SCM - um sistema de conferência multimídia para plataforma Windows 95/NT

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SCM - um sistema de conferência multimídia para plataforma Windows 95/NT"

Transcrição

1 SCM - um sistema de conferência multimídia para plataforma Windows 95/NT Wandreson Luiz Brandino José Gonçalves Pereira Filho Universidade Federal do Espírito Santo Departamento de Informática Laboratório de Pesquisas em Redes e Multimídia Caixa Postal Vitória ES - CEP: Resumo. Este artigo apresenta a arquitetura e a implementação do SCM, uma aplicação de conferência multimídia distribuída atualmente em desenvolvimento no LPRM/DI/UFES. Em termos de funcionalidades, além da transmissão básica de vídeo, o sistema oferece ao grupo de participantes uma área de chat para realização de bate-papos, uma área para a manipulação conjunta de documentos, um esquema de suporte à votação, a possibilidade de transferência multiponto de arquivos e um mecanismo particular de transferência multicasting, que permite reduzir os requisitos de largura de banda da aplicação. Abstract. This paper introduces the architecture and the implementation of SCM, a multimedia conferencing application currently being developed at LPRM/DI/UFES. The main features of the system include video transmission, a chatting area, a shared area for document handling, voting support, multipoint file transfer and a multicasting communication protocol, which allows to achieve reduction in bandwidth requirements 1. INTRODUÇÃO Dentre as novas aplicações da área de sistemas multimídia distribuídos, as conferências multimídia constituem hoje uma das mais ativas, apresentando-se como um grande campo para o desenvolvimento de pesquisas científicas e tecnológicas, além de um comprovado potencial de exploração comercial. Estas aplicações possibilitam aos seus usuários se reunirem, via redes de computadores, para a troca de informações e discussão de assuntos de interesse comum, fazendo uso de diversos formatos de mídias e compartilhando os seus espaços acústicos e visuais. Um dos maiores benefícios das conferências multimídia é a redução dos custos e do tempo de viagem para a realização de reuniões. Pesquisas realizadas mostram que grande parte do tempo de trabalho dos executivos de empresas são gastos com comunicação e que 60% das reuniões de negócio poderiam ser substituídas por conferências eletrônicas [1]. Apesar das inúmeras vantagens, estas aplicações também impõem severas restrições no sistema de computação como um todo, seja na aquisição de dados analógicos e sua conversão em tempo real para a forma digital, seja nos algoritmos de compressão de áudio e vídeo e nos seus aspectos de sincronização. Requerem também um suporte de comunicação adequado, com capacidade de processamento multiponto (multicast) e garantias nos limites máximos de retardo (delay) e variação estatística do retardo (jitter) impostos pelas mídias contínuas (áudio e vídeo). Sistemas de conferência multimídia vêm sendo investigados por várias universidades e instituições de pesquisa ao redor do mundo e têm sido objeto de estudo por parte de organismos internacionais de padronização. Nos últimos anos, diversos protótipos foram desenvolvidos em ambiente acadêmico como o CU-SeeMe [2] (Cornell University), o nv [3] (Xerox PARC), o IVS [4] (INRIA), o vic [5] (Lawrence Berkeley Laboratory and University of California at Berkeley), o JVTOS [6] (CIO/Europa) e o TVS [7] (PUC/Rio).

2 Adicionalmente, alguns outros estão disponíveis comercialmente. Além da transmissão básica das mídias áudio e vídeo, os sistemas de conferência multimídia buscam oferecer um amplo conjunto de facilidades adicionais. Estas facilidades visam compor um ambiente genérico e flexível, com funcionalidades adequadas para suportar diversos cenários, como teleseminários, reuniões privativas, ensino à distância, etc. O ITU-T, em suas séries F.730 [8], T.120 [9] e H.320 [13], sugere um conjunto de funcionalidades para o desenvolvimento de aplicações de conferências multimídia. Exemplos dessas funcionalidades incluem: manipulação cooperativa de documentos, suporte à votação, troca de arquivos entre usuários, gravação de trechos da conferência e criptografia, além da utilização de padrões para a compressão de áudio e vídeo. É, portanto, desejável, o desenvolvimento de sistemas de conferência que implementem funcionalidades sugeridas por organismos internacionais de padronização e que aproveitem as boas propriedades de sistemas existentes. Este trabalho descreve a arquitetura e a implementação do SCM, um sistema de conferência multimídia desenvolvido no Laboratório de Pesquisas em Redes e Multimídia do DI/UFES. Em termos funcionais, o SCM possibilita a transferência em tempo real de vídeo para um ou um grupo de participantes, provê suporte para trabalho cooperativo, permite realização de conferências privativas dentro do contexto de uma conferência global, disponibiliza para os participantes uma área de chat, possibilita a transferência multiponto de arquivos durante a conferência e conta com um mecanismo de suporte à votação. O processamento de áudio não está sendo implementado nesta primeira versão do sistema. Diferentemente da maioria dos sistemas de conferência acadêmicos desenvolvidos para ambiente Unix, o SCM foi concebido para a plataforma Windows 95/NT, devido, basicamente, à grande difusão desta plataforma e a falta de disponibilidade de sistemas de conferência multimídia acadêmicos para Windows com este conjunto de facilidades integradas. O restante deste artigo está organizado da seguinte maneira: a Seção 2 apresenta uma descrição sucinta de sistemas de conferência eletrônica referenciados na literatura, a Seção 3 introduz as funcionalidades presentes no SCM, a Seção 4 mostra um exemplo de utilização do sistema e a Seção 5 conclui o trabalho, apresentando as considerações finais e os trabalhos futuros. 2. SISTEMAS EXISTENTES Os sistemas descritos a seguir são exemplos de ambientes de conferência eletrônica acadêmicos desenvolvidos nos últimos anos, que possuem grande penetração no âmbito da Internet. Optou-se pela apresentação de sistemas acadêmicos basicamente pela sua maior disponibilidade de uso e facilidade de obtenção de literatura a seu respeito. 2.1 CU-SeeMe O CU-SeeMe [2] é um dos sistemas de vídeo conferência mais populares para ambiente Windows e Machintosh disponíveis atualmente na Internet. Originalmente desenvolvido na Cornell University, USA, já existe uma versão comercial do sistema, sob a responsabilidade da empresa White Pine. Apesar do sistema rodar em ambiente Windows/Machintosh, o CU-SeeMe necessita de uma máquina UNIX para hospedar um programa especial, denominado refletor (reflector). Este programa é o servidor de conferência e tem como uma das suas principais responsabilidades distribuir ( refletir ) os dados vindos de um participante para os demais participantes da conferência.

3 O CU-SeeMe é um sistema centralizado. Isto significa dizer que cada máquina envia os seus dados para a máquina servidora e esta, por sua vez, os transmite para as demais máquinas participantes da conferência. Este tipo de solução é empregada pela maioria dos sistemas de conferência atualmente existentes pela sua relativa simplicidade de implementação. Entretanto, o preço que se paga por isso é um mal uso da infra-estrutura de comunicação. No CU-SeeMe não existe nenhuma preocupação em minimizar o tráfego de dados na rede. Além disso, a máquina que hospeda o programa reflector deve apresentar um bom desempenho já que ela centraliza e manipula os dados de todos os participantes da conferência. Isto justifica parcialmente o fato dela ser geralmente uma máquina Unix de porte. Observe que o servidor não é uma máquina participante da conferência propriamente dita, pois ela está alocada para prover serviços de distribuição de dados, não podendo ser usada para fins de troca de informações entre os participantes. 2.2 IVS O IVS [4] é um sistema de videoconferência para ambiente Unix desenvolvido no INRIA/França. O IVS é um sistema com um ótimo acabamento visual e um dos poucos que seguem os padrões de codificação de áudio e de vídeo do ITU-T para esta classe de aplicações. É interessante observar que o codificador de vídeo H.261 usado no sistema foi desenvolvido no próprio INRIA e o seu algoritmo de compressão vem sendo usado em outros sistemas de conferências eletrônicas, como o TVS [7]. O IVS apresenta uma série de funcionalidades interessantes. Em particular, dos sistemas pesquisados, é o único que permite a gravação de trechos da conferência para reprodução e consulta posterior, conforme sugerido na recomendação T.120 do ITU-T [9]. Outro aspecto importante do sistema relaciona-se a segurança, já que é possível especificar uma chave de acesso para conferências seguras. O IVS usa a infra-estrutura do Mbone [11] para prover a funcionalidade de endereçamento multicasting. Em resumo, as funcionalidades do IVS estão fortemente relacionadas à transmissão de áudio e vídeo. Entretanto, algumas recomendações para sistemas de conferência multimídia não são implementadas, como a sincronização de áudio e vídeo, suporte à votação, a disponibilidade de uma área de trabalho cooperativo, ou mesmo de uma área para troca de mensagens textuais entre os participantes. 2.3 nv Network Vídeo O nv [3] é um sistema de vídeo conferência desenvolvido pela Xerox PARC. É um dos sistemas pioneiros no que se refere à transmissão de mídias contínuas utilizando o Mbone e à utilização do protocolo RTP (Real Time Protocol) para o transporte de dados via Internet. Esta característica viria a ser empregada por outros sistemas mais tarde, como o IVS. O nv permite basicamente a transmissão da mídia vídeo entre os seus participantes. Informações de áudio não são manipuladas pelo sistema. Funcionalidades adicionais desejadas num ambiente de conferência, como as já citadas, também não são fornecidas. O nv possui uma série de parâmetros de configuração de vídeo, incluindo parâmetros de brilho, contraste, tamanho e cor da imagem, quantidade de quadros capturados por segundo, além da definição da quantidade máxima de banda passante permitida. No entanto, os algoritmos de compressão de vídeo utilizados são proprietários, não padronizados pelo ITU-T.

