ADUBAÇÃO DO ALGODOEIRO NO CERRADO: RESULTADOS DE PESQUISA EM GOIÁS E BAHIA 1

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ADUBAÇÃO DO ALGODOEIRO NO CERRADO: RESULTADOS DE PESQUISA EM GOIÁS E BAHIA 1"

Transcrição

1 ADUBAÇÃO DO ALGODOEIRO NO CERRADO: RESULTADOS DE PESQUISA EM GOIÁS E BAHIA 1 Gilvan Barbosa Ferreira 2 Maria Conceição Santana de Carvalho 3 RESUMO A correção do solo e a adubação mineral feitas racionalmente são passos fundamentais para obtenção de boas produtividades na Região do Cerrado brasileiro. Altas produtividades são alcançadas (> porém tem sido aplicadas grandes quantidades de corretivos e fertilizantes na cultura, elevando seu custo de produção anual, que já atinge 25% do custeio total (US$ 1559,19/ha) da lavoura. As pesquisas feitas em Goiás (período ) e Bahia (2003/2004) têm mostrado que: 1) a calagem dever ser feita para alcançar 60% da CTC a ph 7,0 e não se deve deixar que essa saturação fique menor que 50%; sua aplicação não provoca deficiência de Cu, Fe e Zn, mas pode provocar deficiência de Mn em solos arenosos; 2) a gessagem é essencial para o aprofundamento radicular e tolerância aos veranicos, melhora a absorção dos micronutrientes, mas pode provocar lixiviação excessiva de cátions em solos arenosos; 3) a adubação com NPK deve ser feita em solo previamente corrigido para os níveis adequados ou altos, aplicando-se as quantidades de nutrientes exportada da área pelas colheitas anteriores, sempre trabalhando com o alvo de melhor produtividade média obtida na região ou na propriedade; 4) São exportadas 150, 55, 99, 18, 63 e 15 kg/ha de N, P 2O 5, K 2O, CaO, MgO e S, respectivamente, para produção de 5) os teores foliares adequados são coerentes com os existentes na literatura; 6) as doses de N, P 2O 5 e K 2O suficientes para alcançar as melhores rentabilidades estão situadas entre , e , respectivamente; além dessas doses somente são rentáveis em locais com produtividades superiores a ou em condições de correção da fertilidade do solo para alcançar os níveis adequados dos nutrientes, como investimento; 7) 4 kg/ha/ano a lanço e o uso das recomendações tradicionais de adubação corretivas com micronutrientes catiônicos a lanço ou parcelada no sulco de plantio devem suprir as necessidades do algodoeiro por períodos mínimo de 4 anos. A análise do solo e da folha, o histórico da área (ex.: produtividade), o conhecimento da 1 Palestra apresentada no V Congresso Brasileiro de Algodão, Salvador-BA, 29 de julho a 1 de agosto de Eng. Agrônomo, D.Sc., Pesquisador da Embrapa Algodão, R. Osvaldo Cruz, 1143, Centenário, , Campina Grande-PB. 3 Eng. Agr., D. Sc., Pesquisadora da Embrapa Algodão, Núcleo de Goiás. Caixa Postal 714, Goiânia, GO.

2 resposta diferencial das variedades e do potencial produtivo local, além da conjuntura econômica, são fundamentais na definição das melhores doses a serem aplicadas. 1 INTRODUÇÃO O algodoeiro tem sido cultivado com sucesso nos cerrados de Goiás e Bahia, especialmente em sucessão com a soja. O padrão tecnológico de exploração do algodoeiro é baseado em grandes propriedades, forte mecanização das etapas da produção e alto uso de insumos e demais tecnologias. Os custos de produção são elevados, mas se obtêm produtividades altas que compensam o investimento. São gastos US$ 344,22/ha com corretivos e fertilizantes para as condições do cerrado de MS, GO, MT e BA, cerca de 23% do custo de produção (US$ 1559,91/ha) e com tendência de elevação. Nesse contexto, o uso eficiente da adubação associado a correta racionalização de todo o processo produtivo são essenciais para obtenção de altas produtividades, redução de custo por arroba de algodão produzido e viabilização dos sistemas de produção existentes no Cerrado. O estudo sistemático da adubação e calagem do algodoeiro em Goiás vem sendo realizado intensivamente a partir de 2002, tendo sido acumulado resultados de três safras consecutivas. As pesquisas feitas na Bahia, por outro lado, vem sendo realizada de forma mais ampla a partir da safra 2003/2004, apesar de alguns trabalhos iniciais terem sido feitos desde a safra 1999/2000. Neste trabalho serão mostrados os resultados mais significativos obtidos até o momento. 2 PRINCÍPIOS Dada a tentação sempre presente em se aumentar a produtividade com o uso de quantidades crescentes de fertilizantes e corretivos, em detrimento da rentabilidade da área, convém lembrar que existem alguns princípios que regem as práticas de correção da fertilidade e adubação das culturas. Primeiro, a adubação é apenas um fator de produção que permite alcançar ou maximizar o potencial produtivo, porém apenas o clima local e a variedade cultivada definem esse potencial. Adubações com expectativas de produtividades irrealistas é prejuízo na certa. Segundo, as leis biológicas precisam ser atendidas para otimizar a resposta, diminuir os riscos financeiros e ambientais. Terceiro, há uma racionalidade no fluxo de nutriente no sistema solo-planta, sendo a adubação a diferença entre o requerimento de

3 nutriente para a produção esperada e a quantidade de nutriente ofertada pelo solo na condição atual de fertilidade, considerando as perdas normais do sistema. Quarto, o conhecimento do histórico da área é fundamental na definição das doses a serem usadas, diminuindo os riscos. E Quinto, o conhecimento da conjuntura econômica na qual será programada a safra deve definir o nível de risco financeiro da exploração e até que ponto o empresário está disposto a investir. O técnico deve ter conhecimento desse fatores para poder aproveitar todo o potencial da correção do solo e da adubação racional da cultura. 3 CORREÇÃO DA ACIDEZ SUPERFICIAL E SUBSUPERFICIAL DO SOLO Ensaios com calagem e gessagem vem sendo efetuado em Goiás desde a safra 2002/2003. Na Bahia, apenas o acompanhamento do efeito da calagem e da adubação em campo de produção foi efetuado até o momento. Os dados têm mostrados que não há resposta para elevação da saturação por bases além de 60% na camada 0-20 cm. Solos muito ácido somente devem ser cultivados com o algodoeiro após sua correção para os níveis estabelecidos, senão os patamares de produtividades serão baixos. A calagem diminui os teores de Mn na folha da planta, mas chegam até a aumentar os teores dos demais micronutrientes. Apenas em solos arenosos, com baixo teor de Mn total, deve-se esperar deficiência desse elemento com o aumento do ph para valores acima de 6,0, como ocorre comumente na Bahia. A aplicação do calcário deve ser feito com o máximo de antecedência possível do plantio. Deve-se preferir o uso de pequenas doses anuais (até 2 t/ha) a doses maiores em períodos de tempo maiores, assim a saturação em bases será mantida próximo de 60% no decorrer dos anos permitindo o alcance de maiores produtividades. O uso do gesso é disseminado em condições de cerrado, em especial sob cultivo do algodoeiro. Em Santa Helena e Turvelância, ambos no Estado de Goiás, foram montados dois ensaios para verificar o efeito do gesso nos anos agrícolas de 2002/2003 e 2003/2004. O gesso não interagiu com o calcário, porém não houve resposta a gessagem quando o volume de saturação foi superior a 60%. O gesso melhorou sensivelmente o desenvolvimento radicular abaixo da camada de 20 cm quando aplicado no solo ácido de Santa Helena. Seu uso quando na camada subsuperficial (20-40, cm) a saturação por alumínio for superior a 20% ou o teor de cálcio for inferior a 5

