A RESPONSABILIDADE SOCIAL COMO CONTRIBUIDORA PARA O APRIMORAMENTO DA INTERAÇÃO HUMANA - UM ESTUDO DE CASO 1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A RESPONSABILIDADE SOCIAL COMO CONTRIBUIDORA PARA O APRIMORAMENTO DA INTERAÇÃO HUMANA - UM ESTUDO DE CASO 1"

Transcrição

1 A RESPONSABILIDADE SOCIAL COMO CONTRIBUIDORA PARA O APRIMORAMENTO DA INTERAÇÃO HUMANA - UM ESTUDO DE CASO 1 BACH, Cláudia 2 ; MARTINS, Ana 3, GODOY, Leoni 4 1 Artigo apresentado no XV Simpósio de Ensino, Pesquisa e Extensão 2 Curso de Engenharia de Produção, Mestrado em Qualidade e produtividade, UFSM, Santa Maria, RS, Brasil 3 Curso de Administração do Centro Universitário Franciscano (UNIFRA), Santa Maria, RS, Brasil 4 Curso de Engenharia de Produção, Mestrado em Qualidade e produtividade, UFSM, Santa Maria, RS, Brasil RESUMO O presente trabalho apresenta um estudo desenvolvido com foco na Responsabilidade Social, em uma empresa Comercial de Calçados localizada na cidade de Santa Maria, RS. Como objetivos específicos este trabalho apresenta: verificar o conhecimento dos projetos por parte dos colaboradores; verificar se há uma explicação exata dos projetos para os colaboradores, por parte da empresa comercial; analisar as formas de divulgação dos projetos para os colaboradores; identificar se há a colaboração dos colaboradores e seus familiares nos projetos da Fundação. A fim de avaliar o motivo que leva os colaboradores de participarem ou não dos projetos de sua fundação foi elaborado um questionário com 12 perguntas baseado nas dúvidas e levantamentos da organização sobre este assunto. Conclui-se que os fatores principais para a não participação dos projetos foram o tempo, a falta de convite e a pouca experiência na organização. Palavras-chave: Responsabilidade Social, Fundação, Relação Humana. 1. INTRODUÇÃO A responsabilidade social vem criando raízes ao longo do tempo, bem como o respeito das organizações e empresários. A realidade da organização desse estudo é inversa à maioria, ou seja, nunca houve a preocupação em utilizar os projetos de responsabilidade social como elemento de divulgação da empresa comercial, mas, para efetivamente contribuir com a sociedade. O tema Responsabilidade Social significa tomar iniciativas e decisões que irão beneficiar toda a sociedade e a comunidade, sem obrigações jurídicas. Importante salientar, que os beneficiados serão, não somente as pessoas inseridas na área de atuação da organização em questão, mas sim, todos os tipos de públicos em suas diversas localidades, (GOLDSTEIN, 2007). O presente trabalho apresenta um estudo desenvolvido com foco na Responsabilidade Social, em uma empresa Comercial de Calçados localizada na cidade de Santa Maria, RS. 1

2 Santa Maria hoje se educa socialmente procurando fornecer diversas oportunidades nas áreas educacionais e culturais. É com essa idéia de maturação de investimento cultural e educacional, que essa entidade, sem fins lucrativos, fundada em 26 de julho de 1994, com base em seus projetos é considerada referência na cidade, com suas ações que auxiliam tanto a comunidade, quanto aos colaboradores. Apesar dessa, Fundação desenvolver diversos projetos de responsabilidade social, observa-se que, ainda há pouca participação dos seus funcionários nos mesmos, considerando a importância do tema Responsabilidade Social na ação das empresas atualmente, tem-se como intuito verificar o porquê dessa abstinência, levando em consideração que as atividades nos projetos são realizadas no horário de trabalho. Para tanto, surge a proposta deste trabalho, a fim de contribuir com informações que possam ser úteis para a Fundação, sendo este realizado em conjunto ou, em parceria com a empresa comercial, pois as implicações sobre o presente tema foram tratadas sempre de forma integrada. Tendo em vista o contexto anterior, este trabalho apresenta como objetivo geral identificar os fatores que influenciam os colaboradores da Fundação a participarem ou não dos projetos da mesma. Para alcançá-lo têm-se como objetivos específicos: verificar o conhecimento dos projetos por parte dos colaboradores; verificar se há uma explicação exata dos projetos para os colaboradores, por parte da empresa comercial; analisar as formas de divulgação dos projetos para os colaboradores; identificar se há a colaboração dos colaboradores e seus familiares nos projetos da Fundação. Com isso, este presente estudo apresentará como problema de pesquisa Que motivos levam ou não a participação dos colaboradores da loja de Comércio de Calçados, nos projetos da Fundação? Justifica-se este trabalho pela sua contribuição que este oferece à organização. Através da presente pesquisa será possível reavaliar algumas questões para que, no futuro, mais colaboradores participem dos projetos desenvolvidos pela Fundação fazendo com que as relações dos funcionários com a empresa comercial cresçam ainda mais. 2 REFERENCIAL TEÓRICO A Fundação surgiu por três principais motivos: primeiramente, pelos incentivos governamentais e fiscais. Ou seja, através da conversão de impostos em bem social. Em segundo lugar, seu surgimento aconteceu pelo objetivo de perpetuar a marca e imobilizar o patrimônio, pois a venda de imóveis da fundação é proibida. O último motivo de seu 2

3 surgimento foi a iniciativa de continuar todas as ações beneficentes que o fundador da empresa de Calçados deu inicio. Hoje em dia, a fundação não conta mais com a dedução de impostos, nem com o auxílio da Lei de Incentivo à cultura (LIC). A participação dos funcionários nos projetos da fundação acontece nas horas de expediente podendo ocorrer de diversas formas, tais como, participando diretamente dos projetos, levando seus filhos e familiares ou assistindo aos mesmos. A participação desses colaboradores é voluntária, não havendo, portanto, nenhum tipo de bonificação monetária. Goldstein (2007, p.63) fala que: De acordo com especialistas em recursos humanos e em psicologia organizacional, o voluntariado empresarial oferece duas grandes vantagens: permite aperfeiçoar habilidades como liderança e trabalho em equipe, funcionando como uma espécie de capacitação, e eleva a produtividade, em função do aumento da motivação dos funcionários. A Fundação, entidade instituída pela empresa de Comércio de Calçados, procura realizar ações de fomento social, cultural e intelectual. Tem como objetivos a promoção social dos colaboradores e de atividades culturais, educacionais, técnico-científicas, de assistência social, filantrópicas e esportivas. Ainda, busca promover a defesa, recuperação e preservação da memória cultural, tradições artísticas e patrimônio histórico, bem como colaborar em programas de desenvolvimento comunitário. Os projetos desenvolvidos atendem o compromisso com a qualidade, a qualificação dos colaboradores da empresa comercial, sempre com foco no bem-estar da comunidade santamariense. A seguir serão apresentados os 04 principais projetos realizados e apoiados pela Fundação, sendo que ao total são realizados mais de 20 projetos. O aprofundamento maior nos mesmos dar-se-á pelo fato de serem considerados de maior ênfase e de possível continuidade, por parte da empresa comercial. A) Projeto 1 Criado no ano de 2004, o Projeto A tem propiciado alegria e cultura para as crianças do ensino municipal de Santa Maria e região. Através da encenação de clássicos infantis, o projeto viabiliza o acesso ao teatro a estudantes de 05 a 10 anos e ainda patrocina a distribuição de 6 mil livros de bolso. Desde 2009, os próprios colaboradores encenam as peças. Assim, as idéias de voluntariado e de responsabilidade social passaram a ser vivenciada pelos colaboradores. B) Projeto 2 3

