Grupo de Apoio ao Planejamento Institucional. Projeto de Governança do Planejamento Estratégico do Ministério Público do Estado do Pará

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Grupo de Apoio ao Planejamento Institucional. Projeto de Governança do Planejamento Estratégico do Ministério Público do Estado do Pará"

Transcrição

1 ESTADO DO PARÁ MINISTERIO PÚBLICO Grupo de Apoio ao Planejamento Institucional Projeto de Governança do Planejamento Estratégico do Ministério Público do Estado do Pará Abril/2014

2 PROJETO DE GOVERNANÇA ESTRATÉGICA NO MINISTÉRIO PÚBLICO ESTADO DO PARÁ 1. ARCABOUÇO LEGAL DO PROCESSO DE PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO NO MP/PA: Instituição do Plano Geral de Atuação (PGA) como instrumento de planejamento estratégico institucional - Capítulo VI da Lei Complementar nº 057, de 06 de julho de 2006 (Lei Orgânica do Ministério Público do Estado do Pará); Designação de membros e servidores para comporem o grupo de trabalho para a elaboração do PGA (Portaria nº 2632/2007-MP/PGJ); Designação de Procuradora e Promotores de Justiça para comporem o Grupo de Trabalho para a elaboração do PGA (Portaria nº 2855/2009-MP/PGJ); Instituição do Grupo de Apoio Técnico (GAT) para dar suporte aos membros (Portaria nº 2289/2009-MP/PGJ); Instituição de Grupo de trabalho para sistematizar o processo dos Planos de Atuação (PAs) (Portaria nº 3272/2009-MP/PGJ); Estabelecimento das diretrizes para os planos de atuação (Resolução nº 016/2009); Instituição do grupo de Apoio ao Planejamento Institucional (GAPI) (Portaria nº 4832/2011-MP/PGJ); e Modificação da estrutura do GAPI e determinação de 4 servidores para atuarem de forma permanente no Planejamento estratégico (Portaria nº1676/2014-mp/pgj). 2. OBJETIVO GERAL: Garantir maior controle sobre a implementação das ações estratégicas, visando ao crescimento e ao fortalecimento institucional para o alcance de sua missão e visão de futuro no período de 2014 a OBJETIVOS ESPECÍFICOS: 3.1- Estabelecer mecanismos de integração institucional; 3.2- Atribuir responsabilidades; 3.3- Definir instrumentos de controle e de tomada de decisões, inclusive aqueles baseados em indicadores de eficiência, eficácia e efetividade institucional; 3.4- Realizar o alinhamento entre planejamento estratégico, Plano Plurianual (PPA), Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) e Lei Orçamentária Anual (LOA). 4. CONTEXTUALIZAÇÃO DO MP PARÁ: Atualmente o MP/PA não dispõe de uma unidade oficial de gestão de planejamento estratégico, cabendo aos assessores de planejamento, orçamento e finanças ligados ao Procurador- Geral de Justiça, a elaboração de instrumentos constitucionais de planejamento: PPA, LDO e LOA. O grande desafio nesse momento para tornar o planejamento estratégico do MPE/PA em projeto institucional viável, é a sua estruturação e a implementação de suas ações.

3 O MP/PA evidencia, oportunamente, os desafios que deverá superar para concretizar sua missão e visão do futuro, manter e destacar seus valores, executar suas ações estratégicas visando ao alcance dos objetivos propostos. Como executar as ações estratégicas sabedores que muitos são os óbices estruturais, uma vez que a execução das ações depende fundamentalmente de infraestrutura adequada nas diversas áreas? Que o quantitativo de membros e servidores é insuficiente para atender aos 144 municípios do Estado do Pará, com uma população de de habitantes? (Estimativa para 2013/DATASUS). Que a situação torna-se mais complexa quando consideramos nesse cenário, a demografia da região, formada por grandes rios e igarapés que dificultam naturalmente o acesso do poder público às populações mais distantes? Visando enfrentar esses desafios, torna-se imprescindível a elaboração do presente projeto de governança do planejamento estratégico do MP/PA, como instrumento de controle das ações para o efetivo alcance dos objetivos institucionais delineados no Mapa Estratégico. 5. PRODUTOS ENTREGUES: 5.1 Plano Geral de Atuação elaborado: Em 2008, foi elaborado o Plano Geral de Atuação (PGA) de forma democrática e amplamente participativa, envolvendo membros, servidores e a sociedade da capital e do interior (oficinas de planejamento e oitivas com a sociedade), onde foram definidos a base estratégica (objetivo geral, objetivo específico, visão do futuro, diretrizes, pressupostos e estratégias), as ações estratégicas e os coordenadores e subcoordenadores responsáveis pela implementação e acompanhamento das ações estratégicas. Na ocasião foi definida a revisão desse Plano a cada dois anos. 5.2 Grupo de Apoio ao Planejamento Estratégico: Com o objetivo de apoiar os membros na implementação das ações estratégicas foi criado inicialmente o Grupo de Apoio Técnico (GAT), formado apenas por servidores, após essa etapa e, tendo em vista a necessidade da visão institucional mais efetiva na condução do processo, esse grupo foi reformulado, passando a ser integrado por membros, servidores (representantes da Procuradoria-Geral, Corregedoria-Geral, Ouvidoria, Subprocuradorias da área jurídico- institucional e técnico administrativa) e por representantes de Promotorias de Justiça, quando então, recebeu a denominação de Grupo de Apoio ao Planejamento Institucional (GAPI). O grande entrave no desenvolvimento das atividades do GAPI encontrava-se no fato de que seus integrantes desenvolviam suas atividades de planejamento estratégico paralelamente às atividades específicas de suas unidades, fato que levou a Administração Superior a reformular novamente o ato que instituiu esse grupo, designando dentre seus integrantes, quatro servidores para atuarem em caráter permanente no planejamento estratégico institucional. 5.3 Implantação de Sistema de Informação de Indicadores Sociais SIIS: Utilizado como premissa para elaboração dos PAs, esse sistema foi construído com base nos indicadores do IBGE e do Instituto de Desenvolvimento Econômico e Social do Estado do Pará (IDESP).

4 5.4 Ações realizadas previstas no PGA: Criação de Grupos de Trabalho para atuação em áreas especificas: saúde, educação, transporte e improbidade administrativa, dentre outros; Programa Ministério Público e a Comunidade: revisão do programa com a finalidade de fortalecer seu objetivo de constituir-se em instrumento de ligação direta entre a instituição e a sociedade. O programa visa facilitar o maior acesso da população aos serviços ofertados pelo MP/PA, atuando principalmente na defesa dos direitos difusos e coletivos; Implantação dos Planos de Atuação (PAs) das Procuradorias e Promotorias de Justiça e desenvolvimento de Sistema de Execução e Acompanhamento desses Planos de Atuação (SEAPA); e Projeto de criação da Coordenadoria Recursal do MP/PA (em apreciação). 5.5 Alinhamento Estratégico (1ª Etapa): Realizado em 2012, Workshop para revisão e atualização do PGA, com a contratação de pessoa jurídica através da utilização da metodologia Balanced Scorecard (BSC), quando ocorreu a ampliação dos objetivos e das ações estratégicas inicialmente previstas nesse Plano, propiciando a construção do Mapa Estratégico, cópia em anexo, bem como, a construção de indicadores para a instituição. Divulgado processo de planejamento estratégico, por meio do subsite na página institucional; fixados painéis do Mapa Estratégico no hall do edifício sede da Instituição; distribuídos folders, contendo o Mapa Estratégico e realizado evento de lançamento do Mapa Estratégico Institucional. 5.6 Alinhamento Estratégico (2ª Etapa): A 2ª etapa do alinhamento estratégico foi executada em março/2014, com a realização de reunião de trabalho, momento em que foram analisadas as ações estratégicas da instituição e identificados os responsáveis por sua execução. Nessa ocasião, foi definido que os grupos formados por membros e servidores, sob a supervisão de coordenadores e o subcoordenadores (membros) irão encaminhar, em prazo determinado, propostas que viabilizem a implementação das ações estratégicas. Tais propostas serão apresentadas e validadas em reunião de trabalho a ser realizado em data pré-definida; 5.7 Fomento de projetos: Identificados projetos exitosos e cadastramento no Banco Nacional de Projetos do CNMP de autoria dos membros; Capacitação de membro e técnico em curso de AD de Gerência de Projetos, ofertado pelo CNMP, através do CEAF /MG;

