UFPB PRG X ENCONTRO DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UFPB PRG X ENCONTRO DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA"

Transcrição

1 6CCSDMIMT08 ESTUDO DA ADEQUAÇÃO DAS TRANSFUSÕES DE HEMOCOMPONENTES E HEMODERIVADOS NO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO LAURO WANDERLEY Amanda Raphaella de Medeiros Lima (1), Ivanna Beserra Santos (2), Bianca Coutinho Pina Ferreira (2), Gustavo Ribeiro Coutinho Dália (2), Caroline Amorim Pontes de Oliveira (2), Diego Targino Rodrigues Maul de Andrade (2), Flávia Cristina Pimenta (4) Alexandre Magno Pimentel de Oliveira (3), Centro de Ciências da Saúde/Departamento de Medicina Interna/MONITORIA RESUMO Introdução: Com o passar do tempo, houve várias alterações de consensos quanto à necessidade de transfundir o paciente. A decisão de transfundir o paciente deve ser baseada em diversos fatores clínicos como idade, velocidade de instalação da anemia, história natural da doença em questão, volume intravascular e presença de fatores fisiológicos que afetem a função cardiopulmonar e circulação. A realização desse procedimento de forma não criteriosa expõe o receptor a sérias complicações como a aquisição de doenças transmissíveis, reações transfusionais (hemolíticas ou não) que podem ser graves, sensibilização imunológica, falha terapêutica, aumento no custo do tratamento e ansiedade gerada no paciente e nos familiares envolvidos Objetivos: Avaliar o nível de correção das transfusões realizadas no HULW, identificar as causas mais freqüentes de equívoco transfusional, localizar os setores onde o percentual de equívoco transfusional seja mais elevado, investigar a associação de possíveis efeitos deletérios nos pacientes, analisar ocasionais falhas nos sistemas de solicitação de sangue e componentes, e estabelecer um programa de educação continuada voltado para o corpo clínico do HULW, visando uma maior precisão técnica na indicação transfusional. Metodologia: Coleta e análise dos dados, pelos monitores de hematologia, presentes na ficha de solicitação do produto hemoterápico e prontuário do paciente transfundido para, posteriormente, estabelecer uma estratégia no sentido de atualização sobre o assunto, dando prioridade aos setores onde as falhas, porventura encontradas, foram mais numerosas, bem como programar uma política de educação continuada no HULW e melhor abordagem do assunto na disciplina durante a graduação. Resultados: Foram levantadas 817 tranfusões, de 288 pacientes, sendo 148 mulheres (51,4%) e 140 homens (48,6%). O produto transfusional mais utilizado foi o concentrando de hemácias (49,3%), seguido pelo plasma fresco congelado (PFC), com 24,9%, e concentrado de plaquetas (CP) com 22,6%; o protromplex/kascadil representou 3,1% das transfusões, o crioprecipitado, 0,1% do conjunto e sangue total (ST) 0,1%. Cerca de 34,8% das transfusões foram consideradas incorretas, de acordo com os preceitos hemoterápicos e estas incorreções foi mais observada na clínica médica. Porém observou se reação transfusional na clínica médica, pediatria, UTI pediátrica e divisão de infectologia. Conclusão: O estabelecimento do perfil de transfusão no HULW visa estabelecer critérios claros e concisos sobre o uso de hemoderivados, evitando que os pacientes sejam expostos desnecessariamente aos riscos inerentes às transfusões. Do ponto de vista educacional, alunos da graduação do curso de medicina e residentes instalados no HULW poderão receber conceitos corretos e adequados quanto ao ato transfusional. Palavras chave: Transfusão, Hemocomponentes, Correção. INTRODUÇÃO As condutas transfusionais em bases técnicas tiveram início em 1900 após a descoberta dos grupos sanguíneos ABO, por Karl Landsteiner, seguida pela detecção do fenótipo AB por Decastelo e Sturli 1. Inicialmente, as transfusões ocorreram de forma tímida e experimental, porém foram progressivamente incorporadas à prática médica e aceleradas pelo surgimento da primeira e, posteriormente, da segunda guerra mundial, quando houve colaborações de Loutit e Mollison que resultaram no desenvolvimento da solução ACD 2,3. A partir de então, observou se uma melhoria destas atividades propelidas pelo desenvolvimento da tecnologia de estocagem e preservação de sangue, conhecimento da fisiologia enzimática eritrocitária e implantação de serviços especializados em sangue, assim como, pelo aumento do volume das necessidades tranfusionais decorrente de fatores como violência urbana, cirurgias cada vez mais invasivas e de maior duração 4. Paralelamente, houve (1) Monitor(a) Bolsista(a); (2) Monitor(a) Voluntário(a) (3) Prof(a) Orientador(a)/Coordenador(a).

2 um crescimento da indústria de equipamentos médicos na área de hemoterapia, com surgimento de aparelhos de aférese, extratores de plasma, bolsas plásticas fechadas para coleta de sangue, tecnologia de separação de hemocomponentes e preparação de hemoconcentrados. Além disso, houve um aumento nos conhecimentos da imunologia, implementando a compreensão das inúmeras possibilidades e mecanismos envolvidos com o ato transfusional 5. Durante as décadas de 40 e 50, as transfusões eram prescritas por médicos generalistas, que acreditavam serem mínimos os riscos inerentes às mesmas. Porém, ainda no mesmo período, foi sugerida uma postura mais cuidadosa com relação às condutas transfusionais, mas os médicos continuaram a usá las com pouca reflexão sobre os possíveis riscos ao paciente 6. As principais mudanças no sistema hemoterápico brasileiro não ocorreram apenas por intervenção dos especialistas, nem por influência direta do governo, e sim por causas aleatórias como, por exemplo, o advento da Síndrome de Imunodeficiência Adquirida (AIDS), que,em 1981, foi reconhecida pelo Centro de Controle de Doenças nos Estados Unidos como entidade nosológica. Posteriormente, foi estabelecido que as transfusões de sangue, componentes e derivados poderiam ser considerados fontes de transmissão desta afecção. Nos anos 80, no Brasil, cerca de 2% dos casos de AIDS eram transmitidos por transfusão e mais de 50% dos hemofílicos apresentavam se infectados pelo vírus HIV. O aparecimento desta doença introduziu novos procedimentos, tais como: necessidade de realização de controle clínico e sorológico rigoroso e abrangente de todos os doadores, política de educação social sobre a importância da doação de sangue, incentivo à auto transfusão e a disciplina do uso do sangue, de seus componentes e derivados através de judiciosa avaliação do trinômio riscos/benefícios/custos 7. A decisão de transfundir o paciente deve ser baseada em diversos fatores clínicos, como idade, velocidade de instalação da anemia, história natural da doença em questão, volume intravascular e presença de fatores fisiológicos que afetem a função cardiopulmonar e circulação 2,6. A realização desse procedimento de forma não criteriosa expõe o receptor a sérias complicações, como a aquisição de doenças transmissíveis, reações transfusionais (hemolíticas ou não) que podem ser graves, sensibilização imunológica,devh, falha terapêutica, aumento no custo do tratamento e ansiedade gerada no paciente e nos familiares envolvidos. Acrescente se, ainda, o desperdício de um material nobre, advindo de um generoso ato de doação, e o elevado custo na adequação do mesmo para fins terapêuticos 7. Embora haja recomendações dos especialistas no que concerne a uma nova abordagem sobre indicações transfusionais, os médicos pouco têm modificado suas condutas práticas, o que levou a um consenso quanto à necessidade de implantação de um programa educacional de monitoramento permanente desta atividade terapêutica 6. Toda questão pode ser sintetizada no raciocínio de Mollison ao afirmar que sempre que seja possível que a anemia responda a outras formas de tratamento, a transfusão deve ser evitada 3. OBJETIVOS Avaliar o nível de correção das transfusões realizadas no HULW; Definir o percentual de incorreções das transfusões realizadas; Identificar as causas mais freqüentes de equívoco transfusional; Localizar os setores onde o percentual de equívoco transfusional seja mais elevado; Investigar a associação de possíveis efeitos deletérios nos pacientes; Analisar possíveis falhas nos sistemas de solicitação de sangue e componentes; Estabelecer um programa de educação continuada voltado para o corpo clínico do HULW, visando uma maior precisão técnica na indicação transfusional. MATERIAL E MÉTODOS As transfusões sanguíneas realizadas nos pacientes internados no Hospital Universitário Lauro Wanderley (HULW) foram analisadas durante o período compreendido entre setembro de 2006 a março de 2007.