4 O projeto consiste na reforma de espaços físicos com estruturas deficientes para o atendimento aos idosos, por meio da parceria entre a Fundação e, empresas comerciais filiadas, que viabilizam a recuperação desses espaços de convivência. O público-alvo desse projeto são as pessoas de 3ª idade e consiste na reforma de pequenos espaços físicos nas instituições de cuidados de seu público-alvo. Essa reforma é realizada por várias empresas terceirizadas pagas e os colaboradores auxiliam no controle da obra. A seleção da instituição beneficiada é feita de forma aleatória. A Fundação escolhe um local e a seguir os colaboradores voluntários vão a procura de auxílio e parcerias de professores de arquitetura e engenharia. Infelizmente o projeto conta com pouca participação dos funcionários. Para o sucesso definitivo seria requerido a participação de mais dez colaboradores. C) Projeto 3 A idéia principal para a criação desse projeto foi oportunizar uma realidade diferenciada e descobrir talentos. São ofertadas diversas atividades como aula de flauta, balé e canto. O público-alvo desse projeto são as crianças carentes e os filhos dos colaboradores. Os colaboradores podem colaborar matriculando seus filhos no projeto, auxiliando na divulgação do mesmo e na estrutura e organização. D) Projeto 4 A ideia principal na criação do projeto foi qualificar profissionais para atuarem no varejo. A universidade conta hoje com oitenta alunos. Duas turmas de 40, resultando em um total de 80 alunos na universidade. O processo de seleção foi efetuado, primeiramente, de forma convidativa para os gerentes e líderes somente. Na sua segunda turma, houve um processo de inscrição, onde todos os colaboradores podiam participar. A Universidade Corporativa apresenta hoje, três principais módulos de ensino.os alunos assistem às aulas no período de trabalho, de forma gratuita. Os professores são, na maioria, voluntários, mas há também, alguns remunerados. Há professores das instituições SENAC, SEBRAE e UFSM. No seu estatuto, este projeto já conta com a extensão à comunidade. Onde seu foco continuará sendo o varejo e pessoas com baixa renda. Os colaboradores podem auxiliar de forma interativa, assistindo às aulas, ou até, lecionar algumas. 3 METODOLOGIA 4

5 Para a realização deste estudo realizou-se inicialmente uma pesquisa bibliográfica, a fim de verificar os aspectos teóricos que a literatura oferece. Seu conceito, segundo Marconi e Lakatos (1999, p 73) é: A pesquisa bibliográfica, ou de fontes secundárias, abrange toda bibliografia já tornada pública em relação ao tema de estudo, desde publicações avulsas, boletins, jornais, revistas, livros, pesquisas, monografias, teses, material cartográfico, etc. A metodologia quanto à natureza pode ser classificada em qualitativa e quantitativa. A pesquisa realizada é de natureza qualitativa, que segundo Silva (2001, p.20): A interpretação dos fenômenos e a atribuição de significados são básicas no processo de pesquisa qualitativa. Não requer o uso de métodos e técnicas estatísticas. O ambiente natural é a fonte direta para coleta de dados e o pesquisador é o instrumento-chave. A pesquisa também pode ser considerada quantitativa, pois trabalha com um questionário contendo perguntas fechadas e abertas, que segundo Silva e Menezes (2001), permite mensurar opiniões, reações, sensações, hábitos e atitudes, através de uma amostra que represente a população de forma estatisticamente comprovada. Quanto aos objetivos, a metodologia pode ser dividida em descritiva e exploratória. A pesquisa exploratória consiste em aprofundar conceitos sobre um tema onde não há aprofundamento teórico satisfatório. Contribui, então para esclarecer as questões que foram anteriormente, superficialmente abordadas. (RAUPP e BEUREN, 2003). conceituam: Já sobre as pesquisas descritivas, os autores Raupp e Beuren, (2003, p.80) Os resultados obtidos com base em uma pesquisa exploratória podem contribuir no sentido de identificar relações existentes entre as variáveis estudadas de determinada população. Portanto, o pesquisador informa sobre situações, fatos, opiniões ou comportamentos que têm lugar na população analisada. No caso específico desse trabalho, o mesmo contou com duas etapas: uma etapa exploratória e qualitativa, que se caracterizou de uma entrevista não estruturada com a colaboradora responsável pela área de marketing, com a coordenadora voluntária da fundação e da universidade corporativa. Além disto, houve um pré-teste, que teve como objetivo testar o instrumento de coleta de dados junto aos respondentes, sendo que 10 funcionários de umsa filial da empresa comercial, que participaram desta etapa, que resultou na validação do instrumento. A segunda etapa, descritiva, contou com a participação dos demais respondentes, sendo que esta, teve a finalidade de levantar informações sobre que fatores levam à uma maior ou menor participação dos colaboradores nos projetos realizados por sua Fundação, através da aplicação do instrumento de coleta de dados já validado. 5

6 Esse trabalho caracteriza-se como um estudo de caso por se tratar de uma pesquisa realizada em uma única empresa, sendo que Yin apud Roesch (2009, p.155) definem como: [...] É uma estratégia de pesquisa que busca examinar um fenômeno contemporâneo dentro de seu contexto. Difere, pois, dos delineamentos experimentais no sentido de que estes deliberadamente divorciam o fenômeno em estudo de seu contexto. Igualmente, estudos de caso diferem do método histórico, por se referirem ao presente e não ao passado. Quanto ao instrumento de coleta de dados, desenvolveu-se um questionário contendo perguntas fechadas e abertas que foi entregue aos funcionários das dez filiais de Santa Maria, da seguinte forma: 03 no turno da manhã, 05 no turno da tarde e 02 no turno da noite. Sendo estes, recolhidos posteriormente. No que tange à amostra, que, na verdade, englobou uma população, ou seja, a totalidade dos funcionários da empresa matriz comercial e suas filiais de Santa Maria, de 199 respondentes. Após a coleta de dados, 107 questionários retornaram respondidos, ou seja, o índice de respostas foi de 53,77%. 4 ÁNÁLISE DOS RESULTADOS A fim de avaliar o motivo que leva os colaboradores de participarem ou não dos projetos de sua fundação foi elaborado um questionário com 12 perguntas baseado nas dúvidas e levantamentos da organização sobre este assunto. O questionário faz uma construção, primeiramente de perfil, para em seguida verificar se o colaborador participou ou não dos projetos. Após ainda, é verificado o motivo que levou ou não, a participação. Neste grupo serão apresentados os resultados das perguntas referentes ao sexo, estado civil dos colaboradores, bem como se estes possuíam filhos. Esta última pergunta foi realizada, devido que muitos projetos da fundação são específicos para crianças. Para tanto, se fez também necessário, uma análise da faixa etária dos mesmos. Percebeu-se que a maioria dos questionados foram do sexo feminino com 62,62%, 53,28% são solteiros, e 58,78% não possuem filhos. Aos que os possuem, a quantidade maior encontrada de números de filhos por colaborador foi de um, com 63,64%. A maioria das crianças está na faixa etária de 0 a 05 anos, com uma porcentagem de 52,27% do total. 4.2 QUESTÕES DIRETAS AO TEMA 6

7 Tabela 1 Conhecimento dos projetos da Fundação Conhecimento dos projetos Frequência Porcentagem da Fundação Sim 95 88,78% Não 12 11,22% Total % Verifica-se pela tabela 1 que 88,78% dos colaboradores têm conhecimento dos projetos da Fundação e apenas 11,22% não. Este resultado mostra que a Fundação divulga seus projetos. Tabela 2 Maneira de divulgação dos projetos Forma de que ficou sabendo Frequência Porcentagem dos projetos ,63% Intranet 23 24,21% Reuniões Internas 48 50,53% Reuniões Gerenciais 18 18,95% Informativo ao pé da letra 24 25,26% Mural 20 21,05% Através de colegas 32 33,68% Outros 03 3,16% Total % Vale lembrar que só responderam essa questão representada pela tabela 2, quem marcou a resposta sim, da pergunta anterior. Representando assim, o número de 95 o total de 100%. Além disso, a tabela refere-se a uma questão de múltiplas escolhas. Pode-se concluir pela tabela 2 que a maior parte dos funcionários teve conhecimento dos projetos da Fundação através de reuniões internas, representando 50,53% do total. Tabela 3 Participação dos colaboradores nos projetos Participação em algum Frequência Porcentagem projeto Sim 22 20,56% Não 85 79,44% Total % A tabela 3 mostra que, apesar da maioria conhecer os projetos, não há uma participação efetiva dos colaboradores. Ao serem questionados, de forma qualitativa, sobre os projetos dos quais os colaboradores participaram a maioria, referente a 11 questionados, participaram do 7

