Fertilização da Batateira. Raul Maria Cássia EMATER/MG Senador Amaral

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Fertilização da Batateira. Raul Maria Cássia EMATER/MG Senador Amaral"

Transcrição

1

2 Fertilização da Batateira Raul Maria Cássia EMATER/MG Senador Amaral

3 Necessidade de Adubação na Cultura da Batata Adubação X Custo de produção 30% dos Insumos 20% do custo total

4 Extração da batateira Para 50 toneladas por hectare MACRONUTRIENTES KG- 50 TON MICRONUTRIENTES G/-50 TON. NITROGÊNIO 150 a 250 BORO 30 a 75 FÓSFORO 15 a 25 ZINCO 150 a 200 POTÁSSIO 200 a 325 FERRO 100 a 200 CÁLCIO 25 a 75 COBRE 65 a 100 MAGNÉSIO 5 a 15 MANGANÊS 85 a 105 ENXOFRE 15 a 40 MOLIBDÊNIO 1,5 a 2,0

5 Lei do Mínimo: A produção das culturas é limitada pelo nutriente em menor disponibilidade no solo, mesmo que todos os outros estejam disponíveis em quantidades adequadas

6 Estádios fenológicos da batateira Curva de Absorção de Nitrogênio Emergência Crescimento vegetativo Enchimento dos tubérculos Senescência e maturação

7 Estimativa nacional da demanda relativa por fertilizantes pelas principais culturas agrícolas, kg.ha FONTE: Prof. Dr. Godofredo Cesar Vitti

8 Recomendação de fertilizantes em vários países Países N(kg/há) P2O5(kg/há) K2O (kg/há) Observações Inglaterra Ciclo longo Inglaterra Precoces e sementes França Tardias França Sementes Alemanha Tardias Alemanha Sementes Estados Unidos- Flórida Irrigado(Mineral) Estados Unidos Não Irrigado Estados Unidos Orgânico FONTE: Perrenoud (1993)

9 Impactos Ambientais inerentes ao uso de fertilizantes 1- Nitrogênio- Lixiviação águas em excesso 2- Fósforo erosão- eutrofização de lagos e rios- 3- Corretivos resíduos de siderurgia- USO RACIONAL DO SOLO E ÁGUA USO RACIONAL DE FERTILIZANTES E CORRETIVOS

10 Adubação da Cultura da Batata na Produção Integrada Primordial: ANÁLISE DE SOLOS -Amostragem correta. -Laboratório idôneo e credenciado - interpretação da análise de solos

11 "A adubação começa com a análise do solo, continua com a correção da acidez e termina com a aplicação do adubo" ( Malavolta,1993 ).

12 AMOSTRAGEM DO SOLO ANÁLISE EM LABORATÓRIO INTERPRETAÇÃO DE RESULTADOS ANÁLISE QUÍMICA DO SOLO MANEJO DA FERTILIDADE DO SOLO (RECOMENDAÇÃO)

13 VARIÁVEIS DA ADUBAÇÃO DA BATATA ADUBAÇÃO IDEAL ANÁLISE DE SOLOS industrial FINALIDADE: VARIEDADES ÉPOCA DE PLANTIO Batata Consumo Batata Semente Características Ciclo Cultural VERÃO INVERNO in natura Ciclo Curto Ciclo longo TRATOS CULTURAIS IRRIGADA SEQUEIRA ESTADO FISIOLÓGICO DA BATATA SEMENTE

14 % Açucares Redutores 0,22 0,21 0,20 0,19 0,18 0,17 0, N kg/ha Efeito do nitrogênio sobre o conteúdo em % em açucares redutores dos tubéculos, POL.1960

15 CALAGEM Batata tem alta tolerância quanto a acidez do solo: ph:5,0 ~6,5 Mas é muito exigente em Cálcio Saturação de Bases de 50 a 65%

16 Recomendações de Adubação N 0-25 P resina (mg/dm 3) >60 0-1,5 K trocável, (mmolc/dm 3) 1,6-3,0 >3, 0 0-0,20 B água quente, (mg/dm 3) 0,21-0,60 >0,6 0 N kg/ha P 2 O 5, kg/ha K 2 O, kg/ha B, kg/ha Fonte: APTA-IAC,

17 Sugestão de adubação (Vitti et al.,2002): Sulco de plantio a) Doses de nutrientes: N: 40 a 60 kg/ha P : 150 a 450 kg/ha (fonte de S = Superfostato Simples) K 2 0: 110 a 140 kg/ha B e Zn: 2 e 4 kg/ha, respectivamente b) Formulações: ,2%B + 0,4%Zn + 4%S kg/ha ,15%B + 0,3%Zn + 3%S 1500 kg/ha

18 Sugestão de adubação (Vitti et al.,2002): Por ocasião da emergência a) Doses de nutrientes: N: 80 a 100 kg/ha* K 2 0: 110 a 140 kg/ha * Fonte de S = Sulfato de amônio b) Formulações: a 500 kg/ha

19 5ª Aproximação- Minas Gerais- 1999: dose total Disponibilidade de P ou K P2O5 K2O N Kg/há Baixa Média Boa Muito Boa PARCELAMENTO DA ADUBAÇÃO NPK Nutriente Plantio 1ª 2ª % do total indicado N 20 80? P 80 20? K 20 80?

20 Quantidade de Fertilizantes a serem aplicados na cultura da batata em vários Estados Brasileiros N N ESTADOS No plantio Em cobertura P2O5 K2O ES MG PR SP SP(IRRIGADA) GO DF MÉDIA FONTE: Paulo Cézar R. Fontes (1999)

21 PROPOSTA DE ADUBAÇÃO NA PRODUÇÃO INTEGRADA N- Plantio- 40 a 80 kg/ha N- COBERTURA KG/ha VARIAÇÕES: -MO >3% REDUZIR O N -Incorporação de palhadas próximo ao plantio: aumentar o N em 15 a 20 kg/ha no sulco -Excesso de chuvas (irrigação) entre o plantio e a amontoa aumentar o N em cobertura. -Doses menores no verão -Solos arenosos: parcelamentos

22 dose total Disponibilidade de P ou K P2O5 K2O Kg/há Baixa Média Boa Muito Boa

23 RESULTADOS DA PIB

24 CAMPOS IMPLANTADOS: SAFRA DA SECA 2006: 1- ANTONIO GARCIA BRANDÃO 2- RUBENS VILELA DOS SANTOS JUNIOR SAFRA DE INVERNO 2006: 3- GERALDO PEREIRA ALVARENGA SAFRA DAS ÁGUAS 2006: 4- LAIRTO ANTONIO DE ALMEIDA

25 CAMPO 1- PROPRIETÁRIO: PROPRIEDADE: MUNICÍPIO: ANTONIO GARCIA BRANDÃO SITIO CAXAMBU SENADOR AMARAL-MG CARACTERÍSTICAS DA REGIÃO 1- LOCALIZAÇÃO GEOGRÁFICA: S ,0 e W ,2 2- ALTITUDE: m 3- TOPOGRAFIA: ondulada a fortemente ondulada 4- TIPO DE SOLO: Latossolo 5- DECLIVIDADE: 16%

26 RESULTADO DA ANÁLISES DE SOLOS ph P K Ca Mg Al H+A l SB CTC M V 5,8 18, ,0 0,5 0,2 2,6 2,8 5,4 7 51,9 RECOMENDAÇÕES 1- CALAGEM- DISPENSADA 2-ADUBAÇÃO RECOMENDADA- PLANTIO- NPK ( )- Formula mais aproximada Cobertura kg/ha

27 Adubação efetuada- FORMULA %Ca, e MICRONUTRIENTES 1- PRODUTOR QUILOS POR HECTARE+ 600 KG PIB QUILOS POR HECTARE KG (COBERTURA)

28 1- INSETICIDA DE SULCO PRODUTOR PIB S/ PIB C/ CLORPHIRIPHOS 0 Thiametoxan 2- Fungicida Sulco PULSOR N.º de Pulverizaçõesinseticidas 4- N.º de pulverizações Fungicidas CUSTO DEFENSIVOS 2.043, , ,73 CUSTO ADUB 1.878, , , kg/ha kg/ha 1- DEFENSIVOS: 14 A 23% MENOR NO PIB 2- FERTILIZANTES: 16% MENOR

29 CUSTO DE PRODUÇÃO- Hectare ITENS 1- PRODUTOR 2- PIB s/ 3- PIB c/ BATATA-SEMENTE , , ,00 DEFENSIVOS 2.043, , ,73 FERTILIZANTES 1.878, , ,00 Total de Insumos 6.123, , ,73 Serv. Mec. E M. Obra 3.182, , ,00 1- Total Geral- hectare 9.304, , ,73 Produção Total- SC/há Prod. Comercial Custo por saco 15,90 13,13 12,56 100% 82% 79% Preço de Venda 18,00 18,00 18,00 Lucro R$/saca 2,10 4,90 5,45 Rentabilidade 12% 27% 30%

30 RESULTADOS Trata/os Prod. Total- Kg/há. Quant. Abaixo de 44 mm Prod. Comercial -sc/ha 1-Produtor (100%) PIB (113%) PIB (124%) PIB SEM THIAMETOXAM- 3- PIB COM THIAMETOXAM 2 e 3 com a mesma adubação

