AGENDA 21 COMPERJ DESCRIÇÃO DO CAPÍTULO ESTÁGIO DESEJÁVEL ESTÁGIO PREOCUPAÇÕES POTENCIALIDADES AÇÕES

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AGENDA 21 COMPERJ DESCRIÇÃO DO CAPÍTULO ESTÁGIO DESEJÁVEL ESTÁGIO PREOCUPAÇÕES POTENCIALIDADES AÇÕES"

Transcrição

1 DESCRIÇÃO DO CAPÍTULO ESTÁGIO PREOCUPAÇÕES POTENCIALIDADES ESTÁGIO DESEJÁVEL AÇÕES Capítulo 1: Integração das preocupações relativas ao meio ambiente e 3 O Conselho está inativo Pouca participação e articulação da Secretaria de Meio Ambiente Falta de mobilização e participação Ativar o Conselho do Meio ambiente Criar o Fórum da Agenda 21 3 Criação e definição de data para a instalação do Conselho de Meio Ambiente ( deliberativo) Cumprimento das normas do CONAMA Conselho Nacional de Meio Ambiente, pela Secretaria de Meio Ambiente, criando o Conselho Municipal de Meio Ambiente Participação da Secretaria de Meio Ambiente na construção da Agenda 21 Local Organização de eventos e manifestações com objetivo de provocar debates e conscientização em relação ao meio ambiente Divulgação dos eventos para melhor mobilização da sociedade Comprometimento das escolas e instituições de ensino para que os PPPS (planos político-pedagógico) instalem a educação ambiental e que seja trans, inter e multidisciplinar Promoção de capacitação em educação ambiental para as instituições de ensino e escolas Promoção da construção de Agendas 21 locais, setoriais e pessoais

2 Capítulo 2: Cooperação Internacional para acelerar o sustentável em países em e políticas locais relacionadas 2 Não existem empresas estrangeiras Não existe uma rede de cooperação internacional Já existe uma base para estabelecer parcerias internacionais 2 Integração das unidades de pesquisa ( parques e universidades ) para de pesquisa sobre sustentável Incentivo ás indústrias não poluentes no município Criação de eventos ( congressos ) de Ciência e Tecnologia Criação de um Centro de Pesquisa da Mata Atlântica Capítulo 3: Combate à Pobreza 1 Não há uma política de geração de trabalho e renda Não houve resposta Fomento a grupos de produção e cooperativas com princípios da economia popular solidária Não existe Conselho de Segurança alimentar Falta de capacitação Incremento do fornecimento de hortifrutigranjeiros para as empresas de alimentação que servirão ao COMPERJ e entorno, privilegiando o pequeno produtor Estabelecimento de que a merenda escolar seja composta em sua maioria por produtos orgânicos e locais Facilitação do acesso do pequeno produtor e pequeno empreendedor aos incentivos fiscais existentes ( federal, estadual e municipal) Incremento do turismo receptivo ( rural, urbano, cultural e ecológico) com capacitação Incremento do turismo cultural com festivais de literatura, cinema, música, gastronomia, etc. Incentivo a indústrias culturais (estúdios, gráficas, bienais)

3 Capítulo 4: Mudanças nos padrões de consumo 2 Não existe uma política pública ampla municipal para mudança de padrões de consumo Existe feira de produtos orgânicos e rede de economia solidária 3 Incentivo ao consumo responsável, sem embalagens de plástico Incentivo ao consumo de alimentação saudável Promoção de programas de consumo responsável em igrejas, instituições religiosas, de ensino e culturais Criação de um espaço melhor e maior para a Feira de Produtos Orgânicos Criação de um espaço ( mercado) para os produtos locais Incentivo ao uso de energias renováveis Capítulo 5: Dinâmica demográfica e sustentabilidade Capítulo 6: Proteção e promoção das condições da saúde humana 1 Crescimento desordenado Falta de política e infra estrutura habitacional Favelização 2 Não há coleta seletiva de lixo Falta de políticas preventivas de saúde Preservação dos recursos ambientais Degradação dos recursos naturais Valorização da zona rural 2 Criação da Lei de Uso e Parcelamento do Solo ( LUPUS) Criação de um programa de habitações populares Recursos naturais 3 Instituição de legislação proibindo a distribuição de sacos plásticos Implantação de coleta seletiva de lixo Tratamento do esgoto que é despejado no rio Paquequer Revitalização do rio Paquequer Implantação de usina de adubo orgânico

4 Implantação de políticas preventivas de saúde em escolas e postos de saúde Capacitação dos profissionais de saúde e educação Reciclagem dos resíduos sólidos, líquidos, domiciliar e industrial, exigindo maior fiscalização com a utilização de tecnologia moderna. Capítulo 7: Promoção do Desenvolvimento sustentável dos Assentamentos Humanos 2 Desordenamentos das ocupações Grandes áreas de risco, sem uma política pública Falta de fiscalização nas construções Aumento da população 10% de área plana, muita área ambiental Ampliação do sistema de saúde municipal Criação do Conselho da cidade 3 Socialização e divulgação das ações do Conselho da Cidade Mapeamento de áreas de risco na zona rural Capítulo 8: Integração entre o meio ambiente e o na tomada de decisões 1 Falta de implementação participativa do plano diretor Existência do Plano Diretor de Desenvolvimento Sustentável 2 Criação de canais para participação da sociedade civil no Plano Diretor Capítulo 9: Proteção da Atmosfera 1 Falta de monitoramento da qualidade de ar Existência de parques de preservação ambiental 1 2 Melhoria do transporte coletivo com novas concessões e fim do monopólio Existência de um aterro controlado e sua futura adequação aos créditos de carbono Monitoramento da qualidade do ar com capacitação de mão de obra local

5 Arborização do Centro e encostas Capítulo 10: Abordagem Integrada do planejamento e dos recursos terrestres 2 Poucos técnicos treinados Já existe órgão público que faz alguma fiscalização 3 Capacitação de maior quantidade de técnicos da Secretária Municipal de Meio Ambiente Reativação do Conselho do Meio Ambiente Capítulo 11: Combate ao desflorestamento 1 As políticas de controle são deficientes Falta de mão de obra Conselhos do mosaico central, do Parnarso e do parque dos Três Picos 2 Investimento em Programas de reflorestamento Implantação de Programas municipais para combater o desflorestamento Falta de recursos Faltam programas municipais Educação ambiental nas escolas Incentivo fiscal para reservas particulares Implantação de Planos de prevenção de combate a incêndio com utilização da população local Capítulo 12: Manejo de Ecossistemas frágeis; a luta quanto à desertificação e a seca 1 Aumento da degradação ambiental Existência de escola agrícola na zona rural 2 Instituição de Plano de Prevenção e Correção para áreas de erosão. Capítulo 13: Gerenciamento de ecossistemas frágeis: sustentável de montanhas 1 Há áreas de risco sem planos de emergência Falta de memória histórica, de preservação da arquitetura Potencial turístico Existência dos parques 2 Proteção dos mananciais Desenvolvimento de projeto paisagístico na rodovia Teresópolis- Friburgo-Serra Verde Participação externa do município no Conselho Serra Verde

6 Capítulo 14: Promoção do rural e agrícola sustentável 2 Não existe uma política que enfatize e priorize a agricultura sustentável Desenvolvimento do turismo rural Desenvolvimento de política pública para incentivar a população rural não abandonar o campo 3 Investimento em cooperativas de pequenos produtores orgânicos familiares e cooperativas de pequenos produtores de alimentos Melhoria de estradas vicinais para escoamento da produção e incentivo ao eco turismo Melhoria da telefonia fixa e móvel na área rural Investimento em cooperativas de mulheres rurais na produção de mudas nativas para reflorestamento Capítulo 15: Conservação da diversidade biológica 1 Falta de aceso a dados de pesquisa Divulgação destes dados Falta geração de conhecimento Existência de 02 parques que já fazem pesquisa de diversidade biológica Criação de centro de pesquisa 2 Divulgação das pesquisas sobre a diversidade biológica municipal, na imprensa escrita falada e televisiva. Implantação do Jardim Botânico de plantas medicinais, em parceria com empresas e governos municipal, estadual e federal Falta de fiscalização Criação de um Centro de Pesquisa sobre a fauna e flora Realização de concurso Público para fiscais do Meio Ambiente. Capacitação dos fiscais concursados Capítulo 16: Manejo Ambientalmente saudável da biotecnologia 1 Não houve resposta Não houve resposta 2 Capacitação dos agricultores familiares em agro homeopatia Implantação de um projeto piloto de implantação em agro homeopatia, em parceria com ongs e poder público Instalação de 4 biodigestores/ano em escolas

