ANÁLISE DE UMA ATIVIDADE DE MODELAGEM MATEMÁTICA À LUZ DA DIALÉTICA FERRAMENTA-OBJETO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANÁLISE DE UMA ATIVIDADE DE MODELAGEM MATEMÁTICA À LUZ DA DIALÉTICA FERRAMENTA-OBJETO"

Transcrição

1 ANÁLISE DE UMA ATIVIDADE DE MODELAGEM MATEMÁTICA À LUZ DA DIALÉTICA FERRAMENTA-OBJETO Michele Carvalho de Barros Universidade Tecnológica Federal do Paraná Lilian Akemi Kato Universidade Estadual de Maringá Resumo: Este trabalho consiste em identificar a constituição das etapas da dialética ferramentaobjeto e as mudanças de domínios nas ações dos estudantes de cursos de Engenharias durante o desenvolvimento de uma atividade de Modelagem Matemática. Para isso desenvolvemos uma atividade que versava sobre a dinâmica populacional da cidade Campo Mourão/Pr, com 10 estudantes dos cursos de Engenharias de uma universidade da referida cidade. Os resultados indicam que fases da dialética ferramenta-objeto podem ser identificadas durante o desenvolvimento de uma atividade de Modelagem Matemática. Além disso, tanto as fases quanto a mudança de domínio se fazem presentes na atividade de forma espontânea como parte todo processo. Palavras-chave: Dialética ferramenta-objeto. Modelagem Matemática. Equações Diferenciais Ordinária. Dinâmica Populacional. Considerações iniciais Este trabalho é parte da pesquisa de doutorado da primeira autora cujo objetivo consiste em investigar como a Modelagem Matemática aliada a dialética ferramenta-objeto e as mudanças de domínios, auxiliam na construção do objeto de estudo Equações Diferenciais Ordinárias (EDOs), com estudantes dos cursos de Engenharias. A escolha por este tema justifica-se pelas diversas aplicações que as equações diferenciais apresentam em diversas áreas do conhecimento, como a Física, a Química, a Biologia, a Engenharia, entre outras. Particularmente nos cursos de Engenharias as equações diferenciais constituem-se um conceito fundamental em diversas disciplinas que compõem a matriz curricular, por exemplo, na Engenharia Civil, podemos citar as disciplinas de Mecânica dos fluidos e Hidráulica, que a utilizam como pré-requisito.

2 Nesse sentido, este conceito permite estabelecer relações entre a Ciência e a Matemática que extrapolam a mera apresentação de métodos de soluções possibilitando uma compreensão acerca dos diversos fenômenos que nos cercam. Devlin (1997), em seu discurso na Universidade da Califórnia, afirma que sem a Matemática não podemos compreender as relações que existem no meio em que vivemos. Para ele, Sem matemática, ninguém pode entender o que mantém um avião a jato no ar. Como todos sabemos, grandes objetos de metal não ficam acima do solo, exceto que algo lhes sirva de suporte.... Precisamos de matemática para ver o que mantém o avião nas alturas. Neste caso, o que nos permite ver o invisível é a equação descoberta pelo matemático Daniel Bernoulli no começo do século 18 (pg.36). Ainda, Devlin (1997, p. 34) complementa que é função do matemático mudar a forma como a maioria das pessoas percebem a Matemática, mostrado para elas que a matemática torna o invisível visível. Porém, o que se vê na maioria das salas de aula é um ensino sistematizado da Matemática, focado em resolução de exercícios descontextualizados. Especificamente, a realidade do ensino e aprendizagem das equações diferenciais, ainda está bastante aquém do ponto vista de Devlin (1997). Segundo Dullius, Araujo e Veit (2011), a dificuldade na compreensão dos significados dos conceitos das equações diferenciais e/ou a falta de utilização de problemas relacionados à sua prática profissional, gera um grande desestímulo dos alunos em relação a seu estudo: A maior reclamação dos alunos no histórico desta disciplina é exatamente a questão da não percepção da importância do conteúdo para a sua formação e por isso não gostavam da disciplina e demonstravam muita desmotivação nas aulas (pg. 36). Para Klymchuk et al.(2008), muitos estudantes ao concluírem suas graduações não conseguem aplicar o conhecimento acadêmico para resolver os problemas em situações reais. Para os autores uma forma de minimizar este problema seria a utilização de atividades de Modelagem Matemática. Atualmente vários trabalhos no âmbito da Educação Matemática (SANTOS e GODINHO, 2009, BASSANEZI, 2011, FECCHIO, 2011) vem destacando que a potencialidade da Modelagem Matemática no ensino e aprendizagem dos conceitos das equações diferenciais. A Modelagem Matemática possui um caráter investigativo, no qual o ensino é compartilhado com o aluno e não centrado no professor. A resolução de um problema inicia-se a partir do conhecimento que o aluno já possui, o que favorece o

3 estabelecimento de relações matemática, a compreensão e o significado dessas relações (BURAK, 1992). Para Bassanezi (2011, p.24): a modelagem consiste, essencialmente, na arte de transformar situações da realidade em problemas matemáticos cujas soluções devem ser interpretadas na linguagem usual. Por utilizar problemas da realidade, a Modelagem Matemática insere o aluno no problema, fazendo com que sua solução não seja apenas mecânica e uma obrigação, mas sim um desafio, uma forma de entender melhor o meio em que vive. Também, é uma oportunidade de verificar onde os conhecimentos acadêmicos podem ser aplicados. Além disso, por estar envolvido na situação proposta, o fato de seus conhecimentos prévios não resolverem totalmente o problema, pode se tornar um motivo para o aluno buscar novos conhecimento. Nesta busca pelo novo, o aluno além de aprender novos conceitos, também pode aprimorar os já existentes. Nesse contexto, no desenvolvimento de uma atividade de Modelagem Matemática, podem ser empregados conhecimentos dos diferentes campos da Matemática: geométrico, algébrico, aritmético, etc. Sendo necessário, assim, competência para transitar entre esses campos (domínios), o que configura, segundo Régine Douady (apud Almouloud, 2007), numa mudança de domínios, que é essencial no processo da dialética ferramenta-objeto. A dialética ferramenta-objeto consiste em utilizar os conhecimentos antigos dos alunos como ferramentas que servirão de base para o desenvolvimento de novos conhecimentos, denominados objetos. Uma vez desenvolvidos, estes novos conhecimentos serão utilizados como ferramentas para resolver novos problemas num processo cíclico. Segundo Almouloud (2007), esta dialética é um poderoso instrumento de análise de fenômenos de ensino e aprendizagem. Neste trabalho objetivamos identificar a constituição das etapas da dialética ferramenta-objeto durante o desenvolvimento de uma atividade de Modelagem Matemática que versava sobre a dinâmica populacional da cidade de Campo Mourão/PR. A atividade foi realizada com 10 estudantes de 3 cursos de Engenharias de uma universidade da referida cidade. Os alunos foram convidados a estudar sobre o crescimento da população e fazerem previsões. Para tanto, a pesquisadora apresentou e construiu o modelo de Malthus com os alunos, onde estes tiveram o primeiro contato (na atividade) com o objeto de estudo, EDOs.

4 Os resultados evidenciados indicam que fases da dialética ferramenta-objeto mostramse presentes em uma atividade de Modelagem Matemática, surgindo de forma espontânea durante todo o processo. Contudo, como este estudo faz parte de um projeto ainda em desenvolvimento, nem todas as fases foram completadas por esta atividade e nosso objeto de estudo, as equações diferencias ordinárias, foram utilizadas somente como ferramenta para resolver o problema, não adquirindo estatuto de objeto. Concepção de Modelagem Matemática adotada A Modelagem Matemática tem suas raízes oriundas nas aplicações da Matemática praticadas por engenheiros, químicos, matemáticos, entre outros. Neste campo, chamado Matemática Aplicada, surgiram os primeiros conceitos e procedimentos em relação ao que caracteriza uma atividade de Modelagem Matemática (ALMEIDA, SILVA e VERTUAM, 2012). Esta importação da Matemática Aplicada faz com que a Modelagem Matemática no âmbito da Educação Matemática tenha diferentes concepções, seja como alternativa de ensino e aprendizagem, estratégia pedagógica ou método de ensino. Cada uma dessas concepções traz consigo diferentes implicações em relação às práticas pedagógicas das aulas de Matemática norteadas pela modelagem. Considerando que nosso objetivo, nesse estudo, constituiu-se em analisar as ações dos estudantes na construção de um modelo matemático para a dinâmica populacional de Campo Mourão, adotamos neste trabalho a concepção de Modelagem Matemática de Bassanezi (2011), referência principal para o modelo construído. Bassanezi (2012, p.10) entende a Modelagem como o processo de criação de modelos onde estão definidas as estratégias de ação do indivíduo sobre a realidade, mais especificamente, sobre a sua realidade, carregada de interpretações e subjetividades próprias de cada modelador. Para o autor, a modelagem é eficiente se nos conscientizarmos que estamos sempre trabalhando com aproximações da realidade e que sua utilização é adequada se de fato contribuir para o desenvolvimento e compreensão do fenômeno estudado (BASSANEZI, 2011). Segundo Bassanezi (2011), um modelo matemático pode ser construído dentro de uma teoria matemática já conhecida e mesmo assim pode ocorrer que as técnicas e os métodos dessa teoria não sejam suficientes para a obtenção dos resultados desejados. Este tipo de

5 situação constitui-se em grandes motivações para o desenvolvimento de teorias matemáticas já estudadas. Para o autor, este fato pode ser exemplificado com as Equações Diferencias, desde a sua origem até os dias atuais, o que corrobora com as justificativas dessa pesquisa. A dialética ferramenta-objeto As noções da dialética ferramenta-objeto e a mudança (interação) entre os domínios foram introduzidas por Régine Douady na sua tese de doutorado em 1986 (MARANHÃO, 2012). Para Douady uma noção ou conceito pode ter o estatuto de ferramenta ou de objeto, dependendo do uso que está sendo feito dele. Um conceito é uma ferramenta quando intervém na resolução de um problema e é objeto quando é identificado como conteúdo da aprendizagem. Assim, o aspecto ferramenta-objeto pode ser visto da seguinte forma: Assim, digamos que um conceito é ferramenta quando nos interessamos no uso que está sendo feito dele para resolver um problema. Uma mesma ferramenta pode ser adaptada para diferentes problemas. Por objetos, entendemos o objeto cultural colocado num edifício mais amplo, que é o do saber sábio num dado momento reconhecido socialmente. (DOUDAY, 1986, apud ALMOULOUD, 2007, p. 62). Desta forma, o conceito é uma ferramenta quando considera-se seu caráter operatório, contextualizado e personalizado e é objeto quando considera-se seu caráter cultural, descontextualizado, atemporal e social (ALMOULOUD, 2007). Já os aspectos ensinar e aprender tem as seguintes funções: Ensinar, para um professor, é criar as condições que produzirão um saber entre os alunos. E aprender, para o aluno, é se engajar numa atividade intelectual, pela qual se produza a disponibilidade de uma saber com seu duplo estatuto de ferramenta e objeto. (Douady, 1993, apud MARANHÃO, 2012, p. 144) Segundo Douday, a dialética ferramenta-objeto é composta por seis fases: 1) Antigo: o enunciado do problema deve fazer sentido para todos os alunos. Os conceitos matemáticos devem ser utilizados como ferramentas explícitas para resolver, ao menos em partes, os problemas propostos. Nesta etapa, os conhecimentos antigos de saber matemático, funcionam como ferramenta. 2) Pesquisa novo implícito: os alunos encontram dificuldades para resolver completamente o problema, pois o objeto de ensino é a ferramenta adequada para alcançar a solução desejada. Nesta etapa, o professor pode utilizar uma mudança de domínio como ferramenta para auxiliar os alunos a construírem o novo conhecimento.

