Adubação de plantio para Eucalyptus sp.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Adubação de plantio para Eucalyptus sp."

Transcrição

1 LSO Adubos e Adubação Adubação de plantio para Eucalyptus sp. Manoel Augusto Luiz Almeida 16 de junho de 2016

2 Eucalyptus sp. Aproximadamente 600 espécies; Grande variação genótipica; 5,37 milhões de hectares plantados no país (IBÁ,2015); Costuma ocupar áreas desinteressantes para outras culturas(wilcken et al., 2008). 2

3 Calagem e gessagem Espécies florestais possuem baixa sensibilidade à acidez do solo (RAIJ et al.,1996); Calcário e gesso são aplicados para suprir a alta demanda de Ca e Mg (GONÇALVES et al., 1996); Pode-se aplicar a lanço ou em filetes contínuos, de 4 a 3 meses antes do plantio. 3

4 Adubação mineral Importante o parcelamento da aplicação (GONÇALVES et al., 1996); Adubação de Base: 100% do P, 20 a 40% do N e K + micro no sulco de plantio; Adubações de Cobertura: 80 a 60% do N e K + micro em filetes contínuos ou meia lua. 4

5 Boletins Utilizados Boletim 100 ( RAIJ et al.,1996); Manual de adubação e de calagem para os Estados do Rio Grande do Sul e de Santa Catarina( Sociedade Brasileira de Ciências do Solo, 2004); Correção de solo e adubação para o Cerrado( SOUSA et al., 2004); Recomendações para o uso de corretivos e fertilizantes em Minas Gerais( RIBEIRO et al.,1999); 5

6 Níveis Críticos Nutricionais Nível Crítico de Manutenção Elemento (1) Solos Nível Crítico de Implantação Incremento médio anual (m³/ha.ano) P (mg/kg) Argiloso 60 4,1 4,2 4,3 4,4 4,5 4,6 Arenoso 80 6,1 6,2 6,3 6,4 6,5 6,6 K (mg/kg) Ca (cmolc/kg) 0,2 0,3 0,45 0,6 0,7 0,8 0,9 Mg (cmolc/kg) 0,05 0,07 0,1 0,13 0,13 0,19 0,22 ¹Amostragem de 0-20cm; extratores para K e P -Mehlich-1; para Ca e Mg- KCl 1mol/L Fonte: Novais et al. (1986) 6

7 Calagem São Paulo : NC = 10 {[20 - (Ca + Mg) ]/PRNT} (calcário dolmítico) ; Cerrado : NC= CTC x ( V2-V1)/10x PRNT ; V2 -> 50% Sul : NC = CTC (V2-V1)/100 ; V2 -> 65% Minas Gerais : 100kg de calcário(prnt 100%) para cada cmolc/dm³ ; 7

8 Gessagem São Paulo: NG = 6xArgila(g/kg); Cerrado : NG = 75 x argila(%); Sul e Minas Gerais: não recomendam gessagem para a cultura; 8

9 Nitrogênio São Paulo; Matéria orgânica* (g/dm3) * 10 g/dm³ = 1% N aplicado (kg/há) >40 20 Sul; Teor de Matéria Orgânica no solo Plantio Nitrogênio Cobertura % - Kg de N/há - 2, ,6-5, >5,

10 Nitrogênio Cerrado: Uso de 60kg/ha de N na cobertura; Minas Gerais: a. Se não for necessário aplicar K: aplicar 134 kg/ha de N na cobertura; b. Necessário aplicar K: fornecer potássio com NPK , fornecendo N ao mesmo tempo; 10

11 Fósforo São Paulo; Nível de P resina (mg/dm³) * Teor de Argila (%) > 8 P2O5 (kg/ha) < > * 1 mg/dm³ = 1 mg/cm³ = 1 ppm Cerrado; ¹Extrator Mehlich -1 Teor de Teor de Fósforo no solo ¹ Argila Baixo Médio Adequado % P (mg/dm³) < 12,0 12,1-18,0 >18, <10,0 10,1-15,0 >15, <5,0 5,1-8,0 >8,0 >60 <3,0 3,1-6,0 >6,0 ¹ Extrator Mehlich-1 Teor de P Argila Baixo Médio Adequado % Kg/ha >

12 Fósforo Sul; Interpretação do teor de P no solo Teor de Argila no solo* > 60% 60 a 41% 40 a 21% 21% mg/dm³ de P Fósforo a ser aplicado Kg de P 2 O 5 /há Muito Baixo 2,0 3,0 4,0 7,0 120 Baixo 21,-4,0 3,1-6,0 4,1-8,0 7,1-14,0 90 Médio 4,1-6,0 6,1-9,0 8,1-12,0 14,1-21,0 60 Alto 6,1-12,0 9,1-18,0 12,1-24,0 21,1-42,0 30 Muito Alto >12,0 >18,0 <24,0 <42 30 *Mehlich-1 12

13 Fósforo Minas Gerais divide a adubação em três situações: a. Teores de P superiores ao crítico: aplicar superfosfato simples de acordo de acordo com a textura do solo; Textura g/planta de SFS Arenosa 100 Média 125 Argilosa

14 Fósforo Minas Gerais divide a adubação em três situações: a. Teores de P superiores ao crítico: aplicar superfosfato simples de acordo de acordo com a textura do solo; b. Teor de P entre a metade e o crítico: aplicar 300kg/ha de fosfato natural reativo; c. Teor de P inferior a metade do crítico: aplicar 600kg/ha de fosfato natural reativo. 14

15 Potássio São Paulo; Teor de Argila (%) K trocável (meq/100cm³) * 0-0,7 0,8-1,5 >1,5 < > * 1 meq/100 cm³ = 10 mmol/dm³ Minas Gerais: aplicar 1,8kg/ha de K2O para cada mg/dm³ abaixo do nível crítico, com NPK ; 15

16 Potássio Cerrado; Teor de K mg/dm³ Interpretação CTC a ph 7 < 4,0 cmol c /dm³ ou teor de argila <20% Dose de K 2 O Kg/há < 15 Baixo Médio 25 > 40 Adequado 0 mg/dm³ CTC a ph 7 > 4,0 cmol c /dm³ ou teor de argila Kg/há > 20% < 25 Baixo Médio 50 > 80 Adequado 0 16

17 Potássio Sul; Interpretação do teor de K P no solo CTC ph 7,0 (cmol c /dm³) > 15 5,1-15,0 5 mg/dm³ de K Muito Baixo Baixo Médio Alto Muito Alto >180 >120 >90 Interpretação do Potássio a ser aplicado Teor de K no solo Plantio Cobertura Reposição Kg de K 2 O/ha Muito Baixo Baixo Médio Alto Muito Alto

18 Micronutrientes São Paulo: 10g/planta de FTEBr12 / planta, caso Boro e/ou Zinco apresentem teores menores que 0,21 e 0,6 mg/dm³, respectivamente; Minas Gerais: 5g/planta de Sulfato de zinco na base e 10g/planta de boráx na cobertura; Sul: Não há recomendação para micronutrientes; 18

19 Micronutrientes Cerrado a. Teores baixos: 2 Kg/ha de Boro 2 Kg/ha de Cobre 6 Kg/ha de Manganês 0,4 Kg/ha de Molibdênio 6 Kg/ha de Zinco Classificação do nutriente Boro (B) (Água quente) Cobre (Cu) Manganês (Mn) Mehlich 1* Zico (Zn) mg/dm³ Baixo 0-0,2 0-0,4 0-1,9 0-1,0 Médio 0,3-0,5 05-0,8 2,0-5,0 1,1-1,6 Alto > 0,5 > 0,8 > 5,0 > 1,6 *Mehlich 1 (HCl 0,05 mol/l + H 2 SO 4 0,0125 mol/l). na relação solos:solução 1:10 e com cinco minutos de agitação 19

