Cidade Tecnológica do Tejo

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Cidade Tecnológica do Tejo"

Transcrição

1 Universidade Nova de Lisboa Faculdade de Ciências Sociais e Humanas Departamento de Geografia e Planeamento Regional Cidade Tecnológica do Tejo Trabalho elaborado por: Frederico Munguambe Giuseppe Trupia Henrique Torres Inês Mateus Mário Alves Pedro Esteves

2 Abrantes, Cidade Tecnológica do Tejo Estudo de Marketing Territorial aplicado a Abrantes Marketing Territorial Docente: Prof. Doutor José Lúcio Discentes Frederico Munguambe Giuseppe Trupia Henrique Torres Inês Mateus Mário Alves Pedro Esteves Dezembro de 2005 Marketing Territorial DGPR Faculdade de Ciências Sociais e Humanas Universidade Nova de Lisboa 3

3 Índice Introdução 8 I Enquadramento Teórico 1.1 Definição de Marketing As Filosofias de Marketing A Estratégia Competitiva e o Marketing O Conceito de Marketing Territorial Diferentes Marketings para Diferentes Territórios A Evolução do Marketing Territorial As Perspectivas do Marketing Territorial A Importância do Marketing Territorial Marketing Mix Territorial 18 II Enquadramento Geográfico 2.1 O Concelho de Abrantes 20 III Demografia 3.1 Evolução da População Residente Evolução da População Residente por Freguesias Evolução da Densidade Populacional Evolução da Estrutura Etária da População do Concelho Nível de Instrução da População Residente 30 IV Economia 4.1 Estrutura Empresarial no Concelho de Abrantes Dimensão Empresarial Sectores de Actividade Taxa de Emprego/Desemprego 41 V Infra-estruturas e Equipamentos 5.1 Acessibilidade Ambiente Ensino Saúde Acção Social Equipamentos Culturais, Desportivos e Recreativos 50 VI Factores Estruturantes 6.1 Mercado de Trabalho Instrumentos de Apoio Empresarial Parque Industrial de Abrantes Caracterização Empresarial Aposta na Formação e na Tecnologia Concorrência Territorial 80 Marketing Territorial DGPR Faculdade de Ciências Sociais e Humanas Universidade Nova de Lisboa 4

4 6.7 Turismo: Oportunidade Económica 84 VII Matriz SWOT 92 VIII Cenários de Desenvolvimento 8.1 Cenário Tendencial Cenário Pessimista Cenário Optimista 96 IX Construção da Imagem do Território 9.1 Análise dos Inquéritos aos Cidadãos Análise dos Inquéritos aos não-residentes 105 X Estratégias de Marketing Territorial 10.1 Quem atrair? BenchMarketing 124 XI Estratégias de Desenvolvimento 128 XII Iniciativas e Acções de Apoio à Estratégia 141 XIII Promoção da Imagem do Território 143 Considerações finais 146 Bibliografia 147 Índice de Figuras Figura 1 Pirâmide das Necessidades de Maslow 10 Figura 2 Mapa do concelho de Abrantes 20 Figura 3 Mapa do Médio Tejo 21 Figura 4 Densidades Populacionais, por freguesias (2001) 27 Figura 5 Esquema da Rede das Principais Acessibilidades 45 Figura 6 Plano Geral do Parque Industrial em Figura 7 Distribuição dos Satisfeitos/Insatisfeitos com as Acessibilidades 71 Externas, 2005 Figura 8 Escola Superior e Tecnologias de Abrantes 73 Figura 9 Esquema da Localização do TagusValley 76 Figura 10 Infra-estruturas do TagusValley 77 Figura 11 Incubadora do TagusValley 78 Figura 12 Castelo de Abrantes 86 Figura 13 Parque Urbano São Lourenço 87 Figura 14 Aquapólis 88 Figura 15 Estádio Municipal de Abrantes 89 Gráfico 1 População Residente no Concelho de Abrantes entre 1930 e Gráfico 2 Taxa de Actividade, em Abrantes (1991/2001) 42 Marketing Territorial DGPR Faculdade de Ciências Sociais e Humanas Universidade Nova de Lisboa 5

5 Gráfico 3 Ramo das Empresas Inquiridas 65 Gráfico 4 Distribuição das Empresas, segundo o Escalão de Vendas, em Gráfico 5 Satisfação com a Actual Localização (%), em Gráfico 6 Interesse em Transferir-se 68 Gráfico 7 Interesse em Expandir-se 68 Gráfico 8 Disponibilidade de Equipamentos e Infra-estruturas, Gráfico 9 Iniciativas da Autarquia 72 Gráfico 10 Sexo dos Inquiridos (%) 99 Gráfico 11 Classe Etária (%) 99 Gráfico 12 Opinião em Relação à Evolução do Comércio (%) 100 Gráfico 13 Opinião em Relação aos Equipamentos e Infra-estruturas (%) 101 Gráfico 14 Opinião em Relação à Evolução da Indústria (%) 101 Gráfico 15 Opinião em Relação à Evolução dos Serviços (%) 101 Gráfico 16 Opinião em Relação à Evolução da Agricultura (%) 102 Gráfico 17 Imagem de Abrantes para se viver (%) 102 Gráfico 18 Imagem de Abrantes para trabalhar (%) 103 Gráfico 19 Imagem de Abrantes para Lazer (%) 103 Gráfico 20 Imagem geral de Abrantes (%) 103 Gráfico 21 Já ouviu falar do TagusValley? (%) 104 Gráfico 22 Trabalha com alguma associação cívica? (%) 104 Gráfico 23 Sexo dos Inquiridos (%) 106 Gráfico 24 Classe Etária (%) 106 Gráfico 25 Habilitações Literárias (%) 106 Gráfico 26 Sabe localizar o concelho de Abrantes? (%) 107 Gráfico 27 Já visitou o concelho de Abrantes? (%) 107 Gráfico 28 Porquê Abrantes? (%) 108 Gráfico 29 Pensa voltar? (%) 108 Gráfico 30 Já ouviu falar em alguma iniciativa no concelho? (%) 108 Gráfico 31 Já ouviu falar no TagusValley? (%) 109 Gráfico 32 Sabia que Abrantes tem um castelo? (%) 109 Gráfico 33 Sabe que rios lá passam? (%) 110 Gráfico 34 O que lhe lembra Abrantes? (%) 110 Quadro 1 Evolução da População Residente entre 1930/ Quadro 2 Evolução da População Residente no Concelho de Abrantes entre 1930 e Quadro 3 População Residente e Taxas de variações do Concelho por Freguesias 24 (1930/2001) Quadro 4 Evolução da Densidade Populacional do Concelho, por freguesias 26 Quadro 5 Distribuição da População do Concelho de Abrantes, por sexo e grupos 28 de idade Quadro 6 Estrutura Etária da População do Concelho de Abrantes em 1970, 1981, e 2001, por grandes grupos etários Quadro 7 Índice de Dependência e Envelhecimento do Concelho (1981/2001) 29 Quadro 8 Nível de Instrução da População Residente no Concelho de Abrantes 30 (1991/2001) Quadro 9 Evolução do Número de Sociedades, no Médio Tejo (1995/2000) 32 Quadro 10 Evolução do Volume de Emprego, no Médio Tejo (1995/2000) 32 Quadro 11 Dimensão Média da Empresa (n.º trabalhadores/n.º sociedades), no 33 Médio Tejo (1995/2000) Quadro 12 Dimensões dos Estabelecimentos (2000) 34 Quadro 13 Distribuição Sectorial do Emprego (1985/1996) 34 Marketing Territorial DGPR Faculdade de Ciências Sociais e Humanas Universidade Nova de Lisboa 6

6 Quadro 14 População Activa no Sectores Primário 36 Quadro 15 População Activa no Sector Secundário 37 Quadro 16 População Activa no Sector Terciário 40 Quadro 17 Taxas de Desemprego e Actividade (%) 1991/ Quadro 18 Transportes Públicos Disponíveis em Abrantes 45 Quadro 19 Facilidades de Saúde no Concelho de Abrantes 48 Quadro 20 Localização das Empresas 64 Quadro 21 Uso de Informática em Quadro 22 Distribuição das Empresas, segundo a Área de Terreno, Quadro 23 Clientes e Factores de Atracção a Considerar para Abrantes 121 Marketing Territorial DGPR Faculdade de Ciências Sociais e Humanas Universidade Nova de Lisboa 7

7 Agradecimentos Antes de introduzirmos o estimado leitor na densa e aventurada leitura do presente projecto, gostaríamos de prestar os nossos sinceros agradecimentos a quem nos ajudou e nos facultou informações essenciais para o desenvolvimento do trabalho. Incluem-se neste leque, os entrevistados a quem pedimos emprestado algumas das citações do trabalho, começando pelo Pe. José da Fraga, prior da Igreja de S. Vicente, que por duas vezes nos recebeu na sacristia e se disponibilizou para responder às nossas perguntas. Em Tomar, cidade dos Templários, foi o Prof. Eugénio Almeida, director da Escola Superior de Tecnologias de Abrantes, que nos acolheu cordialmente no seu gabinete e a quem agradecemos a agradável conversa que tivemos. Igualmente vítima do nosso gravador portátil, o Sr. Daniel Augusto António, fundador do núcleo do PSD de Abrantes e gerente de uma papelaria do centro de Abrantes, foi extremamente útil e não menos impecável nos esclarecimentos, preocupações, visões e ideias que partilhou connosco. Agradecemos ainda a atenção e cuidado demonstrado pelo M. Chaussoneaux, da Communauté de Communes de Parthenay e responsável pelas relações externas da cidade francesa, que nos ofereceu toda a sua disponibilidade para responder a todas as nossas dúvidas e a quem prometemos enviar um exemplar do trabalho (On va le faire!). Lamentavelmente, não houve contribuição de nenhum membro oficial da autarquia de Abrantes, pelo que o grupo de entrevistados fica fechado sem que se inclua qualquer nome do actual executivo político local. Entrevistas à parte, estamos ainda inteiramente reconhecidos pelo apoio e paciência da família do Fred, que durante vários dias aguentaram a ausência do chefe de família para a realização do trabalho de campo, da mãe de um de nós que por duas vezes cedeu a sua casa de campo de Alfarrarede para o albergue e merecido repouso dos discentes; agradecemos ainda ao Dr. Ricardo Santos, que teve a amabilidade de converter os nossos esboços no logótipo de Abrantes, e à Ana Ribeiro, do curso de Ciências de Comunicação, que nos ajudou na realização e masterização do vídeo promocional de Abrantes. And last but not least, queremos ainda prestar a nossa admiração e agradecimento ao Prof. José Lúcio pelo estímulo que nos incutiu durante as suas aulas e pelas orientações à elaboração do trabalho. A ele devemos o facto de adorarmos hoje o Marketing Territorial. Marketing Territorial DGPR Faculdade de Ciências Sociais e Humanas Universidade Nova de Lisboa 8

