Este artigo reúne resultados de uma pesquisa de doutorado sobre o. Apresentação. Viviane Ramalho

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Este artigo reúne resultados de uma pesquisa de doutorado sobre o. Apresentação. Viviane Ramalho"

Transcrição

1 Cadernos de Letras da UFF Dossiê: Letras, linguística e suas interfaces n o 40, p , UMA LEITURA CRÍTICA DA INTERDISCURSIVIDADE: O CASO DA PUBLICIDADE DE MEDICAMENTO Viviane Ramalho RESUMO Neste artigo investigamos sentidos potencialmente ideológicos na publicidade de medicamentos brasileira. O objetivo é problematizar o papel do discurso na sustentação de relações assimétricas de poder na modernidade tardia. Com base em pressupostos teórico-metodológicos da Análise de Discurso Crítica (Chouliaraki & Fairclough, 1999; Fairclough, 2001, 2003), mapeamos conexões entre aspectos semióticos e não semióticos do problema social investigado. Apresentação PALAVRAS-CHAVE: discurso; ideologia; interdiscursividade. Este artigo reúne resultados de uma pesquisa de doutorado sobre o discurso da publicidade de medicamentos brasileira (RAMALHO, 2008) 1. Nessa pesquisa, investigamos sentidos ideológicos em textos publicitários com o objetivo de problematizar o papel do discurso na sustentação de um grave problema social, amplamente discutido na atualidade, que pressupõe relações assimétricas de poder, sobretudo entre leigos e peritos. Os principais pressupostos teórico-metodológicos utilizados na pesquisa e abordados aqui provêm da Análise de Discurso Crítica (ADC) de vertente 1 RAMALHO, Viviane. Discurso e ideologia na propaganda de medicamentos: um estudo crítico sobre mudanças sociais e discursivas. Tese de doutorado. Universidade de Brasília. Programa de Pós-Graduação em Linguística, 2008.

2 118 Ramalho, Viviane. Uma leitura crítica da interdiscursividade: o caso da publicidade de medicamento britânica (Chouliaraki & Fairclough, 1999; Fairclough, 2001, 2003) 2. Para esta corrente de estudos, linguagem e sociedade são indissociáveis e mantêm ligações dialéticas, de modo que questões sociais são vistas como, em parte, questões de linguagem, e vice-versa. Com base nessa abordagem científica, investigamos conexões entre aspectos sociais e discursivos envolvidos no problema da promoção comercial de medicamentos. De modo geral, na parte mais social do estudo, pesquisamos aspectos da história da propaganda de medicamentos no Brasil; da instauração de problemas de saúde ligados à promoção de medicamentos; das políticas de controle da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), e outras características e instituições relacionadas à sociedade de consumo. Na análise discursiva, trabalhamos com um corpus documental composto por exemplares de anúncios impressos de medicamento, produzidos de 1920 a Para apresentar resultados dessa pesquisa, sobretudo no que concerne à questão da interdiscursividade, organizamos o presente artigo em três seções principais. Na primeira seção, comentamos brevemente a proposta científica da Análise de Discurso Crítica. Na segunda, contextualizamos o problema social da promoção de medicamentos e, na terceira seção, apresentamos uma análise sucinta de um dos textos estudados na pesquisa, intitulado, aqui, de Sexo seguro na vida adulta. Por fim, tecemos algumas considerações sobre a potencialidade do discurso da publicidade de medicamentos para sustentar anseios relacionados ao que hoje se entende por saúde e, também, enfatizamos a necessidade de um olhar interdisciplinar nos estudos em Linguística. 1. Linguagem e poder: a Análise de Discurso Crítica As diversas correntes de estudos do discurso, que começaram a se consolidar em meados de 1960, têm em comum a preocupação com o uso da linguagem sócio-historicamente situado e relacionado a questões de poder. Diferem-se, sobretudo, pelas perspectivas (sociológicas, filosóficas, epistemo- 2 CHOULIARAKI, Lilie & FAIRCLOUGH, Norman. Discourse in late modernity: rethinking Critical Discourse Analysis. Edinbourg: Edinbourg University, FAIRCLOUGH, Norman. Discurso e mudança social. Trad./Org. Izabel Magalhães. Brasília: Universidade de Brasília, FAIRCLOUGH, Norman. Analysing discourse: textual analysis for social research. London; New York: Routledge

3 Cadernos de Letras da UFF Dossiê: Letras, linguística e suas interfaces n o 40, p , lógicas) que as orientam. A vertente britânica de Análise de Discurso Crítica, que fundamenta este trabalho, é uma proposta de abordagem científica para estudo de problemas sociais parcialmente discursivos. Seu compromisso está em investigar criticamente como a desigualdade social é expressa, sinalizada, constituída, legitimada pelo uso do discurso (WODAK, 2004: 225) 3. A proposta insere-se na tradição da ciência social crítica, comprometida em oferecer suporte científico para questionamentos de problemas sociais relacionados a poder e justiça. Como ciência crítica, a ADC está preocupada com efeitos ideológicos, voltados para projetos particulares de dominação, que (sentidos de) textos possam ter sobre relações sociais, ações e interações, conhecimentos, crenças, atitudes, valores, identidades (FAIRCLOUGH, 2003; THOMPSON, 2002) 4. Fundamentada no Realismo Crítico de Bhaskar (1989) 5, a ADC concebe o mundo como um sistema aberto, em constante mudança, constituído por diferentes domínios e diferentes estratos. Os estratos físico, biológico, social, semiótico etc. possuem estruturas distintivas e mecanismos gerativos que operam simultaneamente com seus poderes causais, gerando efeitos nos outros domínios (RAMALHO, 2009a) 6. Nesses princípios, assenta-se a compreensão de que o discurso tem efeitos na vida social, que não podem ser suficientemente investigados levando-se em consideração apenas o aspecto discursivo de práticas sociais. De acordo com Chouliaraki & Fairclough (1999: 67), a lógica da análise crítica é relacional/dialética, orientada para mostrar como o momento discursivo trabalha na prática social, do ponto de vista de seus efeitos em lutas hegemônicas e 3 WODAK, Ruth. Do que trata a ACD um resumo de sua história, conceitos importantes e seus desenvolvimentos. Linguagem em (Dis)curso. CALDAS-COULTHARD, C. R. & Figueiredo, D. de C. (Orgs.) Análise Crítica do Discurso, 4: esp., 2004, p THOMPSON, John B. Ideologia e cultura moderna: teoria social crítica na era dos meios de comunicação de massa. Trad. (coord.) Pedrinho A. Guareschi. Petrópolis: Vozes, BHASKAR, Roy. The possibility of Naturalism: a philosophical critique of the contemporary Human Sciences. Hemel Hempstead: Harvester Wheatsheaf, RAMALHO, Viviane. Análise de Discurso e Realismo Crítico: princípios para uma abordagem crítica explanatória do discurso. In: Anais da XII Conferência Anual da IACR - International Association for Critical Realism. Realismo e emancipação humana. Um outro mundo é possível? Universidade Federal Fluminense (UFF), Niterói/RJ. CD ROM v. XII (s.p.). Disponível em: Acesso em 30 set

4 120 Ramalho, Viviane. Uma leitura crítica da interdiscursividade: o caso da publicidade de medicamento relações de dominação. O foco dessa abordagem relacional/dialética, igualmente informado pela ciência social crítica, está nas práticas sociais, isto é, no nível em que entendemos a linguagem como interação social, como discurso. Nas práticas sociais cotidianas, utilizamos o discurso de três principais maneiras simultâneas: para agir e interagir, para representar aspectos do mundo e para identificar a si mesmo e aos outros. Essas principais maneiras como o discurso figura simultânea e dialeticamente em práticas sociais correlacionamse, conforme a ADC, aos três significados do discurso: acional/relacional, maneiras relativamente estáveis de agir e interagir na vida social; representacional, maneiras particulares de representar aspectos do mundo, de pontos de vista particulares; e identificacional, maneiras relativamente estáveis de identificar a si e aos outros. Essas maneiras relativamente estáveis de (inter-)agir, representar e identificar(-se) em práticas sociais internalizam traços de outros momentos não discursivos, assim como ajudam a constituir esses outros momentos. Segue-se que a relação linguagem-sociedade é interna e dialética; a linguagem constitui-se socialmente na mesma medida em que tem conseqüências e efeitos sociais, políticos, cognitivos, morais e materiais (FAIRCLOUGH, 2003: 14). Mais preocupante para esta perspectiva crítica da linguagem são os efeitos ideológicos que (sentidos de) textos possam ter sobre relações sociais, ações e interações, conhecimentos, crenças, atitudes, valores, identidades. Na esteira da ciência social crítica, ideologia aqui é um conceito inerentemente negativo, por se relacionar às maneiras como os sentidos servem para instaurar e sustentar relações de dominação. Se, conforme Fairclough (1989: 85) 7, a ideologia é mais efetiva quando sua ação é menos visível, o compromisso da ADC está em fornecer subsídios científicos para apontar e desvelar sentidos ideológicos, tendo em vista a possibilidade da superação de relações assimétricas de poder e emancipação daqueles que se encontram em desvantagem 8. Neste trabalho, a ADC fundamenta a investigação de representações, ou discursos, particulares que podem ser legitimadas em anúncios publicitários e, em determinadas práticas, inculcadas na identidade do/a consumidor/a de medicamento. 7 FAIRCLOUGH, Norman. Language and power. London: Longman, Sobre os processos metodológicos da ADC, ver RESENDE, Viviane de Melo & RAMA- LHO, Viviane. Análise de Discurso Crítica. São Paulo: Contexto, 2006.