6 Ressaltamos que os domínios, também chamados de quadros, são os ramos de conhecimentos matemáticos (numérico, algébrico, geométricos, das funções,...) e, por vezes, parte deles. 3) Explicitação-institucionalização local: os alunos descrevem o que obtém em seu trabalho, as dificuldades, os resultados. Nesta etapa, os alunos apresentam várias formas de saber. O objetivo é dar um estatuto de objeto aos conhecimentos que foram utilizados como ferramenta. 4) Institucionalização-estatuto do objeto: os alunos podem formular certos elementos como objetos de conhecimento matemático (conceitos, propriedades ou procedimentos). Segundo Maranhão (2012), diversos ciclos das fases anteriores podem ser necessários antes de se atingir a próxima fase. 5) Familiarização-reutilização numa situação nova: os alunos desenvolvem novos conhecimentos, chegando-se a institucionalização do saber matemático, isto é, definições, enunciados e teoremas. Nesta etapa, o professor deve propor diversas atividades para que o aluno use como ferramenta explícita o conhecimento que foi institucionalizado. Assim, o novo se torna antigo, iniciando-se um novo ciclo da dialética. 6) Complexificação da tarefa ou novo problema: nesta etapa, são propostas situações mais complexas em que os alunos poderão testar e/ou desenvolver os novos conhecimentos adquiridos. Para Douady é necessário que os problemas envolvam, pelo menos, dois domínios, de modo que um sirva de referência para o outro e possibilitem meios de validação pela ação. A elaboração do conhecimento ocorre quando o aluno é capaz de fazer uso dele como ferramenta explícita em diversas situações adaptando-o quando for necessário. Além de ser capaz de reconhecer esta ferramenta nos diversos domínios da Matemática (MARANHÃO, 2012). Desenvolvimento e resultados A atividade que versou sobre a dinâmica populacional da Cidade de Campo Mourão/PR, foi realizada com 3 alunos da Engenharia de Alimentos, 3 da Engenharia Ambiental e 4 da Engenharia Civil, todos cursando o segundo período do seu respectivo curso. Esta escolha se deu por acreditarmos que a interação entre os diferentes cursos favorece discussões que enriquecem a aprendizagem, além do fato destes estarem iniciando os estudos das EDOs.

7 Os estudantes foram convidados a participar dessa atividade, que foi realizada em 4 horas aula, em horário extra curso. Toda a atividade foi gradava em áudio e vídeo, além dos registros escritos feito pelos participantes. Inicialmente, a pesquisadora separou os alunos em 2 grupos de 5 cinco alunos. O grupo 1 composto pelos alunos 1 : Bruno, Lucas, Marcos, João e Vitor e o grupo 2 pelos alunos: Gabriel, Isabela, Eduarda, Julia e Rafaela. Cada grupo tinha pelo menos um aluno de cada Engenharia citada anteriormente. Neste trabalho analisaremos o desenvolvimento realizado pelo grupo 2, contundo em discussões em conjunto poderemos citar argumentos do grupo 1, pois estas discussões serviram de base para encaminhamentos futuros. Para introduzir o tema a pesquisadora solicitou que os alunos se apresentassem indicando também suas procedências. Aproveitando o fato de que todos os estudantes vieram de outras cidades, a pesquisadora os questionou acerca de suas impressões da cidade de Campo Mourão. As respostas foram bastante variadas, alguns consideravam a cidade boa, organizada e pacata, outros pequena, desorganizada e violenta: Gabriel: Eu achei a cidade desorganizada. Julia: Eu já achei o contrário. Eu achei uma cidade bonitinha, pacata e organizada, planejadinha, uma cidade pequena com uma cara de cidade maiorzinha. Acho que é tradição do Paraná. Interior do Paraná. (...) Eduarda: Chega final de semana a cidade morre, todo mundo vai para uma cidade que mora do lado, ai você não tem muita coisa pra fazer e você acaba ficando em casa. Vitor: Eu já acho Campo Mourão super agitado. Na minha cidade de domingo não tem restaurante, então acabou a cidade. Fim de semana não tem nada. E quando você vem pra uma cidade tipo Campo Mourão, que é o centro da nossa região, então é agitado, para quem é de cidade pequena. Diante das discussões a pesquisadora questionou os alunos, em especial, os que moravam na região, se eles achavam que a cidade estava crescendo nos últimos anos. Os alunos responderam que sim e que este crescimento vinha acompanhado de muitos problemas por eles observados. Marcos: Surgem problemas sociais. Julia: É porque o crescimento ocorre muito rápido, mas a estrutura não é pensada na mesma velocidade que se cresce. 1 Nomes fictícios adotados pela pesquisadora.

8 (...) XII EPREM Encontro Paranaense de Educação Matemática Vitor: Acho que um reflexo disso aqui em Campo Mourão é o trânsito. O trânsito deixa em claro como a cidade não está preparada para ser uma grande cidade. Percebendo o interesse pelo assunto a pesquisadora entregou para os alunos uma reportagem 2 que relatava o fato de que a cidade de Campo Mourão era a que mais crescia na região. Os alunos concordaram com as informações da reportagem e após algumas discussões e encaminhamentos acessaram o site do IBGE com a intenção de obterem mais dados sobre esta população. Tabela 1: População do município de Campo Mourão/PR Ano População Fonte: IBGE De posse desses dados os estudantes decidiram verificar se era possível estimar a quantidade de habitantes para os anos de 2014 e Para tanto tentaram estabelecer quais fatores poderiam influenciar no crescimento desta população, como taxa de natalidade e mortalidade, a oferta de emprego, a abertura de vagas nas universidades, etc. Porém, percebendo que não dispunham destes dados, especificamente, compreenderam que a taxa de crescimento anual a partir dos dados da Tabela 1 também fornecia o resultado desses fatores. Diante disso, o grupo 2 traçou duas estratégias de resolução, uma pelas alunas, Isabela, Eduarda, Julia e Rafaela e outra pelo aluno Gabriel, conforme trechos a seguir: Julia: A gente foi pegando, tipo de 91 à 96, acabou sendo descartada porque teve um decréscimo. A gente pegou de 96 à 2000, achamos uma taxa que ele cresceu neste 4 anos, dividimos por 4, achamos a taxa nesta época, neste período. Achamos o do período de 2000 à 2007, achamos uma taxa geral neste 7 anos, dividimos por 7 achamos outra anual. Pegamos 2 Reportagem disponível em itterfeed&utm_medium=twitter

9 a de 2007 à 2010 e achamos outra anual. Somamos estas médias anuais, que a gente achou em cada período desse, e teve uma média de 2,80, 2,7 no meu. E a gente programou isso em 4 anos futuros, de 2010 até 2014, com média de crescimento de 2,7, ai deu 96 mil e 97. É muita gente. Já o aluno Gabriel apesar de utilizar um procedimento matemático análogo ao das alunas, optou por considerar somente os dados entre os anos de 2007 e 2010, conforme explicado em sua fala a seguir: Gabriel: É, assim, fazendo a análise eu descartei até o ano de 2000, eu peguei os dados partindo de 2007, porque de 91 até 2000, 2007 na verdade, o número da população vai ser praticamente o mesmo vai de e vai pra Daí de 2007 até 2010 eu somei fiz a média, e tirei a porcentagem, chegando a uma média de crescimento populacional de 1,88% ao ano. Apesar dos alunos do grupo 2 discutirem suas propostas para resolverem o problema, tanto Gabriel, quanto as alunas mantiveram suas formas de resolução, sem que um convencesse o outro a mudar de ideia. Os trechos dos diálogos indicam a ocorrência da primeira fase da dialética: o antigo, uma vez que os alunos utilizaram seus conhecimentos prévios para solucionar o problema. Os conceitos de regra de três e o cálculo de porcentagem foram utilizados para estimarem o crescimento populacional em cada período. Já o cálculo da média aritmética simples possibilitou obter a média anual de crescimento para tal período. No entanto, durante as discussões alguns alunos elucidaram outras formas de resolver o problema, como por exemplo, utilizar a derivada ou a diferencial. Porém devido a falta de domínio destas ferramentas matemáticas, eles não conseguiram argumentação suficiente para convencer os demais membros do grupo a utilizarem estas estratégias. Sendo assim, podemos inferir que estes conhecimentos não estão bem fundamentados para estes alunos, pois apesar de os indicarem, nenhum deles mobilizou-se a tentar resolver o problema usando derivada ou diferencial. Depois que apresentaram suas resoluções a pesquisadora perguntou aos alunos se haveria outras formas de resolver o problema. Diante a resposta positiva, os alunos foram questionados sobre quais outras formas poderiam ter sido utilizada. Com a intenção de promover uma nova forma de visualização da situação, a pesquisadora apresentou os dados em forma de um gráfico feito com o auxílio do software GeoGebra (Figura 1), promovendo assim uma mudança de domínio.