4 2.4 TVS O TVS [7] é um sistema de conferência multimídia para ambiente Unix desenvolvido no Laboratório Telemídia, da PUC/Rio. O sistema implementa uma série de funcionalidades sugeridas pelo ITU-T, em especial o suporte à manipulação de documentos compartilhados. O modelo de documentos hipermídia usado no TVS, o MCA (Modelo de Contextos Aninhados), apresenta conformidade com o padrão MHEG/ISO. O sistema também possui um esquema bem elaborado de suporte à votações. A área de trabalho cooperativo do TVS permite executar somente o aplicativo desenvolvido para esse fim. Não é possível executar aplicativos quaisquer e esses se tornarem disponíveis aos outros usuários. Esta característica é encontrada apenas no JVTOS [6]. A arquitetura do TVS é centralizada, semelhante à do CU-SeeMe. Uma nova versão do sistema vai permitir a comunicação multicasting usando os recursos do ATM. 2.5 Vic, vat, sd e wb Estes sistemas compõe um conjunto de ferramentas para ambiente Unix desenvolvidas pelo Lawrence Berkeley National Laboratory e pela University of California at Berkeley. Essas ferramentas, quando combinadas, permitem ao usuário transmitir vídeo (vic) e áudio (vat), agendar conferências (sd) e ainda realizar trabalho cooperativo (wb). Como esses aplicativos foram desenvolvidos separadamente; não é possível realizar ações como a sincronização entre o áudio, provido pelo vat, e o vídeo correspondente, provido pelo vic. O vic é um sistema para a transmissão de vídeo, com várias opções de formatos de compressão. Assim como em outros sistemas, é possível especificar uma série de parâmetros de vídeo. O sistema utiliza o Mbone para comunicação multicast. O vat possibilita a transferência de áudio. Da mesma forma que no vic, é possível definir vários parâmetros de qualidade de áudio. O controle de acesso à fala é feito por inscrição em lista. Com exceção do TVS, que usa um algoritmo de detecção de silêncio, todos os sistemas pesquisados usam este mesmo princípio. O wb é uma ferramenta de trabalho cooperativo, parecida com os editores gráficos que conhecemos (por exemplo, PaintBrush), que disponibiliza aos seus participantes uma área de trabalho para que eles possam expressar as suas idéias através de palavras ou desenhos, como é comum em reuniões tradicionais. A manipulação do documento é feita por apenas um participante a cada vez. O sd é um sistema que permite integrar o vic, vat e o wb num único ambiente. As conferências agendadas são divulgadas no âmbito da Internet global; deste modo, qualquer pessoa pode participar da conferência programada. 3. O SISTEMA SCM Como visto na seções anterior, a maioria dos sistemas analisados foi desenvolvida para plataformas Unix. A atual difusão do ambiente Windows 95/NT, no entanto, sugere o direcionamento de esforços para a construção de sistemas de conferência multimídia voltados para esta plataforma. Um outro ponto que pode ser observado é que a maioria dos sistemas implementa funcionalidades de ambientes de videoconferência de uma forma isolada, sem a preocupação de oferecer um ambiente com facilidades integradas que permitam, de fato, o uso do sistema em vários cenários de reuniões virtuais. Boa parte das funcionalidades presentes nos sistemas descritos estão relacionadas principalmente à manipulação básica das mídias áudio e vídeo. Esses dois fatores motivaram o desenvolvimento do SCM. O objetivo final do projeto é a concepção de um sistema de conferência multimídia para ambientes Windows 95/NT com

5 um conjunto de facilidades integradas que permita o uso efetivo do sistema vários cenários de reuniões eletrônicas. Uma característica distinta do SCM refere-se ao emprego de um mecanismo proprietário de comunicação multicasting. Este mecanismo foi desenvolvido devido à inexistência, na época do início do projeto, de versões do mrouted (software de roteamento multicasting empregado no Mbone) para plataformas Windows95/NT. Um objetivo paralelo do projeto é estudar o impacto desta tecnologia no ambiente de trabalho dos seus clientes potenciais. Medidas de desempenho do sistema e avaliação da satisfação do usuário ao atendimento dos requisitos de trabalho cooperativo serão realizadas após a implementação da versão definitiva do SCM, com todas as funcionalidades previstas já incorporadas. Observa-se que as recomendações do ITU-T serviram de base para a definição das funcionalidades presentes na versão atual (protótipo) e nas futuras versões previstas para o sistema. 3.1 Arquitetura do SCM O SCM é composto por um conjunto de módulos inter-relacionados, cuja descrição sucinta é apresentada a seguir: Módulo de Controle É responsável pela implementação das operações de controle da conferência global e das sessões privativas entre os participantes, bem como pela coordenação geral dos outros serviços disponibilizados pelo sistema. As principais funções deste módulo são: criação de conferências, inclusão de usuários em conferências já existentes, manutenção da relação de participantes de uma conferência, manutenção da relação de conferências ativas, introdução de mecanismos para o controle de concorrência nos módulos de processamento de vídeo, trabalho cooperativo e votação Módulo Servidor de Conferências É um módulo agregado ao SCM que tem como responsabilidade divulgar na Web as conferências públicas do SCM, gerando páginas HTML das conferências em andamento. Cada servidor de conferências mantém uma lista das conferências criadas e dos conferencistas participantes Módulo de Áudio e Vídeo É responsável pela implementação do serviço de comunicação áudio visual, respondendo pela distribuição destas mídias para todos os participantes da conferência, usando a infra-estrutura de transmissão multicasting provida pelo SCM. Como mencionado, esta primeira versão do SCM implementa somente o processamento de vídeo, e não realiza a compressão dessa mídia. A idéia é integrar neste módulo compactadores de áudio e vídeo padronizados pelo ITU-T, como o G.711/G.722 e o H.261/H.263 respectivamente. Com a implantação do processamento de áudio, o esquema de sincronização de áudio e vídeo será implementado, baseado inicialmente numa simplificação do mecanismo de time-stamps proposto por Little [10] e, posteriormente, usando o esquema de sincronização multimídia proposto no contexto do trabalho que vem sendo desenvolvido no DI/UFES.

6 3.1.4 Módulo de Chat O serviço de chat acrescenta uma grande funcionalidade ao sistema, sendo particularmente útil quando algum participante da conferência não possui os recursos de áudio necessários. Neste caso, o chat se apresenta como uma forma de viabilizar a comunicação com os outros usuários. Além disso, num dado momento, a qualidade da apresentação das mídias contínuas, ou mesmo a sua disponibilidade, pode estar comprometida; nestes casos o chat é a única forma do usuário se comunicar com os outros participantes Módulo de Multicasting Este módulo implementa as funcionalidades necessárias para a comunicação multiponto, e é a base para a implementação de outros serviços fornecidos no sistema. Diferentemente do Mbone, o SCM usa um mecanismo particular de multicasting cuja filosofia é parecida com o esquema empregado nos MCS (Multipoint Communication Services) [12], propostos pelo ITU-T. Assim como este, o SCM procura tratar o problema nas camadas superiores à de rede. A solução implementada procura tirar o máximo de proveito da topologia da rede, isto é, quanto mais se conheça sobre a topologia da rede melhor é a configuração de multicasting obtida. O SCM procura fornecer uma infra-estrutura de transporte de dados multicasting baseado em várias conexões ponto-a-ponto, organizadas de tal forma que diminua o tráfego na rede. Para isso, cada usuário informa manualmente ao sistema para onde devem ser encaminhadas as mensagens recebidas, de forma que uma mensagem enviada por qualquer usuário chegue a todos os outros participantes da conferência. Assim, nesta versão do sistema, a escolha da rota é de responsabilidade do usuário (não é um processo automático) Módulo Transferência de Arquivos (MFTP) O serviço de MFTP (multicasting FTP) é uma característica adicional do SCM que possibilita a troca de arquivos de um para vários usuários utilizando-se da estrutura de transmissão multicasting provida pelo sistema. Este serviço é particularmente interessante porque integra no sistema, de uma forma simples, uma funcionalidade muito requerida em ambiente de trabalho em rede, isto é, a transmissão de um único arquivo para vários usuários Módulo de Trabalho Cooperativo O módulo de trabalho cooperativo fornece ao usuário o acesso a uma área compartilhada de trabalho. Nesta área, documentos podem ser manipulados pelos participantes da conferência de forma conjunta. As funções disponíveis neste módulo são: edição conjunta de textos e edição conjunta de figuras geométricas (desenhos). A partir dessas duas funcionalidades básicas, algumas possibilidades simples de trabalho cooperativo já se tornam possíveis. No entanto, deve ser observado que não é finalidade desta primeira versão do sistema implementar todos os requisitos necessários para um suporte efetivo ao trabalho cooperativo, mas sim fornecer uma base (de programação) sobre a qual outras funcionalidades podem ser agregadas. Devido à importância da implementação deste módulo para o uso do SCM em larga escala, está previsto na sequência deste trabalho estudos mais aprofundados dos requisitos de trabalho cooperativo e a implementação de um conjunto mínimo de funcionalidades que atendam às necessidades dos usuários.

