Dossier de Mercado. Brasil. Agosto 2013

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Dossier de Mercado. Brasil. Agosto 2013"

Transcrição

1 Agosto 2013

2 Sumário 1. IMPRESSÃO DIGITAL 3 Dados Políticos 3 Dados Geográficos 4 Dados Demográficos 4 2. AVALIAÇÃO DA SITUAÇÃO ECONÓMICA 5 3. CARACTERIZAÇÃO DO MERCADO EMISSOR 7 Evolução dos Fluxos 7 Perfil e Comportamento da Procura ANÁLISE DOS CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO 13 Transporte Aéreo 13 Operação Turística 16 Mercado Online COMPORTAMENTO DO MERCADO PARA PORTUGAL 20 Dimensão do Mercado 20 Perfil e Comportamento da Procura 24 Investimentos Turísticos 25 Operação Turística ANÁLISE DA CONCORRÊNCIA ANÁLISE SWOT 32 Forças/Fraquezas 32 Oportunidades/Ameaças 33 2

3 1. IMPRESSÃO DIGITAL Dados Políticos Designação oficial: República Federal do Chefe de Estado e Primeiro-Ministro: Presidente Dilma Rousseff, desde 31 Outubro 2010 (próximas eleições em Outubro de 2014) Governo: Nomeado pelo Presidente Poder Legislativo: Congresso Nacional constituído por Senado Federal (81 membros 3 elementos de cada estado e distrito federal, eleitos por um período de 8 anos) e Câmara dos Deputados (513 membros eleitos por representação proporcional, por um período de 4 anos) Principais Partidos: Partido dos Trabalhadores (PT), Partido do Movimento Democrático eiro (PMDB), Democratas (DEM), Partido da Social-Democracia eira (PSDB) Estrutura Administrativa: 26 estados e 1 distrito federal Unidade Monetária: Real (BRL) FONTE: IBGE Instituto eiro de Geografia e Estatística, Setembro 2012 Idioma Oficial: Português 3

4 Dados Geográficos Localização: Leste da América do Sul Superfície: km 2 (5º país em extensão territorial) Fronteira Terrestre: km, com a Argentina, Bolívia, Colômbia, Guiana Francesa, Guiana, Paraguai, Peru, Suriname, Uruguai e Venezuela Capital: Brasília Dados Demográficos População: 199,3 milhões habitantes (2012) Densidade Populacional: 23,4 hab./ km 2 (2012) Esperança Média de Vida: 73 anos (2012) No conjunto da população (199,3 milhões de habitantes, em 2012), as 2 faixas etárias mais numerosas são as dos anos (quota 31,5% a que correspondem 62,9 milhões habitantes) e dos anos (quota 25,5% e 50,9 milhões). População - evolução e projecção Anos Número (milhares) % Abs , , , , p , p , p , p , p , FONTE: US Census Bureau, Setembro População por Grupos Etários - nº, mihões [2012] ,8 50,9 62,9 39,6 FONTE: US Census Bureau, Setembro ,7 2,5 < >80 4

5 2. AVALIAÇÃO DA SITUAÇÃO ECONÓMICA Distrito Federal R$ PIB per Capita (1º) Bahia 14,2 Milhões Hab. (4º) Em 2011, no conjunto dos 26 Estados e 1 Distrito Federal, os 5 com maior número de habitantes são: São Paulo, Minas Gerais, Rio de Janeiro, Bahia e Rio Grande do Sul, que concentram 53,2% do total da população brasileira. O Estado de São Paulo a Sudeste do, é a mais populosa, com 41,9 milhões de habitantes, ou seja, uma quota de 21,6% do total da população. São Paulo 41,9 Milhões Hab. (1º) R$ PIB per Capita (2º) Santa Catarina R$ PIB per Capita (4º) Rio Grande do Sul 10,8 Milhões Hab. (5º) R$ PIB per Capita (5º) Minas Gerais 19,9 Milhões Hab. (2º) Rio de Janeiro 16,2 Milhões Hab (3º) R$ PIB per Capita (3º) Avaliadas pelo PIB a p.m., os Estados que apresentam maior nível de contributo para a economia brasileira são: São Paulo, com uma quota de 33,9%, Rio de Janeiro (11,1%), Minas Gerais (9,6%), Rio Grande do Sul (6,9%), e Paraná (5,9%) estes 5 Estados totalizaram 67,4% do PIB brasileiro em O Distrito federal é o que apresenta o PIB per capita mais elevado 195,9% acima da média nacional, seguido de São Paulo (+53,0%), Rio de Janeiro (+28,8%), Santa Catarina (+23,4%) e Rio Grande do Sul (+19,4% acima da média nacional). Em média, o PIB per capita brasileiro ascendeu a R$, em FONTE: IBGE - Instituto eiro de Geografia e Estatística (Contagem da População 2011 e Contas Regionais do 2010); FGV/EBAPE Escola eira de Administração Pública e de Empresas 5

6 A economia do tem por base setores económicos como o agrícola, o mineiro, o industrial e o de serviços, fortes e bem desenvolvidos e é, atualmente, a primeira economia da América Latina, tendo em 2011, em termos globais, superado a economia britânica, passando para o sexto lugar no ranking das maiores economias mundiais, expandindo a sua presença nos mercados globais. O consumo das famílias foi o principal motor da economia, com o consequente incremento do rendimento disponível, acrescido da apreciação da moeda real face ao euro e dólar. Principais Indicadores Macroeconómicos As reformas económicas, verificadas nos últimos anos, e as condições extremamente favoráveis a nível internacional até 2008/2009, aliadas ao desenvolvimento de importantes políticas sociais, fizeram com que a economia brasileira registasse elevadas taxas de crescimento nos anos mais recentes. Em 2011 a subida geral dos preços, levou as autoridades a adotarem políticas económicas mais restritivas, que, associadas à deterioração da situação económica internacional, levaram ao abrandamento global do crescimento económico. Indicadores Unidade (p) 2014 (p) População Milhões 186,5 188,6 190,8 192,8 194,7 196,5 198,2 PIB pm 10 9 USD 1.652, , , , , , ,0 PIB per capita USD Crescimento real do PIB (pc) % 5,2-0,3 7,5 2,7 0,9 2,0 2,6 Consumo privado (pc) % 5,7 4,4 6,9 4,1 3,1 1,9 2,9 Consumo público (pc) % 3,1 3,1 4,2 1,9 3,2 3,0 3,0 Formação bruta de capital fixo (pc) % 13,6-6,8 21,6 4,8-4,0 3,0 3,0 Taxa de desemprego % 7,9 8,1 6,7 6,0 5,5 6,2 6,5 Taxa de inflação % 5,9 4,3 5,9 6,5 5,8 6,0 5,8 Dívida pública % do PIB 57,4 60,9 53,4 54,2 58,8 59,9 61,6 Saldo do sector público % do PIB -1,9-3,2-2,3-2,6-2,4-3,1-3,3 Balança corrente 10 9 USD -28,2-24,3-47,3-52,5-54,2-72,7-81,7 Taxa de câmbio 1USD=xBRL 2,34 1,74 1,67 1,88 2,04 2,17 2,24 ( e) est imat iva; ( p ) p revisão F ON T E: EIU, A g o st o

7 3. CARACTERIZAÇÃO DO MERCADO EMISSOR Evolução dos Fluxos O posicionou-se em 36º lugar no ranking mundial de mercados emissores de turistas (0,6% da quota mundial), com 5,8 milhões de saídas, em 2011, valor que traduz um acréscimo de 5,8% face a Avaliada a dimensão do mercado interno vs mercado de outbound, constata-se uma forte representatividade do primeiro 79,4 milhões contra 5,8 milhões (13,7 vezes superior), em Constata-se que cerca de 93,2% corresponderam a deslocações internas, e os restantes 6,8% reportam a deslocações de turistas brasileiros ao estrangeiro. No período , o mercado interno registou um crescimento médio anual de 11,4% ao ano vs. 8,1% apresentado pelo mercado de outbound. Fluxos turísticos - milhões de pessoas; % ,4 +13,4 +8,0-2,6 +15,0 +22,0 +19,2 +10,6-4,4 +11,0 +5, Interno 46,3 50,0 48,7 56,0 68,3 79,4 Outbound 3,9 4,7 5,2 5,0 5,5 5,8 +16,3 FONTE: EUROM ONITOR INTERNATIONAL M arch

8 Principais destinos mundiais por macro-região - milhares TOP 10 dos países de destino - milhares de pessoas Médio Oriente 110,5 93, África 127,9 109,9 Alemanha Reino Unido Chile Espanha 194,7 186,9 201,2 192,4 238,8 225,4 247,1 236, Ásia-Pacífico 197,7 214,4 Uruguai Itália 278,3 263,8 321,3 296,8 Europa América 1.930, , , ,1 Portugal França Argentina EUA 331,6 307,8 439,6 417,7 965,7 917, ,5 956, FONTE: Euromonitor International, M arch ,0 200,0 400,0 600,0 800, , ,0 FONTE: Euromonitor International, M arch Em 2011, o foi responsável por 5,8 milhões de chegadas de turistas aos diversos destinos mundiais, em resultado do bom comportamento da economia e sobretudo da valorização do real face ao euro e dólar. A América, com 3,5 milhões de chegadas detém uma quota de 59,3% da procura global do mercado de outbound, e a Europa recebeu 1,9 milhões de turistas brasileiros (quota de 33,2%). Os principais destinos turísticos do foram os EUA e a Argentina, que concentraram 17,7% e 16,6%, respetivamente, dos fluxos de outbound gerados pelo mercado, em Segue-se a França líder de destino europeu, com uma quota representativa de 7,6%. No conjunto total de destinos, Portugal posiciona-se no 4º lugar, com uma quota de 5,7%. 8

