Carlos Alberto Dias Pinto. Vitória, 2014

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Carlos Alberto Dias Pinto. Vitória, 2014"

Transcrição

1 Carlos Alberto Dias Pinto Enfermeiro Sanitarista Mestre em Saúde Pública ENSP/FIOCRUZ Especialista em Vigilância Sanitária de Serviços de Saúde ENSP/FIOCRUZ STO/DVFS/SUVISA/SVS/SESDEC-RJ Vitória, 2014

2

3

4 Qualificação do Fornecedor Peculiaridades sobre o doador de sangue: Não remunerado Motivação duvidosa Risco residual para transmissão de doenças pelo sangue desconhecido Etapas da qualificação do fornecedor seleção do candidato à doação: Captação de Doadores Cadastro de Doadores Triagem Hematológica, Clínica e Sorológica

5 Classificação das Doações Tipo de Doação Espontânea Independe de Alguém Pedir Reposição Geralmente Associado a Alguma Solicitação Autóloga Doador/Receptor são o mesmo Tipo de Doador Primeira Vez Repetição Uma doação a cada 12 meses Esporádico Uma doação a cada 18 meses ou mais Fonte: Resolução RDC 149/01 Espontâneo + Repetição

6

7 Por que falta sangue? Cálculo de demanda: 7 bolsas de sangue/leito/ano Número ideal de doações: 3% a 5% do total da população Fonte: Gestión de Servicios de Transfusion de Sangre, OMS, 1991 Doação voluntária no Brasil: 1% da população (n= ) Fonte: Fidelização de Doadores Voluntários de Sangue, OPAS, 2003 Perfil de Doação: Situação das doações no Brasil: Espontânea: 49% Reposição: 51% Apenas 36% dos hemocentros investem recursos em projetos de treinamento de captadores Fonte: Programa Nacional de Doação Voluntária de Sangue

8 Qualificação do Fornecedor Captação Avaliar a existência de um Programa de Captação de Doadores Verificar qual a ênfase do Programa de Captação de Doadores Avaliar o percentual mensal de doadores por tipo de doação e por tipo de doador Desejado Doadores Espontâneos e de Repetição Identificar quais estratégias são empregadas Verificar em que locais são realizadas as atividades de sensibilização Verificar quais os mecanismos empregados Identificar os responsáveis pela realização da atividade Familiares ou profissionais de saúde Participação das unidades assistenciais de saúde solicitantes

9 Qualificação do Fornecedor Recepção Recepção: Avaliar a adequação entre o número de cadeiras e o de candidatos à doação Comparar o número de cadeiras com a média horária de candidatos à doação Número de cadeiras = 1 (resultados maiores indicam ínadequação) Média doador/hora Verificar a existência de sanitários destinados exclusivamente a doadores (ambos os sexos) Verificar a disponibilidade de folheto informativo Conferir se o conteúdo contempla informações sobre as condições básicas para doação Conferir se o conteúdo informa sobre as doenças de transmissão sanguinea a o período de janela imunológica

10 Qualificação do Fornecedor Cadastro Identificação do doador Avaliar como os funcionários abordam os candidatos à doação, verificando se são solicitados documentos oficiais de identificação com foto Dados de Seleção do Doador Verificar se existem registros de data de última doação comparar se o intervalo entre as datas esta de acordo com o preconizado pelas normas técnicas vigentes Verificar se existem mecanismos que bloqueiam doadores inaptos Identifique doadores com resultado de sorologia positiva em anos anteriores e confira a existência de novas doações Identifique doadores inaptos clinicamente e avalie se houve doações posteriores comparando a adequação entre o intervalo de tempo para as doações

11 Qualificação do Fornecedor Cadastro Coleta de dados de identificação e localização Selecionar amostragem aleatória e ímpar de candidatos à doação da semana anterior Verificar se todos os campos estão preenchidos Avaliar se o preenchimento dos dados de esclarecimento de homônimos Nome da mãe Data de Nascimento Conferir registros de dados de localização (Endereço, telefone, )

12

13 Qualificação do Fornecedor Triagem Clínica Verificação de sinais Solicitar amostragem aleatória de fichas de triagem clinica de doadores da semana anterior Conferir a existência de registros de aferição de dosagem de hemoglobina/hematócrito Verificar a disponibilidade dos equipamentos necessários Validação da técnica empregada uso de padrões comerciais ou técnicas paralelas de padrão-ouro Conferir a existência de registros de aferição de sinais vitais Verificar a disponibilidade dos equipamentos necessários Conferir a existência de registros de aferição de dados antropométricos Verificar a disponibilidade dos equipamentos necessários Avaliar registros de calibração periódico das balanças

14

15

16

17

18 Triagem Clínica: Observar Privacidade Ficha de Triagem Clínica Aferição de Sinais Vitais Dados Antropométricos Consentimento Livre e Esclarecidos Voto de Auto-exclusão Parâmetros Ambiente fechado Atendimento Individual Preenchimento a cada nova doação Completude das informações Rasuras Equipamentos Registros Equipamentos Registros Existência do Formulário Individual Registro de Assinatura do Candidato à Doação Texto em conformidade com a norma Garantia de Privacidade Indiscriminatório

19

20

21

22

23 Janela Imunológica por Agravo e Método Agravo Método Janela (dias) Doença de Chagas EIA 57 a 100 Sífilis EIA - Treponêmico 30 a 45 HBV EIA - HBsAg 59 EIA Anti-HBc 80 a 90 HCV EIA-Ac Anti-HCV 70 HTLV-I EIA 51 HIV EIA-Ac (IgM) 22 Fonte: Manual técnico para investigação de transmissão de doenças pelo sangue. Ministério da Saúde, Agência Nacional de Vigilância Sanitária Brasília: Ministério da Saúde, 2004.

24

25 Qualificação do Fornecedor Triagem Clínica Entrevista Identificação de sintomas e comportamentos de risco Solicitar autorização ao candidato à doação para acompanhar o procedimento Somente acompanhe caso o candidato autorize Acompanhar uma amostragem aleatória e ímpar de candidatos entrevistados Observar a realização de todos os procedimento de verificação de sinais Avaliar o questionamento de aspectos relacionados a comportamento de risco para transmissão de doenças por transfusão Avaliar a abordagem empregada Verificar a conformidade de realização da atividade com o POP Verificar os registros dos candidatos inaptos Solicitar as fichas de doadores inaptos na triagem clínica na semana anterior Verificar registro do motivo da inaptidão Verificar registro de encaminhamento do doador

26 Dentes Staphylococcus sp. Serratia liquefaciens Streptococcus viridans Intestinos Yersinia enterocolitica Campylobacter sp. Osteomielite Streptococus cholerasuis Salmonella sp. Staphylococcus sp. Difícil comprovação científica concentração < 10 CFU/ml

27 Qualificação do Fornecedor Triagem Clínica Termo de Consentimento Livre e Esclarecido Solicitar amostragem aleatória dos termos referente a doadores da semana anterior Verificar a conformidade do conteúdo escrito com os princípios estabelecidos nas normas técnicas vigentes Esclarecimento sobre os riscos do procedimento Informações sobre as formas de utilização do sangue doador Produção de Hemocomponentes Uso Terapêutico Produção de Hemoderivados Uso Industrial Produção de painéis diagnósticos Uso Comercial

28 Obtenção da Matéria-Prima Coleta de Sangue Total Limpeza do braço do doador Avaliar a execução da técnica de limpeza Compatível com o estabelecido no POP Coerente com as normas técnicas vigentes Produtos antissépticos utilizados Verificar a data de validade Verificar o número de registros no MS Número deve iniciar com 1 produto medicamentoso Condições para a coleta de sangue Verificar se o tempo de coleta é registrado Hora de ínicio e término duração da coleta Temperatura de armazenamento pré-processamento Verificar a presença de termômetro e mapa de controle de temperatura Condicionada à produção de concentrado de plaquetas Caso positivo, deve ser entre 20 o C a 22 o C

