Gisele Cristina Gosuen. Universidade Federal de São Paulo CRT em DST, Aids e Hepatites virais

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Gisele Cristina Gosuen. Universidade Federal de São Paulo CRT em DST, Aids e Hepatites virais"

Transcrição

1 Manejo de Osteopenia-Osteoporose Gisele Cristina Gosuen Universidade Federal de São Paulo CRT em DST, Aids e Hepatites virais 26/04/2014

2 Conflito de interesse Resolução CFM nº de Maio de 2000 Declaro receber ou ter recebido remuneração pela condução de pesquisas, palestras, treinamentos, consultorias e/ou patrocínio para congressos das seguintes empresas: Abbott, Gilead United Medical, Glaxo Smith Kline, Pfizer, Janssen-Cilag, Merck Sharp-Dohme/Schering-Plough, Bristol Myers Squibb e Roche

3 Definição Osteoporose é uma alteração esquelética sistêmica, caracterizada por baixa massa óssea e deteriorização da microarquitetura óssea, com consequente aumento na fragilidade óssea, predispondo a ocorrência de fratura Osteopenia: perda óssea que precede a Osteoporose J Infect Dis 2012; 205: S

4 Definição de Osteoporose - OMS JAMA Feb 14;285(6):785-95

5 Densitometria óssea (DXA) T-score < - 2,5 é classificado como Osteoporose em menopausadas e idade 50 anos Z-score - 2 é classificado como anormal em indivíduos mais jovens (< 30 anos) Clin Infect Dis Oct 15;51(8):937-46

6

7 Causas secundárias de Osteoporose Diabetes mellitus Coinfecção HCV Hipertireoidismo Deficiência de Vitamina D Hiperparatireoidismo secundário Doença renal crônica Hipogonadismo Osteoporos Int (2014) 25:

8 Tratamento menopausadas idade 50 anos T-score < - 2,5 História prévia de fratura por fragilidade Fratura de quadril 3% Fratura por fragilidade 10% Osteopenia + história de perda de altura ( 3cm) ou Rx com fratura Clin Infect Dis 2010; 51:

9 Tratamento Cálcio Vitamina D Atividade física Cessação do tabagismo e etilismo Exposição solar Clin Infect Dis 2010; 51:

10 SOCIEDADE BRASILEIRA DE DENSITOMETRIA CLÍNICA Recomendações de Cálcio e Vitamina D da NOF Crianças e Adolescentes Cálcio (Dia) Vitamina D (Dia) Grupo Populacional 3 RDI 1300mg a 3 anos 500 mg 200 UI 4 a 8 anos 800 mg 200 UI 9 a 18 anos mg 200 UI Adultos (Homens e Mulheres) Cálcio (Dia) Vitamina D (Dia) 19 a 49 anos mg UI Lácteo Unid mg Ca Estimado Leite (Copo 240 ml) 0 Iogurte (Copo 240 ml) mg mg Queijo (Fatia 28,35 g) 0 mg 4 50 anos em diante mg UI Total de Cálcio Proveniente de Lácteos 0 mg 5 Mulheres Grávidas e Lactantes Cálcio (Dia) Vitamina D (Dia) Cálcio Proveniente de Outras Fontes 150 mg 18 anos ou menos mg UI Total Geral 150 mg 6 19 anos ou mais mg UI 7 Suplemento de Cálcio Recomendado 1150 mg Preencha o campo com fundo amarelo indicando a que grupo populacional o(a) paciente pertence e, em seguida, indique nos campos com fundo branco, as quantidades médias consumidas diariamente pelo(a) paciente. O campo de fundo vermelho (suplemento recomendado) exibirá, automaticamente, a quantidade aproximada a ser prescrita.

11 Diferentes sais de cálcio Carbonato Citrato Fosfato Tribásico % Cálcio Elemento 40,0% 24,1% 38,8% Estudos Disponíveis A quem indicar? Crianças e Adolescentes Homens e mulheres de qualquer idade Grávidas e lactantes Acloridría Neo Gástrica Gastrite Atrófica Cirurgia Bariátrica Litíase Renal Homens e Mulheres > 70 anos com baixa ingestão de fósforo (raro) Intolerância a Lactose Institucionalizados Dificuldade de se alimentar Cedido pela Profa. Dra. Vera Lucia Szejnfeld

12 Vitamina D 25 OH vitamina D < 20 ng/ml= Colecalciferol: UI/dia 25 OH vitamina D < 10 ng/ml= Colecalciferol: UI/dia 25 OH vitamina D < 20 ng/ml= Osteoporose, Osteomalácia ou PTH J Infect Dis Jun;205 Suppl 3:S

13 Vitamina D 25 OH vitamina D < 20 ng/ml: UI dia EFV: 2000UI dia Corrigir o déficit previamente ao início da terapia com Bisfosfonatos para reduzir o risco de hipocalcemia, especialmente com IV e para maximizar sua eficácia (25 OH vitamina D > 30 ng/ml) Enferm Infecc Microbiol Clin. 2014;32(4): J Clin Endocrinol Metab. 2011;96: J Infect Dis. 2012;205 Suppl 3:S391 8 Curr Infect Dis Rep. 2011;13:83 93

14 Hábitos de vida Corrida ou caminhada: 30 minutos dia 3x semana Fortalecimento muscular e equilíbrio 1 hora de sol dia, antes das 10:00 ou após às 16:00 (15 minutos na hora do almoço) Cochrane Database Syst Rev Jul 6;7: CD Cochrane Database Syst Rev Sep 12;9:CD007146

15 Hábitos de vida Evitar ingestão excessiva de álcool e cessação do tabagismo: 285 ml de cerveja 30 ml de licor 120 ml de vinho 60 ml de aperitivo Osteoporos Int. 2012;23:1 16 Osteoporos Int. 2012;23:

16 Medidas específicas Terapia de reposição horminal para com menopausa precoce Terapia com testosterona para com hipogonadismo Clin Infect Dis. 2005;41: J Obstet Gynaecol Can. 2007;29: Clin Infect Dis. 2000;31: Endocrinol Metab Clin North Am. 2007;36: PLoS One. 2011;6:e28512

17 Modificação da TARV DMO e ou fratura por fragilidade Troca do Tenofovir Abacavir Troca de Inibidores da protease Raltegravir Enferm Infecc Microbiol Clin. 2014;32(4):

18 Bisfosfonatos Reduzem a reabsorção óssea Previnem a perda do osso trabecular e cortical Reduzem marcadores da reabsorção óssea Efetivos em qualquer idade Am J Med 2009; 122(2 Suppl):S14 S21

19 Efeitos adversos Irritação esofágica Dispepsia Osteonecrose de madíbula (raro) Fibrilação Atrial Neoplasia esofágica CID 2010; 51(8):

20 Tratamento farmacológico Bisfosfonatos: Alendronato 70mg/semana/5 anos VO Ácido Zoledrônico 5mg/ano/3 anos IV Enferm Infecc Microbiol Clin. 2014;32(4):

21 Teriparatida (PTH 1-34) Estimula a formação óssea Reduz o risco de fratura vertebral e não-vertebral em homens e mulheres menopausadas Pessoas com alto risco de fratura e que não responderam aos bisfosfonatos Após suspensão (2 anos) bisfosfonatos Am J Med 1993; 94: Institute of Medicine (US) Committee to Review Dietary Reference Intakes for Vitamin D and Calcium. 2011

