Análise Regional dezembro 2015

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Análise Regional dezembro 2015"

Transcrição

1 Portugal Em, o Algarve voltou a liderar o País com 16,6 milhões de dormidas (34% de quota no País) e cresceu 2,7% face a Lisboa posicionou-se no 2.º lugar com 12,3 milhões de dormidas e assinalou, em termos absolutos, o maior acréscimo (+767,1 mil dormidas). Receitas turísticas atingiram 11,4 mil milhões de (+9,3% que em 2014), dos quais 59% (6,7 mil milhões de ) continuam a ser gerados por 4 mercados: britânico, francês, espanhol e alemão. Madeira (72,7%), Lisboa (71,2%) e Algarve (61,8%) registaram médias de ocupação-quarto superiores à média nacional de que foi de 60,7% (+4,0 p.p. que em 2014). Estada média dos estrangeiros no País fixou-se em 3,4 noites e nacionais em 2,0 noites. Mais rentabilidade na hotelaria, com proveitos a crescerem acima das dormidas. Norte Dormidas totais em Valor 6.131,7, Var 15/14 +13,6% aldeamentos e Var abs 15/ ,7 Quota12,5%, por NUTS II 4.ª posição Quota estrangeiros 52,8% Jan-dez Centro Valor 4.539,5 Var 15/14 +9,6% Var abs 15/ ,4 Quota 9,3% 5.ª posição Quota estrangeiros 41,9% A. M. Lisboa Valor ,6 Var 15/14 +6,7% Var abs 15/ ,1 Quota 25,1% 2.ª posição Quota estrangeiros 75,8% Açores Valor 1.272,4 Var 15/14 +19,6% Var abs 15/ ,7 Quota 2,6% 7.ª posição Quota estrangeiros 57,7% Alentejo Valor 1.451,3 Var 15/14 +11,8% Var abs 15/ ,7 Quota 3,0% 6.ª posição Quota estrangeiros 34,6% Algarve Valor ,3 Var 15/14 +2,7% Var abs 15/ ,2 Quota 34,0% 1.ª posição Quota estrangeiros 76,7% Madeira Valor 6.630,0 Var 15/14 +5,8% Var abs 15/ ,6 Quota 13,5% 3.ª posição Quota estrangeiros 90,3% Hóspedes (milhares) ,4 8, ,3 100,0 Residentes Portugal 7.262,9 7,1 483,0 41,6 Residentes estrangeiro ,5 9,7 898,3 58,4 Dormidas (milhares) ,8 6, ,3 100,0 Residentes Portugal ,4 5,3 735,4 29,7 Residentes estrangeiro ,4 7, ,9 70,3 Proveitos (milhões ) 2.479,9 13,1 287,0 100,0 Aposento 1.776,3 14,7 227,3 71,6 Outros 703,5 9,3 59,6 28,4 RevPar ( ) 37,8 14,5 4,8 Total ,4 7, ,9 100,0 Reino Unido 8.275,9 8,7 660,7 24,0 Alemanha 4.825,1 10,7 464,4 14,0 Espanha 3.665,7 3,2 113,2 10,6 França 3.345,8 11,4 343,6 9,7 Holanda 2.146,3 3,9 81,3 6,2 Escandinávia 1.669,3 0,4 6,9 4,8 Brasil 1.315,9-3,3-45,6 3,8 Irlanda 1.225,3 5,6 64,7 3,6 Itália 1.011,9 17,2 148,3 2,9 EUA 962,0 18,1 147,2 2,8 Outros 7.651,5 35, ,6 22,2 Total ,2 9,3 968,3 100,0 Reino Unido 2.004,3 14,6 256,0 17,6 França 1.983,8 7,0 130,6 17,5 Espanha 1.447,1 13,2 168,9 12,7 Alemanha 1.246,0 13,9 152,0 11,0 Angola 531,0-13,9-85,8 4,7 EUA 518,3 5,6 27,3 4,6 Holanda 509,1 17,9 77,3 4,5 Brasil 374,8-0,5-1,7 3,3 Bélgica 349,1 12,2 37,8 3,1 Suíça 290,0 10,4 27,3 2,6 Outros 2.108,8 9,3 178,6 18,6 Dados provisórios Dados provisórios ( ) Receitas Turísticas, TOP 10 rubrica Viagens e Turismo da Balança de Pagamentos [milhões ] Dados provisórios (22/02/2016) Fonte: Banco de Portugal 1

2 27,3 22,7 41,7 41,5 37,2 41,2 52,3 76,5 53,4% 54,4% 53,4% 60,3% 65,3% 62,8% 66,9% 60,7% 94,0 34,2 42,3 89,3 112, ,7 435,8 489,6 245, , , , , , ,7 109,4 250,4 94,7 129, ,3 272,3 263, , , , ,8 581,0 688, ,2 668,5 800, ,2 Portugal [milhões ] H 5* H 4* H 3* H 2* e 1* H A P ALD APT H 5* H 4* H 3* H 2* e 1* H A P ALD APT 63,2% 71,8% 79,8% 83,3% 72,5% 63,3% 75,9% 82,7% 82,4% 71,7% 59,1% 51,4% 76,8% 68,9% 79,3% 74,1% TOQ (%) RevPar ( ) 23,0% 13,7% 13,9% 10,1% 14,9% 16,9% 12,0% 11,9% 21,6% 18,5% 11,9% 14,6% Dormidas totais e proveitos de aposento, por NUTS II Var.% /14 Dados provisórios Dormidas totais Proveitos aposento 6,5% 2,6% 5,5% 6,5% Norte Centro A. M. Lisboa Alentejo Algarve Açores Madeira Portugal 2

3 59.267, , , , , , , , , , ,2 914,8 773,0 737,6 657,6 718, , ,2 960,5 97,7 102,5 109,8 118,8 18,5 27,4 26, , , , ,5 22,2 21,4 31,9 24,4 35,5 32,2 64,0 55,0 56,0% 63,1% 55,1% 55,2% 54,4% 51,2% 54,4% 56,0% Norte Norte com predomínio de hóspedes nacionais em (55,1% do total e que aumentam 8,7%), mas são os estrangeiros que permaneceram mais tempo (52,8% das dormidas, ou seja, 3,2 milhões); 2,1 noites foi a estada média alcançada pelo mercado externo. Dormidas de estrangeiros originaram, em, o aumento relativo mais acentuado do Continente (+16,8%), que se traduziu em mais 466,5 mil dormidas, face ao ano de O grupo de mercados que fez parte do TOP 5, responsável por 2,0 milhões dormidas em (+16,9% face a 2014) representou 63% face ao total de dormidas de estrangeiros. Em, hotéis de 4* originaram 2,2 milhões de dormidas e 115 milhões de de proveitos, mas hotéis de 5* lideraram no rácio de RevPar (64,0 ) e na média de ocupação-quarto (63,1%), que cresceu 2,9 p.p. em relação a Hóspedes (milhares) 3.439,9 12,8 391,6 100,0 Residentes Portugal 1.895,4 8,7 152,3 55,1 Residentes estrangeiro 1.544,6 18,3 239,3 44,9 Dormidas (milhares) 6.131,7 13,6 732,7 100,0 Residentes Portugal 2.891,3 10,1 266,2 47,2 Residentes estrangeiro 3.240,4 16,8 466,5 52,8 Proveitos (milhões ) 297,4 19,3 48,0 100,0 Aposento 218,8 22,8 40,6 73,6 Outros 78,6 10,5 7,5 26,4 RevPar ( ) 29,7 19,3 4,8 TOQ (%) RevPar ( ) Total 3.240,4 16,8 466,5 100,0 Espanha 772,9 19,7 127,3 23,9 França 512,1 21,1 89,1 15,8 Brasil 279,5-3,2-9,3 8,6 Alemanha 258,6 17,7 38,8 8,0 Reino Unido 209,4 29,8 48,0 6,5 Itália 145,6 10,6 14,0 4,5 Holanda 118,4 22,4 21,6 3,7 EUA 117,3 25,4 23,7 3,6 Bélgica 97,6 12,9 11,2 3,0 Suíça 70,5 29,4 16,0 2,2 Outros 658,6 15,0 86,0 20,3 em ,0% 73,4% 80,8% 86,6% 84,9% 59,5% 61,2% 96,3% 69,6% 59,0% 47,6% 46,5% 53,6% 69,8% 41,1% 62,2% em