29

30

31 Microbiota Transitória Staphilococus aureus Enterococus Escherichia colii Microbiota Residente Staphilococus aureus Enterococus Micrococcus sp. Staphilococus epidermidis Streptococus viridans Breveibacterium Acinetobacter Pityrosporum sp. Peptococus Corynebacterium sp. Propionibacterium sp. Escherichia colii

32

33

34

35

36

37

38

39

40

41

42

43

44

45

46 Obtenção da Matéria-Prima Coleta de Sangue Total Procedimento de Coleta de Sangue Total Avaliar a disponibilidade de homogeneizadores Avaliar a compatibilidade com o número de cadeiras de coleta Verificar método de bloqueio Pressão por placas Balança Volume do sangue total coletado Verificar se o volume coletado está de acordo com as normas técnicas vigentes e com o determinado na triagem clínica Homens 9ml/kg Mulheres 8ml/kg Volume total não pode ultrapassar 500ml (incluindo aliquota para amostras) Selecionar amostragem aleatória e ímpar de bolsas de sangue total não processadas Verificar o peso da bolsa de sangue total coletada Calcular o volume estimado e comparar com o volume informado

47 Cálculo do Volume de Sangue Coletado 550mg _ 134mg 1,053 = 423ml

48 Obtenção da Matéria-Prima Coleta de Sangue Total Rastreabilidade do sangue total coletado Verificar a realização do procedimento de identificação das bolsas do sistema de coleta, dos tubos de coleta de amostras de sangue e do doador Conferência com documento de identificação Solicitação de informação do nome completo ao doador Rotulagem dos tubos e sistema de coleta (bolsas de sangue) corretos sistema de conferência Verificar se a rotulagem é realizada na presença do doador, no momento da coleta Conferir todas as informações contidas nas etiquetas de identificação de todos os componentes

49 Obtenção da Matéria-Prima Atendimento ao Doador Manutenção do doador para observação Avaliar a existência de sala de lanche do doador Analisar as condições de limpeza e conservação do local Analisar as condições de conforto térmico Verificar a oferta de hidratação e lanche aos doadores Identificar o tipo de lanche ofertado Verificar prazo de validade de alimentos perecíveis Verificar condições de armazenamento dos alimentos oferecidos

50 Obtenção da Matéria-Prima Atendimento a intercorrências Local para Atendimento Sala exclusiva dimensões adequadas à norma técnica vigente Facilidade de deslocamento do doador Entrada e saída do serviço de hemoterapia Insumos e Materiais Medicamentos disponíveis conforme previsto nas normas técnicas vigentes Material para manobras de ressuscitação Laringoscópio avaliar o funcionamento Ambú Tábua para massagem cardíaca Equipe capacitada Verificar registros de treinamento anual da equipe Protocolos Especiais Verificar disponibilidade e acessibilidade de veículo de transporte

MÓDULO II- Referenciado

MÓDULO II- Referenciado MÓDULO - Referenciado CAPTAÇÃO, RECEPÇÃO/REGSTRO, TRAGEM CLÍNCA E COLETA 1. Captação de Doadores 1.1. Recursos Humanos Nível Sim Não 1.1.1. Pessoal qualificado/capacitado. (RDC 34/, Art. 19) 1.1.2. Supervisão

Leia mais

Requisição incompleta, inadequada ou ilegível não será aceita pelo Serviço de Hemoterapia

Requisição incompleta, inadequada ou ilegível não será aceita pelo Serviço de Hemoterapia 1 1 - REQUISIÇÃO DE HEMOCOMPONENTES A enfermagem deve checar se a requisição de transfusão (MA5-036) foi preenchida corretamente, em duas ou mais vias, com os seguintes itens: - Nome completo do paciente

Leia mais

Avaliação de Risco Potencial - Resultados do Projeto AT

Avaliação de Risco Potencial - Resultados do Projeto AT Avaliação de Risco Potencial - Resultados do Projeto AT Equipe GESAC/GGSTO/Anvisa Brasília, 09 de novembro de 2013 Vigilância Sanitária RISCO SANITÁRIO...eliminar, diminuir ou prevenir riscos à saúde e

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENFERMAGEM EMILYN MARTINS MATIAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENFERMAGEM EMILYN MARTINS MATIAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENFERMAGEM EMILYN MARTINS MATIAS RELATÓRIO ESTÁGIO CURRICULAR III SERVIÇOS HOSPITALARES UNIDADE DE BANCO DE SANGUE DO HOSPITAL DE CLÍNICAS DE PORTO ALEGRE

Leia mais

XV JORNADA INTERIORANA DE HEMATOLOGIA E HEMOTERAPIA II ENCONTRO INTERIORANO DE ENFERMAGEM EM HEMOTERAPIA E HEMOVIGILÂNCIA CICLO DO SANGUE DRA LUCIANA

XV JORNADA INTERIORANA DE HEMATOLOGIA E HEMOTERAPIA II ENCONTRO INTERIORANO DE ENFERMAGEM EM HEMOTERAPIA E HEMOVIGILÂNCIA CICLO DO SANGUE DRA LUCIANA XV JORNADA INTERIORANA DE HEMATOLOGIA E HEMOTERAPIA II ENCONTRO INTERIORANO DE ENFERMAGEM EM HEMOTERAPIA E HEMOVIGILÂNCIA CICLO DO SANGUE DRA LUCIANA PREMISSAS A transfusão sanguínea é uma terapêutica

Leia mais

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO SOLICITAÇÃO DE TRANSFUSÃO: ROTINA E EMERGÊNCIA

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO SOLICITAÇÃO DE TRANSFUSÃO: ROTINA E EMERGÊNCIA PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO SOLICITAÇÃO DE TRANSFUSÃO: ROTINA E EMERGÊNCIA Versão: 06 Código: STROEM 02 Paginação: 1 de 36 Elaborado: Hildenete Monteiro Fortes Assinatura: Aprovado e liberado por:

Leia mais

GUIA PARA INSPEÇÃO EM SERVIÇOS DE HEMOTERAPIA MÓDULO V AGÊNCIA TRANSFUSIONAL, TERAPIA TRANSFUSIONAL E OUTROS PROCEDIMENTOS TERAPÊUTICOS

GUIA PARA INSPEÇÃO EM SERVIÇOS DE HEMOTERAPIA MÓDULO V AGÊNCIA TRANSFUSIONAL, TERAPIA TRANSFUSIONAL E OUTROS PROCEDIMENTOS TERAPÊUTICOS MÓDULO V AGÊNCIA TRANSFUSIONAL, TERAPIA TRANSFUSIONAL E OUTROS PROCEDIMENTOS TERAPÊUTICOS Nome do responsável: Formação profissional: Registro no conselho de classe: Contato: 1. Atividades avaliadas Nível

Leia mais

INSTALAÇÃO E CONTROLE DE TRANSFUSÃO DE HEMOCOMPONENTE Enf a Chefe de Enfermagem do Serviço de Hemoterapia: Gilce Erbe de

INSTALAÇÃO E CONTROLE DE TRANSFUSÃO DE HEMOCOMPONENTE Enf a Chefe de Enfermagem do Serviço de Hemoterapia: Gilce Erbe de Revisão: 00 PÁG: 1 CONCEITO Instalação e administração de concentrado de hemácias, plaquetas ou plasma fresco congelado. FINALIDADE Estabelecer a rotina para instalação e controle da transfusão de hemocomponentes

Leia mais

INSPEÇÃO SANITÁRIA EM SERVIÇO DE HEMOTERAPIA CICLO DO SANGUE. Captação, Recepção/Registro, Triagem Clínica e Coleta