8 Introdução O presente projecto visa objectivamente aplicar os conceitos e técnicas do Marketing Territorial a um determinado território, e daí partir à identificação de um conjunto de soluções e actores que se pretende para a região. Genericamente, a disciplina do marketing territorial surge como a mais recente oportunidade de que as regiões dispõem para promoverem uma oferta atractiva e diferenciada, com base nos seus recursos, ao mesmo tempo que os novos desafios da globalização, da competição entre territórios, da recentralização do Estado e da procura cada vez mais exigente por parte dos actores territoriais implicam mecanismos de resposta acelerados e eficientes para manter o território na geografia da competitividade. Introduz ainda um novo conceito de promoção de imagem do território, do qual muito depende o sucesso da atracção de investimentos e capitais externos. Isto sem esquecer a satisfação dos níveis de qualidade de vida e de bem-estar dos residentes, estes também elevados a actores fundamentais de um território, numa estratégia de Marketing Territorial. Concretamente, o território de ensaio escolhido para a aplicação de um projecto de Marketing Territorial foi o concelho de Abrantes, bem no centro do País e dotado de uma série de factores risonhos para o sucesso de uma estratégia de Marketing Territorial. As múltiplas vantagens de que dispõe ou poderá vir a dispor ao nível da atracção empresarial levam-nos a demarcar desde cedo os targets e os objectivos preferenciais na abordagem dos factores e das soluções estratégicas para o concelho. Ainda que a heterogeneidade do território possibilite perspectivas alternativas de desenvolvimento. Enquanto trabalho de pesquisa, de análise e de prospectiva, este é exigente, ponderado e ambicioso qb. No entanto, mesmo as mais irrealistas estratégias para o desenvolvimento da região parecem-nos claramente viáveis de se concretizarem e capazes de figurarem em futuros planos da cidade de Abrantes. Tudo dependerá, com certeza, das políticas públicas e dos cenários futuros que moldarão o território. A metodologia utilizada para a elaboração do presente trabalho baseia-se na adopção de uma abordagem multidisciplinar que considerámos essencial para a compreensão e iluminação das características próprias do concelho de Abrantes, centrando-se deste modo não só em preocupações económicas, mas também sociais, políticas, culturais e na interacções entre todos os fenómenos. Além disso, o projecto exigiu de nós um esforço complementar de contacto com o território, pessoas, empresas e responsáveis políticos e não só, baseando-se com isto na Marketing Territorial DGPR Faculdade de Ciências Sociais e Humanas Universidade Nova de Lisboa 9

9 realização de inquéritos de rua e entrevistas várias, e na escuta atenta de pessoas a residir no concelho. Por fim, refira-se (com a gratificação e a descontracção próprias de quem vê agora por concluído o trabalho realizado!) que durante alguns meses, Abrantes foi a palavra mais procurada por nós, em qualquer que tenha sido o meio de comunicação. Valeu-nos, com isto, por um lado, a rapidez dos fluxos e de acesso de informação disponibilizada pela internet, e por outro, a consulta tradicional de bibliografia especializada e a leitura atenta de jornais de vários órgãos de comunicação, com destaque para os periódicos de informação locais. Marketing Territorial DGPR Faculdade de Ciências Sociais e Humanas Universidade Nova de Lisboa 10

10 II Enquadramento Teórico 2.1 Definição de Marketing Ao definir Marketing pode-se ter dois posicionamentos face ao mesmo: definição social e definição de gestão. A primeira centra-se no papel que o Marketing desempenha na sociedade, sendo que a segunda se encontra mais ligada à arte de vender. No contexto do Marketing Territorial, seguiu-se a definição de Philip KOTLER, para o qual o Marketing é um processo social por meio do qual pessoas e grupos de pessoas obtêm aquilo que necessitam e que desejam através da criação, oferta e livre negociação de produtos e serviços de valor com outros 1. No sentido social desta definição, entende-se que o Marketing procura proporcionar níveis de vida superiores. O Marketing e as suas fronteiras tornam-se mais claras se perceber alguns conceitos que o integram, como por exemplo necessidade, segmentação e troca. Transversal ao conceito de Marketing dos dias de hoje, é a noção de necessidade. O consumidor não tem apenas necessidades básicas. Aliás aquelas que o Marketing mais procura satisfazer são as necessidades de cariz simbólico, como o estatuto social por exemplo. A teoria de Maslow, se aplicada ao Marketing, poderia trazer resultados interessantes. Segundo MASLOW, as necessidades dos seres humanos obedecem a uma hierarquia. Isto significa que no momento em que o consumidor satisfaz uma necessidade, surge outra em seu lugar. Poucas ou nenhuma pessoa procurará reconhecimento pessoal e status se as suas necessidades básicas estiverem insatisfeitas. MASLOW divide as necessidades em três níveis e 5 sub-níveis: 1) necessidades físicas: fisiológicas (condições de sobrevivência), segurança (protecção contra o perigo, ameaça e privação); 2) necessidades sociais: estima e status; 3) necessidade de auto-realização; Fonte: Kotler, 2005 Neste sentido, uma organização deverá aferir em que patamar da pirâmide se encontra o seu público alvo de forma a adequar a sua oferta às necessidades e desejos do 1 KOTLER (2005:6) Marketing Territorial DGPR Faculdade de Ciências Sociais e Humanas Universidade Nova de Lisboa 11

11 consumidor. Mas como poderá uma organização identificar as necessidades dos seus consumidores? O sistema de informações de Marketing é das ferramentas que melhor serve este propósito, na medida em que é um processo minucioso de recolha, classificação, análise, avaliação e distribuição de informação. Assim será possível tomar uma decisão segura de Marketing. Uma das formas de procedimento é o sistema de pesquisa de Marketing, que corresponde à elaboração, recolha, análise e edição de relatórios sistemáticos de dados e revelações relevantes para a situação específica de Marketing enfrentada pela empresa. O processo de pesquisa de Marketing envolve cinco etapas. Primeiro há que definir o problema e os objectivos da pesquisa para depois se proceder ao desenvolvimento do plano de pesquisa. Num terceiro instante, procede à recolha de informação, que será posteriormente tratada e analisada. Num último estádio há que apresentar os resultados. É uma utopia para qualquer empresa tentar satisfazer todas as necessidades do mercado, da mesma forma que é quase impossível satisfazer todas as necessidades de um território. Deste modo, é fundamental segmentar o mercado, isto é identificar grupos de consumidores diferentes que exigem diferentes Marketing Mix s. Cada organização deverá escolher um mercado alvo e construir assim uma proposta de valor atractiva. Uma vez elaborada a proposta de valor do produto, o consumidor pode reconhecer-lhe o valor ou não. Se o fizer, a troca acontece e as duas partes concordam com os termos que deixarão os dois lados melhor do que na situação actual. Assim sendo, a troca é um processo de criação de valor. Os profissionais de Marketing devem analisar aquilo que cada uma das partes espera da transacção para que se realizem trocas bem sucedidas. 1.2 As Filosofias de Marketing É possível seguir diferentes filosofias de Marketing. O objectivo final é sempre que ambas as partes que integram o processo de troca estejam melhores. A escolha da filosofia, porém, poderá trazer diferentes resultados, que devem ser analisados não só a curto mas também a longo prazo. Existem 4 filosofias de Marketing (Kotler) que acompanharam a própria evolução do Marketing. A 1ª filosofia é a orientação de produção, segundo a qual os consumidores preferem produtos de fácil acessibilidade a baixo preço. As organizações que seguem esta Marketing Territorial DGPR Faculdade de Ciências Sociais e Humanas Universidade Nova de Lisboa 12

