TRABALHO COM MONTEIRO LOBATO NAS SÉRIES INICIAIS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TRABALHO COM MONTEIRO LOBATO NAS SÉRIES INICIAIS"

Transcrição

1 TRABALHO COM MONTEIRO LOBATO NAS SÉRIES INICIAIS EVANGELISTA, E.V.; GERALDO, S.A.; MIQUELAO, M.G.F.; SILVA, N.C. VILELA, J.V.; Resumo Este trabalho tem como objetivo demonstrar a contribuição das obras literárias infantis de Monteiro Lobato nas séries iniciais. Notou-se, com base em pesquisas bibliográficas, que é interessante trabalhar com a literatura, pois esta desperta o gosto pela leitura, a qual deve ser estimulada na criança desde cedo. Conclui-se que, é importante verificar a colaboração das obras de Monteiro Lobato para essa faixa etária, considerando que este é um dos pioneiros da Literatura Infantil Brasileira. Palavras Chaves: Literatura Infantil, Monteiro Lobato, Séries Iniciais. Abstract This paper aims to demonstrate the contribution of the literary works of Monteiro Lobato children in the early grades. It was noted, based on bibliographical researches, it is interesting to work with the literature, since it awakens the taste for reading, which should be encouraged in children early. We conclude that it is important to check the collaboration works of Monteiro Lobato for this age group, considering that this is one of the pioneers of Brazilian children's literature. KeyWords: Children's Literature, Monteiro Lobato, Initial Series. Introdução O Presente trabalho tem por objetivo demonstrar a contribuição de Monteiro Lobato nas séries iniciais, uma vez que a literatura infantil ainda é pouco

2 trabalhada na maioria das escolas. Isso ocorre devido ao fato da literatura infantil brasileira ter sido pouco estudada, conforme ressalta Zilberman: Se cotejado com a longa história da literatura infantil européia, tema já de vários e profundos ensaios, e levando em conta que estudos nacionais sobre literatura infantil são bastante recentes, seria de se esperar que o projeto deste livro esbarrasse em alguns impasses: uma quase completa ausência de bibliografia de apoio falta de tradição de pesquisa do assunto, o desaparecimento e/ou dificuldade de consulta a muitos eixos. (1994, p. 10) Segundo o dicionário Michaelis, Literatura é a arte de compor escritos, em prosa ou em versos (...), levando isso em consideração, percebe-se que é através dos livros de literatura infantil que as crianças vão conhecer e descobrir sobre o mundo ao seu redor. Notou-se, com base em pesquisas bibliográficas, que é interessante trabalhar com a literatura, pois esta desperta o gosto pela leitura, a qual deve ser estimulada na criança desde cedo. Sendo assim, é importante verificar a contribuição das obras de Monteiro Lobato, que é um dos pioneiros da literatura infantil brasileira, que em seus livros traz um mundo mágico que encantam crianças, jovens e adultos. Referencial Metodológico A Literatura Infantil é de suma importância nas séries iniciais para que o aluno tenha conhecimento de mundo e aprendizado de conteúdos, uma vez que através desta vivenciam situações e problemas, sendo um vínculo de formação de identidade. Para Lajolo (1999) a literatura é um conjunto de textos construídos para crianças e adultos, essa possui conteúdos interdisciplinares, auxiliando, assim, nas diferentes disciplinas a serem trabalhadas na grade curricular, e quando voltada para criança, visa incentivar a socialização e a individualidade moral. A criança deve ter contato com os livros desde cedo para apresentar melhor compreensão do mundo e de si mesma. É através da literatura que essa terá privilégio de desenvolver seu potencial intelectual e cognitivo, além de ser um

3 instrumento facilitador para os professores por auxiliar a interação entre professor e aluno Monteiro Lobato, um grande escritor de livros de literatura infantil, elaborou seus livros buscando agradar as crianças e incentivando-as a ler, este obtém tanto sucesso como expõe Zilberman e Lajolo (1999, p. 46) [...] se Lobato abre o período com um best-seller, o sucesso não o abandona; nem ele, nem ao gênero a que se consagra. Nas séries iniciais o trabalho com Monteiro Lobato é viável, pois este escritor valorizava a realidade dos fatos ocorridos no cotidiano. Conforme observa Passiani (2002, p. 249) A literatura militante de Lobato procurava conquistar um público cada vez mais amplo, apontar para seus leitores os problemas do país e convidá-los para a ação [...]. Reforçando essa ideia de que este autor mostra a realidade do dia-a-dia, sem omissão, Lajolo e Zilbermam destacam que: [...] Lobato é fiel a sua geração e dissidente em relação ao nacionalismo eufórico. Também dissidente é o Brasil de Macunaíma, cujas reinações cortam os mais diferentes rincões da pátria, mostrando como estes estão infestados de saúvas, doenças e miséria. Na mesma linha, o romance de 30 explora, até exaurir o veio temático, os males do Brasil rural. De modo que as ilusões são postas de lado.(1999, p. 56) Assim sendo, o caráter educativo da obra de Monteiro Lobato é definida pela união da ficção, da fantasia com a informação. Possibilitando o interesse da criança pelo conteúdo estudado, transformando as lições, deixando-as mais atraentes aos olhos do aluno. Buscando ser um meio entre a informação e a formação intelectual, essas obras mesclaram-se entre instrução e educação. Através do lúdico, a literatura infantil escrita por Lobato proporciona a criança o conhecimento de mundo e de si mesma, além de desenvolver a imaginação, a criatividade e o espírito crítico, permitindo a ampliação dos horizontes. Em suas obras encontra-se desde a origem do mundo, o folclore brasileiro e suas invenções. Baseou-se em um aspecto ideológico, diferenciandose dos demais escritores por sua sabedoria e criatividade de suas obras, tendo como elemento primordial o aspecto de vivência.

4 Por tudo isso, utilizar as obras de Monteiro Lobato nos anos iniciais é essencial, por se tratar de um autor crítico e que buscava a melhoria para o povo, como expõe Passiani: Uma literatura engajada, que tratasse dos problemas da nação, que se voltasse para as questões que afetavam boa parte da população no seu dia-a-dia, que sugerisse alternativas para o país e que buscasse a melhoria das condições de vida do povo. Eis a maneira que Lobato enxergava para aproximar os livros do público e aumentar constantemente o número de leitores. E tal concepção não era meramente instrumental uma vez que o próprio público (num primeiro instante, virtual) fornecia matéria para a literatura, que a devolveria de forma transformada, trabalhada literariamente.[...] Lobato percebia o caminho de mão dupla que ligava o público à literatura. (2002, p. 251) Enfim, o conhecimento a cerca das obras de Monteiro Lobato deveria acontecer em todas as escolas brasileiras, pois isso, além do dever escolar, são um grande prazer e uma contribuição incalculável para buscar a identidade do povo brasileiro. Conclusão Trabalhar Monteiro Lobato nas series iniciais proporciona um grande prazer e contribui para a construção da cidadania, proporcionando dentro da Literatura Infantil a vivência de um mundo rico em cultura, em um mundo mágico de personagens que encantam as crianças, os jovens e os adultos. Lobato proporciona uma literatura de muita qualidade e história, que significa conhecer nossa própria identidade cultural. Portanto através da literatura de Lobato é possível trazer a imaginação das crianças sempre abertas ao conhecimento que transportando as por horizontes ilimitados de imaginação. Monteiro Lobato conseguiu se destacar em uma época em que a televisão não existia ou tinha presença limitada e quando a produção literária infantil era moralizante, o autor paulista introduziu temas avançados e trouxe para o cotidiano das crianças um universo de figuras femininas fortes, com uma família estruturada de maneira não convencional, tolerante à opinião das crianças e favorável ao progresso da sociedade.

