Estatísticas básicas de turismo. Brasil

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Estatísticas básicas de turismo. Brasil"

Transcrição

1 Estatísticas básicas de turismo Brasil Brasília, outubro de 2010

2 Estatísticas básicas de turismo Índice Páginas I - Turismo no mundo 1. Fluxo receptivo internacional Chegadas de turistas internacionais no mundo por regiões e sub-regiões Chegadas de turistas internacionais: Mundo, América do Sul e Brasil Comparativo de chegadas de turistas internacionais: Mundo, América do Sul e Brasil Principais países receptores de turistas internacionais Receita cambial gerada pelo turismo Receita cambial turística por regiões e sub-regiões Receita cambial turística: Mundo, América do Sul e Brasil Comparativo da receita cambial turística: Mundo, América do Sul e Brasil Receita cambial turística dos principais países receptores de turistas II - Turismo no Brasil 1 - Chegadas de turistas ao Brasil Chegadas de turistas ao Brasil, por vias de acesso, segundo Continentes e países de residência permanente Chegadas de turistas ao Brasil, segundo principais países emissores Chegadas de turistas ao Brasil, segundo o ano Receita e despesa cambial turística Variação da receita e despesa cambial turística, segundo os meses Movimento de passageiros nos aeroportos do Brasil Desembarque de passageiros em voos internacionais - variação anual Desembarque de passageiros em voos internacionais, segundo os meses Desembarque de passageiros em voos nacionais - variação anual Desembarques de passageiros em voos nacionais, segundo os meses Equipamentos, prestadores de serviços turísticos e profissionais da área de turismo cadastrados no Ministério do Turismo Agências de turismo cadastradas no Ministério do Turismo, segundo Grandes Regiões e Unidades da Federação Oferta hoteleira, cadastradas no Ministério do Turismo, segundo Grandes Regiões e Unidades da Federação Acampamentos turísticos cadastrados no Ministério do Turismo, segundo Grandes Regiões e Unidades da Federação Restaurantes, bares e similares cadastrados no Ministério do Turismo, segundo Grandes Regiões e Unidades da Federação Parques temáticos cadastrados no Ministério do Turismo, segundo Grandes Regiões e Unidades da Federação Transportadoras turísticas cadastradas no Ministério do Turismo, segundo Grandes Regiões e Unidades da Federação Locadoras de veículos cadastradas no Ministério do Turismo, segundo Grandes Regiões e Unidades da Federação Organizadoras de eventos (congressos, convenções e congêneres) cadastradas no Ministério do Turismo, segundo Grandes Regiões e Unidades da Federação Prestadoras de serviços de infraestrutura para eventos, cadastradas no Ministério do Turismo, segundo Grandes Regiões e Unidades da Federação Bacharéis em turismo cadastrados no Ministério do Turismo, segundo Grandes Regiões e Unidades da Federação Guias de turismo cadastrados no Ministério do Turismo, segundo Grandes Regiões e Unidades da Federação Locação de automóveis Indicadores de desempenho Resultados econômicos e investimentos em turismo no Brasil 6.1 Conta turismo do Brasil Desembolso de recursos realizados por instituições financeiras federais para o financiamento do turismo no Brasil, segundo os anos Desembolso de recursos realizados por instituições financeiras federais para o financiamento do turismo no Brasil, segundo os meses

3 1.Fluxo receptivo internacional

4 I - Turismo no mundo 1. Fluxo receptivo internacional Chegadas de turistas internacionais no mundo por regiões e sub-regiões Regiões e sub-regiões Turistas (milhões de chegadas) Mundo 801,6 846,0 900,5 919,0 880,5 Europa 441,1 463,8 485,4 487,6 460,0 Europa do Norte 52,8 56,5 58,1 56,4 53,0 Europa Ocidental 141,7 148,6 153,9 153,2 146,0 Europa Central/Oriental 87,5 91,4 96,6 100,0 89,7 Europa Meridional/Mediterrâneo 159,1 167,3 176,8 178,0 171,3 Ásia e Pacífico 153,6 165,9 182,0 184,2 181,6 Ásia Nordeste 86,0 92,0 101,0 101,0 98,1 Ásia Sudeste 48,5 53,1 59,7 61,7 62,5 Oceania 11,0 11,0 11,2 11,1 10,9 Ásia Meridional 8,1 9,8 10,1 10,4 10,1 Américas 133,3 135,7 143,0 146,9 140,1 América do Norte 89,9 90,6 95,3 97,7 92,1 Caribe 18,8 19,4 19,8 20,1 19,6 América Central 6,3 6,9 7,8 8,3 7,9 América do Sul 18,3 18,8 20,1 20,8 20,5 África 35,8 39,7 43,2 44,3 45,6 África do Norte 13,9 15,1 16,3 17,1 17,6 África Subsaariana 21,9 24,6 26,9 27,2 28,0 Oriente Médio 37,8 40,9 46,9 56,0 53,2 Fonte: Organização Mundial do Turismo - OMT. Notas: 1. Dados de 2005 a 2008 revisados. 2. Dados de 2009 estimados.

5 I - Turismo no mundo 1. Fluxo receptivo internacional Chegadas de turistas internacionais: Mundo, América do Sul e Brasil Turistas (milhões de chegadas) Ano Mundo América do Sul Brasil Total Variação anual (%) Total Variação anual (%) Total Variação anual (%) ,2-15,1-5, ,2 6,00 15,2 0,66 5,3 4, ,5 (0,10) 14,6 (3,95) 4,8 (10,16) ,9 2,96 12,7 (13,01) 3,8 (20,70) ,6 (1,74) 13,7 7,87 4,1 9, ,5 9,89 16,2 18,40 4,8 15, ,6 4,72 18,3 12,82 5,4 11, ,0 5,54 18,8 2,73 5,0 (6,36) ,5 6,44 20,1 6,91 5,0 0, ,0 2,05 20,8 3,48 5,1 0, ,5 (4,19) 20,5 (1,44) 4,8 (4,91) Fonte: Organização Mundial do Turismo OMT. Notas: 1. Dados de 2005 a 2008 revisados. 2. Dados de 2009 estimados.

6 I - Turismo no mundo 1. Fluxo receptivo internacional Comparativo de chegadas de turistas internacionais: Mundo, América do Sul e Brasil Ano Mundo América do Sul Brasil América do Sul no Mundo Brasil na América do Sul Brasil no Mundo ,2 15,1 5,1 2,3 33,82 0, ,2 15,2 5,3 2,2 34,95 0, ,5 14,6 4,8 2,1 32,69 0, ,9 12,7 3,8 1,8 29,80 0, ,6 13,7 4,1 2,0 30,17 0, ,5 16,2 4,8 2,1 29,55 0, ,6 18,3 5,4 2,3 29,28 0, ,0 18,8 5,0 2,2 26,69 0, ,5 20,1 5,0 2,2 25,00 0, ,0 20,8 5,1 2,3 24,28 0, ,5 20,5 4,8 2,3 23,42 0,55 Fonte: Organização Mundial do Turismo e Ministério do Turismo. Notas: 1. Dados de 2005 a 2008 revisados. 2. Dados de 2009 estimados. Turistas (milhões de chegadas) Participação (%)

7 ... I - Turismo no mundo 1. Fluxo receptivo internacional Principais países receptores de turistas internacionais Países de residência permanente Turistas (milhões de chegadas) Mundo 801,6 846,0 900,5 919,0 880,5 França 75,0 77,9 80,9 79,2 74,2 Estados Unidos 49,2 51,0 56,0 57,9 54,9 Espanha 55,9 58,0 58,7 57,2 52,2 China 46,8 49,9 54,7 53,0 50,9 Itália 36,5 41,1 43,7 42,7 43,2 Reino Unido 28,0 30,7 30,9 30,1 28,0 Turquia 20,3 18,9 22,2 25,0 25,5 Alemanha 21,5 23,6 24,4 24,9 24,2 Malásia 16,4 17,5 21,0 22,1 23,6 México 21,9 21,4 21,4 22,6 21,5 Áustria 20,0 20,3 20,8 21,9 21,4 Ucrânia 17,6 18,9 23,1 25,4 20,7 Russia 19,9 20,1 20,6 21,6 19,4 Hong Kong (China) 14,8 15,8 17,2 17,3 16,9 Canadá 18,8 18,3 17,9 17,1 15,8 Grécia 14,8 16,0 16,2 15,9 14,9 Brasil 5,4 5,0 5,0 5,1 4,8 Outros 318,8 341,6 365,8 380,0 368,4 Fonte: Organização Mundial do Turismo - OMT. Notas: 1. Dados de 2005 a 2008 revisados. 2. Dados de 2009 estimados.

8 2. Receita cambial gerada pelo turismo

9 I - Turismo no mundo 2. Receita cambial gerada pelo turismo Receita cambial turística por regiões e sub-regiões Regiões e sub-regiões Receita cambial (bilhões de US$) Mundo 678,7 744,0 857,4 941,7 852,4 Europa 349,4 378,9 435,3 473,7 413,4 Europa do Norte 54,3 60,3 70,8 70,2 60,9 Europa Ocidental 123,2 131,6 149,5 162,2 143,8 Europa Central/Oriental 32,7 38,2 48,6 57,8 47,6 Europa Meridional/Mediterrâneo 139,2 148,8 166,4 183,5 161,1 Ásia e Pacífico 135,7 156,5 186,4 208,9 203,2 Ásia Nordeste 65,1 75,1 85,3 99,9 100,3 Ásia Sudeste 35,0 43,6 55,5 59,8 54,3 Oceania 25,9 26,6 31,6 33,7 33,5 Ásia Meridional 9,7 11,2 14,0 15,5 15,1 Américas 145,0 154,1 171,1 187,6 165,3 América do Norte 107,4 112,5 125,1 138,4 118,8 Caribe 20,7 21,7 23,3 23,6 22,4 América Central 4,5 5,5 5,8 6,4 5,9 América do Sul 12,4 14,4 16,9 19,2 18,2 África 22,0 24,6 29,4 30,0 28,7 África do Norte 7,0 8,7 10,2 10,8 9,9 África Subsaariana 15,0 15,9 19,2 19,2 18,8 Oriente Médio 26,6 29,9 35,2 41,5 41,8 Fonte: Organização Mundial do Turismo OMT. Notas: 1. Dados de 2005 a 2008 revisados. 2. Dados de 2009 estimados.