12 filosofia procurar alcançar elevados níveis de eficiência (através de obtenção de economias de escala, entre outras), baixos custos unitários e distribuição em massa. A 2ª filosofia é a orientação de produto, segundo a qual os consumidores dão valor a produtos diferenciados (na maioria dos casos, de qualidade superior) estando dispostos a pagar um preço mais elevado para adquirirem o mesmo. Ao contrário da orientação de produção, as organizações não apostam em custos unitários reduzidos mas sim na construção de uma proposta de valor que integre pontos diferenciadores da curva de valor do produto. A 3º filosofia é a orientação de Vendas. Aqui, o consumidor normal ou empresarial, não compra os produtos da organização em quantidade suficiente, pelo que esta tem de fazer esforços (por vezes bastante agresssivos) de promoção e vendas. Só assim assegura que este excedente de produção seja escoado e fique assim assegurada a lucratividade da organização em questão. A 4ª filosofia é a orientação de Marketing, segundo a qual a organização alcança os seus objectivos organizacionais através da conciliação dos conceitos mercado-alvo, necessidades dos clientes, marketing integrado e lucratividade (que se almeja através da satisfação do cliente, ou seja, da geração de uma proposta de valor sólida e compensadora). Esta filosofia vira-se para o consumidor que é, face ao aumento da oferta, cada vez mais exigente e selectivo. É neste sentido que surge o aclamado Marketing Mix da autoria de McCARTHY. O Marketing Mix é o conjunto de ferramentas que empresa utiliza para alcançar os seus objectivos de Marketing 2. Estas ferramentas agrupam-se em quatro grupos denominados os 4P s do Marketing: Product, Price, Place, Promotion. 1.3 A Estratégia Competitiva e o Marketing O objectivo de um território, é através do seu plano de desenvolvimento, consolidar a sua área geográfica. Neste sentido, Estratégia e Marketing enquanto ferramenta para a implementação da mesma, andam lado a lado. Mas o que se entende por estratégia? Interessa neste primeiro ponto o legado de Michael E.PORTER. Antes de mais, para definir estratégia, urge separa-la da ideia de eficácia operacional. Por eficácia operacional entende-se a busca por uma maior produtividade, qualidade e rapidez, ou seja, fazer melhor as mesmas actividades que os concorrentes. Já a estratégia exige não só fazer melhor que os concorrentes, mas também fazer de forma diferente ou mesmo operar em actividades diferentes (PORTER, 1996: 62). 2 KOTLER (2005: 19) Marketing Territorial DGPR Faculdade de Ciências Sociais e Humanas Universidade Nova de Lisboa 13

13 Segundo o autor, há três formas de posicionamento estratégico (que não são mutuamente exclusivos) (idem: 65) 1) posicionamento baseado na diversidade, ou seja na variedade de produtos 2) posicionamento baseado nas necessidades, ou seja, a satisfação da maioria ou de todas as necessidades de um determinado grupo de clientes. 3) posicionamento baseado no acesso, onde está implícita a noção de segmentação, isto é, clientes passíveis de ser acessíveis de formas diferentes devem ter as necessidades satisfeitas de forma diferente. O posicionamento é essencial para a elaboração de uma estratégia sustentável a médiolongo prazo. Uma estratégia eficaz e válida implica também a existência de trade-offs. É, portanto, necessário efectuar escolhas já que nem todas as actividades são compatíveis. Isto deve-se essencialmente à necessidade de manter uma imagem credível (é preciso ser-se coerente), às características inerentes a cada actividade, mas também às limitações na coordenação e controlo interno do território. Daqui decorre que todas as actividades de um território devem ser consistentes, permitindo que se crie um verdadeiro sistema de actividades que se interligam e reforçam entre si. É necessário que haja um fit entre as várias actividades. Isto impede não só imitações de uma determinada estratégia, mas também reduz custos e permite o aumento da diferenciação. Michael PORTER identifica três tipos de fit (ibidem:70), que aplicamos à estratégia de desenvolvimento territorial: 1) fit através da simples consistência entre cada actividade e a estratégia global do território 2) fit através da existência de actividades que se reforçam umas às outras. 3) fit através da optimização do esforço, que vai para além do reforço. Importante reter é a ideia de que a proposta de valor de um território deve interligar os recursos disponíveis, sendo aquilo que se oferece na sua totalidade superior à soma do valor criado por cada uma das partes. Segundo KIM e MAUBORGNE (1997), a elaboração da estratégia competitiva assentar: 1) na concorrência onde se procura eliminar os adversários, constituindo aquilo a que os autores denominam uma red ocean strategy. 2) tornar a concorrência irrelevante através de uma lógica estratégica de value innovationion, constituindo uma blue ocean strategy. Marketing Territorial DGPR Faculdade de Ciências Sociais e Humanas Universidade Nova de Lisboa 14

14 Estratégia implica a criação de uma nova curva de valor para o cliente. Essa curva é superior às curvas convencionais pois tem a capacidade de eliminar características que não são essenciais, mas também de criar ou recriar aquelas que os clientes mais valorizam. Na busca por uma solução total de valor para o cliente tem de ser olhar também para os produtos e serviços complementares, procurando identificar aqueles que os consumidores valorizam. No âmbito do Território, na elaboração das propostas de valor 3 para residentes e não residentes devem ser tidos em conta a maioria dos aspectos apresentados relativamente ao conceito geral de Estratégia. O desenvolvimento sustentável de um Território passa não pela cópia daquilo que os Territórios vizinhos oferecem, mas sim pela oferta de algo diferente. A forma como os recursos disponíveis se articulam é preponderante para o desenho da proposta de valor final. Veremos mais adiante como, no caso de Abrantes, se pode aplicar esta ideia de fit entre os recursos podendo incorrer em blue ocean strategies. 1.4 O Conceito de Marketing Territorial Numa época em que a internacionalização é um cenário cada vez mais próximo, tornase imprescindível o desenvolvimento de estratégias competitivas dos territórios, assentes na optimização dos recursos que estes dispõem. É neste sentido que o Marketing Territorial é encarado como um instrumento de apoio às estratégias de desenvolvimento das cidades, principalmente no contexto do planeamento estratégico, capaz de ajudar a gerir melhor as condições e os recursos a longo prazo (CIDRAIS, 1998: 6) Mais ainda, o que o Marketing Territorial faz é gerar trocas no seio do próprio território ou com outras áreas geográficas externas, com o objectivo de criar valor para a comunidade de referência. O Marketing Territorial é o ramo da ciência do marketing que estuda os processos de troca entre as organizações responsáveis pelo desenvolvimento económico de um determinado território, por um lado, e as empresas e organizações lucrativas, por outro lado (CIDRAIS, 1998:19) Face ao Marketing Territorial, pode-se assumir duas visões diferentes. Por um lado, pode-se entendê-lo como o Marketing aplicado ao território, isto é uma aplicação directa dos conceitos do Marketing ao território. Tal como o Marketing no seu sentido geral, o Marketing Territorial activa dinâmicas de troca entre os próprios utentes, clientes actuais e potenciais. Orienta-se para o bem público e menos para os proveitos. Procura-se sustentar 3 Note-se que os destinatários têm diferentes necessidades, pelo que é necessário elaborar diferentes propostas de valor. Marketing Territorial DGPR Faculdade de Ciências Sociais e Humanas Universidade Nova de Lisboa 15

15 o desenvolvimento económico da região, criando valor público e melhorando a qualidade da população residente. (MOORE, 1995). Por outro lado, não se entende o Marketing Territorial como uma aplicação directa dos conceito de Marketing tradicional. Parece que uma posição intermédia é a que melhor servirá o propósito do Marketing Territorial. Diz CIDRAIS (1996:6), que teorias, perspectivas, abordagens, ferramentas e conceitos de Marketing, podem ser adaptados a situações concretas, perante diferentes modelos, num apoio eficaz à gestão do território, promovendo a qualidade de vida das localidades. Qualquer das duas visões traduz implicações na própria noção de território: 1) o território é entendido como organização que promove acções de Marketing nos limites das suas fronteiras. 2) o território é entendido como organização que desenvolve activamente Estratégias de Marketing não somente para dentro, mas acima de tudo para fora das fronteiras do território. Seja o Marketing desenvolvido com um propósito interno ou externo, a noção de gestão é transversal às duas políticas. Actualmente, os territórios vivem uma fase de profunda transformação e precisam de uma politica de gestão idónea. Porém, o conceito de gestão choca muitas vezes com os próprios estatutos e historial das entidades de administração pública. Urge a necessidade de, face à dinâmica das relações sociais e económicas do território, adequar as políticas de gestão e Marketing às próprias estruturas e relações hierárquicas das administrações públicas. 1.5 Diferentes Marketings para Diferentes Territórios Do ponto de vista urbano (aplicado exclusivamente às cidades), entende-se o Marketing das cidades como o conjunto de actividades que procuram compor uma proposta de valor que optimize as funções urbanas e satisfaça as necessidades tanto dos residentes como dos não-residentes face à cidade. Pode-se ainda, numa perspectiva urbano-social, entender o Marketing das cidades não apenas como as medidas tomadas no sentido de alcançar vantagens competitivas em relação às cidades concorrentes mas também no sentido de maximizar o bem estar social e económico No âmbito territorial, aplica-se o Marketing não exclusivamente às cidades, mas a uma região ou mesmo um país. São necessárias tanto estratégias de Marketing de cidades, como estratégias de Marketing aplicado às regiões. Importante é que diferentes necessidades tem Marketing Territorial DGPR Faculdade de Ciências Sociais e Humanas Universidade Nova de Lisboa 16

16 uma cidade específica face ao um território mais abrangente. Diz CIDRAIS (2001) que o Marketing Territorial compreende a análise, planificação, execução e controlo de processos concebidos pelos actores de um territòrio, de modo mais ou menos concentrado e institucionalizado, que visa, por um lado, responder às necessidades e expectativas das pessoas e das entidades e, por outro, melhorar a qualidade e a competitividade global de uma cidade (e o territòrio adjacente) no seu ambiente concorrencial. Tal, como no caso das cidades, o Marketing Territorial deve ter uma componente social. 1.6 A Evolução do Marketing Territorial Desde que as primeiras civilizações começaram a ocupar determinados territórios, desenvolveram-se estratégias não só para veicular uma mensagem aos mesmos. O processo de escolha de um território em detrimento de outro envolvia a prática empírica de análises do ambiente, (...), emissão de mensagens que visam mobilizar as pessoas para a colonização de diferentes usos dos territórios (CIDRAIS, 1998:11) Vemos assim, que por detrás destas práticas se encontra uma orientação intuitiva para a teoria do Marketing. Só a partir dos anos 30 do séc. XX é que se desenvolve o Marketing Territorial com base nos conceitos gerais do Marketing. Este evolui ao longo de três períodos: O primeiro decorre entre 1930 e 1970, altura em que se desenvolvem esforços acrescidos para atrair negócios, fábricas e investimentos dos estados do Norte para o Sul Americano. Assumiu-se uma visão mais economicista, segundo a qual o domínio do mercado estava entregue a compradores e menos a consumidores. O segundo período começa no início dos anos 70. O enfoque aqui é dado ao consumidor, assumindo-se uma orientação de marketing em oposição a uma orientação de vendas. É também neste período que as práticas de promoção do território, mais especificamente de grandes cidades americanas como é o caso de Nova Iorque e Los Angeles, se afirmam e assumem como prática fundamental e generalizada. O terceiro período vai de 1970 a Assiste-se a uma reformulação do Marketing Territorial, na medida em que os vendedores de locais trocaram o marketing de massas de produtos difusos (incentivos) por um marketing especializado, enfatizando produtos específicos feitos sob medida para os desejos e as necessidades específicas do cliente (Kotler, 1995 cit. In CIDRAIS, 1998:13). Só a partir dos anos 80 é que podemos falar do Marketing Territorial, altura em que se desenvolvem as primeiras estratégias de desenvolvimento territorial assentes num corpo teórico que anos mais tarde seria apelidado sobre a égide de Marketing Territorial. Os primeiros textos nesta área datam de 1990 por autores como ASHWORTH e VOOGD. Marketing Territorial DGPR Faculdade de Ciências Sociais e Humanas Universidade Nova de Lisboa 17