20 Micronutrientes Cerrado b. Teores médios: ¼ do recomendado anteriormente; a. Teores altos: não necessita aplicação Classificação do nutriente Boro (B) (Água quente) Cobre (Cu) Manganês (Mn) Mehlich 1* Zico (Zn) mg/dm³ Baixo 0-0,2 0-0,4 0-1,9 0-1,0 Médio 0,3-0,5 05-0,8 2,0-5,0 1,1-1,6 Alto > 0,5 > 0,8 > 5,0 > 1,6 *Mehlich 1 (HCl 0,05 mol/l + H 2 SO 4 0,0125 mol/l). na relação solos:solução 1:10 e com cinco minutos de agitação 20

21 Enxofre Apenas o boletim do Cerrado recomenda; Aplicar 20kg S elementar ou com uso de gesso; 21

22 A área Piracicaba- SP; 20% de argila de 0-20 e 29% de 20-40; M.O. = 15 g/dm³ P resina = 3mg/dm³ K = 0,9 mmolc/dm³ Ca = 10 e 9 mmolc/dm³ Mg = 7 e 6 mmolc/dm³ 22

23 Interpretação NC = 10 {[20 - (Ca Mg 0-20 ) ]/PRNT} NC = 10 {[20 - (10+ 07) ]/76} NC=0,394 tons/há = 500kg/ha (mínimo aplicado pelo implemento) NG: 6xArgila (g/kg) NG= 6 * 290 NG = 1740 Kg/ha 23

24 Interpretação Matéria orgânica* (g/dm3) N aplicado (kg/há) >40 20 Micronutrientes: 16,6 kg FTEBr 12 /ha Nível de P resina (mg/dm³) * Teor de Argila (%) > 8 P2O5 (kg/ha) < > * 1 mg/dm³ = 1 mg/cm³ = 1 ppm Teor de Argila (%) K trocável (meq/100cm³) * 0-0,7 0,8-1,5 >1,5 < >

25 Formulação da base Decidiu-se utilizar NPK para o plantio; Fósforo 300 Kg P2O5/tonelada Superfosfato Triplo = 41% P2O5 300kg/0,41= 731,1kg 25

26 Formulação da base Decidiu-se utilizar NPK para o plantio; 300 Kg P2O5/tonelada Superfosfato Triplo = 41% P2O5 300kg/0,41= 731,1kg Necessidade: 70 Kg/ha P2O5 100Kg SFT Kg P2O5 X kg SFT kg P2O5 X kg SFT= 7000/41-> aplicado 170 Kg/ha de SFT 1000 kg ,1kg SFT Xton SFT Xton=170000/777= 232,53 kg/há-> 250 kg/ha

27 Formulação da base Nitrogênio = 30kg/tonelada Sulfato de Amônio = 21% N 30/0,21 = 142,9 kg para compor o NPK 1000 kg ,9 kg 250kg x kg Xkg = 35,7 kg de sulfato -> 7,5 kg/ha de N realmente fornecidos 27

28 Formulação da base Potássio: 40kg/tonelada de NPK Cloreto de Potássio = 60% K 2 O 40kg/tonelada de K no NPK 40/0,6 = 66,66 kg para compor o NPK 1000kg kg x kg Xkg = 10 kg/ha de K 2 O realmente aplicado no plantio 28

29 Formulação da cobertura Base: NPK Nitrogênio Aplicado no plantio: 7,5 kg de N -> Falta aplicar 52,5 kg de N Sulfato de amônia = 21%N 160/0,21 - > 761,9 kg para NPK 1000 kg NPK kg de N Xkg NPK ,5 kg de N X Kg = 328,13 kg de NPK / ha 29

30 Formulação da cobertura Potássio: 90 kg / tonelada 10 Kg K 2 O aplicados na base -> faltam 30 Kg Cloreto de Potássio = 60% K 2 O 90/0,6 = 150 kg para NPK de cobertura 1000 kg npk kg KCl 328, x kg K X Kg K = 49,2 kg K 2 0 realmente aplicado 30

31 Resultado Gesso = 1740 kg/ha; Calcário dolomítico = 500kg/ha; Adubação de base -> 940,66 kg NPK + 33,2 kg FTEBr ,14 kg enchimento; Adubação de cobertura -> 912 kg de NPK + 24,3 FTEBr ,7 kg enchimento. 31

32 Bibliografia Agência Embrapa de Informação Tecnológica; Adubação mineral da Cana- de Açúcar; Disponível em < Acessado em 28/05/2016 IBÁ, Indicadores de desempenho do setor nacional de árvores plantadas referentes ao ano de 2014, brasília, 80pg. GONÇALVES, J. L. M. Recomendações de Adubação para Eucalyptus, Pinus e Espécies Típicas da Mata Atlântica. Documentos Florestais (Piracicaba (15): 1-23, Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz. Dpto. Ciências Florestais. São Paulo. RAIJ, B. van; QUAGGIO, J.A.; SIVA, N.M. Extraction of phosphorous, potassium, calcium, and magnesium from soils by an ion-exchange resin procedure. Comm. Soil Sci. Plant Anal., v. 17, p , RIBEIRO, A.C.; Guimarães,P.T.G.; Alvarez V., V.H; Recomendações para o uso de corretivos e fertilizantes em Minas Gerais - Viçosa, MG, p.: il Sociedade Brasileira de Ciência do Solo. Comissão de Química e Fertilidade do Solo(SBCS) Manual de adubação e de calagem para os Estados do Rio Grande do Sul e de Santa Catarina / ed. Porto Alegre, SOUSA, D.M.G.; LOBATO, E.(Ed.) Correção de solo e adubação para o Cerrado Planaltina,DF; 2003; 416pg. WILCKEN, Carlos Frederico et al. Guia Prático de Manejo de Eucalipto. Botucatu: FEPAF, p. 32

33 Obrigado 33

Interpretação da análise de solo

Interpretação da análise de solo Interpretação da análise de solo Tabela de interpretação A orientação para interpretação da análise de solo são organizadas em manuais estaduais e regionais. Manual Tabelas de interpretação Recomendações

Leia mais

IMPORTÂNCIA DA CALAGEM PARA OS SOLOS DO CERRADO

IMPORTÂNCIA DA CALAGEM PARA OS SOLOS DO CERRADO IMPORTÂNCIA DA CALAGEM PARA OS SOLOS DO CERRADO Palestra apresenta no I Seminário alusivo ao Dia Nacional do Calcário, no dia 23 de maio de 2013, no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Leia mais

CALAGEM, GESSAGEM E AO MANEJO DA ADUBAÇÃO (SAFRAS 2011 E

CALAGEM, GESSAGEM E AO MANEJO DA ADUBAÇÃO (SAFRAS 2011 E RESPOSTA DE MILHO SAFRINHA CONSORCIADO COM Brachiaria ruziziensis À CALAGEM, GESSAGEM E AO MANEJO DA ADUBAÇÃO (SAFRAS 2011 E 2012) Carlos Hissao Kurihara, Bruno Patrício Tsujigushi (2), João Vitor de Souza

Leia mais

Nutrição do cafeeiro e uso de Sódio S na agricultura. de Oliveira Silva Guilherme Maluf Breno Geraldo Rabelo Leblon Urbano Guimarães

Nutrição do cafeeiro e uso de Sódio S na agricultura. de Oliveira Silva Guilherme Maluf Breno Geraldo Rabelo Leblon Urbano Guimarães Nutrição do cafeeiro e uso de Sódio S na agricultura Júlio César C de Oliveira Silva Guilherme Maluf Breno Geraldo Rabelo Leblon Urbano Guimarães Sumário 1. História do café no Brasil 2. Conceitos e legislação

Leia mais

http://www.ceinfo.cnpat.embrapa.br/arquivos/labsolos/amostragem.html

http://www.ceinfo.cnpat.embrapa.br/arquivos/labsolos/amostragem.html Coleta e Interpretação de Análise de Solo Cláudia Pombo Sudré Junho/2011 Coleta Glebas homogêneas Ziguezague Evitar Formigueiros Esterco Material de construção Vegetação diferente Relevo Coleta 0-20 cm

Leia mais

BPUPs para MILHO. Aildson Pereira Duarte Instituto Agronômico, Campinas (IAC)

