Nutrição do cafeeiro e uso de Sódio S na agricultura. de Oliveira Silva Guilherme Maluf Breno Geraldo Rabelo Leblon Urbano Guimarães

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Nutrição do cafeeiro e uso de Sódio S na agricultura. de Oliveira Silva Guilherme Maluf Breno Geraldo Rabelo Leblon Urbano Guimarães"

Transcrição

1 Nutrição do cafeeiro e uso de Sódio S na agricultura Júlio César C de Oliveira Silva Guilherme Maluf Breno Geraldo Rabelo Leblon Urbano Guimarães

2 Sumário 1. História do café no Brasil 2. Conceitos e legislação sobre fertilizantes 3. A calagem e uso de fosfatos naturais 4. Uso do Gesso agrícola 5. Macro e Micronutrientes 6. Nutrição da cultura do café (Recomendações para plantio e manutenção) 7. Adubação foliar e diagnose de deficiências minerais 8. Uso de Sódio S (Na) na agricultura

3 1. História do café no Brasil Evidências botânicas A lenda: Pastor da Etiópia Arábia século s XV (1440) e os monges Chegada do Café no Brasil (1727)

4 2. Conceitos e legislação sobre Fertilizante: substância mineral ou orgânica, natural ou sintética, tica, fornecedora de um ou mais nutrientes das plantas. fertilizantes

5 2.1 Podemos ainda ter outras definições sobre os fertilizantes: Fertilizante simples: fertilizante formado de um composto químico, contendo um ou mais nutrientes das plantas. Fertilizante Misto: fertilizante resultante da mistura de dois ou mais fertilizantes simples. Fertilizante organomineral: fertilizante procedente da mistura ou combinação de fertilizantes minerais e orgânicos. Fertilizante orgânico: Fertilizante de origem vegetal ou animal contendo um ou mais nutrientes das plantas. Fertilizante complexo: Fertilizante contendo dois ou mais nutrientes, resultante de processo tecnológico em que se formam dois ou mais compostos químicos.

6 2.2 Algumas considerações sobre a legislação de fertilizantes O ministério da agricultura, estabelece algumas normas sobre especificações, garantias e tolerâncias de fertilizantes e corretivos tais como: Especificações quanto a natureza física f dos produto. Garantia da quantidade mínima m de nutriente fornecida em produto comercial. Os teores de nutrientes presentes nos produtos comerciais deverão ser expressos em porcentagem. Fertilizantes de aplicação foliar tem legislação específica Fertilizantes orgânicos tem legislação específica.

7 3. Calagem e uso de fosfatos naturais Benefícios ligados ao uso da calagem: * Correção da acidez do solo. * Estímulo à atividade microbiana. * Melhoria da fixação simbiótica de nitrogênio pelas plantas. * Aumento da disponibilidade da maioria dos nutrientes pelas plantas. * Preservação e aumento do teor de matéria orgânica do solo.

8 3.1 Calagem Prática fundamental para a melhoria do ambiente radicular das plantas e condição primária ria para ganhos de produtividade nos solos A necessidade de calagem não está somente relacionada com o ph do solo, mas também m com sua capacidade tampão e a sua capacidade de troca de cátions.

9 3.1 Calagem Diferentes variáveis veis são observadas para a recomendação de calagem, tais como: (Y): fator de calagem, relacionada com a capacidade tampão da acidez. (Mt): Máxima M saturação por Al tolerada (cultura).

10 3.1 Calagem (X): Disponibilidade mínima m de Ca + Mg requerida pela cultura. (V): Saturação por base esperada ou a ser atingida pela cultura.

11 3.1 Calagem Na recomendação de calagem devem ser respeitados também m aspectos técnicos t e econômicos. Melhores rendimentos de calagem são alcançados ados com boas práticas de adubação e manejo agrícola.

12 3.1 Calagem Principais métodos m de determinação de calagem: Método de neutralização do Al e de elevação dos teores de Ca e Mg (método mineiro). NC = CA + CD NC= Y ( Al (mt t/100) ) + ( X (Ca + Mg) )

13 3.1 Calagem Método de saturação por bases (método paulista). NC = T (Ve Va)/100 Considerar profundidade de 0 a 20 cm, aplicação 100% da área e PRNT do calcário 100%.

14 3.1 Calagem A escolha do calcário a ser utilizado leva em consideração alguns fatores PRNT (Poder relativo de neutralização total). Tem haver com a granulometria do calcário. EX: 110%, 85%, 90%... Etc.

15 3.1 Calagem Teores de Mg do calcário a) Calcíticos: menos de 5% de MgO. b) Magnesiano: entre 5 e 12% de MgO. c) Dolimítico tico: : acima de 12 % de MgO.

16 3.1 Calagem O calcário deve ser aplicado com antecedência de 2 a 3 meses antes do plantio de preferência e distribuído do uniformemente na área e incorporado na profundidade considerada na determinação da quantidade.

17 3.2 Uso de fosfatos naturais São materiais de baixa reatividade, de origem magmática, formados principalmente por apatitas em geral com 4 a 5% de P2O5 solúvel em ácido cítrico e teores de P2O5 total de 28 a 30%.

18 3.2 Uso de fosfatos naturais Fatores de importância no uso dos fosfatos 1. Reatividade do material tende a aumentar com o passar dos anos, com submissão do solo a práticas de plantio convencional. 2. Produtos com baixa eficiência em culturas de ciclo curto e anuais mesmo quando finamente moídos. 3. Materiais de melhor eficiência no uso para formação de pastagens ou formação de culturas perenes.

19 3.2 Uso de fosfatos naturais Na tomada de decisão quanto ao uso dos fosfatos naturais deve se levar em consideração também aspectos relativos aos custos de transporte, efeito residual, sistema de posse de terra, etc.

20 4. Uso do gesso agrícola Importante insumo para agricultura, mas por suas características, tem seu emprego limitado a situações particulares bem definidas, uma vez que o uso indiscriminado pode acarretar problemas em vez de benefícios para o agricultor.

21 4. Uso do gesso agrícola Características gerais do produto O gesso é basicamente sulfato de cálcio c diidratado (CaSO4.2H2O), obtido como subproduto comercial. Sal pouco solúvel em soluções aquosas (2,5 g/l), mas pode atuar sobre a força a iônica da solução do solo, de maneira que haja contínua nua liberação do sal para a solução por longos períodos de tempo. Contém m a presença a de outros elementos tais como: Co, B, Cu, Fe, Mn, Zn, Mo, Ni, Na, Al, As, Ti, Sb, Cd.

22 4. Uso do gesso agrícola Principais utilizações na agricultura. Como fonte Ca e S para as culturas. Na correção das camadas subsuperficiais com altos teores de Al e, ou baixos teores de Ca, com o objetivo de melhorar o ambiente radicular para as plantas.

23 4. Uso do gesso agrícola Métodos para determinação da quantidade de gesso a ser usada: Recomendação com base na textura do solo. Recomendação com base na determinação do fósforo f remanescente. Recomendação com base na determinação da NC pelo método do Al e do Ca + Mg ou pelo método m de saturação de bases.

24 5. Macro e micro nutrientes Todos tem a mesma importância em um sistema de cultivo, o que muda são as quantidades a serem necessárias. Macro nutrientes são necessários em maior escala e micro em menor escala.

25 5. Macro e micro nutrientes Macro nutrientes: N, P, K, Ca, Mg, S.

26 5. Macro e micro nutrientes Micro nutrientes: B, Mo, Zn, Mn, Cu, Co, Fe.