7 municipais Capítulo 17: Proteção aos oceanos, de todos os tipos de mares - inclusive mares fechados e semi-fechados - e de zonas costeiras; proteção, uso racional e de seus recursos vivos Não se aplica Não se aplica Não se aplica Não se aplica Não se aplica Incentivo a instalação de biodigestores em escolas particulares Capítulo 18: Proteção da qualidade e do abastecimento dos recursos hídricos: aplicação de critérios integrados no, manejo e uso dos recursos hídricos 2 Degradação dos recursos hídricos Degradação da mata ciliar Esgoto sanitário, lixo e agrotóxico Participação do município no Comitê de Bacias hidrográficas do Paraíba do Sul 3 Implantação de coletores de esgoto e rede de tratamento Recuperação da mata ciliar Implantação de um projeto piloto de produção de mudas nativas da mata ciliar, com mão de obra de trabalhadora rurais Capítulo 19: Manejo ecologicamente saudável das substâncias químicas tóxicas, incluída a prevenção do tráfico internacional ilegal de produtos tóxicos e perigosos 1 Aumento dos problemas devido a pouca fiscalização Fiscalização da ANVISA 2 Implementação de uma política de controle do uso de adubos e insumos químicos e esgoto, integrando as Secretarias de Agricultura e Meio Ambiente

8 Capítulo 20: Manejo ambientalmente saudável dos resíduos perigosos, incluindo a prevenção do tráfico internacional ilícito de resíduos perigosos 1 Não há fiscalização do que é transportado Convênios realizados Não há informação sobre a circulação Adequação do aterro sanitário Existência do aterro sanitário 2 Implantação da coleta seletiva com separação e tratamento do lixo tóxico Divulgação do transporte, circulação e recebimento do lixo tóxico. Maior divulgação do convênio municipal com outras cidades para a utilização do aterro sanitário municipal Capítulo 21: Manejo ambientalmente saudável dos resíduos sólidos e questões relacionadas a esgotos 2 Melhor controle na coleta de lixo Impedir a contaminação do solo e dos lençóis freáticos Ter coleta seletiva do lixo Reorganizar a reciclagem do lixo que é feita no lixão de maneira efetiva e justa, formalizando o emprego 3 Implantação de uma cooperativa para utilização do lixo reciclável, com as pessoas que já vivem disso Implantação do PETI Programa de Erradicação do Trabalho Infantil para as crianças que trabalham no lixão. Redução da produção do lixo Ter reciclagem do lixo Capítulo 22: Manejo seguro e ambientalmente saudável dos resíduos radioativos 1 Divulgação de locais de coleta de pilhas e baterias Disposição final e tratamento do lixo hospitalar Incorporar /viabilizar a exportação de pilhas para Susekind/Israel 1 2 Realização de Campanha para divulgação dos locais existentes no município para coleta de pilhas e baterias Maior informação e divulgação do destino final do lixo hospitalar Capítulo 23: Fortalecimento do papel dos grupos principais (preâmbulo) 2 Não há divulgação dos conselhos existentes Não existem políticas públicas A existência dos conselhos deve ser mais apoiada pelo poder público 3 Maior divulgação dos Conselhos existentes com suas agendas e pautas Maior integração entre os conselhos existentes Implementação e monitoramento dos Planos

9 elaborados pelos conselhos existentes Capacitação de todos os membros dos Conselhos existentes Implantação do PETI Programa de Erradicação do Trabalho Infantil para crianças da zona rural Capítulo 24: Ação mundial pela mulher, com vistas a um sustentável eqüitativo 2 Falta política de divulgação e articulação Já existe conselho da mulher, o NIAM Núceo de Integração e Assistência da Mulher e secretaria da mulher 3 Reativação do NIAM Núcleo de Integração e Assistência a Mulher na Delegacia Divulgação da política para a mulher no município. Capacitação/profissionalização da mulher vítima de violência doméstica Ampliação dos serviços do Programa de Saúde da Mulher Ampliação de unidades móveis de saúde para atendimento na área rural, com médicos capacitados Capítulo 25: A infância e a juventude no sustentável 2 Falta articular e divulgar melhor o ECA Falta efetivar uma rede de serviços para crianças e adolescentes Já há inicio de trabalhos de apoio a crianças e adolescentes 3 Implantação de um programa sócio-educativo de ações de esporte cultura e profissionalização voltado para crianças e adolescentes, em parceria com ONGs, empresas e poder público Capítulo 26: Reconhecimento e fortalecimento do papel das populações indígenas e suas comunidades Não se aplica Não se aplica NÃO SE APLICA

10 Capítulo 27: Fortalecimento do papel das organizações nãogovernamentais: parceiros para um sustentável 1 Falta maior conhecimento e apoio o município Falta rede Nada foi indicado 2 Articulação e formação de rede das ONGs Capacitação em elaboração de projetos e captação de recursos para os profissionais das ONGs Capítulo 28: Iniciativas das autoridades locais em apoio à Agenda 21 2 Faltam apoio e divulgação oficiais Existe um Plano diretor Existem grupos de discussão 3 Estabelecimento de um Termo de Compromisso entre a Petrobras e os municípios pela implementação do PLDS da Agenda 21 Capítulo 29: Fortalecimento do papel dos trabalhadores e seus sindicatos 2 Sindicatos fracos e desarticulados Poucas categorias organizadas Existência de categorias organizadas 3 Organização de seminários sobre o novo mundo do trabalho, novas formas de mobilização e organização dos trabalhadores, em parceria com ONGs e a UFRJ Capítulo 30: Fortalecimento do papel do comércio e da indústria 1 Falta de controle e fiscalização Início de organização através do Plano Diretor e Conselho da Cidade e sustentável 2 Fiscalização e controle da legislação trabalhista na área urbana e rural Incentivos para a implantação de indústrias sustentáveis e não poluentes Capítulo 31: A comunidade científica e tecnológica 2 Não há incentivo a implantação de indústrias Não há incentivo a novas instituições de ensino e pesquisas científicas Existe uma universidade presencial e outra de ensino a distância 3 Ampliação da parceria do Governo Municipal com a UERJ Universidade Estadual do Rio de Janeiro, para trazer ao município novos cursos universitários Estabelecimento de parceria do Governo Municipal, com universidades estaduais e federais, para implantar cursos no município Estabelecimento de parceria do Governo Municipal para implantação de cursos técnicos de nível médio

11 Implantação de polos industriais com indústrias não poluentes e em áreas que não sejam de produção agrícola Capítulo 32: Fortalecimento do papel dos agricultores 2 A tradição de produção ainda é de uso de agrotóxico Baixa participação dos moradores da área rural nos movimentos sociais em geral A prefeitura já dispõe de um estudo da UFRJ/NESC sobre transição da agricultura tradicional para agro homeopatia. O instituto de Brejal já se utiliza dessa técnica Já existe grupo organizado de agroecologia e economia solidária 3 Maior fiscalização da situação dos trabalhadores rurais, em relação a legislação trabalhista Incentivo a compra de produtos orgânicos dos agricultores familiares, pelas empresas que fornecerão alimentos ao Comperj e seus contratados Capítulo 33: Recursos e mecanismos de financiamento 3 Cultura participativa muito fraca Já existe um pequeno grupo iniciando o trabalho de Agenda 21 3 Organização dos trabalhadores rurais Fiscalização da finalidade dos financiamentos por parte do agente financeiro e do conselho respectivo Divulgação dos programas de financiamento Capacitação em elaboração de projetos e captação de recursos Capítulo 34: Transferência de tecnologia ambientalmente saudável, cooperação e fortalecimento institucional 2 Não há projetos feitos e encaminhados Há alguma informação sobre o assunto 3 Estabelecimento de parceria com a Petrobrás para implantar projetos pilotos de energias renováveis Capítulo 35: A ciência para o sustentável 2 Pequenos espaços/grupos desagregados, dispersos sem muita informação Unificação dos grupos e sensibilização do poder público 3 Estabelecimento de parcerias com universidades para capacitação e beneficiamento da produção Implantação de um curso de agronomia sustentável Implementação de campanha para racionalização do