INSPEÇÃO SANITÁRIA EM SERVIÇO DE HEMOTERAPIA CICLO DO SANGUE. Captação, Recepção/Registro, Triagem Clínica e Coleta INSPEÇÃO SANITÁRIA EM SERVIÇO DE HEMOTERAPIA CICLO DO SANGUE Captação, Recepção/Registro, Triagem Clínica e Coleta DEFINIÇÃO DE CICLO DO SANGUE ART. 2º RDC N 34, DE 11 DE JUNHO DE 2014 Captação e seleção

Leia mais

Versão final 28 de abril de 2014

Versão final 28 de abril de 2014 1 Plano Operativo de Saúde do Estado do Rio de Janeiro para a Copa do Mundo FIFA Brasil 2014 Versão final 28 de abril de 2014 2 Hemorrede pública do Estado do Rio de Janeiro Ações Pré Evento: Manter estoque

Leia mais

GUIA PARA INSPEÇÃO EM SERVIÇOS DE HEMOTERAPIA

GUIA PARA INSPEÇÃO EM SERVIÇOS DE HEMOTERAPIA MÓDULO ORMAÇOES GERAS Período da nspeção: / / a / / Tipo de serviço: ( ) HC ( ) HR ( ) NH ( ) UC fixa ( ) UC móvel ( ) UCT ( ) CTLD ( ) AT Objetivo da nspeção: nspeção ( )Licença nicial Reinspeção ( )Segmento/Monitoramento

Leia mais

INFORMATIVO TRANSPORTE INTERESTADUAL DE SANGUE E HEMOCOMPONENTES NO TERRITÓRIO BRASILEIRO

INFORMATIVO TRANSPORTE INTERESTADUAL DE SANGUE E HEMOCOMPONENTES NO TERRITÓRIO BRASILEIRO INFORMATIVO TRANSPORTE INTERESTADUAL DE SANGUE E HEMOCOMPONENTES NO TERRITÓRIO BRASILEIRO A legislação sanitária define que o transporte interestadual de material sob vigilância sanitária deve ser regularizado

Leia mais

Detecção de ácidos nucléicos (NAT), para HIV e para HCV, nas amostras de sangue de doadores - Portaria 79 de 31/1/2003 -

Detecção de ácidos nucléicos (NAT), para HIV e para HCV, nas amostras de sangue de doadores - Portaria 79 de 31/1/2003 - Detecção de ácidos nucléicos (NAT), para HIV e para HCV, nas amostras de sangue de doadores - Portaria 79 de 31/1/2003 - Ementa: Determinar a implantação, no âmbito da Hemorrede Nacional, nos Serviços

Leia mais

BANCO DE SANGUE PAULISTA PROCEDIMENTO OPERACIONAL PREPARO DE TRANSFUSÕES E LIBERAÇÃO DE HEMOCOMPONENTES PARA TRANSFUSÃO

BANCO DE SANGUE PAULISTA PROCEDIMENTO OPERACIONAL PREPARO DE TRANSFUSÕES E LIBERAÇÃO DE HEMOCOMPONENTES PARA TRANSFUSÃO Pagina 1 de 30 1. OBJETIVO Assegurar o procedimento de liberação e transfusão sangüínea. 2. APLICAÇÃO Receptores (Pacientes). 3. RESPONSABILIDADES Médicos Supervisora Técnica Coordenador de Imunohematologia

Leia mais

BANCO DE SANGUE COLETA E TESTES SOROLÓGICOS

BANCO DE SANGUE COLETA E TESTES SOROLÓGICOS BANCO DE SANGUE COLETA E TESTES SOROLÓGICOS Resolução da Diretoria Colegiada RDC no 57, de 16 de dezembro de 2010. Determina o Regulamento Sanitário para Serviços que desenvolvem atividades relacionadas

Leia mais

Doar sangue é rápido, simples e seguro. Mas para quem precisa desse gesto de solidariedade, não é nada simples. Ele vale a vida.

Doar sangue é rápido, simples e seguro. Mas para quem precisa desse gesto de solidariedade, não é nada simples. Ele vale a vida. FUNDAÇÃO PRÓ-SANGUE A Fundação Pró-Sangue é uma instituição pública ligada à Secretaria de Estado da Saúde e ao Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, mantendo com

Leia mais

FLUXOGRAMA DO ACIDENTE BIOLÓGICO

FLUXOGRAMA DO ACIDENTE BIOLÓGICO 1 FLUXOGRAMA DO ACIDENTE BIOLÓGICO FLUXOGRAMA DAS MEDIDAS A SEREM ADOTADAS APÓS O ACIDENTE BIOLÓGICO E OS CUIDADOS COM O ACIDENTADO: 1) PACIENTE FONTE ASSINA TERMO DE CONSENTIMENTO (pág 2); 2) COLHER EXAMES

Leia mais

Projeto coordenado por Denise Costa Dias

Projeto coordenado por Denise Costa Dias A hemoterapia moderna baseia-se no uso seletivos dos componentes do sangue. A utilização correta dos diversos hemocomponentes, associados a um maior controle de qualidade nas diversas etapas desde a coleta

Leia mais

RELATÓRIO DO TRABALHO DE CAMPO

RELATÓRIO DO TRABALHO DE CAMPO Universidade Federal de Pelotas Departamento de Medicina Social Programa de Pós-graduação em Epidemiologia RELATÓRIO DO TRABALHO DE CAMPO Doutoranda: Elaine Thumé Orientador: Luiz Augusto Facchini Pelotas

Leia mais

Hospital São Paulo SPDM Associação Paulista para o Desenvolvimento da Medicina Hospital Universitário da UNIFESP

Hospital São Paulo SPDM Associação Paulista para o Desenvolvimento da Medicina Hospital Universitário da UNIFESP Página: 1/6 SUMÁRIO 1.OBJETIVO: Fazer a reposição de sangue e/ou componentes sanguíneos conforme a necessidade terapêutica dos pacientes. 2.APLICAÇÃO: Aos pacientes internados e ambulatoriais com prescrição

Leia mais

Hemovida. Agência Transfusional Visão Geral. Versão do produto: 2.0.7. Edição do documento: 1.0 Fevereiro de 2007 MS DATASUS

Hemovida. Agência Transfusional Visão Geral. Versão do produto: 2.0.7. Edição do documento: 1.0 Fevereiro de 2007 MS DATASUS Hemovida Agência Transfusional Visão Geral Versão do produto: 2.0.7 Edição do documento: 1.0 Fevereiro de 2007 MS DATASUS Hemovida Agência Transfusional Visão Geral Versão do produto: 2.0.7 Edição do documento:

Leia mais

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR III ENCONTRO DE ENFERMAGEM EM HEMATOLOGIA E HEMOTERAPIA DO HEMOCE HEMOVIGILÂNCIA RETROVIGILÂNCIA : IDENTIFICANDO UMA SOROCONVERSÃO Enfª

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA GESTÃO PÚBLICA SUPERINTENDÊNCIA DA ESCOLA DE GOVERNO REGULAMENTO DO CONCURSO

SECRETARIA DE ESTADO DA GESTÃO PÚBLICA SUPERINTENDÊNCIA DA ESCOLA DE GOVERNO REGULAMENTO DO CONCURSO REGULAMENTO DO CONCURSO A Secretaria de Estado da Gestão Pública do Governo de Alagoas torna público o 4º CONCURSO DE AÇÕES INOVADORAS NA GESTÃO DO PODER EXECUTIVO DE ALAGOAS que será regido de acordo

Leia mais

HEMOTERAPIA. Segurança do Sangue. Escolha da população de doadores Triagem clínica Triagem sorológica Uso adequado dos componentes