27 5. Macro e micro nutrientes Principais fontes de Macro nutrientes: N: Uréia, Sulfato de amônia, Nitrato de amônio. P: Superfosfato simples, superfosfato triplo, fosfato natural. K: Cloreto de potássio, Sulfato de potássio, Nitrato de potássio. S: Enxofre, Sulfato de Cálcio. C Mg: Oxido de magnésio, Carbonato de magnésio. Ca: Sulfato de cálcio c (gesso), Cloreto de cálcio. c

28 5. Macro e micro nutrientes Principais fontes de micronutrientes: B: Bórax, B ácido bórico. b Cu: Sulfato de Cobre. Fe: Sulfato férrico, f Sulfato ferroso. Mn: Sulfato manganoso, Oxido manganoso. Mo: Molibdato de amônio, Molibdato de sódio. s Zn: Sulfato de zinco, carbonato de zinco. Co: Cloreto de cobalto, Oxido de cobalto.

29 6. Nutrição do cafeeiro

30 6. Nutrição do cafeeiro Antes de qualquer passo realizar: Amostragem de 0 a 20 cm e de 20 a 40 cm em caso de plantio; Amostragem de 0 a 20 cm em lavouras implantadas na projeção da copa e em maior periodicidade (4 em 4 anos) no meio da rua ou entre linhas.

31 6. Nutrição do cafeeiro Após s as amostragens realizar: Calagem. Gessagem. Adubação corretiva (Casos de solos de baixa fertilidade ou para plantios adensados; realizar adubação com fósforo, f potássio e ainda micro nutrientes.

32 6. Nutrição do cafeeiro Realização da adubação verde: Adubação com leguminosas, feita após s calagem e o preparo do solo com incorporação das mesmas no momento do florescimento para posterior plantio do café. Lavouras jáj implantadas pode se utilizar a adubação verde através s do cultivo do mato, e posterior uso de roçadeiras ou herbicidas para formação de Mulching.

33 6. Nutrição do cafeeiro Substrato para produção de mudas 700 dm³ de terra peneirada; 300 l de esterco de curral curtido e peneirado; 3 a 5 kg de superfosfato simples; 0,5 a 1,0 kg de cloreto de potássio.

34 6. Nutrição do cafeeiro Adubação de Plantio: Em alguns casos adiciona-se certa dose de calcário na cova de plantio. (Geralmente a metade da dose do restante da de plantio.) Recomendação de fósforo. f Geralmente segue-se recomendações da 5ª 5 aproximação, baseada no P-rem, P teores de argila e níveis de P no solo.

35 6. Nutrição do cafeeiro Adubação de pós p s plantio em cobertura: Nitrogênio: Segunda a 5ª 5 aproximação, recomenda-se o uso de 3 a 5 g de N, por cova. Potássio: Doses recomendadas em função da disponibilidade de K nos solo (5ª aproximação).

36 6. Nutrição do cafeeiro Adubação de 1 e 2 ano Pós P plantio: Distribuir as doses de recomendação (5ª aproximação), em três ou quatro aplicações. As aplicações devem ser distribuídas das durante o período chuvoso em intervalos de 30 a 45 dias.

37 6. Nutrição do cafeeiro Na adubação de cobertura (1 e 2 ano, pós s plantio) aplicar os fertilizantes na superfície, na região mediana entre o caule e a projeção da extremidade dos ramos da copa.

38 6. Nutrição do cafeeiro Adubação de produção: A quantidade de fertilizantes é determinada em função da produtividade média m da lavoura e dos teores de nutrientes do solo, exceto para o nitrogênio, para o qual pode-se considerar o teor de análise foliar. As recomendações de N, K e P podem ser indicadas segundo a 5ª 5 aproximação.

39 6. Nutrição do cafeeiro Adubação foliar e com micro nutrientes:

40 6. Nutrição do cafeeiro Antes de qualquer passo realizar a amostragem foliar: Amostrar o 3 ou 4 pares de folhas a partir do apice de ramos produtivos, situados na porção mediana das plantas. Colher dois pares de folhas por planta, nos dois lados do renque, num total de 25 plantas por área homogênea (100 folhas por área).

41 6. Nutrição do cafeeiro Parcelar a adubação em três ou 4 vezes na época da chuva. A quantidade de micro nutriente deve ser baseado na 5ª 5 aproximação.

42 6. Adubação do cafeeiro Principais micro nutrientes e seus sintomas de deficiência. Boro

43 6. Nutrição do cafeeiro Molibdênio

44 6. Nutrição do cafeeiro Ferro

45 Cobre 6. Adubação do cafeeiro

46 6. Adubação do cafeeiro Manganês

47 7. Na (sódio) na agricultura Falta de pesquisas relacionadas com o Sódio S (Na); Existem pesquisas relacionadas com o Sódio, S como substituição de parte do Potássio pelo Sódio; S Malefícios do SódioS

48 Obrigado!!! Alguma dúvida, d reclamação ou sugestão???

MÉTODOS DE CORREÇÃO DO SOLO

MÉTODOS DE CORREÇÃO DO SOLO MÉTODOS DE CORREÇÃO DO SOLO O laudo (Figura 1) indica os valores determinados no laboratório para cada camada do perfil do solo, servindo de parâmetros para direcionamento de métodos corretivos. Figura

Leia mais

Claudinei Kurtz Eng Agr MSc Epagri EE Ituporanga Fertilidade do Solo e Nutrição de Plantas. Governo do Estado

Claudinei Kurtz Eng Agr MSc Epagri EE Ituporanga Fertilidade do Solo e Nutrição de Plantas. Governo do Estado NUTRIÇÃO E ADUBAÇÃO DA CULTURA DA CEBOLA Claudinei Kurtz Eng Agr MSc Epagri EE Ituporanga Fertilidade do Solo e Nutrição de Plantas Governo do Estado AMOSTRAGEM DO SOLO Solo da camada 0-20cm 1ha = 2000

Leia mais

Fertilização em Viveiros para Produção de Mudas

Fertilização em Viveiros para Produção de Mudas Fertilização em Viveiros para Produção de Mudas Produção de Mudas - No sistema de raiz nua Produção de mudas de Pinus no sul do BR - No interior de recipientes - Sacos plásticos - Tubetes Fertilização

Leia mais

FERTILIZANTES Fertilizante: Classificação Quanto a Natureza do Nutriente Contido Quanto ao Critério Químico Quanto ao Critério Físico

FERTILIZANTES Fertilizante: Classificação Quanto a Natureza do Nutriente Contido Quanto ao Critério Químico Quanto ao Critério Físico FERTILIZANTES Fertilizante: qualquer substância mineral ou orgânica, natural ou sintética, capaz de fornecer um ou mais nutrientes essenciais às plantas Classificação Quanto a Natureza do Nutriente Contido

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Campus Experimental de Dracena Curso de Zootecnia Disciplina: Fertilidade do solo e fertilizantes

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Campus Experimental de Dracena Curso de Zootecnia Disciplina: Fertilidade do solo e fertilizantes UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Campus Experimental de Dracena Curso de Zootecnia Disciplina: Fertilidade do solo e fertilizantes FERTILIZANTES E CORRETIVOS: CONCEITOS BÁSICOS E CLASSIFICAÇÃO Prof. Dr.