3 Diariamente, foi realizada, pelos monitores de hematologia, a coleta dos dados contidos na ficha de solicitação do componente hemoterápico nas últimas 24 horas, seguindo o movimento do serviço de transfusão do hospital. Em seguida, coletaram se informações contidas nos prontuários dos pacientes transfundidos, visando uma análise crítica das transfusões, sob enfoque hemoterápico, de acordo com normas técnicas da literatura especializada. Nestas abordagens, procurou se realizar um retrato das possíveis falhas referentes a todas as etapas do processo envolvendo a transfusão no referido hospital. De posse desses dados, pode se realizar um diagnóstico preciso das condições hemoterápicas do referido hospital e, então, estabelecer uma estratégia no sentido de atualização sobre o assunto em pauta, dando prioridade aos setores onde as falhas, porventura encontradas, tenham sido mais numerosas, bem como programar uma política de educação continuada e melhor abordagem do assunto na disciplina durante a graduação. RESULTADOS Foram avaliadas 591 fichas de solicitação onde estavam discriminados a presença de: identificação legível do paciente, enfermaria, leito, prontuário, dados clínicos e/ou laboratoriais, quantidade do produto, assinatura, CRM e carimbo do médico solicitante. A figura 1 demonstra as informações referentes aos pacientes transfundidos ,4 85,1 76,5 59,9 40,1 23,5 9,6 14,9 Ident. Enf. Leito Pront. Sim Não Figura 1. Dados relacionados aos pacientes, contidos nas fichas de solicitação de hemocomponentes, em porcentagem Com relação aos dados do médico solicitante do produto hemoterápico, observou se a presença de assinatura em 96,3% das fichas, CRM em 90,7% e carimbo em apenas 85,1%. Foram levantadas, neste período, um total de 817 transfusões, abrangendo um universo de 288 pacientes, desconsiderando possíveis transferências de um mesmo doente para setores diferentes do hospital. A distribuição por sexo mostrou certa eqüiparidade: 148 mulheres (51,4%) para 140 homens (48,6%). O produto transfusional mais utilizado foi o concentrando de hemácias (CH), com 49,3% do total, seguido pelo plasma fresco congelado (PFC), com 24,9%, e concentrado de plaquetas (CP) com 22,6%; o protromplex/kascadil representou 3,1% das transfusões, o crioprecipitado, 0,1% do conjunto e ST 0,1%. (figura 3).

4 % 3,1 0,12 22,6 24,9 0,12 49,3 CH PFC Crioprec Protomp/Kasc CP ST Figura 3. Distribuição das hemotransfusões no HULW quanto ao produto hemoterápico. No que se refere às indicações transfusionais, o percentual de correções foi de 65,2% (533 transfusões), com base na literatura atualizada. O restante, 34,8% (284) das transfusões, foi considerado incoerente. Os segmentos do HULW onde esse percentual foi mais elevado foram a Divisão de Doenças Infecto Contagiosas (DIC), com 65% de falhas na utilização dos produtos hemoterápicos, e a UTI neonatal, com 58%. Com relação ao detalhamento desses equívocos, constatou se que a natureza dos mesmos era variada, destacando se ausência de dados clínicos e/ou laboratoriais que justificassem a transfusão, quantidade incorreta, produto incorreto, uso de CH em pacientes com cifra de hemoglobina maior que 7g/dl, sem história de sangramento e sem quadro clínico de hipóxia tissular; uso de PFC como expansor plasmático ou em pacientes sem déficit dos fatores de coagulação documentado, utilização de CP, de maneira profilática, em pacientes com déficit laboratorial, mas sem história de sangramento. Quanto à justificativa, 57% das transfusões apresentaram dados clínicos e laboratoriais condizentes, 11% só possuíam dados clínicos, 10% apenas laboratoriais, e em 22% dos casos não houve parâmetros que legitimassem o ato transfusional. No CTI do HULW, foram realizadas 234 transfusões em 84 pacientes, sendo 34 do sexo feminino (40,5%) e 50 do sexo masculino (59,5%). Neste setor, os produtos hemoterápicos utilizados nas transfusões foram: concentrado de hemácias (48,3%), plasma fresco congelado (36,3%), concentrado de plaquetas (12%) e protromplex/kascadil (3,4%). De acordo com a análise hemoterápica, 152 (65%) transfusões foram consideradas corretas, e 82 (35%), incorretas, como ilustrado na tabela 1. Registrou se que 48,3% apresentavam dados clínicos e laboratoriais, 11,5%, dados clínicos, 15,8%, laboratoriais e 24,4% não tinham subsídios nem clínicos nem laboratoriais para justificar a hemotransfusão. Tabela 1 Distribuição dos produtos hemoterápicos administrados a pacientes do CTI do HULW quanto à correção hematológica Produto Correta % Incorreta % TOTAL CH 88 77, ,1 113 CP 17 60, ,3 28 PFC 42 49, ,6 85 Protromplex/Kascadil 5 62,5 3 37,5 8 TOTAL Na UTI pediátrica, foram realizadas 68 transfusões em 33 pacientes, sendo 66,2% corretas e 33,8%, incorretas. Na UTI neonatal houve 17 transfusões em 11 pacientes; constatou se que 41,2% das transfusões foram corretas e 58,8%, incorretas. Foram observadas reações transfusionais na UTI pediátrica em cerca de 2,94% dos procedimentos, sendo 50% destas de reação febril não hemolítica e o restante de reação urticariforme.

5 Dos 44 pacientes transfundidos na clínica médica do HULW, 18 foram do sexo masculino (40,9%) e 26 do sexo feminino (59,1%), sendo um total de 351 transfusões. Os produtos hemoterápicos selecionados para as mesmas foram: concentrado de hemácias (41,3%), plasma fresco congelado (15,9%), concentrado de plaquetas (38,1%) e protromplex/kascadil (4,5%). De acordo com a correção transfusional, 236 (67,2%) transfusões foram consideradas corretas, e 115 (32,8%) incorretas, como detalhado na tabela 2. Ficou documentado que 62,1% apresentavam dados clínicos e laboratoriais; 9,1%, dados clínicos; 6,2%, laboratoriais e 22,5% não tinham nem dados clínicos nem laboratoriais que pudessem indicar a necessidade de hemotransfusão. No referido setor, constataram se cinco reações transfusionais, o que corresponde a 1,4% do total das transfusões desta clínica. No que tange às reações, pode se ainda inferir que 4(80%) delas manifestaram se como picos febris e apenas 1 (20%) como reação urticariforme, seguida de mal estar. Tabela 2 Distribuição dos produtos hemoterápicos administrados a pacientes da clínica médica do HULW quanto à correção hematológica Produto Correta % Incorreta % TOTAL CH , ,3 145 CP 88 65, ,3 134 PFC 26 46, ,5 56 Protromplex/Kascadil 5 31, ,7 16 TOTAL , ,8 351 Nas demais clínicas, consideraram se corretas 80,4% das transfusões na pediatria, 60,7% na clínica cirúrgica, 52,9% no SPA, 35% na DIC e 76,9% na obstetrícia. Quanto a presença de reações transfusionais, constataram se 4 (9,75%) na pediatria, caracterizadas por reação febril não hemolítica (RFNH); 3 (15%) na divisão de infectologia, onde em 2 reações observou se RFNH e na outra reação urticariforme. Nos outros setores, não foi documentada reação ao hemocomponente recebido pelo paciente. CONCLUSÃO O emprego de hemoderivados não está isento de riscos; estima se que nos Estados Unidos da América (EUA) sejam realizadas cerca de 22 milhões de transfusões sangüíneas por ano, com uma taxa de complicações clínicas de grau variável que chega a 20%. Além da esfera da saúde, o procedimento também envolve implicações administrativas, logísticas e econômicas 8. A existência da ficha de solicitação de hemocomponentes é uma grande aliada na avaliação dos critérios médicos e localização de cada paciente no sítio hospitalar. No HULW as taxas de definição de identificação legível foram de 90,4%, enquanto as de enfermaria foram 85,1%, já as de leito foram 74,5%; evitando, assim, que indivíduos sem indicação recebam produtos que seriam destinados a pacientes com real necessidade. Desde 1990, tem havido um descenso global no consumo de hemoderivados; a maior queda foi no consumo de PFC (59%) e CP (21%). O sangue total (ST) foi praticamente substituído pelo CH, sendo usado apenas na indisponibilidade de produtos mais adequados 4. Na nossa avaliação encontramos uma solicitação de ST, mostrando a concordância dos solicitantes com a tendência atual. A taxa de incorreção foi de 34,8%, assemelhando se ao estudo realizado por Leistner et al, que verificou uma taxa de 40%. É possível que essa taxa corresponda ao perfil das transfusões dos componentes de sangue realizadas em países do hemisfério sul 5. As transfusões incorretas de CH foram realizadas principalmente para regularização de níveis laboratoriais de hemoglobina em pacientes sem quadro clínico de hipóxia tissular e, muitas vezes, em pacientes com cifra de hemoglobina entre 7 e 10g/dl, sem história prévia de sangramento.