8 Encontrão. Vale lembrar que só responderam essa questão, quem marcou a resposta sim, da pergunta anterior. Representando assim, o número de 22 questionados, o total de 100%. Aos que não participaram foi questionado o motivo pela não participação nos projetos da Fundação. Conclui-se que o motivo principal que leva aos colaboradores a não participação é a falta de tempo. Dos 85 que não participaram de projetos, 31 responderam que o tempo é o fator principal. Vale lembrar que só responderam essa questão, quem marcou a resposta não na questão de número 07. Representando assim, o número de 85, o total de 100%. Tabela 4 - Participação dos familiares dos colaboradores nos projetos Familiares nos projetos da Frequência Porcentagem fundação Sim 23 21,49% Não 78 72,89% Não responderam 6 5,62% Total % Esta tabela 4 representa se os colaboradores levam seus familiares para assistir ou participar dos projetos. Verifica-se que 72,89% dos colaboradores não levam seus familiares para assistir aos projetos da fundação. Ao serem questionados sobre o retorno que os projetos proporcionavam, relatou-se que 11 colaboradores reconheceram que a participação serviu de lição para a vida profissional e pessoal. Vale lembrar que só responderam essa questão, quem marcou a resposta sim na tabela 3. Representando assim, o número de 22 colaboradores, o total de 100%. As sugestões dos funcionários das empresas ligadas a Fundação para uma maior participação destes nos projetos seria a oferta dos projetos em diferentes horários, dando como exemplo os finais de semana. Também deveria ser feito maior divulgação dos projetos da Fundação e a criação de novos projetos, como por exemplo, a criação de uma creche para as colaboradoras que necessitassem desse serviço. 5 CONCLUSÃO O presente resumo teve como objetivo identificar os fatores que influenciam os colaboradores das empresas de Calçados a participarem ou não dos projetos da Fundação. Este objetivo foi atingido com êxito. Conclui-se que os fatores principais para a não participação dos projetos foram o tempo, a falta de convite e a pouca experiência na organização. Além disso, grande parte dos colaboradores acredita que o processo de seleção para uma participação nos projetos não ocorre de forma justa, onde apenas alguns 8

9 funcionários são escolhidos, impossibilitando outros de participarem. Pôde-se concluir também que os colaboradores que participam se influenciam pelos benefícios que os projetos proporcionam em suas vidas pessoais e profissionais. 6 REFERÊNCIAS BIBLIOGRAFICAS GOLDSTEIN, I. Responsabilidade social: Das grandes corporações ao terceiro setor. Ed. São Paulo: Ática, LAKATOS, E; MARCONI, M. Fundamentos de metodologia científica. 4. ed. São Paulo: Atlas, RAUPP, F; BEUREN, I. Metodologia da pesquisa aplicável às ciências Sociais. In: Como Elaborar Trabalhos Monográficos em Contabilidade. Organizadora: Ilse Maria Beuren. São Paulo: Atlas, ROESCH, S; YIN Projetos de Estágio e de Pesquisa em Administração: Guia para Estágios, Trabalhos de Conclusão, Dissertações e Estudos de Caso. São Paulo: Atlas, SILVA, Edna Lúcia da. Metodologia da pesquisa e elaboração de dissertação, Estera Muszkat Menezes. 3. ed. rev. atual. Florianópolis: Laboratório de Ensino a Distância da UFSC,

CENTRO UNIVERSITÁRIO FRANCISCANO ÁREA DE CIÊNCIAS SOCIAIS CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

CENTRO UNIVERSITÁRIO FRANCISCANO ÁREA DE CIÊNCIAS SOCIAIS CURSO DE ADMINISTRAÇÃO 1 CENTRO UNIVERSITÁRIO FRANCISCANO ÁREA DE CIÊNCIAS SOCIAIS CURSO DE ADMINISTRAÇÃO RESPONSABILIDADE SOCIAL- UM ESTUDO DE CASO NA FUNCAÇÃO ENY Relatório de estágio apresentado à disciplina de estágio II

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BELO HORIZONTE Curso de Ciências Contábeis A IMPORTÂNCIA DA AUDITORIA INTERNA NOS ESCRITÓRIOS DE CONTABILIDADE

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BELO HORIZONTE Curso de Ciências Contábeis A IMPORTÂNCIA DA AUDITORIA INTERNA NOS ESCRITÓRIOS DE CONTABILIDADE 1 CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BELO HORIZONTE Curso de Ciências Contábeis A IMPORTÂNCIA DA AUDITORIA INTERNA NOS ESCRITÓRIOS DE CONTABILIDADE Ricardo Marquiore 1 Carolina Moreira Fernandes 2 RESUMO: A pesquisa

Leia mais

08/05/2009. Cursos Superiores de. Prof.: Fernando Hadad Zaidan. Disciplina: PIP - Projeto Integrador de Pesquisa. Objetivos gerais e específicos

08/05/2009. Cursos Superiores de. Prof.: Fernando Hadad Zaidan. Disciplina: PIP - Projeto Integrador de Pesquisa. Objetivos gerais e específicos Faculdade INED Cursos Superiores de Tecnologia Disciplina: PIP - Projeto Integrador de Pesquisa Objetivos gerais e específicos Objetivo resultado a alcançar; Geral dá resposta ao problema; Específicos

Leia mais

INOVAÇÃO E EMPREENDEDORISMO: UMA GESTÃO FAMILIAR DIFERENCIADA, NO RESTAURANTE VERA CRUZ DE SANTA MARIA/RS

INOVAÇÃO E EMPREENDEDORISMO: UMA GESTÃO FAMILIAR DIFERENCIADA, NO RESTAURANTE VERA CRUZ DE SANTA MARIA/RS INOVAÇÃO E EMPREENDEDORISMO: UMA GESTÃO FAMILIAR DIFERENCIADA, NO RESTAURANTE VERA CRUZ DE SANTA MARIA/RS Silva, Aline 1 ; BOEIRA; Bruno 2 ; FROZZA, Mateus 3. Palavras - Chaves: Gestão, Planejamento, Empresas

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS VOLTADA PARA RECRUTAMENTO E SELEÇÃO E CARGOS E SALÁRIOS.

GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS VOLTADA PARA RECRUTAMENTO E SELEÇÃO E CARGOS E SALÁRIOS. GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS VOLTADA PARA RECRUTAMENTO E SELEÇÃO E CARGOS E SALÁRIOS. BARBOSA, Roger Eduardo 1 Resumo Neste artigo analisaremos como o planejamento estratégico na gestão de pessoas nas

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL INTERNA: AÇÕES PRATICADAS POR EMPRESAS DA CIDADE DE PASSO FUNDO 1

RESPONSABILIDADE SOCIAL INTERNA: AÇÕES PRATICADAS POR EMPRESAS DA CIDADE DE PASSO FUNDO 1 RESPONSABILIDADE SOCIAL INTERNA: AÇÕES PRATICADAS POR EMPRESAS DA CIDADE DE PASSO FUNDO 1 Maicon Lambrecht Kuchak 2, Pauline Costa 3, Alessandra Costenaro Maciel 4, Daniel Knebel Baggio 5, Bruna Faccin

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTROLADORIA NO PLANEJAMENTO DAS PEQUENAS EMPRESAS

A IMPORTÂNCIA DA CONTROLADORIA NO PLANEJAMENTO DAS PEQUENAS EMPRESAS UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS Unidade Universitária de Ciências Sócio-Econômicas e Humanas Frederico Sebastião da Silva Ferreira Thauane Karoline Carvalho Borges Thiago Costa Rodrigues Vinícius Oliveira

Leia mais

AUDITORIA EXTERNA: ESTUDO SOBRE O PAPEL DO AUDITOR E AS NORMAS REGULAMENTADORAS DA PROFISSÃO

AUDITORIA EXTERNA: ESTUDO SOBRE O PAPEL DO AUDITOR E AS NORMAS REGULAMENTADORAS DA PROFISSÃO 1 AUDITORIA ETERNA: ESTUDO SOBRE O PAPEL DO AUDITOR E AS NORMAS REGULAMENTADORAS DA PROFISSÃO Anilton ROCHA SILVA, Carina VIAL DE CANUTO, Carolina CLIVIAN PEREIRA AVIER, Débora LORAINE CARVALHO DE OLIVEIRA,

Leia mais

PERCEPÇÕES SOBRE A INCLUSÃO DOS EGRESSOS DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DA UNIJUÍ NO MERCADO DE TRABALHO 1

PERCEPÇÕES SOBRE A INCLUSÃO DOS EGRESSOS DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DA UNIJUÍ NO MERCADO DE TRABALHO 1 PERCEPÇÕES SOBRE A INCLUSÃO DOS EGRESSOS DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DA UNIJUÍ NO MERCADO DE TRABALHO 1 Ana Cláudia Bueno Grando 2, Eliana Ribas Maciel 3. 1 Trabalho de Conclusão de curso apresentado a banca

Leia mais

OS RESULTADOS DO E-LEARNING NO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 4ª REGIÃO DE ACORDO COM A PERCEPÇÃO DOS GESTORES

OS RESULTADOS DO E-LEARNING NO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 4ª REGIÃO DE ACORDO COM A PERCEPÇÃO DOS GESTORES 1 OS RESULTADOS DO E-LEARNING NO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 4ª REGIÃO DE ACORDO COM A PERCEPÇÃO DOS GESTORES Porto Alegre RS Março 2010 Bianca Smith Pilla Instituto Federal de Educação, Ciência e

