O 'MOMENTO RIO' E O PROCESSO DE CONSTRUÇÃO DA CIDADE CRIATIVA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O 'MOMENTO RIO' E O PROCESSO DE CONSTRUÇÃO DA CIDADE CRIATIVA"

Transcrição

1 O 'MOMENTO RIO' E O PROCESSO DE CONSTRUÇÃO DA CIDADE CRIATIVA Amanda Wanis Pesquisadora Mestre Introdução Desde a década de 90, o ideário das cidades criativas vem sendo difundido por sujeitos, instituições e coalizões em diversas cidades do mundo e, mais recentemente, nos anos 2000, também no Rio de Janeiro. Na tentativa de afirmar esse ideário, tais sujeitos vêm produzindo uma nova síntese acerca da cidade, incorporada para produção de uma nova imagem de marca, Rio cidade criativa. Há fortes elementos que permitem identificar, no cenário recente, diversos esforços públicos e privados de difusão e afirmação deste modelo, tal como a realização de eventos sobre economia e cidade criativa e a construção de diversos órgãos públicos e privados ligados ao tema em suas áreas estratégicas de desenvolvimento econômico. No entanto, ao analisarmos alguns difusores do ideário no Rio de Janeiro, percebemos que também não há consenso sobre o entendimento da chamada cidade criativa. Por um lado, a análise das formas de circulação e afirmação desse ideário parece indicar sua direta relação com um processo de atualização e afirmação da cidade-mercadoria (SÁNCHEZ, 2010), ou market-friendly acima de tudo, amigável e boa para os negócios. Por outro lado, juntamente com essa perspectiva, pode-se encontrar na apropriação do ideário da cidade criativa uma disputa por parte de alguns atores, instituições e ONGs pela afirmação de conteúdos que configurem ações diferentes das vinculadas ao ideário mercadológico. Diante deste panorama de disputas em torno de um ideário e da configuração de um modelo relacionado ao que costuma ser indicado como um novo paradigma, é importante analisarmos a relação entre a eclosão do tema na cidade do Rio de Janeiro e os megaeventos nela sediados nos últimos anos, com seu ápice nas Olimpíadas de É nesse contexto que buscamos conexões entre a chamada economia criativa e o ideário de cidade criativa esta última por vezes é entendida, no senso comum, como sendo uma sobreposição da economia. A partir das conexões, algumas imagens-síntese foram percebidas como impulsionadas e, ao mesmo tempo, impulsionadoras do chamado momento Rio, sobretudo aquelas relacionadas à euforia dos agentes promotores dos megaeventos, seja da gestão pública ou privada, como um grande momento de oportunidade. Nesse sentido, também no Rio de Janeiro, a ideia de vocação da cidade é utilizada para construir a imagem de um lugar coeso em torno de um projeto de desenvolvimento, mesmo que acionando um discurso aparentemente sensível à diversidade cultural, e que faz uso também da cultura e das atividades criativas como plataforma de venda da cidade. 1. Cidade criativa: ideias-força e alguns contrapontos Para iniciar o estudo sobre o ideário da cidade criativa nos últimos 30 anos, é necessário reconhecer algumas relevantes ideias-força e alguns conceitos norteadores que constroem o ideário e possibilitam reflexões no âmbito das políticas urbanas. Essas ideias-força por vezes se encontram relacionadas e indissociáveis, como a relação entre economia, cultua e gestão de cidades e o surgimento da chamada economia criativa, uma ideia-força chave na construção do ideário de cidade criativa. A economia criativa vem se configurando como um conjunto de ideias que dão suporte a atividades específicas produtoras de bens e serviços que têm como aspecto estruturador o singular, o simbólico e o intangível a arquitetura, o design e o audiovisual são bons exemplos. O termo

2 economia criativa tem sua origem em meados dos anos 90; no entanto, sua prática não é recente e pode ser reconhecida anteriormente a esse período. Como considerações finais sobre o que se entende por economia criativa avaliamos que se apresenta hoje mescla disciplina e controle referindo-se às disputas em torno dos direitos autorais e produção em rede, ação no espaço e no tempo, agenciamento de públicos e subjetividades, imaterialidades e simbolismos, e age, sobretudo, com vistas a garantir a reestruturação, reprodução e perpetuação do capitalismo (PIRES, 2009). Essa reestruturação se baseia num aparato simbólico de construção de um consenso sobre o sentido de mundo social, usando as culturas e a criatividade como propagadoras dessa nova ordem social, ou seja, a chamada economia criativa, ainda em construção, como a grande plataforma de marketing para um chamado desenvolvimento local. É nesse contexto que o ideário de cidade criativa começa a se configurar. O termo cidade criativa tem sua gênese no início da década de 80, quando, segundo Landry (2009b), a comunidade artística começou a justificar o valor econômico de suas obras e muitos estudos de impacto econômico passaram a mostrar a importância dos artistas para a cidade e o crescimento econômico. Ainda segundo Landry, estudos sobre conhecimento, criatividade e desenvolvimento regional chamaram a atenção para o ambiente criativo e o conceito de meio criativo 1, que se baseia na transmissão de informação entre pessoas, no conhecimento armazenamento de informação e na capacidade de criar algo novo a partir desse conhecimento. No entanto, o ideário não possui contornos rígidos e, para iniciarmos o debate acerca do que vem se configurado como cidade criativa, buscamos a percepção de quatro autores John Howkins, Charles Landry, Richard Florida e Ana Carla Fonseca Reis, os quais, direta ou indiretamente, vêm difundindo o ideário no Brasil e influenciando ações em nosso território. A partir da análise da matriz reproduzida pela pesquisa, para facilitar a análise crítica sobre o ideário, conjugamos as ideias que perpassam esses quatro autores, e definimos cidade criativa como aquela que, a partir de um ambiente construído que estimule o aprendizado, o pensamento e as trocas em um processo contínuo de criação, possibilita a seus citadinos: serem agentes ativos das mudanças sociais, econômicas e urbanas usando como matéria-prima sua cultura e, a partir de canais de conexão internos e externos, alimentarem a diversidade com a valorização dos talentos, sejam eles nativos ou estrangeiros, tornando seus mercados mais dinâmicos e competitivos. Percebemos que o ideário de cidade criativa pode estar se configurando como uma máscara para o desenvolvimento regional, utilizando-se da inovação e criatividade como molas propulsoras do empreendedorismo. Nessa perspectiva, a construção de um ambiente de aprendizagem e transformação acaba sendo associado ao processo de produção e afirmação do capital em sua natureza desigual, sem estar associado a nenhuma mudança nas estruturas sociais da cidade. Concluímos que uma cidade criativa deva ser aquela cujos sujeitos promovam tensão às estruturas de poder econômico e político estabelecido e possibilitem olhares mais amplos para as relações de poder, em sua forma transescalar, com suas articulações regionais e seus blocos hegemônicos nacionais e internacionais. Este vir a ser implica a possibilidade de mexer profundamente nas estruturas socioculturais dominantes, abrindo novas frentes, numa perspectiva efetiva de reversão do quadro de desigualdades. Desse modo, entendemos que o processo de construção de uma cidade criativa não se realiza em um contexto de relações sociais baseadas na tranquilidade, no equilíbrio ou na aparente tolerância. Entendemos que uma cidade criativa pode ser aquela que contemple verdadeiramente a diversidade cultural e construa um ambiente criativo, que possibilite o empoderamento de grupos e indivíduos excluídos dos processos dominantes, necessitando, para isso, quebrar as estruturas de poder dominante. 2. O ideário de cidade criativa no momento rio A partir da desconstrução do ideário, buscamos perceber como a versão carioca de cidade criativa vem se configurando na cidade, quais disputas estão sendo travadas e quais linhas de entendimento do ideário são dominantes. Nesse reconhecimento de linhas de pensamento sobre o 1 creative milieu' criado por Törnqvist in creative city perspectives, 2009.

