JAQUES WAGNER EDUARDO SALLES WILSON JOSÉ VASCONCELOS DIAS ELIONALDO DE FARO TELES

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "JAQUES WAGNER EDUARDO SALLES WILSON JOSÉ VASCONCELOS DIAS ELIONALDO DE FARO TELES"

Transcrição

1

2

3 Governador do Estado da Bahia JAQUES WAGNER Secretário da Agricultura, Pecuária, Irrigação, Reforma Agrária, Pesca e Aquicultura (SEAGRI) EDUARDO SALLES Superintendente de Agricultura Familiar (SUAF) WILSON JOSÉ VASCONCELOS DIAS Diretor-Presidente da Empresa Baiana de Desenvolvimento Agrícola (EBDA) ELIONALDO DE FARO TELES

4 Plano Safra da Agricultura Familiar PROGRAMA VIDA MELHOR NO CAMPO Embora esta cartilha seja direcionada a um melhor entendimento do Plano Safra, e especialmente do Crédito Rural para a agricultura familiar, conheça os componentes e as ações do Programa Vida Melhor no Campo: COMPONENTE 1: ASSISTÊNCIA TÉCNICA E EXTENSÃO RURAL DE QUALIDADE Assistência Técnica Governamental (EDBA e CEPLAC) Assistência Técnica Não Governamental Capacitação de técnicos e agricultores Rede Estadual de ATER (Sistema Único de Registros e Monitoramento) Planos Territoriais de ATER (PLATER) e Municipais (PLATER-M) COMPONENTE 2: FOMENTO ÀS ATIVIDADES PRODUTIVAS Distribuição de sementes e mudas Distribuição de animais e sêmen Garantia Safra Crédito Rural Crédito Fundiário Distribuição de colméias e kits apícola Regularização Fundiária Água para Produção Distribuição de outros insumos produtivos 4

5 Governo da Bahia COMPONENTE 3: AGROINDUSTRIALIZAÇÃO E COMERCIALIZAÇÃO DA PRODUÇÃO Programa de Aquisição de Alimentos (PAA) Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE) Selo de Identificação de Produtos da Agricultura Familiar (SIPAF) Implantação de Agroindústrias e Centrais de Comercialização Bases de Serviços Territoriais de Apoio à Comercialização Apoio à gestão das agroindústrias Feiras e eventos de promoção dos produtos da agricultura familiar 5

6

7 8 Plano Safra da Agricultura Familiar 2013/2014. Mais oportunidades para quem mais precisa sumário O novo desafio é aplicar R$ 1,2 bilhão de Pronaf 12 R$ 1,674 bilhão para o fortalecimento da Agricultura familiar 11 Conheça as linhas de crédito disponíveis Mais inovações no crédito para facilitar o acesso de todos e todas Saiba como prorrogar, renegociar ou fazer composição das suas dívidas

8 Plano Safra da Agricultura Familiar PLANO SAFRA DA AGRICULTURA FAMILIAR NA BAHIA 2013/2014 MAIS OPORTUNIDADES PARA QUEM MAIS PRECISA Para as famílias de menor renda que vivem no campo e com maior dificuldade de desenvolver uma atividade econômica, o crédito rural, ao lado da assistência técnica, é o mais importante instrumento para alavancar, recuperar e expandir a produção e os serviços, promovendo, por conseqüência, o desenvolvimento rural. Por está razão, a cada ano agrícola que vai de 1º de julho de um ano a 30 de junho do ano seguinte, o Governo Federal tem ofertado para quem vive da agropecuária e de outras atividades rurais não agrícolas, como o turismo e artesanato, o PLANO SAFRA DA AGRICULTURA FAMILIAR baseado no seu principal Programa de Crédito: o PRONAF. Seguindo a mesma trajetória nacional, o Governo da Bahia, nos últimos anos, tem se esforçado para fazer o PRONAF e os demais programas instituídos no plano federal chegarem de forma mais efetiva ao nosso Estado, procurando implantar ações complementares que contribuem para ampliar a segurança alimentar e nutricional, a renda e a ascenção social dos baianos e baianas que vivem no meio rural. 8

9 Governo da Bahia Nas edições anteriores, o Governo da Bahia zerou os juros das linhas de crédito Mais Alimentos, Pronaf Jovens, Pronaf Mulher e Pronaf Semiárido; assumiu 50% do valor devido aos municípios e aos agricultores para adesão ao Programa Garantia Safra; isentou de ICMS as vendas de produtos da agricultura familiar para o PAA e para o PNAE; distribuiu sementes, mudas, animais melhorados e outros insumos para mais de 300 mil famílias; efetivou convênio com o Sebrae para apoiar à gestão de 53 agroindústrias; instituiu importantes Leis como a do Cooperativismo, a da Economia Solidária e a de Assistência Técnica e Extensão Rural. Para este PLANO SAFRA 2013/2014, além de manter todas as conquistas dos planos anteriores, o Governo da Bahia vai ampliar ainda mais a assistência técnica para alcançar 53% dos agricultores familiares do Estado; criará uma linha de crédito para o capital de giro das cooperativas na DESENBAHIA; potencializará o trabalho dos Agentes de Crédito do Programa Agroamigo do Banco do Nordeste, que a partir desta safra elaborarão propostas de crédito de até R$ 15 mil, com a disponibilização em parceira com o MDA de 158 motocicletas; dará mais apoio a reforma agrária conjugando esforços com o Banco do Brasil e a Fundação Banco do Brasil na ação denominada de assentamentos dinâmicos ; implantará em parceria com os Ministérios da Integração Nacional (MI) e Desenvolvimento Social (MDS), além da CODEVASF por meio do Programa VIDA MELHOR e PLANO BRASIL SEM MISÉRIA importantes projetos de apoio às cadeias produtivas da apicultura, da ovinocaprinocultura, da mandiocultura (RENIVA), da bovinocultura de leite, da fruticultura, das oleaginosas e do café; e estimulará o plantio em massa de palma forrageira em todo o semiárido. 9

10

11 Governo da Bahia R$ (Um bilhão, seiscentos e setenta e quatro milhões e duzentos mil reais) PARA O FORTALECIMENTO DA AGRICULTURA FAMILIAR Crédito Pronaf: R$ 1,2 bilhão ATER: R$ 144 milhões Garantia-Safra: R$ 30,6 milhões Inclusão Produtiva Editais do Programa Vida Melhor/Plano Brasil Sem Miséria: R$ 70,2 milhões Sementes e Mudas: R$ 18,4 milhões PAA: compras da agricultura familiar (MDA/MDS): R$ 50 milhões PNAE (FNDE): R$ 90 milhões PAA Sementes, Manivas, Forragens: R$ 21 milhões Fomento Plano Brasil Sem Miséria: R$ 50,5 milhões 11

12 Plano Safra da Agricultura Familiar O NOVO DESAFIO É APLICAR 1,2 BILHÃO DE PRONAF No Plano Safra 2012/2013 que se encerrou no mês de junho passado, o Estado da Bahia alcançou a aplicação de R$ 1,043 bilhão em financiamentos para a Agricultura Familiar através do Banco do Brasil e do Banco do Nordeste, mais do que o dobro do Plano Safra 2011/2012. É uma marca histórica que merece comemoração, mas também reflexão e um planejamento adequado para que a entrada de recursos do PRONAF no Estado continue crescendo. O crédito de emergência da seca e a dedicação do Banco do Nordeste na liberação dos financiamentos foi, sem dúvida, uma grande marca do Plano Safra que passou, quando foram realizadas operações nesta linha com recursos da ordem de R$ 392 milhões, equivalendo a 67% do total. Outra grande marca, foi a renovação automática de crédito de custeio do Banco do Brasil que alcançou R$ 297 milhões em operações. 12

13 Governo da Bahia Diante da expectativa de aumentar em 20% a aplicação em relação a 2012/2013, novas estratégias começam a se firmar como o Programa Agroamigo Mais do Banco do Nordeste e o redimensionamento do Programa Desenvolvimento Rural Sustentável DRS do Banco do Brasil. No primeiro caso, quase 300 Agentes de Crédito farão, além das operações de crédito do Grupo B (Agroamigo de até R$ 2,5 mil), projetos de até R$ 15 mil de todas as linhas, incluindo a do Grupo B que passou para o teto de R$ 3,5 mil. No segundo caso, os gerentes das agências do Banco do Brasil serão estimulados a organizar arranjos locais de cadeias produtivas que envolvam a assistência técnica, o beneficiamento e a comercialização da produção, planejando com os atores locais, a necessidade de crédito rural para as cadeias produtivas priorizadas. Trata-se de um cenário bastante favorável, mas que exigirá compromisso e dedicação dos agentes financeiros, participação efetivas das instituições prestadoras de serviços de ATER, monitoramento das entidades ao nível estadual para equacionar problemas locais e equilibrar a aplicação em todo o Estado e o empenho das organizações locais para apoiar e acompanhar a execução durante todo o período, levando aos níveis da direção superior dos Agentes Financeiros, eventuais situações que precisarem ser superadas. Lembrem-se: O Plano Safra é de todos nós, é uma conquista das organizações dos agricultores familiares do Brasil e não podemos deixar que seus resultados não apareçam. 13