5 6. PRODUTOS A SEREM ENTREGUES (ETAPAS DO PROJETO): 6.1 Plano Estratégico do Ministério Público do Estado do Pará: avaliado e validado pelo PGJ e pelo Colégio de Procuradores de Justiça: Análise das ações estratégicas e seu desdobramento em ações táticas e operacionais capazes de alcançar os objetivos pretendidos, realizada por quatro grupos de trabalho, formados por membros e servidores, criados para este fim; Realização de eventos de gestão do planejamento para alinhamento e maior envolvimento no processo de planejamento de membro e servidores do MP/PA; 6.2 Plano de capacitação continuada em Planejamento Estratégico: considerando que o planejamento estratégico é de natureza dinâmica e continuada deverá ser elaborado um Plano de Capacitação através da realização de diversos cursos e oficinas sobre o tema, visando o atendimento de todos os atores do MP/PA, através do CEAF/PA. 6.3 Alinhamento do Projeto do Plano Plurianual e Projeto de Lei Orçamentária Anual ao Planejamento Estratégico do órgão. 6.4 Avaliação e revisão do processo: Elaboração de relatórios semestrais e anuais pelos grupos de trabalho (coordenadores, subcoordenadores e servidores), referentes a execução das ações estratégicas, conforme modelo previamente elaborado; e Revisão bianual do planejamento estratégico e/ou sempre que constatada a necessidade de ajustes no Plano Estratégico. 6.5 Divulgação dos resultados: revisão do subsite, mídia local, portal da transparência, dentre outros. 6.6 Projeto de Criação de Unidade de Planejamento no MP/PA: o projeto prevê a criação de unidade voltada ao planejamento estratégico, abrangendo as áreas de gestão do planejamento, Projetos, captação de recursos, orçamento e outros. CRONOGRAMA DE EXECUÇÃO FÍSICO: (ETAPAS A SEREM CUMPRIDAS) Produto Prazo de obtenção 6.1 Plano Estratégico do Ministério Público do Estado do Pará(PGA atualizado) agosto/ Plano de capacitação continuada em Planejamento Estratégico novembro/ Alinhamento do Projeto do Plano Plurianual e Projeto de Lei Orçamentária Anual ao Planejamento Estratégico do Agosto/2015 órgão 6.4 Avaliação e revisão do processo A partir de agosto/ Divulgação dos resultados A partir de setembro/ Projeto de Criação de Unidade de Planejamento no MP/PA junho/2016

6 7. ESTRUTURA DO PROCESSO DE PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO INSTITUCIONAL: Para a construção do PE foi criada a seguinte estrutura: Coordenador-Geral e Subcoordenador-Geral; Coordenadores e Subcoordenadores das ações estratégicas; Grupo de Trabalho de Apoio ao Planejamento Estratégico Institucional 7.1. Compete ao Coordenador-Geral: I Coordenar as atividades de planejamento estratégico; II Indicar nomes de membros que possam contribuir com o processo de planejamento estratégico; III Propor, constatada a necessidade, revisão do processo; IV- Encaminhar ao Procurador-Geral de Justiça o resultado da avaliação ou revisão do processo de planejamento estratégico ( Relatórios); V Divulgar cronograma de reuniões; 7.2. Compete ao Subcoordenador- Geral: I - Exercer as atividades que lhes forem atribuídas pelo Coordenador-Geral; II- Exercer as atividades de coordenação-geral na ausência ou na impossibilidade do coordenador-geral Compete aos Coordenadores e Subcoordenadores das ações estratégicas: I Avaliar ou revalidar o processo de Planejamento Estratégico (objetivos, indicadores, metas e projetos estratégicos) com periodicidade bienal; II Avaliar programas e projetos semestralmente, visando a tomada de decisão da Administração Superior, com base em relatório situacional; III Propor, à Coordenação-Geral, a revisão, ampliação ou, justificadamente, a exclusão de projetos estratégicos estabelecidos, bem como desenvolver novos projetos e apresentá-los à Administração Superior; IV Sugerir a administração superior, os responsáveis pela execução e acompanhamento de projetos; V - Acompanhar a coleta de indicadores e no caso de problemas encontrados, sugerir alterações nos instrumentos ou modelo de coleta; 7.4. Compete ao Grupo de Apoio ao Planejamento Institucional (GAPI): I - alinhar as ações estratégicas institucionais, de forma a proporcionar a atuação articulada das unidades organizacionais encarregadas da gestão de projetos; II - incentivar o alcance dos objetivos das áreas de resultado finalístico e dos projetos estratégicos institucionais; III - acompanhar e avaliar os resultados de planos, programas e projetos institucionais; IV - desenvolver mecanismos que propiciem a divulgação das ações e dos resultados relacionados com a gestão estratégica do Ministério Público do Estado do Pará. V - auxiliar no processo de formulação de estratégias para a atuação institucional e na definição de objetivos, metas e indicadores de resultado;

7 VI - promover a integração, o intercâmbio de informações e a articulação entre órgãos de Execução e os de Administração Superior do Ministério Publico do Estado de Pará, resguardado o principio de independência funcional, visando à unidade das ações institucionais; VII- identificar recursos públicos ou privados, nacionais ou internacionais, disponíveis para o cumprimento das ações constantes do Planejamento Estratégico do Ministério Público do Estado do Pará; e XIII - manter intercâmbio com pessoas, órgãos e entidades, públicos ou privados, nacionais ou internacionais, visando ao cumprimento de suas atribuições. 8. FERRAMENTAS DE GESTÃO: Para maximizar a execução da estratégia, o MP-PA deverá implantar e/ou implementar algumas ferramentas que possibilitem o correto gerenciamento dos recursos do plano estratégico, tais como: a) Criação de unidade de planejamento estratégico contemplando as áreas de gestão, de planos e projetos estratégicos, Informações estratégicas, desenvolvimento e gestão organizacional, elaboração e acompanhamento orçamentário; b) Sistema de Gestão do Planejamento Estratégico que tenha, no mínimo, capacidade de acompanhar os elementos de estratégia, tais como: metas, projetos e indicadores, além de possibilitar o gerenciamento e acompanhamento da evolução em tempo real com relatórios e estatísticas. 9. RESPONSÁVEL PELO PROJETO: NOME/CARGO: MARCOS ANTÔNIO FERREIRA DAS NEVES PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO PARÁ TELEFONE / ENDEREÇO ELETRÔNICO (91) / e 10. COORDENAÇÃO, ELABORAÇÃO E CONSTRUÇÃO DO PROJETO: Subprocuradoria-Geral de Justiça para a área técnico-administrativa Dr. Miguel Ribeiro Baia (91) / Grupo Permanente de Apoio ao Planejamento Estratégico (GPAPE) Marly Dantas Nery Economista (91) / Maria da Glória V. N. Araújo Bacharel em Direito (91) / Renata Cristina de Matos Martins Economista (91) / Marco Antônio da Silva Marques Estatístico (91) /

UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA UNEB DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO CAMPUS XII / GUANAMBI BA REGIMENTO INTERNO

UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA UNEB DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO CAMPUS XII / GUANAMBI BA REGIMENTO INTERNO UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA UNEB DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO CAMPUS XII / GUANAMBI BA REGIMENTO INTERNO GUANAMBI 2005 CAPÍTULO I Da Finalidade Art. 1º - O Núcleo de Pesquisa e Extensão () do Departamento

Leia mais

A- SUBPROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA JURÍDICA ATO NORMATIVO Nº 734/2012- PGJ, 27 DE ABRIL DE 2012 (Protocolado nº 59.120/12)

A- SUBPROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA JURÍDICA ATO NORMATIVO Nº 734/2012- PGJ, 27 DE ABRIL DE 2012 (Protocolado nº 59.120/12) A- SUBPROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA JURÍDICA ATO NORMATIVO Nº 734/2012- PGJ, 27 DE ABRIL DE 2012 (Protocolado nº 59.120/12) Revogado pelo Ato (N) nº 970/2016 PGJ, de 28 de junho de 2016. Institui a Coordenadoria

Leia mais

Ministério Público do Estado do Pará. Plano Geral de Atuação BIÊNIO 2011/12

Ministério Público do Estado do Pará. Plano Geral de Atuação BIÊNIO 2011/12 Ministério Público do Estado do Pará Plano Geral de Atuação BIÊNIO 2011/12 Belém/PA 2010 APRESENTAÇÃO O Ministério Público do Estado do Pará 1 apresenta seu Plano Geral de Atuação (PGA), para o biênio

Leia mais

PRODUTOS DO COMPONENTE 3. 3.1 - Modelo de Gestão Organizacional Formulado e Regulamentado

PRODUTOS DO COMPONENTE 3. 3.1 - Modelo de Gestão Organizacional Formulado e Regulamentado PRODUTOS DO COMPONENTE 3 3.1 - Modelo de Gestão Organizacional Formulado e Regulamentado A estruturação do atual modelo de gestão, caracterizou-se pela necessidade de alinhar permanentemente os órgãos

Leia mais

. PROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA GABINETE DO PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA RESOLUÇÃO Nº 2396

. PROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA GABINETE DO PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA RESOLUÇÃO Nº 2396 RESOLUÇÃO Nº 2396 O PROCURADOR GERAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO PARANÁ, no uso de suas atribuições e Considerando a criação da Subprocuradoria Geral de Justiça para Assuntos de Planejamento Institucional

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA DO MP-GO 2009-2022

GESTÃO ESTRATÉGICA DO MP-GO 2009-2022 A Gestão Estratégica do Ministério Público de Goiás (MP-GO) é o novo paradigma de gestão institucional voltado para a instrumentalização técnica e conceitual de todas as unidades e órgãos, administrativos

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO E TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA CAPÍTULO I DA NATUREZA, FINALIDADE E OBJETIVOS

REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO E TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA CAPÍTULO I DA NATUREZA, FINALIDADE E OBJETIVOS REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO E TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA CAPÍTULO I DA NATUREZA, FINALIDADE E OBJETIVOS Art. 1. O Núcleo de Inovação e Transferência de Tecnologia - NITTEC é um Órgão Executivo

Leia mais

ESTADO DE ALAGOAS GABINETE DO GOVERNADOR

ESTADO DE ALAGOAS GABINETE DO GOVERNADOR ESTADO DE ALAGOAS GABINETE DO GOVERNADOR DECRETO Nº 4.059, DE 1º DE OUTUBRO DE 2008 CRIA OS NÚCLEOS DE TECNOLOGIA EDUCACIONAL NO ÂMBITO DA SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO E DO ESPORTE E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

Leia mais

PLANO ANUAL DE CAPACITAÇÃO 2012

PLANO ANUAL DE CAPACITAÇÃO 2012 PLANO ANUAL DE CAPACITAÇÃO 2012 1 SUMÁRIO INTRODUÇÃO 3 CAPACITAÇÃO PROFISSIONAL DOS SERVIDORES TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS EM EDUCAÇÃO 5 CAPACITAÇÃO DOS SERVIDORES TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS EM EDUCAÇÃO 7 CAPACITAÇÃO

Leia mais

Oficina Nacional Planejamento no Âmbito do SUS. Planejamento Regional Integrado

Oficina Nacional Planejamento no Âmbito do SUS. Planejamento Regional Integrado Oficina Nacional Planejamento no Âmbito do SUS Planejamento Regional Integrado Brasília DF, novembro de 2014 LEGISLAÇÃO ANTERIOR AO DECRETO - VIGENTE Lei 8142/90-1º. art. 1 A Conferência de Saúde reunir-se-á

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR TERMO DE REFERÊNCIA 028/2010

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR TERMO DE REFERÊNCIA 028/2010 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR TERMO DE REFERÊNCIA 028/2010 1 NÚMERO E TÍTULO DO PROJETO Projeto OEI/BRA/10/002 - Atualização dos Processos de Gestão e Avaliação de Políticas e

Leia mais

Estrutura do PDI 2014-2018

Estrutura do PDI 2014-2018 APRESENTAÇÃO O Plano de Desenvolvimento Institucional (PDI) do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Minas Gerais (IFMG) além de constituir um requisito legal, tal como previsto no Artigo

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº. 16 - CONSU, DE 07 DE AGOSTO DE 2009.

RESOLUÇÃO Nº. 16 - CONSU, DE 07 DE AGOSTO DE 2009. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI CONSU RESOLUÇÃO Nº. 16 - CONSU, DE 07 DE AGOSTO DE 2009. Aprova o Regimento interno da Diretoria de Relações Internacionais

Leia mais

Tribunal de Contas do Estado de Minas Gerais Presidência Controladoria Interna PLANO DIRETOR CONTROLE INTERNO 2013-2014

Tribunal de Contas do Estado de Minas Gerais Presidência Controladoria Interna PLANO DIRETOR CONTROLE INTERNO 2013-2014 PLANO DIRETOR DE CONTROLE INTERNO 2013-2014 SUMÁRIO Pág. 1. INTRODUÇÃO 02 2. SISTEMA DE CONTROLE INTERNO 02 2.1 Conceituação 02 2.2. Marco legal 04 3. O CONTROLE INTERNO NO ÂMBITO DO TCEMG 4. CONTROLADORIA

Leia mais

Universidade de Brasília Centro de Excelência em Turismo

Universidade de Brasília Centro de Excelência em Turismo Universidade de Brasília Centro de Excelência em Turismo Centro de Excelência em Turismo da Universidade de Brasília Campus Universitário Darcy Ribeiro, Gleba A Asa Norte, 70 910 900 Brasília, DF Tel.

