República Federativa do Brasil

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "República Federativa do Brasil"

Transcrição

1 República Federativa do Brasil

2 Agência de Desenvolvimento do Estado do Ceará S/A - ADECE COMPETE À ADECE: Executar a política de desenvolvimento econômico do estado do Ceará. Atrair e Incentivar Investimentos. Criar condições para competitividade dos setores econômicos do estado. SEGMENTOS ECONÔMICOS DE ATUAÇÃO: Indústria Comércio Serviços Agronegócio Empresarial Mineração Energia

3 Plano de Desenvolvimento Econômico Metas Estratégicas Setoriais Crescimento do PIB e do emprego por segmento. Atrair novas empresas e dar suporte para novas ampliações. Aumento dos empregos gerados. Ampliar o volume de investimentos do Estado. Evolução do fluxo do comércio Internacional. Evolução da auto-suficiência energética. Fornecer infraestrutura necessária para os empreendimentos industrias beneficiados. Fortalecer os arranjos produtivos locais. Aumento da competitividade de micro, pequenas e médias empresas.

4 Pontos Fortes do Ceará Excelente localização geográfica, associada a infraestrutura adequada através do Complexo Industrial Portuário do Pecém e do Porto do Mucuripe (marítimo, rodoviário, ferroviário). Setor de autopeças, couros, tintas e metalmecânico cearense aptos a realizarem parcerias e desenvolver insumos ou peças complementares. Sinergia com o Complexo Siderúrgico a ser instalado no Complexo Portuário do Pecém. Pacote de condições especiais para atração de investimentos de indústria e demais afins da citada atividade econômica. Investimento massivo do Governo do Estado do Ceará nas conexões e manutenção de Rodovias e Ferrovias.

5 Pontos Fortes do Ceará Investimento expressivo do Governo do Estado do Ceará nos setores de água, energia, gás, meio ambiente, eficiência energética, segurança e engenharia de trânsito. Ceará possui mão de obra especializada à disposição. Reconhecida vocação industrial. Credibilidade e capacidade de investimento do Governo do Estado. Clima de parceria entre o Governo e o setor privado.

6 Ranking das Exportações Cearenses Classificação do Ceará no Nordeste: 3º lugar. 02. Municípios Exportadores: Valor das exportações no Ceará: 2007: US$ (FOB) 2008: US$ (FOB) 04. Crescimento das Exportações do Ceará 2007/2008: 11,20% 05. Saldo da Balança Comercial do Ceará: - US$ (FOB)

7 Ranking das Exportações Cearenses Produto Brasil Ceará Participação Ranking Castanha de Caju 196,074, ,323, % 1º Rosas 708, , % 1º Calçados 2,025,175, ,041, % 1º Couro 1,880,173, ,255, % 3º Frutas 725,104, ,604, % 3º Fonte: MDIC / SECEX / AliceWeb Valores US$ FOB

8 Ranking das Exportações Cearenses Ranking Geral das Exportações Cearenses

9 Ranking das Exportações Cearenses ,8% 9,1% US$ 1,276,970,342 (FOB) 24,4% 7,9% 42,5% 9,3%

10 Principais Produtos Exportados para os EUA Principais Produtos Castanha de Caju Calçados Lagosta Couro Suco de Fruta Exportado para EUA 2008: US$ 312,641,065 Granito Cera Vegetal Têxtil Máquina de Costura Freios e outras partes para tratores e veículos

11 Produto Interno Bruto

12 Produto Interno Bruto

13 Produto Interno Bruto

14 Dimensão Região Nordeste

15 Informações do Ceará Indústria Energia Mineração Comércio Serviço Agronegócio

16 Tempo de Viagem - Aéreo Atlanta 9h Fortaleza Vôo Direto Segundas Terças Quartas Sextas - Sábados às 10:20 da manhã

17 Tempo de Viagem - Navio Fortaleza

18 Tempo de Viagem - Aéreo Localização Estratégica Fortaleza

19 Tempo de Viagem - Rodoviário Localização Estratégica Fortaleza

20 Infraestrutura do Estado do Ceará Instituições de Ensino Superior

21 Infraestrutura do Estado do Ceará Cinturão Digital O governo está criando infra-estrutura de fibra óptica, para dar o acesso banda larga para as cidades as mais importantes no estado, alcançando 82% da população quilômetros da fibra óptica conectarão várias cidades e irão incluir a população, que não pode pagar por este tipo do serviço, no mundo digital. Previsão de Início: 2008 Previsão de término: 2010 Investimento Total: US$ 20,4 milões Obs.: US$ 1,00 = R$ 2,30

22 Infraestrutura do Estado do Ceará Oferta de gás 7 milhões m³ por dia

23 Infraestrutura do Estado do Ceará

24 Infraestrutura do Estado do Ceará

25 Infraestrutura do Estado do Ceará CASTANHÃO RMF - PECÉM O Governo do Estado do Ceará está construindo o maior canal em concreto do país, com 255 km de extensão. Aspectos Gerais ¾Oferta de água permanente. ¾Volume: 4,2 bilhões m³. ¾43 mil hectares irrigados. ¾Geração de 22,5 MW.

26 Infraestrutura do Estado do Ceará

27 Infraestrutura do Estado do Ceará

28 Infraestrutura do Estado do Ceará

29 Infraestrutura do Estado do Ceará Porto do Pecém

30 Infraestrutura do Estado do Ceará Porto do Pecém Informações Gerais Terminal Off Shore 56 Km de Fortaleza 2 Piers: 4 berços de atracação Terminal Intermodal : 352 ha Rodovia CE 422: 20 KM Ramal Ferroviário: 22 KM Subestações: 200MVA e 40MVA Sistema Adutor de Água: 23 km

31 Infraestrutura do Estado do Ceará

32 Infraestrutura do Estado do Ceará Planta de Expansão

33 Infraestrutura do Estado do Ceará 1a Etapa US$ 145 Milhões Conclusão 2010 Prolongamento de metros do quebra-mar, ampliando para metros Construção de 760 metros de píer, com dois berços de atracação Ampliação em 342 metros da ponte de acesso ao terminal Implantação da linha de guindastes Construção de retroárea para pátio de estocagem com 87 mil m2

34 Infraestrutura do Estado do Ceará 2a Etapa US$ 70 Milhões Conclusão 2010 Implantação de uma correia transportadora para carvão com 9 quilômetros; Implantação de um descarregador contínuo de carvão para abastecer futura Termelétrica.

35 Infraestrutura do Estado do Ceará 3a Etapa US$ 215 Milhões - Conclusão 2012 Implantação de uma segunda correia transportadora para carvão com 9 KM Implantação de uma correia transportadora para minério de ferro com 9 Km Implantação de um descarregador contínuo para minério Construção de um berço para exportação de placas de aço com 310 m Implantação de 2 carregadores de placas de aço

36 Infraestrutura do Estado do Ceará 4a Etapa US$ 302 Milhões - Conclusão 2014 Construção da 2a. ponte de acesso ao quebra-mar com m Prolongamento do quebra-mar em m; Construção de um berço com retroárea de 380 m; Construção de 2 píers para petroleiros.

