Vigas mistas constituídas por perfis de aço formados a frio e lajes de vigotas pré-moldadas

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Vigas mistas constituídas por perfis de aço formados a frio e lajes de vigotas pré-moldadas"

Transcrição

1 Vigas mistas constituídas por perfis de aço formados a frio e lajes de vigotas pré-moldadas Composite beams constituded by cold-formed steel profiles and slabs made by precast joist with lattice reinforcement Daniela Lemes David (1); Daniel de Lima Araújo (2); Maximiliano Malite (3) (1) Doutoranda em eng. de estruturas, Daniela Lemes David, Escola de Engenharia de São Carlos-USP (2) Professor doutor, Daniel de Lima Araújo, Escola de Engenharia Civil-UFG (3) Professor doutor, Maximiliano Malite, Escola de Engenharia de São Carlos-USP Departamento de Eng. de Estruturas, Av. Trabalhador São- Carlense, 4. São Carlos-SP. CEP: Resumo As vigas mistas em perfis formados a frio e lajes de vigotas pré-moldadas treliçadas apresentam particularidades em relação às vigas mistas em perfis laminados e soldados como, por exemplo, o tipo de conector de cisalhamento, a reduzida capacidade de rotação da viga de aço e a dificuldade construtiva para a adoção da taxa de armadura transversal recomendada pelas normas. O presente trabalho aborda os resultados experimentais obtidos em ensaios de cisalhamento direto realizados com conectores de cisalhamento em perfil U formado a frio e laje com vigotas treliçadas, com avaliação da influência da altura e espessura do conector e da taxa de armadura na resistência e na rigidez, bem como o comportamento estrutural de vigas mistas simplesmente apoiadas com foco na influência do tipo de laje e grau de conexão. Palavras-Chave: viga mista aço-concreto, conector de cisalhamento, perfil formado a frio, laje de vigotas prémoldadas Abstract Composite beams constituted by cold-formed steel profiles and slabs made by lattice reinforcement joist present some particularities when compared to the ones constituted by hot-rolled and welded profiles. For example, related to shear connector s type, reduced steel beam s rotation capacity, and constructive difficulty for the adoption of the transverse reinforcement ratio recommended by codes. The present work approaches the experimental results obtained in push-out tests with cold-formed steel channels as connector and slab made by lattice reinforcement joist, evaluating the influence of the connector s height, thickness and reinforcement ratio on resistance and rigidity, as well as the structural behavior of simple supported composite beams with focus in the influence of the slab type and connection degree. Keywords: steel-concrete composite beam, shear connector, cold-formed stee lprofiles, slabs made by precast joist with lattice reinforcement

2 1 o. Encontro Nacional de Pesquisa-Projeto-Produção em Concreto pré-moldado. 1 1 Introdução No Brasil, a pequena gama disponível de perfis laminados e o custo relativamente elevado dos perfis soldados, têm impulsionado o emprego dos perfis formados a frio nos edifícios de pequeno porte, em associação com as tradicionais lajes de vigotas prémoldadas, constituindo um sistema misto cujo comportamento estrutural ainda é pouco conhecido. Como tal concepção não é usual no exterior, as normas estrangeiras não trazem procedimentos específicos para o dimensionamento de vigas mistas constituídas por perfis formados a frio, o mesmo acontecendo com a norma brasileira. Tem-se observado que essas estruturas vêm sendo projetadas desprezando-se qualquer contribuição do concreto na resistência dos elementos ou baseando-se em extrapolações e adaptações do que existe para estruturas mistas de perfis soldados e laminados. Dentre os poucos trabalhos sobre vigas mistas em perfis formados a frio, pode-se citar MALITE (1993), HANAOR (1999), TRISTÃO (22) e DAVID (23). Devido à falta de informações a respeito do comportamento das vigas mistas com lajes de vigotas treliçadas com preenchimento em EPS ou lajotas cerâmicas, tem sido usual não preencher com material de enchimento a região próxima à viga, considerando assim a largura colaborante da laje como se fosse uma laje maciça, como pode ser visualizado na Figura 1. Figura 1 Viga mista com laje pré-moldada sem enchimento na região da viga de aço O presente trabalho aborda os resultados experimentais obtidos em ensaios de cisalhamento direto realizados com conectores de cisalhamento em perfil U formado a frio e laje com vigotas treliçadas, com avaliação da influência da altura e espessura do conector na resistência e na rigidez, bem como o comportamento estrutural de vigas mistas simplesmente apoiadas com foco na influência do tipo de laje e grau de conexão. 2 Vigas mistas e conectores de cisalhamento O comportamento de vigas mistas é baseado na ação conjunta entre a viga de aço e a laje de concreto. Para que isto ocorra é necessário que na interface aço-concreto desenvolvam-se forças longitudinais de cisalhamento. A aderência natural entre os dois materiais e as forças de atrito presentes não são, normalmente, consideradas no cálculo, tornando necessário o uso de conectores de cisalhamento para transmitir o cisalhamento na interface. Não existindo qualquer ligação na interface, os dois componentes se deformam independentemente e cada superfície da interface estará submetida a diferentes tensões normais, o que provocará um deslizamento relativo entre elas. Considerando que a viga

3 1 o. Encontro Nacional de Pesquisa-Projeto-Produção em Concreto pré-moldado. 2 de aço esteja interligada ao concreto por meio de conectores de cisalhamento com resistência suficiente para deformarem-se como um único elemento, não existirá deslizamento relativo e haverá apenas uma linha neutra na seção transversal. Essa interação é denominada interação completa. Existe um comportamento intermediário entre as duas situações anteriores, interação parcial, no qual haverá um certo deslizamento relativo entre as duas superfícies, porém as deformações não serão independentes. O efeito do deslizamento afeta tanto a distribuição de tensões normais na seção transversal quanto a distribuição do fluxo de cisalhamento longitudinal e, conseqüentemente, a deformabilidade das vigas. Admitindo a plastificação total da seção transversal, quando a resistência dos conectores é maior ou igual à resistência da viga metálica ou da laje de concreto, o grau de conexão é total, sendo o equilíbrio horizontal atingido quando as forças resistidas pela laje e pela viga metálica se igualam. Neste caso, a resistência dos conectores não influencia diretamente a resistência à flexão da viga mista. Quando a resistência dos conectores é menor que a menor resistência oferecida por qualquer dos dois elementos, a resistência da laje de concreto passa a ser limitada pela resistência dos conectores. Neste caso, os conectores controlam a capacidade resistente à flexão da viga mista, sendo a conexão parcial, BRADFORD et al (1995). O índice que permite avaliar o grau de conexão, g, é determinado pela relação entre o somatório das resistências individuais dos conectores situados entre a seção de momento fletor máximo e a seção adjacente de momento nulo e o menor valor entre a resistência oferecida pela laje e a resistência oferecida pela viga metálica. Quando g 1 a conexão é completa e quando g <1 a conexão é parcial. A resistência do conector e o deslizamento relativo podem ser obtidos por meio de ensaios de cisalhamento direto, como os padronizados pelo Eurocódigo 4 (21), ou com base em expressões empíricas. No caso de conectores em perfil U laminado, a norma americana AISC (1999) adota a a seguinte expressão: 1/ 2 q =,3( t +,5 t ) L ( f. E ) (1) n f w c ck c Sendo: q n = resistência de um conector em perfil U laminado (N); t f = espessura média da mesa do conector (mm); t w = espessura da alma do conector (mm); L c = comprimento do conector (mm); f ck = resistência característica do concreto à compressão (MPa); E c = módulo de elasticidade do concreto (MPa). 3 Programa experimental Foram realizados ensaios de cisalhamento direto em conectores em perfil U formado a frio embutidos em lajes com vigotas pré-moldadas treliçadas e ensaios de flexão em vigas, sendo as vigas mistas constituídas por perfis e conectores metálicos formados a frio, laje maciça ou laje treliçada. As características dos modelos estão apresentadas nas Figuras 2 e 3 e nas Tabelas 1 e 2. Na Tabela 1 estão incluídas também as características dos corpos-de-prova ensaiados por MALITE (1993), constituídos por laje maciça, sendo cada série composta por seis corpos-de-prova.

4 1 o. Encontro Nacional de Pesquisa-Projeto-Produção em Concreto pré-moldado. 3 3 Chapa 18 x 28 x 12,5 2U 25 x 75 x 25 x 4,75 9 A 8 Φ 165 mm H = 12, 14, 16mm H A 3 EPS 365 5mm a cada Armadura transversal Conector Φ3,4mm Φ6mm h Conectores Φ8mm Φ8mm Φ4,2mm h = 8,, 12mm Corte AA Figura 2 Detalhamento dos corpos-de-prova dos ensaios de cisalhamento direto A A Armadura de distribuição φ 5mm Conector Corte AA. Figura 3 Viga mista com laje de vigotas pré-moldadas

5 1 o. Encontro Nacional de Pesquisa-Projeto-Produção em Concreto pré-moldado. 4 MALITE (1993) DAVID (23) (carreagemento sem controle de deslocamento) DAVID (25) (carreagemento com controle de deslocamento) Corpos de prova Tabela 1 - Características dos modelos de cisalhamento direto Perfil utilizado no Conector Espessura da laje (mm) f cm 1) (MPa) E scm 2) (MPa) Série A L 5x2,65 3, Série B L 5x4,75 24, Série C U 75x4x2,65 25, Série D U 75x4x4,75 26, Série E L enrijecida 5x2x2,65 23, Série F L enrijecida 5x2x4,75 26, CP a2-1* U 75x5x2, 12 25, CP a2-2* U 75x5x2, 12 37, CP a3-1* U 75x5x3, , CP a3-2* U 75x5x3, , CP b2-1* U x5x2, 12 2, CP b2-2* U x5x2, 12 28, CP b3-1* U x5x3, , CP b3-2* U x5x3, , CP b3-3* U x5x3, , CP A22* U 75x5x2, , CP A22-1 U 75x5x2, , CP A22-2 U 75x5x2, , CP A3 U 75x5x3, , CP A3** U 75x5x3, , CP A4* U 75x5x4, , CP A4-1 U 75x5x4, , CP A4-2 U 75x5x4, , CP B22 U x5x2, , CP B3* U x5x3, , CP B3 U x5x3, , CP B3** U x5x3, , CP B4 U x5x4, , CP C22 U 125x5x2, , CP C3 U 125x5x3, , CP C3** U 125x5x3, , CP C4 U 125x5x4, , ) Valor médio da resistência à compressão do concreto 2) Valor médio do módulo de elasticidade secante * Carregamento monotônico ** Presença de armadura transversal adicional Dimensões dos conectores ensaiados por MALITE (1993), mm: Dimensões dos conectores ensaiados por DAVID (23) e DAVID (25), mm:

6 1 o. Encontro Nacional de Pesquisa-Projeto-Produção em Concreto pré-moldado. 5 Tabela 2 - Características das vigas Vigas Perfil metálico (mm) Tipo de laje Conectores Grau de f 1) cm E 2) scm (mm) interação (MPa) (MPa) V 2Ue 2x75x25x2, VM1 2Ue 2x75x25x2,65 Laje maciça U x5x3, , VM2 2Ue 2x75x25x2,65 Laje treliçada U x5x3, , VM3 2Ue 2x75x25x2,65 Laje treliçada U 75x5x3,75,84 24, ) Resistência à compressão média, no dia do ensaio 2) Módulo de elasticidade secante médio, no dia do ensaio Nos ensaios de cisalhamento direto foram aplicados dois tipos de carregamento. Em alguns corpos-de-prova indicados na Tabela 1 o carregamento foi monotônico. Nos demais corpos de prova o carregamento foi inicialmente cíclico, 25 ciclos com carregamento entre 5% e 4% da força máxima prevista, sendo em seguida aplicado carregamento monotônico até a ruptura, conforme recomendação atual do Eurocódigo 4 (21). Para medida do deslizamento relativo entre a laje e o perfil, foram utilizados transdutores de deslocamento posicionados próximos aos conectores. Nos ensaios de flexão, as vigas foram simplesmente apoiadas com carregamento concentrado no meio do vão. A instrumentação constituiu-se por transdutores de deslocamento, posicionados próximos aos conectores e sob as vigas para se medir respectivamente o deslizamento relativo entre a viga metálica e a laje e o deslocamento vertical, e extensômetros elétricos, colados na seção transversal no meio do vão, no aço e no concreto, para medida das deformações específicas 4 Resultados e discussões 4.1 Conectores Pelos ensaios de cisalhamento direto percebeu-se que o ganho de resistência foi mais influenciado pelo aumento da espessura do conector, sendo que a altura do conector, resistência do concreto e armadura transversal adicional, pouco influenciaram. Com base na recomendação do Eurocódigo 4 (21), o conector deve ser classificado como dúctil se o valor característico da capacidade de deformação (deslizamento relativo último convencional) δ uk for igual ou superior a 6mm. Tal exigência foi atendida apenas para os conectores com a relação altura/espessura superior a 25. As Figuras 5 e 6 apresentam as curvas força versus deslizamento para alguns conectores. 3 3 Força por conector CP B4 CP A4-1 CP A3 Força por conector CP B3* CP A22* CP C Deslizamento relativo (mm) Figura 5 Relação h/t < 25 Deslizamento relativo (mm) Figura 6 Relação h/t>25

7 1 o. Encontro Nacional de Pesquisa-Projeto-Produção em Concreto pré-moldado. 6 A Tabela 3 apresenta um resumo dos resultados experimentais para os conectores em perfil U. Corpos de prova q máx δ uk (mm) Tabela 3 Resultados experimentais e teóricos q AISC q máx / q AISC q Proposta q máx/ q proposta Modo de falha Série A 124, 2,23 124,48 1, 129,58,96 3 Série B 178, 2,2 192,34,93 165,64 1,7 1 Série C 123, 2,45 16,7 1,15 111,7 1,11 3 Série D 186, 2,38 182,98 1,2 157,57 1,18 1 Série E 118, 2,2 15,62 1,12 19,95 1,8 3 Série F 17, 1,76 193,97,88 167,4 1,2 1 CP a2-1* 77, 6,55 72,6 1,7 88,94,87 1 CP a2-2* 79, 2,3 17,79,73 12,98,77 1 CP a3-1* 126,5 7,3 183,52,69 124,18 1,2 1 CP a3-2* 131, 3,35 185,12,71 152,81,86 1 CP b2-1* 87,5 9,6 59,43 1,47 77,83 1,12 3 CP b2-2* 94, 9,1 8,29 1,17 84,8 1,11 3 CP b3-1* 137, - 114,94 1,19 111,23 1,23 1 CP b3-2* 141, 4,39 129,3 1,9 119,91 1,18 1 CP b3-3* 155,5 6,7 147,76 1,5 122,86 1,27 1 CP A22* 127, 6,7 131,4,97 14,43,9 3 CP A , 4,8 131,4 1,13 14,43 1,6 3 CP A ,5 1,8 136,25 1,5 144,35,99 1 CP A3 187,5 4,4 23,1,92 184,43 1,2 3 CP A3** 198,5 11,5 23,1,98 184,43 1,8 1 CP A4* 165, 2,5 249,91,66 2,87,82 1 CP A , 2,9 249,91,64 2,87,79 1 CP A , 1,5 277,85,81 228,33,99 1 CP B22 162,5 9,8 136,25 1,19 144,35 1,13 1 CP B3* 176, 9,1 21,,84 186,8,94 1 CP B3 148,5 11,8 21,,71 186,8,79 1 CP B3** 188,5 4,3 219,36,86 193,12,98 1 CP B4 227,5 2,3 277,85,82 228,33 1, 2 CP C22 166, - 133,17 1,25 142,68 1,16 3 CP C3 179,5 4,3 221,96,81 196,41,91 2 CP C3** 225,5 9,2 227,8,99 198,7 1,13 1 CP C4 26, 6,4 257,14 1,1 218,6 1,19 1 Média,99 1, Desvio Padrão,17,12 Coeficiente de Variação 17,39% 11,83% Para os corpos-de-prova da Série A a F e CP a2-1* a CP b3-3*, os valores δ uk se referem a q máx. - : não medido 1 : deslizamento excessivo 2 : ruptura na solda 3 : ruptura do conector na região da dobra, próxima a solda q q máx q k δuk q k=,9q máx δ uk=,9δu δu δ

8 1 o. Encontro Nacional de Pesquisa-Projeto-Produção em Concreto pré-moldado. 7 Na faixa de espessuras analisadas, entre 2,mm e 4,75mm, que corresponde à faixa usual, pode-se perceber que a expressão empírica do AISC (1999) resultou ligeiramente conservadora para as espessuras menores (2,mm e 2,25mm), bem satisfatória para as espessuras intermediárias (2,65mm e 3,75mm) e contra a segurança para a espessura maior (4,75mm). Com base em uma análise inicial, ainda não conclusiva, foi proposta uma expressão que melhor se ajusta ao conjunto dos resultados experimentais, conforme pode ser visualizado na Figura 4. A referida expressão está apresentada a seguir. 1/ 2 qn = (,31t +,51) Lc( Escf ck) (2) Sendo: q n = resistência de um conector em perfil U formado a frio com t entre 2mm e 5mm ; t = espessura do conector (mm); L c = comprimento do conector (mm); f ck = resistência característica do concreto à compressão (MPa); E sc = módulo de elasticidade secante do concreto (MPa).,275,25 q/l c (E cs f ck ) 1/2,225,2,175,15,125,,75,5,25 Expressão AISC q n /L c (E sc f ck ) 1/2 =,45t Regressão linear y=,31t+,51,,,5 1, 1,5 2, 2,5 3, 3,5 4, 4,5 5, 5,5 t(mm) Figura 4 Resultados experimentais para conectores tipo U formados a frio 4.2 Vigas As propriedades mecânicas do aço das vigas, aço virgem, e do concreto estão apresentadas na Tabela 4. Aço Concreto Tabela 4 Propriedades mecânicas do aço e do concreto Epessura(mm) f ym (MPa) f um (MPa) A(%) f ym = valor médio da resistência ao escoamento 2,65 235, 35, 29, f um = valor médio da resistência à ruptura f cm (MPa) f ctm (MPa) E scm (MPa) A = valor médio do alongamento na ruptura VM1 26,9 2, f cm = valor médio da resistência à compressão VM2 29,69 3, f ctm = valor médio da resistência à tração VM3 24,14 2, E scm = valor médio do mód. de elasticidade secante

9 1 o. Encontro Nacional de Pesquisa-Projeto-Produção em Concreto pré-moldado. 8 Os ensaios nas vigas mistas permitiram avaliar o comportamento global, o efeito da interação aço-concreto e a distribuição de tensões ao longo da seção transversal no meio do vão. A viga de aço (V), tomada como referência, suportou uma força máxima igual a 48 kn. Foi observada instabilidade da alma, na região central da viga, para tensões superiores à resistência ao escoamento do aço. A viga mista VM1 apresentou fissuras na face inferior a partir da força de 7kN, tendo evoluído da região de momento máximo para as extremidades. A força máxima resistida foi 178 kn. A força máxima resistida pela viga VM2 foi 177kN. Devido à presença do EPS na região tracionada da laje, não foram observadas fissuras, porém com o carregamento máximo houve a formação de uma fissura longitudinal na face superior, provavelmente devido à reduzida taxa de armadura transversal. A força máxima resistida pela viga VM3 foi 133kN, indicando, assim, uma redução na resistência da viga devido à redução do grau de conexão. No final do ensaio também houve a formação de uma fissura longitudinal na face superior da laje, semelhante à viga VM2. A configuração final das vigas mistas está apresentada na Figura 5. a) VM 1 b) VM 2 c) VM 3 Figura 5 Configuração final das vigas mistas Nas vigas VM1 e VM2 não ficou caracterizada a falha dos conectores, e as deformações, Figuras 6, 7 e 8, indicaram a presença de duas linhas neutras, uma na laje e outra no perfil. Isso mostra que apesar da conexão ser completa, g = 1, a interação não foi completa. Em relação à viga VM3 a falha ocorreu nos conectores e as deformações também indicaram a presença de duas linhas neutras mostrando que tanto a conexão como a interação foram parciais. Pelas deformações observou-se que grande parte da seção transversal no meio do vão atingiu deformações superiores à correspondente à resistência ao escoamento do aço, mostrando que houve uma plastificação parcial da seção transversal. Viga Laje 3 kn 5 kn 7 kn 9 kn 11 kn 13 kn 15 kn 17 kn Deformação específica (µε) Figura 6 Deformações na seção transversal no meio do vão da viga VM 1 Altura (mm) Viga Laje kn 5 kn 7 kn kn 11 kn 13 kn 15 kn 155 kn Deformação específica (µε) Figura 7 Deformações na seção transversal no meio do vão da viga VM 2 Altura (mm)