BPUPs para MILHO. Aildson Pereira Duarte Instituto Agronômico, Campinas (IAC) BPUPs para MILHO Aildson Pereira Duarte Instituto Agronômico, Campinas (IAC) Área Milho Segunda Safra - Brasil 2012 Parte da segunda safra não é milho safrinha Fonte: IBGE Fonte: Fonte: Conab Conab Fonte:

Leia mais

MÉTODOS DE CORREÇÃO DO SOLO

MÉTODOS DE CORREÇÃO DO SOLO MÉTODOS DE CORREÇÃO DO SOLO O laudo (Figura 1) indica os valores determinados no laboratório para cada camada do perfil do solo, servindo de parâmetros para direcionamento de métodos corretivos. Figura

Leia mais

Claudinei Kurtz Eng Agr MSc Epagri EE Ituporanga Fertilidade do Solo e Nutrição de Plantas. Governo do Estado

Claudinei Kurtz Eng Agr MSc Epagri EE Ituporanga Fertilidade do Solo e Nutrição de Plantas. Governo do Estado NUTRIÇÃO E ADUBAÇÃO DA CULTURA DA CEBOLA Claudinei Kurtz Eng Agr MSc Epagri EE Ituporanga Fertilidade do Solo e Nutrição de Plantas Governo do Estado AMOSTRAGEM DO SOLO Solo da camada 0-20cm 1ha = 2000

Leia mais

Fertilização em Viveiros para Produção de Mudas

Fertilização em Viveiros para Produção de Mudas Fertilização em Viveiros para Produção de Mudas Produção de Mudas - No sistema de raiz nua Produção de mudas de Pinus no sul do BR - No interior de recipientes - Sacos plásticos - Tubetes Fertilização

Leia mais

Monitoramento Nutricional e Recomendação de Adubação

Monitoramento Nutricional e Recomendação de Adubação NU REE Programa em Nutrição e Solos Florestais DPS - SIF - UFV - Viçosa - MG UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS Monitoramento Nutricional e Recomendação de Adubação Contribuição

Leia mais

FERTILIZANTES Fertilizante: Classificação Quanto a Natureza do Nutriente Contido Quanto ao Critério Químico Quanto ao Critério Físico

FERTILIZANTES Fertilizante: Classificação Quanto a Natureza do Nutriente Contido Quanto ao Critério Químico Quanto ao Critério Físico FERTILIZANTES Fertilizante: qualquer substância mineral ou orgânica, natural ou sintética, capaz de fornecer um ou mais nutrientes essenciais às plantas Classificação Quanto a Natureza do Nutriente Contido

Leia mais

MANEJO DA FERTILIDADE DO SOLO NO SISTEMA PLANTIO DIRETO NO CERRADO

MANEJO DA FERTILIDADE DO SOLO NO SISTEMA PLANTIO DIRETO NO CERRADO MANEJO DA FERTILIDADE DO SOLO NO SISTEMA PLANTIO DIRETO NO CERRADO Djalma Martinhão Gomes de Sousa, Thomaz A. Rein, João de Deus G. dos Santos Junior, Rafael de Souza Nunes 1 I INTRODUÇÃO No Cerrado, a

Leia mais

Prof. Dr. Godofredo Cesar Vitti

Prof. Dr. Godofredo Cesar Vitti UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ DEPTO. DE CIÊNCIA DO SOLO Nutrição e Adubação da Cana-de de-açúcar Prof. Dr. Godofredo Cesar Vitti Prof. Dr. Pedro Henrique de Cerqueira

Leia mais

RACIONALIZAÇÃO DA ADUBAÇÃO DA CULTURA DE CANA-DE-AÇÚCAR Alternativas para redução de custo.

RACIONALIZAÇÃO DA ADUBAÇÃO DA CULTURA DE CANA-DE-AÇÚCAR Alternativas para redução de custo. RACIONALIZAÇÃO DA ADUBAÇÃO DA CULTURA DE CANA-DE-AÇÚCAR Alternativas para redução de custo. Claudimir Pedro Penatti Diretoria de Mercado&Oportunidades Gerente Regional Piracicaba José Anderson Forti Técnico

Leia mais

Feijão. 9.3 Calagem e Adubação

Feijão. 9.3 Calagem e Adubação Feijão 9.3 Calagem e Adubação Fonte: Fageria et al. (1996). 1996 CORREÇÃO DO SOLO -CALAGEM -GESSAGEM -SILICATAGEM CALAGEM -Aumento da eficiência dos adubos -Produtividade -Rentabilidade Agropecuária. Lopes

Leia mais

PRODUTIVIDADE DO FEIJOEIRO COMUM EM FUNÇÃO DA SATURAÇÃO POR BASES DO SOLO E DA GESSAGEM. Acadêmico PVIC/UEG do Curso de Agronomia, UnU Ipameri - UEG.

PRODUTIVIDADE DO FEIJOEIRO COMUM EM FUNÇÃO DA SATURAÇÃO POR BASES DO SOLO E DA GESSAGEM. Acadêmico PVIC/UEG do Curso de Agronomia, UnU Ipameri - UEG. PRODUTIVIDADE DO FEIJOEIRO COMUM EM FUNÇÃO DA SATURAÇÃO POR BASES DO SOLO E DA GESSAGEM Zélio de Lima Vieira 1 ; Valter de Oliveira Neves Júnior 1 ; Rodolfo Araújo Marques 1 ; Rafael Benetti 1 ; Adilson

Leia mais

Nutrição Mineral da soja em Sistemas de Produção. Adilson de Oliveira Junior

Nutrição Mineral da soja em Sistemas de Produção. Adilson de Oliveira Junior Nutrição Mineral da soja em Sistemas de Produção Adilson de Oliveira Junior Temas Abordados Soja: Alguns Números/Fatos Preocupantes Adubação/Conceito de Manejo Integrado da FS Extração de Nutrientes Diagnose

Leia mais

Embrapa Gado de Corte

Embrapa Gado de Corte Embrapa Gado de Corte Recomendações de calagem e adubação para pastagens em solos arenosos Manuel Claudio Motta Macedo Pesquisador Embrapa Gado de Corte INTRODUÇÃO 1. Critérios de adubação para pastagens

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO GERALDO HENRIQUE FAZENDA ESTREITO FEVEREIRO 2010

RELATÓRIO TÉCNICO GERALDO HENRIQUE FAZENDA ESTREITO FEVEREIRO 2010 RELATÓRIO TÉCNICO GERALDO HENRIQUE FAZENDA ESTREITO FEVEREIRO 2010 Segue abaixo a interpretação da análise de solo, onde cada cor tem sua leitura em correspondência com a legenda. Segue abaixo também a

Leia mais

ESTUDO DIRIGIDO Fertilidade do solo e nutrição de plantas

ESTUDO DIRIGIDO Fertilidade do solo e nutrição de plantas MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE AGRONOMIA ESTUDO DIRIGIDO Fertilidade do solo e nutrição de plantas Prof.