12 uso da água Divulgação das pesquisas da biodiversidade ( fauna e flora) local, para incentivar o turismo ecológico Capítulo 36: Promoção do ensino, da conscientização e do treinamento 3 Rede pública desengajada Potencialidade de expansão na rede privada que já toma iniciativa em casos isolados 3 Inclusão de educação ambiental no currículo escolar Formação da comunidade escolar em educação ambiental, através de parceria do poder público e ONGs Capítulo 37: Mecanismos nacionais e cooperação internacional para fortalecimento institucional nos países em 1 Só se ouve falar e ainda necessitamos aprofundar a discussão sobre esses mecanismos Pouca mobilização do Plano Diretor realizado em 2005 Através dos encontros da Agenda 21 resgate e incentivo municipal 2 Divulgação dos convênios existentes Capítulo 38: Arranjos institucionais internacionais 2 A cidade continua ignorante e alheia quanto a arranjos institucionais internacionais Degradação do verde, dos rios/bacia. Isso continua e está aumentando Contaminação: sai do lixão e cai no Rio Preto com uma taxa de 18l/segundo O município poderia se creditar de valores internacionais para tornar-se um núcleo verde Possibilidade de iniciar o saneamento ambiental nas comunidades localizadas nas encostas da cidade, através de biossistemas integrados com uso do biogás em creches e escolas e adubo orgânico em plantações e hortas comunitárias, formando-se uma rede de biosistemas Há possibilidade de ganhos com os créditos de carbono 3 Realização de seminários sobre créditos de carbono e políticas ambientais mundiais Realização de seminários sobre arranjos institucionais internacionais

13 Capítulo 39: Instrumentos e mecanismos jurídicos internacionais 1 Igual item anterior Poderia se vincular a entidades internacionais venda de crédito de carbono Reverter fundos para a promoção de benfeitorias para a sociedade ligada a questões ambientais 2 Realização de seminários sobre instrumentos e mecanismos jurídicos internacionais Capítulo 40: Informação para tomada de decisões 2 Falta de credibilidade e fundação para a construção de um centro de planejamento e logístico municipal Mau gerenciamento Existe uma previsão de um plano de banco de informação/dados sobre a realidade socioeconômica ambiental do município 3 Estruturação da Agenda 21 em Teresópolis

AGENDA 21 COMPERJ Diagnóstico e Plano de Ação: 3º setor

AGENDA 21 COMPERJ Diagnóstico e Plano de Ação: 3º setor DESCRIÇÃO DO CAPÍTULO ESTÁGIO PREOCUPAÇÕES POTENCIALIDADES Estágio Desejável AÇÕES Capítulo : Integração das preocupações relativas ao meio ambiente e O Fórum Comperj não dá acesso ao diagnóstico sobre

Leia mais

Realização de novos concursos públicos para que a fiscalização seja mais eficiente.

Realização de novos concursos públicos para que a fiscalização seja mais eficiente. DESCRIÇÃO DO CAPÍTULO Estágio PREOCUPAÇÕES POTENCIALIDADES Estágio Desejável AÇÕES Capítulo 1: Integração das preocupações relativas ao meio ambiente e 2 Desmatamento da Serra do Sambe e construção desordenada

Leia mais

AGENDA 21 COMPERJ Diagnóstico e Plano de Ação: 1º setor Município: Teresópolis

AGENDA 21 COMPERJ Diagnóstico e Plano de Ação: 1º setor Município: Teresópolis SEÇÃO I DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS Capítulo 1 Cenário 3 Integração das preocupações relativas ao meio ambiente e desenvolvimento 1 - Falta funcionar o Conselho do Meio Ambiente existente 1 - Existência

Leia mais

SÍNTESE JUINA. Meio Ambiente

SÍNTESE JUINA. Meio Ambiente SÍNTESE JUINA Aperfeiçoar mecanismos controle ambiental Meio Ambiente Instalação de viveiros de distribuição de mudas para o reflorestamento e matas ciliares Ampliar aceso aos programas de crédito de Capacitar

Leia mais

AGENDA 21 COMPERJ. Estágio DESCRIÇÃO DO CAPÍTULO ESTÁGIO PREOCUPAÇÕES POTENCIALIDADES

AGENDA 21 COMPERJ. Estágio DESCRIÇÃO DO CAPÍTULO ESTÁGIO PREOCUPAÇÕES POTENCIALIDADES AGENDA 1 COMPERJ DESCRIÇÃO DO CAPÍTULO ESTÁGIO PREOCUPAÇÕES POTENCIALIDADES Estágio Desejável AÇÕES Capítulo 1: Integração das preocupações relativas ao meio ambiente e 3 Distanciamento entre a sociedade

Leia mais

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS Resumo da Agenda 21 CAPÍTULO 1 - Preâmbulo Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS CAPÍTULO 2 - Cooperação internacional para acelerar o desenvolvimento sustentável dos países em desenvolvimento e políticas

Leia mais

Estágio Dsejado. 1 Desmatamento na Serra do Sambê 1 Realizar concursos públicos para que a fiscalização seja mais eficiente.

Estágio Dsejado. 1 Desmatamento na Serra do Sambê 1 Realizar concursos públicos para que a fiscalização seja mais eficiente. DESCRIÇÃO DO CAPÍTULO Estágio Atual PREOCUPAÇÕES POTENCIALIDADES Estágio Dsejado AÇÕES PARCEIROS Capítulo : Integração das preocupações relativas ao meio ambiente e desenvolvime nto 3 Desmatamento na Serra

Leia mais

PROGRAMAS E PROJETOS PARA O DESENVOLVIMENTO DO ECOTURISMO NO PÓLO DO CANTÃO

PROGRAMAS E PROJETOS PARA O DESENVOLVIMENTO DO ECOTURISMO NO PÓLO DO CANTÃO º PROGRAMAS E S PARA O DESENVOLVIMENTO DO ECOTURISMO NO PÓLO DO CANTÃO Programa de utilização sustentável dos atrativos turísticos naturais Implementação do Plano de Manejo do Parque do Cantão Garantir

Leia mais

AGENDA 21 COMPERJ Diagnóstico e Plano de Ação: 1º setor Município: Cachoeiras de Macacu

AGENDA 21 COMPERJ Diagnóstico e Plano de Ação: 1º setor Município: Cachoeiras de Macacu SEÇÃO I DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS Capítulo 1 Cenário 3 Integração das preocupações relativas ao meio ambiente e desenvolvimento 1 - Frágil participação da Secretaria de Meio Ambiente na 1 - Nossas

Leia mais

AGENDA 21 COMPERJ Diagnóstico e Plano de Ação: 1º setor Município: São Gonçalo

AGENDA 21 COMPERJ Diagnóstico e Plano de Ação: 1º setor Município: São Gonçalo SEÇÃO I DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS Capítulo 1 Cenário 2 Integração das preocupações relativas ao meio ambiente e desenvolvimento 1 Necessidade de maior clareza e fortalecimento na atuação da Secretaria

Leia mais

24 e 25/11/2008 TERESÓPOLIS - MATRIZ DE DIAGNÓSTICO CONSOLIDADO. CAPÍTULO 1 Integração das preocupações relativas ao meio ambiente e desenvolvimento

24 e 25/11/2008 TERESÓPOLIS - MATRIZ DE DIAGNÓSTICO CONSOLIDADO. CAPÍTULO 1 Integração das preocupações relativas ao meio ambiente e desenvolvimento - MATRIZ DE DIAGNÓSTICO CONSOLIDADO CAPÍTULO 1 Integração das preocupações relativas ao meio ambiente e desenvolvimento 1. A inatividade do Conselho Municipal de Meio Ambiente e do Fundo Municipal de Meio