10 1 o. Encontro Nacional de Pesquisa-Projeto-Produção em Concreto pré-moldado Viga Laje 3 kn 5 kn 7 kn 9 kn 11 kn 12 kn Altura (mm) Deformação específica (µε) Figura 8 Deformações na seção transversal no meio do vão da viga VM 3 Além da presença de duas linhas neutras, outra característica da interação parcial é o deslizamento relativo entre o perfil e a laje, característica essa que também foi observada nas vigas ensaiadas. De acordo com as Figuras 9 a 11 os deslizamentos na interface foram simétricos em relação ao centro do vão, sendo que o valor máximo medido ocorreu entre a seção central e a extremidade. Comparando o deslizamento das três vigas mistas a 1.4mm do vão central, Figura 12, percebe-se que o deslizamento das vigas VM1 e VM2 foram próximos e menores que o deslizamento da viga VM3. Deslizamento relativo (mm) 4 3,5 3 2,5 2 1,5 1,5 158kN 14kN 12kN kn 8kN 6kN 4kN 2kN Posição dos deflectômetros (mm) Figura 9 Deslizamento relativo em VM1 Deslizamento relativo (mm) 4 3,5 3 2,5 2 1,5 1,5 17kN 16kN 14kN 12kN kn 8kN 6kN 4kN 2kN Posição dos deflectômetros (mm) Figura 1 Deslizamento relativo em VM2 Deslizamento relativo (mm) 4 3,5 3 2,5 2 1,5 1,5 125kN 12kN kn 8kN 6kN 4kN 2kN Posição dos deflectômetros (mm) Figura 11 Deslizamento relativo em VM3 Força VM 2 VM 1 VM 3,,5 1, 1,5 2, 2,5 3, 3,5 4, Deslizamento relativo (mm) Figura 12 Deslizamento relativo em VM1, VM2 e VM3 a 1.4mm da seção central Os deslocamentos verticais medidos no meio do vão estão apresentados no gráfico da Figura 13. De acordo com esse gráfico percebe-se que os deslocamentos da viga metálica, V, para um dado carregamento, são maiores que os deslocamentos das vigas

11 1 o. Encontro Nacional de Pesquisa-Projeto-Produção em Concreto pré-moldado. 1 mistas devido a sua rigidez ser menor. As vigas VM1 e VM2 apresentaram deslocamentos semelhantes, mostrando que o concreto da região tracionada não influencia a rigidez da viga mista. Comparando VM1 e VM2 com VM3 percebe-se que os deslocamentos desta última foram maiores devido ao menor grau de conexão. Força VM 2 VM 1 VM Deslocamento Vertical (mm) Figura 13 Deslocamento vertical de V, VM1, VM2 e VM3 no meio do vão A determinação do momento resistente de uma viga mista pode ser feita com base em análises elásticas ou totalmente plásticas. As análises elásticas são utilizadas para se avaliar o comportamento da viga em situações de serviço, onde as tensões no aço e no concreto estão abaixo do limite de proporcionalidade desses materiais. A análise totalmente plástica é utilizada para se determinar o momento resistente último da seção. Segundo procedimentos normativos o momento fletor resistente de vigas mistas em perfis laminados e soldados deve ser determinado por meio de uma análise elástica, perfis classe 3, referente à alma, ou por meio de uma análise plástica, perfis classes 1 ou 2. Como já foi mencionado, não existem procedimentos normativos para cálculo de vigas mistas com perfis formados a frio. Baseando, porém, nos procedimentos para perfis pesados, os momentos fletores resistentes das vigas mistas foram calculados de acordo com as expressões 3 a 11 e estão apresentados na Tabela 5. V tc b y M = W (Interação total) (3) R f i y M = W (Interação parcial) (4) R f ef y he w b h E c t bw Figura 14 Processo elástico b y t y a fy C C' T Figura 15 Processo plástico com interação parcial Sendo: I b + t + h y W (5) h i = w c E W = W + g( W W ) W (6) ef a i a i M = C ' ( b y y/ 2) +... R w t... Ct ( + h + b a/ 2 y ) c Sendo: E w ' C A f nq a y t (7) =,5( ) (8) C = nq (9)

12 1 o. Encontro Nacional de Pesquisa-Projeto-Produção em Concreto pré-moldado. 11 b a M = T( b /2+ t + h a /2) (1) R w c E b w he c t C T Sendo: T = A a f y (11) Figura 16 Processo plástico com interação total Sendo: I h = momento de inércia da seção homogeneizada desconsiderando a região tracionada da laje y = posição da linha neutra A a = área do perfil f = limite de escoamento do aço y n = número de conectores entre a seção de momento máximo e seção de momento nulo Q = resistência de um conector g = grau de interação Wi = módulo de resistência à flexão da seção homogeneizada com relação à fibra inferior W ef = módulo de resistência à flexão da seção homogeneizada com relação à fibra inferior considerando interação parcial W = módulo de resistência à flexão do perfil a Tabela 5 Momentos fletores resistentes Modelos M R (kn.cm) M R (kn.cm) M R (kn.cm) M R (kn.cm) F elástico * F máx Elástico Elástico Plástico Plástico experimental teórico experimental teórico V VM VM VM * Força referente ao início do escoamento da fibra mais tracionada do perfil O momento resistente teórico, considerando a plastificação total da seção, foi menor que o experimental, possivelmente devido às deformações excessivas e consequentemente ao encruamento do aço na região mais tracionada da seção transversal do perfil. 5 Conclusões O único parâmetro que apresentou importância significativa na resistência dos conectores foi a espessura, lembrando que o comprimento não foi avaliado. Foi proposta uma modificação da atual expressão da norma americana AISC para cálculo da resistência de conectores em perfil U laminado com o intuito de se avaliar melhor a resistência dos conectores U em perfil formado a frio. Os conectores com relação altura/espessura acima de 25 mostraram-se dúcteis.

13 1 o. Encontro Nacional de Pesquisa-Projeto-Produção em Concreto pré-moldado. 12 De acordo com o momento resistente percebeu-se que houve reserva de resistência inelástica nos perfis formados a frio. A fissura longitudinal presente nas vigas mistas com laje de vigotas treliçadas provavelmente surgiu devido à baixa taxa de armadura transversal, pois na laje maciça, onde a taxa de armadura transversal era maior, essa fissura não ocorreu. O comportamento da viga mista com laje maciça, VM1, e laje treliçada,vm2, foi muito semelhante. Isso pode ser explicado pelo fato da linha neutra presente na laje da viga mista VM2 estar posicionada na capa de concreto, comportando-se assim como uma viga mista com laje maciça. O grau da conexão influencia não só a resistência da viga mista como todo o seu comportamento, como pode ser visto nas Figuras 8 a 15. Outros ensaios estão em andamento para avaliar melhor a influência do grau de conexão e da taxa de armadura transversal no comportamento de vigas mistas, bem como a capacidade de plastificação da seção transversal. 6 Agradecimentos À Capes pela concessão de bolsa de mestrado À FAPESP pela concessão de bolsa de doutorado e suporte financeiro para realização dos ensaios. 7 Referências AMERICAN INSTITUTE OF STEEL CONSTRUCTION (1999). Load and resistance factor design Specification for Structural Steel Buildings. Chicago. BRADFORD et al (1995).Composite Steel and Concrete Structural Members. 1. ed. Great Britain: Pergamon, 549 p. DAVID, D. L. (23). Vigas mistas com laje treliçada e perfis formados a frio: análise do comportamento estrutural. Dissertação (Mestrado). EEC-UFG. Universidade Federal de Goiás. Goiânia. DAVID, D. L. (25). Análise teórica e experimental de conectores de cisalhamento e vigas mistas constituídas por perfis formados a frio e laje de vigotas prémoldadas: Relatório de atividades. EESC. Universidade de São Paulo, São Carlos. EUROPEAN COMMITTEE FOR STANDARDIZATION (21). Draft No. 3 of pren Eurocode 4 - Design of composite steel and concrete structures. Part 1-1: General rules and rules for buildings. Brussels. HANAOR, A. (2). Tests of composite beams with cold-formed sections. Journal of Constructional Steel Research. n. 54, p MALITE, M. (1993). Análise do comportamento estrutural de vigas mistas açoconcreto constituídas por perfis de chapa dobrada. Tese. (Doutorado). EESC. Universidade de São Paulo, São Carlos. TRISTÃO, G. A. (22). Comportamento de conectores de cisalhamento em vigas mistas aço-concreto com análise da resposta numérica. Dissertação (Mestrado). EESC. Universidade de São Paulo. São Carlos.