Leia mais

FERTILIZANTES, ESCOLHA DE FÓRMULAS E TIPOS DE ADUBOS

FERTILIZANTES, ESCOLHA DE FÓRMULAS E TIPOS DE ADUBOS FERTILIZANTES, ESCOLHA DE FÓRMULAS E TIPOS DE ADUBOS Absorção plantas Prof. Dilmar Baretta (UDESC/CEO) & Profa. Carolina Baretta (UDESC/CEO/UNOCHAPECÓ) Roteiro da aula: 1) Noções de fertilizantes e escolha

Leia mais

Adubação da Cultura da Soja em Sistemas de Produção Dr. Eros Francisco Diretor Adjunto do IPNI Brasil

Adubação da Cultura da Soja em Sistemas de Produção Dr. Eros Francisco Diretor Adjunto do IPNI Brasil Adubação da Cultura da Soja em Sistemas de Produção Dr. Eros Francisco Diretor Adjunto do IPNI Brasil Rio Verde-GO, 04/09/13 http://brasil.ipni.net Material Educativo Material Educativo N em milho http://media.ipni.net/

Leia mais

Fertilização da Batateira. Raul Maria Cássia EMATER/MG Senador Amaral

Fertilização da Batateira. Raul Maria Cássia EMATER/MG Senador Amaral Fertilização da Batateira Raul Maria Cássia EMATER/MG Senador Amaral Necessidade de Adubação na Cultura da Batata Adubação X Custo de produção 30% dos Insumos 20% do custo total Extração da batateira Para

Leia mais

NUTRIÇÃO E ADUBAÇÃO DO MILHO

NUTRIÇÃO E ADUBAÇÃO DO MILHO Antonio Marcos Coelho e Gonçalo Evangelista de França, pesquisadores da Embrapa Milho e Sorgo INTRODUÇÃO Apesar de o alto potencial produtivo da cultura do milho, evidenciado por produtividades de 0 e

Leia mais

Adubação orgânica do pepineiro e produção de feijão-vagem em resposta ao efeito residual em cultivo subsequente

Adubação orgânica do pepineiro e produção de feijão-vagem em resposta ao efeito residual em cultivo subsequente Seminário de Iniciação Científica e Tecnológica, 9., 2, Belo Horizonte 1 Adubação orgânica do pepineiro e produção de feijão-vagem em resposta ao efeito residual em cultivo subsequente Carlos Henrique

Leia mais

Fertilidade do Solo, Adubação e Nutrição da Cultura da Soja

Fertilidade do Solo, Adubação e Nutrição da Cultura da Soja 0 Fertilidade do Solo, Adubação e Nutrição da Cultura da Soja Dirceu Luiz Broch Sidnei Kuster Ranno.. Amostragem do solo A recomendação de adubação e de calagem baseia-se principalmente na análise de solo

Leia mais

ADUBOS & ADUBAÇÕES. Quais elementos minerais são essenciais às plantas? Quais aplicar? Quando aplicar? Quanto aplicar? Como aplicar?

ADUBOS & ADUBAÇÕES. Quais elementos minerais são essenciais às plantas? Quais aplicar? Quando aplicar? Quanto aplicar? Como aplicar? Quais elementos minerais são essenciais às plantas? Quais aplicar? Quando aplicar? Quanto aplicar? Como aplicar? Os 16 elementos essenciais às plantas: PRIMÁRIOS (planta necessita em maiores quantidade)

Leia mais

Circular. Técnica. Autores. Adubação e Correção do Solo: Procedimentos a Serem Adotados em Função dos Resultados da Análise do Solo

Circular. Técnica. Autores. Adubação e Correção do Solo: Procedimentos a Serem Adotados em Função dos Resultados da Análise do Solo Adubação e Correção do Solo: Procedimentos a Serem Adotados em Função dos Resultados da Análise do Solo 1 ISSN 0100-6460 Adubação e Correção do Solo: Procedimentos a Serem Adotados em Função dos Resultados

Leia mais

ANEXO 8.2: COMO FAZER OS CALCULOS DE ADUBAÇÃO NO SISTEMA ORGÂNICO

ANEXO 8.2: COMO FAZER OS CALCULOS DE ADUBAÇÃO NO SISTEMA ORGÂNICO ANEXO 8.2: COMO FAZER OS CALCULOS DE ADUBAÇÃO NO SISTEMA ORGÂNICO NESTA LIÇÃO SERÁ ESTUDADO Cálculo da adubação no sistema orgânico Fatores importantes a serem considerados na adubação. Formulas de adubação

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO Folha: 01/05 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO IBRA INTITUTO BRASILEIRO DE ANÁLISES QUIMICAS, FÍSICAS E BIOLÓGICAS LTDA AGRICULTURA E PECUÁRIA TECIDO VEGETAL Determinação do Boro pelo método Colorimétrico

Leia mais

Nutrição do Cafeeiro, Macro e Micronutrientes, Recomendações e Racionalização

Nutrição do Cafeeiro, Macro e Micronutrientes, Recomendações e Racionalização Nutrição do Cafeeiro, Macro e Micronutrientes, Recomendações e Racionalização Engº. Agrº. Antônio Wander R. Garcia Engº. Agrº. Alysson Vilela Fagundes Aspectos relevantes e indispensáveis 1. Por que adubar?

Leia mais

GASPAR H. KORNDÖRFER (Pesq. CNPq) UNIVERSIDADE FEDERAL UBERLANDIA

GASPAR H. KORNDÖRFER (Pesq. CNPq) UNIVERSIDADE FEDERAL UBERLANDIA GASPAR H. KORNDÖRFER (Pesq. CNPq) UNIVERSIDADE FEDERAL UBERLANDIA Ribeirão Preto/SP, 08/10/2014 PROGRAMA DE ADUBAÇÃO PARA ALTA PRODUTIVIDADE 1. Promover uma melhor exploração do sistema radicular, especialmente

Leia mais

GASPAR H. KORNDÖRFER (Pesq. CNPq) UNIVERSIDADE FEDERAL UBERLANDIA

GASPAR H. KORNDÖRFER (Pesq. CNPq) UNIVERSIDADE FEDERAL UBERLANDIA GASPAR H. KORNDÖRFER (Pesq. CNPq) UNIVERSIDADE FEDERAL UBERLANDIA Desvantagens: a) Produto não tem uniformidade quanto a composição (NPK), de umidade muito variável, cheira mal (operador não gosta de usar);

Leia mais

ADUBOS. Fontes, Características de qualidade física, química e físico-química LEGISLAÇÃO ADUBOS

ADUBOS. Fontes, Características de qualidade física, química e físico-química LEGISLAÇÃO ADUBOS Volnei Pauletti ADUBOS Fontes, Características de qualidade física, química e físico-química ADUBOS Definição: Toda substância mineral ou orgânica, natural ou sintética, fornecedora de um ou mais nutrientes

Leia mais

UNIVERSIDADE FERDERAL DE LAVRAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DO SOLO

UNIVERSIDADE FERDERAL DE LAVRAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DO SOLO UNIVERSIDADE FERDERAL DE LAVRAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DO SOLO PRINCÍPIOS BÁSICOS PARA FORMULAÇÃO E MISTURA DE FERTILIZANTES DOUGLAS RAMOS GUELFI SILVA ALFREDO SCHEID LOPES 2011 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO...

Leia mais

USO DE GESSO, CALCÁRIO E ADUBOS PARA PASTAGENS NO CERRADO

USO DE GESSO, CALCÁRIO E ADUBOS PARA PASTAGENS NO CERRADO Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Cerrados Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento USO DE GESSO, CALCÁRIO E ADUBOS PARA PASTAGENS NO CERRADO Djalma M. Gomes de Sousa Lourival

Leia mais

Fábrica de adubos fluidos

Fábrica de adubos fluidos Descarregamento de NH 3 Estoque NH 4 OH Fábrica de adubos fluidos Dosadores + Reator Materia Prima Solida Carregamento 365.000 ha de Cana de AçúA çúcar utilizam Adubo LíquidoL Usina Colombo Santa Adélia

Leia mais

Há sempre resposta à adubação de manutenção do eucalipto? Um estudo de caso em Porto Velho (RO)

Há sempre resposta à adubação de manutenção do eucalipto? Um estudo de caso em Porto Velho (RO) Há sempre resposta à adubação de manutenção do eucalipto? Um estudo de caso em Porto Velho (RO) Henrique Nery Ciprian*; Abadio Hermes Vieira** ; Angelo Mansur Mendes***; Alaerto Luiz Marcolan**** A exportação

Leia mais

Fertilidade do Solo, Adubação e 12 Nutrição da Cultura do Milho

Fertilidade do Solo, Adubação e 12 Nutrição da Cultura do Milho Fertilidade do Solo, Adubação e 1 Nutrição da Cultura do Milho Dirceu Luiz Broch Sidnei Kuster Ranno 1 1.1. Amostragem do solo A amostragem de solo com objetivo de orientar a utilização de corretivos e