9 Gastos Totais e por turista em viagens outbound-milhões USD; % ,7 +29, ,7-1, ,3 +23, ,7 +14,1 +33,6 +4, ,2 +14, Gastos Totais Gasto Viagem FONTE: Euromonitor International; W orld Tourism Organization ( UNW TO) TOP 10 dos gastos totais nos países de destino - milhões ; % Chile 2,0% 320,8 Uruguai 4,9% 462,0 +7,1% Reino Unido 539,2 2011/10 % ,1% Espanha 677,8 Itália 5,8% 599,1 +9,0% Portugal 857,5 +3,9% Alemanha 1.045,8 +5,0% Argentina 1.189,1 França +3,0% 1.231,1 5,3% EUA 5.631, FONTE: Euromonitor International, M arch Gastos em outbound por sector - quota das vendas [2011] Viagens Internas 6,7% Restauração 2,3% Excursões 28,0% Shopping 3,3% FONTE: Euromonitor International Animação 17,6% Outros 2,9% Em 2011, aferido pelo indicador gastos turísticos no estrangeiro, o mercado brasileiro ocupou a 12ª posição mundial, concentrando uma quota Alojamento 39,0% na ordem de 2,1%. O gasto médio do turista brasileiro por viagem ao estrangeiro ascendeu em média a cerca de USD (Custo Viagem, Alojamento, Restauração, Shopping e diversos). Nesse ano os gastos dos turistas brasileiros nos principais destinos incidem, em maior grau, no Alojamento (39,0% quota). Os EUA concentraram 27,6% dos gastos turísticos realizados no exterior pelos turistas provenientes do mercado emissor brasileiro. Cerca de 4,2% do total dos gastos do mercado no exterior foram efetuados em Portugal, ocupando o 5º lugar e registando a maior taxa de crescimento (9,0%) face a

10 Perfil e comportamento da procura População com férias no exterior por grupo etário - quota [2011] Os turistas brasileiros nas suas viagens para o estrangeiro planeiam e efetuam as suas reservas com maior intensidade, às que reportam ao período de 1 a 3 meses (quota 36,6%). Observa-se que as faixas etárias com maior representatividade de turistas deste mercado são as das faixas etárias compreendidas entre os 25 e os 34 anos e 35 e os 49 anos que concentram 26,9% e 23,1%, respetivamente, do total da procura, em As viagens de casais de turistas brasileiros apresentam uma quota de 29,8% do total das viagens para o exterior. Turistas com viagens Outbound Periodicidade- quota [2011] 19,6% 23,1% 9,7% 5,2% FON TE: EU R OM ON ITOR IN TER N A TION A L 4,7% 10,8% 26,9% Com quem viajam para o estrangeiro - quota [2011] 0-15 anos anos anos anos anos anos + 65 anos 100% 90% 80% 70% 60% 50% 40% 30% 20% 10% 0% 7,4% 12,3% 18,6% 36,6% 17,8% 6,2% 1,1% +1 ano 6-12 meses 3-6 meses 1-3 meses 7-30 dias 2-7 dias 1 dia Outros 1,4% 5,3% 15,9% Acompanhantes sem filhos Familias 29,8% Casais 18,4% 24,3% 4,9% Amigos Solteiros Grupos Organizados 0% 10% 20% 30% 40% FONTE: IPK International FONTE: Euromonitor International 10

11 6,3 5,8 5,7 7,3 7,3 7,5 7,1 8,2 12,4 10,5 10,1 11,8 Dossier de Mercado Duração da viagem de outbound - quota [2011] + 15 dias 21,4% 0-3 dias 27,8% Sazonalidade dos turistas de outbound - quota [2011] 12,0 10,0 8, dias 16,7% 6,0 4,0 4-7 dias 34,1% 2,0 0,0 JAN. FEV. MAR. ABR. MAI. JUN. JUL. AGO. SET. OUT. NOV. DEZ. FONTE: IPK INTERNATIONAL Principais Estados emissores de outbound - quota [2011] 100% Outros 90% 16,4% Distrito Federal 80% 3,8% 3,3% 4,2% Santa Catarina 70% 5,1% 6,4% Bahia 60% 8,2% Paraná 50% 40% 20,2% Minas Gerais 30% Rio Grande de Sul 20% 10% 0% FONTE: Euromonitor International 32,4% Rio de Janeiro São Paulo FONTE: IPK INTERNATIONAL A estadia média dos turistas do em destinos internacionais é, em 27,8% dos casos, até 3 dias, valor representativo da importância das férias de curta duração ou de viagens de fim de semana. De salientar, ainda, a forte representatividade da estadia média de 4 a 14 dias, com 50,8%, dos quais as estadas 4 a 7 dias prevalecem (34,1%). Uma grande parte dos brasileiros (48,1%) mantém o hábito de tirar férias na época alta, nos meses mais quentes do ano (janeiro, fevereiro, março, novembro e dezembro). As principais regiões geradoras de turistas para o estrangeiro são, de facto, as que detêm maior volume de habitantes com um maior poder de compra. São Paulo é o Estado com maior emissão de turistas para o estrangeiro (quota 32,4%). 11

12 Modo de viajar para o exterior - quota [2011] Avião 81,8% Terrestre 16,4% Marítimo 1,8% Motivação da procura para o exterior - quota [2011] Lazer 61,1% Negócios 18,8% Visitas a Amigos e Familiares 14,8% Estudos 3,3% Outros 2,0% Organização das viagens de outbound - quota [2011] Sem reserva 41,9% Reservas nas AV s 8,6% Packages 11,4% Reservas Directas 38,1% F ON T E: EU R OM ON IT OR IN T ER N A T ION A L F ON T E:EU R OM ON IT OR IN T ER N A T ION A L FONTE: IPK INTERNATIONAL Meios de Alojamento nas viagens de outbound - quota (%) Outros Pousada da Juventude Camping Cruzeiros Casa própria Casa alugada Casa de amigos e familiares FON TE: M Q6 Hotelaria Transport Global Travel and Tourism FONTE: IPK International 1,2 1 1,9 2,5 4,1 5,3 19,8 64,2 0,0 8,0 16,0 24,0 32,0 40,0 48,0 56,0 64,0 72,0 Em 2011, cerca de 81,8% dos turistas brasileiros utilizaram o avião como principal meio de transporte nas suas deslocações para o exterior. A opção de viajar por via terrestre representa 16,4% do total de viagens (países fronteiriços). O Lazer constitui a principal motivação dos turistas brasileiros, quando viajam para o exterior. Nesse ano, a maioria das viagens ao estrangeiro foi realizada com recurso a reservas prévias, representando cerca de 58,1% do total das viagens para o exterior, enquanto que a opção de não efetuar qualquer tipo de reserva totalizou 41,9% das viagens. A hotelaria foi o principal meio de alojamento utilizado pelos brasileiros nas suas viagens de outbound, com uma quota de 64,2%. 12

13 5,0 6,3 6,0 5,6 9,4 4,5 17,6 4,6 5,1 35,6 4,8 27,8 88,9 89,5 87,7 82,7 78,8 77,5 90,9 98,9 99,0 106,0 122,4 139,5 4,9 5,4 6,2 5,1 8,3 4,0 13,7 3,6 17,9 3,3 19,8 2,7 Dossier de Mercado 4. ANÁLISE DOS CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO Transporte Aéreo Entre 2006 e 2011, nos fluxos de passageiros operados por via aérea com origem e destino no mercado brasileiro nas diferentes tipologias, constatamos que o número de passageiros cresceu a uma média de 48,1% ao ano na tipologia dos voos low cost, v.s. 8,9% e -5,3%, nas tipologias dos voos tradicionais e charters, respetivamente. Assiste-se ao aumento de voos low cost traduzido num ganho absoluto de 29,3 milhões de passageiros face a 2006 em resultado do aparecimento das companhias aéreas, Azul, Webjet, Trip, etc. Evolução do transporte aéreo - milhões de passageiros 140,0 Tradicional Low Cost Charter 120,0 100,0 Em 2011, os voos regulares representaram 97,3% do total de viagens aéreas realizadas com origem e destino no. Nesse ano, cerca de 19,8% dos passageiros transportados foram operados por voos low cost, face aos 4,9% registados em No período em análise, observa-se um ganho de quota desta tipologia (+14,9 p.p.) fruto da proliferação de voos low cost a partir de 2006, com uma forte presença no mercado interno e em menor escala em voos internacionais. Em contraste, registo para a quebra de quota dos voos tradicionais (-11,4 p.p.) e charters (-3,5 p.p.). Evolução do transporte aéreo - quota do total de passageiros % 100,0 80,0 Charter Low Cost Tradicional 80,0 60,0 60,0 40,0 20,0 40,0 20,0 0,0 F ON T E: IN F R A ER O ,0 F ON T E: IN F R A ER O

