Capítulo XV Custos e Rentabilidade

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Capítulo XV Custos e Rentabilidade"

Transcrição

1 Capítulo XV Custos e Rentabilidade Marcelo do Amaral Santana Clóvis Oliveira de Almeida José da Silva Souza As estimativas de custos de produção e de rentabilidade para uma cultura podem proporcionar informações importantes para auxiliar o produtor na tomada de decisão do que plantar, como também na otimização do sistema de produção adotado. O desempenho econômico da bananicultura depende de uma série de fatores, dentre os quais citam-se: a variedade adotada, a densidade de plantio, as condições edafoclimáticas, os tratos culturais e fitossanitários, o grau de incidência de pragas e doenças, o custo de aquisição dos fatores de produção, os custos de comercialização e os preços pagos aos produtores. Neste capítulo, apresentam-se, a título de exemplo, as estimativas de custos de produção e de rentabilidade por hectare para o cultivo da banana Prata Anã, em regime de sequeiro, para a Região do Recôncavo Baiano, e irrigado, para a Região de Bom Jesus da Lapa - BA. Deve-se ressaltar que os coeficientes técnicos e demais valores apresentados são estimativas levantadas especificamente para as duas regiões mencionadas e que diferenças nos preços dos fatores, nos preços dos produtos, bem como no nível de tecnologia adotado, podem alterar a composição dos custos, das receitas e, conseqüentemente, a rentabilidade do bananal. Outra consideração importante é que, em função da sazonalidade da oferta da banana, verifica-se uma grande variação nos preços 256

2 pagos aos produtores nas diversas regiões, o que também pode alterar a rentabilidade. A análise conjunta desses fatores é extremamente importante para o planejamento, implantação e manutenção do pomar. A metodologia de análise de investimento aplicada aos dois sistemas de produção utiliza a taxa interna de retorno (TIR), o valor presente líquido (VPL) e a relação benefício custo (B/C). Nos cálculos, considerou-se um custo de oportunidade, ou taxa mínima atrativa de retorno (TMAR), de 6% ao ano, que é a taxa real paga pela caderneta de poupança, investimento que oferece risco praticamente nulo e também de maior acesso aos pequenos produtores rurais, onde se enquadram, majoritariamente, os produtores de banana da Região Nordeste. O valor presente líquido (VPL) é o método que transfere para o instante atual a diferença entre as receitas e gastos esperados, descontados a uma determinada taxa de juros de referência (taxa de desconto, no caso 6% a.a.). São considerados viáveis os investimentos cujo VPL seja maior ou igual a zero. Se o VPL for igual a zero, o investimento consegue remunerar o capital próprio e o capital de terceiros. Se o VPL for maior que zero, além de remunerar o capital próprio e o de terceiros, o investimento ainda permite o crescimento da empresa rural. Caso o VPL seja menor que zero, o investimento é considerado inviável. A TIR é a taxa de juros que torna equivalente uma série de receitas e gastos na data presente, representando a taxa que torna o valor presente líquido (VPL) igual a zero, ou a rentabilidade anual média do empreendimento. Se a TIR for maior que a taxa de referência, definida previamente, o investimento é viável; caso contrário, é considerado inviável. A relação B/C é o quociente entre o valor presente das receitas e o valor presente dos custos, considerando uma determinada taxa de desconto. Desde que utilizada a taxa 257

3 adequada, se a relação B/C for maior que 1, o investimento é viável. Se for menor que 1, o investimento é inviável. Adicionalmente, o indicador de ponto de nivelamento mostra qual a quantidade mínima de produção para que seja pago o custo operacional efetivo. A margem de segurança é uma medida de sensibilidade que indica até que ponto os preços pagos ao produtor ou as quantidades produzidas podem cair sem que os custos ultrapassem as receitas Custos de Instalação e de Manutenção Na Tabela 15.1 são apresentados os custos de instalação, no primeiro ano, e de manutenção, a partir do segundo ano, de um hectare de banana Prata Anã, em regime de sequeiro na Região do Recôncavo Baiano, considerando o espaçamento de 4,00 x 2,00 x 2,00 m, com uma densidade de plantas por hectare. No primeiro ano, os gastos na compra de insumos são os que mais pesam sobre os custos, representando 78,40% do custo efetivo, sendo seguidos dos gastos com tratos culturais e fitassanitários e de preparo do solo e plantio, com participações de 13,86% e 7,73%, respectivamente. Como não há produção no primeiro ciclo, não há, portanto, custos de colheita. No segundo ano, a participação percentual nos custos de produção têm a seguinte distribuição: insumos (65,05%); tratos culturais (27,64%); colheita (6,68%) e preparo do solo e plantio (0,63%). Do terceiro ao sexto ano, o bananal apresenta uma produtividade estável de 20 toneladas por hectare e as participações percentuais nos custos de produção pouco se modificam em relação ao segundo ano, mantendo a mesma importância relativa: insumos (69,22%); tratos culturais (23,01%); colheita (7,10%) e preparo do solo e plantio (0,67%). 258

4 Tabela Custo de instalação e manutençâo, em reais, de um hectare de banana 'Prata Anã' para o Recôncavo da Bahia, com espaçamento em fileira dupla de 4,00m x 2,00m x 2,00m, plantas por hectare, abril de PREÇO Ano 1 Ano 2 Ano 3 ESPECIFICAÇÃO UNIDADE POR UNIDADE Quant. Valor Quant. Valor Quant. Valor 1. INSUMOS Mudas Uma 1, ,00 0 0,00 0 0,00 Esterco de curral m³ 21, ,40 0 0,00 0 0,00 Calcário ¹ t 103, ,00 0 0,00 0 0,00 Uréia ¹ kg 0, , , ,64 Superfosfato simples ¹ kg 0, , , ,70 Cloreto de potássio ¹ kg 0, , , ,00 Inseticida ² kg 9, , , ,00 Óleo mineral l 7, , , ,00 Fungicida l 150,00 2,5 375,00 2,5 375,00 2,5 375,00 Detergente concentrado neutro l 1,50 0 0,00 3 4,50 3 4,50 Subtotal , , ,83 Participação percentual 78,40 65,05 69,21 2. PREPARO DO SOLO E PLANTIO Análise de solo Uma 19, , , ,00 Aração h/tr 40, ,00 0 0,00 0 0,00 Calagem D/H 10, ,00 0 0,00 0 0,00 Gradagem (02) h/tr 40, ,00 0 0,00 0 0,00 Sulcamento h/tr 40, ,00 0 0,00 0 0,00 Marcação e abertura das covas D/H 10, ,00 0 0,00 0 0,00 Adubação da cova D/H 10, ,00 0 0,00 0 0,00 Seleção e tratamento de mudas D/H 10, ,00 0 0,00 0 0,00 Plantio D/H 10, ,00 0 0,00 0 0,00 Subtotal , , ,00 Participação percentual 7,73 0,63 0,67 3. TRATOS CULTURAIS E FITOSSANITÁRIOS Capinas D/H 10, , , ,00 Análise foliar Uma 48,00 0 0, , ,00 Adubação D/H 10, , , ,00 Desbaste D/H 10, , , ,00 Desfolha D/H 10, , , ,00 Tratamento fitossanitário D/H 10, , , ,00 Subtotal , , ,00 Participação percentual 13,86 27,64 23,01 4. COLHEITA Colheita D/H 10,00 0 0, , ,00 Subtotal , , ,00 Participação percentual 0,00 6,68 7,10 CUSTO OPERACIONAL EFETIVO 7.357, , ,83 PERCENTUAL TOTAL 100,00 100,00 100,00 ENCARGOS FINANCEIROS 441,46 179,75 168,95 CUSTO OPERACIONAL TOTAL 7.799, , ,78 1 Refere-se à recomendação máxima, podendo ser reduzida conforme os resultados da análise do solo. 2 Só deverá ser aplicado com a ocorrência da broca. Na Tabela 15.2 são apresentados os custos de instalação, no primeiro ano, e de manutenção, a partir do segundo ano, de um hectare de banana Prata Anã, em regime de irrigação por microaspersão na Região de Bom Jesus da Lapa, BA, considerando o espaçamento de 4,00 x 2,00 x 2,00 m, com uma densidade de plantas por hectare. 259