7 3.1.8 Módulo de Votação Através de um esquema básico de contabilização e proteção de votos, este módulo provê um mecanismo para a implementação de votações durante a realização de uma conferência, permitindo a tomada de decisões sobre um tema específico. É uma funcionalidade proposta pelo ITU-T encontrada em poucos sistemas (por exemplo, no TVS). Embora a implementação deste serviço requeira ainda alguns controles adicionais para a sua utilização em reuniões reais, o esquema provido pelo SCM compõe a base de qualquer mecanismo de votação/contabilização mais complexo. No SCM, o processo de votação é aberto a todos os participantes. Isso significa que qualquer usuário pode propor a criação e participar de uma votação. Além disso, o voto não é secreto, ou seja, cada voto dado por um participante é visto por todos os outros. A contabilização dos votos também é vista a todo momento pelos usuários. O voto é obrigatório, isto é, todos os participantes são obrigados a votar, não sendo permitida a criação de nenhuma outra votação enquanto a que estiver em curso não se encerrar. O voto também não possui peso. Observa-se que apenas uma única votação pode estar em curso a cada vez Módulo de Segurança Este serviço está implementado de forma ainda básica no SCM. Aspectos de segurança estão restritos ao estabelecimento e verificação de senhas de acesso à conferência, não existindo mecanismos de criptografia, por exemplo. Para conferências públicas, geralmente não existe nenhum mecanismo especial de segurança. Já para reuniões privativas, onde certos dados devem ter acesso restrito, a introdução deste recurso é fundamental. O estabelecimento de mecanismos de segurança é uma funcionalidade opcional prevista no SCM, sendo configurada na etapa de pré-conferência. 4. UTILIZANDO O SCM Iniciando uma Sessão. Ao se iniciar uma sessão no SCM o sistema apresenta na sua tela inicial o endereço IP da máquina local e o seu estado correspondente. Neste momento, o estado da máquina é disconnected, indicando que o usuário não está conectado a nenhuma conferência. Nesta situação, o usuário tem duas possibilidades: ou ele cria uma conferência ou se conecta a uma já existente. Criando uma Conferência. Caso o usuário crie uma conferência, o sistema solicita o assunto e a senha da conferência (opcional) e, ainda, se a mesma é pública ou privada (Figura 1). Assim que o usuário cria uma conferência, o seu nome, o seu e o endereço IP da sua máquina são adicionados à lista de membros da conferência, mantida pelo módulo de controle do SCM. Adicionalmente, caso a conferência seja pública, o assunto da conferência e a identificação do usuário que a criou (doravante denominado de chairman) são enviados ao Servidor de Conferências (SC) para catalogação. O endereço do SC é definido previamente, assim como o nome do usuário e o seu endereço eletrônico, através da opção de menu Personal Informations. Como visto, o Figura 1 Criando uma conferência SC encarrega-se de manter todas as

8 conferências públicas, e seus participantes, disponíveis para acesso via WWW e para consulta pelo próprio SCM, quando o usuário quiser saber quais são as conferências públicas disponíveis. Com a conferência criada, o estado do sistema é alterado para listening, indicando que a máquina está aguardando outros participantes se juntarem à conferência. No momento em que o usuário cria uma conferência, o sistema lhe atribui alguns privilégios. Assim, são direitos do chairman: cancelar uma conferência de forma unilateral, caso em que todos os usuários são desconectados, cancelar uma votação ou mesmo interromper uma transferência de arquivo em curso. Conectando-se a uma Conferência. Caso o usuário queira se conectar a uma conferência já existente, o sistema lhe solicita o endereço IP da máquina que abriga a conferência. Para saber quais são as conferências disponíveis basta solicitar ao sistema. Isto fará com que o sistema se conecte ao Servidor de Conferências (SC) e obtenha os nomes (assuntos) e endereços IP de todas as conferências públicas disponíveis. A partir daí o usuário seleciona uma delas ou então informa o endereço de uma conferência privada, previamente conhecida, à qual deseja se conectar. Após a conexão a uma conferência, é sempre possível ver os participantes da Figura 2 Lista de participantes da conferência mesma (Figura 2). O Servidor de Conferências. O SCM possui um sub-sistema denominado Servidor de Conferências (SC), cuja responsabilidade é manter todas as conferências públicas visíveis para os usuários. O funcionamento do SC é bastante simples: quando uma conferência pública é criada, uma mensagem informando o nome da conferência e a identificação do seu chairman são enviadas para o SC, que a inclui na lista de conferências ativas. Além de manter a lista de conferências, o SC cria uma homepage com o nome de todas as conferências ativas no momento sob o SCM (Figura 3). Adicionalmente, o SC mantém uma homepage com os nomes dos participantes das mesmas. No momento da criação da conferência, só o chairman da conferência é adicionado à lista, mas à medida Fig. 3 Conferências públicas disponíveis via Web que as pessoas vão entrando ou saindo das conferências, as mensagem vão sendo enviadas do SCM para o SC para que ele possa atualizar a sua tabela de participantes por conferência. Este recurso de criação de homepages é bastante interessante, já que possibilita que qualquer usuário possa saber quais são as conferências que estão acontecendo num

9 determinado momento no SCM. Observe que o usuário pode definir a qual servidor de conferência (SC) ele deseja se conectar. Como o programa SC pode estar rodando simultaneamente em várias máquinas, isso permitirá a localização de conferências públicas sob o SCM em diversos sites. Estabelecendo a Configuração Multicasting. Um dos pontos interessantes do SCM é a possibilidade de se fazer conferências sem a necessidade de nenhum software ou equipamento adicional de roteamento multicasting. Como visto, a maioria dos sistemas atuais usa o esquema de servidor centralizado. Este tipo de abordagem é muito utilizada pela simplicidade de implementação; entretanto, existe um mal aproveitamento dos recursos de comunicação existentes, pois um mesmo dado é transmitido várias vezes, aumentando muito o congestionamento nos backbones das redes. Um outro problema encontrado neste tipo de abordagem é que, estando o servidor localizado muito distante dos clientes, por exemplo, em um outro estado Fig. 4 Configuração multicasting em piuma.lprm.inf.ufes.br ou país, uma mensagem para um colega na mesa ao lado tem que ir primeiro até ao servidor para depois chegar ao destino final. A Figura 4 ilustra a configuração multicasting da máquina piuma.lprm.inf.ufes.br ( ) numa conferência realizada no DI/UFES. Usando o Serviço de Chat. Para usar o serviço de chat público basta ao usuário digitar o texto desejado na área reservada para public chat. Neste momento, o sistema se encarrega de enviar a mensagem digitada para todas as máquinas participantes da conferência definidas na lista Send To da configuração multicasting do SCM (ver Figura 4). Quando o texto chega a uma máquina destino ele é apresentado na área apropriada da tela e também enviado para as todas as máquinas definidas na lista Forward to (caso exista alguma) da configuração multicasting. Este processo se repete até que todas as máquinas participantes recebam a informação. Observe que todos os participantes da conferência podem estar enviando mensagens simultaneamente, não existindo problema algum quanto a isso. Obviamente, pode ocorrer que mensagens cheguem fora de ordem, mas isso, de forma alguma, invalida o conteúdo da mesma. Este é o padrão existente no mundo dos chats. O serviço de chat privado, por sua vez, é uma funcionalidade bastante útil introduzida pelo SCM, pois permite que um usuário, dentro de uma conferência global com n participantes, mantenha uma conversa particular com um deles. Por exemplo, numa aplicação de engenharia de produto, visando dirimir dúvidas acerca de algum ponto específico de um projeto. Ao contrário do chat público, o chat privado usa comunicação ponto-a-ponto não existindo, neste caso, a necessidade de se usar a estrutura de configuração multicasting. A Figura 5 apresenta um exemplo da tela de chat público do SCM.