VIGA MISTA DE AÇO E CONCRETO CONSTITUÍDA POR PERFIL FORMADO A FRIO PREENCHIDO

VIGA MISTA DE AÇO E CONCRETO CONSTITUÍDA POR PERFIL FORMADO A FRIO PREENCHIDO VIGA MISTA DE AÇO E CONCRETO CONSTITUÍDA POR PERFIL FORMADO... 151 VIGA MISTA DE AÇO E CONCRETO CONSTITUÍDA POR PERFIL FORMADO A FRIO PREENCHIDO Igor Avelar Chaves Maximiliano Malite Departamento de Engenharia

Leia mais

Introdução Objetivos Justificativa Desenvolvimento Conclusões Referências Bibliográficas

Introdução Objetivos Justificativa Desenvolvimento Conclusões Referências Bibliográficas Introdução Objetivos Justificativa Desenvolvimento Conclusões Referências Bibliográficas Sistema Misto: Denomina-se sistema misto aço-concreto aquele no qual um perfil de aço (laminado, soldado ou formado

Leia mais

Conectores de Cisalhamento Constituídos por Parafuso e Rebite Tubular com Rosca Interna em Pilares Mistos de Aço e Concreto com Perfis Formados a Frio

Conectores de Cisalhamento Constituídos por Parafuso e Rebite Tubular com Rosca Interna em Pilares Mistos de Aço e Concreto com Perfis Formados a Frio Tema: Estruturas de Aço e Mistas de Aço e Concreto Conectores de Cisalhamento Constituídos por Parafuso e Rebite Tubular com Rosca Interna em Pilares Mistos de Aço e Concreto com Perfis Formados a Frio

Leia mais

Sistemas mistos aço-concreto viabilizando estruturas para Andares Múltiplos

Sistemas mistos aço-concreto viabilizando estruturas para Andares Múltiplos viabilizando estruturas para Andares Múltiplos Vantagens Com relação às estruturas de concreto : -possibilidade de dispensa de fôrmas e escoramentos -redução do peso próprio e do volume da estrutura -aumento

Leia mais

CISALHAMENTO EM VIGAS CAPÍTULO 13 CISALHAMENTO EM VIGAS

CISALHAMENTO EM VIGAS CAPÍTULO 13 CISALHAMENTO EM VIGAS CISALHAMENTO EM VIGAS CAPÍTULO 13 Libânio M. Pinheiro, Cassiane D. Muzardo, Sandro P. Santos 25 ago 2010 CISALHAMENTO EM VIGAS Nas vigas, em geral, as solicitações predominantes são o momento fletor e

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO PARA O PROJETO E DIMENSIONAMENTO DE EDIFÍCIOS DE MÚLTIPLOS ANDARES COM ELEMENTOS ESTRUTURAIS MISTOS AÇO - CONCRETO

CONTRIBUIÇÃO PARA O PROJETO E DIMENSIONAMENTO DE EDIFÍCIOS DE MÚLTIPLOS ANDARES COM ELEMENTOS ESTRUTURAIS MISTOS AÇO - CONCRETO ISSN 1809-5860 CONTRIBUIÇÃO PARA O PROJETO E DIMENSIONAMENTO DE EDIFÍCIOS DE MÚLTIPLOS ANDARES COM ELEMENTOS ESTRUTURAIS MISTOS AÇO - CONCRETO Marcela de Arruda Fabrizzi 1 & Roberto Martins Gonçalves 2

Leia mais

Estudo experimental do comportamento de chumbadores grauteados para ligações viga-pilar em concreto com fibras de aço

Estudo experimental do comportamento de chumbadores grauteados para ligações viga-pilar em concreto com fibras de aço Encontro Nacional BETÃO ESTRUTURAL - BE2012 FEUP, 24-26 de outubro de 2012 Estudo experimental do comportamento de chumbadores grauteados para ligações viga-pilar em concreto com fibras de aço Ellen Kellen

Leia mais

UNIDADE 2 DIMENSIONAMENTO DE ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO

UNIDADE 2 DIMENSIONAMENTO DE ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO Universidade Federal de Pelotas Centro de Engenharias Curso de Engenharia Civil e Engenharia Agrícola UNIDADE 2 DIMENSIONAMENTO DE ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO (AULA 3 HIPÓTESES DE CÁLCULO) Prof. Estela

Leia mais

Silvana De Nardin et al. Avaliação da influência da posição dos conectores de cisalhamento no comportamento de vigas mistas parcialmente revestidas

Silvana De Nardin et al. Avaliação da influência da posição dos conectores de cisalhamento no comportamento de vigas mistas parcialmente revestidas Engenharia Civil Silvana De Nardin et al. Avaliação da influência da posição dos conectores de cisalhamento no comportamento de vigas mistas parcialmente revestidas (Contribution of headed studs to the

Leia mais

2 Materiais e Métodos

2 Materiais e Métodos 1 ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DE VIGAS REFORÇADAS POR ACRÉSCIMO DE CONCRETO À FACE COMPRIMIDA EM FUNÇÃO DA TAXA DE ARMADURA LONGITUDINAL TRACIONADA PRÉ-EXISTENTE Elias Rodrigues LIAH; Andréa Prado Abreu REIS

Leia mais

VIGA COMPOSTA COM VIGA E LAJE PRÉ-MOLDADAS LIGADAS MEDIANTE NICHOS: ANÁLISE DA RUGOSIDADE DA INTERFACE

VIGA COMPOSTA COM VIGA E LAJE PRÉ-MOLDADAS LIGADAS MEDIANTE NICHOS: ANÁLISE DA RUGOSIDADE DA INTERFACE VIGA COMPOSTA COM VIGA E LAJE PRÉ-MOLDADAS LIGADAS MEDIANTE NICHOS: ANÁLISE DA RUGOSIDADE DA INTERFACE Vanessa Elizabeth dos Santos BORGES, Escola de Engenharia Civil, Universidade Federal Goiás, vanessa.dctg@gmail.com

Leia mais

Comparative Study of Longitudinal Shear Design Criteria for Composite Slabs

Comparative Study of Longitudinal Shear Design Criteria for Composite Slabs Volume 2, Number 2 (June, 2009) p. 124-141 ISSN 1983-4195 Comparative Study of Longitudinal Shear Design Criteria for Composite Slabs Estudo Comparativo dos Critérios de Dimensionamento ao Cisalhamento

Leia mais

Lista de exercícios sobre barras submetidas a força normal

Lista de exercícios sobre barras submetidas a força normal RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS I Lista de exercícios sobre barras submetidas a força normal 1) O cabo e a barra formam a estrutura ABC (ver a figura), que suporta uma carga vertical P= 12 kn. O cabo tem a área

Leia mais

Perfis mistos em aço. Novas perspectivas

Perfis mistos em aço. Novas perspectivas Perfis mistos em aço Novas perspectivas Perfis mistos em aço Vantagens Com relação às estruturas de concreto : -possibilidade de dispensa de fôrmas e escoramentos -redução do peso próprio e do volume da

Leia mais

VIGAS MISTAS COM LAJE DE CONCRETO

VIGAS MISTAS COM LAJE DE CONCRETO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS ESCOLA DE ENGENHARIA CIVIL CURSO DE MESTRADO EM ENGENHARIA CIVIL VIGAS MISTAS COM LAJE DE CONCRETO ANÁLISE COMPARATIVA DO COMPORTAMENTO ESTRUTURAL ENTRE CONECTORES Juliano

Leia mais

Quais são os critérios adotados pelo programa para o cálculo dos blocos de fundação?

Quais são os critérios adotados pelo programa para o cálculo dos blocos de fundação? Assunto Quais são os critérios adotados pelo programa para o cálculo dos blocos de fundação? Artigo Segundo a NBR 6118, em seu item 22.5.1, blocos de fundação são elementos de volume através dos quais

Leia mais

Rigidez à flexão em ligações viga-pilar

Rigidez à flexão em ligações viga-pilar BE2008 Encontro Nacional Betão Estrutural 2008 Guimarães 5, 6, 7 de Novembro de 2008 Rigidez à flexão em ligações viga-pilar Bruna Catoia 1 Roberto Chust Carvalho 2 Libânio Miranda Pinheiro 3 Marcelo de

Leia mais

Cálculo de Vigas e Colunas mistas aço-concreto

Cálculo de Vigas e Colunas mistas aço-concreto mcalc_ac Cálculo de Vigas e Colunas mistas aço-concreto Apresentamos a ferramenta que o mercado de estruturas metálicas aguardava: o programa mcalc_ac. O mcalc_ac contempla o cálculo de vigas e colunas

Leia mais

Engenharia Civil: Estrutura em Aço

Engenharia Civil: Estrutura em Aço Juliana Cruz Vianna et al. Engenharia Civil: Estrutura em Aço Um sistema de laje mista para edificações residenciais usando perfis de chapa dobrada com corrugações (Composite slab system for residential

Leia mais

COMPARATIVO ENTRE MODELOS DE ESCADAS ENCLAUSURADAS EM AÇO PARA EDIFICAÇÕES Thiago Guolo (1), Marcio Vito (2).

