DIGITALIZAÇÃO DE DOCUMENTOS HISTÓRICOS: uma alternativa para a preservação e disseminação da memória e patrimônio cultural 1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DIGITALIZAÇÃO DE DOCUMENTOS HISTÓRICOS: uma alternativa para a preservação e disseminação da memória e patrimônio cultural 1"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS CURSO DE BIBLIOTECONOMIA DIRETÓRIO ACADÊMICO DE BIBLIOTECONOMIA XIV Encontro Regional de Estudantes de Biblioteconomia, Documentação, Ciência da Informação e Gestão da informação Os novos campos da profissão da informação na contemporaneidade 16 a 22 de janeiro de 2011 DIGITALIZAÇÃO DE DOCUMENTOS HISTÓRICOS: uma alternativa para a preservação e disseminação da memória e patrimônio cultural 1 Letycya Cristina Barbosa Vieira RESUMO A utilização da digitalização na preservação de documentos históricos. Apresenta os principais fatores de degradação dos documentos históricos e também como a digitalização têm contribuído para evitar a perda das informações contidas nestes documentos, que representam em grande parte a memória e patrimônio cultural, dado a importância que estes documentos têm no entendimento de fatos históricos da nossa sociedade. Descreve os mecanismos e métodos utilizados por arquivos e museus na digitalização deste tipo de documento e na divulgação das informações contidas nos mesmos, além de ressaltar os benefícios e limitações de alguns programas e equipamentos utilizados neste processo. Relata a importância das unidades detentoras de documentos históricos adotarem novas tecnologias para propiciar o desenvolvimento de mais estudos, que visam entender e aprimorar o conhecimento que se tem do homem e das relações que este manteve para se estabelecer na sociedade atual, através da divulgação das informações contidas nestes documentos em meio eletrônico. Palavra-chave: Digitalização de documentos. Documentos históricos. Preservação de documentos. 1 Trabalho cientifico de comunicação em oral apresentado ao GT 4 Tecnologia e redes de informação. Aluna da Universidade Federal do Maranhão do curso de Biblioteconomia.

2 1 INTRODUÇÃO O homem em sua história aprendeu a registrar e a valorizar a sua memória coletiva de forma a desenvolver recursos e mecanismos que pudesse preservar e perpetuar esta memória, para que esta sobrevivesse ao tempo e as mudanças que porventura pudesse ocorrer no mundo. Os documentos históricos são a representação materializada desta memória e por isso devem ser preservados e disseminados de forma segura, através de recursos que não venham causar nenhum prejuízo ao suporte em que estejam registrados, ou a própria essência do documento, bem como a característica do papel, da escrita e os desenhos que este documento possa ter. O advento da Revolução Industrial, no século XVIII que possibilitou o surgimento e avanço de um conjunto de mudanças tecnológicas que até hoje vem ocorrendo de forma acelerada, atingiram também os centros de informação, tais como: as bibliotecas, arquivos e museus que tiveram que se adaptar as novas tecnologias para promover um maior controle, disseminação e satisfação das necessidades de seus usuários. Estas Unidades de Informação, através de processos de digitalização, microfilmagem e da criação de sistemas automatizados, puderam de forma simples e precisa disponibilizar informações para um contingente maior de pessoas, que anteriormente teriam que vim buscar estas informações em loco, mas que agora podem acessar diretamente da internet tudo o que necessitam. Os documentos históricos que possuem grande importância na construção da história da civilização, não puderam se distanciar desta realidade. Por isso, também podem ser encontrados disponíveis em formatos digitalizados ou microfilmados. Desta forma, observando o avanço do uso destas tecnologias pelas instituições responsáveis pela guarda deste tipo de material, que a proposta desta pesquisa é investigar de que forma estas tecnologias tem contribuído na preservação e disseminação da informação presente nestes documentos, bem como a identificação dos benefícios e problemáticas ocasionadas pelo seu uso.

3 2 PATRIMÔNIO E MEMÓRIA O homem desde seus primórdios teve a necessidade de registrar suas atividades rotineiras, seus hábitos e costumes como uma maneira de preservar tudo aquilo que necessitava e que fazia parte do seu cotidiano, por isso expressava através de antigas representações pictóricas gravadas em abrigos ou cavernas toda sua história. Séculos depois, com o surgimento e a consolidação das primeiras civilizações, houve um processo de evolução e transformação tanto no suporte de registro das informações que deixaram de ser paredes de cavernas para serem vários tipos de materiais frutos do papel, quanto nos locais de guarda que se dividiram após mudanças no contexto cultural e tecnológico da humanidade em arquivo, biblioteca e museu. Estes locais de guarda, que atualmente desempenham funções que vão além desta para preservar e disseminar a informação, são meios que apesar de se distinguirem quanto a sua funcionalidade, sendo essencialmente cultural, no caso de bibliotecas e museus, e funcional, no caso de arquivos (PAES, 1997), juntos desempenham uma função importantíssima na preservação e construção da memória e do patrimônio de um povo. O patrimônio e a memória de um povo são representados por todo bem, seja ele material ou imaterial, que tenha um determinado valor para um determinado grupo da sociedade. E ele que determina também as suas particularidades neste mundo globalizado, pois é através deles que este grupo tem representado a sua identidade, os seus valores e sua cultura que são transmitidos em geração em geração. A preocupação com a preservação do patrimônio histórico de forma sistemática data do séc. XIX, após a Revolução Francesa, e reflete na preocupação [...] de eleger monumentos que pudessem refutar o esquecimento do passado... a preservação do passado coloca-se presa a uma noção de melhoria, evolução e progresso (SOUSA, c2009). A primeira definição de patrimônio também foi descrita neste período e foi se modificando a partir do momento que outros bens foram sendo estabelecidos como patrimônio, criando desta forma as categorias de patrimônio material e imaterial. O patrimônio material, segundo Iphan, são bens culturais tombados em quatro livros de acordo com: a sua natureza que pode ser arqueológica, paisagística e etnográfica; histórica; belas artes ou artes aplicadas. Além disso, podem ainda ser classificados em imóveis, como é o caso de núcleos urbanos, e móveis, no caso acervos documentais. O patrimônio imaterial engloba as manifestações culturais diversas que são transmitidas em geração e representam a identidade de um grupo e permite desta forma uma

4 diversificação cultural no mundo. A definição de patrimônio imaterial conforme a Unesco (2003) no artigo 2 da Convenção para a Salvaguarda do Patrimônio Cultura Imaterial é: Entende-se por patrimônio cultural imaterial as práticas, representações, expressões, conhecimentos e técnicas - junto com os instrumentos, objetos, artefatos e lugares culturais que lhes são associados - que as comunidades, os grupos e, em alguns casos, os indivíduos reconhecem como parte integrante de seu patrimônio cultural. Este patrimônio cultural imaterial, que se transmite de geração em geração, é constantemente recriado pelas comunidades e grupos em função de seu ambiente, de sua interação com a natureza e de sua história, gerando um sentimento de identidade e continuidade e contribuindo assim para promover o respeito à diversidade cultural e à criatividade humana. Para os fins da presente Convenção, será levado em conta apenas o patrimônio cultural imaterial que seja compatível com os instrumentos internacionais de direitos humanos existentes e com os imperativos de respeito mútuo entre comunidades, grupos e indivíduos, e do desenvolvimento sustentável. O patrimônio histórico cultural é a memória preservada e registrada que garante a uma sociedade construir valores, evoluir, entender e refletir seu passado para compreender relações e problemáticas futuras. Por isso torna-se necessário a sua preservação e cuidado por parte dos governantes e também da população, já que: Preservar o patrimônio nacional é dever do Estado e direito da comunidade, que pretende ver conservada a memória de fatos e valores culturais da nação brasileira. (MAIA, 2003, p. 39), pois, como ressalta Lowenthal (1989 apud AMARAL; FERREIRA, 2004, p. 1), a memória tem como função: [...] não é preservar o passado, mas adaptá-lo enriquecendo e manejando o presente, não se constituindo, portanto, em uma reflexão pronta do passado, mas reconstruções seletivas e ecléticas, baseadas em ações subseqüentes, percepções e códigos maleáveis, pelos quais nós delineamos, simbolizamos e classificamos o mundo. Desta forma, memória é um ponto de partida para o desenvolvimento de estudos que visam entender um determinado processo que vai além de uma mera descrição de fatos para um aprofundamento científico que visa refletir uma problemática do presente para propor soluções futuras, que surgiram com a necessidade que o homem tem de entender sobre sua existência e relações passadas para construção de uma nova realidade. Segundo Silva (2007) isto ocorre porque todo fato é original, já que a história não se repente, mas também uma reconstrução, cuja pertinência dependerá das indagações feitas ao passado. Sendo assim a preservação e registro desta memória permite ao homem analisar fatos do passado e reconstruir a partir deles, já que a memória é [...] subjetiva..., um guia para o passado, transmissor de experiência, simultaneamente, seguro e dúbio, portanto é um [...] processo, projeto de futuro e leitura do passado no presente (AMARAL; FERREIRA, 2004, p. 1).