HEMOTERAPIA. Segurança do Sangue. Escolha da população de doadores Triagem clínica Triagem sorológica Uso adequado dos componentes Segurança do Sangue Escolha da população de doadores Triagem clínica Triagem sorológica Uso adequado dos componentes Escolha dos Doadores Voluntários Baixa prevalência de doenças Doadores de repetição

Leia mais

ARRECADAÇÃO DE ALIMENTOS - CESTAS BÁSICAS

ARRECADAÇÃO DE ALIMENTOS - CESTAS BÁSICAS ATIVIDADES MESTRAS ARRECADAÇÃO DE ALIMENTOS - CESTAS BÁSICAS Serão aceitas apenas doações de cestas básicas, conforme descrição abaixo, não sendo pontuados os itens/quilos excedentes; Para pontuar, cada

Leia mais

Revista do Conselho Regional de Odontologia do Rio de Janeiro Ano XXX - nº 02- Fevereiro de 2013

Revista do Conselho Regional de Odontologia do Rio de Janeiro Ano XXX - nº 02- Fevereiro de 2013 Revista do Conselho Regional de Odontologia do Rio de Janeiro Ano XXX - nº 02- Fevereiro de 2013 10 CAPA Tire suas dúvidas so O avanço na profissão tem sido responsável pelo aprimoramento de técnicas para

Leia mais

Abaixo, questionamentos referentes ao certame supracitado e respostas conforme área técnica da CESAMA.

Abaixo, questionamentos referentes ao certame supracitado e respostas conforme área técnica da CESAMA. Juiz de Fora, 17 de maio de 2013. Referência: Concorrência 009/12 Objeto: Contratação de empresa especializada para fornecimento de licenças de uso perpétuo, implantação, customização, treinamento e manutenção

Leia mais

EDITAL DE ABERTURA DO PROCESSO SELETIVO PARA ESTAGIÁRIO DE ADMINISTRAÇÃO, LETRAS, SECRETARIADO, GESTÃO DE POLITICAS PÚBLICAS OU GESTÃO DE EMPRESAS

EDITAL DE ABERTURA DO PROCESSO SELETIVO PARA ESTAGIÁRIO DE ADMINISTRAÇÃO, LETRAS, SECRETARIADO, GESTÃO DE POLITICAS PÚBLICAS OU GESTÃO DE EMPRESAS EDITAL DE ABERTURA DO PROCESSO SELETIVO PARA ESTAGIÁRIO DE ADMINISTRAÇÃO, LETRAS, SECRETARIADO, GESTÃO DE POLITICAS PÚBLICAS OU GESTÃO DE EMPRESAS FACULDADE DE ENGENHARIA ELETRICA E DE COMPUTAÇÃO Processo

Leia mais

Vanderléia Bárbaro Valente Hemobrás 2.012

Vanderléia Bárbaro Valente Hemobrás 2.012 ELABORAÇÃO E MONITORAMENTO DOS INDICADORES DE QUALIDADE APLICADOS AO LABORATÓRIO DE SOROLOGIA - ESTRATÉGIAS PARA CUMPRÍ-LOS - TRATAMENTO DE NÃO CONFORMIDADES - FLUXOS MAIS APROPRIADOS Vanderléia Bárbaro

Leia mais

Gestão da Qualidade em Projetos

Gestão da Qualidade em Projetos Gestão da Qualidade em Projetos Definição do Escopo Escopo O escopo do projeto define o que precisa ser feito. Isso se refere a todo o trabalho que deve ser realizado com a finalidade de produzir todas

Leia mais

Comissão Intra-Hospitalar de Doação de Órgãos e Tecidos para Transplante

Comissão Intra-Hospitalar de Doação de Órgãos e Tecidos para Transplante Comissão Intra-Hospitalar de Doação de Órgãos e Tecidos para Transplante POR QUE CRIAR CIHDOTTs? 6294 hospitais no país Necessidade de descentralização Equipes localizadas dentro do hospital notificante

Leia mais

ANEXO I REGIME DE TRABALHO REMUNERAÇÃO

ANEXO I REGIME DE TRABALHO REMUNERAÇÃO PORTARIA CONJUNTA SAD/HEMOPE Nº 63, 2/7/29 ANEXO I a) QUADRO, e Lotação: Diretoria de Hemoterapia ESPECIALIDA NECESSIDAS ESPECIAIS Tec. Laboratório Diarista 4, 3 4 Tec. Laboratório Plantonista 52, 3 4

Leia mais

FU N D A Ç Ã O HEMO M IN A S

FU N D A Ç Ã O HEMO M IN A S DESENVOLVIMENTO DE PESQUIS NA FUNDAÇÃO HEMOMINAS VERSÃO 05 DEZEMBRO / 2014 Cópia controlada. Nenhuma parte deste Manual pode ser reproduzida, por qualquer meio, eletrônico ou mecânico, incluindo fotocópia,

Leia mais

Coleta de sangue do caso índice e do profissional: Caso fonte. Profissional (fonte de contaminação) 2 tubos secos de 8 ml 2 tubos secos de 8 ml

Coleta de sangue do caso índice e do profissional: Caso fonte. Profissional (fonte de contaminação) 2 tubos secos de 8 ml 2 tubos secos de 8 ml Universidade Estadual de Campinas Hospital da Mulher Prof. Dr. José Aristodemo Pinotti - CAISM - Seção de Apoio e Desenvolvimento do Profissional / RH COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR Rotina

Leia mais

Cadernos da Escola de Saúde

Cadernos da Escola de Saúde DO DOADOR AO RECEPTOR: O CICLO DO SANGUE FROM THE DONATOR TO THE RECEPTOR: THE BLOOD CYCLE Biografia *Acadêmica do primeiro período de Biomedicina da UNIBRASIL - Faculdades Integradas do Brasil, Curitiba

Leia mais

PRODUTOS ORGÂNICOS SISTEMAS PARTICIPATIVOS DE GARANTIA. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

PRODUTOS ORGÂNICOS SISTEMAS PARTICIPATIVOS DE GARANTIA. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento PRODUTOS ORGÂNICOS SISTEMAS PARTICIPATIVOS DE GARANTIA Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento 2008 Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento.Todos os direitos reservados. É permitida

Leia mais

EDITAL DE ABERTURA DO PROCESSO SELETIVO PARA ESTAGIÁRIO DE TÉCNICO EM ANALISES CLINICAS HOSPITAL DE CLINICAS. Processo nº 15P-30318/2013

EDITAL DE ABERTURA DO PROCESSO SELETIVO PARA ESTAGIÁRIO DE TÉCNICO EM ANALISES CLINICAS HOSPITAL DE CLINICAS. Processo nº 15P-30318/2013 EDITAL DE ABERTURA DO PROCESSO SELETIVO PARA ESTAGIÁRIO DE TÉCNICO EM ANALISES CLINICAS HOSPITAL DE CLINICAS Processo nº 15P-30318/2013 A(O) HOSPITAL DE CLINICAS da Unicamp faz saber que estão abertas,

Leia mais

ROTEIRO DE INSPEÇÃO SANITÁRIO PARA AUTORIZAÇÃO DE TRANSPORTE INTERESTADUAL DE SANGUE E COMPONENTES

ROTEIRO DE INSPEÇÃO SANITÁRIO PARA AUTORIZAÇÃO DE TRANSPORTE INTERESTADUAL DE SANGUE E COMPONENTES ROTEIRO DE INSPEÇÃO SANITÁRIO PARA AUTORIZAÇÃO DE TRANSPORTE INTERESTADUAL DE SANGUE E COMPONENTES Período da Inspeção: / / a / / Tipo de serviço REMETENTE: ( ) HC ( ) HR ( ) NH ( ) UC fixa ( ) UC móvel

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO HEMOVIGILÂNCIA Responsáveis: Enfª Cledes Moreira Enfª Danielli S. Barbosa Enfª Luciana Paiva VAMOS TRABALHAR HOJE Os cuidados na instalação de sangue e hemocomponentes.