5 Contudo a literatura de Lobato tem uma função de identificação, instigando a pensar como vivenciaria as situações do cotidiano, sendo, ela assim mais atraente para a formação dos pequenos leitores. Se o fantástico para as crianças de ontem estava nas situações inusitadas vividas no Sítio do Pica pau amarelo, hoje, o ambiente rural, diferente do urbano onde a maioria vive, é motivo para encantamento. Lobato em suas obras manifesta a vontade de vestir à nacionalidade de nosso país onde se prende a atenção curiosa das crianças nas séries iniciais, indo além do formato tradicional. Em suas histórias nos faz ser possível conhecer diversos pontos de vista a respeito dos assuntos por ele retratados. É dessa forma que algumas obras do autor tratam de temas que os alunos verão na escola tendo a capacidade de proporcionar boas oportunidades, sugerindo aos professores a contextualização dos conteúdos apresentados no livro sob o ponto de vista de Lobato. Referências: LAJOLO, Marisa. CECCANTINI, João Luís. Monteiro Lobato livro a livro. São Paulo: Editora Unesp: Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, LAJOLO, Marisa. ZILBERMAN, Regina. Literatura Infantil Brasileira: historia e historias. 6 ed. São Paulo: Ática, PASSIANI, Enio. Na trilha do Jeca: Monteiro Lobato, o público leitor e a formação do campo literário no Brasil. Porto Alegre, Disponível em: <http// www. scielo.br/ >. Acesso em: 03/10/2013. PENTEADO, José Roberto Whitaker. Os filhos de Lobato - o imaginário infantil na ideologia do adulto. São Paulo: Editora Globo, ZILBERMAM, Regina. A literatura infantil na escola. 11 ed. São Paulo: Global,

LEITURA E LITERATURA NA FORMAÇÃO DA CRIANÇA

LEITURA E LITERATURA NA FORMAÇÃO DA CRIANÇA LEITURA E LITERATURA NA FORMAÇÃO DA CRIANÇA Suellen Lopes 1 Graduação Universidade Estadual de Londrina su.ellen23@hotmail.com Rovilson José da Silva 2 Universidade Estadual de Londrina rovilson@uel.br

Leia mais

Meu Mini Mundo 1. PALAVRAS-CHAVE: livro; mini mundo; literatura infantil; kirigami; comunicação.

Meu Mini Mundo 1. PALAVRAS-CHAVE: livro; mini mundo; literatura infantil; kirigami; comunicação. Meu Mini Mundo 1 Marleyde Alves dos SANTOS 2 Alexandre FERREIRA 3 Bruno César de SOUZA 4 Mayra Magalhães GOMES 5 Thiago Arthur GOMES 6 Lamounier Lucas PEREIRA Jr. 7 Centro Universitário Newton Paiva, Belo

Leia mais

O que é protagonismo juvenil?

O que é protagonismo juvenil? O que é protagonismo juvenil? Branca Sylvia Brener * Índice Protagonismo Juvenil Por que a participação social dos jovens? O papel do educador Bibliografia Protagonismo Juvenil A palavra protagonismo vem

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DA LEITURA NA FORMAÇÃO DO CIDADÃO: EXEMPLOS QUE INCENTIVAM

CONTRIBUIÇÕES DA LEITURA NA FORMAÇÃO DO CIDADÃO: EXEMPLOS QUE INCENTIVAM CONTRIBUIÇÕES DA LEITURA NA FORMAÇÃO DO CIDADÃO: EXEMPLOS QUE INCENTIVAM CARRENHO, Silvanira migliorini 1 KIMURA, Marcia Regina de Souza 1 VEGAS, Dirce Aparecida Izidoro 1 ANTONIO, Fernanda Peres 2 RESUMO

Leia mais

LITERATURA INFANTIL: TRABALHANDO O TEXTO E A IMAGEM NA SALA DE AULA DA EDUCAÇÃO INFANTIL

LITERATURA INFANTIL: TRABALHANDO O TEXTO E A IMAGEM NA SALA DE AULA DA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 LITERATURA INFANTIL: TRABALHANDO O TEXTO E A IMAGEM NA SALA DE AULA DA EDUCAÇÃO INFANTIL Rosélia Maria de Sousa SANTOS Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba José Ozildo dos SANTOS

Leia mais

A LUDICIDADE NO CONTEXTO ESCOLAR

A LUDICIDADE NO CONTEXTO ESCOLAR Resumo A LUDICIDADE NO CONTEXTO ESCOLAR Ana Regina Donato de Moraes 1 Lourdes Keila Casado Pulucena 2 Lucieni Vaz dos Santos 3 Aprender brincando não é apenas um passatempo, quando se trata de ensinar.

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE MONTEIRO LOBATO REPRESENTANDO A LITERATURA INFANTIL NAS ESCOLAS

CONSIDERAÇÕES SOBRE MONTEIRO LOBATO REPRESENTANDO A LITERATURA INFANTIL NAS ESCOLAS CONSIDERAÇÕES SOBRE MONTEIRO LOBATO REPRESENTANDO A LITERATURA INFANTIL NAS ESCOLAS MEDEIROS, Elaine Regina de 1 PEREIRA, Estela Inácio 2 ANTONIO, Fernanda Peres 3 RESUMO O presente artigo objetiva a importância

Leia mais

A EDUCAÇÃO DO JOVEM E ADULTO SEGUNDO A CONCEPÇÃO DE ALFABETIZAÇÃO FREIREANA

A EDUCAÇÃO DO JOVEM E ADULTO SEGUNDO A CONCEPÇÃO DE ALFABETIZAÇÃO FREIREANA A EDUCAÇÃO DO JOVEM E ADULTO SEGUNDO A CONCEPÇÃO DE ALFABETIZAÇÃO FREIREANA GUILHERME, Cirlene Pereira 1 JESUS, Elitânia Maria de 2 PELOZO, Rita de Cassia Borguetti 3 SIMONELLI, Gisele Colombo 4 RESUMO

Leia mais

EVENTOS COMO FORMA DE MEMÓRIA

EVENTOS COMO FORMA DE MEMÓRIA 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( x ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA EVENTOS COMO FORMA DE MEMÓRIA Apresentador 1 Merylin Ricieli

Leia mais

AS CONTRIBUIÇÕES DO CURRÍCULO E DE MATERIAS MANIPULATIVOS NA FORMAÇÃO CONTINUADA EM MATEMÁTICA DE PROFESSORES DOS ANOS INICIAS DO ENSINO FUNDAMENTAL

AS CONTRIBUIÇÕES DO CURRÍCULO E DE MATERIAS MANIPULATIVOS NA FORMAÇÃO CONTINUADA EM MATEMÁTICA DE PROFESSORES DOS ANOS INICIAS DO ENSINO FUNDAMENTAL AS CONTRIBUIÇÕES DO CURRÍCULO E DE MATERIAS MANIPULATIVOS NA FORMAÇÃO CONTINUADA EM MATEMÁTICA DE PROFESSORES DOS ANOS INICIAS DO ENSINO FUNDAMENTAL Sheila Valéria Pereira da Silva (UFPB Campus-IV) sheilavaleria88@yahoo.com.br