6 As transfusões incorretas de PFC se deram principalmente na intenção de usá lo como expansor plasmático ou para reposição protéica, especialmente em substituição a albumina. Porém, existem produtos mais seguros, que não oferecem riscos de transmissão de doenças ou reação alérgica aos receptores, como albumina, colóides e cristalóides 9. Cogitou se, durante a avaliação das fichas de prontuários, a boa intenção dos médicos ao prescrever o PFC, pois, muitas vezes, em se tratando de um serviço público, soluções de albumina humana, por exemplo, nem sempre estão disponíveis para aplicação. Em estudo realizado na Espanha, concluiu se que as causas mais freqüentes de uso incorreto de hemoderivados foram: uso de concentrado de hemácias em pacientes com anemia crônica ou com cifra de hemoglobina entre 7 e 10 g/dl sem dados de hipóxia tissular respondendo por 80,6% das solicitações consideradas inadequadas; uso de PFC como tratamento de diátese hemorrágica sem documentação de déficit fatorial, como foi constatado também no presente estudo. Referentes às plaquetas, a causa mais freqüente de inadequação foi seu uso de maneira profilática com cifras superiores a 20000/mm 3 sem fatores de risco de sangramento 4. Goodnough et al estudaram a variabilidade da prática transfusional e reconheceram que as variações das indicações de plasma e plaquetas entre instituições foi determinada em parte pelo uso profilático destes componentes 10. Vale a pena chamar a atenção para o risco do uso único de parâmetros laboratoriais, com a finalidade de considerar uma transfusão como adequada ou não. Pelo contrário, pensamos que a situação clínica do paciente deve guiar a prática transfusional. No HULW, apenas 57,04% das práticas transfusionais foram nortedas por parâmetros clínicos e laboratoriais. O estabelecimento do perfil de transfusão no HULW visa estabelecer critérios claros e concisos sobre o uso de hemoderivados, evitando que os pacientes sejam expostos desnecessariamente aos riscos inerentes às transfusões. Do ponto de vista educacional, alunos da graduação do curso de medicina e residentes do HULW poderão receber conceitos corretos e adequados quanto ao ato transfusional. Esta realidade hemoterápica assume dimensões de maior relevância pela possibilidade da transfusão, usada incorretamente, resultar na ausência do componente sanguíneo para o paciente realmente necessitado, haja vista que vivemos em um país com extrema discriminação sócio econômica e sem uma política efetiva de educação da população sobre a importância da doação autônoma, voluntária e benévola de sangue. REFERÊNCIAS 1 Marletta J. Hemoterapia e Imunoterapia. Ediciones científicos técnicas americanas. Buenos Aires, Genetet B, Mannoni P. La transfusion. Editora Flammarion. Paris, Mollison PL. Blood transfusión in clinical medicine. Editora Blackwell. Londres, Gala JMG, Vicente PR, Del Castilo TB, Revuelta EM, Buelga JRC, Luengo JR, Pabón MV. Adecuacion de la transfusión de hemoderivados e criterios previamente estabelecidos. Sangre 41 (1); 19 23, Leistner AL, Costa KFB, Lima CSP. Estudos das transfusões de sangue realizadas no Hospital e Maternidade Celso Pierrô da PUCCAMP. Rev de Ciências Médicas PUCCAMP 3 (3); 89 93, set dez, Hébert PC, Schwetzer I, Calder L, Blajchman M, Giulivi. Review of the clinical practice literature on allogeneic red blood cell transfusion. Can Med Assoc J. June 1, 156 (11suppl), Junqueira PC, Rosenblit J, Hamerschlak N. História da hemoterapia no Brasil. Rev Bras Hematol. Hemoter. 2005; 27(3): Ferreira JS et al. Transfusão de concentrado de hemácias em Unidade de Terapia Intensiva. Rev. bras. hematol. hemoter. 2005;27(3): Razouk FH, Reiche EMV. Caracterização, produção e indicação clínica dos principais hemocomponentes. Rev. bras. hematol. hemoter. 2004;26(2): Goodnough LT, Johnston MFM, Toy PTCY. The variability of transfusion practice in coronary artery bypass surgery. JAMA, vol 265, n 1, January, 1991.

Requisição incompleta, inadequada ou ilegível não será aceita pelo Serviço de Hemoterapia

Requisição incompleta, inadequada ou ilegível não será aceita pelo Serviço de Hemoterapia 1 1 - REQUISIÇÃO DE HEMOCOMPONENTES A enfermagem deve checar se a requisição de transfusão (MA5-036) foi preenchida corretamente, em duas ou mais vias, com os seguintes itens: - Nome completo do paciente

Leia mais

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO SOLICITAÇÃO DE TRANSFUSÃO: ROTINA E EMERGÊNCIA

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO SOLICITAÇÃO DE TRANSFUSÃO: ROTINA E EMERGÊNCIA PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO SOLICITAÇÃO DE TRANSFUSÃO: ROTINA E EMERGÊNCIA Versão: 06 Código: STROEM 02 Paginação: 1 de 36 Elaborado: Hildenete Monteiro Fortes Assinatura: Aprovado e liberado por:

Leia mais

GUIA PARA INSPEÇÃO EM SERVIÇOS DE HEMOTERAPIA MÓDULO V AGÊNCIA TRANSFUSIONAL, TERAPIA TRANSFUSIONAL E OUTROS PROCEDIMENTOS TERAPÊUTICOS

GUIA PARA INSPEÇÃO EM SERVIÇOS DE HEMOTERAPIA MÓDULO V AGÊNCIA TRANSFUSIONAL, TERAPIA TRANSFUSIONAL E OUTROS PROCEDIMENTOS TERAPÊUTICOS MÓDULO V AGÊNCIA TRANSFUSIONAL, TERAPIA TRANSFUSIONAL E OUTROS PROCEDIMENTOS TERAPÊUTICOS Nome do responsável: Formação profissional: Registro no conselho de classe: Contato: 1. Atividades avaliadas Nível

Leia mais

Projeto coordenado por Denise Costa Dias

Projeto coordenado por Denise Costa Dias A hemoterapia moderna baseia-se no uso seletivos dos componentes do sangue. A utilização correta dos diversos hemocomponentes, associados a um maior controle de qualidade nas diversas etapas desde a coleta

Leia mais

TRANSFUSÃO DE HEMOCOMPONENTES: CUIDADOS PRIORITÁRIOS DE ENFERMAGEM EM IDOSOS

TRANSFUSÃO DE HEMOCOMPONENTES: CUIDADOS PRIORITÁRIOS DE ENFERMAGEM EM IDOSOS câncer. 3 Atualmente, fatores como envelhecimento populacional, intenso processo de TRANSFUSÃO DE HEMOCOMPONENTES: CUIDADOS PRIORITÁRIOS DE ENFERMAGEM EM IDOSOS João Evangelista da Costa - UFRN. hevan33@oi.com.br

Leia mais

Protocolo. Cuidados Transfusionais em TCTH

Protocolo. Cuidados Transfusionais em TCTH Protocolo Cuidados Transfusionais em TCTH Versão eletrônica atualizada em Abril 2012 Nas últimas décadas observou-se um contínuo aumento do número de transplantes de células tronco hematopoéticas (TCTH)

Leia mais

TIPAGEM SANGUÍNEA ABO E SISTEMA RH EM ALUNOS DA 3ª SÉRIE DO CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA INTEGRADO AO ENSINO MÉDIO

TIPAGEM SANGUÍNEA ABO E SISTEMA RH EM ALUNOS DA 3ª SÉRIE DO CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA INTEGRADO AO ENSINO MÉDIO TIPAGEM SANGUÍNEA ABO E SISTEMA RH EM ALUNOS DA 3ª SÉRIE DO CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA INTEGRADO AO ENSINO MÉDIO Edilene Maria Batista de Souza¹, Nikaele Sousa Moreira¹, Renata Rolins da Silva Oliveira²,

Leia mais

CONHECIMENTO DA EQUIPE DE ENFERMAGEM FRENTE AO PACIENTE SUBMETIDO À TERAPIA TRANSFUSIONAL... 260

CONHECIMENTO DA EQUIPE DE ENFERMAGEM FRENTE AO PACIENTE SUBMETIDO À TERAPIA TRANSFUSIONAL... 260 CONHECIMENTO DA EQUIPE DE ENFERMAGEM FRENTE AO PACIENTE SUBMETIDO À TERAPIA TRANSFUSIONAL... 260 CONHECIMENTO DA EQUIPE DE ENFERMAGEM FRENTE AO PACIENTE SUBMETIDO À TERAPIA TRANSFUSIONAL. PRISCILA VICENTIN

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENFERMAGEM EMILYN MARTINS MATIAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENFERMAGEM EMILYN MARTINS MATIAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENFERMAGEM EMILYN MARTINS MATIAS RELATÓRIO ESTÁGIO CURRICULAR III SERVIÇOS HOSPITALARES UNIDADE DE BANCO DE SANGUE DO HOSPITAL DE CLÍNICAS DE PORTO ALEGRE