3 ideário de cidade criativa, percebemos disputas em torno de sua construção, mas também identificamos um núcleo comum que permeia a relação de cultura e economia e se relaciona com as ideias reconhecidas na retórica dos difusores do ideário. Para tal compreensão, foram entrevistados três representantes de instituições que vêm se destacando como difusoras do ideário, Fabiano Gallindo, da FIRJAN, João Figueiredo, da ESPM e Regina Miranda, coreógrafa e idealizadora do coletivo Cidades Criativas Transformações Urbanas. Foram também analisados os discursos, a partir de pronunciamentos em eventos e entrevistas em jornais e revistas, de: Marcos André, superintendente de Cultura e Sociedade da Secretaria de Estado de Cultura e de Washington Fajardo, presidente do Instituto Rio Patrimônio da Humanidade, vinculado à gestão municipal. Esses materiais compuseram a matriz de Difusão do Ideário de Cidades Criativas na cidade do Rio de Janeiro. Observamos três linhas de pensamento sobre o que vem a ser cidade criativa na perspectiva do Rio de Janeiro. A primeira linha de pensamento conjuga, em termos gerais, as percepções de Gallindo e Figueiredo e entendemos essa linha de cidade criativa para o Rio de Janeiro como plataforma de desenvolvimento local com vistas à mobilidade social a partir de ações governamentais. A segunda linha, representada por Regina Miranda, traz uma das perspectivas de profissionais da área de arte-cultura, entendemos essa linha de pensamento como construção de uma cultura criativa que represente o cotidiano social e possibilite a identificação do sujeito com o capital cultural produzido no território. A terceira linha de pensamento, vitrine internacional de uma cidade reinventada sob bases simbólicas para atração de negócios e talentos, reflete a perspectiva das duas instâncias de governo, a estadual e municipal, aqui representadas por Marcos André Carvalho e Washington Fajardo, respectivamente, as quais convergem, não surpreendentemente, visto que, nos últimos cinco anos, tem-se estabelecido um alinhamento das esferas de poder para o desenvolvimento do Rio de Janeiro, conforme apresentado em campanha à reeleição de Eduardo Paes, no ano de Embora tenhamos percebido que há disputas em torno da definição sobre o que vem a ser cidade criativa, assim como em torno das ações que deveriam existir nesse tipo de cidade, claramente notamos uma predominância do poder simbólico da linha de cidade criativa como vitrine internacional de uma cidade reinventada sob as bases simbólicas para atração de negócios e talentos, cuja tendência é utilizar a cultura local e a criatividade regional para promoção da cidade como vitrine para o mundo. A partir de matérias de jornais sobre economia e cidade criativa veiculadas nos anos 2011 e 2012, percebemos a relação entre a construção dessa linha de pensamento de cidade criativa entendida pelas instâncias de governo, principalmente a municipal, e o chamado momento Rio. Após o anúncio da vitória do Rio de Janeiro na disputa pela sede dos Jogos Olímpicos de 2016, observamos uma série de mudanças que objetivaram promover transformações não apenas na dimensão urbanística, mas também imaterial da cidade, para tomar o posto virtuoso de cidadesede. Esse processo, no entanto, não constitui uma peculiaridade carioca. Os megaeventos esportivos têm se tornado globais, sendo acompanhados de projeções midiáticas extraordinárias, de modo que as coalizões de atores vinculados ao projeto olímpico percebem o megaevento como um espetáculo em escala mundial com vistas à promoção da cidade (GOMES, 2012), entendendo-o como grande janela de oportunidades. Nessa perspectiva, a cidade passa a ser tratada como produto, difundido com o objetivo de captar investimentos internacionais. O projeto de desenvolvimento da cidade se volta estritamente à sua performance econômica, pautando as ações na lógica do funcionamento de uma grande empresa (op. cit.). É nesse contexto que o tema de economia e cidade criativa passa a emergir na mídia nacional. A eclosão de eventos e criação de instituições governamentais e privadas dedicadas ao tema também derivam deste período, conforme já observado. Portanto, é nesse contexto que buscaremos conexões entre o momento Rio e a emergência do tema em tela na cidade do Rio de Janeiro. Para isso, analisamos matérias de jornais e revistas conforme as seguintes perspectivas: relação com a cidade do Rio de Janeiro, relação com megaeventos, relação internacional, imagem-síntese transmitida e pesquisa realizada para validar o novo cenário.

4 Desvelamos imagens-síntese, construídas e divulgadas por sujeitos e instituições que detêm poder simbólico no campo das disputas acerca do ideário de cidade criativa, 1) Economia criativa: a vocação do Rio, 2) Megaeventos: oportunidade para a economia criativa, 3) Economia criativa como plataforma de venda da cidade, 4) Um Rio criativo: legado dos Jogos Olímpicos. Percebemos que a cultura e as atividades criativas em geral estão reduzidas às intenções econômicas e à construção de uma imagem-marca de um Rio more creative and business friendly. 2 Recorre-se, visando atrair investimentos em várias escalas, a estratégias de internacionalidade, como a contratação de arquitetos do star system, de musicais da Broadway ou a produção de filmes estrangeiros com locações no Rio de Janeiro, dentre outras ações. Ao que parece, a formação de uma vocação carioca acaba por dar uma aparência coesa a este campo complexo, conflituoso e fragmentado em que se encontra a cultura, produzindo uma identidade representativa de uma coalizão de atores dominantes, que se beneficiam com a venda dessa imagem, utilizando grandes franquias culturais como alternativas à requalificação urbana. Percebemos que entender os megaeventos realizados na cidade como oportunidade para o desenvolvimento da economia criativa carioca também parecer não passar de euforia; contudo, serve como estratégia de adesão social ao projeto de cidade. Por um lado, grandes complexos do entretenimento entram na cena carioca para abrir concorrência em uma área ainda com pouca profissionalização e investimento; por outro, há uma valorização excessiva do capital internacional e reduzida valorização do artista local, como ilustra o caso polêmico da convocação de voluntariado dos artistas para as cerimônias da Copa das Confederações de Ao que tudo indica, o legado dos megaeventos será o avanço do entendimento da cultura como negócio, não mais noticiada em cadernos de cultura, mas agora nas seções de economia, conforme pode-se constatar pelas declarações do novo secretário de Cultura do município, que terá a economia criativa como Norte e, a pedido do prefeito, transformará a Secretaria de Cultura em uma Secretaria de Cultura e de Economia Criativa, que passará a ser o nome da pasta, para incorporar a dimensão econômica em substituição a uma política cultural que insista na autonomia da cultura, em sua realidade como fim em si mesmo, e não como meio para se alcançar outra coisa (SAFATLE, 2013). Segundo Safatle, na verdade o discurso sobre cultura no Brasil está atualmente prensado entre a economia criativa e a assistência social (op. cit.). Portanto, todo o esforço com o qual os atores dominantes vêm produzindo uma nova identidade na cidade do Rio de Janeiro, mais precisamente em regiões historicamente já favorecidas por políticas desenvolvimentistas, pouco importará em um período de uma década. Nas palavras de Harvey (2012), o esforço de construir qualitativamente o lugar e seus significados, na lógica do capitalismo flexível tem resultados transitórios e voláteis. Ao mesmo tempo em que o capitalismo em sua fase flexível utiliza as diferenciações regionais para escolher sua localização, a médio prazo, seu caráter hegemônico renega tais características (HARVEY, 2012), podendo se alocar no Rio, Nova Iorque ou Barcelona. Ou seja, há uma maior valorização por parte do capital da opção de mobilidade em vez de um reconhecimento duradouro da singularidade local. Nesse momento Rio, percebemos pressão do capital internacional sobretudo empreendimentos imobiliários, redes hoteleiras internacionais, empreendimentos e conglomerados de entretenimento em utilizar o poder simbólico e apropriar-se das identidades locais para se estabelecer em determinadas regiões da cidade julgadas lucrativas. No entanto, esse interesse pode, sem qualquer constrangimento relativo à natureza e às contradições do capitalismo, ser reconduzido para outra localidade, convertendo os processos político-econômicos em curso no município do Rio, e caracterizando novo momento de estagnação. Portanto, se o processo de construção de um Rio criativo continuar na perspectiva 2 Site DC Network. Acesso em: 06/11/2012.

