UNIVERSALISMO E RELATIVISMO: CURRÍCULO NA ESCOLA PÚBLICA MUNICIPAL DE GOIÂNIA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSALISMO E RELATIVISMO: CURRÍCULO NA ESCOLA PÚBLICA MUNICIPAL DE GOIÂNIA"

Transcrição

1 UNIVERSALISMO E RELATIVISMO: CURRÍCULO NA ESCOLA PÚBLICA MUNICIPAL DE GOIÂNIA MENEZES JÚNIOR Antônio da Silva Pontifícia Universidade Católica- PUC- GO SILVA Domingos Pereira da Pontifícia Universidade Católica- PUC- GO FERNANDES Marinalva Nunes Pontifícia Universidade Católica- PUC- GO INTRODUÇÃO Para desenvolver este artigo, nosso propósito é tratar do currículo circunstanciado a aspectos sociais, políticos, educacionais e culturais A ênfase neste trabalho, no entanto, dar-se-á no aspecto cultural estabelecendo relações entre o currículo escolar e a cultura que se expressa sob uma visão relativista e uma visão universalista presente nas análises dos estudiosos desse campo do conhecimento. Tomamos por base os estudos de Silva (2004) que aborda as teorias do currículo apresentando sua divisão em três grandes blocos: tradicionais, críticas e pós-críticas. As questões relacionadas à cultura, à representação, ao gênero, à raça, à etnia, à sexualidade, ao multiculturalismo são dimensionadas pelo autor nas teorias pós-críticas. Os estudos de Giroux e Simon (2005) para sustentar a discussão sobre a importância da cultura popular no espaço da escola, os de Forquin, (2000) que comparam universalismo e relativismo no currículo escolar e Canen (2002, 2009) estudiosa do multiculturalismo, além de outros autores que integram a base teórica do trabalho. As visitas às escolas, a análise dos documentos oficiais e os debates em grupo, realizados semanalmente, serviram de subsídios para a escrita final do presente trabalho. 1. CULTURA POPULAR E CURRÍCULO

2 Giroux e Simon (2005) concebem a escola como um território de luta, espaço que concentra culturas diversas. Para eles, a pedagogia é concebida como uma forma de política cultural. Sendo assim, existe uma estreita relação entre cultura popular e pedagogia que oferece elementos teóricos importantes que possibilitem repensar a escolarização. Para os autores, cultura popular é um espaço pedagógico que ao ser apropriado pelos aprendentes ajuda a validar suas vozes e está organizada em torno do prazer e da diversão. Cultura popular situa-se no terreno do cotidiano. Na concepção do discurso dominante a cultura popular é banal, insignificante para a vida cotidiana. A pedagogia é vista como instrumento que dependendo da sua utilização contribui, ou não, para validar as vozes ecoadas dos que constroem a cultura popular. Na maioria das vezes a pedagogia legitima e transmite a linguagem, os códigos e os valores da cultura dominante, asseguram Giroux e Simon (2005). Tendo em vista que o currículo constitui-se como um dos elementos de mediação entre a política educacional e as aspirações culturais da maioria da população, Giroux (2000) reflete acerca de três questões, posição conservadora, conservadora renovada e a pedagogia crítica, que orientaram o processo de construção do currículo educacional em diferentes contextos, sobretudo a partir de A posição conservadora atrela-se aos interesses e orientações das grandes empresas. A cultura popular nesta perspectiva é vista como elemento perturbador da ordem e as escolas passam a servir para a formação da mão de obra qualificada, tornamse extensão do chão da fábrica. Assumindo tal função, a escola submete-se às exigências de uma formação técnica e instrumental. Como movimento de reação à ascensão do setor conservador emerge a posição conservadora renovada de extrema direita, cujos alvos principais a serem combatidos no que diz respeito à construção curricular são: a democracia, a diversidade e o relativismo. Segundo os preceitos desta visão, a nosso ver, míope as maiores ameaças à ordem e civilidade, residem no crescente fortalecimento da esfera da cultura popular, que, por isso, precisa ser combatida de todas as formas. Ressaltamos que as duas posições supramencionadas, apesar de defenderem diferentes aspectos, partem dos mesmos princípios, pois ambas desconhecem discursos

3 e experiências construídas historicamente pelos alunos, o que consiste em ignorar as questões praxiológicas que dão o verdadeiro sentido de existência aos sujeitos envolvidos no processo social. Quanto à cultura popular, Saviani (1991) defende a apropriação pela escola a cultura do alunado e levar os discentes a compreender a cultura que lhe é inerente, o que facilita o avanço na apropriação da cultura erudita. Esse movimento constitui-se num processo educativo, entretanto esta ação não é valorizada no currículo escolar de modo a incentivar o aprendente a aumentar cada vez mais o seu conhecimento. Tendo em vista que uma das principias funções da escola constitui-se em transmitir o conhecimento historicamente acumulado e que à pedagogia cumpre o papel cientifico de melhor transmitir esse conhecimento de forma ética e política, Giroux e Simon (2000) argumentam a favor de uma pedagogia crítica, como forma alternativa aos preceitos mecanicistas, funcionais e mercadológicos, retratados e preconizados pelas visões conservadoras supracitadas. A pedagogia crítica toma a cultura popular como objeto de estudo procurando esclarecer as contradições sociais a qual estão submersos os agentes internos e externos da escola. Desta forma, cultura popular representa não só um contraditório e incerto terreno de embates entre projetos e intenções distintas, mas também um importante espaço pedagógico onde são levantadas questões sobre os elementos que organizam a base da subjetividade e da experiência dos alunos (GIROUX; SIMON, 2000). Refletindo sobre o movimento entre a cultura erudita e a popular, a nova sociologia da educação e as propostas de Bourdieu (1987) para reformulação universitária na França em 1980, nos remetemos à discussão entre o universalismo e relativismo (Quadro 1). Quadro 1. Comparação entre características do currículo universalista e do relativista. Currículo Universalista Baseia na cultura clássica Idéias homogêneas Currículo Relativista Baseia na cultura popular Idéias plurais, heterogêneas

4 Visão de mundo branca Visão de mundo étnicos plurais Privilegia o gênero masculino Não há privilégio de gênero Considera a Inclui a homossexualidade heterossexualidade Cacofonia de vozes Polifonia de vozes Inclui todos os espaços geográficos Destaca a Europa como espaço geográfico das idéias como promotores de ciência 2. UNIVERSALISMO E RELATIVISMO Forquin, (2000) aborda a questão da natureza e da justificativa daquilo que é suscetível de ser ensinado nas escolas, utilizando como referência dois princípios aparentemente contraditórios de interpretação e de orientação que são o relativismo e o universalismo. O reportado autor define o currículo como algo programado, sob a responsabilidade de uma instituição de educação formal, abrangendo tudo aquilo que deve ser ensinado ou aprendido. Estabelece uma dualidade aparente entre o conjunto dos conteúdos cognitivos e simbólicos (saberes, competências, representações, tendências, valores) e as situações de escolarização (dimensões cognitivas e culturais). Atualmente, para o autor, a questão do multiculturalismo assume grande relevância em países de primeiro mundo, especialmente na França, forçando uma conciliação entre o universalismo e o relativismo imposta pelos sistemas de educação, com intuito de lidar com o pluralismo cultural. Estes não seriam conceitos antagônicos, mas complementares na construção curricular. Ressaltamos que no Brasil o relativista tem sido foco de vários estudos. Em direção à corrente da Nova Sociologia da Educação dos anos 1970 e atualmente a pedagogia ou sociologia crítica, Forquin (2000) designa uma relação desestabilizadora do relativismo como característica interna e estrutural dos saberes ensinados, na tentativa de validar o que se ensina com credibilidade.

5 A objeção relativista cria um problema à justificativa do que se ensina, e, no entender de Forquin (2000) o bom ensino remete ao espírito crítico e à reflexão. Classifica o relativismo em: Individualista radical (cada um com sua verdade) e Socialista e Cultural. O estudioso aponta a possibilidade de o indivíduo ser relativista por hipersubjetivismo toda verdade é uma construção ou uma conversão ou hiperobjetivismo toda representação mecanicamente refletem as características materiais e sociais dos fatos. Como justificativa do currículo, Forquin (2000) atribui ao relativismo, duas vertentes: epistemológicas e saberes estritos e culturais. Nesta segunda reside a desconfiança relativista mais direta e perigosa. Neste ponto poderia se antagonizar com o universalismo caracterizando a escola como uma instituição de natureza essencialmente universalista, seja no seu modo formal de funcionamento, seja em relação aos conteúdos de ensino (saberes cuja generalidade é independente de contextos particulares). Forquin esclarece: A cultura escolar é uma cultura geral, [...] no sentido de ser responsável pelo acesso e a conhecimentos e competências estruturalmente fundamentados, isto é, capazes de servir de base ou de fundamento, a todos os tipos de aquisições cognitivas cumulativas. [...] Podemos ver, então, na generalidade, o caráter fundamental da cultura escolar, a razão primeira de seu universalismo. O que a cultura escolar traz potencialmente para todos, porque se trata dos fundamentos de toda atividade intelectual e de todo desempenho cognitivos possíveis (FORQUIN, 2000, p.58). Notamos afinidade entre o conceito apresentado por Forquin (2000) para com a concepção de educação apresentada por Saviani (1991), [...] é a exigência de apropriação do conhecimento sistematizado por parte das novas gerações que se torna necessária a existência da escola. A escola existe, pois, para apropriar a aquisição dos instrumentos que possibilitam o acesso ao saber elaborado (ciência), bem como o próprio acesso aos rudimentos desse saber (SAVIANI, 1991, p.23) Forquin, (2000) assinala uma oposição ao universo escolar em relação ao universo doméstico, explicitando que a moral de amor se diferencia de uma moral de justiça, pertencente à escola. No berço da família a criança seria submetida a uma tirania do princípio da particularidade. O autor conceitua o universalismo de forma mais