10 I - Turismo no mundo 2. Receita cambial gerada pelo turismo Receita cambial turística: Mundo, América do Sul e Brasil Receita Cambial (bilhões de US$) Ano Mundo América do Sul Brasil Total Variação anual (%) Total Variação anual (%) Total Variação anual (%) ,0-11,60-1, ,9 8,52 12,20 5,17 1,81 11, ,6 (2,34) 11,30 (7,38) 1,73 (4,36) ,2 0,55 9,20-18,58 2,00 15, ,1 10,73 8,60-6,52 2,48 24, ,7 20,49 10,90 26,74 3,22 29, ,7 7,26 12,40 13,76 3,86 19, ,0 9,63 14,40 16,13 4,32 11, ,4 15,23 16,90 17,36 4,95 14, ,7 9,84 19,20 13,61 5,78 16, ,4 (9,48) 18,20 (5,21) 5,30 (8,30) Fonte: Organização Mundial do Turismo e Ministério do Turismo. Notas: 1. Dados de 2005 a 2008 revisados. 2. Dados de 2009 estimados.

11 I - Turismo no mundo 2. Receita cambial gerada pelo turismo Comparativo da receita cambial turística: Mundo, América do Sul e Brasil Ano Mundo América do Sul Brasil América do Sul no Mundo Brasil na América do Sul Brasil no Mundo ,00 11,60 1,63 2,61 14,03 0, ,90 12,20 1,81 2,53 14,84 0, ,60 11,30 1,73 2,40 15,32 0, ,20 9,20 2,00 1,94 21,72 0, ,10 8,60 2,48 1,64 28,83 0, ,70 10,90 3,22 1,72 29,56 0, ,70 12,40 3,86 1,83 31,14 0, ,00 14,40 4,32 1,94 29,97 0, ,40 16,90 4,95 1,97 29,31 0, ,70 19,20 5,78 2,04 30,13 0, ,40 18,20 5,30 2,14 29,15 0,62 Fonte: Organização Mundial do Turismo e Banco Central do Brasil. Notas: 1. Dados de 2005 a 2008 revisados. 2. Dados de 2009 estimados. Receita cambial (bilhões de US$) Participação (%)

12 I - Turismo no mundo 2. Receita cambial gerada pelo turismo Receita cambial turística dos principais países receptores de turistas Países de residência permanente Receita cambial (bilhões de US$) Mundo 678,7 744,0 857,4 941,7 852,4 Estados Unidos 81,8 85,8 96,9 110,0 Espanha 48,0 51,1 57,6 61,6 França 44,0 46,3 54,3 56,6 Itália 35,4 38,1 42,7 45,7 China 29,3 33,9 37,2 40,8 Alemanha 29,2 32,8 36,0 40,0 Reino Unido 30,7 34,6 38,6 36,0 Austrália 16,8 17,8 22,3 24,8 Turquia 18,2 16,9 18,5 22,0 Áustria 16,1 16,6 18,7 21,6 Hong Kong (China) 10,3 11,6 13,8 15,3 Tailândia 9,6 13,4 16,7 18,2 Malásia 8,8 10,4 14,0 15,3 Grécia 13,7 14,3 15,5 17,1 Suiça 10,0 10,8 12,2 14,4 Canadá 13,8 14,6 15,3 15,1 93,9 53,2 49,4 40,2 39,7 34,7 30,1 25,6 21,3 19,4 16,5 15,9 15,8 14,5 13,9 13,6 Brasil 3,9 4,3 5,0 5,8 5,3 Outros 259,1 290,7 342,1 381,4 349,4 Fonte: Organização Mundial do Turismo OMT. Notas: 1. Dados de 2005 a 2008 revisados. 2. Dados de 2009 estimados.

13 1. Chegadas de turistas ao Brasil

14 1 - Chegadas de turistas ao Brasil Chegadas de turistas ao Brasil, por vias de acesso, segundo Continentes e países de residência permanente Continentes e países de residência permanente Aérea Marítima Terrestre Fluvial Brasil África África do Sul Angola Cabo Verde Nigéria Outros países da África América Central e Caribe Costa Rica Cuba Guatemala Panamá Outros países da Amércia Central e Caribe América do Norte Canadá Estados Unidos México América do Sul Argentina Bolívia Chile Colômbia Equador Guiana Francesa Paraguai Peru República da Guiana Suriname Uruguai Venezuela Ásia China Índia Israel Japão República da Coréia Outros países da Ásia Europa Alemanha Áustria Bélgica Dinamarca Espanha Finlândia França Grécia Holanda Hungria Inglaterra Irlanda Itália Noruega Polônia Portugal República Tcheca Rússia Suécia Suíça Outros países da Europa Oceania Austrália Nova Zelândia Outros países da Oceania Países não especificados Fonte: Departamento de Polícia Federal e Ministério do Turismo. Total Chegadas de turistas Vias de acesso

15 1 - Chegadas de turistas ao Brasil Chegadas de turistas ao Brasil, segundo principais países emissores Principais países emissores Chegadas de turistas Total Participação % Posição Total Participação % Posição Total Participação % Posição Total Participação % Posição Total Participação % Posição Total Argentina ,52 1º ,60 1º ,31 1º ,15 1º ,22 1º Estados Unidos ,81 2º ,38 2º ,91 2º ,39 2º ,57 2º Itália ,67 6º ,74 4º ,35 4º ,26 3º ,28 3º Alemanha ,76 5º ,52 5º ,13 6º ,03 4º ,49 4º França ,92 7º ,50 6º ,06 7º ,25 8º ,29 5º Uruguai ,38 4º ,09 7º ,50 8º ,95 10º ,94 6º Portugal ,67 3º ,96 3º ,58 3º ,41 6º ,83 7º Paraguai ,65 8º ,97 9º ,11 10º ,31 7º ,76 8º Espanha ,23 9º ,22 8º ,31 9º ,01 9º ,63 9º Inglaterra ,16 11º ,38 11º ,52 11º ,59 11º ,60 10º Chile ,17 10º ,52 10º ,18 5º ,75 5º ,55 11º Bolívia ,28 16º ,10 18º ,23 17º ,66 14º ,74 12º Peru ,12 18º ,28 16º ,92 12º ,86 13º ,64 13º Colômbia ,88 20º ,00 20º ,91 20º ,92 12º ,62 14º Holanda ,05 12º ,72 12º ,66 13º ,62 15º ,57 15º Suíça ,68 13º ,69 13º ,45 14º ,21 20º ,51 16º México ,36 15º ,41 15º ,17 18º ,53 17º ,42 17º Japão ,27 17º ,49 14º ,26 16º ,61 16º ,39 18º Canadá ,40 14º ,25 17º ,27 15º ,24 18º ,32 19º Venezuela ,91 19º ,01 19º ,92 19º ,24 19º ,12 20º Outros , , , , ,51 Fonte: Departamento de Polícia Federal e Ministério do Turismo Chegadas de turistas ao Brasil, segundo o ano Chegadas de turistas Ano Total Ano Total Ano Total Ano Total Ano Total Ano Total Ano Total Ano Total Fonte: Departamento de Polícia Federal e Ministério do Turismo.

16 2. Receita e despesa cambial turística

17 2. Receita e despesa cambial turística Variação da receita e despesa cambial turística, segundo os meses Receita e despesa cambial (milhões de US$) Mês Variação % /2008 Receita Despesa Receita Despesa Receita Despesa Brasil (8,30) (0,59) Janeiro (16,67) (23,49) Fevereiro (12,49) (31,83) Março (4,74) (17,73) Abril (11,61) (17,98) Maio (17,00) (22,87) Junho (5,52) (5,71) Julho (4,88) (20,02) Agosto (8,73) (10,51) Setembro (14,38) (6,52) Outubro (6,05) 59,56 Novembro ,70 72,40 Dezembro (1,95) 93,10 Fonte: Banco Central do Brasil.

18 3. Movimento de passageiros nos aeroportos do Brasil

19 3. Movimento de passageiros nos aeroportos do Brasil Desembarque de passageiros em voos internacionais - variação anual Ano Desembarque internacional Total Variação anual (%) Voos regulares Variação anual (%) Voos não regulares Variação anual (%) , , , (7,89) (7,59) (14,88) (7,22) (5,68) (46,35) , , , , , , , , , (6,20) (7,69) , , , (8,17) , , (32,20) (0,36) , (22,45) Fonte: Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária - INFRAERO. Nota: Os dados incluem desembarques de passageiros residentes e não residentes no Brasil.

20 3. Movimento de passageiros nos aeroportos do Brasil Desembarque de passageiros em voos internacionais, segundo os meses Desembarque internacional Mês 2008 Total Voos regulares Voos não regulares Total Voos regulares Voos não regulares 2009 Variação total % 2009/2008 Brasil ,83 Janeiro ,64 Fevereiro (6,36) Março (1,43) Abril ,58 Maio ,42 Junho ,67 Julho (6,04) Agosto (2,37) Setembro ,41 Outubro ,11 Novembro ,37 Dezembro ,38 Fonte: Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária - INFRAERO. Nota: Os dados incluem desembarques de passageiros residentes e não residentes no Brasil.

21 3. Movimento de passageiros nos aeroportos do Brasil Desembarque de passageiros em voos nacionais - variação anual Ano Desembarque nacional Total Variação anual (%) Voos regulares Variação anual (%) Voos não regulares Variação anual (%) , , , , , , , , , (6,69) (5,67) (18,08) , , , , , , , , (15,26) , , (10,06) (2,60) (2,03) (13,61) , , (0,52) Fonte: Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária - INFRAERO.

22 3. Movimento de passageiros nos aeroportos do Brasil Desembarques de passageiros em voos nacionais, segundo os meses Mês Desembarque nacional Total Voos regulares Voos não regulares Total Voos regulares Voos não regulares Variação % 2009/2008 Brasil ,03 Janeiro ,99 Fevereiro (2,64) Março (0,05) Abril (1,22) Maio (3,98) Junho ,90 Julho ,98 Agosto ,64 Setembro ,18 Outubro ,38 Novembro ,11 Dezembro ,13 Fonte: Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária - INFRAERO.