5 Cadernos de Letras da UFF Dossiê: Letras, linguística e suas interfaces n o 40, p , Publicidade de medicamento: o discurso da perfeição em saúde No Brasil, o debate sobre os riscos da propaganda de medicamentos não é recente. As crescentes preocupações envolvem, por exemplo, os riscos da automedicação, das intoxicações, do consumo inadequado e exagerado de medicamentos. Tudo isso somado a desigualdades sociais e dificuldades de acesso a serviços e tratamentos de saúde, dentre outros problemas. A indústria de medicamentos está entre as mais lucrativas do mundo, e seu investimento em propaganda cerca de 35% da receita, conforme Angell (2007) 9 é muito maior do que em pesquisa e desenvolvimento de novos medicamentos. No Brasil, parte da população, por um lado, encontra-se desassistida de tratamentos e serviços de saúde, enquanto outra considerável parcela da sociedade é diariamente exposta a apelos comerciais que possuem potencial para, em práticas específicas, levar as pessoas ao consumo desnecessário e desmedido de medicamentos. Esses produtos farmacêuticos são representados na mídia como símbolos de saúde, materialização de um conceito que, hoje, significa a busca incessante pela expansão do potencial corporal e pela superação das naturais limitações humanas, conforme Bauman (2001) 10. Em 2005, quando iniciamos a pesquisa que deu origem a este trabalho, a propaganda de medicamentos reconhecida como causa de diversos problemas já estava, havia cinco anos, submetida a controle sanitário, ou seja, ao monitoramento de conteúdo pela Anvisa, amparada pela Resolução de Diretoria Colegiada n. 102, de 2000 (BRASIL, 2000) 11. Hoje, o que se verifica e se discute nacionalmente são as preocupantes novas maneiras de promover medicamentos na mídia sem chamar a atenção da vigilância sanitária e, consequentemente, sem se sujeitar a restrições impostas por esse mecanismo de regulação. A legislação atual (RDC 96/2008, ANVISA, 2008) 12 tenta acompanhar as mudanças discursivas, observadas na pesquisa, e estudiosos 9 ANGELL, Márcia. A verdade sobre os laboratórios farmacêuticos: como somos enganados e o que podemos fazer a respeito. Trad. Waldéa Barcellos. Rio de Janeiro: Record, BAUMAN, Z. Modernidade líquida. Trad. Plínio Dentzien. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, BRASIL. Resolução RDC nº 102, de 30 de novembro de Diário Oficial da União, Brasília, 1º dez ANVISA. Resolução RDC nº 96, de 17 de dezembro de Disponível em: anvisa.gov.br/leisref/public/showact.php?id=35664&word. Acesso em 15 abr

6 122 Ramalho, Viviane. Uma leitura crítica da interdiscursividade: o caso da publicidade de medicamento sanitaristas reiteram a necessidade de coibir este tipo de prática promocional, exacerbadamente lucrativo para alguns setores da economia e igualmente ameaçador para a sociedade em geral. A propaganda de medicamento ocupa papel central tanto na instauração e manutenção de indústrias nesse mercado, quanto na criação, sustentação e expansão de comunidades de consumidores, e o faz por meio do que Lefèvre (1991: 53) 13 denominou valor do medicamento como mercadoria simbólica, pelo qual a mercadoria-medicamento passa a incorporar, representar, simbolizar acesso mágico e imediato à saúde, em comprimidos, cápsulas, gotas. Como símbolo de saúde, um conceito que agrega valores socioculturais, o medicamento pode representar acesso mágico e imediato àquilo que o discurso hegemônico define como saudável. Hoje, a grande mídia representa a saúde não mais como um padrão mensurável, mas como um ideal inalcançável e pós-humano: na magreza extrema; nos estados alterados de excitação, velocidade, vigília, na juventude pretensamente eterna, e assim por diante (RAMALHO, 2008). Nesse contexto de generalização de ansiedades e inseguranças relacionadas ao corpo, a publicidade atua como principal meio de exploração do valor simbólico do medicamento. Tal qual propagandas de roupas, celulares, perfumes, a propaganda de medicamentos é um problema social porque, como observou Fairclough (1989: 203), a publicidade em geral contribui para construir posições submissas para consumidores, como membros de comunidades de consumo, de maneira a legitimar o capitalismo contemporâneo. Entretanto, diferentemente das primeiras, a propaganda de medicamentos é potencialmente mais nociva por posicionar o indivíduo como consumidor de medicamento e incitar anseios relacionados à saúde. Ainda assim, não raro encontramos na mídia ou mesmo nas ruas, como é o caso do texto analisado a seguir, propagandas implícitas, que simulam informação, mas, de fato, buscam promover medicamentos; muitas vezes produtos de venda sob prescrição médica, cuja promoção nos meios de comunicação em massa é proibida no Brasil. 13 LEFÈVRE, Fernando. O medicamento como mercadoria simbólica. São Paulo: Cortez, 1991.

7 Cadernos de Letras da UFF Dossiê: Letras, linguística e suas interfaces n o 40, p , Sexo seguro na vida adulta : aproximação analítica Como vimos, dados os reconhecidos riscos potenciais à saúde pública, as práticas promocionais/comerciais de medicamento são regulamentadas e fiscalizadas no Brasil desde A Anvisa é a instituição responsável pelo controle de certos apelos em propagandas de medicamentos de venda livre, ou, ainda, pela suspensão de propagandas vedadas ao público em geral, como de medicamentos de venda sob prescrição. Como resultado e também instrumento das mudanças sociais que inseriram a propaganda de medicamento na lista dos objetos controlados pela vigilância sanitária, verificamos mudanças discursivas na prática publicitária. Dentre essas mudanças, discutidas em Ramalho (2008, 2009b) 14, estão novas tecnologias discursivas, isto é, manipulações estratégicas da linguagem orientadas para projetos de dominação (FAIRCLOUGH, 2001). 3.1 Interdiscursividade e ideologia No texto em análise, essas tecnologias discursivas referem-se a manipulações estratégicas da linguagem capazes de dissimular propósitos promocionais em textos publicitários, de modo que alcancem o/a consumidor/a potencial como se fossem simples informações. Para ilustrar tais mudanças discursivas, apresentamos a seguir um dos textos do corpus de pesquisa: 14 RAMALHO, Viviane. Magra sem pesar no bolso : discurso e ideologia na propaganda de medicamentos. In: Silva, Denize Elena Garcia da; Leal, M. C. D.; Pacheco, M. C. N. (Org.) Discurso em questão: representação, gênero, identidade, discriminação. Goiânia: Cânone, 2009b, p

8 124 Ramalho, Viviane. Uma leitura crítica da interdiscursividade: o caso da publicidade de medicamento Figura 1 Sexo seguro na vida adulta Distribuição gratuita, O folheto reproduzido foi coletado em um espaço público, em Brasília/DF,

9 Cadernos de Letras da UFF Dossiê: Letras, linguística e suas interfaces n o 40, p , no ano de Nessa data, o controle sanitário sobre propaganda de medicamentos já estava consolidado e a Anvisa elaborava novo texto para atualização da RDC 102/2000. Transcorridos cinco anos de vigência do primeiro regulamento e diante de inovadas técnicas publicitárias não-ostensivas, a Anvisa apresentou, em 2005, nova proposta de regulamento, hoje já publicada na RDC 96/2008, para buscar acompanhar as mudanças operadas nos anúncios publicitários. Em termos linguístico-discursivos, tais novidades constituem mudanças baseadas na interdiscursividade, isto é, na hibridização de gêneros, discursos e estilos característicos de práticas sociais distintas. Embora convenções discursivas tenham estabilidade apenas relativa, podemos observar, no texto apresentado, hibridização de dois discursos principais: o de utilidade pública e o comercial/publicitário. Como alertam Chouliaraki & Fairclough (1999: 62) em uma perspectiva crítica, hibridismos discursivos não devem ser vistos apenas como uma questão textual, uma vez que podem constituir também estratégias de luta hegemônica. Hibridismos de gêneros podem servir, nessa perspectiva, para fins ideológicos, em virtude de implicar não apenas questões linguísticas, mas também questões relacionadas a poder e ideologia. Exigências socioculturais que apontem para a necessidade de atuar criativamente sobre convenções discursivas, como no caso das legislações (regras) que pesam sobre os anúncios de medicamentos, podem, dependendo de várias circunstâncias, redundar em mudanças no gênero, o que é parte de mudanças discursivas. Nos termos de Fairclough (2001: 128), A mudança (social) deixa traços nos textos na forma de coocorrência de elementos contraditórios ou inconsistentes mesclas de estilos formais e informais, vocabulários técnicos e não-técnicos, marcadores de autoridade e familiaridade (...). À medida que uma tendência particular de mudança discursiva se estabelece e se torna solidificada em uma nova convenção emergente, o que é percebido pelos intérpretes, num primeiro momento, como textos estilisticamente contraditórios perde o efeito de colcha de retalhos, passando a ser considerado inteiro.