10 F ig u ra 5 C h a t p ú b lic o Votação. No SCM, qualquer usuário pode propor uma votação. Quando uma votação é criada, uma mensagem informando o assunto da conferência é enviada para o módulo de controle do servidor (máquina que criou a Fig. 6 Resultado de uma votação conferência). Quando esta mensagem chega ao servidor, é verificado se já existe uma votação em curso. Caso exista, é reportada uma mensagem de erro; caso contrário, é criada uma votação com o tema escolhido pelo usuário. Os outros participantes recebem uma mensagem comunicando a existência da votação. Neste momento, o menu de criação de votação na tela do usuário torna-se inativo, indicando que nenhum outro participante da conferência pode criar uma votação enquanto esta não se encerrar. A Figura 6 ilustra o resultado de uma votação no SCM. Transferência Multicasting de Arquivos. Como visto, este serviço é implementado aproveitando a facilidade de comunicação multicasting existente no SCM, possibilitando aos participantes realizarem transferências multiponto de arquivos. Para isso, o usuário pode simplesmente digitar o nome do arquivo ou selecionar o arquivo desejado usando a opção de browse associada. Observe que, além de informar os arquivos transmitidos, o sistema também mantém uma lista com os arquivos recebidos dos outros participantes (Figura 7). Fig. 7 Envio e recepção de arquivos

11 Processamento de Vídeo. Quando o SCM é iniciado ele verifica se existe alguma câmera instalada no sistema e se conecta ao driver correspondente através de uma função de API da VFW.H (Video for Windows). Entretanto, a imagem só é capturada quando o usuário ativa a janela de vídeo. O sistema operacional Windows permite que várias câmeras estejam instaladas ao mesmo tempo e que se possa capturar a imagem de mais de uma delas simultaneamente. Nesta versão do SCM, utilizamos a primeira câmera configurada no sistema operacional e passamos a usá-la como default. A partir deste momento, pode-se definir alguns parâmetros de captura de imagens, como o Figura 8 Vídeo remoto tamanho, número de cores, opções de zoom e parâmetros de brilho e contraste. A câmera utilizada nos testes foi a Connectix QuickCam. Para que um usuário possa ser visto pelos demais participantes da conferência (Figura 8) é necessário que ele se cadastre em uma lista. Ao se cadastrar, o sistema envia uma mensagem de controle para o servidor da conferência, caso não seja ele próprio. No servidor da conferência, o usuário é adicionado à lista de participantes e esta lista é enviada para todos os outros, inclusive para o usuário que solicitou a inclusão. O token de transmissão do vídeo fica com o primeiro da lista. Finalmente, o sistema envia a informação de vídeo para os outros participantes da conferência através da estrutura de multicasting previamente configurada. Trabalho Cooperativo. Tal como no controle de vídeo, o módulo de trabalho cooperativo utiliza um esquema baseado em inscrição em lista para o acesso à área de trabalho compartilhada (Figura 9). Quando um participante detém o token de trabalho cooperativo os botões que dão acesso às tarefas de desenhar e escrever se tornam ativos. Os participantes da conferência podem ainda gravar o documento a qualquer Figura 9 Área de trabalho cooperativo momento, mesmo que não sejam eles que estejam editando. Na versão corrente do sistema, o arquivo é salvo no formato bitmap. 5. CONCLUSÕES Este trabalho apresentou uma descrição geral do SCM, um sistema de conferência multimídia desenvolvido para ambiente Windows 95/NT. O SCM foi concebido com um conjunto de facilidades integradas com o objetivo de ser empregado em diversos cenários de reuniões virtuais. O sistema apresenta um esquema particular de endereçamento multicasting que minimiza o tráfego na rede, o que é adequado para as mídias contínuas.

12 O ambiente de desenvolvimento empregado foi o C++ Builder, da Borland. Para a manipulação de vídeo, foi usada a interface de programação de vídeo VFW.H (Video for Windows) da Microsoft. O protocolo de transporte usado foi o TCP. A opção de implementação do sistema para ambiente Windows constitui um grande apelo do SCM, devido à grande difusão dessa plataforma e a sua facilidade de uso. De fato, qualquer usuário com um equipamento com poucos recursos pode estabelecer conferências usando o SCM. Por outro lado, essa opção também acarretou uma série de dificuldades no início do projeto, já que o acesso a informações era menos difundido do que para ambiente Unix. Algumas melhorias podem ser vislumbradas de imediato para tornar o SCM uma ferramenta mais eficaz, em particular a introdução das funcionalidades previstas e não contempladas nesta versão do sistema. Entre elas podemos citar o aperfeiçoamento do módulo de trabalho cooperativo, a implementação do módulo de áudio e a sua compressão e sincronização com a mídia vídeo, a automatização da escolha das rotas multicasting e o envio as mídias contínuas através um protocolo de transporte para tráfego multimídia específico, atualmente em desenvolvimento no Laboratório de Pesquisas em Redes e Multimídia da UFES. Um outro trabalho vislumbrado para o futuro é a migração do sistema para redes ATM. BIBLIOGRAFIA [1] Tawbi M. W., La qualité de service dans systèms de communicattion multimédia: un cadre d etude et spécification d un protocole de négociation entre applications. Paris, France, 1993, Thèse de Doctorad, L Université Pierre et Marie Curie. [2] Parker, T., Cornell Welcome Page [3] Frederick, R., Experiences with real-time software video compression, Xerox PARC, July [4] Turletti T., The INRIA Videoconferencing System. ConneXions, v. VIII, n. 10, October [5] McCane, S.; Jacobson, V., vic: A Flexible Framework for Packet Video - ACM Multimedia 95, San Francisco, CA, November [6] Dermler G.; Froitzheim K., JVTOS - A Reference Model for a New Multimedia Service, Proceedings of The 4th IFIP Conference on High Performance Networking (HPN 92), pp. D3/1 - D3/15. Edited by A. Danthine, O. Spanil. Liège, [7] Oliveira, J.C. de; Soares, L.F.G., TVS - Um Sistema de Videoconferência com Documentos Compartilhados - Uma Visão Geral, WoSH 96 - II Workshop em Sistemas Hipermídia/XIV Simpósio Brasileiro de Redes de Computadores, Maio, 1996 [8] International Telecommunication Union, Telecommunication Standardization Sector - "Telematic, Data Transmission, ISDN Broadband, Universal, Personal Communications and Teleconference Services: Operation and Quality of Service - Videoconference Service - General" - ITU-T Recommendation F.730, August [9] Data protocols for multimedia conferencing, ITU-T Recommendation T.120, July 1996 [10] Little, T.D.C., Ghafoor A. Multimedia synchronization protocolos for broadband integrated services. IEEE JSAC, v.9, n.9, p , December [11] Deering, S. MBone: The Multicast Backbone, CERFnet Seminar, March 3, [12] Multipoint communication service for audiographics and audiovisual conferencing service, ITU-T Recommendation T.122, March [13] Narrow-band visual telephone system and terminal equipment, ITU-T Recommendation H.320, March 1996.

H.323: Visual telephone systems and equipment for local area networks which provide a nonguaranteed

H.323: Visual telephone systems and equipment for local area networks which provide a nonguaranteed UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ H.323: Visual telephone systems and equipment for local area networks which provide a nonguaranteed quality of service Resumo para a disciplina de Processamento Digital de

Leia mais

INTERNET -- NAVEGAÇÃO

INTERNET -- NAVEGAÇÃO Página 1 Acessando endereços simultaneamente Parte 2 Um recurso interessante e extremamente útil é o de abrir várias janelas ao mesmo tempo. Em cada janela você poderá acessar um endereço diferente na

Leia mais

Manual Easy Chat Data de atualização: 20/12/2010 16:09 Versão atualizada do manual disponível na área de download do software.

Manual Easy Chat Data de atualização: 20/12/2010 16:09 Versão atualizada do manual disponível na área de download do software. 1 - Sumário 1 - Sumário... 2 2 O Easy Chat... 3 3 Conceitos... 3 3.1 Perfil... 3 3.2 Categoria... 4 3.3 Ícone Específico... 4 3.4 Janela Específica... 4 3.5 Ícone Geral... 4 3.6 Janela Geral... 4 4 Instalação...

Leia mais

Implementar servidores de Web/FTP e DFS. Disciplina: Serviços de Redes Microsoft Professor: Fernando Santorsula fernando.santorsula@esamc.

Implementar servidores de Web/FTP e DFS. Disciplina: Serviços de Redes Microsoft Professor: Fernando Santorsula fernando.santorsula@esamc. Implementar servidores de Web/FTP e DFS Disciplina: Serviços de Redes Microsoft Professor: Fernando Santorsula fernando.santorsula@esamc.br Conteúdo programático Introdução ao protocolo HTTP Serviço web

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação I

Administração de Sistemas de Informação I Administração de Sistemas de Informação I Prof. Farinha Aula 03 Telecomunicações Sistemas de Telecomunicações 1 Sistemas de Telecomunicações Consiste de Hardware e Software transmitindo informação (texto,

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula Complementar - MODELO DE REFERÊNCIA OSI Este modelo se baseia em uma proposta desenvolvida pela ISO (International Standards Organization) como um primeiro passo em direção a padronização dos protocolos

Leia mais

Capítulo 10 Emulando a Conversação e Trabalho Face-a-Face

Capítulo 10 Emulando a Conversação e Trabalho Face-a-Face Capítulo 10 Emulando a Conversação e Trabalho Face-a-Face Prof. Roberto Willrich 14:48 Emulando a Comunicação e Trabalho F-a-F Objetivo do Capítulo Apresentar algumas aplicações multimídia que permitem

Leia mais

Manual do Radioserver

Manual do Radioserver Manual do Radioserver Versão 1.0.0 Alex Farias (Supervisão) Luiz Galano (Comercial) Vinícius Cosomano (Suporte) Tel: (011) 9393-4536 (011) 2729-0120 (011) 2729-0120 Email: alex@smartptt.com.br suporte@smartptt.com.br

Leia mais

QOS SOBRE REDES DE PACOTES UTILIZANDO H.323

QOS SOBRE REDES DE PACOTES UTILIZANDO H.323 QOS SOBRE REDES DE PACOTES UTILIZANDO H.323 Aluno: Ricardo dos Santos Alves de Souza Professor: Otto Carlos Muniz Bandeira Duarte Abril de 2004 DEL 1 ÍNDICE Resumo... 3 1 Introdução... 4 1.1 Redes de Pacotes...

