CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PAULA SOUZA Faculdade de Tecnologia de São Sebastião Curso Superior de Tecnologia em Gestão Empresarial

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PAULA SOUZA Faculdade de Tecnologia de São Sebastião Curso Superior de Tecnologia em Gestão Empresarial"

Transcrição

1 CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PAULA SOUZA Faculdade de Tecnologia de São Sebastião Curso Superior de Tecnologia em Gestão Empresarial JACQUELINE XAVIER SILVA ENÉAS ANÁLISE DAS PRINCIPAIS PLATAFORMAS DE E-COMMERCE PARA O MICRO E PEQUENO EMPRESÁRIO São Sebastião 2014

2 JACQUELINE XAVIER SILVA ENÉAS ANÁLISE DAS PRINCIPAIS PLATAFORMAS DE E-COMMERCE PARA O MICRO E PEQUENO EMPRESÁRIO Trabalho de Conclusão de Curso apresentado à Faculdade de Tecnologia de São Sebastião, como exigência parcial para obtenção do título de Tecnólogo em Gestão Empresarial. Orientador: Profª Ma. Maria Inês Soeltl Kitahara São Sebastião 2014

3 JACQUELINE XAVIER SILVA ENÉAS ANÁLISE DAS PRINCIPAIS PLATAFORMAS DE E-COMMERCE PARA O MICRO E PEQUENO EMPRESÁRIO Apresentação de Trabalho de Graduação à Faculdade de Tecnologia de São Sebastião, como condição parcial para a conclusão do curso de Tecnologia em Gestão Empresarial. São Sebastião, 11 de dezembro de 2014 BANCA EXAMINADORA PROFª Ma. MARIA INÊS SOELTL KITAHARA PROF Me. RICARDO DE LIMA RIBEIRO PROF FELIPE CONTINI MÉDIA FINAL:

4 Dedico este trabalho à Matilde e Ricardo.

5 AGRADECIMENTOS Primeiramente, agradeço à minha família, que são meus pilares de sustentação e desde sempre me ensinaram que a maior riqueza que podemos ter é o conhecimento. Além disso, são eles que mais me deram forças para continuar. Gostaria de agradecer aos professores que me ajudaram muito nessa etapa da graduação, minha querida orientadora e mentora Maria Inês, meu querido professor de metodologia Rafael e meu professor Francisco que sempre deu suporte. Além deles, agradeço a todos professores que contribuíram com minha formação, a Irene por ser sempre tão bondosa e aos funcionários da Fatec que me ajudaram sendo sempre prestativos. Agradeço aos meus companheiros de jornada por todo tempo que passamos juntos e pelas dificuldades superadas em conjunto. Seria injusta se não citasse a Priscilla, minha maior companheira das aulas, que quase sempre enfrentou comigo todas as atividades da faculdade. Aos meus colegas do estágio, que me apoiaram e me incentivaram a continuar e conquistar, além de terem me ensinado várias coisas.

6 Todas as vitórias ocultam uma abdicação Simone de Beauvoir

7 RESUMO Nesta pesquisa são analisadas duas plataformas de software como um serviço (SaaS) para o comércio eletrônico de bens de consumo tangíveis. A finalidade de tal pesquisa justifica-se por auxiliar o micro e/ou pequeno empresário que deseja ingressar no comércio eletrônico, mas carece de informações e conhecimentos a respeito das novas tecnologias. Na pesquisa são apresentados conceitos que introduzem o leitor as tecnologias atuais (2014). O objetivo da pesquisa é identificar as melhores soluções em serviços de plataformas SaaS de comércio eletrônico disponíveis em português que possuam aderência ao Micro e Pequeno Empresário. A metodologia utilizada foi à observação de dados fornecidos pelas empresas do estudo de caso em seus websites, como contrato do serviço, informações na página principal, dados observados no painel administrativo e também na loja virtual criada para teste, tendo como base parâmetros levantados e estabelecidos durante a pesquisa bibliográfica e documental. Como resultado, foi identificada uma das empresas do estudo de caso como a mais aderente. Além disso, a pesquisa proporcionou uma reflexão de que a plataforma ideal para o empresário é aquela que se adequa às suas necessidades. Portanto, é necessário que o empresário faça um planejamento da loja virtual que pretende criar, assim, pode identificar as necessidades específicas e, então, buscar a plataforma mais aderente ao seu novo negócio. Palavras-chave: Comércio Eletrônico. Micro e Pequenos Empresários. Plataformas. Software como um Serviço.

8 RESUMEN En esta investigación se analizan dos plataformas de software como servicio (SaaS) para el comercio electrónico de bienes de consumo tangibles. El propósito de este tipo de investigación se justifica por ayudar a lo micro y pequeño empresario que quiera unirse al comercio electrónico, pero carece de la información y el conocimiento sobre las nuevas tecnologías. Se presentan los conceptos que introducen al lector a las tecnologías actuales (2014). El objetivo de la investigación es identificar las mejores soluciones en servicios de plataformas SaaS de comercio electrónico disponibles en portugués que tienen adherencia a lo Micro y Pequeño Emprendedor. La metodología utilizada ha sido los datos de observación prestados por las empresas de estudio de caso en sus sitios web, como el contrato de servicio, información de la página principal, los datos observados en el panel de administración y también en la tienda virtual criada para poner a prueba, en base a los parámetros planteados y establecidos durante la investigación bibliográfica y documental. Como resultado, fue identificada una de las empresas en el estudio de caso como la más adherente. Además, la encuesta proporciona una reflexión de que la plataforma ideal para el negocio es una que se adapte a sus necesidades. Por tanto, es necesario que el empresario haga una planificación de la tienda virtual que desea crear, para que pueda identificar las necesidades específicas y luego buscar la plataforma más adherente a su nuevo negocio. Palabras clave: Comercio Electrónico. Micro y Pequeña Empresa. Plataformas. Software como Servicio.

9 LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS CE SAAS B2C MPE SEBRAE ARPA TI IE ERP SEO Comércio Eletrônico Software as a Service Software como um Serviço Business to Consumer Empresa para Consumidor Micro e Pequena Empresa Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Advanced Research Projects Agency (Agência de Projetos de Pesquisa Avançada) Tecnologia da Informação Internet Explorer Enterprise Resource Planning Planejamento de Recursos Empresariais Search Engine Optimization Otimização do Mecanismo de Busca

10 LISTA DE FIGURAS Figura 1 Infraestrutura de TI Figura 2 Estrutura para o Comércio Eletrônico Figura 3 Modelo de Estágios Múltiplos para o CE Figura 4 Atrás do balcão e na frente do balcão Figura 5 Meios de Entregas Figura 6 Navegadores mais utilizados no Brasil... 30

11 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Características distintivas da tecnologia de CE Tabela 2 - Parâmetros Tabela 3 Preços dos planos Tabela 4 Resultados do Back End Tabela 5 Resultados do Front End... 39

12 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO REFERENCIAL TEÓRICO INFRAESTRUTURA DE TI Infraestrutura de TI Internet Web SaaS COMÉRCIO ELETRÔNICO Comércio Eletrônico Da empresa ao consumidor (B2C) BACK END E FRONT END METODOLOGIA RESULTADOS E DISCUSSÃO CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS GLOSSÁRIO... 47

13 9 1 INTRODUÇÃO Esta pesquisa visa analisar duas plataformas de comércio eletrônico (ecommerce) no modelo de Software as a Service (SaaS) para Business to Consumer (B2C) disponíveis em português no mercado, então, identificar as melhores alternativas para o perfil da Micro e Pequena Empresa (MPE) dos setores de bens econômicos tangíveis de consumo durável. No cenário atual, foram percebidos diversos SaaS disponíveis para o comércio eletrônico, então, neste estudo são analisadas duas empresas que foram denominadas como Empresa A e Empresa B, pois não foi solicitado autorização para utilização dos nomes das empresas. 1.1 JUSTIFICATIVA DO TEMA De acordo com dados do SEBRAE 1, no ano de 2001 o Brasil possuía um milhão de consumidores de comércio eletrônico e em 2013 esse número alcançou 51,3 milhões. A tendência é de crescimento. Em comparação com a América Latina, o Brasil está em primeiro lugar, com 59,1% de participação no comércio eletrônico. Além do constante crescimento do comércio digital, conforme Neri (2012) houve também um crescimento da inclusão digital brasileira, cada dia mais pessoas estão conectadas na rede mundial. Com isso, o comércio eletrônico ganha mais possíveis consumidores e se consolida como um modelo de vendas em ascensão. Logo, estudos a respeito de plataformas de comércio eletrônico são necessários para auxiliar empreendedores que já possuem um negócio e desejam expandir suas vendas ou para quem deseja começar sua empresa com base nas vendas digitais. O objeto de estudo são as plataformas SaaS, devido a apresentarem uma maior facilidade de utilização e gerenciamento para MPE e a finalidade desse estudo 1 SEBRAE. O que você precisa saber sobre o comércio eletrônico. Disponível em: <http://www.sebrae.com.br/sites/portalsebrae/sebraeaz/o-que-voc%c3%aa-precisa-saber-sobrecom%c3%a9rcio-eletr%c3%b4nico>. Acesso em: 04 out. 2014