4 mmol c/dm 3 tende a melhorar o aproveitamento dos nutrientes e água da subsuperfície. Ele provocou maior lixiviação de potássio. Na Bahia, solos supercalcareados tem sido observados. Nestes locais, a saturação supera 70% da CTC, o ph é maior do que 6,0, forte redução da matéria orgânica superficial é observada quando comparada com o cerrado nativo e forte lixiviação de bases ocorrem em apenas um ciclo de cultivo. 4 EXIGÊNCIA NUTRICIONAL O algodoeiro é exigente em adubação, necessitando de 69, 26, 73, 36, 27 e 6 kg/ha de N, P 2 O 5, K 2 O, CaO, MgO e S, respectivamente, para produzir uma tonelada de algodão em pluma. Sua exportação média, estimada na Bahia, é de cerca de 34, 12, 22, 4, 14 e 3 kg/ha/ano, respectivamente, por tonelada de algodão em pluma produzida. Os teores foliares recomendados por Silva (1999) têm se mostrado efetivo nas condições de produtividades adequadas. 5 ADUBAÇÃO COM NITROGÊNIO Os solos do cerrado têm potencial para fornecer naturalmente, pela mineralização de sua matéria orgânica, 113 a 225 kg/ha/ano na maioria das amostras. Nessas condições, as quantidades de N disponibilizadas pelo ambiente são insuficientes para cobrir a demanda média total de nitrogênio pela cultura do algodão (cerca de 312 kg/ha/ano, para uma produção de sendo necessário a aplicação de adubos nitrogenados para complementar a oferta do sistema. Entretanto, os dados mostram que o sistema mantém estável no tempo uma quantidade de nutriente passível de ser manejada para uso do algodoeiro e complementação com adubação apenas para cobrir a exportação promovida pela colheita do algodão em caroço (algo em torno de 120 a 150 kg/ha/ano). Esse manejo permite superar a demanda total do algodoeiro por nitrogênio e fornecer as quantidades mínimas necessárias para obter altas produtividades. De fato, as doses de máxima eficiência econômica de nitrogênio tem se situado entre 120 e 175 kg/ha. Sua aplicação parcelada é essencial para aumentar a eficiência da adubação e diminuir a dose total necessária. A dose total pode ser parcelada pela aplicação de parte em pré-plantio (40 kg/ha), kg/ha no sulco e o

5 restante em duas coberturas, no abotoamento e no florescimento da planta. Em condição de cultivo direto sobre palhada de alta relação C/N, deve-se antecipar a primeira cobertura para evitar deficiência na planta. 6. ADUBAÇÃO COM FÓSFORO O algodoeiro deve ser cultivado em solo de cerrado corrigido em sua fertilidade. Sob plantio convencional, é comum o uso de 120 a 150 kg/ha no primeiro ano de cultivo do algodoeiro, à lanço usando superfosfato simples, logo após a rotação com a soja no Estado da Bahia, em sua maior área sob plantio convencional. Em Goiás, grande parte do algodoeiro é manejado sob sistema de plantio direto ou semi-direto, sobre a palhada do milheto. Nesse sistema a adubação de pré-plantio é de uso constante. Em solo com teor de P disponível adequado, a aplicação de 80 a 140 kg/ha de P 2 O 5 a lanço ou no sulco de plantio tem permitido alcançar a máxima produtividade econômica. 7 ADUBAÇÃO COM POTÁSSIO Solos de cerrado com teores entre 31 e 40 mg/dm 3 e superior são considerados adequados e altos, respectivamente, se tiverem CTC a ph 7,0 menor que 40 mmol c /dm 3. Acima dessa CTC, os solos precisam alcançar os teores de 51 a 80 e acima disso para terem potássio adequados e altos, respectivamente, para o cultivo da maioria das culturas anuais. Nesses níveis de fertilidade, é recomendado a definição da dose de K 2O a ser aplicada baseada na exportação da área e na expectativa de produção. Produtividades máximas econômicas tem sido obtidas com o uso de doses entre 80 e 170 kg/ha. Não houve resposta significativa ao modo de aplicação de potássio em Goiás, podendo ser aplicado em pré-plantio toda a dose necessária. Na Bahia, entretanto, tem sido mostrado que o parcelamento tende a aumentar a taxa de recuperação do potássio pela planta e diminuir a dose para a mesma produtividade. Assim, a aplicação única de toda a dose de potássio nos primeiros 15 dias do plantio a lanço, como vem sendo feito atualmente, tem sido criticada por diminuir a efetividade da adubação potássica. Mais estudos são necessários para esclarecer a melhor forma de aplicação nos solos mais arenosos.

6 8 - ADUBAÇÃO COM MICRONUTRIENTES O algodoeiro é exigente em boro e tende a responder a adubação anual com esse nutriente. As fontes solúveis são mais adequadas e as doses superiores a 4 kg/ha, a lanço, não são recomendadas. O uso de doses menores (1 a 2 kg/ha) no sulco de plantio tem dado a mesma resposta em produção com menor custo. A aplicação de Cu, Mn e Zn no algodoeiro não provocou resposta significativa em produtividade, apesar de alterar os teores desses nutrientes no solo e na planta, mostrando que essas análises podem ser usadas no monitoramento nutricional. Entretanto, para obtenção de até a aplicação desses nutrientes como recomendado oficialmente tem se mostrado eficiente no suprimento de nutrientes para a cultura. 9 CONCLUSÕES A correção da acidez e da fertilidade para níveis adequados e o seu manejo subseqüente com a restituição dos nutrientes perdidos pela exportação dos nutrientes, dentro da expectativa local de produtividade, tem se mostrado mais efetivo no aumento e manutenção da produtividade com baixo custo. Calagem para saturar a CTC em 60% de bases trocáveis, gessagem anual ou bianual para preservar uma saturação de cálcio na CTC efetiva próximo a 60% na camada de 20 a 40 e 40 a 60 dão condições para alcançar os melhores patamares de produtividades com segurança e baixo custo. Doses anuais de N ( kg/ha), P 2O 5 ( kg/ha), K 2O (80 a 170 kg/ha) e B (1 e 4 kg/ha, respectivamente, no sulco de plantio e a lanço), conjuntamente com a aplicação de uma adubação corretiva periódica de Cu, Mn e Zn permitem o alcance de produtividades rentáveis com baixo risco econômico. Os resultados das pesquisas nas próximas safras tendem a melhorar a rentabilidade e diminuir as doses atualmente aplicadas na cultura do algodoeiro. Em um sistema produtivo moderno, tecnificado, a correção do solo e adubação correta da cultura permitem o crescimento de plantas robustas, altamente produtivas, resistentes a pragas e doenças e tolerantes ao estresse hídrico. Isso permite manutenção da produtividade no tempo, redução de custo de produção e rentabilidade compatível com a atividade. Essas condições são básicas para uma agricultura competitiva e sustentável no cerrado do Brasil.

MANEJO DE NUTRIENTES NO ALGODOEIRO Solos de Goiás

MANEJO DE NUTRIENTES NO ALGODOEIRO Solos de Goiás MANEJO DE NUTRIENTES NO ALGODOEIRO Solos de Goiás Ana Luiza Dias Coelho Borin Engenheira agrônoma, D.Sc. em Ciência do Solo Pesquisadora da Embrapa Algodão Adubação de sistemas intensivos de produção Conceitos

Leia mais

6 CALAGEM E ADUBAÇÃO

6 CALAGEM E ADUBAÇÃO CULTURA DO MILHO 6 CALAGEM E ADUBAÇÃO 6.1 - CALAGEM -Neutralização do Al; -Buscando atingir 70% da saturação de bases corrige a camada de incorporação; -Correção mais profunda incorporação mais profunda

Leia mais

6.3 CALAGEM E ADUBAÇÃO

6.3 CALAGEM E ADUBAÇÃO 6.3 CALAGEM E ADUBAÇÃO 6.3.1 - CALAGEM Estados do Rio Grande do Sul e Santa Catarina A quantidade de corretivo de acidez a ser usada varia conforme o Índice SMP determinado na análise do solo e a dose

Leia mais

Recomendação de calagem e adubação

Recomendação de calagem e adubação Recomendação de calagem e adubação Na agricultura, a recomendação de calagem e adubação para as culturas é geralmente efetuada com base nas doses de corretivos e fertilizantes que assegurem entre 80% e