6 abrangente, percorrendo critérios de seleção, de recursos, avaliação e manutenção de disciplina na sala de aula. Assim ele se expressa: todos devem ser tratados segundo os mesmos critérios, seja em relação à alocação de recursos, à avaliação dos desempenhos, aos procedimentos avaliativos e de seleção ou aos modos de manutenção da ordem e da disciplina (FORQUIN, 2000, p.58). Para o autor também se trata de um universalismo aberto e tolerante: [...] também podemos opor um universalismo etnocêntrico e dominador a um universalismo aberto e tolerante. Este último é perfeitamente compatível com o reconhecimento e a valorização das diferenças, precisamente na medida em que só se pode reconhecer e respeitar aquilo que se percebe como outra modalidade ou outra expressão possível do humano (FORQUIN, 2000, p.59) A análise de Forquin parte da educação escolar. Trata-se, concretamente, de uma tarefa a ser realizada, a saber, a formação escolar dos indivíduos frente aos problemas das diferenças culturais, os quais têm, diante de si, um legado humano: a apropriação de conhecimentos sistematizados, socialmente democratizados, via instituição escolar. Se tal legado deva ser questionado quanto à necessidade, que se explicitem os pressupostos filosóficos, históricos e epistemológicos que sustentem propostas educacionais de tal natureza. Forquin (2000) consegue visualizar um valor de socialização neste aspecto da escolarização, de uma forma independente, de uma iniciação e de uma preparação para um mundo social baseado em modos operacionais universalistas. Assim, a independência e realização não surgem de ações transformadoras e historicamente construídas, mas em função da obediência às regras em que o individualismo igualitário, quando transgredido, e baseado na moral de justiça do universo escolar, passa a constituir um delito passível de uma punição severa. O círculo familiar exerceria, neste caso, um papel antagônico ao propor a moralidade do amor e o paternalismo exacerbado, constituindo uma objeção relativa a esta universalização da escola como instituição da imposição de regras do individualismo igualitário. Apesar de citar a hipocrisia da igualdade abstrata como entrave às determinações sociais Bourdieu (1966) apud Forquin (2000; p.59) afirma: [...] escolhas pedagógicas diferentes podem ter efeitos muitos desiguais sobre desempenho escolar de alunos de origens sociais diferentes.

7 No seu papel de universalidade dos saberes generalizados sobrepõem os interesses particulares, e devem explicitamente ser controlados e formulados. Reconhece o autor que [...] os saberes escolares são essencialmente gerais ou dotados de um alto nível de generalidade (FORQUIN p.59). 3. MULTICULTURALISMO Tomando o relativismo como forma de pensar a construção curricular no Brasil, observamos que na atualidade a prática verticalizada, centralizadora e dominante ainda constitui uma realidade para muitos. Há um racismo, um preconceito, implícitos nas ações educativas, sendo muitas vezes incompreendido pelos professores. Para Oliveira (2006) o racismo e a discriminação estão presentes nas relações no interior da escola, em fatos significativos, muitas vezes considerados triviais e cotidianos na sociedade. Sodré (2000, p.244) afirma que a sociedade é esteticamente regida por um paradigma branco, a clareza ou a brancura da pele persiste como marca simbólica de uma superioridade imaginária. Não obstante alguns segmentos sociais, atuantes em áreas diversificadas (saúde, comércio, arte, entre outras) nos últimos tempos vêm tentando romper com esse paradigma, e muitas pesquisas embora localizadas, avançam nesse aspecto. A escola, por sua vez, continua fechada em posições curriculares respaldada no conceito de igualdade, homogeneizando todas as suas ações. Neste sentido a escola revela um tratamento preconceituoso, uma vez que o currículo foi direcionado para uma classe específica: a classe dominante. Oliveira esclarece que [...] a teoria do currículo, nos anos 1980 e 1990, tem se dedicado a estudar como a escola (re) produz assimetrias e desigualdades raciais. No interior desse campo, tem se efetivado um processo de denuncia da presença do preconceito racial em livros didáticos, em propostas curriculares, nos recursos didáticos utilizados pela escola, nas práticas docentes e nos rituais e celebrações escolares. O eixo teórico particularmente utilizado nessas análises está vinculado aos estudos culturais (OLIVEIRA, 2006, p. 104).

8 De acordo com Silva (2004), o multiculturalismo na perspectiva humanista liberal entende que as diferenças culturais seriam apenas manifestações superficiais de características humanas mais profundas. Em nome dessa humanidade comum, o multiculturalismo apela para o respeito, à tolerância e a convivência pacífica entre os diferentes. Na perspectiva pós-estruturalista a diferença não pode ser concebida fora dos processos lingüísticos e discursivos de significação. Na perspectiva materialista mais crítica as diferenças estão sendo constantemente produzidas e reproduzidas através de relações de poder. Elas não devem ser apenas toleradas e respeitadas, mas trocadas pelas relações de poder que presidem sua produção. Em contraposição ao ideário da modernidade tardia que defende a idéia do fim da história e do fim do sujeito, tem-se no interior da teoria pós-crítica a defesa de um currículo multiculturalista. Nessa vertente, Moreira e Silva (2001, p. 27) asseveram que na concepção crítica, não existe uma cultura da sociedade, unitária, homogênea e universalmente aceita e praticada e, por isso, digna de ser transmitida às futuras gerações através do currículo. Canen (2002) conceitua multiculturalismo como movimento teórico e político que busca respostas para os desafios da pluralidade cultural nos campos do saber, incluindo não só a educação (CANEN, 1999; 2000; 2001a; CANEN e GRANT, 2001; MOREIRA, 2001) como também outras áreas que podem contribuir para o sucesso organizacional (CANEN; CANEN, 1999). Ao abordar os sentidos e dilemas do multiculturalismo na educação Canen (2002) destaca quatro perigos: 1. Multiculturalismo reparador, que reduz a ações afirmativas e nega o seu caráter continuo e processual que deve iniciar na educação infantil com um currículo que proponha medidas de equidade, de acesso a uma educação de qualidade para todos; 2. Folclorismo, redução do multiculturalismo a uma perspectiva de valorização de costumes, festas, receitas e outros aspectos folclóricos; 3. Reducionismo identitário reconhece a diversidade cultural e a necessidade de combate aos preconceitos, mas não percebe que a identidade é formada de inúmeros marcadores identitários que se manifesta de forma plural e diferenciada na construção das subjetividades; 4. Guetização Cultural marcado por propostas curriculares que se voltam

9 exclusivamente ao estudo de seus padrões culturais específicos impedindo o diálogo entre padrões culturais plurais. Ao reconhecer esses perigos, Forquin (2000) assinala que o multiculturalismo designa a existência num mesmo espaço de grupos de origem étnica diferente e que possuem valores e modos de vida diferentes, assim, o ensino multicultural encontra nas escolhas éticas e políticas a forma de adaptação pedagógica possível. Ao individualizar as especificidades das culturas em prol de expressões minoritárias e de uma cultura hegemônica, o autor destaca o risco de se romper o papel da universalização e da ordem na comparação do ensino igualitário e propõe à coexistência, o reencontro, a interação de indivíduos portadores de uma cacofonia eclética. O autor define o multiculturalismo como discriminador e defensivo ao revelar o interculturalismo como aberto e mais interativo no sentido de manter uma hegemonia e respeito à pluralidade cultural [...] com efeito, é preciso ensinar certas coisas em vez de outras e ensiná-las como válidas e valendo para todos e não somente para um grupo. (FORQUIN, 2000, p.60). Na tentativa de traduzir os desafios para as propostas e políticas curriculares Canen, Oliveira e Assis (2009, p. 69) advertem que o currículo deve ser articulado aos contextos culturais diversos [...] não devemos recair, nem em uma centralização excessiva do currículo, homogeneizando-o, nem em uma relativização exagerada que leve a preconizar currículos locais exclusivamente [...]. Destacam os autores a multidisciplinaridade, a interdisciplinaridade e a transdiscplinaridade como formas de trabalhar o currículo integrado utilizando uma metodologia baseada em problemas. 4. ESCOLA PÚBLICA MUNICIPAL DE GOIÂNIA As inquietações acerca desta temática não surgiram do acaso, ou de uma inspiração pessoal, pois sabemos que o estudo exploratório, o levantamento diagnóstico, uma atividade acadêmica, dentre outros, são meios que permitem ao pesquisador o contato real com o objeto a ser discutido. Com base nessa premissa realizamos um trabalho de campo em uma escola municipal em Goiânia, cuja temática integrou um conjunto de reflexões norteado por um tema central Tendências de currículo, formação e profissionalização docente e cidadania na escola como direito à educação de qualidade