31 CAMPO 2- PROPRIETÁRIO: PROPRIEDADE: MUNICÍPIO: RUBENS VILELA DOS SANTOS JUNIOR SITIO SÃO JOSÉ CONGONHAL-MG CARACTERÍSTICAS DA REGIÃO 1- LOCALIZAÇÃO GEOGRÁFICA: S ,2 e W ,3 2- ALTITUDE: 899 m 3- TOPOGRAFIA: PLANA A LEVEMENTE ONDULADA 4- TIPO DE SOLO: Latossolo 5- DECLIVIDADE: 4%-8%

32

33 RESULTADO DA ANÁLISES DE SOLOS ph P K Ca Mg Al H+A l SB CTC M V 5,8 > ,7 1,0 0,1 2,6 5,1 7, RECOMENDAÇÕES 1- CALAGEM- DISPENSADA

34 ANÁLISES DE SOLOS 2- ADUBAÇÃO RECOMENDADA 3 NÍVEIS 1- formula: dose: quilos por hectare 2- formula: dose: quilos por hectare 3- formula: dose: 750 quilos por hectare

35 Adubação efetuada do Produtor- FORMULA %Ca, e MICRONUTRIENTES 1- PRODUTOR QUILOS POR HECTARE KG

36 Adubação de cobertura- PIB- 1 PLANTIO: formula: dose: quilos por hectare + COBERTURA: KG/HÁ PIB- 2 PLANTIO: formula: dose: 1410 quilos por hectare + COBERTURA: KG/HÁ PIB- 3 PLANTIO: formula: dose: 700 quilos por hectare + COBERTURA: KG/HÁ

37 Inseticidas De Sulco Plantio Fungicida De Sulco Plantio Nº. De Pulverizações Inseticidas N.º Pulverizações Fungicidas Custo Defensivos Custo Fertilizantes PRODUTOR PIB1 PIB 2 PIB3 CLOROPIRIFOS THIAMETOXA M FLUAZINAM + PENCYCURON THIAMETOXAM NADA NADA NADA , , , , , ,00 999,00 661,25 THIAMETOXAM

38 RESULTADOS PRELIMINARES DE CAMPO. rata/os Prod. Total- Kg/h a Quant. Abaixo de 44 mm Prod. Comercial - sc/h a -Produtor % PIB % 888,4 - PIB % PIB % 568,6

39 CUSTO DE PRODUÇÃO- Hectare itens Produtor PIB 1 PIB 2 PIB 3 Batata Semente 2.250, , , ,00 Fertilizantes plantio 1.562,40 840,00 564,00 280,00 Fertilizantes cobertura TOTAL FERTILIZ 341,25 377,00 435,00 381, , ,00 (-36%) 999,00 (-47,05%) 661,25 (-65,26%) DEFENS. SULCO 368,00 206,00 (-44%) 206,00 (-44%) 206,00 (-44%) DEFENS. AÉREA 1.885, , , ,00 TOTAL DEFENS , , , ,00 Serv. Mec. M. O , , , ,00 Total geral 9.827, , , ,25 Custo por saca 12,07-100% 10,23-84,75% 12,30-102% 14,18-117,48% Preço/venda 18,00 18,00 18,00 18,00 lucro 5,93 7,77 5,70 3,82 Rentabilidade 33% 43% 32% 21%

40 PRODUÇÃO INTEGRADA RESULTADOS DE CAMPO SAFRA DE INVERNO-2006

41 PROPRIETÁRIO: PROPRIEDADE: MUNICÍPIO: GERALDO PEREIRA ALVARENGA FAZENDA SÃO GERALDO SÃO GONÇALO DO SAPUCAI-MG CARACTERÍSTICAS DA REGIÃO 1- LOCALIZAÇÃO GEOGRÁFICA: S ,8 e W ,9 2- ALTITUDE: 940 m. 3- TOPOGRAFIA: Levemente ondulada 4- TIPO DE SOLO: Latossolo 5- DECLIVIDADE: 8%

42 RESULTADO DA ANÁLISES DE SOLOS ph- CaCl2 P- Resina mg/dm³ K- Mmolc/dm³ Ca Mmol/c dm³ Mg Mmol/cd m³ Al Mmol/cdm ³ H+A l Mmol/cd m³ SB Mmol/cd m³ CTC Mmol/cd m³ M% V% 6,0 42 3, ,9 79,7 1,3 48 RECOMENDAÇÕES 1- CALAGEM- DISPENSADA 2-ADUBAÇÃO RECOMENDADA- 3 Níveis de adubação:

43 1- adubação de acordo com a Interpretação do resultado de análise de solos- 5ª Aproximação 2- adubação de acordo com o uso tradicional do Produtor 3- adubação com níveis acima do recomendado na Interpretação do resultado de análise de solos- 5ª Aproximação

44 1- DE ACORDO COM A 5ª APROXIMAÇÃO N: 50 KG/HA P2O5: 300 KG/HA K2O: 50 KG/HA BORO: 1,5 KG/HA

45 1- DE ACORDO COM A 5ª APROXIMAÇÃO FORMULA MAIS APROXIMADA AO RECOMENDADO: : KG/HA 2,5-15-2,5: KG/HA FÓRMULAS SIMPLES- UTILIZADA PLANTIO SULFATO DE AMONIA- 100 KG SUPERFOSFATO SIMPLES- 660 KG - CLORETO DE POTÁSSIO- 36 KG- ÁCIDO BÓRICO- 4 KG GESSO(enchimento)- 200 KG Total KG

46 2- DE ACORDO COM O USO TRADICIONAL DO PRODUTOR N: 188 KG/HA P2O5: 564 KG/HA K2O: 376 KG/HA BORO: 2,35 KG/HA

47 2- DE ACORDO COM O USO TRADICIONAL DO PRODUTOR FÓRMULA UTILIZADA mais microelementos: kg/ha B: 0,05% Mg:0,05% Zn:0,05% S:5% Ca:10%

48 3- DE ADUBAÇÃO COM NÍVEIS ACIMA DO RECOMENDADO NA INTERPRETAÇÃO DO RESULTADO DE ANÁLISE DE SOLOS- 5ª APROXIMAÇÃO N: 70 KG/HA P205: 350 KG/HA K20: 100 KG/HA BORO: 1,5 KG/HA

49 2- DE ADUBAÇÃO COM NÍVEIS ACIMA DO RECOMENDADO NA INTERPRETAÇÃO DO RESULTADO DE ANÁLISE DE SOLOS- 5ª APROXIMAÇÃO FORMULA MAIS APROXIMADA AO RECOMENDADO: : KG/HA FÓRMULAS SIMPLES- UTILIZADA SULFATO DE AMONIA- 140 KG SUPERFOSFATO SIMPLES- 800 KG CLORETO DE POTÁSSIO- 70 KG ÁCIDO BÓRICO- 2 KG Total KG

50 2- QUADRO ADUBAÇÃO DOS CAMPOS DE BATATA adubação 1-produtor 2- PIB 3- PIB kg/ha Sulfato de amônia S.Simples Cloreto Potássio

51 1- INSETICIDA DE SULCO PRODUTOR PIB PIB + CLORPHIRIPHOS Thiametoxan Thiametoxan 2- Fungicida Sulco Thifluzamide N.º de Pulverizaçõesinseticidas 4- N.º de pulverizações Fungicidas CUSTO DEFENSIVOS 2.331, , ,73 CUSTO ADUB 2.209, , ,90 1- DEFENSIVOS: 19% MENOR NO PIB 2- FERTILIZANTES: 52% a 60,5% MENOR

52 CUSTO DE PRODUÇÃO- Hectare ITENS 1- PRODUTOR 2- PIB 3- PIB BATATA-SEMENTE , , ,00 DEFENSIVOS 2.331, ,73(-19%) 1887,73(-19%) FERTILIZANTES 2.209,00 825,00(-63%) 1.060,90(-52%) Total de Insumos 6.740, ,73(-27%) 5.148,63(-23%) Serv. Mec. E M. Obra 4.182, , ,50 1- Total Geral- hectare , ,23(-17%) 9.331,13(-14%) Produção- kg/ha , , ,93 Prod. Comercial(extra) Custo por saco 13,58 9,91 9,21 100% 73% 68% Preço de Venda 19,00 19,00 19,00 Lucro R$/saca 5,42 9,09 9,79 Rentabilidade 40% 91,72% 106%

53 RESULTADOS Trata/os Prod. Total- Kg/há. Quant. Abaixo de 44 mm Prod. Comercial -sc/ha 1-Produtor , (100%) PIB 57430, (114%) PIB , ,50 (126%) 1013

54 PRODUÇÃO INTEGRADA RESULTADOS DE CAMPO SAFRA DAS ÁGUAS-2006

55 PROPRIETÁRIO: PROPRIEDADE: MUNICÍPIO: LAIRTO ANTONIO ALMEIDA FAZENDA PITANGUEIRAS SENADOR AMARAL-MG CARACTERÍSTICAS DA REGIÃO 1- LOCALIZAÇÃO GEOGRÁFICA: S ,9 e W ,5 2- ALTITUDE: m. 3- TOPOGRAFIA: ondulada a fortemente ondulada 4- TIPO DE SOLO: Latossolo 5- DECLIVIDADE: 12%