Leia mais

Nutrição, Adubação e Calagem

Nutrição, Adubação e Calagem Nutrição, Adubação e Calagem Importância da nutrição mineral Embora o eucalipto tenha rápido crescimento, este é muito variável. Os principais fatores que interferem no crescimento estão relacionados com

Leia mais

38º Congresso Brasileiro de Pesquisas Cafeeiras DOSES DE ADUBAÇÃO NITROGENADA E POTÁSSICA NA PRODUTIVIDADE DE CAFEEIROS NAS MATAS DE MINAS

38º Congresso Brasileiro de Pesquisas Cafeeiras DOSES DE ADUBAÇÃO NITROGENADA E POTÁSSICA NA PRODUTIVIDADE DE CAFEEIROS NAS MATAS DE MINAS 38º Congresso Brasileiro de Pesquisas Cafeeiras DOSES DE ADUBAÇÃO NITROGENADA E POTÁSSICA NA PRODUTIVIDADE DE CAFEEIROS NAS MATAS DE MINAS Gustavo N. G. P. Rosa, Eng. Agr. M. Sc. Fitotecnia Sup. Téc. CEPEC

Leia mais

REPENSANDO A ADUBAÇÃO NPK EM SISTEMAS DE ALTA PRODUTIVIDADE DE GRÃOS. Álvaro V. Resende

REPENSANDO A ADUBAÇÃO NPK EM SISTEMAS DE ALTA PRODUTIVIDADE DE GRÃOS. Álvaro V. Resende REPENSANDO A ADUBAÇÃO NPK EM SISTEMAS DE ALTA PRODUTIVIDADE DE GRÃOS Álvaro V. Resende Araxá, 19/09/2014 Roteiro Contexto dos sistemas soja-milho Repensando a adubação NPK Considerações finais Contexto

Leia mais

ADUBAÇÃO POTÁSSICA DA SOJA EM SISTEMA DE PLANTIO DIRETO NO SUDOESTE DE GOIÁS

ADUBAÇÃO POTÁSSICA DA SOJA EM SISTEMA DE PLANTIO DIRETO NO SUDOESTE DE GOIÁS XXVII Reunião Brasileira de Fertilidade do Solo e Nutrição de Plantas XI Reunião Brasileira sobre Micorrizas IX Simpósio Brasileiro de Microbiologia do Solo VI Re un iã o Bra sile ira d e Bio lo g ia d

Leia mais

OTIMIZAÇÃO DE INSUMOS NO SISTEMA DE PRODUÇÃO SOJA-MILHO SAFRINHA

OTIMIZAÇÃO DE INSUMOS NO SISTEMA DE PRODUÇÃO SOJA-MILHO SAFRINHA OTIMIZAÇÃO DE INSUMOS NO SISTEMA DE PRODUÇÃO SOJA-MILHO SAFRINHA Aildson P. Duarte Heitor Cantarella IAC-APTA IAC INSTITUTO AGRONÔMICO Recomendação de adubação para soja e milho-safrinha Análise do solo

Leia mais

Adubação do Milho Safrinha. Aildson Pereira Duarte Instituto Agronômico (IAC), Campinas

Adubação do Milho Safrinha. Aildson Pereira Duarte Instituto Agronômico (IAC), Campinas Adubação do Milho Safrinha Aildson Pereira Duarte Instituto Agronômico (IAC), Campinas Produtividade, kg/ha Área (milhões ha) AUMENTO DA ÁREA E PRODUTIVIDADE 8000,0 7000,0 6000,0 Total MT 7.012 5000,0

Leia mais

Recomendação de Correção de Solo e Adubação de Feijão Ac. Felipe Augusto Stella Ac. João Vicente Bragança Boschiglia Ac. Luana Machado Simão

Recomendação de Correção de Solo e Adubação de Feijão Ac. Felipe Augusto Stella Ac. João Vicente Bragança Boschiglia Ac. Luana Machado Simão UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DO SOLO LSO526 Adubos e Adubações Recomendação de Correção de Solo e Adubação de Feijão Ac. Felipe Augusto

Leia mais

Adubar a planta ou o sistema? Dr. Eros Francisco Diretor Adjunto IPNI Brasil

Adubar a planta ou o sistema? Dr. Eros Francisco Diretor Adjunto IPNI Brasil Adubar a planta ou o sistema? Dr. Eros Francisco Diretor Adjunto IPNI Brasil Bonito/MS 13 Agosto, 2014 IPNI O International Plant Nutrition Institute (IPNI) é uma organização nova, sem fins lucrativos,

Leia mais

Correção da acidez subsuperficial no plantio direto pela aplicação de calcário na superfície e uso de plantas de cobertura e adubação verde

Correção da acidez subsuperficial no plantio direto pela aplicação de calcário na superfície e uso de plantas de cobertura e adubação verde Correção da acidez subsuperficial no plantio direto pela aplicação de calcário na superfície e uso de plantas de cobertura e adubação verde Julio Cezar Franchini Eleno Torres Luiz Gustavo Garbelini Mario

Leia mais

Nutrição e Adubação Cana-de-açúcar. Fabiana Fernandes Doutoranda UNESP Ilha Solteira 2016

Nutrição e Adubação Cana-de-açúcar. Fabiana Fernandes Doutoranda UNESP Ilha Solteira 2016 Nutrição e Adubação Cana-de-açúcar Fabiana Fernandes Doutoranda UNESP Ilha Solteira 2016 Introdução PLANTA SOLO FERTILIZANTES ADUBAÇÃO (kg/ha) = (PLANTA - SOLO) x f Introdução O que aplicar? Fontes e Nutrientes

Leia mais

Recomendação de adubação e correção de solo para cultura da Cana-de-açúcar

Recomendação de adubação e correção de solo para cultura da Cana-de-açúcar Universidade de São Paulo Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Departamento de Ciências do Solo LSO 526 Adubos e Adubação Recomendação de adubação e correção de solo para cultura da Cana-de-açúcar

Leia mais

CULTURA DA SOJA: NUTRIÇÃO E ADUBAÇÃO. Disciplina: Culturas de Plantas Oleaginosas Curso: Agronomia Responsável: Fernando Celoto

CULTURA DA SOJA: NUTRIÇÃO E ADUBAÇÃO. Disciplina: Culturas de Plantas Oleaginosas Curso: Agronomia Responsável: Fernando Celoto CULTURA DA SOJA: NUTRIÇÃO E ADUBAÇÃO Disciplina: Culturas de Plantas Oleaginosas Curso: Agronomia Responsável: Fernando Celoto P fonte de energia; K parede celular; Ca comunicação da chegada de inóculo

Leia mais

Manejo da adubação nitrogenada na cultura do milho

Manejo da adubação nitrogenada na cultura do milho Manejo da adubação nitrogenada na cultura do milho Atualmente, pode-se dizer que um dos aspectos mais importantes no manejo da adubação nitrogenada na cultura do milho refere-se à época de aplicação e

Leia mais

MANEJO DA FERTILIDADE DO SOLO EM SISTEMAS DE PRODUÇÃO NO CERRADO

MANEJO DA FERTILIDADE DO SOLO EM SISTEMAS DE PRODUÇÃO NO CERRADO UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE RONDONÓPOLIS INSTITUTO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS E TECNOLÓGICAS MANEJO DA FERTILIDADE DO SOLO EM SISTEMAS DE PRODUÇÃO NO CERRADO Edicarlos Damacena

Leia mais

Manejo de Nutrientes para Sistemas de Produção de Alta Produtividade. Dr. Eros Francisco IPNI Brasil

Manejo de Nutrientes para Sistemas de Produção de Alta Produtividade. Dr. Eros Francisco IPNI Brasil Manejo de Nutrientes para Sistemas de Produção de Alta Produtividade Dr. Eros Francisco IPNI Brasil IPNI missão O International Plant Nutrition Institute (IPNI) é uma organização nova, sem fins lucrativos,