23 4. Equipamentos, prestadores de serviços turísticos e profissionais da área de turismo cadastrados no Ministério do Turismo

24 4 - Equipamentos, prestadores de serviços turísticos e profissionais da área de turismo cadastrados no Ministério do Turismo Agências de turismo cadastradas no Ministério do Turismo, segundo Grandes Regiões e Unidades da Federação Grandes Regiões e Unidades da Federação Brasil Norte Acre Amapá Amazonas Pará Roraima Tocantins Nordeste Alagoas Bahia Ceará Maranhão Paraíba Pernambuco Piauí Rio Grande do Norte Sergipe Sudeste Espírito Santo Minas Gerais Rio de Janeiro São Paulo Sul Paraná Rio Grande do Sul Santa Catarina Centro-Oeste Distrito Federal Goiás Mato Grosso Mato Grosso do Sul Fonte: Ministério do Turismo. Notas: 1. O Decreto nº 4898, de 26/11/2003, transferiu ao Ministério do Turismo as atribuições que anteriormente cabiam à Embratur. 2. A Lei /08, institui o cadastro obrigatório dos prestadores de serviços turísticos junto ao Ministério do Turismo. 3. Número de estabelecimentos regularmente cadastrados no Sistema de Cadastro dos Empreendimentos, Equipamentos e Profissionais da Área de Turismo (CADASTUR), Posição: 31 de dezembro de cada ano. 4. Dados de 2008 foram revisados. Agências de turismo

25 4 - Equipamentos, prestadores de serviços turísticos e profissionais da área de turismo cadastrados no Ministério do Turismo Oferta hoteleira, cadastradas no Ministério do Turismo, segundo Grandes Regiões e Unidades da Federação Oferta hoteleira(1) Grandes Regiões e Unidades da Federação Meios de hospedagem (MH) Unidades habitacionais (UH) Leitos Meios de hospedagem (MH) Unidades habitacionais (UH) Leitos Brasil Norte Acre Amapá Amazonas Pará Rondônia Roraima Tocantins Nordeste Alagoas Bahia Ceará Maranhão Paraíba Pernambuco Piauí Rio Grande do Norte Sergipe Sudeste Espírito Santo Minas Gerais Rio de Janeiro São Paulo Sul Paraná Rio Grande do Sul Santa Catarina Centro-Oeste Distrito Federal Goiás Mato Grosso Mato Grosso do Sul Fonte: Ministério do Turismo. Notas: 1. O Decreto nº 4898, de 26/11/2003, transferiu ao Ministério do Turismo as atribuições que anteriormente cabiam à Embratur. 2. A Lei /08, institui o cadastro obrigatório dos prestadores de serviços turísticos junto ao Ministério do Turismo. 3. Número de estabelecimentos regularmente cadastrados no Sistema de Cadastro dos Empreendimentos, Equipamentos e Profissionais da Área de Turismo (CADASTUR), Posição: 31 de dezembro de cada ano. 4. Dados de 2008 foram revisados. (1) Referente à todos os tipos de Meios de Hospedagem, incluindo flats, apart-hotel e condohotel.

26 4 - Equipamentos, prestadores de serviços turísticos e profissionais da área de turismo cadastrados no Ministério do Turismo Acampamentos turísticos cadastrados no Ministério do Turismo, segundo Grandes Regiões e Unidades da Federação Grandes Regiões e Unidades da Federação Acampamentos turísticos Brasil 4 13 Norte - - Acre - - Amapá - - Amazonas Pará - - Rondônia - - Roraima - - Tocantins - - Nordeste - 1 Alagoas - - Bahia - 1 Ceará - - Maranhão - - Paraíba - - Pernambuco - - Piauí - - Rio Grande do Norte - - Sergipe - - Sudeste 1 7 Espírito Santo 1 3 Minas Gerais - - Rio de Janeiro - 3 São Paulo - 1 Sul 2 3 Paraná - - Rio Grande do Sul 1 2 Santa Catarina 1 1 Centro-Oeste 1 2 Distrito Federal - - Goiás - 1 Mato Grosso 1 - Mato Grosso do Sul - 1 Fonte: Ministério do Turismo. Notas: 1. O Decreto nº 4898, de 26/11/2003, transferiu ao Ministério do Turismo as atribuições que anteriormente cabiam à Embratur. 2. A Lei /08, institui o cadastro obrigatório dos prestadores de serviços turísticos junto ao Ministério do Turismo. 3. Número de estabelecimentos regularmente cadastrados no Sistema de Cadastro dos Empreendimentos, Equipamentos e Profissionais da Área de Turismo (CADASTUR), Posição: 31 de dezembro de cada ano. 4. Dados de 2008 foram revisados.

27 4 - Equipamentos, prestadores de serviços turísticos e profissionais da área de turismo cadastrados no Ministério do Turismo Restaurantes, bares e similares cadastrados no Ministério do Turismo, segundo Grandes Regiões e Unidades da Federação Grandes Regiões e Unidades da Federação Brasil Norte - 11 Acre - 2 Amapá - 6 Amazonas - - Pará - - Rondônia - - Roraima - - Tocantins - 3 Nordeste Alagoas - 22 Bahia - 5 Ceará - 53 Maranhão - - Paraíba - 13 Pernambuco - 1 Piauí - 6 Rio Grande do Norte - 5 Sergipe - 7 Sudeste Espírito Santo - 14 Minas Gerais - 29 Rio de Janeiro - 75 São Paulo - 22 Sul Paraná - 35 Rio Grande do Sul - 93 Santa Catarina - 33 Centro-Oeste - 67 Distrito Federal - 21 Goiás - 19 Mato Grosso - 7 Mato Grosso do Sul - 20 Fonte: Ministério do Turismo. Notas: 1. O Decreto nº 4898, de 26/11/2003, transferiu ao Ministério do Turismo as atribuições que anteriormente cabiam à Embratur. 2. A Lei /08, institui o cadastro obrigatório dos prestadores de serviços turísticos junto ao Ministério do Turismo. 3. Número de estabelecimentos regularmente cadastrados no Sistema de Cadastro dos Empreendimentos, Equipamentos e Profissionais da Área de Turismo (CADASTUR), Posição: 31 de dezembro de cada ano. 4. Dados de 2008 foram revisados. Restaurantes, bares e similares

28 4 - Equipamentos, prestadores de serviços turísticos e profissionais da área de turismo cadastrados no Ministério do Turismo Parques temáticos cadastrados no Ministério do Turismo, segundo Grandes Regiões e Unidades da Federação Grandes Regiões e Unidades da Federação Brasil Norte 1 1 Acre - - Amapá - - Amazonas - - Pará 1 1 Rondônia - - Roraima - - Tocantins - - Nordeste 4 4 Alagoas - - Bahia - 1 Ceará 1 1 Maranhão - - Paraíba - - Pernambuco 1 1 Piauí - - Rio Grande do Norte 2 1 Sergipe - - Sudeste 19 7 Espírito Santo 2 2 Minas Gerais - 1 Rio de Janeiro 1 1 São Paulo 16 3 Sul Paraná 6 6 Rio Grande do Sul 3 6 Santa Catarina 2 3 Centro-Oeste 9 7 Distrito Federal - - Goiás 1 - Mato Grosso 2 2 Mato Grosso do Sul 6 5 Fonte: Ministério do Turismo. Notas: 1. O Decreto nº 4898, de 26/11/2003, transferiu ao Ministério do Turismo as atribuições que anteriormente cabiam à Embratur. 2. A Lei /08, institui o cadastro obrigatório dos prestadores de serviços turísticos junto ao Ministério do Turismo. 3. Número de estabelecimentos regularmente cadastrados no Sistema de Cadastro dos Empreendimentos, Equipamentos e Profissionais da Área de Turismo (CADASTUR), Posição: 31 de dezembro de cada ano. 4. Dados de 2008 foram revisados. Parques temáticos

29 4 - Equipamentos, prestadores de serviços turísticos e profissionais da área de turismo cadastrados no Ministério do Turismo Transportadoras turísticas cadastradas no Ministério do Turismo, segundo Grandes Regiões e Unidades da Federação Grandes Regiões e Unidades da Federação Brasil Norte Acre 2 3 Amapá 4 3 Amazonas Pará Rondônia Roraima 4 8 Tocantins Nordeste Alagoas Bahia Ceará Maranhão Paraíba Pernambuco Piauí Rio Grande do Norte Sergipe Sudeste Espírito Santo Minas Gerais Rio de Janeiro São Paulo Sul Paraná Rio Grande do Sul Santa Catarina Centro-Oeste Distrito Federal Goiás Mato Grosso Mato Grosso do Sul Fonte: Ministério do Turismo. Notas: 1. O Decreto nº 4898, de 26/11/2003, transferiu ao Ministério do Turismo as atribuições que anteriormente cabiam à Embratur. 2. A Lei /08, institui o cadastro obrigatório dos prestadores de serviços turísticos junto ao Ministério do Turismo. 3. Número de estabelecimentos regularmente cadastrados no Sistema de Cadastro dos Empreendimentos, Equipamentos e Profissionais da Área de Turismo (CADASTUR), Posição: 31 de dezembro de cada ano. 4. Dados de 2008 foram revisados. Transportadoras turísticas

30 4 - Equipamentos, prestadores de serviços turísticos e profissionais da área de turismo cadastrados no Ministério do Turismo Locadoras de veículos cadastradas no Ministério do Turismo, segundo Grandes Regiões e Unidades da Federação Grandes Regiões e Unidades da Federação Brasil - 17 Norte - - Acre - - Amapá - - Amazonas - - Pará - - Rondônia - - Roraima - - Tocantins - - Nordeste - 10 Alagoas - 3 Bahia - 2 Ceará - 1 Maranhão - - Paraíba - 1 Pernambuco - - Piauí - 1 Rio Grande do Norte - - Sergipe - 2 Sudeste - 5 Espírito Santo - 1 Minas Gerais - - Rio de Janeiro - 4 São Paulo - - Sul - - Paraná - - Rio Grande do Sul - - Santa Catarina - - Centro-Oeste - 2 Distrito Federal - - Goiás - - Mato Grosso - 1 Mato Grosso do Sul - 1 Fonte: Ministério do Turismo. 3. Número de estabelecimentos regularmente cadastrados no Sistema de Cadastro dos Empreendimentos, Equipamentos e Profissionais da Área de Turismo (CADASTUR), Posição: 31 de dezembro de cada ano. 4. Dados de 2008 foram revisados. Locadoras de veículos Notas: 1. O Decreto nº 4898, de 26/11/2003, transferiu ao Ministério do Turismo a responsabilidade pelo cadastramento das empresas e prestadores de serviços turísticos. 2. A Lei /08, institui o cadastro obrigatório dos prestadores de serviços turísticos junto ao Ministério do Turismo.

