PRÁTICAS, EXPERIÊNCIAS, CULTURA ESCOLAR: QUESTÕES QUE ENVOLVEM A PRÁTICA DOCENTE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PRÁTICAS, EXPERIÊNCIAS, CULTURA ESCOLAR: QUESTÕES QUE ENVOLVEM A PRÁTICA DOCENTE"

Transcrição

1 PRÁTICAS, EXPERIÊNCIAS, CULTURA ESCOLAR: QUESTÕES QUE ENVOLVEM A PRÁTICA DOCENTE DAMKE, Anderléia Sotoriva - UFMS SIMON, Ingrid FADEP Resumo Eixo Temático: Formação de Professores e Profissionalização Docente Agência Financiadora: Não contou com financiamento Esta pesquisa trata da construção das práticas docentes ao longo dos anos. Neste contexto, investigou-se a prática docente de oito professores do Ensino Fundamental e Médio em uma escola situada na região Oeste do Paraná, com experiência entre 08 a 32 anos de magistério. O objetivo foi de analisar a construção das práticas adotadas pelos professores e, assim, o que influencia nessas práticas. A pesquisa de caráter qualitativo investigou as práticas desenvolvidas o que implica as expectativas dos professores com menos tempo de profissão e a função que os professores com mais tempo de magistério exercem naquele ambiente. Os dados foram coletados por meio de entrevista semi-estruturada, durante a qual os sujeitos da pesquisa foram instigados a falar sobre a forma de trabalhar na instituição, a construção da prática profissional e as relações da sua prática profissional com a cultura escolar. A análise e interpretação dos dados foram realizadas, por meio da Análise de Conteúdo. Os relatos sinalizaram que os professores com menos tempo de magistério incorporam a prática dos professores mais experientes que já adequaram as suas práticas conforme a cultura institucional. Entretanto, essa incorporação não determina o modo deles agirem em sala de aula. Além disso, ocorre um processo de mediação entre a cultura do ambiente e a percepção social dos professores com menos experiência, o que implicaria uma referência nas práticas adotadas, porque os professores com menos anos de magistério internalizam as perspectivas dos professores com mais anos de magistério. Palavras-chave: Prática docente. Cultura escolar. Percepção social. Introdução Ao discutir as práticas adotadas pelos professores no cotidiano escolar, não se pode deixar de analisar o que influencia essas práticas. Vale ressaltar que as práticas docentes

2 5383 poderiam partir dos modos de interpretação e da percepção que os professores têm dos colegas diante de alguma situação, determinando, assim, suas ações. Através das interações, os professores compartilham ideias, sentimentos, expectativas e suas formas de interpretar os acontecimentos que surgem no cotidiano próprio da dinâmica cultural de cada instituição. Neste trabalho aborda-se um conjunto de questões relacionadas com a prática docente. Assim, ao trabalhar a prática dos professores, também se trabalha com a cultura escolar que tem uma dinâmica cultural própria do grupo que lá interage e, assim, constitui várias representações culturais que, de certa forma, influenciam na apropriação das práticas adotadas no cotidiano escolar. Convém destacar que, com base no aporte teórico, discutiu-se a percepção e a construção das práticas adotadas pelos professores e, no contexto da pesquisa, analisaram-se as práticas desenvolvidas, o que implica as expectativas dos professores com menos tempo de profissão e a função que os professores com mais tempo de magistério exercem naquele ambiente. Cultura Escolar e a Prática Docente Entendemos que cultura significa uma forma de expressão da vida e do agir das pessoas e constitui um conjunto de significados e representações da sua vivência em sociedade. Assim, essas representações são construídas e partilhadas nas interações sociais, o que implica o modo como o sujeito pensa e percebe as situações que ocorrem em seu cotidiano. Nas interações, ao socializar conhecimentos, valores e expectativas, ocorre uma dinâmica cultural, que possibilita às pessoas reconstruírem suas interpretações sobre a realidade e, ao mesmo tempo em que transformam a cultura, também são transformadas por ela. No cotidiano escolar, a dinâmica não é diferente, pois os professores interagem através de suas crenças, experiências e referências culturais, as quais podem produzir uma forma social de perceber as situações e adotar determinadas posturas. Nesse caso, os professores interagem entre si, cada um com suas histórias de vida e crenças adquiridas através da experiência em instituições, divulgando posturas e valores do seu ambiente, realizando intercâmbio de informações. Com relação à cultura, Sacristán e Gómez (2000) apontam que o desenvolvimento do ser humano, no decorrer da evolução histórica, teve seu crescimento subjetivo e individual condicionado pela cultura, interações sociais e materiais com o mundo físico e com

3 5384 simbólico, das ideias. Ou seja, as pessoas são resultado da complexa história de intercâmbios e interações, em que os produtos formam a cultura e o meio natural de desenvolvimento do sujeito e da coletividade. O ambiente escolar se constitui a partir de diversas representações culturais, que oportunizam, não só uma apreensão das várias culturas presentes, mas uma reconstrução cultural, que pode influenciar nos modos socializados de pensar as situações que ocorrem no cotidiano. Nesse caso, reporta-se aos autores Sacristán e Gómez (2000) que, ao escreverem sobre o conhecimento da vida em sala de aula, sinalizam a percepção social dos professores, pois, segundo eles, a aula é formada como grupo psicossocial 1, em que os intercâmbios e as interações desenvolvidas afetam todos os atores envolvidos nela. Mesmo que os autores se refiram às influências recíprocas entre professores e alunos, esta reflexão envolve a questão das interações e intercâmbios que ocorrem entre os professores, devido à diversidade de culturas, que são compartilhadas no cotidiano escolar, influenciando de alguma forma a percepção dos professores. Ainda que de forma lenta, no decorrer do processo de socialização, os professores desenvolvem suas crenças pedagógicas, suas ideias e suas teorias implícitas sobre o aluno, o ensino, a aprendizagem e a sociedade, cujas crenças são as principais responsáveis pelo modo como o professor age e interage no espaço escolar. A cultura escolar pode consistir num importante referencial na construção da percepção social dos professores. Hargreaves et alii (1996) afirma que mudar de uma escola para outra consiste não apenas em mudar de instituição, mas de comunidade, pois cada uma tem seus pressupostos acerca de como os estudantes aprendem a organização do conhecimento e como se deve assumir o ensino. Cada escola está situada numa realidade, num contexto que envolve determinantes culturais construídas a partir das crenças e experiências profissionais de cada sujeito que a forma. A Construção da Prática Docente As práticas adotadas pelos professores no cotidiano escolar podem estar carregadas de suas crenças e fundamentadas, na forma como foram educados e nas experiências que tiveram desde o início do exercício do magistério. Pedra (1997) aponta o fato de o professor deter um conhecimento que é influenciado pela sua história pessoal, suas crenças e 1 Os autores trabalham a questão da influência em sala de aula, não só do professor sobre os alunos, mas de ambos, alunos e professor.

4 5385 representações, as quais orientam suas ações, conferindo sentido ao conhecimento que transmite. Assim, a construção social da realidade ocorre porque a realidade existe não apenas em função de como é observada, mas sim, ao acrescentar essa realidade social com a percepção social sobre ela. A percepção social está vinculada ao imaginário, com a concepção de mundo, com a cultura do grupo em que está inserido, por exemplo, seus valores e crenças que são compartilhadas. Nesse caso a percepção social da realidade é construída por meio de experiências com o mundo. É interessante mencionar que os elementos compartilhados influenciam a percepção do grupo em que se está inserido. Tendo em vista o contexto da pesquisa, considera-se que os estudos de Berger e Luckmann (1997) ajudam a entender a prática exercida pelos professores e, assim, a percepção social dos professores sobre a prática dos demais colegas, pois a percepção que se tem das situações que ocorrem naquele cotidiano podem ser construídas a partir das crenças, valores e das experiências dos colegas que são compartilhadas pelos professores. Segundo Bruner (2001), as formas como as pessoas interpretam os significados retratam, não só histórias analisadas de modo pessoal, mas também os preceitos da cultura na construção da realidade. E, mesmo que tudo esteja vinculado à cultura, as pessoas não são só reflexo dela, pois existe a interação social entre eles, que possibilita algo em comum ao pensamento individual. O autor sinaliza que uma instituição escolar necessita repensar sobre suas práticas e adequar sua organização às necessidades culturais dos professores, alunos e de todo o grupo escolar. O regulamento da instituição de ensino está voltado para manter a ordem da mesma, controlando os tempos e os espaços com seu funcionamento rígido, apresentando uma grande incongruência entre a instituição que existe, com suas relações de poder, e aquela que deveria existir. O autor destaca que a educação não pode ser planejada de forma isolada da cultura, pois ela existe em uma cultura que trata de poder, de diferenças e de recompensas. Conforme Tardif e Lessard (2005), há um potencial de alteridade na rotina das atividades escolares e os professores não representam apenas agentes escolares que cumprem funções, pois atribuem sentido a suas práticas, que resultam de seus pensamentos, de sua experiência pessoal. E assim, os professores constroem conhecimentos e uma cultura singular da profissão, em que ocorre uma interação com todos os atores envolvidos no cotidiano