37 Infraestrutura do Estado do Ceará 5a Etapa US$ 241 Milhões - Conclusão 2016 Instalação de uma correia para minério com 9 Km Instalação de um descarregador contínuo para minério Instalação de um descarregador contínuo para carvão Instalação de 4 carregadores de placas de aço Construção de 2 berços para exportação de placas de aço

38 Infraestrutura do Estado do Ceará Complexo Industrial e Portuário do Pecém - CIPP Informações Gerais Área Total: 330 km² Usinas Termoelétricas: MW Ferrovia de acesso ao porto Rodovia de acesso ao porto Gás: 7 milhões m³ por dia Água industrial Futuras Instalações Siderúrgica Refinaria Pólo Metalmecânico Zona de Processamento de Exportação

39 Projetos Prioritários do Estado do Ceará Refinaria Premium II Refinaria Valor do investimento: US$ 11,1 bilhões. Geração de empregos: (diretos e indiretos) Capacidade de processamento: barris/dia de óleo. Início das obras: dezembro de Início da operação: janeiro de Aumento de 45% no PIB do Ceará. Principais Produtos: Óleo diesel. Querosene de aviação (QAV). Nafta. Gás liquefeito de petróleo (GLP). Bunker (óleo para consumo de navios e petroleiros).

40 Projetos Prioritários do Estado do Ceará Companhia Siderúrgica do Pecém - CSP Parceiros: Dongkuk Steel Vale do Rio Doce Company (CVRD) Valor do investimento: US$ 6 bilhões. Geração de empregos: (diretos). Matriz energética: carvão mineral. Produção estimada: 5 milhões de ton por dia de placas de aço. Início da Operação: Aumento de 4 % no PIB do Ceará.

41 Projetos Prioritários do Estado do Ceará MPX - Termelétrica do Pecém Início da Operação 1ª fase: dezembro de Valor do Investimentos: Fase 1 - US$ 1,4 bilhões (720 MW), Fase 2 - US$ 700 milhões (360 MW). Geração de empregos: 2500 empregos diretos durante a construção e 300 quando estiver em operação. Crescimento no PIB do Estado: US$ 2,5 bilhões em 3 anos.

42 Projetos Prioritários do Estado do Ceará Zona de Processamento de Exportação (ZPE) Localização: CIPP Complexo Industrial e Portuário do Pecém Área total reservada: 5,000 ha. As ZPEs abrigam empresas beneficiadas com isenção de impostos, sob a condição de que destinem pelo menos 80% da produção ao mercado externo. 20/7/2007 Aprovação do projeto pelo Senado criando ZPE no Brasil (Lei Diário Oficial da União-DOU). Lei (DOU) altera a Lei nº , que dispõe sobre o regime tributário, cambial e administrativo das ZPE.

43 Projetos Prioritários do Estado do Ceará MINÉRIO DE FERRO Pesquisas detectaram bom potencial de minério de ferro no Ceará. Potencial das jazidas do Estado chegar a 200 milhões de toneladas. pode Principais ocorrências: Barroquinha, Sobral, Quiterianópolis, Tauá e Parambu. Viabilidade de exportação.

44 Projetos Prioritários do Estado do Ceará Projeto Santa Quitéria (Itataia) Concentração de rocha fosfática e uranífera. Previsão início das atividades: 2014 ( 240 mil toneladas/ ano de fosfato, representando cerca de 1600 toneladas/ ano de urânio. Maior teor de fosfato do país (11% de P2OS). Sub-produto: maior jazida de urânio brasileira ( t de U3O8, medidas). Reservas de m3 de mármores que podem ser lavrados para rochas ornamentais, cimento, cal, tintas e corretivo de solo (fertilizantes). Parceiros: Indústrias Nucleares do Brasil INB e Galvani S/A. Valor do Investimento: US$ 342 milhões (fostato) + US$35 milhões (usinas de urânio).

45 Projetos Prioritários do Estado do Ceará

46 Projetos Prioritários do Estado do Ceará ENERGIA SOLAR Implantação de parque solar em Tauá Início: 2009 Término: 2011 Investimento: US$ 250 milhões Energia Renovável O Governo do Estado do Ceará pretende tornar-se auto-suficiente em energia nos próximos 5 anos. Para tanto, está criando ambiência favorável para o desenvolvimento dos setores. ENERGIA EÓLICA Em implantação Produção de 500 MW (14 parques eólicos) Até dezembro de 2009 (Costa Cearense) Investimento de US$ 1 bilhão

47 Agronegócios no Ceará

48 Agronegócios Fonte:IBGE / SDA / EMATERCE / Inst. Agropolos. Situação Janeiro, 2007

49 Agronegócios Agropolos de Agricultura Irrigada com seus Principais Produtos Cultivados no Ceará

50 Agronegócios CEARÁ: ÁREA IRRIGADA POR AGROPOLO Fonte: IBGE / SDA / INST. AGROPOLOS- 2007

51 Agronegócios Fonte: Secex/MDIC. Observação: (*) Frutas frescas e elaboradas, produzidas e exportadas pelo Ceará, constantes no Capítulo 08 (NCM), sem castanhas e frutas rígidas.

52 Principais Empresas Americanas no Ceará Delta Airlines: Aviação Amway: Agronegócios Del Mont Fresh: Agronegócios Ford-Troller: Indústria Automotiva MEAD - WESTVACO Rigesa: Embalagens Nike Anige: Indústria de Calçados Reebok Vulcabras: Indústria de Calçados All Star Calçados Senador Pompeu: Indústria de Calçados

53 TENDÊNCIAS MACROECONÔMICAS PARA O NORDESTE BRASILEIRO - EXPECTATIVA PARA OS PRÓXIMOS 10 ANOS -

54 Expectativa para os Próximos 10 Anos - Nordeste Forte crescimento do setor de agronegócio, em função das riquezas naturais, condições climáticas e infraestrutura atual (frutas tropicais, tilápia, camarão, lagosta, biocombustíveis e flores). Os investimentos federais e estaduais no nordeste nos últimos anos e para os próximos estão propiciando: infraestrutura rodoviária, marítima, aeroviária, recursos hídricos, energia, segurança pública, sistema educacional e pesquisa (universidades, escolas técnicas e entidades de pesquisa). um crescimento acelerado de um novo mercado consumidor, inserido numa população de 51 milhões de habitantes.

55 Expectativa para os Próximos 10 Anos - Nordeste Por ter uma macrolocalização privilegiada (EUA, Europa, Africa e America do Sul), associada a infraestrutura portuária, rodoviária e ferroviária, o nordeste já está oferecendo as melhores condições mundiais em termos de custos de logística, tempo de entrega e segurança para transações comerciais com os países acima citados. As Zonas de Processamento de Exportação servirão como ferramenta para atração de empresas voltadas especificamente para Exportação e Centros de Distribuição.

56 Expectativa para os Próximos 10 Anos - Nordeste O Nordeste será referência nacional, destacando-se como maior pólo industrial do setor de energias renováveis e a região do Brasil que mais gera energia através de energia renovável (eólica, solar, maremotriz). Haverá mais exploração de jazidas de minério de ferro e outros minérios (fosfato, urânio, silício, calcário e granito), viabilizando a cadeia produtiva da mineração. Através de investimentos âncoras, como Refinarias e Siderúrgicas, o nordeste estará criando uma ambiência favorável para atração dos mais diversos tipos de investimentos.