Leia mais

Recursos Naturais e Biodiversidade

Recursos Naturais e Biodiversidade 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36 37 38 39 Florestas Gestão dos Recursos Hídricos Qualidade e Ocupação do Solo Proteção da Atmosfera e Qualidade

Leia mais

AGENDA 21 COMPERJ Diagnóstico e Plano de Ação: 1º setor Município: Rio Bonito

AGENDA 21 COMPERJ Diagnóstico e Plano de Ação: 1º setor Município: Rio Bonito SEÇÃO I DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS Capítulo 1 Cenário 3 Integração das preocupações relativas ao meio ambiente e desenvolvimento 1 - Falta conscientização da população em relação ao meio ambiente 1

Leia mais

AGENDA 21 COMPERJ Diagnóstico e Plano de Ação: 1º setor Município: Niterói

AGENDA 21 COMPERJ Diagnóstico e Plano de Ação: 1º setor Município: Niterói SEÇÃO I DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS Capítulo 1 Cenário 3 Integração das preocupações relativas ao meio ambiente e desenvolvimento 1 Existência de total desinformação sobre meio ambiente junto à população

Leia mais

Plataforma Ambiental para o Brasil

Plataforma Ambiental para o Brasil Histórico 1989 - Plataforma Ambiental Mínima para Candidatos à Presidência 1990 - Plataforma Ambiental Mínima para os Candidatos ao Governo do Estado de São Paulo 1998 - Plataforma Ambiental Mínima para

Leia mais

PROPOSTAS PARA DESENVOLVIMENTO NAS ÁREAS

PROPOSTAS PARA DESENVOLVIMENTO NAS ÁREAS POLÍTICAS PÚBLICAS: SANEAMENTO OBRAS PARTICIPAÇÃO POPULAR EDUCAÇÃO SAÚDE O que são políticas públicas? Políticas públicas podem ser entendidas como ações desenvolvidas pelo Estado, tendo em vista atender

Leia mais

AGENDA 21 COMPERJ Diagnóstico e Plano de Ação: 1º setor Município: Maricá

AGENDA 21 COMPERJ Diagnóstico e Plano de Ação: 1º setor Município: Maricá SEÇÃO I DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS Capítulo 1 Cenário 1 Integração das preocupações relativas ao meio ambiente e desenvolvimento 1 - Falta de legislação ambiental municipal 1 Centralizar toda a legislação

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2016

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2016 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2016 Institui a Política de Desenvolvimento Sustentável da Caatinga. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º Esta Lei institui a Política de Desenvolvimento Sustentável da

Leia mais

AGENDA 21 COMPERJ. Estágio Atual DESCRIÇÃO DO CAPÍTULO. Estágio Desejado

AGENDA 21 COMPERJ. Estágio Atual DESCRIÇÃO DO CAPÍTULO. Estágio Desejado DESCRIÇÃO DO CAPÍTULO Estágio Atual PREOCUPAÇÕES POTENCIALIDADES Estágio Desejado AÇÕES PARCEIROS Capítulo : Integração das preocupações relativas ao meio ambiente e desenvolvime nto Ocupação desordenada

Leia mais

AGENDA 21 COMPERJ Diagnóstico e Plano de Ação: 1º setor Município: Magé

AGENDA 21 COMPERJ Diagnóstico e Plano de Ação: 1º setor Município: Magé SEÇÃO I DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS Capítulo 1 Cenário 1 Integração das preocupações relativas ao meio ambiente e desenvolvimento 1 Falta de atuação efetiva do Conselho Municipal do Meio Ambiente 1

Leia mais

AGENDA 21 COMPERJ. Estágio DESCRIÇÃO DO CAPÍTULO ESTÁGIO PREOCUPAÇÕES POTENCIALIDADES

AGENDA 21 COMPERJ. Estágio DESCRIÇÃO DO CAPÍTULO ESTÁGIO PREOCUPAÇÕES POTENCIALIDADES DESCRIÇÃO DO CAPÍTULO ESTÁGIO PREOCUPAÇÕES POTENCIALIDADES Estágio Desejável AÇÕES Capítulo 1: Integração das preocupações relativas ao meio ambiente e 1 Ocupação desordenada prejudicando o meio ambiente.

Leia mais

AGENDA 21 COMPERJ Diagnóstico e Plano de Ação: 3º setor

AGENDA 21 COMPERJ Diagnóstico e Plano de Ação: 3º setor DESCRIÇÃO DO CAPÍTULO ESTÁGIO PREOCUPAÇÕES POTENCIALIDADES Estágio Desejável AÇÕES Capítulo 1: Integração das preocupações relativas ao meio ambiente e 2 Preocupação com o meio ambiente, principalmente

Leia mais

MUNICÍPIO DO CABO DE SANTO AGOSTINHO - PE RELAÇÃO DOS PROGRAMAS VIGENTES NO EXERCÍCIO 2015 PLANO PLURIANUAL E ORÇAMENTO 2015

MUNICÍPIO DO CABO DE SANTO AGOSTINHO - PE RELAÇÃO DOS PROGRAMAS VIGENTES NO EXERCÍCIO 2015 PLANO PLURIANUAL E ORÇAMENTO 2015 CódigoDenominação 1001 1002 1003 1004 1005 1006 1007 1008 1009 1011 1012 Objetivo 1013 PROGRAMA DE QUALIFICAÇÃO DOS FUNCIONÁRIOS DA PROCURADORIA GERAL DO MUNICÍPIO Promover o desenvolvimento pessoal e

Leia mais

PLANO DE GOVERNO TULIO BANDEIRA PTC 36

PLANO DE GOVERNO TULIO BANDEIRA PTC 36 PLANO DE GOVERNO TULIO BANDEIRA PTC 36 GESTÃO PÚBLICA Garantir ampla participação popular na formulação e acompanhamento das políticas públicas; Criação do SOS Oprimidos, onde atenda desde pessoas carentes

Leia mais

SÃO GONÇALO - MATRIZ DE DIAGNÓSTICO CONSOLIDADO

SÃO GONÇALO - MATRIZ DE DIAGNÓSTICO CONSOLIDADO SÃO GONÇALO - MATRIZ DE CONSOLIDADO CAPÍTULO 1 1- Faltam informações sobre a atuação e responsabilidades da Secretaria de Meio Ambiente. 2- Falta o governo municipal respaldar a importância da Secretaria

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS DE ECONOMIA SOLIDÁRIA

POLÍTICAS PÚBLICAS DE ECONOMIA SOLIDÁRIA POLÍTICAS PÚBLICAS DE ECONOMIA SOLIDÁRIA 1. Concepções e diretrizes políticas para áreas; Quando falamos de economia solidária não estamos apenas falando de geração de trabalho e renda através de empreendimentos

Leia mais

Tabela para classificação de ações de extensão

Tabela para classificação de ações de extensão Tabela para classificação de ações de extensão Linha de Extensão 1. Alfabetização, leitura e escrita Formas mais freqüentes de operacionalização Alfabetização e letramento de crianças, jovens e adultos;

Leia mais

Documento de Apoio da Declaração de Gaborone para Sustentabilidade na África

Documento de Apoio da Declaração de Gaborone para Sustentabilidade na África Documento de Apoio da Declaração de Gaborone para Sustentabilidade na África O documento de apoio da Declaração de Gaborone para a sustentabilidade na África é um paradigma transformador na busca pelo

Leia mais

PROPOSTAS DE CAMPANHA COLIGAÇÃO COLIGAÇÃO QUATRO MELHOR. SIRLEY JUNQUEIRA Prefeita e JOEL RAMOS Vice-Prefeito

PROPOSTAS DE CAMPANHA COLIGAÇÃO COLIGAÇÃO QUATRO MELHOR. SIRLEY JUNQUEIRA Prefeita e JOEL RAMOS Vice-Prefeito PROPOSTAS DE CAMPANHA COLIGAÇÃO COLIGAÇÃO QUATRO MELHOR SIRLEY JUNQUEIRA Prefeita e JOEL RAMOS Vice-Prefeito 1. PLANEJAMENTO - Planejar o desenvolvimento do município em todos os seguimentos. - Criar centro