5 5386 escolar. Nesse caso, as práticas também sofrem alteração, pois de forma indireta os professores sinalizam a incorporação das práticas dos colegas de acordo com o acontecimento o que caracteriza uma atitude mais velada do que anunciada naquele ambiente. O processo de ensino parece ser, na visão de Tardif e Lessard (2005), uma atividade marcada por interações humanas pouco convencionais, a qual é difícil de controlar, conduzido por uma racionalidade fraca, que utiliza conhecimentos personalizados e saberes obtidos da experiência e da vivência profissional dos docentes. Tais atividades têm como função contribuir para que os professores se adaptem, bem ou mal, a seu espaço de trabalho, o ambiente escolar. Para os autores, a racionalidade fraca destacada constitui a improvisação, que não deixa de ser regulada, ou de rotinas modeladas que, pela sua utilização, oportunizam importantes variações, conforme os eventos que surgem no cotidiano escolar, e que se transformam no decorrer dos dias. As práticas dos professores podem refletir cotidianos institucionais tumultuados, que requerem ações rígidas em decorrência de expectativas burocráticas que visam a ordem e o controle, como é o caso do papel atrelado ao livro de chamada, que registra o controle de presença de todos ou, ainda, a hierarquização das funções exercidas pelos educadores, seguindo um princípio de organização das relações escolares. O cotidiano institucional pode implicar a forma com que os professores percebem os acontecimentos que surgem na escola, pois exerce um poder sobre os atores, o que pode interferir na interpretação e na forma de lidar com as situações que surgem, por exemplo, com a disciplina escolar e tentam resolver essas situações de forma isolada em relação ao contexto da escola, como uma responsabilidade exclusiva deles. Análise das Práticas Docentes Neste item, é apresentada uma pesquisa qualitativa realizada com um grupo constituído por oito professores do Ensino Fundamental e Médio, em uma escola situada na região Oeste do Paraná. Os sujeitos da pesquisa têm escolarização em nível de especialização lato sensu, em suas áreas de formação, sendo aqui representados pelas letras do alfabeto, por exemplo, professor (A) 32 anos de magistério, professor (B) 20 anos de magistério, professor (C) 18 anos de magistério, professor (D) 8 anos de magistério, professor (E) 6 anos de magistério, professor (F) 5 anos de magistério, professor (G) 4 anos de magistério e professor (H) 3 anos de magistério.

6 5387 A graduação dos pesquisados compreende História, Matemática, Geografia, Letras e Biologia e a experiência no magistério varia de 02 anos a 32 anos. Os dados foram coletados por meio de entrevista semi-estruturada em que os sujeitos da pesquisa foram instigados a falar sobre a forma de trabalhar na instituição, a construção da prática profissional, e as relações da sua prática profissional com a cultura escolar. Nesse contexto, a análise e a interpretação dos dados foram realizadas por meio da Análise de Conteúdo, por compreender um conjunto de técnicas de análises das comunicações, que utiliza procedimentos sistemáticos na descrição do conteúdo das mensagens (BARDIN, 2004). A fim de compreender melhor este método, reporta-se aos trabalhos de Triviños (1987), Bardin (2004). Convém mencionar que, através da interação, os professores compartilham as práticas com os colegas, orientando de certa forma sua conduta no cotidiano escolar, como se pode verificar na fala desse professor com trinta e dois anos de experiência: Cada professor tem uma forma de trabalhar, tem uns ainda que não desenvolveram uma forma adequada de acordo com as situações. [...] Como tenho muitos anos de magistério, eu colaboro com os professores que estão no início, pois sou procurado pelos colegas mais novos que pedem minha orientação (Prof. A). É importante mencionar que os autores estudados, dentre eles, Tardif (2003) considera início de carreira entre os três e cinco primeiros anos de profissão e, como afirma esse professor, a prática também é moldada nesse período em que os professores socializam suas experiências e orientam os professores mais novos. Para Tardif (2005), as práticas de colaboração vivenciadas pelos professores desencadeiam um jogo sutil de delimitações e negociações de seus respectivos papéis nas interações no cotidiano escolar. Entende-se que essas práticas de colaboração demonstram uma construção social na interpretação e na realização das atividades, pois os professores assumem determinadas posturas diante de algumas situações que têm a ver com o grupo e com as normas da escola, ou seja, cada professor assume determinado papel que tem legitimidade diante da instituição. Tal situação pode ser observada no relato desse professor com cinco anos de magistério [...] a forma que os colegas agem, reflete em mim, vários professores que trabalham lá já foram meus professores, três gerações de trabalho (Prof. F). Nesse caso, é possível observar que o professor, considerado ainda no início da atividade docente, age de acordo com a orientação dos professores com mais experiência, o que implica uma socialização profissional discutida pelos autores estudados, ou ainda, pode-se chamar de

7 5388 construção social, pois a prática pedagógica desse professor será moldada a partir da atitude e da postura dos colegas mais experientes. Há também o relato desse professor com oito anos de experiência, [...] acredito que a prática do professor parte de uma construção que não ocorre da noite para o dia, no meu caso a prática profissional vem das normas da escola, das atitudes dos meus colegas e dos meus valores e crenças (Prof. D). De acordo com os autores pesquisados, as normas a que esse professor se refere, geralmente são aprendidas por meio da socialização com o grupo e com a experiência que é adquirida com o passar dos anos. Tardif (2005) menciona a existência da colaboração presente na fala dos professores, mas essa colaboração seria mais desejada do que realmente presente e mantida no decorrer das atividades escolares. Assim, o autor aponta diferentes formas de colaboração entre os professores, por exemplo, algumas priorizam o trabalho em comum, já outras o apoio pedagógico. Como consta no relato desse professor com três anos de experiência, [...] com certeza a gente aprende, pois tenho pouco tempo de magistério, sempre busco informações com outros professores, mas percebo que é difícil alguém falar de como trabalhar sem que eu tenha pedido. É importante o professor ter autonomia em sala de aula, mas penso que a troca de experiências ajuda a melhorar a organização do nosso trabalho e a nossa experiência (Prof. H). As formas de colaboração representam interações que não implicam a presença do colega na classe, mas no planejamento e na preparação das atividades. A colaboração é observada com os professores com menos experiência que solicitam a ajuda de professores com mais experiência no magistério e, geralmente, com professores do mesmo grau, ou ainda com a mesma disciplina, o que não implica a perda da autonomia em sala de aula. Os professores com mais experiência ajudam os professores com menos experiência, mas essa colaboração não determina o desenvolvimento do planejamento das tarefas e a forma de lidar com as situações que surgem na sala de aula. Tal situação pode ser analisada no depoimento desse professor com seis anos de experiência [...] aproveito a experiência dos meus colegas, para a organização do trabalho, conteúdos, mas não no relacionamento com os alunos (Prof. E). Essa colaboração, segundo Tardif (2003), ajuda os professores mais novos a preencher as lacunas da sua formação universitária, pois os professores iniciantes demonstram

8 5389 dificuldade no planejamento e no desenvolvimento das tarefas. Assim, os professores com mais anos de magistério orientam os professores com menos tempo de magistério. Tal questão é percebida na fala desse professor com dezoito anos de experiência [...] já tenho um tempo considerável no magistério e ainda enfrento problemas com algumas turmas. Têm professores que estão há pouco tempo trabalhando, recém formados que vêm com vontade mas que não têm domínio de conteúdo, ou ainda uma organização de classe. O que faz muitos colegas ficarem frustrados com o seu trabalho (Prof. C). De acordo com Tardif (2003) os professores iniciantes passam por um processo que está atrelado à socialização profissional, também chamado de choque cultural, ou seja, um confronto inicial com a realidade do exercício da profissão e, assim, o desencanto dos primeiros anos. Como relata esse professor com quatro anos de magistério [...] no início você quer mudar o mundo, está cheio de teorias e depois se decepciona, aprendi muito nesses anos de magistério [...] se vejo bons exemplos procuro aprender com eles, mas em sala de aula tenho o meu modo de agir, tenho meus valores, principalmente, porque não tenho tanto tempo de experiência (Prof. G). Por mais que a cultura institucional prescreva as regularidades e as normas no funcionamento dos ritos escolares, o mesmo não ocorre com os procedimentos que são utilizados pelos professores para lidar com as dificuldades que surgem em sala de aula. Essa situação pode ser analisada na declaração da professora com dezoito anos de profissão [...] meus alunos não queriam mais pegar livros na biblioteca porque a bibliotecária não permitia que eles escolhessem os livros, assim tive a ideia de, junto com eles, redigir um ofício para o diretor solicitando tal permissão. Obtivemos a permissão, o que resolveu meu problema, pois os meus alunos voltaram a sentir prazer em ir à biblioteca (Prof. C). Ainda relatou que, após algum tempo, numa conversa informal na sala dos professores, os colegas ficaram sabendo do acontecimento e também resolveram redigir um ofício para o diretor solicitando tal permissão. Mesmo ocorrendo uma construção social na interpretação das situações que surgem no cotidiano escolar, os professores ainda exercem uma atividade individual. Essa condição é discutida por Tardif e Lessard (2005), ao afirmarem que, mesmo existindo a colaboração entre os pares, o ensino continua uma atividade individual, uma vez que a colaboração divide-se antes e depois do ensino, pois cada professor continua sendo o mestre em sua classe e a colaboração ocorre com a tarefa de ensino, mas não com a atividade em si mesma.