10 socialmente referenciada 1. Procedemos a estudos sobre o referencial teórico, analisamos documentos oficiais, realizamos debates em grupo e entrevista com a gestora. Esses procedimentos metodológicos e os resultados da pesquisa serviram como subsídios para desenvolver a temática em destaque. No decurso da entrevista com a gestora da escola pesquisada e na análise documental foi constatado um distanciamento entre a cultura popular e a cultura institucional. Notamos a ênfase dada ao currículo universalista, haja vista que as diretrizes curriculares da Secretaria Municipal de Educação devem ser seguidas rigorosamente, sem respeitar a cultura da escola. As questões referentes às eleições da diretora e ao Conselho Escolar respondiam aos anseios da Secretaria Municipal de Educação, há evidencias de controle sobre todo o procedimento, desde a coordenação do processo eleitoral para escolha do gestor até a aprovação, ou não, do projeto político pedagógico da escola. Refletindo sobre as situações descritas e reconhecendo a importância do currículo na dinâmica organizacional da educação no espaço escolar, perguntamos: Que representação social da escola possui a comunidade escolar? Qual o grau de confiabilidade existente entre escola e comunidade? De que modo a escola pode dialogar com a cultura local? A problemática aqui descrita retrata um cenário complexo, pois a relação entre a escola e a comunidade é tênue e a escola não considera a multiculturalidade, não trabalha a identidade como valor e não considera a dimensão pedagógica como significativa para a formação para a cidadania, podendo contribuir para o processo de emancipação humana. O corpo docente, administrativo e gestor da escola se prendem aos currículos pré-determinados por agentes externos a ela. 1 Outros pesquisadores visitaram escolas diferentes, visando analisar e refletir sobre a temática em relevo, pois essa investigação é realizada pelos discentes de diversas turmas de doutorado e de mestrado durante as disciplinas ministradas pela Profa. Dra. Iria Brzezinski, coordenadora da pesquisa Observatório da Escola Pública Municipal de Goiânia: a gestão democrática e cidadania na escola como direito à educação de qualidade socialmente referenciada

11 O sistema público de educação na atualidade, ao definir o currículo não considera a diversidade que o compõe, pois uma minoria decide e impõe sobre a maioria as suas verdades e crenças operando uma relação desigual e injusta, à medida que há muitos recortes na socialização do conhecimento acumulado historicamente pela civilização. Neste contexto, o popular é visto como ameaça à ordem vigente, sendo, inclusive justificado teoricamente, reproduzindo as críticas enunciadas por Bloom (1988) 2 que apresenta severos julgamentos a cultura da juventude estadunidense, utilizando de expressões autoritárias e até desrespeitosas. Forquin (2000) expõe sua posição contrária ao relativismo radical, como uma solução ao etnocentrismo e afirma que nas sociedades multiculturais contemporâneas, apesar de a escola reconhecer a diversidade, a aplicação do relativismo afasta a possibilidade de exercer seu papel coerente na formação intelectual e de integração cívica. Com tal posicionamento, Forquin, (2000) reforça o perigo do universalismo programático da cultura escolar, favorecendo um universalismo abstrato, sem memória e descontextualizado do pensamento científico e moderno. Conforme o universalismo pragmático, o papel do professor é multicêntrico, baseado na essência da cultura escolar que busca uma harmonia, na qual as múltiplas vozes possam ser ouvidas numa ordem polifônica, igualitária e universal. 5. O PAPEL SOCIAL NA TRANSIÇÃO E FORMALIZAÇÃO DE POLÍTICAS CURRICULARES As reflexões teóricas suscitadas acerca da multiculturalidade fazem parte de uma discussão ainda tímida, restrita a uma elite intelectual que por acreditar em sua 2 Allan Bloon (1988) em O Estreitamento da Mentalidade Americana argumenta que a cultura popular, no caso o rock, causou a atrofia do vigor e da inteligência da juventude americana. Quando Bloon ataca a cultura popular e ao mesmo tempo faz um apelo à restauração da herança clássica perdida, na verdade representa um discurso dissimulado sob o véu da restauração cultural, tendo em vista que são mais ataques à democracia, aos pobres, às mulheres, ou seja, aqueles privados do poder.

12 importância para a formação humana tenta implantar no currículo temáticas multiculturais. Mesmo assim, é perceptível que, em algumas escolas ao realizar alguma atividade pedagógica que envolve temas multiculturais, a imagem do negro é muitas vezes atrelada ao samba, à capoeira e ao futebol, ou seja, essas narrativas celebram os mitos da origem nacional, confirmam o privilégio das identidades dominantes e tratam as identidades dominadas como exóticas ou folclóricas. (SILVA, 2004, p ). A promulgação da Lei nº /2003 pelo presidente da República Luís Inácio Lula da Silva que altera dispositivos da LDB de 20/12/1996, tornando obrigatório o ensino sobre a história e cultura afro-brasileiras nos Ensino Fundamental e Médio das redes públicas e particulares do País, em muitas instituições de ensino continua como mero objeto legal. 3 Recentemente, foi sancionada a Lei nº , de 10/03/2008 que também altera a Lei nº , modificada pela Lei nº , que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para incluir no currículo oficial da rede de ensino a obrigatoriedade da temática "História e Cultura Afro-Brasileira e Indígena" e cumpre a mesma finalidade, em algumas instituições, enfeitar os armários das escolas. As Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação das Relações Étnico- Raciais e para o Ensino de História e Cultura Afro-Brasileira e Africana explicitam enquanto preocupação: É preciso ter clareza que o Art. 26A acrescido à Lei /1996 provoca bem mais do que inclusão de novos conteúdos, exige que se repensem relações étnico-raciais, sociais, pedagógicos, procedimentos de ensino, condições oferecidas para aprendizagem, objetivos tácitos e explícitos da educação oferecidas pelas escolas (BRASIL/PR, 2005, p. 17). Preocupação que continua válida, mesmo transcorrendo alguns anos da sua publicação, o debate e as reflexões teóricas se acentuam, mas a aplicação da referida Lei nos currículos escolares ficam na intenção. 3 Existem casos de intervenção do Ministério Público junto às secretarias municipais de educação no sentido de garantir a aplicabilidade da Lei nº /2003.

13 CONSIDERAÇÕES Pelo exposto, não se percebe, com maior intensidade, um incentivo por parte dos gestores em incluir no currículo temas multiculturais. Falta orientação aos professores para pesquisas bibliográficas, os recursos audiovisuais são insuficientes, não há preparação na modalidade de formação continuada para compreender o novo conteúdo proposto por lei, entre outros. Os responsáveis pelos encontros, planejamentos pedagógicos omitem a discussão do currículo, justifica que os temas transversais contemplam essas especificidades, acreditando que realmente se trabalha com a transversalidade no espaço escolar. Em conformidade com esta nova proposta curricular, será preciso rever o saber escolar, romper com a Pedagogia da discriminação para que as manifestações culturais de origem africana e indígena não sejam tratadas como folclore. Assim, é preciso investir na formação do educador, possibilitando-lhe uma formação diferenciada da eurocêntrica. Alternativa possível para ressignificar o conhecimento universal e inserir o multiculturalismo no currículo escolar é a utilização por parte dos docentes e gestores da pedagogia crítica, uma vez que esta se caracteriza por levar em consideração as transições simbólicas e materiais presentes no interior do cotidiano escolar. Uma pedagogia crítica examina cuidadosamente as vias pelas quais as injustiças sociais contaminam as experiências que compõem a vida cotidiana dos alunos. A construção do conhecimento desloca-se do sujeito individual para os processos coletivos e a diversidade humana torna-se uma referência básica para a prática curricular, manifestando-se através da linguagem e da comunicação. Nesta perspectiva, o currículo questiona os aspectos pedagógicos que possam atribuir um sentido uniformizador, estático, definitivo e individualista ao conhecimento, baseando-se, antes, nas relações de interação, de cooperação, de parceria, de negociação e de conflitos. Além disso, deve-se inaugurar pesquisas cujo objeto e temáticas que fazem parte da agenda da atual, incorporando questões não tratadas ou raramente

14 estudadas no âmbito do currículo, tais como: etnia, raça, gênero, classe, sexo, nas suas relações com a cultura. A pedagogia crítica toma a cultura popular como objeto de estudo procurando esclarecer as contradições sociais a qual estão submersos os agentes internos e externos da escola. Desta forma, cultura popular representa não só um contraditório e incerto terreno de embates entre projetos e intenções distintas, mas também um importante espaço pedagógico onde são levantadas questões sobre os elementos que organizam a base da subjetividade e da experiência dos alunos (GIROUX; SIMON, 2000). Concluímos, então, que a construção do currículo na perspectiva democrática e transformadora implica a participação efetiva da comunidade interna e externa que compõem o espaço escolar, especialmente dos aprendentes, cujas vozes historicamente têm sido caladas em nome da implementação de uma proposta curricular extremamente conservadora. REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA BLOON, A The closing of the American Mind. 1st ed. Touchstone, New York:1988 BOURDIEU, P. "L'école conservatrice. Les inégalités devant l'école et devant la culture". Revue Française de Sociologie, 7ª, 1966, p CANDAU, V. M.. O currículo entre o relativismo e o universalismo: dialogando com Jean-Claude Forquin. Educação & Sociedade. CEDES, Campinas, n. 73, p , dez CANEN, A. Sentidos e dilemas do multiculturalismo: desafios para o novo milênio. In: LOPES, A. C.; MACEDO, E. (org) Currículo: debates contemporâneos. São Paulo: Cortez, p CANEN, Ana, OLIVEIRA, Luiz Fernandes e ASSIS, Marta D.P. Currículo uma questão de cidadania. In: CANEN, Ana e SANTOS, Ângela Rocha dos (orgs.). Educação Multicultural: Teoria e prática para professores e gestores em Educação. Rio de Janeiro: Ciência Moderna lta, FORQUIN, Jean-Claude. O currículo entre o relativismo e o universalismo. Educação & Sociedade. CEDES, Campinas, n. 73, p , dez