5 de atender e fortalecer o capital, como as evidências indicam, as estruturas sociais não serão verdadeiramente quebradas. As disputas no território e o quadro de desigualdade são levados em conta apenas e, sobretudo, para mobilizar esforços e recursos de city marketing, que perpetuam a ideia de integração, consenso e engajamento dos cidadãos, arrastados pela síntese somos todo um Rio. Referencias ADORNO, Theodor W. e HORKHEIMER, Max (2006) Dialética do esclarecimento Rio de Janeiro: Editora Jorge Zahar. ARANTES, Otília(2009) Uma estratégia fatal: a cultura nas novas gestões urbanas In: ARANTES, O.; VAINER, C.; MARICATO, E. (org) A cidade do pensamento único: desmanchando consensos (5a edição) Petrópolis - RJ: Vozes.). BRANDÃO, Carlos Antônio(2003) O modo trans-escalar de análise e de intervensão pública: notas para um manifesto anti-localisa Belo Horizonte: X Encontro da ANPUR. BOLTANSKI, Luc e CHIAPELLO, Ève. (2009) O novo Espírito do Capitalismo São Paulo: Editora WMF Martins Fontes. BOURDIEU, Pierre (1989) O poder simbólico Rio de Janeiro: Editora Bertrand. CANCLINI, Nestor García( 2008) Culturas híbridas São Paulo: EDUSP. CROCCO, Marco e DINIZ, Clélio Campolina(2006) Economia regional e urbana. construções teóricas recentes Belo Horizonte: Editora UFMG. DEBORD, Guy(1997) A sociedade do espetáculo Rio de Janeiro: Contraponto. FIGUEIREDO, João(2012) Entrevista concedida a autora no dia 14 de dezembro na ESPM Rio de Janeiro. FLORIDA, Richard(2011) A ascensão da classe criativa (Lopes, Ana Luiza. Trad). Porto Alegre: L&PM. FOUCAULT, Michel(1996) A ordem do discurso São Paulo: Edições Loyola. GLOVER, Stuart(1995) Creative nation - where now for publishing and literature policy. (Imago 7.1: pp 54-58, acessado em 30/07/12). GOMES, Talitha(2011) A cidade transformada em marca: investimento simbólico no projeto rio 2016 e suas estratégias urbanas (Niterói. Dissertação Universidade Federal Fluminense. Programa de Pósgraduação em Arquitetura e Urbanismo). HARVEY, David(1996) Do gerenciamento ao empresariamento: a transformação da administração urbana no capitalismo tardio (Espaço & Debate. Nº 39). HARVEY, David(2012) Condição pós-moderna (22a Edição) São Paulo: Loyola. HOWKINS, John(2007) The creative economy: how people make money from ideas Pinguim Press. HOWKINS, John(2009a) Creative ecologies: where thinking is a proper job UQP. LANDRY, Charles(1995) BIANCHINI, Franco. The creative city Demos. LANDRY, Charles(2009ª) The creative city: a toolkit for urban innovators UK. LANDRY, Charles(2009b) The creative city: the story of a concept In: Ana Carla Fonseca Reis & Peter Kageyama (Orgs.). Creative City Perspectives. São Paulo: Garimpo de Soluções & Creative City Productions. LANDRY, Charles(2011) The creative city index: measuring the creative pulse of your city ( Artigo enviado por em 13/05/2011). MOLHO, Jérémie(2012) From cultural policy to creative city governance: the urban roots of a new instrumentalization of culture Université d Angers ESO. PIRES, Vladmir Sybillas(2009) Ideias-força no pós-fordismo e a emergência da economia criativa (v.5, n.2, pp acessível em Rio de Janeiro: Liinc em Revista. PRESTES, Luiz Carlos. Filho (Org)(2002) Economia da Cultura A força da indústria cultural no Rio de Janeiro. REIS, Ana Carla Fonseca e URANI, André(2009b) Creative Cities A brazilian experience (In: Ana Carla Fonseca Reis & Peter Kageyama (Orgs.). Creative City Perspectives. São Paulo: Garimpo de Soluções & Creative City Productions. REIS, Ana Carla Fonseca(2011) CIDADES CRIATIVAS: análise de um conceito em formação e da pertinência de sua aplicação à cidade de São Paulo São Paulo: Tese. Universidade de São Paulo. Faculdade de Arquitetura e Urbanismo. SAFATLE, Vladimir (2013) Relativa prosperidade, absoluta indigência (ED. Ver. nº734 pp. 46 e 47). Carta Capital

6 SÁNCHEZ, Fernanda (1997) City Marketing: a nova face da gestão da cidade no final de século in Cidade do espetáculo. Política, planejamento e City Marketing Curitiba: Editora Palavras. SÁNCHEZ, Fernanda (2010) A reinvenção das cidades para um mercado mundial (2a edição) chapecó, SC: Argos. VAINER, B. Carlos(2001) As escalas do poder e o poder das escalas: o que pode o poder local? (Vol 1) Rio de Janeiro: IX encontro nacional da ANPUR. VAINER, B. Carlos(2009) Pátria, empresa e mercadoria: notas sobre a estratégia discursiva do planejamento estratégico urbano In: ARANTES, O.; VAINER, C.; MARICATO, E. (org). A cidade do pensamento único: desmanchando consensos (5a edição) Petrópolis, RJ: Vozes. WANIS, Amanda (2011) A concentração dos espaços culturais na cidade do Rio de Janeiro - Uma comparação preliminar entre a formação urbana da cidade e o papel da cultura. In: Espaços culturais e turísticos em países lusófonos: Cidade e Turismo. GAZZANEO, Luiz Manuel (org.). Rio de Janeiro: UFRJ/FAU/PROARQ. Dossiê de candidatura Rio de Janeiro sede dos jogos olímpicos (2009) Sumário executivo. Rio de Janeiro UM QUARTO DA FORÇA DE TRABALHO DO PAÍS SE DEDICA À INDÚSTRIA CRIATIVA. [versão eletrônica] O Globo, Rio de Janeiro, 13/06/2012. SALLÁRIO MÉDIO DA INDÚSTRIA CRIATIVA DO RIO É MAIS ALTO DE TODO O PAÍS. [versão eletrônica] O Globo, Rio de Janeiro, 10/12/2012. RIO É UMA CIDADE EM REDESENHO, DIZ SUBSECRETÁRIO DE PATRIMÔNIO. [versão eletrônica] O Globo, Rio de Janeiro, 13/06/2012. RIO PREVÊ NOVA ORDEM BASEADA EM TECNOLOGIA E INOVAÇÃO. [versão eletrônica] O Dia, 20/10/2012. NA ROTA DA ECONOMIA CRIATIVA, PAÍS COMEÇA A ENTENDER COMO A CULTURA PODE VALORIZAR BENS E SERVIÇOS. [versão eletrônica] O Globo, Rio de Janeiro, 05/02/2011. CIDADES CRIATIVAS TERÃO MAIOR DIVULGAÇÃO DA EMBRATUR. Mercado e eventos, Rio de Janeiro, Recuperado em 13 de julho de ARTESANATO TERÁ ESPAÇO GARANTIDO DURANTE COPA DE Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, Recuperado em 3 de fevereiro de FESTIVAL INTERNACIONAL DE CRIATIVIDADE APORTA NO RIO. [versão eletrônica] O Globo, Rio de Janeiro, 21/11/2012. ECONOMIA CRIATIVA, A CARA DO CARIOCA. [versão eletrônica] O Globo, Rio de Janeiro, 29/11/2012. ESTADO DEVE DINAMIZAR, E NÃO INVENTAR A CULTURA. [versão eletrônica] Valor Econômico, Rio de Janeiro, 27/11/2012. ECONOMIA CRIATIVA E REVITALIZAÇÃO DO PORTO SÃO FOCO DE SÉRGIO SÁ LEITÃO NA SECRETARIA DE CULTURA. [versão eletrônica] O Globo, Rio de Janeiro, 03/11/2012. ROCK IN RIO TERMINA HOJE E FAZ COM QUE A PREFEITURA CRIE UM DECRETO COM NORMAS PARA EVENTOS DE GRANDE PORTE. [versão eletrônica] O Globo, Rio de Janeiro, 02/10/2011. ATRIZ DE MUSICAIS DA BROADWAY MINISTRA CURSO NO. [versão eletrônica] Época, Rio de Janeiro, 24/09/2012. CLAUDIA RAIA COMPRA DIREITOS DE NOVO MUSICAL DA BROADWAY. [versão eletrônica] Época, Rio de Janeiro, 23/01/2013.

7

ECONOMIA CRIATIVA COMO PLATAFORMA DE POLÍTICA CULTURAL E SEUS DESDOBRAMENTOS NA CIDADE DO RIO DE JANEIRO

ECONOMIA CRIATIVA COMO PLATAFORMA DE POLÍTICA CULTURAL E SEUS DESDOBRAMENTOS NA CIDADE DO RIO DE JANEIRO ECONOMIA CRIATIVA COMO PLATAFORMA DE POLÍTICA CULTURAL E SEUS DESDOBRAMENTOS NA CIDADE DO RIO DE JANEIRO Amanda Wanis 1 RESUMO: Na última década temos visto o crescimento da chamada economia criativa nas

Leia mais

A economia criativa e o urbanismo culturalizado: as políticas culturais como recurso

A economia criativa e o urbanismo culturalizado: as políticas culturais como recurso LUGAR COMUM Nº43, pp. 117-128 A economia criativa e o urbanismo culturalizado: as políticas culturais como recurso Amanda Wanis 59 Introdução Em recente encontro internacional de especialistas em políticas

Leia mais

As transformações na paisagem da área central do Rio de Janeiro: o espaço da cidade tornado mercadoria

As transformações na paisagem da área central do Rio de Janeiro: o espaço da cidade tornado mercadoria As transformações na paisagem da área central do Rio de Janeiro: o espaço da cidade tornado mercadoria Horacio Nogueira Pizzolante Graduando em Geografia, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro.

Leia mais

Projetos de intervenção urbanística no Centro Velho de São Paulo: estudo sobre seus impactos nos movimentos sociais por moradia.