5 No primeiro ano, os gastos na compra de insumos também são os que mais pesam sobre os custos, representando 83,32% do custo efetivo, sendo seguidos dos gastos com tratos culturais e fitassanitários (5,65%), irrigação (5,10%), preparo do solo e plantio (4,48%), e colheita (1,45%). Tabela Custo de instalação e manutenção, em reais, de um hectare irrigado de banana 'Prata Anã' para a região de Bom Jesus da Lapa - BA, com espaçamento em fileira dupla de 4,00m x 2,00m x 2,00m, plantas por hectare, abril de PREÇO Ano 1 Ano 2 Ano 3 ESPECIFICAÇÃO UNIDADE POR UNIDADE Quant. Valor Quant. Valor Quant. Valor 1. INSUMOS Mudas + 5% Uma 1, ,00 0 0,00 0 0,00 Esterco de curral m3 21,42 13,30 284,89 19,95 427,33 26,66 571,06 Calcário ¹ t 70,00 3,0 210,00 0 0,00 0 0,00 Uréia ¹ kg 0, ,72 431,89 427,57 607,84 601,76 Superfosfato simples ¹ kg 0, ,12 533,2 341,25 533,2 341,25 Cloreto de potássio ¹ kg 0, ,80 703,82 577,13 847,79 695,19 Sufato de zinco ¹ kg 1, ,81 13,33 23,59 26,66 47,19 Óleo mineral l 3,10 37,80 117,18 50,4 156,24 50,4 156,24 Fungicida l 150,00 1,0 150,00 1,5 225,00 1,5 225,00 Inseticida ² kg 9,00 0,20 1,80 0,40 3,60 0,40 3,60 3 CODEVASF-K1 ha/ano 58,15 1,0 58, , ,15 CODEVASF-K2 fixo ha/mês 11,92 12,0 143, , ,04 CODEVASF-K2 volumétrico 1000m³ 102,49 15, ,35 23, ,27 23, ,27 Subtotal , , ,74 Participação percentual 83,31 56,92 56,06 2. PREPARO DO SOLO E PLANTIO Análise de solo Uma 19, , , ,00 Aração h/tr 40, ,00 1,5 60,00 0 0,00 Calagem h/tr 40, ,00 0 0,00 0 0,00 Gradagem h/tr 19, ,00 0 0,00 0 0,00 Sulcamento h/tr 40, ,00 0 0,00 0 0,00 Demarcação de covas D/H 10, ,00 0 0,00 0 0,00 Coveamento D/H 10, ,00 0 0,00 0 0,00 Distribuição de mudas D/H 10,00 1,5 15,00 0 0,00 0 0,00 Plantio e replantio D/H 10,00 4,5 45,00 0 0,00 0 0,00 Adubação de fundação D/H 10,00 0,8 8,00 0 0,00 0 0,00 Subtotal , , ,00 Participação percentual 4,48 0,94 0,20 3. TRATOS CULTURAIS E FITOSSANITÁRIOS Capinas D/H 10, ,00 0 0,00 0 0,00 Análise foliar Uma 48,00 0 0, , ,00 Adubação D/H 10, , , ,00 Desbrota/Desfolha D/H 10, , , ,00 Pulverizações D/H 10, , , ,00 Tratamento fitossanitário D/H 10, , , ,00 Irrigante D/H 10,00 18,75 8,00 18,75 187,50 18,75 187,5 Subtotal , , ,50 Participação percentual 5,65 5,54 4,98 4. IRRIGAÇÃO 4 Irrigação - microaspersão ano 404,42 1,0 404, , ,42 Subtotal , , ,42 Participação percentual 5,10 4,81 4,33 5. COLHEITA Colheita D/H 10, , , ,00 Transporte interno D/H 10, , , ,00 Embalador caixa 0, , , ,20 Embalagem (caixa de madeira) caixa 1, , , ,40 Subtotal , , ,60 Participação percentual 1,45 31,78 34,43 CUSTO OPERACIONAL EFETIVO 7.925, , ,26 PERCENTUAL TOTAL 100,00 100,00 100,00 ENCARGOS FINANCEIROS 475,52 503,96 560,90 CUSTO OPERACIONAL TOTAL 8.400, , ,15 ¹Refere-se à recomendação máxima, podendo ser reduzida conforme os resultados da análise do solo; ² Só deverá ser aplicado com a ocorrência da broca. 3 Sistema de irrigação Codevasf - Perímetro Irrigado; 4 Custo de capital anualizado. 260

6 No segundo ano, a participação percentual nos custos de produção obedece a seguinte ordem: insumos (56,93%); colheita (31,78%); tratos culturais (5,54%); irrigação (4,81%) e preparo do solo e plantio (0,94%). Do terceiro ao sexto ano, o bananal apresenta uma produtividade estável de 40 toneladas por hectare, também mantendo em relação ao segundo ano a importância relativa das atividades na composição dos custos: insumos (56,06%); colheita (34,43%); tratos culturais (4,98%); irrigação (4,33%) e preparo do solo e plantio (0,20%) Rentabilidade Esperada Na produção em regime de sequeiro, conforme Tabela 15.3, a análise de rentabilidade é realizada tomando-se uma vida útil produtiva do pomar de seis anos. A partir de informações levantadas junto aos produtores da região, o preço nominal médio recebido pelo produtor, no período de janeiro a abril de 2004, foi estimado em R$ 270,00 por tonelada da fruta. Em função da sazonalidade da oferta, o preço pode oscilar para valores acima (na entressafra) ou para valores abaixo (na safra). Tabela Indicadores de rentabilidade de um hectare de banana 'Prata Anã' para o Recôncavo da Bahia. BANANA/ PRODUTIVIDADE PREÇO VALOR DA CUSTO OP. MARGEM RELAÇÃO PONTO DE MARGEM DE PERÍODO (toneladas) (PY) PRODUÇÃO EFETIVO BRUTA B/C NIVELAMENTO SEGURANÇA (B) (C) (B - C) (toneladas) (%) 1º ANO - - 0, , , º ANO , , , ,17 1,35 11,10-26,03 3º ANO , , , ,17 1,92 10,43-47,85 4º ANO , , , ,17 1,92 10,43-47,85 5º ANO , , , ,17 1,92 10,43-47,85 6º ANO , , , ,17 1,92 10,43-47,85 TAXA INTERNA DE RETORNO (TIR) = 14,87% VALOR PRESENTE LÍQUIDO (VPL) = R$2.084,33 RELAÇÃO B/C = 1,11 Obs.: O Valor Presente Líquido e a Relação B/C foram calculados usando-se uma Taxa de Desconto de 6% a.a. 261

7 A taxa interna de retorno (TIR) indica uma rentabilidade anual do pomar de 14,87%. O valor presente líquido (VPL) indica que o investimento paga o capital próprio e o de terceiros, e ainda permite uma acumulação de R$ 2.084,33 por hectare, considerando a vida útil produtiva do pomar. Os dois indicadores evidenciam a viabilidade financeira do investimento, sendo reforçada também pela relação (B/C), que foi de 1,11. Esse último indicador sugere que, de cada R$ 1,00 investido, tem-se o retorno bruto de R$ 1,11, ou R$ 0,11 líquido. Na produção em regime de irrigação, conforme Tabela 15.4, a análise de rentabilidade também considera uma vida útil produtiva do pomar de seis anos. A partir de informações levantas junto a centrais de comercialização e produtores da região, o preço nominal médio recebido pelo produtor, no período de janeiro a abril de 2004, foi estimado em R$ 300,00 por tonelada da fruta, também sujeito a oscilações em função da sazonalidade da oferta. Tabela Indicadores de rentabilidade de um hectare irrigado de banana 'Prata Anã' para a região de Bom Jesus da Lapa - BA. BANANA PRODUTIVIDADE PREÇO VALOR DA CUSTO OP. MARGEM RELAÇÃO PONTO DE MARGEM DE PERÍODO (toneladas) (PY) PRODUÇÃO EFETIVO BRUTA B/C NIVELAMENTO SEGURANÇA (B) (C) (B - C) (toneladas) (%) 1º ANO 5 300, , , ,27 0,19 26,42-2º ANO , , ,29 600,71 1,07 28,00-6,67 3º ANO , , , ,74 1,28 31,16-22,10 4º ANO , , , ,74 1,28 31,16-22,10 5º ANO , , , ,74 1,28 31,16-22,10 6º ANO , , , ,74 1,28 31,16-22,10 TAXA INTERNA DE RETORNO (TIR) = 18,76% VALOR PRESENTE LÍQUIDO (VPL) = R$2.809,89 RELAÇÃO B/C = 1,06 Obs.: O Valor Presente Líquido e a Relação B/C foram calculados usando-se uma Taxa de Desconto de 6% a.a. A taxa interna de retorno (TIR), de 18,76%, e o valor presente líquido (VPL), de R$ 2.809,89, indicam que o investimento é viável financeiramente. A relação benefício custo (B/C), de 1,06, também demonstra a viabilidade. 262

Gilberto Tozatti tozatti@gconci.com.br

Gilberto Tozatti tozatti@gconci.com.br Gilberto Tozatti tozatti@gconci.com.br 8 o Dia do HLB Cordeirópolis/SP 12 de Março 2015 Agronegócio Citrícola Brasileiro Agronegócio Citrícola Brasileiro 2010 PIB: US$ 6,5 bilhões (Ext. 4,39 + Int. 2,15)

Leia mais

Demonstração da viabilidade econômica da produção de carne, em pastagens irrigadas com Pivot Central Valley.