10 Figura 1: Gráfico do crescimento da população de Campo Mourão A pesquisadora explicou que para fazer o gráfico criou uma nova tabela, na qual colocou o ano de 1991 como ano 0, de 1996 como 5, assim por diante. A partir da visualização do gráfico, os alunos perceberam que poderiam construir uma função para representar o crescimento da população, a pesquisadora os questionou sobre quais tipo de funções eles poderiam utilizar, recebendo as seguintes respostas: Julia: Crescimento em função do tempo. Pesquisadora: Ou população em função do tempo.... Então poderia ser feito uma função, que tipo de função? Marcos: Diferencial. Isabela: Exponencial. Eduarda: Uma função de segundo grau? Pesquisadora: Sim. Neste momento, na fala principalmente de Marcos, percebemos indícios da segunda fase da dialética, o novo implícito, ou seja, os alunos percebem que existem outras formas de resolver o problema, que seria utilizando a diferencial ou uma função exponencial, porém seus conhecimentos antigos, não são suficientes para conseguir estabelecer relações entre estas funções e os dados do problema. Ressaltamos que a terceira fase da dialética: a explicitação, permeia todo estes diálogos entre pesquisadora e alunos, desde a exposição das opiniões do grupo, até o final da atividade. Nesta fase, a pesquisadora assume o papel de mediadora, promovendo as discussões entre os alunos, levando-os a situarem seus conhecimentos em relação aos conhecimentos dos demais, promovendo assim seu progresso.

11 A pesquisadora continuou as discussões com os alunos, mostrando alguns modelos lineares, e suas previsões. Explicando que os modelos fornecem estimativas para a situação estudada. Neste momento, a pesquisadora questiona se os alunos já ouviram falar de modelos populacionais, e eles comentam que sim, que a professora de Equações Diferenciais comentou sobre estes modelos, porém eles não viram como utilizar. A pesquisadora, então fala do modelo de Malthus, o qual os alunos já conheciam o princípio básico das aulas de Geografia do Ensino Médio. Pesquisadora: Alguém conhece a teoria de Malthus? Vários alunos: Sim. Pesquisadora: O que foi que vocês viram? Julia: Que a população cresce em proporção geométrica, uma PG eu lembro de alguma coisa assim, e os alimentos iam crescer em P.A. A pesquisadora contou a história da teoria de Malthus para os alunos e construiu com eles o Modelo de Malthus discreto. Para isso foi necessário uma mudança do domínio da língua natural (teoria de Malthus) para o algébrico (equações). Assim, considerando P(t 1) P(t), o modelo discreto de Malthus é dado por P( t 1) P( t) P( t). Dado a P(t) população inicial P(0) P0, a solução da equação acima é obtida por recorrência da expressão Pt 1 (1 ) Pt, cuja a solução é dada por P (1 ) t t P0. P(0) P0 Em seguida, utilizando as noções de limite e derivada, a pesquisadora construiu o Modelo de Malthus contínuo, considerando que P(t t) P(t) P(t) t, obtemos: dp Pt () dt P(0) P0. dp P( t t) P( t) lim, com dt t 0 t Os alunos participaram ativamente na construção dos modelos, sendo eles que auxiliaram a pesquisadora em todos os momentos desta construção. Porém, para determinar o modelo contínuo foi necessário resolver a equação dp P(t). Apesar dos estudantes dt reconhecerem que a equação representava uma equação diferencial, não sabiam como resolvê-la. Para encontrar a solução a pesquisadora relembrou os estudantes que a

12 derivada dp dt XII EPREM Encontro Paranaense de Educação Matemática, por definição também pode ser considerada como o quociente das diferenciais dp e dt, por tanto era possível separar as variáveis e resolver o problema integrando ambos os lados da equação, chegando a seguinte solução, P() t P e t 0. Este procedimento poderia ter dado início a quarta fase da dialética ferramenta objeto: Institucionalização-estatuto do objeto. Porém, apesar da pesquisadora explicar uma forma de resolver uma EDO, ela não chegou a dar estatuto de objeto à este conceito, pois para isso seria necessário mais discussões e esclarecimentos sobre o assunto, além da aplicação de outras atividades envolvendo o conceito de EDOs. Pois conforme Maranhão (2012), diversos ciclos das fases anteriores (1-4) podem ser necessários antes de se atingir a próxima fase. Desta forma nosso objeto de estudo, as EDOs, foi utilizado somente como ferramenta para resolver a atividade de Modelagem Matemática. Em seguida a pesquisadora estabeleceu a relação entre as constantes e obtendo, ln(1 ). E como aplicação do Modelo de Malthus, mostrou para os alunos um exemplo para a dinâmica populacional brasileira. Em seguida, solicitou que eles aplicassem o modelo para o estudo da população de Campo Mourão (Figura 2). Após encontrarem o modelo, os alunos do grupo 1 e o Gabriel observaram que tanto suas projeções iniciais quanto a encontrada no modelo de Malthus estavam bem próximas. Isso fez com que as alunas do grupo 2 voltassem à analisar suas projeções iniciais, encontrando o erro cometido: Figura 2: Protocolo da atividade de um aluno do grupo 2 Julia: Eu já sei o que a gente fez errado no nosso lá. A gente dividiu por 7 pelo número de anos, mais os três anos que a gente somou, quando a gente soma estas três a gente tinha que dividir por três de novo, ia dar 2,8 ou 2,7 dividido por 3. Ia dar bem aproximado com este aqui. Eduarda: Agora a gente sabe no que errou. O Quadro 1 mostra um resumo as fases da dialética e as mudanças de domínios obtidos nesta atividade.

13 Fases da dialética XII EPREM Encontro Paranaense de Educação Matemática Quadro 1: Fases da dialética na atividade de Modelagem Matemática Tarefas da Atividade de Modelagem Mudança de domínios O Antigo Pesquisa Novo Implícito Explicitação institucionalização local Institucionalização estatuto do objeto Utilizar os conhecimentos prévios para determinar uma média de crescimento anual. Discussões sobre os resultados da atividade de Modelagem e de outras possibilidades para resolver a atividade. Discussões sobre os resultados obtidos. Construção do Modelo de Malthus discreto e contínuo. Não ocorreu. Não houve. Do Numérico (dados) para geométrico (gráfico). Da Língua natural (Teoria de Malthus) para algébrico (modelo de Malthus). Considerações finais O objetivo desse trabalho foi identificar as etapas da dialética ferramenta-objeto nas ações dos estudantes durante o desenvolvimento de um atividade de Modelagem Matemática. Dos resultados apresentados podemos inferir que as fases da dialética ferramentaobjeto e as mudanças de domínios podem ser contempladas em uma atividade de Modelagem. Estas fases aparecem naturalmente, em função do próprio desenvolvimento da atividade. Por exemplo, as discussões em grupos, que é uma característica da Modelagem Matemática, foi um critério fundamental para as fases da explicitação e novo implícito, pois devido a estas discussões os alunos puderam validar seus conhecimentos, além de perceberem a possibilidade de utilizarem um conceito que ainda não dominavam, no caso as equações diferenciais. Estas discussões instigaram os alunos a querer encontrar alguma forma de solucionar a situação proposta, isso levou-os a utilizar de todos os conhecimentos que possuíam, constituindo a primeira etapa da dialética. Ressaltamos ainda, que o fato dos alunos assumirem parte da responsabilidade de resolver o problema, fez com que eles se sentissem mais seguros. Além disso, por trabalharem

14 com uma situação real, tiveram a oportunidade deles mesmo verificarem seus erros, retomando os cálculos inicias e modificando-os, o que normalmente não acontece em uma resolução de exercício. Esta transição entre o antigo e o novo, possibilitada pela Modelagem Matemática, auxilia no aprimoramento os conceitos utilizados, favorecendo o estabelecimento de relações matemáticas, a compreensão e o significado dessas relações. Permitindo, assim que o conceito transite dentro de seus dois aspectos: de ferramenta e de objeto. A não institucionalização do objeto de estudo foi uma opção das autoras, pois para isso seria necessário a aplicação de mais atividades, o que será realizado em estudos futuros com outros alunos. Neste sentido, inferimos que a teoria da dialética ferramenta-objeto e a Modelagem Matemática, podem potencializar o ensino e a aprendizagem das Equações Diferenciais Ordinárias. Referências bibliográficas ALMEIDA, L.W., SILVA K.P., VERTUAN, R.E.. Modelagem Matemática na educação básica. São Paulo: Contexto, ALMOULOUD, S. A.. Fundamentos da didática da matemática. Curitiba: Ed. UFPR, BASSANEZI, R. C. Ensino-aprendizagem com modelagem matemática. 3ª edição. 3ª reimpressão. São Paulo: Contexto, Temas e Modelos. Campinas: Edição do Autor, Disponível em: <http://gradmat.ufabc.edu.br/livros/temas%20&%20modelos-%20o%20livro.pdf> Acesso em: 23 de abril, BURAK, D. Modelagem matemática: ações e interações no processo de ensinoaprendizagem. Tese de Doutorado. Campinas: Unicamp, DEVLIN, K, Tornando o invisível visível (1997). Cálculo, ano 3, n o 36, p DULLIUS, M. M., SOLANO A., Ives, VEIT, E. A.. Ensino e Aprendizagem de Equações Diferenciais com Abordagem Gráfica, Numérica e Analítica: uma experiência em cursos de Engenharia Boletim de Educação Matemática [On-line] 2011, Disponível em:<http://www.redalyc.org/articulo.oa?id= > Acesso em 19 de abril de FECCHIO, R. A Modelagem Matemática e a interdisciplinaridade na introdução do conceito de equações diferenciais em cursos de Engenharia f. Tese (Doutorado em Educação Matemática), Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2011.

15 KLYMCHUK, S.; ZVERKOVA, T.; GRUENWALD, N.; SAUERBIER, G., Increasing engineering students awareness to environment through innovative teaching of mathematical modelling. Teaching Mathematics and its Applications, Volume 27, n o 3, p , MARANHÃO M. C. S. A., Dialética ferramenta-objeto. In Machado, S. D. A. (Org.). Educação Matemática: uma (nova) introdução. 3ª ed. São Paulo: EDUC, SANTOS, B. S.; GODINHO, D. Um modelo para despoluição de lagoas. Disponível em:< Acesso em: 19 de abril de 2014.