Leia mais

Calagem e gessagem na cultura dos citros. Prof. Dr. José Eduardo Creste Presidente Prudente - SP

Calagem e gessagem na cultura dos citros. Prof. Dr. José Eduardo Creste Presidente Prudente - SP Calagem e gessagem na cultura dos citros. Prof. Dr. José Eduardo Creste Presidente Prudente - SP Produtividade: Pomar A:70 ton/ha Pomar B:10 ton/ha 52 fatores influenciam a produção vegetal: 07 deles são

Leia mais

CALAGEM SUPERFICIAL E GESSAGEM EM PLANTIO DIRETO

CALAGEM SUPERFICIAL E GESSAGEM EM PLANTIO DIRETO SISTEMAS INTEGRADOS DE MANEJO NA PRODUÇÃO AGRÍCOLA SUSTENTÁVEL CALAGEM SUPERFICIAL E GESSAGEM EM PLANTIO DIRETO SINOP MATO GROSSO 23 a 25 de Novembro de 2015 Eduardo Fávero Caires Universidade Estadual

Leia mais

Cultura da Soja Recomendação de Correção e Adubação

Cultura da Soja Recomendação de Correção e Adubação Universidade de São Paulo Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Departamento de Ciência dos Solos LSO 0526 Adubos e Adubação Cultura da Soja Recomendação de Correção e Adubação Lucas Papadópoli

Leia mais

Corretivos Adubos e Adubações. Prof. ELOIR MISSIO

Corretivos Adubos e Adubações. Prof. ELOIR MISSIO Corretivos Adubos e Adubações Prof. ELOIR MISSIO ADUBAÇÃO ORGÂNICA Fertilidade dos solos e manejo da adubação de culturas. Carlos A. Bissani; Clesio Gianello; Marino J. Tedesco; Flávio A. O. Camargo. Porto

Leia mais

INOVACOES EM METOLOGIAS DE FERTILIZACAO DE CAFE. Bernardo van Raij Instituto Agronômico Campinas, SP - Brasil

INOVACOES EM METOLOGIAS DE FERTILIZACAO DE CAFE. Bernardo van Raij Instituto Agronômico Campinas, SP - Brasil INOVACOES EM METOLOGIAS DE FERTILIZACAO DE CAFE Bernardo van Raij Instituto Agronômico Campinas, SP - Brasil RAMACAFÉ 2001 Objetivo Discutir a adubação do café em uma nova abordagem, para identificar pontos

Leia mais

Construção de Perfil do Solo

Construção de Perfil do Solo Gargalos Tecnológicos para Produção Agrícola Construção de Perfil do Solo Eduardo Fávero Caires Universidade Estadual de Ponta Grossa Solos com Fertilidade Baixa ou Muito Baixa Acidez Excessiva Teor tóxico

Leia mais

Boas Práticas para Uso Eficiente de Fertilizantes na Cultura do Milho. Aildson Pereira Duarte Instituto Agronômico, Campinas (IAC)

Boas Práticas para Uso Eficiente de Fertilizantes na Cultura do Milho. Aildson Pereira Duarte Instituto Agronômico, Campinas (IAC) Boas Práticas para Uso Eficiente de Fertilizantes na Cultura do Milho Aildson Pereira Duarte Instituto Agronômico, Campinas (IAC) Sucessão Soja e Milho Safrinha em Sistema Plantio Direto Antecipar a semeadura

Leia mais

Manejo da lavoura para altas produtividades com base na agricultura de precisão. Telmo Amado

Manejo da lavoura para altas produtividades com base na agricultura de precisão. Telmo Amado Manejo da lavoura para altas produtividades com base na agricultura de precisão Telmo Amado Situação atual. Eficiência de Uso < 50% N e K, e < 30% de P Eficiência do uso da água Potencial genético subutilizado

Leia mais

ESTUDO DA VIABILIDADE DE DISPONIBILIZAÇÃO DE POTÁSSIO E FÓSFORO EM SOLOS DE CERRADO COM A UTILIZAÇÃO DO PENERGETIC 4 SAFRAS

ESTUDO DA VIABILIDADE DE DISPONIBILIZAÇÃO DE POTÁSSIO E FÓSFORO EM SOLOS DE CERRADO COM A UTILIZAÇÃO DO PENERGETIC 4 SAFRAS ESTUDO DA VIABILIDADE DE DISPONIBILIZAÇÃO DE POTÁSSIO E FÓSFORO EM SOLOS DE CERRADO COM A UTILIZAÇÃO DO PENERGETIC 4 SAFRAS ANDRÉ L.T. FERNANDES DR. ENGENHARIA DE ÁGUA E SOLO, PROF. UNIUBE E FACULDADES

Leia mais

Construção da fertilidade do solo no ambiente Cerrado. Carlos Alberto Silva (UFLA) Paulo T. G. Guimarães (EPAMIG)

Construção da fertilidade do solo no ambiente Cerrado. Carlos Alberto Silva (UFLA) Paulo T. G. Guimarães (EPAMIG) Construção da fertilidade do solo no ambiente Cerrado Carlos Alberto Silva (UFLA) Paulo T. G. Guimarães (EPAMIG) Parte I Solo fértil? Solos do Brasil sob condições naturais: grau de fetilidade Solo ph

Leia mais

INDICADORES QUÍMICOS DE QUALIDADE DO SOLO

INDICADORES QUÍMICOS DE QUALIDADE DO SOLO INDICADORES QUÍMICOS DE QUALIDADE DO SOLO Eduardo Fávero Caires Professor Associado - Fertilidade do Solo Reunião Paranaense de Ciência do Solo UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA III REUNIÃO PARANAENSE

Leia mais

5. INTERPRETAÇÃO DOS RESULTADOS DAS ANÁLISES DE SOLOS

5. INTERPRETAÇÃO DOS RESULTADOS DAS ANÁLISES DE SOLOS 5. INTERPRETAÇÃO DOS RESULTADOS DAS ANÁLISES DE SOLOS Victor Hugo Alvarez V. 1 Roberto Ferreira de Novais 2 Nairam Félix de Barros 3 Reinaldo Bertola Cantarutti 4 Alfredo Scheid Lopes 5 Os critérios a

Leia mais

APRESENTAÇÃO: FERTILIZANTE TERRAPLANT

APRESENTAÇÃO: FERTILIZANTE TERRAPLANT APRESENTAÇÃO: FERTILIZANTE TERRAPLANT DESCRIÇÃO DO PRODUTO Fertilizante proveniente de cama de aviário; Fonte de macro e micro nutrientes; Fonte excepcional de matéria orgânica. DESCRIÇÃO DO PRODUTO Para

Leia mais

Recomendação de Calagem e Adubação para Plantações Florestais Prof. José Leonardo M. Gonçalves ESALQ/USP

Recomendação de Calagem e Adubação para Plantações Florestais Prof. José Leonardo M. Gonçalves ESALQ/USP Recomendação de Calagem e Adubação para Plantações Florestais Prof. José Leonardo M. Gonçalves ESALQ/USP! "#$ FASES NUTRICIONAIS DO POVOAMENTO FLORESTAL FASE INICIAL Adaptação e crescimento inicial pós-plantio

Leia mais

Adubação de Lavouras Podadas. Alysson Vilela Fagundes Eng. Agr.Fundação Procafé

Adubação de Lavouras Podadas. Alysson Vilela Fagundes Eng. Agr.Fundação Procafé Adubação de Lavouras Podadas Alysson Vilela Fagundes Eng. Agr.Fundação Procafé Aspectos relevantes e indispensáveis 1. Tipos de Podas Critérios básicos para o sucesso das podas 2. Adubação do cafeeiro

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO - NÍVEL DE APERFEIÇOAMENTO, EM NUTRIÇÃO E ADUBAÇÃO RACIONAL DE CULTURAS DE LAVOURA