Demonstração da viabilidade econômica da produção de carne, em pastagens irrigadas com Pivot Central Valley. Demonstração da viabilidade econômica da produção de carne, em pastagens irrigadas com Pivot Central Valley. Autores: Adilson de Paula Almeida Aguiar Prof. Fazu/Uniube Manejo de pastagens. E-mail: adi-aguiar@enetec.com.br

Leia mais

PLANTIOS FLORESTAIS E SISTEMAS AGROFLORESTAIS: ALTERNATIVAS PARA O AUMENTO O DE EMPREGO E RENDA NA PROPRIEDADE RURAL RESUMO

PLANTIOS FLORESTAIS E SISTEMAS AGROFLORESTAIS: ALTERNATIVAS PARA O AUMENTO O DE EMPREGO E RENDA NA PROPRIEDADE RURAL RESUMO PLANTIOS FLORESTAIS E SISTEMAS AGROFLORESTAIS: ALTERNATIVAS PARA O AUMENTO O DE EMPREGO E RENDA NA PROPRIEDADE RURAL RESUMO Honorino Roque Rodigheri * Este trabalho tem por objetivo apresentar indicadores

Leia mais

Estudo da viabilidade econômica do cultivo da Banana irrigado por microaspersão em Bom Jesus da Lapa

Estudo da viabilidade econômica do cultivo da Banana irrigado por microaspersão em Bom Jesus da Lapa ESTUDO DA VIABILIDADE ECONÔMICA DO CULTIVO DA BANANA IRRIGADO POR MICROASPERSÃO EM BOM JESUS DA LAPA ÉDERSON VIANNA KOGLER (1) ; JANINE TAVARES CAMARGO (2) ; ADILSON JAYME DE OLIVEIRA (3) ; CÍCERO CÉLIO

Leia mais

Viabilidade Econômica do Sistema de Produção de Melancia no Sul de Goiás

Viabilidade Econômica do Sistema de Produção de Melancia no Sul de Goiás Viabilidade Econômica do Sistema de Produção de Melancia no Sul de Goiás Paulo Eterno Venâncio Assunção 7 Alcido Elenor Wander 8 Jordão Silva Cardoso 9 Resumo: o objetivo do presente estudo foi analisar

Leia mais

ANÁLISE DA VIABILIDADE ECONÔMICA PARA PRODUÇÃO DE MELANCIA E CENOURA COM FINANCIAMENTO EM ANAPOLIS GO

ANÁLISE DA VIABILIDADE ECONÔMICA PARA PRODUÇÃO DE MELANCIA E CENOURA COM FINANCIAMENTO EM ANAPOLIS GO ANÁLISE DA VIABILIDADE ECONÔMICA PARA PRODUÇÃO DE MELANCIA E CENOURA COM FINANCIAMENTO EM ANAPOLIS GO Fernanda Martins Dias 1 ; Simone Janaína da Silva Morais 1 ; Ricardo Caetano Rezende 2 1 Licenciada

Leia mais

Custo de Produção da Cultura da Soja Safra 2011/2012

Custo de Produção da Cultura da Soja Safra 2011/2012 11 Custo de Produção da Cultura da Soja Safra 2011/2012 Dirceu Luiz Broch Roney Simões Pedroso 1 2 11.1. Introdução Os sistemas de produção da atividade agropecuária cada vez mais requerem um grau de conhecimento

Leia mais

PROJETO CAMPO FUTURO CUSTO DE PRODUÇÃO DO CAFÉ EM LUÍS EDUARDO MAGALHÃES-BA

PROJETO CAMPO FUTURO CUSTO DE PRODUÇÃO DO CAFÉ EM LUÍS EDUARDO MAGALHÃES-BA PROJETO CAMPO FUTURO CUSTO DE PRODUÇÃO DO CAFÉ EM LUÍS EDUARDO MAGALHÃES-BA Os produtores de Luís Eduardo Magalhães se reuniram, em 09/04, para participarem do levantamento de custos de produção de café

Leia mais

Efeito dos custos dos insumos na rentabilidade dos projetos florestais

Efeito dos custos dos insumos na rentabilidade dos projetos florestais Ativos do Campo - Nº 04/2013 Efeito dos custos dos insumos na rentabilidade dos projetos florestais Mesmo sendo as plantações florestais intensivas em utilização de mão de obra, sobretudo em regiões montanhosas,

Leia mais

Vitor Pinheiro Mercado Florestal. Apresentação Institucional

Vitor Pinheiro Mercado Florestal. Apresentação Institucional Vitor Pinheiro Mercado Florestal Apresentação Institucional Croqui do Viveiro Principal do IBF Casa de Sombra Galpão de Semeio Casa Irrigação Casa de Germinação Alojamento Escritório e área de expedição

Leia mais

VIABILIDADE ECONÔMICO-FINANCEIRA DA PRODUÇÃO E INDUSTRIALIZAÇÃO DO PINHÃO MANSO

VIABILIDADE ECONÔMICO-FINANCEIRA DA PRODUÇÃO E INDUSTRIALIZAÇÃO DO PINHÃO MANSO VIABILIDADE ECONÔMICO-FINANCEIRA DA PRODUÇÃO E INDUSTRIALIZAÇÃO DO PINHÃO MANSO Aziz Galvão da Silva Júnior 1 Ronaldo Perez 2 Raphael Augusto Motta 3 Joélcio Cosme Carvalho Ervilha 4 Marco Antônio Viana

Leia mais

Custo de Produção do Milho Safrinha 2012

Custo de Produção do Milho Safrinha 2012 09 Custo de Produção do Milho Safrinha 2012 1 Carlos DirceuPitol Luiz2 Broch1 Dirceu Luiz Broch Roney Simões Pedroso2 9.1. Introdução Os sistemas de produção da atividade agropecuária cada vez requerem

Leia mais

Grupo de pesquisa: Gestão do Agronegócio Apresentação do trabalho em pôster. Autores do Artigo:

Grupo de pesquisa: Gestão do Agronegócio Apresentação do trabalho em pôster. Autores do Artigo: Autores do Artigo: Niraldo José Ponciano Universidade Estadual do Norte Fluminense - UENF Centro de Ciências e Tecnologias Agropecuárias - CCTA Laboratório de Engenharia Agrícola - LEAG Avenida Alberto

Leia mais

ANÁLISE DO CUSTO DE PRODUÇÃO E COMERCIALIZAÇÃO DA MANGA PRODUZIDA E EXPORTADA NA REGIÃO DO SUBMÉDIO SÃO FRANCISCO

ANÁLISE DO CUSTO DE PRODUÇÃO E COMERCIALIZAÇÃO DA MANGA PRODUZIDA E EXPORTADA NA REGIÃO DO SUBMÉDIO SÃO FRANCISCO ANÁLISE DO CUSTO DE PRODUÇÃO E COMERCIALIZAÇÃO DA MANGA PRODUZIDA E EXPORTADA NA REGIÃO DO SUBMÉDIO SÃO FRANCISCO José Lincoln Pinheiro Araújo 1 Rebert Coelho Correia 1 João Guimarães 2 Edílson Pinheiro

Leia mais

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 1293

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 1293 Página 1293 CULTIVAR BRS NORDESTINA EM SISTEMA DE POLICULTIVO NA AGRICULTURA FAMILIAR DO MUNICÍPIO DE ESPERANÇA-PB - SAFRA 2009 1Waltemilton Vieira Cartaxo- Analista Embrapa Algodão, 2. José Aderaldo Trajano

Leia mais

PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES SOBRE VALOR PRESENTE LÍQUIDO (VPL)

PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES SOBRE VALOR PRESENTE LÍQUIDO (VPL) PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES SOBRE VALOR PRESENTE LÍQUIDO (VPL) Melhor método para avaliar investimentos 16 perguntas importantes 16 respostas que todos os executivos devem saber Francisco Cavalcante(f_c_a@uol.com.br)