Leia mais

CALAGEM, GESSAGEM E AO MANEJO DA ADUBAÇÃO (SAFRAS 2011 E

CALAGEM, GESSAGEM E AO MANEJO DA ADUBAÇÃO (SAFRAS 2011 E RESPOSTA DE MILHO SAFRINHA CONSORCIADO COM Brachiaria ruziziensis À CALAGEM, GESSAGEM E AO MANEJO DA ADUBAÇÃO (SAFRAS 2011 E 2012) Carlos Hissao Kurihara, Bruno Patrício Tsujigushi (2), João Vitor de Souza

Leia mais

ADUBOS. Fontes, Características de qualidade física, química e físico-química LEGISLAÇÃO ADUBOS

ADUBOS. Fontes, Características de qualidade física, química e físico-química LEGISLAÇÃO ADUBOS Volnei Pauletti ADUBOS Fontes, Características de qualidade física, química e físico-química ADUBOS Definição: Toda substância mineral ou orgânica, natural ou sintética, fornecedora de um ou mais nutrientes

Leia mais

Interpretação da análise de solo

Interpretação da análise de solo Interpretação da análise de solo Tabela de interpretação A orientação para interpretação da análise de solo são organizadas em manuais estaduais e regionais. Manual Tabelas de interpretação Recomendações

Leia mais

FALANDO DE CANA-DE-AÇÚCAR

FALANDO DE CANA-DE-AÇÚCAR Boletim n 30 ano III Fevereiro 2013 FALANDO DE CANA-DE-AÇÚCAR ACIDEZ DOS SOLOS E CORRETIVOS Dando continuidade na série de reportagens abordaremos sobre a acidez do solo e alumínio tóxico e a correção

Leia mais

RESULTADOS E DISCUSSÃO

RESULTADOS E DISCUSSÃO ISSN 1983-6015 PESAGRO-RIO - Nº 22 - agosto/2014 - Niterói - RJ ATRIBUTOS NUTRICIONAIS DE LAVOURAS 1 DE CAFÉ CONILON NO NORTE FLUMINENSE 2 2 Wander Eustáquio de Bastos Andrade ; José Márcio Ferreira ;

Leia mais

ADUBOS & ADUBAÇÕES. Quais elementos minerais são essenciais às plantas? Quais aplicar? Quando aplicar? Quanto aplicar? Como aplicar?

ADUBOS & ADUBAÇÕES. Quais elementos minerais são essenciais às plantas? Quais aplicar? Quando aplicar? Quanto aplicar? Como aplicar? Quais elementos minerais são essenciais às plantas? Quais aplicar? Quando aplicar? Quanto aplicar? Como aplicar? Os 16 elementos essenciais às plantas: PRIMÁRIOS (planta necessita em maiores quantidade)

Leia mais

ESTUDO DIRIGIDO Fertilidade do solo e nutrição de plantas

ESTUDO DIRIGIDO Fertilidade do solo e nutrição de plantas MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE AGRONOMIA ESTUDO DIRIGIDO Fertilidade do solo e nutrição de plantas Prof.

Leia mais

ADUBOS FLUÍDOS (líquidos)

ADUBOS FLUÍDOS (líquidos) Universidade Federal do Paraná Departamento de Solos e Engenharia Agrícola Volnei Pauletti ADUBOS FLUÍDOS (líquidos) Conceitos Uso Vantagens Matérias primas Fabricação 1 Adubos líquidos ou fluídos: CONCEITOS

Leia mais

Disciplinas. Dinâmica de Potássio no solo e sua utilização nas culturas

Disciplinas. Dinâmica de Potássio no solo e sua utilização nas culturas Disciplinas Solos nos domínios morfoclimáticos do cerrado Ementa: Solos em ambientes de Cerrado. Sistema Brasileiro de Classificação do Solo. Caracterização morfológica das principais classes de solo inseridas

Leia mais

ABSORÇÃO FOLIAR. Prof. Josinaldo Lopes Araujo. Plantas cultivadas dividem-se em: Folhas Caule Raízes

ABSORÇÃO FOLIAR. Prof. Josinaldo Lopes Araujo. Plantas cultivadas dividem-se em: Folhas Caule Raízes ABSORÇÃO FOLIAR Prof. Josinaldo Lopes Araujo 1 INTRODUÇÃO Plantas cultivadas dividem-se em: Folhas Caule Raízes Cada parte tem uma função definida As folhas absorvem água e nutrientes Porque essa capacidade?

Leia mais

Nutrição, Adubação e Calagem

Nutrição, Adubação e Calagem Nutrição, Adubação e Calagem Importância da nutrição mineral Embora o eucalipto tenha rápido crescimento, este é muito variável. Os principais fatores que interferem no crescimento estão relacionados com

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO GERALDO HENRIQUE FAZENDA ESTREITO FEVEREIRO 2010

RELATÓRIO TÉCNICO GERALDO HENRIQUE FAZENDA ESTREITO FEVEREIRO 2010 RELATÓRIO TÉCNICO GERALDO HENRIQUE FAZENDA ESTREITO FEVEREIRO 2010 Segue abaixo a interpretação da análise de solo, onde cada cor tem sua leitura em correspondência com a legenda. Segue abaixo também a

Leia mais

Composição do solo. 3 partes: Física: granulometria, porosidade, textura, dadas principalmente pelos. Químico: nutrientes disponíveis e ph

Composição do solo. 3 partes: Física: granulometria, porosidade, textura, dadas principalmente pelos. Químico: nutrientes disponíveis e ph JARDINAGEM O que é solo? O solo é a camada superficial da crosta terrestre, sendo formado basicamente por aglomerados minerais, matéria orgânica oriunda da decomposição de animais e plantas e organismos

Leia mais

RELATÓRIO FINAL. AVALIAÇÃO DO PRODUTO CELLERON-SEEDS e CELLERON-FOLHA NA CULTURA DO MILHO CULTIVADO EM SEGUNDA SAFRA

RELATÓRIO FINAL. AVALIAÇÃO DO PRODUTO CELLERON-SEEDS e CELLERON-FOLHA NA CULTURA DO MILHO CULTIVADO EM SEGUNDA SAFRA RELATÓRIO FINAL AVALIAÇÃO DO PRODUTO CELLERON-SEEDS e CELLERON-FOLHA NA CULTURA DO MILHO CULTIVADO EM SEGUNDA SAFRA Empresa solicitante: FOLLY FERTIL Técnicos responsáveis: Fabio Kempim Pittelkow¹ Rodrigo

Leia mais

ANEXO 8.2: COMO FAZER OS CALCULOS DE ADUBAÇÃO NO SISTEMA ORGÂNICO

ANEXO 8.2: COMO FAZER OS CALCULOS DE ADUBAÇÃO NO SISTEMA ORGÂNICO ANEXO 8.2: COMO FAZER OS CALCULOS DE ADUBAÇÃO NO SISTEMA ORGÂNICO NESTA LIÇÃO SERÁ ESTUDADO Cálculo da adubação no sistema orgânico Fatores importantes a serem considerados na adubação. Formulas de adubação

Leia mais

RESUMO. Introdução. 1 Acadêmicos PVIC/UEG, graduandos do Curso de Agronomia, UnU Ipameri - UEG.