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO - NÍVEL DE APERFEIÇOAMENTO, EM NUTRIÇÃO E ADUBAÇÃO RACIONAL DE CULTURAS DE LAVOURA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO - NÍVEL DE APERFEIÇOAMENTO, EM NUTRIÇÃO E ADUBAÇÃO RACIONAL DE CULTURAS DE LAVOURA PROMOÇÃO Instituto de Ciências Agronômicas Professor Elmar Luiz Floss Instituto Incia Passo Fundo-RS

Leia mais

NUTRIÇÃO EQUILIBRADA DO CAFEEIRO. ROBERTO SANTINATO 40º CBPC Serra Negra - SP

NUTRIÇÃO EQUILIBRADA DO CAFEEIRO. ROBERTO SANTINATO 40º CBPC Serra Negra - SP NUTRIÇÃO EQUILIBRADA DO CAFEEIRO ROBERTO SANTINATO 40º CBPC Serra Negra - SP Nutrição equilibrada em cafezais Equilíbrio Desequilíbrio Importância e respostas da correção do solo no equilíbrio nutricional

Leia mais

Condicionadores de solo - Uso eficiente do gesso agrícola

Condicionadores de solo - Uso eficiente do gesso agrícola UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DO SOLO LSO-526 Adubos e Adubação Condicionadores de solo - Uso eficiente do gesso agrícola Prof. Dr. Paulo

Leia mais

ALTAS DOSES DE GESSO (IRRIGAÇÃO BRANCA) NA FORMAÇÃO E PRODUÇÃO DO CAFEEIRO

ALTAS DOSES DE GESSO (IRRIGAÇÃO BRANCA) NA FORMAÇÃO E PRODUÇÃO DO CAFEEIRO 38º Congresso Brasileiro de Pesquisas Cafeeiras ALTAS DOSES DE GESSO (IRRIGAÇÃO BRANCA) NA FORMAÇÃO E PRODUÇÃO DO CAFEEIRO Alysson Vilela Fagundes - Eng. Agr. Fundação Procafé Antônio Wander R. Garcia

Leia mais

Silvicultura de Eucalipto: Implantação e Manejo

Silvicultura de Eucalipto: Implantação e Manejo Silvicultura de Eucalipto: Implantação e Manejo Sidney Medeiros Engenheiro Agrônomo Outubro/2014 R&S FLORESTAL Viveiro especializado na produção de mudas de eucalipto (clone e semente) PlanalGna/DF (220km

Leia mais

Quadro 1 - Fatores para conversão de unidades antigas em unidades do Sistema Internacional de Unidades.

Quadro 1 - Fatores para conversão de unidades antigas em unidades do Sistema Internacional de Unidades. Informação sobre interpretação de Análise de Solo, segundo o Centro de Pesquisa e Desenvolvimento de Solos e Recursos Ambientais, Instituto Agronômico de Campinas. Quadro 1 - Fatores para conversão de

Leia mais

Fertilidade de Solos

Fertilidade de Solos Cultivo do Milho Economia da Produção Zoneamento Agrícola Clima e Solo Ecofisiologia Manejo de Solos Fertilidade de Solos Cultivares Plantio Irrigação Plantas daninhas Doenças Pragas Colheita e póscolheita

Leia mais

Nutrição de Plantas: Técnicas para aumento da produtividade da Soja. Eng. Agr. Dr. Douglas Gitti Pesquisador de Manejo e Fertilidade do Solo

Nutrição de Plantas: Técnicas para aumento da produtividade da Soja. Eng. Agr. Dr. Douglas Gitti Pesquisador de Manejo e Fertilidade do Solo Nutrição de Plantas: Técnicas para aumento da produtividade da Soja Eng. Agr. Dr. Douglas Gitti Pesquisador de Manejo e Fertilidade do Solo Roteiro 1- Ativos Biológicos na Soja: Azospirillum 2- Sais e

Leia mais

Adubação da Cultura da Soja no Paraná e Goiás

Adubação da Cultura da Soja no Paraná e Goiás Tema 2 Manejo da adubação com ênfase na aplicação a lanço Adubação da Cultura da Soja no Paraná e Goiás Adilson de Oliveira Junior César de Castro Fábio Álvares de Oliveira Vinícius Benites Pesquisadores

Leia mais

431 - AVALIAÇÃO DE VARIEDADES DE MILHO EM DIFERENTES DENSIDADES DE PLANTIO EM SISTEMA ORGÂNICO DE PRODUÇÃO

431 - AVALIAÇÃO DE VARIEDADES DE MILHO EM DIFERENTES DENSIDADES DE PLANTIO EM SISTEMA ORGÂNICO DE PRODUÇÃO Manejo de Agroecosistemas Sustentaveis Monferrer 431 - AVALIAÇÃO DE VARIEDADES DE MILHO EM DIFERENTES DENSIDADES DE PLANTIO EM SISTEMA ORGÂNICO DE PRODUÇÃO José C. Cruz 1 ; Israel A. Pereira Filho 1 ;

Leia mais

Manejo Químico e Atributos de Fertilidade de Solos Arenosos. Equipe Fundação MT / PMA Leandro Zancanaro

Manejo Químico e Atributos de Fertilidade de Solos Arenosos. Equipe Fundação MT / PMA Leandro Zancanaro Manejo Químico e Atributos de Fertilidade de Solos Arenosos Equipe Fundação MT / PMA Leandro Zancanaro Maringá - PR, 23 de maio de 2017 Manejo Químico e Atributos de Fertilidade de Solos Arenosos Manejo?

Leia mais

Circular. Técnica. Autores. Calagem e Adubação do Algodoeiro no Cerrado. Amostragem de Solos para Fins de Avaliação da Fertilidade

Circular. Técnica. Autores. Calagem e Adubação do Algodoeiro no Cerrado. Amostragem de Solos para Fins de Avaliação da Fertilidade Calagem e Adubação do Algodoeiro no Cerrado 1 ISSN 0100-6460 Calagem e Adubação do Algodoeiro no Cerrado 92 Circular Técnica Campina Grande, PB Agosto, 2006 Autores Maria da Conceição Santana Carvalho

Leia mais

ATRIBUTOS QUÍMICOS DO SOLO E PRODUTIVIDADE DE MANDIOCA EM FUNÇÃO DA CALAGEM, ADUBAÇÃO ORGÂNICA E POTÁSSICA 1

ATRIBUTOS QUÍMICOS DO SOLO E PRODUTIVIDADE DE MANDIOCA EM FUNÇÃO DA CALAGEM, ADUBAÇÃO ORGÂNICA E POTÁSSICA 1 ATRIBUTOS QUÍMICOS DO SOLO E PRODUTIVIDADE DE MANDIOCA EM FUNÇÃO DA CALAGEM, ADUBAÇÃO ORGÂNICA E POTÁSSICA 1 Andrei de Souza da Silva 2 ; José Ricken Neto 3 ; Vanderson Mondolon Duart 4 ; Fernando José

Leia mais

MANEJO DA ADUBAÇÃO. Prof. Dr. Danilo Eduardo Rozane.

