diferenças observadas nos processos de envelhecimento ocorridos em diferentes países: "[...] o mundo desenvolvido enriqueceu antes de envelhecer. E os países em desenvolvimento estão envelhecendo muito antes de enriquecer." (HIRSCHFELD, 2001, p. 454). Durante a Conferência Internacional Panorama Mundial de home care, que aconteceu nos dias 26 e 27 de novembro de 2001, o secretário da Saúde do Estado de São Paulo, José da Silva Guedes, declarou que "[...] a expansão do

29 28 home care terá apoio do Governo no processo de implantação e expansão da modalidade de atendimento domiciliar à saúde e caberá ao Governo disponibilizar os equipamentos para os tratamentos a serem realizados. Ao reconhecer que essa é uma modalidade que cresce e se torna a cada dia mais importante, em razão do envelhecimento da população e da necessidade de humanização do atendimento, o secretário ressaltou, ainda, a economia de recursos gerada com a eliminação ou a redução do tempo de internação dos doentes. Para sistematizar o programa Saúde na Família, foram anunciadas, durante a referida conferencia, as Diretrizes para a Assistência Domiciliar na Atenção Básica e, posteriormente, seriam publicadas oficialmente pelo Governo Federal em meados de De acordo com Maria Raquel Gomes Maia Pires (2001), assessora técnica da Coordenação de Qualificação da Atenção Básica da Secretaria de Política do Ministério da Saúde as diretrizes as discussões serão fundamentais para a regulamentação do setor de home care no Brasil e acrescentou que as fases para a implementação e validação do documento pelo Ministério seriam quatro e já se estaria na última que é a publicação e divulgação do documento final. Cuidar da saúde do cidadão em sua própria residência aumenta a capacidade de

30 29 atendimento da rede pública e humaniza o tratamento. Entre a omissão e as alianças com os setores que fazem das doenças da população um negócio, assiste-se à redução da qualidade de atendimento aos pacientes da rede pública e a um processo de abandono dos investimentos. O significado final dessa crise é a diminuição da capacidade de trabalho, da qualidade e da expectativa de vida dos brasileiros; as medidas preventivas são insuficientes, os tratamentos adiados e os cidadãos usuários são submetidos a condições humilhantes. As empresas que optam pela valorização da saúde encontram grandes dificuldades para obter recursos para novos investimentos e para custear os serviços, e a racionalização do que está disponível surge como alternativa inevitável. Os serviços de saúde no Brasil adotam um modelo centrado na doença e no hospital e são caracterizados pelo gigantismo e o imediatismo. Os serviços são estruturados de forma a serem prestados em unidades de saúde, transformando a exigência de melhores serviços de saúde em reivindicação de novos equipamentos. O cotidiano do sistema de saúde torna-se uma triste combinação de filas, congestionamento de unidades e gastos enormes de tempo e dinheiro com a burocracia. Mas é possível prestar serviços de saúde à população, sem que

31 30 ela, necessariamente, tenha que se locomover até as unidades de saúde ou se submeter à internação hospitalar. Ao invés de unidades de grande porte, transfere-se a prestação dos serviços para unidades mais simples e para a própria residência dos cidadãos. Apesar das vantagens que a assistência domiciliar apresenta, a sua implantação e a gestão dos serviços exigem muita atenção. O principal ponto a ser lembrado é que um sistema de assistência domiciliar, desde o mais simples até o mais complexo, só pode ser concebido a partir da existência da rede de unidades de saúde, que funciona como a principal porta de entrada e oferece a retaguarda hospitalar e ambulatorial para os pacientes. Para sua implantação, é preciso definir quais são os tipos de serviço viáveis no município, levando-se em conta as maiores necessidades e as possibilidades da prefeitura em termos de equipamentos e pessoal. É importante estabelecer critérios de seleção das regiões ou pacientes a serem atendidos. É mais vantajoso, por exemplo, implantar serviços de visita domiciliar nas localidades com maior concentração de população infantil e com menor nível de renda. A internação domiciliar é mais aconselhável onde houver maior carência de leitos públicos. Para a prestação de serviços especializados e a internação domiciliar, é

32 31 importante observar as condições existentes na residência do paciente, avaliando se é possível receber cuidados em casa. Uma vez que a participação ativa dos doentes e familiares é fundamental, não é possível levar adiante o projeto sem considerar as condições psicológicas e a disposição da família em seguir a prescrição. As enfermidades mais freqüentes em home care são aquelas advindas do progressivo envelhecimento da população, as ditas crônicas como hipertensão arterial sistêmica, câncer, seqüelas de AVC, doença de Alzenheimer e escleroses. O home care beneficia uma gama enorme de pacientes crônicos com diversas patologias. Além das mencionadas acima, estão aqueles pacientes que requerem nutrição enteral ou parenteral prolongada, diabéticos debilitados, pacientes com escaras de decúbitos, queimados em recuperação, pacientes pediátricos prematuros, traqueostomizados ou em tratamentos que exigem antibióticoterapia endovenosa, casos de tumores malignos em tratamento ou fora de possibilidade terapêutica curativa entre outras. Enfim, é cada vez mais crescente o número de pacientes que se beneficiarão com o home care. E, na medida em que a sofisticação dos aparelhos de telemedicina se desenvolve com mais rapidez, permitindo que um maior número de pacientes possam ser monitorizados a distância, outras doenças virão se juntar às já

Uma área em expansão. Radiologia

Uma área em expansão. Radiologia Uma área em expansão Conhecimento especializado e treinamento em novas tecnologias abrem caminho para equipes de Enfermagem nos serviços de diagnóstico por imagem e radiologia A atuação da Enfermagem em

Leia mais

O PACTO PELA VIDA É UM DOS SUBCOMPONENTES DO PACTO PELA SAÚDE PORTARIA 399/06. É O MARCO JURÍDICO DA PRIORIZAÇÃO DA SAÚDE DO IDOSO NO BRASIL

O PACTO PELA VIDA É UM DOS SUBCOMPONENTES DO PACTO PELA SAÚDE PORTARIA 399/06. É O MARCO JURÍDICO DA PRIORIZAÇÃO DA SAÚDE DO IDOSO NO BRASIL SAÚDE DO IDOSO CURSO ESPECÍFICOS ENFERMAGEM - A Saúde do Idoso aparece como uma das prioridades no Pacto pela Vida, o que significa que, pela primeira vez na história das políticas públicas no Brasil,