14 EUA Argentina Portugal França Chile Espanha Alemanha Uruguai Itália Reino Unido 7,0 5,1 4,6 4,0 2,9 2,8 2,5 9,6 18,7 22,4 Dossier de Mercado Número total de passageiros com origem no mercado brasileiro desembarcados por via aérea milhares por macro-região - quota(*) América Latina 38,3% Ásia 2,3% África 2,0% Europa 32,9% America Norte (EUA Canadá e México) 24,5% Am. Latina: 147 voos médios semanais Europa: 58 voos médios semanais Am. Norte: 54 voos médios semanais Ásia: 7 voos médios semanais África: 5 voos médios semanis Ano 2011 Top 10 Mercados de destino- quota de passageiros (%) 30,0 27,0 24,0 21,0 18,0 15,0 12,0 9,0 6,0 3,0 0,0 FON TE: M Q6 Transport Travel and Tourism 2011 ( *) do total de passageiros internacionais transportados com origem aeroportos brasileiros FONTE: DAC - Depertamento de Aviação Civil Em 2011, em termos de fluxos totais por via aérea dos passageiros internacionais com origem no mercado brasileiro, os EUA surge como líder do mercado com uma quota de 22,4% (1,7 milhões). Portugal ocupou a 7ª posição, com uma quota de 9,6% correspondente a 735 mil passageiros. Nesse ano, foram processados 179,9 milhões de passageiros nos 67 aeroportos brasileiros dos quais 89,9% reportam a tráfego doméstico e 10,1% a internacional. O Aeroporto de Guarulhos (São Paulo) continua a ser o maior do, com 30 milhões de passageiros transportados (16,7% do total de passageiros transportados com origem e destino no ). FONTE: DAC - Depertamento de Aviação Civil TOP 10 dos aeroportos brasileiros - número total de passageiros transportados embarcados/desembarcados (milhares) Quota (*) Aeroportos eiros 2011 %11/ % 11/10 p.p. São Paulo Guarulhos ,4 11,7 16,7-0,6 São Paulo Congonhas ,5 8,1 9,3-0,7 Brasília ,7 7,3 8,6-0,7 Rio Janeiro Galeão ,8 21,2 8,3 0,4 Confins (Belo Horizonte) 9.535,0 31,3 5,3 0,6 Rio Janeiro Santos-Dumont 8.515,0 8,8 4,7-0,3 Salvador 8.394,9 9,1 4,7-0,3 Porto Alegre 7.834,3 17,3 4,4 0,1 Campinas 7.568,4 39,4 4,2 0,7 Curitiba 6.863,6 18,9 3,8 0,1 Outros ,6 18,5 30,1 0,7 ( *) do total de passageiros transportados com origem e destino nos aeroportos brasileiros F ON T E: IN F R A ER O 14

15 TOP Companhias Aéreas no mercado doméstico quota passageiros nos voos totais 100% 90% 80% 70% 60% 50% 40% 30% 20% 10% 0% F ON T E: IN F R A ER O 3,2% 3,1%1,1% 5,5% 8,6% 37,4% 41,1% 2011 Outros Avianca Trip Webjet Azul GOL/Varig TAM TOP 10 companhias aéreas no mercado internacional quota passageiros nos voos totais 100% 90% 80% 70% 60% 50% 40% 30% 20% 10% 0% F ON T E: D LR - IN F R A ER O 31,3% 2,4% 3,2% 3,1% 4,3% 3,3% 7,2% 8,4% 9,6% 25,1% 2011 Outros Continental Airlines Aerolineas Argentina Iberia Delta Airlines Air France American Airlines TAP GOL TAM Em 2011, analisadas as companhias aéreas brasileiras e internacionais, constata-se que as companhias TAM e Gol dominam o mercado. A TAM destaca-se com uma quota de 41,1% do total dos voos domésticos e uma quota de 25,1% do total dos voos internacionais, totalizando uma quota global de 36,2%. A GOL ocupa o 2º lugar, com quota significativa nas viagens domésticas (37,4%) e menos expressiva nas viagens internacionais (9,6%) com quebra relevante face a A TAP (líder europeia) totaliza uma quota global de 9,6% do total dos fluxos de tráfego internacional. A América do Sul concentra 35,6% dos fluxos de passageiros de outbound via, operados por via aérea, dos quais a TAM a GOL e Aerolíneas Argentina concentram quotas de 29,7%, 26,9% e 8,7%, respetivamente. Dos cerca de 22,4% de fluxos dirigidos para os EUA, as companhias American Delta e Continental Airlines, são responsáveis por 56,8% do total tráfego aéreo para o respetivo mercado. A Europa canaliza 32,9% do tráfego internacional de passageiros com origem no mercado brasileiro, com relevo para a TAP que regista quota de 29,1%, seguido da TAM (23,4%), Air France (13,3%), Iberia (10,0%) e Lufthansa (6,2%). 15

16 Operação Turística Operadores Associados BRAZTOA A Associação eira dos Operadores de Turismo (BRAZTOA) conta com 88 membros, congregando as maiores empresas do sector turístico, respondem por cerca de 18% dos bilhetes aéreos emitidos e mais de 85% dos packages turísticos comercializados no. O principal operador turístico brasileiro é o CVC, que é o maior operador da América Latina em número de packages e passageiros (+3 milhões de passageiros por ano) e conta com cerca de 700 lojas no. O grupo internacional de private equity The Carlyle Group adquiriu 63% da CVC. TOP Operadores Turísticos milhões R$; Quota [2011] Operadores Turísticos CVC 3,8 12,7 Flytour Viagens 2,2 7,3 Trend Operador 1,8 6,0 TAM Viagens 0,7 2,3 BBTUR 0,7 2,3 Carlson Wagonlit Travel 0,6 2,0 AVIPAM Turismo 0,4 1,3 American Express Co 0,3 1,0 Outros 19,5 65,0 FONTE: Euromonitor; Jornal Panrotas Facturação Quota % 4 Agenst Viagens GTA Global Travel Pomptur Visão Abreutur Incomum Viagens Queensberry Visual Adventure Travel Interamerican Raidho Voetur Advtour Intercontinental RCA Tourism Yes Travel Aerop Interep Renocar Agaxtur Intermundi Royal Caribbean AIT Operadora Interpoint RXT Travel Ambiental Intravel Sanchat Tour Ancoradouro JVS Operadora Scan-Suisse Bancorbrás Landscape Turismo Schultz Assistência Litoral Verde Século XXI Calcos Lusanova Tours Shangri-La CI Luxtravel Socaltur CLM Operadora Maktour Viagens Soft Travel CVC Viagens Mark Travel STB Del Bianco Marsans Viagens Stella Barros Designer Tours Master Operadora STB Discover Mercatur Sun Crowne Doubleem MK Travel Tia Augusta E-HTL MMT Gapnet Tourlines Eden Tours Monark Turismo Trade Tours Expedition MSC Cruzeiros Transmundi Fenix Nascimento Travel Ace Firstar Navegantes Trend Flot Operadora New Age Operadora Tristar Flytour Viagens New Line TT Operadora Françatur Nice Via Apia Turnet GSA Tours Polvani Tours Tyler FONTE: BRAZTOA

17 Agências de Viagens Nº de agências Quota % Rio de Janeiro ,6 São Paulo ,6 Bahia 278 8,6 Minas Gerais 271 8,4 Pernambuco 156 4,8 Rio Grande do Sul 151 4,7 Santa Catarina 125 3,9 Paraná 117 3,6 Espírito Santo 102 3,1 Ceará 97 3,0 Mato Grosso 80 2,5 Rio Grande do Norte 77 2,4 Distrito Federal 72 2,2 Amazonas 63 1,9 Pará 60 1,8 Paraíba 50 1,5 Sergipe 50 1,5 Goiás 47 1,4 Mato Grosso do Sul 44 1,4 Alagoas 34 1,0 Rondónia 33 1,0 Maranhão 30 0,9 Piauí 29 0,9 Amapá 28 0,9 Roraima 21 0,6 Tocantins 14 0,4 Acre 10 0,3 Total F ON T E: A B A V Atualmente o mercado brasileiro conta com cerca de agências de viagens, das quais perto de (no entanto atualmente estão inscritas na base de dados oficial desta Entidade com os pressupostos legais empresas) são associadas da ABAV Associação eira das Agências de Viagens, que concentram 70% do volume de vendas global. Criada em 1953, no Rio de Janeiro, com apenas 14 agências de viagens, a ABAV constitui atualmente uma das principais forças reconhecidas do sector do turismo do, em que as agências suas associadas são responsáveis por cerca de 73% da faturação do mercado, incluindo emissão de passagens aéreas, reservas de hospedagens, transporte turístico terrestre, rent a car, operação de pacotes, cruzeiros marítimos, entre outros. A maioria destas agências encontra-se sediada nos Estados do Rio de Janeiro (19,6%), São Paulo (17,6%), Bahia (8,6%) e Minas Gerais (8,2%). A CVC, é a maior agência de viagens do, líder absoluta do segmento, com cerca de 60% do mercado em termos de vendas totais de packages turísticos. As Agências de Viagens on line têm vindo a ganhar peso no mercado, concorrendo com as tradicionais, com destaque: Submarino Viagens, Decolar.com, Rumbo, Viajanet, Rapid 10, Last minute, Americanas Viagens, Desconto Hotel, Virtual Turismo, Virtual Agência Turismo, Clubtour, Shoptime Viagens, edestinos.com.br, Online Turismo, Decolar.com. 17

18 Mercado Online Segundo a Internet World Stats, existem atualmente 79,2 milhões de utilizadores da Internet no (representando 39% da população), perspetivando-se cerca de 98,5 milhões para o ano de Em termos de compradores on-line, o mercado brasileiro registará um crescimento sustentado, passando de 14,4 milhões de compradores, em 2010 (24,7% utilizadores internet/9,5% população), para 31,6 milhões, em 2015 (39,0% utilizadores internet/19,4% população). Top websites Agência no : (Fonte:Experian Hitwise) 1. Decolar (www.decolar.com): 24,32% (visitas) 2. viajanet (www.viajanet.com.br): 16,14% 3. Hotel Urbano (www.hotelurbano.com.br): 12,38% Destinos de topo e websites Alojamento no : 1. Hotel Urbano (www.hotelurbano.com.br): 15,17% 2. Mundi Buscador Viagens (www.mundi.com.br): 11,37% 3. Booking.com (www.booking.com): 7,20% Top websites Airline no 1. GOL (www.voegol.com.br): 31,20% 2. TAM (www.tam.com.br): 26,42% 3. Azul (www.voeazul.com.br): 8,73% TOP 10 Operadores Turísticos / Agências de Viagens on line [2011] Operadores no Quota % Portais mercado brasileiro Submarino Viagens 40% submarinoviagens.com.br Decolar 35% decolar.com.br Priceline 6% Priceline/Booking Expedia 6% Expedia/Hotels.com Malapronta 4% malapronta.com.br/ Viajanet 4% passagensaereas.viajanet.com.br Rapi10 2% rapi10.com.br/ Travelcity 1% travelcity.com.br Outros 2% Weg.de FONTE: PhoCusW righ0 TOP Travel Websites no [2012] Media Quota % Hotelurbano.com.br ,0 Decolar.com ,0 TAM.com.br ,8 Voegol.com.br ,8 Submarinoviagens.com.br ,2 Mundi.com.br ,2 Viajanet.com.br ,8 Booking.com ,2 CVC.com.br 823 5,0 Tripadvisor 780 4,7 Edestinos.com.br 544 3,3 Voetrip.com.br 480 2,9 Adoroviagem.com.br 476 2,9 Melhoresdestinos.com.br 390 2,4 Voeazul.com.br 368 2,2 Netviagem.com.br 340 2,1 Webjet.com.br 313 1,9 Hoteis.com 277 1,7 Avianca 238 1,4 FONTE: Comscore, Agosto Total visitas (milhares) 18