17 Seguem-se importantes contributos como é o caso da obra Marketing Places de Philip KOTLER (1993). Transversal aos três períodos é a ideia de promoção dos territórios. Porém, para além deste propósito, o Marketing Territorial deve atentar não só promover mas também planear e gerir o próprio território. Surge como um processo de gestão territorial e descentralização de poder e busca de desenvolvimento local, assumindo-se como integrador das vantagens competitivas do lugar com o seu desenvolvimento socioeconómico e territorial (CIDRAIS, 1998:15) É neste sentido que o campo da Estratégia se cruza com o campo do Marketing Territorial. Elaborar uma estratégia sustentável para um território passa por oferecer aos stakeholders propostas de valor diferenciadas da concorrências. Os recursos e a forma como este se conciliam são o factor chave para a diferença. 1.7 As Perspectivas do Marketing Territorial São três as perspectivas face ao Marketing Territorial e a sua consistência. A primeira perspectiva é a do proto marketing, na qual o grau de integração entre as fases do processo de Marketing e os actores que o integram é reduzido. Existe pouca profissionalização e sistematização do trabalho. Há troca de ideias e desenvolvimento de acções espontâneas de comunicação. Não existe planificação antes da execução. A segunda perspectiva é mais operacional. Nesta, já existe planificação e procura-se articular os meios disponíveis. O grau de profissionalismo aumenta, devendo mesmo haver um grupo de pessoas encarregues de desenvolver as estratégias de Marketing Territorial. Esta perspectiva preocupa-se mais com a venda dos lugares (selling places, englobando políticas de produto, fixação do preço, escolha de canais de distribuição, acções de venda e promoção do produto. Trabalha ao nível dos 4 P s dos Marketing. A última perspectiva é a estratégica e compreende as acções que precedem o trabalho ao nível dos quatro P s. Procura ser uma chave de leitura do território que permita averiguar a procura actual e determinar áreas de investimento potencial podendo sugestionar as denominadas blue ocean strategies. Mais ainda, a análise, planificação, execução e coordenação de uma estratégia de marketing integrado de uma cidade e do seu território envolvente, ou de uma região, é feita de forma sistemática e profissionalizada (CIDRAIS, 1998:20). No caso de Portugal, o marketing territorial tem sido mais utilizado na forma operacional, principalmente porque, em muitos casos, associado a práticas de marketing de produtos, tem servido para vender espaços de instalações de empresas, vender produtos turísticos e «vender» ou formar líderes locais (CIDRAIS, 1996:18). Marketing Territorial DGPR Faculdade de Ciências Sociais e Humanas Universidade Nova de Lisboa 18

18 1.8 A Importância do Marketing Territorial O Marketing Territorial funciona como uma importante ferramenta de gestão do território. Estabelece-se ainda uma importante ligação entre a promoção do território e a actividade empresarial e económica de uma região. Não se restringe porém ao tecido empresarial, sendo também suporte de cidadania, afrimações culturais, sociais e de actividades humanas exteriores ao meio empresarial (CIDRAIS, 1998: 20) O Marketing Territorial permite olhar tanto para dentro como para fora do território. Numa época em que a envolvente é cada vez mais dinâmica e em que a concorrência é uma das variáveis mais importantes do jogo, o Marketing Territorial fornece os instrumentos para conhecermos os diferentes mercados (existentes e potenciais) e os stakeholders que neles agem. Neste ambiente de concorrência assistir-se-á a territórios vencedores e territórios vencidos, estando a vitória ao alcance de todos. A sua obtenção dependerá do grau de consistência e envolvimento do Marketing na elaboração de uma estratégia de desenvolvimento e promoção bem como da capacidade de inovar, criar postos de trabalho, atrair investimentos. O Marketing Territorial é assim uma ferramenta para o aumento da qualidade de vida de acordo com as necessidades dos seus residentes. O Marketing Territorial pode afirmar o local no global. As estratégias de promoção podem ainda ser entendidas como forma de afirmação, antes de mais, interna para depois serem fonte de afirmação externa. 1.9 Marketing Mix Territorial Se o Marketing Mix é composto pelos 4P s do Marketing (Product, Price, Place, Promotion), o Marketing Mix Territorial vem juntar-lhe os públicos e o poder. O seguinte quadro ilustra a instrumentação dos 6 P s do Marketing Territorial e é a síntese do processo de uma Estratégia de Marketing Territorial, que será considerado na aplicação ao território de Abrantes. Marketing Territorial DGPR Faculdade de Ciências Sociais e Humanas Universidade Nova de Lisboa 19

19 Variáveis do Marketing Mix Territorial Produto Preço Distribuição Promoção Público Poder Componentes das variáveis Território e os seus recursos, bem como a proposta de valor que integra estes mesmo recursos. Custo à acessibilidade do produto Conjunto de actividades desenvolvidas com o propósito de tornar o produto acessível Conjunto de actividades que procuram comunicar a proposta de valor do territóio e gerir a imagens do mesmo. Agente do desenvolvimento que é, ao mesmo tempo, estruturante e eleitor. Representante da opinião pública, que afirma conhecer quais as necessidades do público. Marketing Territorial DGPR Faculdade de Ciências Sociais e Humanas Universidade Nova de Lisboa 20

20 II Enquadramento Geográfico 2.1 O Concelho de Abrantes O concelho de Abrantes, constituído por dezanove freguesias (figura 2), localiza-se sensivelmente no centro do país, no vértice Ribatejo, Beira Baixa, Alto Alentejo e é limitado a Norte pelos concelhos de Vila de Rei e Sardoal, a Sul pelos da Chamusca e de Ponte de Sôr, a Oeste pelos de Tomar e Constância e a Este pelos de Mação e Gavião. Pertence à Região do Médio Tejo conjuntamente com outros nove municípios (figura 3). As recentes alterações no quadro administrativo, segundo o Decreto-Lei n.º 244/2002 de 5 de Novembro, provocaram a extinção da NUT II Região de Lisboa e Vale do Tejo, passando a NUT III Médio Tejo, onde se integra o município de Abrantes, a fazer parte da Região Centro. Figura 2 Mapa do Concelho de Abrantes Fonte: wikipedia A área do concelho estende-se por 715,3 km², divididos pelas 19 freguesias, e percorridos longitudinalmente pelo Rio Tejo, elemento identificador não só do próprio

De acordo com os objectivos previamente definidos para esta investigação, apresentamos de seguida as respectivas conclusões:

De acordo com os objectivos previamente definidos para esta investigação, apresentamos de seguida as respectivas conclusões: 7.1 Conclusões De acordo com os objectivos previamente definidos para esta investigação, apresentamos de seguida as respectivas conclusões: 1 - Descrever os instrumentos/modelos de gestão e marketing estratégicos

Leia mais

II Convenção Sou de Peniche

II Convenção Sou de Peniche II Convenção Sou de Peniche Apresentação Junho 2008 1 ÍNDICE APRESENTAÇÃO 1. Caso de Peniche 2. Avaliação e Diagnóstico 3. Factores Críticos 4.Recomendações de Politicas e Acções II Convenção Sou de Peniche

Leia mais

3. POPULAÇÃO E INDICADORES DEMOGRÁFICOS

3. POPULAÇÃO E INDICADORES DEMOGRÁFICOS 3. POPULAÇÃO E INDICADORES DEMOGRÁFICOS 37 38 3.1. Introdução Para a interpretação dos dados de saúde, quer de morbilidade quer de mortalidade, e nomeadamente para, com base nesses dados, se fazer o planeamento

Leia mais

A Importância dos Recursos Humanos (Gestão de

A Importância dos Recursos Humanos (Gestão de A Importância dos Recursos Humanos (Gestão de Pessoas) na Gestão Empresarial Marketing Interno Licenciatura de Comunicação Empresarial 3º Ano Docente: Dr. Jorge Remondes / Discente: Ana Teresa Cardoso

Leia mais

Prova Escrita de Geografia A

Prova Escrita de Geografia A Exame Nacional do Ensino Secundário Decreto-Lei n.º 74/004, de 6 de Março Prova Escrita de Geografia A 0.º e.º Anos de Escolaridade Prova 79/.ª Fase 0 Páginas Duração da Prova: 0 minutos. Tolerância: 30

Leia mais

Orientação nº 1/2008 ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DA ESTRATÉGIA LOCAL DE DESENVOLVIMENTO (EDL) EIXO 4 REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES

