FAZENDO PROPAGANDA SOCIAL NAS AULAS DE ESPANHOL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FAZENDO PROPAGANDA SOCIAL NAS AULAS DE ESPANHOL"

Transcrição

1 FAZENDO PROPAGANDA SOCIAL NAS AULAS DE ESPANHOL Joziane Ferraz de Assis (UFV) Introdução O conceito de gênero discursivo vem sendo muito utilizado no Brasil nos últimos anos aplicado ao ensino e aprendizagem de língua materna. Saindo da concepção clássica de gênero - descrição, narração e dissertação, várias pesquisas vêm sendo desenvolvidas no Brasil para atestar a viabilidade do trabalho com os gêneros discursivos nas aulas de línguas. Este artigo traz um relato de experiência com o gênero propaganda social na aula de espanhol como uma tentativa de aplicação dos resultados que apontam as pesquisas: o de que essa abordagem é viável. O trabalho que ora relato foi realizado em uma escola de ensino médio do interior de Minas Gerais e teve como objetivos principais trazer a mídia para o ambiente escolar e promover o contato dos alunos com um gênero que circula nessa esfera, favorecendo-lhes a ampliação da percepção crítica e da conscientização da participação social. Tomei como base o conceito bakhtiniano de gênero discursivo e realizei uma atividade de leitura e produção de propagandas sociais com quatro turmas da 1ª série. A atividade constou de três partes. A primeira foi a apresentação do gênero propaganda social a partir de exemplares do mesmo e de conversas sobre suas características. Na segunda etapa, propus a criação de propagandas pelos próprios alunos, em grupos, nas aulas de espanhol. Finalmente, fiz uma exposição dos trabalhos no pátio da escola. A elaboração da propaganda foi uma das avaliações do bimestre. Além do conceito de gênero discursivo, meu trabalho se pautou também nos conceitos de propaganda e propaganda social, sobre os quais discorro na primeira seção deste relato. Discuto ainda a influência que esta última exerce nas sociedades contemporâneas, dada a abundância de sua presença, e a relaciono à mídia, que considero eficiente articuladora e difusora de ideias. Na seção seguinte, relato a experiência realizada com as turmas da 1ª série do ensino médio, contextualizando a escola, os alunos e a metodologia utilizada. Trago também as propagandas utilizadas nas aulas de leitura e sua forma de análise, e alguns exemplares de propagandas criadas pelos grupos, na etapa culminante do trabalho. Nas considerações finais, avalio a experiência apontando seus pontos positivos e negativos. Entre os primeiros, enumero a motivação despertada nos grupos, o aproveitamento de seu conhecimento de mundo, o trabalho não sistemático, mas amplamente produtivo, com a língua espanhola e a conscientização crítica dos alunos. Por outro lado, não houve nenhuma menção ao suporte das propagandas lidas, durante a primeira etapa da experiência, bem como não houve verificação das respostas do público consumidor das propagandas elaboradas pelos alunos. No entanto, concluí pela adequação do trabalho com esse gênero em aulas de espanhol, como auxiliar no processo de letramento do jovem brasileiro. Mídia e propaganda social Considero importante, neste trabalho, começar comentando brevemente as relações entre mídia e propaganda, uma vez que esse gênero se enquadra no discurso midiático. Para falar de mídia, basear-me-ei em uma definição do termo e de sua função feita por Assunção (2006). Esse autor trabalha com a concepção de linguagem que vê o discurso como prática social. O discurso existe porque há uma motivação e está baseado em uma relação entre enunciador e enunciatário. Assim, o discurso de um mobiliza o outro. Nesse contexto, mídia é

2 (...) espaço de lutas discursivas proporcionadas pela variedade de gêneros textuais que nela habitam. O papel da mídia torna-se mais evidente quando se considera que o consenso, como uma ordem reguladora dos sentidos aceitos, atua de forma flexível, sendo maleável aos movimentos históricos e marcados, portanto, pelo tempo e pelo espaço (ASSUNÇÃO, 2006, p ). Dessa forma, a mídia está sempre refletindo as mudanças históricas e culturais pelas quais passam as sociedades. Segundo o autor, ela é eficiente na construção de representações sociais e na manutenção dos regimes políticos que sustentam tais representações. Deve-se reconhecer a capacidade da mídia em atribuir valores às coisas do mundo e produzir conhecimento. Isso porque o que se chama realidade torna-se objeto simbólico. A forte presença dos meios de comunicação na sociedade contemporânea traz como consequência um maior poder de influência destes sobre os valores e os padrões de comportamento das pessoas. Setton (2002), afirma que, na sociedade, atuam três instâncias interdependentes: as tradicionais, família e escola e, a seu lado, a mídia. O processo de socialização da contemporaneidade é complexo por que ocorre em um espaço plural. Porém, a autora enfatiza que essas instâncias não estão acima do sujeito, antes são formadas por agentes que também se interrelacionam. Trata-se de uma nova ordem social, regulada por um universo cultural amplo e diversificado, embora fragmentado (op. cit., p. 109). De acordo com os estudos de Sardelich (2006), há uma predominância do visual em nossa vida, já que, para ela, quase todo o conhecimento nos chega por meios de comunicação. Sob essa perspectiva, a propaganda é um texto social multidimensional, com uma riqueza de sentidos que exige um sofisticado processo de interpretação e um importante indicador de tendências sociais, modas e valores (op. cit., p. 210). Nesse sentido, o visual é um lugar de criação de significados. Conforme Gonçalves (2006), este momento de valorização de outras linguagens deve-se aos avanços tecnológicos e digitais que apresenta a sociedade contemporânea. O texto publicitário é um bom exemplo para se observar essa realidade, pois só é possível compreendê-lo considerando os elementos verbais e não-verbais como um todo. Com recursos da informática para a composição gráfica do texto e recursos eletrônicos para o tratamento da imagem, a propaganda tem utilizado largamente essa possibilidade de deixar informações e sugestões subjacentes ao texto (op. cit., p. 18). Posso inferir então que a mídia participa do nosso cotidiano de forma plena, ao nos oferecer e trazer para dentro de nossos lares informações, entretenimento e divulgação de produtos e instituições, atuando como difusora de ideias, conceitos e valores. Um dos gêneros através dos quais ela atua é a propaganda. Mas antes de discorrer sobre propaganda e publicidade, retomo Bakhtin (2000, p. 279) e sua citação clássica sobre gêneros do discurso, como (...) tipos relativamente estáveis de enunciados (...). O filósofo russo afirma que todas as esferas de atividade humana estão relacionadas à utilização da língua. Se as esferas são variadas, variados são os modos de utilizar a língua. Esta se dá sob a forma de enunciados escritos ou orais que, por sua vez, são o reflexo das condições de cada esfera de atividade em relação ao conteúdo, ao estilo e à forma composicional. Portanto, esses três elementos estão indissociados no enunciado. Assim entendo, e este é um dos pontos altos da concepção de Bakhtin, que as formas genéricas produzidas por cada esfera de comunicação refletem e são perpassadas por características e relações próprias a ela. Logo, o reconhecimento e a compreensão dos gêneros adquire valor também enquanto promovedores de conhecimento social e cultural. Barbosa (2001), tecendo comentários sobre as proposições do autor, afirma que

3 em tais esferas de comunicação circulam certos gêneros que refletem e refratam as restrições impostas pela correlação de posições sociais, pelo jogo de interesses e pelas finalidades próprias dessas esferas e, ao mesmo tempo, cristalizam as formas de discurso através das quais se dá, se materializa seu funcionamento (BARBOSA, 2003, p. 33). Tomando como base o conceito bakhtiniano de gêneros discursivos, passo a tratar da diferenciação entre publicidade e propaganda, ambas pertencentes às esferas jornalística e midiática. O termo propaganda refere-se à propagação de ideias, opiniões e crenças. Por sua vez, publicidade diz respeito à divulgação de produtos, bens ou serviços para consumo. Nogueira (2003, p. 32) conceitua a propaganda como um conjunto de técnicas e atividades de informação e persuasão que visam influenciar as opiniões, os sentimentos e as atividades do público receptor. Já a publicidade objetiva (...) incentivar o consumo de produtos ou serviços, através da divulgação da qualidade, vantagem e superioridade dos mesmos em relação a outra marca ou empresa. Ambas têm em comum o fato de serem técnicas de persuasão. Além disso, os dois termos estão intrinsecamente ligados, já que, ao divulgar um produto, o anunciante está divulgando também uma ideia, que pretende vender. Entretanto, optei pelo termo propaganda, considerando-o apropriado ao objetivo maior de uma propaganda social, qual seja o de prestar esclarecimentos sobre um tema socialmente relevante. Sampaio (1999) diz que a propaganda existe desde a Roma Antiga, quando era pintada nas paredes das casas que ficavam de frente para as ruas movimentadas. Depois, na Roma Católica, foi criada uma congregação para a propagação da fé, que deu origem à palavra propaganda. E, no final do século XIX, teve impulso com as economias industriais. Convém salientar que o autor não distingue propaganda de publicidade, usando o primeiro termo de forma generalizada. Porém, Santos (2005) vai ainda mais longe e afirma que a publicidade já existia desde a época das cavernas, mas somente em forma oral. Foi na Roma Antiga que esta passou a ser difundida em forma escrita e, a partir da invenção da imprensa, ampliaram-se as publicidades, pois observou-se que elas seriam boas fontes de lucro. Com a Revolução Industrial, foi possível publicar-se em massa, profissionalizando-se mais o setor. Dessa forma, os anúncios publicitários foram aumentando as receitas dos meios de comunicação de massa e ganhando mais espaço nestes. Até que, em meados do século XIX, foi criada a primeira agência de publicidade dos Estados Unidos. A propaganda evoluiu e hoje sua preocupação não é somente vender o produto, mas conquistar o cliente. Os apelos são bem mais sutis, e as ferramentas para se identificar a melhor forma de atingir o cliente são cada vez mais sofisticadas, baseadas mais em informações científicas do que na intuição dos artistas (SANTOS, 2005, p. 35). Ao longo de sua história, a propaganda passou de simples veiculação de informações sobre um produto para escoamento de sua produção ao uso de estratégias para explorar os desejos do consumidor. Conforme afirma Lysardo-Dias (2005), o consumidor deixou de ser um mero comprador para se tornar um ser social. Nesse sentido, a propaganda configura-se como uma fala social que reforça, ao mesmo tempo em que estabelece e cria, convenções significativas, (re) produzindo formas culturais (op. cit., p. 26). Falando sobre o público alvo, Sant anna (1996) assevera que necessidade e desejo entram em jogo na propaganda. Segundo esse autor, toda atividade humana tem como mola propulsora o desejo, que é a expressão consciente da necessidade (op. cit., p. 89). Logo, a necessidade é o motor primário e o desejo, o motor da ação. A influência sobre o leitor pode, de acordo com Sant'anna (op. cit.), dar-se de três formas distintas ou da combinação entre elas: a sugestão, através da qual se aceita uma ideia sem pensar sobre ela, compra-se acreditando que é porque se quer realmente e não porque alguém lhe quer vender; a imitação, que é inata no homem; a empatia,