Leia mais

Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I. Atenção Básica e a Saúde da Família 1

Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I. Atenção Básica e a Saúde da Família 1 Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I Atenção Básica e a Saúde da Família 1 O acúmulo técnico e político dos níveis federal, estadual e municipal dos dirigentes do SUS (gestores do SUS) na implantação

Leia mais

O CUIDADO QUE FAZ A DIFERENÇA

O CUIDADO QUE FAZ A DIFERENÇA O CUIDADO QUE FAZ A DIFERENÇA DAL BEN: SUA PARCEIRA EM CUIDADOS ASSISTENCIAIS A saúde no Brasil continua em constante transformação. As altas taxas de ocupação dos hospitais brasileiros demandam dos profissionais

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE ASSISTÊNCIA DOMICILIAR

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE ASSISTÊNCIA DOMICILIAR REGULAMENTO DO PROGRAMA DE ASSISTÊNCIA DOMICILIAR Regulamento do Programa de Assistência Domiciliar aprovado pelo Conselho REGULAMENTO DO PROGRAMA DE ASSISTÊNCIA DOMILICIAR CAPITULO I DEFINIÇÕES GERAIS

Leia mais

3 - Introdução. gestão hospitalar? 8 - Indicadores clínicos. 11 - Indicadores operacionais. 14 - Indicadores financeiros.

3 - Introdução. gestão hospitalar? 8 - Indicadores clínicos. 11 - Indicadores operacionais. 14 - Indicadores financeiros. 3 - Introdução 4 - Quais são as métricas para alcançar uma boa ÍNDICE As Métricas Fundamentais da Gestão Hospitalar gestão hospitalar? 8 - Indicadores clínicos 11 - Indicadores operacionais 14 - Indicadores

Leia mais

Junho 2013 1. O custo da saúde

Junho 2013 1. O custo da saúde Junho 2013 1 O custo da saúde Os custos cada vez mais crescentes no setor de saúde, decorrentes das inovações tecnológicas, do advento de novos procedimentos, do desenvolvimento de novos medicamentos,

Leia mais

ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL

ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL Das Atribuições dos Profissionais dos Recursos Humanos Atribuições comuns a todos os profissionais que integram a equipe: Conhecer a realidade das famílias pelas

Leia mais

Gerenciamento de Custos. Profª Karina Gomes Lourenço

Gerenciamento de Custos. Profª Karina Gomes Lourenço Gerenciamento de Custos Profª Karina Gomes Lourenço A EXPANSÃO DOS GASTOS NA SAÚDE (Nível Macroeconômico) Aumento da Demanda Incorporação de direitos universais de cobertura Mudanças na estrutura etária

Leia mais

5.1 Nome da iniciativa ou Projeto. Academia Popular da Pessoa idosa. 5.2 Caracterização da Situação Anterior

5.1 Nome da iniciativa ou Projeto. Academia Popular da Pessoa idosa. 5.2 Caracterização da Situação Anterior 5.1 Nome da iniciativa ou Projeto Academia Popular da Pessoa idosa 5.2 Caracterização da Situação Anterior O envelhecimento é uma realidade da maioria das sociedades. No Brasil, estima-se que exista, atualmente,

Leia mais

Prof. MS. Ellen H. Magedanz

Prof. MS. Ellen H. Magedanz Prof. MS. Ellen H. Magedanz As transformações nos padrões de saúde/doença constituíram-se em uma das características do último século, estão associadas às mudanças na estrutura etária populacional. América

Leia mais

PROGRAMA DE QUALIDADE DE VIDA DO TRABALHADOR

PROGRAMA DE QUALIDADE DE VIDA DO TRABALHADOR PROGRAMA DE QUALIDADE DE VIDA DO TRABALHADOR Prof. Dr. Jones Alberto de Almeida Divisão de saúde ocupacional Barcas SA/ CCR ponte A necessidade de prover soluções para demandas de desenvolvimento, treinamento

Leia mais

PROJETO DE ESTRUTURAÇÃO SAÚDE PÚBLICA Prefeitura Municipal de Itapeva - SP. Maio de 2014

PROJETO DE ESTRUTURAÇÃO SAÚDE PÚBLICA Prefeitura Municipal de Itapeva - SP. Maio de 2014 PROJETO DE ESTRUTURAÇÃO SAÚDE PÚBLICA Prefeitura Municipal de Itapeva - SP Maio de 2014 UMA RÁPIDA VISÃO DA SAÚDE PÚBLICA NO BRASIL HOJE Estrutura com grandes dimensões, complexa, onerosa e com falta de

Leia mais

O Envelhecimento Populacional e as Repercussões na Política de Saúde e nas Famílias

O Envelhecimento Populacional e as Repercussões na Política de Saúde e nas Famílias O Envelhecimento Populacional e as Repercussões na Política de Saúde e nas Famílias Daiana de Aquino Hilario Machado * RESUMO: Neste artigo estaremos discutindo sobre as repercussões do envelhecimento

Leia mais

A GESTÃO HOSPITALAR E A NOVA REALIDADE DO FINANCIAMENTO DA ASSISTÊNCIA RENILSON REHEM SALVADOR JULHO DE 2006

A GESTÃO HOSPITALAR E A NOVA REALIDADE DO FINANCIAMENTO DA ASSISTÊNCIA RENILSON REHEM SALVADOR JULHO DE 2006 A GESTÃO HOSPITALAR E A NOVA REALIDADE DO FINANCIAMENTO DA ASSISTÊNCIA RENILSON REHEM SALVADOR JULHO DE 2006 No passado, até porque os custos eram muito baixos, o financiamento da assistência hospitalar

Leia mais

CUIDADOS PALIATIVOS DIRECIONADOS A PACIENTES ONCOLÓGICOS EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA

CUIDADOS PALIATIVOS DIRECIONADOS A PACIENTES ONCOLÓGICOS EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA CUIDADOS PALIATIVOS DIRECIONADOS A PACIENTES ONCOLÓGICOS EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA Júlio César Coelho do Nascimento (Enfermeiro Pós-graduando em Oncologia Clínica- Centro de Especialização em Enfermagem