Leia mais

Aplicações Multimídia Distribuídas. Aplicações Multimídia Distribuídas. Introdução. Introdução. Videoconferência. deborams@telecom.uff.br H.

Aplicações Multimídia Distribuídas. Aplicações Multimídia Distribuídas. Introdução. Introdução. Videoconferência. deborams@telecom.uff.br H. Departamento de Engenharia de Telecomunicações - UFF Aplicações Multimídia Distribuídas Aplicações Multimídia Distribuídas Videoconferência Padrão H.323 - ITU Padrão - IETF Profa. Débora Christina Muchaluat

Leia mais

Conecta S_Line. 2.2 Downloads Para instalar o Conecta S_Line, basta acessar www.sline.com.br/downloads.aspx

Conecta S_Line. 2.2 Downloads Para instalar o Conecta S_Line, basta acessar www.sline.com.br/downloads.aspx 1 Introdução O Conecta S_Line permite que o laboratório envie à Central S_Line os resultados de exames gerados pelo Sistema de Informação Laboratorial (LIS) em forma de arquivos digitais. Todo o processo

Leia mais

Protocolos Sinalização

Protocolos Sinalização Tecnologia em Redes de Computadores Fundamentos de VoIP Professor: André Sobral e-mail: alsobral@gmail.com São protocolos utilizados para estabelecer chamadas e conferências através de redes via IP; Os

Leia mais

Capítulo 8 - Aplicações em Redes

Capítulo 8 - Aplicações em Redes Capítulo 8 - Aplicações em Redes Prof. Othon Marcelo Nunes Batista Mestre em Informática 1 de 31 Roteiro Sistemas Operacionais em Rede Modelo Cliente-Servidor Modelo P2P (Peer-To-Peer) Aplicações e Protocolos

Leia mais

Manual do Usuário. Copyright 2006 BroadNeeds 20061010-1600 Página 1 de 16

Manual do Usuário. Copyright 2006 BroadNeeds 20061010-1600 Página 1 de 16 Manual do Usuário Copyright 2006 BroadNeeds 20061010-1600 Página 1 de 16 Índice INTRODUÇÃO E UTILIZAÇÕES GERAIS Funcionalidades...03 Introdução...04 Requisitos Necessários...04 Instalando o xconference...05-07

Leia mais

3 Qualidade de serviço na Internet

3 Qualidade de serviço na Internet 3 Qualidade de serviço na Internet 25 3 Qualidade de serviço na Internet Além do aumento do tráfego gerado nos ambientes corporativos e na Internet, está havendo uma mudança nas características das aplicações

Leia mais

Guia do Usuário do Cisco Unified CCX Web Chat Agent e Supervisor Desktop versão 9.0(1)

Guia do Usuário do Cisco Unified CCX Web Chat Agent e Supervisor Desktop versão 9.0(1) Guia do Usuário do Cisco Unified CCX Web Chat Agent e Supervisor Desktop versão 9.0(1) Cisco Unified Contact Center Express Maio de 2012 Matriz Américas Cisco Systems, Inc. 170 West Tasman Drive San Jose,

Leia mais

EXPERIMENTO EM REDE LOCAL

EXPERIMENTO EM REDE LOCAL EXPERIMENTOS A realização de experimentos é essencial a qualquer plano de implementação de uma tecnologia. Para a implementação da tecnologia IP multicast foram realizados vários experimentos que abordaram

Leia mais

Estado de Santa Catarina Prefeitura de São Cristóvão do Sul

Estado de Santa Catarina Prefeitura de São Cristóvão do Sul 1 ANEXO VII QUADRO DE QUANTITATIVOS E ESPECIFICAÇÕES DOS ITENS Item Produto Quantidade 1 Aparelhos IP, com 2 canais Sip, visor e teclas avançadas, 2 70 portas LAN 10/100 2 Servidor com HD 500G 4 GB memória

Leia mais

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP HTTP (Hypertext Transfer Protocol ) Protocolo usado na Internet para transferir as páginas da WWW (WEB). HTTPS (HyperText Transfer

Leia mais

1 Sumário... 2. 2 O Easy Chat... 3. 3 Conceitos... 3. 3.1 Perfil... 3. 3.2 Categoria... 3. 4 Instalação... 5. 5 O Aplicativo... 7 5.1 HTML...

1 Sumário... 2. 2 O Easy Chat... 3. 3 Conceitos... 3. 3.1 Perfil... 3. 3.2 Categoria... 3. 4 Instalação... 5. 5 O Aplicativo... 7 5.1 HTML... 1 Sumário 1 Sumário... 2 2 O Easy Chat... 3 3 Conceitos... 3 3.1 Perfil... 3 3.2 Categoria... 3 3.3 Ícone Específico... 4 3.4 Janela Específica... 4 3.5 Ícone Geral... 4 3.6 Janela Geral... 4 4 Instalação...

Leia mais

PARANÁ GOVERNO DO ESTADO

PARANÁ GOVERNO DO ESTADO PROTOCOLOS DA INTERNET FAMÍLIA TCP/IP INTRODUÇÃO É muito comum confundir o TCP/IP como um único protocolo, uma vez que, TCP e IP são dois protocolos distintos, ao mesmo tempo que, também os mais importantes

Leia mais

efagundes com Como funciona a Internet

efagundes com Como funciona a Internet Como funciona a Internet Eduardo Mayer Fagundes 1 Introdução à Internet A Internet é uma rede de computadores mundial que adota um padrão aberto de comunicação, com acesso ilimitado de pessoas, empresas

Leia mais

Manual do Usuário Microsoft Apps for Symbian

Manual do Usuário Microsoft Apps for Symbian Manual do Usuário Microsoft Apps for Symbian Edição 1.0 2 Sobre os aplicativos da Microsoft Sobre os aplicativos da Microsoft Os aplicativos Microsoft oferecem aplicativos corporativos Microsoft para o

Leia mais

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP HTTP (Hypertext Transfer Protocol ) Protocolo usado na Internet para transferir as páginas da WWW (WEB). HTTPS (HyperText Transfer

Leia mais

Sistemas de Informação Processamento de Dados

Sistemas de Informação Processamento de Dados Sistemas de Informação Processamento de Dados Ferramentas e serviços de acesso remoto VNC Virtual Network Computing (ou somente VNC) é um protocolo desenhado para possibilitar interfaces gráficas remotas.

Leia mais

Redes de Computadores I

Redes de Computadores I Redes de Computadores I Introdução a Redes de Computadores Prof. Esbel Tomás Valero Orellana Usos de Redes de Computadores Uma rede de computadores consiste de 2 ou mais computadores e/ou dispositivos

Leia mais

Multimídia para Web e Intranet Prof. M. Sc. Carlos de Salles

Multimídia para Web e Intranet Prof. M. Sc. Carlos de Salles Multimídia para Web e Intranet Prof. M. Sc. Carlos de Salles Curso de Especialização em Redes de Computadores Departamento de Informática Universidade Federal do Maranhão www.deinf.ufma.br/~csalles/disciplinas.htm

Leia mais

MANUAL DE CONFIGURAÇÃO

MANUAL DE CONFIGURAÇÃO MANUAL DE CONFIGURAÇÃO CONTMATIC PHOENIX SUMÁRIO CAPÍTULO I APRESENTAÇÃO DO ACESSO REMOTO... 3 1.1 O que é o ACESSO REMOTO... 3 1.2 Como utilizar o ACESSO REMOTO... 3 1.3 Quais as vantagens em usar o PHOENIX

Leia mais

1 - O que é o Conectividade Social? 03. 2 - Qual a configuração mínima para instalar o programa?... 04

1 - O que é o Conectividade Social? 03. 2 - Qual a configuração mínima para instalar o programa?... 04 Conteúdo 1 - O que é o Conectividade Social? 03 2 - Qual a configuração mínima para instalar o programa?... 04 3 - O que é necessário para instalar o Conectividade Social?.... 05 4 - Como faço para executar

Leia mais

Introdução. O que é Serviços de Terminal

Introdução. O que é Serviços de Terminal Introdução Microsoft Terminal Services e Citrix MetaFrame tornaram-se a indústria padrões para fornecer acesso de cliente thin para rede de área local (LAN), com base aplicações. Com o lançamento do MAS

Leia mais

Guia do usuário para o serviço IM e Presence no Cisco Unified Communications Manager, Versão 9.0(1)

Guia do usuário para o serviço IM e Presence no Cisco Unified Communications Manager, Versão 9.0(1) Guia do usuário para o serviço IM e Presence no Cisco Unified Communications Manager, Versão 9.0(1) Primeira publicação: May 25, 2012 Americas Headquarters Cisco Systems, Inc. 170 West Tasman Drive San

Leia mais

Prof. Marcelo Cunha Parte 5 www.marcelomachado.com

Prof. Marcelo Cunha Parte 5 www.marcelomachado.com Prof. Marcelo Cunha Parte 5 www.marcelomachado.com Criado em 1974 Protocolo mais utilizado em redes locais Protocolo utilizado na Internet Possui arquitetura aberta Qualquer fabricante pode adotar a sua

Leia mais

Andarta - Guia de Instalação. Guia de Instalação

Andarta - Guia de Instalação. Guia de Instalação Guia de Instalação 29 de setembro de 2010 1 Sumário Introdução... 3 Os Módulos do Andarta... 4 Instalação por módulo... 6 Módulo Andarta Server... 6 Módulo Reporter... 8 Módulo Agent... 9 Instalação individual...