15 GIROUX, H.; SIMON, R.. Cultura popular e pedagogia crítica: a vida cotidiana como base para o conhecimento curricular. In: MOREIRA, A. F. e Silva, T.T. (org) Currículo, cultura e sociedade. 2 ed. Tradução de BAPTISTA, M. Aparecida. São Paulo: Cortez, p GOMES, N L. Educação e Relações Raciais: Refletindo sobre algumas Estratégias de Atuação. In MUNANGA, Kabengele (org.). Superando o racismo na escola. Brasília: MEC/SEF OLIVEIRA, Iolanda e SILVA, Petronilha Beatriz G. e (Orgs.). Negro e Educação Identidade Negra Pesquisa sobre negro e a educação no Brasil. Rio de Janeiro: ANPed, São Paulo: Ação Educativa (2006). REGO, T. C. Vigotsky uma perspectiva histórico cultural da educação. 4ª ed. Petrópolis: Vozes, SAVIANI, D. A nova lei da educação LDB trajetórias limites e perspectivas. 7ª ed. Campinas São Paulo: Autores Associados, Pedagogia histórico-crítica: Primeiras aproximações. 2. Ed. São Paulo. Cortez/Autores Associados, SILVA, T. T. S. Documentos de Identidade uma introdução às teorias do currículo. 2ª ed., 6ª reimp. Belo Horizonte: Autêntica, SILVA, T. T. Currículo, universalismo e relativismo: uma discussão com Jean Claude Forquin. Educação & Sociedade. CEDES, Campinas, n. 73, p dez SODRÉ, M. Claros e escuros: identidade, povo e mídia no Brasil. 2ª ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2000.

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INVESTIGAÇÃO DA PRÁTICA DOCENTE I... 4 02 LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTO... 4 03 PROFISSIONALIDADE DOCENTE... 4 04 RESPONSABILIDADE

Leia mais

OS TEMAS TRANSVERSAIS GÊNERO E DIVERSIDADE NAS AULAS DE GEOGRAFIA

OS TEMAS TRANSVERSAIS GÊNERO E DIVERSIDADE NAS AULAS DE GEOGRAFIA OS TEMAS TRANSVERSAIS GÊNERO E DIVERSIDADE NAS AULAS DE GEOGRAFIA SILVA, Sueley Luana da Especialista em Geografia do Brasil pela UFG/CAC, aluna do Programa de Mestrado em Geografia/UFG/CAC/Bolsista Capes.

Leia mais

DESIGUALDADE RACIAL E FORMAÇÃO DE PROFESSORES: DESAFIOS A ENFRENTAR Ricardo de Souza Janoario UFRJ Rita de Cassia de Oliveira e Silva UFRJ

DESIGUALDADE RACIAL E FORMAÇÃO DE PROFESSORES: DESAFIOS A ENFRENTAR Ricardo de Souza Janoario UFRJ Rita de Cassia de Oliveira e Silva UFRJ 1 DES E PROFESSORES: DESAFIOS A ENFRENTAR Ricardo de Souza Janoario UFRJ Rita de Cassia de Oliveira e Silva UFRJ INTRODUÇÃO No Brasil, criou-se a ideologia da democracia racial para explicar que as oportunidades

Leia mais

CURSO EDUCAÇÃO, RELAÇÕES RACIAIS E DIREITOS HUMANOS

CURSO EDUCAÇÃO, RELAÇÕES RACIAIS E DIREITOS HUMANOS CURSO EDUCAÇÃO, RELAÇÕES RACIAIS E DIREITOS HUMANOS MARTA LÚCIA DA SILVA ROSANA CAPPUTI BORGES Educação Infantil: desigualdades de idade e raça, um grande desafio a ser conquistado. São Paulo 2012 EDUCAÇÃO

Leia mais

Ana Maria Curvo Dimam dos Santos Pereira RESUMO

Ana Maria Curvo Dimam dos Santos Pereira RESUMO O espaço escolar e as diferenças étnico culturais Ana Maria Curvo Dimam dos Santos Pereira RESUMO O presente resumo questiona o preconceito étnico racial numa escola estadual a partir do olhar de uma coordenadora

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL E RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS: A LEI NO PAPEL, A LEI NA ESCOLA Aline de Assis Augusto UFJF

EDUCAÇÃO INFANTIL E RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS: A LEI NO PAPEL, A LEI NA ESCOLA Aline de Assis Augusto UFJF EDUCAÇÃO INFANTIL E RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS: A LEI NO PAPEL, A LEI NA ESCOLA Aline de Assis Augusto UFJF Resumo A presente pesquisa se debruça sobre as relações étnico-raciais no interior de uma escola

Leia mais

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS EDUCAÇÃO BÁSICA ENSINO SUPERIOR EDUCAÇÃO NÃO-FORMAL EDUCAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DO SISTEMA DE JUSTIÇA E SEGURANÇA EDUCAÇÃO E MÍDIA Comitê Nacional de Educação

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Prática: 15 h/a Carga Horária: 60 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

CULTURA AFRO CULTURA AFRO

CULTURA AFRO CULTURA AFRO CULTURA AFRO ESCOPO Apresentamos o projeto Cultura Afro com o compromisso de oferecer aos alunos do ensino fundamental um panorama completo e diversificado sobre a cultura afro em nosso país. Levamos em

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO DE EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) 2012 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL... 4 02 INVESTIGAÇÃO PEDAGÓGICA: DIVERSIDADE CULTURAL NA APRENDIZAGEM... 4 03 METODOLOGIA CIENTÍFICA...

Leia mais

PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade. Democracia na escola Ana Maria Klein 1

PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade. Democracia na escola Ana Maria Klein 1 PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade Democracia na escola Ana Maria Klein 1 A escola, instituição social destinada à educação das novas gerações, em seus compromissos

Leia mais

AFRICAMOS: PENSAR E VIVER AFRICANIDADES PARA E COM AS CRIANÇAS EM CONTEXTOS COLETIVOS DE EDUCAÇÃO E CUIDADO

AFRICAMOS: PENSAR E VIVER AFRICANIDADES PARA E COM AS CRIANÇAS EM CONTEXTOS COLETIVOS DE EDUCAÇÃO E CUIDADO AFRICAMOS: PENSAR E VIVER AFRICANIDADES PARA E COM AS CRIANÇAS EM CONTEXTOS COLETIVOS DE EDUCAÇÃO E CUIDADO Área Temática: Educação Coordenador: Adilson de Angelo 1 Autoras: Neli Góes Ribeiro Laise dos

Leia mais

1 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística

1 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística 1 EDUCAÇÃO E PRECONCEITO RACIAL: CONVERGÊNCIAS E DIVERGÊNCIAS NAS PERCEPÇÕES DAS FAMÍLIAS NEGRAS E BRANCAS NO MUNICIPIO DE CUIABÁ MONTEIRO, Edenar Souza UFMT edenar.m@gmail.com GT-21: Afro-Brasileiros

Leia mais

A DIVERSIDADE E CURRÍCULO: DESAFIOS PARA UMA ESCOLA DEMOCRÁTICA

A DIVERSIDADE E CURRÍCULO: DESAFIOS PARA UMA ESCOLA DEMOCRÁTICA A DIVERSIDADE E CURRÍCULO: DESAFIOS PARA UMA ESCOLA DEMOCRÁTICA Josenilson Felizardo dos Santos 1 INTRODUÇÃO É possível compreender o papel da escola diante de todo o processo de ensino aprendizagem. E

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM LINHA DE PESQUISA: TEORIA E PRÁTICA PEDAGÓGICA NA EDUCAÇÃO SUPERIOR

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM LINHA DE PESQUISA: TEORIA E PRÁTICA PEDAGÓGICA NA EDUCAÇÃO SUPERIOR PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO LINHA DE PESQUISA: TEORIA E PRÁTICA PEDAGÓGICA NA EDUCAÇÃO SUPERIOR A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DA SEED-PR PARA

Leia mais

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA.

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. Profa. Elizabeth Rodrigues Felix 1 I- INTRODUÇÃO Com dezoito anos de existência, o

Leia mais

DIVERSIDADE HISTÓRICA, CULTURAL E LINGUÍSTICA NA EDUCAÇÃO

DIVERSIDADE HISTÓRICA, CULTURAL E LINGUÍSTICA NA EDUCAÇÃO 1 DIVERSIDADE HISTÓRICA, CULTURAL E LINGUÍSTICA NA EDUCAÇÃO INTRODUCÃO Patrícia Edí Ramos Escola Estadual Maria Eduarda Pereira Soldera São José dos Quatro Marcos Este trabalho tem por objetivo uma pesquisa

Leia mais

Curso de Especialização Gestão Educacional 5ª Edição

Curso de Especialização Gestão Educacional 5ª Edição Curso de Especialização Gestão Educacional 5ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS Gestão Educacional e organização do trabalho pedagógico pressupostos teórico - metodológicos Alberto Albuquerque Gomes Total

Leia mais

EDUCAÇÃO MUDANÇAS O QUE ESTÁ REFLETINDO NA ESCOLA?