Leia mais

EDUCAÇÃO PATRIMONIAL A PARTIR DE JOGOS DIDÁTICOS: UMA EXPERIÊNCIA EXTENSIONISTA NO MUNICÍPIO DE RESTINGA SÊCA/RS/Brasil

EDUCAÇÃO PATRIMONIAL A PARTIR DE JOGOS DIDÁTICOS: UMA EXPERIÊNCIA EXTENSIONISTA NO MUNICÍPIO DE RESTINGA SÊCA/RS/Brasil EDUCAÇÃO PATRIMONIAL A PARTIR DE JOGOS DIDÁTICOS: UMA EXPERIÊNCIA EXTENSIONISTA NO MUNICÍPIO DE RESTINGA SÊCA/RS/Brasil Heliana de Moraes Alves Graduanda em Geografia Bacharelado da Universidade Federal

Leia mais

A VISÃO DOS TUTORES NA EAD DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE GOIÁS - uma sugestão de formação corporativa ao serviço público

A VISÃO DOS TUTORES NA EAD DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE GOIÁS - uma sugestão de formação corporativa ao serviço público 1 A VISÃO DOS TUTORES NA EAD DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE GOIÁS - uma sugestão de formação corporativa ao serviço público Goiânia GO abril/2015 Dayse Mysmar Tavares Rodrigues TJGO dmysmar@hotmail.com

Leia mais

XVII Semana do Administrador do Sudoeste da BahiaISSN: 2358-6397 O Administrador da Contemporaneidade: desafios e perspectivas

XVII Semana do Administrador do Sudoeste da BahiaISSN: 2358-6397 O Administrador da Contemporaneidade: desafios e perspectivas A influência do endomarketing para a melhoria do ambiente organizacional: case faculdade Guanambi. Autoria: Fabrício Lopes Rodrigues 1 e Rogério Santos Marques 2 1 UNEB, E-mail: fabriciolopesr@hotmail.com

Leia mais

Faculdade de Tecnologia SENAI Belo Horizonte

Faculdade de Tecnologia SENAI Belo Horizonte PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU FATEC SENAI BH A Faculdade de Tecnologia SENAI Belo Horizonte, credenciada pelo MEC pela Portaria n 1788 de 27 de maio de 2005 e despacho SEMTEC nº 311/2005, apresenta

Leia mais

Resultados da Pesquisa IDIS de Investimento Social na Comunidade 2004

Resultados da Pesquisa IDIS de Investimento Social na Comunidade 2004 Resultados da Pesquisa IDIS de Investimento Social na Comunidade 2004 Por Zilda Knoploch, presidente da Enfoque Pesquisa de Marketing Este material foi elaborado pela Enfoque Pesquisa de Marketing, empresa

Leia mais

5 Conclusão. FIGURA 3 Dimensões relativas aos aspectos que inibem ou facilitam a manifestação do intraempreendedorismo. Fonte: Elaborada pelo autor.

5 Conclusão. FIGURA 3 Dimensões relativas aos aspectos que inibem ou facilitam a manifestação do intraempreendedorismo. Fonte: Elaborada pelo autor. 5 Conclusão Este estudo teve como objetivo a análise dos diversos fatores que influenciam tanto de maneira positiva quanto negativa no exercício do papel dos gerentes e também dos elementos que facilitam

Leia mais

GESTÃO ORGANIZACIONAL NA EMPRESA: A OLIVEIRA S INFORMÁTICA

GESTÃO ORGANIZACIONAL NA EMPRESA: A OLIVEIRA S INFORMÁTICA GESTÃO ORGANIZACIONAL NA EMPRESA: A OLIVEIRA S INFORMÁTICA Braulio Oliveira dos Santos Fo Adriana Guimarães de Oliveira Leuzenir Barth de Oliveira Resumo: Este artigo retrata a maneira pela qual foi desenvolvido

Leia mais

2012 RELATÓRIO DE ATIVIDADES

2012 RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2012 RELATÓRIO DE ATIVIDADES Instituto Lojas Renner Instituto Lojas Renner Inserção de mulheres no mercado de trabalho, desenvolvimento da comunidade e formação de jovens fazem parte da história do Instituto.

Leia mais

Neste capítulo será apresentado o método científico que foi utilizado no

Neste capítulo será apresentado o método científico que foi utilizado no 6 METODOLOGIA DA PESQUISA Neste capítulo será apresentado o método científico que foi utilizado no desenvolvimento da pesquisa. Todo trabalho científico deve estar fundamentado em métodos para que seus

Leia mais

MOTIVAÇÃO NO SERVIÇO PÚBLICO EDUCACIONAL DE RONDONÓPOLIS.

MOTIVAÇÃO NO SERVIÇO PÚBLICO EDUCACIONAL DE RONDONÓPOLIS. MOTIVAÇÃO NO SERVIÇO PÚBLICO EDUCACIONAL DE RONDONÓPOLIS. 1 SILVA, Benair Alves da 2 DA ROSA, Wanderlan Barreto RESUMO O artigo tem a intenção de saber se os servidores públicos educacionais de Rondonópolis

Leia mais

A Grade Curricular da Habilitação de Relações Públicas da Universidade de Santa Cruz do Sul 1

A Grade Curricular da Habilitação de Relações Públicas da Universidade de Santa Cruz do Sul 1 A Grade Curricular da Habilitação de Relações Públicas da Universidade de Santa Cruz do Sul 1 Priscila dos Santos STEFFENS 2 Renata Gerhardt PICCININ 3 Jaqueline Lopes LUZ 4 Bruno KEGLER 5 Fabiana da Costa

Leia mais

ANÁLISE DAS MELHORIAS OCORRIDAS COM A IMPLANTAÇÃO DO SETOR DE GESTÃO DE PESSOAS NA NOVA ONDA EM ARACATI CE

ANÁLISE DAS MELHORIAS OCORRIDAS COM A IMPLANTAÇÃO DO SETOR DE GESTÃO DE PESSOAS NA NOVA ONDA EM ARACATI CE ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 ANÁLISE DAS MELHORIAS OCORRIDAS COM A IMPLANTAÇÃO DO SETOR DE GESTÃO DE PESSOAS NA NOVA ONDA EM ARACATI

Leia mais

Gráfico 1 Jovens matriculados no ProJovem Urbano - Edição 2012. Fatia 3;

Gráfico 1 Jovens matriculados no ProJovem Urbano - Edição 2012. Fatia 3; COMO ESTUDAR SE NÃO TENHO COM QUEM DEIXAR MEUS FILHOS? UM ESTUDO SOBRE AS SALAS DE ACOLHIMENTO DO PROJOVEM URBANO Rosilaine Gonçalves da Fonseca Ferreira UNIRIO Direcionado ao atendimento de parcela significativa

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO FEEDBACK NO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO REALIZADO NAS ORGANIZAÇÕES DA ZONA DA MATA MINEIRA RESUMO

A IMPORTÂNCIA DO FEEDBACK NO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO REALIZADO NAS ORGANIZAÇÕES DA ZONA DA MATA MINEIRA RESUMO 1 A IMPORTÂNCIA DO FEEDBACK NO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO REALIZADO NAS ORGANIZAÇÕES DA ZONA DA MATA MINEIRA Daniel de Souza Ferreira 1 RESUMO Ferreira, Daniel de Souza. A Impostância do Feedback

Leia mais

E-COMMERCE COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR FRENTE ÀS TRANSAÇÕES ON-LINE 1. Tahinan Pattat 2, Luciano Zamberlan 3.