Leia mais

Relação do Melhor em Casa com os hospitais: viabilizando a desospitalização

Relação do Melhor em Casa com os hospitais: viabilizando a desospitalização Relação do Melhor em Casa com os hospitais: viabilizando a desospitalização A relação do Programa Melhor em Casa com a rede hospitalar é estratégica e fundamental para viabilizar a desospitalização, permitindo

Leia mais

INSTRUÇÕES DA TABELA DE ASSISTÊNCIA DOMICILIAR

INSTRUÇÕES DA TABELA DE ASSISTÊNCIA DOMICILIAR INSTRUÇÕES DA TABELA DE ASSISTÊNCIA DOMICILIAR 1. DA ASSISTÊNCIA DOMICILIAR: 1.1. A assistência domiciliar caracteriza-se pela prestação de serviços médicos e terapias adjuvantes na residência do paciente

Leia mais

PLANEJAMENTO E AVALIAÇAO DE SAÚDE PARA IDOSOS: O AVANÇO DAS POLITICAS PÚBLICAS

PLANEJAMENTO E AVALIAÇAO DE SAÚDE PARA IDOSOS: O AVANÇO DAS POLITICAS PÚBLICAS PLANEJAMENTO E AVALIAÇAO DE SAÚDE PARA IDOSOS: O AVANÇO DAS POLITICAS PÚBLICAS Renata Lívia Silva F. M. de Medeiros (UFPB) Zirleide Carlos Felix (UFPB) Mariana de Medeiros Nóbrega (UFPB) E-mail: renaliviamoreira@hotmail.com

Leia mais

QUALIDADE E SEGURANÇA EM ASSISTÊNCIA DOMICILIAR E HOSPITALAR

QUALIDADE E SEGURANÇA EM ASSISTÊNCIA DOMICILIAR E HOSPITALAR QUALIDADE E SEGURANÇA EM ASSISTÊNCIA DOMICILIAR E HOSPITALAR HOME CARE Ajudar o paciente a resgatar a qualidade de vida em sua própria residência, é o compromisso do NADH. O atendimento personalizado é

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

FISCO. Saúde. Programa de Atenção. Domiciliar GUIA DE PROCEDIMENTOS ANS 41.766-1

FISCO. Saúde. Programa de Atenção. Domiciliar GUIA DE PROCEDIMENTOS ANS 41.766-1 FISCO Saúde ANS 41.766-1 Programa de Atenção Domiciliar GUIA DE PROCEDIMENTOS Prezados Associados, Para facilitar a comunicação e dirimir as principais dúvidas sobre a utilização dos nossos serviços, o

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico ETEC: DR. JOSÉ LUÍZ VIANA COUTINHO CÓDIGO: 073 EIXO TECNOLÓGICO: HABILITAÇÃO PROFISSIONAL: QUALIFICAÇÃO: MÓDULO: COMPONENTE CURRICULAR: C.H. SEMANAL: PROFESSOR:

Leia mais

DISCIPLINA DE ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE I MSP 0670/2011. SISTEMAS DE SAÚDE

DISCIPLINA DE ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE I MSP 0670/2011. SISTEMAS DE SAÚDE DISCIPLINA DE ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE I MSP 0670/2011. SISTEMAS DE SAÚDE Paulo Eduardo Elias* Alguns países constroem estruturas de saúde com a finalidade de garantir meios adequados para que as necessidades

Leia mais

ANEXO RESOLUÇÃO COFEN Nº 468/2014 ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NO ACONSELHAMENTO GENÉTICO

ANEXO RESOLUÇÃO COFEN Nº 468/2014 ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NO ACONSELHAMENTO GENÉTICO ANEXO RESOLUÇÃO COFEN Nº 468/2014 ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NO ACONSELHAMENTO GENÉTICO I. OBJETIVO Estabelecer diretrizes para atuação privativa do Enfermeiro em Aconselhamento Genético, no âmbito da equipe

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec:Paulino Botelho Código: 091 Município: SÃO CARLOS Eixo Tecnológico: AMBIENTE E SAÚDE Habilitação Profissional: TÉCNICO EM ENFERMAGEM Qualificação:TÉCNICO

Leia mais

Política de humanização no estado de São Paulo

Política de humanização no estado de São Paulo Artigo Política de humanização no estado de São Paulo Por Eliana Ribas A autora é psicanalista e doutora em Psicologia Clínica pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Atua como coordenadora

Leia mais

Uma das principais tarefas do sistema de saúde é traduzir as necessidades de saúde em serviços e traduzir estes serviços em instalações adequadas.

Uma das principais tarefas do sistema de saúde é traduzir as necessidades de saúde em serviços e traduzir estes serviços em instalações adequadas. Carlos Justo Uma das principais tarefas do sistema de saúde é traduzir as necessidades de saúde em serviços e traduzir estes serviços em instalações adequadas. Isto não é fácil Os serviços de saúde devem

Leia mais

QUESTIONÁRIO DO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA

QUESTIONÁRIO DO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA Este questionário tem por objetivo fazer com que a sociedade participe da gestão pública, exercendo controle sobre as despesas efetuadas e orientando aos órgãos do governo para que adotem medidas que realmente

Leia mais

A SAÚDE NO GOVERNO LULA PROGRAMA DE GOVERNO

A SAÚDE NO GOVERNO LULA PROGRAMA DE GOVERNO A SAÚDE NO GOVERNO LULA PROGRAMA DE GOVERNO ÍNDICE Diagnóstico Princípios Básicos: 1- Redefinição da atuação pública na saúde 2-Saúde como direito de todos 3-Estabilidade e continuidade das políticas de

Leia mais

ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO

ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO Autoria: Elaine Emar Ribeiro César Fonte: Critérios Compromisso com a Excelência e Rumo à Excelência

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA Nº 3, DE 25 DE MARÇO DE 2013

PORTARIA NORMATIVA Nº 3, DE 25 DE MARÇO DE 2013 PORTARIA NORMATIVA Nº 3, DE 25 DE MARÇO DE 2013 Institui as diretrizes gerais de promoção da saúde do servidor público federal, que visam orientar os órgãos e entidades do Sistema de Pessoal Civil da Administração

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2013. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2013. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico Etec PROFESSOR MASSUYUKI KAWANO Código: 136 Município: TUPÃ Eixo Tecnológico: AMBIENTE, SAÚDE E SEGURANÇA Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio

Leia mais

O CUIDADO PRESTADO AO PACIENTE ONCOLÓGICO PELA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL DO PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA

O CUIDADO PRESTADO AO PACIENTE ONCOLÓGICO PELA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL DO PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 O CUIDADO PRESTADO AO PACIENTE ONCOLÓGICO PELA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL DO PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA Aline Paula

Leia mais

COMO O INVESTIMENTO EM TI PODE COLABORAR COM A GESTÃO HOSPITALAR?