5 2 DOCUMENTOS HISTÓRICOS O documento como meio material, eletrônico ou áudio-visual em que o homem expressa seu pensamento e disponibiliza informação para consulta, estudo e construção do conhecimento, são importantes fontes de recuperação e conservação da memória coletiva e individual. Por isso torna-se necessário desenvolver técnicas e estudos para propor alternativas que permitam aumentar a sua durabilidade e auxilie na preservação desta memória, independentemente do suporte em que ela esteja registrada. A história do documento como importante fonte de pesquisa histórica, data do século XVII, quando este foi ganhando espaço nas repartições jurídicas da Europa, como ressalta Le Goff (2003, p. 526) ao dizer que: É no século XVII que se difunde, na linguagem jurídica francesa, a expressão titres et documents, e o sentido moderno de testemunho histórico data apenas do inicio do século XIX. No século XX, quando os ideais positivistas influenciavam diversos ramos da economia, política e de outros aspectos sociais, houve também o apogeu do uso dos documentos nos estudos históricos, mediante também a visão positivista de que: Não há história sem documentos (SAMARAN, 1961 apud LE GOFF, 2003, p. 529), Não há notícia histórica sem documento e Pois, se dos fatos históricos não foram registrados documentos, ou gravados ou escritos, aqueles fatos perderam-se (LEFEBVRE, 1971 apud LE GOFF, 2003, p ). Apesar do documento ser entendido como uma importante prova de um fato, estudos feitos por teóricos contrários a esta visão positivista, ressaltam que o documento deve passar por uma avaliação, utilizando métodos de investigação científica para a comprovação dos fatos apresentados em seu conteúdo. Sobre estas importantes implicações, que Le Goff (2003, p. 537) descreve quais os cuidados que o historiador deve ter ao escolher documentos como fonte de informação em suas pesquisas: A intervenção do historiador que escolhe o documento, extraindo-o do conjunto dos dados do passado, preferindo-o a outros, atribuindo-lhe um valor de testemunho que, pelo menos em parte, depende da sua própria posição na sociedade da sua época e da sua organização mental, insere-se numa situação inicial que é ainda menos neutra do que a sua intervenção. O documento não é inoculo. É, antes de mais nada, o resultado de uma montagem, consciente ou inconsciente, da história, da época, da sociedade que o produziram, mas também das épocas sucessivas durante as quais continuou a viver, talvez esquecido, durante as quais continuou a viver, talvez esquecido, durante as quais continuou a ser manipulado, ainda em silêncio. O documento é uma coisa que fica, que dura, e o testemunho, o ensinamento... que ele traz devem ser em primeiro lugar analisados, desmistificando-lhe o seu significado aparente.

6 O documento é apresentado em diversos tipos de suporte, sendo assim, em sua forma ampliada ele pode ser: [...] documento escrito, ilustrado, transmitido pelo som, a imagem, ou qualquer outra maneira (SAMARAN, 1961 apud LE GOFF, 2003, p. 531). Por causa destes diferentes tipos de suporte e de sua finalidade, o documento encontra-se dividido em diversas categorias ou tipos. Dentre estes, será enfocado apenas os documentos históricos, que são [...] reproduções primárias utilizadas pelo pesquisador... são evidências do passado produzidas/utilizadas no momento em que o fato histórico que se está pesquisando ocorria (RODRIGUES, [200-], p.1). Estes documentos podem ser de natureza variada, como afirma ainda Rodrigues ([200-], p.1) ao exemplificar que podem ser [...] cartas, documentos registrados em cartórios, diários, objetos, edificações, testemunhos orais etc. Para Bellotto (2007) ao descrever o ciclo de vida dos documentos dentro do arquivo, ressalta que durante a segunda fase quando os documentos já ultrapassaram sua validade jurídico-administrativa e são destinados há um arquivo com documentos de outros órgãos para permanecerem um período de vinte anos, que ocorre o processo de análise feito por profissionais arquivistas, assessores de administração, juristas e historiadores que com auxílio da Tabela de Temporalidade, estabelecem critérios para a escolha daqueles documentos que serão de interesses à pesquisa histórica, sendo assim permanentes, e denominados documentos históricos. Os documentos históricos, por fazerem parte dos arquivos permanentes de instituições do Estado, possuem mais de 30 anos e devem ser guardados em locais que mantenham condições favoráveis a sua conservação. Pelo seu material ser de origem variada, já que podem ser fotografias ou outras imagens, objetos, manuscritos ou outros textos, pinturas, esculturas e etc., merecem um tratamento diferenciado, já que alguns materiais são mais suscetíveis a determinadas condições que outros. Diante desta especificidade, essas instituições desenvolvem uma política de conservação, preservação e manuseio que devem ser seguidas para evitar a deterioração destes documentos históricos. Os principais fatores responsáveis pelo desgaste deste tipo de documento, que é disponibilizado para diferentes usuários como investigadores, historiadores, estudantes ou outros leitores ocasionais, são fatores intrínsecos e extrínsecos. (LUCCAS, 1995) (FIGUEIREDO, 2005) Os fatores intrínsecos estão relacionados à composição do material, tais como: o tipo de colagem, tipo de fibra, resíduos químicos ou partículas metálicas.

7 Os fatores extrínsecos são ocasionados pelos agentes físicos e biológicos. Os agentes físicos englobam fatores relacionados à estrutura do prédio e sua ambientação. Dentre estes podemos destacar, conforme a visão de autores como Luccas (1995) e Figueiredo, que: Iluminação: por ser uma radiação ultravioleta oriunda da luz solar ou lâmpadas fluorescentes, ocasionam no material desintegração da celulose do papel, desvanecimento de tintas e pigmentos e alteração da cor com escurecimento ou amarelamento do material. Este fator por ser cumulativo e por não possuir uma iluminação ideal, utiliza-se para amenizar seus efeitos: acondicionamento protetor, filtros U.V. e medidas de redução da intensidade da luz (que deve ser fria e de baixa intensidade) em salas de leitura ou de consulta do material. (PROCEDIMENTOS, 2007). Temperatura: a temperatura ideal varia de 12 C e C para salas de reserva e consulta. As variações climáticas ocasionadas por este fator causam danos como a deterioração química dos materiais. As medidas adotadas para evitar os danos causados pela variação térmica é evitar flutuações nos valores da temperatura, mantendo portas e janelas fechadas e controlando constantemente o ar condicionado. Umidade: este fator quando atinge valores de 40% e 60%, respectivamente, observa-se que o papel torna-se quebradiço e há a proliferação de fungos. Desta forma, as recomendações são manter a umidade entre 45-55% e, em regiões úmidas, evitar abrir janelas em dias chuvosos, não deixar guarda-chuva molhado junto ao acervo, evitar plantas aquáticas, evitar infiltrações ou goteiras e arejar o ambiente com ventiladores. Nas regiões secas, devem-se utilizar plantas aquáticas e não abrir a janela em dias mais secos. Armazenamento: para armazenar o material, indica-se que o mobiliário deve ser de metal ou não eletromagnético em caso de materiais eletromagnéticos. Deve-se manter o lugar limpo e arejado para evitar a danificação do material. Poluição: deve ser contida através de filtros no ar condicionado e da limpeza regular de salas e depósitos através da utilização de produtos sem aditivos nocivos aos materiais. Ela consiste em partículas de poeira, microorganismos e substâncias químicas; Homem: o manuseio incorreto é uma das principais formas em que o homem danifica o material, por isso as medidas de orientação do usuário na utilização do material são importantes. Desta forma, orienta-se o usuário a: utilizar nas

8 anotações somente lápis ou lapiseiras, que devem ser aparados fora da sala de leitura para que as partículas de grafite não provoquem abrasão na superfície do papel; não utilizar borracha, já que as mesmas liberam resíduos ao apagar que podem permanecer no documento; não se apoiar ou colocar nada sobre o documento, pois pode ocasionar danos na superfície do material, como marcas; não escrever ou fazer copia sobre o documento, mas caso queira fazer cópia, deve solicitar uma película protetora que impeça o contato direto com o documento e o proteja contra marcas advindas da cópia direta de um desenho; consultar documentos de grande formato totalmente apoiado na vertical; ter muito cuidado na consulta do material para evitar rasgar, dobrar, machucar ou manchar as folhas do documento, por isso é necessário o uso da luva durante a consulta. Sinistros: os incêndios e desastres são imprevisíveis, mas podem ser evitados com a revisão de instalações elétricas, hidráulicas e evitar possíveis danos. Os agentes biológicos são os fungos, bactérias e insetos que podem causar aos documentos um grave grau de degradação, como a perca de folhas ou até do próprio documento como todo, pela decomposição do material pelos fungos ou bactérias, ou ainda a perca de pedaços que são ingeridos por certos insetos. Para evitar a proliferação destes agentes nos locais de guarda de documentos históricos, deve-se evitar a existência de jardins ou outro habitat próximo, que possa abrigar insetos que causem danos ao documento; evitar luzes exteriores que atraiam estes tipos de insetos; proporcionar condições ambientais que evitem a propagação destes agentes; inserir medidas de desinfestação ou dedetização em determinados períodos; e utilizar equipamentos como desumificador ou ar condicionado, sílica gel ou outros produtos como cânfora, louro, cravo e pimenta preta para afastar baratas e traças. 3 DIGITALIZAÇÃO DE DOCUMENTOS HISTÓRICOS Os documentos históricos, como foi possível perceber no tópico anterior, passam por condições adversas que aceleram seu processo de desgaste. Dentre estes, o homem certamente é um dos maiores responsáveis por esta degradação, principalmente porque nem sempre tem o cuidado no manuseio deste tipo de documento.