Projetos de intervenção urbanística no Centro Velho de São Paulo: estudo sobre seus impactos nos movimentos sociais por moradia. Projetos de intervenção urbanística no Centro Velho de São Paulo: estudo sobre seus impactos nos movimentos sociais por moradia. Leianne Theresa Guedes Miranda lannethe@gmail.com Orientadora: Arlete Moysés

Leia mais

Rio Integrado e Competitivo

Rio Integrado e Competitivo IPP Rio Diretoria de Desenvolvimento Econômico Estratégico Rio Integrado e Competitivo 20/09/2011 Instituto Pereira Passos Diretoria de Desenvolvimento Econômico Agenda CONTEXTUALIZAÇÃO CADEIA PRODUTIVA

Leia mais

GOVERNO DO RIO DE JANEIRO Secretaria de Estado de Cultura Plano Estadual de Cultura

GOVERNO DO RIO DE JANEIRO Secretaria de Estado de Cultura Plano Estadual de Cultura GOVERNO DO RIO DE JANEIRO Secretaria de Estado de Cultura INTRODUÇÃO A Secretaria de Estado de Cultura do Rio de Janeiro (SEC) está coordenando a elaboração do Plano Estadual de Cultura, a partir do diálogo

Leia mais

Reformulação do Rio de Janeiro na política dos megaeventos: O caso do BRT Transoeste como sua primeira vitrine

Reformulação do Rio de Janeiro na política dos megaeventos: O caso do BRT Transoeste como sua primeira vitrine Reformulação do Rio de Janeiro na política dos megaeventos: O caso do BRT Transoeste como sua primeira vitrine Iuri Jakimczyk Carvalho Aluno de graduação em geografia Universidade Federal Fluminense- Niterói

Leia mais

ORGANIZAÇÃO SOCIAL NO DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS COPIADOS DE MODA EM EMPRESAS DE PEQUENO E MÉDIO PORTE EM GOIÂNIA

ORGANIZAÇÃO SOCIAL NO DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS COPIADOS DE MODA EM EMPRESAS DE PEQUENO E MÉDIO PORTE EM GOIÂNIA ORGANIZAÇÃO SOCIAL NO DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS COPIADOS DE MODA EM EMPRESAS DE PEQUENO E MÉDIO PORTE EM GOIÂNIA Humberto Pinheiro LOPES umpiro@gmail.com Faculdade de Artes Visuais Míriam da Costa Manso

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO MESTRADO e DOUTORADO

EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO MESTRADO e DOUTORADO 1 EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO MESTRADO e DOUTORADO MESTRADO: A) DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS DAS LINHAS 1 e 2: Organizações e Estratégia e Empreendedorismo e Mercado

Leia mais

TEORIAS DA COMUNICAÇÃO ENADE VOLUME

TEORIAS DA COMUNICAÇÃO ENADE VOLUME CADERNO PEDAGÓGICO TEORIAS DA COMUNICAÇÃO ENADE VOLUME 4 ISBN: 2015/1 ALUNO(A): APOIO PEDAGÓGICO: NUCLEO DE FORMAÇÃO GERAL ANNA PAULA SOARES LEMOS JOAQUIM HUMBERTO COELHO DE OLIVEIRA LUCIMAR LEVEGNHAGEN

Leia mais

CAMPANHAS ELEITORAIS E COMUNICAÇÃO MIDIÁTICA: CICLOS DE MUDANÇA E CONTINUIDADE

CAMPANHAS ELEITORAIS E COMUNICAÇÃO MIDIÁTICA: CICLOS DE MUDANÇA E CONTINUIDADE CAMPANHAS ELEITORAIS E COMUNICAÇÃO MIDIÁTICA: CICLOS DE MUDANÇA E CONTINUIDADE 48 Monalisa Soares Lopes Universidade Federal do Ceará (UFC) monalisaslopes@gmail.com Os estudos da política contemporânea,

Leia mais

CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO / NOTURNO PROGRAMA DE DISCIPLINA

CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO / NOTURNO PROGRAMA DE DISCIPLINA CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO / NOTURNO PROGRAMA DE DISCIPLINA DISCIPLINA: Legislação urbana e ambiental: Ergonomia Urbana CÓDIGO: URB033 CLASSIFICAÇÃO: G5 PRÉ-REQUISITO: NÃO CARGA HORÁRIA: TÉORICA

Leia mais

Apresentação da FAMA

Apresentação da FAMA Pós-Graduação Lato Sensu CURSO DE ESPECIIALIIZAÇÃO 444 horras/aulla 1 Apresentação da FAMA A FAMA nasceu como conseqüência do espírito inovador e criador que há mais de 5 anos aflorou numa família de empreendedores

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO MESTRADO e DOUTORADO

EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO MESTRADO e DOUTORADO 1 MESTRADO: EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO MESTRADO e DOUTORADO A) DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS DAS LINHAS 1 e 2: Estudos Organizacionais e Sociedade e Marketing e Cadeias

Leia mais

AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA

AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA Miranda Aparecida de Camargo luckcamargo@hotmail.com Acadêmico do Curso de Ciências Econômicas/UNICENTRO Luana Sokoloski sokoloski@outlook.com

Leia mais

GT: Estudos e Pesquisas em Espaço, Trabalho, Inovação e Sustentabilidade

GT: Estudos e Pesquisas em Espaço, Trabalho, Inovação e Sustentabilidade GT: Estudos e Pesquisas em Espaço, Trabalho, Inovação e Sustentabilidade A PRODUÇÃO DE HISTÓRIAS DE QUADRINHOS, EM NATAL/RN: PESQUISA QUALITATIVA SOBRE ECONOMIA CRIATIVA Maria Carolina Cavalcante Dias

Leia mais

O BOM PROFESSOR DA PÓS-GRADUAÇÃO E SUA PRÁTICA. PALAVRAS-CHAVE: docência universitária, formação docente, representações, perspectivas paradigmáticas

O BOM PROFESSOR DA PÓS-GRADUAÇÃO E SUA PRÁTICA. PALAVRAS-CHAVE: docência universitária, formação docente, representações, perspectivas paradigmáticas O BOM PROFESSOR DA PÓS-GRADUAÇÃO E SUA PRÁTICA Núbia Vieira TEIXEIRA; Solange Martins Oliveira MAGALHÃES Mestrado - Programa de Pós - Graduação em Educação - FE/UFG vitenubia@yahoo.com.br;solufg@hotmail.com

Leia mais

METODOLOGIA SEBRAE BAHIA PARA PÓLOS DE EMPREENDEDORISMO CULTURAL

METODOLOGIA SEBRAE BAHIA PARA PÓLOS DE EMPREENDEDORISMO CULTURAL Trabalho apresentado no III ENECULT Encontro de Estudos Multidisciplinares em Cultura, realizado entre os dias 23 a 25 de maio de 2007, na Faculdade de Comunicação/UFBa, Salvador-Bahia-Brasil. METODOLOGIA

Leia mais

Aluna: Thatiana Moreira Montenegro da Costa. Orientador: Alvaro Ferreira

Aluna: Thatiana Moreira Montenegro da Costa. Orientador: Alvaro Ferreira O processo de Metropolização do Espaço do Rio de Janeiro As mudanças no cenário carioca diante dos Megaeventos e suas influências nos bairros da Zona Oeste do Rio de Janeiro 1 Aluna: Thatiana Moreira Montenegro

Leia mais

A REVITALIZAÇÃO DO CAIS MAUÁ E A PRIVATIZAÇÃO DO ESPAÇO PÚBLICO EM PORTO ALEGRE

A REVITALIZAÇÃO DO CAIS MAUÁ E A PRIVATIZAÇÃO DO ESPAÇO PÚBLICO EM PORTO ALEGRE A REVITALIZAÇÃO DO CAIS MAUÁ E A PRIVATIZAÇÃO DO ESPAÇO PÚBLICO EM PORTO ALEGRE Meriene Santos de Moraes merienemoraes@yahoo.com.br Mestranda em Geografia, bolsista PET SESu/MEC, UFRGS Pedro Toscan Contassot

Leia mais

População à deriva: entre o descaso urbano e a vertigem revitalizadora da zona portuária do Rio de Janeiro

População à deriva: entre o descaso urbano e a vertigem revitalizadora da zona portuária do Rio de Janeiro População à deriva: entre o descaso urbano e a vertigem revitalizadora da zona portuária do Rio de Janeiro Caroline dos Santos Santana caroline_santana@ymail.com Escola de Serviço Social 10 período Orientadora:

Leia mais

A CULTURA NA CIDADE DO RIO DE JANEIRO NA DÉCADA DE 70

A CULTURA NA CIDADE DO RIO DE JANEIRO NA DÉCADA DE 70 A CULTURA NA CIDADE DO RIO DE JANEIRO NA DÉCADA DE 70 JUNIOR, Carlos de Faria 1 FERNANDES, Priscila Mendonça 2 Palavras-Chave: Indústria Cultural. Regime Militar. Telenovelas. Introdução O projeto consiste

Leia mais

Transformações espaciais na/da cidade do Rio de janeiro decorrentes da construção dos corredores expressos Transcarioca e TransBrasil

Transformações espaciais na/da cidade do Rio de janeiro decorrentes da construção dos corredores expressos Transcarioca e TransBrasil Transformações espaciais na/da cidade do Rio de janeiro decorrentes da construção dos corredores expressos Transcarioca e TransBrasil Marcela Virginio Dametto 1 marcela.dametto@hotmail.com Prof Drª Regina

Leia mais

NOVAS TENDÊNCIAS NA REVITALIZAÇÃO DE ÁREAS HISTÓRICAS : O CASO PORTO MARAVILHA

NOVAS TENDÊNCIAS NA REVITALIZAÇÃO DE ÁREAS HISTÓRICAS : O CASO PORTO MARAVILHA NOVAS TENDÊNCIAS NA REVITALIZAÇÃO DE ÁREAS HISTÓRICAS : O CASO PORTO MARAVILHA Leopoldo Guilherme Pio 1 RESUMO: O objetivo desse artigo é discutir de que maneira novas tendências ideológicas e culturais

Leia mais

Criatividade Inventividade, inteligência e talento, natos ou adquiridos, para criar, inventar, inovar

Criatividade Inventividade, inteligência e talento, natos ou adquiridos, para criar, inventar, inovar Economia Criativa Economia [ oikos (casa) + nomos (costume ou lei)] produção, distribuição e o consumo referenciais para analisar a realidade Criatividade Inventividade, inteligência e talento, natos ou

Leia mais

A música como elemento facilitador no processo de inclusão social: um olhar sobre os projetos socioculturais de Piracicaba

A música como elemento facilitador no processo de inclusão social: um olhar sobre os projetos socioculturais de Piracicaba A música como elemento facilitador no processo de inclusão social: um olhar sobre os projetos socioculturais de Piracicaba Andréia Miranda de Moraes Nascimento, UNIMEP, chicobororo@gmail.com Mariana de

Leia mais

DESCONCENTRAÇÃO INDUSTRIAL E EMPREGO NAS REGIÕES METROPOLITANAS DE BELO HORIZONTE, GOIÂNIA E RIO DE JANEIRO.

DESCONCENTRAÇÃO INDUSTRIAL E EMPREGO NAS REGIÕES METROPOLITANAS DE BELO HORIZONTE, GOIÂNIA E RIO DE JANEIRO. DESCONCENTRAÇÃO INDUSTRIAL E EMPREGO NAS REGIÕES METROPOLITANAS DE BELO HORIZONTE, GOIÂNIA E RIO DE JANEIRO. Vivian Fernanda Mendes Merola vfmerola1@gmail.com Universidade de São Paulo Faculdade de Filosofia

Leia mais

Plano de Ensino. Identificação. Câmpus de Bauru. Curso null - null. Ênfase. Disciplina 0003029A - História da Comunicação

Plano de Ensino. Identificação. Câmpus de Bauru. Curso null - null. Ênfase. Disciplina 0003029A - História da Comunicação Curso null - null Ênfase Identificação Disciplina 0003029A - História da Comunicação Docente(s) Vinicius Martins Carrasco de Oliveria Unidade Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação Departamento

Leia mais

PRESENTE F U T U R O

PRESENTE F U T U R O PRESENTE FUTURO O PRESENTE E O FUTURO DO FÓRUM CULTURAL MUNDIAL 1 O PROCESSO O Fórum Cultural Mundial não é somente um evento. Ele está acontecendo de forma processual, através de diversas ações espalhadas

Leia mais

Pós-Graduação em Comunicação Organizacional Integrada

Pós-Graduação em Comunicação Organizacional Integrada Pós-Graduação em Comunicação Organizacional Integrada Público-alvo Indicado para profissionais de comunicação organizacional, relações públicas, assessores de comunicação, gestores de comunicação, bem

Leia mais

Pesquisa de Opinião do Comércio Varejista de Belo Horizonte

Pesquisa de Opinião do Comércio Varejista de Belo Horizonte A Copa do Mundo FIFA terá como anfitrião o Brasil e Belo Horizonte foi eleita uma das doze cidades-sedes dos jogos. Este será um importante evento para a capital mineira. Espera-se a chegada de aproximadamente

Leia mais

experiência OS PRODUTOS E SOLUÇÕES DESENVOLVIDOS PELA FUTURA SEGUEM 4 ETAPAS: Inventário de dados e informações Diagnóstico e cenários prospectivos a Análise e avaliação participativa Diagnosticar 4

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO DA CEMIG COM A COMUNIDADE Substitui a NO-02.15 de 23/06/2009

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO DA CEMIG COM A COMUNIDADE Substitui a NO-02.15 de 23/06/2009 03/08/2010 Pág.01 POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO DA CEMIG COM A COMUNIDADE Substitui a NO-02.15 de 23/06/2009 1. INTRODUÇÃO 1.1 A Política de Comunicação da CEMIG com a Comunidade explicita as diretrizes que

Leia mais

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO MPH0813 PLANO NACIONAL DE TURISMO: UM CAMINHO PARA A BUSCA DO DESENVOLVIMENTO

Leia mais

CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA. NÍVEL VII e VIII-MANHÃ; NÍVEL IX e X-NOITE

CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA. NÍVEL VII e VIII-MANHÃ; NÍVEL IX e X-NOITE CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA NÍVEL VII e VIII-MANHÃ; NÍVEL IX e X-NOITE PROFESSORES - ORIENTADORES PARA O TRABALHO DE CONCLUSÃO Adriana S. Kurtz Mídia e cultura de massa Cinema

Leia mais

Projeções dos Impactos Econômicos da Copa do Mundo e dos Jogos Olímpicos no Brasil. Marcelo Weishaupt Proni Unicamp

Projeções dos Impactos Econômicos da Copa do Mundo e dos Jogos Olímpicos no Brasil. Marcelo Weishaupt Proni Unicamp Projeções dos Impactos Econômicos da Copa do Mundo e dos Jogos Olímpicos no Brasil Marcelo Weishaupt Proni Unicamp A discussão sobre os megaeventos ainda é feita com base em informações precárias Sem dúvida,

Leia mais

SERVIÇO BRASILEIRO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS

SERVIÇO BRASILEIRO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS SERVIÇO BRASILEIRO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS PEQUENOS negócios no BRASIL 99% 70% 40% 25% 1% do total de empresas brasileiras da criação de empregos formais da massa salarial do PIB das exportações

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉTICO E CITY MARKETING: A NOVA FACE DAS CIDADES NO FINAL DO SÉCULO XX

PLANEJAMENTO ESTRATÉTICO E CITY MARKETING: A NOVA FACE DAS CIDADES NO FINAL DO SÉCULO XX CAMINHOS DE GEOGRAFIA - REVISTA ON LINE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GEOGRAFIA INSTITUTO DE GEOGRAFIA UFU PLANEJAMENTO ESTRATÉTICO E CITY MARKETING: A NOVA FACE DAS CIDADES NO FINAL DO SÉCULO XX Georges

Leia mais

Um país de empreendedores sociais?

Um país de empreendedores sociais? Um país de empreendedores sociais? Prof. Dr. Vander Casaqui Programa de Pós Graduação em Comunicação e Práticas de Consumo ESPM Pesquisa de pós doutoramento realizada na FCSH Universidade Nova de Lisboa

Leia mais

GRUPO DE TRABALHO 9 ESTUDOS SOCIOCULTURAIS DO ESPORTE

GRUPO DE TRABALHO 9 ESTUDOS SOCIOCULTURAIS DO ESPORTE 1 GRUPO DE TRABALHO 9 ESTUDOS SOCIOCULTURAIS DO ESPORTE PROGRAMA SESI ATLETA DO FUTURO: UMA ANÁLISE DO ROMPIMENTO DA PARCERIA ENTRE O SESI E A PREFEITURA MUNICIPAL DE ARAPONGAS. Ricardo Gonçalves, Mdo.