COMO O INVESTIMENTO EM TI PODE COLABORAR COM A GESTÃO HOSPITALAR? COMO O INVESTIMENTO EM TI PODE COLABORAR COM A GESTÃO HOSPITALAR? Descubra os benefícios que podem ser encontrados ao se adaptar as novas tendências de mercado ebook GRÁTIS Como o investimento em TI pode

Leia mais

Experiência: VIGILÂNCIA À SAÚDE DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE

Experiência: VIGILÂNCIA À SAÚDE DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE 1 Experiência: VIGILÂNCIA À SAÚDE DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE Nome fantasia: Projeto de volta prá casa Instituições: Núcleo de Epidemiologia do Serviço de Saúde Comunitária da Gerência de saúde Comunitária

Leia mais

Título: Autores: Unidade Acadêmica: INTRODUÇÃO

Título: Autores: Unidade Acadêmica: INTRODUÇÃO Título: AVALIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE ASSISTÊNCIA EM SAÚDE AO IDOSO NO MUNÍCIPIO DE ANÁPOLIS-EFETIVIDADE E RESOLUTIVIDADE Autores: Júlia Maria Rodrigues de OLIVEIRA, Marta Rovery de SOUZA. Unidade Acadêmica:

Leia mais

NÍVEL DE CONHECIMENTO DOS PROFISSIONAIS ENFERMEIROS SOBRE A SAÚDE DO HOMEM NO MUNICÍPIO DE CAJAZEIRAS-PB.

NÍVEL DE CONHECIMENTO DOS PROFISSIONAIS ENFERMEIROS SOBRE A SAÚDE DO HOMEM NO MUNICÍPIO DE CAJAZEIRAS-PB. NÍVEL DE CONHECIMENTO DOS PROFISSIONAIS ENFERMEIROS SOBRE A SAÚDE DO HOMEM NO MUNICÍPIO DE CAJAZEIRAS-PB. Antonio José Barbosa Neto (ajbneto_@hotmail.com) 1 Ceciliana Araújo Leite (cecidemais@hotmail.com)

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO

MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO AGENDA ESTRATÉGICA DA GESTÃO (2012-2015) AGENDA ESTRATÉGICA DA GESTÃO (2012-2015) Este documento tem o propósito de promover o alinhamento da atual gestão

Leia mais

O CUIDAR HUMANIZADO AO IDOSO: REVISÃO SISTEMÁTICA

O CUIDAR HUMANIZADO AO IDOSO: REVISÃO SISTEMÁTICA O CUIDAR HUMANIZADO AO IDOSO: REVISÃO SISTEMÁTICA Jéssyka Cibelly Minervina da Costa Silva (NEPB/UFPB) jessykacibelly@gmail.com Kalina Coeli Costa de Oliveira Dias (NEPB/UFPB) kalinacoeli@gmail.com Ana

Leia mais

OBJETIVO REDUZIR A MORTALIDADE

OBJETIVO REDUZIR A MORTALIDADE pg44-45.qxd 9/9/04 15:40 Page 44 44 OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO BRASIL OBJETIVO REDUZIR A MORTALIDADE NA INFÂNCIA pg44-45.qxd 9/9/04 15:40 Page 45 45 4 " META 5 REDUZIR EM DOIS TERÇOS, ENTRE

Leia mais

ENFERMAGEM HUMANITÁRIA. - Que competências? - - Que futuro? -

ENFERMAGEM HUMANITÁRIA. - Que competências? - - Que futuro? - ENFERMAGEM HUMANITÁRIA - Que competências? - - Que futuro? - Filomena Maia Presidente do Conselho de Enfermagem Regional Norte Vice-Presidente do Conselho de Enfermagem Universidade Fernando Pessoa Porto

Leia mais

ANS Longevidade - Custo ou Oportunidade. Modelos de Cuidados à Saúde do Idoso Rio de Janeiro/RJ 25/09/2014

ANS Longevidade - Custo ou Oportunidade. Modelos de Cuidados à Saúde do Idoso Rio de Janeiro/RJ 25/09/2014 ANS Longevidade - Custo ou Oportunidade. Modelos de Cuidados à Saúde do Idoso Rio de Janeiro/RJ 25/09/2014 Cenário 1) Nas últimas décadas, os países da América Latina e Caribe vêm enfrentando uma mudança

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA PROPOSTA DE DIRETRIZES CURRICULARES

CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA PROPOSTA DE DIRETRIZES CURRICULARES CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA PROPOSTA DE DIRETRIZES CURRICULARES 1 1. PERFIL DO FORMANDO EGRESSO/PROFISSIONAL 1.1. Perfil Comum: Farmacêutico, com formação generalista, humanista, crítica e reflexiva.