EDUCAÇÃO MUDANÇAS O QUE ESTÁ REFLETINDO NA ESCOLA? EDUCAÇÃO MUDANÇAS O QUE ESTÁ REFLETINDO NA ESCOLA? Elisane Scapin Cargnin 1 Simone Arenhardt 2 Márcia Lenir Gerhardt 3 Eliandra S. C. Pegoraro 4 Edileine S. Cargnin 5 Resumo: Diante das inúmeras modificações

Leia mais

AS REPRESENTAÇÕES DO NEGRO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

AS REPRESENTAÇÕES DO NEGRO NA EDUCAÇÃO INFANTIL AS REPRESENTAÇÕES DO NEGRO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Rosa Maria Cavalheiro Jefferson Olivatto da Silva UNICENTRO Resumo: No Brasil, a abordagem das questões relacionadas História e Cultura Afro-Brasileira e

Leia mais

UNIDADE 3 O QUE REPRESENTA PARA NÓS O PPP? ÉTICA E LIBERDADE NA CONSTRUÇAO DA AUTONOMIA DA ESCOLA

UNIDADE 3 O QUE REPRESENTA PARA NÓS O PPP? ÉTICA E LIBERDADE NA CONSTRUÇAO DA AUTONOMIA DA ESCOLA UNIDADE 3 O QUE REPRESENTA PARA NÓS O PPP? ÉTICA E LIBERDADE NA CONSTRUÇAO DA AUTONOMIA DA ESCOLA Módulo 3 - Direitos Humanos e o Projeto Político Pedagógico da escola Objetivos: Nesta unidade vamos discutir

Leia mais

Palavras-chave: Escola, Educação Física, Legitimidade e cultura corporal.

Palavras-chave: Escola, Educação Física, Legitimidade e cultura corporal. A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO DA EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA MUNICIPAL RECANTO DO BOSQUE: LIMITES E POSSIBILIDADES PARA UMA INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA A PARTIR DO SUBPROJETO DA EDUCAÇÃO FÍSICA DA ESEFFEGO/UEG.

Leia mais

Educação das Relações Etnicorraciais e A lei 10639/2003 : construindo uma escola plural

Educação das Relações Etnicorraciais e A lei 10639/2003 : construindo uma escola plural Educação das Relações Etnicorraciais e A lei 10639/2003 : construindo uma escola plural Coordenação de Diversidade SECAD/MEC Professora Leonor Araujo A escola é apontada como um ambiente indiferente aos

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR 1.ª SÉRIE DE OFERTA 99-8791-04 DIDÁTICA 160 0 160 99-8792-04

MATRIZ CURRICULAR 1.ª SÉRIE DE OFERTA 99-8791-04 DIDÁTICA 160 0 160 99-8792-04 Curso: Graduação: Regime: Duração: PEDAGOGIA LICENCIATURA PLENA MATRIZ CURRICULAR SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO = 04 (QUATRO) ANOS LETIVOS - MÁXIMO

Leia mais

Trabalhando com Projetos

Trabalhando com Projetos Trabalhando com Projetos Educar para a diversidade étnica e cultural investigação e ação Ricardo Luiz da Silva Fernandes Educar para a compreensão da pluralidade cultural é a luta para construção da igualdade

Leia mais

UNIDADE 10 PARA UMA EDUCAÇAO ANTIRRACISTA

UNIDADE 10 PARA UMA EDUCAÇAO ANTIRRACISTA UNIDADE 10 PARA UMA EDUCAÇAO ANTIRRACISTA Módulo 1 - Aspectos gerais da educação e das relações étnico-raciais Unidade 10 - Para uma educação antirracista Objetivos: Analisar o conceito de multiculturalismo;

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES PARA EDUCAÇÃO INFANTIL E CURRÍCULO MULTICULTURAL

DIRETRIZES CURRICULARES PARA EDUCAÇÃO INFANTIL E CURRÍCULO MULTICULTURAL DIRETRIZES CURRICULARES PARA EDUCAÇÃO INFANTIL E CURRÍCULO MULTICULTURAL Resumo FAVORETO 1, Elizabeth Dantas de Amorim PUCPR elizabethfavoreto@hotmail.com Eixo Temático: Didática: Políticas Públicas, Avaliação

Leia mais

CONTOS DA MATA VISÕES DE VIDA: UM DESAFIO FRENTE À CULTURA INDÍGENA RESUMO

CONTOS DA MATA VISÕES DE VIDA: UM DESAFIO FRENTE À CULTURA INDÍGENA RESUMO CONTOS DA MATA VISÕES DE VIDA: UM DESAFIO FRENTE À CULTURA INDÍGENA RESUMO OLIVEIRA, Luiz Antonio Coordenador/Orientador ARAÚJO, Roberta Negrão de Orientadora O artigo tem como objetivo apresentar o Projeto

Leia mais

EDUCAÇÃO E RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS MÓDULOS IV e V. Profa. Dra. Sueli Saraiva (colaboradora)

EDUCAÇÃO E RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS MÓDULOS IV e V. Profa. Dra. Sueli Saraiva (colaboradora) EDUCAÇÃO E RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS MÓDULOS IV e V Profa. Dra. Sueli Saraiva (colaboradora) EDUCAÇÃO E RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS I MÓDULO IV Discutir sobre a educação das relações étnico-raciais na escola,

Leia mais

CURRÍCULO E GESTÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DAS UNIVERSIDADES FEDERAIS NO CONTEXTO DA REESTRUTURAÇÃO

CURRÍCULO E GESTÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DAS UNIVERSIDADES FEDERAIS NO CONTEXTO DA REESTRUTURAÇÃO CURRÍCULO E GESTÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DAS UNIVERSIDADES FEDERAIS NO CONTEXTO DA REESTRUTURAÇÃO Resumo PENTEADO, Adriane de Lima PUCPR adriane.penteado@pucpr.br Eixo Temático: Políticas Públicas, Avaliação

Leia mais

Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres. 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento;

Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres. 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento; Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento; Objetivo geral Promover a igualdade no mundo do trabalho e a autonomia

Leia mais

GESTÃO EDUCACIONAL: REFLEXÃO SOBRE O PROCESSO DE CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO

GESTÃO EDUCACIONAL: REFLEXÃO SOBRE O PROCESSO DE CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO GESTÃO EDUCACIONAL: REFLEXÃO SOBRE O PROCESSO DE CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO Ana Paula Martins Costa Graduanda de Pedagogia- UEPB Aline Carla da Silva Costa - Graduanda de Pedagogia- UEPB

Leia mais

As políticas de diversidade no governo Lula: inclusão e reconhecimento AS POLÍTICAS DE DIVERSIDADE NO GOVERNO LULA: INCLUSÃO

As políticas de diversidade no governo Lula: inclusão e reconhecimento AS POLÍTICAS DE DIVERSIDADE NO GOVERNO LULA: INCLUSÃO E RECONHECIMENTO* 32 Sidney Reinaldo Silva* 33 As políticas de diversidade no governo Lula: inclusão e reconhecimento AS POLÍTICAS DE DIVERSIDADE NO GOVERNO LULA: INCLUSÃO A diversidade pode ser entendida

Leia mais

AS TRÊS DIMENSÕES DA INCLUSÃO

AS TRÊS DIMENSÕES DA INCLUSÃO r 02.qxp 5/6/2008 16:15 Page 1 293 SANTOS, MÔNICA PEREIRA; PAULINO, MARCOS MOREIRA (ORGS.). INCLUSÃO EM EDUCAÇÃO: CULTURAS, POLÍTICAS E PRÁTICAS. SÃO PAULO: CORTEZ, 2006. 168 P. JANETE NETTO BASSALOBRE*

Leia mais

DA IMPORTÂNCIA DE SUBSTITUIR A EDUCAÇÃO FÍSICA DA ESCOLA POR ATIVIDADES FÍSICAS E/ OU ESPORTIVAS REALIZADAS EM ACADEMIAS, CLUBES, ESCOLINHAS *

DA IMPORTÂNCIA DE SUBSTITUIR A EDUCAÇÃO FÍSICA DA ESCOLA POR ATIVIDADES FÍSICAS E/ OU ESPORTIVAS REALIZADAS EM ACADEMIAS, CLUBES, ESCOLINHAS * DA IMPORTÂNCIA DE SUBSTITUIR A EDUCAÇÃO FÍSICA DA ESCOLA POR ATIVIDADES FÍSICAS E/ OU ESPORTIVAS REALIZADAS EM ACADEMIAS, CLUBES, ESCOLINHAS * ANEGLEYCE T. RODRIGUES, FERNANDO MASCARENHAS, RÚBIA-MAR NUNES

Leia mais

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 É comum hoje entre os educadores o desejo de, através da ação docente, contribuir para a construção

Leia mais

3.360 H/AULA (*) CURRÍCULO PLENO/

3.360 H/AULA (*) CURRÍCULO PLENO/ MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Regime: Duração: HISTÓRIA LICENCIATURA PLENA SERIADO ANUAL 3 (TRÊS) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO = 03 (TRÊS) ANOS LETIVOS - MÁXIMO = 05 (CINCO)

Leia mais

e-mail: simoneperes2@yahoo.com.br 1

e-mail: simoneperes2@yahoo.com.br 1 e-mail: simoneperes2@yahoo.com.br 1 CURRÍCULO (TEORIA E PRÁTICA) Teorias Curriculares Multiculturalismo e Educação Currículo, Interdisciplinaridade e Transversalidade e-mail: simoneperes2@yahoo.com.br