MODELAGEM MATEMÁTICA: ÁLCOOL E DIREÇÃO UMA CONSCIENTIZAÇÃO

MODELAGEM MATEMÁTICA: ÁLCOOL E DIREÇÃO UMA CONSCIENTIZAÇÃO MODELAGEM MATEMÁTICA: ÁLCOOL E DIREÇÃO UMA CONSCIENTIZAÇÃO Jéssika Naves de Oliveira Universidade Tecnológica Federal do Paraná Câmpus Cornélio Procópio jessikanaves04@gmail.com Bruna Santana Sotero Universidade

Leia mais

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA Jaqueline Oliveira Silva Ribeiro SESI-SP josr2@bol.com.br Dimas Cássio Simão SESI-SP

Leia mais

SITUAÇÕES MATEMÁTICAS SOB O OLHAR DA MODELAGEM MATEMÁTICA, RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS E INVESTIGAÇÃO MATEMÁTICA

SITUAÇÕES MATEMÁTICAS SOB O OLHAR DA MODELAGEM MATEMÁTICA, RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS E INVESTIGAÇÃO MATEMÁTICA SITUAÇÕES MATEMÁTICAS SOB O OLHAR DA MODELAGEM MATEMÁTICA, RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS E INVESTIGAÇÃO MATEMÁTICA Lilian Akemi Kato Universidade Estadual de Maringá lilianakato@hotmail.com Denise Knorst da Silva

Leia mais

A RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS NA TRANSIÇÃO DA EDUCAÇÃO BÁSICA PARA O ENSINO SUPERIOR

A RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS NA TRANSIÇÃO DA EDUCAÇÃO BÁSICA PARA O ENSINO SUPERIOR ISSN 2316-7785 A RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS NA TRANSIÇÃO DA EDUCAÇÃO BÁSICA PARA O ENSINO SUPERIOR Fabiane Cristina Höpner Noguti Universidade Federal do Pampa Unipampa/Alegrete fchnoguti@gmail.com Resumo

Leia mais

Investigando números consecutivos no 3º ano do Ensino Fundamental

Investigando números consecutivos no 3º ano do Ensino Fundamental Home Índice Autores deste número Investigando números consecutivos no 3º ano do Ensino Fundamental Adriana Freire Resumo Na Escola Vera Cruz adota-se como norteador da prática pedagógica na área de matemática

Leia mais

O estudo de função afim na fatura de energia elétrica por meio da Modelagem Matemática e da Engenharia Didática

O estudo de função afim na fatura de energia elétrica por meio da Modelagem Matemática e da Engenharia Didática O estudo de função afim na fatura de energia elétrica por meio da Modelagem Matemática e da Engenharia Didática Emerson Tortola 1 Universidade Estadual de Londrina Brasil emersontortola@hotmail.com Veridiana

Leia mais

MODELAGEM MATEMÁTICA: UMA METODOLOGIA PARA VALIDAÇÃO DOS ÍNDICES DE OBESIDADE

MODELAGEM MATEMÁTICA: UMA METODOLOGIA PARA VALIDAÇÃO DOS ÍNDICES DE OBESIDADE ISSN 2177-9139 MODELAGEM MATEMÁTICA: UMA METODOLOGIA PARA VALIDAÇÃO DOS ÍNDICES DE OBESIDADE Rosana de Souza Machado - rogabibe@hotmail.com Eleni Bisognin - eleni@unifra.com Thais Scotti do Canto-Dorow

Leia mais

ANÁLISE DE TAREFAS MATEMÁTICAS DOS ALUNOS DO 4 o ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL I

ANÁLISE DE TAREFAS MATEMÁTICAS DOS ALUNOS DO 4 o ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL I ANÁLISE DE TAREFAS MATEMÁTICAS DOS ALUNOS DO 4 o ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL I Diego Barboza Prestes 1 Universidade Estadual de Londrina diego_led@hotmail.com Tallys Yuri de Almeida Kanno 2 Universidade

Leia mais

O USO DO SOFTWARE MATHEMATICA PARA O ENSINO DE CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL

O USO DO SOFTWARE MATHEMATICA PARA O ENSINO DE CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL O USO DO SOFTWARE MATHEMATICA PARA O ENSINO DE CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL Edward Luis de Araújo edward@pontal.ufu.br Evaneide Alves Carneiro eva@pontal.ufu.br Germano Abud de Rezende germano@pontal.ufu.br

Leia mais

A MANIFESTAÇÃO DE REGRAS DO CONTRATO DIDÁTICO NA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS QUE NÃO ENVOLVEM RELAÇÕES PROPORCIONAIS

A MANIFESTAÇÃO DE REGRAS DO CONTRATO DIDÁTICO NA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS QUE NÃO ENVOLVEM RELAÇÕES PROPORCIONAIS A MANIFESTAÇÃO DE REGRAS DO CONTRATO DIDÁTICO NA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS QUE NÃO ENVOLVEM RELAÇÕES PROPORCIONAIS Maria José Santana Vieira Gonçalves Prof a Ma do Colégio Militar de Campo Grande giomage@ig.com.br

Leia mais

RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS X METODOLOGIA DE ENSINO: COMO TRABALHAR A MATEMÁTICA A PARTIR DA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS?

RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS X METODOLOGIA DE ENSINO: COMO TRABALHAR A MATEMÁTICA A PARTIR DA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS? RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS X METODOLOGIA DE ENSINO: COMO TRABALHAR A MATEMÁTICA A PARTIR DA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS? Angelita de Souza Leite Universidade do Estado da Bahia angel_lita_4@hotmail.com Maria Cristina

Leia mais

Experimento. Guia do professor. Qual é o cone com maior volume? Secretaria de Educação a Distância. Ministério da Ciência e Tecnologia

Experimento. Guia do professor. Qual é o cone com maior volume? Secretaria de Educação a Distância. Ministério da Ciência e Tecnologia geometria e medidas Guia do professor Experimento Qual é o cone com maior volume? Objetivos da unidade 1. Dado um círculo de cartolina, investigar qual seria o cone com maior volume que se poderia montar;

Leia mais

MATEMÁTICA E ENEM. Luiz Henrique Almeida de Souza do Nascimento UFMS luiz_g4@hotmail.com. Nathalia Teixeira Larrea UFMS nathalia_tl@hotmail.

MATEMÁTICA E ENEM. Luiz Henrique Almeida de Souza do Nascimento UFMS luiz_g4@hotmail.com. Nathalia Teixeira Larrea UFMS nathalia_tl@hotmail. MATEMÁTICA E ENEM Luiz Henrique Almeida de Souza do Nascimento UFMS luiz_g4@hotmail.com Nathalia Teixeira Larrea UFMS nathalia_tl@hotmail.com Luzia Aparecida de Souza UFMS luzia.souza@ufms.br Resumo Este

Leia mais

MODELAGEM MATEMÁTICA NO ENSINO SUPERIOR: APRECIAÇÃO DA EXPERIÊNCIA PELOS SUJEITOS PARTICIPANTES 1

MODELAGEM MATEMÁTICA NO ENSINO SUPERIOR: APRECIAÇÃO DA EXPERIÊNCIA PELOS SUJEITOS PARTICIPANTES 1 MODELAGEM MATEMÁTICA NO ENSINO SUPERIOR: APRECIAÇÃO DA EXPERIÊNCIA PELOS SUJEITOS PARTICIPANTES 1 Marinez Cargnin-Stieler UNEMAT/NEED marinez@unemat.br Resumo: Este trabalho é uma análise parcial dos dados

Leia mais

Formação de Professores de Matemática em Serviço e Uso da Lousa Digital

Formação de Professores de Matemática em Serviço e Uso da Lousa Digital Formação de Professores de Matemática em Serviço e Uso da Lousa Digital Sérgio Freitas de Carvalho 1 GD6 Educação Matemática, Tecnologias Informáticas e Educação à Distância Resumo: Este artigo tem por

Leia mais

DIFERENCIAÇÃO IMPLÍCITA: VISUALIZANDO AS RETAS TANGENTES E NORMAIS COM O AUXÍLIO DO WINPLOT

DIFERENCIAÇÃO IMPLÍCITA: VISUALIZANDO AS RETAS TANGENTES E NORMAIS COM O AUXÍLIO DO WINPLOT DIFERENCIAÇÃO IMPLÍCITA: VISUALIZANDO AS RETAS TANGENTES E NORMAIS COM O AUXÍLIO DO WINPLOT Silmara Alexandra da Silva Vicente Universidade Presbiteriana Mackenzie Gisela Hernandes Gomes Universidade Presbiteriana

Leia mais

A TEORIA DAS SITUAÇÕES DIDÁTICAS E A DIALÉTICA FERRAMENTA-OBJETO: UM QUADRO COMPARATIVO

A TEORIA DAS SITUAÇÕES DIDÁTICAS E A DIALÉTICA FERRAMENTA-OBJETO: UM QUADRO COMPARATIVO 1 A TEORIA DAS SITUAÇÕES DIDÁTICAS E A DIALÉTICA FERRAMENTA-OBJETO: UM QUADRO COMPARATIVO Wagner Marcelo Pommer Doutor em Educação/FEUSP wmpommer@usp.br Resumo O objetivo deste texto é realizar uma comparação

Leia mais

O USO DE VÍDEO E DO SOFTWARE MODELLUS PARA ANALISAR UM FENÔMENO BIOLÓGICO

O USO DE VÍDEO E DO SOFTWARE MODELLUS PARA ANALISAR UM FENÔMENO BIOLÓGICO O USO DE VÍDEO E DO SOFTWARE MODELLUS PARA ANALISAR UM FENÔMENO BIOLÓGICO Débora da Silva Soares 1 Universidade Estadual Paulista Julio de Mesquita Filho debbie_mat@yahoo.com.br Nilton Silveira Domingues

Leia mais

PLANO ANUAL DE TRABALHO DOCENTE CURSO DISCIPLINA ANO ENSINO MÉDIO MATEMÁTICA 2015 DOCENTE CARGA HORÁRIA AULAS PREVISTAS JULIANA SARTOR ÁVILA 160 80

PLANO ANUAL DE TRABALHO DOCENTE CURSO DISCIPLINA ANO ENSINO MÉDIO MATEMÁTICA 2015 DOCENTE CARGA HORÁRIA AULAS PREVISTAS JULIANA SARTOR ÁVILA 160 80 PLANO ANUAL DE TRABALHO DOCENTE CURSO DISCIPLINA ANO ENSINO MÉDIO MATEMÁTICA 2015 DOCENTE CARGA HORÁRIA AULAS PREVISTAS JULIANA SARTOR ÁVILA 160 80 EMENTA DA DISCIPLINA O Estudo das funções e suas aplicações

Leia mais

UMA EXPERIÊNCIA COM A MODELAGEM MATEMÁTICA POR MEIO DO ESTUDO DA RITALINA NO ORGANISMO

UMA EXPERIÊNCIA COM A MODELAGEM MATEMÁTICA POR MEIO DO ESTUDO DA RITALINA NO ORGANISMO UMA EXPERIÊNCIA COM A MODELAGEM MATEMÁTICA POR MEIO DO ESTUDO DA RITALINA NO ORGANISMO Renata Karoline Fernandes Universidade do Norte do Paraná/Universidade Estadual de Londrina renatakaroline@hotmail.com

Leia mais

Palavras-Chave: Resolução de Problemas, Contrato didático, Ensino da Matemática.