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO UNIVERSITÁRIO NORTE DO ESPÍRITO SANTO DISCIPLINA: ECONOMIA DA ENGENHARIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO UNIVERSITÁRIO NORTE DO ESPÍRITO SANTO DISCIPLINA: ECONOMIA DA ENGENHARIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO UNIVERSITÁRIO NORTE DO ESPÍRITO SANTO DISCIPLINA: ECONOMIA DA ENGENHARIA Métodos para Análise de Fluxos de Caixa A análise econômico-financeira e a decisão

Leia mais

Goiaba. Para a Indústria no Espírito Santo. Pólo de

Goiaba. Para a Indústria no Espírito Santo. Pólo de Goiaba Para a Indústria no Espírito Santo Pólo de Pólo de Goiaba para a Indústria no Espírito Santo A Secretaria de Estado da Agricultura, Abastecimento, Aqüicultura e Pesca (Seag), preocupada em alavancar,

Leia mais

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 Custo de Produção e Lucratividade da Cultura de Milho Sequeiro: um estudo de caso no município de Sud Mennucci, SP

Leia mais

INVESTIMENTO E RETORNO NA FRUTICULTURA. Prof. Dr. Ricardo Antonio Ayub 1 e Mariane Gioppo 2

INVESTIMENTO E RETORNO NA FRUTICULTURA. Prof. Dr. Ricardo Antonio Ayub 1 e Mariane Gioppo 2 INVESTIMENTO E RETORNO NA FRUTICULTURA Prof. Dr. Ricardo Antonio Ayub 1 e Mariane Gioppo 2 1 Universidade Estadual de Ponta Grossa - Professor Doutor Associado Departamento de Fitotecnia e Fitossanidade

Leia mais

Viabilidade Econômica da Cultura do Trigo, em Mato Grosso do Sul, na Safra 2012

Viabilidade Econômica da Cultura do Trigo, em Mato Grosso do Sul, na Safra 2012 174 ISSN 1679-0472 Abril, 2012 Dourados, MS Fotos - lavoura: Nilton P. de Araújo; percevejo: Foto: Narciso Claudio da Lazzarotto S. Câmara Viabilidade Econômica da Cultura do Trigo, em Mato Grosso do Sul,

Leia mais

DEPARTAMENTO DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E SOCIOLOGIA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA "LUIZ DE QUEIROZ"

DEPARTAMENTO DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E SOCIOLOGIA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ Na média, pecuarista ganha da inflação em setembro Em setembro, o custo efetivo da pecuária, pesquisado pela CNA/Cepea-USP, teve alta de apenas 0,22%, enquanto que a inflação medida pelo IGP-M alcançou

Leia mais

VANTAGENS ECOLÓGICAS E ECONÔMICAS DE REFLORESTAMENTOS EM PROPRIEDADES RURAIS NO SUL DO BRASIL RESUMO

VANTAGENS ECOLÓGICAS E ECONÔMICAS DE REFLORESTAMENTOS EM PROPRIEDADES RURAIS NO SUL DO BRASIL RESUMO VANTAGENS ECOLÓGICAS E ECONÔMICAS DE REFLORESTAMENTOS EM PROPRIEDADES RURAIS NO SUL DO BRASIL RESUMO Honorino Roque Rodigheri * Este estudo tem o objetivo de comparar os indicadores ecológicos (uso de

Leia mais

Olericultura. A Cultura do Morango. Nome Cultura do Morango Produto Informação Tecnológica Data Janeiro -2001 Preço - Linha Olericultura Resenha

Olericultura. A Cultura do Morango. Nome Cultura do Morango Produto Informação Tecnológica Data Janeiro -2001 Preço - Linha Olericultura Resenha 1 de 6 10/16/aaaa 11:54 Olericultura A Cultura do Morango Nome Cultura do Morango Produto Informação Tecnológica Data Janeiro -2001 Preço - Linha Olericultura Resenha Informações gerais sobre a Cultura

Leia mais

1,20 Fungicidas Transporte Interno 0,80 Colheita Mecanizada 1,20 Subtotal Mão de Obra Limpeza de máq. e

1,20 Fungicidas Transporte Interno 0,80 Colheita Mecanizada 1,20 Subtotal Mão de Obra Limpeza de máq. e CUSTOS DE PRODUÇÃO O objetivo é dar suporte para o uso dos coeficientes técnicos e outros subsídios necessários para o cálculo do custo e para a análise financeira da produção de sementes. Os custos podem

Leia mais

RELATÓRIO SOBRE INDICADORES DE RESULTADOS - ORIENTAÇÕES PARA PEQUENOS AGRICULTORES

RELATÓRIO SOBRE INDICADORES DE RESULTADOS - ORIENTAÇÕES PARA PEQUENOS AGRICULTORES RELATÓRIO SOBRE INDICADORES DE RESULTADOS - ORIENTAÇÕES PARA PEQUENOS AGRICULTORES APLICÁVEL A PARTIR DA COLHEITA DE 2014 Visão Geral Este documento explica como usar os modelos fornecidos pela BCI, para

Leia mais

GESTÃO DA PROPRIEDADE COMO EMPRESA RURAL E VIABILIDADE REAL DAS ATIVIDADES AGRÍCOLAS CASO PROPRIEDADE MONTE BELO (PEROBAL - PR)

GESTÃO DA PROPRIEDADE COMO EMPRESA RURAL E VIABILIDADE REAL DAS ATIVIDADES AGRÍCOLAS CASO PROPRIEDADE MONTE BELO (PEROBAL - PR) ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 GESTÃO DA PROPRIEDADE COMO EMPRESA RURAL E VIABILIDADE REAL DAS ATIVIDADES AGRÍCOLAS CASO PROPRIEDADE

Leia mais

Fruticultura. A Cultura da Bananeira

Fruticultura. A Cultura da Bananeira 1 de 7 10/16/aaaa 11:38 Fruticultura A Cultura da Bananeira Nome Cultura da Bananeira Produto Informação Tecnológica Data Novembro 2000 Preço - Linha Fruticultura Informações resumidas Resenha sobre a

Leia mais

Culturas. A Cultura do Milho. Nome A Cultura do Milho Produto Informação Tecnológica Data Outubro de 2000 Preço - Linha Culturas Resenha

Culturas. A Cultura do Milho. Nome A Cultura do Milho Produto Informação Tecnológica Data Outubro de 2000 Preço - Linha Culturas Resenha 1 de 5 10/16/aaaa 11:24 Culturas A Cultura do Milho Nome A Cultura do Milho Produto Informação Tecnológica Data Outubro de 2000 Preço - Linha Culturas Resenha Informações resumidas sobre a cultura do milho

Leia mais

Alta do dólar eleva preços, atrasa aquisições de insumos e reduz poder de compra

Alta do dólar eleva preços, atrasa aquisições de insumos e reduz poder de compra Ano 8 Edição 15 - Setembro de 2015 Alta do dólar eleva preços, atrasa aquisições de insumos e reduz poder de compra A forte valorização do dólar frente ao Real no decorrer deste ano apenas no período de

Leia mais

José Lincoln Pinheiro Araújo 1 Rebert Coelho Correia 2 Edílson Pinheiro Araújo 3 RESUMO

José Lincoln Pinheiro Araújo 1 Rebert Coelho Correia 2 Edílson Pinheiro Araújo 3 RESUMO APLICAÇÃO DA ANÁLISE CUSTO-VOLUME-LUCRO (CVL) NA DETERMINAÇÃO DA VIABILIDADE ECONOMICA DE UNIDADE PRODUTIVA FAMILIAR LOCALIZADA EM PERIMETRO IRRIGADO DA REGIÃO DO SUBMÉDIO SÃO FRANCISCO. RESUMO José Lincoln

Leia mais

ELEMENTOS DO PLANEJAMENTO FINANCEIRO NO PLANO DE NEGÓCIOS Prof. Ms. Marco Arbex

ELEMENTOS DO PLANEJAMENTO FINANCEIRO NO PLANO DE NEGÓCIOS Prof. Ms. Marco Arbex ELEMENTOS DO PLANEJAMENTO FINANCEIRO NO PLANO DE NEGÓCIOS Prof. Ms. Marco Arbex Alguns conceitos Custos fixos: aqueles que não sofrem alteração de valor em caso de aumento ou diminuição da produção. Independem