14 Plano Safra da Agricultura Familiar MAIS INOVAÇÕES NO CRÉDITO PARA FACILITAR O ACESSO DE TODOS E TODAS Veja algumas inovações contidas neste novo Plano Safra que lhe ajuda a ter acesso a um financiamento: 99A Declaração de Aptidão ao PRONAF (DAP) passa a ter a renda calculada pelo último ano de produção normal e não mais sobre os últimos 12 meses. Desta forma, o enquadramento do agricultor passa a ser mais real e o valor potencial do crédito a tomar também (MCR 10, Seção 2, 1 f); 99Para ser enquadrado como Pronafiano, a renda bruta anual verificada, passa a ser de R$ 360 mil, excluídos os benefícios sociais e os proventos previdenciários; 99Foi aumentado o limite para o crédito de custeio e a taxa de juros caiu: nos financiamentos até R$ 10 mil, a taxa de juros é de 1,5% ao ano; nos de R$ 10 a R$ 30 mil, os juros são de 3% ao ano e; acima de R$ 30 mil até o teto de R$ 100 mil, 3,5% ao ano. O pagamento é de 1 a 2 anos; 99Para investimento, o teto aumentou para R$ 300 mil na fruticultura, avicultura e suinocultura e para R$ 150 mil para as demais atividades; 14

15 Governo da Bahia 99O limite de crédito do Grupo B (com renda bruta anual de até R$ 10 mil) passa a ser de R$ 3,5 mil e haverá um rebate especial de 40% para as operações no semiárido; 99A linha de crédito do Pronaf Mulher com operações até R$ 30 mil, passa a participar do Agroamigo e, assim, receber a orientação, acompanhamento financeiro e ter suas propostas elaboradas e apresentadas pelos Agentes de Crédito; 99Os agricultores familiares que tinham receio de receber recursos da linha de crédito do Pronaf Agroindústria ou para projetos de turismo rural para não perderem a condição de segurados especiais, agora podem ficar tranquilos: a partir deste Plano Safra está questão foi vencida e condição de segurado especial está garantida. 15

16 Plano Safra da Agricultura Familiar CONHEÇA AS LINHAS DE CRÉDITO DISPONÍVEIS CRÉDITO DE ESTIAGEM (Resoluções BACEN 4.107, e 4.215) Beneficiários: Todos os Agricultores Familiares de municípios com Decreto de Emergência por conta da seca. Valor financiável: Agricultores do Grupo B até R$ 2.500,00 e demais até R$ 12 mil, independente de outras linhas de crédito. Juros: 1% ao ano. Bonificação: Desconto de 40% para o pagamento das parcelas em dia. Prazo: Até 5 anos, com carência de até 1 ano para operações de custeio isolado e até 10 anos com carência de até 3 anos para operações de investimento com ou sem custeio associado. Finalidades: Custeio agrícola ou pecuário e investimento com até 35% de custeio destinados à estruturação das propriedades para convivência com a seca. Pedido de Contratação: Até 30 de dezembro de Observação: Como os recursos para esta linha de crédito provém do FNE, apenas o BNB será o Agente Financeiro. Contudo, na Bahia, as cooperativas de crédito conveniadas com o BNB também poderão operar. 16

17 Governo da Bahia PRONAF CUSTEIO Beneficiários: Agricultores Familiares enquadrados no Pronaf, exceto dos grupos A, A/C e B. Valor financiável: Até R$ 100 mil. Juros: 1,5% ao ano para operações até R$ 10 mil; 3% ao ano para operações entre R$ 10 mil e R$ 30 mil; e 3,5% ao ano para as operações acima de R$ 30 mil. Prazo: De acordo com o ciclo das culturas financiadas ou atividades pecuária, com vencimento sempre, em média, 90 dias após a colheita ou safra pecuária. Finalidades: Custeio das atividades agrícolas ou pecuárias e de beneficiamento ou industrialização e comercialização de produção própria ou de terceiros. Observação: Para o custeio agrícola, deverá ser observado o zoneamento agricola da cultura pretendida. PRONAF INVESTIMENTO (MAIS ALIMENTOS) Beneficiários: Agricultores Familiares enquadrados no Pronaf, exceto nos grupos A, A/C e B. Valor financiável: Até R$ 150 mil para projetos individuais e até R$ 500 mil para aquisição conjunta de máquinas e implementação agropecuária. Juros: 1% ao ano para operações até R$ 10 mil e 2% ao ano para operações com valor superior a R$ 10 mil. Prazo: Até 10 anos, com carência de até 3 anos. Finalidades: Projetos de investimento para produção associados à açafrão, arroz, café, centeio, feijão, mandioca, milho, sorgo, trigo, erva-mate, apicultura, aquicultura, avicultura, bovinocultura de corte, bovinocultura de leite, caprinocultura, fruticultura, olericultura, ovinocultura, pesca e suinocultura. Observação: Operações para fruticultura, avicultura e suinocultura poderão chegar a R$ 300 mil de limite, de acordo com o projeto técnico Somente na Bahia Juros Zero Lei n

18 Plano Safra da Agricultura Familiar MICROCRÉDITO RURAL PRODUTIVO RURAL GRUPO B Beneficiários: Agricultores(as) familiares, inclusive remanescentes de quilombos, trabalhadores rurais e indígenas que obtêm renda bruta anual de até R$ 10 mil. Valor financiável: Até R$ 3,5 mil por operação. Juros: 0,5% ao ano. Prazo: Até 02 anos. Bonificação: 25% de desconto para as parcelas pagas em dias limitadas a 3 operações (total de R$ 10,5 mil com desconto) Bonificação especial: O desconto poderá ser ampliado para 40% quando forem financiadas atividades de convivência com a seca. Finalidades: Investimentos agropecuários e não agropecuários desenvolvidos no estabelecimento rural ou áreas comunitárias próximas, assim como implantação, ampliação ou modernização da infraestrutura de produção e prestação de serviços. Admite-se também, a partir deste Plano Safra, o financiamento de custeio agrícola ou pecuário associado ao investimento. PRONAF AGROECOLOGIA Beneficiários: Agricultores familiares enquadrados no Pronaf, exceto os enquadrados nos grupos A, A/C e B. Valor financiável: Até R$ 150 mil. Juros: 1% ao ano para operações até R$ 10 mil e 2% ao ano para operações com valor superior a R$ 10 mil. Prazo: Até 10 anos, com carência, de até 3 anos. Finalidades: Investimento para implantação dos sistemas de produção agroecológicos e/ou orgânicos, conforme as normas do MDA e MAPA. 18

19 Governo da Bahia PRONAF MULHER Beneficiários: Mulheres agricultoras. Valor financiável: Até R$ 150 mil. Somente na Bahia Juros Zero Lei n Juros: 0,5% ao ano para operações até R$ 2,5 mil enquadrados nos Grupos A, A/C e B, 1% para operações até R$ 10 mil e 2% ao ano para as demais operações. Prazo: Grupos A, A/C e B : até 2 anos; demais até 10 anos, com até 2 anos de carência. Finalidades: Investimento em atividades agropecuárias, turismo rural, artesanato e outras atividades de interesse da mulher agricultora. 19

20 Plano Safra da Agricultura Familiar PRONAF ECO Beneficiários: Agricultores familiares enquadrados no PRONAF, exceto dos grupos A, A/C e B. Valor financiável: Até R$ 150 mil. Juros: 1% ao ano para operações até R$ 10 mil e 2% ao ano para operações com valor superior a R$ 10 mil. Prazo: Até 12 anos, com carência de até 5 anos, podendo chegar a 8 anos se for justificável. Finalidades: Investimento para implantação, utilização e/ou recuperação de tecnologias de energia renovável, tecnologias ambientais, armazenamento hídrico, pequenos aproveitamentos hidroenergéticos, silvicultura e correção de solo. 20

21 Governo da Bahia PRONAF ECO DENDÊ Beneficiários: Agricultores familiares enquadrados no PRONAF, exceto os classificados no grupo B. Valor financiável: Até R$ 8 mil por hectare e até R$ 80 mil por beneficiário. Juros: Até R$ 10 mil juro de 1% ao ano; acima de R$ 10 mil, juros de 2% ao ano. Prazo: Até 14 anos, com carência de até 6 anos. Finalidades: Investimento para implantação da cultura do dendê, com custeio associado para a manutenção da cultura até o quarto ano. PRONAF ECO SERINGUEIRA Beneficiários: Agricultores familiares enquadrados no PRONAF, exceto os classificados no grupo B. Valor financiável: Até R$ 15 mil por hectare e até R$ 80 mil por beneficiário. Juros: 2% ao ano. Prazo: Até 14 anos, com carência, de até 6 anos. Finalidades: Investimento para implantação da cultura do dendê, com custeio associado para a manutenção da cultura até o quarto ano. 21

22 Plano Safra da Agricultura Familiar PRONAF AGROINDÚSTRIA Beneficiários: Agricultores familiares, suas cooperativas e associações, exceto os enquadrados nos grupos A, B e A/C. Valor financiável: Até R$ 35 milhões por operação coletiva. Juros: 1% ao ano para operações até R$ 10 mil por agricultor ou R$ 1 milhão por cooperativa e de 2% ao ano para operações com valor superior. Prazo: Até 10 anos, com até 5 anos de carência. Finalidades: Investimento para o beneficiamento, o processamento e a comercialização da produção agropecuária e de produtos artesanais, incluindo até 35% para capital de giro. 22

23 PRONAF SEMIÁRIDO Somente na Bahia Juros Zero Lei n Beneficiários: Agricultores familiares enquadrados no PRONAF com propriedades no Semiárido. Valor financiável: Até R$ 18 mil. Juros: 1% ao ano. Prazo: Até 10 anos, com carência, de até 3 anos. Finalidades: Investimento em projetos de convivência com o Semiárido, focados na sustentabilidade dos agroecossistemas, priorizando projetos de infraestrutura hídrica e implantação, ampliação, recuperação ou modernização das demais infraestruturas, inclusive aquelas relacionadas com projetos de produção e serviços agropecuários e não agropecuários, de acordo com a realidade das famílias agricultoras da região Semiárida. 23