14 10 justifica-se por auxiliar empresários com poucos conhecimentos em tecnologia a ingressarem no comércio eletrônico. É importante ressaltar que o projeto de criação de loja necessita de um plano de negócios como qualquer outro empreendimento, porém, não será abordado neste trabalho. Assim sendo, esta pesquisa pretende apresentar fatores a serem analisados na escolha de uma plataforma SaaS e outros pontos relevantes a se considerarem. 1.2 PROBLEMA Durante a pesquisa foram identificadas três maneiras principais de se começar um comércio virtual: construindo a loja através de linguagem de código em plataformas de código aberto (Open Source), mas essa alternativa é cabível somente a quem tenha conhecimentos de programação ou quem possa contratar algum profissional especializado para fazê-lo. A segunda alternativa é contratar uma empresa especializada para criar a loja virtual, opção na qual possui maior nível de customização, porém um maior investimento financeiro. E por fim, a última alternativa é adquirir uma plataforma de SaaS em que as empresas fornecedoras do serviço garantem a infraestrutura da tecnologia de informação e o usuário não necessita de conhecimentos de programação, sendo esta última a alternativa abordada neste trabalho. Logo, o problema central deste estudo é: entre diversas plataformas de comércio eletrônico da categoria SaaS atualmente no mercado disponíveis em português, qual é a que possui uma maior aderência ao Micro ou Pequeno Empresário? Quais dessas plataformas possuem uma melhor performance de gestão em seu Back End? Qual dessas plataformas possuem uma melhor interface e navegação para o consumidor final (Front End)? Hipótese Acredita-se que, quando não se possui conhecimento sobre algo a ser adquirido, qualquer opção que tentarem lhe vender é aceitável. Logo, no caso de alguém que deseja criar uma loja virtual e que não entenda muito de tecnologia, o

15 11 empreendedor pode desistir de abrir seu comércio eletrônico por desconhecer o funcionamento das tecnologias; pode fazer escolhas de SaaS que não satisfaçam as necessidades de sua empresa, assim, acaba por assinar contratos com empresas fornecedoras de serviços que pode ser desvantajoso para seu novo negócio; ou talvez pode dar a sorte de escolher uma boa plataforma ao acaso. Ou seja, sem os conhecimentos a respeito das tecnologias, o empresário tem uma maior dificuldade no processo de criação de sua loja virtual. Assim, se for escolhida a plataforma que está de acordo com seu empreendimento e suas necessidades organizacionais, o empresário pode ter melhores chances de crescer nesse segmento e obter lucro. A escolha da plataforma está diretamente ligada ao sucesso da loja virtual. A plataforma ideal necessita de uma boa estrutura de Back End e deve ser aderente às necessidades do empresário. Também precisa apresentar um bom desempenho em seu Front End, e produzir uma loja com uma boa experiência de navegação aos consumidores do comércio eletrônico. E por fim, apresentar um bom custo benefício pelo serviço. 1.3 OBJETIVOS Objetivo geral Identificar as melhores soluções em plataformas SaaS de comércio eletrônico em português que possuam aderência ao Micro e Pequeno Empresário Objetivos específicos - Criar uma compreensão a respeito das novas tecnologias; - Definir os termos utilizados no ambiente do comércio eletrônico; - Identificar os melhores parâmetros para analisar desempenho no Back End; - Identificar os melhores parâmetros para analisar desempenho no Front End.

16 PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS A pesquisa abordada neste trabalho é um estudo de caso que analisa duas empresas que fornecem o serviço de software para o comércio eletrônico, abordando as questões de forma qualitativa em sua análise. As empresas do estudo de caso são denominadas aqui como Empresa A e Empresa B, pois não foi solicitado autorização para utilização do nome das empresas. Como se almeja que o estudo tenha utilidade prática caracteriza-se por ser uma pesquisa aplicada. Da natureza das fontes utilizadas, tem-se a documentação direta, que se caracteriza pela pesquisa de campo, e também a documentação indireta, que é composta por pesquisa bibliográfica e documental. A maneira que os dados foram obtidos, define-se por descritiva, de modo que o pesquisador não interfere nos dados, apenas os coletam e registra. Por meio de uma observação sistemática nos contratos de serviço, nos websites das duas empresas analisadas, dentro do sistema e através das lojas testes que foram criadas para analisar as melhores funções oferecidas ao empresário. Técnicas de documentação foram utilizadas para registrar todo esse conteúdo obtido através da observação e a prática da loja teste. Em relação à amostragem, o método escolhido foi à amostragem não probabilista por tipicidade, devido a existirem inúmeros websites que oferecem o serviço de plataforma de comércio eletrônico. 1.5 ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO O trabalho começa com o Referencial Teórico, onde é apresentado ao leitor os conceitos básicos para compreensão do tema abordado. Primeiramente, explica-se a Infraestrutura da Tecnologia da Informação, para poder focar posteriormente nas redes e softwares. É conceituado também a respeito do Comércio Eletrônico e suas particularidades. O último tópico tratado no Referencial Teórico explica a respeito dos termos Back End e Front End. Na Metodologia, explica-se detalhadamente como a pesquisa foi estruturada e quais foram os aspectos observados no estudo de caso. Detalha-se também a

17 13 respeito de como foram escolhidas as duas empresas fornecedoras do serviço de CE para o estudo de caso. Então, demonstra-se os resultados e discussões da pesquisa, conforme os parâmetros estabelecidos pela autora após pesquisa bibliográfica. Logo após, apresenta-se as considerações finais, onde encontram-se as conclusões obtidas, além de algumas sugestões para novas pesquisas na área do comércio eletrônico. Por fim, estão as referências utilizadas durante o trabalho e um Glossário com os termos técnicos utilizados ao decorrer do texto.

18 14 2 REFERENCIAL TEÓRICO O referencial teórico tem como objetivo esclarecer os conceitos básicos para entendimento da pesquisa. Primeiramente, explica-se a respeito da Infraestrutura de TI, que é necessária para sustentar o Comércio Eletrônico. Após, explica-se detalhadamente a respeito do Comércio Eletrônico e suas características. Por fim, é exposto o que significa os termos Back End e Front End, seus respectivos conceitos e a explanação dos principais parâmetros analisados nesta pesquisa. 2.1 INFRAESTRUTURA DE TI Primeiramente, deve-se entender como é estruturada a Tecnologia da Informação (TI) para então poder distinguir suas nuances Infraestrutura de TI Laudon e Laudon (2007, p.101) definem a Infraestrutura de TI como [...] a base, ou plataforma, que sustenta todos os sistemas de informação da empresa. Sendo assim, faz-se necessário entender a respeito desta para poder alicercear a visão a respeito do Comércio Eletrônico. Uma infraestrutura de informação consiste nas instalações físicas, serviços e gestão que dá suporte a todos os recursos de computação compartilhados em uma organização. (TURBAN et al., 2010, p Grifos dos autores) Laudon e Laudon (2007) explicam que os elementos da infraestrutura devem se harmonizar entre si e os definem, sendo eles: hardware, software, tecnologias de dados, serviços de tecnologia e redes, conforme a Figura 1:

19 15 Figura 1: Infraestrutura de TI Fonte: Laudon e Laudon (2007, p.102) O foco é na explicação básica de dois elementos, que são eles o software e as redes, que são os conceitos mais utilizados neste trabalho. O software pode ser dividido em duas categorias; existem os softwares de sistema, que gerenciam o funcionamento do computador e os softwares aplicativos, que [...] aplicam o computador a uma tarefa específica solicitada pelo usuário final, como o processamento de um pedido ou a geração de listas de mala direta. (LAUDON; LAUDON, 2007, p. 102) A respeito do elemento redes, Laudon e Laudon (2007) determinam que estas permitem a conexão dos dados, voz e vídeo. Ou seja, é esta a parte da tecnologia que diz respeito à conexão com a Internet Internet O nascimento da Internet data do início da década de 1970, quando o Departamento de Defesa dos Estados Unidos desenvolveu uma rede para comunicação entre acadêmicos e cientistas de todo mundo. (LAUDON; LAUDON,