MANEJO DA ADUBAÇÃO. Prof. Dr. Danilo Eduardo Rozane. CURSO DE FORMAÇÃO DE RESPONSÁVEIS TÉCNICOS E AUDITORES EM PI MÓDULO GOIABA CATI - CAMPINAS 07 a 11 de novembro de 2011 MANEJO DA ADUBAÇÃO Prof. Dr. Danilo Eduardo Rozane danilorozane@registro.unesp.br

Leia mais

Manejo da Adubação do Milho Safrinha

Manejo da Adubação do Milho Safrinha 01 Manejo da Adubação do Milho Safrinha Introdução Manejar adequadamente as adubações envolve um complexo processo de tomada de decisão, onde estão envolvidas as características do solo e da planta, o

Leia mais

AGRICULTURA DE PRECISÃO

AGRICULTURA DE PRECISÃO AGRICULTURA DE PRECISÃO AGRICULTURA DE PRECISÃO A agricultura de precisão C.Vale é uma atividade que tem como objetivo aperfeiçoar o uso dos insumos agrícolas dentro da propriedade. Permite aplicação localizada

Leia mais

16 EFEITO DA APLICAÇÃO DO FERTILIZANTE FARTURE

16 EFEITO DA APLICAÇÃO DO FERTILIZANTE FARTURE 16 EFEITO DA APLICAÇÃO DO FERTILIZANTE FARTURE EM RELAÇÃO AO FORMULADO PADRÃO O objetivo deste trabalho foi avaliar o desempenho do fertilizante Farture (00-12-12) em diferentes dosagens em relação ao

Leia mais

Anais do Congresso de Pesquisa, Ensino e Extensão- CONPEEX (2010)

Anais do Congresso de Pesquisa, Ensino e Extensão- CONPEEX (2010) Anais do Congresso de Pesquisa, Ensino e Extensão- CONPEEX (2010) 5771-5775 AVALIAÇÃO DE GENÓTIPOS DE ARROZ IRRIGADO NO USO DE NITROGÊNIO CARVALHO, Glaucilene Duarte 1 ; DE CAMPOS, Alfredo Borges 2 & FAGERIA,

Leia mais

INTERESSE PELA UTILIZAÇÃO DE MICRONUTRIENTES

INTERESSE PELA UTILIZAÇÃO DE MICRONUTRIENTES INTERESSE PELA UTILIZAÇÃO DE MICRONUTRIENTES Solos dos cerrados são originalmente deficientes em micronutrientes; O aumento da produtividade com > remoção de micronutrientes; A incorporação inadequada

Leia mais

Adubação orgânica do pepineiro e produção de feijão-vagem em resposta ao efeito residual em cultivo subsequente

Adubação orgânica do pepineiro e produção de feijão-vagem em resposta ao efeito residual em cultivo subsequente Seminário de Iniciação Científica e Tecnológica, 9., 2, Belo Horizonte 1 Adubação orgânica do pepineiro e produção de feijão-vagem em resposta ao efeito residual em cultivo subsequente Carlos Henrique

Leia mais

Requisitos de Clima e Solo da espécie

Requisitos de Clima e Solo da espécie Requisitos de Clima e Solo da espécie Clima O amendoim forrageiro apresenta ampla faixa de adaptação, desenvolvendo-se bem desde o nível do mar até aproximadamente 1.800 m de altitude, em áreas com precipitação

Leia mais

BPUFs em Pastagem. Adilson de Paula Almeida Aguiar FAZU CONSUPEC Uberaba MG

BPUFs em Pastagem. Adilson de Paula Almeida Aguiar FAZU CONSUPEC Uberaba MG BPUFs em Pastagem Adilson de Paula Almeida Aguiar FAZU CONSUPEC Uberaba MG INTRODUÇÃO Mapa de classes de fertilidade dos solos brasileiros Muito baixa Baixa Média Média a alta Alta O uso de fertilizantes

Leia mais

Calagem, adubação de base, de plantio e de cobertura

Calagem, adubação de base, de plantio e de cobertura Universidade Tecnológica Federal do Paraná Campus Dois Vizinhos Engenharia Florestal Tratos e Métodos Silviculturais Calagem, adubação de base, de plantio e de cobertura Eng. Ftal. Dr. Prof. Eleandro José

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE MICRONUTRIENTES

UTILIZAÇÃO DE MICRONUTRIENTES VI CURSO DE FERTILIDADE DO SOLO E PLANTIO DIRETO UTILIZAÇÃO DE ICRONUTRIENTES Carlos Alberto Bissani Clesio Gianello UFRGS UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL Departamento de Solos Faculdade de Agronomia

Leia mais

Adubação do milho safrinha: Nitrogênio e Fósforo.

Adubação do milho safrinha: Nitrogênio e Fósforo. Adubação do milho safrinha: Nitrogênio e Fósforo. Eng. Agr. Dr. Douglas de Castilho Gitti Pesquisador Manejo e Fertilidade do Solo (67) 9681-7293 douglas@fundacaoms.org.br Roteiro da Palestra 1. Ambientes

Leia mais

Carlos Alberto Vasconce//os Hélio Lopes dos Santos Gonçalo Evangelista de França 1. INTRODUÇÃO

Carlos Alberto Vasconce//os Hélio Lopes dos Santos Gonçalo Evangelista de França 1. INTRODUÇÃO ADUBAÇÃO E CALAGEM 1. INTRODUÇÃO Carlos Alberto Vasconce//os Hélio Lopes dos Santos Gonçalo Evangelista de França O milho pode ser cultivado em diferentes tipos de solo. Entretanto, os rendimentos serão

Leia mais

Manejo do Nitrogênio como percussor de melhoria nas produtividades de Milho

Manejo do Nitrogênio como percussor de melhoria nas produtividades de Milho Manejo do Nitrogênio como percussor de melhoria nas produtividades de Milho Elevadas produtividades de grãos de milho são possíveis a partir do conhecimento da fisiologia, fenologia e manejo da cultura.

Leia mais

DIAGNOSE FOLIAR EM MILHO E SORGO

DIAGNOSE FOLIAR EM MILHO E SORGO I Simpósio Paulista Sobre Nutrição de Plantas Jaboticabal - SP, 15 a 17 de Abril de 2008 DIAGNOSE FOLIAR EM MILHO E SORGO ANTÔNIO MARCOS COELHO ESTRATÉGIAS DE MANEJO PARA ALTA PRODUTIVIDADE João Lorenti

Leia mais

Manejo de Solos. Curso de Zootecnia Prof. Etiane Skrebsky Quadros

Manejo de Solos. Curso de Zootecnia Prof. Etiane Skrebsky Quadros Manejo de Solos Curso de Zootecnia Prof. Etiane Skrebsky Quadros Aula 6: Acidez e calagem Acidez Acidez Acidez Faixa de acidez e alcalinidade encontradas na maioria dos solos agrícolas Acidez Acidez Amplitude

Leia mais

Estatística do Consumo de Potássio pelas culturas no Brasil

Estatística do Consumo de Potássio pelas culturas no Brasil Estatística do Consumo de Potássio pelas culturas no Brasil Eng. Agr. José Francisco da Cunha. Tec-Fértil Com Rep e Serviços Ltda. Vinhedo - SP Simpósio: APOIO AO USO BALANCEADO DE POTÁSSIO NA AGRICULTURA

Leia mais

DA NECESSIDADE DE CALCÁRIO (NC) Dr. José Ribamar Silva

DA NECESSIDADE DE CALCÁRIO (NC) Dr. José Ribamar Silva MÉTODOS DE DETERMINAÇÃO DA NECESSIDADE DE CALCÁRIO (NC) Dr. José Ribamar Silva MÉTODOS DE DETERMINAÇÃO DA NECESSIDADE DE CALCÁRIO (NC) NECESSIDADE DE CALAGEM (NC). Conceito NC Quantidade corretivo para

Leia mais

Calcário e gesso: os corretivos essenciais ao Plantio Direto

Calcário e gesso: os corretivos essenciais ao Plantio Direto Correção do solo Calcário e gesso: os corretivos essenciais ao Plantio Direto Godofredo César Vitti e Júlio César Priori* Rodrigo Estevam Munhoz de Almeida Aplicação de calcário em área de cana de açúcar,

Leia mais

Palavras chave: doses de calcário, ph do solo, formas de manejo, produção.

Palavras chave: doses de calcário, ph do solo, formas de manejo, produção. APLICAÇÃO DE CALCÁRIO EM SUPERFÍCIE E INCORPORADO EM CAMPO NATIVO. Edilceu João da Silva Santos 1,Flávio Moreira Xavier 1, Danilo dos Santos Rheinheimer 1, João Kaminski 1, Dalvan Reinert 1, Antônio Nolla

Leia mais

Ensaio na cultura da Cana de Açúcar

Ensaio na cultura da Cana de Açúcar Ensaio na cultura da Cana de Açúcar (Saccharum hibridas) Introdução Originária do sudeste da Ásia, onde é cultivada desde épocas remotas, a exploração canavieira assentou-se, no início, sobre a espécie

Leia mais

Relatório de pesquisa de utilização de basalto na agricultura biodinâmica em parceria com o Grupo Siqueira.