9 Outro importante fator que a digitalização vem atuando de forma positiva, no que se refere à documentação histórica, é na disseminação da informação que estes tipos de documento contêm, proporcionando assim através deste processo que várias pessoas tenham acesso a este documento sem que este sofra nenhum dano por causa do grande volume de pessoas que venham a utilizá-lo. A digitalização de documentos históricos tem sido uma ferramenta tecnológica adquirida por muitos arquivos, museus e bibliotecas que compreendem a importância cultural, histórica, científica e social que seus documentos desempenham na sociedade. Desta forma, utilizando processos que vão dos mais simples, como a microfilmagem, até os mais complexos, como a criação de uma base de dados ou um sistema de gerenciamento eletrônico de documentos, que estas unidades de preservação do patrimônio histórico cultural e da memória de um povo, vêm possibilitando acesso e preservação destes documentos, como ressalta Andrade et al. (2003, p. 2) ao dizer que: A tecnologia digital permite aos Arquivos Públicos enfrentar o desafio entre conservação e acesso. Métodos, ferramentas e tecnologias avançadas no campo da digitalização, armazenamento, recuperação e apresentação de imagens e outros tipos de documentos históricos estão atualmente a disposição das instituições responsáveis pela preservação da memória. As tecnologias, que estão voltadas para atender estas importantes necessidades nestes locais de guarda, buscam aperfeiçoar o trabalho realizado e oferecido por estes. Desta forma, as técnicas e tecnologias que estão sendo utilizada por eles são a microfilmagem, a digitalização, o sistema de gerenciamento eletrônico de documentos e outros sistemas automatizados. A microfilmagem é um dos processos mais utilizados em arquivos e museus. Ele consiste em reproduzir documentos para sua preservação (ANTUNES, 1996 apud ANDRADE, 1999) de forma a reduzir seu tamanho, através da sua transformação em microformas, que são imagens fotográficas do documento. Existe uma variedade de microformas como, por exemplo, cartão-janela, cartuchos e magazines, cassete, jaqueta, microficha atualizável e ultraficha, que só podem ser visualizadas com o auxílio de um aparelho leitor. O processo de transformação do documento em microformas envolve: a preparação do documento, a microfilmagem, o processamento, a inspeção dos microfilmes, a duplicação e distribuição das microformas e seu armazenamento e conservação. As vantagens de utilizar este processo são a possibilidade de assegurar em caso incêndios, inundações, roubo ou outros fatores intrínsecos e extrínsecos a preservação das

10 informações. Além de também, facilitar o acesso de documentos raros, dificultar a ação de falsificadores, poder ser conectado a sistemas como C.O.M. e o C.I.M e favorecer o sigilo das informações. Dentre as desvantagens, temos o alto custo dos materiais e equipamentos, o documento perde seu valor intrínseco e nem sempre é possível termos uma imagem bem legível do deste material. Em relação a questões da microfilmagem internacional, Bellotto (2007, p. 281) ao citar uma situação em que dois países que mantinham uma relação colonial em uma determinada época, e que precisavam compartilhar documentos históricos explicadores de características importantes durante este fato histórico, ressalta que em alguns países a política de microfilmagem nem sempre é liberal, e apresentam uma política restritiva baseada em metodologias e técnicas em que: a pesquisa histórica não se faz unicamente com o auxílio dos microfilmes; é preciso que o pesquisador tenha contato direto com os documentos;..., o pesquisador deve fazer, ele mesmo, a seleção das fontes que lhe são úteis, e só estas devem ser reproduzidas; mesmo que se possa microfilmar tudo, o benefício não será grande: a manipulação de microfilmes é incomparavelmente mais penosa do que a de documentos;[...] a dispersão maciça de microfilmes tornaria impraticável o controle de sua utilização, e é fundamental que toda cessão ou reprodução de microfilmes seja autorizada pela direção do arquivo que tem a custodia das peças originais. O processo de digitalização, que envolve a reprodução eletrônica em disco ou outro suporte que tenha alta densidade e que permita a visualização do documento em outro terminal, ou até mesmo a sua impressão em papel, é uma técnica que permite que documentos em vários formatos (voz, texto e imagens) possam ser disponibilizados para diferentes usuários, que necessitam de determinadas informações em suas pesquisas. A vantagem de escolher este processo está na redução de custos com cópias ou o acesso rápido e preciso aos documentos que são disponibilizados em rede, e nas ilimitadas possibilidades para a indexação e localização destes documentos. Este processo exige um planejamento prévio para que sejam relacionados os custos que variam conforme o tamanho e o tipo de documento, os níveis de indexação, softwares e hardwares envolvidos, resolução da imagem, configurações do scanner, sistema operacional e a quantidade de funcionários que farão a digitalização. As etapas deste processo consistem na preparação do documento, em que há a remoção manual da encadernação e a sua restauração (caso seja necessário); a digitalização e o scanner, que consiste no ajuste do scanner de acordo com o tamanho ou coloração do documento; indexação, onde ocorre a

11 nomeação do documento para que este possa ser recuperado; e o controle de qualidade ou inspeção das imagens. O sistema de Gerenciamento Eletrônico de Documentos (GED) permite não só armazenar arquivos eletrônicos, mas também gerenciá-los e torná-los acessíveis de forma controlada ao usuário. O processo de transferência da digitalização para a implantação do GED consiste no scanneamento com o reconhecimento de textos e manuscritos (OCR Reconhecimento Óptico de Caracteres e ICR Reconhecimento Inteligente de Caracteres), e na transformação em formatos de arquivos que podem ser abertos em qualquer computador com o programa Acrobat Reader ou TIFF (Tagged Image File Format), um padrão de arquivo de imagem com elevado padrão de cores. A funcionalidade deste sistema permite um controle de acesso através da criação de diferentes usuários com perfis associados e cadastrados. Esta medida permite a restrição de informações ou acesso a determinados campos de acordo com o tipo de usuário. Além disso, este sistema permite um rastreamento do usuário e do documento. A vantagem de utilizar o GED está na facilidade de recuperação da informação, possibilidade de acesso a mais de um usuário e na segurança adquirida em manter cópias de segurança. Suas desvantagens estão nos custos com equipamentos e softwares e na inexistência de um valor jurídico que ainda remete a questões da veracidade da informação disponibilizada em meio eletrônico. 4 CONCLUSÃO A documentação histórica apresenta uma importância inerente da necessidade de pesquisar e se informar acerca de fatos que em uma determinada época não tinham um valor histórico para a sociedade, sendo desta forma, considerado apenas de valor funcional ou administrativo, no caso de documentos gerados de atividades administrativas. A possibilidade de tornar estes documentos, que no início da História moderna foram determinados como fontes essenciais para as pesquisas históricas, superando inclusive o monumento, como ressalta Le Goff (2003), em documentos eletrônicos que podem ser consultados e até baixados em programas no formato PDF, inclusive da própria residência do usuário, é uma realidade cada vez mais constante para arquivos, museus e bibliotecas que tentam através da utilização destes recursos, democratizar o acesso aos documentos históricos

12 e preservar seu material de um constante manuseio que nem sempre, apesar das medidas de conscientização, são feitos de forma incorreta. Desta forma, é possível perceber que é notável a necessidade de mais instituições de guarda destes materiais também adotarem alguns destes processos ou investirem no desenvolvimento de outros sistemas que se adéquem a necessidade de cada uma destas instituições, para garantir o respeito as política e a integridade do material e do local de guarda. Por tanto é necessário que arquivistas, bibliotecários e museólogos busquem novas alternativas que tornem seus acervos contribuintes nos estudos históricos, científicos, econômicos, sociais e políticos, que são tão importantes no desenvolvimento de teorias que permitam o entendimento da sociedade e suas relações ao longo do tempo. Além disso, é necessário manter viva a memória coletiva e individual para que o esquecimento por meio da destruição das informações registradas nestes documentos, não gere lacunas na história por falta de fonte de pesquisas precisas para o entendimento de determinados fatos. Digitizing historic documents: an alternative for the preservation and dissemination of memory and cultural heritage ABSTRACT The use of digitizing in the preservation of historical documents. Presents the main factors of degradation of historical documents as well as scanning have helped to prevent loss of information contained in these documents, which largely represent the memory and cultural heritage, given the importance that these documents have the understanding of historical facts our society. Describes the mechanisms and methods used by archives and museums in this type of document digitization and dissemination of the information contained therein, in addition to emphasizing the benefits and limitations of some programs and equipment used in this process. Relates the importance of holding units of historical documents adopt new technologies to foster the development of further studies aimed at understanding and improving the knowledge one has of the man and the relations that remained to settle in present day society through the dissemination of information contained in these documents electronically. Keywords: Scanning documents. Historical documents. Preservation of documents.