Leia mais

A PRODUÇÃO DE VÍDEOS COMO RECURSO METODOLÓGICO INTERDISCIPLINAR

A PRODUÇÃO DE VÍDEOS COMO RECURSO METODOLÓGICO INTERDISCIPLINAR A PRODUÇÃO DE VÍDEOS COMO RECURSO METODOLÓGICO INTERDISCIPLINAR Maria Aparecida Monteiro Deponti (cida_mw@yahoo.com.br) Carlos Henrique Campanher (carloscampanher@oi.com.br ) Resumo O presente trabalho

Leia mais

O ENSINO DE LITERATURA BRASILEIRA ATRAVÉS DA MÚSICA

O ENSINO DE LITERATURA BRASILEIRA ATRAVÉS DA MÚSICA 1 O ENSINO DE LITERATURA BRASILEIRA ATRAVÉS DA MÚSICA José Ozildo dos SANTOS Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba Rosélia Maria de Sousa SANTOS Instituto Federal de Educação,

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores VIVENCIANDO A PRÁTICA ESCOLAR DE MATEMÁTICA NA EJA Larissa De Jesus Cabral, Ana Paula Perovano

Leia mais

POEMAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL: A LEITURA REALIZADA ATRAVÉS DE BRINCADEIRAS Elaine da Silva Reis UFPB elainereis1406@gmail.

POEMAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL: A LEITURA REALIZADA ATRAVÉS DE BRINCADEIRAS Elaine da Silva Reis UFPB elainereis1406@gmail. POEMAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL: A LEITURA REALIZADA ATRAVÉS DE BRINCADEIRAS Elaine da Silva Reis UFPB elainereis1406@gmail.com 1 INTRODUÇÃO Os estudos mais recentes que tomam a Educação Infantil como objeto

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DO CURRÍCULO DE EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE CHAPECÓ SC

A CONSTRUÇÃO DO CURRÍCULO DE EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE CHAPECÓ SC A CONSTRUÇÃO DO CURRÍCULO DE EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE CHAPECÓ SC FIGUEIREDO, Anelice Maria Banhara - SME / Chapecó/SC anelicefigueiredo@gmail.com LORENZET, Simone Vergínia - SME

Leia mais

A LEITURA E ESCRITA NO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA. Palavras Chave: Leitura; Escrita; Ensino de Língua Portuguesa.

A LEITURA E ESCRITA NO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA. Palavras Chave: Leitura; Escrita; Ensino de Língua Portuguesa. 1 A LEITURA E ESCRITA NO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA Darlan Machado DORNELES 1 Universidade Federal do Acre (UFAC) darlan.ufac@yahoo.com.br Resumo: A partir de observações assistemáticas feitas durante

Leia mais

Leya Leituras Projeto de Leitura

Leya Leituras Projeto de Leitura Leya Leituras Projeto de Leitura Nome do livro: JAPĨĨ E JAKÃMĨ Uma história de amizade Autor: Yaguarê Yamã Nacionalidade do autor: Brasileira Currículo do autor: Escritor, professor e artista plástico

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL NA ZONA RURAL

EDUCAÇÃO INFANTIL NA ZONA RURAL EDUCAÇÃO INFANTIL NA ZONA RURAL Paloma Oliveira Bezerra 1 Márcia Regina Oliveira Santos Bezerra 2 Resumo: Este artigo discute as dificuldades que impedem o desenvolvimento do processo de ensino-aprendizagem

Leia mais

MATEMÁTICA: É PRECISO LER, ESCREVER E SE ENVOLVER

MATEMÁTICA: É PRECISO LER, ESCREVER E SE ENVOLVER MATEMÁTICA: É PRECISO LER, ESCREVER E SE ENVOLVER Nilton Cezar Ferreira 1 Por mais de dois séculos já se faz reformas curriculares no Brasil, no entanto nenhuma dessas reformas conseguiu mudar de forma

Leia mais

Bingo Químico em Braille.

Bingo Químico em Braille. Bingo Químico em Braille. Carine Fernanda Drescher * (IC), Julieta Saldanha Oliveira (PQ) e Liana da Silva Fernandes (PQ). E-mail: carinedrescher@gmail.com Rua Riachuelo, CEP- 97050011, 115, apto 305.

Leia mais

Literatura de Monteiro Lobato

Literatura de Monteiro Lobato Literatura de Monteiro Lobato Cléa Coitinho Escosteguy ULBRA Trabalhar com as obras de Monteiro Lobato é fazer emergir a fantasia e a criatividade, já tão esquecidas. Não há, com certeza, na ficção de

Leia mais

qwertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwerty uiopasdfghjklzxcvbnmqwertyuiopasd fghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklzx cvbnmqwertyuiopasdfghjklzxcvbnmq

qwertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwerty uiopasdfghjklzxcvbnmqwertyuiopasd fghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklzx cvbnmqwertyuiopasdfghjklzxcvbnmq qwertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwerty uiopasdfghjklzxcvbnmqwertyuiopasd fghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklzx cvbnmqwertyuiopasdfghjklzxcvbnmq LITERATURA wertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwertyui INFANTIL opasdfghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfg

Leia mais

A RELAÇÃO DO CUIDAR-EDUCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL Carla Ariana Passamani Telles 1 Franciele Clair Moreira Leal 2 Zelma Santos Borges 3.

A RELAÇÃO DO CUIDAR-EDUCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL Carla Ariana Passamani Telles 1 Franciele Clair Moreira Leal 2 Zelma Santos Borges 3. Resumo A RELAÇÃO DO CUIDAR-EDUCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL Carla Ariana Passamani Telles 1 Franciele Clair Moreira Leal 2 Zelma Santos Borges 3 O trabalho apresentado é um relato de experiência que foi desenvolvida

Leia mais

HISTÓRIA ORAL NO ENSINO FUNDAMENTAL: O REGIME MILITAR NO EX- TERRITÓRIO DE RORAIMA

HISTÓRIA ORAL NO ENSINO FUNDAMENTAL: O REGIME MILITAR NO EX- TERRITÓRIO DE RORAIMA HISTÓRIA ORAL NO ENSINO FUNDAMENTAL: O REGIME MILITAR NO EX- TERRITÓRIO DE RORAIMA LYSNE NÔZENIR DE LIMA LIRA, 1 HSTÉFFANY PEREIRA MUNIZ 2 1. Introdução Este trabalho foi criado a partir da experiência

Leia mais

IMPORTÂNCIA DOS CONTOS INFANTIS PARA EDUCAÇÃO

IMPORTÂNCIA DOS CONTOS INFANTIS PARA EDUCAÇÃO IMPORTÂNCIA DOS CONTOS INFANTIS PARA EDUCAÇÃO Magna Flora de Melo Almeida Ouriques 1 Universidade Estadual da Paraíba (UEPB) mellomagna@gmail.com Co-Autor Renan de Oliveira Silva 2 rennanoliveira8@gmail.com

Leia mais

Unidade: A Poesia: uma outra maneira para gostar de ler. Unidade I:

Unidade: A Poesia: uma outra maneira para gostar de ler. Unidade I: Unidade: A Poesia: uma outra maneira para gostar de ler Unidade I: 0 Unidade: A Poesia: uma outra maneira para gostar de ler Olá Alunos, Na unidade anterior conhecemos e discutimos um pouco a respeito

Leia mais

A EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA EDUCAÇÃO INFANTIL

A EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA EDUCAÇÃO INFANTIL A EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA EDUCAÇÃO INFANTIL ALVES, Ana Paula PUCPR SAHEB, Daniele PUCPR Grupo de Trabalho - Didática: Teorias, Metodologias e Práticas Agência Financiadora: não contou com financiamento Resumo