Leia mais

LEI DE ACESSO A INFORMAÇÃO DIREITO DO CIDADÃO

LEI DE ACESSO A INFORMAÇÃO DIREITO DO CIDADÃO DESCRIÇÃO DO SIGAI O SIGAI (Sistema Integrado de Gestão do Acesso à Informação) é uma solução de software que foi desenvolvida para automatizar os processos administrativos e operacionais visando a atender

Leia mais

Parte 5 - Criação de cursos à distância no Modelo Fechado

Parte 5 - Criação de cursos à distância no Modelo Fechado Parte 5 - Criação de cursos à distância no Modelo Fechado Neste capítulo iremos estudar como montar um curso à distância que, embora acessível via a Internet, tenha acesso controlado. Para isto, teremos

Leia mais

Transmissão de Voz em Redes de Dados (VoIP)

Transmissão de Voz em Redes de Dados (VoIP) Transmissão de Voz em Redes de Dados (VoIP) Telefonia Tradicional PBX Telefonia Pública PBX Rede telefônica tradicional usa canais TDM (Time Division Multiplexing) para transporte da voz Uma conexão de

Leia mais

ESCLARECIMENTO I EDITAL DE PREGÃO PRESENCIAL Nº. 157/2015

ESCLARECIMENTO I EDITAL DE PREGÃO PRESENCIAL Nº. 157/2015 ESCLARECIMENTO I EDITAL DE PREGÃO PRESENCIAL Nº. 157/2015 O SESI/SENAI-PR, através de sua Comissão de Licitação, torna público o ESCLARECIMENTO referente ao edital de licitação acima relacionado, conforme

Leia mais

XDR. Solução para Big Data.

XDR. Solução para Big Data. XDR Solução para Big Data. ObJetivo Principal O volume de informações com os quais as empresas de telecomunicações/internet têm que lidar é muito grande, e está em constante crescimento devido à franca

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula 1- MODELO DE CAMADAS 1. INTRODUÇÃO A compreensão da arquitetura de redes de computadores envolve a compreensão do modelo de camadas. O desenvolvimento de uma arquitetura de redes é uma tarefa complexa,

Leia mais

Alternativas de aplicação do serviço GPRS da rede celular GSM em telemetria pela Internet

Alternativas de aplicação do serviço GPRS da rede celular GSM em telemetria pela Internet Alternativas de aplicação do serviço GPRS da rede celular GSM em telemetria pela Internet Marcos R. Dillenburg Gerente de P&D da Novus Produtos Eletrônicos Ltda. (dillen@novus.com.br) As aplicações de

Leia mais

Lista de Erros Discador Dial-Up

Lista de Erros Discador Dial-Up Lista de Erros Discador Dial-Up Erro Código Descrição Ok 1 Usuário autenticado com sucesso e conexão encerrada pelo usuário OK 11 Usuário autenticado com sucesso e discador terminado pelo usuário OK 21

Leia mais

Prof. Manuel A Rendón M

Prof. Manuel A Rendón M Prof. Manuel A Rendón M Tanenbaum Redes de Computadores Cap. 1 e 2 5ª. Edição Pearson Padronização de sistemas abertos à comunicação Modelo de Referência para Interconexão de Sistemas Abertos RM OSI Uma

Leia mais

Vídeo Sob Demanda. Elaine Calvet Mestrado Redes Telecom, UFF Disciplina: Sistemas Multimídia Prof.ª Debora

Vídeo Sob Demanda. Elaine Calvet Mestrado Redes Telecom, UFF Disciplina: Sistemas Multimídia Prof.ª Debora Vídeo Sob Demanda Elaine Calvet Mestrado Redes Telecom, UFF Disciplina: Sistemas Multimídia Prof.ª Debora Agenda Introdução Definição do Serviço VoD Desafios do Serviço Tecnologia Necessária Estudo de

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS LIVRES SERVICOS DE REDE LOCAL. Professor Carlos Muniz

SISTEMAS OPERACIONAIS LIVRES SERVICOS DE REDE LOCAL. Professor Carlos Muniz SISTEMAS OPERACIONAIS LIVRES SERVICOS DE REDE LOCAL Na internet, cada computador conectado à rede tem um endereço IP. Todos os endereços IPv4 possuem 32 bits. Os endereços IP são atribuídos à interface

Leia mais

Contribuição acadêmica

Contribuição acadêmica Contribuição acadêmica Origem deste trabalho em cadeiras do curso de mestrado na COPPE/UFRJ; Continuidade da contribuição acadêmica através do laboratório RAVEL: desenvolvimento de sw para apoio; intercâmbio

Leia mais

Gravador Digital SUPER MONITOR Descrição Geral

Gravador Digital SUPER MONITOR Descrição Geral Gravador Digital SUPER MONITOR Descrição Geral Documento confidencial Reprodução proibida 1 Introdução Em um mundo onde as informações fluem cada vez mais rápido e a comunicação se torna cada vez mais

Leia mais

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código)

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Roteiro Processos Threads Virtualização Migração de Código O que é um processo?! Processos são programas em execução. Processo Processo Processo tem

Leia mais

Sony lança PCS-HG90, o novo modelo de videoconferência no mercado

Sony lança PCS-HG90, o novo modelo de videoconferência no mercado Sony lança PCS-HG90, o novo modelo de videoconferência no mercado Objectivo A Sony possui um leque muito variado de equipamentos de videoconferência que abrange praticamente todas as necessidades do Mercado.

Leia mais

Introdução à Informática

Introdução à Informática Introdução à Informática Aula 23 http://www.ic.uff.br/~bianca/introinfo/ Aula 23-07/12/2007 1 Histórico da Internet Início dos anos 60 Um professor do MIT (J.C.R. Licklider) propõe a idéia de uma Rede

Leia mais

INTRODUÇÃO 2 ACESSO AO SIGTECWEB 3 TEMPO DE CONEXÃO 5 NAVEGAÇÃO 7 BARRA DE AÇÕES 7 COMPORTAMENTO DOS BOTÕES 7 FILTROS PARA PESQUISA 8

INTRODUÇÃO 2 ACESSO AO SIGTECWEB 3 TEMPO DE CONEXÃO 5 NAVEGAÇÃO 7 BARRA DE AÇÕES 7 COMPORTAMENTO DOS BOTÕES 7 FILTROS PARA PESQUISA 8 ÍNDICE INTRODUÇÃO 2 ACESSO AO SIGTECWEB 3 TEMPO DE CONEXÃO 5 NAVEGAÇÃO 7 BARRA DE AÇÕES 7 COMPORTAMENTO DOS BOTÕES 7 FILTROS PARA PESQUISA 8 ACESSO ÀS FERRAMENTAS 9 FUNÇÕES 12 MENSAGENS 14 CAMPOS OBRIGATÓRIOS

Leia mais

Produto: CL Titânio Assunto: Quais as funções que podem ser executadas no software client?

Produto: CL Titânio Assunto: Quais as funções que podem ser executadas no software client? Produto: CL Titânio Assunto: Quais as funções que podem ser executadas no software client? Assim que abrir o DVR Client, no canto superior direito há um grupo de opções denominado Login, preencha de acordo

Leia mais

Wireshark. Captura de Protocolos da camada de aplicação. Maicon de Vargas Pereira

Wireshark. Captura de Protocolos da camada de aplicação. Maicon de Vargas Pereira Wireshark Captura de Protocolos da camada de aplicação Maicon de Vargas Pereira Camada de Aplicação Introdução HTTP (Hypertext Transfer Protocol) 2 Introdução Camada de Aplicação Suporta os protocolos

Leia mais

Notas de Aplicação. Utilizando o servidor de comunicação SCP Server. HI Tecnologia. Documento de acesso público

Notas de Aplicação. Utilizando o servidor de comunicação SCP Server. HI Tecnologia. Documento de acesso público Notas de Aplicação Utilizando o servidor de comunicação SCP Server HI Tecnologia Documento de acesso público ENA.00024 Versão 1.02 dezembro-2006 HI Tecnologia Utilizando o servidor de comunicação SCP Server

Leia mais

Manual do Usuário Microsoft Apps

Manual do Usuário Microsoft Apps Manual do Usuário Microsoft Apps Edição 1 2 Sobre os aplicativos da Microsoft Sobre os aplicativos da Microsoft Os aplicativos da Microsoft oferecem aplicativos para negócios para o seu telefone Nokia

Leia mais

Arquitetura de Rede de Computadores

Arquitetura de Rede de Computadores TCP/IP Roteamento Arquitetura de Rede de Prof. Pedro Neto Aracaju Sergipe - 2011 Ementa da Disciplina 4. Roteamento i. Máscara de Rede ii. Sub-Redes iii. Números Binários e Máscara de Sub-Rede iv. O Roteador

Leia mais

Companhia de Tecnologia da Informação do Estado de Minas Gerais - Prodemge. Manual do Usuário. Versão 1.1. ExpressoMG

Companhia de Tecnologia da Informação do Estado de Minas Gerais - Prodemge. Manual do Usuário. Versão 1.1. ExpressoMG Companhia de Tecnologia da Informação do Estado de Minas Gerais - Prodemge Manual do Usuário Versão 1.1 ExpressoMG 14/10/2015 Sumário 1. Apresentação... 4 1.1 Objetivos do Manual... 4 1.2 Público Alvo...