Orientação nº 1/2008 ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DA ESTRATÉGIA LOCAL DE DESENVOLVIMENTO (EDL) EIXO 4 REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES Programa de da ELABORAÇÃO DA ESTRATÉGIA LOCAL DE DESENVOLVIMENTO (ELD) 1 / 16 Programa de da 1. Caracterização Socioeconómica do Território A caracterização do território deve centrar-se em dois aspectos

Leia mais

MAPA 1. DEMARCAÇÃO GEOGRÁFICA DO CONCELHO DE CÂMARA DE LOBOS E RESPECTIVAS FREGUESIAS

MAPA 1. DEMARCAÇÃO GEOGRÁFICA DO CONCELHO DE CÂMARA DE LOBOS E RESPECTIVAS FREGUESIAS 2. CÂMARA DE LOBOS MAPA 1. DEMARCAÇÃO GEOGRÁFICA DO CONCELHO DE CÂMARA DE LOBOS E RESPECTIVAS FREGUESIAS Fonte: www.geocities.com/heartland/plains/9462/map.html (adaptado) Localizada na vertente sul da

Leia mais

Pela primeira vez na história demográfica recente, Portugal registou em 2007 um saldo natural negativo

Pela primeira vez na história demográfica recente, Portugal registou em 2007 um saldo natural negativo Pela primeira vez na história demográfica recente, Portugal registou em 2007 um saldo natural negativo De acordo com os indicadores demográficos disponíveis relativos a 2007, a população residente em Portugal

Leia mais

Seminário Inverno demográfico - o problema. Que respostas?, Associação Portuguesa de Famílias Numerosas

Seminário Inverno demográfico - o problema. Que respostas?, Associação Portuguesa de Famílias Numerosas Seminário Inverno demográfico - o problema. Que respostas?, Associação Portuguesa de Famílias Numerosas Painel: Desafio Demográfico na Europa (11h45-13h00) Auditório da Assembleia da República, Lisboa,

Leia mais

ÍNDICE II ENQUADRAMENTO REGIONAL

ÍNDICE II ENQUADRAMENTO REGIONAL ÍNDICE II ENQUADRAMENTO REGIONAL 1. TERRITORIAL 2. DEMOGRÁFICO 3. VIÁRIO Revisão do Plano Director Municipal de Vila Nova de Famalicão - II. Enquadramento Regional - DEZEMBRO 2004 1 Índice de Figuras Figura

Leia mais

ASPECTOS FUNDAMENTAIS DE CARACTERIZAÇÃO SOCIO-ECONÓMICA DA REGIÃO ALENTEJO

ASPECTOS FUNDAMENTAIS DE CARACTERIZAÇÃO SOCIO-ECONÓMICA DA REGIÃO ALENTEJO ASPECTOS FUNDAMENTAIS DE CARACTERIZAÇÃO SOCIO-ECONÓMICA DA REGIÃO ALENTEJO Principais linhas de evolução e transformação da paisa social e económica regional População A região, inserida no contexto português

Leia mais

CEF/0910/26931 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/26931 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/26931 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Centro

Leia mais

PLANIFICAÇÃO - CURSO PROFISSIONAL DE NÍVEL SECUNDÁRIO

PLANIFICAÇÃO - CURSO PROFISSIONAL DE NÍVEL SECUNDÁRIO MÓDULO MOBILIDADE PESSOAS/ BENS TURISMO NO MUNDO ATUAL MÓDULO 1 PORTUGAL A POPULAÇÃO AS ÁREAS URBANAS AS ÁREAS RURAIS AGRUPAMENTO DE ESCOLAS JOÃO DA SILVA CORREIA ANO LETIVO 201-2015 PLANIFICAÇÃO - CURSO

Leia mais

MANUAL FORMAÇÃO PME GESTÃO ESTRATÉGICA

MANUAL FORMAÇÃO PME GESTÃO ESTRATÉGICA MANUAL FORMAÇÃO PME GESTÃO ESTRATÉGICA 1/21 ANÁLISE DA ENVOLVENTE EXTERNA À EMPRESA... 3 1. Análise do Meio Envolvente... 3 2. Análise da Evolução do Mercado... 7 3. Análise da Realidade Concorrencial...

Leia mais

CEF/0910/27636 Relatório final da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/27636 Relatório final da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/27636 Relatório final da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Instituto

Leia mais

O Voluntariado e a Protecção Civil. 1. O que é a Protecção Civil

O Voluntariado e a Protecção Civil. 1. O que é a Protecção Civil O Voluntariado e a Protecção Civil 1. O que é a Protecção Civil A 03 de Julho de 2006, a Assembleia da Republica publica a Lei de Bases da Protecção Civil, que no seu artigo 1º dá uma definição de Protecção

Leia mais

O controlo de gestão nas unidades de saúde: o Balanced Scorecard

O controlo de gestão nas unidades de saúde: o Balanced Scorecard O controlo de gestão nas unidades de saúde: o Balanced Scorecard P o r C a r l o s M a n u e l S o u s a R i b e i r o O Balanced Scorecard apresenta-se como alternativa viável aos tradicionais sistemas

Leia mais

O âmbito geográfico deste estudo é Portugal continental e as regiões autónomas da Madeira e dos Açores. Saidas. Entradas. Mudanças de emprego

O âmbito geográfico deste estudo é Portugal continental e as regiões autónomas da Madeira e dos Açores. Saidas. Entradas. Mudanças de emprego Mobilidade dos Trabalhadores ESTATÍSTICAS STICAS em síntese O presente estudo baseia-se nas informações que integram a base do Sistema de Informação Longitudinal de Empresas, Estabelecimentos e Trabalhadores

Leia mais

Encontros do Observatório 2014 Pobreza Infantil

Encontros do Observatório 2014 Pobreza Infantil º Uma iniciativa: Com apoio: 1 Encontros do Observatório, 23 Maio 2014 1. Contextualização O Observatório de Luta contra a Pobreza na Cidade de Lisboa definiu como prioridade temática para 2014 a, problema

Leia mais

Plano Municipal de Promoção das Acessibilidades (PMPA)

Plano Municipal de Promoção das Acessibilidades (PMPA) Plano Municipal de Promoção das Acessibilidades (PMPA) Definições O Plano Municipal de Promoção das Acessibilidades irá conter um programa das intenções necessárias para assegurar a acessibilidade física

Leia mais

O Concelho de Beja. Localização

O Concelho de Beja. Localização O Concelho de Beja Localização Beja, capital de distrito, situa-se na região do Baixo Alentejo, no coração da vasta planície alentejana. É sede de um dos maiores concelhos de Portugal, com cerca de 1150

Leia mais

Exposição A Evolução da Alfabetização na Área Metropolitana do Porto

Exposição A Evolução da Alfabetização na Área Metropolitana do Porto Exposição A Evolução da Alfabetização na Área Metropolitana do Porto Evolução da Alfabetização em PORTUGAL Portugal tem 650 mil analfabetos 9% não sabe ler Estima se que existam em Portugal cerca 658 mil

Leia mais

Desenvolver uma estratégia de marketing

Desenvolver uma estratégia de marketing Gerir - Guias práticos de suporte à gestão Desenvolver uma estratégia de marketing O principal objectivo de uma Estratégia de Marketing é o desenvolvimento do negócio, tendo em linha de conta, a análise

Leia mais

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005.

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. Cooperação empresarial, uma estratégia para o sucesso Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. É reconhecida a fraca predisposição

Leia mais

Observatório da Criação de Empresas. Observatório da Criação de Empresas

Observatório da Criação de Empresas. Observatório da Criação de Empresas Observatório da Criação de Empresas O Observatório da Criação de Empresas é um projecto desenvolvido pelo IAPMEI, com a colaboração da Rede Portuguesa de Centros de Formalidades das Empresas (CFE), que

Leia mais

E s t r u t u r a V e r d e

E s t r u t u r a V e r d e Estrutura Verde A. Introdução O conceito de Estrutura Verde insere-se numa estratégia de desenvolvimento sustentado, objecto fundamental das políticas do ordenamento do território. A Estrutura Verde é

Leia mais

INTRODUÇÃO. Localização geográfica. Grande Lisboa. Grande Porto

INTRODUÇÃO. Localização geográfica. Grande Lisboa. Grande Porto INTRODUÇÃO presente trabalho pretende mostrar uma caracterização geral de duas sub-regiões de Portugal: as NUTE III (Numencleatura de Unidade Territorial Estatística) da Grande Lisboa e do Grande Porto,

Leia mais

DIÁLOGO NACIONAL SOBRE EMPREGO EM MOÇAMBIQUE

DIÁLOGO NACIONAL SOBRE EMPREGO EM MOÇAMBIQUE DIÁLOGO NACIONAL SOBRE EMPREGO EM MOÇAMBIQUE CRIAÇÃO DE EMPREGO NUM NOVO CONTEXTO ECONÓMICO 27-28 demarço de 2014, Maputo, Moçambique A conferência de dois dias dedicada ao tema Diálogo Nacional Sobre

Leia mais

PNAI Plano Nacional de Acção para a Inclusão (2003-2005)

PNAI Plano Nacional de Acção para a Inclusão (2003-2005) V Articulação O PDS deve integrar orientações de outros programas a nível nacional, regional e localmente com os diversos planos, projectos, serviços e sectores específicos do Município, criando sinergias

Leia mais

MAPA 7. DEMARCAÇÃO GEOGRÁFICA DO CONCELHO DE PONTA DO SOL E RESPECTIVAS FREGUESIAS. Fonte:www.geocities.com/Heartland/Plains/9462/map.

