MODELO DE DESENVOLVIMENTO ÁGIL SCRUM

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MODELO DE DESENVOLVIMENTO ÁGIL SCRUM"

Transcrição

1 MODELO DE DESENVOLVIMENTO ÁGIL SCRUM

2 CEETEPS CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PAULA SOUZA FATEC DE TAUBATÉ HABILITAÇÃO: ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS TEMA MODELO DE DESENVOLVIMENTO ÁGIL: Scrum Anderson Henrique Botelho da Silva Bruno de Almeida Pereira Thiago Gonçalves Prudêncio Victor Cunha Romeiro Taubaté SP 2014

3 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO OBJETIVO DESENVOLVIMENTO SCRUM HISTÓRIA CICLO RESPONSABILIDADES SCRUM MASTER SCRUM TEAM PRODUCT OWNER ETAPAS DO SPRINT SPRINT PLANNING DAILY SCRUM SPRINT REVIEW SPRINT RETROSPECTIVE ARTEFATOS DO SCRUM PRODUCT BACKLOG PLANNING POKER SPRINT BACKLOG IMPEDIMENT BACKLOG BURNDOWN CHART O PROCESSO SCRUM APLICAÇÃO EXEMPLO DE SOFTWARE PAPÉIS ESCOPO PRODUCT BACKLOG REUNIÃO DE PLANEJAMENTO DE SPRINT INÍCIO DO SPRINT... 19

4 REUNIÕES DIÁRIAS SCRUM BURNDOWN CHART REVISÃO FINAL DO SPRINT CONCLUSÃO CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS... 24

5 5 1. INTRODUÇÃO Com o passar dos anos o desenvolvimento de software cresceu de forma muito acelerada, principalmente com o fato das ferramentas da informática serem mais acessíveis e estarem presente em toda parte. Este crescimento fez surgir uma variedade de estratégias de desenvolvimento de software.estas estratégias têm como objetivo organizar o projeto de software e o time desenvolvimento, aumentando a eficácia e diminuindo os prazos e custos destes mesmos projetos de software. Algumas técnicas foram criadas para terminar os softwares rapidamente de maneira eficaz, este tipo de técnica foi categorizada com o nome de Desenvolvimento Ágil, onde a velocidade e o dinamismo são os pontos principais. Nos modelos de Desenvolvimento Ágil, o principal objetivo é obter um produto rapidamente e com qualidade. Para isto, as metodologias que participam desta categoria de modelos se caracterizam por um gerenciamento de projeto em que um líder de time esteja frequentemente organizando, inspecionando, apoiando e garantindo que o time esteja bem, ao mesmo tempo que os resultados do projeto de software vão atendendo as necessidades do cliente. Implementar uma metodologia ágil requer uma mudança de mentalidade nas pessoas que participam do processo de desenvolvimento. Em certos casos, a mudança de papéis e as novas responsabilidades podem gerar desconforto nos participantes durante a implantação do modelo. O scrum é um método de desenvolvimento ágil e seu principal objetivo é fazer transparecer a eficácia relativa das suas práticas de desenvolvimento para que você possa melhorá-las, enquanto provê um framework dentro do qual produtos complexos podem ser desenvolvidos de maneira rápida e eficaz.

6 6 2. OBJETIVO Realizar uma pesquisa com o intuito de aprender e compreender o método ágil scrum, e analisar como ele pode ser importante dentro de uma organização, visando às áreas onde deve ser investido o Método Ágil Scrum.

7 7 3. DESENVOLVIMENTO Scrum é um framework para desenvolver e manter produtos complexos. Esta definição consiste em papéis, eventos, artefatos e as regras do Scrum que unem os demais e os mantém integrados. 3.1 SCRUM Scrum é uma estrutura processual (framework) para suportar o desenvolvimento e manutenção de produtos complexos. O Scrum consiste em Equipes do Scrum associadas a seus papéis, eventos, artefatos e regras. Cada componente dentro do framework serve a um propósito específico e é essencial para o uso e o sucesso do Scrum. Scrum é fundamentado nas teorias empíricas de controle de processo, ou empirismo. O empirismo afirma que o conhecimento vem da experiência e de tomada de decisões baseadas no que é conhecido. O Scrum emprega uma abordagem iterativa e incremental para aperfeiçoar a previsibilidade e o controle de riscos. Três pilares apoiam a implementação de controle de processo empírico: transparência, inspeção e adaptação. Transparência Aspectos significativos do processo devem estar visíveis aos responsáveis pelos resultados. Está transparência requer aspectos definidos por um padrão comum para que os observadores compartilharem um mesmo entendimento do que está sendo visto. Inspeção Os usuários Scrum devem, frequentemente, inspecionar os artefatos Scrum e o progresso em direção ao objetivo, para detectar indesejáveis variações. Esta inspeção, não deve no entanto, ser tão frequente que atrapalhe a própria execução das tarefas. As inspeções são mais benéficas quando realizadas de forma diligente por inspetores especializados no trabalho a se verificar. Adaptação Se um inspetor determina que um ou mais aspectos de um processo desviou para fora dos limites aceitáveis, e que o produto resultado será inaceitável, o

8 8 processo ou o material sendo produzido deve ser ajustado. O ajuste deve ser realizado o mais breve possível para minimizarmais desvios HISTÓRIA Tem função intermediária e instrumental, ou seja, tratam dos aspectos concretos que serão abordados na pesquisa e que irão contribuir para se atingir o objetivo geral. É com base nos objetivos específicos que o pesquisador irá orientar o levantamento de dados e informações CICLO O Scrum tem o progresso de desenvolvimento baseado em iterações com duração entre duas e seis semanas, chamadas de Sprints. A primeira etapa dentro do Sprint é a reunião de planejamento onde o time do scrum e o cliente definem o que será implementado.a próxima etapa é a de execução, onde o time detalha as tarefas necessárias para implementar o que foi solicitado pelo cliente e posteriormente inicia a execução das mesmas. Ao final do Sprint é realizada uma reunião para a validação da entrega, o time de desenvolvimento realiza reuniões diárias para averiguar a o progresso do projeto. Ao final do Sprint é realizada uma reunião para a validação da entrega onde o cliente e quem mais tiver interesse no produto pode verificar se o objetivo do Sprint foi atingido. Logo após, o time de desenvolvimento organiza uma reunião onde o Sprint é avaliado sob a perspectiva de processo, time ou produto, quais foram os acertos e os erros com o objetivo de melhorar o processo de trabalho. 3.2 RESPONSABILIDADES Em um Scrum Team os participantes são chamados porcos. Qualquer outro indivíduo é chamada de galinha. Galinhas não podem dizer aos porcos como eles devem fazer seu trabalho. Galinhas e porcos vêm da seguinte história:

9 9 Uma galinha e um porco estão juntos quando a galinha diz: Vamos abrir um restaurante! O porco reflete e então diz: Como seria o nome desse restaurante? A galinha diz: Presunto com Ovos! O porco diz: Não, obrigado, eu estaria comprometido, mas você estaria apenas envolvida! No desenvolvimento do produto, não só cada um têm suas responsabilidades, mas o time como um todo às possui. Entretanto há certas diferenças nas responsabilidades individuais, estas que serão explicadas nos ícones abaixo SCRUM TEAM A junção da Equipe de Desenvolvimento, do Product Owner e do Scrum Master, forma o time scrum(scrum team). Esse que é altamente capacitado a tomar decisões entre si sem depender de terceiros, decisões essas que ao decorrer e final do projeto se tornam eficientes e eficazes. O modelo de equipe utilizado no scrum induz os participantes ao aprimoramento da flexibilidade, criatividade e produtividade tanto individual quanto do grupo. Os resultados do produto são entregues de forma iterativa por uma versão funcional(executável) em curtos períodos de tempo, especificados no início, para que mudanças possam ser incrementadas e o produto melhorado. Os times são geralmente compostos por 5/7 pessoas, pois com um número inferior talvez não haja total interação entre os membros, e com um número maior de integrantes é necessária uma coordenação maior e o dinamismo das decisões seja afetado SCRUM MASTER Membro guia, não gerenciador, responsável por manter o scrum team aderido às regras e práticas do scrum a fim de alcançar a eficiência máxima.