13 REFERÊNCIAS AMARAL, Erenilda Custodio dos Santos; FERREIRA, Suzana Ramos. A preservação da memória de Jorge Amado: a experiência da Fundação Casa de Jorge Amado. In: ENCONTRO NACIONAL DE CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO, 5, 2004, Salvador. Anais... Salvador: UFBA, Disponível em: <http://www.cinform.ufba.br/v_anais/artigos/erenilda.html>. Acesso em: 30 mar ANDRADE, Nelson Spangler de et al. Gestão documental nas instituições arquivísticas: a preservação da memória. São Paulo, Infoimagem, Disponível em: <laplace.dcc.ufmg.br/npdi/modules/news1/visit.php?fileid=26>. Acesso em: 26 dez ANDRADE, A. C. N. de. Microfilmagem ou digitalização? O problema da escolha certa. In: SILVA, Z. L (Org.). da. Arquivos, Patrimônios e Memória: trajetória e perspectivas. São Paulo: UNESP, LUCCAS, Lucy; SERIPIERRI, Dione. Conservar para não restaurar: uma proposta para preservação de documentos em bibliotecas. Brasília: Thesaurus, BELLOTTO, Heloísa Liberalli. Arquivos permanentes: tratamento documental. 4. ed. Rio de Janeiro: FGV, FIGUEIREDO, Teresa Catarina Teixeira. Regras básicas para a consulta e manuseamento de documentação histórica. Lisboa: Direção Geral de Arquivos, Disponível em: < Acesso em: 26 dez LE GOFF, Jacques. História e memória. 5. ed. Tradução de Irene Ferreira, Bernardo Leitão e Suzana Ferreira Borges. Campinas: Unicamp, MAIA, Felícia Assimar. Direito à memória: o patrimônio histórico, artístico e cultural e o poder econômico, Movendo Idéias, Belém, v.8, n.13, p.39-42, jun Disponível em: <http://www.nead.unama.br/site/bibdigital/pdf/artigos_revistas/214.pdf.>. Acesso em: 30 mar PAES, Marilena Leite. Arquivo: teoria e prática. 3. ed. Rio de Janeiro: FGV, PATRIMÔNIO material. [S.l.:s.n.]: [200-]. Disponível em:< Acesso em: 30 mar PATRIMÔNIO imaterial. [S.l.:s.n.]: [200-]. Disponível em:< Acesso em: 30 mar PROCEDIMENTOS básicos de preservação/conservação preventiva de documentos gráficos. [S.l.: s.n.], Disponível em: < Acesso em: 30 mar

14 ROGRIGUES, Maria Rocha. O uso de documentos históricos em sala de aula. [S.l.:s.n.], [200-]. Disponível em: <www.vila.com.br/refle_pedag/maria_cs.pdf>. Acesso em: 19 out SILVA, Fernando Teixeira da. Nem Crematório de fontes, nem museu de curiosidades: por que preservar os documentos da Justiça do Trabalho. In: BIAVASCHI, Magda Barros; LÜBBE, Anita; MIRANDA, Maria Guilhermina. Memória e Preservação de Documentos: direitos do cidadão. São Paulo: LTR, 2007 SOUSA, Rainer. Patrimônio histórico cultural. [S.l.:s.n.], c2009. Disponível em: <http://www.brasilescola.com/curiosidades/patrimonio-historico-cultural.htm.>. Acesso em: 30 mar UNESCO. Convenção para a salvaguarda do património cultural imaterial. Paris, Disponível em: <http://www.unesco.org/culture/ich/doc/src/00009-pt-portugal-pdf.pdf>. Acesso em: 30 mar

Escola Secundaria de Paços de Ferreira. Microfilmagem. Trabalho realizado por: Tânia leão nº19n Tânia Carneiro nº n 20

Escola Secundaria de Paços de Ferreira. Microfilmagem. Trabalho realizado por: Tânia leão nº19n Tânia Carneiro nº n 20 Escola Secundaria de Paços de Ferreira Microfilmagem Trabalho realizado por: Tânia leão nº19n Tânia Carneiro nº n 20 Microfilmagem Protecção de imagens fotográficas ficas de um documento, em tamanho altamente

Leia mais

GESTÃO DE DOCUMENTOS: ASPECTOS LEGAIS E PRÁTICOS GESTÃO DE ARQUIVOS HOSPITALARES REPOSITÓRIOS DIGITAIS CONFIÁVEIS PARA DOCUMENTOS ARQUIVISTICOS

GESTÃO DE DOCUMENTOS: ASPECTOS LEGAIS E PRÁTICOS GESTÃO DE ARQUIVOS HOSPITALARES REPOSITÓRIOS DIGITAIS CONFIÁVEIS PARA DOCUMENTOS ARQUIVISTICOS GESTÃO DE DOCUMENTOS: ASPECTOS LEGAIS E PRÁTICOS GESTÃO DE ARQUIVOS HOSPITALARES INTRODUÇÃO AO MODELO DE REQUISITOS PARA SISTEMAS INFORMATIZADOS DE GESTÃO ARQUIVÍSTICA DE DOCUMENTOS E-ARQ BRASIL REPOSITÓRIOS

Leia mais

Universidade de Brasília. Departamento de Ciência da Informação e Documentação

Universidade de Brasília. Departamento de Ciência da Informação e Documentação Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.: Lillian Alvares Aspectos Gerais O uso da tecnologia digital traz grandes perspectivas de trabalho para os arquivos

Leia mais

GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE GED. MÁJORY MIRANDA majory.oliv@ufpe.br. VILDEANE BORBA vildeane.borba@gmail.com

GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE GED. MÁJORY MIRANDA majory.oliv@ufpe.br. VILDEANE BORBA vildeane.borba@gmail.com UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE ARTES E COMUNICAÇÃO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO CURSO DE GESTÃO DA INFORMAÇÃO GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE DOCUMENTOS GED MÁJORY MIRANDA majory.oliv@ufpe.br

Leia mais

Capacitações em Gestão Documental

Capacitações em Gestão Documental Capacitações em Gestão Documental Responde por este documento: Blenda de Campos Rodrigues, Dra. Sócia diretora da Anima Ensino Mídia e Conhecimento blenda.campos@animaensino.com.br 48.2107.2722 Conteúdo

Leia mais

ARQUIVOLOGIA - TIPOLOGIAS DOCUMENTAIS E SUPORTES FÍSICOS. Prof. Antonio Victor Botão

ARQUIVOLOGIA - TIPOLOGIAS DOCUMENTAIS E SUPORTES FÍSICOS. Prof. Antonio Victor Botão ARQUIVOLOGIA - TIPOLOGIAS DOCUMENTAIS E SUPORTES FÍSICOS Prof. Antonio Victor Botão TÉCNICAS MODERNAS DE ARQUIVAMENTO Anteriormente tratamento somente de suporte papel em arquivos, os materiais especiais

Leia mais

Software. Bem vindo ao mundo do GED e Tecnologias Digitais. Gerenciamento Eletrônico de Documentos, Softwares, e muito mais...

Software. Bem vindo ao mundo do GED e Tecnologias Digitais. Gerenciamento Eletrônico de Documentos, Softwares, e muito mais... Software www.imagecomnet.com.br Bem vindo ao mundo do GED e Tecnologias Digitais Gerenciamento Eletrônico de Documentos, Softwares, e muito mais... A Empresa A Imagecom, uma empresa conceituada no ramo

Leia mais

EMENTÁRIO DE COMPONENTES CURRICULARES

EMENTÁRIO DE COMPONENTES CURRICULARES Disciplinas obrigatórias: ICIA39 Administração de Unidades de Básica EMENTA: Conceitos de informação e gestão de organizações. Qualidade e competitividade (noções). Estudo de serviços de informação em

Leia mais

A seguir, serão abordadas as idades dos documentos, no que se refere a bibliografias indicadas para concursos públicos.

A seguir, serão abordadas as idades dos documentos, no que se refere a bibliografias indicadas para concursos públicos. Idade dos arquivos Fabrício Mariano A classificação das idades dos arquivos varia de autor para autor, pois cada uma tem origem em um país diferente ou é influenciada em maior ou menor grau por uma cultura

Leia mais

PRESERVAÇÃO DA MEMÓRIA E ORGANIZAÇÃO DO ACERVO DO PATRONATO AGRÍCOLA VIDAL DE NEGREIROS DA CIDADE DE BANANEIRAS

PRESERVAÇÃO DA MEMÓRIA E ORGANIZAÇÃO DO ACERVO DO PATRONATO AGRÍCOLA VIDAL DE NEGREIROS DA CIDADE DE BANANEIRAS PRESERVAÇÃO DA MEMÓRIA E ORGANIZAÇÃO DO ACERVO DO PATRONATO AGRÍCOLA VIDAL DE NEGREIROS DA CIDADE DE BANANEIRAS BATISTA¹, Paloma Priscila Bispo, Centro de Ciências Humanas, Sociais e Agrárias-PROBEX 2013

Leia mais

O que é GED GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE DOCUMENTOS (GED)

O que é GED GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE DOCUMENTOS (GED) Automação em Arquivos GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE DOCUMENTOS (GED) O que é GED GED é a tecnologia que provê um meio de facilmente armazenar, localizar e recuperar informações existentes em documentos e

Leia mais

Sistemas informatizados para a guarda do prontuário médico - Resolução: 1639 de 10/7/2002

Sistemas informatizados para a guarda do prontuário médico - Resolução: 1639 de 10/7/2002 Sistemas informatizados para a guarda do prontuário médico - Resolução: 1639 de 10/7/2002 Ementa: Aprova as "Normas Técnicas para o Uso de Sistemas Informatizados para a Guarda e Manuseio do Prontuário

Leia mais

Gerenciamento Total da Informação

Gerenciamento Total da Informação RESOLUÇÃO CFM nº 1.639/2002 Aprova as "Normas Técnicas para o Uso de Sistemas Informatizados para a Guarda e Manuseio do Prontuário Médico", dispõe sobre tempo de guarda dos prontuários, estabelece critérios

Leia mais

Preservação Documental

Preservação Documental Preservação Documental O acesso e a preservação são duas funções vitais dos Centros de Documentação, mas muitas vezes são antagônicas. A primeira, entendida aqui como a possibilidade de consulta, como

Leia mais

Curso II. Portaria nº 1.224, 18.12.2013. Orientações sobre as normas de manutenção e guarda do acervo acadêmico das instituições de educação superior.