20 ) Kurose e Ross (2010) identificam que essa rede desenvolvida no Departamento de Defesa dos Estados Unidos, pelo ARPA (Advanced Research Projects Agency - Agência de Projetos de Pesquisa Avançada) se chamava ARPAnet. A rede conhecida por ARPAnet é considerada a progenitora da Internet, sendo ela a [...] primeira rede de computadores por comutação de pacotes e uma ancestral direta da Internet pública de hoje. (KUROSE; ROSS, 2010, p.45) Porém, é importante relembrar que na década de 1960 acadêmicos da área já pesquisavam a respeito de comutação de pacotes, e isso pode-se afirmar que foi a base para o desenvolvimento da Internet. (KUROSE; ROSS, 2010) Conforme Kurose e Ross (2010, p.72) Até a década de 1990, a Internet era usada primordialmente por pesquisadores, acadêmicos e estudantes universitários [...] a Internet não era conhecida fora das comunidades acadêmicas e de pesquisa. Entretanto, em meados de 1995 houve um período de constante crescimento e inovação para a Internet em que diversas empresas se dedicaram a criação de novos produtos e serviços para esse novo ambiente. (KUROSE; ROSS, 2010) Conforme Kurose e Ross (2010), a Internet passou por um momento turbulento no mercado financeiro entre os anos de 1995 a Antes mesmo de se mostrarem lucrativas, centenas de novas empresas da Internet faziam suas ofertas públicas iniciais de ações e começavam a ser negociadas em bolsas de valores. Muitas empresas eram avaliadas em bilhões de dólares sem ter nenhum fluxo significativo de receita. As ações da Internet sofreram uma queda também vertiginosa em , e muitas novas empresas fecharam. Não obstante, várias empresas surgiram como grandes vencedoras no mundo da Internet (mesmo que os preços de suas ações tivessem sofrido com aquela queda), entre elas Microsoft, Cisco, Yahoo, e-bay, Google e Amazon. (KUROSE; ROSS, 2010, p. 49) O significado de rede, no âmbito tecnológico, é a ligação de dois ou mais computadores que compartilham entre si dados. A Internet é a maior rede mundial e mais usada que criou [...] uma plataforma de tecnologia universal sobre a qual se constroem novos produtos, serviços, estratégias e modelos de negócio. (LAUDON; LAUDON, 2007, p. 13) Laudon e Laudon (2007, p. 178) afirmam que a Internet conecta [...] centenas de milhares de redes individuais em todo o planeta e é um sistema de comunicações muito abrangente que compete com a telefonia em níveis de alcance e amplitude. A origem do nome Internet vem de internetworking, que significa [...] ação de conectar

21 17 redes separadas, cada uma das quais retendo sua própria identidade, em uma rede interconectada. Percebeu-se que na década de 1990, houve vários acontecimentos que marcaram a história da Internet. Um deles foi a extinção da ARPAnet, que deu origem à Internet. Outro fato muito relevante é o surgimento da World Wide Web, que possibilitou a expansão da Internet para famílias e empresas no mundo todo, fazendo a nova tecnologia (Internet) deixar de ser exclusividade dos acadêmicos e ficar disponível para a população. (KUROSE; ROSS, 2010) Web Turban et al. (2010, p. 141) afirmam que muitas pessoas confundem o significado de Web e Internet, acreditam ser a mesma coisa, porém é um engano tal prática. De acordo com eles, a Internet funciona como o mecanismo de transporte e a Web (WWW, ou W3) é um aplicativo que utiliza essas funções de transporte. (Grifos dos autores). Em relação a criação da Web, Stair e Reynolds (2012, p. 256) revelam que A World Wide Web foi desenvolvida por Tim Berners-Lee na CERN, a Organização Europeia para Pesquisa Nuclear em Genebra, na Suíça. Ele, originalmente, concebeu-a como um sistema interno de gerenciamento de documentos. Laudon e Laudon (2007, p. 13) identificam a Web (World Wide Web) como [...] um um serviço proporcionado pela Internet que usa padrões universalmente aceitos para armazenar, recuperar, formatar e mostrar informações no formato de uma página da Internet. Conforme Turban et al. (2010) a Web é fácil de usar pois apresenta uma interface gráfica para o usuário. A Web foi uma inovação que impactou a sociedade, pois mudou categoricamente o cotidiano das pessoas. (KUROSE; ROSS, 2010) A Web fez com que a Internet deixasse de ser somente mais uma rede de dados, acreditam Kurose e Ross (2010) e afirmam que a Web transformou a Internet praticamente na única rede de dados.

22 SaaS O SaaS (Software as a Service - Software como um Serviço) é um serviço em que o fornecedor disponibiliza um software aplicativo ao contratante. O software é hospedado nos servidores do fornecedor e chega ao cliente por meio da Internet, sendo geralmente necessário um navegador da Web para utilizá-lo. O cliente paga uma taxa que costuma ser mensal para utilizar o serviço. As soluções em SaaS costumam ter um preço menor devido ao desenvolvimento destas aplicações serem menos custosas para os fornecedores em relação a criação de softwares exclusivos. (STAIR; REYNOLDS, 2012) Para Turban et al. (2010) o SaaS é considerado como um software alugado. Eles concordam que a locação de aplicativos é uma alternativa que pode economizar custo e tempo. Do mesmo modo que funcionam os aluguéis, o cliente só terá acesso ao software enquanto ele pagar pela assinatura. Turban et al. (2010, p. 618) dizem que Os aplicativos baseados na Web prestam-se bem ao modelo SaaS porque podem ser facilmente controlados no nível de servidor. O sistema baseado na Web conforme Turban et al. (2010, p. 74) [...] se refere àqueles aplicativos ou serviços residentes em um servidor acessíveis por meio de um navegador Web e, portanto, acessíveis de qualquer lugar no mundo pela Web. O único software necessário do lado do cliente para acessar e executar aplicativos baseados na Web é um ambiente de navegador Web, e, naturalmente, os aplicativos devem estar em conformidade com os protocolos de Internet. Um exemplo desse aplicativo seria uma loja online. De acordo com Turban et al. (2010) os aplicativos SaaS são conhecidos por vários outros nomes, tais como computação por demanda, utility computing e serviços hospedados, porém é o mesmo serviço. 2.2 COMÉRCIO ELETRÔNICO Após a compreensão a respeito da Tecnologia da Informação e seus elementos principais, pode-se ter uma visão mais estruturada a respeito do Comércio Eletrônico.

23 Comércio Eletrônico Muito se especula a respeito de quando surgiu o comércio eletrônico. Laudon e Laudon (2007) por exemplo, afirmam que o comércio eletrônico (CE) teve seu início em 1995, quando um site de Internet aceitou incorporar anúncios de empresas em seu website, assim, percebeu-se que a Web poderia ser um canal para publicidade e vendas. Porém, Turban et al. (2010) discordam em relação a isso pois defendem que o comércio eletrônico surgiu no início da década de 1970, quando as primeiras soluções para comércio eletrônico foram desenvolvidas tais como as tecnologias de transferência eletrônica de fundos (TEF). Mas esses aplicativos estavam limitados a grandes corporações e a algumas empresas de pequeno porte ousadas. (TURBAN et al., 2010, p. 187) Em 1990 o comércio eletrônico se expandiu devido a popularização da Web conforme Turban et al. (2010), porém, de 2000 a 2003 se alastrou uma crise no comércio eletrônico, fechando várias empresas virtuais. Conforme os autores, após 2003, o comércio se estabilizou novamente. Stair e Reynolds (2012) definem o comércio eletrônico como a prática de atividades de comércio, tais como a compra, venda, marketing, logística, através do ambiente virtual, ou seja, da Internet ou extranet. Turban et al. (2010, p. 185) concordam com Stair e Reynolds que o comércio eletrônico é o [...] processo de comprar, vender transferir, servir ou trocar produtos, serviços ou informações via redes de computadores, incluindo a Internet. Laudon e Laudon (2007, p. 271) sucintamente descrevem que Comércio eletrônico (ou e-commerce) refere-se ao uso da Internet e da Web para conduzir negócios. O CE é uma parte integrante do e-business (negócios eletrônicos) que além de possibilitar a compra e venda de bens e serviços pela Internet, também sustenta todas as atividades relacionadas a este processo, tais como propaganda, pagamento, distribuição e serviços de pós venda. (LAUDON; LAUDON, 2007) Turban et al. (2010) concordam que o CE está dentro do e-business pois este é mais amplo e envolve mais do que a compra e venda de produtos, atua por exemplo, na comunicação com parceiros e clientes. O conceito de negócios eletrônicos, ou e-business, refere-se