Leia mais

Fertilidade do Solo, Adubação e Nutrição da Cultura do Milho Safrinha

Fertilidade do Solo, Adubação e Nutrição da Cultura do Milho Safrinha ecnologia e Produção: Milho Safrinha e Culturas de Inverno 9 Fertilidade do Solo, Adubação e Nutrição da Cultura do Milho Safrinha Dirceu Luiz Broch Sidnei Kuster Ranno.. Características edafoclimáticas

Leia mais

SISTEMA DE MANEJO DO SOLO COM PALHADA. Sistema Plantio Direto (SPD) com qualidade

SISTEMA DE MANEJO DO SOLO COM PALHADA. Sistema Plantio Direto (SPD) com qualidade SISTEMA DE MANEJO DO SOLO COM PALHADA Sistema Plantio Direto (SPD) com qualidade Valmor dos Santos INOVAÇÃO AGRÍCOLA E INSTITUTO PAS 77-9971-2234 (Vivo / WhatsApp) TEMAS QUE SERÃO ABORDADOS - Objetivos;

Leia mais

FALANDO DE CANA-DE-AÇÚCAR

FALANDO DE CANA-DE-AÇÚCAR Boletim n 30 ano III Fevereiro 2013 FALANDO DE CANA-DE-AÇÚCAR ACIDEZ DOS SOLOS E CORRETIVOS Dando continuidade na série de reportagens abordaremos sobre a acidez do solo e alumínio tóxico e a correção

Leia mais

FERTILIDADE DO SOLO E NUTRIÇÃO DA MANGUEIRA

FERTILIDADE DO SOLO E NUTRIÇÃO DA MANGUEIRA Fertilidade do Solo e Nutrição da Mangueira FERTILIDADE DO SOLO E NUTRIÇÃO DA MANGUEIRA Francisco Maximino Fernandes 1 e Vinício Martins do Nascimento 1 1. INTRODUÇÃO A mangueira (Mangifera indica L.)

Leia mais

UM SISTEMA SIMPLES DE INTERPRETAÇÃO DE ANÁLISE DE SOLO E RECOMENDAÇÃO DE CORRETIVOS E FERTILIZANTES (1) Roberto Ferreira de Novais

UM SISTEMA SIMPLES DE INTERPRETAÇÃO DE ANÁLISE DE SOLO E RECOMENDAÇÃO DE CORRETIVOS E FERTILIZANTES (1) Roberto Ferreira de Novais UM SISTEMA SIMPLES DE INTERPRETAÇÃO DE ANÁLISE DE SOLO E RECOMENDAÇÃO DE CORRETIVOS E FERTILIZANTES (1) Roberto Ferreira de Novais Extensionistas mais envolvidos com a recomendação de fertilizantes para

Leia mais

RESUMO. Introdução. 1 Acadêmicos PVIC/UEG, graduandos do Curso de Agronomia, UnU Ipameri - UEG.

RESUMO. Introdução. 1 Acadêmicos PVIC/UEG, graduandos do Curso de Agronomia, UnU Ipameri - UEG. EFEITOS DE FERTILIZANTES E CORRETIVOS NO ph DO SOLO Tiago Trevizam de Freitas 1 ; Zélio de Lima Vieira 1 ; Valter de Oliveira Neves Júnior 1 ; Rodolfo Araújo Marques 1 ; Raimar Vinícius Canêdo 1 ; Adilson

Leia mais

Conteúdo da Aula: 1. Conceitos e fatores que afetam o crescimento

Conteúdo da Aula: 1. Conceitos e fatores que afetam o crescimento Aula do curso de cana - 2007 Raffaella Rossetto Fábio L. F. Dias Conteúdo da Aula: Conceitos de adubação e nutrição da cana-de-açúcar. Exigências nutricionais, uso de calcário e gesso, adubação com macro

Leia mais

Em capftulos anteriores foram vistas a composic;ao qufmica e as

Em capftulos anteriores foram vistas a composic;ao qufmica e as Fertilidade dos Solos e Manejo da Aduba~ao de Culturas 19 Fertilizantes e Formula~iies Comerciais Igon 1 Meurer e Clesio Gianello Em capftulos anteriores foram vistas a composic;ao qufmica e as caracterfsticas

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DO SOLO TABELA DE PREÇOS

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DO SOLO TABELA DE PREÇOS TABELA DE PREÇOS 1. SOLO 1.1.a Química para fins de avaliação da fertilidade do solo (Estado de São Paulo) SQ1.1 ph CaCl 2 0,01 mol L -1, P, K, Ca, Mg, H+Al e os cálculos SB, CTC, V %... 20,00/am. SQ2.1

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DO SOLO PRINCÍPIOS BÁSICOS PARA FORMULAÇÃO E MISTURA DE FERTILIZANTES

BOLETIM TÉCNICO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DO SOLO PRINCÍPIOS BÁSICOS PARA FORMULAÇÃO E MISTURA DE FERTILIZANTES 1 BOLETIM TÉCNICO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DO SOLO PRINCÍPIOS BÁSICOS PARA FORMULAÇÃO E MISTURA DE FERTILIZANTES Boletim Técnico - n.º 89 - p. 1-46 ano 2012 Lavras/MG GOVERNO

Leia mais

Nutrição Adubação de Culturas Oleaginosas

Nutrição Adubação de Culturas Oleaginosas INTRODUÇÃO 1 Nutrição Adubação de Culturas Oleaginosas Discente: Samuel Luan Pereira Docente: Marcela Nery O desenvolvimento da agropecuária, em termos de manejo, material genético e tecnologias, força

Leia mais

Manutenção de Campo / FERTILIZAÇÃO Daniel Tapia. Realização: Federação Paulista de Golfe

Manutenção de Campo / FERTILIZAÇÃO Daniel Tapia. Realização: Federação Paulista de Golfe Manutenção de Campo / FERTILIZAÇÃO Daniel Tapia Realização: Federação Paulista de Golfe Manutenção de Campo / FERTILIDADE A planta absorve os nutrientes pelas raízes e pelas folhas. A absorção pelas raízes

Leia mais

SUGESTÃO DE ADUBAÇÃO E CALAGEM PARA CULTURAS DE INTERESSE ECONÔMICO NO ESTADO DO PARANÁ

SUGESTÃO DE ADUBAÇÃO E CALAGEM PARA CULTURAS DE INTERESSE ECONÔMICO NO ESTADO DO PARANÁ CIRCULAR N. 128 ISSN 0100-3356 AGOSTO/2003 SUGESTÃO DE ADUBAÇÃO E CALAGEM PARA CULTURAS DE INTERESSE ECONÔMICO NO ESTADO DO PARANÁ Coordenação: Edson Lima de Oliveira INSTITUTO AGRONÔMICO DO PARANÁ - LONDRINA

Leia mais

Desafios da Fertilidade do Solo no Cerrado

Desafios da Fertilidade do Solo no Cerrado Desafios da Fertilidade do Solo no Cerrado Leandro Zancanaro & Fábio Ono Barra do Garças, 26 de agosto de 2015. Biomas Brasileiros 2 o Fonte: IBGE/MMA (2004) Percentual Aproximado de Área Ocupada por Bioma

Leia mais

h"p://brasil.ipni.net Material Educativo

hp://brasil.ipni.net Material Educativo IPNI ü O Interna*onal Plant Nutri*on Ins*tute (IPNI) é uma organização nova, sem fins lucra*vos, dedicada a desenvolver e promover informações ciencficas sobre o manejo responsável dos nutrientes das plantas

Leia mais

ADUBAÇÃO RACIONAL E ECONÔMICA NA LAVOURA CAFEEIRA. J.B. Matiello e S.R. de Almeida - Engs. Agrs. MAPA/Fundação Procafé

ADUBAÇÃO RACIONAL E ECONÔMICA NA LAVOURA CAFEEIRA. J.B. Matiello e S.R. de Almeida - Engs. Agrs. MAPA/Fundação Procafé ADUBAÇÃO RACIONAL E ECONÔMICA NA LAVOURA CAFEEIRA J.B. Matiello e S.R. de Almeida - Engs. Agrs. MAPA/Fundação Procafé O que é a adubação racional - econômica Uma nutrição adequada dos cafeeiros, com uso