22 Denosumab Anticorpo monoclonal humano: osteoclastogênese sobrevida e função de células dendríticas e monócitos (infecções, tumores e disfunção imunohematológica) Fraturas osteoporóticas ou múltiplos fatores de risco para fratura ou falha intolerância a tratamento prévio Efeitos colaterais: osteonecrose de mandíbula, infecções de pele graves, dermatites, rash e eczema J Infect Dis Jun;205 Suppl 3:S391-8

23 Ranelato de estrôncio Reduz a reabsorção óssea Aumenta a formação óssea Aumenta DMO coluna até 13% Aumenta DMO fêmur até 8% Reduz fraturas vertebrais em 50% Reduz fraturas de fêmur em 36% Reumatismo Oct 31;65(4):143-66

24 Conclusões DMO é comum em HIV + DMO com o início da TARV As taxas de fraturas são > em HIV + idosos A patogênese é multifatorial e muitos mecanismos ainda não estão totalmente esclarecidos > conhecimento permitiria intervenções para previnir a perda óssea e o risco de fratura

25 V E N T O S D V E R S O S O M O R B I D A D E S EVENTOS ADVERSOS EM HIV/ IDS III WORKSHOP DE COMORBIDADES E 22 e 23 de Agosto de 2014 Leques Brasil Hotel

Complicações Tardias do HIV Vitamina D e Metabolismo Ósseo

Complicações Tardias do HIV Vitamina D e Metabolismo Ósseo Complicações Tardias do HIV Vitamina D e Metabolismo Ósseo Mônica Jacques de Moraes Faculdade de Ciências Médicas da UNICAMP V Congresso Norte-Nordeste de Infectologia Fortaleza, 4 a 6 de dezembro de 2014

Leia mais

Osteoporose no Paciente Jovem. R4 André Ricardo Fuck Orientadora: Profª Drª Carolina A. M. Kulak

Osteoporose no Paciente Jovem. R4 André Ricardo Fuck Orientadora: Profª Drª Carolina A. M. Kulak Osteoporose no Paciente Jovem R4 André Ricardo Fuck Orientadora: Profª Drª Carolina A. M. Kulak Incomum em jovens e geralmente devido causa secundária Critérios densitométricos da ISCD e SBDens: Homens

Leia mais

09/07/2014. Quando avaliar e como manejar Osteopenia e Osteoporose na DPOC. Fernando Lundgren. Osteopenia e Osteoporose na DPOC doença concomitante?

09/07/2014. Quando avaliar e como manejar Osteopenia e Osteoporose na DPOC. Fernando Lundgren. Osteopenia e Osteoporose na DPOC doença concomitante? Quando avaliar e como manejar Osteopenia e Osteoporose na DPOC Fernando Lundgren Pontos para pensar Osteopenia e Osteoporose na DPOC doença concomitante? Ocorre em todo paciente com DPOC? Se relaciona

Leia mais

OSTEOPOROSE: CLASSIFICAÇÃO E DIAGNÓSTICO. Juliana Maia 04/10/11

OSTEOPOROSE: CLASSIFICAÇÃO E DIAGNÓSTICO. Juliana Maia 04/10/11 OSTEOPOROSE: CLASSIFICAÇÃO E DIAGNÓSTICO Juliana Maia 04/10/11 INTRODUÇÃO É um distúrbio osteometabólico caracterizado pela diminuição da densidade mineral óssea (DMO), com deterioração da microarquitetura

Leia mais

www.fisiofitsenior.com.br

www.fisiofitsenior.com.br www.fisiofitsenior.com.br Índice Definição... Dados estatísticos... pg 03 pg 06 Causas e fatores de risco... pg 09 Tratamentos... pg 14 Atividades físicas e osteoporose... pg 15 Nutrientes recomendados...

Leia mais

MODELO DE BULA. FORMAS FARMACÊUTICAS E APRESENTAÇÕES ENDRONAX (alendronato de sódio) 70 mg é apresentado em caixas contendo 4 comprimidos.

MODELO DE BULA. FORMAS FARMACÊUTICAS E APRESENTAÇÕES ENDRONAX (alendronato de sódio) 70 mg é apresentado em caixas contendo 4 comprimidos. MODELO DE BULA Endronax alendronato de sódio FORMAS FARMACÊUTICAS E APRESENTAÇÕES ENDRONAX (alendronato de sódio) 70 mg é apresentado em caixas contendo 4 comprimidos. USO ADULTO Via oral Composição: Cada

Leia mais

Osteoporose. Definição de osteoporose. A mais nova NIH Consensus Conference

Osteoporose. Definição de osteoporose. A mais nova NIH Consensus Conference Osteoporose Normal Bone Osteoporotic Bone Definição de osteoporose A velha para distinguir osteoporose de osteomalácia: uma quantidade reduziadade osssoque é qualitativamente normal A nova Introduz o conceito

Leia mais

Sumário. Data: 13/12/2013 NTRR 258/2013. Medicamento X Material Procedimento Cobertura

Sumário. Data: 13/12/2013 NTRR 258/2013. Medicamento X Material Procedimento Cobertura NTRR 258/2013 Solicitante: Dr. Amaury Silva, Juiz de Direito da 6.ª Vara Cível dacomarca de Governador Valadares Data: 13/12/2013 Medicamento X Material Procedimento Cobertura Número do processo:0296392-06.2013.8.13.0105

Leia mais

Osteoporose e a importância do Cálcio e Vitamina D

Osteoporose e a importância do Cálcio e Vitamina D Osteoporose e a importância do Cálcio e Vitamina D 13 th ILSI Brasil International Workshop on Functional Foods Nutrição e envelhecimento saudável Profª Associada Lígia Araújo Martini Departamento de Nutrição

Leia mais

Prolia para osteoporose

Prolia para osteoporose Data: 29/06/2013 Nota Técnica 105/2013 Número do processo: 0110170-82.2013-813.0525 Solicitante: Juiz de Direito Dr. Napoleão da Silva Chaves Réu: Estado de Minas Gerais Medicamento Material Procedimento

Leia mais

OSTEOPOROSE VS DOENÇAS NEURODEGENERATIVAS USANDO A TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA QUANTITATIVA

OSTEOPOROSE VS DOENÇAS NEURODEGENERATIVAS USANDO A TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA QUANTITATIVA Universidade do Minho Escola de Engenharia OSTEOPOROSE VS DOENÇAS NEURODEGENERATIVAS USANDO A TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA QUANTITATIVA José Artur Rodrigues Nº 55574 Orientador: Prof. Higino Correia Mestrado

Leia mais

Insuficiência de Vitamina D desafio diagnóstico!!!

Insuficiência de Vitamina D desafio diagnóstico!!! E2- Denise D. Lima Fev/2011 Caso Clínico Mulher, 61 anos, saudável Avaliação de saúde óssea Dosagem de Vit D (25 hidroxivitamina D)= 21 ng/ml Sem história de fraturas, nem histórico familiar de fratura

Leia mais

Reabilitação fisioterapêutica do idoso com osteoporose

Reabilitação fisioterapêutica do idoso com osteoporose Definição Reabilitação fisioterapêutica do idoso com osteoporose Distúrbio osteometabólico, de origem multifatorial, caracterizado pela diminuição da densidade mineral óssea e deterioração de sua micro

Leia mais

Fosamax D (alendronato de sódio, MSD/colecalciferol) Merck Sharp & Dohme Farmacêutica Ltda. Comprimidos 70 mg/2.800 UI 70 mg/5.