Palavras-Chave: Resolução de Problemas, Contrato didático, Ensino da Matemática. A RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS MATEMÁTICOS E O PROFESSOR Juliane dos Santos Medeiros 1 (UFAL) Jumedeiros_santos@yahoo.com.br Eliane Silva Araújo Correia 2 (UFAL) elianecorreia@hotmail.com RESUMO Este artigo

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA DE EDUCADORES NA REGIÃO OESTE DO PARANÁ: AS CONTRIBUIÇÕES NA ÁREA DE MATEMÁTICA

FORMAÇÃO CONTINUADA DE EDUCADORES NA REGIÃO OESTE DO PARANÁ: AS CONTRIBUIÇÕES NA ÁREA DE MATEMÁTICA FORMAÇÃO CONTINUADA DE EDUCADORES NA REGIÃO OESTE DO PARANÁ: AS CONTRIBUIÇÕES NA ÁREA DE MATEMÁTICA Emma Gnoatto AMOP emmagnoatto2009@hotmail.com Heliane Mariza Grzybowski Ripplinger SEED liaripp@hotmail.com

Leia mais

Modelagem computacional para o Ensino de Equações Diferenciais Ordinárias em cursos de Engenharia

Modelagem computacional para o Ensino de Equações Diferenciais Ordinárias em cursos de Engenharia Modelagem computacional para o Ensino de Equações Diferenciais Ordinárias em cursos de Engenharia Maria Madalena Dullius Centro Universitário Univates Brasil madalena@univates.br Resumo Neste trabalho

Leia mais

REPENSANDO A LICENCIATURA EM FÍSICA: elementos para uma nova proposta

REPENSANDO A LICENCIATURA EM FÍSICA: elementos para uma nova proposta REPENSANDO A LICENCIATURA EM FÍSICA: elementos para uma nova proposta Nilson Marcos Dias Garcia a b [nilson@ppgte.cefetpr.br] José Luiz Fabris a [fabris@cefetpr.br] Cristóvão Renato M. Rincoski a [rincoski@cefetpr.br]

Leia mais

Modelos matemáticos que descrevem o crescimento populacional: aplicados e contextualizados aos dados do município de Osório

Modelos matemáticos que descrevem o crescimento populacional: aplicados e contextualizados aos dados do município de Osório Modelos matemáticos que descrevem o crescimento populacional: aplicados e contextualizados aos dados do município de Osório Bruna Pagani Pugens 1 Juarez Ferri da Silva 1 Rosa da Rocha Fernandes 1 Darlan

Leia mais

APRENDENDO, BRINCANDO E MODELANDO COM AS EQUAÇÕES DE 1º GRAU

APRENDENDO, BRINCANDO E MODELANDO COM AS EQUAÇÕES DE 1º GRAU APRENDENDO, BRINCANDO E MODELANDO COM AS EQUAÇÕES DE 1º GRAU Cristiano Forster UDESC Universidade do Estado de Santa Catarina forster003@gmail.com Débora Eloísa Nass Kieckhoefel UDESC Universidade do Estado

Leia mais

MATERIAIS CONCRETOS E SOFTWARE MATEMÁTICO: UMA APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA PARA O ENSINO DE GEOMETRIA NO ENSINO FUNDAMENTAL II

MATERIAIS CONCRETOS E SOFTWARE MATEMÁTICO: UMA APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA PARA O ENSINO DE GEOMETRIA NO ENSINO FUNDAMENTAL II 1 MATERIAIS CONCRETOS E SOFTWARE MATEMÁTICO: UMA APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA PARA O ENSINO DE GEOMETRIA NO ENSINO FUNDAMENTAL II Joseleide dos Santos Sardinha - UEFS (leidejoissi@hotmail.com ) Alex Almeida

Leia mais

MODELAGEM MATEMÁTICA NUM CURSO DE LICENCIATURA: DISCUTINDO DIFERENTES SIGNIFICADOS DE EQUAÇÃO

MODELAGEM MATEMÁTICA NUM CURSO DE LICENCIATURA: DISCUTINDO DIFERENTES SIGNIFICADOS DE EQUAÇÃO MODELAGEM MATEMÁTICA NUM CURSO DE LICENCIATURA: DISCUTINDO DIFERENTES SIGNIFICADOS DE EQUAÇÃO Isabela Galvão Barbosa Stempniak Universidade Bandeirante - UNIBAN isabelagalvao@gmail.com Alessandro Jacques

Leia mais

UMA INVESTIGAÇÃO COM ALUNOS DE UM CURSO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA SOBRE A MOBILIZAÇÃO DE CONHECIMENTOS MATEMÁTICOS

UMA INVESTIGAÇÃO COM ALUNOS DE UM CURSO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA SOBRE A MOBILIZAÇÃO DE CONHECIMENTOS MATEMÁTICOS UMA INVESTIGAÇÃO COM ALUNOS DE UM CURSO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA SOBRE A MOBILIZAÇÃO DE CONHECIMENTOS MATEMÁTICOS Cintia Ap. Bento dos Santos Universidade Cruzeiro do Sul Programa de Pós Graduação

Leia mais

PROVA BRASIL: A AVALIAÇÃO EM MATEMÁTICA E AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS NO 5º ANO

PROVA BRASIL: A AVALIAÇÃO EM MATEMÁTICA E AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS NO 5º ANO PROVA BRASIL: A AVALIAÇÃO EM MATEMÁTICA E AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS NO 5º ANO Sylmara Fagundes da Silva Sylmara.fagundes@hotmail.com RESUMO O presente trabalho teve como objetivo analisar os resultados das

Leia mais

USO DO SOFTWARE GEOGEBRA COMO SUPORTE PARA ESTUDO DOS CILINDROS NO CONTEXTO DO ENSINO SUPERIOR

USO DO SOFTWARE GEOGEBRA COMO SUPORTE PARA ESTUDO DOS CILINDROS NO CONTEXTO DO ENSINO SUPERIOR USO DO SOFTWARE GEOGEBRA COMO SUPORTE PARA ESTUDO DOS CILINDROS NO CONTEXTO DO ENSINO SUPERIOR Resumo Leidiane Cequeira Santos 1 Edson Crisostomo dos Santos 2 1 Universidade Estadual de Montes Claros UNIMONTES,

Leia mais

GRÁFICOS E FUNÇÕES NOS NÍVEIS FUNDAMENTAL E MÉDIO

GRÁFICOS E FUNÇÕES NOS NÍVEIS FUNDAMENTAL E MÉDIO GRÁFICOS E FUNÇÕES NOS NÍVEIS FUNDAMENTAL E MÉDIO João Paulo G. Vassallo ( FEVRE) Marcus Vinicius F. Soares (FEUFF) Projeto Fundão IM/UFRJ pfundao@im.ufrj.br 1. Histórico O conceito de função vem sendo

Leia mais

UMA NOVA PROPOSTA PARA GEOMETRIA ANALÍTICA NO ENSINO MÉDIO

UMA NOVA PROPOSTA PARA GEOMETRIA ANALÍTICA NO ENSINO MÉDIO UMA NOVA PROPOSTA PARA GEOMETRIA ANALÍTICA NO ENSINO MÉDIO DANIELLA ASSEMANY DA GUIA CAp- UFRJ danyprof@bol.com.br 1.1. RESUMO Esta comunicação científica tem como objetivo tratar e apresentar a Geometria

Leia mais

UM OLHAR PARA A DISCIPLINA DE CÁLCULO I COM O OBJETIVO DE UTILIZAR RECURSOS EDUCACIONAIS ONLINE

UM OLHAR PARA A DISCIPLINA DE CÁLCULO I COM O OBJETIVO DE UTILIZAR RECURSOS EDUCACIONAIS ONLINE UM OLHAR PARA A DISCIPLINA DE CÁLCULO I COM O OBJETIVO DE UTILIZAR RECURSOS EDUCACIONAIS ONLINE Flávia Sueli Fabiani Marcatto Universidade Federal de Itajubá flaviamarcatto@unifei.edu.br Rodrigo Silva

Leia mais

DISCIPLINA DE MODELAGEM MATEMÁTICA DO PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM ENSINO DE CIÊNCIAS EXATAS DA UNIVATES-RS

DISCIPLINA DE MODELAGEM MATEMÁTICA DO PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM ENSINO DE CIÊNCIAS EXATAS DA UNIVATES-RS DISCIPLINA DE MODELAGEM MATEMÁTICA DO PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM ENSINO DE CIÊNCIAS EXATAS DA UNIVATES-RS Claus Haetinger UNIVATES chaet@univates.br Maria Madalena Dullius UNIVATES madalena@univates.br

Leia mais

Metodologia Para a realização desse trabalho foi analisado o Documento orientador

Metodologia Para a realização desse trabalho foi analisado o Documento orientador FORMAÇÃO CONTINUADA: UMA ANÁLISE DA APLICAÇÃO DO SISMÉDIO NA ESCOLA PROFESSOR JOSÉ SOARES DE CARVALHO- GUARABIRA-PB Gyslâynne Mary dos Santos Hermenegildo Rodrigues EEEFM Professor José Soares de Carvalho

Leia mais

A inserção de jogos e tecnologias no ensino da matemática

A inserção de jogos e tecnologias no ensino da matemática A inserção de jogos e tecnologias no ensino da matemática Michel da Silva Machado e-mail: michel_nick25@hotmail.com Isaque Rodrigues e-mail: isaque.max@hotmail.com Márcia Marinho do Nascimento Mello e-mail:

Leia mais

As fases na resolução de um problema real podem, de modo geral, ser colocadas na seguinte ordem:

As fases na resolução de um problema real podem, de modo geral, ser colocadas na seguinte ordem: 1 As notas de aula que se seguem são uma compilação dos textos relacionados na bibliografia e não têm a intenção de substituir o livro-texto, nem qualquer outra bibliografia. Introdução O Cálculo Numérico

Leia mais

Equações diferencias são equações que contém derivadas.