19 Canais de distribuição - reservas para o exterior, % 100,0 75,0 50,0 25,0 0,0 Alojamento - vendas para o exterior, % 100,0 75,0 50,0 25,0 0,0 Transporte aéreo - vendas para o exterior, % 100,0 75,0 50,0 25,0 0,0 FON TE: em arket er 88,0 86,1 84,2 81,3 78,2 12,0 13,9 15,8 18,7 21, Internet Outros 96,3 94,8 93,7 91,6 89,9 3,7 5,2 6,3 8,4 10, Internet Outros 92,1 91,4 89,3 87,1 86,0 7,9 8,6 10,7 12,9 14, Internet Outros Assiste-se a um crescimento da Internet como canal de distribuição, o qual tem vindo a retirar quota de mercado aos canais tradicionais. Segundo a fonte emarketer, cerca de 78,2% dos turistas brasileiros organizou a totalidade ou parte da sua viagem para o exterior através dos Operadores/ Agências de Viagens, em 2011, face aos 21,8% que reserva exclusivamente online. A nível do alojamento, 89,9% dos turistas do compram estes serviços na sua globalidade ou parcialmente via Agências/ Operadores. Em 2011, a quota de mercado do alojamento em transações on-line ainda não é muito significativa (10,1%), facto que reflete ainda a preferência dos turistas brasileiros em efetuar as suas reservas com as agências de viagens tradicionais. Quanto ao transporte aéreo, a quota na venda de bilhetes de avião pela Internet é mais significativa (14,0%), com tendência para crescer cada vez mais. A Internet tem vindo a afirmar-se no mercado enquanto importante canal de distribuição para reservas de transporte aéreo. 19

20 5. COMPORTAMENTO DO MERCADO PARA PORTUGAL Dimensão do Mercado O integra a carteira dos principais mercados emissores para Portugal (TOP 10), posicionando-se em 7º lugar enquanto gerador de Receitas, com uma quota de 4,6%. A nível dos indicadores da hotelaria, o ocupa o 5º lugar quando avaliado pelo número de hóspedes (quota 6,5%) e o 6º lugar quando avaliado pelo número de dormidas realizadas em território nacional (quota 4,2%). Em qualquer dos indicadores considerados, o mercado apresenta taxas de crescimento para os destinos nacionais que variam entre os +4,7% e +12,8%, registando o indicador das dormidas nos estabelecimentos hoteleiros, aldeamentos e apartamentos turísticos, o comportamento mais favorável. Posição do na procura externa para Portugal /11 Posição Quota % Abs. % p.p. Receitas do Turismo (milhões) 399,5 4,7 17,8 7 4,6-0,1 Hóspedes (*) (milhares) 497,5 9,4 42,7 5 6,5 0,3 Dormidas (*) (milhares) 1.144,9 12,8 129,4 6 4,2 0,3 ( * ) Em estabelecimentos hoteleiros, aldeamentos e apartamentos turí sticos FONTES: BP - Banco de Portugal, Agosto ; INE - Instituto Nacional de Estatí stica - Dados Provisórios 20

21 253,1 312,1 274,6 373,8 558,7 454,8 497,5 673,0 595,5 176,9 195,9 233,2 828, , ,9 336,8 382,0 399,7 Dossier de Mercado Hóspedes e Dormidas (*) - milhares de pessoas e noites Receitas Turísticas - milhões 1.000,0 Hóspedes Dormidas 400,0 350,0 800,0 300,0 250,0 600,0 200,0 400,0 150,0 ( * ) 200,0 0, Procura em estabelecimentos hoteleiros, aldeamentos e apartamentos turí sticos FONTE: INE - Instituto Nacional de Estatí stica - Agosto A evolução do número de dormidas apresenta um comportamento similar ao registado para o número de hóspedes, contudo, tem sido ligeiramente mais favorável, comparativamente com a evolução do número de hóspedes taxa de crescimento média anual de 15,4% para as dormidas contra um acréscimo de 14,5% ao ano para o número de hóspedes, entre 2007 e Registo para a subida contínua dos valores dos 2 indicadores (aumento do rendimento disponível do turista brasileiro, fortalecimento do real, acréscimo de ligações aéreas), com exceção de 2009 (crise da economia internacional). 100,0 50,0 0, FONTE: BP - Banco de Portugal, Agosto Destaque para o comportamento globalmente mais positivo das receitas, com evolução superior (+17,7% ao ano) à performance das dormidas (+15,4%) e dos hóspedes (+14,5%), desde A nível das receitas turísticas o mercado apresenta o seguinte comportamento: +5,2% de variação média anual no período ,9% de variação média anual no período ,0% de variação média anual no período

22 35,1 64,8 54,6 62,9 72,8 61,0 72,3 59,5 66,0 61,7 82,4 93,0 97,7 133,6 94,8 114,8 88,7 90,5 125,7 140,4 123,2 121,8 122,8 120,6 Dossier de Mercado Sazonalidade em Portugal - dormidas, milhares 150,0 140,0 130,0 120,0 110,0 100,0 90,0 80,0 70,0 60,0 50,0 40,0 30,0 20,0 10,0 0,0 ( * ) JAN FEV MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ Procura em estabelecimentos hoteleiros, aldeamentos e apartamentos turí sticos FONTE: INE - Instituto Nacional de Estatí stica, Agosto Dormidas (*) por NUT's II - quota [2012] ( * ) Lisboa 63,7% Alentejo 2,8% Algarve 3,0% Açores 0,3% Centro 8,5% Procura em estabelecimentos hoteleiros, aldeamentos e apartamentos turí sticos FONTE: INE - Instituto Nacional de Estatí stica, Agosto Madeira 1,9% Norte 19,7% A sazonalidade da procura do para Portugal revela que 30,8% dos fluxos ocorrem durante a época alta (julho, agosto e setembro), 40,3% na época média (abril, maio, junho e outubro) e 28,9% na época baixa. Face a 2011, regista-se um ganho de quota na época média (+1,2 p.p.) e baixa (+1,3 p.p.), tendo havido perda de quota na época alta (-2,5 p.p.). Destaque ainda para o nível de fluxos registado no mês de julho (12,3% de quota) e maio (11,7% do total), sendo os meses que registam um maior volume de turistas brasileiros para Portugal. Lisboa é o principal destino dos turistas brasileiros em território nacional, com uma quota da ordem dos 63,7%, em 2012, em grande parte explicado pela capacidade de tráfego aéreo e pela notoriedade que o destino goza no mercado. Este destino registou um aumento de 13,9% face a Segue-se o Norte, com uma quota de 19,7%, apresentando um crescimento de 11,7% comparativamente a De destacar, ainda, o posicionamento do Centro, com uma quota de 8,5% da procura e um acréscimo de 4,0% (var. 12/11). O Algarve, a par do Alentejo e da Madeira, e em menor escala os Açores, são destinos com uma menor procura. 22

Mercado em números. Brasil. Designação oficial: República Federativa do Brasil. Guiana Venezuela Suriname Columbia. Capital: Brasília.

Mercado em números. Brasil. Designação oficial: República Federativa do Brasil. Guiana Venezuela Suriname Columbia. Capital: Brasília. Guiana Venezuela Suriname Columbia Guiana Francesa Designação oficial: República Federativa do Capital: Brasília Localização: Leste da América do Sul Peru Fronteiras terrestres: 16.145 km com a Argentina

Leia mais

Estudo da Demanda Turística Internacional

Estudo da Demanda Turística Internacional Estudo da Demanda Turística Internacional Brasil 2012 Resultados do Turismo Receptivo Pontos de Coleta de Dados Locais de entrevistas - 25 Entrevistados - 31.039 15 aeroportos internacionais, que representam

Leia mais

Itália. Mercado em Ficha. Mercado emissor de 30,1 milhões de turistas em 2010, com 3,9% da quota mundial

Itália. Mercado em Ficha. Mercado emissor de 30,1 milhões de turistas em 2010, com 3,9% da quota mundial Lombardia 9,8 M hab (1º) 31.645 PIB per Capita (2º) Trentino Alto Adige 28.811 PIB per Capita (5º) Mercado emissor de 30,1 milhões de turistas em 2010, com 3,9% da quota mundial Valle D Aosta 32.716 PIB

Leia mais

EUA. Mercado em Ficha. 2º maior mercado emissor de turistas a nível mundial, com 64,1 milhões de turistas e 8,3% de quota em 2010

EUA. Mercado em Ficha. 2º maior mercado emissor de turistas a nível mundial, com 64,1 milhões de turistas e 8,3% de quota em 2010 Virginia Beach 46.960 US$ PIB per Capita (4º) Chicago 12,8 M hab (5º) 2º maior mercado emissor de turistas a nível mundial, com 64,1 milhões de turistas e 8,3% de quota em 2010 6º mercado da procura externa

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos TURISMO E HOTELARIA SETEMBRO DE 2015

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos TURISMO E HOTELARIA SETEMBRO DE 2015 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos TURISMO E HOTELARIA SETEMBRO DE 2015 1 2 PRODUTOS De acordo com a Organização Mundial do Turismo (OMT) o turismo compreende as atividades realizadas

Leia mais

Alemanha. Mercado em Ficha. 1º mercado emissor de turistas a nível mundial, com 73,8 milhões de turistas e 9,6% de quota em 2010