Leia mais

A UNIÃO PERFEITA ENTRE LÍNGUA E LITERATURA POR MONTEIRO LOBATO EM EMÍLIA NO PAÍS DA GRAMÁTICA

A UNIÃO PERFEITA ENTRE LÍNGUA E LITERATURA POR MONTEIRO LOBATO EM EMÍLIA NO PAÍS DA GRAMÁTICA A UNIÃO PERFEITA ENTRE LÍNGUA E LITERATURA POR MONTEIRO LOBATO EM EMÍLIA NO PAÍS DA GRAMÁTICA Patrícia Scarabotto Nasralla* RESUMO: O pré modernista Monteiro Lobato criou uma narrativa extremamente envolvente

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO E LEITURA EM CRIANÇAS DE 3 A 6 ANOS

A CONSTRUÇÃO DO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO E LEITURA EM CRIANÇAS DE 3 A 6 ANOS A CONSTRUÇÃO DO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO E LEITURA EM CRIANÇAS DE 3 A 6 ANOS 1 CAMPOS, Gaziela 2 GUIMARÃES, Suely Fernandes 3 MATTOS, Andressa Melo 4 PEREIRA, Jocimara Lima 5 MONTEIRO, Eliana 6 ANTONIO,

Leia mais

FORMAÇÃO DE LEITORES: A FAMÍLIA, A ESCOLA E A BIBLIOTECA PÚBLICA ABRAÇANDO ESSA NECESSIDADE 1

FORMAÇÃO DE LEITORES: A FAMÍLIA, A ESCOLA E A BIBLIOTECA PÚBLICA ABRAÇANDO ESSA NECESSIDADE 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS CURSO DE BIBLIOTECONOMIA DIRETÓRIO ACADÊMICO DE BIBLIOTECONOMIA XIV Encontro Regional de Estudantes de Biblioteconomia, Documentação, Ciência

Leia mais

IFA MIRIM PROJETO: LEIA PARA MIM!

IFA MIRIM PROJETO: LEIA PARA MIM! IFA MIRIM PROJETO: LEIA PARA MIM! Meus filhos terão computadores, sim, mas antes terão livros. Sem livros, sem leitura, os nossos filhos serão incapazes de escrever - inclusive a sua própria história.

Leia mais

A HISTÓRIA DO CÁLCULO COMO RECURSO DIDÁTICO NOS CURSOS DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA

A HISTÓRIA DO CÁLCULO COMO RECURSO DIDÁTICO NOS CURSOS DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA A HISTÓRIA DO CÁLCULO COMO RECURSO DIDÁTICO NOS CURSOS DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA Joel da Silva Salvador Especialização latu sensu em Educação Matemática pela Universidade Nove de Julho (UNINOVE) Modalidade:

Leia mais

história, estória, História? história estória

história, estória, História? história estória história, estória, História? história - Utilizamos história com h minúsculo quando nos referimos a uma estória ou à história (qualquer acontecimento). estória - Quando nos referimos a um história não real

Leia mais

A DANÇA E O DEFICIENTE INTELECTUAL (D.I): UMA PRÁTICA PEDAGÓGICA À INCLUSÃO

A DANÇA E O DEFICIENTE INTELECTUAL (D.I): UMA PRÁTICA PEDAGÓGICA À INCLUSÃO A DANÇA E O DEFICIENTE INTELECTUAL (D.I): UMA PRÁTICA PEDAGÓGICA À INCLUSÃO CARNEIRO, Trícia Oliveira / Centro Universitário Leonardo da Vinci SODRÉ, Marta Patrícia Faianca / Universidade do Estado do

Leia mais

PROJETO MULTIPLICADORES DE LEITURA NA ESCOLA PÚBLICA

PROJETO MULTIPLICADORES DE LEITURA NA ESCOLA PÚBLICA PROJETO MULTIPLICADORES DE LEITURA NA ESCOLA PÚBLICA Elize Huegel Pires 1 1 Apresentação O projeto Multiplicadores de Leitura foi desenvolvido no ano de 2008 com alunos de 5ª série da Escola Municipal

Leia mais

20 ANOS DE UNESCO NO COLÉGIO BENJAMIN CONSTANT

20 ANOS DE UNESCO NO COLÉGIO BENJAMIN CONSTANT 20 ANOS DE UNESCO NO COLÉGIO BENJAMIN CONSTANT Fachada restaurada e preservada do Colégio Benjamin Constant (igual de 1924) Neste ano de 2012, o Colégio Benjamin Constant comemora 20 anos de associação

Leia mais

ESPAÇO INCLUSIVO Coordenação Geral Profa. Dra. Roberta Puccetti Coordenação Do Projeto Profa. Espa. Susy Mary Vieira Ferraz RESUMO

ESPAÇO INCLUSIVO Coordenação Geral Profa. Dra. Roberta Puccetti Coordenação Do Projeto Profa. Espa. Susy Mary Vieira Ferraz RESUMO ESPAÇO INCLUSIVO Coordenação Geral Profa. Dra. Roberta Puccetti Coordenação Do Projeto Profa. Espa. Susy Mary Vieira Ferraz RESUMO A inclusão é uma realidade mundial. Desde a Declaração de Salamanca em

Leia mais

TÍTULO: COMO INTERLIGAR OS LIVROS DE LITERATURA INFANTIL COM OS CONTEÚDOS MATEMÁTICOS TRABALHADOS NA EDUCAÇÃO INFANTIL?

TÍTULO: COMO INTERLIGAR OS LIVROS DE LITERATURA INFANTIL COM OS CONTEÚDOS MATEMÁTICOS TRABALHADOS NA EDUCAÇÃO INFANTIL? Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: COMO INTERLIGAR OS LIVROS DE LITERATURA INFANTIL COM OS CONTEÚDOS MATEMÁTICOS TRABALHADOS NA

Leia mais

JUSTIFICATIVA DA INICIATIVA

JUSTIFICATIVA DA INICIATIVA JUSTIFICATIVA DA INICIATIVA A relevância do projeto: O negro em destaque: As representações do negro na literatura brasileira se dá a partir das análises e percepções realizadas pelo coletivo cultural,

Leia mais

TURMA DO TUBARÃO GRUPO II A

TURMA DO TUBARÃO GRUPO II A II A Escolha do nome da Turma TURMA DO TUBARÃO GRUPO II A No grupo II, escolhemos um nome para identificar cada turma. A escolha desse nome fica a critério das crianças, feito por votação e, geralmente,

Leia mais

FORMAÇÃO COMPLEMENTAR. Recreação/Educação Infantil. (Jardim I e Jardim II) Segundo Semestre de 2013. Profa. Elaine Khristina Martinez Gavioli Ferreira

FORMAÇÃO COMPLEMENTAR. Recreação/Educação Infantil. (Jardim I e Jardim II) Segundo Semestre de 2013. Profa. Elaine Khristina Martinez Gavioli Ferreira FORMAÇÃO COMPLEMENTAR Recreação/Educação Infantil (Jardim I e Jardim II) Segundo Semestre de 2013 Profa. Elaine Khristina Martinez Gavioli Ferreira Coordenação Lucy Ramos O Brincar, o faz de conta... A