24 Plano Safra da Agricultura Familiar PRONAF JOVEM Somente na Bahia Juros Zero Lei n Beneficiários: Jovens agricultores e agricultoras maiores de 16 anos e com até 29 anos, que tenham concluído ou estejam cursando o último ano em centros familiares rurais de formação por alternância; que tenham concluído ou estejam cursando o último ano em escolas técnicas agrícolas de nível médio; que tenham participado de curso ou estágio de formação profissional que preencham os requisitos definidos pela Secretaria da Agricultura Familiar do Ministério do Desenvolvimento Agrário ou que recebam assistência técnica regular de órgão oficial ou entidade credenciadas no CEDRS. Valor financiável: Até R$15 mil. Prazo: Até 10 anos. com carência, de até 5 anos. Juros: 1% ao ano. Finalidades: Investimento para atividades agropecuárias, turismo rural, artesanato e outras atividades de interesse do(a) jovem agricultor(a). Observação: Uma mesma proposta pode ser feita por mais de 1 jovem. 24

25 Governo da Bahia PRONAF FLORESTA Beneficiários: Agricultores familiares enquadrados no Pronaf, exceto do grupo B. Valores Financiáveis: Até R$ 35 mil. Prazo: Até 20 anos, com carência de até 12 anos para sistemas agroflorestais e 12 anos com até 8 anos de carência para as demais finalidades. Juros: 1% ao ano. Finalidades: Investimento para sistemas agroflorestais, exploração extrativista ecologicamente sustentável, plano de manejo e manejo florestal, recomposição e manutenção de áreas de preservação. PRONAF CUSTEIO E COMERCIALIZAÇÃO DE AGROINDÚSTRIAS FAMILIARES Beneficiários: Destinada aos agricultores e suas cooperativas ou associações para que financiem as necessidades de custeio do beneficiamento e industrialização da produção própria e/ou de terceiros. Valor financiável: Individual até R$ 10 mil; e operações coletivas, sendo pessoa física ou outras formas jurídicas constituídas por agricultor familiar no valor até R$ 210 mil; operações para associações no valor de até R$ 4 milhões; operações para cooperativas no valor de até R$ 10 milhões e cooperativas centrais até R$ 30 milhões. Juros: 4% ao ano. Finalidades: financiamento das necessidades de custeio do beneficiamento e industrialização da produção própria e/ou de terceiros, inclusive aquisição de embalagens, rótulos, condimentos, conservantes, adoçantes e outros insumos, formação de estoques de insumos, formação de estoques de matéria-prima, formação de estoque de produto final e serviços de apoio à comercialização, adiantamentos por conta do preço de produtos entregues para venda, financiamento da armazenagem e conservação de produtos para venda futura em melhores condições de mercado. 25

26 Plano Safra da Agricultura Familiar PRONAF COTA-PARTE Beneficiários: Agricultores Familiares filiados a cooperativas de produção, com no mínimo, 70% de pronafianos, com mais de 1 ano de funcionamento. Valor financiável: Até R$ 20 mil por cooperado e R$ 20 milhões por cooperativa. Juros: 4% ao ano. Prazo: Até 06 anos, com carência de até 3 anos. Finalidade: Integralização de cotas-partes dos agricultores familiares filiados a cooperativas de produção, destinadas à aplicação em capital de giro, custeio ou investimento. PRONAF INVESTIMENTO PARA A REFORMA AGRÁRIA Beneficiários: Agricultores Familiares enquadrados no Grupo A. Valor financiável: Até R$ 20 mil Juros: 0,5% ao ano, com bônus de adimplência de 40% se pago até o vencimento. Prazo: Até 10 anos, com carência de até 5 anos Finalidade: Investimento para atividades agropecuárias mediante apresentação de projeto técnico ou proposta simplificada elaborada por instituição oficial de ATER ou credenciada no CEDRS e nos agentes financeiros. Observação: O teto do valor financiável poderá chegar a R$ 21,5 mil se for para remunerar a ATER em R$ 1,5 mil, sendo o bônus de adimplência ampliado para 44,18%. 26

27 Governo da Bahia PRONAF CUSTEIO PARA A REFORMA AGRÁRIA Beneficiários: Assentados da Reforma Agrária, enquadrados no Grupo A/C. Valor financiável: Até R$ 5 mil por operação. Juros: R$ 1,5% ao ano até 3 operações. Prazo: Até 2 anos. Finalidades: Custeio das atividades agropecuárias. 27

28 Plano Safra da Agricultura Familiar SAIBA COMO PRORROGAR, RENEGOCIAR OU FAZER COMPOSIÇÃO DAS SUAS DÍVIDAS Nos últimos anos, um conjunto de Leis do Governo Federal e de Resoluções do Banco Central do Brasil foram instituídas para prorrogar, renegociar ou compor as dívidas do crédito rural. Neste Guia, a pretensão é de apresentar, de forma simples e direta, as mais importantes destas normas que estão vigentes e que alcançam um número mais significativo de agricultores familiares. Antes de conhecer as Leis e Resoluções, é bom entender o significado destas palavras para facilitar a interpretação dos direitos e deveres que cada um ou cada uma tem ao usar uma delas: 28

29 Governo da Bahia PRORROGAÇÃO é a mudança de data de vencimento de uma parcela ou de uma operação inteira de crédito. Uma prorrogação normalmente é concedida quando ocorre uma situação de seca ou outra adversidade que dificulte o pagamento naquele dia previsto inicialmente. Neste caso, o prazo muda, mas a taxa de juros permanece a mesma, assim como as demais condições estabelecidas no contrato. RENEGOCIAÇÃO é como de fosse uma nova operação de crédito sobre aquela que existia. Neste caso, pode-se mudar não apenas o prazo de pagamento das parcelas, mas também a taxa de juros, os descontos ou bônus e ainda incluir novas condições para o pagamento da dívida. Já COMPOSIÇÃO se dá quando são juntadas várias dívidas de várias operações de crédito, mesmo que tenham sido feitas em Bancos diferentes, em ocasiões diferentes e com diferentes condições de juros, prazos e modalidades (custeio ou investimento). Para tanto, faz-se uma nova operação de crédito para pagar todas estas anteriores. Como na renegociação, na composição as condições de pagamento não levam em consideração o que estavam nas operações anteriores, mas tão somente no que ficar determinado no novo instrumento de crédito. A partir deste Plano Safra, existem normas previstas no Manual de Crédito Rural (MCR) que estabelecem como os Bancos podem fazer, de forma permanente, as prorrogações das dívidas, sem depender de novas leis do Governo Federal ou Resoluções do Banco Central (MCR e MCR ), caso sejam verificadas falta de condições do agricultor em pagar a sua parcela do financiamento. Neste caso, as parcelas das operações de investimento podem ser transferidas para 1 ano após o vencimento previsto para a última parcela e as operações de custeio para até 4 anos. Contudo, além desta possibilidade nova, a seguir estão expostos os normativos atuais que, em muitos casos, são mais vantajosos para os agricultores endividados. 29

30 Plano Safra da Agricultura Familiar RENEGOCIAÇÃO DAS DÍVIDAS Resolução BACEN (18/11/2011), com alterações das Resoluções 4.110, 4.116, e Os agricultores familiares e demais produtores enquadrados no Pronaf, com Declaração de Aptidão ao Pronaf (DAP) válida na data da contratação da operação de composição de dívidas, têm até o dia 15 de outubro de 2013 para renegociar dívidas do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf), do Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA). A data é uma oportunidade para quem aderiu à recomposição dos débitos até 28 de fevereiro de 2013, quando foi encerrado o prazo para que agricultores familiares com operações contratadas até 30 de junho de 2010 aderissem à renegociação. A renegociação pode ser com o valor de até R$ 30 mil, com juros de até 2% ao ano, em até dez parcelas anuais, sendo o vencimento da primeira parcela até 30 de dezembro de 2013 para operação contratada até 30 de abril de 2013 e em 2014, para operações contratadas a partir de 02 de maio de

31 Governo da Bahia RENEGOCIAÇÃO E COMPOSIÇÃO Lei de 19 de Julho de 2013 Esta Lei prevê a liquidação total ou parcial das dívidas dos agricultores inadimplentes do Pronaf e Não Pronaf, cujo valor contratado tinha sido menor que R$ 100 mil em uma ou mais operações, independente de ter sido feito em mais de um Banco, desde que tenha sido para o Semiárido e contratada ou contratadas até 31 de dezembro de O prazo para assinar a operação de renegociação é até 31 de dezembro de 2014, mas para suspender a execução da dívida ou fazer novos empréstimos, o agricultor deve procurar o Banco o mais rápido possível para fazer a adesão. Para pagar completamente a dívida que só pode ser feito para quem tomou até R$ 100 mil, o desconto sobre o valor atualizado vai de 50% a 85%, conforme o valor tomado. Quem tomou até R$ 15 mil, o desconto é de 85% sobre o valor atualizado do débito; quem tomou entre R$ 15 mil e R$ 35 mil, o desconto é de 85% até R$ 15 mil e de 75% sobre o que passar deste valor; quem tomou de R$ 35 mil a R$ 100 mil, a conta é a mesma: do saldo devedor até R$ 15 mil, o desconto é de 85%, sobre o saldo devedor entre R$ 15 mil e R$ 35 mil, o desconto é de 75%. Para o que passar do saldo devedor de R$ 35 mil, o desconto cai para 50%. Mas se o agricultor não tiver o dinheiro para liquidar, esta mesma Lei prevê uma linha de crédito para ele ficar em dias. Neste caso, pode abranger as operações de até R$ 200 mil para o mesmo período de contratação, qual seja até 31 de dezembro de 2006, desde que o agricultor tenha ficado inadimplente até 31 de dezembro de Os juros para esta renegociação é de 0,5% ao ano para os agricultores dos Grupos A e B, de 1% ao ano para as operações até R$ 10 mil e de 31