10 126 Ramalho, Viviane. Uma leitura crítica da interdiscursividade: o caso da publicidade de medicamento A exemplo do texto que analisamos aqui, que constitui uma simulação de campanha de utilidade pública, na pesquisa mais ampla identificamos vários outros novos formatos de publicidade distribuídos para promover bens e serviços mas por meio do approach de serviço público, que, conforme Sampaio (2003: 184) 15, possibilita ensinar e divertir as pessoas enquanto vende o tempo todo e de modo quase subliminar. No caso da publicidade de medicamentos, tais formatos que possibilitam alcançar o/a consumidor/a potencial em situações de descontração, logo, mais suscetível têm, ainda, outra aplicabilidade. Permite, à medida que passam a ser recebidos como inteiros, promover produtos farmacêuticos pela simulação de serviço público ou campanha social, a exemplo do texto em tela, uma publicidade que se destina a promover um medicamento por meio de simulação de campanha de sexo seguro. O texto em análise ilustra um tipo de tecnologia discursiva utilizada para promover medicamentos no contexto de vigilância. Essa técnica da publicidade de recorrer a outros formatos, como a história em quadrinhos (HQ), para atrair a atenção do leitor é bastante conhecida e amplamente utilizada. No entanto, no caso do texto em foco, o uso das convenções da HQ parece não se limitar a atrair o/a consumidor/a potencial por meio de uma história, que diverte para vender. Essas finalidades são verificadas no texto, entretanto nele se observam algumas peculiaridades. Por exemplo, nas publicidades em geral, mesmo com formato de HQ, uma história é contada para vender explicitamente um produto, o que não ocorre com este texto, em que o produto que se promove não está explícito. Da mesma forma, como discutimos em Ramalho (2008), anúncios publicitários em geral apresentam um bem/serviço como meio para resolver uma carência, uma suposta necessidade. Aqui, a solução não é, ao menos explicitamente, uma mercadoria, mas sim supostas informações sobre sexo seguro. Seguindo Vestergaard & Schroder (1994) 15, notamos que esse texto, em confronto com anúncios tradicionais, apresenta apenas um dos três personagens mais convencionais de publicidades, qual seja, o consumidor potencial, representado por homens e mulheres maduros com vida sexual ativa. O anunciante e o produto, por sua vez, não figuram na narrativa. O primeiro 15 SAMPAIO, Rafael. Propaganda de A a Z. Rio de Janeiro: Elsevier, 2003.

11 Cadernos de Letras da UFF Dossiê: Letras, linguística e suas interfaces n o 40, p , só aparece no logotipo/assinatura ao final do texto, ao passo que o produto (medicamento Viagra) é apenas insinuado, e não referido explicitamente. Ainda, conforme a Gramática Visual de Kress & van Leeuwen (1996), podemos observar que no texto há poucas ações, gestos, movimentos corporais, entre os personagens da HQ. Não há especificamente ações materiais direcionadas a outros participantes, mas sim ações verbais, ações de dizer. Isso significa que, na composição da imagem, os participantes estão representados, principalmente, pela verbalização de seus conhecimentos, percepções, desejos, emoções, que apontam para crenças e valores particulares característicos de suas autoidentidades. As mensagens emitidas pelos personagens podem ser vistas como verbalização de crenças e valores implicados em identificações, tanto do mundo quanto dos próprios personagens. Esse também é o caso da linguagem verbal, em que os verbos conhecer, querer, gostar, adorar etc. concorrem para a caracterização dos personagens, predominantemente representados no texto segundo o que sabem, são, desejam, gostam. Tal seleção de processos contribui para construir o perfil do/a consumidor/a do medicamento anunciado veladamente. 3.2 Processos de identificação do/a novo/a consumidor/a de medicamentos Vários estudos sociais têm apontado uma mudança das práticas de consumo utilitaristas, próprias da sociedade industrial, para novas práticas fundadas num consumismo hedonista, voltado menos para suprir necessidades do que para satisfazer desejos, relacionados a prazer, bem-estar, felicidade, realização pessoal. É nessa perspectiva que, para Bauman (2001), o indivíduo não mais nasce em sua identidade. Precisa escolhê-la, o que muitas vezes equivale a ir às compras, sobretudo de viagens, vinhos, obras de arte, espetáculos. Essa descrição aproxima-se do posicionamento atribuído ao/à consumidor/a do medicamento anunciado no texto, que deveria buscar a expansão do potencial do corpo, como forma de autorrealização. Outrora, como verificamos em Ramalho (2008), os/as consumidores/ as potenciais de medicamento, representados em anúncios, eram chefes de família e donas de casa, mães, esposas, nascidos/as nestas identidades. Hoje, por outro lado, os consumidores hedonistas do séc. XXI, representados no

12 128 Ramalho, Viviane. Uma leitura crítica da interdiscursividade: o caso da publicidade de medicamento texto em análise, por exemplo, são a mulher madura e solteira, que não tem filhos, que está em busca de relacionamentos amorosos, que expressa desejos; e o homem (cujo expoente seria o gatão de meia-idade, de Miguel Paiva), separado, que tem filhos mas não é chefe de família, que também está em busca de prazer, e assim por diante. Essa representação também está associada a uma imagem elitista de pessoas com poder aquisitivo, haja vista elementos como bar da moda, curriculum, e comportamentos como falar baixo, malhar, fazer check-up, e outros. As propagandas atuais posicionam o/a consumidor/a de medicamentos como aquele/a que possui poder aquisitivo para alcançar mais prazer e felicidade com a expansão do potencial corporal, possibilitada pelo consumo de drogas. Como, conforme Castells (2001) 16 e Fairclough (2003), a identidade é construída, também, com base em sentidos que circulam em nosso meio sociocultural, a disseminação de discursos sobre um ideal de saúde supostamente alcançável pelo consumo de medicamentos pode contribuir para (auto) identificações projetadas nesse ideal. Na definição de Silva (2000: 14) 17, para processos de identificação projetados em superatletas. Supermodelos. Clones. Seres artificiais que superam, localizada e parcialmente (por enquanto), as limitadas qualidades e as evidentes fragilidades dos humanos. Assim, como vimos, nos anúncios em geral, uma história é contada para vender ; aqui, peculiarmente, além daquele fim, a história é contada para simular uma campanha de utilidade pública com vista a promover, de modo velado, um medicamento de venda sob prescrição. Para fugir a proibições legais que pesam sobre esse tipo de propaganda, no texto articulam-se convenções discursivas da HQ de condicionamento de atitudes, característica de campanhas de utilidade pública, segundo Eisner (1989) 18. Isto é, as tipificações da HQ (personagens, imagens, balões de fala) são articuladas no texto para dissimular propósitos promocionais e estratégicos, fazendo-se 16 CASTELLS, Manuel. O poder da identidade. Trad. Klauss B. Gerhardt. São Paulo: Paz e Terra, SILVA, Tomaz Tadeu da. (Org./Trad.). Antropologia do ciborgue: as vertigens do pós-humano. Belo Horizonte: Autêntica, EISNER, Will. Quadrinhos e arte seqüencial. Trad. Luís Carlos Borges. São Paulo: Martins Fontes, 1989.

13 Cadernos de Letras da UFF Dossiê: Letras, linguística e suas interfaces n o 40, p , passar por informação e resultando num híbrido de campanha de saúde e publicidade. Este é o caso, previsto na RDC 96/2008, de publicidade indireta, aquela que, sem mencionar o nome dos produtos, utiliza marcas e (ou) símbolos (e ou) designações e(ou) indicações capaz de identificá-los (...). Tratase, portanto, de uso estratégico da interdiscursividade, ou seja, de convenções do gênero folheto de campanha de utilidade pública para dissimular a finalidade comercial do texto. A finalidade de desencadear a ação de comprar e consumir o medicamento é representada como se fosse orientada para a ação de prevenir doenças sexualmente transmissíveis. Muitos outros aspectos discursivos, que extrapolam esta discussão inicial, são tratados em Ramalho (2008), em que tomamos o texto aqui analisado como exemplar de uma série de outros anúncios publicitários que dissimulam sua função precípua de promover comercialmente medicamentos, fugindo, assim, ao menos durante o tempo suficiente para atingirem o/a consumidor/a potencial, do controle da vigilância sanitária e conseguindo circular livremente na mídia. Considerações finais Neste trabalho, discutimos, com base no estudo de Ramalho (2008), a emergência de novas tecnologias discursivas. Partindo da análise do texto Sexo seguro na vida adulta, distribuído gratuitamente em 2005, vimos que a hibridização discursiva em textos promocionais de medicamentos consiste em uma tecnologia discursiva, isto é, uma manipulação estratégica da linguagem orientada para projetos de dominação, sobretudo no que toca a relações entre leigos/as e peritos/as, tanto da saúde quanto da linguagem. Os sentidos criados no texto analisado ilustram sua potencialidade para obscurecer fronteiras entre publicidade/informação, permitindo que, de modo dissimulado, o discurso particular da publicidade seja legitimado em anúncios híbridos e inculcado em identidades projetadas na imagem do/a consumidor/a de medicamento.