RESUMO. Introdução. 1 Acadêmicos PVIC/UEG, graduandos do Curso de Agronomia, UnU Ipameri - UEG. EFEITOS DE FERTILIZANTES E CORRETIVOS NO ph DO SOLO Tiago Trevizam de Freitas 1 ; Zélio de Lima Vieira 1 ; Valter de Oliveira Neves Júnior 1 ; Rodolfo Araújo Marques 1 ; Raimar Vinícius Canêdo 1 ; Adilson

Leia mais

MANEJO E CONSERVAÇÃO DO SOLO ADUBAÇÃO

MANEJO E CONSERVAÇÃO DO SOLO ADUBAÇÃO UNIPAC Faculdade Presidente Antônio Carlos GRANDES CULTURAS I MANEJO E CONSERVAÇÃO DO SOLO ADUBAÇÃO Profª Fernanda Basso Manejo e Conservação do Solo Sistema de manejo conjunto de operações que contribuem

Leia mais

Graviola: Nutrição, calagem e adubação 36. Apresentação. Objetivo

Graviola: Nutrição, calagem e adubação 36. Apresentação. Objetivo ISSN 1517-211X Graviola: Nutrição, calagem e adubação 36 Belém, PA Dezembro, 2004 Autores Ismael de Jesus Matos Viégas Eng. Agrôn., Pesquisador da Embrapa Amazônia Oriental, Caixa Postal 48, Belém, PA,

Leia mais

PLANTIO DIRETO. Definição JFMELO / AGRUFBA 1

PLANTIO DIRETO. Definição JFMELO / AGRUFBA 1 Definição JFMELO / AGRUFBA 1 INFLUÊNCIAS NO SOLO Matéria orgânica Estabilidade dos agregados e infiltração JFMELO / AGRUFBA 2 INFLUÊNCIAS NO SOLO Temperatura do solo JFMELO / AGRUFBA 3 INFLUÊNCIAS NO SOLO

Leia mais

INFORMAÇÕES SOBRE O PLANTIO DO EUCALIPTO NO SISTEMA DE INTEGRAÇÃO LAVOURA-PECUÁRIA-FLORESTA

INFORMAÇÕES SOBRE O PLANTIO DO EUCALIPTO NO SISTEMA DE INTEGRAÇÃO LAVOURA-PECUÁRIA-FLORESTA INFORMAÇÕES SOBRE O PLANTIO DO EUCALIPTO NO SISTEMA DE INTEGRAÇÃO LAVOURA-PECUÁRIA-FLORESTA Informações sobre o plantio do eucalipto no Sistema de Integração Lavoura-Pecuária-Floresta COLETA DE SOLO NA

Leia mais

Nutrientes. Do que as plantas precisam? Out, 2012 002/ Ano 02. Nutrientes

Nutrientes. Do que as plantas precisam? Out, 2012 002/ Ano 02. Nutrientes Nutrientes Do que as plantas precisam? Introdução Para se desenvolver perfeitamente a planta necessita de luz, água, temperatura adequada e de elementos minerais. O solo não é essencial a vida dos vegetais,

Leia mais

Adubação Fosfatada. Leonardo de Oliveira Machado. 1 Introdução. 2 Origem dos Adubos Fosfatados

Adubação Fosfatada. Leonardo de Oliveira Machado. 1 Introdução. 2 Origem dos Adubos Fosfatados Adubação Fosfatada Leonardo de Oliveira Machado 1 Introdução O nitrogênio, o fósforo e o potássio são os três elementos geralmente usados em maior escala na adubação. Analizando os tecidos vegetais verifica-se

Leia mais

CURSO P.I. PÊSSEGO - ANTONIO PRADO - RS - 2006 ADUBAÇÃO FOLIAR EM PESSEGUEIRO CULTIVADO NA SERRA GAÚCHA RESOLVE?

CURSO P.I. PÊSSEGO - ANTONIO PRADO - RS - 2006 ADUBAÇÃO FOLIAR EM PESSEGUEIRO CULTIVADO NA SERRA GAÚCHA RESOLVE? ADUBAÇÃO FOLIAR EM PESSEGUEIRO CULTIVADO NA SERRA GAÚCHA RESOLVE? George Wellington Melo Embrapa Uva e Vinho QUEM USA ADUBAÇÃO FOLIAR FINALIDADE DA ADUBAÇÃO FOLIAR? FILOSOFIAS BÁSICAS PARA APLICAÇÃO: SEGURANÇA

Leia mais

Recomendação de Adubação N, P e K....para os estados do RS e SC

Recomendação de Adubação N, P e K....para os estados do RS e SC Recomendação de Adubação N, P e K...para os estados do RS e SC Recomendação de Adubação Objetivo Elevar os teores dos nutrientes (N, P e K) no solo a níveis considerados adequados para as culturas expressarem

Leia mais

O SOLO COMO F0RNECEDOR DE NUTRIENTES

O SOLO COMO F0RNECEDOR DE NUTRIENTES O SOLO COMO F0RNECEDOR DE NUTRIENTES LIQUIDA (SOLUÇÃO DO SOLO) ÍONS INORGÂNICOS E ORGÂNICOS/MICROPOROS SÓLIDA - RESERVATORIO DE NUTRIENTES - SUPERFÍCIE QUE REGULA A CONCENTRAÇÃO DOS ELEMENTOS NA SOLUÇÃO

Leia mais

Adubação da Cultura da Soja em Sistemas de Produção Dr. Eros Francisco Diretor Adjunto do IPNI Brasil

Adubação da Cultura da Soja em Sistemas de Produção Dr. Eros Francisco Diretor Adjunto do IPNI Brasil Adubação da Cultura da Soja em Sistemas de Produção Dr. Eros Francisco Diretor Adjunto do IPNI Brasil Rio Verde-GO, 04/09/13 http://brasil.ipni.net Material Educativo Material Educativo N em milho http://media.ipni.net/

Leia mais

Absorção e adubação foliar

Absorção e adubação foliar Universidade Federal do Paraná Departamento de Solos e Engenharia Agrícola AL320 Absorção e adubação foliar Prof. Volnei Pauletti VIDA VEGETAL - começou no mar, durante o processo evolutivo as folhas não

Leia mais

Procedimento Técnico e Prático para Fertirrigação

Procedimento Técnico e Prático para Fertirrigação Procedimento Técnico e Prático para Fertirrigação Eng. Agr. Denilson Luís Pelloso Coord. Irrigação Agrofito LTDA Eng. Agr. Bruno Alves Dep. Agronômico Netafim - Brasil 03/09/08 Temas Conceitos básicos

Leia mais

NUTRIÇÃO E ADUBAÇÃO DO MILHO

NUTRIÇÃO E ADUBAÇÃO DO MILHO Antonio Marcos Coelho e Gonçalo Evangelista de França, pesquisadores da Embrapa Milho e Sorgo INTRODUÇÃO Apesar de o alto potencial produtivo da cultura do milho, evidenciado por produtividades de 0 e

Leia mais

FERTILIZANTES UTILIZADOS NA IMPLANTAÇÃO E MANUTENÇÃO DE GRAMADOS 1. INTRODUÇÀO

FERTILIZANTES UTILIZADOS NA IMPLANTAÇÃO E MANUTENÇÃO DE GRAMADOS 1. INTRODUÇÀO FERTILIZANTES UTILIZADOS NA IMPLANTAÇÃO E MANUTENÇÃO DE GRAMADOS Eng. Agr. Antônio Florenzano & Eng. Agr. Everaldo Eller Forth Jardim - Tecnutri do Brasil- R. Reinaldo Orlando Casagrande, 12 Tietê SP.

Leia mais

Manutenção de Campo / FERTILIZAÇÃO Daniel Tapia. Realização: Federação Paulista de Golfe

Manutenção de Campo / FERTILIZAÇÃO Daniel Tapia. Realização: Federação Paulista de Golfe Manutenção de Campo / FERTILIZAÇÃO Daniel Tapia Realização: Federação Paulista de Golfe Manutenção de Campo / FERTILIDADE A planta absorve os nutrientes pelas raízes e pelas folhas. A absorção pelas raízes

Leia mais

Fertilização da Batateira. Raul Maria Cássia EMATER/MG Senador Amaral

Fertilização da Batateira. Raul Maria Cássia EMATER/MG Senador Amaral Fertilização da Batateira Raul Maria Cássia EMATER/MG Senador Amaral Necessidade de Adubação na Cultura da Batata Adubação X Custo de produção 30% dos Insumos 20% do custo total Extração da batateira Para

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Centro de Aquicultura - Setor de Carcinicultura Responsável: Prof. Dr. Wagner Cotroni Valenti