56 RECOMENDAÇÕES DE ADUBAÇÃO E CORREÇÃO ANÁLISE DE SOLOS -ph:5,8 -P: Médio -K: Bom - RECOMENDAÇÕES 1- CALAGEM- DISPENSADA 2-ADUBAÇÃO RECOMENDADA : KG/ALQUEIRE 3-ADUBAÇÃO EFETUADA : KG/ALQUEIRE KG/ha

57 1- adubação de acordo com a Interpretação do resultado de análise de solos- 5ª Aproximação 2- adubação de acordo com o uso tradicional do Produtor

58 1- ADUBAÇÃO DO PIB N: 88 KG/HA P2O5: 308 KG/HA K2O: 176 KG/HA

59 2- ADUBAÇÃO DO PRODUTOR N: 120 KG/HA P2O5: 416 KG/HA K2O: 240 KG/HA

60 PROD. PIB- Efetuado PIB- Rec. N P2O K2O

61 PRODUTOR PIB 1- INSETICIDA DE SULCO CLORPHIRIPHOS Thiametoxan 2- Fungicida Sulco Thifluzamide 0 3-N.º de Pulverizaçõesinseticidas 4- N.º de pulverizações Fungicidas CUSTO DEFENSIVOS 2.331, ,73 CUSTO ADUB 1.380, ,00 1- DEFENSIVOS: 19% MENOR NO PIB 2- FERTILIZANTES: 26% MENOR

62 CUSTO DE PRODUÇÃO- Hectare ITENS 1- PRODUTOR 2- PIB BATATA-SEMENTE , ,00 DEFENSIVOS 2.331, ,73(-%) FERTILIZANTES 1.380, ,00(-%) Total de Insumos 5.911, ,73(-%) Serv. Mec. E M. Obra 4.182, ,50 1- Total Geral- hectare , ,23(-%) Produção- kg/ha Prod. Comercial(extra) Custo por saco(variáveis) 12,74 10,86 100% 85,24%

63 RESULTADOS Trata/os Prod. Total- Kg/há. Quant. Abaixo de 44 mm Prod. Comercial -sc/ha 1-Produtor (100%) PIB (108%) 853,96

64 ENSAIOS SOBRE RESTRIÇÃO DE NÍVEIS DE ADUBAÇÃO EM BATATA LOCAL: Senador Amaral - MG Sra. Nadir Almeida Silvério Data do Plantio: 10/09/2006 Data colheita: 27/02/07 Cultivar: Asterix Manejo Sem irrigação Adubação base Tratamentos: T0 = Convencional (a usada pelo produtor)= quilos/ha T1 = 1600 kg ( 200% da recomendada pela 5ª aproximação) T2 = 800 kg (100% da 5ª aproximação) T3 = 600 kg (+50 % da 5ª aproximação) T4 = 400 kg (a recomendada pela 5ª aproximação)

65 Área parcela colhida: 7m x 1,6m = 11,2 m quadrados DADOS TABULADOS CULTIVAR ASTERIX Produção Total kg/parcela Trat-kg/hectare I II III IV ,80 26,55 29,90 30, ,00 27,20 29,64 27, ,50 33,40 21,25 22, ,90 24,10 22,15 26, ,00 30,60 25,08 26,00

66 Produção total kg/há Trat-kg/há I II III IV , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,93

67 Produção comercial kg/parcela Trat I II III IV ,60 22,30 25,20 26,45 24, ,40 22,80 24,88 25,20 24, ,10 25,30 15,50 20,35 20, ,60 19,55 17,45 19,80 18, ,40 25,00 20,50 23,40 22,58

68 Produção comercial kg/ha Trat I II III IV , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,25

69 ENSAIOS SOBRE RESTRIÇÃO DE NÍVEIS DE ADUBAÇÃO EM BATATA LOCAL: BOM REPOUSO - MG Sr. Antonio Garcia Brandão Data do plantio: 05/09/2006 Data colheita: 28/02/07 Duas cultivares: Monalisa e Eden Manejo Sem irrigação Adubação base Tratamentos: T0 = Convencional (a usada pelo produtor) T1 = 1600 kg ( 200% da recomendada pela 5ª aproximação) T2 = 800 kg (100% da 5ª aproximação) T3 = 600 kg (50 % da 5ª aproxamação) T4 = 400 kg (a recomendada pela 5ª aproximação)

70 Produção Total kg/parcela Trat I II III IV média 0 17,10 17,00 21,75 22,30 19, ,20 18,70 19,00 18,40 19, ,00 18,30 23,90 21,60 21, ,15 14,40 15,50 15,70 15, ,90 15,80 18,20 13,40 16,325

71 Produção total kg/há Trat I II III IV média , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,25

72 Produção comercial kg/há Trat I II III IV média , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,25

73 Raul Maria Cássia EMATER/MG- Senador Amaral Fone:

74 Estádios fenológicos da batateira Curva de Absorção de Nitrogênio Emergência Crescimento vegetativo Enchimento dos tubérculos Senescência e maturação

MÉTODOS DE CORREÇÃO DO SOLO

MÉTODOS DE CORREÇÃO DO SOLO MÉTODOS DE CORREÇÃO DO SOLO O laudo (Figura 1) indica os valores determinados no laboratório para cada camada do perfil do solo, servindo de parâmetros para direcionamento de métodos corretivos. Figura

Leia mais

Nutrição do cafeeiro e uso de Sódio S na agricultura. de Oliveira Silva Guilherme Maluf Breno Geraldo Rabelo Leblon Urbano Guimarães

Nutrição do cafeeiro e uso de Sódio S na agricultura. de Oliveira Silva Guilherme Maluf Breno Geraldo Rabelo Leblon Urbano Guimarães Nutrição do cafeeiro e uso de Sódio S na agricultura Júlio César C de Oliveira Silva Guilherme Maluf Breno Geraldo Rabelo Leblon Urbano Guimarães Sumário 1. História do café no Brasil 2. Conceitos e legislação

Leia mais

RESUMO. Introdução. 1 Acadêmicos PVIC/UEG, graduandos do Curso de Agronomia, UnU Ipameri - UEG.

RESUMO. Introdução. 1 Acadêmicos PVIC/UEG, graduandos do Curso de Agronomia, UnU Ipameri - UEG. EFEITOS DE FERTILIZANTES E CORRETIVOS NO ph DO SOLO Tiago Trevizam de Freitas 1 ; Zélio de Lima Vieira 1 ; Valter de Oliveira Neves Júnior 1 ; Rodolfo Araújo Marques 1 ; Raimar Vinícius Canêdo 1 ; Adilson

Leia mais

Claudinei Kurtz Eng Agr MSc Epagri EE Ituporanga Fertilidade do Solo e Nutrição de Plantas. Governo do Estado

Claudinei Kurtz Eng Agr MSc Epagri EE Ituporanga Fertilidade do Solo e Nutrição de Plantas. Governo do Estado NUTRIÇÃO E ADUBAÇÃO DA CULTURA DA CEBOLA Claudinei Kurtz Eng Agr MSc Epagri EE Ituporanga Fertilidade do Solo e Nutrição de Plantas Governo do Estado AMOSTRAGEM DO SOLO Solo da camada 0-20cm 1ha = 2000

Leia mais

Interpretação da análise de solo

Interpretação da análise de solo Interpretação da análise de solo Tabela de interpretação A orientação para interpretação da análise de solo são organizadas em manuais estaduais e regionais. Manual Tabelas de interpretação Recomendações

Leia mais

Adubação da Cultura da Soja em Sistemas de Produção Dr. Eros Francisco Diretor Adjunto do IPNI Brasil

Adubação da Cultura da Soja em Sistemas de Produção Dr. Eros Francisco Diretor Adjunto do IPNI Brasil Adubação da Cultura da Soja em Sistemas de Produção Dr. Eros Francisco Diretor Adjunto do IPNI Brasil Rio Verde-GO, 04/09/13 http://brasil.ipni.net Material Educativo Material Educativo N em milho http://media.ipni.net/

Leia mais

Nutrição do Cafeeiro, Macro e Micronutrientes, Recomendações e Racionalização

Nutrição do Cafeeiro, Macro e Micronutrientes, Recomendações e Racionalização Nutrição do Cafeeiro, Macro e Micronutrientes, Recomendações e Racionalização Engº. Agrº. Antônio Wander R. Garcia Engº. Agrº. Alysson Vilela Fagundes Aspectos relevantes e indispensáveis 1. Por que adubar?