MAPA 7. DEMARCAÇÃO GEOGRÁFICA DO CONCELHO DE PONTA DO SOL E RESPECTIVAS FREGUESIAS. Fonte:www.geocities.com/Heartland/Plains/9462/map. 5. PONTA DO SOL O concelho de Ponta do Sol foi fundado no início do século XVI, em consequência do elevado desenvolvimento económico resultante da actividade açucareira. Com uma área de 43,80 Km2 e uma

Leia mais

Observatório Luta Contra a Pobreza na Cidade de Lisboa

Observatório Luta Contra a Pobreza na Cidade de Lisboa Observatório Luta Contra a Pobreza na Cidade de Apresentação Plenário Comissão Social de Freguesia www.observatorio-lisboa.eapn.pt observatoriopobreza@eapn.pt Agenda I. Objectivos OLCPL e Principais Actividades/Produtos

Leia mais

Várzea de Mesiões - Apartado 177 2354-909 Torres Novas Tel.:249839500-249839509 e-mail:geral@nersant.pt - site:www.nersant.pt

Várzea de Mesiões - Apartado 177 2354-909 Torres Novas Tel.:249839500-249839509 e-mail:geral@nersant.pt - site:www.nersant.pt Várzea de Mesiões - Apartado 177 2354-909 Torres Novas Tel.:249839500-249839509 e-mail:geral@nersant.pt - site:www.nersant.pt Projectos a Desenvolver pela Nersant 2007-2013 Prioridades Estratégicas Nersant

Leia mais

GUIA INFORMATIVO PARA ORGANIZAÇÕES

GUIA INFORMATIVO PARA ORGANIZAÇÕES GUIA INFORMATIVO PARA ORGANIZAÇÕES FICHA TÉCNICA Organização: Câmara Municipal da Amadora, Gabinete de Acção Social Equipa Técnica: Ana Costa, Rute Gonçalves e Sandra Pereira Design/Paginação: Estrelas

Leia mais

Projecto ApoiarMicro - REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO

Projecto ApoiarMicro - REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO Regulamento de Funcionamento Preâmbulo Tendo como principal objectivo fomentar o empreendedorismo na Região da Lezíria do Tejo, a NERSANT Associação Empresarial em parceria com a Comunidade Intermunicipal

Leia mais

A REVITALIZAÇÃO DO CENTRO URBANO- REABILITAÇÃO E GESTÃO DA BAIXA COMERCIAL Luís D. Balula, Luís Sanchez Carvalho. Arquitectos Urbanistas

A REVITALIZAÇÃO DO CENTRO URBANO- REABILITAÇÃO E GESTÃO DA BAIXA COMERCIAL Luís D. Balula, Luís Sanchez Carvalho. Arquitectos Urbanistas A REVITALIZAÇÃO DO CENTRO URBANO- REABILITAÇÃO E GESTÃO DA BAIXA COMERCIAL Luís D. Balula, Luís Sanchez Carvalho. Arquitectos Urbanistas Desenvolvimento Temático: São bem conhecidos os problemas com que

Leia mais

EDIÇÃO 2011/2012. Introdução:

EDIÇÃO 2011/2012. Introdução: EDIÇÃO 2011/2012 Introdução: O Programa Formação PME é um programa financiado pelo POPH (Programa Operacional Potencial Humano) tendo a AEP - Associação Empresarial de Portugal, como Organismo Intermédio,

Leia mais

Rede de Informação do INE em Bibliotecas do Ensino Superior

Rede de Informação do INE em Bibliotecas do Ensino Superior Rede de Informação do INE em Bibliotecas do Ensino Superior Francisco Correia Departamento de Difusão e Promoção Instituto Nacional de Estatística Avenida António José de Almeida 1000-043 Lisboa Tel: 218426143

Leia mais

Estudos sobre Estatísticas Estruturais das Empresas 2008. Micro, Pequenas. e Médias. Empresas. em Portugal

Estudos sobre Estatísticas Estruturais das Empresas 2008. Micro, Pequenas. e Médias. Empresas. em Portugal Estudos sobre Estatísticas Estruturais das Empresas 2008 28 de Junho de 2010 Micro, Pequenas e Médias Empresas em Portugal Em 2008, existiam 349 756 micro, pequenas e médias empresas (PME) em Portugal,

Leia mais

Minhas senhoras e meus senhores.

Minhas senhoras e meus senhores. Minhas senhoras e meus senhores. Em primeiro lugar, gostaria de transmitir a todos, em nome do Senhor Secretário de Estado das Obras Públicas, Transportes e Comunicações, a satisfação pelo convite que

Leia mais

Desigualdade Económica em Portugal

Desigualdade Económica em Portugal Observatório Pedagógico Desigualdade Económica em Portugal Carlos Farinha Rodrigues ISEG / Universidade Técnica de Lisboa Um estudo da Fundação Francisco Manuel dos Santos 18 de Outubro de 2012 2 Objectivos:

Leia mais

3. ENVELHECIMENTO DEMOGRÁFICO

3. ENVELHECIMENTO DEMOGRÁFICO 3. ENVELHECIMENTO DEMOGRÁFICO Se o envelhecimento biológico é irreversível nos seres humanos, também o envelhecimento demográfico o é, num mundo em que a esperança de vida continua a aumentar e a taxa

Leia mais

4. Visão e objectivos estratégicos

4. Visão e objectivos estratégicos A visão que se propõe para o futuro do Município da Sertã consubstancia-se em VENCER O FUTURO, CONSTRUINDO UM DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL. Esta visão, sustentada na contextualização sócio-económica e ambiental

Leia mais

Relevância da escala inter-municipal na operacionalização de sistemas urbanos policêntricos:

Relevância da escala inter-municipal na operacionalização de sistemas urbanos policêntricos: Relevância da escala inter-municipal na operacionalização de sistemas urbanos policêntricos: exemplificação em territórios de baixa densidade* Tema 1: Desenvolvimento, competitividade e cooperação inter-municipal

Leia mais

Ambiente externo à empresa. Resumo

Ambiente externo à empresa. Resumo Ambiente externo à empresa Fábio Bruno Tavares de Sousa 1 1) Fábio Sousa fabiobtsousa@gmail.com Resumo O ambiente empresarial é bastante complexo. Na actualidade, é imprescindível avaliar o comportamento

Leia mais

Comunidade de Países de Língua Portuguesa: breve retrato estatístico

Comunidade de Países de Língua Portuguesa: breve retrato estatístico Estatísticas da CPLP 23-21 12 de julho de 213 Comunidade de Países de Língua Portuguesa: breve retrato estatístico A população residente no conjunto dos oito países 1 da Comunidade de Países de Língua

Leia mais

Programa da Rede Social CLAS Mesão Frio. Plano de Acção. O Plano de Acção do CLAS de Mesão Frio é a componente do Plano de

Programa da Rede Social CLAS Mesão Frio. Plano de Acção. O Plano de Acção do CLAS de Mesão Frio é a componente do Plano de O do CLAS de Mesão Frio é a componente do Plano de Desenvolvimento Social, onde estão definidos alguns Projectos (com o desejo de uma projecção num futuro próximo), a serem desenvolvidos para se concretizarem

Leia mais

ACEF/1112/20852 Relatório final da CAE

ACEF/1112/20852 Relatório final da CAE ACEF/1112/20852 Relatório final da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Fundação Minerva - Cultura - Ensino E Investigação

Leia mais

Caraterização da Área de Reabilitação Urbana Edificado e População Fonte: Censos 2011

Caraterização da Área de Reabilitação Urbana Edificado e População Fonte: Censos 2011 Caraterização da Área de Reabilitação Urbana Edificado e População Fonte: Censos 211 Cristina Maria Magalhães Dinis Técnica Superior de Sociologia Julho de 213 Gabinete de Reabilitação Urbana Departamento

Leia mais

Ficha Técnica. Título: Educação Pré-Escolar e Avaliação

Ficha Técnica. Título: Educação Pré-Escolar e Avaliação Ficha Técnica Título: Educação Pré-Escolar e Avaliação Edição: Região Autónoma dos Açores Secretaria Regional da Educação e Ciência Direcção Regional da Educação Design e Ilustração: Gonçalo Cabaça Impressão:

Leia mais

Marketing Territorial: uma aposta regional?

Marketing Territorial: uma aposta regional? Marketing Territorial: uma aposta regional? Conferência Alentejo Atractivo: nas rotas do Investimento Global Évora, 10 de Março de 2012 Contexto Contexto de competição entre territórios - regiões, cidades,

Leia mais

OS SISTEMAS GEOGRÁFICA DE INFORMAÇÃO NOS NEGÓCIOS INFRA-ESTRUTURA DE INFORMAÇÃO PARA A TERCEIRA GERAÇÃO DE APLICAÇÕES NO INÍCIO DO TERCEIRO MILÉNIO

OS SISTEMAS GEOGRÁFICA DE INFORMAÇÃO NOS NEGÓCIOS INFRA-ESTRUTURA DE INFORMAÇÃO PARA A TERCEIRA GERAÇÃO DE APLICAÇÕES NO INÍCIO DO TERCEIRO MILÉNIO 22 B&S DOSSIER SIG Por Marco Painho, Professor Associado, Director do Instituto Superior de Estatística e Gestão de Informação da Universidade Nova de Lisboa. OS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA NOS NEGÓCIOS

Leia mais

As regiões com maior e menor crescimento previsto para 2050

As regiões com maior e menor crescimento previsto para 2050 Introdução: O aumento da população ficará na história da Humanidade como o facto mais extraordinário do século XX. Há quarenta anos estimava-se a população em cerca de 3000 milhões de pessoas. Daí em diante

Leia mais

Enquadramento Turismo Rural

Enquadramento Turismo Rural Enquadramento Turismo Rural Portugal é um País onde os meios rurais apresentam elevada atratividade quer pelas paisagens agrícolas, quer pela biodiversidade quer pelo património histórico construído o

Leia mais

Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas

Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas À semelhança do que acontece nas sociedades contemporâneas mais avançadas, a sociedade portuguesa defronta-se hoje com novos e mais intensos

Leia mais

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO ÍNDICE 11. PRESSUPOSTO BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO 25 NO ALENTEJO pág. 11.1. Um sistema regional de inovação orientado para a competitividade