32 Plano Safra da Agricultura Familiar % ao ano para as operações acima de R$ 10 mil. Para quem não é Pronafiano e para as cooperativas e associações, os juros são de 3,5% ao ano. O prazo para pagar é de 10 anos com até 3 anos de carência. Para este caso da renegociação sem pagamento imediato, o desconto será de 15% sobre o valor da época do empréstimo tomado e de 15% dos juros e demais encargos financeiros. 32

33 Governo da Bahia PRORROGAÇÃO Resoluções 4.212, e Estas Resoluções do Banco Central abrangem as parcelas de custeio e investimento do PRONAF vencidas e a vencer em 2012, 2013 e 2014, dos agricultores atingidos pela seca que estavam com seus pagamentos em dias até o dia 31 de dezembro de Todas as parcelas deste período podem ser pagas até o dia 02 de janeiro de 2014 com 80% de desconto ou então em 10 parcelas anuais, com a primeira vencendo em O juro é de 1% ao ano para o valor de até R$ 10 mil e de 2% ao ano para valor maior e está previsto também o desconto de 80% sobre cada parcela nova se o agricultor pagar em dias. O prazo para assinatura da prorrogação é até 30 de dezembro de 2014, mas o pedido (adesão) deve ser feito até 30 de dezembro de

34

35 ORGANIZAÇÃO Wilson José Vasconcelos Dias Ivan Leite Fontes Leive Almeida Patrícia Maia... PRODUÇÃO EDITORIAL Superintendência de Agricultura Familiar (SEAGRI/SUAF) Empresa Baiana de Desenvolvimento Agrícola (EBDA)... Fotos Acervo: EBDA, UNICAFES Bahia Ministério do Desenvolvimento Agrário

36 SECRETARIA DA AGRICULTURA, PECUÁRIA, IRRIGAÇÃO, REFORMA AGRÁRIA, PESCA E AQUICULTURA SEAGRI SUPERINTENDÊNCIA DE AGRICULTURA FAMILIAR SUAF EMPRESA BAIANA DE DESENVOLVIMENTO AGRÍCOLA - EBDA 4ª Avenida, Centro Administrativo da Bahia CEP: Salvador/Bahia Telefone: facebook.com/seagri.bahia

O BB em Mato Grosso 1.968. Posição em Agosto/2011. Agências 571. Pontos de Atendimento. PABs + PAEs. Correspondentes. Terminais de Autoatendimento

O BB em Mato Grosso 1.968. Posição em Agosto/2011. Agências 571. Pontos de Atendimento. PABs + PAEs. Correspondentes. Terminais de Autoatendimento O BB em Mato Grosso Agências 571 Posição em Agosto/2011 Terminais de Autoatendimento Municípios com Presença do BB 267 Correspondentes 202 Número de Municípios com Presença do BB 897 126 102 PABs + PAEs

Leia mais

Ambiente de Gerenciamento do PRONAF e Programas de Crédito Fundiário

Ambiente de Gerenciamento do PRONAF e Programas de Crédito Fundiário Ambiente de Gerenciamento do PRONAF e Programas de Crédito Fundiário Janeiro - 2011 Banco do Nordeste Apoio à Agricultura Familiar Programa Nacional de Fortalecimento Da Agricultura Familiar OBJETIVO Fortalecer

Leia mais

Semana SEBRAE do Agronegócio - 2010 Agricultura Familiar - Acesso a Serviços Financeiros Desafios e Perspectivas

Semana SEBRAE do Agronegócio - 2010 Agricultura Familiar - Acesso a Serviços Financeiros Desafios e Perspectivas Semana SEBRAE do Agronegócio - 2010 Agricultura Familiar - Acesso a Serviços Financeiros Desafios e Perspectivas Brasília 2010 Adoniram Sanches Percaci SAF/MDA ÌNDICE I. Responsabilidades da Agricultura;

Leia mais

PRONAF - CONDIÇÕES DO CRÉDITO RURAL PLANO DE SAFRA 2014/2015

PRONAF - CONDIÇÕES DO CRÉDITO RURAL PLANO DE SAFRA 2014/2015 PRONAF - CONDIÇÕES DO CRÉDITO RURAL PLANO DE SAFRA 2014/2015 LINHA PÚBLICO MODALIDADE FINALIDADE CRÉDITO/TETO JUROS Pronaf Custeio MCR 10-4 familiares com renda bruta anual até R$ 360 mil. (exceto Grupo

Leia mais

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO 2014-2015 alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO O Plano Safra da Agricultura Familiar 2014/2015 Alimentos Para o Brasil vem consolidar mais de uma década de políticas públicas que melhoram a vida de quem

Leia mais

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO 2014-2015 APRESENTAÇÃO O Plano Safra da Agricultura Familiar 2014/2015 Alimentos Para o Brasil vem consolidar mais de uma década de políticas públicas que melhoram a vida de quem vive no Brasil Rural.

Leia mais

PRONAF - CONDIÇÕES DO CRÉDITO RURAL PLANO DE SAFRA 2015/2016

PRONAF - CONDIÇÕES DO CRÉDITO RURAL PLANO DE SAFRA 2015/2016 PRONAF - CONDIÇÕES DO CRÉDITO RURAL PLANO DE SAFRA 2015/2016 LINHA PÚBLICO MODALIDADE FINALIDADE CRÉDITO/TETO JUROS Pronaf Custeio MCR 10-4 faiares com renda bruta anual até R$ 360. (exceto Grupo A e A/C)

Leia mais

O Crédito e a. no BB

O Crédito e a. no BB O Crédito e a Sustentabilidade no BB O Crédito e a Sustentabilidade no BB Para efeito de concessão de crédito, os produtores são divididos da seguinte forma: Agricultura Familiar: Agricultores e Pecuaristas

Leia mais

PLANO SAFRA DA AGRICULTURA FAMILIAR 2010/2011

PLANO SAFRA DA AGRICULTURA FAMILIAR 2010/2011 PLANO SAFRA DA AGRICULTURA FAMILIAR 2010/2011 Mais crédito, mais segurança e juros menores. Do Plano Safra 2002/2003 ao Plano Safra 2010/2011, o volume de recursos oferecidos por meio do Pronaf para custeio

Leia mais

Crédito do Pronaf em R$ bilhões

Crédito do Pronaf em R$ bilhões Crédito do Pronaf em R$ bilhões 23,9 (parcial até 30/06) Crédito na safra 2015/2016 - R$ 28,9 bilhões Recursos por fonte - safra 2015/2016 Fonte Projeção (em reais) % sobre o total Poupança rural Banco

Leia mais

PRONAF. Financiamento do Desenvolvimento Rural pelo Fortalecimento da Agricultura Familiar a experiência brasileira do Pronaf.

PRONAF. Financiamento do Desenvolvimento Rural pelo Fortalecimento da Agricultura Familiar a experiência brasileira do Pronaf. PRONAF Financiamento do Desenvolvimento Rural pelo Fortalecimento da Agricultura Familiar a experiência brasileira do Pronaf. A diversidade da Agricultura familiar B: 0.4 C: 0.7 D: 0.4 E: 0.1 Cobertura

Leia mais

DILMA ROUSSEFF Presidenta da República. PATRUS ANANIAS Ministro do Desenvolvimento Agrário

DILMA ROUSSEFF Presidenta da República. PATRUS ANANIAS Ministro do Desenvolvimento Agrário DILMA ROUSSEFF Presidenta da República PATRUS ANANIAS Ministro do Desenvolvimento Agrário MARIA FERNANDA RAMOS COELHO Secretária Executiva do Ministério do Desenvolvimento Agrário MARIA LÚCIA DE OLIVEIRA

Leia mais

PLANO SAFRA DA AGRICULTURA FAMILIAR 2009/2010 MAISAGRICULTURA FAMILIAR PARA MAIS BRASILEIROS

PLANO SAFRA DA AGRICULTURA FAMILIAR 2009/2010 MAISAGRICULTURA FAMILIAR PARA MAIS BRASILEIROS PLANO SAFRA DA AGRICULTURA FAMILIAR 2009/2010 MAISAGRICULTURA FAMILIAR PARA MAIS BRASILEIROS Fortalecimento e ampliação das políticas públicas O Plano Safra da Agricultura Familiar 2009/2010 fortalece

Leia mais

OS DEZ ANOS DO PLANO SAFRA DA AGRICULTURA FAMILIAR: UM CONVITE À REFLEXÃO

OS DEZ ANOS DO PLANO SAFRA DA AGRICULTURA FAMILIAR: UM CONVITE À REFLEXÃO Observatório de Políticas Públicas para a Agricultura nº42 - julho 2012 OS DEZ ANOS DO PLANO SAFRA DA AGRICULTURA FAMILIAR: UM CONVITE À REFLEXÃO Valdemar J. Wesz Junior* Catia Grisa** Na primeira semana

Leia mais

Plano Safra da Agricultura Familiar 2014-2015

Plano Safra da Agricultura Familiar 2014-2015 Plano Safra da Agricultura Familiar 2014-2015 Crédito Pronaf - R$ 24,1 bilhões Recursos por fonte - safra 2014/2015 Fonte Projeção 14/15 (em reais) % sobre o total Poupança rural Banco do Brasil 14.710.000.000

Leia mais

F N O - PROGRAMAS DE FINANCIAMENTO

F N O - PROGRAMAS DE FINANCIAMENTO F N O - PROGRAMAS DE FINANCIAMENTO NO SETOR RURAL Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar PRONAF Programa de Financiamento às Atividades Agropecuárias Programa a de Financiamento a