24 20 ao uso de tecnologia digital e da Internet para executar os principais processos de negócios em uma empresa. (LAUDON; LAUDON, 2007, p.58 - Grifos dos autores). O comércio eletrônico além de possibilitar a criação de novos tipos de empreendimentos, é amplamente utilizado pelas empresas como canal de vendas e marketing. (HISRICH et al., 2009) Conforme eles, a Internet demostra sua importância principalmente para as pequenas e médias empresas, que através da tecnologia, podem ter um canal de marketing mais acessível e barato. Laudon e Laudon (2007) elencam as principais características presentes no comércio eletrônico na Tabela 1. Tabela 1: Características distintivas da tecnologia de CE Dimensão tecnológica do comércio eletrônico Significado empresarial Ubiqüidade. A tecnologia Internet/Web está disponível em qualquer parte, a qualquer momento: no trabalho, em casa e em qualquer lugar via dispositivos móveis. Alcance global. A tecnologia atravessa fronteiras nacionais e abrange todo o planeta. Padrões universais. Existe um conjunto de padrões tecnológicos, especificamente de padrões para Internet. Riqueza (richness). É possível enviar mensagens de texto, áudio e vídeo. Interatividade. A tecnologia funciona pela interação com o usuário. Densidade da informação. A tecnologia reduz os custos de informação e eleva a qualidade. O marketplace se estende para além das fronteiras tradicionais e deixa de se limitar a um ponto específico no tempo e no espaço. Cria-se um marketspace ; a compra pode ocorrer em qualquer lugar. Aumenta a conveniência para o cliente e os custos de compra são reduzidos. O comércio pode atravessar fronteiras nacionais e culturais harmoniosamente sem modificações. O marketspace inclui potencialmente bilhões de consumidores e milhões de empresas em todo o mundo. Como existe um conjunto de padrões técnicos válidos para todo o planeta, sistemas de computador independentes podem comunicar-se facilmente. Mensagens de marketing de texto, áudio e vídeo são integradas em uma única mensagem e experiência para o cliente. Os consumidores envolvem-se em um diálogo que ajusta dinamicamente a experiência a cada pessoa, fazendo do consumidor um co-participante no processo de levar mercadorias até o mercado. Os custos de comunicação, armazenagem e processamento das informações cai vertiginosamente, ao passo que sua atualidade, precisão e tempestividade melhoram de maneira impressionante. A informação torna-se abundante, barata e mais precisa. Personalização/customização. A tecnologia permite que mensagens personalizadas sejam entregues tanto a indivíduos quanto a grupos. A personalização de mensagens de marketing e a customização de produtos e serviços baseiam-se em características individuais. Fonte: Laudon e Laudon (2007, p.274)

25 21 A respeito dos tipos de empresas que adotam o comércio eletrônico, há um consenso entre os autores, conforme a seguir, que se pode dividir as empresas em aquelas que começaram suas atividades exclusivamente para atender pela Internet e as que já exerciam suas atividades fora das redes e expandiram suas atividades para o CE. A terminologia para definir esses modelos de negócios varia de autor para autor. Kotler e Keller (2006) definem as empresas na Internet em duas categorias: as que já existiam fisicamente e ampliaram suas operações para o comércio eletrônico ou que criaram páginas institucionais, assim, existindo fisicamente e virtualmente; e as empresas que começaram diretamente na Internet e são estritamente virtuais. Turban et al. (2010) identificam dois tipos diferentes de empresas, as puramente digitais e as que tem lojas físicas mas também estão presentes virtualmente. Essas últimas podem ser chamadas de click-and-brick, que em tradução livre seria, clique e tijolo. Laudon e Laudon (2007, p. 280) explicam que os modelos puramente virtuais se chamam assim [...] porque se baseiam exclusivamente na Internet. São empresas que não existiam e passaram a existir para atuar na Internet. Já no modelo misto [...] muitas empresas varejistas, [...] desenvolveram sites como extensões de suas empresas do mundo real tradicionais. Elas representam um modelo de negócios híbrido chamado cliques e cimento. Porém, Turban et al. (2010) vão além e classificam não somente o CE mas também o comércio em si: eletrônico puro, eletrônico parcial e brick-and-mortar (de tijolo e cimento). Conforme eles, o que vai definir qual das três a empresa se encaixa será como a empresa realiza essas três dimensões: produto, processo e entrega. Se a empresa realiza as três dimensões de modo físico, então ela é uma organização física, ou seja, de tijolo e cimento. Ou seja, a empresa tem um produto físico, com o processo de venda físico e a entrega física. No caso da empresa ter as três dimensões digitais, será de comércio eletrônico puro, onde o produto é digital, como por exemplo, um livro digital, o processo de transação é feito digitalmente por plataformas on-line e a entrega é digital. E por último há o comércio eletrônico parcial que é quando uma das dimensões é digital. Sendo assim, o comércio eletrônico parcial é uma mescla de digital e físico. Por exemplo, quando a compra de um livro é realizada virtualmente pela loja virtual da empresa e entregue via transportadora. (TURBAN et al., 2010) Turban et al. (2010) apresentam a estrutura do comércio eletrônico como uma casa. Conforme a Figura 2.

Comércio eletrônico: mercados digitais, mercadorias digitais. slide 1

Comércio eletrônico: mercados digitais, mercadorias digitais. slide 1 Comércio eletrônico: mercados digitais, mercadorias digitais slide 1 Nexon Games: o comércio eletrônico torna-se social Problema: concorrência com outras empresas de jogos on-line e off-line; aumentar

Leia mais

Comércio eletrônico 05/05/15. Objetivos de estudo. Qual o papel do e- commerce nos negócios e quais as aplicações mais importantes?

Comércio eletrônico 05/05/15. Objetivos de estudo. Qual o papel do e- commerce nos negócios e quais as aplicações mais importantes? Escola Superior de Gestão e Tecnologia Comércio eletrônico Mercados digitais, mercadorias digitais Prof. Marcelo Mar3ns da Silva Objetivos de estudo Qual o papel do e- commerce nos negócios e quais as

Leia mais

7 Passos Para a Criação de Uma Boa Loja Virtual. Índice

7 Passos Para a Criação de Uma Boa Loja Virtual. Índice 2 Índice Introdução... 3 Passo 1 Entender o que é Venda Online e E-commerce... 4 Passo 2 Entender o Mercado de Comércio Eletrônico... 5 Passo 3 Canais de Venda... 6 Passo 4 Como identificar uma Boa Plataforma

Leia mais

E-BUSINESS AGENDA. Profª. Kelly Hannel

E-BUSINESS AGENDA. Profª. Kelly Hannel E-BUSINESS Profª. Kelly Hannel AGENDA Evolução da internet nos negócios Conceitos de E-BUSINESS e COMÉRCIO ELETRÔNICO Identificando tendências do E-BUSINESS Quadro das interações possíveis no meio eletrônico

Leia mais

O que é comércio eletrônico?

O que é comércio eletrônico? COMÉRCIO ELETRÔNICO O que é comércio eletrônico? O comércio eletrônico ou e-commerce é a compra e venda de mercadorias ou serviços por meio da Internet, onde as chamadas Lojas Virtuais oferecem seus produtos

Leia mais

SISTEMAS PARA INTERNET

SISTEMAS PARA INTERNET Unidade II SISTEMAS PARA INTERNET E SOFTWARE LIVRE Prof. Emanuel Matos Sumário Unidade II Comércio Eletrônico Tecnologia de Comércio Eletrônico Categorias do Comércio Eletrônico M-commerce Comércio eletrônico

Leia mais

A empresa digital: comércio e negócios eletrônicos

A empresa digital: comércio e negócios eletrônicos Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Administração Tecnologia e Sistemas de Informação - 06 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti

Leia mais

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Rafael D. Ribeiro, M.Sc,PMP. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br @ribeirord Pesquisa e Propagação do conhecimento: Através da Web, é possível

Leia mais

APRESENTAÇÃO COMERCIAL. www.docpix.net

APRESENTAÇÃO COMERCIAL. www.docpix.net APRESENTAÇÃO COMERCIAL www.docpix.net QUEM SOMOS Somos uma agência digital full service, especializada em desenvolvimento web, de softwares e marketing online. A Docpix existe desde 2010 e foi criada com

Leia mais

Tópicos de Ambiente Web Internet: negócios eletrônicos, novas tendencias e tecnologias

Tópicos de Ambiente Web Internet: negócios eletrônicos, novas tendencias e tecnologias Tópicos de Ambiente Web Internet: negócios eletrônicos, novas tendencias e tecnologias Professora: Sheila Cáceres Uma mensagem enviada em internet é dividida em pacotes de tamanho uniforme. Cada pacote

Leia mais

Guia definitivo de ferramentas de Planejamento para Micro Empreendedores Individuais

Guia definitivo de ferramentas de Planejamento para Micro Empreendedores Individuais Guia definitivo de ferramentas de Planejamento para Micro Empreendedores Individuais Introdução O Brasil já tem 4,7 milhões de microempreendedores individuais, segundo dados de janeiro de 2015 da Receita

Leia mais

Estratégia e Regras do Negócio: E-Commerce. O que é e-commerce?

Estratégia e Regras do Negócio: E-Commerce. O que é e-commerce? E-Commerce O que é e-commerce? Comércio electrónico ou e-commerce é um conceito aplicável a qualquer tipo de negócio ou transação comercial que implique a transferência de informação através da Internet.