COMPARATIVO ENTRE MODELOS DE ESCADAS ENCLAUSURADAS EM AÇO PARA EDIFICAÇÕES Thiago Guolo (1), Marcio Vito (2). COMPARATIVO ENTRE MODELOS DE ESCADAS ENCLAUSURADAS EM AÇO PARA EDIFICAÇÕES Thiago Guolo (1), Marcio Vito (2). UNESC Universidade do Extremo Sul Catarinense (1)thiago.guolo@outlook.com (2)marciovito@unesc.net

Leia mais

ESTABILIDADE DE CANTONEIRAS SIMPLES E ENRIJECIDAS DE AÇO FORMADAS A FRIO SUBMETIDAS À COMPRESSÃO CENTRADA E EXCÊNTRICA

ESTABILIDADE DE CANTONEIRAS SIMPLES E ENRIJECIDAS DE AÇO FORMADAS A FRIO SUBMETIDAS À COMPRESSÃO CENTRADA E EXCÊNTRICA ESTABILIDADE DE CANTONEIRAS SIMPLES E ENRIJECIDAS DE AÇO FORMADAS A FRIO... 139 ESTABILIDADE DE CANTONEIRAS SIMPLES E ENRIJECIDAS DE AÇO FORMADAS A FRIO SUBMETIDAS À COMPRESSÃO CENTRADA E EXCÊNTRICA Wanderson

Leia mais

ANÁLISE NUMÉRICA DO COMPORTAMENTO ESTRUTURAL DE CONECTORES DE CISALHAMENTO TIPO CRESTBOND

ANÁLISE NUMÉRICA DO COMPORTAMENTO ESTRUTURAL DE CONECTORES DE CISALHAMENTO TIPO CRESTBOND ANÁLISE NUMÉRICA DO COMPORTAMENTO ESTRUTURAL DE CONECTORES DE CISALHAMENTO TIPO CRESTBOND Ciro Maestre Dutra Gustavo de Souza Veríssimo José Carlos Lopes Ribeiro José Luiz Rangel Paes UNIVERSIDADE FEDERAL

Leia mais

ENSAIO DE LIGAÇÃO PILAR PRÉ-MOLDADO FUNDAÇÃO MEDIANTE CHAPA DE BASE

ENSAIO DE LIGAÇÃO PILAR PRÉ-MOLDADO FUNDAÇÃO MEDIANTE CHAPA DE BASE ENSAIO DE LIGAÇÃO PILAR PRÉ-MOLDADO FUNDAÇÃO MEDIANTE CHAPA DE BASE 53 ENSAIO DE LIGAÇÃO PILAR PRÉ-MOLDADO FUNDAÇÃO MEDIANTE CHAPA DE BASE Mounir K. El Debs Toshiaki Takeya Docentes do Depto. de Engenharia

Leia mais

Rem: Revista Escola de Minas ISSN: 0370-4467 editor@rem.com.br Escola de Minas Brasil

Rem: Revista Escola de Minas ISSN: 0370-4467 editor@rem.com.br Escola de Minas Brasil Rem: Revista Escola de Minas ISSN: 0370-4467 editor@rem.com.br Escola de Minas Brasil Gomes Braga, Augusto Cezar; Graça Ferreira, Walnório Pilares mistos aço-concreto e comparativo de custo com pilares

Leia mais

Estruturas de Concreto Armado. Eng. Marcos Luís Alves da Silva luisalves1969@gmail.com unip-comunidade-eca@googlegroups.com

Estruturas de Concreto Armado. Eng. Marcos Luís Alves da Silva luisalves1969@gmail.com unip-comunidade-eca@googlegroups.com Estruturas de Concreto Armado Eng. Marcos Luís Alves da Silva luisalves1969@gmail.com unip-comunidade-eca@googlegroups.com 1 CENTRO TECNOLÓGICO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL EA 851J TEORIA EC6P30/EC7P30

Leia mais

- LAJES PRÉ-FABRICADAS

- LAJES PRÉ-FABRICADAS - LAJES PRÉ-FABRICADAS Originam-se das lajes nervuradas e das lajes nervuradas mistas, onde, em geral, as peças pré-fabricadas são empregadas para a formação das nervuras. Entre elas, colocam-se elementos

Leia mais

Gisele S. Novo Possato et al. Análise teórico-experimental de placas de base de colunas metálicas tubulares

Gisele S. Novo Possato et al. Análise teórico-experimental de placas de base de colunas metálicas tubulares Engenharia Civil Gisele S. Novo Possato et al. Análise teórico-experimental de placas de base de colunas metálicas tubulares Gisele S. Novo Possato Engenheira, M.Sc., Doutoranda, Programa de Pós-Graduação

Leia mais

Influência do tipo de laje nos custos de um edifício em aço

Influência do tipo de laje nos custos de um edifício em aço ArtigoTécnico Ygor Dias da Costa Lima 1 Alex Sander Clemente de Souza 2 Silvana De Nardin 2 1 Mestre em Construção Civil pela Pós-Graduação em Construção Civil PPGCiv/UFSCar 2 Prof. Dr. Pós-Graduação em

Leia mais

Study of structural behavior of a low height precast concrete building, considering the continuity of beam-column connections

Study of structural behavior of a low height precast concrete building, considering the continuity of beam-column connections Study of structural behavior of a low height precast concrete building, considering the continuity of beam-column connections Universidade Federal de Viçosa - Av. P.H. Rolfs s/n - Viçosa MG - 36.570-000

Leia mais

AMBIENTE PEDAGÓGICO INTERATIVO SOBRE O COMPORTAMENTO E O DIMENSIONAMENTO DE VIGAS MISTAS AÇO CONCRETO

AMBIENTE PEDAGÓGICO INTERATIVO SOBRE O COMPORTAMENTO E O DIMENSIONAMENTO DE VIGAS MISTAS AÇO CONCRETO Anais do XXXIV COBENGE. Passo Fundo: Ed. Universidade de Passo Fundo, Setembro de 2006. ISBN 85-7515-371-4 AMBIENTE PEDAGÓGICO INTERATIVO SOBRE O COMPORTAMENTO E O DIMENSIONAMENTO DE VIGAS MISTAS AÇO CONCRETO

Leia mais

2 Sistema de Lajes com Forma de Aço Incorporado

2 Sistema de Lajes com Forma de Aço Incorporado 2 Sistema de Lajes com Forma de Aço Incorporado 2.1. Generalidades As vantagens de utilização de sistemas construtivos em aço são associadas à: redução do tempo de construção, racionalização no uso de

Leia mais

ANÁLISE EXPERIMENTAL DE VIGAS MISTAS DE AÇO E CONCRETO COM PERFIL DE AÇO FORMADO A FRIO

ANÁLISE EXPERIMENTAL DE VIGAS MISTAS DE AÇO E CONCRETO COM PERFIL DE AÇO FORMADO A FRIO UNIVERSIDADE VALE DO RIO DOCE FACULDADE DE ENGENHARIA CURSO DE ENGENHARIA CIVIL E AMBIENTAL Fernanda dos Santos Guimarães Janielle Rodrigues Pinheiro Patrícia Franco de Vasconcelos Pedro Henrique de Castro

Leia mais

LIGAÇÕES PARAFUSADAS EM CHAPAS FINAS E PERFIS DE AÇO FORMADOS A FRIO

LIGAÇÕES PARAFUSADAS EM CHAPAS FINAS E PERFIS DE AÇO FORMADOS A FRIO ISSN 1809-5860 LIGAÇÕES PARAFUSADAS EM HAPAS FINAS E PERFIS DE AÇO FORMADOS A FRIO arlos Henrique Maiola 1 & Maximiliano Malite 2 Resumo O presente trabalho aborda o estudo de ligações parafusadas em chapas

Leia mais

MATERIAIS PARA CONCRETO ARMADO

MATERIAIS PARA CONCRETO ARMADO CAPÍTULO 1 Volume 1 MATERIAIS PARA CONCRETO ARMADO 1 1.1- Introdução Concreto: agregados + cimento + água + aditivos. Sua resistência depende: do consumo de cimento, fator água-cimento, grau de adensamento,

Leia mais

CONECTORES DE CISALHAMENTO TIPO PINO COM CABEÇA EM LIGAÇÕES MISTAS AÇO- CONCRETO COM LAJE ALVEOLAR: ANÁLISE EXPERIMENTAL

CONECTORES DE CISALHAMENTO TIPO PINO COM CABEÇA EM LIGAÇÕES MISTAS AÇO- CONCRETO COM LAJE ALVEOLAR: ANÁLISE EXPERIMENTAL 0 UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS ESCOLA DE ENGENHARIA CIVIL CURSO DE MESTRADO EM ENGENHARIA CIVIL SILENIO MARCIANO DE PAULO CONECTORES DE CISALHAMENTO TIPO PINO COM CABEÇA EM LIGAÇÕES MISTAS AÇO- CONCRETO

Leia mais

OTIMIZAÇÃO DE VIGAS CONSIDERANDO ESTADOS LIMITES ÚLTIMOS, DE UTILIZAÇÃO E DISPOSIÇÕES CONSTRUTIVAS

OTIMIZAÇÃO DE VIGAS CONSIDERANDO ESTADOS LIMITES ÚLTIMOS, DE UTILIZAÇÃO E DISPOSIÇÕES CONSTRUTIVAS OTIMIZAÇÃO DE VIGAS CONSIDERANDO ESTADOS LIMITES ÚLTIMOS, DE UTILIZAÇÃO E DISPOSIÇÕES CONSTRUTIVAS Eng. Civil Leonardo Roncetti da Silva, TECHCON Engenharia e Consultoria Ltda. Resumo Estuda-se a otimização

Leia mais

Antonio Carlos Pulido (1) & Silvana De Nardin (2)

Antonio Carlos Pulido (1) & Silvana De Nardin (2) SISTEMATIZAÇÃO DO DIMENSIONAMENTO A FLEXO-COMPRESSÃO DE PILARES MISTOS PREENCHIDOS DE SEÇÃO RETANGULAR Antonio Carlos Pulido (1) & Silvana De Nardin (2) (1) Mestrando, PPGECiv Programa de Pós-graduação

Leia mais

ESTUDO E DIMENSIONAMENTO DE VIGAS MISTAS

ESTUDO E DIMENSIONAMENTO DE VIGAS MISTAS ESTUDO E DIMENSIONAMENTO DE VIGAS MISTAS Eng. Vicente Budzinski 1 1,2,3 Acadêmicos do Curso em Pós-Graduação de Engenharia de Estruturas do Centro Universitário de Lins - Unilins, Lins-SP, Brasil Orientadora