Leia mais

Apresentação. Mauro Celso Zanus Chefe Geral Embrapa Uva e Vinho

Apresentação. Mauro Celso Zanus Chefe Geral Embrapa Uva e Vinho Morango Exemplares desta publicação podem ser adquiridos na: Embrapa Uva e Vinho Rua Livramento, 515. Caixa Postal 130. CEP: 95700-000 Bento Gonçalves, RS, Brasil. Fone: (0xx)54 3455-8000 / Fax: (0xx)54

Leia mais

Viabilidade Financeira: Calculo da TIR e VPL

Viabilidade Financeira: Calculo da TIR e VPL Terceiro Módulo: Parte 4 Viabilidade Financeira: Calculo da TIR e VPL AN V 3.0 [54] Rildo F Santos (@rildosan) rildo.santos@etecnologia.com.br www.etecnologia.com.br http://etecnologia.ning.com 1 Viabilidade

Leia mais

VARIAÇÃO DA VIABILIDADE ECONOMICA FLORESTAL CONFORME O CÓDIGO FLORESTAL BRASILEIRO

VARIAÇÃO DA VIABILIDADE ECONOMICA FLORESTAL CONFORME O CÓDIGO FLORESTAL BRASILEIRO VARIAÇÃO DA VIABILIDADE ECONOMICA FLORESTAL CONFORME O CÓDIGO FLORESTAL BRASILEIRO William Tomaz Folmann¹, Maria Laura Quevedo Fernandez² e Gabriel de Magalhães Miranda³. ¹ Doutorando em Economia e Política

Leia mais

Rabobank Agri Focus. A competitividade do eucalipto como alternativa agropecuária. Introdução - O crescente mercado de eucalipto no Brasil

Rabobank Agri Focus. A competitividade do eucalipto como alternativa agropecuária. Introdução - O crescente mercado de eucalipto no Brasil International Araçatuba (SP) (18) 3609-8461 Ribeirão Preto (SP) (16) 3911-5092 Barreiras (BA) (77) 3612-0034 Brasília (DF) (61) 3321-3193 Agri Focus A competitividade do eucalipto como alternativa agropecuária

Leia mais

VIABILIDADE ECONÔMICA DE AQUISIÇÃO DE MÁQUINAS E IMPLEMENTOS AGRÍCOLAS PARA UMA PROPRIEDADE DE 1000HA COM PRODUÇÃO DE SOJA E GIRASSOL RESUMO

VIABILIDADE ECONÔMICA DE AQUISIÇÃO DE MÁQUINAS E IMPLEMENTOS AGRÍCOLAS PARA UMA PROPRIEDADE DE 1000HA COM PRODUÇÃO DE SOJA E GIRASSOL RESUMO VIABILIDADE ECONÔMICA DE AQUISIÇÃO DE MÁQUINAS E IMPLEMENTOS AGRÍCOLAS PARA UMA PROPRIEDADE DE 1000HA COM PRODUÇÃO DE SOJA E GIRASSOL Josué G. Delmond 1 ; Gracielly Ribeiro de Alcântara 1 ; Suely M. Cavalcante

Leia mais

Março/2012 - Parte3. Pag.1. Prof. Alvaro Augusto

Março/2012 - Parte3. Pag.1. Prof. Alvaro Augusto Pag.1 Pag.2 Pag.3 Métodos de Análise Valor Presente Líquido (VPL): Fácil de entender, fácil de calcular. Depende do conhecimento prévio de uma taxa de desconto. Taxa Interna de Retorno (TIR): Difícil de

Leia mais

Gestão econômica e financeira na produção de frutas de clima temperado

Gestão econômica e financeira na produção de frutas de clima temperado Gestão econômica e financeira na produção de frutas de clima temperado Joelsio José Lazzarotto 17 Introdução A eficiência gerencial constitui fator-chave para que qualquer empreendimento agropecuário possa

Leia mais

Análise de Investimentos e Financiamentos. Aula 3. Contextualização. Análise de Investimentos

Análise de Investimentos e Financiamentos. Aula 3. Contextualização. Análise de Investimentos Análise de Investimentos e Financiamentos Aula 3 Prof. Cleverson Luiz Pereira Técnicas de análise de investimentos e análise de investimentos em condições de risco e incerteza Contextualização As técnicas

Leia mais

ANÁLISE DOS CUSTOS DE PRODUÇÃO E RENTABILIDADE DA CULTURA DA UANANA NA REGL\O no v ALE no SUBMÉDIO SÃO FRANCISCO

ANÁLISE DOS CUSTOS DE PRODUÇÃO E RENTABILIDADE DA CULTURA DA UANANA NA REGL\O no v ALE no SUBMÉDIO SÃO FRANCISCO ANÁLISE DOS CUSTOS DE PRODUÇÃO E RENTABILIDADE DA CULTURA DA UANANA NA REGL\O no v ALE no SUBMÉDIO SÃO FRANCISCO RESUMO José Lincoln Pinheiro Araújo' Rebert Coelho Corrcia1 Edílson Pinheiro Araújo) custos

Leia mais

ANÁLISE DE VIABILIDADE ECONÔMICA DA BANANICULTURA, UTILIZANDO A METODOLOGIA SYSTEM DYNAMICS. Fabio Nunes do Nascimento 1 Tiago Ricardo Ribeiro 2

ANÁLISE DE VIABILIDADE ECONÔMICA DA BANANICULTURA, UTILIZANDO A METODOLOGIA SYSTEM DYNAMICS. Fabio Nunes do Nascimento 1 Tiago Ricardo Ribeiro 2 ANÁLISE DE VIABILIDADE ECONÔMICA DA BANANICULTURA, UTILIZANDO A METODOLOGIA SYSTEM DYNAMICS Fabio Nunes do Nascimento 1 Tiago Ricardo Ribeiro 2 1 - Mestrando em Agronegócios do Programa Pós-graduação Agronegócios

Leia mais

Circular. Técnica. GestFrut_Pêssego: Sistema para Avaliações Econômico-financeiras da Produção de Pêssego. Apresentação Geral do Sistema.

Circular. Técnica. GestFrut_Pêssego: Sistema para Avaliações Econômico-financeiras da Produção de Pêssego. Apresentação Geral do Sistema. ISSN 1808-6810 104 Circular Técnica Bento Gonçalves, RS Novembro, 2014 Autores Joelsio José Lazzarotto Med. Vet., Dr., Pesquisador, Embrapa Uva e Vinho, Bento Gonçalves, RS, joelsio.lazzarotto@embrapa.br

Leia mais

ESTUDO DE VIABILIDADE ECONÔMICO-FINANCEIRO MERCADO IMOBILIÁRIO

ESTUDO DE VIABILIDADE ECONÔMICO-FINANCEIRO MERCADO IMOBILIÁRIO ESTUDO DE VIABILIDADE ECONÔMICO-FINANCEIRO MERCADO IMOBILIÁRIO O estudo de viabilidade econômica para o setor de empreendimento imobiliário representa uma consultoria completa. Com ele será possível obter

Leia mais

REVISTA VERDE DE AGROECOLOGIA E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL GRUPO VERDE DE AGRICULTURA ALTERNATIVA (GVAA) ISSN 1981-8203

REVISTA VERDE DE AGROECOLOGIA E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL GRUPO VERDE DE AGRICULTURA ALTERNATIVA (GVAA) ISSN 1981-8203 CUSTOS DE PRODUÇÃO E RENTABILIDADE DO CULTIVO DO MAMÃO FORMOSA (TAINUNG Nº1) NA CIDADE DE BARAÚNA-RN Herlon Bruno Ferreira Barreto Engenheiro Agrônomo, Graduado pela UFERSA E-MAIL: foboca@hotmail.com Ewerton

Leia mais

Projeções de custos e rentabilidade do setor sucroenergético na região Nordeste para a safra 2013/14: o desafio de sobrevivência dos fornecedores

Projeções de custos e rentabilidade do setor sucroenergético na região Nordeste para a safra 2013/14: o desafio de sobrevivência dos fornecedores Projeções de custos e rentabilidade do setor sucroenergético na região Nordeste para a safra 2013/14: o desafio de sobrevivência dos fornecedores Essa publicação apresenta as projeções de custos de produção

Leia mais

CAP. 2 CONSIDERAÇÕES SOBRE OS CRITÉRIOS DE DECISÃO

CAP. 2 CONSIDERAÇÕES SOBRE OS CRITÉRIOS DE DECISÃO CAP. 2 CONSIDERAÇÕES SOBRE OS CRITÉRIOS DE DECISÃO 1. OS CRITÉRIOS DE DECISÃO Dentre os métodos para avaliar investimentos, que variam desde o bom senso até os mais sofisticados modelos matemáticos, três