14 130 Ramalho, Viviane. Uma leitura crítica da interdiscursividade: o caso da publicidade de medicamento ABSTRACT In this paper we investigated potentially ideological meanings in Brazilian medicine advertisements. The aim was to problematize the role of discourse in maintaining asymmetrical power relations in late modernity. Based upon Critical Discourse Analysis theoreticalmethodological concepts (Chouliaraki & Fairclough, 1999; Fairclough, 2003), we traced causal connections between semiotic and non-semiotic aspects in the social issue considered here. KEYWORDS: discourse; ideology; interdiscursivity. Recebido: 08/04/2010 Aprovado: 09/06/2010

EXCLUSÃO E RESISTÊNCIA NO DISCURSO: O CASO DO JORNAL O TRECHEIRO

EXCLUSÃO E RESISTÊNCIA NO DISCURSO: O CASO DO JORNAL O TRECHEIRO VI COLOQUIO DE LA REDLAD Bogotá, 15 e 16 de setembro de 2011 LOS DISCURSOS DE LA EXCLUSIÓN EN AMERICA LATINA EXCLUSÃO E RESISTÊNCIA NO DISCURSO: O CASO DO JORNAL O TRECHEIRO Viviane de Melo Resende María

Leia mais

Tecnologias discursivas na propaganda de medicamentos. Viviane Ramalho

Tecnologias discursivas na propaganda de medicamentos. Viviane Ramalho Copyright 2010 ISSN 1887-4606 Vol. 4(3) 507-537 www.dissoc.org iscurso & sociedad Artículo Tecnologias discursivas na propaganda de medicamentos Viviane Ramalho Departamento de Linguística, Português e

Leia mais

DISCURSOS E LETRAMENTOS NA EDUCAÇÃO ESPECIAL E INCLUSIVA

DISCURSOS E LETRAMENTOS NA EDUCAÇÃO ESPECIAL E INCLUSIVA DISCURSOS E LETRAMENTOS NA EDUCAÇÃO ESPECIAL E INCLUSIVA José Ribamar Lopes Batista Júnior Colégio Agrícola de Floriano (CAF/UFPI); Universidade de Brasília (UnB) ribasninja@gmail.com RESUMO A prática

Leia mais

Relações de gênero na publicidade: palavras e imagens constituindo identidades

Relações de gênero na publicidade: palavras e imagens constituindo identidades Anais do CELSUL 2008 Relações de gênero na publicidade: palavras e imagens constituindo identidades Graziela Frainer Knoll, Vera Lúcia Pires 1 1 PPGLetras Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) grazifk@yahoo.com.br,

Leia mais

PODER E SUPREMACIA: A VENDA DO ENSINO DE LÍNGUA INGLESA COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA NO BRASIL Bruna Damiana (UERJ) brunadamiana@gmail.

PODER E SUPREMACIA: A VENDA DO ENSINO DE LÍNGUA INGLESA COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA NO BRASIL Bruna Damiana (UERJ) brunadamiana@gmail. PODER E SUPREMACIA: A VENDA DO ENSINO DE LÍNGUA INGLESA COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA NO BRASIL Bruna Damiana (UERJ) brunadamiana@gmail.com 1. Introdução Em um quadro em que culturas e economias do mundo inteiro

Leia mais

Poder e supremacia: a venda do ensino de língua inglesa como língua estrangeira no Brasil

Poder e supremacia: a venda do ensino de língua inglesa como língua estrangeira no Brasil Poder e supremacia: a venda do ensino de língua inglesa como língua estrangeira no Brasil Bruna Damiana (UERJ) RESUMO: Este trabalho tem como objetivo a análise e a problematização da forma através da

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO DE LETRAS DIEGO LOPES MACEDO ELIANA ANTUNES DOS SANTOS GILMARA PEREIRA DE ALMEIDA RIBEIRO

UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO DE LETRAS DIEGO LOPES MACEDO ELIANA ANTUNES DOS SANTOS GILMARA PEREIRA DE ALMEIDA RIBEIRO UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO DE LETRAS DIEGO LOPES MACEDO ELIANA ANTUNES DOS SANTOS GILMARA PEREIRA DE ALMEIDA RIBEIRO ANÁLISE DO DISCURSO DA PROPAGANDA MARLBORO SOROCABA 2014 1 Introdução O presente trabalho

Leia mais

O ENVOLVIMENTO DOS DOCENTES DO ENSINO FUNDAMENTAL COM OS LETRAMENTOS DIGITAIS 1

O ENVOLVIMENTO DOS DOCENTES DO ENSINO FUNDAMENTAL COM OS LETRAMENTOS DIGITAIS 1 O ENVOLVIMENTO DOS DOCENTES DO ENSINO FUNDAMENTAL COM OS LETRAMENTOS DIGITAIS 1 Bruno Ciavolella Universidade Estadual de Maringá RESUMO: Fundamentado na concepção dialógica de linguagem proposta pelo

Leia mais

Palavras-chave: Representação. Homem. Publicidade. Semântica Argumentativa.

Palavras-chave: Representação. Homem. Publicidade. Semântica Argumentativa. REPRESENTAÇÃO MASCULINA NA PUBLICIDADE BRASILEIRA: UM ESTUDO SEMÂNTICO-ARGUMENTATIVO Maria Eliane Gomes Morais (PPGFP-UEPB) Linduarte Pereira Rodrigues (DLA/PPGFP-UEPB) Resumo: A publicidade, assim como

Leia mais

O USO DO IMPERATIVO NAS PROPAGANDAS DE CRÉDITO. PALAVRAS-CHAVE: propaganda; argumentação; verbo no imperativo; sequência injuntiva.

O USO DO IMPERATIVO NAS PROPAGANDAS DE CRÉDITO. PALAVRAS-CHAVE: propaganda; argumentação; verbo no imperativo; sequência injuntiva. O USO DO IMPERATIVO NAS PROPAGANDAS DE CRÉDITO Diana de Oliveira MENDONÇA 1 Maíra Dévely Silva BORGES 2 Sunamita Sâmela Simplício da SILVA 3 Departamento de Línguas e Literaturas Estrangeiras Modernas/UFRN

Leia mais

II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013

II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013 II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013 TEMÁTICA: EDUCAÇÃO, QUESTÃO DE GÊNERO E DIVERSIDADE EDUCAÇÃO

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS Cultura Brasileira 1º PERÍODO O fenômeno cultural. Cultura(s) no Brasil. Cultura regional e

Leia mais

Heróis sempre vencem desafios: campanha publicitária para divulgação do Concurso Vestibular 2013 1

Heróis sempre vencem desafios: campanha publicitária para divulgação do Concurso Vestibular 2013 1 Heróis sempre vencem desafios: campanha publicitária para divulgação do Concurso Vestibular 2013 1 Juliana Pereira DULTRA 2 Cintia MOLETA 3 Larissa Kiefer de SEQUEIRA 4 Roberto Corrêa SCIENZA 5 Fernanda

Leia mais

CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA

CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA 1 CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) 2012 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INTRODUÇÃO A PUBLICIDADE E PROPAGANDA... 4 02 HISTÓRIA DA ARTE... 4 03 COMUNICAÇÃO

Leia mais

Linguagem, discurso e ideologia. Language, discourse and ideology. Ana Carolina Simões Cardoso 1 UFRJ

Linguagem, discurso e ideologia. Language, discourse and ideology. Ana Carolina Simões Cardoso 1 UFRJ Linguagem, discurso e ideologia Language, discourse and ideology Ana Carolina Simões Cardoso 1 UFRJ Resumo: A Linguística Aplicada (LA) contemporânea se aproxima cada vez mais de áreas que focalizam aspectos

Leia mais

334 Valdecy de Oliveira Pontes e Alexandra Maria de Castro e Santos Araújo

334 Valdecy de Oliveira Pontes e Alexandra Maria de Castro e Santos Araújo MARTINS, André Ricardo Nunes. A polêmica construída: racismo e discurso da imprensa sobre a política de cotas para negros. Brasília: Senado Federal, 2011, 281p. O livro intitulado A polêmica construída:

Leia mais

FORMAÇÃO IDEOLÓGICA: O CONCEITO BASILAR E O AVANÇO DA TEORIA

FORMAÇÃO IDEOLÓGICA: O CONCEITO BASILAR E O AVANÇO DA TEORIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL IV SEAD - SEMINÁRIO DE ESTUDOS EM ANÁLISE DO DISCURSO 1969-2009: Memória e história na/da Análise do Discurso Porto Alegre, de 10 a 13 de novembro de 2009 FORMAÇÃO

Leia mais

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido 1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido No estudo da Comunicação, a publicidade deve figurar como um dos campos de maior interesse para pesquisadores e críticos das Ciências Sociais e Humanas.

Leia mais

ANÁLISE CRÍTICA DO DISCURSO: UMA VISÃO SOCIAL DOS FENÔMENOS LINGUÍSTICOS RESUMO

ANÁLISE CRÍTICA DO DISCURSO: UMA VISÃO SOCIAL DOS FENÔMENOS LINGUÍSTICOS RESUMO ANÁLISE CRÍTICA DO DISCURSO: UMA VISÃO SOCIAL DOS FENÔMENOS LINGUÍSTICOS Nilceia Bueno de Oliveira (SEED-PR) RESUMO A Análise Crítica do Discurso (ACD) é uma das áreas que tem contribuído para o enriquecimento

Leia mais

DISCURSOS, e LETRAMENTOS. Maria Aparecida Resende Ottoni Maria Cecília de Lima (Organizadoras) abordagens da Análise de Discurso Crítica

DISCURSOS, e LETRAMENTOS. Maria Aparecida Resende Ottoni Maria Cecília de Lima (Organizadoras) abordagens da Análise de Discurso Crítica DISCURSOS, e LETRAMENTOS abordagens da Análise de Discurso Crítica Maria Aparecida Resende Ottoni Maria Cecília de Lima (Organizadoras) 5 Sumário Prefácio... 11 Apresentação... 13 Sobre os(as) autores(as)...