Leia mais

AVALIAÇÃO TEÓRICA-EXPERIMENTAL DO DESEMPENHO ESTRUTURAL DE PERFIS DE AÇO FORMADOS A FRIO

AVALIAÇÃO TEÓRICA-EXPERIMENTAL DO DESEMPENHO ESTRUTURAL DE PERFIS DE AÇO FORMADOS A FRIO AVALIAÇÃO TEÓRICA-EXPERIMENTAL DO DESEMPENHO ESTRUTURAL DE PERFIS DE AÇO FORMADOS A FRIO Eduardo M. Batista (1) ; Elaine G. Vazquez (2) ; Elaine Souza dos Santos (3) (1) Programa de Engenharia Civil, COPPE,

Leia mais

Facear Concreto Estrutural I

Facear Concreto Estrutural I 1. ASSUNTOS DA AULA a) Concreto: Definição e requisitos de norma b) Concreto: Massa específica, resistência a compressão, resistência a tração e módulo de elasticidade c) Coeficiente de Poisson d) Diagrama

Leia mais

COMPORTAMENTO DE ESTRUTURAS DE AÇO ENFORMADAS A FRIO E DIMENSIONAMENTO

COMPORTAMENTO DE ESTRUTURAS DE AÇO ENFORMADAS A FRIO E DIMENSIONAMENTO COMPORTAMENTO DE ESTRUTURAS DE AÇO ENFORMADAS A FRIO E DIMENSIONAMENTO DE ACORDO COM O EC3-1-3 NUNO SILVESTRE DINAR CAMOTIM Departamento de Engenharia Civil e Arquitectura Instituto Superior Técnico RESUMO

Leia mais

Materiais e sistemas para protensão DEFINIÇÕES

Materiais e sistemas para protensão DEFINIÇÕES 19 2 Materiais e sistemas para protensão DEFINIÇÕES 2.1 Definições (conforme a Norma NBR6118:2003 - Projeto de Estruturas de Concreto - Procedimento). 2.1.1. Elementos de concreto protendido. Aqueles nos

Leia mais

ANÁLISE DO COMPORTAMENTO E DA RESISTÊNCIA DE UM SISTEMA DE LAJES MISTAS PELO MÉTODO DA INTERAÇÃO PARCIAL

ANÁLISE DO COMPORTAMENTO E DA RESISTÊNCIA DE UM SISTEMA DE LAJES MISTAS PELO MÉTODO DA INTERAÇÃO PARCIAL ANÁLISE DO COMPORTAMENTO E DA RESISTÊNCIA DE UM SISTEMA DE LAJES MISTAS PELO MÉTODO DA INTERAÇÃO PARCIAL Gabriel Soriano de Araujo UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS ESCOLA DE ENGENHARIA PROGRAMA DE

Leia mais

SISTEMAS ESTRUTURAIS MISTOS PARA EDIFICAÇÕES COMERCIAIS E RESIDENCIAIS

SISTEMAS ESTRUTURAIS MISTOS PARA EDIFICAÇÕES COMERCIAIS E RESIDENCIAIS SISTEMAS ESTRUTURAIS MISTOS PARA EDIFICAÇÕES COMERCIAIS E RESIDENCIAIS Dr. Pedro C. G. S. Vellasco, MSc; PhD; DIC. Professor Adjunto, Instituto Politécnico, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, UERJ,

Leia mais

ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA DOBRA NA RESITÊNCIA À FLEXÃO ESTÁTICA DE UM PERFIL DE AÇO FORMADO A FRIO APLICADO NO SETOR DE ESTRUTURAS METÁLICAS

ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA DOBRA NA RESITÊNCIA À FLEXÃO ESTÁTICA DE UM PERFIL DE AÇO FORMADO A FRIO APLICADO NO SETOR DE ESTRUTURAS METÁLICAS ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA DOBRA NA RESITÊNCIA À FLEXÃO ESTÁTICA DE UM PERFIL DE AÇO FORMADO A FRIO APLICADO RESUMO NO SETOR DE ESTRUTURAS METÁLICAS Diego de Medeiros Machado (1), Marcio Vito (2); UNESC

Leia mais

&RPSDUDomRH$QiOLVHGH5HVXOWDGRV

&RPSDUDomRH$QiOLVHGH5HVXOWDGRV &RPSDUDomRH$QiOLVHGH5HVXOWDGRV A eficiência do modelo analítico, desenvolvido no presente trabalho para vigas reforçadas à flexão, é verificada através da comparação dos resultados numéricos obtidos com

Leia mais

RESISTÊNCIA DE PERFIS DE AÇO FORMADOS A FRIO: A NORMA BRASILEIRA NBR 14762 E O MÉTODO DA RESISTÊNCIA DIRETA

RESISTÊNCIA DE PERFIS DE AÇO FORMADOS A FRIO: A NORMA BRASILEIRA NBR 14762 E O MÉTODO DA RESISTÊNCIA DIRETA CONSTRUMETAL CONGRESSO LATINO-AMERICANO DA CONSTRUÇÃO METÁLICA São Paulo Brasil 31 de agosto a 02 de setembro 2010 RESISTÊNCIA DE PERFIS DE AÇO FORMADOS A FRIO: A NORMA BRASILEIRA NBR 14762 E O MÉTODO

Leia mais

MODELAGEM NUMÉRICA DE ELEMENTOS TRACIONADOS EM AÇO INOXIDÁVEL COM PARAFUSOS DEFASADOS

MODELAGEM NUMÉRICA DE ELEMENTOS TRACIONADOS EM AÇO INOXIDÁVEL COM PARAFUSOS DEFASADOS MODELAGEM NUMÉRICA DE ELEMENTOS TRACIONADOS EM AÇO INOXIDÁVEL COM PARAFUSOS DEFASADOS André Tenchini da Silva João de Jesus Santos andretsilva@gmail.com PGECIV Programa de Pós-Graduação em Engenharia Civil,

Leia mais

ASPECTOS TECNOLÓGICOS DOS AÇOS ESTRUTURAIS

ASPECTOS TECNOLÓGICOS DOS AÇOS ESTRUTURAIS Estruturas de aço. Aspectos tecnológicos e de concepção. Prof. Edson Lubas Silva Agradecimento ao Prof. Dr. Valdir Pignatta pelo material cedido ASPECTOS TECNOLÓGICOS DOS AÇOS ESTRUTURAIS 1 O que é o aço?

Leia mais

5 Modelos Estruturais

5 Modelos Estruturais 5 Modelos Estruturais 5.1 Introdução Neste capítulo, os modelos estruturais utilizados para avaliação do conforto humano serão descritos segundo suas características geométricas e físicas referentes aos

Leia mais

Consolos Curtos Notas de aula Parte 1

Consolos Curtos Notas de aula Parte 1 Prof. Eduardo C. S. Thomaz 1 / 13 CONSOLOS CURTOS 1-SUMÁRIO Um consolo curto geralmente é definido geometricamente como sendo uma viga em balanço na qual a relação entre o comprimento ( a ) e a altura

Leia mais

ANÁLISE EXPERIMENTAL E ANALÍTICA DE CHAPAS METÁLICAS ENFORMADAS A FRIO PARA COBERTURAS E FACHADAS

ANÁLISE EXPERIMENTAL E ANALÍTICA DE CHAPAS METÁLICAS ENFORMADAS A FRIO PARA COBERTURAS E FACHADAS ANÁLISE EXPERIMENTAL E ANALÍTICA DE CHAPAS METÁLICAS ENFORMADAS A FRIO PARA COBERTURAS E FACHADAS Ana A. Martins a, Isabel B. Valente b,* Alexandra Feliz c e José M. Silva d a,b ISISE, Departamento de

Leia mais

3 Descrição do Programa Experimental

3 Descrição do Programa Experimental 5 3 Descrição do Programa Experimental A melhor forma de se obter o comportamento global e local de estruturas aparafusadas é por meio de ensaios experimentais realizados em laboratório. Com esses ensaios

Leia mais

(1) Mestrando em Engenharia Civil, Hevânio Duarte de Almeida, UFAL, hevanio@gmail.com:

(1) Mestrando em Engenharia Civil, Hevânio Duarte de Almeida, UFAL, hevanio@gmail.com: Interface gráfica para análise do comportamento estrutural de pórticos planos formados por elementos pré-moldados variando-se a rigidez das ligações GUI to analyze the structural behavior of plane frames

Leia mais

2.1. Considerações Gerais de Lajes Empregadas em Estruturas de Aço

2.1. Considerações Gerais de Lajes Empregadas em Estruturas de Aço 23 2. Sistemas de Lajes 2.1. Considerações Gerais de Lajes Empregadas em Estruturas de Aço Neste capítulo são apresentados os tipos mais comuns de sistemas de lajes utilizadas na construção civil. 2.1.1.

Leia mais

8º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECANICA Cusco, 23 a 25 de Outubro de 2007

8º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECANICA Cusco, 23 a 25 de Outubro de 2007 8º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECANICA Cusco, 23 a 25 de Outubro de 27 DETERMINAÇÃO DAS CAUSAS DE FISSURAÇÃO EM VIGA DE CONCRETO PROTENDIDO USANDO SIMULAÇÃO NUMÉRICA Savaris, G.*, Garcia, S.