Alemanha. Mercado em Ficha. 1º mercado emissor de turistas a nível mundial, com 73,8 milhões de turistas e 9,6% de quota em 2010 Bremen 41.911,8 PIB per Capita (2º) Niedersachsen 8,0 M hab (4º) Nordrhein- Westfalen 18,0 M hab (1º) Baden-Württemberg 10,8 M hab (3º) 33.889,9 PIB per Capita (5º) Fonte: CIA - The World Factbook Hamburg

Leia mais

Hotelaria manteve crescimento de dois dígitos mas com desaceleração particularmente no mercado interno

Hotelaria manteve crescimento de dois dígitos mas com desaceleração particularmente no mercado interno Atividade Turística Novembro de 2014 19 de janeiro de 2015 Hotelaria manteve crescimento de dois dígitos mas com desaceleração particularmente no mercado interno As dormidas na hotelaria fixaram-se em

Leia mais

Anuário Estatístico de Turismo - 2013

Anuário Estatístico de Turismo - 2013 Secretaria Nacional de Políticas de Turismo Ministério do Turismo Anuário Estatístico de Turismo - 2013 Volume 40 Ano base 2012 Guia de leitura Guia de leitura O Guia de Leitura tem o propósito de orientar

Leia mais

Reino Unido BTL 2014. 1. O mercado. 2. Particularidades e Potencialidades. 3. A distribuição. 4. Os Players. 5. Promoção / Comunicação

Reino Unido BTL 2014. 1. O mercado. 2. Particularidades e Potencialidades. 3. A distribuição. 4. Os Players. 5. Promoção / Comunicação Reino Unido BTL 2014 1. O mercado 2. Particularidades e Potencialidades 3. A distribuição 4. Os Players 5. Promoção / Comunicação 6. Comercialização e Venda 7. Sugestões de abordagem 8. Discussão Economia

Leia mais

Mercado em números. Israel. Designação oficial: Estado de Israel. Capital: Jerusalém. Localização: Médio Oriente

Mercado em números. Israel. Designação oficial: Estado de Israel. Capital: Jerusalém. Localização: Médio Oriente Designação oficial: Estado de Capital: Jerusalém Localização: Médio Oriente Fronteiras terrestres: 1.068 km com o Egipto (208 km), Faixa de Gaza (59 km), Jordânia (307 km), Líbano (81 km), Síria (83 km)

Leia mais

Hotelaria mantém crescimento mas com desaceleração no número de hóspedes e de dormidas

Hotelaria mantém crescimento mas com desaceleração no número de hóspedes e de dormidas Atividade Turística Fevereiro de 20 15 de Abril de 20 Hotelaria mantém crescimento mas com desaceleração no número de hóspedes e de dormidas Os estabelecimentos hoteleiros registaram cerca de 2 milhões

Leia mais

Residentes no estrangeiro sustentam ligeiro aumento nas dormidas

Residentes no estrangeiro sustentam ligeiro aumento nas dormidas Atividade Turística Dezembro de 2012 14 de fevereiro de 2013 Residentes no estrangeiro sustentam ligeiro aumento nas dormidas As dormidas na hotelaria atingiram 1,7 milhões em dezembro 2012, mais 1,9%

Leia mais

Anuário Estatístico de Turismo - 2012

Anuário Estatístico de Turismo - 2012 Secretaria Nacional de Políticas de Turismo Ministério do Turismo Anuário Estatístico de Turismo - 2012 Volume 39 Ano base 2011 Sumário I Turismo receptivo 1. Chegadas de turistas ao Brasil - 2010-2011

Leia mais

Suíça. Mercado em Ficha. Mercado emissor de 12,1 milhões de turistas em 2010, com 1,6% da quota mundial

Suíça. Mercado em Ficha. Mercado emissor de 12,1 milhões de turistas em 2010, com 1,6% da quota mundial Espace Mittelland 1,7 M hab (1º) Nordwestschweiz 1,0 M hab (5º) Ostschweiz 1,1 M hab (4º) Mercado emissor de 12,1 milhões de turistas em 2010, com 1,6% da quota mundial 10.º mercado da procura externa

Leia mais

Empresas nacionais de transporte aéreo movimentaram mais 6,3% de passageiros

Empresas nacionais de transporte aéreo movimentaram mais 6,3% de passageiros Transportes aéreos e atividade turística 2013 10 de setembro de 2014 Movimento de passageiros nos aeroportos nacionais aumentou 4,9% O tráfego comercial nas infraestruturas aeroportuárias nacionais em

Leia mais

Ingressos de Turistas Internacionais no RS por via de acesso

Ingressos de Turistas Internacionais no RS por via de acesso Anuário Estatístico de Turismo 2015 ano base 2014* *Publicado em 08/07/2015, pelo Ministério do Turismo. A publicação apresenta uma compilação de informações anuais relativas ao comportamento de diversos

Leia mais

Distribuição Geográfica dos Pontos de Coleta de Dados

Distribuição Geográfica dos Pontos de Coleta de Dados Distribuição Geográfica dos Pontos de Coleta de Dados Nº de Entrevistados da Pesquisa: 39.000 pessoas Nº de locais das entrevistas: 27 15 em aeroportos internacionais, que representam 99% do fluxo internacional

Leia mais

Turismo no Espaço Rural. A oferta e a procura no TER

Turismo no Espaço Rural. A oferta e a procura no TER A oferta e a procura no TER 2007 Índice Introdução Capacidade de alojamento Estimativa de dormidas Taxas de ocupação-cama Anexos 2 Introdução. Em 2007 estavam em funcionamento em Portugal 1.023 unidades

Leia mais

Hotelaria com aumentos nos hóspedes, dormidas e proveitos

Hotelaria com aumentos nos hóspedes, dormidas e proveitos Atividade Turística Janeiro de 2014 19 de março de 2014 Hotelaria com aumentos nos hóspedes, dormidas e proveitos A hotelaria registou 1,7 milhões de dormidas em janeiro de 2014, valor que corresponde

Leia mais

Itália. Mercado em Ficha. Mercado emissor de 28,6 milhões de turistas com 2,8% de quota mundial, em 2012

Itália. Mercado em Ficha. Mercado emissor de 28,6 milhões de turistas com 2,8% de quota mundial, em 2012 Lombardia 9,8 M hab (1º) 31.645 PIB per Capita (2º) Trentino Alto Adige 28.811 PIB per Capita (5º) Valle D Aosta 32.716 PIB per Capita (1º) Lazio 5,7 M hab (3º) 29.727 PIB per Capita (4º) Campania 5,8

Leia mais

boletim trimestral - n.º 1 - junho 2013 algarve conjuntura turística

boletim trimestral - n.º 1 - junho 2013 algarve conjuntura turística boletim trimestral - n.º 1 - junho 2013 algarve conjuntura turística indicadores 1. Movimento de passageiros no aeroporto de Faro 1.1. Movimento total de passageiros 1.2. Passageiros desembarcados por

Leia mais

Timor-Leste. Mercado em Ficha. Mercado emissor de 5,0 mil turistas em 2012

Timor-Leste. Mercado em Ficha. Mercado emissor de 5,0 mil turistas em 2012 Mercado emissor de 5,0 mil turistas em 2012 Os principais países de destino dos timorenses, em 2012, foram Austrália (78,9%), República da Coreia (16,3%), Nova Zelândia (2,9%), Israel (0,9%) e Bélgica

Leia mais

São Tomé e Príncipe. Mercado em Ficha. Mercado emissor de 4,7 milhares de turistas em 2013

São Tomé e Príncipe. Mercado em Ficha. Mercado emissor de 4,7 milhares de turistas em 2013 Mercado emissor de 4,7 milhares de turistas em 2013 principais países de destino dos turistas de São Tomé e Príncipe, em 2013, foram Angola (87%), África do Sul (5%), China (2% ), Marrocos (2% ) e E.U.A.

Leia mais

Brasil Março 2016. Mercado em números

Brasil Março 2016. Mercado em números Março 2016 Mercado em números Guiana Venezuela Suriname Columbia Guiana Francesa Designação oficial: República Federativa do Capital: Brasília Localização: Leste da América do Sul Peru Fronteiras terrestres:

Leia mais

Como a Copa do Mundo 2014 vai movimentar o Turismo Brasileiro

Como a Copa do Mundo 2014 vai movimentar o Turismo Brasileiro Como a Copa do Mundo 214 vai movimentar o Turismo Brasileiro 9 dias O estudo As empresas Principais conclusões a 9 dias da Copa 1 principais emissores 1 Desempenho das cidades-sede Chegadas internacionais

Leia mais

indicadores 1. Hóspedes 2.1. Número total de hóspedes 2.2. Hóspedes por tipologia de alojamento 2.3. Hóspedes por país de origem

indicadores 1. Hóspedes 2.1. Número total de hóspedes 2.2. Hóspedes por tipologia de alojamento 2.3. Hóspedes por país de origem boletim trimestral - n.º 6 - outubro 2014 algarve conjuntura turística indicadores 1. Hóspedes 2.1. Número total de hóspedes 2.2. Hóspedes por tipologia de alojamento 2.3. Hóspedes por país de origem 1.