10 10 O mestre pode ser qualquer um dos integrantes, exceto o dono do produto, entretanto caso participe ativamente do sprint podem haver pequenos conflitos nas decisões de realização de tarefas PRODUCT OWNER O dono do produto tem papel fundamental em seu desenvolvimento, ele será o único membro responsável no gerenciamento do Backlog. É dele o dever de mostrar claramente ao team como deve ser o resultado final do produto. 3.3 ETAPAS DO SPRINT É na Sprint que o projeto começa a ser desenvolvido, projeto esse que é composto por diversas sprints seqüenciais, de maneira que ao término de uma, outra já é planejada e iniciada. São por meio de reuniões que as metas e meios de chegar ao resultado são especulados. Cada sprint tem por volta de um mês de duração e ao final de cada mês um executável do produto deve estar nas mãos do product owner. A fim de obter resultados sempre mais precisos e confiáveis a sprint é divida em etapas que são: Sprint Planning; Daily Scrum; Sprint Review; Sprint Retrospective; SPRINT PLANNING Etapa de planejamento da sprint. É nela que a iteração, a maneira repetitiva e eficiente de entrega, é planejada. A reunião deve durar 8 horas exatas para sprints de um mês e durações proporcionalmente menores para sprints menores. Ela é divida em duas partes, cada uma com 4 horas duração, que são:

11 11 Parte 1 - O que será Concluído nessa Sprint? Nesta parte o Product Owner apresenta para todos do scrum team os itens de Backlog do produto para que todos possam colaborar com o entendimento do trabalho que será realizado na sprint. Cabe a equipe de desenvolvimento avaliar o que pode ser feito dos itens de Backlog do produto durante a sprint. O time Scrum determina o objetivo a ser alcançado, a meta, fornecendo apoio aos desenvolvedores na incrementação. Parte 2 De que maneira a meta será atingida? Aqui são traçados os meios com os quais os incrementos serão feitos. A equipe de desenvolvimento que é auto-organizável se organiza para realizar a demanda do Backlog, isso acontece tanto durante a reunião de planejamento quanto durante a sprint, caso necessário. Portanto a equipe ao final desta etapa já deve ser capaz de descrever ao Scrum Master e ao Product Owner como pretende alcançar o objetivo devido na primeira parte DAILY SCRUM Trata-se de uma reunião diária com duração de 15 minutos, na qual cada membro de cada time explica: O que fez; O que pretende fazer e Quais obstáculos enfrentou. É o scrum master que guia esse evento time-boxed, assim tornando a equipe ainda mais comunicativa e criativa visando completar o trabalho do Backlog da sprint SPRINT REVIEW Ao término de cada sprint é feita uma reunião com intuito de revisar todo o trabalho feito durante o período em que essa esteve ativa. A reunião corre de maneira informal com partipação de toda equipe, o que inclui: Scrum Master, Product Owner, Scrum Team.

12 12 Cada um demonstra o que foi feito, quais problemas ocorreram e se algo pode ser mudado. E é a partir dessa reunião que tem duração fixa de 4 horas, que planos para próximas sprints já começam a ser criados SPRINT RETROSPECTIVE Após a reunião de revisão, inicia-se a reunião de retrospectiva, com duração fixa de 3 horas, guiada pelo Scrum Master com a finalidade de observar tanto os pontos de falhas, os quais podem ser melhorados quantos os que já correram bem para que a próxima sprint se torne ainda mais eficiente e eficaz. 3.4 ARTEFATOS DO SCRUM PRODUCT BACKLOG De forma direta, o Product Backlog contém as funcionalidades de negócio, em formato de lista, sejam estes os requisitos técnicos e também erros de sistema que, após definidos, devem ser aprimorados. É importante ressaltar que o Product Backlog de forma alguma é "encadeado", ou seja, necessita de evolução contínua. Os motivos podem surgir baseados em novos requisitos de negócio, pela manutenção técnica da aplicação ou seu refatoramento. O Product Backlog deve estar pronto antes de um Sprint Planning, apesar de não fazer parte do Sprint Planning a usabilidade do mesmo para a definição das tarefas de priorização completa e estimativa pode fazer com que o Sprint Planning leve dias ao invés de horas para ser concluído. Sua principal função é manter suas prioridades listadas e exibir de forma clara e objetiva à equipe de desenvolvimento as perspectivas do projeto. O Product Backlog torna-se um dos principais desafios do Scrum, é essencial que o mesmo esteja organizado e relacionado com as prioridades da aplicação, para o devido cumprimento de suas histórias. Toda história que constar no Product Backlog tem como objetivo possuir valor de negócio e sua complexidade associada. O valor de negócio é estipulado pelo Product Owner e o segundo fator pelo time de desenvolvimento, que é reavaliado constantemente durante o decorrer do desenvolvimento.

13 13 A elaboração dos valores de negócio é extremamente complexa. É importante que estas tenham o enfoque em pontos críticos e essenciais, ao invés de ressaltar características irrelevantes para o resultado final. Pode-se exemplificar esta etapa de forma simples, imagina-se que o Product Owner precise construir uma casa e para esta tarefa receba (dez mil) pontos de complexidade. Como seu volume de pontos é limitado, pelo lógica os valores serão gastos aos itens imprescindíveis (Base, Paredes, Telhado, Sistemas Hidráulico e Elétrico), deixando assim menos pontos aos itens que neste exemplo seriam menos importantes (Pintura, Mobília, etc.). Este modelo facilita, já que o Product Owner possui limite para gastar, assim como um orçamento limitado PLANNING POKER O Planning Poker se torna um exercício, realizado em conjunto do Product Backlog, podendo ser realizado em grupo, que utiliza da sequência de FIbonacci (1, 2, 3, 5, 8, 13, 21,...) para a avaliação de complexidade. A lógica que se associa a utilização desta sequência está na diferença existente entre cada uma, permitindo a visão clara do quão complexa é cada uma das funcionalidades. Através das diferenças, pode-se mapear melhor as incertezas associadas a avaliação. Inicia-se selecionando o item considerado por todos como o mais fácil de implementar, associando a ele o menor valor na sequência. Posteriormente, avaliase os demais itens considerando sua complexidade relativa a de menor valor. Os participantes interagem definindo nota de complexidade para cada história, caso o consenso seja firmado a complexidade é validada e atribuída a história. No caso de divergência, é aberto debate entre os membros que mostraram maior diferença e cada um pode expor seus pensamentos. A seguir, é realizada nova rodada até que se encontre o consenso. Cabe a responsabilidade ao Scrum Master intervir caso não se consiga chegar ao consenso da complexidade de uma história. É necessário que a equipe mantenha o Product Backlog com estimativas coerentes à sua velocidade de desenvolvimento. Por esta razão a cada Sprint a equipe deve separar uma parcela de tempo para rever o Backlog do produto e caso seja necessário realizar novas estimativas ou corrigir estimativas já realizadas utilizando experiência do projeto corrente.

14 SPRINT BACKLOG O Sprint Backlog é criado com o uso das histórias do Product Backlog e que serão utilizadas durante o Sprint. Durante o Sprint Planning as histórias recebidas pelo time são desmembradas em tarefas menores, com o máximo de um dia, para serem acompanhadas pelo time ao longo do Sprint. Além disso, deve-se redigir as histórias e registradas para o Sprint, gerando novas tarefas à equipe. Este processo recebe o nome de Sprint Backlog, dele fazem parte todas as ações necessárias para que o objetivo do Sprint seja alcançado com sucesso. Vale lembrar que ao longo do Sprint, podem surgir novas tarefas, seja porque foram esquecidas ou determinada tarefa exigirá que seja dividida, integrando o Sprint e o Sprint Backlog. Ao longo do Sprint, caso todas as tarefas que compõe o Sprint Backlog tenham sido realizadas é possível que a equipe, em consenso do Product Owner, adicione mais histórias do Product Backlog ao Sprint Backlog. Caso isto ocorra, a equipe deve assumir o compromisso de que tudo esteja finalizado ao fim do Sprint. Tanto o Sprint Backlog quanto o Burndown Chart devem estar em constante acompanhamento pela equipe. Apenas com este olhar crítico é que a equipe pode prever com antecedência alguma possibilidade de não conseguir entregar histórias do Sprint. É importante ressaltar que as histórias do Backlog geralmente não devem ser desenvolvidas em paralelo. Isto só deve acontecer se já não existirem mais atividades na história anterior que não possam ser feitas. O objetivo de se tentar evitar o paralelismo visa chegar ao fim do Sprint com todas as histórias quase prontas, mas não completamente finalizadas. No caso perde-se o conceito de velocidade da equipe, visto que não se pode estimar o tempo real que será exigido para terminar as tarefas finais em paralelo IMPEDIMENT BACKLOG A constituição do impediment Backlog se baseia na lista de impedimentos que podem ocasionar problemas na entrega, seja de todo o Projeto ou de um Sprint. Costuma se relacionar a tarefas não realizadas pela equipe por pendências

15 15 externas. Este item é tratado diretamente pelo Scrum Master, que possui o papel de facilitador na resolução dos impedimentos. Tarefas simples como a instalação de um servidor ou de um software realizados por um help desk podem fazer parte do Impediment Backlog, itens que fazem parte de rotinas dos desenvolvedores e estão diretamente ligadas a entregas. É comum a formação de equipes, constituída por Gerentes e Diretores, com objetivo de auxiliar na resolução de problemas da companhia. A formação desta equipe é trabalhosa e geralmente difícil, porém em vários casos se mostra como a melhor escolha na busca de resultados a longo prazo. É comum parar muitos de dentro da empresa problemas recorrentes não serem vistos e passarem despercebidos, relacionados a estrutura. Esta equipe possui o papel de intervir, e com o auxilio da maturidade mútua, quebrar tais paradigmas e torná-la uma empresa ágil BURNDOWN CHART O acompanhamento das tarefas realizadas pelo time é gerenciado pelo próprio time. É importante lembrar que o time não deve ser influenciado por eventos externos, sendo assim, o acompanhamento diário de tarefas é realizado atrás do Daily Meeting. Durante os Daily Meetings a participação ativa é constituída por time e Scrum Master, podendo haver participantes externos, porém apenas como ouvintes. Tendo concluído as perguntas e respostas do Daily Meeting, as tarefas antes distribuídas são finalizadas e novas são repassadas ao time. Esta distribuição é feita pelo time e a seleção é realizada seguindo a ordem de execução previamente estabelecida pelo próprio time. Utilizando as informações de tarefas dos dias anteriores, criasse um gráfico para demonstrar visualmente a completude das tarefas do Sprint e seu andamento em relação ao projeto todo planejado.