31 4 - Equipamentos, prestadores de serviços turísticos e profissionais da área de turismo cadastrados no Ministério do Turismo Organizadoras de eventos (congressos, convenções e congêneres) cadastradas no Ministério do Turismo, segundo Grandes Regiões e Unidades da Federação Grandes Regiões e Unidades da Federação Brasil Norte Acre 1 1 Amapá 2 3 Amazonas Pará Rondônia - 1 Roraima 3 4 Tocantins 2 5 Nordeste Alagoas 7 2 Bahia Ceará Maranhão Paraíba 8 13 Pernambuco 8 11 Piauí 3 4 Rio Grande do Norte 8 10 Sergipe 2 10 Sudeste Espírito Santo Minas Gerais Rio de Janeiro São Paulo Sul Paraná Rio Grande do Sul Santa Catarina Centro-Oeste Distrito Federal Goiás Mato Grosso Mato Grosso do Sul Fonte: Ministério do Turismo. Notas: 1. O Decreto nº 4898, de 26/11/2003, transferiu ao Ministério do Turismo as atribuições que anteriormente cabiam à Embratur. 2. A Lei /08, institui o cadastro obrigatório dos prestadores de serviços turísticos junto ao Ministério do Turismo. 3. Número de estabelecimentos regularmente cadastrados no Sistema de Cadastro dos Empreendimentos, Equipamentos e Profissionais da Área de Turismo (CADASTUR), Posição: 31 de dezembro de cada ano. 4. Dados de 2008 foram revisados. Organizadoras de eventos (congressos, convenções e congêneres)

32 4 - Equipamentos, prestadores de serviços turísticos e profissionais da área de turismo cadastrados no Ministério do Turismo Prestadoras de serviços de infraestrutura para eventos, cadastradas no Ministério do Turismo, segundo Grandes Regiões e Unidades da Federação Grandes Regiões e Unidades da Federação Brasil Norte Acre 1 1 Amapá 1 4 Amazonas Pará 4 3 Rondônia - 1 Roraima 1 2 Tocantins 3 5 Nordeste Alagoas 1 2 Bahia 5 14 Ceará 2 4 Maranhão Paraíba 2 3 Pernambuco Piauí 1 3 Rio Grande do Norte 1 3 Sergipe - 6 Sudeste Espírito Santo Minas Gerais Rio de Janeiro São Paulo Sul Paraná Rio Grande do Sul 6 9 Santa Catarina Centro-Oeste Distrito Federal Goiás Mato Grosso Mato Grosso do Sul 8 13 Fonte: Ministério do Turismo. Notas: 1. O Decreto nº 4898, de 26/11/2003, transferiu ao Ministério do Turismo as atribuições que anteriormente cabiam à Embratur. 2. A Lei /08, institui o cadastro obrigatório dos prestadores de serviços turísticos junto ao Ministério do Turismo. 3. Número de estabelecimentos regularmente cadastrados no Sistema de Cadastro dos Empreendimentos, Equipamentos e Profissionais da Área de Turismo (CADASTUR), Posição: 31 de dezembro de cada ano. 4. Dados de 2008 foram revisados. Prestadoras de serviços de infraestrutura para eventos

33 4- Equipamentos, prestadores de serviços turísticos e profissionais da área de turismo cadastrados no Ministério do Turismo Bacharéis em turismo cadastrados no Ministério do Turismo, segundo Grandes Regiões e Unidades da Federação Grandes Regiões e Unidades da Federação Bacharéis em turismo Brasil Norte Acre 7 8 Amapá 5 18 Amazonas Pará Rondônia Roraima 9 10 Tocantins 9 25 Nordeste Alagoas Bahia Ceará Maranhão Paraíba Pernambuco 9 15 Piauí 5 10 Rio Grande do Norte 8 12 Sergipe 9 9 Sudeste Espírito Santo Minas Gerais Rio de Janeiro São Paulo Sul Paraná Rio Grande do Sul Santa Catarina Centro-Oeste Distrito Federal Goiás Mato Grosso 8 12 Mato Grosso do Sul Fonte: Ministério do Turismo. Notas: 1. O Decreto nº 4898, de 26/11/2003, transferiu ao Ministério do Turismo as atribuições que anteriormente cabiam à Embratur. 2. A Deliberação Normativa nº 431, de 12/08/2002 instituiu o cadastro dos bacharéis em turismo. 3. Número de estabelecimentos regularmente cadastrados no Sistema de Cadastro dos Empreendimentos, Equipamentos e Profissionais da Área de Turismo (CADASTUR), Posição: 31 de dezembro de cada ano. 4. Dados de 2008 foram revisados.

34 4 - Equipamentos, prestadores de serviços turísticos e profissionais da área de turismo cadastrados no Ministério do Turismo Guias de turismo cadastrados no Ministério do Turismo, segundo Grandes Regiões e Unidades da Federação Grandes Regiões e Unidades da Federação Brasil Norte Acre - 2 Amapá 4 15 Amazonas Pará Rondônia 10 9 Roraima 7 6 Tocantins 9 14 Nordeste Alagoas Bahia Ceará Maranhão Paraíba Pernambuco Piauí Rio Grande do Norte Sergipe Sudeste Espírito Santo Minas Gerais Rio de Janeiro São Paulo Sul Paraná Rio Grande do Sul Santa Catarina Centro-Oeste Distrito Federal Goiás Mato Grosso Mato Grosso do Sul Fonte: Ministério do Turismo. Notas: 1. O Decreto nº 4898, de 26/11/2003, transferiu ao Ministério do Turismo as atribuições que anteriormente cabiam à Embratur. 2. A Lei 8.623/93 e Decreto 946/93 instituiu o cadastro dos Guias de Turismo. 4. Dados de 2008 foram revisados. Guias de turismo 3. Número de estabelecimentos regularmente cadastrados no Sistema de Cadastro dos Empreendimentos, Equipamentos e Profissionais da Área de Turismo (CADASTUR), Posição: 31 de dezembro de cada ano.

35 5. Locação de autovóveis

36 5. Locação de automóveis Indicadores de desempenho Ano Faturamento (bilhões de R$) Frota do setor Usuários (milhões) Geração de empregos (Diretos e indiretos) Geração de impostos (milhões de R$) (1) , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , Fonte: Associação Brasileira de Locadoras de Automóveis - ABLA. (1) Inclui IPI e ICMS sobre os veículos e PIS, CONFINS e ISS sobre a operação do negócio. Estão excluídos os demais impostos, CSSL e imposto de renda.

37 6. Resultados econômicos e investimentos em turismo no Brasil

38 6 Resultados econômicos e financiamentos concedidos por instituições financeiras federais para o turismo no Brasil 6.1 Conta turismo do Brasil Conta turismo (milhões de US$) Ano Receita Despesa Saldo (1.457) (2.084) (1.468) (398) (858) (1.448) (3.258) (5.178) (5.594) Fonte: Banco Central do Brasil - BCB. Nota: Os valores de Receita e Despesa são referentes ao período de janeiro a dezembro dos respectivos anos, com aproximações decimais.

39 6 Resultados econômicos e financiamentos concedidos por instituições financeiras federais para o turismo no Brasil Desembolso de recursos realizados por instituições financeiras federais para o financiamento do turismo no Brasil, segundo os anos (mil R$) Ano Total Banco do Brasil Caixa Econômica Federal Instituições financeiras federais Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social Total Direto Indireto (1) Fonte: Instituições financeiras federais: Banco do Brasil, Caixa Econômica Federal, Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social, Banco do Nordeste e Banco da Amazônia. (1) - Excluem-se dos valores indiretos, as operações realizadas pelo Banco do Brasil, Caixa Econômica Federal, Banco do Nordeste e Banco da Amazônia. Banco do Nordeste (2) (2) - Incluem-se, a partir de 2005, outras operações com recursos, além dos oriundos do Fundo Constitucional de Financiamento do Nordeste - FNE e Programam de Apoio ao Turismo Regional - PROATUR. Banco da Amazônia

40 Turismo interno II - Turismo no Brasil 6 Resultados econômicos e financiamentos concedidos por instituições financeiras federais para o turismo no Brasil Desembolso de recursos realizados por instituições financeiras federais para o financiamento do turismo no Brasil, segundo os meses Ano Total Banco do Brasil Caixa Econômica Federal Instituições financeiras federais Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social Total Direto Indireto (1) Total Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Fonte: Instituições financeiras federais: Banco do Brasil, Caixa Econômica Federal, Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social, Banco do Nordeste e Banco da Amazônia. (1) - Excluem-se dos valores indiretos, as operações realizadas pelo Banco do Brasil, Caixa Econômica Federal, Banco do Nordeste e Banco da Amazônia. Banco do Nordeste (2) (2) - Incluem-se, a partir de 2005, outras operações com recursos, além dos oriundos do Fundo Constitucional de Financiamento do Nordeste - FNE e Programam de Apoio ao Turismo Regional - PROATUR. (mil R$) Banco da Amazônia

Anuário Estatístico de Turismo - 2013

Anuário Estatístico de Turismo - 2013 Secretaria Nacional de Políticas de Turismo Ministério do Turismo Anuário Estatístico de Turismo - 2013 Volume 40 Ano base 2012 Guia de leitura Guia de leitura O Guia de Leitura tem o propósito de orientar

Leia mais

Anuário Estatístico de Turismo - 2012

Anuário Estatístico de Turismo - 2012 Secretaria Nacional de Políticas de Turismo Ministério do Turismo Anuário Estatístico de Turismo - 2012 Volume 39 Ano base 2011 Sumário I Turismo receptivo 1. Chegadas de turistas ao Brasil - 2010-2011

Leia mais

Anuário Estatístico de Turismo - 2015

Anuário Estatístico de Turismo - 2015 Secretaria Nacional de Políticas de Turismo Ministério do Turismo Anuário Estatístico de Turismo - 2015 Volume 42 Ano base 2014 Sumário I Turismo receptivo 1. Chegadas de turistas ao Brasil - 2013-2014

Leia mais

Estatísticas básicas de turismo. Brasil. Brasília, novembro de 2007.