Leia mais

MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY SLOAN SCHOOL OF MANAGEMENT. Fatores Tecnológicos, Estratégicos e Organizacionais

MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY SLOAN SCHOOL OF MANAGEMENT. Fatores Tecnológicos, Estratégicos e Organizacionais MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY SLOAN SCHOOL OF MANAGEMENT 15.565 Integração de Sistemas de Informação: Fatores Tecnológicos, Estratégicos e Organizacionais 15.578 Sistemas de Informação Global:

Leia mais

Introdução ao protocolo SIP*

Introdução ao protocolo SIP* Introdução ao protocolo SIP* 1. SIP (Session Initiation Protocol) Pode se dizer que SIP trata se de um protocolo de controle referente à camada de aplicações do Modelo de Referência OSI (Open System Interconnection),

Leia mais

Redes de Computadores. Protocolos de comunicação: TCP, UDP

Redes de Computadores. Protocolos de comunicação: TCP, UDP Redes de Computadores Protocolos de comunicação: TCP, UDP Introdução ao TCP/IP Transmission Control Protocol/ Internet Protocol (TCP/IP) é um conjunto de protocolos de comunicação utilizados para a troca

Leia mais

Era da Informação exige troca de informações entre pessoas para aperfeiçoar conhecimentos dos mais variados

Era da Informação exige troca de informações entre pessoas para aperfeiçoar conhecimentos dos mais variados O Uso da Internet e seus Recursos Ana Paula Terra Bacelo anapaula@cglobal.pucrs.br Faculdade de Informática /PUCRS Sumário Introdução Internet: conceitos básicos Serviços da Internet Trabalhos Cooperativos

Leia mais

Tarifação ON-LINE Sistema de Tarifação Telefônica V. 6.0 GUIA DE INSTALAÇÃO COLETOR

Tarifação ON-LINE Sistema de Tarifação Telefônica V. 6.0 GUIA DE INSTALAÇÃO COLETOR Tarifação ON-LINE Sistema de Tarifação Telefônica V. 6.0 GUIA DE INSTALAÇÃO COLETOR Net Manager Informática Ltda Versão 6.0 1998-2007 1) Instalação do Software Coletor Guia de Instalação Executar o programa

Leia mais

Manual STCP Web Admin 27/07/2009, Riversoft Integração e Desenvolvimento

Manual STCP Web Admin 27/07/2009, Riversoft Integração e Desenvolvimento STCP OFTP Web Admin Versão 4.0.0 Riversoft Integração e Desenvolvimento de Software Ltda Av.Dr.Delfim Moreira, 537 Centro Santa Rita do Sapucaí, Minas Gerais CEP 37540 000 Tel/Fax: 35 3471 0282 E-mail:

Leia mais

1 Lista de exercícios 01

1 Lista de exercícios 01 FRANCISCO TESIFOM MUNHOZ 2007 1 Lista de exercícios 01 1) No desenvolvimento e aperfeiçoamento realizado em redes de computadores, quais foram os fatores que conduziram a interconexão de sistemas abertos

Leia mais

FileMaker Pro 14. Utilização de uma Conexão de Área de Trabalho Remota com o FileMaker Pro 14

FileMaker Pro 14. Utilização de uma Conexão de Área de Trabalho Remota com o FileMaker Pro 14 FileMaker Pro 14 Utilização de uma Conexão de Área de Trabalho Remota com o FileMaker Pro 14 2007-2015 FileMaker, Inc. Todos os direitos reservados. FileMaker Inc. 5201 Patrick Henry Drive Santa Clara,

Leia mais

Sistema de Monitoramento Visual das Telas Gráficas das

Sistema de Monitoramento Visual das Telas Gráficas das 324 Sistema de Monitoramento Visual das Telas Gráficas das Estações Linux numa Rede LTSP Herlon Ayres Camargo 1, Joaquim Quinteiro Uchôa 2 1 Departamento de Desenvolvimento Educacional Escola Agrotécnica

Leia mais

REDES ESAF. leitejuniorbr@yahoo.com.br 1 Redes - ESAF

REDES ESAF. leitejuniorbr@yahoo.com.br 1 Redes - ESAF REDES ESAF 01 - (ESAF - Auditor-Fiscal da Previdência Social - AFPS - 2002) Um protocolo é um conjunto de regras e convenções precisamente definidas que possibilitam a comunicação através de uma rede.

Leia mais

Introdução. Disciplina: Suporte Remoto Prof. Etelvira Leite

Introdução. Disciplina: Suporte Remoto Prof. Etelvira Leite Introdução Disciplina: Suporte Remoto Prof. Etelvira Leite Os Benefícios do Trabalho Remoto O mundo assiste hoje à integração e à implementação de novos meios que permitem uma maior rapidez e eficácia

Leia mais

Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP. Modelo Arquitetural

Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP. Modelo Arquitetural Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP Modelo Arquitetural Agenda Motivação Objetivos Histórico Família de protocolos TCP/IP Modelo de Interconexão Arquitetura em camadas Arquitetura TCP/IP Encapsulamento

Leia mais

O Webconference é uma ferramenta para realizar reuniões online.

O Webconference é uma ferramenta para realizar reuniões online. Webconference Wittel O Webconference é uma ferramenta para realizar reuniões online. Com ele você poderá fazer vídeoconferência, compartilhar arquivos, aplicativos e conteúdo do desktop, além de realizar

Leia mais

CÓDIGO DA VAGA: TP08 QUESTÕES DE MÚLTIPLAS ESCOLHAS

CÓDIGO DA VAGA: TP08 QUESTÕES DE MÚLTIPLAS ESCOLHAS QUESTÕES DE MÚLTIPLAS ESCOLHAS 1) Em relação à manutenção corretiva pode- se afirmar que : a) Constitui a forma mais barata de manutenção do ponto de vista total do sistema. b) Aumenta a vida útil dos

Leia mais

INTERNET HOST CONNECTOR

INTERNET HOST CONNECTOR INTERNET HOST CONNECTOR INTERNET HOST CONNECTOR IHC: INTEGRAÇÃO TOTAL COM PRESERVAÇÃO DE INVESTIMENTOS Ao longo das últimas décadas, as organizações investiram milhões de reais em sistemas e aplicativos

Leia mais

Internet Group Management Protocol Versão 1 e 2 e Real Time Protocol (RTP)

Internet Group Management Protocol Versão 1 e 2 e Real Time Protocol (RTP) 12 de janeiro de 1998 volume 2, número 1 Internet Group Management Protocol Versão 1 e 2 e Real Time Protocol (RTP) Reinaldo Penno Filho mailto:reinaldo@co.rnp.br INTRODUÇÃO ENDEREÇOS

Leia mais

Comparativo de soluções para comunicação unificada

Comparativo de soluções para comunicação unificada Comparativo de soluções para comunicação unificada Bruno Mathies Curso de Redes e Segurança de Sistemas Pontifícia Universidade Católica do Paraná Curitiba, Abril de 2010 Resumo Este artigo tem com objetivo

Leia mais

O que são sistemas supervisórios?

O que são sistemas supervisórios? O que são sistemas supervisórios? Ana Paula Gonçalves da Silva, Marcelo Salvador ana-paula@elipse.com.br, marcelo@elipse.com.br RT 025.04 Criado: 10/09/2004 Atualizado: 20/12/2005 Palavras-chave: sistemas

Leia mais

MANUAL DE USO DO COMUNICADOR INSTANTÂNEO

MANUAL DE USO DO COMUNICADOR INSTANTÂNEO MANUAL DE USO DO COMUNICADOR INSTANTÂNEO GEINFO Gerência de Tecnologia da Informação E-mail geinfo@sejus.ro.gov.br Página 1 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 ACESSANDO O SPARK... 4 3 INICIANDO UMA CONVERSAÇÃO...