57 Cid Gomes Governador do Estado do Ceará Antonio Balhmann Presidente - ADECE Francisco Carlos Soriano Moraes Coordenador de Informática do Gabinete do Governador Fernando Pessoa Diretor de Atração de Investimentos ADECE Obrigado Endereço da ADECE Av. Barão de Studart CEP: Aldeota Fortaleza Ceará - Brasil Fone: (85) / Fax: (85)

UMA NOVA FRONTEIRA SE ABRE DO CEARÁ PARA O MUNDO. ZPE CEARÁ

UMA NOVA FRONTEIRA SE ABRE DO CEARÁ PARA O MUNDO. ZPE CEARÁ UMA NOVA FRONTEIRA SE ABRE DO CEARÁ PARA O MUNDO. ZPE CEARÁ O QUE É UMA ZPE? ZPE é uma zona de processamento de exportação especialmente designada a indústrias exportadoras, nas quais estas usufruem de

Leia mais

SEDEC SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO. Rosalba Governadora do Estado do Rio Grande do. Ciarlini

SEDEC SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO. Rosalba Governadora do Estado do Rio Grande do. Ciarlini SEDEC SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO Rosalba Governadora do Estado do Rio Grande do Ciarlini Norte ECONÔMICO Área de Atuação COMPETE À SECRETARIA: Executar a política de desenvolvimento econômico

Leia mais

Mineroduto - Porto do AçuA. Prefeitura de São João da Barra Prefeita Carla Machado

Mineroduto - Porto do AçuA. Prefeitura de São João da Barra Prefeita Carla Machado Mineroduto - Porto do AçuA Prefeitura de São João da Barra Prefeita Carla Machado o município Em junho deste ano São João da Barra completou 333 anos de fundação. É uma longa história iniciada por pescadores

Leia mais

1. Balança Comercial do Ceará

1. Balança Comercial do Ceará Enfoque Econômico é uma publicação do IPECE que tem por objetivo fornecer informações de forma imediata sobre políticas econômicas, estudos e pesquisas de interesse da população cearense. Por esse instrumento

Leia mais

SUPERPORTO DO AÇU. Rio de Janeiro Junho de 2013

SUPERPORTO DO AÇU. Rio de Janeiro Junho de 2013 SUPERPORTO DO AÇU Rio de Janeiro Junho de 2013 SUPERPORTO DO AÇU X PORTOS BRASILEIROS Típico Porto brasileiro: estrangulado pelo crescimento da cidade X Superporto do Açu: Complexo Industrial de 90Km²

Leia mais

Jurandir Vieira Santiago

Jurandir Vieira Santiago 22º Fórum de Debates Brasilianas: Os Novos Polos de Desenvolvimento Painel 2: Mecanismos para a Indução da Política Industrial no Brasil Jurandir Vieira Santiago Presidente do BNB As Políticas Industriais

Leia mais

Localização estratégica

Localização estratégica Redução e simplificação de tributos. Investimentos sociais intensificados. Infraestrutura qualificada. Novas empresas em expansão e instalação. Abertura de novos postos de trabalho. O PROMARANHÃO, um novo

Leia mais

PROJETO CALCÁRIO SUL DA BAHIA

PROJETO CALCÁRIO SUL DA BAHIA PROJETO CALCÁRIO SUL DA BAHIA 1 ÍNDICE DE PROJETO Introdução O uso diversificado de calcário Estudo de mercado PCC (carbonato de cálcio precipitado) GCC (carbonato de cálcio moído) Potencialidade econômica

Leia mais

11. ESTIMATIVA DE VALOR DO PORTFÓLIO DE OPORTU- NIDADES DE INVESTIMENTO NO RN - QUANTIFICAÇÃO IN- DICATIVA 2016-2035

11. ESTIMATIVA DE VALOR DO PORTFÓLIO DE OPORTU- NIDADES DE INVESTIMENTO NO RN - QUANTIFICAÇÃO IN- DICATIVA 2016-2035 11. ESTIMATIVA DE VALOR DO PORTFÓLIO DE OPORTU- NIDADES DE INVESTIMENTO NO RN - QUANTIFICAÇÃO IN- DICATIVA 2016-2035 217 218 A partir da escolha do melhor cenário Um Pacto pelo Mais RN o Mais RN definiu

Leia mais

Coordenadoria do Desenvolvimento da Agricultura Familiar

Coordenadoria do Desenvolvimento da Agricultura Familiar Coordenadoria do Desenvolvimento da Agricultura Familiar 1- PROJETO: Projeto Hora de Plantar 2- INTRODUÇÃO e JUSTIFICATIVA : A distribuição de sementes e mudas, através do Projeto Hora de Plantar, pela

Leia mais

RELAÇÕES COMERCIAIS COM A CORÉIA DO SUL

RELAÇÕES COMERCIAIS COM A CORÉIA DO SUL RELAÇÕES COMERCIAIS COM A CORÉIA DO SUL RELAÇÕES COMERCIAIS COM A CORÉIA DO SUL Federação das Indústrias do Estado do Ceará FIEC Presidente: Jorge Alberto Vieira Studart Gomes Beto Studart Superintendente

Leia mais

Afirmações sobre o Futuro

Afirmações sobre o Futuro 1 2 Afirmações sobre o Futuro Algumas das afirmações aqui contidas se baseiam nas hipóteses e perspectivas atuais da administração da Companhia que poderiam ocasionar variações materiais entre os resultados,

Leia mais

APROCAL Associação dos Produtores de Calcário

APROCAL Associação dos Produtores de Calcário APL DO CAL E CALCARIO DO ESTADO DO PR SETEMBRO DE 06 APROCAL Associação dos Produtores de Calcário APL do Cal e Calcário - Números Número de indústrias de Cal e Calcário: 90. Pelo porte, no total da indústria

Leia mais

Plano Diretor DPZ 1997-2020

Plano Diretor DPZ 1997-2020 Plano Diretor DPZ 1997-2020 Plano diretor de desenvolvimento do Porto de Fortaleza A alternativa de Desenvolvimento e Zoneamento do Porto de Fortaleza, a seguir apresentada, busca obter o atendimento às

Leia mais

Logística do Agronegócio: Entraves e Potencialidades para o setor. Andréa Leda Ramos de Oliveira Pesquisadora Científica andrealeda@gmail.

Logística do Agronegócio: Entraves e Potencialidades para o setor. Andréa Leda Ramos de Oliveira Pesquisadora Científica andrealeda@gmail. Logística do Agronegócio: Entraves e Potencialidades para o setor Andréa Leda Ramos de Oliveira Pesquisadora Científica andrealeda@gmail.com Algumas Questões Estamos no caminho correto do desenvolvimento

Leia mais

Construção do Alto-Forno 3. Uma nova Coqueria. Terceira Máquina de Lingotamento Contínuo. Um terceiro Convertedor. Geração de novos empregos

Construção do Alto-Forno 3. Uma nova Coqueria. Terceira Máquina de Lingotamento Contínuo. Um terceiro Convertedor. Geração de novos empregos Construção do Alto-Forno 3 Uma nova Coqueria Um terceiro Convertedor Terceira Máquina de Lingotamento Contínuo Geração de novos empregos A CST Companhia Siderúrgica de Tubarão implantará o seu processo

Leia mais

SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO AGROPECUÁRIO E COOPERATIVISMO SDC. Agricultura do Século XXI Agropecuária, Meio Ambiente, Sustentabilidade e Inovação.

SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO AGROPECUÁRIO E COOPERATIVISMO SDC. Agricultura do Século XXI Agropecuária, Meio Ambiente, Sustentabilidade e Inovação. SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO AGROPECUÁRIO E COOPERATIVISMO SDC Agricultura do Século XXI Agropecuária, Meio Ambiente, Sustentabilidade e Inovação. Avanços da Agricultura Brasileira. Passou de importador

Leia mais

PLATAFORMA LOGÍSTICA MULTIMODAL EM SALGUEIRO - PE

PLATAFORMA LOGÍSTICA MULTIMODAL EM SALGUEIRO - PE PLATAFORMA LOGÍSTICA MULTIMODAL EM SALGUEIRO - PE Plataforma Logística Multimodal de Salgueiro Espaço de concentração geográfica de organismos e empresas independentes, relacionadas com: Transporte de

Leia mais

MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL - MI AGÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO DA AMAZÔNIA - ADA

MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL - MI AGÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO DA AMAZÔNIA - ADA MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL - MI AGÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO DA AMAZÔNIA - ADA BIOCOMBUSTÍVEIS: ATRAÇÃO DE INVESIMENTOS PARA O ESTADO DO PARÁ CONTEXTO: A Agência de Desenvolvimento da Amazônia, deseja

Leia mais

A Logística Brasileira Hoje e Suas Tendências

A Logística Brasileira Hoje e Suas Tendências A Logística Brasileira Hoje e Suas Tendências Prof. Manoel A. S. Reis, PhD I SEMINÁRIO DE INFRAESTRUTURA DA BRITCHAM Segmento de Transportes no Brasil São Paulo 18 de Novembro de 2010 1. Características

Leia mais

O Comércio Exterior Cearense por Municípios e Empresas

O Comércio Exterior Cearense por Municípios e Empresas Enfoque Econômico é uma publicação do IPECE que tem por objetivo fornecer informações de forma imediata sobre políticas econômicas, estudos e pesquisas de interesse da população cearense. Por esse instrumento

Leia mais

balanço 1Oº março >> junho 2014 A gente FAZ um brasil de oportunidades

balanço 1Oº março >> junho 2014 A gente FAZ um brasil de oportunidades balanço 1Oº março >> junho 2014 A gente FAZ um brasil de oportunidades Metrô de Salvador Linha 1 Trecho Lapa - Acesso Norte Salvador BA apresentação O Programa de Aceleração do Crescimento (PAC 2) completa

Leia mais

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Secretaria de Produção e Agroenergia AÇÚCAR E ÁLCOOL NO BRASIL

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Secretaria de Produção e Agroenergia AÇÚCAR E ÁLCOOL NO BRASIL Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Secretaria de Produção e Agroenergia AÇÚCAR E ÁLCOOL NO BRASIL Departamento da Cana-de-açúcar e Agroenergia MARÇO 2007 www.agricultura.gov.br daa@agricultura.gov.br

Leia mais

Expandindo a Logística Brasileira Maio 2011

Expandindo a Logística Brasileira Maio 2011 Expandindo a Logística Brasileira Maio 2011 Aviso Legal Esta apresentação contém algumas afirmações e informações prospectivas relacionadas a Companhia que refletem a atual visão e/ou expectativas da Companhia

Leia mais

Oportunidades para o Fortalecimento da Indústria Brasileira de Fertilizantes

Oportunidades para o Fortalecimento da Indústria Brasileira de Fertilizantes Oportunidades para o Fortalecimento da Indústria Brasileira de Fertilizantes Marcelo Alves Pereira, Bunge Fertilizantes Novembro - 2009 Estimativas da ONU indicam que a população mundial em 2050 será de

Leia mais

O impacto da expansão do setor de mineração, metalurgia e de materiais no Espírito Santo na Academia

O impacto da expansão do setor de mineração, metalurgia e de materiais no Espírito Santo na Academia 1 O impacto da expansão do setor de mineração, metalurgia e de materiais no Espírito Santo na Academia Eng. Maristela Gomes da Silva, Dr. 1 Os objetivos desta primeira intervenção são apresentar a situação

Leia mais

PARÁ Fomento à exploração mineral

PARÁ Fomento à exploração mineral PARÁ Fomento à exploração mineral Ouro Preto, Maio de 2016 2 O ESTADO DO PARÁ Brasil Região Amazônica Estado do Pará Regiões de Integração Informações PARÁ Part (%) no Brasil Área (1.000 km 2 ) 1.248 15%

Leia mais

China: novos rumos, mais oportunidades

China: novos rumos, mais oportunidades China: novos rumos, mais oportunidades Brasil pode investir em diversas áreas, como tecnologia, exploração espacial e infraestrutura 10 KPMG Business Magazine A China continua a ter na Europa o principal

Leia mais

Janeiro 2016. PORTO DO AÇU Soluções de Infraestrutura para o Brasil

Janeiro 2016. PORTO DO AÇU Soluções de Infraestrutura para o Brasil Janeiro 2016 PORTO DO AÇU Soluções de Infraestrutura para o Brasil Estrutura Societária 74,3% 6,7% Outros Minoritários 19% FERROPORT PORTO DO AÇU GNA AÇU PETROLEO T-MULT BP-PRUMO 100% 100% 100% 50% 20%

Leia mais

Nordeste atrai novos investimentos em celulose

Nordeste atrai novos investimentos em celulose Reportagem de Capa Agência Vale Nordeste atrai novos investimentos em celulose O PAPEL - Março 2010 O sul da Bahia já tem exemplos de sucesso, como as fábricas da Veracel e da Suzano. Agora, os Estados

Leia mais

Biocombustíveis: Estudo de culturas adequadas à sua produção: um panorama da produção agrícola da cana de açúcar e da soja.

Biocombustíveis: Estudo de culturas adequadas à sua produção: um panorama da produção agrícola da cana de açúcar e da soja. Biocombustíveis: Estudo de culturas adequadas à sua produção: um panorama da produção agrícola da cana de açúcar e da soja. Maria Helena M. Rocha Lima Nilo da Silva Teixeira Introdução Quais os fatores

Leia mais

Boletim de Comércio Exterior da Bahia Março 2015

Boletim de Comércio Exterior da Bahia Março 2015 ISSN 2179-8745 Boletim de Comércio Exterior da Bahia Março 2015 Sumário SUMÁRIO Governo do Estado da Bahia Rui Costa Secretaria do Planejamento João Leão Superintendência de Estudos Econômicos e Sociais

Leia mais

Energia Nuclear: oportunidades, riscos e desafios

Energia Nuclear: oportunidades, riscos e desafios Energia Nuclear: oportunidades, riscos e desafios Por: Drausio Atalla DATA Energia Elétrica é fator fundamental para o desenvolvimento e melhoria da qualidade de vida que somente ocorrerá no Brasil se

Leia mais

PROJETO DE FORTALECIMENTO TECNOLÓGICO DO APL DE CAL E CALCÁRIO DO PARANÁ

PROJETO DE FORTALECIMENTO TECNOLÓGICO DO APL DE CAL E CALCÁRIO DO PARANÁ PROJETO DE FORTALECIMENTO TECNOLÓGICO DO APL DE CAL E CALCÁRIO DO PARANÁ Onde estamos?? Quem somos?? Número de indústrias de Cal e Calcário: 95. Principais Municípios integrantes do APL: Colombo, Rio Branco