4 11.528, , , , , , , , , , , , , ,8 128,9 155, , ,3 505,0 554,2 138,9 146,5 82,2 88,7 100,0 78, , ,1 20,5 17,3 13,2 40,2% 47,9% 45,4 27,8 36,1% 35,3% 26,0 21,0 45,8% 43,0% 33,5 44,4% 40,3% Centro Residentes em Portugal foram maioritários em, quer em hóspedes (62,5% do total), quer nas dormidas que originam (58,1% do total) mas a estada média dos estrangeiros superou a dos residentes (respetivamente 1,9 e 1,6 noites). Dormidas de nacionais assinalaram em, o segundo aumento absoluto mais acentuado do País (+219,5 mil dormidas, ou seja, +9,1% que em 2014). Espanha, França, Alemanha, Brasil e Itália, principais mercados emissores de dormidas em com 1,2 milhões de dormidas, representaram 62% do total do mercado externo e subiram 11,1%, face ao ano de Hotéis de 4* e 3* geraram mais de 3 milhões de dormidas e de 131 milhões de de proveitos. Hotéis de 5*, em 1.º lugar, nas médias de ocupação-quarto (47,9%) e de RevPar (45,4 ), considerando as médias anuais de. Hóspedes (milhares) 2.603,3 12,8 296,1 100,0 Residentes Portugal 1.628,3 11,2 163,4 62,5 Residentes estrangeiro 975,0 15,8 132,8 37,5 Dormidas (milhares) 4.539,5 9,6 399,4 100,0 Residentes Portugal 2.639,4 9,1 219,5 58,1 Residentes estrangeiro 1.900,1 10,5 179,9 41,9 Proveitos (milhões ) 203,1 15,0 26,5 100,0 Aposento 136,4 13,7 16,4 67,2 Outros 66,7 17,8 10,1 32,8 RevPar ( ) 19,5 12,7 2,2 TOQ (%) RevPar ( ) Total 1.900,1 10,5 179,9 100,0 Espanha 525,9 7,3 35,8 27,7 França 277,0 22,7 51,2 14,6 Alemanha 129,5 15,0 16,9 6,8 Brasil 126,5 3,7 4,5 6,7 Itália 116,4 8,5 9,1 6,1 Reino Unido 82,6-1,7-1,5 4,3 EUA 70,4 2,9 2,0 3,7 Polónia 58,0 34,9 15,0 3,1 Escandinávia 56,5 12,2 6,2 3,0 Holanda 51,3 16,4 7,2 2,7 Outros 464,0 24,5 91,4 24,4 44,7% 66,6% 71,4% 80,9% 77,4% 59,8% 63,9% 66,8% 66,6% 38,6% 47,0% 37,2% 42,6% 45,6% 31,6% 33,4% 4

5 82.464, , , , , , , , , , , , ,9 944,1 655,7 674,1 67,5 91,2 146,0 151,4 55,0 61, , , , , , , , , ,9 37,5 38,4 56,7 67,4% 50,8 45,9 62,1% 55,6 71,5% 85,2 72,5% 73,6% 74,1% 66,9% 84,8 71,2% Área Metropolitana de Lisboa Lisboa manteve a 2.ª posição em, não só em termos de dormidas de residentes (21% do total nacional), mas também em relação ao mercado externo (27%). Dormidas de estrangeiros com o aumento absoluto mais acentuado do País (+600,0 mil dormidas, ou seja, +6,9% que em 2014) representaram 75,8% face ao movimento global da região. A estada média do mercado externo foi de 2,6 noites (1,8 noites no caso do mercado interno). Em, Espanha, França, Alemanha, Brasil e Reino Unido constituíram o TOP 5 da região de Lisboa com 4,7 milhões de dormidas. Este grupo, com 50% de quota na procura externa, aumentou 5,9%, face a Hotéis de 5* e 4* originaram, em conjunto, 562,5 milhões de de proveitos, que representaram 73% dos proveitos da região e 38% do País, nessas duas categorias. Hóspedes (milhares) 5.246,2 6,4 317,8 100,0 Residentes Portugal 1.659,4 4,5 72,0 31,6 Residentes estrangeiro 3.586,7 7,4 245,8 68,4 Dormidas (milhares) ,6 6,7 767,1 100,0 Residentes Portugal 2.977,2 5,9 167,1 24,2 Residentes estrangeiro 9.317,4 6,9 600,0 75,8 Proveitos (milhões ) 772,1 13,9 94,3 100,0 Aposento 575,3 15,0 75,1 74,5 Outros 196,8 10,8 19,2 25,5 RevPar ( ) 53,6 11,0 5,3 TOQ (%) RevPar ( ) Total 9.317,4 6,9 600,0 100,0 Espanha 1.145,1-3,4-39,8 12,3 França 1.140,6 10,5 108,2 12,2 Alemanha 923,9 19,7 152,2 9,9 Brasil 785,2-5,4-45,1 8,4 Reino Unido 699,0 14,3 87,7 7,5 Itália 561,0 28,9 125,8 6,0 EUA 540,7 16,8 77,7 5,8 Escandinávia 493,0 8,6 38,9 5,3 Holanda 325,8 12,8 36,9 3,5 Bélgica 260,5 4,7 11,8 2,8 Outros 2.935,8 22,5 538,7 31,5 H 5* H 4* H 3* H 2* e 1* H A P ALD APT 64,6% 77,5% 87,9% 82,3% 75,6% 65,7% 75,8% 96,6% H 5* H 4* H 3* H 2* e 1* H A P ALD APT 86,3% 75,1% 75,1% 65,4% 79,3% 86,4% 62,7% 78,0% 5

6 6.315, , , , , , , , , , , , , ,5 87,7 102,3 290,0 381,5 262,7 299,2 181,3 179,2 230,3 227,2 95,3 104,3 55,2 68,6 24,6 16,7 20,1 44,1% 39,7 41,2% 32,5 39,9% 28,2 51,9% 43,2% 39,8 54,6% 43,8 50,9% 44,9% Alentejo Residentes em Portugal predominaram na região, em, quer em hóspedes (66,5% do total), quer em dormidas (65,4% do total). Contudo, a estada média dos residentes igualou a dos estrangeiros (1,8 noites). Dormidas de nacionais ascenderam a 949,4 mil dormidas e aumentaram 10,7% (+91,5 mil dormidas), quando se compara com o ano de Espanha, França, Brasil, Reino Unido e Alemanha mantiveram as 5 primeiras posições em, e as 291,5 mil dormidas que originaram, representaram 58% do mercado externo. Este grupo aumentou 5,0% face a Em, hotéis 4* e 3* registaram 680,7 mil dormidas e 31,2 milhões de de proveitos. Hotéis-apartamentos no top da média de ocupação quarto com 54,6% e pousadas atingiram rácio de RevPar mais alto (43,8 ). Hóspedes (milhares) 812,6 11,4 83,5 100,0 Residentes Portugal 540,2 9,6 47,3 66,5 Residentes estrangeiro 272,4 15,3 36,1 33,5 Dormidas (milhares) 1.451,3 11,8 153,7 100,0 Residentes Portugal 949,4 10,7 91,5 65,4 Residentes estrangeiro 501,8 14,1 62,2 34,6 Proveitos (milhões ) 73,0 15,6 9,8 100,0 Aposento 50,8 16,6 7,2 69,7 Outros 22,1 13,3 2,6 30,3 RevPar ( ) 23,9 13,3 2,8 TOQ (%) RevPar ( ) Total 501,8 14,1 62,2 100,0 Espanha 100,0 4,4 4,2 19,9 França 75,2-3,2-2,5 15,0 Brasil 43,9 5,7 2,4 8,8 Reino Unido 37,4 25,1 7,5 7,4 Alemanha 35,0 7,1 2,3 7,0 EUA 32,4 44,0 9,9 6,5 Escandinávia 28,0 61,5 10,7 5,6 Holanda 26,5 45,2 8,3 5,3 Itália 18,4 22,1 3,3 3,7 China (a) 18,1 3,6 Outros 87,0-2,2-1,9 17,3 (a) Valores não disponíveis para 2014 em ,0% 63,1% 81,2% 75,6% 76,9% 64,1% 95,6% 93,6% 33,6% 38,8% 28,8% 35,7% 29,7% 59,7% 42,2% 29,0% 6