E-COMMERCE COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR FRENTE ÀS TRANSAÇÕES ON-LINE 1. Tahinan Pattat 2, Luciano Zamberlan 3. E-COMMERCE COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR FRENTE ÀS TRANSAÇÕES ON-LINE 1 Tahinan Pattat 2, Luciano Zamberlan 3. 1 Trabalho de conclusão de curso de Administração da Unijuí 2 Aluno do Curso de Administração

Leia mais

1 POR QUE EMPRESA JÚNIOR?

1 POR QUE EMPRESA JÚNIOR? Título: SOLUÇÃO ESTATÍSTICA JÚNIOR- PRIMEIRA DO GÊNERO NO RJ Autores:Regina Serrão Lanzillotti - lanzillotti@uol.com.br Aline Moraes da Silva alineuerj@zipmail.com.br Anna Paula Leite de Mattos anna.mattos@zipmail.com.br

Leia mais

Faculdade de Tecnologia SENAI Belo Horizonte

Faculdade de Tecnologia SENAI Belo Horizonte PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU FATEC SENAI BH A Faculdade de Tecnologia SENAI Belo Horizonte, credenciada pelo MEC pela Portaria n 1788 de 27 de maio de 2005 e despacho SEMTEC nº 311/2005, apresenta

Leia mais

Faculdade de Tecnologia SENAI Belo Horizonte

Faculdade de Tecnologia SENAI Belo Horizonte PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU FATEC SENAI BH A Faculdade de Tecnologia SENAI Belo Horizonte, credenciada pelo MEC pela Portaria n 1788 de 27 de maio de 2005 e despacho SEMTEC nº 311/2005, apresenta

Leia mais

Faculdade de Tecnologia SENAI Belo Horizonte

Faculdade de Tecnologia SENAI Belo Horizonte PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU FATEC SENAI BH A Faculdade de Tecnologia SENAI Belo Horizonte, credenciada pelo MEC pela Portaria n 1788 de 27 de maio de 2005 e despacho SEMTEC nº 311/2005, apresenta

Leia mais

Cartilha do ALUNO EMPREENDEDOR POLITÉCNICA

Cartilha do ALUNO EMPREENDEDOR POLITÉCNICA 1 Cartilha do ALUNO EMPREENDEDOR POLITÉCNICA Diretor Acadêmico: Edison de Mello Gestor do Projeto: Prof. Marco Antonio da Costa 2 1. APRESENTAÇÃO Prepare seus alunos para explorarem o desconhecido, para

Leia mais

Estrutura e organização de projeto científico

Estrutura e organização de projeto científico O PROCESSO DE PESQUISA BÁSICA EM ADMINISTRAÇÃO Estrutura e organização de projeto científico PROCESSO DE TOMADA DE DECISÃO Fase I: Formulação Desenvolver: -teoria; -Questões de pesquisa; -Hipóteses; -Plano

Leia mais

FACULDADE DE MINAS FAMINAS BH. Ciências Contábeis

FACULDADE DE MINAS FAMINAS BH. Ciências Contábeis FACULDADE DE MINAS FAMINAS BH Ciências Contábeis Adrielle Rochido dos Santos ¹ Amanda Luz Mourão ² Ana Paula Romano da Silva³ Shayane Camila dos Santos 4 Vanessa Batista Loffi Marques 5 Weslley Batista

Leia mais

O PERFIL DO GESTOR ESCOLAR DO MUNICIPIO DE JUSSARA-BA: BREVES REFLEXÕES

O PERFIL DO GESTOR ESCOLAR DO MUNICIPIO DE JUSSARA-BA: BREVES REFLEXÕES O PERFIL DO GESTOR ESCOLAR DO MUNICIPIO DE JUSSARA-BA: BREVES REFLEXÕES RESUMO Cristiane Kuhn de Oliveira Universidade do Estado da Bahia UNEB cristiane-kuhn@hotmail.com O presente artigo expõe os resultados

Leia mais

6h diárias - 11 meses

6h diárias - 11 meses 6h diárias - 11 meses PROPOSTA PEDAGÓGICA PROGRAMA DE APRENDIZAGEM EM AUXILIAR DE TELEMARKETING ÍNDICE 1 - Apresentação da Entidade ijovem 3 2 - Justificativa do Programa. 3 3 Público-alvo: 4 4 Objetivo

Leia mais

A INCLUSÃO ESCOLAR DO PORTADOR DE SINDROME DE DOWN

A INCLUSÃO ESCOLAR DO PORTADOR DE SINDROME DE DOWN 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 A INCLUSÃO ESCOLAR DO PORTADOR DE SINDROME DE DOWN Leonardo Triaca 1 ; Elizabeth Emma Soares de Nunez 2 ; Adriana Zilly 3 RESUMO: Com a política de inclusão

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS Programa de Graduação em Ciências Contábeis com Ênfase em Controladoria

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS Programa de Graduação em Ciências Contábeis com Ênfase em Controladoria PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS Programa de Graduação em Ciências Contábeis com Ênfase em Controladoria Aline Fernanda de Oliveira Castro Michelle de Lourdes Santos A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE

Leia mais

FATORES CRÍTICOS DE SUCESSO DE UMA INCUBADORA DE EMPRESAS: Um Estudo nas Incubadoras do Estado do Tocantins.

FATORES CRÍTICOS DE SUCESSO DE UMA INCUBADORA DE EMPRESAS: Um Estudo nas Incubadoras do Estado do Tocantins. FATORES CRÍTICOS DE SUCESSO DE UMA INCUBADORA DE EMPRESAS: Um Estudo nas Incubadoras do Estado do Tocantins. Maria das Graças Bastos de Sousa 1, Vilma da Silva Santos 2, Edson Aparecida de Araújo Querido

Leia mais

MANUAL DO ALUNO (A) ATIVIDADES COMPLEMENTARES/ESTUDOS INDEPENDENTES

MANUAL DO ALUNO (A) ATIVIDADES COMPLEMENTARES/ESTUDOS INDEPENDENTES A formação complementar é fruto da participação do aluno, durante o período de realização do seu curso superior, em atividades que não estão inseridas na grade curricular, mas que reconhecidamente contribuem

Leia mais

UM ESTUDO SOBRE O INTERESSE DOS COLABORADORES EM SEGUIR CARREIRA PROFISSIONAL NAS LOJAS AMERICANAS EM MARINGÁ/PR

UM ESTUDO SOBRE O INTERESSE DOS COLABORADORES EM SEGUIR CARREIRA PROFISSIONAL NAS LOJAS AMERICANAS EM MARINGÁ/PR 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 UM ESTUDO SOBRE O INTERESSE DOS COLABORADORES EM SEGUIR CARREIRA PROFISSIONAL NAS LOJAS AMERICANAS EM MARINGÁ/PR Marcelo Cristian Vieira 1, Carolina Zavadzki

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO FINANCEIRA REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições Gerais

Leia mais

TCC: PESQUISA MERCADOLÓGICA SHOPPING VIA DIRETA 1

TCC: PESQUISA MERCADOLÓGICA SHOPPING VIA DIRETA 1 TCC: PESQUISA MERCADOLÓGICA SHOPPING VIA DIRETA 1 Juliana Brancaglioni CASCIATORI 2 Letícia Prado dos SANTOS 3 Bruno Monteiro ZONATTO³ Joyce VIEIRA³ Jakeline CASARIN³ Paulo CRISP³ Rodolfo BASSETO³ Weder

Leia mais

QUALIDADE DE SERVIÇO EM UM PONTO DE VENDA À VAREJO: UMA ANÁLISE DE PERFORMANCE E IMPORTÂNCIA SOB O PONTO DE VISTA DO CLIENTE

QUALIDADE DE SERVIÇO EM UM PONTO DE VENDA À VAREJO: UMA ANÁLISE DE PERFORMANCE E IMPORTÂNCIA SOB O PONTO DE VISTA DO CLIENTE QUALIDADE DE SERVIÇO EM UM PONTO DE VENDA À VAREJO: UMA ANÁLISE DE PERFORMANCE E IMPORTÂNCIA SOB O PONTO DE VISTA DO CLIENTE Kissila Goncalves Lourenco (ISECENSA) kissilagl@hotmail.com Henrique Rego Monteiro

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE NUTRIÇÃO/UFPI - CSHNB CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE NUTRIÇÃO/UFPI - CSHNB CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE NUTRIÇÃO/UFPI - CSHNB CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1 - As atividades complementares serão implementadas durante o curso de Nutrição,

Leia mais

NEAPI UMA PROPOSTA DE SUPORTE

NEAPI UMA PROPOSTA DE SUPORTE NEAPI UMA PROPOSTA DE SUPORTE PEDAGÓGICO NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DOS ALUNOS COM DEFICIÊNCIA, TRANSTORNOS GLOBAIS DO DESENVOLVIMENTO E ALTAS HABILIDADES/SUPERDOTAÇÃO VANESSA PINHEIRO profvanessapinheiro@gmail.com

Leia mais

Contexto. Educação para o mundo do trabalho. Por Mozart Neves Ramos - Todos Pela Educação em 01/03/2013

Contexto. Educação para o mundo do trabalho. Por Mozart Neves Ramos - Todos Pela Educação em 01/03/2013 META NACIONAL 11 - Educação Profissional- Triplicar as matrículas da Educação Profissional Técnica de nível médio, assegurando a qualidade da oferta e pelo menos 50% da expansão no segmento público. Contexto

Leia mais

INTELIGÊNCIA COMPETITIVA: ESTUDO DE CASO EM UMA COOPERATIVA AGRO-INDUSTRIAL DO ESTADO DO PARANÁ

INTELIGÊNCIA COMPETITIVA: ESTUDO DE CASO EM UMA COOPERATIVA AGRO-INDUSTRIAL DO ESTADO DO PARANÁ INTELIGÊNCIA COMPETITIVA: ESTUDO DE CASO EM UMA COOPERATIVA AGRO-INDUSTRIAL DO ESTADO DO PARANÁ Elisiane Ap. Antoniazzi (UNICENTRO), Sílvio Roberto Stefano (Orientador), e-mail: elisianeantoniazzi@yahoo.com.br

Leia mais

Palavras-chaves: inclusão escolar, oportunidades, reflexão e ação.