9 5390 Assim, mesmo os professores colaborando uns com os outros, essa colaboração não chega a adentrar a sala de aula, o que demonstra que a atividade desempenhada pelo professor é individual apesar da colaboração existente. Como ocorreu no relato da professora referente à prática adotada no uso da biblioteca, somente após um período é que os demais professores tiveram conhecimento do que havia ocorrido nas aulas de leitura. A situação acima mencionada pressupõe que a cultura institucional informa a percepção dos professores sobre sua prática, ou seja, as práticas que devem ser seguidas no ritual do cotidiano escolar. Dessa forma ressalta-se que, para Bruner (2005), a cultura está relacionada com a organização cultural nas escolas, nas salas de aula e nas relações sociais estabelecidas pelo grupo. E, a partir dessa cultura institucional da escola, os professores vão aos poucos incorporando e adequando suas práticas de acordo com as exigências de tal contexto. A incorporação das práticas adotadas no cotidiano escolar não ocorre de forma sistemática, ou ainda seguindo um roteiro prescrito com os princípios pedagógicos da instituição, mas de modo informal. Outra situação que chamou a atenção foi o relato desse professor com 20 anos de profissão, ao falar que [...] quando nos encontramos na sala dos professores, dificilmente, algum professor fala abertamente para o outro o que está dando certo ou errado em suas aulas, geralmente a gente fala para dentro recolhe. Já aconteceu de um professor novo questionar sobre minha prática, minhas atitudes, pois ele estava encontrando dificuldades. [...] pensei que estava criticando meu trabalho, mas só queria ajuda (Prof. B). O relato desse professor com tantos anos de magistério reforça a discussão referente à apropriação de práticas dos professores mais novos que ocorre de uma forma velada, pois dificilmente questões relacionadas à prática pedagógica são abordadas durante as reuniões, mas sim durante os breves encontros na sala dos professores, ou ainda, nos corredores da instituição. Dessa forma, os professores com menos experiência incorporam a prática dos professores mais experientes, por meio da colaboração e da cultura do grupo em que está inserido. Considerações finais A percepção social da prática pedagógica reforça a discussão sobre a construção social existente na escola, pois ao compartilhar experiências, crenças e hábitos no interior da

10 5391 cultura institucional da escola, os professores constroem a percepção social das práticas que devem ser adotadas de acordo com os acontecimentos. A instituição escolar é formada a partir de representações culturais, o que possibilita a apreensão das várias culturas presentes e implica uma reconstrução cultural, que pode influenciar na forma de interpretar as situações que ocorrem no cotidiano. Apesar de os professores trabalharem em um ambiente já predeterminado, com regulações e exigências, isso não impede que os que têm menos experiência incorporem práticas já adotadas por professores com mais anos de experiência. Nesse caso, argumenta-se que a incorporação de práticas pelos professores mais novos ocorre de um modo informal na sala dos professores, ou ainda durante breves encontros que ocorrem no espaço escolar. Destaca-se que os professores iniciantes, nos primeiros cinco anos de profissão, vivenciam um período de transição cultural entre a experiência e a realidade que encontram nas instituições. Nesse momento a prática pedagógica é moldada a partir da socialização com os colegas com mais tempo de magistério. Considera-se que a aprendizagem das práticas não ocorre em reuniões, ou ainda, em encontros pedagógicos, mas por meio da colaboração dos colegas. Assim, os professores com menos experiência buscam, de forma indireta, referência com os professores com mais anos de experiência. Nesse contexto, os professores com mais experiência ajudam os professores com menos experiência, mas essa colaboração nem sempre determina a realização da atividade em sala de aula, como também o modo de se relacionar com a turma, o que caracteriza o ensino, às vezes, uma atividade individual. No contexto da pesquisa, entende-se que a leitura que os professores fazem das situações que ocorrem é construída através dos valores, das crenças e das experiências compartilhadas no grupo. Assim suas ações partem de um conjunto de aspectos que vão se estruturando no decorrer do trabalho com as normas da escola, suas experiências somadas e, ainda, as experiências dos colegas, o que pode caracterizar uma cultura diversificada que envolve diferentes visões de maneira informal. Tal situação pode sinalizar um processo de mediação entre a cultura daquele ambiente com a percepção social dos professores com menos experiência, o que implicaria uma referência nas práticas adotadas, porque os professores com menos anos de magistério internalizam as perspectivas dos professores com mais anos de docência.

11 5392 REFERÊNCIAS BARDIN, L. Análise de conteúdo. 3. ed. Lisboa: Edições 70, BERGER, P. L.; LUCKMANN, T. A construção social da realidade. 14. ed. Petrópolis: Vozes, BRUNER, J. A cultura da Educação. Porto Alegre: Artmed, HARGREAVES, A.; EARL, L.; RYAN, J. Educação para a mudança: reinventar a escola para os jovens adolescentes. Portugal: Porto, PEDRA, J. A. Currículo conhecimento e suas representações. Papirus, SACRISTÁN, J. G.; GÓMEZ, A. I. P. Compreender e transformar o ensino. 4. ed. Porto Alegre: Artmed, TARDIF, Maurice. Saberes docentes e formação profissional. 3. ed. Petrópolis: Vozes, TARDIF, M.; LESSARD, C. O trabalho docente: elementos para uma teoria da docência como profissão de interações humanas. 2. ed. Petrópolis: Vozes, TRIVIÑOS, A. N. S. Introdução à pesquisa em Ciências Sociais: a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Atlas, 1987.

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores A VISÃO DE ALGUMAS BOLSISTAS DO PIBID SOBRE SUA ATUAÇÃO EM CONTEXTOS EDUCACIONAIS INCLUSIVOS

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores A PESQUISA COMO ESTRATÉGIA DIDÁTICA Caroline Vieira De Souza Costa Eixo 2 - Projetos e práticas

Leia mais

O INGRESSO NA CARREIRA DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA NA PREFEITURA DE SÃO PAULO: Currículo e atuação docente

O INGRESSO NA CARREIRA DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA NA PREFEITURA DE SÃO PAULO: Currículo e atuação docente O INGRESSO NA CARREIRA DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA NA PREFEITURA DE SÃO PAULO: Currículo e atuação docente Leandro Pedro de Oliveira¹ INTRODUÇÃO A introdução à carreira docente tem sido objeto de

Leia mais

PESQUISA QUALITATIVA EM EDUCAÇÃO: REFLEXÕES A PARTIR DAS VIVÊNCIAS DE UM GRUPO DE PESQUISA

PESQUISA QUALITATIVA EM EDUCAÇÃO: REFLEXÕES A PARTIR DAS VIVÊNCIAS DE UM GRUPO DE PESQUISA 1 PESQUISA QUALITATIVA EM EDUCAÇÃO: REFLEXÕES A PARTIR DAS VIVÊNCIAS DE UM GRUPO DE PESQUISA Educação e Produção do Conhecimento nos Processos Pedagógicos Mateus Lorenzon 1 Daniela Diesel 2 Jacqueline

Leia mais

O Trabalho Docente: Elementos para uma teoria da docência como profissão de interações humanas

O Trabalho Docente: Elementos para uma teoria da docência como profissão de interações humanas UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO O Trabalho Docente: Elementos para uma teoria da docência como profissão de interações humanas Vitória - ES A Carga de Trabalho dos Professores - Pode ser analisada

Leia mais

O PAPEL DESEMPENHADO PELO PROGRAMA LEXT-OESSTE E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO E PARA O EXERCÍCIO PROFISSIONAL

O PAPEL DESEMPENHADO PELO PROGRAMA LEXT-OESSTE E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO E PARA O EXERCÍCIO PROFISSIONAL O PAPEL DESEMPENHADO PELO PROGRAMA LEXT-OESSTE E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO E PARA O EXERCÍCIO PROFISSIONAL Larissa dos Santos Gomes Resumo O presente artigo refere-se ao trabalho de conclusão

Leia mais

APRENDIZAGEM DA LINGUAGEM ORAL DA CRIANÇA COM SÍNDROME DE DOWN NA EDUCAÇÃO INFANTIL: CONCEPÇÕES DE PAIS E PROFESSORES

APRENDIZAGEM DA LINGUAGEM ORAL DA CRIANÇA COM SÍNDROME DE DOWN NA EDUCAÇÃO INFANTIL: CONCEPÇÕES DE PAIS E PROFESSORES APRENDIZAGEM DA LINGUAGEM ORAL DA CRIANÇA COM SÍNDROME DE DOWN NA EDUCAÇÃO INFANTIL: CONCEPÇÕES DE PAIS E PROFESSORES Resumo Gabriela Jeanine Fressato 1 - Universidade Positivo Mariana Gomes de Sá Amaral

Leia mais

PERFIL INVESTIGADOR DO LICENCIANDO EM MATEMÁTICA DO ESTADO DO MARANHÃO. Celina Amélia da Silva celina_amelia@yahoo.com.br CESC/UEMA/MA, Brasil

PERFIL INVESTIGADOR DO LICENCIANDO EM MATEMÁTICA DO ESTADO DO MARANHÃO. Celina Amélia da Silva celina_amelia@yahoo.com.br CESC/UEMA/MA, Brasil PERFIL INVESTIGADOR DO LICENCIANDO EM MATEMÁTICA DO ESTADO DO MARANHÃO Celina Amélia da Silva celina_amelia@yahoo.com.br CESC/UEMA/MA, Brasil Carmen Teresa Kaiber kaiber@ulbra.br ULBRA/RS, Brasil Modalidade:

Leia mais

POSSIBILIDADE DE ACESSO A EDUCAÇÃO E INCLUSÃO SOCIAL ATRAVÉS DO PROGRAMA MULHERES MIL: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA

POSSIBILIDADE DE ACESSO A EDUCAÇÃO E INCLUSÃO SOCIAL ATRAVÉS DO PROGRAMA MULHERES MIL: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA POSSIBILIDADE DE ACESSO A EDUCAÇÃO E INCLUSÃO SOCIAL ATRAVÉS DO PROGRAMA MULHERES MIL: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA Albertina Marília Alves Guedes¹ Elisa Angélica Alves Guedes² Maria Nizete de Menezes Gomes

Leia mais

A INFLUÊNCIA DE UM MODELO DE FORMAÇÃO CONTINUADA NA TRANSFORMAÇÃO DE CRENÇAS RELACIONADAS À RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS EM MATEMÁTICA

A INFLUÊNCIA DE UM MODELO DE FORMAÇÃO CONTINUADA NA TRANSFORMAÇÃO DE CRENÇAS RELACIONADAS À RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS EM MATEMÁTICA A INFLUÊNCIA DE UM MODELO DE FORMAÇÃO CONTINUADA NA TRANSFORMAÇÃO DE CRENÇAS RELACIONADAS À RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS EM MATEMÁTICA Liane Geyer Poggetti Mathema Formação e Pesquisa liane@sitelogo.com.br Maria

Leia mais

Palavras-chave: Ambiente de aprendizagem. Sala de aula. Percepção dos acadêmicos.