7 , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,8 210,6 224,6 63,8 68, , , , , , , , ,2 27,0 36,3 39,8 55,0 60,8% 84,2 58,0% 48,3 62,8% 60,6% 52,9% 70,0% 65,3 60,8% 50,0 61,7% Algarve Em, o Algarve manteve o 1.º lugar no País, não só nas dormidas de estrangeiros (37% do total nacional), mas também em relação às de residentes em Portugal (27%). 76,7% das dormidas da região tiveram origem no mercado externo (12,7 milhões de dormidas) e aumentaram 4,6% face a 2014 (+565,2 mil dormidas). O mercado externo originou uma estada média de 4,9 noites, contra 3,5 dos nacionais. TOP 5 da região originou 10,4 milhões de dormidas, (+4,3%, ou seja, +428,0 mil dormidas que em 2014). Este grupo representou 82% da procura externa. As quebras verificadas na Holanda, Espanha e Escandinávia determinaram uma redução de 61,9 mil dormidas de estrangeiros. Apartamentos turísticos com mais de 4 milhões de dormidas, mas foram os hotéis de 5* e 4* que originaram mais proveitos (365 milhões de ). Hotéis de 5* foram os mais rentáveis (84,2 de RevPar) e hotéis-apartamentos apresentaram o índice de ocupação-quarto mais elevado (70,0%). Hóspedes (milhares) 3.697,0 3,9 138,7 100,0 Residentes Portugal 1.098,8-0,4-4,1 29,7 Residentes estrangeiro 2.598,3 5,8 142,8 70,3 Dormidas (milhares) ,3 2,7 441,2 100,0 Residentes Portugal 3.871,3-3,1-124,1 23,3 Residentes estrangeiro ,0 4,6 565,2 76,7 Proveitos (milhões ) 758,4 10,2 70,5 100,0 Aposento 550,3 11,9 58,5 72,6 Outros 208,1 6,1 12,0 27,4 RevPar ( ) 41,1 16,8 5,9 TOQ (%) RevPar ( ) -61,9 Total ,0 4,6 565,2 100,0 Reino Unido 5.551,5 5,8 304,1 43,6 Alemanha 1.654,9 6,5 101,0 13,0 Holanda 1.323,9-0,8-10,5 10,4 Irlanda 1.000,5 4,7 44,8 7,8 Espanha 855,7-1,3-11,3 6,7 França 633,8 17,7 95,4 5,0 Escandinávia 353,6-10,2-40,0 2,8 Bélgica 215,1 14,5 27,2 1,7 Polónia 186,3 27,6 40,3 1,5 Suíça 181,0 28,0 39,6 1,4 Outros 790,7-3,1-25,3 6,2 H 5* H 4* H 3* H 2* e 1* H A P ALD APT 64,3% 69,4% 72,6% 92,6% 76,1% 70,3% 76,7% 81,9% H 5* H 4* H 3* H 2* e 1* H A P ALD APT 79,2% 81,1% 61,6% 64,4% 74,3% 84,6% 83,0% 75,8% 7

8 30.022, , , , , ,0 669,9 207,3 235,9 34,9 39,5 802,2 26,6 30,8 23,7 16,5 35,6% 27,1 43,6 37,4 42,9% 53,9% 54,3% 54,1% 54,2% 53,8% Açores Em, os Açores mantiveram o maior aumento percentual do País em relação aos hóspedes nas unidades hoteleiras (+23,7%) e às dormidas geradas (+19,6%). Hóspedes nacionais em maior número nas unidades hoteleiras (52,6% do total), mas foram os estrangeiros que permaneceram mais tempo (57,7% das dormidas); 3,6 noites foi a estada média registada pelo mercado externo e 2,4 noites pelos residentes. Alemanha, Escandinávia, EUA, Holanda e Espanha, com 481,3 mil dormidas (+4,4% face ao ano de 2014), constituíram o TOP 5 da região, em. Representaram 66%, face ao total de dormidas de estrangeiros. Hotéis 4* alcançaram os valores mais altos da região, ou seja, 802,2 mil dormidas, 37,3 milhões de de proveitos e 54,3% de ocupação-quarto. O maior índice de rentabilidade pertenceu aos hotéis-apartamentos com 43,6. Hóspedes (milhares) 427,6 23,7 82,0 100,0 Residentes Portugal 225,0 31,5 53,8 52,6 Residentes estrangeiro 202,7 16,2 28,2 47,4 Dormidas (milhares) 1.272,4 19,6 208,7 100,0 Residentes Portugal 538,5 35,4 140,8 42,3 Residentes estrangeiro 734,0 10,2 67,9 57,7 Proveitos (milhões ) 54,3 21,7 9,7 100,0 Aposento 40,2 22,4 7,3 74,1 Outros 14,1 19,7 2,3 25,9 RevPar ( ) 27,0 21,6 4,8 TOQ (%) RevPar ( ) H H 5* (a) H 4* H 3* H 2* e 1* HA P TOTAL Total 734,0 10,2 67,9 100,0 Alemanha 192,8 19,5 31,5 26,3 Escandinávia 81,8-19,6-20,0 11,2 EUA 72,1 30,8 17,0 9,8 Holanda 68,3 3,5 2,3 9,3 Espanha 66,3-13,7-10,5 9,0 Reino Unido 46,3 47,2 14,9 6,3 Canadá 37,2 21,7 6,6 5,1 França 33,9 7,0 2,2 4,6 Bélgica 30,3 13,9 3,7 4,1 Itália 22,7 28,1 5,0 3,1 Outros 82,2 22,8 15,3 11,2 H 5* (a) H 4* H 3* H2 e 1*(a) H A P (a) APT (a) 77,5% 68,7% 87,0% 81,0% 96,2% 68,2% 89,4% H 5* (a) H 4* H 3* H2 e 1*(a) H A P (a) APT (a) 59,5% 61,8% 48,2% 36,0% 50,4% 75,0% 74,7% 8

9 88.529, , , , , , , ,8 304,8 341, ,2 60,2 67, , , ,3 25,6 22,0 23,3% 37,2 33,3 45,9 42,1 75,1% 68,4 77,6% 74,0% 70,1% 67,4% 72,6% Madeira Madeira manteve, em, o 3.º lugar no ranking nacional, com 6,0 milhões de dormidas de estrangeiros, que representaram 17% das dormidas de não residentes em Portugal. Evolução da região foi favorável em (+5,5%, ou seja, +324,9 mil dormidas), assente unicamente no aumento do mercado externo (+6,9%), que representou 90,3% da procura global. Os nacionais apresentaram um decréscimo de 3,8%. Reino Unido, Alemanha, França, Escandinávia e Holanda foram responsáveis por 4,8 milhões de dormidas em e uma quota na procura externa de 80%. Face a 2014 este grupo de mercados cresceu 7,7% (+342,0 mil dormidas), fundamentalmente devido à evolução do Reino Unido e da Alemanha (+322 mil dormidas) que representaram 55% do mercado externo. Hotéis de 5* assinalaram os valores mais elevados de ocupação-quarto e d (77,6% e 68,4, respetivamente). Hóspedes (milhares) 1.211,7 6,3 71,5 100,0 Residentes Portugal 215,9-0,8-1,8 17,8 Residentes estrangeiro 995,8 7,9 73,2 82,2 Dormidas (milhares) 6.630,0 5,8 362,6 100,0 Residentes Portugal 645,4-3,8-25,7 9,7 Residentes estrangeiro 5.984,6 6,9 388,2 90,3 Proveitos (milhões ) 321,5 9,6 28,2 100,0 Aposento 204,5 12,2 22,2 63,6 Outros 117,0 5,4 6,0 36,4 RevPar ( ) 41,4 12,8 4,7 TOQ (%) RevPar ( ) H H 5* H 4* H 3* H 2* e 1* HA P (a) TOTAL 54,8 Total 5.984,6 6,9 388,2 100,0 Reino Unido 1.649,7 13,8 200,1 27,6 Alemanha 1.630,5 8,1 121,7 27,2 França 673,3 0,0 0,0 11,3 Escandinávia 587,6 0,8 4,8 9,8 Holanda 232,1 7,2 15,5 3,9 Espanha 199,9 3,9 7,5 3,3 Polónia 188,1 7,5 13,1 3,1 Bélgica 149,5 9,9 13,5 2,5 Suíça 126,4 8,6 10,0 2,1 Áustria 115,2 12,3 12,6 1,9 Outros 432,4-2,4-10,5 7,2 H 5* (a) H 4* H 3* H2e1*(a) H A P (a) ALD APT (a) 60,7% 64,5% 76,3% 61,8% 61,3% 41,6% 71,1% 88,9% H 5* (a) H 4* H 3* H2e1*(a) H A P (a) ALD APT (a) 92,2% 90,7% 79,2% 68,0% 91,6% 94,1% 98,3% 68,6% 9

Atividade Turística com resultados positivos em 2014

Atividade Turística com resultados positivos em 2014 Estatísticas do Turismo 2014 28 de julho de 2015 Atividade Turística com resultados positivos em 2014 Segundo os dados provisórios da Organização Mundial de Turismo, as chegadas de turistas internacionais,

Leia mais

HOTELARIA 2008. AEP / Gabinete de Estudos

HOTELARIA 2008. AEP / Gabinete de Estudos HOTELARIA 2008 AEP / Gabinete de Estudos Junho de 2008 1 1. INFORMAÇÃO SOBRE AS EMPRESAS Segundo os dados das Empresas em Portugal 2005, do INE, em 2005 o sector do Alojamento e Restauração compreendia