Leia mais

COMÉRCIO ELETRÔNICO UM BREVE HISTÓRICO

COMÉRCIO ELETRÔNICO UM BREVE HISTÓRICO UM BREVE HISTÓRICO COMÉRCIO ELETRÔNICO O comércio sempre existiu desde que surgiram as sociedades. Ele é dito como o processo de comprar, vender e trocar produtos e serviços. Inicialmente praticado pelos

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Posição e Vantagem Competitiva Aplicações integradas Aplicações Web

Estratégias em Tecnologia da Informação. Posição e Vantagem Competitiva Aplicações integradas Aplicações Web Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 09 Posição e Vantagem Competitiva Aplicações integradas Aplicações Web Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina

Leia mais

Prezado Futuro Cliente

Prezado Futuro Cliente Prezado Futuro Cliente É com grade satisfação que encaminhamos nossa apresentação institucional e certos de estabelecermos uma parceria de sucesso e duradoura. Ela foi desenvolvida com objetivo de mostrar

Leia mais

COMÉRCIO ELETRÔNICO: MERCADOS DIGITAIS, MERCADORIAS DIGITAIS. Capítulo 9 L&L Paulo C. Masiero 2º. Semestre 2011

COMÉRCIO ELETRÔNICO: MERCADOS DIGITAIS, MERCADORIAS DIGITAIS. Capítulo 9 L&L Paulo C. Masiero 2º. Semestre 2011 COMÉRCIO ELETRÔNICO: MERCADOS DIGITAIS, MERCADORIAS DIGITAIS Capítulo 9 L&L Paulo C. Masiero 2º. Semestre 2011 UM BANHO DE LOJA NOS SITES DA GAP Problema: Concorrência pesada, site difícil de usar (excesso

Leia mais

Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 4.1

Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 4.1 Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 4.1 4 OBJETIVOS OBJETIVOS A EMPRESA DIGITAL: COMÉRCIO E NEGÓCIOS ELETRÔNICOS Como a tecnologia de Internet mudou propostas de valor e modelos de negócios

Leia mais

Faculdade de Tecnologia Senac Goiás. Alunos: Erik de Oliveira Douglas Ferreira, Raphael Beghelli, João Victor Alves. Professor : Diogo Ananias

Faculdade de Tecnologia Senac Goiás. Alunos: Erik de Oliveira Douglas Ferreira, Raphael Beghelli, João Victor Alves. Professor : Diogo Ananias Faculdade de Tecnologia Senac Goiás. Alunos: Erik de Oliveira Douglas Ferreira, Raphael Beghelli, João Victor Alves. Professor : Diogo Ananias CONSULTORIA COMÉRCIO ELETRÔNICO CONSULTORIA PARA IMPLANTAÇÃO

Leia mais

Os novos usos da tecnologia da informação na empresa

Os novos usos da tecnologia da informação na empresa Os novos usos da tecnologia da informação na empresa Internet promoveu: Transformação Novos padrões de funcionamento Novas formas de comercialização. O maior exemplo desta transformação é o E- Business

Leia mais

Internet e Negócios O que mudou?

Internet e Negócios O que mudou? Universidade de São Paulo Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação Departamento de Ciências de Computação SCC0207 - Computadores e Sociedade I - Turma B - 2010 Profa. Graça Nunes Internet e Negócios

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO - SI

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO - SI SISTEMAS DE INFORMAÇÃO - SI Elaborado e adaptado por: Prof.Mestra Rosimeire Ayres Sistemas Colaborativos Empresariais (ECS) Os sistemas colaborativos nas empresas nos oferecem ferramentas para nos ajudar

Leia mais

7 Passos para um e-commerce de Sucesso. André Lucena Diretor de Negócios e Operaçoes 18.Out.2013

7 Passos para um e-commerce de Sucesso. André Lucena Diretor de Negócios e Operaçoes 18.Out.2013 7 Passos para um e-commerce de Sucesso André Lucena Diretor de Negócios e Operaçoes 18.Out.2013 MERCADO DE E- COMMERCE PORQUE INVESTIR... Crescimento 20,3% Crescimento 24,4% 354% R$ 770 Milhões 117%

Leia mais

DIFERENCIAIS SERVIÇOS. 1. Desenvolvimento De Sites Personalizados

DIFERENCIAIS SERVIÇOS. 1. Desenvolvimento De Sites Personalizados DIFERENCIAIS Acredito que o desenvolvimento de soluções para Internet não é um trabalho qualquer, deve-se ter certa experiência e conhecimento na área para projetar sistemas que diferenciem você de seu

Leia mais

Comércio Eletrônico. Comércio Eletrônico. Grau de digitalização. Caracteriza-se Comércio eletrônico pelo grau de digitalização:

Comércio Eletrônico. Comércio Eletrônico. Grau de digitalização. Caracteriza-se Comércio eletrônico pelo grau de digitalização: Comércio Eletrônico FTS Faculdade Taboão da Serra Curso de Administração de Sistemas de Informações Disciplina: Comércio Eletrônico Comércio Eletrônico Caracteriza-se Comércio eletrônico pelo grau de digitalização:

Leia mais

Objetivos. Universo. Transformação. Administração 10/10/2012. Entender as definições de e-business e e- commerce;

Objetivos. Universo. Transformação. Administração 10/10/2012. Entender as definições de e-business e e- commerce; Objetivos Administração Profª Natacha Pouget Módulo: Gestão de Inovação e Ativos Intangíveis Tema da Aula: E-Business e Tecnologia da Informação I Entender as definições de e-business e e- commerce; Conhecer

Leia mais

Empreendedor. Sistema. Segurança para o empreendedor. www.axisfocus.com. ERP/CRM Sistema de gestão empresarial

Empreendedor. Sistema. Segurança para o empreendedor. www.axisfocus.com. ERP/CRM Sistema de gestão empresarial ERP/CRM Sistema de gestão empresarial Administre sua empresa de onde estiver, via internet Sistema Empreendedor Sistema Empreendedor Simples de usar, flexível e de baixo custo Com interface clara, simples

Leia mais

Quem Somos. SEO; Links Patrocinados; Campanhas de E-Mail Marketing; Divulgação em Portais e Sites Verticais; Web Analytics; Marketing Social.

Quem Somos. SEO; Links Patrocinados; Campanhas de E-Mail Marketing; Divulgação em Portais e Sites Verticais; Web Analytics; Marketing Social. Quem Somos A Cadastronet é uma agência de marketing digital, pioneira na utilização de WebStandards W3C* (World Wide Web Consortium) para desenvolvimento de websites. Isso significa que nossos sites são

Leia mais

7 Passos para um e- Commerce de Sucesso. André Lucena 28.nov.2013

7 Passos para um e- Commerce de Sucesso. André Lucena 28.nov.2013 7 Passos para um e- Commerce de Sucesso André Lucena 28.nov.2013 MERCADO DE E- COMMERCE PORQUE INVESTIR... E- commerce Processo de compra e venda de produtos e serviços online. Além de catálogos, carrinhos

Leia mais

Poucas inovações na história da humanidade reúnem tantos benefícios potenciais quanto o Comércio Eletrônico (também conhecido como e-commerce).

Poucas inovações na história da humanidade reúnem tantos benefícios potenciais quanto o Comércio Eletrônico (também conhecido como e-commerce). Poucas inovações na história da humanidade reúnem tantos benefícios potenciais quanto o Comércio Eletrônico (também conhecido como e-commerce). A natureza global da tecnologia, a oportunidade de atingir

Leia mais

10. Defina Sistemas Distribuídos: Um conjunto de computadores independentes que se apresenta a seus usuários como um sistema único e coerente

10. Defina Sistemas Distribuídos: Um conjunto de computadores independentes que se apresenta a seus usuários como um sistema único e coerente 1. Quais os componentes de um sistema cliente-servidor? Clientes e servidores 2. Na visão do hardware, defina o que é cliente e o que é servidor: Clientes. Qualquer computador conectado ao sistema via

Leia mais

Fundamentos do Comércio Eletrônico

Fundamentos do Comércio Eletrônico Administração e Finanças Uniban Notas de Aula Comércio (e-commerce) Prof. Amorim Fundamentos do Comércio Comércio Mais do que a mera compra e venda de produtos on-line. Engloba o processo on-line inteiro:

Leia mais

Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do RN. A Internet e suas aplicações

Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do RN. A Internet e suas aplicações Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do RN A Internet e suas aplicações Histórico da rede Iniciativa dos militares norte-americanos Sobrevivência de redes de comunicação e segurança em caso

Leia mais

Comércio Eletrônico em Números

Comércio Eletrônico em Números Comércio Eletrônico em Números Evolução do E-commerce no Brasil 23 milhões é um grande número. 78 milhões 23 milhões Enorme potencial de crescimento no Brasil Mas fica pequeno se comprarmos com o número

Leia mais

Bem-vindo à apresentação do SAP Business One.