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO Previsão Legal Objetivos Categorias Finalidades Gestão do Sistema Quantitativos Outros Espaços Protegidos Distribuição Espacial Relevância O Brasil possui alguns

Leia mais

PLANO DE GOVERNO ADMINISTRAÇÃO 2013/2016

PLANO DE GOVERNO ADMINISTRAÇÃO 2013/2016 1. SERVIÇOS PÚBLICOS 1.1 Funcionalismo PLANO DE GOVERNO ADMINISTRAÇÃO 2013/2016 Valorizar os funcionários profissionalmente para o seu bem estar e da população, reconhecendo, respeitando e garantindo os

Leia mais

Planejamento Estratégico Municipal. Tibagi -PR. A Cidade Que Nós Queremos

Planejamento Estratégico Municipal. Tibagi -PR. A Cidade Que Nós Queremos Municipal Tibagi -PR A Cidade Que Nós Queremos Bem Vindos a Tibagi A Cidade Que Nós Queremos Planejamento Estratégico Municipal Tibagi -PR Municipal Cidades e Cidadãos As cidades são as pessoas A vida

Leia mais

Entenda o Programa Fome Zero

Entenda o Programa Fome Zero Entenda o Programa Fome Zero 1. O que é o Programa Fome Zero? O Programa Fome Zero é um conjunto de ações que estão sendo implantadas gradativamente pelo Governo Federal. O objetivo é promover ações para

Leia mais

LEI Nº 7.055, DE 12 DE NOVEMBRO DE 2007

LEI Nº 7.055, DE 12 DE NOVEMBRO DE 2007 LEI Nº 7.055, DE 12 DE NOVEMBRO DE 2007 Publicada no DOE(Pa) de 20.11.07. Dispõe sobre a Política Estadual para o Desenvolvimento e Expansão da Apicultura e dá outras providências. A ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA

Leia mais

Plano de Governo 2013/2016 Secretaria Municipal de Saúde

Plano de Governo 2013/2016 Secretaria Municipal de Saúde Secretaria Municipal de Saúde Garantir o bom funcionamento e reais condições de atendimento a população em toda Rede de Serviços de Saúde, de forma eficiente; Fortalecer o Conselho Municipal de Saúde,

Leia mais

Carta à sociedade referente à participação no Plano de Investimentos do Brasil para o FIP

Carta à sociedade referente à participação no Plano de Investimentos do Brasil para o FIP Carta à sociedade referente à participação no Plano de Investimentos do Brasil para o FIP Prezado(a)s, Gostaríamos de agradecer por sua participação e pelas contribuições recebidas no âmbito da consulta

Leia mais

LEI MUNICIPAL N 035/97. SÚMULA: Dispõe sobre as diretrizes orçamentárias do município de Carlinda_MT, para o exercício financeiro de 1998.

LEI MUNICIPAL N 035/97. SÚMULA: Dispõe sobre as diretrizes orçamentárias do município de Carlinda_MT, para o exercício financeiro de 1998. LEI MUNICIPAL N 035/97 SÚMULA: Dispõe sobre as diretrizes orçamentárias do município de Carlinda_MT, para o exercício financeiro de 1998. A Câmara Municipal de Carlinda, no uso de suas atribuições legais

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE COLNIZA

ESTADO DE MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE COLNIZA 1 LEI Nº 007/2001 DISPÕE SOBRE O PLANO PLURIANUAL DO MUNICÍPIO DE COLNIZA, PARA O PERÍODO DE 2001 A 2005 E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS A Sra. NELCI CAPITANI, Prefeita Municipal de Colniza, Estado de Mato Grosso,

Leia mais

ANEXO II HISTÓRICO DAS FEIRAS DE TROCA DE SEMENTES TRADICIONAIS E CRIOULAS DO ESTADO DE SÃO PAULO

ANEXO II HISTÓRICO DAS FEIRAS DE TROCA DE SEMENTES TRADICIONAIS E CRIOULAS DO ESTADO DE SÃO PAULO ANEXO II HISTÓRICO DAS FEIRAS DE TROCA DE SEMENTES TRADICIONAIS E CRIOULAS DO ESTADO DE SÃO PAULO JUSTIFICATIVA Após a organização do 1 Seminário de Acesso a Sementes Crioulas e Orgânicas em abril de 2010

Leia mais

LDO 2015 - Anexo de Metas e Prioridades Governo Municipal de Cantanhede Página : 001

LDO 2015 - Anexo de Metas e Prioridades Governo Municipal de Cantanhede Página : 001 Governo Municipal de Cantanhede Página : 001 -------------------------------------------------- Órgão: 01 - Câmara Municipal -------------------------------------------------- --------------------------------------------

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome O Brasil assume o desafio de acabar com a miséria O Brasil assume o desafio de acabar com a

Leia mais

50 pontos do programa de governo do PSOL - Ivanete Prefeita para transformar Duque de Caxias:

50 pontos do programa de governo do PSOL - Ivanete Prefeita para transformar Duque de Caxias: 50 pontos do programa de governo do PSOL - Ivanete Prefeita para transformar Duque de Caxias: Duque de Caxias nas mãos do Povo: contra a corrupção e pela mudança 1) Garantir a participação popular e a

Leia mais

olímpico das 24 milhões de árvores Beto Mesquita

olímpico das 24 milhões de árvores Beto Mesquita Indução de reflorestamento no Rio de Janeiro: Das compensações ambientais ao desafio olímpico das 24 milhões de árvores Beto Mesquita Seminário Reflorestamento da Mata Atlântica no Estado do Rio de Janeiro

Leia mais

TRATRADO DE ÁGUA DOCE O CENÁRIO INTERNACIONAL E A PROBLEMÁTICA DA ÁGUA, MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO

TRATRADO DE ÁGUA DOCE O CENÁRIO INTERNACIONAL E A PROBLEMÁTICA DA ÁGUA, MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO [27] TRATRADO DE ÁGUA DOCE O CENÁRIO INTERNACIONAL E A PROBLEMÁTICA DA ÁGUA, MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO 1. Nos últimos anos a maioria dos países enfrentou grave crise econômica, que gerou um grande

Leia mais

Tanguá (Rio de Janeiro), Brazil

Tanguá (Rio de Janeiro), Brazil Tanguá (Rio de Janeiro), Brazil Relatório do progresso local sobre a implementação do Quadro de Ação de Hyogo (2013-2014) Prefeito: VALBER LUIZ MARCELO DE CARVALHO Nome do ponto focal: Alexander Anthony

Leia mais

DIRETRIZES GERAIS PARA UM PLANO DE GOVERNO

DIRETRIZES GERAIS PARA UM PLANO DE GOVERNO DIRETRIZES GERAIS PARA UM PLANO DE GOVERNO Ações de Inclusão Social e de Combate à Pobreza Modelo Próprio de Desenvolvimento Infra-estrutura para o Desenvolvimento Descentralizado Transparência na Gestão

Leia mais

Conferência eletrônica O uso de águas servidas não tratadas na agricultura dos países mais pobres

Conferência eletrônica O uso de águas servidas não tratadas na agricultura dos países mais pobres Conferência eletrônica O uso de águas servidas não tratadas na agricultura dos países mais pobres Judith Kaspersma - RUAF Foto: Kranjac-Berisavljevic - dreno principal na cidade de Tamale, Gana Entre 24

Leia mais

Como podemos melhorar nossas vidas e o PAC

Como podemos melhorar nossas vidas e o PAC seminário 10 anos de actionaid no brasil Como podemos melhorar nossas vidas e o PAC Nós, movimentos sociais, organizações da sociedade civil e grupos beneficiários da política pública de habitação reunidos

Leia mais

É HORA DE INCLUIR O DESENVOLVIMENTO LOCAL NAS PRIORIDADES DO SEU MUNICÍPIO! Especialistas em pequenos negócios

É HORA DE INCLUIR O DESENVOLVIMENTO LOCAL NAS PRIORIDADES DO SEU MUNICÍPIO! Especialistas em pequenos negócios É HORA DE INCLUIR O DESENVOLVIMENTO LOCAL NAS PRIORIDADES DO SEU MUNICÍPIO! Especialistas em pequenos negócios MÃOS À OBRA!!! Prefeito e Prefeita, seguem sugestões de Programas e Ações a serem inseridos