Leia mais

PLATAFORMA LOGÍSTICA MULTIMODAL DA REGIÃO METROPOLITANA DE

PLATAFORMA LOGÍSTICA MULTIMODAL DA REGIÃO METROPOLITANA DE Fórum Nacional de Logística Belo Horizonte, 09 de novembro de 2011 PLATAFORMA LOGÍSTICA MULTIMODAL DA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE: DESAFIOS E OPORTUNIDADES Paula de Medeiros Andrade Secretaria

Leia mais

Saneamento: oportunidades e ações para a universalização

Saneamento: oportunidades e ações para a universalização Saneamento: oportunidades e ações para a universalização Rodrigo Sarmento Garcia Especialista de Políticas e Indústria Gerência Executiva de Infraestrutura Brasília, 03 de outubro de 2014 Sumário da apresentação:

Leia mais

5º Congresso Fluminense de Municípios & I Encontro Regional Edição Sudeste

5º Congresso Fluminense de Municípios & I Encontro Regional Edição Sudeste MACUCO SÃO SEBASTIÃO DO ALTO FRIBURGO CACHOEIRAS DE MACACU SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, ENERGIA, INDÚSTRIA E SERVIÇOS BARRA MANSA RIO CLARO BARRA DO PIRAÍ VALENÇA 5º Congresso Fluminense de

Leia mais

(TIMBRE DA EMPRESA) INFORMAÇÕES BÁSICAS DA EMPRESA. Município: Estado: Telefone: Data de Fundação: Inscrição Estadual: CNPJ /MF: Em Constituição

(TIMBRE DA EMPRESA) INFORMAÇÕES BÁSICAS DA EMPRESA. Município: Estado: Telefone: Data de Fundação: Inscrição Estadual: CNPJ /MF: Em Constituição 1.*Empresa: Nome Empresarial: INFORMAÇÕES BÁSICAS DA EMPRESA Nome de Fantasia: Nome para Contato: E-mail para Contato: Contato Comercial ou Assessoria de Imprensa Endereço: Tel. Fixo: Celular: Tel. fixo:

Leia mais

IX SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE LOGISTICA SECRETARIA DE PORTOS DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SEP/PR

IX SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE LOGISTICA SECRETARIA DE PORTOS DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SEP/PR IX SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE LOGISTICA SECRETARIA DE PORTOS DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SEP/PR Setor Portuário Brasileiro Estimativa do aumento da Movimentação nos Portos (em milhões de toneladas) 2.400

Leia mais

Ceará: Resultados do Produto 9 Interno Bruto (PIB) 2008

Ceará: Resultados do Produto 9 Interno Bruto (PIB) 2008 GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DE PLANEJAMENTO E GESTÃO (SEPLAG) INSTITUTO DE PESQUISA E ESTRATÉGIA ECONÔMICA DO CEARÁ (IPECE) Ceará: Resultados do Produto 9 Interno Bruto (PIB) 2008 1. ECONOMIA

Leia mais

A logística para exportação de frutas do Brasil e do Chile

A logística para exportação de frutas do Brasil e do Chile Comparativo A logística para exportação de frutas do Brasil e do Chile Rufino Fernando Flores Cantillano* Goiabas em embalagens de feijoa: específicas para o transporte a longa distância A logística de

Leia mais

48º Congresso Brasileiro de Olericultura

48º Congresso Brasileiro de Olericultura Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento 48º Congresso Brasileiro de Olericultura Lei dos agrotóxicos e implicações em minor crops Dr. Débora Maria Rodrigues Cruz Maringá, 29 de julho de 2008

Leia mais

São os seguintes os produtos previstos para serem movimentados nas instalações do Terminal:

São os seguintes os produtos previstos para serem movimentados nas instalações do Terminal: PORTO DE PECEM. Trata-se de um terminal marítimo concebido para propiciar operações portuárias eficientes, tornando-o altamente competitivo com acessos rodoviários e ferroviários livres e independentes

Leia mais

Prospecção de demanda de trabalhadores para a infraestrutura

Prospecção de demanda de trabalhadores para a infraestrutura 1 Associação Brasileira da Infraestrutura e Indústrias de Base Prospecção de demanda de trabalhadores para a infraestrutura Colóquio Tendências e Desafios da Formação de Trabalhadores para o Desenvolvimento

Leia mais

Plano BrasilMaior 2011/2014. Inovar para competir. Competir para crescer.

Plano BrasilMaior 2011/2014. Inovar para competir. Competir para crescer. Plano BrasilMaior 2011/2014 Inovar para competir. Competir para crescer. Foco e Prioridades Contexto Dimensões do Plano Brasil Maior Estrutura de Governança Principais Medidas Objetivos Estratégicos e

Leia mais

FATORES CRÍTICOS À COMPETITIVIDADE DA SOJA NO PARANÁ E NO MATO GROSSO

FATORES CRÍTICOS À COMPETITIVIDADE DA SOJA NO PARANÁ E NO MATO GROSSO FATORES CRÍTICOS À COMPETITIVIDADE DA SOJA NO PARANÁ E NO MATO GROSSO Por: Carlos Eduardo Cruz Tavares 1 São várias as cadeias produtivas que constituem o complexo agroalimentar, destacando-se entre elas,

Leia mais

ARCELORMITTAL TUBARÃO AVALIAÇÃO SOCIO AMBIENTAL DO PROJETO DE EXPANSÃO. 5º Encontro Regional da ABM/ES VITÓRIA/ES

ARCELORMITTAL TUBARÃO AVALIAÇÃO SOCIO AMBIENTAL DO PROJETO DE EXPANSÃO. 5º Encontro Regional da ABM/ES VITÓRIA/ES ARCELORMITTAL TUBARÃO AVALIAÇÃO SOCIO AMBIENTAL DO PROJETO DE EXPANSÃO. 5º Encontro Regional da ABM/ES VITÓRIA/ES Fluxo de Produção novas unidades NOVA COQUERIA 850 700 Belgo 1735 5966 COQUERIA SINTERIZAÇÃO

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA

GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA SECRETARIA DE INFRA-ESTRUTURA SEINFRA RELATÓRIO DE GESTÃO EXERCÍCIO 2007 FEVEREIRO - 2008 SECRETARIA DE INFRA-ESTRUTURA ANTONIO CARLOS BATISTA NEVES Secretário de Infra-Estrutura

Leia mais

APIMEC SP. Mauro Dias Diretor Presidente e de Relações com Investidores. 8 de Agosto de 2007

APIMEC SP. Mauro Dias Diretor Presidente e de Relações com Investidores. 8 de Agosto de 2007 APIMEC SP Mauro Dias Diretor Presidente e de Relações com Investidores 8 de Agosto de 2007 1 Agenda A Log-In Logística Intermodal A Indústria Performance Estratégia 2 A Log-In Logística Intermodal 3 Único

Leia mais

Brasil - Guiana. Projeto de Integração

Brasil - Guiana. Projeto de Integração Brasil - Guiana Projeto de Integração Eduardo Pires Ferreira Novembro 2002 Objetivo Inserir o norte do Brasil e a Guiana no cenário internacional, através da integração regional e, como conseqüência: -