Fosamax D (alendronato de sódio, MSD/colecalciferol) Merck Sharp & Dohme Farmacêutica Ltda. Comprimidos 70 mg/2.800 UI 70 mg/5. Fosamax D (alendronato de sódio, MSD/colecalciferol) Merck Sharp & Dohme Farmacêutica Ltda. Comprimidos 70 mg/2.800 UI 70 mg/5.600 UI IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO FOSAMAX D (alendronato de sódio, MSD/colecalciferol)

Leia mais

Osteoporose 2. Definição de Osteoporose 3. Fisiopatologia da Osteoporose 4. Como se faz o diagnóstico de osteoporose 8 Diagnóstico 9

Osteoporose 2. Definição de Osteoporose 3. Fisiopatologia da Osteoporose 4. Como se faz o diagnóstico de osteoporose 8 Diagnóstico 9 2011/2012 Módulo V.II Endocrinologia Tema da Aula: Patologia Mineral - Osteoporose Docente: Dr. Mário Rui Mascarenhas Data: 11/01/2012 Número da Aula Previsto: 30 Desgravador: Francisca Costa, Joana Carvalho

Leia mais

PERFIL DOS PACIENTES PORTADORES DA OSTEOPOROSE ATENDIDOS PELO COMPONENTE ESPECIALIZADO DA ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA

PERFIL DOS PACIENTES PORTADORES DA OSTEOPOROSE ATENDIDOS PELO COMPONENTE ESPECIALIZADO DA ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA PERFIL DOS PACIENTES PORTADORES DA OSTEOPOROSE ATENDIDOS PELO COMPONENTE ESPECIALIZADO DA ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA Raquel Lino de Menezes 8, Francielda Geremias da Costa Luz¹, Maycon Allison Horácio de

Leia mais

Osteoporose. Conceito e Diagnóstico SPR- Reciclagem 2010

Osteoporose. Conceito e Diagnóstico SPR- Reciclagem 2010 Osteoporose Conceito e Diagnóstico SPR- Reciclagem 2010 Guadalupe Pippa Serviço de Reumatologia Hospital Heliopolis Escola de Medicina da Universidade Anhembi Morumbi Definição de Osteoporose Osteoporose

Leia mais

Ostenan. Marjan Indústria e Comércio Ltda. Comprimido Revestido Alendronato de Sódio 70mg

Ostenan. Marjan Indústria e Comércio Ltda. Comprimido Revestido Alendronato de Sódio 70mg Ostenan Marjan Indústria e Comércio Ltda. Comprimido Revestido Alendronato de Sódio 70mg Ostenan Besilato de Anlodipino FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÃO Ostenan 70 mg é apresentado em caixas com 4 comprimidos

Leia mais

APRESENTAÇÕES alendronato de sódio comprimido revestido 70 mg. Embalagem contendo 4 ou 8 comprimidos revestidos.

APRESENTAÇÕES alendronato de sódio comprimido revestido 70 mg. Embalagem contendo 4 ou 8 comprimidos revestidos. I) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO alendronato de sódio Medicamento genérico, Lei nº 9.787, de 1999 APRESENTAÇÕES alendronato de sódio comprimido revestido 70 mg. Embalagem contendo 4 ou 8 comprimidos revestidos.

Leia mais

OSTEOPOROSE. Doença óssea Metabólica

OSTEOPOROSE. Doença óssea Metabólica Doença óssea Metabólica OSTEOPOROSE É um distúrbio ósseo, metabólico, caracterizado por um declínio gradual, na massa óssea absoluta, com preservação do processo de mineralização. 0 declínio da densidade

Leia mais

Osteoporose Prevenção e Tratamento

Osteoporose Prevenção e Tratamento Osteoporose Prevenção e Tratamento ANDRÉA ASCENÇÃO MARQUES Abril 2013 amarques@reumahuc.org Osteoporose É uma doença onde existe baixa densidade óssea microarquitetura do osso. e deterioração da Osso com

Leia mais

PREVALÊNCIA DE OSTEOPOROSE E CONDUTA TERAPÊUTICA EM MULHERES NA PÓS-MENOPAUSA ATENDIDAS POR UMA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE DE MANDAGUAÇU - PR

PREVALÊNCIA DE OSTEOPOROSE E CONDUTA TERAPÊUTICA EM MULHERES NA PÓS-MENOPAUSA ATENDIDAS POR UMA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE DE MANDAGUAÇU - PR ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 PREVALÊNCIA DE OSTEOPOROSE E CONDUTA TERAPÊUTICA EM MULHERES NA PÓS-MENOPAUSA ATENDIDAS POR UMA UNIDADE

Leia mais

TRIAGEM DE OSTEOPOROSE E OSTEOPENIA EM PACIENTES DO SEXO FEMININO, ACIMA DE 45 ANOS E QUE JÁ ENTRARAM NA MENOPAUSA

TRIAGEM DE OSTEOPOROSE E OSTEOPENIA EM PACIENTES DO SEXO FEMININO, ACIMA DE 45 ANOS E QUE JÁ ENTRARAM NA MENOPAUSA TRIAGEM DE OSTEOPOROSE E OSTEOPENIA EM PACIENTES DO SEXO FEMININO, ACIMA DE 45 ANOS E QUE JÁ ENTRARAM NA MENOPAUSA PAULINO, Matheus Veloso 1 ; TAVEIRA, Roberto Brasil Rabelo 2 ; SILVA, Ana Paula Nascimento

Leia mais

TEMA: CINACALCETE SEVELAMER NO TRATAMENTO DO DISTÚRBIO DO METABOLISMO ÓSSEO E MINERAL DA DOENÇA RENAL CRÔNICA

TEMA: CINACALCETE SEVELAMER NO TRATAMENTO DO DISTÚRBIO DO METABOLISMO ÓSSEO E MINERAL DA DOENÇA RENAL CRÔNICA NT53/2013 Solicitante: Ilmo DR FLÁVIO BARROS MOREIRA - juiz de Direito da 1ª Vara Cível de Passos Numeração: 0115064-25.2012 Data: 23/04/2013 Medicamento X Material Procedimento Cobertura TEMA: CINACALCETE

Leia mais

Osteoporose. Disciplina de Fisiopatologia III Faculdade de Ciências Farmacêuticas da USP Departamento de Analises Clínicas e Toxicológicas 27-09-07

Osteoporose. Disciplina de Fisiopatologia III Faculdade de Ciências Farmacêuticas da USP Departamento de Analises Clínicas e Toxicológicas 27-09-07 FBC0417 - Fisiopatologia III Osteoporose Disciplina de Fisiopatologia III Faculdade de Ciências Farmacêuticas da USP Departamento de Analises Clínicas e Toxicológicas 27-09-07 Prof. Mario H. Hirata FCF-USP

Leia mais

Dossier Informativo. Osteoporose. Epidemia silenciosa que afecta 800.000 pessoas em Portugal