Leia mais

Residentes no estrangeiro sustentam ligeiro aumento nas dormidas

Residentes no estrangeiro sustentam ligeiro aumento nas dormidas Atividade Turística Dezembro de 2012 14 de fevereiro de 2013 Residentes no estrangeiro sustentam ligeiro aumento nas dormidas As dormidas na hotelaria atingiram 1,7 milhões em dezembro 2012, mais 1,9%

Leia mais

ANÁLISE ESTATÍSTICA j a n e i r o m a i o 2011 1

ANÁLISE ESTATÍSTICA j a n e i r o m a i o 2011 1 ANÁLISE ESTATÍSTICA j a n e i r o m a i o 2011 1 ANÁLISE DE DORMIDAS NACIONAIS E ESTRANGEIRAS Estabelecimentos Hoteleiros, Aldeamentos e Apartamentos Turísticos Acumulado Janeiro Maio 2010/2011 A Turismo

Leia mais

Hotelaria manteve crescimento de dois dígitos mas com desaceleração particularmente no mercado interno

Hotelaria manteve crescimento de dois dígitos mas com desaceleração particularmente no mercado interno Atividade Turística Novembro de 2014 19 de janeiro de 2015 Hotelaria manteve crescimento de dois dígitos mas com desaceleração particularmente no mercado interno As dormidas na hotelaria fixaram-se em

Leia mais

Hotelaria mantém crescimento mas com desaceleração no número de hóspedes e de dormidas

Hotelaria mantém crescimento mas com desaceleração no número de hóspedes e de dormidas Atividade Turística Fevereiro de 20 15 de Abril de 20 Hotelaria mantém crescimento mas com desaceleração no número de hóspedes e de dormidas Os estabelecimentos hoteleiros registaram cerca de 2 milhões

Leia mais

Hotelaria com aumentos nos hóspedes, dormidas e proveitos

Hotelaria com aumentos nos hóspedes, dormidas e proveitos Atividade Turística Janeiro de 2014 19 de março de 2014 Hotelaria com aumentos nos hóspedes, dormidas e proveitos A hotelaria registou 1,7 milhões de dormidas em janeiro de 2014, valor que corresponde

Leia mais

T U R I S M O E M N Ú M E R O S

T U R I S M O E M N Ú M E R O S HÓSPEDES, DORMIDAS, PROVEITOS E REVPAR em CAMA em apartamentos turísticos QUARTO em hoteleiros Fonte: Turismo de Portugal FLUXOS NOS AEROPORTOS Fonte: ANA Aeroportos de Portugal FLUXOS NOS PORTOS MARÍTIMOS

Leia mais

boletim trimestral - n.º 1 - junho 2013 algarve conjuntura turística

boletim trimestral - n.º 1 - junho 2013 algarve conjuntura turística boletim trimestral - n.º 1 - junho 2013 algarve conjuntura turística indicadores 1. Movimento de passageiros no aeroporto de Faro 1.1. Movimento total de passageiros 1.2. Passageiros desembarcados por

Leia mais

2012 Anual. Preços médios ao Balcão. Sumário Executivo

2012 Anual. Preços médios ao Balcão. Sumário Executivo Sumário Executivo Na presente informação, divulgam-se os preços médios de Aposento (b&b), Meia Pensão (h&b) e Pensão Completa (f&b) praticados ao balcão, no ano de 2012, pelos hotéis e pousadas, bem como

Leia mais

HOTELARIA RELATÓRIO DE CONJUNTURA

HOTELARIA RELATÓRIO DE CONJUNTURA HOTELARIA RELATÓRIO DE CONJUNTURA AEP / GABINETE DE ESTUDOS Julho de 2006 A actividade da hotelaria insere-se na CAE 55 Alojamento e Restauração, que, por sua vez, integra o sector do turismo, um dos sectores

Leia mais

boletim trimestral - edição especial - n.º 0 - abril 2013 algarve conjuntura turística 2. Capacidade de alojamento na hotelaria global

boletim trimestral - edição especial - n.º 0 - abril 2013 algarve conjuntura turística 2. Capacidade de alojamento na hotelaria global boletim trimestral - edição especial - n.º 0 - abril 2013 algarve conjuntura turística indicadores 1. Movimento de passageiros no Aeroporto de Faro 1.1. Movimento total de passageiros 1.2. Movimento mensal

Leia mais

Não residentes foram cruciais para o crescimento da atividade turística em 2013

Não residentes foram cruciais para o crescimento da atividade turística em 2013 Estatísticas do Turismo 2013 24 de junho de 2014 Não residentes foram cruciais para o crescimento da atividade turística em 2013 Em 2013, de acordo com os dados provisórios da Organização Mundial de Turismo,

Leia mais

Responsabilidade Social em Portugal 2013. Boas Práticas nos Estabelecimentos Hoteleiros, Aldeamentos e Apartamentos Turísticos

Responsabilidade Social em Portugal 2013. Boas Práticas nos Estabelecimentos Hoteleiros, Aldeamentos e Apartamentos Turísticos Responsabilidade Social em Portugal 2013 Boas Práticas nos Estabelecimentos Hoteleiros, Aldeamentos e Apartamentos Turísticos ÍNDICE Sumário Executivo Introdução Caracterização Social Vínculo laboral dos

Leia mais

Suíça. Mercado em Ficha. Mercado emissor de 12,1 milhões de turistas em 2010, com 1,6% da quota mundial

Suíça. Mercado em Ficha. Mercado emissor de 12,1 milhões de turistas em 2010, com 1,6% da quota mundial Espace Mittelland 1,7 M hab (1º) Nordwestschweiz 1,0 M hab (5º) Ostschweiz 1,1 M hab (4º) Mercado emissor de 12,1 milhões de turistas em 2010, com 1,6% da quota mundial 10.º mercado da procura externa

Leia mais

Empresas nacionais de transporte aéreo movimentaram mais 6,3% de passageiros

Empresas nacionais de transporte aéreo movimentaram mais 6,3% de passageiros Transportes aéreos e atividade turística 2013 10 de setembro de 2014 Movimento de passageiros nos aeroportos nacionais aumentou 4,9% O tráfego comercial nas infraestruturas aeroportuárias nacionais em

Leia mais

DIRECÇÃO GERAL DO TURISMO DIRECÇÃO DE SERVIÇOS DE ESTUDOS E ESTRATÉGIA TURÍSTICOS DIVISÃO DE RECOLHA E ANÁLISE ESTATÍSTICA

DIRECÇÃO GERAL DO TURISMO DIRECÇÃO DE SERVIÇOS DE ESTUDOS E ESTRATÉGIA TURÍSTICOS DIVISÃO DE RECOLHA E ANÁLISE ESTATÍSTICA DIRECÇÃO GERAL DO TURISMO DIRECÇÃO DE SERVIÇOS DE ESTUDOS E ESTRATÉGIA TURÍSTICOS DIVISÃO DE RECOLHA E ANÁLISE ESTATÍSTICA Elaborado por: Cristina Curto Caria Coordenado por: Teresinha Duarte Seetteembrro..2004

Leia mais

Barómetro Turismo Alentejo

Barómetro Turismo Alentejo Barómetro Turismo Alentejo Janeiro 2012 METODOLOGIA TOP DORMIDAS JANEIRO 2012 Inicia-se este ano de 2012 com alterações na metodologia do Barómetro, incluindo a sistemática comparação dos dados de 2012

Leia mais

Turismo no Espaço Rural. A oferta e a procura no TER

Turismo no Espaço Rural. A oferta e a procura no TER A oferta e a procura no TER 2007 Índice Introdução Capacidade de alojamento Estimativa de dormidas Taxas de ocupação-cama Anexos 2 Introdução. Em 2007 estavam em funcionamento em Portugal 1.023 unidades

Leia mais

Barómetro de Conjuntura inverno 2014/15. Agências de Viagens

Barómetro de Conjuntura inverno 2014/15. Agências de Viagens Barómetro de Conjuntura inverno 2014/15 Agências de Viagens ÍNDICE Sumário Executivo 3 da procura - inverno 2014/15 Portugal - NUTS II Portugal - Principais NUTS II Principais 4 5 6 da procura - verão

Leia mais

O gasto médio diário dos não residentes entrevistados que visitaram Portugal foi 100,22

O gasto médio diário dos não residentes entrevistados que visitaram Portugal foi 100,22 31 de julho de 2014 Gastos Turísticos Internacionais 2013 O gasto médio diário dos não residentes entrevistados que visitaram Portugal foi 100,22 O gasto médio diário per capita (GMD pc ) dos visitantes

Leia mais

OBSERVATÓRIO DO TURISMO DE LISBOA ANÁLISES DESTA EDIÇÃO DADOS DE AGOSTO 2014 EVOLUÇÃO DOS MERCADOS INFOGOLFE E CRUZEIROS INDÍCES POR REGIÃO