Leia mais

AÇÕES DE COMBATE A HOMOFOBIA NAS ESCOLAS DO PÓLO DO CEFAPRO (CENTRO DE FORMAÇÃO E ATUALIZAÇÃO DE PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO) DE TANGARÁ DA SERRA-MT

AÇÕES DE COMBATE A HOMOFOBIA NAS ESCOLAS DO PÓLO DO CEFAPRO (CENTRO DE FORMAÇÃO E ATUALIZAÇÃO DE PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO) DE TANGARÁ DA SERRA-MT AÇÕES DE COMBATE A HOMOFOBIA NAS ESCOLAS DO PÓLO DO CEFAPRO (CENTRO DE FORMAÇÃO E ATUALIZAÇÃO DE PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO) DE TANGARÁ DA SERRA-MT RELATO DE EXPERIÊNCIA Introdução Marcos Serafim Duarte

Leia mais

MIDIA E INCLUSÃO: RELATO DE EXPERIÊNCIAS DE UMA PESSOA COM DEFICIÊNCIA VISUAL RESUMO. Fabiana Fator Gouvêa Bonilha Rede Anhanguera de Comunicação

MIDIA E INCLUSÃO: RELATO DE EXPERIÊNCIAS DE UMA PESSOA COM DEFICIÊNCIA VISUAL RESUMO. Fabiana Fator Gouvêa Bonilha Rede Anhanguera de Comunicação MIDIA E INCLUSÃO: RELATO DE EXPERIÊNCIAS DE UMA PESSOA COM DEFICIÊNCIA VISUAL Fabiana Fator Gouvêa Bonilha Rede Anhanguera de Comunicação fabiana.ebraille@gmail.com RESUMO No presente trabalho, tenciona-se

Leia mais

DCN DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS

DCN DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DCN DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS 01. Diretrizes Curriculares Nacionais são o conjunto de definições doutrinárias sobre princípios, fundamentos e procedimentos na Educação Básica, expressas pela Câmara

Leia mais

O Conselho Estadual de Educação do Estado da Paraíba, no uso de suas atribuições e considerando:

O Conselho Estadual de Educação do Estado da Paraíba, no uso de suas atribuições e considerando: GOVERNO DA PARAÍBA Secretaria de Estado da Educação e Cultura Conselho Estadual de Educação RESOLUÇÃO Nº 198/2010 REGULAMENTA AS DIRETRIZES CURRICULARES PARA A EDUCAÇÃO DAS RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS E O

Leia mais

EIXO VI Justiça Social, Educação e Trabalho: Inclusão, Diversidade e Igualdade

EIXO VI Justiça Social, Educação e Trabalho: Inclusão, Diversidade e Igualdade EIXO VI Justiça Social, Educação e Trabalho: Inclusão, Diversidade e Igualdade 251 No contexto de um Sistema Nacional Articulado de Educação e no campo das políticas educacionais, as questões que envolvem

Leia mais

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Maria do Socorro Pimentel da Silva 1 Leandro Mendes Rocha 2 No Brasil, assim como em outros países das Américas, as minorias étnicas viveram

Leia mais

COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAÚJO NETO Ensino Fundamental e Médio PLANO DE TRABALHO PEDAGÓGICO

COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAÚJO NETO Ensino Fundamental e Médio PLANO DE TRABALHO PEDAGÓGICO Secretaria de Estado da Educação Estado do Paraná Núcleo Regional de Educação de União da Vitória COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAÚJO NETO Ensino Fundamental e Médio Rua Presidente Kennedy, 200 Fone: (42) 3552

Leia mais

II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013

II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013 II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013 TEMÁTICA: EDUCAÇÃO, QUESTÃO DE GÊNERO E DIVERSIDADE EDUCAÇÃO

Leia mais

A DIVERSIDADE CULTURAL NO COTIDIANO DA SALA DE AULA

A DIVERSIDADE CULTURAL NO COTIDIANO DA SALA DE AULA A DIVERSIDADE CULTURAL NO COTIDIANO DA SALA DE AULA Angela Josefina Mioranza 1 Isabel Cristina Corrêa Roësch 2 INTRODUÇÃO O Brasil tem conquistado importantes resultados na ampliação do acesso e no exercício

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010 PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010 Curso: Pedagogia Disciplina: Teoria e Planejamento Curricular I Carga Horária Semestral: 40 horas Semestre do Curso: 5º 1 - Ementa (sumário, resumo) Currículo:

Leia mais

EDUCAÇÃO DAS RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS: ELEMENTOS TEÓRICOS E METODOLÓGICOS DE UMA PRÁTICA DE FORMAÇÃO DOCENTE

EDUCAÇÃO DAS RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS: ELEMENTOS TEÓRICOS E METODOLÓGICOS DE UMA PRÁTICA DE FORMAÇÃO DOCENTE 19 EDUCAÇÃO DAS RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS: ELEMENTOS TEÓRICOS E METODOLÓGICOS DE UMA PRÁTICA DE FORMAÇÃO DOCENTE Alexandre do Nascimento - FAETEC - RJ Resumo No Brasil, a Lei de Diretrizes e Bases da Educação,

Leia mais

A construção da cidadania e de relações democráticas no cotidiano escolar

A construção da cidadania e de relações democráticas no cotidiano escolar A construção da cidadania e de relações democráticas no cotidiano escolar Ulisses F. Araújo * * Professor Doutor da Universidade de São Paulo. Escola de Artes, Ciências e Humanidades. 1 Um dos objetivos

Leia mais

O DESAFIO DA GESTÃO DEMOCRÁTICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO E INDICADORES DE QUALIDADE

O DESAFIO DA GESTÃO DEMOCRÁTICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO E INDICADORES DE QUALIDADE O DESAFIO DA GESTÃO DEMOCRÁTICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO E INDICADORES DE QUALIDADE Alessandra Garcia Campos de Aguiar 1 alessandracampeche@gmail.com Melissa Weber de Oliveira

Leia mais

O talento é seu. A gente só aperfeiçoa. Conheça: est.edu.br

O talento é seu. A gente só aperfeiçoa. Conheça: est.edu.br O talento é seu. A gente só aperfeiçoa. EXTENSÃO Conheça: est.edu.br PROGRAMA DE EXTENSÃO A Faculdades EST é vinculada à Rede Sinodal de Educação, identificada com a Igreja Evangélica de Confissão Luterana

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 60 h Prática: 15 h Créditos: 4 A Biologia e o educador. Herança e meio, a hereditariedade. Reprodução humana. As funções vegetativas (digestão e alimentos,

Leia mais

CURSOS NOVOS MATRIZ ORÇAMENTÁRIA 2013 UFRGS/FORPROF RENAFOR

CURSOS NOVOS MATRIZ ORÇAMENTÁRIA 2013 UFRGS/FORPROF RENAFOR CURSOS NOVOS MATRIZ ORÇAMENTÁRIA 2013 UFRGS/FORPROF RENAFOR Marie Jane Soares Carvalho Coordenadora Geral do FORPROF/RENAFOR/UFRGS Maio de 2013 Cursos SECADI - Catálogo EXTENSÃO, APERFEIÇOAMENTO E ESPECIALIZAÇÃO

Leia mais

2. Os estudantes sujeitos do Ensino Médio e os direitos à aprendizagem e ao desenvolvimento humano na Área de Ciências Humanas

2. Os estudantes sujeitos do Ensino Médio e os direitos à aprendizagem e ao desenvolvimento humano na Área de Ciências Humanas 1. O Passado das ciências (Integração). O papel das Ciências Humanas? 2. Os estudantes sujeitos do Ensino Médio e os direitos à aprendizagem e ao desenvolvimento humano na Área de Ciências Humanas Contexto

Leia mais

Lei 17505-11 de Janeiro de 2013. Publicado no Diário Oficial nº. 8875 de 11 de Janeiro de 2013

Lei 17505-11 de Janeiro de 2013. Publicado no Diário Oficial nº. 8875 de 11 de Janeiro de 2013 Lei 17505-11 de Janeiro de 2013 Publicado no Diário Oficial nº. 8875 de 11 de Janeiro de 2013 Súmula: Institui a Política Estadual de Educação Ambiental e o Sistema de Educação Ambiental e adota outras

Leia mais

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor Juliana Graciano Parise 1 Eliane de Lourdes Felden 2 Resumo: O trabalho apresenta uma experiência de ensino articulado à pesquisa

Leia mais

A Interdisciplinaridade e a Transversalidade na abordagem da educação para as Relações Étnico-Raciais

A Interdisciplinaridade e a Transversalidade na abordagem da educação para as Relações Étnico-Raciais CURSO EDUCAÇÃO, RELAÇÕES RACIAIS E DIREITOS HUMANOS LEILA MARIA DE OLIVEIRA Mestre em Educação: Currículo pelo Programa de Pós Graduação da PUC-SP; professora de educação física; e integrante do Grupo

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010 Curso: Pedagogia PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010 Disciplina: Teoria e Planejamento Curricular II Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 6º 1 - Ementa (sumário, resumo) Fundamentos teórico-práticos

Leia mais

Palavras-chave: diversidade cultural, formação de professores, congressos.