Curso II. Portaria nº 1.224, 18.12.2013. Orientações sobre as normas de manutenção e guarda do acervo acadêmico das instituições de educação superior. Curso II Portaria nº 1.224, 18.12.2013. Orientações sobre as normas de manutenção e guarda do acervo acadêmico das instituições de educação superior. KRÜGER, M.H. MAIO/2014. Portaria nº 1.224, 18.12.2013.

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO Segepres/ISC/Cedoc Serviço de Gestão Documental

TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO Segepres/ISC/Cedoc Serviço de Gestão Documental TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO Segepres/ISC/Cedoc Serviço de Gestão Documental MANUAL DE TRATAMENTO E GUARDA DE DOCUMENTOS ESPECIAIS AVULSOS Setembro/2013 1 PROCEDIMENTOS DE RECEBIMENTO E GUARDA DE DOCUMENTOS

Leia mais

Sociedade do Conhecimento

Sociedade do Conhecimento Gerenciamento (Gestão) Eletrônico de Documentos GED Introdução Gerenciamento Eletrônico de Documentos - GED Sociedade do Conhecimento Nunca se produziu tanto documento e se precisou de tanta velocidade

Leia mais

RESOLUÇÃO 01/2015 - CONSELHO DEPARTAMENTAL

RESOLUÇÃO 01/2015 - CONSELHO DEPARTAMENTAL RESOLUÇÃO 01/2015 - CONSELHO DEPARTAMENTAL Regulamenta a digitalização do Acervo Documental da Faculdade de Direito do Recife. O Conselho Departamental do Centro de Ciências Jurídicas da Universidade Federal

Leia mais

PROJETO PARA INSTALAÇÃO DE LABORATÓRIO DE DIGITALIZAÇÃO E GESTÃO DE REPOSITÓRIOS DE DOCUMENTOS ARQUIVÍSITCOS DIGITAIS AUTÊNTICOS

PROJETO PARA INSTALAÇÃO DE LABORATÓRIO DE DIGITALIZAÇÃO E GESTÃO DE REPOSITÓRIOS DE DOCUMENTOS ARQUIVÍSITCOS DIGITAIS AUTÊNTICOS ARQUIVO CENTRAL DO SISTEMA DE ARQUIVOS PROJETO PARA INSTALAÇÃO DE LABORATÓRIO DE DIGITALIZAÇÃO E GESTÃO DE REPOSITÓRIOS DE DOCUMENTOS ARQUIVÍSITCOS DIGITAIS AUTÊNTICOS 2011 PROJETO PARA INSTALAÇÃO DE LABORATÓRIO

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS AULA 11

LISTA DE EXERCÍCIOS AULA 11 LISTA DE EXERCÍCIOS AULA 11 1. (CESPE / TRE GO / 2009 - adaptada) A teoria das três idades é aquela que afirma que os documentos passam por diferentes fases, determinadas, por um lado, pela frequência

Leia mais

CENTRO DE DOCUMENTAÇÃO E MEMÓRIA DA MOGIANA Gestão de riscos

CENTRO DE DOCUMENTAÇÃO E MEMÓRIA DA MOGIANA Gestão de riscos CENTRO DE DOCUMENTAÇÃO E MEMÓRIA DA MOGIANA Gestão de riscos Setembro de 2011: os grupos CID e Física relizaram o curso de gerenciamento de riscos A formulação de um programa eficaz de preservação documental

Leia mais

ACERVOS FOTOGRÁFICOS HISTÓRICOS. Organização, Pesquisa e Usos de Documentos Visuais. Aline Lopes de Lacerda alopeslacerda@gmail.

ACERVOS FOTOGRÁFICOS HISTÓRICOS. Organização, Pesquisa e Usos de Documentos Visuais. Aline Lopes de Lacerda alopeslacerda@gmail. ACERVOS FOTOGRÁFICOS HISTÓRICOS Organização, Pesquisa e Usos de Documentos Visuais Aline Lopes de Lacerda alopeslacerda@gmail.com Parte I - Fotografia e valor documentário Parte II - A fotografia nos arquivos:

Leia mais

Soluções Inteligentes

Soluções Inteligentes Soluções Inteligentes APRESENTAÇÃO A TOPO INTELLIGENCE iniciou suas atividades na cidade de Barreiras em 2008, oferecendo a mais completa solução em gerenciamento de informações para atender todos os segmentos.

Leia mais

Questões comentadas de Arquivologia para concursos

Questões comentadas de Arquivologia para concursos 580 Questões Comentadas de Apostila amostra Para adquirir a apostila de 580 Questões Comentadas de Arquivologia Para Concursos acesse o site: www.odiferencialconcursos.com.br SUMÁRIO Apresentação...2 Conceitos

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO ARQUIVO PÚBLICO MUNICIPAL DE BAGÉ

REGIMENTO INTERNO DO ARQUIVO PÚBLICO MUNICIPAL DE BAGÉ REGIMENTO INTERNO DO ARQUIVO PÚBLICO MUNICIPAL DE BAGÉ Art. 1 - O Arquivo Público Municipal de Bagé, criado pela lei nº 3.399/97, de julho/97 alterado e complementado pelas leis 3.817/2001 e 3.935/2002,

Leia mais

CADERNOS DE SOCIOMUSEOLOGIA Nº 15-1999 5

CADERNOS DE SOCIOMUSEOLOGIA Nº 15-1999 5 CADERNOS DE SOCIOMUSEOLOGIA Nº 15-1999 5 APRESENTAÇÃO. O presente número dos Cadernos de Sociomuseologia, reúne um conjunto de documentos sobre museologia e património que se encontram dispersos e muitas

Leia mais

GESTÃO DE PESSOAS & RECURSOS HUMANOS IPEA, 21 de MAIO de 2014 - EXTRA Nº 05 INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA

GESTÃO DE PESSOAS & RECURSOS HUMANOS IPEA, 21 de MAIO de 2014 - EXTRA Nº 05 INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA Boletim GESTÃO DE PESSOAS & RECURSOS HUMANOS IPEA, 21 de MAIO de 2014 - EXTRA Nº 05 INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA PORTARIA nº 078, DE 20 DE MAIO DE 2014. Institui a sala de pesquisa em dados

Leia mais

Microfilmagem. Universidade de Brasília

Microfilmagem. Universidade de Brasília Universidade de Brasília Faculdade d de Economia, Administração, i Contabilidade d e Ciência i da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Informação e Documentação Disciplina: Conservação

Leia mais

PORTFÓLIO www.imatec.com.br

PORTFÓLIO www.imatec.com.br História A IMATEC foi estabelecida em 1993 com o objetivo de atuar nos segmentos de microfilmagem, digitalização e guarda de documentos e informações, hoje conta com 300 colaboradores, têm em seu quadro,

Leia mais

Gerenciamento Eletrônico de Documentos AMBIENTE GED. Preparação de documentos

Gerenciamento Eletrônico de Documentos AMBIENTE GED. Preparação de documentos Gerenciamento Eletrônico de Documentos AMBIENTE GED Preparação de documentos 1 Preparação de Documentos Quais documentos digitalizar? Eliminação: remoção e destruição de duplicatas, materiais sem importância

Leia mais

PORTARIA Nº 412, DE 5 DE SETEMBRO DE 2012

PORTARIA Nº 412, DE 5 DE SETEMBRO DE 2012 PORTARIA Nº 412, DE 5 DE SETEMBRO DE 2012 Estabelece diretrizes para a implementação da política de Gestão da Informação Corporativa no âmbito do Ministério da Previdência Social e de suas entidades vinculadas

Leia mais

Para que um sistema de arquivos seja considerado completo é necessário que ele comporte três fases distintas definidas como:

Para que um sistema de arquivos seja considerado completo é necessário que ele comporte três fases distintas definidas como: Manual de Arquivo IINTRODUÇÃO A elaboração do presente manual de arquivo tem como objetivo disponibilizar um instrumento de auxílio aos usuários dos arquivos setoriais, intermediário e permanente que integram

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Acerca dos princípios e conceitos arquivísticos, julgue os itens que Julgue os itens seguintes, que versam acerca das normas nacionais se seguem. e internacionais de arquivo.

Leia mais

Regras básicas para a consulta e manuseamento de documentação histórica

Regras básicas para a consulta e manuseamento de documentação histórica Regras básicas para a consulta e manuseamento de documentação Todos temos a responsabilidade e o dever de preservar a documentação que se encontra à guarda desta Instituição. É com prazer que a disponibilizamos

Leia mais

O ciclo de vida Simone de Abreu

O ciclo de vida Simone de Abreu O ciclo de vida Simone de Abreu A documentação eletrônica em números: estimativas apontam para um mercado de aproximadamente US$ 600 milhões em Hardware, Software e Serviços, ou seja, mais de 12 bilhões

Leia mais

O PaperPort 12 Special Edition (SE) possui uma grande variedade de novos e valiosos recursos que ajudam a gerenciar seus documentos.