OBSERVATÓRIO DO TURISMO DE LISBOA ANÁLISES DESTA EDIÇÃO DADOS DE AGOSTO 2014 EVOLUÇÃO DOS MERCADOS INFOGOLFE E CRUZEIROS INDÍCES POR REGIÃO DO TURISMO DE LISBOA DADOS DE AGOSTO ANÁLISES DESTA EDIÇÃO EVOLUÇÃO DOS MERCADOS > Dados da Hotelaria > Cidade de Lisboa > Região de Lisboa INFOGOLFE E CRUZEIROS INDÍCES POR REGIÃO Os dados contidos nesta

Leia mais

Anuário das Estatísticas do Turismo 2012

Anuário das Estatísticas do Turismo 2012 Anuário das Estatísticas do Turismo 2012 1 Índice CAPÍTULO I Séries Internacionais e Nacionais 2003 a 2012 6 Fluxos Turísticos Internacionais 7 O Turismo na Economia Nacional 16 O Alojamento Turístico

Leia mais

vindo a verificar nos últimos tempos. As pers- próximo, estando prevista, a título de exemplo, náuticos internacionais que se realizam nos

vindo a verificar nos últimos tempos. As pers- próximo, estando prevista, a título de exemplo, náuticos internacionais que se realizam nos DO TURISMO DE LISBOA DADOS Março PERFORMANCE POSITIVA No primeiro trimestre de, a capital portuguesa continuou a demonstrar uma boa pectivas são igualmente positivas para o futuro vindo a verificar nos

Leia mais

2013 4º Trimestre. Preços médios ao Balcão. Sumário Executivo

2013 4º Trimestre. Preços médios ao Balcão. Sumário Executivo Sumário Executivo Na presente informação, divulgam-se os preços médios de Aposento (b&b), Meia Pensão (h&b) e Pensão Completa (f&b) praticados ao balcão, no 4.º Trimestre de 2013, pelos hotéis e pousadas,

Leia mais

indicadores 1. Capacidade de alojamento na Hotelaria Global

indicadores 1. Capacidade de alojamento na Hotelaria Global boletim trimestral - n.º 4 - março 2014 algarve conjuntura turística indicadores 1. Capacidade de alojamento na Hotelaria Global 2. Hóspedes 2.1. Número total de hóspedes 2.2. Hóspedes por tipologia de

Leia mais

Comércio Internacional Português

Comércio Internacional Português Comércio Internacional Português Exportações Portuguesas de Bens Janeiro a agosto de 2013 Direção de Informação, outubro de 2013 CIP bens 2013 (janeiro a agosto) - principais resultados Em 2013 (janeiro

Leia mais

MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DA INOVAÇÃO

MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DA INOVAÇÃO MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DA INOVAÇÃO Índice Introdução Preço Médio por Dormida Proveito Médio de Aposento por Cama Conceitos Anexos 2 Introdução Com base em indicadores estatísticos disponibilizados pelo

Leia mais

Obras concluídas e licenciadas com decréscimo menos acentuado

Obras concluídas e licenciadas com decréscimo menos acentuado Construção: Obras licenciadas e concluídas 4º Trimestre de 2015 - Dados preliminares 15 de março de 2016 Obras concluídas e licenciadas com decréscimo menos acentuado No 4º trimestre de 2015 os edifícios

Leia mais

indicadores 1. Hóspedes 1.1. Número total de hóspedes 1.2. Hóspedes por tipologia de alojamento 1.3. Hóspedes por país de origem

indicadores 1. Hóspedes 1.1. Número total de hóspedes 1.2. Hóspedes por tipologia de alojamento 1.3. Hóspedes por país de origem boletim trimestral - n.º 2 - setembro 2013 algarve conjuntura turística indicadores 1. Hóspedes 1.1. Número total de hóspedes 1.2. Hóspedes por tipologia de alojamento 1.3. Hóspedes por país de origem

Leia mais

Barómetro de Conjuntura. Estabelecimentos Hoteleiros, Aldeamentos e Apartamentos Turísticos. verão 2014

Barómetro de Conjuntura. Estabelecimentos Hoteleiros, Aldeamentos e Apartamentos Turísticos. verão 2014 verão 2014 Índice Sumário Executivo Perspetivas de evolução da procura para o verão 2014 NUTS II NUTS II por Mercados Perspetivas de evolução da procura para o inverno 2014/15 NUTS II 2 Sumário Executivo

Leia mais

indicadores 1. Hóspedes 2.1. Número total de hóspedes 2.2. Hóspedes por tipologia de alojamento 2.3. Hóspedes por país de origem

indicadores 1. Hóspedes 2.1. Número total de hóspedes 2.2. Hóspedes por tipologia de alojamento 2.3. Hóspedes por país de origem boletim trimestral - n.º 6 - outubro 2014 algarve conjuntura turística indicadores 1. Hóspedes 2.1. Número total de hóspedes 2.2. Hóspedes por tipologia de alojamento 2.3. Hóspedes por país de origem 1.

Leia mais

Desafios do Turismo em Portugal 2014

Desafios do Turismo em Portugal 2014 Desafios do Turismo em Portugal 2014 Crescimento Rentabilidade Inovação 46% O Turismo em Portugal contribui com cerca de 46% das exportações de serviços e mais de 14% das exportações totais. www.pwc.pt

Leia mais

G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_ e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.

G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_ e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N. Boletim Mensal de Economia Portuguesa N.º 9 setembro 211 Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia e do Emprego G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_ e Relações Internacionais

Leia mais

O TURISMO NO ESPAÇO RURAL 2006

O TURISMO NO ESPAÇO RURAL 2006 O TURISMO NO ESPAÇO RURAL 2006 Elaborado por: Ana Paula Gomes Bandeira Coordenado por: Teresinha Duarte Direcção de Serviços de Estudos e Estratégia Turísticos Divisão de Recolha e Análise Estatística

Leia mais

MINISTÉRIO DA ECONOMIA E INOVAÇÃO

MINISTÉRIO DA ECONOMIA E INOVAÇÃO MINISTÉRIO DA ECONOMIA E INOVAÇÃO Direcção de Serviços de Estudos e Estratégia Turísticos Divisão de Recolha e Análise Estatística Índice Introdução Proveito Médio de Aposento Conceitos Anexos Proveitos

Leia mais

O TURISMO NO ESPAÇO RURAL 2005

O TURISMO NO ESPAÇO RURAL 2005 O TURISMO NO ESPAÇO RURAL 2005 Elaborado por: Maria Julieta Martins Coordenado por: Teresinha Duarte Direcção de Serviços de Estudos e Estratégia Turísticos Divisão de Recolha e Análise Estatística Índice

Leia mais

Turismo. Evolução recente e perspetivas. Junho 2013. Este documento foi redigido com base em informação disponível até 25 de Junho 2013.

Turismo. Evolução recente e perspetivas. Junho 2013. Este documento foi redigido com base em informação disponível até 25 de Junho 2013. Turismo Evolução recente e perspetivas Este documento foi redigido com base em informação disponível até 25 de. . 1. Sumário executivo... 2 2. Evolução recente 2.1 Turismo mundial... 8 2.2 Turismo em Portugal...

Leia mais

Direção Regional de Estatística da Madeira

Direção Regional de Estatística da Madeira 29 de dezembro de 2014 GASTOS TURÍSTICOS INTERNACIONAIS NA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA ANO DE 2013 Nota introdutória O Inquérito aos Gastos Turísticos Internacionais (IGTI) foi uma operação estatística

Leia mais

Golfe e Turismo: indústrias em crescimento

Golfe e Turismo: indústrias em crescimento CAPÍTULO I CAPÍTULO I Golfe e Turismo: indústrias em crescimento O universo do golfe, bem visível hoje em muitos territórios, tem desde logo ao nível de contribuição uma relação de causa consequência com

Leia mais

RELATÓRIO DE CONJUNTURA AEP / GABINETE DE ESTUDOS

RELATÓRIO DE CONJUNTURA AEP / GABINETE DE ESTUDOS HOTELARIA RELATÓRIO DE CONJUNTURA AEP / GABINETE DE ESTUDOS Julho de 2005 A actividade da hotelaria insere-se na CAE 55 Alojamento e Restauração, que, por sua vez, integra o sector do turismo, um dos sectores

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DA HOTELARIA DE PORTUGAL: INDICADORES DE MAIO MARCADOS POR EVENTOS NACIONAIS E INTERNACIONAIS

ASSOCIAÇÃO DA HOTELARIA DE PORTUGAL: INDICADORES DE MAIO MARCADOS POR EVENTOS NACIONAIS E INTERNACIONAIS Lisboa, 30 de julho de 2014 ASSOCIAÇÃO DA HOTELARIA DE PORTUGAL: INDICADORES DE MAIO MARCADOS POR EVENTOS NACIONAIS E INTERNACIONAIS Grande Lisboa puxou o mês A AHP Associação da Hotelaria de Portugal