Leia mais

Pós Graduação em Comunicação Organizacional Integrada

Pós Graduação em Comunicação Organizacional Integrada Público - alvo Pós Graduação em Organizacional Integrada Indicado para profissionais de comunicação organizacional, relações públicas, assessores de comunicação, gestores de comunicação, bem como para

Leia mais

Economia criativa: novas oportunidades baseadas no capital intelectual

Economia criativa: novas oportunidades baseadas no capital intelectual Economia criativa: novas oportunidades baseadas no capital intelectual Armando Dalla Costa * Elson Rodrigo de Souza-Santos ** RESUMO - Nas últimas duas décadas ganhou força um novo ramo de estudo denominado

Leia mais

IMAGEM TÉCNICA, PRODUÇÃO DE SUBJETIVIDADE E PESQUISA EM CIÊNCIAS HUMANAS: DESAFIOS METODOLÓGICOS

IMAGEM TÉCNICA, PRODUÇÃO DE SUBJETIVIDADE E PESQUISA EM CIÊNCIAS HUMANAS: DESAFIOS METODOLÓGICOS IMAGEM TÉCNICA, PRODUÇÃO DE SUBJETIVIDADE E PESQUISA EM CIÊNCIAS HUMANAS: DESAFIOS METODOLÓGICOS Aluno: Lucas Boscacci Pereira Lima da Silva Orientadora: Solange Jobim e Souza Introdução Câmera como Instrumento

Leia mais

Vencedores do 4º Prêmio Sebrae Prefeito Empreendedor CATEGORIA: TURISMO DE EXCELÊNCIA

Vencedores do 4º Prêmio Sebrae Prefeito Empreendedor CATEGORIA: TURISMO DE EXCELÊNCIA Vencedores do 4º Prêmio Sebrae Prefeito Empreendedor Vencedores Estaduais na categoria Promoção do turismo de excelência CATEGORIA: TURISMO DE EXCELÊNCIA Município de Santo Antônio da Patrulha RS Vencedores

Leia mais

Lucas Arantes Zanetti 1 Lívia Cadete da Silva 2 Orientadora: Caroline Kraus Luvizotto 3 Universidade Estadual Paulista, Bauru, SP

Lucas Arantes Zanetti 1 Lívia Cadete da Silva 2 Orientadora: Caroline Kraus Luvizotto 3 Universidade Estadual Paulista, Bauru, SP Movimentos sociais e internet: uma análise sobre as manifestações de 2013 no Brasil Lucas Arantes Zanetti 1 Lívia Cadete da Silva 2 Orientadora: Caroline Kraus Luvizotto 3 Universidade Estadual Paulista,

Leia mais

História Oral: panorama histórico e reflexões para o presente. Profa. Dra. Suzana Lopes Salgado Ribeiro

História Oral: panorama histórico e reflexões para o presente. Profa. Dra. Suzana Lopes Salgado Ribeiro História Oral: panorama histórico e reflexões para o presente Profa. Dra. Suzana Lopes Salgado Ribeiro O que é História Oral? Processo de trabalho que privilegia o diálogo e a colaboração de sujeitos considerando

Leia mais

CÓDIGO NOME (T-P) Cr. GCC854 Espaço Urbano Regional:Teorias e Reflexões 4 (60 horas)

CÓDIGO NOME (T-P) Cr. GCC854 Espaço Urbano Regional:Teorias e Reflexões 4 (60 horas) Ministério da Educação Universidade Federal de Santa Maria Centro de Ciências Naturais e Exatas Programa de Pós-Graduação em Geografia IDENTIFICAÇÃO DA DISCIPLINA: CÓDIGO NOME (T-P) Cr GCC854 Espaço Urbano

Leia mais

De acordo com os objectivos previamente definidos para esta investigação, apresentamos de seguida as respectivas conclusões:

De acordo com os objectivos previamente definidos para esta investigação, apresentamos de seguida as respectivas conclusões: 7.1 Conclusões De acordo com os objectivos previamente definidos para esta investigação, apresentamos de seguida as respectivas conclusões: 1 - Descrever os instrumentos/modelos de gestão e marketing estratégicos

Leia mais

Pós-Graduação em Comunicação Organizacional Integrada

Pós-Graduação em Comunicação Organizacional Integrada Pós-Graduação em Comunicação Organizacional Início em 28 de Abril de 2016 Aulas as terças e quintas, das 7h às 9h30 Valor do curso: R$ 18.130,00 À vista com desconto: R$ 16.679,00 Consultar planos de parcelamento.

Leia mais

Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação Câmpus de Bauru PLANO DE DISCIPLINA

Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação Câmpus de Bauru PLANO DE DISCIPLINA PLANO DE DISCIPLINA 1. UNIDADE: Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação 2. PROGRAMA: Pós-graduação em Televisão Digital: Informação e Conhecimento 3. NÍVEL: Mestrado Profissional 4. ÁREA DE CONCENTRAÇÃO:

Leia mais

Construindo a interação entre universidade e empresas: O que os atores pensam sobre isso?

Construindo a interação entre universidade e empresas: O que os atores pensam sobre isso? i n o v a ç ã o 8 Construindo a interação entre universidade e empresas: O que os atores pensam sobre isso? Carla Conti de Freitas Yara Fonseca de Oliveira e Silva Julia Paranhos Lia Hasenclever Renata

Leia mais

Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global

Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global (texto extraído da publicação IRVING, M.A.; BOTELHO, E.S.; SANCHO, A.; MORAES, E &

Leia mais

Carlos Fabiano de Souza IFF UFF carlosfabiano.teacher@gmail.com

Carlos Fabiano de Souza IFF UFF carlosfabiano.teacher@gmail.com VIII Jornada de Estudos do Discurso NARRANDO A VIDA SOCIAL A FALA DO PROFESSOR DE INGLÊS SOBRE A SUA ATIVIDADE DOCENTE EM CURSOS DE IDIOMAS: POR UM ITINERÁRIO INVESTIGATIVO NA INTERFACE TRABALHO & LINGUAGEM

Leia mais

Prof. Fabiano Geremia

Prof. Fabiano Geremia PLANEJAMENTO ESTRÁTEGICO PARA ARRANJOS PRODUTIVOS CURSO INTERMEDIÁRIO PARA FORMULADORES DE POLÍTICAS Prof. Fabiano Geremia Planejamento Estratégico ementa da disciplina Planejamento estratégico e seus

Leia mais

Pós-Graduação em Políticas e Patrocínios Culturais e Esportivos

Pós-Graduação em Políticas e Patrocínios Culturais e Esportivos Pós-Graduação em Políticas e Patrocínios Culturais e Esportivos Objetivo do Curso Atender a executivos, assessores, consultores e gestores provenientes de organizações públicas e privadas, que desejam

Leia mais

CRIATICIDADE CRIATIVIDADE

CRIATICIDADE CRIATIVIDADE CRIATICIDADE CRIATIVIDADE Todo mundo quer. Criatividade tornou-se um mantra da nossa época. CONCEITO BRITANICO ENGLOBA 13 SETORES Publicidade Arquitetura Artes e antiguidades Artesanato Design Moda Vídeo

Leia mais

BELO HORIZONTE E OS MEGAEVENTOS ESPORTIVOS

BELO HORIZONTE E OS MEGAEVENTOS ESPORTIVOS BELO HORIZONTE E OS MEGAEVENTOS ESPORTIVOS Marcella C. Amaral Scotti. 1 RESUMO: A partir do momento em que um país se torna sede de um megaevento esportivo, as cidades se transformam no centro das atenções.

Leia mais

Pronac Nº 1111032 Você em Cenna é um concurso cultural que irá eleger atores e atrizes amadores de todo o país, que enviarão vídeos de suas performances para votação popular e de júri especializado. Os

Leia mais

Visão para o Rio Rede das Redes Projetos Transformadores / Negócios

Visão para o Rio Rede das Redes Projetos Transformadores / Negócios PROJETO 2015-2017 O Projeto Associação Comercial do Rio de Janeiro 2015 2017 consiste em um conjunto de conceitos, diretrizes e convergências de ações que vão orientar a atuação da ACRio para os próximos

Leia mais

Carga horária e duração. O curso tem carga horária de 360 horas/aula. Duração: aproximadamente 24 meses Horário: terças e quintas 7h às 9h30

Carga horária e duração. O curso tem carga horária de 360 horas/aula. Duração: aproximadamente 24 meses Horário: terças e quintas 7h às 9h30 Pós-Graduação em Gestão do Entretenimento Público-alvo Indicado para profissionais que atuam com entretenimento e cultura tanto em produtoras de cinema, de eventos e de conteúdo, centros culturais, consultorias

Leia mais

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido 1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido No estudo da Comunicação, a publicidade deve figurar como um dos campos de maior interesse para pesquisadores e críticos das Ciências Sociais e Humanas.