Equações diferencias são equações que contém derivadas. Equações diferencias são equações que contém derivadas. Os seguintes problemas são exemplos de fenômenos físicos que envolvem taxas de variação de alguma quantidade: Escoamento de fluidos Deslocamento

Leia mais

O Teorema de Pitágoras segundo a dialética ferramenta-objeto. Le théorème de Pythagore selon la dialectique outil-objet

O Teorema de Pitágoras segundo a dialética ferramenta-objeto. Le théorème de Pythagore selon la dialectique outil-objet O Teorema de Pitágoras segundo a dialética ferramenta-objeto Ana Paula Jahn anapjahn@gmail.com UNIBAN/SP Vincenzo Bongiovanni vincenzo.bongiovanni@uol.com.br UNIBAN/SP Resumo: neste artigo, descrevem-se

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DAS DISCIPLINAS DE MATEMÁTICA E FÍSICA NO ENEM: PERCEPÇÃO DOS ALUNOS DO CURSO PRÉ- UNIVERSITÁRIO DA UFPB LITORAL NORTE

A IMPORTÂNCIA DAS DISCIPLINAS DE MATEMÁTICA E FÍSICA NO ENEM: PERCEPÇÃO DOS ALUNOS DO CURSO PRÉ- UNIVERSITÁRIO DA UFPB LITORAL NORTE A IMPORTÂNCIA DAS DISCIPLINAS DE MATEMÁTICA E FÍSICA NO ENEM: PERCEPÇÃO DOS ALUNOS DO CURSO PRÉ- UNIVERSITÁRIO DA UFPB LITORAL NORTE ALMEIDA 1, Leonardo Rodrigues de SOUSA 2, Raniere Lima Menezes de PEREIRA

Leia mais

DESCOBRINDO O SEGREDO DAS FÓRMULAS DE ÁREA

DESCOBRINDO O SEGREDO DAS FÓRMULAS DE ÁREA DESCOBRINDO O SEGREDO DAS FÓRMULAS DE ÁREA Antonia Natanayana Lima Mesquita Universidade do Estado da Bahia - UNEB natanayana@hotmail.com Daniela Batista Santos Universidade do Estado da Bahia - UNEB dansantosd@yahoo.com.br

Leia mais

UM OLHAR PARA AS REPRESENTAÇÕES GRÁFICAS ATRAVÉS DO SOFTWARE GRAFEQ

UM OLHAR PARA AS REPRESENTAÇÕES GRÁFICAS ATRAVÉS DO SOFTWARE GRAFEQ ISSN 2316-7785 UM OLHAR PARA AS REPRESENTAÇÕES GRÁFICAS ATRAVÉS DO SOFTWARE GRAFEQ Marinela da Silveira Boemo Universidade Federal de Santa Maria marinelasboemo@hotmail.com Carmen Reisdoerfer Universidade

Leia mais

Aplicação do Software GeoGebra no ensino de Funções

Aplicação do Software GeoGebra no ensino de Funções Ricardo Antonio Faustino da Silva Braz Universidade Federal Rural do Semi-Árido - UFERSA Brasil ricardobraz@ufersa.edu.br Jean Michel Moura Bezerra Universidade Federal Rural do Semi-Árido - UFERSA Brasil

Leia mais

MONTAGEM DO DODECAEDRO REGULAR COM TUBOS DE CANETA PARA APRENDIZAGEM DO VOLUME UTILIZANDO CABRI 3D

MONTAGEM DO DODECAEDRO REGULAR COM TUBOS DE CANETA PARA APRENDIZAGEM DO VOLUME UTILIZANDO CABRI 3D MONTAGEM DO DODECAEDRO REGULAR COM TUBOS DE CANETA PARA APRENDIZAGEM DO VOLUME UTILIZANDO CABRI 3D Resumo: Amarildo Aparecido dos Santos Pontifícia Universidade Católica de São Paulo amarosja@terra.com.br

Leia mais

FENÔMENOS DA NATUREZA: REPRESENTAÇÕES INFANTIS E MEDIAÇÃO DO PROFESSOR INTRODUÇÃO

FENÔMENOS DA NATUREZA: REPRESENTAÇÕES INFANTIS E MEDIAÇÃO DO PROFESSOR INTRODUÇÃO FENÔMENOS DA NATUREZA: REPRESENTAÇÕES INFANTIS E MEDIAÇÃO DO PROFESSOR Palara-chave: conceitos da criança, pedagogia Nerli Nonato Ribeiro Mori Nara Cristina Miranda Universidade Estadual de Maringá INTRODUÇÃO

Leia mais

TRANSPOSIÇÃO DIDÁTICA, INTERDISCIPLINARIDADE E CONTEXTUALIZAÇÃO

TRANSPOSIÇÃO DIDÁTICA, INTERDISCIPLINARIDADE E CONTEXTUALIZAÇÃO TRANSPOSIÇÃO DIDÁTICA, INTERDISCIPLINARIDADE E CONTEXTUALIZAÇÃO Como já vimos, a proposta pedagógica é uma articuladora de intenções educativas onde se definem as competências, os conteúdos, os recursos

Leia mais

ESTRATÉGIAS GRÁFICAS NA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS ARITMÉTICOS RESUMO. Palavras-Chave: Resolução de problemas; Estratégias gráficas; Problemas aritméticos

ESTRATÉGIAS GRÁFICAS NA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS ARITMÉTICOS RESUMO. Palavras-Chave: Resolução de problemas; Estratégias gráficas; Problemas aritméticos ESTRATÉGIAS GRÁFICAS NA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS ARITMÉTICOS Rogéria Gaudencio do Rêgo (DM/CCEN/UFPB) Maria Alves de Azeredo (DME/CE/UFPB) RESUMO Este estudo tem por objetivo discutir sobre as diferentes

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA

FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA Fabiana de Jesus Oliveira União de Ensino do Sudoeste do Paraná fabiana@unisep.edu.br Diversas são as pesquisas que têm mostrado que o ensino encontra-se

Leia mais

Palavras-chave: Concepção de professores, contextualização, interdisciplinaridade. Resumo 1. INTRODUÇÃO

Palavras-chave: Concepção de professores, contextualização, interdisciplinaridade. Resumo 1. INTRODUÇÃO CONTEXTUALIZAÇÃO E INTERDISCIPLINARIDADE: CONCEPÇÕES DE PROFESSORES NO ENSINO DE GASES Helena Cristina Aragão de Sá 1 (FM) Roberto Ribeiro da Silva 2 (PQ) 1 SEEDF/E.C. 803 - Recanto das Emas, helenaaragaosa@gmail.com

Leia mais

O TEOREMA DE PITÁGORAS UMA EXPERIENCIA UTILIZANDO O SOFTWARE GEOGEBRA COM ALUNOS DO PROGRAMA VIVA ESCOLA

O TEOREMA DE PITÁGORAS UMA EXPERIENCIA UTILIZANDO O SOFTWARE GEOGEBRA COM ALUNOS DO PROGRAMA VIVA ESCOLA O TEOREMA DE PITÁGORAS UMA EXPERIENCIA UTILIZANDO O SOFTWARE GEOGEBRA COM ALUNOS DO PROGRAMA VIVA ESCOLA Loreni Aparecida Ferreira Baldini 1 Colégio Est. Pe. José de Anchieta - loreni@ibest.com.br RESUMO

Leia mais

EXPLORANDO ESTRATÉGIAS DIFERENCIADAS NA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS MATEMÁTICOS

EXPLORANDO ESTRATÉGIAS DIFERENCIADAS NA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS MATEMÁTICOS EXPLORANDO ESTRATÉGIAS DIFERENCIADAS NA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS MATEMÁTICOS Virginia Furlanetto virf@universo.univates.br Maria Madalena Dullius madalena@univates.br CONTEXTUALIZAÇÃO Atualmente, em educação,

Leia mais

computador-cálculo numérico perfeita. As fases na resolução de um problema real podem, de modo geral, ser colocadas na seguinte ordem:

computador-cálculo numérico perfeita. As fases na resolução de um problema real podem, de modo geral, ser colocadas na seguinte ordem: 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA Departamento de Matemática - CCE Cálculo Numérico - MAT 271 Prof.: Valéria Mattos da Rosa As notas de aula que se seguem são uma compilação dos textos relacionados na bibliografia

Leia mais

A importância dos Registros de Representação Semiótica no Ensino da Matemática

A importância dos Registros de Representação Semiótica no Ensino da Matemática A importância dos Registros de Representação Semiótica no Ensino da Matemática PROF. MS. JOSÉ JOÃO DE MELO (josejoaomelo@gmail.com) PROF ESP. AUGUSTO RATTI FILHO (gutoratti@outlook.com.br) PROF DR. ROGERIO

Leia mais

FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS CURSO DE DIREITO VESTIBULAR 2007 PROVA DE RACIOCÍNIO LÓGICO-MATEMÁTICO. 1 a. fase

FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS CURSO DE DIREITO VESTIBULAR 2007 PROVA DE RACIOCÍNIO LÓGICO-MATEMÁTICO. 1 a. fase FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS CURSO DE DIREITO VESTIBULAR 007 PROVA DE RACIOCÍNIO LÓGICO-MATEMÁTICO 1 a. fase Maria Raquel Miotto Morelatti Monica Fürkotter Novembro 006 1 Sumário 1.. Introdução 0 A natureza

Leia mais

TRANSPOSIÇÃO DIDÁTICA, INTERDISCIPLINARIDADE E CONTEXTUALIZAÇÃO Guiomar Namo de Mello

TRANSPOSIÇÃO DIDÁTICA, INTERDISCIPLINARIDADE E CONTEXTUALIZAÇÃO Guiomar Namo de Mello TRANSPOSIÇÃO DIDÁTICA, INTERDISCIPLINARIDADE E CONTEXTUALIZAÇÃO Como já vimos, a proposta pedagógica é uma articuladora de intenções educativas onde se definem as competências, os conteúdos, os recursos

Leia mais

Uma Proposta de Modelagem Matemática como Estratégia de Ensino. Palavras-chave: Educação Matemática, Modelagem Matemática, Função.