Leia mais

Associação da Hotelaria de Portugal divulga dados do Tourism Monitor do primeiro trimestre de 2014

Associação da Hotelaria de Portugal divulga dados do Tourism Monitor do primeiro trimestre de 2014 Lisboa, 3 de junho de 2014 Associação da Hotelaria de Portugal divulga dados do Tourism Monitor do primeiro trimestre de 2014 De acordo com a Associação da Hotelaria de Portugal, houve um crescimento de

Leia mais

OBSERVATÓRIO DO TURISMO DE LISBOA RECUPERAÇÃO. desta edição. Dados da Hotelaria Cidade de Lisboa Grande Lisboa Região de Lisboa

OBSERVATÓRIO DO TURISMO DE LISBOA RECUPERAÇÃO. desta edição. Dados da Hotelaria Cidade de Lisboa Grande Lisboa Região de Lisboa DO TURISMO DE LISBOA DADOS Maio RECUPERAÇÃO No mês de Maio, os principais indicadores analisados registam sinais positivos de recuperação em todas as unidades hoteleiras. Destacam-se as unidades de quatro

Leia mais

A taxa de desemprego do 3º trimestre de 2007 foi de 7,9%

A taxa de desemprego do 3º trimestre de 2007 foi de 7,9% Estatísticas do Emprego 3º trimestre de 2007 16 de Novembro de 2007 A taxa de desemprego do 3º trimestre de 2007 foi de 7,9 A taxa de desemprego estimada para o 3º trimestre de 2007 foi de 7,9. Este valor

Leia mais

Associação da Hotelaria de Portugal divulga indicadores de novembro de 2012

Associação da Hotelaria de Portugal divulga indicadores de novembro de 2012 Lisboa, 4 de fevereiro de 2013 Associação da Hotelaria de Portugal divulga indicadores de novembro de 2012 TAXA DE OCUPAÇÃO QUARTO SOBE 10,64%, NO PORTO, e 5,75% EM LISBOA COM BOM DESEMPENHO DE TODAS AS

Leia mais

A Estratégia Nacional para o Turismo em Espaços de Baixa Densidade

A Estratégia Nacional para o Turismo em Espaços de Baixa Densidade A Estratégia Nacional para o Turismo em Espaços de Baixa Densidade Maria José Catarino Vogal do Conselho Directivo Trancoso, 28 de Outubro de 2009 TURISMO - Contributo para o desenvolvimento sustentado

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Utilize apenas caneta ou esferográfica de tinta indelével, azul ou preta.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Utilize apenas caneta ou esferográfica de tinta indelével, azul ou preta. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 15 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

O turismo em Portugal: caracterização e perspectivas de desenvolvimento

O turismo em Portugal: caracterização e perspectivas de desenvolvimento O turismo em Portugal: caracterização e perspectivas de desenvolvimento Eva Milheiro Escola Superior de Educação de Portalegre 1. Introdução O turismo, pelo estímulo que confere à economia e ao desenvolvimento

Leia mais

SÍNTESE DE CONJUNTURA

SÍNTESE DE CONJUNTURA SÍNTESE DE CONJUNTURA Mensal maio 2015 - Newsletter ÍNDICE EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2 Atividade global... 2 Atividade setorial... 3 - Produção... 3 - Volume de negócios... 5 Comércio internacional...

Leia mais

Noruega. Mercado em Ficha. Mercado emissor de 7,0 milhões de turistas em 2010, com 0,9% da quota mundial

Noruega. Mercado em Ficha. Mercado emissor de 7,0 milhões de turistas em 2010, com 0,9% da quota mundial Mercado emissor de 7,0 milhões de turistas em 2010, com 0,9% da quota mundial 14º mercado da procura externa para Portugal, enquanto gerador de receitas em 2011 Hordaland 477,2 mil hab (3º) Sor-Trondelag

Leia mais

Instituto Nacional de Estatística de Cabo Verde Estatísticas do Turismo Movimentação de Hospedes 2º Trimestre 2015

Instituto Nacional de Estatística de Cabo Verde Estatísticas do Turismo Movimentação de Hospedes 2º Trimestre 2015 FICHA TÉCNICA Presidente António dos Reis Duarte Editor Instituto Nacional de Estatística Direcção de Contas Nacionais, Estatísticas Económicas e dos Serviços Divisão de Estatísticas do Turismo Av. Amilcar

Leia mais

Animação turística/turismo de Natureza no Algarve

Animação turística/turismo de Natureza no Algarve Animação turística/turismo de Natureza no Algarve António Almeida Pires Faro, 20 de Dezembro de 2010 Dormidas no Algarve em 2009 2.500.000 2.307.254 N.º de dormidas 2.000.000 1.500.000 1.000.000 500.000

Leia mais

www.pwc.pt Staying power European cities hotel forecast 2016 e 2017 César Gonçalves Susana Benjamim 12 abril 2016 Lisboa

www.pwc.pt Staying power European cities hotel forecast 2016 e 2017 César Gonçalves Susana Benjamim 12 abril 2016 Lisboa www.pwc.pt Staying power European cities hotel forecast 2016 e 2017 César Gonçalves Susana Benjamim 12 abril 2016 Lisboa Agenda Enquadramento 1. Um olhar sobre 2015 2. Outlook 2016/2017 3. Riscos e 4.

Leia mais

4. CARACTERIZAÇÃO DA PROCURA TURÍSTICA NOÇÃO E FORMAS DE PROCURA

4. CARACTERIZAÇÃO DA PROCURA TURÍSTICA NOÇÃO E FORMAS DE PROCURA 4. CARACTERIZAÇÃO DA PROCURA TURÍSTICA NOÇÃO E FORMAS DE PROCURA A procura turística é tida como uma importante componente do sistema turístico, que pode ser traduzida como o conjunto de bens e serviços

Leia mais

A taxa de desemprego foi de 11,1% no 4º trimestre de 2010

A taxa de desemprego foi de 11,1% no 4º trimestre de 2010 Estatísticas do Emprego 4º trimestre de 2010 16 de Fevereiro de 2011 A taxa de desemprego foi de 11,1% no 4º trimestre de 2010 A taxa de desemprego estimada para o 4º trimestre de 2010 foi de 11,1%. Este

Leia mais

SÍNTESE DE CONJUNTURA

SÍNTESE DE CONJUNTURA SÍNTESE DE CONJUNTURA Mensal novembro 2015 - Newsletter ÍNDICE EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2 Atividade global... 2 Atividade setorial... 3 - Produção... 3 - Volume de negócios... 5 Comércio internacional...

Leia mais

Associação Nacional das Empresas do Comércio e da Reparação Automóvel ANÁLISE SINTÉTICA DA SITUAÇÃO DO SETOR AUTOMÓVEL EM PORTUGAL 2012-2013

Associação Nacional das Empresas do Comércio e da Reparação Automóvel ANÁLISE SINTÉTICA DA SITUAÇÃO DO SETOR AUTOMÓVEL EM PORTUGAL 2012-2013 Associação Nacional das Empresas do Comércio e da Reparação Automóvel ANÁLISE SINTÉTICA DA SITUAÇÃO DO SETOR AUTOMÓVEL EM PORTUGAL 2012-2013 Abril 2013 1 MERCADO AUTOMÓVEL EM PORTUGAL EM 2012 De acordo

Leia mais

Instituto Nacional de Estatística de Cabo Verde Estatísticas do Turismo Movimentação de Hóspedes 1º Tr. 2015

Instituto Nacional de Estatística de Cabo Verde Estatísticas do Turismo Movimentação de Hóspedes 1º Tr. 2015 1 FICHA TÉCNICA Presidente António dos Reis Duarte Editor Instituto Nacional de Estatística Direcção de Método e Gestão de Informação Serviço de Conjuntura Direcção de Contas Nacionais, Estatísticas Económicas

Leia mais

Algarve Uma Região de Excelência em Turismo Sustentável

Algarve Uma Região de Excelência em Turismo Sustentável Algarve Uma Região de Excelência em Turismo Sustentável Eng. Paulo Pedro Faro, 17 de Novembro de 2008 Conteúdo 1 2 3 4 O desempenho turístico do Algarve tenderá a evoluir para uma menor dependência face

Leia mais

São Tomé e Príncipe. Mercado em Ficha. Mercado emissor de 4,7 milhares de turistas em 2013

São Tomé e Príncipe. Mercado em Ficha. Mercado emissor de 4,7 milhares de turistas em 2013 Mercado emissor de 4,7 milhares de turistas em 2013 principais países de destino dos turistas de São Tomé e Príncipe, em 2013, foram Angola (87%), África do Sul (5%), China (2% ), Marrocos (2% ) e E.U.A.