16 O PROCESSO SCRUM Como anteriormente descrito, o processo Scrum é constituído por três etapas: o início, marcado pela reunião de todo o planejamento, o ciclo de desenvolvimento (etapa denominada Sprint) e sua conclusão (reunião de revisão do Sprint). Abaixo pode-se observar um exemplo do que se constitui o processo Scrum.

17 17 4. APLICAÇÃO 4.1 EXEMPLO DE SOFTWARE Com o objetivo de demonstrar todo o processo, utilizaremos um exemplo de projeto a ser desenvolvido voltado ao streamming de vídeo pela internet PAPÉIS De forma prática, são descriminados os membros correspondentes a seus devidos papeias no processo da criação da nossa ferramenta, portanto, conforme o processo Scrum define: Proprietário do Produto: Anderson Scrum Master: Victor Time de Desenvolvimento: Thiago e Bruno ESCOPO Encerrada a etapa de definição de papéis, o Proprietário do Produto (Product Owner) Anderson, após várias reuniões entre as equipes empresariais, define-se o escopo do projeto, seus primeiras histórias. "O sistema de Streamming de vídeo funcionará através da internet, de maneira que usuários externos possam ter acesso, criar seus cadastros, armazenar, compartilhar e gerenciar seus vídeos. Suas principais funcionalidades serão a de transformar o vídeo bruto recebido em um arquivo ágil e leve, com armazenagem de baixo custo e que se mostre rápido na visualização através da Internet; cadastro de acesso; comentários voltados ao vídeo em questão pelos usuários; notas para os vídeos; notas para os vídeos; interface para gerenciamento de conta; sistema de busca; sistema que reconheça o áudio do vídeo (para proteção contra direito autorais); proteção contra SPAM; sistema para criação de legendas próprias para os vídeos; área para interação (grupos) de usuários e vídeos."

18 PRODUCT BACKLOG Após o levantamento das funcionalidades, o proprietário do produto Anderson constrói o Product Backlog para priorizar as mesmas de acordo com sua importância para o cliente e seu valor de mercado. Nesse exemplo, será usado a seguinte notação: Quanto maior o número de prioridade maior será sua prioridade. Ex: prioridade máxima, 99 - prioridade menor,..., 1 - prioridade quase inexistente. Funcionalidade Prioridade Modelagem de Dados 100 Cadastro e gerenciamento de usuários 99 Conversão de vídeo para visualização na internet 98 Layout 97 Comentário para os vídeos 96 Proteção contra SPAM 95 Sistema de legendas para vídeos REUNIÃO DE PLANEJAMENTO DO SPRINT É realizada a Reunião de Planejamento, em que o proprietário do produto Anderson apresenta aos outros da equipe SCRUM e todos definem a quantidade de horas a ser trabalhada em cada etapa, levando em consideração os aspectos técnicos. Funcionalidade Prioridade Horas Modelagem de Dados Cadastro e gerenciamento de usuários Conversão de vídeo para visualização na internet Layout Comentário para os vídeos Proteção contra SPAM Sistema de legendas para vídeos TOTAL 340

19 19 Através do Product Backlog, é possível definir as metas do primeiro Sprint a ser realizado: Modelagem de Dados; Cadastro e Gerenciamento de usuários. Com isso, o ScrumMaster Victor, juntamente com a equipe de desenvolvimento definem o Product Backlog, fazendo com que as grandes tarefas se dividam, a fim de facilitar a execução das mesmas: Funcionalidade Prioridade Horas Modelagem de Dados Definição de Dados Organização de Tabelas Relacionamento Implementação do SGBD Cadastro e gerenciamento de usuários Formulário Interação com cadastro na base de dados Visualização de Perfil Mudança de Dados Relacionamento entre usuários INÍCIO DO SPRINT Com as metas e tarefas definidas, é hora de iniciar o desenvolvimento do primeiro sprint, que por sua vez, tem como objetivo apresentar uma interface o mais simples possível que faça com que os usuários sejam capazes de se cadastrar, visualizar e comentar vídeos em uma interface crua. Considere-se essa parte como o esqueleto do sistema. No exemplo utilizado, no primeiro sprint tem-se o total de 72 horas de estimativa para ser finalizado. É importante lembrar que esse tempo seve ser ajustado a fim da tarefa não ser finalizada rapidamente ou exceder o prazo estabelecido, no caso, acima de 3 dias e abaixo de 9 dias. Durante o ciclo de

20 20 desenvolvimento, Bruno e Thiago terão de trabalhar nessas tarefas, seguindo esses sub-ciclos: Desenvolver o produto: Implementação, teste e documentação; Empacotar: Finalização do produto, pronto para ser apresentado e integrado caso necessário; Revisar: Revisão do trabalho com intuito de certificar o que foi feito; Ajustar: Modificação nos requisitos ou planos REUNIÕES DIÁRIAS SCRUM O ScrumMaster Victor acompanhará o desenvolvimento do projeto por meio de reuniões que serão feitas diariamente para se certificar que a equipe de desenvolvimento esteja bem comprometida com o projeto, saudável e completando as tarefas que foram estabelecidas anteriormente BURNDOWN CHART Através das reuniões diárias citadas anteriormente, o ScrumMaster Victor poderá construir o BurnDown Chart, como segue o exemplo:

21 21 Com o BurnDown Chart é possível ver claramente o andamento do projeto ao longo de seu desenvolvimento, assim como é possível calcular a velocidade que o projeto vai andando, podendo estimar uma data de término para o mesmo. Esse dado de estimativa pode ser comparado ao prazo estipulado pelo Proprietário do produto para o término do projeto, sabendo se tudo será finalizado dentro do prazo ou não. No caso do exemplo, a velocidade média de desenvolvimento do projeto é de 8 horas por dia, terminando no dia 10. Caso o projeto devesse ser finalizado no dia 8, por volta dos 5 primeiros dias de desenvolvimento já seria possível reconhecer que a produtividade estaria baixa, sendo necessário aumentar o numero de horas a ser trabalhadas diariamente, isto é, aumentando de 8 horas por dia para 9 horas por dia seria o suficiente para finalizar o projeto dentro do prazo. O BrunDown Chart se caracteriza por ser um dos pontos mais importantes do processo, devido a possibilidade de gerenciamento do tempo que ele proporciona ao ScrumMaster, no caso, o Victor REVISÃO FINAL DO SPRINT Ao final do ciclo de desenvolvimento do Sprint, toda a equipe se reúne e vê quais foram os resultados, enquanto o Proprietário do produto identifica o progresso alcançado pela equipe e revisa o programa desenvolvido. Depois disso, o Proprietário juntamente com o cliente entram em concordância de que as tarefas estipuladas foram cumpridas com êxito e a primeira versão desse sistema web satisfaz a proposta. Sendo assim, os seguintes itens foram eliminados: Modelagem de Dados; Cadastro e gerenciamento de usuários. Com isso, é possível estabelecer novas tarefas que farão parte do próximo Sprint: Conversão de vídeo para visualização na internet; Layout; Comentário para os vídeos.

22 22 Após a definição das novas tarefas, repete-se todo o processo citado anteriormente, definindo o prazo de entrega e as respectivas prioridades de cada tarefa, construindo o plano de desenvolvimento para o próximo ciclo SCRUM.

23 23 5. CONCLUSÃO O processo de desenvolvimento ágil tende a facilitar a execução do projeto, como visto anteriormente, além de que seu resultado é eficaz, já que é possível o acompanhamento, seja diário ou por etapas, fazendo com que a chance de satisfazer o cliente final utilizando esse método seja alta. Além disso, sua implementação é simples, tendo apenas como desafio integrá-lo no ambiente da organização, da equipe e do cliente final. Vale ressaltar ainda que a utilização correta do método ágil SCRUM cria equipes motivadas, fazendo com que em futuros projeto a serem desenvolvimento, o sistema seja entregue com uma maior qualidade. Sendo assim, conclui-se que a implementação desse método ágil abordado nesse trabalho, usando o exemplo citado anteriormente como modelo, tende de fato auxiliar ou até mesmo assumir todo o processo de desenvolvimento, adaptando, modificando e descartando recursos sem prejudicar a organização e a equipe envolvida, fazendo com que o SCRUM funcione bem tanto quando implementando sozinho, quanto servindo de container para outras técnicas ou práticas. 5.1 CONSIDERAÇÕES FINAIS Pode-se notar, após a apresentação do método ágil SCRUM e por meio de um exemplo que os objetivos citados no início do trabalho foram cumpridos. Além disso, pode-se destacar alguns pontos a respeito do SCRUM que não foram esclarecidos explicitamente, como: Concentração: Foco na concentração de poucos itens; Coragem: Divisão de responsabilidades, fazendo com que os integrantes da equipe sintam-se mais confortáveis para tomarem decisões; Abertura para comunicação e liberdade: Devido a todos possuírem a mesma meta, são "forçados" a compartilhar sucessos e fracassos cometidos durante o processo, criando uma intimidade maior entre eles; Respeito: Ao compartilhar fracassos e sucessos, os integrantes da equipe tendem a respeitar e ajudar uns aos outros com problemas que podem surgir em meio ao desenvolvimento do projeto.