O PaperPort 12 Special Edition (SE) possui uma grande variedade de novos e valiosos recursos que ajudam a gerenciar seus documentos. Bem-vindo! O Nuance PaperPort é um pacote de aplicativos para gerenciamento de documentos da área de trabalho que ajuda o usuário a digitalizar, organizar, acessar, compartilhar e gerenciar documentos

Leia mais

Tecnologia da Informação Aplicada a Gerenciamento de Acervo Documental Histórico

Tecnologia da Informação Aplicada a Gerenciamento de Acervo Documental Histórico Tecnologia da Informação Aplicada a Gerenciamento de Acervo Documental Histórico Kayo Delgado Medeiros de Almeida¹, Elon Gomes Vieira 2, Carlos Vitor de Alencar Carvalho 3, Magno Fonseca Borges 4, José

Leia mais

Patrocínio Institucional Parceria Apoio

Patrocínio Institucional Parceria Apoio Patrocínio Institucional Parceria Apoio InfoReggae - Edição 79 Memória Institucional - Documentação 17 de abril de 2015 O Grupo AfroReggae é uma organização que luta pela transformação social e, através

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 555 DE 30 DE NOVEMBRO DE 2011

RESOLUÇÃO Nº 555 DE 30 DE NOVEMBRO DE 2011 RESOLUÇÃO Nº 555 DE 30 DE NOVEMBRO DE 2011 Ementa: Regulamenta o registro, a guarda e o manuseio de informações resultantes da prática da assistência farmacêutica nos serviços de saúde. O Conselho Federal

Leia mais

Definições. Órgãos de Documentação. Classificação dos Arquivos. Quanto à Abrangência

Definições. Órgãos de Documentação. Classificação dos Arquivos. Quanto à Abrangência Definições Informação: Produto de um documento. Documento: Tudo aquilo que pode transmitir uma idéia, pensamento ou acontecimento, ou seja, uma informação. Arquivo: Lugar onde se guardam os documentos

Leia mais

RESOLUÇÃO CFM Nº 1.821/07

RESOLUÇÃO CFM Nº 1.821/07 RESOLUÇÃO CFM Nº 1.821/07 (Publicada no D.O.U. de 23 nov. 2007, Seção I, pg. 252) Aprova as normas técnicas concernentes à digitalização e uso dos sistemas informatizados para a guarda e manuseio dos documentos

Leia mais

CORREÇÂO - ESAF Concurso Público: Assistente Técnico-Administrativo - ATA - 2012 Provas 1 e 2 Gabarito 1 ARQUIVOLOGIA PROF.

CORREÇÂO - ESAF Concurso Público: Assistente Técnico-Administrativo - ATA - 2012 Provas 1 e 2 Gabarito 1 ARQUIVOLOGIA PROF. CORREÇÂO - ESAF Concurso Público: Assistente Técnico-Administrativo - ATA - 2012 Provas 1 e 2 Gabarito 1 ARQUIVOLOGIA PROF. RODRIGO BARBATI ARQUIVOLOGIA 21- São gêneros documentais encontrados nos arquivos,exceto:

Leia mais

Educação a Distância: Limites e Possibilidades

Educação a Distância: Limites e Possibilidades Educação a Distância: Limites e Possibilidades Bernardo de Azevedo Ramos Brillian Aquino Fernandes Lucas Fernandes Barbosa Rafael Castro e Abrantes RESUMO: O trabalho tem como meta avaliar a Educação a

Leia mais

UM ESTUDO DE CASO SOBRE A INDEXAÇÃO AUTOMÁTICA DE DOCUMENTOS OFICIAIS DA UENP BASEADO EM LAYOUTS

UM ESTUDO DE CASO SOBRE A INDEXAÇÃO AUTOMÁTICA DE DOCUMENTOS OFICIAIS DA UENP BASEADO EM LAYOUTS UM ESTUDO DE CASO SOBRE A INDEXAÇÃO AUTOMÁTICA DE DOCUMENTOS OFICIAIS DA UENP BASEADO EM LAYOUTS Alexia Guilherme Bianque (PIBIC/CNPq), Ederson Marco Sgarbi (Orientador), a.g.bianque10@gmail.com.br Universidade

Leia mais

Indicadores de qualidade em Bibliotecas Universitárias como torná-las bem sucedidas

Indicadores de qualidade em Bibliotecas Universitárias como torná-las bem sucedidas Indicadores de qualidade em Bibliotecas Universitárias como torná-las bem sucedidas Ligia Scrivano Paixão Diretora do Sistema de Bibliotecas e coordenadora do curso de Biblioteconomia da Universidade Santa

Leia mais

RESOLUÇÃO CFM Nº 1.821/07 (Publicada no D.O.U. de 23 nov. 2007, Seção I, pg. 252)

RESOLUÇÃO CFM Nº 1.821/07 (Publicada no D.O.U. de 23 nov. 2007, Seção I, pg. 252) RESOLUÇÃO CFM Nº 1.821/07 (Publicada no D.O.U. de 23 nov. 2007, Seção I, pg. 252) Aprova as normas técnicas concernentes à digitalização e uso dos sistemas informatizados para a guarda e manuseio dos documentos

Leia mais

O ARQUIVO E A GESTÃO DOCUMENTAL

O ARQUIVO E A GESTÃO DOCUMENTAL O ARQUIVO E A GESTÃO DOCUMENTAL Edna Maria da Silva Matte 1 ; Graziela Boreck Rosa 2 ; Josilda Rodrigues Souza 3 ; Marcia Correia de Souza 4 ; Marizete Aparecida Schulz de Souza5 Agente Universitária vinculada

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

QUEM SOMOS? www.imagelh.com.br Rua José Bonifácio, 466 Vila Planalto. Campo Grande/MS CEP 79009-010 Fone/Fax: (67)3324-6500

QUEM SOMOS? www.imagelh.com.br Rua José Bonifácio, 466 Vila Planalto. Campo Grande/MS CEP 79009-010 Fone/Fax: (67)3324-6500 QUEM SOMOS? "A Image LH é uma empresa prestadora de serviços com mais de quinze anos no mercado atendendo instituições financeiras, com sede em Campo Grande MS e filial em Porto Alegre RS. Atua no ramo

Leia mais

As práticas do historiador: experiências do Laboratório de Documentação do Curso de História da Universidade Cruzeiro do Sul UNICSUL

As práticas do historiador: experiências do Laboratório de Documentação do Curso de História da Universidade Cruzeiro do Sul UNICSUL As práticas do historiador: experiências do Laboratório de Documentação do Curso de História da Universidade Cruzeiro do Sul UNICSUL Profa. Dra. Ana Barbara A. Pederiva Professora da Universidade Cruzeiro

Leia mais

Padrão de Desempenho 8:

Padrão de Desempenho 8: Visão Geral dos Padrões de Desempenho sobre Sustentabilidade Socioambiental 1. A Estrutura de Sustentabilidade da IFC articula o compromisso estratégico da Corporação com o desenvolvimento sustentável

Leia mais

GRUPO XV GRUPO DE ESTUDO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA, PESQUISA E DESENVOLVIMENTO GPD GESTÃO DOCUMENTAL NA COPEL

GRUPO XV GRUPO DE ESTUDO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA, PESQUISA E DESENVOLVIMENTO GPD GESTÃO DOCUMENTAL NA COPEL SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GPD - 23 16 a 21 Outubro de 2005 Curitiba - Paraná GRUPO XV GRUPO DE ESTUDO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA, PESQUISA E DESENVOLVIMENTO GPD

Leia mais

Documentação técnica e material arquivístico. Documentação técnica. Documentação natural. Fabrício Mariano

Documentação técnica e material arquivístico. Documentação técnica. Documentação natural. Fabrício Mariano Documentação técnica e material arquivístico Documentação técnica Fabrício Mariano Um documento é uma unidade de registro de informações, independente do suporte utilizado, sendo o suporte o material no

Leia mais

O Congresso Nacional decreta:

O Congresso Nacional decreta: Projeto de Lei n de 2002 Do Sr. Deputado José Carlos Coutinho Confere valor jurídico à digitalização de documentos, e dá outras providências. O Congresso Nacional decreta: Art.1º Fica autorizado, em todo

Leia mais

PRESERVAÇÃO DA MEMÓRIA E DO PATRIMONIO DOCUMENTAL: AUTOS CIVEIS DA COMARCA DE CAMPO MOURÃO (1963-1965)

PRESERVAÇÃO DA MEMÓRIA E DO PATRIMONIO DOCUMENTAL: AUTOS CIVEIS DA COMARCA DE CAMPO MOURÃO (1963-1965) PRESERVAÇÃO DA MEMÓRIA E DO PATRIMONIO DOCUMENTAL: AUTOS CIVEIS DA COMARCA DE CAMPO MOURÃO (1963-1965) 1. Introdução Paula Évile Cardoso IC-Fecilcam/Fundação Araucária, Pedagogia, Fecilcam, paulaevile@gmail.com

Leia mais

Gestão eletrônica do cadastro de corretora de valores

Gestão eletrônica do cadastro de corretora de valores Gestão eletrônica do cadastro de corretora de valores 1. INTRODUÇÃO As corretoras de valores devem armazenar todos os documentos cadastrais de seus clientes para ter acesso a esse material quando necessário.

Leia mais

Programa Museu na Escola PREMISSAS INTRODUÇÃO

Programa Museu na Escola PREMISSAS INTRODUÇÃO O Programa Museu na Escola é uma iniciativa do Museu da Família no sentido de promover processos museológicos em escolas e outras instituições de ensino visando à preservação da memória e a educação patrimonial.