4 através da qual se identifica emocionalmente com o outro. Entretanto, autores há que não excluem totalmente a responsabilidade do consumidor pelas suas escolhas. O próprio Sant anna (1996) diz que, quando o indivíduo recebe a influência, ele tem livre-arbítrio para aceitá-la passivamente ou não, ceder a seus impulsos de compra ou resistir às tentações. Outro argumento para a incapacidade da propaganda em influenciar seu público baseia-se na ideia de que ela é apenas reflexo dos costumes sociais, sendo, portanto, consequência destes (CARVALHO, 2000). Se sua influência é real ou não, e como ela ocorre é difícil de responder, o que se pode afirmar é que a propaganda é uma das grandes formadoras do ambiente cultural e social de nossa época. Isso porque trabalha a partir de dados culturais existentes, recombinando-os, remodelando-os (...) (SAMPAIO, 1999, p. 36). O gênero propaganda faz parte do discurso publicitário e, por essa razão, apresenta certas características específicas, considerando-se que seu objetivo é fazer com que seu leitor consuma o produto anunciado ou adote a ideia veiculada, através basicamente da persuasão e do convencimento. O suporte de veiculação do anúncio também determina as estratégias e a organização da mensagem publicitária. Em seu livro, Sandmann (2005) deteve-se a estudar o aspecto estilístico da linguagem da propaganda. Embora não seja objetivo deste trabalho estudar o texto linguístico desse gênero, consideramos relevante relacionar algumas de suas características para melhor compreensão desse instrumento. Dentre as funções da linguagem de Jacobson (apelativa, poética, fática, metalinguística, emotiva e referencial), são duas as que predominam na propaganda: a função apelativa ou conativa e a função poética ou estética. A função apelativa está sempre presente na propaganda, seja com as marcas próprias ou de maneira sutil, como, por exemplo, atingindo a vaidade do leitor. É a função persuasiva por excelência, pois se centra no interlocutor com o intuito de movê-lo. Sua principal marca linguística é o uso do modo imperativo. Outras marcas são forte presença de períodos interrogativos (...) muitos pronomes e verbos de 2ª pessoa, palavras dêiticas com destaque aos pronomes demonstrativos e advérbios de lugar relacionadas com a 2ª pessoa e o vocativo (SANDMANN, 2005, p. 25). A função poética utiliza recursos que põem em evidência a mensagem para chamar a atenção. Isso se faz principalmente chocando ou causando estranhamento no destinatário. Destacase o como a mensagem é apresentada, com (...) ênfase no significante do signo, no seu aspecto sonoro, físico, material, também na sua grafia (SANDMANN, 2005, p. 30). Suas marcas são uso de aliteração, rima, ritmo, paronomásia, jogos com a morfologia e a fonologia das palavras, frases feitas e combinações de letras exóticas. O autor elenca uma série de características da linguagem publicitária, quais sejam, ser constituída por frases ou períodos simples; conter desvios da norma culta padrão; e dos modelos de formação de palavras; usar o registro coloquial como manifestação de empatia com o receptor; apropriar-se de termos estrangeiros; alterar a grafia das palavras para conferir-lhes inovação ou efeitos especiais; usar recursos relacionados à fonologia, à sintaxe e à semântica; seguir a estrutura título, texto e assinatura; variar o tamanho e a forma das letras com destaque ao título e a assinatura; utilizar figuras de linguagem, principalmente metáfora e metonímia e usar trocadilhos, frases feitas, lugares-comuns e nomes comerciais sugestivos. Todas essas características certamente estão presentes também na propaganda social, objeto de minha atenção agora e tema deste trabalho. Segundo Moraes (2002), há propagandas de produtos, de serviços, de varejo, de promoções, ideológica, política, eleitoral, governamental, institucional e social. Conceituando esta última, a autora diz que tais propagandas se voltam

5 (...) às causas sociais com o objetivo principal de prestar esclarecimentos sobre acidentes de trânsito; tóxicos; cigarros e bebidas alcoólicas; a prevenção das doenças; violência; poluição; conservação de patrimônio público; idoso; adoção; entre outras questões sociais; e realizar processos de participação, fazendo com que a população entenda o plano de ação social proposto, participe e se aproprie de todo o processo, buscando uma interferência no cotidiano desta sociedade. São vinculadas a programas que procuram aumentar a aceitação de uma ideia ou prática em um grupo-alvo, tendo como objetivo principal prestar um 'serviço de utilidade pública' (...) (MORAES, 2002, p ). Em outras palavras, Muniz (2004, p. 6) conceitua esse gênero como (...) campanhas voltadas para as causas sociais: desemprego, adoção do menor, desidratação, aids, tóxicos entre outras. São programas que procuram aumentar a aceitação de uma ideia ou prática social em um grupo-alvo. Assim, posso afirmar que a propaganda social prima pela busca de mover o seu consumidor a reagir diante de uma problemática social, que ele se mobilize e tome atitudes necessárias para contornar ou, ao menos, minimizar as consequências negativas de tal problema. Se a propaganda existe para satisfazer os desejos do consumidor-leitor, a modalidade social do gênero também cumpre esse papel, pois, como assevera Balonas (2008), atualmente os indivíduos manifestam realização pessoal ao ajudar a promover os direitos humanos. Questões como o bem-estar do outro provocam nosso interesse enquanto cidadãos cônscios de nossos deveres em sociedade. Para a autora, as propagandas sociais são (...) instrumentos de mudança social (...) a causa é o fim em si mesmo (op. cit., p. 824). Logo, o consumidor da propaganda tenderá a mudar seus comportamentos aderindo à causa proposta. Para analisar a propaganda social, Moraes (2002) propõe que se enfoque primeiramente a argumentação básica apresentada, sempre relacionada ao tema-objeto do anúncio. A seguir, deve-se partir para as necessidades trabalhadas pelo publicitário (de amor, ambição, aparência, economia, beleza, conforto, aceitação própria, saúde, status, cultura entre outros) e verificar como estas são representadas pelos apelos. O apelo opositivo é demostrado através de ideias opostas, como vantagens e desvantagens; o humorístico busca a comicidade, com a utilização de metáforas, por exemplo; o aterrador sensibiliza o leitor pela via do susto e do medo e o erótico é demonstrado através de imagens e situações ligadas à sexualidade. Finalmente, a análise deve focar na associação de ideias, que pode ocorrer por sucessão, por semelhança ou por contraste. A sucessão é apresentada pela sequência lógica de sentido entre imagens, a semelhança, pela similaridade entre imagens e e/ou palavras e o contraste, pela oposição entre imagens e/ou palavras. Certamente que outras classificações são possíveis, entretanto, optei por utilizar apenas essa. Os publicitários, ao escolher uma ou outra estratégia de abordagem do assunto, são movidos pelas intenções comunicativas que pretendem alcançar. Dessa forma, cada elemento presente no anúncio tem sua função no todo discursivo e deve se relacionar aos demais elementos. O leitor que conhece a forma de construção desse gênero estará mais apto a compreendê-lo e a responder-lhe, bem como, conhecendo-o, os alunos estarão mais aptos a engajar-se em propostas de participação social. A tomada de consciência e mobilização em prol de uma causa que interessa à comunidade são justificativas consideráveis para a adequação do gênero em discussão ao ensino e aprendizagem de língua espanhola na escola de nível médio. Os alunos dessa etapa estão em processo de desenvolvimento do senso crítico e da compreensão de seu papel social no meio de que participam. Portanto, promover sua instrução de forma contextualizada torna a aprendizagem mais efetiva. Cabe ao professor aproveitar, em sua prática pedagógica, os gêneros presentes na realidade social. Foi o que tentei fazer ao desenvolver a atividade descrita na próxima seção.