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Centro de Aquicultura - Setor de Carcinicultura Responsável: Prof. Dr. Wagner Cotroni Valenti

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Centro de Aquicultura - Setor de Carcinicultura Responsável: Prof. Dr. Wagner Cotroni Valenti UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Centro de Aquicultura - Setor de Carcinicultura Responsável: Prof. Dr. Wagner Cotroni Valenti PREPARAÇÃO DO FUNDO, ADUBAÇÃO, CALAGEM E MANEJO DO FLUXO DE ÁGUA DOS VIVEIROS

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO FINAL DO PROJETO APERFEIÇOAMENTO DO MANEJO DA FERTILIDADE DO SOLO PARA A CULTURA DO ALGODÃO EM MATO GROSSO

RELATÓRIO TÉCNICO FINAL DO PROJETO APERFEIÇOAMENTO DO MANEJO DA FERTILIDADE DO SOLO PARA A CULTURA DO ALGODÃO EM MATO GROSSO RELATÓRIO TÉCNICO FINAL DO PROJETO APERFEIÇOAMENTO DO MANEJO DA FERTILIDADE DO SOLO PARA A CULTURA DO ALGODÃO EM MATO GROSSO Instituição Executora: Fundaper Fundação de Amparo à Pesquisa, Assistência Técnica

Leia mais

ANÁLISE TÉCNICA E ECONÔMICA DA APLICAÇÃO DE FERTILIZANTES EM TAXA VARIÁVEL EM ÁREA MANEJADA COM AGRICULTURA DE PRECISÃO 1

ANÁLISE TÉCNICA E ECONÔMICA DA APLICAÇÃO DE FERTILIZANTES EM TAXA VARIÁVEL EM ÁREA MANEJADA COM AGRICULTURA DE PRECISÃO 1 ANÁLISE TÉCNICA E ECONÔMICA DA APLICAÇÃO DE FERTILIZANTES EM TAXA VARIÁVEL EM ÁREA MANEJADA COM AGRICULTURA DE PRECISÃO 1 CHERUBIN, M. R. 2 ; AMARAL, A. 3 ; MORAES, M. T. 2 ; FABBRIS, C. 2 ; PRASS, M.

Leia mais

CORRETIVOS E CONDICIONADORES

CORRETIVOS E CONDICIONADORES Universidade Federal do Paraná Programa de Pós-Graduação em Ciência do Solo CORRETIVOS E CONDICIONADORES Prof. Milton F. Moraes UFPR - Campus Palotina Programa de Pós-Graduação Ciência do Solo Curitiba-PR,

Leia mais

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 Avaliação da Nutrição e Produtividade da Cultura do Milho sob Diferentes Doses e Fontes de Fósforo 1 Arthur José

Leia mais

EFEITO DE DIFERENTES DOSAGENS DE LODO DE ESGOTO E FERTILIZAÇÃO QUÍMICA SOBRE A DISPONIBILIDADE DE FÓSFORO NO SOLO

EFEITO DE DIFERENTES DOSAGENS DE LODO DE ESGOTO E FERTILIZAÇÃO QUÍMICA SOBRE A DISPONIBILIDADE DE FÓSFORO NO SOLO EFEITO DE DIFERENTES DOSAGENS DE LODO DE ESGOTO E FERTILIZAÇÃO QUÍMICA SOBRE A DISPONIBILIDADE DE FÓSFORO NO SOLO FERREIRA, C.F.; ANDREOLI, C.V.; PEGORINI, E.S., CARNEIRO, C.; SOUZA, M.L.P. Efeito de diferentes

Leia mais

CALAGEM PARA O FEIJÃO-CAUPI [Vigna unguiculata (L.) WALP], CV. BR3 TRACUATEUA, EM SOLO ÁCIDO DE SALVATERRA, MARAJÓ, PARÁ

CALAGEM PARA O FEIJÃO-CAUPI [Vigna unguiculata (L.) WALP], CV. BR3 TRACUATEUA, EM SOLO ÁCIDO DE SALVATERRA, MARAJÓ, PARÁ Área: Solos e Nutrição de Plantas CALAGEM PARA O FEIJÃO-CAUPI [Vigna unguiculata (L.) WALP], CV. BR3 TRACUATEUA, EM SOLO ÁCIDO DE SALVATERRA, MARAJÓ, PARÁ João Elias Lopes Rodrigues 1 ; Sonia Maria Botelho

Leia mais

Nutrição e adubação dos citros

Nutrição e adubação dos citros Nutrição e adubação dos citros Material Engº Agrº Derli Paulo Bonine Emater -Ascar Regional Estrela Apresentação Eng Agr Marcos José Schäfer Emater Ascar - Harmonia PROPRIEDADES DOS SOLOS BIOLÓGICAS FÍSICAS

Leia mais

ALTERAÇÕES QUÍMICAS DO SOLO E RENDIMENTO DE MILHO VERDE APÓS APLICAÇÃO DE COMPOSTAGEM DE CARCAÇA DE AVES

ALTERAÇÕES QUÍMICAS DO SOLO E RENDIMENTO DE MILHO VERDE APÓS APLICAÇÃO DE COMPOSTAGEM DE CARCAÇA DE AVES ALTERAÇÕES QUÍMICAS DO SOLO E RENDIMENTO DE MILHO VERDE APÓS APLICAÇÃO DE COMPOSTAGEM DE CARCAÇA DE AVES Pohlmann, R.A.C.* 1 ; Paulino, H.B. 2 ; Portugal, A.F. 3 ; Fernandes, M.S. 4 1 Mestranda da UFG

Leia mais

RELATÓRIO FINAL. AVALIAÇÃO DO PRODUTO CELLERON-SEEDS e CELLERON-FOLHA NA CULTURA DO MILHO CULTIVADO EM SEGUNDA SAFRA

RELATÓRIO FINAL. AVALIAÇÃO DO PRODUTO CELLERON-SEEDS e CELLERON-FOLHA NA CULTURA DO MILHO CULTIVADO EM SEGUNDA SAFRA RELATÓRIO FINAL AVALIAÇÃO DO PRODUTO CELLERON-SEEDS e CELLERON-FOLHA NA CULTURA DO MILHO CULTIVADO EM SEGUNDA SAFRA Empresa solicitante: FOLLY FERTIL Técnicos responsáveis: Fabio Kempim Pittelkow¹ Rodrigo

Leia mais

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE POMARES CÍTRICOS DA REGIÃO DE BEBEDOURO

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE POMARES CÍTRICOS DA REGIÃO DE BEBEDOURO BOLETIM CITRÍCOLA UNESP/FUNEP/EECB Junho nº 17/2001 AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE POMARES CÍTRICOS DA REGIÃO DE BEBEDOURO José Geraldo Baumgartner & José Ricardo Moreira Cabrita EECB José Geraldo Baumgartner

Leia mais

PRODUTIVIDADE DA MAMONA HÍBRIDA SAVANA EM DIVERSAS POPULACÕES DE PLANTIO NO SUDOESTE DA BAHIA* fundacaoba.algodao@aiba.org.br; 4 Embrapa Algodão

PRODUTIVIDADE DA MAMONA HÍBRIDA SAVANA EM DIVERSAS POPULACÕES DE PLANTIO NO SUDOESTE DA BAHIA* fundacaoba.algodao@aiba.org.br; 4 Embrapa Algodão PRODUTIVIDADE DA MAMONA HÍBRIDA SAVANA EM DIVERSAS POPULACÕES DE PLANTIO NO SUDOESTE DA BAHIA* Gilvan Barbosa Ferreira 1, Ozório Lima de Vasconcelos 2, Murilo Barros Pedrosa 3, Arnaldo Rocha Alencar 4,

Leia mais

Culturas anuais para produção de volumoso em áreas de sequeiro

Culturas anuais para produção de volumoso em áreas de sequeiro Culturas anuais para produção de volumoso em áreas de sequeiro Henrique Antunes de Souza Fernando Lisboa Guedes Equipe: Roberto Cláudio Fernandes Franco Pompeu Leandro Oliveira Silva Rafael Gonçalves Tonucci