Leia mais

ESTRUTURA E ORGANIZAÇÃO DA ESCOLA DE

ESTRUTURA E ORGANIZAÇÃO DA ESCOLA DE Unidade II ESTRUTURA E ORGANIZAÇÃO DA ESCOLA DE EDUCAÇÃO INFANTIL Profa. Ana Lucia M. Gasbarro A formação pessoal e social da criança, áreas de conhecimento e desenvolvimento da criança Introdução A importância

Leia mais

FACULDADES INTEGRADAS DE CATAGUASES - FIC /UNIS CURSO DE PÓS- GRADUAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA CLÍNICA E INSTITUCIONAL

FACULDADES INTEGRADAS DE CATAGUASES - FIC /UNIS CURSO DE PÓS- GRADUAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA CLÍNICA E INSTITUCIONAL FACULDADES INTEGRADAS DE CATAGUASES - FIC /UNIS CURSO DE PÓS- GRADUAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA CLÍNICA E INSTITUCIONAL FUNDAMENTOS DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA: INCLUIR E SER INCLUÍDO PARA TRANSFORMAR A SOCIEDADE

Leia mais

Poesia do Maternal ao Fundamental: Outros caminhos para o saber

Poesia do Maternal ao Fundamental: Outros caminhos para o saber Poesia do Maternal ao Fundamental: Outros caminhos para o saber Elaine Gai Torres 1 RESUMO Unir poesia, linguagem e brincadeira para compor a interiorização do imaginário infantil inegavelmente significa

Leia mais

OS PROJETOS DE TRABALHO E SUA PRODUÇÃO ACADÊMICA NOS GT07 E GT12 DA ANPED ENTRE OS ANOS 2000/2013

OS PROJETOS DE TRABALHO E SUA PRODUÇÃO ACADÊMICA NOS GT07 E GT12 DA ANPED ENTRE OS ANOS 2000/2013 OS PROJETOS DE TRABALHO E SUA PRODUÇÃO ACADÊMICA NOS GT07 E GT12 DA ANPED ENTRE OS ANOS 2000/2013 Resumo Indira Aparecida Santana Aragão 1 - FCT/UNESP Grupo de Trabalho Educação da Infância Agência Financiadora:

Leia mais

INCLUSÃO DIGITAL NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS (EJA)

INCLUSÃO DIGITAL NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS (EJA) INCLUSÃO DIGITAL NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS (EJA) LOURENÇO, Érica Simone 1 PELOZO, Rita de Cassia Borguetti 2 VIEIRA, Kátia Solange Borges 3 VIEIRA, Rosimeire Garcia 4 RESUMO Este artigo tem como

Leia mais

Educação Musical: Criação, Linguagem e Conhecimento

Educação Musical: Criação, Linguagem e Conhecimento Educação Musical: Criação, Linguagem e Conhecimento INTRODUÇÃO Educadores musicais têm manifestado sua preocupação com a observância da Lei nº 11769, que é a lei de inclusão da música no currículo das

Leia mais

Elaboração de Projetos

Elaboração de Projetos Elaboração de Projetos 2 1. ProjetoS John Dewey (1859-1952) FERRARI, Márcio. John Dewey: o pensador que pôs a prática em foco. Nova Escola, São Paulo, jul. 2008. Edição especial grandes pensadores. Disponível

Leia mais

COTIDIANO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

COTIDIANO NA EDUCAÇÃO INFANTIL COTIDIANO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Reflexão sobre aspectos da rotina nas creches e pré-escolas, tomando com motivação os desenhos de Francesco Tonucci e buscando apoio em alguns trabalhos teóricos significativos

Leia mais

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS Daniel Silveira 1 Resumo: O objetivo desse trabalho é apresentar alguns aspectos considerados fundamentais para a formação docente, ou

Leia mais

CONTAÇÃO DE HISTÓRIAS COMO RECURSO METODOLÓGICO PARA O ENSINO DA MATEMÁTICA: UMA EXPERIÊNCIA NO ENSINO FUNDAMENTAL

CONTAÇÃO DE HISTÓRIAS COMO RECURSO METODOLÓGICO PARA O ENSINO DA MATEMÁTICA: UMA EXPERIÊNCIA NO ENSINO FUNDAMENTAL CONTAÇÃO DE HISTÓRIAS COMO RECURSO METODOLÓGICO PARA O ENSINO DA MATEMÁTICA: UMA EXPERIÊNCIA NO ENSINO FUNDAMENTAL Resumo: José Roniero Diodato Marilene Severina de Oliveira Ana Claudia do Nascimento Glauciane

Leia mais

Feira do livro: acesso ao livro, descoberta da leitura.

Feira do livro: acesso ao livro, descoberta da leitura. Feira do livro: acesso ao livro, descoberta da leitura. Helgair Kretschmer Aguirre (Graduanda em Licenciatura em Letras/Unipampa Bagé) Sheyla de Jesus Meireles Teixeira (Graduanda em Licenciatura em Letras/Unipampa

Leia mais

DA LITERATURA AO TEATRO: LEITURA E CRIAÇÃO NO ESPAÇO ESCOLAR

DA LITERATURA AO TEATRO: LEITURA E CRIAÇÃO NO ESPAÇO ESCOLAR DA LITERATURA AO TEATRO: LEITURA E CRIAÇÃO NO ESPAÇO ESCOLAR MARINA COELHO PEREIRA (FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE NITERÓI), KAREN CERDEIRA BECK (FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE NITERÓI), TATIANA

Leia mais

FORMAÇÃO DE MONITORES RELACIONANDO EDUCAÇÃO FORMAL E NÃO FORMAL EM MUSEUS DE CIÊNCIA

FORMAÇÃO DE MONITORES RELACIONANDO EDUCAÇÃO FORMAL E NÃO FORMAL EM MUSEUS DE CIÊNCIA POSTER FORMAÇÃO DE MONITORES RELACIONANDO EDUCAÇÃO FORMAL E NÃO FORMAL EM MUSEUS DE CIÊNCIA Nome do Grupo de Trabalho: Educação Popular Número do Grupo de Trabalho: 06 Autora: ISABEL APARECIDA MENDES Co-autora

Leia mais

SEQUÊNCIA DIDÁTICA UMA PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA O ENSINO DE GEOGRAFIA 1

SEQUÊNCIA DIDÁTICA UMA PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA O ENSINO DE GEOGRAFIA 1 SEQUÊNCIA DIDÁTICA UMA PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA O ENSINO DE GEOGRAFIA 1 QUEIROZ, Antônia Márcia Duarte Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sul de Minas Gerais- IFSULDEMINAS Universidade

Leia mais

RESGATANDO O FOLCLORE BRASILEIRO

RESGATANDO O FOLCLORE BRASILEIRO RESGATANDO O FOLCLORE BRASILEIRO Autora: Patrícia da Silveira Souza E-mail: patbzt@cabangu.com.br A escola deve estar também comprometida com nossa cultura, resgatando nossos valores, tradições e costumes;

Leia mais

Atividades lúdicas na educação o Caminho de tijolos amarelos do aprendizado.

Atividades lúdicas na educação o Caminho de tijolos amarelos do aprendizado. Atividades lúdicas na educação o Caminho de tijolos amarelos do aprendizado. Vania D'Angelo Dohme (Mackenzie) 1. Considerações iniciais Johan Huizinga foi um importante historiador alemão, que viveu entre

Leia mais

A importância da leitura na fase infantil.