Leia mais

Tubarão (Santa Catarina), Brazil

Tubarão (Santa Catarina), Brazil Tubarão (Santa Catarina), Brazil Relatório do progresso local sobre a implementação do Quadro de Ação de Hyogo (2013-2014) Prefeito: João Olavio Falchetti Nome do ponto focal: João Olavio Falchetti Organização:

Leia mais

MEIO AMBIENTE DESENVOLVIMENTO COM SUSTENTABILIDADE

MEIO AMBIENTE DESENVOLVIMENTO COM SUSTENTABILIDADE MEIO AMBIENTE DESENVOLVIMENTO COM SUSTENTABILIDADE Introdução A capacidade da atuação do Estado Brasileiro na área ambiental baseia-se na ideia de responsabilidades compartilhadas entre União, Estados,

Leia mais

AGENDA 21 COMPERJ Diagnóstico e Plano de Ação: 1º setor Município: Saquarema

AGENDA 21 COMPERJ Diagnóstico e Plano de Ação: 1º setor Município: Saquarema SEÇÃO I DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS Capítulo 1 Cenário 3 Integração das preocupações relativas ao meio ambiente e desenvolvimento 1 Não há política integrada de desenvolvimento e meio ambiente no município,

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa LEI Nº 11.730, DE 9 DE JANEIRO DE 2002. (publicada no DOE nº 007, de 10 de janeiro de 2002) Dispõe sobre a Educação

Leia mais

Orientações sobre preenchimento de áreas e linhas de extensão no cadastro de atividades de extensão na UNIFAP

Orientações sobre preenchimento de áreas e linhas de extensão no cadastro de atividades de extensão na UNIFAP UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO E AÇÕES COMUNITÁRIAS DEPARTAMENTO DE EXTENSAO Orientações sobre preenchimento de áreas e linhas de extensão no cadastro de atividades de extensão

Leia mais

1ª CONFERÊNCIA REGIONAL DE

1ª CONFERÊNCIA REGIONAL DE PROJETO ELABORAÇÃO DO PLANO DE DESENVOLVIMENTO TERRITORIAL SUSTENTÁVEL DO VALE DO RIBEIRA E IMPLANTAÇÃO DE PROJETOS SOCIOAMBIENTAIS PRIORITÁRIOS 1ª CONFERÊNCIA REGIONAL DE DESENVOLVIMENTO TERRITORIAL SUSTENTÁVEL

Leia mais

9.3 Descrição das ações nos Sistemas de Abastecimento de Água e Esgotamento Sanitário

9.3 Descrição das ações nos Sistemas de Abastecimento de Água e Esgotamento Sanitário 171 9.3 Descrição das ações nos Sistemas de Abastecimento de Água e Esgotamento Sanitário Com a finalidade de alcançar os objetivos e metas estabelecidas no PMSB de Rio Pardo sugerem-se algumas ações,

Leia mais

AGENDA 21 COMPERJ. Estágio Desejado. Estágio Atual DESCRIÇÃO DO CAPÍTULO

AGENDA 21 COMPERJ. Estágio Desejado. Estágio Atual DESCRIÇÃO DO CAPÍTULO DESCRIÇÃO DO CAPÍTULO Estágio Atual PREOCUPAÇÕES POTENCIALIDADES Estágio Desejado AÇÕES PARCEIROS Capítulo 1: Integração das preocupações relativas ao meio ambiente e desenvolvime nto 1 Construções desordenadas.

Leia mais

LEGISLAÇÃO BRASILEIRA E PROGRAMAS DO GOVERNO FEDERAL PARA O USO SUSTENTÁVEL E A CONSERVAÇÃO DE SOLOS AGRÍCOLAS

LEGISLAÇÃO BRASILEIRA E PROGRAMAS DO GOVERNO FEDERAL PARA O USO SUSTENTÁVEL E A CONSERVAÇÃO DE SOLOS AGRÍCOLAS ESTUDO LEGISLAÇÃO BRASILEIRA E PROGRAMAS DO GOVERNO FEDERAL PARA O USO SUSTENTÁVEL E A CONSERVAÇÃO DE SOLOS AGRÍCOLAS ESTUDO DEZEMBRO/2014 Rodrigo Hermeto Corrêa Dolabella Consultor Legislativo da Área

Leia mais

AGENDA 21 COMPERJ Diagnóstico e Plano de Ação: 1º setor Município: Nova Friburgo

AGENDA 21 COMPERJ Diagnóstico e Plano de Ação: 1º setor Município: Nova Friburgo SEÇÃO I DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS Capítulo 1 Cenário 3 Integração das preocupações relativas ao meio ambiente e desenvolvimento 1 - Ocupação irregular de encostas devido ao desenvolvimento urbano

Leia mais

DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO E COMUNICAÇÃO (Tecnologia, Inclusão Digital e Comunicação)

DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO E COMUNICAÇÃO (Tecnologia, Inclusão Digital e Comunicação) DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO E COMUNICAÇÃO (Tecnologia, Inclusão Digital e Comunicação) OBJETIVOS E METAS 1. Garantir a inclusão digital, instalando computadores nas escolas públicas de ensino fundamental

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO CONSULTOR

TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO CONSULTOR TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO CONSULTOR NOME DO PROJETO: PROJETO DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL INTEGRADO E SUSTENTÁVEL PDRIS Nº ACORDO EMPRÉSTIMO: 8185-0/BR NÃO OBJEÇÃO - (TERMO DE REFERÊNCIA) Nº DO TDR:

Leia mais

AGENDA 21 COMPERJ Diagnóstico e Plano de Ação: 1º setor Município: Itaboraí

AGENDA 21 COMPERJ Diagnóstico e Plano de Ação: 1º setor Município: Itaboraí SEÇÃO I DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS Capítulo 1 Cenário 3 Integração das preocupações relativas ao meio ambiente e desenvolvimento 1 O impacto de empreendimento frente à fragilidade institucional para

Leia mais

Governo Municipal de Salinópolis ORÇAMENTO PROGRAMA PARA 2013 - Consolidado

Governo Municipal de Salinópolis ORÇAMENTO PROGRAMA PARA 2013 - Consolidado 01 Camara Municipal Atribuições: Legislar com a sanção do Prefeito municipal, sobre as matérias de competência do Município e tributos Municipais, bem como autorizar isenções e anistias fiscais e a remissão

Leia mais

Município de Capanema - PR

Município de Capanema - PR LEI Nº. 1.557, DE 20 DE MAIO DE 2015. Dispõe sobre a política municipal de resíduos sólidos do Município de Capanema e dá outras providências. A Câmara Municipal de Capanema, Estado do Paraná, aprovou

Leia mais

LEI Nº 008/2003, DE 01 DE JULHO DE 2003. A CÂMARA MUNICIPAL DE RESERVA, Estado do Paraná, aprovou, e eu Prefeito Municipal, sanciono a seguinte LEI:

LEI Nº 008/2003, DE 01 DE JULHO DE 2003. A CÂMARA MUNICIPAL DE RESERVA, Estado do Paraná, aprovou, e eu Prefeito Municipal, sanciono a seguinte LEI: LEI Nº 008/2003, DE 01 DE JULHO DE 2003. Súmula: Dispõe sobre as diretrizes orçamentárias para o ano 2.004 e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE RESERVA, Estado do Paraná, aprovou, e eu Prefeito

Leia mais

ESTADO DO ACRE MUNICÍPIO DE SANTA ROSA DO PURUS LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIA

ESTADO DO ACRE MUNICÍPIO DE SANTA ROSA DO PURUS LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIA Lei nº 010/2015 DE 28 DE OUTUBRO DE 2015. Dispõe sobre as Diretrizes Orçamentárias para o Exercício Financeiro de 2016 e dá outras providencias. O Prefeito Municipal de Santa Rosa do Purus, Estado do Acre,

Leia mais

Barra Velha (Santa Catarina), Brazil

Barra Velha (Santa Catarina), Brazil Barra Velha (Santa Catarina), Brazil Relatório do progresso local sobre a implementação do Quadro de Ação de Hyogo (2013-2014) Prefeito: Claudemir Matias Francisco Nome do ponto focal: Elton Cesar Cunha

Leia mais

REF.: RELATÓRIO FINAL DAS PROPOSTAS APRESENTADAS E DEBATIDAS NAS REUNIÕES E MESA DE DEBATES SOBRE PLANO DIRETOR RURAL.