Leia mais

BANCO DE SANGUE PAULISTA PROCEDIMENTO OPERACIONAL PREPARO DE TRANSFUSÕES E LIBERAÇÃO DE HEMOCOMPONENTES PARA TRANSFUSÃO

BANCO DE SANGUE PAULISTA PROCEDIMENTO OPERACIONAL PREPARO DE TRANSFUSÕES E LIBERAÇÃO DE HEMOCOMPONENTES PARA TRANSFUSÃO Pagina 1 de 30 1. OBJETIVO Assegurar o procedimento de liberação e transfusão sangüínea. 2. APLICAÇÃO Receptores (Pacientes). 3. RESPONSABILIDADES Médicos Supervisora Técnica Coordenador de Imunohematologia

Leia mais

A HEMOTERAPIA NO BRASIL HISTÓRICO, CARACTERÍSTICAS, PRINCIPAIS DESAFIOS

A HEMOTERAPIA NO BRASIL HISTÓRICO, CARACTERÍSTICAS, PRINCIPAIS DESAFIOS A HEMOTERAPIA NO BRASIL HISTÓRICO, CARACTERÍSTICAS, PRINCIPAIS DESAFIOS Maria Cristina Coimbra Lages Balestrin de Andrade Agosto 2.004 HEMOTERAPIA Ciência que estuda o tratamento das doenças, através da

Leia mais

Hemoterapia 100 Questões Potenciais

Hemoterapia 100 Questões Potenciais Especial Hemoterapia Parte 1 Preparação Enfermagem HEMOCENTRO SES-DF Hemoterapia 100 Questões Potenciais 1 PORTARIA Nº 2.712, DE 12 DE NOVEMBRO DE 2013 Art. 42. No momento da seleção, será determinada

Leia mais

Sistema de Hemovigilância no Hospital São Vicente de Paulo 1

Sistema de Hemovigilância no Hospital São Vicente de Paulo 1 Sistema de Hemovigilância no Hospital São Vicente de Paulo 1 Protocolo Transfusional do Hospital São Vicente de Paulo (HSVP) Módulo: Sistema de Hemovigilância no Hospital São Vicente de Paulo. 1 Edição,

Leia mais

Análise do perfil de solicitações para transfusão de hemocomponentes no Hospital de Clínicas de Porto Alegre no ano de 2005

Análise do perfil de solicitações para transfusão de hemocomponentes no Hospital de Clínicas de Porto Alegre no ano de 2005 REVISTA BRASILEIRA DE HEMATOLOGIA E HEMOTERAPIA Artigo / Article Análise do perfil de solicitações para transfusão de hemocomponentes no Hospital de Clínicas de Porto Alegre no ano de 2005 Blood-based

Leia mais

Aféreses Transfusionais Uso de Plaquetas de Doadores Múltiplos ou de Plaquetas por Aféreses

Aféreses Transfusionais Uso de Plaquetas de Doadores Múltiplos ou de Plaquetas por Aféreses Aféreses Transfusionais Uso de Plaquetas de Doadores Múltiplos ou de Plaquetas por Aféreses Maria Odila Jacob de Assis Moura Centro de Hematologia de São Paulo odila@chsp.org.br Unidades transfundidas

Leia mais

Hemovida. Agência Transfusional Visão Geral. Versão do produto: 2.0.7. Edição do documento: 1.0 Fevereiro de 2007 MS DATASUS

Hemovida. Agência Transfusional Visão Geral. Versão do produto: 2.0.7. Edição do documento: 1.0 Fevereiro de 2007 MS DATASUS Hemovida Agência Transfusional Visão Geral Versão do produto: 2.0.7 Edição do documento: 1.0 Fevereiro de 2007 MS DATASUS Hemovida Agência Transfusional Visão Geral Versão do produto: 2.0.7 Edição do documento:

Leia mais

PERFIL DAS HEMOTRANSFUSÕES REALIZADAS PELA AGÊNCIA TRANSFUSIONAL DE UM HOSPITAL PRIVADO DA CIDADE DE LIMEIRA/SP GLAUCIA ALINE DIBBERN DOS SANTOS

PERFIL DAS HEMOTRANSFUSÕES REALIZADAS PELA AGÊNCIA TRANSFUSIONAL DE UM HOSPITAL PRIVADO DA CIDADE DE LIMEIRA/SP GLAUCIA ALINE DIBBERN DOS SANTOS PERFIL DAS HEMOTRANSFUSÕES REALIZADAS PELA AGÊNCIA TRANSFUSIONAL DE UM HOSPITAL PRIVADO DA CIDADE DE LIMEIRA/SP GLAUCIA ALINE DIBBERN DOS SANTOS LIMEIRA/SP 215 RESUMO O estudo teve como objetivo descrever

Leia mais

INSTALAÇÃO E CONTROLE DE TRANSFUSÃO DE HEMOCOMPONENTE Enf a Chefe de Enfermagem do Serviço de Hemoterapia: Gilce Erbe de

INSTALAÇÃO E CONTROLE DE TRANSFUSÃO DE HEMOCOMPONENTE Enf a Chefe de Enfermagem do Serviço de Hemoterapia: Gilce Erbe de Revisão: 00 PÁG: 1 CONCEITO Instalação e administração de concentrado de hemácias, plaquetas ou plasma fresco congelado. FINALIDADE Estabelecer a rotina para instalação e controle da transfusão de hemocomponentes

Leia mais

Rotina da Agência Transfusional. Mara Martins Bióloga HCI / INCA

Rotina da Agência Transfusional. Mara Martins Bióloga HCI / INCA Rotina da Agência Transfusional Mara Martins Bióloga HCI / INCA O ato transfusional é um delicado processo na assistência a saúde. No INCA são realizadas cirurgias de grande porte e também grande número

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO HEMOVIGILÂNCIA Responsáveis: Enfª Cledes Moreira Enfª Danielli S. Barbosa Enfª Luciana Paiva VAMOS TRABALHAR HOJE Os cuidados na instalação de sangue e hemocomponentes.

Leia mais

definido, cujas características são condições para a expressão prática da actividade profissional (GIMENO SACRISTAN, 1995, p. 66).

definido, cujas características são condições para a expressão prática da actividade profissional (GIMENO SACRISTAN, 1995, p. 66). A CONSTRUÇÃO DE IDENTIDADES PROFISSIONAIS DE ESTUDANTES DE PEDAGOGIA Rita de Cássia de Alcântara Braúna UFV/MG - rbrauna@ufv.br Agência Financiadora: FAPEMIG e CNPq Introdução Pesquisas na área da formação

Leia mais

TRANSFUSÃO DE HEMOCOMPONENTE EM PEDIATRIA UNIHEMO CLÍNICA DE HEMATOLOGIA E HEMOTERAPIA LTDA

TRANSFUSÃO DE HEMOCOMPONENTE EM PEDIATRIA UNIHEMO CLÍNICA DE HEMATOLOGIA E HEMOTERAPIA LTDA TRANSFUSÃO DE HEMOCOMPONENTE EM PEDIATRIA UNIHEMO CLÍNICA DE HEMATOLOGIA E HEMOTERAPIA LTDA MAIO 2009 COMITÊ TRANSFUSIONAL MULTIDISCIPLINAR Dr. Aminadab Francisco de Sousa Enfª Rosimélia Ferreira Dr. Manoel

Leia mais

Avaliação de Risco Potencial - Resultados do Projeto AT

Avaliação de Risco Potencial - Resultados do Projeto AT Avaliação de Risco Potencial - Resultados do Projeto AT Equipe GESAC/GGSTO/Anvisa Brasília, 09 de novembro de 2013 Vigilância Sanitária RISCO SANITÁRIO...eliminar, diminuir ou prevenir riscos à saúde e

Leia mais

ANTI-A ANTI-B ANTI-AB

ANTI-A ANTI-B ANTI-AB ANTI-A ANTI-B ANTI-AB Monoclonal Murino IgM PROTHEMO Produtos Hemoterápicos Ltda. Reagentes para classificação do sistema sangüíneo ABO PARA TESTES EM LÂMINA OU TUBO Somente para Uso Diagnóstico IN VITRO

Leia mais

MANUAL DE FISCALIZAÇÃO

MANUAL DE FISCALIZAÇÃO MANUAL DE FISCALIZAÇÃO ROTEIROS DE VISTORIAS O médico fiscal, quando no exercício das vistorias, deverá sempre apresentar sua carteira de identidade funcional (emitida pelo Conselho Regional) e ofício

Leia mais

TABELA DE CÓDIGOS CONCENTRADO DE HEMÁCIAS

TABELA DE CÓDIGOS CONCENTRADO DE HEMÁCIAS UNIDADE HEMACIAS CONCENTRADO DE HEMÁCIAS TRIAGEM CLÍNICA DE DOADOR COLETA DE SANGUE DE DOADOR 40402045 27020010 PROCESSAMENTO ABO/RH(**) Doador ANTICORPOS IRREGULARES(**) Doador TAXA DE BOLSA PLASTICA