Leia mais

O Valor Ideológico na Propaganda de Cerveja 1

O Valor Ideológico na Propaganda de Cerveja 1 O Valor Ideológico na Propaganda de Cerveja 1 Nathália Sene GARIERI/ Licenciada em História Aline Rafaela Portílio LEMES Aline Aparecida SILVA Samuel Douglas Farias COSTA RESUMO A propaganda ocupa um largo

Leia mais

Uma perspectiva para compreender os gêneros discursivos: a Escola Norte-Americana

Uma perspectiva para compreender os gêneros discursivos: a Escola Norte-Americana Uma perspectiva para compreender os gêneros discursivos: a Escola Norte-Americana Lucas Piter Alves Costa 1 Por que estudar gêneros? Como estudá-los? Qual a importância que o domínio de seus estudos pode

Leia mais

ALTERNÂNCIA NO PODER: ALTERNÂNCIA NO DISCURSO? Uma visão da Análise de Discurso Crítica

ALTERNÂNCIA NO PODER: ALTERNÂNCIA NO DISCURSO? Uma visão da Análise de Discurso Crítica Maria Lílian de Medeiros Yared 1, Vilma Pereira 2, Noélia Maria Ribeiro da Silva 3, Paola Daniela Bakker 4, Leandro de Castro Siqueira 5 ALTERNÂNCIA NO PODER: ALTERNÂNCIA NO DISCURSO? Uma visão da Análise

Leia mais

Análise Crítica do Discurso e Realismo Crítico: Reflexões teórico-metodológicas

Análise Crítica do Discurso e Realismo Crítico: Reflexões teórico-metodológicas Análise Crítica do Discurso e Realismo Crítico: Reflexões teórico-metodológicas Por Solange Maria de BARROS Papa * Já é consenso entre os analistas críticos do discurso sobre a necessidade de entender

Leia mais

O FUNCIONAMENTO DO DISCURSO POLÍTICO NO PRONUNCIAMENTO DA PRESIDENTE DILMA ROUSSEF SOBRE AS MANIFESTAÇÕES SOCIAIS DO BRASIL EM 2013

O FUNCIONAMENTO DO DISCURSO POLÍTICO NO PRONUNCIAMENTO DA PRESIDENTE DILMA ROUSSEF SOBRE AS MANIFESTAÇÕES SOCIAIS DO BRASIL EM 2013 O FUNCIONAMENTO DO DISCURSO POLÍTICO NO PRONUNCIAMENTO DA PRESIDENTE DILMA ROUSSEF SOBRE AS MANIFESTAÇÕES SOCIAIS DO BRASIL EM 2013 Angela Ribeiro Vidal Cypriano Ramos (UEM) Dulce Elena Coelho Barros (UEM)

Leia mais

EMENTÁRIO DO CURO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA

EMENTÁRIO DO CURO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA EMENTÁRIO DO CURO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA LET 02630 LÍNGUA PORTUGUESA Noções gerais da língua portuguesa. Leitura e produção de diferentes tipos de textos, em especial os relativos à comunicação de

Leia mais

ENSINO DE GEOGRAFIA, CULTURA POPULAR E TEMAS TRANSVERSAIS: uma proposta de transversalidade a partir dos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN s)

ENSINO DE GEOGRAFIA, CULTURA POPULAR E TEMAS TRANSVERSAIS: uma proposta de transversalidade a partir dos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN s) ENSINO DE GEOGRAFIA, CULTURA POPULAR E TEMAS TRANSVERSAIS: uma proposta de transversalidade a partir dos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN s) Kálita Tavares da SILVA 1 ; Estevane de Paula Pontes MENDES

Leia mais

MÍDIA E MANIPULAÇÃO: REVISITANDO EFEITOS IDEOLÓGICOS E MARCAS HEGEMÔNICAS DO DISCURSO PUBLICITÁRIO

MÍDIA E MANIPULAÇÃO: REVISITANDO EFEITOS IDEOLÓGICOS E MARCAS HEGEMÔNICAS DO DISCURSO PUBLICITÁRIO MÍDIA E MANIPULAÇÃO: REVISITANDO EFEITOS IDEOLÓGICOS E MARCAS HEGEMÔNICAS DO DISCURSO PUBLICITÁRIO João Batista da Costa Júnior (UERN e UFRN) jbjuniorassu@hotmail.com Cleide Emília Faye Pedrosa (UFRN)

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO/ 2013

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO/ 2013 Curso: Graduação: Habilitação: Regime: Duração: COMUNICAÇÃO SOCIAL BACHARELADO MATRIZ CURRICULAR PUBLICIDADE E PROPAGANDA SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL

Leia mais

Campanha ONG Animais 1

Campanha ONG Animais 1 Campanha ONG Animais 1 Bruna CARVALHO 2 Carlos VALÉRIO 3 Mayara BARBOSA 4 Rafaela ALVES 5 Renan MADEIRA 6 Romulo SOUZA 7 Marcelo PRADA 8 Paulo César D ELBOUX 9 Faculdade Anhanguera Santa Bárbara, Santa

Leia mais

Curso: Letras Português ( 1 ª Licenciatura) II Bloco

Curso: Letras Português ( 1 ª Licenciatura) II Bloco Curso: Letras Português ( 1 ª Licenciatura) I Bloco Filosofia da Educação 60 horas Metodologia Científica 60 horas Iniciação à Leitura e Produção de Textos Acadêmicos 60 horas Introdução à filosofia e

Leia mais

Cadernos do CNLF, Vol. XIII, Nº 04

Cadernos do CNLF, Vol. XIII, Nº 04 IMAGENS CONTEMPORÂNEAS: ABORDAGENS ACERCA DA ANÁLISE DA IMAGEM Elis Crokidakis Castro (UFRJ/UNESA/UNIABEU) eliscrokidakis@yahoo.it Caminhei até o horizonte onde me afoguei no azul (Emil de Castro) Para

Leia mais

DISCURSO E IDENTIDADES DE GÊNERO

DISCURSO E IDENTIDADES DE GÊNERO 989 DISCURSO E IDENTIDADES DE GÊNERO Luzia Rodrigues da SILVA (Universidade de Brasília / Universidade Federal de Goiás) ABSTRACT: This paper investigates modes of representation and constituition of feminine

Leia mais

HOMOAFETIVIDADE FEMININA NO BRASIL: REFLEXÕES INTERDISCIPLINARES ENTRE O DIREITO E A LITERATURA

HOMOAFETIVIDADE FEMININA NO BRASIL: REFLEXÕES INTERDISCIPLINARES ENTRE O DIREITO E A LITERATURA HOMOAFETIVIDADE FEMININA NO BRASIL: REFLEXÕES INTERDISCIPLINARES ENTRE O DIREITO E A LITERATURA Juliana Fabbron Marin Marin 1 Ana Maria Dietrich 2 Resumo: As transformações no cenário social que ocorreram

Leia mais

Quadro Resumo de Projeto Pedagógico do Curso Superior de Tecnologia em GESTÃO COMERCIAL

Quadro Resumo de Projeto Pedagógico do Curso Superior de Tecnologia em GESTÃO COMERCIAL Quadro Resumo de Projeto Pedagógico do Curso Superior de Tecnologia em GESTÃO COMERCIAL Dados de Identificação: -Modalidade: Graduação Tecnológica -Ato Legal de Autorização: Resolução CONSUNI nº -Turnos

Leia mais

A LEI E A REALIDADE: A REPRESENTAÇÃO DA IMAGEM DO SURDO NOS DOCUMENTOS SOBRE A PROPOSTA DE EDUCAÇÃO INCLUSIVA

A LEI E A REALIDADE: A REPRESENTAÇÃO DA IMAGEM DO SURDO NOS DOCUMENTOS SOBRE A PROPOSTA DE EDUCAÇÃO INCLUSIVA A LEI E A REALIDADE: A REPRESENTAÇÃO DA IMAGEM DO SURDO NOS DOCUMENTOS SOBRE A PROPOSTA DE EDUCAÇÃO INCLUSIVA Vanessa Gomes Teixeira (UERJ) vanessa_gomesteixeira@hotmail.com RESUMO No início do século

Leia mais

A Resolução CFM nº 1.974/2011

A Resolução CFM nº 1.974/2011 A Resolução CFM nº 1.974/2011 A Resolução CFM nº 1.974/2011 Publicada no Diário Oficial da União em 19/8/2011. Entra em vigor 180 dias após sua publicação. Ementa: Estabelece os critérios norteadores da

Leia mais

Parte IV. discurso e língua portuguesa. Janaína de Aquino Ferraz. Regina Célia Pagliuchi da Silveira

Parte IV. discurso e língua portuguesa. Janaína de Aquino Ferraz. Regina Célia Pagliuchi da Silveira Parte IV discurso e língua portuguesa Janaína de Aquino Ferraz Regina Célia Pagliuchi da Silveira A multimodalidade e a formação dos sentidos em português como segunda língua Janaína de Aquino Ferraz*

Leia mais

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO MCH0181 HISTÓRIAS EM QUADRINHOS SOB A PERSPECTIVA DA TEORIA BAKHTINIANA

Leia mais

Marketing Direto faz bem para a saúde

Marketing Direto faz bem para a saúde capa Marketing Direto faz bem para a saúde Hospitais e laboratórios têm encontrado no Marketing Direto uma forma eficaz de comunicação, sem cair nas restrições da Anvisa. Levando-se em consideração que