Leia mais

Modelo Domiciliar de. Assistência ao Doente. Crônico

Modelo Domiciliar de. Assistência ao Doente. Crônico Modelo Domiciliar de Modelos Assistenciais Assistência ao Doente Alternativos Crônico Panorama da Saúde no Brasil Aumento do poder aquisitivo Mudanças no Estilo de Vida Crescimento da População com Planos

Leia mais

ATIVIDADE FÍSICA ASILAR. Departamento de Psicologia e Educação Física

ATIVIDADE FÍSICA ASILAR. Departamento de Psicologia e Educação Física ATIVIDADE FÍSICA ASILAR Departamento de Psicologia e Educação Física 1. INTRODUÇÃO Compreensivelmente, à medida que envelhecemos podemos observar várias mudanças, tanto com relação aos nossos órgãos e

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES PROGRAMÁTICAS ESTRATÉGICAS ÁREA TÉCNICA SAÚDE DO IDOSO

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES PROGRAMÁTICAS ESTRATÉGICAS ÁREA TÉCNICA SAÚDE DO IDOSO MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES PROGRAMÁTICAS ESTRATÉGICAS ÁREA TÉCNICA SAÚDE DO IDOSO LUIZA MACHADO COORDENADORA ATENÇÃO Ä SAÚDE DA PESSOA IDOSA -AÇÕES DO MINISTERIO

Leia mais

Prezados Associados,

Prezados Associados, Prezados Associados, Para facilitar a comunicação e dirimir as principais dúvidas sobre a utilização dos nossos serviços, o FISCO SAÚDE traz agora guias de procedimentos por assunto. O conteúdo está distribuído

Leia mais

Gerenciamento de Casos Especiais

Gerenciamento de Casos Especiais Gerenciamento de Casos Especiais Cuidados especiais pra Quem É especial. QUEM ama cuida. 2 o programa Gerenciamento de casos especiais, oferecido pelo departamento de Qualidade de vida e saúde, da unimed

Leia mais

MINISTÉRIO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL ATENDIMENTO À PESSOA IDOSA

MINISTÉRIO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL ATENDIMENTO À PESSOA IDOSA MINISTÉRIO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL ATENDIMENTO À PESSOA IDOSA BRASIL Ü 2025 32 milhões de idosos 6º LUGAR NO MUNDO 2002 15 milhões de Idosos LEGISLAÇÃO DE PROTEÇÃO SOCIAL PARA O IDOSO Lei Orgânica da Assistência

Leia mais

PARECER TÉCNICO I ANÁLISE E FUNDAMENTAÇÃO:

PARECER TÉCNICO I ANÁLISE E FUNDAMENTAÇÃO: PARECER TÉCNICO ASSUNTO: Solicitação de parecer acerca de Técnico de Enfermagem lotado no Centro de Atenção Psicossocial (CAPS) de transtorno mental acompanhar paciente internado em outra instituição,

Leia mais

Doenças Graves Doenças Terminais

Doenças Graves Doenças Terminais MINISTÉRIO DA SAÚDE Comissão Nacional de Ética em Pesquisa - CONEP Universidade Federal de Minas Gerais Doenças Graves Doenças Terminais José Antonio Ferreira Membro da CONEP/ MS Depto de Microbiologia

Leia mais

CARTA DE PRAGA. Apela se aos governantes para aliviarem o sofrimento e assegurarem o direito e acesso aos cuidados paliativos

CARTA DE PRAGA. Apela se aos governantes para aliviarem o sofrimento e assegurarem o direito e acesso aos cuidados paliativos CARTA DE PRAGA Apela se aos governantes para aliviarem o sofrimento e assegurarem o direito e acesso aos cuidados paliativos A Associação Europeia de Cuidados Paliativos (EAPC), a Associação Internacional

Leia mais

Experiência no Atendimento Domiciliar ao Paciente Serviço Social

Experiência no Atendimento Domiciliar ao Paciente Serviço Social Experiência no Atendimento Domiciliar ao Paciente Serviço Social Flávia J.Rodrigues de Sá Pinheiro de Melo Assistente Social Especialista em Saúde Mental e Moléstias Infecciosas - Unicamp Serviço Atenção

Leia mais

"Acreditação: Valeu a pena investir na Certificação de Qualidade?" Centro Integrado de Atenção a Saúde CIAS Unimed Vitória - ES

Acreditação: Valeu a pena investir na Certificação de Qualidade? Centro Integrado de Atenção a Saúde CIAS Unimed Vitória - ES "Acreditação: Valeu a pena investir na Certificação de Qualidade?" Centro Integrado de Atenção a Saúde CIAS Unimed Vitória - ES AGENDA Programação do Evento - Histórico do Centro Integrado de Atenção a

Leia mais

CARTA DE OTTAWA. PRIMEIRA CONFERÊNCIA INTERNACIONAL SOBRE PROMOÇÃO DA SAÚDE Ottawa, novembro de 1986

CARTA DE OTTAWA. PRIMEIRA CONFERÊNCIA INTERNACIONAL SOBRE PROMOÇÃO DA SAÚDE Ottawa, novembro de 1986 CARTA DE OTTAWA PRIMEIRA CONFERÊNCIA INTERNACIONAL SOBRE PROMOÇÃO DA SAÚDE Ottawa, novembro de 1986 A Primeira Conferência Internacional sobre Promoção da Saúde, realizada em Ottawa, Canadá, em novembro

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA A SELEÇÃO E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA, TREINAMENTO E CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE

ORIENTAÇÕES PARA A SELEÇÃO E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA, TREINAMENTO E CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE 1 ORIENTAÇÕES PARA A SELEÇÃO E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA, TREINAMENTO E CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE (D.O 01 revisão 05, de 22 de março de 2011) 2 SUMÁRIO PARTE I INTRODUÇÃO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENFERMAGEM. Adelita Eneide Fiuza. Gustavo Costa de Oliveira

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENFERMAGEM. Adelita Eneide Fiuza. Gustavo Costa de Oliveira UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENFERMAGEM Adelita Eneide Fiuza Gustavo Costa de Oliveira RELATÓRIO FINAL DO ESTÁGIO CURRICULAR II NA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE VILA GAÚCHA Porto Alegre

Leia mais

Tratado do Paris contra o câncer

Tratado do Paris contra o câncer Tratado do Paris contra o câncer portugais portuguese 71 72 Profundamente pertubados pelas repercussões importantes e universais do câncer sobre a vida humana, o sofrimento humano, e sobre a produtividade

Leia mais

VERTICALIZAÇÃO OU UNIÃO ESTRATÉGICA

VERTICALIZAÇÃO OU UNIÃO ESTRATÉGICA VERTICALIZAÇÃO OU UNIÃO ESTRATÉGICA ABRAMGE-RS Dr. Francisco Santa Helena Presidente da ABRAMGE-RS Sistema ABRAMGE 3.36 milhões de internações; 281.1 milhões de exames e procedimentos ambulatoriais; 16.8