Leia mais

XII Encontro Nacional da Rede Sentinela 08 a 10 de dezembro de 2010 Brasília DF HEMOVIGILÂNCIA

XII Encontro Nacional da Rede Sentinela 08 a 10 de dezembro de 2010 Brasília DF HEMOVIGILÂNCIA XII Encontro Nacional da Rede Sentinela 08 a 10 de dezembro de 2010 Brasília DF HEMOVIGILÂNCIA Maria de Fátima Alves Fernandes Unidade de Bio e Hemovigilância UBHEM/NUVIG/ANVISA Premissas A transfusão

Leia mais

BOAS PRÁTICAS DE ENFERMAGEM NA INSTALAÇÃO DA TRANSFUSÃO

BOAS PRÁTICAS DE ENFERMAGEM NA INSTALAÇÃO DA TRANSFUSÃO BOAS PRÁTICAS DE ENFERMAGEM NA INSTALAÇÃO DA TRANSFUSÃO Jaciane Vargas de Freitas Silva Enfermeira RT Serviço de Enfermagem do Ambulatório do HBH Fundação Hemominas BOA PRÁTICA TRANSFUSIONAL Aplicação

Leia mais

GUIA PARA INSPEÇÃO EM SERVIÇOS DE HEMOTERAPIA MÓDULO IV PROCESSAMENTO, ARMAZENAMENTO E DISTRIBUIÇÃO

GUIA PARA INSPEÇÃO EM SERVIÇOS DE HEMOTERAPIA MÓDULO IV PROCESSAMENTO, ARMAZENAMENTO E DISTRIBUIÇÃO MÓDULO IV PROCESSAMENTO, ARMAZENAMENTO E DISTRIBUIÇÃO PROCESSAMENTO Nome do responsável: Formação profissional: Registro no conselho de classe: Contato: 1. Recursos Humanos Nível Sim Não NA 1.1. RH qualificado/capacitado

Leia mais

ESTRATÉGIAS DE CAPTAÇÃO DE DOADORES

ESTRATÉGIAS DE CAPTAÇÃO DE DOADORES ESTRATÉGIAS DE CAPTAÇÃO DE DOADORES VIII Simpósio HEMOMINAS de Transfusão Heloisa Gontijo Gerência de Captação e Cadastro Diretoria Técnico Científica A LEGISLAÇÃO NO BRASIL DEFINE Art. 30. A doação de

Leia mais

Organização de serviço para implantação TR na Atenção Básica

Organização de serviço para implantação TR na Atenção Básica Organização de serviço para implantação TR na Atenção Básica Competência: Organizar o trabalho de modo a incorporar a execução dos testes rápidos na rotina da equipe de Atenção Básica, Adotar documentação

Leia mais

TÉCNICA EM LABORATÓRIO/HEMOTERAPIA

TÉCNICA EM LABORATÓRIO/HEMOTERAPIA UFF UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CCM CENTRO DE CIÊNCIAS MÉDICAS HUAP HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ANTONIO PEDRO TÉCNICA EM LABORATÓRIO/HEMOTERAPIA Parte I: Múltipla Escolha 01 Quanto à classificação do grupo

Leia mais

a) do Serviço de Hemoterapia para a Vigilância Sanitária Municipal, até o 10º dia útil subsequente ao mês/período informado;

a) do Serviço de Hemoterapia para a Vigilância Sanitária Municipal, até o 10º dia útil subsequente ao mês/período informado; Republicada no D.O. de 22/8/01 A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso da atribuição que lhe confere o art. 11, inciso IV, do Regulamento da ANVISA, aprovado pelo Decreto

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DE ALAGOAS- UNCISAL R. Dr. Jorge de Lima, 58 - Trapiche da Barra, Maceió - AL, 57010-382

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DE ALAGOAS- UNCISAL R. Dr. Jorge de Lima, 58 - Trapiche da Barra, Maceió - AL, 57010-382 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DE ALAGOAS- UNCISAL R. Dr. Jorge de Lima, 113 - Trapiche da Barra, Maceió - AL, 57010-382 PROEX/UNCISAL 3315-3625 extensaouncisal@yahoo.com.br R. Dr. Jorge de

Leia mais

TRANSFUSÃO DE HEMOCOMPONENTES: CUIDADOS PRIORITÁRIOS DE ENFERMAGEM EM IDOSOS

TRANSFUSÃO DE HEMOCOMPONENTES: CUIDADOS PRIORITÁRIOS DE ENFERMAGEM EM IDOSOS câncer. 3 Atualmente, fatores como envelhecimento populacional, intenso processo de TRANSFUSÃO DE HEMOCOMPONENTES: CUIDADOS PRIORITÁRIOS DE ENFERMAGEM EM IDOSOS João Evangelista da Costa - UFRN. hevan33@oi.com.br

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENFERMAGEM RELATÓRIO FINAL DO ESTÁGIO CURRICULAR III SERVIÇOS HOSPITALARES

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENFERMAGEM RELATÓRIO FINAL DO ESTÁGIO CURRICULAR III SERVIÇOS HOSPITALARES UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENFERMAGEM RELATÓRIO FINAL DO ESTÁGIO CURRICULAR III SERVIÇOS HOSPITALARES Elisandro Luis Lima Saldanha Orientadora: Profª Themis Dovera Porto Alegre

Leia mais

CÓPIA CONTROLADA POP - PRIMATO 002 / REV. 01

CÓPIA CONTROLADA POP - PRIMATO 002 / REV. 01 Procedimento Operacional Padrão Sistema de Gestão Qualificação de Fornecedores e Controle de Matérias - primas e Embalagens POP - PRIMATO 002 / REV. 01 QUALIFICAÇÃO DE FORNECEDORES Este método tem por

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ BIBLIOTECA DO CAMPUS DE SOBRAL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ BIBLIOTECA DO CAMPUS DE SOBRAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ BIBLIOTECA DO CAMPUS DE SOBRAL CATEGORIAS DE USUÁRIOS Alunos dos cursos de graduação (alunos de qualquer área, inclusive de outros campi e aluno especial) Alunos dos cursos

Leia mais

ANEXO II. 1 HEPATITE B VÍRUS DA HEPATITE B (Hepatitis B Vírus HBV)

ANEXO II. 1 HEPATITE B VÍRUS DA HEPATITE B (Hepatitis B Vírus HBV) ANEXO II ANEXO DA RESOLUÇÃO SESA Nº.../2009 MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA ALTERAÇÃO DA CAUSA DE REJEIÇÃO DO CÓDIGO 57 (INCONCLUSIVO), PELOS SERVIÇOS DE HEMOTERAPIA NO SHTWEB. 1. Segundo a RDC nº 153 de 14

Leia mais

Curso Básico de Inspeção em Boas Práticas do Ciclo do Sangue Agência Transfusional

Curso Básico de Inspeção em Boas Práticas do Ciclo do Sangue Agência Transfusional Curso Básico de Inspeção em Boas Práticas do Ciclo do Sangue Gerência de Sangue, outros Tecidos, Células e Órgãos/GSTCO/GGPBS/Anvisa Christiane da Silva Costa Especialista em Regulação e Vigilância Sanitária

Leia mais

EDITAL 01/2016 RETIFICADO

EDITAL 01/2016 RETIFICADO EDITAL 01/2016 RETIFICADO Dispõe sobre a abertura de inscrições ao para as funções de Artesão, Auxiliar Administrativo, Auxiliar de Serviços Gerais, Enfermeiro, Fonoaudiólogo,Jornalista/Comunicação, Músico,

Leia mais

Anexo I INFORME PRÉVIO. Indústria de Medicamentos e/ou insumos farmacêuticos. Nome da Empresa /RS, 20