Leia mais

Produtos, Serviços e Soluções. Novembro de 2015

Produtos, Serviços e Soluções. Novembro de 2015 Produtos, Serviços e Soluções Novembro de 2015 PRONAF AGROINDÚSTRIA Financiamento das necessidades de custeio do beneficiamento e industrialização da produção, da armazenagem e conservação de produtos

Leia mais

ESPAÇO RURAL ALIMENTOS PARA OS BRASILEIROS E PARA O MUNDO

ESPAÇO RURAL ALIMENTOS PARA OS BRASILEIROS E PARA O MUNDO ESPAÇO RURAL ALIMENTOS PARA OS BRASILEIROS E PARA O MUNDO Introdução O modelo de desenvolvimento rural nos últimos tempos, baseado na modernização agrícola conservou muitas das características históricas

Leia mais

A CAR E O DESENVOLVIMENTO REGIONAL DO ESTADO DA BAHIA

A CAR E O DESENVOLVIMENTO REGIONAL DO ESTADO DA BAHIA A CAR E O DESENVOLVIMENTO REGIONAL DO ESTADO DA BAHIA QUEM SOMOS Empresa pública de direito privado, vinculada à Secretaria de Desenvolvimento e Integração Regional - SEDIR, criada por Lei Estadual em

Leia mais

PLANO SAFRA DAS ÁGUAS 2010-2011

PLANO SAFRA DAS ÁGUAS 2010-2011 PLANO SAFRA DAS ÁGUAS 2010-2011 1 PLANO SAFRA DAS ÁGUAS - PESCA E AQUICULTURA BRASÍLIA-DF 2010 SUMÁRIO Pag. Apresentação...4 Novidades...5 Linhas de Crédito - Pronaf Pesca e Aquicultura...6 Linhas de Crédito

Leia mais

Informativo SPA/CONTAG Nº 001/2013

Informativo SPA/CONTAG Nº 001/2013 Anexos I, II e III Ofício Circular n o. 0001/2013/SPA/CONTAG Pág. 1 Informativo SPA/CONTAG Nº 001/2013 I. RESOLUÇÃO 4.164, DE 20/12/2012: A medida promove ajustes nos normativos do Pronaf Crédito: 1. Altera

Leia mais

PARA QUEM GOSTA DE BOAS NOTÍCIAS, ESSE É UM PRATO CHEIO.

PARA QUEM GOSTA DE BOAS NOTÍCIAS, ESSE É UM PRATO CHEIO. PARA QUEM GOSTA DE BOAS NOTÍCIAS, ESSE É UM PRATO CHEIO. Presidenta da República Dilma Rousseff Ministro de Estado do Desenvolvimento Agrário Pepe Vargas Secretário Executivo do Ministério do Desenvolvimento

Leia mais

HISTÓRIAS DA AGRICULTURA FAMILIAR QUE ALIMENTA O BRASIL QUE CRESCE.

HISTÓRIAS DA AGRICULTURA FAMILIAR QUE ALIMENTA O BRASIL QUE CRESCE. PLANO SAFRA DA AGRICULTURA FAMILIAR 2011 2012 APRESENTA SEU JOSEMAR - DF DONA INÊS - SC DONA CLAUDIONICE - BA HISTÓRIAS DA AGRICULTURA FAMILIAR QUE ALIMENTA O BRASIL QUE CRESCE. Presidenta da República

Leia mais

Linhas de Financiamento

Linhas de Financiamento A história do cooperativismo no País está relacionada ao crescimento da agricultura brasileira. E o Banco do Brasil, como principal responsável pelo impulso do nosso agronegócio, é também o banco do cooperativismo.

Leia mais

Cooperativismo Agropecuário

Cooperativismo Agropecuário Cooperativismo Agropecuário rio Camara Temática de Insumos Agropecuários Paulo Cesar Dias Junior Brasília, 25 de novembro de 2013 Sistema OCB. Você participa. Todos crescem. OCB: Atuação Representação

Leia mais

Financiamentos para o Agronegócio

Financiamentos para o Agronegócio Financiamentos para o Agronegócio Banco do Brasil Maior Parceiro do Agronegócio Carteira em Dez/2012 R$ 100 bilhões Banco do Brasil Sustentabilidade e Meio Ambiente Programa ABC Em Dezembro de 2012 R$

Leia mais

Banco do Nordeste Apoio à Agricultura Familiar

Banco do Nordeste Apoio à Agricultura Familiar Banco do Nordeste Apoio à Agricultura Familiar Programa Nacional de Fortalecimento Da Agricultura Familiar OBJETIVO Fortalecer a agricultura familiar, mediante o financiamento da infra-estrutura de produção

Leia mais

Vantagens do uso do Selo da Agricultura Familiar para os empreendimentos da Bahia

Vantagens do uso do Selo da Agricultura Familiar para os empreendimentos da Bahia Vantagens do uso do Selo da Agricultura Familiar para os empreendimentos da Bahia Guilherme Cerqueira Mateus e Souza 1 Daniel Costa Ferreira 2 Jeandro L. Ribeiro 3 1 Economista (UFBA), Consultor do PNUD/MDA/

Leia mais

Caderno de Diretrizes - lista de produtos elegíveis Consulta Popular 2015/2016

Caderno de Diretrizes - lista de produtos elegíveis Consulta Popular 2015/2016 Caderno de Diretrizes - lista de produtos elegíveis Consulta Popular 2015/2016 NOME ÓRGÃO Demanda Produto FUNDAÇÃO DE AMPARO A FOMENTO À PESQUISA, AO PESQUISA DO ESTADO DO RIO DESENVOLVIMENTO E À GRANDE

Leia mais

BANCO DA AMAZÔNIA. Seminário FNO-ITINERANTE 2012. São Gabriel da Cachoeira (AM). 24/04/2012

BANCO DA AMAZÔNIA. Seminário FNO-ITINERANTE 2012. São Gabriel da Cachoeira (AM). 24/04/2012 BANCO DA AMAZÔNIA Seminário FNO-ITINERANTE 2012 São Gabriel da Cachoeira (AM). 24/04/2012 Município de São Gabriel da Cachoeira - AM Principais Destaques. Considerado um ponto estratégico pelo país e,

Leia mais

NORMATIVOS SOBRE DÍVIDAS DO CRÉDITO RURAL DO PRONAF (VIGENTES EM 24 DE JANEIRO DE 2014)

NORMATIVOS SOBRE DÍVIDAS DO CRÉDITO RURAL DO PRONAF (VIGENTES EM 24 DE JANEIRO DE 2014) NORMATIVOS SOBRE DÍVIDAS DO CRÉDITO RURAL DO PRONAF (VIGENTES EM 24 DE JANEIRO DE ) NORMATIVO PERMANENTE DISPOSTO NO MCR 2.6.9 e MCR 10.1.24 a 26 MCR 2.6.9 Permanente Parcelas a vencer/ operações com ou

Leia mais

NORMATIVOS SOBRE DÍVIDAS DO CRÉDITO RURAL DO PRONAF (VIGENTES EM 18 DE SETEMBRO DE 2014)

NORMATIVOS SOBRE DÍVIDAS DO CRÉDITO RURAL DO PRONAF (VIGENTES EM 18 DE SETEMBRO DE 2014) NORMATIVOS SOBRE DÍVIDAS DO CRÉDITO RURAL DO PRONAF (VIGENTES EM 18 DE SETEMBRO DE 2014) NORMATIVO PERMANENTE DISPOSTO NO MCR 2.6.9 e MCR 10.1.24 a 26 MCR 2.6.9 Permanente Parcelas a vencer/ operações

Leia mais

Cliente Novo: Custeio/investimento até R$10.000; Cliente Normal: Custeio/investimento até R$ 20.000,00

Cliente Novo: Custeio/investimento até R$10.000; Cliente Normal: Custeio/investimento até R$ 20.000,00 PLANO SAFRA 20132014 LINHAS DE FINANCIAMENTO E ENQUADRAMENTO DE CRÉDITO RURAL AFEAM BANCO DO BRASIL BANCO DA AMAZÔNIA APRESENTAÇÃO O presente documento contém as principais linhas e enquadramento de crédito

Leia mais

Linhas de Crédito PISCICULTURA INVESTIMENTO CUSTEIO. Obs.: As informações atinentes às linhas de crédito estão sujeitas a alterações.

Linhas de Crédito PISCICULTURA INVESTIMENTO CUSTEIO. Obs.: As informações atinentes às linhas de crédito estão sujeitas a alterações. PISCICULTURA CUSTEIO INVESTIMENTO Obs.: As informações atinentes às linhas de crédito estão sujeitas a alterações. financiar as despesas normais de custeio da produção agrícola e pecuária. Linhas de Crédito

Leia mais

Cooperativas do Agronegócio

Cooperativas do Agronegócio Cooperativas do Agronegócio Brasília (DF), Novembro de 2009 Diretoria de Agronegócios Posicionamento Estratégico BB Atuar em cadeias de valor, apoiar o cooperativismo e o associativismo Diversificar a

Leia mais

PLANO NACIONAL DE AGROECOLOGIA E PRODUÇÃO ORGÂNICA

PLANO NACIONAL DE AGROECOLOGIA E PRODUÇÃO ORGÂNICA PLANO NACIONAL DE AGROECOLOGIA E PRODUÇÃO ORGÂNICA PLANAPO 2013-2015 Câmara Interministerial de Agroecologia e Produção Orgânica (Ciapo) Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria-Geral da Presidência

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS PARA O DESENVOLVIMENTO DO BRASIL RURAL

POLÍTICAS PÚBLICAS PARA O DESENVOLVIMENTO DO BRASIL RURAL MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO POLÍTICAS PÚBLICAS PARA O DESENVOLVIMENTO DO BRASIL RURAL Pepe Vargas Ministro de Estado do Desenvolvimento Agrário Fonte: IBGE Censo Agropecuário 2006 Os agricultores