24 24 REFERÊNCIAS SCHWABER, K.; BEEDLE, M. Agile Software Development with Scrum. New Jersey: Prentice Hall, SCHWABER, K. Agile Project Management with Scrum. Redmond: Microsoft Press, SUTHERLAND, J. GUIA DO SCRUM. Scrum.org, Out de AGILEMANIFESTO. Manifesto for Agile Development. Disponível em: Acesso em: 30 ago SANTOS, F. R. SCRUM Experience, ver. 16. Disponível em: Acesso em 31 ago.2014.

Engenharia de Software

Engenharia de Software Faculdade de Informática e Administração Paulista Curso de Sistemas de Informação 2º SI-T Engenharia de Software Modelo de Desenvolvimento Ágil SCRUM Hugo Cisneiros RM 60900 Moyses Santana Jacob RM 63484

Leia mais

SCRUM. Fabrício Sousa fabbricio7@yahoo.com.br

SCRUM. Fabrício Sousa fabbricio7@yahoo.com.br SCRUM Fabrício Sousa fabbricio7@yahoo.com.br Introdução 2 2001 Encontro onde profissionais e acadêmicos da área de desenvolvimento de software de mostraram seu descontentamento com a maneira com que os

Leia mais

SCRUM. É um processo iterativo e incremental para o desenvolvimento de qualquer produto e gerenciamento de qualquer projeto.

SCRUM. É um processo iterativo e incremental para o desenvolvimento de qualquer produto e gerenciamento de qualquer projeto. SCRUM SCRUM É um processo iterativo e incremental para o desenvolvimento de qualquer produto e gerenciamento de qualquer projeto. Ken Schwaber e Jeff Sutherland Transparência A transparência garante que

Leia mais

Workshop SCRUM. Versão 5 Out 2010 RFS. rildo.santos@etecnologia.com.br

Workshop SCRUM. Versão 5 Out 2010 RFS. rildo.santos@etecnologia.com.br Todos os direitos reservados e protegidos 2006 e 2010 Objetivo: Estudo de Caso Objetivo: Apresentar um Estudo de Caso para demonstrar como aplicar as práticas do SCRUM em projeto de desenvolvimento de

Leia mais

RESUMO PARA O EXAME PSM I

RESUMO PARA O EXAME PSM I RESUMO PARA O EXAME PSM I Escrito por: Larah Vidotti Blog técnico: Linkedin: http://br.linkedin.com/in/larahvidotti MSN: larah_bit@hotmail.com Referências:... 2 O Scrum... 2 Papéis... 3 Product Owner (PO)...

Leia mais

Scrum Guia Prático. Raphael Rayro Louback Saliba Certified Scrum Master. Os papéis, eventos, artefatos e as regras do Scrum. Solutions. www.domain.

Scrum Guia Prático. Raphael Rayro Louback Saliba Certified Scrum Master. Os papéis, eventos, artefatos e as regras do Scrum. Solutions. www.domain. Scrum Guia Prático Os papéis, eventos, artefatos e as regras do Scrum Solutions www.domain.com Raphael Rayro Louback Saliba Certified Scrum Master 1 Gráfico de Utilização de Funcionalidades Utilização

Leia mais

Guia do Scrum. Um guia definitivo para o Scrum: As regras do jogo. Outubro de 2011. Desenvolvido e mantido por Ken Schwaber e Jeff Sutherland

Guia do Scrum. Um guia definitivo para o Scrum: As regras do jogo. Outubro de 2011. Desenvolvido e mantido por Ken Schwaber e Jeff Sutherland Guia do Scrum Um guia definitivo para o Scrum: As regras do jogo Outubro de 2011 Desenvolvido e mantido por Ken Schwaber e Jeff Sutherland Índice O propósito do Guia do Scrum... 3 Visão geral do Scrum...

Leia mais

Após completar este módulo você deverá ter absorvido o seguinte conhecimento: Uma ampla visão do framework Scrum e suas peculiaridades

Após completar este módulo você deverá ter absorvido o seguinte conhecimento: Uma ampla visão do framework Scrum e suas peculiaridades Objetivos da Aula 1 Após completar este módulo você deverá ter absorvido o seguinte conhecimento: Uma ampla visão do framework Scrum e suas peculiaridades Entendimento sobre os processos essenciais do

Leia mais

Scrum. Introdução UFRPE-DEINFO BSI-FÁBRICA DE SOFTWARE

Scrum. Introdução UFRPE-DEINFO BSI-FÁBRICA DE SOFTWARE Scrum Introdução UFRPE-DEINFO BSI-FÁBRICA DE SOFTWARE scrum Ken Schwaber - Jeff Sutherland http://www.scrumalliance.org/ Scrum Uma forma ágil de gerenciar projetos. Uma abordagem baseada em equipes autoorganizadas.

Leia mais

Wesley Torres Galindo

Wesley Torres Galindo Qualidade, Processos e Gestão de Software Professores: Alexandre Vasconcelos e Hermano Moura Wesley Torres Galindo wesleygalindo@gmail.com User Story To Do Doing Done O que é? Como Surgiu? Estrutura Apresentar

Leia mais

Wesley Torres Galindo. wesleygalindo@gmail.com

Wesley Torres Galindo. wesleygalindo@gmail.com Wesley Torres Galindo wesleygalindo@gmail.com Wesley Galindo Graduação em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Mestrado em Engenharia de Software Engenheiro de Software Professor Faculdade Escritor Osman

Leia mais

Estudo sobre Desenvolvimento de Software Utilizando o Framework Ágil Scrum

Estudo sobre Desenvolvimento de Software Utilizando o Framework Ágil Scrum Estudo sobre Desenvolvimento de Software Utilizando o Framework Ágil Scrum Andre Scarmagnani 1, Fabricio C. Mota 1, Isaac da Silva 1, Matheus de C. Madalozzo 1, Regis S. Onishi 1, Luciano S. Cardoso 1

Leia mais

Objetivos do Módulo 3

Objetivos do Módulo 3 Objetivos do Módulo 3 Após completar este módulo você deverá ter absorvido o seguinte conhecimento: Conceitos do Scrum O que é um Sprint Decifrando um Product backlog Daily Scrum, Sprint Review, Retrospectiva

Leia mais

Guia do Scrum. Um guia definitivo para o Scrum: As regras do jogo. Julho de 2013. Desenvolvido e mantido por Ken Schwaber e Jeff Sutherland

Guia do Scrum. Um guia definitivo para o Scrum: As regras do jogo. Julho de 2013. Desenvolvido e mantido por Ken Schwaber e Jeff Sutherland Guia do Scrum Um guia definitivo para o Scrum: As regras do jogo Julho de 2013 Desenvolvido e mantido por Ken Schwaber e Jeff Sutherland Í ndice O propósito do Guia do Scrum... 3 Definição do Scrum...

Leia mais

Guia do Nexus. O Guia Definitivo para o Nexus: O exoesqueleto do desenvolvimento Scrum escalado. Desenvolvido e mantido por Ken Schwaber e Scrum.

Guia do Nexus. O Guia Definitivo para o Nexus: O exoesqueleto do desenvolvimento Scrum escalado. Desenvolvido e mantido por Ken Schwaber e Scrum. Guia do Nexus O Guia Definitivo para o Nexus: O exoesqueleto do desenvolvimento Scrum escalado Desenvolvido e mantido por Ken Schwaber e Scrum.org Tabela de Conteúdo Visão Geral do Nexus... 2 O Propósito

Leia mais

Por que o Scrum? o Foco na Gerência de Projetos; o Participação efetiva do Cliente.

Por que o Scrum? o Foco na Gerência de Projetos; o Participação efetiva do Cliente. Por que o Scrum? o Foco na Gerência de Projetos; o Participação efetiva do Cliente. Desenvolvido por Jeff SUTHERLAND e Ken SCHWABER ; Bastante objetivo, com papéis bem definidos; Curva de Aprendizado é

Leia mais

Guia Projectlab para Métodos Agéis

Guia Projectlab para Métodos Agéis Guia Projectlab para Métodos Agéis GUIA PROJECTLAB PARA MÉTODOS ÁGEIS 2 Índice Introdução O que são métodos ágeis Breve histórico sobre métodos ágeis 03 04 04 Tipos de projetos que se beneficiam com métodos

Leia mais

Workshop. Workshop SCRUM. Rildo F Santos. rildo.santos@etecnologia.com.br. Versão 1 Ago 2010 RFS. www.etcnologia.com.br (11) 9123-5358 (11) 9962-4260

Workshop. Workshop SCRUM. Rildo F Santos. rildo.santos@etecnologia.com.br. Versão 1 Ago 2010 RFS. www.etcnologia.com.br (11) 9123-5358 (11) 9962-4260 Workshop www.etcnologia.com.br (11) 9123-5358 (11) 9962-4260 Rildo F Santos twitter: @rildosan skype: rildo.f.santos http://rildosan.blogspot.com/ Todos os direitos reservados e protegidos 2006 e 2010

Leia mais

Manifesto Ágil e as Metodologias Ágeis (XP e SCRUM)