Leia mais

FNDE Compras Governamentais: Cadernos Escolares e Livros Didáticos NOVEMBRO 2013

FNDE Compras Governamentais: Cadernos Escolares e Livros Didáticos NOVEMBRO 2013 FNDE Compras Governamentais: Cadernos Escolares e Livros Didáticos NOVEMBRO 2013 APRESENTAÇÃO ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DA INDÚSTRIA GRÁFICA Fundada em 1965; Conta com 22 ABIGRAFs Regionais instaladas no país;

Leia mais

Comércio Exterior Cearense Fevereiro de 2012

Comércio Exterior Cearense Fevereiro de 2012 Enfoque Econômico é uma publicação do IPECE que tem por objetivo fornecer informações de forma imediata sobre políticas econômicas, estudos e pesquisas de interesse da população cearense. Por esse instrumento

Leia mais

Porto de Fortaleza. O desenvolvimento do Ceará passa por aqui

Porto de Fortaleza. O desenvolvimento do Ceará passa por aqui Porto de Fortaleza O desenvolvimento do Ceará passa por aqui O Porto de Fortaleza: porto de múltiplo uso Navios de Carga Geral / Navios Roll-on e Roll-off Navios Porta-Contêineres Navios de Passageiros

Leia mais

FACT-SHEET. Cana-de-Açúcar, Milho e Soja. Programa Agricultura e Meio Ambiente. WWF - Brasil

FACT-SHEET. Cana-de-Açúcar, Milho e Soja. Programa Agricultura e Meio Ambiente. WWF - Brasil FACT-SHEET Cana-de-Açúcar, Milho e Soja Programa Agricultura e Meio Ambiente WWF - Brasília Março 28 WWF- Secretaria Geral Denise Hamú Superintendência de Conservação de Programas Temáticos Carlos Alberto

Leia mais

INDÚSTRIA NACIONAL DE MATÉRIAS-PRIMAS PARA FERTILIZANTES. Investimentos : 2012-2017 2012-2017

INDÚSTRIA NACIONAL DE MATÉRIAS-PRIMAS PARA FERTILIZANTES. Investimentos : 2012-2017 2012-2017 INDÚSTRIA NACIONAL DE MATÉRIAS-PRIMAS PARA FERTILIZANTES Investimentos : 2012-2017 2012-2017 27/agosto/2012 Apresentação Luiz Antonio Veiga Mesquita José Emilio Nico Paulo Virgínio Teixeira de Lucena Nelson

Leia mais

Exportação de Serviços de Engenharia 29/05/2014

Exportação de Serviços de Engenharia 29/05/2014 Exportação de Serviços de Engenharia 29/05/2014 Exportação de serviços de engenharia Benefícios para o Brasil Mercado Internacional Mecanismos de Apoio Oficial Propostas Índice O QUE SÃO OS SERVIÇOS DE

Leia mais

Superintendência de Desenvolvimento Industrial Setembro, 2011

Superintendência de Desenvolvimento Industrial Setembro, 2011 Integração de Cadeias Produtivas Superintendência de Desenvolvimento Industrial Setembro, 2011 Agenda 1. Crescimento do Mercado Consumidor e Ascensão da Classe Média 1. Áreas de Investimento e Adensamento

Leia mais

EMPRESAS ESTATAIS FEDERAIS ORÇAMENTO DE INVESTIMENTO - 2006

EMPRESAS ESTATAIS FEDERAIS ORÇAMENTO DE INVESTIMENTO - 2006 Discriminação por Função PLOA Participação % Energia 37.212 89,2 Comércio e Serviços 2.969 7,1 Comunicações 632 1,5 Transporte 453 1,1 Indústria 269 0,6 Previdência Social 150 0,4 Agricultura 11 0,0 Total

Leia mais

CSP: III EIMO 2012. Marcelo M. Baltazar 30 novembro de 2012

CSP: III EIMO 2012. Marcelo M. Baltazar 30 novembro de 2012 CSP: III EIMO 2012 Marcelo M. Baltazar 30 novembro de 2012 Quem somos? Acionistas: Vale, Dongkuk e Posco, com 50%, 30% e 20%, respectivamente Somos a primeira usina siderúrgica integrada da Região Nordeste

Leia mais

A Ibá e o Setor de Florestas Plantadas

A Ibá e o Setor de Florestas Plantadas A Ibá e o Setor de Florestas Plantadas Beatriz P. Milliet Câmara Temática de Infraestrutura e Logística do Agronegócio Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento 30 de setembro- 2015 1 1 A Ibá

Leia mais

TÍTULO: ANALISE DA COMPETITIVIDADE BRASILEIRA NO MERCADO DO AÇO INOXIDÁVEL

TÍTULO: ANALISE DA COMPETITIVIDADE BRASILEIRA NO MERCADO DO AÇO INOXIDÁVEL TÍTULO: ANALISE DA COMPETITIVIDADE BRASILEIRA NO MERCADO DO AÇO INOXIDÁVEL CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE TECNOLOGIA ZONA LESTE AUTOR(ES):

Leia mais

As aju MARÇO DE 2005

As aju MARÇO DE 2005 MARÇO DE 2005 As aju Projeto: Modernização da Cajucultura no Ceará Coordenação: SEBRAE/CE Sistema FAEC / SENAR 2 Parceiros: GOVERNO DO ESTADO SEAGRI/EMATERCE SECITECE/INSTITUTO CENTEC PREFEITURAS MUNICIPAIS

Leia mais

Brasil-China no Século XXI

Brasil-China no Século XXI Brasil-China no Século XXI Pespectivas para uma Parceria de Sucesso Gabriel Stoliar Diretor Executivo de Planejamento e Gestão Abril 2004 1 A progressão da economia chinesa é um dos fenômenos deste início

Leia mais

A Segurança Alimentar num país de 200 milhões de habitantes. Moisés Pinto Gomes Presidente do ICNA

A Segurança Alimentar num país de 200 milhões de habitantes. Moisés Pinto Gomes Presidente do ICNA A Segurança Alimentar num país de 200 milhões de habitantes Moisés Pinto Gomes Presidente do ICNA O uso da terra no Brasil Evolução das Áreas de Produção Milhões de hectares 1960 1975 1985 1995 2006 Var.

Leia mais

ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DE FLORES NA SERRA DA IBIAPABA 1

ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DE FLORES NA SERRA DA IBIAPABA 1 ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DE FLORES NA SERRA DA IBIAPABA 1 1. Caracterização do APL: O APL Flores da Ibiapaba caracteriza-se por sua distribuição regional, onde as unidades produtivas encontram-se localizadas

Leia mais

Oportunidades e Restrições ao uso da Energia Eólica no Brasil

Oportunidades e Restrições ao uso da Energia Eólica no Brasil Oportunidades e Restrições ao uso da Energia Eólica no Brasil Trabalho de Conclusão de Curso apresentado à Fundação Instituto de Administração, como requisito parcial para a conclusão do curso MBA Executivo

Leia mais

ANEXO (Portaria Interministerial MCT/MDIC nº 291, de 07.05.2008)

ANEXO (Portaria Interministerial MCT/MDIC nº 291, de 07.05.2008) ANEXO (Portaria Interministerial MCT/MDIC nº 291, de 07.05.2008) ROTEIRO PARA APRESENTAÇÃO DAS PROPOSTAS DE PROJETO LEI Nº 11.484/2007 CAPÍTULO II PATVD I INTRODUÇÃO O presente roteiro orienta a elaboração

Leia mais

O Brasil no século XXI. Desafios Estratégicos para o Brasil em 2022

O Brasil no século XXI. Desafios Estratégicos para o Brasil em 2022 O Brasil no século XXI Desafios Estratégicos para o Brasil em 2022 Construir o Brasil do século XXI Reduzir as Vulnerabilidades Externas; Enfrentar as desigualdades; Realizar as potencialidades; Construir

Leia mais

PERFIL CORPORATIVO. DAVID DA SILVA, 37 anos, supervisor de equipamentos, acompanhou o primeiro navio a atracar no Terminal. Perfil Corporativo

PERFIL CORPORATIVO. DAVID DA SILVA, 37 anos, supervisor de equipamentos, acompanhou o primeiro navio a atracar no Terminal. Perfil Corporativo PERFIL CORPORATIVO A Portonave é um terminal diferenciado pelos seus equipamentos e pelas pessoas. A Companhia está onde está no cenário mundial devido às pessoas que trabalham aqui. Eu tenho orgulho de

Leia mais

Plano Brasil Maior 2011/2014. Inovar para competir. Competir para crescer.