Palavras-chave: Ambiente de aprendizagem. Sala de aula. Percepção dos acadêmicos. PERCEPÇÃO DE ACADÊMICOS DO CURSO DE LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO FÍSICA DA UENP, EM RELAÇÃO AOS ASPECTOS QUE CARACTERIZAM UM AMBIENTE FAVORECEDOR DA APRENDIZAGEM RESUMO Maria Cristina SIMEONI 1 Este resumo

Leia mais

PORTFÓLIO COMO INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO FORMATIVA: A ANÁLISE DO PROCESSO NO CMEI VALÉRIA VERONESI

PORTFÓLIO COMO INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO FORMATIVA: A ANÁLISE DO PROCESSO NO CMEI VALÉRIA VERONESI PORTFÓLIO COMO INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO FORMATIVA: A ANÁLISE DO PROCESSO NO CMEI VALÉRIA VERONESI Resumo Rosangela de Sousa Cardoso Stabenow1 - UEL Cassiana Magalhães2 - UEL Grupo de Trabalho - Didática:

Leia mais

Palavras chaves: Formação de professores. Prática inovadora. Planejamento docente.

Palavras chaves: Formação de professores. Prática inovadora. Planejamento docente. REPENSANDO O PLANEJAMENTO DIDÁTICO PARA UMA PRÁTICA INOVADORA EM UM CURSO DE FORMAÇÃO DOCENTE. Cecilia Gaeta Universidade Federal de São Paulo UNIFESP (professora convidada) Martha Prata-Linhares Universidade

Leia mais

A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA

A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA Luciana Pereira de Sousa 1 Carmem Lucia Artioli Rolim 2 Resumo O presente estudo propõe discutir o contexto da formação dos pedagogos para o ensino da

Leia mais

UM OLHAR PEDAGÓGICO SOBRE A RELAÇÃO ENSINO E PESQUISA NOS CURSOS DE LICENCIATURA NA ÁREA DA SAÚDE

UM OLHAR PEDAGÓGICO SOBRE A RELAÇÃO ENSINO E PESQUISA NOS CURSOS DE LICENCIATURA NA ÁREA DA SAÚDE UM OLHAR PEDAGÓGICO SOBRE A RELAÇÃO ENSINO E PESQUISA NOS CURSOS DE LICENCIATURA NA ÁREA DA SAÚDE Ana Cristina Oliveira Lima, bolsista PIBIC/ CNPq, anacristinaoliveiralima@yahoo.com.br, UECE. Brena de

Leia mais

Maríndia Mattos Morisso 2 Caterine de Moura Brachtvogel 3 Fernando Jaime González 4 Universidade Regional do Noroeste do Estado do RS Ijuí, RS

Maríndia Mattos Morisso 2 Caterine de Moura Brachtvogel 3 Fernando Jaime González 4 Universidade Regional do Noroeste do Estado do RS Ijuí, RS A Utilização das TIC por Professores de Educação Física de Escolas Públicas da Região Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul 1 Resumo Maríndia Mattos Morisso 2 Caterine de Moura Brachtvogel 3 Fernando

Leia mais

ESTÁGIO SUPERVISIONADO: REFLEXÕES SOBRE UMA PRÁTICA

ESTÁGIO SUPERVISIONADO: REFLEXÕES SOBRE UMA PRÁTICA ESTÁGIO SUPERVISIONADO: REFLEXÕES SOBRE UMA PRÁTICA Carla Silvia Pimentel/UEPG/DEMET/FEUSP cspimenta@bol.com.br INTRODUÇÃO Tendo por objetivo refletir sobre os estágios e sua contribuição no processo de

Leia mais

REPERCUSSÕES NO ENSINO DA ENFERMAGEM: A VISÃO DOS PROFISSIONAIS À LUZ DAS SUAS EXPERIÊNCIAS

REPERCUSSÕES NO ENSINO DA ENFERMAGEM: A VISÃO DOS PROFISSIONAIS À LUZ DAS SUAS EXPERIÊNCIAS REPERCUSSÕES NO ENSINO DA ENFERMAGEM: A VISÃO DOS PROFISSIONAIS À LUZ DAS SUAS EXPERIÊNCIAS CRIZÓSTOMO, Cilene Delgado MILANEZ, Maria Rosa de Morais SOUSA, Rejane Lúcia Rodrigues Veloso ALBUQUERQUE, Judith

Leia mais

PROFESSOR FORMADOR, MESTRE MODELO? ANDRÉ, Marli Eliza Dalmazo Afonso de PUC-SP PASSOS, Laurizete Ferragut UNESP GT-20: Psicologia da Educação

PROFESSOR FORMADOR, MESTRE MODELO? ANDRÉ, Marli Eliza Dalmazo Afonso de PUC-SP PASSOS, Laurizete Ferragut UNESP GT-20: Psicologia da Educação PROFESSOR FORMADOR, MESTRE MODELO? ANDRÉ, Marli Eliza Dalmazo Afonso de PUC-SP PASSOS, Laurizete Ferragut UNESP GT-20: Psicologia da Educação Considerando a importância de estudos que abordem dimensões

Leia mais

3 Metodologia da pesquisa

3 Metodologia da pesquisa 3 Metodologia da pesquisa Neste capítulo será abordada a caracterização da pesquisa abrangendo o tipo de pesquisa escolhido, critérios para seleção dos entrevistados, os procedimentos adotados para a coleta

Leia mais

Jogos Envolvendo Números Inteiros: Um Episódio na Classe de Sandra

Jogos Envolvendo Números Inteiros: Um Episódio na Classe de Sandra Jogos Envolvendo Números Inteiros: Um Episódio na Classe de Sandra Simone Cristina do Amaral Porto 1 GD7 Formação de Professores que Ensinam Matemática Resumo do trabalho. Este artigo discute um projeto

Leia mais

AS VIVÊNCIAS DURANTE A FORMAÇÃO DE PROFESSORES: UM PROCESSO DE APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA

AS VIVÊNCIAS DURANTE A FORMAÇÃO DE PROFESSORES: UM PROCESSO DE APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA AS VIVÊNCIAS DURANTE A FORMAÇÃO DE PROFESSORES: UM PROCESSO DE APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA GT 01 Educação matemática no ensino fundamental: anos iniciais e anos finais. Anderson de Almeida Antunes, Universidade

Leia mais

GESTÃO EDUCACIONAL EM RIO CLARO: UMA PROPOSTA DE FORMAÇÃO CONTINUADA CENTRADA NA ESCOLA

GESTÃO EDUCACIONAL EM RIO CLARO: UMA PROPOSTA DE FORMAÇÃO CONTINUADA CENTRADA NA ESCOLA 1 GESTÃO EDUCACIONAL EM RIO CLARO: UMA PROPOSTA DE FORMAÇÃO CONTINUADA CENTRADA NA ESCOLA Valéria Aparecida Vieira Velis Orientador: Prof. Dr. Celso Luiz Ap. Conti Mestrado em Educação Linha de pesquisa:

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE PRÁTICAS DE LETRAMENTO(S) E PROCESSOS DE ENSINO-APRENDIZAGEM NO CURSO DA DISTORÇÃO IDADE- SÉRIE CDIS

REFLEXÕES SOBRE PRÁTICAS DE LETRAMENTO(S) E PROCESSOS DE ENSINO-APRENDIZAGEM NO CURSO DA DISTORÇÃO IDADE- SÉRIE CDIS REFLEXÕES SOBRE PRÁTICAS DE LETRAMENTO(S) E PROCESSOS DE ENSINO-APRENDIZAGEM NO CURSO DA DISTORÇÃO IDADE- SÉRIE CDIS 1 Ana Paula Carvalho 2 Vanda Barbosa 3 Vângela Vasconcelos Resumo: Neste trabalho investigamos

Leia mais

ANÁLISE DA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE CIÊNCIAS NATURAIS ATRAVÉS DE EXPERIÊNCIAS NO PIBID/UFPA

ANÁLISE DA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE CIÊNCIAS NATURAIS ATRAVÉS DE EXPERIÊNCIAS NO PIBID/UFPA ANÁLISE DA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE CIÊNCIAS NATURAIS ATRAVÉS DE EXPERIÊNCIAS NO PIBID/UFPA Lilliane Miranda Freitas (Faculdade de Biologia/Universidade Federal do Pará) Resumo: Este trabalho tem como

Leia mais

DIÁRIO DE BORDO E PROCESSOFÓLIO. INSTRUMENTOS DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES

DIÁRIO DE BORDO E PROCESSOFÓLIO. INSTRUMENTOS DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DIÁRIO DE BORDO E PROCESSOFÓLIO. INSTRUMENTOS DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES Mercedes Bêtta Quintano de Carvalho Pereira dos Santos ( Centro Universitário São Camilo) GT 02 Formação de Professores As alunas

Leia mais

UM OLHAR SOBRE AS PRÁTICAS DE LEITURA NAS AULAS DE LÍNGUA PORTUGUESA EM 5ª E 8ª SÉRIES

UM OLHAR SOBRE AS PRÁTICAS DE LEITURA NAS AULAS DE LÍNGUA PORTUGUESA EM 5ª E 8ª SÉRIES UM OLHAR SOBRE AS PRÁTICAS DE LEITURA NAS AULAS DE LÍNGUA PORTUGUESA EM 5ª E 8ª SÉRIES VERA LUCIA MAZUR BENASSI (UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA). Resumo O presente texto tem por objetivo apresentar

Leia mais

A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO PROFESSOR QUE ATUA NAS SÉRIES INICIAIS: DESAFIOS NO PROCESSO DE ENSINO - APRENDIZAGEM

A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO PROFESSOR QUE ATUA NAS SÉRIES INICIAIS: DESAFIOS NO PROCESSO DE ENSINO - APRENDIZAGEM A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO PROFESSOR QUE ATUA NAS SÉRIES INICIAIS: DESAFIOS NO PROCESSO DE ENSINO - APRENDIZAGEM Danyelle Ravenna Lopes de Sousa Estudante de Pedagogia - UESPI Janaina Gomes Viana de Souza

Leia mais

SABERES E PRÁTICAS DOCENTES: REPENSANDO A FORMAÇÃO CONTINUADA

SABERES E PRÁTICAS DOCENTES: REPENSANDO A FORMAÇÃO CONTINUADA SABERES E PRÁTICAS DOCENTES: REPENSANDO A FORMAÇÃO CONTINUADA Maria Cristina Ribas Rosinksi/Mestranda PPGE-UFSM Valeska Fortes de Oliveira/Orientadora PPGE-UFSM As pesquisas realizadas na área de Formação

Leia mais

Palavras-chave: relação pais-escola-educadores, qualidade na educação, atuação educacional.