Relatório de pesquisa de utilização de basalto na agricultura biodinâmica em parceria com o Grupo Siqueira. Relatório de pesquisa de utilização de basalto na agricultura biodinâmica em parceria com o Grupo Siqueira. Efeito de basalto e preparados biodinâmicos na produtividade de aveia preta e milho em cultivo

Leia mais

Calagem na cana-de-acúçar

Calagem na cana-de-acúçar Boletim - Dezembro / 2001 Calagem na cana-de-acúçar 1 - INTRODUÇÃO O maior desenvolvimento do sistema radicular de uma planta irá refletir inicialmente em maior resistência à seca, maior absorção de nutrientes

Leia mais

ADUBAÇÃO da SERINGUEIRA. ONDINO C. BATAGLIA

ADUBAÇÃO da SERINGUEIRA. ONDINO C. BATAGLIA ADUBAÇÃO da SERINGUEIRA ONDINO C. BATAGLIA ondino@conplant.com.br CULTIVO DA SERINGUEIRA TOMAR A DECISÃO DE PLANTAR Talvez seja a fase mais difícil pois uma vez tomada a convivência com a planta será muito

Leia mais

IMPORTÂNCIA DA CALAGEM PARA OS SOLOS DO CERRADO

IMPORTÂNCIA DA CALAGEM PARA OS SOLOS DO CERRADO IMPORTÂNCIA DA CALAGEM PARA OS SOLOS DO CERRADO Palestra apresenta no I Seminário alusivo ao Dia Nacional do Calcário, no dia 23 de maio de 2013, no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Leia mais

Produtividade: Interação entre Adubação Fosfatada de Pastagens e Suplementação Mineral

Produtividade: Interação entre Adubação Fosfatada de Pastagens e Suplementação Mineral 0 Produtividade: Interação entre Adubação Fosfatada de Pastagens e Suplementação Mineral Paulo Rodrigo Santos de Souza Zootecnista, Msc. Produção Animal 1 Pecuária Brasileira no Mundo Brasil é o maior

Leia mais

ABSORÇÃO FOLIAR. Prof. Josinaldo Lopes Araujo. Plantas cultivadas dividem-se em: Folhas Caule Raízes

ABSORÇÃO FOLIAR. Prof. Josinaldo Lopes Araujo. Plantas cultivadas dividem-se em: Folhas Caule Raízes ABSORÇÃO FOLIAR Prof. Josinaldo Lopes Araujo 1 INTRODUÇÃO Plantas cultivadas dividem-se em: Folhas Caule Raízes Cada parte tem uma função definida As folhas absorvem água e nutrientes Porque essa capacidade?

Leia mais

DIAGNÓSTICO NUTRICIONAL E ANÁLISE FOLIAR

DIAGNÓSTICO NUTRICIONAL E ANÁLISE FOLIAR Universidade Federal do Paraná Setor de Ciências Agrárias Departamento de Solos e Engenharia Agrícola AL 320 - Nutrição Mineral de Plantas DIAGNÓSTICO NUTRICIONAL E ANÁLISE FOLIAR Professor: Volnei Pauletti

Leia mais

Comunicado Técnico 43

Comunicado Técnico 43 Comunicado Técnico 43 ISSN 1679-0162 Dezembro, 2002 Sete Lagoas, MG CULTIVO DO MILHO Interpretação de resultados de análise de solo Francisco Morel Freire 1 Gilson Villaça Exel Pitta 2 Vera Maria Carvalho

Leia mais

Exigências Nutricionais e Adubação do Milho Safrinha

Exigências Nutricionais e Adubação do Milho Safrinha ISSN 1518-4269 Exigências Nutricionais e Adubação do Milho Safrinha 111 Sete Lagoas, MG Dezembro, 2008 Autores Antônio Marcos Coelho Pesquisador da Embrapa Milho e Sorgo CPostal 151, 35701-970 Sete Lagoas,

Leia mais

LINHA CO N DIC IO NAD O R D E S O LO E

LINHA CO N DIC IO NAD O R D E S O LO E LINHA CO N DIC IO NAD O R D E S O LO E F E RT I L I ZAN TE S O R GAN O M I N E R AI S LINHA ORGAMAX Os produtos da linha ORGAMAX são classificados em dois grupos de fertilizantes: condicionadores de solos

Leia mais

Vanderson Modolon DUART 1, Adriana Modolon DUART 2, Mário Felipe MEZZARI 2, Fernando José GARBUIO 3

Vanderson Modolon DUART 1, Adriana Modolon DUART 2, Mário Felipe MEZZARI 2, Fernando José GARBUIO 3 ATRIBUTOS QUÍMICOS DO SOLO E DESENVOLVIMENTO DE CULTIVARES HÍBRIDAS DE ARROZ IRRIGADO EM FUNÇÃO DA APLICAÇÃO DE CALCÁRIO E GESSO EM SISTEMA DE SEMEADURA DIRETA Vanderson Modolon DUART 1, Adriana Modolon

Leia mais

Adubação dos Sistemas de Produção de Grãos e Fibras

Adubação dos Sistemas de Produção de Grãos e Fibras P R O M O Ç Ã O E R E A L I Z A Ç Ã O O R G A N I Z A Ç Ã O Adubação dos Sistemas de Produção de Grãos e Fibras Eros Francisco IPNI Brasil Diretor Adjunto IPNI missão ü O International Plant Nutrition

Leia mais

PRODUTIVIDADE DE ARROZ IRRIGADO E ATRIBUTOS QUÍMICOS DO SOLO EM FUNÇÃO DA APLICAÇÃO DE CALCÁRIO E GESSO EM SISTEMA DE PLANTIO DIRETO

PRODUTIVIDADE DE ARROZ IRRIGADO E ATRIBUTOS QUÍMICOS DO SOLO EM FUNÇÃO DA APLICAÇÃO DE CALCÁRIO E GESSO EM SISTEMA DE PLANTIO DIRETO PRODUTIVIDADE DE ARROZ IRRIGADO E ATRIBUTOS QUÍMICOS DO SOLO EM FUNÇÃO DA APLICAÇÃO DE CALCÁRIO E GESSO EM SISTEMA DE PLANTIO DIRETO Duart, Vanderson Modolon 1 ; Silva, Andrei de Souza da 1 ; Silveira,

Leia mais

Dinâmica de nutrientes no Solo

Dinâmica de nutrientes no Solo 8º Curso de Atualização em Cafeicultura Dinâmica de nutrientes no Solo Alysson Vilela Fagundes Eng. Agr.Fundação Procafé Antônio Wander R. Garcia Eng. Agr.MAPA/Fundação Procafé Introdução: Solo: Fase Gasosa

Leia mais

2. OS SOLOS DE GOIÁS E DA BAHIA CULTIVADOS COM ALGODOEIRO E SUAS RELAÇÕES COM O USO E MANEJO

2. OS SOLOS DE GOIÁS E DA BAHIA CULTIVADOS COM ALGODOEIRO E SUAS RELAÇÕES COM O USO E MANEJO MANEJO DE SOLO E RESPOSTAS DO ALGODOEIRO À CALAGEM E ADUBAÇÃO NA REGIÃO DE CERRADOS DE GOIÁS E BAHIA 1. INTRODUÇÃO Maria da Conceição Santana Carvalho 1 Gilvan Barbosa Ferreira 2 Flávia Cristina dos Santos

Leia mais

DIAGNÓSTICO E AVALIAÇÃO DA EVOLUÇÃO DOS ATRIBUTOS QUÍMICOS DOS SOLOS DA REGIÃO DO MÉDIO ALTO URUGUAI - RS 1

DIAGNÓSTICO E AVALIAÇÃO DA EVOLUÇÃO DOS ATRIBUTOS QUÍMICOS DOS SOLOS DA REGIÃO DO MÉDIO ALTO URUGUAI - RS 1 DIAGNÓSTICO E AVALIAÇÃO DA EVOLUÇÃO DOS ATRIBUTOS QUÍMICOS DOS SOLOS DA REGIÃO DO MÉDIO ALTO URUGUAI - RS 1 FABBRIS, Cristiano 2 ; CHERUBIN, Maurício Roberto 2 ; WEIRICH, Sidinei Wolnei 2 ; MORAES, Moacir