Leia mais

DISSERTAÇÃO DE MESTRADO

DISSERTAÇÃO DE MESTRADO DISSERTAÇÃO DE MESTRADO ANÁLISE DE LAJES NERVURADAS BIDIRECIONAIS ATRAVÉS DE MODELOS SIMPLIFICADOS JOSÉ CARLOS A. C. CUNHA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE ENGENHARIA CIVIL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO

Leia mais

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br Centro de Ensino Superior do Amapá-CEAP Curso: Arquitetura e Urbanismo Assunto: Cálculo de Pilares Prof. Ederaldo Azevedo Aula 4 e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br Centro de Ensino Superior do Amapá-CEAP

Leia mais

CAPÍTULO 7 FABRICAÇÃO DOS DORMENTES

CAPÍTULO 7 FABRICAÇÃO DOS DORMENTES CAPÍTULO 7 FABRICAÇÃO DOS DORMENTES Este capítulo mostra e descreve o molde metálico e a estrutura de protensão, utilizados para a fabricação dos protótipos do dormente. Também apresenta os procedimentos

Leia mais

Capítulo 8 Dimensionamento de vigas

Capítulo 8 Dimensionamento de vigas Capítulo 8 Dimensionamento de vigas 8.1 Vigas prismáticas Nossa principal discussão será a de projetar vigas. Como escolher o material e as dimensões da seção transversal de uma dada viga, de modo que

Leia mais

Efeito do comportamento reológico do concreto

Efeito do comportamento reológico do concreto Efeito do comportamento reológico do concreto FLECHAS E ELEENTOS DE CONCRETO ARADO 1 - INTRODUÇÃO Todo o cálculo das deformações de barras, devidas à fleão, tem por base a clássica equação diferencial

Leia mais

VIGAS MISTAS EM PERFIS FORMADOS A FRIO COM LAJES MISTAS E LAJES MOLDADAS SOBRE PAINÉIS DE CONCRETO CELULAR

VIGAS MISTAS EM PERFIS FORMADOS A FRIO COM LAJES MISTAS E LAJES MOLDADAS SOBRE PAINÉIS DE CONCRETO CELULAR VIGAS MISTAS EM PERFIS FORMADOS A FRIO COM LAJES MISTAS E LAJES MOLDADAS SOBRE PAINÉIS DE CONCRETO CELULAR Cynara Fiedler Bremer ii UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS ESCOLA DE ENGENHARIA PROGRAMA DE

Leia mais

Elementos estruturais que se projetam de pilares ou paredes para servir de apoio para outras partes da estrutura.

Elementos estruturais que se projetam de pilares ou paredes para servir de apoio para outras partes da estrutura. Consolos Elementos estruturais que se projetam de pilares ou paredes para servir de apoio para outras partes da estrutura. São balanços muito curtos e merecem tratamento a parte pois não valem as hipóteses

Leia mais

IV Seminário de Iniciação Científica

IV Seminário de Iniciação Científica ANÁLISE TEÓRICA-COMPUTACIONAL DE LAJES LISAS DE CONCRETO ARMADO COM PILARES RETANGULARES Liana de Lucca Jardim Borges,1,2 1 Pesquisadora 2 Curso de Engenharia Civil, Unidade Universitária de Ciências Exatas

Leia mais

ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA DOBRA NA RESISTÊNCIA À FLEXÃO DE UM PERFIL DE AÇO FORMADO A FRIO APLICADO NO SETOR DE ESTRUTURAS METÁLICAS

ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA DOBRA NA RESISTÊNCIA À FLEXÃO DE UM PERFIL DE AÇO FORMADO A FRIO APLICADO NO SETOR DE ESTRUTURAS METÁLICAS ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA DOBRA NA RESISTÊNCIA À FLEXÃO DE UM PERFIL DE AÇO FORMADO A FRIO APLICADO NO SETOR DE ESTRUTURAS METÁLICAS Fábio Sumara Custódio (1), Marcio Vito (2) UNESC Universidade do Extremo

Leia mais

SISTEMAS DE TERÇAS PARA COBERTURAS E FECHAMENTOS A MBP oferece ao mercado um sistema de alto desempenho composto de Terças Metálicas nos Perfis Z e U Enrijecidos, para uso em coberturas e fechamentos laterais

Leia mais

ANÁLISE EXPERIMENTAL DA INFLUÊNCIA DOS DIFERENTES PROCEDIMENTOS DE CURA NAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DE VIGAS DE CONCRETO ARMADO

ANÁLISE EXPERIMENTAL DA INFLUÊNCIA DOS DIFERENTES PROCEDIMENTOS DE CURA NAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DE VIGAS DE CONCRETO ARMADO ANÁLISE EXPERIMENTAL DA INFLUÊNCIA DOS DIFERENTES PROCEDIMENTOS DE CURA NAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DE VIGAS DE RESUMO CONCRETO ARMADO Douglas Trevelin Rabaiolli (1), Alexandre Vargas (2) UNESC Universidade

Leia mais

COMPORTAMENTO CONJUNTO EM ELEMENTOS MISTOS DE AÇO E CONCRETO: DISPOSITIVOS MECÂNICOS

COMPORTAMENTO CONJUNTO EM ELEMENTOS MISTOS DE AÇO E CONCRETO: DISPOSITIVOS MECÂNICOS COMPORTAMENTO CONJUNTO EM ELEMENTOS MISTOS DE AÇO E CONCRETO: DISPOSITIVOS MECÂNICOS Silvana De Nardin (1) ; Alex Sander Clemente de Souza (2), Ana Lucia H. C. El Debs (3) (1) Pesquisadora, Departamento

Leia mais

Estruturas Mistas de Aço e Concreto

Estruturas Mistas de Aço e Concreto Universidade Federal do Espírito Santo Estruturas Mistas de Aço e Concreto Prof. Fernanda Calenzani Programa Detalhado Estruturas Mistas Aço e Concreto 1. Informações Básicas 1.1 Materiais 1.2 Propriedades

Leia mais

PROVAESCRITA CARGO: ENGENHARIA CIVIL I

PROVAESCRITA CARGO: ENGENHARIA CIVIL I MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS CONCURSO PÚBLICO DE DOCENTES DO QUADRO EFETIVO EDITAL

Leia mais

Vigas Pré-moldadas Protendidas de Pontes Ferroviárias com 36 metros de vão. Bernardo Zurli Barreira 1 Fernando Celso Uchôa Cavalcanti 2

Vigas Pré-moldadas Protendidas de Pontes Ferroviárias com 36 metros de vão. Bernardo Zurli Barreira 1 Fernando Celso Uchôa Cavalcanti 2 Vigas Pré-moldadas Protendidas de Pontes Ferroviárias com 36 metros de vão Bernardo Zurli Barreira 1 Fernando Celso Uchôa Cavalcanti 2 1 Beton Stahl Engenharia Ltda / bernardo@betonstahl.com.br 2 Escola

Leia mais

Material para Produção Industrial. Ensaio de Compressão. Prof.: Sidney Melo 8 Período

Material para Produção Industrial. Ensaio de Compressão. Prof.: Sidney Melo 8 Período Material para Produção Industrial Ensaio de Compressão Prof.: Sidney Melo 8 Período 1 Embora em alguns textos se trate o comportamento na compressão pelos parâmetros do ensaio de tração (e.g. na aplicação

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO DOS PAINÉIS PRÉ-MOLDADOS DE FECHAMENTO NO ENRIJECIMENTO DA ESTRUTURA PRINCIPAL: ESTUDO DE CASO

CONTRIBUIÇÃO DOS PAINÉIS PRÉ-MOLDADOS DE FECHAMENTO NO ENRIJECIMENTO DA ESTRUTURA PRINCIPAL: ESTUDO DE CASO CONTRIBUIÇÃO DOS PAINÉIS PRÉ-MOLDADOS DE FECHAMENTO NO ENRIJECIMENTO DA ESTRUTURA PRINCIPAL: ESTUDO DE CASO Vanessa C. Castilho 1 & Mounir K. El Debs 2 & Laercio S. Gil 3 RESUMO O objetivo deste trabalho

Leia mais

UNIVERSIDADE SALGADO DE OLIVEIRA Campus RECIFE. Curso: Engenharia de Produção Disciplina: Materiais para Produção Industrial

UNIVERSIDADE SALGADO DE OLIVEIRA Campus RECIFE. Curso: Engenharia de Produção Disciplina: Materiais para Produção Industrial UNIVERSIDADE SALGADO DE OLIVEIRA Campus RECIFE Curso: Disciplina: Aula 1 PROPRIEDADES MECÂNICAS DOS METAIS POR QUÊ ESTUDAR? A determinação e/ou conhecimento das propriedades mecânicas é muito importante

Leia mais

JUNTAS EM PISOS INDUSTRIAIS DE CONCRETO

JUNTAS EM PISOS INDUSTRIAIS DE CONCRETO Introdução JUNTAS EM PISOS INDUSTRIAIS DE CONCRETO Há, na literatura técnica, uma grande lacuna no que se refere ao projeto de juntas. Com o objetivo de reduzir esta deficiência, este trabalho apresenta

Leia mais

Facear Concreto Estrutural I

Facear Concreto Estrutural I 1. ASSUNTOS DA AULA Durabilidade das estruturas, estádios e domínios. 2. CONCEITOS As estruturas de concreto devem ser projetadas e construídas de modo que, quando utilizadas conforme as condições ambientais

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO DO ENGENHEIRO ESPECIALISTA EM PERÍCIA DE ESTRUTURAS RESUMO

CONTRIBUIÇÃO DO ENGENHEIRO ESPECIALISTA EM PERÍCIA DE ESTRUTURAS RESUMO CONTRIBUIÇÃO DO ENGENHEIRO ESPECIALISTA EM PERÍCIA DE ESTRUTURAS RESUMO O presente trabalho refere-se à análise estrutural de placas de concreto para piso elevado, fornecidos a uma construtora para estacionamento

Leia mais

ANÁLISE NUMÉRICA DA ADERÊNCIA ENTRE AÇO E CONCRETO ENSAIO PULL-OUT TEST

ANÁLISE NUMÉRICA DA ADERÊNCIA ENTRE AÇO E CONCRETO ENSAIO PULL-OUT TEST ANÁLISE NUMÉRICA DA ADERÊNCIA ENTRE AÇO E CONCRETO ENSAIO PULL-OUT TEST Julia Rodrigues Faculdade de Engenharia Civil CEATEC julia.r1@puccamp.edu.br Nádia Cazarim da Silva Forti Tecnologia do Ambiente

Leia mais

ESTRUTURAS DE BETÃO ARMADO I PROGRAMA

ESTRUTURAS DE BETÃO ARMADO I PROGRAMA 8 DISPOSIÇÕES CONSTRUTIVAS RELATIVAS A VIGAS PROGRAMA 1.Introdução ao betão armado 2.Bases de Projecto e Acções 3.Propriedades dos materiais: betão e aço 4.Durabilidade 5.Estados limite últimos de resistência