Leia mais

RELATÓRIO DE CONJUNTURA AEP / GABINETE DE ESTUDOS

RELATÓRIO DE CONJUNTURA AEP / GABINETE DE ESTUDOS HOTELARIA RELATÓRIO DE CONJUNTURA AEP / GABINETE DE ESTUDOS Julho de 2005 A actividade da hotelaria insere-se na CAE 55 Alojamento e Restauração, que, por sua vez, integra o sector do turismo, um dos sectores

Leia mais

Não residentes foram cruciais para o crescimento da atividade turística em 2013

Não residentes foram cruciais para o crescimento da atividade turística em 2013 Estatísticas do Turismo 2013 24 de junho de 2014 Não residentes foram cruciais para o crescimento da atividade turística em 2013 Em 2013, de acordo com os dados provisórios da Organização Mundial de Turismo,

Leia mais

Análise Regional dezembro 2015

Análise Regional dezembro 2015 Portugal Em, o Algarve voltou a liderar o País com 16,6 milhões de dormidas (34% de quota no País) e cresceu 2,7% face a 2014. Lisboa posicionou-se no 2.º lugar com 12,3 milhões de dormidas e assinalou,

Leia mais

Angola. Mercado em Ficha. Mercado emissor de 146,4 milhares de turistas em 2012

Angola. Mercado em Ficha. Mercado emissor de 146,4 milhares de turistas em 2012 Mercado emissor de 146,4 milhares de turistas em 2012 Os principais países de destino dos angolanos, em 2012, foram África do Sul (+21,7%), Brasil (+1,6%), Nigéria (+80,1%), E.U.A. (+29,9%) e Congo (-43,3%)

Leia mais

ROTAS AÉREAS PARA A MADEIRA. Verão 2010. Junho

ROTAS AÉREAS PARA A MADEIRA. Verão 2010. Junho ROTAS AÉREAS PARA A MADEIRA Verão 2010 Junho Sumário Oportunidades Reino Unido Londres e Manchester Alemanha Centro-Oeste e Sul Áustria Viena França Paris e Oeste Aspectos Gerais Alguns Indicadores Económicos

Leia mais

Noruega. Mercado em Ficha. Mercado emissor de 7,0 milhões de turistas em 2010, com 0,9% da quota mundial

Noruega. Mercado em Ficha. Mercado emissor de 7,0 milhões de turistas em 2010, com 0,9% da quota mundial Mercado emissor de 7,0 milhões de turistas em 2010, com 0,9% da quota mundial 14º mercado da procura externa para Portugal, enquanto gerador de receitas em 2011 Hordaland 477,2 mil hab (3º) Sor-Trondelag

Leia mais

boletim trimestral - edição especial - n.º 0 - abril 2013 algarve conjuntura turística 2. Capacidade de alojamento na hotelaria global

boletim trimestral - edição especial - n.º 0 - abril 2013 algarve conjuntura turística 2. Capacidade de alojamento na hotelaria global boletim trimestral - edição especial - n.º 0 - abril 2013 algarve conjuntura turística indicadores 1. Movimento de passageiros no Aeroporto de Faro 1.1. Movimento total de passageiros 1.2. Movimento mensal

Leia mais

Mercado em números. França. Designação oficial: República Francesa. Capital: Paris. Localização: Europa Ocidental

Mercado em números. França. Designação oficial: República Francesa. Capital: Paris. Localização: Europa Ocidental Designação oficial: República Francesa Capital: Paris Localização: Europa Ocidental Bélgica Alemanha Fronteiras terrestres: 2.751 km com a Alemanha (418 km), Andorra (55 km), Bélgica (556 km), Espanha

Leia mais

ROTAS AÉREAS PARA O PORTO. Verão 2011. Principais oportunidades para hoteleiros e prestadores de serviços de turismo. Março

ROTAS AÉREAS PARA O PORTO. Verão 2011. Principais oportunidades para hoteleiros e prestadores de serviços de turismo. Março ROTAS AÉREAS PARA O PORTO Verão 2011 Principais oportunidades para hoteleiros e prestadores de serviços de turismo Março Sumário Oportunidades Reino Unido Londres Alemanha Centro-Oeste e Sul Espanha Madrid

Leia mais

Porque é que o Turismo. é essencial para a Economia Portuguesa?

Porque é que o Turismo. é essencial para a Economia Portuguesa? Porque é que o Turismo é essencial para a Economia Portuguesa? 14 milhões de hóspedes Vindos do Reino Unido, Alemanha, Espanha, França, Brasil, EUA Num leque de países que alarga ano após ano. 9,2 % do

Leia mais

DADOS DE MERCADO 2010/2011 BRASIL

DADOS DE MERCADO 2010/2011 BRASIL DADOS DE MERCADO 2010/2011 BRASIL HÓSPEDES HOTELARIA ÁREA METROPOLITANA DE LISBOA (NUTSII) (Fonte: INE, PORTUGAL) Hóspedes hotelaria - AM Lisboa 268.153 224.435 153.292 183.962 167.661 90.897 87.686 101.723

Leia mais

ROTAS AÉREAS PARA LISBOA. Verão 2011. Principais oportunidades para hoteleiros e prestadores de serviços de turismo. Março

ROTAS AÉREAS PARA LISBOA. Verão 2011. Principais oportunidades para hoteleiros e prestadores de serviços de turismo. Março ROTAS AÉREAS PARA LISBOA Verão 2011 Principais oportunidades para hoteleiros e prestadores de serviços de turismo Março Sumário Oportunidades Reino Unido Londres Alemanha Centro-Oeste Espanha Madrid e

Leia mais

G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_ e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.

G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_ e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N. Boletim Mensal de Economia Portuguesa N.º 9 setembro 211 Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia e do Emprego G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_ e Relações Internacionais

Leia mais

MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DA INOVAÇÃO

MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DA INOVAÇÃO MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DA INOVAÇÃO Índice Introdução Preço Médio por Dormida Proveito Médio de Aposento por Cama Conceitos Anexos 2 Introdução Com base em indicadores estatísticos disponibilizados pelo

Leia mais

200 4 Anuário Estatístico

200 4 Anuário Estatístico 2004 Anuário Estatístico REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL LUIZ INÁCIO LULA DA SILVA Presidente MINISTÉRIO DO TURISMO WALFRIDO SILVINO DOS MARES GUIA Ministro INSTITUTO BRASILEIRO DE TURISMO EMBRATUR EDUARDO

Leia mais

Belux. Campanha de Promoção Conjunta Turismo de Portugal & Brussels Airlines

Belux. Campanha de Promoção Conjunta Turismo de Portugal & Brussels Airlines Belux Campanha de Promoção Conjunta Turismo de Portugal & Brussels Airlines 1. O Mercado Emissor da Bélgica Em 2008, no quadro global da procura turistica para Portugal, a Bélgica foi o décimo mercado

Leia mais

O sector do turismo no Algarve

O sector do turismo no Algarve O sector do turismo no Algarve Destino turístico Algarve Plano Estratégico Nacional do Turismo (PENT) - Linhas orientadoras para o Algarve - Principais recursos: (não exaustivo) Praias e falésias Campos

Leia mais

O gasto médio diário dos não residentes entrevistados que visitaram Portugal foi 100,22

O gasto médio diário dos não residentes entrevistados que visitaram Portugal foi 100,22 31 de julho de 2014 Gastos Turísticos Internacionais 2013 O gasto médio diário dos não residentes entrevistados que visitaram Portugal foi 100,22 O gasto médio diário per capita (GMD pc ) dos visitantes

Leia mais

Mercado em números. China. Designação oficial: República Popular da China. Capital: Pequim. Localização: Ásia Oriental

Mercado em números. China. Designação oficial: República Popular da China. Capital: Pequim. Localização: Ásia Oriental Designação oficial: República Popular da Capital: Pequim Localização: Ásia Oriental Fronteiras terrestres: 22.457 Km com o Afeganistão (91 km), Butão (477 km), Burma (2.129 km), India (2.659 km), Cazaquistão

Leia mais

Atividade Turística com resultados positivos em 2014

Atividade Turística com resultados positivos em 2014 Estatísticas do Turismo 2014 28 de julho de 2015 Atividade Turística com resultados positivos em 2014 Segundo os dados provisórios da Organização Mundial de Turismo, as chegadas de turistas internacionais,

Leia mais

4. CARACTERIZAÇÃO DA PROCURA TURÍSTICA NOÇÃO E FORMAS DE PROCURA

4. CARACTERIZAÇÃO DA PROCURA TURÍSTICA NOÇÃO E FORMAS DE PROCURA 4. CARACTERIZAÇÃO DA PROCURA TURÍSTICA NOÇÃO E FORMAS DE PROCURA A procura turística é tida como uma importante componente do sistema turístico, que pode ser traduzida como o conjunto de bens e serviços

Leia mais

Ficha de Mercado BRASIL. ALENTEJO 2015 Exportar+

Ficha de Mercado BRASIL. ALENTEJO 2015 Exportar+ Ficha de Mercado BRASIL ALENTEJO 2015 Exportar+ Dados Gerais Área: 8.515.692,3 km² População: 201 milhões (estimativa EIU 2013) Densidade populacional: 23,6 habitantes/km² Designação oficial: República

Leia mais

O sector do turismo. Algarve

O sector do turismo. Algarve O sector do turismo no Algarve Destino turístico Algarve Plano Estratégico Nacional do Turismo (PENT) - Linhas orientadoras para o Algarve - Principais recursos: (não exaustivo) Praias e falésias Campos

Leia mais

Anuário Estatístico de Turismo - 2015

Anuário Estatístico de Turismo - 2015 Secretaria Nacional de Políticas de Turismo Ministério do Turismo Anuário Estatístico de Turismo - 2015 Volume 42 Ano base 2014 Sumário I Turismo receptivo 1. Chegadas de turistas ao Brasil - 2013-2014

Leia mais

MINISTÉRIO DA ECONOMIA E INOVAÇÃO

MINISTÉRIO DA ECONOMIA E INOVAÇÃO MINISTÉRIO DA ECONOMIA E INOVAÇÃO Direcção de Serviços de Estudos e Estratégia Turísticos Divisão de Recolha e Análise Estatística Índice Introdução Proveito Médio de Aposento Conceitos Anexos Proveitos

Leia mais

Anuário das Estatísticas do Turismo 2012

Anuário das Estatísticas do Turismo 2012 Anuário das Estatísticas do Turismo 2012 1 Índice CAPÍTULO I Séries Internacionais e Nacionais 2003 a 2012 6 Fluxos Turísticos Internacionais 7 O Turismo na Economia Nacional 16 O Alojamento Turístico

Leia mais

Instituto Nacional de Estatística de Cabo Verde Estatísticas do Turismo Movimentação de Hospedes 2º Trimestre 2015