Leia mais

MÉTODO AFFAC ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA EM FARMÁCIA CLÍNICA

MÉTODO AFFAC ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA EM FARMÁCIA CLÍNICA Prof. Ms. Edvaldo Higino de Lima Junior MÉTODO AFFAC ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA EM FARMÁCIA CLÍNICA Semiologia Farmacêutica aplicada à detecção e resolução de Problemas Relacionados aos Medicamentos: Manual

Leia mais

Evolução da população do Rio Grande do Sul. Maria de Lourdes Teixeira Jardim Fundação de Economia e Estatística. 1 - Introdução

Evolução da população do Rio Grande do Sul. Maria de Lourdes Teixeira Jardim Fundação de Economia e Estatística. 1 - Introdução Evolução da população do Rio Grande do Sul. Maria de Lourdes Teixeira Jardim Fundação de Economia e Estatística Área Temática: Emprego e Mercado de Trabalho, Demografia Econômica. 1 - Introdução Este texto

Leia mais

TÉCNICA EM LABORATÓRIO/HEMOTERAPIA

TÉCNICA EM LABORATÓRIO/HEMOTERAPIA UFF UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CCM CENTRO DE CIÊNCIAS MÉDICAS HUAP HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ANTONIO PEDRO TÉCNICA EM LABORATÓRIO/HEMOTERAPIA Parte I: Múltipla Escolha 01 Quanto à classificação do grupo

Leia mais

Detecção de ácidos nucléicos (NAT), para HIV e para HCV, nas amostras de sangue de doadores - Portaria 79 de 31/1/2003 -

Detecção de ácidos nucléicos (NAT), para HIV e para HCV, nas amostras de sangue de doadores - Portaria 79 de 31/1/2003 - Detecção de ácidos nucléicos (NAT), para HIV e para HCV, nas amostras de sangue de doadores - Portaria 79 de 31/1/2003 - Ementa: Determinar a implantação, no âmbito da Hemorrede Nacional, nos Serviços

Leia mais

ANÁLISE DOS INDICADORES DE ASSISTÊNCIA AO PACIENTE CIRÚRGICO

ANÁLISE DOS INDICADORES DE ASSISTÊNCIA AO PACIENTE CIRÚRGICO ANÁLISE DOS INDICADORES DE ASSISTÊNCIA AO PACIENTE CIRÚRGICO Thatianny Tanferri de Brito PARANAGUÁ; Ana Lúcia Queiroz BEZERRA. Faculdade de Enfermagem Universidade Federal de Goiás ttb.paranagua@gmail.com;

Leia mais

DOE SANGUE, DOE VIDA!

DOE SANGUE, DOE VIDA! 8. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (X) SAÚDE DOE SANGUE, DOE VIDA! Apresentador 1 Patrícia de Vargas Stella Apresentador 2 Josiane Cavali Barros da Silva Autor 3 Celso Luiz Borges

Leia mais

Nota de Acompanhamento do Caderno de Informação da Saúde Suplementar

Nota de Acompanhamento do Caderno de Informação da Saúde Suplementar Nota de Acompanhamento do Caderno de Informação da Saúde Suplementar 1. Informações Gerais A partir de setembro de 2008 o cenário econômico mundial e o brasileiro mudaram e com eles se reverteu a tendência

Leia mais

CENTRO REGIONAL DE HEMOTERAPIA HOSPITAL DAS CLÍNICAS DA FACULDADE DE MEDICINA DE RIBEIRÃO PRETO USP CAROLINA CAMARGO MARTINS JULIANA ANGÉLICA FEDATTO

CENTRO REGIONAL DE HEMOTERAPIA HOSPITAL DAS CLÍNICAS DA FACULDADE DE MEDICINA DE RIBEIRÃO PRETO USP CAROLINA CAMARGO MARTINS JULIANA ANGÉLICA FEDATTO CENTRO REGIONAL DE HEMOTERAPIA HOSPITAL DAS CLÍNICAS DA FACULDADE DE MEDICINA DE RIBEIRÃO PRETO USP CAROLINA CAMARGO MARTINS JULIANA ANGÉLICA FEDATTO MONOGRAFIA AVALIAÇÃO DO EFEITO DAS MEDIDAS TOMADAS

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 Notas importantes: O Banco de dados (BD) do Sistema de Informação Nacional de Agravos de Notificação (SINAN) vem sofrendo nos últimos

Leia mais

TÍTULO: AUTORES: e-mail: ÁREA TEMÁTICA: 1- INTRODUÇÃO

TÍTULO: AUTORES: e-mail: ÁREA TEMÁTICA: 1- INTRODUÇÃO TÍTULO: ANÁLISE DOS ACIDENTES DE TRABALHO COM FLUIDOS BIOLÓGICOS OCORRIDOS COM ESTUDANTES DE NÍVEL MÉDIO E SUPERIOR NOS HOSPITAL DOS SERVIDORES DO ESTADO (HSE), DE 1999 A 2001. AUTORES: Nogueira, Daniele

Leia mais

A AIDS NA TERCEIRA IDADE: O CONHECIMENTO DOS IDOSOS DE UMA CASA DE APOIO NO INTERIOR DE MATO GROSSO

A AIDS NA TERCEIRA IDADE: O CONHECIMENTO DOS IDOSOS DE UMA CASA DE APOIO NO INTERIOR DE MATO GROSSO A AIDS NA TERCEIRA IDADE: O CONHECIMENTO DOS IDOSOS DE UMA CASA DE APOIO NO INTERIOR DE MATO GROSSO SATO, Camila Massae 1 Palavras-chave: Idoso, AIDS, conhecimento Introdução A população idosa brasileira

Leia mais

Carlos Alberto Dias Pinto. Vitória, 2014

Carlos Alberto Dias Pinto. Vitória, 2014 Carlos Alberto Dias Pinto Enfermeiro Sanitarista Mestre em Saúde Pública ENSP/FIOCRUZ Especialista em Vigilância Sanitária de Serviços de Saúde ENSP/FIOCRUZ STO/DVFS/SUVISA/SVS/SESDEC-RJ cadias.pinto2572@gmail.com

Leia mais

DIÁLOGO COM A CULTURA A PARTIR DO ENSINO SOBRE FITOTERAPIA PARA ACADÊMICOS DE ENFERMAGEM DE FACULDADES PARTICULARES

DIÁLOGO COM A CULTURA A PARTIR DO ENSINO SOBRE FITOTERAPIA PARA ACADÊMICOS DE ENFERMAGEM DE FACULDADES PARTICULARES DIÁLOGO COM A CULTURA A PARTIR DO ENSINO SOBRE FITOTERAPIA PARA ACADÊMICOS DE ENFERMAGEM DE FACULDADES PARTICULARES Karla Lourrana Cavalcante Pontes (1); Maria Janielly de Oliveira Costa Alves (2); Mayrla

Leia mais

Panorama de 25 anos da mortalidade por Aids no Estado de São Paulo

Panorama de 25 anos da mortalidade por Aids no Estado de São Paulo Resenha de Estatísticas Vitais do Estado de São Paulo Ano 12 nº 2 Maio 2012 Panorama de 25 anos da mortalidade por Aids no Estado de São Paulo As estatísticas de mortalidade produzidas pela Fundação Seade,

Leia mais

HEMOTERAPIA. Segurança do Sangue. Escolha da população de doadores Triagem clínica Triagem sorológica Uso adequado dos componentes

HEMOTERAPIA. Segurança do Sangue. Escolha da população de doadores Triagem clínica Triagem sorológica Uso adequado dos componentes Segurança do Sangue Escolha da população de doadores Triagem clínica Triagem sorológica Uso adequado dos componentes Escolha dos Doadores Voluntários Baixa prevalência de doenças Doadores de repetição

Leia mais

Programa 0807 - Investimento das Empresas Estatais em Infra-Estrutura de Apoio

Programa 0807 - Investimento das Empresas Estatais em Infra-Estrutura de Apoio Programa 0807 - Investimento das Empresas Estatais em Infra-Estrutura de Apoio Orgão: 36000 - Ministério da Saúde Unidade Responsável: 177127 - definido Momento do Programa: Objetivo Dotar a área administrativa

Leia mais

Por este instrumento, o (a) paciente, portador da C.I. n., e/ou seu responsável, C.I. n., declara(m), para todos os fins legais, que:

Por este instrumento, o (a) paciente, portador da C.I. n., e/ou seu responsável, C.I. n., declara(m), para todos os fins legais, que: TERMO DE ESCLARECIMENTOS, CIÊNCIA E CONSENTIMENTO INFORMADO Por este instrumento, o (a) paciente, portador da C.I. n., e/ou seu responsável, C.I. n., declara(m), para todos os fins legais, que: 1) Fui

Leia mais

ANEXO I REGIME DE TRABALHO REMUNERAÇÃO

ANEXO I REGIME DE TRABALHO REMUNERAÇÃO PORTARIA CONJUNTA SAD/HEMOPE Nº 63, 2/7/29 ANEXO I a) QUADRO, e Lotação: Diretoria de Hemoterapia ESPECIALIDA NECESSIDAS ESPECIAIS Tec. Laboratório Diarista 4, 3 4 Tec. Laboratório Plantonista 52, 3 4

Leia mais

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR.