Leia mais

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação ANÁLISE PRELIMINAR DE PDTI

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação ANÁLISE PRELIMINAR DE PDTI MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação ANÁLISE PRELIMINAR DE PDTI Órgão: UNIVERSIDADE FEDERAL DE CIÊNCIA E SAÚDE DE PORTO ALEGRE - UFCSPA Objeto:

Leia mais

ATO Nº 31/2014. CONSIDERANDO a implementação do sistema eletrônico de gestão integrada da área administrativa, denominado sistema E-mpac,

ATO Nº 31/2014. CONSIDERANDO a implementação do sistema eletrônico de gestão integrada da área administrativa, denominado sistema E-mpac, ATO Nº 31/2014 Dispõe sobre a gestão de processos no âmbito do Ministério Público do Estado do Acre ACRE, no uso de suas atribuições legais, O PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO CONSIDERANDO a execução

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO DAS LICENCIATURAS (NEPEx LICENCIATURAS) DO INSTITUTO FEDERAL GOIANO

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO DAS LICENCIATURAS (NEPEx LICENCIATURAS) DO INSTITUTO FEDERAL GOIANO 1 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ENSINO, PESQUISA E

Leia mais

Síntese do Projeto Pedagógico do Curso de Sistemas de Informação PUC Minas/São Gabriel

Síntese do Projeto Pedagógico do Curso de Sistemas de Informação PUC Minas/São Gabriel PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS Instituto de Informática Síntese do Projeto Pedagógico do Curso de Sistemas de Informação PUC Minas/São Gabriel Belo Horizonte - MG Outubro/2007 Síntese

Leia mais

REGIMENTO INTERNO MUSEU DA MEMÓRIA E PATRIMÔNIO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS CAPÍTULO I CATEGORIA, SEDE E FINALIDADE

REGIMENTO INTERNO MUSEU DA MEMÓRIA E PATRIMÔNIO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS CAPÍTULO I CATEGORIA, SEDE E FINALIDADE MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas - UNIFAL-MG REGIMENTO INTERNO MUSEU DA MEMÓRIA E PATRIMÔNIO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS CAPÍTULO I CATEGORIA, SEDE E FINALIDADE Art. 1º O Museu

Leia mais

NOÇÕES DE GESTÃO PÚBLICA

NOÇÕES DE GESTÃO PÚBLICA WELTOM A. DE CARVALHO NOÇÕES DE GESTÃO PÚBLICA TEORIA 140 Questões Gabaritadas da FCC por Tópicos (2013 2004) A apostila abrange o conteúdo programático cobrado em alguns concursos púbicos, organizados

Leia mais

Regimento dos Campi da. Universidade Tecnológica Federal do Paraná UTFPR

Regimento dos Campi da. Universidade Tecnológica Federal do Paraná UTFPR Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná PR UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Regimento dos Campi da Universidade Tecnológica Federal do Paraná UTFPR Deliberação nº 10/2009

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 08/03-COUN

RESOLUÇÃO Nº 08/03-COUN RESOLUÇÃO Nº 08/03-COUN Estabelece o Regimento Interno do Núcleo de Educação a Distância (NEAD) da Universidade Federal do Paraná. O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade Federal do Paraná, no uso de

Leia mais

REGULAMENTO ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA FACULDADE DE APUCARANA FAP

REGULAMENTO ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA FACULDADE DE APUCARANA FAP REGULAMENTO ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA FACULDADE DE APUCARANA FAP Regulamento do Curricular Supervisionado do Curso de Graduação em Pedagogia - Licenciatura Faculdade de

Leia mais

Reestruturação da CPE

Reestruturação da CPE SEAP Secretaria de Estado da Administração e Previdência DRH Departamento de Recursos Humanos Reestruturação da CPE Fevereiro de 2010 Secretaria de Estado da Administração e Previdência pág: 1 Contextualização:

Leia mais

RESOLVE: Profª. MARIA CERES RODRIGUES MURAD Diretora Acadêmica

RESOLVE: Profª. MARIA CERES RODRIGUES MURAD Diretora Acadêmica RESOLUÇÃO Nº 5, DE 16 DE JULHO DE 2014 REGIMENTO DE PRÁTICA JURÍDICA Dispõe sobre a Prática Jurídica no âmbito da UNDB. O CONSELHO TÉCNICO- ADMINISTRATIVO, no uso das competências que lhe confere o art.

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 2, DE 27 DE SETEMBRO DE

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 2, DE 27 DE SETEMBRO DE Ministério da Educação CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 2, DE 27 DE SETEMBRO DE 2013 Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do curso de graduação em Relações

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTOR NA MODALIDADE PRODUTO

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTOR NA MODALIDADE PRODUTO Ministério da Educação - MEC Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior - CAPES TÍTULO DO PROJETO: Aperfeiçoamento institucional com vistas à melhoria dos programas, processos, projetos

Leia mais

Procuradoria Geral de Justiça, em Natal (RN), 08 de junho de 2011.

Procuradoria Geral de Justiça, em Natal (RN), 08 de junho de 2011. MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE PROCURADORIA GERAL DE JUSTIÇA R E S O L U Ç Ã O Nº 074/2011-PGJ.* O PROCURADOR GERAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE, no uso das atribuições

Leia mais

Planejamento Estratégico Setorial para a Internacionalização

Planejamento Estratégico Setorial para a Internacionalização Unidade de Projetos de Termo de Referência para elaboração e desenvolvimento de Planejamento Estratégico Setorial para a Internacionalização Agosto de 2009 Elaborado em: 4/8/2009 Elaborado por: Apex-Brasil

Leia mais

Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde Departamento de Vigilância em Saúde Ambiental e Saúde do Trabalhador. Sub-E I X O 4-4ª C N S T

Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde Departamento de Vigilância em Saúde Ambiental e Saúde do Trabalhador. Sub-E I X O 4-4ª C N S T Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde Departamento de Vigilância em Saúde Ambiental e Saúde do Trabalhador PLANEJAMENTO DO SUS Coordenação Geral de Saúde do Trabalhador FINANCIAMENTO DA

Leia mais

Saiba mais sobre o histórico do Projeto Gestão por Competências no Ministério da Saúde.

Saiba mais sobre o histórico do Projeto Gestão por Competências no Ministério da Saúde. GESTÃO DE PESSOAS POR COMPETÊNCIAS NO MINISTÉRIO DA SAÚDE O projeto Gestão por Competências teve início no Ministério da Saúde (MS) em setembro de 2009. Esse modelo de Gestão de Pessoas foi implantado

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2013-2017 COOPERATIVISMO: QUEM MOVIMENTA SÃO AS PESSOAS

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2013-2017 COOPERATIVISMO: QUEM MOVIMENTA SÃO AS PESSOAS PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2013-2017 COOPERATIVISMO: QUEM MOVIMENTA SÃO AS PESSOAS MENSAGEM DO PRESIDENTE O cooperativismo vive seu momento de maior evidência. O Ano Internacional das Cooperativas, instituído

Leia mais

COORDENAÇÃO DE PROJETOS E DOS PLANOS ANUAL E PLURIANUAL DE ATIVIDADES

COORDENAÇÃO DE PROJETOS E DOS PLANOS ANUAL E PLURIANUAL DE ATIVIDADES COORDENAÇÃO DE PROJETOS E DOS PLANOS ANUAL E PLURIANUAL DE ATIVIDADES Artigo 69.º Definição 1. A informação relativa às atividades educativas promovidas a partir dos docentes, das estruturas de coordenação