Leia mais

Campeão de Produtividade de Soja Região Sudeste. ANTONIO LUIZ FANCELLI Fundador do CESB e Docente da ESALQ/USP SAFRA 2011/2112

Campeão de Produtividade de Soja Região Sudeste. ANTONIO LUIZ FANCELLI Fundador do CESB e Docente da ESALQ/USP SAFRA 2011/2112 Campeão de Produtividade de Soja Região Sudeste ANTONIO LUIZ FANCELLI Fundador do CESB e Docente da ESALQ/USP SAFRA 2011/2112 Dados do Participante (Campeão) PRODUTOR: FREDERIK JAKOBUS WOLTERS CONSULTOR

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO GERALDO HENRIQUE FAZENDA ESTREITO FEVEREIRO 2010

RELATÓRIO TÉCNICO GERALDO HENRIQUE FAZENDA ESTREITO FEVEREIRO 2010 RELATÓRIO TÉCNICO GERALDO HENRIQUE FAZENDA ESTREITO FEVEREIRO 2010 Segue abaixo a interpretação da análise de solo, onde cada cor tem sua leitura em correspondência com a legenda. Segue abaixo também a

Leia mais

RELATÓRIO FINAL. AVALIAÇÃO DO PRODUTO CELLERON-SEEDS e CELLERON-FOLHA NA CULTURA DO MILHO CULTIVADO EM SEGUNDA SAFRA

RELATÓRIO FINAL. AVALIAÇÃO DO PRODUTO CELLERON-SEEDS e CELLERON-FOLHA NA CULTURA DO MILHO CULTIVADO EM SEGUNDA SAFRA RELATÓRIO FINAL AVALIAÇÃO DO PRODUTO CELLERON-SEEDS e CELLERON-FOLHA NA CULTURA DO MILHO CULTIVADO EM SEGUNDA SAFRA Empresa solicitante: FOLLY FERTIL Técnicos responsáveis: Fabio Kempim Pittelkow¹ Rodrigo

Leia mais

Fertilização em Viveiros para Produção de Mudas

Fertilização em Viveiros para Produção de Mudas Fertilização em Viveiros para Produção de Mudas Produção de Mudas - No sistema de raiz nua Produção de mudas de Pinus no sul do BR - No interior de recipientes - Sacos plásticos - Tubetes Fertilização

Leia mais

RACIONALIZAÇÃO DA ADUBAÇÃO DA CULTURA DE CANA-DE-AÇÚCAR Alternativas para redução de custo.

RACIONALIZAÇÃO DA ADUBAÇÃO DA CULTURA DE CANA-DE-AÇÚCAR Alternativas para redução de custo. RACIONALIZAÇÃO DA ADUBAÇÃO DA CULTURA DE CANA-DE-AÇÚCAR Alternativas para redução de custo. Claudimir Pedro Penatti Diretoria de Mercado&Oportunidades Gerente Regional Piracicaba José Anderson Forti Técnico

Leia mais

CALAGEM, GESSAGEM E AO MANEJO DA ADUBAÇÃO (SAFRAS 2011 E

CALAGEM, GESSAGEM E AO MANEJO DA ADUBAÇÃO (SAFRAS 2011 E RESPOSTA DE MILHO SAFRINHA CONSORCIADO COM Brachiaria ruziziensis À CALAGEM, GESSAGEM E AO MANEJO DA ADUBAÇÃO (SAFRAS 2011 E 2012) Carlos Hissao Kurihara, Bruno Patrício Tsujigushi (2), João Vitor de Souza

Leia mais

FERTILIZANTES Fertilizante: Classificação Quanto a Natureza do Nutriente Contido Quanto ao Critério Químico Quanto ao Critério Físico

FERTILIZANTES Fertilizante: Classificação Quanto a Natureza do Nutriente Contido Quanto ao Critério Químico Quanto ao Critério Físico FERTILIZANTES Fertilizante: qualquer substância mineral ou orgânica, natural ou sintética, capaz de fornecer um ou mais nutrientes essenciais às plantas Classificação Quanto a Natureza do Nutriente Contido

Leia mais

PLANTIO DIRETO. Definição JFMELO / AGRUFBA 1

PLANTIO DIRETO. Definição JFMELO / AGRUFBA 1 Definição JFMELO / AGRUFBA 1 INFLUÊNCIAS NO SOLO Matéria orgânica Estabilidade dos agregados e infiltração JFMELO / AGRUFBA 2 INFLUÊNCIAS NO SOLO Temperatura do solo JFMELO / AGRUFBA 3 INFLUÊNCIAS NO SOLO

Leia mais

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 455

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 455 Página 455 AVALIAÇÃO DA FITOMASSA SECA DA MAMONEIRA BRS 149 NORDESTINA SOB FERTILIZAÇÃO MINERAL Lúcia Helena Garófalo Chaves 1 ; Evandro Franklin de Mesquita 2,3 ; Hugo Orlando Carvallo Guerra 1 ; Diva

Leia mais

Simpósio: Apoio ao uso Balanceado de Potássio na Agricultura Brasileira

Simpósio: Apoio ao uso Balanceado de Potássio na Agricultura Brasileira Simpósio: Apoio ao uso Balanceado de Potássio na Agricultura Brasileira Como criar novos patamares de produtividade na cultura da soja. O que é necessário ser feito para aumentar a produtividade média

Leia mais

Nutrição Mineral da soja em Sistemas de Produção. Adilson de Oliveira Junior

Nutrição Mineral da soja em Sistemas de Produção. Adilson de Oliveira Junior Nutrição Mineral da soja em Sistemas de Produção Adilson de Oliveira Junior Temas Abordados Soja: Alguns Números/Fatos Preocupantes Adubação/Conceito de Manejo Integrado da FS Extração de Nutrientes Diagnose

Leia mais

ESTUDO DIRIGIDO Fertilidade do solo e nutrição de plantas

ESTUDO DIRIGIDO Fertilidade do solo e nutrição de plantas MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE AGRONOMIA ESTUDO DIRIGIDO Fertilidade do solo e nutrição de plantas Prof.

Leia mais

BPUPs para MILHO. Aildson Pereira Duarte Instituto Agronômico, Campinas (IAC)

BPUPs para MILHO. Aildson Pereira Duarte Instituto Agronômico, Campinas (IAC) BPUPs para MILHO Aildson Pereira Duarte Instituto Agronômico, Campinas (IAC) Área Milho Segunda Safra - Brasil 2012 Parte da segunda safra não é milho safrinha Fonte: IBGE Fonte: Fonte: Conab Conab Fonte:

Leia mais

ADUBAÇÃO ORGÂNICA E MINERAL NA PRODUTIVIDADE DA CANA- SOCA

ADUBAÇÃO ORGÂNICA E MINERAL NA PRODUTIVIDADE DA CANA- SOCA Fertilidade do Solo e Nutrição de Plantas ADUBAÇÃO ORGÂNICA E MINERAL NA PRODUTIVIDADE DA CANA- SOCA Lucélia Alves Ramos (1) ; Regina Maria Quintão Lana (2) ; Gaspar Henrique Korndörfer (2), Adriane de

Leia mais

Fertilidade do Solo, Adubação e 12 Nutrição da Cultura do Milho

Fertilidade do Solo, Adubação e 12 Nutrição da Cultura do Milho Fertilidade do Solo, Adubação e 1 Nutrição da Cultura do Milho Dirceu Luiz Broch Sidnei Kuster Ranno 1 1.1. Amostragem do solo A amostragem de solo com objetivo de orientar a utilização de corretivos e

Leia mais

Nutrientes. Do que as plantas precisam? Out, 2012 002/ Ano 02. Nutrientes

Nutrientes. Do que as plantas precisam? Out, 2012 002/ Ano 02. Nutrientes Nutrientes Do que as plantas precisam? Introdução Para se desenvolver perfeitamente a planta necessita de luz, água, temperatura adequada e de elementos minerais. O solo não é essencial a vida dos vegetais,

Leia mais

Fertilidade do Solo, Adubação e Nutrição da Cultura da Soja

Fertilidade do Solo, Adubação e Nutrição da Cultura da Soja 0 Fertilidade do Solo, Adubação e Nutrição da Cultura da Soja Dirceu Luiz Broch Sidnei Kuster Ranno.. Amostragem do solo A recomendação de adubação e de calagem baseia-se principalmente na análise de solo

Leia mais

FerDrrigação, a chave para ganhos em qualidade e produdvidade

FerDrrigação, a chave para ganhos em qualidade e produdvidade FerDrrigação, a chave para ganhos em qualidade e produdvidade Roberto Lyra Villas Bôas, FCA/UNESP, Botucatu, SP Eng. Agron. João Roberto do Amaral Junior Abril 2013 Introdução: A adubação representa 18%

Leia mais

NUTRIÇÃO E ADUBAÇÃO DO MILHO

NUTRIÇÃO E ADUBAÇÃO DO MILHO Antonio Marcos Coelho e Gonçalo Evangelista de França, pesquisadores da Embrapa Milho e Sorgo INTRODUÇÃO Apesar de o alto potencial produtivo da cultura do milho, evidenciado por produtividades de 0 e

Leia mais

MANEJO DA FERTILIDADE DO SOLO NO SISTEMA PLANTIO DIRETO NO CERRADO

MANEJO DA FERTILIDADE DO SOLO NO SISTEMA PLANTIO DIRETO NO CERRADO MANEJO DA FERTILIDADE DO SOLO NO SISTEMA PLANTIO DIRETO NO CERRADO Djalma Martinhão Gomes de Sousa, Thomaz A. Rein, João de Deus G. dos Santos Junior, Rafael de Souza Nunes 1 I INTRODUÇÃO No Cerrado, a

Leia mais

Composição do solo. 3 partes: Física: granulometria, porosidade, textura, dadas principalmente pelos. Químico: nutrientes disponíveis e ph

Composição do solo. 3 partes: Física: granulometria, porosidade, textura, dadas principalmente pelos. Químico: nutrientes disponíveis e ph JARDINAGEM O que é solo? O solo é a camada superficial da crosta terrestre, sendo formado basicamente por aglomerados minerais, matéria orgânica oriunda da decomposição de animais e plantas e organismos

Leia mais

Como formar seu Gramado

Como formar seu Gramado Como formar seu Gramado Nada menos que mil pés de grama convivem em cada metro quadrado de um gramado. E, ao contrário de uma horta ou canteiro, onde o solo pode ser revolvido, corrigido e enriquecido

Leia mais

PRODUTIVIDADE DO FEIJOEIRO COMUM EM FUNÇÃO DA SATURAÇÃO POR BASES DO SOLO E DA GESSAGEM. Acadêmico PVIC/UEG do Curso de Agronomia, UnU Ipameri - UEG.