Leia mais

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 455

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 455 Página 455 AVALIAÇÃO DA FITOMASSA SECA DA MAMONEIRA BRS 149 NORDESTINA SOB FERTILIZAÇÃO MINERAL Lúcia Helena Garófalo Chaves 1 ; Evandro Franklin de Mesquita 2,3 ; Hugo Orlando Carvallo Guerra 1 ; Diva

Leia mais

COMPARAÇÃO DE MÉTODOS PARA DETERMINAR A NECESSIDADE DE CALAGEM EM SOLOS DO MUNICÍPIO DE IPAMERI-GO

COMPARAÇÃO DE MÉTODOS PARA DETERMINAR A NECESSIDADE DE CALAGEM EM SOLOS DO MUNICÍPIO DE IPAMERI-GO 1 COMPARAÇÃO DE MÉTODOS PARA DETERMINAR A NECESSIDADE DE CALAGEM EM SOLOS DO MUNICÍPIO DE IPAMERI-GO Diogo da Costa Silva 1,3, Fernando dos Santos Silva 1,3, Marcus Vinícius Vieitas Ramos 2,3 1 Voluntário

Leia mais

Calagem e Adubação para hortaliças sob cultivo protegido*

Calagem e Adubação para hortaliças sob cultivo protegido* 1 Calagem e Adubação para hortaliças sob cultivo protegido* Paulo Espíndola Trani Instituto Agronômico, Centro de Horticultura, Campinas (SP). petrani@iac.sp.gov.br * Campinas (SP), março de 2014 INTRODUÇÃO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS CURSO DE AGRONOMIA ROSA MARIA CUNHA SEIXAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS CURSO DE AGRONOMIA ROSA MARIA CUNHA SEIXAS UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS CURSO DE AGRONOMIA ROSA MARIA CUNHA SEIXAS VARIABILIDADE ESPACIAL DA FERTILIDADE DO SOLO, DO ESTADO NUTRICIONAL E DA PRODUTIVIDADE EM CANAVIAL

Leia mais

Nutrientes. Do que as plantas precisam? Out, 2012 002/ Ano 02. Nutrientes

Nutrientes. Do que as plantas precisam? Out, 2012 002/ Ano 02. Nutrientes Nutrientes Do que as plantas precisam? Introdução Para se desenvolver perfeitamente a planta necessita de luz, água, temperatura adequada e de elementos minerais. O solo não é essencial a vida dos vegetais,

Leia mais

FerDrrigação, a chave para ganhos em qualidade e produdvidade

FerDrrigação, a chave para ganhos em qualidade e produdvidade FerDrrigação, a chave para ganhos em qualidade e produdvidade Roberto Lyra Villas Bôas, FCA/UNESP, Botucatu, SP Eng. Agron. João Roberto do Amaral Junior Abril 2013 Introdução: A adubação representa 18%

Leia mais

Resposta a Gesso pela Cultura do Algodão Cultivado em Sistema de Plantio Direto em um Latossolo de Cerrado

Resposta a Gesso pela Cultura do Algodão Cultivado em Sistema de Plantio Direto em um Latossolo de Cerrado Resposta a Gesso pela Cultura do Algodão Cultivado em Sistema de Plantio Direto em um Latossolo de Cerrado Djalma M. Gomes de Sousa, Thomaz A. Rein, Julio Cesar Albrech (Embrapa Cerrados, BR 020, Km 18,

Leia mais

Comunicado Técnico. Guia de identificação de deficiências nutricionais em Brachiaria brizantha cv. marandu. Introdução

Comunicado Técnico. Guia de identificação de deficiências nutricionais em Brachiaria brizantha cv. marandu. Introdução Comunicado Técnico Novembro, 76 ISSN 1981-206X São Carlos, SP 2007 Foto capa: Patricia Perondi A. de Oliveira Guia de identificação de deficiências nutricionais em Brachiaria brizantha cv. marandu Patricia

Leia mais

uma produtividade de 153 kg ha, enquanto a Bahia obteve em 2004 uma produção de 2.350 t (61 % do

uma produtividade de 153 kg ha, enquanto a Bahia obteve em 2004 uma produção de 2.350 t (61 % do Utilização de Resíduos de Carvão Vegetal Associado a Fontes Orgânicas de Nutrientes no Manejo Sustentável do Solo e do Guaranazeiro (Paullinia cupana var. sorbilis (Mart.) Ducke) na Amazônia Central Murilo

Leia mais

Apesar do alto potencial produtivo da cultura do

Apesar do alto potencial produtivo da cultura do ARQUIVO DO AGRÔNOMO - Nº 2 NUTRIÇÃO E ADUBAÇÃO (2ª edição - ampliada e totalmente modificada) Seja o doutor do seu milho Antônio Marcos Coelho (1) Gonçalo Evangelista de França (1) INTRODUÇÃO Apesar do

Leia mais

DESEMPENHO DA CULTURA DA SOJA SOB DIFERENTES RECOMENDAÇÕES DE ADUBAÇÃO: ESTUDO DE CASO, FAZENDA VEREDA, CRISTALINA - GO

DESEMPENHO DA CULTURA DA SOJA SOB DIFERENTES RECOMENDAÇÕES DE ADUBAÇÃO: ESTUDO DE CASO, FAZENDA VEREDA, CRISTALINA - GO UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA FACULDADE DE AGRONOMIA E MEDICINA VETERINÁRIA DESEMPENHO DA CULTURA DA SOJA SOB DIFERENTES RECOMENDAÇÕES DE ADUBAÇÃO: ESTUDO DE CASO, FAZENDA VEREDA, CRISTALINA - GO FÁBIO CARIBÉ

Leia mais

Simpósio: Apoio ao uso Balanceado de Potássio na Agricultura Brasileira

Simpósio: Apoio ao uso Balanceado de Potássio na Agricultura Brasileira Simpósio: Apoio ao uso Balanceado de Potássio na Agricultura Brasileira Como criar novos patamares de produtividade na cultura da soja. O que é necessário ser feito para aumentar a produtividade média

Leia mais

NUTRIÇÃO E ADUBAÇÃO DE CITROS

NUTRIÇÃO E ADUBAÇÃO DE CITROS BOLETIM CITRÍCOLA Março n o 4/1998 UNESP/FUNEP/EECB NUTRIÇÃO E ADUBAÇÃO DE CITROS Godofredo Cesar Vitti e José Ricardo Moreira Cabrita Funep Via de Acesso Prof. Paulo Donato Castellane, s/nº 14884-900

Leia mais

Fontes de Zinco para a Agricultura e Oportunidades de Aplicação. Dr. Valter Casarin IPNI Brasil

Fontes de Zinco para a Agricultura e Oportunidades de Aplicação. Dr. Valter Casarin IPNI Brasil Fontes de Zinco para a Agricultura e Oportunidades de Aplicação Dr. Valter Casarin IPNI Brasil Utilização agrícola do cerrado Análise de 518 amostras da superfície de solos virgens do cerrado do Brasil

Leia mais

Simpósio Brasileiro de Solos Arenosos. Características Gerais da Fertilidade dos Solos Arenosos no Brasil

Simpósio Brasileiro de Solos Arenosos. Características Gerais da Fertilidade dos Solos Arenosos no Brasil jose.ronaldo@embrapa.br www.embrapa.br/cnps Simpósio Brasileiro de Solos Arenosos Características Gerais da Fertilidade dos Solos Arenosos no Brasil Presidente Prudente 2014 José Ronaldo de Macedo Embrapa

Leia mais

SILVICULTURA E MANEJO FLORESTAL

SILVICULTURA E MANEJO FLORESTAL SILVICULTURA E MANEJO FLORESTAL Fase 1: Produção de Mudas e Recomendações de Adubação no Viveiro 1. Sistemas de Produção de Mudas de eucalipto e pinus Mudas em saquinhos Atualmente, os recipientes mais