Leia mais

PROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA GABINETE DO PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA

PROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA GABINETE DO PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA RESOLUÇÃO N 3457 Dispõe sobre a criação do Centro de Preservação da Memória do Ministério Público do Estado do Paraná CPM e dá outras providências. O PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO PARANÁ, no

Leia mais

GESPÚBLICA. Brasília ǀ 25 de Setembro de 2012

GESPÚBLICA. Brasília ǀ 25 de Setembro de 2012 GESPÚBLICA Brasília ǀ 25 de Setembro de 2012 Resultados Decisões Estratégicas Informações / Análises O PROCESSO DE GESTÃO ESTRATÉGICA Ideologia Organizacional Missão, Visão,Valores Análise do Ambiente

Leia mais

Carteira de Projetos da Seção Judiciária do RS

Carteira de Projetos da Seção Judiciária do RS Página 1 Carteira de Projetos da Seção Judiciária do RS Projeto I Padronização e Melhoria dos Procedimentos das Varas Federais, Juizados e Turmas Recursais Escopo: Implementação de método de gerenciamento

Leia mais

Diretoria de Gestão Interna

Diretoria de Gestão Interna Diretoria de Gestão Interna Objetivo 13: Garantir que os processos de trabalho e seus produtos sejam oportunos e primem pela qualidade, com uso intensivo de tecnologia Iniciativas Ações Produtos ou resultados

Leia mais

PRODUTO 1 METODOLOGIA Plano Local de Habitação de Interesse Social PLHIS Município de Teresópolis - RJ

PRODUTO 1 METODOLOGIA Plano Local de Habitação de Interesse Social PLHIS Município de Teresópolis - RJ PRODUTO 1 METODOLOGIA Plano Local de Habitação de Interesse Social PLHIS Município de Teresópolis - RJ Setembro/2010 APRESENTAÇÃO Este documento denominado Metodologia é o primeiro produto apresentado

Leia mais

Termo de Referência para contratação de consultor na modalidade Produto

Termo de Referência para contratação de consultor na modalidade Produto TÍTULO DO PROJETO: Consolidação da capacidade institucional com vistas a melhoria dos processos de monitoramento e avaliação dos programas de fomento voltados para a Educação Básica e para o Ensino Superior.

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CENTRO DE ESTUDOS EM EDUCAÇÃO E LINGUAGEM (CEEL)

REGIMENTO INTERNO DO CENTRO DE ESTUDOS EM EDUCAÇÃO E LINGUAGEM (CEEL) REGIMENTO INTERNO DO CENTRO DE ESTUDOS EM EDUCAÇÃO E LINGUAGEM (CEEL) TÍTULO 1 Da Instituição e seus Fins Art. 1 0 O Centro de Estudos em Educação e Linguagem (CEEL), criado em 2004, para integrar uma

Leia mais

RESOLUÇÃO GPGJ Nº 1.943 DE 13 DE OUTUBRO DE 2014.

RESOLUÇÃO GPGJ Nº 1.943 DE 13 DE OUTUBRO DE 2014. RESOLUÇÃO GPGJ Nº 1.943 DE 13 DE OUTUBRO DE 2014. Dispõe sobre o Modelo de Governança do Planejamento Estratégico do Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro. O PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA DO ESTADO

Leia mais

ESTRUTURA ORGÂNICA CONSELHO DE REPRESENTANTES DIRETORIA PRESIDENTE CAMARAS TEMÁTICAS

ESTRUTURA ORGÂNICA CONSELHO DE REPRESENTANTES DIRETORIA PRESIDENTE CAMARAS TEMÁTICAS ESTRUTURA ORGÂNICA CONSELHO DE REPRESENTANTES DIRETORIA PRESIDENTE CONSELHOR CONSULTIVO CONSELHO FISCAL CAMARAS TEMÁTICAS COMÉRCIO VAREJISTA ALIMENTAÇÃO SAÚDE HABITAÇÃO SERVIÇOS TURISMO E HOSPITALIDADE

Leia mais

O presente Regimento Interno trata da caracterização, estrutura organizacional,

O presente Regimento Interno trata da caracterização, estrutura organizacional, REGIMENTO DOS NÚCLEOS INSTITUCIONAIS DE PESQUISA E EXTENSÃO (NIPE) DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS (IFSULDEMINAS) O presente Regimento Interno trata da caracterização,

Leia mais

Ato da Mesa Nº 47, DE 16 DE JULHO DE 2012

Ato da Mesa Nº 47, DE 16 DE JULHO DE 2012 Ato da Mesa Nº 47, DE 16 DE JULHO DE 2012 Institui a Política de Segurança da Informação da Câmara dos Deputados e dá outras providências. A MESA DA CÂMARA DOS DEPUTADOS, no uso de suas atribuições regimentais,

Leia mais

PROGRAMA DESENVOLVIMENTO ADMINISTRATIVO E TECNOLÓGICO CONSELHO DIRETOR

PROGRAMA DESENVOLVIMENTO ADMINISTRATIVO E TECNOLÓGICO CONSELHO DIRETOR PROGRAMA DESENVOLVIMENTO ADMINISTRATIVO E TECNOLÓGICO CONSELHO DIRETOR TERMO DE ABERTURA Preparado por: Cláudio França de Araújo Gestor do Programa CD Aprovado por: Ricardo Antônio de Arruda Veiga Representante

Leia mais

o Programa, aprovado pela Diretoria Colegiada em dezembro de

o Programa, aprovado pela Diretoria Colegiada em dezembro de Diretoria de Desenvolvimento Institucional (DIDES) Programa de Trabalho 2009-2010 A Diretoria de Desenvolvimento Institucional (DIDES) implementará no biênio 2009...! 2010 projetos voltados para atingir

Leia mais

Fanor - Faculdade Nordeste

Fanor - Faculdade Nordeste Norma 025: Projeto de Avaliação Institucional Capítulo I Disposições Gerais A avaliação institucional preocupa-se, fundamentalmente, com o julgamento dos aspectos que envolvem a realidade interna e externa

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO DEPARTAMENTO DE ORÇAMENTO E CONTROLE PROGRAMA Nº- 250

PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO DEPARTAMENTO DE ORÇAMENTO E CONTROLE PROGRAMA Nº- 250 PROGRAMA Nº- 250 QUALIFICAÇÃO E CAPACITAÇÃO DE PROFISSIONAIS E DEPENDENTES QUÍMICOS SUB-FUNÇÃO: 244 ASSISTÊNCIA COMUNITÁRIA Realizar Cursos de Capacitação para Profissionais que atuam na área de reabilitação

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE GESTÃO, ARTICULAÇÃO E PROJETOS EDUCACIONAIS

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE GESTÃO, ARTICULAÇÃO E PROJETOS EDUCACIONAIS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE GESTÃO, ARTICULAÇÃO E PROJETOS EDUCACIONAIS TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA - CONSULTOR POR PRODUTO

Leia mais

PORTARIA N.º 249, DO DIA 13 DE FEVEREIRO DE 2014

PORTARIA N.º 249, DO DIA 13 DE FEVEREIRO DE 2014 PODER JUDICIÁRIO. TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE RORAIMA Seção de Biblioteca "Amazônia, patrimônio dos brasileiros" Este texto não substitui o original publicado no DJE PORTARIA N.º 249, DO DIA 13 DE