Uma Proposta de Modelagem Matemática como Estratégia de Ensino. Palavras-chave: Educação Matemática, Modelagem Matemática, Função. Uma Proposta de Modelagem Matemática como Estratégia de Ensino Prof. Taciana Maciel Baggio tacibaggio@yahoo.com.br Resumo Neste trabalho sugerimos a Modelagem Matemática como estratégia de ensino e aprendizagem.

Leia mais

Trabalhando com gráfico na Educação Infantil momentos em que brincar é coisa séria

Trabalhando com gráfico na Educação Infantil momentos em que brincar é coisa séria Trabalhando com gráfico na Educação Infantil momentos em que brincar é coisa séria Autora: Ana Cristina Fonseca Instituição: PUC-Campinas Fonseca.cris@uol.com.br Co -autor 1: Maria Auxiliadora Bueno Andrade

Leia mais

GEOMETRIA ANALÍTICA COM USO DO SOFTWARE GEOGEBRA: EXPERIÊNCIAS VIVENCIADAS NO CONTEXTO ESCOLAR*

GEOMETRIA ANALÍTICA COM USO DO SOFTWARE GEOGEBRA: EXPERIÊNCIAS VIVENCIADAS NO CONTEXTO ESCOLAR* GEOMETRIA ANALÍTICA COM USO DO SOFTWARE GEOGEBRA: EXPERIÊNCIAS VIVENCIADAS NO CONTEXTO ESCOLAR* Francisco Jeovane do Nascimento Universidade Estadual do Ceará - UECE jeonasc@hotmail.com Neiva Daiane Cordeiro

Leia mais

UMA ATIVIDADE DE MODELAGEM, PARA ALÉM DE UMA PRIMEIRA INVESTIGAÇÃO

UMA ATIVIDADE DE MODELAGEM, PARA ALÉM DE UMA PRIMEIRA INVESTIGAÇÃO UMA ATIVIDADE DE MODELAGEM, PARA ALÉM DE UMA PRIMEIRA INVESTIGAÇÃO Izabel Cristina Fagundes Universidade Tecnológica Federal do Paraná - câmpus Cornélio Procópio Iza_cristina92@outlook.com Angélica Langner

Leia mais

Fractais na escola: a prática de uma engenharia didática apoiada por tecnologia.

Fractais na escola: a prática de uma engenharia didática apoiada por tecnologia. Fractais na escola: a prática de uma engenharia didática apoiada por tecnologia. Autor 1 * Autor 2 ** Resumo: Neste artigo vamos apresentar o relato de uma proposta de trabalho desenvolvida na escola básica

Leia mais

Palavras-chave: Educação Matemática; Avaliação; Formação de professores; Pró- Matemática.

Palavras-chave: Educação Matemática; Avaliação; Formação de professores; Pró- Matemática. PRÓ-MATEMÁTICA 2012: UM EPISÓDIO DE AVALIAÇÃO Edilaine Regina dos Santos 1 Universidade Estadual de Londrina edilaine.santos@yahoo.com.br Rodrigo Camarinho de Oliveira 2 Universidade Estadual de Londrina

Leia mais

CONCEPÇÕES MATEMÁTICA APRESENTADAS POR PROFESSORES DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA

CONCEPÇÕES MATEMÁTICA APRESENTADAS POR PROFESSORES DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA CONCEPÇÕES MATEMÁTICA APRESENTADAS POR PROFESSORES DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA Jacqueline Oliveira de Melo Gomes Faculdade de Formação de Professores da Mata Sul / FAMASUL-PE jacomgomes@yahoo.com.br

Leia mais

POTENCIALIDADES DO SOFTWARE GEOGEBRA NA SALA DE AULA DE MATEMÁTICA: UM EXEMPLO COM ENSINO E APRENDIZAGEM DE TRIGONOMETRIA

POTENCIALIDADES DO SOFTWARE GEOGEBRA NA SALA DE AULA DE MATEMÁTICA: UM EXEMPLO COM ENSINO E APRENDIZAGEM DE TRIGONOMETRIA POTENCIALIDADES DO SOFTWARE GEOGEBRA NA SALA DE AULA DE MATEMÁTICA: UM EXEMPLO COM ENSINO E APRENDIZAGEM DE TRIGONOMETRIA Maria Maroni Lopes Universidade Federal do Rio Grande do Norte marolopes@hotmail.com

Leia mais

2 A Derivada. 2.1 Velocidade Média e Velocidade Instantânea

2 A Derivada. 2.1 Velocidade Média e Velocidade Instantânea 2 O objetivo geral desse curso de Cálculo será o de estudar dois conceitos básicos: a Derivada e a Integral. No decorrer do curso esses dois conceitos, embora motivados de formas distintas, serão por mais

Leia mais

O ESTUDO DE FUNÇÕES DO PRIMEIRO GRAU POR MEIO DA ANÁLISE DA CONTA DE ENERGIA ELÉTRICA NO ENSINO FUNDAMENTAL

O ESTUDO DE FUNÇÕES DO PRIMEIRO GRAU POR MEIO DA ANÁLISE DA CONTA DE ENERGIA ELÉTRICA NO ENSINO FUNDAMENTAL O ESTUDO DE FUNÇÕES DO PRIMEIRO GRAU POR MEIO DA ANÁLISE DA CONTA DE ENERGIA ELÉTRICA NO ENSINO FUNDAMENTAL Ana Paula Rebello Pontifícia Universidade do Rio Grande do Sul - PUCRS prof.anapaula@ibest.com.br

Leia mais

APLICAÇÕES DE EQUAÇÕES 1ª. ORDEM

APLICAÇÕES DE EQUAÇÕES 1ª. ORDEM APLICAÇÕES DE EQUAÇÕES 1ª. ORDEM Decaimento radioativo Resultados experimentais mostram que elementos radioativos desintegram a uma taxa proporcional à quantidade presente do elemento. Se Q = Q(t) é a

Leia mais

REGISTROS DE REPRESENTAÇÃO SEMIÓTICA E O ENSINO DAS NOÇÕES DE ÁREA E PERÍMETRO

REGISTROS DE REPRESENTAÇÃO SEMIÓTICA E O ENSINO DAS NOÇÕES DE ÁREA E PERÍMETRO REGISTROS DE REPRESENTAÇÃO SEMIÓTICA E O ENSINO DAS NOÇÕES DE ÁREA E PERÍMETRO CINTIA APARECIDA BENTO DOS SANTOS (UNIVERSIDADE CRUZEIRO DO SUL), EDDA CURI (UNIVERSIDADE CRUZEIRO DO SUL). Resumo Este artigo

Leia mais

ANEXO II CONTEÚDO PROGRAMÁTICO ENSINO MÉDIO

ANEXO II CONTEÚDO PROGRAMÁTICO ENSINO MÉDIO ANEXO II CONTEÚDO PROGRAMÁTICO ENSINO MÉDIO I PORTUGUÊS: Compreensão e interpretação de texto. Ortografia: divisão silábica, pontuação, hífen, sinônimo, acentuação gráfica, crase. Morfologia: classes de

Leia mais

AS DIFICULDADES DOS ALUNOS DO 8º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL NA COMPREENSÃO DE EQUAÇÕES E INEQUAÇÕES

AS DIFICULDADES DOS ALUNOS DO 8º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL NA COMPREENSÃO DE EQUAÇÕES E INEQUAÇÕES AS DIFICULDADES DOS ALUNOS DO 8º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL NA COMPREENSÃO DE EQUAÇÕES E INEQUAÇÕES Silmara Cristina Manoel UNESP Ilha Solteira Silmaracris2@hotmail.com Inocêncio Fernandes Balieiro Filho

Leia mais

O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula

O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula INTRODUÇÃO Josiane Faxina Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho Câmpus Bauru e-mail: josi_unesp@hotmail.com

Leia mais

A MODELAGEM MATEMÁTICA EM QUESTÕES AMBIENTAIS

A MODELAGEM MATEMÁTICA EM QUESTÕES AMBIENTAIS A MODELAGEM MATEMÁTICA EM QUESTÕES AMBIENTAIS CEOLIM, Amauri Jersi. TIDE/Fecilcam, ajceolim@gmail.com BRAZ, Bárbara Cândido. USF/Matemática, Fecilcam, babicbraz@hotmail.com ROEDER, Simone. USF/ Matemática,

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Médio Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Médio Etec Etec: PAULINO BOTELHO Código: 091 Município: SÃO CARLOS Área de conhecimento: :CIENCIAS DA NATUREZA, MATEMATICA E SUAS TECNOLOGIAS Componente Curricular:

Leia mais

A Recuperação Intensiva do Ensino Fundamental: a opinião de professores de Matemática sobre o erro do aluno

A Recuperação Intensiva do Ensino Fundamental: a opinião de professores de Matemática sobre o erro do aluno A Recuperação Intensiva do Ensino Fundamental: a opinião de professores de Matemática sobre o erro do aluno Ambrosio, Ana Cristina da Silva.¹ GD2: Educação Matemática nos anos finais do Ensino Fundamental

Leia mais

DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM NA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS ENVOLVENDO EQUAÇÕES DO 1º GRAU

DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM NA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS ENVOLVENDO EQUAÇÕES DO 1º GRAU DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM NA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS ENVOLVENDO EQUAÇÕES DO 1º GRAU Resumo Ana Claudia da Silva Petronilo Licencianda em Matemática Universidade Católica de Brasília Orientador: Cleyton

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PUC/SP

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PUC/SP PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PUC/SP Péricles Bedretchuk Araújo Situações de aprendizagem: a circunferência, a mediatriz e uma abordagem com o Geogebra Dissertação apresentada à Banca Examinadora

Leia mais

Trabalhando Matemática: percepções contemporâneas

Trabalhando Matemática: percepções contemporâneas CONSTRUINDO CONCEITOS SOBRE FAMÍLIA DE FUNÇÕES POLINOMIAL DO 1º GRAU COM USO DO WINPLOT Tecnologias da Informação e Comunicação e Educação Matemática (TICEM) GT 06 MARCOS ANTONIO HELENO DUARTE Secretaria

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA: UM ESTUDO SOBRE O CURRÍCULO NA FORMAÇÃO EM LICENCIATURA EM MATEMÁTICA NO ESTADO DO MARANHÃO Mauro Guterres Barbosa Universidade Estadual do Maranhão - UEMA

Leia mais

Tendências atuais sobre o ensino de funções no Ensino Médio 1

Tendências atuais sobre o ensino de funções no Ensino Médio 1 Tendências atuais sobre o ensino de funções no Ensino Médio 1 Marina Menna Barreto Neste artigo pretendemos, através de uma análise da literatura, trazer resultados de pesquisas na área da Educação Matemática

Leia mais

PRODUÇÃO DE SIGNIFICADOS NA SALA DE AULA DE MATEMÁTICA DO ENSINO FUNDAMENTAL

PRODUÇÃO DE SIGNIFICADOS NA SALA DE AULA DE MATEMÁTICA DO ENSINO FUNDAMENTAL PRODUÇÃO DE SIGNIFICADOS NA SALA DE AULA DE MATEMÁTICA DO ENSINO FUNDAMENTAL Amarildo Melchiades da Silva Universidade Federal de Juiz de Fora xamcoelho@terra.com.br José Eduardo Ferreira da Silva C.A.