Leia mais

Uma Perspectiva Sócio-Histórica do Processo de Alfabetização com Conscientização do Contexto Sociocultural

Uma Perspectiva Sócio-Histórica do Processo de Alfabetização com Conscientização do Contexto Sociocultural Uma Perspectiva Sócio-Histórica do Processo de Alfabetização com Conscientização do Contexto Sociocultural Camila Turati Pessoa (Universidade Federal de Uberlândia) camilatpessoa@gmail.com Ruben de Oliveira

Leia mais

6. Discussão sobre as análises

6. Discussão sobre as análises 6. Discussão sobre as análises Meu objetivo neste capítulo é rever as questões de pesquisa propostas no trabalho e procurar respondê-las com base nas análises dos textos dos aprendizes, associadas aos

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que respeita as particularidades de todo o país. Desta maneira, o apoio ao

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que respeita as particularidades de todo o país. Desta maneira, o apoio ao

Leia mais

Sequências Didáticas para o ensino de Língua Portuguesa: objetos de aprendizagem na criação de tirinhas

Sequências Didáticas para o ensino de Língua Portuguesa: objetos de aprendizagem na criação de tirinhas Sequências Didáticas para o ensino de Língua Portuguesa: objetos de aprendizagem na criação de tirinhas Manoela Afonso UNESP - Campus Bauru-SP manoela_afonso@hotmail.com Comunicação Oral Pesquisa Concluída

Leia mais

COMO A PROPAGANDA FUNCIONA?

COMO A PROPAGANDA FUNCIONA? COMO A PROPAGANDA FUNCIONA? Definição: a manipulação planejada da comunicação visando, pela persuasão, promover comportamentos em benefício do anunciante que a utiliza. Funções: cabe a propaganda informar

Leia mais

CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA

CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA 1 CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) 2012 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INTRODUÇÃO A PUBLICIDADE E PROPAGANDA... 4 02 HISTÓRIA DA ARTE... 4 03 COMUNICAÇÃO

Leia mais

DIGITAL STORYTELLING: O GÊNERO NARRATIVA AUTOBIOGRÁFICA DIGITAL EM AULAS DE INGLÊS

DIGITAL STORYTELLING: O GÊNERO NARRATIVA AUTOBIOGRÁFICA DIGITAL EM AULAS DE INGLÊS DIGITAL STORYTELLING: O GÊNERO NARRATIVA AUTOBIOGRÁFICA DIGITAL EM AULAS DE INGLÊS Débora Bortolon (Colégio Estadual Castelo Branco /Paraná) Terezinha Marcondes Diniz Biazi (/UNICENTRO/GP) e-mail: emebiazi@hotmail.com

Leia mais

Formulário para envio de contribuições em Consulta Pública. Apresentação e orientações

Formulário para envio de contribuições em Consulta Pública. Apresentação e orientações Formulário para envio de contribuições em Consulta Pública FORMULÁRIO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES EM CONSULTA PÚBLICA Apresentação e orientações Este Formulário possui a finalidade de enviar contribuições

Leia mais

Universidade de Brasília PROJETO DE TRABALHO

Universidade de Brasília PROJETO DE TRABALHO Universidade de Brasília PROJETO DE TRABALHO O CONCEITO DE FAMÍLIA E A PROBREZA NAS RUAS: UM ENLACE ANALÍTICO CRÍTICO VOLTADO PARA O CONTEXTO BRASILEIRO 1. Identificação Discutir o conceito de família

Leia mais

Laboratório Criativo - Produção Agência Experimental FCC 2012 1

Laboratório Criativo - Produção Agência Experimental FCC 2012 1 Laboratório Criativo - Produção Agência Experimental FCC 2012 1 Luzimar BASÍLIO 2 Andrezza Feitosa DA SILVA 3 Jefferson BEZERRA SANTOS 4 Fernando Caio MONTEIRO 5 Norton FALCÃO 6 Faculdade Católica do Ceará,

Leia mais

O DISCURSO DE TÍTULOS DE NOTÍCIAS SOBRE VIOLÊNCIA SEXUAL: A MÍDIA ON-LINE E A CULPABILIZAÇÃO DA VÍTIMA DE ESTUPRO

O DISCURSO DE TÍTULOS DE NOTÍCIAS SOBRE VIOLÊNCIA SEXUAL: A MÍDIA ON-LINE E A CULPABILIZAÇÃO DA VÍTIMA DE ESTUPRO Revista Eletrônica de Estudos Integrados em Discurso e Argumentação O DISCURSO DE TÍTULOS DE NOTÍCIAS SOBRE VIOLÊNCIA SEXUAL: A MÍDIA ON-LINE E A CULPABILIZAÇÃO DA VÍTIMA DE ESTUPRO Isabela Cristina Barros

Leia mais

A CHARGE E O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA EM CURSO DE ENSINO MÉDIO INTEGRADO EM MEIO AMBIENTE

A CHARGE E O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA EM CURSO DE ENSINO MÉDIO INTEGRADO EM MEIO AMBIENTE 82 A CHARGE E O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA EM CURSO DE ENSINO MÉDIO INTEGRADO EM MEIO AMBIENTE CHARGE AND ENGLISH LANGUAGE TEACHING IN HIGH SCHOOL INTEGRATED TO ENVIRONMENT Veralúcia Guimarães de Souza 1

Leia mais

O GÊNERO TEXTUAL HISTÓRIAS EM QUADRINHOS NO PIBID LETRAS ESPANHOL

O GÊNERO TEXTUAL HISTÓRIAS EM QUADRINHOS NO PIBID LETRAS ESPANHOL O GÊNERO TEXTUAL HISTÓRIAS EM QUADRINHOS NO PIBID LETRAS ESPANHOL RESUMO Ana Raquel Abelha Cavenaghi (UEL) anaraquel@uel.br Valdirene Zorzo-Veloso valdirene@uel.br As histórias em quadrinhos (HQ) são lidas

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Gêneros discursivos. Gêneros sociais. Livro didático. Representação.

PALAVRAS-CHAVE Gêneros discursivos. Gêneros sociais. Livro didático. Representação. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA (X) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO (

Leia mais

O Projeto Pedagógico na Educação Infantil

O Projeto Pedagógico na Educação Infantil O Projeto Pedagógico na Educação Infantil Renata Lopes de Almeida Rodrigues (UERJ) A cada ano letivo a história se repete: a busca por um tema norteador do trabalho em sala de aula durante o ano o tema

Leia mais

MEMÓRIAS DE UM SARGENTO DE MILÍCIAS E SUAS ADAPTAÇÕES

MEMÓRIAS DE UM SARGENTO DE MILÍCIAS E SUAS ADAPTAÇÕES MEMÓRIAS DE UM SARGENTO DE MILÍCIAS E SUAS ADAPTAÇÕES Simone de Souza Burguês (PIBIC/CNPq-UEM), Mirian Hisae Yaegashi Zappone (Orientadora), e-mail: mirianzappone@gmail.com Universidade Estadual de Maringá/Departamento

Leia mais

MULHERES EM ASCENSÃO: ESTUDO COMPARATIVO DE TRAJETÓRIAS EDUCACIONAIS DE MULHERES NEGRAS E BRANCAS NA PÓS-GRADUAÇÃO DA UFF PINTO

MULHERES EM ASCENSÃO: ESTUDO COMPARATIVO DE TRAJETÓRIAS EDUCACIONAIS DE MULHERES NEGRAS E BRANCAS NA PÓS-GRADUAÇÃO DA UFF PINTO MULHERES EM ASCENSÃO: ESTUDO COMPARATIVO DE TRAJETÓRIAS EDUCACIONAIS DE MULHERES NEGRAS E BRANCAS NA PÓS-GRADUAÇÃO DA UFF PINTO, Giselle UFF giselleuff@yahoo.com.br GT: Afro-Brasileiros e Educação / n.21

Leia mais

GUARDANAPO: UMA PROPOSTA DE SUPORTE PUBLICITÁRIO (Área temática: L4 Teoria e Análise Linguística)

GUARDANAPO: UMA PROPOSTA DE SUPORTE PUBLICITÁRIO (Área temática: L4 Teoria e Análise Linguística) GUARDANAPO: UMA PROPOSTA DE SUPORTE PUBLICITÁRIO (Área temática: L4 Teoria e Análise Linguística) Luana Gerçossimo Oliveira 1 Universidade Federal de Viçosa (UFV) Este artigo traz uma breve discussão teórica

Leia mais

Metodologia de Ensino; Cultura Corporal; Ciclos de Escolarização. SOARES, C. L.; TAFFAREL, C. N. Z.; VARJAL, E; et al. São Paulo, Cortez, 1992.

Metodologia de Ensino; Cultura Corporal; Ciclos de Escolarização. SOARES, C. L.; TAFFAREL, C. N. Z.; VARJAL, E; et al. São Paulo, Cortez, 1992. METODOLOGIA DO ENSINO DE EDUCAÇÃO FÍSICA. Aline Fabiane Barbieri Metodologia de Ensino; Cultura Corporal; Ciclos de Escolarização. SOARES, C. L.; TAFFAREL, C. N. Z.; VARJAL, E; et al. São Paulo, Cortez,

Leia mais

As adivinhas são jogos de linguagem em que a relação entre fatos semânticos

As adivinhas são jogos de linguagem em que a relação entre fatos semânticos As adivinhas na relação ilustração-texto na literatura infantil 73 Kassandra da Silva Muniz * Resumo: Esta pesquisa se insere no projeto A organização textual interativa das adivinhações, coordenado pela

Leia mais

ANÁLISE DOS PONTOS DE VISTA IDEOLÓGICOS COMO REFERÊNCIA NA FORMAÇÃO DO PÚBLICO LEITOR.