Leia mais

Marcelo Narvaes Fiadeiro Subsecretário de Planejamento, Orçamento e Administração

Marcelo Narvaes Fiadeiro Subsecretário de Planejamento, Orçamento e Administração Marta Suplicy Ministra da Cultura Ana Cristina Wanzeler Secretária-Executiva Marcelo Narvaes Fiadeiro Subsecretário de Planejamento, Orçamento e Administração Paulo Cesar Kluge Coordenador-Geral de Tecnologia

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO AMAZONAS R E S O L U Ç Ã O N.º 003/2013

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO AMAZONAS R E S O L U Ç Ã O N.º 003/2013 Altera a nomenclatura da Divisão de Recursos Humanos para Divisão de Gestão de Pessoas, organiza a estrutura funcional e dá outras providências. O, no uso de suas atribuições legais, e CONSIDERANDO que

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO (Anexo 1)

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO (Anexo 1) Prezado(a) Professor(a), Visando orientar e otimizar as informações que deverão constar no projeto, elencamos, abaixo, os itens imprescindíveis para compreensão e apresentação da sua proposta ao Prêmio

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 082/2003-CEPE. Considerando o contido no processo protocolizado sob CR n.º 9217/2003, de 11 de julho de 2003,

RESOLUÇÃO Nº 082/2003-CEPE. Considerando o contido no processo protocolizado sob CR n.º 9217/2003, de 11 de julho de 2003, RESOLUÇÃO Nº 082/2003-CEPE Aprova Regulamento do Programa de Gestão Ambiental. Considerando o contido no processo protocolizado sob CR n.º 9217/2003, de 11 de julho de 2003, O CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE VEREADORES DE PARNAMIRIM Casa Antônio Lustosa de Oliveira Cabral CNPJ n.º 35.446.376/0001-09

CÂMARA MUNICIPAL DE VEREADORES DE PARNAMIRIM Casa Antônio Lustosa de Oliveira Cabral CNPJ n.º 35.446.376/0001-09 LEI N.º 741/2009 EMENTA: Dispõe sobre a instituição do Sistema de Controle Interno SCI do Poder Legislativo Municipal, cria o Órgão Central do SCI e dá outras providências. A MESA DIRETORA DA CÂMARA MUNICIPAL

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE Curso: BACHAREL EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE Curso: BACHAREL EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO FLUXO DO TCC 6o SEM 7o SEM 8o SEM PESQUISA EM INFORMÁTICA Além da ementa da disciplina, o aluno desenvolverá uma proposta de pesquisa, que poderá ou não continuar a ser trabalhada nas disciplinas de TCC1,

Leia mais

ANEXO B TERMO DE REFERÊNCIA. Declaração de trabalho, serviços e especificações

ANEXO B TERMO DE REFERÊNCIA. Declaração de trabalho, serviços e especificações PROCESSO 026-2013 ANEXO B TERMO DE REFERÊNCIA Declaração de trabalho, serviços e especificações A Contratada deverá executar o trabalho e realizar os serviços a seguir, indicados de acordo com as especificações

Leia mais

GABINETE DO PREFEITO

GABINETE DO PREFEITO Autor: Poder Executivo. LEI N 1.328/2016. CRIA O CONSELHO E FUNDO MUNICIPAL E POLÍTICAS SOBRE DROGAS DO MUNICÍPIO DE ARIPUANÃ E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. EDNILSON LUIZ FAITTA, Prefeito Municipal de Aripuanã,

Leia mais

REGIMENTO DO CONSELHO DE DESENVOLVIMENTO DO TERRITÓRIO CANTUQUIRIGUAÇU - CONDETEC CAPÍTULO I DA NATUREZA

REGIMENTO DO CONSELHO DE DESENVOLVIMENTO DO TERRITÓRIO CANTUQUIRIGUAÇU - CONDETEC CAPÍTULO I DA NATUREZA REGIMENTO DO CONSELHO DE DESENVOLVIMENTO DO TERRITÓRIO CANTUQUIRIGUAÇU - CONDETEC CAPÍTULO I DA NATUREZA Art 1º - O Conselho de Desenvolvimento do Território CANTUQUIRIGUAÇU - CONDETEC é composto por entidades

Leia mais

(MAPAS VIVOS DA UFCG) PPA-UFCG RELATÓRIO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA UFCG CICLO 2006-2008 ANEXO (PARTE 2) DIAGNÓSTICOS E RECOMENDAÇÕES

(MAPAS VIVOS DA UFCG) PPA-UFCG RELATÓRIO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA UFCG CICLO 2006-2008 ANEXO (PARTE 2) DIAGNÓSTICOS E RECOMENDAÇÕES 1 PPA-UFCG PROGRAMA PERMANENTE DE AVALIAÇÃO RELATÓRIO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA UFCG CICLO 2006-2008 ANEXO (PARTE 2) DIAGNÓSTICOS E RECOMENDAÇÕES (MAPAS VIVOS DA UFCG) 2 DIMENSÃO MISSÃO E PDI MAPAS VIVOS DE

Leia mais

ANEXO 1 REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO NACIONAL DE RESIDÊNCIA EM ENFERMAGEM CAPÍTULO I DA NATUREZA, FINALIDADE, SEDE E FORO

ANEXO 1 REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO NACIONAL DE RESIDÊNCIA EM ENFERMAGEM CAPÍTULO I DA NATUREZA, FINALIDADE, SEDE E FORO ANEXO 1 REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO NACIONAL DE RESIDÊNCIA EM ENFERMAGEM CAPÍTULO I DA NATUREZA, FINALIDADE, SEDE E FORO Art. 1º - A Comissão Nacional de Residência em Enfermagem - Conarenf, criada pela

Leia mais

Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências.

Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. Versão final do Workshop 09/07/2010 PROJETO DE LEI ESTADUAL - PARANÁ Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO

Leia mais

Manual de Gestão de Projetos do CNJ, versão 1, 12/2008, http://www.cnj.jus.br.

Manual de Gestão de Projetos do CNJ, versão 1, 12/2008, http://www.cnj.jus.br. Código: MAN-PJPB-001 Versão: 00 Elaborado por: Secretaria de Gestão Estratégica 1 Data de Aprovação: 05/05/2010 Aprovado por: Presidência do TJPB Objetivo Estabelecer os critérios e os procedimentos para

Leia mais

Sistema Único de Saúde. Uma construção coletiva

Sistema Único de Saúde. Uma construção coletiva Sistema Único de Saúde Uma construção coletiva Planejamento no arcabouço legal do SUS Leis Orgânicas da Saúde Portaria N. 399, de 22/02/2006 (divulga o Pacto pela Saúde) Portaria N. 699, de 30/03/2006

Leia mais

Projeto de Disseminação da Informação para ME e EPP no Brasil Ação conjunta Secretaria Técnica e Comitê Informação

Projeto de Disseminação da Informação para ME e EPP no Brasil Ação conjunta Secretaria Técnica e Comitê Informação Projeto de Disseminação da Informação Ação conjunta Secretaria Técnica e Comitê Informação Introdução Detalhamento da Proposta do Projeto Estratégia e desenvolvimento tático Atividades e ações Resultados

Leia mais

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Conselho Nacional de Educação/Câmara de Educação UF: DF Superior ASSUNTO: Diretrizes Curriculares Nacionais para