Leia mais

PROTOCOLO QUE ESTABELECE METAS PARA A GESTÃO DO RECIFE

PROTOCOLO QUE ESTABELECE METAS PARA A GESTÃO DO RECIFE PROTOCOLO QUE ESTABELECE METAS PARA A GESTÃO DO RECIFE PREÂMBULO O Instituto de Arquitetos do Brasil, Departamento de Pernambuco IAB-PE, representado por sua Presidente, Arquiteta e Urbanista Vitória Régia

Leia mais

MBA em Gestão do Entretenimento

MBA em Gestão do Entretenimento MBA em Gestão do Entretenimento Entertainment Business Management Início em 25 de setembro de 2015 Aulas as quarta e sexta, das 7h às 9h Valor do curso: R$ 21.600,00 À vista com desconto: R$ 20.520,00

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: 4001 Publicidade e Propaganda MISSÃO DO CURSO O curso de Publicidade e Propaganda do Centro Universitário Estácio Radial de São Paulo tem como missão formar

Leia mais

Interferência de diferentes procedimentos harmônicos na improvisação do choro e configurações identitárias: década de 20 ao Tempo Presente

Interferência de diferentes procedimentos harmônicos na improvisação do choro e configurações identitárias: década de 20 ao Tempo Presente 1 Interferência de diferentes procedimentos harmônicos na improvisação do choro e configurações identitárias: década de 20 ao Tempo Presente Everton Luiz Loredo de MATOS UFG tonzeramusic@hotmail.com Magda

Leia mais

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO CURSO: TURISMO ( bacharelado) Missão Formar profissionais humanistas, críticos, reflexivos, capacitados para planejar, empreender e gerir empresas turísticas, adaptando-se ao

Leia mais

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Multimídia

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Multimídia Área de Comunicação Produção Multimídia Curta Duração Produção Multimídia Carreira em Produção Multimídia O curso superior de Produção Multimídia da FIAM FAAM forma profissionais preparados para o mercado

Leia mais

INSTRUMENTOS CONTRA INSTRUMENTOS EVIDENCIANDO A POLÍTICA URBANA BRASILEIRA ENTRE O PÚBLICO E O PRIVADO, ENTRE O REAL E O LEGAL

INSTRUMENTOS CONTRA INSTRUMENTOS EVIDENCIANDO A POLÍTICA URBANA BRASILEIRA ENTRE O PÚBLICO E O PRIVADO, ENTRE O REAL E O LEGAL INSTRUMENTOS CONTRA INSTRUMENTOS EVIDENCIANDO A POLÍTICA URBANA BRASILEIRA ENTRE O PÚBLICO E O PRIVADO, ENTRE O REAL E O LEGAL Bruno dos Santos Del' Esposti 1 Resumo No Brasil, leis aliadas à promoção

Leia mais

REFLEXÕES ACERCA DO PAPEL DO PEDAGOGO NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL: ARTICULANDO OS SABERES DO DOCENTE E DO PEDAGOGO

REFLEXÕES ACERCA DO PAPEL DO PEDAGOGO NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL: ARTICULANDO OS SABERES DO DOCENTE E DO PEDAGOGO REFLEXÕES ACERCA DO PAPEL DO PEDAGOGO NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL: ARTICULANDO OS SABERES DO DOCENTE E DO PEDAGOGO BACHETI, Luciane Serrate Pacheco, FERNANDES, Márcia Alessandra de Souza, SILVA, Maria Izabel

Leia mais

OFICINAS DE REESTRUTURAÇÃO CURRICULAR REFLEXÕES SOBRE O ENSINO MÉDIO INTEGRADO A EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E A AÇÃO DOCENTE

OFICINAS DE REESTRUTURAÇÃO CURRICULAR REFLEXÕES SOBRE O ENSINO MÉDIO INTEGRADO A EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E A AÇÃO DOCENTE OFICINAS DE REESTRUTURAÇÃO CURRICULAR REFLEXÕES SOBRE O ENSINO MÉDIO INTEGRADO A EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E A AÇÃO DOCENTE NASCIMENTO, Elaine Cristina Universidade Tecnológica Federal do Paraná AMORIM, Mário

Leia mais

RELATÓRIO DE CONCLUSÃO PLANO DE TRABALHO ACORDO DE COOPERAÇÃO FEDERATIVA MINISTÉRIO DA CULTURA E PREFEITURA DE PALMAS FUNDAÇÃO CULTURAL DE PALMAS

RELATÓRIO DE CONCLUSÃO PLANO DE TRABALHO ACORDO DE COOPERAÇÃO FEDERATIVA MINISTÉRIO DA CULTURA E PREFEITURA DE PALMAS FUNDAÇÃO CULTURAL DE PALMAS RELATÓRIO DE CONCLUSÃO PLANO DE TRABALHO ACORDO DE COOPERAÇÃO FEDERATIVA MINISTÉRIO DA CULTURA E PREFEITURA DE PALMAS FUNDAÇÃO CULTURAL DE PALMAS Palmas/TO, setembro 2013 Relatório de conclusão: Plano

Leia mais

VIOLÊNCIA NA ESCOLA: A VIOLÊNCIA DO TRABALHO QUE AFRONTA OS DIREITOS HUMANOS DOS TRABALHADORES DA EDUCAÇÃO

VIOLÊNCIA NA ESCOLA: A VIOLÊNCIA DO TRABALHO QUE AFRONTA OS DIREITOS HUMANOS DOS TRABALHADORES DA EDUCAÇÃO VIOLÊNCIA NA ESCOLA: A VIOLÊNCIA DO TRABALHO QUE AFRONTA OS DIREITOS HUMANOS DOS TRABALHADORES DA EDUCAÇÃO Autora: Profª. Drª. Nilma Renildes da Silva UNESP - Bauru-SP-Brasil nilmarsi@fc.unesp.br Agências

Leia mais

Curso de Pós-Graduação Teoria e Prática em Educação de Nível Superior Edição ESPM Rio de Janeiro

Curso de Pós-Graduação Teoria e Prática em Educação de Nível Superior Edição ESPM Rio de Janeiro Curso de Pós-Graduação Teoria e Prática em Educação de Nível Superior Edição ESPM Rio de Janeiro Período de realização: 2013/2014 12 de setembro de 2014: Enfim formados! Este foi o brinde dos dez estudantes

Leia mais

AOS CANDIDATOS À PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA DO BRASIL PROPOSTAS DE POLÍTICAS PARA A ÁREA DAS COMUNICAÇÕES

AOS CANDIDATOS À PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA DO BRASIL PROPOSTAS DE POLÍTICAS PARA A ÁREA DAS COMUNICAÇÕES AOS CANDIDATOS À PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA DO BRASIL PROPOSTAS DE POLÍTICAS PARA A ÁREA DAS COMUNICAÇÕES 1 Apresentação 1. As comunicações, contemporaneamente, exercem crescentes determinações sobre a cultura,

Leia mais

Nas Margens da Educação: imprensa feminina e urbanidade moderna na Ribeirão Preto das primeiras décadas do século XX

Nas Margens da Educação: imprensa feminina e urbanidade moderna na Ribeirão Preto das primeiras décadas do século XX Nas Margens da Educação: imprensa feminina e urbanidade moderna na Ribeirão Preto das primeiras décadas do século XX Jorge Luiz de FRANÇA * Nesta comunicação, pretendemos, por intermédio das publicações

Leia mais

MBA Comunicação Integrada e Novas Mídias. Prof. Eduardo Ambrósio

MBA Comunicação Integrada e Novas Mídias. Prof. Eduardo Ambrósio ARENAS DA COMUNICAÇÃO COM O MERCADO ENTRETENIMENTO FEIRAS MKT ESPORTIVO MKT DIGITAL VAREJO PUBLICIDADE E PROPAGANDA MODA ENTRETENIMENTO ARENAS DA COMUNICAÇÃO COM O MERCADO ENTRETENIMENTO Viagens Culinária

Leia mais

2 Público não é político. É o espaço coletivo, do cidadão.

2 Público não é político. É o espaço coletivo, do cidadão. A MÚSICA NA SOCIALIZAÇÃO DAS MENINAS DE SINHÁ GIL, Thais Nogueira UFMG thaisgil@terra.com.br GT: Movimentos Sociais e Educação / n.03 Agência Financiadora: CAPES O que acontece quando os sujeitos excluídos

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS SÓCIO-ECONÔMICAS E HUMANAS DE ANÁPOLIS COORDENAÇÃO DO CURSO DE GEOGRAFIA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS SÓCIO-ECONÔMICAS E HUMANAS DE ANÁPOLIS COORDENAÇÃO DO CURSO DE GEOGRAFIA 1. EMENTA O processo de urbanização e as redes urbanas. As novas tendências do crescimento urbano. A produção e a (re) produção da cidade e dos espaços urbanos, a estrutura, interna e sua relação com a

Leia mais

INOVAÇÃO E COMPETITIVIDADE DE DESTINOS TURÍSTICOS. Novembro de 2014

INOVAÇÃO E COMPETITIVIDADE DE DESTINOS TURÍSTICOS. Novembro de 2014 INOVAÇÃO E COMPETITIVIDADE DE DESTINOS TURÍSTICOS Novembro de 2014 1 Competitividade de Destinos Emergência nos estudos sobre estratégia empresarial Indústria, empresas, países, organizações Diferentes