Bem-vindo à apresentação do SAP Business One. Bem-vindo à apresentação do SAP Business One. Neste tópico, responderemos à pergunta: O que é o Business One? Definiremos o SAP Business One e discutiremos as opções e as plataformas disponíveis para executar

Leia mais

Unidade I SISTEMAS PARA INTERNET E. Prof. Emanuel Matos

Unidade I SISTEMAS PARA INTERNET E. Prof. Emanuel Matos Unidade I SISTEMAS PARA INTERNET E SOFTWARE LIVRE Prof. Emanuel Matos Sumário Unidade I Principais tecnologias da rede digital Computação cliente/servidor Comutação de pacotes TCP/IP Sistemas de informação

Leia mais

Há 15 anos, a Bertholdo é uma empresa especializada em soluções de tecnologia da informação e comunicação.

Há 15 anos, a Bertholdo é uma empresa especializada em soluções de tecnologia da informação e comunicação. Há 15 anos, a Bertholdo é uma empresa especializada em soluções de tecnologia da informação e comunicação. Desenvolvemos lojas virtuais, websites, portais, intranets, webmails, hotsites, entre outros serviços

Leia mais

RELEASE F-STORE v. 3.0.0.0

RELEASE F-STORE v. 3.0.0.0 Curitiba (2015) ÍNDICE Aumento de performance no carregamento de imagens Assinatura de produtos Barra de busca flutuante Boleto como imagem Cadastro de cliente com Double opt-in Cadastro de SEO Carrinho

Leia mais

Bleez Agência Digital... 3. Quem sou eu... 4. Introdução... 5. Quanto o ecommerce cresceu no Brasil... 7. Quem está comprando no ecommerce...

Bleez Agência Digital... 3. Quem sou eu... 4. Introdução... 5. Quanto o ecommerce cresceu no Brasil... 7. Quem está comprando no ecommerce... Sumário Bleez Agência Digital... 3 Quem sou eu... 4 Introdução... 5 Quanto o ecommerce cresceu no Brasil... 7 Quem está comprando no ecommerce... 10 Por que os brasileiros estão comprando mais... 12 O

Leia mais

com seu consumidores e seu fornecedores. Trazemos para aqui 40 dicas que vão ajudar no amadurecimento, crescimento e no sucesso da sua loja.

com seu consumidores e seu fornecedores. Trazemos para aqui 40 dicas que vão ajudar no amadurecimento, crescimento e no sucesso da sua loja. Com a consolidação do comércio eletrônico no Brasil e mundo, fica cada vez mais claro e a necessidade de estar participando, e mais a oportunidade de poder aumentar suas vendas. Mas é claro que para entrar

Leia mais

Boas-vindas ao Comércio Eletrônico. André Lucena Diretor de Negócios e Operaçoes Jan.2014

Boas-vindas ao Comércio Eletrônico. André Lucena Diretor de Negócios e Operaçoes Jan.2014 Boas-vindas ao Comércio Eletrônico André Lucena Diretor de Negócios e Operaçoes Jan.2014 SOBRE A TRAY Sobre a Tray + 10 anos de atuação em e-commerce + 4.500 lojas virtuais + 3MM pedidos processados em

Leia mais

Informática Básica. Internet Intranet Extranet

Informática Básica. Internet Intranet Extranet Informática Básica Internet Intranet Extranet Para começar... O que é Internet? Como a Internet nasceu? Como funciona a Internet? Serviços da Internet Considerações finais O que é Internet? Ah, essa eu

Leia mais

AUTOR(ES): MAITHÊ CORSI DA SILVA, FERNANDO TEIXEIRA CARVALHO, RENAN GUSTAVO MOLINA

AUTOR(ES): MAITHÊ CORSI DA SILVA, FERNANDO TEIXEIRA CARVALHO, RENAN GUSTAVO MOLINA TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DO E-COMMERCE NAS PEQUENAS EMPRESAS CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE JAGUARIÚNA AUTOR(ES): MAITHÊ CORSI DA

Leia mais

G3 COMMERCE G3 COMMERCE G3 COMMERCE G3 COMMERCE www.lojavirtualg3.com.br. G3 COMMERCE

G3 COMMERCE G3 COMMERCE  G3 COMMERCE G3 COMMERCE www.lojavirtualg3.com.br. G3 COMMERCE O aumento da concorrência e necessidade de otimizar o tempo por grande parte dos consumidores acelerou e dinamizou consideravelmente as formas e mecanismos de divulgação e comercialização dos mais diversos

Leia mais

INICIANDO UMA OPERAÇÃO DE E-COMMERCE PROFISSIONAL COM MAGENTO

INICIANDO UMA OPERAÇÃO DE E-COMMERCE PROFISSIONAL COM MAGENTO INICIANDO UMA OPERAÇÃO DE E-COMMERCE PROFISSIONAL COM MAGENTO MARCELO LAGROTTA SANCHES Administrador especializado em marketing; 20 anos de experiência como Executivo de Marketing; Professor do Centro

Leia mais

II. Visão Geral do e-business

II. Visão Geral do e-business II. Visão Geral do e-business 1. e-commerce X e-business 2. Vantagens do e-business 3.Problemas na Internet 4. Tipos de e-business 5. Categorias de e-business 6. Ferramentas de Comércio Eletrônico 7. Dimensões

Leia mais

Introdução ao Desenvolvimento e Design de Websites

Introdução ao Desenvolvimento e Design de Websites Introdução ao Desenvolvimento e Design de Websites Prof.: Salustiano Rodrigues de Oliveira Email: saluorodrigues@gmail.com Site: www.profsalu.wordpress.com Introdução ao Desenvolvimento e Design de Websites

Leia mais

A INTERNET E A NOVA INFRA-ESTRUTURA DA TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO

A INTERNET E A NOVA INFRA-ESTRUTURA DA TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO A INTERNET E A NOVA INFRA-ESTRUTURA DA TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO 1 OBJETIVOS 1. O que é a nova infra-estrutura informação (TI) para empresas? Por que a conectividade é tão importante nessa infra-estrutura

Leia mais

Laudon K., Laudon J., Sistemas de Informações gerencias, editora Pearson, 2010. Laudon K., Laudon J., Sistemas de Informação, editora LTC, 1999

Laudon K., Laudon J., Sistemas de Informações gerencias, editora Pearson, 2010. Laudon K., Laudon J., Sistemas de Informação, editora LTC, 1999 FSI capítulo 2 Referências bibliográficas: Laudon K., Laudon J., Sistemas de Informações gerencias, editora Pearson, 2010 Laudon K., Laudon J., Sistemas de Informação, editora LTC, 1999 Porter M., Competitive

Leia mais

Contrato Comercial. Objetivo: Setup - Plataforma de E-commerce. Cliente... : Aos cuidados de... : Data de Emissão...

Contrato Comercial. Objetivo: Setup - Plataforma de E-commerce. Cliente... : Aos cuidados de... : Data de Emissão... Contrato Comercial Objetivo: Setup - Plataforma de E-commerce Cliente... : Aos cuidados de... : Data de Emissão... : Emitido por: 0 Contrato Comercial Pelo presente instrumento, firma-se o acordo comercial

Leia mais

Tecnologia e Sistemas de Informações Empresa Digital

Tecnologia e Sistemas de Informações Empresa Digital Universidade Federal do Vale do São Francisco Tecnologia e Sistemas de Informações Empresa Digital Prof. Ricardo Argenton Ramos Aula 7 Desafios para a Administração Comercio eletrônico e negócios eletrônicos

Leia mais

Número de pessoas com acesso à internet passa de 120 milhões

Número de pessoas com acesso à internet passa de 120 milhões MÍDIA KIT INTERNET Número de pessoas com acesso à internet passa de 120 milhões Segundo pesquisa da Nielsen IBOPE, até o 1º trimestre/2014 número 18% maior que o mesmo período de 2013. É a demonstração

Leia mais

Prévia Apresentação. A E-Assis atua no mercado há mais de 10 anos e conta com mais de 1.000 clientes satisfeitos com as soluções web desenvolvidas.