Manifesto Ágil e as Metodologias Ágeis (XP e SCRUM) Programação Extrema Manifesto Ágil e as Metodologias Ágeis (XP e SCRUM) Prof. Mauro Lopes Programação Extrema Prof. Mauro Lopes 1-31 45 Manifesto Ágil Formação da Aliança Ágil Manifesto Ágil: Propósito

Leia mais

O Guia do Scrum. O Guia definitivo para o Scrum As regras do jogo. Desenvolvido e Mantido por Ken Schwaber e Jeff Sutherland

O Guia do Scrum. O Guia definitivo para o Scrum As regras do jogo. Desenvolvido e Mantido por Ken Schwaber e Jeff Sutherland O Guia do Scrum O Guia definitivo para o Scrum As regras do jogo Julho 2011 Desenvolvido e Mantido por Ken Schwaber e Jeff Sutherland Traduzido para o Português por José Eduardo Deboni (eduardodeboni.com)

Leia mais

Géssica Talita. Márcia Verônica. Prof.: Edmilson

Géssica Talita. Márcia Verônica. Prof.: Edmilson Géssica Talita Márcia Verônica Prof.: Edmilson DESENVOLVIMENTO ÁGIL Técnicas foram criadas com o foco de terminar os projetos de software rapidamente e de forma eficaz. Este tipo de técnica foi categorizada

Leia mais

Uma introdução ao SCRUM. Evandro João Agnes evandroagnes@yahoo.com.br

Uma introdução ao SCRUM. Evandro João Agnes evandroagnes@yahoo.com.br Uma introdução ao SCRUM Evandro João Agnes evandroagnes@yahoo.com.br Agenda Projetos de Software O que é Scrum Scrum framework Estrutura do Scrum Sprints Ferramentas Projetos de software Chaos Report Standish

Leia mais

METODOLOGIA DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS SCRUM: ESTUDO DE REVISÃO. Bruno Edgar Fuhr 1

METODOLOGIA DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS SCRUM: ESTUDO DE REVISÃO. Bruno Edgar Fuhr 1 METODOLOGIA DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS SCRUM: ESTUDO DE REVISÃO Bruno Edgar Fuhr 1 Resumo: O atual mercado de sistemas informatizados exige das empresas de desenvolvimento, um produto que tenha ao mesmo

Leia mais

Análise comparativa entre a engenharia de requisitos e o método de desenvolvimento ágil: Scrum

Análise comparativa entre a engenharia de requisitos e o método de desenvolvimento ágil: Scrum Análise comparativa entre a engenharia de requisitos e o método de desenvolvimento ágil: Scrum Patrícia Bastos Girardi, Sulimar Prado, Andreia Sampaio Resumo Este trabalho tem como objetivo prover uma

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas CMP1141 Processo e qualidade de software I Prof. Me. Elias Ferreira Sala: 210 F Quarta-Feira:

Leia mais

SCRUM Gerência de Projetos Ágil. Prof. Elias Ferreira

SCRUM Gerência de Projetos Ágil. Prof. Elias Ferreira SCRUM Gerência de Projetos Ágil Prof. Elias Ferreira Métodos Ágeis + SCRUM + Introdução ao extreme Programming (XP) Manifesto Ágil Estamos descobrindo maneiras melhores de desenvolver software fazendo-o

Leia mais

Aluna: Vanessa de Mello Orientador: Everaldo Artur Grahl

Aluna: Vanessa de Mello Orientador: Everaldo Artur Grahl Ferramenta web para gerenciamento de projetos de software baseado no Scrum Aluna: Vanessa de Mello Orientador: Everaldo Artur Grahl Introdução Roteiro da apresentação Objetivos do trabalho Fundamentação

Leia mais

SCRUM: UMA DAS METODOLOGIAS ÁGEIS MAIS USADAS DO MUNDO

SCRUM: UMA DAS METODOLOGIAS ÁGEIS MAIS USADAS DO MUNDO SCRUM: UMA DAS METODOLOGIAS ÁGEIS MAIS USADAS DO MUNDO RESUMO Eleandro Lopes de Lima 1 Nielsen Alves dos Santos 2 Rodrigo Vitorino Moravia 3 Maria Renata Furtado 4 Ao propor uma alternativa para o gerenciamento

Leia mais

Ferramenta para gestão ágil

Ferramenta para gestão ágil Ferramenta para gestão ágil de projetos de software Robson Ricardo Giacomozzi Orientador: Everaldo Artur Grahl Agenda Introdução Objetivos Fundamentação teórica Desenvolvimento Resultados e discussões

Leia mais

Metodologias Ágeis. Aécio Costa

Metodologias Ágeis. Aécio Costa Metodologias Ágeis Aécio Costa Metodologias Ágeis Problema: Processo de desenvolvimento de Software Imprevisível e complicado. Empírico: Aceita imprevisibilidade, porém tem mecanismos de ação corretiva.

Leia mais

Gerenciamento de Equipes com Scrum

Gerenciamento de Equipes com Scrum Gerenciamento de Equipes com Scrum Curso de Verão 2009 IME/USP www.agilcoop.org.br Dairton Bassi 28/Jan/2009 O que é Scrum? Processo de controle e gerenciamento Processo iterativo de inspeção e adaptação

Leia mais

GUIA DO SCRUM Por Ken Schwaber, Maio de 2009

GUIA DO SCRUM Por Ken Schwaber, Maio de 2009 GUIA DO SCRUM Por Ken Schwaber, Maio de 2009 GUIA DO SCRUM Por Ken Schwaber, Maio de 2009 Tradução Heitor Roriz Filho Michel Goldenberg Rafael Sabbagh Revisão Anderson Marcondes Ânderson Quadros Ari do

Leia mais

Agilidade parte 3/3 - Scrum. Prof. Dr. Luís Fernando Fortes Garcia luis@garcia.pro.br

Agilidade parte 3/3 - Scrum. Prof. Dr. Luís Fernando Fortes Garcia luis@garcia.pro.br Agilidade parte 3/3 - Scrum Prof. Dr. Luís Fernando Fortes Garcia luis@garcia.pro.br 1 Scrum Scrum? Jogada do Rugby Formação de muralha com 8 jogadores Trabalho em EQUIPE 2 Scrum 3 Scrum Scrum Processo

Leia mais

Desenvolvimento Ágil sob a Perspectiva de um ScrumMaster

Desenvolvimento Ágil sob a Perspectiva de um ScrumMaster Desenvolvimento Ágil sob a Perspectiva de um ScrumMaster Danilo Sato e Dairton Bassi 21-05-07 IME-USP O que é Scrum? Processo empírico de controle e gerenciamento Processo iterativo de inspeção e adaptação

Leia mais

Curso Certified ScrumMaster (CSM)

Curso Certified ScrumMaster (CSM) e Curso Certified ScrumMaster (CSM) 1. Perfil do Instrutor MICHEL GOLDENBERG (CSM, CSPO, CSP, CST) Michel Goldenberg é co-fundador do Grupo de usuário Scrum de Montreal, um dos maiores grupos de usuários

Leia mais

Universidade Federal do Espírito Santo Centro Tecnológico Departamento de Informática Programa de Pós-Graduação em Informática

Universidade Federal do Espírito Santo Centro Tecnológico Departamento de Informática Programa de Pós-Graduação em Informática Universidade Federal do Espírito Santo Centro Tecnológico Departamento de Informática Programa de Pós-Graduação em Informática Disciplina: INF5008 Prof.: (monalessa@inf.ufes.br) Conteúdo 8. Metodologias

Leia mais

AVALIAÇÃO DA UTILIZAÇÃO DO SCRUM COMO MEIO PARA OBTENÇÃO DO NÍVEL G DE MATURIDADE DE ACORDO COM O MODELO MPS.br RESUMO

AVALIAÇÃO DA UTILIZAÇÃO DO SCRUM COMO MEIO PARA OBTENÇÃO DO NÍVEL G DE MATURIDADE DE ACORDO COM O MODELO MPS.br RESUMO 1 AVALIAÇÃO DA UTILIZAÇÃO DO SCRUM COMO MEIO PARA OBTENÇÃO DO NÍVEL G DE MATURIDADE DE ACORDO COM O MODELO MPS.br Autor: Julio Cesar Fausto 1 RESUMO Em um cenário cada vez mais competitivo e em franca

Leia mais

Frederico Aranha, Instrutor. Scrum 100 Lero Lero. Um curso objetivo!

Frederico Aranha, Instrutor. Scrum 100 Lero Lero. Um curso objetivo! Scrum 100 Lero Lero Um curso objetivo! Napoleãããõ blah blah blah Whiskas Sachê Sim, sou eu! Frederico de Azevedo Aranha MBA, PMP, ITIL Expert Por que 100 Lero Lero? Porque o lero lero está documentado.