REF.: RELATÓRIO FINAL DAS PROPOSTAS APRESENTADAS E DEBATIDAS NAS REUNIÕES E MESA DE DEBATES SOBRE PLANO DIRETOR RURAL. 1 REF.: RELATÓRIO FINAL DAS PROPOSTAS APRESENTADAS E DEBATIDAS NAS REUNIÕES E MESA DE DEBATES SOBRE PLANO DIRETOR RURAL. MEMBROS DA COMISSÃO : Eng.ª Agr.ª Clarissa Chufalo Pereira Lima Eng.º Agr. Denizart

Leia mais

P L A N O D E G O V E R N O P R O G R E S S I S T A

P L A N O D E G O V E R N O P R O G R E S S I S T A P L A N O D E G O V E R N O P R O G R E S S I S T A Realizar uma gestão com desenvolvimento social e econômico sustentáveis. Eficiência na geração e aplicação dos recursos públicos. PP SIGNIFICA P R I

Leia mais

COMISSÃO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA, ABASTECIMENTO E DESENVOLVIMENTO RURAL

COMISSÃO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA, ABASTECIMENTO E DESENVOLVIMENTO RURAL COMISSÃO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA, ABASTECIMENTO E DESENVOLVIMENTO RURAL PROJETO DE LEI N o 1.548, DE 2015 Dispõe sobre a criação, gestão e manejo de Reserva Particular do Patrimônio Natural RPPN, e dá

Leia mais

A discussão resultou nos pontos sintetizados abaixo:

A discussão resultou nos pontos sintetizados abaixo: Oficina em Ilhabela Relatoria da Plenária Final Esta oficina, realizada no dia 28 de março de 2012, no Hotel Ilhabela, na sede do município, faz parte do processo de escuta comunitária no âmbito do projeto

Leia mais

Ministério do Meio Ambiente. Secretaria de Articulação Institucional e Cidadania Ambiental

Ministério do Meio Ambiente. Secretaria de Articulação Institucional e Cidadania Ambiental Ministério do Meio Ambiente Secretaria de Articulação Institucional e Cidadania Ambiental Departamento de Cidadania e Responsabilidade Socioambiental Programa Agenda 21 A Agenda 21 Global, Global assinada

Leia mais

TEMAS PRIORITÁRIOS PARA ALOCACÃO DE RECURSOS DO GEF-6 - POR ÁREA FOCAL 26/03/15

TEMAS PRIORITÁRIOS PARA ALOCACÃO DE RECURSOS DO GEF-6 - POR ÁREA FOCAL 26/03/15 TEMAS PRIORITÁRIOS PARA ALOCACÃO DE RECURSOS DO GEF-6 - POR ÁREA FOCAL 26/03/15 A definição das prioridades de financiamento de projetos com recursos do Fundo para o Meio Ambiente Mundial (GEF) faz parte

Leia mais

ELEIÇÕES 2008 A RELAÇÃO ENTRE VEREADORES, ADMINISTRAÇÕES PETISTAS E O MOVIMENTO SINDICAL SUGESTÕES

ELEIÇÕES 2008 A RELAÇÃO ENTRE VEREADORES, ADMINISTRAÇÕES PETISTAS E O MOVIMENTO SINDICAL SUGESTÕES ELEIÇÕES 2008 A RELAÇÃO ENTRE VEREADORES, ADMINISTRAÇÕES PETISTAS E O MOVIMENTO SINDICAL 1) INTRODUÇÃO SUGESTÕES Ao longo dos seus vinte e oito anos e com a experiência de centenas de administrações que

Leia mais

UNIÃO DAS INSTITUIÇÕES DE SERVIÇOS, ENSINO E PESQUISA LTDA. PASTA P R O E R S

UNIÃO DAS INSTITUIÇÕES DE SERVIÇOS, ENSINO E PESQUISA LTDA. PASTA P R O E R S UNIÃO DAS INSTITUIÇÕES DE SERVIÇOS, ENSINO E PESQUISA LTDA. PASTA P R O E R S São Paulo ( ) / Minas Gerais ( ) 2011 1 P R O E R S 1. TÍTULO DO PROJETO (de acordo com a Linha de Extensão) : 2. ACADÊMICO:

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO SANTO ANTÔNIO DAS MISSÕES - RS BRASIL PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTO ANTÔNIO DAS MISSÕES Elaborado por: COMITE DE COORDENAÇÃO DO

Leia mais

Ação Produto(Unidade) Metas 2015 Manutenção das Atividades da Câmara Municipal Câmara Mantida(unidade) 1

Ação Produto(Unidade) Metas 2015 Manutenção das Atividades da Câmara Municipal Câmara Mantida(unidade) 1 MUNICÍPIO DE CRUZEIRO DO SUL ACRE GABINETE DO PREFEITO ANEXO I (Lei Municipal n 704, de 07/10/2015) 0001 - EXECUÇÃO DA AÇÃO LEGISLATIVA Apreciar proposição em geral, apurar fatos determinados, exercer

Leia mais

AGENDA 21 COMPERJ. Estágio DESCRIÇÃO DO CAPÍTULO ESTÁGIO PREOCUPAÇÕES POTENCIALIDADES

AGENDA 21 COMPERJ. Estágio DESCRIÇÃO DO CAPÍTULO ESTÁGIO PREOCUPAÇÕES POTENCIALIDADES DESCRIÇÃO DO CAPÍTULO ESTÁGIO PREOCUPAÇÕES POTENCIALIDADES Estágio Desejável AÇÕES Capítulo 1: Integração das preocupações relativas ao meio ambiente e Desmatamento das encostas; Administração local municipal;

Leia mais

BANCO DA AMAZÔNIA. Seminário FNO-ITINERANTE 2012. São Gabriel da Cachoeira (AM). 24/04/2012

BANCO DA AMAZÔNIA. Seminário FNO-ITINERANTE 2012. São Gabriel da Cachoeira (AM). 24/04/2012 BANCO DA AMAZÔNIA Seminário FNO-ITINERANTE 2012 São Gabriel da Cachoeira (AM). 24/04/2012 Município de São Gabriel da Cachoeira - AM Principais Destaques. Considerado um ponto estratégico pelo país e,

Leia mais

MUNICÍPIO DE CRUZEIRO DO SUL - ACRE GABINETE DO PREFEITO. ANEXO I (Lei n 513, de 22/10/2009 - Diretrizes Orçamentárias 2010)

MUNICÍPIO DE CRUZEIRO DO SUL - ACRE GABINETE DO PREFEITO. ANEXO I (Lei n 513, de 22/10/2009 - Diretrizes Orçamentárias 2010) Pág. 1 de 7 ANEXO I (Lei n 513, de 22/10/2009 - Diretrizes Orçamentárias 2010) PRIORIDADES E METAS PARA 2010 PODER LEGISLATIVO AÇÃO LEGISLATIVA - Dar apoio administrativo e garantir a manutenção das ações,

Leia mais

AGENDA 21 COMPERJ Diagnóstico e Plano de Ação: 1º setor Município: Casimiro de Abreu

AGENDA 21 COMPERJ Diagnóstico e Plano de Ação: 1º setor Município: Casimiro de Abreu Capítulo 1 Cenário 3 - Retificado para o Cenário 2 Re-retificado para o cenário 3 Integração das preocupações relativas ao meio ambiente e desenvolvimento 1 Inexistência de Forum da Agenda 21 1 - Criar

Leia mais

COLIGAÇÃO OLHAR PARA FRENTE PROGRAMA DE GOVERNO REALIZAR UMA GESTÃO COM DESENVOLVIMENTO SOCIAL E ECONÔMICO SUSTENTÁVEIS.