Leia mais

Políticas Agrícolas e Comercio Internacional Acadêmicas: Jéssica Mello e Marcele Leal

Políticas Agrícolas e Comercio Internacional Acadêmicas: Jéssica Mello e Marcele Leal Políticas Agrícolas e Comercio Internacional Acadêmicas: Jéssica Mello e Marcele Leal Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (PRONAF) O Pronaf iniciou em 28 de julho de 1996, pelo

Leia mais

Programa ABC. Banco do Brasil Safra 2013/2014

Programa ABC. Banco do Brasil Safra 2013/2014 Programa ABC Banco do Brasil Safra 2013/2014 Balanço da Safra 2012/2013 Plano Safra 2012/2013 Crédito Rural - Desembolsos R$ 61,5 bilhões CRESCIMENTO de 28% em relação à safra anterior R$ 6,5 bilhões acima

Leia mais

RESOLUÇÃO BACEN Nº 3.866, DE 7 DE JUNHO DE 2010 DOU 08.06.2010

RESOLUÇÃO BACEN Nº 3.866, DE 7 DE JUNHO DE 2010 DOU 08.06.2010 RESOLUÇÃO BACEN Nº 3.866, DE 7 DE JUNHO DE 2010 DOU 08.06.2010 Dispõe sobre programas de investimento agropecuário amparados em recursos do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

Leia mais

Como negociar e assegurar as garantias que serão dadas ao banco quando se necessita de um financiamento rural do Pronaf

Como negociar e assegurar as garantias que serão dadas ao banco quando se necessita de um financiamento rural do Pronaf Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria da Agricultura Familiar Como negociar e assegurar as garantias que serão dadas ao banco quando se necessita de um financiamento rural do Pronaf 1 INTRODUÇÃO

Leia mais

Programa de Aquisição de Alimentos

Programa de Aquisição de Alimentos Programa de Aquisição de Alimentos Programa de Aquisição de Alimentos Produção Consumo Rede Socioassistencial Agricultura Familiar Inclui: Agricultores Familiares; Assentados; Povos e Comunidades Tradicionais;

Leia mais

Seminário: As Compras Institucionais a Serviço dos Agricultores Familiares. CSA, Bruxelas 23 de Abril de 2014.

Seminário: As Compras Institucionais a Serviço dos Agricultores Familiares. CSA, Bruxelas 23 de Abril de 2014. Seminário: As Compras Institucionais a Serviço dos Agricultores Familiares CSA, Bruxelas 23 de Abril de 2014. ESTRATÉGIA: SEGURANÇA E SOBERANIA ALIMENTAR X FORTALECIMENTO DA AGRICULTURA FAMILIAR Fortalecimento

Leia mais

NORMATIVOS SOBRE DÍVIDAS DO CRÉDITO RURAL DO PRONAF (VIGENTES EM 19 DE DEZEMBRO DE 2014)

NORMATIVOS SOBRE DÍVIDAS DO CRÉDITO RURAL DO PRONAF (VIGENTES EM 19 DE DEZEMBRO DE 2014) NORMATIVOS SOBRE DÍVIDAS DO CRÉDITO RURAL DO PRONAF (VIGENTES EM 19 DE DEZEMBRO DE 2014) NORMATIVO PERMANENTE DISPOSTO NO MCR 2.6.9 e MCR 10.1.24 a 26 MCR 2.6.9 Permanente Parcelas a vencer/ operações

Leia mais

O Brasil Melhorou. 36 milhões. de brasileiros saíram da pobreza em 10 anos. 42 milhões. de brasileiros ascenderam de classe.

O Brasil Melhorou. 36 milhões. de brasileiros saíram da pobreza em 10 anos. 42 milhões. de brasileiros ascenderam de classe. O Brasil Melhorou 36 milhões de brasileiros saíram da pobreza em 10 anos 42 milhões de brasileiros ascenderam de classe Fonte: SAE/PR O Brasil Melhorou O salário mínimo teve um aumento real de 70% Em 2003,

Leia mais

PARTICIPAÇÃO DA AGRICULTURA FAMILIAR NO BRASIL. Semana de Bioenergia Global Bioenergy Partnership - GBEP Brasília-DF Embrapa março de 2013

PARTICIPAÇÃO DA AGRICULTURA FAMILIAR NO BRASIL. Semana de Bioenergia Global Bioenergy Partnership - GBEP Brasília-DF Embrapa março de 2013 PARTICIPAÇÃO DA AGRICULTURA FAMILIAR NO BRASIL Semana de Bioenergia Global Bioenergy Partnership - GBEP Brasília-DF Embrapa março de 2013 INSTRUMENTOS LEGAIS INSTRUMENTOS LEGAIS 1) Lei nº 11.326/2006 Estabelece

Leia mais

I - despesas de soca e ressoca de cana-de-açúcar, abrangendo os tratos culturais, a colheita e os replantios parciais;

I - despesas de soca e ressoca de cana-de-açúcar, abrangendo os tratos culturais, a colheita e os replantios parciais; RESOLUÇÃO Nº 4.226, DE 18 DE JUNHO DE 2013 Dispõe sobre ajustes nas normas de financiamento de custeio, de investimento e de comercialização com recursos do crédito rural, a partir de 1º de julho de 2013.

Leia mais

TÍTULO 30 COMPRA COM DOAÇÃO SIMULTÂNEA CDS

TÍTULO 30 COMPRA COM DOAÇÃO SIMULTÂNEA CDS (*) 1) FINALIDADE: Aquisição de alimentos de organizações fornecedoras constituídas por público descrito no parágrafo 2º, item 4, Art. 3º da Lei Nº 11.326/2006, com vistas à doação para organizações constituídas

Leia mais

CRIAÇÃO DE GALINHA CAIPIRA INTEGRADA ÀS POLÍTICAS PÚBLICAS - Brasil Sem Miséria (BSM) e Programa de Aquisição de Alimento (PAA): A EXPERIÊNCIA DE UMA

CRIAÇÃO DE GALINHA CAIPIRA INTEGRADA ÀS POLÍTICAS PÚBLICAS - Brasil Sem Miséria (BSM) e Programa de Aquisição de Alimento (PAA): A EXPERIÊNCIA DE UMA CRIAÇÃO DE GALINHA CAIPIRA INTEGRADA ÀS POLÍTICAS PÚBLICAS - Brasil Sem Miséria (BSM) e Programa de Aquisição de Alimento (PAA): A EXPERIÊNCIA DE UMA FAMÍLIA SERRATALHADENSE. Serra Talhada, 2014 CRIAÇÃO

Leia mais

GABRIEL MOTTA DE OLIVEIRA LEITE Aprofruta, Sindicato dos Produtores Rurais de Barra do Rocha, Produtos Manjar dos Deuses e Faz.

GABRIEL MOTTA DE OLIVEIRA LEITE Aprofruta, Sindicato dos Produtores Rurais de Barra do Rocha, Produtos Manjar dos Deuses e Faz. GABRIEL MOTTA DE OLIVEIRA LEITE Aprofruta, Sindicato dos Produtores Rurais de Barra do Rocha, Produtos Manjar dos Deuses e Faz. Nova Coroa ORGANIZAÇÃO DOS PRODUTORES E POLÍTICAS PÚBLICAS NA COMERCIALIZAÇÃO

Leia mais

Políticas Públicas para o Desenvolvimento Agropecuário no Brasil

Políticas Públicas para o Desenvolvimento Agropecuário no Brasil Secretaria de Desenvolvimento Agropecuário e Cooperativismo - SDC Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento - MAPA Políticas Públicas para o Desenvolvimento Agropecuário no Brasil Reunião Regional

Leia mais

III CONGRESSO BRASILEIRO DO CACAU: INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SUSTENTABILIDADE

III CONGRESSO BRASILEIRO DO CACAU: INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SUSTENTABILIDADE III CONGRESSO BRASILEIRO DO CACAU: INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SUSTENTABILIDADE Painel 8: O papel de Instituições Públicas para Desenvolvimento da Cacauicultura Brasileira O Cacau e a Agricultura Familiar Adriana

Leia mais

2013/2014 mda.gov.br incra.gov.br

2013/2014 mda.gov.br incra.gov.br 2013/2014 2013/2014 Presidenta da República Dilma Rousseff Ministro de Estado do Desenvolvimento Agrário Pepe Vargas Secretário Executivo do Ministério do Desenvolvimento Agrário Laudemir Müller Secretário

Leia mais

FCO FUNDO CONSTITUCIONAL DE FUNDO CONSTITUCIONAL DE FINANCIAMENTO DO CENTRO-OESTE

FCO FUNDO CONSTITUCIONAL DE FUNDO CONSTITUCIONAL DE FINANCIAMENTO DO CENTRO-OESTE FCO FUNDO CONSTITUCIONAL DE FUNDO CONSTITUCIONAL DE FINANCIAMENTO DO CENTRO-OESTE QUAIS SÃO AS PRIORIDADES DO FCO? O QUE É O FCO? O Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste (FCO) foi criado

Leia mais

VIII Simpósio Técnicas de Plantio e Manejo de Eucalipto para Usos Múltiplos

VIII Simpósio Técnicas de Plantio e Manejo de Eucalipto para Usos Múltiplos VIII Simpósio Técnicas de Plantio e Manejo de Eucalipto para Usos Múltiplos Linhas de crédito para o setor florestal Homero José Rochelle Engº Agrônomo ESALQ 1979 Plano de Safra 2014/2015 MAPA - Ministério