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Centro de Aquicultura - Setor de Carcinicultura Responsável: Prof. Dr. Wagner Cotroni Valenti UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Centro de Aquicultura - Setor de Carcinicultura Responsável: Prof. Dr. Wagner Cotroni Valenti PREPARAÇÃO DO FUNDO, ADUBAÇÃO, CALAGEM E MANEJO DO FLUXO DE ÁGUA DOS VIVEIROS

Leia mais

Nutrição e adubação dos citros

Nutrição e adubação dos citros Nutrição e adubação dos citros Material Engº Agrº Derli Paulo Bonine Emater -Ascar Regional Estrela Apresentação Eng Agr Marcos José Schäfer Emater Ascar - Harmonia PROPRIEDADES DOS SOLOS BIOLÓGICAS FÍSICAS

Leia mais

ANEXO II ESPECIFICAÇÕES DOS FERTILIZANTES MINERAIS SIMPLES

ANEXO II ESPECIFICAÇÕES DOS FERTILIZANTES MINERAIS SIMPLES ANEXO II Atualizado em 04/07/2013 FERTILIZANTE Acetato de Amônio Acetato de Cálcio 16% de N 18% de Ca ESPECIFICAÇÕES DOS FERTILIZANTES MINERAIS SIMPLES GARANTIA MÍNIMA/ CARACTERÍSTICAS Nitrogênio solúvel

Leia mais

Calagem e Adubação para hortaliças sob cultivo protegido*

Calagem e Adubação para hortaliças sob cultivo protegido* 1 Calagem e Adubação para hortaliças sob cultivo protegido* Paulo Espíndola Trani Instituto Agronômico, Centro de Horticultura, Campinas (SP). petrani@iac.sp.gov.br * Campinas (SP), março de 2014 INTRODUÇÃO

Leia mais

ESSENCIALIDADE DE MACRONUTRIENTES EM MILHO CULTIVADO EM SOLUÇÃO NUTRITIVA

ESSENCIALIDADE DE MACRONUTRIENTES EM MILHO CULTIVADO EM SOLUÇÃO NUTRITIVA ESSENCIALIDADE DE MACRONUTRIENTES EM MILHO CULTIVADO EM SOLUÇÃO NUTRITIVA Danilo Pavan 1 ; Luciano Ansolin 1 ; Ivan José Rambo 1 ; Leandro Hahn 2 ; Neuri Antonio Feldmann 3 ; Fabiana Raquel Mühl 4 ; Anderson

Leia mais

SILVICULTURA E MANEJO FLORESTAL

SILVICULTURA E MANEJO FLORESTAL SILVICULTURA E MANEJO FLORESTAL Fase 1: Produção de Mudas e Recomendações de Adubação no Viveiro 1. Sistemas de Produção de Mudas de eucalipto e pinus Mudas em saquinhos Atualmente, os recipientes mais

Leia mais

NUTRIÇÃO FOLIAR (FATOS E REALIDADES) Prof. Dr. Tadeu T. Inoue Solos e Nutrição de Plantas Universidade Estadual de Maringá Departamento de Agronomia

NUTRIÇÃO FOLIAR (FATOS E REALIDADES) Prof. Dr. Tadeu T. Inoue Solos e Nutrição de Plantas Universidade Estadual de Maringá Departamento de Agronomia NUTRIÇÃO FOLIAR (FATOS E REALIDADES) Prof. Dr. Tadeu T. Inoue Solos e Nutrição de Plantas Universidade Estadual de Maringá Departamento de Agronomia FATOS 80.000 70.000 60.000 ÁREA CULTIVADA (milhões/ha)

Leia mais

Fertilidade do Solo, Adubação e Nutrição da Cultura da Soja

Fertilidade do Solo, Adubação e Nutrição da Cultura da Soja 0 Fertilidade do Solo, Adubação e Nutrição da Cultura da Soja Dirceu Luiz Broch Sidnei Kuster Ranno.. Amostragem do solo A recomendação de adubação e de calagem baseia-se principalmente na análise de solo

Leia mais

MANEJO DA FERTILIDADE DO SOLO NO SISTEMA PLANTIO DIRETO NO CERRADO

MANEJO DA FERTILIDADE DO SOLO NO SISTEMA PLANTIO DIRETO NO CERRADO MANEJO DA FERTILIDADE DO SOLO NO SISTEMA PLANTIO DIRETO NO CERRADO Djalma Martinhão Gomes de Sousa, Thomaz A. Rein, João de Deus G. dos Santos Junior, Rafael de Souza Nunes 1 I INTRODUÇÃO No Cerrado, a

Leia mais

Capítulo 7. Fertilizantes para fertirrigação. Ana Lúcia Borges Davi José Silva

Capítulo 7. Fertilizantes para fertirrigação. Ana Lúcia Borges Davi José Silva Capítulo 7 Fertilizantes para fertirrigação Ana Lúcia Borges Davi José Silva Introdução A escolha do fertilizante a ser aplicado na água de irrigação deve ser feita após avaliação das características

Leia mais

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 455

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 455 Página 455 AVALIAÇÃO DA FITOMASSA SECA DA MAMONEIRA BRS 149 NORDESTINA SOB FERTILIZAÇÃO MINERAL Lúcia Helena Garófalo Chaves 1 ; Evandro Franklin de Mesquita 2,3 ; Hugo Orlando Carvallo Guerra 1 ; Diva

Leia mais

Pedologia. Professor: Cláudio Custódio. www.espacogeografia.com.br

Pedologia. Professor: Cláudio Custódio. www.espacogeografia.com.br Pedologia Professor: Cláudio Custódio Conceitos: Mineração: solo é um detrito que deve ser separado dos minerais explorados. Ecologia: é um sistema vivo composto por partículas minerais e orgânicas que

Leia mais

Adubação Orgânica Adubação Orgânica e Adubação Verde. Informações sobre Adubação orgânica e Adubação Verde

Adubação Orgânica Adubação Orgânica e Adubação Verde. Informações sobre Adubação orgânica e Adubação Verde 1 de 5 10/16/aaaa 10:13 Adubação Orgânica Adubação Orgânica e Adubação Verde Nome Adubação Orgânica e Adubação Verde Produto Informação Tecnológica Data Abril - 2000 Preço - Linha Adubação Orgânica Resenha

Leia mais

Recomendação de Correção de Solo e Adubação de Feijão Ac. Felipe Augusto Stella Ac. João Vicente Bragança Boschiglia Ac. Luana Machado Simão

Recomendação de Correção de Solo e Adubação de Feijão Ac. Felipe Augusto Stella Ac. João Vicente Bragança Boschiglia Ac. Luana Machado Simão UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DO SOLO LSO526 Adubos e Adubações Recomendação de Correção de Solo e Adubação de Feijão Ac. Felipe Augusto

Leia mais

SUGESTÃO DE ADUBAÇÃO E CALAGEM PARA CULTURAS DE INTERESSE ECONÔMICO NO ESTADO DO PARANÁ

SUGESTÃO DE ADUBAÇÃO E CALAGEM PARA CULTURAS DE INTERESSE ECONÔMICO NO ESTADO DO PARANÁ CIRCULAR N. 128 ISSN 0100-3356 AGOSTO/2003 SUGESTÃO DE ADUBAÇÃO E CALAGEM PARA CULTURAS DE INTERESSE ECONÔMICO NO ESTADO DO PARANÁ Coordenação: Edson Lima de Oliveira INSTITUTO AGRONÔMICO DO PARANÁ - LONDRINA

Leia mais

Nutrição Adubação de Culturas Oleaginosas

Nutrição Adubação de Culturas Oleaginosas INTRODUÇÃO 1 Nutrição Adubação de Culturas Oleaginosas Discente: Samuel Luan Pereira Docente: Marcela Nery O desenvolvimento da agropecuária, em termos de manejo, material genético e tecnologias, força