6 A experiência O trabalho que ora relato foi desenvolvido em uma escola da rede privada na cidade de Juiz de Fora, Minas Gerais, onde lecionava, em 2008, em 4 turmas da 1ª série do ensino médio, para alunos com idades entre 14 e 15 anos. Na escola, estavam no segundo ano de estudo do espanhol, com duas aulas semanais de 50 minutos cada. Para as aulas de LE, a escola oferece dois professores por turma, sendo, portanto, cada grupo composto por, aproximadamente, 20 alunos, o que facilitava consideravelmente a integração dos estudantes e os momentos de reflexão e troca de ideias. Como meu objetivo principal era trazer a mídia para o ambiente escolar e promover o contato dos alunos com um gênero que circula nessa esfera, favorecendo-lhes a ampliação da percepção crítica e da conscientização da participação social, escolhi a propaganda social devido ao seu caráter de forte presença na vida cotidiana de todo cidadão. Dessa forma, atendi ao imperativo da contextualização nas abordagens de ensinar e aprender línguas estrangeiras, ao mesmo tempo em que realizei o trabalho com o sistema linguístico do espanhol. No que tange ao desenvolvimento das atividades com o gênero propaganda social, houve 3 momentos distintos, inspirados na experiência de Moraes (2002) com a língua portuguesa, relatada em seu artigo A propaganda social no ensino médio: da leitura crítica à produção de peças publicitárias. O primeiro momento, de reconhecimento do gênero, o segundo, de produção de uma propaganda social e o terceiro, de exposição dos trabalhos para a comunidade escolar. No primeiro momento, fiz um levantamento oral das concepções de propaganda e mídia das turmas e levei três exemplares de propaganda social veiculadas em suporte impresso e eletrônico, apresentadas através de um projetor. A leitura das propagandas se realizou em duas aulas consecutivas. A compreensão dos textos se baseou em roteiros de leitura dos anúncios. Todos os roteiros foram iguais e continham as seguintes questões que deveriam ser preenchidas ou assinaladas: assunto, argumentação básica, tipo de apelo utilizado (opositivo, humorístico, aterrador e/ou erótico) e associação de ideias proposta (por sucessão, semelhança e contraste). A leitura da primeira propaganda foi feita em conjunto entre professora e alunos. Trata-se de uma propaganda da Fundación Vida Silvestre de Argentina, veiculada em uma revista impressa cujo tema era a preservação ambiental. Sobre uma página negra, a única imagem que aparece, em um pequeno enquadre circular, é a foto de um filhote de tigre em seu habitat. A frase La naturaleza está perdiendo espacio pero podemos devolvérselo aparece, a primeira parte, acima da imagem e a segunda parte, abaixo da foto. Tal distribuição sugere ao leitor que, assim como na página da revista, o tigrinho ocupa uma reduzida parte das florestas, pois seu ambiente natural está diminuindo. Ao longo da página, apela-se ao leitor, através de texto verbal ( Asóciete a la Fundación Vida Silvestre que también trabaja con organizaciones locales en Chile, Uruguay, Paraguay y Bolivia) para que contribua com a associação, tornando-se um novo sócio. O texto verbal termina com informações de contato da fundação. Nessa propaganda, o assunto é a preservação da natureza e a argumentação básica é a perda de áreas verdes no planeta, em especial na Argentina e nos demais países mencionados no texto. Foi utilizado o apelo aterrador, com a pequena imagem do animal em meio a uma ampla área em negro da página e a associação de ideias se deu por contraste entre a grande área representando o planeta Terra e a pequena área representando a natureza.

7 Propaganda 1 As seguintes leituras foram realizadas em duplas ou individualmente, a critério dos alunos. A segunda propaganda foi veiculada na internet e seu suporte, como no caso das outras duas, não foi levado em conta na análise. Sobre um fundo branco, vê-se um casal de crianças segurando uma bola na mão e, à sua esquerda, a frase Qué tal!, los niños y niñas jugando y los adultos trabajando, em tons de azul e amarelo, que conferem à peça publicitária alegria e encantamento, assim como o fazem as crianças em seu ambiente. Sobre o fundo branco, novamente as cores, rosa e amarelo, imprimem leveza ao anúncio, a mesma leveza das crianças ao viverem a vida em tom de brincadeira. Para essa propaganda, o assunto foi a crítica ao trabalho infantil e a argumentação básica é a necessidade da brincadeira na vida das crianças, já que é essa a faixa etária apropriada para o desenvolvimento do lúdico. Foi utilizado o apelo opositivo e a associação de ideias por contraste, uma vez que se compara a função de crianças, que é brincar, com a função dos adultos, que é trabalhar, considerando-se principalmente o texto verbal, no qual os verbos brincar e trabalhar

8 estão escritos em letra maior. Propaganda 2 A terceira propaganda foi veiculada na internet e é, na verdade, uma sátira a uma propaganda comercial do cigarro Marlboro. Aparecem duas páginas de revista abertas, como se tivessem sido escaneadas. Na primeira, à esquerda, a propaganda tradicional do cigarro traz, na parte de baixo da página, um cenário rural com alguns cavalos e um homem montado, domando um cavalo em demonstração de valentia e força. Na parte de cima, o logotipo da marca. Na página à direita, aparecem dois cavaleiros montados, um deles olhando para o outro como se estivessem conversando. No centro, a frase El tabaco mata. No te dejes engañar. Com tal organização textual, subentende-se que, embora toda a força da publicidade comercial, conforme visto ao lado, o consumidor deve se lembrar do quão prejudicial é o cigarro para a saúde. Nesse caso, o assunto é o combate ao fumo e a argumentação básica é o malefício do tabaco para a saúde humana. Foi utilizado o apelo aterrador, principalmente, considerando-se o texto verbal, que vai direto à consequência extrema do uso do cigarro, que é a morte. A associação de ideias se deu por sucessão, haja vista a presença da propaganda original da marca de tabaco, sugerindo ao consumidor uma outra leitura para a propaganda comercial, que seja menos ingênua e mais consciente.

9 Propaganda 3 Após as aulas para conhecimento do gênero, partiu-se para a produção de um exemplar do mesmo. Essa atividade constou como uma avaliação bimestral e se organizou da seguinte forma: os alunos se dividiram em grupos de quatro e já sabiam, durante o primeiro momento do trabalho, que teriam que produzir uma propaganda social. Assim, puderam começar a pensar em um tema e nos recursos verbais e visuais desde o início dos trabalhos. Chegado o momento de criação dos textos, as duas aulas foram realizadas no Laboratório de Informática da escola, com auxílio da técnica em informática. A proposta era criar uma propaganda social, em espanhol, que versasse sobre um dos seguintes temas: acidentes de trânsito, abuso de álcool, cigarro e outras drogas, prevenção de doenças como câncer e AIDS, poluição, violência, adoção, preservação da natureza ou conservação do patrimônio público. Para isso, eles poderiam utilizar o Corel Draw ou outro programa que lhes permitisse inserir imagem e texto verbal. Os estudantes tiveram uma semana para entregar a propaganda impressa, em forma de cartaz, para a exposição dos trabalhos no pátio da escola, que foi a terceira etapa dessa experiência. A título de exemplo, relaciono a seguir, três propagandas criadas pelos alunos, uma sobre adoção, outra sobre preservação da natureza e a terceira sobre abuso de drogas. Devido à limitação do espaço, não será possível expor todos os trabalhos realizados.

10 Propagandas dos alunos Propaganda 1 Tema: adoção Nessa peça publicitária, posso entender que o grupo se apoiou na argumentação de que o amor não depende de filiação biológica, que utilizou o apelo opositivo relacionando filiação biológica e não biológica e que fez a sucessão de ideias por sucessão, já que criança adotada é criança feliz, de acordo com a imagem. Chama a atenção a opção pela imagem de uma criança afrodescendente com os pais brancos, talvez, com o intuito de ser o mais fiel possível à realidade, haja vista o grande número de crianças dessa etnia que esperam por uma família. Propaganda 2 Tema: preservação da natureza Essa propaganda apresenta a argumentação básica da necessidade de manutenção das florestas, fontes de ar puro, através de apelo aterrador, já que menciona a sobrevivência da vegetação e, consequentemente, do homem, como dependente da preservação ambiental. A associação de ideias se dá por semelhança entre o coração e a imagem desenhada casualmente pelos galhos e folhas de árvores. Nesse sentido, assim como o coração é vital para a vida humana, a natureza o é para o planeta.

11 Propaganda 3 Tema: abuso de drogas No anúncio, a argumentação básica é a de que o cigarro mata e é apresentada de forma cômica, já que o texto verbal é segurado pelos próprios pulmões, órgãos do corpo humano dos mais afetados pelas toxinas do tabaco. A associação de ideias se dá por semelhança, pois pode-se ligar essa imagem a manifestantes que participam de passeatas e levam faixas com as suas reivindicações. Observa-se, portanto, o apelo humorístico.