Leia mais

Análise de viabilidade de investimento em reflorestamento de eucalipto: um estudo comparativo entre o corte raso e o uso múltiplo

Análise de viabilidade de investimento em reflorestamento de eucalipto: um estudo comparativo entre o corte raso e o uso múltiplo Análise de viabilidade de investimento em reflorestamento de eucalipto: um estudo comparativo entre o corte raso e o uso múltiplo Resumo Tatiane Thiel Cleber Kroetz Marino Luiz Eyerkaufer O objetivo do

Leia mais

069-Viabilidade econômica de um sistema agrissilvipastoril para a mesorregião sudoeste de Mato Grosso do Sul

069-Viabilidade econômica de um sistema agrissilvipastoril para a mesorregião sudoeste de Mato Grosso do Sul 069-Viabilidade econômica de um sistema agrissilvipastoril para a mesorregião sudoeste de Mato Grosso do Sul Economic viability of an agrosilvipastoral system for the Southwest mesoregion of Mato Grosso

Leia mais

TOMADA DE DECISÃO FINANCEIRA: PRODUÇÃO FAMILIAR OU PROGRAMA DE FOMENTO UM ESTUDO SOBRE A PRODUÇÃO DE EUCALIPTO EM SALESÓPOLIS/SP.

TOMADA DE DECISÃO FINANCEIRA: PRODUÇÃO FAMILIAR OU PROGRAMA DE FOMENTO UM ESTUDO SOBRE A PRODUÇÃO DE EUCALIPTO EM SALESÓPOLIS/SP. TOMADA DE DECISÃO FINANCEIRA: PRODUÇÃO FAMILIAR OU PROGRAMA DE FOMENTO UM ESTUDO SOBRE A PRODUÇÃO DE EUCALIPTO EM SALESÓPOLIS/SP. Dioceli Gabriela de Carvalho¹; Francisco Claudio Tavares² Estudante do

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS BIOLCHIM NA CULTURA DA MANGA. Bruno Martins Pereira Paulo Henrique S. Santos

DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS BIOLCHIM NA CULTURA DA MANGA. Bruno Martins Pereira Paulo Henrique S. Santos DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS BIOLCHIM NA CULTURA DA MANGA Bruno Martins Pereira Paulo Henrique S. Santos Livramento de Nossa Senhora-BA 28/08/2012 A Região de Livramento de Nossa Senhora-BA é um polo de

Leia mais

Banana. Cultivares e Práticas de Cultivo

Banana. Cultivares e Práticas de Cultivo Banana Cultivares e Práticas de Cultivo Comercialização de Banana CEASA Minas Contagem 2011 (toneladas) 70.000,00 63.600,00 60.000,00 55.630,00 50.000,00 40.000,00 30.000,00 20.000,00 10.000,00 0,00

Leia mais

2º Seminário Internacional CANA & ENERGIA GERAÇÃO COORDENADA GANHOS PARA OS PARTICIPANTES

2º Seminário Internacional CANA & ENERGIA GERAÇÃO COORDENADA GANHOS PARA OS PARTICIPANTES 2º Seminário Internacional CANA & ENERGIA GERAÇÃO COORDENADA GANHOS PARA OS PARTICIPANTES Fabio Ramos, Ph.D. Diretor da RHE Consultoria e Participações Ltda. 29/08/2002 Considerações Iniciais Potência

Leia mais

CAPITAL DE GIRO: ESSÊNCIA DA VIDA EMPRESARIAL

CAPITAL DE GIRO: ESSÊNCIA DA VIDA EMPRESARIAL CAPITAL DE GIRO: ESSÊNCIA DA VIDA EMPRESARIAL Renara Tavares da Silva* RESUMO: Trata-se de maneira ampla da vitalidade da empresa fazer referência ao Capital de Giro, pois é através deste que a mesma pode

Leia mais

Lista de Exercícios 1

Lista de Exercícios 1 Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Elétrica Disciplina de Engenharia Econômica TE142 2º Semestre de 2011 Professor James Alexandre Baraniuk Lista de Exercícios 1 1. Um jovem de 20 anos

Leia mais

VIABILIDADE ECONÔMICA DA IRRIGAÇÃO LOCALIZADA NA CULTURA DA CANA DE AÇÚCAR 1.

VIABILIDADE ECONÔMICA DA IRRIGAÇÃO LOCALIZADA NA CULTURA DA CANA DE AÇÚCAR 1. 8. GESTÃO DO AGRO-NEGÓCIO VIABILIDADE ECONÔMICA DA IRRIGAÇÃO LOCALIZADA NA CULTURA DA CANA DE AÇÚCAR 1. Thomaz Machado Universidade de São Paulo FEARP Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade

Leia mais

FINANCIAMENTO IMOBILIÁRIO

FINANCIAMENTO IMOBILIÁRIO FINANCIAMENTO IMOBILIÁRIO INFORMAÇÕES INICIAIS - Eduardo G. Quiza Skype: eduardoquiza quiza@invespark.com.br (41) 3250-8500 - Real Estate: Fundamentos para análise de Investimentos. Elsevier, 2010. 2 MBA

Leia mais

ALGODÃO 2ª SAFRA NA SAFRA 14/15 DEZEMBRO - ANO 6 - EDIÇÃO 67

ALGODÃO 2ª SAFRA NA SAFRA 14/15 DEZEMBRO - ANO 6 - EDIÇÃO 67 ALGODÃO 2ª SAFRA NA SAFRA 14/15 DEZEMBRO - ANO 6 - EDIÇÃO 67 A decisão sobre o plantio do algodão segunda safra a esta altura já foi tomada. Seu Custo Operacional (CO) é estimado pelo Cepea em R$ 5.614,63/ha

Leia mais

6 Análise Econômica. 6.1. Fundamentos

6 Análise Econômica. 6.1. Fundamentos Análise Econômica 74 6 Análise Econômica 6.1. Fundamentos Os tradicionais métodos de análise econômico-financeira se baseiam em considerações sobre o Fluxo de Caixa Descontado (FCD). Para a análise econômica

Leia mais

MODELO DE PLANO DE NEGÓCIO EM BRANCO

MODELO DE PLANO DE NEGÓCIO EM BRANCO MODELO DE PLANO DE NEGÓCIO EM BRANCO Caro empreendedor, para que você possa elaborar com facilidade seu plano de negócio, utilize o manual da Etapa 2 seguindo as orientações passo a passo que estão contidas

Leia mais

Boletim Novembro 2014

Boletim Novembro 2014 Boletim Novembro 2014 No mês de novembro de 2014 o custo da cesta básica na cidade de Ilhéus reduziu 0,48%, caindo de R$239,58 em outubro para R$238,42 em novembro (Tabela 1). A queda de 7,85% no preço

Leia mais

Análise de Custos de Projetos Como calcular o custo de um projeto de viabilidade financeira

Análise de Custos de Projetos Como calcular o custo de um projeto de viabilidade financeira Análise de Custos de Projetos Como calcular o custo de um projeto de viabilidade financeira Eduardo Regonha Doutor pela UNIFESP / EPM Pós Graduado em Administração Hospitalar pela FGV Consultor na Área

Leia mais

CUSTO DE PRODUÇÃO DE GRÃOS EM LONDRINA-PR

CUSTO DE PRODUÇÃO DE GRÃOS EM LONDRINA-PR CUSTO DE PRODUÇÃO DE GRÃOS EM LONDRINA-PR Foi realizado no dia 12 de julho de 2012 em Londrina (PR), o painel de custos de produção de grãos. A pesquisa faz parte do Projeto Campo Futuro da Confederação

Leia mais

Regras de Decisão na Avaliação de Investimentos

Regras de Decisão na Avaliação de Investimentos Regras de Decisão na Avaliação de Investimentos A ordenação de projetos e a decisão sobre sua aceitação para inclusão no orçamento envolvem cinco métodos: (1) período de recuperação do investimento (payback);

Leia mais

ORIENTAÇÕES SOBRE SEGURO, PROAGRO E RENEGOCIAÇÃO DE DÍVIDAS

ORIENTAÇÕES SOBRE SEGURO, PROAGRO E RENEGOCIAÇÃO DE DÍVIDAS ORIENTAÇÕES SOBRE SEGURO, PROAGRO E RENEGOCIAÇÃO DE DÍVIDAS Por: Maria Silvia C. Digiovani, engenheira agrônoma do DTE/FAEP,Tânia Moreira, economista do DTR/FAEP e Pedro Loyola, economista e Coordenador