Palavras-chave: relação pais-escola-educadores, qualidade na educação, atuação educacional. 1 PAIS E EDUCADORES: IDENTIFICANDO SIGNIFICADOS A RESPEITO DA RELAÇÃO FAMÍLIA-ESCOLA Josiane da Costa Mafra josimafra@hotmail.com Lúcia Helena Ferreira Mendonça Costa luciacost@hotmail.com Camila Turati

Leia mais

FORMAR E FORMAR-SE NA ATIVIDADE DE ENSINO DE MATEMÁTICA Manoel Oriosvaldo Moura (USP) Elaine Sampaio Araújo Isabel Alarcão José Tavares

FORMAR E FORMAR-SE NA ATIVIDADE DE ENSINO DE MATEMÁTICA Manoel Oriosvaldo Moura (USP) Elaine Sampaio Araújo Isabel Alarcão José Tavares FORMAR E FORMAR-SE NA ATIVIDADE DE ENSINO DE MATEMÁTICA Manoel Oriosvaldo Moura (USP) Elaine Sampaio Araújo Isabel Alarcão José Tavares O presente trabalho tem por objetivo caracterizar uma proposta de

Leia mais

EXPECTATIVAS DE ALUNOS DE LICENCIATURA SOBRE SER PROFESSOR DE MATEMÁTICA

EXPECTATIVAS DE ALUNOS DE LICENCIATURA SOBRE SER PROFESSOR DE MATEMÁTICA EXPECTATIVAS DE ALUNOS DE LICENCIATURA SOBRE SER PROFESSOR DE MATEMÁTICA Resumo MANRIQUE, Ana Lúcia - PUC/SP manrique@pucsp.br LASSO, Aristeu Alvarenga - SEE/SP CNPq/Fapesp O professor da Educação Básica

Leia mais

O COORDENADOR PEDAGÓGICO E A INCLUSÃO DOS ALUNOS COM SURDEZ

O COORDENADOR PEDAGÓGICO E A INCLUSÃO DOS ALUNOS COM SURDEZ O COORDENADOR PEDAGÓGICO E A INCLUSÃO DOS ALUNOS COM SURDEZ Introdução Maria Amélia da Silva Viana Márcia Rafaella Graciliano dos Santos Viana UNASUR aneliavianna@hotmail.com A educação de qualidade é

Leia mais

ESTUDO DE CASO PSICOPEDAGÓGICO

ESTUDO DE CASO PSICOPEDAGÓGICO ESTUDO DE CASO PSICOPEDAGÓGICO Autora: Suellen Viviane Lemos Fernandes Co-autora: Maria Irene Miranda Bernardes Universidade Federal de Uberlândia suellenped65@hotmail.com Introdução O presente trabalho

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA: MUDANÇAS NA PRÁTICA PEDAGÓGICA NA VIVÊNCIA DE UM PROGRAMA.

FORMAÇÃO CONTINUADA: MUDANÇAS NA PRÁTICA PEDAGÓGICA NA VIVÊNCIA DE UM PROGRAMA. FORMAÇÃO CONTINUADA: MUDANÇAS NA PRÁTICA PEDAGÓGICA NA VIVÊNCIA DE UM PROGRAMA. Rosângela de Fátima Cavalcante França* Universidade Federal de Mato Grosso do Sul RESUMO Este texto apresenta de forma resumida

Leia mais

SENTIDOS SUBJETIVOS DE ESTUDANTES DE BIOLOGIA A PARTIR DO USO DAS TICs

SENTIDOS SUBJETIVOS DE ESTUDANTES DE BIOLOGIA A PARTIR DO USO DAS TICs SENTIDOS SUBJETIVOS DE ESTUDANTES DE BIOLOGIA A PARTIR DO USO DAS TICs Iris Maria de Moura Possas (Universidade Federal do Pará Instituto de Educação em Ciências e Matemática e Escola de Ensino Fundamental

Leia mais

A SISTEMATIZAÇÃO COLETIVA DO CONHECIMENTO NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM DE CINESIOTERAPIA

A SISTEMATIZAÇÃO COLETIVA DO CONHECIMENTO NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM DE CINESIOTERAPIA A SISTEMATIZAÇÃO COLETIVA DO CONHECIMENTO NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM DE CINESIOTERAPIA Adriane Mazola de Araújo Perpetuo Pura Lúcia Oliver Martins PUCPR A preocupação com a formação profissional

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO INSTITUTO MULTIDISCIPLINAR MANUAL DE ESTÁGIO DO CURSO DE LICENCIATURA EM GEOGRAFIA

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO INSTITUTO MULTIDISCIPLINAR MANUAL DE ESTÁGIO DO CURSO DE LICENCIATURA EM GEOGRAFIA UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO INSTITUTO MULTIDISCIPLINAR DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO E SOCIEDADE CURSO DE LICENCIATURA EM GEOGRAFIA MANUAL DE ESTÁGIO DO CURSO DE LICENCIATURA EM GEOGRAFIA Nova

Leia mais

ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO NA GESTÃO ESCOLAR: OBSERVAÇÕES, PARTICIPAÇÕES E INTERVENÇÕES PEDAGÓGICAS

ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO NA GESTÃO ESCOLAR: OBSERVAÇÕES, PARTICIPAÇÕES E INTERVENÇÕES PEDAGÓGICAS ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO NA GESTÃO ESCOLAR: OBSERVAÇÕES, PARTICIPAÇÕES E INTERVENÇÕES PEDAGÓGICAS RESUMO Eliane Barbosa Éllen Patrícia Alves Castilho Deyse Cristina Brandão Este trabalho refere-se

Leia mais

3 Metodologia 3.1. Design da pesquisa

3 Metodologia 3.1. Design da pesquisa 3 Metodologia 3.1. Design da pesquisa O objetivo do presente estudo é o de avaliar um processo de comunicação oficial na organização STAR, uma organização do segmento de educação, sem fins lucrativos,

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID): UMA AVALIAÇÃO DA ESCOLA SOBRE SUAS CONTRIBUIÇÕES

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID): UMA AVALIAÇÃO DA ESCOLA SOBRE SUAS CONTRIBUIÇÕES PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID): UMA AVALIAÇÃO DA ESCOLA SOBRE SUAS CONTRIBUIÇÕES Silva.A.A.S. Acadêmica do curso de Pedagogia (UVA), Bolsista do PIBID. Resumo: O trabalho

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DO PIBID PARA O APERFEIÇOAMENTO DA PRÁTICA DOCENTE: INOVAÇÕES NO AMBIENTE ESCOLAR

CONTRIBUIÇÕES DO PIBID PARA O APERFEIÇOAMENTO DA PRÁTICA DOCENTE: INOVAÇÕES NO AMBIENTE ESCOLAR ISSN 2316-7785 CONTRIBUIÇÕES DO PIBID PARA O APERFEIÇOAMENTO DA PRÁTICA DOCENTE: INOVAÇÕES NO AMBIENTE ESCOLAR Gabriela Dutra Rodrigues Conrado Universidade Federal do Pampa - UNIPAMPA gabrielapof@hotmail.com

Leia mais

OS SABERES PROFISSIONAIS PARA O USO DE RECURSOS TECNOLÓGICOS NA ESCOLA

OS SABERES PROFISSIONAIS PARA O USO DE RECURSOS TECNOLÓGICOS NA ESCOLA OS SABERES PROFISSIONAIS PARA O USO DE RECURSOS TECNOLÓGICOS NA ESCOLA Suzana Marssaro do Santos - suzanamarsaro@hotmail.com Priscila Moessa Bezerra - p-moessabezerra@hotmail.com Célia Regina de Carvalho

Leia mais

EDUCAÇÃO ALGÉBRICA, DIÁLOGOS E APRENDIZAGEM: UM RELATO DO TRABALHO COM UMA PROPOSTA DIDÁTICA 1

EDUCAÇÃO ALGÉBRICA, DIÁLOGOS E APRENDIZAGEM: UM RELATO DO TRABALHO COM UMA PROPOSTA DIDÁTICA 1 EDUCAÇÃO ALGÉBRICA, DIÁLOGOS E APRENDIZAGEM: UM RELATO DO TRABALHO COM UMA PROPOSTA DIDÁTICA 1 Claudemir Monteiro Lima Secretária de Educação do Estado de São Paulo claudemirmonteiro@terra.com.br João

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA E EDUCAÇÃO ESPECIAL: A RELAÇÃO DE PARCERIA ENTRE PROFESSORES QUE TRABALHAM NO MODELO DE ENSINO COLABORATIVO

EDUCAÇÃO FÍSICA E EDUCAÇÃO ESPECIAL: A RELAÇÃO DE PARCERIA ENTRE PROFESSORES QUE TRABALHAM NO MODELO DE ENSINO COLABORATIVO EDUCAÇÃO FÍSICA E EDUCAÇÃO ESPECIAL: A RELAÇÃO DE PARCERIA ENTRE PROFESSORES QUE TRABALHAM NO MODELO DE ENSINO COLABORATIVO Patrícia Santos de Oliveira¹ Melina Thais da Silva² RESUMO A proposta de trabalho