Leia mais

Compra Direta Local da Agricultura Familiar do Recife

Compra Direta Local da Agricultura Familiar do Recife Prefeitura da Cidade do Recife Secretaria de Desenvolvimento Econômico PROGRAMA DE AQUISIÇÃO DE ALIMENTOS Compra Direta Local da Agricultura Familiar do Recife Recife, 2004 Preâmbulo O presente projeto

Leia mais

P L O Í L TI T CA C S A S DA D A SE S D E R D A R F A F PA P R A A R A A

P L O Í L TI T CA C S A S DA D A SE S D E R D A R F A F PA P R A A R A A POLÍTICAS DA SEDRAF PARA A POLÍTICAS DA SEDRAF PARA A AGRICULTURA FAMILIAR Implantada conforme o Art. 5º da Lei Complementar nº 413, de 20 de dezembro de 2010. MISSÃO: Gerir as Políticas de Desenvolvimento

Leia mais

ESPELHO DE EMENDAS DE ACRÉSCIMO DE META

ESPELHO DE EMENDAS DE ACRÉSCIMO DE META SISTEMA DE ELABORAÇÃO DE S ÀS LEIS ORÇAMENTÁRIAS Página: 240 de 2619 ESPELHO DE S DE ACRÉSCIMO DE META 1 DESAFIO 7 Reduzir as desigualdades regionais e intra-regionais com integração das múltiplas escalas

Leia mais

TÍTULO. Políticas de Financiamento e Proteção da Produção - MDA

TÍTULO. Políticas de Financiamento e Proteção da Produção - MDA TÍTULO Políticas de Financiamento e Proteção da Produção - MDA Lei 11.326/06 Art. 3o Para os efeitos desta Lei, considera-se agricultor familiar e empreendedor familiar rural aquele que pratica atividades

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS - IFSULDEMINAS PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS - IFSULDEMINAS PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS - IFSULDEMINAS PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO Regulamento 2ª Olimpíada Brasileira de Agropecuária OBAP 1.

Leia mais

Crédito Agro Principais Linhas de Crédito. Fortaleza (CE), maio de 2014

Crédito Agro Principais Linhas de Crédito. Fortaleza (CE), maio de 2014 Crédito Agro Principais Linhas de Crédito Fortaleza (CE), maio de 2014 Agricultura Familiar Principais Linhas de Crédito Pronaf Custeio - Beneficiários: Agricultores familiares, exceto dos grupos A e B;

Leia mais

PROGRAMA DE FOMENTO DE OPORTUNIDADES COMERCIAIS PARA PEQUENOS PRODUTORES RURAIS TERMO DE REFERÊNCIA

PROGRAMA DE FOMENTO DE OPORTUNIDADES COMERCIAIS PARA PEQUENOS PRODUTORES RURAIS TERMO DE REFERÊNCIA IICA INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA BID BANCO INTERAMERICANO DE DESENVOLVIMENTO FLS FUNDAÇÃO LYNDOLPHO SILVA SEBRAE SERVIÇO BRASILEIRO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS PROGRAMA

Leia mais

PRONAMP PROGRAMA NACIONAL DE APOIO AO MÉDIO PRODUTOR RURAL. novembro de 2013

PRONAMP PROGRAMA NACIONAL DE APOIO AO MÉDIO PRODUTOR RURAL. novembro de 2013 PRONAMP PROGRAMA NACIONAL DE APOIO AO MÉDIO PRODUTOR RURAL novembro de 2013 EVOLUÇÃO DO FINANCIAMENTO RURAL 160,0 1200% 140,0 1100% 1000% 120,0 900% BILHÕES 100,0 80,0 60,0 40,0 424% 349% 800% 700% 600%

Leia mais

BANCO DO BRASIL. Seminário de Sensibilização do Programa ABC

BANCO DO BRASIL. Seminário de Sensibilização do Programa ABC BANCO DO BRASIL Seminário de Sensibilização do Programa ABC LINHAS DE CRÉDITO Crédito Rural; Pronaf; Fundos Constitucionais. CRÉDITO RURAL Suprimento de recursos financeiros, disponibilizados por instituições

Leia mais

Agricultura de Baixo Carbono e Extensão Rural: O contexto da Agricultura Familiar. Brasília, Junho 2013

Agricultura de Baixo Carbono e Extensão Rural: O contexto da Agricultura Familiar. Brasília, Junho 2013 Agricultura de Baixo Carbono e Extensão Rural: O contexto da Agricultura Familiar Brasília, Junho 2013 A AGRICULTURA FAMILIAR NO BRASIL Fonte: Censo Agropecuário 2006 - IBGE A AGRICULTURA FAMILIAR NO BRASIL

Leia mais

2. inadimplência na data de publicação desta Resolução, contratadas até 30 de junho de 2010;

2. inadimplência na data de publicação desta Resolução, contratadas até 30 de junho de 2010; RESOLUÇÃO Nº 4.028, DE 18 DE NOVEMBRO DE 2011 Autoriza a composição de dívidas e a renegociação de operações de crédito rural, no âmbito do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf).

Leia mais

PRONAF Eco Dendê. Reunião - Câmara Técnica da Palma de Óleo. Belém-PA Maio/2012

PRONAF Eco Dendê. Reunião - Câmara Técnica da Palma de Óleo. Belém-PA Maio/2012 PRONAF Eco Dendê Reunião - Câmara Técnica da Palma de Óleo Belém-PA Maio/2012 Instrumentos legais de enquadramento da agricultura familiar 1) Lei nº 11.326/2006 Estabelece as diretrizes para a formulação

Leia mais

Inserção da Agricultura Familiar na Alimentação Escolar. Estratégia e Políticas Públicas de Apoio da SAF/MDA

Inserção da Agricultura Familiar na Alimentação Escolar. Estratégia e Políticas Públicas de Apoio da SAF/MDA Inserção da Agricultura Familiar na Alimentação Escolar Estratégia e Políticas Públicas de Apoio da SAF/MDA Objetivo da Apresentação Possibilitar a compreensão das políticas públicas relacionadas e/ou

Leia mais

Oportunidades no Financiamento do Setor Florestal. Oduval Lobato Neto Gerente Executivo de Gestão de Programas Governamentais

Oportunidades no Financiamento do Setor Florestal. Oduval Lobato Neto Gerente Executivo de Gestão de Programas Governamentais Oportunidades no Financiamento do Setor Florestal Oduval Lobato Neto Gerente Executivo de Gestão de Programas Governamentais Seminário: Políticas ambientais como fonte de novos negócios para Instituições

Leia mais

Assistência Técnica e Extensão Rural no Brasil: Um debate nacional sobre as realidades e novos rumos para o desenvolvimento do País

Assistência Técnica e Extensão Rural no Brasil: Um debate nacional sobre as realidades e novos rumos para o desenvolvimento do País Assistência Técnica e Extensão Rural no Brasil: Um debate nacional sobre as realidades e novos rumos para o desenvolvimento do País Cenário 66 ANOS DE EXTENSÃO RURAL A agricultura como via estratégica

Leia mais

Crédito do Pronaf em R$ bilhões

Crédito do Pronaf em R$ bilhões Crédito do Pronaf em R$ bilhões 23,9 (parcial até 30/06) Crédito na safra 2015/2016 - R$ 28,9 bilhões Recursos por fonte - safra 2015/2016 Fonte Projeção (em reais) % sobre o total Poupança rural Banco

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Agrário -MDA- Secretaria da Agricultura Familiar -SAF- Departamento de Assistência Técnica e Extensão Rural -DATER-

Ministério do Desenvolvimento Agrário -MDA- Secretaria da Agricultura Familiar -SAF- Departamento de Assistência Técnica e Extensão Rural -DATER- Ministério do Desenvolvimento Agrário -MDA- Departamento de Assistência Técnica e Extensão Rural Secretaria da Agricultura Familiar -SAF- -DATER- Lei 12.188 Assistência Técnica e Extensão Rural para a

Leia mais

36 AGRICULTURA FAMILIAR

36 AGRICULTURA FAMILIAR 36 2 a PARTE 2 a PARTE 2 a PARTE 2 a PARTE 2 a PARTE 2 a PARTE Neste capítulo, as políticas desenvolvidas para qualificar a produção da agricultura familiar. A expansão do crédito, a universalização da

Leia mais

Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA)

Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA) Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA) Relatório com as principais notícias divulgadas pela mídia

Leia mais

FRENTE PARLAMENTAR DA AGROPECUÁRIA Especial Lei. 11775 Renegociação das Dívidas Rurais

FRENTE PARLAMENTAR DA AGROPECUÁRIA Especial Lei. 11775 Renegociação das Dívidas Rurais LEI Nº 11.775, DE 17 DE SETEMBRO DE 2008. Institui medidas de estímulo à liquidação ou regularização de dívidas originárias de operações de crédito rural e de crédito fundiário; altera as Leis n os 11.322,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº. 3163. 1º Os agentes financeiros terão até 31 de maio de 2004 para formalização dos instrumentos de repactuação.