Leia mais

Arquivo Contemporâneo. do Ministério das Finanças. Regulamento

Arquivo Contemporâneo. do Ministério das Finanças. Regulamento Arquivo Contemporâneo do Ministério das Finanças Regulamento Novembro 2011 Capítulo I Disposições Gerais Pelo presente regulamento são estabelecidos os princípios e normas aplicáveis ao Arquivo Contemporâneo

Leia mais

Sphinx Scanner Informações gerais V 5.1.0.8

Sphinx Scanner Informações gerais V 5.1.0.8 Sphinx Scanner Informações gerais V 5.1.0.8 Pré-requisitos: Possuir modalidade scanner no software Sphinx A SPHINX Brasil propõe uma solução de leitura automática de questionários por scanner. O Sphinx

Leia mais

Utilização de Técnicas de Recuperação da Informação na Construção de uma Ferramenta de Busca em Documentos do Arquivo Público de Biguaçu

Utilização de Técnicas de Recuperação da Informação na Construção de uma Ferramenta de Busca em Documentos do Arquivo Público de Biguaçu Utilização de Técnicas de Recuperação da Informação na Construção de uma Ferramenta de Busca em Documentos do Arquivo Público de Biguaçu Alessandro Mueller alessandro@univali.br UNIVALI Luiz Gonzaga Ferreira

Leia mais

Aplicações de GED. Aplicações de GED. Document imaging. Document imaging

Aplicações de GED. Aplicações de GED. Document imaging. Document imaging Aplicações de GED Processamento, arquivamento e recuperação de documentos (Document Imaging) Gerenciamento de documentos (Document Management) Sistema de Gerenciamento de documentos técnicos (engineering

Leia mais

GOVERNO DO RIO DE JANEIRO Secretaria de Estado de Cultura Plano Estadual de Cultura

GOVERNO DO RIO DE JANEIRO Secretaria de Estado de Cultura Plano Estadual de Cultura GOVERNO DO RIO DE JANEIRO Secretaria de Estado de Cultura INTRODUÇÃO A Secretaria de Estado de Cultura do Rio de Janeiro (SEC) está coordenando a elaboração do Plano Estadual de Cultura, a partir do diálogo

Leia mais

POLÍTICA DE SUITABILITY

POLÍTICA DE SUITABILITY POLÍTICA DE SUITABILITY VERIFICAÇÃO DA ADEQUAÇÃO DOS PRODUTOS, SERVIÇOS E OPERAÇÕES AO PERFIL DO INVESTIDOR Julho/2015 RELATÓRIO DE ACESSO PÚBLICO Este Manual/Relatório foi elaborado pela ATIVA com fins

Leia mais

Gestão e preservação de documentos digitais

Gestão e preservação de documentos digitais Gestão e preservação de documentos digitais I Congresso Nacional de Arquivologia Brasília novembro 2004 Contexto Internacional Na década de 90, a comunidade arquivística internacional dá início aos primeiros

Leia mais

EDITORAÇÃO ELETRÔNICA DE PERIÓDICOS DA ÁREA DE BIBLIOTECONOMIA E CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO: A UTILIZAÇÃO DE SOFTWARE LIVRE

EDITORAÇÃO ELETRÔNICA DE PERIÓDICOS DA ÁREA DE BIBLIOTECONOMIA E CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO: A UTILIZAÇÃO DE SOFTWARE LIVRE EDITORAÇÃO ELETRÔNICA DE PERIÓDICOS DA ÁREA DE BIBLIOTECONOMIA E CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO: A UTILIZAÇÃO DE SOFTWARE LIVRE Eliane Apolinário Vieira Priscila Marylin de Almeida Arlete Inocencia Menezes Roni

Leia mais

REGULAMENTO DO SERVIÇO DE REFERÊNCIA E LEITURA. PARTE I Público

REGULAMENTO DO SERVIÇO DE REFERÊNCIA E LEITURA. PARTE I Público 1/6 REGULAMENTO DO SERVIÇO DE REFERÊNCIA E LEITURA Princípios Normativos O Arquivo Distrital do Porto, sendo uma instituição pública empenhada na salvaguarda e conservação de um valioso património documental,

Leia mais

ANEXO XI ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS REFERENTE AO EDITAL DE PREGÃO PARA REGISTRO DE PREÇOS Nº 008/2011

ANEXO XI ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS REFERENTE AO EDITAL DE PREGÃO PARA REGISTRO DE PREÇOS Nº 008/2011 ANEXO XI ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS REFERENTE AO EDITAL DE PREGÃO PARA REGISTRO DE PREÇOS Nº 008/2011 OBJETO Prestação de serviços de organização arquivística, guarda física, digitalização e gerenciamento

Leia mais

MEMÓRIA DO MUNDO UM PROGRAMA PELA PRESERVAÇÃO DO PATRIMÔNIO DOCUMENTAL

MEMÓRIA DO MUNDO UM PROGRAMA PELA PRESERVAÇÃO DO PATRIMÔNIO DOCUMENTAL MEMÓRIA DO MUNDO UM PROGRAMA PELA PRESERVAÇÃO DO PATRIMÔNIO DOCUMENTAL XI Encontro Nacional de Acervo Raro Fundação Biblioteca Nacional 30 out. 2014 Vitor Fonseca Presidente MOW Brasil Vice-presidente

Leia mais

Gestão de Acervos Municipais: Físico, Digitalizado e Memória

Gestão de Acervos Municipais: Físico, Digitalizado e Memória Gestão de Acervos Municipais: Físico, Digitalizado e Memória Erenilda Custódio dos Santos Amaral Salvador Objetivo; Motivação; Proposta; AGENDA O que se entende nesta proposta como Política de Gestão Documental;

Leia mais

T E C N O LO G I A E D U C AC I O N A L LOUSA EDUCACIONAL INTERATIVA

T E C N O LO G I A E D U C AC I O N A L LOUSA EDUCACIONAL INTERATIVA T E C N O LO G I A E D U C AC I O N A L LOUSA EDUCACIONAL INTERATIVA w w w. h o m e l a b. c o m.b r APRESENTAÇÃO Nos últimos anos, o perfil dos alunos no mundo tem mudado em consequência dos estímulos

Leia mais

Arquivo Estrutura Básica Necessária Recursos Humanos

Arquivo Estrutura Básica Necessária Recursos Humanos 1/7 2. Técnicas de atendimento (presencial e a distância) ao cliente interno e externo: técnicas de triagem, organização e registro fluxo documental; planejamento e organização do ambiente de trabalho/

Leia mais

OFICINA DE CONSERVAÇÃO DE

OFICINA DE CONSERVAÇÃO DE OFICINA DE CONSERVAÇÃO DE ACERVOS BIBLIOGRÁFICOS Iuri Rocio Franco Rizzi Professor Assistente Curso de Biblioteconomia Universidade Federal de Alagoas Alfenas-MG 5 jun. 2013 PLANO DA OFICINA: Parte I:

Leia mais

PRIMEIRO ANO DE TRABALHOS DE CONSERVAÇÃO E RESTAURO DOS ACERVOS DOS NÚCLEOS MUSEOLÓGICOS DO MUNICÍPIO DE ABRANTES

PRIMEIRO ANO DE TRABALHOS DE CONSERVAÇÃO E RESTAURO DOS ACERVOS DOS NÚCLEOS MUSEOLÓGICOS DO MUNICÍPIO DE ABRANTES PRIMEIRO ANO DE TRABALHOS DE CONSERVAÇÃO E RESTAURO DOS ACERVOS DOS NÚCLEOS MUSEOLÓGICOS DO MUNICÍPIO DE ABRANTES Técnicos Superiores de Conservação e Restauro: Isabel dos Santos Filipe Pereira (2013/2014)

Leia mais

MUSEU DA COMPUTAÇÃO DA UEPG: O QUE É O MUSEU VIRTUAL

MUSEU DA COMPUTAÇÃO DA UEPG: O QUE É O MUSEU VIRTUAL 9. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO (

Leia mais

SIMARPE Sistema de Arquivo Permanente

SIMARPE Sistema de Arquivo Permanente SIMARPE Sistema de Arquivo Permanente Documentos formam a grande massa de conhecimentos de uma organização seja ela privada ou pública, esses documentos em sua maioria são parte do seu patrimônio. A Gestão

Leia mais

para Scanner Sunfire Manual de Instruções

para Scanner Sunfire Manual de Instruções para Scanner Sunfire Manual de Instruções 3 CONTEÚDO 1. GUIA DE SEGURANÇA E PRECAUÇÃO 04 2. MANUAL DE INSTRUÇÕES 05 Conteúdo da embalagem 05 Nome das partes 05 Principais características 06 Encaixando

Leia mais

GESTÃO DOCUMENTAL: ATUAÇÃO DO SECRETÁRIO EXECUTIVO

GESTÃO DOCUMENTAL: ATUAÇÃO DO SECRETÁRIO EXECUTIVO GESTÃO DOCUMENTAL: ATUAÇÃO DO SECRETÁRIO EXECUTIVO Cristiane Lessa Zwirtes 1 Daniela Giareta Durante 2 Resumo A gestão de documentos é um atividade fundamental em todas as organizações, por meio da organização

Leia mais

Coordenadoras formadoras: Ana Rita Canavarro e Sara Barriga Formadoras: Sara Franqueira, Susana Gomes da Silva. Objetivos:

Coordenadoras formadoras: Ana Rita Canavarro e Sara Barriga Formadoras: Sara Franqueira, Susana Gomes da Silva. Objetivos: Coordenadoras formadoras: Ana Rita Canavarro e Sara Barriga Formadoras: Sara Franqueira, Susana Gomes da Silva Relacionar contextos, conceitos e práticas no âmbito da educação não formal; Problematizar

Leia mais

Menu Utilitários. Atualização do Banco de Dados Atualização e organização dos arquivos existentes

Menu Utilitários. Atualização do Banco de Dados Atualização e organização dos arquivos existentes Atualização do Banco de Dados Atualização e organização dos arquivos existentes Rotina responsável pelo rastreamento de possíveis arquivos não indexados, danificados ou inexistentes. Este processo poderá

Leia mais

XI Encontro da Associação dos Secretários-Gerais dos Parlamentos de Língua Portuguesa (ASG-PLP)

XI Encontro da Associação dos Secretários-Gerais dos Parlamentos de Língua Portuguesa (ASG-PLP) XI Encontro da Associação dos Secretários-Gerais dos Parlamentos de Língua Portuguesa (ASG-PLP) Maputo 20 a 25 de Setembro de 2010 O PAPEL DO FUNCIONÁRIO PARLAMENTAR NA CONSTITUIÇÃO E PRESERVAÇÃO DO ACERVO

Leia mais

CÓDIGO: APL008 Concepções e manifestações artísticas da pré-história ao início da idade moderna. (renascimento europeu).