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM SOFTWARE PARA RECOMENDAÇÃO DE CALAGEM E ADUBAÇÃO DE PASTAGENS

DESENVOLVIMENTO DE UM SOFTWARE PARA RECOMENDAÇÃO DE CALAGEM E ADUBAÇÃO DE PASTAGENS DESENVOLVIMENTO DE UM SOFTWARE PARA RECOMENDAÇÃO DE CALAGEM E ADUBAÇÃO DE PASTAGENS Flávio Coutinho Longui 1, Edney Leandro da Vitória 2. 1 Zootecnista, Doutorando em Engenharia Agrícola pela Universidade

Leia mais

110 Circular. Técnica. Autores. Nutrição e Adubação do Algodoeiro com Micronutrientes

110 Circular. Técnica. Autores. Nutrição e Adubação do Algodoeiro com Micronutrientes 1 ISSN 0100-6460 Nutrição e Adubação do Algodoeiro com Micronutrientes 110 Circular Técnica Campina Grande, PB Outubro, 2007 Autores Maria da Conceição Santana Carvalho Eng. agrôn., D.Sc., da Embrapa Algodão

Leia mais

INSTITUTO MATO-GROSSENSE DO ALGODÃO - IMA. Boletim - Nº 003 - Outubro de 2008 QUANTO VALE A SOQUEIRA DO ALGODÃO?

INSTITUTO MATO-GROSSENSE DO ALGODÃO - IMA. Boletim - Nº 003 - Outubro de 2008 QUANTO VALE A SOQUEIRA DO ALGODÃO? INSTITUTO MATO-GROSSENSE DO ALGODÃO - IMA Boletim - Nº 003 - Outubro de 2008 INFORMAÇÕES TÉCNICAS QUANTO VALE A SOQUEIRA DO ALGODÃO? QUANTO VALE A SOQUEIRA DO ALGODÃO? Diante da preocupação com o desmatamento

Leia mais

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 410

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 410 I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 21 Página 41 ADUBAÇÃO DA MAMONEIA DA CULTIVA BS NODESTINA EM CONDIÇÕES DE SEQUEIO 1 Valdinei Sofiatti 1 ; Tarcisio Marcos de Souza Gondim

Leia mais

RODRIGO ELIAS BATISTA ALMEIDA DIAS

RODRIGO ELIAS BATISTA ALMEIDA DIAS INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS CAMPUS MUZAMBINHO Curso Superior de Tecnologia em Cafeicultura RODRIGO ELIAS BATISTA ALMEIDA DIAS DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE

Leia mais

PLANTIO DIRETO. Definição JFMELO / AGRUFBA 1

PLANTIO DIRETO. Definição JFMELO / AGRUFBA 1 Definição JFMELO / AGRUFBA 1 INFLUÊNCIAS NO SOLO Matéria orgânica Estabilidade dos agregados e infiltração JFMELO / AGRUFBA 2 INFLUÊNCIAS NO SOLO Temperatura do solo JFMELO / AGRUFBA 3 INFLUÊNCIAS NO SOLO

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO N 2 INTERPRETAÇÃO

BOLETIM TÉCNICO N 2 INTERPRETAÇÃO BOLETIM TÉCNICO N 2 INTERPRETAÇÃO DE ANÁLISE DE SOLO CONCEITOS E APLICAÇÕES 1. INTRODUÇÃO INTERPRETAÇÃO DE ANÁLISE DE SOLO Conceitos e Aplicações Alfredo Scheid Lopes * Luiz Roberto Guimarães Guilherme

Leia mais

Fósforo e adubação fosfatada. Prof. Dr. Gustavo Brunetto DS-UFSM brunetto.gustavo@gmail.com

Fósforo e adubação fosfatada. Prof. Dr. Gustavo Brunetto DS-UFSM brunetto.gustavo@gmail.com Fósforo e adubação fosfatada Prof. Dr. Gustavo Brunetto DS-UFSM brunetto.gustavo@gmail.com Aula 3: Fósforo e adubação fosfatada Fósforo na planta Fósforo no solo Avaliação da disponibilidade de fósforo

Leia mais

AMOSTRAGEM DO SOLO PARA AVALIAÇÃO DE SUA FERTILIDADE

AMOSTRAGEM DO SOLO PARA AVALIAÇÃO DE SUA FERTILIDADE AMOSTRAGEM DO SOLO PARA AVALIAÇÃO DE SUA FERTILIDADE Amostragem do solo Envio ao laboratório Preparo da amostra Confirmação dos procedimentos Recomendação adubação/calagem Interpretação dos resultados

Leia mais

II ENCONTRO DE IRRIGANTES POR ASPERSÃO DO RS

II ENCONTRO DE IRRIGANTES POR ASPERSÃO DO RS II ENCONTRO DE IRRIGANTES POR ASPERSÃO DO RS 02 de OUTUBRO DE 2014 CRUZ ALTA RIO GRANDE DO SUL O INÍCIO DA IRRIGAÇÃO 5.000 anos atrás, Egito Antigo; Construção de diques, represas e canais para melhor

Leia mais

Campeão de Produtividade de Soja Região Sudeste. ANTONIO LUIZ FANCELLI Fundador do CESB e Docente da ESALQ/USP SAFRA 2011/2112

Campeão de Produtividade de Soja Região Sudeste. ANTONIO LUIZ FANCELLI Fundador do CESB e Docente da ESALQ/USP SAFRA 2011/2112 Campeão de Produtividade de Soja Região Sudeste ANTONIO LUIZ FANCELLI Fundador do CESB e Docente da ESALQ/USP SAFRA 2011/2112 Dados do Participante (Campeão) PRODUTOR: FREDERIK JAKOBUS WOLTERS CONSULTOR

Leia mais

Formação do Banco de Proteína com Leucena

Formação do Banco de Proteína com Leucena GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO, DA PRODUÇÃO, DA INDÚSTRIA, DO COMÉRCIO E DO TURISMO - SEPROTUR AGÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO E EXTENSÃO RURAL - AGRAER

Leia mais

Produção de feijão-fava em resposta ao emprego de doses de esterco bovino e presença e ausência de NPK

Produção de feijão-fava em resposta ao emprego de doses de esterco bovino e presença e ausência de NPK Produção de feijão-fava em resposta ao emprego de doses de esterco bovino e presença e ausência de NPK Adriana U. Alves ; Ademar P. de Oliveira 2 ; Carina S. M. Dornelas ; Anarlete U. Alves 3 ; Edna U.

Leia mais

EFEITO DA ADUBAÇÃO FOSFATADA SOBRE O RENDIMENTO DE FORRAGEM E COMPOSIÇÃO QUÍMICA DE PASPALUM ATRATUM BRA-009610

EFEITO DA ADUBAÇÃO FOSFATADA SOBRE O RENDIMENTO DE FORRAGEM E COMPOSIÇÃO QUÍMICA DE PASPALUM ATRATUM BRA-009610 REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE AGRONOMIA - ISSN 1677-0293 P UBLICAÇÃO C IENTÍFICA DA F ACULDADE DE A GRONOMIA E E NGENHARIA F LORESTAL DE G ARÇA/FAEF A NO IV, NÚMERO 08, DEZEMBRO DE 2005. PERIODICIDADE:

Leia mais

MANEJO E CONSERVAÇÃO DO SOLO ADUBAÇÃO

MANEJO E CONSERVAÇÃO DO SOLO ADUBAÇÃO UNIPAC Faculdade Presidente Antônio Carlos GRANDES CULTURAS I MANEJO E CONSERVAÇÃO DO SOLO ADUBAÇÃO Profª Fernanda Basso Manejo e Conservação do Solo Sistema de manejo conjunto de operações que contribuem

Leia mais

Identificação e correção de deficiências nutricionais na cultura do arroz

Identificação e correção de deficiências nutricionais na cultura do arroz ISSN 1678-9636 Identificação e correção de deficiências nutricionais na cultura do arroz 75 Introdução Para o crescimento e produção das culturas são necessários 16 nutrientes denominados essenciais. São

Leia mais