Anexo I INFORME PRÉVIO. Indústria de Medicamentos e/ou insumos farmacêuticos. Nome da Empresa /RS, 20 Anexo I INFORME PRÉVIO Indústria de Medicamentos e/ou insumos farmacêuticos Nome da Empresa /RS, 20 NOTA: 1. Este informe prévio deverá ser preenchido no que couber, por indústria fabricante de medicamentos

Leia mais

MANUAL DE BOAS PRÁTICAS DE RECEPÇÃO DE PRODUTOS PARA A SAÚDE DE USO CIRÚRGICO EM CENTRO DE MATERIAIS

MANUAL DE BOAS PRÁTICAS DE RECEPÇÃO DE PRODUTOS PARA A SAÚDE DE USO CIRÚRGICO EM CENTRO DE MATERIAIS 1 MANUAL DE BOAS PRÁTICAS DE RECEPÇÃO DE PRODUTOS PARA A SAÚDE DE USO CIRÚRGICO EM CENTRO DE MATERIAIS 2 Apresentação Menos de dez meses depois de ter sido criada pela Associação Médica Brasileira, a Câmara

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DA ENTRÂNCIA ESPECIAL DA DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO PARÁ

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DA ENTRÂNCIA ESPECIAL DA DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO PARÁ MANUAL DE PROCEDIMENTOS DA ENTRÂNCIA ESPECIAL DA DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO PARÁ SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO, 3 2 FUNCIONALIDADE ADMINISTRATIVA, 3 2 S ORGANIZACIONAIS DO CENTRO DE ESTUDOS, 3 3 PROCEDIMENTO

Leia mais

EDITAL DE ABERTURA DO PROCESSO SELETIVO PARA ESTAGIÁRIO DE TÉCNICO EM ADMINISTRAÇÃO OU TÉCNICO EM SECRETARIADO CSS/CECOM. Processo nº 01P-25757/2015

EDITAL DE ABERTURA DO PROCESSO SELETIVO PARA ESTAGIÁRIO DE TÉCNICO EM ADMINISTRAÇÃO OU TÉCNICO EM SECRETARIADO CSS/CECOM. Processo nº 01P-25757/2015 EDITAL DE ABERTURA DO PROCESSO SELETIVO PARA ESTAGIÁRIO DE TÉCNICO EM ADMINISTRAÇÃO OU TÉCNICO EM SECRETARIADO CSS/CECOM Processo nº 01P-25757/2015 A(O) Coordenadoria de Serviços Sociais/CECOM da Unicamp

Leia mais

Hemoterapia 100 Questões Potenciais

Hemoterapia 100 Questões Potenciais Especial Hemoterapia Parte 1 Preparação Enfermagem HEMOCENTRO SES-DF Hemoterapia 100 Questões Potenciais 1 PORTARIA Nº 2.712, DE 12 DE NOVEMBRO DE 2013 Art. 42. No momento da seleção, será determinada

Leia mais

ANEXO V COMPETÊNCIAS DEFINIDAS

ANEXO V COMPETÊNCIAS DEFINIDAS ANEXO V COMPETÊNCIAS DEFINIDAS Compete as Unidades de Saúde (básica, secundária/ambulatórios follow up): 1. Realizar a identificação das crianças que cumprem os critérios estabelecidos para recebimento

Leia mais

BANCO DE SANGUE PAULISTA PROCEDIMENTO OPERACIONAL RECEBIMENTO DE SOLICITAÇÕES PARA A TRANSFUSÃO DE HEMOCOMPONENTES

BANCO DE SANGUE PAULISTA PROCEDIMENTO OPERACIONAL RECEBIMENTO DE SOLICITAÇÕES PARA A TRANSFUSÃO DE HEMOCOMPONENTES Pagina 1 de 17 1. OBJETIVO Atender com eficácia as solicitações realizadas pelo corpo clínico dos hospitais. 2. APLICAÇÃO Receptores (pacientes). 3. RESPONSABILIDADES Médicos Supervisora Técnica Coordenador

Leia mais

Anexo II INFORME PRÉVIO. FRACIONADORA DE insumos farmacêuticos. Nome da Empresa /RS, 20

Anexo II INFORME PRÉVIO. FRACIONADORA DE insumos farmacêuticos. Nome da Empresa /RS, 20 Anexo II INFORME PRÉVIO FRACIONADORA DE insumos farmacêuticos Nome da Empresa /RS, 20 NOTA: 1. Para fins de inspeção para verificação de cumprimento de boas práticas de fracionamento é imprescindível que

Leia mais

Secretaria de Estado da Educação - SEDUC

Secretaria de Estado da Educação - SEDUC Secretaria de Estado da Educação - SEDUC PORTARIA SEDUC Nº 195/2016 Estabelece normas e procedimentos para o processo de matrícula na Rede Estadual de Ensino / SEE para o ano letivo de 2016, e dá outras

Leia mais

TÍTULO DO PROJETO. Melhoria nas condições de trabalho da equipe de profissionais da Unidade Móvel de Coleta de Sangue do HEMOAL

TÍTULO DO PROJETO. Melhoria nas condições de trabalho da equipe de profissionais da Unidade Móvel de Coleta de Sangue do HEMOAL CURSO DE ATUALIZAÇÃO Gestão das Condições de Trabalho e Saúde dos Trabalhadores da Saúde TÍTULO DO PROJETO Melhoria nas condições de trabalho da equipe de profissionais da Unidade Móvel de Coleta de Sangue

Leia mais

O PAPEL DO ENFERMEIRO NO COMITÊ TRANSFUSIONAL

O PAPEL DO ENFERMEIRO NO COMITÊ TRANSFUSIONAL O PAPEL DO ENFERMEIRO NO COMITÊ TRANSFUSIONAL HEMOCENTRO DE BELO HORIZONTE 2015 TRANFUSÃO SANGUÍNEA BREVE RELATO Atualmente a transfusão de sangue é parte importante da assistência à saúde. A terapia transfusional

Leia mais

CONHECIMENTO DA EQUIPE DE ENFERMAGEM FRENTE AO PACIENTE SUBMETIDO À TERAPIA TRANSFUSIONAL... 260

CONHECIMENTO DA EQUIPE DE ENFERMAGEM FRENTE AO PACIENTE SUBMETIDO À TERAPIA TRANSFUSIONAL... 260 CONHECIMENTO DA EQUIPE DE ENFERMAGEM FRENTE AO PACIENTE SUBMETIDO À TERAPIA TRANSFUSIONAL... 260 CONHECIMENTO DA EQUIPE DE ENFERMAGEM FRENTE AO PACIENTE SUBMETIDO À TERAPIA TRANSFUSIONAL. PRISCILA VICENTIN

Leia mais

PROMOÇÃO DA DOAÇÃO VOLUNTÁRIA DE SANGUE NO ÂMBITO DO MERCOSUL

PROMOÇÃO DA DOAÇÃO VOLUNTÁRIA DE SANGUE NO ÂMBITO DO MERCOSUL PROMOÇÃO DA DOAÇÃO VOLUNTÁRIA DE SANGUE NO ÂMBITO DO MERCOSUL XLIII Reunião Ordinária do SGT Nº 11 Saúde Comissão Intergovernamental de Sangue e Hemoderivados Presidência Pro Tempore do Brasil 01/2015

Leia mais

PRÁTICAS, FUNÇÕES E TÉCNICAS DE RECURSOS HUMANOS

PRÁTICAS, FUNÇÕES E TÉCNICAS DE RECURSOS HUMANOS INTRODUÇÂO Como as pessoas constituem o mais importante ativo de que dispõem as organizações, devem ser recrutadas e selecionadas com a maior competência possível, já que falhas nesse processo podem comprometer