Leia mais

PROJETO DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL FACIPLAC

PROJETO DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL FACIPLAC PROJETO DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL FACIPLAC GAMA/DF - 2015 2 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 3. 2. OBJETIVOS... 4. 2.1. Geral... 4. 2.2.Específicos... 4. 3. EIOS AVALIATIVOS... 5. 3.1. Eixos de Avaliação Institucional

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO CUNI Nº 014, DE 29 DE ABRIL DE 2015. O CONSELHO UNIVERSITÁRIO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS, no uso de suas atribuições

Leia mais

PROTOCOLO DE COMPROMISSO

PROTOCOLO DE COMPROMISSO PROTOCOLO DE COMPROMISSO PROTOCOLO DE COMPROMISSO QUE A FACULDADE CASA DO ESTUDANTE - FACE, MANTIDA PELA SOCIEDADE DE ENSINO SUPERIOR DE ARACRUZ LTDA E REPRESENTADA PELO DIRETOR ANTÔNIO EUGÊNIO CUNHA APRESENTA

Leia mais

Sumário 1 APRESENTAÇÃO...3 2 LINHAS GERAIS...4. 2.1. Diretrizes Básicas... 4 2.3. Objetivos... 4 2.4. Público-Alvo... 4

Sumário 1 APRESENTAÇÃO...3 2 LINHAS GERAIS...4. 2.1. Diretrizes Básicas... 4 2.3. Objetivos... 4 2.4. Público-Alvo... 4 Planejamento Estratégico do Sindicato Caderno de Orientações para Outubro de 2008 Sumário 1 APRESENTAÇÃO...3 2 LINHAS GERAIS...4 2.1. Diretrizes Básicas... 4 2.3. Objetivos... 4 2.4. Público-Alvo... 4

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE LONDRINA AUTARQUIA MUNICIPAL DE SAÚDE PLANO MUNICIPAL DE SAÚDE DO TRABALHADOR 2005

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE LONDRINA AUTARQUIA MUNICIPAL DE SAÚDE PLANO MUNICIPAL DE SAÚDE DO TRABALHADOR 2005 PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE LONDRINA AUTARQUIA MUNICIPAL DE SAÚDE PLANO MUNICIPAL DE SAÚDE DO TRABALHADOR 2005 LONDRINA PR 2005 PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE LONDRINA Nedson Luiz Micheleti - Prefeito AUTARQUIA

Leia mais

A ESTRATÉGIA DO TRT-3ª REGIÃO

A ESTRATÉGIA DO TRT-3ª REGIÃO A ESTRATÉGIA DO TRT-3ª REGIÃO Plano Plurianual 2010-2014 Considerando o caráter dinâmico do processo de planejamento estratégico, o monitoramento e as revisões periódicas vêm auxiliar a Administração,

Leia mais

RESOLUÇÃO N. 135/2013/TCE-RO

RESOLUÇÃO N. 135/2013/TCE-RO RESOLUÇÃO N. 135/2013/TCE-RO Institui a Política de Comunicação Social e Marketing do Tribunal de Contas do Estado de Rondônia e dá outras providências. O TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE RONDÔNIA, no uso

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL

REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL Aprovado pela Resolução CONSUNI nº 44/15, de 09/12/2015. CAPÍTULO I AS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º O presente Regulamento

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇAO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE RONDÔNIA COMISSÃO DE ELABORAÇÃO DO PLANO DIRETOR DE TI

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇAO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE RONDÔNIA COMISSÃO DE ELABORAÇÃO DO PLANO DIRETOR DE TI MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇAO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE RONDÔNIA COMISSÃO DE ELABORAÇÃO DO PLANO DIRETOR DE TI Plano de Trabalho Elaboração do Plano Diretor de Tecnologia da Informação

Leia mais

DIRETRIZES DE EXTENSÃO 2011 DIRETRIZES DE APOIO ÀS ATIVIDADES DE EXTENSÃO DO IF SUDESTE-MG. Execução: SETEMBRO DE 2011 A DEZEMBRO DE 2011

DIRETRIZES DE EXTENSÃO 2011 DIRETRIZES DE APOIO ÀS ATIVIDADES DE EXTENSÃO DO IF SUDESTE-MG. Execução: SETEMBRO DE 2011 A DEZEMBRO DE 2011 DIRETRIZES DE EXTENSÃO 2011 DIRETRIZES DE APOIO ÀS ATIVIDADES DE EXTENSÃO DO IF SUDESTE-MG Execução: SETEMBRO DE 2011 A DEZEMBRO DE 2011 Diretrizes de Apoio a Projetos de Extensão no IF SUDESTE-MG 1 Av.

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA DE GRAVATAÍ

FACULDADE DE TECNOLOGIA DE GRAVATAÍ FACULDADE DE TECNOLOGIA DE GRAVATAÍ REGIMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO Atualização do Regimento de 2012 Porto Alegre, março de 2015 Faculdade de Tecnologia de Porto Alegre Av. Julio de Castilhos,

Leia mais

ANEXO DO CONTRATO. Apêndice 3.2 do Anexo 3 PLANO DE QUALIDADE

ANEXO DO CONTRATO. Apêndice 3.2 do Anexo 3 PLANO DE QUALIDADE ANEXO DO CONTRATO Apêndice 3.2 do Anexo 3 PLANO DE QUALIDADE Dezembro - 2013 Apêndice 3.2 do Anexo 3: Plano de Qualidade Índice 1 Plano de Qualidade... 3 1.1 Características gerais... 3 1.2 Conteúdo do

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO ANEXO I. PROJETO DE LONGA DURAÇÃO 1. IDENTIFICAÇÃO 1.1 Título do

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 11, DE 04 DE NOVEMBRO DE 2015. Art. 1º Aprovar, na forma do Anexo, a Norma de Capacitação de Servidores da APO.

RESOLUÇÃO Nº 11, DE 04 DE NOVEMBRO DE 2015. Art. 1º Aprovar, na forma do Anexo, a Norma de Capacitação de Servidores da APO. RESOLUÇÃO Nº 11, DE 04 DE NOVEMBRO DE 2015 A DIRETORIA EXECUTIVA DA AUTORIDADE PÚBLICA OLÍMPICA APO, no uso das atribuições que lhe conferem o inciso XIV do Parágrafo Segundo da Cláusula Décima Quinta

Leia mais

PREFEITURA DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE ASSUNTOS JURÍDICOS

PREFEITURA DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE ASSUNTOS JURÍDICOS LEI N o 2.014, DE 17 DE DEZEMBRO DE 2013. (Alterado pela Lei nº 2.097 de 19/12/2014). O PREFEITO DE PALMAS Institui a Fundação Escola de Saúde Pública de Palmas FESP-Palmas e adota outras providências.

Leia mais

www.fundep.br/programacaptar, juntamente com este regulamento.

www.fundep.br/programacaptar, juntamente com este regulamento. PROGRAMA DE CAPTAÇÃO DE RECURSOS FUNDEP REGULAMENTO PARA CADASTRAMENTO DE PROJETOS UFMG A Fundep//Gerência de Articulação de Parcerias convida a comunidade acadêmica da UFMG a cadastrar propostas de acordo

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 221/2005-CEPE/UNICENTRO

RESOLUÇÃO Nº 221/2005-CEPE/UNICENTRO RESOLUÇÃO Nº 221/2005-CEPE/UNICENTRO Aprova o Regulamento da Agência de Inovação da UNICENTRO, NOVATEC. O REITOR DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE, UNICENTRO: Faço saber que o Conselho de Ensino,

Leia mais

DIÁRIO OFICIAL Nº. 31144 de 08/04/2008

DIÁRIO OFICIAL Nº. 31144 de 08/04/2008 DIÁRIO OFICIAL Nº. 311 de 08/0/008 GABINETE DA GOVERNADORA L E I Nº 7.030, DE 30 DE JULHO DE 007* Cria o Instituto de Desenvolvimento Econômico, Social e Ambiental do Pará - IDESP, e dá outras providências.