PRODUTIVIDADE DO FEIJOEIRO COMUM EM FUNÇÃO DA SATURAÇÃO POR BASES DO SOLO E DA GESSAGEM. Acadêmico PVIC/UEG do Curso de Agronomia, UnU Ipameri - UEG. PRODUTIVIDADE DO FEIJOEIRO COMUM EM FUNÇÃO DA SATURAÇÃO POR BASES DO SOLO E DA GESSAGEM Zélio de Lima Vieira 1 ; Valter de Oliveira Neves Júnior 1 ; Rodolfo Araújo Marques 1 ; Rafael Benetti 1 ; Adilson

Leia mais

Nutrição Adubação de Culturas Oleaginosas

Nutrição Adubação de Culturas Oleaginosas INTRODUÇÃO 1 Nutrição Adubação de Culturas Oleaginosas Discente: Samuel Luan Pereira Docente: Marcela Nery O desenvolvimento da agropecuária, em termos de manejo, material genético e tecnologias, força

Leia mais

Cultura Da Mandioca (Manihot esculenta subsp esculenta)

Cultura Da Mandioca (Manihot esculenta subsp esculenta) Cultura Da Mandioca (Manihot esculenta subsp esculenta) CULTURA DA MANDIOCA (Manihot esculenta subsp esculenta) 1 - Características É um arbusto perene, pertencente à família botânica Euphorbiaceae, planta

Leia mais

FERTILIZANTES, ESCOLHA DE FÓRMULAS E TIPOS DE ADUBOS

FERTILIZANTES, ESCOLHA DE FÓRMULAS E TIPOS DE ADUBOS FERTILIZANTES, ESCOLHA DE FÓRMULAS E TIPOS DE ADUBOS Absorção plantas Prof. Dilmar Baretta (UDESC/CEO) & Profa. Carolina Baretta (UDESC/CEO/UNOCHAPECÓ) Roteiro da aula: 1) Noções de fertilizantes e escolha

Leia mais

PRODUTIVIDADE DA MAMONA HÍBRIDA SAVANA EM DIVERSAS POPULACÕES DE PLANTIO NO SUDOESTE DA BAHIA* fundacaoba.algodao@aiba.org.br; 4 Embrapa Algodão

PRODUTIVIDADE DA MAMONA HÍBRIDA SAVANA EM DIVERSAS POPULACÕES DE PLANTIO NO SUDOESTE DA BAHIA* fundacaoba.algodao@aiba.org.br; 4 Embrapa Algodão PRODUTIVIDADE DA MAMONA HÍBRIDA SAVANA EM DIVERSAS POPULACÕES DE PLANTIO NO SUDOESTE DA BAHIA* Gilvan Barbosa Ferreira 1, Ozório Lima de Vasconcelos 2, Murilo Barros Pedrosa 3, Arnaldo Rocha Alencar 4,

Leia mais

ADUBOS. Fontes, Características de qualidade física, química e físico-química LEGISLAÇÃO ADUBOS

ADUBOS. Fontes, Características de qualidade física, química e físico-química LEGISLAÇÃO ADUBOS Volnei Pauletti ADUBOS Fontes, Características de qualidade física, química e físico-química ADUBOS Definição: Toda substância mineral ou orgânica, natural ou sintética, fornecedora de um ou mais nutrientes

Leia mais

Produtividade Agrícola e Consumo de Fertilizantes

Produtividade Agrícola e Consumo de Fertilizantes Produtividade Agrícola e Consumo de Fertilizantes A produtividade agrícola no Brasil tem crescido mais rapidamente do que o aumento das áreas plantadas MERCADO MUNDIAL US$ 70.000.000.000,00 KCL Us$ 45,00

Leia mais

Culturas. A Cultura do Milho. Nome A Cultura do Milho Produto Informação Tecnológica Data Outubro de 2000 Preço - Linha Culturas Resenha

Culturas. A Cultura do Milho. Nome A Cultura do Milho Produto Informação Tecnológica Data Outubro de 2000 Preço - Linha Culturas Resenha 1 de 5 10/16/aaaa 11:24 Culturas A Cultura do Milho Nome A Cultura do Milho Produto Informação Tecnológica Data Outubro de 2000 Preço - Linha Culturas Resenha Informações resumidas sobre a cultura do milho

Leia mais

Nutrição e adubação dos citros

Nutrição e adubação dos citros Nutrição e adubação dos citros Material Engº Agrº Derli Paulo Bonine Emater -Ascar Regional Estrela Apresentação Eng Agr Marcos José Schäfer Emater Ascar - Harmonia PROPRIEDADES DOS SOLOS BIOLÓGICAS FÍSICAS

Leia mais

ADUBOS & ADUBAÇÕES. Quais elementos minerais são essenciais às plantas? Quais aplicar? Quando aplicar? Quanto aplicar? Como aplicar?

ADUBOS & ADUBAÇÕES. Quais elementos minerais são essenciais às plantas? Quais aplicar? Quando aplicar? Quanto aplicar? Como aplicar? Quais elementos minerais são essenciais às plantas? Quais aplicar? Quando aplicar? Quanto aplicar? Como aplicar? Os 16 elementos essenciais às plantas: PRIMÁRIOS (planta necessita em maiores quantidade)

Leia mais

BENEFÍCIOS DA APLICAÇÃO DE COMPOSTO DE RESÍDUOS VERDES:

BENEFÍCIOS DA APLICAÇÃO DE COMPOSTO DE RESÍDUOS VERDES: BENEFÍCIOS DA APLICAÇÃO DE COMPOSTO DE RESÍDUOS VERDES: Aumenta a capacidade de retenção de água; Melhora a permeabilidade e o arejamento de solos pesados, minorando a sua tendência para a compactação;

Leia mais

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 410

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 410 I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 21 Página 41 ADUBAÇÃO DA MAMONEIA DA CULTIVA BS NODESTINA EM CONDIÇÕES DE SEQUEIO 1 Valdinei Sofiatti 1 ; Tarcisio Marcos de Souza Gondim

Leia mais

NUTRIÇÃO FOLIAR (FATOS E REALIDADES) Prof. Dr. Tadeu T. Inoue Solos e Nutrição de Plantas Universidade Estadual de Maringá Departamento de Agronomia

NUTRIÇÃO FOLIAR (FATOS E REALIDADES) Prof. Dr. Tadeu T. Inoue Solos e Nutrição de Plantas Universidade Estadual de Maringá Departamento de Agronomia NUTRIÇÃO FOLIAR (FATOS E REALIDADES) Prof. Dr. Tadeu T. Inoue Solos e Nutrição de Plantas Universidade Estadual de Maringá Departamento de Agronomia FATOS 80.000 70.000 60.000 ÁREA CULTIVADA (milhões/ha)

Leia mais

http://www.emater.mg.gov.br/site_emater/serv_prod/livraria/olericultura/ervilha.htm

http://www.emater.mg.gov.br/site_emater/serv_prod/livraria/olericultura/ervilha.htm Página 1 de 5 Olericultura A Cultura da Ervilha Nome Cultura da Ervilha Produto Informação Tecnológica Data Abril - 1999 Preço - Linha Olericultura Informações gerais sobre a Resenha Cultura da Ervilha

Leia mais

RESULTADOS E DISCUSSÃO

RESULTADOS E DISCUSSÃO ISSN 1983-6015 PESAGRO-RIO - Nº 22 - agosto/2014 - Niterói - RJ ATRIBUTOS NUTRICIONAIS DE LAVOURAS 1 DE CAFÉ CONILON NO NORTE FLUMINENSE 2 2 Wander Eustáquio de Bastos Andrade ; José Márcio Ferreira ;

Leia mais

SILVICULTURA E MANEJO FLORESTAL

SILVICULTURA E MANEJO FLORESTAL SILVICULTURA E MANEJO FLORESTAL Fase 1: Produção de Mudas e Recomendações de Adubação no Viveiro 1. Sistemas de Produção de Mudas de eucalipto e pinus Mudas em saquinhos Atualmente, os recipientes mais

Leia mais

Fertilidade do Solo, Adubação e Nutrição da Cultura do Milho Safrinha

Fertilidade do Solo, Adubação e Nutrição da Cultura do Milho Safrinha ecnologia e Produção: Milho Safrinha e Culturas de Inverno 9 Fertilidade do Solo, Adubação e Nutrição da Cultura do Milho Safrinha Dirceu Luiz Broch Sidnei Kuster Ranno.. Características edafoclimáticas