Leia mais

ANÁLISE ECONOMICA DO CULTIVO DE MEXILHÕES (PERNA PERNA), EM DOIS SISTEMAS, PENHA/SC

ANÁLISE ECONOMICA DO CULTIVO DE MEXILHÕES (PERNA PERNA), EM DOIS SISTEMAS, PENHA/SC ANÁLISE ECONOMICA DO CULTIVO DE MEXILHÕES (PERNA PERNA), EM DOIS SISTEMAS, PENHA/SC GILBERTO CAETANO MANZONI; MARIA INEZ ESPAGNOLI GERALDO MARTINS; XXXX XXXX XXXX; UNESP JABOTICABAL - SP - BRASIL minezesp@fcav.unesp.br

Leia mais

Indicadores de Custos, Produtividade, Renda e Créditos de Carbono de Plantios de Eucaliptos e Pínus em Pequenas Propriedades Rurais *

Indicadores de Custos, Produtividade, Renda e Créditos de Carbono de Plantios de Eucaliptos e Pínus em Pequenas Propriedades Rurais * 136 ISSN 1517-5030 Colombo, PR Dezembro, 2005 Indicadores de Custos, Produtividade, Renda e Créditos de Carbono de Plantios de Eucaliptos e Pínus em Pequenas Propriedades Rurais * Honorino Roque Rodigheri

Leia mais

ADENSAMENTO DE PLANTIO: ESTRATÉGIA PARA A PRODUTIVIDADE E LUCRATIVIDADE NA CITRICULTURA.

ADENSAMENTO DE PLANTIO: ESTRATÉGIA PARA A PRODUTIVIDADE E LUCRATIVIDADE NA CITRICULTURA. ADENSAMENTO DE PLANTIO: ESTRATÉGIA PARA A PRODUTIVIDADE E LUCRATIVIDADE NA CITRICULTURA. Eduardo Sanches Stuchi Pesquisador Embrapa Mandioca e Fruticultura Tropical Diretor Científico da Estação Experimental

Leia mais

CAP. 4b INFLUÊNCIA DO IMPOSTO DE RENDA

CAP. 4b INFLUÊNCIA DO IMPOSTO DE RENDA CAP. b INFLUÊNCIA DO IMPOSTO DE RENDA A influência do Imposto de renda Do ponto de vista de um indivíduo ou de uma empresa, o que realmente importa, quando de uma Análise de investimentos, é o que se ganha

Leia mais

Análise Comparativa de Investimentos em Olival. Carlos Pedro Trindade

Análise Comparativa de Investimentos em Olival. Carlos Pedro Trindade Análise Comparativa de Investimentos em Olival Carlos Pedro Trindade Parte 1 Conceitos Definição das tecnologias SUMÁRIO Análise da Rentabilidade das alternativas em análise Parte 2 Análise da rentabilidade

Leia mais

Autores do Artigo: Grupo de Pesquisa: Desenvolvimento Agrário e Regional. Forma de Apresentação: Pôster

Autores do Artigo: Grupo de Pesquisa: Desenvolvimento Agrário e Regional. Forma de Apresentação: Pôster Autores do Artigo: Adelmo Golynski Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro - UENF Centro de Ciências e Tecnologias Agropecuárias CCTA Laboratório de Engenharia Agrícola - LEAG Av. Alberto

Leia mais

http://www.emater.mg.gov.br/site_emater/serv_prod/livraria/olericultura/ervilha.htm

http://www.emater.mg.gov.br/site_emater/serv_prod/livraria/olericultura/ervilha.htm Página 1 de 5 Olericultura A Cultura da Ervilha Nome Cultura da Ervilha Produto Informação Tecnológica Data Abril - 1999 Preço - Linha Olericultura Informações gerais sobre a Resenha Cultura da Ervilha

Leia mais

Índices Zootécnicos Taxa de mortalidade 1,0% Idade de abate do boi gordo ou venda do animal Taxa de desfrute 45,81%

Índices Zootécnicos Taxa de mortalidade 1,0% Idade de abate do boi gordo ou venda do animal Taxa de desfrute 45,81% CUSTO DE PRODUÇÃO DE BOVINOCULTURA DE CORTE EM UMUARAMA/PR. Com a iniciativa da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), em parceria com o Serviço Nacional de Aprendizagem (SENAR) e o Centro

Leia mais

Índices Zootécnicos Taxa de mortalidade 1,0% Idade de abate do boi gordo ou venda do animal Taxa de desfrute 38,34%

Índices Zootécnicos Taxa de mortalidade 1,0% Idade de abate do boi gordo ou venda do animal Taxa de desfrute 38,34% CUSTO DE PRODUÇÃO DE BOVINOCULTURA DE CORTE EM PARANAVAÍ/PR. Com a iniciativa da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), em parceria com o Serviço Nacional de Aprendizagem (SENAR) e o Centro

Leia mais

MANUAL DE PREENCHIMENTO DO QUESTIONÁRIO CADASTRO

MANUAL DE PREENCHIMENTO DO QUESTIONÁRIO CADASTRO 1 MANUAL DE PREENCHIMENTO DO QUESTIONÁRIO CADASTRO Atualizado em 07-abr-2014 Este documento refere-se às instruções de preenchimento do cadastro de usinas para o levantamento de custos de produção de cana-de-açúcar,

Leia mais

ALTERNATIVA DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

ALTERNATIVA DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL ALTERNATIVA DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL IMPLANTAÇÃO DE PROJETO DE CASA DE FARINHA COMO OPÇÃO DE RENDA PARA OS REASSENTADOS DO REASSENTAMENTO RURAL COLETIVO Abril de 2013 1 SUMÁRIO execução: INTRODUÇÃO

Leia mais

PLANO SAFRA 2010/2010 PLANO DE TRABALHO

PLANO SAFRA 2010/2010 PLANO DE TRABALHO PLANO SAFRA 2010/2010 PLANO DE TRABALHO NORMAS E PROCEDIMENTOS 1. Política de Crédito; 2. Limites em contas produção; 3. Seguro de Produção; 4. Comentários gerais. 1. POLÍTICA DE CRÉDITO 1.1 Comentários

Leia mais

SANEAMENTO BÁSICO RURAL NO BRASIL: Uma análise de impacto e da proposta da fossa séptica biodigestora

SANEAMENTO BÁSICO RURAL NO BRASIL: Uma análise de impacto e da proposta da fossa séptica biodigestora SANEAMENTO BÁSICO RURAL NO BRASIL: Uma análise de impacto e da proposta da fossa séptica biodigestora Apresentação: Cinthia Cabral da Costa Trabalho realizado em parceria com o Prof. Joaquim Guilhoto da

Leia mais

TIR Taxa Interna de Retorno

TIR Taxa Interna de Retorno Universidade Católica Dom Bosco Departamento de Pós-Graduação Lato Sensu Pós-Graduação em Contabilidade Financeira e Controladoria TIR Taxa Interna de Retorno Andressa Agostinis Bianca da Costa Lima Brandão

Leia mais

As alíquotas nominais e as alíquotas reais dos impostos sobre a venda da produção

As alíquotas nominais e as alíquotas reais dos impostos sobre a venda da produção As alíquotas nominais e as alíquotas reais dos impostos sobre a venda da produção Divonsir de Jesuz da Silva Dutra (CEFET-PR) divonsirdutra@terra.com.br Dr. Kazuo Hatakeyama (CEFET-PR) kazuo@ppgte.cefetpr.br

Leia mais

Viabilidade Ec E onômic onômic Aquecimen to Solar

Viabilidade Ec E onômic onômic Aquecimen to Solar Viabilidade Econômica Aquecimento Solar Sistema Aquecimento Solar - SAS Breve Histórico no Brasil A história do aquecedor solar no Brasil é recente. O primeiro aquecedor solar apareceu no Brasil na década

Leia mais

Sistemas e custos de produção de mandioca no Estado de Alagoas

Sistemas e custos de produção de mandioca no Estado de Alagoas SISTEMAS E CUSTOS DE PRODUÇÃO DE MANDIOCA NO ESTADO DE ALAGOAS CARLOS ESTEVÃO LEITE CARDOSO; ANTONIO DIAS SANTIAGO; EMBRAPA MANDIOCA E FRUTICULTURA TROPICAL CRUZ DAS ALMAS - BA - BRASIL estevao@cnpmf.embrapa.br

Leia mais

Comunicado 330 Técnico

Comunicado 330 Técnico Comunicado 330 Técnico Foto: Paulo Ferreira ISSN 1517-4964 Setembro, 2013 Passo Fundo, RS Estimativas de viabilidade econômica do cultivo de canola no Rio Grande do Sul e no Paraná, safra 2013 Cláudia

Leia mais

Proposta de uma ferramenta para avaliação econômica do cultivo de eucalipto: Estudo de caso no Vale do Paraíba (SP).