Leia mais

Lei de Bases da Economia Social

Lei de Bases da Economia Social Projecto de Lei nº 68/XII Lei de Bases da Economia Social A Economia Social tem raízes profundas e seculares na sociedade portuguesa. Entidades como as misericórdias, as cooperativas, as associações mutualistas,

Leia mais

Notas sobre a população a propósito da evolução recente do número de nascimentos

Notas sobre a população a propósito da evolução recente do número de nascimentos Maria João Valente Rosa* Análise Social, vol. xxxiii (145), 1998 (1. ), 183-188 Notas sobre a população a propósito da evolução recente do número de nascimentos O número de nascimentos em Portugal tem

Leia mais

ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE

ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade Da Beira Interior A.1.a. Identificação

Leia mais

Análise SWOT. Área: Território. Rede Social. - Novo Acesso Rodoviário - Qualidade do Ambiente - Recursos Naturais

Análise SWOT. Área: Território. Rede Social. - Novo Acesso Rodoviário - Qualidade do Ambiente - Recursos Naturais Área: Território - Novo Acesso Rodoviário - Qualidade do Ambiente - Recursos Naturais - Dinamização da Exploração dos Recursos Naturais para Actividades Culturais e Turísticas - Localização Geográfica

Leia mais

MONTIJO, CIDADE SAUDÁVEL E SUSTENTÁVEL DA CICLOVIA A UMA REDE PEDONAL E CICLÁVEL

MONTIJO, CIDADE SAUDÁVEL E SUSTENTÁVEL DA CICLOVIA A UMA REDE PEDONAL E CICLÁVEL MONTIJO, CIDADE SAUDÁVEL E SUSTENTÁVEL DA CICLOVIA A UMA REDE PEDONAL E CICLÁVEL Identificação do ponto de partida: O Município de Montijo: - Integra a Rede Portuguesa das Cidades Saudáveis, com quatro

Leia mais

Lic. Marketing e Publicidade. Marketing 1º Ano/2º Semestre Pós laboral

Lic. Marketing e Publicidade. Marketing 1º Ano/2º Semestre Pós laboral Lic. Marketing e Publicidade Marketing 1º Ano/2º Semestre Pós laboral Trabalho realizado por: Maria Marques, 7005 Docente: Dr. Fernando Gaspar SANTARÉM Licenciatura em Marketing & Publicidade 1 de 10 2007/2008

Leia mais

METADE DA POPULAÇÃO RESIDENTE EM CIDADES CONCENTRADA EM APENAS 14 DAS 141 CIDADES

METADE DA POPULAÇÃO RESIDENTE EM CIDADES CONCENTRADA EM APENAS 14 DAS 141 CIDADES Atlas das Cidades de Portugal Volume II 2004 01 de Abril de 2005 METADE DA POPULAÇÃO RESIDENTE EM CIDADES CONCENTRADA EM APENAS 14 DAS 141 CIDADES Apesar das disparidades ao nível da dimensão populacional

Leia mais

Nota introdutória. PME em Números 1 IAPMEI ICEP

Nota introdutória. PME em Números 1 IAPMEI ICEP PME em Números PME em Números 1 Nota introdutória De acordo com o disposto na definição europeia 1, são classificadas como PME as empresas com menos de 250 trabalhadores cujo volume de negócios anual não

Leia mais

POLÍTICAS DE COMPETITIVIDADE PARA O SECTOR AGRO-ALIMENTAR

POLÍTICAS DE COMPETITIVIDADE PARA O SECTOR AGRO-ALIMENTAR POLÍTICAS DE COMPETITIVIDADE PARA O SECTOR AGRO-ALIMENTAR Prioridades Estratégicas Indústria Portuguesa Agro-Alimentar Federação das Indústrias Portuguesas Agro-Alimentares XI LEGISLATURA 2009-2013 XVIII

Leia mais

PROGRAMAS DAS UNIDADES CURRICULARES. Análise de Informação Económica para a Economia Portuguesa

PROGRAMAS DAS UNIDADES CURRICULARES. Análise de Informação Económica para a Economia Portuguesa MESTRADO EM ECONOMIA PORTUGUESA E INTEGRAÇÃO INTERNACIONAL PROGRAMAS DAS UNIDADES CURRICULARES UNIDADES CURRICULARES OBRIGATÓRIAS Análise de Informação Económica para a Economia Portuguesa 1. Identificação

Leia mais

hospi tais um novo modelo de gestão hospitalar Adalberto Campos Fernandes 2011 2012 PORTUGAL TEM EMENDA? Augusto Brázio

hospi tais um novo modelo de gestão hospitalar Adalberto Campos Fernandes 2011 2012 PORTUGAL TEM EMENDA? Augusto Brázio hospi tais 2011 2012 PORTUGAL TEM EMENDA? um novo modelo de gestão hospitalar A reflexão sobre um novo modelo de gestão hospitalar não pode deixar de ter em conta a enorme complexidade do sistema em que

Leia mais

ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL DO IAPMEI NA ÁREA DA INTERNACIONALIZAÇÃO E DA EXPORTAÇÃO

ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL DO IAPMEI NA ÁREA DA INTERNACIONALIZAÇÃO E DA EXPORTAÇÃO ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL DO IAPMEI NA ÁREA DA INTERNACIONALIZAÇÃO E DA EXPORTAÇÃO Como fazemos 1. Através do Serviço de Assistência Empresarial (SAE), constituído por visitas técnicas personalizadas às

Leia mais

Mecanismos e modelos de apoio à Comunidade Associativa e Empresarial da Indústria Extractiva

Mecanismos e modelos de apoio à Comunidade Associativa e Empresarial da Indústria Extractiva centro tecnológico da cerâmica e do vidro coimbra portugal Mecanismos e modelos de apoio à Comunidade Associativa e Empresarial da Indústria Extractiva Victor Francisco CTCV Responsável Unidade Gestão

Leia mais

ACEF/1112/22947 Relatório final da CAE

ACEF/1112/22947 Relatório final da CAE ACEF/1112/22947 Relatório final da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: ISCTE - Instituto Universitário de Lisboa (ISCTE-IUL)

Leia mais

ACEF/1112/02397 Relatório preliminar da CAE

ACEF/1112/02397 Relatório preliminar da CAE ACEF/1112/02397 Relatório preliminar da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade Do Minho A.1.a. Identificação

Leia mais

Gestão em Farmácia. Marketing 3. Manuel João Oliveira. Identificação e Selecção da Estratégia

Gestão em Farmácia. Marketing 3. Manuel João Oliveira. Identificação e Selecção da Estratégia Gestão em Farmácia Marketing 3 Manuel João Oliveira Análise Externa Análise do Cliente Segmentação, comportamento do cliente, necessidades não-correspondidas Análise dos Concorrentes Grupos estratégicos,

Leia mais

Programa Director de Inovação, Competitividade e Empreendedorismo para o Município de Penela. Anexos. Sociedade Portuguesa de Inovação 1

Programa Director de Inovação, Competitividade e Empreendedorismo para o Município de Penela. Anexos. Sociedade Portuguesa de Inovação 1 Anexos Sociedade Portuguesa de Inovação 1 ANEXO A ENQUADRAMENTO GEOGRÁFICO Penela Penela Figura 1: Rede Rodoviária e Ferroviária Nacional. Fonte. http://www.dgotdu.pt/presentationlayer/dgotdu_site_ordcart00.aspx

Leia mais

AGENDA 21 LOCAL CONDEIXA-A-NOVA

AGENDA 21 LOCAL CONDEIXA-A-NOVA AGENDA 21 LOCAL CONDEIXA-A-NOVA PLANO DE COMUNICAÇÃO E DIVULGAÇÃO Deliverable 4 Fase 2 Novembro 2008 1 P á g i n a Índice 1. Objectivos... 3 2. Públicos-alvo... 4 3. Estratégia de Comunicação... 5 3.1

Leia mais

Introdução. Estrutura da Apresentação: 1. Quadro estratégico e de gestão territorial da Grande Covilhã

Introdução. Estrutura da Apresentação: 1. Quadro estratégico e de gestão territorial da Grande Covilhã Introdução Estrutura da Apresentação: 1. Quadro estratégico e de gestão territorial da Grande Covilhã 2. Retrato da Covilhã: Indicadores e dinâmicas de desenvolvimento 3. Estratégias de desenvolvimento

Leia mais

Direcção-Geral da Solidariedade e Segurança Social

Direcção-Geral da Solidariedade e Segurança Social Direcção-Geral da Solidariedade e Segurança Social Janeiro/2004 INTRODUÇÃO A experiência da acção social no âmbito da intervenção e acompanhamento das famílias em situação de grande vulnerabilidade social,

Leia mais

Estratégia de Especialização Inteligente para a Região de Lisboa

Estratégia de Especialização Inteligente para a Região de Lisboa Diagnóstico do Sistema de Investigação e Inovação: Desafios, forças e fraquezas rumo a 2020 FCT - A articulação das estratégias regionais e nacional - Estratégia de Especialização Inteligente para a Região

Leia mais

Projecto REDE CICLÁVEL DO BARREIRO Síntese Descritiva

Projecto REDE CICLÁVEL DO BARREIRO Síntese Descritiva 1. INTRODUÇÃO Pretende-se com o presente trabalho, desenvolver uma rede de percursos cicláveis para todo o território do Município do Barreiro, de modo a promover a integração da bicicleta no sistema de

Leia mais

GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2011

GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2011 GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2011 1. Análise do Plano Plurianual de Investimentos (PPI) Neste orçamento, o Município ajustou, as dotações para despesas de investimento, ao momento de austeridade que o país

Leia mais

Notas sobre a população Lisboa: Área Metropolitana e cidade

Notas sobre a população Lisboa: Área Metropolitana e cidade Maria João Valente Rosa* Análise Social, vol. XXXIV (153), 2000, 1045-1055 Notas sobre a Lisboa: Área Metropolitana e cidade Em Portugal, os desequilíbrios de povoamento da são por de mais evidentes. Neste

Leia mais

Diagnóstico de Competências para a Exportação

Diagnóstico de Competências para a Exportação Diagnóstico de Competências para a Exportação em Pequenas e Médias Empresas (PME) Guia de Utilização DIRECÇÃO DE ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL Departamento de Promoção de Competências Empresariais Índice ENQUADRAMENTO...