Instituto Nacional de Estatística de Cabo Verde Estatísticas do Turismo Movimentação de Hospedes 2º Trimestre 2015 FICHA TÉCNICA Presidente António dos Reis Duarte Editor Instituto Nacional de Estatística Direcção de Contas Nacionais, Estatísticas Económicas e dos Serviços Divisão de Estatísticas do Turismo Av. Amilcar

Leia mais

O TURISMO NO ESPAÇO RURAL 2005

O TURISMO NO ESPAÇO RURAL 2005 O TURISMO NO ESPAÇO RURAL 2005 Elaborado por: Maria Julieta Martins Coordenado por: Teresinha Duarte Direcção de Serviços de Estudos e Estratégia Turísticos Divisão de Recolha e Análise Estatística Índice

Leia mais

indicadores 1. Capacidade de alojamento na Hotelaria Global

indicadores 1. Capacidade de alojamento na Hotelaria Global boletim trimestral - n.º 4 - março 2014 algarve conjuntura turística indicadores 1. Capacidade de alojamento na Hotelaria Global 2. Hóspedes 2.1. Número total de hóspedes 2.2. Hóspedes por tipologia de

Leia mais

IMPACTOS POSITIVOS PARA 2014

IMPACTOS POSITIVOS PARA 2014 IMPACTOS POSITIVOS PARA 2014 O turismo da cidade de São Paulo desenvolveu-se positivamente nos últimos anos. Muito mais pode ser esperado os para os próximos, prevendo uma chegada estimada em 17 milhões

Leia mais

indicadores 1. Hóspedes 1.1. Número total de hóspedes 1.2. Hóspedes por tipologia de alojamento 1.3. Hóspedes por país de origem

indicadores 1. Hóspedes 1.1. Número total de hóspedes 1.2. Hóspedes por tipologia de alojamento 1.3. Hóspedes por país de origem boletim trimestral - n.º 2 - setembro 2013 algarve conjuntura turística indicadores 1. Hóspedes 1.1. Número total de hóspedes 1.2. Hóspedes por tipologia de alojamento 1.3. Hóspedes por país de origem

Leia mais

Estatísticas básicas de turismo. Brasil

Estatísticas básicas de turismo. Brasil Estatísticas básicas de turismo Brasil Brasília, outubro de 2010 Estatísticas básicas de turismo Índice Páginas I - Turismo no mundo 1. Fluxo receptivo internacional 1.1 - Chegadas de turistas internacionais

Leia mais

Deslocações turísticas de residentes aumentaram

Deslocações turísticas de residentes aumentaram PROCURA TURÍSTICA DOS RESIDENTES 2º Trimestre 2013 31 de outubro de 2013 Deslocações turísticas de residentes aumentaram Entre abril e junho de 2013, os residentes em Portugal efetuaram 3,9 milhões de

Leia mais

O turismo em Portugal: caracterização e perspectivas de desenvolvimento

O turismo em Portugal: caracterização e perspectivas de desenvolvimento O turismo em Portugal: caracterização e perspectivas de desenvolvimento Eva Milheiro Escola Superior de Educação de Portalegre 1. Introdução O turismo, pelo estímulo que confere à economia e ao desenvolvimento

Leia mais

EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2. Atividade global... 2. Atividade setorial... 3. - Produção... 3. - Volume de negócios... 5

EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2. Atividade global... 2. Atividade setorial... 3. - Produção... 3. - Volume de negócios... 5 SÍNTESE DE CONJUNTURA Mensal fevereiro 2015 - Newsletter ÍNDICE EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2 Atividade global... 2 Atividade setorial... 3 - Produção... 3 - Volume de negócios... 5 Comércio internacional...

Leia mais

O TURISMO NO ESPAÇO RURAL 2006

O TURISMO NO ESPAÇO RURAL 2006 O TURISMO NO ESPAÇO RURAL 2006 Elaborado por: Ana Paula Gomes Bandeira Coordenado por: Teresinha Duarte Direcção de Serviços de Estudos e Estratégia Turísticos Divisão de Recolha e Análise Estatística

Leia mais

A Estratégia Nacional para o Turismo em Espaços de Baixa Densidade

A Estratégia Nacional para o Turismo em Espaços de Baixa Densidade A Estratégia Nacional para o Turismo em Espaços de Baixa Densidade Maria José Catarino Vogal do Conselho Directivo Trancoso, 28 de Outubro de 2009 TURISMO - Contributo para o desenvolvimento sustentado

Leia mais

Tabela 1 - Conta de produção por operações e saldos, segundo as Grandes Regiões e as Unidades da Federação - 2004-2008

Tabela 1 - Conta de produção por operações e saldos, segundo as Grandes Regiões e as Unidades da Federação - 2004-2008 (continua) Produção 5 308 622 4 624 012 4 122 416 3 786 683 3 432 735 1 766 477 1 944 430 2 087 995 2 336 154 2 728 512 Consumo intermediário produtos 451 754 373 487 335 063 304 986 275 240 1 941 498

Leia mais

PANORAMA DO MERCADO Asiático

PANORAMA DO MERCADO Asiático Boletim PANORAMA DO MERCADO Asiático Edição nº 1 Julho/2015 Coordenação Geral de Mercados Americanos/Asiático - CGMA Diretoria de Mercados Internacionais - DMINT Apresentação A série Boletim Panorama dos

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos TURISMO E HOTELARIA MARÇO DE 2010

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos TURISMO E HOTELARIA MARÇO DE 2010 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos TURISMO E HOTELARIA MARÇO DE 2010 1 2 PRODUTOS De acordo com a Organização Mundial do Turismo (OMT) o turismo compreende as atividades realizadas pelas

Leia mais

Grandes Regiões e Unidades da Federação: Esperança de vida ao nascer segundo projeção populacional: 1980, 1991-2030 - Ambos os sexos

Grandes Regiões e Unidades da Federação: Esperança de vida ao nascer segundo projeção populacional: 1980, 1991-2030 - Ambos os sexos e Unidades da Federação: Esperança de vida ao nascer segundo projeção populacional: 1980, 1991-2030 - Ambos os sexos Unidades da Federação 1980 1991 1992 1993 1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002

Leia mais

Empresas aéreas continuam a melhorar a rentabilidade Margem de lucro líquida de 5,1% para 2016

Empresas aéreas continuam a melhorar a rentabilidade Margem de lucro líquida de 5,1% para 2016 COMUNICADO No: 58 Empresas aéreas continuam a melhorar a rentabilidade Margem de lucro líquida de 5,1% para 2016 10 de dezembro de 2015 (Genebra) - A International Air Transport Association (IATA) anunciou

Leia mais

Estudo da demanda turística internacional 2006-2012

Estudo da demanda turística internacional 2006-2012 Departamento de Estudos e Pesquisas Secretária Nacional de Políticas de Turismo Ministério do Turismo Estudo da demanda turística internacional 2006-2012 Brasília, agosto de 2013 Sumário 1 Perfil da demanda

Leia mais

FLUXO ATIVIDADES DOS SERVIÇOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO ATIVIDADES DOS SERVIÇOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO ATIVIDADES DOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

Leia mais

TURISMO NÁUTICO GERADOR DE RIQUEZA MARTINHO FORTUNATO

TURISMO NÁUTICO GERADOR DE RIQUEZA MARTINHO FORTUNATO TURISMO NÁUTICO GERADOR DE RIQUEZA MARTINHO FORTUNATO Setembro de 2009 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2. PENT (Plano Estratégico Nacional do Turismo) 3. TURISMO NÁUTICO NA EUROPA E NO MUNDO 4. O SECTOR EM PORTUGAL

Leia mais

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução 2005-2011 Actualizado em Setembro de 2011. Unid. Fonte 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Notas 2011

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução 2005-2011 Actualizado em Setembro de 2011. Unid. Fonte 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Notas 2011 Evolução 2005-2011 Actualizado em Setembro de 2011 Unid. Fonte 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Notas 2011 População a Milhares Hab. INE 10.563 10.586 10.604 10.623 10.638 10.636 10.643 2º Trimestre

Leia mais

Em Abril de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou 0.9 pontos na União Europeia e diminuiu, 0.5 pontos, na Área Euro.

Em Abril de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou 0.9 pontos na União Europeia e diminuiu, 0.5 pontos, na Área Euro. Abr-04 Abr-05 Abr-06 Abr-07 Abr-08 Abr-09 Abr-10 Abr-11 Abr-12 Análise de Conjuntura Maio 2014 Indicador de Sentimento Económico Em Abril de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou 0.9 pontos

Leia mais

HOTELARIA RELATÓRIO DE CONJUNTURA

HOTELARIA RELATÓRIO DE CONJUNTURA HOTELARIA RELATÓRIO DE CONJUNTURA AEP / GABINETE DE ESTUDOS Julho de 2006 A actividade da hotelaria insere-se na CAE 55 Alojamento e Restauração, que, por sua vez, integra o sector do turismo, um dos sectores

Leia mais

1ª Avaliação Parlamentar Copa do Mundo 2014. Logística

1ª Avaliação Parlamentar Copa do Mundo 2014. Logística 1ª Avaliação Parlamentar Copa do Mundo 2014 Logística Economia Brasileira Gráfico 1 Crescimento Econômico Brasileiro e Mundial PIB 2002 a 2016 (em %) 8,0 6,0 4,0 2,0 0,0-2,0 7,5 61 6,1 5,7 4,6 5,3 5,2

Leia mais

1. LAhotels apresenta planos e estratégias para o Brasil

1. LAhotels apresenta planos e estratégias para o Brasil 1. LAhotels apresenta planos e estratégias para o Brasil 30/07/2009 Brasilturis Online Online Invest Tur LAhotels apresenta planos e estratégias para o Brasil30/07/2009 Ir para a lista de matérias André

Leia mais

NÚMERO DE ACIDENTES POR DIA DA SEMANA

NÚMERO DE ACIDENTES POR DIA DA SEMANA RODOVIÁRIAS Quadro 13 - UF: ACRE Ano de 211 82 5 6 8 9 5 3 14 4 11 9 4 4 63 2 4 7 6 6 9 4 8 4 4 3 6 68 4 2 8 3 1 8 4 9 2 6 7 5 63 3 6 3 2 13 9 8 7 5 1 5 1 67 4 2 9 6 8 5 5 7 6 6 4 5 85 3 7 1 1 4 7 9 6

Leia mais

Turismo. Evolução recente e perspetivas. Junho 2013. Este documento foi redigido com base em informação disponível até 25 de Junho 2013.