Proposta de uma ferramenta para avaliação econômica do cultivo de eucalipto: Estudo de caso no Vale do Paraíba (SP). UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE ECONOMIA RURAL E EXTENSÃO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO FLORESTAL TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO Proposta de uma ferramenta para avaliação econômica do

Leia mais

Pomar doméstico. Orientações técnicas e recomendações gerais

Pomar doméstico. Orientações técnicas e recomendações gerais Pomar doméstico Orientações técnicas e recomendações gerais POMAR DOMÉSTICO Orientações técnicas e recomendações gerais 1. Importância do pomar doméstico ESPÉCIES VARIEDADES O pomar doméstico tem como

Leia mais

ANEXO IV DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DA PROPOSTA COMERCIAL

ANEXO IV DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DA PROPOSTA COMERCIAL ANEXO IV DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DA PROPOSTA COMERCIAL 1. INTRODUÇÃO Este anexo objetiva apresentar as informações necessárias a orientar a LICITANTE quanto à apresentação e conteúdo da sua PROPOSTA

Leia mais

de inverno que viraram opção para o pecuarista da região para conseguir ter pasto na época da seca.

de inverno que viraram opção para o pecuarista da região para conseguir ter pasto na época da seca. CUSTO DE PRODUÇÃO DE BOVINOCULTURA DE CORTE EM GUARAPUAVA/PR Com a iniciativa da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), em parceria com o Serviço Nacional de Aprendizagem (SENAR) e o Centro

Leia mais

CONSELHO CURADOR DO FUNDO DE GARANTIA DO TEMPO DE SERVIÇO RESOLUÇÃO N 289, DE 30 DE JUNHO DE

CONSELHO CURADOR DO FUNDO DE GARANTIA DO TEMPO DE SERVIÇO RESOLUÇÃO N 289, DE 30 DE JUNHO DE CONSELHO CURADOR DO FUNDO DE GARANTIA DO TEMPO DE SERVIÇO RESOLUÇÃO N 289, DE 30 DE JUNHO DE 1998 Estabelece diretrizes para a aplicação dos recursos e a elaboração das propostas orçamentárias do FGTS,

Leia mais

Boletim Ativos do Café - Edição 15 / Dezembro 2013 Preços do café intensificam a descapitalização na cafeicultura brasileira em 2013

Boletim Ativos do Café - Edição 15 / Dezembro 2013 Preços do café intensificam a descapitalização na cafeicultura brasileira em 2013 Boletim Ativos do Café - Edição 15 / Dezembro 2013 Preços do café intensificam a descapitalização na cafeicultura brasileira em 2013 Entre janeiro/13 e novembro/13 o Coffea arabica (Arábica) apresentou

Leia mais

PROPOSTA DE RENEGOCIAÇÃO DE DÍVIDAS

PROPOSTA DE RENEGOCIAÇÃO DE DÍVIDAS Comissão de Agricultura, Pecuária, Abastecimento e Desenvolvimento Rural Deputado Ronaldo Caiado - Presidente PROPOSTA DE RENEGOCIAÇÃO I - Securitização - Renegociada LEI Nº 10.437/02 (Artigos. 1º e 4º):

Leia mais

04/08/2013. Custo. são os gastos com a obtenção de bens e serviços aplicados na produção ou na comercialização. Despesa

04/08/2013. Custo. são os gastos com a obtenção de bens e serviços aplicados na produção ou na comercialização. Despesa DECISÕES DE INVESTIMENTOS E ORÇAMENTO DE CAPITAL Orçamento de capital Métodos e técnicas de avaliação de investimentos Análise de investimentos Leia o Capítulo 8 do livro HOJI, Masakazu. Administração

Leia mais

INFORME AGROECONÔMICO ESTIMATIVA DOS CUSTOS DE RECEPÇÃO, LIMPEZA E SECAGEM DA SOJA E DO MILHO SAFRA 2012/13

INFORME AGROECONÔMICO ESTIMATIVA DOS CUSTOS DE RECEPÇÃO, LIMPEZA E SECAGEM DA SOJA E DO MILHO SAFRA 2012/13 INFORME AGROECONÔMICO Nº: 429/12 Data: 26/11/12 ESTIMATIVA DOS CUSTOS DE RECEPÇÃO, LIMPEZA E SECAGEM DA SOJA E DO MILHO SAFRA 2012/13 ESTIMATIVA DOS CUSTOS DE RECEPÇÃO, SECAGEM E LIMPEZA DE SOJA E MILHO

Leia mais

Pesquisa da EPAMIG garante produção de azeitonas

Pesquisa da EPAMIG garante produção de azeitonas Pesquisa da EPAMIG garante produção de azeitonas De origem européia, a oliveira foi trazida ao Brasil por imigrantes há quase dois séculos, mas somente na década de 50 foi introduzida no Sul de Minas Gerais.

Leia mais

INFORMAÇÕES SOBRE CAFÉ NO ESPÍRITO SANTO HISTÓRICO:

INFORMAÇÕES SOBRE CAFÉ NO ESPÍRITO SANTO HISTÓRICO: INFORMAÇÕES SOBRE CAFÉ NO ESPÍRITO SANTO HISTÓRICO: O Estado do Espírito Santo encontra-se como o segundo maior produtor nacional de café, destacando-se o plantio das espécies Arábica e Conilon, sendo

Leia mais

GESTÃO DE CUSTOS O CONTROLE DOS GASTOS É ESSENCIAL PARA GARANTIR A RENDA DO BATATICULTOR

GESTÃO DE CUSTOS O CONTROLE DOS GASTOS É ESSENCIAL PARA GARANTIR A RENDA DO BATATICULTOR GESTÃO DE CUSTOS O CONTROLE DOS GASTOS É ESSENCIAL PARA GARANTIR A RENDA DO BATATICULTOR Por João Paulo Bernardes Deleo e Álvaro Legnaro Colaboração: Carlos Alexandre Almeida e Jefferson Luiz de Carvalho

Leia mais

RENTABILIDADE ECONÔMICA DO EUCALIPTO CONDUZIDO PARA PRODUÇÃO DE MADEIRA SERRADA NO OESTE DO ESTADO DO PARANÁ

RENTABILIDADE ECONÔMICA DO EUCALIPTO CONDUZIDO PARA PRODUÇÃO DE MADEIRA SERRADA NO OESTE DO ESTADO DO PARANÁ RENTABILIDADE ECONÔMICA DO EUCALIPTO CONDUZIDO PARA PRODUÇÃO DE MADEIRA SERRADA NO OESTE DO ESTADO DO PARANÁ RESUMO Robison Giovani Volkweis (FALURB - robisongiovani@yahoo.com.br) Cleiton Rodrigo Hansel

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GPT.YY 22 a 25 Novembro de 2009 Recife - PE GRUPO II GRUPO DE ESTUDO GRUPO DE ESTUDO DE PRODUÇÃO TÉRMICA E FONTES NÃO CONVENCIONAIS

Leia mais

Palavras-Chave: Modelos de Otimização, Culturas Irrigadas, CISDERGO.

Palavras-Chave: Modelos de Otimização, Culturas Irrigadas, CISDERGO. EFEITO DE MODIFICAÇÕES NO PLANO CULTURAL E NO SISTEMA DE IRRIGAÇÃO COMO FORMA DE MELHOR APROVEITAMENTO DA ÁGUA DE CHUVA PARA CENÁRIOS CLIMÁTICOS NORMAL E SECO Rosires Catão Curi, Profa.do Dept. de Eng.

Leia mais

Levantamentos do custo de produção da avicultura e suas repercussões

Levantamentos do custo de produção da avicultura e suas repercussões Levantamentos do custo de produção da avicultura e suas repercussões Celso F. D. Doliveira Médico Veterinário DTE - FAEP Brasília - 2012 1 "QUEM NÃO SABE QUANTO GASTA, NÃO SABE QUANTO GANHA" 2 Parceria

Leia mais

TAXA INTERNA DE RETORNO - IRR

TAXA INTERNA DE RETORNO - IRR TAXA INTERNA DE RETORNO - IRR A taxa interna de retorno é a taxa de juros (desconto) que iguala, em determinado momento do tempo, o valor presente das entradas (recebimentos) com o das saídas (pagamentos)

Leia mais