Leia mais

PROXIMIDADE AEROPORTUÁRIA: CONTRIBUTOS PARA UMA LEITURA SÓCIO-ECOLÓGICA

PROXIMIDADE AEROPORTUÁRIA: CONTRIBUTOS PARA UMA LEITURA SÓCIO-ECOLÓGICA PROXIMIDADE AEROPORTUÁRIA: CONTRIBUTOS PARA UMA LEITURA SÓCIO-ECOLÓGICA João Craveiro, Margarida Rebelo, Marluci Menezes, Paulo Machado Laboratório Nacional de Engenharia Civil Departamento de Edifícios

Leia mais

Sr. Presidente da Assembleia Legislativa da Região Autónoma dos Açores Sras. e Srs. Deputados Sra. e Srs. membros do Governo

Sr. Presidente da Assembleia Legislativa da Região Autónoma dos Açores Sras. e Srs. Deputados Sra. e Srs. membros do Governo A mulher e o trabalho nos Piedade Lalanda Grupo Parlamentar do Partido Socialista A data de 8 de Março é sempre uma oportunidade para reflectir a realidade da mulher na sociedade, apesar de estes dias

Leia mais

PLANOESTRATÉGICO DO DESENVOLVIMENTOECONÓMICOLOCAL DE S. JOÃO DA MADEIRA. Plano da sessão

PLANOESTRATÉGICO DO DESENVOLVIMENTOECONÓMICOLOCAL DE S. JOÃO DA MADEIRA. Plano da sessão plano estratégico del desenvolvimento económico local PLANOESTRATÉGICO DO DESENVOLVIMENTOECONÓMICOLOCAL ECONÓMICO LOCAL DE S. JOÃO DA MADEIRA Equipa técnica: Assessor: João Pedro Guimarães Colaboradores:

Leia mais

Somos 10 555 853 residentes, Constituímos 4 079 577 famílias e. Dispomos de 5 879 845 alojamentos em 3 550 823 edifícios

Somos 10 555 853 residentes, Constituímos 4 079 577 famílias e. Dispomos de 5 879 845 alojamentos em 3 550 823 edifícios Censos 2011 Resultados Preliminares 30 de Junho de 2011 Somos 10 555 853 residentes, Constituímos 4 079 577 famílias e Dispomos de 5 879 845 alojamentos em 3 550 823 edifícios Cem dias após o momento censitário

Leia mais

APRESENTAÇÃO DA NOVA POLÍTICA DE INCENTIVOS 2014-2020 SISTEMA DE INCENTIVOS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL COMPETIR +

APRESENTAÇÃO DA NOVA POLÍTICA DE INCENTIVOS 2014-2020 SISTEMA DE INCENTIVOS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL COMPETIR + APRESENTAÇÃO DA NOVA POLÍTICA DE INCENTIVOS 2014-2020 SISTEMA DE INCENTIVOS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL COMPETIR + Ponta Delgada, 28 de Abril de 2014 Intervenção do Presidente do Governo Regional

Leia mais

A PARTICIPAÇÃO PÚBLICA E A REGIÃO NORTE

A PARTICIPAÇÃO PÚBLICA E A REGIÃO NORTE A PARTICIPAÇÃO PÚBLICA E A REGIÃO NORTE Autores: 1 Gabriela Azevedo e Rita Ramos Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Norte INTRODUÇÃO E OBJECTIVOS No âmbito dos procedimentos da Avaliação

Leia mais

Escola Nacional de. Saúde Pública

Escola Nacional de. Saúde Pública Escola Nacional de Saúde Pública 6º CURSO DE MESTRADO EM SAÚDE PÚBLICA (2002/2004) MÓDULO DE INTRODUÇÃO À PROMOÇÃO E PROTECÇÃO DA SAÚDE CUIDADOS CONTINUADOS DE SAÚDE E APOIO SOCIAL - UMA REFLEXÃO - Elaborado

Leia mais

Factores Determinantes para o Empreendedorismo. Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008

Factores Determinantes para o Empreendedorismo. Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008 Factores Determinantes para o Empreendedorismo Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008 IAPMEI Instituto de Apoio às PME e à Inovação Principal instrumento das políticas económicas para Micro e Pequenas

Leia mais

MAPA 1. DEMARCAÇÃO GEOGRÁFICA DO CONCELHO DE RIBEIRA BRAVA E RESPECTIVAS FREGUESIAS. Fonte:www.geocities.com/Heartland/Plains/9462/map.

MAPA 1. DEMARCAÇÃO GEOGRÁFICA DO CONCELHO DE RIBEIRA BRAVA E RESPECTIVAS FREGUESIAS. Fonte:www.geocities.com/Heartland/Plains/9462/map. 8. Ribeira Brava MAPA 1. DEMARCAÇÃO GEOGRÁFICA DO CONCELHO DE RIBEIRA BRAVA E RESPECTIVAS FREGUESIAS Fonte:www.geocities.com/Heartland/Plains/9462/map.html (adaptado) A vila de Ribeira Brava, situada no

Leia mais

Sistema de Incentivos à Inovação e I&DT (Sector Automóvel) Quadro de Referência Estratégico Nacional [QREN]

Sistema de Incentivos à Inovação e I&DT (Sector Automóvel) Quadro de Referência Estratégico Nacional [QREN] Sistema de Incentivos à Inovação e I&DT (Sector Automóvel) Quadro de Referência Estratégico Nacional [QREN] Frederico Mendes & Associados Sociedade de Consultores Lda. Frederico Mendes & Associados é uma

Leia mais

DESAFIOS E RECOMENDAÇÕES PARA A DINAMIZAÇÃO DA BOLSA DE QUALIFICAÇÃO E EMPREGO

DESAFIOS E RECOMENDAÇÕES PARA A DINAMIZAÇÃO DA BOLSA DE QUALIFICAÇÃO E EMPREGO DESAFIOS E RECOMENDAÇÕES PARA A DINAMIZAÇÃO DA BOLSA DE QUALIFICAÇÃO E EMPREGO Caracterização da Procura e oferta de emprego e de formação no âmbito da Bolsa de Qualificação e Emprego (BQE) A Bolsa de

Leia mais

Consultoria de Gestão Sistemas Integrados de Gestão Contabilidade e Fiscalidade Recursos Humanos Marketing e Comunicação Consultoria Financeira JOPAC SOLUÇÕES GLOBAIS de GESTÃO jopac.pt «A mudança é a

Leia mais

CONCLUSÕES. Conclusões 413

CONCLUSÕES. Conclusões 413 CONCLUSÕES Conclusões 413 Conclusões 414 Conclusões 415 CONCLUSÕES I - Objectivos do trabalho e resultados obtidos O trabalho realizado teve como objecto de estudo a marca corporativa e a investigação

Leia mais

1. Promover a melhoria das condições de vida das população das áreas susceptíveis

1. Promover a melhoria das condições de vida das população das áreas susceptíveis CNCCD -PROPOSTA DE PROGRAMA DE ACÇÃO NACIONAL DE COMBATE À DESERTIFICAÇÃO 2011 / 2020 1. Promover a melhoria das condições de vida das população das áreas susceptíveis 1- Promover a melhoria das condições

Leia mais

Ação Piloto para a Regeneração Urbana. Avenida da Liberdade, Braga. Concurso de Ideias Profissionais de Arquitectura

Ação Piloto para a Regeneração Urbana. Avenida da Liberdade, Braga. Concurso de Ideias Profissionais de Arquitectura Ação Piloto para a Regeneração Urbana Avenida da Liberdade, Braga Concurso de Ideias Profissionais de Arquitectura Cientes da importância de promover uma intervenção capaz de revitalizar o centro histórico

Leia mais

Sociedade da Informação e do Conhecimento Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação pelas Famílias 2010

Sociedade da Informação e do Conhecimento Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação pelas Famílias 2010 05 DEE NOVVEEMBBRRO DEE 2010 Sociedade da Informação e do Conhecimento Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação pelas Famílias 2010 Metade dos agregados domésticos em Portugal

Leia mais

PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS Grupo Parlamentar. Projeto de Lei n.º 950/XII/4.ª

PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS Grupo Parlamentar. Projeto de Lei n.º 950/XII/4.ª PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS Grupo Parlamentar Projeto de Lei n.º 950/XII/4.ª Criação da Freguesia de Casegas, no Concelho da Covilhã Distrito de Castelo Branco I- Nota Introdutória A população de Casegas

Leia mais

CURSO DE EMPREENDEDORISMO E VALORIZAÇÃO DA INVESTIGAÇÃO

CURSO DE EMPREENDEDORISMO E VALORIZAÇÃO DA INVESTIGAÇÃO c E v I CURSO DE EMPREENDEDORISMO E VALORIZAÇÃO DA INVESTIGAÇÃO MÓDULO: Plano de Negócios Maria José Aguilar Madeira Silva Professora Auxiliar do DGE UBI 1 Objectivos Programa Conteúdo Lista de Questões

Leia mais

Modelo de Acordo de Cooperação. Creche

Modelo de Acordo de Cooperação. Creche Modelo de Acordo de Cooperação Creche Entre os outorgantes a seguir identificados: Primeiro outorgante: Instituto de Solidariedade e Segurança Social/Centro Distrital de Solidariedade e Segurança Social

Leia mais