Leia mais

ISSN Circular Técnica, 2 SOJA RECOMENDAÇÕES TÉCNICAS PARA MATO GROSSO DO SUL E MATO GROSSO

ISSN Circular Técnica, 2 SOJA RECOMENDAÇÕES TÉCNICAS PARA MATO GROSSO DO SUL E MATO GROSSO ISSN 1517-4557 Circular Técnica, 2 SOJA RECOMENDAÇÕES TÉCNICAS PARA MATO GROSSO DO SUL E MATO GROSSO Dourados-MS 1999 Exemplares desta publicação podem ser solicitados à: Embrapa Agropecuária Oeste Área

Leia mais

Nutrição e Adubação do Milho 78

Nutrição e Adubação do Milho 78 ISSN 1679-1150 Nutrição e Adubação do Milho 78 Introdução Nos últimos anos, a cultura do milho no Brasil, vem passando por importantes mudanças tecnológica, resultando em aumentos significativos da produtividade

Leia mais

Adubação com Dejetos Animais na Carolina do Norte

Adubação com Dejetos Animais na Carolina do Norte 7/4/216 Adubação com Dejetos Animais na Carolina do Norte Carl R. Crozier Estudos Aplicação de Dejeto Líquido de Suínos (DLS) (Sobrenadante) Produtividade e acúmulo de nitrato em Capim Bermuda (Cynodon

Leia mais

Influência da Safrinha na Eficiência de Produção do Milho no Brasil

Influência da Safrinha na Eficiência de Produção do Milho no Brasil XXX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO SALVADOR 5 DE AGOSTO DE 2014 Influência da Safrinha na Eficiência de Produção do Milho no Brasil Aildson Pereira Duarte Instituto Agronômico, Campinas (IAC) Influência

Leia mais

CRESCIMENTO DE CLONES DE

CRESCIMENTO DE CLONES DE CRESCIMENTO DE CLONES DE Eucalyptus EM FUNÇÃO DA DOSE E FONTE DE BORO UTILIZADA Parceria RR Agroflorestal e VM Claudemir Buona 1 ; Ronaldo Luiz Vaz de A. Silveira 1 ; Hélder Bolognani 2 e Maurício Manoel

Leia mais

BOAS PRÁTICAS NO PLANTIO DE GRÃOS. José Francisco da Cunha. Tec-fértil, Vinhedo - SP

BOAS PRÁTICAS NO PLANTIO DE GRÃOS. José Francisco da Cunha. Tec-fértil, Vinhedo - SP Safra 2016/17 é um recorde: 238,6 Mt = + 29,2% IBGE, junho/2017 Produtividade é a palavra chave! Sentelhas, PC. IPNI, 19/05/2017 Diversos fatores que definem a produtividade estão relacionados com decisões

Leia mais

Fertilidade de Solos

Fertilidade de Solos Cultivo do Milho Economia da Produção Zoneamento Agrícola Clima e Solo Ecofisiologia Manejo de Solos Fertilidade de Solos Cultivares Plantio Irrigação Plantas daninhas Doenças Pragas Colheita e pós-colheita

Leia mais

Eng. Agrônomo Roberto Santinato MAPA

Eng. Agrônomo Roberto Santinato MAPA Eng. Agrônomo Roberto Santinato MAPA Região Cerrado Arábica Região Planalto Arábica Região Atlântica - Robusta Dados (a) Brasil (b) Bahia % b/a Área (milhões de ha) População (Bilhões de pés) Potencial

Leia mais

ISSN Dezembro, Guia Prático para a Adubação da Laranjeira com Base em Análises de Solo e Folha

ISSN Dezembro, Guia Prático para a Adubação da Laranjeira com Base em Análises de Solo e Folha ISSN 1678-1953 Dezembro, 2015 205 Guia Prático para a Adubação da Laranjeira com Base em Análises de Solo e Folha ISSN 1678-1953 Dezembro, 2015 Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Tabuleiros

Leia mais

18 PRODUTIVIDADE DA SOJA EM FUNÇÃO DA

18 PRODUTIVIDADE DA SOJA EM FUNÇÃO DA 18 PRODUTIVIDADE DA SOJA EM FUNÇÃO DA APLICAÇÃO DE MACRONUTRIENTES EM PÓS- EMERGÊNCIA DA CULTURA O objetivo neste trabalho foi avaliar a aplicação de macronutrientes de diversas fontes e épocas de aplicação

Leia mais

Correção do Solo. Prof. Dr. Godofredo Cesar Vitti Ac. José Luís Vieira (Zé Lelé)

Correção do Solo. Prof. Dr. Godofredo Cesar Vitti Ac. José Luís Vieira (Zé Lelé) Correção do Solo Prof. Dr. Godofredo Cesar Vitti Ac. José Luís Vieira (Zé Lelé) Goiânia - GO 20 de Setembro de 2016 Fatores de Produtividade Pragas Doenças Plantas invasoras Genótipo Clima Solo Produtor

Leia mais

Soja: Lavoura mais produtiva e 06 Tolerante à Seca

Soja: Lavoura mais produtiva e 06 Tolerante à Seca Soja: Lavoura mais produtiva e 06 à Seca 1 1 Carlos Pitol 2 2 Carlos Pitol Dirceu Dirceu Luiz Broch Luiz Broch 6.1. Introdução A soja é reconhecida como uma cultura muito tolerante à seca, em comparação

Leia mais

Boas Práticas para Uso Eficiente de Fertilizantes em Pastagens Correção do Perfil do Solo na Reforma de Pastagens

Boas Práticas para Uso Eficiente de Fertilizantes em Pastagens Correção do Perfil do Solo na Reforma de Pastagens Boas Práticas para Uso Eficiente de Fertilizantes em Pastagens Correção do Perfil do Solo na Reforma de Pastagens Dirceu Luiz Broch MS Integração Assuntos a Serem Abordados 1) Definição de Obetivos; 2)

Leia mais

Tecnologia americana gerando resultado no agronegócio brasileiro

Tecnologia americana gerando resultado no agronegócio brasileiro Tecnologia americana gerando resultado no agronegócio brasileiro Empresas Análises Meio Ambiente 2013 2013 software de gestão da informação 2005 Consultoria SULVET 1996/2002 2002 Construção da fertilidade

Leia mais

AS RELAÇÕES ENTRE MACRONUTRIENTES E MICRONUTRIENTES E A FERTILIDADE DO SOLO Pedro Lopes Ferlini Salles Orientadora: Marisa Falco Fonseca Garcia

AS RELAÇÕES ENTRE MACRONUTRIENTES E MICRONUTRIENTES E A FERTILIDADE DO SOLO Pedro Lopes Ferlini Salles Orientadora: Marisa Falco Fonseca Garcia AS RELAÇÕES ENTRE MACRONUTRIENTES E MICRONUTRIENTES E A FERTILIDADE DO SOLO Pedro Lopes Ferlini Salles Orientadora: Marisa Falco Fonseca Garcia Coorientador: Flávio Ferlini Salles RELEVÂNCIA O solo é importante

Leia mais

ADUBAÇÃO ORGÂNICA COM TORTA DE FILTRO DE CANA-DE-AÇÚCAR NO ALGODOEIRO SEMIPERENE BRS 200 NO CARIRI CEARENSE.

ADUBAÇÃO ORGÂNICA COM TORTA DE FILTRO DE CANA-DE-AÇÚCAR NO ALGODOEIRO SEMIPERENE BRS 200 NO CARIRI CEARENSE. ADUBAÇÃO ORGÂNICA COM TORTA DE FILTRO DE CANA-DE-AÇÚCAR NO ALGODOEIRO SEMIPERENE BRS 200 NO CARIRI CEARENSE. José Rodrigues Pereira (Embrapa Algodão / rodrigue@cnpa.embrapa.br), Gilvan Barbosa Ferreira

Leia mais