ANÁLISE DOS PONTOS DE VISTA IDEOLÓGICOS COMO REFERÊNCIA NA FORMAÇÃO DO PÚBLICO LEITOR. ANÁLISE DOS PONTOS DE VISTA IDEOLÓGICOS COMO REFERÊNCIA NA FORMAÇÃO DO PÚBLICO LEITOR. Autor: Wagner de Araújo Baldêz 1 - UFOP. Orientador: William Augusto Menezes 2 - UFOP. O objetivo desse artigo é relatar

Leia mais

O GÊNERO MASCULINO NA PUBLICIDADE DE COSMÉTICOS E VESTUÁRIO

O GÊNERO MASCULINO NA PUBLICIDADE DE COSMÉTICOS E VESTUÁRIO O GÊNERO MASCULINO NA PUBLICIDADE DE COSMÉTICOS E VESTUÁRIO Janaína Fernandes Possati Faculdade de Letras Centro de Linguagem e Comunicação janainapossati@bol.com.br Resumo: Objetivamos analisar, sob o

Leia mais

Discurso e Ideologia na Propaganda de Medicamentos

Discurso e Ideologia na Propaganda de Medicamentos UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA UnB INSTITUTO DE LETRAS IL DEPTO. DE LINGÜÍSTICA, PORTUGUÊS E LÍNGUAS CLÁSSICAS LIP PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM LINGÜÍSTICA PPGL Viviane C. Vieira Sebba Ramalho Discurso e Ideologia

Leia mais

Validório, Valéria Cristiane 1

Validório, Valéria Cristiane 1 A INTERAÇÃO NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM: uma perspectiva sociocultural Validório, Valéria Cristiane 1 RESUMO As relações sociais entre o indivíduo e o mundo exterior desenvolvem-se por meio de um processo

Leia mais

Palavras-chave: gêneros textuais, resenha crítica, ensino, leitura e produção textual

Palavras-chave: gêneros textuais, resenha crítica, ensino, leitura e produção textual RESENHA CRÍTICA NO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA: PRÁTICAS DE ANÁLISE E PRODUÇÃO DE TEXTOS Valdisnei Martins de CAMPOS Letras - CAC/UFG; valdis_martins@hotmail.com Erislane Rodrigues RIBEIRO Letras - CAC/UFG;

Leia mais

T. V. Dijk (org.) Racismo e discurso na América Latina São Paulo: Contexto, 2008. João Vianney Cavalcanti Nuto

T. V. Dijk (org.) Racismo e discurso na América Latina São Paulo: Contexto, 2008. João Vianney Cavalcanti Nuto T. V. Dijk (org.) Racismo e discurso na América Latina São Paulo: Contexto, 2008. João Vianney Cavalcanti Nuto O fato de um livro sobre o racismo ter sido organizado por um lingüista revela um ramo fecundo

Leia mais

Leny Trad ISC/UFBA. Pesquisa e produção científica em Ciências Humanas e Sociais em Saúde no Brasil: breves apontamentos

Leny Trad ISC/UFBA. Pesquisa e produção científica em Ciências Humanas e Sociais em Saúde no Brasil: breves apontamentos Leny Trad ISC/UFBA Pesquisa e produção científica em Ciências Humanas e Sociais em Saúde no Brasil: breves apontamentos A Saúde Coletiva Uma geografia disciplinar que comporta um amplo leque de referências

Leia mais

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL 1988 CONSTITUIÇÃO FEDERAL ANTECEDENTES Art. 210. Serão fixados conteúdos mínimos para o ensino fundamental, de maneira a assegurar formação básica comum

Leia mais

O JULGAMENTO DE ESTIMA SOCIAL NOS DISCURSOS DE PROFESSORES EM FORMAÇÃO CONTINUADA ASSIS-BRASIL, Angela Medeiros de 1

O JULGAMENTO DE ESTIMA SOCIAL NOS DISCURSOS DE PROFESSORES EM FORMAÇÃO CONTINUADA ASSIS-BRASIL, Angela Medeiros de 1 O JULGAMENTO DE ESTIMA SOCIAL NOS DISCURSOS DE PROFESSORES EM FORMAÇÃO CONTINUADA ASSIS-BRASIL, Angela Medeiros de 1 Palavras-chave: Avaliatividade. Análise de discurso. Formação continuada de professores

Leia mais

FOTONOVELA E SUAS REPRESENTAÇÕES SOCIAIS 1

FOTONOVELA E SUAS REPRESENTAÇÕES SOCIAIS 1 FOTONOVELA E SUAS REPRESENTAÇÕES SOCIAIS 1 Francisco José da Silva ROCHA Filho 2 Nathalia Aparecida Aires da SILVA 3 Sebastião Faustino PEREIRA Filho 4 Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal,

Leia mais

Aula2 ESTUDOS CULTURAIS E EDUCAÇÃO. Marlécio Maknamara. META Conhecer aportes dos Estudos Culturais em sua conexão com a Educação.

Aula2 ESTUDOS CULTURAIS E EDUCAÇÃO. Marlécio Maknamara. META Conhecer aportes dos Estudos Culturais em sua conexão com a Educação. Aula2 ESTUDOS CULTURAIS E EDUCAÇÃO META Conhecer aportes dos Estudos Culturais em sua conexão com a Educação. OBJETIVOS Ao fi nal desta aula, o aluno deverá: Reconhecer os Estudos Culturais como campo

Leia mais

A SATISFAÇÃO DA APARÊNCIA CORPORAL MASCULINA: UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA

A SATISFAÇÃO DA APARÊNCIA CORPORAL MASCULINA: UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA A SATISFAÇÃO DA APARÊNCIA CORPORAL MASCULINA: UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA Emília Amélia Pinto Costa da Silva;Priscilla Pinto Costa da Silva; Petrucio Venceslau de Moura;Talita Grazielle Pires de Carvalho;

Leia mais

Programa e Metas Curriculares de Português do Ensino Secundário Oralidade

Programa e Metas Curriculares de Português do Ensino Secundário Oralidade Programa e Metas Curriculares de Português do Ensino Secundário Oralidade Helena C. Buescu, Luís C. Maia, Maria Graciete Silva, Maria Regina Rocha 10.º Ano: Oralidade Compreensão do Oral Objetivo Compreender

Leia mais

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO Karen Ramos Camargo 1 Resumo O presente artigo visa suscitar a discussão acerca dos processos de trabalho do Serviço Social, relacionados

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM DESIGN GRÁFICO

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM DESIGN GRÁFICO 1 CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM DESIGN GRÁFICO EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) Consuni nº. 63/14, 2011 de 10 de dezembro de 2014. 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 3 01 INTRODUÇÃO AO CONHECIMENTO TECNOLÓGICO...

Leia mais

introdução a publicidade & propaganda Aula 3 - Departamentos e uxograma da agência de propaganda

introdução a publicidade & propaganda Aula 3 - Departamentos e uxograma da agência de propaganda introdução a publicidade & propaganda Aula 3 - Departamentos e uxograma da agência de propaganda professor Rafael Ho mann Campanha Conjunto de peças com o mesmo objetivo, conjunto de peças publicitárias

Leia mais

PESQUISA INÉDITA DO CREMESP. 93% dos médicos recebem brindes e benefícios das empresas farmacêuticas e de equipamentos

PESQUISA INÉDITA DO CREMESP. 93% dos médicos recebem brindes e benefícios das empresas farmacêuticas e de equipamentos PESQUISA INÉDITA DO CREMESP 93% dos médicos recebem brindes e benefícios das empresas farmacêuticas e de equipamentos 80% dos médicos recebem visitas de representantes da indústria de medicamentos Estudo

Leia mais

O BOM PROFESSOR DA PÓS-GRADUAÇÃO E SUA PRÁTICA. PALAVRAS-CHAVE: docência universitária, formação docente, representações, perspectivas paradigmáticas

O BOM PROFESSOR DA PÓS-GRADUAÇÃO E SUA PRÁTICA. PALAVRAS-CHAVE: docência universitária, formação docente, representações, perspectivas paradigmáticas O BOM PROFESSOR DA PÓS-GRADUAÇÃO E SUA PRÁTICA Núbia Vieira TEIXEIRA; Solange Martins Oliveira MAGALHÃES Mestrado - Programa de Pós - Graduação em Educação - FE/UFG vitenubia@yahoo.com.br;solufg@hotmail.com

Leia mais

2. Os estudantes sujeitos do Ensino Médio e os direitos à aprendizagem e ao desenvolvimento humano na Área de Ciências Humanas

2. Os estudantes sujeitos do Ensino Médio e os direitos à aprendizagem e ao desenvolvimento humano na Área de Ciências Humanas 1. O Passado das ciências (Integração). O papel das Ciências Humanas? 2. Os estudantes sujeitos do Ensino Médio e os direitos à aprendizagem e ao desenvolvimento humano na Área de Ciências Humanas Contexto