Dossier Informativo. Osteoporose. Epidemia silenciosa que afecta 800.000 pessoas em Portugal Dossier Informativo Osteoporose Epidemia silenciosa que afecta 800.000 pessoas em Portugal 2008 1 Índice 1. O que é a osteoporose? Pág. 3 2. Factores de risco Pág. 4 3. Prevenção Pág. 4 4. Diagnóstico

Leia mais

A ENDOCRINOLOGIA CLÍNICA

A ENDOCRINOLOGIA CLÍNICA 9º Curso Pós-Graduado NEDO A ENDOCRINOLOGIA CLÍNICA Andropausa A. Galvão-Teles Lisboa, Fevereiro de 2010 Disfunção testicular no adulto Disfunção eixo hipotálamo-hipófise-gónada Hipogonadismo Testosterona

Leia mais

Dra Adriana de O Marinho Reumatologia e Clínica Médica Fone 3223-3830

Dra Adriana de O Marinho Reumatologia e Clínica Médica Fone 3223-3830 Dra Adriana de O Marinho Reumatologia e Clínica Médica Fone 3223-3830 O que é Osteoporose? A osteoporose é uma doença freqüente que é definida como diminuição absoluta da quantidade de osso e desestruturação

Leia mais

FORTÉO Colter Pen. Eli Lilly do Brasil Ltda. Solução. 250 mcg/ml

FORTÉO Colter Pen. Eli Lilly do Brasil Ltda. Solução. 250 mcg/ml FORTÉO Colter Pen Eli Lilly do Brasil Ltda. Solução 250 mcg/ml 1 CDS23JAN14 FORTÉO Colter Pen teriparatida (derivada de ADN* recombinante) D.C.B. 08427 APRESENTAÇÕES FORTÉO Colter Pen é uma solução estéril,

Leia mais

Data: 21/06/2013. NTRR 99/2013 Solicitante: Anacleto Falci 2º Juiz de Direito Auxiliar Comarca de Governador Valadares/MG. Numeração: 0191254-50.

Data: 21/06/2013. NTRR 99/2013 Solicitante: Anacleto Falci 2º Juiz de Direito Auxiliar Comarca de Governador Valadares/MG. Numeração: 0191254-50. NTRR 99/2013 Solicitante: Anacleto Falci 2º Juiz de Direito Auxiliar Comarca de Governador Valadares/MG. Numeração: 0191254-50.2013 Data: 21/06/2013 Medicamento X Material Procedimento Cobertura TEMA:

Leia mais

www.iofbonehealth.org

www.iofbonehealth.org www.iofbonehealth.org NÃO DEIXE A OSTEOPOROSE DESACELERAR VOCÊ As aparências podem enganar. Homens que parecem fortes externamente, podem na verdade ser fracos internamente e não percebem. No mundo todo,

Leia mais

HIV e Inflamação. Mônica Jacques Moraes. Grupo de HIV/Aids Disciplina de Moléstias Infecciosas Faculdade de Ciências Médicas

HIV e Inflamação. Mônica Jacques Moraes. Grupo de HIV/Aids Disciplina de Moléstias Infecciosas Faculdade de Ciências Médicas HIV e Inflamação Mônica Jacques Moraes Grupo de HIV/Aids Disciplina de Moléstias Infecciosas Faculdade de Ciências Médicas Botucatu, 19 de junho de 2015 Rubor et tumor cum calore et dolore Cornelius Celsus,

Leia mais

DISFUNÇÕES SEXUAIS MASCULINAS

DISFUNÇÕES SEXUAIS MASCULINAS DISFUNÇÕES SEXUAIS MASCULINAS - Disfunção do desejo - Disfunção das ereções - Disfunção da ejaculação - Disfunção do orgasmo - Doença de Peyronie DISFUNÇÕES SEXUAIS MASCULINAS INTRODUÇÃO DISFUNÇÕES SEXUAIS

Leia mais

TEMA: Denosumabe (Prolia ) no tratamento da osteoporose

TEMA: Denosumabe (Prolia ) no tratamento da osteoporose NTRR 219/2013 Solicitante: Juíza de Direito Dra. Regina Célia Silva Neves Data: 15/11/2013 Medicamento X Material Procedimento Cobertura Número do processo: 0010752-47.2013.8.13.0322 Réu: Estado de Minas

Leia mais

PRIMEIRA FRATURA. FAÇA COM que A SUA SEJA A SUA ÚLTIMA. www.spodom.org. www.iofbonehealth.org

PRIMEIRA FRATURA. FAÇA COM que A SUA SEJA A SUA ÚLTIMA. www.spodom.org. www.iofbonehealth.org FAÇA COM que A SUA PRIMEIRA FRATURA SEJA A SUA ÚLTIMA www.iofbonehealth.org Sociedade Portuguesa de Osteoporose e Doenças Ósseas Metabólicas www.spodom.org O QUE É A OSTEOPOROSE? A osteoporose é uma doença

Leia mais

LEVANTAMENTO DOS FATORES DE RISCO PARA OSTEOPOROSE E QUEDAS EM VISITANTES DO ESTANDE DA LIGA DE GERIATRIA E GERONTOLOGIA DO XVI ECAM

LEVANTAMENTO DOS FATORES DE RISCO PARA OSTEOPOROSE E QUEDAS EM VISITANTES DO ESTANDE DA LIGA DE GERIATRIA E GERONTOLOGIA DO XVI ECAM LEVANTAMENTO DOS FATORES DE RISCO PARA OSTEOPOROSE E QUEDAS EM VISITANTES DO ESTANDE DA LIGA DE GERIATRIA E GERONTOLOGIA DO XVI ECAM Patrícia Azevedo Garcia 1,3,4 ; Ludmilla Pinto Guiotti Cintra 1,3,4

Leia mais

APRESENTAÇÕES Boneprev (alendronato de sódio) comprimido revestido 70 mg. Embalagem contendo 4 comprimidos revestidos.

APRESENTAÇÕES Boneprev (alendronato de sódio) comprimido revestido 70 mg. Embalagem contendo 4 comprimidos revestidos. I) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Boneprev alendronato de sódio MEDICAMENTO SIMILAR EQUIVALENTE AO MEDICAMENTO DE REFERÊNCIA APRESENTAÇÕES Boneprev (alendronato de sódio) comprimido revestido 70 mg. Embalagem

Leia mais

ZOMETA ácido zoledrônico. APRESENTAÇÕES Zometa 4 mg/100 ml - embalagem contendo 1 frasco de 100 ml de solução para infusão pronta para uso.

ZOMETA ácido zoledrônico. APRESENTAÇÕES Zometa 4 mg/100 ml - embalagem contendo 1 frasco de 100 ml de solução para infusão pronta para uso. ZOMETA ácido zoledrônico APRESENTAÇÕES Zometa 4 mg/100 ml - embalagem contendo 1 frasco de 100 ml de solução para infusão pronta para uso. VIA INTRAVENOSA USO ADULTO COMPOSIÇÃO Cada frasco de Zometa 4

Leia mais

Técnicas utilizadas na prevenção da osteoporose

Técnicas utilizadas na prevenção da osteoporose 1 Técnicas utilizadas na prevenção da osteoporose Luane Passos de Lima 1 Luane_passos@yahoo.com.br Dayana Priscila Maia Mejia 2 Pós Graduação em Ortopedia e Traumatologia com ênfase em Terapias Manuais

Leia mais

Tuberculose e imunossupressão: condições associadas de risco. Sumário. Primo-infecção. XV Curso Nacional de Atualização em Pneumologia 2014

Tuberculose e imunossupressão: condições associadas de risco. Sumário. Primo-infecção. XV Curso Nacional de Atualização em Pneumologia 2014 Tuberculose e imunossupressão: condições associadas de risco XV Curso Nacional de Atualização em Pneumologia 2014 Marcus B. Conde marcusconde@hucff.ufrj.br marcusconde@fmpfase.edu.br Sumário Primo-infecção

Leia mais

FOSAMAX (alendronato de sódio), MSD. 70 mg é apresentado em caixas contendo 2, 4, 8 ou 12 comprimidos.