Palavras-chave: diversidade cultural, formação de professores, congressos. 0 PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E DIVERSIDADE CULTURAL: REFLEXÕES A PARTIR DE CONGRESSOS EDUCACIONAIS Ana Canen (UFRJ) Ana Paula Santos ( UFRJ) Aline Cleide Batista (UFRJ) André Mucci (UFRJ) Patrícia Menezes (UFRJ)

Leia mais

O EDUCADOR E AS POLÍTICAS EDUCACIONAIS: INCLUSÃO, DIVERSIDADE E IGUALDADE

O EDUCADOR E AS POLÍTICAS EDUCACIONAIS: INCLUSÃO, DIVERSIDADE E IGUALDADE O EDUCADOR E AS POLÍTICAS EDUCACIONAIS: INCLUSÃO, DIVERSIDADE E IGUALDADE Kizzy Morejón 1 Luci Riston Garcia 2 Cristiane Camargo Aita 3 Vitor Cleton Viegas de Lima 4 RESUMO Vivemos em uma sociedade que,

Leia mais

RELAÇÕES ÉTNICO - RACIAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL: IMPLEMENTAÇÃO DA LEI 10.639/2003

RELAÇÕES ÉTNICO - RACIAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL: IMPLEMENTAÇÃO DA LEI 10.639/2003 RELAÇÕES ÉTNICO - RACIAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL: IMPLEMENTAÇÃO DA LEI 10.639/2003 Prof. Anderson Oramísio Santos Prof. Esp.Olga Helena Costa RESUMO: O presente artigo objetiva oportunizar espaços de estudo

Leia mais

A LEI Nº. 10.639/03 NO CURRÍCULOESCOLAR: CONTRIBUIÇÕES PARA O ENSINO DA HISTÓRIA E CULTURA AFRICANA E AFRODESCENDENTE

A LEI Nº. 10.639/03 NO CURRÍCULOESCOLAR: CONTRIBUIÇÕES PARA O ENSINO DA HISTÓRIA E CULTURA AFRICANA E AFRODESCENDENTE A LEI Nº. 10.639/03 NO CURRÍCULOESCOLAR: CONTRIBUIÇÕES PARA O ENSINO DA HISTÓRIA E CULTURA AFRICANA E AFRODESCENDENTE Cícera Nunes ciceranunes@hotmail.com Doutoranda em Educação Brasileira - UFC Professora

Leia mais

AS RELAÇÕES ETNICO-RACIAIS E AS AÇÕES AFIRMATIVAS: UM LIMIAR PARA A EDUCAÇÃO BRASILEIRA NO SÉCULO XXI.

AS RELAÇÕES ETNICO-RACIAIS E AS AÇÕES AFIRMATIVAS: UM LIMIAR PARA A EDUCAÇÃO BRASILEIRA NO SÉCULO XXI. AS RELAÇÕES ETNICO-RACIAIS E AS AÇÕES AFIRMATIVAS: UM LIMIAR PARA A EDUCAÇÃO BRASILEIRA NO SÉCULO XXI. Vandeilton Trindade Santana Universidade do Estado da Bahia wander.sam@gmail.com INTRODUÇÃO O objetivo

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR CENECISTA DE FARROUPILHA Mantido pela Campanha Nacional de Escolas da Comunidade

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR CENECISTA DE FARROUPILHA Mantido pela Campanha Nacional de Escolas da Comunidade MANUAL DE ESTÁGIO Curso de PEDAGOGIA S U M Á R I O 1. Apresentação... 03 2. Proposta de Estágio... 03 3. Aspectos legais... 04 4. Objetivo Geral... 04 5. Campo de Estágio... 05 6. Modalidades de Estágio...

Leia mais

HELENA NAVARRO GIMENEZ

HELENA NAVARRO GIMENEZ HELENA NAVARRO GIMENEZ O ASSISTENTE SOCIAL NA GESTÃO ESTADUAL DA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL E A APLICABILIDADE DO CÓDIGO DE ÉTICA PROFISSIONAL NESSE ESPAÇO DE ATUAÇÃO O presente artigo tem por objetivo

Leia mais

Dalriliane Schultz Josilda Silva Juliana Turibio Maria Nhyara Fernanda K. Halila Cecilia Hauresko

Dalriliane Schultz Josilda Silva Juliana Turibio Maria Nhyara Fernanda K. Halila Cecilia Hauresko O PROJETO POLITICO PEDAGÓGICO NA ESCOLA: ANALISE DOS PPP DO COLÉGIO ESTADUAL PADRE CHAGAS E COLÉGIO ESTADUAL DO CAMPO DA PALMEIRINHA, PELO PIBID- GEOGRAFIA 1 Resumo: Dalriliane Schultz Josilda Silva Juliana

Leia mais

6 Conclusão. [...] cada um dos que ingressam na coletividade, adquire, como se se fundisse em um todo, novas qualidades e particularidades (VYGOTSKY).

6 Conclusão. [...] cada um dos que ingressam na coletividade, adquire, como se se fundisse em um todo, novas qualidades e particularidades (VYGOTSKY). 158 6 Conclusão [...] cada um dos que ingressam na coletividade, adquire, como se se fundisse em um todo, novas qualidades e particularidades (VYGOTSKY). Neste trabalho de pesquisa, procurei entender como

Leia mais

1.3. Planejamento: concepções

1.3. Planejamento: concepções 1.3. Planejamento: concepções Marcelo Soares Pereira da Silva - UFU O planejamento não deve ser tomado apenas como mais um procedimento administrativo de natureza burocrática, decorrente de alguma exigência

Leia mais

ESTADO DO AMAZONAS PREFEITURA MUNICIPAL DE MANAUS CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO. INTERESSADO: Secretaria Municipal de Educação SEMED

ESTADO DO AMAZONAS PREFEITURA MUNICIPAL DE MANAUS CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO. INTERESSADO: Secretaria Municipal de Educação SEMED INTERESSADO: Secretaria Municipal de Educação SEMED ASSUNTO: Proposta de Estrutura Curricular do Ensino Fundamental de 9 (nove) Anos com um Bloco Pedagógico nos Três Anos Iniciais RELATORA: Aldenilse Araújo

Leia mais

PEDAGOGIA DAS DIFERENÇAS PARA A FORMAÇÃO DE PROFESSORES X MULTICULTURALISMO

PEDAGOGIA DAS DIFERENÇAS PARA A FORMAÇÃO DE PROFESSORES X MULTICULTURALISMO AEDB A Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras Dom Bosco - FFCLDB V Simpósio de Excelência em Gestão e Tecnologia - SEGeT Sub-Tema: Gestão Universitária PEDAGOGIA DAS DIFERENÇAS PARA A FORMAÇÃO DE PROFESSORES

Leia mais

AULA 05. Profª Matilde Flório EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM PARA EDUCAÇÃO ÉTNICO-RACIAL PMSP-DOT- 2008

AULA 05. Profª Matilde Flório EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM PARA EDUCAÇÃO ÉTNICO-RACIAL PMSP-DOT- 2008 AULA 05 Profª Matilde Flório EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM PARA EDUCAÇÃO ÉTNICO-RACIAL PMSP-DOT- 2008 FÁBRICA DE IDÉIAS PEDAGÓGICAS CONCURSO PMSP FUND II 2011 (em parceria com a APROFEM e o Jornal dos Concursos)

Leia mais

Educação para a Cidadania linhas orientadoras

Educação para a Cidadania linhas orientadoras Educação para a Cidadania linhas orientadoras A prática da cidadania constitui um processo participado, individual e coletivo, que apela à reflexão e à ação sobre os problemas sentidos por cada um e pela

Leia mais

XVII Congresso Nacional de Linguística e Filologia 117

XVII Congresso Nacional de Linguística e Filologia 117 XVII Congresso Nacional de Linguística e Filologia 117 PRINCÍPIOS E FUNDAMENTOS DOS PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS Marcos Luiz Wiedemer (UERJ/UNESP) mlwiedemer@gmail.com 1. Introdução Os Parâmetros

Leia mais

CIDADANIA: o que é isso?

CIDADANIA: o que é isso? CIDADANIA: o que é isso? Autora: RAFAELA DA COSTA GOMES Introdução A questão da cidadania no Brasil é um tema em permanente discussão, embora muitos autores discutam a respeito, entre eles: Ferreira (1993);

Leia mais

CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR

CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR Acreditamos ser relevante abordar de forma rápida o contexto atual da Educação Física Escolar

Leia mais

A DIDÁTICA NA FORMAÇÃO DOCENTE: ENTRE A INOVAÇÃO TÉCNICA E A EDIFICANTE

A DIDÁTICA NA FORMAÇÃO DOCENTE: ENTRE A INOVAÇÃO TÉCNICA E A EDIFICANTE A DIDÁTICA NA FORMAÇÃO DOCENTE: ENTRE A INOVAÇÃO TÉCNICA E A EDIFICANTE Ilma Passos Alencastro Veiga 1 Edileuza Fernandes da Silva 2 Odiva Silva Xavier 3 Rosana César de Arruda Fernandes 4 RESUMO: O presente

Leia mais

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO Instituto Federal Farroupilha Câmpus Santa Rosa ledomanski@gmail.com Introdução Ler no contexto mundial globalizado

Leia mais

MIGUEL, L. F.; BIROLLI, F. Feminismo e política: uma introdução. São Paulo: Boitempo, 2014

MIGUEL, L. F.; BIROLLI, F. Feminismo e política: uma introdução. São Paulo: Boitempo, 2014 MIGUEL, L. F.; BIROLLI, F. Feminismo e política: uma introdução. São Paulo: Boitempo, 2014 Karen Capelesso 4 O livro Feminismo e política: uma introdução, de Luis Felipe Miguel e Flávia Biroli, se vincula