Leia mais

Seção 2: Atenção ao Paciente Subseções: Gestão do Acesso, Internação, Atendimento em Emergência e Atendimento Ambulatorial

Seção 2: Atenção ao Paciente Subseções: Gestão do Acesso, Internação, Atendimento em Emergência e Atendimento Ambulatorial Seção 2: Atenção ao Paciente Subseções: Gestão do Acesso, Internação, Atendimento em Emergência e Atendimento Ambulatorial Flávia Soveral Miranda Luciana de Camargo Requisitos necessários a todos as subseções

Leia mais

Entendendo a Assistência Domiciliar

Entendendo a Assistência Domiciliar 1 Entendendo a Assistência Domiciliar Copyright 2003 para Home Health Care Doctor Serviços Médicos Domiciliares Av. Hélio Pellegrino, 420 - Moema São Paulo - SP - CEP 04513-100 Telefone: (0xx11) 3897-2300

Leia mais

BOAS PRÁTICAS. para humanizar o atendimento e gerar fidelização em Clínicas e Hospitais. Boas práticas para humanizar o atendimento

BOAS PRÁTICAS. para humanizar o atendimento e gerar fidelização em Clínicas e Hospitais. Boas práticas para humanizar o atendimento BOAS PRÁTICAS para humanizar o atendimento e gerar fidelização em Clínicas e Hospitais ÍNDICE Introdução 3 Explique e difunda a importância do termo 4 A humanização e o ambiente físico 6 Aperfeiçoamento

Leia mais

PROGRAMA DE MELHORIA CONTÍNUA DA QUALIDADE DOS CUIDADOS DE ENFERMAGEM (PMCQCE)

PROGRAMA DE MELHORIA CONTÍNUA DA QUALIDADE DOS CUIDADOS DE ENFERMAGEM (PMCQCE) PROGRAMA DE MELHORIA CONTÍNUA DA QUALIDADE DOS CUIDADOS DE ENFERMAGEM (PMCQCE) INSTITUIÇÃO Nome Morada Código Postal CONTEXTO PRÁTICA CLÍNICA ou UNIDADE DE SAÚDE FUNCIONAL Nome CONTATOS Enfermeiro(a) Chefe

Leia mais

ESCOLA TÉCNICA SANTA CASA BH CONHECIMENTO NA DOSE CERTA PARA O SEU SUCESSO PROFISSIONAL

ESCOLA TÉCNICA SANTA CASA BH CONHECIMENTO NA DOSE CERTA PARA O SEU SUCESSO PROFISSIONAL ESCOLA TÉCNICA SANTA CASA BH CONHECIMENTO NA DOSE CERTA PARA O SEU SUCESSO PROFISSIONAL A SANTA CASA BH TEM TODOS OS CUIDADOS PARA VOCÊ CONQUISTAR UMA CARREIRA SAUDÁVEL. Missão Humanizar a assistência

Leia mais

DOCUMENTO FINAL 11ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DO PARANÁ

DOCUMENTO FINAL 11ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DO PARANÁ DOCUMENTO FINAL 11ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DO PARANÁ EIXO 1 DIREITO À SAÚDE, GARANTIA DE ACESSO E ATENÇÃO DE QUALIDADE Prioritária 1: Manter o incentivo aos Programas do Núcleo Apoio da Saúde da Família

Leia mais

Melhor em Casa Curitiba-PR

Melhor em Casa Curitiba-PR Melhor em Casa Curitiba-PR ATENÇÃO DOMICILIAR Modalidade de Atenção à Saúde, substitutiva ou complementar às já existentes, caracterizada por um conjunto de ações de promoção à saúde, prevenção e tratamento

Leia mais

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO)

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) Objeto, princípios e campo de aplicação 35.1 Esta Norma Regulamentadora - NR estabelece princípios e requisitos para gestão da segurança

Leia mais

Modelo de Atenção às Condições Crônicas. Seminário II. Laboratório de Atenção às Condições Crônicas EXPOSIÇÃO 4:

Modelo de Atenção às Condições Crônicas. Seminário II. Laboratório de Atenção às Condições Crônicas EXPOSIÇÃO 4: Modelo de Atenção às Condições Crônicas Seminário II Laboratório de Atenção às Condições Crônicas EXPOSIÇÃO 4: O MODELO DE ATENÇÃO ÀS CONDIÇÕES CRÔNICAS POR QUE UM MODELO DE ATENÇÃO ÀS CONDIÇÕES CRÔNICAS

Leia mais

CURSO: ENFERMAGEM. Objetivos Específicos 1- Estudar a evolução histórica do cuidado e a inserção da Enfermagem quanto às

CURSO: ENFERMAGEM. Objetivos Específicos 1- Estudar a evolução histórica do cuidado e a inserção da Enfermagem quanto às CURSO: ENFERMAGEM Missão Formar para atuar em Enfermeiros qualificados todos os níveis de complexidade da assistência ao ser humano em sua integralidade, no contexto do Sistema Único de Saúde e do sistema

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 2.031, DE 1999

PROJETO DE LEI Nº 2.031, DE 1999 COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA PROJETO DE LEI Nº 2.031, DE 1999 Dispõe sobre o atendimento obrigatório aos portadores da Doença de Alzheimer no Sistema Único de Saúde - SUS, e dá outras providências.