Leia mais

SISTEMAS DE SOLO COMPÓSITO/BETÃO: CARACTERIZAÇÃO DA INTERFACE GEOCOMPÓSITO-SOLO

SISTEMAS DE SOLO COMPÓSITO/BETÃO: CARACTERIZAÇÃO DA INTERFACE GEOCOMPÓSITO-SOLO SISTEMAS DE SOLO COMPÓSITO/BETÃO: CARACTERIZAÇÃO DA INTERFACE GEOCOMPÓSITO-SOLO SOIL COMPOSITE /CONCRETE SYSTEMS: CHARACTERIZATION OF THE GEOCOMPOSITE- SOIL INTERFACE Carlos, Karina Gonçalves, UM, Guimarães,

Leia mais

Análise de vigas em betão reforçadas ao corte com chapas embebidas

Análise de vigas em betão reforçadas ao corte com chapas embebidas Encontro Nacional BETÃO ESTRUTURAL - BE2012 FEUP, 24-26 de outubro de 2012 Análise de vigas em betão reforçadas ao corte com chapas embebidas Luís Henriques 1 Miguel Morais 2 Paulo Cachim 3 RESUMO Foto

Leia mais

S T E E L D E C K A S O L U Ç Ã O D E F I N I T I V A E M L A J E S

S T E E L D E C K A S O L U Ç Ã O D E F I N I T I V A E M L A J E S S T E E L D E C K A S O L U Ç Ã O D E F I N I T I V A E M L A J E S Próprio (kn/m 2 ) M. Inércia Laje Mista ( 6 mm 4 /m) Vãos Máimos sem Carga sobreposta 2.000 Vãos Máimos 2.0 2.0 2.400 Triplos Balanço

Leia mais

AMBIENTE COMPUTACIONAL PEDAGÓGICO SOBRE O COMPORTAMENTO E DIMENSIONAMENTO DE VIGAS MISTAS EM AÇO E CONCRETO

AMBIENTE COMPUTACIONAL PEDAGÓGICO SOBRE O COMPORTAMENTO E DIMENSIONAMENTO DE VIGAS MISTAS EM AÇO E CONCRETO UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL AMBIENTE COMPUTACIONAL PEDAGÓGICO SOBRE O COMPORTAMENTO E DIMENSIONAMENTO DE VIGAS MISTAS EM AÇO E CONCRETO Maria Aparecida

Leia mais

Fig. 4.2 - Exemplos de aumento de aderência decorrente de compressão transversal

Fig. 4.2 - Exemplos de aumento de aderência decorrente de compressão transversal aderência - 1 4. Aderência, ancoragem e emenda por traspasse 4.1. Aderência A solidariedade da barra de armadura com o concreto circundante, que impede o escorregamento relativo entre os dois materiais,

Leia mais

3.0 Resistência ao Cisalhamento dos Solos

3.0 Resistência ao Cisalhamento dos Solos 3.0 Resistência ao Cisalhamento dos Solos 3.1 INTRODUÇÃO Vários materiais sólidos empregados em construção normalmente resistem bem as tensões de compressão, porém têm uma capacidade bastante limitada

Leia mais

UNIVERSIDADE DE MARÍLIA

UNIVERSIDADE DE MARÍLIA UNIVERSIDADE DE MARÍLIA Faculdade de Engenharia, Arquitetura e Tecnologia SISTEMAS ESTRUTURAIS (NOTAS DE AULA) Professor Dr. Lívio Túlio Baraldi MARILIA, 2007 1. DEFINIÇÕES FUNDAMENTAIS Força: alguma causa

Leia mais

Terceira Lista de Exercícios

Terceira Lista de Exercícios Universidade Católica de Petrópolis Disciplina: Resitência dos Materiais I Prof.: Paulo César Ferreira Terceira Lista de Exercícios 1. Calcular o diâmetro de uma barra de aço sujeita a ação de uma carga

Leia mais

2 a Prova de EDI-49 Concreto Estrutural II Prof. Flávio Mendes Junho de 2012 Duração prevista: até 4 horas.

2 a Prova de EDI-49 Concreto Estrutural II Prof. Flávio Mendes Junho de 2012 Duração prevista: até 4 horas. 2 a Prova de EDI-49 Concreto Estrutural II Prof. Flávio Mendes Junho de 212 Duração prevista: até 4 horas. Esta prova tem oito (8) questões e três (3) laudas. Consulta permitida somente ao formulário básico.

Leia mais

Larissa Degliuomini Kirchhof 1 ; Jorge Munaiar Neto 2 ; Maximiliano Malite 2 ; Roberto Martins Gonçalves 2. Resumo. Abstract

Larissa Degliuomini Kirchhof 1 ; Jorge Munaiar Neto 2 ; Maximiliano Malite 2 ; Roberto Martins Gonçalves 2. Resumo. Abstract Análise numérica de vigas mistas aço-concreto em temperatura ambiente e em situação de incêndio Análise numérica de vigas mistas aço-concreto em temperatura ambiente e em situação de incêndio Numerical

Leia mais

Bloco sobre estacas Bielas Tirantes. Método Biela Tirante

Bloco sobre estacas Bielas Tirantes. Método Biela Tirante 1/20 Método Biela Tirante Pile Cap subjected to Vertical Forces and Moments. Autor: Michael Pötzl IABSE WORKSHOP New Delhi 1993 - The Design of Structural Concrete Editor: Jörg Schlaich Uniersity of Stuttgart

Leia mais

CURSO TÉCNICO DE EDIFICAÇÕES. Disciplina: Projeto de Estruturas. Aula 7

CURSO TÉCNICO DE EDIFICAÇÕES. Disciplina: Projeto de Estruturas. Aula 7 AULA 7 CURSO TÉCNICO DE EDIFICAÇÕES Disciplina: Projeto de Estruturas CLASSIFICAÇÃO DAS ARMADURAS 1 CLASSIFICAÇÃO DAS ARMADURAS ALOJAMENTO DAS ARMADURAS Armadura longitudinal (normal/flexão/torção) Armadura

Leia mais

Engenharia Civil: Estrutura em Aço

Engenharia Civil: Estrutura em Aço Engenharia Civil: Estrutura em Aço Sobre a revisão da norma brasileira de projeto de estruturas de aço e estruturas mistas de aço e concreto, a NBR 8800 (The revision of the Brazilian Standard for design

Leia mais

Resumidamente, vamos apresentar o que cada item influenciou no cálculo do PumaWin.

Resumidamente, vamos apresentar o que cada item influenciou no cálculo do PumaWin. Software PumaWin principais alterações O Software PumaWin está na versão 8.2, as principais mudanças que ocorreram ao longo do tempo estão relacionadas a inclusão de novos recursos ou ferramentas, correção

Leia mais

TECNOLOGIA MECÂNICA. Aula 04. Carregamento Axial Tensão Normal

TECNOLOGIA MECÂNICA. Aula 04. Carregamento Axial Tensão Normal FACULDADE DE TECNOLOGIA SHUNJI NISHIMURA POMPÉIA TECNOLOGIA MECÂNICA Aula 04 Carregamento Axial Tensão Normal Prof. Me. Dario de Almeida Jané Mecânica dos Sólidos - Revisão do conceito de Tensão - Carregamento

Leia mais

Considerações sobre a Relevância da Interação Solo-Estrutura em Recalques: Caso de um Prédio na Cidade do Recife

Considerações sobre a Relevância da Interação Solo-Estrutura em Recalques: Caso de um Prédio na Cidade do Recife Considerações sobre a Relevância da Interação Solo-Estrutura em Recalques: Caso de um Prédio na Cidade do Recife Raquel Cristina Borges Lopes de Albuquerque Escola Politécnica, Universidade de Pernambuco,

Leia mais

Estruturas Metálicas. Módulo II. Coberturas

Estruturas Metálicas. Módulo II. Coberturas Estruturas Metálicas Módulo II Coberturas 1 COBERTURAS Uma das grandes aplicações das estruturas metálicas se dá no campo das coberturas de grande vão, especialmente as de caráter industrial. Também devido

Leia mais

PROJETO DE ESCADAS DE CONCRETO ARMADO

PROJETO DE ESCADAS DE CONCRETO ARMADO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL PROJETO DE ESCADAS DE CONCRETO ARMADO AMÉRICO CAMPOS FILHO 04 SUMÁRIO Introdução... Escadas com vãos paralelos...

Leia mais

7 Considerações finais

7 Considerações finais 243 7 Considerações finais A utilização de outros tipos de materiais, como o aço inoxidável, na construção civil vem despertando interesse devido aos benefícios desse aço, e a tendência decrescente de

Leia mais

As lajes de concreto são consideradas unidirecionais quando apenas um ou dois lados são considerados apoiados.

As lajes de concreto são consideradas unidirecionais quando apenas um ou dois lados são considerados apoiados. LAJES DE CONCRETO ARMADO 1. Unidirecionais As lajes de concreto são consideradas unidirecionais quando apenas um ou dois lados são considerados apoiados. 1.1 Lajes em balanço Lajes em balanço são unidirecionais

Leia mais

COMPORTAMENTO ESTRUTURAL DE ELEMENTOS TRACIONADOS EM AÇO INOXIDÁVEL AUSTENÍTICO E DUPLEX

COMPORTAMENTO ESTRUTURAL DE ELEMENTOS TRACIONADOS EM AÇO INOXIDÁVEL AUSTENÍTICO E DUPLEX COMPORTAMENTO ESTRUTURAL DE ELEMENTOS TRACIONADOS EM AÇO INOXIDÁVEL AUSTENÍTICO E DUPLEX William M. Pereira a, Luciano R. de Lima a, Pedro C. G. da S. Vellasco a e José Guilherme S. da Silva a a Departamento

Leia mais