Leia mais

FireScrum: Ferramenta de apoio à gestão de projetos utilizando Scrum

FireScrum: Ferramenta de apoio à gestão de projetos utilizando Scrum C.E.S.A.R.EDU Unidade de Educação do Centro de Estudos e Sistemas Avançados do Recife Projeto de Dissertação de Mestrado FireScrum: Ferramenta de apoio à gestão de projetos utilizando Scrum Eric de Oliveira

Leia mais

Metodologia SCRUM. Moyses Santana Jacob RM 63484. Stelvio Mazza RM 63117. Tiago Pereira RM 63115. Hugo Cisneiros RM 60900

Metodologia SCRUM. Moyses Santana Jacob RM 63484. Stelvio Mazza RM 63117. Tiago Pereira RM 63115. Hugo Cisneiros RM 60900 Metodologia SCRUM Hugo Cisneiros RM 60900 Moyses Santana Jacob RM 63484 Stelvio Mazza RM 63117 Tiago Pereira RM 63115 SCRUM? O que é isso? SCRUM é um modelo de desenvolvimento ágil de software que fornece

Leia mais

Processo de Desenvolvimento de Software. Unidade V Modelagem de PDS. Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com

Processo de Desenvolvimento de Software. Unidade V Modelagem de PDS. Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com Processo de Desenvolvimento de Software Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com Conteúdo Programático desta aula Modelo Cascata (Waterfall) ou TOP DOWN. Modelo Iterativo. Metodologia Ágil.

Leia mais

Processo de Desenvolvimento de Software Scrum. Prof. Antonio Almeida de Barros Jr.

Processo de Desenvolvimento de Software Scrum. Prof. Antonio Almeida de Barros Jr. Processo de Desenvolvimento de Software Scrum Manifesto da Agilidade Quatro princípios Indivíduos e interações mais que processos e ferramentas Software funcionando mais que documentação compreensiva Colaboração

Leia mais

Análise da aplicação da metodologia SCRUM em uma empresa de Desenvolvimento de Software

Análise da aplicação da metodologia SCRUM em uma empresa de Desenvolvimento de Software Análise da aplicação da metodologia SCRUM em uma empresa de Desenvolvimento de Software Carolina Luiza Chamas Faculdade de Tecnologia da Zona Leste SP Brasil carolchamas@hotmail.com Leandro Colevati dos

Leia mais

UMA ABORDAGEM PARA VIABILIZAR A ADERÊNCIA DA METODOLOGIA SCRUM AO MODELO MPS.BR NÍVEL G.

UMA ABORDAGEM PARA VIABILIZAR A ADERÊNCIA DA METODOLOGIA SCRUM AO MODELO MPS.BR NÍVEL G. UMA ABORDAGEM PARA VIABILIZAR A ADERÊNCIA DA METODOLOGIA SCRUM AO MODELO MPS.BR NÍVEL G. Magda A. Silvério Miyashiro 1, Maurício G. V. Ferreira 2, Bruna S. P. Martins 3, Fabio Nascimento 4, Rodrigo Dias

Leia mais

Quais são as características de um projeto?

Quais são as características de um projeto? Metodologias ágeis Flávio Steffens de Castro Projetos? Quais são as características de um projeto? Temporário (início e fim) Objetivo (produto, serviço e resultado) Único Recursos limitados Planejados,

Leia mais

Scrum. Gestão ágil de projetos

Scrum. Gestão ágil de projetos Scrum Gestão ágil de projetos Apresentação feita por : Igor Macaúbas e Marcos Pereira Modificada por: Francisco Alecrim (22/01/2012) Metas para o o Metas para treinamento seminário Explicar o que é Scrum

Leia mais

Metodologia Scrum e TDD Com Java + Flex + Svn Ambiente Eclipse

Metodologia Scrum e TDD Com Java + Flex + Svn Ambiente Eclipse SOFTWARE PARA GERENCIAMENTO DE AUTO PEÇAS Renan Malavazi Mauro Valek Jr Renato Malavazi Metodologia Scrum e TDD Com Java + Flex + Svn Ambiente Eclipse Sistema de Gerenciamento de AutoPeças A aplicação

Leia mais

ISSN 0103-9741. Monografias em Ciência da Computação n 07/09. Implantando o SCRUM em um Ambiente de Desenvolvimento de Produtos para Internet

ISSN 0103-9741. Monografias em Ciência da Computação n 07/09. Implantando o SCRUM em um Ambiente de Desenvolvimento de Produtos para Internet PUC ISSN 0103-9741 Monografias em Ciência da Computação n 07/09 Implantando o SCRUM em um Ambiente de Desenvolvimento de Produtos para Internet Jacques Douglas Varaschim Departamento de Informática PONTIFÍCIA

Leia mais

Fevereiro 2010. Scrum: Desenvolvido e mantido por Ken Schwaber e Jeff Sutherland

Fevereiro 2010. Scrum: Desenvolvido e mantido por Ken Schwaber e Jeff Sutherland Fevereiro 2010 Scrum: Desenvolvido e mantido por Ken Schwaber e Jeff Sutherland Agradecimentos Geral Scrum é baseado nas melhores práticas aceitas pelo mercado, utilizadas e provadas por décadas. Ele é

Leia mais

Scrum-Half: Uma Ferramenta Web de Apoio ao Scrum

Scrum-Half: Uma Ferramenta Web de Apoio ao Scrum Scrum-Half: Uma Ferramenta Web de Apoio ao Scrum Diego R. Marins 1,2, José A. Rodrigues Nt. 1, Geraldo B. Xexéo 2, Jano M. de Sousa 1 1 Programa de Engenharia de Sistemas e Computação - COPPE/UFRJ 2 Departamento

Leia mais

um framework para desenvolver produtos complexos em ambientes complexos Rafael Sabbagh, CSM, CSP Marcos Garrido, CSPO

um framework para desenvolver produtos complexos em ambientes complexos Rafael Sabbagh, CSM, CSP Marcos Garrido, CSPO um framework para desenvolver produtos complexos em ambientes complexos Rafael Sabbagh, CSM, CSP Marcos Garrido, CSPO Um pouco de história... Década de 50: a gestão de projetos é reconhecida como disciplina,

Leia mais

Manifesto Ágil - Princípios

Manifesto Ágil - Princípios Manifesto Ágil - Princípios Indivíduos e interações são mais importantes que processos e ferramentas. Software funcionando é mais importante do que documentação completa e detalhada. Colaboração com o

Leia mais

ESTUDO DE CASO: SCRUM E PMBOK UNIDOS NO GERENCIAMENTO DE PROJETOS. contato@alinebrake.com.br. fs_moreira@yahoo.com.br. contato@marcelobrake.com.

ESTUDO DE CASO: SCRUM E PMBOK UNIDOS NO GERENCIAMENTO DE PROJETOS. contato@alinebrake.com.br. fs_moreira@yahoo.com.br. contato@marcelobrake.com. ESTUDO DE CASO: SCRUM E PMBOK UNIDOS NO GERENCIAMENTO DE PROJETOS (CASE STUDY: SCRUM AND PMBOK - STATES IN PROJECT MANAGEMENT) Aline Maria Sabião Brake 1, Fabrício Moreira 2, Marcelo Divaldo Brake 3, João

Leia mais

EXIN Agile Scrum Fundamentos

EXIN Agile Scrum Fundamentos Exame Simulado EXIN Agile Scrum Fundamentos Edição Fevereiro 2015 Copyright 2015 EXIN Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta publicação pode ser publicado, reproduzido, copiado ou armazenada

Leia mais

Gestão de Projetos com Métodos Ágeis - Avançado

Gestão de Projetos com Métodos Ágeis - Avançado Gestão de Projetos com Métodos Ágeis - Avançado Caxias do Sul, 16 de Agosto 2013 Gustavo Casarotto Agenda O Scrum Planejamento da Sprint 1 Execução da Sprint 1 Revisão da Sprint 1 Retrospectiva da Sprint

Leia mais

Sistemas de Informação e Programação II Odorico Machado Mendizabal

Sistemas de Informação e Programação II Odorico Machado Mendizabal Sistemas de Informação e Programação II Odorico Machado Mendizabal Universidade Federal do Rio Grande FURG C3 Engenharia de Computação 16 e 23 de março de 2011 Processo de Desenvolvimento de Software Objetivos

Leia mais

SCRUM. Otimizando projetos. Adilson Taub Júnior tecproit.com.br

SCRUM. Otimizando projetos. Adilson Taub Júnior tecproit.com.br SCRUM Otimizando projetos Adilson Taub Júnior tecproit.com.br Sobre mim Adilson Taub Júnior Gerente de Processos Certified ScrumMaster; ITIL Certified; Cobit Certified; 8+ anos experiência com TI Especialista

Leia mais

Scrum How it works. Há quatro grupos com papéis bem definidos:

Scrum How it works. Há quatro grupos com papéis bem definidos: Scrum É um processo de desenvolvimento iterativo e incremental. É utilizado quando não se consegue predizer tudo o que irá ocorrer. Em geral, utiliza-se em projetos complexos, de difícil abordagem pela

Leia mais

SCRUM. Desafios e benefícios trazidos pela implementação do método ágil SCRUM. Conhecimento em Tecnologia da Informação

SCRUM. Desafios e benefícios trazidos pela implementação do método ágil SCRUM. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação SCRUM Desafios e benefícios trazidos pela implementação do método ágil SCRUM 2011 Bridge Consulting Apresentação Há muitos anos, empresas e equipes de desenvolvimento

Leia mais

Alexandre Lima Guilherme Melo Joeldson Costa Marcelo Guedes

Alexandre Lima Guilherme Melo Joeldson Costa Marcelo Guedes Instituto Federal do Rio Grande do Norte IFRN Graduação Tecnologia em Analise e Desenvolvimento de Sistema Disciplina: Processo de Desenvolvimento de Software Scrum Alexandre Lima Guilherme Melo Joeldson