Turismo. Evolução recente e perspetivas. Junho 2013. Este documento foi redigido com base em informação disponível até 25 de Junho 2013. Turismo Evolução recente e perspetivas Este documento foi redigido com base em informação disponível até 25 de. . 1. Sumário executivo... 2 2. Evolução recente 2.1 Turismo mundial... 8 2.2 Turismo em Portugal...

Leia mais

Seminario de Difusión do Anuario Estatístico Galicia Norte de Portugal 2010. A nova edição do Anuário Estatístico na perspectiva do Norte de Portugal

Seminario de Difusión do Anuario Estatístico Galicia Norte de Portugal 2010. A nova edição do Anuário Estatístico na perspectiva do Norte de Portugal A nova edição do Anuário Estatístico na perspectiva do Norte de Portugal Eduardo Pereira (CCDRN) Santiago de Compostela 13 de Dezembro de 2010 Galicia Norte de Portugal: uma grande região europeia transfronteiriça

Leia mais

FIT FOR A NEW ERA ECONOMIA DAS LÍNGUAS PORTUGUESA E ESPANHOLA LÍNGUA, COMÉRCIO EXTERNO E INVESTIMENTO ESTRANGEIRO PERSPECTIVAS EMPRESARIAIS

FIT FOR A NEW ERA ECONOMIA DAS LÍNGUAS PORTUGUESA E ESPANHOLA LÍNGUA, COMÉRCIO EXTERNO E INVESTIMENTO ESTRANGEIRO PERSPECTIVAS EMPRESARIAIS LÍNGUA, COMÉRCIO EXTERNO E Paternoster Square Londres ECONOMIA DAS LÍNGUAS PORTUGUESA E ESPANHOLA INVESTIMENTO ESTRANGEIRO PERSPECTIVAS EMPRESARIAIS Francisco Cary 19 de Maio de 2011 O Mercado dos Países

Leia mais

Resultados da Movimentação de Viagens Organizadas na Temporada de Inverno 2014

Resultados da Movimentação de Viagens Organizadas na Temporada de Inverno 2014 Resultados da Movimentação de Viagens Organizadas na Temporada de Inverno 2014 EQUIPE TÉCNICA DO IPETURIS Coordenação: Mariana Nery Pesquisadores: César Melo Tamiris Martins Viviane Silva Suporte: Gerson

Leia mais

DADOS DE MERCADO 2010/2011 HOLANDA + BÉLGICA

DADOS DE MERCADO 2010/2011 HOLANDA + BÉLGICA DADOS DE MERCADO 2010/2011 HOLANDA + BÉLGICA HÓSPEDES HOTELARIA ÁREA METROPOLITANA DE LISBOA (NUTSII) (Fonte: INE, PORTUGAL) HOLANDA Hóspedes hotelaria - AM Lisboa 82.600 78.557 75.546 76.601 75.636 74.305

Leia mais

368 municípios visitados

368 municípios visitados TURISTAS INTERNACIONAIS 60,3% visitaram o Brasil pela primeira vez 91,4 % Copa como o principal motivo da viagem 83% o Brasil atendeu plenamente ou superou suas expectativas 95% tem intenção de retornar

Leia mais

Taxa de Ocupação atinge 80,69% e registra o melhor resultado para um mês de abril

Taxa de Ocupação atinge 80,69% e registra o melhor resultado para um mês de abril TAXA DE OCUPAÇÃO HOTELEIRA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO Levantamento da Associação Brasileira da Indústria de Hotéis, em parceria com Federação do Comércio do Estado do Rio de Janeiro Abril de 2012 Taxa

Leia mais

nº 3 Novembro 2009 MERCADOS O VINHO NOS E.U.A. BREVE CARACTERIZAÇÃO DO SECTOR

nº 3 Novembro 2009 MERCADOS O VINHO NOS E.U.A. BREVE CARACTERIZAÇÃO DO SECTOR nº 3 Novembro 29 MERCADOS O VINHO NOS E.U.A. BREVE CARACTERIZAÇÃO DO SECTOR O VINHO NOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA BREVE CARACTERIZAÇÃO DO SECTOR Índice 1. INTRODUÇÃO 2 2. PRODUÇÃO 3 3. EXPORTAÇÃO 5 4.

Leia mais

Procura Turística dos Residentes 4º Trimestre de 2014

Procura Turística dos Residentes 4º Trimestre de 2014 Procura Turística dos Residentes 4º Trimestre de 2014 30 de abril de 2015 Viagens turísticas dos residentes com ligeiro aumento No 4º trimestre de 2014 os residentes em Portugal realizaram cerca de 4,0

Leia mais

FLUXO ATIVIDADES DE SEDES DE EMPRESAS E DE CONSULTORIA EM GESTÃO EMPRESARIAL POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO DO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO ATIVIDADES DE SEDES DE EMPRESAS E DE CONSULTORIA EM GESTÃO EMPRESARIAL POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO DO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO ATIVIDADES DE SEDES DE EMPRESAS E DE CONSULTORIA EM GESTÃO EMPRESARIAL POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO DO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO ATIVIDADES DE SEDES DE EMPRESAS

Leia mais

Golfe e Turismo: indústrias em crescimento

Golfe e Turismo: indústrias em crescimento CAPÍTULO I CAPÍTULO I Golfe e Turismo: indústrias em crescimento O universo do golfe, bem visível hoje em muitos territórios, tem desde logo ao nível de contribuição uma relação de causa consequência com

Leia mais

UNWTO. World Tourism Barometer January August 2015. Análise e resultados estatísticos Turismo Mundial

UNWTO. World Tourism Barometer January August 2015. Análise e resultados estatísticos Turismo Mundial UNWTO World Tourism Barometer January August 2015 Análise e resultados estatísticos Turismo Mundial ÍNDICE Chegada de Turistas Internacionais ao Mundo e às Macro-regiões TOP 50 Chegadas de Turistas por

Leia mais

Norte Nordeste Centro-Oeste Sudeste Sul INTERNACIONAL

Norte Nordeste Centro-Oeste Sudeste Sul INTERNACIONAL 3.11 Perfil do turista Os documentos utilizados para a análise do perfil do turista que visita o Ceará são: Relatório de Pesquisa da Demanda Turística via Fortaleza 1999 foram aplicados 4.032 questionários

Leia mais

Turismo no Recife: Caso de sucesso

Turismo no Recife: Caso de sucesso Secretaria de Turismo Turismo no Recife: Caso de sucesso O Recife no Brasil: Reconhecimento nacional na Parceria Público-Privada PCR e RCVB; Prêmio de Melhor Política Pública do Turismo entre os 65 Destinos

Leia mais

FLUXO TRANSPORTE AQUAVIÁRIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

FLUXO TRANSPORTE AQUAVIÁRIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 FLUXO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Estados Norte 0 0,00 0 0 0 0,00 Rondônia

Leia mais

Internet vs Agências Tradicionais Vantagens e Desvantagens

Internet vs Agências Tradicionais Vantagens e Desvantagens IV Encontro BCD Travel / Diário Económico Internet vs Agências Tradicionais Vantagens e Desvantagens PERSPECTIVA DE UM CLIENTE Direcção de Serviços de Recursos Humanos 27.05.2009 Este documento é propriedade

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DA CAPARICA Curso de Educação e Formação de Adultos NS

ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DA CAPARICA Curso de Educação e Formação de Adultos NS 1 de 6 - mobilidade humana e OBJECTIVO: Identifica sistemas de administração territorial e respectivos funcionamentos integrados. O Turismo Guião de Exploração Indicadores sobre o turismo em Portugal 27

Leia mais

Políticas Públicas. Lélio de Lima Prado

Políticas Públicas. Lélio de Lima Prado Políticas Públicas Lélio de Lima Prado Política Cambial dez/03 abr/04 ago/04 dez/04 abr/05 ago/05 Evolução das Reservas internacionais (Em US$ bilhões) dez/05 abr/06 ago/06 dez/06 abr/07 ago/07 dez/07

Leia mais

11.1. INFORMAÇÕES GERAIS

11.1. INFORMAÇÕES GERAIS ASPECTOS 11 SOCIOECONÔMICOS 11.1. INFORMAÇÕES GERAIS O suprimento de energia elétrica tem-se tornado fator indispensável ao bem-estar social e ao crescimento econômico do Brasil. Contudo, é ainda muito

Leia mais

Oficina Índice de Desenvolvimento Humano IDH

Oficina Índice de Desenvolvimento Humano IDH Oficina Índice de Desenvolvimento Humano IDH Oficina CH/EM Caro Aluno, Esta oficina tem por objetivo analisar as principais características de um dos principais indicadores socioeconômicos utilizados na

Leia mais

O turismo e o seu contributo para o desenvolvimento da Madeira

O turismo e o seu contributo para o desenvolvimento da Madeira O turismo e o seu contributo para o desenvolvimento da Madeira Lisboa, 5 de Julho 2012 Bruno Freitas Diretor Regional de Turismo da Madeira O Destino Madeira A Região Autónoma da Madeira (RAM) ocupa, desde

Leia mais

Desafios do turismo em Portugal - 2014

Desafios do turismo em Portugal - 2014 www.pwc.pt Desafios do turismo em Portugal - 2014 Com a colaboração do Ricardo Sousa Valles Agenda 2 1 Turismo: presente e futuro 3 Lições do passado 4 5 Turismo: importância para a economia 2014 Desafios

Leia mais