Leia mais

Informação diagnóstico

Informação diagnóstico Informação diagnóstico O declínio demográfico da cidade de Lisboa e a periferização da área metropolitana Evolução Comparada das Populações de Portugal, da Área Metropolitana de Lisboa e do Concelho de

Leia mais

Estatísticas do Emprego 1º trimestre de 2010

Estatísticas do Emprego 1º trimestre de 2010 Estatísticas do Emprego 1º trimestre de 2010 18 de Maio de 2010 A taxa de desemprego foi de 10,6% no 1º trimestre de 2010 A taxa de desemprego estimada para o 1º trimestre de 2010 foi de 10,6%. Este valor

Leia mais

Construção continua em queda

Construção continua em queda Construção: Obras licenciadas e concluídas 2º Trimestre de 2012 - Dados preliminares 13 de setembro de 2012 Construção continua em queda O licenciamento de obras acentuou a sua trajetória descendente,

Leia mais

SÍNTESE DOS INDICADORES DE TURISMO DO AMAZONAS 2003/2014

SÍNTESE DOS INDICADORES DE TURISMO DO AMAZONAS 2003/2014 SÍNTESE DOS INDICADORES DE TURISMO DO AMAZONAS 2003/2014 GOVERNO DO ESTADO DO AMAZONAS Governador JOSÉ MELO DE OLIVEIRA SECRETARIA DE ESTADO DE PLANEJAMENTO, DESENVOLVIMENTO, CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO

Leia mais

Itália. Mercado em Ficha. Mercado emissor de 28,6 milhões de turistas com 2,8% de quota mundial, em 2012

Itália. Mercado em Ficha. Mercado emissor de 28,6 milhões de turistas com 2,8% de quota mundial, em 2012 Lombardia 9,8 M hab (1º) 31.645 PIB per Capita (2º) Trentino Alto Adige 28.811 PIB per Capita (5º) Valle D Aosta 32.716 PIB per Capita (1º) Lazio 5,7 M hab (3º) 29.727 PIB per Capita (4º) Campania 5,8

Leia mais

3. IMIGRAÇÃO EM PORTUGAL: DA HERANÇA COLONIAL À INTEGRAÇÃO NAS REDES INTERNACIONAIS DE RECRUTAMENTO E DISTRIBUIÇÃO DE MÃO-DE-OBRA

3. IMIGRAÇÃO EM PORTUGAL: DA HERANÇA COLONIAL À INTEGRAÇÃO NAS REDES INTERNACIONAIS DE RECRUTAMENTO E DISTRIBUIÇÃO DE MÃO-DE-OBRA 3. IMIGRAÇÃO EM PORTUGAL: DA HERANÇA COLONIAL À INTEGRAÇÃO NAS REDES INTERNACIONAIS DE RECRUTAMENTO E DISTRIBUIÇÃO DE MÃO-DE-OBRA A experiência de Portugal como país de imigração, é um fenómeno ainda recente.

Leia mais

Desempenho Ambiental do Alojamento em Portugal 2013. Boas Práticas nos Estabelecimentos Hoteleiros, Aldeamentos e Apartamentos Turísticos

Desempenho Ambiental do Alojamento em Portugal 2013. Boas Práticas nos Estabelecimentos Hoteleiros, Aldeamentos e Apartamentos Turísticos Desempenho Ambiental do Alojamento em Portugal 2013 Boas Práticas nos Estabelecimentos Hoteleiros, Aldeamentos e Apartamentos Turísticos ÍNDICE Sumário Executivo Introdução Utilização eficiente da energia

Leia mais

AÇORES. julho de 2011 a fevereiro de 2012. Análise do estudo entre julho de 2011 e fevereiro de 2012. Introdução. Dormidas

AÇORES. julho de 2011 a fevereiro de 2012. Análise do estudo entre julho de 2011 e fevereiro de 2012. Introdução. Dormidas julho de 2011 a fevereiro de 2012 Análise do estudo entre julho de 2011 e fevereiro de 2012 Introdução O presente relatório tem como objetivo sintetizar o estudo mensal, apresentado sob a forma de Tableau

Leia mais

ESTATÍSTICAS DO TURISMO

ESTATÍSTICAS DO TURISMO ESTATÍSTICAS DO TURISMO DA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA Resultados Provisórios Julho de 2014 Direção Regional de Estatística da Madeira Uma porta aberta para um universo de informação estatística Catalogação

Leia mais

Promoção Turística 2007. Lisboa, 26 de Fevereiro de 2007

Promoção Turística 2007. Lisboa, 26 de Fevereiro de 2007 Promoção Turística 2007 Lisboa, 26 de Fevereiro de 2007 plano 2007 Plano Nacional de Promoção Turística Plano Destino Portugal Planos Regionais de Promoção Turística Algarve Lisboa Madeira P&Norte Centro

Leia mais

Boas Práticas Ambientais. Empreendimentos Turísticos

Boas Práticas Ambientais. Empreendimentos Turísticos Empreendimentos Turísticos 2011 Índice Sumário Executivo Introdução Utilização eficiente da energia Principais fontes de energia Utilização eficiente da água Gestão de resíduos Certificação Referências

Leia mais

Ocupação em Empreendimentos Turísticos. Taxa de ocupação-quarto 2012

Ocupação em Empreendimentos Turísticos. Taxa de ocupação-quarto 2012 Ocupação em Empreendimentos Turísticos Taxa de ocupação-quarto 2012 Ocupação em Empreendimentos Turísticos Síntese A taxa de ocupação-quarto registada no país, em 2012, foi de 51,5%, com os residentes

Leia mais

Hóspedes, dormidas e proveitos mantêm crescimento significativo

Hóspedes, dormidas e proveitos mantêm crescimento significativo Atividade Turística Julho de 20 15 de setembro de 20 Hóspedes, dormidas e proveitos mantêm crescimento significativo A hotelaria registou 5,8 milhões de dormidas em julho de 20, valor correspondente a

Leia mais

movimentos aéreos movimentos marítimos dormidas hóspedes estada média taxas ocupação proveitos médios balança turística

movimentos aéreos movimentos marítimos dormidas hóspedes estada média taxas ocupação proveitos médios balança turística Variações entre os valores anuais de 2005 e 2006: +4,2% no movimento de passageiros desembarcados de voos internacionais clássicos; +38,6% movimento de passageiros desembarcados de voos low-cost; -0,8%

Leia mais

Itália. Mercado em Ficha. Mercado emissor de 30,1 milhões de turistas em 2010, com 3,9% da quota mundial

Itália. Mercado em Ficha. Mercado emissor de 30,1 milhões de turistas em 2010, com 3,9% da quota mundial Lombardia 9,8 M hab (1º) 31.645 PIB per Capita (2º) Trentino Alto Adige 28.811 PIB per Capita (5º) Mercado emissor de 30,1 milhões de turistas em 2010, com 3,9% da quota mundial Valle D Aosta 32.716 PIB

Leia mais

Enoturismo em Portugal 2014. Caraterização das empresas e da procura

Enoturismo em Portugal 2014. Caraterização das empresas e da procura Enoturismo em Portugal 2014 Caraterização das empresas e da procura Edição 2015 ÍNDICE Sumário Executivo Caraterização das Empresas Promoção de Serviços Procura das (2014) 3 4 5 7 O Enoturismo em Portugal

Leia mais

Atividade Turística manteve resultados positivos em 2015

Atividade Turística manteve resultados positivos em 2015 Estatísticas do Turismo 2015 28 de julho de 2016 Atividade Turística manteve resultados positivos em 2015 Segundo os dados mais recentes publicados pela Organização Mundial de Turismo, as chegadas de turistas

Leia mais

Quadro 1 Número de empresas de seguros a operar em Portugal. 2010 Vida Não Vida Mistas Total. Empresas de seguros de direito português 15 24 7 46

Quadro 1 Número de empresas de seguros a operar em Portugal. 2010 Vida Não Vida Mistas Total. Empresas de seguros de direito português 15 24 7 46 Quadro 1 Número de empresas de seguros a operar em Portugal 21 Vida Não Vida Mistas Total Em regime de estabelecimento 21 5 12 83 Empresas de seguros de direito português 15 24 7 46 Empresas de seguros

Leia mais

G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_ e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.