Leia mais

XI MOSTRA NACIONAL DE TRABALHOS DA QUALIDADE NO PODER JUDICIÁRIO. 1.1. Identificação do Órgão: Tribunal de Justiça de Sergipe

XI MOSTRA NACIONAL DE TRABALHOS DA QUALIDADE NO PODER JUDICIÁRIO. 1.1. Identificação do Órgão: Tribunal de Justiça de Sergipe XI MOSTRA NACIONAL DE TRABALHOS DA QUALIDADE NO PODER JUDICIÁRIO 1. INTRODUÇÃO 1.1. Identificação do Órgão: Tribunal de Justiça de Sergipe 1.2. Unidades: Presidência do TJSE: (presid@tjse.jus.br) Presidente:

Leia mais

DEPARTAMENTO DE GENÉTICA

DEPARTAMENTO DE GENÉTICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE GENÉTICA Planejamento Estratégico 2012-2016 Março de 2012 2 Planejamento Estratégico DEPARTAMENTO DE GENÉTICA 1. Missão O Departamento

Leia mais

OSMAR DE LIMA MAGALHÃES Secretário do Governo Municipal

OSMAR DE LIMA MAGALHÃES Secretário do Governo Municipal PREFEITURA DE GOIÂNIA 1 GABINETE DO PREFEITO DECRETO Nº 2598, DE 19 DE ABRIL DE 2013. Aprova o Regimento Interno da Secretaria Municipal de Políticas para as Pessoas com Deficiência ou Mobilidade Reduzida.

Leia mais

ATO NORMATIVO DA DIREÇÃO SUPERIOR Nº 003/2009 INICIAÇÃO À PESQUISA CIENTÍFICA E PESQUISA INSTITUCIONAL

ATO NORMATIVO DA DIREÇÃO SUPERIOR Nº 003/2009 INICIAÇÃO À PESQUISA CIENTÍFICA E PESQUISA INSTITUCIONAL FACULDADE DE DIREITO DA FUNDAÇÃO ESCOLA SUPERIOR DO MINISTÉRIO PÚBLICO Credenciada pela Portaria MEC n. 3.640, de 17/10/2005 DOU de 20/10/2005. CURSO DE GRADUAÇÃO EM DIREITO Autorizado pela Portaria MEC

Leia mais

PROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA

PROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA Convênio n 07/2014/MPGO CONVÊNIO CONVÊNIO QUE ENTRE SI CELEBRAM O MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE GOIÁS E O CENTRO DE ENSINO UNIFICADO DE BRASÍLIA UNICEUB, POR INTERMÉDIO DA, VISANDO A CONCESSÃO DE ESTÁGIO

Leia mais

A GESTÃO ESTRATÉGICA PARA RESULTADOS NO FNDE: DA FORMULAÇÃO AOS CICLOS DE AVALIAÇÃO E APRENDIZADO ESTRATÉGICO

A GESTÃO ESTRATÉGICA PARA RESULTADOS NO FNDE: DA FORMULAÇÃO AOS CICLOS DE AVALIAÇÃO E APRENDIZADO ESTRATÉGICO A GESTÃO ESTRATÉGICA PARA RESULTADOS NO FNDE: DA FORMULAÇÃO AOS CICLOS DE AVALIAÇÃO E APRENDIZADO ESTRATÉGICO Autores: Romeu Weliton Caputo José Carlos Wanderley Dias de Freitas Lucineide Alves de Oliveira

Leia mais

Minuta de Termo de Referência

Minuta de Termo de Referência Minuta de Termo de Referência Contratação de serviço para elaboração do mapeamento, análise, propostas e implantação de melhorias nos processos de trabalho da Coordenadoria Geral de Licenciamento Ambiental

Leia mais

REGULAMENTO DOS ESTÁGIOS SUPERVISIONADOS ESPECÍFICOS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA DA FACULDADE FASIPE

REGULAMENTO DOS ESTÁGIOS SUPERVISIONADOS ESPECÍFICOS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA DA FACULDADE FASIPE REGULAMENTO DOS ESTÁGIOS SUPERVISIONADOS ESPECÍFICOS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA DA FACULDADE FASIPE CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1.º O presente Regulamento dispõe sobre o Estágio Supervisionado

Leia mais

PREFEITURA DE PORTO VELHO

PREFEITURA DE PORTO VELHO LEI Nº. 1628, DE 27 DE OUTUBRO DE 2005. Institui a Política Municipal de fomento à Economia Popular e Solidária na Cidade de Porto Velho e estabelece outras disposições. O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE PORTO

Leia mais

Proposta Referência do Regimento Geral

Proposta Referência do Regimento Geral INSTITUTO FEDERAL DE, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO Proposta Referência do Regimento Geral OUTUBRO DE 2009 TÍTULO I DO REGIMENTO E DE SEUS OBJETIVOS Art. 1 O Regimento Geral é o conjunto de normas que disciplinam

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO FÓRUM ESTADUAL DAS MICROEMPESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE DE PERNAMBUCO

REGIMENTO INTERNO DO FÓRUM ESTADUAL DAS MICROEMPESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE DE PERNAMBUCO 1/12 REGIMENTO INTERNO DO FÓRUM ESTADUAL DAS MICROEMPESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE DE PERNAMBUCO CAPÍTULO I NATUREZA E COMPETÊNCIAS Art. 1º O Fórum Estadual das Microempresas e Empresas de Pequeno Porte

Leia mais

Gestão de Projetos. 5ª Câmara de Coordenação e Revisão - Combate à Corrupção Manual de Normas e Procedimentos - MNP 05

Gestão de Projetos. 5ª Câmara de Coordenação e Revisão - Combate à Corrupção Manual de Normas e Procedimentos - MNP 05 Gestão de Projetos 5ª Câmara de Coordenação e Revisão - Combate à Corrupção Manual de Normas e Procedimentos - MNP 05 Sumário GESTÃO DE PROJETOS... 5 GESTÃO DE PROJETOS... 5 GESTÃO DE PROJETOS... 5 Elementos

Leia mais

P l a n o D i r e t o r de Tecnologia da Informação

P l a n o D i r e t o r de Tecnologia da Informação Ministério Público Federal Secretaria Geral Secretaria de Tecnologia da Informação e Comunicação P l a n o D i r e t o r de Tecnologia da Informação 2013 2014 Desdobramento da estratégia de tecnologia

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 119/2010/CONEPE

RESOLUÇÃO Nº 119/2010/CONEPE SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 119/2010/CONEPE Aprova as Normas de Estágio Curricular Obrigatório

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE LICENCIATURA EM LETRAS PORTUGUÊS INGLÊS.

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE LICENCIATURA EM LETRAS PORTUGUÊS INGLÊS. REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE LICENCIATURA EM LETRAS PORTUGUÊS INGLÊS. FUNDAMENTAÇÃO LEGAL O presente regulamento fundamenta-se nos termos da LDB 9394, de 20 de dezembro

Leia mais