Leia mais

AS PROPAGANDAS DE CERVEJA: UMA ANÁLISE DO DISCURSO MASCULINO

AS PROPAGANDAS DE CERVEJA: UMA ANÁLISE DO DISCURSO MASCULINO 307 AS PROPAGANDAS DE CERVEJA: UMA ANÁLISE DO DISCURSO MASCULINO Ana Paula Ferreira da Silva * - UNIVERSO Lílian Jordão Pessoa Duarte ** - UNIVERSO 0 Considerações Iniciais Por meio dos recursos técnicos

Leia mais

e-scrita ISSN 2177-6288

e-scrita ISSN 2177-6288 194 e-scrita ISSN 2177-6288 COMO LER IMAGENS? SANTAELLA, Lucia. Leitura de imagens. São Paulo. Melhoramentos. 2012. 184 p. (Coleção Como eu ensino). Rodrigo da Costa Araujo 1 Como ler imagens? Como elas

Leia mais

Estilhaçando a Degradação Ambiental 1. Sávio Wesley Moura GOMES 2 Renata Campos MOREIRA 3 George Gustavo Moura de FREITAS 4 Talita Garcez GUIMARÃES 5

Estilhaçando a Degradação Ambiental 1. Sávio Wesley Moura GOMES 2 Renata Campos MOREIRA 3 George Gustavo Moura de FREITAS 4 Talita Garcez GUIMARÃES 5 Estilhaçando a Degradação Ambiental 1 Sávio Wesley Moura GOMES 2 Renata Campos MOREIRA 3 George Gustavo Moura de FREITAS 4 Talita Garcez GUIMARÃES 5 Faculdade 7 de Setembro, Fortaleza, CE RESUMO O seguinte

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: 4001 Publicidade e Propaganda MISSÃO DO CURSO O curso de Publicidade e Propaganda do Centro Universitário Estácio Radial de São Paulo tem como missão formar

Leia mais

ACT, FIOCRUZ E UFF LANÇAM ESTUDO SOBRE POLÍTICAS DE CONTROLE DO TABAGISMO E A RELAÇÃO COM A POBREZA

ACT, FIOCRUZ E UFF LANÇAM ESTUDO SOBRE POLÍTICAS DE CONTROLE DO TABAGISMO E A RELAÇÃO COM A POBREZA ACT, FIOCRUZ E UFF LANÇAM ESTUDO SOBRE POLÍTICAS DE CONTROLE DO TABAGISMO E A RELAÇÃO COM A POBREZA A Aliança de Controle do Tabagismo ACT, o Centro de Estudos sobre Tabaco e Saúde da Escola Nacional de

Leia mais

Porque o homem não muda. Evolui. Um estudo sobre a relação entre masculinidade, paternidade e publicidade na sociedade contemporânea

Porque o homem não muda. Evolui. Um estudo sobre a relação entre masculinidade, paternidade e publicidade na sociedade contemporânea Fazendo Gênero 8 - Corpo, Violência e Poder Florianópolis, de 25 a 28 de agosto de 2008 Porque o homem não muda. Evolui. Um estudo sobre a relação entre masculinidade, paternidade e publicidade na sociedade

Leia mais

introdução a publicidade & propaganda Aula 3- Funções e Conceitos de publicidade e propaganda

introdução a publicidade & propaganda Aula 3- Funções e Conceitos de publicidade e propaganda introdução a publicidade & propaganda Aula 3- Funções e Conceitos de publicidade e propaganda professor Rafael Ho mann Setores envolvidos Anunciante também conhecido como cliente, é a empresa, pessoa ou

Leia mais

TELEJORNALISMO E ESTUDOS CULTURAIS

TELEJORNALISMO E ESTUDOS CULTURAIS Sétimo Fórum Nacional de Professores de Jornalismo Praia dos Ingleses, SC, abril de 2004 GT: Laboratório de Jornalismo Eletrônico Trabalho: TELEJORNALISMO E ESTUDOS CULTURAIS Autora: Célia Maria Ladeira

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA LOGOTIPO MACMILLAN BRASIL Utilização colorido; preto/branco e negativo Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que

Leia mais

SEQUÊNCIA DIDÁTICA: A Publicidade na Sala de Aula

SEQUÊNCIA DIDÁTICA: A Publicidade na Sala de Aula OFICINA SEMIPRESENCIAL O(S) USO(S) DE DOCUMENTO(S) DE ARQUIVO NA SALA DE AULA ALUNA: Alcinéia Emmerick de Almeida / Núcleo de Ação Educativa - APESP SEQUÊNCIA DIDÁTICA: A Publicidade na Sala de Aula TEMA:

Leia mais

Etapas da Metodologia da Pesquisa Científica. Maria da Conceição Muniz Ribeiro Mestre em Enfermagem pela UERJ

Etapas da Metodologia da Pesquisa Científica. Maria da Conceição Muniz Ribeiro Mestre em Enfermagem pela UERJ Etapas da Metodologia da Pesquisa Científica Maria da Conceição Muniz Ribeiro Mestre em Enfermagem pela UERJ Metodologia da Pesquisa Cientifica Metodologia Como se procederá a pesquisa? Caminhos para se

Leia mais

OS PADRÕES NORMATIVOS DE GÊNERO E SEXUALIDADE: UMA ANÁLISE A PARTIR DO FILME A BELA E A FERA

OS PADRÕES NORMATIVOS DE GÊNERO E SEXUALIDADE: UMA ANÁLISE A PARTIR DO FILME A BELA E A FERA OS PADRÕES NORMATIVOS DE GÊNERO E SEXUALIDADE: UMA ANÁLISE A PARTIR DO FILME A BELA E A FERA Geane Apolinário Oliveira UEPB Geane-cg@hotmail.com Introdução O presente artigo tem por objetivo enfatizar

Leia mais

QUADRO CURSO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA QUADRO ANTERIOR A 2001 ATÉ O CURRICULO VIGENTE NO PRÓPRIO CURSO - 3 primeiros períodos

QUADRO CURSO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA QUADRO ANTERIOR A 2001 ATÉ O CURRICULO VIGENTE NO PRÓPRIO CURSO - 3 primeiros períodos QUADRO CURSO D PUBLICIDAD PROPAGANDA QUADRO ANTRIOR A 2001 ATÉ O CURRICULO VIGNT NO PRÓPRIO CURSO - 3 primeiros períodos DISCIPLINA A DISCIPLINA B CÓDIGO DISCIPLINA - 2008 C/H CUR -SO DISCIPLINA C/H CÓDIGO

Leia mais

DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS Registros Acadêmicos da Graduação. Ementas por Curso 09/05/2011 14:54

DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS Registros Acadêmicos da Graduação. Ementas por Curso 09/05/2011 14:54 Curso: DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS Centro de Ciências Humanas e da Comunicação Comunicação Social (Noturno) Ano/Semestre: 011/1 09/05/011 1:5 COM.0000.0.000- COM.0001.0.001-0 COM.0019.01.001-7 FIL.0051.00.00-3

Leia mais

RECONTEXTUALIZAÇÃO NAS POLÍTICAS DE CURRÍCULO EM NITERÓI, RIO DE JANEIRO MATHEUS, Danielle dos Santos Colégio Pedro II e UERJ GT-12: Currículo

RECONTEXTUALIZAÇÃO NAS POLÍTICAS DE CURRÍCULO EM NITERÓI, RIO DE JANEIRO MATHEUS, Danielle dos Santos Colégio Pedro II e UERJ GT-12: Currículo 1 RECONTEXTUALIZAÇÃO NAS POLÍTICAS DE CURRÍCULO EM NITERÓI, RIO DE JANEIRO MATHEUS, Danielle dos Santos Colégio Pedro II e UERJ GT-12: Currículo No bojo das reformas educacionais implementadas no Brasil

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE PEDAGOGIA Disciplina: Comunicação e Expressão Ementa: A leitura como vínculo leitor/texto através do conhecimento veiculado pelo texto escrito. Interpretação:

Leia mais

CURRÍCULO, CONHECIMENTO E CULTURA: MOVIMENTOS DE SIGNIFICAÇÃO

CURRÍCULO, CONHECIMENTO E CULTURA: MOVIMENTOS DE SIGNIFICAÇÃO CURRÍCULO, CONHECIMENTO E CULTURA: MOVIMENTOS DE SIGNIFICAÇÃO Glauber Resende Domingues 1 Universidade Federal do Rio de Janeiro / PPGE Regina Ferreira Barra Universidade Federal do Rio de Janeiro / PPGE

Leia mais

LEITURAS DO MEDO: As notícias sobre violência e sua relação com o aumento do sentimento de insegurança.

LEITURAS DO MEDO: As notícias sobre violência e sua relação com o aumento do sentimento de insegurança. LEITURAS DO MEDO: As notícias sobre violência e sua relação com o aumento do sentimento de insegurança. Jaquelaine SOUSA 1 Dalva Borges de SOUZA 2 Programa de Pós-Graduação em Sociologia/Faculdade de Ciências

Leia mais

Por que a propaganda de medicamentos é fiscalizada? Regulamentação da promoção de medicamentos pela ANVISA SAÚDE ART. 196 CF

Por que a propaganda de medicamentos é fiscalizada? Regulamentação da promoção de medicamentos pela ANVISA SAÚDE ART. 196 CF Regulamentação da promoção de medicamentos pela ANVISA VIGILÂNCIA SANITÁRIA / ART. 200 - CF Ao Sistema Único de Saúde compete, além de outras atribuições, nos termos da lei: II - executar as ações de vigilância

Leia mais