12 Considerações finais Neste artigo, apresentei um relato de experiência de trabalho com propagandas sociais em turmas de 1ª série do ensino médio de uma escola privada da cidade de Juiz de Fora, em Minas Gerais. Minha avaliação foi positiva em vários aspectos. Em primeiro lugar, foi altamente motivador para os alunos criar um gênero que realmente circularia socialmente. Acostumados que estão à criação de diferentes exemplares de gêneros que são lidos somente pelo professor, a título de atribuição de nota, ver a utilidade da composição de um texto lhes demonstrou o papel de agentes de construção e transformação do mundo que lhes cabe. Essa atividade serviu também para me mostrar o quanto podemos aproveitar, em nossas aulas, do conhecimento de mundo que trazem os alunos. Grande parte dos professores ainda acredita que é o detentor de conhecimentos que os alunos não possuem, mas se assustam quando se dão conta de que estes, muitas vezes, têm conhecimentos muito maiores que se supõe. E todo esse saber deve vir à tona no ambiente da sala de aula, local de construção de conhecimento. Posso mencionar também o aspecto positivo de vincular o aprendizado da língua espanhola à vida real do aluno, já que, por meio desse trabalho, os alunos estudaram a língua de forma criativa, fugindo da mecanização dos exercícios gramaticais e da monotonia do livro didático. Observei, ainda, quão importante se mostrou o trabalho para a reflexão sobre os papeis que assumimos em sociedade. Os alunos se sensibilizaram com as questões sociais levantadas e demonstraram que estão prontos para o debate em torno dos problemas da vida em comunidade. No entanto, houve dois aspectos negativos que devem ser melhor trabalhados em uma próxima oportunidade. Um foi a falta de atenção ao suporte da propaganda. Não fiz nenhuma menção ao (s) site (s) ou publicação de onde foram extraídos os textos, o que considero uma falha. Se conhecessem o suporte, os alunos talvez teriam feito interpretações mais apuradas e com maior embasamento dos textos. Outro ponto negativo foi não abordar a resposta dos alunos às propagandas. Em se tratando de um gênero cuja principal função é provocar uma reação no leitor, levando-o a aderir à ideia veiculada, cabe ao professor considerar a reação dos alunos às propagandas lidas. Esse foi um ponto não mencionado por mim, nem com relação às propagandas da primeira etapa do trabalho, nem às propagandas elaboradas pelos alunos na escola. Assim, fica a sugestão de realizar uma pesquisa após a exposição das propagandas para verificar a reação dos leitores aos textos. Após esse trabalho, verifiquei que poderia ter feito diferente no momento de apresentação das propagandas sociais, pois, se tivesse solicitado aos alunos que levassem exemplos de propagandas sociais, o envolvimento dos mesmos poderia ter sido ainda maior. Igualmente em relação ao tempo de preparo do seu texto, poderia ter dado maior número de aulas para a confecção dos cartazes. Estou certa de que, dessa forma, teriam pesquisado mais e produziriam, talvez, material ainda mais interessante. Ficam as sugestões para atividades que ainda virão e a certeza de que, quando o professor se propõe a ensinar, refletindo junto com o aluno, sobre o contexto em que se insere, a aprendizagem se torna muito mais significativa para este e o professor sente que está cumprindo seu papel de formador de cidadãos. Por todas as razões aqui discutidas, o gênero propaganda social se configurou como excelente recurso de apropriação da língua espanhola e de acesso às práticas de leitura e escrita nessa língua. Vemos, assim, a viabilidade desse material didático nas aulas de línguas no ensino médio das escolas brasileiras. Referências ASSUNÇÃO, A. L. Representação e discurso midiático: reflexões em torno da produção de sentido. In: EMEDIATO, W.; MACHADO, I. L.; MENEZES, W. (Org.). Análise do discurso: gêneros, comunicação e sociedade. Belo Horizonte: Núcleo de análise do Discurso, Programa de Pós-

13 graduação em Estudos Lingüísticos, Faculdade de Letras da UFMG, p. p BAKHTIN, M. Os gêneros do discurso. In:. Estética da criação verbal. São Paulo: Martins Fontes, p. p BALONAS, S. Publicidade de caráter social: graus de pureza. CONGRESSO DA ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO. 5., 2007, Braga. Comunicação e cidadania - Actas do 5º Congresso da Associação Portuguesa de Ciências da Comunicação. Braga/Portugal: Universidade do Minho, 2008, p BARBOSA, J. P. Trabalhando com os gêneros do discurso: uma perspectiva enunciativa para o ensino de Língua Portuguesa f. Tese (Doutorado em Lingüística Aplicada ao Ensino de Línguas)-LAEL/PUC-SP, São Paulo, CARVALHO, N. de. Publicidade: a linguagem da sedução. 3. ed. São Paulo: Ática, GONÇALVES, E. M. Propaganda & linguagem: análise e evolução. São Bernardo do Campo: Universidade Metodista de são Paulo, p. LYSARDO-DIAS, D. Discurso publicitário e representações sociais. In: (Org.). Discurso, representação e ideologia. São João Del-Rei: PROMEL, UFSJ, p. p MORAES, V. A propaganda social no ensino médio: da leitura crítica à produção de peças publicitárias. In: LOPES-ROSSI, M. A. G. (Org.) Gêneros discursivos no ensino de leitura e produção de textos. Taubaté/SP: Cabral, p MUNIZ, E. Publicidade e propaganda: origens históricas. Disponível em: Acesso em 03 jun NOGUEIRA, D. C. L. Imprensa feminina e consumo: jornalismo e publicidade na revista Claudia f. Projeto experimental UFJF, Juiz de Fora, SAMPAIO, R. Propaganda de A a Z. Como usar a propaganda para construir marcas e empresas de sucesso. 7. ed. Rio de Janeiro: Campus, p. SANDMANN, A. A linguagem da propaganda. 8. ed. São Paulo: Contexto, p. (Coleção Repensando a Língua Portuguesa). SANT ANNA, A. Propaganda: teoria, técnica e prática. 6. ed. São Paulo: Pioneira, p. cap. 3-4, p SANTOS, G. Princípios da publicidade. Belo Horizonte: Editora UFMG, p. cap. 1-4, p SARDELICH, M. E. Leitura de imagens e cultura visual: desenredando conceitos para a prática educativa. Educar, Curitiba, n. 27, p , Disponível em: < Acesso em: 13 dez SETTON, M. G. J. Família, escola e mídia: um campo com novas configurações. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 25, n. 1, p , jan./jun Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=s > Acesso em: 13 dez

Educação Infantil, que espaço é este?

Educação Infantil, que espaço é este? Educação Infantil, que espaço é este? O material do sistema de ensino Aprende Brasil de Educação Infantil foi elaborado a fim de oferecer subsídios para reflexões, informações e sugestões que auxiliem

Leia mais

PROPOSTA PEDAGÓGICA CURRICULAR CELEM CENTRO DE ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA MODERNA ESPANHOL

PROPOSTA PEDAGÓGICA CURRICULAR CELEM CENTRO DE ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA MODERNA ESPANHOL PROPOSTA PEDAGÓGICA CURRICULAR CELEM CENTRO DE ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA MODERNA ESPANHOL APRESENTAÇÃO Segundo as Diretrizes Curricular o ensino da Língua Estrangeira na Educação Básica esta pautado

Leia mais

Agrupamento de Escolas do Búzio Escola Básica 2,3/S de Vale de Cambra. Português 11ºano Ficha Informativa sobre PUBLICIDADE

Agrupamento de Escolas do Búzio Escola Básica 2,3/S de Vale de Cambra. Português 11ºano Ficha Informativa sobre PUBLICIDADE Agrupamento de Escolas do Búzio Escola Básica 2,3/S de Vale de Cambra Português 11ºano Ficha Informativa sobre PUBLICIDADE A. PUBLICIDADE A publicidade é o ato de divulgar um produto ou uma ideia com o

Leia mais

A PROPAGANDA SOCIAL NA EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO DO ALUNO DO ENSINO MÉDIO

A PROPAGANDA SOCIAL NA EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO DO ALUNO DO ENSINO MÉDIO A PROPAGANDA SOCIAL NA EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO DO ALUNO DO ENSINO MÉDIO O presente trabalho foi desenvolvido tendo em vista o contexto sociointeracionista presente nas Diretrizes Curriculares e a nova forma

Leia mais

CARTAS: REGISTRANDO A VIDA

CARTAS: REGISTRANDO A VIDA CARTAS: REGISTRANDO A VIDA A carta abaixo foi escrita na época da ditadura militar. Ela traduz a alegria de um pai por acreditar estar próxima sua liberdade e, assim, a possibilidade do reencontro com

Leia mais

A ESCRITA CRIATIVA: ESCREVENDO EM SALA DE AULA E PUBLICANDO NA WEB Solimar Patriota Silva (UNIGRANRIO) solimar.silva@unigranrio.edu.

A ESCRITA CRIATIVA: ESCREVENDO EM SALA DE AULA E PUBLICANDO NA WEB Solimar Patriota Silva (UNIGRANRIO) solimar.silva@unigranrio.edu. A ESCRITA CRIATIVA: ESCREVENDO EM SALA DE AULA E PUBLICANDO NA WEB Solimar Patriota Silva (UNIGRANRIO) solimar.silva@unigranrio.edu.br RESUMO O objetivo deste trabalho é apresentar algumas sugestões de

Leia mais

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas. UNIFAL-MG Rua Gabriel Monteiro da Silva, 700. Alfenas/MG. CEP 37130-000 Fone: (35) 3299-1000. Fax: (35) 3299-1063 DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE

Leia mais

CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Claudia Maria da Cruz Consultora Educacional FEVEREIRO/2015 CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL A ênfase na operacionalização escrita dos documentos curriculares municipais é

Leia mais

O PAPEL DA PROPAGANDA NO AMBIENTE ESCOLAR

O PAPEL DA PROPAGANDA NO AMBIENTE ESCOLAR O PAPEL DA PROPAGANDA NO AMBIENTE ESCOLAR Izabele Silva Gomes Vívian Galvão Barbosa Universidade Federal de Campina Grande UFCG izabelesilvag@gmail.com viviangbarbosa@msn.com INTRODUÇÃO Termos como Era

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS Cultura Brasileira 1º PERÍODO O fenômeno cultural. Cultura(s) no Brasil. Cultura regional e

Leia mais

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO MCH0181 HISTÓRIAS EM QUADRINHOS SOB A PERSPECTIVA DA TEORIA BAKHTINIANA

Leia mais

ANÁLISE SEMIÓTICO-DISCURSIVA DE UM ANÚNCIO DA NESTLÉ 1

ANÁLISE SEMIÓTICO-DISCURSIVA DE UM ANÚNCIO DA NESTLÉ 1 ANÁLISE SEMIÓTICO-DISCURSIVA DE UM ANÚNCIO DA NESTLÉ 1 MELO, Edsônia de Souza Oliveira(CEFET-MT) 2 RESUMO: Neste trabalho, pretende-se, sob a perspectiva da semiótica e discursiva de gêneros segundo Bakhtin,