Leia mais

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE EQUAÇÕES DIFERENCIAIS

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE EQUAÇÕES DIFERENCIAIS INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE EQUAÇÕES DIFERENCIAIS Terminologia e Definições Básicas No curso de cálculo você aprendeu que, dada uma função y f ( ), a derivada f '( ) d é também, ela mesma, uma função de e

Leia mais

Projeto: CLUBE DA MATEMÁTICA 1

Projeto: CLUBE DA MATEMÁTICA 1 ESCOLA ESTADUAL DE GUARAITUBA ENSINO FUNDAMENTAL Rua Carlos Alberto Dugonski, 76. Jardim Viviane. Colombo. Paraná. Tel./Fax: (41) 3666 33 35 /e-mail: guaraituba-colombo@netescola.pr.gov.br Projeto: CLUBE

Leia mais

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO ESTRUTURA GERAL DOS ROTEIROS DE ESTUDOS QUINZENAL Os roteiros de estudos, cujo foco está destacado nas palavras chaves, estão organizados em três momentos distintos: 1º MOMENTO - FUNDAMENTOS TEÓRICOS -

Leia mais

Equações do segundo grau

Equações do segundo grau Módulo 1 Unidade 4 Equações do segundo grau Para início de conversa... Nesta unidade, vamos avançar um pouco mais nas resoluções de equações. Na unidade anterior, você estudou sobre as equações de primeiro

Leia mais

17/06 AVALIAÇÃO INTEGRADA 19h10min

17/06 AVALIAÇÃO INTEGRADA 19h10min DE PROVAS BIMESTRAIS 1º, 3º e 5º TERMOS DE MATEMÁTICA 17/06 AVALIAÇÃO INTEGRADA 19h10min A PROVA SERÁ APLICADA NA SALA DO 3º TERMO DE MATEMÁTICA 1º TERMO MATEMÁTICA DE SUBSTITUTIVA 4ª FEIRA 24/06 - Fundamentos

Leia mais

CAMPO CONCEITUAL E REPRESENTAÇÕES SEMIÓTICAS DO CONCEITO DE FUNÇÃO: ANÁLISE DE LIVROS DIDÁTICOS DE MATEMÁTICA DO ENSINO FUNDAMENTAL

CAMPO CONCEITUAL E REPRESENTAÇÕES SEMIÓTICAS DO CONCEITO DE FUNÇÃO: ANÁLISE DE LIVROS DIDÁTICOS DE MATEMÁTICA DO ENSINO FUNDAMENTAL ISSN 2316-7785 CAMPO CONCEITUAL E REPRESENTAÇÕES SEMIÓTICAS DO CONCEITO DE FUNÇÃO: ANÁLISE DE LIVROS DIDÁTICOS DE MATEMÁTICA DO ENSINO FUNDAMENTAL Jéssica Goulart da Silva Universidade Federal do Pampa

Leia mais

O SIGNIFICADO DO ENSINO DE BIOLOGIA PARA OS ALUNOS DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS

O SIGNIFICADO DO ENSINO DE BIOLOGIA PARA OS ALUNOS DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS O SIGNIFICADO DO ENSINO DE BIOLOGIA PARA OS ALUNOS DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Maikon dos Santos Silva 1 Mirian Pacheco Silva 2 RESUMO: Muitos alunos da Educação de Jovens e Adultos não relacionam

Leia mais

OS IMPACTOS DO PROGRAMA UNIVERSIDADE SEM FRONTEIRAS NO PARANÁ

OS IMPACTOS DO PROGRAMA UNIVERSIDADE SEM FRONTEIRAS NO PARANÁ MODELAGEM MATEMÁTICA: UMA PROPOSTA DO PROGRAMA UNIVERSIDADE SEM FRONTEIRAS PARA O CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES 1 Amauri Jersi Ceolim 2 Faculdade Estadual de Ciências e Letras de Campo Mourão ajceolim@gmail.com

Leia mais

MODELAGEM MATEMÁTICA

MODELAGEM MATEMÁTICA 600 MODELAGEM MATEMÁTICA *Carla da Silva Santos **Marlene Menegazzi RESUMO Este artigo retrata através de seus dados históricos, métodos e exemplo prático uma metodologia alternativa de ensino nos levando

Leia mais

RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS NO CAMPO CONCEITUAL MULTIPLICATIVO. Palavras-chave: Campo conceitual, Resolução de Problemas, Campo Multiplicativo (divisão).

RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS NO CAMPO CONCEITUAL MULTIPLICATIVO. Palavras-chave: Campo conceitual, Resolução de Problemas, Campo Multiplicativo (divisão). RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS NO CAMPO CONCEITUAL MULTIPLICATIVO Rosemeire Roberta de Lima (UFAL) rose.ufal@yahoo.com.br RESUMO Trata-se de estudo bibliográfico para discutir a Teoria dos Campos Conceituais de

Leia mais

AUMENTO CRESCENTE DA AGROPECUÁRIA E O CONSEQUENTE IMPACTO AMBIENTAL: UMA ATIVIDADE DE MODELAGEM MATEMÁTICA

AUMENTO CRESCENTE DA AGROPECUÁRIA E O CONSEQUENTE IMPACTO AMBIENTAL: UMA ATIVIDADE DE MODELAGEM MATEMÁTICA AUMENTO CRESCENTE DA AGROPECUÁRIA E O CONSEQUENTE IMPACTO AMBIENTAL: UMA ATIVIDADE DE MODELAGEM MATEMÁTICA Merline Cristina Faustino merlinefaustino@yahoo.com.br Ana Maria Bertasso novaanabertasso@hotmail.com

Leia mais

PENSAMENTO ALGÉBRICO: Equações no Ensino Fundamental

PENSAMENTO ALGÉBRICO: Equações no Ensino Fundamental PENSAMENTO ALGÉBRICO: Equações no Ensino Fundamental Antonia Zulmira da Silva (autor) 1 GD2 Educação Matemática nos anos finais do Ensino Fundamental Resumo: Este artigo tem por objetivo apresentar, analisar

Leia mais

ANÁLISE DOS ERROS NA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS DE EQUAÇÕES DO 1º GRAU DOS ALUNOS DA 6ª SÉRIE

ANÁLISE DOS ERROS NA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS DE EQUAÇÕES DO 1º GRAU DOS ALUNOS DA 6ª SÉRIE ANÁLISE DOS ERROS NA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS DE EQUAÇÕES DO 1º GRAU DOS ALUNOS DA 6ª SÉRIE Adriane Trindade Lopes Universidade do Estado do Pará adriane_lopes18@yahoo.com.br Gleida Tayanna Conde de Sousa

Leia mais

Elaboração de Projetos

Elaboração de Projetos Elaboração de Projetos 2 1. ProjetoS Como se trabalha com projetos ALMEIDA, Maria Elizabeth. Como se trabalha com projetos. Revista TV Escola, [S.l.], n. 22, p. 35-38, 2001. Entrevista concedida a Cláudio

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Médio Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Médio Etec Etec: PAULINO BOTELHO Código: 091 Município: SÃO CARLOS Área de conhecimento: :CIENCIAS DA NATUREZA, MATEMATICA E SUAS TECNOLOGIAS Componente Curricular:

Leia mais

CÁLCULO COM MAPLE: EXPLORANDO CONCEITOS CENTRAIS DO CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL USANDO A TECNOLOGIA

CÁLCULO COM MAPLE: EXPLORANDO CONCEITOS CENTRAIS DO CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL USANDO A TECNOLOGIA CÁLCULO COM MAPLE: EXPLORANDO CONCEITOS CENTRAIS DO CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL USANDO A TECNOLOGIA Marco Antonio Escher Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho escher@rc.unesp.br Rosana

Leia mais

MODELAGEM MATEMÁTICA EM UM CURSO SUPERIOR DE ENGENHARIA AGRÍCOLA ANÁLISE DE UM SOLO USANDO FUNÇÃO DE VÁRIAS VARIÁVEIS

MODELAGEM MATEMÁTICA EM UM CURSO SUPERIOR DE ENGENHARIA AGRÍCOLA ANÁLISE DE UM SOLO USANDO FUNÇÃO DE VÁRIAS VARIÁVEIS MODELAGEM MATEMÁTICA EM UM CURSO SUPERIOR DE ENGENHARIA AGRÍCOLA ANÁLISE DE UM SOLO USANDO FUNÇÃO DE VÁRIAS VARIÁVEIS Aracéli Ciotti de Marins, Universidade Tecnológica Federal do Paraná UTFPR aracelimarins@yahoo.com.br

Leia mais

Ao considerar e ao explicitar a representação feita, nota-se sua lógica e o que levou o aluno a tal escolha. A partir dela, o professor pode chegar a

Ao considerar e ao explicitar a representação feita, nota-se sua lógica e o que levou o aluno a tal escolha. A partir dela, o professor pode chegar a 37 Ao trabalhar questões socioambientais e o conceito de natureza, podemos estar investigando a noção de natureza que os alunos constroem ou construíram em suas experiências e vivências. Alguns alunos

Leia mais