Leia mais

Conteúdo da Aula: 1. Conceitos e fatores que afetam o crescimento

Conteúdo da Aula: 1. Conceitos e fatores que afetam o crescimento Aula do curso de cana - 2007 Raffaella Rossetto Fábio L. F. Dias Conteúdo da Aula: Conceitos de adubação e nutrição da cana-de-açúcar. Exigências nutricionais, uso de calcário e gesso, adubação com macro

Leia mais

Genética e Nutrição Florestal MDS

Genética e Nutrição Florestal MDS Melhoramento Genético e Manejo Florestal na Duratex MDS A DURATEX É UMA EMPRESA DO GRUPO ITAÚSA MDS PRODUTOS DA DIVISÃO MADEIRA PAINÉIS DE MADEIRA RECONSTITUIDA: - MDF/HDF - MDP - CHAPA DURA DE FIBRA -

Leia mais

FALANDO DE CANA-DE-AÇÚCAR

FALANDO DE CANA-DE-AÇÚCAR Boletim n 30 ano III Fevereiro 2013 FALANDO DE CANA-DE-AÇÚCAR ACIDEZ DOS SOLOS E CORRETIVOS Dando continuidade na série de reportagens abordaremos sobre a acidez do solo e alumínio tóxico e a correção

Leia mais

CALAGEM PARA O FEIJÃO-CAUPI [Vigna unguiculata (L.) WALP], CV. BR3 TRACUATEUA, EM SOLO ÁCIDO DE SALVATERRA, MARAJÓ, PARÁ

CALAGEM PARA O FEIJÃO-CAUPI [Vigna unguiculata (L.) WALP], CV. BR3 TRACUATEUA, EM SOLO ÁCIDO DE SALVATERRA, MARAJÓ, PARÁ Área: Solos e Nutrição de Plantas CALAGEM PARA O FEIJÃO-CAUPI [Vigna unguiculata (L.) WALP], CV. BR3 TRACUATEUA, EM SOLO ÁCIDO DE SALVATERRA, MARAJÓ, PARÁ João Elias Lopes Rodrigues 1 ; Sonia Maria Botelho

Leia mais

Princípios Básicos para Boas Práticas para Uso Eficiente de Fertilizantes em Citricultura

Princípios Básicos para Boas Práticas para Uso Eficiente de Fertilizantes em Citricultura 37 a SEMANA DA CITRICULTURA Princípios Básicos para Boas Práticas para Uso Eficiente de Fertilizantes em Citricultura Dr. Luís Ignácio Prochnow Diretor do Programa do IPNI no Brasil INTERNATIONAL PLANT

Leia mais

SUGESTÃO DE ADUBAÇÃO E CALAGEM PARA CULTURAS DE INTERESSE ECONÔMICO NO ESTADO DO PARANÁ

SUGESTÃO DE ADUBAÇÃO E CALAGEM PARA CULTURAS DE INTERESSE ECONÔMICO NO ESTADO DO PARANÁ CIRCULAR N. 128 ISSN 0100-3356 AGOSTO/2003 SUGESTÃO DE ADUBAÇÃO E CALAGEM PARA CULTURAS DE INTERESSE ECONÔMICO NO ESTADO DO PARANÁ Coordenação: Edson Lima de Oliveira INSTITUTO AGRONÔMICO DO PARANÁ - LONDRINA

Leia mais

MANEJO E CONSERVAÇÃO DO SOLO ADUBAÇÃO

MANEJO E CONSERVAÇÃO DO SOLO ADUBAÇÃO UNIPAC Faculdade Presidente Antônio Carlos GRANDES CULTURAS I MANEJO E CONSERVAÇÃO DO SOLO ADUBAÇÃO Profª Fernanda Basso Manejo e Conservação do Solo Sistema de manejo conjunto de operações que contribuem

Leia mais

Manutenção de Campo / FERTILIZAÇÃO Daniel Tapia. Realização: Federação Paulista de Golfe

Manutenção de Campo / FERTILIZAÇÃO Daniel Tapia. Realização: Federação Paulista de Golfe Manutenção de Campo / FERTILIZAÇÃO Daniel Tapia Realização: Federação Paulista de Golfe Manutenção de Campo / FERTILIDADE A planta absorve os nutrientes pelas raízes e pelas folhas. A absorção pelas raízes

Leia mais

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 731

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 731 Página 731 POTENCIAL AGRÍCOLA DA UTILIZAÇÃO DE COMPOSTO ORGÂNICO DE LIXO URBANO NA CULTURA DO GIRASSOL1 João Paulo Gonsiorkiewicz Rigon 1 ;Moacir Tuzzin de Moraes 1 ; Fernando Arnuti 1 ; Maurício Roberto

Leia mais

Custo de Produção da Cultura da Soja Safra 2011/2012

Custo de Produção da Cultura da Soja Safra 2011/2012 11 Custo de Produção da Cultura da Soja Safra 2011/2012 Dirceu Luiz Broch Roney Simões Pedroso 1 2 11.1. Introdução Os sistemas de produção da atividade agropecuária cada vez mais requerem um grau de conhecimento

Leia mais

CURSO P.I. PÊSSEGO - ANTONIO PRADO - RS - 2006 ADUBAÇÃO FOLIAR EM PESSEGUEIRO CULTIVADO NA SERRA GAÚCHA RESOLVE?

CURSO P.I. PÊSSEGO - ANTONIO PRADO - RS - 2006 ADUBAÇÃO FOLIAR EM PESSEGUEIRO CULTIVADO NA SERRA GAÚCHA RESOLVE? ADUBAÇÃO FOLIAR EM PESSEGUEIRO CULTIVADO NA SERRA GAÚCHA RESOLVE? George Wellington Melo Embrapa Uva e Vinho QUEM USA ADUBAÇÃO FOLIAR FINALIDADE DA ADUBAÇÃO FOLIAR? FILOSOFIAS BÁSICAS PARA APLICAÇÃO: SEGURANÇA

Leia mais

Culturas anuais para produção de volumoso em áreas de sequeiro

Culturas anuais para produção de volumoso em áreas de sequeiro Culturas anuais para produção de volumoso em áreas de sequeiro Henrique Antunes de Souza Fernando Lisboa Guedes Equipe: Roberto Cláudio Fernandes Franco Pompeu Leandro Oliveira Silva Rafael Gonçalves Tonucci

Leia mais

Gestão da Fertilidade do Solo em Sistema de Plantio Direto

Gestão da Fertilidade do Solo em Sistema de Plantio Direto Gestão da Fertilidade do Solo em Sistema de Plantio Direto OSistema de Plantio Direto (SPD) consolida-se cada dia mais na região. Ao mesmo tempo existe a preocupação com sua qualidade, para que traga os

Leia mais

http://www.ceinfo.cnpat.embrapa.br/arquivos/labsolos/amostragem.html

http://www.ceinfo.cnpat.embrapa.br/arquivos/labsolos/amostragem.html Coleta e Interpretação de Análise de Solo Cláudia Pombo Sudré Junho/2011 Coleta Glebas homogêneas Ziguezague Evitar Formigueiros Esterco Material de construção Vegetação diferente Relevo Coleta 0-20 cm

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Centro de Aquicultura - Setor de Carcinicultura Responsável: Prof. Dr. Wagner Cotroni Valenti

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Centro de Aquicultura - Setor de Carcinicultura Responsável: Prof. Dr. Wagner Cotroni Valenti UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Centro de Aquicultura - Setor de Carcinicultura Responsável: Prof. Dr. Wagner Cotroni Valenti PREPARAÇÃO DO FUNDO, ADUBAÇÃO, CALAGEM E MANEJO DO FLUXO DE ÁGUA DOS VIVEIROS

Leia mais

Nutrição e Manejo da adubação em Frutíferas Perenes

Nutrição e Manejo da adubação em Frutíferas Perenes UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA DEPARTAMENTO DE SOLOS Nutrição e Manejo da adubação em Frutíferas Perenes Pós-Doutorando Dr. Gustavo Trentin Prof. Dr. Gustavo Brunetto Prof. Dr. João Kaminski Santa

Leia mais

Absorção e adubação foliar

Absorção e adubação foliar Universidade Federal do Paraná Departamento de Solos e Engenharia Agrícola AL320 Absorção e adubação foliar Prof. Volnei Pauletti VIDA VEGETAL - começou no mar, durante o processo evolutivo as folhas não

Leia mais

Fundação Mokiti Okada M.O.A Centro de Pesquisa Mokiti Okada - CPMO

Fundação Mokiti Okada M.O.A Centro de Pesquisa Mokiti Okada - CPMO Fundação Mokiti Okada M.O.A Mokiti Okada - CPMO CADEIA PRODUTIVA DA AGRICULTURA ORGÂNICA Audiência Pública da Comissão de Agricultura e Reforma Agrária CRA Senado Federal Novembro 2008 1 Mokiti Okada CPMO

Leia mais

IX Curso de Atualização Lavoura Cafeeira RESULTADOS DA AGRICULTURA DE PRECISÃO NA CAFEICULTURA. Alexandre Mudrik