Leia mais

O TRABALHO DOCENTE E A FORMAÇÃO HUMANA NO CONTEXTO DA SALA DE AULA

O TRABALHO DOCENTE E A FORMAÇÃO HUMANA NO CONTEXTO DA SALA DE AULA O TRABALHO DOCENTE E A FORMAÇÃO HUMANA NO CONTEXTO DA SALA DE AULA Resumo BELADELLI, Ediana Maria Noatto 1 - CTESOP ORO, Maria Consoladora Parisotto 2 - CTESOP BASTOS, Carmem Célia Barradas Correia 3 -

Leia mais

Lógicas de Supervisão Pedagógica em Contexto de Avaliação de Desempenho Docente. ENTREVISTA - Professor Avaliado - E 5

Lógicas de Supervisão Pedagógica em Contexto de Avaliação de Desempenho Docente. ENTREVISTA - Professor Avaliado - E 5 Sexo Idade Grupo de Anos de Escola docência serviço Feminino 46 Filosofia 22 Distrito do Porto A professora, da disciplina de Filosofia, disponibilizou-se para conversar comigo sobre o processo de avaliação

Leia mais

A inclusão das Línguas Estrangeiras Modernas no Programa Nacional do Livro Didático (PNLD) Por Ana Paula Seixas Vial e Jonathan Zotti da Silva

A inclusão das Línguas Estrangeiras Modernas no Programa Nacional do Livro Didático (PNLD) Por Ana Paula Seixas Vial e Jonathan Zotti da Silva A inclusão das Línguas Estrangeiras Modernas no Programa Nacional do Livro Didático (PNLD) Por Ana Paula Seixas Vial e Jonathan Zotti da Silva Pela primeira vez, o Programa Nacional do Livro Didático (PNLD)

Leia mais

Seminário do 16º COLE vinculado: 10

Seminário do 16º COLE vinculado: 10 Kelly Cristina Ducatti da Silva. Doutoranda UNICAMP/Campinas-SP, Professora do Ensino Fundamental (Prefeitura Municipal de Bauru) e Docente UNESP/BAURU kellyducatti@hotmail.com RELATO DE EXPERIÊNCIA: UM

Leia mais

Centro Acadêmico Paulo Freire - CAPed Maceió - Alagoas - Brasil ISSN: 1981-3031

Centro Acadêmico Paulo Freire - CAPed Maceió - Alagoas - Brasil ISSN: 1981-3031 COORDENADOR PEDAGÓGICO E SUA IMPORTÂNCIA NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM Polyana Marques Lima Rodrigues 1 poly90lima@hotmail.com Willams dos Santos Rodrigues Lima 2 willams.rodrigues@hotmail.com RESUMO

Leia mais

Perspectivas de Formação de Formadores com apoio da EaD: emprego de métodos ativos e avaliação formativa

Perspectivas de Formação de Formadores com apoio da EaD: emprego de métodos ativos e avaliação formativa 1 Perspectivas de Formação de Formadores com apoio da EaD: emprego de métodos ativos e avaliação formativa Solange Rauchbach Garani Escola da Magistratura do Paraná E-mail: solangergarani@yahoo.com.br

Leia mais

Resenha sobre o capítulo II Concepção e Organização da pesquisa do livro Metodologia da Pesquisa-ação

Resenha sobre o capítulo II Concepção e Organização da pesquisa do livro Metodologia da Pesquisa-ação Resenha sobre o capítulo II Concepção e Organização da pesquisa do livro Metodologia da Pesquisa-ação Felipe Schadt 1 O presente capítulo 2 é parte integrante do livro Metodologia da Pesquisa-ação, do

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 ANÁLISE ESTATÍSTICA DE DADOS DO INEP SOBRE A CORRELAÇÃO ENTRE O PERFIL PROFISSIONAL DOS PROFESSORES DA CIDADE DE SÃO CARLOS QUE ATUAM NA EDUCAÇÃO BÁSICA E, A BUSCA POR FORMAÇÃO CONTINUADA E INOVAÇÃO EDUCACIONAL

Leia mais

EXPERIÊNCIAS DE UM PROJETO DE APOIO ESCOLAR COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE SOCIAL Extensão em andamento

EXPERIÊNCIAS DE UM PROJETO DE APOIO ESCOLAR COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE SOCIAL Extensão em andamento EXPERIÊNCIAS DE UM PROJETO DE APOIO ESCOLAR COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE SOCIAL Extensão em andamento Jéssica Albino 1 ; Sônia Regina de Souza Fernandes 2 RESUMO O trabalho

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO, CULTURA E ASSUNTOS ESTUDANTIS II SIMPÓSIO DE EXTENSÃO, CULTURA E ASSUNTOS ESTUDANTIS 13 e 14 de junho de 2013 O PROJETO DE EXTENSÃO MATEMÁTICA LEGAL

Leia mais

A COMPETITIVIDADE NA DOCÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR Doutoranda: Ilciane Maria Sganzerla Breitenbach- Universidade do Vale do Rio dos Sinos

A COMPETITIVIDADE NA DOCÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR Doutoranda: Ilciane Maria Sganzerla Breitenbach- Universidade do Vale do Rio dos Sinos A COMPETITIVIDADE NA DOCÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR Doutoranda: Ilciane Maria Sganzerla Breitenbach- Universidade do Vale do Rio dos Sinos RESUMO O trabalho, com suas exigências e extensa carga horária, com

Leia mais

Entrevista publicada na Folha Dirigida, Rio de Janeiro, Edição nº 1069, de 06/10/2006, no caderno Aprender, pág. 9

Entrevista publicada na Folha Dirigida, Rio de Janeiro, Edição nº 1069, de 06/10/2006, no caderno Aprender, pág. 9 Entrevista publicada na Folha Dirigida, Rio de Janeiro, Edição nº 1069, de 06/10/2006, no caderno Aprender, pág. 9 Cipriano Carlos Luckesi, Doutor em Educação pela PUC de São Paulo, Professor do Programa

Leia mais

Gêneros discursivos no ciclo da alfabetização 1º ao 3º ano do ensino fundamental

Gêneros discursivos no ciclo da alfabetização 1º ao 3º ano do ensino fundamental Gêneros discursivos no ciclo da alfabetização 1º ao 3º ano do ensino fundamental Não se aprende por exercícios, mas por práticas significativas. Essa afirmação fica quase óbvia se pensarmos em como uma

Leia mais

O TRABALHO DOCENTE NUM PROGRAMA DE ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: CONTRADIÇÕES E PERSPECTIVAS

O TRABALHO DOCENTE NUM PROGRAMA DE ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: CONTRADIÇÕES E PERSPECTIVAS O TRABALHO DOCENTE NUM PROGRAMA DE ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: CONTRADIÇÕES E PERSPECTIVAS Daiana Rodrigues dos Santos Prado¹; Francine de Paulo Martins² Estudante do Curso de Pedagogia; e-mail:

Leia mais

POR UMA EAD INCLUSIVA: DESAFIOS E OPORTUNIDADES.

POR UMA EAD INCLUSIVA: DESAFIOS E OPORTUNIDADES. 1 POR UMA EAD INCLUSIVA: DESAFIOS E OPORTUNIDADES. Indaial, Maio, 2011. Tatiana dos Santos da Silveira - UNIASSELVI silsa@terra.com.br Educação Universitária Nível Meso Gerenciamento, Organização e Tecnologia

Leia mais

RELATO DE EXPERIÊNCIA DA PRÁTICA DE LEITURA SIMULTÂNEA: FORMANDO COMPORTAMENTO LEITOR

RELATO DE EXPERIÊNCIA DA PRÁTICA DE LEITURA SIMULTÂNEA: FORMANDO COMPORTAMENTO LEITOR RELATO DE EXPERIÊNCIA DA PRÁTICA DE LEITURA SIMULTÂNEA: FORMANDO COMPORTAMENTO LEITOR Cristina Marico Matsubara Prefeitura do Município de São Paulo cr.matsubara@gmail.com Emilio Celso de Oliveira Prefeitura

Leia mais

Osasco - SP 04/2015. Classe B1 Estudo de Caso. Setor Educacional - c) Educação Superior

Osasco - SP 04/2015. Classe B1 Estudo de Caso. Setor Educacional - c) Educação Superior EaD DE DENTRO PARA FORA: O APROVEITAMENTO E INTEGRAÇÃO DOS DOCENTES PRESENCIAIS COMO FORMA DE MELHORAR O ENVOLVIMENTO E ENFRENTAR OS DESAFIOS DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA EM UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR.

Leia mais

Palavras-chave: Letramento. Alfabetização. Ensino-aprendizagem.

Palavras-chave: Letramento. Alfabetização. Ensino-aprendizagem. ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO: CONTRIBUIÇÕES DO PIBID PARA O ENSINO-APRENDIZAGEM DA LEITURA E ESCRITA NAS SERIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL RESUMO: BARBOSA, Maria Julia de Araújo. Pedagogia - UEPB/Campus

Leia mais

JOGO DE QUÍMICA: UM MÉTODO LÚDICO PARA COMPREENSÃO DE CONCEITOS E INTERAÇÃO ENTRE OS SUJEITOS.