Palavras-chaves: inclusão escolar, oportunidades, reflexão e ação. SOMOS IGUAIS OU DIFERENTES? PROJETO INCLUSÃO ENSINO FUNDAMENTAL Edilene Pelissoli Picciano¹ EE. Pq. Res. Almerinda Chaves - DE Jundiaí RESUMO Frente ao desafio de nossa atualidade, em garantir o acesso

Leia mais

Guia Multilíngüe de Informações Cotidianas

Guia Multilíngüe de Informações Cotidianas Quadro Sinóptico das Escolas no Japão Idade Ano escolar Departamento Infantil Departamento de Ensino Fundamental Básico Departamento de Ensino Fundamental Intermediário Departame nto de Ensino Médio Escolas

Leia mais

AS FERRAMENTAS DE GOVERNANÇA: O CASO DO CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE 1

AS FERRAMENTAS DE GOVERNANÇA: O CASO DO CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE 1 AS FERRAMENTAS DE GOVERNANÇA: O CASO DO CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE 1 Bruna Faccin Camargo 2, Jaciara Treter 3, Daniel Knebel Baggio 4. 1 Artigo de Conclusão do Curso em Ciências Contábeis 2 Aluna

Leia mais

Nome da Instituição: SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL SENAC SÃO PAULO. 01. Especialização Técnica de Nível Médio em Contabilidade Financeira

Nome da Instituição: SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL SENAC SÃO PAULO. 01. Especialização Técnica de Nível Médio em Contabilidade Financeira Nome da Instituição: SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL SENAC SÃO PAULO CNPJ: 03.709.814/0001-98 Data: 07 de agosto de 2006 Número do Plano: 94 Área do Plano: Gestão Plano de Curso para: 01. Especialização

Leia mais

A GESTÃO DO CONHECIMENTO E A EXPANSÃO DO ENSINO SUPERIOR BRASILEIRO NAS INSTITUIÇÕES PARTICULARES

A GESTÃO DO CONHECIMENTO E A EXPANSÃO DO ENSINO SUPERIOR BRASILEIRO NAS INSTITUIÇÕES PARTICULARES A GESTÃO DO CONHECIMENTO E A EXPANSÃO DO ENSINO SUPERIOR BRASILEIRO NAS INSTITUIÇÕES PARTICULARES Márcia Regina Cavalcante Bonadio 1, Vilson Davi Corrêa da Cruz 2, Flávio Bortolozzi 3, Luiz Tatto 4 RESUMO:

Leia mais

O ENSINO DO PRINCÍPIO DE BERNOULLI ATRAVÉS DA WEB: UM ESTUDO DE CASO

O ENSINO DO PRINCÍPIO DE BERNOULLI ATRAVÉS DA WEB: UM ESTUDO DE CASO O ENSINO DO PRINCÍPIO DE BERNOULLI ATRAVÉS DA WEB: UM ESTUDO DE CASO Rivanildo Ferreira de MOURA 1, Marcos Antônio BARROS 2 1 Aluno de Graduação em Licenciatura em Física, Universidade Estadual da Paraíba-UEPB,

Leia mais

Sumário TAÇÃ N IE R E O L D MANUA

Sumário TAÇÃ N IE R E O L D MANUA ATIVIDADES COMPLEMENTARES 2012/2 Sumário MANUAL DE ORIENTAÇÕES... 1 1. Introdução... 2 2. Obrigatoriedade... 2 3. Entrega... 3 MANUAL DE ORIENTAÇÃO 4. Elaboração do Caderno... 3 5. Escolha das Atividades...

Leia mais

Sessão 4: Avaliação na perspectiva de diferentes tipos de organizações do setor sem fins lucrativos

Sessão 4: Avaliação na perspectiva de diferentes tipos de organizações do setor sem fins lucrativos Sessão 4: Avaliação na perspectiva de diferentes tipos de organizações do setor sem fins lucrativos Avaliação Econômica como instrumento para o aprimoramento da gestão das ações sociais 26/09/2013 Fundação

Leia mais

III Semana de Ciência e Tecnologia IFMG - campus Bambuí III Jornada Científica 19 a 23 de Outubro de 2010

III Semana de Ciência e Tecnologia IFMG - campus Bambuí III Jornada Científica 19 a 23 de Outubro de 2010 Empregabilidade: uma análise das competências e habilidades pessoais e acadêmicas desenvolvidas pelos graduandos do IFMG - Campus Bambuí, necessárias ao ingresso no mercado de trabalho FRANCIELE CLÁUDIA

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA. Projeto Integrado Multidisciplinar I e II

UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA. Projeto Integrado Multidisciplinar I e II UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar I e II Manual de orientações - PIM Cursos superiores de Tecnologia em: Gestão Ambiental, Marketing, Processos Gerenciais

Leia mais

Sobre o Instituto Desenvolve T.I

Sobre o Instituto Desenvolve T.I Sobre o Instituto Desenvolve T.I A empresa Desenvolve T.I foi fundada em 2008, em Maringá, inicialmente focando a sua atuação em prestação de serviços relacionados à Tecnologia da Informação e atendendo

Leia mais

Faculdade de Tecnologia SENAI Belo Horizonte

Faculdade de Tecnologia SENAI Belo Horizonte PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU FATEC SENAI BH A Faculdade de Tecnologia SENAI Belo Horizonte, credenciada pelo MEC pela Portaria n 1788 de 27 de maio de 2005 e despacho SEMTEC nº 311/2005, apresenta

Leia mais

11ª Mostra Nacional de Trabalhos de Qualidade do Judiciário Gestão de Pessoas

11ª Mostra Nacional de Trabalhos de Qualidade do Judiciário Gestão de Pessoas Apresentação 11ª Mostra Nacional de Trabalhos de Qualidade do Judiciário Gestão de Pessoas Identificação do órgão: Supremo Tribunal Federal Unidade: Secretaria de Recursos Humanos / Coordenadoria de Desenvolvimento

Leia mais

TERCEIRIZAÇÃO DE SERVIÇOS: A MODERNA ESTRATÉGIA EMPRESARIAL NA GESTÃO ORGANIZACIONAL

TERCEIRIZAÇÃO DE SERVIÇOS: A MODERNA ESTRATÉGIA EMPRESARIAL NA GESTÃO ORGANIZACIONAL TERCEIRIZAÇÃO DE SERVIÇOS: A MODERNA ESTRATÉGIA EMPRESARIAL NA GESTÃO ORGANIZACIONAL Aline Aparecida de Oliveira, Ana Carolina da Silva, Christian Roberto de Godoy, Natália Sayuri Suzuki, Thais Rubia Ferreira

Leia mais

Faculdade de Tecnologia SENAI Belo Horizonte

Faculdade de Tecnologia SENAI Belo Horizonte PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU FATEC SENAI BH A Faculdade de Tecnologia SENAI Belo Horizonte, credenciada pelo MEC pela Portaria n 1788 de 27 de maio de 2005 e despacho SEMTEC nº 311/2005, apresenta

Leia mais

SUMÁRIO O QUE É COACH? 2

SUMÁRIO O QUE É COACH? 2 1 SUMÁRIO INTRODUÇÃO...3 O COACHING...4 ORIGENS...5 DEFINIÇÕES DE COACHING...6 TERMOS ESPECÍFICOS E SUAS DEFINIÇÕES...7 O QUE FAZ UM COACH?...8 NICHOS DE ATUAÇÃO DO COACHING...9 OBJETIVOS DO COACHING...10

Leia mais

Pós Graduação - Gestão Empresarial e Marketing (Noite).