Estatísticas básicas de turismo. Brasil. Brasília, novembro de 2007. Brasil Brasília, novembro de 2007. Índice Páginas I Turismo no mundo 1. Fluxo receptivo internacional 1.1 - Chegadas de turistas no Mundo por Regiões e Sub-regiões - 2002/2006 03 1.2 - Chegada de turistas:

Leia mais

200 4 Anuário Estatístico

200 4 Anuário Estatístico 2004 Anuário Estatístico REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL LUIZ INÁCIO LULA DA SILVA Presidente MINISTÉRIO DO TURISMO WALFRIDO SILVINO DOS MARES GUIA Ministro INSTITUTO BRASILEIRO DE TURISMO EMBRATUR EDUARDO

Leia mais

IMIGRANTES NO BRASIL: O CASO DA ENFERMAGEM. Ana Luiza Stiebler Vieira Carmen Lúcia Lupi Monteiro Garcia Carmem de Almeida da Silva

IMIGRANTES NO BRASIL: O CASO DA ENFERMAGEM. Ana Luiza Stiebler Vieira Carmen Lúcia Lupi Monteiro Garcia Carmem de Almeida da Silva IMIGRANTES NO BRASIL: O CASO DA ENFERMAGEM Ana Luiza Stiebler Vieira Carmen Lúcia Lupi Monteiro Garcia Carmem de Almeida da Silva Objetivo: analisar os imigrantes da área de no Brasil Justificativa Referencial

Leia mais

FLUXO MANUTENÇÃO, REPARAÇÃO E INSTALAÇÃO DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO MANUTENÇÃO, REPARAÇÃO E INSTALAÇÃO DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO MANUTENÇÃO, REPARAÇÃO E INSTALAÇÃO DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO MANUTENÇÃO, REPARAÇÃO E INSTALAÇÃO

Leia mais

FLUXO ATIVIDADES IMOBILIÁRIAS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO ATIVIDADES IMOBILIÁRIAS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Estados Norte 7.938 0,37 0 0,00-7.938 0,37

Leia mais

INDICADORES TURÍSTICOS 2013 ANO BASE 2012

INDICADORES TURÍSTICOS 2013 ANO BASE 2012 1 FUNDAÇÃO DE TURISMO DE MATO GROSSO DO SUL FUNDTUR/MS INDICADORES TURÍSTICOS 2013 ANO BASE 2012 A Fundação de Turismo de Mato Grosso do Sul para acompanhar o andamento da atividade e sua contribuição

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos TURISMO E HOTELARIA SETEMBRO DE 2015

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos TURISMO E HOTELARIA SETEMBRO DE 2015 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos TURISMO E HOTELARIA SETEMBRO DE 2015 1 2 PRODUTOS De acordo com a Organização Mundial do Turismo (OMT) o turismo compreende as atividades realizadas

Leia mais

FLUXO FABRICAÇÃO DE MÁQUINAS, APARELHOS E MATERIAIS ELÉTRICOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

FLUXO FABRICAÇÃO DE MÁQUINAS, APARELHOS E MATERIAIS ELÉTRICOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 FLUXO FABRICAÇÃO DE MÁQUINAS, APARELHOS E MATERIAIS ELÉTRICOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DAPARAÍBA

Leia mais

RESUMO GERAL Atualizada até 31/12/2012

RESUMO GERAL Atualizada até 31/12/2012 Gabinete do Ministro - GM Coordenação Geral de Imigração - CGIg Atualizado até 30/09/2011 RESUMO GERAL Atualizada até 31/12/2012 1 Gabinete do Ministro - GM Coordenação Geral de Imigração - CGIg Autorizações

Leia mais

RESUMO GERAL Atualizada até 30/09/2012

RESUMO GERAL Atualizada até 30/09/2012 Gabinete do Ministro - GM Coordenação Geral de Imigração - CGIg Atualizado até 30/09/2011 RESUMO GERAL Atualizada até 30/09/2012 1 Gabinete do Ministro - GM Coordenação Geral de Imigração - CGIg Autorizações

Leia mais

FLUXO TELECOMINICAÇÕES COM FIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

FLUXO TELECOMINICAÇÕES COM FIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 FLUXO TELECOMINICAÇÕES COM FIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO TELECOMINICAÇÕES COM FIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA

Leia mais

FLUXO DE ATIVIDADES DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE INFORMAÇÃO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO DE ATIVIDADES DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE INFORMAÇÃO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO DE ATIVIDADES DE PRESTAÇÃO DE DE INFORMAÇÃO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO DE, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA -

Leia mais

FLUXO ATIVIDADES DOS SERVIÇOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO ATIVIDADES DOS SERVIÇOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO ATIVIDADES DOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

Leia mais

Ingressos de Turistas Internacionais no RS por via de acesso

Ingressos de Turistas Internacionais no RS por via de acesso Anuário Estatístico de Turismo 2015 ano base 2014* *Publicado em 08/07/2015, pelo Ministério do Turismo. A publicação apresenta uma compilação de informações anuais relativas ao comportamento de diversos

Leia mais

FLUXO TRANSPORTE AQUAVIÁRIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

FLUXO TRANSPORTE AQUAVIÁRIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 FLUXO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Estados Norte 0 0,00 0 0 0 0,00 Rondônia

Leia mais

FLUXO ATIVIDADES DE SEDES DE EMPRESAS E DE CONSULTORIA EM GESTÃO EMPRESARIAL POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO DO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO ATIVIDADES DE SEDES DE EMPRESAS E DE CONSULTORIA EM GESTÃO EMPRESARIAL POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO DO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO ATIVIDADES DE SEDES DE EMPRESAS E DE CONSULTORIA EM GESTÃO EMPRESARIAL POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO DO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO ATIVIDADES DE SEDES DE EMPRESAS

Leia mais

Taxa de Ocupação atinge 80,69% e registra o melhor resultado para um mês de abril

Taxa de Ocupação atinge 80,69% e registra o melhor resultado para um mês de abril TAXA DE OCUPAÇÃO HOTELEIRA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO Levantamento da Associação Brasileira da Indústria de Hotéis, em parceria com Federação do Comércio do Estado do Rio de Janeiro Abril de 2012 Taxa

Leia mais

Avanços e encaminhamentos sobre a Pesquisa de Turismo Internacional:

Avanços e encaminhamentos sobre a Pesquisa de Turismo Internacional: Avanços e encaminhamentos sobre a Pesquisa de Turismo Internacional: Avaliações para o desenho amostral em rodovias segundo a metodologia proposta para a PTI Palestrante: Alfredo García Ramos (Consultor

Leia mais

Para a REDEBLH, o futuro é agora

Para a REDEBLH, o futuro é agora Para a REDEBLH, o futuro é agora Planejamento Estratégico Paulo Ricardo da Silva Maia FIOCRUZ/IFF/REDEBLH pmaia@fiocruz.br Set-2011 O quadro Fonte: Vincent Van Gogh Gallery A Foto Primeira foto colorida.

Leia mais

Grandes Regiões e Unidades da Federação: Esperança de vida ao nascer segundo projeção populacional: 1980, 1991-2030 - Ambos os sexos

Grandes Regiões e Unidades da Federação: Esperança de vida ao nascer segundo projeção populacional: 1980, 1991-2030 - Ambos os sexos e Unidades da Federação: Esperança de vida ao nascer segundo projeção populacional: 1980, 1991-2030 - Ambos os sexos Unidades da Federação 1980 1991 1992 1993 1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002

Leia mais

EXPRESSÃO ECONÔMICA DA CIDADE DE SÃO PAULO

EXPRESSÃO ECONÔMICA DA CIDADE DE SÃO PAULO EXPRESSÃO ECONÔMICA DA CIDADE DE SÃO PAULO Ementa: O presente estudo pretende mostrar com números o tamanho e curiosidades da economia da cidade de São Paulo, que no próximo dia 25 de janeiro completa

Leia mais

Melhorar a qualidade dos serviços e a infraestrutura aeroportuária para os usuários. Ampliar a oferta de transporte aéreo à população brasileira

Melhorar a qualidade dos serviços e a infraestrutura aeroportuária para os usuários. Ampliar a oferta de transporte aéreo à população brasileira Objetivos Melhorar a qualidade dos serviços e a infraestrutura aeroportuária para os usuários Ampliar a oferta de transporte aéreo à população brasileira Reconstruir a rede de aviação regional Medidas

Leia mais

Criminalidade no Brasil

Criminalidade no Brasil Criminalidade no Brasil Instituto Avante Brasil Diretor- Presidente: Luiz Flávio Gomes Coordenação e elaboração de pesquisa: Flávia Mestriner Botelho De acordo com um levantamento realizado pelo Instituto

Leia mais

FLUXO ATIVIDADES ADMINISTRATIVAS E SERVIÇOS COMPLEMENTARES POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO ATIVIDADES ADMINISTRATIVAS E SERVIÇOS COMPLEMENTARES POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO ATIVIDADES ADMINISTRATIVAS E COMPLEMENTARES POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

Leia mais

FLUXO DE TRANSPORTES TERRESTRE POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

FLUXO DE TRANSPORTES TERRESTRE POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 FLUXO DE TRANSPORTES TERRESTRE POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO DE TRANSPORTES TERRESTRE, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA

Leia mais

FLUXO ATIVIDADES FINANCEIRAS, DE SEGUROS E SERVIÇOS RELACIONADOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO ATIVIDADES FINANCEIRAS, DE SEGUROS E SERVIÇOS RELACIONADOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO ATIVIDADES FINANCEIRAS, DE SEGUROS E RELACIONADOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA

Leia mais

Anuário Estatístico de Turismo - 2016

Anuário Estatístico de Turismo - 2016 Secretaria Executiva Ministério do Turismo Anuário Estatístico de Turismo - 2016 Volume 43 Ano base 2015 Sumário I - Turismo receptivo 1. Chegadas de turistas ao Brasil - 2014-2015 1.1. Chegadas de turistas

Leia mais

FLUXO FABRICAÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES, REBOQUES E CARROCERIAS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO FABRICAÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES, REBOQUES E CARROCERIAS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO FABRICAÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES, REBOQUES E CARROCERIAS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO

Leia mais

ESTUDOS E PESQUISAS MINISTÉRIO DO TURISMO. Ministério do Turismo

ESTUDOS E PESQUISAS MINISTÉRIO DO TURISMO. Ministério do Turismo ESTUDOS E PESQUISAS MINISTÉRIO DO TURISMO DEMANDA TURÍSTICA INTERNACIONAL EXECUÇÃO FIPE APOIO INFRAERO DPF RECEITA ÓRGÃOS OFICIAS DE TURISMO Caracterizar e dimensionar o turismo internacional receptivo

Leia mais

INDICADORES MACROECONÔMICOS DO TURISMO, DOS PRINCIPAIS DESTINOS LITORÂNEOS DA BAHIA, NO PERÍODO DE 1998 A 2008

INDICADORES MACROECONÔMICOS DO TURISMO, DOS PRINCIPAIS DESTINOS LITORÂNEOS DA BAHIA, NO PERÍODO DE 1998 A 2008 CULTUR, ano 05 - nº 01/Especial - Jan/2011 www.uesc.br/revistas/culturaeturismo Licença Copyleft: Atribuição-Uso não Comercial-Vedada a Criação de Obras Derivadas INDICADORES MACROECONÔMICOS DO TURISMO,

Leia mais

Índice de Desenvolvimento da Educação Básica IDEB. Inep/MEC Reynaldo Fernandes. Presidente do Inep/MEC e Professor da FEA-RP/USP

Índice de Desenvolvimento da Educação Básica IDEB. Inep/MEC Reynaldo Fernandes. Presidente do Inep/MEC e Professor da FEA-RP/USP Índice de Desenvolvimento da Educação Básica IDEB Inep/MEC Reynaldo Fernandes Presidente do Inep/MEC e Professor da FEA-RP/USP O IDEB IDEB = j N j P j Indicador sintético que combina informações de desempenho

Leia mais

Distribuição Geográfica dos Pontos de Coleta de Dados

Distribuição Geográfica dos Pontos de Coleta de Dados Distribuição Geográfica dos Pontos de Coleta de Dados Nº de Entrevistados da Pesquisa: 39.000 pessoas Nº de locais das entrevistas: 27 15 em aeroportos internacionais, que representam 99% do fluxo internacional

Leia mais

Recorde-se que no item Transporte chamou-se a atenção para o crescimento do movimento de vôos internacionais no aeroporto de Fortaleza.