Leia mais

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA AGÊNCIA BRASILEIRA DE COOPERAÇÃO - ABC INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA - IICA INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E

Leia mais

O ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE BACHARELADO EM EDUCAÇÃO FÍSICA DA FEFD/UFG 1 NA ÁREA DO ENVELHECIMENTO

O ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE BACHARELADO EM EDUCAÇÃO FÍSICA DA FEFD/UFG 1 NA ÁREA DO ENVELHECIMENTO O ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE BACHARELADO EM EDUCAÇÃO FÍSICA DA FEFD/UFG 1 NA ÁREA DO ENVELHECIMENTO Juliana Paula Balestra Soares Joelma Cristina Gomes Carmencita Márcia Balestra Faculdade

Leia mais

Orientação para Aposentadoria. Donália Cândida Nobre Assistente Social Suzana Pacheco F. de Melo Psicóloga

Orientação para Aposentadoria. Donália Cândida Nobre Assistente Social Suzana Pacheco F. de Melo Psicóloga Orientação para Aposentadoria Donália Cândida Nobre Assistente Social Suzana Pacheco F. de Melo Psicóloga Orientação para aposentadoria Entendendo a saúde na definição da Organização Mundial da Saúde:

Leia mais

QUESTOES DE CONCURSO

QUESTOES DE CONCURSO QUESTOES DE CONCURSO 1. Com o envelhecimento populacional, um dos maiores desafios das políticas de saúde é alcançar um equilíbrio entre o apoio ao autocuidado, o apoio informal (familiares e amigos) e

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA 1. PERFIL DO FORMANDO EGRESSO/PROFISSIONAL Médico, com formação generalista, humanista, crítica e reflexiva. Capacitado a atuar, pautado

Leia mais

VIVENCIANDO ATIVIDADE DE EXTENSÃO NUMA COMUNIDADE CARENTE ATRAVÉS DA CONSULTA DE ENFERMAGEM À MULHERES 1

VIVENCIANDO ATIVIDADE DE EXTENSÃO NUMA COMUNIDADE CARENTE ATRAVÉS DA CONSULTA DE ENFERMAGEM À MULHERES 1 1 VIVENCIANDO ATIVIDADE DE EXTENSÃO NUMA COMUNIDADE CARENTE ATRAVÉS DA CONSULTA DE ENFERMAGEM À MULHERES 1 Anna Maria de Oliveira Salimena 2 Maria Carmen Simões Cardoso de Melo 3 Ívis Emília de Oliveira

Leia mais

Envelhecimento populacional e a composição etária de beneficiários de planos de saúde

Envelhecimento populacional e a composição etária de beneficiários de planos de saúde Envelhecimento populacional e a composição etária de beneficiários de planos de saúde Luiz Augusto Carneiro Superintendente Executivo Francine Leite Apresentação Este trabalho introduz o tema Envelhecimento

Leia mais

Unidades de Negócios

Unidades de Negócios Grupo Clivale Como surgiu? História Tudo começou com a iniciativa de Raphael Serravalle ao perceber a carência de um serviço médico especializado na cidade do Salvador, calçada, induziu dois de seus filhos:

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DAS ATIVIDADES DESENVOLVIDAS / 2014. Convênio Municipal Secretaria de Desenvolvimento Social

RELATÓRIO ANUAL DAS ATIVIDADES DESENVOLVIDAS / 2014. Convênio Municipal Secretaria de Desenvolvimento Social RELATÓRIO ANUAL DAS ATIVIDADES DESENVOLVIDAS / 2014 Convênio Municipal Secretaria de Desenvolvimento Social Entidade: Grupo de Pesquisa e Assistência ao Câncer Infantil Endereço: Rua Antônio Miguel Pereira

Leia mais

APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO POLITICA PPS PR Curso Haj Mussi Tema Sustentabilidade

APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO POLITICA PPS PR Curso Haj Mussi Tema Sustentabilidade APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO POLITICA PPS PR Curso Haj Mussi Tema Sustentabilidade Desenvolvido por: Neuza Maria Rodrigues Antunes neuzaantunes1@gmail.com AUMENTO DA POPULAÇÃO URBANA 85% NO BRASIL (Censo

Leia mais

SEMANA DO IDOSO 2013

SEMANA DO IDOSO 2013 SEMANA DO IDOSO 2013 Itens para reflexão Experiências anteriores A mobilização em 2013 O envelhecimento nos tempos atuais Idoso sem autonomia Excluído do mercado de trabalho Gera dependência Exclusão das

Leia mais

A QUALIFICAÇÃO DO TURISMO PARA O DESENVOLVIMENTO TURISTICO NOS CAMPOS GERAIS DO PARANÁ. Área: TURISMO

A QUALIFICAÇÃO DO TURISMO PARA O DESENVOLVIMENTO TURISTICO NOS CAMPOS GERAIS DO PARANÁ. Área: TURISMO A QUALIFICAÇÃO DO TURISMO PARA O DESENVOLVIMENTO TURISTICO NOS CAMPOS GERAIS DO PARANÁ Área: TURISMO SOUZA Janaína Terezinha de MASCARENHAS, Rubia Gisele Tramontin Resumo A atividade turística está ligada

Leia mais

49 o CONSELHO DIRETOR 61 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL

49 o CONSELHO DIRETOR 61 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DA SAÚDE ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE 49 o CONSELHO DIRETOR 61 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL Washington, D.C., EUA, 28 de setembro a 2 de outubro de 2009 CD49.R10 (Port.) ORIGINAL:

Leia mais

Sustentabilidade em saúde. Dr. Reynaldo A. Brandt

Sustentabilidade em saúde. Dr. Reynaldo A. Brandt Sustentabilidade em saúde Dr. Reynaldo A. Brandt Definição Sustentabilidade é prover o melhor para as pessoas e para o ambiente tanto agora como para um futuro indefinido. É suprir as necessidades da geração

Leia mais

Matriciamento em saúde Mental. Experiência em uma UBS do Modelo Tradicional de Atenção Primária à Saúde

Matriciamento em saúde Mental. Experiência em uma UBS do Modelo Tradicional de Atenção Primária à Saúde Matriciamento em saúde Mental Experiência em uma UBS do Modelo Tradicional de Atenção Primária à Saúde Matriciamento - conceito O suporte realizado por profissionais e diversas áreas especializadas dado

Leia mais

DIREITO À VIDA A GESTÃO DA QUALIDADE E DA INTEGRALIDADE DO CUIDADO EM SAÚDE PARA A MULHER E A CRIANÇA NO SUS-BH: a experiência da Comissão Perinatal

DIREITO À VIDA A GESTÃO DA QUALIDADE E DA INTEGRALIDADE DO CUIDADO EM SAÚDE PARA A MULHER E A CRIANÇA NO SUS-BH: a experiência da Comissão Perinatal DIREITO À VIDA A GESTÃO DA QUALIDADE E DA INTEGRALIDADE DO CUIDADO EM SAÚDE PARA A MULHER E A CRIANÇA NO SUS-BH: a experiência da Comissão Perinatal Grupo temático: Direito à vida, à saúde e a condições

Leia mais

2 Agentes Comunitários de Saúde e sua atuação

2 Agentes Comunitários de Saúde e sua atuação 2 Agentes Comunitários de Saúde e sua atuação 1. A saúde é direito de todos. 2. O direito à saúde deve ser garantido pelo Estado. Aqui, deve-se entender Estado como Poder Público: governo federal, governos

Leia mais

SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM: A CRIAÇÃO DE UMA FERRAMENTA INFORMATIZADA.

SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM: A CRIAÇÃO DE UMA FERRAMENTA INFORMATIZADA. SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM: A CRIAÇÃO DE UMA FERRAMENTA INFORMATIZADA. ANDRADE 1, Elizandra Faria GRANDO 2, Simone Regina BÖING 3, Jaci Simão VIECELLI 4, Ana Maria SILVA 5, Jeane Barros

Leia mais

ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA. Flávia Soveral Miranda Luciana de Camargo

ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA. Flávia Soveral Miranda Luciana de Camargo ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA Flávia Soveral Miranda Luciana de Camargo Padrão Nível 1 Uso seguro e racional de medicamentos Dimensões da qualidade Aceitabilidade, adequação e integralidade Assistência Farmacêutica

Leia mais

Título: SERVIÇO MUNICIPAL DE AMBULÂNCIAS DE JUNDIAÍ - Relato de Experiência

Título: SERVIÇO MUNICIPAL DE AMBULÂNCIAS DE JUNDIAÍ - Relato de Experiência Título: SERVIÇO MUNICIPAL DE AMBULÂNCIAS DE JUNDIAÍ - Relato de Experiência Autor: Robson Gomes Serviço de Saúde: Serviço Municipal de Ambulâncias Palavras Chaves: Ambulância, serviço municipal de ambulâncias.

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÕES PARA HOME CARE

MANUAL DE ORIENTAÇÕES PARA HOME CARE MANUAL DE ORIENTAÇÕES PARA HOME CARE Elaborado por: Ana Paula de Menezes Assistente Social da CASSIND APRESENTAÇÃO A internação domiciliar ou home care é compreendida como a instalação de uma estrutura

Leia mais

POLÍTICA DE PROMOÇÃO À SAÚDE E PREVENÇÃO DE DOENÇAS

POLÍTICA DE PROMOÇÃO À SAÚDE E PREVENÇÃO DE DOENÇAS POLÍTICA DE PROMOÇÃO À SAÚDE E PREVENÇÃO DE DOENÇAS Versão aprovada na 2ª reunião do Conselho Deliberativo da Cemig Saúde em 22.10.2010. Em POLÍTICA DE PROMOÇÃO À SAÚDE E PREVENÇÃO DE DOENÇAS 1- Introdução

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Erika Cristina Pereira Guimarães (Pibid-UFT- Tocantinópolis) Anna Thércia José Carvalho de Amorim (UFT- Tocantinópolis) O presente artigo discute a realidade das

Leia mais

CUIDADOS PALIATIVOS:HISTÓRICO.

CUIDADOS PALIATIVOS:HISTÓRICO. CUIDADOS PALIATIVOS:HISTÓRICO. PINOTTI, Elaine Cristina 1 GAZZOLA, Ms.Rangel Antonio 2 RESUMO O objetivo deste estudo é apresentar como os cuidados paliativos podem promover o bem estar e a qualidade de

Leia mais

Curso de Tecnologia em Redes de Computadores Auditoria e Análise de Segurança da Informação - 4º período Professor: José Maurício S.

Curso de Tecnologia em Redes de Computadores Auditoria e Análise de Segurança da Informação - 4º período Professor: José Maurício S. Disciplina: Curso de Tecnologia em Redes de Computadores Auditoria e Análise de Segurança da Informação - 4º período Professor: José Maurício S. Pinheiro AULA 4: Trilhas de Auditoria Existe a necessidade

Leia mais

Carta de Campinas 1) QUANTO AO PROBLEMA DO MANEJO DAS CRISES E REGULAÇÃO DA PORTA DE INTERNAÇÃO E URGÊNCIA E EMERGÊNCIA,

Carta de Campinas 1) QUANTO AO PROBLEMA DO MANEJO DAS CRISES E REGULAÇÃO DA PORTA DE INTERNAÇÃO E URGÊNCIA E EMERGÊNCIA, Carta de Campinas Nos dias 17 e 18 de junho de 2008, na cidade de Campinas (SP), gestores de saúde mental dos 22 maiores municípios do Brasil, e dos Estados-sede desses municípios, além de profissionais

Leia mais

Os profissionais de enfermagem que participam e atuam na Equipe Multiprofissional de Terapia Nutricional, serão os previstos na Lei 7.498/86.

Os profissionais de enfermagem que participam e atuam na Equipe Multiprofissional de Terapia Nutricional, serão os previstos na Lei 7.498/86. Regulamento da Terapia Nutricional 1. DEFINIÇÕES: Terapia Nutricional (TN): Conjunto de procedimentos terapêuticos para manutenção ou recuperação do estado nutricional do usuário por meio da Nutrição Parenteral

Leia mais

a) Situação-problema e/ou demanda inicial que motivou e/ou requereu o desenvolvimento desta iniciativa;

a) Situação-problema e/ou demanda inicial que motivou e/ou requereu o desenvolvimento desta iniciativa; TÍTULO DA PRÁTICA: PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DOS CASOS DE TUBERCULOSE DO DISTRITO SANITÁRIO CENTRO 2011: apresentação regular dos dados de tuberculose as unidades do Distrito Sanitário Centro CÓDIGO DA PRÁTICA:

Leia mais

Seminário de Residência Médica de Cancerologia Clínica Seminar of Residence in Clinical Oncology

Seminário de Residência Médica de Cancerologia Clínica Seminar of Residence in Clinical Oncology RESIDÊNCIA MÉDICA Seminário de Residência Médica de Cancerologia Clínica Seminar of Residence in Clinical Oncology José Luiz Miranda Guimarães* Neste número estamos divulgando o resultado parcial do Seminário

Leia mais