Pós Graduação - Gestão Empresarial e Marketing (Noite). Pós Graduação - Gestão Empresarial e Marketing (Noite). Público - alvo Indicado para recém-formados e jovens profissionais. Objetivo do Curso Capacitação gerencial em geral, com ênfase na área de Marketing,

Leia mais

Quanto aos meios, trata-se de uma pesquisa bibliográfica, documental, telematizada e pesquisa de campo, conforme descrito abaixo:

Quanto aos meios, trata-se de uma pesquisa bibliográfica, documental, telematizada e pesquisa de campo, conforme descrito abaixo: 3 METODOLOGIA Apresenta-se a seguir a descrição da metodologia utilizada neste trabalho com o objetivo de expor os caminhos que foram percorridos não só no levantamento dos dados do estudo como também

Leia mais

FORMAÇÃO INICIAL: AS EXPECTATIVAS DE ALUNOS DE PEDAGOGIA ACERCA DA PEDAGOGIA EMPRESARIAL

FORMAÇÃO INICIAL: AS EXPECTATIVAS DE ALUNOS DE PEDAGOGIA ACERCA DA PEDAGOGIA EMPRESARIAL FORMAÇÃO INICIAL: AS EXPECTATIVAS DE ALUNOS DE PEDAGOGIA ACERCA DA PEDAGOGIA EMPRESARIAL Regina Lúcia Maciel De Sousa RESUMO As constantes mudanças econômicas e sociais configuram um novo cenário de valorização

Leia mais

Funções de uma Organização. Funções de uma Organização. Áreas Funcionais. Áreas Funcionais. Áreas Funcionais FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO VI

Funções de uma Organização. Funções de uma Organização. Áreas Funcionais. Áreas Funcionais. Áreas Funcionais FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO VI Funções de uma Organização FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO VI As funções representam o conjunto de processos que aplicam um recurso da organização. Cada função é realizada dentro de uma organização

Leia mais

SINAES - Auto-Avaliação Institucional

SINAES - Auto-Avaliação Institucional DIRETORIA DE UNIDADE COORDENAÇÃO DE CURSO PROJETO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES ( ) PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA ( ) PROJETO DE PESQUISA ( ) PROJETO DE EXTENSÃO Acadêmico ( x ); Social ( x ) PROJETO

Leia mais

Faculdade de Tecnologia SENAI Belo Horizonte

Faculdade de Tecnologia SENAI Belo Horizonte PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU FATEC SENAI BH A Faculdade de Tecnologia SENAI Belo Horizonte, credenciada pelo MEC pela Portaria n 1788 de 27 de maio de 2005 e despacho SEMTEC nº 311/2005, apresenta

Leia mais

MODELO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO

MODELO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA COLÉGIO AGRÍCOLA DE FREDERICO WESTPHALEN CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA MODELO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO PROJETO DE ESTÁGIO Nome do Aluno Frederico Westphalen, RS, Brasil

Leia mais

FACULDADE MODELO POR DENTRO DA SENFF ADMINISTRADORA DE CARTÕES

FACULDADE MODELO POR DENTRO DA SENFF ADMINISTRADORA DE CARTÕES FACULDADE MODELO POR DENTRO DA SENFF ADMINISTRADORA DE CARTÕES CURITIBA 2009 MARCOS ANTONIO RIBAS PONT SAMUEL ANDRADE TAUFMANN POR DENTRO DA SENFF ADMINISTRADORA DE CARTÕES Trabalho apresentado à disciplina

Leia mais

Legitimação dos conceitos face as práticas organizacionais; Oportunizar reflexão sobre as competências em desenvolvimento;

Legitimação dos conceitos face as práticas organizacionais; Oportunizar reflexão sobre as competências em desenvolvimento; 1 MANUAL DE ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS INTEGRADORES CURSO SUPERIORES DE GRADUAÇÃO TECNOLÓGICA (LOGÍSTICA) SÃO PAULO 2009 2 Introdução A prática pedagógica dos Cursos Superiores de Graduação

Leia mais

CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS BREVE ESTUDO SOBRE DUAS AREAS ATUANTES DO CONTADOR, AUDITOR E PERITO CONTÁBIL.

CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS BREVE ESTUDO SOBRE DUAS AREAS ATUANTES DO CONTADOR, AUDITOR E PERITO CONTÁBIL. 1 CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS BREVE ESTUDO SOBRE DUAS AREAS ATUANTES DO CONTADOR, AUDITOR E PERITO CONTÁBIL. BELO HORIZONTE 2011 2 1 INTRODUÇÃO Com o grande crescimento da economia no Brasil, a contabilidade

Leia mais

GUIA DE ORIENTAÇÕES PARA O DESENVOLVIMENTO DO TGI

GUIA DE ORIENTAÇÕES PARA O DESENVOLVIMENTO DO TGI FMU Centro Universitário das Faculdades Metropolitanas Unidas GUIA DE ORIENTAÇÕES PARA O DESENVOLVIMENTO DO TGI Trabalho de Graduação Interdisciplinar Curso de Design Volume 2 Habilitação: DESIGN GRÁFICO

Leia mais

Endereço: Santa Maria, RS. (Endereço completo e telefone disponíveis após solicitação).

Endereço: Santa Maria, RS. (Endereço completo e telefone disponíveis após solicitação). Silvana Maia Borges Psicóloga CRP: 07/15.263 Website e email: http://silborges.com silvana@silborges.com Data de Nascimento: 19/09/1982 Endereço: Santa Maria, RS. (Endereço completo e telefone disponíveis

Leia mais

4h diárias - 16 meses

4h diárias - 16 meses 4h diárias - 16 meses PROPOSTA PEDAGÓGICA PROGRAMA DE APRENDIZAGEM EM RECEPCIONISTA ÍNDICE 1 - Apresentação da Entidade ijovem 3 2 - Justificativa do Programa. 3 3 Público-alvo: 4 4 Objetivo geral: 4 -

Leia mais

3 Metodologia da pesquisa

3 Metodologia da pesquisa 3 Metodologia da pesquisa Neste capítulo será abordada a caracterização da pesquisa abrangendo o tipo de pesquisa escolhido, critérios para seleção dos entrevistados, os procedimentos adotados para a coleta

Leia mais

ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURRICULAR: UM ESTUDO DA LEI 11.788/08

ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURRICULAR: UM ESTUDO DA LEI 11.788/08 ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURRICULAR: UM ESTUDO DA LEI 11.788/08 Resumo SANTOS, Maria Vandilma UNAM vandilmaconsultoria@terra.com.br VICENTINE, Claudia Mara UNINDUS cvicentine@gmail.com STEIDEL, Rejane Mestre

Leia mais

APLICABILIDADE DA CONTABILIDADE GERENCIAL COMO FERRAMENTA DE GESTÃO PARA TOMADA DE DECISÕES NAS INDÚSTRIAS ASSOCIADAS À ACIP DE PINHALZINHO/SC

APLICABILIDADE DA CONTABILIDADE GERENCIAL COMO FERRAMENTA DE GESTÃO PARA TOMADA DE DECISÕES NAS INDÚSTRIAS ASSOCIADAS À ACIP DE PINHALZINHO/SC VIII CIAEC 043 APLICABILIDADE DA CONTABILIDADE GERENCIAL COMO FERRAMENTA DE GESTÃO PARA TOMADA DE DECISÕES NAS INDÚSTRIAS ASSOCIADAS À ACIP DE PINHALZINHO/SC Alex Fabiano Bertollo Santana Centro Universitário

Leia mais

QUEM SÃO OS CANDIDATOS AOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO. Ramon Martinez Ribeiro Neto 1. Gilberto de Andrade Martins 2

QUEM SÃO OS CANDIDATOS AOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO. Ramon Martinez Ribeiro Neto 1. Gilberto de Andrade Martins 2 V S E M E A D P E S Q U I S A Q U A N T I T A T I V A E N S I N O QUEM SÃO OS CANDIDATOS AOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO Ramon Martinez Ribeiro Neto 1 Gilberto de Andrade Martins 2 RESUMO

Leia mais

Questionário de avaliação de Práticas X Resultados de projetos - Carlos Magno Xavier (magno@beware.com.br)

Questionário de avaliação de Práticas X Resultados de projetos - Carlos Magno Xavier (magno@beware.com.br) Obrigado por acessar esta pesquisa. Sei como é escasso o seu tempo, mas tenha a certeza que você estará contribuindo não somente para uma tese de doutorado, mas também para a melhoria das práticas da Comunidade

Leia mais

Gestão em Sistemas de Saúde

Gestão em Sistemas de Saúde INSTITUTO NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES Inatel Competence Center Business School Gestão em Sistemas de Saúde Projeto Pedagógico de Curso de Extensão Curricular Aprovado no dia XX/XX/2013 Pró diretoria de

Leia mais

Centro Universitário Newton Paiva Curso de Psicologia. Manual de Estágios Currículo 2009.02