COLIGAÇÃO OLHAR PARA FRENTE PROGRAMA DE GOVERNO REALIZAR UMA GESTÃO COM DESENVOLVIMENTO SOCIAL E ECONÔMICO SUSTENTÁVEIS. COLIGAÇÃO OLHAR PARA FRENTE PROGRAMA DE GOVERNO REALIZAR UMA GESTÃO COM DESENVOLVIMENTO SOCIAL E ECONÔMICO SUSTENTÁVEIS. EFICIÊNCIA NA GERAÇÃO E APLICAÇÃO DOS RECURSOS PÚBLICOS. Ênfase em três diretrizes:

Leia mais

Isto posto, colocamos então as seguintes reivindicações:

Isto posto, colocamos então as seguintes reivindicações: A sociedade civil, devidamente representada pelas suas organizações sociais não governamentais e seus representantes atuantes na luta pela preservação dos recursos naturais em especial a água, os rios

Leia mais

O Programa Produtor de Água

O Programa Produtor de Água O Programa Produtor de Água Arcabouço Legal e Institucional Lei nº 9.433 de 8.01.97 Titulo I - Da Política Nacional de Recursos Hídricos Capitulo II Dos Objetivos Artigo 2º - São objetivos da Política

Leia mais

PATRUS ANANIAS DE SOUZA Ministro de Estado do Desenvolvimento Social e Combate à Fome

PATRUS ANANIAS DE SOUZA Ministro de Estado do Desenvolvimento Social e Combate à Fome apresentação do programa Brasília, maio 2007 PATRUS ANANIAS DE SOUZA Ministro de Estado do Desenvolvimento Social e Combate à Fome ONAUR RUANO Secretário Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional CRISPIM

Leia mais

MÓDULO II - DIAGNÓSTICO

MÓDULO II - DIAGNÓSTICO MÓDULO II - DIAGNÓSTICO Etapas do PMMA Organização do processo de elaboração do Plano Municipal da Mata Atlântica MOBILIZAÇÃO QUE CO SO ANÁLISE PRON CO VO Definição da Visão de Futuro DIAGNÓSTICO QUE CO

Leia mais

Plano de Educação Ambiental. 2º Biênio 2014/2016

Plano de Educação Ambiental. 2º Biênio 2014/2016 Plano de Educação Ambiental 2º Biênio 2014/2016 PROJETO JUNTOS PELO AMBIENTE Ações: Levantamento ambiental das áreas a atuar dos municípios envolvidos; Análise e discussão de resultados para os municípios

Leia mais

2ª etapa. Discussão aprofundada de cada uma das propostas aprovadas para o Plano no 7º Fórum de Saneamento. Grupos de Trabalho

2ª etapa. Discussão aprofundada de cada uma das propostas aprovadas para o Plano no 7º Fórum de Saneamento. Grupos de Trabalho 7º Fórum de Saneamento e Meio Ambiente Grupos de Trabalho As propostas aprovadas são entendidas como desejos dos usuários que devem ser transformadas em diretrizes de gestão. Grupos de Trabalho 2ª etapa

Leia mais

Código Especificação Fiscal Seg.Social Investimentos Total

Código Especificação Fiscal Seg.Social Investimentos Total 100 Fortalecimento da Atuação Legislativa 15.020.000 15.020.000 101 Fortalecimento do Controle Externo Estadual 67.755.000 67.755.000 102 Fortalecimento do Controle Externo Municipal 3.784.000 3.784.000

Leia mais

Programa Município Verde Azul 2012

Programa Município Verde Azul 2012 Programa Município Verde Azul 2012 OBJETIVOS FORTALECER o planejamento ambiental no cotidiano do Município INCENTIVAR a participação da Sociedade Civil na agenda ambiental local METAS Planos Municipais

Leia mais

Regularização Fundiária de Unidades de Conservação Federais

Regularização Fundiária de Unidades de Conservação Federais Programa 0499 Parques do Brasil Objetivo Ampliar a conservação, no local, dos recursos genéticos e o manejo sustentável dos parques e áreas de proteção ambiental. Indicador(es) Taxa de proteção integral

Leia mais

5ª CONFERÊNCIA NACIONAL DE SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL

5ª CONFERÊNCIA NACIONAL DE SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL 5ª CONFERÊNCIA NACIONAL DE SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL COMIDA DE VERDADE NO CAMPO E NA CIDADE: POR DIREITOS E SOBERANIA ALIMENTAR Os Conselhos Federal e Regionais de Nutricionistas (CFN/CRN), atendendo

Leia mais

AGENDA 21 COMPERJ. Estágio Desejado. Estágio Atual DESCRIÇÃO DO CAPÍTULO

AGENDA 21 COMPERJ. Estágio Desejado. Estágio Atual DESCRIÇÃO DO CAPÍTULO DESCRIÇÃO DO CAPÍTULO Estágio Atual PREOCUPAÇÕES POTENCIALIDADES Estágio Desejado AÇÕES PARCEIROS Capítulo : Integração das preocupações relativas ao meio ambiente e desenvolvime nto Desmatamento e queimadas

Leia mais

Conceitos básicos: Cuidar, Inovar e Avançar

Conceitos básicos: Cuidar, Inovar e Avançar PROGRAMA DE GOVERNO PAULO ALEXANDRE BARBOSA Conceitos básicos: Cuidar, Inovar e Avançar O programa de governo do candidato Paulo Alexandre Barbosa está baeado em três palavras-conceito: cuidar, inovar

Leia mais

A ECOAR E O DESENVOLVIMENTO FLORESTAL JUNTO À PEQUENA E MÉDIA PROPRIEDADE RURAL. Atuação e abordagem dos trabalhos desenvolvidos pela ECOAR

A ECOAR E O DESENVOLVIMENTO FLORESTAL JUNTO À PEQUENA E MÉDIA PROPRIEDADE RURAL. Atuação e abordagem dos trabalhos desenvolvidos pela ECOAR A ECOAR E O DESENVOLVIMENTO FLORESTAL JUNTO À PEQUENA E MÉDIA PROPRIEDADE RURAL Eduardo S. Quartim. João C. S. Nagamura. Roberto Bretzel Martins. Atuação e abordagem dos trabalhos desenvolvidos pela ECOAR

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO Nº. 05/2015 PROCESSO SELETIVO PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOAL

EDITAL DE SELEÇÃO Nº. 05/2015 PROCESSO SELETIVO PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOAL EDITAL DE SELEÇÃO Nº. 05/2015 PROCESSO SELETIVO PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOAL O Instituto Sócio Cultural, Ambiental e Tecnológico Arthur Andrade IAA, organização não governamental, sem fins lucrativos, fundado

Leia mais

Governança Solidária Local. Secretaria Municipal de Coordenação Política e Governança Local

Governança Solidária Local. Secretaria Municipal de Coordenação Política e Governança Local Governança Solidária Local Secretaria Municipal de Coordenação Política e Governança Local Fundamentos da Governança Solidária Local Induzir o Desenvolvimento Local Poder Público Criação de ambiente favorável

Leia mais

GOVERNADOR DO ESTADO DE PERNAMBUCO Eduardo Henrique de Accioly Campos. VICE-GOVERNADOR DO ESTADO DE PERNAMBUCO João Soares Lyra Neto

GOVERNADOR DO ESTADO DE PERNAMBUCO Eduardo Henrique de Accioly Campos. VICE-GOVERNADOR DO ESTADO DE PERNAMBUCO João Soares Lyra Neto GOVERNADOR DO ESTADO DE PERNAMBUCO Eduardo Henrique de Accioly Campos VICE-GOVERNADOR DO ESTADO DE PERNAMBUCO João Soares Lyra Neto SECRETÁRIA DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E MEIO AMBIENTE Luciana Barbosa de

Leia mais

COLIGAÇÃO INOVAR É PRECISO PROPOSTA DE GOVERNO 2013/2016

COLIGAÇÃO INOVAR É PRECISO PROPOSTA DE GOVERNO 2013/2016 COLIGAÇÃO INOVAR É PRECISO PROPOSTA DE GOVERNO 2013/2016 ADMINISTRAÇÃO MUNICIPAL Implantar o Plano Diretor. Implantar o Orçamento participativo. Valorização pessoal do funcionário público municipal. Implantação

Leia mais