JOGO DE QUÍMICA: UM MÉTODO LÚDICO PARA COMPREENSÃO DE CONCEITOS E INTERAÇÃO ENTRE OS SUJEITOS. JOGO DE QUÍMICA: UM MÉTODO LÚDICO PARA COMPREENSÃO DE CONCEITOS E INTERAÇÃO ENTRE OS SUJEITOS. cibdo@yahoo.com.br Cristiane Barbosa de Oliveira * (PQ) Neusa Maria John Scheid (PG). Palavras-Chave: Educação

Leia mais

Perspectivas de Formação de Formadores com apoio da EaD: emprego de métodos ativos e avaliação formativa

Perspectivas de Formação de Formadores com apoio da EaD: emprego de métodos ativos e avaliação formativa Perspectivas de Formação de Formadores com apoio da EaD: emprego de métodos ativos e avaliação formativa Texto revisto pela autora, quanto ao conteúdo. Retirada a indicação da instituição pois não atua

Leia mais

O PORTFÓLIO ENQUANTO INSTRUMENTO DE REFLEXÃO DA PRÁTICA DOCENTE NA EDUCAÇÃO INFANTIL

O PORTFÓLIO ENQUANTO INSTRUMENTO DE REFLEXÃO DA PRÁTICA DOCENTE NA EDUCAÇÃO INFANTIL O PORTFÓLIO ENQUANTO INSTRUMENTO DE REFLEXÃO DA PRÁTICA DOCENTE NA EDUCAÇÃO INFANTIL Telma Maria Pereira dos Santos Graduada em Pedagogia pela Universidade do Estado da Bahia UNEB e Pós-graduada em Educação

Leia mais

Contexto. Rosana Jorge Monteiro Magni

Contexto. Rosana Jorge Monteiro Magni Título MUDANÇAS DE CONCEPÇÕES SOBRE O PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE GEOMETRIA EM UM CURSO DE ATUALIZAÇÃO PARA PROFESSORES DE MATEMÁTICA DA EDUCAÇÃO BÁSICA Doutoranda da Universidade Anhangura/ Uniban

Leia mais

DIFICULDADES ENFRENTADAS POR PROFESSORES E ALUNOS DA EJA NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA

DIFICULDADES ENFRENTADAS POR PROFESSORES E ALUNOS DA EJA NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA 27 a 30 de Agosto de 2014. DIFICULDADES ENFRENTADAS POR PROFESSORES E ALUNOS DA EJA NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA Resumo: MACHADO, Diana dos Santos 1 Ifes - Campus Cachoeiro de Itapemirim

Leia mais

EXPRESSÃO CORPORAL: UMA REFLEXÃO PEDAGÓGICA

EXPRESSÃO CORPORAL: UMA REFLEXÃO PEDAGÓGICA EXPRESSÃO CORPORAL: UMA REFLEXÃO PEDAGÓGICA Rogério Santos Grisante 1 ; Ozilia Geraldini Burgo 2 RESUMO: A prática da expressão corporal na disciplina de Artes Visuais no Ensino Fundamental II pode servir

Leia mais

Comunicação Relato de Experiência

Comunicação Relato de Experiência OBSERVANDO AULAS DE MÙSICA NA ESCOLA: AS ORIENTAÇÕES DO PROFESSOR EM PRÁTICAS DE CONJUNTO COM PERCUSSÃO E NO PROCESSO DE CRIAÇÃO MUSICAL UM RELATO DE EXPERIÊNCIA Armando César da Silva ac_guitar@hotmail.com

Leia mais

SIGNIFICADOS ATRIBUÍDOS ÀS AÇÕES DE FORMAÇÃO CONTINUADA DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DO RECIFE/PE

SIGNIFICADOS ATRIBUÍDOS ÀS AÇÕES DE FORMAÇÃO CONTINUADA DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DO RECIFE/PE SIGNIFICADOS ATRIBUÍDOS ÀS AÇÕES DE FORMAÇÃO CONTINUADA DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DO RECIFE/PE Adriele Albertina da Silva Universidade Federal de Pernambuco, adrielealbertina18@gmail.com Nathali Gomes

Leia mais

O ESTÁGIO SUPERVISIONADO NAS LICENCIATURAS A DISTÂNCIA DA UFRN: Desafios e perpectivas para uma formação reflexiva e investigativa

O ESTÁGIO SUPERVISIONADO NAS LICENCIATURAS A DISTÂNCIA DA UFRN: Desafios e perpectivas para uma formação reflexiva e investigativa O ESTÁGIO SUPERVISIONADO NAS LICENCIATURAS A DISTÂNCIA DA UFRN: Desafios e perpectivas para uma formação reflexiva e investigativa RESUMO Jacyene Melo de Oliveira Araújo Profª Drª UFRN- CE-SEDIS Os Estágios

Leia mais

Os fazeres do coordenador pedagógico: gico: da clareza conceitual à eficiência da açãoa. Prof. Francisca Paris francisca@souagora.com.

Os fazeres do coordenador pedagógico: gico: da clareza conceitual à eficiência da açãoa. Prof. Francisca Paris francisca@souagora.com. Os fazeres do coordenador pedagógico: gico: da clareza conceitual à eficiência da açãoa Prof. Francisca Paris francisca@souagora.com.br Clareza conceitual e eficiência da ação Compreender a essência do

Leia mais

A PESQUISA NA FORMAÇÃO DE PEDAGOGOS: UM ESTUDO DE CASO

A PESQUISA NA FORMAÇÃO DE PEDAGOGOS: UM ESTUDO DE CASO A PESQUISA NA FORMAÇÃO DE PEDAGOGOS: UM ESTUDO DE CASO Msc. Maria Iolanda Fontana - PUCPR / UTP miolandafontana@hotmail.com RESUMO O presente trabalho sintetiza parcialmente o conteúdo da dissertação de

Leia mais

ESPELHO, ESPELHO MEU: HÁ ALGUÉM MAIS IMPORTANTE DO QUE EU? - UM ESTUDO SOBRE O DIÁLOGO NA RELAÇÃO ENTRE PROFESSORA E MÃE EM CRECHE

ESPELHO, ESPELHO MEU: HÁ ALGUÉM MAIS IMPORTANTE DO QUE EU? - UM ESTUDO SOBRE O DIÁLOGO NA RELAÇÃO ENTRE PROFESSORA E MÃE EM CRECHE ESPELHO, ESPELHO MEU: HÁ ALGUÉM MAIS IMPORTANTE DO QUE EU? - UM ESTUDO SOBRE O DIÁLOGO NA RELAÇÃO ENTRE PROFESSORA E MÃE EM CRECHE Márcia Gagliardi Núcleo de Estudos e Pesquisas: Formação de Professores

Leia mais

O CURRÍCULO NA PERSPECTIVA DO RECONSTRUCIONISMO SOCIAL

O CURRÍCULO NA PERSPECTIVA DO RECONSTRUCIONISMO SOCIAL O CURRÍCULO NA PERSPECTIVA DO RECONSTRUCIONISMO SOCIAL Resumo Fabiana Antunes Machado 1 - UEL/PR Rosana Peres 2 - UEL/PR Grupo de trabalho - Comunicação e Tecnologia Agência Financiadora: Capes Objetiva-se

Leia mais

1 A FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DO DOCENTE PARA A EDUCAÇÃO SUPERIOR: DELINEANDO CAMINHOS E APROXIMAÇÕES RIVAS, Noeli Prestes Padilha USP noerivas@ffclrp.usp.br CONTE, Karina de Melo USP karina_conte@yahoo.com.br

Leia mais

O ESTÁGIO SUPERVISIONADO COMO BUSCA DE UMA POSTURA METODOLÓGICA REFLEXIVA E INVESTIGADORA E A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE PROFISSIONAL DO FUTURO DOCENTE

O ESTÁGIO SUPERVISIONADO COMO BUSCA DE UMA POSTURA METODOLÓGICA REFLEXIVA E INVESTIGADORA E A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE PROFISSIONAL DO FUTURO DOCENTE O ESTÁGIO SUPERVISIONADO COMO BUSCA DE UMA POSTURA METODOLÓGICA REFLEXIVA E INVESTIGADORA E A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE PROFISSIONAL DO FUTURO DOCENTE FIGUEIREDO, Katherine Medeiros¹; OLIVEIRA, Claudimary

Leia mais

O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA

O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA Profª. Ms. Marilce da Costa Campos Rodrigues - Grupo de estudos e pesquisas em Política e Formação Docente: ensino fundamental

Leia mais

Palavras-chaves: Formação de professores; Estágio Supervisionado; Reflexão sobre a prátida; Escrita docente; Diários de aula.

Palavras-chaves: Formação de professores; Estágio Supervisionado; Reflexão sobre a prátida; Escrita docente; Diários de aula. DIÁRIOS DE AULA ONLINE: ANÁLISE DE UM DISPOSITIVO DE FORMAÇÃO DOCENTE NA LICENCIATURA EM MATEMÁTICA Jane Bittencourt 1 Alice Stephanie Tapia Sartori 2 Resumo Esse trabalho tem como foco a formação inicial

Leia mais

Reflexões sobre a prática docente na Educação Infantil.

Reflexões sobre a prática docente na Educação Infantil. 6. Humanização, diálogo e amorosidade. Reflexões sobre a prática docente na Educação Infantil. Santos, Marisa Alff dos 1 Resumo O presente trabalho tem como objetivo refletir sobre as práticas docentes

Leia mais

OS SABERES NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA. Cleber Luiz da Cunha 1, Tereza de Jesus Ferreira Scheide 2

OS SABERES NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA. Cleber Luiz da Cunha 1, Tereza de Jesus Ferreira Scheide 2 Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 1029 OS SABERES NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA Cleber Luiz da Cunha 1, Tereza de Jesus Ferreira Scheide 2

Leia mais

UM POUCO ALÉM DA LEITURA INSTRUMENTAL: O ENSINO DA LÍNGUA ESTRANGEIRA(INGLÊS) NO CURSO TÉCNICO INTEGRADO EM EDIFICAÇÕES DO IFG-CÂMPUS JATAÍ

UM POUCO ALÉM DA LEITURA INSTRUMENTAL: O ENSINO DA LÍNGUA ESTRANGEIRA(INGLÊS) NO CURSO TÉCNICO INTEGRADO EM EDIFICAÇÕES DO IFG-CÂMPUS JATAÍ UM POUCO ALÉM DA LEITURA INSTRUMENTAL: O ENSINO DA LÍNGUA ESTRANGEIRA(INGLÊS) NO CURSO TÉCNICO INTEGRADO EM EDIFICAÇÕES DO IFG-CÂMPUS JATAÍ Daniella de Souza Bezerra - daniella@jatai.ifg.edu.br Daniela

Leia mais

PSICOPEDAGOGO: QUAL É A SUA FUNÇÃO?