Leia mais

GÊNEROS TEXTUAIS E O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA: LEITURA E COMPREENSÃO DE TIRINHAS E ANÚNCIOS PUBLICITÁRIOS

GÊNEROS TEXTUAIS E O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA: LEITURA E COMPREENSÃO DE TIRINHAS E ANÚNCIOS PUBLICITÁRIOS GÊNEROS TEXTUAIS E O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA: LEITURA E COMPREENSÃO DE TIRINHAS E ANÚNCIOS PUBLICITÁRIOS Ewerton Felix da Silva Antônio Fernandes Dias Júnior Prof. Dr. Leônidas José da Silva Júnior Universidade

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL: ELEMENTO FUNDAMENTAL NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM 1

EDUCAÇÃO AMBIENTAL: ELEMENTO FUNDAMENTAL NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM 1 EDUCAÇÃO AMBIENTAL: ELEMENTO FUNDAMENTAL NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM 1 Autora: Maria Thaís de Oliveira Batista Graduanda do Curso de Pedagogia Unidade Acadêmica de Educação/CFP/UFCG Email: taholiveira.thais@gmail.com

Leia mais

JAKOBSON, DUCHAMP E O ENSINO DE ARTE

JAKOBSON, DUCHAMP E O ENSINO DE ARTE JAKOBSON, DUCHAMP E O ENSINO DE ARTE Terezinha Losada Resumo: A obra Fonte de Marcel Duchamp é normalmente apontada pela crítica de arte como a síntese e a expressão mais radical da ruptura com a tradição

Leia mais

OFICINA DE PRODUÇÃO TEXTUAL

OFICINA DE PRODUÇÃO TEXTUAL OFICINA DE PRODUÇÃO TEXTUAL Caro Monitor, A proposta desta oficina é conduzir o aluno ao exercício da escrita por meio de temas relacionados à Biologia. O presente material sugere diferentes temas para

Leia mais

SEQUÊNCIA N.º 1 TEXTOS DOS DOMÍNIOS TRANSACIONAL E EDUCATIVO O ESSENCIAL. 1. Artigos científicos e técnicos

SEQUÊNCIA N.º 1 TEXTOS DOS DOMÍNIOS TRANSACIONAL E EDUCATIVO O ESSENCIAL. 1. Artigos científicos e técnicos SEQUÊNCIA N.º 1 TEXTOS DOS DOMÍNIOS TRANSACIONAL E EDUCATIVO O ESSENCIAL 1. Artigos científicos e técnicos Textos que tratam áreas específicas do saber, sendo normalmente escritos por especialistas, o

Leia mais

EMENTÁRIO DO CURO DE JORNALISMO

EMENTÁRIO DO CURO DE JORNALISMO EMENTÁRIO DO CURO DE JORNALISMO LET 02630 LÍNGUA PORTUGUESA Noções gerais da língua portuguesa. Leitura e produção de diferentes tipos de textos, em especial os relativos à comunicação de massa. Os tipos

Leia mais

Palavras-chave: Leitura. Oralidade. (Re)escrita. Introdução

Palavras-chave: Leitura. Oralidade. (Re)escrita. Introdução 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA (X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA OS TEXTOS

Leia mais

Programa e Metas Curriculares de Português do Ensino Secundário Oralidade

Programa e Metas Curriculares de Português do Ensino Secundário Oralidade Programa e Metas Curriculares de Português do Ensino Secundário Oralidade Helena C. Buescu, Luís C. Maia, Maria Graciete Silva, Maria Regina Rocha 10.º Ano: Oralidade Compreensão do Oral Objetivo Compreender

Leia mais

PARANÁ GOVERNO DO ESTADO

PARANÁ GOVERNO DO ESTADO PARANÁ GOVERNO DO ESTADO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SEED DIRETORIA DE POLÍTICAS E PROGRAMAS EDUCACIONAIS - DPPE PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO EDUCACIONAL PDE Anexo I Professor PDE FORMULÁRIO DE ACOMPANHAMENTO

Leia mais

OLIVEIRA, Luciano Amaral. Coisas que todo professor de português precisa saber: a teoria na prática. São Paulo: 184 Parábola Editorial, 2010.

OLIVEIRA, Luciano Amaral. Coisas que todo professor de português precisa saber: a teoria na prática. São Paulo: 184 Parábola Editorial, 2010. Resenha OLIVEIRA, Luciano Amaral. Coisas que todo professor de português precisa saber: a teoria na prática. São Paulo: 184 Parábola Editorial, 2010. Leticia Macedo Kaeser * leletrasufjf@gmail.com * Aluna

Leia mais

PRÁTICAS DE LEITURAS SIGNIFICATIVAS NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL

PRÁTICAS DE LEITURAS SIGNIFICATIVAS NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL PRÁTICAS DE LEITURAS SIGNIFICATIVAS NOS ANOS INICIAIS Resumo DO ENSINO FUNDAMENTAL MARTINS, Esilda Cruz UEPG maria.esilda@hotmail.com Eixo Temático: Práticas e Estágios nas Licenciaturas. Agência Financiadora:

Leia mais

QUADRO CURSO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA QUADRO ANTERIOR A 2001 ATÉ O CURRICULO VIGENTE NO PRÓPRIO CURSO - 3 primeiros períodos

QUADRO CURSO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA QUADRO ANTERIOR A 2001 ATÉ O CURRICULO VIGENTE NO PRÓPRIO CURSO - 3 primeiros períodos QUADRO CURSO D PUBLICIDAD PROPAGANDA QUADRO ANTRIOR A 2001 ATÉ O CURRICULO VIGNT NO PRÓPRIO CURSO - 3 primeiros períodos DISCIPLINA A DISCIPLINA B CÓDIGO DISCIPLINA - 2008 C/H CUR -SO DISCIPLINA C/H CÓDIGO

Leia mais

ritmo; atividades. linguagem verbal e não verbal); filmes, etc); acordo com o interlocutor; respeitar opiniões alheias. textos;

ritmo; atividades. linguagem verbal e não verbal); filmes, etc); acordo com o interlocutor; respeitar opiniões alheias. textos; PLANO DE AULA 1º BIMESTRE LÍNGUA PORTUGUESA 6 º ANO CONTEÚDO ESTRUTURANTE: O DISCURSO COMO PRÁTICA SOCIALMENTE Professora: Rosangela Manzoni Siqueira CONTEÚDOS BÁSICOS: RETOMADA DOS GÊNEROS TRABALHADOS

Leia mais

Curso: Letras Português ( 1 ª Licenciatura) II Bloco

Curso: Letras Português ( 1 ª Licenciatura) II Bloco Curso: Letras Português ( 1 ª Licenciatura) I Bloco Filosofia da Educação 60 horas Metodologia Científica 60 horas Iniciação à Leitura e Produção de Textos Acadêmicos 60 horas Introdução à filosofia e

Leia mais

EMENTÁRIO DO CURO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA

EMENTÁRIO DO CURO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA EMENTÁRIO DO CURO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA LET 02630 LÍNGUA PORTUGUESA Noções gerais da língua portuguesa. Leitura e produção de diferentes tipos de textos, em especial os relativos à comunicação de

Leia mais

COMO AVALIAR O TEXTO LITERÁRIO CRITÉRIOS DE ANÁLISE

COMO AVALIAR O TEXTO LITERÁRIO CRITÉRIOS DE ANÁLISE COMO AVALIAR O TEXTO LITERÁRIO CRITÉRIOS DE ANÁLISE Literatura Infantil aspectos a serem desenvolvidos A natureza da Literatura Infanto-Juvenil está na Literatura e esta é uma manifestação artística. Assim,

Leia mais

RESUMO. Palavras-chaves: leitura; produção textual, conto. 1 INTRODUÇÃO

RESUMO. Palavras-chaves: leitura; produção textual, conto. 1 INTRODUÇÃO DE CONTO EM CONTO: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA DOCENTE Maria Helena Cunha de Andrade SILVA RESUMO Esse trabalho relata uma experiência de leitura e produção textual realizada no decorrer do ano letivo de

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE PEDAGOGIA Disciplina: Comunicação e Expressão Ementa: A leitura como vínculo leitor/texto através do conhecimento veiculado pelo texto escrito. Interpretação:

Leia mais

Projeto São João Literário Promovendo a cultura popular, incentivando a leitura e a produção literária.

Projeto São João Literário Promovendo a cultura popular, incentivando a leitura e a produção literária. Projeto São João Literário Promovendo a cultura popular, incentivando a leitura e a produção literária. Histórico e Justificativa No ano de 2012, ao participar de uma quadrilha temática, em homenagem ao

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA LOGOTIPO MACMILLAN BRASIL Utilização colorido; preto/branco e negativo Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que

Leia mais

SEQUÊNCIA DIDÁTICA: A Publicidade na Sala de Aula

SEQUÊNCIA DIDÁTICA: A Publicidade na Sala de Aula OFICINA SEMIPRESENCIAL O(S) USO(S) DE DOCUMENTO(S) DE ARQUIVO NA SALA DE AULA ALUNA: Alcinéia Emmerick de Almeida / Núcleo de Ação Educativa - APESP SEQUÊNCIA DIDÁTICA: A Publicidade na Sala de Aula TEMA:

Leia mais

HABILIDADES DE LEITURA

HABILIDADES DE LEITURA HABILIDADES DE LEITURA QUESTÃO 1 Os PCNs Parâmetros Curriculares Nacionais: Língua Portuguesa prescrevem como se deve organizar o ensino de Língua Portuguesa. Assinale a alternativa cuja afirmação está

Leia mais

Estudos da Natureza na Educação Infantil

Estudos da Natureza na Educação Infantil Estudos da Natureza na Educação Infantil Referenciais Curriculares Nacionais da Educação Infantil (RCNEI) parte 3 Prof. Walteno Martins Parreira Jr www.waltenomartins.com.br waltenomartins@yahoo.com 2015

Leia mais

CURSO DE DESIGN DE MODA

CURSO DE DESIGN DE MODA 1 CURSO DE EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2011.1 BRUSQUE (SC) 2013 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 3 01 CRIATIVIDADE... 3 02 HISTÓRIA DA ARTE E DO DESIGN... 3 03 INTRODUÇÃO AO... 3 04 LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTO... 3

Leia mais

Objetivo Geral: Levar o aluno a se apropriar das características sócio-discursivas do gênero anúncio publicitário social.