FOSAMAX (alendronato de sódio), MSD. 70 mg é apresentado em caixas contendo 2, 4, 8 ou 12 comprimidos. FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÕES FOSAMAX (alendronato de sódio), MSD FOSAMAX 70 mg é apresentado em caixas contendo 2, 4, 8 ou 12 comprimidos. USO ADULTO COMPOSIÇÃO Ingrediente ativo Cada comprimido

Leia mais

OSTEOPOROSE: PREVENÇÃO E TRATAMENTO V CURSO DE REVISÃO EM REUMATOLOGIA PARA CLÍNICOS

OSTEOPOROSE: PREVENÇÃO E TRATAMENTO V CURSO DE REVISÃO EM REUMATOLOGIA PARA CLÍNICOS OSTEOPOROSE: PREVENÇÃO E TRATAMENTO V CURSO DE REVISÃO EM REUMATOLOGIA PARA CLÍNICOS Rosa M. R. Pereira Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo Disciplina de Reumatologia Propedêutica Básica

Leia mais

Darunavir de 600mg comprimidos revestidos como terapia antirretroviral para adultos infectados pelo HIV/Aids

Darunavir de 600mg comprimidos revestidos como terapia antirretroviral para adultos infectados pelo HIV/Aids Darunavir de 600mg comprimidos revestidos como terapia antirretroviral para adultos infectados pelo HIV/Aids N o 139 Março/2015 2015 Ministério da Saúde. É permitida a reprodução parcial ou total desta

Leia mais

Alendronato de sódio trihidrat

Alendronato de sódio trihidrat Material Técnico Alendronato de sódio trihidrat Identificação Fórmula Molecular: C 4 H 12 NNaO 7 P 2. 3 H 2 O Peso molecular: 325.1 DCB / DCI: 00097-Alendronato de sódio tri-hidratado CAS 121268-17-5 INCI:

Leia mais

IBANDRONATO DE SÓDIO. Actavis Farmacêutica Ltda. Comprimido simples 150 mg

IBANDRONATO DE SÓDIO. Actavis Farmacêutica Ltda. Comprimido simples 150 mg IBANDRONATO DE SÓDIO Actavis Farmacêutica Ltda. Comprimido simples 150 mg I) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO ibandronato de sódio Medicamento genérico Lei nº 9.787, de 1999 APRESENTAÇÕES Embalagens contendo

Leia mais

FORTÉO teriparatida (derivada de ADN recombinante) D.C.B. 08427

FORTÉO teriparatida (derivada de ADN recombinante) D.C.B. 08427 CDS18ABR07 FORTÉO teriparatida (derivada de ADN recombinante) D.C.B. 08427 FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÃO FORTÉO é uma solução estéril, isotônica, transparente e incolor, para administração subcutânea

Leia mais

O sistema esquelético ou sistema ósseo é formado por vários ossos, cujo estudo é chamado de osteologia.

O sistema esquelético ou sistema ósseo é formado por vários ossos, cujo estudo é chamado de osteologia. SISTEMA ESQUELÉTICO Ossos do corpo humano se juntam por meio das articulações. E são responsáveis por oferecer um apoio para o sistema muscular permitindo ao homem executar vários movimentos. O sistema

Leia mais

Paciente de Alto Risco

Paciente de Alto Risco Paciente de Alto Risco Novas Fronteiras do Bloqueio Estrogênico na Prevenção do Câncer de Mama Não há conflitos de interesse. Nunca recebi qualquer forma de pagamento ou auxílio financeiro de entidade

Leia mais

ZOMETA ácido zoledrônico

ZOMETA ácido zoledrônico ZOMETA ácido zoledrônico APRESENTAÇÕES ZOMETA 4 mg/ 5mL embalagem contendo 1 frasco-ampola de 5 ml de solução injetável concentrada para infusão. ZOMETA 4 mg/5ml + Solução Fisiológica - embalagem contendo

Leia mais

Aglucose acarbose EMS S/A. Comprimidos. 50 e 100 mg

Aglucose acarbose EMS S/A. Comprimidos. 50 e 100 mg Aglucose acarbose EMS S/A. Comprimidos 50 e 100 mg I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Aglucose acarbose USO ORAL USO ADULTO APRESENTAÇÕES Comprimidos 50 mg: Caixa contendo 4, 30 e 60 comprimidos. Comprimidos

Leia mais

Zometa. (ácido zoledrônico) Novartis Biociências SA Zometa solução injetável concentrada para infusão 4 mg/ 5mL

Zometa. (ácido zoledrônico) Novartis Biociências SA Zometa solução injetável concentrada para infusão 4 mg/ 5mL Zometa (ácido zoledrônico) Novartis Biociências SA Zometa concentrada para infusão 4 mg/ 5mL Zometa concentrada para infusão 4 mg/5ml + Solução Fisiológica Zometa solução para infusão pronta para o uso

Leia mais

Etapa 4 - Avaliação. Ex.: 2. Ex.: 3. 1ª Etapa da avaliação: Avaliação de casos clínicos:

Etapa 4 - Avaliação. Ex.: 2. Ex.: 3. 1ª Etapa da avaliação: Avaliação de casos clínicos: Etapa 4 - Avaliação 1ª Etapa da avaliação: Avaliação de casos clínicos: São enviados por e-mail 10 (dez) casos clínicos ilustrados para serem respondidos. Valor dessa etapa: 10 pontos. Serão aprovados

Leia mais

VITAMINA K2. Saúde Óssea e Cardiovascular

VITAMINA K2. Saúde Óssea e Cardiovascular Informações Técnicas VITAMINA K2 Saúde Óssea e Cardiovascular FÓRMULA MOLECULAR: C 46H 64O 2 PESO MOLECULAR: 648,99 CAS NUMBER: 2124-57-4 INTRODUÇÃO A vitamina K ocorre naturalmente em 2 formas principais:

Leia mais

Comentários sobre os Indicadores de Morbidade e Fatores de Risco até 2006

Comentários sobre os Indicadores de Morbidade e Fatores de Risco até 2006 D.2.1 Taxa de incidência de aids 1. Conceituação Número de casos novos confirmados de síndrome de imunodeficiência adquirida (aids códigos B20-B24 da CID-10), por 100 mil habitantes, na população residente

Leia mais

Mortalidade por Aids no Brasil

Mortalidade por Aids no Brasil Mortalidade por Aids no Brasil 2º Seminário de Estudos e Pesquisas em DST/HIV/Aids Dezembro, 2009 Denize Lotufo Estevam Programa Estadual de DST/Aids SP Mudanças nas causas de óbito em HIV entre 2000 e

Leia mais

Quando Tratar 30/05/2016. A redução de fraturas é como o tratamento da osteoporose: MULTIFATORIAL. Saude Geral. Perfil do paciente.