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. XV Jornada Interiorana de Hematologia e Hemoterapia II Encontro Interiorano de Enfermagem em Hemoterapia e Hemovigilância TESTES PRÉ

Leia mais

DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS: A PERCEPÇÃO DOS ALUNOS DA ESCOLA ESTADUAL PROFESSOR JOSÉ GOMES, PATOS, PARAÍBA, BRASIL

DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS: A PERCEPÇÃO DOS ALUNOS DA ESCOLA ESTADUAL PROFESSOR JOSÉ GOMES, PATOS, PARAÍBA, BRASIL DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS: A PERCEPÇÃO DOS ALUNOS DA ESCOLA ESTADUAL PROFESSOR JOSÉ GOMES, PATOS, PARAÍBA, BRASIL Kelvy Fellipe Gomes de Lima 1 ; Lucas Silva Leite 1 ; Anna Fernanda Beatriz Amorim

Leia mais

PERFIL SOCIOECONÔMICO DOS USUÁRIOS DA REDE NACIONAL DE PESSOAS VIVENDO E CONVIVENDO COM HIV/AIDS NÚCLEO DE CAMPINA GRANDE- PB

PERFIL SOCIOECONÔMICO DOS USUÁRIOS DA REDE NACIONAL DE PESSOAS VIVENDO E CONVIVENDO COM HIV/AIDS NÚCLEO DE CAMPINA GRANDE- PB PERFIL SOCIOECONÔMICO DOS USUÁRIOS DA REDE NACIONAL DE PESSOAS VIVENDO E CONVIVENDO COM HIV/AIDS NÚCLEO DE CAMPINA GRANDE- PB Elizângela Samara da Silva 1, Anna Marly Barbosa de Paiva 2, Adália de Sá Costa

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 Notas importantes: O Banco de dados (BD) do Sistema de Informação Nacional de Agravos de Notificação (SINAN) vem sofrendo nos últimos

Leia mais

REDE SOCIAL L DO CONCELHO DE BRAGANÇA Parte III.7: Protecção Social e Acção Sociall

REDE SOCIAL L DO CONCELHO DE BRAGANÇA Parte III.7: Protecção Social e Acção Sociall REDE SOCIAL DO CONCELHO DE BRAGANÇA Parte III.7: Protecção Social e Acção Social Parte 3.7 protecção social E Acção social O artigo 63º da Constituição da República Portuguesa estabelece que ( ) incumbe

Leia mais

BOAS PRÁTICAS DE ENFERMAGEM NA INSTALAÇÃO DA TRANSFUSÃO

BOAS PRÁTICAS DE ENFERMAGEM NA INSTALAÇÃO DA TRANSFUSÃO BOAS PRÁTICAS DE ENFERMAGEM NA INSTALAÇÃO DA TRANSFUSÃO Jaciane Vargas de Freitas Silva Enfermeira RT Serviço de Enfermagem do Ambulatório do HBH Fundação Hemominas BOA PRÁTICA TRANSFUSIONAL Aplicação

Leia mais

Como diagnosticar e notificar uma reação transfusional

Como diagnosticar e notificar uma reação transfusional www.anvisa.gov.br Como diagnosticar e notificar uma reação transfusional II Encontro Goiano de Gerenciamento de Risco 1 a 3 de outubro de 2012 Termos e Palavras-chave Hemoterapia Uso Racional do sangue

Leia mais

INTERNAÇÕES POR CONDIÇÕES SENSÍVEIS A ATENÇÃO PRIMÁRIA EM DOIS SERVIÇOS DE SAÚDE PÚBLICA DE MARINGÁ-PR

INTERNAÇÕES POR CONDIÇÕES SENSÍVEIS A ATENÇÃO PRIMÁRIA EM DOIS SERVIÇOS DE SAÚDE PÚBLICA DE MARINGÁ-PR INTERNAÇÕES POR CONDIÇÕES SENSÍVEIS A ATENÇÃO PRIMÁRIA EM DOIS SERVIÇOS DE SAÚDE PÚBLICA DE MARINGÁ-PR Vitor Key Assada 1 ; Kristoffer Andreas Wendel Ribas 2 ; Willian Augusto de Melo 3 RESUMO: Condições

Leia mais

XV JORNADA INTERIORANA DE HEMATOLOGIA E HEMOTERAPIA II ENCONTRO INTERIORANO DE ENFERMAGEM EM HEMOTERAPIA E HEMOVIGILÂNCIA CICLO DO SANGUE DRA LUCIANA

XV JORNADA INTERIORANA DE HEMATOLOGIA E HEMOTERAPIA II ENCONTRO INTERIORANO DE ENFERMAGEM EM HEMOTERAPIA E HEMOVIGILÂNCIA CICLO DO SANGUE DRA LUCIANA XV JORNADA INTERIORANA DE HEMATOLOGIA E HEMOTERAPIA II ENCONTRO INTERIORANO DE ENFERMAGEM EM HEMOTERAPIA E HEMOVIGILÂNCIA CICLO DO SANGUE DRA LUCIANA PREMISSAS A transfusão sanguínea é uma terapêutica

Leia mais

PARECER DE AVALIAÇÃO Comitê de Seleção Edital 01/2010 Formulário Padrão Concorrência 2010 Data da avaliação: Projeto nº:

PARECER DE AVALIAÇÃO Comitê de Seleção Edital 01/2010 Formulário Padrão Concorrência 2010 Data da avaliação: Projeto nº: PARECER DE AVALIAÇÃO Comitê de Seleção Edital 01/2010 Formulário Padrão Concorrência 2010 Data da avaliação: Projeto nº: Nome da Instituição: Título do Projeto: Repasse Solicitado: Respeitou o limite máximo

Leia mais

Testes pré-transfusionais. Profa. Alessandra Barone Prof. Archangelo Fernandes www.profbio.com.br

Testes pré-transfusionais. Profa. Alessandra Barone Prof. Archangelo Fernandes www.profbio.com.br Testes pré-transfusionais Profa. Alessandra Barone Prof. Archangelo Fernandes www.profbio.com.br Imunohematologia Antígenos eritrocitários Importância do estudo dos antígenos Incompatibilidades transfusionais

Leia mais

CAPÍTULO 6 INTENÇÕES REPRODUTIVAS E PLANEAMENTO DA FECUNDIDADE

CAPÍTULO 6 INTENÇÕES REPRODUTIVAS E PLANEAMENTO DA FECUNDIDADE CAPÍTULO 6 INTENÇÕES REPRODUTIVAS E PLANEAMENTO DA FECUNDIDADE O questionário do IDS de 1997 conteve várias questões para investigar as preferências reprodutivas da população entrevistada. Foi recolhida

Leia mais

INDICADORES SOCIAIS E CLÍNICOS DE IDOSOS EM TRATAMENTO HEMODIALÍTICO

INDICADORES SOCIAIS E CLÍNICOS DE IDOSOS EM TRATAMENTO HEMODIALÍTICO INDICADORES SOCIAIS E CLÍNICOS DE IDOSOS EM TRATAMENTO HEMODIALÍTICO Rosângela Alves Almeida Bastos - Universidade Federal da Paraíba- email: rosalvesalmeida2008@hotmail.com Maria das Graças Melo Fernandes

Leia mais

Estratégias de Gerenciamento de Estoque no Hemocentro. Elmiro Ribeiro Filho Médico Hematologista e Hemoterapeuta Hemocentro Regional de Uberlândia

Estratégias de Gerenciamento de Estoque no Hemocentro. Elmiro Ribeiro Filho Médico Hematologista e Hemoterapeuta Hemocentro Regional de Uberlândia Estratégias de Gerenciamento de Estoque no Hemocentro Elmiro Ribeiro Filho Médico Hematologista e Hemoterapeuta Hemocentro Regional de Uberlândia Fundação Hemominas * Cobertura de 90% das transfusões *

Leia mais

Questionário - Proficiência Clínica

Questionário - Proficiência Clínica Tema Elaboradora TESTE DE ANTIGLOBULINA E SUA APLICAÇÃO EM LABORATÓRIOS Margarida de Oliveira Pinho, Bióloga, Responsável pelo Setor de Imunohematologia e Coordenação da equipe técnica do Serviço de Hemoterapia

Leia mais

A evolução e distribuição social da doença no Brasil

A evolução e distribuição social da doença no Brasil A evolução e distribuição social da doença no Brasil Por Ana Maria de Brito Qualquer epidemia é o resultado de uma construção social, conseqüência do aparecimento de uma doença com características biomédicas,

Leia mais

ASSISTÊNCIA SISTEMATIZADA DE ENFERMAGEM EM UM IDOSO COM QUADRO DE ANEMIA AGUDA: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA

ASSISTÊNCIA SISTEMATIZADA DE ENFERMAGEM EM UM IDOSO COM QUADRO DE ANEMIA AGUDA: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA ASSISTÊNCIA SISTEMATIZADA DE ENFERMAGEM EM UM IDOSO COM QUADRO DE ANEMIA AGUDA: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA Francinubia Nunes Barros¹; Elainy Fabrícia Galdino Dantas Malta² Faculdade Leão Sampaio, nubinha20082008@hotmail.com¹.