Objetivo Geral: Levar o aluno a se apropriar das características sócio-discursivas do gênero anúncio publicitário social. IDENTIFICAÇÃO Área: Língua Portuguesa. Professora PDE: Marli Gorla. Professora Orientadora: Lílian Cristina Buzato Riter. Material Didático Seqüência Didática. Plano de Aula = Módulo I = Leitura e Análise

Leia mais

Não adianta falar inglês sem fazer sentido. 1

Não adianta falar inglês sem fazer sentido. 1 Não adianta falar inglês sem fazer sentido. 1 BOGUSZEWSKI, Luiza. 2 SCHETTERT, Gabriela Antunes. 3 MENEZES, Sérgio. 4 Universidade Positivo, Curitiba, PR. 2013 RESUMO Com a disseminação da cultura norte-americana

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA PRODUÇÃO DE TEXTOS DO JORNAL REPORTAGEM RESENHA CRÍTICA TEXTO DE OPINIÃO CARTA DE LEITOR EDITORIAL

ORIENTAÇÕES PARA PRODUÇÃO DE TEXTOS DO JORNAL REPORTAGEM RESENHA CRÍTICA TEXTO DE OPINIÃO CARTA DE LEITOR EDITORIAL ORIENTAÇÕES PARA PRODUÇÃO DE TEXTOS DO JORNAL REPORTAGEM RESENHA CRÍTICA TEXTO DE OPINIÃO CARTA DE LEITOR EDITORIAL ORIENTAÇÕES PARA OS GRUPOS QUE ESTÃO PRODUZINDO UMA: REPORTAGEM Tipos de Textos Características

Leia mais

ANÁLISE DOS PONTOS DE VISTA IDEOLÓGICOS COMO REFERÊNCIA NA FORMAÇÃO DO PÚBLICO LEITOR.

ANÁLISE DOS PONTOS DE VISTA IDEOLÓGICOS COMO REFERÊNCIA NA FORMAÇÃO DO PÚBLICO LEITOR. ANÁLISE DOS PONTOS DE VISTA IDEOLÓGICOS COMO REFERÊNCIA NA FORMAÇÃO DO PÚBLICO LEITOR. Autor: Wagner de Araújo Baldêz 1 - UFOP. Orientador: William Augusto Menezes 2 - UFOP. O objetivo desse artigo é relatar

Leia mais

PLANO DE CURSO REFERENCIAL LÍNGUA PORTUGUESA/GESTAR 6ª SÉRIE (7º ANO)

PLANO DE CURSO REFERENCIAL LÍNGUA PORTUGUESA/GESTAR 6ª SÉRIE (7º ANO) PLANO DE CURSO REFERENCIAL LÍNGUA PORTUGUESA/GESTAR 6ª SÉRIE (7º ANO) Processo Avaliativo Unidade Didática PRIMEIRA UNIDADE Competências e Habilidades Aperfeiçoar a escuta de textos orais - Reconhecer

Leia mais

PLANEJAMENTO ANUAL DE LÍNGUA INGLESA

PLANEJAMENTO ANUAL DE LÍNGUA INGLESA COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150 PLANEJAMENTO ANUAL DE LÍNGUA INGLESA SÉRIE: 8ºs anos PROFESSOR:

Leia mais

Centro de Estudos Avançados em Pós Graduação e Pesquisa

Centro de Estudos Avançados em Pós Graduação e Pesquisa EDUCAÇÃO INFANTIL JUSTIFICATIVA O momento social, econômico, político e histórico em que vivemos está exigindo um novo perfil de profissional, de cidadão: informado, bem qualificado, crítico, ágil, criativo,

Leia mais

O USO DO GÊNERO LETRA DE MÚSICA PARA O DESENVOLVIMENTO DAS COMPETÊNCIAS LINGUÍSTICO- DISCURSIVAS DOS ALUNOS

O USO DO GÊNERO LETRA DE MÚSICA PARA O DESENVOLVIMENTO DAS COMPETÊNCIAS LINGUÍSTICO- DISCURSIVAS DOS ALUNOS O USO DO GÊNERO LETRA DE MÚSICA PARA O DESENVOLVIMENTO DAS COMPETÊNCIAS LINGUÍSTICO- DISCURSIVAS DOS ALUNOS Gilianne Vicente dos Santos; Aline Giseli da Silva Lima; JacineideVirgínia Borges O. da Silva

Leia mais

ALUNOS LEITORES E REDATORES: O JORNAL MURAL EM SALA DE AULA PIBID/LETRAS 1

ALUNOS LEITORES E REDATORES: O JORNAL MURAL EM SALA DE AULA PIBID/LETRAS 1 ALUNOS LEITORES E REDATORES: O JORNAL MURAL EM SALA DE AULA PIBID/LETRAS 1 COSTA, Juliana Melo da; GONÇALVES, Luana Iensen 2 ; RANGEL, Eliane de Fátima Manenti 3 1 Trabalho financiado pela CAPES via o

Leia mais

1. Linguagens e Códigos; 2. Raciocínio Lógico e Matemática; 3. Leitura e Interpretação de Textos; 4. Atualidades.

1. Linguagens e Códigos; 2. Raciocínio Lógico e Matemática; 3. Leitura e Interpretação de Textos; 4. Atualidades. ANEXO I - PROGRAMA DAS PROVAS DE CONHECIMENTOS GERAIS E DE REDAÇÃO Prova (Todos os Cursos) Trabalhando em consonância com as diretrizes curriculares nacionais, o UNIFEMM entende que as avaliações do processo

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE VARIAÇÃO LINGUÍSTICA POR MEIO DE GÊNEROS TEXTUAIS

REFLEXÕES SOBRE VARIAÇÃO LINGUÍSTICA POR MEIO DE GÊNEROS TEXTUAIS REFLEXÕES SOBRE VARIAÇÃO LINGUÍSTICA POR MEIO DE GÊNEROS TEXTUAIS Resumo Ana Paula Roco 1 - PUCPR Felipe Ramalho 2 - PUCPR Jéssica Isabele Pilato 3 - PUCPR Marcela Calisario Cardozo Schafranski 4 - PUCPR

Leia mais

CECIS, LABES e a elaboração de materiais de divulgação científica

CECIS, LABES e a elaboração de materiais de divulgação científica Estimulando crianças a práticas preventivas da dengue: o desenho de animação como recurso para mobilização Mariana de Queiroz Bertelli, Héliton da Silva Barros, Felipe Kolb Bernardes, Virgínia Torres Schall

Leia mais

Coleção Escola Aprendente. Matrizes Curriculares para o Ensino Médio

Coleção Escola Aprendente. Matrizes Curriculares para o Ensino Médio Coleção Escola Aprendente Matrizes Curriculares para o Ensino Médio Projeto Gráfico Jozias Rodrigues Feliciano de Magalhães Jr. Márcio Magalhães Diagramação Eletrônica Jozias Rodrigues Márcio Magalhães

Leia mais

Aspectos Visuais e de Representação de um Slogan 1. Luciana da Silva Souza REINO 2 Universidade Federal do Maranhão, Imperatriz, MA

Aspectos Visuais e de Representação de um Slogan 1. Luciana da Silva Souza REINO 2 Universidade Federal do Maranhão, Imperatriz, MA RESUMO Aspectos Visuais e de Representação de um Slogan 1 Luciana da Silva Souza REINO 2 Universidade Federal do Maranhão, Imperatriz, MA O objetivo deste trabalho foi fazer uma análise dos aspectos visuais

Leia mais

Elaboração de projetos

Elaboração de projetos Ano: 2013 CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL ARLINDO RIBEIRO Professor: ELIANE STAVINSKI PORTUGUÊS Disciplina: LÍNGUA PORTUGUESA / LITERATURA Série: 2ª A e B CONTEÚDO ESTRUTURANTE: DISCURSO COMO

Leia mais

GENTE EDUCADA, CIDADE BONITA. Modelo de Projeto para Leopoldina Minas Gerais. Projeto de Atividades. 1º Edição

GENTE EDUCADA, CIDADE BONITA. Modelo de Projeto para Leopoldina Minas Gerais. Projeto de Atividades. 1º Edição GENTE EDUCADA, CIDADE BONITA Projeto de Atividades 1º Edição Modelo de Projeto para Leopoldina Minas Gerais 1. INTRODUÇÃO A educação atualmente não pode se restringir apenas ao ambiente escolar, o estudante

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR Página 1/3 CURSO: LETRAS - GRADUAÇÃO - LICENCIATURA GRADE: INGRESSANTES 2015/1

MATRIZ CURRICULAR Página 1/3 CURSO: LETRAS - GRADUAÇÃO - LICENCIATURA GRADE: INGRESSANTES 2015/1 Página 1/3 Período: 1 ENADE INGRESSANTE 0 ESTILÍSTICA 36 LITERATURA BRASILEIRA: CONTEMPORÂNEA 72 LITERATURA EM LÍNGUA INGLESA 72 LITERATURA EM LÍNGUA INGLESA: AS ÉPOCAS VITORIANA E CONTEMPORÂNEA 36 LÍNGUA

Leia mais

Curso: Pedagogia ( 1 ª Licenciatura) I Bloco. Fundamentos Epistemológicos de Pedagogia 60 horas

Curso: Pedagogia ( 1 ª Licenciatura) I Bloco. Fundamentos Epistemológicos de Pedagogia 60 horas Curso: Pedagogia ( 1 ª Licenciatura) I Bloco Fundamentos Epistemológicos de Pedagogia 60 horas Metodologia Científica 60 horas História da Educação 60 horas Sociologia da Educação I 60 horas Filosofia

Leia mais

ANÚNCIO PUBLICITÁRIO: UMA ABORDAGEM EM SALA DE AULA DO ENSINO MÉDIO. Palavras-chave: Gênero discursivo. Anúncio publicitário. Leitura e escrita.