Leia mais

Sistema de Hemovigilância no Hospital São Vicente de Paulo 1

Sistema de Hemovigilância no Hospital São Vicente de Paulo 1 Sistema de Hemovigilância no Hospital São Vicente de Paulo 1 Protocolo Transfusional do Hospital São Vicente de Paulo (HSVP) Módulo: Sistema de Hemovigilância no Hospital São Vicente de Paulo. 1 Edição,

Leia mais

Conjunto EDITAL N.º 025/2014 PROEPI/IFPR - RETIFICADO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INCENTIVO AO EMPREENDEDORISMO INOVADOR (PIBIN)

Conjunto EDITAL N.º 025/2014 PROEPI/IFPR - RETIFICADO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INCENTIVO AO EMPREENDEDORISMO INOVADOR (PIBIN) EDITAL N.º 025/2014 PROEPI/IFPR - RETIFICADO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INCENTIVO AO EMPREENDEDORISMO INOVADOR (PIBIN) A Pró-Reitoria de Extensão, Pesquisa e Inovação do Instituto Federal do Paraná

Leia mais

http://www.brasilsus.com.br/legislacoes/rdc/106696-57.html?tmpl=component&print...

http://www.brasilsus.com.br/legislacoes/rdc/106696-57.html?tmpl=component&print... Página 1 de 25 RESOLUÇÃO - RDC Nº 57, DE 16 DE DEZEMBRO DE 2010 Legislações - RDC Sex, 17 de Dezembro de 2010 00:00 RESOLUÇÃO - RDC Nº 57, DE 16 DE DEZEMBRO DE 2010 Determina o Regulamento Sanitário para

Leia mais

FACULDADE DE ENGENHARIA ELÉTRICA E DE COMPUTAÇÃO

FACULDADE DE ENGENHARIA ELÉTRICA E DE COMPUTAÇÃO EDITAL DE ABERTURA DO PROCESSO SELETIVO PARA ESTAGIÁRIO DE ADMINISTRAÇÃO, ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA, GESTÃO DE POLÍTICAS PÚBLICAS, GESTÃO DE EMPRESAS OU TECNOLOGO EM LOGÍSTICA FACULDADE DE ENGENHARIA ELÉTRICA

Leia mais

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA MINISTÉRIO DA JUSTIÇA EDITAL GABINETE/DEPEN BRA/14/011 Contratação de Consultoria Nacional Especializada para Formulação de Modelo de Gestão de Inteligência Penitenciária BRASÍLIA, AGOSTO DE 2015 TERMO

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO PARA PREENCHIMENTO DE VAGAS PARA A FUNÇÃO- ATIVIDADE DE MÉDICO PARA O SERVIÇO DE GERIATRIA E CRÔNICOS - ABERTURA DE INSCRIÇÕES

CONCURSO PÚBLICO PARA PREENCHIMENTO DE VAGAS PARA A FUNÇÃO- ATIVIDADE DE MÉDICO PARA O SERVIÇO DE GERIATRIA E CRÔNICOS - ABERTURA DE INSCRIÇÕES CENTRO DE RECURSOS HUMANOS EDITAL 08/08 CONCURSO PÚBLICO PARA PREENCHIMENTO DE VAGAS PARA A FUNÇÃO- ATIVIDADE DE MÉDICO PARA O SERVIÇO DE GERIATRIA E CRÔNICOS - ABERTURA DE INSCRIÇÕES O Centro de Recursos

Leia mais

A EBSERH e os Recursos Humanos

A EBSERH e os Recursos Humanos Informativo do Hospital das Clínicas da UFMG - Janeiro de 2013 ano XVIII n 288 Boletim do HC Foto: Arquivo Assessoria de Comunicação do HC/UFMG A EBSERH e os Recursos Humanos Esclareça as suas dúvidas

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA COLETA DE ÁGUA E AMOSTRAS AMBIENTAIS

MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA COLETA DE ÁGUA E AMOSTRAS AMBIENTAIS Sistema Único de Saúde Estado de Santa Catarina Secretaria de Estado da Saúde Laboratório Central de Saúde Pública Código do Documento Cópia Controlada Nº MANUAL 1/8 MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA COLETA DE

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE INSTRUÇÃO NORMATIVA 4/07

SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE INSTRUÇÃO NORMATIVA 4/07 SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE INSTRUÇÃO NORMATIVA 4/07 Dispõe sobre a obrigatoriedade no cumprimento das Normas e Rotinas de Dispensação, Solicitação de Material, Recebimento, Armazenamento e Controle

Leia mais

Regras de Auditoria e Liberação de Movimentos (Parte 1)

Regras de Auditoria e Liberação de Movimentos (Parte 1) Regras de Auditoria e Liberação de Movimentos () Março - 2014 Índice Título do documento 1. Auditoria de Movimentos (ECM) Introdução:... 3 2. Grupos de Usuário (ECM):... 3 3. Colaboradores... 4 4. Configuração

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS BÁSICOS DO USUÁRIO VITORIA/ES 2013. Página 1 de 18

MANUAL DE PROCEDIMENTOS BÁSICOS DO USUÁRIO VITORIA/ES 2013. Página 1 de 18 MANUAL DE PROCEDIMENTOS BÁSICOS DO USUÁRIO VITORIA/ES 2013 Página 1 de 18 Gerenciador de Ambiente Laboratorial - GAL DEFINIÇÃO O Gal é um sistema informatizado desenvolvido para os laboratórios de Saúde

Leia mais

A Diretora Geral da Faculdade do Guarujá, no uso de suas atribuições legais, após reuniões com os coordenadores de Curso RESOLVE

A Diretora Geral da Faculdade do Guarujá, no uso de suas atribuições legais, após reuniões com os coordenadores de Curso RESOLVE PORTARIA N.º 03/2010 Guarujá, 8 de fevereiro de 2010. Estabelece procedimentos para a realização dos Estágios obrigatórios definidos nos projetos pedagógicos dos cursos, nos termos regimentais. A Diretora

Leia mais

REQUERIMENTO DE SOLICITAÇÃO DE BOLSA DE ESTUDO - 2014

REQUERIMENTO DE SOLICITAÇÃO DE BOLSA DE ESTUDO - 2014 REQUERIMENTO DE SOLICITAÇÃO DE BOLSA DE ESTUDO - 2014 A Escola Técnica de Eletrônica Francisco Moreira da Costa acredita que, ao conceder uma bolsa de estudo, está investindo no aluno, na família e no

Leia mais

Orientações para o preenchimento da planilha dos dados de produção de Bancos de Tecidos Músculo-esqueléticos

Orientações para o preenchimento da planilha dos dados de produção de Bancos de Tecidos Músculo-esqueléticos Orientações para o preenchimento da planilha dos dados de produção de Bancos de Tecidos Músculo-esqueléticos 1. Considerações iniciais Estas orientações têm por objetivo instruir os Bancos de Tecidos Músculo-esqueléticos

Leia mais

INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS. Processo nº 09P-9161/2014

INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS. Processo nº 09P-9161/2014 EDITAL DE ABERTURA DO PROCESSO SELETIVO PARA ESTAGIÁRIO DE CURSO DE NÍVEL SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO, ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA, RELAÇÕES PÚBLICAS, JORNALISMO OU GESTÃO DE EMPRESAS INSTITUTO DE FILOSOFIA E

Leia mais

1. Orientações sobre o Terceiro Certame do Programa de Certificação Profissional 1. PROGRAMA DE CERTIFICAÇÃO PROFISSIONAL i) ORIENTAÇÕES QUANTO A

1. Orientações sobre o Terceiro Certame do Programa de Certificação Profissional 1. PROGRAMA DE CERTIFICAÇÃO PROFISSIONAL i) ORIENTAÇÕES QUANTO A 1. Orientações sobre o Terceiro Certame do Programa de Certificação Profissional 1. PROGRAMA DE CERTIFICAÇÃO PROFISSIONAL i) ORIENTAÇÕES QUANTO A INSCRIÇÃO Leia atentamente o Regulamento e observe as orientações