Leia mais

Desenvolvimento Ágil de Software

Desenvolvimento Ágil de Software Desenvolvimento Ágil de Software Métodos ágeis (Sommerville) As empresas operam em um ambiente global, com mudanças rápidas. Softwares fazem parte de quase todas as operações de negócios. O desenvolvimento

Leia mais

O Guia Passo-a-Passo para IMPLANTAR. Em seu próprio Projeto

O Guia Passo-a-Passo para IMPLANTAR. Em seu próprio Projeto O Guia Passo-a-Passo para IMPLANTAR Em seu próprio Projeto Aprenda como Agilizar seu Projeto! A grande parte dos profissionais que tomam a decisão de implantar o Scrum em seus projetos normalmente tem

Leia mais

MDMS-ANAC. Metodologia de Desenvolvimento e Manutenção de Sistemas da ANAC. Superintendência de Tecnologia da Informação - STI

MDMS-ANAC. Metodologia de Desenvolvimento e Manutenção de Sistemas da ANAC. Superintendência de Tecnologia da Informação - STI MDMS-ANAC Metodologia de Desenvolvimento e Manutenção de Sistemas da ANAC Superintendência de Tecnologia da Informação - STI Histórico de Alterações Versão Data Responsável Descrição 1.0 23/08/2010 Rodrigo

Leia mais

Fundamentos do Scrum aplicados ao RTC Sergio Martins Fernandes

Fundamentos do Scrum aplicados ao RTC Sergio Martins Fernandes Workshop Scrum & Rational Team Concert (RTC) Sergio Martins Fernandes Agilidade Slide 2 Habilidade de criar e responder a mudanças, buscando agregar valor em um ambiente de negócio turbulento O Manifesto

Leia mais

Proposta. Treinamento Scrum Master Gerenciamento Ágil de Projetos. Apresentação Executiva

Proposta. Treinamento Scrum Master Gerenciamento Ágil de Projetos. Apresentação Executiva Treinamento Scrum Master Gerenciamento Ágil de Projetos Apresentação Executiva 1 O treinamento Scrum Master Gerenciamento Ágil de Projetos tem como premissa preparar profissionais para darem início às

Leia mais

Módulo de projetos ágeis Scrum Módulo de Projetos Ágeis Scrum

Módulo de projetos ágeis Scrum Módulo de Projetos Ágeis Scrum Módulo de Projetos Ágeis Fevereiro 2015 Versão Módulo de Projetos Ágeis O nome vem de uma jogada ou formação do Rugby, onde 8 jogadores de cada time devem se encaixar para formar uma muralha. É muito importante

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS METODOLOGIAS ÁGEIS ENGENHARIA DE SOFTWARE 10/08/2013

LISTA DE EXERCÍCIOS METODOLOGIAS ÁGEIS ENGENHARIA DE SOFTWARE 10/08/2013 LISTA DE EXERCÍCIOS METODOLOGIAS ÁGEIS ENGENHARIA DE SOFTWARE 10/08/2013 Disciplina: Professor: Engenharia de Software Edison Andrade Martins Morais http://www.edison.eti.br prof@edison.eti.br Área: Metodologias

Leia mais

Engenharia de Software II: SCRUM na prática. Ricardo de Sousa Britto rbritto@ufpi.edu.br

Engenharia de Software II: SCRUM na prática. Ricardo de Sousa Britto rbritto@ufpi.edu.br Engenharia de Software II: SCRUM na prática Ricardo de Sousa Britto rbritto@ufpi.edu.br Construindo Product Backlog } O product backlog é o coração do Scrum. } É basicamente uma lista de requisitos, estórias,

Leia mais

SCRUM como metodologia de gestão de projetos da área administrativa Venturus: um case de sucesso RESUMO

SCRUM como metodologia de gestão de projetos da área administrativa Venturus: um case de sucesso RESUMO SCRUM como metodologia de gestão de projetos da área administrativa Venturus: um case de sucesso RESUMO Este artigo tem por objetivo apresentar a experiência do uso da metodologia Scrum para o gerenciamento

Leia mais

METODOLOGIAS ÁGEIS - SCRUM -

METODOLOGIAS ÁGEIS - SCRUM - METODOLOGIAS ÁGEIS - SCRUM - André Roberto Ortoncelli ar_ortoncelli@hotmail.com 2010 Organização da Apresentação Introdução as Metodologias Ágeis Scrum Conceitos Básicos Artefatos Papeis Cerimônias Estórias

Leia mais

UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO Curso de Engenharia da Computação RAFAEL HIDEMASA FURUKAWA

UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO Curso de Engenharia da Computação RAFAEL HIDEMASA FURUKAWA UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO Curso de Engenharia da Computação RAFAEL HIDEMASA FURUKAWA ESTUDO DE APLICAÇÃO DE PRÁTICAS DO PMBOK EM PROJETOS DE SOFTWARE BASEADOS EM SCRUM Itatiba 2012 UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO

Leia mais

Engenharia de Software I. Aula 15: Metodologias Ágeis. Prof. Márcio D. Puntel marcio@puntel.org

Engenharia de Software I. Aula 15: Metodologias Ágeis. Prof. Márcio D. Puntel marcio@puntel.org Engenharia de Software I Aula 15: Metodologias Ágeis Prof. Márcio D. Puntel marcio@puntel.org Março - 2008 Antes... Manifesto Mudança de contratos Foco nas premissas... 2 Algumas metodologias Extreme Programming

Leia mais

Agradecimento. Adaptação do curso Scrum de Márcio Sete, ChallengeIT. Adaptação do curso The Zen of Scrum de Alexandre Magno, AdaptaWorks

Agradecimento. Adaptação do curso Scrum de Márcio Sete, ChallengeIT. Adaptação do curso The Zen of Scrum de Alexandre Magno, AdaptaWorks S C R U M Apresentação Tiago Domenici Griffo Arquiteto de Software na MCP, MCAD, MCSD, MCTS Web, Windows e TFS, ITIL Foundation Certified, MPS.BR P1 Experiência internacional e de offshoring Agradecimento

Leia mais

Gestão de Projetos com Scrum

Gestão de Projetos com Scrum Gestão de Projetos com Scrum Curso de Verão - Jan / 2010 IME/USP - São Paulo Dairton Bassi dbassi@gmail.com Processo de gerenciamento de projetos. Processo iterativo de inspeção e adaptação. Usado para

Leia mais

Praticando o Scrum. Prof. Wylliams Barbosa Santos wylliamss@gmail.com Optativa IV Projetos de Sistemas Web

Praticando o Scrum. Prof. Wylliams Barbosa Santos wylliamss@gmail.com Optativa IV Projetos de Sistemas Web Praticando o Scrum Prof. Wylliams Barbosa Santos wylliamss@gmail.com Optativa IV Projetos de Sistemas Web Créditos de Conteúdo: Left (left@cesar.org.br) Certified Scrum Master Preparação Agrupar os membros

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 06 PROFª BRUNO CALEGARO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 06 PROFª BRUNO CALEGARO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 06 PROFª BRUNO CALEGARO Santa Maria, 27 de Setembro de 2013. Revisão aula anterior Desenvolvimento Ágil de Software Desenvolvimento e entrega

Leia mais

UM ESTUDO DE CASO SOBRE ADOÇÃO DE PRÁTICAS ÁGEIS EM UM AMBIENTE TRADICIONAL

UM ESTUDO DE CASO SOBRE ADOÇÃO DE PRÁTICAS ÁGEIS EM UM AMBIENTE TRADICIONAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA ESCOLA DE INFORMÁTICA APLICADA UM ESTUDO DE CASO SOBRE ADOÇÃO DE PRÁTICAS ÁGEIS EM UM AMBIENTE TRADICIONAL CARLOS

Leia mais

DISCIPLINA ENGENHARIA DE SOFTWARE Aula 03 Desenvolvimento Ágil Modelos Ágeis. Profª Esp.: Maysa de Moura Gonzaga

DISCIPLINA ENGENHARIA DE SOFTWARE Aula 03 Desenvolvimento Ágil Modelos Ágeis. Profª Esp.: Maysa de Moura Gonzaga DISCIPLINA ENGENHARIA DE SOFTWARE Aula 03 Desenvolvimento Ágil Modelos Ágeis Profª Esp.: Maysa de Moura Gonzaga 2º Semestre / 2011 Extreme Programming (XP); DAS (Desenvolvimento Adaptativo de Software)

Leia mais

Gerenciamento de Projetos de Software

Gerenciamento de Projetos de Software Gerenciamento de Projetos de Software Framework Ágil, Scrum Prof. Júlio Cesar da Silva Msc. 2º Encontro Ementa & Atividades Aula 1: Fundamentos do Gerenciamento de Projetos (p. 4) 30/abr (VISTO) Aula 2:

Leia mais

Quando a análise de Pontos de Função se torna um método ágil

Quando a análise de Pontos de Função se torna um método ágil Quando a análise de Pontos de Função se torna um método ágil Carlos Oest carlosoest@petrobras.com.br Time Box: 60 minutos Backlog da apresentação: Apresentação do assunto 1 SCRUM 2 Estimativa com Pontos