Leia mais

BIOLOGIA - PROPOSTA CURRICULAR. 1 -Proposta Curricular : 2ª LEI DE MENDELL. 2 Conteúdos: Conteúdo Estruturante : MECANISMOS BIOLÓGICOS

BIOLOGIA - PROPOSTA CURRICULAR. 1 -Proposta Curricular : 2ª LEI DE MENDELL. 2 Conteúdos: Conteúdo Estruturante : MECANISMOS BIOLÓGICOS BIOLOGIA - PROPOSTA CURRICULAR 1 -Proposta Curricular : 2ª LEI DE MENDELL 2 Conteúdos: Conteúdo Estruturante : MECANISMOS BIOLÓGICOS Conteúdo Básico: Sangue e sua importância Conteúdos Específicos: SISTEMA

Leia mais

Diagnosticando conhecimentos matemáticos requeridos nas provas do ENEM

Diagnosticando conhecimentos matemáticos requeridos nas provas do ENEM Diagnosticando conhecimentos matemáticos requeridos nas provas do ENEM Maria das Dores de Morais Brasil dora.pe@gmail.com Leonardo de Morais UFPE Brasil leonardob.morais@gmail.com Resumo Este trabalho

Leia mais

VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: ESTUDO EXPLORATÓRIO E REFLEXIVO NO CREAS DO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE SP

VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: ESTUDO EXPLORATÓRIO E REFLEXIVO NO CREAS DO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE SP Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 385 VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: ESTUDO EXPLORATÓRIO E REFLEXIVO NO CREAS DO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE

Leia mais

FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO Política de Desenvolvimento de Coleções das Bibliotecas

FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO Política de Desenvolvimento de Coleções das Bibliotecas FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO Política de Desenvolvimento de Coleções das Bibliotecas Atualmente, com duas unidades, localizadas na Escola de Sociologia e Política à rua General

Leia mais

Nathallia Maria Cotta e Oliveira 1, Larissa Marques Bittencourt 1, Vânia Mayumi Nakajima 2

Nathallia Maria Cotta e Oliveira 1, Larissa Marques Bittencourt 1, Vânia Mayumi Nakajima 2 105 CARACTERIZAÇÃO DOS PACIENTES ATENDIDOS NO SETOR DE NUTRIÇÃO DA UNICLÍNICA, DA FACULDADE DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE - UNIVIÇOSA, LOCALIZADA NO MUNICÍPIO DE VIÇOSA, MG Nathallia Maria Cotta e

Leia mais

O PAPEL DO ENFERMEIRO NO COMITÊ TRANSFUSIONAL

O PAPEL DO ENFERMEIRO NO COMITÊ TRANSFUSIONAL O PAPEL DO ENFERMEIRO NO COMITÊ TRANSFUSIONAL HEMOCENTRO DE BELO HORIZONTE 2015 TRANFUSÃO SANGUÍNEA BREVE RELATO Atualmente a transfusão de sangue é parte importante da assistência à saúde. A terapia transfusional

Leia mais

XII Encontro Nacional da Rede Sentinela 08 a 10 de dezembro de 2010 Brasília DF HEMOVIGILÂNCIA

XII Encontro Nacional da Rede Sentinela 08 a 10 de dezembro de 2010 Brasília DF HEMOVIGILÂNCIA XII Encontro Nacional da Rede Sentinela 08 a 10 de dezembro de 2010 Brasília DF HEMOVIGILÂNCIA Maria de Fátima Alves Fernandes Unidade de Bio e Hemovigilância UBHEM/NUVIG/ANVISA Premissas A transfusão

Leia mais

SIMULADO DO TESTE DE RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS

SIMULADO DO TESTE DE RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS SIMULADO DO TESTE DE RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS PROPOSTA Este simulado é um material de apoio para você se preparar para o Teste de Resolução de Problemas, com o objetivo de: 1. Compartilhar dicas e normas

Leia mais

Pesquisa sobre Segurança do Paciente em Hospitais (HSOPSC)

Pesquisa sobre Segurança do Paciente em Hospitais (HSOPSC) Pesquisa sobre Segurança do Paciente em Hospitais (HSOPSC) Instruções Esta pesquisa solicita sua opinião sobre segurança do, erros associados ao cuidado de saúde e notificação de eventos em seu hospital

Leia mais

ANEXO NORMA TÉCNICA QUE REGULAMENTA A COMPETÊNCIA DA EQUIPE DE ENFERMAGEM NO CUIDADO ÀS FERIDAS

ANEXO NORMA TÉCNICA QUE REGULAMENTA A COMPETÊNCIA DA EQUIPE DE ENFERMAGEM NO CUIDADO ÀS FERIDAS ANEXO NORMA TÉCNICA QUE REGULAMENTA A COMPETÊNCIA DA EQUIPE DE ENFERMAGEM NO CUIDADO ÀS FERIDAS I. OBJETIVO Regulamentar a competência da equipe de enfermagem, visando o efetivo cuidado e segurança do

Leia mais

GUIA PARA INSPEÇÃO EM SERVIÇOS DE HEMOTERAPIA

GUIA PARA INSPEÇÃO EM SERVIÇOS DE HEMOTERAPIA MÓDULO ORMAÇOES GERAS Período da nspeção: / / a / / Tipo de serviço: ( ) HC ( ) HR ( ) NH ( ) UC fixa ( ) UC móvel ( ) UCT ( ) CTLD ( ) AT Objetivo da nspeção: nspeção ( )Licença nicial Reinspeção ( )Segmento/Monitoramento

Leia mais

(nome da Unidade de Saúde), com sede na

(nome da Unidade de Saúde), com sede na TERMO DE COMPROMISSO que entre si celebram o Estado do Rio de Janeiro, por meio da Secretaria de Estado de Saúde, neste ato representada pela Dra. Simone Silva da Silveira, Diretora Geral do Instituto

Leia mais

Wladimir Correa Taborda Marília da Glória Martins

Wladimir Correa Taborda Marília da Glória Martins Coagulopatia em Obstetrícia Wladimir Correa Taborda Marília da Glória Martins Mecanismos desencadeadores de coagulação intravascular na gravidez Pré-eclâmpsia Hipovolemia Septicemia DPP Embolia do líquido

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS De acordo com o comando a que cada um dos itens de 51 a 120 se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o campo designado com

Leia mais

CORRELAÇÃO ENTRE CONSUMIDORES DE DROGAS LICITAS E ILICITAS EM UM CAPS II

CORRELAÇÃO ENTRE CONSUMIDORES DE DROGAS LICITAS E ILICITAS EM UM CAPS II 929 CORRELAÇÃO ENTRE CONSUMIDORES DE DROGAS LICITAS E ILICITAS EM UM CAPS II Ana Paula Fernandes de Lima Demarcina Weinheimer Jussara Terres Larissa Medeiros Tarlise Jardim Vanessa Campos Camila Jacques

Leia mais

Palavras-chave: Ambiente de aprendizagem. Sala de aula. Percepção dos acadêmicos.

Palavras-chave: Ambiente de aprendizagem. Sala de aula. Percepção dos acadêmicos. PERCEPÇÃO DE ACADÊMICOS DO CURSO DE LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO FÍSICA DA UENP, EM RELAÇÃO AOS ASPECTOS QUE CARACTERIZAM UM AMBIENTE FAVORECEDOR DA APRENDIZAGEM RESUMO Maria Cristina SIMEONI 1 Este resumo

Leia mais

Revista de Saúde Pública ISSN: 0034-8910 revsp@usp.br Universidade de São Paulo Brasil

Revista de Saúde Pública ISSN: 0034-8910 revsp@usp.br Universidade de São Paulo Brasil Revista de Saúde Pública ISSN: 0034-8910 revsp@usp.br Universidade de São Paulo Brasil Secretaria de Estado da Saúde Vigilância Epidemiológica em âmbito hospitalar Revista de Saúde Pública, vol. 41, núm.