Leia mais

01 Nos casos de histerectomia é necessário fazer a citologia do colo do útero?

01 Nos casos de histerectomia é necessário fazer a citologia do colo do útero? 01 Nos casos de histerectomia é necessário fazer a citologia do colo do útero? R. Conforme Diretrizes Brasileiras para Rastreamento do Câncer do Colo do Útero de 2001, na página 36, a recomendação é que:

Leia mais

EDITAL DE ABERTURA DO PROCESSO SELETIVO PARA ESTAGIÁRIO DE ADMINISTRAÇÃO OU COMUNICAÇÃO SOCIAL - RELAÇÕES PÚBLICAS PREFEITURA DA CIDADE UNIVERSITÁRIA

EDITAL DE ABERTURA DO PROCESSO SELETIVO PARA ESTAGIÁRIO DE ADMINISTRAÇÃO OU COMUNICAÇÃO SOCIAL - RELAÇÕES PÚBLICAS PREFEITURA DA CIDADE UNIVERSITÁRIA EDITAL DE ABERTURA DO PROCESSO SELETIVO PARA ESTAGIÁRIO DE ADMINISTRAÇÃO OU COMUNICAÇÃO SOCIAL - RELAÇÕES PÚBLICAS PREFEITURA DA CIDADE UNIVERSITÁRIA Processo nº 01P-30114/2013 A(O) Prefeitura da Cidade

Leia mais

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR.

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. XV Jornada Interiorana de Hematologia e Hemoterapia II Encontro Interiorano de Enfermagem em Hemoterapia e Hemovigilância TESTES PRÉ

Leia mais

Diário Oficial Imprensa Nacional

Diário Oficial Imprensa Nacional Diário Oficial Imprensa Nacional REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL BRASÍLIA - DF Nº 241 17/12/10 Seção 1 p.119 MINISTÉRIO DA SAÚDE AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITARIA DIRETORIA COLEGIADA RESOLUÇÃO -

Leia mais

São as atividades e procedimentos necessários à admissão e acolhimento da paciente na instituição.

São as atividades e procedimentos necessários à admissão e acolhimento da paciente na instituição. PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO Título: Recepção de Pacientes na Emergência Obstétrica Responsável pela prescrição do POP Responsável pela execução do POP POP N 07 Área de Aplicação: Obstetrícia Setor:

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE SEGURANÇA PÚBLICA SSP/GO CENTRO DE EXCELENCIA DO SISTEMA DE EXECUÇÃO PENAL CESEPE JUSTIFICATIVA DO CANDIDATO

SECRETARIA DE ESTADO DE SEGURANÇA PÚBLICA SSP/GO CENTRO DE EXCELENCIA DO SISTEMA DE EXECUÇÃO PENAL CESEPE JUSTIFICATIVA DO CANDIDATO ANEXO II SECRETARIA DE ESTADO DE /GO CENTRO DE EXCELENCIA DO CESEPE SOLICITAÇÃO DO RECURSO Concurso Público Edital nº001/2009 CARGO Requerente: Inscrição Nº: À Comissão Multidisciplinar do Processo Seletivo

Leia mais

O QUE É O CÓDIGO C&A DE CONDUTA PARA FORNECIMENTO DE MERCADORIAS? COMO POSSO OBTÊ-LO?

O QUE É O CÓDIGO C&A DE CONDUTA PARA FORNECIMENTO DE MERCADORIAS? COMO POSSO OBTÊ-LO? POR QUE A SOCAM AUDITA OS FORNECEDORES C&A E SEUS SUBCONTRATADOS? A C&A, como empresa que busca atuar de forma socialmente responsável, considera essencial o monitoramento de todos os elos de sua cadeia

Leia mais

BIOLÓGICOS DATA : 01/03/2010 APROV: CCIH

BIOLÓGICOS DATA : 01/03/2010 APROV: CCIH PAG: 1/5 1 - DEFINIÇÃO É um procedimento que informa passo a passo aos coordenadores, chefes de setor, lideres e outros interessados, o que fazer após um acidente de contado com materiais biológicos. -

Leia mais

Testes sorológicos de triagem para componentes hemoterápicos.

Testes sorológicos de triagem para componentes hemoterápicos. Parecer do Grupo Técnico de Auditoria em Saúde 08/06 Tema: Testes sorológicos de triagem para doenças infecciosas em doadores de sangue I Data: 13/03/2006 II Grupo de Estudo: Dra. Célia Maria da Silva

Leia mais

EDITAL DE ABERTURA DO PROCESSO SELETIVO PARA ESTAGIÁRIO DE ADMINISTRAÇÃO ou GESTÃO DE EMPRESAS GRUPO GESTOR DE BENEFÍCIOS SOCIAIS

EDITAL DE ABERTURA DO PROCESSO SELETIVO PARA ESTAGIÁRIO DE ADMINISTRAÇÃO ou GESTÃO DE EMPRESAS GRUPO GESTOR DE BENEFÍCIOS SOCIAIS EDITAL DE ABERTURA DO PROCESSO SELETIVO PARA ESTAGIÁRIO DE ADMINISTRAÇÃO ou GESTÃO DE EMPRESAS GRUPO GESTOR DE BENEFÍCIOS SOCIAIS Processo nº 01P-20568/2014 A(O) GRUPO GESTOR DE BENEFÍCIOS SOCIAIS da Unicamp

Leia mais

No Sistema Participativo de Garantia as avaliações da conformidade visam:

No Sistema Participativo de Garantia as avaliações da conformidade visam: MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO SISTEMA PARTICIPATIVO DE GARANTIA DA QUALIDADE ORGÂNICA E BIODINÂMICA DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE AGRICULTURA BIODINÂMICA - VERSÃO 5 No Sistema Participativo de Garantia as avaliações

Leia mais

FACULDADE DE ENGENHARIA DE ALIMENTOS

FACULDADE DE ENGENHARIA DE ALIMENTOS EDITAL DE ABERTURA DO PROCESSO SELETIVO PARA ESTAGIÁRIO DE CURSO SUPERIOR EM QUÍMICA, QUÍMICA INDUSTRIAL, QUÍMICA DE ALIMENTOS, TECNÓLOGO EM QUÍMICA, FARMÁCIA, BIOLOGIA, BIOMEDICINA, BIOQUÍMICA, ENGENHARIA

Leia mais

Sumário Executivo. Pesquisa Quantitativa de Avaliação do Programa de Erradicação do Trabalho Infantil PETI

Sumário Executivo. Pesquisa Quantitativa de Avaliação do Programa de Erradicação do Trabalho Infantil PETI Sumário Executivo Pesquisa Quantitativa de Avaliação do Programa de Erradicação do Trabalho Infantil PETI Fundação Euclides da Cunha FEC/Data UFF Secretaria de Avaliação e Gestão da Informação Ministério

Leia mais

ENFERMAGEM HUMANITÁRIA COOPERAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO

ENFERMAGEM HUMANITÁRIA COOPERAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO S. Tomé e Príncipe ENFERMAGEM HUMANITÁRIA COOPERAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO São Tomé e Príncipe A República Democrática de São Tomé e Príncipe, é um estado insular localizado no Golfo da Guiné. Composto

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA REFERENTE AO CALENDÁRIO NACIONAL DE VACINAÇÃO

INSTRUÇÃO NORMATIVA REFERENTE AO CALENDÁRIO NACIONAL DE VACINAÇÃO INSTRUÇÃO NORMATIVA REFERENTE AO CALENDÁRIO NACIONAL DE VACINAÇÃO O presente instrumento estabelece as normatizações técnicas do Programa Nacional de Imunizações referentes ao Calendário Nacional de Vacinação,

Leia mais