Quando Tratar 30/05/2016. A redução de fraturas é como o tratamento da osteoporose: MULTIFATORIAL. Saude Geral. Perfil do paciente. COMO CONDUZIR UM PACIENTE COM OSTEOPOROSE PILARES DO TRATAMENTO DA OSTEOPOROSE PREVENÇÃO DE FRATURAS ATIVIDADE FISICA MEDICAMENTOS LINDOMAR GUIMARÃES OLIVEIRA BALANÇO POSITIVO DE CALCIO E VITAMINA D CLINICA

Leia mais

Reposição de Testosterona. João Lindolfo C. Borges

Reposição de Testosterona. João Lindolfo C. Borges Reposição de Testosterona Benefícios e limitações João Lindolfo C. Borges Conflitode Interesse Quem devee quem não deve? 1 Quem pode não ser beneficiado pela administração de Testosterona Quem pode ser

Leia mais

PERFIL MEDICAMENTOSO DE SERVIDORES HIPERTENSOS DA UEPG

PERFIL MEDICAMENTOSO DE SERVIDORES HIPERTENSOS DA UEPG 8. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: SAÚDE PERFIL MEDICAMENTOSO DE SERVIDORES HIPERTENSOS DA UEPG HEDLER, Priscila 1 HALILA, Gerusa Clazer 2 MADALOZZO, Josiane Cristine Bachmann

Leia mais

Nome do medicamento: OSTEOPREVIX D Forma farmacêutica: Comprimido revestido Concentração: cálcio 500 mg/com rev + colecalciferol 200 UI/com rev.

Nome do medicamento: OSTEOPREVIX D Forma farmacêutica: Comprimido revestido Concentração: cálcio 500 mg/com rev + colecalciferol 200 UI/com rev. Nome do medicamento: OSTEOPREVIX D Forma farmacêutica: Comprimido revestido Concentração: cálcio 500 mg/com rev + colecalciferol 200 UI/com rev. OSTEOPREVIX D carbonato de cálcio colecalciferol APRESENTAÇÕES

Leia mais

Prof. Me. Alexandre Correia Rocha www.professoralexandrerocha.com.br alexandre.personal@hotmail.com. Prof. Me Alexandre Rocha

Prof. Me. Alexandre Correia Rocha www.professoralexandrerocha.com.br alexandre.personal@hotmail.com. Prof. Me Alexandre Rocha Prof. Me. Alexandre Correia Rocha www.professoralexandrerocha.com.br alexandre.personal@hotmail.com Docência Personal Trainer Prof. Me Alexandre Rocha 1 Quem é o Idoso? ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE SAÚDE (OMS)

Leia mais

Tema: Boceprevir para tratamento da hepatite viral crônica C associada a cirrose hepática

Tema: Boceprevir para tratamento da hepatite viral crônica C associada a cirrose hepática Data: 15/10/2012 Nota Técnica 02/2012 Solicitante: Dr. José Augusto Lourenço dos Santos Juiz de Direito da 2.ª Vara Cível de Timóteo/MG Medicamento x Material Procedimento Cobertura Tema: Boceprevir para

Leia mais

LEIA ESTA BULA ATENTAMENTE ANTES DE INICIAR O TRATAMENTO.

LEIA ESTA BULA ATENTAMENTE ANTES DE INICIAR O TRATAMENTO. LEIA ESTA BULA ATENTAMENTE ANTES DE INICIAR O TRATAMENTO. I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Epivir lamivudina APRESENTAÇÃO Epivir é apresentado sob a forma de solução oral, em frascos de 240 ml, acompanhados

Leia mais

HIV/TB Desafios. MD Teresinha Joana Dossin Infectologista HNSC / Hospital Sanatório Partenon

HIV/TB Desafios. MD Teresinha Joana Dossin Infectologista HNSC / Hospital Sanatório Partenon HIV/TB Desafios MD Teresinha Joana Dossin Infectologista HNSC / Hospital Sanatório Partenon AIDS no Brasil De 1980 até junho de 2011, o Brasil tem 608.230 casos de AIDS registrados Em 2010, taxa de incidência

Leia mais

Avaliação pré-tratamento com os DAA

Avaliação pré-tratamento com os DAA Avaliação pré-tratamento com os DAA Como lidar com a baixa elegibilidade ao tratamento em coinfectados HCV-HIV? Dra. Aline Gonzalez Vigani Médica Infectologista Grupo de Estudos das Hepatites Virais -

Leia mais

Ana Paula Barbosa, Mário Rui Mascarenhas, Manuel Bicho, Isabel do Carmo

Ana Paula Barbosa, Mário Rui Mascarenhas, Manuel Bicho, Isabel do Carmo OSTEOPOROSE IATROGÉNICA Ana Paula Barbosa, Mário Rui Mascarenhas, Manuel Bicho, Isabel do Carmo Serviço de Endocrinologia,Diabetes e Metabolismo. Hospital Universitário de Santa Maria, C.H.L.N., E.P.E.

Leia mais

NORMA DE BOA PRÁTICA CLÍNICA

NORMA DE BOA PRÁTICA CLÍNICA NÚMERO: 001/2010 DATA: 30/09/2010 ASSUNTO: PALAVRAS CHAVE: PARA: CONTACTOS: Prescrição da Osteodensitometria na Osteoporose do Adulto Osteodensitometria Médicos do Serviço Nacional de Saúde Departamento

Leia mais

Climatério. Indicações e Contraindicações. ao Uso da Terapia Hormonal

Climatério. Indicações e Contraindicações. ao Uso da Terapia Hormonal Climatério Indicações e Contraindicações ao Uso da Terapia Hormonal Profa. Dra. Miriam S Wanderley Área de Ginecologia e Obstetrícia Faculdade de Medicina/ UnB Sintomas Vasomotores Principal indicação

Leia mais

FRATURAS TORACO-LOMBARES POR OSTEOPOROSE VERTEBROPLASTIA. Simone Tortato

FRATURAS TORACO-LOMBARES POR OSTEOPOROSE VERTEBROPLASTIA. Simone Tortato FRATURAS TORACO-LOMBARES POR OSTEOPOROSE VERTEBROPLASTIA Simone Tortato OSTEOPOROSE n Distúrbio osteometabólico mais comum, caracterizado pela diminuição da densidade mineral óssea, sendo que as principais

Leia mais

Atenção à Saúde dos Idosos no Setor de Saúde

Atenção à Saúde dos Idosos no Setor de Saúde Atenção à Saúde dos Idosos no Setor de Saúde PLANO DE CUIDADOS DOS IDOSOS - OPASPLANO DE CUIDADOS DOS IDOSOS - OPAS Suplementar Martha Oliveira O Envelhecimento Populacional é um fenômeno Mundial Fonte:

Leia mais

APROVADO EM 13-11-2015 INFARMED. Folheto informativo: Informação para o utilizador Ácido alendrónico Cinfa 70 mg comprimidos Ácido alendrónico