CÓDIGO: APL008 Concepções e manifestações artísticas da pré-história ao início da idade moderna. (renascimento europeu). 43 RELAÇÃO DE EMENTAS CURSO: ARTES VISUAIS DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS DISCIPLINA: Artes Visuais I CÓDIGO: APL008 Concepções e manifestações artísticas da pré-história ao início da idade moderna. (renascimento

Leia mais

CÓDIGO BRASILEIRO DE ÉTICA PARA ARQUIVISTAS

CÓDIGO BRASILEIRO DE ÉTICA PARA ARQUIVISTAS CÓDIGO BRASILEIRO DE ÉTICA PARA ARQUIVISTAS Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares Código de Ética dos Arquivistas Objetivo: Fornecer à profissão arquivística

Leia mais

Luciano Rocha Diretor Técnico Enial Coord..de TI Sec. Geral Mesa da ALES www.al.es.gov.br - luciano@al.es.gov.br Tel.: 027 3382.

Luciano Rocha Diretor Técnico Enial Coord..de TI Sec. Geral Mesa da ALES www.al.es.gov.br - luciano@al.es.gov.br Tel.: 027 3382. Luciano Rocha Diretor Técnico Enial Coord..de TI Sec. Geral Mesa da ALES www.al.es.gov.br - luciano@al.es.gov.br Tel.: 027 3382.3858-99712845 GED - ECM Estatísticas: Gasta-se 400 horas por ano procurando

Leia mais

BOLETIM INFORMATIVO DOCUMENTOS JURÍDICOS

BOLETIM INFORMATIVO DOCUMENTOS JURÍDICOS BOLETIM INFORMATIVO DOCUMENTOS JURÍDICOS 10 passos para implantação de projetos de Gestão da informação no setor Jurídico outubro/2013 A AUTOMAÇÃO DE DOCUMENTOS JURÍDICOS É VITAL PARA O PRÓPRIO PROCESSO

Leia mais

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA E ARQUIVO. A) Regulamento da Biblioteca

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA E ARQUIVO. A) Regulamento da Biblioteca Academia das Ciências de Lisboa REGULAMENTO DA BIBLIOTECA E ARQUIVO Desde o início, a Academia das Ciências de Lisboa (ACL) tem assumido a missão de promover o desenvolvimento científico e cultural do

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: LICENCIATURA EM ARTES VISUAIS MISSÃO DO CURSO O Curso de Licenciatura em Artes Visuais busca formar profissionais habilitados para a produção, a pesquisa

Leia mais

GED / ECM / EIM. Gerenciamento Eletrônico de Documentos ou Gestão Eletrônica de Documentos. Por: Marcelo Vasconcelos Fatudo

GED / ECM / EIM. Gerenciamento Eletrônico de Documentos ou Gestão Eletrônica de Documentos. Por: Marcelo Vasconcelos Fatudo Gerenciamento Eletrônico de Documentos ou Gestão Eletrônica de Documentos Por: Marcelo Vasconcelos Fatudo OBJETIVOS: GERAR ARMAZENAR CONTROLAR COMPARTILHAR RECUPERAR DADOS E/OU INFORMAÇÕES DADO / INFORMAÇÃO

Leia mais

GED. Conceito: Razões Para o Uso do GED:

GED. Conceito: Razões Para o Uso do GED: GED Conceito: Gerenciamento Eletrônico de Documentos, ou somente GED, é um conjunto de tecnologias e procedimentos para o gerenciamento de documentos e informações em meio digital. O GED é implementado

Leia mais

1 Doutora em História Social pela Universidade Federal do Rio de Janeiro; Professora Adjunta I do Núcleo de

1 Doutora em História Social pela Universidade Federal do Rio de Janeiro; Professora Adjunta I do Núcleo de 1 1 Doutora em História Social pela Universidade Federal do Rio de Janeiro; Professora Adjunta I do Núcleo de Museologia da Universidade Federal de Sergipe; Líder do Grupo de Estudos e Pesquisas em Memória

Leia mais

Computação em Nuvem: Riscos e Vulnerabilidades

Computação em Nuvem: Riscos e Vulnerabilidades Computação em Nuvem: Riscos e Vulnerabilidades Bruno Sanchez Lombardero Faculdade Impacta de Tecnologia São Paulo Brasil bruno.lombardero@gmail.com Resumo: Computação em nuvem é um assunto que vem surgindo

Leia mais

- Apresentar experiências i entre profissionais i i responsáveis pelo patrimônio cultural.

- Apresentar experiências i entre profissionais i i responsáveis pelo patrimônio cultural. Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Curso de Arquivologia Disciplina: Conservação e Restauração de Documentos Profa. Lillian Alvares Conservação e Preservação

Leia mais

Modelo de Requisitos para Sistemas Informatizados de Gestão Arquivística de documentos

Modelo de Requisitos para Sistemas Informatizados de Gestão Arquivística de documentos Modelo de Requisitos para Sistemas Informatizados de Gestão Arquivística de documentos Margareth da Silva Arquivo Nacional XII Encontro Catarinense de Arquivos Jaraguá do Sul 23 de outubro de 2007 e-arq

Leia mais

SOB O DOMÍNIO DE NAPOLEÃO

SOB O DOMÍNIO DE NAPOLEÃO SOB O DOMÍNIO DE NAPOLEÃO Nível de Ensino/Faixa Etária: 8º e 9º anos do Ensino Fundamental, e todas as séries do Ensino Médio Áreas Conexas: História, Geografia, Sociologia, Ciências Consultor: Rafael

Leia mais

*PROJETO DE LEI N.º 2.431, DE 2015 (Da Sra. Luizianne Lins)

*PROJETO DE LEI N.º 2.431, DE 2015 (Da Sra. Luizianne Lins) CÂMARA DOS DEPUTADOS *PROJETO DE LEI N.º 2.431, DE 2015 (Da Sra. Luizianne Lins) Dispõe sobre o patrimônio público digital institucional inserido na rede mundial de computadores e dá outras providências.

Leia mais

OFÍCIO-CIRCULAR/CVM/SMI/Nº 1/2015 São Paulo, 8 de janeiro de 2015

OFÍCIO-CIRCULAR/CVM/SMI/Nº 1/2015 São Paulo, 8 de janeiro de 2015 OFÍCIO-CIRCULAR/CVM/SMI/Nº 1/2015 São Paulo, 8 de janeiro de 2015 Aos Custodiantes de Valores Mobiliários ( custodiantes ) Assunto: Adaptação à Instrução CVM Nº 542/2013 Prezados Senhores, 1. Nos termos

Leia mais

Ficha técnica do material. Políticas de Backup 1

Ficha técnica do material. Políticas de Backup 1 Ficha técnica do material Autor: Humberto Celeste Innarelli Origem: Apostila Preservação de Documentos Digitais Páginas: 24 a 28 Mês/Ano: 12/2003 Entidade promotora do curso: UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS

Leia mais

Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso

Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso Considerando que a informação arquivística, produzida, recebida, utilizada e conservada em sistemas informatizados,

Leia mais

Para fins de entendimento deste manual, apresentam-se as seguintes definições:

Para fins de entendimento deste manual, apresentam-se as seguintes definições: Código: MAP-DIINF-001 Versão: 00 Data de Emissão: 01/01/2013 Elaborado por: Gerência de Acervos Aprovado por: Diretoria de Informação Institucional 1 OBJETIVO Definir os procedimentos de arquivamento e

Leia mais

O que há de novo no PaperPort 12? O PaperPort 12 possui uma grande variedade de novos e valiosos recursos que ajudam a gerenciar seus documentos.

O que há de novo no PaperPort 12? O PaperPort 12 possui uma grande variedade de novos e valiosos recursos que ajudam a gerenciar seus documentos. Bem-vindo! O Nuance PaperPort é um pacote de aplicativos para gerenciamento de documentos da área de trabalho que ajuda o usuário a digitalizar, organizar, acessar, compartilhar e gerenciar documentos

Leia mais

Instrumentais Técnicos da Gestão de Documentos: o Código de Classificação e a Tabela de Temporalidade e Destinação de Documentos de Arquivo

Instrumentais Técnicos da Gestão de Documentos: o Código de Classificação e a Tabela de Temporalidade e Destinação de Documentos de Arquivo I CICLO DE PALESTRAS SOBRE A GESTÃO ARQUIVÍSTICAS DE DOCUMENTOS NO INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS Instrumentais Técnicos da Gestão de Documentos: o Código de Classificação e a Tabela de Temporalidade

Leia mais