Prévia Apresentação. A E-Assis atua no mercado há mais de 10 anos e conta com mais de 1.000 clientes satisfeitos com as soluções web desenvolvidas. Prévia Apresentação Um pouco mais sobre a E-Assis A E-Assis atua no mercado há mais de 10 anos e conta com mais de 1.000 clientes satisfeitos com as soluções web desenvolvidas. Nosso objetivo é fazer com

Leia mais

E-Business global e colaboração

E-Business global e colaboração E-Business global e colaboração slide 1 2011 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados. 2.1 Copyright 2011 Pearson Education, Inc. publishing as Prentice Hall Objetivos de estudo Quais as principais

Leia mais

A INTERNET E A NOVA INFRA-ESTRUTURA DA TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO

A INTERNET E A NOVA INFRA-ESTRUTURA DA TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO Capítulo 9 A INTERNET E A NOVA INFRA-ESTRUTURA DA TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO 9.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS O que é a nova infra-estrutura de tecnologia de informação (IT) para empresas? Por que a conectividade

Leia mais

Comércio Eletrônico e-commerce Aula 5. Prof. Msc. Ubirajara Junior biraifba@gmail.com

Comércio Eletrônico e-commerce Aula 5. Prof. Msc. Ubirajara Junior biraifba@gmail.com Comércio Eletrônico e-commerce Aula 5 Prof. Msc. Ubirajara Junior biraifba@gmail.com Introdução Mudança no ambiente empresarial; Ligação com o desenvolvimento de tecnologia da informação. Características

Leia mais

apresentação iagente shop

apresentação iagente shop apresentação iagente shop Rua Sport Clube São José, 54 506. Porto Alegre Rio Grande do Sul CEP: 91030-510 Fone: (51) 3398.7638 e-mail: www.iagenteshop.com.br www.iagente.com.br Data: 01 de Abril de 2009

Leia mais

O Que Preciso para Vender pela Internet? E-Commerce

O Que Preciso para Vender pela Internet? E-Commerce Os números da INTERNET Números do Facebook Mídia Social Números do Facebook Mídia Social Números do Facebook Mídia Social Somos o 4º país do Mundo em número de usuários. Pr of. Ca rlo s No tar i Estatísticas

Leia mais

Contrato Comercial. Objetivo: Desenvolvimento de Loja Virtual. Cliente... : Aos cuidados de... : Data de Emissão... :

Contrato Comercial. Objetivo: Desenvolvimento de Loja Virtual. Cliente... : Aos cuidados de... : Data de Emissão... : Contrato Comercial Objetivo: Desenvolvimento de Loja Virtual Cliente... : Aos cuidados de... : Data de Emissão... : Emitido por: Davi Bertozo davi@fullsolucoes.com.br 14 3879-6474 14 9888-4480 0 Contrato

Leia mais

Ambientes de Mercado

Ambientes de Mercado INFORMAÇÃO O sucesso ou fracasso organizacional muitas vezes pode depender de se saber de qual deles precisamos, com o qual deles contamos e o que podemos ou não fazer com cada um deles PLANO DE AÇÃO Fornecedores

Leia mais

Sistema. Atividades. Sistema de informações. Tipos de sistemas de informação. Everson Santos Araujo everson@everson.com.br

Sistema. Atividades. Sistema de informações. Tipos de sistemas de informação. Everson Santos Araujo everson@everson.com.br Sistema Tipos de sistemas de informação Everson Santos Araujo everson@everson.com.br Um sistema pode ser definido como um complexo de elementos em interação (Ludwig Von Bertalanffy) sistema é um conjunto

Leia mais

ESTUDO DA MELHOR METODOLOGIA PARA A DIFUSÃO DE VÍDEOS EXPLICATIVOS DE FENÔMENOS METEOROLÓGICOS

ESTUDO DA MELHOR METODOLOGIA PARA A DIFUSÃO DE VÍDEOS EXPLICATIVOS DE FENÔMENOS METEOROLÓGICOS Ana Beatriz Mesquita (CPTEC/INPE) ESTUDO DA MELHOR METODOLOGIA PARA A DIFUSÃO DE VÍDEOS EXPLICATIVOS DE FENÔMENOS METEOROLÓGICOS Metodologia do trabalho realizado referente a gravação e expansão dos vídeos

Leia mais

Comércio Eletrônico NEGÓCIOS NA INTERNET. Oséias Gomes Komunike EmpresaClick / LojistaOnline

Comércio Eletrônico NEGÓCIOS NA INTERNET. Oséias Gomes Komunike EmpresaClick / LojistaOnline Comércio Eletrônico NEGÓCIOS NA INTERNET Oséias Gomes Komunike EmpresaClick / LojistaOnline OPORTUNIDADES Divulgar, vender e lucrar na internet O QUE SIGNIFICA TER UM COMÉRCIO ELETRÔNICO? VANTAGENS DO

Leia mais

O comércio eletrônico (CE) é, basicamente, a realização de transações empresariais vida rede de telecomunicações, especialmente a Internet.

O comércio eletrônico (CE) é, basicamente, a realização de transações empresariais vida rede de telecomunicações, especialmente a Internet. E-commerce Prof Marcus Regenold Disciplina Negócios pela Internet O comércio eletrônico (CE) é, basicamente, a realização de transações empresariais vida rede de telecomunicações, especialmente a Internet.

Leia mais

Sistemas web e comércio eletrônico. Aula 02 Arquiteturas de comércio eletrônico

Sistemas web e comércio eletrônico. Aula 02 Arquiteturas de comércio eletrônico Sistemas web e comércio eletrônico Aula 02 Arquiteturas de comércio eletrônico Tópicos abordados Arquitetura do e-commerce Aspectos importantes do e-commerce Modelos de negócios Identificação do modelo

Leia mais

E-COMMERCE / LOJA VIRTUAL

E-COMMERCE / LOJA VIRTUAL 1 ÍNDICE 1. WIX SISTEMAS E O /LOJA VIRTUAL 03 1.1.1 GRANDE VARIEDADE DE LAYOUTS E PERSONALIZAÇÃO 03 1.1.2 SERVIDOR E SSL (CADEADO DE SEGURANÇA) COMPARTILHADOS 04 2. RECURSOS 05 3. NOSSOS PLANOS DE /LOJA

Leia mais

GERENCIAMENTO DE CAMPANHAS. 1. ROI 2. Google Adwords 3. Rede de Display 4. Remarketing 5. SEO

GERENCIAMENTO DE CAMPANHAS. 1. ROI 2. Google Adwords 3. Rede de Display 4. Remarketing 5. SEO GERENCIAMENTO DE CAMPANHAS 1. ROI 2. Google Adwords 3. Rede de Display 4. Remarketing 5. SEO Link: Acesse Nossa Página Apresentação da empresa: Atuamos no mercado de Internet desde 1997 Mais de 4000 clientes

Leia mais

Marketing digital NARCISO SANTAELLA

Marketing digital NARCISO SANTAELLA Marketing digital 1 Introdução As agências de publicidade recorrem ao marketing digital para conquistar o público que hoje tem na web uma das principais fontes de informação. Utilizar todos os recursos

Leia mais

acesse: vouclicar.com

acesse: vouclicar.com Transforme como sua empresa faz negócios, com o Office 365. Vouclicar.com A TI chegou para as pequenas e médias empresas A tecnologia é hoje o diferencial competitivo que torna a gestão mais eficiente,

Leia mais

Apostila. Comércio Eletrônico. e-commerce. Professor: Edson Almeida Junior. Comércio Eletrônico

Apostila. Comércio Eletrônico. e-commerce. Professor: Edson Almeida Junior. Comércio Eletrônico Apostila Comércio Eletrônico e-commerce Professor: Edson Almeida Junior Material compilado por Edson Almeida Junior Disponível em http://www.edsonalmeidajunior.com.br MSN: eajr@hotmail.com E-Mail: eajr@hotmail.com

Leia mais

Comércio Eletrônico. Aula 01. Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho

Comércio Eletrônico. Aula 01. Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Comércio Eletrônico Aula 01 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso às atividades, conteúdos multimídia

Leia mais

CELULAR X COMPUTADOR APLICATIVO PARA CELULAR DICAS DO SEBRAE

CELULAR X COMPUTADOR APLICATIVO PARA CELULAR DICAS DO SEBRAE CELULAR X COMPUTADOR Atualmente, o Celular roubou a cena dos computadores caseiros e estão muito mais presentes na vida dos Brasileiros. APLICATIVO PARA CELULAR O nosso aplicativo para celular funciona

Leia mais

A EMPRESA DIGITAL: COMÉRCIO E ELETRÔNICOS

A EMPRESA DIGITAL: COMÉRCIO E ELETRÔNICOS Capítulo 4 A EMPRESA DIGITAL: COMÉRCIO E NEGÓCIOS ELETRÔNICOS 4.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS Como a tecnologia de Internet mudou propostas de valor e modelos de negócios? O que é comércio eletrônico?

Leia mais

Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 9.1

Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 9.1 Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 9.1 9 OBJETIVOS OBJETIVOS A INTERNET E A NOVA INFRA-ESTRUTURA DA TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO O que é a nova infra-estrutura de tecnologia de informação

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES

NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES 1. Conectando a Empresa à Rede As empresas estão se tornando empresas conectadas em redes. A Internet e as redes de tipo Internet dentro da empresa (intranets), entre uma

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO MERCADOLÓGICA II

ADMINISTRAÇÃO MERCADOLÓGICA II ADMINISTRAÇÃO MERCADOLÓGICA II Atividades Gerenciais de MKT Produto Testar Novos Produtos; Modificar Atuais; Eliminar; Política de Marcas; Criar Satisfação e Valor; Embalagem. 2 1 Atividades Gerenciais

Leia mais

O QUE É AUTOMAÇÃO DE MARKETING?