A importância da leitura na fase infantil. EDIÇÃO II VOLUME 3 01/04/2011 A importância da leitura na fase infantil. O desenvolvimento de interesses e hábitos permanentes de leitura é um processo constante, que principia no lar, aperfeiçoa-se sistematicamente

Leia mais

COLEÇÃO LER E SER - Parecer Técnico Penildon Silva Filho

COLEÇÃO LER E SER - Parecer Técnico Penildon Silva Filho COLEÇÃO LER E SER - Parecer Técnico Penildon Silva Filho Dois assuntos atualmente recebem muita atenção dos educadores e gestores em Educação: o acompanhamento da evolução do Índice de Desenvolvimento

Leia mais

AULA 07. Profª Matilde Flório. Concurso PMSP- 2011 Reflexões Gerais para as dissertativas (recorte...)

AULA 07. Profª Matilde Flório. Concurso PMSP- 2011 Reflexões Gerais para as dissertativas (recorte...) AULA 07 Profª Matilde Flório Concurso PMSP- 2011 Reflexões Gerais para as dissertativas (recorte...) Concurso PMSP- 2011 Reflexões Gerais para as dissertativas (recorte...) FÁBRICA DE IDÉIAS PEDAGÓGICAS

Leia mais

REFLEXÕES ACERCA DO PAPEL DO BIBLIOTECÁRIO DE BIBLIOTECA ESCOLAR. Clarice Fortkamp Caldin

REFLEXÕES ACERCA DO PAPEL DO BIBLIOTECÁRIO DE BIBLIOTECA ESCOLAR. Clarice Fortkamp Caldin REFLEXÕES ACERCA DO PAPEL DO BIBLIOTECÁRIO DE BIBLIOTECA ESCOLAR Clarice Fortkamp Caldin Resumo: Destaca a importância da biblioteca escolar na difusão e fomento da leitura. Apresenta reflexões acerca

Leia mais

PATRIMÔNIO HISTÓRIO DE SÃO JOÃO DO CARIRI: MÚLTIPLAS POSSIBILIDADES NO ESTUDO DA MATEMÁTICA MOVIDAS POR SUA ESTÉTICA APARENTE

PATRIMÔNIO HISTÓRIO DE SÃO JOÃO DO CARIRI: MÚLTIPLAS POSSIBILIDADES NO ESTUDO DA MATEMÁTICA MOVIDAS POR SUA ESTÉTICA APARENTE PATRIMÔNIO HISTÓRIO DE SÃO JOÃO DO CARIRI: MÚLTIPLAS POSSIBILIDADES NO ESTUDO DA MATEMÁTICA MOVIDAS POR SUA ESTÉTICA APARENTE Gilmara Gomes MEIRA 1 1 Departamento de Matemática Mestrado em Ensino de Ciências

Leia mais

JOGOS ELETRÔNICOS CONTRIBUINDO NO ENSINO APRENDIZAGEM DE CONCEITOS MATEMÁTICOS NAS SÉRIES INICIAIS

JOGOS ELETRÔNICOS CONTRIBUINDO NO ENSINO APRENDIZAGEM DE CONCEITOS MATEMÁTICOS NAS SÉRIES INICIAIS JOGOS ELETRÔNICOS CONTRIBUINDO NO ENSINO APRENDIZAGEM DE CONCEITOS MATEMÁTICOS NAS SÉRIES INICIAIS Educação Matemática na Educação Infantil e nos Anos Iniciais do Ensino Fundamental (EMEIAIEF) GT 09 RESUMO

Leia mais

A EXPLORAÇÃO DE SITUAÇÕES -PROBLEMA NA INTRODUÇÃO DO ESTUDO DE FRAÇÕES. GT 01 - Educação Matemática nos Anos Iniciais e Ensino Fundamental

A EXPLORAÇÃO DE SITUAÇÕES -PROBLEMA NA INTRODUÇÃO DO ESTUDO DE FRAÇÕES. GT 01 - Educação Matemática nos Anos Iniciais e Ensino Fundamental A EXPLORAÇÃO DE SITUAÇÕES -PROBLEMA NA INTRODUÇÃO DO ESTUDO DE FRAÇÕES GT 01 - Educação Matemática nos Anos Iniciais e Ensino Fundamental Adriele Monteiro Ravalha, URI/Santiago-RS, adrieleravalha@yahoo.com.br

Leia mais

Atividades Pedagógicas. Agosto 2014

Atividades Pedagógicas. Agosto 2014 Atividades Pedagógicas Agosto 2014 EM DESTAQUE Acompanhe aqui um pouco do dia-a-dia de nossos alunos em busca de novos aprendizados. ATIVIDADES DE SALA DE AULA GRUPO II A GRUPO II B GRUPO II C GRUPO II

Leia mais

ALTERNATIVAS APRESENTADAS PELOS PROFESSORES PARA O TRABALHO COM A LEITURA EM SALA DE AULA

ALTERNATIVAS APRESENTADAS PELOS PROFESSORES PARA O TRABALHO COM A LEITURA EM SALA DE AULA ALTERNATIVAS APRESENTADAS PELOS PROFESSORES PARA O TRABALHO COM A LEITURA EM SALA DE AULA RAQUEL MONTEIRO DA SILVA FREITAS (UFPB). Resumo Essa comunicação objetiva apresentar dados relacionados ao plano

Leia mais

Cantigas de Roda Autores. Lílian de Oliveira ¹. Orientadora Shana Castilho Cercato²

Cantigas de Roda Autores. Lílian de Oliveira ¹. Orientadora Shana Castilho Cercato² Cantigas de Roda Autores Lílian de Oliveira ¹ Orientadora Shana Castilho Cercato² Resumo Este artigo tem por objetivo relatar os caminhos da pesquisa realizada durante o curso de extensão: Escola e Pesquisa:

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ DEPARTAMENTO DE LETRAS E ARTES ESPECIALIZAÇÃO EM ESTUDOS COMPARADOS EM LITERATURAS DE LÍNGUA PORTUGUESA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ DEPARTAMENTO DE LETRAS E ARTES ESPECIALIZAÇÃO EM ESTUDOS COMPARADOS EM LITERATURAS DE LÍNGUA PORTUGUESA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ DEPARTAMENTO DE LETRAS E ARTES ESPECIALIZAÇÃO EM ESTUDOS COMPARADOS EM LITERATURAS DE LÍNGUA PORTUGUESA A REPRESENTAÇÃO DA IDENTIDADE DA MULHER AFRO- DESCENDENTE, TIA

Leia mais

CONTANDO HISTÓRIAS COM FANTOCHES NA EDUCAÇÃO INFANTIL: RELATANDO A EXPERIÊNCIA DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO NO CURSO DE PEDAGOGIA/UFRN

CONTANDO HISTÓRIAS COM FANTOCHES NA EDUCAÇÃO INFANTIL: RELATANDO A EXPERIÊNCIA DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO NO CURSO DE PEDAGOGIA/UFRN CONTANDO HISTÓRIAS COM FANTOCHES NA EDUCAÇÃO INFANTIL: RELATANDO A EXPERIÊNCIA DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO NO CURSO DE PEDAGOGIA/UFRN Autoras: Claydianne dos Santos Freitas - Estudante do Curso de Pedagogia

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID ESPANHOL

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID ESPANHOL PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID ESPANHOL A língua espanhola na Educação Básica A implantação da língua espanhola por meio da lei federal 11.161, que diz respeito à sua oferta

Leia mais

Projetos e Referencial Curricular Nacional par a a Educação Infantil

Projetos e Referencial Curricular Nacional par a a Educação Infantil Projetos e Referencial Curricular Nacional par a a Educação Infantil Maévi Anabel Nono UNESP Instituto de Biociências, Letras e Ciências Exatas Departamento de Educação São José do Rio Preto A descoberta

Leia mais

Palavras-Chave: Educação Infantil. Portfólios Avaliativos. Teoria Histórico-Cultural.