IX Curso de Atualização Lavoura Cafeeira RESULTADOS DA AGRICULTURA DE PRECISÃO NA CAFEICULTURA. Alexandre Mudrik IX Curso de Atualização Lavoura Cafeeira RESULTADOS DA AGRICULTURA DE PRECISÃO NA CAFEICULTURA Alexandre Mudrik AGRICULTURA DE PRECISÃO GERENCIAMENTO DE PRECISÃO Prestação de Serviços em Agricultura de

Leia mais

SISTEMA DE MANEJO DO SOLO COM PALHADA. Sistema Plantio Direto (SPD) com qualidade

SISTEMA DE MANEJO DO SOLO COM PALHADA. Sistema Plantio Direto (SPD) com qualidade SISTEMA DE MANEJO DO SOLO COM PALHADA Sistema Plantio Direto (SPD) com qualidade Valmor dos Santos INOVAÇÃO AGRÍCOLA E INSTITUTO PAS 77-9971-2234 (Vivo / WhatsApp) TEMAS QUE SERÃO ABORDADOS - Objetivos;

Leia mais

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE POMARES CÍTRICOS DA REGIÃO DE BEBEDOURO

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE POMARES CÍTRICOS DA REGIÃO DE BEBEDOURO BOLETIM CITRÍCOLA UNESP/FUNEP/EECB Junho nº 17/2001 AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE POMARES CÍTRICOS DA REGIÃO DE BEBEDOURO José Geraldo Baumgartner & José Ricardo Moreira Cabrita EECB José Geraldo Baumgartner

Leia mais

Calagem e Adubação para hortaliças sob cultivo protegido*

Calagem e Adubação para hortaliças sob cultivo protegido* 1 Calagem e Adubação para hortaliças sob cultivo protegido* Paulo Espíndola Trani Instituto Agronômico, Centro de Horticultura, Campinas (SP). petrani@iac.sp.gov.br * Campinas (SP), março de 2014 INTRODUÇÃO

Leia mais

EXPERIMENTO SOBRE O EFEITO DO AGROSTEMIN APLICADO NO PLANTIO DE CANA DE AÇÚCAR

EXPERIMENTO SOBRE O EFEITO DO AGROSTEMIN APLICADO NO PLANTIO DE CANA DE AÇÚCAR EXPERIMENTO SOBRE O EFEITO DO AGROSTEMIN APLICADO NO PLANTIO DE CANA DE AÇÚCAR Este experimento foi conduzido no município de Aquiraz CE Brasil no ano de 2009 e 2010. A variedade utilizada foi a RB 92.579.

Leia mais

Absorção e Adubação foliar

Absorção e Adubação foliar Universidade Federal do Paraná Departamento de Solos e Engenharia Agrícola Programa de Pós-Graduação em Ciências do Solo Absorção e Adubação foliar Prof. Volnei Pauletti UFPR ADUBOS FLUÍDOS - Absorção

Leia mais

10/12/2015. 01/02/2016 Show Rural Coopavel 2016 Cascavel - PR 07/03/2016 Expodireto 2016 Não-Me-Toque - RS 11/04/2016 TecnoShow Comigo 2016

10/12/2015. 01/02/2016 Show Rural Coopavel 2016 Cascavel - PR 07/03/2016 Expodireto 2016 Não-Me-Toque - RS 11/04/2016 TecnoShow Comigo 2016 1 de 7 10/12/2015 13:34 a Esqueceu a senha? Quero me cadastrar 10/12/2015 Palavra-chave Busca Avançada 01/02/2016 Show Rural Coopavel 2016 Cascavel - PR 07/03/2016 Expodireto 2016 Não-Me-Toque - RS 11/04/2016

Leia mais

fertirrigação em citros

fertirrigação em citros Princípios básicos para fertirrigação em citros Engº Agrº M.Sc Rubens Stamato Campo Consultoria / GTACC Bebedouro, 03 de Outubro de 2007 Fertirrigação Técnica que combina a aplicação de água de irrigação

Leia mais

ESSENCIALIDADE DE MACRONUTRIENTES EM MILHO CULTIVADO EM SOLUÇÃO NUTRITIVA

ESSENCIALIDADE DE MACRONUTRIENTES EM MILHO CULTIVADO EM SOLUÇÃO NUTRITIVA ESSENCIALIDADE DE MACRONUTRIENTES EM MILHO CULTIVADO EM SOLUÇÃO NUTRITIVA Danilo Pavan 1 ; Luciano Ansolin 1 ; Ivan José Rambo 1 ; Leandro Hahn 2 ; Neuri Antonio Feldmann 3 ; Fabiana Raquel Mühl 4 ; Anderson

Leia mais

Pesquisa e desenvolvimento de tecnologias para modelos sustentáveis de agricultura.

Pesquisa e desenvolvimento de tecnologias para modelos sustentáveis de agricultura. FUNDAÇÃO MOKITI OKADA Mokiti Okada - CPMO Pesquisa e desenvolvimento de tecnologias para modelos sustentáveis de agricultura. Leandro de Almeida Amado Engenheiro Agrônomo, MSc Assistente Técnico Outubro

Leia mais

Efeito dos custos dos insumos na rentabilidade dos projetos florestais

Efeito dos custos dos insumos na rentabilidade dos projetos florestais Ativos do Campo - Nº 04/2013 Efeito dos custos dos insumos na rentabilidade dos projetos florestais Mesmo sendo as plantações florestais intensivas em utilização de mão de obra, sobretudo em regiões montanhosas,

Leia mais

Recomendação de Adubação N, P e K....para os estados do RS e SC

Recomendação de Adubação N, P e K....para os estados do RS e SC Recomendação de Adubação N, P e K...para os estados do RS e SC Recomendação de Adubação Objetivo Elevar os teores dos nutrientes (N, P e K) no solo a níveis considerados adequados para as culturas expressarem

Leia mais

Aplicação de dejetos líquidos de suínos no sulco: maior rendimento de grãos e menor impacto ambiental. Comunicado Técnico

Aplicação de dejetos líquidos de suínos no sulco: maior rendimento de grãos e menor impacto ambiental. Comunicado Técnico Comunicado Técnico PÓLO DE MODERNIZAÇÃO TECNOLÓGICA EM ALIMENTOS COREDE-PRODUÇÃO FACULDADE DE AGRONOMIA E MEDICINA VETERINÁRIA UNIVERSIDADE DE PASSO FUNDO PASSO FUNDO, RS JUNHO, 27 Nº 1 Aplicação de dejetos

Leia mais

Identificação e correção de deficiências nutricionais na cultura do arroz

Identificação e correção de deficiências nutricionais na cultura do arroz ISSN 1678-9636 Identificação e correção de deficiências nutricionais na cultura do arroz 75 Introdução Para o crescimento e produção das culturas são necessários 16 nutrientes denominados essenciais. São

Leia mais

SISTEMAS DE PRODUÇÃO IMPORTÂNCIA PARA CONSERVAÇÃO DOS SOLOS E PRESERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE BAMBUI-MG 09/09/2008

SISTEMAS DE PRODUÇÃO IMPORTÂNCIA PARA CONSERVAÇÃO DOS SOLOS E PRESERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE BAMBUI-MG 09/09/2008 SISTEMAS DE PRODUÇÃO IMPORTÂNCIA PARA CONSERVAÇÃO DOS SOLOS E PRESERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE BAMBUI-MG 09/09/2008 19 ANOS DE FUNDAÇÃO MARÇO 1989 PODEMOS ESCOLHER O QUE SEMEAR, MAS SOMOS OBRIGADOS A COLHER

Leia mais

Procedimento Técnico e Prático para Fertirrigação

Procedimento Técnico e Prático para Fertirrigação Procedimento Técnico e Prático para Fertirrigação Eng. Agr. Denilson Luís Pelloso Coord. Irrigação Agrofito LTDA Eng. Agr. Bruno Alves Dep. Agronômico Netafim - Brasil 03/09/08 Temas Conceitos básicos

Leia mais

TITULO: Viabilidade produtiva e de utilização de biofertilizantes

TITULO: Viabilidade produtiva e de utilização de biofertilizantes TITULO: Viabilidade produtiva e de utilização de biofertilizantes em Assentamentos Rurais de Santa Catarina/Brasil EJE: Ciencia, Tecnología y Sociedad AUTORES: Msc. Marina Bustamante Ribeiro Prof. Dr.

Leia mais

GASPAR H. KORNDÖRFER (Pesq. CNPq) UNIVERSIDADE FEDERAL UBERLANDIA

GASPAR H. KORNDÖRFER (Pesq. CNPq) UNIVERSIDADE FEDERAL UBERLANDIA GASPAR H. KORNDÖRFER (Pesq. CNPq) UNIVERSIDADE FEDERAL UBERLANDIA Ribeirão Preto/SP, 08/10/2014 PROGRAMA DE ADUBAÇÃO PARA ALTA PRODUTIVIDADE 1. Promover uma melhor exploração do sistema radicular, especialmente

Leia mais

TITULO DO PROJETO: (Orientador DPPA/CCA). Para que se tenha sucesso em um sistema de plantio direto é imprescindível uma boa cobertura do solo.