Leia mais

CARTA CONVITE 010/2014 ANEXO II - TERMO DE REFERÊNCIA

CARTA CONVITE 010/2014 ANEXO II - TERMO DE REFERÊNCIA CARTA CONVITE 010/2014 ANEXO II - TERMO DE REFERÊNCIA 1. Implantação de Sistema de Call Center 1.1. O software para o Call Center deverá ser instalado em servidor com sistema operacional Windows (preferencialmente

Leia mais

Evolução na Comunicação de

Evolução na Comunicação de Evolução na Comunicação de Dados Invenção do telégrafo em 1838 Código Morse. 1º Telégrafo Código Morse Evolução na Comunicação de Dados A evolução da comunicação através de sinais elétricos deu origem

Leia mais

Modelo OSI. Prof. Alexandre Beletti Ferreira. Introdução

Modelo OSI. Prof. Alexandre Beletti Ferreira. Introdução Modelo OSI Prof. Alexandre Beletti Ferreira Introdução Crescimento das redes de computadores Muitas redes distintas International Organization for Standardization (ISO) Em 1984 surge o modelo OSI Padrões

Leia mais

Tarifação ON-LINE Sistema de Tarifação Telefônica V. 6.0 GUIA DE INSTALAÇÃO COLETOR

Tarifação ON-LINE Sistema de Tarifação Telefônica V. 6.0 GUIA DE INSTALAÇÃO COLETOR Tarifação ON-LINE Sistema de Tarifação Telefônica V. 6.0 GUIA DE INSTALAÇÃO COLETOR Net Manager Informática Ltda Versão 6.0 1998-2007 1) Instalação do Software Coletor Guia de Instalação Executar o programa

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA E ESTÁTISTICA GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO DISCIPLINA: COMUNICAÇÃO DE DADOS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA E ESTÁTISTICA GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO DISCIPLINA: COMUNICAÇÃO DE DADOS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA E ESTÁTISTICA GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO DISCIPLINA: COMUNICAÇÃO DE DADOS PROFESSOR: CARLOS BECKER WESTPHALL Terceiro Trabalho

Leia mais

Redes Mul)mídia. Tópicos. Streaming de Áudio e Vídeo. Aplicações de Rede Mul:mídia Introdução Classes de Aplicações Mul:mídia

Redes Mul)mídia. Tópicos. Streaming de Áudio e Vídeo. Aplicações de Rede Mul:mídia Introdução Classes de Aplicações Mul:mídia Redes Mul)mídia Streaming de Áudio e Vídeo Mário Meireles Teixeira Departamento de Informá:ca UFMA 2012 Tópicos Aplicações de Rede Mul:mídia Introdução Classes de Aplicações Mul:mídia Áudio e Vídeo de

Leia mais

Um cluster de servidores de email pode ser usado para servir os emails de uma empresa.

Um cluster de servidores de email pode ser usado para servir os emails de uma empresa. CLUSTERS Pode-se pegar uma certa quantidade de servidores e juntá-los para formar um cluster. O serviço então é distribuído entre esses servidores como se eles fossem uma máquina só. Um cluster de servidores

Leia mais

TUTORIAL 005.2 GRAVAÇÃO DE MENSAGENS E CRIAÇÃO DE FRASES

TUTORIAL 005.2 GRAVAÇÃO DE MENSAGENS E CRIAÇÃO DE FRASES TUTORIAL 005.2 GRAVAÇÃO DE MENSAGENS E CRIAÇÃO DE FRASES Versão: 1.0 2015 por DÍGITRO Tecnologia Ltda. Setor: Treinamento Rua Profª Sofia Quint de Souza, 167 Capoeiras CEP 88085-040 Florianópolis SC www.digitro.com

Leia mais

Sistemas Cooperativos. Professor Alan Alves Oliveira

Sistemas Cooperativos. Professor Alan Alves Oliveira Sistemas Cooperativos Professor Alan Alves Oliveira 1. Sistemas de Informação e Sistemas Cooperativos 2 Sistemas de Informação 3 Sistemas de Informação Sistemas ampamente utilizados em organizações para

Leia mais

ÁREA DO PROFESSOR (TUTOR)

ÁREA DO PROFESSOR (TUTOR) ÁREA DO PROFESSOR (TUTOR) 2- FÓRUM O fórum serve para avaliar os alunos através da participação na discussão sobre um ou mais assuntos, inserção de textos ou arquivos. Os fóruns de discussão compõem uma

Leia mais

Apresentação do produto Versão Premium 9.0 (GMPE)

Apresentação do produto Versão Premium 9.0 (GMPE) Apresentação do produto Versão Premium 9.0 (GMPE) Qual a importância que o relacionamento com os clientes tem para a sua empresa? Goldmine CRM é para as empresas que atribuem importância máxima à manutenção

Leia mais

INTERNET CONCEITOS. Internet é a "grande rede mundial de computadores"

INTERNET CONCEITOS. Internet é a grande rede mundial de computadores INTERNET CONCEITOS O que é Internet Estamos acostumados a ouvir que Internet é a "grande rede mundial de computadores" Entretanto, essa definição não é muito simplista. Na realidade, Ela é uma coleção

Leia mais

MÓDULO 7 Modelo OSI. 7.1 Serviços Versus Protocolos

MÓDULO 7 Modelo OSI. 7.1 Serviços Versus Protocolos MÓDULO 7 Modelo OSI A maioria das redes são organizadas como pilhas ou níveis de camadas, umas sobre as outras, sendo feito com o intuito de reduzir a complexidade do projeto da rede. O objetivo de cada

Leia mais

Protocolo. O que é um protocolo? Humano: que horas são? eu tenho uma pergunta

Protocolo. O que é um protocolo? Humano: que horas são? eu tenho uma pergunta Protocolo O que é um protocolo? Humano: que horas são? eu tenho uma pergunta Máquina: Definem os formatos, a ordem das mensagens enviadas e recebidas pelas entidades de rede e as ações a serem tomadas

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS TÉCNICO DE LABORATÓRIO / ÁREA INFORMÁTICA

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS TÉCNICO DE LABORATÓRIO / ÁREA INFORMÁTICA CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS TÉCNICO DE LABORATÓRIO / ÁREA INFORMÁTICA 26. Considerando o sistema de numeração Hexadecimal, o resultado da operação 2D + 3F é igual a: a) 5F b) 6D c) 98 d) A8 e) 6C 27. O conjunto

Leia mais

Guia Técnico Inatel Guia das Cidades Digitais

Guia Técnico Inatel Guia das Cidades Digitais Guia Técnico Inatel Guia das Cidades Digitais Módulo 3: VoIP INATEL Competence Center treinamento@inatel.br Tel: (35) 3471-9330 As telecomunicações vêm passando por uma grande revolução, resultante do

Leia mais

Roteiro. Sistemas Distribuídos. Sistemas de Arquivos Distribuídos. Sistema de arquivos distribuídos

Roteiro. Sistemas Distribuídos. Sistemas de Arquivos Distribuídos. Sistema de arquivos distribuídos Sistemas Distribuídos Sistemas de Arquivos Distribuídos Roteiro Sistema de arquivos distribuídos Requisitos Arquivos e diretórios Compartilhamento Cache Replicação Estudo de caso: NFS e AFS Sistemas Distribuídos

Leia mais

Configuração de Digitalizar para E-mail

Configuração de Digitalizar para E-mail Guia de Configuração de Funções de Digitalização de Rede Rápida XE3024PT0-2 Este guia inclui instruções para: Configuração de Digitalizar para E-mail na página 1 Configuração de Digitalizar para caixa

Leia mais

CONCEITOS INICIAIS. Agenda A diferença entre páginas Web, Home Page e apresentação Web;

CONCEITOS INICIAIS. Agenda A diferença entre páginas Web, Home Page e apresentação Web; CONCEITOS INICIAIS Agenda A diferença entre páginas Web, Home Page e apresentação Web; O que é necessário para se criar páginas para a Web; Navegadores; O que é site, Host, Provedor e Servidor Web; Protocolos.

Leia mais

Professional. Guia do Usuário

Professional. Guia do Usuário Professional Guia do Usuário Conteúdo Introdução a SYNCING.NET... 3 Bem-vindo a SYNCING.NET... 3 Utilizando SYNCING.NET... 3 Como funciona SYNCING.NET?... 3 Requisitos Técnicos... 5 Instalação... 6 Registro...

Leia mais

Interconexão de redes locais. Repetidores. Pontes (Bridges) Hubs. Pontes (Bridges) Pontes (Bridges) Existência de diferentes padrões de rede

Interconexão de redes locais. Repetidores. Pontes (Bridges) Hubs. Pontes (Bridges) Pontes (Bridges) Existência de diferentes padrões de rede Interconexão de redes locais Existência de diferentes padrões de rede necessidade de conectá-los Interconexão pode ocorrer em diferentes âmbitos LAN-LAN LAN: gerente de um determinado setor de uma empresa

Leia mais

GUIA DE CONFIGURAÇÃO CONEXÕES VPN SSL (CLIENT TO SERVER)

GUIA DE CONFIGURAÇÃO CONEXÕES VPN SSL (CLIENT TO SERVER) GUIA DE CONFIGURAÇÃO CONEXÕES VPN SSL (CLIENT TO SERVER) Conexões VPN SSL (Client to Server) 1- Introdução Uma VPN (Virtual Private Network, ou rede virtual privada) é, como o nome sugere, uma rede virtual,

Leia mais

CONTROLADOR CENTRAL P25 FASE 1 CAPACIDADE MÍNIMA PARA CONTROLAR 5 SITES

CONTROLADOR CENTRAL P25 FASE 1 CAPACIDADE MÍNIMA PARA CONTROLAR 5 SITES CONTROLADOR CENTRAL P25 FASE 1 CAPACIDADE MÍNIMA PARA CONTROLAR 5 SITES O sistema digital de radiocomunicação será constituído pelo Sítio Central, Centro de Despacho (COPOM) e Sítios de Repetição interligados

Leia mais

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider Ferramenta: Spider-CL Manual do Usuário Versão da Ferramenta: 1.1 www.ufpa.br/spider Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 14/07/2009 1.0 15/07/2009 1.1 16/07/2009 1.2 20/05/2010 1.3 Preenchimento

Leia mais