Recorde-se que no item Transporte chamou-se a atenção para o crescimento do movimento de vôos internacionais no aeroporto de Fortaleza. A atividade do setor de no Ceará, tem apresentado um expressivo crescimento ao longo dos últimos anos. De fato, tendo recebido 970.000 turistas em 1997, este fluxo alcançou 1.550.857 em 2003 e 1.784.354

Leia mais

TURISMO NA REGIÃO NORDESTE

TURISMO NA REGIÃO NORDESTE TURISMO NA REGIÃO NORDESTE 2012 Banco do Nordeste do Brasil S/A Escritório Técnico de Estudos Econômicos do Nordeste ETENE Central de Informações Econômicas, Sociais e Tecnológicas - CIEST Presidente:

Leia mais

Informe Técnico do ETENE

Informe Técnico do ETENE Ano IX, Nº 3, julho de 2015 Informe Técnico do ETENE Escritório Técnico de Estudos Econômicos do Nordeste ETENE PANORAMA DO SETOR TURÍSTICO NO NORDESTE DO BRASIL 2014 Autor Laura Lúcia Ramos Freire 1 Colaboração

Leia mais

SÍNTESE DOS INDICADORES DE TURISMO DO AMAZONAS 2003/2014

SÍNTESE DOS INDICADORES DE TURISMO DO AMAZONAS 2003/2014 SÍNTESE DOS INDICADORES DE TURISMO DO AMAZONAS 2003/2014 GOVERNO DO ESTADO DO AMAZONAS Governador JOSÉ MELO DE OLIVEIRA SECRETARIA DE ESTADO DE PLANEJAMENTO, DESENVOLVIMENTO, CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO

Leia mais

Meto t d o o d l o og o i g a II. Segm g e m nt n a t ção o do d o me m rcado III. C racte t rização o do d s o ent n r t evi v sta t do d s

Meto t d o o d l o og o i g a II. Segm g e m nt n a t ção o do d o me m rcado III. C racte t rização o do d s o ent n r t evi v sta t do d s Roteiro I. Metodologia II. III. IV. Segmentação do mercado Caracterização dos entrevistados Percepções sobre o turismo no Brasil V. Hábitos e comportamentos sobre turismo VI. VII. VIII. Prioridade de investimento

Leia mais

Tabela 1 - Conta de produção por operações e saldos, segundo as Grandes Regiões e as Unidades da Federação - 2004-2008

Tabela 1 - Conta de produção por operações e saldos, segundo as Grandes Regiões e as Unidades da Federação - 2004-2008 (continua) Produção 5 308 622 4 624 012 4 122 416 3 786 683 3 432 735 1 766 477 1 944 430 2 087 995 2 336 154 2 728 512 Consumo intermediário produtos 451 754 373 487 335 063 304 986 275 240 1 941 498

Leia mais

Boletim Informativo* Agosto de 2015

Boletim Informativo* Agosto de 2015 Boletim Informativo* Agosto de 2015 *Documento atualizado em 15/09/2015 (Erratas páginas 2, 3, 4 e 9) EXTRATO GERAL BRASIL 1 EXTRATO BRASIL 396.399.248 ha 233.712.312 ha 58,96% Número de Imóveis Cadastrados²:

Leia mais

Mercado em números. Brasil. Designação oficial: República Federativa do Brasil. Guiana Venezuela Suriname Columbia. Capital: Brasília.

Mercado em números. Brasil. Designação oficial: República Federativa do Brasil. Guiana Venezuela Suriname Columbia. Capital: Brasília. Guiana Venezuela Suriname Columbia Guiana Francesa Designação oficial: República Federativa do Capital: Brasília Localização: Leste da América do Sul Peru Fronteiras terrestres: 16.145 km com a Argentina

Leia mais

FLUXO TELECOMINICAÇÕES SEM FIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

FLUXO TELECOMINICAÇÕES SEM FIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 FLUXO TELECOMINICAÇÕES SEM FIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO TELECOMINICAÇÕES SEM FIO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA

Leia mais

México HORÁRIO DE ATENDIMENTO AO PÚBLICO

México HORÁRIO DE ATENDIMENTO AO PÚBLICO México ATENÇÃO VERIFIQUE ATENTAMENTE AS INFORMAÇÕES CONTIDAS NESTA PÁGINA PARA FACILITAR SEU ATENDIMENTO. SEM A APRESENTAÇÃO DOS REQUISITOS OBRIGATÓRIOS, O ATENDIMENTO NÃO SERÁ REALIZADO. O Consulado Geral

Leia mais

Figura 1: Distribuição de CAPS no Brasil, 25. RORAIMA AMAPÁ AMAZONAS PARÁ MARANHÃO CEARÁ RIO GRANDE DO NORTE PAIUÍ PERNAMBUCO ACRE ALAGOAS SERGIPE TOCANTINS RONDÔNIA PARAÍBA BAHIA MATO GROSSO DISTRITO

Leia mais

FLUXO DO ARMAZENAMENTO E ATIVIDADES AUXILIARES DOS TRANSPORTES POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO DO ARMAZENAMENTO E ATIVIDADES AUXILIARES DOS TRANSPORTES POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO DO ARMAZENAMENTO E ATIVIDADES AUXILIARES DOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO DO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA

Leia mais

TEF Transferência Eletrônica de Fundos. Obrigatoriedade de acordo com a legislação

TEF Transferência Eletrônica de Fundos. Obrigatoriedade de acordo com a legislação TEF Transferência Eletrônica de Fundos Obrigatoriedade de acordo com a legislação TEF Transferência Eletrônica de Fundos Acre Obrigatório: Não No estado do Acre não há referências sobre o TEF na legislação.

Leia mais

Contabilizando para o Cidadão Entendendo as Finanças Públicas

Contabilizando para o Cidadão Entendendo as Finanças Públicas Nº de Famílias Beneficiadas pelo Bolsa Família em Relação ao Total de Famílias do Nº de Famílias Beneficiadas / Total de Famílias - ano 2015 (%) 50,00% 48,2% 42,8% Média Nacional - % de Famílias Beneficiadas

Leia mais

INSTRUTIVO N.º 01/2015 de 14 de Janeiro

INSTRUTIVO N.º 01/2015 de 14 de Janeiro INSTRUTIVO N.º 01/2015 de 14 de Janeiro ASSUNTO: CLASSIFICAÇÃO DE PAÍSES, BANCOS MULTILATERAIS DE DESENVOLVIMENTO E ORGANIZAÇÕES INTERNACIONAIS Havendo necessidade de se estabelecerem critérios de classificação

Leia mais

ANEXO I - Planilha para formação de preços ITEM 01 Serviço Telefônico Fixo Comutado STFC na modalidade Local (PABX ANEEL) Com Im

ANEXO I - Planilha para formação de preços ITEM 01 Serviço Telefônico Fixo Comutado STFC na modalidade Local (PABX ANEEL) Com Im ANEXO I Planilha para formação de preços ITEM 01 Serviço Telefônico Fixo Comutado STFC na modalidade Local (PABX ANEEL) Com Im ITEM FIXO (A) Descrição Cobrado uma única vez QTD Preço Unitário Instalação

Leia mais

Quadro Geral de Regime de Vistos para a Entrada de Estrangeiros no Brasil (Atualizado em 24/11/2015) Legenda

Quadro Geral de Regime de Vistos para a Entrada de Estrangeiros no Brasil (Atualizado em 24/11/2015) Legenda Ministério das Relações Exteriores Subsecretaria-Geral das Comunidades Brasileiras no Exterior Departamento de Imigração e Assuntos Jurídicos Divisão de Imigração Quadro Geral de Regime de Vistos para

Leia mais

Boletim Informativo. Junho de 2015

Boletim Informativo. Junho de 2015 Boletim Informativo Junho de 2015 Extrato Geral Brasil 1 EXTRATO BRASIL ÁREA ** 397.562.970 ha 227.679.854 ha 57,27% Número de Imóveis cadastrados: 1.727.660 Observações: Dados obtidos do Sistema de Cadastro

Leia mais

PROCEDIMENTOS MIGRATÓRIOS E DOCUMENTOS DE VIAGEM

PROCEDIMENTOS MIGRATÓRIOS E DOCUMENTOS DE VIAGEM PROCEDIMENTOS MIGRATÓRIOS E DOCUMENTOS DE VIAGEM 1 PROCEDIMENTOS MIGRATÓRIOS E DOCUMENTOS DE VIAGEM PROCEDIMENTOS MIGRATÓRIOS E DOCUMENTOS DE VIAGEM 2 17. TABELA DE VISTOS Apresentamos a seguir uma tabela

Leia mais

COMISSÃO DE RELAÇÕES EXTERIORES E DE DEFESA NACIONAL MENSAGEM Nº 142, DE 2005

COMISSÃO DE RELAÇÕES EXTERIORES E DE DEFESA NACIONAL MENSAGEM Nº 142, DE 2005 COMISSÃO DE RELAÇÕES EXTERIORES E DE DEFESA NACIONAL MENSAGEM Nº 142, DE 2005 Submete à consideração do Congresso Nacional o texto do Acordo entre o Governo da República Federativa do Brasil e o Governo

Leia mais

1ª Avaliação Parlamentar Copa do Mundo 2014. Logística

1ª Avaliação Parlamentar Copa do Mundo 2014. Logística 1ª Avaliação Parlamentar Copa do Mundo 2014 Logística Economia Brasileira Gráfico 1 Crescimento Econômico Brasileiro e Mundial PIB 2002 a 2016 (em %) 8,0 6,0 4,0 2,0 0,0-2,0 7,5 61 6,1 5,7 4,6 5,3 5,2

Leia mais

ACESSOS À BVS-PSI MEDIDOS PELO GOOGLE ANALYTICS

ACESSOS À BVS-PSI MEDIDOS PELO GOOGLE ANALYTICS ACESSOS À BVS-PSI MEDIDOS PELO GOOGLE ANALYTICS 1º. Semestre 2013 O Google Analytics é um serviço gratuito oferecido pelo Google que permite analisar as estatísticas de visitação de um site. Este é o primeiro

Leia mais

POLÍTICA FISCAL E DÍVIDA PÚBLICA O difícil caminho até o Grau de Investimento Jedson César de Oliveira * Guilherme R. S.