Plano Brasil Maior 2011/2014. Inovar para competir. Competir para crescer. Plano Brasil Maior 2011/2014 Inovar para competir. Competir para crescer. Foco e Prioridades Contexto Dimensões do Plano Brasil Maior Estrutura de Governança Principais Medidas Objetivos Estratégicos e

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2016

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2016 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2016 Institui a Política de Desenvolvimento Sustentável da Caatinga. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º Esta Lei institui a Política de Desenvolvimento Sustentável da

Leia mais

XCIX Reunião Ordinária Andifes

XCIX Reunião Ordinária Andifes XCIX Reunião Ordinária Andifes Aloizio Mercadante Ministro de Estado da Ciência e Tecnologia Brasília, 24 de março de 2011 O Desenvolvimento Brasileiro: Perspectiva Histórica Taxas Médias do Crescimento

Leia mais

O Agronegócio Mundial e Brasileiro

O Agronegócio Mundial e Brasileiro O Agronegócio Mundial e Brasileiro Eugênio Stefanelo Segundo Porter, você é competitivo quando tem um desempenho em longo prazo acima da média dos concorrentes. O agronegócio, que engloba as operações

Leia mais

Potencialidades com os portos Africanos Seminário Plataformas Logísticas Ibéricas, 9 Novembro de 2010. Artur Alves

Potencialidades com os portos Africanos Seminário Plataformas Logísticas Ibéricas, 9 Novembro de 2010. Artur Alves Potencialidades com os portos Africanos Seminário Plataformas Logísticas Ibéricas, 9 Novembro de 2010 Artur Alves Enquadramento A rede de países da CPLP apresenta um conjunto de valências, que exploradas

Leia mais

QUADRO DO SETOR ALIMENTAR EM SANTA CATARINA 1. PANORAMA DO SETOR DE ALIMENTOS EM SANTA CATARINA

QUADRO DO SETOR ALIMENTAR EM SANTA CATARINA 1. PANORAMA DO SETOR DE ALIMENTOS EM SANTA CATARINA Câmara Italiana de Comércio e Indústria de Santa Catarina (Órgão reconhecido pelo Governo Italiano Decreto Mise29/7/2009) Tel.: +55 48 3027 2710 / Fax: +55 48 3222 2898 www.brasileitalia.com.br info@brasileitalia.com.br

Leia mais

Sistema Fiero/Centro Internacional de Negócios. China e suas potencialidades comerciais

Sistema Fiero/Centro Internacional de Negócios. China e suas potencialidades comerciais Sistema Fiero/Centro Internacional de Negócios China e suas potencialidades comerciais A China será a maior economia do mundo. A dúvida é quando: em 2015, 2020, 2025? 23 4 5 2 . Comércio BR-CN, 2000-2010:

Leia mais

ANÁLISE DAS EMPRESAS EXPORTADORAS E IMPORTADORAS DO CEARÁ EM 2012

ANÁLISE DAS EMPRESAS EXPORTADORAS E IMPORTADORAS DO CEARÁ EM 2012 ANÁLISE DAS EMPRESAS EXPORTADORAS E IMPORTADORAS DO CEARÁ EM 2012 ANÁLISE DAS EMPRESAS EXPORTADORAS E IMPORTADORAS DO CEARÁ EM 2013 ANÁLISE DAS EMPRESAS EXPORT. E IMPORT. DO CEARÁ ANÁLISE DAS EMPRESAS

Leia mais

POWER FUTURE PROINFA: POLÍTICA PÚBLICA DE ENERGIA RENOVÁVEL LAURA PORTO

POWER FUTURE PROINFA: POLÍTICA PÚBLICA DE ENERGIA RENOVÁVEL LAURA PORTO POWER FUTURE PROINFA: POLÍTICA PÚBLICA DE ENERGIA RENOVÁVEL LAURA PORTO Diretora do Departamento de Desenvolvimento Energético Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Energético Fortaleza, 18 de setembro

Leia mais

Seminário Transporte para o Comércio e Integração Regional. CNI-BID Brasília-DF, 01/10/08. Logística Integrada André Ravara

Seminário Transporte para o Comércio e Integração Regional. CNI-BID Brasília-DF, 01/10/08. Logística Integrada André Ravara Seminário Transporte para o Comércio e Integração Regional CNI-BID Brasília-DF, 01/10/08 Logística Integrada André Ravara A Vale Milhares de empregados da Vale participam intensamente do dia-a-dia de mais

Leia mais

INDICADORES ECONÔMICO-FISCAIS

INDICADORES ECONÔMICO-FISCAIS GOVERNO DO ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA - SEF DIRETORIA DE PLANEJAMENTO ORÇAMENTÁRIO DIOR NOTA EXPLICATIVA: A DIOR não é a fonte primária das informações disponibilizadas neste

Leia mais

Centro Internacional de Negócios - CIN 03/09/2014. Parceiros do CIN

Centro Internacional de Negócios - CIN 03/09/2014. Parceiros do CIN Centro Internacional de Negócios - CIN 03/09/2014 Parceiros do CIN CONSELHO TEMÁTICO DE COOPERAÇÃO NTERNACIONAL Negociações internacionais. Incentivar novos exportadores. Legislação internacional. Logística

Leia mais

Ministério dos Transportes PNLT - Plano Nacional de Logística e Transportes Portfólio dos Projetos por Unidades da Federação - Versão 2011 Ceará

Ministério dos Transportes PNLT - Plano Nacional de Logística e Transportes Portfólio dos Projetos por Unidades da Federação - Versão 2011 Ceará Ministério dos s PNLT - Plano Nacional de Logística e s Carirí (Juazeiro do Norte) - Infraero Carirí (Juazeiro do Norte) - Infraero Construção Não Planejado 3.510 N.A. Pós 2015 Aeroviário Ferroviário Fortaleza/

Leia mais

Perspectivas da Indústria Nacional de Celulose e Papel

Perspectivas da Indústria Nacional de Celulose e Papel 35º. Fórum ANAVE Perspectivas da Indústria Nacional de Celulose e Papel Simone Nagai 9 de novembro, 2010 Temas: O Setor Base Florestal Contribuição Social e Ambiental Investimentos e Perspectivas 2 Desempenho

Leia mais

Análise dos investimentos industriais previstos para a Bahia por Territórios de Identidade e setores de atividade econômica entre 2008 e 2012