ANÚNCIO PUBLICITÁRIO: UMA ABORDAGEM EM SALA DE AULA DO ENSINO MÉDIO. Palavras-chave: Gênero discursivo. Anúncio publicitário. Leitura e escrita. ANÚNCIO PUBLICITÁRIO: UMA ABORDAGEM EM SALA DE AULA DO ENSINO MÉDIO Dinara Soares CHACON 1 Maria Jaqueline da SILVA 2 Orientador (a): Profa. Drª. Maria da Penha Casado ALVES 3 Departamento de Letras -

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO/ 2013

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO/ 2013 Curso: Graduação: Habilitação: Regime: Duração: COMUNICAÇÃO SOCIAL BACHARELADO MATRIZ CURRICULAR PUBLICIDADE E PROPAGANDA SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL

Leia mais

EXPERIÊNCIAS DE LEITURA, ESCRITA E MÚSICA

EXPERIÊNCIAS DE LEITURA, ESCRITA E MÚSICA EXPERIÊNCIAS DE LEITURA, ESCRITA E MÚSICA Aline Mendes da SILVA, Marcilene Cardoso da SILVA, Reila Terezinha da Silva LUZ, Dulcéria TARTUCI, Maria Marta Lopes FLORES, Departamento de Educação UFG - Campus

Leia mais

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS DOS PROFESSORES DE LÍNGUA PORTUGUESA DO ENSINO MÉDIO: PERSPECTIVAS DE MUDANÇA

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS DOS PROFESSORES DE LÍNGUA PORTUGUESA DO ENSINO MÉDIO: PERSPECTIVAS DE MUDANÇA PRÁTICAS PEDAGÓGICAS DOS PROFESSORES DE LÍNGUA PORTUGUESA DO ENSINO MÉDIO: PERSPECTIVAS DE MUDANÇA SANTOS, Lilian 1 NUNES, Célia 2 O presente trabalho tem como objetivo apresentar algumas considerações

Leia mais

Projeto Integrado de Comunicação Do Bem Sucos Integrais: Peça de Mídia Impressa Recado do Bem 1

Projeto Integrado de Comunicação Do Bem Sucos Integrais: Peça de Mídia Impressa Recado do Bem 1 Projeto Integrado de Comunicação Do Bem Sucos Integrais: Peça de Mídia Impressa Recado do Bem 1 Amanda DIAS 2 Ana Carolina SACCOMANN 3 Beatriz REBELO 4 Bruna CLARA 5 Isabela SANTOS 6 Nathalia COBRA 7 Antonio

Leia mais

(IM)PACTOS DA/COM A LEITURA LITERÁRIA NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES ALFABETIZADORES Fernanda de Araújo Frambach UFRJ

(IM)PACTOS DA/COM A LEITURA LITERÁRIA NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES ALFABETIZADORES Fernanda de Araújo Frambach UFRJ (IM)PACTOS DA/COM A LEITURA LITERÁRIA NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES ALFABETIZADORES Fernanda de Araújo Frambach UFRJ Resumo O presente trabalho objetiva apresentar uma pesquisa em andamento que

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Escrita. Reescrita. Análise linguística. Celular.

PALAVRAS-CHAVE: Escrita. Reescrita. Análise linguística. Celular. A ESCRITA EM SUPORTES DIFERENTES: FOLHA DE PAPEL E CELULAR* Ednéia Aparecida Bernardineli BERNINI (PG-UEL) 1 RESUMO: Mesmo ouvindo-se um discurso de que os alunos não leem, nem escrevem, podemos observar

Leia mais

Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino

Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino fundamental Resumo O projeto de iniciação científica está vinculado à pesquisa Uso do jornal em sala de aula e compreensão

Leia mais

Alfabetização e Letramento

Alfabetização e Letramento Alfabetização e Letramento Material Teórico A Escrita no Processo de Alfabetização Responsável pelo Conteúdo e Revisor Textual: Profª. Ms Denise Jarcovis Pianheri Unidade A Escrita no Processo de Alfabetização

Leia mais

b) vantagens e desvantagens para o usuário que acessa Internet grátis comparadas aos serviços oferecidos pelos provedores pagos.

b) vantagens e desvantagens para o usuário que acessa Internet grátis comparadas aos serviços oferecidos pelos provedores pagos. Questão nº 1 I. Seleção de dados relevantes para o assunto em pauta, comparação, hierarquização. Devem aparecer nos textos: a) a Internet grátis desafia os provedores estabelecidos. Ressaltar as posições

Leia mais

EMENTÁRIO LETRAS EaD INGLÊS

EMENTÁRIO LETRAS EaD INGLÊS EMENTÁRIO LETRAS EaD INGLÊS 1ª FASE LLE 931 Introdução aos Estudos da Linguagem Total h/a Introdução aos conceitos de língua e língua(gem); características da língua(gem) humana; a complexidade da língua(gem)

Leia mais

PIC. Componentes da PIC 2. o bimestre. Produção Integrada ao Conteúdo

PIC. Componentes da PIC 2. o bimestre. Produção Integrada ao Conteúdo PIC Produção Integrada ao Conteúdo 8. o ano Ensino Fundamental Componentes da PIC 2. o bimestre Arte Ciências Geografia A nota da PIC é a média entre a nota de tarefa (avaliação do conjunto de tarefas)

Leia mais

PROGRAMA DE CONTEÚDOS 2014

PROGRAMA DE CONTEÚDOS 2014 C O L É G I O L A S A L L E Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Guarani, 2000 - Fone (045) 3252-1336 - Fax (045) 3379-5822 http://www.lasalle.edu.br/toledo/ PROGRAMA DE 2014 DISCIPLINA: LINGUAGEM

Leia mais

Proposta Pedagógica. Buscando atender às necessidades da comunidade local, o Colégio La Salle Brasília oferece educação infantil, fundamental e médio.

Proposta Pedagógica. Buscando atender às necessidades da comunidade local, o Colégio La Salle Brasília oferece educação infantil, fundamental e médio. Proposta Pedagógica Visão: Ser um centro de excelência em Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio que busca alcançar a utopia que tem de pessoa e sociedade, segundo os critérios do evangelho, vivenciando

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES AUDIOVISUAIS NA PRODUÇÃO TEXTUAL DE ALUNOS DO ENSINO MÉDIO: UMA ANÁLISE INTERDISCIPLINAR

CONTRIBUIÇÕES AUDIOVISUAIS NA PRODUÇÃO TEXTUAL DE ALUNOS DO ENSINO MÉDIO: UMA ANÁLISE INTERDISCIPLINAR 1 CONTRIBUIÇÕES AUDIOVISUAIS NA PRODUÇÃO TEXTUAL DE ALUNOS DO ENSINO MÉDIO: UMA ANÁLISE INTERDISCIPLINAR Loraine Vidigal LISBOA Universidade Gama Filho loraine_vidigal@yahoo.com.br Resumo: O artigo apresenta

Leia mais

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades;

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades; INFANTIL I OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Desenvolver uma imagem positiva de si, atuando de forma cada vez mais independente, com a confiança em suas capacidades e percepção de suas limitações:

Leia mais

Análise semiótica de campanha publicitária O Boticário

Análise semiótica de campanha publicitária O Boticário Análise semiótica de campanha publicitária O Boticário Jacqueline Calisto Costa Raquel de Paula Pinto Soares RESUMO A abordagem semiótica entende o texto como uma unidade de sentido, independente da linguagem.

Leia mais

Unidade IV Cultura A pluralidade na expressão humana.

Unidade IV Cultura A pluralidade na expressão humana. Unidade IV Cultura A pluralidade na expressão humana. 25.2 Conteúdo: Gênero dissertativo-argumentativo. Habilidade: Reconhecer a tese defendida em um texto. (D19) REVISÃO A REDAÇÃO DO ENEM 1 Domínio da

Leia mais

O USO DO IMPERATIVO NAS PROPAGANDAS DE CRÉDITO. PALAVRAS-CHAVE: propaganda; argumentação; verbo no imperativo; sequência injuntiva.