G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_ e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N. Boletim Mensal de Economia Portuguesa N.º 01 janeiro 2011 Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia, da Inovação e do Desenvolvimento G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_

Leia mais

Portugal 2020 O Financiamento às Empresas. Empreender, Inovar, Internacionalizar. Speaking Notes. Fevereiro 10, 2015. Vila Nova de Famalicão

Portugal 2020 O Financiamento às Empresas. Empreender, Inovar, Internacionalizar. Speaking Notes. Fevereiro 10, 2015. Vila Nova de Famalicão Portugal 2020 O Financiamento às Empresas Empreender, Inovar, Internacionalizar Speaking Notes Fevereiro 10, 2015 Vila Nova de Famalicão Casa das Artes Miguel Frasquilho Presidente, AICEP Portugal Global

Leia mais

III Conferência Anual do Turismo

III Conferência Anual do Turismo III Conferência Anual do Turismo Perspectivas do Transporte Aéreo A Carlos Paneiro Funchal, 8 de Maio de 2009 1 Principais mensagens As companhias aéreas têm vindo a sofrer duramente com o actual contexto

Leia mais

www.ine.pt Título Boletim Mensal de Estatística 2014

www.ine.pt Título Boletim Mensal de Estatística 2014 2 Título Boletim Mensal de Estatística 2014 Editor Instituto Nacional de Estatística, I.P. Av. António José de Almeida, 2 1000-043 LISBOA PORTUGAL Telefone: 21 842 61 00 Fax: 21 845 40 84 Presidente do

Leia mais

O Turismo em Portugal após 2009 Oportunidades e Desafios

O Turismo em Portugal após 2009 Oportunidades e Desafios O Turismo em Portugal após 2009 Oportunidades e Desafios II Conferência Hotelaria e Turismo 18 Junho 2009 1 Importância do Turismo na Economia Portuguesa VAB Turismo / VAB Economia 10% 9% 8% 7% 6% 5% 2002

Leia mais

UNWTO. World Tourism Barometer January August 2015. Análise e resultados estatísticos Turismo Mundial

UNWTO. World Tourism Barometer January August 2015. Análise e resultados estatísticos Turismo Mundial UNWTO World Tourism Barometer January August 2015 Análise e resultados estatísticos Turismo Mundial ÍNDICE Chegada de Turistas Internacionais ao Mundo e às Macro-regiões TOP 50 Chegadas de Turistas por

Leia mais

Distribuição Geográfica dos Pontos de Coleta de Dados

Distribuição Geográfica dos Pontos de Coleta de Dados Distribuição Geográfica dos Pontos de Coleta de Dados Nº de Entrevistados da Pesquisa: 39.000 pessoas Nº de locais das entrevistas: 27 15 em aeroportos internacionais, que representam 99% do fluxo internacional

Leia mais

NATALIDADE, MORTALIDADE INFANTIL, FETAL E PERINATAL 2006/2010

NATALIDADE, MORTALIDADE INFANTIL, FETAL E PERINATAL 2006/2010 ESTATÍSTICAS NATALIDADE, MORTALIDADE INFANTIL, FETAL E PERINATAL 2006/2010 D I R E C Ç Ã O - G E R A L D A S A Ú D E L I S B O A ESTATÍSTICAS NATALIDADE, MORTALIDADE INFANTIL, FETAL E PERINATAL 2006/2010

Leia mais

FICHA TÉCNICA. DIRECÇÃO Pedro Mutindi Ministro da Hotelaria e Turismo. Paulino Domingos Baptista Secretário de Estado para Hotelaria

FICHA TÉCNICA. DIRECÇÃO Pedro Mutindi Ministro da Hotelaria e Turismo. Paulino Domingos Baptista Secretário de Estado para Hotelaria FICHA TÉCNICA DIRECÇÃO Pedro Mutindi Ministro da Hotelaria e Turismo Paulino Domingos Baptista Secretário de Estado para Hotelaria Alfredo Manuel Varo Kaputo Secretário de Estado para Turismo EQUIPA DE

Leia mais

EUA. Mercado em Ficha. 2º maior mercado emissor de turistas a nível mundial, com 64,1 milhões de turistas e 8,3% de quota em 2010

EUA. Mercado em Ficha. 2º maior mercado emissor de turistas a nível mundial, com 64,1 milhões de turistas e 8,3% de quota em 2010 Virginia Beach 46.960 US$ PIB per Capita (4º) Chicago 12,8 M hab (5º) 2º maior mercado emissor de turistas a nível mundial, com 64,1 milhões de turistas e 8,3% de quota em 2010 6º mercado da procura externa

Leia mais

Termas em Portugal. A oferta e a procura 2011

Termas em Portugal. A oferta e a procura 2011 A oferta e a procura 2011 Índice Sumário Executivo Oferta nos estabelecimentos termais Motivação da procura Inscrições e sazonalidade da procura Inscrições e proveitos - termalismo clássico Proveitos médios

Leia mais

ANÁLISE DOS PRINCIPAIS RESULTADOS - MOVIMENTAÇAO DE HÓSPEDES

ANÁLISE DOS PRINCIPAIS RESULTADOS - MOVIMENTAÇAO DE HÓSPEDES ANÁLISE DOS PRINCIPAIS RESULTADOS - MOVIMENTAÇAO DE HÓSPEDES EM 2009, AS ENTRADAS DE TURISTAS NOS ESTABELECIMENTOS HOTELEIROS DIMINUIRAM 0,9% FACE AO ANO ANTERIOR. NO ENTANTO, NESSE MESMO PERIODO AS DORMIDAS

Leia mais

Visita a familiares e amigos e alojamento gratuito impulsionam deslocações dos residentes

Visita a familiares e amigos e alojamento gratuito impulsionam deslocações dos residentes PROCURA TURÍSTICA DOS RESIDENTES 4º Trimestre 2012 02 maio de 2013 Visita a familiares e amigos e alojamento gratuito impulsionam deslocações dos residentes No 4º trimestre de 2012, os residentes efetuaram

Leia mais

Brasil - Síntese País

Brasil - Síntese País Informação Geral sobre o Brasil Área (km 2 ): 8 547 400 Vice-Presidente: Michel Temer População (milhões hab.): 202,8 (estimativa 2014) Risco de crédito: 3 (1 = risco menor; 7 = risco maior) Capital: Brasília

Leia mais

Alemanha. Mercado em Ficha. 1º mercado emissor de turistas a nível mundial, com 73,8 milhões de turistas e 9,6% de quota em 2010

Alemanha. Mercado em Ficha. 1º mercado emissor de turistas a nível mundial, com 73,8 milhões de turistas e 9,6% de quota em 2010 Bremen 41.911,8 PIB per Capita (2º) Niedersachsen 8,0 M hab (4º) Nordrhein- Westfalen 18,0 M hab (1º) Baden-Württemberg 10,8 M hab (3º) 33.889,9 PIB per Capita (5º) Fonte: CIA - The World Factbook Hamburg

Leia mais

Mercado em números 2014

Mercado em números 2014 Designação oficial: República Popular da Capital: Pequim Localização: Ásia Oriental Fronteiras terrestres: 22.457 Km com o Afeganistão (91 km), Butão (477 km), Burma (2.129 km), India (2.659 km), Cazaquistão

Leia mais

Atividade dos Transportes 1º Trimestre de 2015

Atividade dos Transportes 1º Trimestre de 2015 Atividade dos Transportes 1º Trimestre de 215 14 de julho de 215 Transporte de mercadorias mantém crescimento por via marítima e aérea. Continua a diminuir no modo rodoviário Transporte de passageiros

Leia mais

Hóspedes do estrangeiro compensam redução de dormidas pelos residentes

Hóspedes do estrangeiro compensam redução de dormidas pelos residentes Atividade Turística Fevereiro 2013 16 de Abril de 2013 Hóspedes do estrangeiro compensam redução de dormidas pelos residentes As dormidas na hotelaria atingiram 1,9 milhões, o que correspondeu a uma variação

Leia mais

Hotelaria com melhoria nos principais resultados

Hotelaria com melhoria nos principais resultados 10 de Agosto de 2011 Actividade Turística Junho de 2011 Hotelaria com melhoria nos principais resultados No mês de Junho de 2011, a hotelaria apresentou quatro milhões de dormidas, mais 13% do que no mês

Leia mais

Hotelaria: Balanço & Perspetivas. Cristina Siza Vieira Presidente Executiva

Hotelaria: Balanço & Perspetivas. Cristina Siza Vieira Presidente Executiva Hotelaria: Balanço & Perspetivas Cristina Siza Vieira Presidente Executiva The Vintage Lisboa 22 de junho de 2016 AGENDA 1 BALANÇO DO 1º QUADRIMESTRE 2016 2 PERSPETIVAS VERÃO 2016 3 GRANDES EVENTOS IMPACTO

Leia mais

Estatísticas de Operações e Posições com o Exterior

Estatísticas de Operações e Posições com o Exterior Estatísticas de Operações e Posições com o Exterior Apresentação do novo sistema de reporte Dezembro 2012 Esquema da Apresentação Novo sistema de reporte Área de Empresa Aplicação de Recolha Questões específicas

Leia mais