Leia mais

PROJETO DE VIVÊNCIA 2016.1

PROJETO DE VIVÊNCIA 2016.1 FACULDADE PIO DÉCIMO LICENCIATURA EM QUÍMICA ENSINO DE QUÍMICA ÁREA 4 PROF a MARIA ANTÔNIA ARIMATÉIA FREITAS QUESTÃO 01 Com base na projeção da população brasileira para o período 2010-2040 apresentada

Leia mais

Mostra de Projetos 2011. Educação das Relações Étnico-raciais

Mostra de Projetos 2011. Educação das Relações Étnico-raciais Mostra de Projetos 2011 Educação das Relações Étnico-raciais Mostra Local de: Araucária. Categoria do projeto: I - Projetos em implantação, com resultados parciais. Nome da Instituição/Empresa: Secretaria

Leia mais

45ª Semana de Serviço Social. OS MEGA EVENTOS E MOVIMENTOS SOCIAIS: discutindo o direito à cidade. 14 a 16 de maio de 2014

45ª Semana de Serviço Social. OS MEGA EVENTOS E MOVIMENTOS SOCIAIS: discutindo o direito à cidade. 14 a 16 de maio de 2014 45ª Semana de Serviço Social OS MEGA EVENTOS E MOVIMENTOS SOCIAIS: discutindo o direito à cidade 14 a 16 de maio de 2014 Na Copa, comemorar o quê?. É com este mote criativo e provocativo que o Conjunto

Leia mais

Como a educação integral vem sendo pensada nas escolas? Como ela está sendo feita? Por que é tão difícil consolidá-la no contexto da prática escolar?

Como a educação integral vem sendo pensada nas escolas? Como ela está sendo feita? Por que é tão difícil consolidá-la no contexto da prática escolar? ORGANIZAÇÃO CURRICULAR E AS DIFERENÇAS NA ESCOLA NA PERSPECTIVA DA EDUCAÇÃO INTEGRAL Rosângela Machado Secretaria Municipal de Educação de Florianópolis A palestra intitulada Organização Curricular e as

Leia mais

SUPERVISÃO EDUCACIONAL

SUPERVISÃO EDUCACIONAL SUPERVISÃO EDUCACIONAL SUPERVISÃO, do inglês supervision, significa supervisar, dirigir, orientar (CUNHA, 1971, p. 816), ação de velar sobre alguma coisa ou sobre alguém a fim de assegurar a regularidade

Leia mais

A ESCOLA E O CURRÍCULO MULTICULTURAL: DESAFIOS E PERSPECTIVAS

A ESCOLA E O CURRÍCULO MULTICULTURAL: DESAFIOS E PERSPECTIVAS A ESCOLA E O CURRÍCULO MULTICULTURAL: DESAFIOS E PERSPECTIVAS Maria Luísa da Costa Bezerra UFRN Profª. Drª. Márcia Maria Gurgel Ribeiro Departamento de Educação-UFRN A referida pesquisa consiste em um

Leia mais

cultural e identitária específica que tem sido atribuída à Comunidade Surda. Também é

cultural e identitária específica que tem sido atribuída à Comunidade Surda. Também é OS SURDOS : SUJEITOS DE UMA CULTURA PRÓPRIA NUM ESPAÇO MULTICULTURAL? Valéria Simplício 1 (Faculdade São Luís de França) RESUMO O presente trabalho procura fazer uma reflexão acerca da relação entre a

Leia mais

AVALIAÇÃO: Uma prática constante no processo de ensino e aprendizagem. Palavras-chave: Avaliação. Ensino e aprendizagem. Docente. Prática pedagógica

AVALIAÇÃO: Uma prática constante no processo de ensino e aprendizagem. Palavras-chave: Avaliação. Ensino e aprendizagem. Docente. Prática pedagógica AVALIAÇÃO: Uma prática constante no processo de ensino e aprendizagem Resumo Maria Rita Leal da Silveira Barbosa * Angélica Pinho Rocha Martins ** É sabido que a prática de avaliação é uma intervenção

Leia mais

GESTÃO AMBIENTAL E CIDADANIA

GESTÃO AMBIENTAL E CIDADANIA GESTÃO AMBIENTAL E CIDADANIA João Sotero do Vale Júnior ¹ a) apresentação do tema/problema: A questão ambiental está cada vez mais presente no cotidiano da população das nossas cidades, principalmente

Leia mais

CONCEPÇÕES DE AVALIAÇÃO SUBJACENTES AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA

CONCEPÇÕES DE AVALIAÇÃO SUBJACENTES AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA CONCEPÇÕES DE AVALIAÇÃO SUBJACENTES AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA Andrelino Costa FERREIRA (UEPB/SEE-PB) Priscila Raposo ANANIAS (CESED/SEE- PB) Profª Drª Francisca Pereira

Leia mais

OFICINAS DE REESTRUTURAÇÃO CURRICULAR REFLEXÕES SOBRE O ENSINO MÉDIO INTEGRADO A EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E A AÇÃO DOCENTE

OFICINAS DE REESTRUTURAÇÃO CURRICULAR REFLEXÕES SOBRE O ENSINO MÉDIO INTEGRADO A EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E A AÇÃO DOCENTE OFICINAS DE REESTRUTURAÇÃO CURRICULAR REFLEXÕES SOBRE O ENSINO MÉDIO INTEGRADO A EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E A AÇÃO DOCENTE NASCIMENTO, Elaine Cristina Universidade Tecnológica Federal do Paraná AMORIM, Mário

Leia mais

334 Valdecy de Oliveira Pontes e Alexandra Maria de Castro e Santos Araújo

334 Valdecy de Oliveira Pontes e Alexandra Maria de Castro e Santos Araújo MARTINS, André Ricardo Nunes. A polêmica construída: racismo e discurso da imprensa sobre a política de cotas para negros. Brasília: Senado Federal, 2011, 281p. O livro intitulado A polêmica construída:

Leia mais

PROJOVEM E INCLUSÃO DIGITAL: UM ESTUDO SOBRE AS REPERCUSSÕES DO PROGRAMA NA FORMAÇÃO DOS JOVENS ATENDIDOS NO RECIFE

PROJOVEM E INCLUSÃO DIGITAL: UM ESTUDO SOBRE AS REPERCUSSÕES DO PROGRAMA NA FORMAÇÃO DOS JOVENS ATENDIDOS NO RECIFE PROJOVEM E INCLUSÃO DIGITAL: UM ESTUDO SOBRE AS REPERCUSSÕES DO PROGRAMA NA FORMAÇÃO DOS JOVENS ATENDIDOS NO RECIFE Maria do Rozario Gomes da Mota Silva Orientadora: Profª Drª Márcia Ângela da Silva Aguiar

Leia mais

Metodologia de Ensino; Cultura Corporal; Ciclos de Escolarização. SOARES, C. L.; TAFFAREL, C. N. Z.; VARJAL, E; et al. São Paulo, Cortez, 1992.

Metodologia de Ensino; Cultura Corporal; Ciclos de Escolarização. SOARES, C. L.; TAFFAREL, C. N. Z.; VARJAL, E; et al. São Paulo, Cortez, 1992. METODOLOGIA DO ENSINO DE EDUCAÇÃO FÍSICA. Aline Fabiane Barbieri Metodologia de Ensino; Cultura Corporal; Ciclos de Escolarização. SOARES, C. L.; TAFFAREL, C. N. Z.; VARJAL, E; et al. São Paulo, Cortez,

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Formação de professor/pedagogo. Didática. Mediação. Práxis. Introdução

PALAVRAS-CHAVE Formação de professor/pedagogo. Didática. Mediação. Práxis. Introdução 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

RELAÇÕES ÉTNICO RACIAIS: DESAFIOS NA IMPLEMENTAÇÃO DA LEI 10.639/03

RELAÇÕES ÉTNICO RACIAIS: DESAFIOS NA IMPLEMENTAÇÃO DA LEI 10.639/03 RELAÇÕES ÉTNICO RACIAIS: DESAFIOS NA IMPLEMENTAÇÃO DA RESUMO LEI 10.639/03 Anne Caroline Silva Aires Universidade Estadual da Paraíba annec153@yahoo.com.br Teresa Cristina Silva Universidade Estadual da

Leia mais

AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL: ELEMENTOS PARA DISCUSSÃO 1

AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL: ELEMENTOS PARA DISCUSSÃO 1 AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL: ELEMENTOS PARA DISCUSSÃO 1 Sandra M. Zákia L. Sousa 2 As demandas que começam a ser colocadas no âmbito dos sistemas públicos de ensino, em nível da educação básica, direcionadas

Leia mais

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia Anais do I Seminário Internacional de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia A CONTRIBUIÇÃO DA DIDÁTICA CRÍTICA NA INTERLIGAÇÃO DE SABERES AMBIENTAIS NO PROCESSO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL. Disciplina: Metodologia Científica. Número de créditos: 04. Carga horária: 80

SERVIÇO SOCIAL. Disciplina: Metodologia Científica. Número de créditos: 04. Carga horária: 80 Disciplina: Metodologia Científica SERVIÇO SOCIAL Ementa: Finalidade da metodologia científica. Importância da metodologia Número âmbito das ciências. Metodologia de estudos. O conhecimento e suas formas.

Leia mais