TITULO DO PROJETO: (Orientador DPPA/CCA). Para que se tenha sucesso em um sistema de plantio direto é imprescindível uma boa cobertura do solo. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA MEC UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ UFPI PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PRPPG Coordenadoria Geral de Pesquisa CGP Campus Universitário Ministro Petrônio Portela,

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM SOFTWARE PARA RECOMENDAÇÃO DE CALAGEM E ADUBAÇÃO DE PASTAGENS

DESENVOLVIMENTO DE UM SOFTWARE PARA RECOMENDAÇÃO DE CALAGEM E ADUBAÇÃO DE PASTAGENS DESENVOLVIMENTO DE UM SOFTWARE PARA RECOMENDAÇÃO DE CALAGEM E ADUBAÇÃO DE PASTAGENS Flávio Coutinho Longui 1, Edney Leandro da Vitória 2. 1 Zootecnista, Doutorando em Engenharia Agrícola pela Universidade

Leia mais

PRODUTIVIDADE DE MILHO SILAGEM SOB ADUBAÇÃO COM DEJETO LIQUIDO DE BOVINOS E MINERAL COM PARCELAMENTO DA ADUBAÇÃO NITROGENADA¹. a2es@cav.udesc.br.

PRODUTIVIDADE DE MILHO SILAGEM SOB ADUBAÇÃO COM DEJETO LIQUIDO DE BOVINOS E MINERAL COM PARCELAMENTO DA ADUBAÇÃO NITROGENADA¹. a2es@cav.udesc.br. Fertilidade do Solo e Nutrição de Plantas PRODUTIVIDADE DE MILHO SILAGEM SOB ADUBAÇÃO COM DEJETO LIQUIDO DE BOVINOS E MINERAL COM PARCELAMENTO DA ADUBAÇÃO NITROGENADA¹. Mauricio Vicente Alves², Luiz Armando

Leia mais

Desafios da Fertilidade do Solo no Cerrado

Desafios da Fertilidade do Solo no Cerrado Desafios da Fertilidade do Solo no Cerrado Leandro Zancanaro & Fábio Ono Barra do Garças, 26 de agosto de 2015. Biomas Brasileiros 2 o Fonte: IBGE/MMA (2004) Percentual Aproximado de Área Ocupada por Bioma

Leia mais

ADUBAÇÃO RACIONAL E ECONÔMICA NA LAVOURA CAFEEIRA. J.B. Matiello e S.R. de Almeida - Engs. Agrs. MAPA/Fundação Procafé

ADUBAÇÃO RACIONAL E ECONÔMICA NA LAVOURA CAFEEIRA. J.B. Matiello e S.R. de Almeida - Engs. Agrs. MAPA/Fundação Procafé ADUBAÇÃO RACIONAL E ECONÔMICA NA LAVOURA CAFEEIRA J.B. Matiello e S.R. de Almeida - Engs. Agrs. MAPA/Fundação Procafé O que é a adubação racional - econômica Uma nutrição adequada dos cafeeiros, com uso

Leia mais

ANEXO 8.2: COMO FAZER OS CALCULOS DE ADUBAÇÃO NO SISTEMA ORGÂNICO

ANEXO 8.2: COMO FAZER OS CALCULOS DE ADUBAÇÃO NO SISTEMA ORGÂNICO ANEXO 8.2: COMO FAZER OS CALCULOS DE ADUBAÇÃO NO SISTEMA ORGÂNICO NESTA LIÇÃO SERÁ ESTUDADO Cálculo da adubação no sistema orgânico Fatores importantes a serem considerados na adubação. Formulas de adubação

Leia mais

GUIA DO CAFEICULTOR Melhore a sua lavoura de café

GUIA DO CAFEICULTOR Melhore a sua lavoura de café GUIA DO CAFEICULTOR Melhore a sua lavoura de café Cartillha para curso de pequenos cafeicultores preparada pela Fundação Procafé, convenio com a MAPA - SPAE - DECAFE e FAERJ/SEBRAE-RJ Conteúdo Por que

Leia mais

Simpósio Brasileiro de Solos Arenosos. Características Gerais da Fertilidade dos Solos Arenosos no Brasil

Simpósio Brasileiro de Solos Arenosos. Características Gerais da Fertilidade dos Solos Arenosos no Brasil jose.ronaldo@embrapa.br www.embrapa.br/cnps Simpósio Brasileiro de Solos Arenosos Características Gerais da Fertilidade dos Solos Arenosos no Brasil Presidente Prudente 2014 José Ronaldo de Macedo Embrapa

Leia mais

NUTRIÇÃO E ADUBAÇÃO DE CITROS

NUTRIÇÃO E ADUBAÇÃO DE CITROS BOLETIM CITRÍCOLA Março n o 4/1998 UNESP/FUNEP/EECB NUTRIÇÃO E ADUBAÇÃO DE CITROS Godofredo Cesar Vitti e José Ricardo Moreira Cabrita Funep Via de Acesso Prof. Paulo Donato Castellane, s/nº 14884-900

Leia mais

RESPOSTA TÉCNICA. Urucum, plantio, colheita, manejo, adubação, pragas, produção, mudas, Minas Gerais.

RESPOSTA TÉCNICA. Urucum, plantio, colheita, manejo, adubação, pragas, produção, mudas, Minas Gerais. RESPOSTA TÉCNICA CR 858 Título Manejo de urucum (Bixa orellana L.) no estado de Minas Gerais. Palavras-chave Urucum, plantio, colheita, manejo, adubação, pragas, produção, mudas, Minas Gerais. Atividade

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO LODO DE ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO PARA ADUBAÇÃO DA GOIABEIRA

UTILIZAÇÃO DO LODO DE ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO PARA ADUBAÇÃO DA GOIABEIRA UTILIZAÇÃO DO LODO DE ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO PARA ADUBAÇÃO DA GOIABEIRA Luiz Carlos S. Caetano¹; Aureliano Nogueira da Costa²; Adelaide de F. Santana da Costa 2 1 Eng o Agrônomo, D.Sc, Pesquisador

Leia mais

ROCHAGEM: UMA QUESTÃO DE SOBERANIA NACIONAL

ROCHAGEM: UMA QUESTÃO DE SOBERANIA NACIONAL ROCHAGEM: UMA QUESTÃO DE SOBERANIA NACIONAL Suzi Huff Theodoro suzitheodoro@unb.br UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA - UnB CENTRO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL - CDS BRASIL E OS FERTILIZANTES Em 2006 o Brasil

Leia mais

USO DE GESSO, CALCÁRIO E ADUBOS PARA PASTAGENS NO CERRADO

USO DE GESSO, CALCÁRIO E ADUBOS PARA PASTAGENS NO CERRADO Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Cerrados Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento USO DE GESSO, CALCÁRIO E ADUBOS PARA PASTAGENS NO CERRADO Djalma M. Gomes de Sousa Lourival

Leia mais

http://www.emater.mg.gov.br/site_emater/serv_prod/livraria/olericultura/culturama...

http://www.emater.mg.gov.br/site_emater/serv_prod/livraria/olericultura/culturama... Página 1 de 7 Olericultura A Cultura da Mandioca de Mesa Nome Cultura da Mandioca de Mesa Produto Informação Tecnológica Data Julho -2002 Preço - Linha Olericultura Informações resumidas sobre Resenha

Leia mais

Apesar do alto potencial produtivo da cultura do

Apesar do alto potencial produtivo da cultura do ARQUIVO DO AGRÔNOMO - Nº 2 NUTRIÇÃO E ADUBAÇÃO (2ª edição - ampliada e totalmente modificada) Seja o doutor do seu milho Antônio Marcos Coelho (1) Gonçalo Evangelista de França (1) INTRODUÇÃO Apesar do

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO Folha: 01/05 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO IBRA INTITUTO BRASILEIRO DE ANÁLISES QUIMICAS, FÍSICAS E BIOLÓGICAS LTDA AGRICULTURA E PECUÁRIA TECIDO VEGETAL Determinação do Boro pelo método Colorimétrico

Leia mais

ANÁLISE TÉCNICA E ECONÔMICA DA APLICAÇÃO DE FERTILIZANTES EM TAXA VARIÁVEL EM ÁREA MANEJADA COM AGRICULTURA DE PRECISÃO 1

ANÁLISE TÉCNICA E ECONÔMICA DA APLICAÇÃO DE FERTILIZANTES EM TAXA VARIÁVEL EM ÁREA MANEJADA COM AGRICULTURA DE PRECISÃO 1 ANÁLISE TÉCNICA E ECONÔMICA DA APLICAÇÃO DE FERTILIZANTES EM TAXA VARIÁVEL EM ÁREA MANEJADA COM AGRICULTURA DE PRECISÃO 1 CHERUBIN, M. R. 2 ; AMARAL, A. 3 ; MORAES, M. T. 2 ; FABBRIS, C. 2 ; PRASS, M.

Leia mais

Projeções da demanda por fertilizantes no Brasil

Projeções da demanda por fertilizantes no Brasil Projeções da demanda por fertilizantes no Brasil índice 3 4 5 6 8 9 o mercado Números e importância do setor projeções de longo prazo planos/produtos metodologia condições, prazo e investimento formulário

Leia mais