RESOLUÇÃO Nº. 3163. 1º Os agentes financeiros terão até 31 de maio de 2004 para formalização dos instrumentos de repactuação. RESOLUÇÃO Nº. 3163 Dispõe sobre renegociação de operações de crédito rural amparadas por recursos do Programa Especial de Crédito para a Reforma Agrária (Procera), do Programa Nacional de Fortalecimento

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE CRÉDITO FUNDIÁRIO PNCF

PROGRAMA NACIONAL DE CRÉDITO FUNDIÁRIO PNCF PROGRAMA NACIONAL DE CRÉDITO FUNDIÁRIO PNCF PROMOVENDO O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL E A SUCESSÃO NA AGRICULTURA FAMILIAR MELHORIAS NAS CONDIÇÕES DE FINANCIAMENTO Resolução CMN nº 4.177, de 07 de Janeiro

Leia mais

Segurança Alimentar e Nutricional na Amazônia

Segurança Alimentar e Nutricional na Amazônia Segurança Alimentar e Nutricional na Amazônia Contribuições ao debate na XI Plenária do Consea Agosto de 2013 Aprimoramento da estratégia de identificação e caracterização das famílias pertencentes a povos

Leia mais

Boletim Informativo - 18/09 - Edição: 17

Boletim Informativo - 18/09 - Edição: 17 Boletim Informativo - 18/09 - Edição: 17 Crédito para Implantação de uma suinocultura de Baixa Emissão decarbono Esta edição do boletim informativo da Suinocultura de Baixa Emissão de Carbono visa sanar

Leia mais

BANCO DA AMAZÔNIA. Seminário Programa ABC

BANCO DA AMAZÔNIA. Seminário Programa ABC BANCO DA AMAZÔNIA Seminário Programa ABC O BANCO DA AMAZÔNIA Missão Criar soluções para que a Amazônia atinja patamares inéditos de desenvolvimento sustentável a partir do empreendedorismo consciente.

Leia mais

PLANO SAFRA DA PESCA E AQUICULTURA 2015/2016

PLANO SAFRA DA PESCA E AQUICULTURA 2015/2016 PLANO SAFRA DA PESCA E AQUICULTURA 2015/2016 PLANO SAFRA DA PESCA E AQUICULTURA 2015/2016 Pilares do PSPA CRÉDITO PROMOÇÃO PROMOÇÃO DO DO CONSUMO PESQUEIRO PSPA INFRAESTRUTURA ASSISTÊNCIA TÉCNICA COMERCIALI

Leia mais

Programa de Aquisição de Alimentos (PAA)

Programa de Aquisição de Alimentos (PAA) FICHA DE PROGRAMA Programa de Aquisição de Alimentos (PAA) Áreas temáticas: Segurança alimentar e nutricional; inclusão produtiva rural. 1. SUMÁRIO EXECUTIVO ATUALIZADO EM: 16/06/2015 O Programa de Aquisição

Leia mais

DECRETO N 037/2014. O Prefeito Municipal de Santa Teresa Estado do Espírito Santo, no uso de suas atribuições legais,

DECRETO N 037/2014. O Prefeito Municipal de Santa Teresa Estado do Espírito Santo, no uso de suas atribuições legais, DECRETO N 037/2014 Regulamenta aplicação das Instruções Normativas SDE Nº 01/2014 a 02/2014, que dispõem sobre as Rotinas e Procedimentos do Sistema de Desenvolvimento Econômico a serem observados no âmbito

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO NÚCLEO DE ESTUDOS AGRÁRIOS E DESENVOLVIMENTO RURAL PCT FAO UTF/BRA/083/BRA

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO NÚCLEO DE ESTUDOS AGRÁRIOS E DESENVOLVIMENTO RURAL PCT FAO UTF/BRA/083/BRA TERMO DE REFERÊNCIA SERVIÇOS NÃO CONTINUADOS TR Nº MODALIDADE PROCESSO SELETIVO CONS NEAD 024/2013 Consultoria por produto FUNDAMENTO LEGAL Decreto nº 5.151/2004; Portaria MRE Nº 717/2006 e Portaria MDA

Leia mais

As Políticas Públicas e a Agricultura Familiar

As Políticas Públicas e a Agricultura Familiar As Políticas Públicas e a Agricultura Familiar Lei da Agricultura Familiar LEI Nº 11.326, DE 24 DE JULHO DE 2006. Art. 3 Para os efeitos desta Lei, considera-se agricultor familiar e empreendedor familiar

Leia mais

Serviço Florestal Brasileiro. Guia de Financiamento Florestal. Guia de. Financiamento Florestal. Brasília, maio de 2013

Serviço Florestal Brasileiro. Guia de Financiamento Florestal. Guia de. Financiamento Florestal. Brasília, maio de 2013 Guia de Financiamento Florestal 2013 Brasília, maio de 2013 1 Realização Apoio Presidenta da República Dilma Rousseff Vice-Presidente da República Michel Temer Ministra do Meio Ambiente Izabella Mônica

Leia mais

DERAL - Departamento de Economia Rural. Política Agrícola - Análise da Conjuntura Agropecuária

DERAL - Departamento de Economia Rural. Política Agrícola - Análise da Conjuntura Agropecuária Política Agrícola - Análise da Conjuntura Agropecuária Setembro de 2012 A política agrícola anunciada para a agricultura empresarial se caracterizou por assegurar o necessário apoio ao produtor rural.

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 11.775, DE 17 DE SETEMBRO DE 2008. Mensagem de veto Conversão da MPv nº 432, de 2008 Institui medidas de estímulo à liquidação

Leia mais

RESOLUCAO 3.856. IV - os recursos do Funcafé repassados às instituições financeiras devem ser remunerados:

RESOLUCAO 3.856. IV - os recursos do Funcafé repassados às instituições financeiras devem ser remunerados: RESOLUCAO 3.856 Dispõe sobre linhas de crédito destinadas aos financiamentos de custeio, colheita, estocagem de café e para Financiamento para Aquisição de Café (FAC), ao amparo de recursos do Fundo de

Leia mais

PROGRAMA DE AQUISIÇÃO DE ALIMENTOS. PAA Renda para quem produz e comida na mesa de quem precisa!

PROGRAMA DE AQUISIÇÃO DE ALIMENTOS. PAA Renda para quem produz e comida na mesa de quem precisa! PROGRAMA DE AQUISIÇÃO DE ALIMENTOS PAA Renda para quem produz e comida na mesa de quem precisa! O que se planta, se colhe. PROGRAMA DE AQUISIÇÃO DE ALIMENTOS PAA A agricultura sempre foi tema de sabedoria

Leia mais

Papel do cooperativismo de crédito no desenvolvimento local/regional. Lima, Peru maio de 2015

Papel do cooperativismo de crédito no desenvolvimento local/regional. Lima, Peru maio de 2015 Papel do cooperativismo de crédito no desenvolvimento local/regional Lima, Peru maio de 2015 Estrutura da apresentação 1. 2. 3. 4. Considerações iniciais; Cooperativismo de crédito no Brasil; Cooperativismo

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 2766. Art. 2º Os financiamentos ao amparo de recursos do PRONAF ficam sujeitos às seguintes taxas efetivas de juros:

RESOLUÇÃO Nº 2766. Art. 2º Os financiamentos ao amparo de recursos do PRONAF ficam sujeitos às seguintes taxas efetivas de juros: RESOLUÇÃO Nº 2766 Dispõe sobre alterações no Regulamento do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (PRONAF). O BANCO CENTRAL DO BRASIL, na forma do art. 9º da Lei nº 4.595, de 31 de

Leia mais

PROGRAMA DE AQUISIÇÃO DE ALIMENTOS PAA

PROGRAMA DE AQUISIÇÃO DE ALIMENTOS PAA PROGRAMA DE AQUISIÇÃO DE ALIMENTOS PAA Marco Legal Art 19. da Lei nº10.696/2003 Fica instituído o Programa de Aquisição de Alimentos com a finalidade de incentivar a agricultura familiar, compreendendo

Leia mais

Declaração de Aptidão ao Pronaf DAP

Declaração de Aptidão ao Pronaf DAP Declaração de Aptidão ao Pronaf DAP É o instrumento que identifica os agricultores familiares e/ou suas formas associativas organizadas em pessoas jurídicas, aptos a realizarem operações de crédito rural

Leia mais

Desenvolvimento e Oportunidades da Agricultura Familiar. Marco Antonio Viana Leite Diretor PAC e Mais Alimentos

Desenvolvimento e Oportunidades da Agricultura Familiar. Marco Antonio Viana Leite Diretor PAC e Mais Alimentos Desenvolvimento e Oportunidades da Agricultura Familiar Marco Antonio Viana Leite Diretor PAC e Mais Alimentos Agricultura Familiar no Mundo São 500 milhões de estabelecimentos da agricultura familiar

Leia mais

Ministério da Fazenda

Ministério da Fazenda MICROCRÉDITO E MICROFINANÇAS NO GOVERNO LULA Gilson Bittencourt GTI de Microcrédito e Microfinanças Objetivos da política de microcrédito e microfinanças Facilitar e ampliar o acesso ao crédito entre os

Leia mais

O CONGRESSO NACIONAL decreta:

O CONGRESSO NACIONAL decreta: Dispõe sobre a utilização de recursos das exigibilidades de aplicação em crédito rural oriundos da poupança rural e dos depósitos a vista para financiamentos destinados à liquidação de dívidas de produtores

Leia mais

Ações de apoio à Produção Agrícola Gilson Bittencourt

Ações de apoio à Produção Agrícola Gilson Bittencourt Ações de apoio à Produção Agrícola Gilson Bittencourt gilson.bittencourt@fazenda.gov.br 1 Ações de apoio à Produção Agrícola Safra 2008/2009 Lançamento do Plano de Safra da Agricultura Empresarial com

Leia mais

Programa Nacional de Alimentação Escolar

Programa Nacional de Alimentação Escolar Programa Nacional de Alimentação Escolar II Seminário Alimentação Escolar e Mercados Institucionais da Agricultura Familiar Jaboticabal/SP outubro 2015 MISSÃO DO PROGRAMA NACIONAL DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR

Leia mais

Propostas do Sistema Cooperativista para o Plano Safra da Agricultura Familiar 2015/2016

Propostas do Sistema Cooperativista para o Plano Safra da Agricultura Familiar 2015/2016 Propostas do Sistema Cooperativista para o Plano Safra da Agricultura Familiar 2015/2016 Introdução...4 O cooperativismo e a agricultura familiar... 5 Crédito Rural...8 Sugestões para aprimoramento das

Leia mais