Leia mais

INTERVENÇÃO FISIOTERAPÊUTICA CARDIOVASCULAR NO PÓS- OPERATÓRIO DE REVASCULARIZAÇÃO DO MIOCÁRDIO

INTERVENÇÃO FISIOTERAPÊUTICA CARDIOVASCULAR NO PÓS- OPERATÓRIO DE REVASCULARIZAÇÃO DO MIOCÁRDIO INTERVENÇÃO FISIOTERAPÊUTICA CARDIOVASCULAR NO PÓS- OPERATÓRIO DE REVASCULARIZAÇÃO DO MIOCÁRDIO Michael Jaickson de Jesus Chaves* NOVAFAPI Gilderlene Alves Fernandes** NOVAFAPI INTRODUÇÃO O coração é um

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENAÇÃO DOS INSTITUTOS DE PESQUISA CENTRO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENAÇÃO DOS INSTITUTOS DE PESQUISA CENTRO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENAÇÃO DOS INSTITUTOS DE PESQUISA CENTRO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA SUS SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE DIÁRIO OFICIAL DO ESTADO N 199, DE 20 DE OUTUBRO DE 2001, SEÇÃO 1, PÁG. 2

Leia mais

Papel do CQ na Validação da Técnica de Produção de Hemocomponentes

Papel do CQ na Validação da Técnica de Produção de Hemocomponentes III Oficina HEMOBRÁS Controle de Qualidade no Serviço de Hemoterapia Papel do CQ na Validação da Técnica de Produção de Hemocomponentes Martha Cristina Dicencia Centro de Hematologia e Hemoterapia da UNICAMP

Leia mais

a) do Serviço de Hemoterapia para a Vigilância Sanitária Municipal, até o 10º dia útil subsequente ao mês/período informado;

a) do Serviço de Hemoterapia para a Vigilância Sanitária Municipal, até o 10º dia útil subsequente ao mês/período informado; Republicada no D.O. de 22/8/01 A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso da atribuição que lhe confere o art. 11, inciso IV, do Regulamento da ANVISA, aprovado pelo Decreto

Leia mais

MANUAL INFORMATIVO DO CURSO DE EXTENSÃO À DISTÂNCIA (ON LINE)

MANUAL INFORMATIVO DO CURSO DE EXTENSÃO À DISTÂNCIA (ON LINE) MANUAL INFORMATIVO DO CURSO DE EXTENSÃO À DISTÂNCIA (ON LINE) UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO HOSPITAL DAS CLÍNICAS Qualificação Profissional em Hematologia e Imunohematologia CURSO DE EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA

Leia mais

PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DOS PACIENTES CADASTRADOS NO SISTEMA HIPERDIA DO MUNICÍPIO DE SANTA MARIA, RS

PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DOS PACIENTES CADASTRADOS NO SISTEMA HIPERDIA DO MUNICÍPIO DE SANTA MARIA, RS PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DOS PACIENTES CADASTRADOS NO SISTEMA HIPERDIA DO MUNICÍPIO DE SANTA MARIA, RS Michele Muller 1 Gabriele Bester Hermes 2 Liziane Maahs Flores 3 1 Apresentadora, Acadêmica do Curso

Leia mais

Easy PDF Creator is professional software to create PDF. If you wish to remove this line, buy it now.

Easy PDF Creator is professional software to create PDF. If you wish to remove this line, buy it now. Programa de Residência Médica em Alergia e Imunologia Clínica A - Objetivos gerais da ASBAI para o programa de Residência Médica em Alergia e Imunologia Clínica. 1- Aprimorar as habilidades técnicas, o

Leia mais

BANCO DE SANGUE PAULISTA PROCEDIMENTO OPERACIONAL RECEBIMENTO DE SOLICITAÇÕES PARA A TRANSFUSÃO DE HEMOCOMPONENTES

BANCO DE SANGUE PAULISTA PROCEDIMENTO OPERACIONAL RECEBIMENTO DE SOLICITAÇÕES PARA A TRANSFUSÃO DE HEMOCOMPONENTES Pagina 1 de 17 1. OBJETIVO Atender com eficácia as solicitações realizadas pelo corpo clínico dos hospitais. 2. APLICAÇÃO Receptores (pacientes). 3. RESPONSABILIDADES Médicos Supervisora Técnica Coordenador

Leia mais

ESCOLA DE SAÚDE PÚBLICA DO ESTADO DE MINAS GERAIS CREDENCIAMENTO DE DOCENTE ESP-MG Nº 015/2011

ESCOLA DE SAÚDE PÚBLICA DO ESTADO DE MINAS GERAIS CREDENCIAMENTO DE DOCENTE ESP-MG Nº 015/2011 ESCOLA DE SAÚDE PÚBLICA DO ESTADO DE MINAS GERAIS CREDENCIAMENTO DE DOCENTE ESP-MG Nº 015/2011 PROJETO: Curso Técnico em Hemoterapia DOCENTE DE CONCENTRAÇÃO Atribuições: ministrar aulas teóricas Habilitação

Leia mais

T.I na Notificação - A importância do SCAM no controle de notificações de agravos

T.I na Notificação - A importância do SCAM no controle de notificações de agravos SEGeT Simpósio de Excelência em Gestão e Tecnologia 1 T.I na Notificação - A importância do SCAM no controle de notificações de agravos Joseleno faria Associação Educacional Dom Bosco joselenofaria@bol.com.br

Leia mais

Nestes 30 anos, crescemos, amadurecemos e compreendemos nosso papel na sociedade.

Nestes 30 anos, crescemos, amadurecemos e compreendemos nosso papel na sociedade. Nestes 30 anos, crescemos, amadurecemos e compreendemos nosso papel na sociedade. Auditoria em Hemoterapia Experiências vivenciadas BREVE HISTÓRICO TRANSFUSÃO SANGUÍNEA HEMOCOMPONENTES HEMODERIVADOS TRANSFUSÃO

Leia mais

Efeitos das ações educativas do Curso de Qualificação Profissional Formação de Jardineiros na vida dos participantes.

Efeitos das ações educativas do Curso de Qualificação Profissional Formação de Jardineiros na vida dos participantes. Efeitos das ações educativas do Curso de Qualificação Profissional Formação de Jardineiros na vida dos participantes. Katiúcia Dias Fernandes 1 Silvério José Coelho 2 Introdução Entre os grandes temas

Leia mais

FACULDADE DE CIÊNCIAS BIOMÉDICAS DO ESPÍRITO SANTO BIBLIOTECA PROFª THEREZA VILLASCHI CHIBIB

FACULDADE DE CIÊNCIAS BIOMÉDICAS DO ESPÍRITO SANTO BIBLIOTECA PROFª THEREZA VILLASCHI CHIBIB FACULDADE DE CIÊNCIAS BIOMÉDICAS DO ESPÍRITO SANTO BIBLIOTECA PROFª THEREZA VILLASCHI CHIBIB A função da biblioteca é prover a infra-estrutura bibliográfica, documentária e informacional em apoio às atividades

Leia mais

PARECER COREN-SP GAB n 010/2011 PRCI 107.590 Revisão e atualização em 2014

PARECER COREN-SP GAB n 010/2011 PRCI 107.590 Revisão e atualização em 2014 PARECER COREN-SP GAB n 010/2011 PRCI 107.590 Revisão e atualização em 2014 Ementa: Realização de testes prétransfusionais por profissionais de Enfermagem. 1. Do fato Enfermagem. Solicitado parecer sobre

Leia mais

A Organização da Atenção Nutricional: enfrentando a obesidade

A Organização da Atenção Nutricional: enfrentando a obesidade A Organização da Atenção Nutricional: enfrentando a obesidade Introdução Há cerca de 20 anos, a Secretaria de Saúde de um grande município começou a desenvolver e implantar iniciativas relacionadas à Alimentação

Leia mais

PLANO DE ESTÁGIO - ACADEMIA SPORT FITNESS

PLANO DE ESTÁGIO - ACADEMIA SPORT FITNESS PLANO DE ESTÁGIO - ACADEMIA SPORT FITNESS DEPARTAMENTO - MUSCULAÇÃO O programa de estágio da Academia Sport Fitness tem como objetivo complementar a formação do futuro profissional de Educação Física,

Leia mais

Capítulo 3. Fichas de Qualificação de Indicadores

Capítulo 3. Fichas de Qualificação de Indicadores Capítulo 3 Fichas de Qualificação de Indicadores A Demográficos População total A.1................................... 58 Razão de sexos A.2................................... 60 Taxa de crescimento da

Leia mais

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR.

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. HEMOCOMPONENTES: POR QUE IRRADIAR? Franklin José Candido Santos Hematologista-HemoterapêutaHemoterapêuta do HEMOCE e ICC Indicação: Prevenção

Leia mais

Palavras-Chave: PIBID, Formação Inicial de Professores, Ensino de Informática.

Palavras-Chave: PIBID, Formação Inicial de Professores, Ensino de Informática. DESAFIOS DO ENSINO DA INFORMÁTICA NAS ESCOLAS PÚBLICAS: CONTRIBUIÇÕES DO PIBID NA FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES RESUMO Jéssyca Edly Messias Ribeiro (IFRN) jeh_edly@hotmail.com Jefferson Hernane da Silva

Leia mais