O QUE É AUTOMAÇÃO DE MARKETING? O QUE É AUTOMAÇÃO DE MARKETING? AUTOMAÇÃO DE MARKETING AJUDA A Fechar mais negócios Atrair mais potenciais clientes Entregue mais clientes já qualificados para a equipe de vendas e feche mais negócios

Leia mais

A EMPRESA DIGITAL: COMÉRCIO E NEGÓCIOS ELETRÔNICOS

A EMPRESA DIGITAL: COMÉRCIO E NEGÓCIOS ELETRÔNICOS A EMPRESA DIGITAL: COMÉRCIO E NEGÓCIOS ELETRÔNICOS 1 OBJETIVOS 1. Como a tecnologia de Internet mudou propostas de valor e modelos de negócios? 2. O que é comércio eletrônico?? Como esse tipo de comércio

Leia mais

10 DICAS PARA SEU ECOMMERCE SER SUCESSO EM TODO O BRASIL

10 DICAS PARA SEU ECOMMERCE SER SUCESSO EM TODO O BRASIL 10 DICAS PARA SEU ECOMMERCE SER SUCESSO EM TODO O BRASIL SUMÁRIO 1. COMUNICAÇÃO SEGMENTADA! 2. SEO! 3. MOBILE! 4. FOTOS E DESCRIÇÕES! 5. FRETE! 6. PAGAMENTO REGIONAL! 7. ENTREGA! 8. EMBALAGEM! 9. ATENDIMENTO!

Leia mais

Áreas de utilização do GED e o que levar em consideração no Projeto de Implantação de GED em uma empresa Simone de Abreu

Áreas de utilização do GED e o que levar em consideração no Projeto de Implantação de GED em uma empresa Simone de Abreu Áreas de utilização do GED e o que levar em consideração no Projeto de Implantação de GED em uma empresa Simone de Abreu Cerca de dois milhões de pessoas estão trabalhando em aproximadamente 300 mil projetos

Leia mais

ERP. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning -Sistema de Gestão Empresarial -Surgimento por volta dos anos 90 -Existência de uma base de dados

Leia mais

2. Buzzmarket One Stop Shop Platform 2.1. Principais caracterísiticas 2.2. Plataforma modular

2. Buzzmarket One Stop Shop Platform 2.1. Principais caracterísiticas 2.2. Plataforma modular 1 Índice 1 1. Apresentação 2 3 4 2. Buzzmarket One Stop Shop Platform 2.1. Principais caracterísiticas 2.2. Plataforma modular 5 6 7 8 3. Empregando o Buzzmarket 3.1. Modelo de Negócio e Geração de Receita

Leia mais

E-commerce Fundamentos

E-commerce Fundamentos E-commerce Fundamentos Flávio Augusto Martins Wanderley Professor flavio@mwan.com.br 1 / 65 Conteúdo desta aula Conceitos. Evolução do comércio eletrônico. Modalidades. O que vem no futuro. 2 / 65 Conceito

Leia mais

Conheça Melhor a Loja Virtual ASP

Conheça Melhor a Loja Virtual ASP Proposta para Instalação da Loja Virtual Grátis no mês de junho 2011 O comércio eletrônico não é um bicho de 7 cabeças Ter sua loja virtual, agora ficou mais fácil ainda! Sem necessidade de saber programação

Leia mais

Este é um projeto comercial criado pela empresa FelipeZCelulares.com.br

Este é um projeto comercial criado pela empresa FelipeZCelulares.com.br Este é um projeto comercial criado pela empresa FelipeZCelulares.com.br As informações aqui disponíveis são apenas um breve resumo. Caso tenha qualquer dúvida ou necessite de maiores informações, entre

Leia mais

A DOCPIX É UMA AGÊNCIA ESPECIALIZADA EM DESENVOLVIMENTO WEB & MARKETING DIGITAL E SOFTWARES, DESDE 2012.

A DOCPIX É UMA AGÊNCIA ESPECIALIZADA EM DESENVOLVIMENTO WEB & MARKETING DIGITAL E SOFTWARES, DESDE 2012. quem SOMOS A DOCPIX É UMA AGÊNCIA ESPECIALIZADA EM DESENVOLVIMENTO WEB & MARKETING DIGITAL E SOFTWARES, DESDE 2012. Nossa agência surgiu com o conceito de atender as micro, pequenas e médias empresas de

Leia mais

Pequena história da Internet

Pequena história da Internet Pequena história da Internet A Internet nasceu em 1969, nos Estados Unidos. Interligava originalmente laboratórios de pesquisa e se chamava ARPAnet (ARPA: Advanced Research Projects Agency). Era uma rede

Leia mais

ALGUNS DADOS DA INTERNET NO BRASIL. (11) 3522-5338 - www.cvsweb.com.br comercial@cvsweb.com.br

ALGUNS DADOS DA INTERNET NO BRASIL. (11) 3522-5338 - www.cvsweb.com.br comercial@cvsweb.com.br ALGUNS DADOS DA INTERNET NO BRASIL 2 + 67.500.000 + 67,5 MILHÕES DE INTERNAUTAS NO BRASIL FONTE: IBOPE/NIELSEN 58.290.000 58,2 MILHOES DE INTERNAUTAS NO BRASIL ACESSAM A INTERNET SEMANALMENTE -87% FONTE:

Leia mais

Olá, Somos Ideatera - Studio Tecnológico

Olá, Somos Ideatera - Studio Tecnológico Olá, Somos Ideatera - Studio Tecnológico O parceiro certo para aumentar a produtividade, visibilidade e alcance de sua marca e/ou website! Breve descrição do que oferecemos: Web Analytics: Este serviço

Leia mais

www.simwebsites.com.br

www.simwebsites.com.br O principal foco da é o fornecimento de soluções completas para lojas que desejam publicar e vender seus produtos pela Internet. Através do nosso produto, o Sim-Shop, empresas de qualquer ramo de atividade

Leia mais

*Todos os direitos reservados.

*Todos os direitos reservados. *Todos os direitos reservados. A cada ano, as grandes empresas de tecnologia criam novas ferramentas Para o novo mundo digital. Sempre temos que nos renovar para novas tecnologias, a Karmake está preparada.

Leia mais

E-books. Introdução ao Google Adwords. Sebrae. Como funciona o Google Adwords. Benefícios da Ferramenta. Índice de qualidade. Formatos de anúncios

E-books. Introdução ao Google Adwords. Sebrae. Como funciona o Google Adwords. Benefícios da Ferramenta. Índice de qualidade. Formatos de anúncios E-books Sebrae Marketing e Vendas Introdução ao Google Adwords Como funciona o Google Adwords Benefícios da Ferramenta Índice de qualidade Formatos de anúncios Visualização dos anúncios na página de pesquisa

Leia mais

O que é Black Fraude?... Como comunicar seus clientes sobre sua participação na Black Friday... Como Manter seu site seguro para a Black Friday?...

O que é Black Fraude?... Como comunicar seus clientes sobre sua participação na Black Friday... Como Manter seu site seguro para a Black Friday?... Conteúdo do ebook O que é Black Fraude?... Como comunicar seus clientes sobre sua participação na Black Friday... Como Manter seu site seguro para a Black Friday?... Deixando sua loja virtual mais rápida

Leia mais

Aula 8 Conversação e rede social na web

Aula 8 Conversação e rede social na web Aula 8 Conversação e rede social na web Aula 8 Conversação e rede social na web Meta Apresentar um programa de voz sobre IP (VoIP), o Skype, e fazer uma breve introdução ao mundo das redes sociais online,

Leia mais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para integrar os diversos departamentos de uma empresa,

Leia mais

Aula 1: Introdução à Disciplina Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina

Aula 1: Introdução à Disciplina Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina Programação para Internet Rica 1 Aula 1: Introdução à Disciplina Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina Objetivo: Identificar os princípios que se destacam como características da Web 2.0. INTRODUÇÃO

Leia mais

Capítulo 3 Sistemas de E-Commerce

Capítulo 3 Sistemas de E-Commerce Capítulo 3 Sistemas de E-Commerce 3.1 Fundamentos do Comércio Eletrônico Introdução O comércio eletrônico é mais do que a mera compra e venda de produtos online. Em lugar disso, ele engloba o processo

Leia mais

Como aumentar as vendas do seu e-commerce. Marcos Bueno Fundador e CEO Akatus Meios de Pagamento

Como aumentar as vendas do seu e-commerce. Marcos Bueno Fundador e CEO Akatus Meios de Pagamento Como aumentar as vendas do seu e-commerce Marcos Bueno Fundador e CEO Akatus Meios de Pagamento 2013 O e-commerce se prepara para um crescimento histórico 2000 Banda larga chega ao Brasil. É lançado no

Leia mais