Leia mais

PROPOSTA DE SISTEMÁTICA PARA GESTÃO DE PROJETOS BASEADA NA METODOLOGIA ÁGIL SCRUM

PROPOSTA DE SISTEMÁTICA PARA GESTÃO DE PROJETOS BASEADA NA METODOLOGIA ÁGIL SCRUM XXX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Maturidade e desafios da Engenharia de Produção: competitividade das empresas, condições de trabalho, meio ambiente. São Carlos, SP, Brasil, 12 a15 de outubro

Leia mais

Agenda. Visão Revolução Ágil EduScrum Visão Geral do Método Benefícios Projeto Scrum for Education Sinergias

Agenda. Visão Revolução Ágil EduScrum Visão Geral do Método Benefícios Projeto Scrum for Education Sinergias Agenda Visão Revolução Ágil EduScrum Visão Geral do Método Benefícios Projeto Scrum for Education Sinergias 1 Questão Central Como formar trabalhadores para o Século 21? 2 Visão Desafios do Cenário Atual

Leia mais

SCRUM: UM MÉTODO ÁGIL. Cleviton Monteiro (cleviton@gmail.com)

SCRUM: UM MÉTODO ÁGIL. Cleviton Monteiro (cleviton@gmail.com) SCRUM: UM MÉTODO ÁGIL Cleviton Monteiro (cleviton@gmail.com) Roteiro Motivação Manifesto Ágil Princípios Ciclo Papeis, cerimônias, eventos, artefatos Comunicação Product Backlog Desperdício 64% das features

Leia mais

[Agile] Scrum + XP. Wagner Roberto dos Santos. Agilidade extrema. Arquiteto Java EE / Scrum Master wrsconsulting@gmail.com. Globalcode open4education

[Agile] Scrum + XP. Wagner Roberto dos Santos. Agilidade extrema. Arquiteto Java EE / Scrum Master wrsconsulting@gmail.com. Globalcode open4education [Agile] Scrum + XP Agilidade extrema Wagner Roberto dos Santos Arquiteto Java EE / Scrum Master wrsconsulting@gmail.com 1 Apresentação Arquiteto Java EE / Scrum Master Lead Editor da Queue Arquitetura

Leia mais

Resumo do mês de março Quer mais resumos? Todo mês em: http://www.thiagocompan.com.br

Resumo do mês de março Quer mais resumos? Todo mês em: http://www.thiagocompan.com.br Resumo do mês de março Quer mais resumos? Todo mês em: http://www.thiagocompan.com.br Jeff Sutherland criou um método para fazer mais em menos tempo com o máximo de qualidade! Usado por diversas empresas

Leia mais

SCRUM Discussão e reflexão sobre Agilidade. Fernando Wanderley

SCRUM Discussão e reflexão sobre Agilidade. Fernando Wanderley SCRUM Discussão e reflexão sobre Agilidade Fernando Wanderley Apresentação Líder Técnico em Projetos Java (~ 9 anos) (CESAR, Imagem, CSI, Qualiti Software Process) Consultor de Processos de Desenvolvimento

Leia mais

Proposta de processo baseado em Scrum e Kanban para uma empresa de telecomunicações

Proposta de processo baseado em Scrum e Kanban para uma empresa de telecomunicações 79 Proposta de processo baseado em Scrum e Kanban para uma empresa de telecomunicações Luís Augusto Cândido Garcia Afonso Celso Soares Centro de Ensino Superior em Gestão, Tecnologia e Educação FAI garcialac@yahoo.com.br

Leia mais

É POSSÍVEL SER ÁGIL EM PROJETOS DE HARDWARE?

É POSSÍVEL SER ÁGIL EM PROJETOS DE HARDWARE? É POSSÍVEL SER ÁGIL EM PROJETOS DE Doubleday K. Francotti v 1.0 Onde foi parar os requisitos? Trabalhando 30h por dia! Manda quem pode... Caminho das pedras Hum... Acho que deu certo... Onde foi parar

Leia mais

Dinâmica em Grupo com o Framework SCRUM

Dinâmica em Grupo com o Framework SCRUM Dinâmica em Grupo com o Framework SCRUM Contextualização: O grupo foi convidado a desenvolver um projeto de um Sistema de informação, que envolve a área de negócio: compras (cadastros de fornecedores,

Leia mais

TUTORIAIS. Framework SCRUM. Rafael Buck Eduardo Franceschini. MSc., PMP, CSM MBA

TUTORIAIS. Framework SCRUM. Rafael Buck Eduardo Franceschini. MSc., PMP, CSM MBA TUTORIAIS Framework SCRUM Rafael Buck Eduardo Franceschini MSc., PMP, CSM MBA SCRUM vs. PMBOK SCRUM vs. PMBOK ESCOPO Restrições de um projeto (Tripla Restrição) TEMPO CUSTO Modelo de Contrato de projetos

Leia mais

Aula 2 Introdução ao Scrum

Aula 2 Introdução ao Scrum Curso Preparatório para a certificação Scrum Fundamentals Certified (SFC ) da ScrumStudy www.scrumstudy.com Aula 2 Introdução ao Scrum www.sitecampus.com.br - Cadastre-se gratuitamente para acessar ao

Leia mais

Scrum Mais um caso de sucesso

Scrum Mais um caso de sucesso Scrum Mais um caso de sucesso Alvarino R. Junior Universidade do Planalto Catarinense (UNIPLAC) Avenida Marechal Castelo Branco, 170 88.509-300 Lages SC Brasil alvarinojr@gmail.com Abstract. With increasingly

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS - UNICAMP FACULDADE DE TECNOLOGIA - FT GUSTAVO ARCERITO MARIVALDO FELIPE DE MELO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS - UNICAMP FACULDADE DE TECNOLOGIA - FT GUSTAVO ARCERITO MARIVALDO FELIPE DE MELO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS - UNICAMP FACULDADE DE TECNOLOGIA - FT GUSTAVO ARCERITO MARIVALDO FELIPE DE MELO Análise da Metodologia Ágil SCRUM no desenvolvimento de software para o agronegócio Limeira

Leia mais

Scrum. Centro de Informática - Universidade Federal de Pernambuco Sistemas de Informação Kiev Gama kiev@cin.ufpe.br

Scrum. Centro de Informática - Universidade Federal de Pernambuco Sistemas de Informação Kiev Gama kiev@cin.ufpe.br Scrum Centro de Informática - Universidade Federal de Pernambuco Sistemas de Informação Kiev Gama kiev@cin.ufpe.br Baseado em slides de Mike Cohn mike@mountaingoatsoftware.com traduzidos e adaptados por

Leia mais

Método Ágil em Gerenciamento de Projetos de Software

Método Ágil em Gerenciamento de Projetos de Software Fundação Getulio Vargas MBA em Gerenciamento de Projetos Método Ágil em Gerenciamento de Projetos de Software Ana Cristina Monteiro Almeida Arnaldo Lyrio Barreto (Orientador) Rio de Janeiro Outubro de

Leia mais

Benefícios das metodologias ágeis no gerenciamento de projetos de Tecnologia da Informação (TI)

Benefícios das metodologias ágeis no gerenciamento de projetos de Tecnologia da Informação (TI) 1 Benefícios das metodologias ágeis no gerenciamento de projetos de Tecnologia da Informação (TI) Greick Roger de Carvalho Lima - greickroger@yahoo.com.br MBA Governança nas Tecnologias da Informação Instituto

Leia mais

O Guia do Scrum. O decisivo guia Scrum: As regras do Jogo

O Guia do Scrum. O decisivo guia Scrum: As regras do Jogo O Guia do Scrum O decisivo guia Scrum: As regras do Jogo Outubro 2011 Índice Propósito do Guia Scrum... 3 Scrum visão global... 3 A Estrutura Scrum... 3 Teoria do Scrum... 4 Scrum... 5 A equipa Scrum...

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE OS MODELOS DE PROCESSO: PROTOTIPAÇÃO, PSP E SCRUM

ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE OS MODELOS DE PROCESSO: PROTOTIPAÇÃO, PSP E SCRUM ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE OS MODELOS DE PROCESSO: PROTOTIPAÇÃO, PSP E SCRUM Peterson Vieira Salme 1, Claudete Werner 1 1 Universidade Paranaense (UNIPAR) Paranavaí PR Brasil petersonsalme@gmail.com, claudete@unipar.br

Leia mais

Metodologias Ágeis de Desenvolvimento de Software

Metodologias Ágeis de Desenvolvimento de Software "Antes de imprimir pense em sua responsabilidade e compromisso com o MEIO AMBIENTE." Engenharia de Software de Desenvolvimento de Software Givanaldo Rocha de Souza givanaldo.rocha@ifrn.edu.br http://docente.ifrn.edu.br/givanaldorocha

Leia mais

ANEXO 07 CICLO DE DESENVOLVIMENTO ÁGIL PROCERGS

ANEXO 07 CICLO DE DESENVOLVIMENTO ÁGIL PROCERGS ANEXO 07 CICLO DE DESENVOLVIMENTO ÁGIL PROCERGS Descrição ciclo ágil PROCERGS com Fábrica de Software No início da contratação do serviço a equipe de Gestão da Fábrica de Software (FSW) PROCERGS irá encaminhar

Leia mais