Palavras-Chave: Educação Infantil. Portfólios Avaliativos. Teoria Histórico-Cultural. IMPLANTAÇÃO DOS PORTFÓLIOS AVALIATIVOS NOS CENTROS DE EDUCAÇÃO INFANTIL CAMPUS - UEL E HU Eixo 4: Práticas Pedagógicas, Culturas Infantis e Produção Cultural para crianças pequenas Cassiana Magalhães Raizer

Leia mais

AS CONTRIBUIÇÕES DAS VÍDEO AULAS NA FORMAÇÃO DO EDUCANDO.

AS CONTRIBUIÇÕES DAS VÍDEO AULAS NA FORMAÇÃO DO EDUCANDO. AS CONTRIBUIÇÕES DAS VÍDEO AULAS NA FORMAÇÃO DO EDUCANDO. Autor: José Marcos da Silva Instituição: UFF/CMIDS E-mail: mzosilva@yahoo.com.br RESUMO A presente pesquisa tem como proposta investigar a visão

Leia mais

Nome do Projeto: Compartilhando Livros por mais Cultura e Cidadania na Escola e na Comunidade

Nome do Projeto: Compartilhando Livros por mais Cultura e Cidadania na Escola e na Comunidade A escola é o lugar privilegiado da aprendizagem, planejado para educar pessoas mais participativas, solidárias, produtivas e felizes. GUIOMAR NAMO DE MELLO Diretora da EBRAP Escola Brasileira de Professores

Leia mais

PEDAGOGIA ENADE 2005 PADRÃO DE RESPOSTAS - QUESTÕES DISCURSIVAS COMPONENTE ESPECÍFICO

PEDAGOGIA ENADE 2005 PADRÃO DE RESPOSTAS - QUESTÕES DISCURSIVAS COMPONENTE ESPECÍFICO PEDAGOGIA ENADE 2005 PADRÃO DE RESPOSTAS - QUESTÕES DISCURSIVAS COMPONENTE ESPECÍFICO QUESTÃO 4 a) O conteúdo do diálogo a ser completado deve manifestar que as colocações da aluna não constituem aquilo

Leia mais

A LEITURA LITERÁRIA: UM OLHAR SOBRE AS ESTRATÉGIAS DE INCENTIVO À LEITURA DA LITERATURA NAS ESCOLAS PÚBLICAS DE ENSINO FUNDAMENTAL DE SÃO SEBASTIÃO

A LEITURA LITERÁRIA: UM OLHAR SOBRE AS ESTRATÉGIAS DE INCENTIVO À LEITURA DA LITERATURA NAS ESCOLAS PÚBLICAS DE ENSINO FUNDAMENTAL DE SÃO SEBASTIÃO A LEITURA LITERÁRIA: UM OLHAR SOBRE AS ESTRATÉGIAS DE INCENTIVO À LEITURA DA LITERATURA NAS ESCOLAS PÚBLICAS DE ENSINO FUNDAMENTAL DE SÃO SEBASTIÃO Autores: Rúbia Ribeiro LEÃO; Letícia Érica Gonçalves

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE ARTES E COMUNICAÇÃO DEPARTAMENTO CIÊNCIA DAINFORMAÇÃO CURSO DE BIBLIOTECONOMIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE ARTES E COMUNICAÇÃO DEPARTAMENTO CIÊNCIA DAINFORMAÇÃO CURSO DE BIBLIOTECONOMIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE ARTES E COMUNICAÇÃO DEPARTAMENTO CIÊNCIA DAINFORMAÇÃO CURSO DE BIBLIOTECONOMIA A LITERATURA INFANTIL COMO INSTRUMENTO DE FORMAÇÃO DE LEITORES NA BIBLIOTECA

Leia mais

ÁLBUM DE FOTOGRAFIA: A PRÁTICA DO LETRAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL 59. Elaine Leal Fernandes elfleal@ig.com.br. Apresentação

ÁLBUM DE FOTOGRAFIA: A PRÁTICA DO LETRAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL 59. Elaine Leal Fernandes elfleal@ig.com.br. Apresentação ÁLBUM DE FOTOGRAFIA: A PRÁTICA DO LETRAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL 59 Elaine Leal Fernandes elfleal@ig.com.br Graduada em pedagogia e fonoaudiologia, Pós-graduada em linguagem, Professora da Creche-Escola

Leia mais

LUDICIDADE: INTRODUÇÃO, CONCEITO E HISTÓRIA

LUDICIDADE: INTRODUÇÃO, CONCEITO E HISTÓRIA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE LUDICIDADE: INTRODUÇÃO, CONCEITO E HISTÓRIA Assunção, Paraguay Maio 2015 INTRODUÇÃO Q uando uma criança ingressa na

Leia mais

Promessa de felicidade

Promessa de felicidade Promessa de felicidade Apontamentos sobre literatura, escola e infância Gilberto Martins Doutorando em Literatura Brasileira na USP. E m seu conto intitulado "Felicidade clandestina" (publicado em livro

Leia mais

A ROTINA NA ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

A ROTINA NA ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL ASSOCIAÇÃO CULTURAL E EDUCACIONAL DE ITAPEVA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E AGRÁRIAS DE ITAPEVA A ROTINA NA ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Andréia Ap. Domingues Leite RA 20 143

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE CAIXAS-ESTANTES PARA INCENTIVO DA LEITURA PARA ALUNOS DE 1ª À 4ª SÉRIES NA ESCOLA MUNICIPAL HENRIQUE VERAS

UTILIZAÇÃO DE CAIXAS-ESTANTES PARA INCENTIVO DA LEITURA PARA ALUNOS DE 1ª À 4ª SÉRIES NA ESCOLA MUNICIPAL HENRIQUE VERAS UTILIZAÇÃO DE CAIXAS-ESTANTES PARA INCENTIVO DA LEITURA PARA ALUNOS DE 1ª À 4ª SÉRIES NA ESCOLA MUNICIPAL HENRIQUE VERAS Andréa Collyer Neves Acadêmica do Curso de Biblioteconomia da UFSC Araci Isaltina

Leia mais

O USO DE TECNOLOGIAS NA EDUCAÇÃO: A UTILIZAÇÃO DO CINEMA COMO FONTE HISTÓRICA Leandro Batista de Araujo* RESUMO: Atualmente constata-se a importância

O USO DE TECNOLOGIAS NA EDUCAÇÃO: A UTILIZAÇÃO DO CINEMA COMO FONTE HISTÓRICA Leandro Batista de Araujo* RESUMO: Atualmente constata-se a importância O USO DE TECNOLOGIAS NA EDUCAÇÃO: A UTILIZAÇÃO DO CINEMA COMO FONTE HISTÓRICA Leandro Batista de Araujo* RESUMO: Atualmente constata-se a importância e necessidade do uso de tecnologias no trabalho escolar

Leia mais

LITERATURA INFANTIL CONTEMPORÂNEA

LITERATURA INFANTIL CONTEMPORÂNEA RISSA, A.C. SOUZA, D.C. VIEIRA, A.R. LITERATURA INFANTIL CONTEMPORÂNEA Resumo O presente artigo tem como principal objetivo evidenciar as características da literatura desde o seu inicio bem como na contemporaneidade.