POLÍTICA FISCAL E DÍVIDA PÚBLICA O difícil caminho até o Grau de Investimento Jedson César de Oliveira * Guilherme R. S. POLÍTICA FISCAL E DÍVIDA PÚBLICA O difícil caminho até o Grau de Investimento Jedson César de Oliveira * Guilherme R. S. Souza e Silva ** Nos últimos anos, tem crescido a expectativa em torno de uma possível

Leia mais

Boletim Informativo. Maio de 2015. * Errata: Tabela Fonte de Dados - Por Estado

Boletim Informativo. Maio de 2015. * Errata: Tabela Fonte de Dados - Por Estado Boletim Informativo Maio de 2015 * Errata: Tabela Fonte de Dados - Por Estado Extrato Geral Brasil EXTRATO BRASIL ÁREA ** 397.562.970 ha 212.920.419 ha 53,56 % Número de Imóveis cadastrados: 1.530.443

Leia mais

ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DO TURISMO EM ALAGOAS, PARA MAIO DE 2015

ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DO TURISMO EM ALAGOAS, PARA MAIO DE 2015 ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DO TURISMO EM ALAGOAS, PARA MAIO DE 2015 Superintendência de Produção da Informação e do Conhecimento (SINC) Diretoria de Estatística e Indicadores A análise do setor de Turismo

Leia mais

EMPRESA. Empresa Brasileira de Telecomunicações S/A EMBRATEL NOME DO PLANO. Plano Pré-Pago SMP INTERNACIONAL PAS nº 044 MODALIDADE

EMPRESA. Empresa Brasileira de Telecomunicações S/A EMBRATEL NOME DO PLANO. Plano Pré-Pago SMP INTERNACIONAL PAS nº 044 MODALIDADE PLANO ALTERNATIVO PARA CHAMADAS DE LONGA DISTÂNCIA INTERNACIONAL DE USUÁRIOS DO SERVIÇO MÓVEL PESSOAL SMP, CADASTRADOS NO PLANO DE SERVIÇO PRÉ-PAGO DA OPERADORA VIVO PLANO ALTERNATIVO Nº 044 EMPRESA Empresa

Leia mais

FORMAÇÃO DE ESPECIALISTAS EM RECURSOS HUMANOS PARA A SAÚDE: A TRAJETÓRIA DA ENSP/FIOCRUZ ESCOLA NACIONAL DE SAÚDE PÚBLICA FUNDAÇÀO OSWALDO CRUZ

FORMAÇÃO DE ESPECIALISTAS EM RECURSOS HUMANOS PARA A SAÚDE: A TRAJETÓRIA DA ENSP/FIOCRUZ ESCOLA NACIONAL DE SAÚDE PÚBLICA FUNDAÇÀO OSWALDO CRUZ FORMAÇÃO DE ESPECIALISTAS EM RECURSOS HUMANOS PARA A SAÚDE: A TRAJETÓRIA DA ENSP/FIOCRUZ Ana Luiza Stiebler Vieira / Neuza Maria Nogueira Moysés / Sigrid Hoppe ESCOLA NACIONAL DE SAÚDE PÚBLICA FUNDAÇÀO

Leia mais

NÚMERO DE ACIDENTES POR DIA DA SEMANA

NÚMERO DE ACIDENTES POR DIA DA SEMANA RODOVIÁRIAS Quadro 13 - UF: ACRE Ano de 211 82 5 6 8 9 5 3 14 4 11 9 4 4 63 2 4 7 6 6 9 4 8 4 4 3 6 68 4 2 8 3 1 8 4 9 2 6 7 5 63 3 6 3 2 13 9 8 7 5 1 5 1 67 4 2 9 6 8 5 5 7 6 6 4 5 85 3 7 1 1 4 7 9 6

Leia mais

Conjuntura do Desempenho do Turismo no Nordeste: 2002/11

Conjuntura do Desempenho do Turismo no Nordeste: 2002/11 FUNDAÇÃO CTI/NE Conjuntura do Desempenho do Turismo no Nordeste: 2002/11 Valdo Mesquita Coordenador do GTP/CTI-NE Janeiro de 2012 Danielle Govas Pimenta Novis Presidente da Fundação CTI/NE Roberto Pereira

Leia mais

ALTERAÇÕES NA SISTEMÁTICA DE COBRANÇA DO ICMS

ALTERAÇÕES NA SISTEMÁTICA DE COBRANÇA DO ICMS ALTERAÇÕES NA SISTEMÁTICA DE COBRANÇA DO ICMS LEGISLAÇÕES Emenda Constitucional 87/2015-17 de Abril de 2015; Lei nº 15.856/2015-03 de Julho de 2015; Convênio de ICMS 93/2015-21 de Setembro de 2015; Decreto

Leia mais

Planos Voipten Ilimitados

Planos Voipten Ilimitados Planos Voipten Ilimitados Todos os Planos Voipten Ilimitados incluem: - Ligações gratuitas a outros telefones Voipten, bem como de outras operadoras VoIP credenciadas. - Encaminhar Chamadas Encaminhe suas

Leia mais

Dimensão social. Habitação

Dimensão social. Habitação Dimensão social Habitação Indicadores de desenvolvimento sustentável - Brasil 2004 235 39 Adequação de moradia Este indicador expressa as condições de moradia através da proporção de domicílios com condições

Leia mais

Dispõe sobre a emissão de certificados de origem preferenciais na Exportação.

Dispõe sobre a emissão de certificados de origem preferenciais na Exportação. SECEX - PORTARIA Nº 16, DE 19 DE MAIO DE 2011 Dispõe sobre a emissão de certificados de origem preferenciais na Exportação. A SECRETÁRIA DE COMÉRCIO EXTERIOR DO MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA

Leia mais

mídiakit www.tvgazeta.com.br

mídiakit www.tvgazeta.com.br mídiakit www.tvgazeta.com.br JUNHO / 2015 #HISTÓRIA Fundada no aniversário da cidade de São Paulo, a TV Gazeta fala com uma metrópole globalizada com a intimidade de quem esteve presente na vida e no coração

Leia mais

EXPORTAÇÕES E IMPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE ALGODÃO RELATÓRIO ABRIL 2015

EXPORTAÇÕES E IMPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE ALGODÃO RELATÓRIO ABRIL 2015 EXPORTAÇÕES E IMPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE ALGODÃO RELATÓRIO ABRIL 2015 BALANÇA COMERCIAL BRASILEIRA DO ALGODÃO Abril/15 Abril/14 VARIAÇÃO RELATIVA ALGODÃO VALOR QUANT. VALOR QUANT. US$ Mil t US$ Mil t VALOR

Leia mais

CONSELHO CURADOR DO FUNDO DE GARANTIA DO TEMPO DE SERVIÇO RESOLUÇÃO N 289, DE 30 DE JUNHO DE

CONSELHO CURADOR DO FUNDO DE GARANTIA DO TEMPO DE SERVIÇO RESOLUÇÃO N 289, DE 30 DE JUNHO DE CONSELHO CURADOR DO FUNDO DE GARANTIA DO TEMPO DE SERVIÇO RESOLUÇÃO N 289, DE 30 DE JUNHO DE 1998 Estabelece diretrizes para a aplicação dos recursos e a elaboração das propostas orçamentárias do FGTS,

Leia mais

ICMS - Tabela - Aplicação da Alíquota nas Operações e Prestações Interestaduais

ICMS - Tabela - Aplicação da Alíquota nas Operações e Prestações Interestaduais ICMS - Tabela - Aplicação da Alíquota nas Operações e Prestações Interestaduais Resumo: Este procedimento apresenta as alíquotas interestaduais do ICMS, fixadas pela Resolução SF nº 22/1989, utilizadas

Leia mais

Tabela 4 - Participação das atividades econômicas no valor adicionado bruto a preços básicos, por Unidades da Federação - 2010

Tabela 4 - Participação das atividades econômicas no valor adicionado bruto a preços básicos, por Unidades da Federação - 2010 Contas Regionais do Brasil 2010 (continua) Brasil Agropecuária 5,3 Indústria 28,1 Indústria extrativa 3,0 Indústrias de transformação 16,2 Construção civil 5,7 Produção e distribuição de eletricidade e

Leia mais

Prefixos dos destinos internacionais incluídos nos pacotes MEO

Prefixos dos destinos internacionais incluídos nos pacotes MEO País Tipo Destino ALASCA e Móvel ALEMANHA ANDORRA AUSTRÁLIA ÁUSTRIA BÉLGICA CANADA e Móvel CHILE CHINA e Móvel COREIA DO SUL CROÁCIA DINAMARCA ESLOVÉNIA ESPANHA EUA e Móvel FEDERAÇÃO RUSSA FINLÂNDIA FRANÇA

Leia mais

RANKING NACIONAL DO TRABALHO INFANTIL (5 a 17 ANOS) QUADRO COMPARATIVO DOS DADOS DA PNAD (2008 e 2009)

RANKING NACIONAL DO TRABALHO INFANTIL (5 a 17 ANOS) QUADRO COMPARATIVO DOS DADOS DA PNAD (2008 e 2009) NACIONAL DO TRABALHO INFANTIL (5 a 17 ANOS) QUADRO COMPARATIVO DOS DADOS DA PNAD (2008 e 2009) População Ocupada 5 a 17 anos 2008 Taxa de Ocupação 2008 Posição no Ranking 2008 População Ocupada 5 a 17

Leia mais

Pesquisa sobre Tráfico de Mulheres, Crianças e Adolescentes para Fins de Exploração Sexual Comercial no Brasil (Pestraf)