Análise dos investimentos industriais previstos para a Bahia por Territórios de Identidade e setores de atividade econômica entre 2008 e 2012 ARTIGOS Análise dos investimentos industriais previstos para a Bahia por Territórios de Identidade e setores de atividade econômica entre 2008 e 2012 Fabiana Karine S. Andrade* Os investimentos industriais

Leia mais

Os megaeventos são caracterizados pela grandiosidade em termos de público, fluxo

Os megaeventos são caracterizados pela grandiosidade em termos de público, fluxo AS CONQUISTAS DO BRASIL COM O MEGA EVENTO - COPA DO MUNDO DE FUTEBOL 2014 CONCEITO Os megaeventos são caracterizados pela grandiosidade em termos de público, fluxo turístico, cobertura pela mídia, construção

Leia mais

SIDERURGIA MUNDIAL. » O Grupo Arcelor Mittal é o maior produtor mundial, com um volume que representa mais do dobro da produção do segundo colocado;

SIDERURGIA MUNDIAL. » O Grupo Arcelor Mittal é o maior produtor mundial, com um volume que representa mais do dobro da produção do segundo colocado; Siderurgia 9 SIDERURGIA MUNDIAL» A produção siderúrgica mundial cresceu 32% entre 24 e 21;» O Grupo Arcelor Mittal é o maior produtor mundial, com um volume que representa mais do dobro da produção do

Leia mais

CNM Internacional. Campinas 26 de maio.

CNM Internacional. Campinas 26 de maio. CNM Internacional Campinas 26 de maio. O que é a CNM Internacional? A área da Confederação Nacional de Municípios responsável por promover a inserção internacional dos municípios brasileiros. Lançada em

Leia mais

Seminário Logística e Infraestrutura APIMEC-RIO

Seminário Logística e Infraestrutura APIMEC-RIO Seminário Logística e Infraestrutura APIMEC-RIO Os investimentos da Logística de Carga Geral da Vale Fabiano Lorenzi Rio de Janeiro RJ, 30/05/12 A Vale tem operações mineradoras, laboratórios de pesquisa,

Leia mais

31º ENCONTRO NACIONAL DE COMÉRCIO EXTERIOR - ENAEX EXPORTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ENGENHARIA: MITOS E VERDADES

31º ENCONTRO NACIONAL DE COMÉRCIO EXTERIOR - ENAEX EXPORTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ENGENHARIA: MITOS E VERDADES 31º ENCONTRO NACIONAL DE COMÉRCIO EXTERIOR - ENAEX PALESTRA EXPORTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ENGENHARIA: MITOS E VERDADES JOSÉ AUGUSTO DE CASTRO Rio de Janeiro, 27 de Setembro de 2012 2 DEFINIÇÃO DE SERVIÇOS

Leia mais

Cimento no Brasil José Otavio Carvalho

Cimento no Brasil José Otavio Carvalho Cimento no Brasil Presidente Cimento O cimento é um aglomerante hidráulico obtido pela moagem de clínquer portland ao qual se adiciona, durante a operação, a quantidade necessária de uma ou mais formas

Leia mais

{ 2 } Parque Tecnológico Capital Digital

{ 2 } Parque Tecnológico Capital Digital { 2 } Parque Tecnológico Capital Digital { 3 } 1. INTRODUÇÃO: PARQUE TECNOLÓGICO CAPITAL DIGITAL - PTCD Principal polo de desenvolvimento Científico, Tecnológico e de Inovação do Distrito Federal, o PTCD

Leia mais

Os rumos dos investimentos. da infraestrutura. 17 nov 2006

Os rumos dos investimentos. da infraestrutura. 17 nov 2006 17 nov 2006 Nº 20 Os rumos dos investimentos em infra-estrutura Por Ernani Teixeira Torres Filho e Fernando Pimentel Puga Superintendente da Secr. Assuntos Econômicos e assessor da presidência A pesquisa

Leia mais

A Mineração e a. Política Nacional de Mudança do Clima

A Mineração e a. Política Nacional de Mudança do Clima Secretaria de Geologia, A e a Política Nacional de Mudança do Clima Departamento de Desenvolvimento Sustentável na Secretaria de Geologia, Ministério das Minas e Energia Secretaria de Geologia, SUMÁRIO

Leia mais

BALANÇO ENERGÉTICO NACIONAL

BALANÇO ENERGÉTICO NACIONAL BALANÇO ENERGÉTICO NACIONAL 2012 I Resultados Preliminares I ano base 2011 Ministério de Minas e Energia BALANÇO ENERGÉTICO NACIONAL 2012 I Resultados Preliminares I ano base 2011 Editoração Grupojam

Leia mais

BALANÇO DO TRANSPORTE FERROVIÁRIO DE CARGAS NO BRASIL DE 2012

BALANÇO DO TRANSPORTE FERROVIÁRIO DE CARGAS NO BRASIL DE 2012 BALANÇO DO TRANSPORTE FERROVIÁRIO DE CARGAS NO BRASIL DE 2012 Rodrigo Vilaça Presidente-Executivo da ANTF São Paulo, 03 de Abril de 2013 Malhas Sul, Oeste, Norte e Paulista www.all-logistica.com Ferrovia

Leia mais

Workshop Oportunidades de Desenvolvimento e Inovação em Mineração e Metais

Workshop Oportunidades de Desenvolvimento e Inovação em Mineração e Metais Workshop Oportunidades de Desenvolvimento e Inovação em Mineração e Metais 27 de Outubro de 2015 Local: Finep - Av. República do Chile, 330, 10º andar - Centro, Rio de Janeiro RJ IBRAM-Instituto Brasileiro

Leia mais

Programa de Investimento em Logística

Programa de Investimento em Logística Programa de Investimento em Logística HÉLIO MAURO FRANÇA Empresa de Planejamento e Logística Logística e Desenvolvimento Econômico Imperativos para o desenvolvimento acelerado e sustentável: Ampla e moderna

Leia mais

4/11/2010 MODERNIZAÇÃO E EXPANSÃO DO TERMINAL ATÉ 2016 1

4/11/2010 MODERNIZAÇÃO E EXPANSÃO DO TERMINAL ATÉ 2016 1 MODERNIZAÇÃO E EXPANSÃO DO TERMINAL ATÉ 2016 1 AQUISIÇÃO DE 01 SCANNER MAIOR EFICIÊNCIA E SEGURANÇA NO PROCESSO DE INSPEÇÃO DOS CONTEINERS. VALOR ESTIMADO: R$ 7,0 MILHÕES BLOCO DE UTILIDADES E SERVIÇOS

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 417, DE 27 DE MARÇO DE 1998

RESOLUÇÃO Nº 417, DE 27 DE MARÇO DE 1998 RESOLUÇÃO Nº 417, DE 27 DE MARÇO DE 1998 Dispõe sobre as empresas industriais enquadráveis nos Artigos 59 e 60 da Lei n.º 5.194/66. O CONSELHO FEDERAL DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E AGRONOMIA, no uso das

Leia mais

Os desafios do agronegócio paulista e brasileiro

Os desafios do agronegócio paulista e brasileiro Os desafios do agronegócio paulista e brasileiro O agronegócio brasileiro Setor estratégico para a economia brasileira, grande motor do seu desempenho Representa 23% do PIB brasileiro Responde por 40%

Leia mais