Leia mais

FERTILIZANTES, ESCOLHA DE FÓRMULAS E TIPOS DE ADUBOS

FERTILIZANTES, ESCOLHA DE FÓRMULAS E TIPOS DE ADUBOS FERTILIZANTES, ESCOLHA DE FÓRMULAS E TIPOS DE ADUBOS Absorção plantas Prof. Dilmar Baretta (UDESC/CEO) & Profa. Carolina Baretta (UDESC/CEO/UNOCHAPECÓ) Roteiro da aula: 1) Noções de fertilizantes e escolha

Leia mais

Comunicado Técnico. Guia de identificação de deficiências nutricionais em Brachiaria brizantha cv. marandu. Introdução

Comunicado Técnico. Guia de identificação de deficiências nutricionais em Brachiaria brizantha cv. marandu. Introdução Comunicado Técnico Novembro, 76 ISSN 1981-206X São Carlos, SP 2007 Foto capa: Patricia Perondi A. de Oliveira Guia de identificação de deficiências nutricionais em Brachiaria brizantha cv. marandu Patricia

Leia mais

Absorção e Adubação foliar

Absorção e Adubação foliar Universidade Federal do Paraná Departamento de Solos e Engenharia Agrícola Programa de Pós-Graduação em Ciências do Solo Absorção e Adubação foliar Prof. Volnei Pauletti UFPR ADUBOS FLUÍDOS - Absorção

Leia mais

Fundação Mokiti Okada M.O.A Centro de Pesquisa Mokiti Okada - CPMO

Fundação Mokiti Okada M.O.A Centro de Pesquisa Mokiti Okada - CPMO Fundação Mokiti Okada M.O.A Mokiti Okada - CPMO CADEIA PRODUTIVA DA AGRICULTURA ORGÂNICA Audiência Pública da Comissão de Agricultura e Reforma Agrária CRA Senado Federal Novembro 2008 1 Mokiti Okada CPMO

Leia mais

MANEJO DO SOLO. Adubação e calagem, antes e após a implantação da lavoura cafeeira. Impresso com recursos do

MANEJO DO SOLO. Adubação e calagem, antes e após a implantação da lavoura cafeeira. Impresso com recursos do CIRCULAR N 120 ISSN 0100-3356 MARÇO/2002 MANEJO DO SOLO Adubação e calagem, antes e após a implantação da lavoura cafeeira Júlio César Dias Chaves 1 Impresso com recursos do CONSÓRCIO BRASILEIRO DE PESQUISA

Leia mais

Adubação de plantio para Eucalyptus sp.

Adubação de plantio para Eucalyptus sp. LSO0526 - Adubos e Adubação Adubação de plantio para Eucalyptus sp. Manoel Augusto Luiz Almeida 16 de junho de 2016 Eucalyptus sp. Aproximadamente 600 espécies; Grande variação genótipica; 5,37 milhões

Leia mais

Capítulo 31. Adubos ou fertilizantes

Capítulo 31. Adubos ou fertilizantes Capítulo 31 Adubos ou fertilizantes Notas. 1. O presente Capítulo não compreende: a) o sangue animal da posição 05.11; b) os produtos de constituição química definida apresentados isoladamente, exceto

Leia mais

Circular. Técnica. Autores. Adubação e Correção do Solo: Procedimentos a Serem Adotados em Função dos Resultados da Análise do Solo

Circular. Técnica. Autores. Adubação e Correção do Solo: Procedimentos a Serem Adotados em Função dos Resultados da Análise do Solo Adubação e Correção do Solo: Procedimentos a Serem Adotados em Função dos Resultados da Análise do Solo 1 ISSN 0100-6460 Adubação e Correção do Solo: Procedimentos a Serem Adotados em Função dos Resultados

Leia mais

ENXOFRE. Engenheiro Agrônomo Rodrigo Ambrosio. Mestrando em Ciência do Solo rodrigoambrosioufpr@gmail.com

ENXOFRE. Engenheiro Agrônomo Rodrigo Ambrosio. Mestrando em Ciência do Solo rodrigoambrosioufpr@gmail.com ENXOFRE Engenheiro Agrônomo Rodrigo Ambrosio Mestrando em Ciência do Solo rodrigoambrosioufpr@gmail.com Departamento de Solos e Engenharia Agrícola Orientador: Volnei Pauletti ENXOFRE Enxofre Macronutriente

Leia mais

Culturas. A Cultura do Milho. Nome A Cultura do Milho Produto Informação Tecnológica Data Outubro de 2000 Preço - Linha Culturas Resenha

Culturas. A Cultura do Milho. Nome A Cultura do Milho Produto Informação Tecnológica Data Outubro de 2000 Preço - Linha Culturas Resenha 1 de 5 10/16/aaaa 11:24 Culturas A Cultura do Milho Nome A Cultura do Milho Produto Informação Tecnológica Data Outubro de 2000 Preço - Linha Culturas Resenha Informações resumidas sobre a cultura do milho

Leia mais

FERTILIDADE DO SOLO E NUTRIÇÃO DE PLANTAS NO AGRONEGÓCIO

FERTILIDADE DO SOLO E NUTRIÇÃO DE PLANTAS NO AGRONEGÓCIO FERTILIDADE DO SOLO E NUTRIÇÃO DE PLANTAS NO AGRONEGÓCIO 1. NUTRIÇÃO MINERAL DE PLANTAS Prof. Valdemar Faquin 2. DIAGNOSE DO ESTADO NUTRICIONAL DAS PLANTAS Prof. Valdemar Faquin 3. ABSORÇÃO FOLIAR E PRINCÍPIOS

Leia mais

Adubação de Plantas Ornamentais. Professora Juliana Ferrari

Adubação de Plantas Ornamentais. Professora Juliana Ferrari Adubação de Plantas Ornamentais Professora Juliana Ferrari Indícios que a planta pode precisar de nutrientes O crescimento se torna lento; Adubação É o método de corrigir as deficiências de nutrientes

Leia mais

USO DE GESSO, CALCÁRIO E ADUBOS PARA PASTAGENS NO CERRADO

USO DE GESSO, CALCÁRIO E ADUBOS PARA PASTAGENS NO CERRADO Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Cerrados Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento USO DE GESSO, CALCÁRIO E ADUBOS PARA PASTAGENS NO CERRADO Djalma M. Gomes de Sousa Lourival

Leia mais

Dinâmica dos demais Nutrientes - micronutrientes Leandro Souza da Silva Elisandra Pocojeski Danilo Rheinheimer dos Santos Carlos Alberto Ceretta

Dinâmica dos demais Nutrientes - micronutrientes Leandro Souza da Silva Elisandra Pocojeski Danilo Rheinheimer dos Santos Carlos Alberto Ceretta Universidade Federal de Santa Maria Centro de Ciências Rurais Curso de Agronomia Disciplina de Fertilidade do Solo Dinâmica dos demais Nutrientes - micronutrientes Leandro Souza da Silva Elisandra Pocojeski

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE AGRONOMIA DEPARTAMENTO DE SOLOS BOLETIM TÉCNICO No 1

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE AGRONOMIA DEPARTAMENTO DE SOLOS BOLETIM TÉCNICO No 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE AGRONOMIA DEPARTAMENTO DE SOLOS BOLETIM TÉCNICO No 1 A CALAGEM DOS SOLOS ÁCIDOS - PRÁTICA E BENEFÍCIOS S.J.VOLKWEISS M.J.TEDESCO C.GIANELO C.A.BISSANI

Leia mais

AVALIAÇÃO DA FERTILIDADE DO SOLO

AVALIAÇÃO DA FERTILIDADE DO SOLO AVALIAÇÃO DA FERTILIDADE DO SOLO 1. INTRODUÇÃO M = nutriente transportado NUTRIENTE FORMAS NUTRIENTE FORMAS Nitrogênio NO - + 3 e NH 4 Boro H 3 BO 3 Fósforo - H 2 PO 4 Cloro Cl - Potássio K + Cobre Cu