APROVADO EM 13-11-2015 INFARMED. Folheto informativo: Informação para o utilizador Ácido alendrónico Cinfa 70 mg comprimidos Ácido alendrónico Folheto informativo: Informação para o utilizador Ácido alendrónico Cinfa 70 mg comprimidos Ácido alendrónico Leia com atenção todo este folheto antes de começar a tomar este medicamento, pois contém informação

Leia mais

METÁSTASES ÓSSEAS. Felipe Trevisan Radioterapia HCFMRP USP. Fevereiro de 2012

METÁSTASES ÓSSEAS. Felipe Trevisan Radioterapia HCFMRP USP. Fevereiro de 2012 METÁSTASES ÓSSEAS Felipe Trevisan Radioterapia HCFMRP USP Fevereiro de 2012 Epidemiologia Grande parte das 500.000 mortes anuais estão relacionadas a metástases Metástases ósseas estão em terceiro lugar

Leia mais

Alterações ósseas nas doenças hepáticas. Luciana Lofêgo Gonçalves

Alterações ósseas nas doenças hepáticas. Luciana Lofêgo Gonçalves Alterações ósseas nas doenças hepáticas Luciana Lofêgo Gonçalves Doença metabólica óssea na cirrose OSTEOPOROSE Redução da massa óssea. Frequente na doença hepática. OSTEOMALÁCIA Defeito na mineralização

Leia mais

Caso Clínico: Incontinência Urinária

Caso Clínico: Incontinência Urinária Caso Clínico: Incontinência Urinária e Prolapso Genital Luiz Gustavo Oliveira Brito Médico Assistente Setor de Uroginecologia, Cirurgia Ginecológica e Reconstrutiva Pélvica Departamento de Ginecologia

Leia mais

PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DOS PACIENTES CADASTRADOS NO SISTEMA HIPERDIA DO MUNICÍPIO DE SANTA MARIA, RS

PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DOS PACIENTES CADASTRADOS NO SISTEMA HIPERDIA DO MUNICÍPIO DE SANTA MARIA, RS PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DOS PACIENTES CADASTRADOS NO SISTEMA HIPERDIA DO MUNICÍPIO DE SANTA MARIA, RS Michele Muller 1 Gabriele Bester Hermes 2 Liziane Maahs Flores 3 1 Apresentadora, Acadêmica do Curso

Leia mais

Posições Oficiais ISCD 2007

Posições Oficiais ISCD 2007 342 North Main Street West Hartford, CT 06117 PH: 860.586.7563 Fax: 860.586.7550 www.iscd.org Posições Oficiais ISCD 2007 A Sociedade Internacional de Densitometria Clínica (ISCD) é uma instituição multidisciplinar,

Leia mais

ZOLADEX 3,6 mg e ZOLADEX LA 10,8 mg (acetato de gosserrelina)

ZOLADEX 3,6 mg e ZOLADEX LA 10,8 mg (acetato de gosserrelina) ZOLADEX 3,6 mg e ZOLADEX LA 10,8 mg (acetato de gosserrelina) I) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO ZOLADEX acetato de gosserrelina APRESENTAÇÃO Atenção: seringa com sistema de proteção da agulha Depot de 3,6

Leia mais

OSTEOFORM alendronato de sódio

OSTEOFORM alendronato de sódio OSTEOFORM alendronato de sódio EMS Sigma Pharma Ltda. Comprimido 70mg IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO OSTEOFORM alendronato de sódio APRESENTAÇÕES Osteoform 70mg, embalagens contendo 2, 4, 8 e 12 comprimidos.

Leia mais

Caldê. carbonato de cálcio + colecalciferol (vit. D 3 ) APRESENTAÇÕES Comprimidos mastigáveis em frascos plásticos com 20 e 60 comprimidos.

Caldê. carbonato de cálcio + colecalciferol (vit. D 3 ) APRESENTAÇÕES Comprimidos mastigáveis em frascos plásticos com 20 e 60 comprimidos. Caldê carbonato de cálcio + colecalciferol (vit. D 3 ) APRESENTAÇÕES Comprimidos mastigáveis em frascos plásticos com 20 e 60 comprimidos. VIA ORAL USO ADULTO E PEDIÁTRICO ACIMA DE 1 ANO COMPOSIÇÃO Cada

Leia mais

n Calcium Sandoz + Vitamina C laranja carbonato de cálcio lactogliconato de cálcio ácido ascórbico

n Calcium Sandoz + Vitamina C laranja carbonato de cálcio lactogliconato de cálcio ácido ascórbico Calcium Sandoz + Vitamina C laranja carbonato de cálcio lactogliconato de cálcio ácido ascórbico Forma farmacêutica, via de administração e apresentação: Comprimidos efervescentes. Uso oral. Embalagem

Leia mais

Avaliação do risco de fratura por desmineralização óssea

Avaliação do risco de fratura por desmineralização óssea Avaliação do risco de fratura por desmineralização óssea Gisela Alice Soares Leite Relatório Final do Trabalho de Projeto apresentado à Escola Superior de Tecnologia e de Gestão Instituto Politécnico de

Leia mais

Olhar do especialista

Olhar do especialista Olhar do especialista Opinião do especialista sobre a sua prática clinica ou acerca de um tema relevante OSTEOPOROSE: UM PROBLEMA COM INÍCIO NA INFÂNCIA Osteoporosis: a problem that starts in childhood

Leia mais

Incontinência urinária: o estudo urodinâmicoé indispensável?

Incontinência urinária: o estudo urodinâmicoé indispensável? Mariana Olival da Cunha marianaolival@ig.com.br Incontinência urinária: o estudo urodinâmicoé indispensável? Mariana Olival da Cunha (R2) Orientadora: Dra. Rebecca Sotelo Definições* IU: perda involuntária

Leia mais

Influência do peso corporal no tratamento adjuvante do câncer de mama

Influência do peso corporal no tratamento adjuvante do câncer de mama Influência do peso corporal no tratamento adjuvante do câncer de mama Declaro não haver conflito de interesse Dra Maria Cecília Monteiro Dela Vega Médica Oncologista Clínica- CEBROM e Hospital Araujo Jorge

Leia mais

Sumário. Aids: a magnitude do problema. A epidemia no Brasil. Característica do Programa brasileiro de aids

Sumário. Aids: a magnitude do problema. A epidemia no Brasil. Característica do Programa brasileiro de aids Sumário Aids: a magnitude do problema A epidemia no Brasil Característica do Programa brasileiro de aids Resultados de 20 anos de luta contra a epidemia no Brasil Tratamento Prevenção Direitos humanos

Leia mais

ZOLADEX 3,6 mg e ZOLADEX LA 10,8 mg acetato de gosserrelina

ZOLADEX 3,6 mg e ZOLADEX LA 10,8 mg acetato de gosserrelina ZOLADEX 3,6 mg e ZOLADEX LA 10,8 mg acetato de gosserrelina I) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO ZOLADEX acetato de gosserrelina Atenção: seringa com sistema de proteção da agulha APRESENTAÇÃO Depot de 3,6

Leia mais

Calcium Sandoz F. Calcium Sandoz FF NOVARTIS BIOCIÊNCIAS S.A. Comprimido Efervescente. 500mg de cálcio. 1.000mg de cálcio