Leia mais

Responsabilidade Social

Responsabilidade Social Responsabilidade Social Desafios à Gestão Universitária Prof. Dr. Adolfo Ignacio Calderón Coordenador do Núcleo de Pesquisas em Ciências Sociais Aplicadas da UMC, membro do comitê científico do Fórum de

Leia mais

Universidade Anhembi Morumbi Especialização em Inovação em Tecnologias Educacionais Avaliação Encerramento 2/2014

Universidade Anhembi Morumbi Especialização em Inovação em Tecnologias Educacionais Avaliação Encerramento 2/2014 Universidade Anhembi Morumbi Especialização em Inovação em Tecnologias Educacionais Avaliação Encerramento 2/2014 Proposta Geral de Trabalho DESIGN THINKING PARA EDUCAÇÃO ALUNAS Paula Tauhata Ynemine RA

Leia mais

Apresentação das pesquisas

Apresentação das pesquisas 1 A EDUCAÇÃO DE ADOLESCENTES, JOVENS E ADULTOS NA REDE MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE GOIÂNIA - A PROPOSTA: A ESCOLA, O PROFESSOR E O ALUNO GOMES, Dinorá de Castro UCG gomes.diza@gmail.com COSTA, Cláudia Borges

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO MESTRADO e DOUTORADO

EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO MESTRADO e DOUTORADO 1 EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO MESTRADO e DOUTORADO MESTRADO: A) DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS DAS LINHAS 1 e 2: Organizações e Estratégia e Empreendedorismo e Mercado

Leia mais

RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS

RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS SALVADOR 2012 1 CONTEXTUALIZAÇÃO Em 1999, a UNIJORGE iniciou suas atividades na cidade de Salvador, com a denominação de Faculdades Diplomata. O contexto

Leia mais

entrevista Felipe Cavalcante, Presidente da ADIT Brasil

entrevista Felipe Cavalcante, Presidente da ADIT Brasil entrevista Felipe Cavalcante, Presidente da ADIT Brasil 10 Brasil-Portugal no Ceará ABRINDO PORTAS PARA O BRASIL PRESIDENTE DA ADIT BRASIL, FELIPE CAVALCANTE DESTACA O ATUAL PANORAMA DOS INVESTIMENTOS

Leia mais

2. Disseminar o conhecimento gerado no Instituto Federal do Amazonas.

2. Disseminar o conhecimento gerado no Instituto Federal do Amazonas. Extensão ETENSÃO A implementação da politica de Extensão, no Instituto Federal do Amazonas reafirma a missão deste Instituto e seu comprometimento com o desenvolvimento local e regional promovendo a integração

Leia mais

5 º FESTIVAL FICA FESTIVAL DE INVERNO DEINVERNO CANTAREIRA

5 º FESTIVAL FICA FESTIVAL DE INVERNO DEINVERNO CANTAREIRA FESTIVAL FICA DA DEINVERNO CANTAREIRA FESTIVAL DE INVERNO O MAIOR FESTIVAL ECOLÓGICO DO MUNDO! 2013 5ª Edição FICA FESTIVAL REALIZADO NA SERRA CANTAREIRA, PONTO DE GRANDE INTERESSE POLÍTICO E GEOLÓGICO

Leia mais

TURISMO. o futuro, uma viagem...

TURISMO. o futuro, uma viagem... TURISMO o futuro, uma viagem... PLANO NACIONAL DO TURISMO 2007-2010 OBJETIVOS Desenvolver o produto turístico brasileiro com qualidade, contemplando nossas diversidades regionais, culturais e naturais.

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997 RESOLUÇÃO Nº 19-CEPE/UNICENTRO, DE 6 DE MARÇO DE 2009. Aprova o Curso de Especialização em Mercados Emergentes em Comunicação, modalidade modular, a ser ministrado no Campus Santa Cruz, da UNICENTRO. O

Leia mais

A ABORDAGEM DO ESPORTE NA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR: UMA ANÁLISE DO CONTEXTO

A ABORDAGEM DO ESPORTE NA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR: UMA ANÁLISE DO CONTEXTO A ABORDAGEM DO ESPORTE NA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR: UMA ANÁLISE DO CONTEXTO SEDORKO, Clóvis Marcelo (UEPG) FINCK, Silvia Christina Madrid (UEPG) A hegemonia do esporte na Educação Física Escolar A disciplina

Leia mais

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 Universidade de Évora, 10 de março de 2015 Identidade, Competitividade, Responsabilidade Lezíria do Tejo Alto Alentejo Alentejo Central Alentejo Litoral

Leia mais

OBJETIVOS GERAIS 1 Fornecer subsídios para a construção do Mapa Conceitual da Publicidade.

OBJETIVOS GERAIS 1 Fornecer subsídios para a construção do Mapa Conceitual da Publicidade. Unidade Universitária Centro de Comunicação e Letras 95 OBJETIVOS GERAIS Fornecer subsídios para a construção do Mapa Conceitual da Publicidade. Curso Publicidade e Propaganda Eixo Disciplinar Estudos

Leia mais

Resumo. GT Produção Laboratorial Impresso Jornal cultural 2ª Opinião Márcia Eliane Rosa Professora de Jornalismo, doutoranda na ECA/USP

Resumo. GT Produção Laboratorial Impresso Jornal cultural 2ª Opinião Márcia Eliane Rosa Professora de Jornalismo, doutoranda na ECA/USP GT Produção Laboratorial Impresso Jornal cultural 2ª Opinião Márcia Eliane Rosa Professora de Jornalismo, doutoranda na ECA/USP Resumo O 2ª Opinião - Espaço cultural é um jornal-laboratório que vem sendo

Leia mais

Memória descritiva do projecto Sanjonet Rede de Inovação e Competitividade

Memória descritiva do projecto Sanjonet Rede de Inovação e Competitividade Memória descritiva do projecto Sanjonet Rede de Inovação e Competitividade Candidatura aprovada ao Programa Política de Cidades - Redes Urbanas para a Competitividade e a Inovação Síntese A cidade de S.

Leia mais

PLANO DE ENSINO DE DISCIPLINA

PLANO DE ENSINO DE DISCIPLINA PLANO DE ENSINO DE DISCIPLINA CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO Disciplina: Projeto Urbano e Paisagístico I PUP I Carga horária: 80 horas Ano Letivo: 2012 Série: 2ª Série Justificativa da Inclusão da Disciplina

Leia mais

A DIPLOMACIA ECONÓMICA NUM MUNDO MULTICÊNTRICO (PARTE I) José Pedro Teixeira Fernandes ISCET Instituto Superior de Ciências Empresariais e do Turismo

A DIPLOMACIA ECONÓMICA NUM MUNDO MULTICÊNTRICO (PARTE I) José Pedro Teixeira Fernandes ISCET Instituto Superior de Ciências Empresariais e do Turismo A DIPLOMACIA ECONÓMICA NUM MUNDO MULTICÊNTRICO (PARTE I) José Pedro Teixeira Fernandes ISCET Instituto Superior de Ciências Empresariais e do Turismo Quadro 1 As dimensões de ação da diplomacia económica

Leia mais

LANÇAMENTO PLATAFORMA IDS MESA 2 DESAFIOS PARA A DEFESA DA VIDA E DO BEM-ESTAR DO CIDADÃO

LANÇAMENTO PLATAFORMA IDS MESA 2 DESAFIOS PARA A DEFESA DA VIDA E DO BEM-ESTAR DO CIDADÃO LANÇAMENTO PLATAFORMA IDS MESA 2 DESAFIOS PARA A DEFESA DA VIDA E DO BEM-ESTAR DO CIDADÃO Local: Sala Crisantempo Data : 12/12/2014 Horário: 9h30 às 13h30 Expositores: Ricardo Paes de Barros - Subsecretário

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS 1. EMENTA Visão epistemológica do conhecimento científico. Ciência e método: positivismo, fenomenologia, dialética. Limites da ciência. Ciência e ética. Tipos de pesquisa e sua relação com os objetos de

Leia mais

PROPOSTA DE PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA PIBIC, PIBITI E PIVIC 2015

PROPOSTA DE PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA PIBIC, PIBITI E PIVIC 2015 PROPOSTA DE PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA PIBIC, PIBITI E PIVIC 2015 DADOS GERAIS DO PROJETO Título: Publicidade de Controle Proponente: Prof. Ms. Izabela Domingues da Silva Currículo Lattes: http://buscatextual.cnpq.br/buscatextual/visualizacv.do?metodo=apresentar&id=k471870

Leia mais