Leia mais

Fertilização nitrogenada do cafeeiro com base na ecofisiologia

Fertilização nitrogenada do cafeeiro com base na ecofisiologia Fertilização nitrogenada do cafeeiro com base na ecofisiologia ESALQ - USP Produção Vegetal agosto - 2013 Prof. José Laércio Favarin Composição química Importância do nitrogênio Composição cafeeiro Kg

Leia mais

NUTRIÇÃO EQUILIBRADA DO CAFEEIRO. ROBERTO SANTINATO 40º CBPC Serra Negra - SP

NUTRIÇÃO EQUILIBRADA DO CAFEEIRO. ROBERTO SANTINATO 40º CBPC Serra Negra - SP NUTRIÇÃO EQUILIBRADA DO CAFEEIRO ROBERTO SANTINATO 40º CBPC Serra Negra - SP Nutrição equilibrada em cafezais Equilíbrio Desequilíbrio Importância e respostas da correção do solo no equilíbrio nutricional

Leia mais

Campeão de Produtividade de Soja Região Sudeste. ANTONIO LUIZ FANCELLI Fundador do CESB e Docente da ESALQ/USP SAFRA 2011/2112

Campeão de Produtividade de Soja Região Sudeste. ANTONIO LUIZ FANCELLI Fundador do CESB e Docente da ESALQ/USP SAFRA 2011/2112 Campeão de Produtividade de Soja Região Sudeste ANTONIO LUIZ FANCELLI Fundador do CESB e Docente da ESALQ/USP SAFRA 2011/2112 Dados do Participante (Campeão) PRODUTOR: FREDERIK JAKOBUS WOLTERS CONSULTOR

Leia mais

CÁLCULOS DE FECHAMENTO DE FORMULAÇÕES E RECOMENDAÇÃO DE ADUBAÇÃO

CÁLCULOS DE FECHAMENTO DE FORMULAÇÕES E RECOMENDAÇÃO DE ADUBAÇÃO UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DO SOLO LSO 526 Adubos e Adubação CÁLCULOS DE FECHAMENTO DE FORMULAÇÕES E RECOMENDAÇÃO DE ADUBAÇÃO Prof.

Leia mais

NUTRIÇÃO MINERAL DE PLANTAS. Prof. Dr. Osmar Souza dos Santos UFSM

NUTRIÇÃO MINERAL DE PLANTAS. Prof. Dr. Osmar Souza dos Santos UFSM NUTRIÇÃO MINERAL DE PLANTAS Prof. Dr. Osmar Souza dos Santos UFSM FUNDAMENTOS DA NUTRIÇÃO DE PLANTAS Nutrientes Macronutrientes: C, H, O, N, P, K, Ca, Mg, S. Micronutrientes: Fe, Mn, Zn, Cu, B, Mo, Cl.

Leia mais

ADUBAÇÃO FOLIAR. Fornecimento de nutrientes para as plantas na forma de pulverização, aproveitando a capacidade de absorção pelas folhas.

ADUBAÇÃO FOLIAR. Fornecimento de nutrientes para as plantas na forma de pulverização, aproveitando a capacidade de absorção pelas folhas. ADUBAÇÃO FOLIAR Conceito Fornecimento de nutrientes para as plantas na forma de pulverização, aproveitando a capacidade de absorção pelas folhas. Bons resultados podem ser obtidos através da adubação foliar

Leia mais

ROCHAGEM: UMA QUESTÃO DE SOBERANIA NACIONAL

ROCHAGEM: UMA QUESTÃO DE SOBERANIA NACIONAL ROCHAGEM: UMA QUESTÃO DE SOBERANIA NACIONAL Suzi Huff Theodoro suzitheodoro@unb.br UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA - UnB CENTRO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL - CDS BRASIL E OS FERTILIZANTES Em 2006 o Brasil

Leia mais

Manejo de Solos. Curso de Zootecnia Prof. Etiane Skrebsky Quadros

Manejo de Solos. Curso de Zootecnia Prof. Etiane Skrebsky Quadros Manejo de Solos Curso de Zootecnia Prof. Etiane Skrebsky Quadros Aula 3: Manejo de adubação fosfatada em pastagens 1. Características Macronutriente Móvel na planta Junto com o N e o K, são os 3 mais exigidos

Leia mais

Coeficientes de distribuição de metais pesados em solos de São Paulo. Luís Reynaldo F. Alleoni ESALQ/USP Dep. de Ciência do Solo

Coeficientes de distribuição de metais pesados em solos de São Paulo. Luís Reynaldo F. Alleoni ESALQ/USP Dep. de Ciência do Solo Coeficientes de distribuição de metais pesados em solos de São Paulo Luís Reynaldo F. Alleoni ESALQ/USP Dep. de Ciência do Solo Definição de metais pesados Química - grande grupo de elementos com: densidade

Leia mais

PARLAMENTO EUROPEU C5-0224/2003. Posição comum. Documento de sessão 2001/0212(COD) 14/05/2003

PARLAMENTO EUROPEU C5-0224/2003. Posição comum. Documento de sessão 2001/0212(COD) 14/05/2003 PARLAMENTO EUROPEU 1999 Documento de sessão 2004 C5-0224/2003 2001/0212(COD) PT 14/05/2003 Posição comum tendo em vista a aprovação do Regulamento do Parlamento Europeu e do Conselho relativo aos adubos

Leia mais

Como formar seu Gramado

Como formar seu Gramado Como formar seu Gramado Nada menos que mil pés de grama convivem em cada metro quadrado de um gramado. E, ao contrário de uma horta ou canteiro, onde o solo pode ser revolvido, corrigido e enriquecido

Leia mais

ANEXO II ESPECIFICAÇÕES DOS FERTILIZANTES MINERAIS SIMPLES CARACTERÍSTICAS OBTENÇÃO OBSERVAÇÃO. Cálcio solúvel em água

ANEXO II ESPECIFICAÇÕES DOS FERTILIZANTES MINERAIS SIMPLES CARACTERÍSTICAS OBTENÇÃO OBSERVAÇÃO. Cálcio solúvel em água FERTILIZANTE Acetato Cálcio Acetato Cobalto Acetato Cobre Acetato Ferro Acetato ANEXO II ESPECIFICAÇÕES DOS FERTILIZANTES MINERAIS SIMPLES GARANTIA MÍNIMA 18% Ca 18% Co 23% Cu 23% Fe 13% Mg CARACTERÍSTICAS

Leia mais

USO DE COBERTURAS VEGETAIS E MANEJO ORGÂNICO DOS SOLOS EM MUSÁCEA

USO DE COBERTURAS VEGETAIS E MANEJO ORGÂNICO DOS SOLOS EM MUSÁCEA Mandioca e Fruticultura USO DE COBERTURAS VEGETAIS E MANEJO ORGÂNICO DOS SOLOS EM MUSÁCEA Ana Lúcia Borges Pesquisadora da Embrapa Erval Rafael Damatto Junior Pesquisador científico da APTA Manejo sustentável

Leia mais

É correto afirmar: Os solos da Amazônia em geral têm ph ácido?. ph logaritmo do inverso da [H + ]

É correto afirmar: Os solos da Amazônia em geral têm ph ácido?. ph logaritmo do inverso da [H + ] 1. ph e Acidez É correto afirmar: Os solos da Amazônia em geral têm ph ácido?. ph logaritmo do inverso da [H + ] 1 ph = log + [H ] ph = - log [H + ] ph 0 7 14. Acidez [H + ] = 10 -ph ph = 6 [H + ] = 10-6