Calcium Sandoz F. Calcium Sandoz FF NOVARTIS BIOCIÊNCIAS S.A. Comprimido Efervescente. 500mg de cálcio. 1.000mg de cálcio Calcium Sandoz F Calcium Sandoz FF NOVARTIS BIOCIÊNCIAS S.A. Comprimido Efervescente 500mg de cálcio 1.000mg de cálcio Calcium Sandoz F Calcium Sandoz FF carbonato de cálcio + lactogliconato de cálcio

Leia mais

ZOLADEX (acetato de gosserrelina) AstraZeneca do Brasil Ltda. Depot. 3,6 mg e 10,8 mg

ZOLADEX (acetato de gosserrelina) AstraZeneca do Brasil Ltda. Depot. 3,6 mg e 10,8 mg ZOLADEX (acetato de gosserrelina) AstraZeneca do Brasil Ltda. Depot 3,6 mg e 10,8 mg ZOLADEX 3,6 mg e ZOLADEX LA 10,8 mg acetato de gosserrelina I) IDENTIFICAÇÃO DO ZOLADEX acetato de gosserrelina Atenção:

Leia mais

Alterações dos tecidos ósseo e articular na terceira idade. Fluxo do conteúdo. Fluxo do conteúdo. OSTEOPOROSE Caracterização

Alterações dos tecidos ósseo e articular na terceira idade. Fluxo do conteúdo. Fluxo do conteúdo. OSTEOPOROSE Caracterização Alterações dos tecidos ósseo e articular na terceira idade Fluxo do conteúdo ALTERAÇÕES NO TECIDO ÓSSEO Prevenção Sintomas Tratamento Prof. Germano Fluxo do conteúdo ALTERAÇÕES NO TECIDO ARTICULAR Prevenção

Leia mais

EPIDEMIOLOGIA DO CÂNCER

EPIDEMIOLOGIA DO CÂNCER EPIDEMIOLOGIA DO CÂNCER EPIDEMIOLOGIA DO CÂNCER Distribuição das neoplasias em populações humanas Etiologia/Fatores de risco Prevenção/Detecção precoce Prognóstico Tratamento IMPORTÂNCIA DAS NEOPLASIAS

Leia mais

pantoprazol Merck S/A Comprimidos revestidos 20 mg

pantoprazol Merck S/A Comprimidos revestidos 20 mg pantoprazol Merck S/A Comprimidos revestidos 20 mg pantoprazol Medicamento genérico Lei nº 9.787, de 1999 20 mg APRESENTAÇÕES Pantoprazol 20 mg - Embalagens contendo 7, 14 e 28 comprimidos revestidos.

Leia mais

Prolia GlaxoSmithKline Brasil Ltda. Solução Injetável 60mg

Prolia GlaxoSmithKline Brasil Ltda. Solução Injetável 60mg Prolia GlaxoSmithKline Brasil Ltda. Solução Injetável 60mg LEIA ESTA BULA ATENTAMENTE ANTES DE INICIAR O TRATAMENTO. I IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Prolia denosumabe APRESENTAÇÃO Solução injetável. O produto

Leia mais

POLÍTICA BRASILEIRA DE ENFRENTAMENTO DA AIDS

POLÍTICA BRASILEIRA DE ENFRENTAMENTO DA AIDS Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais POLÍTICA BRASILEIRA DE ENFRENTAMENTO DA AIDS RESULTADOS, AVANÇOS E PERSPECTIVAS A Epidemia Prevenção Diagnóstico Assistência e Tratamento Sustentabilidade e

Leia mais

Papiloma Vírus Humano - HPV

Papiloma Vírus Humano - HPV VACINAÇÃO HPV 2015 Papiloma Vírus Humano - HPV O vírus HPV é altamente contagioso, sendo possível contaminar-se com uma única exposição. A sua transmissão se dá por contato direto com a pele ou mucosa

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CONSUMO DE CÁLCIO EM

AVALIAÇÃO DO CONSUMO DE CÁLCIO EM AVALIAÇÃO DO CONSUMO DE CÁLCIO EM MULHERES SAUDÁVEIS* Aline Cristina Belarmino** Camila Gravena** Debora Fabiane Pomponio** Ana Carolina Carneiro*** Introdução De todos os minerais do organismo, o cálcio

Leia mais

OSTEOPOROSE Tratamento para Mulheres

OSTEOPOROSE Tratamento para Mulheres OSTEOPOROSE Tratamento para Mulheres Devido ao crescimento da sobrevida surgiram maiores números de problemas de saúde relacionados à idade, incluindo principalmente o aparelho locomotor. A osteoporose

Leia mais

Nebido. Bayer S.A. Solução injetável 250 mg/ml de undecilato de testosterona

Nebido. Bayer S.A. Solução injetável 250 mg/ml de undecilato de testosterona Nebido Bayer S.A. Solução injetável 250 mg/ml de undecilato de testosterona 1 Nebido undecilato de testosterona APRESENTAÇÃO: Cartucho contendo 1 ampola de vidro com 4 ml de solução injetável estéril VIA

Leia mais

ANÁLISE CUSTO-UTILIDADE DE ALTERNATIVAS PARA O PROBLEMA DAS FRATURAS DE FÊMUR OSTEOPORÓTICAS NO BRASIL

ANÁLISE CUSTO-UTILIDADE DE ALTERNATIVAS PARA O PROBLEMA DAS FRATURAS DE FÊMUR OSTEOPORÓTICAS NO BRASIL ANÁLISE CUSTO-UTILIDADE DE ALTERNATIVAS PARA O PROBLEMA DAS FRATURAS DE FÊMUR OSTEOPORÓTICAS NO BRASIL Letícia Krauss Silva ENSP/FIOCRUZ Introdução Atualmente vista como um dos problemas de saúde mais

Leia mais

NIMEGON SCHERING-PLOUGH INDÚSTRIA FARMACÊUTICA LTDA. Comprimidos Revestidos. 50 mg e 100 mg

NIMEGON SCHERING-PLOUGH INDÚSTRIA FARMACÊUTICA LTDA. Comprimidos Revestidos. 50 mg e 100 mg NIMEGON SCHERING-PLOUGH INDÚSTRIA FARMACÊUTICA LTDA. Comprimidos Revestidos 50 mg e 100 mg IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO NIMEGON fosfato de sitagliptina MEDICAMENTO SIMILAR EQUIVALENTE AO MEDICAMENTO DE

Leia mais

O TRATAMENTO DA HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA (HAS)

O TRATAMENTO DA HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA (HAS) O TRATAMENTO DA HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA (HAS) ANA CLÁUDIA LIMA RODRIGUES, KARINA FEITAL E VANESSA DINIZ DO NASCIMENTO 1. Introdução O tratamento da Hipertensão Arterial Sistêmica (HAS) inclui estratégias

Leia mais

TEMA: SORAFENIBE NO TRATAMENTO DO CÂNCER HEPATOCELULAR EM PACIENTE COM PROGRESSÃO DO TUMOR APÓS USO DE SORAFENIBE

TEMA: SORAFENIBE NO TRATAMENTO DO CÂNCER HEPATOCELULAR EM PACIENTE COM PROGRESSÃO DO TUMOR APÓS USO DE SORAFENIBE NT 14/2013 Solicitante: Ilmo Dra JACQUELINE DE SOUZA TOLEDO E DUTRA Juíza de Direito do 2º JESP da Unidade Jurisdicional do Juizado Especial da Comarca de Pouso Alegre Data: 09/02/2013 Medicamento X Material

Leia mais