Leia mais

I SEMINÁRIO POLÍTICAS PÚBLICAS E AÇÕES AFIRMATIVAS Universidade Federal de Santa Maria Observatório de Ações Afirmativas 20 a 21 de outubro de 2015

I SEMINÁRIO POLÍTICAS PÚBLICAS E AÇÕES AFIRMATIVAS Universidade Federal de Santa Maria Observatório de Ações Afirmativas 20 a 21 de outubro de 2015 I SEMINÁRIO POLÍTICAS PÚBLICAS E AÇÕES AFIRMATIVAS Universidade Federal de Santa Maria Observatório de Ações Afirmativas 20 a 21 de outubro de 2015 A GESTÃO ESCOLAR E O POTENCIAL DAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO

Leia mais

Conhecendo O. História. Aprender com emoção, aprender para sempre. Nesta Edição:

Conhecendo O. História. Aprender com emoção, aprender para sempre. Nesta Edição: Página 1 Conhecendo O Nesta Edição: História 1 Corpo Docente Visita à Sabesp 2 Visita à Prefeitura Feira de Ciências 3 Festa Junina Festa do dia das mães 4 Visita ao Lar Irmã Julia Visita ao Viveiro Projeto

Leia mais

O MUNDO DENTRO E FORA DA SALA DE AULA: idas e vindas na busca de uma escola cidadã

O MUNDO DENTRO E FORA DA SALA DE AULA: idas e vindas na busca de uma escola cidadã O MUNDO DENTRO E FORA DA SALA DE AULA: idas e vindas na busca de uma escola cidadã Ana Paola da Silva Universidade Federal de Campina Grande- UFCG anapaolacg@yahoo.com.br 1. INTRODUÇÃO A EJA1, de acordo

Leia mais

Trabalho de Conclusão de Curso A UTILIZAÇÃO DO LIVRO INFANTIL COMO RECURSO DIDÁTICO PARA ABORDAR O TEMA BIODIVERSIDADE MARINHA

Trabalho de Conclusão de Curso A UTILIZAÇÃO DO LIVRO INFANTIL COMO RECURSO DIDÁTICO PARA ABORDAR O TEMA BIODIVERSIDADE MARINHA Trabalho de Conclusão de Curso A UTILIZAÇÃO DO LIVRO INFANTIL COMO RECURSO DIDÁTICO PARA ABORDAR O TEMA BIODIVERSIDADE MARINHA Camila de Fátima de Carvalho Braga Curso de Ciências Biológicas Belo Horizonte

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DA BIBLIOTECA ESCOLAR: A LEITURA EM MOVIMENTO PARA AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM

A UTILIZAÇÃO DA BIBLIOTECA ESCOLAR: A LEITURA EM MOVIMENTO PARA AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM A UTILIZAÇÃO DA BIBLIOTECA ESCOLAR: A LEITURA EM MOVIMENTO PARA AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM Marilisa Gonsalves da Silva 1 G Pedagogia/UEL marilisagoncalvessilva@gmail.com Sandra Aparecida Pires Franco 2

Leia mais

Ensino Fundamental II Projeto Eu Com

Ensino Fundamental II Projeto Eu Com Ensino Fundamental II Projeto Eu Com A proposta educacional do Colégio Nacional, consolidada no Projeto Eu Com, leva em consideração o alcance dos objetivos propostos em Lei para o Ensino Fundamental II,

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO INCENTIVO AO HÁBITO DE LEITURA NO 8º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL DO COLÉGIO MENEZES DE SOUSA EM SOBRAL-CE

A IMPORTÂNCIA DO INCENTIVO AO HÁBITO DE LEITURA NO 8º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL DO COLÉGIO MENEZES DE SOUSA EM SOBRAL-CE UNIVERSIDADE ESTADUAL VALE DO ACARAÚ-UVA KARLYANE PIMENTA DE CARVALHO A IMPORTÂNCIA DO INCENTIVO AO HÁBITO DE LEITURA NO 8º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL DO COLÉGIO MENEZES DE SOUSA EM SOBRAL-CE SOBRAL- CE

Leia mais

Folclore Brasileiro: Uma possibilidade de se ensinar o conceito de número na Educação Infantil em um espaço não-formal de aprendizagem.

Folclore Brasileiro: Uma possibilidade de se ensinar o conceito de número na Educação Infantil em um espaço não-formal de aprendizagem. 1 Folclore Brasileiro: Uma possibilidade de se ensinar o conceito de número na Educação Infantil em um espaço não-formal de aprendizagem. Cristiane Vinholes Jacomelli Prof(a). Dr(a) Maria do Carmo de Sousa

Leia mais

Atividade Pedagógica Teatro de fantoches. Junho 2013

Atividade Pedagógica Teatro de fantoches. Junho 2013 Atividade Pedagógica Teatro de fantoches Junho 2013 III D Teatro de fantoches A criança que ainda não sabe ler convencionalmente pode fazê-lo por meio da escuta da leitura do professor, ainda que não possa

Leia mais

REFERENCIAL CURRICULAR NACIONAL PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

REFERENCIAL CURRICULAR NACIONAL PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL REFERENCIAL CURRICULAR NACIONAL PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL Maria dos Prazeres Nunes 1 INTRODUÇÃO No Brasil a expansão da educação ocorre de forma lenta, mas, crescente nas últimas décadas. Com base nas determinações

Leia mais

EXPRESSÃO CORPORAL: UMA REFLEXÃO PEDAGÓGICA

EXPRESSÃO CORPORAL: UMA REFLEXÃO PEDAGÓGICA EXPRESSÃO CORPORAL: UMA REFLEXÃO PEDAGÓGICA Rogério Santos Grisante 1 ; Ozilia Geraldini Burgo 2 RESUMO: A prática da expressão corporal na disciplina de Artes Visuais no Ensino Fundamental II pode servir

Leia mais

JONAS RIBEIRO. ilustrações de Suppa

JONAS RIBEIRO. ilustrações de Suppa JONAS RIBEIRO ilustrações de Suppa Suplemento do professor Elaborado por Camila Tardelli da Silva Deu a louca no guarda-roupa Supl_prof_ Deu a louca no guarda roupa.indd 1 02/12/2015 12:19 Deu a louca

Leia mais

CHARGE COMO ESTRATÉGIA INTERDISCIPLINAR TRANSVERSAL DE ENSINO NA ESCOLA ESTADUAL DE ENSINO MÉDIO AUZANIR LACERDA

CHARGE COMO ESTRATÉGIA INTERDISCIPLINAR TRANSVERSAL DE ENSINO NA ESCOLA ESTADUAL DE ENSINO MÉDIO AUZANIR LACERDA CHARGE COMO ESTRATÉGIA INTERDISCIPLINAR TRANSVERSAL DE ENSINO NA ESCOLA ESTADUAL DE ENSINO MÉDIO AUZANIR LACERDA Ivete Marcelino Campos 1; Carlos Muriel de Medeiros Pinho 1; Maria das Graças Veloso Marinho

Leia mais

O HÁBITO DA LEITURA E O PRAZER DE LER

O HÁBITO DA LEITURA E O PRAZER DE LER O HÁBITO DA LEITURA E O PRAZER DE LER ALVES, Ivanir da Costa¹ Universidade Estadual de Goiás Unidade Universitária de Iporá ¹acwania@gmail.com RESUMO A leitura é compreendida como uma ação que deve se

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO Marcelo Moura 1 Líbia Serpa Aquino 2 Este artigo tem por objetivo abordar a importância das atividades lúdicas como verdadeiras

Leia mais