Leia mais

AGÊNCIA AMBIENTAL FEDERAL AMERICANA - USEPA

AGÊNCIA AMBIENTAL FEDERAL AMERICANA - USEPA AGÊNCIA AMBIENTAL FEDERAL AMERICANA - USEPA Emenda ao 40 CFR Parts 261, 266, 268 e 271 Documento: FERTILIZANTES À BASE DE ZINCO PRODUZIDOS A PARTIR DE MATERIAL SECUNDÁRIO PERIGOSO Julho/2002 S U M Á R

Leia mais

Fontes de Zinco para a Agricultura e Oportunidades de Aplicação. Dr. Valter Casarin IPNI Brasil

Fontes de Zinco para a Agricultura e Oportunidades de Aplicação. Dr. Valter Casarin IPNI Brasil Fontes de Zinco para a Agricultura e Oportunidades de Aplicação Dr. Valter Casarin IPNI Brasil Utilização agrícola do cerrado Análise de 518 amostras da superfície de solos virgens do cerrado do Brasil

Leia mais

Projeções da demanda por fertilizantes no Brasil

Projeções da demanda por fertilizantes no Brasil Projeções da demanda por fertilizantes no Brasil índice 3 4 5 6 8 9 o mercado Números e importância do setor projeções de longo prazo planos/produtos metodologia condições, prazo e investimento formulário

Leia mais

Fertilidade do Solo e Nutrição do Castanheiro

Fertilidade do Solo e Nutrição do Castanheiro Fertilidade do Solo e Nutrição do Castanheiro Fertilidade do Solo e Nutrição do Castanheiro Margarida Arrobas & Manuel Ângelo Rodrigues Centro de Investigação de Montanha Escola Superior Agrária de Bragança

Leia mais

Fertilizantes com Micronutrientes para manejo da cana-de-açúcar

Fertilizantes com Micronutrientes para manejo da cana-de-açúcar Fertilizantes com Micronutrientes para manejo da cana-de-açúcar Fabio Vale Eng o Agr o, Dr. Adubai Consultoria Fertilizante Legislação Brasileira de Fertilizantes Decreto 4.954, de 14 de Janeiro de 2004,

Leia mais

EFEITO DE DIFERENTES DOSAGENS DE LODO DE ESGOTO E FERTILIZAÇÃO QUÍMICA SOBRE A DISPONIBILIDADE DE FÓSFORO NO SOLO

EFEITO DE DIFERENTES DOSAGENS DE LODO DE ESGOTO E FERTILIZAÇÃO QUÍMICA SOBRE A DISPONIBILIDADE DE FÓSFORO NO SOLO EFEITO DE DIFERENTES DOSAGENS DE LODO DE ESGOTO E FERTILIZAÇÃO QUÍMICA SOBRE A DISPONIBILIDADE DE FÓSFORO NO SOLO FERREIRA, C.F.; ANDREOLI, C.V.; PEGORINI, E.S., CARNEIRO, C.; SOUZA, M.L.P. Efeito de diferentes

Leia mais

Produtividade Agrícola e Consumo de Fertilizantes

Produtividade Agrícola e Consumo de Fertilizantes Produtividade Agrícola e Consumo de Fertilizantes A produtividade agrícola no Brasil tem crescido mais rapidamente do que o aumento das áreas plantadas MERCADO MUNDIAL US$ 70.000.000.000,00 KCL Us$ 45,00

Leia mais

Princípios Básicos para Boas Práticas para Uso Eficiente de Fertilizantes em Citricultura

Princípios Básicos para Boas Práticas para Uso Eficiente de Fertilizantes em Citricultura 37 a SEMANA DA CITRICULTURA Princípios Básicos para Boas Práticas para Uso Eficiente de Fertilizantes em Citricultura Dr. Luís Ignácio Prochnow Diretor do Programa do IPNI no Brasil INTERNATIONAL PLANT

Leia mais

Nutrição do Cafeeiro, Macro e Micronutrientes, Recomendações e Racionalização

Nutrição do Cafeeiro, Macro e Micronutrientes, Recomendações e Racionalização Nutrição do Cafeeiro, Macro e Micronutrientes, Recomendações e Racionalização Engº. Agrº. Antônio Wander R. Garcia Engº. Agrº. Alysson Vilela Fagundes Aspectos relevantes e indispensáveis 1. Por que adubar?

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DO SOLO TABELA DE PREÇOS

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DO SOLO TABELA DE PREÇOS TABELA DE PREÇOS 1. SOLO 1.1.a Química para fins de avaliação da fertilidade do solo (Estado de São Paulo) SQ1.1 ph CaCl 2 0,01 mol L -1, P, K, Ca, Mg, H+Al e os cálculos SB, CTC, V %... 20,00/am. SQ2.1

Leia mais

TITULO: Viabilidade produtiva e de utilização de biofertilizantes

TITULO: Viabilidade produtiva e de utilização de biofertilizantes TITULO: Viabilidade produtiva e de utilização de biofertilizantes em Assentamentos Rurais de Santa Catarina/Brasil EJE: Ciencia, Tecnología y Sociedad AUTORES: Msc. Marina Bustamante Ribeiro Prof. Dr.

Leia mais

INSTITUTO MATO-GROSSENSE DO ALGODÃO - IMA. Boletim - Nº 003 - Outubro de 2008 QUANTO VALE A SOQUEIRA DO ALGODÃO?

INSTITUTO MATO-GROSSENSE DO ALGODÃO - IMA. Boletim - Nº 003 - Outubro de 2008 QUANTO VALE A SOQUEIRA DO ALGODÃO? INSTITUTO MATO-GROSSENSE DO ALGODÃO - IMA Boletim - Nº 003 - Outubro de 2008 INFORMAÇÕES TÉCNICAS QUANTO VALE A SOQUEIRA DO ALGODÃO? QUANTO VALE A SOQUEIRA DO ALGODÃO? Diante da preocupação com o desmatamento

Leia mais

OS MACRONUTRIENTES E OS MICRONUTRIENTES DAS PLANTAS

OS MACRONUTRIENTES E OS MICRONUTRIENTES DAS PLANTAS OS MACRONUTRIENTES E OS MICRONUTRIENTES DAS PLANTAS Sengik, Erico S. versão 2003 1. INTRODUÇÃO A água, a luz, os nutrientes, as pragas, as doenças, etc são fatores responsáveis pela produtividade animal

Leia mais

FERTILIDADE DO SOLO E NUTRIÇÃO DA MANGUEIRA

FERTILIDADE DO SOLO E NUTRIÇÃO DA MANGUEIRA Fertilidade do Solo e Nutrição da Mangueira FERTILIDADE DO SOLO E NUTRIÇÃO DA MANGUEIRA Francisco Maximino Fernandes 1 e Vinício Martins do Nascimento 1 1. INTRODUÇÃO A mangueira (Mangifera indica L.)

Leia mais

Fertilizantes líquidos para hidroponia. Pedro Roberto Furlani

Fertilizantes líquidos para hidroponia. Pedro Roberto Furlani Fertilizantes líquidos para hidroponia Pedro Roberto Furlani pfurlani@conplant.com.br DEFINIÇÕES (MAPA, 2004) Fertilizante fluido ou líquido: produto que se apresenta no estado de solução ou suspensão,

Leia mais

PORTUGAL T: F: E:

PORTUGAL T: F: E: Adubos Deiba, Comercialização de Adubos, Lda. Parque Industrial da Mitrena Lotes 42-45 2910-738 Setúbal PORTUGAL T: +351 265 709 660 F: +351 265 709 665 E: comercial@adubosdeiba.com Uma Empresa: PRODUTOS

Leia mais