PSICOPEDAGOGO: QUAL É A SUA FUNÇÃO? PSICOPEDAGOGO: QUAL É A SUA FUNÇÃO? Élida Mara de Jesus Dias (PUC-SP) Resumo Este artigo tem como objetivo analisar a atuação do psicopedagogo frente às dificuldades no processo ensino-aprendizagem na

Leia mais

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 0 2014 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL FUNDAÇÃO EDUCACIONAL CLAUDINO FRANCIO FACULDADE CENTRO MATO-GROSSENSE SORRISO/MT Portaria Nº 004/2015 Dispõe sobre Relatório Apresentado pela Comissão Própria

Leia mais

G1 Formação de Professores. Julia de Cassia Pereira do Nascimento (DO)/ juliacpn@interacaosp.com.br Edda Curi/ edda.curi@cruzeirodosul.edu.

G1 Formação de Professores. Julia de Cassia Pereira do Nascimento (DO)/ juliacpn@interacaosp.com.br Edda Curi/ edda.curi@cruzeirodosul.edu. CONTRIBUIÇÕES DO ESTÁGIO PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL: INDICATIVOS DA LEGISLAÇÃO VIGENTE E DA ORGANIZAÇÃO DO ESTÁGIO NUM CURSO DE PEDAGOGIA G1 Formação de Professores

Leia mais

HISTÓRIA ORAL NO ENSINO FUNDAMENTAL: O REGIME MILITAR NO EX- TERRITÓRIO DE RORAIMA

HISTÓRIA ORAL NO ENSINO FUNDAMENTAL: O REGIME MILITAR NO EX- TERRITÓRIO DE RORAIMA HISTÓRIA ORAL NO ENSINO FUNDAMENTAL: O REGIME MILITAR NO EX- TERRITÓRIO DE RORAIMA LYSNE NÔZENIR DE LIMA LIRA, 1 HSTÉFFANY PEREIRA MUNIZ 2 1. Introdução Este trabalho foi criado a partir da experiência

Leia mais

A MOTIVAÇÃO DOS ALUNOS EM SALA DE AULA NA DISCIPLINA DE PORTUGUÊS

A MOTIVAÇÃO DOS ALUNOS EM SALA DE AULA NA DISCIPLINA DE PORTUGUÊS 0 A MOTIVAÇÃO DOS ALUNOS EM SALA DE AULA NA DISCIPLINA DE PORTUGUÊS 1 A MOTIVAÇÃO DOS ALUNOS EM SALA DE AULA NA DISCIPLINA DE PORTUGUÊS Renato da Guia Oliveira 2 FICHA CATALOGRÁFICA OLIVEIRA. Renato da

Leia mais

OS JOGOS PEDAGÓGICOS COMO FERRAMENTAS DE ENSINO

OS JOGOS PEDAGÓGICOS COMO FERRAMENTAS DE ENSINO OS JOGOS PEDAGÓGICOS COMO FERRAMENTAS DE ENSINO Resumo FIALHO, Neusa Nogueira FACINTER neusa_nf@yahoo.com.br Área Temática: Educação: Teorias, Metodologias e Práticas. Não contou com financiamento A falta

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DO CURRÍCULO DE EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE CHAPECÓ SC

A CONSTRUÇÃO DO CURRÍCULO DE EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE CHAPECÓ SC A CONSTRUÇÃO DO CURRÍCULO DE EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE CHAPECÓ SC FIGUEIREDO, Anelice Maria Banhara - SME / Chapecó/SC anelicefigueiredo@gmail.com LORENZET, Simone Vergínia - SME

Leia mais

ANÁLISE DE PERFIL E NECESSIDADES DOS ALUNOS: FATORES DETERMINANTES PARA A MEDIAÇÃO DA APRENDIZAGEM NA TUTORIA DA EAD SEBRAE

ANÁLISE DE PERFIL E NECESSIDADES DOS ALUNOS: FATORES DETERMINANTES PARA A MEDIAÇÃO DA APRENDIZAGEM NA TUTORIA DA EAD SEBRAE ANÁLISE DE PERFIL E NECESSIDADES DOS ALUNOS: FATORES DETERMINANTES PARA A MEDIAÇÃO DA APRENDIZAGEM NA TUTORIA DA EAD SEBRAE Florianópolis - SC Abril 2015 Aline Linhares F. Silveira. IEA e-learning- aline.silveira@iea.com.br

Leia mais

PROPOSTA PARA ESTÁGIO SUPERVISIONADO II ENSINO DE CIÊNCIAS 2010

PROPOSTA PARA ESTÁGIO SUPERVISIONADO II ENSINO DE CIÊNCIAS 2010 PROPOSTA PARA ESTÁGIO SUPERVISIONADO II ENSINO DE CIÊNCIAS 2010 OBSERVAÇÃO NA ESCOLA Localização da Escola 29/03 16/04 Espaço Físico PPP e o Ensino de Ciências OBSERVAÇÃO NA SALA Relação Professor/Alunos

Leia mais

ix SINESP Sindicato dos Especialistas de Educação do Ensino Municipal de São Paulo SME Secretaria Municipal de Educação SPO Serviço de Orientação Pedagógica Unicid Universidade Cidade de São Paulo USAID

Leia mais

Palavras-chave: aprendizagem da docência, formação inicial, sala de aula

Palavras-chave: aprendizagem da docência, formação inicial, sala de aula A OBSERVAÇÃO DE AULA COMO CAMPO DE APRENDIZAGEM DA DOCÊNCIA: Relato de experiencia T. A. Silva ¹; F. J. Lima 2 1 Aluna do Curso de Licenciatura em Matemática do IFCE campus de Cedro e- mail: thamy.2019@gmail.com

Leia mais

INCLUSÃO E ACESSIBILIDADE EDUCACIONAL: PERSPECTIVAS SOB O OLHAR DA EDUCAÇÃO ESPECIAL

INCLUSÃO E ACESSIBILIDADE EDUCACIONAL: PERSPECTIVAS SOB O OLHAR DA EDUCAÇÃO ESPECIAL INCLUSÃO E ACESSIBILIDADE EDUCACIONAL: PERSPECTIVAS SOB O OLHAR DA EDUCAÇÃO ESPECIAL CAMARGO, Renata Gomes UFSM re_kmargo@hotmail.com Eixo Temático: Diversidade e Inclusão Agência Financiadora: não contou

Leia mais

O ESPAÇO COLETIVO ESCOLAR DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA EM COMUNIDADES DE PRÁTICA

O ESPAÇO COLETIVO ESCOLAR DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA EM COMUNIDADES DE PRÁTICA O ESPAÇO COLETIVO ESCOLAR DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA EM COMUNIDADES DE PRÁTICA Eduardo Gomes Vieira Vicentino Prefeitura da Cidade de São Paulo vicentinoe@yahoo.com.br Nielce Meneguelo Lobo da Costa Universidade

Leia mais

A PERCEPÇÃO DE GRADUANDOS EM PEDAGOGIA SOBRE A EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA FORMAÇÃO DO EDUCADOR EM UMA FACULDADE EM MONTE ALEGRE DO PIAUÍ - PI

A PERCEPÇÃO DE GRADUANDOS EM PEDAGOGIA SOBRE A EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA FORMAÇÃO DO EDUCADOR EM UMA FACULDADE EM MONTE ALEGRE DO PIAUÍ - PI A PERCEPÇÃO DE GRADUANDOS EM PEDAGOGIA SOBRE A EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA FORMAÇÃO DO EDUCADOR EM UMA FACULDADE EM MONTE ALEGRE DO PIAUÍ - PI Kássia Hellem Tavares da Silva (*), Lorrane de Castro Miranda, Israel

Leia mais

A ESCRITA NA FORMAÇÃO CONTINUADA EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: INSTRUMENTOS USUAIS DE REFLEXÃO SOBRE A PRÁTICA PEDAGÓGICA

A ESCRITA NA FORMAÇÃO CONTINUADA EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: INSTRUMENTOS USUAIS DE REFLEXÃO SOBRE A PRÁTICA PEDAGÓGICA A ESCRITA NA FORMAÇÃO CONTINUADA EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: INSTRUMENTOS USUAIS DE REFLEXÃO SOBRE A PRÁTICA PEDAGÓGICA Maria do Carmo Costa Maciel Especialista PROFEBPAR/UFMA Domício Magalhães Maciel Mestre

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE AVALIAÇÃO E REGISTRO DA APRENDIZAGEM NA PRÁTICA DOCENTE

PROCEDIMENTOS DE AVALIAÇÃO E REGISTRO DA APRENDIZAGEM NA PRÁTICA DOCENTE PROCEDIMENTOS DE AVALIAÇÃO E REGISTRO DA APRENDIZAGEM NA PRÁTICA DOCENTE Vanessa dos Santos Tavares 1 - PUCPR Rebeca Wrzesinski 2 - PUCPR Giovani de Paula Batista 3 - PUCPR Evelise Maria Labatut Portilho

Leia mais

PARECER DOS RECURSOS

PARECER DOS RECURSOS Associação Catarinense das Fundações Educacionais ACAFE Concurso Público de Ingresso no Magistério Público Estadual EDITAL Nº 21/2012/SED PARECER DOS RECURSOS CARGO: Conhecimentos Gerais 01) A Política

Leia mais