Centro Universitário Newton Paiva Curso de Psicologia. Manual de Estágios Currículo 2009.02 Centro Universitário Newton Paiva Curso de Psicologia Manual de Estágios Currículo 2009.02 Belo Horizonte Dezembro de 2009 1 FICHA TÉCNICA CORPO ADMINISTRATIVO DO CENTRO UNIVERSITÁRIO NEWTON PAIVA Presidente

Leia mais

Análise Preditiva de Vantagem Comercial

Análise Preditiva de Vantagem Comercial PESQUISA TDWI PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2014 RESUMO EXECUTIVO RELATÓRIO DE MELHORES PRÁTICAS TDWI Análise Preditiva de Vantagem Comercial Por Fern Halper tdwi.org RESUMO EXECUTIVO Análise Preditiva de Vantagem

Leia mais

A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO PROFESSOR DE PEDAGOGIA DA FESURV - UNIVERSIDADE DE RIO VERDE

A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO PROFESSOR DE PEDAGOGIA DA FESURV - UNIVERSIDADE DE RIO VERDE A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO PROFESSOR DE PEDAGOGIA DA FESURV - UNIVERSIDADE DE RIO VERDE Bruna Cardoso Cruz 1 RESUMO: O presente trabalho procura conhecer o desempenho profissional dos professores da faculdade

Leia mais

A SISTEMATIZAÇÃO COLETIVA DO CONHECIMENTO NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM DE CINESIOTERAPIA

A SISTEMATIZAÇÃO COLETIVA DO CONHECIMENTO NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM DE CINESIOTERAPIA A SISTEMATIZAÇÃO COLETIVA DO CONHECIMENTO NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM DE CINESIOTERAPIA Adriane Mazola de Araújo Perpetuo Pura Lúcia Oliver Martins PUCPR A preocupação com a formação profissional

Leia mais

AS DISCIPLINAS DE DIDÁTICA NOS CURSOS DE LICENCIATURAS

AS DISCIPLINAS DE DIDÁTICA NOS CURSOS DE LICENCIATURAS AS DISCIPLINAS DE DIDÁTICA NOS CURSOS DE LICENCIATURAS VIEIRA, Débora Cristina de Oliveira PUCPR mmdvieira@hotmail.com MARTINS, Pura Lúcia Oliver - PUCPR Pura.oliver@pucpr.br Eixo Temático: Didática: Teorias,

Leia mais

O ENSINO DO HANDEBOL NA ESCOLA: UMA PROPOSTA DE SISTEMATIZAÇÃO DOS CONTEÚDOS

O ENSINO DO HANDEBOL NA ESCOLA: UMA PROPOSTA DE SISTEMATIZAÇÃO DOS CONTEÚDOS O ENSINO DO HANDEBOL NA ESCOLA: UMA PROPOSTA DE SISTEMATIZAÇÃO DOS CONTEÚDOS Resumo Scheila Medina 1 - PUCPR Luís Rogério de Albuquerque 2 - PUCPR Grupo de Trabalho - Didática: Teorias, Metodologias e

Leia mais

Indicador(es) Órgão(s) 26 - Ministério da Educação

Indicador(es) Órgão(s) 26 - Ministério da Educação Programa úmero de Ações 13 1060 Brasil Alfabetizado e Educação de Jovens e Adultos Objetivo Indicador(es) Garantir acesso e permanência de jovens e adultos a programas educacionais que visam atender as

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO, DIREITO E ECONOMIA - ESADE CURSO DE CONTABILIDADE. Santina Cardoso Leal. Estágio II: Intervenção

ESCOLA SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO, DIREITO E ECONOMIA - ESADE CURSO DE CONTABILIDADE. Santina Cardoso Leal. Estágio II: Intervenção ESCOLA SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO, DIREITO E ECONOMIA - ESADE CURSO DE CONTABILIDADE Santina Cardoso Leal Estágio II: Intervenção Trabalho obrigatório da disciplina de Estágio II Pré requisito para a conclusão

Leia mais

Programas e Serviços Acadêmicos do PMI. Guia de Recursos Para Educação e Pesquisa Acadêmica em Gerenciamento de Projetos

Programas e Serviços Acadêmicos do PMI. Guia de Recursos Para Educação e Pesquisa Acadêmica em Gerenciamento de Projetos Guia de Recursos Para Educação e Pesquisa Acadêmica em Gerenciamento de Projetos Sobre o PROJECT MANAGEMENT INSTITUTE O Project Management Institute (PMI) é a maior associação profissional de membros global,

Leia mais

FAIN FACULDADE INDEPENDENTE DO NORDESTE COORDENAÇÃO DO CURSO DE ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO

FAIN FACULDADE INDEPENDENTE DO NORDESTE COORDENAÇÃO DO CURSO DE ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO FACULDADE INDEPENDENTE DO NORDESTE COORDENAÇÃO DO CURSO DE ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO VITÓRIA DA CONQUISTA 2007 COMPOSIÇÃO INSTITUCIONAL

Leia mais

PROPOSTA PARA MINIMIZAÇÃO DA EVASÃO ESCOLAR COM O USO DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

PROPOSTA PARA MINIMIZAÇÃO DA EVASÃO ESCOLAR COM O USO DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA 1 PROPOSTA PARA MINIMIZAÇÃO DA EVASÃO ESCOLAR COM O USO DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA São Paulo SP 04/2012 Categoria: C - Métodos e Tecnologias Setor Educacional: 3 Educação Universitária Natureza do Trabalho:

Leia mais

Guia Básico de Processos Corporativos do Sistema Indústria

Guia Básico de Processos Corporativos do Sistema Indústria Guia Básico de Processos Corporativos do Sistema Indústria 1ª Versão 1 Guia Básico de Processos Corporativos do Sistema Indústria PROCESSO DE RECRUTAMENTO E SELEÇÃO 1ª Versão 2 ÍNDICE 1 - INTRODUÇÃO 2

Leia mais

PESQUISA EXPLORATÓRIA EM GESTÃO DAS ORGANIZAÇÕES

PESQUISA EXPLORATÓRIA EM GESTÃO DAS ORGANIZAÇÕES 1 PESQUISA EXPLORATÓRIA EM GESTÃO DAS ORGANIZAÇÕES Área de conhecimento: Administração Eixo Temático: Outro RESUMO Nézio José da Silva 1 Lirane Elize Defante Ferreto de Almeida 2 O campo científico das

Leia mais

Pós Graduação - Gestão Empresarial e Marketing

Pós Graduação - Gestão Empresarial e Marketing Pós Graduação - Gestão Empresarial e Marketing Público - alvo Indicado para recém-formados e jovens profissionais. Objetivo do Curso Capacitação gerencial em geral, com ênfase na área de Marketing, desenvolvendo

Leia mais

O PAPEL DA CONTROLADORIA NO PROCESSO DE ELABORAÇÃO DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO: UM ESTUDO DE CASO.

O PAPEL DA CONTROLADORIA NO PROCESSO DE ELABORAÇÃO DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO: UM ESTUDO DE CASO. O PAPEL DA CONTROLADORIA NO PROCESSO DE ELABORAÇÃO DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO: UM ESTUDO DE CASO. RESUMO Muitas empresas de pequeno e médio porte deixam de elaborar o planejamento estratégico por desconhecer

Leia mais

Momentos do Lançamento da 3ª Turma da UNICDL

Momentos do Lançamento da 3ª Turma da UNICDL http://localhost/intranet/news21/news21.htm Página 1 de 5 Informativo CDL - Passo Fundo - RS Sábado, 30 de junho de 2007 Lançamento da terceira turma consolida UNICDL O salão Rubi, do Clube Comercial,

Leia mais

AVALIAÇÃO DO PROCESSO DE AUDITORIA INTERNA NA AGÊNCIA DO BANCO ITAÚ DE PONTE NOVA RESUMO

AVALIAÇÃO DO PROCESSO DE AUDITORIA INTERNA NA AGÊNCIA DO BANCO ITAÚ DE PONTE NOVA RESUMO 1 AVALIAÇÃO DO PROCESSO DE AUDITORIA INTERNA NA AGÊNCIA DO BANCO ITAÚ DE PONTE NOVA Ezequiel Benjamin Dionisio 1 Marina Machado das Dores 2. RESUMO DIONISIO, Ezequiel Benjamin e DAS DORES, Marina Machado.

Leia mais

1. Introdução. 2. Conceito Nacional de Empresa Júnior

1. Introdução. 2. Conceito Nacional de Empresa Júnior UÇÃOINTROUÇÃO 1. Introdução O Conceito Nacional de Empresa Júnior é talvez o documento mais importante que o MEJ produziu em seus quinze anos de existência. Ele foi elaborado com a finalidade de definir

Leia mais