O USO DO IMPERATIVO NAS PROPAGANDAS DE CRÉDITO. PALAVRAS-CHAVE: propaganda; argumentação; verbo no imperativo; sequência injuntiva. O USO DO IMPERATIVO NAS PROPAGANDAS DE CRÉDITO Diana de Oliveira MENDONÇA 1 Maíra Dévely Silva BORGES 2 Sunamita Sâmela Simplício da SILVA 3 Departamento de Línguas e Literaturas Estrangeiras Modernas/UFRN

Leia mais

CULTURA JOVEM E NARRATIVA PUBLICITÁRIA: UM ESTUDO SOBRE ANÚNCIOS DE CIGARRO DAS DÉCADAS DE 1960/1970

CULTURA JOVEM E NARRATIVA PUBLICITÁRIA: UM ESTUDO SOBRE ANÚNCIOS DE CIGARRO DAS DÉCADAS DE 1960/1970 Departamento de Comunicação Social CULTURA JOVEM E NARRATIVA PUBLICITÁRIA: UM ESTUDO SOBRE ANÚNCIOS DE CIGARRO DAS DÉCADAS DE 1960/1970 Aluno: Juliana Cintra Orientador: Everardo Rocha Introdução A publicidade

Leia mais

XVII Congresso Nacional de Linguística e Filologia 117

XVII Congresso Nacional de Linguística e Filologia 117 XVII Congresso Nacional de Linguística e Filologia 117 PRINCÍPIOS E FUNDAMENTOS DOS PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS Marcos Luiz Wiedemer (UERJ/UNESP) mlwiedemer@gmail.com 1. Introdução Os Parâmetros

Leia mais

PLANEJAMENTO ANUAL DE LÍNGUA INGLESA

PLANEJAMENTO ANUAL DE LÍNGUA INGLESA COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150 PLANEJAMENTO ANUAL DE LÍNGUA INGLESA SÉRIE: 6ºs Anos PROFESSORA:

Leia mais

O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL Josiane Lima Zanata (Seduc) josianezanata@hotmail.com Ivani Souza Mello (UFMT) ivanimello1@hotmail.com

Leia mais

Jambo! Uma Manhã com os Bichos da África

Jambo! Uma Manhã com os Bichos da África elaboração: PROF. DR. JOSÉ NICOLAU GREGORIN FILHO Jambo! Uma Manhã com os Bichos da África escrito por & ilustrado por Rogério de A. Barbosa Eduardo Engel Os Projetos de Leitura: concepção Buscando o oferecimento

Leia mais

A Pobreza tem Cor no Brasil: Precisamos Reverter este Quadro 1

A Pobreza tem Cor no Brasil: Precisamos Reverter este Quadro 1 A Pobreza tem Cor no Brasil: Precisamos Reverter este Quadro 1 Andrey Scariott FILIPPI 2 Lucas Paiva de OLIVEIRA 3 Marcelo Barbosa CORRÊA 4 Virgínia FEIX 5 Centro Universitário Metodista do IPA, Porto

Leia mais

PRODUÇÃO DIRIGIDA CIDADÃO COM OPINIÃO

PRODUÇÃO DIRIGIDA CIDADÃO COM OPINIÃO PRODUÇÃO DIRIGIDA CIDADÃO COM OPINIÃO MUNIZ, Claudia Pereira SME cmuniz@sme.curitiba.pr.gov.br OLIVEIRA, Terezinha das Graças Laguardia SME tereoliveira@sme.curitiba.pr.org.br Eixo Temático: Comunicação

Leia mais

Palavras-chave: Representação. Homem. Publicidade. Semântica Argumentativa.

Palavras-chave: Representação. Homem. Publicidade. Semântica Argumentativa. REPRESENTAÇÃO MASCULINA NA PUBLICIDADE BRASILEIRA: UM ESTUDO SEMÂNTICO-ARGUMENTATIVO Maria Eliane Gomes Morais (PPGFP-UEPB) Linduarte Pereira Rodrigues (DLA/PPGFP-UEPB) Resumo: A publicidade, assim como

Leia mais

Cadernos do CNLF, Vol. XVII, Nº 04. Rio de Janeiro: CiFEFiL, 2013.

Cadernos do CNLF, Vol. XVII, Nº 04. Rio de Janeiro: CiFEFiL, 2013. 122 Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos LER, ESCREVER E REESCREVER NO ENSINO MÉDIO POR MEIO DOS CLÁSSICOS DA LITERATURA BRASILEIRA José Enildo Elias Bezerra (IFAP) enildoelias@yahoo.com.br

Leia mais

Possibilidades e desafios do Coordenador Pedagógico e a interface das práticas educativas

Possibilidades e desafios do Coordenador Pedagógico e a interface das práticas educativas Possibilidades e desafios do Coordenador Pedagógico e a interface das práticas educativas Encontro 2 Coordenadores Pedagógicos CEFOR 05 de Junho 2013 Pauta Acolhimento Leitura deleite Apresentação / entrevista

Leia mais

COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150

COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150 COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 13, Toledo PR Fone: 377-150 PLANEJAMENTO ANUAL DE LÍNGUA INGLESA SÉRIE: 3º Ano PROFESSOR: Lilian

Leia mais

O uso dos gêneros textuais na alfabetização: crenças que norteiam a prática docente

O uso dos gêneros textuais na alfabetização: crenças que norteiam a prática docente O uso dos gêneros textuais na alfabetização: crenças que norteiam a prática docente BARCELOS-COELHO, Lenir de Jesus 155* BUENO, Ivonete 156** RESUMO: No contexto atual são patentes as dificuldades relacionadas

Leia mais

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades;

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades; INFANTIL II OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Desenvolver uma imagem positiva de si, atuando de forma cada vez mais independente, com a confiança em suas capacidades e percepção de suas limitações:

Leia mais

Conheça também! As demais disciplinas desta coleção nas páginas 4, 8, 32, 36, 72 e 90.

Conheça também! As demais disciplinas desta coleção nas páginas 4, 8, 32, 36, 72 e 90. porta aberta Nova edição Geografia 2º ao 5º ano O estudo das categorias lugar, paisagem e espaço tem prioridade nesta obra. 25383COL05 Conheça também! As demais disciplinas desta coleção nas páginas 4,

Leia mais

Organização: PROFESSORAS ROSA MARIA DE SÁ TEREZINHA DE ASSIS MACEDO

Organização: PROFESSORAS ROSA MARIA DE SÁ TEREZINHA DE ASSIS MACEDO 3º ao 5º ANO Organização: PROFESSORAS ROSA MARIA DE SÁ TEREZINHA DE ASSIS MACEDO GÊNERO PUBLICITÁRIO Propagandas Definem-se por procurarem despertar no interlocutor o desejo de comprar algo, seja um produto,

Leia mais

COMPETÊNCIAS E HABILIDADES NA PRÁTICA ESCRITA: Trabalhando com a redação do ENEM

COMPETÊNCIAS E HABILIDADES NA PRÁTICA ESCRITA: Trabalhando com a redação do ENEM COMPETÊNCIAS E HABILIDADES NA PRÁTICA ESCRITA: Trabalhando com a redação do ENEM Mayara Myrthes Henriques Santos Universidade Estadual da Paraíba, mayara.mhs@gmail.com RESUMO: O processo de ensino e aprendizagem

Leia mais

Produção de textos na escola: perspectivas teórico-metodológicas, tendências e desafios 1

Produção de textos na escola: perspectivas teórico-metodológicas, tendências e desafios 1 Produção de textos na escola: perspectivas teórico-metodológicas, tendências e desafios 1 Ana Luiza Marcondes Garcia PUC/SP Produzir textos é expor uma imagem de si. Nada é tão complexo quanto suscitar

Leia mais

COMO A PROPAGANDA FUNCIONA?

COMO A PROPAGANDA FUNCIONA? COMO A PROPAGANDA FUNCIONA? Definição: a manipulação planejada da comunicação visando, pela persuasão, promover comportamentos em benefício do anunciante que a utiliza. Funções: cabe a propaganda informar

Leia mais

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens Para pensar o livro de imagens ROTEIROS PARA LEITURA LITERÁRIA Ligia Cademartori Para pensar o Livro de imagens 1 1 Texto visual Há livros compostos predominantemente por imagens que, postas em relação,

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA LOGOTIPO MACMILLAN BRASIL Utilização colorido; preto/branco e negativo Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EMENTA OBJETIVOS

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EMENTA OBJETIVOS Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EIXO TECNOLÓGICO: INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO CURSO: INFORMÁTICA FORMA/GRAU:( X)integrado ( )subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado ( ) licenciatura ( ) tecnólogo MODALIDADE:

Leia mais

Fundamentação do Projeto

Fundamentação do Projeto Fundamentação do Projeto Todos os alunos que têm uma alta dedicação à leitura alcançam pontuações de aptidão para a leitura que, em média, estão significativamente acima da média dos países membros da

Leia mais

CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA

CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA 1 CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) 2012 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INTRODUÇÃO A PUBLICIDADE E PROPAGANDA... 4 02 HISTÓRIA DA ARTE... 4 03 COMUNICAÇÃO

Leia mais

Palavras-chave: gêneros textuais, resenha crítica, ensino, leitura e produção textual

Palavras-chave: gêneros textuais, resenha crítica, ensino, leitura e produção textual RESENHA CRÍTICA NO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA: PRÁTICAS DE ANÁLISE E PRODUÇÃO DE TEXTOS Valdisnei Martins de CAMPOS Letras - CAC/UFG; valdis_martins@hotmail.com Erislane Rodrigues RIBEIRO Letras - CAC/UFG;

Leia mais

AS HISTÓRIAS EM QUADRINHOS E O INCENTIVO À LEITURA E CRIAÇÃO TEXTUAL

AS HISTÓRIAS EM QUADRINHOS E O INCENTIVO À LEITURA E CRIAÇÃO TEXTUAL 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( x ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA AS HISTÓRIAS EM QUADRINHOS E O INCENTIVO À LEITURA E CRIAÇÃO

Leia mais

Articulando saberes e transformando a prática

Articulando saberes e transformando a prática Articulando saberes e transformando a prática Maria Elisabette Brisola Brito Prado Na sociedade do conhecimento e da tecnologia torna-se necessário repensar o papel da escola, mais especificamente as questões

Leia mais