Pesquisa sobre Tráfico de Mulheres, Crianças e Adolescentes para Fins de Exploração Sexual Comercial no Brasil (Pestraf) Pesquisa sobre Tráfico de Mulheres, Crianças e Adolescentes para Fins de Exploração Sexual Comercial no Brasil (Pestraf) Uma das principais pesquisas já realizadas no Brasil sobre o assunto Exploração

Leia mais

Aos PAIS LEVANDO os FILHOS para o EXTERIOR, TRAZENDO os FILHOS para o JAPÃO

Aos PAIS LEVANDO os FILHOS para o EXTERIOR, TRAZENDO os FILHOS para o JAPÃO Aos PAIS LEVANDO os FILHOS para o EXTERIOR, TRAZENDO os FILHOS para o JAPÃO Problemas relacionados ao sequestro de crianças (Sistema jurídico de cada país e a Convenção de Haia) Ministério dos Negócios

Leia mais

Federação Nacional dos Portuários. Boletim Econômico. (Agosto 2015)

Federação Nacional dos Portuários. Boletim Econômico. (Agosto 2015) Boletim Econômico (Agosto 2015) I. Movimentação Portuária As estatísticas de movimentação portuária, publicada pela ANTAQ, referente ao primeiro trimestre de 2015 mostram que os portos organizados e os

Leia mais

Especificações Técnicas

Especificações Técnicas Especificações Técnicas Metodologia Técnicaeformadecoleta: Quantitativa: survey telefônico, com amostra 2.322 entrevistas, realizadas entre os dias 17 de junho e 07 de julho de 2009, pelo Instituto Vox

Leia mais

Expectativas da Movimentação de Viagens Organizadas na Temporada de Verão 2014-2015

Expectativas da Movimentação de Viagens Organizadas na Temporada de Verão 2014-2015 Expectativas da Movimentação de Viagens Organizadas na Temporada de Verão 2014-2015 PRESIDENTE: Marciano Gianerini Freire EQUIPE TÉCNICA: Coordenação: Mariana Nery Pesquisadores: Heike Duske César Melo

Leia mais

FLUXO TURÍSTICO INTERNACIONAL PARA O RS: A EVOLUÇÃO NA ÚLTIMA DÉCADA

FLUXO TURÍSTICO INTERNACIONAL PARA O RS: A EVOLUÇÃO NA ÚLTIMA DÉCADA FLUXO TURÍSTICO INTERNACIONAL PARA O RS: A EVOLUÇÃO NA ÚLTIMA DÉCADA RESUMO Leandro Carvalho 1 Maximilianus Andrey Pontes Pinent 2 Marcia Colao Merllo 3 Este artigo tem o objetivo de analisar a evolução

Leia mais

Ministério da Fazenda

Ministério da Fazenda Órgão: 5 Quadro Síntese R$, Poder Executivo Código/Especificação Valor TOTAL 6.53.7.85 Programa 78 Programa de Gestão e Manutenção de nfraestrutura de nstituições Financeiras Oficiais Federais 87 Programa

Leia mais

SÃO PAULO TURISMO - OBSERVATÓRIO DE TENDÊNCIAS NÚMEROS DA CIDADE DE SÃO PAULO

SÃO PAULO TURISMO - OBSERVATÓRIO DE TENDÊNCIAS NÚMEROS DA CIDADE DE SÃO PAULO TURISMO - INDICADORES GERAIS Demanda Total de Turistas (estimativa) Principais Procedências - Internacionais 13,22 milhões; 84% Brasileiros, 16% Estrangeiros EUA, Argentina, Alemanha, Chile, Espanha 2013

Leia mais

ESTATÍSTICAS DA IMIGRAÇÃO 2009

ESTATÍSTICAS DA IMIGRAÇÃO 2009 ESTATÍSTICAS DA IMIGRAÇÃO 2009 Entrada e Permanência I. FONTES OFICIAIS NACIONAIS... 3 Vistos de Estada Temporária (VET) e de Residência (VR), emitidos em 2009, por Tipo de Visto... 4 Vistos de Estada

Leia mais

FLUXO COMÉRCIO E REPARAÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES E MOTOCICLETAS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

FLUXO COMÉRCIO E REPARAÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES E MOTOCICLETAS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 FLUXO COMÉRCIO E REPARAÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES E MOTOCICLETAS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 29 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 29 E REPARAÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES E MOTOCICLETAS,

Leia mais

Es t i m a t i v a s

Es t i m a t i v a s Brasileiros no Mundo Es t i m a t i v a s Ministério das Relações Exteriores - MRE Subsecretaria Geral das Comunidades Brasileiras no Exterior - SGEB Departamento Consular e de Brasileiros no Exterior

Leia mais

COPA AVALIAÇÃO DOS POSSÍVEIS IMPACTOS DA COPA 2014 NO ESTADO DE PERNAMBUCO.

COPA AVALIAÇÃO DOS POSSÍVEIS IMPACTOS DA COPA 2014 NO ESTADO DE PERNAMBUCO. COPA AVALIAÇÃO DOS POSSÍVEIS IMPACTOS DA COPA 2014 NO ESTADO DE PERNAMBUCO. INTRODUÇÃO O país-sede se transforma em uma vitrine mundial; Todo país-sede quer ter sucesso dentro e fora dos estádios; Todo

Leia mais

Informações sobre salários e escolaridade dos professores e comparativo com não-professores

Informações sobre salários e escolaridade dos professores e comparativo com não-professores Informações sobre salários e escolaridade dos professores e comparativo com não-professores Total de profissionais, independentemente da escolaridade 2003 2007 2008 Professores da Ed Básica (públicas não

Leia mais

PROJETO DE LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS PARA 2014

PROJETO DE LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS PARA 2014 PROJETO DE LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS PARA 2014 ANEXO II RELAÇÃO DAS INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES AO PROJETO DE LEI ORÇAMENTÁRIA DE 2014 XIII - plano de aplicação dos recursos das agências financeiras

Leia mais

mensário estatístico-exportação Maio 2012 AÇÚCAR BRUTO

mensário estatístico-exportação Maio 2012 AÇÚCAR BRUTO mensário estatístico-exportação Maio 2012 AÇÚCAR BRUTO CONDIÇÕES Este relatório foi preparado pela Linus Galena Consultoria Econômica exclusivamente para uso de seus clientes e não poderá ser circulado,

Leia mais

Segundo 1.892.390. identificação da. Gráfico. Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Total 500.

Segundo 1.892.390. identificação da. Gráfico. Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Total 500. MOVIMENTAÇÃO DE PASSAGEIROS EM ALAGOAS E DO SETOR HOTELEIRO EM MACEIÓ, PARA JANEIRO DE 2015 Superintendência de Produção da Informação e do Conhecimento (SINC)( Diretoria de Estatística e Indicadores Segundo

Leia mais

785,602 CONSIDERAÇÕES SOBRE O DESENVOLVIMENTO DO SETOR DE TURISMO NO BRASIL. William George Lopes Saab*

785,602 CONSIDERAÇÕES SOBRE O DESENVOLVIMENTO DO SETOR DE TURISMO NO BRASIL. William George Lopes Saab* CONSIDERAÇÕES SOBRE O DESENVOLVIMENTO DO SETOR DE TURISMO NO BRASIL William George Lopes Saab* *Gerente setorial de Turismo, Comércio e Serviço do BNDES. 785,602 Resumo Este artigo objetiva, em termos

Leia mais

FACT-SHEET. Cana-de-Açúcar, Milho e Soja. Programa Agricultura e Meio Ambiente. WWF - Brasil

FACT-SHEET. Cana-de-Açúcar, Milho e Soja. Programa Agricultura e Meio Ambiente. WWF - Brasil FACT-SHEET Cana-de-Açúcar, Milho e Soja Programa Agricultura e Meio Ambiente WWF - Brasília Março 28 WWF- Secretaria Geral Denise Hamú Superintendência de Conservação de Programas Temáticos Carlos Alberto

Leia mais

Doingbusiness no Brasil. Penelope Brook PSD/FSD Vice Presidência Grupo Banco Mundial Rio de Janeiro 26 de julho de 2006

Doingbusiness no Brasil. Penelope Brook PSD/FSD Vice Presidência Grupo Banco Mundial Rio de Janeiro 26 de julho de 2006 Doingbusiness no Brasil Penelope Brook PSD/FSD Vice Presidência Grupo Banco Mundial Rio de Janeiro 26 de julho de 2006 1 Indicadores Doingbusiness 2006 2007 2008 Abertura de empresas Registro de propriedades

Leia mais

Iniciativas - RQMA - IBAMA - Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renov

Iniciativas - RQMA - IBAMA - Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renov Iniciativas RQMA IBAMA Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renov Há diversas iniciativas no Brasil e no mundo sobre relatórios que sintetizam, sistematizam e analisam informações

Leia mais

Secretaria. de Futebol de 2014

Secretaria. de Futebol de 2014 Secretaria Especial de Articulação para a Copa do Mundo de Futebol de 2014 SECOPA Assistir direta e indiretamente ao Prefeito na condução aos assuntos referentes a Copa do Mundo; Parcerias com a sociedade

Leia mais

Compaq Computer Corporation

Compaq Computer Corporation Compaq Computer Corporation 1. Principais Características Matriz: Compaq Computer Corporation Localização: Houston, Texas, Estados Unidos Ano de fundação: 1982 Internet: www.compaq.com Faturamento (2000):

Leia mais

Ouvidoria Pública e Desenvolvimento Nacional

Ouvidoria Pública e Desenvolvimento Nacional Ouvidoria Pública e Desenvolvimento Nacional 10 anos da Ouvidoria Municipal de Belo Horizonte Fábio Caldeira Ouvidor-Geral do Estado de Minas Gerais Para que serve o Estado? Para que serve uma Ouvidoria

Leia mais

Analfabetismo no Brasil

Analfabetismo no Brasil Analfabetismo no Brasil Ricardo Paes de Barros (IPEA) Mirela de Carvalho (IETS) Samuel Franco (IETS) Parte 1: Magnitude e evolução do analfabetismo no Brasil Magnitude Segundo estimativas obtidas com base

Leia mais

FLUXO CONSTRUÇÃO - SERVIÇOS ESPECIALIZADOS PARA CONSTRUÇÃO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO CONSTRUÇÃO - SERVIÇOS ESPECIALIZADOS PARA CONSTRUÇÃO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO - SERVIÇOS ESPECIALIZADOS PARA, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO DE, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Estados

Leia mais